Page 1

COLETÂNEA POEMAS e MELODIAS Originais E Imagens

Lousal Alentejo Vídeo 604 (poema de Joana Rodrigues

Livro – 43 Autor, músico e compositor - António Teixeira Realizadora – Maria Rosário Bastos Teixeira (Naturais de Cabeceiras de Basto, residentes na Póvoa de Varzim


DEDICATÓRIA DO AUTOR

António de Sousa Teixeira (Ex-músico da Banda Filarmónica Cabeceirense) Esta coletânea é dedicada, em especial, ao saudoso e Distintíssimo Cabeceirense, Maestro, Compositor e Professor,

António José Mendes.

Ainda a todos os que, têm contribuído para a cultura musical, bem como para a cultura em geral, dos jovens, menos jovens ou adultos, de qualquer região ou país, bem como a todos os que colaboraram ou venham a colaborar neste trabalho. (Janeiro de 2014)

Autor

Realizadora

António José Mendes Distintíssimo Maestro, Compositor e Professor, Cabeceirense

PARTITURAS DA MELODIA: Voz, [+ Acordeão (solo) + Bandolina + Banjo + Cavaquinho (solo)

+ Flauta + Gaita + Guitarras portuguesa e acústica (solo e acordes) + Harmónica + Oboé + Piano/teclado/melodia (e acordes) + Violino + (outros compatíveis)]

Sax Soprano [+ Clarinete + Sax Tenor + Trompete + (outros compatíveis) Sax Alto + (outros compatíveis)] Guitarra – Notação [+ (outros compatíveis)] As demais podem ser extraídas do Midi Original e do Sibélios convertido em Midi/Geral. Os ficheiros da composição e realização, tais como partituras da melodia em PDF, Mp3, Midi/original; Stylo/utilizado; Sibelius; Sibelius convertido em Midi/Geral; imagens; comentários e outros, vão no CD de dados ou cartão SD, em anexo neste livro. (Em regra terão uma partitura de escala compatível com instrumentos sem escala cromática (ex. concertina), e pode a mesma melodia ter partitura para mais de uma versão/andamento/estilo e tonalidade)


DEDICATÓRIA Esta coletânea é dedicada, em especial, ao saudoso e Distintíssimo Cabeceirense, Maestro, Compositor e Professor, António José Mendes. Ainda a todos, de qualquer região ou país que, têm contribuído para a cultura musical e cultura em geral e ainda aos que colaboraram ou venham a colaborar neste trabalho. === This collection is dedicated, in particular, to the late Distinguished Cabeceirense, Maestro, Composer and Professor, ANTÓNIO JOSÉ MENDES. Still to everyone, from any region or country that has contributed to the musical culture and culture in general, and to those who have collaborated or will collaborate in this work.

3


Biografia JOANA SILVA RAMOS RODRIGUES, Nascida a 05/02/1947, reformada há já alguns anos, decidi que a minha vida não ficaria parada. Sempre tive uma grande paixão pela escrita desde muito nova, mais como uma brincadeira, pois tinha o hábito de fazer versos às minhas colegas de trabalho, e sempre as rimas me saíam com facilidade. Desta forma, tinha muita obra manuscrita quando descobri as novas tecnologias. Comecei a interessar-me pelos blogs de poesia que eu adorava ler até que me inscrevi e fui publicando também, em vários blogs onde tenho sido bem acolhida. O primeiro blog foi no Solar de Poetas, onde tenho sido também administradora já há alguns anos. Depois criei uma página e um blog meus – Memórias de Joana poesia e Histórias da Joaninha. As primeiras obras publicadas foram por intermédio de antologias e coletâneas. A primeira em 2013 com os Poetas Poveiros, à qual se seguiram Mar á Tona - Heróis do Mar, Coletânea Conto de Poetas - Parte 1, Sinfonia do Mar, Souespoeta coletânea, Mar de Bruma Antologia Parte 1, coletânea Solar de Poetas I e Solar de Poetas 2, coletânea Poetas d´Hoje. Dos trabalhos em nome individual, contam-se dois livros de poesia: Memórias de Joana, Palavras de Saudade, e outros dois livros infantis: As Aventuras de Joaninha e Joaninha e os Amigos. Contam-se ainda entre as minhas participações um conto infantil numa coletânea de múltiplas histórias, alguns contos de Natal em coletâneas no Brasil, participei ainda na coletânea Sonhos de Natal e Contos de Natal.

4


ALENTEJO Localização da região (NUT II) do Alentejo.

Paisagem típica da região do Alentejo O NUT II do Alentejo é uma região do centro-sul de Portugal. Compreende integralmente os distritos de Portalegre, Évora e Beja, e a metade sul do distrito de Setúbal e parte do distrito de Santarém, sendo assim a maior região estatística de Portugal em termos de área. Limita a norte com a Região do Centro (Região das Beiras), a este com a Espanha, a sul com a Região do Algarve e a oeste com a Região de Lisboa e também com o Oceano Atlântico. Tem uma área de 31 551,2 km² (33% do continente) e 760 098 habitantes (censos 2011) (7,6% do Continente, 7,4% de Portugal). Compreende uma das NUTS II de Portugal. No nível de IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) que classifica a qualidade de vida dos cidadãos, a região do Alentejo apresenta uma taxa de 0,872 que é considerada como muito elevada e acima da média nacional. A nível de segurança e

5


criminalidade, o Alentejo é a região com a mais baixa taxa de criminalidade no país e ainda uma das regiões mais seguras de Portugal. Segundo dados estatísticos do INE, em 2014 a média salarial no NUT II do Alentejo estava nos 804,00€, fazendo desta a terceira melhor região a nível nacional no que diz respeito à média salarial dos trabalhadores. Note-se que esta divisão não coincide com a antiga região tradicional do Alentejo, que era constituída por duas das antigas províncias: o Alto e Baixo Alentejo e que era ligeiramente menor que a actual, incluindo apenas os distritos de Évora e Beja (na sua totalidade), praticamente todo o distrito de Portalegre (excepto o concelho de Ponte de Sôr, que fazia parte da antiga província do Ribatejo), e a metade sul do de Setúbal (os concelhos desse distrito que fazem parte da actual região do Alentejo Litoral (Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém e Sines). Deste modo, a sub-região (NUT III) da Lezíria do Tejo.

LOUSAL (Alentejo) O Lousal é uma aldeia mineira perto de Grândola . Em 1998, o primeiro Museu Mineiro em Portugal foi fundado por um projeto de Alfredo Tinoco. Mina de Lousal

Plano inclinado

6


A Mina do Lousal (ou Louzal no original) e a respectiva aldeia mineira correspondem a um antigo couto mineiro explorado desde o final do século XIX. Localiza-se na freguesia de Azinheira dos Barros e São Mamede do Sádão, concelho de Grândola, distrito de Setúbal, Portugal. A mina tinha ligação, desde 1915, ao designado Ramal do Sado, actual Linha do Sul. A mina de pirites fica situada no extremo noroeste da Faixa Piritosa Ibérica da designada Zona Sul Portuguesa, onde se situam igualmente as minas de Canal Caveira, Aljustrel, Neves Corvo e São Domingos e que se prolonga em Espanha para além das minas de Riotinto. Embora a região tenha sido povoada desde a Idade do Cobre, como atestam os monumentos megalíticos e o Castelo Velho do Lousal, é no final do século XIX que se inicia a moderna exploração da mina. Durante a década de 1940 a aquisição das "Mines et Industrie" e da "Minas da Caveira" por Antoine Velge, presidente da SAPEC de Setúbal, empresa de fabricação da adubos químicos, conduz ao incremento dos trabalhos mineiros. É durante os anos 1950, sob a direcção de Frédéric Velge e Günter Strauss que esta mina de pirite se vai tornar numa das mais modernas de Portugal. Com a crise da produção industrial de enxofre, devido à retirada gratuita do enxofre nas plataformas de petróleo, nos anos oitenta, as minas da faixa piritosa vão sucessivamente encerrando. Em 1988, foi encerrada a extracção no Lousal. Com o encerramento da mina a aldeia entra em decadência até que, no início dos anos noventa, a Câmara Municipal de Grândola e a Fundação Frédéric Velge iniciam um programa de revitalização do Lousal (RELOUSAL). O programa tem por base a criação de uma nova espacialização territorial assente no turismo cultural, com reforço da identidade mineira, destacando-se o Museu Mineiro do Lousal e o Centro Ciência Viva do Lousal. Centro Ciência Viva do Lousal

7


O Centro Ciência Viva do Lousal "Mina de Ciência" localiza-se na aldeia do Lousal, freguesia de Azinheira dos Barros e São Mamede do Sádão, concelho de Grândola, distrito de Setúbal, Portugal.

Vista exterior do Centro Ciência Viva do Lousal. Assente no paradigma da moderna museologia da ciência, como espaço interactivo de divulgação científica e tecnológica, o Centro Ciência Viva do Lousal-"Mina de Ciência" privilegia as áreas da Geologia, da Física, da Biologia, da Química e da Computação Gráfica, sendo parte integrante da Rede Nacional de Centros Ciência Viva.[3][4] O Centro - inaugurado oficialmente em 30 de Junho de 2010 resulta de uma parceria entre a Fundação Frédéric Velge (constituída pela Câmara Municipal de Grândola e pela empresa SAPEC), a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o ISCTE e a Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, estando sob a tutela da Associação Ciência Viva do Lousal. O edifício O Centro está localizado num edifício outrora associado à actividade mineira e onde funcionavam o Gabinete de Geologia, o Armazém do Óleo, a Casa do Ponto, a Casa das Lanternas, a Casa dos Equipamentos de Trabalho e o Balneário. Exposições e actividades regulares O edifício sofreu algumas adaptações para funcionar como espaço de divulgação da cultura científica e tecnológica, disponibilizando diversas valências: áreas expositivas (Lousal, sempre Lousal; Mina de Ciência), Cybercafé, Auditório (Fazer Fitas com a Ciência), Loja, espaços

8


recreativos (Mina p`ra gente pequena), Miradouro, jogos educativos (Quem Tem Olhos P´rós Minerais? e Ciência Viva On The Rocks), assim como módulos interactivos localizados nos espaços do Banho de Ciência e das Ciências do Virtual. São também realizadas saídas de campo, salientando-se a "Visita à Mina". Esta actividade consiste num percurso pedestre, de dificuldade intermédia, com a extensão de cerca de 0,7 km, ao longo de 2 horas, cujo objectivo é mostrar o enquadramento geológico da área do Lousal, incluindo a antiga exploração a céu aberto. (mediante marcação para grupos superiores a 15 pessoas) Desde a abertura em 2010, o Centro Ciência Viva do Lousal tem promovido, no âmbito da sua programação, diversas actividades complementares Por outro lado, o Centro Centro Ciência Viva do Lousal tem desenvolvido actividades referentes à área da Geologia, Biologia e Astronomia integradas no projecto Ciência Viva no Verão Fonte wikipédia/Google

9


10


11


12


13


14


15


16


MEU ALENTEJO QUE AMO Vídeo 604

Poema de Joana Rodrigues Música original António Teixeira/Cabeceiras de Basto/Coletânea

Instrumental

Instrumental

Meu Alentejo que amo Eu de ti me vim embora Serei sempre Alentejano Contigo estou agora

Sou das Minas sou das Minas Sou mineira do Lousal Faço parte dessas mineiras Que ouro são de Portugal

Meu Alentejo dourado Que amo de coração Não vejo monda nem arado Nem tuas noites de verão

Tem o centro da ciência E viva quem se lembrou, Do Alentejo és a Diva Donzela que adotou

Fui vivendo longe de ti Mas sempre em ti a pensar Vai esperando por mim, Que eu vou voltar

Fui vivendo longe de ti Mas sempre em ti a pensar Vai esperando por mim, Que eu vou voltar

Joana Rodrigues Junho 2018

17


MEU ALENTEJO QUE AMO Guitarra (Meu Alentejo que amo) C

q = 75

4 &4

Compositor António Teixeira Poema de Joana Rodrigues A‹

2

œ œœ

Ó

™ œ œ œ œJ œ

Meu A len F

8

&

œ ˙™

œœ˙

mo

eu de ti

A‹

13

&

G

œ ˙™

me vim

go es tou C

œ œœ œ œ™ œ ˙™ J &

19

G 24

&

œœ

co ra ção

mo de

œ™ œ ™ œ

œ

C

œ

a go

ra

meu A len

˙

œœ œ™ œ œ œ mon da nem

do lon ge de ti

D‹

&

˙

vai es pe ran

33

&

Ϫ

‰ Ó

do por mim

2

œ

˙

que

eu

te jo dou ra

do D‹

œ ˙

œ œ

do

D‹

nem tu G

C

œ œ œ œ œ J œ œJ œ mas sem pre'em ti a pen sar C

œ œ œ œ ˙™ vou

2 18

F

a ra

G

œ œ ˙™ œ œ œ œ

A‹

œœ˙

œ œ œ œ œ œ œ J œJ œ ˙ fui vi ven

pre A len te ja

F

F

as noi tes de verão

29

se rei sem

œ œ œ œJ œ œJ

œ™ œ œ œ œ œ œ J œ œ ˙™

œ ˙

não ve jo

œœœ

˙

ra

C

G

que a

D‹

em bo

œ œ™ œ œ œ œ œ ˙ con ti

no

que a

C

œœ œœ ˙

G

te jo

vol tar


2

Guitarra (Meu Alentejo que amo)

™ œ œ œ œJ œ

A‹

œ œœ

39

& Ó

sou das Mi

nas sou

&

te de ssas

49

&

tro da

e

cia

&

œ

a Di

va

˙ F

œ œ œJ œ œ œ J & do lon ge

&

œ do

65

&

Ϫ

œ

vi

˙

C

por mim

Lou sal

œ

˙

que

eu

œ œ œ

˙

do tou

A‹

fui vi

œ œ œ œ

˙

pen sar

pre'em ti a

vai es pe ran C

œ vou

2

Ó 19

ven

C

œ œ œ œ œ J J œ

œ

ta jo és

C

la que a

mas sem

tem o cen

do A len

lem brou

œ œ œ œ J œ J œ

ze

œ œœ

œœ œ œ œ™ œ

œ œ œœ ˙™

G

˙™

D‹

G

œ œ

de ti

ra do

são de por tu gal

va Quem se

D‹

D‹ 62

que'ou ro

œ œ don

58

œœ œœ ˙™

œ œ œœ œ œ œ J Jœ ˙

D‹

œ œ ˙

C

C

œ œ™ œ

F

54

sou mi nei

ras

mi nei F

ci ên

nas

œ ˙

™ œ œ œ œJ œ œ ˙ ™ A‹

œ œ ˙

A‹

œœ œœ ˙ œœœ œœ fa ço par

G

œ ˙™

das Mi

D‹

44

F

œ

œ

˙™

vol

tar


MEU ALENTEJO QUE AMO Saxofón contralto (Meu Alentejo que amo)

2

q = 75

### 4 & 4

Compositor António Teixeira Poema de Joana Rodrigues

2

### œ ˙ ™ &

me vim

no

con ti

go es tou

### œ œ œ™ œ ™ œ œ & mo de

as noi tes de verão

fui vi ven

### œ ™ ‰ Ó &

vai es pe ran

2

33

### œ ˙ ™ &

œ œ ˙

nas

sou mi nei

46

œ œ

que'ou ro

### œ ˙ ™ &

50

cia

mo

œ œ œ œJ œ œJ

œ™ œ œ œ ™ œ œ ˙ œ ˙ œ œ œ J se rei sem

ra

meu A len

œœ

pre A len

te ja

te jo dou ra

œœ˙

não ve jo mon da nem

œ œ ˙™ œ œ œ œ

41

que a

do

œ ˙

a ra

œ œ

do

nem tu

œ œ œ ˙ œ œ œ œ œ J œJ œ ˙ œ œ œ œ J œ œJ œ

24

29

˙

œ œ œ™ œ

co ra ção

te jo

œ œ œ

ra

a go

### œ œ ™ œ œ œ œ ˙™ & J

### ˙ &

œ

em bo

19

### ˙ &

Meu A len

œ œ™ œ œ œ œ œ ˙

13

que a

Ó

œ œ œ œ ˙

### œ œ ˙ &

9

eu de ti

œ™ œ œ œ ™ ˙ œ œœ œœ J

mas sem pre'em ti a pen sar

œ ˙

do por mim

2

que

eu

Ó

œ™ œ œ œ œ œ œ œ J vou

vol tar

sou das Mi

nas sou das Mi

œœ œœ ˙™

œœ œœ ˙ œœœ œœ

ra do

fa ço par

Lou sal

œ œ œJ œ œ J œ

são de por tu gal

œ œ™

œ

e

va Quem se

vi

œ œ œ œ ˙™

do lon ge de ti

˙

œ œ œ tem o

œ œ œ œ ˙™ 20

™ œ œ œ

te de ssas

lem brou

cen

œ

mi nei

ras

œ œ J

tro da

ci ên

œ œ

œ œ œ™

œ

do A len

ta jo és

V.S.


2

Saxofón contralto (Meu Alentejo que amo)

### œ œ ˙ &

œ

a Di

va

54

˙

### œ œ œJ œ œ œ J &

58

### œ &

62

### œ ™ & do

65

do lon ge

œ

˙™

de ti

por mim

œ œ œ œ œ J J œ

œ œ don

˙

ze

la que a

œ œ œ

mas sem

que

˙

eu

Ó

21

do tou

œ œ œ œ œ J J œ

pre'em ti a pen sar

œ

2

œ œ œ

˙

œ

vou

œ

fui vi ven

œ œ œ œ

˙ œ

˙™

vol

tar

vai es pe ran


Saxofón soprano (Meu Alentejo que amo)

MEU ALENTEJO QUE AMO 2

q = 75

## 4 & 4

Compositor António Teixeira Poema de Joana Rodrigues

2

œ™ œ œ œ ™ œ œ œ ˙ œ œ J

Ó

Meu A len

## &

9

œ œ œ œ ˙

œ œ ˙

eu de ti

## œ ˙ ™ &

13

## &

con ti

go es tou

24

œœ

mo de

œ™ œ ™ œ

œ

## œ ™ ‰ Ó &

pre A len

# & # œ ˙™ nas

## ˙ &

46

ra

meu A len

œœ

te jo dou ra

œœ˙

não ve jo mon da nem

fui vi ven

2

œ œ ˙

sou mi nei

que'ou ro

## œ & ˙™

50

cia

œ œ

do

nem tu

mas sem pre'em ti a pen sar

œ œ œ œ ˙™

œ ˙

do por mim

2

que

eu

Ó

vou

vol tar

œ™ œ œ œ œ œ œœ J

ra do

Lou sal

œ œ™ vi

œ

tu gal

fa ço par

˙

22

te de ssas

œ œ œ

tem o

œ œ œ œ ˙™

va Quem se

nas sou das Mi

œœ œœ ˙ œ œ œ œ œ

œœ œœ ˙™

são de por

e

do

œ ˙

a ra

do lon ge de ti

œ œ œJ œ œj œ

œ œ

te ja

œ™ œ œ œ ™ œ œ œ ˙ œ œ J

sou das Mi 41

mo

j œ œ œj œ œ œ œ œ œ ˙ œ œ œœ J ˙ œœ œ J œ

vai es pe ran

33

se rei sem

œ ˙

œ œ ˙™ œ œ œ œ

29

que a

œ œ œ œJ œ œJ

œ œ œ

˙

œ œ œ™ œ

co ra ção

as noi tes de verão

# &#˙

ra

a go

jœ œœ œ œ™ œ ˙™

que a

## &

em bo

œ œ™ œ œ œ œ œ ˙

no 19

me vim

œ

te jo

lem brou

cen

mi nei

™ œ œ œ

do A len

ras

œ œ J

tro da

œ œ œ™

œ

ci ên

œ

œ œ

ta jo és

V.S.


2

Saxofón soprano (Meu Alentejo que amo)

## œ œ ˙ &

œ

a Di

va

54

˙

## œ œ œj œ & œ œ J

58

do lon ge

# &#œ

62

do

## œ ™ &

65

œ

por mim

˙

œ œ

œ œ œj œ œ œ J

˙

don

˙

de ti

˙™

œ œ

œ œ œj œ œ œ J

ze

la que a

mas sem

œ

˙

que

eu

pre'em ti a

œ

2

Ó

23

do tou

pen sar

œ vou

œ

œ œ œ

fui vi ven

œ œ œ œ

vai es pe ran

œ

˙™

vol

tar


Compositor António Teixeira Poema de Joana Rodrigues

Voz (Meu Alentejo que amo)

MEU ALENTEJO QUE AMO C q = 75 2

4 &4

œ™ œ œ œ œ œ œJ œ

Ó

te jo que a

Meu A len F

8

G

& œ ˙™ mo

eu de ti D‹

12

& œ œ œJ œ œJ œ

me vim A‹

œ ˙™

pre A len te ja

16

& ˙

no

meu A len

F

te jo dou ra F

do

não ve jo mon da nem

& ˙

29

& ˙

œœœ

fui vi ven

œ ˙

a ra

do

F

j œ œ œœ J œœ

˙

do lon ge de ti

˙™ œ œ œ œ œ œ D‹

œ œ œ

se rei sem C

2

œ

a go

ra

G

C

jœ œœ ™ œ œ™ œ ˙

que a mo de co ra ção D‹ G C

™ œ™ œ œ œ œ œœ œ

nem tu D‹

œ œ

as noi tes de verão G C

j œ œ œœ J œ œ

mas sem pre'em ti a pen sar C

œ œ œ œ ˙™

œ ˙

2

& œ™ ‰ Ó

go es tou

G

vai es pe ran do por mim

33

ra

con ti

œœ˙

˙

œ œ™ œ œ œ œ œ ˙

A‹

& œ œ œ™ œ œ œ

œ

em bo G

œ™ œ œ œ ˙™ œ œ œ œ œ J

21

25

C

œ œ œ œ ˙

œ œ ˙

A‹

que eu

vou

Ó

vol tar

œ œœ

sou das Mi 40

& œ œ œ™ nas sou

A‹

œ œ J

das Mi

F

G

œ ˙™

œ œ ˙

nas

sou mi nei 24

C

œ œ œ œ ˙™

ra do

Lou sal

V.S.


2

Voz (Meu Alentejo que amo) 44

D‹

A‹

mi nei A‹

ras F

ci ên F

cia

& œœœ œœœœ œœ ˙ fa ço par

te de ssas

48

tro da

& œ œ œ™ œ œ œ œ œ ˙

53

do A len

57

& ˙

61

& ˙

65

& Ϫ

ta jo és

œœœ

fui vi ven

a Di

œ

va F

j œ œ œœ J œœ do lon ge de ti D‹

˙™ œ œ œ œ œ œ

que'ou ro

e vi

˙ ˙

25

va Quem se lem brou D‹ G C

œ œ

j œ œ œ œ œœ J

œ œ

j œ œ œœ J œ œ

don ze D‹

la que a do tou A‹ C

mas sem pre'em ti a pen sar G C

œ ˙

que eu

Ó

são de por tu gal D‹ C

œ œ™ œ œ œ œ œ ˙ ™

2

vai es pe ran do por mim

œ œ œ œ œ œ œj œ J

œ ˙

& ˙ œ œ œ œ œ œ™ œJ œ œ ˙™ tem o cen

C

œ œ œ œ ˙™ vou

vol tar


26


27


LOUSAL (Alentejo) livro 43 - Coletânea António Teixeira Cabeceiras de Basto  

LOUSAL (Alentejo) livro 43 - Coletânea António Teixeira Cabeceiras de Basto - poema de Joana Rodrigues

LOUSAL (Alentejo) livro 43 - Coletânea António Teixeira Cabeceiras de Basto  

LOUSAL (Alentejo) livro 43 - Coletânea António Teixeira Cabeceiras de Basto - poema de Joana Rodrigues

Advertisement