Issuu on Google+

ESPAร‡O JOVEM

Junho 2009 Nยบ 9

:::::::::::::::::::::::::::A MINHA REVISTA:::::::::::::::::::::::::::::::::::


FORMAÇÃO CÍVICA Maio/2009 Tema: “Uma Verdade Inconveniente” Explicação dada a crianças e jovens Este filme é um documentário que procura alertar as pessoas para o que está a acontecer no nosso planeta, focando principalmente o tema do Aquecimento Global. O filme mostra como parte do problema poderia ser evitado, se fizéssemos uma série de alterações nos nossos hábitos diários. Cabe a cada um de nós, lutar pelo nosso planeta e reflectir sobre os erros que cometemos. Todos devemos ter interesse em ver este filme, devido à importância da mensagem, e também porque somos nós, os vilões e as vitimas, do que está a acontecer ao nosso planeta. A ideia de fazer um filme que aborda o problema das alterações climáticas, criando o chamado “efeito de estufa”, e consequente aquecimento global, é na minha opinião muito proveitosa. Primeiro, porque o assunto é muito importante, logo, todos devemos ter interesse em saber o que se passa com o planeta onde vivemos. Acho que o filme está muito bem elaborado, uma vez que as explicações são dadas de uma forma bastante acessível, recorrendo a slides e gráficos, fundamentados em estudos científicos credíveis e confiáveis.


A Importância da Reciclagem A reciclagem é uma forma de recuperar materiais que se deixa de usar no dia-a-dia; é uma forma de dar valor aos resíduos. É um processo importante para o ambiente porque contribui para a redução do consumo de matérias-primas, água e energia. Além disto, reduz a poluição e a quantidade de resíduos a depositar no Aterro Sanitário. Um exemplo de como a reciclagem deve fazer parte da nossa vida é o caso do papel. Por cada tonelada de papel reciclada evita-se o abate de 20 árvores, economiza-se 71% de energia eléctrica, 90% de água e 74% de poluição de ar. Quando ao plástico, este possui um tempo médio de decomposição entre os 200 e os 500 anos, acrescentando ainda o facto de a maioria dos plásticos serem fabricados a partir do petróleo, que é altamente, tóxico e poluente. O vidro é também um material necessário à reciclagem pois, por cada tonelada de vidro reciclado poupa-se cerca de 1300kg de areia, diminui-se a poluição atmosférica e hídrica. No que respeita às pilhas e acumuladores, estes contém inúmeros materiais tóxicos e perigosos que podem provocar poluição nos solos e nas águas subterrâneas, podendo ainda causar no Homem doenças graves, como o cancro. Como tal, ao reciclar as pilhas estamos a recuperar compostos químicos, que podem voltar a ser utilizados no fabrico de novos materiais. Por fim, existem os metais que são obtidos a partir dos elementos presentes na terra que fazem parte dos recursos que não se renovam. O alumínio demora perto de 500 anos para se decompor, sendo assim necessário a sua reciclagem. Com isto, conclui-se que para manter um mundo melhor é necessário fazer a reciclagem em todos os momentos da nossa vida.


O convite foi lançado e muitos foram os que enveredaram numa “Viagem ao Mundo das Profissões” através do som, da cor, do movimento, da imagem… Nesta viagem percorreram-se diferentes espaços: o da televisão, o do desporto, o do cinema, o do vestuário, o da construção…e muitos outros que se foram descobrindo. Havia Bailarinos que dançavam ao som de ritmos envolventes, Músicos de Bandas muito originais, Actores e Cantores saídos dos cinemas, Desfiles com os mais diversos adereços, Exposições Artísticas, e muito mais… Viveram-se momentos inesquecíveis onde os alunos interpretaram diferentes profissões… todas elas importantes, todas elas essenciais à vida de cada um de nós.


Realizou-se nos dias 14 e 15 de Maio de 2009 a VI Conferência Internacional de TIC na Educação, na Universidade do Minho, contando com especialistas de Portugal, Brasil, Venezuela, Colômbia, Inglaterra e Canadá. Nesta conferência, o Agrupamento de Escolas do Castro apresentou ao Festival de Conteúdos Digitais o Curso de Inglês em Vídeo e, simultaneamente, 2 posters para divulgação do mesmo Curso de Inglês em Vídeo e dos projectos eTwinning. Durante a apresentação dos posters os alunos do 6º A, Raquel e Luís, marcaram a sua presença tendo tido a oportunidade de esclarecer todos aqueles que se lhes dirigiam para saberem como realizaram tais projectos. Foi assim proporcionada mais uma experiência na vida dos nossos alunos com o contacto com o ensino superior e professores de outros estabelecimentos de ensino. A próxima conferência realizar-se-á em 2011 e contamos marcar presença com mais trabalhos de integração das TIC na educação.


ALUNOS DA EB 2,3 de ALVARELHOS DEBATEM IDEIAS AUMENTO DA CRIMINALIDADE EVIOLÊNCIA Alguns alunos do 8ºano e um professor da EB 2,3 de Alvarelhos participaram, na tarde de 27 de Abril, no 5º Debate de Ideias Entre Palavras, organizado pelo Jornal de Notícias, no Fórum da Maia. Trata-se de uma actividade na qual a escola tem vindo a participar há já quatros anos. Desta vez estiveram nas finais distritais vinte e uma escolas do distrito do Porto, seleccionados através de dezenas de trabalhos escritos elaborados pelos alunos e enviados para a organização da actividade, onde se destacam os prós e os contras sobre um dos três temas propostos: “Aumento da Criminalidade e Insegurança”, “A crise Económica” e “O Casamento entre Homossexuais”. A nossa escola optou por trabalhar no tema “Aumento da Criminalidade e Insegurança” por o considerar pertinente, muito actual e abrangente para a sociedade portuguesa. A Ana Gabriela, a Ana Veiga, o Manuel Mota do 8C e a Sara Marisa do 8B tiveram a responsabilidade de debater o tema. Com a ajuda do professor Francisco Marto, organizaram as ideias e prepararam a apresentação, esta foi a parte mais fácil, isto porque o mais difícil era enfrentar o júri e os trezentos alunos e professores que assistiam ao debate - disse bem, era difícil, porque o brilhantismo das nossas e do nosso representante veio ao de cima e o trabalho foi apresentado de forma notável! Estão de Parabéns! Claro que tiveram a prestimosa ajuda da claque da escola, composta pelos alunos do 8C e organizada pelo professor Ricardo Matos. No final os participantes receberam uma medalha, um diploma de participação, vários livros e DVD’s. Ah, tal como é costume, também trouxeram para as bibliotecas do Agrupamento do Castro vários atlas escolares, livros de leitura, enciclopédias do conhecimento e DVD’s. Vale a pena trabalhar e participar, só assim o nosso trabalho é visto, valorizado e reconhecido por todos e o nome da nossa escola ganha cada vez mais importância!


Alsácia Um pedaço da Alemanha dentro da França. É assim que podemos traduzir o que se vê e o que se sente na Alsácia, vinho e a cerveja e até o sotaque dos alsacianos, dão a impressão de que são alemães falando em francês. A região apresenta uma magnífica mistura de culturas francesa e germânica. Além do francês e do alemão conhecido pelos "mais antigos", também se fala um dialecto, o alsaciano. A Alsácia é a menor região da França, reunindo-se ao resto do país no reinado de Luís XIV, em 1648. Por fazer fronteira com a Alemanha, separadas pelo rio Reno, entre 1870 e 1945 o território mudou de nacionalidade quatro vezes. A partir de 1949 a sua capital, Estrasburgo, passou a ser o símbolo de reconciliação da Europa. O Conselho da Europa foi então criado e une todas as grandes democracias do Velho Continente, agrupando quarenta países que se reúnem no Parlamento Europeu em Estrasburgo. Além de ser o símbolo de reconciliação da Europa, a Alsácia também tem seus próprios símbolos, como o Fois Gras, o famoso fígado de ganso. Dizem que o inventor do mundialmente famoso patê foi Jean-Pierre Clause, governador militar da Alsácia. A Alsácia produz também a maior variedade de aguardentes e de licores de fruta do que qualquer outra parte da França e, provavelmente, no mundo. Toda a fruta do pomar e toda fruta silvestre das montanhas é destilada. A aguardente da Alsácia é incolor, seca e com o perfume intenso da fruta. São fabricadas em pequenas destilarias e por alguns dos grandes produtores de vinho. Pêra, pêssego, framboesa, amora silvestre, marmelo, morango, ameixa, fruto do sabugueiro, groselha preta e mirtilo são alguns dos sabores acrescentados à bebida.


Strasbourg,

cidade de arte e de história, capital europeia, possui uma incrível riqueza arquitectural que lhe valeu a ser classificada património mundial da UNESCO. Cidade de Congressos, cidade estudante, cidade histórica, cidade europeia, Estrasburgo é uma cidade onde contrastam a modernidade arquitectónica do Parlamento Europeu com as imagens de uma França medieval, histórica.

A capital da Alsácia é considerada um centro histórico das duas grandes civilizações que constituíram a Europa: os latinos e os germânicos. A riqueza de sua arquitectura e o romantismo de seus canais, juntamente com sua sumptuosa catedral e o charmoso bairro “Petite France”, conferem-lhe o seu grande interesse. Estrasburgo foi anexada ao Império Alemão em 1871, após a Guerra franco-prussiana. Este período marcou o apogeu da dominação política e territorial de Estrasburgo. Strasbourg beneficiou da intenção alemã de transformar a cidade na vitrina da cultura alemã que visava mostrar ao mundo a superioridade da cultura germânica. Nessa época Estrasburgo ergueu entre os edifícios públicos o Palácio do Imperador, actualmente Palácio do Reno, o parlamento da Alsácia-Lorena e o Palácio Universitário. A cidade voltou à França após a Primeira Guerra Mundial em 1919, pelo Tratado de Versalhes. Tornou-se novamente parte da Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial, de 1940 a 1945, para voltar à França no final da guerra.


Mulhouse, significa moinhos porque as primeiras construções locais foram moinhos à beira dos dois rios que banham a cidade. Por isso o símbolo da cidade é uma roda de moinho. Mulhouse foi república germânica independente até sua anexação à França, em 1798. O desenvolvimento de Mulhouse deu-se pela expansão da indústria têxtil, depois pelas indústrias químicas e indústrias mecânicas a partir do meio do século XVIII. O seu centro histórico é pequeno se comparado ao resto da cidade. Ela é constituída pela cidade baixa e pela cidade alta. A cidade baixa foi o bairro dos mercadores e artesãos e a cidade alta desenvolveu-se a partir do século XVIII. Lá se estabeleceram Franciscanos, Agostinos e Cavaleiros de Malta. Entre os diferentes estilos arquitectónicos está o estilo renascentista como o edifício da Câmara Municipal. Suas pinturas e alegorias representam os vícios e as pinturas da sala do Conselho representam os brasões dos cantões suíços.

Colmar, banhada pelo rio Lauche está aproximadamente a 20km a leste do Reno, próxima à fronteira alemã. Tomada pelos suecos em 1632, durante a Guerra dos Trinta Anos, esteve sob o seu controle durante dois anos. Depois de passar para o império alemão, transformou-se na capital do distrito da Alta Alsácia, no território imperial da Alsácia-Lorena. Colmar foi a última cidade francesa a ser liberada da ocupação alemã, em 1945, após uma longa resistência das forças alemãs. Denominada a Pequena Veneza do leste, conhecida pelos seus canais mas também pelas flores, a ave símbolo de sua cidade, a cegonha, e por ser uma das principais cidades da Rota dos Vinhos formada por tantas cidades medievais. A cidade possui um grande número de antigas construções típicas da arquitectura alsaciana e da Renascença alemã, bem como várias igrejas de estilo gótico.


Audi A5 Cabrio

BMW Z4

Honda Accord Diesel

Lotus Evora

Mercedes Classe S Facelift

Renault Scenic

Seat Exeo Vario

Skoda Fabia Break Scout

Lexus IS 250

VW Golf Bluemotion


Quase perfeito Enquanto o Inspector Martins se dirigia para o local do crime não conseguia deixar de pensar nas horas de sono perdidas em vinte anos de serviço. Mais uma vez iria ser posta à prova a sua capacidade de deslindar o mistério. Estava uma manhã de Outono bastante fria. O carro movimentava-se por entre o espesso nevoeiro, as luzes acesas, lentamente a caminho do nº21 da Rua de Santo Estêvão, na parte rica da cidade. Ainda bem que não se tratava de um homicídio. Com tanta gente famosa a viver ali, caso não deslindasse o crime, seria mais uma parangona a aparecer na primeira página dos jornais. Quando se aproximou do local nem queria acreditar nos seus olhos. Eram 7 horas da manhã, tinha sido chamado há apenas 30 minutos, e já ali se encontrava uma multidão, cercada pelo cordão policial, repórteres de rádio e televisão. A casa estava completamente cercada. A custo encaminhou-se para a entrada. Teve que mostrar a identificação de detective pelos menos umas dez vezes até chegar à entrada do local do crime. Subiu lentamente o lanço de três degraus, analisou cuidadosamente a porta de entrada e reparou que não tinha sido forçada. Lá dentro uma pequena multidão movimentava-se freneticamente. Uns à procura de indícios do crime, outros a fotografar disparando os flashes para todos os lados, outros a interrogar quem se encontrava dentro de casa. Um bombeiro inspeccionava os cortinados ligeiramente queimados junto a uma alta janela, com um dos vidros partidos. O Inspector Martins dirigiu-se ao chefe de polícia para saber o que se passara. Afinal tratava-se apenas do roubo de jóias. Na altura do crime apenas se encontravam em casa a empregada, que dera o alarme, a dona da casa e o cão da família. O Inspector Martins levou a empregada para um local mais sossegado e ficou a saber que, por volta das 6.45, ouviu um barulho na sala, ao que lhe pareceu seria um prato a cair ou um candeeiro. Dirigiu-se o mais rápido possível à sala e enquanto se aproximava sentiu um cheiro a queimado e chegou a ver um vulto dentro da sala. Apavorada começou a gritar e saiu a correr para o jardim gritando por socorro. Alguém acordou com tal estranha agitação e telefonou à polícia. O vulto certamente teria saído com as jóias antes da polícia ter chegado. O Inspector Martins regressou à sala do crime. Olhou cuidadosamente à sua volta, mandou toda gente parar as suas tarefas, examinou os cortinados queimados, o vidro partido, embora não tivesse encontrado vidros do lado de dentro da sala, pensou em todas as pessoas que ali se encontravam, e mandou chamar o chefe da polícia para prender o criminoso que ainda ali se encontrava. Como soube o Inspector Martins quem roubou as jóias?


Junho é o sexto mês do calendário gregoriano e tem 30 dias. O seu nome é derivado da deusa romana Juno, mulher do deus Júpiter. Em 21 de Junho ou próximo a esse dia, o Sol atinge o ponto mais a norte na sua trajectória pelo céu; é o solstício de junho, começo do verão no Hemisfério Norte e do Inverno no Hemisfério Sul.

Quem sou eu?


Da esquerda para a direita: Karl Marx, Honoré de Balzac, Salvador Dalí, Fátima Lopes, Jorge Gabriel Solução do mistério «O cálice de ouro» A comparação das três fotografias deu ao Inspector Martins a pista que necessitava para prender as duas empregadas, culpadas pelo roubo. Era notório que nunca se encontraram ao mesmo tempo na sala, sendo que uma apagou o foco de luz que iluminava o cálice de modo a que deixasse de brilhar e seguidamente o roubaram sem que ninguém se apercebesse. Solução do Problema do Mês de Maio

13

2

3

16

Um quadrado mágico é um quadrado com números que adicionados em linha, em coluna ou em diagonal dão sempre o mesmo resultado.

8

11

10

5

12

7

6

9

1

14

15

4

Ficha técnica

Responsável editorial: Prof. António Monteiro

Endereço de correio electrónico para envio de artigos: ejalvarelhos@gmail.com Junho 2009


Junho 2009