Issuu on Google+

Edição 05| Junho 2011

À troca de 50 melindres

Escola Secundária de Arouca

EntreLinhas e Nós "Memorial do Convento": a promessa de um rei, o esforço de um povo

Nesta edição: Freguesia de Cabreiros 2 Análise aos Inquéritos 3 do “EntreLinhas e Nós” Almoço Literário na Cantina da ESA

6

Formação “Suporte Básico de Vida

6

Dia Mundial da Criança 7 Declaração dos Direitos da Criança

7

Espetáculo dos STOMP 8 Bancos em Ação

8

As Nossas Bandeiras

9

A dor aguça o instinto de sobrevivência

9

Memorial do Convento 10 Cyberbullying

11

Horóscopo Chinês

12

Sabedoria Perene

13

Berner Oberland

14

EFA CTI

16

As obras avançam...

Memorial do Convento é uma obra que remete para o reinado de D. João V no século XVIII, narrando três histórias contemporâneas que se articulam numa só: a promessa do rei associada à edificação do Convento de Mafra (ação principal), o amor de Baltazar e Blimunda e a construção da passarola (projeto sonhado pelo padre Bartolomeu Lourenço). O rei D. João mostrava-se preocupado com a falta de descendentes e, consequentemente, com a inexistência de sucessor para o trono.

“Memorial do Convento” de José Saramago Edição russa: Editora Ecapasmo, Moscovo, 2008

(Continua na página 10)

Editorial Neste mês temos uma estreia absoluta que alegra a equipa redatorial: um artigo de uma aluna da ESA, a Joana Calçada (12ºA). Um pequeno ensaio sobre o Memorial do Convento, de José Saramago, adaptado de um trabalho escolar submetido à professora Ana Celeste. Consideramos justo dar-lhe destaque na primeira página, para incentivar outros alunos a ousar.

realizadas na escola, das quais salientamos um almoço literário na cantina, a formação de “suporte básico de vida”, Bancos em Ação e as Nossas Bandeiras. Como tema de reflexão propomos o Cyberbullying e sugerimos uma visita a Berner Oberland. Publicamos, ainda, os resultados dos inquéritos efetuados à comunidade escolar sobre o EntreLinhas e Nós.

A edição de Junho do EntreLiContinuamos a almejar os vossos tranhas e Nós dá destaque à freguesia de balhos para publicação. Cabreiros e a uma série de atividades esa.boletim@gmail.com


EntreLinhas e Nós

Freguesia de Cabreiros

Uma casa típica em Cando

Cabreiros é uma freguesia do município de Arouca que possui uma área de 18,5Km2, situada, como a de Albergaria da Serra, em pleno maciço de Fuste; tem hoje 4 lugares: Cabreiros, Tebilhão, Rio de Frades e Cando. No censo de 1527, só são referidos os lugares de Cabreiros com 11 fogos e o de Tebilhão com 9. Esta freguesia em 1767 tinha 65 fogos e em 1950 subiu para 165 fogos, com 918 habitantes, sendo este aumento motivado pela grande procura, durante a I e a II Guerra Mundial, de volframite e cassiterite, em que era rica. Em 1991 a freguesia tinha 253 habitantes, e no censo de 2001 possuía apenas 186 o que

Página 2

Detalhe de Cando

se traduziu numa diminuição de 27%, e apresentava uma densidade populacional de 9,6 hab./ Km2. Atualmente a principal atividade económica da população, muito envelhecida e com elevada taxa de analfabetismo (26%), é a agricultura. O principal atrativo da freguesia reside nas minas de Volfrâmio de Rio de Frades. Aquando da Primeira Guerra Mundial,

Vestígios das minas de volfrâmio em Rio de Frades

iniciou-se em Arouca a corrida a este minério, utilizado no fabrico de armas e munições. Durante a II Guerra Mundial, entre 1939 e 1945, operaram na exploração de volfrâmio em Rio de Frades a Companhia Mineira do Norte de Portugal, de capital maioritariamente estrangeiro. Na época de exploração do minério, os empregos eram muito raros, quase na sua maioria agrícolas, o que proporcionou uma grande oferta de postos de trabalho, atraindo assim milhares de pessoas a esta região.

Passeando pela freguesia Quem visitar a freguesia pode também apreciar as quatro aldeias que a compõem: Cabreiros, Rio de Frades, Cando e Tebilhão. A nível de património edificado, destaca-se a Igreja Matriz, assim como as duas capelas de Santa Bárbara e a capela de Nossa Senhora dos Milagres. A c o n s e lh a n d o- s e, ainda, uma visita à aldeia tradicional, ao lugar do Cando, aos moinhos de água e à serra da Cabreira. Não deixar de provar a gastronomia típica, como o cabrito assado, vitela assada, broa de milho e a denominada sopa seca. Pormenor fluvial de Rio de Frades


Edição 05| Junho 2011

Análise aos inquéritos do “EntreLinhas e Nós” No sentido de conhecer as preferências do público-alvo, a e q u i p a d e r e da ç ã o d o “Entrelinhas e Nós” aplicou um inquérito à comunidade escolar, cujos resultados, vão ser apresentados neste boletim.

1) Idade dos inquiridos 2% 8% 12%

12-15 anos

22%

16-18 20-29

16%

A amostra foi constituída por 50 indivíduos, distribuídos por alunos, professores e funcionários. Explanemos os resultados do inquérito:

30-39 28% 12%

40-49 50-59 60 e mais

1) Da análise dos dados conclui-se que 50% dos inquiridos possuem entre 12 e 18 anos e que a classe de 60 ou mais anos é a menos representativa.

2) Habilitações literárias 2% 10% 50%

7º -9ºano 10-12º ano

38%

Licenciatura Mestrado

2) Quanto às habilitações literárias, metade dos inquiridos possuem entre o 7º e o 9º ano e apenas 12% possuem uma formação superior.

3) Sexo dos inquiridos 8% 44%

3) A maior parte dos inquiridos pertence ao sexo feminino.

Masculino 48%

Feminino Não responde

Página 3


EntreLinhas e Nós

4) Já leu o Entrelinhas 2%

4) A maior parte dos inquiridos (64%) nunca tinha lido o “Entrelinhas e Nós” até à data do inquérito.

34% Sim Não

64%

Não responde

5) Quantas vezes leu o Entrelinhas

41%

1 53%

2 Mais de 2

6%

5) Dos 34% dos inquiridos q u e j á ti n ham li d o o “EntreLinhas e Nós”, mais de metade (53%) só o tinham feito uma vez e 41% tinham-no feito mais de duas vezes.

6) Interesse em Ler o Entrelinhas

8%

6%

6) A maioria dos entrevistados (86%) manifestou interesse em ler o “Entrelinhas”.

Sim Não 86%

Página 4

Não responde


Edição 05| Junho 2011

7) Intenção de participar no Entrelinhas

7) Dos inquiridos, apenas 26% se mostrou disponível para participar nesta publicação.

4%

26% Sim Não

8) Quanto ao suporte preferido pelos possíveis leitores, a maioria (52%) indicou os suportes em papel e Online em simultâneo.

70%

Não responde

8) Tipo de Suporte preferido 10%

14% Online 24% Papel Ambos

52%

Não responde

R e la t i v a m e n t e à s temáticas preferidas pelos inquiridos, a publicar, destacam -se os textos escritos ou trabalhos elaborados pelos alunos (30%), as anedotas (24%) e passatempos (20%). Quanto às rúbricas consideradas menos interessantes, salientam-se os apanhados (14%), os textos escritos ou trabalhos elaborados pelos alunos (12%) e análise e reflexão do Regulamento Interno da ESA (12%).

9) A esmagadora maioria dos inqu ir i dos co nsi der a o “EntreLinhas e Nós” muito importante ser publicado (78%). Em oposição uma ínfima minoria considera que não tem nenhuma importância (4%). Uma pequena franja dos inquiridos atribui pouca importância à publicação (12%).

9) Importância da publicação do Entrelinhas 4% 6% 12% Muita Pouca 78%

Nenhuma Não responde

Página 5


EntreLinhas e Nós

Almoço Literário na Cantina da ESA— ESA—Dia da Língua Portuguesa Mendes, do 12ºD, que obteve a pontuação máxima e assim recebeu, das mãos das alunas do grupo “Letras à mesa”, um prémio bem a propósito: um livro do Astérix O Adivinho. Personagens do teatro vicentino

Para avaliar esta atividade, No dia da Língua Portugue- as alunas organizadoras colocasa, 5 de Maio, um grupo de alu- ram no site da nossa escola um nos do 9ºA dinamizou, na canti- inquérito, ao qual responderam na da escola, um Almo51 pessoas. Depois de ço Literário, no âmbito “visita de algumas analisados os resultapersonagens da disciplina de Área de dos, conclui-se que são vicentinas [o Anjo, Projeto. Para além de o Diabo, o Frade, positivos e que a turma uma ementa literária, a Alcoviteira e um teve um bom desempede um individual alusivo dos quatro nho, embora haja aspeà ocasião e da visita de Cavaleiros]” tos a melhorar, futuraalgumas personagens mente. Passamos à vicentinas [o Anjo, o Diabo, o divulgação dos dados resultanFrade, a Alcoviteira e um dos tes das respostas obtidas. À quatro Cavaleiros], ainda houve pergunta “Acha que esta ativiuma salada de provérbios e um dade contribui para a animação cocktail de adivinhas. Participa- da cantina?”, 47 inquiridos ram no concurso “Adivinha e acham que sim; à pergunta Ganha” 51 alunos. A vencedora “Acha importante este tipo de do concurso foi a aluna Vera

atividade para promover o gosto pele língua e literatura portuguesa?”, 49 inquiridos responderam sim. Relativamente ao empenho dos alunos [“Acha que o grupo (9ºA) se empenhou na dinamização desta atividade?”], 42 inquiridos consideram-no bom. Considerada a atividade na sua globalidade, 49 dos 51 respondentes avaliaram esta atividade de forma positiva. A turma do 9ºA agradece a participação da comunidade educativa nesta atividade, porque só assim faz sentido o trabalho realizado. Prof.ª Olga Soares

As “cozinheiras” da salada de provérbios

Formação “Suporte Básico de Vida” (SBV) No dia 26 de Maio, dois membros dos Bombeiros Voluntários de Arouca estiveram na nossa escola e promoveram uma ação de formação de “Suporte Básico de Vida” às alunas do 11.º I, do Curso Profissional de Animador Sociocultural. Esta iniciativa teve como objetivo dar a conhecer os passos da Página 6

cadeia de sobrevivência, de forma adequada e em tempo oportuno, aquando do reconhecimento de uma situação de emergência. A formação em SBV procurou sensibilizar as alunas para a sua responsabilidade cívica. Este tipo de ações deve ser facultado a todos os cidadãos e incorporado nos conceitos essenciais de cidadania e

solidariedade social. Prof.ª Goreti Sá


Edição 05| Junho 2011

Dia Mundial da Criança – 1 de Junho Um simples poema … Ser Criança… Olhar o mundo Com olhos de cristal, A alma pura, O coração aberto E o sonho ali tão perto… Olhar o céu E querer o Sol, a Lua, Galopar nas nuvens Até além, onde o azul desagua, Falar com as estrelas E querer conhecê- las, Bordar o céu com fantasia, Brincar na lonjura da praia, Cheirar a maresia. Ser criança é… Caminhar chutando As pedras de calçada,

Saltar os muros, Fugir à desfilada, Chapinhar na água, Sujar sapatilhas e calções, Ouvir “sermões” E ficar sem mágoa. Ser criança é… Sorrir, cantar, assobiar, Pensar as brincadeiras, Às vezes, fazer asneiras, Correr até à exaustão, Escorregar, cair no chão, Levantar e continuar.

Ser criança é… Olhar o mundo com esperança, Querer ser bailarina, bombeiro, Aviador, polícia, marinheiro, Sem qualquer hesitação, Com alegria e confiança. É sonhar, Fazer castelos no ar E acreditar que amanhã O Sol voltará a brilhar E o mundo será seu… in Floresta de Leituras (blog)

Ser criança é… Estudar, Mas também brincar, Aprender a crescer, a viver, a pensar, Mas também ensinar.

Declaração dos Direitos da Criança

O primeiro Dia Mundial da Criança foi em 1950. Após a 2ª Guerra Mundial, em 1945, os países da Europa, Oriente Médio e China, entraram em crise. As

populações destes países viviam muito mal, em especial as crianças. Os adultos estavam preocupados em retornar a sua vida quotidiana normal, relegando a educação a último plano. Muitos ficaram órfãos, e muitos que tinham ainda seus pais vivos tiveram de ir trabalhar pesado para contribuir para o sustento da família. Foi quando em 1946, a ONU começou a tentar mudar esta situação, deu-se então o surgimento da UNICEF que é conhe-

cida mundialmente pelo que faz pelas crianças em todo o mundo! Apesar de todos os esforços na altura, ainda era difícil fazer com que o mundo olhasse para os direitos das crianças, então em 1950 a Federação Democrática Internacional das Mulheres, propôs a ONU que fosse criado um dia dedicado as crianças em todo o mundo. Este dia foi comemorado pela primeira vez a 1 de Junho de 1950. Página 7


EntreLinhas e Nós

O Espetáculo dos STOMP Alguns alunos do Curso Profissional de Animador Sociocultural, no passado dia 28 de Maio, assistiram ao espetáculo dos STOMP, no Coliseu do Porto, constituindo uma excelente oportunidade de articulação entre as disciplinas das componentes sociocultural e técnica. Os STOMP são um grupo de teatro britânico formados por vários elementos que atuam através da percussão de vários

elementos distintos e do sapateado, criando uma sonoridade rítmica única. O consumo de bens culturais constituirá uma mais-valia extraordinária para o desenvolvimento sociocultural dos alunos, através da participação em atividades de animação de carácter cultural, educativo, social, lúdico e recreativo, sendo fundamental nesta área de estudo.

Prof.ª Goreti Sá

Imagem de uma atuação dos Stomp

Bancos em Ação (BA) - Capítulo II Os alunos do Curso Profissional Técnico de Banca e Seguros participaram, com empenho e entusiasmo, no programa “Bancos em Acão”, sob a organização da Associação Junior Achievement, promovido pela professora de Direito Bancário e de Seguros e a colaboração do Voluntário, o Sr. José Machado, Coordenador Com ercial da Sucursal de Arouca, do Millennium BCP, banco parceiro da Associação.

diárias de fecho e à manutenção das máquinas de Self Banking, interagir com os colaboradores e tomar conhecimento das responsabilidades associadas a cada função. Esta experiência proporcionou aos alunos a aquisição de conhecimentos sobre a cultura financeira, ética de trabalho, carreiras existentes e, sobretudo, a partilha de vivências do dia-a-dia próprias do contexto real de trabalho do sector bancário.

A última sessão do programa coincidiu com a realização de uma visita de estudo à Sucursal de Arouca do Millennium BCP, promovida pelo Sr. José Machado e pelos seus colaboradores. Nesta visita os alunos tiveram a oportunidade de assistir às atividades

A professora aproveita para agradecer a preciosa colaboração do Sr. José Machado e da Eng.ª Andreia Limão, promotora do programa BA.

Página 8

assuntos tratados se enquadravam perfeitamente no nosso curso.” • “As escolas deveriam apostar

mais neste “pequeno” curso sobre os bancos.” • “Ficamos a entender o que

envolve a atividade bancária, a partir da experiência.” Prof.ª Goreti Sá

Alguns testemunhos dos alunos: • “O projeto foi muito interes-

sante para nós, visto que os Uma sessão prática do programa BA


Edição 05| Junho 2011

As Nossas Bandeiras Este projeto foi concebido pela assistente Comenius na Escola Secundária de Santa Comba Dão, Joanna Just. Os assistentes Comenius e os alunos de várias escolas de Portugal prepararam a bandeira do país do assistente. A bandeira foi feita de resíduos ou material reciclado, e enviada para Santa Comba Dão, onde foi exibida com todas as outras bandeiras

Europeias. Joanna irá envia-las para outras escolas de outros assistentes Comenius e assim “As Nossas Bandeiras” vão viajar pelo país inteiro e em breve chegarão também à ESA. Na preparação da bandeira Eslovaca colaboraram os alunos da turma do 7º A e o Tiago da turma 8º D, a professora Rosa Maria Tavares Almeida e a assis-

tente Comenius Ivana Ertlová. Ivana Ertlová

A bandeira da Eslováquia

A dor aguça o instinto de sobrevivência A dor e o prazer não são imagens gémeas ou simétricas uma da outra, pelo menos não o são em termos de suas funções no apoio à sobrevivência. De certa forma, e a maior parte das vezes, é a informação associada à dor que nos desvia do perigo iminente, tanto no momento presente como no futuro antecipado, É difícil imaginar que os indivíduos e as sociedades que se regem pela busca do prazer, tanto ou ainda mais que pela fuga à dor, consigam sobreviver. Alguns dos desenvolvimentos sociais contemporâneos em culturas cada vez mais hedonistas conferem

plausibilidade a essa ideia, e o trabalho que meus colegas e eu atualmente realizamos sobre a base neuronal das várias emoções reforça ainda mais essa plausibilidade. Há mais variações de emoção negativa que de emoção positiva, e é claro que o cérebro trata de forma diferente essas duas variedades. Talvez Tolstoi tenha tido uma intuição semelhante quando escreveu no início de Ana Karenina : "Todas as famílias felizes são parecidas umas com as outras, cada família infeliz é infeliz à sua maneira”.

Então, onde está esse teu artigo para publicação?

António Damásio, eminente neurocientista e excelente comunicador de ciência

António Damásio, in O Erro de Descartes

esa.boletim@gmail.com Página 9


EntreLinhas e Nós

"Memorial do Convento": a promessa de um rei, o esforço de um povo rer de um auto-de-fé. Baltasar é um rapaz maneta que regressou da guerra. Blimunda é dotada de um poder especial, possui a capacidade de ver os outros por dentro. Os dois uniram-se numa relação de amor incondicional, ternura e magia. Fazem Ilustração do Convento de Mafra do início do parte do povo e vivem um quoséculo XX tidiano repleto de dificuldades (continuação da página 1...) e miséria. Baltasar, preocupado D.ª Maria Ana, sua esposa, não em sustentar-se a si e à sua engravidava, já que possuía amada, começa a trabalhar na uma idade avançada. Depois de construção do convento. Neste muitas tentativas falhadas, D. fragmento da obra, emerge o João V optou por “pactuar” lado negro do reinado de D. com Deus: um filho em troca de João V, com a descrição do um convento de franciscanos, ambiente de exploração, opresassim, D. João V pro“Em Memorial do são e miséria sofrido meteu erguer um Convento, o povo pelos trabalhadores. convento caso conserecebe todo Baltasar e Bliguisse ter um filho. O enaltecimento que m unda participam rei não falhou à promerece pela sua também na construmessa e, assim que humildade, coragem, ção da passarola em nasceu a criança, força e honestidade” conjunto com o padre embora sendo uma Bartolomeu Lourenço, formando menina, logo iniciaram as obras assim um triângulo que protege para a construção do convento este segredo das mãos da Inquie o local eleito foi Mafra. sição. Esta passarola seria a Durante a edificação do empreendimento, surge paralelamente a ação que engloba o amor de Baltasar e Blimunda. Ambos se conheceram no decor-

concretização do sonho de de Bartolomeu Lourenço. cluído este projeto, os colaboradores subiram ao com o intuito de partir

Envia-nos o teu artigo para publicação Página 10

voar Contrês céu, para

longe da Inquisição. No entanto, Baltasar acaba por morrer quando capturado, assim como Bartolomeu Lourenço. Blimunda sobrevive e, com o seu poder aliado aos seus conhecimentos sobre o funcionamento da passarola (alimentada pelas vontades dos homens), mantém, para sempre, Baltasar junto de si. Memorial do Convento é, portanto, um misto de magia e realidade. De todas as porções da história que o compõem, gostaria de enfatizar todas aquelas que fazem referência ao povo e que o olham indiretamente como um herói, colocando-o num pedestal em relação ao poder régio e religioso. Em Memorial do Convento, o povo recebe todo enaltecimento que merece pela sua humildade, coragem, força e honestidade. Esta obra de José Saramago transporta-nos para um passado que se presentifica e nos incita à tomada de consciência sobre as situações perturbantes da atualidade e a partir da qual recolhemos um ensinamento para o futuro. Joana Calçada - 12ºA

esa.boletim@gmail.com


Edição 05| Junho 2011

Cyberbullying A expressão cyberbullying envolve crianças e adolescencarece de tradução formal em tes, com todas as sensibilidades português. É uma palavra com- e percursos de desenvolvimento posta, sendo o cyber relativo ao cruciais próprios destas idades, uso das novas tecnologias de carece de especial atenção por comunicação (correio parte de todos os pais e eletrónico, telemóveis, “Um cyberbully educadores. Em bora etc.) e o bullying relati- pode tornar-se, sejam, na sua maioria, vo ao fenómeno dos no momento eventos ultrapassáveis, seguinte, maus tratos por parte algumas vítimas de bullde um rufião (bully) ou também ele ying chegam a tentar o uma vítima.” suicídio, provando que grupo de rufiões. não devemos encarar O cyberbullying consiste no tal situação de ânimo leve. ato de, intencionalmente, uma criança ou adolescente, fazendo uso das novas tecnologias da informação, denegrir, ameaçar, humilhar ou executar outro qualquer ato mal-intencionado dirigido a outra criança ou adolescente. Um cyberbully pode tornar-se, no momento seguinte, também ele uma vítima. É frequente os jovens envolvidos neste fenómeno mudarem de papel, sendo os maltratantes numa altura e as vítimas noutra. Envolvendo três vetores ( o biully, a vítima e as novas tecnologias da informação e comunicação), o cyberbullying é um fenómeno em rápido crescimento, em particular no mundo da Internet. Por ser um fenómeno que

Quando a vitim ização envolve adultos, passa a ter a designação de cyberharrassment (assédio cibernético) ou cyberstalkin g ( perseguição cibernética), tendo, contudo, as mesmas características. Assim, se receberes mensagens ofensivas no teu perfil, no telemóvel ou quando estás a jogar, segue estes conselhos: • Não respondas a mensagens

que têm como objetivo ofender-te ou aborrecer-te. Lembra-te que ao responderes

podes estar a encorajar o agressor. • Guarda a mensagem; Embora

não seja agradável, esta pode servir de prova caso o assunto assuma proporções tais que seja necessária a intervenção de entidades especializadas. • Reporta os problemas a pes-

soas que te ajudem a resolvêlos, como por exemplo, aos administradores dos sítios web onde viste os conteúdos. Qualquer situação ilegal deve ser denunciada às autoridades. • Bloqueia

o remetente. Não tens de aturar ninguém a chatear-te - bloqueia remetentes indesejados! • Relata a situação com

alguém da tua confiança. Falar com os pais, amigos ou professores é normalmente o primeiro passo para lidar com qualquer problema. • Respeita-te a ti próprio e aos

outros - estar online é bastante público e bastante real, apesar de não parecer. Conhece os teus direitos (www.internetsegura.pt)! Sê criativo! Sê tu próprio! Controla a situação! in www.segura.net.pt keepcontrol.eu Página 11


EntreLinhas e Nós

Horóscopo Chinês (continuação da edição anterior…) O Dragão Os de Dragão são autênticas «bolas de fogo»! São pessoas cheias de vitalidade e amor pela vida. Sempre em correrias, arrastam a sua fiel legião de admiradores atrás de si. Os Dragões são egoístas, excêntricos, exigentes mas têm por vezes traços de generosidade.

16 Fev. 1904 a 03 Fev. 1905

03 Fev. 1916 a 22 Jan. 1917

23 Jan. 1928 a 09 Fev. 1929

08 Fev. 1940 a 26 Jan. 1941

27 Jan. 1952 a 13 Fev. 1953

13 Fev. 1964 a 01 Fev. 1965

31 Jan. 1976 a 17 Fev. 1977

17 Fev. 1988 a 05 Fev. 1989

Anos do Dragão

100 patacas de Macau comemorativas do Ano do Dragão (1988))

A Serpente As Serpentes são românticas e esbeltas. São grandes pensadoras, misteriosas, graciosas e sempre eloquentes. Adoram um bom livro e apreciam todas as artes. Inclinamse para o que de melhor a vida oferece. As Serpentes confiam nelas próprias mais do que em qualquer outra pessoa e raramente se enganam. Mas por trás de uma aparência altamente sofisticada, as serpentes são

Quer terminar o 4.º, 6.º, 9.º ou 12.º Ano de Escolaridade? Página 12

muito supersticiosas. Anos da Serpente •

04 Fev. 1905 a 24 Jan. 1906

23 Jan. 1917 a 10 Fev. 1918

10 Fev. 1929 a 29 Jan. 1930

27 Jan. 1941 a 14 Fev. 1942

14 Fev. 1953 a 02 Fev. 1954

02 Fev. 1965 a 20 Jan. 1966

18 Fev. 1977 a 06 Fev. 1978

06 Fev. 1989 a 26 Jan. 1990

100 patacas de Macau comemorativas do Ano da Serpente (1989)

Aposte em si… Apoiado por nós!


Edição 05| Junho 2011

Sabedoria Perene Uma das grandes fontes de sofrimento é a nossa falta de solidariedade, num mundo em que não recolhemos o homem caído à beira da estrada. O sofrimento aumenta extraordinariamente quando aceitamos um mundo individualista, em que não se é solidário com o próximo, em que o outro é visto como um concorrente ou um perigo. Por um lado não queremos sofrer, mas por outro lado queremos ter o direito a separar-nos, e não ligar nenhuma aos outros, a fazer o que nos apetece. Queremos um mundo individualista, pragmático, plastificado, em que não tenham os responsabilidade nenhuma por ninguém, em que cada um possa fazer tudo o que quiser, desde que eu não sofra!

Há pessoas que parecem estar dentro de castelos aos tiros para fora, e acertam nas outras pessoas! E, mais, espantam-se de que estas não ficam suas amigas. Algumas queriam chegar à amizade. Ficam, sim com muito respeitinho, mas não chega sequer à admiração. Dentro do castelo cresce a dor, o lamento e a solidão! Pensam: "Como é que ninguém me bate à porta quando aqui a mesa está posta?" E subindo à muralha dão mais uns tiros. As relações humanas acontecem quando alguém, como pobre, se deixa tocar, sem esconder a sua fraqueza em muros de papel.

Disse alguém que é uma grande tentação pretender enfrentar os desafios do futuro com as respostas do passado, por muito boas que elas tenham sido. E até é verdade que deixaram experiências para muitas situações, tantas vezes repetitivas, mas os desafios novos que o futuro nos coloca precisam de uma atitude humilde e criativa que pondere e se deixe conduzir para descobrir e responder ao que agora é pedido! Curiosamente, isto é que é fidelidade, ir ao encontro dos novos desafios com confiança. Se antes foram vencidos, agora também hão-de ser. Vasco Pinto Magalhães, in Onde há crise, há esperança

Página 13


EntreLinhas e Nós

Berner Oberland - Uma Suíça entre lagos veis não podem passar e ninguém pode construir nada que proíba ou dificulte o acesso às margens dos rios e dos belos lagos.

Uma majestosa panorâmica de Interlaken

Berner Oberland é um cantão suíço, na região de Berna, fértil em vales verdejantes, montanhas escarpadas e água nas vertentes. Dela faz parte Interlaken, a cidade entre os lagos Thun e Brienz, moderna e perfeitamente apetrechada para receber turistas em todas as estações. O respeito pela natureza aqui está acima de todo e qualquer interesse lúdico e económico: nos sítios onde as águias nidificam não voam parapentes, nos locais onde acasalam os faisões de montanha os automó-

Nesta zona as estradas dos Os bens mais preciosos de antigos romanos que atravesBerner Oberland são as suas sam os desfiladeiros de montamontanhas majestosas e gela- nhas foram restau rad as, das, a quietude dos lagos, as enquanto túneis ferroviários pastagens imersas no silêncio e modernos passaram a ligar, em poucas horas, as na solidão dos planal“não se deve correr povoações desta zona tos , as igrejas mileatrás do às cidades europeias nares ao redor do lago de Thun, bem como os desenvolvimento de mais próximas. A cidaum mundo de de Interlaken castelos e as rochas frenético e em encontra- se num a que testem unham contínuas posição geográfica tempos já idos. transformações, única. A experiência e a mas sim transformá É banhada pelo sabedoria das sucessi- -lo e adaptá-lo às lago Thun e pelo lago vas gerações que viveexigências Brienz e tem atrás de ram nestas paisagens próprias, ao incontaminadas deixa- ambiente local e à si a imponente cadeia on de ram aos atuais habi- natureza de cada m ontanhosa sobressai o cume de tantes um grande um” Jungfrau, que atinge ensinamento: não se deve correr atrás do desenvolvi- os 4.158 metros. No inverno, a mento de um mundo frenético e zona de ski de Jungfrau exibe a em contínuas transformações, sua extraordinária beleza a partir de três dos cumes mais No mapa Interlaken no centro dos lagos Thun e famosos da Europa: Eiger, Brienz; um típico passeio de bicicleta à volta do lago e uma paisagem da região

Página 14

mas sim transformá-lo e adaptá -lo às exigências próprias, ao ambiente local e à natureza de cada um…


Edição 05| Junho 2011

lo tem, também, à sua disposição longos caminhos para galopar com toda a tranquilidade. Os regatos são, por outro lado, uma ocasião de ouro para os apaixonados de canoagem e do river rafting.

Pormenor do centro de Interlaken

Monch e Jungfrau. Na primavera e no verão os lagos oferecem a ocasião de visitar as esplêndidas aldeias de toda a zona, de praticar natação, vela e windsurf. Interlaken é o verdadeiro paraíso dos desportos e nos últimos anos e tornou-se, ainda, um ponto de encontro para os apaixonados do parapente e da asa delta. Outros 60 km de passeios correm ao longo de regatos, rochas, prados e bosques… muitos outros são dedicados às pistas de bicicletas de montanha. Quem quiser andar a cava-

Dentro das atividades tradicionais há, ainda, um campo de golfe e 12 de ténis o que, conjuntamente, faz de Interlaken, uma cidade da qual ninguém se aborrece.

Em Brienz fabricam-se órgãos, harpas, trompas alpinas e violões. Em Lauterbrunnental perpetua-se uma outra arte de precisão: a renda de bilros, em Thoune a olaria e em Uetendorf a vidraria.

Nesta cidade os turistas podem, ainda, desfrutar dos serviços prestados pelos restaurantes, lojas, pousadas e pelo casino Kursaal, que é o centro das atividades de entretenimento noturno com belos concertos e espetáculos teatrais. Na região de Berner Oberland os comboios servem muito eficazmente toda a região. Quanto ao artesanato local destacam-se as esculturas de madeira manufaturadas pelos artesãos e as peças de música, cujas peças mais perfeitas se tornam lendárias.

Em cima, pormenor de Interlaken no Inverno; o conhecido relógio do jardim do Casino. Em baixo, as condições fantásticas para a prática de parapente. A vista da montanha sobre a cidade e a sua linha de comboios de montanha.

Pág ina 15


EntreLinhas e Nós

Conduzimos novos rumos educativos Escola Secundária c/ 3º ciclo de Arouca, Avenida dos Descobrimentos, nº3 4540-104 Arouca Tel: 256 940 040 Fax: 256 940 049 Sitío Web: www.esec-arouca.pt Email: esa.direccao@gmail.com

Ficha Técni ca | Diretor: Direção da ESA | Coordenadora: Fátima Espanha | Equipa Redação: Ângelo Conde, Encarnação Silva, Fátima Espanha, Florbela Gomes | Grafismo: Ângelo Conde | Tiragem:

1. Qual é coisa qual é ela que é o que é feita para andar e não anda? 2. Qual é coisa qual é ela que dá muitas voltas e não sai do lugar? 3. Qual é coisa qual é ela que sobe quando a chuva desce? Anedotas Atropelamento de Alta Velocidade Um caracol ia atravessar a estrada e foi atropelado por uma tartaruga. Quando acordou nas urgências do hospital, perguntaram-lhe o que lhe tinha acontecido: — Como querem que eu saiba?! Foi tudo tão depressa...!

50 exemplares | Impressão: CNO da ESA 1. A r ua; 2.O relógio; 3. O guarda-chuva.

Boletim escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Adivinhas

Curso EFA CTI — Técnico de Informática - Gestão e Instalação de Redes

Elementos da turma no Teatro

O Curso EFA de Técnico de Informática – Instalação e Gestão de Redes, confere aos formandos uma dupla certificação, pois estes obtêm o diploma de conclusão do ensino secundário, assim como o de Técnico de Informática.

visitas de estudo a Viseu, ao Instituto Politécnico e visita ao centro da cidade; a Lisboa, ao Museu da Eletricidade e ao Mosteiro dos Jerónimos, não esquecendo os jantares-convívio de S. Martinho, de Natal e de Páscoa, que foram sempre muito animados.

Uma aula prática de cabos de rede

Este curso, que se iniciou em Outubro de 2010, conta neste momento com 11 formandos, do sexo feminino e masculino, com idades com preendidas entre os 20 e os 54 anos. Ao longo do ano, os formandos têm participado em diversas atividades nomeadamente nas

atividades realizadas pelos cursos EFA e breves entrevistas a alguns formandos e formadores onde estes emitem as suas opiniões de como é um curso EFA na nossa escola. A apresentação do vídeo terá lugar no mês de Julho. Resta-me acrescentar que tem sido muito gratificante a experiência como mediadora deste curso de Educação e Formação de Adultos. É um grupo de formandos e formadores muito simpático, com quem dá gosto trabalhar! Prof.ª Alexandra Abrantes

A Atividade Integradora deste curso intitula-se “EFA na ESA” e contará, neste primeiro ano, com a apresentação de um vídeo/documentário produzido, realizado e editado pelos próprios formandos. Neste vídeo pode ver-se um pouco das várias Página 16

A turma no Cinema

*


ESANewsBook junho