Page 43

PEREIRA, M. P.

de soja provoca, tanto direta como indiretamente, a

carbono. Entre agosto de 2005 e agosto de 2006, o

derrubada das matas (FBOMS, 2004/2005).

desflorestamento na Amazônia foi responsável por

Este estudo contrapõe-se a outro realiza-

mais de 60% do total de nossas emissões. Alguns

do pelo Instituto de Pesquisa Econômica Avançada

cientistas acreditam que os gases, com efeito, estufa

(IPEA), em 2004, que afirma que a soja não ameaça

liberados na produção dos biocombustíveis podem

a floresta amazônica (IPEA, 2007). De acordo a pes-

anular os benefícios trazidos pelos mesmos.

quisa do IPEA, há uma espécie de simbiose entre o

CONCLUSÃO

setor sojicultor e o pecuarista, de modo que o último arrenda as terras para o primeiro em troca de sacas

De todo o exposto, pode-se concluir que é pos-

de grãos e o retorno das propriedades com melhora

sível alcançar o desenvolvimento sustentável através da

na qualidade do solo. O principal argumento utilizado

produção de bioenergia, mas para isto não basta que a

neste estudo é o de que não haveria tempo hábil para

matéria-prima utilizada seja natural. A sustentabilidade

converter floresta primária em área de cultivo (IPEA,

envolve vários aspectos. O processo de produção deve

2007). Esse estudo afirma ainda que o cultivo do grão

ser economicamente viável, além de ser social e am-

avançou principalmente sobre pastagens degradadas

bientalmente sustentável.

e não sobre áreas virgens e defende o asfaltamento

A produção de biocombustível baseada no des-

da BR 163 para escoar a produção de grãos das regi-

matamento de matas e florestas, uso intensivo da agri-

ões norte e centro-oeste. Para os técnicos do IPEA, a

cultura de extensão, uso excessivo de fertilizantes e de

soja na região da floresta amazônica aumenta o custo

sementes geneticamente modificadas, contraria a idéia

da terra e afasta da região os agricultores, madeirei-

de desenvolvimento limpo e pode resultar em elevados

ros e pecuaristas que, sem recursos tecnológicos e

custos sociais e ecológicos. A superação de tais carac-

infra-estrutura, são os verdadeiros responsáveis pela

terísticas e a busca de maior eficiência e qualidade sob

derrubada da mata (IPEA, 2007).

padrões não socialmente excludentes tornam-se, então,

No entanto, segundo os técnicos do ISA, ao

elementos cruciais. Nesta direção podem atuar os pro-

concluir que as plantações de soja avançam sobre

gramas de reforma agrária e de fortalecimento da agri-

áreas de pastagem degradadas e não sobre floresta

cultura familiar e das comunidades indígenas, a regulari-

o estudo do IPEA não leva em conta a situação exis-

zação das relações de trabalho no campo e a previdência

tente no norte do estado do Mato Grosso, onde, de

social rural, a revisão do pacote tecnológico, as alterna-

acordo com dados do governo federal, é o local em

tivas de agroindustrialização de pequena e média escala,

que o desmatamento atingiu índices recordes nos úl-

o aprimoramento do pequeno varejo, etc.

timos anos. O IPEA tampouco utiliza dados do Insti-

Faz-se necessário uma agricultura que seja pro-

tuto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), uma das

dutiva sem destruir as bases naturais da produção, que

maiores referências no monitoramento por imagens

seja geradora de mais e melhores empregos e promo-

de satélite, a respeito do ritmo e rumo dos desmata-

vam a apropriação mais justa e equilibrada do território

mentos no Brasil (IPEA, 2007).

(PÁDUA, 2002).

O levantamento coordenado pelo ISA demons-

Para implementar este paradigma, a agricultura

tra que, de fato, a soja ocupa áreas antes utilizadas

familiar vem sendo valorizada e reconhecida por muitos

como pasto. Mas, ao fazê-lo, empurra o gado para

especialistas como um espaço privilegiado. Este concei-

novas fronteiras, ampliando as áreas desmatadas. Ou

to foi inserido na Lei 11.097, que tem como um de seus

seja, a expansão da área cultivada com soja provoca o

objetivos a geração de renda e a fixação do homem no

desmatamento de áreas de floresta amazônica e cer-

campo. Mas, além da lei, são necessárias políticas sociais,

rado, tanto direta como indiretamente.

econômicas e fiscais que estimulem o desenvolvimento

Nos últimos quatro anos, o Brasil emitiu, a partir do desmatamento, 996 milhões de toneladas de

desta agricultura familiar de base agroecológica. Por outro lado, é importante também recoRevista da ANPG, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 35 - 45, segundo sem. 2009

Revista ANPG.indd 43

43

21/10/2009 11:26:06

Revista da ANPG  
Revista da ANPG  

Vol1 da Revista Científica da ANPG

Advertisement