Issuu on Google+

Outras edições

Se eu morrer (Revenants # 3) por Amy Plum


DEDICATร“RIA Para Lucia. Forรงa. Joy. Amor.


EPÍGRAFE

Doce meu amor que eu amava para tentar, Doce meu amor que eu amo e suspiro para, Você uma vez me ama e suspirar por mim, Você meu amor a quem amo e morrer? - "Mariana", de Christina Rossetti, 1881


Eu não vou perder outra pessoa que eu amo. Eu não vou deixar a história se repetir. Vincent esperou vidas para me encontrar, mas em um instante nosso futuro juntos foi quebrado. Ele foi traído por alguém que tanto chamou de amigo, e eu o perdi. Agora o nosso inimigo está determinado a governar sobre os imortais da França, e disposto a travar uma guerra para conseguir o que querem. Isso não deve ser possível, nada disso deveria ser, mas esta é a minha realidade. Eu sei que Vincent está em algum lugar lá fora, eu sei que ele não está completamente desaparecido, e eu vou fazer de tudo para salvá-lo. Depois do que nós já lutamos para conseguir, uma vida sem Vincent é inimaginável. Certa vez, ele jurou evitar a morte apesar de ir contra a sua natureza e abandonar sacrificando-se para os outros, para que pudéssemos estar juntos. Como eu não posso arriscar tudo para trazer o meu amor de volta para mim?


UM Na calada da noite, sentei-me numa ponte, abrangendo o Sena, assistindo um buquê de lírios brancos esmagado flutuar em direção a Torre Eiffel iluminada. Eu estava tensa para escutar as palavras que eu pensei que eu só tinha ouvido falar. As palavras de um rapaz morto — do fantasma do meu namorado. Eu podia jurar que ele falou com um segundo atrás. Que era impossível. Mas lá estavam eles novamente — suas palavras mais uma vez aparecendo em minha mente, as duas sílabas cortando-me tão agudamente como um chicote “Mon ange”. Meu coração martelando. "Vincent? Isso é você mesmo? " Eu perguntei com a voz trêmula. “Kate, está me ouvindo? "Vincent, és volantee. Violette não destruiu você!" Eu pulei para meus pés e girei ao redor, procurando ansiosamente um vislumbre dele, embora eu sabia que não haveria nada para ver. Fiquei sozinha no Pont des Arts. A superfície da água crespa se modificou debaixo de mim, como as costas de uma serpente grande, escura, as luzes cintilantes sobre as margens do rio refletidas em sua lisura contorcendo. Eu tremia e puxei meu casaco mais apertado em torno de mim "Oh meu Deus, Vincent, eu tinha certeza de que ela tinha feito isso." Limpei uma lágrima do meu rosto antes que viessem outras em seguida. Apenas momentos antes, eu tinha dado fim a esperança de ter notícias dele novamente. Eu tinha dado como certa que ele se foi para sempre, seu corpo queimado pelo seu inimigo. Mas aqui ele era. Eu não entendi. Eu engasguei voltam as lágrimas. “Kate. Respire”, Vincent insistiu. Eu expirava lentamente. "Não posso acreditar que está aqui, falando comigo. Onde você está? Onde ela levou seu corpo?" “Estou dormente no Castelo de Violette no vale do Loire. Eu só me tornei consciente há alguns minutos. Assim que eu descobri que ela estava fazendo, eu vim para você”.


As palavras de Vincent pareciam sombrias. Minhas mãos tremiam quando eu peguei meu telefone do meu bolso. "Diga-me exatamente onde você está. Eu estou chamando Ambrose — ele vai reunir um grupo e nós estaremos lá." “É tarde demais para um resgate, Kate. Violette tem esperado para eu acordar, e agora que estou volante, ela vai queimar meu corpo. Quando saí, alguns de seus capangas foram alimentando um fogo enquanto ela se apresentou em algum tipo de ritual antigo, que ela disse que ligaria meu espírito com ela uma vez que estou reduzido a cinzas. Só tenho alguns minutos, e eu quero gastá-los com você”. "Nunca é tarde demais," Eu insisti. "Nós poderia tentar parar tudo o que é que faz Violette. Tenho certeza de que seus parentes poderiam vir acima com algum tipo de distração. Temos que tentar." “Por que Vincent desistiria tão facilmente? Kate. Pare”, ele se declarou. “Por favor, não desperdice o pouco tempo que tenho tentando chamar Ambrose, quando não há nenhuma maneira que você possa me encontrar em tempo. Não, acredite em mim. Sem esperança”. A força de sua voz fez-me hesitar, mas eu olhava para meu telefone com um nó formado em minha garganta. Se eu não podia fazer nada, significava que tudo estava perdido. Meu choque inicial foi sendo ultrapassado por um choque gelado de realidade: O rapaz que eu amava estava a minutos de ser queimado em uma pira. "Não!" Eu chorei, dispondo o horror para ir embora. Vincent ficou em silêncio, permitindo a verdade penetrar. Eu estava perdendo meu amor — para sempre. Se o corpo de Vincent fosse destruído, eu nunca mais poderia tocá-lo novamente. Nunca mais sentiria sua boca contra a minha. Nunca mais o seguraria em meus braços. Mas ele não será completamente desaparecido. Ou será? Eu tinha a certeza. Minha voz saiu em um coaxar estrangulado. "Pelo menos você é volante, certo? Se Violette tivesse te queimado antes que despertasse sua mente, você teria ido para sempre — corpo e espírito". “Eu gostaria que ela tivesse”. As palavras de Vincent estavam amargas. “Ela disse que precisava do meu espírito presente para realizar a transferência de poder”. Alguns segundos passaram antes que eu ouvisse a sua voz de novo. “Acho que prefiro ser inexistente que ajuda Violette tornar-se poderosa o suficiente para destruir minha família”. Eu não concordo. Vincent ainda existia, mesmo que seu corpo não. O rapaz que eu amava desesperadamente não tinha desaparecido completamente. É uma


coisa, pensei, sentindo uma réstia de esperança. E então me lembrei, eu nunca o veria. Ou sentiria a pele dele contra a minha, quando tocamos as mãos. Lábios. Nunca mais. E a esperança desapareceu. A fúria lutou desesperada dentro de mim. "Porque tinha que ser você?" Eu perguntei. "Por que você é o único com o poder que ela está pronta para matar?" “Se não fosse eu, seria outra pessoa”. "Eu queria fosse outra pessoa," disse egoisticamente. "Quero viver". Mas eu sabia que Vincent não concordaria. Sua existência foi sobre sacrificar-se pelos outros. Ele daria a própria vida num instante para salvar um de seus parentes. Eu olhei para fora da água ondulante e imaginei Vincent materializando diante de mim. O preto macio de seu cabelo. O flash safira dos olhos escuros. Seu porte alto e sólido. O fantasma de Vincent pendurado suspenso sobre as ondas por um momento, Tremeluzindo transparente à luz da lua, antes de dissolver em minha mente. “Não quero vê-la queimar meu corpo”. Havia medo em sua voz. Vincent tinha experimentado muitas mortes violentas, mas esse final foi inesperado. Eu queria pegar na sua mão. Eu queria tocá-lo. Confortá-lo. Mas tudo que eu tinha eram as palavras. "Então não volte. Fique aqui comigo até o fim." Eu tentei soar corajosa, mas eu estava tremendo. "Eu te amo". Falei as palavras, exortando-me para não chorar silenciosamente. A última coisa que Vincent precisava agora era me ver chorar por ele. “Você é minha vida, Kate. Eu tenho lutado com meu destino para ficar com você e depois de toda essa luta, encontro-me impotente; não consigo parar de Violette”. Eu não respondi. Porque se eu fizesse, eu iria gritar. Meu coração, estava sendo arrancado do meu peito quando Vincent estava sendo separado de mim por toda a eternidade. O menino que eu tinha dado tanto amor — que eu tinha ido contra meu senso de auto-preservação para estar com ele — estava sendo tirado de mim por uma adolescente megalomaníaca, e não havia nada que qualquer um poderia fazer sobre isso. Não consegui agüentar: eu comecei a chorar de novo. Mas não de tristeza. Minhas lágrimas eram lágrimas de fúria impotente. “Passe uma mensagem para Jean-Baptiste e os outros para mim?” "É claro", eu ofeguei, tentando falar em torno da pedra de ódio alojada na minha garganta.


“Lembrá-los que desde que eu não ofereço voluntariamente a Violette, ela não receberá meu poder. É a única réstia de esperança que eu posso ver. Peço desculpas a JB para mim”. Para a minha descrença, ele continuou. “Quem me dera que eu calculasse o que tudo isto significava enquanto eu ainda tinha uma chance”. "Sim. Eu vou dizer-lhes." Minha respiração fez pequenos sopros de nuvem no ar frígido. Esfreguei minhas mãos vigorosamente em meus braços. Saltando para fora da extremidade da ponte, caminhei rapidamente, na direção de La Maison, sabendo que o espírito de Vincent iria acompanhar-me. Mesmo que tenha sido tarde demais para salvá-lo, tinha de dizer aos outros o que estava acontecendo. “Kate, quero que saiba que eu acordei a primeira vez que te vi. Eu tinha conseguido me recompor para realizar a tarefa monumental de colocar um pé na frente do outro”, mais uma declaração de amor do rapaz que estava prestes a perder foi demais para mim. Lágrimas turvaram a minha visão quando ele continuou. “Algo dentro de mim que tinha sido silenciado e imobilizado desde a minha primeira morte de repente despertou e começou a viver de novo. Eu sabia que havia algo diferente em você, e eu tinha de descobrir o que era”. "Quando foi a primeira vez que me viu?" Perguntei, tentando me distrair — para me manter sem quebrar ali na beira do rio. "Você está falando sobre o Café Sainte-Lucie? N.º” Ele riu-se. Tinha te visto em nosso bairro — muito antes do café. Nos cruzamos por semanas antes que você realmente me notou. E não pude deixar de me perguntar quem era e por que foste tão torturada — tão triste. Continuei esperando que sua irmã ou seus avós disessem seu nome. Nós só a chamamos de menina triste”. "Quem é 'nós'?" Perguntei, meu desacelerando meu ritmo. “Ambrose, Jules e eu”. "Então eles devem ter me reconhecido naquele primeiro dia no café," eu disse, surpresa com esta nova perspectiva sobre a nossa história. Seu silêncio era uma afirmação. “Você já me intrigou desde o início. E você ainda faz. Você é diferente. Eu queria passar o resto da sua vida para descobrir quem você era. Mas agora...” Suas palavras dissolvido e depois reapareceram com renovada determinação.


“Kate, eu prometo que vou encontrar uma maneira de fugir de Violette e voltar para você. Mesmo se for tarde demais para nós, quero que saiba que estarei sempre perto. Eu sempre vou cuidar de você”. Atordoada, congelei a meio da etapa. "O que você quer dizer, “tarde demais para nos'?" Eu perguntei, sentindo como se eu tivesse sido socada no intestino. “Kate, em poucos minutos meu corpo deixará de existir. De agora em diante, a única coisa que posso fazer para você é tentar mantê-lo seguro. Um humano e um revenant — que foi um desafio bastante difícil. Mas um humano e um fantasma? Meu amor, eu nunca desejaria isso para...” E foi isso. Essas foram as últimas palavras de que Vincent falou comigo antes que ele se fosse, deixando-me sozinho na beira do rio com nada mais que o assobio do vento do inverno.

DOIS Quando eu olhei, parecia que o rio estava subindo acima de seus bancos e ondas invisíveis estavam rodando em meus tornozelos. Em poucos segundos eu senti como se estivesse me movendo debaixo d'água, lutando contra uma poderosa corrente quando lutei para me impulsionar na direção de La Maison. Finalmente eu estava digitando o código e voando através do portal. Meu estômago torceu com náuseas quando eu abri a porta e olhei loucamente ao redor. Gaspard e Arthur foram descendo a escada, olhando para as páginas de um livro grande, localizado entre eles. Eles pararam quando me viram. Empurrei o livro de Arthur, o morto-vivo mais velho correu pelas escadas abaixo e levou-me pelos ombros. "O que é, Kate?" ele perguntou. "Vicent", ofeguei, lutando para recuperar o fôlego. "Ele veio para mim. Mas agora ele se foi." "Onde foi?" ele insistiu. "Queimado," eu disse. "Ele acordou, veio a mim volante e Violette disse que ia queimá-lo. E a voz dele desapareceu." Gaspard segurou meu braço através dele, segurando a minha mão com firmeza. "Juntem toda a gente", ele comandou.


Arthur saiu correndo, chamando algumas dezenas de parentes parisienses que se reuniam em La Maison para esperar por notícias do paradeiro de Vincent. Gaspard me levou através da sala de estar para o grande salão. "Suas mãos são como gelo, minha querida," ele disse, assento-me à lareira crepitante e o drapejar de lã em volta dos meus ombros. Mesmo com o calor radiante e um cobertor quente, não conseguia parar de tremer. As chamas me fez pensar em outro incêndio que estava queimando algumas horas ao sul de nós. Chamas que tinham me tirado Vincent — permanentemente. Ouvi passos correndo atrás de mim e encontrei-me envolvida em algumas centenas de quilos de músculo. "Katie-Lou, está bem?" Ambrose perguntou, sua voz áspera com proteção. Inclinando-se afastado, ele procurou meu rosto. Eu balancei minha cabeça apaticamente e ele me envolveu em seus braços. Fiquei mumificado contra ele por alguns minutos enquanto todos se reuniam. Jean-Baptiste empoleirado em um banquinho de madeira antes do incêndio, Gaspard ficou ao seu lado, e Arthur posicionado na minha frente no tapete. O resto dos revenants espalhados em torno de nós, todos os olhos focados em mim. Eles ficaram silenciosos quando limpei minha garganta para manter a minha voz a tremer. Disse-lhes que Nicolas tinha me seguido até a Pont des Arts para entregar a mensagem do Violette: ela tinha tomado o corpo de Vincent para seu castelo no Loire e iria destruí-lo quando ela "achasse por bem." E ele me informou da razão da confiança em Violette, em primeiro lugar: ela tinha convencido o chefe deles, Lucien, que se ela descobrisse o segredo para capturar a energia do campeão e o usaria contra a Bardia. Depois de dar-lhes a mensagem Vincent pediu-me para retransmitir, concluí: "e isso foi tudo. A voz dele só corta assim, no meio da conversa." Deixe-os acreditar que sua mensagem aos seus parentes foram suas últimas palavras, pensei. Suas verdadeiras últimas palavras foram muito pessoais — para não mencionar a nossa muito dolorosa — para compartilhar. Houve um segundo de silêncio horrível antes do quarto entrar em erupção. Ambrose deixou-me do seu abraço de urso, e acrescentou a voz para os outros. "Bem, o que estamos esperando, pessoas? Vamos lá para o castelo!" Jean-Baptiste abanou a cabeça gravemente, levantando sua voz para ser ouvido acima da multidão. "É tarde demais." Sua voz acalmou a multidão barulhenta tão


eficazmente quanto uma colher contra um copo de vinho. "Vincent será cinzas antes de chegarmos, seu espírito será vinculado a Violette." "O que isso significa, sendo ligado?" Ambrósio perguntou, encostando por voltar do meu lado. Como de costume, todo mundo virou-se para Gaspard para obter uma explicação. Ele ficou em silêncio por alguns enervantes segundos, escolhendo suas palavras e disse, "Eles devem incinerar uma parte de si com o corpo de quem eles são obrigatórias". "O que quer dizer? Como seu cabelo ou unhas?" Meu nariz enrugado em desgosto. "Não, deve ser carne e osso," Gaspard disse. Eca, eu pensei, deslizando pela imagem grotesca, isto veio à mente. "Isso não é um grande sacrifício," Ambrose disse de perto de mim. "Veja a Violette, só vai crescer de volta na próxima vez que ela estiver adormecida." O morto-vivo mais velho balançou a cabeça. "Além da dor que ocasiona o 'poda', como você colocou, que é o sacrifício: A parte do corpo de um numa queimado com o cadáver de revenant desaparece para sempre. No caso de uma ligação, não há regeneração." Inclinei-me mais perto de Ambrose, lutando a dormência enojada que se espalham através de mim. Violette ia cortar uma parte do seu próprio corpo a fim de vincular o espírito de Vincent? Eu sabia que ela tinha matado-o para obter seus poderes. Mas permanentemente mutilar-se? Séculos de serviço a um destino que ela não escolheu pareciam ter custado a antiga revenant sua sanidade. "Vou pedir-lhe para você," disse Ambrose sob sua respiração e falando-se então disse, "Jules quer saber se sendo vinculado a Violette significa que Vincent deve obedecê-la." Eu não estivesse ciente de que Jules estava conosco, até então, mas sabendo que ele estava perto, senti-me confortada. "Se a única razão que Violette precisa do espírito de Vincent é para a transferência de poder do campeão", Gaspard respondeu: "podemos esperar que ela vá liberá-lo, uma vez que ela atingir seu objetivo. Mas mesmo que ela escolha mantê-lo ligado, uma alma errante não pode ser forçada a agir contra a sua vontade."


Arthur falou acima. "Peço licença para discordar", ele disse quase se desculpando. "Há exemplos históricos de coerção". "Por exemplo"? Jean-Baptiste insistiu. "Há a conta de nosso parentesco italiano que remonta ao renascimento," afirmou Arthur. "Um chefe numa matou um recém-formado bardia e ligou o espírito dela volante a ele pela incineração de mão esquerda com o cadáver dela. Ele manipulou-a para servir sua vontade ameaçando matar sua família humana ainda-vida e tornou-se extremamente poderoso com a força de seu espíritoescravo." "Então é uma coisa boa que Vin não tenha qualquer família humana," disse Ambrose com uma nota de triunfo."

TRÊS "VIOLETTE USANDO... Um humano caro a ele "— Gaspard evitou meus olhos —" a chantagem é Vincent, como diríamos na linguagem moderna, um tiro no escuro. Ela pode não estar ciente da história antiga. E mesmo se ela é, uma vez que ela absorve o poder dele, duvido que ela vá precisar da servidão de um espírito bastante enfraquecido revenant." Suas palavras foram feitas para me confortar. E elas fizeram, até certo ponto. O que ele disse foi racional. Mas Violette já tinha me usado uma vez para chegar a Vincent. O pensamento de que ela pode me usar de novo — desta vez Vincent forçado a agir contra a sua vontade — era insuportável. Jean-Baptiste virou-se para falar com a multidão. Sua postura reta linha-dura, peito estufado e mãos atrás das costas, lembrou o líder militar Napoleão de séculos antes. "É suficiente falar de situações hipotéticas. Um dos nossos parentes — meu próprio sobrinho — foi destruído. Temos de agir agora para salvar seu espírito e impedir a realização dos planos de Violette. "Nenhuma barganha será feita com nossa Imperatriz do mal para que possa usar contra...." Percebendo que o ele estava dizendo, ele parou de falar e abaixou o seu rosto para as mãos dele. Ele nem olhou para mim. Ele não precisava. Porque todo mundo fez. Com isso, ele começou a organizar toda a gente. Arthur foi nomeado para liderar um contingente para o Castelo de Violette em Langeais. Ele viveu lá por séculos e efetivamente pode ocultar um grupo de espiões para vigiar os movimentos de Violette. Desde que Jules era volante, ele foi para acompanhá-los, entrar no


castelo e tentar entrar em contato com o espírito de Vincent. E Ambrose foi encarregado da estratégia defensiva contra numa restantes em Paris. "Para começar," JB perguntou-me, "poderia você por favor ter a Kate com segurança em casa?" "Em casa"? Eu pulei do sofá para enfrentar o líder morto-vivo. "Não! Eu quero ajudar. Tem que haver alguma coisa que posso fazer. " Jean-Baptiste leu minha expressão. "Kate, minha querida, não estou sendo condescendente — estou sendo realista. Não há nada que você possa fazer nesta hora da noite exceto ir para casa, dormir e estar pronta para quaisquer atualizações que tivermos pela manhã." Eu o olhei com ceticismo, mas ele parecia sincero — não foi um caso de acalmar o ser humano fraco e impotente. Mas eu não concordei com ele. Havia algo que eu pudesse fazer. Alguém poderia falar que pode ter informações valiosas sobre o que estava acontecendo. Eu era a mais informada e seria a mais capaz para ajudar Vincent. Como o JB voltou-se para enfrentar o próximo grupo, pedi Ambrose para dar-me um momento. Sentado de costas para ele, eu encontrei o número do Bran no meu telefone. A chamada foi direto na caixa postal. "Bran", eu disse, falando baixinho: "é a Kate". Eu exalei e apertei os olhos fechados. "Violette me disse que seus homens mataram sua mãe. Se isso for verdade, então me desculpe. Mas há algo que possa fazer para ajudar-nos a combater numa. Preciso falar com você. Por favor, me ligue quando você receber essa mensagem, a qualquer hora da noite." Dei meu número e desliguei. Ambrósio estava esperando, curiosamente, a observar-me, mas não se meteu. Quanso eu me levantei, ele deu nos meus ombros um pequeno aperto de lado, e eu recuei. "Desculpa, irmãzinha, esqueci que você machucou a clavícula ontem." "Isso esta bem", disse, inclinando minha cabeça em seu ombro, enquanto caminhávamos para a porta. "A dor é realmente uma coisa boa. Isso significa que posso sentir." Ambrose segurou meu casaco para me vestir. "OK", ele respondeu a alguém que eu não podia ver e envolveu o braço cautelosamente ao redor dos meus ombros. "Jules quer que eu diga que não se preocupe com nada," ele disse enquanto caminhávamos através do pátio e o portal. "Essa Violette tem coisas maiores em mente usando Vincent como você e o seu boneco como isca".


"Se isso era para me tranquilizar, obrigada. Mas o pensamento de Violette carregando até Paris um campeão-abastecido supernuma não me faz sentir muito melhor," eu admiti. Caminhamos em silêncio pela rua escura e do outro lado do boulevard Raspail. Um sino da Igreja tocou duas vezes, em duas notas baixas e lúgubres badalando de longe em toda a cidade. Um táxi solitário passou por nós, da Avenida vazia isto de manhã cedo. Começou a chover em uma névoa fina, e que peguei meu capuz para cobrir meu cabelo. Quando é um fracasso para baixo, eu a deixei. As gotas frias da chuva fizeram senti-me bem contra minha pele. Outra lembrança que eu podia sentir. Que, por um lado, ainda tinha um corpo. Nós viramos a minha rua, e eu vejo em Ambrose pingos de chuva pontilhada em seus cílios. "Não estou tão preocupado com Violette manipulando Vincent. Isso é apenas um 'talvez'. Um ' se.' O que é certo é que o corpo dele se foi, e ele já não pode recuperá-lo. Ele está preso como um ... "— minha voz rachada de emoção —"fantasma para o resto da eternidade." Estremeci e Ambrose apertou seu punho. "Eu sei", disse ele, e a nota de desespero em sua voz me mostrou toda a emoção que a cara dele não dizia. Ele virou a cabeça para o lado, ouvido e então assentiu com a cabeça. "O que Jules disse?" Eu perguntei. "Ele estava usando uma linguagem que eu não poderia repetir na frente de uma senhora como você, Katie-Lou," Ele admitiu. "Sobre Violette?" "Sim". "Bom. Ela merece a vaca." Ambrose riu e plantou um beijo no topo da minha cabeça quando paramos em frente ao meu prédio. "Jules, você será capaz de chegar perto o suficiente para falar com Vincent sem que Violette fique sabendo que você está lá? Quer dizer, se ele está ligado a ela... ou o que quer." Eu perdi o ar. Ambrose virou o ouvido por um segundo e depois disse, "ele diz que ele vai fazer o seu melhor. Mas estamos praticamente sem noção sobre essa coisa toda de ligação." "Se você falar com ele, diga a ele que estamos fazendo tudo que podemos. E que não vou desistir dele," eu disse com a voz mais calma que eu poderia gerenciar.


Ambrose suspirou e, levando minhas mãos na sua, inclinou-se e olhou-me nos olhos. "Sei que de um pouco agora, Katie-Lou. E eu sei que você vai ficar louco só esperando. Mas Jules e eu iremos mantê-la informada, eu juro." Ele sorriu. "Garota, eu vi o olhar em seu rosto quando JB te disse isso, mas eu tenho que concordar com ele. A melhor coisa que você pode fazer agora é ir dormir, então você estará pronta para o que vai acontecer amanhã." Suas palavras funcionaram como mágica nos nervos com mola, e de repente minha ansiedade virou-se para uma fadiga tão profunda que eu poderia ter enrolado na minha frente e adormecido. Vi Ambrose, e seus traços cheios de compaixão. "Foi um longo dia," ele disse. Cuidadosamente evitando meu humor. "Está bem, maninha," ele disse. "Te chamarei de manhã." E ele estava fora. Exausta, eu tropecei e meus pensamentos correram em 1 milhão de diferentes cenários do que pode estar acontecendo no castelo do Vale do Loire. Meu estômago apertado dolorosamente como eu pensava — e então tentei não pensar — no fantasma de Vincent, acoplado a uma recém mutilada Violette. A imagem me fez doente. Eu tinha que fazer algo. Meus pensamentos retornaram a Bran. Como um guérisseur para os revenants, ele era o único que pode saber mais do que o Adriano bardia sobre seus rituais arcanos. Na verdade, ele pode ser a chave para o que estava acontecendo. Eu vou chamá-lo de manhã, pensei quando abri a porta. Não sabia que eu estava andando em linha reta em uma emboscada. Minha irmã e minha avó esperaram na sala de estar: Geórgia acordou de onde ela estava envolta em um dos sofás e Mamie saltando acima de sua poltrona. Ela olhou para minha cara e disse, "Ok, meninas. Vocês querem me dizer do que se trata? Georgia, você alega que um estranho bate em você, e Katya, você vem para casa com olhos vermelhos, inchados as 02 horas da manhã." Ignorando a Mamie, Geórgia cruzou a sala em um flash e levou-me pelos pulsos. Seu rosto machucado estava um arco-íris de revoltante amarelos, vermelhos e púrpura, uma bochecha inchada fora de proporção. "Eles encontraram ele no tempo?" ela sussurrou. Eu balancei minha cabeça. "Não". E os sentimentos que eu tinha afastado desde que a voz de Vincent desapareceu sobre o rio — o desespero, que continuei tentando empurrar para baixo nas últimas duas horas pararam de funcionar, para juntar as minhas palavras e coloquei um pé na frente do outro — a dor voltou para a superfície. "Oh meu Deus, Geórgia."


Eu me engasguei e tossi em minhas lágrimas quando ela me envolveu em seus braços. "Ele se foi. Ele se foi." Eu inclinei minha cabeça em seu ombro e comeceu a chorar. "Vamos", Mamie disse suavemente e enxotando-nos ára fora do hall de entrada, dirigiu-nos pelo corredor até o meu quarto. Ainda chorando, eu arranquei as minhas roupas e peguei um pijama. E como Mamie e Geórgia permaneceram em ambos os lados da minha cama, parecia que tínhamos viajado no tempo para trás, para o verão anterior, quando eu tinha resolvido não voltar a ver Vincent: soluçando; minha avó e minha irmã me reconfortando. Só foi um milhão de vezes pior. Da última vez foi uma separação, coração dolorido mas reversível. Desta vez foi uma meleca... Desta vez foi um adeus. Que era para sempre. Eu inclinei-me para ambas e chorava em meus braços cruzados enquanto esfregavam minhas costas e alisavam meu cabelo. Quando minhas lágrimas finalmente abrandaram, Mamie perguntou, "Você vai parar e me dizer ou não?" "O que já disse dela?" perguntei a Geórgia, que estava massageando suavemente seu maxilar machucado. "Tudo o que eu disse foi que algo ruim tinha acontecido, e precisamos estar prontas para apoiá-la quando você chegasse em casa", ela respondeu, olhando cautelosamente para minha avó. "O que é, Katya?" Mamie insistiu. "Age como se alguém acaba de morrer." Outro soluço borbulha acima do meu peito, e eu cobri minha boca com a mão para impedir-me de chorar tudo de novo. Os olhos da minha avó estreitaram-se em confusão. "Temos de dizer-lhe, Katie-Bean," disse Geórgia. "Papy já sabe. E você vai precisar de mim e Mamie como apoio." "Fala", Mamie comandou suavemente, e comecei. No início. Na próxima meia hora passei a revelar a história à minha avó, lentamente e dramaticamente, com cuidado para que o choque fosse o mínimo possível. A expressão de Mamie foi cautelosa. Ela sabia que eu estava construindo para algo ruim. Mas quando cheguei ao ponto onde eu descobri o que Vincent e seus parentes eram, ela levantou a mão para me impedir. "Isso é impossível," ela disse, como se fosse o fim da discussão. "Vocês ficaram loucas se você realmente acredita em algo assim."


"Papy acredita nisso, Mamie," eu disse. "Foi à razão pela qual que ele me disse que eu não podia ver Vincent novamente." "Ele fez o que?" minha avó exclamou. "Quando isso aconteceu?" "Ontem". Ela pensou por um momento. "Deve ser por isso que ele veio para a cama tão tarde e acordou tão cedo. Ele estava me evitando. Eu seria capaz de dizer que algo estava acontecendo." Minha avó olhou nos meus olhos. "Certamente Antoine não acredito em nada disso. Ele não é nem supersticioso, pelo amor de Deus!" Eu peguei a mão dela. "Eu sei que é difícil de acreditar. Metade do tempo eu me sinto como se vivesse em um romance de fantasia realmente torcida. Mas, Mamie, tentam — não sei — suspender sua descrença por agora. Você pode falar com Papi sobre isso mais tarde. Só por favor, deixe-me terminar. " Ela fez o melhor para não interromper novamente. "Sim, sim, lembro. Agora faz sentido," ela dizia de vez em quando eu liguei a história a algo ela reconheceu: meu rompimento com Vincent (e subsequente maquiagem); o desabafo de Vincent sobre Lucien na nossa mesa de jantar. Eu tentei pular a parte onde Vincent entrou em mim para matar Lucien, mas Geórgia não podia ajudar a si mesma de preencher os espaços em branco — para horror da minha avó. No final as palmas estavam coladas ao seu rosto e sua expressão era de choque e admissão. "E agora o... numa, é isso?" ela perguntou. Balançou a cabeça. "Eles têm o corpo de Vincent"? "Eles tinham o corpo de Vincent. Mas eles queimaram." Saíram as palavras sem sufocar, mas as lágrimas corriam pelo meu rosto quando eu registrei o terror nos olhos do Mamie e da Geórgia. "Mas o espírito dele ainda existe? E você ainda pode falar com ele?" Mamie perguntou. "Eu seria capaz de matá-la se ele pudesse ficar longe Violette." "Eu sempre soube que era uma depravada munchkin", murmurou Geórgia, mordendo uma miniatura. "E seu ex-namorado mal?" Mamie repreendeu ela. "Após a história de Lucien, você vai ter sorte se eu deixar você namorar de novo!" Ela virou para mim e suspirou. "Oh, Katya, nem sei o que dizer." "Mas você acredita em mim?" Eu perguntei, vendo o rosto dela.


"Não tenho escolha, além de acreditar que vocês duas são loucas ou fizeram lavagem cerebral. Ou se drogaram," ela disse num tom que sugeriu que só ela pode preferir uma dessas opções como alternativa. "E Antoine sabia disto?" "Só desde ontem," eu respondo. Mamie suspirou. "Eu odeio dizer isso, mas eu não culpo o seu Papy para proibir você de ver Vincent". Meus ombros caíram, mas Mamie virou a palma da mão, alertando-me para esperar. "Você só me contou sua história. Por favor, deixe-me responder. Eu estou tentando pensar em como colocar isto sem ferir seus sentimentos." "O quê"? Eu perguntei, quando um nó se formou em meu peito. Eu assisti a uma série de emoções no rosto da minha avó: pena, indecisão e, finalmente, indignação. Mas então ela olhou para meu rosto molhado, inchado e estSr. Goldu a bolha da raiva. "Oh, Katya," ela suspirou. "Mesmo que Vincent e seu tipo são os mocinhos, é como estivesse dizendo que está namorando o Super-homem. Quem quer que sua neta a Lois Lane — constantemente ameaçada por inimigos mal do namorado dela? Em vez de cair para um herói, não posso ajudar, mas gostaria que você amasse um garoto normal. Um bom aluno seguro, talvez." Ela olhou de soslaio para Geórgia. "Até um rapaz de uma banda de rock seria mais fácil aceitar." Minha irmã de repente encontrou nas unhas o maior interesse. Me dando um aperto final, minha avó levantou-se devagar e caminhou até a porta. Parando, ela dobrou os braços sobre seu peito e fechou os olhos por um momento, como se tentando mentalmente apagar tudo o que ela tinha ouvido na última meia hora. Em seguida, abri-os novamente e viu-me sentada ali e a Geórgia, ela suspirou. "Em primeiro lugar, vou chamar sua escola de manhã e dizer-lhes que vocês duas não irão amanhã. Nós iremos te dar tempo para descobrir como lidar com o que tem acontecido e "— ela olhou para a Geórgia — "para curar." Em segundo lugar, Katya, eu acredito qem sua história insana, mesmo que nunca ouvi nada assim na minha vida. Seu Papy e eu faremos nosso melhor para sermos compreensivos, mesmo que não aprovamos. De agora em diante, Vincent e sua família é um assunto aberto nesta casa. Não mais escondendo coisas de nós. Estamos do seu lado e quero te ajudar a tomar decisões inteligentes e bem informadas, se você está falando sobre notas ruins ou os mortos-vivos."


Enrugou o nariz sobre a última palavra. Embora ela estivesse tentando ser realista, eu sabia que era difícil para ela conseguir expressar essas palavras. "Ok, Mamie," prometi. "Estou aqui para ti, querida. Esta família é familiarizada com o sofrimento. Você pode sempre vir comigo para o conforto e sei que vou entender." Concordei com minha avó, e satisfeita, ela se virou para sair. Um segundo depois, ouvimos a porta do quarto abrir e fechar. A voz dela era audível mesmo com a porta fechada. "Sim, vejo que você está dormindo, Antoine. Mas ficaria melhor você acordar sozinho, porque temos que conversar". Geórgia e eu olhamos uma para outra, e mesmo através de minhas lágrimas, não pude deixar de sorrir.

QUATRO Eu consegui e quando clareou o dia ouvi cada rangido de nosso edifício antigo e cada carro que passava na rue du Bac. E mesmo quando minha mente escorregou em um sonho repleto de nostalgia sobre Brooklyn e os meus pais, eu estava quase ouvindo a voz de Vincent. Quando acordei, parecia que não tinha dormido nada, mas o relógio marcava 11 horas. Deitada na minha cama, olhei para o teto, não é possível — não, — para mover. Parecia que os acontecimentos do dia anterior tinham acontecido em outra vida para outra garota. Mas há quase vinte e quatro horas eu e a minha irmã tínhamos enfrentado Violette em cima de Montmartre. Desta vez ontem tínhamos descoberto o plano dela para exercer sua posição como líder para derrubar os revenants da França, usando Vincent para atingir seu objetivo. Ela tinha enganado ele e seguindo o caminho da escuridão. Ele tinha passado um par de meses, absorvendo a energia maléfica dela e tendo quase morrido para que ele pudesse suportar a vontade de morrer. Por mim. Tinha ele enfraquecido ao ponto que Violette poder facilmente capturá-lo e o matá-lo, se ele não tivesse superado seu movimento em nossa defesa e mergulhando para a morte ao cair em um precipício. A morte de Vincent não era permanente. Mas tendo seu corpo incinerado. Um compartimento dentro do meu coração que teve, nos últimos nove meses, progressivamente um espaço enorme em forma de Vincent estava vazio de repente e violentamente. E o resto do conteúdo do meu coração — meu amor por meus pais, minha irmã, meus avós, minha paixão por arte, livros e filme — estava cautelosamente, recusando-se a multidão seu caminho para o espaço vazio


deixado pelo desaparecimento do meu amor. Como poderia alguma coisa — ou alguém — substituí-lo? Acabei chorando. Eu podia sentir. E enquanto estava deitada lá, eu senti uma determinação ardente começar a preencher o vazio. A resolver para certificar-me de que o que restava da Vincent — sua "alma errante", como Gaspard tinha chamado ele — estaria a salvo. Sentei-me com cautela, estremecendo quando eu senti uma dor dupla na parte média e superior do meu peito: dor e minha clavícula rachada, ambos os elogios de Violette. Peguei meu celular, vi que tinha recebido um texto de Ambrose nem meia hora atrás. Eu cliquei ansiosamente para vê-lo, mas meu coração caiu quando eu vi o conteúdo. “Só checando. Nenhuma notícia. Jules ainda está no castelo tentando ver Vin. Aguenta aí, K-L.” Eu estava prestes a colocar o telefone para baixo quando notei que tinha havido uma chamada durante a noite com nenhuma mensagem à esquerda. Eu reconheci o número. Era do Bran. Eu estava saindo da cama em um instante. Eu estava saltando nervosamente em pé e eu liguei para ele de volta e foi alimentado diretamente em seu correio de voz. "Bran, é Kate. Eu vi que você ligou ontem à noite. Liga-me." Eu apertei o curativo de Ace, o médico que me atendeu e, após verificar a cozinha e encontrar uma nota de Mamie, fui ao banheiro para jogar água gelada no meu rosto. Inclinada para a frente para o espelho, toquei suavemente a carne inchada debaixo de meus olhos. Retirando um stick corretivo, fui trabalhar para parecer normal. Alguns minutos mais tarde, eu estava no quarto da Geórgia, onde fiquei a observá-la deitada, antes de puxá-la suavemente. "Georgia. Levanta-te." "O que se... Goway,"ela murmurou, abrindo um olho antes de puxar o travesseiro firmemente sobre a cabeça dela. "Georgia, é quase meio-dia. Na Papy e Mamie saíram, foram para a galeria. Preciso que me acompanhe em algum lugar. Mas nós temos que sair antes dela voltar, ou ela vai querer saber onde estamos indo." Ela continuou deitada, se escondendo quando eu a puxei novamente. Finalmente, ela sentou-se e jogou o travesseiro no chão. "O que se passa contigo? Não vês que estou gravemente ferida?" Os olhos ainda fechados, ela ergueu seu queixo para mostrar seu rosto. Hematomas multicoloridos tinham agora consolidados em meias-luas de fundo roxo e preto sob os olhos e uma bochecha estava inchada como uma maçã. Minha irmã parecia um pós-nocaute boxer. Ou um guaxinim atropelado em fuga.


Meu coração doeu vendo ela tão maltratada, mas sabia que seus ferimentos eram apenas superficiais. E há questões mais importantes em jogo. "Geórgia, tens de ir comigo até encontrarmos o Bran. Ele pode ter uma resposta para o que está acontecendo com o Vincent." Ela vibrou as pálpebras por alguns segundos, não de uma forma feminina, mas porque elas estavam totalmente presas junto com a gosma de olho. "Acho que estou cega," ela gemeu. Entreguei-lhe um produto de limpeza facial do seu cabeleireiro e ela limpou os olhos antes de fechá-los para mim. Quando ela viu minha expressão séria, ela estava alerta. "Desculpe, Kate. Esqueça de mim. Qual é o plano?" "Lembra quando eu falei sobre aqueles guérisseurs especiais? Os curandeiros que lidam com revenants? Preciso de ir para Saint-Ouen para encontrar com um deles." Ela apertou a ponta do nariz para acordar. "Está bem. Mas é sexta-feira. Um dia de escola." "Mamie telefonou para a escola dizendo que não iríamos, lembra-se?" "É verdade", disse Geórgia, ainda beliscando o nariz com os olhos fechados. "Então você e eu estamos saindo...." "Mamie saiu. Vou deixar uma mensagem que nós estamos pulando para fora por alguns minutos." Ela larga o nariz e olha para mim. "Estamos indo deixar um recado que suas duas netas que estavam envolvidas em uma batalha entre criaturas sobrenaturais ontem, uma das quais tem múltiplas lesões e a outra cujo namorado foi morto, estão apenas pulando para fora, sem a supervisão de...." "Caçar um membro de uma antiga família de curandeiros a fim de obter informações para proteger o fantasma do meu namorado morto." Os cantos dos lábios de minha irmã subiram. "Certo. Eu estou indo". Ela pulou da cama e começou a puxar as roupas. "O que faremos se a encontrarmos na saída?" ela chamou de debaixo da camisa... ela estava puxando sobre a cabeça dela. Eu recuei quando vi os hematomas em suas costelas, onde a Violette tinha chutado. Não foi tão ruim quanto às contusões e inchaço no rosto dela, mas ela ignorou os ferimentos quando ela sorriu para mim.


"Dizemos que nós saímos para comprar pão," Eu respondi. "A desculpa que uma pessoa francesa nunca questionaria. Baguetes ou morrer!" Geórgia aplaudiu, e corremos para fora antes que minha avó poderia retornar. Fomos ao outro lado da cidade, antes que eu percebesse que eu tinha deixado meu celular em casa. "Eu já tenho o meu", disse Geórgia, afagando o casaco dela. "Sim, mas Ambrose ficou de avisar-me se alguma coisa acontecesse." Meu peito constrangido com ansiedade. Hoje não era o dia de estar fora de contato. "Chama-lhe", Geórgia ofereceu, segurando o telefone para mim. "Não, isso é certo." “Estamos aqui”, disse, apontando para a frente para loja escura de Le Corbeau. Geórgia perscrutou duvidosa ao sinal de madeira velho com raven de homônimo da loja creakily, batendo e voltando com rajadas de vento de inverno. "Tens a certeza que este lugar já na verdade foi aberto? Parece medieval," ela disse, puxando o casaco mais apertado para ela. Bateu na janela da porta, mas era óbvio que não havia ninguém dentro "Que é um dente gigante?" Geórgia perguntou, inclinando-se para a janela de exibição. "Chama-se uma relíquia. "É provavelmente algo ou o osso do dedo de um morto do Santo”, eu respondi, pressionando para baixo duramente a maçaneta da porta. Eu assisti surpresa quando a porta começou a abrir sem problemas. "Não estava mesmo trancada!" Eu exclamei e wnrei. "Por que eles fecharam?" Geórgia perguntou me seguindo. "Quem roubaria... um Rosário do século XVIII apresentando um pedaço da verdadeira Cruz presa dentro Bohemian crystal'?" ela leu uma placa e deixou cair os grânulos descuidadamente de volta para sua posição. "Isso é estranho. Cara, eles realmente poderiam usar um líquido de limpeza aqui. O pó é o suficiente para lhe dar asma”. Nos andamos mais para dentro da sala escura, atravessamos o espaço apertado entre estátuas antigas de cintura de Santos com facas em suas cabeças e os quadros de exposição segurando o Papa contemporâneo de brilho-in-the-dark recordações. Meu pé rangeu no assoalho, e imediatamente veio uma pancada debaixo do chão. "Ssh"! Eu sussurrei para a Geórgia. "Você ouviu isso?" "Oh meu Deus," ela murmurou, seus olhos alargando em alarme. "Eles têm uma masmorra". Aquele barulho começou de novo: três espaçadas bate debaixo de nossos pés. Parecia que alguém estava a bater um


código de pedido de socorro no teto da sala de tudo foi abaixo. Como se alguém precisava de ajuda. Pode ser apenas uma pessoa. "Depressa!" Eu corri em direção à porta que levava para a escada de volta. Em vez de subir para o apartamento onde encontrei Gwenhaël, estamos indo para baixo em direção a uma porta enferrujada que abriu com um rangido de moagem quando enfiei meu quadril. Eu explodi em um porão de armazenamento de teto baixo e foi preenchido pelo fedor afiado do ar úmido, cheios de bolor. Em um canto tinha uma área fechada, escrita do teto ao chão com cercas de arame e protegida por uma porta com cadeado. Atrás de pilhas de caixas — objetos de valor mais prováveis, sendo armazenados em local mais seguro da loja. E ao lado das caixas, amordaçado e amarrad a uma cadeira, estava Bran.

CINCO "VOCÊ ESTÁ BEM?" Eu perguntei, correndo para a porta da gaiola. Bran abanou a cabeça, seu corpo tremeu debaixo de seus hematomas frescos distorcidos de seu rosto, um olho tão inchado que era apenas uma fenda. Seu rosto estava encharcado de suor e lágrimas e desde que sua boca estava amarrada, ele sufocou em voz alta pelo nariz para respirar. "Ah, Bran!" Eu disse, cobrindo a boca em horror. De alguma forma consegui pegar um cabo de vassoura, que ele tinha batido contra o teto quando ele nos ouviu andando acima. Agora ele largou, e seu barulho oco contra o chão de pedra quebrou o silêncio abafado. "Você sabe onde está a chave?" Eu perguntei, puxando o cadeado. Ele balançou a cabeça mais uma vez. "Ok, nós encontraremos algo para acabar com tudo. Geórgia?" Minha irmã ficou imóvel, olhando os olhos arregalados Bran. "Ajude-me encontrar algo pesado". Ela pulou em ação, correndo para um enorme candelabro de bronze apoiado contra a parede. "Perfeito!" Eu disse e ajudei a puxá-lo através do assoalho da gaiola. "Esconde-o sob seu braço direito," Eu instruí, e peguei o meu também, eu recuei e ajustado a minha espera quando o objeto pesado enviou uma onda de choque de dor através da clavícula. "Vamos bater o estilo de espancamento de bloqueio do lado. Acho que não podemos quebrar o cadeado, mas o anel que é ligado ao que parece está bastante enferrujado. Vamos apontar para isso."


Enquanto estamos ocupadas a poucos passos, meus olhos se encontraram do Bran, e vi um olhar de arrependimento quando ele encarou o candelabro. "Esta é uma peça muito cara, não é?" Eu perguntei incapaz de reprimir um sorriso nervoso. Ele assentiu com a cabeça tristemente e então deu de ombros. "Vá!" Eu gritei, Geórgia e eu corremos em direção a fechadura, esmagado com a ponta do nosso porrete improvisado. O bloqueio não se moveu, mas uma folha de bronze decorativa agarrada caiu fora do candelabro. Bran estremeceu. "Vamos tentar de novo," eu disse, ajustando o curativo Ace debaixo da camisa e cautelosamente pressionando meu ombro dolorido. Depois de apoiá-lo, fizemos toda a força para o bloqueio, desta vez despedaçamos o anel velho em pedaços. O cadeado no chão com um tilintar metálico e a porta começou a abrir. Corri para o espaço, e mesmo apesar de ter sido Bran o único, eu inclino-me para abraçá-lo rapidamente antes de inspecionar suas amarras. Seus atacantes tinham usado fita adesiva preta em toda a boca, assim como em torno de seus pulsos, no peito e tornozelos. "Não quero te machucar," eu disse, pausadamente. Ele revirou os olhos e assentiu com a cabeça como se dissesse, apenas vá em frente. Eu peguei a fita com uma unha, soltando um canto na bochecha e então, rangendo os dentes, arranquei com um movimento rápido. A boca do Bran caiu aberta e ele engasgou em sufocar alguns goles de ar quando lágrimas de dor e alívio corriam pelo seu rosto. Ele lutou contra os laços que o prendiam na cadeira, mas mantiveram rápido. "Você deve se apressar, criança," ele incitou-me. "Partiram por horas. Eles podem voltar a qualquer momento." "Quem são 'eles'?" Eu perguntei, inclinando-me para ouvi-lo, desde que sua voz saiu em um chiado sem fôlego. "Numa. Eles estão me segurando até o pequeno ancião chegar para questionarme." O pequeno ancião? Eu pensei e então gritei: "Espera, Violette veio aqui?" "Sim". Bran estava tentando não entrar em pânico, mas a urgência na voz dele deu medo. "Você acha que você pode...." Ele segurou seus pulsos amarrados. "Rápido, Geórgia. Vamos encontrar algo afiado," eu gritei. "Já fiz", ela disse atrás de mim. Eu me virei para vê-la empunhando um estilete de plástico. Ela jogou a lâmina para fora e me entregou. Dentro de minutos Bran foi levantando-se, as pernas tremendo debilmente e flexionando seus braços finos para voltar a circulação.


"Meus óculos", ele resmungou. "Caíram". Eu encontrei os óculos de fundo de garrafa a alguns metros longe da cadeira, torcido e rachado. Eu fiz o meu melhor para dobrá-los de volta no lugar e entreguei a ele. Mesmo que ele mal tinha uma fenda de olhos para ver através dele, uma vez que tinha escorregado, ele parecia se transformar em uma polpa batida, ampliado de si mesmo. Ele deu um passo em minha direção e em seguida caiu de volta à cadeira. Corri para ajudá-lo. "Vai poder andar?" "Eu tenho medo que "Devíamos levar você para a La Maison," eu disse, levantei o seu braço por cima do ombro e o puxei até uma posição ereta. Geórgia segurou a porta da gaiola aberta para nós, e fui com ele para a sala. "Você estaria seguro lá, pelo menos...," eu comecei. Mas antes que pudesse terminar o pensamento, o som da porta da loja de abertura e fechamento e o ranger de passos no chão de madeira veio acima de nossas cabeças. "Não estão esperando algum cliente, você está?" Geórgia perguntou, com os olhos como discos voadores. "Rapidamente, ali!" Bran sussurrou, olhando por toda a sala em direção a uma porta de metal do tamanho de uma criança bem no fundo de uma escadaria de pedra antiga. Georgia mudou-se para o outro lado e nós o arrastamos até a porta. Ele pegou uma chave fora de um nicho na parede e enfiou na fechadura antiga. Acima de nós veio uma voz que reconheci imediatamente. A voz de uma jovem garota. "Onde está ele?" Violette exigiu. Houve um estrondo, quando bateu com a porta dos fundos e passos soaram para baixo da escada. "Pelo amor de Deus, abra a maldita porta!" Geórgia falou, quando Bran colocou a chave na fechadura. A porta veio para a frente, e nós inclinamos para passar através do quadro de baixo, no escuro, para o cavernoso espaço à frente. Tive tempo suficiente para ver o reflexo de um rio que corria ao nosso lado antes de Bran balançar a porta, ele a fechou e trancou. Nós fomos instantaneamente envoltos pelo odor de algo azedo e podre e o som da água correndo. "vamos bloquear a porta," Bran disse-me e mudou todo o peso na Geórgia, que cambaleou um pouco antes de recuperar o seu equilíbrio. Havia bastante luz clareando através das rachaduras entre a porta e sua moldura para eu ver uma barra de ferro pesada acima o lintel. Eu peguei e a prendi nos suportes de cada lado da moldura da porta.


"Aqui!" Bran disse, e Geórgia saiu com ele para dentro da escuridão. Gritos de surpresa e raiva veiram do outro lado da porta. E então uma voz apareceu na minha cabeça — a que eu não tinha escutado desde que desapareceu sobre o rio. “Kate, corra!” Vincent estava aqui! Tinha sobrevivido a queimada — pelo menos tinha seu espírito. Alívio atingiu-me como um tsunami, deixando-me tonta e desorientada. "Vincent, é você!" eu sussurrei. “Sou ligado a Violette, e ela está apenas a poucos metros de você, do outro lado desta porta. Eles não sabem para que lado Bran foi ainda. É melhor você sair daí, antes de que descobriram e quebrem a porta”. Ignorando o aviso, eu perguntei, "Você está bem?" Minha boca estava tão seca que mal conseguia colocar as palavras para fora. “A transferência de poder não funcionou, então Violette manteve-me com ela. Ela precisa de Bran para descobrir o que ela fez de errado. Agora, Kate... vai”. "Primeiro me diga o que podemos fazer para ajudá-lo....” "Agora! Kate vamos!" Geórgia incitou a alguns metros à frente. "O que faz aí parada?" Levou toda a minha força para afastar-me da porta — longe da possibilidade de estar perto de espírito de Vincent — mas uma vez eu tinha feito com a minha mente. Corri para acompanhar minha irmã e Bran. "Não posso ver nada," eu disse depois de alguns segundos. "Eu também" Geórgia respondeu. "Aqui, pegue-o." Apoiei-me sob o ombro direito do Bran, passando meu braço firmemente em torno de sua cintura e o ajudei a seguir em frente. Ele era tão leve que, se não fosse por minha própria lesão, eu provavelmente poderia tê-lo levado. Por trás de nós, uma forte luz acesa, iluminando o espaço à nossa volta. Eu olhei de relance no retângulo brilhante que Geórgia focou no alto. "iPhone com lanterna," ela disse com orgulho. "Rápido", Bran instou e dirigiu-nos para longe de numa. Como andamos para a frente acompanhando o brilho da lanterna do celular, tomei ao nosso redor. Estávamos indo para um túnel grande com tetos abobadados, forrados com tijolos. Um rio corria pelo meio e em ambos os lados era uma calçada larga com a suficiente para passar duas pessoas andando lado a lado. Embora nunca tivesse estado alí antes, eu sabia exatamente onde


estávamos: os esgotos de Paris. Uma rede de mais de mil quilômetros de túneis, carregando a água da chuva, água do dreno e... sim... a água de esgoto de Paris. "Se vejo cocô flutuante, eu arranco meus olhos no ato," Geórgia falou por trás de mim. Eu a ignorei, e deslocando a minha espera no Bran, dei um melhor aperto nele para que estivéssemos quase correndo. Finalmente, permiti-me a pensar sobre Vincent, esquina e outra passagem em baixo. A transferência de poder não tivesse funcionado. Uma coisa muito boa, eu me tranquilizei. Ela ainda não descobriu como drenar Vincent do poder do campeão. Mas a minha bolha de esperança estSr. Goldu quando me lembrei que ela ainda tinha conseguido com a cerimônia de vinculação. O espírito de Vincent foi preso, incapaz de sair do lado dela. E aqui estava a fugir. Tive vontade de gritar de frustração e raiva. Sabendo que Vincent era impotente nas mãos da maligna "Revenant" fez-me mais determinada do que nunca para descobrir como libertá-lo. Mas primeiro, tiríamos que pôr Bran em segurança. Ele pode conter a chave para ajudar Vincent. Seria difícil para numa quebrar uma porta de metal, bloqueada por uma barra de ferro. Mas quase todas as construções de Paris tinham um acesso ao esgoto. Uma vez que Violette descobriu como Bran tinha escapado, ela pode estar atrás de nós no tempo que levou para entrar no porão de um prédio vizinho. Bran dirigiu-nos através dos corredores em torno de múltiplas voltas e voltas. Obviamente não é a primeira vez no esgoto — ele sabia exatamente onde estava indo. Após trinta minutos de caminhada meio mancando ao lado da água fétida, espremidos através das aberturas apertadas e abaixando através de passagens de ligação baixas, nós chegamos na frente de outra porta trancada. Bran removeu um tijolo à direita da moldura da porta e puxou uma chave-mestra. Abriu a porta com ela, e Geórgia levou-o através dela. "Tranque-a por dentro", falou Bran. Geórgia o ajudou a procurar uma cadeira, onde ele sentou-se ofegante. Achei um isqueiro e uma lanterna de vidro segurando uma vela. Geórgia desligou a luz do telefone depois que acendi a luz e o espaço ao nosso redor cintilou no modo de exibição. Estávamos em um quarto pequeno, mobiliado com duas camas de solteiro, um casal de velhas prateleiras e poltronas retas e abastecido com primeiros socorros e alimentos enlatados. "Que lugar é este?" eu perguntei. "Antigo esconderijo de resistência, feito pelo meu avô," Bran respondeu ofegante. "Desde a guerra, minha família manteve como um lugar seguro. Mas nunca


precisamos usá-lo como tal até a semana passada, quando minha mãe escondeu o ancião e o de numa. Não podemos ficar muito tempo, no entanto. Se eles sabem que estamos aqui e com reforços, eles poderiam encontrar-nos." "Devemos levá-lo a La Maison", disse. "Mas isso é do outro lado da cidade. Levaríamos horas para andar até lá se ficarmos nos esgotos. E com a forma em que está, não tenho certeza que você poderia mesmo fazer isso." Bran abanou a cabeça. "Não posso andar muito longe. E mesmo se pudesse, só sei me virar nos túneis sob o nosso bairro. Nunca achei meu caminho para o outro lado do rio." "Então nós teremos que ir acima do solo," eu disse. Um som de zumbido veio do bolso da Geórgia. Ela pegou o celular do bolso e olhou para a tela. "Arthur. Novamente". Eu olhei para ela. "O que quer, outra vez?" "Ele tem me deixando mensagens durante toda a manhã, me perguntando o que eu estou fazendo," ela respondeu com um encolher de ombros. "Por que não responde?" perguntei incrédula. Geórgia fez uma careta. "Não quero parecer muito interessada. Isso vai apenas assustá-lo." Ela olhou como ofendida, como se eu tivesse sugerido que ela se casasse com ele agora. Peguei o telefone da mão dela e respondi à chamada. "Arthur? Sim, esta é a Kate. Violette e alguns numa estão atrás de nós, e precisamos de sua ajuda. Estamos escondidos no esgoto..... " Eu me virei para Bran. "Onde estamos exatamente?" "Sob a ponta norte do cemitério de Montmartre," Bran respondeu. "Pode dizer a eles que nos encontre lá dentro pelo portão norte." Entreguei o telefone volta à Geórgia. "Ele disse que eles estarão aqui em vinte minutos e para ficarmos no nosso esconderijo até chegarem a nós." Bran acenou com a cabeça e, fixando a cabeça na parte de trás da poltrona, fechou os olhos em exaustão. "Ele disse mais alguma coisa?" minha irmã perguntou, olhando para mim. Eu rolei meus olhos. Mesmo em um esconderijo subterrâneo, um risco mortal de ser descoberto por mortos-vivo, mal Geórgia estava pensando em garotos. "Bem, ele fez?" ela insistiu. Eu suspirei.


"Ele perguntou se você estava bem," eu admiti. Minha irmã jogou-se em um dos sofás com um sorriso satisfeito e sonhadora olhou para o teto.

SEIS Finalmente chegou o tempo Arthur marcou e nós fizemos o nosso caminho com cuidado para fora do bunker e algumas escadas nas proximidades. Bran empurrou e abriu um alçapão de madeira na parte superior, e surgimos através do chão de um mausoléu, acima do solo em que túmulos em mármore dominaram o quarto pequeno. "É então Buffy não é nem engraçado", disse Geórgia, com Bran de apoio quando limpei cortinas de teias de aranha do caminho para que nós pudessemos sair do cemitério. Ambrósio estava esperando no portão. Assim que ele nos viu, correu e içou Bran em seus braços. "Depressa", disse ele. "É como numa central por aqui!" Ele colocou Bran na parte de trás do carro, e Geórgia e eu sentamos em ambos os lados. Assim que Ambrósio estava no banco do passageiro, Arthur fugiu. "Tempo perfeito," ele disse, perscrutando o espelho retrovisor. Virei para ver um esquadrão numa, ao virar a esquina do muro do cemitério e empurrar abrindo o portão que tínhamos vindo através, apenas alguns segundos antes. "Parece que a nossa Imperatriz do mal tem metade de Paris à direita dela como segurança," Ambrose comentou certo. "Enviamos Henri e alguns outros para sua loja, logo depois que conversamos com Kate," ele disse, olhando para o Bran. "Mas não havia nenhum sinal deles. A porta para os esgotos tinha sido esmagada pelo então ainda podem estar lá em baixo, tecendo sua maneira através do nível de banheiro que Paris procura." Ele mudou em seu lugar para atirar-me um olhar irritado. "E quem você acha que você é? Mulher maravilha?" "Acho que mais mulher-gato Kate está," comentou de Geórgia. "Muito mais frio. Menos derivado." Ambrose ignorou-a. "O que deu em você para ir andando por aí depois que eu te deixei três mensagens dizendo que Violette e numa foram vistos indo em direção a Paris? Desde quando faz 'Ficar na sua casa' é como ir diretamente para o local onde seu inimigo é mais provável ir? "


"Não recebi sua mensagem," eu admiti timidamente. "Deixei meu telefone em casa." Ele suspirou profundamente e balançou a cabeça em desespero. "Vou comprar um suporte de telefone celular que eu posso acorrentar a seu pulso. Vincent me mataria se soubesse que eu deixei você em qualquer lugar perto de Violette." "Hum... Vincent sabe," eu disse. "O que"? todos exclamaram ao mesmo tempo, com exceção de Bran, que perguntou, "quem é Vincent?" "O que falou com você ao telefone na semana passada," eu respondi. "A um suspeito de ser o vencedor?" ele perguntou. Eu assenti com a cabeça e então disse para os outros, "ele falou comigo quando estávamos fora da porta da adega do Bran." "O que ele disse?" Arthur perguntou, fazendo uma volta afiada para evitar uma luz vermelha. "Ele disse que ele estava ligado a Violette. E que ela tinha vindo procurando Bran porque a transferência de poder não tinha funcionado." "Bem, isso esclarece porque os brutos detiveram-me," Bran disse. "Embora depois de matar minha mãe, não vejo por que me esperam como voluntário para ajudá-los." "Hum, eu estou supondo que é a razão pela qual eles bateram em você," Geórgia falou prestativamente. "O objetivo da coerção é que ele não requer voluntários." "De qualquer maneira, eles nunca me teriam," Bran teimosamente insistiu, e em seguida estremecendo de alguma lesão invisível, deitou a cabeça no assento para trás e fechou os olhos. "Bom homem". Ambrose inclinou-se sobre a cadeira e acariciou Bran levemente no joelho antes de virar para o Arthur. "Cara, você não dirige mais rápido essa coisa?" ele pediu em voz baixa. "Volante volta lá está desaparecendo rápido." Eu assisti o Bran por um momento, querendo perguntar-lhe sobre Vincent — para ver se ele sabia alguma coisa sobre espíritos desencarnados. A mãe dele tinha mencionado registros familiares quando pedi para ela ajudar Vincent resistir a morrer. Ela me disse que sua linha de curandeiros sabiam de alguns segredos dos revenants, e ela iria verificar suas notas para ver se poderia nos ajudar. Queria saber se o Bran conhece tudo o que sua mãe tinha. Mas


vendo sua exaustão e seu rosto machucado, sabia que não era o momento de perguntar. Em um tempo de 10 minutos estávamos entrando no portão de La Maison, onde um Comitê de boas vindas esperava pela porta da frente. Jean-Baptiste e Gaspard ficaram em ambos os lados de uma Jeanne, que fez uma corrida para o carro, como paramos. Geórgia e eu ajudamos a deslocar o Bran para fora e, em seguida, seguiu com Arthur e Ambrose apoiando, seus braços apoiados sobre seus ombros. Eles o levaram para a porta da frente, onde Jean-Baptiste esperava. "Eu vou ficar bem," Bran tranquilizou seus guarda-costas, e eles cuidadosamente o colocaram para baixo quando ele estendeu uma mão tremendo para JB "Bonjour", ele começou, mas assim que os dedos dele tocaram a mão do líder morto-vivo, uma luz brilhante, como um flash de câmera, explodiu entre eles, fazendo com que todos ao redor protegessem seus rostos. Pisquei várias vezes antes que as manchas começassem a clarear a minha visão e vi que Bran tinha ficado duro. Ele soltou um gemido profundo, a cabeça dele caiu para frente e afundou inconsciente no chão. "Você está bem?" Gaspard perguntou, correndo para o lado do JB. O líder revenant piscou algumas vezes e sacudiu o braço experimentalmente. "O que é —" Georgia começou, mas foi cortada por Jeanne, que tinha pulado de emergência. "Ei! Pegue-o!" Ela ordenou, e Ambrose levantou Bran segurando-o nos braços dele. O carregaram para o quarto de Vincent, depositaram-no cuidadosamente na cama. Jeanne estava lá num instante, aplicando panos molhados na água fria na cabeça do Bran e nos pulsos. Dentro de segundos suas pálpebras estavam abrindo. "Onde estou?" ele murmurou. Jeanne entregou-lhe os óculos, que tinham caído junto com ele. Pegando-os com as mãos trêmulas, ele olhou ansiosamente em nossos rostos, olhando completamente assustado quando ele me viu. "O que é?" perguntei, olhando ao redor para certificar-me de que ele não estava olhando para outra pessoa. Seu olhar atônito — como se ele não me reconhecesse, depois de ter passado as últimas duas horas correndo ao redor de Paris subterrânea com ele — estava me enlouquecendo.


Ele ficou olhando por alguns segundos, piscou algumas vezes com o olho inchado. Em seguida, suspirando profundamente, ele disse, "nada, criança," e se inclinou para o travesseiro. "Você está bem?" Jeanne perguntou, colocando um cobertor em torno de seu corpo trêmulo. Ignorando a pergunta, Bran perguntou, "Pode supor que sua residência está segura contra os maus?" "Você pode apostar seu doce... Sim, senhor," disse Ambrose. "Enquanto você está aqui conosco você será salvo de numa." "Seguro", respirava o Bran. "Ninguém estará seguro até os triunfos de Victor." "O Victor?" perguntou Arthur. "Ele quer dizer o campeão", esclareci. Gaspard falou acima. "Lamento informá-lo, caro aliado, que o Victor foi capturado. Ele está agora nas mãos dos nossos inimigos.” Bran considerou as palavras de Gaspard. "Sim, Kate informou-me sobre isto," ele respondeu finalmente. "Mas Violette ainda não tem seu poder. E se ela não consegue descobrir a magia da transferência ela mesma, ela não vai aprender isso de mim. Que pelo menos nos dá algum tempo." Jeanne adiantou-se. "Monsieur...." "Tândorn". "Monsieur Tândorn, você gostaria que eu chamasse um médico?" "Não. Merci, chère madame. Os brutos concentraram-se principalmente no meu rosto. O resto de mim que parece machucado — nada quebrado. Só estou muito fraco. Não dormi nem comi desde que mataram a minha mãe." O rosto de Jeanne assumiu a aparência de um perigoso cão cujo filhote está ameaçado por caçadores. Eu tinha visto este olhar antes e sabia exatamente o que significava. Poder da governanta traça sua capacidade de cuidar dos seus pupilos. Segundos depois ela saiu fora da sala, ouvi panelas batendo na cozinha quando ela planejou sua agressão ao estado frágil do Bran. Arthur se aproximou de Geórgia. "Como está seu rosto?" perguntou timidamente, levantando a mão para tocar seu rosto machucado. Minha irmã timidamente desviou do caminho. "Você sabe, depois daquela cena terrível com o numa, eu poderia realmente usar uma caneca de chá forte. Você acha que pode ter qualquer uma por aí?" ela perguntou timidamente.


"É claro", respondeu Arthur, voltando a sua forma habitual. Ele levou a Geórgia educadamente para o corredor. Quando saíram, os outros seguiram. Jean-Baptiste ficou para trás por um segundo, olhando quando ele queria ficar e então disse, "nós temos muito o que falar, Monsieur Tândorn, mas eu vou deixar você descansar. Pode você me fazer uma visita esta noite?" "Claro," Bran respondeu cansadamente. "Gostaria de estar sozinho, ou você prefere que eu fique?" Eu perguntei. "Fique, criança," ele respondeu. Puxei uma cadeira ao lado da cama e me sentei resolvida, "Fiquei triste ao saber de sua mãe", eu disse depois de um momento de silêncio. "Sim," ele disse. "Ela era uma alma excepcional. Uma mãe amorosa. Uma mulher sábia." Eu hesitei antes de continuar, mas ele parecia querer conversa. "Ela teve tempo para passar seus dons ao longo dos anos para você antes de ela... ir?" Eu perguntei. Ele respirou fundo e, alcançando um travesseiro adicional, enfiei atrás dele para que ele focasse quase sentado. Seu olho inchado era a cor de uma ameixa madura e o outro foi ampliado por seus óculos de lentes grossas que parecia uma castanha em 3D. Ele olhou para mim, piscou curiosamente e então rapidamente afastou os olhos novamente. Eu brincava com meu cabelo, me perguntando se havia teias de aranha ou detritos das passagens subterrâneas ainda preso nele. "Sim. Sim, ela disse," ele respondeu. "Herdamos seus dons curativos e agora sou eu mesmo um guérisseur." Eu sorri tristemente, sabendo que seus poderes recém adquiridos não podiam compensar a perda de sua mãe. Ele tocou meu braço com dedos magros por um tempo, e seus lábios finos curvados nos cantos. "É uma pena que você não tenha uma enxaqueca para que eu pudesse te mostrar como funciona. Embora, como a minha mãe, meus dons não são confinados ao Reino mortal." Ele puxou para trás a manga de sua camisa e me mostrou uma tatuagem fresca no interior do pulso, a carne ainda rosa em torno dela. Um triângulo com chamas queimando para fora de suas três arestas foi incluído dentro de um círculo.


"A signum Bardia", eu respirei. E puxando a versão em Sr. Gold e safira que Vincent tinha-me dado por debaixo da minha camisa, segurei-a para ele ver. "Temos algo em comum, criança. Tanto confiáveis por parentes. E olhe só onde nos trouxe!" Ele sorriu debilmente. Soltou meu braço, e deitou sua cabeça contra o travesseiro e fechou os olhos. Parecia que a conversa tinha acabado. "Bran, quero te perguntar uma coisa." Ele abriu um olho e piscou para mim, olhando exausto. Agora não era à hora de questioná-lo, mas não sabia quando teria a chance novamente. "Se sua mãe te deu presentes, significa que você tem todo o seu conhecimento também?" "Ela me disse nossas histórias desde que eu era uma criança," ele respondeu determinado. Sentindo uma pontada de culpa por ter exigido muito dele, eu continuei. "Bem, ela me disse algumas semanas atrás que sua família sabia segredos sobre os revenants. E pergunto-me se sabia alguma coisa sobre o que era a chamada de bardia de almas errantes. Que é o estado que Vincent está agora, desde que Violette destruiu seu corpo. Eu queria saber se havia alguma maneira — " fui interrompida por uma batida na porta. Gaspard colocou sua cabeça na porta. "Desculpe-me, Kate, mas você tem um visitante". "Uma visita"? Eu perguntei, confusa. A porta abriu-se com força. Gaspard afastou e uma idosa, vestindo um terno Chanel rosa, saltos de quatro polegadas e um olhar de pura fúria entrou no quarto. Deus ajude a todos, Mamie foi no La Maison.

SETE A minha avó caminhou para o quarto, eu senti meus dois mundos colidem. O fato de que a Geórgia tinha tido em segredo por meses — tinha visitado La Maison várias vezes — não diminuía o trauma de outra pessoa que eu amava entrar no universo perigoso dos revenants. Por minha causa. Agora que Mamie estava aqui, me senti responsável por sua segurança — que, de agora em diante, foi era uma impossibilidade; segurança e revenants não ficam juntos. "O que faz aqui?" eu perguntei minha voz em pânico, devido ao medo, para a minha avó e medo dela.


O olhar de minha avó caiu sobre a forma maltratada de Bran na cama, e os olhos dela cresceram mais amplos antes de me olhar ardentemente. "Quando liguei para sua escola era para dar a vocês o dia de folga para recuperarem, eu não queria você correndo de volta para o perigo de que escapou ontem. Você me deixou um recado que estavam pulando para fora e 'estaria de volta em breve’. O que aconteceu durante as horas em que esteve fora "— ela falou gravemente em direção de Bran —" encaro como uma traição direta... Por cima do ombro de Mamie vi Jean-Baptiste entrar depressa no quarto. Gaspard fechou a porta atrás dele. JB encontrou meus olhos e fez um movimento para eu fechar a boca, balançando a cabeça em aviso. Estava claro que ele queria falar. "Ma chère madame," ele começou. Mamie voltou rapidamente para enfrentá-lo. Ele deu-lhe um lacinho educado em linha reta a partir do século XVIII, e ela retribuiu com um aceno de cabeça firme. Debaixo do penteado caro e terno caro, Mamie era uma força a ser contada. Mas como eu conheço a minha avó, eu percebi que, sob a raiva dela, ela estava realmente apavorada. E então me lembrei de como eu fiquei assustada quando eu aprendi o que era Vincent, e meu coração saiu com ela. Minha avó tinha entrado no covil do monstro... por mim. "Bonjour, Monsieur Grimod," ela disse com uma voz firme. "Desculpe-me por invadir sua casa sem ser convidada, mas estou aqui para recolher minhas netas." "Claro, madame. Mas eu pensei que nestas circunstâncias perigosas, prefere estarem aqui, sob a nossa proteção, em vez de fora no mundo público desprotegido." "Desprotegido"! O rosto de Mamie ficou vermelho. O olhar dela mudou para Gaspard, que assentiu com a cabeça, concordando com JB, olhando para trás, ela atirou em mim seu olhar mais perigoso e em seguida, expirou entre os lábios franzidos, tentou recompor-se. "Monsieur Grimod, por favor, tente se colocar no meu lugar. Ontem minha netas voltaram para casa depois de participarem de uma luta violenta, durante o qual tanto poderiam facilmente serem mortas. Namorado da Kate na verdade foi morto, embora eu percebo que n esse tipo de coisa não é tão grave para o seu tipo, sua morte não sendo permanente," ela disse ríspida. "Mas porque o corpo dele então foi imolado, estava agora flutuando como um fantasma e aprisionado em um castelo por um psicótico zumbi medieval. O mesmo psicótico medieval zombie que deu em uma das minhas netas uma


concussão e tem enviado a outra flores pelo último par de meses... em nossa casa... porque ela sabe onde vivemos." O rosto do Mamie estava agora roxo de sua batalha entre a cortesia e seus verdadeiros sentimentos. "E agora estou sendo perguntada se minha neta pode estar de volta na mesma situação. A menos que eu esteja completamente louca, minha resposta a esse pedido seria um inequívoco não." "Mas, minha querida senhora, que é exatamente por isso que você deve deixar suas netas virem até nós. Porque o caso é, infelizmente, assim como você afirmou. Numa sabe onde você mora. Violette sabe onde você mora. Eu gostaria de oferecer a você e suas netas nossa proteção, por isso é uma coisa muito boa que você está aqui agora e podemos falar sobre isso." Mamie hesitou, depois disse, "eu perdi meu filho há um ano e meio por um motorista bêbado. Eu me recuso a perder outro membro da família — ou dois — por uma razão tão insignificante." "Não há nada sem sentido sobre uma batalha entre o bem e o mal, dame de ma chère," Jean-Baptiste respondeu calmamente. "E essa é a posição que nos encontramos agora. Por favor, venha comigo." Ele estendeu o braço e esperou, ignorando a maneira que Mamie vacilou quando ela finalmente aceitou levemente em seus dedos. "Nós vamos nos retirar para a sala de estar, onde Jeanne vai nos servir café. Ou você prefere chá? Se você é favorável, nós convocaremos Kate para se juntar a sua irmã na cozinha para discutirmos a situação entre nós mesmos." Segui-os para o corredor e Gaspard fechou a porta do quarto atrás de nós, deixando um Bran na cama, ficando sozinho para descansar. "Vejo que conheceu Gaspard, meu parceiro de longa data," continuou o JB com um sorriso irônico. "É na opinião dele que eu sou a pior pessoa possível de ser encarregada com explicações, então vou pedir a ele para se juntar a nós." Eu levantei minhas sobrancelhas com surpresa. Jean-Baptiste tinha saído do armário com a minha avó, enquanto eu nunca tinha ouvido ele menciona o seu relacionamento com Gaspard a ninguém antes. Não era um segredo, mas vindo de tempos antigos não eram exatamente para o PDA e era fácil esquecer que eles estavam juntos. Ouvir dos seus próprios lábios foi uma revelação. Isso significava que ele estava tentando mostrar a minha avó que ele estava colocando tudo — até mesmo suas informações pessoais — à sua disposição


para que ela pudesse confiar nele. Como eu estava pensando isso, JB olhou por cima e me chamou a atenção. “Merci”, eu respondi. Ele assentiu sorrindo para mim. "Minha querida mulher, posso dizer que é um verdadeiro prazer ter você nos fazendo uma visita na nossa própria casa," Gaspard estava dizendo, agitando apenas ligeiramente à sua maneira quando ele fez uma referência beijando sua mão, que eu sabia que iria derreter o coração de Mamie. "Katya, não deixe esta casa," ela disse, virando-se para mim. "Vou ver você e sua irmã quando eu acabar de falar para os senhores." E segurando o braço do JeanBaptiste, ela acompanhou o casal de "Revenant" no final do corredor. Entrei na cozinha para encontrar uma discussão tática sobre como encontrar Violette ocorrendo entre uma refeição com temática italiana. O forte cheiro de alho grosso pendurado no ar, misturado com o aroma reconfortante de queijo assado. "Então ela não foi encontrada?" Eu perguntei. Ambrose abanou a cabeça. "Henri e os outros apenas estão de volta. Mais uma vez, ela desapareceu." Ao lado dele, uma cabeça virou e o familiar olhos verdes perscrutou acima de mim. "Charlotte"! Eu gritei, jogando meus braços ao redor dela quando ela subiu para cumprimentar-me. "Você voltou." "Ah, Kate. Nós pulamos em um trem assim que ouvimos o que aconteceu." Ela deixou Geneviève vê-la a transformar e apertar-me antes de retornar para sua cadeira. "Sente perto de mim," Charlotte disse com o cabelo caindo ao longo de suas costas e vertendo em torno de seu rosto. "Desculpe-me sobre Vincent". "Assim sou eu", disse, engolindo para limpar o caroço na minha garganta. Eu olhei para baixo da mesa na direção de Geórgia. "Você sabe que Mamie está aqui?" Minha irmã se engasgou com o que ela estava comendo. Arthur saltou sobre ela com um copo de água. Ela engoliu um gole e, tossindo no guardanapo, engasgou, "é a pior piada que você já fez. Você poderia ter me matado." Ela deu uma tapinha no peito e tossiu um pouco mais. "Não é brincadeira," eu disse. "Ela está tendo uma conversa com Jean-Baptiste e Gaspard e vem buscar-nos mais tarde."


"Oh não!", minha irmã respondeu, empurrando o prato dela fora. "Você mal tocou sua lasanha," Arthur repreendeu suavemente. "Não estou com fome mais." Geórgia envolveu seus braços em torno de si mesma e fiquei sentada olhando nervosa. Charlotte mudou de assunto. "Geneviève e eu tínhamos falado sobre vir para Paris desde a sua visita." Nem uma semana atrás, eu percebi com espanto, que Vincent e eu tínhamos ido ao sul da França sentados sobre a falésia, com vista para o oceano e falando sobre nosso futuro. Há apenas seis dias, ele explicou o caminho escuro para mim e seu plano para matar para resistir a morrer. E agora ele se foi. Jeanne veio de onde ela estava preparando uma bandeja para minha avó e me deu um beijo carinhoso, firme em cada bochecha. "Você vai juntar a nós para uma lasanha, não é, Kate?" "Eu não estou com fome. Obrigada de qualquer maneira, Jeanne," eu disse. "Nonsense", respondeu ela. E pegou um prato, carregado com um quadrado fumegante de massa gosmenta e depositou-o na minha frente. "Nunca diga não a Jeanne," murmurou Ambrose, tomando um pedaço considerável de pão de alho. "Especialmente ao longo de uma das receitas da avó italiana. Ela só não vai ficar ofendida, só vai tomar isso como um desafio. Cuidado com isso." Ele fez um gesto para o prato vazio. "Jeanne, a lasanha estava deliciosa. Estou tão cheio que eu não poderia imaginar dando outra mordida." "Não seja ridículo," ela disse e trouxe a panela para a mesa, jogou um pedaço de tamanho gigante na frente dele. "Com todos os combates que vocês farão, precisa de todas as calorias que você possa obter". Ambrose levantou uma sobrancelha e sorriu para mim em triunfo antes de uma olhada em todo o rosto de Geneviève. Oh não, eu pensei. Parecia que Ambrose não tinha superado sua paixão pela revenant recentemente viúva. Qual deve ser quebrando o coração de Charlotte. Ela olhou para baixo para a comida e fingiu que não viu o olhar de saudade de Ambrose. "Como está Charles?" Eu perguntei para distraí-la.


"Oh, ele está bem," ela disse, seu rosto iluminou-se com o pensamento de seu irmão gêmeo. "Quero dizer, eu não o vejo desde que ele fugiu para a Alemanha, mas ele manda notícias por e-mail ou liga quase todos os dias." "Eles acabaram com GPS para o outro em seus telefones celulares," acrescentou Geneviève com um sorriso. Charlotte revirou os olhos. "Obrigado por deixar todo mundo saber sobre nossa triste codependência gêmeo-idêntico," ela gemeu, mas sorriu. "É incrível quanto ele mudou em tão pouco tempo", ela continuou a me dizer. "Ele está sempre falando sobre seus sentimentos sobre o 'nosso destino' e como estamos aqui na terra para devolver à humanidade. Ele e seus parentes alemães partiram esta manhã para uma espécie de retiro espiritual na montanha." Ela clicou em seu telefone celular e olhou no mapa digital, mostrando a França e a Alemanha ao lado. Paris era uma luz vermelha piscando, e sobre a Alemanha, uma linha verde para o oeste de Berlim "Ele não deve ter um sinal lá porque ele nem sequer apareceu" e parou com um ponto de interrogação piscando uma polegada para o oeste. "Sim, eu diria é uma co-dependente bonita," eu disse com um sorriso irônico. Charlotte me deu uma cotovelada se divertindo, "Oh, pare. Só um gêmeo poderia entender. Sei lá," ela disse e escondeu o telefone no bolso do casaco. "Uma pequena refeição de sua avó e os homens," Jeanne disse quando ela saiu da cozinha com a bandeja de chá. Todo mundo caiu em um silêncio reflexivo e focado na deliciosa refeição da Jeanne até ela retornar minutos depois. "Relatório de status"? Eu perguntei. "Sua avó parece estar agüentando bem. Ela não parecia muito feliz, mas ela estava ouvindo o que Jean-Baptiste e Gaspard estavam dizendo," Jeanne disse, colocando o seu avental. "Que foi...", estimulou. "Eles estavam propondo algum tipo de plano, onde você e sua irmã só andariam por qualquer lugar acompanhadas," ela respondeu com naturalidade e então virou-se para verificar algo no forno. Geórgia e eu olhamos uma para outra com preocupação. "Eu sei que estamos esperando por Jean-Baptiste para nos dar instruções", disse Arthur, tirando sua atenção longe da minha irmã. "Mas nós também podemos traçar algum até ele acabar de falar para Madame Mercier. Não tenho dúvidas


que ele vai enviar-nos em uma viagem de exploração quando nós o informarmos que a equipe perdeu a noção do Henri de Violette." De pé e levando seu prato para o aparador, Ambrose abaixou para dar nos ombros de Jeanne um aperto. "Sem sobremesa?" ela perguntou. Ambrósio acariciou sua barriga com ambas as mãos. "Não, eu não podia, Jeanne. Estou assistindo minha figura." Ela gargalhou enquanto ele caminhava em direção à porta. "Eu poderia usar um pouco de um treino se estamos apenas saindo por um tempo. Espadas, alguém? "ele chamou. "Isso é um convite que não resisto," respondeu Charlotte, e Jeanne agradecendo a refeição, ela seguiu Ambrose para fora da porta. "Eu estou em uma luta!", exclamou Geneviève e Arthur levantou-se para se juntar a ela. "Eu vou assistir", murmurou uma Geórgia mais pálida do que o usual. Eu sorri. Foi como ela tentava esconder-se tanto quanto possível, ao invés de enfrentar a ira do Mamie. "Deixe seus pratos, queridos e vão trabalhar fora alguns para eliminar as energias," disse Jeanne, acenando-os longe da mesa e saindo pela porta. "Eu vou ser lá embaixo," eu falei. Eu ainda estava implicando com minha lasanha, na tentativa de mover as peças da mesma em torno de meu prato para que Jeanne pensasse que tinha comido. "Eu vejo o que está fazendo, mon petit chou," ela disse quando ela estava na pia de costas para mim. Eu coloquei meu garfo na mesa. "Preso", eu respondi. Ela virou, e curvou seus lábios em um sorriso compassivo. "Você sabe o que? Eu tenho algo para você. Algo que pode ser um conforto nos dias difíceis pela frente." Ela tomando minha mão, me levou para fora da cozinha até o quarto no corredor. Era um que ela usava em ocasião rara quando ela precisava para passar a noite, e eu nunca tinha estado dentro. Atravessando o chão acarpetado, ela ligou a lâmpada do abajur e pegou um objeto sentado ao lado dele. Voltando, ela colocou-o na minha mão. Era um medalhão em forma de coração de cristal e prata.


Olhei a minúscula bugiganga. Um raminho de flores foi gravado para o lado de prata, e meu dedo atropelou o metal delicadamente sulcado. "Miosótis", disse Jeanne, e senti que uma mão apertou firmemente meu coração. O corpo de Vincent tinha ido embora, mas eu não iria esquecê-lo. Ou iria? Seu início de rosto desapareceria da minha mente como tinham os dos meus pais, substituídos pelas imagens deles preservadas em fotografias? Eu olhei o medalhão pelo lado do cristal. Através do vidro transparente vi algo escuro fechado dentro e segurei-a contra a luz. Era uma única mecha de cabelos pretos.

OITO "É DE VINCENT?" perguntei boquiaberta. Jeanne assentiu com a cabeça. "Onde você conseguiu isso?" Atordoada, eu revirei a bugiganga estranha ao redor da minha mão. Jeanne "o medalhão é da coleção do Gaspard memento mori", respondeu. "Ele disse que eu poderia dar a você." "Não," eu disse, segurando-a para indicar o que estava dentro da prisão de cristal. "Por que você tem uma mecha de cabelo de Vincent?" Jeanne pensou um momento e então disse: "Vai ser mais fácil para te mostrar." Ela apontou para uma mesa de canto em que guarda uma variedade de caixas de prata e esmalte muito bem trabalhadas e velas em simples titulares de lata furada. "É um ritual que minha mãe me ensinou quando eu fiquei no lugar dela. Uma prática que a mãe dela tinha passado para ela. Nós sempre sentimos uma responsabilidade especial para nossos revenants. Faz-nos sentir melhor pensar que temos alguns cuidados com sua sobrevivência. Eu não sou uma mulher religiosa, Kate. Mas rezo todos os dias para meus alas." Peguei uma caixinha da frente da mesa e abriu a tampa em alto-relevo. Uma mecha de cabelo vermelho sentou aninhada dentro do forro do rico veludo azul. "Charles", eu respirei. "Ele é o que mais tenho pensado que da maioria, recentemente”, Jeanne disse, sacudindo a cabeça tristemente. "Se alguma vez um garoto precisa de uma vela acesa é para ele". E tocou uma caixa coberta de um mosaico de folha verde e azul. "Isso é de Vincent," ela disse. Eu peguei e abri a tampa para ver o vazio interior almofadado. "Agora que eu te dei minha pequena lembrança de Vincent, espero que você assuma minhas orações para o seu bem-estar", disse Jeanne.


"Eu vou", eu prometi. Satisfeita, ela balançou a cabeça para o fundo da gaveta, onde dezenas de caixas delicadas estavam alinhadas lado a lado e empilhados umas sobre as outras. "Mesmo quando eles se vão, eu não consigo me livrar de suas caixas. Nem poderia mesmo tanto as minhas quanto as da minha mãe." Estremeci. As pilhas que devem representar parentes do Jean-Baptiste destruídos por numa. "Vincent ainda aqui nesta terra, doce menina," ela disse, "mesmo que seja só em espírito. Você tem que ser corajosa." Somente em espírito. Essa palavra juntamente com a expressão de piedade de Jeanne partiu meu coração, digeri o fato de que essa mecha de cabelo constituía apenas alguns restos de Vincent. Agora, ele era um fantasma. Imaterial. O que o futuro poderia assegurar para uma garota e um fantasma? O grande espaço vazio no meu peito doía e teria de manter dolorido, até que eu pudesse tocá-lo novamente. Que nunca vai acontecer porque ele foi embora, eu me lembrei. Não foi isso que Vincent estava tentando dizer-me quando ele desapareceu? E ele tinha razão... exceto para a sua conclusão: eu sempre estarei perto. Eu sempre vou cuidar de você. De agora em diante, a única coisa que posso fazer para você é tentar mantê-la segura. Apertei forte no meu peito, como se isso ajudasse a dor ir embora. Na minha outra mão apertei o medalhão firmemente. Não, eu pensei. Eu me recuso a aceitar o cenário Vincent espírito: continuando minha vida como se ele já não existisse, enquanto ele me vê como um anjo da guarda do meu perseguidor. Não vou viver para fora dessa tragédia. E, abruptamente, meus pensamentos os meus pais e o grande amor que eles tinham compartilhado. Ele tinha praticamente irradiado a partir deles, afetando todos nas proximidades, fazendo todos ao seu redor felizes. Enchendo os outros com esperança. Eu poderia ter tido um amor assim com Vincent. Senti-lo. Tinha havido algo certo sobre nós: era maior do que apenas duas pessoas apaixonadas. Quando estávamos juntos, ele tinha sido como uma das belezas de verdade e rara da natureza; como um impossível raio de sol perfurando através de nuvens negras, banhando o relento da terra e transformando em Sr. Gold. Juntos, Vincent e eu tínhamos criado algo bonito. E, com esse pensamento, algo endureceu dentro de mim. Uma recusa. Uma rejeição do destino sendo empurrado para cima de mim. Mesmo que eu não tinha idéia de que forma levaria, eu encontraria uma solução. Porque deve existir uma solução. Eu toquei


o medalhão de cristal com os meus lábios. E puxei o cordão que segurava o signum que Vincent tinha me dado sobre a minha cabeça, eu adicionei o medalhão de mori do mesmo antigo símbolo dos revenants e os escondi sob minha camisa. Ouvi uma batida na porta, Jeanne e eu viramos para ver Gaspard, entrando com seu cabelo esticado como uma explosão. "Ah sim... desculpe-me por interromper."... Ele evitou meus olhos, como permitindo-nos terminar em privacidade. "Está tudo bem, Gaspard. Eu tinha acabado de mostrando a Kate minhas caixas." "Sim, sim. Bom, bom." Gaspard assentiu com a cabeça, puxando nervosamente a bainha do seu casaco, endireitando o que já foi passado à perfeição. "Sua avó está pronta para sair, Kate e quer que vá com ela." Eu beijei a Jeanne e seguindo Gaspard ao Arsenal, onde encontrei com Geórgia e caminhamos o longo corredor até o hall de entrada. "Nós estamos indo para a forca", disse Geórgia. "Pergunto-me se ela nunca vai nos deixar sair do apartamento novamente." "Eu não me preocuparia com isso," Gaspard murmurou, mas não disse mais nada. Encontramos Mamie na porta da frente, seu humor melhorou muito. "Então me diga," ela estava pedindo a Jean-Baptiste, "o retrato de seu predecessor que eu restaurei: era a babá na verdade ou você?" "Oui, madame," o mais velho revenant aquiesceu. Mamie assentiu, estudando seu rosto. "Bem, apesar de saber que há mágica envolvida, devo dizer que estou terrivelmente impressionada com o quanto que mantive," ela comentou com admiração. Ela se virou, nos ouvir entrando. "Aí estão vocês, mes enfants," ela disse, com o olhar severo, voltando ao seu rosto. "Venha agora. Vamos discutir tudo com seu avô quando chegarmos em casa." Gaspard segurou a porta aberta, Geórgia e eu nos aproximamos, Mamie enxotando-nos em frente como uma mãe galinha. Amarrando os braços dela através do nosso, ela virou para dizer adeus. "Estou ansioso para encontrar seu marido, um destes dias," disse Jean-Baptiste. "Eu não vou dizer que ele se sente da mesma maneira," Mamie comentou com um brilho divertido nos olhos dela, mas eu terei uma conversa com ele e vamos


ver como correm as coisas. Entretanto, agradeço sua oferta de proteção. Estarei em contato." "Como quiser, madame," Jean-Baptiste respondeu. "Você está no controle total com a forma na qual as coisas devem prosseguir entre sua família e a minha. Dáme a palavra e vou lhe fornecer tudo o que você pedir". "Merci, monsieur de cher," Mamie disse, acenando elegantemente e em seguida, andando, nos levou em direção ao portão. Eu sabia que nós estávamos bem quando passamos a fonte e Mamie, incapaz de ajudar a si mesma, levantou um dedo para o anjo e o fato dele lindo. "Notou que espetacular exemplo de escultura da era romântica, Katya? A qualidade diáfana do vestido da mulher só poderia ter sido alcançada por um grande mestre. Certamente não se Canova. Mas, então, novamente, pergunto-me. Em qualquer caso, verdadeiramente requintado." A raiva da Mamie tinha passado. Eu sorri. "Sim, Mamie. Notei isso antes."

NOVE PAPY estava esperando ansiosamente na cozinha quando nós entramos, brincando com um chazinho intocado. "É hora de todos nós termos uma conversa", Mamie anunciou antes que Geórgia e eu pudéssemos escapar para nossos quartos. Ela nos juntou no salão, gesticulando para as cadeiras que ela queria que nós sentássemos nos. Não via Papy desde que tudo tinha acontecido. Ele olhou para mim, suas feições transmitindo raiva, medo e desapontamento. "Dizer que estou furioso seria um eufemismo selvagem," ele disse, segurando os braços da cadeira. "Estou tão triste, Papy," eu disse, o que significava tudo. Ficou ali sentado com o olhar ferido olhando para um outro lado, e então de repente ele era como um balão esvaziando. Se recostou na sua poltrona e fechou os olhos, seu olhar mudou em um segundo de "força a ser reconhecida com" para "homem idoso cansado." Ele abriu os olhos e focou em mim. "Quando eu a proibi de ver Vincent foi para sua própria proteção. Não, mas então você se jogaria sozinha no meio de uma batalha sobrenatural." "Havia coisas maiores do que apenas eu e Vincent, Papy", expliquei.


"Toda a sua casa estava em perigo e eu achava que sabia quem estava a traílos." "Maldita casa dele," Papy afirmou sucintamente, retornando a raiva dele. Geórgia rompeu o silêncio. "Vincent é meio irrelevante agora, Papy, tendo sido reduzido para basicamente um fantasma." Meu peito apertou quando ela disse. Embora eu já estivesse plenamente ciente da situação, isso de alguma forma fez piorar, ouvir o que ela afirmou diretamente. "Eu disse a seu avô o que aconteceu ontem," Mamie esclareceu. Papy soprou para mostrar que embora ele fosse informado ainda não aprovava, mas seu olhar severo suavizou um pouco. "Tudo bem", eu concedi. "Levaremos Vincent e sua casa fora da equação. Vamos apenas falar sobre a nossa casa. Sobre mim." Eu estabilizei a minha voz. Ficando emocional não ia ajudar o meu caso. "Se você se lembra, Papy, do numa que apareceu na sua galeria depois de Vincent. Eles estavam atrás de mim, porque um dos seus parentes tinha informado-lhes quem matou o líder. Eu tinha certeza do que eu sabia que tinha dito. E Geórgia e foi para provar." "Nunca pensei que era o Arthur," começou a Geórgia, mas Mamie olhou e fez sinal para ela se calar. Meu avô abanou a cabeça em descrença. "Por que o mundo tirou a sorte pra vocês?" "Porque o Vincent não acreditou em mim," Eu respondi. "É verdade que Kate descobriu o traidor. Ninguém suspeitava de Violette," observou Geórgia. As mãos enrugadas e com as veias alinhadas do Papy enroladas em punhos e batem nos braços amortecidos da cadeira. "O resultado final não importa. Queria que ficasse longe deles, Kate. Não se envolver ainda mais em seus problemas." Poderia ter respondido que em uma dúzia de maneiras diferentes, mas senti que era mais sábio neste momento manter minha boca fechada. Mamie deixa o silêncio seguir antes de falar. "Bem, você disse o que queria Antoine. E, Kate, você já ouviu de seu avô. Mesmo que você não vá obedecê-lo na letra da lei — não conheceu Vincent nas costas do seu Papy — suas ações colocam você e sua irmã em perigo mortal. E, se Violette tivesse capturado Vincent mais tarde, suas ações ontem levariam a sua morte."


"Mamie!" Geórgia exclamou ofegante, meus olhos cheios de lágrimas. Mas se antes elas machucaram, as palavras da minha avó só derramaram querosene em uma chama de dúvida que já tinha sido ameaçada a faísca para uma fogueira. Embora Violette tivesse planejado matar Vincent e derrubar os revenants, tudo tinha vindo à tona por causa de minhas ações. Ninguém tinha mencionado isso no La Maison. A prisão de Vincent por Violette era completamente culpa minha nas mentes dos revenants. Mas não pude deixar de pensar como as coisas teriam acontecido se eu não tivesse precipitado seu confronto. Eu ia ter que viver com essa pergunta. E a culpa. Vendo meu rosto, Mamie levantou-se de sua cadeira e veio colocar uma mão confortante em meu braço. "Peço desculpa, querida. Não quis dizer dessa forma," ela admitiu. "Mas estamos todos juntos nessa confusão agora. Numa sabe quem somos e onde vivemos." Ela fez uma pausa e virou-se para Papy. "É por isso que me parece que ordenei as nossas netas para ficarem longe de seus amigos revenant, neste momento faria mais mal do que bem." "Mas, Emilie! Como pode dizer isso?" Papy exclamou, levantando-se a seus pés. "Porque acabo de regressar de uma longa discussão com o chefe de bardia da França, Monsieur Grimod de la Reynière." As sobrancelhas do Papy subiram para sua linha fina. "Por que foi até lá?!" Ele olhou incrédulo para mim e Georgia, olhando até quando ele não agüentou mais. Mamie continuou como se ele não tivesse falado. "E nós, juntamente com seu companheiro, um historiador muito bem informado, os dois discutiram a maneira mais prudente de avançar." Meu avô afundou em seu assento com uma expressão como se ele tivesse levado um tapa. "E isso seria...", ele era solicitou. "Acontece que Monsieur Grimod já tinha definido um sistema onde Kate seria escoltada para onde ela fosse. No entanto, ontem ela e Geórgia conseguiram enganar o sistema por deixar a escola durante um tempo que os revenants pensaram que estavam a salvo." Mamie atirou-me um olhar de desaprovação, mas já estava me sentindo tão deprimida e culpada, que não teve qualquer efeito. "Ele também sente que se numa não tivesse conhecimento da Kate ou Geórgia, o melhor curso de ação seria ser mantê-las longe dos revenants". Agora fui eu quem senti um tapa. "Como pode ele dizer isso se foi ele quem me pediu para voltar e falar com Vincent quando tínhamos acabado?"


"Para mim, Kate, admitiu isso" Mamie respondeu. "Ele disse que era mau julgamento da parte dele. Que ele estava apenas pensando em Vincent porque ele nunca o tinha visto tão perturbado antes. Aquele que pensa na própria criança em tais circunstâncias, e que ele foi negligente ao não considerar a você e a sua segurança." Papy deu uma espécie de ruído rouco, sinalizando o seu descontentamento. "Em qualquer caso, o que está feito está feito, e ambos concordamos que neste momento você está mais segura perto dos revenants que longe deles. Na verdade, todos nós estamos. Monsieur Grimod diz que neste momento Violette tem intenção sobre a guerra e eles devem considerar qualquer um de seus aliados ou contatos em risco, mesmo que seja duvidoso que ela vá manter o interesse nas meninas agora que ela tem Vincent." Então Jean-Baptiste não contou a Mamie que Violette pode me usar como isca para fazer Vincent obedecer-lhe todos os caprichos. Isso foi a preocupação real tanto quanto eu estava preocupada — a única razão de que ela estaria preocupada comigo, no mínimo. "Jean-Baptiste me prometeu que Kate e a Geórgia terão revenants assistindo-os vinte e quatro horas." Ela se virou para nós. "Não se preocupem, meninas, nem saberão que eles estão lá." "Ele está atribuindo-lhes dois guarda-costas em tempo integral?" Papy perguntou, confuso. "Acredite em mim, Antoine, Monsieur Grimod tem um monte de revenants ao seu serviço. Isto mal amassou seus números. O que você sente sobre isso?" Papy olhou entre nós três, e então, cruzando os braços sobre o peito, ele exalou um suspiro longo e triste. "Ma princesse," ele disse, olhando para mim. "Eu sei que o Vincent e seu tipo estão aqui para ajudar a humanidade. Que ele é um dos bons. Se não fosse o fato de estar perto dele e seus parentes coloca você em perigo, ele contava uma honra a ser associado com eles. Mas sua segurança é muito importante para mim, e isso muda tudo em minha mente." Meu avô fez uma pausa, pensando. "Se pedirmos para abrir mão de Vincent e seu tipo, você faria isso?" ele perguntou. Não consegui olhar nos seus olhos. Massageando minha testa com a ponta dos meus dedos por alguns segundos, eu admiti, "Não". "Uma resposta verdadeira," Mamie disse. "Por causa disso eu prefiro colaborarmos com Jean-Baptiste para mantê-la segura, do que restringir a você de vê-los como seu Papy fez."


Meu avô começou a discordar, e Mamie põe uma mão em sinal de paz. "Bastante razoável, querido, não te culpo por isso nem um pouco. Mas levou Kate para seu acampamento sem o nosso conhecimento." Papy sentou-se, derrotado. "Embora seja o oposto das minhas intenções naturais," minha avó continuava, "Eu sinto que é melhor que fique sob os cuidados protetores dos revenants — enquanto nós sabemos onde você está todo o tempo." Ela se virou para meu avô. "Antoine, você pode encontrar seu caminho para concordar comigo?" Meu avô sentado estava olhando miserável. "Eu não gosto, mas faz sentido. Sem dúvida os revenants podem proteger as meninas melhor que nós. Eu concordo com isso como um plano de curto prazo, mas quero que todos saibam que sintome muito apoiado em um canto, e que é não o que eu queria no mínimo." "Todos sabem que," Mamie continuou e então se virou para nós. "Meninas, temos sua palavra de que vocês não vão tentar driblar seus guardas como vocês fizeram ontem — ou saindo de casa como hoje, a menos que vocês estejam acompanhadas?" Geórgia e eu concordamos. "Bem, então. Temos um acordo". Fui abraçar a minha avó, e quando eu me inclinei sobre ela sussurrei no seu ouvido, "Eu sinto muito, Mamie." "Também sinto, Katya querida," ela respondeu. Como os olhos dela estavam cheios de problemas, eu sabia que ela não estava falando sobre minhas ações. Ela tinha a desculpa que eu tinha perdido o Vincent, mas ainda sentia mais pena que eu tinha encontrado com ele em primeiro lugar.

DEZ Eu acordei pensado, dois dias. Segundo dia de Vicent como um espírito desencarnado e nós estávamos nem perto de libertá-lo de Violette. Ugh. Violette. Só o nome dela me faz doente, uma palavra evoca uma pequena e delicada flor roxa. Mudar algumas letras, embora, e você tinha "Violenta". "Violar". O desejo de vingança inflamou-se dentro de mim. Eu queria machucá-la. Para recompensá-la pela traição e assassinato, ela tinha infligido sobre a Bardia e sobre mim. Eu engoli o caroço de amargura em minha garganta e provei a bile. Em toda a minha vida realmente nunca odiei ninguém. Ok, eu tinha odiado o assassino dos meus pais — um motorista bêbado — mas ela tinha sido uma pessoa abstrata,


anônima, que nunca conheci. Agora meu ódio tinha um rosto. Um nome. E eu senti o veneno queimando em minhas veias. Foi realmente muito bom. Porque quando eu me concentrei na vingança, me fez esquecer meu desespero. O terrível vazio e tristeza que eu estava sentido — o conhecimento que eu nunca tocaria mão de Vincent, face, boca mais uma vez, nunca mais ouvir sua voz baixa me xingando seu animal de estimação — foi temporariamente submersa pelo ódio que sentia pela pessoa que tinha feito isso com ele. Pare, eu própria comandei. Cedendo ao meu ódio não ia fazer nada para Vincent, somente para mim. E mesmo que eu conseguisse pegar Violette, eu ainda seria deixada com minha perda. Tive de pensar além da minha raiva. Ontem, na sala da Jeanne, tinha resolvido encontrar uma solução. Tinha que haver alguma coisa que eu poderia fazer. Algum tipo de segredo que eu poderia descobrir para liberar Vincent. Talvez até para trazê-lo de volta. Meus pensamentos correram com possibilidades. Pode haver esperança para ele. Para nós! Mas tão rápido como o pensamento ocorreu-me, uma verificação da realidade do vir-a-sua-sentidos-Kate arrebatada meu otimismo. Revenants poderiam regenerar partes do corpo lesadas ou cortada, mas não um corpo inteiro. E se havia alguma maneira que podiam parentes de Vincent já saberiam disso. Talvez não, disse a mim mesma. Talvez Bran sabia de algo, a Bardia não. Pelo menos, tinha que haver uma maneira de libertar a ligação entre Violette e Vincent. Eu ia tentar. Essa resolução impulsionou-me da cama e vesti minhas roupas, e quando olhei para meu telefone e vi o texto do Jules, estava pronta. “Estou mais uma vez incorporado e capaz de dar-lhe uma atualização. Infelizmente, a atualização é que não há notícias. JB acha que é melhor se você e G passassem o dia aqui. Eu vou procurar Vincent. Seus acompanhantes estão esperando lá embaixo.” Eu bati na porta da Geórgia. "Entre," ela chamou. Para minha surpresa, minha irmã estava acordada, vestida e totalmente composta. O terrível inchaço no rosto dela tinha ido para baixo, e como especialista em trabalho ela tinha feito com corretivo, tudo o que podia e só se via algumas pequenas marcas amarelas ao longo de sua bochecha e queixo. Concordei em seu relógio. "08 Sábado. Qualquer outro dia pensei que você tinha acabado em casa a sua noite. Mas desde que presenciei em pijama na noite passada.... " "Vamos La Morgue, certo?" ela perguntou. Perscrutando o espelho do aparador, ela borrifado um pouco de mousse em seus dedos e passou-os pelo seu cabelo. "La Morgue?" Eu perguntei.


"Quero dizer Maison," Claro, ela disse com um sorriso irônico. "Slip of the tongue. Todos eles mortos, você sabe." Eu balancei minha cabeça, confusa. "Sim, na verdade. Jules mandou uma mensagem de JB e pensei que deveríamos passar o dia lá." "Hmm. Imaginei que sim," ela disse, aplicando um golpe final de blush e virandose para mim. "Então... vamos?" Mamie estava esperando na cozinha. Ela levantou uma sobrancelha quando ela nos viu vir para a mesa completamente vestidas. "Presumo que ouviu falar do convite de hoje de 'La Maison,' como vocês chamam." Ela ligou a cafeteira em cima da mesa e, derramando num copo, sentou-se. "Seu Papy foi cedo para a Galeria, e Monsieur Grimod acabou de ligar. Ambos concordamos que é melhor se vocês meninas passarem o dia na proteção de sua casa — enquanto Violette está à solta em Paris, é claro," ela disse. Sua voz era calma, mas ela estava segurando a xícara de café expresso pequeno tão firmemente que me surpreendeu. Ela sabia que estava fazendo a coisa certa, mas não gostava nem um pouco. Eu dei-lhe um abraço e de volta bebi um copo de sumo de toranja enquanto Geórgia engoliu café preto. "Podemos levar estes conosco?" Eu perguntei, segurando um croissant. "É claro. Eu vou com vocês meninas lá em baixo," Mamie disse, levantando e alisando a saia vivamente antes enxotando-nos em direção à porta. "Você vai ficar bem aqui sozinha?" Eu perguntei. Seu show exagerado de calma estava me enlouquecendo. "Monsieur Grimod me convidou também, mas eu prefiro ficar aqui e trabalhar ao invés de sentar em volta da casa de outra pessoa o dia todo. Ele prometeu que mandará gente para vigiar nosso prédio, só que ele tem que mandar também para a galeria do seu Papy. Então não se preocupe," ela disse. Ambrose e Arthur estavam esperando fora da nossa porta. "Bonjour, Madame Mercier," chamaram, e ela sorriu graciosamente para eles. "Que meninos educados," ela disse com aprovação e ficou à porta a observarnos até que virarmos uma esquina e perder de vista dela. Arthur ofereceu a Geórgia o braço, mas ela fingiu que não notou, apontando para um poster do filme ao lado do quiosque e conversando com ele sobre os mais recentes lançamentos de Hollywood.


Ambrose riu e piscou para mim, "a tua irmã está enlouquecendo o pobre sujeito." Ele mordeu o croissant que Geórgia tinha dado a ele, devorando metade da massa com uma mordida. "Sim, isso é o seu forte," comentei certa. "Então, Jules me deu uma atualização não-notícia, mas me dê detalhes mais recentes." Eu mordi o fim do meu próprio croissant escamoso e lambi as migalhas fora de meus lábios. "Fomos para fora toda a noite, passando pente fino em Paris a procura de Violette e companhia. "Sem sorte”, disse ele, olhando-me incomodado. "É como se ela simplesmente evaporasse. Jules ainda procura, porém, junto com Charlotte, Geneviève e a totalidade do revenants de Paris." "Além de você e Arthur," disse-lhe. "E Franck, volante." Ele fez um gesto para o ar acima de nós. "Sim, nós os três fomos marcados para vê-la e defender a La Maison contra qualquer 'ataque surpresa'." Ele acentuou estas duas últimas palavras com citações de dedo, obviamente irritado ao ser deixado fora da ação. "Bem, assim que chegarmos com a Geórgia à La Maison, vou com você para se juntar à caçada. Tenho certeza que com toda a segurança que vocês têm, Arthur pode agüentar firme." Ambrose parecia duvidoso. "Sim, convém perguntar Gaspard sobre isso," ele respondeu, claramente pensando que era uma má idéia. "Então Gaspard não foi com as equipes de busca?" Eu perguntei. "Não. Ele e o JB estão questionando o homem Bizarro," ele respondeu. "Tentando encontrar uma maneira de separar Vincent de Violette e levantar outros segredos guérisseur dele." Então, JB e Gaspard estavam pensando ao longo da mesma linha como eu: Bran deve saber algo que pudesse ajudar Vincent. Um pequeno balão de esperança inflacionado em meu peito. Senti-me como correr o resto do caminho até La Maison, mas Arthur e Ambrose agiam como se tivéssemos todo o tempo do mundo. Não andamos duas quadras quando Arthur parou de repente e olhou para trás. "Numa", disse ele. "Franck diz que eram dois no parque em frente à casa de Mercier. Ele não os identificou até que eles começaram a nos seguir."


"Não olhe para trás," disse Ambrose, quando eu fiz só isso. Um par de jovens com moletom, olhando normalmente exceto o incolor da aura de ambos, foram caminhando para fora do parque em direção a rua du Bac. Eles ainda não estavam tentando esconder o fato de que eles estavam nos seguindo, e encontraram o meu olhar sem hesitação. "Andar ou lutar?" Ambrose perguntou Arthur, sorrindo amplamente quando acariciou a bainha de cSr. Gold amarrada à cintura debaixo do casaco longo. Uma mulher idosa, apoiada no braço de um trabalhador domiciliar uniformizado andava lentamente por nós em direção ao numa. Arthur levantou uma sobrancelha. "Com testemunhas humanas? Realmente não quer essa resposta," ele respondeu. Podemos andar mais rápido para evitar um confronto, ou esperar para descobrir o que eles querem." Arthur e Ambrose viraram-se e nos puxaram junto, criando uma muralha defensiva na frente de mim e da Geórgia. Tão rapidamente, numa virou-se e atravessou a rua para caminhar por um beco lateral pequeno, agindo como se eles nunca nos tinham visto. Mas antes que eles estivessem fora de vista, um deles virou-se e, sorrindo, nos cumprimentou. "Oh-kaaay," Ambrose gritou, olhando depois para o numa confuso. "Isso foi um aviso", disse Arthur. "Eles só queriam nos conhecer por isso estavam lá. Vamos lá." Ele estendeu o braço novamente, e desta vez Georgia rapidamente pegou. Ambrose levou um braço protetor ao redor do meu ombro, e nós andamos em um apressado ritmo para a La Maison. Gaspard encontrou-n naos porta da frente. "Franck veio à frente para nos informar sobre sua visita surpresa," disse ele, apressando-nos todos lá dentro. "Quem sabe qual jogo esses numa estavam jogando? Nós não tivemos nenhuma palavra deles — ou sinal — do líder deles." Caminhamos para o corredor da frente e Ambrose espreitava apenas dentro da porta, braços cruzados e uma expressão no rosto, mostrando seu descontentamento em ser excluído da ação. Eu sabia que ele estava sentindo; Senti o mesmo. "Gaspard," eu disse, tendo o mais velho revenant à parte, "que coisa de Bran que ajudará Vincent você descobriu?"


"Infelizmente, nada, Kate. Mas não acabamos discutindo o assunto." Senti meu pequeno balão de esperança pop se murchar. Mas ainda não tinha acabado de tentar. "Eu sei que você prometeu aos meus avós em nos proteger", continuei. "Mas acho que a melhor maneira de fazer isso é me deixar ir com Ambrose para juntar-me a equipe de caça. Mais duas pessoas podem ajudar a pesquisar." Gaspard começou a abanar a cabeça, mas eu continuei. "Você sabe que posso me defender sozinha agora. Eu vou jogar apenas no caso, prometo permanecer fora da ação, se houver alguma forma." "Se a Kate for, eu vou, também. Tenho certeza que posso lutar tão bem quanto ela pode," Geórgia falou. Ambrose olhou para ela com os olhos esbugalhados por um minuto e então começou a rir tanto que ele estava enxugando as lágrimas. Um rastro de vermelho se arrastou do pescoço da minha irmã até o rosto dela. "O que?" ela exclamou. "Desculpe, mas isso é a coisa mais engraçada que já ouvi," Ele engasgou, divertidamente segurando a Geórgia no ombro. "... Você luta? Garota, você me faz rir." "Na verdade, eu ia perguntar a Gaspard hoje se começaria a treinar-me," ela disse, teimosamente dobrando os braços sobre seu peito. Que enviou a Ambrose um outro ataque de risos. Vendo quão bravo ele estava fazendo minha irmã, ele cobriu sua boca e se afastou. "Seria uma honra treinar você, minha querida," respondeu Gaspard. "Mas hoje não é dia para começar. Eu tenho assuntos mais importantes a tratar, e Kate deve, na verdade, vir comigo." Ele olhou para mim e levantou uma sobrancelha. "Bran tem perguntado por você em particular, minha querida. Você parece ser um conforto para ele. Desde que conheceu a mãe dele, ele te vê como uma espécie de vínculo para viver com ela." Arthur falou acima. "Se a Geórgia aceitar um mestre menor para sua primeira aula, ficaria satisfeito para instruí-la no treinamento de luta." "Uma ótima idéia", respondeu Gaspard, e, virando-se, ele começou a subir as escadas em direção a biblioteca. Eu comecei a segui-lo, mas fiz uma pausa, quando ouvi Ambrose gargalhando, "agora isto é uma coisa que eu tenho que ver."


Ele abraçou Geórgia sobre os ombros e sacudiu divertidamente. "Importa se eu for assistir?" "Tem tudo o que foi decidido sem o meu consentimento?" Geórgia disse. "Perguntei para Gaspard. Ele é o mestre da luta." Uma luz brilhou no olho de Arthur, e abaixando-se para um joelho na frente da Geórgia, ele pegou as mãos dela na sua. "Ma chère mademoiselle, posso ter o sincero prazer de ser o seu escolhido para apresentá-la a arte do combate? Seria a maior honra." Ela olhou para onde eu estava assistindo no meio do caminho pelas escadas, levantando as sobrancelhas dela como se fosse para pedir minha opinião. Dei de ombros, abafando uma risada. Voltando seu olhar para o antigo "Revenant" de joelho na frente dela, Geórgia olhou mesmo para Arthur por um momento e então sorriu. “Bem, porcaria. Quando você coloca assim, como posso recusar?" Ela levantou de sua posição ajoelhada e colocou a mão levemente em seu braço. "Cara, você tem os movimentos!" Ambrose murmurou a Arthur quando ele seguiu-os no corredor para o arsenal.

ONZE BRAN estava sentado apoiado contra almofadas na cama de Vincent enquanto Jeanne depositou uma bandeja ao lado dele. "Minha boa senhora, garanto que estou perfeitamente bem," ele dizia quando entramos. “Tem melhorado desde ontem, mas você ainda está muito fraco para se levantar," a empregada insistiu. Bran olhou pedindo ajuda de Jean-Baptiste, que estava sentado ao lado da cama. "Não espere que desobedeça a Madame Degogue," JB disse com um sorriso, levantando as mãos num gesto de impotência. "Se ela diz para você ficar na cama, então eu aconselho você a fazer isso." Bran fechou os olhos na frustração e inclinado para trás contra os travesseiros. "Kate está aqui", anunciou o Gaspard quando nos aproximamos. Ele puxou duas cadeiras junto da cama para nós.


"Obrigado por virem", disse Bran, estrábico quando ele olhou para mim. Porque ele continua me dando esses olhares estranhos? Eu pensei. Bran parecia quase ter repulsa por mim às vezes e em outros que ele queria me adotar como uma sobrinha favorita. "Monsieur Grimod, Monsieur Tabard e eu estava prestes a discutir o que eu sei sobre o campeão, e eu queria que estivesse aqui, já que estamos a discutir sobre seu...." Ele hesitou. "Namorado", eu disse, enchendo o espaço em branco para ele, e ele sorriu estranhamente. Aí ele estava novamente, olhando para mim como se houvesse algo de errado. Vasculhei meu cabelo com os dedos e, não encontrando nada, estabeleci em cruzar meus braços e me mexer. "Sim. Bem, nós estávamos comparando a versão do Bardia da profecia com a minha família tem passado. É basicamente o mesmo." Ele fechou os olhos e começou a recitar de memória, Na terceira idade, atrocidades da humanidade será tal que irmão trairá o irmão e numa será superior a bardia e uma preponderância de guerras escurecerá o mundo dos homens. Neste tempo um bardia surgirá na Gália, que será um líder entre sua espécie... Eu estava ouvindo as estranhas frases antigas, quando de repente senti mais uma presença no quarto. “Kate, você está aqui!” As palavras chiaram através de minha mente como relâmpagos. "Pare!" Eu gritei. A boca de Bran fechou imediatamente e os três homens me encararam. "É... é o Vincent. Ele está aqui!" Gaguejei em estado de choque. Meu coração bateu tão forte contra minhas costelas que realmente doeu. "Graças a Deus, Vincent. Você escapou," eu disse, engasgada com minhas palavras. “Não, meu amor, não. Eu só tenho um minuto antes de Violette chama-me de volta. Fale com o guérisseur para mim.” "Ele quer que eu fale com Bran", expliquei aos homens espantados, e comecei a transmitir sua mensagem palavra por palavra. "Violette quer saber se você tem o segredo para a transferência de poder: a transmissão de energia do campeão, a quem derrotou-o." "Sei que há alguma coisa nos registros da minha família", confirmou Bran, falando em direção a um ponto no ar à direita da minha cabeça. Olhei de relance


para ver o que ele estava olhando para cima, mas o espaço ao meu lado estava vazio. Vincent falou novamente, e eu traduzi. "Você pode obter essa informação para ela?" "Eu preciso de alguns dias para recuperá-lo", respondeu o Bran. E assim, a voz de Vincent desapareceu. "O que aconteceu?" Jean-Baptiste olhou confuso. "Ele disse que só tinha um minuto," eu expliquei. "Então Violette iria mandá-lo de volta." "Quem era esse fantasma que falava comigo?" perguntou Bran, confuso. "Isso foi Vincent". Bran "Podia vê-lo", respondeu devagar. "Você podia vê-lo?" Eu disse. "Eu vi a sua aura. Ele estava pairando ao lado do seu ombro," ele disse, acenando para o espaço que ele tinha olhado. "Amazing! Eu realmente vi um espírito volante!" Um choque moderado estabeleceu-se em nosso grupo, todos nós admirado por este milagre aparente, e então, de repente, Vincent estava de volta. “Mon ange, estou aqui”, suas palavras vieram. Olhos do Bran fixaram de volta para o espaço ao lado da minha cabeça. "Ele voltou". Balançou a cabeça. "Ele diz que Violette lhe dará três dias para encontrar a solução para a transferência de poder. Ela estará deixando Vincent conosco para ficar e assistir, mas vai puxá-lo para ela sempre que ela quiser. "E ele é o único cujos poderes Violette procura?" Bran insistiu. "Sim", afirmou Gaspard. "Como explicado, depois de assassinar sua mãe, Violette matou e queimou seu corpo a fim de obter o poder do campeão." Bran inclinou-se de volta em seu travesseiro. "Bem, isso explica por que a transferência de poder não funcionou," disse ele baixinho. "O que você que dizer?" Jean-Baptiste perguntou.


"É simples. Este rapaz não é o campeão." Jean-Baptiste, Gaspard e eu olhamos um ao outro, sem palavras. Bran continuou, "como minha mãe e eu suspeitávamos que poderia ser o caso, verifica-se que eu sou o VictorSeer. A um guérisseur da minha linha que foi escolhido para identificar o Victor... de seu campeão." "Mas como você sabe?" Perguntei, incrédula. "Na semana passada você me disse que não estava certo." "Ah, mas isso só aconteceu," Bran disse, sorrindo fracamente e deslocando o olhar para JB "a partir do momento que pegou a minha mão ontem — a cabeça dos revenants tocando o representante da minha família de guérisseurs — suas auras tudo mudou em meus olhos." "Por que é que aconteceu?," disse JB. Bran acenando com a cabeça. "Eu senti o poder possuir-me, e...." Ele hesitou, escolhendo suas palavras com cuidado, "Eu sei bastante definitivamente que eu sou aquele que vai identificar o seu Salvador. E este espírito voador que está conosco não é o escolhido. Tenho certeza disso." "Mas como —" Gaspard começou a perguntar, mas Bran o interrompeu. "Não me pergunte como, meu novo amigo. Concordei em ajudá-lo tanto quanto possível, mas existem alguns segredos, sou obrigado a manter." Houve um silêncio de rádio em minha mente quando Vincent começou a falar diretamente com Gaspard. "Sim. Estou de acordo." Gaspard assentiu em resposta a algo que ele disse e virou-se para Jean-Baptiste. "Vincent diz que, se o que guérisseur diz é verdade, nós não podemos deixar que Violette descubra seu erro. Quanto mais tempo ela desperdiçar na tentativa de realizar esta tarefa infrutífera, quanto mais nós a retardarmos de trazer a guerra à nossa porta." "Mas se podemos protelar, isso não vai te colocar em perigo?" Eu perguntei a Vincent. Quanto mais eu a vi em ação, mais medo eu estava ficando de Violette. “Violette não pode fazer nada para me machucar”, ele reagiu tranquilizador, mas tanbém Vincent não era o único que está em risco. "Se demorarmos para Violette definir o período de três dias, talvez tenhamos uma chance de encontrar o verdadeiro campeão, agora que temos o homem que pode


identificá-lo," disse JB, acenando para o Bran. "Juntos podemos chamar todos os revenants de Paris para que você possa ver se ele está entre nós." "Farei o que puder", disse o Bran. "Vou dizer a Ambrose para organizar uma reunião da bardia de Paris imediatamente," disse Gaspard e saiu da sala. "Vincent, Violette realmente mantêm suficiente poder sobre você, que ela pode te obrigar a dizer-lhe o que estamos fazendo se ela te chamar de volta?" JeanBaptiste perguntou. Silenciou por um momento e jogou para mim, com expressão escura nos olhos dele. "Ela não pode obrigá-lo a fazer algo contra sua vontade," ele transmitia. "No entanto, como suspeitávamos, planeja usar algo querido para ele e atrair para ela." Jean-Baptiste ficou em silêncio por um segundo e então disse, "Eu prometo, Vincent. Para os próximos três dias que não deixaremos Kate fora de nossa vista."

DOZE A porta balançou e abriu, e Jules entrou às pressas para a sala. "Só vi Gaspard," ele ofegou. "É verdade? A volta de Vincent?" Ouvimos por um segundo e então praticamente se jogou sobre mim, falando com Vincent enquanto apertava simultaneamente a respiração para fora. "Ah, cara, estou contente que o trouxemos de volta." Eu rangia, "Jules! Oxigênio!" "Desculpe, Kate," ele disse, me liberando. "Estou feliz por vê-los, e você é a única que realmente posso tocar." Eu ri quando eu alisei minha t-shirt amassada. "Tudo bem". Bran, Jean-Baptiste e Gaspard começaram a falar a sério sobre a profecia, o campeão, e o que poderia ser feito uma vez que ele for identificado. Jean-Baptiste parou por um segundo e disse: "Claro, Vincent. Mas volte logo. Nós precisamos perguntar mais sobre Violette e seus planos." "Eles não precisam de nós, agora," disse Jules, seus olhos brilhando como se ele tivesse acabado de ganhar na loteria. "Vince, vamos para meu quarto, está bem?"


Vincent deve ter concordado, porque Jules agarrou minha mão e nós estávamos fora, no corredor, na dupla escadaria e através de uma porta ao lado que levava ao terraço do último piso. Fiquei olhando um quarto que eu nunca tinha visto. Quarto do Jules ficava no sótão. Mas em vez de ser o tipo escuro, mofado estava repleto de luz do sol atravessando uma grande janela de vidro fosco contra o teto. Carvão e lápis de desenho enchiam a sala, empilhados em cada superfície e enrolado em tubos ao longo das paredes. Uma cama ficava em um canto da sala, com desenhos mais empilhados sobre ele. O quarto tinha um cheiro almiscarado, de artista, como Colônia misturado com papel, tinta e lápis. Jules me levou a um sofá de veludo cor de granada sob a clarabóia. "Então como está?" ele perguntou. Uma pausa, não tenho certeza quem estava falando. Mas a maneira que ele sentou-se, escutando, eu sabia que Vincent estava respondendo a sua pergunta. "E você, Kate?" Jules perguntou, tomando minha mão. "Tudo bem. Obrigado pelas mensagens de texto com a não-atualização desta manhã. Os últimos dias foram um inferno." Eu abordei o ar. "Vincent, eu estava tão preocupada com você." Eu e você. Suas palavras foram como uma carícia. Mas deixaram-me querendo mais. "Você está bem? Violette o machucou?" Eu perguntei. “Ela não podia fazer muito pior do que destruir meu corpo — além de manter-me longe de ti”. Comecei a falar e então hesitei. “O que?” Vincent perguntou. "Se sente estranho em saber que você não é o campeão?" Perguntei cuidadosamente. "Quero dizer, está desapontado? Chateado?" Houve silêncio um minuto de e então Vincent disse, “eu não poderia estar mais aliviado para dizer a verdade. Se isso tivesse sido o me destino real, eu teria abraçado ele. Dei o meu melhor. Mas era só mais uma coisa que complicou questões para nós. Isso fez com que nossa situação ficasse mais precária. Assim, pensando egoisticamente, estou feliz de ver o título ir para outra pessoa”. Tendo ouvido a minha metade da conversa, Jules falou informalmente. "nunca pensei que diria isso, cara, mas eu, pessoalmente, fico feliz por que você acabou por ser como o resto de nós. Caso contrário Violette já iria pisar em torno de Paris com algum tipo de animal numa pesado. Embora a presente situação não seja exatamente ideal." Ficamos calados por um momento, e então eu ouvi as palavras de Vincent. “Eu daria qualquer coisa para te abraçar agora”.


"Eu também," eu sussurrei. A tristeza me esmagado, mais uma vez, percebi que tocar Vincent era algo que nunca aconteceria de novo. Enrolei meus braços protetoramente em torno de mim. Estaria tudo bem... Vincent fez uma pausa. “Eu poderia usar Jules para te abraçar?” Suas palavras me golpearam com emoções conflitantes. Não queria que Jules. Eu queria o Vincent. Mas minha necessidade por ele foi tão grande que estava disposta a aceitar neste ponto. É só complicado as coisas porque Jules ficava flertando comigo e parecia ser mais do que apenas ligeira provocação às vezes. O pensamento de estar fisicamente perto dele — como eu queria estar com Vincent — soou uma campainha de aviso em minha mente. Se eu fosse totalmente honesta, eu sabia que ele tinha sentimentos por mim. Então, novamente, eu suspeitei que ele tivesse sentimentos semelhantes por metade da população feminina de Paris. Vendo a curva repentina dos lábios do Jules, eu sabia que Vincent havia pedido a mesma coisa. "Então, Kate," disse ele, levantando uma sobrancelha e suprimindo um sorriso cheio. "Me aceita como condutor de barriga de aluguel?" Mas o sorriso dele desapareceu quando ele notou minha expressão, e sabia que a brincadeira acoberta a mesma perda e dor que eu sentia por seu amigo. "Terei alguma vez você de volta novamente?" Eu pedi o ar. “Tens-me de volta, mon ange”. Não foi o que disse, e ele sabia disso. Eu senti meus olhos arderem com lágrimas. “Temos muita coisa para pensar”, vieram palavras de Vincent, “mas por agora, deixe-me te abraçar”. Concordei e com meu consentimento, e o corpo do Jules estremeceu como se ele tivesse um calafrio repentino. E então foi como se dois rapazes estivessem olhando para mim. Os olhos do meu amigo leal e os olhos do meu verdadeiro amor ambos olharam por trás da cara de menino do Jules. Incapaz de suportar afastei os olhos e inclinei para os braços dele. Senti Vincent, a maneira como ele me apertou fortemente contra si mesmo. Eu sabia que o toque era de Vincent. A pressão exata que ele usou quando ele amassou minhas costas com os dedos — eu sabia que esses movimentos eram de Vincent. E palavras do meu namorado falando na voz do seu amigo quando nós abraçamos.


"Eu tinha tanto medo, Kate. Pensei que nunca mais a veria. Que eu iria estar vinculado por toda a eternidade a Violette e nunca seria capaz de voltar para você. Que nós sempre estaríamos separados por uma distância que eu não podia atravessar." Minhas palavras foram como um rio, fluindo através de meus lábios, antes de formar integralmente em minha mente. "Senti sua falta. Eu precisava de você. Eu tinha medo que você sumisse." Mudei minhas mãos a partir das costas à cabeça, atando os meus dedos pelo seu cabelo e puxei em minha direção. Pressionando meus lábios no dele, eu o beijei enquanto lágrimas escorriam em minha face e em nossas bocas. Eu provei o sal quando nosso beijo se aprofundou. Foi o beijo que eu não tinha me atrevido a sonhar noites passadas. O beijo de encontrar-nos novamente. Começando macio e crescendo mais apaixonado, inundando os meus sentidos com o corpo do meu amor. Seus lábios macios e sua boca quente, explorando, encontrando-me mais uma vez. Suas mãos no meu cabelo e peito pressionado duramente contra o meu. O som da sua respiração escalonada como sua necessidade para mim tornou-se tangível através de cada centímetro de nossa pele comovente. Parecia que estávamos à beira de consumir uns ao outro, corpo e espírito. Então eu senti quando ele se mexeu e eu abri meus olhos. E embora ainda era Vincent me olhando através dos olhos marrons suaves, Jules estava lá também. Puxei contra a minha vontade, lutando contra meu desejo de ignorar os fatos e me afogar na ficção. Executando meus dedos pelo seu cabelo uma vez mais, eu me desembaracei dele e vi como um tremor sacudiu o corpo do Jules. De repente havia apenas um garoto olhando para mim. E não era carinho nos olhos dele. Era dor. Peguei suas mãos e disse, "Eu sinto muito, Jules. Eu não queria... Esquecime que você.... " Jules puxou as mãos da minha e pressionou as palmas das mãos contra seus olhos. Respirando profundamente, ele se inclinou em minha direção, dobrando os braços sobre seu peito. "Pare enquanto você está ainda na frente, Kate, e eu assumo como um elogio." Ele tentou reorganizar o seu rosto em um sorriso despreocupado. "Não, sério, Vince. Você pode me usar como sua marionete de sexo a qualquer hora, enquanto é com a Kate," ele brincou. Minhas bochechas ficaram vermelhas de vergonha. Tive vontade de chorar, mas fiquei muito horrorizada para nada, mas sentar e assistir o Jules levantar do sofá.


Ele empurrou suas mãos em seus bolsos e se afastou de mim escondendo sua aflição. "Sério, cara... pare de se desculpar," ele disse para o ar. Atravessou a sala, inclinou-se no parapeito da janela e olhou para fora através do vidro. Eu senti como se eu tivesse saltado fora de um avião em chamas em uma paisagem alienígena: sem pontos de referência — nem sequer uma pista que direção para caminhar para atingir a civilização. Após alguns momentos de silêncio, Jules virou, e seu rosto parecia normal novamente. Ele caminhou até mim e passou um dedo ao longo do meu queixo da minha orelha até meu queixo, fazendo-me estremecer. "Preciso ir", disse ele baixinho. "Mas não quero que te preocupes com isso. Tanto quanto eu estou preocupado, está esquecido. Estou feliz por estar aqui para ajudar vocês dois a reconectar. Ambos significam tudo para mim." Mas quando ele saiu, sua voz tornou-se rude. "Onde você acha que eu vou?" ele respondeu a Vincent. "Se não for Guiliana, vai ser Francesca. Ou Brooke. O que importa? Apenas ficar aqui e ver que ela está bem." E então a porta se fechou e Jules tinha desaparecido.

TREZE "VINCENT"? Eu chamei, Jules não tem certeza se ele tinha seguido pelas escadas. “Estou aqui, Kate”, vieram as palavras dele. Eu coloquei minha cabeça em minhas mãos. "Ok, isso foi horrível." “Foi?” "Não digo horrível do modo oh-my-God-it-was-amazing-to-feel-like-I-wastouching-you, mas eu... Não pude deixar de tomá-lo ainda mais. Parecia que era você". “Fui eu”. Foi também infelizmente Jules. "Não quis beijá-lo." Eu enrolada em uma bola no sofá, envolvendo meus braços em torno de meus joelhos. Quem me dera poder voltar no tempo por quinze minutos e fazer uma retomada da cena de beijo todo. “Você quis me beijar”.


"Sim. Você, não Jules. Oh meu Deus, eu praticamente ataquei-o." Ele não pareceu se importar muito. E há o fato de que ele parou quando o fez. Segurei meus dedos para minhas bochechas queimando para esfriar. "Eu não farei isso novamente." “Eu acho que provavelmente é uma boa decisão”. "Mas então como podemos...." “Não se preocupe, mon ange. Mesmo que isso não foi um grande sucesso... " 'falha total' é mais como ele." “Existem outras maneiras que podemos nos conectar”. "Sem realmente conectando claro." Hesitei, meu rosto queima com intensidade “.... digo," gaguejei, "não digo no sentido anatômico. Embora, acho que sim, acho que sim." Eu balancei minha cabeça. "Esta é uma das conversas mais estranhas que já tivemos." Isso é porque não deveria ter uma conversa. Não é um problema que temos de resolver. Quando temos que pensar praticamente em tal coisa como... como um fantasma pode fazer você se sentir como um menino de carne e osso poderia, tipo que desnuda o lado sedutor das coisas. Eu sorri, trazendo algumas imagens muito interessantes à mente as palavras dele. "E como este fantasma planeja fazer-me sentir como um menino de carne e osso poderia?" Eu era realmente capaz de tirar as palavras sem querer me enterrar nas almofadas do sofá, provavelmente porque realmente fiquei intrigada com o que ele pensou que era possível. Bem, desde que estragamos o meu plano A, você precisa me dar mais algum tempo para bolar um plano B. Mas, Kate... " “Sim, Vincent?" Eu disse hesitante. Havia algo sobre o seu "mas" isso me deixou nervosa. “R. plano B. Estas são apenas soluções temporárias. Você e eu não podemos realmente” — pausa de Vincent demorando um pouco — Nós não podemos ficar juntos como está, mon amour. Você não pode ficar com um namorado espírito por muito tempo. Precisas de mais. Você merece muito mais”. "Não quero mais, Vincent. Eu quero você," eu disse. “Eu não posso te tocar. Não posso segurar você em meus braços. Trazer-lhe flores. Você só sobe o Sena num barco a remos”.


"Não preciso disso," Eu insisti. “Kate, você não está me ouvindo. Tudo que posso fazer é falar com você”. Ele fez uma pausa. “Consegue sentir isso? Ou este?” Eu não senti nada. Isso foi ele tocando seu rosto e seu cabelo. “Você não vê, Kate? Eu não posso ser seu em qualquer tipo de forma real. Mas o que posso prometer é que sempre estarei aqui por você, cuidando de você, certificar-me de que você está segura. E feliz”. Um poço de piche de raiva começou a borbulhar no meu peito. "Então você quer que eu encontre outra pessoa? Um garoto humano?" “Isso seria a melhor coisa para você, mon ange. Alguém que é carne e sangue. Que pode te dar uma boa vida. Uma vida normal”. "E você vai flutuar por aí como meu guarda-costas invisível e ver-me a amar outra pessoa", estimulei, tentando controlar a minha voz. “Não estou dizendo que vou gostar. Mas eu não posso ter você, e não posso te deixar. Que outra opção eu tenho? "Isso é uma bobagem total!" Eu gritei. "Em primeiro lugar, quem é você para dizer o que é melhor para mim? Talvez não queira carne e sangue. Talvez não queira uma vida normal. Talvez eu ainda tenha esperança de que haja alguma maneira de ter uma vida com você. Violette encontrou aquele feitiço arcano. Talvez existam outras magias lá fora que não sabemos. Você está desistindo antes de começar a procurar respostas”. "Então não vai me dizer o que eu vou fazer. O que eu vou me sentir. Mesmo se você tem o meu coração, eu ainda tenho meu cérebro. E eu vou continuar usando para encontrar uma solução, porra!" Sentei-me ali irada, desejando que eu podesse ver onde Vincent estava para que ele pudesse olhar para baixo. Houve silêncio por um momento muito bom, e então eu ouvi algo que soou como o riso. "Você é melhor você não rir de mim," Eu rosnei. “Não estou rindo de você, chérie”, veio a voz dele, que parecia abafada por um esforço para parecer sério. "Estou totalmente rindo de mim, Vincent Delacroix. É só que você é tão cu... Digo incrivelmente atraente e sedutora... quando você fica com raiva e maldição”, ele respondeu, abafando o riso sério. Minha raiva derreteu em um segundo, e eu não podia reprimir um sorriso. "Vincent, você está seriamente impossível", murmurei e então comecei a rir. Eu fracassei e voltei para o sofá sorrindo irreprimivelmente quando ouvi sua bolha de riso adiante em minha mente. Deitei no sofá e eu coloquei minha cabeça sobre


uma almofada e, tirando fora meus sapatos, puxei uma caxemira sobre meus ombros. Esperei para ver se Vincent falaria primeiro, mas ele parecia estar bem com apenas pairando. "Estás aí?" Eu perguntei finalmente. “Eu estou mais perto de você eu puder possivelmente ser”. Eu abracei a almofada firmemente e desejei que fosse ele. Vincent ficou quieto por muito tempo depois disso. Eu saboreei o silêncio, sabendo que ele estava perto. Quando fechei os olhos... eu podia imaginar sua forma muscular magra estendida-se ao meu lado. Depois de um tempo que parecia tão real, eu quase podia sentir o peso do braço depositado sobre mim e sua cabeça aninhada junto a minha. Ele era o amante fantasma em uma daquelas histórias trágicas vitorianas. Mas ao contrário de desmaio, desmaio das heroínas daqueles contos sentia-me fortalecida pela minha determinação que a tragédia não seria o nosso destino.

CATORZE “Mon amour, Gaspard está a caminho para nos levar. Eles precisam de mim agora”. As horas que passamos na sala do Jules tinha sentido como segundos. Depois de não saber se alguma vez ouviria Vincent novamente, eu precisava de mais tempo com ele. Meu desejo por proximidade quase não foram saciados. Foi como dar uma mordida de chocolate a um homem faminto. Vincent leu minha mente. “Irei com você esta noite. Eu prometo”. "Com você seria melhor," eu disse, me perguntando como pude ser tão ingrata para o milagre da presença dele aqui. “É porque você sabe que não é permanente, e você está se protegendo”. Esta resposta veio da parte honesta do meu cérebro que não me deixa fugir com as coisas. Foi como ter minha mãe morando na minha cabeça — sempre pronta e disposta a fornecer todos os tipos de conselhos valiosos, ou não, eu pedi por isso. Eu sabia que eu deveria ouvir, mas no momento eu só queria que calasse a boca. Reconheci Gaspard na escada e fizemos o nosso caminho para o quarto de Vincent, onde Jeanne tinha enxotado Jean-Baptiste de cabeceira do Bran, para que ele pudesse comer. Ao entrarmos, os olhos do Bran voaram para o ar ao meu lado. Ele olhou para o fantasma de Vincent por um momento e então disse para


Gaspard, "Diga-me. Planeja tentar uma re-encarnação, ou deixará Vincent neste estado para ajudar na próxima guerra com o ancião?" Jean-Baptiste e Gaspard olharam para ele e depois para o outro, confusos. Eu sabia! Pensei que com meu coração acelerado. Eu que esperava Bran tinha informações que o Bardia não, e eu estava certa. "O que é um re-encarnação? Como é que funciona?" Eu implorei. JB puxou uma cadeira ao lado de Bran. "Não acho que você entende curandeiro. O corpo de Vincent foi destruído. Como nós lhe daríamos outro? Ele não pode assumir um corpo morto-vivo; somos abrigados, nossos espíritos até que sejam destruídos e dividindo o corpo de um morto-vivo — coabitação — é prejudicial à psique do doador se continuar por qualquer período substancial." Ele continuou de maneira paciente, falando com todo o respeito, como se ele não esperasse que o Bran fosse entender como funcionava toda-coisas-morto-vivo. "Quanto usando um humano morto, um revenant volante pode possuir um cadáver fresco — tem sido feito em situações excepcionais — mas a posse não impede o corpo de decomposição à taxa natural. Após o rigor mortis definida, o corpo seria inútil para Vincent." Embora a imagem invocada pelo raciocínio do Jean-Baptiste ter feito meu estômago virar, eu escutei atentamente para compreender todos os ângulos. Cada regra de morto-vivo. Bran piscou algumas vezes e então disse, "mas não me refiro a uma possessão. Eu estou falando sobre a re-criação de seu próprio corpo." Ninguém mudou. Finalmente falou de Gaspard. "Nós somos inconscientes deste tipo de curandeiro,... milagre. Se realmente existe um método para 'reencarnação', como lhe chama, então não se sabe a nossa espécie. Isso é realmente possível?" Bran acenou com a cabeça. "Sim. É... Honestamente, você não tem nada disto em seus registros? Eu diria... "Não", confirmou Gaspard. "Parece que a separação de nossa espécie e a sua ao longo dos séculos levou a uma perda em que começo a adivinhar costumava ter informações compartilhadas entre nossos grupos." Bran esfregou os dedos na sua testa e olhou para nós mesmo, como se me perguntando se ele deveria dizer mais. "Arquivos da minha família tem sido fortemente vigiados de descoberta por aqueles que estão fora de nosso clã, bem como por revenants. Eu acredito que sempre foi assim numa não podia usar


nossas informações contra nós. Ou contra você. Mas eu assumi que o Bardia teria grande parte o mesmo conhecimento que tivemos. Pelo menos para tais tradições importantes. Talvez já falei demais. Mas neste caso, acho que minha indiscrição é garantida". Ele limpou a garganta e continuou. "O tema da re-encarnação foi gravado em uma das contas da minha família, escritas por um antepassado de muitas gerações atrás. Ele explicou que para revenants que são destruídos contra a sua vontade e preso como uma alma que vagueia, não há recurso. Seu corpo pode ser re-criado e seu espírito é introduzido. Eu não sei o processo exato usado. Só sei que a solução existe." Como o significado das palavras do Bran se afundou, senti-me tonta. Até agora, Vincent estava silencioso. Agora que ele falou. Não se empolgue, Kate. Isto é provavelmente apenas uma lenda. Uma história. Mas não pude evitar. Este brilho fraco de possibilidade já tinha banido o meu desespero. Pode haver uma maneira de voltar o Vincent. A mais fina das chances foi o suficiente para me dar esperança. "Esses registros ainda existem? Jean-Baptiste estava perguntando a Bran. "Sim. Eles são os mesmos que contêm as informações que procura Violette. Mas, devo advertir; embora eu me lembre de minha mãe me ler uma história sobre a re-encarnação, tenho não certeza o que enuncia e o que deve ser feito durante o ritual. Pode apenas ser um beco sem saída." "Não importa. Qualquer informação é mais do que o que possuímos atualmente. Podemos mandar alguém imediatamente para seus registros." JB já estava se movendo em direção à porta. "Onde eles ficam?" Bran hesitou. "Em algum lugar que revenants não tem permissão para ir," ele disse, causando desânimo em JB. A expressão dele caiu em algum lugar entre surpresa e furioso. "Que tal seres humanos?" Eu perguntei. "Eu vou". “Não”, disse Vincent. Eu o ignorei e mantive meus olhos no Bran. "Minha querida, tentamos mantê-la fora de perigo e não jogá-la no meio dela," disse Gaspard. "Na verdade, desde que Kate detém o signum bardia, ela seria permitida inserir arquivos da minha família," Bran disse pensativamente. Ele esfregou o queixo proeminente, como ele considerava.


"Vincent diz que ele opõe-se com força a possibilidade de Kate indo por conta própria," disse Gaspard, segurando um dedo de advertência. "Você pode acompanhá-la até a entrada, se você está preocupado com a segurança dela", ofereceu Bran, "mas uma vez dentro, garanto que ela estará perfeitamente segura." "Eu estou indo, Vincent," eu disse para o quarto. "Se houver a menor possibilidade de conseguir você de volta, é impossível você me impedir." “Mas, mon ange”, ele disse. "Não! Eu não vou ouvir você. Jean-Baptiste, mande alguém comigo?" "Claro, querida," ele respondeu imediatamente. "Bran prometeu que vai ser perfeitamente seguro, uma vez lá dentro e eu vou ter guardas até chegar lá. Você não pode dizer não a isso. E mesmo que você faz.... "Ok, Kate! Você venceu, Vincent disse. Mas eu vou com você, também. Satisfeita, eu me virei para Bran. "Quando posso ir?" "Você terá que esperar algumas horas — até o anoitecer. A entrada está em um lugar que é tudo muito visível durante o dia." Embora Bran tenha deixou claro que um morto-vivo não poderia inserir arquivos da sua família, pareceu-me grato que eu tinha me oferecido. Ele confia em mim, eu percebi o pensamento me enchendo de prazer inexplicável. "Estou morrendo de curiosidade. Onde está?" Eu perguntei. Eu conhecia Paris como a palma da minha mão e não podia imaginar onde esse tipo de lugar secreto poderia ser. "Foi em Paris desde os tempos romanos", respondeu Bran, "e foi construído como um desdobramento das habitações do guérisseurs regular — os curandeiros que lidavam com os humanos, quero dizer. Onde um soldado romano provavelmente iria para a cura e relaxamento?" ele interrogou-me com um sorriso cansado. "Para os banhos romanos," Gaspard e eu respondemos juntos. Bran acenou com a cabeça. "Arquivos da minha família estão localizados em uma caverna abaixo dos banhos romanos, sob o Museu de Cluny." E com um sorriso, ele acrescentou, "escondido debaixo de um dos bairros mais movimentados da cidade: o Quartier Latin." "Vou buscar Arthur e Ambrose," disse Gaspard. "Se você puder informá-los sobre o acesso aos arquivos da sua família, vamos mandar eles para guardar Kate." Ele


virou para mim. "Talvez você gostaria de substituir Arthur na formação de combate da sua irmã?" Agora que nós tínhamos um plano, eu queria começar... não perder as próximas poucas horas à espera do anoitecer. “Vamos lá”, disse Vincent. “Eu odiaria perder a chance de ver a Geórgia com uma espada”. "Isso é porque não há nenhuma maneira possível dela poder cortar qualquer uma das partes do seu corpo," eu disse, sentindo-me leve pelo humor e brincando com Vincent. Embora ele não fosse falar, também espera que os segredos da família de Bran continham uma solução... ou pelo menos uma pista... para escapar de seu estado de desencarnados. "Eu", no entanto, eu continuei, "Estou em grande perigo corporal. Geórgia com uma espada.... " “... pode ser perigoso o suficiente para realmente ser útil contra numa, Vincent disse, a voz na minha cabeça à direita em uma risada, quando fomos lá embaixo para o arsenal.

QUINZE "Muito bem feito," Arthur disse como sua espada clattered no chão do arsenal. Geórgia sorriu e, colocando uma mão no quadril, circulou sua espada em um floreio vitorioso, fazendo com que Arthur girasse para evitar ofensas corporais graves. "Oi, Katie-feijão!" ela gritou, ouvindo-me descer as escadas. "Adivinha o que? Eu totalmente bem em luta de espadas! Espere até todos os inimigos me verem fazer isso — " ela disse, realizando uma jogada de três mosqueteiros enlouquecida, forçando Arthur pular fora do caminho. "Vincent! voltou" anunciei, impotente contra o sorriso largo que se espalhou pelo meu rosto. "Ou pelo menos é o fantasma dele. Violette libertou-o por três dias." "Oh, Kate, que maravilha!" Geórgia gritou e, largando a sua espada, correu para se atirar em mim. "E ainda melhor," eu continuei, depois que ela parou de pular para cima e para baixo e deixar-me ir, "Bran ouviu falar de espíritos como Vincent voltando em seus corpos errantes. Quero dizer, é uma história que ele ouviu há muito tempo, mas eles vão começar a pesquisá-lo imediatamente." Não falei que eu ia partir em busca dessa história em algumas horas. Geórgia definitivamente gostaria de se juntar a mim.


"Isso é uma notícia muito boa", comentou Arthur. "Mal posso esperar para estar mesmo com Vincent". "Eu só mandei Ambrose até a biblioteca para se encontrar com Jean-Baptiste", disse Arthur. "Sua presença é necessária,'" eu citei JB "Por favor, desculpe-me," ele disse à Geórgia, curvando-se ligeiramente. "Só se você me prometer mais...," ela disse com um sorriso torto. Arthur prontamente virou rosa chiclete e engasgou-se com tudo o que ele estava prestes a dizer. "Mais aulas de espada", ou seja, Geórgia disse com seu sorriso alargando quando ela viu ele estalar. "É urgente", estimulou. "Sim, claro," disse Arthur. Ele saiu em alta velocidade, tomando as providências, subindo os degraus de dois de cada vez. "Então onde exatamente está nosso garoto amante?" Geórgia perguntou. "Lá em cima conversando com JB e Gaspard," eu disse. "Negócio de revenant". "Então você quer praticar comigo?" Geórgia pediu, posando com a ponta de espada no dedo dela e então recuou quando atravessou o sapato dela. "Ai!" "Hum, sim. São afiadas. Por que não pratica com um dos epées a prática de ponta," eu perguntei. "Oh, por favor," disse Geórgia. "Eu não sou uma completa covarde." "Bem, eu não sou uma completa idiota," eu disse e, abri o guarda-roupa, tenho minha roupa de treino duro-à-fatia Kevlar. "Se eu estou lutando em qualquer lugar perto de você com uma espada, eu quero proteção. Não serei capaz de fazer muito, porém, com meu ombro ferido," eu disse, tocando minha clavícula. "Não se preocupe, eu vou pegar leve com você," disse Geórgia, fatiando descontroladamente no ar enquanto eu vestia e escolhia uma arma. Quando me aproximei, ela ficou em posição, segurou sua espada leve em sua mão direita quando ela inclinou-se para a frente, à esquerda do joelho dobrado. "Você tem boa forma de iniciar," eu a encorajei. Levá-la muito lentamente, com movimentos exagerados, deixei o punho firme com minha arma enquanto andava para frente e para trás, seguindo seus próprios movimentos desajeitados. "Viu?" Geórgia disse depois de alguns minutos, respirando com dificuldade com esforço. "Arthur disse que eu tinha um dom. Eu sou tão boa quanto você, e tenho treinado durante meses!"


Eu balancei minha cabeça, e com uma rápida investida levemente — cuidando para não colocar peso no meu ombro lesionado — bati em sua espada perto do punho e a enviei voando pelo ar. Geórgia endireitou-se e coloque as mãos em seus quadris. "O que diabos foi isso?", ela chorou. "Georgia, você não é boa — ainda. Arthur só disse isso porque ele tem uma grande paixão por você." Minha irmã parecia magoada. "Isso não significa que você não vai ficar melhor se você continuar treinando," acrescentei rapidamente quando eu registrei a expressão dela. Seu sorriso retornou. "Mais", disse ela e caminhou + para pegar a espada. "Georgia", eu disse, para mudar minha espada de um lado para o outro e de volta, aproveitando a sensação do seu peso em minhas mãos. "O que é isto tudo? O treinamento de luta, quer dizer. É só um truque para chegar mais perto de Arthur? Porque eu posso prometer que não é necessário. Ele já está totalmente em você." "Claro que não. Não preciso me fazer de tola para atrair um homem," minha irmã disse, olhando na defensiva. "Sério?" Eu disse, mordendo meu lábio, então eu não riria. "Que tal aquele sotaque do Sul põe sempre bonitos caras são ao redor?" Geórgia acenou com a mão livre no ar como se fosse para dizer, Ah, isso, isso não é nada. E então os ombros caíram. "Honestamente, Kate. Se só bati com uma interpolação de zumbi louco me deixou sentindo extremamente vulnerável. Sem mencionar que fiquei fraca. E essas são duas qualidades que genuinamente desprezo." Meu coração aqueceu. Tratava-se do lado da minha irmã que me fazia sentir vontade de segui-la, não só para Paris, mas até o fim do mundo. Completo com todos de seu partido-girl, qualidades não-leve-vida-sério, às vezes enlouquecedor. Porque eu conhecia este lado dela também. Lado que, algumas pessoas nunca viram — aquele definido por sua força, bondade e lealdade. "É um excelente motivo para treinamento de luta!" Eu disse, e o sorriso dela estava de volta em um segundo. "Então você acha que pode me levar com suas habilidades de luta com espada Kill Bill?", ela brincou. "Pega leve comigo," Eu ri e levantei a minha espada.


No final, não tive como esgueirar-me longe de Geórgia. Sabia que Mamie não aprovaria dela sair, mas incapaz de suportar estar separada dos seus amigos, a minha irmã convidou-os a vir à nossa casa. Arthur estava caminhando de volta para o apartamento e quarenta e cinco minutos depois, ele, Ambrose, Vincent e eu chegamos ao Museu de Cluny, da idade média. "Timing perfeito," eu disse, subindo até os portões e lendo o sinal. "Hora de fechar, 17:45" O Museu foi instalado numa grande abadia do século XV que levou mais de um quarteirão da cidade e havia sido construído ao lado do primeiro século ruínas das termas galo-romana, um antigo ancestral dos spas de hoje. Desintegrando-se as paredes estendidas três andares acima do jardim gramado, tetos e pisos, tendo desaparecido séculos antes. Até nas paredes, arcos monumentais em tijolo vermelho se expandiu a pedra branca, traçando os contornos dos quartos palacianos que os soldados romanos uma vez vagavam, movendo-se da piscina térmica para o banho de sauna. Na escuridão nebulosa do início da noite, a Abadia parecia um castelo assombrado e as ruínas em torno dele como suas masmorras desenterradas. Eu estava feliz de repente pela minha escolta armada. Como se sentindo meus pensamentos, Ambrose sorriu e acariciou o punho da espada que ele usava debaixo do casaco. "Vê qualquer coisa na área, Vin?" ele perguntou e, aparentemente satisfeito com a resposta de Vincent, relaxou um pouco. “Parece nervosa, mon ange”, Vincent disse-me. "Nervosa? Eu?" Eu disse. "Nunca". Que era uma mentira total. Eu estava prestes a entrar em uma caverna, lá no fundo na terra. Nunca contei a Vincent sobre minha claustrofobia. Eu não precisava. Indo para o esgoto não me incomodou. Estávamos no largo espaço artificial logo abaixo do nível da rua. Mas a caverna do Bran eu tinha certeza que seria diferente —o meu medo de infância ameaçou voltar e paralisar-me quando eu estava em suas profundezas. Minha família tinha visitado Ruby Falls em Tennessee, quando eu era criança. A luz do sol nunca tocou em um ponto que o guia apagou as luzes para nos mostrar quão escuro era o lugar. Eu me assustei, e uma vez que estávamos fora, demorou uma hora para a minha mãe me acalmar. Desde então, até mesmo o pensamento de espeleologia fazia me quebrar em um suor. Mas eu não ia admitir isso para Vincent. Um pouco de claustrofobia não importava quando coisas muito mais importantes estavam em jogo. Como sua própria existência. Eu limpei minha testa com a palma da mão e tentei parecer calma.


"O Bran disse que a entrada era no canto sudoeste do monumento", disse Arthur, apontando pelo portão ao lado das ruínas. "Como vamos entrar?" eu perguntei, olhando os vinte metros de altura em ferro fundido que esgrima o perímetro. "Não se preocupe, que homem zumbi está aqui," brincou Ambrose, e envolvendo as mãos em torno de duas das barras, ele começou puxando para eles, como se ele estivesse esticando-os separados. Ele soltou após um segundo, virou para mim e piscou. "Brincadeira", disse ele. "Dobrar barras de ferro, infelizmente, não está no meu currículo de super-herói. Eu sugiro tentar em vez disso." Ele apontou com a cabeça em direção a uma porta de ferro pequena fechada com um cadeado. Só por trás dela tinha uma íngreme escadaria para as ruínas. "Provavelmente do vigia da entrada," eu disse quando nos aproximamos. Arthur tirou seu chaveiro e atrapalhou-se através das teclas até que encontrou uma ferramenta minúscula de fechaduras prata. Em um segundo o cadeado estava fora. Depois de esperar para observar se os transeuntes não estavam assistindo, entramos pela porta e descemos as escadas para a área gramada, escondidos nas sombras até termos certeza que ninguém tinha visto nossa entrada ilegal. Foi estranho entre as ruínas, como se por descendente do antigo labirinto de salas ao ar livre, nós na verdade tínhamos viajado para outro lugar e tempo. Como a Sibéria no meio do inverno. Eu apertei o meu casaco mais firmemente em torno de mim e liderei o caminho através do labirinto escuro, indo em direção que Arthur tinha indicado. Um minuto depois, estávamos em um canto completamente normal na junção de duas paredes de quinze metros de altura. Não havia nenhuma porta entalhada do lado. Nenhuma rachadura suspeita nas paredes. Nenhum sinal de uma passagem de qualquer tipo. "Que tal usar sua capacidade de visão de futuro volante, mano e dizer-nos onde procurar”, Ambrose disse. Depois de um segundo, ele acenou com a cabeça e disse: "Vin diz que em poucos minutos, Kate se foi e estamos aqui esperando por ela, mas ele não pode ver onde ela foi nem nada sobre como isso aconteceu. Deve haver algum juju guérisseur estranho acontecendo por aqui, bloqueando poderes revenant. O que significa que deve estar no lugar certo." Minha coluna vibrou quando me perguntei quão poderoso Bran e seu povo foram na verdade. Eles pareciam tão... normal. Especialmente sua mãe, que tinha olhado como qualquer outra velha de confecção de malhas em frente à lareira.


"Bem, acho que temos que fazer as coisas da maneira mais difícil," disse Ambrose. Ele caiu de joelhos e começou a bater no chão, batendo em locais onde a grama tinha desgastado e afastado. "Não parece ser um alçapão ou espaço oco," ele disse. Arthur tomou paredes opostas e começou a sentir o nosso caminho ao longo deles com a ponta dos dedos. "O que foi exatamente que o guérisseur te disse?" Arthur perguntou enquanto ele trabalhava. "Mesmo que o que ele te disse," eu respondi. "Ele só disse que a entrada era no canto sudoeste das ruínas e que eu podia entrar usando meu signum." Eu retirei o pingente da minha camisa, e o pequeno cristal de repente bateu contra ela, quando eu o encostei minha cabeça e prendeu-os. “O que é que você está usando com a signum?” Vincent perguntou imediatamente. "É uma mecha do seu cabelo", respondi. Arthur e Ambrose olharam para mim inquisitivamente mas retornaram rapidamente ao seu trabalho. Pela centésima vez pensei quão estranho deve ser para eles constantemente ter espíritos voadores ao redor e só pegar a parte das conversas que foram dirigidas a eles. "Jeanne me deu," eu continuei autoconsciente. Quando eu virei o signum em meus dedos, a luz do poste acima brilhou no Sr. Gold e refletiu algo brilhante embutida na parede. Eu me inclinei para frente para dar uma olhada melhor. Algo metálico ficou definido na pedra e completamente coberto de pó branco, tornando-se invisíveis a metros de distância. Eu desconsiderei isso para descobrir um bardia signum dourado do tamanho da minha própria. "É nossa garota," cantou Ambrose. “Cuidado, não vejo nada no futuro deste momento em diante”, Vincent disse-me. "Eu vou", prometi e olhei para Arthur, que se inclinou para a frente, inspecionando o signum. Ele recuou e acenou com a sua permissão. "Vamos ver o que este bebê," Ambrose disse ansiosamente. Pegaram meu pingente e apertaram contra o símbolo na parede, minha pedra de safira pressionou um botão no centro com o triângulo encaixado firmemente no lugar. Arthur, Ambrose e eu ficamos parados, olhando para qualquer sinal de movimento. "Bem, me senti muito Indiana Jones," eu disse depois de uma pausa. "Então o que acontece agora?"


Nesse momento, o chão tremeu ligeiramente sob nossos pés, sentindo como se um trem do metrô estava passando diretamente abaixo de nós, e uma seção de parede abriu para a frente no escuro. As sobrancelhas de Ambrose explodiram. "Incrível!" ele exclamou. Não é incrível. Afinal, pensei, perscrutando o espaço escuro atrás da porta. Eu notei uma lanterna pendurada num gancho na parede apenas para além da abertura, provisoriamente alcançado para desconectá-lo e rapidamente tirei de lá. Passando isso, apontei a passagem. Um estreito túnel esculpido na pedra apareceu num raio amarelo de luz artificial. Ele ia pra frente num longo caminho, em seguida, inclinava para baixo em uma faixa íngreme até virar à direita e desapareceu. Meu peito apertou com ansiedade, e comecei a suar novamente. “Isto não parece uma caverna. Parece um túmulo. Não quero que vá sozinha”, disse Vincent. "Sim, bem, eu não me importaria se você aparecer," eu admiti, limpando uma mão pegajosa na minha calça jeans. Quem diria que as palmas podem suar tanto? Eu pensei. “Eu apenas tentei entrar, e eu não consegui. É como se houvesse uma parede invisível bloqueando a porta que queima quando é tocada”, disse Vincent. "Vincent diz que ele não pode entrar", eu disse. Arthur enfiou a mão no meu ombro. "Nós provavelmente devemos inspecionar esta passagem inicial antes de entrar. Vou primeiro," disse galantemente. Quando ele entrou no túnel negro, uma luz brilhante passou diante de sua cabeça. Ele pulou de volta, uivou de dor e esfregou seu rosto freneticamente. Algo cheirava a marshmallows torrados. "Deixe-me ver!" Eu disse e puxei suas mãos do rosto. "Chamuscou as sobrancelhas e na frente do seu cabelo!" Exclamei. O rosto de Ambrósio era vermelho do riso reprimido. Ele desistiu. "Oh, homem," ele ria, lágrimas escorrendo dos lados dos olhos dele. "Você deveria ter visto sua expressão." As bochechas de Arthur ficaram tão vermelhas quando Ambrose falou, mas ele não estava rindo. "Tentarei", ele desafiou. Ambrósio acariciou seu cabelo cortado curto. "O é sagrado," ele disse, e inclinando-se cautelosamente voltou, estendeu o braço através da porta. Uma laranja faísca voou da extremidade do dedo indicador. "Ai!" ele gritou e enfiou o dedo queimado em sua boca.


"Viu", disse Arthur, olhando em volta. “Não pode entrar lá”, disse Vincent. "Eu fui capaz de alcançar a lanterna, então parece que eu posso na verdade", disse. "E eu acho que eu vou, se você viu que eu tinha desapareci com sua visão de futuro, ou qualquer outra coisa." “Mas, Kate”, ele disse enquanto eu caminhava incólume dentro da boca da caverna. Eu estava envolvida por um odor mofo do molhado-giz. Cheirava como se o túnel tinha sido escavado recentemente, embora as paredes e o teto estivessem enegrecidos por séculos de fuligem de tocha. Eu olhei de relance para Arthur e Ambrose, que me assistia de perto da porta, como se atreveu. "Devemos fechar a porta para a caverna?" Eu disse, apontando para o signum que ainda estava preso na parede. "Não!" eles disseram juntos. "Vamos ficar aqui mesmo. Ninguém pode entrar," Ambrose me tranqüilizou. “Cuidado” veio a palavra de Vincent, soando como se ele já estivesse a metros de distância. A lanterna brilhou para a escuridão, engoli seco e antes que eu mesma pudesse dissuadi-lo, parti em direção ao túnel.

DEZESSEIS O caminho é descendente, o túnel estreito e baixo e em breve tive que me curvar inclinando minha cabeça para não limpar o teto. O espaço cada vez mais apertado me fez cada vez mais ansiosa. Caminhei mais para baixo, mais a pressão cresceu dentro de meu peito, até parecia que meus pulmões iam implodir. Finalmente, eu não poderia ir mais longe. Meu coração batia tão forte que sentia-o batendo em meus ouvidos. Eu inclinei contra a parede do túnel e deslizei para baixo em um agachamento. Segurando a lanterna em um punho de ferro, tentei dissuadir-me de um ataque de pânico fulminante. "Feche os olhos e imagine estar em outro lugar", minha mãe tinha dito para mim, bem dentro da montanha em Ruby Falls. Ok, mãe, eu pensei. Onde mais posso ser? E de repente, lembrei-me do terraço no topo do La Maison, onde Vincent tinha me levado no mês passado. Esticada em torno de nós tinha a vista panorâmica de Paris à noite, a cidade cintilante como ela tinha sido decorada com seqüências de 1 milhão de luzes de Natal. Vincent tinha me beijado lá — em que mais romântica das manchas. Nós tínhamos enrolado em uma cama de sol


beijando e rindo e — para alguns momentos felizes — esquecendo-se de que o destino conspirou contra nós. Por um curto tempo nos amamos sem se importar com mais nada. Foi no último piso que Vincent disse-me que me amava. Que ele não podia imaginar uma vida sem mim. Eu senti o ar frio do inverno no meu rosto e o dedo de Vincent escovando meus lábios, delineando a boca antes de ele se inclinar e tocar seus lábios aos meus. Então, na minha fantasia, ele desapareceu e eu estava sozinha no telhado. O calor delicioso tinha desaparecido — de repente e violentamente — e a frieza da noite de inverno picou meu rosto e as mãos. E de repente lembrei que nossa situação no aqui e agora: corpo de Vincent tinha desaparecido e seu espírito foi ligado a uma louca. E eu estava a meros metros de algo que podia ajudá-lo. Meus olhos se abriram e me levantei novamente, curvei sobre uma mistura velha para fazer o meu caminho para baixo, para a passagem explicita. Havia muitas reviravoltas... agora que a lanterna iluminava apenas alguns metros à minha frente. Eu era tão profunda que as paredes de pedra eram úmidas contra meus dedos. Quando eu virei uma curva, meu pé caiu contra uma pilha de escombros, chuto uma pedra voando para frente. Desapareceu em uma curva e o eco retornou — de uma dúzia de pedras saltando através de um vasto espaço oco — disse-me que eu tinha finalmente chegado. Fugindo debaixo de uma prateleira baixa de pedra, de repente eu encontrei uma caverna do tamanho de uma piscina olímpica e talvez quatro vezes a minha altura. Eu fixei a minha lanterna ao redor das paredes e localizei as tochas de madeira maciças, apresentadas em ambos os lados da porta. Retirando o isqueiro que Bran tinha me dado para trazer, acendi um primeiro e depois o outro. Acabei de acender uma tocha, pensei, imediatamente, armazenando essa pepita em um compartimento bizarro-coisas-ter-feito do meu cérebro que tinha sido rápida expansão no ano passado. Como o fogo deflagrou a vida, eu tossi do fumo e inalei um gole profundo de ar obsoleto da caverna. A superfície de pedra escura da sala cavernosa dançou a luz bruxuleante das tochas, fazendo parecer ainda mais do outro mundo. As paredes de cada lado pareciam enormes favos de mel. Estas foram empilhadas uma sobre a outra até o teto. Contei algumas linhas e estimando havia cerca de seiscentos ao todo. As portas foram pintadas com letras, flores e formas orgânicas parecido com tatuagens. Todos tinham uma coisa em comum: no centro de cada porta aparecia uma mãozinha pequena e amarela-laranja-lágrima forma na ponta de cada dedo, como se eles estivessem atirando chamas. As portas mais próximas de mim na parede da esquerda pareciam antigas, toda pedra em ruínas com apenas vestígios de seus desenhos pintados. Sua condição cresceu melhor quanto mais bai swirly xo o quarto era, até que no final as portas eram feitas de madeira em


vez de pedra e a pintura parecia menos decrépita. A parede de frente para mim no final do corredor não tinha nenhuma das portas em forma de meia lua e em vez disso estava coberta completamente de pinturas de parede. Ao lado, na extremidade da parede à minha direita, as portas pintadas começaram novamente, estas estavam quase novas. Havia apenas algumas linhas de portas brilhantemente pintadas e depois pararam, deixando fileiras e fileiras de furos muito tempo vazio, estendendo-se em minha direção. Corri meus dedos contra a boca de uma mais próxima de mim e, coloquei minha lanterna dentro, soube imediatamente que era: um túmulo. Eu tinha visto o mesmo estilo de nichos funerários em várias ruínas romanas que tinha visitado em torno da França. Os romanos tinham esculpidos horizontalmente buracos nas paredes de rochas e colocavam os corpos para descansar dentro. Eu virei minha lanterna cautelosamente ao redor da sala antes de pisar mais longe, verificando as armadilhas. E então me lembrei: Bran me avisou de alguma coisa que eu precisava para ter cuidado. Eu estava nos "arquivos secretos" de sua família como ele chamava. Mais como mausoléu, eu pensava, embora alguém poderia considerá-lo um arquivo dos corpos. Tinha certeza que Bran não me colocaria em perigo, eu desliguei minha lanterna e a enfiou na minha bolsa. No brilho das tochas, vi, na extremidade distante do quarto, uma pilha de exploração de tabela de livros e objetos de metal brilhantes. Isso era o que eu procurava — Bran disse-me os livros que ele precisava estavam entre eles. Como eu entrei mais para a sala, eu notei que a porta final na parede direita tinha sido decorada com flores frescas: rosas, lírios e branco lilás. Quando cheguei mais perto, o cheiro de tinta fresca se misturava com o perfume das flores. Esta porta tinha sido recentemente decorada. Algo dolorosamente apertou no meu peito enquanto eu me aproximava dela. Antes mesmo de eu estivesse perto o suficiente para ler as cartas cuidadosamente pintadas na parte inferior da porta, eu sabia que elas significavam.


Gwenhaël

Steredenn

Tândorn

Mãe de Bran. Ele deve ter enterrado ela aqui apenas um par de dias atrás. Eu ajoelhei-me para olhar mais de perto o túmulo no nível do solo e admirava as cuidadosamente pintadas mão-com-chamas e decorativos tattoolike redemoinhos em torno dele. Bran não era nenhum artista, mas obviamente tinha passado muito tempo e cuidado, criando o memorial da sua mãe. Eu localizei um pequeno cartão vinculado com as flores e segurei entre meus dedos. No script de aranha pequena, li, "isto é para você, mãe. Vou ter saudades todos os dias." Doeu meu coração. Eu afastei uma lágrima que correu para baixo em minha bochecha. Sabia exatamente como se sentia Bran. Para mim não foi um ferimento tão recente, mas foi um que sempre iria sangrar. Perdi os meus pais. E mesmo que


eu tivesse finalmente parado de pensar deles cada minuto de cada dia, quando as memórias vinham a dor voltava com toda a sua força. "Adeus, Gwenhaël," sussurrei e, de pé, caminhei em direção a mesa solitária. Vi os livros que Bran tinha mencionado na borda esquerda do tampo da mesa: uma pilha de tomos de capa de cSr. Gold vermelhos. Mas antes de chegar-lhes, pausei meus olhos em direção as pinturas cobrindo toda a superfície da parede final. Pareciam de um lugar que tinha visitado em Florença com a minha mãe — a Basílica de Santa Croce. Como as paredes de capelas múltiplos da igreja, esta parede foi dividida em tiras de cenas separadas e linha colocada na linha, como um livro de banda desenhada. Na Basílica dos painéis tinham sido cheio de fotos mostrando histórias da Bíblia ou dos Santos italianos, cada capela decorada por um único artista. Aqui, os painéis foram todos pintados por artistas diferentes — em estilos diferentes e, aparentemente, de diferentes períodos. O descascado e desvanecendo-se pintura de níveis superiores sugeriram que eles eram os mais antigos, então eu comecei lá, lendo as imagens como histórias que minha mãe tinha me ensinado. O primeiro painel me fez lembrar a ânfora que eu tinha visto na galeria do Papy, mostrando dois exércitos de homens nus, brigando um com o outro, os soldados vestindo o que parecia ser capacetes gregos antigos. Um lado era liderado por um homem com um halo vermelho dourado que inflamou fora de sua cabeça como chamas. O líder do exército inimigo tinha um halo que parecia uma névoa turva de sangue vermelho brilhante. Um par de números no canto do quadro estava pairando sobre corpos mortos e mutilados e segurando suas mãos sobre eles, como se eles estivessem curando-as. Suas auréolas pareciam um pouco com faíscas de fogo — cinco faíscas acima de cada cabeça, como as chamas acima nas mãos pintaram sobre as portas do túmulo. Este deve ser o símbolo para o guérisseurs, pensei. A próxima imagem me lembrou das pinturas medievais dos Santos sendo martirizados. Homens vestidos como sacerdotes, com chapéus enormes, ficaram ao lado assistindo como os soldados matavam um grupo de pessoas com espadas. Suas vítimas estavam de pés e mãos atadas a estacas de madeira e tinha o halo Sr. Gold e vermelho como na imagem anterior, enquanto outros tinham halos amarela redonda — o típico que você vê nas pinturas religiosas. Sob o tipo de Sr. Gold foi escrito "Alcione," o vermelho tinha "numa" e o halo redondo "bayata." Por trás deles, ao longe, uma flama-halos guérisseur ficou de fora amontoados de uma caverna em que um grupo de três tipos de halos difrentes. A história foi bem clara: os revenants e o "bayata," e eles estavam sendo perseguidos pela Igreja, e os curandeiros estavam ajudando a escondê-los. Os revenants devem ter experimentado toda uma história ao lado que nós estávamos completamente


inconscientes da humanidade. Fiquei admirada, paralisada pelo que isso significava. Seres sobrenaturais tinham vivido entre nós desde o início dos tempos... ou pelo menos por um longo, longo tempo. E cenas a partir desta história secreta paralela foram descritas claramente diante de mim. A magnitude desta descoberta me fez sentir muito pequena e insignificante... mas também com muita sorte. Mudei-me ansiosamente para o próximo painel, que retratava a caverna que estava de pé nela trabalhadores, todos com as cinco chamas sobre suas cabeças, estavam cavando túmulos... e pintando as paredes, enquanto uma mulher com vestes brancas longas segurava as mãos dela, atirando raios de prata em todas as direções. Dentro das vigas foram pintados de estrelas, luas, sóis, mãos inflamadas e o signum bardia. Adivinhei que isto era algum tipo de magicalguérisseur, lançando um feitiço sobre a caverna que permitiria um pouco para entrar, mas manteria os revenants, como tinha sido demonstrado tão drasticamente (e divertida) lá fora. Eu queria saber que outras magias protegiam esta caverna, como havia símbolos que não reconheci flutuando no starburst prata da mulher. De repente eu pensei em Vincent, Ambrose e Arthur esperando do lado de fora da caverna. Quanto mais tempo eu ficasse mais preocupados ficariam. Eu chequei meu celular. Eu tinha-os deixado há quarenta e cinco minutos. E claro não havia nenhum sinal, então não pude ligar para avisar que estava bem. Eu sabia que era hora de ir, mas não pude resistir olhando umas fotos mais antes de sair. Meus olhos saltaram para uma das cenas antigas; este aqui no período romano, julgando pelas vestes togalike dos personagens. No centro, havia uma figura encolhida em posição fetal, dentro de uma banheira redonda grande. Foi em tamanho real, mas tinha características sem cabelo ou facial e parecia mais uma escultura áspera de uma mulher, como que os detalhes foram esculpidos. Em torno da figura levantaram várias pessoas, tanto bardia e guérisseur julgando por suas auras, cada um tomava parte em uma atividade diferente. Uma tinha cortado o braço dele e estava sangrando dentro da banheira, outro estava dobrando-se sobre a cabeça da figura entrelaçados, um terceiro parecia estar lançando um feitiço sobre ele e uma quarta levantou-se para o lado, segurando uma tocha e um vaso. Obviamente estavam realizando algum tipo de ritual mágico, mas não podia imaginar o seu propósito. Sob a imagem havia uma inscrição em latim, e fiquei emocionada ao descobrir que eu poderia decifrar algumas das palavras. Argilla deve significar "argila", desde que a palavra era argile em francês. E eu sabia que thatpulpa significava "carne," perto da palavra francesa para "octopus" — um animal feito de carne sem ossos. Não é possível traduzir o resto, olhei em volta para outra cena e


estudei. Só mais uma vez, pensei, começando a me sentir ansiosa em voltar para Vincent e os outros antes de ficarem apoplético com preocupação. Meu olhar caiu sobre um quadro perto do meio, provavelmente porque era o mais belamente pintado. Alguns artistas guérisseur eram obviamente mais talentosos do que os outros. Com a maioria, o objetivo parecia estar recebendo a mensagem do outro lado, em vez de demonstrar a habilidade do artista. Mas este poderia ter sido pintado por Raphael ou Michelangelo, a beleza suntuosa dos personagens sendo objetivo deste pintor. Nele, um grupo de numa, com auras vermelhas ficou num pequeno riacho de outro grupo de bardia aura-dourada. Havia um numa andando nas águas claras que fluiam quando ele atravessou para lado do Bardia. Um bardia feminino estendeu a mão para ele. O que estava na água tinha um halo de andarem, mas ao contrário dos seus parentes, sua aura estava misturada com veios de Sr. Gold. Ele é algum tipo de mestiços "Revenant"? Perguntei-me. Ou talvez como o bayata, ele era mais um ser sobrenatural no total? Eu tinha tanto a aprender — uma idéia que me assustou e emocionou simultaneamente. Eu não podia esperar para descobrir mais sobre o tipo de Vincent, mas estava desconfiada de que tipo de coisas assustadoras estava esperando para ser descoberto ao longo do caminho. Como estou com pressa para colher à pilha de livros que Bran tinha indicado e guardei-os cuidadosamente no meu saco, gostaria de saber sobre as coisas que eu tinha testemunhado. Como muitos outros seres humanos sabiam desta caverna? Além do guérisseurs real, não muitos, eu tinha certeza. Senti-me impressionada — oprimida — por minha inclusão neste grupo. Apenas uma garota normal de pé de Brooklyn em uma gruta mágica debaixo da movimentada atividade de uma das maiores cidades do mundo. Lembrei de uma garota que é ansiosamente aguardada pelos três rapazes mortos-vivos na porta da caverna, e, olhando ansiosamente para as pinturas que não tive tempo para olhar, eu fiz uma decisão de momento. Agarrando meu telefone novamente, tirei-o para tirar uma foto da parede. Eu posso estudá-los voltar para a segurança do meu quarto, eu pensei. Mas não foi até que eu apertei o ícone da câmera que me lembrei, num momento de pânico, a magia que protegia a caverna. Isso iria incinerar meu telefone? Isso iria incinerar-me? Como nada aconteceu, eu suspirei de alívio e rapidamente fui em direção a buscar uma ferramenta que parecia um apagador de vela gigante pendurado na porta, eu usei para extinguir uma das tochas. Quando me mudei para o outro, eu notei que este muro foi pintado em estilo de história em quadrinhos como a parede de frente para ele. Mas, a julgar pelas roupas dos personagens, estas pinturas foram as mais recentes; tudo a partir dos últimos séculos. Eu peguei a minha lanterna antes de apagar a segunda tocha. E


como a chama começou a morrer, notei que a pintura localizada logo acima da porta, era de um grupo de homens em uniformes, decoradas com suásticas, em frente a um mapa gigante. No meio do grupo era um homem de bigode com o cabelo puxado para baixo, que eu reconheci imediatamente. E como a tocha apagou, vi que os homens em torno dele — assessores de Hitler — todos tiveram sua aura vermelha.

DEZESSETE JEAN-BAPTISTE estava esperando por nós, na porta, quando voltamos. "De sua expressão triunfante, desconfio que sua missão foi um sucesso, Kate?" ele perguntou ansiosamente. Eu acariciei meu saco e sorri largamente. "Eu tenho a mercadoria." Ele suspirou de alívio. "Maravilhoso. Venha por aqui. Bran e Gaspard estão esperando na biblioteca." "Somos bons demais, JB," Ambrose murmurou, "obrigado por perguntar." Ele virou-se para Arthur. "Que tal uma luta como um exercício?" Arthur balançou a cabeça. "Pensei em que fazer alguma pesquisa. Não se cansa de lutar?" "Não te cansas de ser um intelectual?" Ambrose respondeu, mas quando Arthur ficou chateado, ele riu e bateu-lhe no braço. "Estou brincando", disse ele. "Eu amo seus livros. Especialmente aquele com o cara. E a garota. Sim, esse livro foi grande," e saiu em direção a sala de armas. "Você precisa de mim, ou posso verificar com você uma vez que Bran tinha tempo para olhar os livros?" Arthur perguntou a Jean-Baptiste. "Tenho certeza de que vai chamar a sua experiência muito em breve," disse JB, desculpando-o. "Até logo", disse Arthur, dobrando seu cabelo atrás da orelha e me dando uma piscada antes andando em direção a seu quarto. "Como foi a visita aos arquivos?" JB perguntou ansiosamente enquanto subíamos as escadas. "Você viu-os também, Vincent?" ele perguntou e então acariciou seu queixo pensativamente. "Interessante. Guardado por guérisseurmagic. Como é fascinante. Kate, o que achou deles?"


"O lugar era incrível", respondi. "Nunca vi nada assim na minha vida. Me sinto realmente sortuda de ter estado lá". "Você está verdadeiramente com sorte de ter estado lá", disse melancolicamente. O fato de que um tesSr. Gold místico de história sobrenatural existia a uma caminhada de uma meia hora de onde viveu — um que ele nunca seria capaz de ver — parecia estar comendo JB. E eu tinha certeza que Gaspard sentiu o mesmo. Mais uma vez, fiquei admirada que Bran confiou em mim o suficiente para enviar-me numa tarefa tão importante. Bran e Gaspard foram abrigados em um canto da biblioteca, conversando profundamente. Eles viraram quando nos ouviram entrar. "Kate", ambos disseram ao mesmo tempo, e Bran disse, "E Vincent," olhando para um espaço perto de mim talvez eu também tenha duas cabeças. Eu puxei a pilha de livros de minha bolsa... e os depositei na mesa diante dos homens. O rosto do Bran iluminou, quando ele correu os dedos carinhosamente sobre a capa de cima. "Nunca vi todos no mesmo lugar, fora dos arquivos. Minha mãe costumava trazê-los para casa um por um para ler para mim. E a única vez que eu visitei — apenas um par de dias atrás, eu estava ocupado com outras coisas. " De repente, ele parecia triste. "Eu vi o túmulo da sua mãe," disse suavemente, puxando uma cadeira para a mesa e sentado ao lado dele. "Foi lindo". "Obrigado, criança," Bran respondeu, olhando consolado. "Estou feliz que tenha ido. Poderia bem ser sua única chance." "Você nunca visitou os arquivos da sua família antes desta semana?" JeanBaptiste perguntou, espantado. "Não. Só o guérisseur ativo da família é permitido ali dentro. É por isso que minha mãe trouxe os livros para mim, um de cada vez, como é o costume." Ele olhou para os volumes. "Achei que hoje era um dia para quebrar as regras." "Quem realmente escreveu esses volumes?" perguntou Gaspard. Ele aparecia estar usando contenção sobre-humana para resistir de pular em cima dos livros e devorar seu conteúdo. "Meus antepassados", respondeu de Bran. "Os guérisseurs na minha família tem vêem empunhando sua arte por muitas gerações. Embora o ativo Tândorn guérisseur tenha mantido uma presença contínua em Saint-Ouen, desde os tempos medievais, o resto que não advoga do nosso clã vivia na Bretanha e eram agricultores.


"Como a maioria dos camponeses na época, meus antepassados eram analfabetos. Eles passaram suas histórias de geração para geração, memorizando volumes cheios de contas de suas relações. No século XIX, o primeiro Tândorn que poderia escrever tomou para copiar para fora a história oral da família. Três desses livros" — Ele assentiu com a cabeça em direção aos volumes — "foram escritos por ela. Só há sete ou eightguérisseurs desde então, e adicionaram seus conhecimentos para os dois últimos livros". Ele procurou através da pilha e puxou um dos volumes mais antigos para cima. "Este é o que eu me lembro que contém as informações do ancião que procura: eles mencionam um Vic... Transferência de energia de campeão-para-conquistador. Este é um relato de uma fonte externa, claro. Como você sabe, nunca houve um campeão na França." Gaspard se inclinou em minha direção e acrescentou: "campeões têm aparecido ao longo da história em outros pontos do globo. Sempre que a ameaça de numa tem crescido muito grande em uma área, um campeão parece surgir." Virando as páginas lentamente e cada uma digitalização, Bran parou em uma passagem, preenchida com letra minúscula em tinta marrom que parecia praticamente ilegível, do meu ponto de vista. "Sim, aqui estamos. Uma conta de um guérisseur quem tinha viajado com uma caravana da Índia e conheceu um dos meus antepassados." "Pára de olhar para o futuro, Vincent," disse Jean-Baptiste. "Por que na terra isso assustaria Kate se nem é uma possibilidade?" Ele virou para mim. "Vincent não gosta do que Bran vai ler e solicitou que esperemos para discuti-lo até que você esteja fora." "Muito obrigado, Vincent," eu disse, sentindo-se irritada. "Muito superprotetor?" “Desculpa, meu amor”, eu o ouvi dizer. “Existem algumas histórias que acho que não são totalmente necessárias para você saber. Especialmente quando me envolvem”. "Acho que posso decidir por mim mesma se vou me aborrecer", propus. "Por favor, Bran, vá em frente." Bran começou a decifrar através da história e então traduzia para nós. "A história teve lugar na Índia medieval, sob a dinastia de Torres. Este campeão foi destruído e seu espírito convertido em um animal que foi morto e comido por seu captor de numa. Foi assim que o poder do campeão foi transferido para numa. Levou um exército de bardia para trazê-lo para baixo e só depois que ele usou seus poderes multiplicaram-se de força e persuasão para conquistar uma cidade inteira.


Minha garganta apertou. "Ok, eu não estou chateada, mas estou enojada," eu disse, meu estômago está virando. "Vincent, que é o que tentou Violette com você? O animal mordeu?" “Sim”, ele respondeu, enquanto Gaspard assentiu com a cabeça. Vincent tinha obviamente já lhe contado a história. "O que aconteceu?" perguntei. “Kate, isso realmente não é importante”, declarou Vincent. “Não que eu não acho que pode levá-lo. É só que...” "Diga-me." “Violette forçou meu espírito no corpo de um coelho, que ela então matou e comeu cru. Mas em algum momento entre o assassinato e a comer, meu espírito deixou o animal. "O que aconteceria com você se funcionasse? Se você fosse o campeão?" Eu pedi o Vincent. Bran respondeu por ele. "Violette teria absorvido o espírito de Vincent, que combinaria com o seu próprio. Sua identidade teria sido entrelaçada com a de Violette e seu poder adicionado ao dela." “Mas, obviamente, isso não aconteceu”, Vincent apressou-se a dizer. Minha cabeça dói. Uma queimadura maçante atrás das minhas sobrancelhas, como quando eu triturei no gelo. Eu levantei a minha mão para o topo de minha testa e senti lágrimas doer meus olhos. A idéia de espíritos de Vincent e de Violette entrelaçados me deixou doente. “Está tudo bem. Estou aqui agora”, Vincent disse me consolando. "Mas quando Violette você voltar para ela, o que vai dizer a ela? Que ela fez a coisa certa, mas não deu certo desde que você não é o campeão?" perguntei. "Não, ele vai mentir," disse Jean-Baptiste. "Nós iremos inventar algum tipo de cerimônia falsa para ela tentar nele para segurá-la um pouco mais." Bran adicionou seus dois centavos. "Enrolando não vai resolver nada. Ele ainda está ligado a ela e permanecerá assim até que uma de duas coisas aconteça." "E esses seriam...?" perguntei. "Até Violette ser destruída ou Vincent ser re-encarnado."


Vou matá-la. Alegremente pensei, minha fúria me deixando ainda mais enjoada. No entanto, percebendo que meu matar um revenant protegido por uma horda de numa não era o resultado mais provável, se estabeleceram para a praticidade. "Então vamos encontrar este relato sobre a re-encarnação," insisti. "Lembro de minha mãe lendo para mim quando eu ainda era uma criança. Na verdade não vi mesmo, então não faço idéia de qual destes livros contêm a história," Bran admitida. "Vou precisar trabalhar meu caminho através delas até encontrá-la." "Eu ficaria feliz em ajudar," ofereci. E cheguei para um dos livros, mas retirei a minha mão quando vi a expressão dele. "Peço desculpa, filha, mas esses textos estão cheios de segredos da minha família", disse Bran. "Jurei protegê-los e não mostrá-los a ninguém." Meu coração se afundou. Se Bran ler todos esses livros por si mesmo, levará um longo tempo. E tempo é algo que não tínhamos. "Você se importa se eu esperar aqui até que eu tenha que ir para casa?" perguntei. “E fazer o quê?” Vincent perguntou. “Vê-lo virar páginas? Você vai ficar entediada e você vai deixá-lo louco”. "Há muito aqui para me manter ocupada," respondi, gesticulando para as paredes de livros. "Não quero ir para casa ainda." "Você é bem vinda para ficar," Bran respondeu, para meu alívio. "Vincent e eu vamos aproveitar esta oportunidade para conversar," disse JeanBaptiste. "Eu preciso saber tudo o que você pode me dizer sobre Violette e seus planos." “Eu estarei de volta, mon ange”, prometia Vincent. Bran passou a próxima hora estudando cuidadosamente os livros dele, enquanto Gaspard pairou nervosamente de um lado. Ele era mais agitado do que o habitual, torcendo as mãos e tremendo enquanto observava Bran trabalhar. Eu suspeitava que seu nervosismo fosse devido ao fato de que ele estivesse na presença de uma riqueza de informações arcanas que na verdade não podia tocar. O pensamento do que poderia estar escrito nos livros era suficiente para encher-me com admiração, e não era um historiador do século XIX hiper-ansioso. Dadas as circunstâncias, eu senti que ele estava se segurando muito bem.


Passei o tempo a ler um relato macabro de pré-colombiano, reis astecas que eram "Revenant" videntes para encontrar bardia recém-formado. Eles os forçavam para servir como guarda-costas imortais, ameaçando seus entes queridos. Quando o rei morreu, seus escravos de bardia foram imolados com eles. Embora eu estremecesse de horror desse, conteúdo perturbador da história fez-me ver a nossa própria situação sob uma luz diferente: podia ser pior. Finalmente Charlotte espiou a cabeça através da porta. "Sua avó ligou para pedir que fosse para casa para jantar. Jean-Baptiste me pediu para levá-la de volta," ela disse. "Ele ainda está entrevistando Vincent sobre Violette. Não houve nenhuma atividade numa desde esta manhã, e desde que Violette está esperando para conseguir algo de nós, JB pensa que você ficará segura ficando em sua casa esta noite." "Mas e se...," eu comecei, olhando suplicante para Gaspard. "Vamos chamá-la no segundo em que encontramos algo," o morto-vivo mais velho me prometeu. "Violette deu a Vincent três dias," disse, comecei a sentir que o pânico apertava toda vez que olhava para Bran, movendo-se a passo de caracol, através de seus textos. "Isso significa que...." "O que nos deixa dois dias e onze horas. “Sim, querida Kate, eu estou tão consciente quanto você das nossas limitações de tempo," Gaspard me tranquilizou, colocando uma mão confortante em meu braço. "Mas desde que não há nada que possa fazer para ajudar neste momento, você também pode ir para casa de seus avós". Eu cerrei os dentes e virei para sair da sala com Charlotte. Odiava o sentimento de impotência. Não estava ajudando muito sentada em torno da biblioteca. Mas estar em casa com os meus avós não ia fazer nada para ajudar. Quando recolhi meu casaco e bolsa, de repente me ocorreu que Papy pode ter achado através de exemplos de re-encarnação em sua pesquisa. Esse pensamento me animou suficiente que parei de discutir. Quando sai do pátio de La Maison e fui em direção a minha casa, Charlotte virou-se e acenou para um par de figuras sombrias posicionado no final do bloco. Dois bardias começaram a nos seguir, mantendo um bloco atrás de nós. JB estava mantendo sua promessa de me guardar com cuidado. Um casal de motociclistas correu perigosamente perto quando atravessamos a rua. Eu atei meu braço através do de Charlotte que chegou mais perto de mim.


"Então o que você acha sobre essa coisa de re-encarnação?" ela perguntou. "A casa inteira está movimentada em torno disso. Você acha que pode ser verdade?" "Eu acho que, se houver uma chance microscópica isso é verdade, e eu vou ter a certeza que tentamos todas as formas conhecidas de testá-lo." Ela assentiu com a cabeça. "Espero que os livros dos guérisseurs tenham algo útil neles." "Se não... ou mesmo, se assim for... Vou ver se eu não posso cavar mais alguma coisa. Meu avô tem lido muito sobre temas místicos, você sabe, incluindo alguns textos revenant." "Hmm...," ela disse. Por que ninguém acredita que um ser humano pode ajudar a Bardia? Pensei, frustrada. Mudei de assunto. "Então como é voltar para La Maison com Ambrose lá?" Cruzamos o movimentado boulevard Raspail. Ainda estava muito frio, congelando, esta semana de fevereiro e as lojas estavam cheias de roupas leves de verão que eu não podia sonhar vestir quando eu puxei meu casaco grosso apertado em torno de mim. Paramos em frente a um monitor. "Devias experimentar algo assim," Charlotte disse, acenando em direção a um vestido curto, BandaMovement lingerie-estilo que o manequim usava sobre jeans colante. "Hum, isso real eu respondi, puxando-a longe da janela e para a faixa de pedestres comigo. Charlotte deu de ombros em derrota. "É difícil. Os olhos de Ambrose nunca deixam Geneviève. Quando ele não está vigiado você, ele tem farejado ela." "Por isso é que ele estava louco para se juntar à caçada por Violette esta manhã," eu disse, colocando dois e dois juntos. "Isso e a possibilidade de uma boa luta." Charlotte sorriu. "Ele falou alguma coisa para você sobre ela?" Eu perguntei. "Não, só uma vez depois que chegamos a Villefranche-sur-Mer. Ele deve ter falado tudo durante a confissão, porque ele não falou dela desde então." Eu joguei meu braço em torno de Charlotte em um abraço de lado quando nos aproximamos de minha rua. "Mas você sabe, Kate," ela disse quando paramos em frente a minha porta, "Eu estou bem com isso. E não falo isso levianamente. Quando eu vi você e Vincent juntos depois de ter estado sozinho por tanto tempo... bem, isso me deu


esperança. E vendo a maneira que ele trata você me fez percebe que talvez eu tenha definido minha mira muito baixa. Após perseguir alguém que não me deu a confiança.... " eu levantei minhas sobrancelhas. "Ok, isso não é verdade," Charlotte confessou. "Ambrose me ama... mas como uma irmã. Vejo como Vincent antecipa cada desejo seu e tenta torná-lo realidade para você. Como, quando ele vê você entrar em uma sala, ele se transforma em uma pessoa que é maior e melhor do que ele estava apenas alguns minutos antes. Eu quero ser assim para alguém. Eu acho que eu mereço. E não vou definhar para quem sente isso por outra pessoa." O peso em meu peito e as dores afiadas da tristeza retornaram com pleno vigor com o lembrete de Charlotte de como as coisas costumavam ser com Vincent. E poderia ser mais uma vez, eu me lembrei. Eu não podia perder a esperança, especialmente agora. "Então, até meu próprio cavalheiro aparecer," ela continuou. "Eu decidi viver uma vida plena e ser feliz com minha sorte. Que já é bastante boa: não é a qualquer garota que é concedida a imortalidade e acusada de salvar vidas humanas. " Ela piscou para mim com este último comentário, e percebi que não era só bravata. Ela realmente quis dizer isso. Eu joguei os dois braços em volta dela e beijei sua bochecha. "O destino te trouxe de longe, Charlotte. Não vejo por que ele não iria acabar dando-lhe o desejo do seu coração."

DEZOITO PAPY ESTAVA ARRUMANDO A MESA... QUANDO CHEGUEI A CASA. Ouvindome fechar a porta da frente, ele olhou acima, ansiosamente. "Oh, bem, você está em casa, princesse," ele disse. Minha avó me veio e colocou a cabeça para fora da cozinha. "O curandeiro descobriu alguma coisa?" ela perguntou. "Georgia nos colocou a par dos acontecimentos de hoje." "Não," eu disse, balançando a cabeça. "Bran está estudando seus registros de família. É um monte de material, e ele não deixa ninguém olhar para eles." "Compreensível", Papy disse, acenando prudentemente ao mesmo tempo. "Ainda há guardas lá fora?" ele perguntou. "Sim. Existem dois bardias sentados no parque do outro lado da rua, vendo o prédio," confirmei. "E Charlotte me acompanhou até em casa."


"Parece que estamos sob confinamento," Papy comentou um pouco a contragosto. "Alguns deles me seguiram para o trabalho hoje, também. Eu não sei na verdade se precisamos de toda essa segurança. Vocês precisam, é claro, mas não é como eles tivessem algum interesse em mim ou sua avó." "Seja feliz por isso. Com toda essa estranheza, não podemos tomar precauções demais. E o que estiver acontecendo, nós ainda tem que comer," disse Mamie da cozinha, antes de gritar, "Geórgia, sua irmã está em casa. Hora do jantar!" Ela apareceu carregando uma bandeja com um enorme vapor de massa folhada em forma de um peixe. "Saumon en croute, servido com cenouras na manteiga curried," ela anunciou. "Mamie, que lindo! Você fez isso?" Eu perguntei, os odores combinados da massa cozida e salmão fumegante, fazendo-me perceber que eu estava com muita fome. Mamie demonstrou alegria no rosto. "Eu trabalhei o dia todo, Katya querida. Isto foi feito por Monsieur Legrande," ela disse, referindo-se a loja de boa comida na rua. "Mas tenho certeza que ele fez isso com amor." Ela piscou o olho. "Eu comeria mesmo se ele fez isso com a luxúria," anunciou Geórgia quando ela entrou na sala, "embora imaginando um lascivo Monsieur Legrande... eca." Ela enrugou seu nariz. Papy revirou os olhos. "À mesa, toda a gente." "Qualquer palavra na pesquisa, Katie-feijão?" Geórgia perguntou quando sentouse, mas foi apenas uma formalidade. Ela sabia que eu teria telefonado se tivesse acontecido alguma coisa importante. Eu balancei minha cabeça. "Bem, mesmo que ainda não foi encontrada uma solução, você deve estar aliviada que Vincent está livre por alguns dias, pelo menos," Mamie disse, colocando o prato para baixo e contornando ao redor da mesa para embrulharme em seus braços. "E aquele curandeiro parece saber muito sobre os revenants. Ele encontrará uma solução, com certeza," ela disse suavemente. Tomamos nossos lugares à mesa, e depois Mamie nos desejou bom apetite, e todos nós saboreamos a comida deliciosa. "Eu estava realmente querendo saber se você tem estudado através do tema da re-encarnação," disse, esperando que Papy iria pegar o tópico sem muito perguntar. Minha aposta valeu a pena. Eu podia ver seus pensamentos correndo. "Re-encarnação," ele disse. "Infundindo um espírito em um objeto inanimado. Agora que é uma idéia interessante". Ele bateu no queixo. "Quer dizer, há a repersonificação simbólica na Eucaristia Christian — transformando a hóstia e o


vinho no corpo e sangue de Cristo. Que provavelmente foi baseada no ritual egípcio 'divino pão' realizado pelos sacerdotes de Osíris. Mas não consigo pensar em um exemplo onde havia uma re-invenção de um corpo e, em seguida, a posse com uma alma." "Que tal Frankenstein?" sugeriu a Geórgia com uma expressão útil. "Georgia. Cala-te," exortou Mamie, pegando uma cenoura e colocando-a delicadamente na boca dela como se demonstrando para Geórgia o que ela devia fazer em vez de jorrar para fora idéias perturbadoras. "Não, quis dizer isso. Isso é um exemplo de um corpo que foi criado praticamente do zero e em seguida eletrocutado para dar-lhe um espírito." "Acho que a parte de eletrocussão animou apenas algumas partes do corpo," rebateu Papy. "Não deu o monstro uma alma." "Eu me lembro dele se jogando por um rio com uma garotinha e chorando," insistiu em Geórgia. "Você não pode chorar se você não tem uma alma." "Hum, podemos deixar a conversa longe de filmes de terror e de volta à vida real?" Eu perguntei, posando minha prataria no meu prato, olhando Geórgia colocar mais salmão em sua boca. A idéia de partes do corpo costurado em conjunto aparentemente não afeta o apetite dela. "Duvido que o revenants vão montar um corpo em forma de Vincent e depois esperar que uma tempestade de raios para trazê-lo à existência", disse. "Não tem que", Geórgia respondeu, segurando a faca e apontando. "Hoje em dia você pode provavelmente fazer isso com desfibrilhadores." Eu apertei meus olhos fechados em frustração. "Georgia"? Mamie pediu. "Sim?" "Por favor, Cale-se." "Está bem". Minha irmã deu de ombros como se para dizer que lamentamos não ter lhe dado ouvidos. Eu me virei para meu avô. "Apesar de Monsieur Tândorn lembrar dos registros de sua família e mencionar algo sobre o tema, achei que gostaria de lhe falar de qualquer maneira, já que você é meu especialista residente em cada pedaço estranho do mítico erudito sob o sol." Papy assentiu com a cabeça para mim,


reconhecendo as minhas palavras, mas ainda perdido em seus pensamentos. "Existe o conceito de golem no folclore judaico...." E que ia jogar fora histórias bizarras que ele teorizou que poderia ter verdade enterrada dentro da ficção. O resto de nós ouviu extasiada, Mamie e Geórgia tentando seguir mas perdendo o interesse antes de terminarmos a sobremesa. Depois do jantar, eu segui Papy ao gabinete dele, onde ele sentou-se atrás de sua mesa e começou a encher tabaco na bacia do seu cachimbo. Ele acenou-me para fechar a porta ostensivamente, assim que Mamie não saberia que ele estava fumando, mas ambos sabíamos que ela estava plenamente consciente. Esta charada era um símbolo de sua gratidão que ela lhe permitiu continuar com seu vício não-tão-secreto. "Então me conte mais sobre o que este guérisseur disse sobre 're-encarnação'," ele pediu. "Bem, a maneira que ele mencionou, foi como se ele esperava os revenants sabiam sobre isso. Ele disse que era usado para revenants que tinha sido destruído contra a sua vontade e pessoas que foram presas como almas errantes." "Deve ser uma ocorrência extremamente rara, já que acha que se numa atacou um bardia, o queimariam imediatamente a fim de destruir o corpo e o espírito." Ele acendeu o cachimbo e soprou sobre ele até a chama pegar. "A menos que eles tinham uma trama nefasta como a Violette." "Isso é exatamente o que disse Gaspard." Papy ficou pensando por um momento. "Quem é o mais antigo dos revenants em Paris?" "Jean-Baptiste é napoleônico. Jeanne disse que ele tem duzentos e trinta anos. Mas Arthur, que foi protetor de Violette, é algo como quinhentos." "E ele não estava ciente desta possibilidade de re-encarnação?" "Não", respondi. "Então, se nenhum dos revenants estão conscientes disso, isso significa que a história é anterior ao ano de 1500. Quanto tempo é a linhagem do Bran?" "Bem, o livro que numa roubou de sua galeria — amor imortal — mencionou sua família, e que datava do século X." "Hmm. Esta linha de guérisseurs, que são especialistas em revenants, tem passando para baixo seus segredos de família desde a idade média pelo menos. Não me admira tanto que numa e a bardia queiram pôr as mãos neles. Eles devem possuir uma verdadeira riqueza de informações." Inchado no seu cachimbo durante alguns segundos e então se inclinou na cadeira e me olhou. "O


que podemos deduzir é que se este processo de re-encarnando almas errantes de bardia realmente existe, caiu do revenant antigo e a história oral bem antes do século XVI. Então nós estamos olhando para exemplos antigos, que se enquadra dentro de minha área de especialidade. Eu certamente não me lembro de deparar com algo assim em referência direta ao revenants, mas vou começar a colocar minha mente para funcionar." Eu vi meu avô tomar algumas notas em seu mata-borrão de cSr. Gold-afiadas e sentia-me oprimida com gratidão. Eu não tinha especificamente que pedir sua ajuda. Mas ele tinha saltado e levado como tarefa. Porque ele me amava. E ele também adorava uma boa caça ao tesSr. Gold, seu tesSr. Gold de escolha sendo conhecimento esotérico de coisas antigas. Como revenants. Fosse o que fosse eu estava feliz que ele estivesse a bordo. "Obrigado, Papy," eu disse, andando ao redor da mesa para abraçá-lo. "Não se preocupe, ma princesse. Mas diga-me, assim que você souber o que está na conta do guérisseurs então posso começar minha pesquisa com o máximo de informação possível." "Eu vou", prometi e deixei meu avô sozinho em uma nuvem de fumaça de cachimbo e reflexões sobre a imortalidade. Sentei na cama, esperando para cair dormindo mas incapaz de impedir que minha mente vagasse de volta à La Maison e a biblioteca onde Bran procurava uma maneira de dar um corpo a Vincent com dezenove anos. Gostaria de saber se ele teria a mesma aparência e rapidamente, decidi que não me importava. Para ser capaz de tocá-lo, vê-lo, tê-lo de volta... Não me importava como ele seria, enquanto ele fosse de carne e osso. Distraidamente peguei um livro da pilha ao lado da minha cama, e vendo o título, eu sorri. A Princesa Prometida. Eu tinha lido isso três ou quatro vezes. No mínimo. Eu o tinha chegado para fora um par de semanas atrás por uma certa razão. E aqui preso com nenhum outro recurso, mas obcecado por algo que estava fora das minhas mãos, qualquer distração era bem-vinda. Deixo as palavras do "S. Morgenstern" me levar para longe da minha realidade no conto de fadas de outra pessoa. Tinha conseguido na luta de espada com Inigo Montoya, que contém meu favorito de sempre réplicas de cena de luta, quando de repente, meus pensamentos foram interrompidos pelas palavras, “o que você está lendo?” Tirei meu livro rapidamente e sentei na cama. "Caramba, assustou-me," eu disse. “Peço desculpa, mon ange. Eu pensei que você estaria me esperando”.


"Bem, eu estava esperando que chegasse, mas não tinha certeza se você teria se lembrado dessa promessa — depois de toda a emoção dos arquivos," eu admiti, me contorcendo. Como poderia esquecer querer vê-lo? Ele falou, e suas palavras foram como um abraço. “Hum, Kate — por que você está enfiando aquele livro debaixo de seu manto?” Eu suspirei e puxei-o para fora, segurando-o até o ar e jogando por aí desde que eu não sabia onde ele estava. Ele riu. “Não me diga que você ainda está tentando ganhar nossa longa discussão”. "O livro é melhor que o filme, Vincent. Acho que porque você o leu em inglês, você não conseguiu a ironia ou o humor seco." “Não me diga que vamos discutir sobre isso enquanto estou volante e você tem o livro na mão”. Falar sobre uma vantagem injusta. Ignorei seu apelo por um tempo limite. "O filme não tem backstories do Fezzik e Inigo," Eu insisti. “O livro não tem Billy Crystal jogando Max milagre”, ele refutado. "Touché", eu resmunguei, incapaz de argumentar com esse ponto, "mas este debate não ainda acabou." É um encontro. Eu sorri. Coloquei o livro na minha mesa de cabeceira, sentei na cama e cruzei as pernas, como se eu estivesse tendo uma conversa com uma pessoa real, que se sentou na minha frente. Pelo menos eu poderia fingir. Concentrei-me em uma foto emoldurada na minha cômoda minha e Vincent no meu último aniversário. Nela, estamos prestes a sair para o nosso encontro de barco a remos, e nós dois estamos sorrindo como idiotas. Algo dolorosamente pingado no meu peito como um instantâneo de elástico. "Não posso acreditar que estamos mesmo falando isso", disse melancolicamente, "quando esta manhã não sabia se alguma vez iria falar com você novamente." “Eu sei o que dizer”, ele respondeu. “Mas discutir livros com você na verdade é uma das minhas atividades favoritas”. Eu sorri, lembrando as conversas sobre livro épico que costumávamos ter. Concordamos em quase tudo, exceto as adaptações do livro para filme, caso em que quase sempre preferi o livro e Vincent o filme. "Eu acho que se está aqui a discutir comigo sobre ficção do século XX, não houve qualquer progresso no La Maison?" Eu perguntei.


“Não, disse Vincent. Bran está passando os livros, página por página, para certificar-se de que não nos falta nada importante. Não há previsão do gênero, ou mais, sobre casos de enxaquecas e feto do que existe sobre revenants. Mas ele trabalhou seu caminho através de dois dos cinco livros. Pena que ele tem que dormir, mas aproveitei a oportunidade para visitar o meu amor”. Inclinei-me contra minha cabeceira. "Vincent, você acha que esta coisa de reencarnação tem uma chance de realizar?" “Sinceramente, acho que se ele realmente existiu, teríamos ouvido antes”. Concordei, concordando na aparência, mas interiormente determinada a pesquisar todas as possibilidades. Eu concordei com o que tinha dito a Mamie. Minha história com o Vincent não vai acabar assim. “Você deve dormir, disse Vincent”. Deitei-me e puxou as cobertas até sobre os meus ombros, fechei os olhos. "Digame uma história", disse. “Você quer uma história de ninar?” Vincent perguntou, rindo. "Sim. Algo que me impedirá de preocupar. Para distrair-me." “Ok”, ele disse. “Há uma história que minha mãe costumava me dizer quando eu era um garotinho. Mudava um pouco com cada dizer, mas posso dar-te o essencial. "Perfeito," eu disse, já sentindo o sono rastejar por cima de mim. Hoje tinha sido muito cansativo, e eu não tinha idéia o que o amanhã traria. “Começa com um cavaleiro que tem um sonho no qual ele vê uma bela moça vestida de azul, dormindo num barco viajando por um rio. Uma voz diz-lhe que a senhora existe que ela é seu verdadeiro amor, que ele procura há muito tempo e agora ele vai encontrá-la. Ela também avisa que se ele tentar esta viagem, ele terá de enfrentar perigo e possivelmente a morte no caminho. Quando ele acorda, o cavaleiro sela seu cavalo e começa sua busca para encontrá-la”. E com a história de Vincent é a materialização de palavra por palavra na minha cabeça, eu caí em um sono profundo e sem sonhos. Na manhã seguinte fui acordada pela mesma voz que tinha me embalado para dormir. “Bom dia, meu amor”. "Mmm", eu disse, rolando do meu lado a minha volta e tentando abrir os olhos. "Você me deixou ou você esteve aqui esse tempo todo?" Eu perguntei.


“Voltei para casa. E eu sei que é cedo, mas achei que deveria saber... Bran encontrou algo. Meus olhos arregalaram escancarados e sentei-me em linha reta na cama. "O que? O que ele achou?" “Uma história. Você deve vir e ouvir por si mesmo. É uma história muito antiga, mas parece-me credível e pode nos dar algumas pistas”. Enquanto ele falava eu tinha saído da cama, vestia minha calça jeans e estava lutando com um top de algodão. “Você tem tempo para encontrar roupas limpas, meu amor”, vieram as palavras de Vincent. "Sem tempo"! Eu disse, e então mais arrojada para minha cômoda, passei meu desodorizante antiperspirante sob cada braço. "Ok, é hora de necessidades completas," permiti. "E esta camisa está limpa, só não dobrada." “Bem”, Vincent disse, rindo. Mamie já estava de pé e tomando seu café. "O Bran, o curandeiro, encontrou algo. Preciso ir." "Ok, Katya," ela disse, olhando preocupada, mas movimentando-se no armário do corredor e pegando o casaco dela. "Deixe-me ver lá em baixo e certificar que alguém está lá para acompanhá-la." Não contei que Vincent já estava aqui. Levaria muito tempo para explicar e talvez até mesmo assustado-a que ele tinha ido no meu quarto, invisível. Dois revenants que eu tinha visto na festa de ano novo que apareceram do nada quando nós saímos pela porta. Mamie beijou minhas bochechas e disse, "você está no seu caminho. Seu Papy saiu cedo para sua loja. Deixe-o saber o que foi descoberto assim que você puder. Ele realmente quer ajudar." Ela tentou um olhar esperançoso. Quando chegamos, Gaspard estava me esperando na porta da biblioteca. "Entre," ele disse com entusiasmo. "Vincent disse-me que estava a caminho". Ele me levou para onde Jean-Baptiste sentou-se com Bran, que apontava para uma seção escrita em um script minúsculo arranhando a tinta preta. "Ah, aqui está a Kate," disse Bran, quando Jean-Baptiste levantou e puxou uma cadeira para mim. O guérisseur olhou para mim e fez o doloroso estrabismo que


ele tinha feito desde que numa deu um soco nele. Eu tinha começado a me acostumar com isso, mas ainda me sentia desconfortável. "Eu já dei um resumo disto Messieurs Tabard e Grimod," ele disse, "mas eu leio para você palavra por palavra se desejar." "Faça", disse Gaspard, pegando um lápis e tomando notas. Bran começou a falar em um tom monótono assustador — como se ele fosse ler um feitiço — e seguiu junto com o dedo enquanto ele lia. “O conto do Thymiaterion, recontada por um membro de um grupo de guérisseurs chama dedos “. "O que é que significa isso?" interrompeu Gaspard. Bran olhou acima para ele, confuso. "Um thymiaterion? Não faço ideia." "Não, mas o que eu sei é que um thymiaterion, é um tipo de queimador de incenso antigo. O que se 'chama dedos' refere?" "Flame-dedos. É como nossas espécies são chamados, o guérisseurs que lidam com revenants." Isso explica todas as pinturas de mão na caverna! Eu pensei. Bran continuou, "Guérisseurs de Byzantium, que fugiu da peste e eram itinerante agora.'" Ele volta a olhar para nós. "Da ordem que estes contos foram transcritos, eu suspeito que isso refere-se a peste negra. O que significa que em meados do século XIV." "Sim, sim", disse Jean-Baptiste impacientemente. "Por favor, continue". "Só antes da praga, um grupo de bardia da Itália mudou-se para Constantinopla, trazendo um valioso tesSr. Gold etrusco com eles. Logo depois, um numa poderoso chamado Aleixo matou o chefe de bardia, Heidy e amarraram-no com ele. Parentes do Ioanna destruíram Aleixo, liberando assim seu espírito da sua ligação ao seu captor numa. Kindred do Ioanna procurou a flama-dedo Georgios, para proceder a uma re-encarnação, dizendo-lhe que o processo havia sido conduzido várias vezes, séculos antes. Ele resistiu, não sabendo o que ele poderia fazer. Instruíram-lhe que havia um gigante thymiaterion de bronze em sua tesouraria para ser usado, e que o próprio objeto realizava Iluminismo. Instruído por antigos símbolos esculpidos no objeto, Georgios conduziu a cerimônia e se reuniu com um corpo feito pelo homem que se tornou como a alma que vagueia sozinha.'" Meu batimento cardíaco acelerado. Isto significava que havia esperança para Vincent! Senti-me tonta e tive que me conter de saltar pra cima e abraçat todo


mundo na sala. Em vez disso, eu me acalmei e escutei com mais atenção. Não queria perder uma única palavra. "Nós pedimos aos viajantes que nos dessem o objeto mágico. Disseram-nos que durante o cerco de sua cidade o thymiaterion foi contrabandeado para fora com o resto do tesSr. Gold da bardia, que já tinha sido saqueado e espalhado por toda a terra.” "Assim foi que a história nos deu por Nikephorus chama-dedo — anteriormente de Constantinopla, mas agora um andarilho — transcrito como veio de sua própria boca. Estamos maravilhados com a história fantástica, e alguns descreveram isso. Mas meu avô, que ainda não tinha passado seu presente para minha mãe, disse que ele sentiu que era verdade. Que este poder era um dos nossos.” Bran cuidadosamente colocou um pedaço de papel no livro para marcar o seu lugar. "Então, minha memória não falhou. Eu sabia que eu tinha ouvido falar de re-encarnação." E? Eu pensei. Eu olhei de relance para os outros, que pareciam ter a mesma reação. Estávamos todos esperando por mais. Jean-Baptiste abaixou o seu rosto em suas mãos e massageou as têmporas. Em seguida, limpando sua garganta, ele disse, "e só para confirmar. Este é definitivamente o único registro de re-encarnação — e conta do século XIV, de uma banda de bardia itinerante.” Bran enrugou a testa e olhou na defensiva. "Bem, minha família parecia pensar que teve o mérito, porque este foi um dos contos que foi mantidos e repassados e que minha mãe apontou para mim como descrevendo um dos nossos poderes, mesmo que raramente foi usado. Mas parece que o próprio instrumento — o teu... seja o que for — é essencial para a tarefa que iria ter a empreitada." Meu coração despencou. "Então, só para esclarecer, nós estamos olhando para um queimador de incenso gigante que foi perdido mais de seiscentos anos atrás," Eu disse, tentando não soar incrédula. "Eu suponho que mais de um desses objetos existia," Gaspard respondeu com cuidado. "Se foi, de fato, uma importante ferramenta mágica dos tempos antigos, eu acho que vários foram criados. Não foi tão fácil voar através do globo para uma convocação de parentes, mas houve comunicação entre culturas "Revenant" generalizada. As informações conseguiram espalhar globalmente entre revenants." Uma antiga lenda sobre um queimador de incenso mágico. Não era exatamente o que eu esperava, mas pelo menos era algo. Determinado a não deixar mostrar minha decepção, peguei meu notebook de minha bolsa e tomei algumas notas,


fazendo a Bran algumas perguntas para esclarecer. Gaspard deu-me um olhar curioso. "Eu pensei que meu avô poderia acompanhar quaisquer pistas para você encontrar com seus próprios recursos", disse. Gaspard franziu a testa. "Para não desrespeitar o teu avô, minha querida, mas eu duvido que ele estivesse posse de algo que já não teria nossa extensa biblioteca." "Bem, eu encontrei a cópia do amor imortal em sua galeria, que é o que me levou ao Bran e sua família em primeiro lugar," propus. "É verdade", admitiu Gaspard, "mas não acho que você deveria incomodar seu avô com isto. Com nossos recursos aqui nós devemos ser capazes de transformar as informações necessárias, se ele existe mesmo." Ele acenou com a mão para indicar o tamanho da biblioteca. "Por que você está relutante em incluir meu avô nesta pesquisa?" Perguntei-lhe à queima-roupa. Gaspard ficou sem palavras por um segundo e Jean-Baptiste falou para salvá-lo. "Nós não costumamos trabalhar com os seres humanos, incluí-los em nossos negócios, exceto em um nível de suporte," ele disse em um tom apologético. "Talvez seja uma visão curta da nossa parte, mas nossa insularidade tem um propósito: sobrevivência. É só o que estamos acostumados. Isto não quer dizer que não respeitamos seus avós e valorizamos sua confiança". Balancei a cabeça. "Mas agora estamos em uma corrida contra o tempo para encontrar a informação, certo?" Eu falei e guardei meu computador no meu saco. Gaspard assentiu com a cabeça. Peguei no casaco. "Então, com sua permissão, vou trabalhar com meu avô para ver o que podemos encontrar." Comecei a sair pela porta e então girando, dei-lhes um sorriso competitivo e disse, "Vou a ele!"

VINTE "Você disse que isso foi um gigante THYMIATERION," PAPY confirmou. "Grego antigo"? Ele folheou um catálogo de leilão quando ele lançava perguntas para mim. Nós fomos abrigados no quarto dos fundos de sua galeria, sentados entre guerreiros e estátuas em tamanho natural dos deuses. "Não, Bran disse que a Bardia veio da Itália," respondi, verificando minhas anotações.


"Ah, etrusco," Papy disse, substituindo o catálogo e puxando para fora outro. "Sim, isso é o que ele disse — etrusco," confirmei. "Quando Constantinopla estava sob cerco, eles esconderam o seu tesSr. Gold, e mais tarde foi saqueado." "Gostaria de saber o que exatamente eles querem dizer com 'gigante'", disse Papy, abrindo umas duas páginas de antigos objetos para eu ver. "Este é um exemplo de uma antiga thymiaterion etrusca". Ele apontou para uma imagem de um cálice de argila vermelha. Sua haste foi moldada para parecer com um homem que estava segurando a Taça da Copa em sua cabeça. "Eles foram usados para queimar o incenso durante cerimônias religiosas e eram geralmente somente em torno de um pé ou dois de altura. Você pode encontrar feitos em pedra calcária, argila.... " "Este era de bronze", disse, mostrando-lhe os rabiscos no meu caderno. Papy pensou um pouco. "Algo assim seria um objeto principal. Qualidade de museu. Eu ainda não deparei com algo assim em meus próprios negócios, mas entre as guerras mundiais eram coleções inteiras de objetos de Museu-qualidade saindo do Oriente Médio e sendo vendido no mercado de arte — sob circunstâncias bastante duvidosa. O fato de não serem reconhecidos era que eles eram o produto de sepulturas pilhados. "Não sei que se qualquer uma dessas coleções envolvia artefatos revenant... se eles fizeram, os coletores revenant teriam certamente tirado toda menção delas fora dos registros públicos. Mas o primeiro lugar que eu iria começar a procurar é nos registros de leilão desses anos." "Você tem alguma?" perguntei. Papy virou-se e caminhou até a estante dele, correndo o dedo ao longo dos espinhos de alguns livros antigos e então apontou para um. "Vamos ver, aqui é 1918." Ele mudou-se para duas prateleiras abaixo e parou em um outro livro. "E aqui é 1939." Meu queixo caiu aberto. Ele estava apontando para a seção composta por cerca de cinqüenta livros. "Estão esses registros por acaso na internet?" Papy deu um sorriso divertido e balançou a cabeça. "Uma coisa. Vou tirar aqueles em alemão e deixar os catálogos em inglês e francês." Nós trabalhamos toda a manhã e a tarde. Depois de algumas horas Papy tinha interrompido meu trabalho dizendo: "você percebe, princesse, que estamos apenas trabalhando num palpite. Não até achar alguma coisa."


"Eu sei, Papy," respondi. "E você não precisa me ajudar, se leva um longo tempo." Papy disse, "quoi N'importe", uma frase que significa, "Não seja boba." E embora ele se levantou para fazer uns telefonemas e mostrar um cliente solitário ao redor da galeria, ele passou o resto do dia trabalhando lado a lado comigo. Verificamos com Mamie, e Geórgia chegou meia hora mais tarde, carregando uma cesta de piquenique com almoço para nós três. Pendurou o casaco dela sobre o braço estendido de uma ninfa de mármore, ela sentou-se e pegou um volume, folheando as páginas até que ela chegou a uma ilustração. Colocando longe de Papy, ela levantou uma página que mostrava uma estátua de Perseu segurando a cabeça de Medusa nua. Ergui minhas sobrancelhas, esperando. "Pacote agradável", ela comentou o assunto com naturalidade e depois passou para frente do livro, com um ar de falsa-estudiosa. Tentei esconder meu riso de Papy, que estava nos olhando inquisitivamente. "Então, o que procuramos?" minha irmã perguntou com uma cara séria, e depois que eu expliquei, ela foi direto para o trabalho. De vez em quando, um de nós encontrámos alguma coisa. Uma coleção de bizantina não especificada de objetos de bronze. Um queimador de incenso antigo. Papy ia dar uma olhada e depois balançava a cabeça, dizendo que ele sabia de que coleção era aquela peça e não podiam ser associados com nosso thymiaterion. Mas um par de horas mais tarde, quando encontrei o "Importante de dez objetos etrusca, desenterrados na Turquia," Papy sentou-se e estudou a entrada com mais cuidado. “Inclui objetos de bronze do templo: estátuas e queimadores de incenso, gravados com símbolos místicos não identificados,” ele leu. “Vários itens de grande tamanho. Parte de um tesSr. Gold descoberto fora de Istambul. Ver também lotes 45 e 46.'" Ele leu as descrições dos outros dois lotes e então verificou a parte de trás do livro para a inserção que listou os concorrentes escolhidos. "Eu acho que você encontrou algo aqui, Kate," ele disse, olhando para cima do livro. Tentei não ficar muito animada, mas senti meu sangue se movimentado pelas minhas veias quando eu vi a cara do Papy acender. "Esta é uma grande coleção que nunca ouvi falar dela. E provavelmente por uma boa razão: uma vez que foi comprada, deve ter sido escondida. Além disso, o comprador só consta como 'um colecionador anônimo de Nova York,' assim que possivelmente poderia se referir a um de nossos coletores secretos de revenant no assunto." Ele sentou-se a pensar por um momento e em seguida, fechou o


livro e levantou-se a seus pés. "Vale a pena seguir subindo. Eu sei que apenas um colecionador de Nova Iorque de antiguidades vivendo naquele tempo a quem isto pode referir-se. Seu filho assumiu sua coleção e tem sido um dos meus clientes em Manhattan. Além de colecionar antiguidades, ele sempre entra em contato para saber quando eu tenho algo nem remotamente, referindo-se a lore revenant. "‘J. G. Caesar' é como se chama, que é obviamente um pseudônimo." "Por quê?" perguntou a Geórgia. Papy olhou para ela. "Eu diria que o G. J. defende Gaius Julius... César, como o estadista e general romano." Geórgia "Soubesse", disse levemente. Papy abanou a cabeça. "Nem tenho um número de telefone. Um par de décadas atrás, eu costumava enviar descrições e fotos dos objetos que podem interessálo para uma caixa postal. Agora, claro, ele tem e-mail. Mas duvido que ele me responderia se eu perguntasse sobre um objeto já em sua coleção. Nosso contato tem sido limitado a compra e venda." "Bem, para onde você envia suas compras?" Eu perguntei. "Se nós temos um endereço para correspondência, nós podemos provavelmente ver seu número de telefone. Que é, se ele ainda estiver na lista." A esperança enchia-me como o hélio. Senti-me alegre. Como se eu estivesse pronta para ir para Nova York e rastrear o cara sozinha. Até agora, isto foi apenas uma pista, mas era a única que tínhamos. "Ele tem os seus próprios carregadores para pegar os objetos," disse Papy. "Eu tenho medo que isto será um pouco de um beco sem saída, a menos que faça algo que eu venho adiando para o último par de dias." "O que é isso?" perguntei. "Vou precisar conhecer Monsieur Grimod", Papy disse. "E se as coisas estão tão urgentes como você diz, eu deveria ir em frente e fazê-lo agora". "Bem, é melhor eu e a Kate irmos com você!" Geórgia disse rapidamente. Ela agarrou seu livro Cale, saltou para seus pés e começou a vestir o casaco dela, jogando-me um olhar que dizia que ela estava esperando todo o dia por um motivo para visitar la Maison. Eu já tinha meu casaco e estava a meio caminho até a porta. "Chamarei para deixá-los saber que estamos chegando", disse, puxando meu telefone fora do meu saco. Quando eu comecei a discagem, tocou. "Você estava prestes a chamar"? Jules disse do outro lado da linha.


"Como sabia...?" Eu comecei. "Vince está aqui comigo, no modo completo vidente," ele respondeu. "E, sim, você pode vir. Eu vou deixar JB saber que você está a caminho."

VINTE E UM Dois segundos depois JB abriu a porta, parecia-me que talvez não consigamos acima do limite. Eu nunca tinha visto meu avô desconfortável em uma situação social, mas a mandíbula do Papy apertou tão forte que me surpreendeu quando foi capaz de abri-la novamente a dizer, "Bonsoir". Mas ele finalmente conseguiu falar, e os dois homens viravam suas cabeças para reconhecer uns aos outros antes de dar um aperto de mão formal. "Kate. Georgia," Jean-Baptiste cumprimentou-nos e, em seguida pisando fora do caminho, disse, "por favor, Monsieur Mercier, entre." Ele fez um gesto em direção a escada. "Nós também pode ir diretamente para a biblioteca." "Eles pareciam como se eles deveriam ir a uma corrida de obstáculos ou clube um mofo do velho em vez de uma biblioteca para discutir a re-encarnação de meu namorado imortal", sussurrei a Geórgia quando nós os seguimos para o hall de entrada. "Talvez isso é o que os caras velhos discutem em suas cadeiras de cSr. Gold enquanto fumam seus charutos", ela respondeu com um sorriso. "E aqui nós estavámos imaginando que era o mercado de ações ou os preços dos imóveis." A porta da sala de estar abriu e Arthur entrou na sala de espera. "Bonjour, Georgia," ele disse, andando ansiosamente em nossa direção. Ele pegou na sua mão e estava prestes a levá-la aos lábios lembrando de que século ele foi e optando por beijar as faces. "Como vai"? Geórgia levantou o rosto para inspeção. "Estou melhor, não acha?" ela perguntou. "Sim. Você parece.... " ele ia dizer "bonita". Eu poderia dizer. Mas ele parou e disse, "melhorou muito. Estou feliz que você está se recuperando." Geórgia flertando sorriu e lhe disse, "que foi gentil em vir ver-me esta manhã e me deixar essas mensagens. Desculpe-me, que eu não pude te ligar de volta. Eu realmente estou levando com calma. Para recuperar a minha saúde, você vê." "Claro!" Arthur exclamou, bloqueando seu cabelo comprido atrás das orelhas. Notei que ele não tinha barba, e que ele usava camiseta e calça jeans preta em


vez de calça, camisa e terno regular. Eu tive que sorrir. Arthur estava fazendo um esforço para minha irmã. "Eu não esperava que me ligasse de volta," ele disse. "Eu só estava pensando, você sabe. Mas por que não volta para a cozinha comigo e eu vou te dar algo para beber. Comeu no almoço? Está com fome?" Enquanto eles caminhavam através da porta para o corredor, Geórgia me jogou um olhar para trás, abanando as sobrancelhas em vitória antes de voltar para ele. Eu mal podia me conter de rachar acima. Geórgia era a rainha dos jogos. E ela obviamente estava jogando muito cuidadosamente. “Mon ange”, veio uma voz na minha cabeça. "Eu queria saber onde você estava," eu disse, na seqüência de Papy e JeanBaptiste até a escadaria dupla. “Posso dizer que descobri uma coisa” — minhas bochechas ficaram vermelhas como flores. “Qual, devo dizer, combina com você, meu amor. Seria fora do lugar para contar a você como absolutamente arrebatadora faz você parecer?” Toquei meus dedos para meu rosto e o senti levemente vermelho. "Sim, isso é completamente particular," eu jocosamente repreendi, mas seu elogio me fez sentir radiante. Como de costume. “O que você achou?” ele perguntou, se divertindo. "Um velho catálogo do leilão com uma venda que pode ter contido nosso thymiaterion." “Bem, isso é mais que Gaspard e Bran possuem. Eles não conseguiram encontrar nada parecido com o objeto em si e estenderam a busca a qualquer outra coisa que pode ostentar os símbolos referidos na história. Aqueles que explicariam como uma re-encarnação é executada”. "Eles tiveram sorte?" “Nenhuma”. Entrei na biblioteca para ver meu avô apertando as mãos com Gaspard e depois com Bran. Os quatro homens reunidos ao redor de uma mesa, e Jean-Baptiste tinha uma cadeira para mim. Papy começou colocando o catálogo do leilão em cima da mesa. Ele disse-lhes que, se o thymiaterion já não estivesse em um museu ou outra grande coleção de pública — o que não podia ser, porque ele já estaria familiarizado com ele — então deve estar em uma coleção particular. Ele


explicou sobre o fluxo de antiguidades do oriente médio no mercado de antiguidades entre as guerras e sua teoria de que a peça foi transferida da Turquia para um europeu ou americana coleção durante este período. Ele bateu o livro com o dedo indicador. "Eu possuo todos os registros das grandes casas de leilão durante esse tempo, e em uma delas Kate encontrou uma venda que poderia se referir ao objeto que buscamos." Ele disse que nós! Eu pensei, maravilhada, mais uma vez, meu avô veio unir forças com revenants — por mim. Papy abriu o catálogo e mostrou-lhes a referência e, em seguida, passou para a lista do comprador. "Se uma compra desta natureza foi feita para um museu ou um grande colecionador, o nome seria listado. Em vez disso, esta coleção importante foi para um comprador anônimo." Ele se virou para o JB "Acho que esta biblioteca contém vários livros que foram comprados de mim". "Você imagina corretamente," Jean-Baptiste confirmou, apenas a menor centelha de desconforto atravessando seu rosto quando ele revelou, no entanto, outro de seus segredos a um estranho. "Então talvez saiba quem seriam os outros membros desta Confederação Mundial dos compradores com temática Revenant secretos." "Eu certamente saberia alguns deles", afirmou Jean-Baptiste. "Bem, há apenas um punhado de colecionadores antiguidade importantes baseada em Nova York. E apenas um daqueles que eu sei até o contato se eu encontrar um revenant-objeto relacionado. Sinto que o comprador que comprou este lote de leilão pode ter sido o pai do meu cliente antigo da cidade." Jean-Baptiste ouviu, esperando. "Mas eu não tenho maneira de me comunicar com este coletor, que atende pelo pseudônimo 'G. J. Caesar' exceto pelo e-mail. E duvido que ele vá responder a um pedido meu sobre algo já existente em sua coleção". Tão logo Papy disse o nome, uma sombra caiu do outro lado na rosto de JeanBaptiste, e eu poderia dizer que ele era de aço próprio para algo desagradável. Gaspard deve ter sentido isso também, porque ele fez uma espécie de ruído e então começou a brincar com uns papéis. Papy continuou, destemido, "que aliás parece familiar com você. Eu esperava que vá juntar a Comissão e perguntar se a peça está em sua coleção. Ele certamente seria mais aberto à partilha de informação com você do que comigo." Houve um momento longo e desconfortável em que Jean-Baptiste parecia travar uma batalha interna. Finalmente, ele levantou e disse: "sei o homem a quem você


se refere, mas não tenho a informação facilmente acessível. Dá-me um dia, Monsieur Mercier, e verei o que posso fazer." "Parece razoável", Papy respondeu, olhando para mim. Eu estava balançando a cabeça. "Menos de quarenta e oito horas deixamos," insisti, e “Vincent diz que não temos certeza ainda se Violette respeitará essa oferta. Ela poderia arrastá-lo de volta mais cedo." "Eu sei exatamente quanto tempo nos resta," Jean-Baptiste respondeu, com semblante fechado. "Preciso de algum tempo para pensar". Gaspard inquieto se intensificou, até parecia que ele estava prestes a explodir um fusível. Levantando-se a seus pés, ele enfrentou seu parceiro. "Jean-Baptiste, tempo é essencial aqui. É hora de esquecer o passado. Eu me recuso a permitir que você passe o dia a debater se vaiou não falar de Theodore. Cinqüenta anos é tempo suficiente para uma disputa. Agora, pegue o telefone e chame-o." "Talvez não tenha seu número correto mais," Jean-Baptiste rebateu. "Vincent acabou de atualizar informações do consórcio no banco de dados no mês passado. Não tenho dúvidas que ele listou lá," disse Gaspard, suas mãos apertaram firmemente por seus lados. Minha boca caiu aberta. Gaspard nunca foi tão assertivo — exceto para a transformação de personalidade ele submeteu-se quando ele tinha uma arma na mão. Jean-Baptiste parecia igualmente surpreso porque ele ficou ali olhando friamente Gaspard antes de virar em seus calcanhares e seguindo fora da sala. Quem é este Theodore? Perguntava-me. Nunca tinha visto a Jean-Baptiste agir assim antes — para não mencionar Gaspard reagir assim antes. Deve haver algum sangue ruim sério entre os dois revenants, e estava a arder com a curiosidade de saber o por quê. Todo mundo sentou desconfortavelmente por um momento, até que ouvimos a voz do Jean-Baptiste vindo de seu quarto, no corredor. Ele estava falando com alguém no telefone. Gaspard limpou a garganta como se para abafar o barulho e dar privacidade a JB. Após um momento tenso, ouvimos o som de um telefone batendo de volta no seu conjunto e os passos pisando de volta à biblioteca. JeanBaptiste apareceu, seu rosto uma máscara de compostura, mas sua tonalidade avermelhada mosqueada desmentindo suas verdadeiras emoções. Ele evitou olhar para o resto de nós e falou diretamente para Gaspard. "Theodore, certamente, tem um thymiaterion de cinco metros de altura com símbolos


místicos gravados ao redor do pedestal, incluindo o signum bardia. Ele sabe de outros dois existentes no mundo: um na China e um no Peru, então ele não pode ter certeza que a sua é aquela que foi mencionada no conto do guérisseur. Mas ele assume que isso não importa, contanto que eles foram todos criados para a mesma finalidade. Ele disse que nunca descobriu seu uso, mas estava entusiasmado com a teoria que estamos a propor — que ele foi criado para facilitar a re-encarnação." "Ele ofereceu para trazê-lo para nós?" Gaspard perguntou. Jean-Baptiste abanou a cabeça. "Ele disse que levaria semanas para conseguir os documentos de costumes para tirar um objeto assim fora do país." Meu coração pulou na minha garganta e deixei escapar, "então nós temos que ir lá!" "Isso é o que ele sugeriu", Jean-Baptiste confirmou, virando-se para mim. "Bran deve ter registros de sua família. E um revenant deve acompanhar Vincent, no caso de precisar de habitar um corpo corpóreo, enquanto o processo é tentado". "Certamente você deve ir", insistiu Gaspard. "A cabeça de Adriano Bardia da França deve representar, pois é uma forma tanto quanto uma missão diplomática." "Não vou," Jean-Baptiste irritadamente, interrompeu antes visivelmente acalmando-se e continuando. "Você fez o seu caso para meu contato com Theodore e justamente por isso. Mas essa é a medida que será envolvido. Você não sabe o que está pedindo, Gaspard." Jean-Baptiste inclinou sua cabeça ligeiramente, escutando e então disse, "em qualquer caso, Vincent tem feito a sua mente. Ele quer Jules para acompanhá-lo." "Então Bran e Jules devem se preparar para sair," disse Gaspard. "Eu também vou," disse, meus olhos piscando para Papy quando as palavras deixaram minha boca. Eu levantei meu queixo, me preparando para sua recusa. "Eu não vou deixar você voar para Nova York com dois homens que mal conheço," disse Papy, levantando da sua cadeira abruptamente. Parecia que ele queria me pegar e sair da casa correndo. "Então, está decidido", ditou o JB. "Monsieur Mercier vai acompanhar a neta dele. Bran, você vai querer preparar suas coisas. Gaspard, por favor, deixe Jules saber de sua nomeação e chamar o nosso piloto. Sairão hoje à noite." E ele se virou e marchou para fora da sala.


Papy e eu olhamos um para o outro em choque enquanto Gaspard caminhou até o telefone e começou a discar. Bran levantou e começou a montar seus livros, como se nada de extraordinário tivesse acontecido. Finalmente Papy destravou seu corpo congelado e, tomando-me delicadamente pela mão, disse, "não me importo quem ele é ou o quanto de poder que ele detém. Monsieur Grimod não fará decisões por mim, sobre minha própria neta." "Papy, eu tenho que ir com eles. Você tem que entender que," eu disse, não recorrendo, mas simplesmente, indicando-o como um fato. "Kate, isto pode ser perigoso," ele disse. "Quão perigoso pode ser? É uma viagem para Nova York em um avião particular, uma visita a um colecionador de antiguidades, uma cerimônia que envolve Vincent — eu não — e então estamos de volta outra vez. Na verdade, é provavelmente mais seguro para eu estar fora da França — e longe de Violette e numa — do que nela." Papy olhou ao redor dele, Bran, com olhos como uma coruja, quando ele olhou de cima de seus livros para nós. Gaspard, segurando o telefone, do século XIX, longe da orelha, como se fosse um objeto perigoso do futuro que só pode infectálo com progressividade se ele tocar a cabeça dele. "Como podemos confiar nessas pessoas?" ele perguntou, resistindo. "Eles são a melhores alternativa, que na verdade nos protegeu," lembrei-lhe suavemente e em minha mente corrigindo isso para me ameaçou. "Mas... escola —" iniciou, em uma última tentativa para dissuadir-me. "Estou fora uma semana", eu respondi. "Lembre-se — férias de esqui de inverno começam amanhã. Papy, ouça. Se isto funcionar, Vincent vai recuperar seu corpo. Eu tenho que estar lá para isso. Se isso não acontecer, então pelo menos estaremos frente a frente com este tipo de antiguidades, que pode ser bastante conhecedor saber de outra solução. Pense, você será capaz de atender este cliente que tem lidado por décadas." Eu poderia dizer que Papy já tinha pensado nisso. Ele foi tentado pela possibilidade de conhecer o coletor de mistério e recebendo um vislumbre de sua coleção. Mas este desejo foi ofuscado pela sua preocupação por mim. Jules entrou na sala, olhando como se alguém estivesse empurrando-o. "Vincent me informou que estou partindo o mais rápido possível para Nova York?", disse ele, olhando em torno de nós, confuso.


"Sim. "Você está”, disse Gaspard, desligando o telefone. E Jules virou — sem perguntas — volta para fora da porta e sobe as escadas para o quarto dele. Gaspard chegou e olhou Papy nos olhos. "Sua decisão, senhor?" Papy respirou fundo, olhou para mim e então disse, "Eu e a minha neta iremos." "Você precisa disto," então, Gaspard disse e entregou a Papy uma pequena caixa de madeira. Dentro estava uma corrente de Sr. Gold em laçada através de um pingente: um disco liso de Sr. Gold gravado com o círculo, triângulo e chamas. "É seu para manter, para sinalizar para os outros que você é confiável por nós". Papy confirmou "reconheço o símbolo". "Se você deseja voltar para casa e arrumar uma mala, um carro estará esperando lá fora de seu edifício em duas horas," afirmou Gaspard, ajeitando os negócios. "Vou pedir Arthur e Ambrose para acompanharem você e suas netas para casa a pé." Meu avô assentiu e Gaspard saiu para encontrar Georgia e nossos guardiões revenant. "Você tem um desses também?" Papy perguntou, quando ele em passou a corrente na cabeça dele e guardou o pingente em sua camisa. Eu hesitei, mas ouvi a voz de Vincent dizendo: “você pode mostrar-lhe”. Arranquei o meu e os olhos de Papy cresceram amplo como um disco de Sr. Gold do tamanho da moeda do dólar. Estendeu a mão timidamente, dedilhado a afiação de pelotas de Sr. Gold brilhantes e estudou o design em forma de chama em torno da safira triangular. "Você vem usando isso... fora na rua?" ele perguntou sua voz trêmula. "Bem, sim. Quer dizer, debaixo de minhas roupas," disse. A expressão dele fezme sentir como se tivesse feito uma coisa louca, como correr nua pelas ruas de Paris. Papy esforçou-se para conter o seu espanto, murmurando, "nem vou lhe dizer o que vale, princesse. Como essa peça é rara. Porque se eu fizer, você provavelmente não ousará usá-lo novamente." Ouvi Vincent rindo na minha mente, e eu sorri. "É só um objeto, Papy". "Sim, Kate. Um objeto que garante a você a proteção dos revenants. Mas também serve como um símbolo do que dizer a eles. E se eles escolheram esse signum particular para representar seu valor — para exibir o cuidado que eles estão investindo em você — não pude vir perto competindo com a proteção que eu mesmo possa oferecer. Isso significa que você é impagável." Meu avô sorriu-


me com ternura e deu um aperto a minha mão. "Eu estou oficialmente surpreso, princesse." "Não é um concurso, Papy," eu disse, sorrindo. "É um esforço de grupo. E agora você é um do grupo." Papy pegou meu braço e levou-me fora da sala. "Então vamos pegar esse show na estrada."

VINTE E DOIS DEIXAMOS PARIS Aeroporto CHARLES DE GAULLE eram 20 horas e através da magia de fusos horários menos seis horas, chegamos no aeroporto JFK às dez da noite. Dormi mal — se de ansiedade ou excitação, não podia contar. Provavelmente os dois. Papy e o Bran cochilaram quando estávamos no ar. Jules falou calmamente com Vincent na parte de trás do avião e, depois de um tempo, estabeleceu-se com um livro. Um motorista estava nos esperando no desembarque com um sinal manuscrito que se lia "N". Empilhando nossa bagagem em um carrinho, ele levou-nos para uma limusine que estava esperando do lado de fora. A neve estava com centímetros de espessura no chão, e um vento gelado me fez puxar o meu casaco mais apertado quando escapei de patinar no gelo na calçada. Nós estávamos em silêncio sobre o passeio em Manhattan. Eu senti uma estranha dormência enquanto observava a cidade cintilantes luzes cresciam através da janela da limusine. E não foi apenas a partir da falta de sono e fadiga. Foi porque eu estava de volta. Voltar para onde eu tinha crescido. Voltar para onde eu tinha vivido por dezesseis anos — toda a minha vida — com a minha mãe e meu pai, ir para a escola, aprender a dirigir, como beijar meu primeiro filho. Este lugar era fato e Paris era ficção. Então por que tudo parecia tão surreal? Eu tinha um pressentimento de que meu entorpecimento estava cobrindo outra coisa: angústia, talvez. Ou talvez a dor que não estava pronta para enfrentar. Bran olhou pela janela com os olhos arregalados, olhando a vista com temor boquiaberto. Ele soltou um pequeno suspiro quando a iluminada Empire State Building entrou em modo de exibição. Papy perguntou, "esta é sua primeira vez na América?" "É minha primeira vez fora da França", respondeu Bran, incapaz de tirar os olhos das atrações do lado de fora.


"Quanto a você?" Perguntei a Jules, que estava encostado contra o encosto de cabeça, assistindo sem emoção quando nossa limousine cruzou a ponte de Manhattan, acima do Rio East. "Brasil é o mais longe que fui," ele disse, balançando seus olhos preguiçosamente sobre conhecer meu país antes de olhar de volta para fora. Ele tinha agido de forma diferente desde o beijo. Distante. Ele sentou-se mais longe de mim possível na viagem para o aeroporto e o avião. Normalmente ele estaria ao meu lado conversando comigo e Vincent. Ele obviamente estava me evitando. Compreensível assim. Mal o tinha visto desde sábado — há dois dias. Havia um sentido definitivo de desconforto entre nós dois. Desejei profundamente que sumisse e as coisas iriam voltar ao normal. Eu amei a Jules. Não só dessa maneira. Mas sendo o melhor amigo de Vincent, ele sempre seria uma grande parte da minha vida. Minha mente escorregou de volta à cena em seu quarto, enquanto eu tentava vêlo de fora. Do meu ponto de vista, tinha sentido como quando estava beijando Vincent. Meus olhos estavam fechados e isso é o que eu tinha visto em minha mente. Mas agora a imagem que entrou em foco foi de mim nos braços do Jules, os dois abraçados em uma tentativa desesperada de se aproximar. Olhando para Jules, vi que ele estava me observando, e minhas bochechas inflamando quando eu bania a imagem de minha mente. Ele segurou meu olhar — ele sabia que eu estava pensando, eu poderia dizer — e, em seguida, fechou os olhos e deitou sua cabeça contra o assento. “Kate, você está bem?” Vincent disse. "Sim. Só cansada," respondi e então olhei rapidamente para Papy. Ele estava tentando não olhar irritado: ouvir-me falar com Vincent volante ele surtou. Ele alegou que era rude continuar uma conversa que não podiam se juntar a outros, mas eu sabia que era realmente porque ele odiava ver a neta dele falar com o ar. O motorista da limusine seguiu em direção norte na Park Avenue e virou à esquerda, quando chegamos à década de oitenta. Dirigindo-se para o fim do bloco, ele parou em frente de um imponente edifício de apartamento virado para o Metropolitan Museum of Art. "Estamos aqui", ele disse com um pesado sotaque russo e saiu para nos ajudar com nossa bagagem. Um porteiro uniformizado na porta da frente nos encontrou na calçada e trouxe nossos sacos para dentro. Ele guardou tudo atrás de um balcão e virou-se para enfrentar-nos com as mãos entrelaçadas atrás das costas. "Sr. Gold está esperando por vocês. Por favor, mostre-me as identificações de sua associação."


"Identificação"? perguntei, confusa. "Você é uma parte do clube do Sr. Gold, não é? Eu preciso ver a prova de sua sociedade." "O signum," Jules falou. "Oh," disse e puxei o colar por baixo da minha blusa. Papy fez o mesmo, ele piscando para o porteiro e Bran puxando para trás na manga para mostrar a sua tatuagem. O homem não mostrou nenhuma surpresa nas nossas estranhas "identificações". Curvando-se ligeiramente, ele disse "obrigado. Desta forma," e estendeu uma mão enluvada para indicar o elevador. Ele não perguntou a Jules pela identificação, pensei, quando o porteiro apertou o botão para o piso superior. Estudei-o mais de perto e percebi com surpresa que ele era um morto-vivo. Mas meu choque foi porque o Sr. Gold tinha contratado parentes para vigiar seu prédio — que era porque eu na verdade tinha sido capaz de dizer o que ele era. Os efeitos especiais estranhos, que eu tinha notado ao redor de numa foram revertidos no caso deste homem. A polegada do espaço ao redor dele estava lotado com mais vitalidade e cor do que o resto do ar, enquanto que numa aspirado a cor fora do seu ambiente, deixando-os com uma penumbra incolor. Dei uma olhadela em Jules. Ele tinha a mesma nimbus vivas ao redor de seu corpo. Eu passei tanto tempo com ele e os outros que eu só não percebi com eles. Agora que eu era uma parte do mundo dos revenants e estava ciente de que os seres sobrenaturais existem onde eu nunca teria esperado antes, eu não prestava mais atenção a quem era humano e que não era. No caso do porteiro... não. “Ele é um de nós”, disse Vincent, confirmando minha dedução. Saimos do elevador e seguimos o homem para o fundo do corredor e paramos em frente de uma porta. Ela é desbloqueada e conduziu-nos para um apartamento. "Sr. Gold estará aqui. Ele pede que vocês fiquem à vontade." E com isso ele fechou a porta, nos deixando examinar nosso entorno em reverência. O apartamento era enorme e moderno, todas as paredes brancas e madeira nos pisos com janelas do chão ao teto e quase não têm mobília. Pedestais confeccionados de cerâmica antiga e objetos de metal de pedra: uma máscara grega em Sr. Gold. Um capacete de bronze romano. Uma mão de mármore finamente esculpida do tamanho de um frigorífico. Vi coisas assim em museus, protegidas ao abrigo de vidro pesado. Mas aqui eles estavam ao alcance do


braço, elegantemente disposta na Galeria de iluminação que fazia eles brilharem como jóias. A ingestão afiada do Papy de ar indicava que ele estava tão impressionado quanto eu. Jules mesmo esticou um pouco quando ele tirou as mãos dos bolsos e subiu para tocar o ombro muito bem esculpido em mármore de uma ninfa. Bran que ficou olhando com seu olhar surpreendido regular, seus olhos ampliados, levando-se em cada centímetro do quarto. A porta abriu novamente e em então entrou um jovem de cabelos loiro, de olhos azuis em um terno branco. Curvou-se ligeiramente. "Theodore Sr. Gold," ele disse. "Mas você é o porteiro!" Exclamei. Ele estava quase irreconhecível sem o uniforme e o chapéu. O disfarce perfeito, pensei. Ninguém se parece com um porteiro no rosto. "Sim, peço desculpa por isso," disse o homem com estatura alta, boa dicção que não soava como o forte sotaque de Jersey que tinha assumido como porteiro. "Valor da minha privacidade e prefiro não depender dos outros para segurança. Eu prefiro ver meus próprios convidados que com o risco do resultado do erro de outra pessoa. Apesar de você ter um revenant contigo"— Ele assentiu com a cabeça em direção a Jules —"ele poderia ter sido trazido aqui sob coação, usado como refém, se você quisesse me pegar." "Presumo que és Jules," ele disse, cumprimentando-o com beijos na bochecha como os europeus. "Bem-vindo, almas." "Eu sou a Kate", disse e estendi minha mão para um cumprimento de americanos para americano. Sr. Gold me deu um sorriso quente e para meu alívio, não pediu um esclarecimento do porque eu estava lá. Não me senti como se lançar em um eu sou-o-vagando da alma-conversa namorada. Bran foi o próximo. "Sua tatuagem me diz que você é o curador Jean-Baptiste falou. Tenho lido sobre sua espécie. É verdadeiramente uma honra conhecê-lo." Ele virou-se para o meu avô. "Você deve ser Monsieur Mercier. Gaspard telefonou a informar-me da sua — e da sua neta — conexão com os parentes de Paris." “Então, ele sabia”. Vincent é uma coisa a menos para explicar, me disse. "Você leu minha mente", eu sussurrei de volta. "Eu sou Antoine Mercier," meu avô confirmou em seu inglês maravilhosamente acentuado. Ele olhou para o morto-vivo com uma mistura de desconfiança e


curiosidade. "Mas você é Theodore Sr. Gold IV? O Sr. Gold de Theodore? Autor da queda de Bizâncio?" O homem sorriu. "Sim, isso é meu trabalho." Pela expressão do Papy, ele parecia que tinha acabado de conhecer o Papa. "Mas você é tão jovem! Estou admirado que esteja conhecendo você. O livro do seu avô na cerâmica da época romana é como a minha própria Bíblia pessoal." Diversões passou pelo rosto do Theodore Sr. Gold. "Na verdade, Theodore Sr. Gold Junior era também eu. Como foi Theodore sênior. Eu tento mudar meu estilo de escrita cada vez para fazer a charada toda necessária um pouco mais convincente." Papy só ficou ali a olhar. Sr. Gold riu e Papy deu um tapinha no ombro. "Fico honrado em ter alguém tão versado no assunto quanto eu mesmo, Monsieur Mercier estava enganado." Meu avô completamente imperturbável ainda estava enraizado para o lugar dele. "Um morto-vivo", disse ele. "Há apenas um Theodore Sr. Gold. A dinastia inteira de especialistas eminentes antiguidade... é uma pessoa. E você é o G. J. Caesar que tenho vendido peças para o passado de poucas décadas?" "Acho que pode na verdade dizer que comprei um pedaço de você antes disso sob pseudônimo de Theo Sr. Gold Junior, Mark Aurelius, antes de obter a coleção toda", assinalou Theodore prestativamente. "Posso me sentar?" Papy perguntou, a cor tinha drenado do rosto dele. "Por favor", disse o Sr. Gold, gesticulando em direção de um sofá. Na frente tinha uma mesa baixa com um prato de mini-cheesecakes e garrafas de água com gás. "Eu não tinha certeza se vocês comeram no avião," ele comentou quando todos nós, sentamos. "Agora, temos muito que conversar. Eu acho que o volante "Revenant" que sinto é o Vincent que Jean-Baptiste mencionou na bardia?" Ele esperou e então acenou com a cabeça. "Bom. Então pelo que me disseram você está procurando um thymiaterion gigante com símbolos instrucionais gravados no tronco." Bran explicou sobre registros da sua família, e recuperando o livro do seu saco, ele leu a passagem em voz alta. Sr. Gold parecia impressionado. "Incrível. Certamente é tentador pedir para ver o resto do livro "— ele fez uma pausa quando Bran abanou a cabeça — "mas sei


que as informações que detém devem ser confidenciais. Eu confio em que você está nos dando todos os detalhes que possui sobre o assunto?" Bran acenou com a cabeça. "Eu já passei por todos registros de toda a minha família, e esta é a única menção de re-encarnação." "Bem," disse Mr. Sr. Gold, apertando as mãos juntas. Com seu olhar intemporal e terno branco, ele me lembrou de um jovem Robert Redford nos anos setenta versão de The Great Gatsby. Ou um personagem saído de um romance de Edith Wharton: wheaten e bonito cabelo, com aquele olhar só-pisou-livremente-no-iate e a pele bronzeada que têm as pessoas muito ricas. "Eu entendo que o tempo urge," ele disse, "e que Vincent pode ser chamado de volta pelo traidor a qualquer momento. Quanto tempo faz desde que ela deixou você ir?" ele perguntou. "Ontem antes do meio-dia," ele repetiu, olhando para o relógio. "São 23 horas agora, então em seis horas, mais ou menos vai aparecer em dois dias, hora de Paris. Bem, esperemos que ela não sinta vontade de puxar você de volta mais cedo. Teremos todo o tempo que temos para decodificar os símbolos." Ele bebeu de volta o resto do copo dele que tinha ficado. "E com essa nota, temos de ir." "Onde?" perguntei quando levantamos todos da mesa. "Porque, para ver o thymiaterion," ele disse. "Não é aqui?" perguntei, olhando ao redor da sala. "Não, eu só mantenho alguns dos meus objetos favoritos aqui. Coleção mais completa do mundo da arte com temática "Revenant" residem do outro lado da rua." "No Metropolitan Museum of Art?" perguntou Papy, incrédulo. "Sim, meu caro senhor," respondeu o Sr. Gold com um sorriso irônico. "No Met."

VINTE E TRÊS "Eu que nunca visitei o MET AT MIDNIGHT," sussurrou-me quando os outros seguiam até uma porta lateral, longe da grande escadaria da entrada principal. “Isso tem sido um sonho?” vieram as palavras de Vincent. "Um museu de pinturas e, sim," respondi. "Um museu cheio de objetos antigos à noite, porém, tem um fator fluência nas alturas." Eu tremia, recordando um


pesadelo de infância freqüente em que as estátuas na galeria do Papy ficaram vivas. Sr. Gold tirou as chaves, abriu um primeiro conjunto de portas, levou-nos através de um segundo conjunto e em seguida passou um guarda de segurança sentado. Ele começou a tirar do bolso sua identificação, mas o guarda apenas acenou com a cabeça. "Desta forma", disse Sr. Gold. Atravessamos uma cavernosa sala repleta de cerâmica antiga, empoleirada na arquibancada e protegidas sob vidro caros. Em um canto escuro da sala, nós empilhamos num elevador de serviço aberto. Nosso anfitrião esperou as portas fecharem, equipado de uma chave no painel de controle do elevador e apertou um botão para um dos porões. Quando nós descemos do elevador, não pude deixar de perguntar, "como você conseguiu a chave para o Museu? E o acesso pela entrada do funcionário?" "Eu sou um empregado," disse o Sr. Gold, quando nós saimos do elevador. "Sou oficialmente o curador chefe de antiguidades, mas não estou muito presente. Se o mesmo pessoal me vê durante longos períodos de tempo, as coisas parecem bastante... questionável, não acreditam?" Nós seguimos atrás dele por vários corredores iluminados por baixo e paramos ante uma porta dupla com um sinal marcado arquivos. Ele digitou um código em um teclado e inseriu uma outra chave na fechadura. "Garanti uma doação substancial ao Museu — da ordem de várias centenas de milhões de dólares — sem surpresa convenceu o Museu para me dar acesso privado para toda esta área." Ele abriu a porta e acendeu um interruptor. Ante nós tinha um enorme espaço do tamanho de um armazém, lindamente decorado com arefrescos nas paredes e colunas dispersas. Tudo individualmente foi iluminado, com iluminação adicional brilhando os painéis nas paredes e piso. Eu tremia em deleite atônito e olhei para Papy para avaliar sua reação. Meu avô parecia que tinha morrido e ido para o céu de antiquário-revendedor. Esta é a coleção secreta de arte revenant. Deve ter junto milhares de objetos que vão desde pequenas peças de joalheria montados em casos contra a parede para estátuas de mármore gigantes dos heróis carregando armas maciças e vestindo nada além de bardia signum nas cordas em volta do seu pescoço. "Vocês são os humanos que visitaram este importante acervo histórico", disse Sr. Gold com um sorriso irônico. "Embora ocasionalmente tenha visitantes revenant aparecendo para consulta. Quanto você sabe sobre a história do morto-vivo?" ele perguntou.


"Vincent me contou algumas histórias. E Gaspard mencionou as coisas de vez em quando. Mas minha compreensão global é provavelmente bastante pouca." “Você está sendo modesta”, disse Vincent. “Acontece que sei que você leu tudo o que você pôde tendo em suas mãos sobre o assunto”. Eu não respondi. Pelo menos senhor Sr. Gold achava que sabia, mais ele me diria. Caminhamos lentamente em direção a outra extremidade do grande corredor. Apesar de Jules, Papy e Bran ficarem olhando ao redor, enquanto caminhávamos, estavam todos ouvindo nossa conversa. "Bem, considerando o projeto que estamos prestes a realizar, seria útil dar-lhe uma história rápida de revenants e nossos amigos guérisseur." Sua voz assumiu um tom de narração de histórias, e eu poderia dizer que ele contou essa história antes, embora eu adivinhei que era revenants novos e não humanos forasteiros. "Desde que o homem existiu, tem havido bardia e numa. Mas nos tempos antigos eram venerados como heróis e vilipendiados como demônios. Ambos viveram entre os seres humanos como também seus guardiões ou, no caso de numa, aliados perigosos, mas eficazes para os homens que buscavam poder a qualquer custo. "Antes da medicina moderna, curandeiros, conhecidos na França como guérisseurs, eram muito mais comuns e bem respeitados entre seus concidadãos. Desde que os poderes dos guérisseurs desenvolveram de acordo com as necessidades das comunidades em torno deles, uma pequena percentagem deles desenvolveu poderes para ajudar revenants com suas próprias necessidades." Bran parou de olhar ao redor e começou a prestar atenção total na história do Sr. Gold, bebendo em cada palavra. "Como o bayati — seres humanos com habilidades paranormais que foram mais tarde chamados santos — revenants ao redor do mundo começaram a ser perseguidos com a ascensão das religiões principais do mundo. Em países do Oriente alguns foram capazes de esconder-se entre xamãs e homens santos mortais. Mas não no mundo ocidental. Foi neste ponto — depois de ser caçado e destruído em uma escala maciça durante o quarto século — que revenants retiraram-se do mundo mortal." Isso se encaixa com o que já sabia e muito do que eu tinha visto nos arquivos da flama-dedos, explicou. Comecei a me perguntar se a palavra "arquivos" não se aplicava tanto para as imagens que eles fizeram com os poucos livros e objetos que tinha visto. As pinturas de parede, explicou a história, Sr. Gold estava dizendo de uma forma muito mais memorável. Bebi em cada palavra que ele falava. "Para facilitar o desaparecimento dos revenants da consciência humana, a


Bardia lançou uma campanha para ocultar revenant da temática arte e literatura que era bastante comum entre romanos. Numa estavam a bordo com isto, tendo perdido apenas o máximo de seu próprio número na perseguição religiosa." Sr. Gold parou em frente de uma estátua de um homem deitado em uma cama. Pairando sobre ele era uma mulher com uma tatuagem idêntica do Bran gravada em seu antebraço. Ela estava passando as mãos sobre o homem morto. “É provavelmente um revenant dormente”, as palavras de Vincent vieram, e eu assenti, concordando. "Como guérisseurs tornou-se cada vez mais escassos," Mr. Sr. Gold continuou, gesticulando em direção a estátua, "o número que possuía presentes ajudando revenants diminuíram, e o conhecimento deles dos revenants caiu fora do uso comum. No entanto, estou na posse de alguns comprimidos antigos que soletram para fora alguns dos dons destas guérisseurs." Ele virou-se para Bran. "Você pode ver nossas auras, não pode?" "Sim", afirmou o Bran. "O praticante guérisseurs da minha família pode ver auras tanto humanos como morto-vivo. É fácil distinguir entre os dois." Ele olhou para mim quando ele disse isto, e eu sorri. "Lembro de sua mãe dizendo que Jules tinha a aura de um incêndio florestal", disse, lembrando a sua diferença retratada nas pinturas da parede da caverna. "Sim," disse Bran. "Que é sua característica definidora para nós. Que é indicado no símbolo de bardia o signum." Ele apontou para as chamas na tatuagem da mulher em mármore. "Você pode diminuir a necessidade de um morto-vivo jovem para morrer," continuou o Sr. Gold. Bran acenou com a cabeça. "Aparentemente, isso é verdade, mas minha mãe não foi capaz de encontrar as instruções para o procedimento real em nossos registros familiares." Nosso anfitrião considerando isso. "Por que isso seria útil para um morto-vivo?" Papy perguntou. "Alguns revenants caíram por amor com os seres humanos e desejavam ter a mesma faixa de idade que seus parceiros," explicou Sr. Gold o assunto com naturalidade. Jules chamou minha atenção e sorriu, enquanto do lado do meu olho vi Papy endurecer. Não ousei olhar para ele, desejando que o Sr. Gold iria pular para a próxima parte. "Há também o fato de que em tempos antigos, quando a


população do mundo era menor, revenants que viviam em áreas despovoadas talvez não muitas vezes encontrasse a ocasião para resgatar os seres humanos. Eles podiam visitar guérisseurs para aliviar sua dor." Sr. Gold segurou sua mão a contagem guérisseur presentes. "Ver auras, pacificar a necessidade de morrer... e depois há claro, dispersão," disse ele, exibindo três dedos. "O que é isso?" Jules perguntou. Sr. Gold olhou para Bran e o curandeiro encolheu os ombros. "Ainda não ouvi falar disso." "No nosso caso, não é importante," concluiu o Sr. Gold. "E o quarto e último presente — que eu saiba — é re-encarnação. Observou-se em registros antigos, mas os exemplos são extremamente raros. "Até que Jean-Baptiste falou no telefone hoje de manhã, não tinha nem ouvido, referindo na contemporaneidade. E sem a sugestão dele, eu nunca imaginaria que os misteriosos símbolos ao lado do nosso queimador de incenso tinham algo a ver com isso. Agora... Gostaria de saber." Ele esfregou o queixo contemplativamente antes de virar e conduzir-nos mais longe para o quarto. "Infelizmente, o conhecimento do processo real foi perdido com o tempo" — ele olhou por cima do ombro e olhou Bran significativamente — "pelo menos nos revenants. “É por isso que estou feliz por que você está aqui, guérisseur.”

VINTE E QUATRO "AH, aqui está: nossa THYMIATERION," senhor Sr. Gold disse quando nos aproximamos de um pedaço grande de bronze que parecia um cálice dourado gigante. Seu rim foi nível com meu queixo e sua tigela era tão grande em diâmetro: uma inflável piscina infantil poderia caber dentro. Chamas gravadas lambiam toda a superfície da haste, que era tão grande quanto a minha cintura. E circundava o caule sobre o meio caminho até uma série de círculos Pirestamanho, cada um gravado com um objeto diferente. "Como você pode ver, existem sete símbolos," explicou o Sr. Gold. "O primeiro da série é o signum bardia, que foi minha indicação de que se tratava de um pedaço de revenantassociado. E o último da série, se você seguir o círculo ao redor à esquerda o signum, obviamente representa o fogo," ele disse, indicando um círculo com uma única chama gravada dentro. "Uma lâmina com gotas de sangue," disse Papy, gesticulando para outro medalhão, "e ao lado de que uma fã." Ele apontou para um símbolo de uma vara com um spray de penas anexado a uma extremidade.


"Isto parece uma espécie de vaso ou jarro," eu disse, tocando uma imagem de um vaso de cerâmica com duas alças laterais. "Uma ânfora ou um pote," Papy disse. "Isso é o símbolo da minha espécie," disse Bran, apontando para um círculo, mostrando a mesma mão que foi pintada sobre os túmulos de caverna: palma virada para a frente, dedos de propagação e uma pequena chama acima de cada dedo. Um símbolo foi deixado. Era uma caixa aberta, a tampa deslizava para o lado. "O que é isto?", perguntou Jules, que tinha estado a observar silenciosamente. "Uma caixa", Papy disse e deu de ombros. "Não o reconhecê como um dos temas antigos típicos." Bran tinha tomado um lápis e estava copiando os símbolos em seu livro. "O signum e símbolos da flama-dedos devem indicar que o objeto foi usado em uma cerimônia incluindo revenants e meu tipo," ele disse. "Que tendo em conta, somos deixados com cinco símbolos nesta ordem: o pote, a faca com sangue, o ventilador, a caixa e o fogo." "Que tal água, sangue, ar, espaço e fogo?" perguntei, traçando os símbolos com meu dedo. "Historicamente, o símbolo do pote de barro significa argila ou terra," disse o Sr. Gold. "Sangue pode tomar o lugar da água como um líquido. Então é só a caixa que não encaixa nos quatro elementos." Bran olhou pensativo. "Isso me lembra de algo. Algo que está na ponta da minha língua, mas não consigo chegar lá o bastante." Dei uma olhadela para Papy esperançosamente. "Por que não deixamos você a pensar?", sugeriu o Sr. Gold. "Ou você pode dar um passeio ao redor da sala e ver se alguma coisa não refresca sua memória." Bran assentiu distraidamente e sentou-se sobre o direito de andar por lá onde ele ficou em pé e olhou para o queimador de incenso gigante como se esperava a resposta para isso cair em seu colo. Papy se desculpando começou vagando animadamente de pedaço a pedaço, murmurando fatos e datas como se ele estivesse junto. Jules estava murmurando também, mas no caso dele poderia dizer seus murmúrios eram parte de uma conversa.


"Theodore,"... disse Jules, "Vincent e eu dissemos que você parecia familiar. Já nos conhecemos antes?" Sr. Gold sorriu. "Sim. Eu estava em Paris antes de segunda guerra mundial. Setembro de 1939. Eu fui para ajudar com a evacuação das coleções do Museu do Louvre. Eu e meus colegas franceses embalamos tudo da arte-final e enviamos para vários locais na França para protegê-los contra a invasão do exército alemão. Foi durante esse tempo que conheci seu líder, Jean-Baptiste." Embora isto soasse como uma conversa particular, eu estava intrigada e tinha avançado mais perto para ouvir. Jules assentiu com a cabeça. "Vincent está dizendo que ainda não estava em Paris. Voltou desde então?" Uma sombra cruzou o rosto do Sr. Gold. "Na verdade, sim, eu voltei para França alguns anos mais tarde, quando seu bardia Paris esteve em uma guerra em grande escala contra numa. Alguns de nós americanos foram em seu auxílio. Eu era o único entre meus parentes que não fui destruído." "É isso", disse Jules. "Você foi um dos americanos que viveram na casa do JB em Neuilly." Sr. Gold assentiu, com a expressão de um túmulo. "Vincent diz que você e JB tem estado no meio de uma briga desde então. Não que isso é da nossa conta," Jules disse, instantaneamente, olhando como se lamentava ter deixado escapar as palavras de Vincent. Agora, Sr. Gold olhou verdadeiramente incomodado. Ele empurrou uma mão no bolso e esfregou a testa com a outra. "Sim. Houve alguns... infelizes acontecimentos que ocorreram — " ele disse hesitante, mas suas palavras foram cortadas por um grito de Bran. "Tenho!" ele exclamou. Voltamos para onde ele estava pulando animadamente ao redor do thymiaterion, traçando os símbolos com os dedos como algo encantado. Seus enormes olhos varreram o nosso pequeno grupo animadamente. "É uma rima de berçário que minha mãe me ensinou, e que seu pai tinha ensinado." "Por favor", exortou o Sr. Gold, "continue". "É assim," Bran disse e então começou a cantar uma musiquinha maneira: “Homem de barro para o homem de carne e sangue imortal e respiração humana traça para vincular espírito que chamas


dão a mente e o espírito de corpo.” "'Carne' e 'fôlego' não rima," murmurou Jules. "Rima em bretão antigo", Bran respondeu certo. "Você vê, o pote é a argila, o sangue, o ventilador significa respiração e então as chamas, é claro," ele disse e então, apontando para a caixa, admitiu, "mas ainda não sei para que é isso." "O que o poema significa, exatamente?" perguntei. A expressão de Bran passou de animado para sombrio em um segundo plano. "Infelizmente, não tenho idéia."

VINTE E CINCO "'CLAY TO carne,'" Eu repetia, meus pensamentos percorrendo de repente buscando na memória o que eu não poderia lembrar. E então me lembrei de onde eu tinha visto essas palavras. "Havia uma inscrição em latim sob uma das pinturas de parede em arquivo da sua família que mencionou argilla e polpa," Eu disse ao Bran. "Ele mostrava isso enrolado na figura deitada no que eu pensei que fosse uma banheira... mas agora que eu vi o thymiaterion, tenho certeza que é isso o que era! Você deve saber o que eu estou falando," insisti. Bran abanou a cabeça. “Durante a minha um visita, fiquei tempo suficiente para colocar minha mãe para descansar e tomar conta dos livros e objetos lá. Eu não tive tempo para estudar as pinturas." De repente lembrei-me da foto que eu tinha tirado. "Tirei uma foto com meu celular," comecei ansiosamente e então, vendo o olhar escuro no rosto do Bran, hesitei. "Desculpe-me. Mas eu não ia mostrar a ninguém." Ele considerou esta... mas ainda parecia chateado. "Bem, vamos dar uma olhada," disse Papy. Como não peguei o celular na minha bolsa, meu humor mergulhou. "Está na minha mala na casa do Sr. Gold", disse. "Em qualquer caso, eu tirei uma foto de toda a parede. Duvido que a inscrição estará legível à distância da foto." "Lembra algum outro detalhe da pintura?" perguntou o Sr. Gold. "Sim," Eu disse, olhando para Bran pedindo sua aprovação. "Vá em frente, filha," ele disse, suspirando. "Podemos permitir a divulgação de segredos da minha família em uma emergência como esta."


Tranqüilo, eu disse, "de que me lembro, havia um guérisseur chama dedos nele, bem como vários revenants, e parecia que eles estavam carregando um procedimento mágico. Havia definitivamente fogo — alguém segurando uma tocha. E um revenant tinha cortado o braço dele e estava sangrando na bacia." "Eu acho que eu tenho um par de urnas fúnebres, com o mesmo tipo de imagem," disse o Sr. Gold, esfregando o queixo. "Há tantas cerimônias místicas, cujos significados foram perdidos com o tempo. A urna em questão exibe um dos vários que sempre quis saber sobre." Repleto de emoção, ele nos levou pata longe do thymiaterion em direção a uma mesa com várias dezenas de contentores de pedra, cada uma do tamanho de uma caixa de correio. "Estas são a versão romana antiga de urnas fúnebres, usada para armazenar as cinzas do falecido após uma cremação," ele explicou. "Aqui é um mostrador que eu suspeitava que seria um golem, que caberia a sua descrição de uma figura enrolada,", disse ele, apontando para um recipiente esculpido com uma cena de assustadora aparência. "Golems!" Papy exclamou. "Kate e eu estávamos conversando sobre golems no outro dia. Que faz todo o sentido!", disse ele. Nós nos reunimos mais perto para inspecionar a escultura. Quase idêntico da pintura de parede na caverna guérisseur, mostrou uma figura de boneca sem cabelo ou características enroladas em uma bacia circular, do mesmo tamanho que a tigela de thymiaterion do Sr. Gold. Ao lado dela, uma figura com uma auréola ardente cortado o braço com uma faca e deixando o sangue gotejar sobre a boneca, onde espalhou-se em uma poça em torno do golem curvado. Outra mulher — este aqui com nenhum halo — inclinou-se com a boca ao lado da cabeça da figura. Seus lábios estavam enrugados em uma forma de "O" e parecia estar a soprar na cara do golem. Ao lado dela, um homem deslizando suas mãos sobre as pernas da criatura. Cinco chamas piscavam acima de sua cabeça, bem como a extremidade de cada dedo e acima de suas mãos pairavam uma nuvem de fogo. Uma quarta figura com nenhum visível halo ficou atrás deles segurando uma caixa em uma mão e uma tocha flamejante na outra. "Parece um guia passo a passo sobre como dar uma alma errante" — eu apontei para a nuvem ardente — "um corpo". Meu coração estava correndo tão rápido que me senti como se fosse ter um ataque cardíaco, se eu não me acalmasse. Que realmente encontramos nossa resposta!


“Eu acho que você pode estar certa”, vieram as palavras de Vincent. De sua falta de ar, ele parecia tão animado. Bran começou a pular nervosamente. "Só de olhar para essa imagem desperta algo em mim. Algo primitivo. Eu acredito que estamos no caminho certo." Eu olhei de relance para Jules e vi que seu olhar taciturno tinha sido substituído por um de esperança. Encontrou meu olhar, ele chegou mais perto de mim e apertou minha mão. "Eu pensei que estávamos em um ganso selvagem", ele sussurrou. "Não me incomodou, viagem para Nova York e tudo. Mas agora eu acho que.... "— e a maneira que os olhos dele estavam iluminados com emoção pudesse terminar sua frase para ele — isto poderia funcionar. "Homem de barro," citado Bran, que estava intimamente inspecionando a urna com Papy e Sr. Gold. "Estou pensando, que isso significa que temos de moldar um golem como este de argila e colocá-lo no thymiaterion." Ele apontou para a banheira em forma de bacia sobre o relevo, e notei que pela primeira vez que foi levantada do chão, talvez na altura da cintura das figuras de pé. A mulher que soprava na figura estava de pé em uma caixa para alcançar. "'Imortal sangue' significa que um revenant deve derramar o seu sangue para o homem de barro", Sr. Gold acrescentou, apontando para o sangramento bardia. "Isso eu faço," voluntariou Jules, mesmo conseguindo ler a imagem. "Parece um inferno de um lote de sangue". Ele olhou em volta para nós. "Não há problema, claro. Só um comentário," ele disse defensivamente. "Eu posso fazer a parte da respiração," eu disse. Sentia-me bastante inútil até este ponto, então eu agarrei a chance de estar envolvida. "E parece que eu transfiro a aura de Vincent para o corpo de barro," Bran concluiu, olhando da caixa para um local no ar bem ao lado da minha cabeça. Então, que é onde ele está eu pensei com emoção. Ele esteve ao meu lado esse tempo todo. "Eu acho que o golem deve ser iluminado pelo fogo," comentou o Sr. Gold. "Isso vem por último na lista de símbolos sobre o thymiaterion e explicaria ele está segurando a tocha," ele disse, indicando o homem em segundo plano. "Ainda temos a caixa de mistério," afirmou Papy, apontando para o outro lado do revenant com a tocha-rolamento. "O que será?" eu meditava.


"Caixas podem representar todos os tipos de coisas de tentação para o espaço vazio a prisão," Papy disse, olhando para o Sr. Gold, que acenou em seu acordo. "Desculpe interromper todo o pensamento profundo acontecendo aqui," Jules comentou, renovando o propósito em sua voz, "mas Vincent só me lembrou que estamos trabalhando dentro de um prazo muito apertado aqui — que termina sempre que nosso ilustre inimigo decide clicar os dedos dela e ligar o seu espírito. Vamos começar sobre a escultura de barro e colocar esse show na estrada." "Direito", disse o Sr. Gold. "É uma sorte que o thymiaterion está aqui no Museu. O estúdio de restauração no andar tem um fornecimento de argila. Jules pode me ajudar a derrubar algumas caixas em um carrinho de mão." "Mas e sobre o símbolo da caixa?" Eu perguntei. Sr. Gold puxou um pesado conjunto de chaves do bolso e começou a procurar por eles. Achou o que procurava, ele olhou para cima e conheci seus olhos. "Sem uma pista sobre o que representa a caixa, vamos ter de nos arriscar e trabalhar sem ele." "Mas...", comecei e então parei quando eu ouvi as palavras de Vincent: “Mon ange, estamos ficando sem tempo”. Com nosso grupo espalhado, não pude evitar pensar mais sobre a caixa misteriosa. Mesmo se tivéssemos todos os "ingredientes", me perguntava se o ritual iria realmente funcionar. Estávamos voando pelo assento de nossas calças aqui. Usando apenas conjecturas, como se pudesse esperar ser bem sucedido em algo que isso implica? Empurrei minhas dúvidas. Esta era a nossa única esperança. Que mal poderia fazer por tentar? Foram quase 02 horas antes de nós finalmente reuníssemos em um círculo em torno do thymiaterion. Embora a coleção fosse muito bem isolada do resto do Museu, Sr. Gold estava preocupado com algo tão grande como o golem iluminado pegando fogo. Ele tinha sido precavido, desligou todos os detectores de fumaça que ele poderia encontrar. Papy e Bran tinham ficados ocupado olhando os livros de referência do Museu enquanto eu ajudei Jules e o Sr. Gold com a argila. Meu avô juntou-nos agora com um olhar de frustração. "Eu n��o pude encontrar nenhuma pista sobre o símbolo de caixa", ele disse com pesar. Tomando seu lugar apontado, ele pegou a tocha, Sr. Gold tinha montado fora de um cabo de vassoura com pano embebido de querosene em uma extremidade. Jules riscou um fósforo e acendeu cuidadosamente, e isso acendeu


tão violentamente que ele e Papy cambalearam um passo na surpresa. A tocha flamejante fazia longas sombras, animando o exército de estátuas estacionadas ao redor da sala. O homem de barro deita enrolado dentro da tigela do queimador de incenso, pele lisa e careca. Sr. Gold tinha formado com as mãos e os pés em formas simples de pá, salientando que o golem esculpidos na urna fúnebre não tinham dedos nas mãos ou dedos nos pés. Mas Jules teve um ataque quando ele viu e insistiu para ser tão realista quanto possível. Ele disse que ofendeu sua sensibilidade artística por ver seu amigo representado de uma maneira tão desagradável. Ele foi para a cima com tudo, e quando ele foi ver que Vincent assemelhava-se de forma um pouco genérica. Embora a figura fosse estranha, pareceu-me secretamente humano, como uma criança dormindo. E o pensamento que o espírito de Vincent pode inseri-lo e trazê-lo à vida mexeram comigo de uma forma quase visceral. Eu estiquei e escovei sua superfície fresca, suave com meus dedos. Bran tinha tirado os óculos e disse que o tipo de visão que ele precisava não os exigia. Sem eles, ele parecia mais humano e menos caricatural. Ele parecia como qualquer homem de meia idade, embora ele conseguisse manter seu cabelo escuro, e seu rosto parecia assustadoramente magro, agora que seus olhos não foram ampliados. "Estamos prontos?" ele perguntou, olhando cegamente em torno do quarto. "Vincent, você está pronto?" perguntei. “Não podia estar mais pronto, meu amor”, ele disse. Concordei com os outros. "Então, por favor prossiga", respondeu o Sr. Gold. Bran levantou as mãos sobre o lábio do cálice e os posicionado acima das pernas do golem, focando seu olhar no ar acima dele, onde eu suspeitei que Vincent estava. Ele ficou assim por um minuto e em seguida olhou sobre Jules. "Vá em frente," ele insistiu. "Você não vai dizer nada?", perguntou Jules, confuso. "Como o quê? Um encantamento? Sou médico, não um feiticeiro," soprou Bran. "Ok, então," Jules disse, soando nervoso. Ele pendurou o braço do lado do cálice e cortou com a faca de escultura perigosos. Rangendo os dentes, ele olhou para mim. Eu levantei minhas sobrancelhas.


"O que?" ele disse defensivamente. "Ok, não me importo de magoar outra pessoa, mas eu não estou acostumada com automutilação." "Eu poderia intervir como seu substituto se você preferir," ofereceu o Sr. Gold. Jules abanou a cabeça. "Vince, me deve uma grande para isto," ele disse. Em seguida, chupou sua respiração através de seus dentes, cortou rapidamente e profundamente em seu antebraço. Mantendo-o sobre a figura de argila, ele deixou o fluxo de sangue cair por cima enquanto proferia uma seqüência de palavras de maldição colorida. Eu pisei no degrau superior da escada que foi empurrada contra a Copa. Eu inclinei, mordi meus lábios e estourei uma lufada de ar como se eu estivesse jogando um beijo para a boca do homem da argila. “Você é tão sexy quando você respira em mim”, as palavras saíram. Eu parei. "Pare de me fazer rir, Vincent ou você vai voltar à vida sem pulmões." Se esta cerimônia bizarra funciona mesmo, eu pensei. Tentei forçar o pessimismo da minha cabeça e explodi outra respiração para Vincent. "E agora o fogo," disse o Sr. Gold. Jules e eu recuamos quando Papy adiantou-se e tocou a tocha flamejante no barro. "Agora provavelmente não é a melhor hora para salientar que não leve a argila molhada," murmurou Jules quando as chamas atomizadas quando Papy tocou a massa ensangüentada. Então — de repente — o fogo tomou vida própria e meu avô saltou de volta quando o corpo começou a queimar. "Está funcionando", suspirei, meu coração acelerado quando recostei-me para evitar as chamas. "Posso ver sua aura se expandindo e elevando-se para a sala," Bran disse com entusiasmo. "Agora ele precisa descer e habitar o corpo," ele disse, colocando suas mãos bem perto das chamas, quanto ele se atreveu. "Vamos, Vince, vamos fazer isso logo," murmurou Jules, quando ele agarrou a ferida para estancar o fluxo de sangue. “Kate”, eu ouvi. "Sim, Vincent?" “Algo está errado.” O medo na voz dele fez meu sangue gelar.


"O quê"? “Algo está acontecendo. É como se estivesse em pequenas partículas que estão todos voando longe um do outro. Está errado. Eu estou desaparecendo. "PARE!" Eu gritei. "Algo vai dando errado!" Eu saltei para baixo fora da escada e peguei o balde de água que o Sr. Gold insistiu em ter à mão, no caso do fogo ficar fora de controle. Atirei a água por cima do cálice, e as chamas foram extintas com um som sibilante há muito tempo. "Vincent!" Eu gritei. "Estás aí?" "O que aconteceu?" Bran pediu. Ele olhou atordoado. "Fui desaparecendo”, disse Vincent. “Eu estava espalhando para fora." "Dispersão", disse o Sr. Gold. Bran bateu sua cabeça ao redor para enfrentar a revenant. "Dispersão de errantes almas. O terceiro dom da flama-dedos. Você disse que nunca tinha ouvido falar dele. Bem, eu acho que acabamos de descobrir como funcionava."

VINTE E SEIS "QUE DIABO é a dispersão das almas errante?" eu perguntei, minha voz estridente em pânico. Eu estava tremendo e senti que ia vomitar. "O que aconteceu com Vincent?" Papy apareceu ao meu lado e envolveu seu braço ao meu redor protetor. "Havia duas maneiras de tratar as almas errantes", disse o Sr. Gold. “Ou reencarná-los ou dispersá-los. Nem todos nós revenants lidamos bem com a vida para sempre. Nos tempos modernos, alguns até optam pelo suicídio. Mas guérisseurs em tempos antigos dizia que possui o dom de deixar o espírito de um bardia enquanto fosse volante, dispersando-o essencialmente ao universo." "Vincent... só dispersado?" Engasguei para fora quando lágrimas inundaram meus olhos. "Como consegui-lo de volta... do universo ou qualquer outra coisa?" Então fiquei paralisada pelo medo, que não sentia nem o meu corpo. Se Papy não tivesse vindo a apoiar-me, eu poderia simplesmente ter caído. “Não, mon ange. Ainda estou aqui”, a voz do Vincent veio. Foi fraca e chegou em minhas ondas cerebrais como quase um sussurro. "Graças a Deus. Ele ainda está aqui," anunciei. Minhas lágrimas fluíram e eu afundei para sentar no chão,


descansando a cabeça em meus joelhos. Senti que eu tinha sido pega, abalada e jogada no chão, meu choque e relevo foram tão intensos. Papy pegou o lenço do bolso e inclinou-se para me entregar. Bran cambaleou para trás e sentou-se no chão e Sr. Gold se juntou a ele, colocando um braço ao redor de seus ombros e dizendo, "tá tudo bem, Monsieur Tândorn. Ele ainda está aqui." Jules curvou-se e sentou no chão ao meu lado, segurando uma toalha sobre o braço. Vi o sangue e esqueci-me da minha própria aflição. "Deixe-me ajudá-lo," ofereci, e agarrando o kit de primeiros socorros, que o Sr. Gold tinha reservado para caso fosse preciso, limpei e vesti sua ferida. "Bem, isso foi um enorme sucesso," Jules disse, levando-se em grandes goles de ar. "Não só fez submeter-me a perda maciça de sangue, mas eu quase tive um ataque do coração." "Nós não estamos desistindo," eu disse, ignorando o pensamento horrível que foi infinitamente lançado em minha mente: você que estava perto de perder para sempre o Vincent. "Só temos que descobrir onde erramos. Aposto que tem a ver com o símbolo de caixa. Falta alguma coisa." Papy falou acima. "Percebo que estamos com muita pressa e não é necessariamente assim. Mas agora que sabemos como perigoso este procedimento pode ser, não seria melhor fazer uma pausa para a noite e repensar tudo de forma calma?" Todos concordaram. Assustou-me que quanto mais tempo passava, o mais provável seria Violette foi chamar Vincent de volta. Mas escavar sem informações adicionais era muito perigoso. "Você está bem, amigo?" Jules disse ao ar, e escutou, ele deu um sorriso fraco. "Ele diz que é a segunda vez nas últimas semanas que ele esteve à beira da destruição permanente. Ele está se acostumando com isso." Confiar em Vincent para ter um senso de humor em um momento como este, eu sabia que ele estava tentando fazer com que o resto de nós se sentisse melhor. Ele deve ter ficado assustado fora de seu juízo. Eu pensei por um momento e, em seguida, virei para o Sr. Gold. "Gostaria de ver se a citação sob a pintura da parede é visível", disse. "Era mais do que o versículo citado de Bran. Talvez que segurava a pista."


"Reservei quartos num hotel a dois quarteirões de distância," ele respondeu. "Mas se você quiser usar meu computador para baixar e ampliar a imagem...." "Eu estou com meu laptop," respondeu o Papy. "Nós podemos dar uma olhada de manhã." "Quanto para você, Jules, avisei uma casa de nosso parentesco localizado no Brooklyn que ficaria lá," disse Sr. Gold. "Eu pensei que você preferiria que fosse para um hotel, desde que soube que você conheceu vários deles há alguns anos para a convocação de Londres". Jules assentiu fracamente. "Isso soa perfeito." "Bom. Então eu vou telefonar para um médico para atendê-lo em sua casa para costurar seu braço." À saída do Museu, Sr. Gold chamou um táxi para Jules. Então, paramos primeiro no apartamento para pegar nossa bagagem, Bran e Papy seguindo senhor Sr. Gold na rua para um pequeno hotel na Park Avenue. Eu estava tão cansada neste momento que eu senti como eu estivesse sonâmbula. Agora que a urgência da nossa tarefa tinha passado, meu corpo era de repente ciente que tinha ficado acordado por um dia e meio. Eu tropecei num quarto de hotel, arranquei minhas roupas e cai na cama. Vincent ficou comigo durante a noite, sussurrando uma séria “t'adore” como eu adormeci e cumprimentando-me com bom dia, meu amor, quando abri os olhos pela manhã. Eu olhei de relance para o relógio na mesa de cabeceira. Foi mal 06 horas e eu estava bem acordada. “Já te contei que fofa você é quando você dorme?” Eu gemia e capotei, puxando as cobertas sobre a minha cabeça. "Não me sinto bonita. Eu "sinto a fadiga do vôo, disse sonolenta, e depois, lembrei o que aconteceu na noite anterior, sentei-me, imediatamente alerta. "A questão é... como se sente?" “Se eu tivesse um corpo, eu diria ‘fraco’. Mas é como eu me sinto, muito disperso. Não juntos. Acho que você poderia dizer "desbotado". "Oh meu Deus, Vincent, que realmente me assustou ontem à noite. Eu quase perdi você." “Mas não”, ele insistiu. “Eu ainda estou aqui. E vamos resolver isto e tentar novamente”. Eu sabia que ele estava tentando me confortar, mas tudo o que eu sentia era medo. Se tentarmos novamente e ele dispersa..., bem, isso seria o fim. Que não seria justo. Porque estávamos só começando.


Eu sabia que não duraria para sempre; minha própria mortalidade coloca um limite sobre o tempo que passamos juntos. Oitenta anos — ou o que quer que a expectativa de vida fosse agora — tinha sempre me parecido um bom tempo, antes de conhecer os imortais. Agora não. Havia tantas coisas que Vincent e eu não tínhamos feito. Mais do que nunca, eu queria me conectar com ele. Para segurá-lo em meus braços, ser realizada por ele e ficar tão perto quanto duas pessoas possivelmente podem. Para lhe dar tudo de mim e levar o que ele me desse. Mas isso não era nem uma opção agora. E, a julgar pela forma como as coisas correram ontem à noite, pode ser nunca. Vincent rapidamente mudou de assunto, como se ele pudesse ver meus pensamentos negros. “Seu avô e Bran já estão tomando café da manhã lá embaixo. Eles passaram um bilhete debaixo da porta”. "Sem muita utilidade para uma nota quando eles podem ter deixado uma mensagem com meu serviço de atendimento a imortal," Eu disse. “Muito engraçado”. "Vire-se ou vai embora. Ou o que quer que seja," eu disse, jogando para trás as cobertas e reorganizando a minha camiseta. "Eu tenho que me vestir." “Não estou olhando”, Vincent assegurou-me. "Sim, certo," eu disse, meio consciente, arrancando a minha camiseta e puxando a roupa lavada com minha mala. "Quantas vezes já me viste nua?" Foi algo que eu sempre quis saber, mas nunca tive a chance de perguntar. “Eu sou um cavalheiro” — disse Vincent — não um perseguidor. Sempre te faço saber quando estou no quarto. "Quantas vezes?" insisti. “Eu juro para você, Kate. Nunca levaria vantagem da minha situação como essa. Talvez um pouco antiquado de mim, mas não quero vê-la até que você me convide”. Não pude deixar de sorrir. Vincent foi tão cavalheiresco. Eu duvidei que a maioria dos garotos da minha idade teria passado a oportunidade de ver uma garota nua — se a menina tinha certeza nunca descobrir. Cavalheirismo: uma das vantagens de namorar uma adolescente que tinha sido em torno desde tempos antigos. Houve um silêncio. Não que isso não tem sido tentador. "Vincent!" “Posso ver agora?” "Sim, estou vestida," eu disse.


“Você conhece a frase "Un rien te va"? Vincent me perguntou. "Não", eu confessei. “Isso significa que você fica bem com qualquer coisa. Acho que você está ainda mais sexy logo pela manhã de que quando passas horas de embelezamento”. Meu sorriso pegou todo o meu rosto. "Eu acho que isso é a coisa mais legal que um menino já me disse." “Apenas dizendo o que é verdade”, disse Vincent. "Você tem sorte de que não posso pular em você agora," eu comentei. “Eu discordo”, ele disse. Já havia sentido um anseio pelo corpo de Vincent antes. Mas nunca quando ele não estava lá para tocar. E agora eu queria tocá-lo mais do que nunca. Para ser tocada por ele. Talvez isso fosse porque não era possível, mas tive um pressentimento de que era mais do que isso. Esperamos para fazer amor porque não me sentia pronta ainda. Mas esta agora com sua morte — com eterno desaparecimento de Vincent — fez-me perceber que esse tipo de conexão com Vincent era o que eu queria. Se eu tivesse a chance novamente, desta vez eu escolheria sim. Tentando limpar minha cabeça de sonhos impossíveis, peguei minha bolsa e a chave do quarto e comecei a sair pela porta, quando me lembrei de repente meu telefone. Eu não tinha nem pegado minha mala quando eu cheguei, porque não tinha certeza se tinha serviço internacional. Mais... para quem eu ia ligar? "Espere um segundo, Vincent. Vou verificar essa foto," disse, sentada na cama. "Nem sei como ficou, desde que a caverna era tão grande e meu flash era muito fraco." Eu cliquei no ícone da câmera, e lá estava: a última foto que eu tinha tomado. Tinha funcionado. Embora escuro em torno das bordas, onde o flash não tinha chegado, no meio da parede pintada era claramente visível... Eu ampliei a imagem com a ponta dos meus dedos... e em foco! "Oh meu Deus, Vincent? Você vê?" “Sim!” Ele disse. “É difícil de ler neste tamanho, mas se nós carregarmos no laptop do seu avô acho que seria legível.” "Vamos lá, então!" eu disse. Papy e Bran estavam sentados atrás de xícaras vazias de café, estudando um pedaço de papel. Vendo-me chegar, Papy derramou um copo do jarro sobre a mesa e sentei no lugar ao lado dele.


"Não há tempo para um café!" eu disse. "A imagem da caverna funcionou! Precisamos de seu laptop, Papy." Meu avô me deu a chave do quarto e eu estava de volta com o laptop em minutos. Conectei o meu telefone para nele, esperei um pouco até que a imagem apareceu, então selecionei a pintura com a re-encarnação e cortei todo o resto. "A imagem é muito semelhante ao que era na urna de Theodore," Papy concordou. "Veremos as palavras mais de perto?" Bran perguntou, inclinando-se para o computador. Aumentei, e a inscrição preenchida a tela. Quando Papy começou a traduzir do latim, Bran rabiscou em baixo no pedaço de papel. Um homem de barro é só lama até seu irmão derramar seu sangue. Hálito mortal animará os mortos próprios cinzas re-criar. Uma vez que esses elementos se combinam o resfriamento das chamas vão entrelaçar espírito com forma inanimada para vaguear alma para renascer. "Dos mortos próprio cinzas? Significa que as cinzas de Vincent?" eu perguntei, uma onda de frio de alarme varreu através de mim. "Isso é o que parece sugerir," disse Papy. Ele limpou a garganta e parecia desconfortável. "Existe alguma maneira de termos as cinzas de Vincent?" "Duvido muito," eu disse. "Faz dias que Vincent foi queimado." Senti-me doente. Eu não podia acreditar que tinha vindo de tão longe só para executar um problema insolúvel. "Talvez Violette manteve suas cinzas. Para algum tipo de uso?" Bran sugeriu. “Não”, disse Vincent. “Para ambas as sugestões. Eu estava lá depois. E vi uma das pessoas de Violette varrer as minhas cinzas em um saco e despejá-lo no lixo. Foi uma das coisas mais horripilantes que eu experimentei”. Transmiti isso para Papy e Bran, e os dois caíram em silêncio. "Cinzas", disse, pensando a respeito. "Deve ser o que representa o símbolo da caixa". Papy assentiu com a cabeça. "E lembra a imagem esculpida no lado da urna fúnebre do Theodore? O homem com a tocha, segura uma caixa na outra mão. Faz sentido. As cinzas foram mantidas em caixas de pedra — tais como a urna apresentando aquela cena de re-encarnação."


Eu escolhi um muffin de cesto de pão e mastiguei em silêncio, enquanto os homens estudavam as imagens. "Bran, qual era seu poema?" eu perguntei. Ele me entregou o papel para mostrar o verso já transcrito para a página: isso é o que ele e o Papy vinham estudando quando eu cheguei. Eu li em voz alta: Homem de barro ao homem de carne e sangue imortal e vestígios de respiração humana fazem o traço de espírito que chamas dão a mente e o espírito de corpo. Eu estudei um pouco e disse, "onde o poema do Papy menciona 'cinzas', Bran menciona 'traços'." "Bem, eu traduzi a palavra bretã original como 'traços', mas também significa 'restos'," disse Bran, o interesse piscou em seus olhos. "Das cinzas continua," eu disse, meu cérebro trabalhando em dupla velocidade. "A cerimônia precisa de algo de Vincent para vincular o seu espírito para a figura de argila. Caso contrário o espírito dele é disperso." E então me bateu. "Eu tenho alguma coisa!" gritei, levantando sobre meus pés e puxando o fio em volta do meu pescoço. Debaixo da minha camisa, eu puxei os pendentes que nunca tirei: o signum e o momento mori que Jeanne tinha me dado. Os homens olharam para mim inquisitivamente enquanto segurava o medalhão em direção a eles. "Mantém um pouco de cabelo de Vincent". A adrenalina corria em minhas veias, me fazendo querendo correr de volta ao Met, arrastando Papy e Bran comigo, tentar de novo o ritual. Não podia acreditar que eu estava usando a peça do quebra-cabeça faltando em meu pescoço para os últimos dias. "Onde você conseguiu isso?" Papy perguntou. "Jeanne me deu. Ela mantém mechas de cabelo de todos os revenants sob seus cuidados em caixas." "Que estranho", comentou Bran. "A mãe dela fez isso e a avó dela, também. É, como, uma tradição de família." Papy bateu a tabela de excitação. "Que, obviamente, começou por causa de algo assim," ele disse. "Jeanne nem sabia o que ela estava fazendo, mantendo as coisas personalizadas, e talvez nem fez sua mãe ou sua avó. Mas algures pelo caminho, um guardião revenant começou essa tradição no caso de restos fossem necessários para esse procedimento de re-encarnação. Fascinante!"


"Então nós encontramos!" eu disse, tocando a mão de Papy e dispostos para me acompanhar. "Nós encontramos a solução. Melhor passarmos no Sr. Gold para informá-lo." "Eu tenho o número dele," disse Papy. Ele tirou seu telefone celular e começou a discar. Dentro de meia hora todos estávamos ao redor do queimador novamente, Jules vindo de táxi do Brooklyn no momento em que o Sr. Gold chamou. Um grande exaustor sugou a fumaça da tocha. Agora que era durante o dia, Sr. Gold estava preocupado de que os transeuntes na rua acima ou no Museu, uma vez que aberto, cheiraria o fogo. Toda a bagunça da água de mistura com o barro do dia anterior tinha sido limpa durante a noite. Eu suspeitava que foi o trabalho do Sr. Gold. Sentei-me ao lado de Jules, que estava distintamente verde. "Você está bem?" perguntei. "Não estou tão animado sobre cortar o meu braço aberto novamente," ele disse, usando uma tesoura pequena para cortar cuidadosamente os pontos que tinha sido dado na noite anterior. "Vale a pena o Vincent — claro. Mas vou tentar cortar no mesmo lugar assim, não terei duas feridas principais para gerenciar até estar dormente dentro de duas semanas." "Como foi ontem à noite com seus parentes de Nova York?" perguntei. "Bem," ele disse, me olhando com uma expressão que disse que ele não queria conversar sobre isso. "Conhece alguém na casa?" mantive. "Sim. Havia uns caras que vieram para a Europa para uma convocação há cerca de dez anos". Ele suspirou e olhou para baixo para os pontos dele, outro dos fios pretos de pequenos recortes. "Foi realmente muito bom. Eles tinham definido uma festa de boas-vindas-para-América para mim, que começou quando o médico costurou meu braço e durou até hoje de manhã." "Eu estava fora como uma luz," admiti. "Isso tem que ser uma das grandes vantagens da zombiehood: sem fadiga de vôo." Jules sorriu. Um sorriso verdadeiro de Jules. Gostei de ver. "Tudo bem, precisamos ir agora, antes que cheguem os primeiros funcionários," solicitou Sr. Gold. "Joy", comentou Júlio certo. Ele levantou e estendeu seu braço para me ajudar a levantar. Tomei meu lugar na escada de mão e olhei sobre a borda do thymiaterion em Clay Vincent. Jules ficou à minha direita e Bran diretamente em


frente de nós enquanto Papy preparou-se com a tocha. Um silêncio nervoso se estabeleceu ao longo do nosso pequeno grupo. Bran espalhou as mãos para fora, e Jules era só levantar a faca quando ouvi Vincent diz não! "O que está acontecendo, Vincent?" perguntei. Todos congelaram. “Violette está me puxando de volta. Sinto-me sendo puxado daqui”. "Lute, Vincent"! insisti. "O que é?" Perguntou o Sr. Gold. "Violette está tentando recuperá-lo!" "Ele ainda está aqui?" gritou Papy. "Sim, mas eu posso vê-lo sendo puxado para cima — embora pareça que ele está resistindo. Precisamos agir rapidamente," disse Bran e espalhou suas mãos acima do formulário de argila. Abri o medalhão, puxei a mecha de cabelo de dentro e fiquei ali, querendo saber o que deveria fazer com ele. Então, tomei decisões em frações de segundo, eu o pressionei firmemente ao lado do ombro do homem de barro com meu polegar. Não vi Jules cortar seu braço uma segunda vez. Eu não poderia assistir. Mas lá estava, sangrando profusamente novamente no topo do golem, quando eu dobrei para frente para soprar levemente sobre a face. Eu vi o Bran subindo em direção a aura de Vincent invisível para mim. Ele fez um movimento quando ele estava agarrando-o e retirando-o em relação ao homem de barro. “Kate” veio a voz de Vincent. “Não sei se posso lutar...” a voz dele desapareceu. "Ele ainda está aqui?" eu chorei, olhando descontroladamente em toda a Copa para Bran. Bran olhou para cima e balançou a cabeça. "Não. Ele se foi." Papy abaixou sua tocha. Sr. Gold ficou ao lado do balde de água, indefeso. Jules abaixou o braço sangrando para descansar na borda do thymiaterion e levantou a outra mão na testa. Nem acreditei. Estávamos tão perto de trazer de volta Vincent e Violette escolheu este momento crucial para recuperá-lo. Um ódio que eu nunca havia sentido antes se definiu em todo o meu corpo em chamas. Ela não faria isso. Violette não tomaria Vincent para longe de mim. Isto não seria o fim. Fúria e choque de que só tinha acontecido forjaram juntos como ferro em meu peito.


Alimentada por algo maior e mais velho do que eu — algo primordial — ordenei, "Volte, Vincent. Agora!" minha voz ecoou pela sala cavernosa. E então, tão alto era como um megafone posicionado ao lado do meu ouvido, eu ouvi, “Estou de volta. Mas não por muito tempo. Fazê-lo rapidamente!” "Ele voltou! Fique!" Eu gritei. Papy se adiantou e levou a tocha para a figura de argila. Quando o ar em torno dele explodiu em chamas azuis, Jules pulou para trás e eu caí da escada de mão no chão. "Vincent! Não deixe cair!" Eu gritei, lutando com meus pés. Meu coração batendo violentamente pegou o lado da Copa de metal e soltou-me para assistir. As chamas brilharam mais altas, formando uma bola de fogo gigante, que eclodiu em seguida com um som sibilante como um grande vento, deixando pequenas chamas azuis lambendo sobre e ao redor do corpo como um queimador de parafina. Bran estendeu suas mãos provisoriamente em direção ao fogo. "Frio. As chamas estão frias, como as chamas' refrigeração' na inscrição que você encontrou Kate," disse ele, olhando para mim. "Deve estar funcionando." Enquanto ele falava, as bordas do homem argila começaram a cintilar, quando o ar fez um calor intenso, e a forma de caroço gradualmente tornou-se mais homem. "Algo está acontecendo!" eu chorei. Eu estava paralisada pelo choque e esperança. "Por favor deixe-o ficar. Volte, Vincent. Você tem que voltar," eu sussurrei, suplicando. O barro vermelho tornou-se verde-oliva em tons de pele, e na careca ondas de cabelos pretos. O rosto que Jules tinha cuidadosamente esculpido tornou-se um verdadeiro nariz e boca e olhos, fechados como se estivesse em sono. Mas estava lá, imóvel e imóvel até, enfocando o ar logo acima, Bran, gritou, "vem, espírito de bardia, habita esse corpo!" Ele fez um gesto largo final, como se puxando para baixo a aura e tocou os dedos ao lado do corpo. Abriu os olhos e Vincent tomou um grande suspiro de engolir, como se tentando engolir todo o oxigênio na sala. "Vincent", eu disse, meu coração na garganta. Os olhos dele voaram para os meus. Ele chegou em minha direção, e eu peguei sua mão e apertei-a contra a minha bochecha. Sua pele estava quente, como com febre. Eu beijei seus dedos e a pele dele cheirava a fogo e terra molhada. Como o rapaz que pensei que nunca iria tocar de novo.


VINTE E SETE Não foi até o senhor Sr. Gold e Jules tinha ajudado Vincent para baixo fora do thymiaterion que percebemos que tínhamos esquecido um elemento essencial para ressuscitar um espírito em um corpo novinho em folha. Roupas. Esta foi a primeira vez para mim. A maior parte do corpo de Vincent tinha visto até agora foi pós-treino com apenas uma toalha na cintura. Mas percebendo o Papy incisivamente olhando para mim, me virei e cruzei os braços, esperando até que os outros o envolviam num cobertor de prata antes de me jogar nele. "Kate", ele disse, cambaleando um pouco e então me puxou firmemente para ele e beijou o topo da minha cabeça. Eu segurei minha boca para um beijo de verdade... e seus lábios eram como uma revelação. Como nosso primeiro beijo, apenas uma centena de vezes melhor. Vincent fracamente sorriu para mim, e então seus olhos fechados como a cabeça dele caiu para frente e ele veio para os meus braços. Foi quando eu encontrei-me com todo seu peso. Jules correu mais para me ajudar a segurar o corpo inconsciente do Vincent de cair no chão. Eu segurava sua cabeça no meu colo quando Mr. Sr. Gold verificou a pressão sanguínea. Ele repreendeu "Estúpidos somos nós,", "nós devíamos ter planejado ter comida e água para ele. Ele provavelmente está em um estado semelhante ao despertar da letargia — terrivelmente fraco e precisa de nutrição. Vamos levá-lo para casa rapidamente." "Nós não podemos levá-lo para fora na rua nu," disse Papy. Jules tirou a camiseta dele e eu o ajudei a vestir por cima de Vincent, braços e cabeça. Puxei a camiseta que ele tinha reserva enquanto ele sangrava, Jules disse, "dá-me as chaves, Theodore. Vi macacões de alguns operários no estúdio de restauração, onde temos o barro". Dez minutos depois estávamos fazendo nosso caminho para fora do corredor gigante, tecelagem e descendo as passagens, até que chegamos a uma porta de serviço pequeno onde não havia nenhum guarda para testemunhar um inconsciente Vincent transportado entre Jules e o Sr. Gold. Conseguimos tirá-lo do outro lado da rua e no prédio do Sr. Gold com apenas alguns olhares curiosos dos transeuntes de manhã cedo. Uma vez dentro da segurança do apartamento, Jules e o Sr. Gold deitaram Vincent em um dos sofás da sala de estar.


"Oh. Estou sangrando de novo," Jules disse simplesmente, olhando o sangue correndo pelo braço. Nosso anfitrião saiu em um flash e retornou com uma bandagem de linho. Ele envolveu firmemente ao redor da ferida de Jules antes de levá-lo para outro sofá e persuadi-lo a deitar-se. Vincent estava respirando, mas ainda não consciente. Bran sentou-se ao lado dele e estudou o rosto de papel branco. "A aura dele é muito fraca", comentou. "Rapidamente. Temos que conseguir algum alimento para Vincent. A cozinha é ali," Sr. Gold falou do lado de Jules. Papy e eu entramos no corredor e começamos a vasculhar uma cozinha impecavelmente limpa toda branca em busca de comida e bebida. Peguei uma bandeja no balcão e a carreguei com uma tigela de amêndoas, algumas bananas, alguns potes de iogurte francês, e um naco de pão integral e Papy adicionou uma caixa de suco de laranja e garrafa de água na geladeira. Quando voltamos para a sala de estar, Sr. Gold estava ao telefone, informando ao seu médico que venha imediatamente; que era uma emergência. Sentei no sofá ao lado de Vincent e, sustentando sua cabeça para frente com uma mão, derramei um pouco de água através de seus lábios. Logo que o líquido atingiu a traseira de sua garganta, ele engasgou e sentou, abrindo os olhos e olhando ao redor descontroladamente. "Onde estou?" ele perguntou e então, vendo meu rosto, ele imediatamente relaxou. E, finalmente, agora que a crise acabou isso foi como se um interruptor tivesse sido lançado e o quarto entrou em erupção em um frenesi de alegria. "Conseguimos"! Sr. Gold exclamou, fazendo um dança comemorativa engraçada. "Graças aos deuses,", Jules disse com um olhar de alívio oprimido e voltou para o sofá. Papy começou a bater palmas, que encorajou o Sr. Gold para adicionar um chute para o fim de sua dança, antes de passar por cima de Bran e apertando-o em seus braços, acariciando suas costas firmemente. "Você conseguiu!" Sr. Gold aplaudiu. Bran ficou ali olhando tímido, mas seus olhos brilhavam em vitória. "Não acredito".... ele disse. "Minha primeira ação como um guérisseur foi uma re-


encarnação de um espírito de morto-vivo. Se ao menos a minha mãe pudesse ter visto isso." "Toda a linha de guérisseurs antes de você ficaria orgulhoso e aqueles que vêm depois falarão deste evento com admiração," disse o Sr. Gold. Bran lançou um olhar ferozmente orgulhoso enquanto que ao mesmo tempo tudo o que ele queria fazer era ir a algum lugar para se esconder. Só fiquei radiante de alegria e alívio, meu amor a transbordar quando eu toquei o rosto de Vincent e acariciei seus cabelos. "Como se sente, mon amour?" Eu perguntei, roubando seu apelido para mim. "Minha vista está muito embaçada," ele disse, piscando. "Estamos no apartamento do Sr. Gold, certo?" "Certo", confirmei. "Estamos no apartamento do Sr. Gold e estou tocando seu cabelo e olhando em seus olhos e ouvindo a sua voz real e... Quase não acredito." Quando me inclinei para frente para escovar meus lábios contra o seu, meu coração parecia que ia explodir. "Não sou médico, mas acho que ele precisa de mais alimento do que beijos," brincou o Sr. Gold. Corando, segurei o copo de água para Vincent quando ele bebeu profundamente, depois pegou algumas amêndoas da tigela e derramou-as em sua mão. Colocando em sua boca, ele deitou sua cabeça de volta no meu colo e mastigou, nunca tirando os olhos de mim. Ele segurou minha mão como se estivesse com medo de ter sido varrido para o éter. Usando o braço livre, dei-lhe uma banana e mais água e um pouco de cor começou a voltar em suas bochechas. Depois de esperar um pouco enquanto, Bran perguntou, "você pode falar?" Ele e o Papy tinham puxado cadeiras ao lado do sofá de Vincent e o assistizm com olhares curiosos. "Talvez você devesse esperar", sugeri, mas Vincent apertou minha mão. "Não faz mal," ele disse. "Então o que exatamente estava acontecendo quando a antiga tentou puxá-lo de volta para ela?", perguntou o guérisseur. Vincent encarou até o teto, tentando se lembrar. Ele exalou profundamente. "Eu estava lá em cima, apenas numa espécie de pairar," ele disse. "Então, de repente, fui puxado para cima e varri a cidade em direção ao oceano Atlântico. E então eu ouvi a voz de Kate," ele disse, mudando seu olhar para mim, "e de


repente tive a força para abrandar o movimento, então parei com tudo e me movi na direção oposta até estar com vocês." "Talvez a grande distância física entre você e a Violette reduziu o poder do vínculo," sugeriu Papy. "Talvez", disse Vincent. "Ela não saberia que eu estava no meio do outro lado do mundo, quando ela me chamou de volta para ela." "Em qualquer caso, você está de volta," disse o Sr. Gold, deixando de lado a Jules. "E conseguimos fazer algo que não tenha sido feito — que eu saiba — há séculos. Um evento inovador na relação entre a Bardia e a flama-apontado recentemente renovada," disse ele, dirigindo esta última declaração para Bran. "Obrigado... todos vocês," Vincent disse, olhando ao redor da sala, "por sua ajuda e" — ele olhou para Jules — "por sua devoção." Eu teria me aninhado com ele lá se meu Papy não tivesse sentado bem em frente de nós. Além disso, fiquei com medo de quebrá-lo. Ele estava tão fraco. "Não é preciso agradecer," disse Sr. Gold. "Estamos nisto juntos. Agora temos que planejar sua recuperação e avaliar quando você será forte o suficiente para retornar a Paris. Mas, as primeiras coisas primeiro." Ele pegou o telefone e discou. "Gaspard," ele disse depois de uma curta espera, "Sim, Theo aqui. Eu tenho uma notícia muito boa." Você quer falar? Sr. Gold perguntou a Vincent, que assentiu com a cabeça e pegou o telefone dele. "Gaspard? Sim. Sou eu." Uma exclamação de surpresa era audível do outro lado da linha. "Espero que você mencione meu sacrifício extremo," gritou Jules do outro lado da sala. Quando Vincent começou a recontar a história a Gaspard, Papy aproveitou a oportunidade para fazer sua própria chamada. "Emilie chérie, a cerimônia de re-encarnação que te falei ontem à noite? Bem, nós tentamos novamente agora, e funcionou." Ele sorriu largamente para mim. "Sim, estamos todos extremamente aliviados. Naturalmente você pode falar com ela". Papy me emprestou o telefone, que eu tirei com uma mão, porque não queria largar a de Vincent por um segundo. "Querida, que notícia maravilhosa!", exclamou: minha avó. "Quando você vai voltar?"


"Um médico está a caminho agora", disse quando a campainha tocou. "Estamos apenas esperando para ver quanto tempo demora para Vincent ficar forte o suficiente para viajar, e nós estaremos de volta." Quando falei, entrou um homem com uma maleta de médico. Eu não estava surpresa ao ver que ele tinha a coisa de bardia-aura acontecendo ao seu redor: tinha duvidado de que Sr. Gold gostaria de pedir um médico mortal para atender a Vincent. Eles apertaram as mãos e foram para Jules primeiro. "Eu não costurei isto ontem?" ele perguntou com consternação. "Sim, bem, vamos chamar de 'distúrbio de stress repetitivo,'" Jules respondeu, então recuei quando o médico deu-lhe uma injeção anestésica perto do local da ferida. "Melhor eu ir, Mamie," eu disse. "Eu vou ter certeza de dizer a Geórgia suas notícias, e não podemos esperar para ver você e Vincent de volta aqui em casa. Dê um grande abraço por mim." Eu desliguei o telefone, confusa. Um abraço para Vincent — de Mamie? Esse gesto em si me lembrou do quanto ela me amava. Eu não conseguia parar aquele sorriso em meus lábios, e ao vê-lo, Vincent sorriu para mim. Mas desde que ele desligou com Gaspard, havia algo em seus olhos: de preocupação. Eu estava prestes a perguntar o que Gaspard lhe dissera quando interrompeu o médico. "Então o que temos aqui?" ele perguntou. Vincent levantou uma sobrancelha em direção ao Sr. Gold, que respondeu. "Vincent estava dormente após uma morte violenta e não recebe o sustento por um bom tempo após o despertar." Não é completamente uma mentira. Eu suspeitava que a história de reencarnação não era algo que Sr. Gold queria espalhar por aí. Quem diria quais laços Violette ainda realizava no mundo "Revenant"? Só passaram uns dias desde que a traição tinha sido descoberta. Levantei-me para que o médico pudesse sentar e tirar pressão de Vincent. Bran mudou-se do outro lado da sala e começou a fazer anotações em um de seus livros encadernados. Adicionando um evento inovador para os registros de flama-dedo, pensei. Sr. Gold e Papy ficaram ao lado de uma janela de conversa. "Durante o tempo que temos de esperar por Vincent para recuperar, eu adoraria voltar ao Museu e mostrar a coleção de forma mais aprofundada, agora que não temos mais problemas em nossas mentes," Sr. Gold estava dizendo quando eu fui até eles.


"Isso seria uma honra que eu não poderia deixar passar, Theodore," Papy disse. "Por favor me chame Theo. Você também, Kate," ele disse, piscando para mim. "Só se você me chamar Antoine," disse Papy e agarrou o braço de Theo calorosamente. "Você vai ficar bem," ouvi o médico dizer para Vincent. "Mas eu recomendo fortemente o repouso no leito para o próximo par de dias." "Dois dias"? Theo disse. "Dois ou três", o médico esclareceu, dobrando seus instrumentos e colocando-os de volta em sua maleta. Vincent esperou até Theo fechar a porta atrás do médico antes de falar. "Isso não será possível," ele disse, tentando se sentar. "Por que não?" Theo pediu, olhando surpreso. Vincent se inclinou a cabeça na almofada do sofá e disse com uma voz fraca, "porque temos de voltar a Paris, a guerra já começou."

VINTE E OITO "O QUE É ISSO QUER DIZER?" perguntou Theo, horrorizado. Ele caminhou por cima e sentou-se ao pé do sofá. "Gaspard acabou de me informar que numa tem chegado a Paris em grandes números. Nosso parentesco de toda a França estão deixando suas próprias cidades e indo em direção a capital. Não há sinal de Violette, mas ninguém questiona o fato de que ela está orquestrando uma ofensiva contra a Bardia." A voz de Vincent foi desaparecendo. "Tudo bem. Chamo Gaspard de volta para obter mais detalhes sobre os acontecimentos em Paris. Mas você não seria de nenhuma ajuda neste estado. Você tem que recuperar antes que possamos até mesmo pensar em colocá-lo num avião." Vincent nem tentou argumentar com Theo. Ele não tinha energia. Jules sentou-se ao ouvir o anúncio de Vincent. Theo perguntou, "quanto a você? Está se sentindo melhor?"


"Ainda fraco, mas nada que um bom sanduíche não cure," disse, embora ele parecesse um pouco confuso para mim. Theo pegou o telefone e fez um pedido em uma lanchonete e então telefonei para Gaspard perguntando sobre o estado das coisas em Paris. Quinze minutos depois, nós todos estávamos comendo uma variedade de sanduíches enormes, salmouras de aneto crocantes e microplaquetas de batata salgadas. Vincent parou depois de um par de mordidas. "Estou cansado demais para comer", disse. "Embora não quero tirar meus olhos de você por um segundo, vou precisar de descanso, mon amour," ele disse seus olhos em chamas quando ele tocou minha bochecha com as pontas dos dedos. Eu enrolava uma mecha de cabelos em meus dedos e sorri, sentindo-me como dezessete anos de natais, aniversários, e desejando em estrelas cadentes que tinha tudo sido combinado para este momento. Eu era a garota mais sortuda do mundo. "Sinta-se livre para usar o meu quarto," ofereceu Theo. "Exausto demais para andar, também. Sofá está bem", respondeu Vincent. E então ele virou de lado para trás do sofá e fechou os olhos. Cobri-o com um cobertor que Theo tinha trazido, em seguida, deixei a cadeira ao lado do sofá para me juntar aos outros em uma mesa perto da janela. "Diga-me o que aconteceu com Violette," Theo perguntou a Jules, que começou a contar a história, desde o momento que Violette e Arthur tinham se mudado para La Maison e continuando até que descobrir que ela tinha traído a Bardia toda e agora era o líder de Paris. "Ela disse para Kate, aqui", disse Jules, acenando para mim, "que seu plano era derrubar Jean-Baptiste e seus parentes usando a força do numa e a força roubada do campeão, que ela acreditava que era Vincent. Ela tinha aprontado sua destruição — tinha o convencido de que seguindo o caminho escuro poderia ajudar a aliviar a dor de resistir à morte, quando ele na verdade foi enfraquecendo até o ponto em que ela poderia facilmente derrotá-lo." "E você tem certeza que Vincent não é o campeão?" Theo perguntou a Bran. "Cem por cento," afirmou Bran, segurando um picles e estudando-o cuidadosamente antes de mordiscar fora uma extremidade. Ele fez uma careta e o colocou mais longe dele quanto possível em seu prato. "Como pode ter tanta certeza?" Papy perguntou, mas depois parecia envergonhado em ter entrado em uma discussão de sobrenatural.


Theo abanou a cabeça. "Você agora carrega nosso signum, Antoine. Você participou da cerimônia de revenant mais mística que já testemunhei. E sua filha é a amada de um bardia. Você tem o direito de fazer perguntas." "Obrigado," disse Papy. "É por causa da sua aura", respondeu Bran. "Ele tem a aura de morto-vivo, que a flama-dedos descreve como 'uma aura como um incêndio florestal'. Mas a profecia diz que a aura do Victor 'brilha como uma estrela de fogo'. Aura de Vincent não é diferente da de Jules. Ou sua própria," disse ele, acenando para Theo. "Então, como sabemos que o Victor está mesmo aqui?" Theo pediu. "Ele não está aqui. Ele ainda está por vir," Bran disse, empurrando o prato com um gesto curto. "Mas não vai deixar Jean-Baptiste desfilar todos bardia de Paris na sua frente para verificar?" eu perguntei. "Por que você faria isso se você tem certeza que o Victor ainda não estava aqui?" Bran encolheu os ombros. "Essa foi a sugestão dele, não minha. E ele parecia muito determinado." "Mas como você sabe que o Victor está vindo?" Theo insistiu. "Porque eu sou o VictorSeer. Eu não teria me tornado isso se logo não houvesse um vencedor para ver," Bran respondeu firmemente. Um silêncio estabeleceu-se na sala, enquanto todo mundo olhava para Bran. Ele ficou nervoso e desconfortavel. "Como sabe que você é o VictorSeer?" Jules perguntou, inclinando-se para a frente nos cotovelos e apertando as mãos juntas. "Eu senti acontecer quando eu toquei a mão do seu líder. Nesse momento, eu recebi o presente. "Eu sei que eu tenho tão claramente como a minha mãe sabia que não tinha isso, ele disse simplesmente, como se fosse a coisa mais óbvia do mundo. "Então como você sabe que o campeão está vindo durante sua vida," disse. "Mas por que era Violette, então se ele vinha logo?" "Profecia dos revenants é a mesma que a flama-dedos", respondeu Bran. "É terceira idade do calendário "Revenant" e tem sido desde a Revolução Industrial. Então ela obviamente espera desde então. Ela deve ter pensado que ela viu as características do campeão exibidas pelo Vincent."


"Minhas orelhas estão queimando", chamou Vincent do outro lado da sala. "Como está minha garganta. Dá-me um pouco mais de água, por favor?" Eu saltei por cima e puxei a mesa de café com os refrescos para perto do sofá de Vincent. Os homens e Theo começaram a limpar a mesa. "Nós realmente devemos deixar Vincent descansar em paz, para que ele se cure o mais rápido possível," ele disse. "Eu quero ficar com ele," insisti. "Claro, minha querida" assegurou Theo. "Mas o restante de vocês gostariam de se juntar a mim para uma turnê mais expansiva da coleção "Revenant" no Museu?" Papy e Bran rapidamente concordaram, mas Jules caminhou de volta para o sofá e deitou sobre ele. "Agora que as minhas responsabilidades de sangria acabaram, eu acho que eu vou ficar aqui também," ele disse, fechando os olhos. Uma vez que os outros homens estavam fora, sentei-me ao lado de Vincent observando-o por um tempo. Sua respiração era superficial, e embora eu soubesse que ele não estava dormindo — não conseguia dormir... até sua próxima letargia — parecia que ele não estava bem aqui também. Deixei-o descansando e fui cavar através da estante do Theo, fixando-me em um livro de mesa de café sobre NY de Edith Wharton. Não me surpreendi pelo menos quando eu vi a menção de um Theodore Sr. Gold sendo um do círculo da Wharton e sorri quando o avistei entre uma multidão de pessoas em um baile de sociedade, usando uma coroa e uma cartola. Eu ficava verificando Vincent, mas depois de algumas horas, como ele não se movia, eu coloquei o meu livro de lado e passei a olhar para fora das janelas. Ouvi o movimento do outro lado da sala e me virou para ver Jules assistindo-me do seu sofá. "O quê"? perguntei, de repente sentindo auto-consciente. "Oh, nada," ele respondeu. "Basta que você vá todo o caminho de volta para casa e passa seu tempo todo aqui enfiado em um apartamento. Meio deprimente, não é?" "Bem, eu vi uma coleção secreta de arte com temática sobrenatural, escondida no porão do Met. Eu que não sou tão ruim," retrucou com uma carranca trocista. "Quer dar uma volta?" Jules perguntou, levantando-se do sofá e caminhando em minha direção. "É minha primeira vez em Nova York, e se eu não passar para fora pela perda de sangue, eu gostaria de ver um pouco mais. Dá-me a honra de ser minha guia?"


"Mas eu não deveria deixar...", eu comecei. Ele pegou minha mão e me puxou em direção a porta. "Vincent vai curar mais rápido sem você oscilando em torno dele e se preocupando. Bem, Vince?" Jules chamou quando ele agarrou nossos casacos. Vincent murmurou, "Jules Show de Nova York, vá Kate ou nunca vai ouvir o fim disso," e puxou o cobertor superior à volta da cabeça. "Viu"? Jules me disse e abriu a porta para o corredor. "Descanse homem," ele disse de volta para Vincent, sua voz agora completamente séria. "Só o trouxemos de volta. Agora precisamos ficar mais forte."

VINTE E NOVE "Estamos apenas deixando Vicent por poucas horas, certo?" Eu perguntei quando fomos rumo ao elevador, de repente com medo que ele pudesse desaparecer enquanto estávamos fora. "É tempo suficiente para me levar até o Empire State Building?" Jules pediu. Estudei seu rosto para ver se ele estava brincando. "Você realmente quer ir para o Empire State Building"? perguntei. "A coisa mais turística a fazer em Nova York?" Ele assentiu timidamente. "Eu sei. Mas como pode faltá-lo? Eu vi o King Kong original em 1933 e tenho vontade de ir desde então." "Assim que seu interesse é puramente do ponto de vista cinematográfico da história”, eu brincava com ele. Abriram as portas do elevador e Jules estendeu sua mão bravamente para permitir-me sair primeiro. "É isso", ele disse uma vez novamente confiante, “bem como o fato de que eu sempre sonhei com uma linda garota de pé no topo do Empire State Building." Quando Jules e eu voltamos para o apartamento do Theo, todos já tinham se reunido para o jantar. Vincent tinha apoiado umas almofadas atrás dele e agora estava sentado. "Para você!" eu disse, segurando a sacola enorme de roupas e sapatos que tínhamos comprado na Macy depois que terminamos o passeio de turistas. "Um presente especial para uma recuperação especial rapaz morto," Jules brincou, visivelmente aliviado ao ver que seu amigo parecia mais forte depois de


apenas algumas horas. "Nós pensamos que você poderia querer trocar de macacão em alguma hora e eu gostaria de ter minha camisa de volta." "Assim que eu tomar um banho”, disse Vincent. "Eu peguei pequenos pedaços de barro no meu cabelo. Não é brincadeira." Correu os dedos por seus cabelos pretos e fez uma careta. Parecia o velho Vincent novamente, Vincent não débil que estava perto da morte esta manhã. "Já comeu?" perguntei, sentando ao seu lado no sofá. "Não ligo para comida. Vem cá," ele disse, e tomou meu rosto em suas mãos firmemente e beijou minha testa, em seguida, os meus lábios, analisando o local quando ele fez isso para ver se Papy estava olhando, ele estava. Então, o beijo foi curto e doce. "Mais tarde", ele sussurrou. "Você deve ficar aqui esta noite, Vincent," disse Theo, que estava espalhando uma impressionante variedade de menus de refeição para viagem na frente de Papy e Bran. "Mesmo que você está se sentindo mais forte, não acho que deveria mudar para o hotel até amanhã. E eu já marquei seu avião para sair na manhã seguinte." "Estamos aqui mais de um dia e meio"? Vincent perguntou, surpreso. "Mesmo que Jean-Baptiste precisará de Jules e de mim antes disso." "Na verdade", Theo disse severamente, cruzando os braços, "esta manhã ao telefone, Gaspard disse-me que Jean-Baptiste não permitiu seu retorno antes disso. Ele diz que ele precisa de você para ser forte, para não voltar em um estado debilitado. Ele me pediu para garantir sua saúde. Bran analisou alguns menus e anunciou, "Estou intrigado com os menus para" — ele olhou mais de perto para eles — "do Sal gordo e Burritoville. E o que é essa comida... chamado bagels?" Papy, Bran e eu retornamos ao nosso hotel depois do jantar, antes das 21 horas. Estávamos todos exaustos dos acontecimentos do dia. E, no meu caso, pelo menos o cansaço da viagem estava acabando. Quando chegamos ao apartamento na manhã seguinte, Theo e Vincent estavam nos esperando. "Por que demorou tanto?" Vincent murmurou enquanto ele encostou-se ao meu pescoço. "Você poderia tomar café da manhã aqui." "Na verdade não comi", disse rindo e então tremi quando ele mordeu minha orelha com os lábios.


"Papy e Bran acordaram cedo, mas usei a meia hora extra para dormir. Eu teria vindo mais cedo se eu soubesse que você estava esperando." Ele recuou e sorriu para mim. "Eu estou acordado toda a noite." "Não quis dormir," eu disse, revirando os olhos. "Vou dizer por aí que você está totalmente normal novamente. Como se sente?" "Eu me sinto ótimo. A sério. Eu teria sido capaz de voltar a Paris hoje. Mas Theo insiste em ficar por mais vinte e quatro horas no caso. E há também o fato de que eu adoraria ver um pouco da sua cidade natal, enquanto estamos aqui." Ele escovou meu cabelo para trás do meu ombro. "Você está linda", disse ele. "Deve ser o ar de Nova Iorque," eu respondi, sentindo minhas bochechas avermelhar. "Então, a poluição te faz bem, ma chérie," ele respondeu. "Jules ofereceu-se para andar a cidade com nosso parente hoje. E Antoine, Bran e eu estaremos fora no museu de novo," Theo anunciou. Virando-se para Vincent, ele perguntou: "tem certeza que quer sair hoje? Dou meu jogo extra de chaves se você precisar voltar para descansar." "Obrigado, mas eu poderia muito bem sair e voltar para o hotel," disse Vincent, pegando a sacola da Macy e agarrando minha mão, quando todos nós saímos para o corredor. "Bem, você tem meu número se precisar de mim," disse Theo, trancando a porta atrás dele. Papy e Bran pareciam francamente alegres em passar mais um dia no Museu, e sei pela sua conversa que Theo estava aproveitando a oportunidade sem precedentes para mostrar a coleção de "forasteiros". Quando nos retiramos, Theo disse, "Vamos nos encontrar para jantar no final do dia. Ver o restaurante naquela esquina?" Ele apontou para um restaurante italiano, um quarteirão para baixo. "Que tal as 20 horas lá?" “Mas quero que volte para o hotel e descanse em algum momento durante o dia”, ele ordenou a Vincent. Vincent pegou minha mão e me levou para o lado oposto dos homens. "Primeira parada — hotel," ele disse. Ele estava repleto de energia, soltando seus dedos e brincando com meu cabelo enquanto caminhávamos. "Então você não quer ficar no Brooklyn com Jules e sua família?" perguntei maliciosamente.


"E ter um bairro inteiro longe de você?", ele disse, franzindo as sobrancelhas com uma expressão horrorizada de simulação. "Vocês estão tentando me matar tudo de novo?" Uma vez no hotel, Vincent, reservou um quarto e então levantou a sacola de roupa. "Eu só vou deixar isto e vamos para algum lugar comer. Sinto-me como uma enorme refeição caseira, como se vê em todos os filmes americanos". Eu ri. "Chama-se comida de conforto. E eu sei o lugar."

TRINTA Meia hora mais tarde e sobre setenta blocos ao sul, nós nos sentamos em um dos meus favoritos velhos amigos, o grande Café de Jones. Vincent estava acabando com um prato de Yankee de carne sufocada em molho e uma tigela de jambalaya de Louisiana que estava picante o suficiente para acabar com meu nariz. Que ajudou a encobrir um choro que de repente tomou conta de mim, até eu me engasguei tentando engolir minha comida. Alertado para as minhas lágrimas, Vincent pousa o garfo e pega na minha mão. "Kate. Está tudo acabado. Estou aqui agora. Violette não pode contactar-me mais." "Eu sei", disse. "Mas até no momento em que você começou a respirar, eu realmente não sabia se o veria de novo. Eu esperava, mas não acreditei... se você sabe o que quero dizer." Os lábios de Vincent se abrem em um sorriso. "Eu sei. Mas você tinha suficiente esperança para nós dois. Agora pare de pensar e come seu pirão — ou seja lá o que for." Eu ri, e — assim —deixei pra lá. Eu era capaz de empurrar o futuro incerto e o passado horrível de lado e concentrar-se plenamente em desfrutar o presente. Com o meu namorado vivendo, respirando. "Isso é tão bom", disse Vincent, levando um pouco de broa de milho jalapeño. "Não sabia se eu comeria outra vez, e posso dizer, papilas gustativas são algo que você realmente sente falta quando você não os tem." Eu ri. "Então você perdeu a comida. O que mais perdeu?" Ele levantou uma sobrancelha e me dando um sorriso sexy, abaixou o garfo no prato dele. "Eu perdi isso," ele disse, passando as pontas dos dedos e descendo no meu braço, fazendo-me estremecer.


"Sim, eu perdi isso também," eu disse, tentando parecer indiferente quando eu tomei um gole de chá gelado. "Só isso?" Vincent esmiuçou. "Ok, muitas outras coisas," eu admiti com um sorriso astuto. "Vamos tirar o tópico de mim e minha ex incapacidade para satisfazer a sua luxúria." Minha boca caiu aberta e ele riu. "Não, realmente. Como é voltar para sua cidade natal?" "Bem", disse, considerando a questão. Eu coloquei meu copo para baixo e cruzei os braços, olhando ao redor da sala e absorvendo meus arredores. "É na verdade incrivelmente surreal. Estive fora por um ano e meio, mas parece que toda a vida. Eu não me sinto mais a mesma pessoa. A vida em Paris é a minha realidade agora. Parece que a vida em Nova York foi um sonho. Sinto-me... desligada." Vincent colocou a mão por cima na mesa. Eu libertei meus braços de meu torso e coloquei a mão na sua. Ele esfregou a palma da minha mão com as pontas dos dedos. "O que você pode fazer para reconectar?" ele perguntou baixinho. "Eu tinha pensado sobre isso," confessei. "Houve uma coisa que eu tinha considerado fazer. Mas não tem que vir comigo, se você não quiser." Disse-lhe o que era, e seus olhos se arregalaram. Ele se recostou na cadeira e balançou a cabeça em admiração. "E só levou minha ressurreição para convencê-la a fazer isso." "Eu realmente pensei nisso por um tempo," disse. E sair sem meu telefone, eu tomei a decisão que eu tinha imaginado fazer durante meses. Uma hora depois, estávamos na varanda da frente de um triplex do Brooklyn. A porta abriu, e minha amiga Kimberly ficou ali parada com um olhar selvagem nos olhos dela antes de gritar e atirar-se sobre mim. "Kate!" ela gritou. "Nunca pensei que a veria de novo!" Ficamos lá apertando a vida fora de nós por um bom minuto antes dela soltar e recuar. Limpando as lágrimas de seus olhos, ela olhou para cima para Vincent. "Bem, bem. Quem temos aqui?" ela perguntou. "Eu sou Vincent," ele disse, estendendo os braços para apertar a mão da Kimberly. "Uh-uh. Acho que não," ela disse, plantando suas mãos em seus quadris e olhando para ele com ceticismo. "São vocês a razão pela qual Kate tem ignorado os amigos dela desde que ela chegou a França?"


"Não, ele é a razão pela qual tive a coragem de se reconectar com você depois de tanto tempo," respondi para ele. "Bem, então," ela disse, abrindo um sorriso. "Você recebe mais do que um aperto de mão!" Ela jogou os braços ao redor dele e, enquanto apertava-o em um abraço de morte, espiou em torno do ombro e com a boca, Oh meu Deus, ele é lindo! "Eu gosto de seus amigos", disse Vincent, tomando minha mão quando descemos numa rua ladeada de árvores imponentes e casas brownstone — cada uma situada atrás de seu próprio quintal minúsculo. Mas Vincent não estava olhando para nosso ambiente. Ele estava estudando-me com um brilho estranho nos olhos dele. "O quê"? perguntei. "Oh, estou revelando o fato de que acabei de testemunhar um lado seu que eu não tinha visto anteriormente: Kate histórica. Como você era antes de te conhecer." Eu sorri, vendo nossos pés pisarem no mesmo pavimento que tive ido junto... desde que comecei a andar. "Meus amigos gostaram de você também," respondi. "Mas que era bastante óbvio. Não tenho certeza de como eles se sentiriam o mesmo se soubessem o que eu sou," ele respondeu. "Confie em mim, não faria diferença para eles," eu disse, olhando para avaliar a expressão dele. Vincent levantou uma sobrancelha cética. "Quero dizer, uma vez que eles passarem por cima de seu choque e horror," Claro, eu disse com seriedade falsa. Passamos a tarde indo da casa de um amigo para a próxima, até que tivéssemos reunido um grupo de seis e depois fomos para um café local — nosso velho ponto de encontro favorito. Não tive nem de me preocupar com Vincent sentindo deixado de lado. Ele era tão educado e interessado em todos que meus amigos caíram sobre ele para incluí-lo, adotá-lo imediatamente. Parecia que eu nunca os tinha deixado. E ao mesmo tempo, tudo tinha mudado. Minha vida estava na França, com meus avós. E Vincent. "Acha que você vai voltar?" Kimberly perguntou. E pela primeira vez, eu realmente tentei imaginar. Com tristeza, percebi que, além de meus amigos, eu não tinha mais nada para vir buscar. Quando Vincent e eu finalmente saímos, todos prometeram vir nos visitar — se seus pais deixassem — durante o verão. Mas assim que meus amigos tinham desaparecidos, a minha mente mudou de seu mundo — um mundo de aplicações


de lição de casa e bailes de formatura e faculdade — voltar à minha própria. Um onde minha segurança estava em risco por causa de um mau adolescente medieval morto-vivo. Pela centésima vez, tive a sensação estranha que eu estava vivendo um romance. Em uma história assustadora, cheia de suspense que não achava que era o fim para a minha vida. "É aqui", eu disse, quando paramos em frente a uma casa bonita, três quarteirões de onde deixamos os meus amigos. Eu estava diante do portão e olhei para minha casa. Eu tinha crescido nesta casa. Depois da morte dos meus pais, meus avós não queriam vender nossa em casa, então eles foram alugá-la até a Geórgia e eu decidirmos o que fazer com ela. Mas os inquilinos anteriores tinham saído no mês anterior, e estava vazia, as janelas escuras. Eu queria vir. Agora que eu estava aqui, eu não tinha certeza que queria enfrentar o material de prova de que minha família — como tinha sido — não existia mais. "Se não quer entrar, você não precisa," Vincent disse suavemente, sentindo minha hesitação. Incentivada por sua voz calma, forte, abri o trinco da porta de ferro fundido e puxei-o para o pátio comigo. Mas em vez de subir os degraus para a porta da frente, dirigi-me para uma bancada contra o muro do jardim. Sentei e puxei meus joelhos perto do meu peito, a abraçá-los para mim. Inclinada para trás, fechei meus olhos e fui transportada para o pátio da minha infância. O mesmo cheiro de pedra molhada e madeira. O ruído de fundo de carros dirigindo nas avenidas ocupadas em ambas as extremidades da minha rua. Eu tinha dez anos novamente e completamente absortos em Anne of Green Gables, enrolada no meu banco: minha própria máquina de tempo e lugar. "Mon ange, se apresse só um pouco," Eu ouvi, e eu abri meus olhos para ver Vincent em cima de mim. Eu balançando para a frente, e ele próprio encravado no banco atrás de mim, aliviando-me voltar a inclinar-me contra ele e envolvendo seus braços ao meu redor. E sentado ali embrulhada no corpo de Vincent, me senti segura o suficiente para revisitar as minhas memórias e dizer um último adeus aos meus pais.

TRINTA E UM De volta para o hotel, Vicent e eu paramos em uma livraria e passamos a próxima meia hora entre livros de língua inglesa. Foi o descanso perfeito entre a emoção de visitar minha casa e a formalidade do jantar com o resto do nosso grupo.


Quando chegamos ao restaurante, Theo estava sentado sozinho numa mesa no canto. Sentei-me em frente dele. "Cadê todo mundo?" perguntei, quando Vincent levou a cadeira entre nós. "Seu avô e Monsieur Tândorn enviam suas desculpas — eles estavam muito cansados para se juntar a nós. E Jules decidiu pular o jantar e ficar com o nosso parente," explicou Theo. "Ele vai encontrar amanhã no aeroporto." Assim que nossa comida estava na frente de nós e o servidor tinha deixado, Theo se resumia a negócios. "Para ser completamente honesto, Vincent, eu pedi aos outros para não vir esta noite. Preciso falar com você em particular, e presumi que você desejaria Kate para estar com você." Vincent parecia curioso mas não assustado, embora eu tinha sinos de advertência ressonando por todo o lado na minha mente. O que Theo precisa dizer a Vincent que os outros não podiam ouvir? Julgando o sigilo e a sua expressão perturbada, não era um mero "parabéns por estar vivo." Theo pegou o guardanapo e torceu ansiosamente por um momento antes o alisando em seu colo. Ele evitou os nossos olhos com suor frisado em sua testa. Finalmente ele falou. "Prometi a Jean-Baptiste que não falaria com você sobre isso, mas não posso mandar meus parentes franceses em uma guerra com isso dentro do meu peito." Ele respirou fundo e começou. "Eu disse que fui para Paris após a segunda guerra mundial, quando você e numa estavam lutando." "Sim", disse Vincent. "Você foi o único de seu grupo americano que sobreviveu." "Isso é correto," afirmou Theodore. "E o conflito numa-bardia terminou antes de eu partir." Ele se inclinou para frente, segurando suas mãos juntas e descansando os cotovelos na mesa. "O que você sabe sobre como isso foi concluído, Vincent?" "Bem, nós infligimos danos maiores sobre o que eles nos fizeram. Chamaram-me para um cessar-fogo. Jean-Baptiste passou uma ordem que não íamos propositadamente caçar numa. Isso seria visto como agravar a situação, o que poderia resultar em outra guerra, queima-se. Recentemente revogou essa ordem depois que Lucien terminou o Tratado de Paz por invadir nossa residência e tentar me destruir." Theodore fechou os olhos por um momento, como se decidindo se Vincent estava dizendo a verdade e então assentiu com a cabeça. "Isso é a ponta do


iceberg. O que aconteceu na verdade não é tão simples, infelizmente. Foi JeanBaptiste, que estava com medo de seus números, não o contrário. Quando ele sentiu que seus parentes corriam risco de ser dizimados, ele foi até Lucien para intermediar um acordo de paz — deixando numa nomear seus termos." Vincent levantou uma sobrancelha e olhou cético. "JB... fez um acordo com Lucien?" Theodore assentiu com a cabeça. "Jean-Baptiste não queria que você soubesse o que ele estava fazendo, então ele me levou — um estranho — para agir como seu segundo. Até hoje, nenhum de seus parentes, nem mesmo Gaspard, está ciente do que aconteceu nessa reunião." Rastejou um calafrio na espinha, quando meus pensamentos viajaram de, um acordo de paz com numa. O que está errado com isso? As negociações com o inimigo manteve segredo dos parentes. Não é tão bom. Era difícil acreditar que Jean-Baptiste iria reunir-se com Lucien e escondê-lo de seus parentes. Ele deve ter sido verdadeiramente desesperado para salvá-los da destruição. Mas ainda assim... "Eu não sabia onde Jean-Baptiste estava me levando até chegarmos lá," Theo continuou. "Ele me fez jurar segredo depois, dizendo que a sobrevivência dos revenants da França dependia de meu silêncio. Eu deixei a França no mesmo dia e nunca mais voltei a Paris. Quando Jean-Baptiste me telefonou no início desta semana, eu não falava com ele há décadas." Vincent sentou, olhando como se ele tivesse levado um tapa. "Peço desculpa, Sr. Gold. Não acredito nisso." "Isso deve de alguma forma soar verdadeiro para você, porque você não está com raiva. Ou na defensiva," afirmou Theodore, estudando o rosto de Vincent. "Eu acho que você acredita. Você apenas não quer." Vincent abaixou a cabeça nas mãos dele. "Quais foram os termos do acordo?" ele perguntou, sem levantar a cabeça. "Os dois lados concordaram que seus lugares permanentes de residência não poderiam ser atacados." Vincent olhou para cima nos olhos de Theodore. "Mas numa não mantêm estabelecimentos permanentes de residência". "Sim, eles fazem. Isso era parte do acordo. Como o partido declarando derrota, Jean-Baptiste cedeu várias de suas propriedades para Lucien. A casa em Neuilly.


Vários apartamentos no centro de Paris. Um prédio todo de apartamentos no bairro République." Não podia ser verdade. Jean-Baptiste dando suas propriedades para o numa. Não só deixá-los viver em seus lares, mas... a escondê-los? Eu entenderia fazendo concessões a fim de salvar seu clã, mas dando abrigo para o inimigo e não informando o seu próprio povo? Isso foi muito além de meras negociações. Senti mais como traição. Vincent parecia tão chateado quanto eu. Ele tirou o guardanapo de colo e esmagou-o entre as mãos. "Isso não é verdade," ele disse, balançando a cabeça em negação. "Ele aluga aqueles." Theodore sorriu tristemente para Vincent. "Quem cuida dos arrendamentos? É que ele sempre manda qualquer um de vocês para ver os lugares?" "Não, ele gerencia as propriedades," respondeu Vincent hesitante. "E quando Jean-Baptiste retraiu sua proibição de matar brutalmente numa, ele mencionou que era onde eles podiam ser encontrados?" "Não", afirmou Vincent, pendurado de cabeça na derrota. "Estes são os últimos lugares que iríamos procurar." "Muito compreensivelmente, ele não queria saber sobre seu negócio. É seu orgulho na linha. Ele foi muito longe nesta confusão e não consegue sair sem trazer vergonha sobre si mesmo. E ao telefone no outro dia, ele disse que esperava que não trouxesse 'velho negócio' à tona, que eu não tenho feito até agora. Mas não em boa fé te vou mandar de volta a Paris alheio do que foi feito. "Não é o perigo do numa ter esconderijos secretos que me incomoda. É o fato de que você irá seguir um líder que abordou o dobro nas costas do seu próprio povo. Que não colocou todas as suas cartas na mesa para seu próprio povo ver — apesar do perigo que poderia trazer-lhes." Theo pegou seu copo de água, tomou um gole e em seguida, colocou-o firmemente na mesa. "Um líder que faz acordos secretos com o inimigo não deve estar em posição de tomar decisões para sua família neste momento crucial. Se Violette está determinada a derrubar os revenants Paris — com o poder do campeão ou sem — ela é um grande perigo. E você vai precisar de alguém que você pode confiar com sua vida para levá-lo nesta luta." Ele se inclinou para frente até Vincent encontrar os olhos dele. "Eu sei que Jean-Baptiste é como um pai para você," ele disse. "Mas eu peço, Vincent Delacroix, que transmita esta informação para seus parentes. Caso contrário, quando chegar a hora e a batalha começar, o sangue deles estará em suas mãos."


TRINTA E DOIS Fizemos nossas despedidas para Theodore, prometendo atualizá-lo sobre os acontecimentos em Paris e depois fomos para o hotel em silêncio. Vincent ficou profundamente perturbado pelo que Theo lhe dissera, e percebi que ele estava indo sobre cada detalhe da conversa. "Você está bem?" perguntei quando entramos no lobby do hotel. Vincent apertoume a ele e beijou o topo da minha cabeça distraidamente. "Sim. Quero dizer, não. É difícil imaginar Jean-Baptiste escondendo algo assim de nós por muitos anos. Faz-me sentir como se eu nunca soubesse quem é ele." "Ele só estava tentando proteger a todos," eu disse, jogando como advogado do diabo, mas não o sentia. "Eu sei. Mas a maneira que ele fez isso e o fato de que ele tem oferecido ao inimigo sua proteção sem informar-nos... Só não entendo." "Peço desculpa", eu disse, tendo ambas suas mãos nas minhas e procurando seu rosto até que ele olhou nos meus olhos. "Não, se desculpe," disse Vincent. "Você não precisa se preocupar com isso. E não posso fazer nada até eu voltar a Paris. Mas você precisa dormir se viajamos pela manhã." Vincent inclinou-se para baixo e levemente encostou seus lábios contra o meu, despertando 1 milhão de pequenas borboletas dentro de mim. "Vou acompanhá-la ao seu quarto." Cheirei-os antes de acender a luz. Lilases. Um enorme buquê de lilases brancas em um vaso na minha mesa de cabeceira. Sua beleza e perfume transformam meu quarto de hotel simples em uma cena de uma pintura pré-rafaelita. Eu olhei para Vincent. Um sorriso travesso estendeu seus lábios. "Como você fez isso?" exclamei. "Estive com você todo dia." "Eu passei um bilhete e um pouco de dinheiro para a recepção mais cedo," ele confessou, olhando extremamente orgulhoso de si mesmo para retirar o subterfúgio. "Você já me disse que ama o perfume dos lilases. Eu pensei que poderia trazer para você bons sonhos hoje à noite, já que não serei capaz de pairar em torno sussurrando poemas de Pablo Neruda em sua mente subconsciente."


Eu inspirei profundamente de sua fragrância floral limpa. Vincent inclinou-se sobre o frame da porta, sorrindo com prazer. "Você quer entrar?" perguntei. Ele balançou a cabeça e me deu um sorriso torto. "Eu não aluguei um quarto para nada. Não esqueci o sul da França e seu pedido razoável mas enlouquecedora de esperar. E tendo em conta que: você mais cama. Má idéia. Eu só vou levar estes "— ele pegou um par de livros de bolso do saco — "e estar no meu caminho. Tudo para manter minha mente fora de toda a saga de Jean-Baptiste até eu voltar a Paris e poder realmente fazer algo sobre isso." "O que vai fazer?" perguntei sem realmente me importar mais com Jean-Baptiste. Tudo o que conseguia pensar era Vincent ali com seus cabelos despenteados e ombros largos metade dentro e metade fora do meu quarto de hotel. Meu corpo estava sibilante com uma mistura de determinação não a tentá-lo longe demais e desejo de me atirar nele antes que ele pudesse escapar. "Ainda não decidi," ele respondeu, esfregando a parte de trás do seu pescoço preocupado. Pensamentos de Vincent, obviamente não estavam no mesmo nível que o meu. Ou senão ele mesmo não seria capaz de falar agora, muito menos tranqüilo. Eu sabia que a decisão que eu tinha tomado no sul da França não ia agüentar muito tempo. "Bem, boa noite." Eu joguei meus braços em volta do seu pescoço e lhe dei um beijo longo, lento. Ele era tudo de emoção do dia, os milagres e o mundano. Quase perdi a Vincent, e agora eu tinha ele de volta. E não só ele, mas a minha vida. Minha antiga vida de antes de eu afastá-lo. E agora, meu passado e meu presente se juntaram e começava a sentir-me completa. Vincent parecia entender o significado por trás do beijo. Foi com um sorriso quando ele tocou meu rosto e então meu cabelo com as pontas dos dedos. Pareceu-lhe custar tanto esforço quando me fez separar, porque após um último beijo apressado e ele praticamente correu fora do quarto, puxando a porta atrás dele.

Eu mudei para uma camiseta bem grande e sentei na minha cama, revirando as coisas em minha mente: a maneira quase tinha perdido ele. E poderia novamente. A fragilidade da vida humana: um minuto estamos aqui e o próximo que fugimos, como os meus pais. E o desejo de estar mais perto de Vincent. Amá-lo mais com o meu coração do que com a mente. Meus sentimentos naquela manhã voltaram com toda a sua força. Minha resolução para realmente fazer alguma coisa, de ser capaz de fazer Vincent voltar. Eu tinha me dito que


estava pronta. Que era hora. Agora que era possível, eu ainda sinto o mesmo? Percebi que, sim, eu sabia o que queria. Desta vez eu estava 100% de certeza. Peguei a jarra com lilases e a chave do quarto e esperei que ninguém me fosse ver correndo com as flores pelo corredor na minha camiseta e cuecas. Subi um lance de escadas e eu estava lá, nervosamente frente à porta de Vincent. Eu bati. Ele abriu com uma expressão de admiração no rosto. "A que devo esta visita surpresa?" Ele olhou para os lilases e então voltou para mim, confuso. "Você decidiu que você não gostou das flores?" Eu empurrei-o para o quarto e coloquei as flores sobre uma mesa baixa. "Não quero mais ficar longe de você," disse. Vincent sorriu tristemente e fechou a porta atrás dele. "Eu sei exatamente o que você quer dizer," ele respondeu. "Cinco dias como uma alma que vagava incapaz de tocar em você e pensando que seria permanente... Eu me sinto como se nunca fosse capaz de deixá-la fora da minha vista novamente." Ele atirou-se para baixo em sobre a cama e acariciou o lugar ao lado dele. "Fique aqui esta noite." "Não, digo que não quero ficar longe de você. Quero estar com você. Realmente com você." Tive que me forçar a dizer as palavras. Minha voz tremeu porque temia que ele fosse dizer não. Que esta não era a hora. Que deveríamos esperar até as coisas se acalmar. Mas eu tinha feito a minha cabeça. Vamos voltar a Paris no dia seguinte, e Vincent e sua espécie estariam enfrentando um perigo que possivelmente poderia destruí-lo. Mais uma vez. Ele próprio apoiado nos cotovelos e ficou sentado ali por muito tempo, me olhando com uma expressão que não consegui ler. "Se você ainda está muito fraco, nós podemos ser cuidadosos," ofereci, me perguntando se é por isso que ele estava hesitante. Sorrindo, ele balançou a cabeça, e levantando-se da cama, ele andou até a mim. Com apenas algumas polegadas nos separando, ele olhou nos meus olhos. Parecia que ele estava chegando ao fundo de minha mente, promovendo a conexão entre nós. Coração. Mente. E então o corpo. Foi o próximo passo e era agora. Os lábios de Vincent ligeiramente curvaram. Ele se inclinou para baixo, assim quando estendeu a mão, e nos ficamos mais próximos, os nossos lábios se tocaram primeiro e depois o resto de nós, apertando deliciosamente um contra o outro, puxando o outro tão próximo quanto possível, precisando, dando, tecendo uma tapeçaria com nossos corpos. De nós mesmos.

TRINTA E TRÊS


Eu acordei com a sensação dos lábios de VINCENT em minha testa e abri meus olhos para ver seu rosto acima do meu. "Bonjour, minha bela," ele disse em sua voz baixa e sensual. Eu estava meio tonta, sem saber onde estava por um instante, e então o quarto de hotel entrou em foco em torno de mim. Meu Deus. Eu estava na cama de Vincent. E era manhã. Eu tinha passado a noite na cama de Vincent. E ontem à noite tivemos... Minha pele ficou vermelha com um flash ardente, e um sorriso que não saía do meu rosto. Eu me inclinei para frente e, deixando as cobertas caírem, joguei meus braços em volta do pescoço de Vincent e apertei-o contra mim. Ele riu e me puxou de volta para que ele pudesse me olhar nos olhos. "Foi aquele abraço para ontem à noite?" "Eu te amo", respondi. Ele me puxou de volta para ele e sussurrou, "e eu adoro você, Kate Beaumont Mercier. Com um amor que nunca pensei que eu podia sentir. Com toda minha alma e cada centímetro do meu corpo. Que, a propósito, está agora marcado por você para sempre." "O que você que dizer?" perguntei. Virou-se para mostrar-me uma marca tattoolike azulada em seu ombro. "O que é isso?" Eu o toquei, hipnotizada. "Isto não é onde você pressionou a mecha do meu cabelo no meu sósia de barro?" ele perguntou. Eu olhei mais de perto. A marca tinha um padrão circular e era do tamanho de... "É minha digital!" Exclamei, segurando meu polegar ao lado da marca. Vincent sorriu. "Isso é o que eu pensava. Muito atrevido de você; Você não só me trouxe à vida, mas você me marcou permanentemente como o seu." Agarrei-o e o puxei para baixo no colchão, em cima mim, ele se inclinou para frente para depositar um beijo extra macio no meu pescoço, logo abaixo do meu ouvido. Eu tremi e disse, "Você é meu." "Eu não tenho nenhum argumento com isso", ele concordou, alisando o meu cabelo em volta do meu rosto com o polegar. "Mas eu tenho uma notícia lamentável, em vinte minutos vamos encontrar seu avô no lobby."


"Hmm, avô," eu disse. Meu cérebro, de repente, deixou a delícia de estar na cama com Vincent e foi tomado por coisas mais desagradáveis. Como eu ia fazer as malas e me vestir de em meia hora. Sai correndo e pulando sobre ele, de alguma forma eu fiz, e em vinte minutos estavam subindo na parte de trás da limusine de Theodore. Bran fez uma repetição de rotina pasmado-parafora-da-janela que ele fez durante no caminho. Papy ocupava-se com a transferência de todas as fotos que ele tinha tomado da coleção de Theodore no dia anterior da sua câmera para seu laptop. Eu coloquei minha cabeça no ombro de Vincent e cochilei, acordando quando paramos no hangar de um dos termina onde estava o avião particular. Quando nós nos reunidos na calçada, eu vi Jules saindo do lado do passageiro de um carro estacionado na pista em frente à nossa frente. Ele caminhou direto para Vincent com uma expressão como se seu melhor amigo fosse a última pessoa do mundo que ele queria ver. "Vince, homem. Temos de falar," disse ele, e os dois se afastaram a uma curta distância. Papy e Bran fizeram seu caminho para o terminal com a bagagem, mas não os segui. Tive uma sensação terrível em meu estômago enquanto eu observava Jules explicar algo e Vincent tropeçando um passo, como se o Jules tinha falado tinha o esfaqueado no intestino. Jules continuou falando, dobrando seus braços firmemente no seu peito, como se também estivesse sofrendo. Olhei para o carro que havia trazido Jules. O motorista ariano bardia estava sentado lá com o motor ligado: o que ele esperava? Caminhei em sua direção. Algo estava muito errado. "Você está sendo um idiota!" Vincent de repente gritou, e enfiou as mãos em seus bolsos, ele caminhou, batendo com a porta giratória do terminal com tanta força com o ombro que até a terra fez uma parada antes de reiniciar a girar com um guincho metálico. Jules ficou onde estava me observando e o abordei com uma expressão de dor. "O que está acontecendo?" perguntei. "Eu não vou voltar," ele disse simplesmente. "Vai ficar aqui em Nova York?" Ele assentiu. "Mas por quê?" Jules massageou suas têmporas. "Surgiu algo entre mim e o Vincent," ele disse. Olhei para ele, confusa. "Bem, tenho certeza que se pode resolver." "Não, na verdade não podemos resolver isso, Kate," ele respondeu, rangendo os dentes. "Não há nenhuma maneira possível de lidar com isso. A única maneira de consertar será eu indo embora e deixando vocês dois.... "


"Deixar-nos"? perguntei, incrédula. "O que isto tem a ver comigo?" Ele baixou a cabeça, com a respiração superficial. Segurando-se junto. Quando ele olhou para cima, a dor estava escrita em seu rosto tão claramente como se ele estivesse soletrado para fora em letras gigantes. "Realmente precisa me perguntar isso, Kate? Não pode dizer?" "Não," eu disse e então de repente, entendi. Minha boca caiu aberta, e eu balancei minha cabeça em negação. Jules era meu amigo. Ele não podia estar apaixonado por mim. Ele tinha uma dúzia de meninas lindas ao seu dispor. Meninas que não eram ligadas... para seu melhor amigo. "Você não pode... você não pode estar... deixando seus parentes por mim." Ele suspirou e olhou para o céu de inverno cinza, como se rezando por algo para investir e jogar longe. Quando ele me olhou de volta, seus olhos estavam vidrados. Ele chegou à frente para pegar na minha mão. "Kate. Eu vou dizer assim. Vincent é meu melhor amigo. Não há uma pessoa neste mundo que eu estou mais perto. Mas no ano passado, eu o traí em meu coração todos os dias porque eu quero para mim que ele mais ama." Eu apertei sua mão firmemente para combater a dormência que me paralisava. Meus olhos piscaram, mas as lágrimas não vieram. "Não sei o que dizer Jules. Eu . . . Eu não.... " "Eu sei que você não sente o mesmo Kate. Que você nunca sentirá. E eu prefiro não viver com essa realidade, sendo enviada para o meu rosto em uma base contínua. Porque, acredite ou não, apesar de eu morrer pelas pessoas em uma base regular, eu não sou masoquista." Seu sorriso triste me atingiu como um punho. "Oh, Jules," eu disse e joguei meus braços em volta do pescoço. "Não há mais nada a dizer," ele murmurou, apertando seu rosto em meu cabelo. E então ele me soltou, caminhou até o carro e foi embora sem olhar para trás. "Você está bem?" eu perguntei. Estávamos no meio do caminho através do Oceano Atlântico e Vincent não tinha dito uma palavra. Ele envolveu o braço ao redor dos meus ombros, puxando-me para ele e beijou o topo de minha cabeça. Apoiando minha cabeça contra o seu ombro, disse, "Eu gosto muito de Jules." Vincent suspirou. "Metade de mim o odeia por cair de amor por você. E a outra metade pensa, 'como posso ajudá-lo?'" Ele empurrou meu cabelo de volta do meu rosto. "O que não acredito, porém, é que eu sinceramente não vi isso chegando. Nós poderíamos ter falado sobre o assunto


antes de chegar a este ponto. Mas pensei que Jules estava apenas flertando com você, como faz com qualquer outra garota bonita." A expressão dele mudou de frustração para preocupação. "Você não sente o mesmo por ele, não é?" ele perguntou com sua voz soltando uma oitava. Eu balancei minha cabeça. "Não, quer dizer, eu me sinto próxima dele. E para ser honesta, a atenção foi lisonjeira. Mas, como você disse, eu pensei que ele era assim com todo mundo. Para mim, ele é o melhor amigo do meu amor. E um amigo meu próprio mesmo separado disso. Mas não tenho espaço no meu coração para dois". Vincent parecia aliviado. "Está zangado com ele por nos deixar em um momento tão ruim?" perguntei. "Não, um revenant a menos não fará diferença para o resultado de uma batalha. E ele jurou que se eu precisasse dele, ele entraria no primeiro avião para Paris." "Não lhe falou sobre JB, não é?" "Não," Vincent admitiu, encontrando meus olhos. "E eu não vou. Se Jules precisa de distância, não seria justo falar algo que praticamente iria obrigá-lo a voltar." Ele pegou minha mão e levantou-a para seus lábios e em seguida, pression "Peço desculpa que você perdeu seu melhor amigo," eu disse. "Espero que ele vá superar isso e voltar". Na mais macia das vozes, Vincent disse "Então eu faço."

TRINTA E QUATRO Eram 22H00 quando chegamos a Paris. Ambrose e Charlotte estavam lá para nos buscar. "Eu pensei que nunca mais ia te ver!", gritou Charlotte como ela se jogou sobre Vincent. "Parece que você ainda não está livre de mim." Ele apertou-lhe fortemente. "Cara, é bom ter você de volta," disse Ambrose, batendo de leve em seu ombro antes de virar-se para cumprimentar Papy e Bran. Ele sondou as portas atrás de nós. "Onde está Jules?" "Ele decidiu ficar em Nova York por um tempo. Disse que ele precisava de uma mudança de cenário," Vincent falou, lançando-me um olhar de aviso quando ele falou a seus parentes a mesma história que disse Bran e Papy no avião.


"Ele resolveu isso agora? Quando Violette está tramando a dominação de Paris?" Ambrose perguntou, olhando confuso. Quando Vincent assentiu com a cabeça, o grande "revenant" apenas deu de ombros. "Jules em Nova York? Cara, ele vai se divertir." Ele balançou a cabeça só de pensar. "Aqui, deixe-me levá-las," disse ele, pegando um par de malas. "Teve bons momentos?" Charlotte perguntou, me abraçando quando estávamos indo em direção a um enorme SUV. "Quero dizer, você conseguiu fazer algo mais nada além de re-encarnar Vincent?" Eu sorri. "Sim, na verdade. Fui visitar meus velhos amigos." Ela agarrou o meu braço e começou a saltar para cima e para baixo. "Hurra! É uma notícia fabulosa, Kate! Um passo de volta ao mundo dos vivos," ela aplaudiu e então rapidamente acrescentou, "Eu quero dizer... não que você absolutamente tem que incluir os seres humanos em seu círculo social. Mas fiquei triste que você tinha cortado laços com todos de sua vida anterior." "Eu sei", disse. "Eu realmente sinto como se um peso enorme tivesse sido tirado." "Bem, você está corada", ela disse. "Parece que a viagem para casa foi boa para você." Eu sorri e a abracei apertado. Uma vez que estávamos na estrada, Ambrose e Charlotte conversaram com Vincent sobre o que está acontecendo. Nós tínhamos desaparecidos há três dias, mas me senti como semanas. Embora Vincent dissesse a seus parentes sobre Theodore Sr. Gold e nossa experiência na cripta do Met, ele não trouxe a tona o assunto de JB. Então eu tive que esperar até estarmos a sós, dizendo adeus à minha porta, para perguntar sobre isso. "O que vai fazer?" "Conversa com JB a sós," ele disse com um encolher de ombro desconfortável. "Ver o que ele tem a dizer." "Boa sorte", disse e fiquei até na ponta dos pés para beijá-lo. "Espero que você não fique muito solitária, hoje à noite", ele sussurrou e me deu uma piscadela que fez como seu eu tivesse um enxame de abelhas zumbindo na minha barriga. Fechei a porta atrás de mim e ouvi-o dizer através do vidro, "Bonne nuit, minha bela," antes de virar e desaparecer de vista. Durante a noite, tudo mudou. Fui acordada pelo toque repetido do meu telefone. Finalmente eu peguei e vi que Georgia tinha chamado quatro vezes. Chamei-a de volta. "O que é importante o suficiente para me acordar no meio da noite?"


"É 10, Katie-feijão". "Não em Nova Iorque não é". "Escute. Estou no necrotério de La Maison. Você tem que vir aqui. Agora". Minha irmã parecia sem fôlego. "O que está acontecendo?" "Quando cheguei aqui para meu treinamento de luta, Gaspard tinha desaparecido. Ele e Jean-Baptiste foram embora. Deixaram a cidade. Para sempre!" "Não!" Eu gritei, sentada reta na cama. "Sim". "Eu vou para aí," disse. Saltando da cama, disquei o número de Vincent enquanto vestia umas roupas. "Mon ange. Você fala." Ele parecia tão calmo, perguntei se minha irmã tinha estava enganada. "Só tenho este telefonema de louco da Geórgia, que falou que JB e Gaspard foram embora." "Sim, eu ia dizer pessoalmente, mas eu pensei que você iria querer dormir. Claramente Geórgia não concorda." "Bem, aqui estou eu, bem acordada. Você pode me dizer agora," disse, reclinando o telefone entre meu ombro e orelha enquanto vestia minha calça jeans. "Confie em mim — não é um tipo de conversa para telefone," ele respondeu. "Eu vou enviar Ambrose para buscar você." Deixei um bilhete para Papy e Mamie, dizendo-lhes onde estava indo e corri pelas escadas. Ambrose, já estava na minha porta quando eu desci discutindo algo sério com Geneviève. "o que você tem para me dizer sobre o que aconteceu!" Eu disse quando eles ficaram em ambos os meus lados. "Não posso fazer, Katie-Lou," Ambrose disse, varrendo as ruas por sinais de numa, quando nós fizemos nosso caminho para La Maison. "Com notícias deste tamanho, Vincent vai querer te contar pessoalmente." Eu queria empurrá-lo para a informação, mas não sabia quanto Vincent tinha revelado ao seu parente. Ele tentaria acobertar JB? Ou ele tinha dito para todos da Bardia sobre a traição do líder deles?


Chegamos para encontrar uma casa cheia de revenants. Parecia um flashback de uma semana atrás, quando parentes de Paris tinham chegado para aguardar notícias de onde Violette tinha levado Vincent. Mas em vez da atmosfera grave do encontro anterior, uma sensação de choque estava pesado no ar. Algumas caras mostraram descrença e outras amarga decepção, e as pessoas estavam falando em sussurros. Ambrose me levou lá em cima para a biblioteca, onde Vincent esperava. Assim que a porta se fechou, a atitude rígida de Vincent relaxou. Ombros da caíram, ele envolveu seus braços em volta de mim e enterrou seu rosto no meu cabelo. "O que aconteceu?" perguntei. Eu não sabendo como confortá-lo, penteando seus cabelos pretos despenteados em volta do rosto. "Eu o confrontei. E ele confessou. É exatamente como Theodore explicou. JB fez um acordo com Lucien e vem pagando para proteção desde então sob a forma de suas propriedades de Paris." "Oh, Vincent," disse, minha garganta apertando quando vi o tanto que estava chateado. "Ele disse que só fez isso por nós. Que sentiu que estávamos à beira da derrota. Que as perdas que tínhamos tomado eram demasiado drásticas e queria proteger os parentes que ainda restavam: tinha escolhido alguns membros da família, entre eles, quem ele pensou que era o campeão. Ele pensou que eu iria levantar e levar a tribo a uma derrota final o que justificava seu compromisso final. Ele admitiu que, após algumas décadas se arrependeu, mas estava muito envolvido e não podia nos falar sobre isso." "Peço desculpa", murmurei, envolvendo meus braços de volta ao seu redor. "Você devia ter visto Gaspard," Vincent continuou, correndo os dedos distraidamente, subindo e descendo em minha coluna e no meu cabelo. "Acho que ele estava mais machucado, descobrindo que JB tinha escondido alguma coisa dele por todos esses anos. Mesmo estando com ele. Eles foram para o exílio auto-imposto e JB nomeou-me a cabeça da Bardia," Vincent disse categoricamente. Eu virei para olhá-lo no rosto. "O quê"? Exclamei. "Ele me nomeou chefe e Charlotte meu segundo." Isso não deveria ter sido um choque. Vincent tinha sido o segundo para Jean-Baptiste. Era uma conclusão inevitável de que ele um dia tornaria líder. Mas tão depressa? E eu ainda não tinha considerado que Charlotte poderia ser o próximo na linha da hierarquia da Bardia.


"Charlotte"? Eu perguntei, olhando para Ambrose, que estava bloqueando a porta com sua estrutura maciça. Ele estalou os dedos e desencadeou um sorriso manhoso. "Bem, não ia ser eu. Eu gosto de briga, que a menos que Átila o Huno não é considerado a característica de liderança mais saudável. " Voltando para Vincent, eu perguntei, "Você está bem com isso?" A expressão dele estava com problemas. "Não tenho escolha," ele respondeu. "Alguém deve começar a montar as nossas tropas. Se Violette ouvir sobre a súbita mudança no comando, ela vai tomar a oportunidade de atacar antes de conseguirmos nos organizar. E acabamos de receber a informação de onde ela está, então a hora de agir é agora." "O que posso fazer?" "Guarde os detalhes para você. Só contei ao nosso parente de Paris que JB escolheu ir embora. E Kate... por favor, fique por perto. Não só me sinto melhor sabendo que você está dentro da segurança destas paredes, como apenas ter você por perto me dá mais confiança." Estas últimas palavras eram quase um sussurro. Quando eu o olhei, meu coração parecia que estava se expandindo — iria explodir como um balão. Lavei seu rosto austero, tenso com meus dedos. "Você foi feito para isso, Vincent," eu disse. "Campeão ou não, você verá que todos gostam de você. Eu vi como os outros te respeitam, e eles vão seguir te até o fim." Vincent sorriu com tristeza. "Ok, Ambrose, pode dizer a todos para entrarem," ele disse. Uma dúzia de bardia mais importante de Paris antigo em entrou — uma fração do povo que tinha visto lá embaixo — e sentou-se em fileiras nas cadeiras em frente à lareira da biblioteca. Vincent e Charlotte tomaram duas cadeiras de frente, e peguei uma poltrona do tipo do Sr. Gold, confortável nas costas. Vincent informou a todos, pediu aos revenants para chamar cada contato que eles tinham e ordenou-lhes para armarem-se e esperarem a postos. Eu quase engasguei quando ele explicou que a Violette tinha sido vista entrando e saindo do Hotel de Crillon nos últimos dias. A confiança dela para escolher um lugar onde os chefes de estado e estrelas de cinema ficam como seu quartel-general. Ela não estava prestes a se juntar a seus servos se escondendo nas catacumbas ou cavernas sob Montmartre ou como agora sabiam que JB os tinham protegidos em residências por toda Paris. Dentre os revenants uma chamou Vincentm, a mulher relatou que teve notícias de Bordéis de que os numas tinham esvaziado


da cidade e tinham saído de Paris. Outros falavam em notícias similares de outras cidades francesas, confirmando o que ouvimos enquanto estávamos em Nova York. "Violette está obviamente tentando forçar as coisas ao máximo," disse Charlotte, falando pela primeira vez. Embora ela estivesse vestida com seu regular jeans e camiseta, tinha amarrado o cabelo loiro dela volta em de um coque, fazendo-a parecer mais velha que seus quinze anos. "Isso não é surpreendente. Esta é a terceira idade que a profecia especifica — na verdade, mais de um século se passou desde que começou," disse Bran, que eu não tinha notado sentado num lado distante do grupo. "É tempo do campeão se manifestar. Ele virá, se Violette organizar uma situação que lhe exige para aparecer, ou se ele já está aqui." "O que a profecia diz?" perguntou a Charlotte. "Eu comparei o meu texto com Gaspard: a versão da Bardia e o dos flama-dedos são basicamente os mesmos." Ele lia através de seu livro, levantando alguns centímetros dos olhos e continuou: na terceira era, atrocidades da humanidade serão tal que irmão trairá irmão e numa tentará supera a bardia e uma preponderância das guerras escurecerá o mundo dos homens. Neste tempo um bardia surgirá na Gália, que será um líder entre sua espécie. Ele possuirá poderes de percepção, persuasão e comunicação e sobrenatural níveis de resistência e força. Sua aura vai brilhar como uma estrela em chamas. Ele levará a sua tribo de vitória contra numa e irão ser conquistadas. Isto vai inaugurar na quarta era, que será uma época de paz, antes que as nuvens de ódio se reúnem mais uma vez sobre a terra. Os revenants começaram a sussurrar entre si. "Parece claro para você, mano," comentou Ambrósio de sua posição na porta. "O Senhor Tândorn garantiu-me que a honra não é minha," Vincent respondeu e então dirigiu a Bran. "Entre todos os nossos parentes que você viu você não o identificou?" "Não", respondeu Bran. Vincent começou a distribuir ordens, colocando a Bardia presente no comando de seus parentes subordinados lá em baixo, bem como aqueles que ainda não tinham chegado. Uma equipe foi dada a responsabilidade de assistir o Crillon, e outros foram divididos em uma rede de espionagem por toda Paris e seus arredores. As pessoas começaram a andar, e eu fiz o meu caminho até Bran.


"Olá, querida Kate," ele disse, levantando as mão em minha direção e então desajeitadamente retirou as mãos. Eu sorri. Ele era como um fantasma, tão ligeiro e retraído que sentiu de alguma forma intangível, e evitar o toque humano parecia estar bem alinhado com sua aura sobrenatural. "Você parece cansado," eu disse. Ele encolheu os ombros. "Esta é minha primeira experiência com diferença de fuso horário. Claro, aqueles que não dormem não são afetados, "ele comentou ironicamente, inclinando a cabeça em direção de Vincent," que é muito injusto. “Falando de sono, se você não precisa eu acho que eu vou tirar um cochilo," ele disse com um bocejo e saindo da sala, atrás dos outros. Senti um braço na minha cintura e virei para ver a minha irmã. "Então... valeu a pena acordar para isto?" ela perguntou. Balancei a cabeça. "Obrigado, Geórgia". "Estou ouvindo que seu namorado é o rei de revenants. Isso te faz a rainha dos mortos?" Eu rolei meus olhos. E então percebi Arthur atrás de Geórgia, disse, "Oi". Ele me deu um largo sorriso e dobrando seu cabelo louro atrás da orelha. "Obrigado por devolver Vincent," ele disse. "Agora que ele está mais uma vez corpóreo, sinto um pouco menos culpado de ter sido fantoche de Violette." Inclinando-se, deu-me beijos nas bochechas e sua barba arranhou minha pele. "Oh!", eu ri, esfregando meu rosto. "Desculpe-nos, por favor", disse a Arthur. "Precisamos de um bate papo entre irmãs". "Claro," ele disse, fazendo um esforço para sorrir para mim, mas incapaz de tirar os olhos de minha irmã. Capturei o olhar de Vincent, eu respondi, “precisa de mim?” Ele balançou a cabeça. Levei Geórgia para um canto isolado da biblioteca onde ninguém pudesse nos ouvir, e sentamos em poltronas na frente de uma janela. Eu pressionei a minha bochecha com a ponta dos meus dedos. "Como não se queima de vergonha?" "Porque eu estou fazendo de difícil," respondeu minha irmã. "O que? Você não nem o beijou?" Eu olhei para ela enquanto ela sorria angelicalmente. Eu a olhei com desconfiança. "Quem é você, e o que você fez com a minha irmã?"


"Deus, Kate, você me faz parecer uma vagabunda." Mas da forma que disse parecia que ela considerava isso um elogio. "Ele é medieval. Eu acho que eu deveria agir como uma daquelas donzelas do seu tempo e proteger a minha inocência." Comecei a rir. "Geórgia, você gosta deste cara, não é?" "Sim e agora que Violette o substituiu por outra pessoa, sinto-me como se eu já não fosse seu inimigo público número um." "Violette substituiu Arthur?" Eu repeti. "O que é você sabe?" "Bem, Arthur diz que toda vez que ela foi vista, ela tinha o mesmo numa com ela." "Isso seria Nicolas", eu disse, acenando com minha mão. "Ele era Lucien o segundo. Isso não é novidade." "Não, boba," disse Geórgia. "Eu não estou falando sobre o cara de casaco de peles. Isto é outro numa. Um muito jovem. Como um adolescente. Ninguém o viu ele por aí antes. Eles acham que ele é novo ou uma das recentes importações de outra cidade. Seja como for, Violette não sai sem ele." "É assustador", eu admiti. "Sim, ele é como seu cachorrinho de pré-puberdade." Eu enruguei meu nariz, e Geórgia assentiu, concordando com meu sentimento. "De qualquer forma, isso deixa o senhor Sarado Medieval todo para mim!" Ela levantou as sobrancelhas e ficou confortável em sua cadeira. "Mas minhas aventuras em não são importantes. O que eu realmente quero ouvir é... como foi estar em Nova York?" Estava escuro quando Ambrose me deixou em casa. Geórgia ganhou sua liberdade e saiu com alguns amigos para jantar — amigos que provavelmente sabiam que eles estavam sendo seguidos por Arthur e outro guarda morto-vivo. "Mamie? Papy?" Eu gritei, jogando meu casaco sobre a cadeira do salão. O apartamento estava estranhamente silencioso. Quase todas as noites neste mesmo horário Mamie estavam preparando o jantar e a música jazz acompanhando a comida dela. Eu hesitei na sala de jantar, sentindo um pouco assustada. "Estou aqui no meu escritório," veio a voz do Papy. Respirei de alívio, pendurei meu casaco e voltei para seu escritório. Meu avô estava sentado em sua posição favorita, escondido em um canto em uma poltrona a velha com o cachimbo aceso em uma mão e um livro na outra.


"Onde está o Mamie?" Eu perguntei aproximando-me da beira da mesa dele. "Em uma chamada de trabalho," ele respondeu, soprando um fluxo de fumaça enquanto ele falava. A sala cheia com o odor cítrico de tabaco para cachimbo do Papy, esse cheiro, eu sempre tinha associado com ele. Eu olhei de relance para o relógio de mármore da lareira. "Em 19 horas numa quinta-feira?" "É um cliente estrangeiro, está na cidade por alguns dias. Sua avó foi para seu hotel para inspecionar uma pintura que têm a aprovação de um negociante de arte parisiense". "Ela foi ao quarto de hotel de alguém?" Eu perguntei, pegando um peso de papel de vidro o inspecionando o objeto preso eternamente dentro. "Não consigo imaginar Mamie encontrar um cliente em um hotel." "Não é qualquer hotel. O coletor está hospedado no Crillon, então Emilie sentiu que valia a pena," Papy respondeu, olhando de volta para seu livro e folheando as páginas. O peso de papel caiu ruidosamente contra o piso de madeira, quebrando em lascas e liberando seu prisioneiro, a pequena lâmpada brilhando. Papy pulou... "O Crillon. Tem a certeza?" "Sim. Kate. O que está acontecendo?" "Violette é hóspede no Crillon," eu disse. Minha voz parecia como de outra pessoa, oca, como se fosse para eu ouvir do lado de fora. "Violette?" meu avô perguntou confuso. "Violette. O medieval revenant que destruiu Vincent." "Não," de repente Papy engasgou, olhando seus setenta e dois anos. Do outro lado da sala veio uma chamada de quarteto de cordas. Papy parou sobre a sua cadeira, enfiou a mão no bolso de seu casaco e tirou seu telefone celular. Sua mão tremeu quando ele o segurou viu o nome no identificador. Ele levantou o telefone no ouvido e afundou-se para baixo em sua cadeira de trabalho com um suspiro de alívio. "Oh, Emilie, graças a Deus você está aí. Kate e eu estávamos.... " Seu rosto mudou de repente, e quando ele ouvia, o sangue drenou do rosto dele. "O que? Não! Mas como.... " Eu podia ouvir o tom de voz da minha avó através do fone de ouvido. Foi cuidadoso — medido e lento. Papy desligou o telefone e levantou os olhos para olhar os meus. Eu tremia, como se uma rajada de ar tivesse sido lançada através


do escritório e apertou-me em seus dedos frígidos. "Violette gostaria de falar com você e Vincent no hotel. Ela está mantendo sua avó como refém de que você vai

TRINTA E CINCO Nossa discussão demorou um minuto. Papy não quer que eu vá e eu não queria que ele fosse. No final, ambos corremos para fora do apartamento, vestindo nossos casacos e descendo as escadas, apressados sem esperar pelo elevador antigo. Como de costume, não havia nenhum táxi à vista. "Que tal o metrô, Papy?" perguntei-lhe. "E o risco de um atraso? Não, obrigado. "É quase tão rápido a pé, ele respondeu. Recorremos descer a pé a rue de Bac. A marcha no ar frio e os postes de luz brilhantes emprestaram a cena uma falsa sensação de segurança — como se tudo estivesse bem com o mundo — quando na realidade nós estávamos a caminho de uma reunião que ameaçava acabar com alguém saindo machucado. Ou pior. Meu telefone tocou. Eu o peguei no meu bolso e vi que era Vincent. "Onde vai?" ele perguntou. Eu desconfiada olhei para trás, mas não vi ninguém nos seguindo. "Eu perguntei, aonde você vai — sem escolta revenant?" "Vincent, eu prefiro não lhe dizer." "O que é isso quer dizer?" ele perguntou, soando mais bravo do que com dor. "Dois Bardia da casa de Geneviève estão seguindo você e seu avô. Eles me chamavam para relatar — disse que vocês partiram em alta velocidade sem mesmo esperar por eles." "Bem, se eles estão nos seguindo, então eles vão nos manter seguros. Por que está me chamando?" "Kate, o que está acontecendo?" Vincent perguntou, soando alarmado. "Violette tem... ela tem Mamie em... Eles estão no Crillon. Papy e eu... vamos lá." Eu estava tentando falar com clareza, mas nosso apressado ritmo misturado com o pânico sobre Mamie fez minhas palavras saírem todas ilegível. "Porque não me chamou e me disse isso? Eu iria com você." "Não, Vincent! Não vem. Não precisamos de você," eu disse, sufocando de volta de pânico. Havia uma fração de segundo de choque palpável e, em seguida:


"Violette queria que eu fosse, não é?" Eu não respondi. "Kate, você não pode ir. Pelo menos me diga que você vai esperar até eu chegar lá," ele disse. Eu podia ouvir que ele estava se movendo rapidamente, mantendo o telefone no ouvido. "Eu e o meu avô estaremos lá em cerca de quinze minutos. Diga a Geneviève e outras pessoas para nos acompanhar, mas não precisamos de você," eu disse, tentando recuperar o fôlego. Papy caminhou com uma marcha rápida em um dia normal. Esta noite estava praticamente a correr para acompanhá-lo. "Ambrose, Charlotte e eu os encontraremos no saguão Crillon," ele insistiu, ignorando meu pedido. "Não vá para o quarto sem mim." Eu não respondi. Ouvi Vincent xingando do outro lado quando desliguei. Embolsando o telefone, acelerei para acompanhar o ritmo do Papy. Tínhamos que chegar lá antes que Vincent pudesse se juntar a nós. O plano de Violette para atraí-lo para ela, raptando a avó de sua namorada era transparente. Eu não ia deixá-la ganhar a luta desta vez. Papy e eu acharíamos uma forma de salvar a Mamie sem Vincent ter que sacrificar-se novamente. Dez minutos depois estávamos atravessando a Pont de la Concorde e entrando na grande praça. Papy atirou-se para o tráfego para atravessar, e segurei seu braço para minimizar a possibilidade de um de nós sermos atingido. Conseguimos ficar intactos e chegamos na entrada do Museu, o edifício abriga o Hotel de Crillon e desaceleramos quando passamos pela entrada, uma porta monumental de pedra e através das portas de vidro. "Aonde vamos?", perguntei quando olhamos ao redor do suntuoso átrio repleto de arranjos de flor gigante e forrado com colunas de mármore. E então vi dois homens andando em nossa direção de um canto da sala. "Ok, lá vem numa," eu disse. "Como sabe que eles estão numa?" Papy me olhou inquisitivamente. "Não vê esse tipo de preto e branco de imprecisão em torno deles? "Como uma aura onde todas as cores tivessem sido sugadas para fora do ar.” "Não," ele disse, olhando para eles e depois de volta para mim, preocupado. Já estou em torno de seres sobrenaturais demais, pensei, quando Vincent, Charlotte e Ambrose caminharam através da porta, vestindo seus equipamentos de batalha de couro preto.


Os olhos de Papy aumentaram, mas os funcionários do hotel só olharam relance, como se já tivessem visto isso antes. Adicione os dois numa vestidos da mesma forma, e parecia que tinha uma banda de rock fazendo festa em uma suíte de hotel. Vincent veio direto na minha direção. "Você está bem?" ele perguntou. "Sim," eu disse, olhando preocupada em direção ao avanço do numa, "mas não te pedi para vir." Vincent ignorou o meu protesto. "Kate, não diga nada sobre eu não ser o campeão. Se Violette ainda não percebeu, esse é o uma carta que podemos ainda jogar." O numa atirou no bardia brilhos letais enquanto eles se aproximavam. "Por favor, siga-nos," disse o menor dos dois. Eu vi um flash de prata, debaixo de seu casaco preto comprido. "Só vocês dois," disse o outro, a acenar para mim e o Vincent. "Eu vou com eles," disse Papy em uma voz que indicava que eles teriam que forçosamente contê-lo em seguida. "Idem", disse Ambrose. Charlotte deslizou sua mão para a cintura para mostrar o contorno da arma escondida abaixo seu casaco. Olharam de uns aos outros e então para o pessoal da mesa voltaram para nós. "Você pode acompanhar-nos até a suíte, mas você não vai entrar," o menor disse finalmente. Eles viraram e nos levaram passando de um elevador para uma escada, insistindo que fossemos primeiro. Nosso grupo escalou dois lances de escadas e surgiu um longo corredor em seda escarlate que revestiam as paredes e arandelas douradas para passagem da iluminação. No final do corredor, um numa com cabelo vermelho, vestindo um terno caro e uma gravata de seda, estava esperando na porta dupla. Era Nicolas. Ele deu uma gargalhada quando ele viu o tamanho do nosso grupo. "Ela só vai ver os dois," ele disse, acenando, imperiosamente, em direção de Vincent e eu. "Conseguimos uma cena no lobby," explicou um dos nossos acompanhantes. "E nós não podemos ficar todos parados aqui no corredor, agora podemos?" disse Ambrose com um sorriso perverso. "Sendo um lugar público e tudo."


"Você irá aguardá-los na antecâmara da suíte," sibilou Nicolas, dando, em troca um olhar que prometia problemas, uma vez que as fazia por conta própria. "Então, Nicolas," disse Vincent quando nós seguimos através da porta. "Uma vez Lucien se foi o direito é seu, jogado fora por uma adolescente?" Nicolas ficou de lado nos conduzindo para um pequeno quarto com uma porta de entrada com cadeiras e prateleiras de casaco e chapéu. Ele sorriu para Vincent. "No meu mundo, sendo segundo envolve muito menos responsabilidade. E risco. Porque, olha só para ti — mais uma vez em perigo, salvar uma velhinha, enquanto Jean-Baptiste está são e salvo guardado e governando o castelo." Os olhos de Charlotte e Ambrose se procuraram na direção do outro e depois voltaram para Nicolas. Numa não sabia sobre a saída do JB. Pelo menos tínhamos que guardar isso conosco. Violette queria Vincent, porque ela ainda acreditava que ele era o campeão. Mas se ela descobrisse que ele também era o novo líder de bardia, quem sabe como ela usaria isso para sua vantagem? "Senta", mandou o Nicolas, gesticulando em direção as cadeiras. "Vocês não", ele disse para mim e o Vincent. Abrindo uma porta que deu para outro longo corredor, ele fez um gesto para passarmos. "Eu não vou ficar aqui enquanto minha esposa está lá dentro," insistiu Papy. "Oh, sim," disse um dos guardas, abrindo seu casaco para mostrar um cinto equipado com várias facas e uma espada na bainha, substituída por uma alça de ombro, segurando uma arma. Meu avô franziu a testa. "Se tudo correr bem, sua esposa vai partir com você momentaneamente," disse Nicolas. "E minha neta?" Papy perguntou, levantando o queixo para mostrar que ele não tinha medo. "Eu vou ficar bem, Papy," insisti. "Só não faço nada para incomodá-los." Nicolas nos seguiu de perto pela porta. Ainda ouvi dizer os protestos do Papy cortados por um comando ríspido de "Sente-se, velho!" E de repente eu estava tão furiosa, que me senti voltando e desafiando o guarda. Minha raiva transpassou meu medo, pelo menos temporariamente. Eu girei para enfrentar Nicolas. "Você não vai machucar meus avós," disse, afirmando não pedindo.


"Além de servir como isca, eles são de nenhuma utilidade para nós," respondeu o Nicolas quando ele estimulou-me a continuar. "A porta à sua esquerda", afirmou. Vincent virou o trinco e, em vez de abrir para mim como ele normalmente faria, entrou primeiro na sala. "Ah, aí está você." Ouvi a voz de menina de Violette e diante dos meus olhos se encontrava, sentada com a minha avó em uma mesa posta para um chá. Na frente de Mamie, um copo cheio de café e um prato de bolos estavam intocados. "Kate!" ela engasgou quando ela me viu, mesmo que ela estivesse tremendo ela não fez um esforço para levantar. Eu localizei as mãos enroladas em punhos debaixo da mesa e poderia dizer que ela estava a tentar controlar seu nervosismo. A mesma indignação cresceu dentro de mim, vendo minha avó forte reduzida ao estado de um refém em pânico. Eu queria apressar Violette e apressá-la ali mesmo, mas me contive, notei que havia outras pessoas na sala; dois guardacostas numa ficaram contra a parede atrás de nós, seus braços dobrados em seus peitos enquanto monitoravam a cena. Violette tomou um gole de sua taça antes de abaixá-la para o pires. "É tão bom ver você de novo, Kate," ela disse, levantando da mesa. Na cintura, uma faca brilhava no topo da bainha em um identificador de jóias de ouro. "E você, Vincent. como surpresa fiquei quando meus sentinelas me disseram que estava de volta em seu corpo novamente! Eu só posso imaginar que você descobriu o segredo da re-encarnação, um método que nós estudiosos temos procurado por séculos." Ela olhou-o avidamente, como se ela quesesse arrebatar os detalhes em linha reta fora de sua cabeça. "Foi o guérisseur, não foi?" ela disse quando avançou. "Ele deve ter tido a informação. Não consigo imaginar que Gaspard teria negligenciado a informar-me de uma descoberta tão importante." Vincent ignorou a pergunta. "Deixe a mulher ir, Violette." Ainda não consegui descobrir por que Mamie não tinha se movido um centímetro, até que eu vi que alguém estava sentado atrás dela segurando uma espada de volta. Era um menino. Ele deve ter seus 13 anos. Seu cabelo castanho comprido, escorrido para baixo entre as sobrancelhas, quase escondendo seus olhos castanhos escuros. Uma monocromática aura numa delineou o corpo dele. Um jovem de numa. Este deve ser o novo companheiro do Violette. Ela me viu olhando para ele.


"Louis, pode soltar Madame Mercier. Educação faz o homem, como eles dizem. E mesmo que já não estamos oficialmente 'homem', nós ainda temos nosso código a seguir, não, Vincent?" "Ainda és bardia no corpo", disse Vincent, "mas em sua mente, você já está numa. Portanto, você não tem código e eu não tenho fé em suas palavras. Deixeme acompanhar Kate e seus avós em segurança longe do edifício e então voltarei." "Sim, por favor, me deixa sair e a minha neta", declarou Mamie, agora de pé. O comportamento civilizado de Violette explodiu, estilhaçando-se em 1 milhão de cacos de vidro. "Você fará tudo o que exatamente eu disser!" ela gritou, estreitando os olhos dela. Todos congelaram e olharam para ela. Os guarda-costas se desenrolavam dos seus braços e deram um passo em nossa direção, antes de receber um olhar de Violette que os deteve no lugar. Ela apertou a mão ao peito, e fechando os olhos, ela suspirou. Em seguida, em uma voz mais alta que um sussurro... ela disse, "Nicolas, querido, escolte Madame Mercier para fora." Louis levou minha avó pelo braço e ela passou rapidamente por nós, entregando-a a Nicolas. Ele a levou para o corredor, fechando a porta atrás deles. Eu peguei um cheiro de seu perfume de gardênia... quando ela passou, e meu peito apertou, dolorosamente, quando eu me perguntei novamente se qualquer um de nós iria sair daqui vivo. "Agora. Onde estávamos?" disse Violette e se virou para nós. "Oh sim, Kate e Vincent. É hora de concluir um assunto inacabado." Ela caminhou em direção a nós, como uma cobra na água com seus movimentos suaves predatórios. "Você," ela disse, apontando para Vincent, "me pertence." E pela primeira vez eu notei algo estranho na sua mão direita. Parecia desfigurada. Desequilibrada. Um fio de pânico correu seu caminho na minha coluna quando eu vi o que estava errado: seu dedo mindinho tinha ido embora. Aonde a junta deveria estar na mão dela estava uma crosta vermelha com pontos pretos, cutucando fora disso. Foi o sacrifício de carne e ossos que ela tinha feito para se ligar a Vincent. Inutilmente. Eu olhei para a amputação e queria vomitar. "Eu nunca te pertenci," Vincent respondeu cada palavra de desprezo a pingar. "Você usou Kate e os avós para chegar até aqui. Agora você me pegou, e não é novidade, você tem um jogo "— ele assentiu com a cabeça em direção as chamas queimando na lareira pedra —" e aparentemente você descobriu o que você fez de errado da última vez. Então largue a Kate e vamos em frente."


Violette assentiu com a cabeça para os guarda-costas. Eles pisaram em frente e cada um segurou Vincent por um braço. Ele olhou em minha direção, olhos defendendo a meu respeito, quando ele os deixou agarrá-lo sem luta. Vincent não ia se sacrificar para salvar-me. Um atiçador de fúria perfurou meu coração e impulsionou-me quando eu me atirei em direção a ele. "Vincent. Você não pode! De novo não!" Minha cabeça empurrou para frente quando eu senti fortes mãos agarrando meus braços por trás. Olhei ao redor para ver que o rapaz, Louis, era meu captor. E ele era mais forte do que parecia. Seus olhos desviando para o meu, e mal movendo os lábios, ele disse com uma voz quase inaudível, "peço desculpa." Suas palavras me confundiram, mas rapidamente se afastou quando Violette parou a centímetros de Vincent. Ela segurou a faca sob o queixo enquanto desafiadoramente olhou nos olhos dele. "Leve-me ao invés dele," eu insisti. Reduzindo a faca e dando um passo para trás, ela trocou seu olhar para mim e riu. “Agora, diga-me, Kate. Além do prazer que vai me dar por matar seu namorado... novamente... diante dos seus olhos, por que no mundo você imaginaria que eu a quero?" Lutei contra o alcance de Louis, e pensando rapidamente, cuspiu, "Eu poderia ser sua primeira morte humana. Não é assim que funciona? Você poderá ser um numa que você quer ser. Só não mate Vincent novamente. Deixe-o ir e leve-me." "Bem," disse Violette, com uma expressão divertida, cruzando as feições dela como ela olhou para trás para encontrar os olhos de Louis. "Agora, não é que é um encantador gesto? Pode-se dizer até mesmo uma oferta de sacrifício próprio. Como benevolente você é Kate. Você estava certo, Vincent," ela disse, focando sua atenção nele. Seus lábios curvavam em um sorriso doente. "Descobri que eu fiz errado da última vez". Os olhos dela estudaram seu rosto, e ela inclinou a cabeça para um lado. "Escolhi o campeão errado." E, investindo para frente, ela mergulhou a faca em meu peito. Seu movimento foi tão rápido que eu não sabia o que tinha acontecido num segundo completo, até que olhei para baixo e o vi saindo do meu tronco, ainda cerrado em seu minúsculo, dedos de porcelana-branca. Em seguida, segurando o punho com ambas as mãos, ela puxou a lâmina em um movimento ascendente rápido, e só tive tempo de olhar em direção a Vincent e ver o terror em seus olhos, antes de um som apressado se apagado com seu grito e a escuridão me afogou.


TRINTA E SEIS Estou com tanta sede. Minha boca parece estar cheia de areia, mais minha parte dos lábios e eu sei que é minha língua inchada que está a sufocar-me. Eu arregalo meus olhos abertos, mas estou cega. Meus pulmões desejam respirar. E, em seguida, libera minha garganta e eu estou engolindo o ar, inalo isso freneticamente em meu peito ardente. Uma mão leva meu queixo e detém aproximando um líquido que é derramado em minha boca e cai sobre os meus lábios. Mas eu sou capaz de engolir, e a presença continua a alimentar-me até que minha boca fecha e minha cabeça resolve voltar. Minha consciência termina aí. Estou com frio, apesar de eu sentir um fogo perto de mim. Meu corpo parece ter sido congelado e está agora a descongelar, agulhas afiadas esfaqueiam toda a superfície da minha pele. Meus músculos sofrem cãibras dolorosamente e sinto meu braço sem força até meu peito, as articulações em espasmos, meus dedos apertando minha mão numa garra. Ainda não consigo ver, e minha boca está seca. Ouço passos, e a mão está de volta, me alimentando de água — gosto agora. Algo passa em meus lábios e força seu caminho passando entre meus dentes. Mordo, saboreio o suco doce de um figo e sento sua textura carnuda enchendo minha boca. Eu engulo e dou outra mordida, desesperada para pegar a comida dentro da minha barriga com cólicas. O figo é seguido por nozes. Eu engulo-os e então imediatamente viro a cabeça para o lado e vomitar-lhes acima, a ânsia de vômito passou o ponto de esvaziar o estômago. Tenho ânsia de vômito e vontade de chorar estou a tremer violentamente. A mão espera até eu terminar, enxuga meu rosto e começa de novo. Água. Nozes. Desta vez fala baixo. Ouço passos a pé e minha mente se desliga novamente. Ouço dizer em água caindo perto de minha cabeça. Meus olhos voam aberto. Eu estou olhando para um teto de madeira. Eu posso ver. Eu tento sentar, mas algo me impede. Eu levantei minha cabeça longe o suficiente para ver que estou amarrada a uma cama por cordas. Eu estou vestida de preto... não, não é preto. Vermelho escuro e estou mal humorada. Com horror, percebo que minhas roupas estão saturadas em meu próprio sangue seco. Pânico de sentimento, eu tento me orientar. Está pintada na parede do meu lado de metal. Eu balanço o meu olhar através do quarto escassamente mobiliado e uma janela em frente vejo uma extensão de água que se estende até a margem do rio. Estou em um barco. Amarrada a uma cama. "Ah, ela está acordada," uma voz diz, e eu viro minha cabeça para ver Violette entrar na sala do guindaste. Atrás dela, Louis mergulhou para passar pela porta baixa.


Eu me encolho quando eles entram no meu campo de visão. Aconteceu algo com a minha visão. A aura de polegadas de largura incolor, que eu costumava ver em volta de um numa desapareceu e em vez disso, há como uma névoa rubra cercando suas cabeças. Dentro de mim, algo novo grita que numa estão perto. Como se eu já não soubesse. Uma fúria nauseante supera-me e eu tremo e sinto o gosto de bile. Eles ficam acima da minha cabeça, de cabeça para baixo, olhando-me no rosto. Louis parece preocupado e Violette triunfante. "Bem vinda à vida após a morte," ela diz. Eu parei de esticar-me contra as cordas e bocejei para ela. Eu tento falar, mas minha garganta faz um barulho de coaxar. "Isso é tão fascinante!" ela disse, apertando as mãos dela juntos. "Nunca presenciei uma animação antes. - Na verdade, nunca me interessou até agora." Eu não entendo o que Violette está falando por um minuto e então — de repente e doentiamente — eu faço. Ela me apunhalou, lembro-me. Mas eu morri? Não, eu não. Violette me manteve viva, sofrendo, e à beira da morte, então ela pode continuar a torturar-me. Eu luto contra meus laços, chutando e esticando — inutilmente, eu sei — mas eu estou furiosa e a luta me faz sentir melhor. Eu bato minha cabeça em direção a Violette e tento formar palavras com minha boca totalmente seca. "... São...," eu grossa. "Sim, querida?" ela disse, sorrindo. "Eu sou o que?" "A... psicótica... puta," consegui dizer, despejando todo meu ódio e medo em minhas palavras, disposta a eles para magoá-la com cada gota de energia que ainda possuo. "Ah. Não é fofo," ela diz, rindo, encantada e passeia pela sala com Louis seguindo próximo atrás. "E como apropriado, são as primeiras palavras de Kate como um morto-vivo," eu a ouço comentar quando ela fecha a porta atrás dela. "Mostra que ela tem coragem! Isso vai ser mais divertido do que eu imaginava." E a voz dela se desvanece quando eles vão embora. Eu deitada, atordoada. O que ela está falando? Eu — um morto-vivo? Não posso ser. Mas depois de um momento, deixo de lado as dúvidas e fico a considerar. Não só teria de possuir essa predisposição revenant mística ou gene ou o que quer que seja, mas eu teria que morrer para salvar alguém. Violette tentou me matar. Eu não me sacrifiquei por alguém. E depois, com um calafrio gelado de lembrança, lembro da cena no quarto de Violette no Crillon quando me ofereci para ser a primeira vítima humana — para que me levasse ao invés de Vincent. O que tinham sido as suas palavras? Eu ouvi tão claramente quando, ela estava de pé na sala ao meu lado. "Agora não é que um encantador gesto? Pode-se dizer até mesmo uma oferta de sacrifício


próprio. Como benevolente de você, Kate." Violette nos enganou. Ela planejou tudo para que eu morresse por Vincent. Mas por quê? Verifico meu corpo para ver se eu me sinto diferente — e o que fazer. É da maneira que meu coração bate mais devagar e o ritmo lento que bomba meu sangue em minhas veias. Mas isso pode ser porque eu estou morrendo. Sangrando até a morte. Não, alguma coisa mudou. Embora eu esteja fraca e ressecada, é como se houvesse um sol — uma bola flamejante de energia branco-quente — dentro de mim que está irradiando através de meus poros. Houve resposta do meu corpo, uma reação física dolorosa, quando Violette e Louis entraram no quarto que me advertiu que numa estavam perto. E depois, lá estão suas auras. A penumbra incolor que vi por aí numa antes de morrer foi substituída pela sua de névoa vermelha, tal como os artistas guérisseur tinham apresentado ao redor em suas pinturas rupestres. Ver auras como fizeram. Eu mudei. Já não sou humana. "Não!" Eu consegui gritar antes que minha voz não saísse. Eu tentei arrancar as cordas puxando, esperneando e com a cabeça, até que eu finalmente desisti e comecei a chorar. Não, não chorando, chorando. A chorar. As lágrimas a correr abaixo dos lados do meu rosto, e eu tento levantar minhas mãos para enxugá-los antes de lembrar que estou amarrada. Algo aperta meu braço. Difícil. Abrir os olhos para ver o rosto de Violette pairando acima do meu. "Parece que você desmaiou," ela diz com uma voz prática. "Um sintoma típico de animação depois de uma morte tão violenta." "Por que está você me mantendo aqui?" Eu rosnei. Eu queria , ter as mãos livres então eu poderia arrancar seus olhos com minhas unhas. "Você me usou como isca para chegar ao Vincent — ele estava ali na sua frente. Que poderia querer comigo?" "Por quê?" ela repete, tocando seu queixo com o dedo. "Porque você, Kate, é o campeão. E eu, Violette, quero o seu poder. É tão simples como isso." Ela se vira para Louis. "Busca para o campeão mais água, por favor. Não podemos ter ela morrendo antes que chegue ao seu verdadeiro poder." Louis sai da sala. Eu tinha pensado através de cada resposta possível, ela poderia dar-me, mas esta é uma que eu não esperava. Eu olho incrédula, quando Violette puxa uma cadeira para a cama e se senta ao meu lado. Ela perdeu p juízo, eu acho. Que ela era questionável estável antes, todo esse poder fez com que ela ficasse completamente insana. "Você é mais louca do que eu pensei," eu disse.


"Bem, agora, isso seria um ponto de vista," ela responde. "Outro seria que eu sou muito perspicaz. Bom observador. Mais exigente, mesmo. Você vê minha aposta que você era um morto-vivo já provou estar correta. E se o Vincent não é o campeão, que se tornou tudo muito claro quando a transferência de poder falhou tão miseravelmente"— inconscientemente esfrega seu dedo amputado com a outra mão, olhos estreitando quando ela se lembra do que não há —"em seguida, "havia uma boa chance de que seria você. Eu bocejei para ela, incompreensível, e ela corou com impaciência. "A profecia diz que o campeão tem poderes anteriores de comunicação, persuasão e percepção. Não entendi isso até considerar a palavra 'anterior' no sentido de 'antes de se tornar um revenant.' Tendo os presentes enquanto você ainda eram humano. "Pensando assim, a parte de comunicação era óbvia. Pensei que Vincent era especial para se comunicar com um humano enquanto ele era voadores, mas foi o contrário. Foste tu quem era especial". Ela rebola ao redor da cadeira para que ela possa ver minha reação, enquanto fala. "Você tinha parentes no La Maison comendo na sua mão, incluindo Jean-Baptiste, que não lida com qualquer ser humano que ele não precisa. Vincent foi contra seu melhor julgamento para vê-la, e você rastejava com os corações do resto da revenants de Paris, a sua maneira. Eu chamaria isso anterior poderes de persuasão. "E então me lembrei que na noite anterior a nossa briga pouco acima sobre Montmartre, Vincent tinha me perguntado se você poderia possivelmente ter começado a ver auras de numa só de passar o tempo com revenants. Eu disse a ele que não. Mas se “você tivesse um sentido mais aguçado da percepção, isso explicaria isso.” Alisa seu cabelo para trás, extremamente satisfeito com ela mesma. Quero dizerlhe exatamente o que ela pode fazer com sua teoria ridícula, mas ela não é feita a falar. E eu preciso ouvir tudo. Dobrou os braços em seu peito e batendo o dedo indicador contra seu bíceps tonificados pela luta, ela diz, "e há o fato mais importante que o guérisseur Gwenhaël disse aos meus homens, sob grande pressão que admito, que foi o campeão quem matou o líder numa. Eu sabia que Vincent ‘entrou’ em você para matar Lucien, mas foi você que jogou a faca. "Depois que eu tirei o foco de Vincent e pensei em você, tudo se encaixou. E então, aqui estamos. Eu não sou um guérisseur ou um vidente então não posso dizer se você é o campeão fabled halo 'estrela fogo'. Portanto, vou me arriscar e destruí-la, uma vez que você está totalmente acordada. Como que dizem agora... sem pele do meu nariz? " Percebendo o que ela disse, ela esfrega seu esboço amputado novamente e força um sorriso. "E não se esqueça você se ofereceu para mim. Você me deu plenos poderes do campeão."


Não, acho que mais uma vez, ela tem que estar errada. Mas permaneço em silêncio, disposta a dar-lhe a satisfação de saber o quanto ela me abalou. Como não respondo, Violette levanta e caminha até uma mesa disposta ao lado da lareira e, inclinando-se sobre ela, começa a rabiscar alguma coisa em um caderno. Eu fecho meus olhos e penso no que ela me disse. Não acredito nela. Não posso. Como posso ser o campeão? O campeão é uma espécie de superherói morto-vivo. Ok, então eu me encaixo dentre essas habilitações, acho, a dor rasgando-me quando, mais uma vez, eu reconheço que eu sou... morto-vivo. Uma lágrima desce em minha bochecha só me identifico com essa palavra horrível, mas eu luto para me recompor. Eu tenho que pensar. Cada vez que Bran falou sobre o campeão, ele usou o pronome "ele". A profecia que ele leu sempre usou a palavra "ele". Isso deve significar alguma coisa, não é? Todo mundo achava que o campeão foi um homem. Bran faria isso de forma diferente se ele soubesse que eu era o campeão? Não necessariamente, eu acho. Ele não poderia saber. Eu nem sequer era um revenant. E então eu me lembro. Foi imediatamente após o grande evento — quando ele tocou a JeanBaptiste e tornou-se o VictorSeer — que começou estranhamente olhando para mim. Eu estava verificando meu cabelo em torno dele, me perguntei o que ele estava olhando sempre. Mas e se não fosse meu cabelo que ele estava focando? E se tivesse sido minha aura? Era uma espécie de estranho estrabismo, acho que com o alvorecer do terror. Se minha aura é tão brilhante como uma estrela "pegando fogo", não admira que ele apertasse os olhos cada vez que ele olhou pro meu caminho. Meus pensamentos começaramm a corrida, cada realização me picando como uma grande vespa enlouquecida. Lá foi a sua insistência que o campeão não veio ainda. Ele nem queria olhar para outro bardia para verificar. Foi porque ele sabia que era eu. Havia os olhares para os lados, quando surgia o assunto do campeão. E sua vontade de me deixar visitar os arquivos do flama-dedo. E então me lembro de suas palavras, quando voltei da caverna com seus livros. "Estou feliz que você foi," ele disse. "Bem poderia ser sua única chance." Por que ele diria isso? Portadores de bardia o signum são autorizados a entrar. Mas não são revenants. Ele sabia que eu era um morto-vivo latente. E ele sabia que logo seria o campeão. Bran tinha conhecimento esse tempo todo. O choque atinge-me como uma onda, rugindo em meus ouvidos e me mandando girar e batendo em sua esteira. Eu deitado sem poder ver nada, mas a garota que está determinada a destruir-me. "Alguma pergunta?" ela pergunta, fechando o caderno Cale e guardando em seu bolso.


"O que você fez com Vincent?" "Ele já não tem valor para mim," diz respondeu. "Eu o teria matado junto com você, mas eu não queria arriscar seu sacrifício. Você ofereceu sua vida por ele. Não sabia que você se tornaria um morto-vivo se você não conseguisse salvar sua vida. Então eu o deixei no hotel." Eu fecho meus olhos agradecida. Ele está seguro. "Sim, você descansar", diz Violette, voltando para a cama e em cima de mim. "Vai ser pelo menos mais um dia antes de você recuperar sua força. Embora, como você pode ver," ela disse, olhando para as cordas que amarravam meu corpo, "Eu não vou arriscar qualquer nada." Ela começa a andar em direção à porta. "Violette?" Eu chamo, virando minha cabeça para poder vê-la. "Sim, Kate?", indaga olhando curiosa. "Espero que eu não seja o campeão," eu disse minha voz calma agora, "porque odeio dar explicações adicionais. Mas se eu sou, espero que você tenha que cortar uma mão inteira desta vez e comer um gato cru, a fim de absorver-me. E eu espero que você engasgue com ele." Seu comportamento calmo demais finalmente se despedaça. Fazendo um barulho entre um grunhido e um grito, ela pisa sobre a cama e bate em meu rosto tanto quanto ela pode. Então, girando sobre seus saltos, corre para fora do quarto, batendo a porta atrás dela. Deitei minha cabeça para trás para baixo e o tenho gosto de sangue, na minha boca. Eu sorrio.

TRINTA E SETE A porta reabre quase imediatamente, e Louis entra com uma bandeja. Embora suas sobrancelhas levantadas de curiosidade sobre o que aconteceu entre mim e sua amante, ele não diz nada. Ajusta a bandeja para baixo, ele sem palavras enche um copo com água. Levanta minha cabeça e me ajuda a pegar algumas coisas para baixo antes de substituir o vidro e dar-me um segmento de laranja. Minha fúria arrefece lentamente como que estudá-lo pela primeira vez. Vejo que o que deve ter sido um estranho garoto de treze anos ou mais, antes que ele assumiu a fachada enganosamente carismática que faz parte da transformação revenant. Como Vincent me explicou no verão passado, quando revenants anima, tornamse fisicamente mais atraentes do que quando eles eram humanos. É a sua super força: as pessoas são atraídas por eles e, portanto, mais propensos a confiar


neles. No caso do Bardia, isto é uma coisa boa — mais vidas salvas. Mas no caso do numa, é para o perigo da sua vítima. Quando numa quer ser assustador, eles com certeza são. Mas quando eles estão em modo de homem, eles podem ser tão simpático personalidades como Lucien foi quando ele enganou minha irmã para se apaixonar por ele. O que poderia ter feito esse garoto em uma idade tão jovem para animar como um traidor serial? Gostaria de saber. Louis evita meus olhos enquanto ele fica. E embora eu saiba que ele apenas obedece às ordens de Violette, agradeço-lhe, quando ele sai da sala. Ele pára na porta, olhando curiosamente para mim antes de fechar a porta e me deixar sozinha com meus pensamentos. O tempo passa lento como caracol e minhas pernas doem tanto e esse vazamento de lágrimas dos meus olhos. Não estou a chorar; é apenas a resposta do meu corpo à dor intensa. O que faz sentido: meu tecido humano morto vem à vida novamente. Tremo com horror. Vincent não me contou essa parte da sua história. Ele não me disse um monte de coisas. Porque ele nunca pensou que ficaria nessa situação. Nenhum de nós suspeitou de eu de ser como ele. Embora, agora que Violette enumerou as razões, eu percebo que deveria ter visto. Se não tivesse havido a crença em Vincent sendo o campeão nublando a questão, provavelmente teríamos. E se tivéssemos, bem, as coisas seriam diferentes. Não teríamos que lidar com a questão da minha mortalidade e sua vida para sempre. Porque eu tive a chance de me tornar imortal. Essa é a cruel ironia: agora que eu tenho a possibilidade de passar a eternidade com Vincent, alguém vai tirar isso de mim. Vai me matar — novamente — e queimar o meu corpo. Apenas deixá-la tentar, eu acho minha raiva me fazendo sentir toda poderosa. Eu esforço-me violentamente com minhas obrigações, em convulsão como uma louca no meu desespero, mas o único resultado é sangramento dos braços. Medir o tempo com a batida do meu coração desacelerando para baixo e a mudança da luz lá fora da janela do barco. Deve ser no meio da manhã quando Louis entra na sala e começa a rotina de alimentação novamente. Comendo e bebendo enquanto de costas são difícil, para dizer o mínimo. Mas estou tão faminta que eu consigo mastigar e engolir tudo o que ele me dá — e mantê-lo para baixo. "Quanto ano tem?" pergunto por último. Os olhos dele aumentam e então estreitam. Sua mandíbula aperta e ele balança a cabeça. Ele rapidamente fecha a bandeja e sai da sala. Eu fecho os olhos e tento relaxar, mas cada músculo do meu corpo está pulando. Estou desesperada para mudar, mas só meus pés e mãos estão livres para girar. Então trabalho com eles.


Então, flexiono meus dedos das mãos e dedos dos pés e tento relaxar. Não há mais nada que eu possa fazer, além de imaginar o que minha família deve estar pensando agora. Eles acreditam que estou morta. Eles estão de luto. Mais uma vez. Meu coração dói fisicamente quando eu os imagino, então eu lanço a imagem da minha cabeça e começo a pensar em fuga. Eu estudo os bloqueios nas janelas e memorizar o layout da sala. Não sei do que sou capaz, por isso é difícil de criar estratégias. Quem me dera que eu tivesse feito a Vincent mais perguntas sobre os poderes de revenant. E se eu sou o campeão? O que foi que Vincent disse-me... além dos poderes "anteriores" que Violette tinha descrito. Força. Resistência. Gostaria de saber se eu tenho super poderes. Eu tento lembrar sobre os títulos novamente e não acontece nada. Eles não se encaixam como segmentos. Ok... Eu não sou o Hulk. Eu posso somente ter esperança na parte da resistência estar certa. Porque se não, ficando amarrada a esta cama vai me deixar louca. Quando o sol entra pela janela atinge o teto — são meio-dia, eu acho — meu desespero cresce. Violette disse que minha força voltaria em um dia. Eu tenho que sair daqui antes disso. Mais do que meu medo de ser morta, novamente, é minha determinação de não ser a chave para tornar-se um supervilão campeão-abastecido e exterminando a bardia. Lembro a história sobre numa que absorveu o poder do campeão indiano e a destruição que ele conseguiu causar antes dele ser parado. Violette não precisa de qualquer persuasão mais para seduzir as pessoas a segui-la. E adicionar, é só um palpite, mais que o dobro de uma força revenant, resistência e tudo o que, ela poderia ter Paris sob controle em uma hora no máximo. Para não ser cômicolivro-herói dramático, mas se eu tenho o destino de Paris... e, eventualmente, França ou até mesmo além... descansando sobre os meus ombros, melhor eu encontrar o inferno uma maneira de sair daqui. Louis está de volta, fazendo a rotina de todo mudo mais uma vez. Mas desta vez, estou determinada a fazê-lo falar. "Eu sei que não deveria falar comigo. Mas eu estou supondo que você não é mais jovem do que eu sou. E também acho que você pode não querer estar aqui." Eu assisto o vazio relaxar sua expressão por um segundo, quando olha os meus olhos, e então ele veste a máscara e continua a alimentar-me. Mas eu vi o que estava procurando: tristeza. Desespero. Eu engoli a mordida da maçã que está a alimentar-me e pensei no que dizer. Onde estão os poderes sobrenaturais de persuasão quando eu preciso deles? Decidi contar a verdade.


"Eu nunca pedi isto, Louis. Não quero ser o campeão. Não quero mesmo ser um morto-vivo. Eu só quero voltar a ser uma garota humana normal e nunca mais ver aquela aberração medieval assustadora." Louis congela, não sabendo o que fazer. Minha raiva parece fazer sentido para ele, mas minha honestidade o deixa confuso. Eu posso ver que o que eu disse mexe com algo dentro dele. De pé, ele caminha até a porta e fecha-a cuidadosamente e depois volta para sentar perto de mim. "Ela não quer que eu fale com você," ele sussurra. "Devo dizer-lhe num segundo que eu acho que você está tentando persuadir-me a ajudá-la." "Bem, eu acho que é normal se ela acredita que melhoraram o poder de persuasão," eu disse. "Ela deve confiar em você muita coisa para deixar você em paz comigo." "Confiar?" ele riu. "Por que acha que ela está aqui neste barco, nunca mais do que alguns metros longe de você?" Meu nariz está escorrendo, e a única coisa que eu quero mais do que qualquer outra coisa no mundo é um lenço de papel. Eu me emociono algumas vezes, tentando limpar meu nariz no meu ombro e Louis pula até obter uma toalha e pincela no meu rosto. "Obrigado", eu digo. E então me ocorre uma coisa. "Para o quarto de hotel... por que pediu desculpas quando você me agarrou por trás?" Pergunto-lhe enquanto dobra a toalha e coloca-a sobre uma mesa ao lado. Observa-me do outro lado da sala. Decidindo. Em seguida, aperta os olhos firmemente fechados, ele esfrega a testa preocupado. "Eu estava com quase quatorze anos quando morri — a poucos meses atrás," ele diz com uma voz tão apertada, parece que vai estourar a garganta dele. Expirar, ele caminha até a mim. "Não quis matar ninguém. Ok, sim, eu fiz. Mas eu estava apenas temporariamente... acho que louco. Eu odiava o cara tanto pelo que ele fez para nós e minha mãe." Ele estremece e abana a cabeça. É tudo o que ele vai dizer sobre seu passado. "Eu sou apenas... Peço desculpa por tudo isso. Não quero ser assim. Ela me encontrou e me fez o preferido dela, e tudo o que eu quero fazer é morrer. Mas isso não é mais possível para mim." Não sei o que dizer. "Preciso ir", diz ele e começa a sair do quarto. "Espera!"


"O quê?", indaga, virando-se para mim. "Obrigado." "Pelo quê?" ele parece suspeito. "Por falar comigo. Por limpar meu nariz. Só... obrigado." "Não fiz nada", diz ele, estreitando os olhos. E virando-se, ele sai, fechando a porta atrás dele. Eu deitada, olhando o teto. Louis é como Violette. Uma aberração da natureza. Ele tornou-se um numa por acidente, da mesma forma que ela se tornou um revenant. E agora ele está fadado a ser o parceiro dela, pelo menos até ela aborrecer-se dele. Que, para Arthur, levou cerca de quinhentos anos.

TRINTA E OITO Um momento depois, eu sinto outra presença em sala. “Kate”, diz. Eu estou acostumada a ouvir uma voz dentro da minha cabeça, mas pela primeira vez, ele não é Vincent. Eu olho pelo quarto, a procura da fonte da voz, mas não vejo nada. "Que é isso?" Pergunto em um sussurro de loucos. “Gaspard”, diz a voz. “E aparentemente você não tem que falar em voz alta. Eu ouvi suas palavras antes quando você falou com ele. Como terrivelmente conveniente” Não consigo deixar de sorrir. Ele parece o mesmo na minha cabeça, como na vida real. “O que fazes aqui? Eu pensei que você e JB deixaram Paris”. “Nós fizemos. Mas Jean-Baptiste viu sua aura durante todo o caminho da Normandia e insistiu em voltar. Todo mundo tem procurado por você. JeanBaptiste seguiu sua luz e nos trouxe a todos aqui. Devo dizer minha querida, você está absolutamente horrível. Sangue seco coberto por todo os lados. Você é praticamente... zombiesque”. Ignorando suas observações sobre a minha aparência. “Como estão meus avós? E Vincent?” “Estão todos bem. Ambrose e Charlotte têm seus avós em segurança fora do Crillon, depois voltaram e resgataram Vincent.” Eu soltei um suspiro de alívio. “Então, onde estamos?”


“O barco que está presa dentro está nos arredores de Paris, movendo-se para o oeste,” diz Gaspard. A voz desaparece por um momento e então está de volta. “Quão forte você é?” “Não sei”, admito. “Quanto tempo estive aqui?” “Violette matou você quase quatro dias atrás”, Gaspard diz. “Não posso ficar por muito tempo. Ela e os seus homens irão sentir que estou aqui. Vincent não quer tentar uma resgate até que ele saiba que você está forte o suficiente para lutar por si própria. Não há nenhuma maneira de rastejar acima em um barco no meio do rio, mas não queremos dar Violette o tempo que ela precisa para destruí-la.” A voz dele desaparece novamente por um bom alguns minutos, e então ele está de volta. Vincent diz, e cito, "seja forte, mon ange." “Ele diz que você deve fazer o seu melhor para ficar livre, mas fique onde está e finja que ainda estão vinculados. Eu vou voltar em algumas horas pra te ver”. “Gaspard?” Eu digo. “Sim”. “Eu sou um morto-vivo. Sei que é o eufemismo do século, mas de alguma forma dizer isso em voz alta faz-me sentir melhor”. “Eu sei. Parece que você é realmente um pouco mais do que um morto-vivo, querida Kate”. Inspiro agudamente. “Como você sabe?” “Bem, em primeiro lugar, sua aura é como Jean-Baptiste nunca tinha antes. É como um sinal de localização para sua capacidade de vidência. E então, quando confrontados, Bran confessou. Ele sabia disso o tempo todo, mas foi vinculado pelas regras do seu povo para não te declarar campeão antes de você realmente se tornar tal”.

Meu palpite estava certo. Bran tinha conhecimento. Não consigo decidir se estou grata ou chateada com ele por não me deixar saber. Mas novamente... talvez tivesse tentado com todas as suas dicas. A única maneira que ele poderia "legalmente" me avisar. Tinha sido cega a ele. “Só tenha cuidado, Kate,” Gaspard continua. Eu estarei para ver você. Então meu estado — ambos revenant e campeão — agora é de conhecimento comum entre a bardia. Todos sabem. Vincent sabe. Não sei como me sinto sobre isso. Há uma pontada no meu coração... eu me pergunto se isso mudará a forma


como ele me vê agora. Ele me disse mais de uma vez que ele nunca desejaria o destino revenant para mim. Bem, nada disso importará se eu não posso sair daqui. Meu corpo vai tornar cinzas e meu espírito absorvido por Violette, fortalecendo-a. Fazendo-a forte. Só de pensar em ser uma parte dela me define em ação. Eu trabalho nas minhas emoções, movendo as minhas mãos para trás e mordiscando as cordas. Tudo que consigo são queimadura de corda e mais sangramento. Apetece-me gritar, mas agora que estou em contato com os outros, não quero chamar a atenção mais para mim do que o necessário. Deito na cama e gostaria de poder dormir. Após o que parece ser longo tempo, Louis está de volta com outra bandeja. Desta vez ele deixa a porta aberta atrás dele. Levantando a minha cabeça para me ajudar com a bebida, ele coloca fatias de frutas e nozes na minha boca e me espera mastigar e engolir. Eu sinto que ele odeia este trabalho de guarda. Há algo sobre a maneira que sua mandíbula aperta quando eu ocasionalmente recuo em dor. E a maneira como seus olhos fixam no meu rosto a cada poucos segundos para avaliar as minhas reações. Senti uma emoção nele que finalmente percebi que poderia ser simpatia. Eu tenho uma suspeita que ele gostaria de estar em qualquer lugar além daqui, me ajudando a crescer mais forte para que sejam destruídos. Correndo o risco que meu palpite está certo. "Louis, por favor, me ajude a sair daqui," eu sussurro. Ele age como se não me ouvisse e aparece uma avelã na minha boca. Mastigo, engulo e me pergunto se há um truque para essa coisa de persuasão. Focando o que eu quero dele, imagino-o levantar-se, fechando a porta e em seguida desatar-me. Eu me concentro toda a minha energia para aquele pequeno rolo de filme na minha cabeça, vê-lo passar os movimentos que eu quero vez após vez. Sinto-me outra avelã contra meus lábios, e meus olhos se abrem para ver o olhar dele piscar rapidamente longe de mim quando eu levo a comida de seus dedos. Ele levanta e caminha em direção a porta. Estou arrasada pela decepção. Ele é minha única chance: quando tiver super forte, não há nenhuma maneira que eu vá sair daqui a minha própria. Quando o vejo sair, percebo algo que eu não tinha notado antes. Dentro de sua aura vermelha brilhante brilham algo, assim como pequenos filamentos de ouro. Eu pisco algumas vezes, imaginando se ficando deitada de costas por tanto tempo está me dando fadiga ocular, mas quando olho novamente, o brilho dourado é ainda está lá. Como se ele se sente vigiado, Louis faz uma pausa. E então ele vira e volta. Cuidadosamente evitando meu olhar, ele inclina-se debaixo da cama e pega em uma das cordas. Ele morde no meu braço, como a corda torce contra minha pele. Estou petrificada em alarme, imaginando o que ele está fazendo. Sem olhar para trás, ele leva tira uma única chave e deixa-a no parapeito da janela antes de sair


da sala, fechando a porta ruidosamente atrás dele. O que aconteceu aqui? Eu me pergunto. Levanto a minha cabeça para olhar para baixo para as minhas mãos. Ele virou o fio em volta deixando o nó bem ao lado de meus dedos. Deitei minha cabeça para trás para baixo e fechei os olhos em agradecimento. Em seguida, convoquei toda a minha força, para me sustentar e comecei a trabalhar o nó com minhas unhas. É um nó simples, mas foi amarrado tão firmemente que eu tenho que realmente desvendar alguns dos cabos usando minha unha miniatura como uma faca. Ouço passos aproximando-se da porta e congelo, menti para baixo de modo que se alguém espreita não podem ver nada de errado. Os passos a pé se vão, e lançome para a tarefa mais difícil do que antes, rasgando a pele em meus polegares para soltar a corda. Finalmente sinto-me a libertação de um nó e eu solto a corda livremente. Existem três acordes mais me segurando: meus ombros, braços, pernas e pés. Trabalho pelos próximos minutos, cada um sendo mais fácil do que a última agora que tenho mais mobilidade, e finalmente estou livre. Eu considero esperar por Gaspard, mas parece que faz horas que ele me deixou. Podia armar as cordas ao meu redor, fingir estar amarrada no caso de Violette retornar. Mas se se trata de lutar contra ela, não tenho certeza se posso ganhar. Não tenho como julgar a minha força. Apesar de não me sentir pronta para uma luta, eu sinto desespero suficiente para mover os meus membros. Talvez até para tentar uma fuga. Curiosa, eu toco no meu peito, puxo minha camisa separada onde a faca do Violette cortava. Estou coberto de uma camada espessa de sangue seco, por isso é difícil ver a faca ferida. Eu passo meus dedos sobre meu peito, onde a lâmina entrou. É suave. Não há nenhuma ferida. Nem mesmo uma cicatriz. Eu tremia e arrepiada levanto meu antebraço. Se eu tivesse quaisquer dúvidas remanescentes sobre minha mortalidade, tinham agora desaparecido. Estou inegavelmente sobrenatural. Eu balancei as pernas sobre o lado da cama e sentei ali, sentindo a adrenalina de sangue em minhas coxas. Os alfinetes e agulhas retornam com força total. Eu tento ficar de pé, mas caio imediatamente para a posição sentada, até que finalmente posso sentir meus dedos. Fico assim por mais um momento antes de tentar ficar de pé novamente. Então eu manco dolorosamente através do quarto, à janela. Eu pego a chave de Louis, deslizo-a para a fechadura. Ele se encaixa, e abro cuidadosamente, com os dentes cerrados, tentando fazer o meu melhor para evitar fazer barulho. Eu empurro a janela aberta lentamente — um centímetro de cada vez — e depois não acontece nada, me atrevo a enfiar a cabeça para fora e olhar para baixo. Há uma queda de seis metros ao deck principal. Ninguém está à vista.


Sacudo meus braços e pernas, tentando obter minha circulação antes facilitando uma perna ainda meio manca através da janela e depois dela com a outra. Eu fico pendurada de lado em meus cotovelos e então encolho até que eu estou segurando a beirada da janela com a ponta dos meus dedos e caio silenciosamente para o convés. Ou pelo menos, é o que tento. Minha roupa incrustada de sangue fazem um tipo de som quando batem na madeira com o impacto — um eu poderia normalmente copiar de alguma forma — tendo me agachado, incapaz de se endireitar-me porque meus músculos da perna ficaram dormentes. Estou presa lá durante três segundos, meu coração batendo como um tambor, em pânico que Violette irá aparecer na minha frente antes que eu possa entrar com segurança na água. Fique calma e pense, eu peço e verifico o espaço em torno de mim para qualquer coisa que possa ser usado como uma arma. Bem na hora. Quando eu empurro-me, com esforço, em uma posição de pé, sinto uma mão apertar embaixo em meu ombro. Olhei em volta para ver um dos guardas do hotel amarrado por baixo de mim.

TRINTA E NOVE "EI!" Os gritos do numa. Antes dele poder alertar os outros, eu pego um remo de metal fixado na parede ao meu lado e balanço tanto quanto possível contra sua cabeça. Eu ainda estou fraca, mas parece tê-lo atingido no lugar certo, porque ele libera o meu ombro e cambaleia para trás, assim quando outro numa chega ao convés e corre em minha direção. "O que está acontecendo?" Ouvi Violette gritar e então mergulho do convés do barco na água fria abaixo. Eu nado com determinados traços em direção a costa. Se eu sou o campeão, definitivamente não me fez mais forte. Estou cansada e fraca, mas o pânico me move rapidamente através da água. Agradeço a minha estrela da sorte que eu já era uma boa nadadora, quando humana. Quando eu era humano. Meu peito contrai e fraqueja no meu curso. Eu sou um monstro. Não, você é um morto-vivo, corrijo, exortando o meu corpo para frente. Ouvi um barulho na água atrás de mim. E depois outro. Presumo que os guardas numa estão atrás de mim, mas eu não tenho tempo para olhar para trás. Eu luto pela água, meus músculos cauterizados pela dor, indo direto para a margem do rio. De repente, outra pessoa está na minha cabeça. Gaspard. “Kate, eu estou levando os outros para o ponto onde você está vindo para terra. Numa atingirá a terra antes dos parentes chegarem até você. Você terá que lutar”.


“Sua visão de futuro pode me dizer se eu vou ganhar?” Pergunto, lutando para manter a minha velocidade. “Não, não consigo ver isso.” Mais alguns minutos e meus pés tocam no chão. Eu surjo da água sobre a terra. Não existem edifícios ao redor, então devemos estar perto de um dos parques nacionais fora dos limites da cidade de Paris. Ninguém pode me ver. Ninguém para pedir ajuda, eu acho. Sou só eu contra o numa. Sem olhar para trás, ando para frente, tropeço pingando, alagando e deixando um rastro de sangue e água atrás de mim. À procura de alguma coisa que eu possa usar como uma arma, eu pego um galho quebrado, encaixa-o fora e limpo de seus galhos mais rápido que posso. É quase do mesmo tamanho que o varapau que treinei com Gaspard, embora um pouco mais pesado. Eu viro para enfrentar a água e que perdi por um momento. Os dois homens nadando na água têm o mesmo halo vermelho assustador de luz que brilha em torno deles como fizeram no barco. Mas agora que eles estão mais distantes, o vermelho está iluminando a água como tinta abaixo deles e atirando para cima no ar como um farol. Faz piscar os olhos. A luz diminui enquanto meus olhos estão fechados, mas aquece de volta quando eu foco novamente. Quando eles se aproximam, a luz cresce mais não ofuscante, até que eles estão em cima de mim, andando acima da água e o sinal desaparece, deixando apenas a sua luz vermelha enevoada. Não tenho tempo para considerar o que a estranha ilusão de ótica significa ao certo agora. Gaspard fez bem em me avisar: eles estão tão perto que se eu correr, rapidamente me pegará. E não faço idéia de onde estou. Nenhum senso de direção. Seria muito fácil para mim se eu me perdesse tentando encontrar uma maneira de fica fora do perigo. Apenas cinco segundos decorridos entre o momento em que eu me armei e o momento em que eles estão em cima de mim, e eu passo este flash de tempo furiosamente descascando a casca de uma ponta do meu pau. Eu tento criar estratégias enquanto os observo abordarem. Pânico engolfa-me quando eu vejo suas forma e percebo que não faço idéia de como tirar dois numa de uma vez... com apenas uma vara. Não acho. Aja, digo a mim mesma. Eu respiro profundamente e tentar me colocar na zona — o estado de espírito, eu aprendi a calçar depois de meses de treino de luta com Gaspard. Não tenho tempo para me concentrar. Meus dedos estão sangrando, e um pedaço de madeira está preso dolorosamente sob minha unha. Mas a dor me ajuda a ter foco. Eu tropeço um pouco do peso do ramo, giro e esmaga-o contra o ombro do primeiro que me toca.


Ele não está preparado para o golpe. Perde o equilíbrio, tropeça e cai pesadamente sobre um ombro, gritando de dor, quando ele se desloca. O segundo dos meus atacantes está sobre mim, e desajeitadamente balanço novamente, não o utilizo de uma forma tão pesada. Ele é atingido embaixo, golpeando suas canelas, mas ele está mais bem preparado do que seu parente. Embora ele cambaleie, mantém o equilíbrio. Ele vira para mim, e eu viro à parte, deixando-o no ar antes que ele se vire e me ache novamente. Meu inimigo no chão está de pé. Eu tenho dois em cima de mim de uma só vez, mas estou pronta, agora a sentir o ritmo da luta. Tudo o que eu aprendi volta a servir-me, e eu estou no controle. Espero, equilibrando a vara horizontalmente em ambas as mãos, observando o atacante de frente para mim. Parece que os dois numa não tem nenhuma estratégia além de me apressar individualmente. Como explicou Gaspard, uma das maiores fraquezas do numa é "anarquia na guerra". A menos que eles trabalham sob um líder forte, é cada para si mesmo. Eu tiro proveito disto e me concentro em um de cada vez. Meu inimigo ruge e corre para mim, e eu bato nele diretamente no ombro com a extremidade grossa do pau. Quando ele cai para trás, eu sinto o outro numa segurar-me por trás. Puxando a ponta da vara com força para trás, debaixo do meu braço, eu espero até três metros e forço através de seu peito. Meu Deus. Sinto a madeira passar pela carne e estou enojada, em uma reação de tododemasiado-humano, tendo espasmos em minha garganta. Não penso nisso, eu mesmo peço. Se eu tomar o tempo para sentir, estou morta. Mais uma vez. Estouro os olhos do numa a e ele solta um grito que é mais parecido com um gemido quando ele coloca as duas mãos em torno da haste salientes do seu peito. Eu empurro a vara para trás dele, e ele cai no chão. Trazendo o fim sangrento ao redor, eu balanço a haste de volta para meu oponente ao nível da sua cabeça. Ele agarra-o com ambas as mãos, arrancandoo de meu alcance. Mas as mãos deslizando sobre o sangue cobrindo toda a haste que escorrega e ele deixa cair o bastão no chão. Estou perto demais para que ele se abaixe e pegue. Furioso, ele ruge. Levantando os punhos, ele puxa para trás o braço para me dar um soco. Eu ataco primeiro, dobro para baixo à minha esquerda, abaixo de sua trajetória de ponche e chuto para fora com meu pé direito, planto-o diretamente no peito. Ele tropeça volta um passo, mas arremete para baixo e é capaz de agarrar o varapau improvisado. Balançando-o como um taco de beisebol, ele pousa num poderoso ataque na minha parte superior das costas, enviando-me voando para frente. Quando minha cara bate no chão, sinto minha bochecha moer contra sujeira e pedras e ali, sangrando e sem poder respirar. Eu me esforço em minhas mãos e joelhos,


ofegante, asfixiada e cuspindo sujeira e sangue. Minha respiração foi nocauteada, e vejo estrelas e me pergunto quanto tempo eu tenho antes de eu desmaiar. Eu ouço o numa vindo atrás de mim e palavras cruzadas para frente, tentando fugir. Ele me pegou pelos cabelos, agarrando meus cabelos molhados, desgrenhados com uma mão e o usa para puxar-me para os meus pés. Com a outra, ele mantém a ponta afiada da vara na minha cara. Com uma expressão de como ele está imensamente apreciando o que está prestes a fazer, ele chama minha cabeça de volta para a vara até a ponta. Uma fração de segundo antes de morrer vejo a cara de Vincent antes de mim mais uma vez. Ele está no cais do Sena, em pé no sol, mãos empurrado para os bolsos de jean, me dando aquele sorriso torto que eu agora sei que significa, "Eu te amo". Amo-te, também, penso eu, e meu medo desaparece quando eu trago um último sopro de ar. Mas antes do jogo atender meu rosto um barulho ressoa e numa já levou os pés para o lado, pousando pesadamente no chão. Uma vez que ele se mexe, mas a seta lançada através de seu corpo o matou antes que ele mesmo caísse. "Kate!" Vincent chama, e então ele está apertando-me contra si mesmo tão firmemente que eu posso sentir seu coração bater contra o meu peito. Eu estou ofegante, inclino-me contra ele para suportar e deixá-lo levar todo o meu peso enquanto eu me deleito com o fato de que ele está aqui. Finalmente, ele deixa ir e alisa meu cabelo molhado, desgrenhado da minha cara para que ele possa me ver. Ele tira a sujeira e o sangue do meu rosto com as pontas dos dedos. A emoção nos olhos faz minha própria nuvem de lágrimas. "Está viva", ele finalmente consegue dizer. "Não realmente", respondo o meu peito ainda arfante com esforço e então não posso dizer mais nada porque ele está envolvendo os braços em volta dos meus ombros, puxando-me para ele. "Achei que eu jamais veria vê-la de novo," ele diz. Pegando meu rosto em suas mãos e me beijando. É um premio. É profundo. É o meu primeiro beijo em minha nova encarnação... desde que meu coração parou e começou de novo. Eu sou um morto-vivo, e ainda Vincent está a me beijar e minhas preocupações que ele não me queira assim — que de alguma forma isso mudaria a maneira do que ele sentia por mim — se dissiparam. Beijei-o de volta, empurrando de lado o resto dos meus medos e dúvidas e tristeza sobre o que foi perdido e abandonando-me ao prazer de tocá-lo novamente. Esse desenho de Vincent, eu volto para ver Charlotte permanente nas proximidades com um arco na mão e um sorriso malicioso no rosto. Ela é brilhante. Não só de um jeito feliz — o ar em torno de seu corpo é


realmente brilhante ouro vermelho e à volta da cabeça é o halo da Bardia, "uma aura como um incêndio florestal," como havia colocado-o Gwenhaël. Eu olho para Vincent. Ele é o mesmo: halo de ouro e o ar em torno de seu corpo brilham como chamas. Isto é como eu vejo agora, acho que com espanto e me pergunto se eu alguma vez vou me acostumar a ver meus amigos brilhando e meus inimigos desaparecendo em névoa vermelha. Isso é... se eu viver o suficiente. Eu me lembro que embora minha meta imediata de fuga foi alcançada, nós estamos ainda no meio de uma guerra numa-bardia. Violette não vai deixarme sair daqui sem querer vingança. Ela vai tentar me levar de volta, acho que com uma pontada de raiva. Charlotte fala: "Desculpe por interromper vocês dois, mas o barco de Violette não está muito longe e os outros estão esperando para voltarmos para os carros." Vincent acena para ela e então, puxa-me e me dá um último beijo. Ele tira o casaco e o ajusta ao meu redor e retira seu telefone. Ele diz a alguém que estamos no nosso caminho e os instrui para buscar os corpos dos numa para cremação. Charlotte me leva pela mão. "Eu sei que agora não é hora de falar sobre isto. E você vai ter todos os tipos de decisões para fazer e coisas para descobrir, mas....” vejo lágrimas nos olhos dela e ela deixa cair seu arco e lança seus braços ao meu redor. "Bem-vinda alma."

QUARENTA Quatro veículos nos esperavam quando saímos da clareira em direção à estrada. Até uma ambulância. Aproximamos-nos de dois revenants uniformizados de paramédico que puxaram uma maca na parte de trás e caminharam em direção da floresta de onde viemos. "Nós estamos levando as ambulâncias em todos os lugares que podemos ir agora,", comenta Vincent, e acena para eles, quando nós passamos. "Nenhum corpo numa são deixados para trás mais. Estamos tentando limpar a cidade." "Como está isso?" pergunto. Eu sei que ele está tentando fazer uma conversa leve para não ter de falar sobre as coisas. Se for porque ele não está pronto, ou ele acha que não estou pronta, ou porque há outros por aí, não tenho a certeza. Mas não me importo de brincar também, desde que, na verdade estou louca para saber o que aconteceu enquanto estive fora.


"Não bem", ele responde. "Nós emboscamos alguns em residências do JB, mas a notícia se espalhou rápido e eles evacuaram o restante. Agora é que estamos começando do zero, sem saber onde procurar." "E a violência na cidade está piorando a cada dia," Charlotte interrompeu. "De acordo com conexões da polícia do JB, desde que Violette deixou La Maison e tornou-se numa chefe — tempo integral, que é — suicídios mais do que triplicaram, relatórios de abuso infantil e disputas domésticas subiram e os subúrbios estão explodindo com violência de gangues. Com mais numa chegando na cidade, maiores incidentes de crimes violentos são relatados. Não podemos sequer começar a manter-nos." "E você passando seu tempo procurando por mim?" Pergunto, horrorizada. "É claro", diz Charlotte, como se isso fosse óbvio. Ela caminha na frente, deixando o Vincent e eu em paz. Ele pára olha para o chão por um momento. "Você sabe que o Bran a identificou como o campeão?" Eu aceno. "Faz sentido", diz ele, mostrando preocupação misturada com algo mais que não posso identificar nos olhos dele. É medo? Ele passa um braço firmemente em torno dos meus ombros quando chegamos ao carro. Ambrose e Geneviève saltam e envolvem-me em um abraço de sanduíche. "Você quase me assustou fora de meu juízo, Katie-Lou," diz Ambrose. Ele inclinase de volta e dá uma olhada em mim. Eu olho para baixo e percebo como eu estou parecendo: coberta de sangue — meu próprio e do numa — coberta de lama, manchas escuras na minha roupa que mesmo nadando através do rio não conseguiram sair, um corte de faca na minha camiseta. Levanto minhas mãos e vejo que minhas unhas já não têm crosta de sangue seco embaixo, agora escorre sangue fresco. "Chique" zumbi", conclui. "Só um campeão poderia retirá-lo." "Cuidado, Ambrose. Eu poderia fritar você com meus raios só em olhar para você caso me irrite," eu disse. Ele volta os olhos de mim. "Você pode fazer isso?" "Honestamente", eu admito, "não faço idéia do que posso fazer." Eu forcei uma gargalhada, e Ambrose aperta-me para ele novamente. "Você vai ficar bem, maninha," murmura e cuidadosamente, coloca-me no banco de trás.


Vincent vem vindo dando instruções ao motorista do primeiro carro, e agora ele retorna e diz: "Vamos!" Ele instala-se ao meu lado enquanto Ambrose dirige. "Vou com os outros," diz Charlotte, quando Geneviève sobe no banco da frente. Notei que os olhos de Ambrose seguiram Charlotte enquanto ela corre para o carro na nossa frente e pula dentro. Apertando a mandíbula, ele liga nosso motor e gira o carro para a estrada, fazendo uma inversão de marcha ilegal a cabeça na direção oposta. "Esteróide corrida?" pergunta Vincent. Ambrose mantém as mãos em negação. "Este corpo é 100% natural." "Mãos no volante," espeta Geneviève. "Obrigado, mãe," Ambrose retruca. "Você sabe há quanto tempo estou dirigindo?" "Wow. É ótimo estar de volta," eu tento brincar. Vincent se inclina e sussurra "como você sente?" "Estou bem", disse e então percebo que não estou. Tenho tentado me agüentar por muito tempo: para me manter segura... a fuga de Violette. Deixei que me motivasse pelo que aconteceu, mas não podia deixar de sentir. Mas agora que estou fora de perigo imediato e sob a proteção dos meus amigos... meus parentes... Eu de repente estou oprimida pelos acontecimentos dos últimos dias e começo a tremer. Vincent me leva em seus braços e me abraça com firmeza. Depois de alguns minutos, minha agitação acalma, mas meus dentes batem e lágrimas caem em minha face. Geneviève se vira para mim e coloca uma mão firme no meu joelho. "Levamos, a maioria de nós, um pouco de tempo para acostumarmos com nossa nova existência", diz ela, a voz dela repleta de compaixão. "Normalmente você teria tempo para se aclimatar para se tornar um revenant antes de ser jogada no meio das coisas. Eu chorei por duas semanas depois de Jean-Baptiste me encontrou e me ajudou a animar. E que foram meses antes que eu estivesse mentalmente pronta para enfrentar o meu destino." "Eu assumo que Violette não me permitiu algum tempo para lidar com a recém imortalidade!" respondi. "Não", diz Vincent. "Achamos que a única razão que ela adiou um ataque direto a nós é porque ela queria o poder do campeão primeiro. Agora que você fugiu dela, ela não vai esperar muito tempo para mover-se."


Ele não quer dizê-lo. Chamar-me de campeão. Isso é sobre o que é o olhar de medo. Vincent não quer que pensem em mim assim. Não quero pensar em mim dessa forma. É muito bizarro, e nem sei o que isso significa. Sinto-me como uma granada de mão — prestes a explodir, mas não tenho idéia se vou falhar ou explodir tudo nas proximidades. "Estamos prontos?" pergunto, forçando o assunto para o fundo da minha mente. "Nossa prioridade era encontrar você", diz Vincent. "Agora que você está segura" — sua voz pega a última palavra — "agora que você está conosco, nós podemos planejar nosso próximo passo." Eu inclino minha cabeça contra o banco, sob o peso de âmbito do que está à frente. "Temos de proteger meus avós e Georgia," eu disse. "Eles serão os primeiros a que Violette vai atrás, agora que eu escapei". "Eles já estão no La Maison," diz Ambrose, olhando para mim no espelho retrovisor. "Charlotte os levou para lá direto de Crillon. Além de voltar para o apartamento para buscar as coisas que eles precisavam, não deixaram nossa casa." Não duvidei que Vincent fosse cuidar da minha família, mas sinto imenso alívio em saber que eles estão seguros dentro das paredes da bardia. E então algo acontece comigo e meu estômago dá volta em caimbras. "Eles sabem... sobre mim?" Vincent vira minha mão e esfrega os dedos dele subindo e descendo na palma da minha mão. "Eu disse-lhes." Lágrimas me vêem aos olhos, e eu puxo minha mão longe de Vincent para limpá-las fora. "Como... o que eles reagiram?" Quero perguntar mas minha voz está quebrando. Vincent troca olhares com Ambrose no espelho. "Depois de receber seus avós lá fora, eu voltei para o quarto de hotel," explica Ambrose. "Vincent tinha sido maltratado e estava inconsciente, e Violette e todos numa tinham saído com seu corpo. O contrabandeou para fora do hotel e de volta para casa. “Quando ele voltou a si, ele nos disse o que tinha acontecido.” "Quando Bran ouviu a história," Vincent diz, "ele foi apoplético e confessou que ele sabia que você ia se tornar o campeão. Você já tinha a aura de 'estrela fogo', e era tão brilhante que ele não podia nem olhar diretamente para você. "Eu pensei que estava morta quando fui informado que você era, não só um morto-vivo, mas o campeão, dentro de instantes," Vincent diz, abaixando a voz dele. "Eu fiquei de luto por você... que alívio que estavas sumido para sempre...


quando percebi o que isto significava e que você estava lá fora em algum lugar sendo preparada para mais uma morte por Violette. Se eu não tivesse que manter meu juízo e organizar a busca por você, eu teria ficado louco." "Ele estava em choque grande," Ambrose interferiu como se a história de Vincent precisasse de reforços. "Eu conheço o homem há quase um século, e nunca o vi tão fora de sua mente. Arthur e eu tivemos de contê-lo para que ele não caçasse Violette sozinho." Por alguns minutos, o único som era dos pneus contra o asfalto. "Dei a notícia a seus avós," diz Vincent finalmente. "E como eu, eles tinham a esperança de que você sobrevivesse." Pensando na dor da minha família, eu fecho os olhos e descanso minha cabeça no ombro de Vincent. Ambrósio assume a história. "JB apareceu dois dias depois, dizendo que havia algum maluco revenant dentro emitindo luz e não estava gostando de nada que ele já tinha visto — visível da Normandia." "Isso é foi a certeza que tínhamos de que você tinha sido reanimada,", diz Vincent. "Nós esperávamos que encontrássemos você antes de Violette te destruir. Kate, seus avós vão ficar felizes em te ver novamente. Não se preocupe com mais nada." "Vou chamar agora." Geneviève pegou o telefone dela. "Eu não posso... Não posso falar-lhes," eu gaguejei. "Não no telefone." "Não se preocupe", diz Geneviève. "Eu vou pedir a Jeanne para dar a notícia. Isso provavelmente será mais fácil para eles." Ela faz a chamada, e ouço a resposta da dona de casa. "Nós temos Kate," diz Geneviève. "Ela está viva. E.... " Ela pára, considerando como colocá-lo. "Ela é uma de nós agora." Ouvi o alívio do som de Jeanne explodir do outro lado da linha em um emaranhado de sílabas em francês emocionais antes de desligar. "Podemos ter um pouco de música?" Vincent pede. Ambrose liga o rádio e reposiciona o espelho retrovisor, e Geneviève se vira para nos dar privacidade. Nós colocamos nossas cabeças contra o assento para trás e olhamos para o outro. Nenhum de nós quer ser o primeiro a falar. Olhando para baixo, Vincent recolhe lama seca fora da minha mão com sua unha e diz, "embora isto não era o que eu queria para você, é melhor que a alternativa. Seu ser imortal é melhor do que estar morto."


"Eu sei", eu respondo, fechando meus olhos e expirando profundamente. Quando abro percebo que o seu rosto está ao lado do meu. Seus dedos acariciam meu cabelo molhado, alisando-a para baixo. "Não vamos falar sobre isso agora," eu sussurro. "Se vamos sobreviver nestas próximas semanas, nós falaremos, enquanto nós precisarmos de descobrir tudo." Ele acena. Inclinando para frente, ele beija meu rosto, minha testa, meus olhos, meus lábios. "Mon Kate, était à moi, n'est plus à moi," ele sussurra, quando ele me beija. E então ele diz isso em inglês. "Minha Kate, que era minha, que não é mais minha" — ele cansadamente esfrega os olhos vermelhos — "porque agora você pertence ao destino."

QUANRENTA E UM Enquanto nós dirigíamos pata Paris, o céu fazia alterações de algodão doce rosa de melão. Finas vigas vermelhas aparecem em meio às luzes brancas da cidade que começam a piscar na medida em que se aproxima do Crepúsculo. Eles parecem lasers apontando para as nuvens, e gostaria de saber se o carnaval voltou aos jardins das Tulherias. Viramos uma esquina e o Sena aparece e ao ver isso, meu batimento cardíaco estabiliza como acontece toda vez que vejo o rio. É uma bandeira azul de continuidade para mim, simbolizando o fluxo contínuo do tempo em uma cidade sem idade. Confortada, pego a mão de Vincent na minha e fecha os olhos, até que chegamos na La Maison. Os portões abrem, e vejo três figuras sentadas no lado da fonte. Eles estão quando nós dirigimos para o pátio, e saltamos do carro em seus braços. "Oh, Katya," diz Mamie, puxando-me para ela e envolvendo seus braços em volta do meu pescoço. "Princesse," Papy diz, circundando nós duas em um abraço. "Você está bem?" Mamie pergunta, os olhos dela procurando meu rosto. "Estou bem, Mamie. Tive uma briga com um par de numa. Mas eu ganhei,” digo, na tentativa de forçar um sorriso. "Nós estávamos tão preocupados, Kate," Papy falou, e alguma coisa aperta na garganta. Com uma rigidez que parece natural para ele, ele diz, "Nada importa exceto o fato de que você está aqui agora." Parece-me algo ele tem praticado. Como se ele estivesse tentando convencer a si mesmo quando ele diz as palavras.


Vejo sua aflição. Ele está abraçando-me — a velha Kate — enquanto o recuo da idéia de abraçar a nova Kate, o morto-vivo que sou. Não o culpo. Espero que ambos sejamos capazes de nos acostumarmos com o tempo. Se o que temos é tempo, penso eu, lembrando que estamos indo para a guerra e nada é certo. Geórgia ergue-se em silêncio até que meus avós me deixem ir. Os olhos dela estão inchados e vermelhos, e parece que não dorme há dias. "Kate", ela soprou. Depois de ver meu Papy fúnebre, parte meu coração ver minha irmã desse jeito. "Você não parece diferente", diz ela, hesitante tocando minhas bochechas com a ponta dos dedos. "E você não vai olhar diferente a partir disso, mesmo quando estou velha. Mesmo quando eu estiver morta." Ela sorri melancolicamente. "Não sei por que estou chorando. Deveria estar torcendo, 'Viva a morte!' " Ela gira o dedo em um círculo comemorativo. "Você é imortal agora, pelo amor de Deus." "Não se Violette tentar algo novamente”, eu respondo. Ela estuda-me por um momento, e então eu vejo uma pequena faísca de flash de vida por trás de seus olhos verdes pálidos. "Ela obviamente não viu nossas habilidades de luta de espada," ela diz, sorrindo com esforço. "Nós só vamos ter de fazer um inferno." E tomando minha mão, ela me leva para casa. Vincent segue-nos, caminhando ao lado de meus avós. Jeanne aguarda dentro do vestíbulo. Ela limpa as lágrimas e me dá um abraço em silêncio e então nos movimentamos em direção a sala de estar. "JeanBaptiste e Gaspard estão esperando por você," ela diz e então, olhando em direção de Vincent, acrescenta, "eles estarão nos deixando bem depois disso." Minha avó e avô pausam, não têm certeza se eles estão convidados a participar da reunião, mas posso dizer que não querem sair do meu lado. "Venha comigo," Eu disse. Jean-Baptiste fica de pé quando entramos, e é estranho vê-lo agir como um convidado em sua própria casa. “Olá, Kate”, disse Gaspard. "Oi", eu respondi em voz alta, em benefício dos outros. “Mesmo que eu não pudesse vê-la antes do tempo, eu sabia que iria ganhar contra aqueles brutos”, ele diz com orgulho. "Graças ao seu treinamento," eu disse, "e Charlotte aparecendo no momento certo com uma seta bem no alvo." Jean-Baptiste dá-me um abraço e depois põe as mãos em meus ombros enquanto ele me inspeciona. "Você parece a mesma. Olhos, maçãs do rosto,


lábios, cabelos...," ele diz, opõem um pouco quando seu olhar alcança meu penteado desgrenhado de lama, sangue e água do rio. "Nunca teria sido alterada. Tornando-se um de nós não você mudou nem um pouco. Incrível." "Por que mudaria Kate?", diz Vincent, sorrindo. "Eu estava pronto para segui-la até os confins da terra, quando ela era humana. Ela não precisa de nada extra para convencer a humanidade para colocar suas vidas nas mãos dela." Agora que a conversa está virando sobrenatural, eu olho para meus avós para avaliar sua reação. Papy olha ansiosamente para a porta, e Mamie está se mexendo e ficando extremamente desconfortável. Geórgia levanta uma sobrancelha para mim. Posso dizer que ela também sente que esta conversa não está fazendo nada mais fácil para minha família. "Então", diz o mais velho "Revenant", "nossa própria Kate é o campeão. Quando eu vi a luz que exalava de dentro esse barco, eu sabia que algo especial estava acontecendo. Imagine minha surpresa quando soube que era você, minha querida. Debaixo do meu nariz o tempo todo, enquanto acreditava que Vincent era o escolhido." Ele pára mais perto de mim e toca a minha bochecha. "Tudo faz sentido em retrospectiva," ele continua. "Pelo menos agora poderei me perdoar por deixá-la dentro de casa no dia em que descobriu que Vincent era dormente. Uma coisa é ser persuadido por uma adolescente. Mas sendo persuadido pelo campeão... bem, que posso cuidar disso." "Vou tentar levar isso como um elogio e não um desrespeito, Jean-Baptiste," eu disse, sorrindo. "O que faz uma coisa para que eu possa me perdoar", ele admite uma sombra caindo através de suas feições. "Meus parentes tem muito que perdoar. Qual é a minha deixa para ir. Vamos, Gaspard?" "Nunca pedimos para sair," diz Vincent, bloqueando a porta. "Sei disso", responde Jean-Baptiste. Ele pega a bengala de um guarda-chuva e bate na perna de Vincent suavemente com ele. Vincent pára e, em seguida, sai de lado. JB passa por nós no hall de entrada e pára sob o lustre elefantino. "Mas eu não devia estar aqui" — ex-líder da Bardia continua — "no meio de uma guerra de preto e branco, diluindo o lado bom com minha escuridão. O fato de que as minhas intenções eram boas não é desculpa para o pecado que cometi para ganhar a proteção dos meus parentes. E no final, isso não fez bem. Gaspard e eu devemos ir. Au revoir," ele diz e os caminha para fora da porta. Isso parece errado. Vincent não quer deixá-lo ir embora, e nem eu.


"Espere", eu chamo. Jean-Baptiste hesita. "Quero que você fique", eu digo. Ele se vira e olha para mim. "Não concordo que seja melhor para seus parentes que vá", continuo. "Você esteve na líderança por séculos e agora eles" — eu hesito e em seguida, pego na mão de Vincent, continuo — "Estamos diante de um grande perigo. Fique e nos ajuda." "Minha querida, não tens me ouvido?" Jean-Baptiste diz tristemente. Com um dedo, ele ajusta o lenço no pescoço, como se de repente estivesse apertado. "Com o que eu fiz, é melhor não levar minha família para a batalha." "Você não precisa levá-los," Vincent intercede largando minha mão e pisando em direção a JB "Você me deu o nome de líder e eu aceitei o papel. Mas só porque você não está levando não significa que você não pode ficar e enfrentar conosco Violette. Eu quero que você fique. Queremos que fique." A rigidez na pose de Jean-Baptiste afrouxa um pouco, e suspirando, caminha para cima e coloca a mão no braço de Vincent. "Meu filho, eu vou considerar. Dême uma hora ou duas para pensar nas coisas. Vincent acena solenemente, e Jean-Baptiste vira e sai pela porta. À bientôt, Gaspard me diz. "Espero te ver logo", eu respondo. Vincent fecha a porta, e eu volto para enfrentar a minha família. Minha irmã enruga o nariz dela. "O quê, Geórgia?" Pergunto. "Não quero estragar a gravidade do momento, nem nada, mas...." Ela faz uma pausa... e olha para os meus avós, preparando-se para sua desaprovação. "Se não for tomar um banho de chuveiro eu vou vomitar. Água de Colônia de zumbi não é um perfume bom para você." Eu tento não rir e soluço em vez disso, e finalmente Geórgia começa a sorrir. Papy abana a cabeça. E de repente, no lugar de meu avô forte, capaz, fica um velho cansado. Ele dá-me um abraço com tapinhas nas costas e depois retira-se. "Eu amo você, Kate, e estou indescritivelmente aliviado que você não se foi para sempre. Mas não posso falar sobre o que aconteceu com você — ou o que vai acontecer. Você só terá que me desculpar. Dê-me tempo”. "Vamos para a biblioteca, Papy," diz Georgia, e colocando um braço ao redor de seus ombros, ela o leva ao cimo das escadas. Mamie aguarda até que ele desaparece antes dela falar. Ternamente, tocando meu rosto como se tranqüilizando por eu estar aqui, ela diz, "eu quero fazer certo agora e só te levar pra casa e trancar as portas e ficar dentro durante as próximas poucas semanas te protegendo do mundo. Mas percebi que isso não é mais nossa realidade. Ainda não podemos ir para casa. Na verdade, de que nos fala, Bran, você é que irá nos proteger."


"Mamie, prometo que não farei nada desnecessariamente...." "Shh, Katya. Pára por aí." Ela dá-me um olhar triste. "Como seu Papy, não quero pensar sobre isso também. A idéia de você estar em perigo é um fato que não posso encarar. Mas você precisa saber que nós te apoiamos e amamos tal como fizemos antes. Nós vamos descobrir os detalhes mais tarde." Ela dá em minha bochecha um beijo firme antes de soltar-me. "Jeanne prometeu-me chá," ela diz simplesmente e virando a cabeça através da porta para o corredor de trás. "Você está bem?" Vincent pergunta, agora que estamos sozinhos. Ele está sendo excessivamente cuidadoso, esperando que eu faça um movimento. Observando para ver o que eu quero. Eu estendo a minha mão e o puxo para fora do vestíbulo levando-nos para a privacidade da sala de estar e fecho a porta atrás de nós. Ele afaga meu cabelo emaranhado com os dedos e olha-me de cima a baixo. "Charlotte chamou todos para uma reunião e nós dois precisamos estar lá. Não é que não acho que você está linda, coberta de lama," diz ele, sorrindo, "mas... antes de ver todo mundo talvez queira tomar aquele banho que sua irmã sugeriu. "Água de Colônia de zumbi?" Eu pergunto com um sorriso. "Você realmente cheira bem," ele disse, sorrindo. "Parece mais de Água de Colônia do rio." "Tenho quantas horas para o banho?" Pergunto, puxando-o mais perto, até que seu rosto está a centímetros do meu. "Um pouco", ele responde. "Quanto tempo"? Pergunto. Ele engole. "O suficiente para um banho. Não o suficiente para fazer o que você está pensando," responde com a voz rouca. "Dez minutos", eu digo. "Vamos esperar dez minutos." Ele olha para os meus lábios e prende os seus fechando os olhos. Quando ele os abre, sua expressão é ansiosa. "Kate, eu não quero dez minutos. Dez minutos não é suficiente. Quero dias. Se começarmos algo agora, não vou querer parar. Eles terão de me arrastar para fora de sua cama para ir à guerra." "Um beijo, então?" antes de terminar o pedido, seus lábios pressionam os meus. Eu seguro sua cabeça em minhas mãos e beijo-o, como eu tinha desejado fazer. Perco o sentido de mim mesmo. Perco a noção do tempo. Tudo o que existe são eu e Vincent e a experiência de amar um ao outro. Olhos fechados, perdendo a


visão, para aumentar a sensação do toque. Olhos abertos, olhando para poços de azul manchado com ouro. Olhos fechados, a pressão da boca contra a minha me consome. Olhos abertos, observando suas pálpebras estreitas com desejo. Olhos fechados, sentindo seu corpo duro contra o meu. Sabendo que o tempo não é nosso, hoje e me perguntando se ele nunca vai ser. Quando minha banheira enche com água quente, dobro meus braços no meu peito, abraçando-me, quando eu ando a circunferência do quarto que Vincent tem reservado para mim. Eu espio para a coleção de objetos preciosos e admiro os quadros até que comecei a ver um padrão. Uma pintura da Pont des Arts. Um bote de madeira vermelho pequeno conjunto em uma estante ao lado de uma torre Eiffel de cristal. Um par de binóculos antigos. Um postal antigo de Villefranche-sur-Mer. Uma caixa de fósforos do restaurante onde comemos um brunch em Nova York. Eu perto de um enforcamento de pintura cubista pequeno perto da janela, do tamanho de um livro de capa dura. Eu inclino-me para admirar a cena retratada minúscula de um vidro, sentada em uma mesa de café, e quando vejo a assinatura, inspiro tão bruscamente que envio para uma tosse: Vincent pendurado num Picasso no meu quarto. Depois, alcancei a antiga banheira e notei pela primeira vez que há um enorme vaso recheado com ramos de flores brancas, de pé no chão ao lado dela. E meu cérebro de repente registra o perfume delicioso que tenho sentido desde que entrei no quarto: é lilás.

QUARENTA E DOIS "Eu ouvi o que você está dizendo, mas não concordo", diz Charlotte. Vincent corta politicamente. "De acordo com nossas fontes, dezenas de numa chegaram a Paris nas últimas vinte e quatro horas. Não fazemos idéia de onde eles estão morando. Nossos ataques às propriedades de aluguel do JeanBaptiste há dois dias teve sucesso em tirar oito numa. Mas essa pequena vitória custou-nos, uma vez que imediatamente evacuaram os outros apartamentos. Agora, não fazemos idéia de onde encontrá-los. Então, se alguém tiver uma sugestão produtiva"— ele olha para Charlotte, que levanta as mãos em sinal de rendição —"sinta, por favor, livre para falar." Não consigo me concentrar. Tenho sentido progressivamente mais forte como o passar do tempo, e a última coisa que meu corpo quer fazer agora é sentar-se através de uma longa reunião. Eu estou meio que desejando correr pela vizinhança. O que é muito estranho para mim.


Meus olhos desviam-se para a janela da biblioteca enquanto Vincent e os outros põem sobre um mapa de tamanho de Paris através de uma tabela. Não consigo criar estratégias de qualquer maneira. Não sei nada sobre Paris numa ou onde foram identificados. Depois de tentar interessar-me por meia hora, meu cérebro desiste e deixei meus pensamentos vagando. Reparei Ambrose sentado de lado, obviamente tão distraído como eu. Mas seu olhar não estava para fora da janela. Geneviève estava do outro lado da mesa diante de nós, tão atraente como o dia em que a vi pela primeira vez com Vincent em La Palette: cabelo longo dourado platinado, olhos tão leves que são quase cinza. Eu olho para trás, Ambrose e sigo sua linha de visão para o objeto de sua atenção: não Geneviève, mas Charlotte, com bochechas rosadas e seu longo cabelo loiro, como um botão de rosa. Ela morde os lábios enquanto desenha uma linha no mapa de uma marca para outra. E vejo que ele vacilou quando ela olhou para ele e depois, com igual atenção, para cada pessoa em torno da mesa enquanto ela explica a estratégia. Eu ando mais para sentar-me ao lado dele. "Você parece meio distraído, Ambrose," sussurro. "Sim, bem, não sou muito de planejamento. "Estou principalmente aqui para a força”, ele responde, gerenciando e tirando seu olhar longe de Charlotte. Ele flexiona um bíceps e dá umas piscadelas. "Só me usaram pelo meu corpo." Eu ri e quero abraçá-lo, mas me controlo. "Então, é bom ter a Geneviève e Charlotte de volta, não é?" Os olhos de Ambrose caem sobre Charlotte e ele acena. "Ela mudou, não foi? Charlotte quero dizer." "Hum, além de deixar o cabelo longo, ela não parece ter mudado muito para mim," eu disse, tentando não sorrir. "Por quê?" "É só que ela parece tão... no comando. Quero dizer, ela sempre esteve agindo junto com seu irmão, mas desde que retornou parece mais confiante ou algo assim. E agora que ela é segundo de Vincent ... Acho que eu sempre pensei nela como uma irmã mais nova. Você sabe, o tipo para cuidar. Mas agora que vejo-a trabalhar com ele e tomar o controle ... Quero dizer... a garota é feroz." Brilhou no rosto de Ambrose respeito e um temor meio curioso e eu tenho que me conter de pular e torcer para o fato de que finalmente aconteceu. Ele finalmente percebeu o que estava debaixo do seu nariz. A questão é, se ela ainda sente o mesmo por ele? Inclino minha cabeça em seu ombro e olho ao redor da sala, sentindo um profundo sentimento de alegria em saber que meu destino é irrevogavelmente ligado a essas pessoas que amo. Mais uma vez, minha atenção é capturada por uma luz pela janela.


"Então há algum tipo de festa de bairro ou festival francês Pergunto a Ambrose.

acontecendo?"

Vinca a testa e diz, "Não". "Não que eu possa lembrar. Por quê?" "É só aquelas luzes vermelhas que continuo a ver. Como aquela ali." Eu aponto em direção à janela. "Não vejo nenhuma luz", diz ele, fechando os olhos para fora do vidro. "Veja, lá está novamente. Existem dois." Ele parece cético. "Ah." "Ora, Ambrose. É como dois lasers vermelhos, apontando para cima no céu, só no final do bloco. Não diga que não pode vê-los." Ambrose pega minha mão e me leva para a janela. "Aponte para onde você os vê!" "Ali," eu digo, apontando para as duas luzes muito óbvia. "Na verdade, eles são muito maiores que lasers. Eles são como colunas de cor de fogo...," Digo, minhas palavras vacilantes quando eu tenho um flashback para o rio. As luzes são da mesma cor que vi projetar dos dois numa que estavam me perseguindo. A luz que eu vi quando eles estavam um pouco longe que desapareceu quando eles chegaram perto. Um clique: elevado poder de percepção. Posso ver alguma coisa que os outros não podem? "Você não vê isso?" Mais uma vez pergunto a Ambrose. Ele verifica a vista escurecida pela janela e então olha para mim, preocupado. "Acho que finalmente descobri como podemos encontrar numa", eu falo em direção à mesa, e todo mundo vira para mim. Dez minutos depois, o grupo inteiro está lá fora na rua enfrentando dois das sentinelas de Violette. Grupos de Charlotte com ela na frente deles, a mão no punho da espada escondida sob o casaco. "O que fazes aqui?", indaga. Um do numa se atreve a responder. "Vigiando", ele diz simplesmente, seus olhos estreitando quando ele olhou Ambrose em pé atrás de Charlotte com expressão carrancuda e olhando duas vezes seu tamanho já imponente. "Onde está seu líder?" pergunta Vincent. "Mesmo se eu soubesse, por que te diria?" responde o numa.


"Porque nós podemos poupar seus lamentáveis fins e te deixar ir," rosna Ambrose. "Não," numa diz desafiadoramente, e ele e sua companheira rapidamente desembainham suas espadas. Ambrose pula na frente de Charlotte. "Você está certo. Não!" ele diz e empurra sua espada com força no peito do numa. Um segundo passa antes que ele deixa o corpo mole cair no chão. O outro numa cai quase tão rapidamente, e Vincent limpa sua espada no casaco do homem antes de devolvê-la à sua bainha. "Vamos tirá-los da rua," ele diz. Tremo quando Ambrose joga um dos corpos por cima do ombro. Dois bardia nos acompanharam para pegar o outro cadáver e seguiram em direção a La Maison. O perigo passou, volto a segui-los. Mas algo de errado comigo. Não é como meus parentes mataram sem provocação. Eles estavam armados e queriam lutar. Mas ainda há um sentimento inquieto no meu estômago. Não é pena — é outra coisa. Incapaz de localizar a minha emoção concentro-me em Charlotte, que sobe atrás de Ambrose. "Você sabe, não há tal coisa como prender pessoas para interrogatório," ela diz cuidadosamente. "Sim, eu meio que esqueço no calor do momento, mas" respondo, piscando-lhe um sorriso apologético. Ela balança a cabeça impacientemente e corre para apanhar Vincent, para abrir os portões. Ambrose encontra meus olhos. “Como eu disse, ela é feroz!" diz ele, balançando a cabeça em reverência.

QUARENTA E TRÊS Nosso grupo tem sobre a cidade do ponto de vista do terraço do La Maison. Paris, mais uma vez, lembra-me uma grande senhora. Hoje ela usa um vestido de veludo preto e pérolas brilhantes das janelas dos seus edifícios. Mas para mim, a vista é cortada por linhas vermelhas em chamas. Alguns do nosso lado do rio aparecem tão grossos como colunas, Considerando que os longe na direção de Montmartre são tão finos quanto segmentos carmesim. "Quantos você vê?" Vincent fica ao meu lado segurando minha mão fria em sua quente. "Um monte". "Como algumas dúzia?", indaga.


"Como mais de uma centena," respondo. O silêncio cai sobre nosso pequeno grupo... como todo mundo estuda o horizonte para algo que eles não podem ver. "Não estão todos em um só lugar," eu continuo. "Há um grupo por ali", digo, apontando para Chinatown. "Outros ali, do outro lado da Bastilha". Eu indico uma floresta de feixes vermelhos longe de nosso Oriente. "Mais acima em direção a Montmartre." Vincent estuda o solo a seus pés por um momento e então se vira para o nosso grupo. "Precisamos de mais bardia," ele diz. "Se contarmos todos nossos parentes diretamente em torno de Paris, não somos mais de quarenta. Podemos levar numa pouco a pouco, enquanto eles não se agrupam. Mas se o fizerem, nós estamos perdidos. Quem mais podemos chamar para se juntar a nós?" "Jean-Baptiste disse que ele e Gaspard se juntam a nós, assim como Gaspard reafirmou esta manhã", diz Arthur. "Não levou um tempo para recuperar?" pergunto. "Não", responde Arthur. "Ele não estava ferido enquanto ele estava adormecido. Caras velhos estão acima e em nossos pés praticamente quando estamos acordados. É você novata que têm mais dificuldade de manhã," ele disse com um sorriso. Arthur está de bom humor por estarmos à beira da guerra, eu acho e pergunto se é porque em breve lutaremos contra Violette, ou outra coisa... como a minha irmã, por exemplo. "Eu falei com nosso parente de Nova York há algumas horas," Vincent admite, pegando de volta minha mão. Eu olhei para ele surpresa. "Jules"? Pergunto. "Não, eu falei com Theo. Mas ele deverá passar a mensagem. Eu pedi para Jules trazer um contingente para cá logo que possível." Os outros Bardia o mesmo. O tempo que levaria para Jules trazer um grupo de Nova York, a guerra poderia já ter acabado. "Já passou uma semana desde que falei com o Charles, e deixei-lhe 1 milhão de mensagens dizendo-lhe que precisamos dele," diz Charlotte. "Tentei contatá-lo novamente hoje. Não há resposta. Ele e seus parentes hippys não-toco-comseus-sentimentos estão provavelmente ainda em cima nas montanhas, meditando sobre folhas ou algo assim. Eu vou continuar tentando, mas eles nunca vaão chegar aqui a tempo se nos envolvemos hoje." Ela está tentando parecer alegre, mas sei que ela quer seu irmão ao lado dela, se ela vai para a batalha.


Vincent acena. "Ok, estou fazendo uma chamada a todos os revenants da França. Alguém sabe de algum a uma curta distância, entre em contato. Isto vai cair nas próximas vinte e quatro horas. Se esperarmos mais, as suas forças só podem crescer e suas defesas se tornam mais fortes. Temos de atacar primeiro. E vamos começar hoje à noite enquanto ainda estão espalhados e em pequenos grupos". Pessoas retiraram seus celulares enquanto eles desciam as escadas. Vincent coloca seus braços na minha cintura, pressiona os lábios na minha testa e se inclina para trás para olhar-me nos olhos. "Vai ser capaz de fazer isso? Não precisa mesmo de lutar. Se você pode apenas nos levar para os grupos será suficiente." "Acredite ou não, eu estou morrendo de vontade para alguma ação. Sinto que eu poderia correr uma maratona inteira". "Isso não me surpreenderia nem um pouco," diz Vincent, os lábios formando um sorriso. "Mas você não está se sentindo fraca? Você ainda não está totalmente recuperada em um dia." "Eu me sinto totalmente com fio", eu admito, saltando acima em meus dedos. Tendo seu rosto em minhas mãos, eu o puxo para perto e o beijo. "Sim. Estou meio como você," ele disse com um sorriso sexy. "Vamos segurar esse pensamento até derrotarmos os numa." Beijamos-nos novamente e sua expressão torna-se grave. "Não quero você no coração da ação, Kate. Mesmo que você seja forte, você também é nova. E, sim, não sabe como um morto-vivo que é difícil de destruir. Mas não pense por um segundo que Violette tem desistido de capturar você. Você é seu prêmio, e cada numa lá fora vai tentar trazer te levar de volta a seu líder." Eu aceno. "Eu entendo". "Só porque você é o campeão não significa que você tem que agir como um," Vincent diz com um fantasma de um sorriso. "A profecia diz que irá levá-lo à vitória", eu brinco. "Se você qualifica," maneiras. quero ver sua."

levar-nos a cada um dos numa Paris, eu diria que mais do que Vincent admite. "Mas a vitória pode ser medida em muitas outras Se qualquer um de nós sobreviverá a esta guerra não é nada certo. Eu o meu parente com segurança sem perda de vida. Especialmente a

Bran está esperando por mim quando saímos para baixo através do alçapão.


"Kate!", ele exclama e estende a mão como se ele quisesse abraçar-me, antes de mudar de idéia e deixar cair os braços por seus lados. Eu o abraço em vez disso, seu corpo magro em meus braços. "Desculpe, minha querida, mas não consigo te olhar nos olhos. Sua aura já era difícil olhar quando você era humana. Agora ela me cega." Ele desvia os olhos e olha para o chão atrás de mim. "Bran, por que não me disse antes?" "O que poderia ter acontecido se eu falasse? Você poderia ter se colocado em perigo apenas para descobrir se eu estava certo. Ou talvez possa ser por JeanBaptiste. Ele é um bom homem, mas estava desesperado para ter o auxílio do campeão." Bran tenta novamente, sem sucesso, olhar-me no rosto. "Agora sabemos porquê. Ele precisava de alguém para ajudá-lo a sair desta confusão que ele tinha entrado. Para destruir o numa para que ele já não poderia ser vinculado a sua vergonhosa barganha." Eu toquei o braço dele pensativamente. "Você sabe quais são os meus poderes, Bran?" Pergunto. "Não tenho nenhuma informação além do que está contido na profecia. Mas você já realizou um de seus papéis mais importante: você sozinha reuniu a flamadedos com nossas alas de bardia após séculos de abandono uns aos outros. Esse papel por si só salvou seu Vincent. Assim que eu dominar os dons da facilidade de bardia sofrimento e dispersão, nossa aliança no futuro só pode ser benéfica." Com esforço, ele desloca os olhos para olhar diretamente nos meus. Seu rosto assume uma expressão ilegível: algo entre tristeza e esperança. "Cuidado, Kate," ele diz. E inclinado para frente, ele dá-me um abraço estranho acariciando por trás. Charlotte está esperando em meu quarto quando eu chego. Ela trouxe meu equipamento de combate do arsenal e já está vestida com o dela, pronta para ir. Ela se senta ao lado de uma mesa baixa, ajeitando uma bandeja de comida. Eu seguro um queijo gougère em minha boca e agradeço sua bondade enquanto eu puxo uma cadeira. "Eu estou faminta!" admito. "Quando foi a última vez que você comeu?", indaga. "No barco. Violette alimentava-me para que eu recuperasse minha força e tivesse totalmente em forma. Parece que funcionou muito bem pra ela!" Penso de volta no rapaz numa estranho, triste, Louis, e reboco para algo dentro de mim. Charlotte morde sobre uma fatia de maçã, olhando pensativa.


"O que você está pensando?" Pergunto. "Ambrose," ela responde. "Ele tem agido muito estranho ultimamente." "Estranho bom ou estranho ruim?" pergunto, estourando uma bola de melão na minha boca. "Estranho esquisito," ela responde, me olhando. "Ele continua me observando. Gostaria de saber se ele questiona a decisão do JB de me nomear como segunda. Talvez ele esteja esperando de mim para um deslize ou algo". "Hmm", digo, incapaz de impedir de entortar para acima os cantos dos meus lábios. Felizmente, há uma batida na porta e Arthur enfia sua cabeça. "15 minutos", ele diz. Meu coração salta em uma batida e percebo que estou nervosa. Das outras vezes que lutei, a luta nos procurou. Nunca tive tempo para pensar sobre isso de antemão. "Cara, ele está é mal por sua irmã," Charlotte disse depois que ele se foi. "Mas ela realmente está levando numa boa." "Poderia ser porque Papy e Mamie pirariam completamente se eles achassem que outra das suas netas estava saindo para um morto-vivo". Charlotte dá de ombros. "Seus avós estão envolvidos, ou não querem estar. Você é uma de nós — não é como eles só podem empacotar e levar para casa." Penso em Mamie e Papy e sua resposta quando me viram: alegria e alívio misturam com terror e desespero. Meu coração dói. Eles nunca serão capazes de olhar para mim mesmo, como fizeram antes? Mudei de assunto. "Como se sente ao ser o segundo de Vincent?" "Como eu tivesse nascido para isso. Como esperei por esse papel nos últimos cinqüenta anos." Ela sorri. "É hora de se vestir. Eu vou esperar por você no Hall de entrada." Ela fica em pé vira-se para ir. "Charlotte"? "Sim" "Por favor, não me deixe". Ela me olha curiosamente e então se aproxima para colocar seus braços em volta de mim. "Isso é assustador, não é?", indaga.


"Sim". Ela me dá um aperto e então caminha até a cama e pega um par de calças de cor ouro. Eu tiro fora meu jeans e pego de suas mãos. "Sincronismo de Violette realmente é horrível," ela diz. "Você devia pular lá para dentro assim antes mesmo de ter tempo para testar a mesma. Mas nós vamos juntos: você, eu, Ambrósio, Vincent e o resto de nossos parentes. Nunca trabalhamos sozinhos. Você sempre será uma parte de um todo. Juntos poderemos vencer esta luta, tenho certeza disso." A coragem de Charlotte é contagiosa. Enquanto eu puxo as camadas de roupas de proteção, começo a sentir-me encorajada, e um senso de propósito ilumina minha vontade. Eu sou da bardia. Ou não me sinto capaz, fui feito para isto.

QUARENTA E QUATRO É 01 hora quando partimos. Estou feliz por ser tarde. Meus avós não terão idéia que vou embora. Esperançosamente, nós estaremos de volta antes que eles acordem e não têm tempo para se preocupar. O mais próximo pequeno agrupamento de luzes é ao norte de nós, onde vejo três feixes vermelhos claro atirar no céu da noite. Nós atravessamos a ponte de Carrousel e atravessamos o pátio do Louvre, passando a pirâmide de cristal brilhante e de volta através do arco monumental. Vincent caminha ao meu lado, para certificar-se de que os outros estão mantendo-se por perto observando tudo. Nós somos seguidos por cinco grupos de revenants altamente armados e indo em direção a três numa solitários. Então, por que é meu coração bate tão forte? Finalmente baixamos um pequeno lado de ruas e eu aceno em direção a um grande portão aberto até a metade da direita. "As luzes vêm de dentro," eu disse. "Eu sei que essa passagem," diz a Charlotte. "é coberta com um telhado de vidro e revestidas com lojas em ambos os lados. Todas as lojas estão fechadas, mas existem apartamentos acima no segundo andar." "Tudo bem", diz Vincent, e telefonou para o grupo de atrás de nós. "Arthur. Nossas metas estão dentro passagem du Grand Cerf. Traga seu grupo para a rue ao lado, a St Denis e protejam essa saída. Tem outros grupos de guarda na rua. E chame a ambulância nos encontraremos aqui. Teremos três cadáveres para buscar." "Nós só vamos prendê-los e matá-los?" Pergunto a Vincent quando nos aproximamos do portal em arco. "Kate. Eles são numa. Eles são assassinos. E se não os matarmos, matam-nos."


Eu aceno, mas ainda me sinto estranha sobre isso. Todas as lojas estão escuras, mas algumas luzes estão acesas nas janelas do segundo andar. Aproximamonos, um deles corre para fora e passos podem ser ouvidos a descendo as escadas. Abre uma porta no meio do corredor, e dois homens saem de lá para fora. Seus sapatos ressonando contra os ladrilhos em preto e branco. "Fique aqui". Vincent fala de volta quando ele e os outros caminham rapidamente para a frente. A luz do alvorecer bate na cara dos homens: é Nicolas e Louis. O segundo de Violette e seu favorito no mesmo lugar ao mesmo tempo! Eu acho. Podemos ter tropeçado em algo importante. Vendo o jovem numa, não posso ajudar, mas sigo Vincent e os outros. Assim que eu chego a alguns metros deles apagaram as luzes vermelhas, como fizeram quando numa se aproximaram de mim na beira do rio, deixando apenas as auras vermelhas enevoados. Não vejo douradas vigas injetando das auras do Bardia, eu percebo. Há apenas uma razão que um campeão teria este presente: caçar numa. Vejo oouro cintilando dentro da aura de Louis, e parece-me que um pouquinho de esperança se materializou como luz e está lutando para libertar-se do frio brilho carmesim. Uma coisa puxa na minha memória, e tento pensar onde vi isso antes. E então me vem: arquivos da guérisseurs. A pintura do como era o ouro em sua aura — aquele que cruzou o fluxo e sendo recebido pela Bardia. Aquela cena é sobre redenção, percebi de repente. Penso em como Louis pareceu simpático no barco e ajudou a soltar minhas amarras. Ele realmente me ajudou a escapar que, mesmo considerando o meu super poder de persuasão, é meio incrível para um numa o tenha feito. A cor da sua aura deve significar que ele é como numa que vi na pintura. É possível para alguns mudar seu destino? Para mudar de lado? Vincent disse-me que não era, mas e se ele estivesse errado? Violette atravessou para o outro lado — o que pode impedir que numa faça o mesmo? "Nicolas!" chama Vincent e o numa gira e puxa suas espadas. "Não me diga que todos foram lá para algumas compras de fim de noite," diz o mais velho numa certo, mesmo que ele seja incapaz de esconder seu choque. "Não", diz Ambrose. "Só fazendo um trabalho arrumando todo o bairro e sentimos o cheiro de algum lixo aqui." Nicolas ignora-o, mantendo o seu olhar sobre Vincent. "Então você é o novo líder da Bardia? Acho que estaria mais interessado em caçar nosso líder que correr atrás de seu braço direito." "Havia três de vocês. Onde está o outro?" Vincent pergunta. Os olhos de Louis cintilam em direção ao apartamento de que vieram. E então, percebendo que ele


fez, ele nervosamente agarra sua espada com as duas mãos como se pudesse proteger a porta de todos os dez de nós. "Vigie a porta!" ordena Charlotte, e Ambrose pula na frente, espada desembainhada. "Gostaria de morrer lutando, ou deveria ficar aqui toda a noite conversando?" pergunta de Vincent, e os revenants em ambos os lados da passagem Desembainham suas espadas. Eu vejo o medo no rosto de Louis, e meu coração está com ele. Não quer estar aqui, não é? Assim que as palavras passaram pela cabeça, alargam os olhos dele, e ele olha em volta, como se tentando localizar um espírito volante. Não, eu penso com descrença. Eu apenas me comuniquei com o Louis? Poderia entrar em contato com a mente de um numa? Só há uma maneira de descobrir. “Louis sou a Kate. Você me contou seu segredo. E eu quero salvar-te. Está disposto a mudar para o lado da gente? Virar as costas para numa e ajudar a Bardia?” Ele fica confuso até que ele me localiza em pé atrás de Vincent e Charlotte. Ele me olha nos olhos, os seus aumentam com medo. “Você quer escapar de numa? E vir conosco? Vou perguntar novamente. Bem, você sabe?” "Sim!" ele grita. Deixando cair sua espada, ele põe as mãos no ar. "Que raio fazes?", pergunta Nicolas, olhando Louis de cima e para baixo. Vincent pega meu braço quando eu passo por ele. "Kate! O que...," ele começa. "Anistia", digo-o de numa. "Estou oferecendo anistia para os dois, se você concorda em abandonar seu tipo e vir para o nosso lado". Nicolas começa a rir, mas mantém sua espada em riste. "Kate, o que está dizendo?" assobia Charlotte. Meus parentes olham um ao outro em estado de choque. "Estou dizendo que, como qualquer um, eles merecem uma segunda chance antes de serem abatidos. Que talvez, se for dada a oportunidade, eles irão caminhar longe do que são." "Kate", Vincent se declara, "não é possível." "Violette foi um bardia e tornou-se um numa. Deve ser possível," eu insisto. "Essa regra foi escrita em nossos textos. Isso na verdade nunca foi tentado — tanto quanto nós sabemos — até que ela o fez. Mas ele não pode ir por outro caminho. Isso é impensável."


Nicolas diz, "sabe ..., eu acho que seu campeão aqui tem um ponto". E ele começa a baixar a sua espada. "Parado aí," diz Geneviève com uma voz gelada, dando um passo mais perto para ele. "Não você ousa mexer." Mantendo os olhos em mim, Nicolas a ignora e fica de cócoras cuidadosamente, ele coloca sua espada no chão. Em seguida, alisando, ele espalha suas mãos diante dele, mostrando-nos que eles estão vazios. "Eu esperei por este dia. O dia quando alguém finalmente me perguntasse o que eu queria." Louis solta sua respiração surpreso e encara seu companheiro numa. "E, finalmente, levou o campeão a fazer a pergunta certa. Você acha que gosto de trabalhar para Violette, miserável, prepotente e obsessiva, ex-Bardia?" Ele mostra um rosto incrédulo e continua. "Claro que não. Assim, quando perguntado se preferia morrer em seu serviço ou acompanhá-lo — ajudar você a derrotá-la — minha resposta é.... " E a mão se move dentro de seu casaco e volta para fora tão rapidamente que eu nem sei o que aconteceu até eu olhar para Geneviève e vi a faca espetada em seu pescoço. Ela faz um barulho borbulhante e cai até o chão. Ambrose ruge e pula em direção de Nicolas, que mergulha para baixo e recupera sua espada. Quando eles começam a lutar, Vincent corre para a frente e lança Louis no chão, fixando-o lá com o pé. Ele levanta sua espada nas costas do menino, pronto para forçá-la através de seu peito. "Vamos ver você tentar o mesmo truque nesta posição," Vincent rosna. Como Charlotte vai ao auxílio de Geneviève, corro por ela para Vincent. "Não", eu choro, agarrando o braço dele. Minha determinação oscila um pouco como eu vejo o corpo de Geneviève caído no chão. Vou voltar com ele. "Vincent, você tem que acreditar em mim. Eu sei o que estou fazendo é certo." Ele apertou os olhos fechados. O grupo de Arthur está correndo em nossa direção. Toma decisão em frações de segundo, Vincent grita-lhes: "nós estamos tomando esta vivo." "O quê"? Arthur é incrédulo. Vincent move seu pé das costas de Louis, e Arthur se abaixa a amarrar o garoto pelos pés. "Quem está lá em cima?" Vincent pergunta. "Só... outro numa," Louis gagueja. "Nós estávamos trazendo armas para Violette. Ele é responsável por armar aqueles que estão chegando à cidade."


Vincent e Arthur arremessam para a porta abrindo e correndo para o andar de cima. Um grito vem de dentro do apartamento. Sons de luta começam e tão de repente pára. Eu olhei e vi que Nicolas está caído, seu corpo um amontoado sob uma pele de casaco, deitado em uma poça de sangue escuro. Uma janela voa aberta e Vincent se inclina para fora. "Nós o pegamos, mas ele estava no telefone. Chama os outros grupos e que eles saibam que reforços inimigos podem estar a caminho." "Os reforços do inimigo já estão aqui," vem uma voz por trás de nós. Uma dúzia numa posição na passagem de abertura.

QUARENTA E CINCO Eu não os tinha visto chegando. Doeu-me por não estar mais atenta, mas meu foco havia estado em salvar Louis e não sobre como proteger o mim mesmo. Eu olhei ao redor para ver quantos somos. Ambrósio, Charlotte, Vincent, Arthur e os quatro revenants no grupo de Arthur. Comigo, isso soma 9. Dez se Louis lutar conosco. Os outros grupos, outros quinze bardia, estão em algum lugar do lado de fora. Ou pelo menos, eles eram. Eles já foram derrotados ou ainda podem vir em nosso auxílio. Em qualquer caso, no momento nós estamos em desvantagem por duas vezes. Mas por algum motivo, isso não me assusta. Só alimenta a minha determinação. Respirando profundamente, eu desembainho minha espada e salto sobre os dedos dos pés, adrenalina fervendo em minhas veias. Estou pronta para isso, eu acho e executo o primeiro numa que vejo, atacando antes que ele chegue a mim. O apanha de surpresa e barro no braço sua espada antes dele poder levantá-lo. Ele deixa cair sua arma e agacha-se para baixo para recuperá-la. Aproveito e agarra-o. Minha espada perfura o peito dele. Eu introduzo profundamente e em seguida rapidamente retiro. Ele olha para mim, olhos bulbosos. Agarrando seu peito, ele tosse um pequeno fluxo de sangue e depois cai para frente, sua espada cai ruidosa no chão ao lado dele. Não acredito que acabei de matar alguém. Eu esperava me sentir doente como eu fiz na margem do Rio, mas em vez disso, eu me sinto alegre. Somos nós contra eles: adriano bardia versus numa luta justa. Morte, nesse caso, serve o bem maior, digo a mesma. Mas com uma pontada de realização, eu sei que essas palavras são para confortar a velha Kate. Nova Kate tem mais de matar.


Charlotte está lutando como uma louca. O corpo de Geneviève tem sido empurrado para o lado do corredor, fora do corpo a corpo. Arthur e seus quatro de pé frente a frente com a gente, lutando com numa vindo do outro lado do corredor. Louis está por trás de mim. Você está conosco? Peço-lhe silenciosamente. A acenar, ele varre o seu longo cabelo castanho atrás da orelha. Eu pego sua espada de onde Vincent tinha deixado à parte e olho seus olhos quando eu a entrego para ele. Com um pouco de sorriso, ele move-se ao meu lado e avançamos em dois numa. "De que o...," diz o diretamente na minha frente, pasmado quando ele vê Louis ao meu lado. As habilidades de espada de Louis não são muito boas, mas graças à fração de segundo de surpresa do seu parente enquanto ele registra sua deserção, nos deu a vantagem, e juntos, nós tiramos os nossos adversários. Quanto mais pressa para tomar seu lugar, vejo que no grupo de Arthur está mais abaixo. Ambrose afastado esmaga um oponente com um braço, o outro balançando inutilmente ao lado dele. Formamos um pequeno círculo virado para fora como nós lutaremos contra nesse número duas vezes maior que nossas fileiras. "O que vamos fazer?" Eu grito para Vincent enquanto eu ataco numa de pele escura com um bigode. Ele puxa uma segunda espada no seu cinto. "Nós fazemos o nosso melhor", ele responde. "E se nós morrermos, esperamos que nosso reforço chegue para resgatar nossos corpos." Encaro meu próximo adversário quando, por trás da linha de numa, vejo o pior possível: mais caças se aproximando. Outros 10 pelo menos. Minha boca enchese de um sabor metálico. Eu posso provar nossa derrota. Nós estamos perdidos. Estes recém-chegados não são como os numa que eu tenho visto antes. Seu cabelo punk é branqueado e tingido em todas as cores possíveis, e sua pele é coberta com tatuagens. E como eles andam depressa através da galeria em arco, o barulho da batalha de repente se afogou em uma onda do barulho de passos. Um na verdade carrega uma caixa de som em seu ombro, que ele oscila para baixo e coloca perto da entrada do corredor. Ele faz uma pausa para deslizar a música até o volume máximo antes de alisá-lo e posicionando-se com seus compatriotas, mãos na cintura, em toda a largura da entrada. Barracas de luta, como toda a gente parece seu caminho. E depois eu avisto suas auras. Não vermelho. Ouro. Eles são o Bardia! Eu percebi com espanto. Eles desembainham suas armas e um deles caminha para frente.


O cabelo é preto, com ponta em vermelho e fica no final como a juba de um leão. Sua sobrancelha e lábios são furados e seus olhos são revestidos com delineador. Ele examina os lutadores até ele localizar Charlotte, e um lado da boca dele transforma-se em um sorriso. "Ei, mana," ele chama. Charlotte está atordoada, sua espada pendurada pelo lado dela e abre em choque os olhos. "Nenhuma maneira!" ela grita, e depois com um grito de alegria ela volta para a ação, balançando em seu inimigo com tanta intensidade que ela decapita numa distraído com um só golpe. O caos desce. Parentes de Charles gritam uma espécie de grito de batalha em alemão e mergulham na luta, balançando os sabres curvados num eixo de batalha. O numa de frente para Arthur e seu homens luta ferozmente por mais um minuto, empurrando-nos para frente em uma faixa apertada de espantados membros que batendo as armas. Mas que se assume como nosso círculo defensivo grande confusão. Um par de numa correrem em direção a saída do corredor. São rapidamente seguidos por mais, um ou dois puxando os parentes feridos com eles, mas a maioria pensando apenas em sua própria fuga. Em cinco minutos, acabou-se. A música aos berros mistura-se com os gemidos de nossos inimigos feridos, que são mortos rapidamente. O proprietário da caixa de som chega perto e abaixa do volume da música. Ele encolhe os ombros quando ele me vê olhando. "Ei, a poluição sonora provoca menos chamadas de telefone para a polícia do que sons de gritos e batalha. Pelo menos, esse é o caso em Berlim, "ele diz. "Você está bem?" Vincent pergunta e vendo que minha pior ferida é uma fatia no meu ombro, beija-me depressa. Estamos reunidos para avaliar os corpos. Dez numa mortos no chão. Alguns outros foram deixados por aqueles que escaparam. O corpo de Nicolas ainda está aqui, seu casaco de peles, uma confusão sangrenta, embebido em sangue. Três da equipe de Arthur estão mortos. E Ambrósio fica apoiado contra a parede, o braço sangrando enquanto Charles e Charlotte cuidam dele. Está faltando alguém, percebo com alarme. Olhando a passagem novamente, grito, "Geneviève! Cadê Geneviéve?" Nos misturamos no grupo ao redor, procurando por ela. "Ela estava por aqui," eu disse, apontando para o lugar a em que vi pela última vez o corpo dela. Charlotte levanta as mãos para a boca em horror. "Não!" ela grita e corre para o final do corredor com Charles perto em seus calcanhares. Eles freneticamente olham a rua do outro lado, mas é claro que quem levou a Geneviève está muito longe. Os gêmeos estão juntos, silhuetas


escuras sob um arco preto, seus corpos retroiluminados pela luz da rua. Como Charlotte começa a chorar e o irmão dela a abraça.

QUARENTA E SEIS Cinco minutos depois, uma ambulância estaciona na passagem e os corpos carregados sobre ela. "Não, cara, eu não preciso de uma ambulância," diz Ambrose, resistindo aos esforços de Vincent de mantê-lo andando junto com os mortos e feridos. "Bem, você não pode andar assim até em casa, e você vai sangrar dentro de um táxi," Vincent diz, ajudando-o até uma posição ereta. "Eu vou andar com você," diz Charlotte em uma voz pequena. Ambrose olha para onde ela que está com o braço de Charles ao seu redor. Ela sorri um sorriso triste para ele, e ele acena a cabeça, derrotado. "Sim, está bem." Vincent vira-se para onde eu abrigo Louis com meu corpo quando o clã alemão de Charles olho-o com desconfiança. "Você é ainda está aqui," disse sombriamente. "Eu estou", diz Louis. Ele levanta o queixo ligeiramente, mas parece um adolescente com medo, apesar de sua bravata. "Kate, por favor, diga-nos o que se passou ali atrás?" Vincent pede. Parece que os revenants voadores não são os únicos que podem se comunicar telepaticamente. Eu lanço o pensamento em direção a ele, e ele começa em surpresa. "Tudo bem", diz Vincent, balançando a cabeça em confusão. "Então você telepaticamente ofereu a numa anistia?" "Louis me contou sua história no barco, Vincent. Violette não era a única infeliz com a situação dela. E Louis ainda é novo." "Seis meses", esclarece Louis. Ele está olhando os sapatos, as bochechas do rosto vermelha. "O que ele fez soa mal," eu disse, "mas ele não quer seguir esse caminho." Vincent olha para o teto, como se a solução encontrava-se acima da placa de vidro. "Kate, o que espera que eu faça? Não entendo o que você está pedindo."


"Não sei qualquer coisa", eu admito, "mas acolhê-lo é a coisa certa a fazer. Você só tem que confiar em mim." Vincent me encara, sem saber como reagir. "Kate. Confio em você. Mas eu não confio nele," ele diz, lançando seu olhar na direção de Louis, carrancudo que colocando as mãos em seus bolsos. "Eu assumo a responsabilidade por ele", eu digo. Vincent leva as mãos à cabeça, como se quisesse arrancar o cabelo. Um som estrangulado escapa a garganta dele, quando ele vai embora. Ele diz algo para Arthur quando passa por ele. Arthur vai até nós. "Sabe, vou colar em você como cola'," ele diz para Louis e espera, tornando-se claro que ele não está deixando o numa de lado. Enquanto caminhamos em direção a saída, Arthur está obviamente muito olhando fixamente Louis. "O quê"? Louis pergunta finalmente. "Então você é o novo consorte de Violette," diz o mais velho revenant, divertido. "Você está com ela há seis meses e você quer fugir? Tente quinhentos anos". A mandíbula de Louis cai. Deixo-os seguindo até Vincent, que está falando com o chefe do grupo de Charles. "Nós ficaremos o tempo que precisarem de nós," diz a menina em um inglês alemão carregado. Ela se parece com a irmãzinha mais nova de Lisbeth Salander, seu corpo rijo pintado, com o rosto salpicado de piercings, tatuagens, cabelo azul cortado curto e saindo como se ela usasse um fio elétrico ao vivo para denominá-lo. "Não há espaço suficiente na La Maison para dar a todos um quarto, mas em toda a cidade...," começa Vincent. "Não precisamos de camas", diz a garota. "Ninguém está dormente esta semana." "Mas o espaço para colocar as suas coisas...." "Nós compartilhamos tudo, incluindo o espaço pessoal," ela diz, divertindo com a preocupação de Vincent. "A sério, é melhor manter todos juntos. Além disso, você diz que a grande batalha está prestes a acontecer. Bem... apenas considerar-nos inseparáveis," diz ela, cruzando seu dedo do meio para trás de seu índice. "Reagrupar-se em casa do Frenchie", ela grita para a tripulação em inglês e em seguida, repete em alemão. O grupo estava ocupado limpando a passagem,


recolhendo as armas e limpando o sangue com camisetas que são sumariamente jogadas em latas de lixo do lado de fora. Quando saímos, o espaço parece como se nada tivesse acontecido. Parentes de Charles pegam suas mochilas decoradas com tinta e com medalhas por baixo de suas jaquetas da cor de ouro, empurram uns aos outros e brincam em alemão, quando começamos a caminhar a pé para casa. Paramos duas vezes pelo caminho para juntarmos com nossos grupos que foram atacados por numa. Não havia nenhuma morte dentro de suas fileiras. Porque eles também foram expostos, lutaram por muito tempo como se o numa só estava distraindo os nossos reforços, eles tinham vindo rapidamente e então haviam fugido. Quando Vincent junta todos e os levam conosco em direção a casa, a líder alemão mantém-se perto de mim, estudando-me descaradamente debaixo de seus olhos de tosquia azuis. "Não consegui ver seu nome", disse finalmente, olhando-a direto nos olhos. Ela não se mexeu, parecendo gostar da atenção direta. "Uta", diz ela. "Você é o campeão." "Acho que sim. Não que isso nos fez muito bem esta noite," eu respondo. "Alegro-me de que Charles recebeu as mensagens de Charlotte. Caso contrário, estaríamos mortos." "Charles não recebeu mensagens de Charlotte," diz Uta, levantando uma sobrancelha furada. "Pelo menos, não até quando estávamos no meio do caminho. Nós estávamos em um retiro motivacional no deserto. Sem serviço de telefone celular." "Então... como sabiam que era para vir?" pergunto confusa. Ela sorri amplamente. "Eu sou uma vidente. Vi a tua luz. Mais brilhante do que qualquer coisa que já vi. Avistei a horas de distância. Sabia que era algo que tinha que conferir. Só levou um tempo para chegar aqui." Uta ri de minha expressão desnorteada. "Deve ser estranho ser o campeão," ela diz. "Quais são seus poderes?" Sinto-me envergonhada. Como se ela me perguntasse para listar as coisas que eu gosto de melhor sobre mim. Eu foco nas coisas que eu estou mais preocupado. "A profecia diz que devia ter 'sobrenatural níveis de força'. Não sei se você percebeu lá atrás, mas eu não sou mais forte do que qualquer outra pessoa."


Uta acena e pensa por um segundo. "Talvez no seu caso não seja força física. "Parece que tens muito aqui, diz ela, batendo o peito com seu punho. "Nem sempre aceito que o músculo são de todo poderoso." Lembrei sobre a etiqueta não-toque-em-seus-sentimentos-hippy que Charlotte tinha usado para definir os parentes de Charles e tentei não sorrir. "Você sabe, que nós tivemos um campeão na Alemanha," ela continua. "Cem anos atrás. Havia um monte de lutas políticas e sociais — muita chance de traição. Numa tinha invadido o lugar. O Campeão entrou e ele liderou uma batalha contra os nossos inimigos." "O que aconteceu? Como ele fez isso?" pergunto com meu pulso acelerando. Esta é a primeira vez que ouvi sobre um campeão alemão. Uta encolhe os ombros. "Não sei. Ele conseguiu. Quer dizer, numa foram dizimados e nossa região recomeçou com uma ficha limpa. Mas como ele fez isso? Ou seja, que tipo de poderes que ele tinha — eu não posso te dizer." "Por que não?" pergunto. Uta hesita e então diz, "porque ele não sobreviveu à batalha final." Eu tento manter meu rosto sem emoção. Não me admira que Vincent não queira falar sobre o que eu sou. Sendo o campeão não quer dizer que vou ganhar. Uta só confirmou isso. Mas não me arrependo do que eu me tornei. Eu poderia estar morta agora. Se não fosse um revenant latente quando Violette me apunhalou, não teria sobrevivido. Esta é uma segunda chance, não só para mim, mas para a Bardia de Paris e sua população humana desavisada. Tento imaginar o que a cidade seria se fosse invadida por numa. O mal reinaria supremo. Imagens da Alemanha nazista, Itália fascista e a Espanha franquista me vêm à mente. No terceiro mundo países dirigidos por ditadores ou generais que aproveitam os recursos e deixem a população à fome. Genocídio. Isso é o que pode acontecer quando se perturba o equilíbrio do bem e do mal. Neste ponto, parece impossível para mim que eu possa fazer uma diferença. Mas me deram a chance de ver meus avós e Geórgia. Para não mencionar o Vincent. Olhei para onde ele está falando com o Louis, e os olhos dele encontram os meus antes de retornar para o jovem numa. Mesmo quando ele está envolvido em algo mais, a atenção de Vincent nunca me deixa. Eu sei que tenho sorte de ter me sido dada a oportunidade de ter mais tempo com ele. E eu decido que se isto é tudo que tenho, se todos nós morrermos hoje, bem, então estes preciosos minutos extras terá valido a pena. Eu me desculpo com Uta e ando com pressa para apanhar Vincent. Sem abrandar o seu ritmo, ele arremessa um braço ao


redor de meus ombros e me puxa pra perto dele, curvando-se para beijar o topo da minha cabeça, antes de continuar sua conversa com Louis.Quando o recémformado numa termina de contar sua história, Vincent parece perturbado. "Tudo o que eu queria desde que eu me transformei neste monstro é voltar e apagar o que eu fiz. Para voltar atrás no tempo para que eu pudesse fazer as coisas de forma diferente. Eu quero sair”, conclui o rapaz. "Não há nenhuma saída," Vincent diz apenas suficientemente alto para eu ouvir. "Mesmo assim, você deve saber que eu farei qualquer coisa para escapar a esse destino," Louis diz fervorosamente. Enquanto caminhamos passando pelo Louvre e para a ponte para atravessar para a Rive Gauche, Vincent acena para o Arthur, que leva Louis pelo braço, para deixar-nos sós. "Ok, Kate. Eu vejo por que esse cara a fez pensar," diz Vincent. "Mas isso não muda o fato de que ele é um numa. Seu destino foi decidido, e nada pode mudar isso." "Vincent, eu sei que isso não faz sentido. Mas há algo diferente nele. Não só no sentimento que eu recebo dele, mas a aura dele é diferente." "A aura dele?" Vincent diz incrédulo. "Ele não tem aura de numa?" "Sim", eu admito. "Mas não é o mesmo. Não há este tipo de reflexo de ouro dentro. Acho que significa alguma coisa. Como se houvesse algo de bom dentro dele. Alguma esperança. Eu sei que isso vai contra tudo o que aprendeu — o que você acredita é certo. Mas... Louis tem que vir com a gente." Vincent abranda e pára para me enfrentar, e os outros fluem ao redor de nós como uma maré. Ele toca meu rosto e então passa os dedos pelo meu cabelo. Abraça-me assim por um minuto, estudando meu rosto como se fosse um livro escrito em uma língua estrangeira. Então ele se inclina para frente e pressiona os lábios aos meus. Quando ele pisca de volta o brilho voltou aos seus olhos safira. "Tudo bem", ele diz. "Então, você concorda comigo?" pergunto. "Não. Mas... bem, Kate, você é o chefe." Ele pega minha mão e recomeça a andar, chegando até o fim da procissão. "Sim, certo," eu estalo. "Você é o chefe da tribo da França".


"Sim, mas você é o campeão," ele disse com um sorriso irônico. "E nunca vi um fluxograma de liderança real, mas suponho que isso significa que você é o meu chefe." Minha boca cai aberta no desânimo se divertindo. "Não quero ser o chefe de alguém." "Tarde demais", diz com irreverência falsa. "Você já está falando diretamente para o cérebro das pessoas, persuadindo o inimigo para desamarrá-lo enquanto está em cativeiro e atraindo a ajuda da Alemanha com sua aura de bilhão de watts. É como você não pode voltar atrás agora e ser apenas um ‘Revenant’ regular". Ele está fazendo seu melhor para brincar, mas eu sei que ele está apenas tão oprimido pelo que eu me tornei do como eu sou. "Pena que eu não tenho tudo o que foi prometido. O que eu fiz está bem lá atrás, mas ter alguma super força viria a calhar," eu disse. "Profecias são sempre irregulares na melhor das hipóteses," diz ele. "Talvez o pouco de força é o pontapé para mais tarde." Ele puxa-me mais perto, como se a proximidade dele sozinha pudesse me proteger do que está por vir.

QUARENTA E SETE JEANNE está esperando quando VOLTAMOS à LA Maison. "Está todo mundo bem?", indaga enquanto caminhamos pela porta. "O que fazes aqui? São 03 horas" Vincent coloca uma mão no ombro dela, e ela olha para ele, envergonhada. "Não conseguia dormir", ela admite. "Algo está acontecendo. Posso sentir isso. E eu estive com você tempo suficiente para saber que posso confiar em minha intuição. Eu tenho um pouco de pão no forno e teria colocado uma fornalha. Agora, alguém se machucou?", indaga, escondendo sua emoção por trás da praticidade. "Ambrose vai precisar de cuidados médicos", diz Vincent. E então em uma voz baixa admite, "Geneviève foi morta e tomada." As mãos de Jeanne voam para a boca. "Não," ela suspira com lágrimas brotando de seus olhos. Vincent acena, de repente parece cansado. Nós estávamos distraídos com a ambulância chegando através dos portões. Jeanne fecha seus olhos e move-se propositadamente em direção ao veículo.


Charlotte pula fora do banco do passageiro e abre a porta para trás para Ambrose e Charles saírem. "Não me importo se eles estão em sacos," Ambrose está dizendo. "É a última vez que eu ando numa ambulância com uma meia dúzia de cadáveres". Ele estremece e segura o braço ferido quando ele pisa para baixo no chão. "Não me importo de matá-los, mas não me sinto alegre com eles, uma vez que estão mortos." Charles salta para baixo e Jeanne olha curiosamente para ele por um momento antes de uma luz começar a brilhar nos olhos dela. Ela corre pelas escadas abaixo e atira-se para ele. "Mon petit Charles, você voltou!" ela arrulha, de pé na ponta do seu pé freneticamente beijando em suas bochechas. "Estou tão feliz em vê-lo." "Falou!", Charles diz que com um largo sorriso. "Olhe só para você," Jeanne diz, inclinando em sua volta e inspecionando-o em toda sua glória tatuada e com cabelo punk. "Você sabe, que eu nunca acreditaria na verdade como que esta, mas este olhar realmente combina com você. Claro, se não me importasse com você mais do que com meu próprio filho, você assustaria minhas calças. Mas você sempre vai ser mon petit Charles à moi". Ela abraça-o mais uma vez e então se vira para Ambrose. "Quão ruim é, querido?", indaga. "Mal o suficiente para precisar de um médico," Charlotte responde, soltando as armas de Ambrose do cinto e a alça de ombro. Ela diz com uma olhada para Charles e eles começam a arrumar tudo no arsenal. "Eu só preciso de alguns pontos", diz Ambrose. Jeanne comanda o show, e ele mantém seu casaco aberto. Chorando, ela pede, "você vai direto para seu quarto. Eu vou telefone para o Doutor Dassonville e depois irei limpá-lo. Toda a gente," ela chama para o rápido enchimento do vestíbulo, "armas lá embaixo no arsenal. Há um posto de primeiros socorros lá se ninguém precisa disso. Caso contrário, sirvam da comida na cozinha." No meio da confusão em massa um celular toca. Louis puxa um telefone do bolso e olha para o número na tela. Seu rosto fica cinzento. "Quem é?" Arthur pergunta. "Dela", diz ele, pressionando uma tecla para enviar a chamada para a caixa de mensagens. Depois de um segundo o telefone de Vincent toca. Ele clica no viva-voz e prendeo para todo mundo ouvir. "Oui", diz ele.


"Você matou meu segundo e seqüestrou meu consorte," vem a voz furiosa de Violette. "Declaro-me culpado, mas para o segundo, Louis veio com a gente de sua própria vontade," responde Vincent. Louis estremece e cruza os braços Protetoramente em torno de seu peito. "Isso é uma mentira," Violette cospe. "Desculpas! Deixe-me falar com seu lamentável campeão." "Estou aqui", eu digo. "Eu lhe darei uma hora para me encontrar no Arènes de Lutèce. Traga-me meu consorte e em troca lhe darei o corpo de Geneviève." "Por que na arena?" Pergunto. "Por que não vem aqui?" "Não, é suficiente abrir espaço," ela responde. "Não vou tolerar qualquer truque. Encontre-me no centro da arena. Uma hora. A transação será concluída até o amanhecer." Há um clique e depois um silêncio estático. "É uma armadilha", diz Arthur. "Claro que é uma armadilha", admite o Vincent. "Violette trará seus homens. E ela sabe que Kate nunca iria sozinha." Ele retorna o olhar para mim, "Ela quer outra chance para pegar você, Kate". "O que fazemos?", pergunta Charlotte. "Não podemos ir. Nós seremos todos mortos,", diz Arthur. "Mas nós temos que pegar o corpo de Geneviève," argumenta o Charlotte. "Na verdade, não," vem uma voz acima de nós. Bran faz o seu caminho para baixo da escada, segurando o corrimão de mármore enquanto ele desce. "Pelo menos é que o iria querer Geneviève," ele diz. "Como você sabe isso?", pergunta Charlotte, horrorizada. Bran permanece em silêncio até que ele finalmente está entre nós. "Porque ela disse-me," ele disse simplesmente. "O que quer dizer, ela te disse?" Vincent pergunta. Bran responde, "Geneviève veio até mim quando retornamos de Nova York", explica. "Ela disse que você tinha explicado a ela sobre como nós chama-dedos


funcionamos. E ela perguntou se havia alguma forma de dispersar o espírito dela enquanto ela estivesse adormecida." "Por que ela faria isso?" Pergunto. "Ela me disse que sem o marido dela não queria existir. Que tudo o que ela desejava era ir para qualquer outro mundo... Ela sentiu que tinha feito o suficiente em seu tempo como um morto-vivo." "Mas...," Charlotte começa. "Ela estava muito determinada a ter o seu caminho", diz Bran. "Eu ainda não tinha decidido o que fazer, mas agora a decisão parece ter sido feita por nós. E aconselho que possam deixá-la ir." Todos estão em silêncio, a história de Bran em processamento. "Precisamos ainda de ter de volta seu corpo a fim de queimá-lo,", diz Vincent finalmente. "Isto é, se isto não é apenas um ardil e Violette na verdade traz o corpo com ela. Em qualquer caso, Kate não irá." "O que quer, não irá?" exclamei. "Eu não estou dizendo isso para proteger você, Kate. Estou dizendo isso para nos proteger. O objetivo de Violette não mudou. Ela quer prendê-la a fim de obter o poder do campeão. Como as coisas estão agora, ela poderia derrotar-nos mesmo sem aquela força extra. Seus homens pelo menos dobram os nossos números. Mas para ela, o desejo de poder supera o senso comum. Ela quer você e correrá o risco de uma batalha no ponto, desorganizada a fim de pegar você. Você não pode ir." Eu balancei a cabeça, furiosa. "Você não pode tomar essa decisão por mim," Eu disse. "Poderia, por favor, podem deixar-nos?" Vincent pede laconicamente. Ele está determinado a ter o seu caminho. Também estou muito ruim. O quarto esvazia até que ficamos eu, Vicente e Charlotte em pé sob a luz suave do lustre de cristal. "Se estamos fazendo uma decisão tática, eu preciso estar aqui," Charlotte explica se desculpando. Estamos em um triângulo solene, já não os amantes e amigos. Nossos sentimentos não importam mais. Devemos ser racionais; uma decisão precisa ser feita — uma que afetará a todos, nós sabemos.


"Eu sou um de vocês agora", eu começo. "E não vou ficar escondida aqui para me proteger. Eu me tornei o campeão por uma razão. E na verdade significa que qualquer que seja a profecia — se estou para levar a Adriano Bardia contra ou para o perigo ou de uma vitória que eu realmente possa sobreviver — eu sei que eu devo para fazer isso. Eu tenho a cara Violette. Sinto isso aqui”, digo e coloco minha mão no meu peito, inadvertidamente, pressionando o signum na minha pele. Olho nos olhos azuis tristes. "Vincent, nunca tive mais certeza de nada." Ele continua a firmar o meu olhar, como se esperasse que mude de idéia. E então de repente abaixa os ombros e a cabeça dele cai. Ele fecha os olhos e toca os dedos na testa. “Ela ganhou", soprou, não olhando para mim. E então, depois, ele diz, "Charlotte, chame todos. Diga-lhes para telefonarem para os parentes que eles contactaram esta noite. Todos vão se reunir, armados, no canto nordeste do parque em torno da arena." Charlotte acena e vai para informar os outros. Eu e o Vincent somos deixados sozinhos no hall de entrada. Ele me olha como se eu fosse uma estranha. Como se ele estivesse me vendo pela primeira vez. Os três metros entre nós parecem uma milha. "Pode ser agora, Kate. Pode ser o fim de todos nós. Muito provavelmente seria o seu fim." "Eu sei", eu disse, levantando o meu queixo. Ele permanece quieto. "A minha primeira sensação quando soube que você tinha reanimado foi de alegria," ele disse finalmente. "Eu pensei que esta era a resposta para todos os nossos problemas. Podemos ficar juntos para sempre. Mesmo que eu doesse em saber que você foi forçada a seguir um caminho tão difícil, pensei que juntos poderíamos fazer algo bom e bonito." "Vincent, eu...," eu começo, mas ele segura a mão, pedindo para deixá-lo terminar. "Então Bran nos disse que você era o campeão. E eu perdi essa alegria. Porque eu sabia que nunca seria permitido voltar a ser você mesma. Sempre que carregará uma grande responsabilidade — a sobrevivência dos nossos parentes, bem como a proteção da cidade. O país. É... que você levaria essa responsabilidade até o dia que você fosse chamada para a ação contra numa. E eu sabia que quando esse dia chegasse, o que nos levou a vitória pode revelar uma tragédia para você. Para mim e para sua família. Pode ser facilmente destruída. Você é o alvo."


Eu respiro fundo, sabendo que ele está certo. "Meus avós e minha irmã sabem que sou um revenant e os perigos que me acompanham. Tiveram uns dias para aceitar isso." Faço uma pausa. "É como se meu país estivesse em guerra e que eu iria defendê-lo na batalha. Mamie e Papy não querem que eu seja um soldado. Mas agora que eu sou um, eles vão entender que qualquer sacrifício que eu faça." "E eu"? Vincent pergunta. "O que sinto conta para alguma coisa? A garota que eu amo está a oferecer-se como.... " Ele suspira, sentindo-se miserável enquanto procura por palavras. "Como a virgem para o dragão." "Não, a garota que você ama não está oferecendo se ao dragão. Esta virgem"— um sorriso forma nos meus lábios enquanto eu digo a palavra —"está indo para chutar alguns traseiros de dragão, para não cair e perecer." Vincent atira-se sobre mim, envolvendo-me em seus braços. "Sem sacrifício", ele respira no meu cabelo. "Você não vai morrer por nós." "Não de propósito," eu prometo. "Por favor, Vincent, eu não vou sem você. Se formos, vamos cair juntos." Eu inclinei para trás e tentei um sorriso. Seus olhos estão vermelhos e vítreos. "Juntos", ele concorda e inclina-se para baixo para me beijar. "Você não vai a lugar nenhum sozinha", diz Vincent, quando Ambrose se esforça para levantar da cama. "Eu tenho um braço bom," Ambrose retruca e então geme de dor quando empurra o de Charlotte de volta para baixo. "Vê? Você mal pode mover," ela diz. "Você só vai ser uma responsabilidade." "A luta da década — talvez até do século — e não vou estar lá? Você deve estar brincando comigo," ele geme. O médico aproximou-se e dá-lhe uma injeção de anestésico no braço. "Nós vamos dar-lhe um par de minutos para ficar entorpecido," ele diz e vai para o outro lado da sala para pegar alguns instrumentos. "Eu sou seu líder e digo que não," Vincent insiste e sai da sala. Charlotte começa a levantar, mas Ambrose pega a mão dela antes que ela possa ir embora. "Espere", ele pede. "Você não vai me convencer," ela diz, dando um olhar de aviso. Ele olha para mim. "Katie-Lou, você vai dar-me em linha reta. Este é o negócio real, não é? O que vai afundar com Violette está acontecendo agora, certo?"


Encontro os olhos de Charlotte e ela faz uma ligeira agitação com a cabeça. Soltando-se. "Sim". "Ah, cara," Ambrose geme, e fechando os olhos, ele coloca a cabeça dele contra o travesseiro. "Escute Ambrose," diz Charlotte, "Vamos fazer o nosso melhor para obter o corpo de Geneviève, se é o que te preocupa. Você vai apenas atrasar-nos se você for junto. Eu prometo que nós faremos tudo que pudermos." Os olhos de Ambrose se estreitam. "É por isso que você acha que eu quero ir?", indaga. "Por causa de Geneviève?" Charlotte dá-lhe um olhar confuso. "Escute, baby." Ele esfrega o dedo nervosamente nas costas da mão. "Vocês estão andando em linha reta em uma das lutas mais perigosas que já vimos. Pode ser ‘a luta’. Além de ficar extremamente chateado que não posso ter um pouco disso, vai deixar-me maluco sabendo que você está lá, possivelmente sendo morta. Obtendo-se possivelmente destruída." "Vincent e eu vamos...," Charlotte começa a discutir. "Não estou preocupado com o Vincent", diz Ambrose, cortando. "Estou preocupado com você." Esse assunto penso, e sorrindo, eu me afasto lentamente para trás em direção à porta para que nenhum dos dois perceba que estou fugindo do local. Não que o fariam de qualquer maneira; eles estão totalmente envolvidos um ao outro. "Posso lutar assim como o resto de vocês," Charlotte retruca, puxando sua mão longe dele e empurrando os seus punhos para os quadris. "Eu nunca disse que não podia", insiste Ambrose. "Então por que —" Ele a interrompe novamente. "Vou ficar sem reclamar...." "Você não tem escolha!" ".... se você vai fizer duas coisas." A provocação deixou seu rosto. Ele está sério. Eu deveria sair, mas não consigo. Estou prestes a testemunhar um evento histórico, e espreito ao lado da porta, meus olhos colados em Charlotte e Ambrose. "Tudo bem", diz Charlotte, combinando a sua gravidade.


"Prometa que vai voltar." Charlotte fica em silencio. "E me dá um beijo de despedida." "O quê"? Charlotte balbucia. "Você me ouviu". Ela pensa por um bom par de segundos antes de levantar a ponta dos dedos para a boca. Os olhos dela brilham com lágrimas quando ela volta e senta ao lado de sua cama. E levando sua mão, ela se inclina para frente e o beija. É um beijo lento. É um beijo prolongado. É o beijo que ela esperou durante anos.

QUARENTA E OITO Geórgia está esperando no corredor quando eu saio da sala de Ambrose. "O que esta acontecendo?", pergunta, fazendo-me saltar de um pé para o ar. "Não vi você aí," digo, segurando a minha mão ao meu coração em pulos. "Então, onde é a festa?" ela dobra os braços sobre o peito. "Porque é que você ainda está acordada?" pergunto. "Não conseguia dormir. Depois, olhei pela janela e ver os carros estacionarem na garagem. Então eu achei que fosse besteira." Olho para Geórgia, a condição desarrumada do seu cabelo, ouro-morango, curto, tornando-a mais linda do que nunca. Percebo que há uma chance de que depois desta noite eu poderia não vê-la novamente. Jogo meus braços em volta do seu pescoço, apertando-a para mim. Massageio suas costas. "O quê, Katie-feijão? Qual é o problema? Quer dizer, além do fato de que você supostamente é a mulher maravilha dos mortos-vivos ou algo assim... Quero dizer, é por isso que você está chorando?" "Não vou chorar", digo, farejando e distraidamente, limpei os olhos antes de deixá-la ir. "Eu só quero que saiba que te amo." Os olhos da Geórgia estreitam e ela me encara com desconfiança antes de apontar o dedo para mim. "Vocês vão fazer algo perigoso. O que é?" "Não é nada que você precisa se preocupar, Geórgia." Ela faz um barulho de nojo e diz, "Oh, não me dê isso. Você não estaria agindo assim, a menos que você estivesse preocupada que não iria voltar. É por isso


que Jeanne está aqui no meio da noite e metade do punk de Berlim está pulando ao redor da casa, eles é uma espécie de zumbi dançarino de rua? Certo?" Acabei de olhar para ela e mordi minha língua. "Bem, eu vou perguntar a Arthur," ela diz e saindo. Charlotte sai da sala de Ambrósio e fecha a porta atrás dela. Seu rosto brilhando e as bochechas rosadas naturalmente estão vermelho escarlate. Ela pega minha mão e nós fazemos nosso caminho descendo as escadas. "Você sabia?", indaga. "Sim", eu admito. "Mas só recentemente. Acho que Ambrose só amava Geneviève quando ela não estava disponível. Uma vez que era realmente possível, eu acho que ele percebeu que ela não era o que ele queria." Ela sorri como uma menina com cinco décadas de desejo que finalmente foi realizado e, saltando para baixo o resto das escadas, cabeças para o arsenal. No meu quarto, joguei um pouco de água no meu rosto e escovei o cabelo para um longo rabo de cavalo. Então, peguei um pedaço de papel e uma caneta fora da mesa, sento para escrever uma carta a Mamie e Papy. Minha caneta paira acima da página como se eu estivesse agonizando sobre o que falar. Mas antes que eu possa escrever alguma coisa, há uma batida na minha porta. Mamie gruda na cabeça e pergunta, "Podemos falar com você?" "Sim", digo, cobrindo a nota não escrita com a minha mão e então, vejo a expressão deles e desisto da pretensão. Pode ser a última vez que eu vejo meus avós, e eu sou grata que eles vieram me encontrar. "Eu estava escrevendo um recado, mas estou feliz que estejam aqui. Eu prefiro falar com vocês pessoalmente." "Onde vais?" Papy pergunta, andando para ficar atrás da minha avó. "Nós vamos para a batalha contra Violette," digo honestamente. "E planeja voltar?" Mamie pergunta, sua voz pegando um pouco antes, ela pára e coloca sua máscara de avó corajosa. Eu levanto e ando até eles. Meus avós. Além de Geórgia, eles são minha unica família restante e eu os amos ferozmente. Mas nossa luta contra o numa não é apenas para eles como pessoas — como os moradores de uma cidade que pode facilmente ser invadida por mortos-vivos do mal — mas também como alvos da ira de Violette. Se eu falhar, eu sei que ela não hesitará em ir atrás deles. Ela não perde uma oportunidade para seduzir por vingança. "É preciso fazer alguma coisa", eu respondo, evitando a pergunta de Mamie.


"Nós sabemos disso”. Papy tranqüiliza novamente, “porém, `sabemos que você é realmente difícil de destruir," diz com um sorriso forçado. "Eu sou um morto-vivo agora, Papy. Se eu morrer, eu vou ressuscitar." A menos que numa tem uma fogueira gigante em chamas no local da batalha ou seqüestrar meu do corpo e levá-lo para outro lugar para queimar. Eu não falo esse pensamento, mas não preciso. Papy sabe as regras, bem como eu. Mamie dá-me um abraço. "Eu trouxe isto de sua penteadeira," ela diz e mostra os anéis de casamento dos meus pais. "Você sabe a importância que eu coloco em símbolos. Leve isso com você como uma lembrança do amor de seus pais e apoio. Eles se orgulham de você agora, Katya." Meus olhos encheram de lágrimas, eu tiro meu colar e adiciono os anéis para meu signum e o medalhão vazio que eu mantive mesmo que já não tivesse um propósito. Jeanne tinha cortado mais do cabelo de Vincent, assim voltamos de Nova York, e dei-lhe uma amostra do meu depois do banho hoje. Foi para um pouco de segurança — caso o pior aconteça. Eu o guardo de volta debaixo da camisa e segiro os anéis para sentir que eles estão lá. "Obrigado, Mamie," sussurro. Ela acena e sorri, limpando uma lágrima longe e andando para o lado então Papy pode ter a vez dele. Ele me fecha firmemente em seus braços e sussurra, "Cuida de si mesmo, ma princesse." "Eu vou, Papy," eu prometo, agora estou engolindo as lágrimas. Meus avós dãome pela última vez as mãos, acenam para mim com orgulho e então saem. Pego um lenço na mesa de cabeceira e tomo um minuto para me recompor. Quando eu começo a sair do quarto, eu tenho um vislumbre do meu reflexo em um espelho de corpo inteiro e, não me reconhecendo, faço uma pausa. Nas minhas calças de couro preto, botas até o joelho, finos coletes de couro sobrepostos com um top preto de camurça e longo casaco de couro, pareço um herói de ação. Minhas bochechas estão liberadas do medo e antecipação, mas meus olhos brilham como as estrelas no escuro e pareço mais velha com meu cabelo puxado para trás. Não sei o que vai acontecer, mas sei sem sombra de dúvidas que este é o meu destino: enfrentar Violette. Estou pronta. Quando chego no grande salão, vejo que Jean-Baptiste e Gaspard passando pela porta da frente. "Você está aqui!" Eu choro. "Eu tinha planejado levar algumas horas para descansar", explica Gaspard com um sorriso, "no entanto, recebemos essa mensagem de texto quase indecifrável


no nosso telefone móvel...." Jean-Baptiste mantém o celular dele como se fosse uma peça de maquinaria alienígena. "E eu falo, 'caras, isso vai acontecer agora. Traga seus rabos até aqui imediatamente' com um pedido tão eloqüente, como poderíamos resistir?" ele observa certo. Mas há um fantasma de um sorriso no canto da boca, e eu sei que ele e Gaspard não perderiam isso por nada no mundo. "Woo-hoo, eu sabia que você viria!" Ambrose fala do patamar no topo das escadas. "E você volte para a cama neste minuto," Jeanne repreende, correndo para fora atrás dele e apontando imperiosamente de volta em direção a porta do quarto, " antes que você tenha hemorragia em meu belo tapete limpo." Ambrose sorri amplamente e lança-nos todos uma saudação, antes de virar e ser conduzido de volta para seu quarto. "Então... vamos?" Digo, colocando as mãos nos braços do JB e de Gaspard e pisando com eles para fora da porta. No pátio, eu vejo um fluxo de carros e motos, alinhados na frente do portão, motores em marcha lenta. Duas figuras abraçadas ao lado da fonte, corpos pressionados firmemente juntos, desesperadamente se beijando antes de pisar para trás volto e reconheço a Geórgia e Arthur. Geórgia afasta-o e, passando por mim sem abrandar o seu passo, ela diz, "é melhor que volte Katie-feijão." E entra na casa, batendo a porta atrás dela.

QUARENTA E NOVE Só antes de 04 horas, quando saímos em direção ao bairro de Monge. Vincent estaciona o carro, e eu saio para a calçada com Arthur, Charlotte e esbarro em Louis fora do banco de trás. Jean-Baptiste e Gaspard estacionam nas proximidades e se juntam a nós. Meu estômago está embrulhado. Mas a calma que vem com o foco de uma luta começa a estabilizar-se dentro de mim, infundindo-me com a confiança que eu vou precisar. E o fato de que Vincent tomou minha mão e a segura firmemente na sua não dói. Algumas figuras escuras na rua brilham com suas auras de bardia dourado, e levantam uma mão em saudação. Grupos que montamos em Paris sobre as últimas horas têm sido esperando para se juntar a nós. Temos sessenta revenants ao todo. Mas quando eu olha na direção do Parque que esconde a arena romana, minha visão arde, pelo menos uma centena de colunas vermelhas


flamejam em direção ao céu antes da alvorada. Nós estamos em menor número. Como temíamos. Vincent vê no meu rosto. "Assim tão mau?", indaga. Eu aceno. "Sim. Mais de cem, eu acho — alguns dentro do parque e outros espalhados por todo o bairro. " Ele se vira e pega meu rosto com as mãos em forma de copo, deslizando os dedos sobre meu semblante. "Você não precisa fazer isso," ele disse suavemente o suficiente para os outros não ouvirem. "Estamos a combatê-los sem nunca ter de frente o rosto Violette. Você ouviu o Bran. Geneviève queria morrer." "Há sempre a chance de que eles vão mantê-la até que ela é volante e então destruí-la, como fizeram com você. Ela quer ser livre. Não presa como uma alma errante." "Se isso realmente acontecer, Bran pode dispersá-la." "Ok, você está certo," eu admito. "Mas eu tenho a cara Violette, Vincent. Eu sei. Ambos sabemos. E eu prefiro fazer isso agora, quando sabemos que ela não vai escapar por entre nossos dedos, do que viver nossas vidas pensando quando ela vai dar o próximo passo e fazer algo ainda pior." "Eu sei". Ele se inclina para baixo a beijar-me brevemente. Firmemente. Ficamos trancados um no olhar do outro enquanto pequenos grupos começam a mudar para ao nosso redor. "Se eu morrer...," começo a dizer. Vincent me corta. "Pare, Kate!" E, em seguida, ele suspira e seus ombros encolhem um pouco. Ele sabe que é desonesto fingir que nós todos vamos sair vivos. Ele fecha os olhos e, quando ele os abre, ele parece resoluto. "Aconteça o que acontecer, lembra que eu te amarei para sempre," diz ele. "Mesmo que o meu espírito esteja disperso e minha consciência liberada para o universo... o que restou de mim nunca deixará de amar você." Vincent não irá possuir-me como ele fez quando eu lutei com Lucien. E não há sinal de qualquer super força que foi mencionada na profecia. Mas eu estou de repente sem medo, sabendo que vou encarar Violette com uma arma poderosa mas invisível: amor. O completo e incondicional amor de outro ser. Isso é algo que Violette não tem. Isso não vai me fazer vencer a batalha contra ela. Mas já me fez o vencedor sobre o meu medo. "Não é adeus, Vincent. Porque nós vamos ganhar." Apesar da minha voz ser firme, eu não acredito em minhas próprias palavras. Eu pego sua mão e


caminhamos em direção ao parque. As árvores estão rodeadas por uma cerca de ferro alto, e quando estamos perto do portão, vemos que é guardado por quatro numa grande vestidos com uniformes da polícia. Eles acenam para Vincent e nos aproximamos, olhando apreensiva para as janelas dos edifícios de apartamento do outro lado da rua. Enquanto fora do parque, estamos em público. Nada vai acontecer aqui. "Só a garota entra. Com ele." Um deles aponta para Louis. "Nossa espécie ficará fora da arena e então a sua também." Vincent abana a cabeça. "Você está mentindo. Há um grande grupo de sua espécie já dentro do parque. E não há nenhuma maneira que Kate entrar sozinha." Numa olho-o com desconfiança, e um faz uma chamada. Ele abafa a voz com a mão e depois desliga. "Nosso líder admite que sua equipe de segurança está de guarda dentro do parque. Portanto, você pode trazer a sua para dentro, mas ninguém vai para dentro da arena do anfiteatro, exceto seu campeão e o refém." Refém? Eu penso. Vincent disse a Violette que Louis foi conosco voluntariamente. E numa que escaparam da luta na passagem du Grand Cerf deve ter contado a ela sobre como ele lutou contra eles. Ela está em negação ou ela está a fingindo ignorância para protegê-lo de seu clã. Vincent faz um sinal, levantando dois dedos altos no ar e de repente a bardia deixa as ruas laterais, carros estacionados e entradas escurecidas, agrupando atrás de nós. Aos meus olhos de campeão é um mar de chamas douradas, fluindo em direção a uma parede de colunas vermelhas brilhantes. Caminhamos através do portão em um longo corredor. Altos muros de pedra erguem-se em ambos os lados de nós à medida que avançamos em massa para o antigo anfiteatro romano, Vincent e Jean-Baptiste liderando a multidão com Charlotte e Arthur flanqueado por Gaspard logo atrás. Louis olha sobre para mim quando nós os seguimos. "Não se preocupe, não deixaremos que te leve de volta," eu disse. "Você está apenas aqui e assim que chegarmos perto o suficiente para combater Violette. Assim que você é puder, voltaremos e reagruparemos com Vincent e os outros." "Não vou te decepcionar", ele jura. "Eu sei", eu disse e, tomando sua mão, apertei firmemente antes de deixá-lo ir. Nós saímos do corredor em um grande espaço aberto. Bancadas de pedras monumentais em um arco quebrado cercam uma parcela de terra tão grande quanto um picadeiro. Há outro túnel, como corredor idêntico e que só apareceu diretamente em frente de nós. E em torno de sua abertura e transbordando em


grupos sentados na arquibancada sentados estão um inferno de um lote de numa. No centro da arena, Violette está sozinha na frente de uma fogueira acesa recentemente, chamas lambendo um canto de uma pilha de madeira tão grande como um semitruck. Sob os pés dela tem um saco aberto e descompactado. O cabelo longo dourado-platinado de Geneviève cai feito cortinas sobre os lados. Inconscientemente pego o punho da espada na minha cintura, tranqüilizo-me e sei que eu estou pronta para a batalha. Recebe-nos em abordagem, o rosto de Violette transforma-se em uma máscara de vitória. Vincent e Jean-Baptiste hesitam e então conduzem a bardia para longe de nós, organizando-as em frente nos degraus de pedra. Louis e eu continuamos a caminhar. Estamos entrando na arena, atravessando o chão poeirento até paramos a cinco metros de Violette. O fogo atira para o alto por trás dela. Sua luz de fundo ardente lhe dá a aparência de um demônio jovem adorável, seus olhos carvão escuro e cabelo preto longo preparou pelo vento de manhã cedo. "Agora, olhe só para nós," ela diz. "Como civilizados. Você tem o que eu quero, e eu tenho o que você quer. Então, por que não os substituímos logo?" Violette inclina a cabeça para um lado e cruza os braços sobre seu peito como uma criança triste. "Pela mesma razão que você tem a sua," eu disse, acenando para a fortaleza de numa posicionada na arquibancada. "Só não me escondo os meus atrás da parede. O que é um pouco anti-desportiva, eu diria." "Como se eu esperasse qualquer esporte," diz Violette, com calma exagerada. Eu a surpreendi. "Eles são meramente minha segurança", explica ela. "Não entendo se eu tenho mais leais seguidores do que Vincent." Ela pára, então incapaz de resistir, pergunta, "Você pode ver os meus homens de longe?" Eu aceno. "Colunas de aura?", indaga intrigada. Eu aceno novamente, asseguro que ela já não sabia dos detalhes dos meus poderes. Satisfeita, ela gesticula em direção ao saco. "Seu corpo, agora me dá o meu consorte." "Não quero o cadáver. E seu consorte não vai com você. Ele escolheu ficar do nosso lado, com a gente."


"O quê"? Violette exclama em choque fingido. "Por que você viria aqui hoje à noite?" "Para lutar com você." Um largo sorriso se espalha em seu rosto. "Eu esperava que dissesse isso. Então queria uma segunda chance para absorver o poder do campeão." Ela tirou sua capa e coloca-a suavemente no chão. "Suponho que é o fogo seja para isso", eu digo. "A menos que este seja apenas um ardil para convidar a todos para um assado de monstro-marshmallow." "Você sempre foi uma menina inteligente," retruca Violette. "Eu tenho que te reconhecer isso." Seu olhar se move para o numa jovem de pé ao meu lado. "Louis, foi um menino tão bom. É hora de cortar o ato. Fazer algo de útil." Os olhos dela fixam em mim e para ele. Louis hesita, não sabendo o que fazer. Percebo e que rapidamente, eu comando, agarra-me e finja que me segura para ela. Faça-o agora! Ele empunha para mim e me agarra pelos braços superiores. Eu luto descontroladamente, tentando quebrar o seu domínio. Fazendo parecer real. Mas ele está lutando contra mim tanto quanto eu com ele, e dentro de segundos me prendeu, ambos os braços fixos nas minhas costas. Ow! Eu penso e o ouço sussurrar, "Desculpa"! Ele solta seu aperto ligeiramente. "Louis, como você pôde? Você jurou que ficaria do nosso lado!" Eu o repreendo em voz alta. Ele não diz nada, só continua a me segurar, mas seu aperto fica cada vez mais apertado. E por um segundo sinto uma pontada de apreensão e me pergunto se ele está jogando como agente duplo e que esta charada tinha sido planejada por Violette. “Você ainda está comigo, certo?” Pergunto preocupada. Ele responde com um ligeiro aperto em um dos meus braços, aliviando minha dúvida. Eu ouvi um rugido na arquibancada à minha esquerda e vejo Vincent e nossos parentes caminhando para o chão da arena. Não sei sobre o nosso número e acho que Louis traiu-nos. “Está tudo bem”, digo mentalmente, olhando para Vincent. Ele acena para mim, parece confuso e suspende a mão para tentar permanecer com suas tropas. "Pare!" grita Violette e atravessa o espaço entre nós antes que eu possa desembainhar minha arma. Corre a ponta da espada na minha garganta: sinto sua borda afiada cortar minha pele e o sangue gotejar do corte que ela me deu. "Ninguém se move, ou o campeão está morto!" Sinto o aperto de Louis me soltar e percebo que ele está prestes a deixar-me ir. “Não se mexa”, ordeno-lhe, e ele reajusta seu domínio, puxando-me mais


apertado contra ele. Posso sentir seu coração batendo contra as minhas costas e sei que ele deve estar com um medo insensato. “Espere aí”, eu digo. Violette olha para onde está Vincent e os outros, que parece congelado no lugar e, em seguida volta seu olhar para mim. "Você idiota, ingênua menina. Louis pode acompanhá-la, mas ele não pode se tornar um de vocês. Numa estão condenados! Eles não podem alterar em Bardia. Todo mundo sabe disso." "Então disseram," eu respondo. "Mas eu não acredito nisso. A flama-dedos guérisseurs gravaram como está acontecendo: Eu vi ele retratado em uma de suas pinturas." Há um brilho no olho do Violette — é despertada a sua curiosidade, eu posso dizer... — mas ela levanta a ponta da espada para colocá-lo sob meu queixo. Ela não é acreditou ou não se importou. "Ainda há tempo para você mudar também, Violette," continuo. "Eu não acredito de todo esta porcaria de destino fixo. Temos um guérisseur, que na verdade pode dispersar os espíritos revenant. Que pode aliviar a dor da morte. E eu acho que há uma razão para isso. É assim que as coisas caminhavam para ser antes que tudo desse errado na história dos revenants. Realmente, ninguém é forçado a continuar existindo como algo que não querem ser. Geneviève queria sair. E ela terá a paz." "Tem sido em torno de meio milênio," responde Violette. "Eu acho que sei mais que você. Você é um desperdício do poder que está dentro de você." "Diga-me, Violette, o que você faria com isso?" Pergunto. "Com os poderes do campeão de persuasão, eu poderia convencer chefes de estado a seguir-me e comandar grandes forças de numa. Se o que você disse sobre ver a aura é verdade, eu poderia ver meu tipo — e talvez até a sua — de longe reforçada com poderes de percepção. A melhor maneira de construir um exército numa ou eliminar uma população de Bardia? E com a força do campeão? Bem, isso é a única coisa que parece que não te deram e mesmo como o campeão, você é uma fraca de compaixão lamentável." Ela se fez falante e quer negociar o golpe mortal. Posso dizer pelo olhar de vitória prematuro na cara dela, o flexionar de seus bíceps e o ligeiro inclinar para trás que ela está prestes a girar para o lado e brandir com toda sua força. “Louis, tão logo ela começa a balançar, solte-me e mova-se fora do caminho, eu acho. Conheço o olhar dela." “Você quer o meu poder, Violette? Você pode vir buscá-lo." Um sorriso perverso curva os lábios dela, e ela pega a espada com as duas mãos. Na minha visão periférica eu vejo tanto a bardia e numa surgindo em baixo


da arquibancada, gritos em erupção quando eles saem para a batalha. Sinto Louis libertar-me e abaixo quando a espada de Violette pisca para frente, assobiando pelo ar onde tinha sido o meu pescoço. Eu tenho tempo suficiente para o salto de lado e desembainhar a minha própria arma, antes que ela se recupere e sua lâmina desaba em mim mais uma vez. A espada de Violette entra em confronto com a minha, e aparo com toda minha força até que a lâmina desliza para fora e ela tropeça para trás. Ela finalmente tem um segundo para ir onde está o Louis. Ele fica a poucos metros de nós, paralisado, observando a nossa luta e com olhar perdido. "Seu traidor!" ela grita. "O que poderia ser se queria ajudá-los? Eles não podem mudar o que você é!" O olhar perdido desaparece do rosto de Louis, substituído por um de desespero. “Não acredite nela”, eu digo. Violette vira sua atenção para mim. Estou igualando todos seus movimentos, mas por pouco. Se eu abrandar em todos os... ou fazer um movimento em falso, ela vai ganhar esta luta. "Eu sou mais rápida e mais forte que você," ela cospe quando ela empunha em relação a mim, cortando no meu braço com a espada. Pulo fora do caminho dela. "Talvez. Mas você não tem um coração," eu digo, encontrando sua espada com meu próprio balanço médio e voltando a bater um passo. Nossos exércitos pararam agora a poucos metros de cada lado de nós, não tinham a ousadia de mover quando estávamos no meio de um combate mortal. "Um coração faz um frágil," ela diz, gritando. "A fim de exercer a verdadeira força, numa deve ser impiedosa." Ela gira e oscila sua espada com as duas mãos em um arco horizontal, proveniente de meros centímetros de meu rosto, pulo para trás. "Não concordo", digo, minha respiração irregular. "A misericórdia é a chave. Você pode forçar as pessoas a segui-la, mas você nunca terá a seu respeito ou amor." Eu começo a balançar, mas Violette antecipa minha jogada e bate minha espada fora das minhas mãos no chão. Eu a alcanço, mas sua lâmina é mais uma vez levantada — ela está muito perto desta vez — e eu escolho para enfrentá-la desarmada ao invés de ser cortada quando eu abaixar para pegar minha espada. "O amor é para os fracos", diz Violette, seu rosto distorcido com desprezo. Com um grunhido de esforço ela derruba o aço para o golpe. Meu instinto é nato, mas obrigo-me a manter-me no chão.


“Agora é sua vez, Louis”, eu chamo-lhe. “Sua chance de controlar seu próprio destino”. Existe um flash de metal e Violette tropeça para os lados. Ela deixa cair sua espada e lança as mãos para frente, amortecendo sua aterragem de cara no chão. Tremendo com o esforço, Violette firma-se em seus cotovelos e vira para Louis, que cambaleia para trás, observava com horror. "O que. Tem. Você... Feito?" diz, encarando o rapaz, seus olhos com dor. "A coisa certa. Finalmente," ele diz e ergue, banindo o medo dele. "Você está numa", ela suspiro. "Não mudamos os lados. Uma vez um traidor, sempre condenado." Da queda, ela vira para o lado dela. E tira a faca do peito, ela a estuda como se nunca tivesse visto um punhal antes. A arena irrompe em um motim dos gritos de batalha, mas ninguém se atreve na abordagem. Eu olho ao redor de nosso triângulo trágico, e em um flash de clareza, estou finalmente convencida de uma coisa que eu já suspeitava desde que falei com Uta. A força do campeão não é uma coisa física. Não é no meu corpo. Está no meu espírito. É uma força interior — uma que irá inspirar lealdade. Uma que irá me ajudar a liderar meus parentes para o jeito que as coisas deviam ser antes dos revenants serem condenados a sofrer durante a realização de seu destino. E com o dom da percepção — a capacidade de ver auras, refletindo não apenas o destino que abordou um de numa como Louis, mas que ele possui a capacidade de transformar-se e até mesmo alterar os lados — talvez eu não seja apenas o campeão da Bardia, mas de todos os revenants. Eu estou de repente e irrevogavelmente certa disso. "Você sabe, Violette," eu disse, levantando a minha espada e agachando-me em uma postura ofensiva. "Estou aqui para mudar isso." As chamas subiram para a sua altura total atrás dela: a fúria em seus olhos ecoa sua fogueira. Gesticulando para um dos numa sentinelas lutando nas proximidades, ela aponta para Louis e grita, "Mate-o!" Eu passo na frente, espada abaixada, pronta para atacar. Violette faz um movimento extremamente rápido; metal pisca no ar, a faca, refletindo o vermelho dourado da fogueira, antes de afundar profundamente em minha carne. Eu aperto minha espada mais firmemente em minha mão direita e tento ignorar a faca incorporada no meu outro ombro, balançando de volta tão poderosamente e mirando minha lâmina para pescoço de Violette. No mesmo segundo, uns assobios vêm na direção do numa. Louis cai por terra, com uma flecha limpa através do centro de sua testa. Ao redor de nós a raiva da batalha em um tumulto de gritos, agito de corpos e confronto de metal, mas o meu foco permanece firmemente no meu inimigo. A dor


quente no ombro dirige-me a fazer o que eu sei que devo. Minha lâmina encontra o pescoço dela e corta de forma limpa e Violette cai para trás, morta.

CINQUENTA Eu fico olhando a sangrenta bagunça que era Violette, paralisada pelo terror e alívio. Mas eu não posso me dar ao luxo de reflexão desde que há uma sombra balançando perigosamente perto de minha cabeça. Eu pulo fora do caminho e sinto mãos fortes me agarrar. Eu começo a lutar e então ouço Vincent dizer, "Sou eu". Ele agarra a minha mão, e fazemos uma corrida para ele, correndo passamos da área concentrada de luta para a borda da arena. Nós agachamos atrás do fogo, o barulho dos choques de metal quase ensurdecedor, e deixo minha espada sangrenta no chão. Vincent me vira em direção a ele e segurando minha cabeça em suas mãos, beija-me rapidamente e firmemente. Nunca pensei que o suor e fumo poderiam combinar tão bem. "Tinha que fazer isso primeiro," ele diz com um fantasma de um sorriso. Ele me puxa cuidadosamente para o lado e inspeciona a faca em meu ombro. "Dói?" ele pergunta, quando ele pega o fundo da sua camiseta, arranca uma faixa larga de tecido e passa sobre seu braço. "Não, não sinto isso em tudo," eu admito. "Está bem, Kate, feche os olhos e aperte os dentes," ele diz. Então empurrando meu braço com uma mão, utiliza o outro para arrancar a faca de onde entrou no meu ombro e saiu pelas minhas costas, só um cabelo de largura de fora da borda do meu colete de Kevlar. Eu abafo o meu grito com a minha mão, mas não importa — que é engolido pelo barulho em torno de nós. Vincent arranca outra tira da camiseta dele. Dobra o braço inútil na minha frente, ele fixa para o meu peito. "Todas as entradas estão bloqueadas", ele diz enquanto trabalha, "Então não consigo tirar você daqui sem lutar." "Não sairemos", digo, olhando pela arena. Embora numa começou com mais do dobro do número, eles estão caindo rápido. Os alemães estão agindo como equipes de pique: lutando único numa em pares, matando-os e depois jogando rapidamente sobre o fogo. Conto dez cadáveres já em chamas, e o contingente de punk não está diminuindo. Um apito estridente vem ao lado da fogueira e Vincent e eu voltamos para ver Uta gesticulando em direção a nós. Ela segura a cabeça de Violette pelos cabelos, brandindo-lo como Perseu fez com a Medusa. "Vocês são testemunhas", ela grita, e com um aceno dela homens jogam o corpo de Violette sobre a pira,


enquanto ela libera a cabeça para as chamas. Meus sentimentos estão confusos quando eu vejo o corpo do meu inimigo inflamar. A menina quebrada, amarga se foi e estou inundada com pena e alívio. Vincent agarra a minha mão. "Você está bem?" ele pergunta, duvidando de minha emoção. Eu respiro profundamente e balanço a cabeça uma vez. Essa história acabou. Eu viro para olhar para nossos parentes e vejo Jean-Baptiste e Gaspard lutando lado a lado, seus movimentos tão bem sincronizados que parecem ser uma pessoa: o mais mortal dos guerreiros, trazendo morte para tudo o que toca. Não muito longe, Charlotte tem se elevado acima na briga, empoleirada com seu arco no topo de uma coluna de pedra quebrada em um canto, constantemente escolhendo nossos inimigos, um após o outro. A mão dela queima move-se para sua aljava, carrega em atirá-los com velocidade de relíquias. Arthur fica abaixo dela defendendo sua posição, cortando fora a quem se aproxima. Deixamos nosso abrigo atrás do fogo e iniciamos na direção de Charlotte. Embora eu não possa ver muito no campo de batalha, há menos colunas vermelhas ao redor da área. Mais do nosso inimigo está baixo, e dois bardia passam puxando outro cadáver na direção do fogo. Uma réstia de esperança pisca na minha mente. Estamos fazendo isso, noite às probabilidades. Na verdade podemos vencer. Vincent e eu estamos a poucos metros da Charlotte, quando vejo que uma flecha acertou o peito dela. Chocada, ela olha para o projétil amassa e cai no chão. Vincent aponta o arqueiro numa e decola atrás dele enquanto eu me jogo na briga para chegar a Charlotte. Mas antes de eu chegar a ela, uma garota numa começa a arrastá-la para o fogo. "Deixe-a!" Eu grito. A menina olha para cima. Em um instante, ela pegou sua espada e agacha-se numa posição defensiva. Elevo a minha espada, mas antes que eu posso mover, Charles dá um salto na minha frente, balança sua espada com força contra a dela. "Eu tenho este aqui", ele grita. "Coloque o corpo da minha irmã longe do fogo." Eu tento não olhar para os olhos cegos do meu amigo com a boca escancarada, dobro os pés dela debaixo do meu braço bom e começo a puxá-la em direção ao muro da arena. Uma flecha passa zumbindo em minha orelha e eu saio à minha esquerda me esquivando de outros três ou quatro projéteis que desencadeiam em minha direção. Um ruído irrompe das bordas da batalha, e os combates pausam quando viro para ver o que está acontecendo. Derramando pelos corredores em ambos os lados da arena está uma onda de estranhos armados. Reconheço suas auras de uma só vez; eles são parentes. Meu coração voa. A vitória é nossa. Ou será em breve.


De repente, Charlotte é empurrada para fora do meu alcance. Alguém agarrou as mãos dela e está puxando na direção oposta. "Não toque nela!" Grito e manuseio minha espada. Chicoteando ao redor em direção de meu oponente, encontro-me olhando nos olhos castanhos familiares. "Jules"! Eu suspiro e me jogo nos braços dele. "É um prazer ver você também," ele responde, "mas isso não é o melhor lugar para um abraço." Uma flecha zumbi por nossas cabeças e nós caímos para baixo. "Pegue os pés dela," ele diz. E então, vendo meu braço ferido, ele diz, "tire um pé", e começamos a arrastá-la para a parede. "Você está aqui!" Digo, piscando quando estou momentaneamente cega pelo suor do calor abrasador do fogo. "E você é o campeão," Jules responde com um sorriso astuto. "Desculpe estou atrasado. Uma dúzia de nós acaba de chegar de Nova York. Jeanne nos mandou direto para cá." "Apenas uma dúzia de vocês?" Eu examino a arena, que está repleta de recémchegados. "Mas quem são o outro bardia?" "Não sei", ele admite. Alcançamos a parede e guardamos Charlotte com segurança sob uma saliência de pedra. Transformando, vejo o cadáver de Louis apenas alguns metros de distância, onde ele tinha caído com a seta na cabeça antes. "Ajuda-me a trazê-lo aqui com Charlotte," eu digo e sigo em direção ao corpo, agacho enquanto corro para evitar uma saraivada de flechas. "Hum, Kates. Não é um de numa?" Jules pergunta, olhando confuso quando ele chega ao meu lado e vê o Louis. "Não... Sim," eu gaguejei. "Não tenho tempo para explicar. Ajuda-me tirar o corpo para segurança." Jules hesita por um momento, e então, quando uma bomba explode nas proximidades, ele salta mais rápido para me ajudar. Enquanto retiramos Louis para segurança, Jules olha em torno e dá-me um olhar engraçado. "O quê"? Pergunto quando o percebo ao meu lado chutando um numa que caiu. "Não que eu sabia que qualquer revenants antes eles fosse animado," ele diz, pausando para limpar o suor pingando nos olhos dele, "mas Kates, parece exatamente o mesmo como antes." Ele sorri. "Figuras". Eu retorno o sorriso dele e dou em Louis um último puxão quando chegamos à parede exterior, então dobramos o braço que eu estava puxando suavemente sobre o peito. Ouvimos um grito de Vincent. Olhamos na direção que ele está sendo lutando. Vejo um esquadrão de gigante numa vestidos em


uniformes combinando, marchando para a arena. Deve haver duas dúzias deles, e eles estão armados até o pescoço. "Quem são eles?" Eu choro, meu coração caindo quando percebo que meu otimismo sobre nossas chances foram demasiado prematura. Esses caras parecem letais. "Esquadrão de combate de elite de Lucien," responde a Jules. "Podemos saber onde estavam. Parece que Violette escondeu-os e os manteve frescos para a fase decisiva da batalha. Na nossa guerra anterior com numa, foram sempre chamados para fazer a varredura para cima." Ele aponta para o trambolho de um homem, levando a embalagem. "Seu Capitão, Edouard, o último da hierarquia de Lucien, se você ainda pode chamar assim." Tremo quando o homem examina o campo de batalha e clama por uma ordem que tem seus homens ventilando e correndo com espadas levantadas. Eles estão sobre a Bardia em um momento. Um grupo cercou um punhado de parentes de Paris e estão cortando em rápida sucessão. Entre os presos dentro de seu círculo são nossos parentes: Arthur, Jean-Baptiste e Gaspard. Vincent está correndo em sua direção, e Jules e eu corremos para nos juntar a ele. Quando numa nos vê, abre seu círculo. Aqueles mais perto de nós viraram para envolver-se: um para mim, quatro para Vincent e Jules. Eles não estavam lá para meu confronto com Violette, portanto não me reconhecem. Mas eles sabem quem ele é: o novo líder de bardia da França. O prêmio. Vincent tem atraído a segunda espada e balança ambos poderosamente enquanto ele luta com eles no solo. Ele está em desvantagem e ferido, e numa Jules e eu estamos lutando e somos intencionalmente impedidos de vir em seu auxílio. O Capitão Edouard, avança. Seus soldados permanecem imóveis, deixando-o avançar. Acho que ele vai entregar o golpe mortal e os outros vão transportar seu corpo para a fogueira antes de nós podermos resgatá-lo. É uma estratégia que obviamente foi planejada. Não vou deixar isso acontecer. Eu não vou perdê-lo novamente. Eu corro na direção de Vincent, mas antes que eu possa alcançá-lo alguém empurrou meu caminho através do cordão de numa e na frente da lâmina que já está empurrando seu caminho na direção do peito de Vincent. JeanBaptiste está executado com a espada do numa pelo meio de seu peito, a lâmina aponta apenas alguns centímetros do coração do Vincent. Eu ouço um grito de Gaspard o vejo correndo em direção do corpo do Jean-Baptiste, apenas para lutar por uma parede de numa.


Com um rugido selvagem, Vincent assume Edouard, tornando o trabalho rápido para um Capitão, enquanto dispara os dois inimigos à sua direita. Os da Bardia e numa correm de todos os lados, e a batalha aumenta em um borrão febril de metal e madeira e setas e jorrando sangue e gritos e gritos; e esqueci minha lesão e estou lutando como uma máquina, sem pensar, até o frenesi da batalha limpa e os únicos que restam em pé são bardia. Aqueles de numa que são fugiram foram mortos. Eu posso ver os vermelhos vigas verticais rapidamente se afastarem da arena. Deixo-os correr, eu acho. Será fácil o suficiente para encontrá-los mais tarde, e eu percebo que é exatamente o que vou fazer. Levo meus parentes para destruir qualquer numa que permanecem. Exceto para Louis, eu acho. Embora eu tenha visto sem auras vermelhas contendo hoje esse brilho dourado de esperança, eu suspeito que outros existam. Eu corro para Vincent e ajudo Arthur a abaixo-lo no chão. "Estou bem", ele diz. "Você está sangrando como um porco", retorta, quando Arthur cautelosamente puxa a camiseta na cabeça dele e ajusta ao redor de seu tronco para estancar a perda de sangue de um corte profundo entre as costelas. Eu uso a minha mão boa para ajudar a endireitar o curativo improvisado, e ele sorri para mim. "Quem foi que precisou de bandagem cerca de meia hora atrás?" ele comenta, olhando no meu estilingue. "Eu estarei bem em o que, três semanas?" Pergunto maravilhada novamente com o meu destino. Um interminável ciclo de vida, morte, cura e despertar. De repente dispersas cabeças começam a erguerem-se dos sobreviventes, Uta move para o centro da arena, com sangue e sujeira no rosto, fazendo-a parecer como um guerreiro bárbaro. Coloca os dedos entre os dentes, ela dá outro apito em nossas orelhas. "Para Vincent Delacroix, o líder da tribo de Paris, podemos reivindicar vitória!" ela grita sobre a batalha com um olhar mau acima da cabeça. "Vitória" grita a multidão, e uma floresta de armas acenam no ar matinal. Vincent levanta uma mão, aceitando a honra com graça. "E o mais importante — Desculpe Vincent —" Uta diz com um sorriso brincando, "vitória e glória para o campeão, que mais do que provou sua força esta noite." Ela pressiona seu punho para o coração novamente como se para me lembrar, sua força está aqui. Eu sorrio e imito o seu gesto. "Campeões são raros", ela continua, "e tem sido uma honra lutar com um. Para o campeão!" ela grita, e o lugar enlouquece, com pessoas aplaudindo e dançando. Clã de Charles fizeram algum tipo de canto de batalha em alemão e atiram-se uns com os outros em vitória em selvagens abraços.


Estou maravilhada, meu coração está na minha garganta quando eu percebi que esses seres imortais estão todos prontos para seguir minha liderança. Para me ajudar a lutar por qualquer que seja o que futuro nos reserva. Olho ao redor e vejo uma figura solitária, ajoelhado ao lado da fogueira. Deixando Vincent, faço o meu caminho para lá. O cabelo dele escapou do seu rabo de cavalo e cai para fora em torno de sua cabeça como um halo preto. "O que está errado, Gaspard?" "Antes... antes que eu pudesse pegá-lo...," ele gagueja, olhando para mim com os olhos vazios. "O numa. Eles jogaram o corpo para as chamas antes que eu pudesse pegá-lo. Jean-Baptiste. Ele se foi," diz Gaspard. E abaixando a cabeça nas mãos dele, começa a chorar.

CINQÜENTA E UM O campo de batalha é um cenário de desolação. Um baixo vento sopra fumaça acre em uma névoa amarela doentia do outro lado da arena. Armas e partes de corpos estão espalhadas por todos os lados e o chão é grudento com lama vermelha escura. Todo mundo trabalha rapidamente para limpar a bagunça antes que o sol nasça para que nenhuma evidência do massacre permaneça e que ocorreu no centro de Paris. Tudo o que pode queimar é lançado no fogo. Quando ambulâncias começam a chegar, Vincent e Arthur chamam voluntários para carregar macas com cadáveres de bardia para os veículos que estão esperando nos portões do parque. Médicos — todos bardia, reparei — começam a tratar aqueles cujas lesões são leves. Um médico se aproxima de mim, mas eu aceno em direção de Vincent. "O primeiro," digo. "Cortesia"? Vincent pergunta, levantando uma sobrancelha. "Não, covardia." Eu odeio agulhas, confesso, com um sorriso. Eu assisto quando os pequenos cortes de Vincent são lavados e enfaixados e as maiores feridas no seu braço e são costuradas do lado. Ele mesmo não retrai quando a agulha perfura através de sua pele, mas observa-me calmamente, de onde ele fica a poucos metros de distância. A Bardia são usadas para feridas superficiais, quando eu também em breve serei. "Geneviève se foi. Numa jogou ela no início da luta,", diz Vincent, quando o médico trabalha nele. Ele faz uma pausa e olha pensativo. "Isso provavelmente soa mal, mas ainda bem que não foi forçada a tomar essa decisão."


Há uma pontada no meu coração quando eu assisto a ira do fogo, sabendo que minha amiga está dentro das chamas. Mas no meu coração, estou aliviada por ela. "Ela conseguiu o que queria, então. Ela está com Philippe". Em outra abordagem do médico quando me sento com meu braço bom em torno de Gaspard, que parou de chorar e está muito triste ainda. Seu nervosismo foi substituído por uma calma que está mais morto do que entorpecido, como se uma parte dele já viajou para o túmulo com seu parceiro. Meu braço ferido trava inutilmente em sua tipóia feita por Vincent e o sangue ainda escorre do ferimento a faca. Ajudando-me a desembaralhar do meu paletó, o médico rasga a manga da minha camiseta e começa a limpeza silenciosamente e depois costura meu ombro. Gaspard reposiciona sua cabeça no meu ombro, aparentemente sem saber que a meros centímetros de sua testa alguém perfurou minha pele com uma agulha e puxou um fio preto grosso através dele. Meus olhos já estão confundindo com lágrimas e meu coração tão cheio de dor pela perda do meu amigo, que a dor de meu corpo parece pouco mais do que um aborrecimento. O médico passa ataduras no meu ombro, coloca minha jaqueta de volta por cima e coloca o braço na tipóia, limpa e nova. "Está ferido, Monsieur Tabard?", pergunta o homem. Gaspard abana a cabeça apaticamente e os movimentos de médico foram para o próximo grupo de feridos. Os olhos deVincent se encontram com os meus. Eu sei que ele me pediu para cuidar de Gaspard. “Eu vou”, disse sem falar. “Vá fazer o que você precisa fazer”. Vincent vai e começa a reunir as tropas restantes e agrupá-los ao fogo. Quando vimos as pessoas se afastarem, pergunto a Gaspard, "quanto tempo você e Jean-Baptiste ficaram juntos?" "Cento quarenta e nove anos", ele responde. "Peço desculpa", eu murmuro. Realmente, não há nada mais que posso dizer. Não posso dizer que sei o que ele sente. Não seria verdade. Eu sei como é perder os pais, tornar-se órfão. Mas não posso me colocar no lugar desse homem que perdeu o parceiro que ele amou durante um século e meio. Todos esses anos vivendo as mesmas experiências, sabendo que as mesmas vitórias e derrotas, partilharam em vidas. Isso deve estar o destruindo. Sinto um arrepio passar por meu corpo quando ele inclina-se sobre mim. Está destruido. "Kate, Gaspard," ouvi Vincent chamar, e estamos prestes a nos juntar com a Bardia montada antes da fogueira. Oito a doze bardia de Nova York permanecem,


dois tendo sido levados em ambulâncias e dois perdidos para as chamas. Charles fica com Uta e quatro de seus parentes. Depois de serem transportados de volta para La Maison e tudo vai ficar bem, uma vez que eles reanimarem. Um se foi para sempre. E de três dúzias de outro bardia que lutaram conosco, seis foram alimentados para a fogueira. Perto das chamas, o ar é pútrido e grosso com cheiro nocivo de carne queimada. Pessoas seguram suas mãos sobre seus narizes e bocas enquanto Vincent fica de costas para o fogo, que se deparam. "Não temos muito tempo antes do sol nascer e eu quero todos os vestígios da batalha que se foi e nossos parentes fora do Parque até os primeiros raios da aurora. Mas primeiro, nós devemos honrar aqueles que se sacrificaram hoje." Ele olha nos meus olhos. Ele está lutando para não chorar. Tentando o seu melhor para ficar forte, até que ele termine o seu dever. "Entre parentes de Paris,” ele continua, "perdemos nossa amada Lorieux Geneviève Emmanuelle. Ela morreu em 1943, executada por um pelotão de fuzilamento por ter contrabandeado alimentos e medicamentos para os detidos no campo de detenção de Drancy. Geneviève era a mulher amorosa e dedicada de Philippe Lorieux, que morreu há quase quatro meses. Sentiremos saudades, Geneviève." Gestos de Vincent em direção de Gaspard, que passou a frente para nos enfrentar. "Dizemos adeus ao nosso líder de longa data, Jean-Baptiste Alexandre Balthazar Grimod de la Reynière," Gaspard diz com uma voz vacilante. "Ele morreu sacrificando sua vida para outro no campo de batalha de Borodino, 7 de setembro de 1812. Jean-Baptiste foi dedicado à preservação de seus parentes, disposto a fazer tudo para assegurar sua sobrevivência." O rosto de Gaspard torce com emoção quando ele diz isso, mas ele força seus ombros para trás e levanta o queixo. Ele puxa algo no seu cinto, e eu reconheço a amada espada-bastão do JeanBaptiste encimado com a cabeça do seu falcão de madeira esculpida. Enfrentando o fogo, Gaspard diz, "meu querido Jean - Baptiste. Meu amor. Eu vaou lamentar sua perda até estarmos reunidos na próxima vida." E ele joga a bengala no fogo. Com esse movimento, seus braços caem para o lado e a cabeça no peito, e mais uma vez, começa a chorar. Arthur está ao seu lado em um flash. Colocando um braço em volta dos ombros do revenant mais velho, Arthur leva na direção dos veículos que estão esperando fora da arena. Um por um, os líderes dos outros grupos foram honrar os parentes que perderam. Finalmente fala Vincent. "Obrigado a todos por terem vindo em nosso auxílio, hoje e colocamos a nossa ajuda em troca." A assembléia se rompe, e eu sou abordada por um homem de meia-idade que parece para ter a idade do Gaspard e tem o mesmo perfil nobre que Jean-


Baptiste teve. Ele avança para beijar as minhas bochechas. "Eu sou Pierre-Marie Lambert de Bordeaux. Foi uma honra lutar ao lado do campeão." E fiz a pergunta que eu estive pensando desde que ele e sua família apareceram. "Como você sabia que para vir aqui — na hora?" Ele sorri tristemente. "Eu diria que nós chegamos realmente um pouco mais tarde. Se tivéssemos chegado a tempo, podíamos ter perdido menos da nossa espécie." "Mesmo assim, como nos encontrou?" "Eu sou o vidente para o meu clã", explica Pierre-Marie. "Eu vi sua luz há dois dias. Quando ela persistiu, decidi vir com meus parentes. Encontramos com os outros no caminho." Ele vai para o lado permitindo que a abordagem da pessoa próxima. É como eu pensava. Jean-Baptiste e Uta não eram os únicos videntes para receber o sinal do campeão. "Esteban Aragón, observador do meu clã em Barcelona," diz um rapaz de cabelos escuros, e depois ele apresenta um vidente da Bélgica. Eles tinham visto minha luz e seguiram para ajudar. "Se você está aqui, significa o início de uma era," diz Uta. "Seu trabalho está apenas começando. Quem sabe — nestes dias modernos, talvez sua influência não seja limitada a sua região, como foram os campeões anteriores da história. Eu, para um, estamos ansiosos para o que o futuro traga com o novo campeão do Bardia." Ela balança a cabeça em uma curva lúdica, enquanto seus companheiros videntes fazem barulhos de acordo. Vincent pede Uta para levar todos a La Maison para se limpar e encontrar roupas limpas. Finalmente, apenas Vincent e eu e um punhado de bardia Paris são deixados na arena deserta. "Onde está Jules?" Pergunto de repente alarmada. Ainda não o vi desde a cerimônia memorial. "Ele já foi. Ele disse que é muito doloroso estar conosco aqui em Paris. Que ele precisa de um tempo afastado antes que ele possa voltar para uma visita. Ou mais," Vincent diz baixinho. Eu entendo, mas não me agrada. Gostaria que pudéssemos estar todos juntos como antes: melhores amigos, não com o coração partido, estranho. Mas Jules nunca será um estranho. Tenho certeza que ele estará de volta. Os sentimentos mudam com o tempo — ou pelo menos a dor diminui com o tempo; eu sei disso por experiência própria. Penso em meus pais agora sem aleijão de tristeza.


Recordo-os com gratidão pelo tempo que tive com eles, mesmo que o buraco no meu coração nunca será preenchido. Vincent leva-me para longe do fogo. Ele começa a colocar um braço ao redor do meu ombro... e então, vendo minha bandagem, hesita. "Você está bem?" ele pergunta tocando meu ombro gentilmente. "Não sei, eu estou?" Digo isso como uma piada. Mas quando as palavras saem, sei dos seus múltiplos significados, e de repente estou exausta. Eu estou bem? Eu nunca me sentirei normal novamente? Quero abraçar Vincent, mas parece que ele está segurando e não apenas o medo de me magoar. "Vamos voltar a La Maison," ele diz. E tomando minha mão, guia-me pelo corredor de paredes altas e através do Portal. O carro está estacionado onde deixamos. Vincent começa a abrir a porta do passageiro para mim. "Não quero ir para casa ainda," eu disse. Vincent parece surpreso. "Quero dizer, não precisamos, pois?" Pergunto. "Eu acho que eu quero... não, eu preciso... andar." Meu estômago está embrulhado e meu corpo está esgotado, mas toda a emoção — o medo, a dor e o desespero, seguido por alívio e júbilo — da última hora é engarrafada dentro de mim e me faz sentir vontade de correr ao invés de andar. Apertando minha mão na sua bochecha, Vincent escovas meus dedos sobre sua pele, fechando os olhos enquanto ele saboreia o meu toque. Ele bloqueia minha mão na sua ... e começamos a andar. Conforme nos aproximamos do rio, o céu clareia do aveludado preto para o cinza de aço próximo. Atravessamos a rua para caminhar ao longo do cais, acima da superfície ondulante da água. "Olha onde estamos" eu digo e aceno em direção a Île Saint-Louis, o meio do rio só em frente de nós. O terraço arborizado onde nós sentamos e conversamos no último verão ressaltando para fora as ondas, despedindo do Sena em dois rios que saiam de ambos os lados da ilha. Dois rios paralelos que se unem na ponta extrema da Île de la Cité, mais uma vez para se tornar um. Parei de andar e Vincent olhou para mim, uma centena de perguntas em seus olhos. "Pode você me dizer o que você está pensando?" Pergunto. Ele olhou para fora da água. "Fiquei com medo quando você estava naquela arena com Violette," ele diz com um tremor na voz. "Quando ela te apunhalou, parecia que eu estava sendo esfaqueado. Eu queria protegê-la. E então, pela primeira vez percebi que mesmo que ela a matasse, você iria voltar. Enquanto eu


mantivesse seu corpo longe do fogo você poderia reanimar. Que você era como nós agora — gostava de mim. Foi como uma revelação." "Mas sabe que há dias," eu disse. "Eu sei. Mas eu realmente não tinha pensado no assunto até que eu vi você lá, enfrentando a morte." "E o fato de que eu sou como você agora, faz você se sentir diferente de mim?" "Sim". Uma facada de apreensão me faz desviar o olhar em direção à água. "Acha que vai ser um problema para nós?" "Não, Kate. Você não entende,", diz Vincent, muito cuidadosamente a descansar as mãos nos meus ombros. "Meus sentimentos por você não são diferentes. Mas tudo o resto. Como eu disse o que aconteceu com você é algo que eu nunca esperava. Não queria que você a suportasse os encargos da vida como um morto-vivo. Não quero ver você sujeita ao nosso destino — a obsessão, o desejo, a dor da lesão e a morte." Ele volta para tras um fio de cabelo que escapou do meu rabo de cavalo. "Mas o que eu quero não importa. É o seu destino. Agora estás aqui. Agora é como um de nós. E agora que estamos no caminho para destruir nossos inimigos — graças a você — não há nada em nosso caminho. Estou realizando o desejo do meu coração e não sei o que fazer com ele. Tenho tanto medo de acreditar que é verdade, no caso de alguém me sacudir e me dizer que estou sonhando." "Não é um sonho. Estou aqui com você," eu disse. "Para o que parece por muito tempo." Por cima do ombro de Vincent um brilho alaranjado queima a borda do céu. Dou um passo mais perto, até que não há nenhum espaço entre nós e o meu peito toca no dele. E quando nós nos beijamos, o sol rompe no horizonte e incendeia o rio, suas ondas piscando vermelho na primeira luz do amanhecer como um incendiário. A vida muda tão rapidamente. Não há muito tempo estava de luto pela morte de meus pais e me perguntando se eu poderia fazer isso por mais um dia. Agora eu fui entregue a eternidade. E não em uma bandeja de prata, também, mas para baixo num caminho forrado com dor e derramamento de sangue. Mas andarei com meus parentes. Com este rapaz que eu amo. Juntos, faremos algo digno e bom. Vamos dar nossas vidas pelos outros. E outra vez. Não tenho respostas para todas as perguntas que estão diante de mim. Mas Vincent e eu temos tempo para resolvê-las. O tempo todo do mundo.


Die For Me 3 - If I Should Die