Issuu on Google+


Para Minha irmã, que sabia que este era o único. (FOR MY SISTER, WHO KNEW THIS WAS THE ONE)


CAPÍTULO UM Se o meu cabelo fica todo frisado, vou raspar até o couro cabeludo. Ou acender com fogo. O que for mais fácil. Eu fico olhando para meu reflexo no lago e corro minhas mãos através da desgraça da minha existência. Por um momento, pareço vitoriosa, meus cachos castanhos discutem em submissão. Mas quando eu largo meus braços, os cachos pulam fora, pior para uso. Eu aponto um dedo bem cuidado para a água. "Eu odeio seu rosto." "Tella," minha mãe grita atrás de mim, "o que você está olhando?‖. Eu giro ao redor e agarro um punhado do meu cabelo. Exibição A. "É lindo," ela diz. "Você fez isso para mim," eu digo a ela. "Não, seu pai deu a você o cabelo encaracolado." "Mas você me arrastou para o meio do nada, Montana, como um mau experimento para ver o quão horrível eu poderia me tornar." Mamãe se inclina contra a moldura da porta da nossa casa merdatástico e quase sorrisos. "Nós estamos aqui a quase um ano. Quando é que você vai aceitar que esta é a nossa casa?" Eu ando em direção a ela e soco um punho fechado no ar. "Eu vou lutar até a morte." Uma sombra cruza as linhas profundas de seu rosto, e eu me arrependo de imediato de trazer à tona o assunto. "Desculpe," eu digo a ela. "Você sabe que eu não quis dizer—"


―Eu sei,‖ ela disse. Eu me levanto na ponta dos pés e beijo seu rosto, depois roço por ela para entrar. Meu pai sentado na sala da frente, balançando em uma cadeira de madeira como se ele tivesse 256 anos de idade. Na verdade, eu acho que ele é um par de anos tímido. ―Ei, pa,‖ eu digo. ―Ei, filha,‖ ele diz. Desde que minha mãe insistiu em sair de Boston e vim para a terra de ninguém, eu insistia em chamar o meu pai de Pa. Isso me lembra daqueles velhos filmes em preto-e-branco em que as filhas usam vestidos horrendos e uma trança no cabelo. Ele não era um fã do meu novo nome para ele, mas ele aceitou o seu destino ao longo do tempo. Acho que ele pensa que eu poderia ter se rebelado muito mais após a nossa mudança para o purgatório, considerando todas as coisas. "O que estamos fazendo hoje à noite?" eu pergunto, caindo no chão. "Jantar em um restaurante glamoroso? Teatro na cidade?" A boca do meu pai puxa no canto. Ele está desapontado. Isso faz dois de nós. "Faça por me e finja que está feliz," ele responde. "Isso seria divertido como o inferno." ―Linguagem.‖ Tsk tsk. Ele acena para eu ir, fingindo que ele é o homem desta casa e que ele pode dizer qualquer coisa malditamente satisfeito. Eu ri quando segundos depois, ele olha para cima para ver se a mãe escutou. "Eu estou indo para o meu quarto," eu anuncio. Pai continua a olhar fixo para fora como se ele estivesse em coma. Eu sei que isso é exatamente o que vou fazer quando eu chegar ao meu quarto, mas pelo menos eu posso fazer em privado.


O assoalho range quando eu ando abaixo no corredor estreito em direção ao meu calabouço pessoal. A poucos metros do meu quarto, faço uma pausa fora de uma porta aberta de um quarto, que não é meu. Eu não posso ajudar mais entro eu me aproximo da cama. Inclinando sobre seu corpo adormecido, eu verifico para ver se ele ainda está respirando. É o meu ritual deturpado. ―Eu não estou morto.‖ Eu pulo para trás, assustada com a voz do meu irmão mais velho. "Que vergonha," eu digo. "Eu estava esperando que você fosse chutado pra cima para que eu pudesse ter o quarto maior. Você toma muito mais do que seu quinhão de espaço, você sabe." Ele rola para mim enfrentar e sorri. "Eu peso, como, 45 quilos." "Exatamente." Me mata ver Cody doente. E não me sinto maravilhosamente bem sobre ele quando tudo que eu quero fazer é chorar feio e pedir para ele não morrer. Mas ele gosta do nosso vai-e-vem. Diz que o faz se sentir normal. Então é isso que nós fazemos. "Você parece velha," Cody me diz. "Eu tenho dezesseis anos." "Indo para oitenta." Ele aponta para o meu rosto. "Você tem rugas." Corro em direção ao espelho sobre a cômoda e olho. Da cama, ouço Cody rindo, depois tossindo. "Você é tão vaidosa," ele diz em seu punho, seu peito convulsionando. "Imbecil." Eu me movo para seu lado e puxo o cobertor pesado para o seu queixo. "Mamãe quer saber como você se sente hoje," eu minto. ―Melhor,‖ ele fala, retornando o favor. Concordo e viro para sair. "Diga a ela para parar de se preocupar," ele finaliza.


"Eu duvido que ela se preocupa a sério." Eu ainda posso o ouvir rindo quando eu chego ao meu quarto, fecho a porta, e afundo para os meus joelhos. Minha respiração sai sibilante. Ele está ficando pior. Eu posso ouvi a maneira que suas palavras tremem. Como se falar levasse tudo o que ele tem. No início, era apenas a perda de peso. Depois foi a suores noturnos e as mãos trêmulas. Depois a diversão realmente começou. Convulsões. Queda de cabelo. Fala arrastada que começou numa quarta-feira e terminou com um coma na sexta-feira. Ele voltou três dias depois. A mãe disse que era porque ele não queria perder um jogo de futebol. Não que ele jogasse mais. Isso já morreu há muito tempo atrás. Agora ele se resume a isso: fingir. Fingir ser o irmão que virou um gancho de direita em minha honra. Fingir ser o filho que dançou uma giga até o final do local que seu pai lhe ensinou. Ele ainda é o cara que não tem medo de escrever mais do que o seu nome em um cartão de boas vindas. Ainda o cara que ama edifícios de tijolos vermelhos e carros que rosnam e Cheez Whiz1 borrifando da lata direto em sua boca aberta. Ele ainda é meu irmão. Ele não é meu irmão em todo. Eu não sei por que mamãe pensa que este lugar iria ajudar. Uma dúzia de médicos não conseguiu descobrir o que estava errado com ele, mas ela acha que "ar fresco" de Montana irá fazer o truque. O olhar em seus olhos enquanto nós empacotávamos o caminhão de mudança ainda me assombra. Como se ela estivesse esperando por algo. Ou fugindo de alguma coisa. Eu me levanto e caminho até a janela. Lá fora, eu posso ouvir os melros amarelos-dirigindo chamando. Eu raramente notei coisas como pássaros em Boston. Em Boston, nós vivemos em um triplex que não era marrom, e eu tinha amigos a duas portas. Nossa família possuía três andares do espaço cintilante, e poderíamos caminhar para restaurantes.

1

Cheez Whiz- é um tipo de queijo processado.


Aqui há rochas. E um riacho que corre perto da nossa casa que está livre de peixes. O céu está vazio de linhas de telhado e as nuvens estofadas de bola-dealgodão. Não há vizinhos. Nenhuma menina da minha idade para discutir as alegrias das meias-calças coloridas. A única estrada só leva da nossa casa para a cidade. Quando eu olho para isso, quero amarrar um saco com uma vara e mancar no estilo vagabundo. Pinheiros altos cercam nossa casa, como se o seu trabalho é para nos esconder do mundo. Eu imagino correndo na direção deles usando uma máscara de hóquei, balançando um motosserra sobre a minha cabeça. Eles provavelmente vão se desarraigar de si mesmo e me esmagar como um inseto. Enterrar-me debaixo de suas raízes retorcidas. É assim que eu quero ir, quando for a minha vez. Com um estrondo. Eu deslizo a janela aberta e cravo minha cabeça para fora. O que eu não faria para ver meus amigos de novo. Para ter uma manicure e pedicure ou uma farra. Ou uma salada grega. Oh meu maldito Deus, queijo feta e azeitonas Kalamata. Eu chafurdo na auto piedade por mais um momento antes de lembrar o meu irmão. Então eu gasto exatamente três minutos sentindo como a Maior Burra do mundo. Estamos aqui por ele. E eu daria tudo para ver o meu irmão sair da cama e dança na rua como ele fez no Halloween há dois anos. Ou mesmo apenas sentar por alguns minutos sem tossir. Eu motoro meus lábios e giro em um círculo como uma bailarina. Eu giro e giro até que tudo se torna um borrão. Quando eu parar, meu quarto continua a apressar passando por mim, e eu rio como louca que isso é o que eu faço para se divertir agora. Minha visão finalmente retorna ao normal, e os meus olhos pousam na cama. Sentado no meu edredom branco há uma pequena caixa azul.


Capitulo Dois Eu estalo minha cabeça de um lado para o outro, à procura de alguém no meu quarto. Mas é claro que ninguém esta ali. Então eu percebo o que está acontecendo. Mamãe e papai sabe o quão difícil esta realocação foi para mim, e agora eles estão tentando comprar minha felicidade. Ou pelo menos uma pausa da minha reclamação. Estou realmente tão fácil? Por favor. Eles poderiam ter amarrado pequenas caixas azuis na parte de trás do caminhão de mudança e eu teria perseguido eles até os meus pés sangrarem. Eu voo através do meu quarto e pulo em cima da cama, um sorriso se propagando no meu rosto. Passei estes últimos nove meses sem Internet ou celular, e agora eu me sinto como um cão selvagem olhando sua presa. Trazendo a caixa para os meus lábios, eu digo, "Você é meu, precioso. Todo meu‖. Estou prestes a rasgar quando eu me paro. Este é momento de me perguntar o que está dentro vai acabar tão rapidamente. E uma vez que terminar, eu não vou ter nada para antecipar. Talvez eu deva adiar a gratificação, adiar até que eu não aguente mais. Eu poderia ficar feliz por dias, apenas sabendo que tenho algo para olhar para frente. Eu puxo a caixa longe dos meus lábios e dou uma pequena sacudida. Coloque a caixa para baixo, Tella, digo a mim mesma. "Dane isso,‖ digo em voz alta. Eu fecho a minha mão ao redor da tampa e arranco fora. Dentro esta um pequeno travesseiro. Eu imagino todos os tipos de animais em miniatura


usando isso em suas camas em miniatura. Mas isso é estúpido, como eles iriam alguma vez encontrar uma fronha para caber? Meus dedos apertam o travesseiro, e quando eu levanto, estou surpresa com o que vejo dormindo embaixo. Jogando rapidamente o travesseiro na minha cama, eu alcanço a caixa e pego o pequeno, aparelho totalmente branco. Não é mais do que um níquel e curvo em todo o tipo de forma autêntico. Parece. . . parece com um aparelho auditivo. Meu nariz amassa quando eu viro o aparelho sobre a minha mão. Então eu quase grito de emoção quando eu vejo uma luz vermelha piscando no outro lado. Luzes piscando são legais, eu decido. Eles indicam tecnologia e avanço e talvez uma conexão com o mundo exterior— com os meus amigos. Ou talvez seja música. Quem sabe o material selvagem que eles publicaram no ano passado? Eu aposto que esse bebê tem, tipo, um bilhão de músicas. E eu vou ouvir. Cada. Uma. Sozinha. Prometendo dar um sólido, pedido de desculpas desanimado aos meus pais e esperando que eu esteja prestes a ouvir o mais recente de Lady Gaga, eu espeto o aparelho em meu ouvido. Aleluia, se encaixa! Eu não poderia estar mais feliz se o meu brinquedo Boston apenas me desse diamante. Eu me atrapalho por um segundo antes de pousar meus dedos no botão vermelho piscando. Eeeeeee... Dê para mim, baby. Uma vez que eu apertei o botão, eu ouvi um barulho. O som continuou por alguns segundos. Tempo suficiente para eu começar a sentir todos os tipos de devastação. Mas então o clique se transformou em estática, como se alguém do outro lado do rádio estivesse sintonizando. Pulando da cama, eu ando pelo quarto, inclinando a cabeça como se eu estivesse à procura de um sinal. Eu me sinto como uma imbecil, e é a maior diversão que já tive em sempre. Eu atiro diretamente para cima quando eu escuto a voz de uma mulher. É um som claro e nítido. Como se essa senhora nunca pronunciou uma palavra em toda a sua vida. Meus olhos caem no chão em concentração. E eu escuto.


"Se você está ouvindo esta mensagem, você está convidado para ser um concorrente no Brimstone Bleed. Todos os concorrentes devem se informar no prazo de quarenta e oito horas para escolher os seus companheiros de Pandora. Se você não—" "Tella?" Meu pai pede. "O que você está fazendo?" Eu giro ao redor e faço uma pequena dança feliz. "O que é isso?" Eu aponto para o aparelho no meu ouvido. "Onde é que vocês conseguiram? Porque é adoravelmente-malditamente-fantástico.‖ "Conseguiu o que?" O rosto de meu pai vai de confuso. . . para alarmado. Por um momento, eu me sinto como uma criança pequena. Como, a qualquer momento, eu estou indo ser colocada no intervalo na cadeira e furiosa enquanto Cody ostenta sua liberdade como quando tínhamos quatro e sete. "O que está em seu ouvido?" Meu pai soa estranho. Suas palavras são calculadas, saindo lenta de sua boca. "Dê-me." "O quê? Por quê?" eu digo. Papai estende a mão. "Agora." Não há espaço para argumentos. Meu pai é um cara relativamente pequeno, mas agora ele parece enorme. Eu puxo o aparelho da minha orelha e o solto na palma da sua mão. Quando ele fecha seu punho, tenho certeza que o meu novo brinquedo tem sido permanentemente confiscado. "Por que você me dar se você estava indo levar?" eu pergunto. Papai olha para mim como se ele fosse dizer algo profundo, mas depois ele resmunga: "Sua mãe precisa de ajuda na cozinha." Ele caminha para fora do quarto, a minha única fonte de excitação para a próxima era enfiado no seu bolso. Eu pego os lados da moldura da minha porta e enforco minha cabeça. Meu pai histérico me diz que não foi ele que deixou o falante aparelho auditivo no meu quarto, o que me faz pensar que ele fez. Depois tudo se esclarece para mim. Passando pelo quarto de Cody, eu grito, "Piada legal, chapéu de burro." Mesmo quando eu digo isso, eu imagino quem seria se não foi ele. Nada excitante acontece comigo. Sempre. Mas isso não me impede de sonhar acordada.


Eu tenho um mundo de possibilidades tiquetaqueando neste cuca. E agora eu tenho tudo, o líder de um culto subterrâneo decidiu me recrutar a ser uma parte do Brimstone Blood. Ou Bleed. Ou seja, o que for que Cody chame isso. De qualquer forma, soa meio macabro. Ele aparentemente ficou mais retorcido em sua brutalidade de irmão. E eu calculando minhas esperanças recebo brutalidade. A verdadeira questão é como ele gravou a voz daquela mulher. Aparentemente, o garoto estava me controlando. Mamãe insistiu que Cody relaxasse quando se mudamos para cá, daí a proibição de tecnologia, mas ele deve ter escondido alguma coisa. Um laptop. Um smartphone. Algo. Só de pensar nisso me faz espumar pela boca. Eu imagino brevemente se eu poderia vim abaixo com raiva. Mamãe não esta na cozinha, mas eu a encontrei de pé em seu quarto, conversando em voz baixa com o pai. "Você prometeu!" Meu pai chiou. "Você prometeu que eles não iriam encontrar ela aqui." "Eu sinto muito. É tarde demais agora." "Ainda não, não é—" Quando minha mãe me vê, ela segura a mão para silenciar ele. "Tella," ela diz, "Eu quero que você termine de fazer o jantar e nos encontre no quarto de Cody." Então ela fecha a porta. "Caramba, podia ser mais rude?" Eu digo, principalmente para mim mesma. Por um momento, eu me pergunto sobre o que os meus pais estavam falando. Eu não posso dizer que o que eu ouvi não me enerva, mas quando você vive com um irmão cronicamente doente você se acostuma a ouvir seus pais dizendo merda estranha por trás de portas fechadas. Então eu exonero seu mau humor e volto minha atenção para as minhas ordens. Hoje a noite é domingo da diversão, o que meu pai faz é, equivale a comer espaguete no quarto de Cody. Todos nós sentamos ao redor de sua cama e jantamos com pratos de papel, e ninguém está autorizado a dizer nada de


negativo. Tudo isso realmente significa é que todo mundo guarde tudo de terrível que eles têm a dizer para segunda-feira, começar a semana verdadeiramente positiva. Eu escorro o espaguete e despejo uma lata de marinara. Então eu faço essa coisa dedo-beijo que chefs italianos fazem na TV. Derrubo na grande panela cromada, eu cubro quatro pratos com massa e cubro-os com um maço de queijos parmesão e uma fatia de pão de alho armazenado-congelado. Tudo o que comemos é feito com amor e bondade, e embalado com o maior número de conservantes quanto humanamente possível. Vivendo 30 milhas do supermercado mais próximo praticamente garante que nós nunca mais vamos comer fresca novamente, a não ser que algo cresça em nós mesmos, e isso não está acontecendo. Meus pais sempre escolheram suas compras através do trabalho manual; outra razão pela qual nós não deveríamos ter deixado a cidade. Caminhando em direção ao quarto de Cody, eu carrego uma bandeja coberta com pratos e copos, como uma garçonete bem cotada. Eu ainda mantenho uma mão levantada no meu quadril então assim desfilo passando nossos móveis muito caro-para-esta-casa. Quando eu chego ao corredor, eu escuto a mamãe e o papai sussurrando às pressas para Cody. Eu faço questão de parar e escutar, mas o assoalho escolhe este exato momento para ranger sob os meus sapatos. Todo mundo para de falar. "Você tem o espaguete?" Meu pai pede. A maneira como ele diz parece que ele está cavando por informação além do jantar. Eu viro no canto e ainda faço o meu melhor para desfilar. É tão bom, eu quase perde a bandeja completamente. Ainda assim, se for entre desfilando e mantendo o espaguete fora do chão— eu prefiro o anterior. "O jantar esta servido, meus bons fregueses." Eu seguro a bandeja e passar a gororoba para a minha família. Quando eu entrego para o meu pai a sua massa, faço uma pausa e procuro seu rosto. Eu sei que foi Cody que plantou a caixa no meu quarto, mas me incomoda que o meu pai ficou tão estranho sobre isso. Ele odeia quando eu Cody brincamos de luta, e eu acho que ele não estava de bom humor. Ainda assim, eu quero saber porque ele esta mais louco. Muito


mais, eu quero roubar de volta esse aparelho falante de seu bolso. Brincadeira ou não, é uma tábua de salvação para a luta contra o tédio e isolamento. Enquanto comemos, mamãe fala o reclame enjoado sobre o que está na ordem do dia para as aulas de amanhã. Quero lembra a ela que os domingos divertidos é ilegal falar de qualquer coisa negativa, mas eu seguro minha língua. É agosto, o que significa exatamente duas coisas: A) É um novo semestre na família Holloway, e B) a mamãe esta em uma dieta constante de entusiasmo ao excesso. E talvez crack. Mamãe começou o ensino doméstico a Cody e eu uma vez que nos mudamos para cá. Foi um grande golpe para a minha agenda social, perdendo apenas para Adivinha o quê? Estamos se mudando para Montana. Eu nunca pensei que a minha mãe estava a se mudar para-o-sertão-e-ensino doméstico-para-as-minhas crianças, fosse esse tipo de pessoa, mas acontece que ela está cheia de surpresas agradáveis. Admito que, na medida em que os professores andam, ela é a melhor que eu já tive. Talvez porque ela brilha toda vez que recebe uma resposta certa ou que ela dance quando acerto nossos testes. Cody se senta na cama e acena quando a mamãe fala sobre os planos de aula. Algo sobre a voz dela hoje esta muito ansiosa, como se estivesse tentando muito duro fazer o resto de nós sorrir. Eu olho para o meu pai e percebo que ela não conseguiu divertir pelo menos um de nós. O garfo do meu pai gira em um círculo sem fim, tornando meu espaguete de obra-prima em um avermelhado alaranjado. Eu não suporto o olhar no seu rosto por mais tempo. "Pai, você está bem?" Sua cabeça se posiciona, mas leva um tempo para a sua boca formar um sorriso. "Sim, tudo esta ótimo." Ótimo? Agora eu sei que algo está acontecendo. Sem querer, eu olho para o bolso onde eu sei que ele escondeu o aparelho. Ele coloca a mão sobre, e nossos olhos se encontram.


"Vamos guardar os pratos, Andrea." Papai olha para longe de mim e para a minha mãe. Eles não poderiam ficar mais diferentes hoje à noite: O pai com seu tique nervoso sombrio e a mamãe com seu sorriso cerimonioso. Minha mãe balança a cabeça e recolhe os nossos pratos de papel. Depois que ela sai, dando ao meu pai um olhar final. Estas vibrações doidas estão me matando, então eu abro minha boca para dizer alguma coisa, qualquer coisa. "Brincadeira legal, Cody. Pena que o papai matou a sua piada." Não é o melhor que eu tenho, mas eu sinto que o mau humor do meu pai começou com a caixa azul. Por que não colocar isso em cima da mesa enquanto ele ainda está no quarto? Cody está no meio de se puxar para cima na cama, mas para quando ouve o que eu disse. Ele olha para baixo o cobertor em seu punho. Seu rosto parece quase com dor. Um arrepio trabalha o seu caminho pela minha espinha. E se Cody não colocou essa caixa no meu quarto? Mas se não foi ele que fez então quem foi? Papai está muito chateado para ter feito isso, e minha mãe nunca faria algo assim. Pelo menos, eu acho que ela não faria. Ela me surpreendeu muito neste último ano para saber com certeza. O arrepio se esgueirando pelas minhas costas começa a se transformar em calafrio. Mas logo depois Cody levantou a cabeça e sorri. "Levou um monte de inteligência, irmã bebê," ele disse, batendo em sua têmpora. Depois ele balançou a cabeça como se eu tivesse sido uma grande decepção. "Teria sido tão grande." Eu suspiro de alívio. Aventura soa muito mais atraente quando é seguro dentro da minha cabeça. Por um minuto, eu estava pensando que ele poderia ficar assim: "Do que você está falando?" E então eu tinha que decidir se eu realmente queria que algo emocionante acontecesse, ou se eu apenas gostava de sonhar. Revirando os olhos, eu digo, "Mais como deprimente. Teria sido tão estúpido." Eu olhei para a porta, surpreendida que o pai não falou. Se for sobre isso que ele esta louco, por que ele não canalizou? Quando eu estou pra sair para ajudar a mãe na cozinha, eu olho para trás por cima do meu ombro. Papai dando a Cody um aceno. É apenas um aceno de cabeça, nada de especial.


Mas algo se passa entre os dois durante a troca. Ambos parecem aliviados, e é o sentimento mais perturbador—não saber o que eles estavam tão preocupados. Caminhando pelo corredor e na direção ao som da minha mãe cantarolando, eu não consigo parar de pensar sobre o aparelho. O que realmente é. Como Cody pôs as mãos sobre isso. Se isso é mesmo de Cody. O olhar em seu rosto quando o pai acenou me faz questionar tudo. Eu coloquei o meu copo sobre o balcão da cozinha, e embora eu saiba que minha mãe está falando comigo, eu não ouvi uma única palavra. Porque tudo o que eu estou pensando é que eu tenho que pegar esse pequeno aparelho branco de volta. Esta noite.


Capitulo Três Aquela caixa azul era para mim, e meu pai roubou. Mesmo que Cody plantou isso no meu quarto, o que eu estou começando a duvidar que ele fez, o meu pai não tinha o direito de pegar. O que eu tenho – cinco anos? Me sento na sala de estar com a minha mãe e meu pai, olhando para o livro em minhas mãos. Eu não estou lendo — Estou planejando um plano de fuga complicado para o meu aparelho. Até agora, eu não tenho muito no departamento de fuga, mas eu vim com muita coisa que poderia ser classificado como complicado. A única coisa que eu escuto - e isso está me deixando louca - é o som da minha mãe e meu pai virando as páginas de seus próprios livros. Deus nos livre de comprar uma TV para esta casa. Não quero que ninguém tenha essa ligação com a vida além da família Holloway. Eu juro, desde o segundo em que Cody ficou doente, meus pais perderam todo o senso de realidade. Mas agora nada disso importa. A verdadeira razão de eu estar irritada com os meus pais é porque eu quero que eles vão para a cama. Adormecidos. Onde eles não podem me ver furtivamente ao redor da casa, procurando pelo meu aparelho. E eu vou escapulir como ninguém no negocio. Eu olho para o relógio. São dez da noite, e os meus pais parecem que poderiam correr uma maratona. Eu fico encarando eles enquanto eles olham para os seus livros e esperando eles se tornarem cansados. Após cinco minutos de guerra mental, eu desisto. Mas então meu pai boceja. A vitória é minha! "Acho que vou bater o feno," ele diz. "Estou bem atrás de você," minha mãe responde, nem mesmo olhando para cima. Ela não se move.


Esperando que ela vá ser influenciada pelos números, eu estico os braços sobre a cabeça e anuncio: "Estou exausta. Eu acho que eu poderia ir dormir, também." Isso faz o truque. Ela corre o seu dedo pela página. É o seu sinal de que ela está procurando um ponto de parada. Ela alcança o marcador preso em cima que eu dei a ela no dia das Mães, quando eu tinha tipo, nove anos, e desliza no lugar. "Você vai para a cama, também?" eu peço. Ela olha para mim e sorri, mas não chega a atingir os olhos. De repente eu me pergunto se os meus pais estavam fazendo a mesma coisa que eu estava fingindo ler. "Sim" é tudo o que ela diz. Então começamos um impasse mexicano: eu esperando por ela se levantar e ela esperava pelo... o quê? "Tudo bem," eu digo, cavando. "Acho que eu estou indo agora." Eu levanto e caminho em direção ao meu quarto, jogando o livro que eu não estava lendo no sofá. Logo antes de eu sair, eu olho para trás. Ela está assistindo eu ir, então eu jogo um pequeno aceno. Mamãe acena de volta, mas o sorriso dela esta muito longe. Algo está definitivamente diferente. Isso ou a minha família está fazendo testes para um remake de O Iluminado. Eu paro na porta de Cody no caminho para o meu quarto. Quero continuar andando, fingir só por uma vez que ele está bem e tudo voltará a ser como costumava ser. Mas eu não posso. Então eu entro em seu quarto na ponta dos pés e me inclino sobre sua cama. Agora eu sou a única a ser uma trepadeira. Uma vez que eu tenho certeza que meu irmão ainda está respirando, eu vou para o meu quarto e desmorono na cama. Uma hora. Isso é o quanto eu vou esperar antes de eu procurar em cada canto desta maldita casa. Depois o conteúdo dessa caixa azul misteriosa será meu. Quatro horas mais tarde, eu acordo.


Pronta para Operação Astuta. Eu me empurro da cama, esfregando meu rosto e me repreendendo por adormecer. Eu sou, tipo, a maior fracote no planeta Terra. Deslizando meus sapatos assim eu faço o mínimo de barulho possível, crio uma lista mental de onde verificar primeiro: o armário de revestimento, o banheiro do corredor, talvez a cozinha. A cozinha. Gostaria de saber se há algum cheesecake de cereja deixado na geladeira. Não. Encontre o aparelho. Depois cheesecake. Estou prestes a abrir a porta, mas algo me impede. É fumaça. E muita. E está vindo de fora da minha janela. Cruzando o quarto, eu mantenho um olho sobre a fumaça quando o meu couro cabeludo formiga com os nervos. Eu começo a imaginar a minha casa pegando fogo. Ou um dos carros dos meus pais. Como alguém iria nos encontrar aqui? Gosto de pensar que alguém iria, eventualmente. Provavelmente um bombeiro que possa ser da minha idade e carrega um machado sobre o ombro esquerdo como um deus grego. O fogo viria com raiva atrás dele enquanto ele nos salvaria e ele sorriria para me tranquilizar e, meu Senhor, ele tem covinhas. Eu deslizo para abrir minha janela e o cheiro de madeira queimando enche o meu quarto. Embora eu esteja com medo de que algo horrível está acontecendo, eu não posso ajudar, mas saboreio o cheiro. Me lembra de estar em casa, em Boston, de noites frias quando o meu pai faria um fogo na lareira e nós beberíamos cacau em tons pasteis com marshmallows. As ondas de fumaça vem da esquerda para a direita e me leva a crer que o fogo está vindo da frente de nossa casa. Estou prestes a acordar meus pais quando eu vejo um flash de vermelho e preto. Eu conheço essa camisa em qualquer lugar. É a flanela de xadrez que meu pai usa quando ele vai caçar com o tio Wade. O que o meu pai esta fazendo em frente da nossa casa às duas da manhã? Contemplo sair pela porta da frente para perguntar a ele. Seria uma pergunta razoável. Ninguém quer acordar no meio da noite para encontrar seu pai abraçando um novo hábito de piromania. Mas algo me impede. Talvez seja a forma como ele tem agido desde que viu o aparelho falante, ou


a maneira estranha que ele sussurrou com a minha mãe antes do jantar, ou até mesmo a maneira como ele acenou para Cody havia algo grande que os dois estavam escondendo. Apesar de tudo, eu decido me mover para mais perto, sem revelar a mim mesmo. Rastejando para fora da janela, eu penso em quão ridículo eu devo parecer. Como a minha melhor amiga que ficou em Boston, Hannah, se pudesse ver isso, ela estaria rindo como uma lunática. Pensar sobre ela rindo, por sua vez me faz rir, e eu tenho que cobrir minha boca enquanto eu agacho ao lado da casa. Esta tarde, eu estava entediada até as lágrimas, e agora eu estou agindo como uma maldita agente da CIA. Eu realmente estou perdendo a cabeça aqui fora. Eu rastejo ao longo da parede para frente da nossa casa e prende a respiração enquanto eu espreito ao virar a esquina. Meu pai está em pé na frente de uma fogueira, apenas olhando para as chamas. Ele se parece com um assassino, todo loucura na cara. O fogo é na verdade muito mais longe da nossa casa do que eu pensava, o que me deixa ainda mais nervosa. É como se ele estivesse escondendo alguma coisa. Apenas fazendo um mau trabalho. Passando a mão pelo cabelo grosso encaracolado, meu pai suspira. Depois ele abre a sua outra mão e olha para alguma coisa na palma da mão. Eu estreito meus olhos para tentar ver o que ele está estudando, mas não posso fazer a partir daqui. Seja lá o que for que ele está segurando tem uma vida curta, porque ele puxa um longo suspiro e joga no fogo. Isso arqueia no ar por apenas um momento, mas é o suficiente para eu ver um flash de branco. É o meu aparelho. E agora se foi. Eu me inclino para trás contra o lado da casa, em pânico. Agora estou certa de que isso não foi uma brincadeira. Não há nenhuma maneira de que o meu pai iria tão longe para se livrar de algo trivial. E na calada da noite, não mesmo. Algo estava naquela coisa, e agora eu nunca vou saber. Eu procuro no meu cérebro, tentando lembrar tudo o que a mulher tinha dito. O Brimstone alguma coisa ou outra.


Um convite. Quarenta e oito horas. Quando eu espreito por trás ao redor do canto, os olhos do meu pai encontram os meus. Eu bato de volta contra a casa e murmuro uma série de palavrões. De longe, eu ouço o som de seus passos. Eles se aproximam e eu aperto meus olhos fechados. Eu sou como um avestruz, esperando que se eu não posso vê-lo, ele não pode me ver. Segundos depois, a porta da frente se abre e fecha. Meus músculos relaxam e eu quase ri de ter escapado de ser pega. Eu não tenho certeza do que eu tenho tanto medo. Não é como se eu fiz alguma coisa de errado. Ele roubou o meu audifone. Ele agiu estranho sobre isso. Ele construiu um fogo e queimou o que era meu. A raiva surge através de minhas veias. Aquela caixa azul era para mim. E agora uma sensação estranha me diz que tudo o que estava nele era extremamente importante. Como ele ousa me roubar de saber o que era aquilo? Eu espero por um longo tempo, mais tempo do que eu acho que vou ser capaz, depois vou em direção ao fogo. O aparelho branco estará queimado em um pedaço de gosma de plástico, mas eu quero ver com os meus próprios olhos. Eu me pergunto se talvez eu não deveria pegar e invadir o quarto dos meus pais, procurar saber o que está acontecendo. Quando eu chego perto do fogo, eu percebo que este diminuído consideravelmente. Apenas algumas chamas lambendo o ar fresco da noite, enquanto o resto da madeira reluzindo vermelho, desaparecendo rapidamente em cinzas. Indo aonde meu pai tinha ficado parado, eu inspeciono a área. Quando eu vejo isso, eu dou um passo atrás. O aparelho está aninhado em uma pilha de cinzas e brasas. Não parece derretido ou desfigurado em tudo. Eu pego um pedaço de pau e tento da uma pancadinha para fora. Depois de algumas tentativas, cai perto dos meus pés descalços, com um pequeno baque. Agachando, eu alcanço com um dedo e cutuco o aparelho. Não esta quente. Na verdade, não esta mesmo quente. Eu recolho em minha mão e levanto.


Eu esqueci o meu redor. Esqueceu que meu pai poderia estar lá dentro mim assistindo. Tudo que posso fazer é ficar maravilhada que o aparelho está intocado pelo fogo. Eu viro para inspecionar o outro lado e minha boca cai aberta. A luz vermelha. Ainda está piscando. Eu não penso; Eu apenas corro. De volto para a casa. De volta para minha janela. Voltar para o meu quarto, onde eu possa ouvir esta mensagem ininterrupta. Rezo para ainda está lá. Por alguma razão desconhecida, eu não posso imaginar não ouvir o que a mulher queria me dizer. Eu preciso sabertenho que saber. Dentro do meu quarto, eu fecho a janela e me arrasto para minha cama. Eu desligar a lâmpada e assumo uma posição de dormir. Se alguém entrar, eles vão pensar que estou na terra do nunca. Hesitando apenas um momento, eu deslizo o aparelho auditivo em meu ouvido. Meus dedos encontra o botão pequeno, vermelho iluminado, e eu engulo um caroço na minha garganta. Eu aperto. Primeiro, não há nada além de ar morto, mas depois de alguns momentos, eu ouço o mesmo som de clique. Está funcionando. Eu penso. Ainda está funcionando. O clique se transforma em estática, e eu cobro minha orelha com a palma da mão para que eu possa me concentrar. "Se você está ouvindo esta mensagem, você está convidado para ser um concorrente no Brimstone Bleed. Todos os concorrentes devem se informar no prazo de quarenta e oito horas para escolher os seus companheiros de Pandora. Se você não aparecer dentro de 48 horas, seu convite será eliminado." Eu estou tão feliz que a mensagem ainda está lá, eu mal posso me conter. Me sento e olho ao redor do quarto por um pedaço de papel, pensando que talvez eu deveria estar escrevendo isso. Mas antes que eu possa decidir o que fazer, a mulher continua.


"O Processo de Seleção Pandora será realizado no velho Museu vermelho. Quem você escolhe na Pandora é da maior importância, pois será sua única fonte de assistência ao longo da corrida.‖ "O Brimstone Bleed vai durar três meses, e será realizado em quatro ecossistemas: deserto, mar, montanhas, selva. O premiado ganhara uma cura - um remédio para qualquer doença, para uma única pessoa." Eu cubro minha boca, tentando não chorar. Uma cura. Uma cura para Cody. Eu faria qualquer coisa por isso. Eu escuto quando a mulher faz uma pausa. "Só pode haver um campeão."


Capitulo Quatro Eu salto para fora da cama, coração acelerado. Isso deve ser uma piada. Um trote. Não pode ser real. Pode? Se isso é uma piada, é o pior tipo. Porque eu faria qualquer coisa para salvar a vida de Cody. E esse aparelho - essa mulher - acaba de me dizer que há uma maneira. Será que meu pai ouviu isso? Minha mãe? Será que eles sabem o que ela disse? Se eles escutaram e eles sabem que há até uma possibilidade de ser verdade, por que eles sempre tentam destruir? Eu não sei. Eu não me importo. É sobre mim agora. A caixa azul estava na minha cama. Eu sou a pessoa que recebeu o convite. Mas isso não pode ser real. Pode? Meu coração dói quando eu considero o meu irmão. Que isso é loucura - tão absurdo como essa corrida soa - eu não consigo parar de pensar, E se for verdade? Eu quero acreditar que é real. Eu quero acreditar que pode haver um fim a exames de sangue de Cody e ressonância magnética. Que a minha mãe vai aprender a dormir de novo, e que o meu pai vai parar de ter essa raiva silenciosa. Eu não quero mais sentir o cheiro de antisséptico ou encontrar outra enfermeira bondosa que é ótima em acertar uma veia na primeira tentativa. Que tal, em vez disso, você deixar Cody sozinho? Que tal, em vez disso, você deixar ele melhor! Impulsionada pela emoção crua, eu peso minhas escolhas. Ignorar a mensagem da mulher e volto para a cama. Ou. Aproveitar a oportunidade, a chance minúscula, que meu pai sabia que tinha algo a esconder.


A percepção de que eu possa estar em alguma coisa bate em mim. Meus pais tentaram esconder isso. Meu irmão fez passar como uma piada. Mas eu serei amaldiçoada se eu vou deixar alguém na minha família me impedir de ajudar Cody. Assumindo que tudo isso é real. "Tem que ser," eu sussurro no escuro. Raiva enrola no meu estômago como uma serpente. Meu pai achou que eu não poderia fazer isso. É por isso que ele tentou destruir o aparelho. Mas talvez ele não conheça a sua menina, assim como ele gostaria de acreditar. Porque quando se trata de fazer algo para a minha família, eu não sou apenas a sua filha. Eu sou forte. Eu vou ser forte pelo o meu irmão. Minhas mãos apertam o aparelho que eu removi da minha orelha. A mulher disse que eu precisava chegar ao Velho Museu Vermelho dentro de 48 horas. Quanto tempo se passou desde que vi pela primeira vez a caixa? Quanto tempo demorou para chegar até mim? Agarrando minha velha mochila do meu armário, eu penso sobre o que levar: roupas, alimentos, água, o aparelho... talvez um pouco de esmalte. Só porque eu estou entrando em uma corrida não significa que eu não quero parece magicamente deliciosa. Eu jogo em um fundo preto, uma camisa de manga comprida, jeans e sapatilhas de balé amarela. Então eu emperro as coisas na minha bolsa o mais rápido que posso, sabendo que eu quero sair antes do sol nascer e meus pais acordem. A primeira coisa que eu tenho que fazer é descobrir onde o fica o Velho Museu Vermelho. Não temos uma conexão de Internet aqui, mas em algum lugar na cidade tem. Eu vou ser capaz de achar isso lá. Pelo menos eu espero que sim. Forma um nó na minha garganta enquanto eu penso em sair. Meus pais vão ficar bem, mas e sobre Cody? Será que ele vai ficar bem enquanto eu estiver fora? Eu fico olhando para a bolsa em minhas mãos, em seguida o solto na cama. Eu nem tenho certeza do que estou fazendo quando eu saio do meu


quarto e sigo para o do Cody. Eu paro em sua porta e o escuto ainda respirar. Fico feliz que ele está dormindo. Não há nenhuma parte de mim que quer provocar ele agora, mesmo se ele fez isso. Eu só quero dizer que eu o amo. Então eu faço. "Eu te amo, Cody," eu digo. E depois, "Por favor, não morra." Lágrimas picam meus olhos enquanto eu corro para o meu quarto. Quero manter essa imagem dele na minha cabeça, o peito subindo e descendo de dormir sob o pesado cobertor azul. Essa corrida pode ser uma enganação, e eu apenas posso ter ido embora para perseguir um fantasma por um dia, mas eu ainda vou sentir falta dele. Quando eu estou quase de volta ao meu quarto, eu ouço um rangido. Merda. Alguém está vindo. Eu me viro para enxugar as lágrimas dos meus olhos e jogo a minha mochila dentro do armário, mas eu não tenho tempo de ir para a cama antes da minha mãe aparece na porta. Ela caminha até a minha lâmpada e liga o interruptor. Luz quente lava em todo o meu quarto. Ela olha para mim por um longo tempo, eu me pergunto se ela esqueceu quem eu sou. Depois ela se senta na cama. "Você está acordada," ela diz. Ela não parece surpresa. É mais como uma declaração. "Sim," eu digo, não sei o que mais dizer. Eu considero perguntar a ela sobre o aparelho, se ela sabe o que está nele. Mas eu tenho medo do que ela vai admitir. "Eu ouvi você se movimentar," ela continua. Percebo que ela está escondendo alguma coisa. Sua mão trabalha seu caminho através da outra mão como se ela estivesse alisando. Ela me vê olhando e segura. No brilho da lâmpada, eu vejo o que é uma pena verde e azul e está ligado a uma corda de couro fino. "Isto foi da minha mãe," ela diz. "Eu não me lembro de muita coisa sobre ela." Minha mãe raramente fala de sua própria mãe, e é quase surpreendente lembrar que ela tenha uma. Mas é claro que ela tem. Sua mãe morreu


quando ela ainda era jovem. Mas isso não significa que ela não exista. Mãe levanta a pena até a cabeça e sorri. "Eu lembro que ela costumava usar isso em seu cabelo." O sorriso desliza do rosto de minha mãe. Eu sento ao lado dela na cama. Estou prestes a lhe dizer o que eu sei, mas ela levanta a mão. Primeiro, ela me impede de falar, depois ela se muda para tocar no meu cabelo. Ela acaricia a parte de trás da minha cabeça, e eu não posso ajudar, mas fecho os olhos. Pela segunda vez esta noite, eu sinto que eu poderia perder isso. "Você tem o cabelo do seu pai," ela diz. Depois ela me parece com o rosto morto. "Mas você tem os meus olhos." Eu não sei exatamente o que ela está insinuando, mas nós não compartilhamos a mesma cor dos olhos. Mamãe move o cabelo do meu pescoço em meu ombro. Em seguida ela coloca a pena no fundo do meu couro cabeludo. Um formigamento dispara em meus ombros enquanto ela amarra o fio de couro anexado à pena em meu cabelo. Quando ela acaba, ela deixa os meus cachos derramarem na minha costa. ―Você está linda, Tella.‖ Eu levanto e me olho no espelho. A vibrante pena verde-e-azul se encontra sobre meu ombro direito, misturado com um pouco do meu cabelo grosso, encaracolado. Eu olho para os meus grandes olhos castanhos e me pergunto o que ela vê neles. Além do medo. Minha mãe se levanta de repente e atravessa o quarto. Ela me envolve em um abraço e me mantém por alguns instantes antes de ir. Eu acho que ela vai confessar algo, mas ela só diz, "Boa noite." Me deito na cama, fingindo que eu vou voltar a dormir. Na porta, ela para e olha para trás. Seus olhos apertam em direção ao meu armário aberto, onde minha mochila reside exposta. Seu olhar retorna para mim e seu rosto torce. "Sua mãe te ama." Depois ela se foi.


Eu engasgo com suas palavras finais, forçando eu mesma a rastejar de volta para fora da cama e pegar minha mochila mais uma vez. Enchendo de roupas, eu decido não pegar qualquer comida da cozinha. Preciso sair agora, e eu posso comprar algo na cidade. Mas eu peguei o estoque de dinheiro que tenho de meses de mesada não utilizado. Tenho certeza que eu devo ter quase duas centenas de dólares neste momento. Porque eu não tenho ideia do que vou precisar, eu também jogo coisas aleatórias da minha mesa: canetas, papel, tesoura, fita adesiva. A última coisa que eu pego é uma foto da minha família que está preso na borda do meu espelho. Eu não posso suportar ir sem tomar um pedaço deles comigo. Isso e o meu esmalte roxo brilhante. Quando eu saio, eu saio pela porta da frente. Há algo definitivo sobre o assunto. Como se eu fizer isso, então eu estou fazendo algum tipo de declaração. Mesmo que eu não tenho ideia do porque. Não temos uma garagem, então meus pais estacionam na calçada, do lado oposto da casa a partir da janela do meu quarto. Eu contorno o canto e delibero sobre qual carro pegar. Há o elegante 4Runner preto com o navegador e pneus de terreno livre que sempre incomodam meus pais sobre a condução quando obtive a minha licença, e há o Bob. Bob tem estado conosco por um tempo, como, desde que eu nasci. E depois de quase 200 mil milhas, o carro é uma vergonha absoluta para a comunidade automobilística. Eu decidir tomar Bob. Meus pais vão acordar e encontrar sua filha desaparecida. Eu odiaria ter deixado eles com o carro porcaria, também. Agarrando a chave extra a partir caixa do disjuntor, eu raciocino que se eu arma isso, posso chegar na cidade cerca de 25 minutos. Não é tão ruim. Eu pulo dentro do carro, jogo minha bolsa no banco do passageiro, e ligo o motor. Enquanto eu estou rolando abaixo na entrada suja, eu olho para o espelho retrovisor. A casa ainda está envolta no escuro, e tudo o que posso pensar é: Minha família mora lá. Se afastando, de repente percebo que a casa não é tão ruim. Passei mais tempo com a minha família nos últimos nove meses aqui do que eu fiz em


dez anos que vivi em Boston. E se como vê, minha gente é bastante impressionante.

Eu puxo para o único estacionamento do restaurante na área que está aberta 24 horas e olho para o relógio do painel: 03:37. Eu fiz isso em 23 minutos. Nada mal. A porta da lanchonete badala quando eu entro. Exatamente duas pessoas viram em minha direção: um cara de aparência camionista com antebraços do tamanho do Popeye e sua amiga, que encontra sua embriaguez histérica. Eles são um casal perfeito nesta cidade decrépita de Montana. A garçonete na calça cáqui feia aparece na parte de trás e passeia em minha direção, segurando uma bandeja descartada em sua mão direita. Observando ela caminhar, eu decido que eu poderia lhe ensinar uma coisa ou duas sobre desfilar. "Posso ajudar?" ela pergunta. "Sim." Eu me puxo para cima, tentando parecer como uma adulta. "Vocês têm um computador que eu possa usar?" A garçonete ergue a cabeça. "Você compra alguma coisa?" ―Um, sim?‖ "Você sabe como dar gorjeta?" ela pede. Oh, classe real. "Trinta por cento. Esse é o padrão, certo?" Ela sorrir e concorda. "Você pode usar o do escritório. Apenas faça isso rápido." Eu vou atrás do balcão e encontro o computador. Depois de um pouco de pesquisar em sua conexão a Internet dial-up, acho que o Velho Museu Vermelho está em uma cidade chamada Lincoln. E, meu Deus, é dezessete horas de distância. E se eu perder o processo de seleção para a Pandora - o que quer que seja?


Eu imprimo várias direções e compro vários sanduíches e garrafas de água no meu caminho. Deixo mais do que os trinta por cento que prometi a garçonete, esperando que vá colocar um pouco de ritmo em seus passos. Então eu pego a estrada e dirijo como um demônio para Nebraska, me perguntando se eu sou uma idiota ingênua por fazer isso.

Quase vinte horas depois, eu estou quase no meio da cidade. Estou exausta após dirigir, e agora o mundo inteiro parece surreal e desconectado. Tudo é rápido e lento ao mesmo tempo. Eu sigo a última direção até que eu vejo - o Velho Museu Vermelho. A imagem que o Google forneceu corresponde ao enorme edifício de tijolos vermelhos, que mais parece um castelo medieval do que um museu. É quase meia-noite, o lugar parece particularmente estranho. Eu encontro uma vaga e caminho até o pequeno lance de escadas. Esfregando os braços para lutar contra um frio repentino, eu paro em frente às enormes portas duplas. O que diabos eu devo fazer agora? Não há nenhuma maneira deste lugar está aberto até tão tarde. E no momento em que eles abrirem, provavelmente vai ser tarde demais. Provavelmente é tarde demais. Prendo a respiração e puxo a porta. Não se mexe. Eu puxo de novo e de novo, e grito quando ainda não abre. Eu dirigi todo o estados unidos, deixei minha família, sem uma explicação, e agora eu estou ou muito tarde ou nunca houve nada aqui, para começar. F.. minha vida. Acuando de volta, eu chuto as portas tão duro quanto eu posso. Então eu envolvo ambas as mãos em torno das maçanetas das portas e solto um ruído como um demônio da morte selvagem enquanto eu puxo para trás. As portas se abrem.


Eu não tenho certeza se celebro ou surto. Eu decido não fazer nada e deslizar para dentro. Quando eu ando em todo o interior do museu, ouvindo o som dos meus passos ecoarem pelas paredes, eu imagino que eu estou a momentos da morte. É triste, eu acho, que isso é tudo o que preciso para quebrar a minha sanidade mental. Dois voos ondulam da escadaria curva fora da entrada do primeiro andar, e azulejos vermelhas e brancas cobrem o chão. Há molduras douradas em toda parte. Tantos que eu acho que a colocação das molduras - e não o seu conteúdo - é a arte real. Tudo, absolutamente tudo, tem cheiro de cera. Eu escapo até uma recepção abandonada e folhe-o os panfletos brilhantes espalhados na superfície. Eu levanto um dos panfletos até o meu nariz. Sim, cera. Eu olho em volta, sem ter ideia do que procurar. Haverá um sinal como no registro da escola? Os alunos com sobrenomes começando com A-K nesse caminho? À minha esquerda, noto um longo corredor pontilhado com portas de cada lado. Nada parece particularmente incomum. Mas quando eu olho para a minha direita, vejo alguma coisa. Há uma porta no final do corredor que tem um raio de luz brilhando por baixo. Eu tenho certeza que é apenas um escritório de administração, aquele em que alguém se esqueceu de desligar o interruptor. Mas eu não tenho nada melhor para seguir em frente, então eu sigo em direção a isso. Faço uma pausa fora da porta, perguntando se eu estou prestes a ficar presa por B e E. Então eu gire a maçaneta e me encontro no topo de outra escada em caracol. Você tem que estar brincando comigo. O que é isso – o apartamento de solteiro do Drácula? Eu assisti a um monte de filmes de terror, e eu aprendi que nada de bom está na parte inferior de uma escada em caracol. Puxando uma respiração e me preparando para ser comida viva, eu desço. Meus sapatos são altos contra os degraus. Tão alto, eu imagino que eles estão intencionalmente tentando me matar.


Quando eu chego a alguns degraus finais, eu me preparo para olhar ao redor da curva. Meu coração está acelerado, e eu secretamente rezo que o pior que eu encontre é um zelador irritado com um vício em cera. Dirijo-me a curva e meus olhos quase estouram do meu crânio. A enorme sala é perfeitamente circular, pontilhada com velas para iluminar o espaço. Em torno das paredes estão filas e filas de estantes de livros escuras, ricas em mogno. Uma grande mesa redonda fica no centro do piso vermelho-e-branco de azulejos. A sala é espetacular, mas o que isso tem é tão chocante, meus ouvidos zonem. Através de cada prateleira, cada ponto na mesa, cada telha no chão - estão pequenas esculturas de mãos. E em algumas dessas mãos - os que ainda estão desempenhando o seu dever - estão ovos. Há apenas nove ovos deixados, é o que parece. Por um momento, eu imagino o quão incrível seria ver cada mão segurando um ovo, mas é o suficiente apenas ver estes nove. Os ovos parecem dançar na chama da vela, e conforme eu chego mais perto, eu percebo o porque. As superfícies dos ovos são quase iridescente, suas cores mudando dependendo de como você olha para eles. Eles são de tamanhos diferentes, também, alguns tão grandes como uma bola de basquete, outros tão pequenos quanto um pêssego. Eu não preciso do aparelho no meu bolso para me dizer o que o meu instinto já sabe. Este é o Processo de Seleção de Pandora.


Capitulo Cinco Se esta corrida não é real, eu penso, eu dou um apoio ao brincalhão louco pelo seu entusiasmo. Os ovos parecem frágeis, como se eu tocar neles, eles vão quebrar em um milhão de pedaços. Eu me lembro quando eu era pequena e iria para a casa da minha avó - a avó que eu conhecia - sempre havia coisas que eu era permitida a tocar e coisas que eu não era. Estes ovos definitivamente fariam parte da Lista Não Toque Nisso. Eu ando ao redor da sala lentamente, se inclinando ou alcançando acima nas pontas dos pés para olhar mais de perto cada um. Eles são como nada que eu já vi antes, e me sinto quase como se eu tivesse pisando no set de um filme de ficção científica. Eu não entendo como essas coisas estão aqui. Ou como isso até mesmo aconteceu. Alguns ovos parecem mais brilhantes do que o resto, enquanto outros parecem um pouco mais resistentes. Eu não sei como eu devo escolher quais as características que devo procurar, ou como eu tenho que anunciar a minha decisão. Quando eu estou a ponto de tocar um ovo, um pensamento me ocorre. E se o primeiro que eu tocar definir a minha escolha? Sim, essa coisa toda ainda pode vir ser uma brincadeira, mas com certeza não parece ser dessa maneira, e eu quero ter cuidado no caso. Eu puxo a minha mão para trás e mordo meu punho. Tomar decisão nunca foi o meu forte. Eu me inclino perto de um ovo bem grande, minha respiração fazendo com que as cores a girem e mudem. É tão bonito, e sempre não é mais divertido ter o maior presente de Natal? A decisão deve ser tomada, e se eu me deixar contemplar o que há dentro de cada ovo por mais tempo, eu nunca vou fazer uma escolha. ―Uni, duni,tê...‖ eu aponto para o grande ovo na minha frente. "Você.‖


Minhas mãos estão quase sobre ele quando ouço um estrondo na escada atrás de mim. Eu giro ao redor e escuto. Esse som parece granizo durante uma tempestade. E está ficando mais alto, e mais perto. Momentos depois, pessoas de todas as idades derramam na sala em um frenesi. Eles correm em direção aos ovos, seus olhos arregalados e as mãos estendidas. Ao contrário de mim, eles não hesitam. Eles arrancam os primeiros ovos eles correm de volta para subir as escadas. Meu rosto queima quando eu percebo o que está acontecendo. Eles estão levando todos os ovos. Não haverá suficiente para todos. Eu não posso esperar mais. Alguém já pegou o ovo que eu tinha a intenção de tomar, então eu corro em direção a outro. Um homem na casa dos vinte e poucos anos me corta e rouba o ovo em um movimento gracioso. Em seguida, ele enfia debaixo do braço como uma bola de futebol e vai para as escadas. Mais três pessoas correm em direção a dois ovos. Eles arranham e chutam e gritam até que duas meninas, não mais que treze anos, escapam de um homem corpulento e correm para as escadas. Eu vejo um ovo em direção a entrada da sala e corro em sua direção, mas eu não sou agressiva o suficiente, e quando se trata de mim e outra menina com olhos selvagens e grandes ombros, eu vacilo. Ela zomba de mim e pega o ovo. Depois ela se foi, voando dois degraus de cada vez. Tudo aconteceu em questão de segundos. Quando olho ao redor da sala, eu percebo com um raio de medo de que há apenas um ovo esquecido. Estou mais próximo a ele, e a menina mais próxima de mim percebe isso. Ela estreita os olhos em minha direção e se lança em direção ao ovo. Mas eu sou mais rápida. As pessoas atrás de nós não se movem, ou pelo menos eu não ouvi eles se moverem. É como se eles soubessem que é tarde demais. Isso é entre mim e essa garota, e eles poderiam muito bem se intrometer nisso. Estou tão perto do ovo que um sorriso enrola em meus lábios. Eu vou chegar lá primeiro. Então é só uma questão de conseguir minha passagem de volta a subir as escadas. Estendo a mão para pegar o ovo do tamanho de uma bola de futebol, e então eu sinto- uma dor que rasga em meu couro cabeludo.


A garota se apoderou do meu cabelo e ela está me puxando para baixo, para baixo. Eu bato no chão e ela salta por cima do meu corpo. Instantaneamente, eu alcanço suas pernas. Se eu tiver que lutar com ela no chão, eu vou, porque de repente eu me lembro do jeito que Cody estava antes de eu sair, o aumento constante e queda de seu peito. A menina antecipa meu agarro sobre ela, então ela faz uma curva difícil, corre ao redor da mesa circular, e acabou. Ela se foi. Em algum momento durante a louca corrida, eu percebi com esmagadora certeza de que esta corrida é real. Que o Brimstone Bleed é real. E agora eu tento engolir que eu já perdi. Eu bato meu punho contra o chão e olho para cima. Três pessoas permanecem na sala comigo. Eles parecem igualmente aturdidos, procurando um ovo que não está lá. Um deles abaixa a cabeça e sobe as escadas lentamente. Como eu, ele parece petrificado em voltar para casa e admitir o fracasso. A parte de trás da minha cabeça dói, e quando eu chegar em torno e toco o ponto latejante, eu sinto algo úmido e pegajoso. Embora eu sei que vou ficar doente se eu olhar, eu quase quero isso. Como ver o meu próprio prejuízo será uma punição parcial por falhar com meu irmão. Eu olho para a minha mão. Com certeza, meus dedos estão revestidos de sangue. É vermelho brilhante, o que eu acho que é bom. Sangue escuro significa que está vindo de algum lugar profundo. Eu dou um vislumbre para cima - o quê? - mostrei as duas pessoas esquecidas minha ferida? Mas quando eu olho para cima, há somente uma pessoa. Meu coração para. O cara olhando para mim é muito alto, ou talvez ele apenas parece assim porque eu ainda estou no chão. Ele parece ser da minha idade, embora a ampla largura dos ombros me diz que ele pode realmente ser um par de anos mais velho. Seus olhos são azuis. Não da maneira que me faz fivelar na altura dos joelhos e começar a nomear os nossos filhos, mas o tipo de azul que faz a minha respiração parar. Um azul frio e duro que mais parece uma afirmação do que uma cor - um que diz, "Saia de perto."


Seu cabelo é tão escuro, parece com tinta molhada, e é cravado em torno de seu couro cabeludo em tufos macios. Ele tem um queixo forte, e agora que o queixo se apertou com tanta força, eu tenho medo desse cara está prestes a me chutar quando eu estou caída. "Eles todos foram embora," eu sussurro. Eu não tinha pensado em dizer qualquer coisa, mas simplesmente deslizou para fora. Ele restringe aqueles olhos azuis frio em mim, e em um instante, eles apertam em direção ao chão perto de uma das estantes. Ele olha para mim, e eu me pergunto se talvez, mesmo que ele pareça um pouco com um serial killer, se ele vai me ajudar a levantar. Seu olhar pousa no meu cabelo, na pena maravilhosa. Então ele se vira e vai em direção às escadas, carregando um ovo colossal debaixo do braço. Contemplo lutar com ele pelo ovo, é facilmente o maior ovo que eu vi esta noite. Então eu percebo que é inútil. Estou tonta de bater minha cabeça, e esse cara parece que ele trabalharia por uma vida. Mas eu penso sobre a forma em que seus olhos foram em direção à estante. Isso me faz pensar... Pisando suavemente, me movo na direção de onde ele tinha olhado. Mas não há nada lá. Eu agarro a parte superior da estante, tanto quanto eu posso chegar de qualquer maneira, e aprofundo. Então eu subo as prateleiras como se fosse uma escada até que eu possa ver por cima. Não há nada lá e quando eu olho ao redor da sala a partir desta altura elevada - não vejo nada em qualquer outro lugar, também. Eu rastejo para baixo nas prateleiras até que eu estou de pé no chão novamente. Depois eu fico em minhas mãos e joelhos. Quando eu coloco o meu rosto contra os pares de azulejo frio sob a estante de livros, eu tenho que morder o lábio para não gritar. Eu vejo um ovo. Me pressionando mais plana contra o chão, eu estico meu braço. Prendo a respiração enquanto eu recupero, com medo se eu encher meus pulmões, eu vou largar o meu prêmio. Depois que o ovo esta seguro, eu estudo ele de


perto. É do tamanho de uma melancia, o que eu acho que é bom, mas a coloração está toda errada. Não é como os outros, com o brilho notável que muda quando você pega em suas mãos. Este é sem graça, e quando eu seguro, eu vejo que há uma fratura do comprimento do meu dedo correndo na parte inferior. Deve ter caído no chão e rolado para debaixo da estante. Olhando para ele, eu me pergunto se o que está dentro ainda está vivo. Meu palpite é que não, mas eu não tenho outra escolha senão espero que esteja. Eu me levanto, pego minha camisa, e coloco o ovo em minha camisa como um ninho. Então eu sorrio. Este ovo é pequeno e feio, e se eu não me engano, tem um pouco de fedor rolando fora dele. Mas é meu. E eu vou cuidar do que está dentro. Eu cubro com ambos os braços em torno do fundo do meu ovo e me apresso paras as escadas, as portas da frente, e Bob. Fechando a porta do carro, eu olho em volta. Eu tenho que encontrar um lugar seguro para isso. Pego minha bolsa na parte de trás e retiro qualquer coisa afiada. Quando tudo o que resta é a roupa fofa, eu aninho meu ovo dentro, dou uma última olhada para ele, depois fecho o zíper da bolsa. Abrindo o porta-luvas, eu começo a atirar todos os itens restantes da minha bolsa. Quando eu pego o aparelho, noto que a luz vermelha está piscando. Meus ombros tensos. Será que vai ter a mesma mensagem de antes? Ou haverá nova informação que me ajude a encontrar a corrida? Eu ainda não tinha parado tempo suficiente para saber o que eu deveria fazer agora que eu tenho esse ovo estranho em minha posse. Eu deslizo o aparelho no meu ouvido, fecho os olhos e aperto o botão. Silêncio - clique - estática. "Parabéns. Você escolheu Pandora companheiro KD-8. Cada Pandora é único na sua concepção, e seu Pandora não é exceção. Por favor, fique atento para a mensagem do Criador de KD-8." Ela sabe. Ela sabe do ovo que eu tomei. Abrindo os meus olhos, coloco a mão na minha bolsa, imaginando o ovo seguro dentro. Meus joelhos saltam


quando eu antecipo escutando uma nova pessoa no aparelho. Eu não tenho que esperar muito tempo. "Olá?" diz uma voz masculina mais velha. "Olá? Ok. Eu sou o Criador Collins, e eu gerei Pandora KD-8. Eu não posso dizer muito sobre o meu - er, o nosso - Pandora, uma vez que existem regras estritas sobre essas coisas." O homem faz uma pausa, como se ele estivesse com medo de dizer muito. "Mas eu posso te dizer que eu passei toda a minha vida profissional conceituando as capacidades do KD-8, e eu espero que você encontre eles úteis dentro da Brimstone Bleed. Enquanto você deve descobrir as habilidades de KD-8 por si mesmo, por favor, sei que eu tenho a maior fé em sua capacidade de revelar seus pontos fortes quando for a hora certa. Boa sorte para você, Concorrente. E..." O homem hesita novamente. "E eu espero que você se importe com KD-8, como eu faço." Minha mente fervilha pensando sobre o homem que criou a minha Pandora - Criador Collins. Ele parece ser um cara legal. Sua voz é a de um homem que possui muitos suéteres. Gosto da maneira como ele parece se preocupar com KD-8. Isso me faz pensar que pode haver algo de especial sobre o meu ovo. Eu me pergunto se ele fez outras Pandoras, ou se é apenas um Criador por Pandora. Alguma coisa sobre a maneira como ele espera que eu vá cuidar de KD-8 do jeito que ele fez me faz pensar que é uma situação de umpara-um. E quem são esses criadores de qualquer maneira? Imagino instantaneamente cientistas loucos com cabelo grande e óculos de plástico brancos. Inserindo um choque de um raio. Eu continuo ouvindo, e em poucos segundos, a mulher cuja voz eu já memorizei retorna. "Por favor, se reporte à Estação Lincoln e pegue o trem para Valden. Você tem uma hora." A coisa de prazo já está ficando velho. Eu sou uma garota que não gosta de ser apressada. Mas aparentemente isso é uma grande coisa nesta corrida. Estou aprendendo rapidamente que eu vou ter que me adaptar, ser alguém que rola com socos. Puxando o visor de Bob para baixo, eu me confiro no espelho. Rímel corre pelo meu rosto, sacos pesados pendem sob meus olhos. Meu cabelo está em


toda parte, mas quando eu toco a mão na parte de trás da minha cabeça, eu não encontro mais sangue. Venci. Quase dói me ver desta forma. Mesmo vivendo onde ninguém podia me julgar além da minha família, eu me orgulhava de parecer fabulosa. E agora eu pareço com a noiva de Frankenstein. Correndo meus dedos pelo meu cabelo, eu penso em como eu deveria estar correndo em direção a estação de Lincoln. Mas a compulsão para reparar meu rosto é muito forte. Pego minha bolsa de maquiagem - o que eu nunca saio de casa sem - e conserto o que eu posso. O que eu realmente preciso é de doze horas de sono de beleza e uma massagem sueca, mas algo me diz que isso não está acontecendo. Meu cabelo também precisa de muito mais do que eu posso fazer a partir de dentro de um carro desajeitado. E foi aí que eu lembrei de Cody no Natal. Meu cabelo crespo tem uma vontade própria, e enquanto eu durmo, é que a vontade cresce cada vez mais de modo que quando eu acordo, eu me pareço com um animal selvagem. Cody se refere a meu cabelo como a juba de um leão. E no Natal passado - quando ele só tinha estado doente há alguns meses - ele construiu uma juba real a partir de um cabelo falso e uma tiara. Depois ele embrulhou como um presente meu para ele. Quando ele abriu, ele agiu todo abençoado em receber este presente que eu não tinha dado a ele e leu o cartão (que ele escreveu) em voz alta. "Querido Cody, eu não quero nada mais sobre esta manhã de Natal do que você participar do meu orgulho. Rugido." Rugindo, ele arranhava o ar. Na época, eu o odiava por isso. Mas pensando em quanto tempo ele se pôs a ser um idiota, eu não posso deixar de rir. Porque eu sei agora, se ele realmente me odiava, ele não teria se incomodado. Eu puxo meu cabelo na frente do meu rosto e estudo de perto. É o cabelo que meu pai me deu, o cabelo que minha mãe acha bonito. Eu sempre tive uma relação de amor e ódio com ele. Mas uma garota o puxou para me derrubar hoje à noite. E agora que eu sei que a corrida é real, eu não posso deixar que nada fique no caminho para eu ganhar. A vida do meu irmão - a vida de Cody - depende disso.


Antes que eu possa me parar, eu pego a tesoura do porta-luvas e começo a cortar. Eu cortei um pedaço enorme do meu cabelo a partir da base do meu pescoço e trabalho o meu caminho até que quase tudo desapareceu. Jogando a tesoura no banco ao meu lado, eu corro a mão sobre a minha cabeça. Merda. Quando olho para o espelho, eu me torno fria. Ele se foi. Meu cabelo está desaparecido. Quero dizer, por toda parte, há pequenos pedaços de cabelo enrolado perto da minha cabeça - mas o comprimento, o peso desapareceu. Eu quase choro olhando para mim mesma. Quase. Eu sempre odiei o meu cabelo, mas agora eu nem sequer me pareço comigo. Meus olhos castanhos olhos da minha mãe - parecem maiores, e os meus lábios mais cheios. É como se agora que o cabelo se foi, todo o resto pode respirar. Isso é bom, eu acho. Mas não é uma boa notícia. Meu cabelo sempre puxou a atenção para longe da coisa que eu mais odeio. Minhas sardas. Até o meu irmão nunca fez uma piada com as sardas que cruzam meu nariz e se estendem ao longo de minhas bochechas superiores. Ele sabe que eu como todos os outros - têm um ponto de ruptura. E que se ele falasse sobre, eu acabaria com ele. Agora eles são como mini-líderes de torcida, pegando os megafones e se recusando a ser ignorado. Eu pressiono meus lábios juntos em irritação, mas meu rosto suaviza quando vejo minha pena. Tive o cuidado para não cortar a pena quando eu estava cortando meu cabelo. Eu inclino minha cabeça para trás e inspeciono novamente meu reflexo, tentando ver as coisas sob uma nova luz. Com cachos aparados perto da minha cabeça e uma pena verde e azul malandra balançando sobre meu ombro direito, eu decido que posso parecer alguém que iria entrar numa corrida ousada - e vencer.


Capitulo Seis Estação Lincoln, eu descubro, acomoda ambos os trens e ônibus. Eu não tenho ideia do que eu estarei tomando, mas eu sei que eu vou para Valden. Eu decido que vou dizer para a pessoa no guichê onde estou indo e os deixar descobrir. A estação é surpreendentemente ocupada para tarde da noite, ou de manhã cedo, ou o que quer que seja que você chama isso. O chão é coberto por pequenos azulejos brancos, e em cima há grandes clarabóias que provavelmente seria muito legal durante o dia. Grandes bancos redondos pontilham os pisos para as pessoas no salão, e porque o teto é alto e o piso é de cerâmica, cada pequeno som se transforma em algo como um estouro de elefantes. Eventualmente, eu tropeço na área de check-in. Consiste em estar um cara nervoso em seus meados dos trinta anos de pé atrás de um grande, balcão de plástico. Ele está vestindo um terno azul-marinho, com uma camisa branca. A gravata é amarela, o que não me agrada. O cara me viu se aproximando e passou a mão sobre a gravata amarelo-canário. Então ele faz isso de novo. E mais uma vez. Ou é seu primeiro dia de trabalho, ou por eu ser uma garota faz dele extremamente desconfortável. "Oi," eu disse para o cara nervoso. "Eu preciso ir para Valden." Nenhum ponto com rodeios proverbial. Meu pedido empurra O homem da gravata amarela sobre a borda. Seus olhos ficam enormes e ele realmente começa a suar. "Valden?" Ele coaxa. "Sim, Valden. Eu gostaria de ir até lá." Eu coloco minha mesada no balcão como prova de minha seriedade.


O cara olha em volta como se uma equipe da SWAT está prestes a estourar acima no lugar e empurra meu dinheiro de volta para mim. "Você tem certeza que quer ir para Valden?" "Uh, sim. Eu tenho certeza." Mas agora a testa brilhando do cara tornou-se um gotejamento, cintilando a testa, e de repente eu não tenho certeza de nada. Talvez Valden não é um lugar que eu queira ir. Talvez seja no centro de um vulcão, e isso é algo que eu gostaria de jeito nenhum. "Você pode me lembrar onde é o estado de Valden?" A gravata amarela treme, e assim faz o homem atrás do balcão de má qualidade. "Não é um lugar. É apenas uma palavra para me avisar -" Ele pára para enxugar a testa, e eu sinto a minha própria testa picar com suor. Essa explicação não me fez sentir melhor sobre as coisas. De olho na minha bolsa, ele desliza um bilhete sobre o balcão. Espero que isso esteja misturado com ácido que vai queimar minha pele, mas quando eu pego, eu percebo que meus dedos irão sobreviver. E assim fico com minha mesada, já que esse cara aparentemente esta me dando uma carona. Eu enfio o dinheiro de volta no meu bolso. "Para onde eu vou?" Eu tento parecer mais confiante do que eu estou. Que não é de todo. "Você vai pegar o trem 301. Abaixo nesse caminho." Ele aponta por cima do seu ombro para a direita. Então ele recua, como se ele não pudesse esperar para se livrar de mim. Quando eu começo a ir na direção que ele indicou, ele joga as mãos sobre o seu rosto. "Oh meu Deus. Eu quase me esqueci. Por que eu continuo esquecendo?" Suas mãos caem. Ele procura por algo debaixo da mesa, olha em volta mais uma vez, e chega do outro lado do balcão. "Coloque isso em sua camisa." É um pequeno pino de serpente de ouro, e é bastante pesado. Quando eu o anexo sobre o meu coração, puxa o pano da minha camisa de mangas compridas para baixo, e a serpente me encara com um olho verde brilhante. "Isso vai identificar você," diz ele.


Eu tinha deduzido tanto, mas me alivia ouvi-lo confirmar a minha suspeita. Como se eu descobrir uma coisa é um sinal do universo de que eu vou ficar bem. "Obrigada," eu digo. "Gravata Legal." O cara sorri, mas não tenho certeza se eu fiz o seu dia melhor. Eu quero dizer a ele que ele não acalmou exatamente meus nervos, também, mas ele claramente não quer mais nada a ver comigo, então eu puxo minhas alças da minha bolsa mais apertada e vou em direção as plataformas. Para minha surpresa, eu chego até o trem apropriado sem me matar, mas eu admito que é muito mais difícil de cair sobre os trilhos do que eu pensava inicialmente. Uma mulher usando perfume rosa demais me mostra o meu lugar, o que acaba por ser em um carro cama. Quando eu entro no pequeno quarto com uma mini janela e camas de beliche fofinho em ambos os lados, não posso deixar de fazer a minha dança feliz. Então eu me pergunto exatamente quanto tempo eu vou estar neste trem e é por isso que eu vou mesmo precisar de um lugar para dormir. A questão não augura nada de bom para a minha sanidade mental. Quer dizer, os trens são legais e tudo. Mas não quando um pequeno aparelho branco lhe diz para embarcar para uma cidade que não existe. Eu escuto um estalo agudo e viro ao redor. Uma menina da minha idade se empurra para dentro do quarto, atuando muito bem como se ela fosse dona desse carro cama e todo o conteúdo nele - incluindo eu mesma. Ela tem cabelo escuro curto, com franja reta e dura cortada na navalha através de sua testa. Seus olhos se arremessam ao redor, procurando por toda parte, mas para mim. Segundos depois, outra menina entra no quarto. Essa parece um pouco mais jovem e muito menos hostil. Ela tem cabelos longos ondulados e grandes olhos azuis, e ela olha diretamente para mim. "Oi," Olhos Azuis guincha. "Oi," eu digo com um aceno de cabeça. Então eu noto um brilho em sua blusa. É um pino de serpente - o mesmo que o meu. Eu olho para a garota agressiva e noto que ela também tem um. Cada uma delas está carregando uma bolsa, e de repente eu percebo que elas estão também embalando os ovos de Pandora.


Elas são concorrentes, eu penso com alívio. Eu não estou sozinha. Então eu me lembro que elas são a minha concorrência. Eu me pergunto como essas meninas foram convidadas, e se elas também têm alguém que estão tentando salvar. Me pergunto como qualquer um de nós foi escolhido para competir na corrida. Será que quem está executando esse show escolhe apenas concorrentes com membros da família doentes? Será que todos eles têm a mesma coisa? Esses pensamentos faz minha cabeça girar. Independentemente disso, não há nenhuma razão para não ser educada com essas garotas, não importa por que elas estão aqui. Estamos todas passando por isso juntas. ―Eu sou Tella,‖ eu digo para a Olhos Azuis. A menina olha para mim com alívio que meu coração dói. Ela abre a boca para responder, mas para quando alguém novo entra pela porta. A primeira coisa que eu vejo é um choque de cor. O vestido da mulher é tão brilhante e tão devastadoramente verde que quase esqueço meu nome. Ele curva em torno de cada pedaço de seu corpo e termina no joelho. Seu cabelo loiro brilhante é puxado para trás em um toque firme, e os seus lábios são pintados um tom chamativo de vermelho. Em sua mão esquerda esta uma Clutch ouro2. Ela é o meu tipo de garota - uma guru da moda, se você quisere eu me sinto mal vestida em comparação. Gostaria de saber onde ela encontrou os seus sapatos. "Por favor, sente-se." A mulher ondula uma pequena mão para os beliches. A voz dela é perfeitamente plana, perfeitamente calma. Gostaria de saber se alguém já lhe disse não. Meu palpite é que eles fizeram, eles rapidamente mudaram de idéia. Olhos Azuis se senta em uma cama de baixo e eu me sento em frente a ela em outra. A menina Agressiva salta para o beliche superior acima de mim, com as pernas balançando na minha linha de visão. Eu pressiono meus lábios juntos em aborrecimento e me movo para que eu possa ver.

2

Clutch= é uma bolsa pequenininha.


A mulher fecha a porta atrás de si e tranca. Nunca é um bom sinal. Ela pega sua Clutch ouro e puxa três caixas azuis, exatamente como o que eu encontrei na minha cama, mas muito menor, tão pequeno, eu me pergunto o que poderia estar lá dentro. A mulher entrega uma caixa azul para cada uma de nós. Quando ela chega em mim, seus dedos escovam os meus. Meus músculos se contraem, mas ela apenas sorri. Eu percebo que a mulher tem que trabalhar para isso. . . a corrida. Eu a olho atentamente, à procura pistas que vá me ajudar a entender no que eu me meti - que vá me ajudar a ganhar. "Abra eles," diz ela. Eu levanto a tampa da minha caixa azul. Não há um travesseiro em miniatura desta vez - apenas um único comprimido verde. Eu removo da caixa e o coloco na palma da minha mão. É o tipo de pílula que parece que dentro tem líquido. É realmente muito bonito, e descubro um desejo compulsivo de levá-lo. "Engula o comprimido imediatamente. Se você não fizer isso, você será desclassificado." Com isso, ela abre a porta e sai. Eu olho para olhos azuis e me pergunto se ela pode ouvir o martelar do meu coração. Ele bate com tanta força contra o meu peito, eu imagino que eu poderia estar tendo um ataque cardíaco. Como isso aconteceu? Como é que eu vou de educação em casa e provocando Cody e domingo divertido a isso? Eu poderia voltar atrás, eu acho. Eu poderia simplesmente jogar as minhas mãos para o alto agora e decidir que tudo isso é muito psicótico maldito. Mas então eu penso em Cody. Eu sei que ele faria isso por mim. Ele nem sequer hesitaria. Apesar de todas as suas qualidades irritantes, eu sempre pensava nele como corajoso. "Maldito Pharmies," a menina em cima de mim diz. "Virando o copo.‖ Olhos azuis suspira. Então ela olha para mim. "Ela tomou isso." Dou de ombros, tentando agir como se tudo fosse legal mesmo que eu estou prestes a passar pelo inferno. Olho para baixo para a pílula verde, eu tomo uma decisão. Eu não vou abandonar meu irmão. Eu coloco a pílula na minha boca e engulo. Desce facilmente, mas eu ainda alcanço uma garrafa


de água na minha bolsa. Eu tomo um pouco, depois entrego para Olhos Azuis. "Aqui, vai ajudar." Ela toma a água com a mão trêmula. Quando ela olha para mim, a pílula perto de seus lábios, eu aceno. Eu não sei porque eu estou ajudando ela. Eu provavelmente não deveria. Não há como dizer o que estamos tomando. Eu poderia estar ajudando ela a assinar uma sentença de morte, pelo que saiba. O pensamento provoca arrepios pelo meu corpo. Eu me tremo tão duro, que eu tenho que me deitar. Virando a cabeça no travesseiro estofado, eu assisto Olhos Azuis engolir a pílula e depois dois goles de água. Ela se deita em sua cama, mantendo os olhos fixos em mim o tempo todo. Eu olho para cima de mim e me pergunto o que a Menina Agressiva está fazendo. Suas pernas desapareceram do lado da cama. "O que você quis dizer?" Eu pergunto, tocando no fundo de seu beliche. "Sobre o quê?" A Menina Agressiva diz, embora sua voz não soe mais tão agressiva. Soa mais... Esgotada. "Você disse algo sobre Pharmies," eu digo. "O que é isso?" "Não é o que – é quem" ela responde, embora eu quase não consiga entender ela. Parece que ela está pronunciando indistintamente suas palavras. Eu me movo para sentar, para perfurar ela com perguntas desde que ela parece saber o que está acontecendo. Mas assim que eu faço, o quarto gira. Eu me deixo cair de volta na cama e olho para a Olhos Azuis. Ela está olhando para mim, seu rosto uma máscara de medo. "Quem são os Pharmies?" Eu peço em voz alta. Minhas voz soa estranha. Eu não tenho certeza se eu estou falando estranhamente, ou ouvindo de maneira diferente. A menina acima de mim não responde, e lentamente, eu começo a afundar. Olhos azuis e eu mantemos um olho sobre uma a outra por alguns segundos, como se apenas nós mantermos contato com os olhos, nós vamos ficar bem. Mas então suas pálpebras vibram fechadas e abertas. Uma vez. Duas vezes.


Sua bochecha pressiona mais fundo no travesseiro. Ela não abre os olhos de novo. Minhas próprias pálpebras se sentem pesadas. É apenas um comprimido para dormir, eu me asseguro. Isso é tudo que nós tomamos. Desde que eu não durmo, eu não sei por quanto tempo, eu fecho meus olhos por um momento. Eu tenho a intenção de reabri os olhos, mas uma vez que está fechado, é tão bom. "Alguém pode me ouvir?" Eu pergunto meus olhos ainda fechados. Minha voz soa como se estivesse vindo de outro lado de uma parede. Apesar de meus braços se sentirem pesados, consigo puxar minha bolsa para meu peito. Eu envolvo meus braços em torno dela, rezando para que o meu ovo esteja seguro dentro. Quando minha pena cai sobre meu pescoço – fazendo cócegas na minha pele – me lembro da minha mãe. Eu puxo seu rosto em minha mente, e eu me deixo ir.


Capitulo Sete A primeira coisa que eu me tornei ciente foi o som. É um estrondo baixo e parece estar vindo de debaixo de mim. Eu abro os olhos e imediatamente os fecho novamente. Tudo em meu corpo grita por mais sono. Eu quase cedo a tentação, mas eu sei que não deveria. Há algo que eu estou esquecendo. Eu forço meus olhos abertos de novo e nesse tempo, eu olho ao meu arredor. Ou pelo menos eu tento olhar ao meu arredor. Quase não há luz para ver, e um lento pânico torce em meu estômago. Onde eu estou? Empurrando-me para cima a partir de uma posição fetal, eu sinto madeira lisa sob minhas mãos. Eu jogo meus braços para os lados e encontro quatro paredes. Eles estão perto, muito perto. Minha garganta aperta quando eu começar a entender. Estou em uma caixa. Eu vou de ansiedade mínima a totalmente em questão de segundos. Batendo os punhos contra as placas, eu grito. Eu engoli a pílula. Estou em uma caixa. Como estúpida eu poderia ter sido? Saí sem dizer a minha família onde eu estava indo, pegar um trem para uma cidade que não existe, e engoli um objeto estranho. Ah sim, e eu também peguei um ovo podre ao longo do caminho. Meu ovo. Sinto ao longo da parte inferior da caixa e os meus dedos tocam uma bolsa de veludo que não é a minha mochila. Enfiando minha mão, eu suspiro de alívio quando eu encontro o meu suave ovo enfiado dentro. Eu puxo a bolsa


sobre as minhas pernas cruzadas e no meu colo e coloco meus braços em torno dele. "Está tudo bem. Estamos bem,‖ eu digo. Eu não tenho certeza para quem eu estou falando, mas eu acho que é o meu ovo. Eu gentilmente o retiro para fora da bolsa e o coloco no meu colo. "Tudo vai ficar bem." Eu traço o exterior da casca e olho ao redor. O estrondo do lado de fora é constante. Quase seria calmante se eu não estivesse em uma maldita caixa. Eu considero gritar até que alguém me solte, mas eu tenho medo de perder minha mente se eu fizer. Eu também estou preocupada com quanto tempo eu estive em tal coisa, e quanto ar resta. Eu não vejo nenhum buraco de ar, e sei que se eu gritar usara o pouco de ar e acabará mais rápido. Obrigado, filmes de terror. Tento acalmar minha respiração e acalmar meus pensamentos. Não está funcionando. Eu esfrego minhas mãos sobre meu ovo e penso que este seria um bom momento para esta coisa chocar e ajudar uma irmã a sair. Eu me inclino sobre ele o melhor que posso e sussurro, "Por favor, saia." Nada acontece. Esfregando o pano sobre os meus joelhos, eu de repente percebo que meu jeans não parece certo. Eu agarro as minhas pernas e estômago. Estas não são as minhas roupas. Oh, meu Deus. Alguém trocou a minha roupa enquanto eu dormia. Meu primeiro pensamento é: O que leva uma pessoa tirar as roupas de alguém enquanto eles estão dormindo, Assustador? O segundo é o que eu estou usando lingirie- se é um velho par skeezy ou meu bom material da Victoria Secret. Eu não sou orgulhosa deste último pensamento. Minha caixa de repente sacode e um alto som de assobio perfura o ar. Eu já ouvi esse som em algum lugar, eu só não consigo lembrar. Por vários minutos, nada acontece. Eu continuo a acariciar o ovo, tranquilizando o que estiver dentro de que tudo vai ficar bem. Mesmo que eu não tenho certeza disso.


Quando a minha caixa sacode de novo, eu grito pela segunda vez. Minhas mãos voam para fora e eu empurro contra as paredes ao meu lado. Eu fecho meus olhos e respiro pelo nariz. Depois a caixa, eu, e meu ovo começa a balançar. Não é muito, mas a sensação é inegável. "Está tudo bem, está tudo bem, está tudo bem." Repito isso como um mantra enquanto a caixa continua a balançar para os lados. A caixa dar solavancos até parar. Eu sinto que algo vai acontecer, então eu coloco meu ovo de volta na nova bolsa. Então eu olho em volta, esperando. A frente da minha caixa desliza aberta e luz me cega. Eu pisco várias vezes, meus braços protegendo meu rosto. Quando eu abaixo eles, vejo dezenas de pessoas vestindo o que parece ser uma bata marrom e botas, todos de pé em uma área como uma floresta. Olhando para baixo, eu percebo que eu estou usando a mesma coisa. Com a luz, eu sou capaz de olhar ao redor da caixa. Minha mochila desapareceu. Achei que estava, mas agora eu sei com certeza. A comida, a água, o dinheiro... a foto da minha família. Desaparecidos. Com medo que eu vou ficar presa para sempre dentro desta caixa, eu pego a bolsa de veludo e me mexo para fora. Quando eu me viro, eu suspiro. Dois enormes caminhões de carga estão estacionados a vários metros de distância. Uma centena ou mais de caixas estão empilhadas nos caminhões, e alguém operando um guindaste está levantando cada um para fora do fundo e os colocando no chão. Os caminhões e as janelas do guindaste são coloridas, então eu não posso ver quem está dentro, mas eu indentifico dois homens abrindo cada caixa que o guindaste coloca no chão. Eles estão vestindo camisas de colarinho verde e calça jeans e parece que eles poderiam viver em um subúrbio nos arredores de Boston. Um homem é alto e magro, com queda de cabelo e orelhas enormes. O outro parece quase grávido com uma barriga saliente e membros como galho. Me viro em um círculo e vejo pessoas de todas as idades, raças e sexos rastejando para fora das caixas. Há uma mulher mais velha com o cabelo louro curto, que cruza os braços sobre o peito e faz uma carranca, e uma menina com uma expressão determinada, que não pode ter mais de doze anos. Eu detecto um homem que parece que nunca viu o interior de um ginásio e uma jovem mulher que poderia passar como uma preparadora


física. Onde quer que eu olhe, pessoas. Estes são concorrentes - Eu percebo. Mas eles estão nos tratando como animais. "Louco, né?" Eu giro ao redor e vejo um homem com o dobro da minha idade com a pele escura e enormes sobrancelhas. "O que está acontecendo?" pergunto a ele. Eu não pergunto por que ele está falando comigo; eu só quero que minhas perguntas sejam respondidas. "Você não sabe?" ele pergunta. "Não. Você sabe?" Ele faz uma cara como se ele tivesse simpática. "Eu não culpo seus pais por tentar esconder isso. Eu teria feito o mesmo pelos meus." Eu estou supondo que ele quer dizer os seus próprios filhos, mas tudo o que posso pensar é no que ele está insinuando. Que meus pais sabiam sobre isso e não me contaram. Eu decidi que é impossível. Eles não iriam fazer isso comigo; eles certamente não faria isso com Cody. Talvez eles sabiam que algo poderia acontecer. Por que outra razão o meu pai tentou queimar o aparelho? Mas eles não poderiam saber de... tudo. Percebo que a camisa marrom do homem tem a serpente de ouro bordado no bolso. Quando eu olho para baixo, eu percebo que o meu tem o mesmo. "Onde estamos?" pergunto a ele. Ele acena um braço por trás dele. "A linha de partida." Eu realmente estudo a área pela primeira vez. Árvores elevam-se acima, crescendo tão próximos que suas folhas criar uma cobertura espessa. Quando os dois homens me deixaram sair da minha caixa (eu realmente disse isso?), parecia haver tanta luz. Mas agora não parece desse jeito em tudo. Embora há luz suficiente para ver, tudo é convertido em sombras. Um pesado nevoeiro passa acima das árvores, não ajudando no assunto. Até o ar parece diferente, como se o oxigênio é mais abundante aqui, mas também de alguma forma, mais grosso.


A única coisa que me choca mais é as plantas. Eles estão por toda parte, em todas as formas e cores imagináveis.Eu tenho dificuldade em encontrar um local que não é coberto por trepadeiras compridas e enroladas ou gordas palmas de folhas. A floresta é totalmente acarpetada na cor verde - uma tela de vida. Eu inspiro o rico aroma de terra e vegetação. A voz da mulher dentro do aparelho branco disse que iríamos competir em quatro ecossistemas. Lembrando disso, de repente eu percebo que isso não é uma mera floresta - é uma selva. "Nós estamos em uma selva," eu digo ao homem das sobrancelhas. Mas ele já se foi. Me viro em um círculo e conto mais de uma centena de pessoas em batas marrons. Alguns têm pequenas bolsas, como a minha. Outros têm enormes bolsas, e alguns não tem nenhum. Os sem bolsas carregam os ovos em seus braços. Eu olho para a minha própria bolsa. Então eu prendo o único gancho sobre a minha cabeça e o penduro sobre um dos ombros. Metendo a mão dentro, eu esfrego o ovo e tentando muito duro em não me sentir claustrofóbica entre estas árvores. Muitas das pessoas ao meu redor parece bem com o que está acontecendo. Não eu. Todos os músculos do meu corpo dói de saudade pela minha casa. Desde que a corrida ainda nem começou, eu sinto que isso não augura nada de bom para a minha vantagem competitiva. Eu ouço um som de assobio que eu reconheço de dentro da caixa. Girando ao redor, eu percebo que é os freios de um caminhão clicando fora. Os dois homens estão subindo dentro do guindaste. Todas as caixas foram retiradas do fundos dos dois caminhões, e agora os veículos e o guindaste monstro estão rolando para longe de nós - indo para algum lugar que não seja aqui. Eu tenho que lutar contra o impulso de correr atrás deles, implorando por um bilhete para casa. Eu não nasci para isso, eu percebo. Eu deveria estar no meu quarto pintado à lavanda, me dando um creme facial de leite- e- abacate, lutando com meu cabelo em um Coque confuso, mas na moda. Meu cabelo, que esta completamente desaparecido agora. Os dois caminhões de carga se afastam e o guindaste segui no ritmo de um caracol. Eles estão nos deixando aqui. E se tudo isso é um experimento doente em que alguém em algum lugar sai rasgando as pessoas para longe de


suas casas e as soltando em situações precárias, sem esperança de sobrevivência? Como eu sei que a cura é real? E está todo mundo aqui competindo pela mesma coisa? Estamos todos totalmente suscetíveis, os alvos perfeitos para o golpe. Apenas balançar uma cura que ninguém sabe nada sobre e dizer: "Corra, macaco, corra!" A mulher do aparelho não começou a responder as perguntas que eu tenho, e eu estou supondo que nenhum outro concorrente sabe muito sobre esta corrida, também. No entanto, aqui estamos todos. Eu preciso deixar esse lugar. Agora. Eu empurro meu caminho passando um borrão de rostos e corro em direção aos caminhões em retirada. ―Espere,‖ eu grito. ―Espere!‖ os concorrentes se viram e me assistem com desgosto visivel, mas eu não me importo. Eu não posso ficar aqui com nada além de ir para, ―o premiado terá a cura." Estou a apenas alguns metros de distância dos caminhões na parte de trás quando uma comoção ondula através dos concorrentes. Eles estão todos se movendo, deslocando seu peso, e buscando suas bolsas. Quando detecto um punhado de pessoas perto de mim colocando os aparelhos brancos em seus ouvidos, eu percebo o que está acontecendo. Eu paro de correr e arfo. Não é difícil; é com o ar não quero nada mais do que encher meus pulmões. Esta é a selva, e aparentemente o seu objetivo é fazer tudo crescer. Eu destravo minha bolsa, empurrando meu ovo para o lado, até que eu sinto o suave plástico. Puxando meu aparelho, eu percebo que a luz está piscando. Isso zomba para eu tomar uma decisão: continuar perseguindo a minha única maneira de sair deste inferno, ou parar e ouvir. Pisca. Pisca. Pisca. Em torno de mim, mais de cem pessoas levantam os braços e pressionam os botões. Gostaria de saber qual é a mensagem. Voltando para os caminhões,


eu percebo que eles estão se movendo muito rapidamente. Eu ainda poderia pegar, mas eu teria que correr e eu teria que correr agora. Com os caminhões se puxando cada vez mais longe, os ruídos da selva se amplificam. Eu viro e enfrento a paisagem verdejante. No calor do meio-dia, eu vejo fora pássaros chamando um ao outro, e um longo, afiado, som brando. Eu posso ouvir a folhagem se esfregando, mesmo que não há um traço de vento. Um baixo, curto som roo-mp, roo-mp repete mais e mais, e de alguma forma, ao ouvir todas as diferentes melodias, um pequeno sorriso parte em meu rosto. Este lugar... é milagroso. Cody iria adorar. Atordoada, eu coloco o aparelho branco em meu ouvido. Eu aperto o botão vermelho piscando. Quando a mulher fala, ela soa quase animada. É estranho o ouvir a voz dela normalmente robótica tão animada. "Nós vamos esperar mais alguns segundos, enquanto todos sintonizam," diz ela. Gostaria de saber a quanto tempo ela está dizendo isso, e como ela poderia saber que todo mundo está sintonizado. Deve haver algum tipo de capacidade de rastreamento incorporado no aparelho. Olhando por cima do meu ombro, eu noto que eu ainda posso ver ainda os caminhões. Eu ainda poderia sair. "Tudo bem, eu acho que isso é tempo suficiente." Isso foi só alguns segundos? Eu preciso que ela espere. Eu preciso de mais tempo para decidir. Meu pulso acelera e gotas de suor correm através de meus braços. "Se você está ouvindo esta mensagem, então você concluiu com sucesso o processo de seleção Pandora. Isso também significa que você está agora na linha de partida oficial." Ao meu redor, concorrentes gritam de excitação. Sério? Eles estão prestes a mergulhar em uma selvagem selva, e isso lhe traz felicidade? Mais uma vez, eu percebo o quão fora da minha liga eu estou. Eu nem sequer tenho uma muda de roupa, pelo amor de Deus.


"Como você pode ter percebido, você está nos arredores de uma floresta tropical. Esta será a parte da selva do curso. Você terá duas semanas para chegar ao acampamento base da selva. Você vai encontrar este acampamento base, seguindo o caminho das bandeiras azuis." Os concorrentes olham em volta, procurando imediatamente a primeira bandeira azul. Quanto a mim, estou assistindo as luzes traseiras dos caminhões e tendo um enfarte maciço. "Se você for o primeiro a encontrar uma bandeira azul, você pode removê-lo, mas você não pode remover a estaca que está anexado. Se o fizer, irá resultar em desqualificação imediata.” Eu me pergunto por que alguém iria querer remover a bandeira para começar. Ninguém parece preocupado com isso. "Embora a cura será atribuído a um único vencedor no final do último ecossistema, vamos conceder um prêmio menor para cada etapa da corrida. O prêmio para a parte de selva será monetário." A mulher faz uma pausa dramática. "Eu gostaria de recebê-los oficialmente ao Brimstone Bleed. Que o mais bravo concorrente ganhe." É isso? Isso é tudo o que ela vai dizer? Porque soa sério como se ela estivesse encerrando. Então, por que não estou correndo atrás dos caminhões? Por que não estou correndo atrás do meu único caminho para sair desta selva como se minha vida dependesse disso? Eu sei a resposta - porque eu não fiz. Cody faria isso por mim. Eu sou a sua única esperança. Eu tenho que acreditar que a cura existe. Minha única outra opção é voltar para casa e ver meu irmão morrer. Se eu pudesse voltar para casa. Eu olho em volta freneticamente, procurando alguém para me dizer o que fazer. Os concorrentes formaram uma longa linha, o tipo que você ver no inicio de uma maratona. A poucos metros abaixo de onde eu estou- eu vejo ele. Minha garganta aperta quando percebo que seus frios olhos azuis estão trancados em mim. É o cara do Processo de Seleção Pandora. O com aparência de serial Killer- o cara que eu pensei que ia me dar um soco nos rins. Ele olha em minha direção como se podesse aproveitar esta oportunidade para terminar o que nunca começou. Eu levanto minha mão em uma pequena onda, esperando que diga algo como: Ver? Olha como eu sou amigável!


Ele levanta sua mão enorme. Por um momento, eu me ilumino. Acho que talvez - embora pareça que ele odeia todas as fibras do meu ser - ele vai acenar de volta. Mais ele não faz. Ele segura dois dedos- seu indicador e o do meiocoloca sob seus olhos, e então aponta para frente de nós. Oh ele não fez. Eu acho que ele basicamente apenas disse para eu prestar atenção.Eu estava no processo disso quando a voz da mulher soo no meu ouvido. Vá!‖


Capitulo Oito Parece uma corrida em pânico. Os concorrentes correm rápidos e duros, e o som me faz sentir bêbada com energia. Se eu não começar a correr, eu vou ser pisoteada. Alguém me empurra por trás e eu quase caiu. Eu não preciso de mais um empurrão. Eu corro. Eu esqueço todo o medo que eu agarrei, e eu corro. Respiração corre dentro e fora de meus pulmões e minhas pernas queimam debaixo de mim. Eu não tenho idéia para onde estou indo, e eu tenho certeza que ninguém sabe, também. Em algum lugar por aqui esta uma bandeira azul, e eu preciso encontrar. A mulher disse que as bandeiras levariam ao acampamento base e que temos duas semanas para chegar lá. Acampamento base soa bem, como se poderia ter comida quente e camas macias. Então eu corro em direção ao que eu imagino que poderia ser a direção - para frente. Parece que muitos outros tiveram a mesma idéia. Alguns correm ao meu lado, mas a maioria correu antes de mim. Eu não me preocupo com a recuperação. Ainda não. Eu apenas continuo com a mão em minha bolsa, garantindo que o ovo não fique ferido por bater contra a minha coxa. Isso ajuda se eu imagino que eu estou correndo por nós dois. Eu imagino que agora que eu sou a protetora da minha Pandora e talvez se eu fizer bem, algum dia em breve as mesas vão virar. Depois de vários minutos, os concorrentes começam a ir devagar. Eu começo a sentir o meu primeiro choque de confiança quando eu passo uma pessoa atrás da outra. Ninguém jamais me acusou de ser uma atleta. Eu sempre fui a garota que prefere torcer do lado de fora do que participar de algo que a faria suar. Eu não sou uma estrela de futebol ou uma campeã de vôlei ou alguém que sabe o seu caminho em torno de uma quadra de basquete.


Mas eu posso correr como o vento. Eu uso cada pedacinho de velocidade que eu tenho para uma ganhar uma única vantagem que eu posso nunca obter. Não é muito longo, há apenas algumas pessoas que ficaram na minha frente. Eu me empurro mais duro, achatando as minhas mãos e cortando o ar. Eu passo mais algumas pessoas, saltando sobre troncos mortos e a mais ampla variedade de plantas que eu já vi. Grandes folhas roçam nos meus tornozelos e os menores beijam meu rosto. Eu me pergunto se as criaturas chamam a selva de lar e quantos deles descansam sob as mesmas plantas que estou pisando. Há tantas coisas para se estar com medo nesta selva, mas enquanto eu corro, meu sangue bombeia duro em minhas veias - Eu não sinto medo. Eu corro o que se parece como duas horas antes de abrandar, mesmo que eu sei que só pode ter sido alguns minutos. O suor escorre pelo meu rosto e escorre para a minha bata marrom, deixando marcas escuras em seu rastro. Rude. Eu espero que haja roupa em qualquer acampamento base que é suposto nós encontrarmos. Eu jogo minhas mãos atrás da minha cabeça e tento andar em um ponto em meu lado. Eu não tenho certeza se isso realmente ajuda, mas eu já vi corredores fazer isso, então ei. Quando eu olho em volta, vejo apenas dois concorrentes. Eles estão bastante longe de onde eu abrandei. Por um momento, estou emocionada. Deixei a maioria deles para trás, e pela primeira vez, eu sinto como se posso realmente ter uma chance. Eu posso ser pequena, mas eu sou rápida. E isso é uma corrida, afinal de contas. Mas quando ambos desaparecem na folhagem, um raio de pânico dispara acima em minhas pernas. Estou sozinha. Eu penso sobre a última pessoa correndo que eu vi. Não há nenhuma razão que não podemos viajar juntos por duas semanas, em seguida correr para a linha de chegada na última hora, certo? Eu corro minhas mãos sobre meu cabelo recém cortado e caio de joelhos. Mesmo se um dos outros concorrentes se comprometer a procurar o acampamento base comigo, eu poderia até achar um companheiro neste momento? Melhor aposta é que eu vou correr atrás deles e acabar ficando perdida. Eu decido ficar aposta, mas a


razão é que se eu vê outro concorrente em breve, eu vou correr minha idéia de equipe sobre eles. Negocio? Negocio. Oh Jesus. Eu já estou falando sozinha. Ou pensando comigo mesma como se existissem duas de mim. Isso é a mesma coisa? Não tenho certeza. Mas eu sei que eu tenho estado sozinha por dois minutos e eu já estou perdendo minha mente. Eu deslizo dos meus joelhos para o meu bumbum e aninho o ovo no meu colo. Tenho que pensar. Se eu tenho que ir para um acampamento base, onde eu estaria? Eu só posso imaginar que estamos em um dos lados dessa selva, do outro. Então nós teríamos que atravessar a selva a fim de chegar lá. Isso é exatamente o que eles querem. Arrastar os concorrentes pelo pior da selva - o meio. Eu não sei quem são "eles", mas eu sinto que estou no caminho certo. Se o acampamento é do outro lado da floresta, então eu posso tão facilmente chegar lá, indo ao redor da selva, passando por ele. A caminhada pode ser mais longa, mas não vou encontrar tantos obstáculos que ficam no perímetro. Pelo menos, eu acho. Não, isso soa bem. E é. Caramba! Eu tenho um plano! Limpando o suor da minha testa, eu me levanto. Santa Mãe de Deus, está quente aqui em cima. Não é um calor sufocante. Na verdade é provavelmente menos do que noventa graus. Mas parece que um calor úmido, o tipo que faz você suar só de respirar. Nada disso importa, no entanto, porque eu tenho uma idéia de como chegar ao acampamento base que não envolve eu ser morta. A cada poucos minutos, eu tenho que rir do que estou planejando. Porque eu costumava sentar em nosso sofá floral amarelo e azul, comendo queijo e biscoitos e rindo de quem participava do programa I survived em que as pessoas tiravam férias na selva e acabavam lutando contra animais selvagens. "Idiotas." eu diria, mastigando outro biscoito. "Quem coloca as malditas vacas na selva?" E agora aqui estou eu. Algumas pessoas dizem que a vida não tem senso de humor. Por favor.


Alguma coisa estala e eu congelo. Poucos metros à frente, eu juro que eu vi um homem. Parece que ele está usando uma pintura facial e se esforçando para permanecer escondido. Um segundo raio de medo explode na minha espinha. Eu olho em volta para ver se há outros, e quando eu olho de volta, ele se foi. Ou ele nunca esteve lá para começar. O que provavelmente é mais suscetível. Meia hora nessa corrida e eu já estou alucinando coisas. Eu recoloco minha bolsa sobre meu peito, repetindo que não há nenhum homem estranho, e caminho em direção à minha direita. Antes, eu corri para frente. Mas agora que eu tenho um plano, eu preciso cortar do outro lado da floresta e encontrar o perímetro. Eu não sei como eu vou saber quando eu tiver chegado nesse chamado perímetro, mas eu estou supondo que a folhagem será mais fina. É. Eu estou indo com isso. Enquanto eu marcho através da selva, elevando os joelhos altos para não tropeçar, eu começo a listar quantas coisas pode acabar com a minha vida. Se eu comer a coisa errada... morte. Se eu não encontrar água... morte. Se um tigre dente de sabre tropeçar em cima de mim com o estômago vazio... morte. Concedido, eu acho que os tigres de dentes de sabre, na verdade, não existem mais. Mas se o fizerem, eles vivem aqui. O som esta em todos os lugares. Alguns eu reconheço: pássaros chamando e insetos zumbindo. Outros, eu estou incerta. Tal como o farfalhar do solo faz quando algo está deslizando por baixo, e o grito estridente de um animal que não posso nomear. Mesmo as árvores parecem sussurrar conforme criaturas mergulham em suas folhas. O cheiro de terra enche meu nariz, e em todo lugar que eu olho, estoura cores repousando contra o verde. Há flores cor laranja madura em crescimento ao longo de uma fina videira em espiral. Outras flores são roxas e amarelas, e há um forte ramo de algo azul que é a forma de abacates. Eu quero tocar tudo e nada ao mesmo tempo. Eu ando cerca de um quilômetro antes do céu se abrir. Não há luz, sem trovão. Apenas chuva. Eu corro para me esconder, certa de que posso encontrar algo para usar como abrigo. Mas tudo o que eu acho que possa funcionar parece terrível para rastejar para baixo. Há uma grande planta que pode fazer o truque se não fosse adornada com agulhas negras. E outra que atira para cima e parece um guarda-chuva que estou certa que abrigos alguns assassinos ou outras coisas. Eu imagino que todos os tipos de insetos e


animais tiveram a mesma idéia que eu tive - procurar abrigo - e de repente eu percebo a chuva não é tão ruim. Não em comparação de qualquer maneira. Parece que há pouco crescimento verde perto da base de algumas árvores. Eu suspeito que tenha a ver com a falta de luz solar. Seja qual for a razão, eu agacho e me inclino contra um tronco de árvore, a pesada bolsa molhada em meus braços. Ainda chove torrencialmente, mas não é tão grosso aqui. Eu penso em continuar a andar enquanto chove, mas algo me diz que ficar seco é importante. Colocando os meus braços fora, eu reúno um pouco de chuva em minhas mãos em concha e mato minha sede. Sento parecendo horas. A chuva não cessa. Conforme tento o melhor que posso, para cobrir a minha bolsa com o meu corpo, o protegendo de ficar muito molhado. Já, que parece que o ovo e o aparelho são o meu bilhete para ganhar, e eu não posso arriscar ou deixar danificado. Quando eu não posso mais lidar com o tremor em meus braços - ou a ansiedade que ameaça me inundar - eu fecho meus olhos. E apesar de todas as probabilidades, eu adormeço.

Quando eu acordo, tudo está coberto de escuro. É um escuro como eu nunca tinha experimentado. Eu não posso ver o que tem cinco metros na frente de mim, mas eu posso ouvir o barulho da chuva e do cheiro espesso, aroma mofado que eu não reconheço. Minha cabeça começa a latejar. Eu não pensei sobre essa parte da corrida- a noite. Eu nunca gostei do escuro. Não enquanto uma criança, e agora não. E isso... isso é quase insuportável. Sangue pulsa em meus ouvidos, e eu empurro minhas mãos sobre eles para abafar o som do meu próprio coração batendo. Em questão de segundos, eu imaginei todos os piores cenários no caso. A maioria envolve ser comida por alguma coisa. Uma vez, quando ainda morava em Boston, minha mãe me levou para yoga quente. É yoga normal, mas para masoquistas. Nela, eles ensinam você a manter o controle de sua mente e corpo em situações desconfortáveis. Isso é


tão desconfortável conforme eu já tinha estado, então eu balanço minhas pernas debaixo de mim para se sentar de pernas cruzadas. Então eu coloco minhas mãos em meus joelhos e respiro. Dentro. Fora. Dentro. Fora. Algo me diz que isso não vai funcionar quando você está no meio de uma selva à meia-noite. Um grito estridente penetra a noite. Embora se pareça como se fosse um quilômetro de distância de onde estou sentada, eu imagino que é apenas alguns centímetros. Momentos depois, outro grito emana do lado oposto da selva. Os dois animais chamando um ao outro. Atrás e para frente. Atrás e para frente. Se eu estivesse assistindo isso na TV, eu iria achar isso inspirador. Mas aqui - sentada em minhas roupas úmidas no chão da floresta, cega para o que está ao meu redor - é tão esmagador, que me faz querer chorar. Eu escovo as lágrimas do meu rosto e penso em mamãe. Quando Cody e eu éramos pequenos, ela cantava para nós. Era uma ocasião especial, sua música. Ela só faria isso quando estávamos doentes. Não para uma dor de garganta ou um joelho machucado, mas para os tempos em que estávamos enfermos e mesmo que a sopa e chá quente e cobertores quentes não ajudavam. Eu não posso contar o número de vezes em que Cody ou fingimos uma doença esperando que minha mãe cantasse. Não há nada mais que eu possa pensar em fazer. Eu puxo meu ovo da minha bolsa e aninho em meu colo. Não há como dizer o que essa coisa mantém, e parte de mim tem medo de descobrir. Mas por enquanto eu tento esquecer isso e imaginar que é algo normal, como uma galinha. Eu desenho uma grande respiração. Eu não sou a melhor cantora do mundo, mas eu não sou a pior, também. E assim eu canto para a minha Pandora, bloqueando os sons da selva, esquecendo por que isso pode ser uma má idéia. Eu apenas corro a mão suavemente sobre a casca maçante - e eu canto. Como eu não posso ver de qualquer maneira, eu fecho meus olhos e imagino a minha família enquanto eu estou cantando. Eu me lembro da vez


em que meus pais trouxeram para casa um periquito azul, Cody e eu o soltamos seis dias depois. Eu quase riu quando eu penso sobre o rosto da minha melhor amiga de Boston, Hannah, quando eu disse a ela que eu amava o garoto gótico da aula de biologia. Eu levanto a minha Pandora para que meus lábios escovem em sua casca. Eu canto todas as músicas que eu me lembro das letras. E quando eu não posso cantar mais, eu deito no meu lado, mantendo meus braços firmemente em torno de meu ovo. Quando eu me sinto adormecendo mais uma vez, eu aninho minha cabeça contra o meu ovo e imagino como será maravilhoso quando minhas Pandora nascer. Como eu não vou estar mais sozinha. Eu não ligo como ele vai parecer. Ou o que ele vai fazer. Eu só quero que esteja aqui, agora. ―Boa noite, pequena Pandora,‖ eu digo. Depois abro os meus olhos e olhando diretamente para o liso, o ovo frágil, acrescento, "Boa noite, Madox."

Eu não dormir tanto conforme eu derivava dentro e fora da consciência. E quando o sol finalmente se arrasta através do dossel de folhas acima, eu risco como um trabalho bem feito. Eu consegui viver uma noite na selva. Quantas pessoas podem dizer isso? Minha Pandora está nos meus braços quando eu acordo. Eu esfrego as mãos sobre ele e estico as pernas. "Pronto para se mover, Madox?" eu pergunto. Eu não me sinto ridícula no mínimo, falando com o meu ovo. Eu comecei na minha cabeça que, se eu for boa com ele, então talvez ele vá sair mais rápido. Ou ela. Ou isso. Eu não julgo. Coloco Madox na minha bolsa, pensando que eu realmente gosto de seu nome. Madox. Eu não tenho


certeza de onde eu tirei. Algum filme ou programa de TV, sem dúvida. De qualquer forma, eu gosto da ideia de ele ter um nome real. Quero dizer, KD8 é legal e tudo, mas Madox soa menos como uma espécie alienígena. Correndo minha língua sobre os meus dentes, eu me encolho. O que eu não daria por uma escova de dentes e um chuveiro... e da virada do século um banheiro. Acontece que eu nunca apreciei devidamente a grandiosidade que é o papel higiênico. Da próxima vez que a minha mãe me pedir para pegar um pacote de jumbo na loja, eu vou manter minha cabeça erguida. "Eu acho que se nós só vamos parar uma vez para descansar," eu continuo, ―poderíamos fazer isso no perímetro da selva ao anoitecer." Eu não tenho idéia se isso é preciso, mas eu estou tentando fazer Madox se sentir melhor. Como se ele entendesse. "Quer que eu cante para você de novo?" faço uma pausa e imagino ele / ela / isso pulando em volta e balançando a cabeça. "Tudo bem, pronto. Acalme-se." Enquanto eu ando, eu começo a repetir todas as músicas da noite passada. Minhas roupas ainda estão encharcadas do banho de ontem, mas tenho certeza de que vai secar conforme eu me mover. É incrível como eu me sinto otimista esta manhã. Esta corrida dura apenas três meses, eu raciocino. Se eu posso fazer isso uma noite, eu posso fazer isso em duas. Etc, etc. Quando meu estômago ronca, eu não estou surpresa. A última coisa que eu comi foi um PB &J ontem de manhã. Quanto mais eu penso sobre isso, eu fico com mais fome, até que em algum momento, meu cérebro está batendo contra minhas têmporas. PB&J – tipo um sanduíche de geléia. Conforme eu ando de planta para planta - querendo saber qual vai me matar mais rápido se eu consumir – Eu escuto um abafado, som estalando. Durante as últimas 18 horas, eu ouvi mais sons coincidentes do que eu poderia ter pensado possível. Eles nunca param. Mas este é perto. Eu envolvo meu braço em torno de Madox, dizendo a ele mentalmente que tudo vai ficar bem. É incrível o quão rápido eu me tornei ligado a minha Pandora. Uma noite sozinha, e eu tenho mais medo de perdê-lo do que eu


morrer de fome. Mas eu acho que quem criou esta corrida sabia que isso é exatamente o que iria acontecer. Quando o som vem de novo, mais perto, eu puxo Madox para o meu peito e protejo-o com os dois braços. O ruído esta atrás de mim agora. Eu giro ao redor para enfrentar isso, tremendo tanto, meus dentes batem. Um grasnido afiado rasga direito acima da minha cabeça e eu olho para cima. Quando eu olho de volta para baixo uma enorme besta está olhando diretamente para mim, a fome atacando em seus olhos amarelos. Ele abaixa a cabeça, tocando o nariz rosa no chão. Um rosnado baixo constrói em sua garganta. O animal perseguiu de mais perto, olhos fechados no meu rosto. Eu tento ficar totalmente imóvel, mas eu estou a hiperventilar e isso me faz eu me abraçar junta extremamente difícil. Enquanto o animal se move, seus ombros sobem e descem como ondas em um oceano. Permito-me a acreditar uma fração de segundo que é apenas curiosidade. Ele vai ver que eu não sou uma ameaça, que eu vou dar em nenhuma perseguição, e vai cansar de mim e ir embora. Mas então o animal levanta a cabeça enorme e libera um rugido horripilante apenas o rei de uma de selva pode fazer.


Capitulo Nove O leão corre em direção a mim em um instante, e tudo o que posso pensar é como eu ouvi uma vez que os leões não vivem mais nas selvas. Hoje, eu vou morrer nas mãos de um equívoco. Minhas pernas tremem enquanto o animal se aproxima os músculos ondulando enquanto ele se move. Há muito pouco tempo para sonhar em fugir. Sem chance de reagir, correr pela minha vida. Eu fecho meus olhos e espero o impacto. Mas no último minuto, não posso deixar de espreitar. É o movimento errado. Meus olhos caem sobre a boca aberta do leão, nas sombras escuras emitidos pelos seus dentes de marfim. Eu engasgo com um grito enquanto leão salta. "M-4," ouço uma voz profunda rosnar. O leão aterrissa uma polegada de distância de mim e para congelado. Então ele se vira e olha por cima do seu ombro. A partir do bosque, o cara serial-killer anda a passos largos em direção a mim. Ele dá uma tapa na sua coxa uma vez. "Agora." As patas do leão andam em direção a ele e para perto da perna do rapaz, virando-se para manter os dois olhos amarelos brilhantes treinados em mim. Quando o cara chega mais perto, percebo que ele tem um corte cicatrizando através de sua sobrancelha direita e que a parte inferior da sua orelha esquerda está mutilada. Ele está usando a mesma bata marrom que eu estou, mas ele também tem duas tiras sobre o peito que se ligam sua bolsa em seus quadris. Quando eu vejo o que está nas suas bolsas, meu estômago ronca. Ambos estão transbordando com algum tipo de fruta, e eu até mesmo pego o cheiro de carne crua. Eu não tenho nenhuma idéia de onde ele encontrou alimento ou como ele sabia o que era seguro comer, mas eu estudo a possibilidade sobre ele e o leão para apenas saborear.


"O que você está fazendo aqui?" a voz do cara é tão acentuada como é áspera e ele avança em direção a mim quando ele fala. Um fator de intimidação, sem dúvida. Sua camisa puxa apertada contra o peito, e eu percebo o quão facilmente esse cara poderia me matar. Os músculos sobressaem sob o tecido, e as veias grossas percorrem seus esculpidos braços bronzeadas. Eu arranco meus olhos longe de seus ombros para encontrar seu olhar. "O que você quer dizer?" eu falo. "Estou na corrida, a mesma que você." O leão mexe suas laterais, lambe os beiços. "Que coisa é essa?" Eu deveria ter mais medo, mas eu ainda estou muito fraca de exaustão e fome por correr, e parece que esse cara tem uma alça sobre o animal. A resposta me bate quando eu percebo que ele não está carregando seu enorme ovo. Seu Pandora chocou. Meu cérebro gagueja tentando compreender isso, que um leão estava dentro de um ovo. Eu olho para o animal e admiro a possibilidade. Ele é maior do que eu imaginava que um leão seria na vida real. Por um breve momento, eu sinto inveja. O cara tem uma boa Pandora. Vergonha enche meu peito, e eu distraidamente traço o Madox ovo dentro da minha bolsa. Seus olhos percorrem o comprimento do meu corpo, e eu me lembro que a minha bata molhada ainda se apega à minha pele. Seu olhar finalmente pousa na pena em meu cabelo, e seus olhos apertam. Olhando para cima, ele aponta um dedo para mim. "Fique longe de mim." Eu pretendo fazer isso, mas quando o cara se vira para ir embota, vejo algo em uma de suas bolsas. É pano azul elétrico, e sei imediatamente o que é. Ele encontrou uma bandeira. "Espere." Lembro-me do acordo que fiz comigo mesma, que se eu encontrasse outro concorrente, eu sugeria procurar o acampamento base juntos. Este não é exatamente o tipo de pessoa que eu esperava fazer parceria, mas é melhor do que viajar sozinha. "Espere," eu repito, tropeçando atrás dele. "Talvez a gente possa, você sabe, ajudar um ao outro." O cara anda mais rápido, mas eu continuo a falar com suas costas largas. "Quero dizer, quando nos aproximamos, é cada pessoa por


si, mas enquanto isso, por que não ter companhia?" faço uma pausa, tentando pensar em quais são as habilidades que eu possuo. "Eu posso ser engraçada. Quero dizer, eu usei isso para fazer a minha melhor amiga, Hannah, rir tanto, que ela fez xixi. Eu posso entreter você enquanto caminhamos." O cara passa rapidamente a sua mão e o leão ao lado dele gira em torno de mim. Ele joga a cabeça para trás e ruge tão alto, que eu posso sentir isso em meus ossos. Eu vejo todos os dentes espessos em sua boca, e um raio de medo torce meu estômago. Eu levanto as minhas mãos lentamente. "Tudo bem." O cara se afasta e o leão trota para acompanhar o seu dono. Eu gostaria de gritar o quanto ele vai lamentar, quando minha Pandora chocar, ele vai bater em sua Pandora. Eu olho para a minha bolsa e cheiro o odor azedo. Está ficando cada vez mais forte, e me pergunto se Madox já se foi. Se ele nunca chocar, eu vou estar sozinha. E tanto quanto eu odeio admitir isso, eu temo o isolamento pior do que a própria selva. O cara tem comida, mas mais importante, ele tem uma bandeira. Talvez ele já conheça o caminho para o acampamento base. Ele certamente parece o tipo de cara que caminha através da selva para se divertir. Lembro-me de uma vez, na minha classe de Negócios Básicos em Ridgeline High, meu professor pegou este discurso retórico sobre pesquisa e desenvolvimento. Eu não me lembro os detalhes de seu discurso - eu estava mais preocupada com o texto que Hannah tinha me enviado sobre uma venda de jóias na Forever 21 - mas era algo sobre o McDonald ter opções de vendas todo esse tempo e recursos para encontrar um local absolutamente perfeito para uma nova loja. Eles acreditam que se eles compram o direito imobiliário, os hambúrgueres vão vender por eles mesmos. A parte injusta é que outras lanchonetes apenas assistiam para ver onde o McDonald colocava uma loja, depois eles estalavam uma loja nas proximidades e salvam uma batelada de dinheiro em tudo o que a pesquisa criticava. Na época, essa história parecia muito sombria; quero dizer, aquelas outras lojas pareciam imitadores, e isso é apenas coxo.


Mas agora eu estou aqui em uma selva no meio de Deus sabe onde, assistindo a um condenado e seu pesado leão através de plantas que parecem assustadores e tudo o que eu estou pensando é: O parceiro tem uma bandeira. Ele tem o direito imobiliário. Então, talvez tudo o que eu preciso fazer é seguir o seu rabo. E é isso o que eu faço.

Por um dia inteiro, eu sigo esse cara... e eu aprendo que eu não tenho nenhuma empresa concorrente nesta corrida. Não quando Boina Verde está aqui, farejando bagas que assumo são seguras para comer, ou ouvindo sons estranhos que eu não reconheço, ou encontrando lugares seguros para dormir que eu nunca teria visto. Para me dar crédito, eu acho que o cara não sabe que eu estou seguindo ele. Eu fiquei para trás e longe o suficiente para que o som da selva mascare os meus passos. Eu como o que ele come (que é Nojento com uma capital D), eu bebo dos córregos que ele para, e eu durmo quando ele dorme. A cada manhã, eu acordo com o som dele se movendo. Embora ele é quieto na maior parte do dia, na parte da manhã, ele é mais alto do que qualquer despertador que eu já possuí. Para a maior parte, seguindo ele está funcionando bem. O problema é que o cara não encontrou mais nenhuma bandeira, e eu estou começando a me perguntar se talvez encontrar a primeira foi um acaso. A noite cai rapidamente na selva, o que não é bom. Eu odeio a noite, o momento em que eu me sinto completamente só, apesar de Boina Verde fica a apenas alguns metros de distância. Além disso, fica mais frio durante a noite, e por alguma razão, minha pele está fazendo algo incomum que piora à noite. Sinto e parece mais fina que a bata marrom que toca o meu corpo, e uma erupção rosa cobre o meu peito e as minhas costas. Isso me assusta até o fim, mas eu não posso dizer qual é o problema. Eu acho que talvez eu sou alérgica a andar tanto.


Eu vejo o cara encontrar um lugar para descansar. Ontem à noite, ele dormiu nas árvores, o que eu acho descontroladamente perturbador. Mas hoje à noite, ele puxa algumas plantas acima aos punhados e coloca a casca e galhos no chão que ele limpou. Depois ele se cobre com as folhas mortas. Finalmente, depois que ele trabalha e fiscaliza o local por vários minutos, ele se senta. As patas do leão vão em direção a ele e se inclina para trás sobre as patas traseiras. O cara esfrega o leão sob o queixo, e um rico ronronar quente irrompe da garganta do animal. Uma pequena dor torce pelo meu peito. Eu faria quase tudo por esse tipo de companheirismo agora. Me fascina, vendo esse cara e seu Pandora. Eu ainda não superei o fato de que estamos nesta corrida e que temos esses animais para nos ajudar a passar. Pensando nos outros concorrentes, gostaria de saber se os seus Pandoras chocaram, também. Eu sou a única que sobrou com um ovo? Eu tento não pensar sobre isso enquanto eu assisto o cara se movimentar, encontrando uma posição confortável para dormir. Ele é extremamente alto bem quase 2 metros - e parece que cada centímetro do seu corpo está coberto de músculos. Eu conhecia caras como ele na escola. Aqueles que gastavam cada hora a partir que acordava puxando ferro para que pudessem olhar suas massas suadas no espelho. Eu queria saber sobre sua orelha desfigurada, ainda, e a cicatriz sobre o seu olho. E eu me pergunto sobre outras coisas também: a forma como ele circula suas camas improvisadas, como o leão ao lado dele, ou a maneira como ele esfrega o cotovelo esquerdo quando ele está pensando. E, bom Senhor, quantas vezes uma pessoa precisa estalar os dedos em um dia? Somente as articulações através de quatro dedos, porém, nunca o polegar. Estale o polegar caramba, penso cada vez que ele faz isso. Você está esquecendo o polegar! Assistir ele é o meu entretenimento por mais de 36 horas, uma distração de uma realização cruel - a minha Pandora talvez nunca choque. Às vezes, eu imagino que ele me vera na distância e dara boas-vindas a minha companhia, mas eu sei que não vai acontecer - não com isto.


A escuridão, da selva sombreado parte do dia se transformou em o tom negro da noite, então eu não vejo algum mal se aproximando. Ontem à noite, eu dormi tão longe quanto eu podia e ainda o mantive na minha linha de visão. Hoje à noite, eu não posso suportar ficar mais do que alguns metros de distância. Ele pode me escutar, mas com este manto de escuridão, ele nunca poderá me ver. Dobrando meus braços em torno de meus joelhos, eu fecho meus olhos. Dentro da minha cabeça, estou de volta na casa de Boston, sentada na frente da TV com uma bacia de pipoca. Meu pai está falando de futebol com Cody, e minha mãe está insistindo que nós vamos para a mesa... e para eu deixar a pipoca antes do jantar. Imagino nós sentando para bolo de carne do meu pai, o tipo com o molho vermelho. Cody vai fazer uma observação sobre Brad Carter sugando o rosto de uma nova garota, e eu vou socar ele no braço. Mamãe vai ficar brava. Papai vai rir. Antes que eu possa me parar, eu começo a cantarolar para Madox. É a melodia da minha mãe a música de cabeceira - a nossa música de doente. Eu cantarolo durante vários segundos até ouvir um estalo. Quando abro os olhos, vejo Boina Verde olhando em minha direção. Merda! Oh bem. Não é como se ele pudesse me ver. Está muito escuro. Mas então ele se levanta e chega mais perto. Prendo a respiração, desejando que ele olhe em outra direção. Ele levanta o queixo e se inclina para onde estou sentada. Balançando a cabeça, ele passa as mãos pelo seu cabelo escuro. Então ele solta um longo suspiro que diz em termos inequívocos, que ele está loucamente irritado. Eu não tenho certeza se ele esta chateado com sua cama feita de varas, ou se ele me viu. Eu tranco meus músculos no lugar e finjo que sou um toco sem vida. Nada a ver aqui, pessoal. Ele olha em minha direção por um longo tempo, então se vira para o seu Pandora. "M-4," diz ele. Sua voz me assusta. Ele não disse uma única palavra nos dois dias em que eu o segui. É realmente incrível, porque eu tenho um romance no valor de diálogo acumulado esperando na minha cabeça. Meus ouvidos se esforçam para descobrir o que está acontecendo, mas eu acho que eu escutei


ele bater no chão duas vezes. É tão escuro, eu me inclino para frente para tentar ver o que está acontecendo. Então uma fonte de luz encaminhar da boca do leão. O que -? Eu suspiro quando eu percebo. O leão respirava fogo. Minha pele vibra do que eu acabara de testemunhar. Talvez eu esteja alucinando? Mas mesmo a partir daqui, eu posso sentir o calor das chamas. Antes que eu possa compreender como o Pandora desse cara - M-4 – cria fogo, o cara embala suas duas bolsas, engancha em seu peito, e movimenta M-4 para segui-lo. Ele está deixando o seu acampamento, eu percebo. Ele está quase fora de vista quando eu vejo ele virar e olhar em minha direção. Seu rosto como pedra, seus olhos duros como ferro. Ele rouba um olhar em direção ao fogo, então se vira para ir embora. Por vários minutos, eu espero, observando o fogo. Estou com medo de que o fogo vá consumir tudo, mas não se espalhou. A madeira no ambiente esta muito úmida para pegar, eu acho. Tudo aqui esta sempre úmido, inclusive eu. Minhas roupas nunca secaram da chuva há dois dias. Eu lentamente perceber por que a erupção está se espalhando pela minha pele. Eu não tenho estado completamente seca em dias. O ar está muito abafado aqui, e não há quase nenhuma luz solar abaixo da sobrecarga do dossel de folhas. Quando chove, a umidade fica. Eu tenho medo, se eu não secar minhas roupas agora, eu nunca vou ter outra chance. Eu espero um pouco mais, então rastejo em direção ao fogo. Quando eu não vejo o cara ou a sua Pandora, me sento no palete de galhos e tiro minhas botas. Meus pés estão enrugados e inchados e cobertos de manchas vermelhas. A erupção se espalhou. Puxo a minha camisa e calças, e seco tudo pela chama dançante. Então eu enrolo em uma bola, puxado minha Pandora para o meu estômago, e eu durmo. Quando um pequeno ruído me acorda horas mais tarde, eu tento bloquear isso. Preciso dormir se eu vou sobreviver aqui. Mas um estalo estranho vem de novo, o que eu não posso ignorar. Ainda mais estranha é a sensação se arrastando em meu estômago vazio. Meus olhos se abrem e eu olho para baixo.


Minha Pandora - esta chocando.


Capítulo Dez Sento ereta e o ovo rola para longe de mim. Inclino-me para ele, congelo quando uma pequena pata preta sai da casa como se ansiasse por alguma coisa. Não posso evitar as lágrimas que ardem em meus olhos. Cobrindo minha boca assisto minha Pandora abrir caminho para fora de sua casca, pedaço por pedaço. Ele está vivo. Por todo esse tempo eu tive medo de que ele nunca fosse chocar, que o cheiro que saía do ovo fosse de decomposição. Mas está acontecendo. Ele está vivo. Minha Pandora, meu Madox, chuta para longe o último pedaço de ovo. Ele está coberto com uma gosma espessa e esverdeada, mas não parece se importar nem um pouco. Ele tropeça, suas quatro patas chutam o ar como se ele fosse uma tartaruga virada. Quando se endireita ele gira duas vezes, sua pequena língua rosada pendendo de sua boca. Estudo minha Pandora: seu pelo preto; suas quatro patas; suas orelhas pontudas e alertas. Quando seus olhos encontram os meus respiro bruscamente. Os olhos do Madox são brilhantemente verdes, tão brilhantes que parecem incandescer no meio da noite. Minha Pandora parece, em todos os sentidos, com um filhote de raposa. Quando Madox me vê ele dá dois passos bruscos para trás. ―Está tudo bem,‖ Digo a ele. Seus ouvidos pareceram se empertigar com o som da minha voz, mas ele parecia inseguro. ―Você é KD-8. Você é... minha Pandora.‖ Continuo esperando alguma porcaria sobrenatural acontece, tipo ele ganhar asas ou começar a falar. Mas não ouço nada. Fico de pé e a raposa se afasta ainda mais. É o suficiente para me fazer querer chorar. Esperei tanto para ele chegar e agora ele está com medo. Não o culpo. Eu me pergunto se ele sabe o que está acontecendo ou porque ele está aqui.


Quebrando a cabeça eu tento pensar em alguma coisa que faça ele saber que está seguro. Que eu quero muito que sejamos aliados. A única coisa em que consigo pensar é na minha mãe, então ao invés de falar com o Madox eu tento zumbir. Começo baixo e depois alto quando ele inclina a cabeça e escuta. Eu rio ao vê-lo com a cabeça virada, mas me contenho e continuo a zumbir. Eu decido tentar cantar. Em algumas notas, Madox endireita sua cabeça e seus olhos se arregalam. Sua boca se abre e, juro por Deus, ele sorri. Abrindo meus braços rezo por um milagre: que Madox e eu possamos pular os dias estanhos de convivência e ir direto para a amizade. A raposa preta dá um passo hesitante em minha direção. Eu persisto desejando que ele pudesse me entender. Não vou te machucar, penso. Ele dá mais dois passos, ele trota até mim até que eu possa passar minha mão sobre seu pelo molhado e pegajoso. É uma cena de um maldito filme da Disney. Menos a gosma verde. Consigo tirar a maior parte da gosma dele usando grandes folhas de palmeira. Ele ajuda no processo oferecendo lugares que ainda estão sujos. Quando ele rola, noto algo em sua pata direita. Com uma mão eu coço atrás de suas orelhas, com a outra eu levanto sua perna. Noto que há uma tatuagem na parte macia. Leem-se . Eles marcam suas Pandoras. Isso não é surpreendente; Imagino que eles querem manter o controle de seu inventário. Madox mexe a perna livre e dá um passo cauteloso em meu colo. ―Vamos.‖ Abro meus braços deixando meu colo livre. ―Está tudo bem.‖ Ele rasteja o caminho inteiro, gira quatro vezes e se deita. Meu coração incha enquanto eu olho para ele. Ele é minha Pandora e eu sou sua Contender. Não posso deixar de pensar em todas as coisas legais que ele poderia fazer. Mas, principalmente, estou feliz porque ele parece confiar em mim. Olho em volta e percebo que não tenho certeza para onde o cara e o M-4 foram. Eu sei que deveria me aventurar nos arbustos e procurar, mas estou muito cansada. Também não quero me mexer. Madox parece tão sereno dormindo em meu colo. Por um longo tempo eu o acaricio e canto. Ele


parece gostar do som da minha voz. Quando ele começa a dar chutes enquanto dorme tenho de morder o lábio para não rir. ―Tivemos um dia longo.‖ Sussurro para Madox. Então, inclino-me para trás, tomando cuidado para manter as pernas cruzadas e caio em um sono profundo. Sonho que estou correndo de um monstro. A criatura tem olhos amarelos e um arco pendurado no ombro direito. Em poucos minutos ele posiciona uma flecha em seu arco e mira na minha direção. Eu corro rápido, costurando entre árvores e pedras do tamanho de elefantes. Tudo está tão escuro; não consigo imaginar como ele consegue me enxergar. Mas ele consegue. Sinto uma flecha atingir minha pele e grito. Corro mais rápido, mas não é rápido o suficiente. Mais e mais, as flechas perfuram minha pele até parecer que há milhares me atingindo de uma vez. Caio de joelhos e rolo de um lado para o outro, tentando escapar da dor, mas nada ajuda. Quando finalmente acordo Madox está ganindo. Levanto para ver o que há de errado com minha Pandora, mas a agonia me cega. Minha pele está tão dolorida que parece que fui queimada viva. Quando olho para baixo vejo centenas de formigas vermelhas rastejando por cada centímetro de minha pele. Não são como as formigas de Boston. Essas idiotas são um quarto de seu comprimento e cada picada é suficiente para me deixar nauseada com a dor. Elas rastejam sobre meus braços, pernas e mãos, estão até mesmo em meu couro cabeludo. Tiro-as às pressas para poder ajudar minha Madox. Ainda há dezenas de formigas se arrastando por minha pele nua, mas tenho que ajudar minha Pandora. Madox se joga nas cinzas da fogueira da noite anterior e rola. Eu tiro aquelas que ele não consegue, em seguida tiro as que ainda estão em minha perna. Quando nos livramos dos insetos, saímos do nosso acampamento. Minha bolsa, aquela em que eu carregava Madox, está coberta de formigas. Pego o dispositivo dentro dela e a largo no chão, deixo-a lá. Minha Pandora se lambe choramingando. Coloco meu dispositivo no bolso, pego Madox e cambaleio para longe dali. Subitamente entendo porque o cara dorme nas árvores. Relembro as três noites que passei dormindo no chão, não posso acreditar que isso não tenha acontecido antes. Como pude ser tão estúpida?


As formigas, provavelmente, se sentiram como se tivessem ganhado um prêmio quando se depararam com uma garota quase nua e sua raposa.

Embora a sensação de ardor que se estende em minha pela seja quase insuportável, sei que tenho que pegar minhas roupas e minhas botas. Formigas rastejam sobre elas em filas organizadas. Ponho Madox no chão e levo quatro picadas quando as tiro e me visto. Como todos os insetos se foram, posso finalmente ver o estrago que fizeram. Olhando de relance para meus braços parece que tenho catapora. É nojeto, tenho certeza de que vou ter pesadelos com isso muito depois do fim da corrida. De um jeito estranho, isso me deixa louca também. Essas pequenas criaturinhas nos trataram como um lanche da manhã. Vejo um flash vermelho. Antes que eu possa me parar começo a pisar em todos os lugares, as formigas sendo esmagadas sob minhas botas grossas. Um grito selvagem escapa de minha garganta, soou mais como um animal do que como uma humana. Madox trota atrás de mim, lambendo duas ou três formigas de cada vez, mastigando-as.

Rindo, eu aponto para a boca de Madox. ―Isso aí. Coma essas malditas.‖ Então eu paro. ―Espere, Madox. Não. Não sei se isso vai machucar você.‖ Eu o seguro enquanto ele engole outra bocada de formigas, suas mandíbulas estão trincadas. ―Vamos embora,‖ Digo para minha raposa. ―Precisamos achar o cara que estávamos seguindo. Talvez você não goste da Pandora dele, mas ele sabe para onde vamos.‖

Depois de caminhar por alguns minutos com Madox andando sobre meus pés, eu ainda não consigo encontrar qualquer vestígio de um homem ou de um leão. De início fico arrasada, mas depois lembro que o segui por dois dias e ele não achou outra bandeira. Além disso, agora que tenho Madox não me sinto desesperada pela companhia de alguém. Enquanto Madox e eu caminhamos pela selva, noto que as plantas estão maiores. Há três dias elas chegavam em meus tornozelos. Mas agora elas roçam em meus joelhos, meus


quadris, e em áreas muito densas, meus ombros. Sinto que estou sendo engolida viva e percebo que, seguindo o cara, adentrei mais fundo na selva. Ele, obviamente, não estava seguindo o plano de perímetro.

Em algum momento eu paro e ouço. Ouço um som estridente. Não é um grasnido agudo como alguns pássaros fazem. Esse é mais baixo e longo. Madox inclina sua cabeça. Ele ouve isso também.

―O que é isso?‖ Madox circula em meus tornozelos e eu abaixo para coçar atrás de suas orelhas. ―Está tudo bem,‖ digo a ele. Mas o som está se aproximando, e agora está claro que o som não vem de um único animal, mas de muitos da mesma espécie.

Levanto-me esfregando as marcas rosadas em minha pele. Meus pulmões puxam lufadas rápidas do ar da selva e uma sensação fria floresce em meu estômago. Os barulhos estão tão altos agora que parecem estar saindo da minha cabeça. Madox late e recua. Antes que eu possa me alegrar com o fato de que minha Pandora está latindo pela primeira vez, os arbustos se abrem como uma cortina de veludo. Uma dúzia de chimpanzés se move em nossa direção, balançando de um lado para outro enquanto andam. O que está na frente, o maior deles, para subitamente. Ele não esperava me ver aqui. Rezo para que ele esteja surpreso o suficiente para se virar e fugir. Meu coração salta uma batida, depois outra, ele me estuda. Outro chimpanzé avança, ela tem um bebê em seus braços. A visão é assustadoramente humano. O grande chimpanzé na frente estende um braço para impedi-la de avançar. O gesto me surpreende; é muito parecido com o que meu pai faria para mim ou Cody. Não sei muito sobre macacos, mas sei que estou em desvantagem. Dou um pequeno passo para trás.


Percebo muito tarde que me mover é a pior coisa a fazer. O chimpanzé maior se põe de pé e bate com um único punho em seu peito. ele parece dizer. Talvez eu tenha mostrado submissão quando deveria ter sido agressiva, mas agora é tarde demais. Ele guincha alto e os chimpanzés atrás dele seguem seu exemplo. ―Corra, Madox!‖ Viro-me e corro, olhando para baixo para garantir que minha Pandora está ao meu lado. Ele é pequeno, mas é bom em encontrar espaços entre as folhas para atravessar, e assim ele mantém o ritmo. Meu sangue se tornou gelo em minhas veias. Rezo para que os chimpanzés tenham se contentado com minha fuga, mas rapidamente ouço o som inconfundível de perseguição. Eles gritam uns por cima dos outros, os que estão nas copas gritam em resposta, ansiosos para verem o que está acontecendo abaixo de si. Os chimpanzés estão ganhando de mim. É claro que estão. Eles viveram nessa floresta a vida inteira. Espinhos rasgam minhas roupas enquanto eu corro. Não faço ideia do que vão fazer se me alcançarem e estou chorando por isso. Enxugo as lágrimas e corro mais rápido. Madox ainda está aos meus pés quando a folhagem começa a rarear. As plantas que estavam na altura de minha coxa ficam mais finas e menores, não sei se isso vai ajudar. Eu preciso me mover mais rápido, mas também preciso da cobertura da selva. Fechando minhas mãos em punhos avanço mais rápido e por alguns segundos estou triunfante por ganhar uma vantagem sólida sobre os chimpanzés. O buraco negro vem do nada.

Em um momento, estou chicoteando entre árvores e videiras, no outro, estou me jogando para trás para não cair para a morte. Madox para a tempo e descansa perto de mim. O som dos chimpanzés está ficando mais alto novamente. Sei que não vai demorar muito para que me encontrem. Não posso correr para sempre. Mal consigo respirar e o medo torna difícil pensar. Olho para a enorme fenda, talvez tivesse doze metros de profundidade, e observo as videiras laterais. Se eu for cuidadosa, e se as videiras aguentarem meu peso, eu posso escalar para baixo e esperar os chimpanzés passarem. No


entanto, vou ter de ser rápida. Se eles me virem, vão me seguir. Tenho certeza disso. ―Vamos,‖ Sussurro segurando Madox em meus braços. Coloco a parte de baixo de minha blusa dentro de minhas calças, coloco Madox entre a blusa e meu peito. Então agarro a videira mais grossa que vejo, puxo-a duas vezes para garantir que vai segurar e piso para o lado. Meu cérebro grita que essa não é a alternativa que eu quero, que não há como saber o que está dentro dessa caverna. Mas não tenho escolha, então ponho esses pensamentos de lado e desço na escuridão. Para quem nunca escalou antes, acho que estou indo muito bem. Uso minhas pernas para equilibrar meu peso e testo com o pé antes de pisar. Estou na metade do caminho quando ouço os chimpanzés. Tenho que me apressar. Olhando para baixo noto que ainda há 3 metros antes de chegar ao chão. Em pânico, tento deslizar pela videira. Meu pé escorrega antes que eu possa recuperar o equilíbrio — Estou em queda livre. Minha respiração é roubada de meus pulmões quando atinjo o chão. Instantaneamente verifico Madox. Ele sai da camisa e quando percebo que está bem, descanso e me encolho contra a dor aguda na parte inferior de meu corpo. Sei que tenho que verificar se quebrei algum osso, mas agora tenho mais medo dos chimpanzés. Seguro Madox e o puxo para meu peito, pressiono minha cabeça em seu pelo úmido. Por favor, não deixe que nos achem. Rezo por alguns segundos antes de ter coragem e olhar para cima. O grito dos chimpanzés está vindo diretamente acima da caverna e eu sei que eles estão perigosamente perto da beira. Sugando meu lábio inferior, eu levanto a cabeça do corpo quente de Madox e olho para cima. Um chimpanzé olha para mim.

Começo a gritar, mas cubro a boca para me impedir. Meu corpo treme de medo e eu esqueço toda a dor que sinto em minhas costas e em minhas pernas. O chimpanzé levanta suas mãos e entrelaça seus dedos sobre sua testa como se estivesse preocupado. Um chamado agudo nas proximidades


chama sua atenção e ele olha para o lado. Ele olha para mim mais uma vez e então foge.


Capítulo ONZE Fico sem me mover por um longo tempo. Não consigo. Cada vez que considero me sentar, eu imagino estar ouvindo o barulho dos chimpanzés. Mas quando Madox começa a lamber meu rosto sei que tenho que continuar. Isso é uma corrida, não posso ficar aqui para sempre.

Enquanto me levanto, sinto uma umidade em minhas costas. Por um breve momento fico apavorada pensando que talvez seja sangue. Mas percebo que é apenas água. Madox sai correndo sob mim e bebe do córrego estreito. De repente percebo que estou extremamente com sede e antes que possa parar para pensar que tipos de coisas terríveis chamam esse córrego de lar, me ponho de joelhos e bebo. A água é fresca e não tem gosto de nada que eu tenha experimentado antes. Nunca tive água tão pura, intocada pelo homem. É mais do que o suficiente, fecho meus olhos contra a sensação eufórica de atender a uma necessidade humana tão básica. Há momentos na selva que eu não posso deixar de rir com a forma como minha vida mudou nesses últimos quatro dias. Beber de um córrego, no interior de uma caverna, é um desses momentos. Se ontem tivesse acontecido isso, eu teria sonhado com meus chinelos de estampa de leopardo e a manta de crochê da minha avó que eu tenho mantido na extremidade da minha cama desde sempre. Mas hoje, eu apenas olho para Madox bebendo água ao meu lado (na margem, graças à Deus) e sou grata por sua presença. Tive medo de que depois que ele chocasse — ele chocasse — fosse me abandonar. Mas até agora Madox tem sido fiel, e eu sido outra pontada de afeto por minha pequena Pandora. Usando a correnteza eu tomo banho como uma pioneira do Novo Mundo, jogando água sobre minha pele e meu cabelo. Então faço o melhor que posso para deixar meus dentes limpos esfregando-os com um dedo. Quando termino, inspeciono a caverna em busca de outros segredos escondidos que vão me ajudar a ganhar a corrida. Está escuro aqui, mais escuro que a


própria selva. Mas ainda posso ver o musgo que cresce ao longo da parte inferior da caverna, e agora que estou prestando atenção, posso ouvir o leve gorgolejar do rio. Principalmente, porém, há lama e pedras. Parece que esse é um bom lugar para dormir e ficar escondido de animais maiores, como os que eu escapei há menos de uma hora atrás. Mas, surpreendentemente, eu estou muito bem descansada, e eu sei que preciso me manter em movimento se eu quiser achar o acampamento base. Ponho Madox em minha blusa novamente, eu escalo a lateral da caverna. Subir é muito mais difícil do que descer, mas eu manejo depois de várias tentativas fracassadas. Antes de me arrastar pelo solo da floresta, eu espreito por cima da borda da caverna para garantir que os chimpanzés já se foram. Quando não os vejo minha respiração sai entrecortada. Então me apoio e fico de pé. Hoje, preciso encontrar uma bandeira. Passei meu primeiro dia na selva em pânico. Depois disso, passei dois dias seguindo o Boina Verde. Agora sou só eu e Madox. O quarto dia. Isso significa que eu tenho dez dias para alcançar o acampamento base. Não tenho certeza se há uma hora certa para chegarmos, então corto para nove dias para prevenir. As bandeiras serão difíceis de encontrar. Eu sei disso porque não vi nenhuma ainda. Mas não tenho certeza se alguma vez eu procurei tanto. Não até agora.

―Quer achar uma bandeira, Madox?‖ Minha Pandora late em resposta e me pergunto se talvez ele possa me entender depois de tudo. Estreito meus olhos e me ajoelho. ―Madox, rola.‖ Ele olha pra mim. Eu tento outra coisa. ―KD-8, rola.‖ Ele se senta sobre as patas traseiras e olha para longe, como se estivesse entediado com as besteiras que saem da minha boca. ―Tudo bem, acho que você não entende.‖ Digo. ―Nós ainda precisamos encontrar as bandeiras.‖ Em resumo, eu me pergunto por que o leão do cara louco parece entender inglês e o Madox não. Acho que apenas não é uma de suas capacidades. Nada demais.


Enquanto Madox e eu fazemos nosso caminho pela selva, meu estômago roncando, eu brinco com a incapacidade de minha Pandora me entender. ―Madox, escale uma árvore,‖ Digo. ―Madox, traga o almoço.‖ ―Madox, me faça massagem com pedras quentes e me traga um chá verde. Gelado, não quente.‖ Minha Pandora late toda vez que faço um pedido, como se ele estivesse fazendo parte da conversa. Na realidade, me pergunto se essa é sua maneira educada de me pedir para calar a boca. Quando o sol começa a se pôr — e eu ainda não vi uma bandeira azul — meu ânimo despenca. Eu tinha certeza que se eu me concentrasse em onde eu estava indo e usasse meu instinto como guia, eu acharia uma bandeira. Agora tenho que decidir se continuo procurando quando amanhecer ou retomar o plano de perímetro e ter esperança de encontrar o acampamento base, sem as bandeiras. Olhando para cima, me pergunto se posso fazer uma cama nas árvores como o cara fez. Meu palpite é que não, mas tenho que tentar. Giro em círculos, inspecionando as árvores, decidindo qual seria o melhor ponto de partida. Mas enquanto eu giro algo me chama a atenção. Ao longe, vejo um fulgor dançante. Eu instantaneamente reconheço o que é — fogo. E eu sei que a Pandora do maníaco provavelmente o criou. Garanto que Madox fique nas proximidades, eu rastejo em direção à onda de luz. Quando estou a poucos metros, começo a ouvir vozes. Não do tipo que preocupa os psicólogos, mas do tipo real. As que me dizem que isso não é apenas o Boina Verde e seu leão, mas outras pessoas. Brevemente me pergunto se vou ver o cara que vi na minha primeira tarde na selva, aquele cujo rosto parecia pintado. Então, novamente, não estou totalmente certa de que não era minha imaginação. Aproximo-me na esperança de poder olhar para eles enquanto estiver escondida. Madox parece sentir que estamos rondando, então ele me imita, ficando perto do chão e dando passos cuidadosos. As vozes ficam mais altas enquanto eu resolvo me esconder atrás de um tronco enorme. Respirando fundo, eu olho pela lateral. Três pessoas estão agachadas em torno de uma fogueira. Não há muita luz irradiando das chamas, mas dentro de uma selva escura é mais do que o suficiente. Estão todos usando um uniforme marrom com um único bolso —


e um enfeite de serpente — no peito. Alguns de seus bolsos se projetam, então só posso imaginar que eles estão armazenando seus dispositivos lá como eu estou. A primeira pessoa que noto é uma mulher, talvez com seus trinta e poucos anos. Ela tem as maçãs do rosto proeminentes e cabelos longos e pretos. Há pequenas linhas de expressão em torno de sua boca, e pelo jeito com que ela torce as mãos, dá para notar que está tão confortável com a selva quanto eu. Ao lado da mulher tem um menino. Ele tem o cabelo o cabelo grosso e cacheado, instantaneamente gosto dele. Eu sei o que é acordar com pesadelo todos os dias. Ele sorri facilmente com o que a mulher está dizendo, e noto que ele está desenhando algo no chão com uma vara longa. Sou péssima em tentar adivinhar idade de crianças, mas ele provavelmente deve ter uns oito anos. Tenho vontade de estrangular a última garota que vejo. Como a mulher, ela tem cabelos compridos. Mas ao invés de preto é loiro — não, cor de mel — e brilha como a de uma estrela da Brodway. Não consigo ver seus olhos daqui, mas tenho certeza de que são de um tom impressionantemente azul. Ela tem a pele cor de creme e um corpo que pertence a uma revista — do tipo para garotos, não garotas. Eu a odeio com todo o meu ser enquanto ela dá sua risada perfeita e joga seu cabelo perfeito, e quando cruza suas pernas perfeitas. Ela parece ter minha idade, ou talvez alguns anos a mais. Percebo que poderíamos ser amigas se eu não tivesse um enorme desejo de acabar com ela. Minhas pernas doem por ficarem tanto tempo flexionadas, quando levanto para aliviá-las a Cachinhos Dourados olha para cima. Congelo quando ela caminha em direção a mim e a Madox. A mulher começa a levantar também, mas a loira estende a mão para detê-la. Seus olhos se estreitam enquanto ela faz uma busca pela área. E então ela olha diretamente para mim. Olhos verdes, não azuis. A garota faz um movimento para que eu saia. ―Eu te vejo, Contendora. Identifique-se ou vou mandar minha Pandora atrás de você.‖ Inspecionando seu acampamento eu não vejo sua Pandora. Ou qualquer Pandora, aliás.


Saio como ela pediu. Pelo que posso dizer nenhum deles carrega armas, e eu tenho certeza de que posso fugir em caso de necessidade. Segurando Madox, eu saio de trás do tronco.

―Oi.‖ É tudo o que posso pensar em dizer. Cachinhos Dourados inclina sua cabeça para mim. ―Quem é você?‖ ―Meu nome é Tella Holloway,‖ Respondo. Ela parece estar à espera de alguma coisa, então acrescento, ―Sou uma Contendora.‖ Ela balança a cabeça como se isso fosse óbvio, mas está aliviada de me ouvir dizendo isso. Apontando para a pena acima do meu ombro ela diz, ―Belo enfeite de cabelo.‖ Sorrio cautelosamente enquanto ela se movimenta em direção ao fogo. ―Quer se juntar a nós?‖ Não posso impedir a pontada de entusiasmo em meu peito. Durante quatro dias eu não tinha ninguém para conversar, exceto uma raposa muda — Deus, eu amo ele. E agora essa garota — que estou odiando menos — está oferecendo sua companhia. ―Sim,‖ Eu digo, desço Madox e o coloco perto do fogo. ―Obrigada.‖ A garota senta-se em um tronco e me examina. ―Achou alguma bandeira?‖ ela pergunta arqueando suas sobrancelhas. Balanço minha cabeça. ―Não. E você?‖ Ela não respondeu, mas a queda de seus ombros me diz que não. ―Meu nome é Harper. Essa é Caroline,‖ diz ela sacudindo o dedo na direção da mulher. ―E esse é Dink,‖ ela acrescenta se referindo a criança. ―Oi.‖ Sento no chão e tento agir o menos estranho possível. ―É bom conhecer vocês, gente.‖ ―Quer comer alguma coisa?‖ Harper pergunta. Meu estômago ronca quando penso em comida. Quero ser autossuficiente para mostrar a essas pessoas que posso me virar sozinha. Mas aceno de


qualquer jeito e em seguida, assisto com os olhos arregalados Harper pegar um saco e tirar um pedaço de carne carbonizada envolta em uma folha de palmeira. ―Não coma a folha, apenas a carne.‖ Embora eu saiba que deveria ficar ofendida por ela pensar que eu iria comer a folha, estou feliz por ela esclarecer. Não pergunto o que estou comendo. Não quero saber. A carne é insípida, mas é tão boa de mastigar que não posso me conter. Enquanto eu como, me pergunto por que essa menina está sendo tão boa. Só pode haver um vencedor, então por que ela está me ajudando? Acho que descobri a resposta quando vi seu olhar sobre minha Pandora, que agora está deitado de costas, suas quatro pernas viradas para o céu. Ela quer saber do que ele é capaz, e isso me deixa ansiosa. Minha raposa ainda não tinha demonstrado nenhuma de suas habilidades. Talvez ela não tenha. ―Esse é Madox.‖ Cutuco minha Pandora com a bota e ele a morde. O rosto de Harper se abre. ―Você o nomeou?‖

―Bem, sim.‖ Tento não me sentir estranha. ―Seu nome era KD-8, eu acho.‖ ―Você não deveria fazer isso,‖ Harper diz. ―Por que não?‖ A voz de Caroline me surpreende. É calma e gentil, e tenho a sensação de que ela nunca a altera. ―Por que ela não pode nomear a Pandora dela?‖ Harper se altera. ―Não é certo. Eles estão aqui para nos ajudar a sobreviver. Não para serem nossas mascotes.‖ Caroline crispa seus lábios. Parece que ela não concorda, mas não quer esticar o problema. ―O que aconteceu com os olhos dele?‖ Harper pergunta de repente. ―Parecem estar distantes.‖ Olho para os olhos verdes elétricos de Madox. É uma coisa que eu achei que todas as Pandoras tinham — uma cor artificial nos olhos. Em vez de esperar uma resposta, Harper faz outra pergunta.


―Quando isso chocou?‖ ―Ontem à noite,‖ Digo. Em seguida, para enfatizar que sou minha própria pessoa, acrescento, ― chocou ontem à noite.‖ Harper pareceu confusa. ―Não cresceu muito, não é?‖ Olho para o filhote de raposa. Ele cresceu? Acho que não. Balançando minha cabeça, eu pergunto ―O seu cresceu?‖ Ela ri. É uma pequena explosão de som. ―Desde o segundo em que chocou não parou de crescer. Mas acho que acabou agora.‖ Ela olha para Madox. Posso dizer que ela acha que minha Pandora é um fracasso. É muito decente ela não ter expressado seu pensamento, mas um nó de medo torce meu estômago. Tem alguma coisa errada com Madox? ―Falando nisso, onde está minha Pandora?‖ Harper diz, interrompendo minha descida à histeria. ―Já deve estar voltando.‖ Ela fica de pé e põe seus dois dedos indicadores na boca. Em frente a ela, o menino – Dink – tampa os ouvidos. Segundos depois eu entendo por que. Um assobio agudo sai da boca de Harper. Madox salta, assustado. Eu o puxo para meus braços e espero pelo o que quer que seja que Harper tenha chamado apareça. Há alguns segundos de silêncio em que meus ouvidos zumbem. Então eu ouço um som sibilante. Algo pisca em minha linha de visão, e momentos depois, uma enorme ave pousa no braço estendido de Harper. Seu bico é um tom brilhante de amarelo e sua cabeça é mascarada em branco. O resto do corpo é de um marrom escuro. ―É uma águia americana,‖ Eu digo orgulhosa de mim mesma por saber. ―Isso mesmo.‖ Harper abaixa o braço e a águia pula para o chão. Está segurando algo em sua pata direita. Após uma olhada mais de perto, percebo que é um grande peixe. Harper aponta para a caça. ―Limpe-o para que possamos cozinhá-lo no fogo.‖ A águia solta o peixe e o abre com sua garra afiada. Em seguida, ele começa a arrancar as entranhas rosadas e carnudas com seu bico. Eu poderia estar com


nojo se não estivesse maravilhada por ver que a Pandora de Harper sabe como limpar alimentos. Não me admira que os outros viajem com ela. ―Qual é o nome dela?‖ Pergunto. ―RX-13.‖ Ela assente. ―Chocou menos de uma hora depois da corrida ter começado.‖ Harper estende a mão para Dink e ele lhe entrega a vara com que estava desenhando. Ela espeta o peixe e o segura sobre o fogo, sorrindo. ―Você deveria ver as coisas que ela consegue fazer.‖ É o fim da minha teoria de que a Pandora dela não teria apresentado qualquer capacidade. Quero perguntar-lhe o que exatamente RX-13 é capaz de fazer, mas prefiro não admitir que Madox ainda não demonstrou nada. Minha Pandora está lutando contra mim. Não tenho certeza se é para correr da águia ou se é para vê-la de perto. Decido arriscar e colocá-lo no chão. Em algum momento eu teria de fazer isso. Assim que ele vai para o chão ele corre na direção da grande ave e late. Não posso deixar de me perguntar por que M-4 e RX-13 entendem seus Contendores, mas Madox não me entende. Recuso-me a acreditar que tem algo errado com minha Pandora. Mesmo se tivesse eu não me importaria. Ele é meu, e nunca vou lamentar por ser a única que o tem.

Vejo minha Pandora tentar fazer amizade com o pássaro. Ele late e se abaixa em suas patas traseiras, pedindo para brincar. Em resposta, RX-13 arrasta uma de suas asas e o derruba. Madox guincha e corre em minha direção. O pássaro o persegue — ora voando, ora pulando — e agarra sua calda. Uma enorme necessidade de proteger minha Pandora me invade e eu seguro Madox enquanto olho fixamente para a águia. Harper parece não perceber o que aconteceu. Ela está muito ocupada cozinhando o peixe. Madox coloca sua cabeça em meu ombro e eu fico de olho em RX-13, que parece que gostaria de limpá-lo também. Quando percebo que Dink está de olho em Madox, eu digo, ―Quer segurá-lo?‖. O menino olha para Caroline, quando ela acena ele repete o gesto. Rodeio o fogo me perguntando como conseguiram fazer isso com aquela madeira


úmida e coloco Madox em seus braços. A raposa preta lambe o queixo do menino e ele ri. Pensando que deveria dizer algo a Caroline, eu pergunto, ―Ele é seu?‖ Uma expressão estranha passa por seu rosto, mas desaparece rapidamente. Ela me oferece um sorriso caloroso. ―Não, estamos apenas viajando juntos.‖ Giro para trás em meus calcanhares e sinto o cheiro do peixe cozido. ―Sua Pandora está caçando também?‖ Pergunto tentando manter a conversa. Caroline olha para Dink e depois balança a cabeça. ―Perdemos nossas Pandoras muito cedo. A minha morreu depois de um dia e a dele nunca chocou. Não é verdade, Dink?‖ O menino acena com a cabeça e continua brincando com Madox. Gostaria de saber se seu nome realmente é Dink. Talvez ele tenha dado a si mesmo uma nova identidade no início da corrida. Parece algo que uma criança com oito anos faria. A mulher no dispositivo nunca mencionou se tivéssemos que cruzar nossa linha de chegada com nossas Pandoras vivas, então eu acho que não temos. Mas eu não posso me imaginar fazendo isso sem Madox. ―Então todos vocês viajam juntos?‖ Caroline dá de ombros. ―Até chegarmos perto do fim.‖ Sorrio. ―Eu pensei em fazer isso. Encontrar outros e fazer parceria ao longo do caminho.‖ ―E você fez.‖ Harper diz atrás de mim. Sua voz está provocando e ela sorri quando olho para ela. Então ela volta sua atenção para o peixe. Puxando-o das chamas, ela coloca sobre uma rocha plana e instrui RX-13 a cortá-lo em seis pedaços. Estou querendo saber por que precisamos de seis quando mais duas pessoas aparecem dos arbustos.


CAPÍTULO DOZE Os dois meninos parecem como cópias um do outro, os dois estão no lado mais curto, apenas alguns centímetros acima, e tem orelhas grandes e cabelo vermelho. Eu olhei para Dink usando-o como referência, em seguida, decidi que esses meninos devem ter cerca de 13 anos de idade, um carrega uma lança na mão, e o outro está segurando algo acima de sua cabeça e acenando ao redor, há um suspiro coletivo do grupo quando percebemos o que ele tem: a bandeira azul brilhante. "Eu encontrei-a", o menino segurando a bandeira chorou, e o gêmeo próximo a ele enfia uma cotovelada em seu lado. "Nós descobrimos isso." ―Tanto faz. É a mesma coisa." Harper atravessa o acampamento em um flash e estende a mão. O menino coloca-a na palma da mão em arcos e simula como se ela fosse sua rainha. "Onde você encontrou isso? ", Ela pede. ―Não muito longe daqui", diz ele . "Nós podemos mostrar a você." Harper vira e inspeciona a bandeira à luz do fogo. Eu posso ver mais claro desta maneira, e eu noto a bandeira não é realmente a forma de uma bandeira em tudo. É mais uma tira longa e estreita de pano. Harper sorri e envolve em torno de sua mão, então ela desembrulha-a e entrega-a de volta para os meninos. "Mostre-me amanhã ", diz ela . " Hoje à noite, dormimos." "Podemos usá-la, certo?" Um dos rapazes pede a Harper. "Dividir ", ela responde. Eu não sei o que eles estão falando, até que eu vejo eles rasgando-a no sentido do comprimento da tela. Cada um pega um pedaço da bandeira azul e amarra-a em torno de seus braços, em seguida, eles dançam em volta da fogueira. Então é por isso que as pessoas removem as bandeiras? Para usá-las como troféus? "Você viu mais alguém vestindo as bandeiras? " Eu peço .


Os meninos param de dançar e olham para mim. " Quem é esta? " Eles pedem juntos. ― O nome dela é Tella " Harper responde por mim. "Ela é uma Contender, ela quer viajar com a gente." Embora eu nunca realmente dissesse isso, ela está certa, eu prefiro estar com um grupo do que ir para esta corrida sozinha. "Prazer em conhecê-los." "Você não nos encontrou", diz um . ― Ainda não", os outros gritam. "Eu sou Levi, " o menino com a lança anuncia. Ele dá uma cotovelada em seu gêmeo. "E este é o meu irmão, Dick ". "Sim, meu nome não é Dick. É Ransom ". Eu rio e os meninos parecem satisfeitos. ― Quer conhecer as nossas Pandoras ? " Ransom pede. Embora eu não tenha certeza de que posso lidar com todos os animais mais estranhos hoje à noite, eu digo : "Claro, traga-os adiante." " Sim! Sim !" Levi enfia sua lança para o ar, enquanto Ransom anda para a borda da mata e chama. Não é muito antes de as vinhas farfalharem e duas Pandoras passeiam em direção a nós, uma após a outra, a primeira é o maior guaxinim que eu já vi, seus olhos são revestidos em preto, e sua cauda é listrada em preto e branco, o resto da sua pele é cinza. Os bigodes se contorcem como se apressa em direção a Ransom. "Este é DN- 99 " , diz Ransom, curvando-se para passar a mão sobre as costas do guaxinim. "Ele é legal Tella ". Atrás do guaxinim está um animal muito maior, ele é construído como um enorme veado, mas tem grandes chifres, ondulando acima de seus olhos, um carneiro, eu percebi. Levi deu um passo à frente. "E este é G-6. E ele é mais frio do que DN - 99." "Você deseja", diz Ransom.


―Onde está a sua Pandora?" Levi me pede. Quase como se as outras Pandoras estivessem respondendo à pergunta, eles movem-se em direção a Madox, o guaxinim, DN -99, chega-se nas pernas de Dink e fareja Madox, o carneiro paira sobre todos eles e pressiona o focinho mais perto, eu estou esperando que essas Pandoras são melhores do que RX - 13. No caso, de eles não serem, eu começo a ficar de pé. " Ainda é um bebê?" Levi pede. " Já falamos sobre isso já." O tom de Harper diz para não trazer tudo de novo, e eu estou grata que ela terminou o assunto. " Posso colocá-lo para baixo?" Dink me pede, é a primeira vez que ele fala. Sua voz é mais áspera do que eu tinha imaginado. "Eu não tenho certeza. Eu não sei se pode." Antes que eu possa terminar de falar, o guaxinim belisca Madox, a raposa luta, em seguida, cai dos braços de Dink , assim que minha Pandora atinge o chão, ele corre em direção a mim, mas antes que ele possa chegar lá, o guaxinim morde -lhe com força na parte traseira, não querendo perder o assédio moral, G-6 tenta bater a raposa com seu chifre, ouço Dink gritando quando eu chego a minha raposa e pego ela, atrevo-me a estes animais que passam por mim. "Está tudo bem ", eu digo a Dink , que está chorando agora. " Você não fez nada de errado ". Caroline puxa o menino perto, mas pára quando o carneiro eleva-se sobre as patas traseiras. " Oh merda," Levi grita. ― Espere um pouco." O carneiro bate seus chifres no chão e a terra treme abaixo de nós. É como se um pequeno terremoto rompesse na selva, árvores tremem, as folhas caem em um chuveiro, e o lugar onde ele bateu racha aberto e geme, eu tento segurar Madox, mas o chão não vai parar de balançar, minha Pandora cai de meus braços e sem sucesso o disco fica uma sujeira. De um lado do fogo é o aríete, por outro lado está o Guaxinim, Madox opta por correr em direção ao guaxinim, o carneiro corre atrás dele, e quando Madox fica dentro de poucos centímetros do guaxinim, pontas afiadas estouram de sua pele cinza e perfuram minha Pandora. "Não!" Eu grito quando escuto o ganido de Madox.


O resgate de Levi que dá ordens para as suas Pandoras pararem, imediatamente , eles fazem, mas, agora, a águia, RX -13 , está mergulhando das árvores, garras esticadas para Madox, eu chego lá em primeiro lugar, Madox puxa para cima do meu braço esquerdo e quando a águia chega perto o suficiente, eu balanço um gancho de direita e colido com o pássaro, ela bate no chão e desliza por vários metros, eu estou esperando por Harper para brigar comigo, mas ela não faz, seus olhos são grandes com aprovação. "Bom golpe." Estou tendo problemas para recuperar o fôlego, mas eu continuo a achar uma maneira de gritar. "Bom golpe? Isso é o que você tem a dizer? Por que sua Pandora tem a intenção de matar a minha? O que há de errado com eles? " Harper dá de ombros. " Nunca vi isso acontecer. " Eu olho para os gêmeos, e eles encolhem, também. Ransom puxa sua enorme orelha." Talvez eles cheiram algo sobre ele. " "Do que eles podiam sentir o cheiro ? " Eu peço. Sua testa franze. "Eu não sei. O que você fez hoje?" O que eu fiz hoje? Eu fui comida por formigas e atacada por King Kong, eu não respondo, em vez disso, eu vejo como a águia voa de volta para dentro das árvores, o carneiro e o guaxinim sossegam, olho para Madox, eu não vejo nenhum dano permanente, mas ele ainda choraminga no meu braço, eu não sei o que é normal com Pandoras, mas eu não posso viajar com essas pessoas, se eu estou constantemente preocupada com a sua segurança, como se Harper pudesse ler minha mente, ela aproxima-se e me oferece um pedaço de peixe. "Está tudo bem, nós vamos vê-los a partir de agora. " Ela se vira para os gêmeos. "Certo?" Eles balbuciar uma resposta, suspensa, e sentam-se de pernas cruzadas, eu não tenho certeza se acredito neles, mas estou feliz que Harper abordou o que aconteceu, tentando deixar para trás o medo que eu sentia por minha pequena raposa e mais uma vez lidar com o conhecimento de que estes animais têm poderes, eu estudo o peixe em minha palma, por um reluzente segundo, eu penso em engolir todo ele, mas então eu vejo Madox e sei que ele provavelmente precisa mais do que eu agora, eu prendo o peixe até o nariz e rio quando ele come diretamente em minha mão,


quando eu olho para cima, os gêmeos e Harper estão olhando para mim incrédulos. "O quê?", Digo. " Você viu o que aconteceu. " "Você é uma estranha, Tella", diz Levi. Eu inclino minha cabeça, enfio a língua em meu lábio inferior , e faço a minha careta com olhos para dentro. É a face mais horrenda que eu posso fazer. Eu sei, porque uma vez eu passei uma hora a praticar no espelho. Montana, não há muito o que fazer lá. Ransom aponta para o meu rosto. "Isso é terrível. " Eu rio e assim como todo o resto. Minha cara feia é bastante impressionante, mas não o suficiente para justificar esse tipo de reação, é a selva, eu decido, estamos desesperadas pela normalidade. Durante a hora seguinte, nós trocamos histórias e rimos até doer os nossos lados, falamos sobre a selva, e a bandeira que os gêmeos encontraram, e no estado terrível que a caixa estava, não discutimos a razão de estarmos aqui, eu acho que ele se sente pessoal, quando o fogo fica muito pequeno para ver bem , Harper fala. " Levi, Ransom , alimentem o fogo e depois vamos dormir. " Os gêmeos deixam e retornar momentos depois, com galhos e folhas secas, eles jogam no fogo e as chamas fazem as maiores faíscas, crepitantes como elas sobem, eu inspiro e saboreio o cheiro de cinzas, faz-me lembrar de quando estava em casa, de quando encontrei o meu equipamento que meu pai construiu morrendo no fogo, parece que foi há uma eternidade . " Nós nos revezamos cuidando," Harper diz-me." Por causa dos animais, insetos e tal. Eu vou primeiro, e depois os gêmeos, então você e finalmente, Caroline e Dink tomam o último turno, graças a você, nós vamos começar a dormir mais um pouco esta noite. " Harper passa claro um ponto no e propostas de me meter lá. "Obrigada," eu murmuro. Harper é a líder óbvia desse grupo, eu me pergunto se ela gosta da posição ou se ressente disso, eu não posso ter uma sólida leitura sobre ela, puxando Madox perto, eu deito no chão e assisto Caroline dobrar e desdobrar suas mãos, eu escuto como a respiração de Dink torna-se profunda e constante, e eu fecho os olhos para dormir,


quando Ransom me acorda horas depois, a primeira coisa que faço é olhar para Madox, ele está lá , dormindo ao longo do meu braço , com a cabeça deitada em meu pulso. " É a sua vez", sussurra ele. Atrás dele, Levi já está estabelecendo-se ao longo do chão . "Você pode ficar acordada?" "Sim", eu disse rapidamente, eu quero que essas pessoas acreditem que eu estou mais do que disposta a fazer a minha parte, puxando-me para cima, eu respiro o cheiro de solo úmido e aliso meu cabelo, ele ainda me choca a sentir-se tão pouco dele lá, Ransom se deita perto de seu irmão, e em alguns momentos depois, eu ouço os gêmeos roncarem, eu me sinto sozinha novamente, eu sei que eu poderia acordar qualquer um deles, se eu precisasse, mas de alguma forma , não é o suficiente, quando eu estava sozinha na selva, eu pensava constantemente em permanecer viva, mas agora que estou entre outros, é como se o peso de sobrevivência foi levantado e a solidão pela minha família preenche o seu lugar, eu corro meus dedos ao longo de minha pena e penso em mamãe, o que ela está fazendo agora, e se ela se pergunta onde eu estou. . . ou se ela sabe, eu olho para os contendores e observo seu sono com as Pandoras por perto, o carneiro e o guaxinim descansam alguns metros dos gêmeos, e a águia está perto de Harper, olhos fechados, eu estreito meus próprios olhos e percebo que a mão de Harper está descansando sobre os pés do RX- 13, um sorriso encontra o seu caminho para os meus lábios, de repente eu me pergunto se Harper exagera na sua indiferença para com sua Pandora, ela nunca pode admitir isso, mas muitas vezes há mais verdade encontrada quando dormimos do que quando nós acordamos, papai costumava dizer sempre isso, puxando meus joelhos para a frente, eu permito que minha mente vá à deriva, eu penso em mamãe, papai e Cody, de alguma forma, olhando para o fogo , eu entro em uma espécie de transe, eu não sei quanto tempo eu fiquei desse jeito, perdida em meus pensamentos, mas em algum ponto, eu saí dessa, quando eu olho para cima, eu vejo que Madox está a centímetros do guaxinim. " Madox , " eu sussurro, alarme entrelaçando minha voz. " Afaste-se!" Foi quando eu notei o rosto da minha Pandora, seu normalmente brilhante olhos verdes estão . . . brilhando.


CAPÍTULO TREZE Madox está olhando para o guaxinim tão atentamente, que eu acho que ele está tendo uma convulsão, suas perninhas estão bloqueadas no lugar, e ele está inclinado para a frente, do outro lado do fogo, eu posso ver seus olhos queimando verde como se ele fosse uma espécie de alienígena. " Madox," eu sussurro novamente. "O que você está fazendo?" Minha Pandora está realmente começando a me assustar, eu movo-me para ele, mas paro de repente quando Madox relaxa fora de seu olhar louco, seus olhos regressam ao seu verde normal, não brilhante e ele trota até onde o carneiro dorme, então, seus músculos se contraem, os olhos apertam de volta, e ele estuda G-6, como se o carneiro detém as respostas para o mundo, eu não posso falar mais, tenho muito medo do que vai acontecer se os demais acordarem e verem isso, mas eu também tenho medo do que Madox poderia estar fazendo a estas criaturas, eu preciso fazer alguma coisa, puxando-o até mim, eu vou para a minha Pandora, eu quase peguei-o quando ele quebrou o transe, desliza entre as minhas pernas e vira a cabeça em direção a Harper. A águia, ele está fazendo algo para a águia neste momento, seus olhos ainda brilham quando eu enrolei-o, transformando-o ao redor, eu vejo como eles escurecem a sua tonalidade verde normal, estou respirando duro, e eu me sinto um pouco instável em meus pés, mas eu puxo-o para meu peito e aperto-o com força. O que você estava fazendo? Eu olho para as outras Pandoras. Eles parecem estar bem, então eu tento acalmar-me, parece que algumas horas se passaram desde que eu fiquei vigiando, então eu decidi acordar Caroline e Dink, além disso, eu quero saber se eles se sentem como nada está desligado, começando com Caroline, eu agito suavemente o ombro até seus olhos abrirem, então eu movo-me para acordar Dink. "Não", ela diz rapidamente. "Eu vou acordá-lo." Eu aceno, perguntando sobre seu relacionamento, Dink pode não ser filho de Caroline, mas ela o trata como tal, e eu tenho certeza que há uma história lá, como os dois se puxam para cima e sacodem a poeira fora de suas roupas


marrom, eu estudo seus rostos, eles parecem não sentir nada estranho, e os olhos de Madox não ligaram de volta, Caroline olha para mim. "Está tudo bem", diz ela, ao ver a preocupação em meu rosto. "Vamos manter o relógio." Eu forço um sorriso e deito-me no chão duro, Madox circula por três vezes e, em seguida, estatela-se, o seu lado pressionado contra a minha barriga. O que você fez? Eu pergunto mais uma vez, por alguma razão, eu sinto como embora eu estou falhando como uma Contender, porque eu não sei o que fazer, com a minha mão esquerda, eu acaricio seu pêlo preto macio, minha Pandora fecha os olhos, e seu corpo relaxa, durante muito tempo, eu estudo Madox, a maneira como o seu peito sobe em estouros rápidos, eu não sei como eu vou dormir, mas eu sei que eu preciso de descanso, então eu fecho meus olhos e tento, eu acordo com algo espirrando sobre o meu rosto, Dink ri quando todos nós sentamos e percebemos que estamos a ser molhados pela chuva, inclinando a cabeça para trás, eu abro a boca e bebo o líquido fresco, não é tão quente na selva no início da manhã, e com a chuva escorrendo pelo meu corpo e sobre meu cabelo curto, eu sinto-me revigorada. " Por que você está sorrindo, de forma estúpida?" Ransom pede. " Porque ela está com sede e está chovendo", Levi responde por mim, ele abre a sua própria boca, e copia o que eu estava fazendo, logo, todos nós estamos de pé, bebendo a chuva, parecemos idiotas, cada um de nós, Madox pula e espirra nas poças que formam rapidamente, e as outras Pandoras perseguem e encaixam ele, ele se esquiva e continua a pular. Eu me contenho de pegá-lo para cima, eu quero tanto resgatá-lo do assédio moral, mas eu tenho que começar a deixar a minha pequena raposa cuidar de si mesma, e eu estou honestamente tipo aliviada que as outras Pandoras estão bem depois do ataque de olhos brilhando de Madox. Ransom arranca seu dispositivo de bolso e olha para ele, eu sei o que ele está pensando, se qualquer eletrônico ainda funcionaria após este aguaceiro, é a mesma coisa que eu perguntei no primeiro dia da corrida, quando a chuva havia me embalado no sono, Ransom me vê olhando para ele, ele dá um sorriso indiferente e coloca-o de volta no bolso. A chuva continua à medida que se estica e boceja e ouvirmos Levi dizer-nos onde estamos indo. "Para onde eles encontraram a bandeira", Harper explica-me, como se eu não


tivesse ouvido falar dele, nós caminhamos para o que pareciam dois mil metros, e a chuva nunca parou, em um ponto, eu pego Madox, eu não posso me ajudar, ele parece tão pequeno na lama com a água subindo. " Não", Ransom grita, correndo para a frente. Corremos atrás dele, Dink à frente de todos nós, quando eu vejo o pólo em que a bandeira foi anexada, eu faço uma careta, não há nenhuma maneira que eu acidentalmente perdesse a bandeira, o pólo em si está a dois metros de altura, seis centímetros de largura, e é pintado de azul para combinar com a bandeira. "Como é que você a pegou? " Caroline pede, eu queria saber a mesma coisa. Ransom parece ofendido. " Uh, o que você está insinuando?" Caroline cora, mas Harper apenas diz : "Você é pequeno, o pólo é alto." Ransom cruza os braços. "Nós não somos tão pequenos, na verdade, estamos pequenos." "Ele foi amarrado no meio, " Levi interrompe. " Bem aqui. " Todos nós olhamos para o meio do pólo e acenamos nossas cabeças, Harper elegantemente estende a mão para tocar o poste, e à direita, como ele está prestes a passar seus dedos ao longo dele, Levi agarra o braço e grita, Dink salta, e Levi ri. Caroline puxa o garoto para ela, mas talvez ela não deveria, porque Dink está rindo também. Harper olha em volta. "Precisamos manter o controle deles. "Eu acho que ela significa para Levi e Ransom não perder as bandeiras em seus braços . "RX 13", ela chama, o pássaro desce rapidamente e fica em seu braço, ela deixa-a no chão e se ajoelha na frente da águia, em seguida, ela puxa a frente de sua camisa para cima, o suficiente para que eu possa ver que o sutiã é um tom perfeito de rosa, claro que é, estou aliviada ao ver que ela tem o menor indício de estrias em sua barriga, embora elas são pouco visíveis, eu gostaria de imaginar que ela já foi enorme. " Faça uma marca no centro do meu estômago, com profundidade suficiente para uma cicatriz, mas não tão profundo que eu não vá curar,‖ ela conta para a sua Pandora.


" Harper, o que é que você... " Eu começo a dizer, o pássaro levanta uma garra e faz uma pequena fatia de três polegadas acima dela na barriga, pinga sangue da ferida quando a águia remove sua garra. "Jesus, Harper", diz Levi. "Não poderíamos ter usado algo além de seu corpo? " "Meu estômago é um mapa, está vendo? ", Explica ela, ignorando Levi. "Quando encontramos uma outra bandeira, fazemos uma nova marca em relação a esta." Harper aponta para o corte sangrando. "É preciso estar sempre com a gente" diz ela, mas o que ela quer dizer é: eu, ele precisa estar sempre comigo. Levi revira os olhos . "Você está com a cabeça fraca." Eu fico olhando para Harper enquanto ela pega a sua camisa para cima e pressiona contra a ferida, o que eu quero saber é como ela, a Pandora sabia quão profundo para não cortar, é o pássaro de repente um médico agora? Talvez Harper perdeu a cabeça, eu acho, mas pelo menos ela está tomada de decisões. "Vamos nos manter em movimento", diz ela. "Qual o caminho?" Ransom pede. "Isso não importa", eu respondo. "Enquanto nós mantermos o controle da direção." Harper olha para mim e balança a cabeça. " Exatamente." "Sul? " Eu quero que soe como uma afirmação, mas é claramente uma pergunta. Uma dirigida a Harper. Ela olha em frente de nós e acena com a cabeça novamente. "Sul." Eu empurro através da manhã, por volta do meio-dia, a chuva torrencial transforma, os gêmeos retiram suas camisas e calças, em seguida, lava-as para fora na chuva. Eles limpam seus braços e pernas e em qualquer outro lugar que está sujo, Ransom e Levi tem apenas treze anos ou assim, mas ele ainda se sente estranho vê-los em apenas boxers; seus corpos magros, pálidos assim . . . expostos. Assustei-me quando Harper retira sua própria camisa, calça e


tenta fazer com que a sujeira saia, ela continua andando com suas botas pesadas, com sua calcinha e sutiã rosa combinando, quando ela me vê assistindo, ela ri. " Nós nunca vamos ver essas pessoas novamente. " Ela pode estar certa, mas eu tenho certeza que da forma como Levi e Ransom estão olhando que eles vão se lembrar para sempre, decido remover a minha camisa, mas fiquei com minhas calças, Caroline ainda tem a sua roupas, e isso me faz pensar o que ela está pensando, o que a minha mãe iria pensar em me mostrar os meus bens no meio de uma selva, eu acho que ela me diria se me visse ensopada em minha própria sujeira, isso é o que eu estou pensando. Quando eu caminho entre as plantas altas, tentando puxar minha camisa de volta, eu noto algo do meu lado, ele é fino, preto e viscoso, porque é torrencial, eu não consigo dizer o que é, mas quando eu toco, eu sei o que é, há uma sanguessuga no meu corpo. Oh, meu Deus. Oh meu maldito Deus! Estranhamente, a minha primeira preocupação é a de não deixar ninguém ver, eu só quero lidar com isso e, em seguida, ter ataques de pânico leves para o resto do dia, então persegui-lo com mil pesadelos enquanto eu durmo, eu tiro minha camisa o resto do caminho, então eu chego a minha mão do meu lado até que eu sinto, quando eu percebo o quão gordo ele é, eu quase perco a carne em folha que Harper me deu na noite passada, mordendo para baixo, eu cavo minhas unhas por baixo e rasgo para fora, a sanguessuga vem longe na minha mão e eu jogo-a no chão, sem olhar, certifico-me de que ninguém está assistindo, eu puxo o lado da minha camisa para cima e olho para baixo, há ainda uma peça em anexo na minha pele, a cabeça, talvez, eu vomito, Harper vem resgatar-me e esfrega minhas costas enquanto eu vomito água, ela está tão distraída com o meu mal estar, que ela não percebe quando eu chego até o meu lado e arranco o último pedaço da sanguessuga à distância, olhando para trás, eu sei que deve ter ligado quando eu estava deitado no fluxo da caverna ontem, acrescento mentalmente cavernas para minha Lista de Coisas Horríveis da selva. "Eu estou bem", digo a ela.


"Eu não devia ter-lhe dado a carne", diz Harper, parecendo sincera." Pode ter sido muito antiga. A culpa é minha ." "Não é isso", eu digo. "Eu só bebi água da chuva demais. "Eu me sinto como se estivéssemos gritando através da chuva forte, quando eu gostaria de nada melhor do que não falar sobre isso. Harper parece entender porque ela pergunta: " Você está bem para manter em movimento?" "Harper." Ransom diz o nome dela como ela está sendo cruel. "Não, eu estou", eu digo. " Vamos seguir em frente. " Ransom olha para mim, então eu levanto a minha voz. "Por favor." Ele sorri e dá um soco no meu ombro. "Você é tão louca, menina." "Sim, obrigado por me ajudar a vomitar, você leva, eu vou seguir." Ransom chuta a perna para o ar, por qualquer razão, então corre voltado para a frente do grupo, depois que todo mundo vê passar o espetáculo de me ver vomitar, eu deslizo minha mão até a minha camisa e sinto a viscosidade, não é sangue, eu canto mais e mais, é apenas chuva, Madox me olha com atenção pelos próximos minutos, como se ele estivesse com medo de que eu vou comê-lo a qualquer momento, eu chuto a água da chuva sobre eles todos de vez em quando, e ele morde o ar, mas ele ainda me olha, quando chegarmos a única compensação que eu vi em quatro dias, todos estão de espíritos levantados, parece que algumas árvores morreram e caíram na Terra recentemente, agora há um grande espaço aberto no dossel acima, embora a chuva ainda vem em folhas violentas, é maravilhoso ver o céu. "Vamos quebrar aqui e envie RX -13 para caçar", diz Harper. "Como vamos acender uma fogueira para cozinhar?" Caroline pede, dobrando sua mãos extra dura. Harper dá de ombros. "Vamos ver se ela consegue encontrar alguma coisa, depois vamos descobrir como comê-lo."


Levi e Ransom já estão estabelecendo-se em uma das árvores caídas quando eu ouvi um som baixo, surdo, estou prestes a verificar se mais alguém ouviu falar alguma coisa quando Caroline pergunta: "O que foi isso?" "Desculpe-me", diz Levi, segurando o estômago, Ransom empurra. "Cale-se, seu idiota, isso não era você." Ele olha em volta. "Eu ouvi isso também." O som vem de novo a partir da folhagem nas proximidades, está mais alto agora, alto o suficiente para que eu saiba que não é trovão ou ramos esfregando juntos ou estômago de Levi, é um animal, embora existam seis de nós e quatro Pandoras em pé nesta clareira, cego pela chuva que de repente se sente como nós somos as presas.


CAPÍTULO CATORZE O carneiro, o guaxinim, e a Pandora águia parecem sentir o perigo que está próximo. Eles circulam ao nosso redor e fazem uma reserva, empurrando nos mais próximos de modo que nós, os contendores, formamos um nó perto no meio. A águia está no chão, mas encaixa suas asas bem abertas. O carneiro bufa fortemente pelas narinas molhadas, e até mesmo o guaxinim puxa para cima sobre as patas traseiras como se estivesse preparando-se para a batalha. "Olhe para eles ", diz Levi. Ele está falando sobre as Pandoras, suas posições , o seu destemor do que está rondando o perímetro escuro desta clareira na selva. Meu coração palpita contra minhas costelas, e eu olhei para baixo para garantir que Madox ainda está perto do meu tornozelo. Ele está. A outra Pandora pode tê-lo intimidado ontem à noite, mas eles podem muito bem ajudar a salvá-lo hoje. "É provavelmente apenas um animal da selva ", diz Harper, embora ela pareça insegura. "Nós estamos em um número menor. Vai sair uma vez que fica um cheiro bom . "Eu não gosto do que ela acabou de dizer. Isso está nos cheirando . Eu posso ouvir a nossa respiração coletiva; sons de Dink quase ofegante. Tomando sua mão por trás de mim, eu aperto, tentando tranquilizá-lo ele vai ficar bem. O rosnado vem novamente. Profundo. Fechado. E, em seguida, o animal entra em erupção a partir da folhagem e pula para frente. Caroline grita , e como o som penetra nos meus ouvidos , faço o que está cobrando para conosco, um urso pardo.


Ele está parado em quatro patas, os maxilares abertos, olhos negros fixados no cilindro . Dentro de sua orelha , eu posso ver uma tatuagem. Lê-se: AK- 7. Vendo o urso que vem, o carneiro se ergue sobre as patas traseiras. Eu sei o que esperar desta vez,assim eu aperto a mão de Dink mais apertado e sinto outras mãos agarrarem meus braços. Nós nos preparamos para o chão a tremer. Mas o sucesso nunca vem. O urso vai para o carneiro e os dois rolam em um amontoado. De alguma forma, o urso consegue pousar em cima do carneiro e abre suas mandíbulas mais amplo. Como ele traz sua cabeça para baixo , eu percebo que o urso vai para a garganta do carneiro . "Não", Levi chora. Ele começa a correr em direção a sua Pandora, mas Ransom prende seu irmão no lugar. Como Levi, eu quero ajudar. Fazer alguma coisa. Mas não temos armas , nada para defender a nós mesmos. As corridas de guaxinim em direção ao urso, e segundos antes das mandíbulas do urso bater a sua marca , o guaxinim pula nas costas da criatura. Garras atiram para fora da pele do guaxinim e inserem no couro marrom do urso, perfurando a carne abaixo. Puxando para cima sobre duas patas, lavagem de chuva sobre seu corpo maciço , o urso pardo libera um rugido de gelar o sangue . Em seguida, o urso atinge cerca de morcegos e o guaxinim acaba com sua enorme pata. DN -99 voa através da clareira e seus picos de retraem em sua pele . O urso cai sobre suas quatro pernas e volta sua atenção sobre nós. Eu me preparo para o pior, mas quando ele se aproxima, nariz levantado , RX -13 leva para o céu e define seu alvo no urso . A águia voa mais rápido e mais rápido, suas garras esticadas na frente dela. E então ela se foi. Segundos depois, ela reaparece, suas garras a meros centímetros do urso. Elas mergulham na carne do urso, faltando apenas seu olho . Os uivos do urso . " Caramba, " eu digo.


"Sim ", diz Harper, e embora eu não posso vê-la , eu posso ouvir o entusiasmo em sua voz. " Invisibilidade ". Assim como com o guaxinim , o urso tenta bater a águia de distância. Mas a águia desaparece antes que isso possa acontecer, apenas para reaparecer por trás do urso para outro ataque . Criação de volta, o urso esmaga a águia. Pingos de sangue de volta do animal , uma vez que se move. As lágrimas de águia em carne do urso, mas eventualmente, ela fica muito perto, e o urso pega o pássaro entre suas garras. Agora o carneiro está de volta, e atrás dele, o guaxinim. Eles lutam o urso assim, em rotações, pois o que parece uma eternidade. Na realidade , foi provavelmente apenas alguns minutos . Quando Dink aperta minha mão, eu sei o que ele está dizendo. O urso está ganhando. Vendo a luta, eu sei que não temos muito tempo para fazer um plano. Temos de fugir, enquanto ele ataca as Pandoras, um e outro, mas cada vez que alguém em nossos grupo movimenta-se, a atenção do urso vai em direção a nós. Nós somos o alvo final, eu percebo . " O que vamos fazer? " Caroline pede em meio às lágrimas . Harper balança a cabeça, como se não posso acreditar que as nossas três Pandoras estão sendo tomadas para baixo por este. Ao lado de meu tornozelo, Madox late. É apenas um pequeno som, mas me dói por dentro. Se o urso chega a nós, ele pode ser o primeiro a ir. Eu tenho que fazer alguma coisa. Antes que eu possa tomar uma decisão, minha Pandora corre para a frente. " Madox ," eu grito . Eu vou correr atrás dele, mas Harper agarra ambos os meus braços. ―Você não pode, Tella‖, diz ela , lutando contra mim. "Nós temos que sair daqui. " Madox vai em direção ao urso e pára a poucos metros de distância. Ele late novamente. O urso pára de lutaro contra o carneiro e olha para a pequena


raposa. Minha cabeça bate dentro do meu crânio como os olhos do filme em Madox , queimando verde brilhante. " O que ele está fazendo? " Ransom pergunta, espantado. Eu balancei minha cabeça e mordo o lábio. Afaste-se, Madox. Basta chegar longe dele. O urso se move em direção a minha Pandora, paralisado pela luz e o brilho verde. E, em seguida, Maddox começa a mudar. Sua cabeça cai para trás e suas ondulações da coluna. Abaixo dele, com as pernas e braços esticam mais e mais amplos, e seu pelo preto começa a engrossar . Minha Pandora cresce músculos enormes e novas partes do corpo, transformando-se em algo que eu não reconheço imediatamente . Seus ouvidos puxar a forma pura de meias luas, e seu focinho fica comprido. E então compreensão me sacode para o meu núcleo. A raposa bebê se transformou em uma cópia do urso antes dele. E a minha Pandora, meu doce Madox, eleva-se, abre suas grandes mandíbulas, e ruge. Nesse momento, meu coração se enche de muito orgulho, eu temo que irá estourar. Não Madox, não esperou por um convite para lutar, ele só foi em direção AK -7 e atacou. Erguendo-se no último minuto, ele morde o urso e leva-o para o chão. Eles lutam na chuva durante vários segundos. É difícil para mim dizer em um ponto qual é a minha Pandora. Um urso ganha a vantagem e se prepara para ir para a garganta do outro. Mas antes que ele possa, o urso abaixo dele ondula e as mudanças até que tudo o que eu vejo é uma vibração de penas e asas. O urso superior se atrapalha-se para trás quando percebe que ele não está mais lutando contra um urso, mas uma águia. Madox mudou de novo, tomando a forma de RX- 13. Como se a outra Pandoras derepente entende o que está acontecer, ela entrar em ação . RX -13 mergulha em direção ao urso ao lado de Madox e juntos eles afundam suas garras em sua carne. Antes, quando as três Pandoras lutaram , eles tiveram que se revezarem atacando e se


recuperando. Mas com a ajuda de Madox , agora eles podem lutar ao lado um do outro. O carneiro e o guaxinim correm para a frente para ajudar no ataque das duas águias ' . De alguma forma , apesar de as águias serem rápidas , o urso consegue para fixar um ao chão . A águia entre suas garras muda mais uma vez a tomar forma do DN- 99. A réplica do guaxinim atira seus espinhos para fora e os uivos de urso e deixa-o cair no chão. Por incrível que pareça, o urso ainda carrega para a frente . É como se ela não pode parar até que estamos mortos. Eu quase rompo com Harper quando vejo minha Pandora, de volta em sua forma de raposa, corrida em direção ao perímetro da clareira. "Deixe-me ir, " eu grito . " Eu tenho que ver se ele está ferido . " Mas Harper não me libera , e agora Ransom e Levi estão ajudando-a a me manter no lugar . Quando Madox atinge o perímetro, com os olhos no filme . Ele está em alguma coisa na bucha estrela, mas eu não posso dizer que ele está copiando agora. Até que ele começa a mudar . Seu corpo se amplia e cresce mais alto, e sua pele preta puxa e ilumina em cores. Sua cauda se alonga , e um choque de cabelo ventila para fora em torno de sua cabeça. Madox abana sua cauda , se volta em direção ao urso, e bloqueia seus olhos de leão nele. Como ele anda em direção ao urso, mantendo-se perto do chão, percebo algo que aparece atrás dele. Um arrepio trabalha o seu caminho até a minha espinha. É M-4 , a partir do olhar em seus olhos amarelos, ele veio para ajudar. O urso pardo gira em um círculo. Ele não pode ganhar. Há muitos que o rodeiam. Mas há determinação em sua rígida postura, e eu sei que não vai parar até que ele esteja morto. Quando as Pandoras fecham-se sobre ele, sussurra Harper , "Vamos . Não há nenhum uso em assistir . " " O que você está falando? "Eu grito, girando para encará-la . " O urso ainda pode ferir um deles. Nós não podemos sair até que nós sabemos que eles estão bem. "


" Droga! " Levi grita . Dirijo-me a volta e ouço o sair do urso um rugido que confirmam minhas suspeitas anteriores: Vai lutar até a morte . Ele cai sobre suas patas e corre em direção ao carneiro. " Diga! " Uma nova voz trava através da nossa clareira. "Pare com ele.‖ Quando eu ver quem apareceu , eu não posso deixar de sorrir . Ele tem psico escrito sobre ele todo.


CAPÍTULO QUINZE Boina verde está segurando um outro cara na frente dele, ou melhor, ele está segurando sua cabeça, e ele está segurando-o de uma forma que me faz achar que ele poderia machucá-lo seriamente com um simples movimento. O urso parou de atacar e está olhando para o cara na frente do Boina Verde. "Diga," Boina Verde repete, e sua voz levanta arrepios em meus braços, não há nenhuma maneira no inferno que eu iria pensar em ir contra essa ordem, o cara na cela , aparentemente de acordo, porque ele abre sua boca e diz: "AK -7, para baixo." O urso se senta sobre suas ancas como se isso fosse exatamente o que ele queria fazer este tempo todo, ele começa a lamber suas feridas quando Boina Verde empurra o cara na frente dele, correndo para o urso, o cara inspeciona-o de perto. "Eu não tinha idéia", diz o cara. " Ele ficou longe de mim de alguma forma." O cara é loiro, cabelos na altura do queixo e pele beijada pelo sol, ele parece mais velho do que eu, mas mais jovem que o Boina Verde, tal como o meu próprio, seu uniforme marrom está agredido e rasgado, mas isso não é o que tem a minha atenção, é a bandeira azul em volta do seu bíceps, assim quando Madox retoma a sua forma de raposa e me permite bebê-lo, eu não posso parar de olhar para ele. "Ele é o seu?" Harper pede o cara com a bandeira, ela levanta o queixo, e eu invejo a maneira como ela pode recuperar imediatamente o controle, eu, por outro lado, sinto que vou desmaiar. "Sim, ele é." O cara endireita e se move em direção a Harper, com a mão estendida. "Passe", diz ela, olhando para a palma da mão enlameada, como ele está perto de Harper, percebo que ele é quase tão grande como ele é alto, construído como um lutador.


"Você vai mandar sua Pandora atacar nós?" "Por que eu faria isso?" O Contender pergunta, uma sugestão de um sorriso em seus lábios, ele afasta suas mãos e olha para cada um de nós, à espera de alguém para vir em sua defesa, ninguém faz. "Você faria isso por isso há menos contendores para competir contra" Boina Verde rosna, eu olho para ele e percebo que ele está olhando para mim, mesmo ele está falando com o cara novo. "Isso é loucura", o cara diz, balançando a cabeça como se fôssemos idiotas. "Quem faria isso?" Harper pega seu braço e os olhos recaem na bandeira. "De onde você conseguiu isso? " O cara sorri para ela, e a visão me faz sofrer, há algo não muito certo sobre ele. "Titus é o meu nome, obrigado por perguntar." "Devidamente anotado, bandeira?" Harper empurra, Tito parece calcular suas opções, como eu tento entender por que Boina Verde está olhando para mim, seu cabelo escuro ainda está cravado, e eu me pergunto de onde ele está recebendo seu gel, eu tento não notar a forma como os seus frios olhos azuis estudam meu rosto, mas é difícil de ignorar, engolir o meu medo, eu viro e encontro seus olhos, eu sorrio, ele não faz. "Eu posso mostrar-lhe:" Eu ouço Tito dizendo a Harper. "Então faça isso." Harper acena para nós como se o assunto estivesse resolvido, nós vamos seguir Tito, que pode ou não pode ter tentado matarnos, para localizar onde encontrou a bandeira. "Você vem com a gente? " Peço a Boina Verde, minha voz é pouco mais que um sussurro, eu tenho essa metade de medo estranho, meio fascínio acontecendo com esse cara, como eu não tivesse certeza se eu quero ver o sol definir em conjunto, ou dormir com um olho aberto, o rosto de Boina Verde reúne, eu percebo que então, ele odeia-me, e não da maneira em que eu descobrir mais tarde que ele, na verdade, gostava de mim o tempo todo.


"Ok ." Eu acho que é claro que ele não quer fazer parte desta comitiva de viagem, mas, então, quando eu estou voltando para Harper, eu ouço ele falar. "Sim". Eu giro ao redor. "Sim? Sim, você está vindo com a gente?" Ele puxa a sua orelha esquerda, a mutilada e caminha por mim, quase batendo no meu ombro quando ele passa. "Tella é o meu nome", eu digo à sua volta, ele pára por um segundo, então continua andando, Harper volta-se para encará-lo. "Quem é você?‖ "Guy Chambers", ele responde. Mas que diabos? Por que ele não odeia Harper? Eu olho para ela e para baixo. Ah, certo, Harper olha para o leão, em seguida, de volta para ele em seus amplos ombros e altura imponente, eu imagino que ela está percebendo o caminho de seus olhos não dardo, mas tranque em seu assunto. "Tudo bem ", diz ela. "Bem-vindo. Estamos seguindo Tito aqui para ver onde ele encontrou sua bandeira." Guy revela a sua própria bandeira e bolas em seu punho. "Onde?" Harper pede. Ela parece saber mais do que agarrá-lo. "No início da corrida. Cerca de dois km a noroeste daqui." Sua voz é profunda e constante, como se ele nunca tivesse certeza de mais nada em toda a sua vida inteira. "RX- 13," Harper grita. Oh Deus! Eu estremeço quando a águia faz uma nova marca no estômago de Harper a noroeste da marca dos gêmeos, Guy acena com aprovação, eles são uma boa dupla, os dois malucos. Harper pressiona a palma da mão na ferida. "Vamos." E foi assim que, nos esquecemos de quase ser mortos, sobre minutos antes, as nossas Pandoras estavam lutando por nossa segurança, o urso pardo está perto ao lado de Tito, as outras Pandoras olham para o urso quando eles se movem, mas na maior parte, eles ficam perto de seus contendores e mantém a calma, Madox


sentindo-se rejeitado em torno, perto do meu tornozelo, mordendo meus cadarços, balançando a cabeça para ele, eu tento esconder a minha admiração brilhante, você poderia ter me dito que era um fodão total, imagino-o encolhendo os ombros, sim, eu sei, você não é o tipo falador, apertando minhas mãos é a única maneira que eu posso me impedir de tentar buscá-lo a cada cinco segundos, estou tão feliz de chamar ele de meu, eu ando perto da parte traseira e assisto Guy mover através da selva, ele está na minha frente, e Caroline , Dink , Harper , e os gêmeos estão imprensados entre Guy e Tito, durante vários minutos, nós andamos em silêncio, então Guy vira e me enfrenta, ele tem um dedo aos lábios e aponta para os meus pés, ele está insinuando que eu ando como um ogro, pesado e alto. "O quê? " Eu pinto uma mão no meu quadril , quando eu digo isso, porque é honestamente uma maneira de menosprezar-me. "Desculpe, eu não deslizo como uma cobra." Ele me olha por um momento muito longo, os outros continuam andando, ignorando que Guy está me olhando, passando os olhos sobre o meu rosto . . . meu pescoço. ―Escolha as pernas mais elevadas ", diz ele antes de retornar para a caminhada, eu brilho na parte de trás de sua cabeça, mas decido que vou tentar a todo coisa levantar mais minha pernas, isso faz com que as minhas coxas queimem, a princípio, estou certa de que a única coisa que ele está fazendo está me fazendo trabalhar mais, mas então eu percebi que eu não vou tropeçar mais, e , sim, eu acho que eu pareço um pouco menos como uma escavadora. Em um ponto, Ransom corre mais para sair comigo. "Indo vomitar de novo?" Eu vejo Guy inclinar a cabeça e percebo que ele está ouvindo, meu rosto queima. "Não, eu acho que estou melhor", eu respondo. Ransom acena para Madox . "Cara ", diz ele. Eu sorrio. "Cara ". "Você tem alguma idéia?" Eu finjo que passo a frente da minha camisa para que Ransom não veja como culpado, eu olho, não é como se eu soubesse exatamente o que Madox


era capaz de fazer, mas, novamente , eu certamente não tinha admitido que aconteceu com seus olhos brilhantes na noite passada. "Hum, ok". Ransom sorri. " Maneira de jogar o oprimido". "Eu não estava." Eu começo a dizer, mas Ransom já está movimentando-se em direção ao seu irmão. " Deixe-nos saber se você precisa vomitar", ele grita . "Nós vamos fazer uma parada". Estou mortificada, embora eu não sei por quê, quem se importa se os dois novos caras sabem que eu fiquei doente? Depois do que se sente como mais de meia hora, Tito aponta em frente ele e diz alguma coisa, estou muito longe para ouvir, mas eu vejo o poste e ligo os pontos, nós encontramos isso, mais uma vez, estamos em um círculo e olhamos no mastro, eu meio que esperava que tomemos as mãos e cantamos " ―Kumbaya", enquanto estamos balançando lado a lado, nós não, mas Harper pratica a arte de automutilação via garra de águia, pela terceira vez hoje, o terceiro pequeno corte junto seu estômago indica esta bandeira é a sudeste da dos gêmeos, e o que os gêmeos encontraram fica a sudeste da bandeira que Guy encontrou, as três marcas fazem uma linha diagonal começando no inferior esquerdo de seu estômago e continuando até o canto superior direito. "É um padrão, você acha?" Levi pede. "Não temos nada melhor para continuar", diz Harper. Ela olha para Guy, e me pergunto quando, de repente, tornou-se seu colaborador, ele acena e, em seguida, lança a cabeça para o leste. "Sim", ela diz. "Vamos para o leste por um tempo, vamos acampar lá para a noite, então seguiremos para o sul mais tarde." Eu concordo, mas secretamente ressinto-me de não ser a única a dar ordens, quatro dias atrás, quando foi o meu primeiro dia na selva, eu teria amado alguém para assumir o comando, agora eu sinto uma coceira para fazer parte da tomada de decisão, eu não tenho certeza de que estamos indo exatamente para o leste, quem poderia dizer? Nós apenas penduramos uma esquerda e começamos a andar, em algum momento, a chuva finalmente cede, as roupas marrons se agarram ao meu corpo à medida que avançamos, e as minhas


botas estão pesadas, eu corro a mão sobre a minha cabeça e que figura com meu cabelo curto emaranhado contra o meu couro cabeludo, eu provavelmente pareço menos como uma menina e mais como um menino pré-adolescente magro, furiosa, embora todos nós estamos arrastando os pés na lama e provavelmente deixando Guy louco, nós estamos fazendo um bom progresso, caminhada em um grupo de ajuda, ninguém quer ser a pessoa para retardar o descansar para baixo, em algum momento, eu me canso de estar na parte de trás do grupo, então eu acelero os meus passos, passando Guy e lutando contra o desejo de ficar minha língua para ele, e apanhar com Ransom e Levi, a primeira coisa que noto é Ransom segurando sua mão esquerda com a sua direita. "Você está bem?" Eu peço. Ransom deixa cair sua mão e pressiona-o contra o seu lado. "Sim, não é nada." Eu círculo ele e agarro-lhe o braço. Há uma dúzia de pontos de sangue surgindo em toda a palma da mão. "O que aconteceu?" Harper faz uma pausa e acena para o resto de nós parar, ela chega mais perto e inspeciona a mão de Ransom. "Está doendo?" "Não", ele responde, embora ele fale através de seus dentes e está obviamente mentindo, abaixo de nós, a Pandora de Ransom está enlouquecendo, circulando seus pés e chegando como se quisesse dizer alguma coisa. "Eu agarrei uma videira para não escorregar na lama". Ele balança a cabeça. "Ela estava coberta de espinhos." Guy aparece e pega a mão de Ransom de mim, ele esfrega o polegar sobre as feridas, em seguida, ele olha ao redor como se ele está procurando algo. ―É preciso desinfetar a área, há uma planta que pode ajudar, vou ficar de olho nele enquanto andamos." Ele acena para Harper. "Vamos manter em movimento", diz ela. Tito, que se junta a nossa aproximação, inclina o queixo em sua direção, seus olhos mantém olhando em direção à selva, como se de pé ainda está fisicamente doloroso. "Espere," eu digo a Harper, que eu estou assistindo a Tito. "Precisamos fazer algo por ele, ele está com dor." "Está tudo bem", disse Ransom.


" Não, ela está certa." Levi estuda o rosto de seu irmão. "Ele está machucado. " Ransom rasga a mão de Guy, "Eu vou continuar a caminhar, o resto de vocês podem ficar aqui e discutir se eu sinto até ele ou não. " Ransom se vira e vai na direção que nós temos estávamos indo, ele não quer ser o elo mais fraco, e eu não podia culpá-lo. Levi balança a cabeça e segue atrás de seu irmão, antes que ele fique muito longe, eu ouvi-o murmurar : "Porra desta corrida." Eu não poderia concordar mais. Quando o sol começa a se pôr, Harper indica que devemos parar e montarmos um acampamento, os gêmeos mergulham na selva para procurar musgo e galhos, coisas para ajudar a iniciar uma fogueira, quando eles retornam, eles entregam o que eles encontraram para Dink. Eu não tenho idéia do que um menino de oito anos vai fazer com este material, mas ele começa a esfregar os pedaços entre as mãos com confiança surpreendente, Guy vai até Dink e olha-o de cima a baixo, então ele chega a sua mão. "Está tudo bem, M- 4 pode lidar com isso." Eu realmente quero ver o que Dink estava prestes a fazer, mas o menino só entrega o pacote para Guy e olha para ele colocando-o no chão. Ondas de Guy M-4 mais, e o leão respira fogo nos galhos e musgos, levemente no início até que eles estão secos, em seguida, mais difícil de fazê-los pegar, Harper sorri, observando a habilidade do leão. "Muito bom, " ela diz. " Ele vai ser um bom trunfo para a nossa equipe. " O Guy não dá atenção a ela, e eu sinto um tipo de prazer, há uma parte de mim que não gosta dela nos considerando ferramentas nesta corrida, eu só quero . . . que essas pessoas sejam meus amigos, assistindo o fogo crescer, eu silenciosamente me chutar, não posso dar ao luxo de pensar dessa maneira, eu tenho que lembrar do meu irmão. Eu tenho que ser mais como Harper.


CAPÍTULO DEZESSEIS Nossa caminhada da união central, através do corredor cheio de cartazes procurando Harvey, e para o centro da praça pública é muito mais do que nós antecipamos. Emma e eu encontramos um pedaço pequeno de sombra cobrindo um banco e sentamos. Eu encaro a estátua de ouro, mas Emma inclina as costas dela contra o meu braço, balança os pés para cima do assento, e olha na direção oposta. O cabelo dela já não cheira a sabão do Claysoot- o cheiro esta muito longe, substituído por algo estranho- mas eu beijo sua cabeça de qualquer maneira. Nós nos sentamos lá, em um silêncio confortável, por um bom tempo. "Você sabe, eu não encontrei nenhuma resposta ainda," ela brinca. "É muito decepcionante. Estou começando a pensar que você só queria uma desculpa para passar um tempo comigo." Eu sorrio quando ela torce ao redor e senta corretamente. "Talvez eu fiz." A praça tem se preenchido constantemente de civis desde a nossa chegada. Agora, os seus números na fronteira estão lotado. Eles se misturam, formando uma linha que leva até a plataforma e empurrando uns aos outros de forma agressiva conforme eles disputam uma posição. Uma parede ilumina com uma mensagem familiar: Distribuição de água hoje. Segmentos 1 e 2 apenas. Devem apresentar cartão de racionamento. Os membros da Ordem vêm em seguida, arquivando entre vários edifícios, trazendo os carros até a parte traseira. Aqueles a pé tomam o seu lugar na plataforma elevada, armas prontas. Os instrumentos são os mesmos que que eu vi durante a nossa unidade inicial em Taem ,e novamente, a Ordem aponta eles para a multidão crescente. Cidadãos de Taem são um pulso firme, filtrando pelo nosso banco e subindo em direção ao palco. Todos eles seguram boletos vermelhas em suas mãos, os papéis que devem ser os seus cartões de racionamento. Um homem de meia-idade, procura desesperadamente nervoso, corre por nós, esmagando os meus pés enquanto ele faz.


"Cuidado," eu digo. Ele olha para mim, os olhos furiosos, e murmura algo. Em seguida ele foge, desconsiderando a linha e empurrando o seu caminho através das pessoas. A bolsa pendurada em suas costas flutua descontroladamente, batendo em qualquer um que esteja muito perto. Mais à frente, a distribuição começa, um único jarro de água entregue a cada civil, por sua vez. Emma e eu decidimos sair- está ficando muito lotado- mas o nosso progresso é lento. Estamos indo pescar rio acima, uma corrente inflexível de corpos pressionados contra nós. Só quando chegamos ao perímetro externo da praça, eu ouço os gritos. "Pare! Parem esse homem." Atrás de nós, as coisas se mantêm relativamente calma, a multidão ainda se movendo em direção ao palco. E então uma onda, uma pequena coisa constante no centro, que cresce cada vez maior, as pessoas se dividindo em seu rastro. As vozes continuar gritando. "Parem ele! Ladrão! " E então eu posso vê-lo, o mesmo homem que pisou em meus pés. Ele está correndo da multidão, empurrando sobre qualquer um em seu caminho. Ele não se apega apenas a um jarro de água, mas dois. Os membros da Ordem no palco estão desesperados, lutando o seu caminho no meio da multidão e depois o ladrão. Eu olho para trás para Emma e vejo o homem com o reservatório em direção a ela. Ela está bloqueando a pista que ele se aproxima. Ela tenta saltar para fora de seu caminho, mas é muito lenta. O ladrão se arremessa em seu ombro e ela desaba. Conforme o ladrão corre por mim, eu estico a minha perna para fora e derrubo ele. Jarros de água caem de seus braços, o conteúdo derrama em sua bolsa. Ele tropeça em seus pés e corre para o beco, mas eu sou mais rápido. Eu guino contra ele, aproveitando a parte de trás de sua camisa, jogo ele contra a parede. "Você realmente deve ver para onde você está indo," eu rosno. "Por favor," diz ele. "Você não entende. Minha esposa. Os meus filhos. Eles estão doentes."


Seus olhos já não parecem lívidos. Eles parecem quebrados. Eles parecem a momentos longe da esperança. Espio o beco para onde Emma está subindo para seus pés. Suas calças brancas estão rasgadas, sangue escorrendo de seus joelhos. Eu empurro o homem contra a parede novamente. A Ordem está chegando. Eu posso ouvir seus gritos. "Por favor," o ladrão pede. "Nós precisamos de água." "Parece que todo mundo precisa disso." "O que você sabe?" Diz ele, olhando para o meu uniforme. "Viverndo nesse lugar, seguindo as ordens de um homem corrupto." O primeiro Membro da Ordem dobra o canto, e o homem se contorce ao meu alcance. "Por favor. O meu filho, ele tem apenas cinco. Ainda há tempo. Apenas me deixe ir. Diga a eles que eu esfaquei você. Ou chutei você. Ou cuspi nos seus olhos." Eu quase faço isso. Eu quase deixo a camisa deslizar dos meus dedos- suas palavras soam tão sinceras- mas a queda da Emma está repetindo na minha mente, seu corpo sendo jogado para o lado pelo ladrão. Eu seguro sua camisa apenas um segundo a mais, em seguida, um membro da Ordem chega. Ele pressiona o ladrão na parede. Eu vejo seu rosto raspar o tijolo enquanto suas mãos estão vinculados não com corda mas uma corrente estranha de elos de metal, dois dos quais são encaixadas fechando em torno de seus pulsos. "Dê a volta," diz o membro da Ordem. Quando o ladrão não faz, ele é empurrado. Duro. Ele bate sua cabeça na parede e sangue fresco escorre de suas sobrancelhas, ele continua a implorar. "Por favor. Precisamos. Você não entende." ―Vire-se.‖ "Eu farei qualquer coisa. Apenas me deixe leva a água para a minha família em primeiro lugar."


―Agora.‖ O ladrão vira suas costas para a parede. Ele está chorando, sangue misturado com lágrimas. O membro da Ordem recua e reposiciona sua arma. E depois há uma explosão, um barulho tão alto que balança o espaço entre meus ouvidos, ecoando por toda a eternidade. Eu pisco, e quando eu abro meus olhos, o ladrão está no chão, morto. Não há nenhuma flecha, sem lança, sem faca. Nada. Apenas um buraco. Eu fico olhando para o crânio sangrando até que eu volto para elevação seca contra a parede.

Emma balança todo o caminho de volta. Ela não chora, mas pelo menos a reação dela é melhor do que a minha. Ela está mostrando medo ou remorso ou nervos ou algo assim. Eu não faço nada, mas olho fixamente para frente, pensando no que aconteceu, me perguntando se eu sou de alguma forma responsável. Todo mundo queria água. Todo mundo estava esperando na linha. Ele roubou alguma coisa. Ele era um ladrão. Mas ele merecia morrer ao longo por um jarro de água? Eu mantenho os pensamentos para mim, porque eu temo que se eu falar em voz alta, Emma poderia entrar em colapso ao meu lado. Andamos para a União Central, meu braço em torno dela e do seco sangue em suas calças. Eu levo ela para o quarto dela, que passa a ser no mesmo andar que o meu, apenas em uma ala diferente, e depois marcho direto para o escritório de Frank. Eu bato na porta até que alguém vem e me diz que Frank não tem tempo para falar comigo. Eu exijo vê-lo. Dizem-me para sair. Eu exijo um pouco mais. Eu acabo sentado no chão, fora de seu escritório, os braços cruzados sobre o peito. Eu cochilo e acordo momentaneamente com um pé cutucando o meu lado. "Gray." Frank está acima de mim, uma pilha de documentos na mão. Eu luto para ficar nos meus pés. "Eu preciso falar com você." "Eu já ouvi. Eu só tenho um momento, mas, por favor, entre."


Nós nos sentamos em sua mesa, e quando ele coloca os papéis sobre eles, de repente tudo parece fora do lugar, uma pilha desorganizada jogada numa sala inteiramente metódica fora de órbita. Frank se inclina para trás em sua cadeira, coloca as pontas dos dedos em um aceno calmante, e diz, "Então, Gray. No que posso ajudá-lo?" "Havia um homem hoje, na cidade. Ele estava-" "Tiro," Frank termina. "Mas não havia flecha." "Isso é verdade. Você carregava um arco em Claysoot, correto? Você atira flechas?" Concordo. "Na Ordem, carregamos armas. Nós disparamos balas." Ele levanta sua camisa, e retira algo do cinto na cintura. É muito menor do que as armas dos outros homens que tinham transportado na praça pública. Frank aponta para longe de nós e desliza em uma caixa delgada de sua base antes de afastar de cima da arma. Ele pesca algo da arma, ouro e brilhando, e entrega para mim. É pequeno em minha palma. Tão pequeno eu me pergunto como matou o ladrão. Mas também tinha viajado incrivelmente rápido, em erupção desde a arma e bateu a sua marca tão rapidamente que eu não podia nem ver isso acontecer. Pequeno e poderoso. Rápida e mortal. Faz o meu arco e flechas parecer ridículo. Eu deixei a bala rolar da palma da minha mão e em cima da mesa. "Ele não merecia morrer," eu digo. Frank sorri, do tipo, do jeito que minha mãe costumava fazer quando Blaine ou eu estava agindo para cima e ela tinha que nos repreender, mas realmente não queria. "Às vezes temos que fazer coisas que não são completamente agradável." "Não," eu disse com firmeza. "Não tem que ser assim. Sua família estava doente. Ele só precisava de um pouco de água extra."


"Todos querem mais água, Gray. Cada um e cada um deles. E o que eu não daria para fornecer. Mas nós não temos muito. Ele pegou o que não era o seu, e, doente ou não, ele não tem o privilégio de receber mais água do que o seu vizinho. Certamente você entende." "Mas ele nem sequer tentou se defender." "Ele era culpado," diz Frank. "Mas e se ele não era? E se não é a questão do preto- no-branco?" "É. Ele estava fugindo com a água. Ele sabia o que ele estava era errado." Frank se inclina sobre a mesa e abaixa o rosto para encontrar o meu. "Você fez a coisa certa ao parar ele, Gray. Taem hoje é mais um lugar justo por causa de suas ações." Concordo, mas as palavras finais do ladrão ecoam na minha mente. Seu pedindo, sua suplica. Eu sinto que eu estou perdendo falta de uma peça fundamental do quebra-cabeça, como se eu estivesse olhando para a situação de um ângulo errado e se eu pudesse ter uma visão melhor, tudo faria sentido. A única coisa que eu sei com certeza é que eu não concordo com o Frank. Não importa o quão óbvio algo possa parecer, há dois lados para cada história, e o ladrão nunca teve a chance de contar a sua. Eu quero dizer a Frank isso, e ainda assim ele tem sido tão bom para mim. Ele me vestiu e alimentou e ele está tentando libertar o resto dos Claysoot, tudo ao mesmo tempo manipulando os problemas de seu próprio país. Talvez ele esteja justificando a Ordem ter agido rapidamente. O que eu sei? Claysoot é tão pequena, e as coisas aqui são muito mais complexas. "O que você viu não é típico, Gray," Frank me assegura. "Nós reservamos este tratamento para os ladrões e apenas criminosos. O corrupto." Concordo, mas algo brotou no meu intestino, uma pequena semente de dúvida, uma semente que se alimenta de uma idéia que o ladrão havia plantado. O que você sabe... seguindo as ordens de um homem corrupto? Peço licença e vou para a porta. Antes de eu entrar no corredor, Frank chama por mim. "E, Gray? Eu não sei como isso aconteceu, mas nós misturamos os seus códigos de acesso durante a sua limpeza. As portas da


frente não devem ser abertas para você. Taem esta muitas vezes em um estado instável, o mundo além da cúpula ainda mais. Só posso garantir a sua segurança se você ficar aqui, na União Central. Tenho certeza que você vai entender quando eu peço que não passei até um novo aviso." Ainda ontem eu poderia ter pensado em suas palavras cativantes. Hoje eles soam como uma ordem, um pedido. "Absolutamente," eu digo. Mas quando as portas do escritório clicam fechando atrás de mim, eu vou direto para Emma. Há uma semente no meu intestino e ela vai saber se eu deveria eliminá-lo antes que ele tenha a chance de garantir suas raízes.


CAPÍTULO DEZESSETE Até o momento que eu chego ao quarto de Emma, eu fiz a minha mente. As dúvidas que tenho são muito reais. O ladrão deve saber coisas que eu não sei, pensa que Frank é corrupto. E depois havia a conversa que ouvi antes, Frank soando chateado com a minha batida em Heist, quando a ideia o devia fazê-lo esperançoso. Algo não bate. Emma puxa a porta aberta dentro de segundos da minha batida. Seu quarto tem janelas do outro lado, e iluminando ela por trás. Seu cabelo úmido de um banho, paira sobre os ombros. Ela parou de tremer. "Lembra quando eu disse que as paredes podem falar?" Ela acena com a cabeça. "Há um corredor marcado Somente Pessoas Autorizadas abaixo pela enfermaria. Vi quando Marco me levou para ser purificado. Eu acho que esses tipos de paredes sabem mais do que as outras." Ela olha para mim com cautela. "Aquelas paredes soam como tipo que você não deve mexer a menos que você seja uma Pessoal Autorizada. Talvez você devesse falar com o Frank. Ele parece gostar de você." "Eu já fiz isso. E ele faz. Mas ele gosta de mim porque eu escapei do assalto e nada mais." "Tudo bem," diz Emma, entrando no corredor. "O que exatamente estamos procurando nessa hora?" "Uma biblioteca." Ela faz uma pausa. "Por quê?" Eu olho por cima do meu ombro. Estamos sozinhos, mas eu abaixo a minha voz de qualquer maneira. "Porque não importa quantas perguntas que eu


faça, não estamos recebendo todos os detalhes. Mas as bibliotecas estão cheias de detalhes. Este lugar é montanhas maiores que Claysoot, e até nós tivemos um edifício de notas históricas e fatos. Tem de haver pergaminhos ou livros em algum lugar em Taem." Emma diz nada, mas me oferece sua mão. Eu pego, e a busca começa.

Quando chegamos ao corredor Emma começa a tremer de novo. Eu continuo roubando olhares sobre o meu ombro, mas ninguém nos seguiu. Eu nem mesmo me incomodo tentando o meu pulso na caixa de prata da porta. Eu sei que não terá acesso. Em vez disso, eu olho uma unidade na parede que diz, Em Caso de Fogo, Puxe. Aconteça o que acontecer depois, provavelmente, cria algum tipo de distração. Eu hesito por um momento, me perguntando se não há outra opção. Mas Emma acena tranqüilizando e eu acho que a única maneira que eu já obteve respostas é seguindo meu instinto, assumindo riscos e caçando a verdade eu mesmo. Antes que eu possa mudar de idéia, eu chego e puxo a pequena alça. Uma série de alarmes soa pelo corredor e entra em erupção água a partir do teto. Estamos definitivamente indo ser pegos. Um grupo de membros da Ordem estoura através da porta trancada, mas milagrosamente, eles nem sequer olham para nós. Eles correm para os corredores mais secos, com papéis mantidos em suas cabeças para a proteção. Antes de a porta se fechar atrás deles, Emma e eu escorregamos dentro despercebidos. No interior, o salão é pouco iluminado, longo e estreito. O piso é de um azul profundo e com a água chovendo a partir do teto, assume uma estranha sensação, debaixo d'água. O alarme ecoa indefinidamente. Emma, tremendo, procura a minha mão e deixa os dedos preencher os espaços entre os meus. Passamos uma série de escritórios e salas de reuniões. Suas portas estão trancadas, mas podemos ver cadeiras e mesas através de uma janela em cada sala. Há uma porta solitária no final do corredor, as janelas foscas de uma maneira que distorce tudo atrás deles. Nós podemos fazer a uma coisa,


porém, uma figura se move do outro lado. A sombra cresce. Está se aproximando de nós, prestes a explodir em nosso corredor. Puxo a mão de Emma e contornamos para o lado, tentando freneticamente os escritórios. Apenas quando a porta no final do corredor começa a se abrir, acho um identificador torcido, e eu Emma derramamos em uma sala. Nós pressionamos nossas costas contra a parede, ofegantes. Espio pela janela da nossa porta. A figura está correndo pelo corredor. Eu tomo uma respiração profunda. "Eu acho que estamos bem." Emma dá um suspiro de alívio, e conforme a água para de chover no corredor, voltamos para explorar o escritório. Estamos em uma sala de reuniões simples. Há uma longa mesa, rodeada por cadeiras e coberta com livros parecendo velhos. O conteúdo das páginas não está costuradas em uma coluna, mas apenas descansando dentro de suas capas pálidas. Emma agarra a de cima, marcada com Operação Ferret, e vira aberta. Dentro é o mesmo talvez- desenho que é gessada em toda Taem. Esta versão contém informações adicionais. "Alvo: Harvey Maldoon," lê-se. "Idade 55, caucasiano, altura 1,70. Cabelos castanhos, olhos castanhos. Usa óculos, míope." Aquilo deve ser as coisas que cercam os olhos e descansa em seu nariz. Eu me pergunto se eles melhoram a sua visão ao invés de servir como proteção, como eu pensava inicialmente. "Procura-se vivo." Nós olhamos um para o outro e, sem seguida puxamos cadeiras apressadamente. Emma vira para a próxima página no livro ligado. É um mapa. Tivemos um em Claysoot, uma visão panorâmica do centro da cidade e bosques circundantes, desenhada por Bo Chilton antes de ser assaltado. Este mapa mostra Taem, conforme com um lote extenso de árvores marcado a Grande Floresta norte da cidade. Longe dentro da floresta, quase em seu ponto mais ao norte, uma vasta cadeia de montanhas, uma das quais é rotulado Monte Martyr. Alguém circulou e rabiscou "possível sede Rebelde" em vermelho. Várias áreas da floresta que conduz até as montanhas estão marcadas com setas.


Há outras páginas também, cheia de relatórios de observação e pontos turísticos e áreas onde Harvey supostamente foi flagrado. Não lemos todos eles; há demasiados. ―Eu espero que capturem ele,‖ Emma diz quando fecha o registro. ―Eu também.‖ O restante dos registros são mais finos. A cada casas de algumas folhas de papel, palavras urgentes pressionado sobre elas, nítido e uniforme, também precisa ser escrita à mão. Emma estende uma das páginas para me ver. Por que é uma imagem de um menino, mais ou menos da minha idade. Sua cabeça pende para frente um pouco, mas seus olhos estão estreitados desafiadoramente. "Elijah Brewster" onde se lê abaixo de seu talvez-desenho. "Rebelde." Emma corre o dedo sobre a palavra. "Eu ouvi que Harvey está reunindo seguidores- rebeldes- fora da cidade," digo a ela. "Ele está trabalhando com eles para vazar informações para AmWest." "Por que as pessoas querem ajudar Harvey?" Emma pergunta, seus lábios curvando em desgosto. "Aqui. Olha." Eu aponto para um parágrafo dentro do registro de Elijah. Brewster suspeito de ser um dos primeiros a iniciar a rebelião. Sujeito levado para a floresta após a queima dos negócios de seu pai. Irmã foi levada para interrogatório, mas considerada inútil. Paradeiro exato de Brewster desconhecido. Acredita-se que equipa as tropas rebeldes nos esconderijos dentro da Grande Floresta. Brewster está a ser atirado a sim que visto. "Isso é estranho," eu digo, pensando em voz alta. "Frank fez soar como se Harvey começou a rebelião. Mas aqui... parece que Elijah que fez." Abaixo do parágrafo, a família de Elijah está listada, sua mãe como falecida, seu pai e sua irmã como executados. Eu mudo desconfortavelmente na minha cadeira. "Executado?" Emma repete. "Isso significa que Frank... A Ordem..."


Eu olho de volta para as palavras. Falecida significaria que a mãe simplesmente morreu, mas executado... "Eu acho que eles os mataram, seu pai e sua irmã. Eu acho que Elijah fez algo ruim e assim eles mataram sua família." ―Como o ladrão hoje?‖ ―Talvez.‖ Nós olhamos os papéis restantes. Eles mostram histórias semelhantes. Algumas das pessoas são marcadas como rebeldes e traidores. Outros são marcados como executados. Mas todos têm algo em comum: eles são os alvos. Frank quer todos eles mortos. Às vezes, se justifica executar alguém, eu suponho. Em todos os anos de Claysoot, aconteceu apenas uma vez. Eu li sobre isso nos pergaminhos. Um menino com o nome de Jeq Warrows enlouqueceu de ciúmes. Ele tinha apenas dezesseis anos e enfurecido que a menina que ele admirava não poderia retornar a sua afeição. Ela tinha olhos para outra pessoa, arranjado continuamente seus encontros com esse alguém. Jeq foi sorrateiramente à casa do rapaz uma noite e tentou cortar sua garganta. Ele falhou. Jeq foi chamado ao Conselho por tentativa de homicídio e foi condenado a escalar a parede. Seu corpo voltou um dia mais tarde; e nesse sentido, o povo de Claysoot o executaram. Mas isso parece diferente das histórias que enchem as páginas antes de mim, onde as pessoas são direcionados para coisas que não são comparáveis ao assassinato: por ler um determinado livro, por falar em praça pública, pelo o ensino de disciplinas consideradas impróprias. Elijah parece inocente. Como faz a maioria das pessoas. Especialmente aqueles marcados executados. Sentime em conflito sobre o destino do ladrão antes, mas esses registros são indiscutíveis. Essas pessoas não fizeram nada de errado. "Gray, o que você acha que isso significa? Esses registros?" O rosto de Emma ficando pálido. Eu olho para a porta e, em seguida, de volta à mesa. Frank sabe sobre essas execuções. Sua assinatura está na parte inferior de cada página. Frank, que colocou a mão no meu ombro e falou comigo como um pai e queria que eu


o ajudasse. E talvez eu ainda preciso ajudá-lo. Harvey é o verdadeiro inimigo, mas Frank parece cada vez menos como um aliado com cada registro que lemos. "Eu me pergunto se os rebeldes são apenas vítimas," Eu ofereço, tentando dar sentido ao que eu li, "se uniram, se rebelando contra Taem." Eu deixo cair a minha voz para um sussurro. "E contra Frank." "Mas se juntar ao lado de Harvey? Isso é nojento." "Talvez eles pensem que ele é o menor de dois males. Frank está matandonão, executando-os seus amigos e familiares. Harvey correu um experimento, em pessoas que eles nem sequer conhece. Se eles não têm todos os detalhes, eu posso ver porque os rebeldes escolheram se juntar Harvey. Ou Elijah, eu acho, com base nesses arquivos." Emma torce os dedos ansiosamente. "Gray? E se Frank não é o mocinho?" Eu penso sobre isso por um momento. Não posso dizer que o pensamento não tinha passado pela minha cabeça desde a leitura dos documentos. "Mas então por que até mesmo Frank se incomoda em nos ajudar? Por que desperdiçar esforços para nos salvar de Outer Ring?‖ Emma continua amassar os dedos, polegares sobre os nós dos dedos. "Porque ele quer que a gente ache que ele está do nosso lado. Talvez tudo isso faz parte de um ato." Se eu tinha qualquer hesitação, Emma está molhando a semente da dúvida. Os detalhes desses registros não correspondem com aquilo que eu tenho dito. E até mesmo como Frank vai fazer para conseguir libertar Claysoot, é nesse tipo de mundo que eu quero viver? Um onde um ato aparentemente inofensivo pode te matar? "Precisamos encontrar Blaine," eu digo. "Precisamos falar com ele sobre esses registros e precisamos sair daqui. Podemos nós mesmo encontrar Harvey, deixar livre Claysoot, e quando o fizermos, temos que tomar todos longe deste lugar o máximo possível.‖ "O um plano valente." Marco está de pé na soleira da porta, com um sorriso malicioso. "E pensar que Frank estava realmente desfrutando da sua


companhia, Gray. Ele vai ficar tão decepcionado quando ele ouvir que você se voltou contra ele." Marco parece emocionado com si mesmo, e tudo desaba sobre mim- o que isso significa, o quanto de problema que eu comecei e não apenas em mim mesmo, mas Emma também. Por que eu tinha pensado que isto era uma boa ideia? Por que eu tenho que puxá-la para baixo comigo? Marco agarra primeiro Emma. Estou gritando e o empurrando, mas ele é mais forte, e então há outro membro da Ordem na sala, aproveitando que Emma esta com Marco para prender minhas mãos. Ele estala dois elos de metal em torno de meus pulsos, amarra minhas mãos como o ladrão de água, em seguida, agarra a minha mandíbula. Ele se inclina tão perto que eu posso ver meu reflexo no seu olho bom. "Parece que eu estava certo desde o primeiro dia, colocando você em uma cela. Como é irônico." Ele se endireita. "Agora vamos ver o que Frank vai fazer sobre isso."


CAPÍTULO DEZOITO Eu acordo e fico surpresa ao descobrir que dormi profundamente, apesar da pequena porção da deliciosa cobra que eu comi. Conforme eu estou me alongando, eu olho para cima, pensando quem poderia estar nessa manhã. Mas isso significaria que eu perdi o meu turno para se manter vigiando. Examinando o nosso acampamento, eu noto Guy sentado, olhando para o fogo. Eu olho em volta. Todo mundo está dormindo. Eu não sei por que ele está me ignorando. É óbvio que ele sabe que eu estou acordada. "Ei," eu sussurro. Ele se vira e olha para mim. "Por que Titus não estar acordado?" Guy olha de volta para o fogo. Eu não tenho certeza se ele vai responder. Certamente não me surpreenderia se ele não o fizer. Mas então ele diz, "Harper acordou apenas eu. Talvez ela pensasse que eu mesmo iria acordar ele." Ele não termina seu pensamento. Que ele não acordou Titus. "Há quanto tempo você vem se mantendo vigiando?" Eu pergunto. Guy coça sua bochecha. "Um tempo." "É meu turno, não é?" eu digo. "Você não me acordou, também." Ele não responde. "Ok, bem. Precisamos esclarecer uma coisa." Eu me endireito e olho diretamente para o lado de sua cabeça. "Você pode pensar que eu sou fraca, mas eu estou realmente determinada a vencer esta corrida. E eu vou fazer a minha parte, enquanto eu estou viajando com essas pessoas." Eu faço um gesto em direção aos concorrentes dormindo. "É justo."


Guy estica seu pescoço. Não o suficiente para que ele esteja totalmente olhando para mim, mas o suficiente para me deixar saber que ele está ouvindo. Eu estendo a mão e acaricio minha Pandora, que esta perdida em sonhos. Guy e eu não dizemos nada durante vários minutos. Estou tentando provar que eu sou um membro da equipe que contribui, e Guy está tentando provar... o quê? Que ele não confia em mim? "Você precisava dormir," diz ele de repente. Sua voz, que normalmente é tão profunda, é quase chocante quando ele está fazendo um esforço para mantêla baixa. Eu tentar processar o que ele está dizendo. "Então, você não me acordou porque você pensou que eu precisava de mais descanso?" Guy não se move por um momento, mas então ele acena com a cabeça lentamente. "Porque você acha que eu não posso lidar com esta corrida como os outros podem?" Há uma borda defensiva para as minhas palavras conforme me lembro do meu pai tentando queimar o fone de ouvido. Ele acreditava que eu não poderia lidar com esta corrida, também. Ele me olha com o rosto morto. "Porque você parecia cansada." Eu seguro o seu olhar por um momento, e enquanto faço isso, conforme um arrepio percorre minha espinha. Seus olhos são a mais fenomenal sombra de azul que eu já vi. Não é lindo exatamente. Mais... Surpreendente. E a maneira como ele olha para mim agora - como se vê-se através do outro lado o faz parecer loucamente imprevisível. Gostaria de saber sobre a profunda cicatriz branca cortando sua sobrancelha direita. Por alguma razão, parece dizer mais do que até mesmo seus olhos o fazem. "Oh," eu resolvo dizer. "Obrigado, então. Eu acho." Guy olha para o dossel e coloca uma mão em seu leão. "Sua Pandora é extraordinária." Se eu não soubesse melhor, eu diria que Guy apenas iniciou uma conversa. Atormentando que é apenas para cavar para obter informações. "Sim," eu


murmuro. "Outro Pandora estava mexendo com ele um par de dias atrás. Eu estou tipo feliz que ele foi capaz de provar o seu valor. Não apenas por minha causa, mas por conta própria." "Você se preocupa com isso," diz Guy. Não é uma pergunta. Ele já viu a maneira que eu agarrei Madox. Concordo e cubro meus braços em volta da minha cintura. Guy esfrega seu queixo. "O outro Pandora estava intimidado." Eu olho para ele, curiosa para saber onde ele está indo com isso. Sombras pela dança do fogo projetam em seu rosto. "O que você quer dizer?" "Eles deveriam estar" - Guy treme os dedos perto de seu nariz e respira como se estivesse farejando alguma coisa- "senti o cheiro dele. Eles devem ter sentido a sua capacidade de fazer uma cópia deles. Isso tem que ser intimidante, sabendo que a sua única função para ajudar a sua concorrente vencer é correr para outra Pandora que pode fazer o que eles podem tão facilmente." Eu assisto Guy dizendo isso, a firmeza com que ele fala. "Talvez você esteja certo," eu digo. Ele parece ser intuitivo sobre um monte nesta corrida. Ele encontrou uma bandeira dentro das primeiras 24 horas. Ele sabe como lidar com ele mesmo na selva. E eu estou certa de que ele sabe muito mais do que ele está cedendo. "Guy," eu digo gentilmente, "o quanto você sabe sobre o Brimstone Bleed?" Os músculos de seu braço apertam, e eu tenho certeza que eu vou o escutar e será a última vez hoje. Mas ele me surpreende novamente. "Eu sei algumas coisas," diz ele. Então ele olha para mim. "Mas não é qualquer coisa que vai me ajudar ou você ganhar." Ele cerra os punhos. "Nossas famílias, mesmo se soubessem, não foram autorizados a nos dizer alguma coisa antes que recebêssemos os nossos dispositivos. Se o tivessem feito, teria havido conseqüências." Eu procuro seu rosto, e me sinto certa de que ele está dizendo a verdade. Há tantas perguntas que eu quero perguntar a ele, mas eu acho que ele me disse tudo o que ele está disposto a compartilhar por enquanto. Então ao invés, eu


tento algo diferente. "Você acha que nós vamos fazer isso ir para o outro lado da selva a tempo?" Ele inclina sua cabeça e me estuda com o que, curiosamente, parece simpatia. "Tella, eles não estão nos levando para o outro lado da selva. Eles estão nos levando para o centro." Eu deixei meu olhar cair para o chão. Claro que eles estão. A selva deve ficar muito pior quanto mais você entrar. "Eu não entendo as pessoas que executam o Brimstone Bleed saem dessa," murmuro, balançando a cabeça. "Eles parecem tão cruéis." "É complicado," ele diz rapidamente. Tudo em mim quer disparar perguntas para ele como um fogo rápido, mas eu não posso falar. Porque Guy está olhando para mim de uma forma que faz com que minhas bochechas corem. Ele coloca as palmas das mãos contra o chão e se aproxima. Quando ele é apenas um fôlego, ele levanta a mão e corre sobre o meu lado. Cada pensamento racional em minha mente desaparece. "O que aconteceu aqui?" ele pergunta. Olhando para baixo, eu noto que ele está manuseando a mancha de sangue de um quarto de tamanho na minha camisa. Para minha surpresa, há uma mais fraca, uma maior mancha circulando no centro, como se o sangue escoou para fora. Guy puxa o lado da minha camisa e eu suspiro quando noto a pequena ferida que a sanguessuga deixou. É rosa e inchado, mas a parte mais alarmante é que ainda está sangrando. Guy pressiona perto da ferida e o sangue escorre para fora. Eu luto contra a vontade de desmaiar. "Isto é de uma sanguessuga." Ele olha para mim por confirmação, e eu aceno. "Quando eles mordem, eles injetam em você um veneno que preveni a coagulação do sangue." Vou sangrar a partir de uma sanguessuga. E morrer. É assim que eu tomo esta notícia.


"Você vai ficar bem." Guy deixa minha camisa cair de volta no lugar e se levanta. "Eu preciso ir encontrar algo para parar o sangramento, no entanto. Eu estarei de volta." Ele bate a cabeça do leão. M-4 pula para seus pés. "Vamos, rapaz." Durante quinze minutos, eu planejo meu funeral. Meu pastor vai dar a minha vida um elogio. Ele vai dizer que eu tinha várias maneiras de usar maquiagem e que eu tinha uma obsessão limítrofe com notas pegajosas. Eles vão servir comida grega no velório, porque a mamãe vai insistir que era o meu favorito, e Cody vai perguntar por que ele tem que comer essa porcaria, mesmo depois que eu me for. Mas isso não é certo. Porque se eu me for, então Cody... Ouço um barulho perto e estou muito aliviada ao ver Guy, eu quase abraço suas pernas. Ele está segurando um punhado de folhas em uma mão e duas pedras na outra. Sentado perto de mim, ele mói as folhas entre as pedras. "É isso que vai me salvar?" eu peço. Guy para a moagem. "Salvar você?" Eu percebo neste momento que a minha vida não está pendurada por um fio. Eu ri. "Eu estou brincando." Ele volta a moer. Segundos depois, ele levanta minha camisa de volta. A despeito do que estamos tratando aqui, eu não posso ajudar, mas me arrepio. Porque ele, você sabe, levantou minha camisa. Eu vejo como ele pega um pouco da polpa da folha entre os dedos e espalha sobre a ferida. Conforme ele trabalha, eu nem sequer penso sobre o que ele está tocando. Em vez disso, me concentro na maneira como ele mastiga o lábio inferior em concentração. Guy é tão distante e frio, mas agora ele é algo diferente. "Por que você está viajando com a gente?" eu pergunto de repente. Ele para de aplicar a medicação improvisada e olha para cima. E, meu Deus, ele esta tão malditamente perto. Os olhos de Guy viajam dos meus olhos para os meus lábios. Ele aperta o seu próprio junto, e depois se afasta. "Sua Pandora é muito poderoso," diz ele. "Eu não posso imaginar que houve uma


melhor criação do que ele. Eu sei que se eu ficar por perto, sua Pandora irá remover a maioria das barreiras daqui para a cura." Eu engulo. Ele disse a verdade. Eu esperava que ele mentisse. Então eu tinha esperado lutar o resto do dia com a possibilidade de acreditar nele. Mas ele disse a verdade. Eu corro a mão sobre a minha cabeça. ―Obriga por me dizer. Eu acho.‖ ―Você já sabia.‖ Ele diz. Eu olho para ele. ―Eu suponho que eu fiz.‖ Guy retorna para medicar o meu lado. Quando ele termina, ele se afasta, mas só um pouco. "Você está diferente," diz ele. Meu rosto franze com confusão. "Como assim?" Ele toca a mão calejada na cabeça e puxa uma moita espetada de seu próprio cabelo escuro. Oh. "Sim, eu provavelmente estou, né?" Eu digo. "Eu esqueci que você me viu no Processo de Seleção Pandora." Eu me inclino para trás em minhas mãos. "Havia uma menina que me arrastou para baixo naquele dia pelo meu cabelo. Eu decidi que tinha que ir." O que eu quero dizer também, por alguma razão estúpida, é: Não se preocupe, ele vai voltar a crescer. Nem sempre vai parecer hediondo. Guy estuda a pena posicionada sobre meu ombro, depois balança a cabeça para si mesmo. Se eu não soubesse melhor, eu diria que eu acabei de ter um aceno oficial de aprovação. Não tendo certeza sobre o que dizer em seguida, pergunto, "Você acha que o guaxinim teria feito isso? Curado minha ferida?" Ele balança a cabeça. "Não por você, não." É o que eu percebi que cada Pandora olha apenas para o seu próprio concorrente. Ainda assim, eu me pergunto como ele sabe ao certo. Guy estala seus dedos como se quisesse dizer alguma coisa, mas não sabe como. Quando depois de alguns segundos ele ainda não falou, eu decidi


fazer uma aposta. "Guy? Você vai me dizer sobre esta corrida?" Eu engulo em seco e adiciono baixinho, "Por favor." "Eu lhe disse que isso não ajudaria." "Diga-me de qualquer maneira," eu digo, esperando que minha voz soe firme. Olhando para o céu, ele parece pensar. Ele puxa o fôlego e deixar sair. Ele faz isso de novo. E mais uma vez. Seu peito largo incha como um pássaro, então achata. Então para meu espanto, ele fala. "Há pessoas diferentes que executam isso. Diferente... nomes para eles." Ele para de repente, como ele não pudesse acreditar que ele tenha dito alguma coisa. Eu fico quieta. Tão quieta. Que eu posso ouvir meu coração pulsando em meus ouvidos. Guy molha seus lábios. "Há os criadores, os que fizeram a sua Pandora. Eles são mais comumente referidos como Pharmies.‖ Minha mente gira. Eu conheço essa palavra. A menina no carro de trem comigo, disse isso. "Eles trabalham na indústria farmacêutica, do tipo, e garantem que a cura esteja disponível para o vencedor." Ele bate em sua têmpora levemente. "Esses caras são brilhantes. Eles eram especialistas em engenharia genética no início de 1950, duas décadas inteiras antes do público começa a ler sobre o assunto." Guy olha para mim, mas eu evito seus olhos. Eu não quero que ele veja como estou extasiada com o que ele está dizendo. Em vez de lhe pedir para esclarecer, e antes que eu possa realmente pensar, eu pergunto: "Quem é você aqui, Guy?" Ele se afasta de mim. Eu fiz a pergunta errada, e agora ele está se afastando. Para minha surpresa, ele olha para mim com um brilho malicioso nos olhos. "Você me deve um favor pelo tratamento de sua ferida." Ele diz isso igual a um tombo e eu me pergunto se ele pratica falar sem emoção. "Um favor?" Eu ignoro o fato de que ele está evitando a minha pergunta, ou que ele apenas me disse metade de uma história. "Que tipo de favor?" Ele olha para Madox, e meu estômago despenca. Não. Eu não vou lhe dar a minha raposa.


"Eu quero que você cante essa canção," ele responde. "Qual música?" Mas assim que eu pergunto, eu sei. Ele me ouviu cantar para Madox quando eu o estava seguindo. O que significa que ele sabia que eu o estava seguindo. "Oh Deus." Eu cubro meu rosto com as mãos. "Você quer dizer que a música doente." Quando ele não diz nada, eu percebo que ele realmente, realmente achar que eu vou cantar. Como, agora. "Você não pode estar falando sério," eu digo. Nada. Reviro os olhos. Este será o momento mais embaraçoso da minha vida. Mas ele tocou na minha ferida da sanguessuga, pelo amor de Deus. E eu tenho tantas perguntas que eu preciso que ele responda. Então se ele quer a música doente, ele recebe a música doente. Eu limpo minha garganta como um profissional pode fazer. Então eu abro a boca e canto. Dura noventa segundos de humilhação. Eu não posso nem olhar para ele quando eu termino. Mas quando ele não diz nada, Eu não posso não olhar para ele. Olhando por cima, percebo que ele está apenas olhando para frente. "Você é uma cantora horrível," diz ele. Meu queixo cai aberto. O nervo maldito. Estou prestes a lhe dizer onde ele pode enfiar isso, mas depois eu vejo- o menor dos sorrisos puxando no canto da boca. E eu não posso me ajudar. Eu aponto para seu rosto. "Você está sorrindo," eu digo, enquanto riu. "Você está totalmente sorrindo." O sorriso desliza de seu rosto, e ele balança a cabeça, como se ele não soubesse o que eu estou falando. Mas eu totalmente o flagrei e ele sabe disso. Sr. Pedra Fria apenas quebrou. Ele se deita e fecha os olhos. "Eu acho que você está bem descansada o suficiente para vigiar por si mesma agora." "Eu estava para começar," eu retruco.


Ele fica quieto por um minuto inteiro antes de ouvir ele falar de novo. "Meu primo," diz ele. "Estou aqui pelo meu primo. Porque ele teria feito isso por mim." Eu sorrio para mim mesma. Eu sei que ele n達o vai dizer mais nada.


CAPÍTULO DEZENOVE Nosso grupo caminhava pela selva, durante cinco dias, as nossas Pandoras arrastando-se nas proximidades. Nós enfrentamos problema após problema: queda de árvores que quase achatam nós, chuva incessante, fadiga crônica, picadas de insetos . . . a lista parecia interminável . A corrida nunca parece terminar. Principalmente, porque nós fazemos o que podemos para sobreviver a cada dia. Nós comemos e bebemos o que a floresta oferece . Nós compartilhamos histórias e memórias de casa enquanto nós caminhamos para manter o ânimo . E nós localizamos mais duas bandeiras : uma a sudeste do que a antes dela. À noite , montamos acampamento e levamos os nossos deslocamentos habituais vigiando . Guy continua a não me acordar quando é a minha vez, e eu continuo a acordar por conta própria através de pura determinação. Falamos durante este tempo. Eu mais do que Guy, mas ainda assim, ele tem seus momentos . Nunca há qualquer divulgação sobre a raça , e não desde a primeira vez. Mas é bom ter um momento que é roubado . Como se esculpilo para fora da selva na noite e dizer: Isto pertence a nós. Eu aprendi que Guy realmente gosta do deserto, e se não fosse para a corrida, ele pode ter o tempo de sua vida. Ele é de Detroit , que eu acho incrivelmente legal, e ele tem três irmãos mais novos . Embora ele nunca vai admitir isso, eu sei que ele também adora o pai. Ah, e ele gosta de jornais : não para ler, apenas o som da ondulação que as páginas fazem. Cinco dias . Dez horas roubadas . E isso é tudo que eu sei . Todos os dias agora , Guy caminha atrás de mim. Isso me deixa super paranóica. Principalmente, quando eu penso sobre o tamanho do meu bumbum e seu nivelamento geral contra a redondeza. Pelo menos ele mantém minha mente em questões mais sérias. Como o fato de que as minhas mãos começaram a tremer, ou que Dink não disse uma palavra em três dias, ou que Tito se torna mais agitado e agressivo a cada dia.


Uma vez eu perguntei por que Guy deixa ele ficar . Ele disse algo sobre ser melhor tê-lo à vista. Hoje é dia dez. E atrás de mim , eu posso ouvir os passos firmes de Guy. Eles são fracos, mas o som ainda me acalma. Assim como todos os outros dias, eu me surpreendo com o que Guy me falou sobre a corrida. Sobre por que o Pharmies criaram a cura, ou as Pandoras, para começar. Quatro dias atrás, eu pensei em contar aos outros o que Guy me disse, mas decidiu que seria melhor tentar e obter a história completa em primeiro lugar. Porque Deus sabe que todos eles começam a fazer perguntas , ele vai se calar, com certeza. Mas uma vez que eu descobrir, eu vou compartilhar o que eu sei . É justo . "Todo mundo ainda bem por mais uma hora antes de descansar? " Harper pede , rompendo meus pensamentos. Ela ergue a cabeça para o céu, enquanto ela fala, em busca de sua águia. Os outros contendores e murmuro uma resposta afirmativa . "Ok, eu vou perguntar a ele ", diz Ransom. "Quanto maldito mais que você acha que o acampamento base está a partir daqui? " " Para sempre", Levi responde , uma mão no chifre enrolado de seu carneiro . "É sempre a partir daqui. Isso é o que se sente de qualquer jeito. " " Dez dias ", Caroline diz calmamente . Eu sei o que ela quer dizer. Estamos começando a cortá-la perto. Temos apenas quatro dias para a esquerda. "E se ", diz Ransom. "E se não há realmente um acampamento base? " Harper pára de repente , e bate de resgate em suas costas . "Deus, Harper ", ele resmunga . "Caminhamos tanto? " Ela gira para enfrentá-lo . "Não diga besteira assim. Nós não precisamos disso. Entendeu? " Ele olha à sua direita . Eu não posso ver a sua expressão a partir daqui, mas eu imagino que é uma de irritação. Nossos fusíveis se tornaram mais curtos a cada quilômetro que caminhamos. Ransom rola a mão, como se dissesse: O de sempre , vamos. Continuamos andando, e eu luto contra o desejo de olhar para trás. Para ver o que cara está fazendo. Talvez ele está construindo binóculos de casca ou um telefone celular fora da vinha. Madox arrasta-se através da selva perto do meu tornozelo direito.


Ele tem sido um soldado durante a corrida, mas eu posso dizer mesmo que ele está começando a se cansar. Andamos na formação por mais alguns minutos, até que eu ouvi alguma coisa. Todo mundo pára e escuta. Isto é o que esta etapa da corrida pode ser resumida como: escuta. Há sons que nos dizem se um animal estrangeiro está próximo , e outros que a chuva faz. Quando é de manhã , há sons que exércitos inteiros de insetos criam e sons diferentes para quando estamos perto de um riacho . O som que eu ouço agora não é um inocente. É pesado e lento, e minha mente começa a preencher os espaços em branco. Ele deve ser grande, e está tanto a caça de algo ou já à espreita . Como o barulho fica mais alto, eu sei que está se fechando , e porque não abranda, determino que não está aqui para nos atacar. O urso pardo de Titus dá um passo para a frente e levanta o focinho no ar , e cheira. M- 4 imita o de um poucos metros de distância. Assustei quando eu senti alguma coisa atrás de mim. Esticando o pescoço, acho o Indivíduo que está tão perto que seu braço passa pelas minhas costas. Ele está olhando por cima do ombro, observando atentamente, como se ele estivesse esperando para tomar esses dois últimos passos para que ele esteja na minha frente. Eu quero dizer a ele que eu posso cuidar de mim mesma. Isso Madox pode cuidar de mim. Mas a verdade é que eu gosto que ele está lá, só no caso. Então eu vira e encaro o som. Estreitando os olhos, dois animais vem marchando quando dirigem-se para nós. Quando eles chegam mais perto, percebo que há um terceiro animal menor e três pessoas seguindo atrás. Eu me pergunto se eles são Pandoras ou criaturas da selva . Mas quando eu dou uma olhada melhor, eu sei que é a primeira. O animal em frente é uma zebra. Suas listras alteram as cores quando ele anda para que ele combina quase perfeitamente na folhagem verde e marrom. Atrás dele está um rinoceronte, com um chifre de marfim de espessura crescente a partir da ponta de seu nariz. Pendurado perto da parte traseira, perto dos três candidatos, está um canguru. Sua longa cauda arrasta atrás dele enquanto pula junto. Os contendores não percebem nós, e eu não tenho certeza se isso é o melhor. Eu não posso deixar de me perguntar quem são essas pessoas, de onde elas vieram . O grupo de viajantes é formado por um homem mais velho, talvez em seus quarenta e poucos anos, e duas meninas mais jovens que parecem perigosamente finas. Harper dá alguns passos hesitantes em


direção a eles, e, em seguida, levanta o braço dela. Ela vai deixá-los saber que estamos aqui. Mas antes que ela possa, Tito pega seu pulso e puxa de volta para baixo. "Que diabos você está fazendo? ", Ele sussurra . " Tentando nos matar? " Harper dá -lhe um olhar letal antes de rasgar longe dele. "Não há nenhuma razão, não podemos ajudar um ao outro até o fim. " Eu ainda não sei como me sinto sobre Harper, mas não posso deixar de concordar com ela sobre esse ponto . Embora eu saiba que ela está furiosa, ela olha para o lado de Tito e de volta para os estrangeiros. Ninguém mais diz nada até vê-los passar. Quando eles estão fora do alcance da voz , os passos de Guy atrás de mim e fala ao nosso grupo ao lado . " Correndo com outros contendores pode significar que estamos chegando perto . " Eles franzem a testa . " E isso provavelmente significa que estamos indo na direção certa. " Levi aponta para onde vimos os contendores e sua Pandora . "Olha, alguma coisa está por vir. " Nós observamos e esperamos . As vinhas e plantas farfalhar , mas nunca dão uma visão clara de quem está lá. Eu acho que eles são humanos, que há talvez seis deles, e que não são candidatos. Suas roupas também são marrom , mas é também de cor escura. Como eles se movem, eles ficam perto do chão, com as cabeças tirando desta forma e que. Um senso de alerta, pressentimento no meu estômago , e até mesmo os pássaros em cima parecem manter suas respirações. Embora meu cérebro exige o meu silêncio, cada músculo grita para correr. "Eles estão seguindo os contendores , " Guy diz calmamente . Observe-os , eu sei que ele está certo . Há um estranho, espasmódico homem para a forma como eles se movem . Essas pessoas , embora eu não possa vêlos totalmente , são como nada que eu já conheci . Exceto . Eu acho que volta para o homem que eu vi no primeiro dia da corrida. O que eu pensei que eu imaginava. Talvez ele sejam um desses homens . Eu me pergunto por que eles estão aqui e se eles estão nos seguindo. Madox choraminga abaixo de mim. . . e minhas pernas começam a tremer. Digo a mim mesmo que é


porque nós já andamos por muito tempo esta manhã e que eu estou exausta. Mas eu sei que é algo mais. Isso é medo. O indivíduo olha para o meu rosto . Eu me pergunto se ele vê como esta corrida está começando a tomar seu pedágio em mim. Eu acho que por um momento que ele vai sugerir para parar aqui para descansar. "Nós devemos caminhar ao longo do dia ", diz ele . " Podemos descansar esta noite. " Eu fecho os olhos contra a decepção. Mas eu não vou ser a única a sugerir para parar. Então eu cerro os punhos, lembro-me por que eu estou aqui, e caminho para a frente do grupo com Madox no meu calcanhar. "Eu vou levar ", eu anuncio . "Estamos todos cansados, mas eu espero que você mantenha-se. " Por um único momento , eu espero Harper para protestar. Para estacar sua reivindicação como líder deste bando . Mas quando eu olho para ela, ela tem um olhar de alívio em seus olhos verdes. Ela não sorri para mim, ou mesmo concorda. Ela só entra na fila atrás de mim e começa a andar. Fomos indo para o leste, mas está se aproximando de tempo para mudar a caminhada para o sul. Eu ainda estou na frente, caminhando através de plantas da selva espessa, um filme de sujeira e suor em toda a minha testa. De poucos em poucos minutos, eu faço a varredura de nosso perímetro, em busca de mais contendores e suas Pandoras. Nós tínhamos visto mais nas últimas três horas. Havia uma adolescente com uma tartaruga, um homem com longos cabelos negros e uma cobra amarela em volta do seu braço, e duas mulheres em seus quarenta anos, com um par de corujas. A maioria dos contendores viajava sozinho, mas alguns, como nós, caminhamos juntos. É reconfortante vê-los. Muitos melhor do que ver os homens estranhos, que nós mantemos um olho para fora para, mas não manchou de novo. Minhas botas começam a se sentir mais pesadas como eu ando , e eu me encolho das bolhas que se formaram ao longo dos meus tendões de Aquiles. Eu olho para cima para garantir o caminho à frente está livre de troncos ou plantas densas, e observe o terreno parecer mais escuro.


Percebo, então, que as minhas botas não ficaram mais pesadas, mas sim a terra tornou-se mais suave, tornando-o mais difícil de andar . " A terra ", eu digo . "Está ficando barrenta. " Guy caminha ao meu lado , e seu leão ao lado dele. Ele se agacha, cava os dedos na terra molhada, e esfrega -os juntos. " Estamos nos aproximando de um corpo de água. " Ao longo da última semana ou assim , teríamos atravessado muitas correntes que nos permitiram saciar a nossa sede . Mas à noite, Guy me fala sobre grandes, rios caudalosos que vivem no interior da maioria das selvas. As cócegas de excitamento se arrastam através de mim, imaginando seu rio. " Vamos continuar ", continua ele . "Temos que manter o plano. " Isso é bom por mim. Estou ansiosa para ver o que está à frente. Então eu caminho para a frente, mesmo que a sujeira fica mais grossa e mais difícil de marchar com o mais longe que vamos. Em breve, o som de água correndo é inconfundível. Minhas cócegas de excitação se transformam em alegria de corpo inteiro. Desde aquele dia na clareira, onde Madox deslocou para diferentes Pandoras, eu não vi nada, mas vegetação densa e árvores altas. E agora o desejo de ver o céu ou um rio ou algo diferente é esmagadora. Corro para a frente. Depois de vários pés, e alguns tropeços, eu vejo isso. O rio. É amplo e caramelo marrom e há nuvens brancas brilhantes que flutuam em cima. Um sorriso varre o meu rosto, e quando eu volto para ver os outros contendores, estou muito feliz de ver que eles estão sorrindo, também. Todos, exceto Guy , é isso. De repente, estou furiosa que ele não pode apreciar isso, a água, sussurro e ar fresco . "O que há de errado com você? " A amargura em minha voz me surpreende. "Por que você não está feliz? " Seus olhos ficam no rio, procurando. " Porque é hora de ir para o sul . " Eu volto para a água e cavo minhas unhas em minhas palmas. Ele está certo, é claro. Nós gastamos cerca de seis dias de viagem a leste, por isso é hora de virar. A digitalização da lama grossa ao longo da margem, eu sei que vai ser impossível caminhar ao longo do rio e fazer progressos suficientes. Nós vamos ter que usar a corrente para nos levar para o sul. Nós vamos ter que ir pelo rio.


CAPÍTULO VINTE O rio parece tão grande, como uma cobra sinuosa, enrolando no coração da selva. Eu não posso imaginar como que vamos usá-lo para viajar, ou que criaturas vivem em seu ventre escuro. ―Você..." Caroline diz lentamente, olhando para Guy. "Você acha que devemos nadar?" "Eu não vou nadar naquela água de merda.‖ Titus bufa. ―Eu pareço alguém que quer Ebola‖?" Eu não tenho idéia se você pode pegar Ebola a partir da natação, mas eu meio que concordo. Esta água não se parece com algo que eu quero submergir. Guy se afasta de nós e volta alguns segundos depois segurando várias coisas. Ele se move mais perto da água e joga o primeiro item dentro, eu não sei o que era, mas agora vive no fundo do rio. Ele joga a segunda coisa que segue o líder, afundando rapidamente. Eu vejo como ele joga mais duas coisas, todas elas mergulham no rio e se afogam. Sua costas aumentam quando ele toma uma respiração profunda, frustrado. Então ele espreme seus dedos – todos mais os polegares. Imagino a corrida ao longo desses malditos polegares dele, mas antes que eu possa, ele diz: " Precisamos de algo que flutue ". "Tudo bem", eu digo rapidamente, voltando-me para procurar na vegetação ao redor da margem do rio. Isso é bom, quando nós temos um plano, precisamos de algo que flutue, disse ele. Bom. Todo mundo em nosso grupo procura no chão da floresta por vários minutos, enquanto os nossos Pandoras assistem. Parecemos uma tripulação de um daqueles filmes de assassinato à procura de um corpo. É um pensamento torcido, mas isso me faz rir. "O que é tão engraçado, Looney Tunes?" Levi pede. Eu balanço minha cabeça. "Esta é a porcaria que eu costumava assistir na TV. Pessoas procurando por áreas arborizadas, vestindo roupas horrendas. Quero dizer, como é que esta acontecendo isso comigo? "


As sobrancelhas de Levi levantam enquanto ele está pensando muito, depois ele olha para mim e seu rosto se divide em um sorriso. "Eu não tenho idéia." Ransom se levantou como se algo enorme ocorresse a ele. Nós todos olhamos em sua direção. "O que é isso?" Levi pede. Ransom olha em volta. "Eu estou em uma selva. Uma Selva". afirma. "Como um guaxinim de magia." Dink está sorrindo, e o som nos surpreende tanto que todos nós olhamos para ele. Ransom aponta para Dink. "Eu fiz a criança sorrir." "Pessoal", diz Guy. "Objetos flutuantes." Todos nós olhar para Guy, em seguida, fazemos caretas um para o outro como ele age como um pai autoritário. Secretamente, porém, eu amo que ele é tão focado e fiável. Sua perseverança é o que permite que o resto de nós possamos ficar soltos. Mesmo Harper, que dias atrás foi o epítome da seriedade, agora balança a bunda para ele. "Isso é ótimo", diz Guy, observando-a. "Obrigado por sua ajuda." "Ok, ok", eu digo. "Vamos ajudar o menino explorador a encontrar algo que funcione". Minutos depois, estamos parados ao longo da margem, os nossos braços transbordando com folhagem aleatórias da selva. "Tudo bem", diz Guy. "Jogue-os dentro" Todo mundo joga seus braços para cima e para baixo chove a mais inútil porcaria de sempre. Exceto o que Caroline lança, que, graças aos doces céus, na verdade flutua. "Yep- Yah!" Ransom grita, apontando para o tubo longo e fino navegando no rio. Nós todos dançamos em torno como idiotas com o sucesso de Caroline. Levi e Ransom vão buscá-la, e os três quase caem no rio. Estamos delirantes de


exaustão, mas estou aliviada de que algo trabalhou e que estamos fazendo o nosso melhor para ficar otimista. Tito olha para Caroline. Perdida no momento, eu mostro a minha língua para ele. ―Anime-se, Grinch". Ele atravessa a distância entre nós, em questão de segundos, suas mãos envolvem em torno da minha cintura e ele me empurra contra ele. "Põe a língua para fora de novo", ele sussurra no meu pescoço, ―e eu vou mostrar o que eu quero fazer com ela.‖ Tito voa para longe de mim e cai duro. Guy está sobre ele, o rosto contorcido de raiva. Ele aponta um braço densamente musculoso para ele. "Eu preciso de sua ajuda com este rio, então eu vou deixar você escolher a si mesmo para subir naquela lama. "Guy se abaixa e fica em seu rosto. "Mas se você tocar em alguém aqui, eu vou te segurar embaixo da água até a última respiração deixar o seu corpo. "Ele se levanta . "Você entendeu? E você vai estar acabado. " Os olhos de Tito ficaram arregalados com surpresa, como se ele não tivesse idéia de como ele acabou no chão. Mas, então, os olhos mudam. Eles enchem com fúria. E o sorriso que rasteja sobre o seu rosto em nada se assemelha a ira em sua voz. "Claro, amigo", diz Tito, sorrindo. "Eu estava apenas brincando." O olhar no rosto de Tito diz que não há nenhuma maneira que ele vai deixar isto passar em branco. Com medo do que Guy vai fazer, eu o olho com alarme. Mas Guy faz algo que surpreende a todos. Ele oferece a mão a Tito. Tito adere a sua fachada inocente, aceitando a oferta de Guy e puxa-se para cima. Ele olha para mim e seu sorriso se alarga. "Você sabe que eu estava apenas brincando, certo?" Concordo com a cabeça, porque eu não sei mais o que fazer. Na minha visão periférica, vejo o urso perto de Tito. Ele nunca se mudou para proteger Tito, o que me surpreende. Madox, por outro lado, está em meus pés, polêmica levantada, um pequeno rosnado em sua garganta enquanto ele olha Tito. Ninguém fala no momento mais longo da minha vida e então Caroline diz: ―o que fazemos agora, Guy?" É uma razoável pergunta, mas ele ainda está


estranho depois do que aconteceu. Guy tira o seu olhar para longe de mim e olha para Caroline. Ele parece igualmente confuso em como responder. Esfregando a parte de trás do seu pescoço, ele olha na água, como se ele tivesse lembrado o que está lá. "Temos que construir algo em que possamos navegar o rio". Todos olham em volta, ansiosos para ter algo para fazer que não ficar aqui de pé, desconfortável. "Caroline, onde você achou a coisa que flutuava?" Guy perguntou. "Aquele pedaço de bambu?" Ela aponta rio acima. "É por esse caminho. Ao longo da margem". "Ok, bom." Guy puxa as sobrancelhas juntas, e a cicatriz sobre seu olho direito fica mais profunda. "Titus, Ransom e Levi, vocês venham comigo e vamos obter o máximo de bambu que pudermos, o resto de vocês precisam olhar para as videiras que não quebram quando vocês puxarem. Isso soa bem para todos?" Harper olha para mim e diz: "Temos o nosso fim." Eu aceno para deixar que ela saiba que eu concordo. Tito saúda Guy. "Fico feliz em ajudar, General." Guy ignora o comentário e começa a andar, M -4 ao seu lado. O resto de nós volta para as folhagens da selva. Meia hora depois, estamos na beira do rio novamente. Fizemos como bandidos no departamento da videira. Foi Harper, quem encontrou o melhor tipo. Tentamos de tudo para quebrá-lo, mas aquém das garras de águia do RX- 13, nada funcionou. Nós temos o nosso vencedor. Os meninos apareceram minutos depois, carregando suas últimas braçadas de brotos de bambu. M-4 e AK -7 caminhavam ao lado de seus contendores, segurando a cabeça erguida. Imagino que foram eles que cortaram os brotos e, em seguida, cortaram eles em partes iguais. Ransom colocou as hastes de bambu lado a lado, como os caras colocaram. Harper, entendendo o que está acontecendo, vai para um lado do bambu e começa amarrar as pontas, de modo a criar uma jangada longa e estreita. Eu vou até a liderança e começo a trabalhar por outro lado.


Enquanto estou enrolando as vinhas ao redor do bambu, noto Madox observando-me. Pensando em navegar o rio cria um nervoso retumbando na minha barriga. Mas eu sorrio para a minha Pandora e finjo que tudo é como deveria estar. Ele sobe na jangada e engatilha a cabeça para o lado. Eu imagino que ele está dizendo: Vamos fazer esta coisa. Guy puxa o bambu e tenta separar os talos, eles não cedem. Ele olha para Harper e eu, e nos dá um sinal de positivo. Eu fico iluminada como o sol, então me sinto como uma idiota por estar tão desesperada por aprovação. "Você está pronta?" Ele na verdade não espera por uma resposta. Assim começa a posicionar-nos na balsa. De repente eu percebo que não há espaço suficiente para as nossas Pandoras. Nem perto disso. "E as nossas Pandoras?" Peço-lhe. "Eles podem viajar mais rápido sem a gente." Ele se movimenta mais para cima no banco. "Nós vamos tê-los com o nosso progresso ao longo do rio." "De jeito nenhum", eu digo . "Eu não vou deixar Madox para trás." "Tella", diz ele. Calor dispara na minha pele quando eu escuto falar o meu nome. Eu balancei minha cabeça contra a reação, e confundo-o como discordância. "Sim. Eles têm que ficar aqui. Se tentarmos colocá-los a bordo, a coisa toda vai virar. Temos um leão e um urso. Pense sobre isso." Ele está certo. Eu sei que ele está. Quero insistir que há pelo menos espaço suficiente para Madox e talvez até RX -13 e DN- 99. Mas eu sei que seria injusto. Eu engoli o medo de perder meu bebê raposa e delicadamente empurrei-o para fora da jangada. "KD- 8," eu digo. "Eu quero que você siga a balsa do banco. Entendeu?" Madox olha para mim com confusão e Tito dá um sorriso abafado. Eu luto contra o desejo de gritar com Tito. Por favor, faça isso, Madox, eu silenciosamente peço. Basta ir com os outros. Eu suspiro de alívio quando a minha raposa persegue as outras Pandoras, cujos contendores lhes deram ordens semelhantes. "Ok, todo mundo fora." Guy acena a sua mão para nos apressar.


"Titus e eu moveremos a balsa no rio, e então todos precisam entrar exatamente como antes." Nós todos descer e vemos como Tito e Guy manobram a jangada de bambu na água e tentam mantê-la no lugar. Então nós cuidadosamente fomos adiante. Surpreendentemente, a jangada não balançou muito, e somos capazes de passar sem muita dificuldade. Logo antes dos passos de Levi, ele pega um broto de bambu livre. Ele segura-o como Guy recebe por trás de Tito, que está muito na frente. Guy leva o bambu a partir de Levi e empurranos para longe do banco. À medida que flutuamos em direção ao meio, vejo algo se movendo na passagem. "Olha", eu disse, apontando para onde nós estávamos . Um homem vestido com roupas estranhas e marrons espreita para fora de trás das árvores. Sua cabeça movimenta para um lado e para o outro quando ele inspeciona-nos. Ele age apenas como os homens que vimos seguindo esses contendores hoje cedo, e ele se parece com o cara que eu vi no meu primeiro dia na selva. O único que eu pensei que tinha imaginado. Há um objeto longo parecendo uma lança na mão esquerda, e ele levanta-o para apontar em nossa direção. Momentos depois, mais dois homens vem para agachar-se ao lado dele. Seus rostos e lábios estão pintados com estrias vermelhas vibrantes e suas cabeças são adornadas com penas brilhantes. O efeito não é nada se não assustador. Inspecionando as penas com mais atenção, percebo que elas são verdes e azuis como a que eu uso no meu cabelo. Eu toco ela distraidamente, correndo meus dedos para baixo em suas cerdas macias . "Quem são eles?" Eu peço. "Eu não sei", responde Harper. "Mas estou feliz que eles estão lá e nós estamos aqui." Os homens com penas em suas cabeças, como pássaros, em seguida, desaparecem na selva. Eu assisto o local por alguns segundos a mais até que tenhamos flutuado tão longe do rio, que eu não me lembro onde eu vi.


Um arrepio gelado faz redemoinhos dentro do meu peito, e eu me pergunto se os homens vão nos seguir. Eu não gosto do jeito que nos assistiram, como se tivessem perdido uma oportunidade crucial. Dink levantou o braço e pontos. Todos nós olhar para cima e ver o RX -13 sobrevoando. Harper, que está em pé ao meu lado, sorri. Eu olho para o banco. Rezo para Madox manter-se com a gente e que as outras Pandoras estejam também. Embora eu lembre-me que estas pessoas são meus concorrentes, eu não quero que eles percam os seus companheiros. Quando eu não vejo qualquer sinal de Madox, eu olho para dentro do rio. É escuro demais para ver muita coisa abaixo da superfície. Olhando para ele, eu não posso deixar de me perguntar que animais vivem na corrente: Piranhas? Será que elas vivem nos rios da selva? Que tal crocodilos? "Titus, eu preciso de você para me guiar na direção certa. "Pediu Guy com a pá de bambu para nos manter flutuando no centro do rio. Eu me pergunto por que ele escolheu Tito para assumir a liderança. Talvez para ficar de olho sobre ele, eu acho. Embora todos nós estejamos atrás de Tito e Guy, eu posso ver o caminho que Tito puxa-se até mais alto. "Tão longe, tão bom, geral. " Nós flutuamos durante cerca de quinze minutos antes de o sol começar a se pôr, e começa a chover. "Chuva. Que original," Levi murmura. Harper pressiona mais perto de mim. Eu olho para ela com surpresa, mas ela não vai encontrar meus olhos. Eu pressiono volta contra ela e tento esconder meu sorriso. A chuva não é nada de novo, mas o fato de que estamos no rio ao mesmo tempo em que escorre é. Eu vejo como o rio desliza mais para cima nos bancos e percebo que a água sob a balsa está correndo muito mais rapidamente do que antes. "Guy", diz Caroline atrás de mim. Há uma pergunta no jeito que ela diz seu nome, e eu percebo que eu não sou a única que está cada vez com mais medo do rio subindo.


"Titus, guia-me para o banco." Os músculos em volta de Guy apertam enquanto ele trabalha para deixar a nossa jangada estável. "Nós vamos continuar após a chuva parar". Tito grita por cima do ombro, mas porque a chuva está chegando com mais força, eu não consigo entender o que ele está dizendo. Guy muda a pá de bambu do seu lado direito para a esquerda, e vice-versa. Então ele olha para trás e movimentos para nós nos abaixarmos. Nós não esperamos para ser pedido novamente. Logo, todos além de Guy e Tito estão de joelhos, segurando o bambu da melhor forma que podem. O rio se enfurece abaixo de nós, e eu não consigo entender como isso aconteceu, como o rio mudou de assustador para letal. O som é quase ensurdecedor. É como um ruído seco, e está em todos os lugares. A chuva cai sobre os nossos ombros e couro cabeludo, e espirram água do rio em todo o nosso corpo. Vejo pontas brancas formando ao longo da superfície do rio e, apesar de eu nunca ter flutuado em um rio, nenhuma vez que eu lembrasse eles são chamados de corredeiras. É uma palavra estranha, eu acho. Corredeiras do rio. Corredeiras. Meus pensamentos são quebrados quando ouço um grito estridente. Eu giro e meu estômago despenca. Caroline sumiu. Eu fico com os pés instáveis e procuro o rio. O grito fica mais alto e eu percebo que está vindo de Dink. Ao meu lado, eu vejo Harper ficar de pé e balançar vacilante. Ela se move para o lado da jangada e percebo de repente o que ela vai fazer. "Harper, não", eu grito. Acima de nós, RX- 13 guinchou. Pausa a concentração de Harper ela olha para cima. Eu faço também. A águia desliza pelo céu, bate suas asas uma vez, em seguida, dobra-as contra o seu corpo e mergulha para baixo. A Pandora cai no rio, desaparecendo sob a superfície. "Não", Harper grita. Embora a água é turva e o céu está escurecendo, vejo a águia logo abaixo da superfície. Ela está batendo suas asas como se fosse à coisa mais normal do mundo - uma águia nadando. Vendo isso, Harper faz uma pausa. Mas só por um momento, depois ela prepara-se para mergulhar dentro nas quebras da águia através do rio e abre


suas grandes asas na frente de Harper como um escudo. Toda vez que Harper tenta mergulhar, a águia faz seu avanço. "Levante-se, RX- 13," Harper chora. Mas eu sei que se a Pandora pode ajudá-la, ela não vai deixar isso acontecer. Porque seu trabalho é proteger Harper, e de mais ninguém. Eu sei o que tenho que fazer. Eu fecho meus olhos, puxo uma respiração forte - e salto. A última coisa que eu ouço é Guy chamando meu nome. Então não há nada, mas o rio.


CAPÍTULO VINTE E UM Meu corpo foi empurrado para frente tão rapidamente, como se eu me atirasse em frente de um veículo em movimento. Minhas pernas e braços debatiam-se para fora em pânico e eu me pergunto se talvez esta não era a melhor idéia que eu já tive, mas então eu lembrei-me por que eu pulei. Caroline está no rio, e eu tenho que ajudá-la. Eu de alguma forma obtenho o controle do meu corpo e volto à superfície. Várias faces sobre a borda da jangada, uma mão levantada para os olhos. Do ângulo de seu corpo, eu posso dizer que ele quer pular, mas ele está tentando determinar onde estou antes que ele salte. Talvez eu devesse ter feito o mesmo. Agora eu estou sendo arrastada rio abaixo, sem nenhuma idéia de onde Caroline está. Mergulho sob a água, eu procuro por ela. Meus olhos se enchem com a escuridão, e eu não a encontro em qualquer lugar. Eu subo para respirar e em seguida, mergulho de volta para baixo. Debaixo da água, ouço uma espécie de zumbido no meu ouvido e os estúpidos tum-tum -tum do meu coração. Embora seja caótico acima da superfície, é estranhamente calmo abaixo dela. Eu nado em um círculo e encontro Caroline. Ela flutua como um anjo quebrado, cabelos longos e escuros formando um halo ao redor do rosto. Eu uivo com surpresa e bolhas estouram da minha boca, tomando outra respiração de cima do rio, eu mergulho e nado em direção a ela. Há quanto tempo ela esteve debaixo d'água? Um minuto? Dois? Meus dedos passam por sua pele. Eu quase tenho um bom domínio sobre ela quando algo grande aparece no canto da minha visão. Meu coração voa em minha garganta e eu imagino que é isso, que eu vou passar o resto dos meus dias no intestino de um crocodilo. Mas quando eu olho mais perto, eu percebo que é Dink, nadando em direção a Caroline como se ele tivesse nascido com barbatanas. Ele envolve o braço sobre o peito e puxa ela em direção à superfície com facilidade. Eu segui-o, quase com falta de ar. Quando seus olhos encontram os meus, eu aponto em direção à costa e ele concorda.


Nadamos duro em direção ao banco de areia, Dink fazendo um trabalho muito melhor do que eu. Quanto mais me aproximo, mais rápido o rio parece ir. Eu assisto quando Dink chega à terra firme e arrasta Caroline atrás dele. Meus braços e pernas ficam pesados, e é aí que um novo medo passa sobre mim, aquele que diz que eu vou me afogar nesse rio. Atrás de mim, eu vejo a jangada puxada para cima do banco de areia. Os outros contendores parecem pontos borrados na chuva. Próximo a mim, Dink está curvando-se sobre Caroline, fazendo respiração em sua boca. Mas mesmo que ele está se afastando muito rapidamente. Minha cabeça alternava entre acima e abaixo da superfície, e cada vez que eu tirava o fôlego, eu me perguntava se este vai ser o meu último. Tudo está acontecendo tão rápido. Eu não tenho nenhuma idéia de como eu fui de heroína a vítima, e eu não sei como eu vou chegar a terra, quando eu mal posso usar minhas pernas. Eu sinto algo pausando através da ��gua atrás de mim e, em seguida, passa pelo topo da minha cabeça. Eu olho para cima e quase choro de alívio. RX- 13! O pássaro travas suas garras em meus ombros. Eu mordo contra a dor quando as unhas cavam em minha pele. A ave bate suas asas duras na chuva e se move em direção à costa. Eu faço o que posso para ajudar o ritmo, mas estou ficando sem energia. Pouco a pouco, a águia me deixa mais perto de terra, até que finalmente sinto a terra embaixo de mim e sou capaz de ir até o banco. Eu entro em colapso no chão e respiro com dificuldade. Quando me viro para ver a águia secar suas asas, percebo que seus olhos são verdes brilhantes. "Madox," Eu chamo, cuspindo água. Dor passa através do meu tornozelo e eu percebo que meu pé deve ter pegado algo no rio. Eu estendo a mão e agarro-o. A dor piora sob meu toque. Eu não tenho nenhuma idéia de como eu vou manter-me em movimento em um mau tornozelo, mas não há tempo para sentir pena de mim mesma, Porque eu ouvi alguma coisa. É um som, cuidado, medidas deliberadas, que me permitem saber que estou sendo vigiada. Madox muda em forma de raposa e fica entre eu e o som. Um rosnado baixo irrompe de sua garganta, o barulho faz com que um raio de terror passe através de mim. Meu instinto diz que não são os outros concorrentes do meu grupo. Mas então, o que poderia ser? São os homens estranhos, eu percebo de repente. Eles nos


seguiram. Novos sons chocam ao meu redor, e eu olho para fora. Contendores. Em todos os lugares. Eles estão correndo, correndo em direção a algo, com a aparência de horror torcida em seus rostos. Ou talvez eles estejam fugindo de alguma coisa. Não esperando para ver o que está vindo, eu pego Madox e corro na direção onde os outros contendores estão. Rasgos de dor passam através de mim quando eu piso com o meu tornozelo machucado, mas eu mesmo corro com ele. Pandoras de todas as formas e tamanhos correm ao lado de seus contendores, e se não fosse por seus uivos ansiosos, eu estaria cheia de temor. Eu olho por cima do ombro e suspiro. Os homens estranhos estão perseguindo a nós. Cada um tem uma longa lança, e eles estão cantando algo com ruídos estranhos. Perto dali, eu noto uma garota alguns anos mais velha do que eu. Ela está funcionando duro, as mãos de emenda no ar. Por um momento, os nossos olhos encontram-se. Em seguida, ela bate no chão duro. Eu paro, pensando que ela caiu e eu vou puxá-la de volta. Mas quando eu chego mais perto, vejo a lança saindo de suas costas. Sua cabeça está voltada para o lado, e seu rosto é vago. "Oh Deus." Todo o meu corpo começa a tremer. Eu ouvi meu nome sendo chamado, mas eu não olho para cima. Eu não posso fazer nada, mas olhar para a menina. Alguém agarra meu braço e obriga-me a caminhar. É Guy. Ele está me puxando para frente e gritando para mim mover-me. Mas a menina. "Tella", ele grita , balançando os ombros. "Corra!" Madox contorce em meus braços. É o suficiente para me trazer de volta para a realidade. Eu aceno para Guy e corremos para frente. Ao nosso lado, eu vejo Levi e Ransom e não vejo onde estão os outros. Talvez eles tenham encontrado um lugar seguro para se esconder. Digo a mim mesma enquanto corro, dor rasgando meu tornozelo. Mais à frente, vejo uma luz laranja cintilando. À medida que se aproxima, eu descubro que a luz é proveniente de tochas acesas e que as tochas formam um círculo enorme. "É o acampamento base," Guy grita através da chuva durante a noite. ―Tem que ser."


Eu corro mais difícil, mas quando olho por cima do meu ombro, eu percebo que os homens estão se aproximando de nós, as listras vermelhas no seu rostos parecem mais com sangue do que com pintura, Eu me concentro em manter minhas pernas altas para que eu não tropece. Não adianta, embora. Porque os homens estão ganhando de nós, e eu sei que é apenas uma questão de segundos antes de levar um de nós para baixo. Eu olho para trás mais uma vez e grito quando eu vejo um homem com pintura facial verde chegando em minha direção. No mesmo momento, sinto Madox lutar em meus braços e cair no chão. No segundo que seu corpo atinge a terra molhada, ele começa a mudar. O homem retarda o suficiente para assistir Madox transformar em um leão, e ele pára frio quando minha Pandora abre a boca e ruge. Eu tento parar, também, mas Guy pega a minha mão e me puxa junto. "Mantenha-se em movimento, Tella", ele rosna. Eu tento manter funcionando, mas quando o homem recupera seus sentidos e aponta sua lança contra Madox, eu paro e grito. Madox gira longe do homem e corre em direção a mim. Acho que ele está vindo para mim, mas em vez disso ele cava a cabeça debaixo dos meus pés. Eu percebo o que ele está tentando fazer, ele pretende que eu monte nele, assim eu agarro a sua juba com a mão esquerda. Minha mão direita ainda está segurando Guy, mas quando Madox lança para frente, somos separados. "Guy", eu grito. Ele corre atrás de mim, mas Madox é muito rápido, e eu mal posso vê-lo. O acampamento em frente se aproxima. Quando me dirijo para trás, posso apenas ver o local de onde Levi e Ransom vem correndo em nossa direção. Atrás deles está o homem com a cara pintada de verde que quase me agarrou. Ele levanta sua lança e joga. Levi atinge o solo. Eu ainda posso ouvir Ransom gritando quando voamos entre as tochas e o acampamento base.


CAPÍTULO VINTE E DOIS Eu arranhei as costas de Madox que corria para Levi, mas minha Pandora age do meu jeito. Eu nunca estive zangado com ele, mas agora estava tão furiosa, a minha visão embaçada. "Mexa-se, Madox," eu grito. "Isso é uma ordem. Saia do meu caminho." Ou ele não entende ou não está escutando, porque ele continua para garantir que eu fique parada. Momentos depois, eu vejo Guy e M-4 correndo além das tochas. Ele se vira para olhar para trás e suspira para o ar. Então ele me vê. "Eles estão aqui, também?", Ele pergunta. "São os homens dentro do campo?" Eu balancei minha cabeça, mas não porque eu sei de uma forma ou de outra. Mas porque eu não posso falar, pensar sobre o que aconteceu. "Tella, você está bem?", Pergunta ele, movendo-se em direção a mim. ―Você se machucou?" Eu balancei minha cabeça de novo e comecei a chorar. Sobre o ombro de Guy, vejo Harper, Caroline e Dink no acampamento base. Minutos mais tarde, Tito chega. Através das minhas lágrimas, eu vejo-os recuperar o fôlego e se reunirem em torno Guy e eu. "Ela está machucada?" Harper coloca uma mão no peito e esfrega, como se ela está disposta a encher os pulmões com o ar. "Eu não sei", responde Guy. Estou tão aliviada ao ver Caroline bem, mas ele não faz nada para parar as coisas que eu sinto depois de ver Levi cair. "Onde estão Levi e Ransom?" Harper pede, olhando ao redor. Todo mundo pára e olha para eles. Todo mundo, menos eu. "Eles o pegaram." Minha voz falha. "Um dos homem jogou uma..."


Eu não posso terminar a minha frase. É muito difícil. Especialmente quando eu vejo Ransom aproximando-se do acampamento base. Suas bochechas estão com listras pelas lágrimas e seu peito e braços estão revestidos com sangue que eu sei não é o seu. Corro para ajudá-lo, mas os outros me param antes. Harper coloca o braço ao redor dele, segurando-se o melhor que pode. Carolina fica do outro lado. Tito apenas olha para nós. Ele não ajuda, e ele não diz nada, ele apenas observa. olha longe de Ransom e de volta para mim. Seus olhos correm sobre o meu rosto, mas ele fala para nós dois. "Você não poderia salvar ele‖. Eu cubro meus olhos e pressiono-os, mas um soluço ainda derrama de meu corpo. Eu sinto os braços de alguém ao meu redor. Eles me levantam e transportam-me para algum lugar quente. Eles me deitam e dobram um cobertor pesado em volta dos meus ombros. Eu só sei com certeza que é ele, quando ele me diz para dormir, que ele vai estar aqui quando eu acordar. Quando abro meus olhos horas depois, a primeira coisa que eu vejo é Guy, ele está dormindo a poucos metros no chão. Eu olho ao redor e identifico vários outros contendores, e algumas Pandoras, dormindo, também. Meu coração salta uma batida quando eu vejo Madox deitado sobre meus pés. Estou muito aliviada por encontrá-lo lá. Então eu me pergunto por que estou tão aliviada. Quando eu me lembro do que aconteceu, eu levanto. O menino deitado na selva com os olhos sem vida. Levi com uma lança através de seu peito. Os homens, "Guy", eu sussurro, sacudindo-o. "Guy, acorda." Ele geme e abre os olhos. Eles estão alertas em questão de segundos. "Os homens estão aqui?", Ele pergunta. "Não ou talvez. Eu não tenho certeza." Eu olho para fora uma pequena janela e vejo as mesmas luzes alaranjadas dançando no meio da noite. As tochas ainda estão acesas. "Quanto tempo eu dormi?" "Um tempo", ele responde. "Algumas pessoas já estavam dormindo quando chegamos aqui." Eu olho para as minhas mãos. "Levi?"


Guy sacode a cabeça lentamente. Espero sentir tristeza ou depressão ou até mesmo fúria. Mas em vez disso, eu não sinto nada. É como se eu estivesse vazia por dentro. Eu vim aqui para salvar o meu irmão. Mas quantas pessoas morreram tentando salvar uma pessoa? Eu me pergunto por que ficar. . . Se pudéssemos sair agora se nós escolhemos parar. Mas então eu imagino voltar para casa para ver os meus pais se lamentando que Cody morresse em sua cama. E eu sei que não há nenhuma maneira que eu posso desistir se há uma chance de que eu possa mudar esse futuro. "Nossos dispositivos explodiram enquanto você estava dormindo", diz Guy. "Nós todos já ouvimos. "Eu começo a procurar no meu bolso no peito, mas Guy estende um dispositivo de branco. "É seu. Acabei de verificar para ver se estava piscando." Eu sinto meus olhos de vidro sobre. "Você pode me dizer o que diz?" Ele olha para mim como se eu de repente, pudesse quebrar em mil pedaços. Então, ele acena com a cabeça. "Foi a mulher. Felicitou-nos por completar a primeira parte da corrida e por chegar ao acampamento base." Meu rosto murchou, e eu me afasto de desgosto. Pessoas morreram nesta selva. Parabéns, disse ela. "Ela disse que haverá uma cerimônia em quatro dias, quando o primeiro prazo passar. Ela chamou Shevla". Eu ouço o que Guy está dizendo, mas por alguma razão, eu não consigo absorver a informação. Eu inspeciono o interior de onde estamos, parece como uma cabana, como algo feito de troncos e lama de fronteira. É um quarto de solteiro com apenas seis camas, que são mais como um berço. Todo lugar que eu olho, vejo cobertores verde e azul xadrez, com almofadas brancas e macias. Os berços lembram-me de casa, de como segura sentia na minha própria cama com o frio do meu travesseiro debaixo da minha bochecha. Eu me pergunto como Guy me garantiu uma cama quando tantas pessoas estão dormir ao longo do chão. A cabine tem duas pequenas janelas e apenas uma porta. No banheiro, não, na cozinha. . . nenhum eletrônico de qualquer tipo. Mais uma vez, estamos


completamente impedidos de fazer contato com o mundo exterior, sem a menor idéia de onde estamos. "Todo mundo está aqui?" Pergunto a Guy. Ele faz uma pausa, como se ele estivesse processamento sobre a cerimônia de celebração. "Não", diz ele finalmente. "Há mais de nove camarotes como este aqui. A maioria são cerca de metade cheios. Este tem mais camas do que o outros." Eu olho para baixo no berço que eu estou dentro, então eu me lembro onde Levi está: morto na selva, e sou surpreendida por uma onda de tontura. Guy se levanta e depois senta-se ao longo do lado da minha cama pequena, ele coloca a mão no meu ombro e me empurra de volta para baixo. Eu não luto contra ele. Eu apenas deixei minha cabeça encontrar o travesseiro e eu aperto meus olhos fechados. Eu ouvi-o levantar-se e ir embora, e o som rasga meu coração em dois. Eu não quero que ele me deixe. Eu sei muito pouco sobre ele, sobre a pessoa que era antes desta corrida, mas eu vim pensando nele como uma fonte de estabilidade. Com ele, estamos seguros. Eu me pergunto se Levi pensou que estava a salvo. Eu coloco a minha boca contra o travesseiro e choro. Então eu sinto alguém deitar na cama atrás de mim. Viro minha cabeça ao redor para ver os olhos azuis em deslizamento de Guy sobre o meu rosto. Ele tem o meu olhar por alguns instantes e, em seguida deita-se e envolve seus braços fortes em torno de mim. Ele puxa-me com força e enterra o rosto no meu pescoço. Madox mal se mexe. Todos os medos que eu segurei dentro saem correndo. É como se ele estivesse pedindo para eles, dizendo que ele vai levá-los para mim. Eu pressiono de volta contra ele e enrolo-me em uma bola. Ficamos assim por vários minutos antes de eu perceber suas palavras no meu pescoço. "Meu primo ama limão", diz ele. Eu posso dizer que ele está tentando sussurrar, mas a profundidade de sua voz faz com que seja quase impossível. Nos últimos dez dias, eu não descobri muitas coisas pessoais sobre Guy. Mas eu peguei no caminho que ele opera. E assim eu sei que se eu disser qualquer coisa agora, ele vai desligar. Eu fico quieta, e após o que se sente como dez minutos, ele fala novamente.


"Ele usa limão em tudo. Sabonete de limão, shampoo de limão, chá de limão. Ele até deixou sua namorada pintar seu quarto de amarelo porque a cor foi chamada Lemon Riso". Sinto que Guy mexe-se atrás de mim. "Meus irmãos e eu implicamos com ele muito duro nisso, mas depois que ele ficou doente, passei meses obcecado por essa mesma porcaria de limão. Às vezes . . . Eu sentia como se eu pudesse encontrar algo realmente grande para ele, algo perfumado com limão ou com sabor de limão ou o que quer que o fizesse feliz de novo. " Ficamos em silêncio, e eventualmente, eu sinto sua respiração no meu pescoço ficando mais calma. Antes de eu voltar a dormir, eu me pergunto onde os homens estranhos estão e se eles vão entrar no acampamento base. Mas dentro de braços do cara, eu imagino que não é mesmo possível. Durante quatro dias residimos no interior do acampamento. Os dois homens do início da corrida estavam aqui os mesmos que ajudaram a descarregar nos das semis. Eles vestem camisas de colarinho verde e correntes de ouro com pingentes de serpente. Contendores tentam fazer-lhes perguntas, mas quando isso acontece, os homens apenas olham passando como se eles nem sequer estivessem lá. A única coisa que fazem é cuidar dos feridos, aparentemente, eles são parte diaristas e médicos. Os homens são uma adição estranha a uma situação ainda mais estranha. O acampamento base é composto por dez pequenas cabines, e o chão ao redor entre eles foi liberado assim tem apenas sujeira suave sob nossas botas. Eu sou grata por isso, porque, apesar do meu tornozelo estar melhorando, eu imagino que ainda tinha machucado a andar desigual no terreno. Tochas circulam o perímetro, e no centro do campo está uma enorme fogueira, embora os homens nos impedem de acendê-la. Numa das cabines, há suprimentos básicos: pacotes de frutas secas e carnes, garrafas de água, escovas de dente e creme dental, desodorante, sabonete e mesmo TP. E do outro lado do acampamento base, onde há janelas, estão três chuveiros ao ar livre que oferecem um pouco de privacidade. Eu não sei de onde a água vem, e eu não me importo. Parece o céu na terra. Durante o dia, nos entretemos da melhor maneira possível, principalmente por conhecer outros contendores e suas Pandoras, mas à noite os


contendores se afastam em pequenos grupos. Harper, Caroline, Dink, Guy e eu passamos a maior parte do nosso tempo juntos. Eu mantive um olho sempre atento sobre Madox, que parecia brincalhão e despreocupado às vezes, e ansioso em outros. Ransom se tornou recluso, e embora nós tentássemos incluir ele em tudo o que fazíamos, ele ficava olhando para o espaço, com o rosto sombreado com raiva. Mata-me vê-lo desta forma. Eu acho que o outros estão ficando cansados de me falar sobre isso. Mas eu não posso esquecer ele, e sei que ele precisa de nós mais do que nunca. Tito também não ficava em torno de nós mais. Isto, por outro lado, é um alívio. Ele parece ter encontrado um novo nó de contendores para o grupo. Eles são todos caras, que vão desde o início da adolescência até uns vinte e poucos anos. O grupo rapidamente formou uma reputação inquietante, e a maioria das pessoas ficam fora de seu caminho da melhor forma possível. Olhando em volta, vejo três mulheres em seus cinqüenta e poucos anos, discutindo alguma coisa. Duas delas riam, enquanto a terceira estava brava. Depois de um momento, as mulheres dispersaram. Sentado perto onde as mulheres estavam estava um cara e uma menina pouco mais velha do que Guy. Eles estavam perto um do outro, construindo algo longo e fino com ramos. Eles não falam, eles só trabalham. Do outro lado do acampamento, as crianças brincam. Uma menina da idade de Dink perseguia um menino e uma menina, correndo atrás deles e chutando o chão em frustração quando por pouco evitavam o seu alcance. Muitos dos contendores têm contusões ou manchas roxas ou cílios rasos através de suas extremidades. Outros parecem intocados pela selva. Mas todos eles estão aqui, buscando algum sentido de normalidade. Uma vez que é o último dia para localizar o acampamento base, eu esperava fluxo constante de contendores a aparecerem. Mas ninguém chegou desde a noite passada. Quando o sol se aproximou do meio do céu, todos os contendores pairam em torno do perímetro, esperando para ver quem vai fazê-lo no último minuto. Mas à medida que o sol cruzava o céu e começou a definir-se, sabemos que acabou. Para todos. O horizonte, ou o que eu posso ver, está salpicado com vermelhos e rosa. É tão bonito, e no meu estômago, eu me sinto a primeira pontada de felicidade depois de quatro dias de medo


e luto. Eu conhecia Levi à apenas dez dias, mas eu nunca vou esquecê-lo. E eu nunca vou esquecer que ele morreu lutando pela vida de sua irmã. Eu sinto alguém parado perto de mim e volto para ver Guy olhando-me. "Oi" é tudo o que eu digo. Então eu volto para o céu, está escurecendo. Guy senta ao meu lado, e eu luto contra o desejo de ficar mais perto. Eu não sei como explicar meus sentimentos por ele, se eles são circunstanciais, ou algo mais, mas eu sei que está machucado por que ele não dormiu mais na cama comigo desde a primeira noite no acampamento base. Foi à única vez que eu senti qualquer alívio de verdade, e ele sempre dorme por perto, não é perto o suficiente. Guy alcança sua mão para mim, mas quando eu viro o rosto para ele, ele deixa-a cair. Sua mandíbula aperta. "Guy" Eu começo a dizer. "Podemos ter a sua atenção?" Uma voz alta atrás de nós. Guy e eu giramos ao redor para ver os dois homens em camisas de colarinho em pé perto da fogueira. Eu olho para o outro como não temos certeza que eles só falavam, porque até agora, você pensaria que eles estavam tentando entrar para um mosteiro budista. ―Vamos agora começar a cerimônia que marca a conclusão da corrida na selva". O homem da direita tinha uma barriga inchada e braços finos, ele acende um fósforo com as mãos ainda mais finas e joga-o na cova. Fogo explode em direção ao céu e os sons de espanto ondulam em todos os contendores. O homem à esquerda, que está ostentando um ímpio penteado, levanta os braços para o ar e com a voz rouca. "Bem-vindos ao Shevla!"


CAPÍTULO VINTE E TRÊS Eu suspiro, quando homens, mulheres e crianças vestidos com túnicas brancas e botas de cano alto próprias para selva entram em nosso acampamento. As mulheres usavam enormes jóias brilhantes e caras sérias como eles carregavam os pratos de comida acima de suas cabeças. E como eles se movem mais próximos, aromas decadentes rolavam para fora dos pratos. Toda lembrança de ser comida por formigas, de escapar de chimpanzés, de estar sendo sugada pelas sanguessugas, de quase se afogar e correr pela selva com estranhos, homens pintados tentando me matar, desapareceram quando eu senti o cheiro da comida. As mulheres arrumaram os pratos sobre as mesas dos homens, que estavam carregando. Eu rio com surpresa com a abordagem das crianças pequenas ao sentarem-se com tambores entre suas pernas. Elas começam a tocar. A batida é contagiante, e em pouco tempo, as mulheres de branco começam a cantar músicas estranhas e sedutoras. Guy pega a minha mão. Eu olho para ele, esquecendo-me do transe que o Shevla trouxe. "Você quer alguma coisa para comer?", Ele pergunta. Concordo com a cabeça como uma criança na Páscoa, um quintal de ovos cheios de doces além do meu alcance. Guy me puxa para as mesas e entramos em linha. Quatro mulheres de branco nos dizem sobre a comida enquanto nós enchemos nossa placas de grés. ―Fumado sobre o fogo‖, uma mulher diz , apontando para o peixe cozido. ―E aqui, nós assamos estes com especiarias da selva‖, ela acrescenta, apontando o dedo para uma travessa cheia de reluzentes legumes. Guy e eu resolvemos ficar perto do fogo e ouvir a batida dos tambores. As mulheres continuam cantando, mas agora eles acrescentam a dança para o seu desempenho. Eles pulam e atiram-se em padrões peculiares ao redor do fogo, como se a música possuísse-os. Eu olho para Guy, e percebo que há um sorriso em seus lábios lutando para fazer uma aparição. Eu quero dizer-lhe para deixar que isso aconteça, e não seja tão sério o tempo todo. Mas eu sei


que ele vai desaparecer em um momento, então eu não disse nada. Em vez disso, eu cutuco-o com o meu ombro. ―Muito legal hein?‖ Eu digo, depois de engolir um pouco de peixe amanteigado. Ele não olha para mim, mas o quase sorriso deixa o seu rosto, como eu esperava. ―Sim, é muito legal.‖ Ele olha para o prato. "Eu não acho que essas pessoas sabem sobre a corrida. Eles vieram, provavelmente, apenas para nos trazer comida.‖ É por isso que eu sou capaz de apreciá-lo, ele quer dizer. Porque eles não fizeram isso com a gente. Do outro lado do fogo, Caroline está passando o dedo no cabelo de Dink. Ele finge se afastar, mas o ligeiro sorriso no rosto o contradiz embora. Rancem não está à vista, o que me preocupa, mas eu vejo Harper a poucos metros de Caroline. Tem um cara falando com ela. Ela o ignora completamente. Mesmo assim, ele continua a conversar longe como se ambos estivessem participando da conversa. Harper me vê assistindo e suspira pesadamente. Contra todas as probabilidades, eu sorrio, e ele realmente parece autêntico. Eu não tenho certeza qual o tipo ideal de Harper seria, mas eu tenho muita certeza que esse cara não é só isso. Por um lado, ele parece estar muito feliz por estar aqui. Ou talvez ele esteja apenas feliz por estar perto dela. O cara parece um pouco com Harper mais jovem e é extremamente alto. Seu cabelo cai em confusos cachos loiros que quase escondem os seus olhos. Ele usa muitos gestos dramáticos com os braços enquanto ele fala a Harper, e eu só posso imaginar que está irritando-a para nenhum fim. ―Confira o cara falando com Harper‖, digo, tentando falar qualquer coisa que não seja a raça ou Levi ou o fato de que ninguém viu Ransom hoje. ―Ele parece muito determinado a chamar sua atenção.‖ A testa de Guy cria sulcos quando ele inspeciona a loira. ―Pobre homem.‖


Eu rio e soco no ombro. ―Por que ele é pobre coitado?‖ ―Harper É um... É um...‖ ―Exatamente", diz ele. ―Não há palavras.‖ Eu reviro os olhos e tento não rir e segurar esse pequeno momento de alegria. Um homem mais velho sentado ao lado de Guy dá-lhe uma garrafa de alguma coisa. Guy cheira-a e levanta-a aos lábios. Depois que ele engole, seu rosto reúne e ele suga o ar entre os dentes quando ele passa para mim. Tomando-o em minhas mãos, eu inspecionei a garrafa. É redonda e pesada na parte inferior, e flui para dentro de um gargalo longo e estreito. O vidro verde, é escuro demais para ver o que está dentro. Eu olho para Guy, e ele faz um movimento de inflexão com a mão como se quisesse dizer: Beba. Lembro-me de todas as coisas que eu não quero lembrar, e eu olho para dentro da garrafa. Por três segundos, eu me pergunto o que o pai iria dizer sobre eu beber para matar as más lembranças. Ou sobre eu beber em tudo. Mas então eu decido que a foi quando entrei na Brimstone Bleed que foi o segundo, em que eu tive que aprender a sobreviver de qualquer maneira que pudesse. E este... Este é um bilhete para a liberdade mental. Eu tiro a garrafa de volta e bebo até que minha cabeça não tem nada. Quando eu baixei-a e limpei a mão na minha boca, eu noto Guy me olhando. "Ótimo,‖ ele diz, balançando a cabeça. ―Grande o quê?" Eu passo a garrafa para a mulher ao meu lado, que está muito ansiosa para aceitá-la. "O que é tão grande?‖ Faço esta pergunta cerca de uma centena de vezes ao longo da próxima meia hora. Guy apenas balança a cabeça, o que me faz rir histericamente e pendurar em seu braço. "O que é ótimo, Guy? De mim? Eu sou grande? Eu sou, certo? Você quer sabe por quê?‖ Eu fico olhando para o fogo, paralisada pelas chamas. "Por quê?‖ Guy diz de repente . "O quê?‖ Eu viro meu olhar para ele. ―Você perguntou se eu queria saber por que você está ótimo."


Balanço a cabeça e olho para a verde garrafa de magia incrível. "Você está louco.‖ Ele suspira. Eu olho para trás para o fogo. Tudo ao seu redor, contendores dançando. A maioria dos homens de branco não deixaram, mas algumas crianças e mulheres ficam atrás, cantando e batendo os tambores. A fumaça do fogo envolvendo ao redor dos braços e pernas das pessoas dançando. Tudo parece ir à câmera lenta: a batida dos tambores, o riso fácil dos contendores‖, as Pandoras uivando para a lua . Quando eu olho para Guy para ver se ele vê o que eu faço, eu percebo que ele está olhando para mim. ―Por que você está sempre me olhando?‖ Seu rosto se abre com surpresa com a minha pergunta. Estou um pouco surpresa, mas principalmente, eu estou querendo saber onde está a maldita garrafa verde. ―Você me ouviu?‖ Eu peço . Ele aperta os lábios e acena com a cabeça. "Então por que você não responde?‖ ―Talvez eu não tenha a resposta.‖ Ele se inclina para trás em suas mãos e olha para o céu. "Por que você faz tantas perguntas?‖ ―Porque eu sou curiosa,‖ eu digo. ―Sobre tudo, aparentemente.‖ "Não, só com você." Embora eu sinta relaxada e despreocupada, esta última admissão se sente como uma que eu possa arrepender-me mais tarde. Meus olhos encontram os seus, mas ele não está olhando para os meus olhos. Ele está olhando para minha boca. Antes que eu possa protestar, ele levanta a mão e corre o polegar sobre meus lábios. Eu fecho os meus olhos e estremeço sob seu toque. Eu senti-o passar ao meu lado, e em seguida, as palmas das mãos quentes envolvem em torno de meu rosto. Eu puxo a respiração. E os seus lábios tocam os meus.


É tão repentino que eu quase não sei como reagir. Mas está tudo bem, porque o meu corpo sabe exatamente o que fazer com ele. Meus arcos de volta e eu envolvo meus braços em torno dele. Sua boca é quente e macia contra a minha. E quando a língua toca dentro dos meus lábios, um trovão soa através do meu corpo. Eu percebo agora que nem a selva, os sanguessugas, a jangada, nem o rio representava qualquer ameaça real. O medo real está aqui. Que eu certamente irei me afogar em seu abraço. Todas as coisas que eu quero saber sobre Guy desaparecem. Eu não ligo para o que ele está escondendo. Eu não me importo que as suas mãos estejam calejadas e sua pele está picada com o suor. Eu só me importo que ele esteja pressionado contra mim. Que ele está aqui. Nosso beijo acaba de começar, segundos de felicidade, talvez apenas um único momento, quando ele é interrompido pelos homens em camisas de colarinho . ―Podemos ter a sua atenção?‖, Diz um homem . Os tambores param. A dança pára. Guy e eu nos afastamos e olhamos um para o outro, com a respiração profunda. Eu tenho um súbito impulso de beijar a cicatriz sobre seu olho, ou correr os dedos sobre a parte mutilada de sua orelha esquerda. Cada última imperfeição parece implorar por minha atenção imediata. "É hora de anunciar o primeiro vencedor.‖ Isso nos chama a atenção. Guy e eu viramos os olhos para o homem com o pente. Ele tem algo em seu punho fechado, mas eu não sei o que é. ―Cento e vinte e duas pessoas competiram na primeira etapa da corrida‖, diz ele. ―Alguns contendores batem palmas e o som me assusta.‖ Mas só um poderia ganhar o prêmio inicial. " O homem ergue seu punho. Percebo então como grande suas orelhas são, como elas avermelham com sua excitação. "Rachelle Gregory, por favor venha para frente. " Uma mulher pequena, robusta sobre o outro lado do fogo se levanta. Contendores nas proximidades dão-lhe palmadinhas de congratulações quando ela se move para o homem. Ela parece ser da idade de Caroline e tem cabelos ruivos... e sardas. Eu me pergunto se ela odeia tanto quanto eu as minhas. Talvez ela não pense sobre elas. Talvez eu não devesse pensar sobre elas. A mulher Rachelle está perto do fogo e das vigas. Seu sorriso é tão grande, eu tenho medo que o rosto dela vai quebrar. Mas sua rígida postura fala a verdade. Ela odeia isso aqui, e eu decido então que eu gosto desta senhora.


Abrindo o punho, o homem estende uma longa fita esticada verde. Em seguida, ele a amarra em torno de seu braço. Um silêncio cai sobre a multidão. Fomos treinados para saber que as bandeiras dizem tudo. Eram a vida dos preservadores na selva, algo que disse: Você está à direita da pista, tudo vai ficar bem. E agora, no acampamento base, eles são um símbolo de status. Eu identifico-as aqui e ali amarradas em torno dos braços dos contendores, jovens e velhos. Eles usam-nas com orgulho, a sua cabeça erguida e peito cheio. Mas ninguém tem uma bandeira verde. O sorriso da mulher cai quando ela coloca a fita em torno de seu bíceps. Eu me pergunto como ela se sente. Poucos dias antes de encontrarmos o acampamento, o nosso grupo concordou em não usar as bandeiras. Exceto Tito, que pode muito bem ter solidificado a tendência. ―Você trabalhou duro para ganhar essa bandeira‖, o homem diz à mulher. "E apesar de nossos recursos tão limitados, aqueles de nós que trabalhamos atrás do Brimstone Bleed estamos fazendo tudo o que pudermos para ajudar a salvar vidas." Eu espero que as pessoas zombem ou murmurem respostas inteligentes. Ninguém faz. Eu penso sobre o que Guy me disse, sobre os remédios. Olhando para ele, eu me comprometo a aprender mais da história em breve. "Portanto, esta noite, nós gostaríamos de atribuir-lhe um premio monetário: o suficiente para garantir os melhores médicos do mundo. Embora apenas a cura possa garantir a saúde de sua amada, esse dinheiro vai ajudar a garantir que eles recebem o melhor atendimento no mesmo período." O homem entrega a ela um pedaço de papel. Ela engasga. Ninguém diz nada por alguns segundos. Por fim, um rapaz grita: " O que ele diz?" Rachelle olha para cima. Lágrimas ameaçam derramar por suas bochechas. "É um cheque de dois milhões de dólares", diz ela. Candidatos que acabaram de dar tapinhas em suas costas agora estão olhando para ela com inveja e ódio. O homem coloca a mão em cima de seu ombro. "E agora é hora para lhe fazer uma pergunta, Rachelle.‖ Ele toca a mão ao desbaste cabelo, em seguida, olha para a multidão. "Você vai continuar a corrida? Ou você vai voltar para casa?"


Rachelle olha para ele com o choque. Antes disso, eu sempre quis saber se nós estaríamos autorizados a sair, se quiséssemos. Certamente, ela deve ter se perguntado à mesma coisa. E agora aqui está, um bilhete de saída deste lugar. Tento decidir o que eu iria escolher: voltar para casa com o dinheiro e esperar melhores médicos podem ajudar a salvar Cody, ou ficar e lutar por uma garantia. O rosto da mulher aperta, e eu posso dizer que ela está se perguntando à mesma coisa. "Eu quero sair", ela anuncia. Os contendores batem palmas por isso, feliz por ela sair daqui. Por se livrar de um concorrente feroz. A mulher de branco leva-a pelo braço e as duas desaparecem fora do acampamento base. Onde eles estão levando? Para uma aldeia? A um pequeno aeroporto fora da selva? Eu tenho um desejo imprudente de correr atrás deles, gritando que espere até, que Madox está balançando em meus braços. Uma pequena voz dentro de minha cabeça sussurra: Tem certeza de que você é forte o suficiente? Tem certeza de que tem realmente uma cura? Pior ainda: É a vida de seu irmão, e realmente vale a pena arriscar a sua própria? Eu salto para os meus pés e corro em direção à cabine que Guy e eu temos dormido aqui nas últimas quatro noites. Atrás de mim, ouvi o homem dizer outra coisa, e os contendores ficam animados. Mas eu bloqueio e mantenhome em movimento. Eu tenho que sair daqui. Preciso de tempo para pensar. Encontro o meu berço de costume, eu quase desabo nele. Mas eu me paro mesmo. O que me faz merecer esta cama mais do que alguém faz? Depois de questionar o valor da vida do meu irmão, talvez eu não garanta nada mais do que o piso. Eu pego um cobertor xadrez e travesseiro e deito-me ao lado da cama. Enrolo-me em uma bola, eu rezo para que o som de que Guy está se aproximando. Eu quero que ele venha atrás de mim. Eu preciso dele para me encontrar e manter-me como ele fez na primeira noite. Meu rosto queima como eu penso sobre o nosso beijo. Eu aperto meus olhos fechados e penso sobre a sensação de seus lábios, o toque fugaz de sua língua. Mas o que importa, em meio a Brimstone Bleed? Importa mais do que qualquer coisa. Ouço passos que se aproximam e vigiam a porta. Por favor, deixe ser ele. Por favor, deixe que seja ele. A porta range e abre e Harper entra. De alguma forma, ela estar aqui é ainda melhor. Vejo-a procurar no chão, até que ela me encontra. Em suas mãos estão dois envelopes. "Tella", diz ela com delicadeza. "Você deixou antes que eles fizeram o seu anúncio final."


Madox trota pela porta que Harper deixou em aberto e me localiza em poucos segundos. Ele cutuca meu braço até eu levantá-lo e deixá-lo aconchegar contra meu peito. Eu pego o seu casaco preto grosso e levanto a cabeça olhando para Harper. Seus olhos estão brilhando e estão vermelhos. Eu levanto. "O que é isso ? Você está bem?" "Eu estou bem." Ela me dá um dos envelopes. O outro, o que ela está segurando na sua mão esquerda já foi aberto. "Isso é para você." Harper se vira para sair . Quero pedir-lhe para ficar, para me dizer o que está errado. Mas ela está se movendo muito rapidamente. Quando ela chega até a porta, há dois contendores que tentam fazer o seu caminho para dentro. " Não", diz Harper, bloqueando seu caminho. "Vá embora. Encontre outra cabine. " "Esta não é a sua " se começa a dizer. "Fora", Harper grita. Ela olha para mim. Meu estômago aperta quando noto lágrimas estão agora escorrendo pelo rosto . "Eu vou estar lá fora." Sua voz falha. "Ninguém vai entrar" " Harper", eu digo. Mas ela já fechou a porta. Eu olho para baixo, para o envelope na minha mão. De repente, se sente muito pesado, muito quente. Como ele vai queimar através da minha palma. Agarrando a ponta, eu rasgo e abro.


CAPÍTULO VINTE E QUATRO A carta está dobrada três vezes. Tão pouco se coloca no caminho de ler o que está lá dentro, mas minhas mãos tremem como se eu estivesse pendurada ao lado de um penhasco, me segurando até que eu caia de queda livre para a minha morte. Eu não preciso desdobrar o papel branco neve para saber de quem é. As letras em blocos que espreitam através me contam tudo. Há apenas uma pessoa na minha família que escreve assim. Só tem uma pessoa que usa todas as letras maiúsculas, como elas estivessem gritando tudo que se escreve. Minha mãe tenta dizer-lhe para escrever como um cavalheiro. Mas meu irmão nunca escuta. Eu desdobrei a carta e apertei os olhos fechados. Forma-se uma protuberância em minha garganta. Eu tento engolir, mas ela está lá para ficar. Quando eu consigo abrir os olhos novamente, as letras estão borradas, nadando na página como se eles estivessem jogando um jogo. Eu esfreguei a palma da minha mão no meu rosto e comecei a ler. TELLA , VOCÊ DEIXOU-NOS POR MINHA CAUSA. EU SEI O QUE VOCÊ FEZ. MAMÃE E PAPAI TENTAM PROTEGER-ME DO QUE ACONTECEU, MAS GOSTARIA QUE PARASSE. ALGO ESTÁ ACONTECENDO, E EU NÃO SEI O QUE É. O PAI DISSE QUE ALGUÉM ENVIOU-LHE UMA COISA MÁ. QUE FOI UMA BRINCADEIRA PRÁTICA, E QUE EU DEVERIA FINGIR QUE ERA PARA PROTEGÊ-LA. E AGORA VOCÊ SE FOI. O POLICIAL QUE VEIO AQUI ME PEDIU PARA ENVIAR-LHE UMA CARTA ESCRITA. ELE DISSE QUE VOCÊ FUGIU PARA TENTAR ENCONTRAR ALGO PARA FAZER-ME MELHORAR. MAS ISSO É LOUCURA, TELLA. OS MÉDICOS DISSERAM QUE ELES NÃO PODERIAM AJUDAR. ENTÃO, BASTA VOLTAR PARA CASA. OK? BASTA ENTRAR EM CASA. EU SEI QUE EU SEMPRE TE DOU TRABALHO, MAS EU ESTOU APENAS BRINCANDO. VOCÊ SABE DISSO, NÃO É? NA VERDADE EU NUNCA DISSE A VOCÊ, MAS EU ACHO QUE VOCÊ É


MUITO LEGAL. EU NUNCA REALMENTE TE DISSE QUE EU TE AMO TANTO, QUE DÓI. QUE EU MORERIA AMANHÃ SE ISSO A TROUXESSE DE VOLTA PARA CASA. ESTAMOS TODOS PREOCUPADOS, TELLA. PAPAI FICA AGITADO TODAS AS NOITES, E MAMÃE CONTINUA REPETINDO ALGO SOBRE VOCÊ TER OS OLHOS BEM ABERTOS. VENHA PARA CASA. POR FAVOR. CODY. Deixei cair à carta tremula no chão e eu enrolei em mim mesma. O nó em minha garganta desatando-se, e eu engasguei com um soluço. Madox estava em meus pés, lambendo minhas mãos, me dizendo que ele estava aqui. Mas agora não era o suficiente. Eu preciso do meu irmão. Minha mãe. Meu pai. Eu preciso da minha família. Eu me enganei. Fingi que estava tudo bem aqui nesta selva sem eles. Mas é uma mentira que eu não posso escapar. Lágrimas escorriam pelas minhas bochechas e caiam no chão. Eu sei por que as pessoas que trabalham nesta corrida entregam essas cartas. É para nos preparar para a próxima etapa da corrida. Para proporcionar motivação. Seu plano parece que funciona. Tendo as palavras de Cody na minha cabeça fez tudo que eu fiz valer a pena. Ele me ama. Claro que ele faz, eu sei disso. Mas ele realmente disse isso. Meu irmão e eu não fazemos isso. Nós provocamos um ao outro, pregamos peças duras, e aproveitamos todas as oportunidades para fazer o outro ficar mal. Mas lá no fundo... E ele disse isso. Eu desprezo as pessoas que executam esta corrida. Mas eu preciso delas, também. Porque eu tenho que ganhar. Eu tenho que salvá-lo. A porta se abre e me pergunto se Harper está de volta . Quando eu olho, vejo a silhueta de Guy na porta, com um envelope amassado em suas mãos. Meus soluços aprofundam, e eu vou em sua direção. Eu me desmoronaria se ele me recusasse. Se ele se afastasse. Ele olha para mim por um longo tempo. Mesmo no escuro, os olhos são os mesmos que vi no primeiro momento, frios com vingança. Chego em


direção a ele novamente e digo o seu nome. Ele olha para longe, e em seu rosto encontro sussurros de tormento. "Não" eu digo, mas não adianta. Ele se vira e vai embora. Meu coração explode. Meus ossos quebram. Lágrimas derramam do meu corpo até que eu tivesse a certeza que não havia mais nada. Eu puxei para mim e agarrei a carta para o meu estômago. Meus olhos escorregavam fechados, e eu me afoguei em desespero. Madox cutucou contra a minha mão, mas eu não me levantei. Eu não posso. Ele gemeu baixinho. É a última coisa que eu ouvi quando eu caí no sono. Quando eu acordo no meio da noite, sinto Guy atrás de mim, segurando-me como se eu fosse seu único caminho para a salvação. Depois de cinco dias no acampamento, fico inquieta. A mulher do dispositivo, disse que a raça levaria três meses. Harper e eu decidimos que isso significava duas semanas em cada ecossistema, e uma semana de descanso entre eles. Não podíamos decidir o que a última semana acarretaria. Então, novamente, tudo isso era trabalho de adivinhação. Os outros concorrentes parecem prontos para a ação, também. É como se tivéssemos todo o tempo adequado passando o mau humor sobre nossas cartas, e agora estamos prontos para enfrentar o próximo obstáculo. Mas os homens de camisas de colarinho não respondem quando perguntamos o que está vindo . Eles apenas acenam-nos longe e mantém a patrulhar na área. Começo a me perguntar se isso não faz parte da um teste maior. Para ver quem quebra sob a pressão da ociosidade. Conforme o tempo passa, Guy continua a permanecer nas proximidades. Raramente perto, mas nas proximidades. Às vezes ele vai me agraciar com conversa, e em raros momentos, um sorriso. Meu corpo dói por ele de uma maneira que eu nunca conheci. Eu me sinto como um animal, todos os músculos e hormônios cheios com luxúria. Nós nunca mencionamos o beijo, e ele não faz nada para saciar a estranha atração entre nós. É estranho se sentir assim no coração de uma selva, mas acho que Guy provavelmente poderia me fazer quente no nono círculo do inferno.


Eu vejo como Tito pega em uma garota de sua idade. Estou cansada de o ver intimidar o seu caminho para uma posição de autoridade entre os Contendores. E eu decido desde que eu não tenho mais nada a preocuparme com ele, eu vou dar-lhe um pedaço da minha mente. Sova-me fora, eu vou em direção a ele. Ele está segurando o menino ao redor do pescoço, e eu digo mentalmente para a criança ir para a virilha. Isso seria minha tática. Na verdade, esta vai ser a minha tática. Eu estou a apenas alguns metros, embora quando Caroline está a alguns passos na minha frente. Dink está pendurado em sua cintura, e ela está segurando o dispositivo para que eu possa ver. Está piscando. Meus dentes se encaixam, e eu imediatamente procuro Guy. Eu não quero ouvir a mensagem sem ele perto do meu lado. Estou ciente que os meus sentimentos por ele não podem terminar bem, não conosco, tanto aqui como concorrentes. Mas esses são pensamentos de longo prazo. E agora, olhando para a luz piscando com meu coração batendo contra as minhas costelas, estou só pensando no agora. "Será que todo mundo sabe?" Peço a Caroline quando eu não vejo Guy. "Ainda não." Ela coloca o dispositivo em seu ouvido, mas não pressiona o botão. "Não vai demorar muito, no entanto." Ela está certa. Em poucos minutos, todos os Contendores estão colocando seus dispositivos no lugar. Eu não quero ouvir sem o nosso grupo unido. Parece que se eu fizer, então talvez nós não seremos realmente um grupo em tudo. Já, Caroline e Dink ficam por si só, Ransom ficou dentro das cabines o dia todo, e Guy e eu passamos em silêncio através da base acampamento lado a lado. E Harper. Ela ainda está sendo perseguida pelo loiro desengonçado. Ele se recusa a deixá-la sozinha, e por alguma razão, ela não diz a ele para parar. Apenas continua a ignorá-lo. Eu desisto de caçar os contendores que me familiarizo e coloco o dispositivo no meu ouvido. Caroline envolve sua mão ao redor no lado do rosto de Dink, e acena com a cabeça. Nós duas apertamos os botões. Existem alguns


momentos de silêncio enquanto todos sintonizam, em seguida, a mulher começa. "Boa tarde. Eu gostaria de dizer a todos que nós fechamos o primeiro capítulo do Brimstone Bleed." Eu enrolo minhas mãos em punhos. "Como vocês sabem, Rachelle Gregory venceu a primeira etapa da corrida e optou por voltar para casa para estar com sua família. Nós, na sede social, apoiamos totalmente a sua decisão. E agora nós gostaríamos de oferecer ao restante dos Contendores uma escolha também." A mulher faz uma pausa, e eu quase posso sentir os contendores em torno de mim segurando a respiração. "Em alguns momentos curtos, os dois homens que graciosamente supervisionam o acampamento base vão sair. Se você optar por seguir um, você será conduzido para a próxima parte da corrida. Se você optar por seguir o outro, você vai ser levado para casa. A decisão a fazer é sua.‖ Caroline termina ouvindo a mensagem e deixa cair a cabeça. Quando ela olha para cima, há lágrimas nos olhos. Eu não sei o que dizer a ela. Esta decisão é fácil para mim. Eu não vou desistir. Meu irmão me ama. E eu o amo também. Mas sua mãe nunca demonstrou seu afeto o suficiente para justificar esse tipo de risco pessoal. Eu entenderia sua decisão de sair. Eu agarrei a mão dela e apertei. "Está tudo bem", eu sussurro. ―Você não tem que ficar. Nós entendemos." "Será que ela vai embora?" Caroline diz quando Dink puxa seu lado e olha para ela. "Será que minha mãe entendeu?" Eu balancei minha cabeça, porque eu não consigo encontrar as palavras. E porque, não, a mãe dela não soa como o tipo de pessoa que entenderia. Ou o tipo de pessoa que tinha já considerado fazer para sua filha Caroline o que tem feito por ela. "Se eu sair, eu vou levá-lo comigo." Caroline puxa Dink na frente dela.


"Eu acho que é uma boa idéia", eu digo, mas eu estou lutando contra o desejo de pedir-lhe para ficar. Para dizer a ela que não podemos continuar nesta corrida sem todos nós lá. Algo passou pelas minhas costas, e eu viro para encontrar Guy. Seus olhos bloqueados no meu rosto. "Você está pronta?", Diz. "Eles já estão fazendo fila para cima." Eu olho por cima do ombro e vejo que ele está certo. Os dois homens estão posicionados três metros de distância um do outro, e uma linha de Contendores estavam diante de cada pessoa. Há menos contendores na frente do homem à direita, e me pergunto se essa é a saída ou para permanecer. Guy coloca a mão na parte inferior das costas e uma torrencial corrente corre através de mim. Gostaria de saber se Guy está confiante. Eu vou ficar, ou veio para garantir que eu não vá. Eu olho para trás, quando Caroline e Guy me leva para longe. Eu quero dizer a ela adeus, que eu nunca vou esquecê-la ou Dink. Mas algo diz para mim, que é melhor assim. Eu tenho que aprender a seguir em frente sem persistir no passado. Guy se move para a esquerda. "É esta a linha de estadia?", Ele pergunta a menina de costas. Ela acena com a cabeça, nos parece tanto mais, e se vira. Harper vem atrás de nós. Eu sorrio em sua direção. Ela não devolve o gesto, mas talvez seja porque o cara loiro ainda está conversando em seu ouvido. Ele a segue em linha como se ela fosse seu farol e me dá uma onda animada quando ele me pega assistindo. Eu aceno para trás e rio, apesar da situação. Tito abre seu caminho passando de todos nós e vai para frente, sua mochila arrastando atrás de si. Ele vira uma vez para verificar que estamos assistindo. Quando seus olhos se conectam com Guy, ele olha para frente e continua. Perto da frente , eu vejo o homem da camisa de colarinho levantar a mão para calar-nos. Pela primeira vez, percebo que há um pequeno baú perto de


seus pés. Ele é feito de madeira esculpida, e a trava montada com esmeralda verde. Quando um silêncio cai nos contendores, ele abre o peito e recupera uma seringa de porte monstruoso. É preenchido com turbilhão de líquido verde. "Mangas para cima." O homem indica a seringa. " Você só vai precisar de um pouco" , acrescenta, como se isto é suposto para me confortar, como se o pensamento de que a agulha vai no meu braço não é suficiente para me fazer mudar linhas. Olho para a linha da licença. Sim, não seringa. Os contendores começam a puxar para cima suas mangas de camisa certas. O homem injeta uma pequena quantidade no primeiro Contendor e se move baixo da linha. "Guy", eu sussurro, suor pica minha testa. "Está tudo bem", diz ele. "Eles não iriam nos matar agora". Matar-nos? Matar-nos? Eu nem estava pensando nisso. Eu só estava preocupada sobre a seringa. E talvez que ele vai nos fazer adormecer novamente. Mas, principalmente, que o homem e sua agulha mamute são apenas quatro Contendores embora agora. Três... Dois... Ele começa em Guy, e Guy estende seu braço como se ele estivesse realmente animado sobre a obtenção da substância estranha injetada. A agulha perfura a pele e eu vejo um pouco de sangue em meio a espiral de verde. Eles não devem estar usando a mesma agulha em todos nós, deveriam? Meus músculos apertam com mais força. Madox se ergue contra a minha perna e casca. Sim, não há porcaria. Isso é o que eu estou dizendo. Por que ninguém está pirando? Eu olho para Harper, mas ela está virada para frente como um fuzileiro naval. Odeio tanto ela agora, que eu poderia gritar. Algo pica meu braço e eu gemo. Eu me viro e brilho no homem. Ele me dá um olhar que diz que eu sou patética e se move em direção a Harper. Acabou, eu acho. Não foi tão ruim. Eu olho para Caroline e Dink, e eu não


posso me ajudar. Levantando o braço, eu aceno. Devo dizer-lhes adeus, se somente neste pequeno caminho. Caroline sorri calorosamente e as ondas de volta, com os olhos ainda molhados de lágrimas. Ela levanta Dink do braço e acena para ele, também. Eu mordo meu lábio para n��o rir . . . ou chorar. E então o rosto de Caroline começa a se confundir.


CAPÍTULO VINTE E CINCO Quando abro os olhos, o sol me cega. Eu escondo meu rosto da luz e da mordaça sobre a boca cheia de areia. Olhando para baixo, eu percebo que o que eu estou engolindo é areia. Eu esforço-me quando picos de adrenalina passam através de mim. Estamos no deserto. Eu faço sombra sobre os meus olhos e olho ao redor. Outros contendores estão puxando-se para cima e esfregando seus rostos. A memória de deixar a selva é nebulosa. Eu só consigo lembrar-me da seringa. Ataques de pânico através de mim quando eu procuro Madox. Eu encontroo por perto, pulando em um círculo e mordendo o turbilhão de areia ao redor de seus pés. Eu o seguro em meus braços e olho ao redor, procurando Guy. Ele já se puxou de pé e está andando a passos largos em minha direção. Enquanto caminha, percebo que ele não está mais usando uniformes marrons. E nem eu estamos vestidos com camisas brancas, calças cargo com uma serpente em um dos muitos bolsos, e botas marrons que rastejam em direção a nossas canelas. A camisa branca abraça cada músculo do peito e braços de Guy como ele se move. Eu coro contra o sol do deserto e espero que ele ache que é do calor. Meu constrangimento serve para distrair-me do conhecimento que, mais uma vez, alguém mudou a minha roupa sem a minha lembrança. Se esse não é o epítome da bizarrice, eu não sei o que é. Estou desanimada por ver meus novos pontos não são uma melhoria de guarda-roupa. Considero brevemente, fazendo Madox de meu Toto e clicando meus calcanhares juntos. Não há nenhum lugar como Nordstrom, não há nenhum lugar como a Nordstrom. Suor se forma ao longo da minha testa. Deve ser uma centena de graus aqui. Talvez mais. O calor não está molhado, como era na selva. Ao contrário, é tão seco que cada vez que eu respiro resseca minha garganta. Realização me bate que eu saí para a corrida, em agosto, o que significa que é provavelmente setembro agora. Setembro. No deserto. Grande. Melhor do que agosto, eu acho. Colinas de rolo de areia ao longo da paisagem como as ondas de um oceano. O sol é enorme, e eu imagino se eu estiquei alto o suficiente, eu queimei


meus dedos. Com a presença de um sol sem fim e a ausência de uma vegetação densa, é como eu posso ver para sempre. Meus olhos doem de tomar no imenso vazio. Na selva, eu estava sempre vendo, sempre explorando algo novo. Mas aqui, minha mente está clara. Há um tipo de beleza no silêncio, silencioso. Guy e seu círculo leão em torno dos contendores afastam-se. Eu não tenho certeza de onde eles estão indo até eu ver uma confusão de pacotes laranja brilhantes ao longo do chão. As pessoas que trabalham na corrida, obviamente, nos deixaram aqui com suprimentos. Talvez isso seja bom, talvez isso significa que esta parte vai ser mais fácil. Depois de tomar três passos em direção aos sacos, eu paro, o bronzeado dos músculos ao longo dos braços de Guy trabalha como ele puxa não um, mas dois pacotes sobre suas costas, e, em seguida, ele acaba. Ele me entrega uma das mochilas e eu coloquei Madox nela. "Obrigado", murmuro. Eu aceitei que eu nunca vou descobrir Guy fora, a maneira como ele ajuda e me protege, então sai quando eu mais preciso dele. Sei que ele está aqui para salvar alguém, e que eu estou provavelmente confundindo-o. Mas eu gostaria que ele abrisse a boca e dissesse isso. Alcançando para os bolsos de minhas calças cargo, eu sinto o dispositivo branco e me acalmo ligeiramente. "Você tem o seu dispositivo?" Peço Guy. Ele balança a cabeça e vira-se para o deserto. "Eu tenho certeza que ele vai sair em breve o suficiente." Eu vejo-o assistindo a areia, então eu viro e olho para Harper. Ela está indo em nossa direção, o garoto loiro em seu calcanhar. "Oi", diz ela. "Vocês estão preparando-se?" Ela parece insegura por alguma razão, e eu me pergunto se ela está questionando se vamos continuar a viajar juntos. Eu sei que é o que eu estive pensando. Eu decido para rasgar o BandAid. "Pronto, agora que você está aqui. Levou o seu tempo passeando não é? Eu bati no ombro e sorri, tudo ao mesmo tempo prendendo a respiração. "Quer levar por um tempo quando começar?"


Ela se vira e olha para o sol, mas eu não perco o alívio escorrendo de seu rosto. "Claro, qualquer coisa." "Ei, eu sou Jaxon. Com um x, e não um cks. O prazer de fazer o seu conhecido. Harper me falou muito sobre você.‖ Eu olho para Harper. Ela encolhe os ombros. Jaxon joga um braço longo e fino ao redor do ombro dela. "Eu vou viajar com vocês, mas não se preocupe, eu sou boa companhia. Uau, retrocedo. Vamos com excelente. Não quero que me enganem. "Viajando com a gente, né?" Eu não consigo parar de sorrir em uma fumegante Harper. É óbvio que ela encontrou alguma boa qualidade no cara, ou ela não teria nunca concordado com isso. O que eu estou realmente apenas supondo que ele tem. "Bem". Olho para Guy, então de volta para Jaxon. "Bem vindo, eu acho." Uma rapariga com bochechas vermelhas sai de trás de suas pernas. Ela parece ter cerca de dez anos de idade e é tão redonda como ela é em sua altura. Seu cabelo preto é puxado para trás em um rabo de cavalo e pequenos tufos de cabelo formam ondas em torno de seu rosto. O efeito geral é cativante. A menina se endireita. "Eu sou Olivia. Eu gostaria de vir também. Se estiver tudo certo". Jaxon bagunça os cabelos de Olivia e mais mechas saltam para fora de seu rabo de cavalo. "Claro que está tudo bem. Eu não posso ir a lugar nenhum sem a minha ajudante." A menina sorri para ele. " Você é mais que bem vinda para se juntar a nós." Ninguém contesta o que eu disse, então eu suponho que o assunto está resolvido. Teremos dois novos Contendores para adicionar ao nosso grupo. "Estamos sendo substituídos já?" Uma voz suave pede por trás de mim. Eu congelo, mas um sorriso lento rasteja no meu rosto. Como eu giro de volta, e meu coração pula. Caroline e Dink estão caminhando pela areia em direção a nós. " Sabia que não poderia ficar de fora ", diz Harper.


Eu jogo meus braços em torno da mulher que eu mal conheço, quase tonta de alívio. "Você veio", eu digo. "Você mudou de idéia." Eu me esforço para não fazer a minha dança feliz, para manter os meus braços ao meu lado e os meus pés no chão, mas meu corpo vence. Eu pulo em um círculo, bombeando meus braços, e apertar a minha bunda. Eu sou tão desagradável. "Que diabos você está fazendo?" Guy pede. "A minha dança feliz", eu respondo, como se fosse óbvio. Ele balança a cabeça, mas eu posso dizer que ele está feliz que estamos todos juntos. Mas nós não somos, realmente. O nosso grupo fica tranqüilo e é como se nós, de repente lembramos que estamos em falta. Um irmão se foi para sempre. Mas o outro... Nossas cabeças giram à medida que o procuramos. No início, nós não o vimos, mas, em seguida, Dink levanta o braço e aponta. "Eu vou falar com ele", diz Guy. Ninguém luta com ele para o trabalho. Ele se afasta e se aproxima de Ransom. Nós assistimos sem falar como Ransom balança a cabeça. Sua boca nunca se move. Guy retorna e quando olhamos para ele para confirmação, ele balança a cabeça uma vez. Nós não pedimos para obter detalhes, mas eu não posso deixar de me sentir como eu deveria tentar. Eu engulo minha apreensão e avanço em direção à Ransom. Guy agarra meu braço. "Que ele seja, Tella," ele diz. "Ele não está pronto para a companhia de ninguém." Ouço Guy falando, mas eu só posso estudar o corpo magro de Ransom. Parece que ele perdeu muito peso, e sua Pandora olha para ele cuidadosamente, como se ele sabe que alguma coisa está fora com o seu Contendor . Assim jovem, eu acho. Mas então eu me lembro de que ele é apenas dois ou três anos mais jovem do que eu. "Eu vou dar-lhe espaço, hoje," eu digo, principalmente para mim mesmo. "Mas eu não vou parar de tentar alcançar ele.‖ Eu sei que dizendo isso, eu estou deixando de lado a fantasia de que o nosso antigo grupo vai viajar juntos. E eu suponho, estou rezando agora para outra chance de vê-lo na


próxima base do acampamento. Talvez depois de algum tempo sozinho para lamentar seu irmão, ele vai estar mais disposto a deixar-nos entrar. "O que está dentro das embalagens?" Caroline pede. "Eu ainda não olhei." Em vez de responder, eu olho mais de perto Dink. Seu rosto aparece corado, e eu me pergunto se ele está bem. "Dink, você está se sentindo bem?" "Oh, ele está bem", diz Caroline, puxando-o contra ela. "Eu acho que o soro que eles nos deram apenas o afetou mais do que a maioria.‖ Ela olha para ele. "Ele é tão pequeno." "E inconseqüente, o que é exatamente por isso que ele não deve estar aqui", diz uma voz nova. Suas palavras irritam meus nervos, e antes mesmo que eu viro minha cabeça, eu sei que é Tito. Seu cabelo loiro está alisado de volta, e ele está vestindo um sorriso pintado. "Tella", diz ele, inclinando a cabeça para cima. "O que você quer?" Eu peço. "Fazer uma proposta." Ele olha para o bando de caras atrás dele, então de volta para mim. "Eu escolhi os melhores contendores para viajar. E garantovos, um de nós vai ganhar esta corrida.‖ Titus olha para a raposa aos meus pés. "Eu gostaria de lhe oferecer uma posição com nós. Com os gatilhos. E com ele, uma chance de ganhar." "Passo", eu digo. "Reconsidere", ele rosna, dando um passo em minha direção. Guy empurra-o para trás. "Ela disse que passa. Agora dê o fora." Tito olha assustado, como se ele nunca esperasse que Guy desafiasse ele na frente de seus seguidores. Mas mais uma vez, ele finge um sorriso e abre os braços, como se tudo fosse uma grande piada. "Tenha à sua maneira. Morram no deserto, idiotas". Quando ele gira sobre os calcanhares para se afastar, eu suspiro. Eu observo pela primeira vez que ele prende a extremidade de uma corda com a mão esquerda.


Anexado à extremidade oposta está G-6, carneiro de Levi. Eu vou para arrebatá-la de Tito, mas ele empurra o braço como se ele tem olhos nas costas de sua cabeça. "Veja você percebeu eu fui mergulhar no lixo", diz ele sobre seu ombro. "Ele não é a mais impressionante Pandora, mas, novamente, eu não sou feito a coleta ainda. " Com isso, Guy tenta agarrar Tito, mas AK- 7 barra a frente e rosna. Em resposta, o M-4 pula na frente do cara e passa a pata apenas tímida de rosto do urso. Tito ruge com risos e lidera o clã dos caras, os Gatilhos, e suas Pandoras á distância. Eu pego Ransom olhando fixamente para Tito para baixo e me pergunto se ele tem um plano para obter a Pandora do seu irmão de volta. Se ele o fizer, eu certamente não me importo de ser incluída. Eu olho para Guy. "Ele está atrás de Madox. Isso é o que Tito estava dizendo, certo?" Guy esfrega o queixo, considerando. "Sim, mas eu acho que ele vai estar olhando para pegar qualquer Pandora que pode ao longo do caminho". "Temos que levar isso em consideração para baixo." Todos nós viramos e olhamos para Jaxon. "O quê?", Diz. "Esse cara é um grau A em ducha." O canto da boca de Harper engatou-se, e Guy ofereceu a sua mão para Jaxon. "Bem vindo ao nosso grupo." Jaxon ri e aperta a mão de Guy. Então ele diz: "Os Gatilhos. Como maldito pomposo é dar-se um nome?" Ele suspira. "E qual é o nosso?" "Não", diz Harper. "Não estamos nomeando nosso grupo." "Eu sei. As bombas". Jaxon faz um movimento de queda com o seu punho, em seguida, deu um soco contra a palma da outra mão. "Mudo", diz Harper.


Jaxon pensa. "As máquinas?" "Não", digo a ele. "Os chefes de enxofre!" "Gente", Caroline diz suavemente. "A luz está piscando." Meus ombros apertam, e eu cavo no bolso da calça, procurando dispositivo. Quando eu encontro-o, eu encaixo-o em meu ouvido. Meus olhos nunca deixam o rosto de Guy. Ele coloca o seu próprio dispositivo no lugar e mantém o meu olhar. Depois de três semanas na selva, com o cabelo ainda brotando para o céu em picos escuros. É como se ele está determinado a manter o seu estilo, independentemente do que acontece. Ao contrário de meu próprio cabelo, que ondula de perto contra o meu couro cabeludo em padrões caóticos. Para um fugaz momento, antes que a mulher fale, eu oro para que a embalagem laranja embalado que estou usando detém maquiagem Chanel. E uma escova. E um espelho. Clicando. Estático. "Bem vindo à segunda etapa da Brimstone Bleed, como vocês provavelmente estão ciente, esta parte da corrida terá lugar através do deserto. Assim como antes, vocês terão que encontrar as bandeiras, a fim de localizar o acampamento base. E mais uma vez, você vai receber duas semanas para a conclusão." O sol bate nas dunas de areia, e eu posso ver o ar vibratório. É quase como se eu estivesse debaixo de água. Há esporádicos arbustos e árvores esparsas brotando da areia, e me pergunto como é possível que eles cresçam com este calor. Como algo pode sobreviver. Como vou sobreviver. "Cento e vinte e duas pessoas entraram na corrida", a mulher diz com orgulho. "E setenta e oito contendores permanecem." Estou surpresa que tantos contendores caíram fora. Eu não vi muitos na linha de licença no acampamento base, o que significa que alguns Contendores ainda estão na selva. Ou pior, eles estão como Levi. Foram. "Isso significa que suas chances de ganhar esta etapa da corrida são muito melhores. E nesta rodada, temos um prêmio muito especial." A mulher pausou, e imagino como estrangulá-la pode se sentir. "O vencedor receberá uma pequena dose de cura. O suficiente para garantir que o seu amado ente viva por um período mínimo de cinco anos." Tudo ao meu redor, as pessoas ofegam. Quanto a mim, estou chocada demais para mover-me. Minhas entranhas turvam com emoções conflitantes.


Uma delas é a esperança, que eu possa ganhar para Cody uma garantia de cinco anos saudáveis. Outra é a raiva, como é que as pessoas que trabalham nesta corrida podem fazer isso com a gente. Certamente, se eles quisessem, eles poderiam criar o suficiente desta cura para todos. A última emoção é a mais difícil de enfrentar, a dúvida. A dúvida que nada disso é real. Que não há realmente uma cura que pode salvar Cody, ou qualquer outra pessoa, para essa matéria. Ainda assim, eu tenho que tentar. Eu tenho que lutar pela oportunidade de ajudá-lo. Além disso, Guy disse que os Pharmies existem. E eu confio nele. Certo? Percebo Jaxon acenando para baixo para dois animais, que eu assumo são suas Pandoras. O mais próximo, uma chita, corre até Jaxon e esfrega contra sua perna. Atrás do gato, tendo, passos lentos e pesados, está o que parece ser um filhote de elefante. A criatura se move em direção à Olivia e envolve seu tronco longo cinza em torno da cintura dela. Os arranhões da menina sob o queixo do elefante e olha para frente. Além das Pandoras, meus olhos se conectam com Tito. Ele levanta um braço grosso e aponta na minha direção. Arrepios de gelo passam através das minhas veias com a visão. A voz da mulher continua. "O melhor da sorte para você, contendor", diz ela. "Agora corra! " Eu quase posso imaginar o braço socando o ar. No mesmo momento que a mulher diz-nos para correr, os tremores de terra. Setenta e oito candidatos e suas Pandoras correm para frente. O cara agarra meu braço e me mantém no lugar. Eu não sei o que ele está fazendo, mas eu tomo a liderança e faço o mesmo para Harper. Um por um, nós puxamos a nós em conjunto para evitar ser pisoteado. Nós não corremos. Não entre em pânico. Acabamos de assistir.


CAPÍTULO VINTE E SEIS Havia contendores correndo em todas as diferentes direções, e Pandoras voando, rastejando, e deslizando por trás deles. Há tantas criaturas diferentes que a vista é impressionante. Não foi tão surpreendente no acampamento base, vê-los todos descansando ao longo do chão, limpando-se, e cochilando no calor molhado. Mas isso, vê-los correndo através da areia, grunhindo da tensão, seus corpos rígidos, foi espetacular. Após o som morrer, os contendores e os animais tornaram-se um borrão na distância, Guy falou. "Precisamos de um plano." "Certo", diz Jaxon. O indivíduo olha para ele por um longo minuto antes de continuar. "Na última etapa, não havia um padrão para as bandeiras. Eu acho que podemos assumir como muito também. Caso contrário, não seria um jogo de habilidade." Ele puxa sua mochila fora e deixa-a na areia com um baque. "Nós também precisamos despejar as outras. Eles são muito brilhantes, e elas vão alertar a nossa presença para outros contendores. "Guy se agachou no chão e abriu o pacote. Enquanto trabalha para puxar o conteúdo para fora, eu me pergunto como ele conseguiu desta forma. Como poderia um cara de dezoito ou dezenove anos de idade preparar-se para as condições de extrema tensão. Guy separa as coisas em sua mochila em pilhas. De um lado estão o que parece ser uma barraca enrolada, um saco de dormir, e um comprimento de espessura de corda. Por outro estão um grande canivete e um cantil, que imagino que está cheio de água. O lado cromo da garrafa circular brilha na luz do sol, e me pergunto se as raças não responderam a minha oração por um espelho depois de tudo. "Ei, o cantil poderia ser usado como um sinal uns aos outros," Olivia diz, voltando-se dela para que ele pisca. "Isso não seria legal?" Quando eu olhei para a minha própria garrafa, minha língua incha. Eu estive consciente por dez minutos neste maldito deserto, e já poderia beber o


meu peso corporal em água. Ou o Lago Michigan. Acho que podia beber isso também. Ou talvez a água da caverna na selva, completado com sanguessugas viscosas. "Tem certeza de que devemos deixar tudo? E se precisarmos mais tarde?‖ Caroline pede. "Certamente, não dariam para nós se não precisássemos disso." "Não." Guy enxuga a testa. "Nós podemos deixá-lo." "Podemos levar as coisas em nossos braços?" Jaxon olha para o chita. "Ou nossas Pandoras poderiam levá-lo?" "Nós vamos estar muito cansados para realizar qualquer coisa", ele responde. "Então será melhor não levar." Normalmente, seguimos Guy cegamente. Mas agora o grupo parecia hesitar. Talvez seja o calor ou o fato de que o deserto parece tão estéril. Eu imagino que essas pessoas estão se perguntando como eles vão substituir as coisas que precisam ser deixadas para trás. Na selva, havia coisas para usar. Se você pudesse encontrar o material certo. Mas aqui, é uma folha de papel em branco. Eu entendo que Guy quer permanecer invisível para os outros Contendores, mas eu não tenho certeza porque isso que é tão importante. Ele está com medo que eles vão nos seguir para as bandeiras? Talvez ele esteja em causa de outros quererem se juntar ao nosso grupo. Se sim, qual é o mal nisso? Estou começando a me perguntar se esta é uma boa idéia. Até que eu me lembro de Tito. A maneira como ele disse que estaria recolhendo Pandoras. E a maneira como ele olhou para mim logo antes da corrida no deserto começar. Eu retirei o meu pacote, retirei o cantil e uma faca, e lancei o saco à distância. Os olhos de Harper alargaram um pouco, mas ela rapidamente seguiu o exemplo, assim que ela atua, faz assim Jaxon. Olivia vai em seguida, seguida por Caroline e Dink. "Tudo bem." Guy aponta para o céu com seu cantil, e o leão em seu lado olha para cima. "Nós podemos usar o sol como uma bússola. Ela sobe no leste e se põe no oeste. Sugiro o leste".


"Mas esse era o padrão da última vez," Harper argumenta. "Não vai querer mudar?" "Isso é o que eles esperam que a gente pense," razões de Caroline. Nós todos olhamos para ela, mas ela não percebe, porque ela está mexendo com o cabelo de Dink. Quando ela olha para cima, surpresa atravessa seu rosto. "O quê?" Guy sorri. Meu coração explode. "Isso é exatamente o que eu estava pensando, Caroline", diz ele. "Eu acredito que devemos começar a leste, em seguida, tentar indo para o norte de lá." "Certo", diz Jaxon com um aceno. "Quando nós começamos a beber a água?" Eu espero por Guy para repreendê-lo, para apadrinhar a sua necessidade de hidratação tão cedo. Pelo menos, eu espero que Guy ignore-o completamente. Em vez disso, ele solta a tampa do cantil e bebe. Assistimos como sua garganta funciona para cima e para baixo. Ele deve ter drenado a metade da água, como o resto de nós lambemos os lábios. Puxando-a para longe, ele suspira com prazer. "Agora . Bebam. " "Será que não precisamos dela mais tarde? " Olivia pede, uma mão pressionada contra seu elefante. "É mais importante evitar a desidratação." Guy laça a alça do cantil em seu peito. "Então, bebam tanto quanto vocês precisarem para sentir conteúdo. Não satisfeito, o conteúdo apenas." Eu quero perguntar cerca de trezentas perguntas sobre exatamente o que o conteúdo implica. Mas quando Harper levanta o cantil e começa a beber, a natureza humana vence. Abro meu cantil e quase morro com euforia, como a água fresca corre pela minha garganta. Por um momento, imagino colocá-lo sobre a minha cabeça e, em seguida, roubar todo mundo é para o mesmo luxo. Mas eu não. Eu só bebi até ficar contente. Em seguida, decido que detesto a palavra. Após o vazamento de um pouco na minha mão, eu curvei-me para deixar Madox beber um pouco. Ele se afasta, como ele detesta as coisas, e o resto


dos contendores me olham como se eu perdi minha mente. Eu bebo a água na palma da minha mão, e me pergunto por que minha Pandora não iria levá-la. Será que ele não precisa dela, ou ele está se sacrificando para que eu tenha mais? Quando cada um acaba de beber, coloca a tira do cantil em seus ombros como Guy fez. Nós todos queremos ser como Guy. Ir como a equipe de Guy. "Todo mundo está pronto?", Ele pergunta. Harper dá um passo à frente. " Tella disse que eu poderia levar." Meu queixo se esforça para cair em aberto, mas eu de alguma forma consegui manter ela fechada. Desde quando é que o que eu digo se torna lei? Eu tento manter uma cara que diz: Sim, isso é o que eu disse. Que seja conhecido de todos os que viajam neste deserto de dunas. Ouve. Eu esfaqueio mentalmente uma equipe, e percebo que Guy está olhando para mim. "Tudo bem, isso é legal", diz ele, ainda me olhando como se talvez eu fosse um assassino em série agora. Harper diz RX -13 sobe para o céu, e a águia abre as asas em vôo. O sol já está baixando em direção à terra, assim nós dirigimos na direção oposta que eu acho que fica a leste. A caminhada é como um pesadelo próprio. Quando vi pela primeira vez a areia, pensei que foi lindo. Como talvez que seria divertido apenas rolar na areia e fazer anjos de areia. Agora eu sei a verdade, que a areia é realmente o amor do filho dos pais orgulhosos Marie Antoinette e Joseph Stalin. Eu marcho atrás de Harper e estou surpresa com o vento cortante. Eu pergunto se é sempre assim, ou apenas uma coisa de hoje. Independentemente disso, é descontroladamente irritante. A cada poucos segundos, eu limpo o suor da areia do meu rosto, para tê-lo substituído momentos depois. Eu olho o cantil de Harper. Eu poderia beber sua água antes que ela me derrube? Eu me pergunto. Não me orgulho desse pensamento. Na selva, parecia que a chuva nunca estava terminando. Eu cresci a odiá-la com uma paixão selvagem. E agora... agora eu sofro por isso.


Nós caminhamos para o que se sente como anos e paramos somente quando o sol desapareceu sobre as dunas. Nossas roupas estão encharcados com suor e se agarram ao nosso corpo como uma segunda pele. Harper pára de andar e todos nós seguimos o exemplo. Eu amassei de joelhos, e Caroline desce ao meu lado. Guy estava certo. Não há nenhuma maneira que eu poderia ter carregado qualquer coisa além da faca e o cantil. Eu olho para ele para ver o que o homem selvagem está fazendo agora. Justo esfregando uma folha aleatória ao longo de seu braço e inspecionando os resultados. Certo. Nada muito estranho. "O que você está fazendo?" Minhas dores de garganta fazendo a pergunta . Eu decido, em seguida, que, se Guy diz que não deve beber o resto da nossa água hoje à noite, eu vou matá-lo em seu sono, com leão ou nenhum leão. Ele continua esfregando a folha ao longo de seu braço e vendo a sua pele como um maníaco. Um maníaco quente, você mente. Mas um maníaco, no entanto. "Nós não podemos dormir na areia." Caroline olha para a areia, e eu quase posso ver o medo encher os seus olhos. Ela se dobra e desdobra as mãos. "Por que não? O que há de errado com a areia?" Guy pára fricção e olha em volta. "Ela vai ficar fria e a areia vai roubar o calor de nossos corpos", diz ele. "Nós temos que encontrar algo para dormir." A promessa de um tempo mais frio é quase tão maravilhoso como o que é deixado em meu cantil. E agora que ele mencionou isso, eu percebo que não é tão quente. Na verdade, quase se sente um pouco frio já. Minha camisa branca e calças cáqui de carga, ainda encharcadas de suor, quase me fazem tremer. De uma forma estranha, porque se sente tão bom em comparação ao calor, a sensação é quase erótica. Guy reúne ramos de pequenos arbustos espalhados por todo o deserto e pede M-4 para iluminá-los. Ele faz, e Jaxon e Olivia fornecem a quantidade adequada de temor verbal na habilidade do leão. Então todos nós amontoamos perto da chama, embora o que eu gostaria de fazer é apagar o fogo e relaxar na temperatura caindo.


"Tire a roupa", Guy diz calmamente. Cinco cabeças disparam em sua direção. Bem, quatro. Harper já estava descascando a roupa dela e secando-a pelo fogo. Jaxon olha para ela, os olhos tão grandes quanto Saturno. Eu rapidamente entendi o raciocínio de Guy. As roupas tem que secar, para nós não congelarmos em nosso próprio suor. É isso aí. Tella, eu palestro para mim. Não é como Guy estava falando só para mim. "Sério?" Caroline pede. Guy não responde, ele só puxa a camisa e vira as costas para remover suas calças. Foi quando eu vi suas cicatrizes. Elas são rosa e levantadas e abraçam sua caixa torácica. Parcialmente cobrindo-as há uma tatuagem de um grande pássaro virado para frente, com as asas esticadas aberto. "Você tem uma tatuagem." Assim que as palavras saem da minha boca, eu encolhi. As cicatrizes parecem muito pessoal, mas eu não conseguia parar de perguntar sobre a tinta. Agora ele sabe que eu fui vê-lo despir-se. E todo mundo faz, também. Ótimo, eu sou a trepadeira oficial no grupo. Guy olha por cima do ombro para mim. Então ele olha fora na distância e tipo de balança a cabeça para si mesmo. Como eu já sou uma trepadeira, eu decidir ir de pleno direito e cavar mais profundo. "É um pássaro, certo?" Ele puxa as calças de carga fora, e antes de eu virar minha cabeça, eu observo ele está usando cueca boxer preta com uma faixa vermelha. Apesar de estar tonta de sede, agora eu não posso pensar em mais nada além da forma como ele é construído: os músculos rígidos em toda a sua volta, o brilho bronzeado de sua pele. Quando ele se vira, eu não posso ajudar, mas espreito pelo canto do meu olho. As chamas lançam sombras sobre seu amplo peito e estômago apertado. O meu próprio estômago enche de borboletas. Eu decido, desde que suas roupas estão fora, não vou matá-lo em seu sono... independentemente do que ele diz. "Tella?" Ele fala o meu nome como se fosse uma pergunta, mas tudo o que eu posso fazer é observar seus lábios cheios, rosa movendo com meu nome, a maneira da língua tocar rapidamente o topo de sua boca quando ele diz. Ele se senta ao lado de seu leão. "Você precisa tirar as suas roupas." E eu morro. Bem ali, na areia.


Eu olho em volta e percebo que até mesmo Caroline já retirou sua camisa. Ela está evitando o olhar de qualquer um, e eu não a culpo. Lentamente, eu fico para cima. Meus dedos encontram a barra da minha camisa e eu começo a puxá-la para cima. Eu não posso deixar de olhar para cima, e quando eu faço, eu acho Guy assistindo-me. Eu paro fria. Seus olhos viajam para a banda de pele que eu tenho exposta acima dos meus quadris, em seguida, eles se movem para o meu rosto. Eu respiro fundo, fecho os olhos, coração batendo dentro do meu peito, e gentilmente levanto a camisa sobre a minha cabeça. Guy chupa seu lábio inferior e é quase a minha ruína. Ele só me olhando, eu percebo. Não Harper e seu perfeito corpo, ou Caroline e sua bela aparência e cabelo escuro. Só a mim. A confiança constrói na minha barriga. Eu não tenho um ponto de maquiagem no meu rosto. Meus grossos, cachos castanhos sumiram. E a minha pele está vermelha e brilhante do sol do deserto. Mas ele acha que eu sou bonita. Eu puxo uma respiração irregular e desfaço o botão na minha calça. Movendo meus quadris, eu deixo deslizar para baixo o comprimento das minhas pernas e cair na areia. Saio dela, vestindo nada além de meu sutiã e calcinha incompatíveis, e minhas botas de combate marrons. A chama se sente deliciosa contra a minha pele. Ainda melhor é o caminho que seus olhos tomam em cada parte do meu corpo. Minhas mãos esfregam ao longo dos meus quadris, e meus pulmões deixam de funcionar. Guy se levanta. Ele se move muito lentamente em direção a mim. Quando ele está apenas algum centímetro de distância, ele levanta as mãos e envolve-as em torno de meu rosto. Ele vai me beijar. Oh Deus, ele vai me beijar na frente de todos. Guy fixa os olhos sobre o meu rosto, e o olhar em seu próprio está cheio com a confusão, como se ele não tem certeza de como isso está acontecendo, ele pressiona os lábios. Ele fecha os olhos. E ele me puxa contra ele. Eu dobro em seu peito quente como ele esconde seus braços em volta de mim, puxa-me apertado. Sua mão acaricia a parte de trás do meu pescoço, e ele coloca um pequeno beijo na coroa da minha cabeça. Eu sei que eu desejo Guy, que meu corpo anseia por seu toque. Mas eu sempre atribuí pelo menos parcialmente às circunstâncias. Agora eu estou com medo, não é tão simples. Que esta coisa, pode não ser mera luxúria depois de tudo. "Então... " Harper diz lentamente. "Vocês estão, tipo, fazendo isso?" "Sério." Jaxon ri. "Em nossa frente."


Eu olho longe de Guy e percebo que estão todos olhando. Claro que estão. Não há mais para onde olhar. A claridade faz corar meu rosto, mas Guy segura meu queixo para cima para olhar para ele. Ele é um pé cheio mais alto do que eu, e eu sinto-me incrivelmente pequena em seus braços, espero ele dizer alguma coisa, qualquer coisa. Mas só que ele me puxa para trás contra ele.


CAPÍTULO VINTE E SETE Guy guia-me para o chão e nos sentamos lado a lado. "Você realmente não respondeu à minha pergunta", diz Harper, piscando um sorriso. "Caramba." Cubro meu rosto. " Não", diz Guy. Eu ainda posso sentir seus olhos em mim . "Nós não vamos... fazê-lo." Suas alterações de voz, humor misturando com preocupação. "Como é que ele trabalha para vocês dois? No fim das contas?" " Harper", Caroline repreende. "Podemos estar viajando juntos, mas ainda estamos autorizados a nossa privacidade. Deixe-os descobrir." Eu não posso acreditar que isso está acontecendo. Que essa coisa entre Guy e eu é de conhecimento público. Certamente, eles viram a maneira que nós ficamos fora no acampamento base. Mas talvez eles pensaram que era uma coisa de estratégia. Eu acho que eu sempre imaginei o mesmo. Mesmo agora, Guy não diz o que está em sua mente. Ele só me abraçou. E me beijou uma vez. Descobrindo o meu rosto, eu me encontro com o olhar de Guy. Ele está perto o suficiente para que eu possa sentir o calor saindo de seu corpo. Eu gostaria que ele estivesse mais perto. Desejo que suas mãos ainda estivessem em mim, seus braços ainda envoltos em minha cintura. Mas estou lentamente ficando acostumada a sua súbita rajadas de carinho. Ele chega mais e passa os dedos ao longo de minha pena. Ele aperta os olhos enquanto ele inspeciona-a, em seguida, deixa-a cair contra o meu ombro . "Onde você conseguiu isso?", Diz Harper, obviamente, ainda nos observando. "Eu nunca vi." Eu agarrei-a na minha mão . "Eu não tenho certeza. A minha mãe me deu antes de sair. Disse que era de sua mãe." "Talvez a mãe dela competiu no Brimstone Bleed."


Mesmo que a noite o deserto está rapidamente se tornando muito frio para ficar confortável, minha pele libera calor. Eu perguntava secretamente a mesma coisa. Se minha mãe soubesse o que estava fazendo quando deu-me a pena. Se ela soubesse detalhes sobre a corrida, mas não me disse nada. Só que eu tenho os olhos. O que quer que isso signifique. Guy mencionou que as nossas famílias possam ter conhecido, mas se eles tivessem nos falado teria havido conseqüências. Gostaria de saber sobre essas conseqüências. Eu quero perguntar a ele, mas eu tenho medo que ele não vai dizer-me nada na frente dos outros, então eu decidi esperar até que estejamos sozinhos. "Temos de encontrar algo para cobrir o chão", diz Guy. Eu percebi que tipo de interrupção Harper fez e me pergunto se ele fez isso de propósito. "Qual é o plano, Stan?" Jaxon pede. "Eu acho que nós precisamos usar esses arbustos." Guy olha para o braço que ele estava esfregando a folha contra, e parece satisfeito. "Eles estão em todo o lugar, você, Dink e eu vamos pegá-los e as meninas podem garantir que o fogo fique aceso." "Claro. É tudo o que é bom para", diz Harper. "Por não vermos a areia, enquanto estamos no assunto? Certifique-se que não apague." Guy se vira e olha para ela, exasperado. "Você quer vir? Você é mais que bem-vinda." Ela olha para ele e para a boca escura do deserto e hesita. "Eu vou assistir a areia." "Pensei isso." Ele se levanta e oferece a Dink uma mão. "Por que Dink tem que ir?" Caroline pergunta, chegando ao menino quando Guy puxa-o. Guy não responde por um longo momento, e eu não posso ver o que o olhar que ele está dando a ela. "Você sabe", diz ele, finalmente. Eu olho para Harper, meu rosto amassado com a confusão. Ela encolhe os ombros. Depois que saem, peço Caroline: "O que Guy quis dizer? Quando ele disse, sabe?" Ela aperta os lábios e balança a cabeça como se ela não soubesse, mas


posso dizer que ela está mentindo. Acrescento Dink à minha lista de coisas a perguntar sobre essa noite a Guy. Quase uma hora mais tarde, os meninos voltaram com braçadas de pequenos galhos e folhas. Espalharam-no para nós. Não foi o suficiente para esticar para fora, ao que todos nós enrolamos em bolas. Parece que eu estou dormindo em ossos e agulhas. No geral, uma experiência agradável. "Isso é terrível", diz Jaxon. "Eu quero uma dessas camas de número de idosos para dormir." "Eu quero o meu colchão pillow-top", acrescenta Caroline. Olivia, que quase não disse nada hoje, arruma seu galho em palete. "Eu quero uma cama de água. E então eu quero sugar cada gota fora dessa bastarda." Harper e eu olhamos uma para a outra, com os olhos arregalados. Então nós estouramos em gargalhadas. Guy se senta e abre seu cantil. Ele toma um gole de água e, em seguida, encontra-se de volta para baixo. Quando ele percebe que estamos a olhar para ele, ele diz: "Não é como se vocês precisassem da minha permissão." Todos nós movemos de uma só vez, correndo para cima e pegando nossos cantis. Eu tiro minha garrafa de volta e fecho os olhos contra os solavancos rolando pela minha pele. É como o céu na minha boca, mais uma vez, eu tento dar a Madox, que está dormindo nas proximidades, um pouco de água. Ele vira a cabeça. Eu decido tratar a água que eu tinha reservado para ele como um inesperado dom e esfrego-a sobre meu rosto. A sensação é incrível, e eu me sinto como se talvez eu poderia andar através do deserto por mais duas horas se for necessário. Mal posso pensar isso do que eu sinto-me deitada de volta e meus olhos se fechando. Harper está despejando as mudanças sobre o relógio, mas eu mal posso entender o que ela está dizendo. É como se as palavras estão vindo de trás de uma parede. Eu tenho que acordar quando é a vez de Guy, digo a mim mesma. Eu preciso perguntar o que mais ele sabe sobre a corrida. E a cerca de Dink, e se ele está sendo generoso com o pássaro, talvez por isso explicaria a tatuagem em suas costas. Alguém pega a minha mão na sua, e embora eu quero tanto abrir os olhos e descobrir quem ele é, eu caio no sono.


Na manhã seguinte, eu acordei com Madox lambendo o meu rosto. Eu tenho que admitir, com a minha pele sentindo como bolo de carne tostado, não é a pior sensação do mundo. Sem abrir os olhos, eu viro as bochecha e permito-lhe o acesso ao outro lado. Minha mente ainda está nebulosa com sono, então eu não acho que para verificar se alguém está assistindo até agora. Meus olhos se abrem. Acho Olivia me olhando com desgosto enorme de gotejamento seu rosto. Eu empurro Madox longe suavemente e levantome. Ela é a única acordada. Eu sou grata por isso pelo menos. "Não é o que parece", eu digo. "Isso faz parecer muito pior", ela responde, sacudindo sua cabeça. Seu elefante está dormindo ao seu lado, com as pernas dobradas abaixo dela. Parece que ele está roncando. Eu olho para baixo em Madox, cujo corpo está se contorcendo de excitação. Ele está emocionado que eu estou acordada, e eu amo-o tanto que, quase dói. Olhando para trás, para Olivia, eu tento de novo. "Eu estava meio dormindo", eu digo. "Eu nunca faria dele..." Olivia sorri, e eu percebo que ela está brincando comigo. "Desculpe, eu tenho estado entediada por assistir sozinha. Humilhá-la foi a maior diversão que eu tive toda a manhã.‖ Eu respiro para fora e tipo dou uma risada. "Eu pensei que você fosse séria." "Não". Eu examino o nosso acampamento e o local que Jaxon espalhou seus galhos como cama. Suas contrações musculares da mão esquerda. "Eu teria pensado que Harper iria atribuir-lhe dois para manter o relógio em conjunto." "Ela fez." "Oh". Eu lutei contra a vontade de sorrir, mas perdi a batalha, o canto da minha boca puxa para cima e Olivia corresponde ao gesto. "Está tudo bem,Tella." Olivia se levanta e caminha até Jaxon. Enquanto ela se aproxima dele, que eu penso sobre o que é uma coisa de adulto que quer dizer. Você está bem. A gordinha abaixa-se e fica perto do ouvido de Jaxon. Ela enche os pulmões, abre a boca e grita:


"Heeeeeey, Jaxon." Ele não se move. Olivia olha para mim. "Eu acho que ele está morto." "Eu lhe asseguro, eu não estou", Jaxon murmura. A menina sorri e lhe dá um tapa nas costas. "Para cima e para eles." Jaxon se encontra ainda, mas o resto dos contendores começam a varredura para fora e colocam as roupas novamente, quando Guy olha para mim, eu silenciosamente me chuto para dormir durante o meu turno. Eu sei que Harper deve ter designado para vigiar juntos, e eu sei que ele não me acordou, como de costume. Eu tinha tantas perguntas para fazer. Perguntas que vão ter que esperar mais um dia. Quando Guy toma um gole de seu cantil, todos nós fazemos o mesmo. Quase não há água deixada em minha garrafa de cromo, e eu suponho pelos olhares preocupados sobre os outros contendores que eu não estou sozinha nesta situação. "Devemos manter a posição leste", diz Guy. Sua voz é áspera do sono, e eu tenho um desejo estranho para colocar um beijo em sua garganta. "Harper, pretende continuar a liderar?" Harper evita o olhar e olha para sua Pandora, que está batendo a poeira de suas asas. Ela não poderia enviar um sinal mais claro; ela está muito cansada de ontem para levar hoje. "Não, eu quero levar", eu digo. "É a minha vez." Assim que eu falo as palavras, lamento-as. Minha pele está com bolhas, e minhas pernas estão doloridas da caminhando pela areia. Eu realmente gostaria de derramar o restante da água do meu cantil para o vento do que levar este grupo. Mas eu não quero que Harper se envergonhe. Harper dá de ombros. "Tudo bem. Seja qual for". Antes de sair, RX-13 e a Pandora de Jaxon, Z-54, vão caçar alimentos. Eles voltam com uma fruta verde amarga e forçamos para comer. Guy diz que é bom que eles encontraram isso, que a fruta tem principalmente água e vai ajudar a matar a nossa sede. Duvido seriamente disso. Assim como fez ontem, o sol bate com uma vingança. É como se ele tem uma vingança pessoal contra os seres humanos e quer nada mais do que fritar os nossos traseiros, como bacon. Que eu pudesse totalmente comer por


agora. E panquecas. Açúcar em pó, mirtilos, xarope. Eca. Minha pele parece que está pegando fogo, e cada vez que eu respiro queima minha garganta. As Pandoras caminham ao nosso lado, e posso dizer que, mesmo que eles foram projetados para esta tarefa, eles estão lutando nestas condições. Z-54, a chita de porte elegante, avança ao longo na minha frente. O design do seu corpo permite-lhe uma maior facilidade de circulação que o resto de nós não tem. De vez em quando, é como se as capturas de animais em si e desacelera para combinar o nosso ritmo. E cada vez que ela vira a cabeça, vejo a sua boca aberta, ofegante sob o sol escaldante. Eu sigo sua marca de pata na areia, levando o nosso grupo através do deserto, das dunas, grata pela guia. Depois de três horas de caminhada, eu ouço algo cair atrás de mim. Virandome, noto que Dink caiu na areia. Todos os nossos rostos são revestidos em suor e areia. Mas sua aparência diferente, quase inchado. "Ele precisa de água", diz Caroline, afobada. Ela puxa o cantil de sobre os ombros e abre. Segurando a garrafa para os lábios, ela derrama para cima. Ele não reage, e eu logo descubro o porquê. Não há mais nada lá dentro. "Oh meu Deus. Eu sabia que isso iria acontecer." Caroline olha para mim, a testa franzida, como se eu tivesse as respostas. "Como vamos sobreviver aqui fora?" Olivia desce e cobre o rosto, como se ela está lutando com o desejo toda a manhã. Eu olho para Guy, que parece tão preocupado como Caroline faz. Dou-lhe um olhar que diz, o que vamos fazer? Ele morde o interior de sua bochecha, pensando. "Precisamos encontrar uma pouco de água.‖ "Não brinca, Sherlock", diz Jaxon, de joelhos a esfregar as costas de Olivia. "Mas isso não existe no deserto." "Na verdade, em muitos desertos, existem." Guy massageia a parte de trás do seu pescoço. "Alguns desertos têm riachos através deles, e outros ficam ao lado de oceanos ou montanhas cobertas de neve." "Mas um oceano não vai nos ajudar", disse Harper. "Não." O indivíduo olha para mim. "Mas um córrego ou neve sim." Não consigo entender ter neve em qualquer lugar próximo. Não parece possível.


Jaxon se levanta e aperta os olhos para o céu. "Talvez devêssemos viajar à noite", diz ele. "Não seria tão quente." Parece um plano brilhante, mas Guy balança a cabeça. "Isso é o que é mais fácil, por isso é que outros candidatos vão fazer. Precisamos viajar durante o dia, se quisermos contornar... o conflito. Além disso, muitos predadores saem à noite. Nós não seríamos capazes de evitá-los se não podemos ver." O rosto de Jaxon cai com a derrota. "Então o que vamos fazer? Vamos morrer com este calor, ou vamos morrer pelos predadores. Como é que estas picadas esperam-nos para viver?" "Gente", diz Caroline, com a voz embargada. "Temos que dar a Dink nossa água ou ele não vai-" Ela pára e chora em suas mãos. Suas costas convulsionam, mas quando ela puxa as palmas das mãos para longe, elas estão secas. Nós não podemos nem chorar mais, estamos tão desidratados. Olivia fracassos em suas costas e aperta os olhos fechados. "Eu terminei minha água, também", diz ela em quase um sussurro. " E eu não acho que posso sobreviver a este dia , sem mais." A Pandora de Olivia, o que ela me disse esta manhã que é nomeado EV- 0 - assusta como ele ouviu e entendeu ela. Em um flash, o elefante pisa longe de Olivia e eleva sua cabeça para trás. A Pandora levanta a tromba no ar e, em seguida, leva-o na areia. Cascas de Madox e dá saltos em círculos como o elefante sopra seu tronco com chuveiros de areia ao ar. A Pandora sopra novamente e de novo, e mais e mais areia voa, criando uma nuvem de amarelo. "O que ele está fazendo?" Harper grita, agitando os braços na frente do seu rosto. "Eu, eu não sei." Olivia fala. Ela vai se mover em direção EV- 0, mas Jaxon agarra a parte de trás de sua camisa e puxa-a contra ele. Harper observa a maneira que Jaxon protege Olivia com um estranho olhar em seu rosto. Um que eu não consigo ler com a areia no ar borrando minha visão. O elefante pára soprando através de seu tronco, e quando a nuvem se instala ao longo do chão, eu vejo que um pequeno buraco foi criado na terra. Fora isso, nada de espetacular aconteceu. Olivia rompe com Jaxon e joga os braços em torno de sua Pandora, que ainda tem seu tronco enterrado na areia.


Inclinando-se sobre as patas dianteiras, o elefante sopra um Ăşltimo tempo na terra, e uma cova rasa enche de ĂĄgua. "Obter a Parreira saindo daqui", diz Jaxon.


CAPÍTULO VINTE E OITO A água borbulhava de baixo da cova, e logo havia uma miniatura de lagoa de água cristalina refletindo ao sol ardente. Carolina não hesitou. Arrastou Dink para o lado da água e salpicou ele em seu rosto e ao longo dos cachos encharcados de suor em sua cabeça. Seus olhos ficaram fechados, mas um gemido baixo escapa de sua garganta. Mantendo um braço ao redor de seus ombros, Caroline enche o cantil do menino e traz para seus lábios. Ele bebe sofregamente. Depois disso, é uma corrida louca para a água. Guy e eu enchemos nossos cantis com água e Olivia corre em linha reta para a piscina de água. Eu acho um pouco bruto que ela está bebendo direto da fonte que estamos preenchendo nossas garrafas, mas ela bateu para fora na escala grosseria pelo leão, águia , chita, e línguas raposa dobram-se o líquido. Então Madox estava com sede, eu percebo. E ele estava reservando a água que eu tinha para mim. Eu sei que minha Pandora foi programada para me ajudar a ganhar, mas eu não posso deixar de sentir como ele fez mais do que apenas isso. Meu coração dói ao vê-lo beber com sede insaciável, e eu prometo forçálo a compartilhar a minha água daqui em diante. Claro, eu acho que não vai ser um problema uma vez que este bebê elefante aparentemente pode encontrar água do interior da terra, através do seu tronco mágico. Caroline e Jaxon enchem os cantis, e todos nós, bebemos a água potável até nossas barrigas estarem cheias. Olivia passa a mão por trás da orelha de sua Pandora, ele retirou seu tronco a partir da escavação e está bebendo a água em si agora. "Então... ", Diz Jaxon. "Será que esse elefante apenas cuspiu água e tudo o que bebeu?" "Não pense sobre isso", diz Harper. Imediatamente, Jaxon concorda. Claro, eu posso vê-lo a pensar, olhando para ela. Que idiota eu sou por ter pensado isso. Você é tão sábio e belo e perfeito. Harper não parece perceber que ele está a estudá-la. Que ele parece muito perto de comer o rosto para ver se tem gosto de felicidade. Sabendo Harper, ele provavelmente faria.


Antes de deixar o poço, cada um de nós tomamos uma volta de lavar o que fedia em nossos corpos, algo que todos nós estamos gratos. E então, com membros finos e coragem salientes, continuamos andando pela deserto. Olivia leva, o elefante ao seu lado. Guy sugeriu a idéia de tê-la na frente, e desde então, o corpulento, e a menina de cabelos crespos tem caminhado no topo do nosso grupo com o queixo inclinado para o céu. Eu tenho que admitir, eu estou rapidamente tornando-me uma devotada fã de Olivia. E seu elefante? Qualquer Pandora que pode produzir água neste buraco é OK para mim. Madox circunda meus tornozelos e me olha tão intensamente que ele viaja sobre seus próprios pés. Ele parece estar dizendo: Não foi tão legal, Mãe. Posso fazer qualquer coisa que ele pode fazer. Eu quero pegá-lo, mas mesmo que eu me enchi de água, estou exausta depois de caminhar tanto hoje. Quando o sol começa a se pôr, fazemos exatamente como fizemos a noite anterior. Caroline reclama sobre Dink. Jaxon olha amorosamente para Harper, e os rapazes reúnem no deserto galhos e arbustos para nossas camas. Guy assiste minha nudez. E eu imagino o nosso casamento. Nós nos reunimos ao redor do fogo que M-4 cuida e conversamos por alguns minutos. Todo mundo está cansado e não demora muito antes de eu ouvir Jaxon roncar. "Acho que Jaxon pode tomar o turno da noite", diz Harper, revirando os olhos. Ela atribui os nossos turnos, Caroline, Guy, e Olivia falam sobre ela, ecoando suas palavras. "Sabemos dos nossos deslocamentos", diz Caroline, sorrindo. Ela tem os dedos nos cachos de Dink quando ele fecha os olhos. É óbvio que ele não tem dormindo bem, mas ele parece estar desaparecendo rapidamente. Embora ele bebeu tanta água como que fizemos, ele ainda parece... apagado. Normalmente, ele seria o último a deitar-se, e só depois de ter tirado fotos na terra ou areia para uma meia hora ou assim. Deito-me, mantendo meus olhos em Guy. Ele estendeu em suas costas, as m��os cruzadas sob a cabeça. Eu percebo que eu quase nunca vi ele dormir. Não esta manhã, e também quando eu segui ele na selva e ele dormia nas árvores. Talvez ele não precise dormir, como o resto de nós. Talvez ele


realmente é uma máquina. Eu gostaria de cortá-lo. Só um pouquinho. Só para ver se ele sangra. Então eu gostaria de beijar o local e levar a dor embora. O que há de errado comigo? Guy vira a cabeça e olha em minha direção. Assim como eu suspeitava, ele não está dormindo. Em vez disso, ele está estudando meu rosto, como se ele não conseguisse entender como sucumbir ao sono antes de mim. Sorrio para ele. Não é algo que eu faço muito mais, mas agora, sentindo sua atenção, eu cedo à tentação. Ele não sorri de volta, e aparece uma ilegível sombra de expressão em seu rosto. Eu não consigo interpretar o que ele diz, mas eu sei que está misturado com preocupação. Por alguma razão, isso me deixa furiosa. Eu não preciso de sua preocupação. Eu posso cuidar de mim mesma, e eu acho que eu tenho provado isso. Afastando-me dele, eu fecho os olhos. Penso em meu irmão e percebo com culpa pungente que é a primeira vez que eu pensava nele desde que chegou no deserto. Eu estive muito ocupada com o homem que está aqui agora. E, pela primeira vez, eu me pergunto, se isso é exatamente o que Guy quer. Eu acordei com alguém esfregando meu braço. Quando minhas pálpebras abriram, a primeira coisa que noto é o restolho de escuro ao longo do queixo de Guy. Ele raspou a barba no acampamento base, mas ela já está crescida de volta, lançando uma sombra em seu rosto desgastado pelo vento. Seus olhos azuis firmes me olham quando eu levanto. "Você me acordou", digo em voz baixa. "Eu não posso acreditar nisso." Ele encolhe os ombros e vira-se para o fogo. É que ruge os estalos no deserto frio da noite, e eu imagino que M-4 tenha reacendido ele momentos antes. Correndo perto dele, eu sinto o calor rolando fora das chamas. "Estou feliz", eu termino. "Você não parecia tão cansada hoje à noite." Guy esfrega as mãos, em seguida, coloca-os sobre os joelhos. Ele parece nervoso, mas eu não acho que é porque ele tem algo a dizer. É mais como se ele tivesse vergonha de ter me acordado. Como se ele tem medo que eu perceba que ele queria companhia. Que ele era realmente solitário. Eu sei que ele não vai iniciar uma conversa, então eu decido fazer-lhe as perguntas que eu tenho abrigado. Eu começo com coisas fáceis.


"Guy?" Ele olha para mim. "O que você quis dizer quando falou a Caroline,' você sabe,' depois você disse que Dink deveria ir com vocês?" Guy olha nos meus olhos por um longo tempo, procurando. Então ele diz: "Eu só quis dizer que ele tem que começar a fazer as coisas por si mesmo. Caroline é mais forte do que ela aparece, mas a sobrevivência de ninguém é garantida aqui. Se algo acontecer com ela -" "Não haveria ninguém para o bebê Dink mais", eu termino. Guy assente. Eu não sei se acredito que ele está me dizendo é a verdade, mas eu não tenho nenhuma razão para pensar que ele está mentindo. Correndo a mão sobre Madox dormindo, eu peço a minha próxima pergunta. Não é o que eu estou mais curiosa, mas eu vou para facilitar a brincadeira antes que eu puxe as grandes armas. "Quando você fez essa tatuagem?" Ele engole e olha em direção ao seu leão. "Poucos meses antes de sair." Isso me surpreende. Eu pensei que talvez ele tivesse feito algo logo depois que ele recebeu o convite. Como para obter um símbolo. Mas então, eu acho que estaria tudo cicatrizado sobre a miniatura de meu BFF de Boston, que Hannah, tem em seu tornozelo, de seu próprio nome. "É um pássaro, não é?" É a segunda vez que eu perguntei isso, mas eu sinto que talvez ele vá responder agora que estamos meio que sozinhos. Guy passa a mão por cima do restolho fresco, e eu estou de repente invejosa disso. "Sim, é um pássaro." "Qualquer tipo particular?" Ele olha bem nos meus olhos e meu coração pára. Eu imagino que eu morri, e é isso que se sente no céu. O jeito que ele está olhando para mim me faz pensar que estou perdendo algo importante. "É um falcão" ele diz devagar, tão baixinho que eu quase não consigo ouvi-lo. "Oh" é tudo o que posso pensar em dizer. Ele olha para mim por um minuto completo, em seguida, olha para trás, no fogo. Guy é um mistério. Do jeito que ele fala com as cicatrizes e


desfigurações em todo seu corpo. E eu estou pronta para obter respostas, real e queridas. Eu engoli o caroço na minha garganta. Última pergunta. "Você sabe mais sobre a raça do que o que você já me disse." Eu aperto a cauda curta de Madox na palma da minha mão. "Eu quero que você me conte o resto. Tudo". "Isso não vai acontecer", diz ele. A raiva ferve dentro do meu peito. Ele está abrigando informações que poderia ajudar ao resto de nós. Todos nós já concordamos em ajudar uns aos outros até o final, no entanto, ele não está fazendo isso. Não é verdade. O que me perturba mais é que eu sei que eu lhe diria. "Você age como se você fizesse parte deste grupo. Mas enquanto estiver ocultando informações, você não estará." Eu minto para trás e rolo para o meu lado. "Eu não posso confiar em você se você não confia em mim." Ele olha para frente, mas mesmo a partir daqui , eu posso ver seu rosto amolecer. "As únicas coisas que eu sei..." Ele puxa a respiração. ―As coisas que eu sei é o que os meus pais me disseram". Guy olha para mim. Há fogo queimando em seus olhos. "Eu não vou dizer-lhe qualquer coisa que poderia trazer-lhe dano." Sento-me, as mãos nos joelhos. E eu espero. Eu sei esperar. "Tudo começou com um homem chamado Gabriel Santiago. Os Pharmies trabalhavam para ele.‖ Guy enche seus pulmões como se ele está se preparando para preencher os furos. "Algumas das Pharmies eram cientistas que trabalhavam na engenharia genética. Outros trabalharam na medicina. Mas eles eram todos os criadores de tipos. E Santiago, ele tinha o tipo de dinheiro que poderia fazer as coisas acontecerem. Ele era um homem do jogo. Ele adorava ver o seu dinheiro crescer sem levantar um dedo. Santiago acreditava que ele nasceu com sorte e talvez que ele nasceu mais esperto. Inteligente o suficiente para saber que é mais fácil e mais emocionante ganhar dinheiro a partir de estar certo. Então ele procurou maneiras de jogar: cartões, cães, cavalos. Adorava descobrir apostas grandiosas e mais arriscadas. Porque Santiago acreditava que não podia perder. E se ele estava perdendo, ele tinha uma tripulação de caras que iriam garantir que não


durasse muito tempo. Gabriel Santiago não era o tipo de chefe que você desapontava." Guy esfrega a parte de trás do seu pescoço como se ele está pensando, ou talvez como se ele estivesse tentando decidir a melhor forma de contar a história. " Santiago teve uma filha chamada Morgan. Ela era... ela era seu tudo. Ele havia perdido seus esposa anos antes, e Morgan era toda a família que lhe restava. Ele deu aquela garotinha tudo. Qualquer coisa que ela pedisse, e qualquer outra coisa que ela não fez. Alguns diziam que ele foi um homem frio, outros o chamavam de criminoso, mas para ela, ele se derretia." Guy estreita os olhos para a areia entre os joelhos. "Um dia, um dos caras de Santiago disse-lhe que esta empresa, Intellitrol, estava à procura de apoio financeiro. Disse que esses caras estavam brincando com a engenharia genética e a fazer grandes descobertas em medicamentos e que havia uma fortuna para ser feita. Que eles só precisavam de dinheiro... e alguém disposto a dar uma chance. Para Santiago, soou como um tipo diferente de jogo, e ele não podia deixar de estar intrigado. Assim, ele concordou em se encontrar com eles, e antes que você perceba, Gabriel Santiago tinha esses caras trabalhando em todo os tipos de lixo. E, em geral, as coisas pareciam estar indo bem. Mas um dia, quando o aniversário de Morgan estava rolando, Santiago, brincando, perguntou a um dos cientistas em Intellitrol se podia fazer um filhote de cachorro para sua filha que pudesse voar como um passarinho. No início, eles estavam todos rindo, mas, em seguida, os Pharmies começaram a pensar sobre isso. Por que eles não poderiam fazer algo de dois animais diferentes? Ou a partir de diferentes elementos que existiam no mundo? Isto foi quando a engenharia genética foi o primeiro a ser descoberto, à direita, de modo que houve muita emoção em Intellitrol sobre isso. E eles tinham todos os recursos de Santiago para brincar...Então eles fizeram." Os olhos de Guy encontram os meus, e meu estomago apertou. "Quando Santiago viu o animal que eles criaram para sua filha, e quando ele viu o quanto Morgan adorou, viu um negócio, uma oportunidade que ofuscou qualquer outra coisa que ele tinha feito antes, assim ele disse a esses caras para começarem a fazer mais desses animais... rápido."


Eu olho para o leão de Guy e penso sobre o incêndio que criou horas antes. Guy hesita novamente, e tenho a sensação súbita que isso não está indo para um lugar bom. "Mas em breve, Santiago começou a empurrar os Pharmies para levar mais e mais riscos com essas criaturas, e, como os animais começaram a aumentar em números, mantidos em gaiolas abaixo em um armazém que Santiago comprou, os cientistas começaram a se preocupar. Veja nada disso na investigação havia sido aprovado pela Intellitrol. Ou ninguém. E o público tende a se rebelar quando algo não natural, algo ímpio, é criado. Além disso, esses cientistas não estavam exatamente recebendo ordens de Santiago, seu investidor, quando era uma empresa pública e outros enfeites.‖ Guy morde a carnuda parte de seu polegar, como se estivesse debatendo a dizer-me mais, quando ele olha para mim, eu sei que ele está decidido a continuar. "Então, os cientistas decidiram que se aproximariam de Santiago e diriam que eles não queriam fazer esses animais por mais tempo. Bem, o cara ficou uma fera. Ameaçou ir a público com suas pesquisas e dizer sobre a Intellitrol, para o FBI, a CIA, qualquer um para dizer-lhes no que eles estavam trabalhando. Na verdade, Santiago nunca teria delatado eles, não com seu passado. Mas os cientistas não sabiam disso, então eles vieram para cima com um plano: incendiar o prédio e chamar de um acidente. Os outros Pharmies, por uma razão ou outra, concordaram que era a melhor saída. Então eles começaram o fogo. Mas eles não perceberam...‖ Guy limpa a mão pela testa. Ele se encolhe. Eu coloquei minha mão levemente na coxa e prendi a respiração. "A filha de Santiago, Morgan, ela estava no prédio. Ela foi... ela estava perto das gaiolas dos animais, provavelmente brincando com eles quando os Pharmies começaram." Guy diz em uma corrida, "Ela morreu.‖ "Guy-" Eu começo. Mas ele balança a cabeça e posso dizer que a conversa é longa. Eu quero empurrar para mais. Eu quero tanto saber como essa história termina com a gente aqui. Comigo e com Guy e Harper e o resto dos contendores lutando para salvar a vida das pessoas que se preocupam. Mas eu sei que não vai me levar a lugar nenhum. Então eu faço uma promessa a pedir-lhe mais tarde. Talvez, então, ele vai compartilhar o resto de seus segredos.


Como minha mente envolve a história horrível, ele disse, para eu deitar. Desta vez, eu não me afastei dele. Depois de alguns momentos, ele chega e coloca sua enorme mão no meu rosto, colocando no meu rosto. Eu pressiono contra ele e fecho os olhos, pensando em Morgan, de como ela queimou até a morte. Talvez Guy está cheio de mentiras. Ou talvez ele tenha um motivo para me dizer o que ele tem. Mas só por essa noite, eu decidi jogar a precaução ao vento. E confio nele completamente. Mesmo que ele quebre meu coração.


CAPÍTULO VINTE E NOVE Na manhã seguinte, nós estamos rejuvenescidos. Já, que nós aprendemos como dormir no frio, em galhos e folhas. Nós nos ajustamos ao deserto mais rápido do que nós fizemos na selva, embora o deserto é mais cruel. Ainda assim, ele mostra que sobreviver à maneira selvagem é uma habilidade aprendida. Que podemos aplicar truques de um ecossistema para outro. Caroline diz que vai levar, e Guy concorda rapidamente, embora o resto de nós são piores velando nossa surpresa. A filha, que veio para salvar sua mãe chocou-me mais de uma vez. Guy estava certo quando ele disse que ela era mais forte do que ela parecia. Eu vou ter que manter um olho nela. Embora ontem à noite eu me perdi em Guy, na história que ele me disse, hoje eu me lembro do meu irmão, que eu estou aqui para salvá-lo. Esse cara é temporário. E Cody é a minha família. Meu sangue. Esta manhã, eu estou perto da parte traseira. Ele me permite mover mais lento, sabendo que não irá realizar-se qualquer um além de Olivia, que está atrás de mim. Ele também permite-me a pensar sobre o que eu aprendi. Isso que Santiago tinha uma filha e que os cientistas acidentalmente a mataram. Será que Santiago descobriu o que os Pharmies fizeram? Ou ele morreu um velho homem ainda pensando que foi um acidente? Independentemente disso, eu preciso encontrar fora o resto. Sobre como tudo isto leva ao Brimstone Bleed. Eu sei agora como as Pandora foram criadas, mas para uma corrida hoje quando isso aconteceu há 60 anos atrás? E quando é que eu vou poder contar aos outros sobre as coisas que eu aprendi? Eu olho para Guy. Mais alguns dias, eu decido. Apenas mais algumas perguntas respondidas antes de eu arriscar os outros pulando em cima dele. Não é justo que eu estou mantendo isto a partir deles, mas eu digo a mim mesma que é porque eu desejo obter a história completa em primeiro lugar. Isso vai ajudá-los mais, se eu faço. Eu olho em volta e percebo que Madox está caminhando junto, perto do Leão esta manhã. M-4 não quer fazer parte da raposa bebê, mas minha Pandora é insistente. Por cima, RX-13 solta guinchos e deslizamentos através


do céu, asas abertas, montando o vento. Eu puxo meu cantil fora e tomo um longo gole. A água se sente incrível na minha garganta, e eu rezo para que hoje não seja tão difícil, sabendo que eu posso beber quando eu preciso, o que é quase todos os 10 minutos seguintes. Atrás de mim, eu ouço o estômago de Olivia rosnar. Você e eu, irmã. Durante as últimas três manhãs, que comemos uma dieta constante de frutos verdes e amargos. Eu estou pronta para fritar Madox apenas para obter um pouco de carne neste conjunto. Madox olha para mim e geme, como se ele pudesse ler a minha mente. Eu mantenho minhas mãos em garras e sinto-me como se eu fosse um monstro. Ele trota à frente do leão. Deus, eu sou uma idiota. Eu paro quando eu não ouço Olivia ou o elefante dela caminhando atrás de mim. Virando-me, percebo que ela está a cerca de dez metros de distância, dobrando sobre a cintura. Ela vai ficar doente, eu percebo. "Jaxon", eu digo, porque parece certo dizer-lhe. "Eu acho que Olivia precisa de você." Todo mundo pára, e Jaxon se move em direção a Olivia. Foi quando eu vejo a menina alcançar a mão em direção ao chão. Ela não está doente, eu vi de repente. Ela viu algo na areia. "Olivia", Jaxon grita, sua voz fria como o aço. "O que você está fazendo?‖ Guy corre passando-me tão rapidamente, uma brisa sopra em toda a minha pele. Mas é tarde demais. A areia debaixo trepida sobre a mão de Olivia e uma castanha e espessa cobra troveja em vista, língua rosa de degustação no ar, acima de seus olhos tem dois chifres perfeitos. A visão envia um arrepio pelo meu corpo, mas eu não me movo. Ninguém faz. Nem mesmo a Pandora. Olivia ficou congelada, com a mão ainda estendida em direção à cobra. "Olivia", diz Guy debaixo de sua respiração. "Não se mova." Um assobio, estalos emana da cobra como um aviso, e a menina começa a chorar silenciosamente. Seu braço treme, e lágrimas escorrem pelo seu rosto, secando antes que elas atinjam sua mandíbula.


"Eu quero que você me escute." Guy é uma estátua de músculo e bronze no sol escaldante. Eu quero acreditar que ele possa ajudá-la, ele tem que conseguir. "Eu vou te dizer exatamente o que fazer." " Não deixe a coisa tocá-la, Guy", Jaxon rosna. "Você não ouse fuder com isso." "Olivia, abra seus olhos." A voz de Guy é suave como leite, mas cada palavra se sente como uma aposta. Como algo que pode assustar a cobra e colocar Olivia em risco. "Isso é bom", diz ele. "Agora, eu quero que você tome um pequeno suspiro. Muito pequeno. E, ao mesmo tempo, eu quero que você dê um passo para trás. Puxe o seu pé direito para trás em primeiro lugar, em seguida, traga o seu lateral esquerdo para atendê-la." Minha cabeça está latejando. Meu coração está batendo. Tenho medo de poder gritar de ansiedade pura. Olivia puxa uma pequena respiração e dá um passo para trás com o pé direito. Ela deveria ter movido tão rápido? Por que ela está se movendo tão rápido! A menina traz o pé esquerdo para trás para conhecê-la bem, e eu posso ver seu corpo relaxar um pouco. A cobra olha para ela com cuidado, passando rapidamente a língua, arqueando o corpo. "Isso é bom", diz Guy. "Agora, quando eu disser para você, eu quero que você faça a mesma coisa novamente. Outra pequena respiração, mais um passo. O resto de vocês, fiquem parados. Não se aproximem de Olivia. Isso vale para você também, Jaxon." Jaxon não respondeu, mas reconheço o medo torcendo as características de seu rosto. Olivia dá um curto fôlego e as etapas de seu pé direito para trás. Perfeito. Ela traz o pé esquerdo e volta para enfrentá-la, e tropeça. Suas mãos deslocam-se para fora e ela cai para frente. Jaxon corre em direção a ela e a Pandora da Olivia faz o som mais terrível através de seu tronco. Mas nada ajuda os ataques da serpente. Caroline grita, ou talvez seja Harper. Meu coração está batendo tão alto em meus ouvidos, que eu não posso dizer de onde veio. A próxima coisa que eu sei, Jaxon está levando Olivia para longe e o elefante está pisando na cabeça da cobra. Guy retira o seu canivete e rapidamente corta uma fatia limpa por trás da cabeça da cobra. Quando o elefante puxa


seu pé para trás, Guy chuta a cabeça longe de nós e corre em direção a Olivia . "Dê a ela para mim", diz Guy a Jaxon. "Foda-se", diz ele. "Dê a ela para mim!" Eu nunca ouvi Guy levantar a voz. Então, o som de sua gritaria envia ondas de histeria sobre mim. Isso é sério. Oh meu Deus, isso é sério. Eu não posso perder alguém. Olivia não pode morrer. Os olhos de Jaxon estão largos com a incerteza, mas ele dá um soluço e solta Olivia. Guy cai no chão e prende-a contra seu peito. Ele a olha antes de anunciar. "Ela a golpeou na mão. Em seu dedo mindinho." Ele suspira com desespero e acrescenta baixinho: ―A víbora cornuda.‖ Guy procura no deserto, e seus olhos caem sobre o elefante. ―Olivia,‖ ele grita. "Diga a sua Pandora para ajudá-la." Olivia pára de chorar por um momento, fareja, e olha para o elefante. "EV0", diz ela, com a voz tremendo muito, meu coração aperta. "Por favor, me ajude." O elefante dá dois passos em sua direção e pára. "EV -0 , ajude-me", ela repete. A cabeça de sua Pandora cai levemente. Olivia olha para cada um de nós e, em seguida, de volta para o elefante. "Ajude-me, seu animal inútil! Ajude-me! Ajude-me, porra! Ajude." Ela pára de gritar e soluça no peito de Guy. Jaxon aponta para Guy, as lágrimas escorrendo pelo rosto. "Faça alguma coisa", diz ele. "Você faz alguma coisa ou eu te mato." Guy não colocou a cobra lá. Ele não fez Olivia tropeçar. Mas nós dependemos dele. E agora que algo terrível aconteceu, esperamos que ele o deixe melhor. "Tire sua camisa", diz Guy , olhando diretamente para Jaxon. Jaxon rasga sua camisa como se fosse feita de ácido. Ele joga-a na frente de Guy. "Eu preciso da sua também, Dink." Caroline ajuda Dink, que parece ainda mais pálido do que nos últimos dois dias a tirar a camisa. Ela joga para Guy. Ele coloca Olivia deitada de costas na areia, e ela se enrola em uma


bola, suando e gritando sem fim. Ele toma a camisa e torce-a em uma longa corda de Dink. "Abra a boca,Olivia". "O que você está fazendo?", Diz Jaxon, andando. Guy ignora-o, e Olivia abre a boca. "Morda isso", ele diz a ela. Ela faz, e meu estômago se transforma como eu percebo o que ele está planejando. Guy limpa a navalha ao longo de suas calças para remover o sangue da cobra. Ele olha para Jaxon, depois para Harper. "Vocês dois precisam segurá-la". Olivia aperta os olhos e geme na camisa. Eu sei que ela está pensando a mesma coisa que eu, que isso não está acontecendo em algum lugar bom. Olhando para ela agora, eu me pergunto brevemente se a filha de Santiago, Morgan, era muito mais jovem do que Olivia . Harper agarra os braços de Olivia, e Jaxon prende suas pernas. "Diga- me o que você vai fazer, idiota", Jaxon cospe. Mais uma vez, Guy não responde. E eu ainda não consegui mexer-me. Mas quando ele agarra a mão de Olivia, e coloca a lâmina na base do seu dedo, eu viro e vomito na areia. Eu ainda estou esvaziando a água do meu estômago quando gritos abafados de Olivia alcançam meus ouvidos. Quando eu finalmente levanto, eu estou tremendo tanto, eu estou quase em colapso. Eu sei o que está acontecendo atrás de mim, mas eu não posso olhar. Eu não posso. Eventualmente, os gritos de Olivia param. Alguém está chorando, mas eu sei que não é ela. Em algum momento, eu vou ter que ajudar. Estamos aqui um para o outro... até ao fim. E eu não fiz nada, mas chorei meu próprio medo, enquanto Olivia vive um pesadelo. Eu puxo em profundos sopros de ar seco do deserto e viro-me. O mundo gira tão logo meus olhos pousam em Olivia. Seu corpo amassado sobre si mesmo. Ela parece sem vida, mas eu posso ver seu peito em movimento, então eu sei que ela não se foi. Ela deve ter acabado de perder a consciência. Harper está balançando-se e olhando para suas próprias botas, e Jaxon está chorando em suas mãos. Guy se ajoelha sobre Olivia, suas mãos cobertas de sangue. Seus olhos estão envidraçados, como se estivesse tendo dificuldade em saber o que ele fez. Mas ele não deve. Não é difícil entender quando a verdade está deitada na areia, com o mindinho decepado de Olivia.


Embora Guy parece impotente, eu noto que ele está envolvendo a camisa de Jaxon em torno da mão da menina e está pressionando para baixo. Eu não sei se ele vai ser capaz de parar o sangue. É um dedo, não é um joelho esfolado. Um maldito dedo. Eu me lembro quando Hannah e eu costumávamos jogar e isso não é um jogo. Você prefere beijar Curtis O'Brian com a língua, ou chegar com um chupão do Sr. Davidson? Você prefere ir três dias sem maquiagem, ou obter rena perfurado por aquela garota que só usa delineador de lábios? Você prefere discutir sexo com sua mãe, ou cortar o seu próprio mindinho? Em qualquer situação em que perder o seu dedo mindinho era uma alternativa, o dedo sempre tem o machado. Mas isso foi na teoria. Não em tempo real na vida. Não quando uma Olivia sem o dedo. Neste caso, eu escolheria a outra opção, não importa o quê. Guy fala e isso me assusta mais que um disparo de espingarda. "Precisamos descansar aqui pelo resto do dia", diz ele. "Se ela estiver bem, quando ela acordar, vamos viajar durante a noite." Não houve resposta. Tenho certeza que todos nós estamos pensando a mesma coisa, que nós não queremos fazê-la viajar em tudo, mas que também precisamos encontrar o acampamento base ou estamos todos mortos. A chita move em direção ao dedo e cheira. Meu coração bate na prorrogação orando para que ele tenha alguma habilidade que possa ajudar. Eu sei que Pandoras geralmente ajudam apenas os seus próprios contendores, mas talvez porque Jaxon está tão triste, Z-54 vai fazer alguma coisa de qualquer maneira. Harper levanta a cabeça para assistir, e até mesmo Caroline pára o balanço de Dink para ver o que a criatura vai fazer. Todos temos nossas respirações. A Pandora continua a cheirar por alguns segundos, então levanta sua cabeça... e empurra o dedo como se fosse um brinquedo. "Oh meu Deus", diz Jaxon. Ele salta em direção a sua chita, a Pandora arrebata o dedo entre suas mandíbulas e trota longe do grupo. Agora M-4 é executado após a chita. Eles lutam sobre o dedo de uma forma que é quase lúdica. Este é um jogo para eles, eu percebo. Eles nos amam, são construídos para nos ajudar a sobreviver, mas eles também têm instintos. E agora eles sentem o cheiro de sangue. O leão rouba


o dedo a distância e aparece lá no ar, vindo por trás do leão, a chita salta e morde-o. "Jesus", diz Guy. "Alguém tire aquela coisa longe deles." Eu tento não pensar sobre o que está acontecendo, em vez de correr em direção aos dois gatos para alcançá-los, a chita fecha sua boca sobre o dedo. E come. Apertando os olhos fechados, eu luto contra a vontade de ficar doente de novo. Vendo um guepardo comer o dedo de uma criança não é algo que eu pensei que precisava estar equipada para lidar. Encontramos uma pequena árvore, que oferece quase nenhuma sombra, e colocamos Olivia abaixo dela. E então vamos esperar. Na primeira, vemos a menina, mas ela nunca se mexe. Em seguida, vemos a chita para ver se ele fica doente a partir do veneno, mas isso não acontece. Quando o sol finalmente se põe, e Olivia ainda não tenha acordado, Guy diz que precisamos trazê-la de volta. Jaxon concorda e sacode a menina suavemente até que ela se mexe. "Oi, Olivia", diz ele, embora nem perto do jeito que ela fez com ele esta manhã. "Ei, Olivia". Pálpebras da moça vibram por um momento, em seguida, ela abre os olhos completamente. A primeira coisa que ela faz é vomitar. Eu mordo meu lábio olhando para ela, esperando que isso é um bom sinal. Guy não parece muito preocupado, o que eu tomo como promissor. "Dê-lhe água", diz Guy a Jaxon. Jaxon recupera seu cantil e dá um pouco para Olivia poder beber. Ela dá alguns puxões e depois empurra-o para longe . "Olivia", eu digo. Jaxon, Guy, e a menina todos olham para mim. ―Existe algo que possamos fazer? Alguma coisa?" Seus olhos caem para a areia. "É fora?" Guy hesita, depois diz : "Sim, eu tive que retirá-lo de modo que o veneno não iria ficar em seu sistema. Nós provavelmente tiramos a maioria para fora.‖ "Meu corpo dói e minha cabeça parece engraçada", diz ela.


"Esse é o veneno." Guy olha para sua mão, ainda envolta pela camisa de Jaxon encharcada de sangue. "Ele deve se desgastar ao longo das próximas horas." Olivia fecha os olhos. "Onde ele está?", Ela pede. "Meu... meu dedo." Todo mundo olha para Jaxon. "Não olhe para mim. Não é como eu fiz ele fazê-lo." Jaxon tem o rosto ficando mais vermelho queimado de sol mais profundo. Embora ele age chateado com o que aconteceu com Olivia, ele também parece aliviado de que ela está bem agora. "Pare de olhar para mim. Todos vocês." "Jaxon", diz Olivia. "Onde está o meu dedo?" Harper bufa, e agora olhamos para ela. "Oh meu Deus", diz ela. "Eu sinto muito. Eu não queria... " Ela balança a cabeça, cobre a boca, e acena sua mão como se quisesse nos pedir para parar de olhar. "Será que alguém pode me dizer o que está acontecendo?" Olivia se senta e segura sua mão ferida no colo. "Eu só fui atacada por uma cobra com chifres, tenho o meu dedo cortado com um canivete, e eu estou com muita dor, eu sinto que eu poderia morrer." "A sua mão machucada?" Guy pede. "Na verdade, não", Olivia admite. "É latejante , mas está insensível." "Provavelmente o veneno, mas talvez seja por causa da perda de sangue.‖ Guy estreita os olhos, pensando. "Talvez ela vai ficar dormente até podemos chegar ao acampamento." "Onde está o meu dedo?" Olivia grita. Caroline remexe a seus pés. "A chita comeu." Os olhos de Olivia ficam tão grandes, eu tenho medo que eles vão estourar. "A chita... comeu... Meu dedo." A menina olha para cada um de nós. "Isso é o que você está me dizendo? Isso, que a Pandora de Jaxon comeu o dedo mindinho da minha mão direita? Minha mão de escrever?"


"Para ser justo, ela ganhou de M-4." Harper parece que ela está prestes a ponto de explodir de tanto rir. Eu não tenho certeza se eu sinto vontade de rir, também, ou perfurar o seu ouvido. "Eles lutaram por isso." O olhar de Olivia acaba selvagem, e ela olha para o espaço por um minuto. Em seguida, um pequeno sorriso rasteja sobre os lábios. "Isso é tipo, o melhor caminho para o meu dedo para ir." Ela olha para Jaxon. ―Nunca mais."


CAPÍTULO TRINTA Em breve, começamos a andar. Olivia parece estar fazendo o seu melhor, mas a dor na mão agora tem força total. Jaxon coloca ela em cima do elefante e permanece por perto para garantir que ela não escorregue enquanto viajamos. Cada alguns minutos, ouvimos os gemidos da menina em agonia. O som me dá um tic nervoso, e eu encontro-me antecipando-o, minhas mãos enroladas em meus lados. Como o dia desaparece por trás das dunas de areia, eu penso sobre o que disse Guy. Que não devemos andar a noite por causa dos predadores. Um arrepio corre pela minha espinha, não só por causa da temperatura em queda livre, mas de pensar sobre o que pode estar à espreita nas proximidades, invisível no meio da noite. O cheiro de sangue flutuando de Olivia ao nosso redor não pode ser bom. "Estamos certo de que este é uma boa idéia?" Caroline pede. Sua voz assustame. Ela está muito perto e muito longe de uma só vez. Era noite para todos por uns dez segundos e mal posso ver nada. "Temos que encontrar o acampamento base." É a voz de Guy. Eu reconheçoo em qualquer lugar. E eu sei exatamente o que ele está sugerindo: que se não o fizermos encontrar o acampamento base, Olivia não pode fazer isso. O veneno é principalmente ido de seu corpo agora, mas ela está claramente ainda perdendo sangue. Eu paro quando eu ouço um som de passos nas proximidades. "Será que vocês ouviram isso?" "Oh Deus," Caroline geme. Todo mundo pára de andar, e o som continua. Não faz crescer mais alto, mas ele não vai embora, também. Ouço Guy suspirar e sei que ele está pensando o que fazer. Algo passa pelo meu tornozelo. Estou a segundos de gritar ameaças até que eu percebo que é Madox. Agachando-se, eu corro a mão sobre seu pelo cheio de areia . "Todo mundo precisa pedir ajuda a sua Pandoras", declara Guy.


Imediatamente, há um coro de vozes como contendores chamando por ajuda. Falo diretamente para Madox, que me ignora, como de costume. Eu ainda não consegui descobrir por que outras Pandoras parecem entender seus Contendores e Madox não. Talvez ele só não foi construído com essa habilidade. Pensando que ele é incapaz de fazer algo que os outros podem dói meu coração. Não porque eu quero que ele seja o melhor para mim, no entanto, é mais do que eu não posso deixar de pensar nele como nada menos do que perfeito. Antes que eu possa refletir mais sobre a incapacidade de compreensão de Madox, um clarão se encaixa sobre a área. Eu faço sombra nos meus olhos por um momento, e quando eu retiro minha mão, eu posso ver todos no nosso grupo e todos as nossas Pandoras claramente. Quando eu olho Z-54, a minha boca abre em um sorriso. Chita de Jaxon fica a poucos metros de distância, seus olhos atirando para fora feixes gêmeos de luz vermelha. Eu faço um levantamento da área e não vejo nada. O que quer que originou o som agora está desaparecido. "Malvado legal", Jaxon respira, aproximando-se e, em seguida, acariciando sua Pandora. Ele olha para nós. "Você vê isso? Você pirando vê isso? Eu nunca soube." "Perfeito", Guy diz, como se isto fosse a coisa mais normal do mundo. "Eu só gostaria que tivéssemos um outro conjunto para iluminar nossa retaguarda quando nós viajarmos." O indivíduo olha na minha direção. Compreendendo as inundações mais de mim. "Madox não me entende", digo em voz baixa. "Ou eu diria que ele não pode." Eu gostaria que ele pudesse me entender, eu penso comigo mesma. Eu gostaria de poder apenas pedir-lhe para ouvir Guy e imitar a chita, e acontecer. Madox persegue os feixes de luz vermelha por um momento, como se fosse um jogo. Então seus olhos se apertam diante. Eles escaneiam a chita, e segundos mais tarde, meu bebê raposa se transforma em um grande gato malhado. "Puta merda". Jaxon aponta para Madox , mas olha para mim. "De jeito nenhum." Eu puxo uma cara e dou de ombros como se não fosse nada de especial: ―Ele faz isso tempo todo".


"Ele transforma-se em outras Pandoras?", Diz Jaxon. Ele inspeciona Madox mais perto. "Ele é como um Fugazi." "Um o quê?", Diz Harper. Jaxon joga o cabelo loiro encaracolado de seus olhos. "Um falso." "Ele não é uma farsa", eu digo. "Ele é brilhante." "Fugazi", Olivia resmunga do elefante. Jaxon balança a cabeça em direção a Olivia como se isso resolvesse. "Alguém sabe alguma coisa que sua Pandora pode fazer?" Harper diz. "Se assim for, derramem agora. Essas revelações estão tomando forma muito tempo." Todo mundo fica quieto, e as ondas de Harper uma mão à frente de nós. "Vamos rolar, então, vamos?" Com Madox para trás, seus olhos vermelhos, inflamados passam Caroline e Dink. Nesse pequeno momento, percebo o quão terrível o menino realmente parece. Sua pele é pálida e revestida com suor, mesmo no ar frio. E o queixo toca o peito como se fosse muito para segurar a sua cabeça. Eu vou em direção a ele. "Dink , você está bem?" "Ele está bem", Caroline se encaixa , puxando-o para ela. "Sim, é claro!‖, eu digo. "Tella." Guy fala meu nome de uma forma que diz para soltá-lo, mas eu não estou prestes a fazer. "O quê?" Eu digo a ele. "Por que não posso perguntar o que há de errado?" Harper leva dois passos em direção Dink e, em seguida, congela. "Oh Deus. Ele está realmente doente. Caroline, por que você não disse nada?‖ "Todo mundo precisa deixá-lo sozinho", diz Caroline em um sussurro. "Você quer dizer, deixá-lo sozinho, certo?" Harper ergue a mão em seu quadril, como ela está pronta para ir a doze rodadas. "Você seriamente precisa."


"Cale a boca!" Caroline grita tão alto, suas palavras parecem ecoar por milhas. Banhada pela luz vermelha, seu corpo tremendo parece quase explosivo. Harper dá passos para trás e mantém as mãos para cima. "Ok, me desculpe. Eita. Pirou muito?" "Vamos continuar", diz Guy , interrompendo a festa estranha. Madox, vestido como um guepardo, passos atrás de nós como o verdadeiro Z-54 leva a frente. Nós nos movemos através do deserto como esta, ignorando o que aconteceu, quatro feixes de luz vermelha abrindo nosso caminho. Para o primeiro par de horas, eu não consigo parar de pensar em Dink, depois eu começo a pensar sobre Cody e o prêmio. E como eu posso fazer para chegar ao acampamento base primeiro de alguma forma, então eu posso fazer o meu irmão saudável novamente. Se apenas por alguns anos. Eu não tenho certeza se é a luz ou o som de nossos passos arrastados através da areia, mas eu nunca vi todos os predadores. Não que eu quero fazer viagem à noite um hábito. Então, novamente, caminhamos por uma eternidade, e eu não me sinto como uma poça de sujeira suada. Então, isso é alguma coisa, eu acho. Quando finalmente paramos, Guy e Jaxon reuniram alguns galhos, apenas o suficiente para uma pequena fogueira e M-4 acendeu-os. Então nós agachamos em torno das chamas e nos aquecemos. Andando aquecidos nossa corpos razoavelmente bem, mas agora que paramos, o suor entrelaçando minha pele me faz tremer. Jaxon, Olivia, e Caroline caem no sono, apesar de há pouco tempo antes de o sol nascer. Mesmo Guy fecha os olhos. Talvez ele está dormindo, mas eu gosto de imaginar que ele não está. Faz-me sentir melhor sobre a maneira estranha que Dink está olhando para mim. "Posso fazer alguma coisa para fazer você se sentir melhor?" Peço ao menino. Ele não respondeu, apenas envolve seus braços em volta de suas pernas e enfia a cabeça entre os joelhos. Eu olho para Harper para ver como ela está lidando com isso. Desde a aparência, ela não está. Ela olha em todos os lugares, mas em Dink, e eu percebo que é o mais nervoso eu vi. Eu não acho


que ela sabe o que está acontecendo com ele, mas certamente faz com que ela fique desconfortável. "Harper", eu sussurro. "O que você acha que devemos fazer?" Sua cabeça se encaixa na minha direção. "Como eu vou saber?", Ela diz. "Ele é apenas um garoto. Por que ele está mesmo aqui?" Ela atira para cima e vai embora na escuridão. "Harper", eu grito, sussurro. "Harper!" Mas isso não importa. Ela continua se movendo. Eu penso em acordar Guy e ordenar-lhe para fazer algo. Mas é óbvio que ela quer ficar sozinha, então eu vou uma polegada mais perto dele e mantenho meus olhos treinados sobre o menino. Meu peito dói quando eu o vejo. Eu quero fazer algo para ajudar. Nós estivemos tão focados em Olivia desde a cobra, mas agora eu estou querendo saber se Dink não precisa da nossa atenção tanto. A única coisa que eu sei com certeza é que temos de chegar ao acampamento-base logo. Para o bem de ambos. Devo ter me afastado, porque quando eu abro os olhos, vejo Harper sorrindo em cima de mim. "Acorda, mulher", diz ela. "Eu encontrei uma bandeira." "Sério?" Minha voz soa como uma condução do caminhão sobre o cascalho. ―Legal.‖ "Sim, legal." Harper se afasta e desperta todos os outros. Eu pergunto-me se ela me acordar primeiro é sua tentativa de um pedido de desculpas. Eu decido pensar que é, e aceitá-la como um presente de manhã cedo. "Você encontrou uma bandeira?" Eu ouço Jaxon dizendo mais e mais, o orgulho em sua voz é evidente, como se o sucesso de Harper é, em parte, seu próprio. Ele levanta-a e ela gira em um círculo. Ela empurra o cotovelo em seu peito. "Deixe-me para baixo ou eu vou te bater.‖ Ele coloca-a em seus pés. "Você é sexy quando você me ameaça." "Você me dá nojo", ela retruca. Mas eu não perco o rubor que ilumina seu rosto. Harper olhou para mim e Guy, e as tentativas para esconder sua reação às palavras de Jaxon. "É desta forma."


Guy olha para mim, e eu noto que sua pele tornou-se ainda mais bronzeada no deserto. É como se o seu corpo é feito para resistir a qualquer situação, enquanto o resto de nós murcha como cranberries secas. Eu o odeio. Ou o amo. Jaxon verifica em Olivia, que murmura que ela ainda está com dor. Muito obrigado. E mantenha sua Pandora idiota longe dos meus outros dedos. Ele parece satisfeito que a menina está bem o suficiente para ser difícil e dá acenos para Harper que os dois estão prontos para viajar. Caroline coloca um braço em volta de Dink e os sinais de que eles vão seguir. Harper coloca seu cantil sobre o peito. "Ótimo. Vamos indo. Podemos ter RX-13 para nos pegar o café da manhã depois de eu mostrar onde a bandeira está". Oh, a antecipação. Demora cerca de uma caminhada de quinze minutos antes de entrar para a bandeira azul, que fica sem vida contra a haste de altura. Meu medo de que estaríamos marchando por um deserto ventoso cada dia era manifestamente infundado. Aposto que RX-13 odeia dias como esse, quando ela tem que vencer suas asas muitas vezes, a fim de voar. Então, novamente, talvez essa seja a parte divertida, quem sabe. "Por que não levá-a para baixo, campeã?" Jaxon pede a Harper. Harper dá de ombros. "Se eu fosse você, eu iria amarrar o bebê ao redor da minha cabeça como Rambo." Jaxon olha para Guy. "Você já viu Rambo? É um velho filme de ação onde-" Ele faz uma pausa, e seu rosto se ilumina. "Ei, é isso. Vamos ser os Rambos. Sim, somos totalmente os Rambos". "Esse é o pior ainda ", diz Harper, seus olhos treinados para a bandeira. Jaxon me olha. "Você gosta disso, né?" "Na verdade, eu meio que faço." E é a verdade. Eu poderia perfeitamente ostentar uma bandeira em torno da minha cabeça de Rambo se alguém ameaçasse nós. "Talvez devêssemos votar," eu paro quando vejo Guy curvando-se a poucos metros de distância. "O que está acontecendo?" Eu peço. "O que que você vê? "


"Pegadas", ele responde. Caroline se aproxima, deixando um Dink com o rosto vermelho para trás. Harper, Dink é o mais próximo, embora eu não espere dela para oferecer apoio. Observando-a e ao menino, eu me pergunto novamente porque ela está aqui. Ela e Dink são os únicos do grupo de idade que não se dispuseram a informação. Eu passo ao lado da criança e embrulho o meu braço ao redor de seus ombros. Ele se inclina contra mim e faz um ruído gutural baixo. Algo morre dentro de mim quando eu escuto-o. "Talvez as impressões são de Harper," Caroline oferece. "Não, são de tamanhos diferentes." Guy varre a areia com o seu dedos e olhares sobre seu ombro para Jaxon. "Você veio aqui ontem à noite? Seguiu Harper?" Jaxon segura as mãos para fora. "O que eu sou, algum tipo de perseguidor?" "Você está totalmente me perseguindo", Olivia murmura do alto do elefante. Tivemos que passar mais devagar desde EV- 0 está carregando a menina, mas eu sou apenas grato que pode levá-la através do deserto, embora eu não saiba quanto tempo o elefante será capaz de continuar com o peso extra, especialmente se viajar com o calor. "Não há nada de errado com um pouco de paixão." Jaxon levanta uma sobrancelha única em Harper, e ela finge não perceber. "Se alguém esteve aqui, eles teriam visto a bandeira", Harper diz. "E eles teriam tomado." Os ombros de Guy caem. Ele se levanta e olha para mim, depois para Madox. "Talvez eles não estavam interessados na bandeira." "Oh piscar de olhos." Jaxon puxa a bandeira fora do pólo, envolve-o em torno de sua testa, e laços nas extremidades atrás da cabeça. "Os Triggers tentaram tomar nossas Pandoras. Mas não tenha medo, os Rambos estão aqui! Estou certo?" Um sorriso enorme se estende por toda a boca. Guy balança a cabeça para Jaxon, em seguida, olha para mim. "Pode não ser ele." Mas nós dois sabemos que é. "Apenas no caso de que seja" Guy continua, " temos de viajar através do dia." "Mas nós quase não dormimos." Olhos de Caroline em Dink com preocupação.


"E eles provavelmente não têm, qualquer um." O indivíduo olha ao redor do deserto como ele já está procurando a próxima bandeira. "O que significa que eles estarão parando logo para descansar." "É a única maneira que nós podemos tentar e perdê-los", diz Harper, terminando seu pensamento. Guy acena para ela. "Nós concordamos em ir para o norte, depois fomos a leste, mas esta bandeira foi diretamente para o leste. Então, o que fazemos? Continuamos a leste ou para o norte?" Eu olho para o céu e localizo o sol. É parte da manhã, o que significa que o sol está atualmente no leste. O que também significa... Eu olho na direção norte. No horizonte, vejo alguma coisa. Apertando os olhos, posso apenas fazer um tipo diferente de paisagem. Parece quase mais escura. "Olha", eu disse, apontando. "Vocês vêem isso?" Todo mundo olha para a distância. Depois de um momento, Jaxon me olha como se eu fosse louca. "Uh, sim, ele parece areia." Caroline balança a cabeça. "Eu não vejo nada, qualquer um." "Isso é porque não há nada lá." Jaxon toma uma bebida de água de seu cantil. "Vocês estão desidratados. Ter visões é uma merda." "Não, mais longe", eu digo. "Há algo lá." "Eu vejo isso também." Harper dá os passos em direção à forma borrada, como se isso vai ajudar. Guy começa a andar . "Nós vamos para o norte." Eu olho para Caroline . Ela encolhe os ombros e toma o meu lugar ao lado de Dink. "Eu acho que nós estamos indo para o norte", diz ela. Entrando em linha atrás deles, pergunto-me se o que eu estou vendo é algo que vale a pena perseguir. Caso contrário, eu poderia ser a razão que perecemos neste deserto. Mas agora tudo o que eu estou preocupada é em ficar tão longe daquelas pegadas quanto possível.


CAPÍTULO TRINTA E UM Depois de caminhar durante a metade de um dia, encontramos uma bandeira. Eu aponto meus dedos para o rosto das pessoas e falo para quem quer ouvir que eu conheço esse deserto como a palma da minha mão. Harper quase me bate. Eu não posso culpa-la. Eu também quase me bati. Eu estou tão feliz que eu vejo pontas em uma direção que certamente não nos levaria a morte. Depois de novo, ainda há maneiras de ir alcançarmos a coisa que eu descobri que havia mudado de forma e se parecia com uma rocha. ―Então, prosseguiremos o rumo em direção ao norte, certo?‖ pergunto. Guy assentiu. ―Nós prosseguiremos ao norte.‖ ―Por quê?‖ Eu dou um sorriso torto. ―Porque encontramos outra bandeira?‖ ―Certo, mas quando o sol se por nós pararemos‖ Caroline diz, colocando a mão sobre a testa de Dick. ―Quero dizer, nós precisamos...‖. ―Sim, nós vamos parar.‖ Harper responde por Guy. Depois de andar por várias horas, nós ainda estamos a um dia de distancia das rochas. Não parecia tão perto do acampamento, mas eu ainda tenho esperanças. Talvez nós encontremos mais rápido desta vez. Tem somente sido o que, cinco dias? Então ainda temos uns nove. Pedaço de bolo. Oh meu deus. Bolo. Quando esse pensamento me vem à cabeça, eu não consigo parar. Eu vejo um de chocolate com chocolate em cima, e morangos e glacê rosa. Depois eu


tenho pensamentos mais interessantes: bolo de cenoura, pão de ló, bolo de chocolate alemão. E bolo de queijo. Oh, santa mãe. Bolo. Queijo. ―Você está bem?‖ Jaxon pergunta-me quando nós encontramos um local para acampar a noite. ―Você está com uma expressão louca.‖ ―Eu só estou faminta‖ eu digo. Jaxon joga as mãos para trás. ―Fácil, garota.‖ ―Eu vou enviar RX-13.‖ Harper diz. Eu não olho para frente, mas eu vejo uma águia. Porém, eu estou faminta demais para cuidar. ―Quer que eu envie Madox com ela?‖ eu pergunto, olhando minha cintura. Eu penso que poderia usar essa ―dieta do deserto‖ no verão passado. Talvez eu divulgasse e pudesse ganhar milhões. A dieta do deserto: você pode comer qualquer coisa, desde que sejam frutos verdes ruins e besouros. E se você estiver faminto, pode caçar um coelho. Simples. ―Não, a raposa só irá nos atrasar. Mesmo se ela mudar a forma.‖ Harper envia RX-13 para procurar comida, enquanto eu penso apenas que Madox apenas jogará fora. ―Deus, eu estou exausta.‖ Ela fala. Eu a olho surpreendido. Eu pensei que ela fosse como Guy, que não admite sua exaustão. Bocejo, percebendo que também estou esgotada. Caminhar durante horas pela areia tem suas maneiras de sugar sua alma para fora de você. Eu imagino ganhando a cura para Cody. Por outro lado, depois de tudo isso, eu poderia ser uma heroína sem mencionar as dificuldades que enfrentei. As pessoas diriam em minha volta, Ela é muito corajosa. Ela nunca mencionou, mas sabemos que deve ter sido terrível. Tella, a Terrível. Por outro lado, eu poderia ir para sabe-se lá onde. Eu jogaria tudo na cara de Cody toda vez que eu tivesse uma chance. Seria como:


Ei, Cody, curtindo essa rosquinha? Você não poderia se eu não tivesse salvado seu traseiro. Ei, Cody, se casando? Imagine se eu não tivesse te saldado? Não teria casamento. Deitada de costas com as mãos sob a cabeça, eu sorrio com as possibilidades.

Eu noto Guy deitar ao meu lado. Eu me pergunto se ele vai acender uma fogueira, agora que a temperatura está caindo. Ou se ele vai recolher galhos para nossas camas- Deus nos proíbe de dormi sobre algo confortável. Eu decido ir junto dele. Não existe razão para eu não ajudá-lo. Eu estava mergulhada nessa onda de pensamentos quando o sono me pegou. Quando eu acordo está no meio da noite, e uma pura escuridão me assusta. Mas eu estou muito cansada para notar alguma fogueira ou a luz do sol. Eu sento e olho ao meu redor. Eu não posso notar muitas coisas, mas posso dizer que já corpos ao meu redor. Eu assumo que são meus companheiros e suponho que eu perdi o jantar ou todos desmaiaram antes da RX-13 voltar. Eu também suponho que Guy seja humano – caso o contrário, eu sei que ele teria acendido uma fogueira. Eu deito novamente, um pouco mais longe dele e tento cair novamente no sono. Mas, antes de eu conseguir, eu noto algo. Um pouco distante, uma luz brilhante. Madox está roncando perto dos meus pés, então eu assumo que não seja ela. Eu decido que talvez seja um leopardo, mas eu decido ir checar. Arrastando o meu corpo, eu me debato para não tropeçar em Guy. Se isso fosse um filme, essa seria a parte em que eu gritaria para a garota ficar onde está. Mas isso não é um filme. E se eu, mesmo sem querer, tropeçar em Guy e fingir que não foi nada, ele vai me lançar um daqueles olhares preocupados. Então eu decido só dar uma rápida olhada e voltar logo. Eu paro por um momento para ouvir se Madox continua dormindo – e roncando – e sigo em direção à luz. Quanto mais eu chego perto, mas eu percebo que a luz se parece com fogo. Algo está bloqueando minha visão das chamas por isso eu não consigo determinar o que é. No meio dessa noite escura e com essa luz tremulante, eu penso que pode ser minha mente me pregando peças. Eu diminuo o ritmo dos meus passos e inclino-me um pouco mais para baixo, com um frio na barriga.


Eu deveria voltar. Eu deveria acordar Guy. Ou Harper. Ou todos. Embora eu pensasse essas coisas, eu não posso porque eu não consigo parar de dar mais um passo. E então outro. Meu coração está palpitando sobre o meu peito. Minha pele formiga. Eu posso ver melhor agora que eu estava de frente para o fogo. É pequeno. E está agachado. Meu rosto demonstra confusão. Mais um passo eu posso ver tudo. Eu dou este passo. A compreensão me bate na mesma maneira que a coisa se transforma em minha direção. Meu corpo inteiro fica tenso e algo grita dentro da minha cabeça. A coisa é Dink. Sua boca rosa e suas mãos pequenas estão cobertas de sangue. Eu cambaleio para trás e sacudo a cabeça ao ver os lábios cobertos de sangue abrir um sorriso arrepiante. Algo está errado com ele. Algo está muito errado com ele. E eu não deixo de notar o quão ele esta perto. Como ele pode me alcançar em poucos segundos se ele quiser. Esse é um pensamento ridículo. Porque esse é Dink – um garoto que tem apenas oito anos de idade. Dink levantou e eu notei que o sangue não apenas cobria suas mãos, mas se estendia até o cotovelo. Eu dou um pequeno passo para trás e vejo-o estendendo as mãos, como se estivesse me chamando. Atrás dele, eu percebo também que há algo deitado no chão. O sangue. Foi dali que o sangue veio. Eu foco meus olhos na coisa quando o menino começa a lamber os dedos ensanguentados. E depois abre um sorriso bem maior. Oh, Deus. Ele não estava brincando com a coisa. Ele estava comendo a coisa.


Eu movo-me para o lado, mantendo os olhos fixos no garoto. Então eu olho para baixo. Um grito saiu pela minha garganta quando eu percebo que a coisa no chão é Jaxon. E ele está com o estomago todo rasgado.

Dink faz um ruído e saltou para frente. E um segundo depois ele está na minha frente. O menino abre sua boca, mostrando pedaços de carne crua grudada em seus dentes. El balança a cabeça e tenta morder meu pescoço. Eu luto para manter a criança longe do meu rosto. Não há como ele pesar mais de setenta quilos, mas ele tem uma força impressionante quando ele me bate e me derruba na areia, como se a sua doença tivesse tornado ele mais forte. Eu grito enquanto eu o empurro de volta. Por mais que eu o empurre, ele só se move centímetros para trás. Ele continua perigosamente perto, mas o espaço extra entre nós me dá a oportunidade que eu preciso. Eu uso minha perna como arma e dou chuto-o para longe. Ele volta e cai duramente na areia. Em um piscar de olhos, ele salta com suas mãos e pés como um monstro e vai a minha direção. Seu maxilar abre e um som sibilante sai pela sua garganta. Eu me rastejo para trás o mais rápido que posso, mas ele está vindo muito rápido. Seus olhos castanhos mudaram de cor para tom quase vermelho, e eu sei que sei ele quiser vim a mim novamente, esse é o tempo, ele vai me morder. Não importa como, eu tenho que impedir que isso aconteça. Eu não posso contrair o que ele tem. Eu não posso morrer nesse deserto. Porque se eu morrer, meu irmão morre comigo. Quando Dink chega mais perto, eu salto, procurando algo para afastá-lo. Olhando para o fogo, eu vejo que pode haver um bastão queimando e penso que talvez eu possa usa-lo como arma. Eu corro em direção as chamas, com Dink atrás de mim. Quando eu chego ao incêndio, eu paro com espanto. O fogo está queimando do nada, sem madeira. Como?


Um segundo depois algo bate em minhas pernas e eu penso ser Dink. Meu joelho se curva e caio novamente no chão. Ele sobe nas minhas costas e envolve suas mãos em minha garganta. Eu abro minha boca para gritar, mas ele tapa minha boca. Eu continuo gritando de qualquer maneira.

Então ele começa a empurrar minha cabeça em direção ao fogo. Cada músculo do meu corpo fica tenso e meu rosto se aproxima mais das chamas. Eu consigo me afastar do calor uns poucos centímetros, mas ele me empurra de volta para baixo. O cheiro de cabelo queimando entrou pelos meus narizes. Minha mente gira quando eu percebo que o cheiro vem do meu próprio cabelo. Um grito profundo saiu pela minha garganta. O sol não é humano. Luto para me afastar do chão com cada pingo de adrenalina que eu tenho. Dink sobe nas minhas costas. Virando-me, eu me preparo para lutar com ele. Mas quando eu vejo o menino, ele esta deitado de costas, olhando par Guy. Com um canivete em mãos, Guy se agacha com um joelho, e prende Dink pelo outro joelho. O garoto chuta e se agita. Mas principalmente, um ruído estranho. Guy enfia o canivete na sua cabeça. ―Não!‖ eu grito. Mas é tarde demais. Guy mergulha a lâmina na testa de Dink. O garoto A boca de Dink caí para o lado, com os olhos arregalados. Ele respira mais quatro vezes quando pálpebras começam a fechar. Elas param no meio do caminho, de modo que eu ainda posso ver os olhos castanhos avermelhados. Eu cubro meu rosto e bálano a cabeça. Não pode ser. Não pode ser. Quando eu descubro meu rosto, lágrimas caem pelas minhas bochechas. Eu vejo Guy tirando as botas de Dink. ―O-oque você está fazendo?‖ Eu sufoquei. ―Deixando-o em paz.‖ Ele não parou. Depois de puxar a bota direita, ele puxa a bota esquerda. Depois ele puxa as meias do menino. Olhando por cima do ombro, ele fez um gesto para que eu me aproximasse.


―Tella venha cá‖ ele disse gentilmente. Mas eu não consigo ouvir o que ele está dizendo quando suas mãos estão covertas de sangue de Dink. Eu seu que o menino tentou machucar, mas ele estava doente. Nós poderíamos o ter salvado.

Guy levantou-se e arrastou o menino em minha direção pelo tornozelo. ―Pare com isso‖ eu disse tranquilamente. Mas ele não fez. E quando ele puxou a criança para perto o suficiente para eu conseguir ver o que ele estava tentando me mostrar. Eu suspirei. T-33 estava estampado em seu pé. Guy soltou o tornozelo do garoto e sua perna caiu no chão com um baque. A compreensão veio até mim como um mel escorrendo de uma garrafa: Caroline dizendo que a Pandora de Dink havia parecido. Dink apenas havia fingido ter perdido dispositivo; Dink salvou Caroline do rio com facilidade; Dink fez fogo do nada. Dink é uma Pandora. Dink é a Pandora de Caroline. ―De jeito nenhum‖ eu disse com as lágrimas me cegando. ―Não há nada que poderíamos ter feito‖ Guy disse Ele chega a minha direção, e eu me enrolo. Eu não posso olhar para ele agora. Ele me salvou. Mas ele matou Dink. Mas ele me salvou... ―Tella, havia algo errado com ele...‖ ele continua. ―Os criadores foram longe demais quando fizeram isso.‖ ―Eu não sei como eu estraguei tudo...‖ eu murmuro. Eu olho dentro dos olhos dele. ―Eu não sei como eu nunca...‖. Eu paro de falar e os pelos do meu rosto se arrepiaram. Titus apareceu atrás de Guy. ―Guy!‖ eu grito.


Titus prende os braços ao redor da garganta de Guy antes que ele possa reagir. Ele puxa a cabeça de Guy para trás. Eu corro em direção a ele, mas algo me agarra pela parte de trás da minha camiseta e me puxa de volta para o seu peito. ―Oi, linda.‖ A voz diz em minha nuca. Eu me encolho ao ouvir o som e tento dar uma cotovelada em seu estomago. Ele me libera, e eu me giro para o sujeito.

Ele é só um pouco mais alto que eu, e sem dúvida é um dos amigos de Titus, e eu me sinto como uma arma agora. Como se eu pudesse derrubar o exército todo de Titus. Eu piso no pé do sujeito e dou uma tapa em seu nariz. O som de estalo aparece no ar e o sujeito caiu de joelhos. Então eu sento outro par de braços me puxarem pelos ombros e outro par puxar minhas pernas. Os dois sujeitos me levantam e eu agitei com raiva. Eu chuto e grito e tento morder e arranha-los. Mas não adianta. Não adianta. Até que Harper aparece com Jaxon e Caroline. ―Obtenha. O inferno. Longe dela.‖ Harper nos chama e dá um golpe no cara que está segurando meus braços. Ele me solta e se vira para lutar com ela por apenas um momento, mas é o suficiente para perceber que – embora eu sempre achasse Harper indestrutível, eu a havia subestimado. Ela não é competidora. Ela é uma guerreira. Harper derruba um cara de quase o dobro de seu tamanho enquanto eu ainda luto com o cara que está segurando minhas pernas. Sobre o meu ombro, eu consigo ouvir os gritos de nossas Pandoras engajando os caras. Mas agora mesmo eu tenho que me concentrar no sujeito que está na minha frente. Ele me zomba como se eu fosse sua próxima refeição. Quando eu ouço Caroline gritar de dor, eu suponho que ela encontrou o corpo de Dink. Eu quero tanto ir até ela. Dizer que vai ficar tudo bem. Mas eu não posso me arriscar. Pelo canto do meu olho, eu identifico a Pandora de Titus indo em direção ao fogo. Ele abre sua boca e berra. Na segunda vez que ele


ruge, ele levanta suas patas e as conduz em direção à boca. Eu paro, chocada, e assisto como as chamas são altas.

Quando mais ele se aproxima do fogo, suas garras viram cinzas sobre a fogueira. O fogo abafa. Eu vejo Caroline com o corpo de Dink em seu colo. E a escuridão domina. Um par de mãos segura meu estomago e me puxam para fora batalha. Eu posso ouvir Harper gritando de agonia quando eu sou arrastada para longe de meus amigos. Longe de Guy. Longe de Madox.


CAPÍTULO TRINTA E DOIS É luz do dia quando eu acordo. Minhas mãos voam para minha cabeça e eu gemo. Tem um inchaço sob meus dedos que dói quando toca. Por um momento, eu não consigo me lembrar do por que. Quando eu vejo Titus de cócoras. Ele está afiando sua faca numa pedra. O barulho faz minha cabeça girar. Ele para e olha. Um sorriso lento saiu pela sua boca. ―Você esta acordada.‖ Ele disse como se fossemos velhos amigos ao invés de ser um cara que bateu numa garota inconsciente. ―Você ficou gemendo por um tempão. Pensei que você nunca iria parar‖. Ele apontou a faca em sua testa. ―Desculpa pelo golpe.‖ Olhando ao redor, eu notei três outros sujeitos dormindo. Eles estão espalhados pela areia. Todos, exceto um, que está todo enrolado como uma bola. Uma visão estranha, porque ele deve pesar uns 140 quilos. Eu me levanto para cima e coloco minhas mãos na cintura. ―Eu peguei suas coisas.‖ Ele falou ―E seu cantil‖. Titus levanta-se e vem em minha direção. ―Ah, e sua Pandora.‖ Ele aponta a faca por cima do meu ombro. Virando-me, eu vejo pelo menos uma dúzia de Pandoras. Meus olhos analisam cada um deles rapidamente. ―Madox!‖ eu grito para minha raposa negra, mas Titus pega minhas pernas e me arrasta para ele. Ele pressiona minha testa contra a ele. ―Eu vejo que você vai precisar de um quebra-galho.‖ Ele disse. Eu sacudo minha cabeça e localizo minha Pandora. Ela tem uma corda amarrada no pescoço que a prende a uma árvore. Muito das pequenas Pandoras estão da mesma fora. Os caras devem ter usado toda a sua corda para prender tantas criaturas.


Poucas Pandoras não estão amarradas e eu me pergunto como eles não fogem. Entre eles, está o urso de Titus que eu assumo ser muito leal ao seu companheiro. Mas as Pandoras roubadas não deveriam ter essas mesmas lealdades. Pandoras como o carneiro de Levi, G-6. A maioria dos animais tem marcas de chicote em seus rostos. Até mesmo o urso tem uma grande ferida de chicote na barriga, que parece está infectada. Olhando seu ferimento, eu me lembrei de uma criatura com feridas parecidas quando Titus estava viajando conosco. No momento, eu suponho que foi a partir da luta de nossas Pandoras. Mas agora, eu estou certa do que Titus está fazendo: abusando da própria Pandora. Embora o urso me deixe extremamente nervosa, eu não posso ajudar, mas eu sinto pena. Madox, obrigada Deus, parece está em perfeitas condições. Surpreendentemente, ela não está lutando contra a corda. É como se ela soubesse que não deveria perturbar Titus. Parece que todas as Pandoras sabem disso. Não assustar o psicopata. Eu decido tomar isso como meu próprio lema. ―Não é magnífica minha coleção?‖ Titus pressiona o nariz na minha bochecha. ―E agora eu decidir adicionar mais um na minha coleção‖ Eu acho que ele está implicando com Madox, mas quando ele passa a mão pelo meu pescoço, eu suponho que ele está se dirigindo a mim. ―Ainda bem que meu bem mais valioso veio com uma Pandora no bolso‖. Ele aponta em direção ao todo da árvore. ―Quer ver o que mais eu peguei?‖ Eu olho para cima e vejo RX-13 entre os galhos, amarrada pela perna. ―Para Harper, com certeza essa cadela não é mais necessária.‖ Minha cabeça quer virar em direção a ele, para ver se ele estava falando a verdade, mas decido não me mexer. Ele está tentando me irritar, mas ele não vai consegui. Eu sei que eles não mataram Harper. Eles não poderiam. Poderiam?


Titus anda para os seus comparsas e chuta cada um, para eles acordarem. Eles não se queixam. Eles apenas saem da areia e olham em direção à Titus. ―Eles são meus comparsas...‖ ele disse. ―Mas eu já devo ter dito isso, não?‖ ele cena para si mesmo. ―Mas eu não disse a você que nós seguimos você no deserto desde que a competição começou? Eu disse aos meus rapazes: Fiquem comigo, porque eu sei que uma garota com uma raposa pode ganhar, e todos nós poderemos compartilhar a cura.‖ ―Você está errado‖ eu digo. ―A cura só salva uma vida.‖ ―Quem disse?‖ ele coça a cabeça com a ponta da faca, bagunçando seu cabelo. ―Quando eu ganhar, eu vou certificar-me de que meus rapazes serão atendidos...‖. Embora eu saiba que ele é perigoso, eu não posso deixar de me perguntar se ele está falando a verdade. Pode a cura ser compartilhada? Podem as regras ser alteradas? Olhando dentro dos olhos castanhos de Titus, eu sei que mesmos se ele puder, ele não vai ajudar as pessoas. ―Tella escute. Eu sei que você está chateada agora, mas você vai perceber que eu sou a sua melhor opção para ganhar a Cura. Você vai aprender a gostar de mim. Você pode até aprender a me amar.‖ ―Se você acha que é verdade.‖ Eu rosno. ―Você é mais burro do que eu pensava.‖ Titus acena em direção a Madox. ―Burro como uma raposa.‖ Os comparsas riem como se fosse algo engraçado. Exceto um, aquele que dormiu encolhido. Ele sorri, mas ao diz nada. Eu me pergunto se eu poderia simpatizar com esse rapaz. Se ele poderia me ajudar a fugir. Mas eu rapidamente esqueço essa ideia. Ninguém que está ao lado de Titus é de confiança. ―Com sede?‖ Titus pergunta, segurando dois cantis. Eu suponho que uma delas é minha. Por um momento, eu considero a oferta. Mas eu sei que se eu


quiser sobreviver neste dia, neste calor, eu tenho que ser inteligente. Eu aceno. Ele me dá uma garrafa e diz.

―Nós não sabíamos que diabos iríamos fazer com a água.‖ Seu nariz se estreita. ―Embora eu não saiba dizer se isso ainda esta potável. Está meio nojento, na verdade.‖ ―Como você vai encontrar sem a água?‖ eu perguntei, depois de beber o cantil quase vazio. Titus sorri. Seus dentes parecem um pouco grandes demais para sua boca, mas eles são brancos e alarmantes. ―Então eu acho que teremos que encontrar logo.‖ Ele chega para meu cantil e eu empurro contra a sua mão. Atrás de nós, os caras começam a desamarrar as Pandoras. Eu ouço u grunhido animal e som de chicotes. Um dos caras, o que tem a cara cheia de espinhas, está chutando as pernas das Pandoras. ―Pare.‖ Eu grito, mas o cara continua fazendo. Voltando-me para Titus, eu digo. ―O mande parar ou eu mato você. Eu juro por Deus que eu mato você.‖ ―Oh, eu estou tremendo.‖ Titus finge ter medo que eu o esfaqueie. Ele olha para o cara que estava chutando a Pandora e diz. ―Certo, pare de bater nessa coisa. Nós temos companhia. Maneiras, rapazes.‖ O cara cheio de espinhas corta a corda de Madox, eu corro em direção a ela e levanto-a nos meus braços. Madox me agarra e eu sussurro em seu ouvido. ―Eu não vou deixá-los te machucar.‖ ―Que comovente.‖ Titus puxou dois cantis. ―Agora, vamos nos manter em movimento. Dirigimos-nos em direção àquelas rochas. Era pra lá que vocês estavam indo, certo?‖ Eu quero engana-lo, apenas arrumar um jeito de voltar para meus companheiros. Estar com Guy novamente. Sabendo que Titus provavelmente vai ao norte de qualquer maneira, prefiro dize-lhe a verdade para confundi-los.


―Sim, pensamos que talvez a base do acampamento esteja atrás dessas formações de pedra.‖ ―Esplendido.‖ Ele disse. ―Vamos logo.‖

Os caras formaram uma linha atrás de seu líder, mas Titus insiste que eu ande ao lado dele. Como se fossemos amigos. Se fossemos amigos. Eu aperto Madox tão apertado, que ela grita para eu soltá-la. Depois de muitas horas caminhando, eu olho para a Pandora de Levi. O carneiro tem cortes ao longo do seu focinho e um de seus joelhos parece quebrado. Pior do que o estado dele é a gemida de dor que ele faz ao caminhar. Lágrimas brotam dos meus olhos quando eu percebo que ele não vai aguentar muito mais tempo. Isso me faz odiar tanto Titus, que se torna assustador. Ele na pode ter colocado as mãos em qualquer criatura além dos seus, mas essas caras deram ouvido a ele e permitiram que machucassem seus Pandoras. À medida que andamos, eu questiono por que Titus está mudando o rumo da viagem enquanto o sol está acima. Guy supôs que a maioria dos competidores se moveria durante a noite, mas Titus parece determinado a chegar logo na base do acampamento. Observando-o puxar o cantil, eu entendo que há uma razão para chegar logo à base do acampamento: estamos ficando sem água. Olhando as Pandoras que estão ao nosso redor, eu ainda estou curiosa sobre o porquê elas não tentaram escapar. Uma vez quando deixamo-las fora de vista, elas perderam o controle sobre qual eram os seus propósitos. Como se de repente eles tivessem sido transformados em animais zumbis. Observando Madox marchar através da areia, com a língua pra fora da boca, como se ela estivesse ofegando, eu prometo nunca deixar que isso aconteça com ela. ―Aproveitando o tempo?‖ Titus pergunta. Mesmo coberto de muito suor e sujeira, ele continua não sendo nada bonito. Seu corpo de lutador, olhos profundos e cabelos cor de trigo fazem dele o tipo perfeito de Hannah, minha melhor amiga. Mas não é preciso ter visão de raios-X para descobrir que ele tem cara de mal.


―Está ótimo.‖ Eu digo calmamente. Se eu conseguir ser boazinha e jogar bonito, talvez eu possa escapar hoje à noite, enquanto eles dormem. Mesmo se eles ficarem de vigia em turnos, a melhor chance de escapar é se ficarem só de um em um.

―Qual é exatamente o seu plano para chegar à base do acampamento?‖ eu pergunto, tentando me socializar. ―Você sabe, meus amigos já estão a caminho. E não há como eles deixarem você me segurar aqui.‖ ―Eu não preciso de um plano. Porque no momento em que chegarmos à base do acampamento, você perceberá que seu lugar é aqui.‖ Sem chance ―Nós veremos.‖ Titus então me dá um sorriso devastador. Ele acha que estou aberta à ideia. Eu posso ver em seu rosto. A questão é se o sorriso me aborrecesse. Caso o contrário, ele acha que vou me juntar a ele de bom grado. Ele já tem a mim e minha pandora. Sinto uma mão apertar o meu traseiro. ―Que inferno...‖ eu grito, girando. Os rapazes mantém uma expressão seria. Titus para, e seus soldados param também. ―Que foi?‖ Titus perguntou. Eu observo cada rapaz, procurando o responsável. Quando eu olho para Titus. Seu rosto demonstra confusão, e está longe de que possa ter sido ele. Eu quero virar, mas tenho medo de que: Eu cause uma confusão que não é necessária, e... Estrague a missão de hoje à noite. Porque agora, eu tenho que fingir está entrando no grupo. E esse tipo de coisa não me incomoda muito. Então, eu fingir estar indiferente.


―Nada‖ eu digo, tentando esconder a mentira na minha voz. ―Os rapazes estão apenas brincando.‖ Eu não sorrio. Eu não rio. Podendo enviar um sinal vermelho. Titus pode até ser maluco, mas não é estúpido. Então dou ombros e continuei caminhando. Surpreendentemente, Titus não fala nada. Mas eu vejo a maneira de como ele olhou para seus rapazes quando eu me virei. Depois nós temos caminhado por mais uma hora, Titus começa a conversar como se estivéssemos em um primeiro encontro. Madox começa a choramingar. ―O que ela tem?‖ ele pergunta.

Eu me aproximo da minha Pandora, mas ela não se acalma. ―Eu não sei.‖ Eu respondo honestamente. ―A pequena raposa está um trapo‖ o cara de espinha zomba atrás de mim. Os rapazes riem, mas o som soa forçado. Titus continua andando para frente. Quando eu vou segui-lo, Madox late. Uma vez. Duas Vezes. Três vezes. A cada passo que eu dou, ela se chateia mais, circulando meu tornozelo e colocando as patas nas minhas canelas. Eu sinto como se estivesse assistindo a um episodio antigo de Lassie Show. O que é isso garota? Titus parou novamente. Nada parece estranho, mas Madox certamente não quer que eu vá mais longe. Titus olhou para o cara de espinha e diz. ―Vá checar as coisas.‖ O cara parece orgulho de que Titus lhe pediu para ir e não aos cinco outros caras. Ele balança a cabeça e corre atrás de nós. Ele procura no chão alguma coisa que tenha causado pânico na minha raposa. Em seguida, ele se vira e nos enfrenta.


―Não vejo nada.‖ Ele diz. Titus franze a testa. ―Mantenha-se olhando‖ O cara gira e dar mais alguns passos. Então ele tropeça e cai. A principio parece que ele só tropeçou em alguma pedra e caiu. Mas quando ele se agita, eu começo a perceber que não é nada disso. Quase parece que está... Afundando. Titus apontou o braço para os caras atrás deles eles foram ajudar o Cara de Espinha. As Pandoras ficam para trás, de cabeças baixas. Eu dou um passo, mas Titus me agarra. Ele ergue a cabeça e pergunta. ―O que é?‖ Um cara com braços e pernas enormes gira. ―Areia Movediça.‖


CAPÍTULO TRINTA E TRÊS Titus mantém segurando meu braço e arrasta em direção à areia movediça. Madox enlouquece, latindo e choramingando quando ela avistou Titus me arrastando por trás dele. Eu silenciosamente amparo minha Pandora para abranda-la, e milagrosamente ela vem. ―Nick...‖ Titus chama. ―Você está afundando?‖ ―Sim...‖ O cara de espinha, Nick, responde. ―Tire-me daqui!‖ Os caras nós chama para nos aproximarmos. Titus sai da beira da areia molhada e olha para baixo. ―Como você não viu isso? Está mais escuro aqui.‖ Nick balança a cabeça, seus olhos abalados de medo. ―Eu... Eu não sei. Mas eu tenho que sair daqui.‖ Suas pernas e quadris estão enterrados, tão fundos que tudo o que eu posso ver é o seu peito, braços e cabeça. Quando mais ele tenta sair, mais ele afunda. Meu estomago se aperta de um modo que fica difícil respirar. Como se não fosse Nick que estivesse afundando na areia, mas eu. Nessa manhã, ele bateu naquela Pandora como se fosse nada, mas eu não posso assistir a mais uma pessoa morrer. ―Ajude-o‖ Eu imploro a Titus. ―Por favor.‖ Ele olha para mim do canto do olho, seu rosto contraído de nojo. Como ele odeia que eu me importe. ―Nós precisamos de todas as mãos que pudermos para ganharmos.‖ Eu me puxei para cima como eu sou estrategista. Eu poderia dizer que estava me juntando à Titus, mas Titus nunca acreditaria, mas eu posso deixa-lo formar sua própria conclusão. Um sorriso lento divide sua boca. Ele aponta a mão em direção ao rapaz que tem as pernas longas. ―Tire-o dali.‖


O rapaz de pernas longas estendeu seus longos braços para Nick. Aliviado, Nick pega a sua mão e o rapaz puxa. O rapaz de pernas longas puxa e quase cai até que outro cara agarra a parte de trás da sua camisa. ―Você vai ter que me ajudar.‖ O rapaz de pernas longas disse com o outro cara atrás dele. O rapaz acenou e estendeu a mão também. Mas juntos, os dois rapazes não conseguiram tirar Nick da areia.

O tempo passa, e Nick afunda mais e mais, e histéricas sensações tomam conta de mim. E se eles não conseguirem tira-lo dali? Ele tem que conseguir! ―Vamos tentar as Pandoras.‖ Eu falo à Titus, preocupada com sua paciência. Eu estou com medo de ter chamado a atenção de Madox, de envolvê-la em tudo que possa coloca-a em perigo. Mas eu sei que não posso deixar o cara morrer. Não é legal. Não quando ele está gritando desesperado, fazendo minha pele se arrepiar. Titus olha por cima do ombro para as Pandoras e por volta do Nick, que agora está afundando até o seu peito. Nick começa a inclinar sua cabeça, desesperado pelo o que vai acontecer. ―Não‖ Titus diz. ―Deixe-o morrer com sua Pandora. Por que eu deveria arriscar o resto para salvá-lo?‖ Mesmo enterrado, Nick olhou furiosamente. E quando eu penso sobre Madox atrás de mim, eu sei o porquê. Perder minha Pandora é como perder a vida. Eu arranco meu braço para longe de Titus e me inclino para ajudar Nick. Talvez ele seja da maneira como é por causa de Titus. Talvez seja bom eu tentar retirá-lo da areia. Bom, se existe ou não, eu estou indo ajudá-lo. Antes de eu poder oferecer minha mão a Nick, um cara enorme, o que estava dormindo como um apertadinho me parou. ―Deixe-me‖ ele diz. Eu olho para dentro de seus olhos castanhos e meu medo vai embora. Quando eu olho para a cabeça cobrindo o meu braço, eu


percebo que sua cabeça é grande como uma torradeira e suas unhas estão cuidadas com perfeição, como se esse Godzilla tivesse ido a um salão de beleza antes de iniciar a corrida. Eu permito que ele vá para a borda. Ele atinge seu braço em direção a Nick, e Nick agarra. ―No três‖ O Godzilla diz. Nick assente. ―Um...‖

―Você pergunta-me, ele merece ser preso na areia.‖ Alguém fala. ―Dois...‖ ―Comovente a garota de Titus dessa maneira.‖ ―Três.‖ O cara começa a puxar no exato momento em que Titus resolve atrapalhar. Eu me movo para tentar deter, mas foi como está de frente a um canhão. Titus me empurra para o chão e bate no garoto com unhas perfeitas. O grande cara dificilmente se move, mas é o suficiente para se perder da mão de Nick. Titus joga seu pé para cima do couro cabeludo de Nick. Sem dizer uma palavra, ele empurra a cabeça do cara para dentro. A testa de Nick afunda na areia, com seus braços. Com seus ombros. Nick grita, e eu corro em direção na areia em direção às pernas de Titus, tentando impedi-lo. Tentar empurra-lo dentro da areia movediça, qualquer coisa. Mas o cara grande me agarra e me arrasta em sua testa. ―Não tente nada.‖ Ele diz quietamente. ―Não tente fazer cena.‖ Quando ele envolve sua enorme mão ao redor da minha cabeça, me impedindo de ver. Embora eu não tenha que ver. Porque eu posso ouvir. Eu posso ouvir Nick implorar. Ele explica sua fidelidade, e que ele nunca quis me tocar. Mas isso não adianta nada. Porque a próxima coisa que eu vou ouvir é o som que Nick faz quando seu líder o puxa para fora do chão. E em seguida, eu não ouço nada.


O cara que estava cobrindo meus olhos descobre. Titus fica perto da areia movediça como se eu não pudesse acreditar no que ele fez. Ele olhou para nós e tentou oferecer uma explicação. ―Ele te tocou Tella.‖ Ele disse, focando a atenção em mim. ―Ele agarrou em algo seu.‖ Ele estava esperando eu concordar. Mas não. Eu não posso mesmo ver nada através das lágrimas.

―Ele queria te machucar.‖ Ele aponta um dedo mole para mim. ―Provavelmente ele poderia ter forçado sobre você. Você viu como ele tratou as Pandoras.‖

Titus acena com a cabeça e da um suspiro profundo. Ele inclina sua cabeça e olha para o céu. Em seguida, ele acena para a direita. ―Se você olhar por esse lado.‖ Ele diz, sacudindo os pulsos para algo a distancia e dá um sorriso largo. ―Uma bandeira!‖ Depois de nós deixarmos a areia movediça, eu perdi o contado com a realidade. Os pensamentos de Levi, Dink e Nick surge em minha cabeça como um demônio de carrossel. Titus nos leva até a bandeira para que ele possa removê-la e amarrar em torno dos seus bíceps. É tudo o que eu posso fazer para me manter caminhando. Colocar meu corpo para frente. Godzilla anda atrás de mim. De estante em estante ele toca a parte inferior das minhas costas. Eu não estou certa do por que. Eu não estou pensando claramente. Eu apenas sei que é a única coisa que me faz lembrar-se da onde eu estou, e que isso é real. E que Titus realmente matou um dos seus. Madox mantém-se próximo a mim. Ela olha para mim, e levanta as orelhas quando acha que vou reconhecê-la. Mas eu não vou. Eu não posso nem mesmo sentir as dores que eu estava sentido nos meus músculos. É como se meu corpo inteiro estivesse entorpecido. Quando a noite chega e Titus finalmente para, tudo que eu posso pensar é sobre uma pessoa: Guy. Onde ele está agora. O que ele está fazendo. Se ele está me procurando.


Ele está perto de salvar seu primo. Então eu não tenho certeza disso, especialmente agora. Todavia, eu tenho que acreditar que rolou entre nós não foi apenas circunstancial. Que embora ele se preocupe com a família, ele não iria me deixar aqui com Titus. Eu tenho que acreditar. Titus envia seu urso para procurar comida para o jantar e seus rapazes para construir uma fogueira. Acontece que Godzilla costumava ser um escoteiro, e sabe como fazer essas coisas. Ele leva certa de oitenta e sete tentativas, para finalmente ele obter uma faísca com sua lâmina, uma rocha escura e um punhado de musgo.

―FOGO!‖ Titus rosna risonho. Eu não tenho ideia do que é tão engraçado, e eu não tenho ideia do porque desses idiotas estarem o seguindo, tão cegamente. ―Você sabe Tella.‖ Titus diz. ―Eu nunca fui um grande fã de fogo antes. Eu era horrível com isso, para falar a verdade. Eu digo-lhe uma coisa: eu aprendi a respeita-lo. Mas, a água? Isso é algo que eu sempre amei. Meu velho disse que eu nasci com barbatanas. Disse mesmo quando eu era uma criança, eu fui para o mar como um tubarão. Tubarão martelo é como ele me chamava. Porque um tubarão martelo é um tipo de tubarão, e ele disse que eu não estava interessado em ouvir, só em provocar sons.‖ Ele bate na cabeça com o punho fechado. ―Cabeça-dura, eu suponho.‖ Eu tento fingir que estou ouvindo. Que eu estou prestando atenção. Mas isso é como manter uma facada quando tudo que eu quero é envolver minhas mãos em seu pescoço. Titus desenrosca seu cantil e bebe por alguns segundos. Os caras ao meu redor também. Mas eu recuso quando me pergunta se eu quero. ―Aqui.‖ Ele diz, oferecendo o cantil. ―Tem que beber. Nós podemos. deixar a sua para amanhã.‖ Eu bebo como um animal selvagem, até que acaba. Titus não me interrompe.


―Veja, todo mundo ama mais a água. Você acabou de ser lembrada por isso.‖ Um sorriso surge em seus lábios e minhas entranhas batem. ―Vamos, dormir, vamos?‖ Eu assenti. Titus se mexeu e sentou perto de mim. Os rapazes ficam perto da fogueira, longe de nós. Eu roubei o olhar de Godzilla – descobrir eu seu nome é Braun, com um porquinho cor-de-rosa ao seu lado. Eu suponho ser uma daquelas Pandoras que eles roubaram de outros candidatos, mas eu fui equivocada. Porque Braun mantém seu olho no porquinho como eu mantenho o meu em Madox.

É uma visão engraçada: ver um cara grande como Braun preocupado com um porquinho. Embora ela se sinta anormal, eu sorri pelo canto da boca, e ele sorriu de volta. ―Você está rindo de que?‖ Titus pergunta. Eu giro minha cabeça e meu sorriso acaba. Ele está me vigiando como Guy fazia. Com questões persistentes. Mas ao contrário de Guy, ele não tem medo de perguntar. ―Você gosta do fogo?‖ Eu assinto, e corro minhas mãos para Madox, que está enrolada em meu colo. Agora, que ela está perto de mim, eu sinto-me melhor. Embora eu não esteja tão segura com Titus por perto. Olhando minha pequena raposa, eu sinto-me surpresa de como ela não fez nada para me afastar de Titus. Eu suponho que seja porque ninguém está tentando me prejudicar, que eles apenas querem que eu me junte a eles. ―Por que você quer que eu me junte ao grupo?‖ eu pergunto, de repente. Titus vira a cabeça, surpreso com minha pergunta. ―Dificilmente grupo a partir de hoje.‖ Ele responde risonho. ―Nós só somos sete, contando com você.‖ Meu rosto mostrou reviravolta, porque ele tossiu em sua mão e diz.


―Piada de mão gosto.‖ Eu estou surpresa que Titus está consciente que ele está errado. É como se ele fosse suas pessoas ao mesmo tempo: a primeira racional e inteligente e a outra que age sem pensar, cruelmente. Olhando-o novamente, eu me espanto se ele sabe sobre Brimstone Bleed, o caminho que Guy faz. Eu considero perguntá-lo. Mas eu decido que não. Eu não acho que ele saiba, e eu não quero acabar revelando que eu sei que é apenas alguns pedaços de uma história que eu não entendo. Eu respiro e inalo fumaça. Por um momento, ela me trás de volta para casa com meus parentes. ―Você lembra-se daquela noite depois que nossas Pandoras entraram em conflito?‖ Eu não chamaria de conflito, mas eu decidir concordar.

―Você não gostou da formar que minha pandora comeu, ou algo parecido.‖ Ele sorriu para mim como se fossemos casados há dez anos nos lembrando de nosso primeiro beijo. ―Você realmente surtou com isso. Você entrou no meu rosto. E eu estava assistindo você ficar chatiada com tudo. Eu disse a mim mesmo: Há uma garota que tem fogo. Com que sua Pandora dela, ela apenas vencer esta coisa‖ Titus lambe o dedo e esfrega uma mancha na sua bota. ―Quando eu vi sua raposa lutando e mudando como faz, eu pensei que ela era a melhor Pandora que existia. Mas eu imaginei que você não seria forte o suficiente para vencer a corrida, mesmo com esse animal. Depois eu vi aquela noite, embora, havia medo e raiva em seus olhos e uma pequena pena em sua cabeça.‖ Ele pausa e toca em minha pena. Eu tento não ficar com medo. ―Eu sabia que eu tinha que compartilhar com você. Que eu tinha que...‖ Titus olha para meus lábios e se aproxima. ―Que eu tinha que ser com você.‖ Ele se inclina e um milhão de pensamentos surge em minha mente. Coisas como:


Posso deixa-lo me beijar, para ele acreditar que não sou uma ameaça? Eu devo arranha-lo? Iria ser como os lábios de Guy? Guy. ―Ei, Titus.‖ Eu ouço alguém dizer. Titus suspira alto e dá um olhar mortal para quem falou - Braun. ―Só queria que você soubesse que AK-7 voltou com o jantar.‖ Titus dá um forte suspiro e gira seu pulso. ―Então, depois traga esse urso gordo aqui.‖ Eu expirei e enrolei-me em mim mesma com alívio. Eu quase beijei a pessoa que eu quero matar. Dentro da minha cabeça, eu grito.


CAPÍTULO TRINTA E QUATRO Eu ainda estou me recuperando do meu quase beijo com um assassino quando Braun retornou. Os enormes rapazes tem a Pandora de Titus em seu calcanhar. Entre as mandíbulas do urso, está um cachorro. Titus aplaude com as mãos e diz que nós vamos comer como reis, que isso não era nada mal. Eu recuo e olho para longe. Não importa o quanto tempo está corrida avança, eu nunca vou me acostumar a ver comida desse jeito. Quando eu voltar para casa, eu nunca vou começar carne de novo. Vegetariana no busto. Depois dos garotos limparem e cozinharem o animal, eles ofertaram a Titus e a mim uma generosa porção. Eu imagino, que se eu fechar os olhos e mastigar rapidamente, eu conseguirei. A refeição tem um gosto suave e duro, e tinha gosto de carne queimada. Quando eu termino de comer tudo o que eu forço, eu ofereço um pedaço para Madox. Minha raposa me olha se certificando de que eu estava satisfeita e pega a comida da minha mão e começa comer. ―Eu não posso acreditar que você faz isso.‖ Titus zombou. ―Alimentando essa coisa.‖ ―Eles tem fome, como nós.‖ Eu respondi, mantendo os olhos em Madox. ―Mas eles conseguem sobreviver sem.‖ ―Como você sabe‖ ―Olhe para meu urso.‖ Ele diz. ―Ele está do mesmo tamanho que semanas atrás. Ele não perdeu um grama. Eu, por outro lado, estou mais magro.‖ Olhando para Titus com músculos inchados e grande corpo, eu acho difícil acreditar que ele perdeu peso. Mas seu rosto parece mais magro do que na selva. E minhas cinturas e quadris tinham se estreitado. Olhando Madox, eu percebo que ela parece está no mesmo tamanho. Mas quando eu olho ela comendo, eu sei que ela está feliz.


―Eles gostam de comer, caso o contrário, seu urso não teria comido um coelho na selva.‖ Titus ri e aponta os dedos para mim. ―Veja, você mesmo sabe que tipo de animal era. Você lembra-se do momento.‖ Reviro os olhos, eu levanto. Eu não tenho certeza se o que eu estou preste a fazer é urinar, mas uma vez que eu decido fazer isso eu não posso parar. Eu pego um pedaço de carne e jogo em direção às Pandoras, dando um pedaço a cada um. Eles se afastam e se recusam a comerem. Mas isso é bom, porque eu estou fazendo mais uma declaração. Essas criaturas nos ajudam, e nós precisamos tratá-las com repeito. Eu ofereço um pedaço a Braun e ele dá ao seu porco, enquanto mantém o olho em Titus. Eu vou até AK-7. O urso está sentado no chão, com suas patas na areia. Eu passo mais perto dele, e meu coração palpita. Fora de todas as Pandoras, ele é o único que eu tenho medo. Esse é o animal de Titus e não há como dizer se ele foi bem treinado. Eu levanto minha mão e o urso recolhe como se eu fosse batê-lo. Quando eu o vejo puxar para trás, meu peito dói. Eu me ajoelho em frente ao urso, com Madox atrás de mim. ―Aqui.‖ Eu falo, jogando o pedaço de carne. ―Fique longe de minha Pandora, Tella.‖ Titus diz, devagar e calmamente. ―Pode ser que funcione com os outros, mas comigo não.‖ O urso observa Titus, falando sobre meu ombro, seus olhos mudando entre nós dois. Eu jogo a carne entre suas pernas e saio. A criatura olha para baixo onde estava a comida, e depois para mim com descrença. Mas que não pode ser. Pode? ―Não coma, AK-7. Você pode caçar por si mesmo se estiver com fome.‖ Titus diz. Eu giro em torno dos meus ombros.


―Deixe-o comer se ele quiser. Deus, Titus. Pelo menos uma vez seja um humano e tenha alguma compaixão.‖

Os olhos de Titus se arregalaram como se ele estivesse surpreso com o que eu disse. Mas depois seu rosto mudou, escurecei. Ele pulou com seus pés e correu para frente. Eu agachei, esperando que ele me atacasse. Mas ele voa passando e bate no pedaço de carne que está na pata do urso. ―Eu disse a você: não.‖ Titus gritou na cara do urso. Toda a minha raiva que eu tenho dele aparece. Antes que eu pudesse pensar eu empurro Titus com toda a força que eu tenho. Ele tropeça na perca do urso, e caí no chão. Através do fogo, eu vejo Braun se levantar. Os outros caros também, esperando ver o que aconteceu. ―Não grite com ele.‖ Eu berro. ―Grite comigo se você está tão chateado.‖ Eu estufei meu peito ―Grite comigo.”. Titus se levanta e chuta a perna do urso para fora do caminho. O urso corre para trás e abaixa a cabeça. Eu me preparo para uma luta, mas Titus apenas sorri. ―Vê o que eu quero dizer?‖ ele ruge. ―Esse é o fogo que eu tenho falado sobre!‖ Na agitação, ele atravessa a distancia entre nós e bate a boca sobre a minha. Eu coloco minha mão contra sua testa e empurro como eu fiz antes, na selva. Mas dessa vez ele não se move. Sua língua desliza sobre meus lábios, e um grito sai pela minha garganta. Agarrando nas minhas costas, ele me puxa para mais perto até que eu o sinto pressionar contra minha virilha. Porque eu não consigo empurra-lo para longe, eu venho com outro plano. Eu estou indo morder sua língua. Eu sinto a mancha molhada dele contra minha boca, e desta vez, eu abro meus lábios com grande acesso. Titus geme. ―O dispositivo.‖ Alguém diz. ―O dispositivo está piscando.‖


Titus vai para longe de mim, respirando com dificuldade. Ele limpa a boca com a parte de trás de sua mão, completamente inconsciente do quão perto chegou a perder a língua. Um sorriso vem no seu rosto, e eu tento fingir que não foi a pior coisa do mundo.

Não mostrar o meu horror. Não dar impressão que eu vou fugir. Esta Noite. O rapaz caminha para nosso lado do acampamento segurando seu dispositivo como prova. Quando eu olho para longe de Titus, eu me surpreendo de encontrar Braun tão próximo, com raiva em seu rosto. Seu porco está ao seu lado, roncando e levantando o nariz para o ar. Ele estava próximo para me ajudar novamente? Eu penso. Há algo nos olhos de Braun que me chama a atenção como ninguém. Até agora, ele já fez duas coisas para me ajudar: Ele me segurou quando Titus estava matando Nick, e ele interrompeu o beijo de Titus. Eu penso que outra coisa ele poderia fazer. Eu me assusto quando vejo um segundo porco nas proximidades. É idêntico ao de Braun, mas tem olhos verdes esmeralda. Se Braun não estava disposto a me ajudar, Madox estava. Eu quase ri vendo minha raposa como um porco. Quase. Titus pega seu dispositivo do bolso e coloca no ouvido. O resto dos rapazes fez o mesmo. ―Dê-me o meu.‖ Eu digo. Titus aperta um botão vermelho e escuta. ―Dê-me o meu dispositivo‖ eu repito mais alto. Ele segura sua mão para cima e faz uma cara como se quisesse dizer que eu sou chata. Mas ele não faz ideia da quão chata eu posso me tornar se eu não conseguir o meu dispositivo. Eu paro para escutar quando eu noto o rosto de Titus mudar. A maneira que seus olhos se arregalaram e sua boca se abre.


―O que foi?‖ eu pergunto ―O que ela está dizendo?‖. Os outros quatros rapazes se juntaram a Titus, Braun e eu. Eles olham as Pandoras roubadas. E eles olham para Madox. Uma salva de palma de medo me atinge e eu me movo para frente de minha raposa/porco. O rapaz com pernas longas e grandes ombros puxa seu canivete e manuseia a faca.

―Agora se segurem.‖ Titus diz. ―Nós vamos fazer isso com muita calma.‖ Mas não existia calma na maneira que o Perna Longa vai em direção a Pandora. E agora os rapazes atrás de mim também puxaram seus canivetes. ―O que está acontecendo, Titus?‖ Eu pego minha faca, que, naturalmente, não está lá. ―O que eles estão fazendo?‖ ―Eu disse esperem.‖ Titus vocifera. Os rapazes parecem que não escutaram. Pernas Longas solta um grito estrangulado e corre em direção as Pandoras. Ele se move rapidamente, tão rapidamente que loucura brilha em seu rosto como fogo. Em dois movimentos calculados, ele puxa sua faca no ar e em seguida dirige-a em direção a barriga de uma Pandora. A Pandora, uma lhama, chora de dor e trota em círculos, com sangue escorrendo na areia. Atrás do Pernas Longas, outro cara entra em ação. Joga um dardo em direção as criaturas. Mas desta vez, as Pandoras sabem o que vai acontecer. Eles saltam para a noite fria, com as asas batendo, cascos batendo. Eu quase grito de alegria quando a águia de Harper voa no ar e desaparece. Os rapazes perseguem as Pandoras e Titus grita. ―Eu disse para amarra-los.‖ Ele grita. ―Noite maldita. Amarrem as Pandoras de comer. Quão difícil é fazer isso?‖ Titus grita, com as mãos em cima do cabelo. ―Agora o que vamos fazer? O que vamos fazer?‖


Momentos depois, os garotos retornaram. Eles se curvam para recuperar o fôlego enquanto eu tento descobrir o porquê deles estarem matando as Pandoras. Mas eles não estão tentando machucar todas as Pandoras. Apenas as roubadas. Agora tudo o que resta são as nossas. Lentamente, Pernas Longas levanta sua cabeça. Seus olhos foram para somente uma deitada no chão. Meus músculos se apertam quando eu percebo qual é. Eu pensei que todas as Pandoras roubadas tinham fugido. Mas eu estava errada.

Há apenas uma. O carneiro de Levi. Instintivamente, eu salto nessa direção, implorando silenciosamente a Madox para me seguir. Minha Pandora permanece ao meu lado quando eu me coloco em frente ao G-6. ―Eu não sei o que está acontecendo.‖ Eu rosno. ―Mas você não vai tocar nessa criatura.‖ Braun se move em direção a mim, e eu levanto meu dedo em sua direção. ―Eu pedirei a minha Pandora para mudar. Ela pode imitar qualquer coisa que sua Pandora fazer. E ela matará você. Se machucar esse carneiro, você terá que me machucar. E depois minha raposa machucará você.‖ Eu seguro minhas duas mãos na minha frente, na esperança de eu está certa. ―Tella‖ Titus me chama como se eu tivesse perdido minha cabeça. ―Não seja irracional. Existem seis contra você, e nós temos Pandoras. Nós podemos passar por você. E nós podemos passar por isto.‖ Ele aponta em direção à Madox. Eu quase grito quando eu bola de pelos cinza rola ao lado de minha bota e vai até a luz do fogo. Todos pararam e olharam para baixo. Titus coçou sua cabeça. ―O que inferno foi isso?‖ ele disse. A bola de pelos cinza de desfaz e atiras espinhas para fora de sua pele. ―É minha Pandora, babaca.‖ Ransom diz, bloqueando minha vista. ―E a garota está certa. Você não vai matar esse carneiro. Só por cima do meu cadáver.‖


Quando eu vejo Ransom tão perto, a faca em sua mão e a determinação em seu rosto, meu coração palpita. Meu plano era fugir essa noite enquanto os rapazes dormiam. Mas agora é ainda melhor. Eu chego mais perto e Ransom e nós nos olhamos. Não é muito, mas é o suficiente para saber que nós estamos do mesmo lado da linha. Que nós vamos pegar a ovelha de Levi e dar o fora daqui. ―Você é louco se pensar que você vai sair com essa pandora.‖ Pernas Longas disse. ―Você está louco se você pensa que eu não posso.‖ Ransom responde.

―Pelo amor de Deus, podemos parar de fazer essas ameaças ridículas.‖ Titus sorri como se essa fosse a sua maior diversão do ano. ―Não vão conseguir nada com essas piadas‖ Os rapazes riem. Eu penso se isso tem como o objetivo é ferir Ransom, mas eles parecem muito interessados em DN-99, um pequeno guaxinim. Um cara persegue a Pandora ao redor da fogueira, e em um piscar de olhos, DN-99 cava uma toca dentro da areia e desaparece. A criatura reaparece segundos depois em baixo dos pés do cara. Espinhos saem das costas da Pandora e entram em suas botas. O cara berra de dor e cai na areia. Ele tira suas botas e verifica o dano. Ao ver isso, os outros caras começaram a se agitar. Eles observaram o guaxinim desaparecer mais uma vez. E depois eles esperaram. DN-99 salta do chão sobre o pé de outro cara, e ele cai. ―Ele é como uma mina terrestre.‖ Eu digo a Ransom. ―Claro que é.‖ Ransom sorri em minha direção, e eu estou tão feliz que quase não vejo um terceiro cara em minha direção. Felizmente Madox vê. Pare-o! Eu penso, embora eu não tenha ideia de como Madox ouviria. Minha raposa, vestida de porco, aparece em minha frente e ronca insistentemente.


Surpreendentemente, o cara para, com uma faca na mão suspendida no ar. Ele encontra os olhos do porco, e quando ele faz, uma expressa de vazio enche seu rosto. Depois ele abaixa a faca e aponta para o seu próprio queixo. Apesar de que o garoto não parece entender o que esta acontecendo, todo o seu corpo treme com medo. A faca cava em seu pescoço e um pingo de sangue escapa da ferida. Entendendo o que está acontecendo, eu olho para Madox. ―Madox pare.‖

Minha Pandora se afasta e eu me afasto com ela. Quando Madox quebra o contato visual, o garoto sacode a cabeça, confuso. É legal ele não lembrar que um porco mexeu com a sua mente. Ouvindo um som de grito, eu viro. O garoto sem botas está tentando atacar Madox. Mas minha Pandora é mais rápida que ele. Eu pulo nas costas do cara e enfio meus dedos em seus olhos. O cara uiva de dor; Meu ataque finaliza cedo quando um par de mãos aparece na minha cintura e me puxa para o chão. O cara que me agrediu jogou obstáculos em minha direção e começou a perseguir Madox. Em toda parte eu vejo a mesma coisa acontecendo. Titus está tentando matar a Pandora de Braun, e Braun está tentando lutar com ele. Mais dois caras começam a perseguir Madox, uma segura às duas mãos e o outro os dois pés. Um quinto garoto é corre atrás do guaxinim, e a última pessoa luta com Ransom a respeito de G-6. Com toda a adrenalina cursando em minhas veias, eu me agarro no braço do cara e luto com sua faça. Por um momento, eu estou lutando por a lâmina, depois eu me lembro de que eu tinha um moletom verde que tinha uma frase que dizia: Garotas não lutam, elas se mostram. Eu estou pensando se ela ainda está no meu closet quando o garoto aparece do lado da minha cabeça. O mundo fica embaçado.


Quando eu abro meus olhos, eu noto que Ransom tem repelido os ataques. Ele tem uma mão ao redor do atacante do G-6 e seu guaxinim ao seu lado. Todos os três preparados para recuarem. Mas há um problema. Eu. Ransom inclina a cabeça e um olhar triste atravessa seu rosto. Eu sei o que ele está pensando.

Ele veio para resgatar a Pandora do seu irmão. Depois ele está aqui por sua irmã. Ele também sabe que se ele se ele ficar, ele também está sacrificando sua irmã. A garota que ama seu namorado e anéis divertidos. E seus irmãos. Um deles está morto. ―Vá.‖ Eu digo. Quando Ransom não se move, eu grito mais alto, com minha garganta queimando. ―Vá! Deixe-me aqui!‖ Ele dá alguns passos para trás, mas seu olhar é confuso. ―Deus, Ransom. Saia desse inferno.‖ Eu grito com convicção. Pois eu tenho um plano que não o envolve. ―Você está estragando tudo. VÁ!‖ Algo como um som de clique aparece na minha cabeça. Ele corre em direção ao deserto. Os caras vão atrás dele, mas eu me jogo no caminho. Eu chuto virilhas, mordo braços e tiro tudo que está no meu caminho. Eu tenho de tudo para atrasá-los. E eles, por sua vez, me agradecem com golpes pesados. Mas não tão pesados, pois Titus está observando. ―Pare.‖ Pernas Longas diz. ―O cara se foi. Ele foi embora.‖ ―Poderia ter previsto isso.‖ Titus ajeita sua camisa, despreocupado. ―É isso que acontece quando não há estrutura.‖ Ele olha para seus rapazes. ―Completo idiotas, a mulher disse que temos que...‖ ele interrompeu. ―Nós sabemos o que ela disse.‖ Ele continuou. Pernas Longas olha para Madox, com seus lábios curvados para trás.


―Estou indo mudar o dispositivo. O resto você faz.‖ ―Eu acho que não‖ outro garoto vocifera. ―Nós não estamos indo lutar com os outros enquanto você luta com a garota.‖ ―Eu sempre recebo a menor porção de comida. Eu sou o que menos reclama.‖ Minha adrenalina lentamente se revela para o que está acontecendo, medo. Por que eu fui mandar o Ransom ir embora? O que eu estava pensando? Esperando que eles não notem, eu dou um pequeno passo para trás. Se eu conseguir obter uma vantagem enquanto eles brigam, talvez eu possa escapar. Eu dou outro passo, e depois outro. As vozes deles aumentam e vem em direção a mim. Então Titus vem em minha direção, e me agarra e minha Madox também. ―Fiquem aqui, eu vou esclarecer algo com essa garotinha.‖ Ele diz. Ele puxa uma faca de seu cinto, e aponta nas minhas costas, e me arrasta pelo deserto. Titus me obriga a viajar rapidamente, quase como uma corrida. Titus não me quer morta. Ele quer que eu o acompanhe nesta corrida. Titus não me quer morta. Abaixo de mim, eu posso ouvir Madox choramingando. Eu sei que tenho que fazer alguma coisa para ajuda-la, mas é arriscado tentar alguma coisa quando se tem uma faca pressionada nas suas costas. ―Eu sei que você entendeu o que eu quis dizer.‖ Ele assobiou. ―Isso só funciona se você está sozinha. Esses idiotas não sabem como encontrar a cura.‖ Ele disse. ―você vai ver que isso é o melhor. Apenas eu e você, Tella. Apenas eu e minha garota.‖ Eu escuto algo. Um som rítmico. A faca de Titus de afasta das minhas costas.


Em seguida, o fogo inunda minha visão. Um leão. E Guy, com vingança queimando em seus olhos. Titus grita e chama por seu Pandora para ajudá-lo. Eu agarro minha raposa e puxo-a para longe. No escuro, eu ouço seu urso rugir. ―Guy?‖ eu pergunto, colocando Madox para baixo. ―Tella, você tem que correr. O acampamento está do lado das pedras. Eu sei que...‖ ele pausa. ―Você já matou uma? Digo uma pandora?‖ ―Por que eu faria?‖ Mas, independente da pergunta, eu sei. ―é uma exigência para entrar no acampamento. Para continuar a corrida. Ok, vamos conseguir alguma pra você. Mas agora, eu preciso que você vá. Os caras estão seguindo Titus. E eu tenho que mantê-los fora.‖ ―Eu não posso deixar você‖ eu digo. ―Sim, você vai. Se você ficar, eu vou ficar muito preocupado para me defender. E eu vou me machucar. Você quer isso?‖ ―Tella, você tem que responder. Eu não consigo te ver.‖ ―Não.‖ Eu respondo. ―Eu não quero que você se machuque. Mas eu também não quero te deixar de novo.‖ Isso é uma corrida. O que se Guy estiver escolhendo entre mim e seu primo? Cody. Meu coração está palpitando e eu não sei o que fazer. Ir ou não ir. Quando nossas bocas se encontram, meu corpo explode de prazer. Eu não quero deixar ele ir. E eu quero logo saber o porque. Eu ouço passos se aproximando, e eu percebo que o tempo está acabando. ―Vá! AGORA‖ Guy grita.


―Prometa que vai me encontrar.‖ Eu digo. ―Você é que vai me encontrar. Agora corra.‖ Eu corro pelo deserto com Madox do meu lado, meu coração palpitando a cada passo. Atrás de mim, eu posso ouvir os sons de um leão e um urso numa batalha.


CAPÍTULO TRINTA E CINCO Quando eu acordo, meu corpo se sente quebrado. Como se talvez eu engolisse vidro, me acende em fogo, e pulei de uma ponte. Embora não necessariamente nessa ordem. Alcançando a sua mão, encontro Madox e o puxo contra mim. Seu corpo se remexe de um lado para outro e suas orelhas pressionadas contra sua cabeça. Levantando-me, eu percebo que Guy ficaria decepcionado em como eu dormi - esparramada no meio da areia. Nenhum fogo. Sem folhagem como roupa de cama. Mas ontem à noite, eu não poderia ajudar. Quando Guy me disse para correr - eu corri. Corri até que eu não podia sentir minhas pernas. Até que eu tinha certeza de que meus pulmões iriam implodir. E então eu desmoronei. Meus olhos queimam conforme eu penso sobre Guy. Sobre como ele me salvou de Titus. E como ele assumiu o resto do pessoal uma vez eu fugi. Embora eu saiba que ele está certo, que eu podia ter ficado no caminho, eu me sinto enojada de mim mesma por deixá-lo, mesmo que fosse por Cody. Quando eu penso sobre como ele pode estar de volta lá, machucando, é tudo que eu posso fazer para não gritar. "Talvez devêssemos voltar," eu digo para Madox. Embora eu saiba que ele não me entende, os grunhidos da minha raposa é como se eu fosse louca. E talvez eu esteja, porque eu estou vendo uma luz faiscante que não pode ser real. Pressionando uma mão plana contra a minha testa para proteger os olhos, olho mais de perto. Lá de novo. Uma rápida faísca - faísca, faísca - faísca. Quando Madox inclina a cabeça na direção da luz, eu sei que não é uma miragem. Em pé - quase dobro de dor e desidratação - eu me movo na direção do brilho. Tento imaginar o que estou vendo e decidir se deve ser um concorrente. E que talvez seja o brilho de uma faca no sol. Ou até mesmo um cantil.


Encontrar alguém com um cantil é mais do que motivação suficiente para começar a caminhada, mas depois me lembro de outra coisa. Algo que Olivia disse no início da corrida no deserto: Esse cantil poderia ser usado como um sinal para o outro. Isso não seria legal? Uma vez que a semente da esperança é plantada, ela começa a crescer. E crescer. E crescer, até que as pernas debaixo de mim começam a se mover mais rápido. Poderia ser um dos candidatos do meu grupo? Eles se lembram o que Olivia disse, como eu faço? Logo, eu estou correndo em direção à luz brilhando, minhas botas levantando nuvens de areia. Madox trotando ao meu lado, mandíbula escancarada conforme ele ofega. Por favor não pare, eu oro. Mantenha se mostrando onde você está. Enfim, depois de correr pelo que parece como uma meia hora, eu chego sobre uma árvore. É uma das maiores que eu já vi no deserto. E realmente tem folhas que crescem verde sob o sol escaldante. Sob o galho da árvore, vejo alguém encostado no tronco. Eu abrando o meu ritmo e me desloco furtivamente em direção a eles. Estou a céu aberto e não há nenhuma maneira de eu vê-los - escondidos pela sombra - antes que me veja. Mas eu não posso ter medo. Então eu respiro, permaneço elevada, e caminho em direção a eles. Enquanto eu não posso ver como a pessoa se parece, eu posso identificar o momento que eles se viram em minha direção e se endireitam. "Eu vou ser condenada," uma voz feminina grasna. "É Dorothy e seu pequeno cão, também." Eu não preciso ouvir mais do que isso. E eu não preciso ver a pessoa. Eu sei exatamente quem isso é. "Esta menina e seu cachorro está vindo salvar o seu traseiro," digo a Harper. "Graças a Deus que você está bem." Ela pende a cabeça e suspira pesadamente. "Eu não sabia o que Titus iria fazer com você." "Sim, eu estou bem. E Titus não fez muito,‖ eu digo a ela conforme eu me estatelo para baixo. "Só psicopata algumas vezes antes de Guy chegar lá." Eu


reprimo de contar a ela sobre Nick, sobre o fato de que Titus se mudou de categoria trepadeira para assassino. "Então Guy fez." Há um olhar de tristeza em seus olhos, e eu quero dizer a ela que está tudo bem. Mas eu não. Porque a verdade é que estou um pouco curiosa para saber por que eles não vieram. Então eu só olho ela nos olhos e aceno a cabeça. "E Titus?" ela pede. "Ele ainda está -" "Sim," eu respondo, olhando por cima do meu ombro. "Eu ainda acho que aquela aberração está lá fora." Ela se inclina para mim, um novo olhar em seu rosto. "Você tem qualquer água?" Eu balanço minha cabeça. "Supondo que você não fez isso, também." Harper pressiona os lábios de frustração. Eu tomo isso como um não. Eu olho para ela de cima a baixo e decido que é hora de enfrentar o óbvio. Que ela não está usando uma camisa. Apenas sentada debaixo de uma árvore em seu sutiã rosa. "Indo para as raias mais tarde?" Eu estou brincando com ela, mas tudo o que eu quero fazer é apertar ela em um abraço e nunca deixar ir. Titus fez parecer que ela estava morta. Mas eu tinha certeza que ela não estava. Não Harper. Não a garota que eu vi lutar como um gladiador. Ao encontrá-la aqui, por mais impossível que pareça, é um golpe de sorte que eu não vou questionar. Minha amiga puxa o braço para cima e vejo uma camisa branca enrolada em seu antebraço direito. Esta manchada com sangue. Eu suspiro, e depois chego para inspecionar sua ferida. Ela puxa o braço de volta contra ela antes que eu possa tentar ajudar. "Desde quando os meninos nos atacaram?" Eu peço. Ela acena com a cabeça. "Da noite que Dink morreu." Forma-se um nó na minha garganta. Um que eu não consigo engolir. "Ele era uma Pandora. O tempo todo, ele era um Pandora."


"Sim," ela diz. "Guy nos disse o que ele fez. Eu não o culpo. Algo estava errado com o menino. Os criadores foram longe demais. Tentando fazer uma Pandora parecer e funcionar como um ser humano? É nojento." "Caroline?" Eu pergunto. "Depois que lutamos contra os gatilhos, e ela o viu..." Harper balança a cabeça. "Ela estava inconsolável. Quero dizer, nós poderíamos dizer que ela sabia que ele era uma Pandora. Ele deve ter chocado a partir do ovo que ela escolheu, pelo amor de Deus. Mas eu acho que ela começou a pensar nele como seu filho ou algo assim. Talvez seja por isso que ela nunca nos contou." Eu corro uma mão sobre meus cachos, que cresceram mais desde o início da corrida. "Onde ela está? Onde estão todos?" "Caroline decolou. Não deixava ninguém segui-la. Depois Guy saiu, dizendo que ia encontrar você, que ele não poderia ter o resto de nós retardando ele." Harper lambe os lábios secos, rachados. "Acho que ele realmente soube que Olivia estava ruim. Mas tudo bem. Ela tem Jaxon, que atua como seu maldito pai. É por isso que eu tive que sair. Eu não poderia estar em torno disso. Não só." Eu zero sobre o fato de que Guy queria me encontrar por conta própria. Insistiu sobre isso. Isso me faz sentir melhor sobre os outros não vieram atrás de mim. Quer dizer, eu sei que nós estamos aqui por nossas famílias e amigos em casa, mas pensando que eles iam me deixar com a dor dos meninos. Eu assisto Harper puxar para si mesma. Ela não queria me perguntar o que ela acha em não viajar com Jaxon. Então eu não sei. Em vez disso, eu me preparo para perguntar por que ela está aqui, debaixo desta árvore. Mas ela me bate com o soco. "Tella, o que você acha..." Ela faz uma pausa. "Você acha que você poderia me ajudar?" "Claro. Eu não vou te deixar. Eu nunca faria isso." Não como eu fiz com Guy é o que eu penso para mim mesma. Eu vou deslizar meu braço por baixo dela, mas ela me para. "Isso não é o que quero dizer." Harper se movimenta para longe e aponta para as formações rochosas, que agora estão apenas algumas centenas de


metros de distância. "Minha Pandora está lá em cima. Ouvi ela ontem à noite, piando. Eu conheço o som. Eu sei que é o seu som. Ela está presa lá de alguma forma e eu não posso subir e buscá-la." Ela levanta seu braço ferido como prova. Então ela olha para mim com tal desespero que meu estômago se agita. "Você poderia ir e levá-la para mim? Por favor, Tella?" Eu escuto Harper quando ela me pede para resgatar sua águia. Conforme ela explica que ela não vai ter a chance de ganhar sem ela. E que eu não sou tão estúpida por nomear minha Pandora, porque RX-13 é bastante impressionante. Guy disse que o acampamento base estava certo do outro lado das formações rochosas. Eu não tenho nenhuma idéia de como ele sabe disso, mas eu confio nele. E se isso significa que o acampamento base está tão perto que eu pudesse ter uma chance de chegar em primeiro lugar. Eu não posso saber com certeza, mas eu não vi quaisquer outros concorrentes passando nós. Não como eu fiz na selva. Cinco anos. Eu poderia dar a Cody cinco anos saudáveis. Se eu disser a Harper não - que eu estou aqui pelo o meu irmão - eu poderia mantê-lo vivo. Mas então eu me lembro de outra coisa que Guy me disse que eu tenho que matar uma Pandora para continuar a corrida. Meu estômago afunda apenas pensando em completar a tarefa. Eu decidir rapidamente ajudar a Harper, porque eu não posso ajudá-la. E porque a sua força vai ajudar quando chegar a hora para mim... Destruir... uma Pandora. Parte de mim quer perguntar se ela já matou uma. Mas agora ela está olhando para mim, esperando por uma resposta. Acenando, eu coloco minhas mãos em torno de seus braços. "Eu vou pegar sua águia. Você anda comigo até as formações e aguarda enquanto eu vou subir." O rosto de Harper reúne como se ela estivesse prestes a chorar. Mas, é claro, ela não faz. Ela apenas acena para mim longe como: Como você ousa me fazer emocional, e me arrastar a seus pés. Eu laço meu braço em torno da


cintura dela e novamente ela me empurra. "Eu não estou aleijada," diz ela. Depois mais calma, "Obrigado, Tella." Embora as formações estão perto, leva um tempo para chegar lá. Nós duas temos que parar muitas vezes; Harper por causa da dor no braço, e eu porque me sinto toda danificada. Mas eventualmente, em ritmo de caracol, chegamos. Harper bufa, e eu me pergunto o que ela está bufando aproximadamente. Ela acaricia a mão dela contra a pedra. "Não é tão grande de perto. Você acha que chegando mais perto, iria ficar maior. Mas acontece que não é tão alto." "Talvez eles parecessem tão grande de longe, porque não havia mais nada para se olhar," eu digo. Ela balança a cabeça como isso é verdade, mas posso dizer que ela está distraída. "Está tudo bem, Harper. Estarei cima e baixo rápido." Olhando para cima, eu imagino que eu acredito no que estou dizendo. A formação mais próxima não pode ser mais de quarenta metros de altura - o equivalente a um prédio de quatro andares. E eu me tornei bastante atleta ao longo das últimas semanas. Subir não deve ser problema. Mas olhando para Madox, eu percebo que eu vou ter que deixá-lo para trás. Eu sei que não vai demorar muito, mas ainda me deixa nervosa ir a qualquer lugar sem ele. "Você repare ele?" Eu peço. Harper envolve seus braços em volta da sua cintura delgada. "Claro. Basta ter cuidado." "Nah, eu vou intencionalmente tentar me matar." Eu agarro uma pedra e levo a minha bota para cima da primeira superfície plana que eu acho. Atrás de mim, eu sinto Harper escorregar algo no meu bolso de trás. ―Harper?‖ "Esse é o meu canivete," diz ela. "Eu afiei enquanto eu estava sentada lá a noite toda. Aposto que o seu é tão sem graça quanto uma faca de manteiga." Eu não lhe digo a verdade. Que eu perdi a minha faca para Tius. Acabei de chegar de novo, e me puxo para cima.


"Tella," Harper diz que de repente, em voz alta. "Harper," imito. "Estou escalando um objeto montanhoso, então você pode não gritar o meu nome?" "Eu quase não gritei." Embora eu não possa vê-la, eu sei que ela está revirando os olhos. ―E de qualquer forma, tudo o que eu ia dizer era que, enquanto você subir essa coisa, eu estou indo caminhar em torno. Depois você pode vir pelo o lado oposto e vamos economizar tempo." "Mas você não sabe como essa coisa é espesso." Eu grunhir como porco do Braun conforme eu encontro outro para pegar e subir mais alto. "E se a gente se separar?" "Eu não posso ficar aqui o dia todo." Harper não diz nada por um minuto. Quando finalmente ela fala de novo, ela diz, "Eu vou fazer isso. Vejo você do outro lado." Neste ponto, eu não estou prestes a discutir. Ou explicar como eu não matei uma Pandora. Tenho cerca de cinco metros do chão. Eu preciso deixar de falar e começar a se concentrar. Então eu faço isso. Eu olho para cima do lado da formação. Eu encho meus pulmões. E eu subo.


CAPÍTULO TRINTA E SEIS Eu quase tive uma parada cardíaca na hora que eu fiquei perto do topo da formação. Altura nunca foi um problema para mim, mas eu acho que isso foi antes de eu decidi ir escalar sem treinamento, com muito sono e uma desidratação grave. Passando minhas mãos sobre a borda, eu agarrei a um punho do tamanho de uma pedra e virei -me para o lado. Então eu deitei de costas e bufei como um fumante de um maço por dia. Eu decidi que eu poderia começar a fumar após essa coisa toda acabar. E qualquer outra droga recreativa que fosse ajudar-me a esquecer as coisas que eu vi. Pensando bem, as drogas deixariam tudo mais feio. Raspei isso. Comprometo-me a receber massagens semanais em vez disso. Depois de pegar a minha respiração, eu olho para os meus pés e percebo que a formação não é tão grande. É talvez do tamanho de cinco campos de futebol, mas com apenas cerca de trinta metros de diâmetro. Acima, o céu é uma sombra nítida de azul. E a partir daqui, o sol parece ainda maior, como se estivesse se preparando para engolir-me toda. Sinto cheiro de terra fresca e o cheiro fraco de metal. É refrescante, considerando-se a única coisa que eu senti o cheiro em dias foi BO. Abundância do meu. Super quente. Cuidadosamente, atravessei a distância para o outro lado da formação, e olhei para fora através do deserto. Uma onda de excitação correu pelo meu corpo. Lá, no horizonte, está o acampamento base. Tochas estão acesas em círculo e pequenas cabanas pontilham o interior. Meus olhos alargam quando noto grama verde crescendo dentro e ao redor do acampamento. Mas isso não pode ser possível, a menos que . . . E então eu descubro.


Água. Uma fina corrente passa entre as cabanas e passa pelo círculo de tochas. Minha garganta aperta só de pensar em ter um gosto, pelas últimas vinte e quatro horas, senti-me como se eu tivesse bolas de algodão empurrando em minha boca. E agora eu vejo tanta água. Estou tão perto, eu percebo. Talvez uma meia hora a pé. Quinze minutos se eu correr. Pisando mais perto da borda, eu olho de novo. Assim como eu suspeitava, eu não vejo ninguém andando em volta do acampamento. Claro, pode haver pessoas dentro das cabanas. Mas algo me diz que não há. Olhando para o lado do penhasco, eu me pergunto o quão rápido eu poderia ir para baixo. Eu poderia ganhar esta etapa. Estou tão perto, eu posso sentir o gosto. Meu coração afunda quando eu me lembro da promessa que fiz a Harper. Eu tenho que libertar a Pandora. E eu vou. Mas, então, eu vou pegar Madox e correr. Girando, eu vasculho a formação, em busca de RX- 13. Não demorou muito tempo para encontrá-la. A corda que estava amarrada ao seu redor da perna esquerda está emaranhada em alguma folha que cresce entre as pedras. Quando a águia me vê, ela grita e bate suas asas. "Está tudo bem, menina, " eu disse, inclinando-se sobre a Pandora. "Eu estou indo para soltá-la. " " Não, você não está ", diz uma voz atrás de mim. Eu fico ereta e arrepios correm ao longo dos meus braços. É ele . Pego a lâmina no bolso de trás, em seguida, viro lentamente ao redor.


Tito está a seis metros de distância, com o cabelo emaranhado de sangue, rosto inchado e machucado. "Nós vamos precisar da Pandora. " Eu apoio de modo que eu estou bloqueando a águia de Harper. Minha mente corre com surpresa, mas uma coisa permanece clara, eu não posso deixá-lo ferir RX - 13. Mas quando se trata de eu contra ele, eu não tenho certeza o que vou fazer. Ele está machucado, mas eu também, e ele facilmente pode bater em mim. " Fique longe dela. " Tito aponta a faca em direção si mesmo. " Nós não queremos machucá-la ainda. A menos que você esteja ansiosa para ir em frente . " " O que você está falando? " Eu rosno . Não adianta fingir mais. Odeio Tito. E é mais do que tempo que ele perceba isso. " Bem, cada um de nós tem que matar uma Pandora, que não é a nossa. Então, eu vou matar esse pássaro. E você vai matar o meu. " Ele aponta por cima do ombro , e eu vejo o seu urso de quatro a alguma distância. AK -7 sacode a cabeça como se fosse a primeira audiência deste plano que ele tem . Dor e raiva enchem os olhos escuros do animal, mas principalmente, o urso parece derrotado. " Eu tenho que te dizer, eu não tinha nada , mas boa sorte, uma vez que o otário me deu um soco na noite passada. " Tito sacudiu seus ombros. " Você sabe que eu poderia ter tomado ele, certo? Quero dizer, se ele tivesse lutado justo? " Ele balança a cabeça . "De qualquer forma, uma vez que os meus meninos, desculpe, meus ex- meninos: Guy os distraiu, eu fui em direção a essas rochas, e quando eu cheguei aqui ontem à noite , eu ouvi aquele pássaro fazendo uma raquete. Então eu esperei até a manhã seguinte para que eu pudesse ver, e eu arrastei minha bunda aqui. E lá " - ele gesticula em direção a RX- 13 - " estava uma Pandora apenas esperando para ser morta. " Tito morde o lábio inferior para esconder um sorriso. "Mas você sabe o quê?


As coisas ficaram ainda melhores de lá. Porque bem como eu estava prestes a fatiar a cabeça do pássaro fora, eu vi a seu amiga cadela abaixo daquela árvore. E então eu olhei para fora através do deserto, e você sabe quem eu vi? " Ele acena com a cabeça para mim e diz a palavra você. "Eu não podia acreditar que estava vindo me encontrar. " Eu lanço a faca na minha mão e pego-a de modo que as faces da lâmina ficam para baixo. "Eu não estava vindo para encontrá-lo, Tito. Prefiro saltar ao lado dessa coisa do que estar em qualquer lugar perto de você.‖ Ele inclina a cabeça e encolhe os ombros . "Isso é sempre uma opção. " Tito caminha em minha direção, com os braços estendidos como se estivesse indo para dar-me um abraço. É um show de segurança, mas eu não perco a faca ainda e seguro na palma da mão . Eu dou mais um passo para trás e ouço RX -13 gritar atrás de mim. Sem pensar, eu olho por cima do ombro para ver o que aconteceu. Foi um terrível movimento. Tito atravessa a distância entre nós . Ele me agarra ao redor do meio e enfia a faca no meu pescoço . "Sempre preocupada sobre esses animais malditos " , ele rosna , me empurrando contra ele. Ele me olha para cima e para baixo, em seguida, encontra meus olhos. "É o seu calcanhar de Aquiles, querida. Mas não se preocupe. Vou me certificar de que não entrem em nosso caminho. Somos parceiros, viu? Agora me dê a faca. " Rangendo os dentes, eu deixo-o roubar a lâmina da minha mão, assim que eu a solto, ele me gira na frente dele e aperta sua própria faca nas minhas costas . Flashbacks de ontem à noite me torturam . Eu não posso acreditar que estou na mesma posição novamente, Tito atrás de mim com uma arma no meu corpo . Mais uma vez . Ele me empurra em direção a AK -7, mas mantém o braço em volta da minha cintura. " Vamos acabar com isso . " Vendo-nos chegar, o urso levanta a cabeça.


Orelhas da criatura erguem, e ele começa a fazer o retorno. Mas Tito apenas se move mais rápido e grita : "Pare de se mover, AK- 7. Você ainda está de pé ." Tito me empurra por isso estou a centímetros de distância do urso. Eu posso sentir a respiração do urso pardo quente contra o meu rosto. A procura da Pandora no meu rosto, em seguida, olha para Tito nervosamente. Minha cabeça empurra para trás de repente e eu sinto a mão de Tito debaixo do meu pescoço. Ele aperta a boca contra a minha bochecha e diz: " Eu vou ajudá-la a ganhar, Tella . " Em seguida, ele coloca uma faca na minha mão e fecha o punho em torno dela. "Eu quero que você mergulhe isso no coração da minha Pandora. " AK- 7 dá empurrões para trás, e Tito me empurra para a frente para combinar os seus passos. Então, ele desliza para a outra faca nas minhas costas e pressiona contra a base do meu couro cabeludo. " Mate a minha Pandora, ou eu vou te matar . " Dez minutos atrás, eu tinha pensado que eu poderia ganhar. Que eu poderia chegar até o acampamento base primeiro. Mas agora eu percebo que não teria importância. Eu não tinha matado a Pandora. E eu não tenho certeza que eu posso agora. Ou nunca. Tito guia a minha mão em direção a sua Pandora, e as gotas de urso para baixo sobre as patas traseiras, como se ele já tivesse desistido. Eu abafo um soluço e olho para a grande besta antes de mim. Se Tito quebrou um animal poderoso, então como posso ter uma chance contra ele? Sentindo-o atrás de mim, eu sei que a minha única chance de escapar é fazer o que ele diz . Eu não quero machucar AK- 7, mas esse momento vai durar apenas alguns minutos, talvez segundos. E eu tenho que matar uma Pandora se eu quiser continuar na corrida. E se esta é a única chance que eu tenho? E se poupando o urso pardo, estou matando meu irmão?


Eu passo a faca lentamente em direção ao urso. Seus olhos se arregalam quando ele percebe o que eu vou fazer. Mas isso não me impede. Eu movo a faca mais perto com a minha mão trêmula, e o urso geme no fundo de sua garganta. Isso não me impede, tampouco. Mas quando eu faço a céu aberto feridas ao longo do estômago do animal, eu congelo. Pus e sangue sobre o focinho, e eu imagino que coisas que Tito fez para esta criatura. O animal que o protegeu, o animal que não pediu para nascer. Finalmente, penso em Cody, imaginando que ele está aqui me dizendo o que fazer . Eu levanto a faca na minha mão. A Pandora fecha os olhos . E eu dirijo a lâmina em linha reta na coxa de Tito. O grito que irrompe dele me choca até o meu núcleo, sinto ele cair no chão, e eu não hesito. Eu giro ao redor e corro em direção à águia. Leva mais tempo do que o esperado, mas eu sou finalmente capaz de puxar a perna da corda. No momento em que RX- 13 está livre, ela espalha suas asas e sobe para o céu. Ela lança um apelo selvagem e mergulha para o lado da formação . Correndo para a borda, eu procuro Harper. Ela está lá ! Oh, meu Deus . Eu posso vê-la ! " Harper ", eu grito . Ela saca a cabeça em minha direção, e quando ela vê sua águia, ela oferece seu braço ileso como uma vara. A Pandora aterrissa graciosamente. Eu esperava que ela me perguntasse o que está acontecendo. Dizer que ela ouviu alguém gritar. Mas ela não faz. Ela só olha para mim por um momento, olha para o acampamento base, e começa a correr em direção a ela . " Harper , não! " Eu grito em pânico. "Eu preciso de ajuda. Tito está aqui em cima. " Ela pára morta e gira ao redor. Embora ela já está longe, eu posso ver como a cabeça cai para um lado como se ela estivesse com dor. Inclinando o queixo para cima, ela grita: "É minha filha, Tella, minha filha. " E então ela se foi.


Minha mente entra em parafuso. Harper tem uma filha. Eu nunca imaginei, conhecê-la apenas como uma beleza adolescente feroz, que era possível . Mas é claro que é. Isso explica por que ela era tão estranha em torno de Jaxon e Olivia. E em torno de Caroline e Dink . Eles lembravam de sua própria filha. Eu a odeio por me deixar, mas eu não posso fingir entender como ela deve se sentir. Observando-a correr para o acampamento base, eu me pergunto se ela vai ser capaz de ir dentro, será que ela matou uma Pandora ? Então eu me lembro de algo que Tito disse enquanto debatia sobre resgatar Nick da areia movediça: Ele deixou a sua amiguinha com o pássaro matar sua Pandora. Minha amiga com o pássaro - Harper. Harper matou a Pandora de Nick. E agora ela é elegível para ganhar. Mas onde está Madox ? Eu começo a procurá-lo, mas eu ouço alguma coisa atrás de mim que exige minha atenção. Eu giro na ponta dos meus pés e encontro Tito em pé a centímetros de distância. Ele está pressionando para baixo em sua coxa com uma mão sobre a hemorragia e apontando sua faca para mim com a outra. "Eu vou matar você ", diz ele . E eu posso ver a fúria contorcendo seu rosto que ele pode estar certo. Que eu possa morrer hoje.


CAPÍTULO TRINTA E SETE Meu primeiro instinto é afastar-me da borda, caindo seria pior do que enfrentar Tito. Eu consegui dar alguns passos em direção a meio antes de sua palma aberta bater no meu rosto. O golpe faz com que tudo desapareça. Som. Cheiro, minha visão. Tudo se foi . Tudo o que resta são as rochas de escavação em minha bochecha. E depois tudo volta mais alto. Tito gritando. Tito fedendo . Tito em cima de mim com duas facas nas mãos. Eu misturo a minha lâmina, como eu não posso aceitar que ele tem ambas. Harper nunca teria sido espancada assim facilmente. Mas ela Se foi. E assim é com o Guy. E todos os outros junto com eles. Agora é só eu e ele. Eu não tenho chance, eu percebo. Eu não sou uma lutadora habilidosa. Eu não sou um gênio analítico que pode ser mais esperto que o meu adversário. Pelo menos não quando ele está pairando sobre mim. Eu sou apenas uma garota que adora comida roxa e grega com mani, pedis e cantar em sintonia. Uma menina que daria qualquer coisa para estar longe daqui e magicamente voltar a Boston, sair com sua melhor amiga, Hannah. Eu sou apenas uma menina que achava que poderia salvar o irmão. Tito levanta sua bota no ar, a mesma que ele matou Nick e leva-a para baixo no meu tornozelo. Eu grito em agonia enquanto o meu pé torce em uma direção anormal. Mas os meus gritos não o detém. Ele apenas balança a bota para fora e bate em minhas costelas. Eu tenho que ficar longe dele! Voltando para o meu estômago, eu me levanto e tento engatinhar, meu tornozelo danificado arrastando atrás de mim. Algo bate em minha bunda


e eu caio para fora na minha barriga. Mais rápido, Tella ! Adrenalina entra em ação, o desejo de sobreviver, apesar de todas as probabilidades. Eu giro ao redor e fico sobre os meus pés. Dor rasga através do meu corpo e quase me cega. Eu não tenho muito tempo para pensar antes de sentir o punho de Tito se conectar com o meu queixo. Por alguma razão, depois de todas as maneiras que ele me machucou, eu ainda não posso acreditar que ele me deu um soco. Me deu um soco. Eu sempre me perguntei o que sentiria. Ser golpeada no rosto. E agora eu sei . Alguma coisa sobre isso me faz rir. "O que diabos você está rindo? " Titus faz uma pausa isso deve intrigá-lo, ouvindo alguém rir enquanto está caída e machucada. Eu sorrio para ele do meu túmulo de pedra, sabendo que meus dentes são atados com sangue. " Você é tão patético. " Eu rio até doer meus lados, até lágrimas enchem meus olhos. E então eu avanço em suas pernas e mordo a carne. Tito uiva e traz o cotovelo para baixo na parte de trás do meu pescoço. Eu não me importo com a dor, porém. Estou histérica com adrenalina. Fora de mim com ela. Eu salto para os meus pés e mantenho meus punhos erguidos. Tito fica olhos em mim. "Deus, você é incrível, Tella . Uma menina cheia de surpresas. Se tivesse sido mais esperta sobre suas alianças . "Meu coração chuta mais rápido quando ele levanta a lâmina em sua mão direita. Eu não sei onde a outra está. Eu acho que no bolso de trás, se eu conseguir chegar a ela, então talvez eu tenha uma chance. Furiosa e com medo, eu mergulho em direção a ele, a minha mão em busca da segunda faca. Então eu paro em choque. Eu olho para baixo. Eu encontrei uma faca!


É aqui mesmo, enterrada no meu abdômen. Titus puxa a lâmina lentamente e cai para o chão . Por incrível que pareça, eu não senti nada. Acabei de olhar para a ferida e volto para ele com a maravilha de uma criança pequena. Os músculos do meu rosto relaxam, e todo o meu corpo fica dormente. Eu sei que deveria ficar quieta e não mover um centímetro, ele vai manter o sangue no tempo. Mas eu também sei que acabou para mim. E embora eu nunca tenha pensado sobre a minha morte antes, não realmente. Eu sei que eu quero morrer em meus pés. Eu me esforço para ficar em pé e Tito dá alguns passos para trás, como se ele não pudesse acreditar em seus olhos. Em seguida, seu rosto muda, volta com uma sinistra sombra. "Sua vontade de sobreviver era legal no começo, bebê ", diz ele . "Mas agora está ficando irritante. " Ele joga sua faca ensanguentada no chão. "Por mais que eu estou começando a odiar você, eu não tenho certeza de que posso matá-lo eu mesma. Mas eu posso deixar a gravidade fazer isso por mim. " Eu tropeço para trás, mas uma pausa como um pensamento que me ocorre. Eu não quero cair para a morte. Mas talvez se ele me empurrar para fora da borda, eu posso levá-lo junto. Dar aos outros contendores uma chance para terminar a corrida sem ele. . . lá fora. Tito corre em minha direção. Mas antes que ele possa atravessar a distância entre nós, algo que bloqueia seu caminho. Suas garras tem quatro centímetros de comprimento. Ele pesa mais de 400 kilos. E ele está se movendo em direção a Tito, um edifício rosnando terrível em sua garganta . " AK -7 , pare, para baixo ", diz ele , tentando pisar em torno do urso. Mas o urso cortá-o . "Eu disse, dê o fora do meu caminho. "


O urso se levanta sobre as patas traseiras. Suas ondas de volta, e ele lança um rugido que faz meu sangue correr frio. Ele está me protegendo, eu percebo. AK -7 está protegendo-me. Mal posso ver Tito atrás da besta, mas eu posso ver seu rosto, e no momento em que ele entende . Ele chega por trás de sua calça e retira a última faca. O outro ainda está no chão, longe demais para qualquer um de nós poder alcançá-lo . "Vamos lá, então! " Titus grita . " Venha para mim! " O urso cai sobre as quatro patas e vai em sua direção, e mesmo que pareça uma loucura, ele faz algo que me surpreende ainda, ele corre em direção ao urso. No último segundo, antes que eles colidam, Tito estabelece-se para fora como se estivesse mergulhando para base, ele desliza por baixo das pernas do urso e sai do outro lado, diretamente na minha frente. Maluco de pé, seu sangue jorrando pela coxa, ele agarra-me pelo pescoço e me arrasta em direção à borda. AK -7 ruge novamente, mas pára quando Tito enfia a faca debaixo do meu queixo. Meus pés todos, mas oscilam fora do lado da formação , e eu espremo os olhos fechados . É isso, eu acho. Meu último pensamento não é do meu irmão, ou o meu mãe ou pai. É de Guy. A forma como o seu rosto muda quando ele sorri. A forma que ele nunca quebra seus polegares malditos. Eu penso sobre o seu amor pelos jornais, como ele gosta do jeito que as páginas soam em suas mãos. E eu admito, pela primeira vez, que quando ele disse isso, eu imaginava um dia a gente sentados em uma mesa de café da manhã juntos, com meus chinelos de estampa de leopardo e Guy enrugando seu amado papel. Que estaríamos juntos . Longe da raça e do medo de perder aqueles que amamos. Uma brisa sopra em meu rosto e eu estalo os olhos abertos, esperando estar caindo . Para ser um batimento cardíaco tímido de morte. Mas eu não estou caindo.


E quando eu percebo o que eu estou vendo, todo o meu corpo treme com entusiasmo. É RX -13, voando a um metro de distância, suas asas batendo o quente ar do deserto. Mas então eu percebi que eu não estou muito certa. E eu rio em voz alta novamente quando eu noto os ardentes olhos verdes. Minha pequena Madox. Eu aperto a mão sobre a minha ferida, de repente, luto para me manter viva. Naquele exato momento, Tito bate a mão na minha boca. " Não pense que porque Olhos Verdes voltou, você vai viver ", Tito rosna.‖ Então, novamente, talvez você vai. Vamos ver ! Porquê não lhe dá um comando? Diga a ele para salvá-lo. E se ele não , vamos todos viver felizes para sempre. "Titus ruge com risos e aperta a mão com mais força . " Vá em frente , diga-lhe o que você precisa. " Que Tito não sabe que Madox não pode me entender. Que ele nunca entendeu. Mas, novamente, isso não é exatamente verdade, mais do que ninguém, a minha raposa tem me entendido. Ele sempre soube o que eu precisava sem eu dizer uma palavra. Com apenas um pensamento, que parece. Algo ferve dentro de mim. Ele me divide ao meio, me corrige de volta juntos. A lâmina calma mais de meu corpo, e pela primeira vez em dias, eu penso claramente. Eu olho para Madox, e eu falo diretamente com ele, usando apenas minha mente. Rasgue-lhe os olhos. Madox grita e mergulha em direção ao rosto, com as garras estendidas para Titus. Atrás de mim, meu captor gritou de dor. A faca debaixo do meu queixo cai fora e eu torço por aí. Madox está batendo as suas garras e rasgando o rosto dele. É como se a minha Pandora teve a mesma idéia, cegá-lo, mas estava esperando por mim a pensar na ordem.


Pergunto-me rapidamente como muitas outras vezes, ele esperou para pedidos que nunca dei. Após Madox sair à distância, eu suspiro de horror. As mãos de Tito cobrem os olhos, mas eu ainda posso ver o sangue escorrendo vermelho brilhante pelo seu rosto sobre os dedos molhados. Ele oscila para a borda, e sem pensar, eu alcanço para fazê-lo cair, depois paro. Mas eu realmente posso deixá-lo cair? E se eu faço, sou eu quem vai matá-lo? Tito dá passos cada vez mais perto da borda, rosnando em angústia como um monstro . Eu cubro minha boca quando lágrimas quentes queimam meus olhos, ele vai cair. Ele vai cair para a morte. Não eu. O pé de Tito atinge a borda e seu cata-vento de armas, ele sabe queele vai para baixo. Eu posso ver isso na maneira como sua boca forma um perfeito círculo. Mas então ele pára. Gerencia a endireita-se. E ele dá um passo em minha direção, com os braços estendidos, os olhos arrebentados com carne vermelha e sangue. De repente, eu não tenho medo dele caindo. Eu tenho medo dele vivo. Não mais cedo do que eu acho que isso, Tito voa ao lado da borda. Seu corpo cai por terra. Segundos depois, eu ouvi um repugnante, baque molhado. AK - 7 fica onde Tito estava, uma vez que, olhando para baixo ao longo da borda. O urso pardo empurrou ele. E agora a criatura olha para mim com medo, apoia longe, com medo de que eu vou machucá-lo pelo que ele fez. Mas tudo que eu quero fazer é jogar meus braços em volta do pescoço. Então, eu faço. Os grunhidos de animais quando eu cai contra ele. Seus músculos tensos contra o meu abraço, mas, em seguida, a criatura relaxa e cutuca seu dirigirse para o meu lado. Segundos depois , sinto uma segunda cabeça cutucando meu outro lado. Quando ligo, eu vejo Madox vestido como um urso gêmeo,


ele deve pensar que isto é o que eu quero. Eu rio e abraçar minha Pandora, sobrecarregada de amor por esses animais, que me salvaram. Afastando-se de mim, prossigo para baixo no meu estômago. Eu não posso inspecionar a ferida novamente. Eu tenho medo de desmaiar, se eu fizer. Eu também sei que eu não quero olhar para o corpo de Tito, mas eu preciso. Pisando em direção ao lado, olho para baixo. Um olhar é tudo o que preciso. Ele está de bruços no chão, com a cabeça virada para o lado. Um fluxo de sangue flui de sua aberta boca e de sua perna . Ele está morto. Eu dou um passo para trás e depois de sofrer uma onda de tontura, quase caio para o lado. Tocando a mão pegajosa na minha testa, eu percebo que eu tenho que chegar ao acampamento base. Tito me esfaqueou apenas a minutos atrás, mas já me sinto tonta e fraca, ele deve não ter atingido um órgão importante ou o que seja. Caso contrário, eu já tinha morrido. Somando-se a minha tontura são os nervos crus. Meu estômago torce quando eu penso sobre como salvar Cody. Com a minha lesão, eu não tenho muita escolha a não ser procurar um médico. Mas peço, para que Guy esteja no acampamento base em breve. E que ele vai me ajudar a encontrar uma maneira de continuar a corrida sem ter que prejudicar uma Pandora. Eu tenho que acreditar que não é sobre. Não quando eu escolhi fazer o que eu acredito que é certo. Eu olho para as Pandoras. Minhas Pandoras. "Você pode descer? " Peço AK- 7. Você pode descer? Eu acho que a KD -8. Ambos os ursos flexionam as patas e as unhas gigantescas começam a crescer até que está quase um pé de comprimento. Eu estou supondo que as garras podem ser utilizadas para escalar quase qualquer superfície . " Claro que você tem garras de Wolverine. Claro. "Eu balancei minha cabeça e afastei-me da borda que Tito caiu. Quando eu encontrar um lugar que parece fácil de descer, eu aceno para os ursos. Então eu balançar a minha perna para o lado.


O que vai acima . . . Eu acho.


CAPÍTULO TRINTA E OITO Quando meus pés tocam o chão, quase entro em colapso. Não leva muito tempo para mim mesmo , mas eu estou preocupada sobre como eu vou chegar ao acampamento base. Os ursos descem atrás de mim e, em seguida, ver como eu vou passar o deserto. Eu acreditava que eu estava correta. Cerca de meia hora a pé. Não parecia muito . Não depois de tudo o que passei. Mas com mais sangue que escapava da minha ferida e escorrendo na minha perna, a distância parecia infinita. Minha maior preocupação é que quando eu chegar lá, eu não vou encontrar uma maneira de continuar a corrida. Mas eu cerro os punhos e cerro os dentes e comprometome a tentar. "É você ", diz uma voz pequena . Eu giro ao redor, ainda em guarda, e detecto uma figura inclinada contra a formação. A pessoa está apenas cerca de vinte metros de mim. Perto o suficiente para que, quando eu estreito meus olhos , eu percebo quem ele é. " Ransom ! " Eu grito , apressando-me em direção a ele. Meus passos lentos quando eu fecho dentro DN -99, seu guaxinim, está dormindo em seu colo. Ou talvez esteja apenas com os olhos fechados, tentando calar o que está acontecendo . " Oh Deus. " Eu observei o carneiro aos pés de resgate e agachei-me ao lado do animal, uma mão cobrindo meu estômago. G-6 está com falta de ar e deitado plano do seu lado. Olhando para Ransom , eu entendo o que ele está tentando fazer. A faca está pronta sobre o coração do carneiro, mas ele não se move uma polegada de lá. Ransom olha para mim com lágrimas nos olhos. "Eu já matei uma Pandora ", explica. " Não é por isso . É só que ele está . . . Ele está com muita dor . " Concordo com a cabeça e sento-me ao lado dele. Minha cabeça nada de dor e com a perda de sangue, mas não posso deixá-lo. Não é assim. Ransom olha sobre meu ombro e passa por AK -7 e Madox, quem está de volta como raposa. Ele se encolhe . "Está tudo bem ", digo a ele. " AK -7 me ajudou, ele não vai nos machucar ou a Madox " . Ele balança a cabeça e diminui a faca. "Essa maldita raposa. Eu tentei mantê-la quieta. Quando Harper veio correndo ao redor do canto antes, eu não sabia o que estava acontecendo. Ela levou um olhar para mim e jogou a raposa em minha direção. Disse-me para assistir, para não deixá-lo ir . " Ele suspira e passa a mão pelo seu cabelo vermelho.


" Mas essa Pandora quase me levou a tentar se soltar, ele imitou aquela águia e queria ir até a formação, consultei sobre a comoção. Era você lá em cima , né? " Concordo com a cabeça. Ransom parece apenas metade lá, como se uma parte de sua mente estava perdida em algum lugar no deserto. Ao vê-lo assim, eu não posso suportar a digo a ele o que aconteceu. " Você está ferida ", diz ele . "Eu vou ficar bem. " " Harper tem uma filha ", acrescenta . Meus olhos se arregalaram. " Ela disse-te ? " " Ela disse a todos. Ela gritou isso. " Pontos de resgate ao local onde Harper estava, onde ela gritou para mim. " Pensa que eu sou o pai? " Eu ri e depois encolhi-me com agonia. Escuridão se esconde em minha visão periférica, ameaçando me puxar para baixo. Eu caí em minha bunda e pendurei minha cabeça. "Não, eu não acho que você é o pai" Eu digo ao garoto. Ransom olha para mim com clareza. Como se parte da imprecisão na sua cabeça diminuiu. Ele olha para as mãos, para a faca que ele está segurando . Em seguida, ele desliza-a em minha palma. " Você tem que fazer isso", ele diz em um sussurro. " É por isso que você está aqui. " Eu fecho a minha mão em torno da lâmina , mas não com a cabeça . " Não, Ransom. "Ainda que eu já sei que vou fazê-lo. Não só por causa de Cody , apesar de eu sentir uma pontada de culpa que esta pode ser a oportunidade que eu queria. Mas porque cada respiração do animal leva rasga o meu coração. Eu quero que isso acabe. Eu quero o carneiro para ir com seu Contendor. Para estar em paz. E, sim, porque eu quero que o meu irmão sobreviva. "Eu estou indo para casa. Eu preciso dizer a minha família sobre Levi e estar com a minha irmã ", diz Ransom subitamente . "Mas eu preciso que você faça isso primeiro. " Ele puxa a si mesmo e se aproxima do G- 6, o guaxinim assusta e depois se arrasta para longe . Ransom embala a cabeça do carneiro nos braços e fecha os olhos . "Por favor, faça-o agora, Tella. Por favor. Por favor não espere. Faça agora. " A voz de Ransom quebra em um soluço. Outra onda de tontura corre mais em mim, mas eu luto contra o desejo de sucumbir. Há algo que devo fazer primeiro. Ficando de joelhos, eu seguro a faca sobre o coração do carneiro, ou onde eu espero que seja. Ransom abaixa a boca na orelha e sussurra de carneiro para ele. Lágrimas queimam meus olhos e eu


espremê-os fechados. Eu quero fazer isso tudo mais devagar, parece desde que subiu a formação, desde que eu joguei minha mochila no banco do passageiro do carro, realmente, tudo tem mudado muito rapidamente. Mas eu não posso chamar isso. Não quando tanto Pandora e Contendor estão em tanta dor . Eu me pergunto se eu nunca vou esquecer o que eu estou prestes a fazer . Não, nunca. Enfiei a lâmina dentro e gritei. Quando eu olhar para cima, Ransom está olhando para G6 . Seu rosto está relaxado, mas seus olhos parecem mais vazios do que nunca. Meu corpo treme com descrença. Eu nunca matei nada antes. A dor é imediata e esmagadora. Não foi minha Pandora. Mas é a última peça de Levi que eu nunca vou saber. " Obrigado ", disse Ransom. Quando ele olha diretamente para mim, sua expressão muda de tristeza, para preocupação. " Precisamos levar você até o acampamento base . " É a última coisa que eu ouvi antes de perder a consciência. O que acontece em seguida vem apenas em fragmentos. É como se eu estou mentindo perto do mar, um momento, eu vejo as coisas com clareza, no seguinte, eu sou sufocada pela maré. Sinto-me uma sensação de balanço, balançando e percebo que estou sendo carregada. A pessoa me segurando é aproximadamente do tamanho de um colchão. Ele está falando sobre suas unhas. Ao lado dele, vejo um borrão de cachos amarelos. Em foco. Fora de foco. É como uma flor se abrindo, em seguida, desaparecendo ao preto. O colchão me leva mais longe. Eu durmo em seus braços, e quando eu acordo de novo, há homens que pairam sobre mim , fechando a minha ferida. Eu sinto a picada de uma agulha na carne fazendo a costura. Quando eu gemo, um dos homens pára e fala ao outro. Algo aperta no interior do meu braço, e minha mente fica em branco. E então, em algum momento da noite, eu o vejo . Ele.


Ele se inclina sobre mim e sussurra em meu ouvido como Ransom fez para a Pandora da Levi. Sua voz soa como ele está vindo de um túnel de vento, e eu mal consigo entender o que ele está dizendo. " . . . Não precisa saber tudo agora. Só que eu nunca vou deixá-la de novo " , diz Guy. Embora eu não possa vê-lo, eu sei que ele está pensando. Quer saber como muito a dizer. Finalmente, eu ouço sua voz continuar. Suas palavras deslizam sobre meu corpo como seda. " Você perguntou sobre minha tatuagem . " pausa do Homem, escolhendo as palavras com cuidado . " Você sabe o que, por vezes, falcões comem? Você sabe o que eles caçam? " Meu coração bate mais rápido, mas eu não posso abrir os olhos. Abra os olhos ! " Eles caçam serpentes, Tella , " finaliza. "Serpentes, como os queridos concorrentes desta corrida. " Meu coração bate tão forte, eu tenho medo de morrer neste momento. Mas não importa o quanto eu tente, não consigo abrir os olhos. Mesmo com Guy me dizendo seu segredo. Que ele está aqui para mais do que apenas o seu primo. 295 "Ela está definitivamente a olhar para mim", diz alguém. Eu ouço um longo suspiro. E então, "Você está imaginando coisas. Mais uma vez. " Eu sei de quem é a voz. Eu sei quem são essas duas pessoas. Minhas pálpebras vibram e o quarto gira. O rosto de alguém chega a poucos centímetros do meu. Vejo dentes. Assim, muitos dentes, eu tenho medo é um monstro, Tito está de volta com seu sorriso sempre presente. " Volte, Jaxon. Se ela está acordada, você vai assustar ela muito.‖ É isso aí. Esse é o cara e o proprietário dos dentes. " Jaxon " Eu suspiro. " Caramba , eu sabia que você estava acordada", Jaxon chora. Um ranger de cadeira e segundos depois, Braun se debruça sobre o berço em que eu estou deitado " Ei, Tinker Bell. Você desmaiou. Eu carreguei você, fez um número em minhas unhas . " Ele olha para seus dedos e as sobrancelhas unidas com preocupação. Então ele olha para cima e sorri. "O pensamento poderíamos perdê-la . "


"Onde está Madox ? " A primeira coisa que eu quero saber é Guy , mas eu não posso trazer-me a perguntar. Seu nome evoca muitas perguntas . Então, por enquanto eu penso em minha raposa. " Olivia está com ele do lado de fora ", diz Jaxon . " Ele e o urso. " " É Olivia está bem? " Tento sentar-me, mas Braun coloca sua enorme palma da mão contra o meu ombro e me guia de volta para baixo . " E AK -7 não é ruim. " "Ela está bem ", ele responde . " E sabemos que o urso não é ruim. " " O urso matou Tito ", acrescento eu . O que eu não admito é como eu ajudei. Mas eu duvido que eles me culpa por minha parte. Jaxon esfrega a parte de trás do seu pescoço. " Uh , não sabia disso. Nós algo figurado caiu, mas ninguém sabia o quê " . " É Ransom aqui? Talvez eu devesse dizer a ele sobre Tito, também. Eu ainda não . "Eu estendi a mão e toquei o lugar onde Tito esfaqueou-me. Assim como eu suspeitava, eu sinto pontos que executam ao longo do meu abdômen. "Um, você deve perguntar a Guy sobre Ransom. Ele insistiu que ninguém para dizer-lhe nada. " Braun esfrega a mão sobre sua cabeça raspada . Meus músculos apertam ao ouvir que Guy está aqui, no acampamento base. Talvez mesmo à porta. Mas eu acho que eu sabia disso. Eu lembrei-me . . . Eu me lembro o que ele disse para mim. "Tem certeza que Tito está morto ? " Braun continua. Volto a pensar o quão longe Tito caiu, quase quatro histórias. Eu acho que sobre a inclinação de sua cabeça e o sangue escorrendo de sua boca e na perna. "Eu tenho certeza. " Os ombros de Braun caem com alívio e ele concorda. "Eu não queria deixar as coisas acontecerem com você. Eu não queria - " Algo pega em sua garganta. Ele olha para baixo e aperta os lábios , respirando pelo nariz. Eu não posso suportar a idéia de Braun se sentir culpado. Não depois do que ele levoume aqui. Mas, principalmente, eu não quero segurar a raiva ou ressentimento. Esta corrida é bastante difícil por si só. "Está tudo bem . " Eu levo a mão e dar-lhe um aperto. Jaxon leva meu por outro lado e nós temos um momento total de união. Eu poderia ficar aqui por horas, apenas relaxando e conversando com os dois. Mas existem outros que eu preciso perguntar.


" Onde está Caroline ? " Eu engulo em seco . " E Harper ? " Jaxon e Braun trocam olhares. "Você deveria falar com Guy sobre elas também ", responde Jaxon . Quero exigir respostas, mas decidio desde que Guy é a única pessoa que deixou de perguntar sobre, eu vou fazer como eles dizem. " Então você pode enviá-lo?‖ Eles olham um para o outro e acenam como eles têm que concordar com isso juntos. Gostaria de saber quanto tempo eu estava fora para estes dois terem tornado-se tais conspiradores próximos. " Sim, está bem ", diz Jaxon . "Vamos estar aqui fora, se você precisar de alguma coisa. " Eles saem em silêncio, e eu olho em volta pela primeira vez. Eu suponho que eu estou em uma das cabanas que vi desde a formação, as paredes criam um círculo perfeito e o telhado é lançado para um único ponto. Toda a coisa, exceto o chão de terra, é feito de capim seco. Sobre a porta está pendurado um cobertor verde, e azul de manta de espessura. Eu tenho um similar sobre as minhas pernas. Pendurado em toda a sala está um pequeno, espelho redondo, e abaixo dele está uma caixa frágil. Existem três outros berços além do meu. E apenas uma cadeira . A única que Braun estava sentado quando eu acordei. Eu fico olhando para a cadeira vazia e de repente me sinto muito sozinha, a sensação não dura muito tempo. Porque quando eu viro minha cabeça, eu vejo Guy de pé na porta improvisada. Meus estilhaços no peito e minhas costelas esticar abertas. Tudo o que resta é o meu coração.


CAPÍTULO TRINTA E NOVE Ele passa a mão sobre o queixo como se ele não tem certeza do que fazer. Um arrepio trabalha o seu caminho na minha espinha e minha pele fica formigando. Se ele não me tocar, eu vou estourar de ansiedade. Eu vou desmoronar. Ele dá um passo em minha direção, e eu abri minha boca para dizer alguma coisa, qualquer coisa que vai trazê-lo perto. Mas ele atravessa a quarto sem incentivo. Ele se senta na minha cama como se ele não tem certeza se eu quero que ele esteja aqui. Como ele está com medo eu vou empurrá-lo fora a qualquer momento. Eu prefiro rasgar minhas entranhas para fora. Guy engole. Seus punhos apertam. Sua mandíbula aperta. "Diga alguma coisa ", digo a ele. Ele se vira e olha para mim. Seus olhos nadam com medo. Minha respiração fica suspensa. " Jaxon me disse que Tito está morto . " Um nó na minha garganta. De repente eu me sinto como uma criança de novo, como se eu precisasse ser embalada nos braços de alguém. Na formação, eu fui corajosa. Eu enfrentei Tito e eu morava. Mas aqui, com Guy sentado tão perto, o terror que eu sentia devora minha alma. Lágrimas raiam as minhas bochechas. Estou admirado com elas, surpresa que eu posso chorar depois de estar tão desidratada. É então que eu percebo que não estou com sede, e que os homens que trabalham para a corrida devem ter me dado fluidos.


Guy enxuga minhas lágrimas e balança a cabeça. " Ele fugiu de mim, Tella ", explica ele. "Eu sabia que quando ele correu . . . Eu sabia que ele iria atrás de você. " O indivíduo olha para o seu colo e morde o interior sua bochecha. "Eu tentei encontrá-lo antes que ele a encontrasse. Eu tentei. " Ele aperta os olhos fechados. "Eu o teria matado . " Sento-me rangendo os dentes contra a dor no meu abdômen, e jogo meus braços em volta de sua cintura, enterrando minha cabeça em seu peito. Abaixo de mim, sinto ele desenhar uma respiração profunda . Então ele envolve seus braços ao redor dos meus ombros . " Tella ", ele sussurra em meu cabelo. "Está tudo bem. Eu estou aqui. " Eu mordo meu lábio e pressiono meu rosto para mais perto dele. "Eu me lembro o que você me disse . " Ele enrijece. "O que você se lembra? " Afastando-me, eu sento-me e olho para o rosto dele. "Essa tatuagem em a sua volta. Serve para alguma coisa ", eu digo. " Você disse que Falcões caçam serpentes ". O indivíduo olha para mim por um longo tempo, então concorda. " Isso é certo. " Eu fecho minhas mãos juntas, como Caroline faz quando está nervosa. Não ajuda. "Você está aqui para derrubar as pessoas correndo esta corrida. " Ele olha por cima do ombro para a porta. Quando ele olha para trás, ele ergue os ombros e se endireita. Seu silêncio é a admissão o suficiente, mas eu quero ouvi-lo dizer isso em voz alta . "Diga- me ", eu digo . "Diga- me que estou certa. " Novas lágrimas escapam dos meus olhos. Eu tenho mais medo neste momento de eu estive toda a corrida. Medo de que Guy vai morrer tentando encontrar essas pessoas, e das coisas que eu faria para impedir isso, ele esfrega seus polegares sobre meu rosto e diz: " Você está certa. Estou aqui para destruir o Brimstone Bleed. Para garantir que ninguém nunca sofre por isso novamente. Venho treinando . . . . " Ele trilhas fora e toca a mão em sua


orelha mutilada distraidamente, como se lembrasse destes treinamentos. Depois ele move a mão para o meu queixo, prende-o para que eu encontrar seus olhos. " Tella , você se lembra do que eu disse sobre Gabriel Santiago e sua filha, Morgan ? " Concordo com a cabeça. Como eu poderia esquecer? Guy respira através dos lábios apertados, e eu percebo que ele está prestes a dizer-me o resto da história. Meus músculos se contraem quando eu antecipo suas palavras. "Depois que Morgan morreu ", diz ele suavemente , " Santiago descobriu que os Pharmies foram os que iniciaram o fogo, e ele procurou vingança. Ele queria que os Pharmies que mataram sua filha, os mesmos que destruíram o seu trabalho, pagassem pelo que eles tinham feito. Ele ameaçou suas famílias, disse que iria matar seus filhos e esposos e pais, a menos que concordassem com seus termos " . Guy engole, e então ele me diz: " Santiago era um homem poderoso, com amigos poderosos. Ele poderia ter feito o que prometeu . " Meus olhos caem no chão, me perguntando o que eu faria se alguém ameaçasse matar toda a minha família. Alguém que eu pensei que poderia seguir com ele. " O que ele quiz fazer ? " Peço em um sussurro. Guy esfrega a mão sobre a parte de trás do meu pescoço. Eu fecho meus olhos quando seus dedos traçam círculos ao longo da minha pele. " Ele pediu-lhes para escolher. Pediu-lhes para escolher uma pessoa em sua família a competir em uma corrida. " Meus olhos se abrem. " Santiago, em seguida, disse-lhes para escolher outra pessoa. Alguém para ser injetado com um vírus que tinha criado. Esse membro da família seria para ser usado como motivação para a pessoa competir na corrida. "Ele pára de esfregar meu pescoço. " Como castigo por ter uma mão na morte da sua filha, Santiago criou uma corrida. E a cada seis anos , ele fez os Pharmies escolherem duas pessoas de suas famílias. Uma para competir e uma para


ficar doente. Primos, irmãos, tias . . . eles poderiam escolher qualquer um . Mas eles tiveram que escolher . E a única coisa que eles poderiam fazer para ajudar foi criar animais para ajudá-los na corrida. " Depois de tudo que passamos, eu quase não posso lidar com isso, a última peça do quebra-cabeça. O conhecimento de que cerca de 60 anos atrás, alguém da minha família teve uma mão na morte de Morgan. E que o motivo de eu estar aqui é uma conseqüência disso. Meu corpo começa a tremer quando minha mente se encaixa a espera de outra coisa. . . . Criador Collins. Aquele que criou Madox . Ele poderia ser da minha família. " Como é que isto continua? Santiago não morreu? " " Outros têm tomado o seu lugar", diz Guy rapidamente, e eu posso ouvir a maldade em sua voz. "É maior agora do que nunca Santiago pensou que poderia ser. Há pessoas lá fora, ignorantes sobre os detalhes do jogo que eles acreditam que é uma corrida de cavalos ilegal. E outros que ajudam os Pharmies a decidir quem de suas famílias devem ser infectados e quem deve competir. E há os gestores, muitos. As pessoas que supervisionam a corrida real e mantém os jogadores informados sobre a forma como o seu cavalo está realizando. " Estou sobrecarregada com tudo o que Guy está me dizendo, e parte do que deixa-me maravilhada, por que me disse isso agora? "Isso é tudo o que você sabe? " Eu pergunto, derrotada. " Tem mais? " " Há mais. Detalhes que não são importantes . " Ele aperta a minha mão. "Você está realmente indo para tentar acabar com essa corrida ? " Eu peço . " Para o bem ? " Guy faz um punho e bate duas vezes contra o seu joelho. "Meu pai disse-me que as pessoas correndo a corrida recrutam os cinco primeiros candidatos


para trabalhar para eles. "O homem, lambe os lábios . "Eu vou ganhar, e então eu vou assumir o cargo " . "Você vai tentar derrubá-los por dentro, " eu especulo. Ele aperta minha mão de novo, como se dissesse, isso é certo. " Se Harper permanecesse, talvez ela possa nos ajudar", digo-lhe, meu coração bate mais rápido. "Você viu ela lutar contra os malvados na noite em que atacaram o nosso acampamento? Ela era assim. " " Tella , " Guy interrompe. "Você não está fazendo isso comigo. Eu estou apenas dizendo que por isso não há mais segredos . " " Mas comigo e Harper... " " Harper se foi. " Eu soltei a mão dele. "O que você está falando?" Guy segura meu rosto em sua palma. " Você esteve fora por quase um dia inteiro " , diz ele . " Harper deixou ontem à noite. Ela levou Caroline e Ransom com ela. " " Como ela pôde fazer isso? " Eu coloquei as duas mãos sobre a cabeça, tentando chegar a um acordo com o que ele estava me dizendo . "Eles não nos dão a escolha para sair até o último dia do acampamento base, certo? " " Ela foi a vencedora ", explica ele. Sua voz reduz em um sussurro. " Ela fez um pedido por causa de suas circunstâncias. " Minha testa forma sulcos e Guy corre o polegar sobre o vinco. Ele evita meus olhos quando ele diz, " a filha de Harper morreu . " Eu cubro minha boca e engasgo com um soluço. Balançando a cabeça, eu penso em como ela me disse ontem. Como eu fui ver Harper como uma amiga e companheira, a uma mãe. Guy desliza a mão dentro de suas calças cargo e retira um envelope . " Ela deixou isso para você. " Antes que eu possa perguntar o que ele diz , ele pressiona seus lábios contra os meus. A carta tremula para a cama e eu entrelaço os braços em volta de seu pescoço. Guy me puxa para mais


perto e beija-me mais profundo até que todos os pensamentos da corrida desaparecem. Ele me beija até existir apenas ele e eu e a sensação de nossa pele. Eu tremo quando suas mãos movem-se de costas e enrolam em volta do meu pescoço. Sua língua desliza em minha boca e calor inunda meu corpo. Eu quero viver aqui, neste momento, com ele em meus braços e perto de mim. Quando rompemos finalmente, ambos estávamos ofegando por ar, as nossas mãos continuam a vagar. Elas tocam coxas e lábios e bochechas. É como se nossas mentes lançaram um ao outro, mas nossos corpos não podem sonhar em parar . " Leia a carta dela ", diz ele finalmente . "Eu vou estar lá fora." Ele dirige-se para a porta e mesmo assim eu quero chegar para ele. Eu queria gritar para que ele ficasse. Mas em vez disso, eu olhei para o envelope. A única que Harper me deixou. Eu enchi meus pulmões, passei o dedo sob a aba selada. E eu abri a carta. Tella, Estou partindo hoje à noite, e eu estou levando Caroline e Ransom comigo. Você deve saber que eu estou dando a minha pequena parte da cura para Caroline . Ela merece uma chance de um relacionamento real com sua mãe. Quanto a mim, eu preciso ir para casa. Eu preciso estar com a minha família. Eu tenho que ver minha filha de novo. Eu nunca vou ser a mesma, Tella. Não sem ela, mas ouça quando eu lhe digo isso, eu estarei de volta. Eu vou ter certeza de que o que aconteceu comigo não aconteça com você. Vou ajudá-la a ganhar o Brimstone Bleed. - Harper Lendo a carta de Harper foi demais. Eu me puxei para fora da cama e dobrei de dor. Os pontos em meu estômago são recentes e cru, mas eu não posso ficar aqui por mais tempo. Eu mesmo fui para a direita da outro lado da sala.


Eu embaralhei como um homem velho e minha mente gira. Eu penso sobre a corrida e as coisas que eu fiz. Eu penso sobre Madox e como eu iria dissolver sem ele. Eu acho que Caroline, Ransom e Harper, estão todos a caminho de casa. Eu mesmo penso sobre Jaxon e Olivia e Braun, meus novos amigos . E eu penso sobre Guy. Lembro-me que ele estar aqui há mais do que apenas o seu primo, que é maior do que uma irmã ou uma mãe ou uma filha. Ele vai tentar destruir o Brimstone Bleed. Eu me pergunto se eu sou forte o suficiente para ajudar ele, se eu posso deixar isso ser maior do que Cody. Se eu puder ajudar a salvar mais do que apenas o meu irmão. Trota em Madox e eu pego-o em meus braços, cuidado para não esforçar me. A raposa fuça meu pescoço, e meu coração canta. Segurando minha Pandora, eu percebo que há mais em jogo do que o nosso amado e queridos de volta para casa. Há também os animais dos criadores, os Pharmies, gerados. O que acontece com eles quando a corrida termina? Eles são destruídos ? Se assim for, eles vão de bom grado a sua mortes. . . ou eles lutam ? Eu olho para a minha raposa e meu corpo treme. Quando eu olho para cima, eu percebo que estou em pé diante do espelho oval. Meu instinto torce quando eu me vejo . " Meu Deus ", eu digo a minha Pandora. "Preciso de um maldito banho. " Há areia no meu cabelo encaracolado e meu rosto está coberto de sujeira. Minha camisa branca está quase marrom com suor e sujeira, e eu tenho um hematoma roxo florescendo por toda a minha bochecha. Mas meus lábios formam um pequeno sorriso quando vejo que a pena verde e azul ainda oscila sobre meu ombro. Finalmente, vejo meus olhos. Os olhos de minha mãe. E de repente eu entendo o que ela queria dizer. Correndo o polegar por baixo deles, percebo que eles mantém a força que eu nunca reconheci antes. A mesma força que eu sempre vi nela.


Compreensão, ou talvez aceitação, caem mais de mim. Minha mãe nos levou para Montana para tentar salvar o meu irmão, para escondê-lo da corrida. Para me esconder. Mas eles nos encontraram de qualquer maneira. Ela sabia o tempo todo. Foi ali mesmo em seus olhos : o conhecimento, a determinação e força . Eu sei o que ela estava me dizendo, quando ela disse que eu tenho os olhos. Você tem a minha força também. A pena no meu cabelo é mais do que parece, eu percebo. Esta foi a minha mãe, ela disse. Mas é o que ela não disse sobre isso me assombra. A pergunta que eu nunca pensei em perguntar. As perguntas que eu tinha que perguntar agora se ela estivesse aqui : Quando ela usou esta pena, mamãe? Será que ela usou-a na selva? No deserto? Será que ela usou-a como um concorrente? Mas talvez haja uma outra pergunta que eu gostaria que fosse respondida mesmo. O que aconteceu com ela? Olho para Madox. Minha mãe nunca quis que eu estivesse aqui, mas ela sabia que eu ia de qualquer maneira. E ela sabia que eu podia vencer. Eu vou ganhar. Vou ajudar Cody. Então eu vou ajudar Guy a derrubar toda esta corrida.



Fire and Flood