Issuu on Google+

O Mariano

O MARIANO FEDERAÇÃO DAS CONGREGAÇÕES MARIANAS DE SÃO PAULO Rua Prof. Celestino Bourrol, 844 - sala 3 - São Paulo

Ano XXXV

Número 405

Fevereiro de 2013

Quaresma, tempo de penitência e reconciliação Na Quarta-Feira de Cinzas têm início os quarenta dias que antecedem a Semana Santa, quando a Igreja nos fala da necessidade do jejum e da penitência como meios de melhor combater os vícios, pela mortificação do corpo, e propiciar a elevação da mente a Deus. De forma cogente, a liturgia da Quarta-Feira de Cinzas recorda-nos também nossa condição de mortais: "Lembra-te, homem, de que és pó e ao pó hás de voltar", diz uma das duas fórmulas usadas pela Igreja para a imposição das cinzas. A consideração da passagem desta vida para a eternidade muitas vezes nos inquieta. Entretanto, tal pensamento é altamente benfazejo para compenetrar-nos da necessidade de evitar o pecado que, sem o arrependimento e o imerecido perdão, poderá fechar-nos, para sempre, as portas do Céu: "Lembra-te de teu fim, e jamais pecarás" (Eclo 7, 40). Em sua segunda carta aos Coríntios, São Paulo nos incentiva a vivermos na graça de Deus: "Em nome de Cristo, vos rogamos: reconciliaivos com Deus!" (II Cor, 5, 20). E com toda razão, pois o pecado nos afasta de Deus, tornando necessária a nossa reconciliação com Ele. Só mesmo o Adorável Sangue de Deus teria mérito infinito para redimir o pecado original e as ofensas cometidas pelos homens, desde Adão e Eva. A Encarnação da Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, com sua Paixão e Morte na cruz, foi o meio escolhido para restituir à humanidade transviada a plena amizade com Deus. Se Jesus não tivesse assumido sobre Si a dívida contraída por nossos pecados, impossível seria nossa reconciliação com Deus e teríamos para sempre fechadas às portas do céu. A Quaresma é também tempo 1

de oração, cuja essência, ensina o Catecismo, é a "elevação da mente a Deus". Assim, é possível a qualquer um permanecer em oração inclusive durante os atos comuns da vida, realizando-os com o espírito voltado para o Céu. Portanto, para rezar não é preciso tomar a atitude espalhafatosa e orgulhosa dos fariseus. Devemos, pelo contrário, ser discretos nas manifestações externas de nossa piedade

particular, evitando gestos ou palavras que ponham em realce nossa própria pessoa. Mas se apesar disso, nossa devoção for notada pelos outros, não devemos nos perturbar, tranquilizemo -nos com este ensinamento de Santo Agostinho: "Não há pecado em ser visto pelos homens, mas sim em proceder com a finalidade de por eles ser visto". A Igreja nos apresenta, portanto, o espírito com que se deve viver a Quaresma: não fazer boas obras com vistas a obter a aprovação dos outros, não ceder ao orgulho nem à vaidade, mas procurar em tudo agradar somen-

te a Deus. No jejum, na oração ou na prática de qualquer boa obra, não se pode erigir como fim último o benefício que daí possa nos advir, mas sim a glória d'Aquele que nos criou. Pois tudo quanto é nosso - exceção feita das imperfeições, misérias e pecados - pertence a Deus. E também nossos méritos, pois é o próprio Jesus quem afirma: "Sem Mim, nada podeis fazer"! (Jo 15, 5). Assim, se tivermos a graça de praticar um ato bom, devemos imediatamente reportá-lo ao Criador, restituindoLhe os méritos, pois estes Lhe pertencem, e não a nós. "Quem se gloria, glorie-se no Senhor" (I Cor 1, 31), adverte-nos o Apóstolo. Santa Teresa de Jesus assim define a humildade: "Deus é a suma verdade, e a humildade consiste em andar na verdade, pois de grande importância é não ver coisa boa em si mesmo, mas sim a miséria e o nada". Reconheçamos os benefícios que Deus nos dá e por eles rendamosLhe graças, não nos colocando jamais como objeto desse louvor, julgando sermos nós a fonte de qualquer virtude ou qualidade. Nesta Quaresma, procuremos, mais ainda do que a mortificação corporal, aceitar o convite que o Evangelho sabiamente nos faz, combatendo o orgulho com todas as nossas forças. Só estarão à direita de Nosso Senhor Jesus Cristo, no dia do Juízo Final, aqueles que tiverem vencido o orgulho e o egoísmo, reconhecendo que "todo dom precioso e toda dádiva perfeita vêm do alto"(Tg 1, 17). Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP Fonte:http://www.arautos.org/noticias/34511/ Quaresma--tempo-de-penitencia-e-reconciliacao


O Mariano

Apresentação do Senhor 2 de Fevereiro fielmente à vontade de Deus, rejeitando qualquer forma de privilégio. A vinda deles ao templo de Jerusalém assume o significado de uma consagração a Deus, no lugar da Sua presença. Induzida pela sua pobreza a oferecer rolas ou pombinhas, Maria dá na realidade o verdadeiro Cordeiro, que deverá redimir a humanidade, antecipando com o seu gesto quanto era prefigurado nas ofertas rituais da Antiga Lei. No episódio da apresentação de Jesus no Templo, São Lucas ressalta o destino messiânico de Jesus. Objetivo imediato da viagem da Sagrada Família, de Belém a Jerusalém, é, segundo o texto lucano, o cumprimento da Lei: “Quando se cumpriu o tempo da sua purificação, segundo a lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para O apresentarem ao Senhor, conforme está escrito na lei de Deus: Todo o primogênito varão será consagrado ao Senhor” e para oferecerem em sacrifício, como se diz na lei do Senhor, um par de rolas ou duas pombinhas” (Lc. 2, 22-24).

Enquanto a Lei requeria apenas à Mãe a purificação após o parto, Lucas fala do “tempo da sua purificação” (Lc.2, 22), querendo, talvez, indicar ao mesmo tempo as prescrições relativas à Mãe e ao Filho primogênito.

taurares as tribos de Jacó e reconduzires os sobreviventes de Israel. Vou fazer de ti luz das nações, a fim de que a Minha salvação chegue até aos confins da terra” (Is. 49, 6). No seu cântico Simeão inverte a perspectiva, pondo em evidência o universalismo da missão de Jesus: “Os meus olhos viram a Salvação, que preparaste em favor de todos os povos: Luz para iluminar as nações e glória de Israel, Teu povo” (Lc. 2, 3032). Como não maravilhar-se diante de tais palavras? “O pai e a Mãe de Jesus estavam admirados com o que se dizia d‟Ele” (Lc. 2, 23). Mas José e Maria, com esta experiência, compreendem de modo mais claro a importância do seu gesto de oferta: no Templo de Jerusalém apresentam Aquele que, sendo a glória do Seu povo, é também a salvação da humanidade inteira.

No Templo José e Maria encontram-se com Simeão, “homem justo e piedoso, que esperava a consolação de Israel” (Lc. 2, 25). Ao revelar o futuro do Salvador, Simeão faz Papa João Paulo II referência à profecia do “Servo”, en- Fonte - L‟Osservatore Romano, Ed. Port. viado ao Povo eleito e às nações. A n.50, 14/12/1996, pag. 12 Ele o Senhor diz: “Formei-Te e designei-Te como aliança do povo e luz Com este gesto, Maria e José das nações” (Is. 42, 6). E ainda: “É manifestam o propósito de obedecer pouco que sejas Meu servo para resSEJA UM DIZIMISTA! O dízimo é prova de nossa confiança em Deus. Não se sinta obrigado a contribuir com o seu dízimo: sinta-se convidado. Dízimo é a prática da partilha iluminada pela fé. Seja você também um dizimista, para que o evangelho continue a ser anunciado. Ser dizimista é entender o sentido de ser comunidade. Dízimo é a contribuição de todos na caminhada da igreja. Se o salário é o fruto do nosso trabalho, o dízimo dele é o fruto do nosso amor. Dando com alegria, nossa alegria será maior: será eterna. Dízimo, semente abençoada de bons frutos 2

Ser Ser dizimista dizimista é é questão questão de de Fé Fé


O Mariano

Histórias das Congregações Marianas

Deputados e Senadores no Retiro Fechado no Carnaval?

“Em 1964, 28 retirantes. Apenas um não era parlamentar: o Congregado Mariano Dr. Custódio Toscano, Procurador da Justiça. Presidiu ao encerramento, o Marechal Castelo Branco que se assentou à mesa com muita simplicidade entre os dois jesuítas, os mesmos de novo, P. Bender e Schmitz. Ao final o Presidente dirigiu a palavra, felicitando as retirantes. „Fruto do retiro magnífico: vários parlamentares voltaram à prática fervorosa da fé católica‟”. (EdM junhojulho de 1965, p. 144) “Deputados e Senadores, em três dias de retiro fechado, no Colégio dos Irmão Maristas, dormindo em cubículos armados em salas de aula, em silêncio, meditando verdades eternas sob orientação de padres Jesuítas. E quem conseguiu o milagre? Os Congregados Marianos deputados, sobretudo um deles, que propriamente não deu licença para publicar o nome, mas como é homem público... Trata-se do Deputado Dr. Cid Furtado, de Porto Alegre, Congregado Mariano valente da Congregação Mariana Mater Admirabilis do Colégio Anchieta, dirigida pelos padre Jesuítas.” (EdM janeiro de 1966, p. 33)

"Somos uma união mundial, nacional, diocesana, local de católicos, especialmente leigos, voltados a uma plena vivência do cristianismo; centrados em Cristo e unidos com Maria Santíssima; de espiritualidade baseada na Sagrada Escritura, na liturgia, no desenvolvimento doutrinal da igreja e tendo os Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola, como nosso instrumento específico, plenamente conscientes de nossa inserção na igreja; unidos comunitariamente pelo vínculo de nossa consagração mariana; dispostos prioritariamente a renovar a ordem temporal na justiça e na verdade!" (Revista Estrela do Mar, abril de 1968, página 91)

COLABORE COM A JORNADA JMJ RIO 2013 Sua Contribuição pode ajudar a construir JMJ Rio2013 . Banco Santander: Ag. 1640 C/C 13000107-7 Mais informações: www.rio2013.com Assembleia Nacional das Congregações Marianas do Brasil , 2012 No dia 10 de novembro de 2012 no Ceresp em Aparecida - SP ocorreu a Assembleia Nacional das Congregações Marianas. Na Assembleia foram votadas questões de nível nacional como pequenas alterações no estatuto; Congresso Internacional Mariano no Rio; Comemoração de 450 anos da Prima Primária; e Peregrinação a Roma. Nesta Assembleia após 9 anos a Federação de São Paulo volta a ter representação Nacional e Estadual com dois de nossos jovens, Bruna Henriques assume como uma dos três coordenadores do Departamento Jovem da Confederação Nacional e André Otani o departamento Jovem da Coresp. 3


O Mariano

Campanha da Fraternidade será lançada no dia 13 de fevereiro Será lançada no dia 13 de fevereiro, quarta-feira de Cinzas, mais uma edição da Campanha da Fraternidade (CF). Esse ano o tema será “Fraternidade e Juventude” e o lema “Eis-me aqui, envia-me!” (Is 6,8). Após 21 anos da Campanha da Fraternidade de 1992, que abordou como tema central a juventude, a CF 2013, na sua 50ª edição, terá a mesma temática. A acolhida da temática “juventude” tem como objetivo ter mais um elemento além da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) para fortalecer o desejo de evangelização dos jovens. O presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Eduardo Pinheiro, explicou que uma das metas principais da CF de 2013 é olhar a realidade juvenil, compreender a riqueza de suas diversidades, potencialidades e propostas, como também os desafios que provocam atitudes e auxílios aos jovens e aos adultos. O objetivo geral da CF é acolher os jovens no contexto de mudança de época, propiciando caminhos para seu protagonismo no seguimento de Jesus Cristo, na vivência eclesial e na construção de uma sociedade fraterna, fundamentada na cultura da vida, da justiça e da paz. “Dentro do sentido da palavra 'acolher' está o valorizar, o respeitar o jovem que vive nesta situação de mudança de época e isso não pode ser esquecido”, destacou o presidente da Comissão da CNBB. Fonte: http://www.cnbb.org.br/site/campanhas/fraternidade/11121-campanha-da-fraternidade-sera-lancada-no-dia-13-de-fevereiro

AVISOS Assembleia de Dirigentes: 23 de Fevereiro de 2013 - Rua Três Rios, 24 Bom Retiro (próximo ao Metrô Tiradentes) Adoração Noturna: 22 de Fevereiro de 2013 Local: Igreja Santa Efigênia (próximo ao metrô São Bento) 19h às 20h Coresp-Jovem: 1, 2, 3 de fevereiro, na diocese de Barretos Retiro Inaciano: 9, 10, 11, 12 de Fevereiro, Caucaia do Alto - SP Coresp: 19, 20, 21 de Abril na Diocese de São José dos Campos Homenagem aos Congregados Marianos na ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo): 13 de Maio das 10hs às 12hs Estrela do Mar - Revista da CNCMB: Faça a sua assinatura - Rua Rio de Janeiro,300 sl.512 - Centro Belo Horizonte - MG - 30160-040. Fone (31) 3786-7004 Conta Bancária da Federação: Itaú Agencia 0167 CC 69329-0 LEMBRETE.... Todos os Congregados Marianos, devem pagar o Tributo Mariano, conforme a Regra de Vida.

CALENDÁRIO MARIANO 02 - Apresentação do Senhor; Nossa Senhora da Luz 04 - Mártires na Índia: S. João de Brito e B. Rodolfo Acquaviva; Mártires no Japão: João Batista Machado, Carlos Spinola, Paulo Navarro, Antonio Ixida, Camilo Constanzo, Diogo Carvalho, João Batista e Baltazar de Torres 05 - S. Felipe de Jesus, mártir no Japão 11 - Nossa Senhora de Lourdes 15 - S. Cláudio de la Colombière, sacerdote confessor 17 - Nossa Senhora do Desterro 18 - B. Teófanes Vénard, mártir na Indochina 22 - Cátedra de São Pedro 27 - S. Gabriel da Virgem Dolorosa, religioso confessor

"A Santa Missa é a obra na qual Deus coloca sob os nossos olhos todo o amor que Ele nos tem; é de certo modo, a síntese de todos os benefícios que Ele nos faz." (São Boaventura)

"Santíssima Virgem de Lourdes, que a ninguém desamparas nem desprezas, olhai-me com olhos de piedade. Alcançai-me de teu Filho o perdão de meus pecados para que com devoto afeto celebre tua Santa e Imaculada Conceição, em tua milagrosa imagem de Lourdes. Que eu receba depois o presente da bemaventurança do mesmo Jesus de quem sois Mãe. Amém.”

“O Mariano” - é uma publicação mensal de circulação gratuita da Federação das Congregações Marianas de São Paulo - 1.000 exemplares Diretor Assistente: Pe. Armênio Rodrigues - Presidente: Cláudio Miguel Gonçalves - Editor: César Carmo - Colaboração: Jamilly Soares Oliveira - Email - omariano.cm@bol.com.br - Site: http://cmsaopaulo.blogspot.com.br/

4


O mariano 405 - fevereiro de 2013