Issuu on Google+

Composite

Feito no Hermes

RCOSTA

01/05/08

23:16

K

M

Y

C

ODIA - CADERNOD1 - 1 - 02/05/08

SEXTA-FEIRA, 2 DE MAIO DE 2008 www.odia.com.br

ODIAD

05 CINEMA Fernando Meirelles fala de ‘Ensaio Sobre a Cegueira’, que concorre no Festival de Cannes

CULTURA, DIVERSÃO E ESTILO DE VIDA s MÚSICA REUTERS

história começa pelo fim, numa lanchonete de ‘fast-food’ na Broadway, quarta-feira, em Nova Iorque. Nela estão Laura e Robyn, duas amigas de 18 e 19 anos, que verificam, extasiadas, as fotos do show de Madonna que registraram na câmera digital. Elas ganharam, através de um concurso, ingressos para a concorridíssima apresentação em Nova Iorque e não pensaram duas vezes: saíram do Canadá para ver ao vivo a tia do pop — que aos 49 anos de tia nada tem. “Foi sensacional”, diz Laura, enquanto Robyn mostra, animada, que ambas estampam nas camisetas o rosto da diva. Diva sim, com D maiúsculo, como prova a fila de 3 mil pessoas que se formou no nº 239 da Rua 52, endereço da Roseland Ballroom, casa de shows em Manhattan escolhida por Madonna para o pontapé inicial na divulgação do recém-lançado CD ‘Hard Candy’ — a turnê deve passar pelo Brasil em 2009. Acostumada a estádios lotados, a cantora fez show intimista para público escolhido a dedo (e por sorte), com seis músicas, quatro do novo CD. Vips e integrantes de fã-clubes se juntaram para assistir à performance, que reuniu, harmonicamente, quarentões, adolescentes, fashionistas e uma saltitante platéia gay. Do lado de fora, mesmo com frio, a fila foi iniciada 60 horas antes do show. Ne-

la, o quinteto formado por Scott, Jasen, Andrew, Nick e Mark se destaca: cada carro que passa na rua é surpreendido pelos cartazes dos rapazes e seus gritos histéricos a anunciar o nome da musa. Um pedágio cor-de-rosa. O show foi ‘fast-food’, mas saborosíssimo em cada uma das seis canções. Na entrada, Madonna surge triunfal ao som de ‘Candy Shop’. Toda de preto, impressiona pelo braço malhado, aparente na discreta troca de figurino. Quando chega mais perto, agradece à platéia e, ao lado de Justin Timberlake, incendeia Roseland ao executar a coreografia sexy de ‘4 Minutes’, single que ultrapassou 1 milhão de downloads, chegou ao 1º lugar das paradas britânicas e está em 3º na lista Billboard 100. A dança sugere dominação, com Madonna dando as ordens, claro. “Eu me sinto a garota mais sortuda do mundo por ter feito um disco com ele, Timbaland, Pharrell e Kanye”, diz à platéia. Impossível não lembrar que ele, atual príncipe do pop, é ex-namorado da hoje derrotada Britney Spears, a quem Madonna beijou durante premiação da MTV. Teria ela sugado a energia de Brit? O novo álbum é o último pela Warner. A cantora assinou contrato de 10 anos e três discos com a Live Nation. Acredita-se que o acordo seja de 120 milhões de dólares. Em agosto, chega aos 50 anos ainda mais rica. Sem precisar, como parte dos fãs, comer fast-food depois do show. f

‘Eu me sinto a garota mais sortuda do mundo’, disse a loura, sobre dueto com Justin

‘4 Minutes’ está em primeiro lugar na parada britânica e teve mais de 1 milhão de downloads

André Gomes andregomes@odianet.com.br d NOVA IORQUE s Esta

Madonna surgiu no palco do Roseland Ballroom poderosa como sempre: aos 49 anos, cantora impressiona pela energia

REUTERS

Rapidinha com

Madonna O DIA assistiu em Nova Iorque ao primeiro show de lançamento de ‘Hard Candy’, novo CD da cantora, que deve trazer sua turnê ao Brasil em 2009 A cantora mata a sede com uma bela garrafa de champanhe REUTERS

ANDRÉ GOMES

INÉDITAS s PARECEM CLÁSSICOS

PÚBLICO FAZ CORO COM A DIVA d Madonna se alimenta da juventude no novo CD, feito para abraçar o público consumidor de hip hop. O pocket-show de quarta-feira foi transmitido ao vivo pela Internet, no MSN Music In Concert, numa jogada de marketing que também agraciou clientes de telefonia celular planeta afora. A loura sabe ganhar dinheiro e cobra de quem deve usá-lo para o bem público. “Esta canção é para todas as pessoas que vi dormindo na rua na noite passada”, diz, em referência a ‘Hung Up’, do disco anterior, que surge pesada, com Madonna empunhando uma guitarra preta. Delírio coletivo, roquenrol na intro-

dução que remete aos Rolling Stones. Do CD atual, ‘Give It 2 Me’ e ‘Miles Away’ (com aeroportos e aviões em projeções ao fundo) foram entoadas pela platéia como se já fossem clássicos. Coube à ultradançante ‘Music’ encerrar a apresentação, sem direito a bis, mas sem reclamação. Madonna, uma das artistas que mais vendem discos no mundo, vai embora ciente do dever cumprido. De perto, parece até de mentira, na engrenagem perfeita das coreografias, no comando messiânico de seu público, no rosto sem rugas. Sim, ela cantou ao vivo, mas com uso de vocais pré-gravados.

ANDRÉ GOMES

Coreografia sensual com Justin Timberlake e os fãs do lado de fora da casa: fila começou 60 horas antes do show


Cobertura de pocket show da cantora Madonna em casa de shows de Nova York