Page 1

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA CULTURA

Nuno Mendes mostra no rádio a força do Rap nas periferias Programa do radialista tem grande audiência e é ouvido até mesmo dentro dos presídios

R

ompendo as barreiras do preconceito, o movimento hip hop vive em constante ascensão há 14 anos. Prova disso foi a inauguração do programa Espaço Rap na rádio 105 FM de Jundiaí, única emissora da região a dar espaço a esse estilo de música. O ‘salve’ vem de uma voz grave, diariamente das 18 h às 19 h. “O Espaço Rap é um programa de referência”, afirma o apresentador Nuno Mendes. O programa é transmitido para

Mendes fala a língua do hip hop

uma audiência de quatro milhões de pessoas da Grande São Paulo abrangendo 38 municípios e mais 250 cidades do interior, sul de Minas Gerais e norte do Paraná. A internet e o celular também são ferramentas para ter acesso à rádio. As letras orquestradas com batidas em sequência e rimas criticam, contestam e denunciam situações da política e da sociedade. “O rap é um estilo de música que possui fundamento em suas letras”, garante Nuno. Com a grande audiência do programa, foi aberto espaço para novos grupos brasileiros, já que 95% das músicas tocadas são de rap nacional. A popularidade do programa ultrapassou as barreiras do preconceito e ingressou inclusive no sistema prisional. Grupos como

509-E e Detentos do Rap concederam entrevista ao radialista de dentro da prisão. “Lá a audiência do programa é grande”, afirma Nuno. Segundo ele, o programa só deu certo por falar a mesma língua das pessoas do gueto. “Embora o rap esteja em alta, os artistas continuam sendo marginalizados pela sociedade e pelo poder público. Os políticos nos procuram apenas em período de eleição”, desabafa o rapper. Mas Nuno garante que o ‘povo’ consegue discernir quem gosta realmente da música e quem apenas quer aproveitar do momento.

ANO 1 / NÚMERO 5

Folha do Japi

30 DE ABRIL a 6 DE MAIO DE 2011

DIFERENTE PORQUE RESPEITA SUA INTELIGÊNCIA www.folhadojapi.blogspot.com

FALTA DE SEGURANÇA

ASSUSTA OS JUNDIAIENSES Casa Santa Marta ajuda moradores de rua (pág 6)

Série: The Big Bang Theory por André Lux

PROGRAMAÇÃO DE CINEMA

S

e você é um nerd assumido, então não pode perder a série “The Big Bang Theory”, que passa no canal da Warner e está atualmente na terceira temporada. Fanáticos por “Star Trek”, “Star Wars”, “Planeta dos Macacos” e cinema em geral, quadrinhos, video-games, computadores, internet, física, química e tudo que diz respeito ao universo dos outrora conhecidos como CDFs vão encontrar muitos motivos para se divertirem com as confusões armadas pelos quatro amigos que têm em comum a paixão por tudo aquilo que as pessoas ditas “normais” abominam ou simplesmente ignoram (como o prazer de assistir à segunda temporada de “Batlestar Galactica” com comentários do diretor!). Os astros da série são Sheldon Cooper e Leonard Hofstadter, dois Doutores em Física de vinte e poucos anos que dividem um. Eles interagem com o engenheiro (mas não Doutor!) Howard Wolowitz, um nerd metido a conquistador, o indiano Rajesh Koothrappali, Ph.D. que só consegue falar com mulheres se estiver sob efeito do alcool, e Penny a vizinha gostosa pela qual Leonard

8 Folha do Japi

A GAROTA DA CAPA VERMELHA (legendado) Sala 7

NUNO MENDES : A VOZ DO RAP NO RÁDIO (pág 8) Estatística oficial mostra que número de roubos aumentou em relação a 2010 (pag 4 e 5)

EU SOU O NÚMERO QUATRO (dublado) Sala 1 HOP - REBELDE SEM PÁSCOA (dublado) Sala 1 INVERNO DA ALMA (legendado) Sala 1 - Moviecom Arte PÂNICO 4 (dublado) Sala 6 é apaixonado e que não entende absolutamente nada do que falam os quatro amigos. O bacana é que o universo nerd é tratado com o devido respeito, mas sem esquecer de brincar com as esquizitices e manias dos protagonistas e, principalmente, a falta de habilidades para se relacionarem com as mulheres bonitas. Enfim, se frases como “Ajoelhe-se perante Zod!” ou “Tire suas patas de mim, seu maldito macaco sujo!” fazem sentido para você, então “The Big Bang Theory” é a sua praia.

Equipe Papaléguas corre em nome de Jundiaí (pág 7)

RIO (dublado) Salas 3 e 4 THOR (dublado) Sala 2 e Sala 5 (em 3D) THOR 3D (legendado) Sala 5 VIPS (nacional) Sala 6

CONSULTE OS HORÁRIOS NO SITE: www.moviecom.br Prefeitura pode perder verba de R$ 750 mil destinada por deputado (pág 8)

População revolta-se contra aumento de 63% no salário dos vereadores (pág 2)


EDITORIAL

ESPORTE

Uma vitória esmagadora da população contra o descaso de certos políticos

P

ara aqueles que desdenham da força da internet, dos blogueiros e de quem preza pela Justiça e pelo cumprimento das leis, a maior prova do seu valor foi dada nesta sexta-feira, dia 29. Acuados pela pressão popular frente ao vexame da aprovação de reajuste dos próprios salários em 63% e do aumento do número de vagas na Câmara Municipal, os 10 vereadores que foram favoráveis a este insulto voltaram atrás. Os nobres parlamentares admitiram terem corrido até o prefeito Miguel Haddad para pedir que o chefe acabe com o martírio e vete as propostas de aumento. Tudo para não terem mais de enfrentar a fúria da população, que usou todas as ferramentas que tinha disponíveis para criticar esta tremenda aberração: redes sociais como

Orkut, Facebook e Twitter, além de blogs e sites. Esta é a maior mostra de que o povo jundiaiense está cansado dos desmandos de políticos que não estão nem aí para o que nós pensamos. É chegada a hora de cobrarmos seriedade daqueles que recebem mais de R$ 7 mil todo mês apenas para dar nomes de rua e aprovar projetos que interessam somente ao prefeito. Chega disso! A vitória da pressão popular, contudo, não pode parar por aí. É preciso exigir que estes senhores e senhoras, pagos com dinheiro público, justifiquem cada centavo. Queremos projetos que melhorem a vida das pessoas; queremos que eles fiscalizem a falta de médicos nos postos de saúde; que briguem pela reabertura da Casa de Saúde; pelo tratamento de

DE OLHO NA MÍDIA

A Prefeitura de Jundiaí oferece aos atletas apenas lanche e transporte para as viagens

A

dependentes químicos; por melhores condições do transporte urbano; por uma passagem mais barata; por melhor qualidade de vida. Este deveria ser o papel dos vereadores! Esta quinta edição da Folha do Japi

é dedicada a todos vocês que direta ou indiretamente contribuíram para a vitória do povo. Que mais pessoas possam ter essa consciência em prol de todos aqueles que vivem e amam Jundiaí. Parabéns!

CONTAS FALSAS DA FOLHA DO JAPI são criadas no twitter Um usuário desconhecido criou uma série de perfis falsos da Folha do Japi no twitter. Ao ser avisado do fato, o jornal criou seu próprio perfil (@FolhaDoJapiJund) e anunciou no blog. Momentos depois, o perfil da Folha do Japi foi “suspenso” pelo twitter sem que fosse dada qualquer explicação. Uma hipótese é que alguém tenha denunciado o perfil várias vezes por “spam”. Recebemos também um email de folhadoj@yahoo.com anunciando a criação dos perfis falsos. Esse email também é falso e não tem nada a ver com o verdadeiro email do jornal, que é folhadojapi@ terra.com.br

As obras da avenida Nove de Julho foram retratadas pelo Jornal de Jundiaí na edição do dia 27, quarta-feira. Para este periódico, só faltam ‘retoques finais’ para a conclusão da reforma, que será de ‘grande valia’ para a população jundiaiense. O JJ só esqueceu de

dizer na reportagem que: a Prefeitura de Jundiaí está há quase 3 anos realizando esta interminável obra; e que para alargar a avenida, colocar coqueiros e novas luminárias foram gastos quase R$ 40 milhões do dinheiro vindo do Governo Federal.

Esta coluna tem como objetivo mostrar como alguns órgãos da imprensa jundiaiense tratam determinados assuntos. O propósito é a reflexão: afinal, a quem interessa transformar notícias preocupantes em fatos positivos? Estamos de olho!

2 Folha do Japi

Equipe Papaléguas de atletismo representa Jundiaí mesmo sem receber incentivo

EQUIPE PAPALÉGUAS : Atletas se desdobram entre o trabalho e os estudos para poder representar Jundiaí no atletismo

A Prefeitura de Jundiaí informou que a reforma da pista de atletismo está prevista para iniciar em maio e

será implantado sistema de drenagem e aplicada manta vinílica.

ZÉ BOQUINHA

Qual o futuro do basquete no Brasil ?

Carolina e Edvaldo do Prado

EXPEDIENTE

Edição: André Lux Reportagens e fotos: Renata Gutierrez Editores de Arte: José Geraldo de Oliveira e Priscila de Oliveira Tiragem: 5 mil exemplares

mos nossos tênis ou pagarmos as inscrições das corridas”, reivindica Tiago Juliano Sampaio, operador de máquinas. “Já recebi propostas de Várzea Paulista para treinar lá com auxílio, mas preferi ficar em Jundiaí por causa da equipe e dos treinos”, revela Sampaio. O atleta gastou recentemente R$ 1 mil com a compra de dois tênis especiais para treino. Mas de nada adianta investir em bons equipamentos, pois a pista do Centro Esportivo Dr. Nicolino de Luca, o Bolão, apresenta sérios problemas. O espaço foi criado juntamente com o centro, em 1953. “Quando chove não é possível treinar, porque a quadra não foi criada para absorver a água”, afirma o técnico da equipe e coordenador de corrida de rua, Robson Mian. Embaixo da pista, explica, há uma camada de concreto e com o passar dos anos o saibro foi saindo e as pedras soltas prejudicam o treinamento.

COLUNA DO

A única pergunta que nos vem à mente é: a quem interessa criar emails e perfis falsos da Folha do Japi no twitter e fazer tanto esforço para que o nosso perfil verdadeiro seja suspenso?

Folha do Japi

equipe Papaléguas de atletismo é a principal representante do esporte em Jundiaí. Criado em 2007, o grupo formado por 45 atletas, de 19 a 77 anos, reúne medalhas e treina diariamente para diminuir o tempo em provas de dez quilômetros, meia maratona e maratona. O jornalista Sandro Crisol representa bem o grupo: já participou de duas Corridas São Silvestre e cinco Prova Pedestre da Unimed. “Desde que comecei a correr me senti mais disposto, com mais saúde, o meu humor melhorou. Eu sou apaixonado pelo atletismo”, afirma. O atletismo em Jundiaí precisaria de muito incentivo para ser a única fonte de renda dos atletas, que se dividem entre o trabalho, estudos e treinos. A Prefeitura de Jundiaí oferece aos atletas um auxílio lanche e transporte apenas para as viagens. “Por representarmos a cidade, deveríamos ganhar pelo menos um auxílio para comprar-

Contato, cartas, sugestões, críticas ou elogios: folhadojapi@terra.com.br Site: www.folhadojapi.blogstpot.com DISTRIBUIÇÃO GRATUITA As opiniões assinadas, são de responsabilidade dos seus autores.

O

basquete masculino brasileiro, bi-campeão mundial e 3 medalhas olímpicas, era, até meados dos anos 90, o segundo esporte na preferência nacional. Mas, com sua péssima administração, a CBB jogou o esporte no lixo. Conseguiu fazer um campeonato brasileiro e não ter campeão. Hoje depois da mudança de presidente tenta se reerguer. A criação de uma nova liga, a NBB, se consolidou e hoje temos um campeonato nacional muito bem organizado, o que nos deixa otimistas. Nossa grande preocupação é o próximo pré-olímpico. Fora de uma Olimpíada desde 1996, jo-

gamos este ano uma cartada decisiva no futuro do esporte. Com a contratação de um técnico de ponta, campeão olímpico com a Argentina, a confederação aposta suas fichas na experiência internacional de Ruben Magnano, que provavelmente não contará com os jogadores da NBA, pois Varejão, Leandrinho e Nene não confirmaram presença. Apenas Splitter deverá jogar, o que é muito pouco se queremos ter um time competitivo para conquistar uma vaga para os jogos olímpicos de Londres em 2012. Como se diz que o futuro só a Deus pertence, aguardemos...

José Roberto Lux, o Zé Boquinha, foi jogador e técnico profissional de basquete por 51 anos e hoje é comentarista de basquete e futebol dos canais de TV a cabo ESPN e da rádio Estadão ESPN.

Folha do Japi 7


CIDADES

POLÍTICA

Casa Santa Marta oferece ajuda a moradores de rua há 15 anos

Dez vereadores aprovam aumento de 63% nos próprios salários e geram revolta na cidade

Instituição sobrevive de doações e com o dinheiro arrecadado com as vendas no bazar

Indignação da população foi tão forte, principalmente pela internet, que parlamentares voltaram atrás e pediram que prefeito vete o projeto

E

ra pouco mais de meio-dia da terça-feira, 26, e 42 pessoas entraram em fila para entrar na Casa Santa Marta, localizada na rua Petronilha Antunes. A associação oferece café da manhã e almoço, banho, kit de higiene pessoal, roupas a pessoas carentes e moradores de rua, além de acompanhamento psicológicos, tanto aos pacientes quanto às famílias após encaminhá-los às associações de reabilitação parceiras. Jamaica, como é conhecido Luiz Henrique dos Santos, é um emi-

Jamaica, morador de rua, agradece o afeto recebido dos funcionários e voluntários

grante de Bauru. Morador de rua, diariamente sai da rua Professora Raquel Carderelli, local onde mora e trabalha como “flanelinha”, e segue até a Casa Santa Marta para tomar café da manhã e banho. “Aqui é a minha casa, tudo que preciso tenho aqui”, relata o homem referindo-se também ao afeto encontrado. Todas as quintas-feiras ele participa de terapia em grupo com outras pessoas que enfrentam os mesmos problemas: o álcool e a droga. “Aqui na Casa são raros os casos que chegam sem ter envolvimento com algum vício”, afirma Erica Izabel Lanzellotti, coordenadora da Casa. Desde a sua fundação em 1995, aproximadamente dez moradores de rua conseguiram se reerguer. Francisco Coelho Filho é um exemplo e há seis anos trabalha na associação. “Mantenho uma luta diária para me manter limpo”, revela. Ele foi morador de rua, usuário de crack e alcoólatra. Há sete anos está longe do vício e conseguiu constituir família. “Não quero mais aquela vida para mim”, declara. Em 2008 um morador de rua ma-

A

Câmara dos vereadores de Jundiaí foi palco, no dia 26, de apresentação desastrosa da grande maioria da bancada do prefeito Miguel Haddad com a aprovação de reajuste salarial de 63 % para o Legislativo e 12% para prefeito, vice-prefeito e secretários. Caso o prefeito aprove, os reajustes valerão apenas para a próxima legislatura, a partir de 2013. Indignada, a população, que não pôde opinar durante a sessão, disparou recados de repúdios pelas páginas de relacionamentos na internet pedindo pelo veto do prefeito e cobrando um posicionamento de alguns vereadores. “O aumento no salário sem consulta prévia à população é algo que tem chateado os Casa Santa Marta ajuda as pessoas carente da cidade

tou uma pessoa nas proximidades da Casa Santa Marta. À época, esse fato isolado gerou críticas ao trabalho da associação. Mas, segundo Erica Lanzellotti, o criminoso já havia sido expulso da casa por não apresentar bom comportamento. “Aqui dentro nós temos regras rígidas e quem não as cumprir é cortado dos benefícios”, garante.

A Casa Santa Marta sobrevive basicamente de doações e com o dinheiro arrecadado com as vendas no bazar. Mais informações sobre a instituição podem ser obtidas pelos telefones 45226860 ou 4586-8351.

Jundiaí pode perder verba de R$ 750 mil destinada pelo deputado Pedro Bigardi em 2009 Parlamentar acredita em motivação política para o desinteresse do prefeito em fazer recursos saírem do papel Jundiaí poderá perder verba de R$ 750 mil conquistada pelo deputado estadual Pedro Bigardi (PCdoB) em 2009 porque a Prefeitura não fez até agora a parte que lhe cabe. “Eu pedi duas vezes para o Secretário Estadual da Casa Civil, Sidney Beraldo, assegurar a verba para os anos de 2010 e agora para 2011. Mas a Prefeitura não demonstra nenhum interesse”, frisa Bigardi. Os recursos seriam aplicados em três obras: R$ 150 mil para construção da cobertura da quadra poliesportiva no Jardim Esplanada, R$ 250 mil para construção de ciclovia e R$ 350 mil para equipamentos esportivos e de lazer no Complexo Antônio Iacovino, na Vila Nambi. “De todas as verbas que já destinei, as de Jundiaí são as

6 Folha do Japi

únicas que ainda não saíram”, espanta-se Bigardi. O parlamentar lamenta a atitude da Prefeitura. “É uma questão meramente política. O prefeito Miguel Haddad (PSDB) deveria deixar de lado as nomenclaturas partidárias e pensar mais na população”, desafia. Para Bigardi, Jundiaí deveria seguir o exemplo de Campo Limpo Paulista, também administrada pelo PSDB. O município foi contemplado pelo parlamentar e já recebeu verba para a compra de ambulâncias. O Secretário Adjunto de Esportes, Alaércio Borelli, informou que a verba de R$ 350 mil não foi liberada pelo Estado e que a Prefeitura aguarda novas normas. “Quanto ao Jardim Esplanada, o projeto está sendo detalhado para verificar o custo final”, afirma.

jundiaienses. Nota-se isso pela reação das pessoas, principalmente na internet”, afirma o estudante John Viudes. A pressão da população foi tão forte que os dez vereadores que votaram a favor do aumento chamaram uma coletiva de imprensa no dia 29, à noite para dizer que tinham mudado de idéia e pediriam que o prefeito Haddad vetasse o projeto. “Fico feliz que os vereadores mudaram suas posições, porque não aumentar salário nenhum é o melhor para o município. O prefeito Miguel Haddad, não resistindo às pressões, deve ter chamado a sua base e feito esse acordo”, pondera o vereador Durval Orlato (PT), que foi contra o projeto desde o início.

O deputado Pedro Bigardi cobra uma ação da Prefeitura

Sobre a ciclovia, a Prefeitura informou que a verba de R$ 250 mil é insuficiente para a construção da pista. Bigardi contesta as informações. “Em Curitiba foi gasto R$ 60 mil por quilômetro.

Sabendo que o custo varia entre R$ 60 mil a R$ 80 mil por quilômetro construído, Jundiaí conseguirá implantar pelo menos quatro quilômetros de ciclovias com esta verba”, finaliza.

Projetos bizarros fazem parte da rotina da Câmara Municipal Na semana em que o foco principal era o projeto do reajuste salarial, a Folha do Japi fez um levantamento de projetos apresentados pelos vereadores. Algumas ‘pérolas’ foram encontradas. O vereador José Dias (PDT), por exemplo, é autor da campanha informativa sobre os riscos auditivos do uso de “tocadores de mp3”. “A proposta é embasada em estudo divulgado pelo Comitê Científico Europeu de Ricos à Saúde, comprovando que o uso de aparelhos de som com fone intra-auricular favorece a perda da audição”, justifica o vereador. O grande problema é como a campanha chegaria às ruas, já que depende de aval da Prefeitura, que também teria de promover o movimento em defesa da causa. Outra proposta inusitada partiu da vereadora Ana Tonelli (PMDB): o projeto que exige nos ambulatórios, hospitais e postos de atendimento médico a afixação de cartaz alertando pacientes com insuficiência renal sobre a toxina presente nas carambolas. Segundo Tonelli “a neurotoxina pode provocar a morte”. Paulo Sérgio Martins (PV) apresentou propositura para incluir no calendário Municipal de eventos o dia do DeMolay, em 18 de março. A data celebraria o aniversário de Jacques DeMolay que ao completar 21 anos se juntou à Ordem dos Cavaleiros

Templários. Martins explica que o projeto visa “ressaltar a importância da Ordem na luta pela manutenção da escola pública e a promessa da construção de um mundo novo”. A exigência de dispositivos de segurança para transporte de crianças nos carrinhos de compra dos supermercados é projeto de autoria do vereador Val (PTB). Caso haja o descumprimento, haverá aplicação de multa de R$ 2 mil ao estabelecimento. “Eu só gostaria de saber de onde estes vereadores tiraram a ideia destes projetos. A cidade tem outras prioridades. Acho que está sobrando tempo para eles”, protesta Natalino dos Santos, Cabeleireiro. “É para votar nestes projetos que alguns vereadores querem aumento?”, questiona o jornalista Barbosa.

População e entidades como o Voto Consciente protestam contra o aumento na internet

COMO VOTARAM OS VEREADORES A FAVOR : Ana Tonelli (PMDB); Carlos Pereira Neto, o Doca

(PP); Fernando Bardi (PDT); José Dias (PDT); Marcelo Gastaldo (PTB); Enivaldo de Freitas, o Val (PTB); Mingo Fontebasso (PSDC), Roberto Conde (PRB); Sílvio Ermani (PV).

CONTRA: Durval Orlato e Marilena Negro (PT); Paulo Sérgio

Martins (PV); Leandro Palmarini (PV); Tico (PSDB); Gustavo Martinelli (PSDB). O Presidente da Mesa não vota, mas é um dos autores do projeto de aumento salarial.

Nas entrelinhas

da

política

É FRACO O vereador Julião, do PSDB, demonstrou neste episódio do aumento de cadeiras e dos salários dos parlamentares da Câmara de Jundiaí como é politicamente fraco. Deixou o assunto se arrastar por muito tempo, não teve controle nem sobre os dois outros tucanos (Tico e Gustavo Martinelli votaram contra) e apesar de não ter votado, levou a fama por ter sido autor do projeto. Talvez seja até por isso que Julião nunca teve muito espaço dentro do partido na cidade...

MARCADOS Se depender de ONGs, movimentos da juventude e de algumas pessoas que têm consciência política na cidade, os nove vereadores que votaram a favor do aumento de salário e do número de vagas no Legislativo estarão marcados daqui até as eleições do ano que vem. A renovação deve ser grande na próxima legislatura, inclusive com a saída daqueles que já ocupam o cargo há muitos anos. É esperar (e votar) para ver.

IMPRESSÃO MINHA O anúncio do TSE, o Tribunal Superior Eleitoral, de que Jundiaí será uma das únicas cidades do interior a utilizar já no ano que vem a comprovação biométrica de voto por meio de escaneamento da digital, vai garantir ainda mais rigor e segurança na hora em que o eleitor for à urna exercer seu direito. É uma maneira eficaz (até que se prove o contrário) de que não haverá nenhuma possibilidade de fraude nas próximas eleições municipais.

Folha do Japi 3


A insegurança aumenta em Jundiaí e amedronta a população Números oficiais apontam que número de roubos aumentou em relação a 2010

O

GUARDA MUNICIPAL Miguel Haddad não cumpriu promessa de campanha Durante a campanha eleitoral, o atual prefeito Miguel Haddad prometeu que seriam contratados em sua administração 40 novos guardas municipais por ano. Entretanto, desde 2009 foram contratados apenas 11 novos guardas, só que oito ocuparam o lugar daqueles que se aposentaram (sete homens e uma mulher) e apenas três realmente estão somando à Corporação. Hoje, a Corporação possui apenas 270 guardas. “Em 2009 e 2010 o saldo entre novos guardas municipais e os que se aposentaram foi de apenas quatro em dois anos. Hoje, se a promessa do prefeito fosse cumprida teríamos pelo menos 100 novos GMs e até o final do ano 120”, explica o vereador Durval

Orlato (PT), que enviou ao Executivo um abaixo assinado com mais de 2,5 mil assinaturas anexado a um ofício cobrando o comando da Guarda e a Prefeitura para contratar 250 novos guardas. Orlato estudou dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) sobre o crescimento populacional de Jundiaí e chegou à seguinte conclusão: “A cidade cresceu 6% em apenas um ano (2010), o que representa um aumento de 20 mil habitantes, e a Prefeitura aumentou apenas quatro guardas em Jundiaí”, afirma o vereador. Uma fonte da Folha do Japi ligada à Guarda Municipal, que preferiu não se identificar, confirmou a falta de contingente e ainda informou à reportagem que sobram equipamentos e viaturas, porque não há efetivo

suficiente. A fonte ainda relatou que existem postos comunitários nas ruas sem guardas. Em janeiro deste ano a Guarda Municipal recebeu três novos jipes Marruá. Comprados por cerca de R$ 500 mil com recursos do governo federal, os veículos deveriam ser utilizados na fiscalização da Serra da Japi. Contudo, ainda de acordo com a fonte, não há pessoal para manusear os jipes. Procurada pela Folha do Japi para explicar por quais motivos a promessa de campanha do atual prefeito Miguel Haddad não está sendo cumprida, a Prefeitura afirmou apenas que “para este ano, a Secretaria de Recursos Humanos realiza estudos para a ampliação do efetivo da

número de roubos (inclusive de veículos) aumentou em Jundiaí, segundo estatística da própria Secretaria de Segurança do Estado de São Paulo. Os dados são relativos aos três primeiros meses deste ano, comparados ao mesmo período de 2010. Foram registrados 424 roubos de janeiro a março de 2011, contra 416 do último ano - o que dá uma média de 4,7 roubos por dia. O Açougue Vera Cruz, do Caxambu, faz parte destas estatísticas. O número de vezes que o estabelecimento foi roubado é o mesmo de tempo de sua existência: 40. “Hoje eu até deixo um dinheiro no caixa para, caso seja assaltado, eles levarem apenas as notas”, afirma o comerciante Mauricí Fonseca, que está cansado de

tanto ser roubado. Em um dos assaltos ele conta que foi aprisionado dentro da câmara fria do açougue. “Eles são audaciosos. Meu pai até desenvolveu diabetes nervosa por causa do número de vezes que fomos assaltos”, afirma. Ainda segundo ele, os bandidos estão sempre armados e, na maioria das vezes, acompanhados. Um sempre fica na porta vigiando enquanto os outros efetuam o assalto. A única saída do comerciante para tentar amenizar a situação foi contratar um vigia articular. “Não acho isso justo já que eu pago os impostos e neles estão embutidos o custo da segurança”, revolta-se. O taxista José Fioresi teve vários amigos motoristas mortos após tentativa de assalto e trabalha com outros que já foram

vítimas de roubo de veículos, cujas ocorrências apontam um crescimento para 155 em apenas três meses, contabilizando uma média de 1,7 roubos por dia. Em 2010 o índice de roubos de veículos, de janeiro a março, foi mais baixo e marcou 134 ocorrências. “Eu me apego à fé, porque tenho muito medo e sei que não posso contar com o poder municipal”, desabafa o motorista de 42 anos. Segundo ele, algumas ruas por onde trafega ficam muito congestionadas, o que facilita os roubos. A Prefeitura de Jundiaí apresenta outra versão e informa que “levantamentos de 2010 mostram que a cidade não registrou nenhum latrocínio (roubo seguido de morte) neste ano, resultado do trabalho conjunto realizado entre a

Guarda Municipal e polícias Civil e Militar”. Em seguida, compara Jundiaí a outras cidades em relação índice de criminalidade: “O índice do município é de 5,13 homicídios para 100 mil habitantes – quatro vezes menos que Franco da Rocha”. Ainda de acordo com a Prefeitura, “o ranking da criminalidade publicado em 2 de fevereiro pelo jornal Folha de São Paulo (dados fornecidos pela Secretaria de Estado de Segurança Pública), mostra que, de um total de 75 cidades do Estado com mais de 100 mil habitantes, Jundiaí é a 65ª menos violenta”.

GM”. Além disso, garante que “os equipamentos da GM estão sendo utilizados em sua totalidade, na abrangência para todas as ações desenvolvidas, seja pelo Canil, Anjos da Guarda (Ronda Escolar) - Guarda Comunitário, Divisão Florestal, Coordenadoria de Instrução e Formação”. O taxista José Fiorese sente medo nas ruas de Jundiaí

4 Folha do Japi

Folha do Japi 5

Folha do Japi 5  

Quinta edição do jornal Folha do Japi

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you