Page 1

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA CULTURA

Para Jô Martin, Jundiaí é uma cidade sem atividades culturais

ANO 1 / NÚMERO 4

Folha do Japi

Os festivais “Enredança” e “Mirim Dança”, idealizados pelo artista, atraiam dançarinos do Brasil inteiro até serem extintos pela Prefeitura

B

ailarino, coreógrafo, cantor e ator. Estas são algumas das atribuições de Jô Martin, que em 1953 começou a fazer história em Jundiaí ao ser convidado para participar do conservatório da cidade. O artista aprendeu canto lírico, piano e ballet. Criador do festival de dança “Enredança”, Jô Martin elevou Jundiaí no cenário nacional durante 25 anos e trouxe à cidade inúmeros profissionais da dança de diferentes partes do Brasil. Porém, o projeto foi extinto do calendário jundiaiense há quatro anos. Paralelo ao projeto, o artista foi por oito anos administrador do Polytheama e juntamente ao encerramento do festival, foi demitido das funções. O motivo, segundo ele, é político. “A pessoa que assumiu a pasta de Cultura tinha sua equipe”, afirma o baila-

rino, referindo-se à atual secretária de Cultura, Penha Martins. Segundo o artista, o “Enredança” era facilmente comparado aos grandes festivais de dança que ocorriam em Joinville, em Santa Catarina. “Nosso evento era considerado o segundo melhor do país”, relembra. O “Enredança” não foi o único projeto do artista extinto pela Prefeitura. O “Mirim Dança” durante dez anos promoveu a integração artística entre crianças e também não existe mais. “Você ver eventos que criou e que atraíam os melhores bailarinos do país para Jundiaí simplesmente acabar não deixa ninguém feliz”, garante. Para ele Jundiaí deveria desenvolver novos projetos ou resgatar os festivais anteriores para dar brilho à cidade. “A cidade está hoje sem atividades

culturais”, analisa. Atualmente ele é proprietário de uma academia de dança e protagonista da peça ‘Velho não!...Vivido”. No espetáculo, que relembra a época em que o namoro limitava-se em pegar nas mãos, ele canta 22 músicas entre espanhol e português, faz apresentações de sapateado e tango com outras bailarinas. A peça não tem data para próxima apresentação em Jundiaí. O grupo de sua academia de dança vai se apresentar pelo 18⁰ ano consecutivo no Lar Nossa Senhora das Graças, em Jundiaí, no Dia das Mães.

22 a 28 DE ABRIL DE 2011

DIFERENTE PORQUE RESPEITA SUA INTELIGÊNCIA www.folhadojapi.blogspot.com

PREFEITURA FAZ PROPAGANDA DE OBRA QUE SÓ EXISTE NO PAPEL Jô Martin no início de sua carreira como bailarino

Hoje ainda está em plena atividade

DVD: SkyLine - a Invasão por André Lux

PROGRAMAÇÃO DE CINEMA A GAROTA DA CAPA VERMELHA (legendado) Sala 2

Skyline - A Invasão” é bem divertido e desfrutável. Trata-se de um filme de ficção científica e terror que mostra uma invasão alienígena nas ruas de Los Angeles. No gênero, é um dos melhores que eu já vi. A obra tem certa semelhança com “Cloverfield - Monstro”, já que mostra a invasão pelo ponto de vista de um grupo que está fechado dentro de um apartamento de luxo. O importante é que “Skyline - A Invasão” entrega o que promete: muita ação e suspense, efeitos especiais excelentes (os monstros e as naves são bem convincentes), uma trilha musical adequada, surpresas e alguns sustos reais. Tudo na medida certa, sem mensagens pretensiosas, explicações didáticas ou finais redentores, nem excesso de cenas nojentas.  Ajuda também os atores serem todos desconhecidos, pois assim nunca sabemos qual será a próxi-

8 Folha do Japi

AS MÃES DE CHICO XAVIER (nacional) Sala 1 CÓPIA FIEL (legendado) Sala 3 - Moviecom Arte

Cobertura de quadra que deveria ter sido executada no Jardim Santa Gertrudes existe apenas em cartilha de gastos da Prefeitura (pag 4 e 5)

ESPOSA DE MENTIRINHA (legendado) Sala 3

APAE de Jundiaí passa por dificuldades financeiras (pág 6)

EU SOU O NÚMERO 4 (dublado)

Conheça o bailarino, coreógrafo, cantor e ator Jô Martin (pág 8)

Salas 6 e 1 FÚRIAS SOBRE RODAS (legendado) Sala 3 ma vítima dos ataques extremamente selvagens dos aliens. É muito interessante a maneira que as criaturas atraem os humanos, por meio de uma luz azul que lembra aquela que usamos para atrair as moscas para armadilhas letais. Se você gosta do gênero, mergulhe de cabeça que não vai se arrepender (rola até uma explosão nuclear!). É diversão garantida.

HOP - REBELDE SEM PÁSCOA (dublado) Sala 7 PÂNICO 4 (dublado) Sala 7 e 6 RIO Salas 2, 3 e 4 e Sala 5 (em 3D)

CONSULTE OS HORÁRIOS NO SITE: www.moviecom.br

Mais um animal da Serra do Japi é atropelado na Anhanguera (pág 3)

Paulista em clima de “Sexta-feira 13”(pág 7)


EDITORIAL

ESPORTE

Mais um exemplo de respeito à inteligência do jundiaiense Quando deu início ao trabalho de informar o jundiaiense, a Folha do Japi escolheu como slogan a frase ‘Diferente porque respeita sua inteligência’. Nas três edições anteriores, buscamos tratar de assuntos de extremo interesse da população e buscar soluções para estas questões que afetam diretamente a todos nós. Ao chegar à quarta edição, a Folha do Japi traz uma denúncia que precisa ser acompanhada de perto pelo Ministério Público Estadual, por movimentos como o Voto Consciente e o Cidade Democrática, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e, é claro, a Câmara de Vereadores – que tem como obrigação principal fiscalizar as ações da Prefeitura de Jundiaí. Anunciada como benfeitoria para a comunidade do Jardim Santa Gertrudes, a cobertura de uma quadra poliesportiva teria custado quase R$ 140 mil dos cofres públicos, mas sequer saiu do papel. Pior que isso: mesmo sem ter

sido feita, a obra consta como executada na prestação de contas da Secretaria Municipal de Finanças! É inadmissível que uma administração que prega extrema transparência com o dinheiro público cometa um erro tão grave, ferindo inclusive as determinações da Lei de Responsabilidade Fiscal. Em defesa dos direitos da população jundiaiense, a Folha do Japi vai prosseguir na missão de informar o leitor sobre tudo o que acontece na cidade. Afinal, o jornalismo tem como essência fundamental o respaldo à população em situações como a que retratamos nas páginas 4 e 5 desta edição. Sem qualquer tipo de rabo preso, somente visando o bem-estar e a valorização de Jundiaí. Contamos, inclusive, com sugestões e opiniões dos nossos leitores. Aproveite o espaço ‘A voz dos leitores’ logo abaixo e nos mande também a sua mensagem. Boa leitura!

DE OLHO NA MÍDIA

Galo está na torcida por tropeços e pela desistência de clubes para ressuscitar como o personagem dos filmes “Sexta-Feira 13”

A

A voz dos leitores A cidade merece um jornal que respeita a inteligência dos seus moradores. Vamos torcer por vocês! Marco Aurélio Mello, jornalista Parabéns pela nova jornada que, com certeza, vai deixar muita gente com insônia nessa cidade. Jundiaí merece um novo jornal assim claro, objetivo e principalmente verdadeiro.  Jorge Campos

N

o dia 16 de abril, o “Bom Dia” e o “Jornal da Cidade” tiveram visões bastante diferentes em relação aos índices de criminalidade registrados no município. O JC comemorou o fato de que nos últimos três meses não houve nenhum homicídio doloso.  O mais estranho é que apesar de ressaltar que também não houve vítimas deste tipo de crime, o jornal deixou claro, em outra parte do

texto, que nada menos do que 11 tentativas de assassinato aconteceram neste período. Já o “Bom Dia” ressaltou que 20 casos de estupros e 183 registros de lesão corporal dolosa contra mulheres aconteceram nestes três meses somente em Jundiaí. Também lembrou que houve 150 casos de tráfico de drogas, 155 roubos de veículos, 18 roubos de cargas, 424 assaltos a mão armada...

Esta coluna tem como objetivo mostrar como alguns órgãos da imprensa jundiaiense tratam determinados assuntos. O propósito é a reflexão: afinal, a quem interessa transformar notícias preocupantes em fatos positivos? Estamos de olho!

2 Folha do Japi

Paulista espera ‘efeito Jason’ para voltar à temporada

Parabéns a toda equipe. As reportagens ficaram muito boas.  Durval Orlato, Vereador de Jundiaí Adorei, belíssimo trabalho. Parabéns a todos os que estão criando este inovador instrumento de comunicação. Gostei demais do

layout e das matérias, questões do nosso cotidiano colocada de forma clara e objetiva. Quando puder, se permitirem, gostaria muito de colaborar, buscar assuntos no movimento estudantil e nos bairros por onde circulo. Mais uma vez, parabéns e sucesso, que acredito irá ser alcançado com este estilo de jornalismo. Luiz Antonio Moura de Moura Tenho certeza que só conseguiremos combater essa mediocridade de nossos 3 poderes impressos, com o outro lado da noticia, a verdadeira notícia. Fico feliz, espero que o novo empreendimento estimule outros novos cadernos de notícias, assim podemos combater o “samba de uma nota só”. Arthur Augusto

pós derrapar na reta final da fase de classificação do Estadual, o Paulista vive momentos de especulação e esperança. Agora, só mesmo o ‘efeito Jason’ para ressuscitar a temporada do Galo. A metáfora surgiu com o São Paulo, famoso por ressurgir e surpreender sempre no segundo turno dos Campeonatos. Assim, chegou a ser comparado ao imortal personagem da série de filmes “Sexta-Feira 13”. No caso do tricolor jundiaiense, a tarefa de renascer das cinzas não parece tão plausível. Após a derrota para o Santos por 3 a 0, o time encerrou a participação logo na primeira fase do Paulistão. Ficou na décima colocação. Mesmo assim, os dirigentes ainda enxergam uma luz no fim do túnel. Ironia ou não,

o Galo torce para Ponte Preta (rival histórico), Mirassol e Oeste vencerem nas quartas-de-final. Caso um destes times vença e avance para as semifinais, o Paulista terá a chance de disputar o Torneio do Interior, que poderá render ao clube R$ 250 mil com o título. “Esta é uma semana de expectativa. Só saberemos qual o caminho a seguir a partir dos jogos dos outros times”, afirma Djair Bocanela, presidente do Paulista. Porém, com a classificação de apenas uma equipe, quem disputará o Torneio é o São Caetano, nono colocado na tabela do Estadual. Além de ficar fora da segunda fase do Paulistão, o Galo perdeu a chance de disputar a série D do Brasileiro, mas nem tudo está perdido. O time terá de torcer para o Mirassol

CRISE Logo após a derrota para o Santos e a melancólica despedida do Campeonato Estadual, o Paulista enfrenta uma forte crise. O vice-presidente do clube, Cristiano Mingotti, chegou a pedir demissão, porém revogou a

decisão. Procurado pelo Folha do Japi, Mingotti preferiu não se pronunciar. Já Bocanela afirma ter de esperar as próximas semanas para se posicionar sobre o destino dos jogadores.

e o Oeste, representantes paulistas na competição, desistirem de participar do Brasileirão. Com isso o Paulista se classificaria automaticamente. Caso isso não aconteça, o Galo se contentará apenas em disputar o bicampeonato da Copa Paulista, que ocorre no segundo semestre. O campeão fica com vaga garantida para a Copa do Brasil de 2012.

Comissão técnica do Paulista esta á espera de um milagre

COLUNA DO ZÉ BOQUINHA

D

efinitivamente o futebol arte não existe mais. Real Madrid e Barcelona, dois dos maiores times do mundo, mostraram isso na quarta feira passada. A beleza do toque de bola e da velocidade do Barça foi subjugada por um futebol do Real totalmente defensivo e jogado pelo resultado. Futebol anti jogo, retranqueiro, covarde ou simplesmente a filosofia de que vencer não é o mais importante, “é tudo”. Esse foi o desfecho da decisão da Copa do Rei. Teremos agora dois jogos com características diferentes no mata-mata

da Liga dos Campeões da Europa. Será que o Real será mais ousado? Duvido. E o Barcelona, o que fará para dobrar seu secular rival? No âmbito local, parabéns ao heróico time do Fluminense que conseguiu uma praticamente impossível classificação na Argentina contra a fúria de nossos “hermanos” que mais uma vez desafinaram e atravessaram o tango, partindo para a porrada depois da partida. Quantas vezes já vimos esse filme? E quantas vezes vimos alguma punição acontecer?

José Roberto Lux, o Zé Boquinha, foi jogador e técnico profissional de basquete por 51 anos e hoje é comentarista de basquete e futebol dos canais de TV a cabo ESPN e da rádio Estadão ESPN. Destino dos atletas como Gomes e Baiano é incerto

EXPEDIENTE

Folha do Japi Edição: André Lux Reportagens e fotos: Renata Gutierrez Editores de Arte: José Geraldo de Oliveira e Priscila de Oliveira Tiragem: 5 mil exemplares

Contato, cartas, sugestões, críticas ou elogios: folhadojapi@terra.com.br Site: www.folhajapi.blogstpot.com DISTRIBUIÇÃO GRATUITA As opiniões assinadas, são de responsabilidade dos seus autores.

Folha do Japi 7


CIDADES

POLÍTICA

APAE de Jundiaí está com dificuldades financeiras Estado repassa somente R$ 220 para atendimento a autistas enquanto gasto é de R$ 1.400

A

Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Jundiaí, fundada em 1957, auxilia 1.205 pessoas, desde recém-nascidos à terceira idade, gerando gasto de mais de R$ 336 mil por mês. A APAE é uma instituição de assistência social sem fins lucrativos. Mantém um quadro de 118 funcionários, sendo 62% com formação superior, e 10 voluntários. A Prefeitura de Jundiaí, segundo informações em seu site, mantém convênio com a entidade no valor de R$ 105.631,59 por meio da

Suely Angelotti, diretora executiva da APAE

secretaria de Saúde. Em contrapartida, a APAE atende alunos a partir de seis anos de idade com dificuldades de aprendizagem matriculados na rede municipal de ensino. “A instituição possui convênios com o poder público, porém essa ajuda é insuficiente para cobrir todas as despesas de manutenção dos programas”, lamenta Sem verbas entidade tem dificuldade em atender necessidades dos alunos Suely Angelotti, diretora executiva da APAE. A quantia garantir que os autistas permane- mento ainda não foi feito. Por caurestante é arrecadada pelo tele- çam em Jundiaí e, por isso, vamos sa disso, o Estado repassa apenas marketing e por doações dos pro- avaliar quais são as possibilidades R$ 220 por pessoa enquanto o cusgramas “Sou doador responsável”, de ajuda”, afirmou à época. Em fe- to da APAE é de R$ 1.400. “Empresa Amiga da APAE” e “Top vereiro deste ano, Haddad esteve 300”. no gabinete do secretário estadual Em dezembro representantes da de Educação Herman Voorwald e Para obter mais informações de APAE estiveram com o prefeito pediu agilidade no processo para como ser um doador ou voluntário, basta acessar www.apaejunMiguel Haddad (PSDB) em busca credenciamento da APAE no atendiai.org.br ou mais informações de solução para a associação, que dimento aos autistas. O secretápelo telefone 4588-2900. A APAE a partir deste ano não conseguiria rio, por sua vez, garantiu que iria Jundiaí está localizada na Rua Dr. mais atender 33 autistas por falta atender à solicitação da Prefeitura. Francisco Telles, 475, Vila Prode verbas. O prefeito prometeu au- Apesar de o atendimento ter congresso. xiliar. “Estamos empenhados em tinuado na cidade, o credencia-

Crescimento X Qualidade de Vida O progresso da cidade não pode ser confundido com o conceito de crescimento imobiliário Em tempos de aquecimento econômico, a discussão sobre o dilema “crescimento x qualidade de vida” passou a ser frequente. E não há cidadão que negue a necessidade de crescimento dos centros urbanos, até para proporcionar melhores condições a todos. De outro lado, o crescimento desordenado da cidade pode representar o avesso do progresso, pois pode agravar ou provocar carências nos serviços públicos, especialmente quanto às vagas em creches e escolas, ao atendimento em postos de saúde, à eficiência no transporte público, na proporção “policial por habitantes”, dentre outras. Neste ponto, o Planejamento Urbano passa a ser determinante por

6 Folha do Japi

ser o processo de criação e desenvolvimento de diretrizes que visam aperfeiçoar ou revitalizar aspectos da área urbana. Ou seja, tem por objetivo tornar a cidade um lugar melhor para os seus moradores, limitando ou incentivando cada tipo de empreendimento em determinadas áreas da cidade para tornar equilibrada a relação entre a cidade e seus habitantes, essência da qualidade de vida urbana. Progresso da cidade, portanto, não pode ser confundido com o conceito de crescimento imobiliário, cujo vilão é a exploração imobiliária, mas deve representar o desenvolvimento da cidade dentro do plano traçado em benefício da comunidade, principalmente

porque a cidade é um organismo vivo, em constante transformação, portanto, não passível de congelamento. E neste objetivo, a participação do cidadão passa a ser fundamental na decisão dos rumos da cidade, devendo os técnicos e os políticos servirem de suporte na discussão. Infelizmente, a participação popular ainda se encontra distante das decisões dos rumos da cidade, o que acarreta implicações desastrosas à almejada qualidade de vida. Basta pensar em duas questões: como será a cidade daqui a dois anos? Como eu gostaria que fosse minha cidade daqui a dois anos? Feliz do cidadão que pode dar a mesma resposta a ambas per-

guntas e ainda ter a perspectiva de ver sua cidade fluir livre dos muros dos condomínios, viva, segura e servindo bem à coletividade. Daniela da Camara é arquiteta e urbanista, Diretora do Instituto dos Arquitetos do Brasil, núcleo de Jundiaí e Membro da Comissão de Plano Diretor da Prefeitura Municipal de Jundiai.

ONG Voto Consciente lança o concurso “Cidadonos” Projeto visa atrair mais de quatro mil pessoas com ideias e propostas para melhorar a cidade

A

ONG Voto Consciente lançou, no dia 15, o concurso “Cidadonos”. A iniciativa prevê premiar as 12 melhores ideias e propostas para transformar Jundiaí na cidade dos sonhos de seus moradores. O concurso está aberto para cidadãos, escolas, empresas, ONGs e governantes e pretende atrair mais de quatro mil participantes até o dia 16 de agosto, data da premiação. “O nome Cidadonos está ligado ao cidadão como dono da cidade”, explica Henrique Parra Parra, presidente da ONG Voto Consciente O evento reuniu dezenas de pessoas, entre elas vereadores de Jundiaí, os deputados estaduais Ary Fossen (PSDB), Pedro Bigardi (PCdoB) e Simão Pedro (PT) e secretários municipais, além de representantes de escolas. Para o deputado Pedro Bigardi, trata-se de uma proposta interessante, pois permite o debate de ideias e abre canais de participa-

ção popular que, segundo ele, são raros na cidade principalmente no que se refere a projetos executados pelo poder público municipal. O secretário de Finanças da Prefeitura, José Antônio Parimoschi, afirma que já recebe diariamente críticas e sugestões sobre a administração. “Se forem construtivas vamos aplicá-las”, promete. Há quatro anos a ONG Voto Consciente vem acompanhando e fiscalizando de perto o cenário político da cidade. “Durante este tempo conseguimos viabilizar algumas mudanças na Câmara como, por exemplo, implantar audiências públicas noturnas”, comemora Henrique. Para votar nas 12 melhores propostas ou apenas acrescentar informações basta acessar o site da ONG: www.cidadonos.com.br ou www.cidadonos.org.br.

Jaguatirica é atropelada e morta na Anhanguera Foi atropelada e morta na rodovia Anhanguera, na terça-feira, dia 19, uma jaguatirica de 17 kg. Um veterinário que passava pelo local ainda tentou salvar o animal e chegou a leva-lo até a ONG Mata Ciliar. Mas o animal, de aproximadamente cinco anos, não resistiu às várias fraturas no corpo e faleceu.   A jaguatirica, uma espécie em extinção, é mais uma vítima da ação do homem na Serra do Japi, que leva os animais a abandonarem seu habitat natural e invadir áreas urbanas. Há cerca de 2 anos, uma onça foi atropelada também na Anhanguera. Levada até a Mata Ciliar, recuperou-se e foi recentemente solta na Serra do Japi. Atualmente, a ONG cuida de 28 jaguatiricas que foram atropeladas ou filhotes que perderam a mãe. Segundo a Dra. Cristina Adania, o desmatamento e a urbanização crescentes da Serra do Japi são fatores preponderantes para o aparecimento de animais silvestres na área urbana, já que ficam sem espa-

Henrique, presidente do Voto Consciente, apresenta o concurso

A vereadora Ana Tonelli e o deputado Pedro Bigardi prestigiaram o evento

Nas entrelinhas

da

FOGO NO NINHO

Jaguatirica: Mais um animal é vítima da ação do homem na Serra do Japi

ço na mata. “A construção de novas residências destrói o habitat destes animais e o avanço da interferência humana resultará em danos maiores. A onça, por exemplo, precisa de um território grande para caçar e viver. Por isso, é possível encontrá-las nas estradas cada vez mais, como aconteceu em 2009 com aquela suçuarana que foi atropelada na rodovia Anhanguera”, alerta.

É interminável o racha provocado no PSDB por conta da cria do prefeito paulistano Gilberto Kassab. Depois de anunciar a fundação do Partido Social Democrático (PSD), arrebatar 32 deputados do DEM (antiga legenda de Kassab) e o vice-governador Guilherme Afif, agora é a vez de seis vereadores tucanos baterem asas.

FOGO NO NINHO II Alguns vereadores da Câmara de São Paulo já anunciaram a ida para o PSD e acusam a escolha do novo presidente do PSDB da Capital, o secretário estadual de Gestão Pública Julio Semeghini (fiel escudeiro do governador Geraldo Alckmin), como o principal motivo do racha. A rebelião deve tomar proporções ainda maiores em breve.

política PELA CULATRA A tática da Prefeitura de Jundiaí de divulgar dados ‘maquiados’ tombou e, neste caso específico, não levantou mais. Durante entrevista ao vivo numa rádio da cidade, o comandante da Guarda Municipal elogiava o fato de Jundiaí ter diminuído os índices de violência. Por telefone, dois ouvintes acabaram com essa graça. PELA CULATRA II Eles disseram aos apresentadores do programa que em bairros como a Ponte São João e a Vila Ruy Barbosa estão infestadas de traficantes e usuários de drogas e nenhuma atitude é tomada. Sem alternativa, o comandante da GM afirmou que já está tomando providências em relação aos casos relatados pelos ouvintes.

Folha do Japi 3


Prefeitura faz propaganda de OBRA QUE NÃO EXISTE Cobertura de quadra no Santa Gertrudes consta como serviço executado em cartilha do orçamento de 2009. Melhoria, porém, não saiu do papel

A

Quadra no jardim Santa Gertrudes, ainda sem cobertura, foi usada como propaganda das “benfeitorias” da Prefeitura

Placas da Prefeitura são usadas como porta no complexo

4 Folha do Japi

Prefeitura de Jundiaí, durante a gestão do atual prefeito Miguel Haddad (PSDB), anunciou em sua cartilha do Orçamento Fácil de 2010 a obra de execução de cobertura da quadra poliesportiva do Complexo Educacional, Cultural e Esportivo Vanderlei Antônio Sperandio, localizada no Jardim Santa Gertrudes. A melhoria, que deveria ter sido feita no ano de 2009, no entanto, jamais saiu do papel. A empresa Ideal Service Construtora LTDA EPP foi contratada para realizar a obra pelo valor de R$ 134,4 mil e o contrato foi assinado no dia 29 de junho de 2009. A construção da cobertura está prevista para ser feita desde a entrega do complexo, realizada há três anos, após liberação de emenda parlamentar. A obra foi divulgada abertamente em peças publicitárias como uma das ações de melhoria feitas no bairro. Todavia, a Prefeitura rescindiu o contrato amigavelmente antes das obras serem iniciadas com a empresa Ideal Service, em 07 de abril de 2010, e o assunto foi esquecido. Questionada sobre esse problema pela Folha do Japi, a Prefeitura, por meio da sua assessoria de imprensa, recusou-se a informar quais foram os motivos da quebra contratual. Diante da falta de explicações por parte da Prefeitura, a reportagem procurou o vereador Silvio Erma-

ni (PV), integrante das Comissões Permanentes na Câmara de Obras e Serviços Públicos e Educação, Cultura, Transportes e Turismo. O parlamentar informou que o cancelamento do acordo entre o Executivo e a construtora foi feito depois que a Caixa Econômica Federal exigiu a diminuição do valor em alguns itens analisados dentro do processo de licitação. “A empresa Ideal Service não concordou com essas exigências e o contrato foi rescindido”, explicou o vereador. De acordo com o Ernani, a população do entorno do complexo Vanderlei Antônio Sperandio pede há dois anos pela cobertura da quadra, pois sem ela as atividades físicas ficam prejudicadas e são realizadas embaixo do forte sol ou de chuva. “Se essas atividades fossem realizadas em um local protegido a participação das pessoas seria maior”, acredita. Ao visitar o complexo, a Folha do Japi não encontrou qualquer sinal de cobertura na quadra ou sequer do início de obras no local. Além disso, também vislumbrou placas da Prefeitura anunciando benfeitorias desmontadas e jogadas na grama. Uma dessas placas, inclusive, até foi adaptada e está sendo usada como porta de entrada de um dos recintos do complexo Vanderlei Antônio Sperandio.

ONDE ESTÁ A TRANSPARÊNCIA ? A cartilha do orçamento de Jundiaí tem por objetivo prestar contas à população sobre o dinheiro público gasto e os investimentos feitos na cidade pela Prefeitura Municipal. Mas, foi justamente nesta publicação, que afirma “aumentar o nível da transparência das contas públicas” e “pretende aumentar o interesse do cidadão em acompanhar a destinação dos recursos”, que a falha de informação foi detectada no caso da cobertura da quadra do complexo Vanderlei Antônio Sperandio. Após todo o imbróglio envolvendo a Prefeitura e a construtora Ideal Service, o problema ainda está longe de ser resol-

vido. A Secretaria Adjunta de Esportes, de acordo com nota divulgada à Folha do Japi, fez nessa semana um novo pedido ao Departamento de Viabilização de Obras, com o intuito de abrir outro processo de licitação para a construção da cobertura da quadra. Ainda de acordo com a nota, a obra do Complexo Esportivo Vanderlei Sperandio é orçada em R$ 173,5 mil, sendo que R$ 97,5 mil são oriundos de emenda parlamentar e R$ 76 mil de contrapartida da Prefeitura de Jundiaí. O novo valor total é 29% maior que anunciado pela Prefeitura de Jundiaí na cartilha do Orçamento Fácil.

Anúncios de benfeitorias da Prefeitura estão entulhados ao lado da quadra

Folha do Japi 5

Folha do Japi 4  

Quarta edição do jornal Folha do Japi.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you