Issuu on Google+

A Expressão e Educação Musical e Dramática no 1.º ciclo do Ensino Básico. Introdução É com o corpo que as crianças exploram, aprendem e reagem aos estímulos do meio envolvente. São os sentidos que recolhem o material com o qual se constroem as imagens mentais – não só visuais mas também tácteis, auditivas, ... – necessárias à construção dos conceitos. A educação do corpo, do gesto, da audição, da voz e da visão desenvolve nas crianças o campo das possibilidades de interpretar o mundo, de exprimir o pensamento, de criar. Este trabalho, embora contenha algumas limitações, procurará dar uma imagem da importância que a

Expressão e Educação Musical e

Dramática tem no desenvolvimento afectivo, social e intelectual das crianças, na medida em que lhes dá a possibilidade de interpretar o mundo, de estruturar e exprimir o seu pensamento, de criar, de desenvolver o seu equilíbrio emocional, de formar o seu carácter e de afirmar a sua própria identidade.

A Expressão e Educação Musical O gosto pela música é natural nas crianças. Elas gostam de cantar e de ouvir música, como gostam de ouvir o ruído da água que corre da nascente ou o canto de uma ave. A música é uma linguagem universal, completa, porque puramente intuitiva, e talvez o modo de expressão por excelência da expontaneidade. I. Stravinsky afirmava: “Considero a música, pela sua essência, impotente para exprimir o que quer que seja: um sentimento, uma atitude, um estado psicológico, um fenómeno natural.” “Expressão de coisa nenhuma, sem dúvida, se não de uma emoção estética


que é tudo, e que o criador transmite e partilha com o auditor. Que a mensagem seja desprovida de conteúdo preciso, o que conta é a transmissão de uma experiência vivida, de uma realidade inefável, a comunhão espiritual que daí resulta e o florescimento pessoal que ela favorece.” (Gloton & Clero, 1976, p.177). De acordo com a opinião dos autores, acima referidos, o que realmente é importante é que a música transmite “uma experiência vivida, uma realidade inefável, a comunhão espiritual que daí resulta e o florescimento pessoal que ela favorece”. Não podemos ignorar a importância da música na formação do homem, porque ela faz parte da essência do ser humano. Goethe escreveu: “quem não ama a música, não merece o nome de homem, quem gosta dela é metade de homem, quem a pratica é um homem completo...” . Apesar de considerarmos que há algum exagero nas afirmações de Goethe, as suas palavras mostram claramente a importância que a música tinha para ele. O que nós podemos afirmar é que o homem, através da música, pode exprimir os seus sentimentos e libertar muitas vezes emoções que o oprimem adquirindo uma estabilidade que é importante para a afirmação da sua própria identidade, na sociedade em que está inserido. A educação musical deve começar na família e tem que ter continuidade no jardim escola, no 1.º ciclo e nos restantes ciclos. A escola deve ensinar as crianças a cantarem bem, a amarem o canto e dar-lhes a possibilidade de distinguirem a boa música da má. A música é como uma segunda língua que permite exprimir os sentimentos, na medida em que há canções tristes e alegres. O poder educativo da música traduz-se pelo apuramento do gosto musical, o que implica uma afinação rigorosa, uma boa pronúncia e um ritmo certo. No entanto a criança para interiorizar estes conhecimentos deve ter no seu professor um modelo a imitar e para que isso aconteça ele


deve ter os conhecimentos necessários, na área da Expressão e Educação Musical. As canções populares características do nosso folclore dão à criança a noção de que existiu um passado, o nosso passado que não podemos ignorar, porque ele contribui para a nossa própria identidade. Conhecendo outras melodias igualmente populares e tradicionais de outros países, a criança apercebe-se de que existem outras culturas diferentes da nossa que é importante conhecer e esse conhecimento despertará nela a simpatia por seres humanos que não conhece e provavelmente nunca virá a conhecer, o que não impede de ter por eles simpatia e solidariedade. A existência de um gravador na escola permite ao professor escolher boas músicas, porque não só desenvolve o gosto musical das crianças como permite criar um ambiente propício à boa disposição dos alunos, quando realizam os seus trabalhos. As rodas, a dança, a ginástica rítmica, fazem parte da Educação Musical e são importantes, porque desenvolvem sentimentos colectivos e o autocontrôle, disciplinam movimentos do corpo, os gestos e as atitudes e contribuem para uma harmonia corporal e afectiva. O professor tem que atender à singularidade musical de cada criança, dando-lhe, oportunidade de desenvolver, à sua maneira, as suas propostas e os seus projectos, sem contudo esquecer que é professor e como tal deve ter propostas e projectos para os seus alunos de modo que a música contribua para a sua formação afectiva, social e intelectual. Voz, corpo e instrumentos formam um todo, sendo a criança solicitada a utilizá-los de forma integrada, harmoniosa e criativa. O professor deve criar nas crianças o gosto pela música, através das suas canções preferidas e da dramatização das suas histórias preferidas.


A Expressão e Educação Dramática Ao referirmo-nos à Expressão e Educação Dramática, temos que afirmar que esta área de expressão não se pode confundir com o teatro, na medida em que o jogo dramático não se baseia num texto prévio que embaraça muitas vezes a criança ou nalguns casos a paralisa. O jogo dramático é um exercício da criança para a própria criança e esse mesmo jogo esgota-se ao ser realizado. Para confirmarmos o que referimos, vamos transcrever algumas palavras de Marie Dienesch, citada no livro, A Criança e a Expressão Dramática, (1974, p.24): “Partindo de uma acção e não de um texto, a criança não corre o risco de cair nesta confusão fundamental: as palavras já não tomam para ela o lugar da acção, pois esta é apreendida antes da utilização de qualquer forma verbal. Além disso, levada a criar o seu próprio texto, quando se chega ao momento em que as palavras satisfazem uma necessidade interior, e só então, ela experimenta a verdadeira natureza da linguagem dramática, em que tudo o que possa ser indicado por um meio diferente da palavra não deve ser dito, e em que a palavra assume o seu valor insubstituível e soberano a fim de ser o ponto final de uma evolução interior, já contida na vida física do autor.” Actualmente, o jogo dramático foi banido de algumas escolas, onde a festa de fim de ano é substituída por um passeio, por uma exposição de trabalhos dos alunos. No entanto, este tem que tomar o seu verdadeiro lugar na educação da criança. A dramatização livre e espontânea dos contos de fadas e dos contos tradicionais desenvolvem na criança a criatividade e tornam-na mais comunicativa desenvolvendo, assim, a sua socialização. É, através do imaginário, do maravilhoso que a criança cresce afectivamente,


ultrapassando, muitas vezes traumatismos que uma educação repressiva ajudou a criar. Freud afirmava que os processos de transformação do trabalho subjacente ao conto, são análogos aos do trabalho do sonho: dramatização, deslocamento, dissociação e representação por símbolos. Também Carl Jung referia que os contos são um material discreto para as projecções necessárias a uma individualização correcta. Igualmente Gaston Bachelard considerou o maravilhoso como a matéria prima da imaginação: “é como a grelha mais rigorosa para a análise do real ao aperceber-se que a razão científica recorta as sua verdades na ordem dos sonhos e da consciência poética.” O conto é um espaço de mediação entre o consciente e o inconsciente, entre o eu e o mundo. A afirmação de L. Pereira é igualmente elucidativa: “o conto maravilhoso... respeita a interacção entre o homem e o cósmico para a formação de imagens, tendo em conta a homologia do psíquico, do cósmico, do social e do biológico, organizadas numa significação integrada. O conto ajuda o docente a encontrar o núcleo gerador da interdisciplinariedade. A sua compreensão leva-o à descoberta dos segredos da pedagogia: à motivação do espaço interdisciplinar.” “O conto é um universalismo que denota a persistência de qualquer coisa de primordial, de irrefreado e de comum à totalidade dos homens.” (José Gomes Ferreira). Muito antes, já Teófilo Braga fazia a apologia do conto, no entanto as pretensões pedagógicas desnaturaram-no e ele perdeu a sua poesia espontânea, a sua singeleza popular e a sua beleza tradicional. A função ancestral do conto é por o vulgo a sonhar. A civilização destruiu muita dessa função. A mensagem do conto de fadas é determinante na educação das crianças, mas também dos jovens. Essa mensagem, porventura a mais


importante, é a de que a luta contra as dificuldades da vida é inevitável, mas se o homem se empenhar, com coragem e determinação, acabará por sair vencedor de todos os obstáculos. Desta maneira a mensagem não é moral, mas somente a de encarar a vida com confiança, com possibilidade de vencer de vencer as dificuldades que a todos se colocam. “A nossa herança cultural encontra expressão nos contos de fadas e através deles é comunicado às crianças.” (Bruno Betteheim).

A Expressão e Educação Musical e Dramática O professor pode associar a Expressão Dramática à Expressão Musical, porque as duas áreas se completam e como são muito importantes na educação das crianças, o professor deve desenvolver as mais variadas competências, nas áreas referidas: . Compreender gestos, sons, ritmos e escrita musical. . Conhecer músicas e diferentes instrumentos. . Ser capaz de produzir e / ou criar sons. . Compreender jogos de comunicação verbal e não verbal. . Ser capaz de produzir e / ou criar personagens, histórias ou jogos de imaginação. . Dominar progressivamente a expressividade do corpo e da voz. Vamos exemplificar, seguidamente como é que a Expressão e a Educação Musical e Dramática podem e devem ser dadas em conjunto, formando um todo imprescindível à formação da criança. 1. Movimento:


a) As crianças estão sentadas em círculo. O professor chama um aluno e diz-lhe que imite um animal só com mímica. Os restantes tentam adivinhar que animal é. Conversar sobre a imitação feita. b) Falar em outros animais que poderiam ser imitados. Cada criança vai imitar o animal que desejar (só com mímica). c) Em círculo vão transformar-se lentamente em diferentes animais segundo indicações do professor. Por exemplo: girafa, elefante, galinha, leão, borboleta, burro, etc. d) Jogo: o professor distribui por cada aluno um pequeno papel dobrado onde registou, previamente, o nome de um animal. O nome de cada animal foi escrito em 2 (3) papeis diferentes. Assim haverá: 2 (3) macacos; 2 (3) elefantes; 2 (3) caracóis; 2 (3) galinhas; 2 (3) girafas; 2 (3) gatinhos; 2 (3) ratinhos e 2 (3) burrinhos. Desenvolvimento:

Num

primeiro

momento

procuram

transformar-se corporalmente no animal mencionado no papel, não podendo emitir quaisquer sons. Depois relacionam-se uns com os outros, tentando organizar-se em pares de animais iguais. Quando todos os pares estiverem organizados já é permitida a utilização de sons dos vários animais relacionando-se uns com os outros aos pares. (o professor vai sugerindo situações para motivar o relacionamento entre os diferentes pares). 2. Canção: a) Mímica: Mostrar quatro dedos; gesto de fugir com as mãos, bater palmas. Movimento com o corpo, mãos nas ancas. requebrando, seguindo o ritmo da música. b) Dramatização:


c)

d)

Siricoté

e) 1.

Eram quatro pretinhos Todos quatro da Guiné Deitaram a fugir Cantando o Siricoté. Siricoté, siricoté Eram quatro pretinhos da Guiné.

2.

Logo, logo encontraram O amigo Chimpanzé A ele ensinaram A canção siricoté. Siricoté, siricoté Eram quatro pretinhos da Guine

3.

Depois veio a girafa Toda airosa a dançar Tocava numa garrafa Pois não sabia cantar. Siricoté, siricoté Eram quatro pretinhos da Guine

4.

Pouco a pouco a bicharada Foi chegando à clareira E com toda a sua graça Entrando na brincadeira Siricoté, siricoté Eram quatro pretinhos da Guine Foi assim que na floresta Todo o bicho bateu pé Foram os quatro pretinhos


A cantar Siricoté Siricoté, siricoté Eram quatro pretinhos da Guine Estas actividades de Expressão e Educação Musical e Dramática destinam-se ao 3.º ano do 1.º ciclo do ensino básico.

A interdisciplinariedade Seguidamente,

vamos

exemplificar

como

pode

haver

interdisciplinariedade entre a Expressão e Educação Musical e Dramática e as outras áreas curriculares: Estudo do Meio – trabalho de pesquisa sobre os animais quanto à: . alimentação . respiração . reprodução Este trabalho será feito em grupo e terá como fontes de consulta: vídeos, visitas de estudo, livros e enciclopédias. O professor deve orientar o trabalho, motivando a criança para a recolha de dados. Língua Portuguesa – Escrita de relatórios sobre o trabalho realizado, sua leitura e explicação por um dos elementos do grupo. Escrita de textos sobre os animais preferidos de cada criança. Os diferentes tipos de frase. Matemática – situações problemáticas elaboradas e resolvidas por cada grupo. Consolidação do algoritmo das quatro operações. Todas estas actividades terão como base os animais.


Expressão e Educação Físico-Motora – Exercícios de lateralização, equilíbrio e coordenação. Realização de um jogo: “A toca e os coelhos” Expressão e Educação Visual – Recorte, colagem e pintura de alguns animais. Desenho livre sobre os animais que existem na comunidade, onde está inserida a escola. Educação Cívica – Interiorizar o respeito que merecem os animais e os outros seres vivos que existem na Natureza. Preservação da Natureza e do património histórico existente na localidade, onde residem. Respeito pelas diferenças.

Conclusão A Expressão e Educação Musical e Dramática, assim como as outras áreas de expressão têm sido frequentemente tratadas como secundárias na formação da criança ou apenas como momentos de diversão. No entanto, a prática das actividades expressivas contribui declaradamente para a expressão da personalidade, para a estruturação do pensamento e para a formação do carácter. A Expressão e Educação Musical e Dramática desenvolve o domínio das capacidades corporais, na criança, e a sua utilização como instrumentos expressivos. Pretende-se alargar de experiência das crianças, de forma a que possam desenvolver a sua sensibilidade, imaginação e sentido estético.


O prazer e o gosto que as crianças manifestam ao realizar estas actividades levarão, progressivamente, o professor a proporcionar momentos em que se verbalizem experiências, se combinem e organizem outras situações de aprendizagem, contribuindo para uma maior interligação das áreas curriculares. O professor deverá estar atento ao percurso de cada criança, encorajando novas possibilidades e dando sempre espaço para que as crianças, individualmente ou em grupo, encontrem a sua forma de expressão e, progressivamente, a consigam utilizar para comunicar.

Bibliografia: Leenhardt Pierre (1974). A Criança e a Expressão Dramática. Editorial Estampa. Fontes Vítor, Botelho L. M. & Sacramento M. A Criança e o Livro. Livros Horizonte. Chateau Jean (1975). A Criança e o Jogo. Coimbra: Atlântida Editora. Gloton Robert, Clero C. (1976). A Actividade Criadora na Criança. Editorial Estampa. Lei de Bases do Sistema Educativo. Lisboa: Ministério da Educação.


Dottrens Robert (1974). Educar e Instruir III. Editorial Estampa. Programa do 1.º Ciclo do Ensino Básico (1990). Lisboa: Ministério da Educação


Expressão Musical