Page 1

Cultura na RIDE

XXRockNRoll XXRap

XXCapoeira

Revista Cultural da Região Integrada de Desenvolvimento do Entorno do Distrito Federal - RIDE Ano I | Nº 2 | Julho de 2012

fAMILÍA mUSICAL

Nilson Albuquerque e sua família em plena união através da música

XXLiteratura

XXDança XXSaúde


Nesta Edição C u l t u r a n a R I D E n° 2

XXArtes Marciais: Muay Thai 4 XX16

XXConferência de Cultura 8 XXDesbravadores 10 XXCâmbio Negro 19

XX19

XXDJ Raffa 6 XXLaerte 5

XX7

XXLosCarLos 16 XXFamília Albuquerque 14 XXCinema 12

XX18

XXEducação 11 XXPoetas 3 XXCidade Ocidental em livro 18

XX12

XXProjeto Vida Saudável 7

EXPEDIENTE A revista Cultura Na Ride é uma publicação cultural voltada para o Entorno GO/DF Editor Paulo Henrique Pereira Lins Projeto Gráfico André Brito COLABORADORES Música Nilson Albuquerque Hip-Hop BGirl Sol Educação Castilho Barreira Atividade Física Tonny e Ricardo Revisão Rômulo Maia Fotos Andréa Nicácio Daniel Silva Marcelo Costa CONTATOS (61) 9212-3588 / culturanaride@gmail.com

Cultura na RIDE

2

Professor Luiz Geraldo “Fumaça”

Horários Capoeira Local

Dias

Araguari 2º e 4º feira Multiuso Nápolis 2º. 4º e 6º feira Escola Silva Neto 3º e 5º feira Feira Coberta 3º e 5º feira Mesquita 6º feira E.M. Paulo Freire 2º e 4º feira E. M. E. A. de Aguiar 3º e 5º feira CEO 4º e 6º feira PETI 2º, 4º e 6º feira Ginásio do J. ABC 3º e 5º feira E. M. D. Agostinho 5º feira E. M. Friburgo 3º e 5º feira Multiuso Nápolis 3º e 5º feira C.C. Friburgo 2º. 4º feira

Horários

Professor

18h às 19h 19h às 20h30 18h às 19h 08:h às 9h30 08 h às 16h 18h às 19H 18h às 19h 18 h às 19h 08h às 16h 18 h às 20h 08 h às 16h 18 h às 19h 10 h as 11 h e 14 h às 16 h 16 h às 17 h

Fumaça Fumaça Fumaça Fumaça Fumaça Alex Alex Wesley Wesley Jailton Jailton Paulo Paulo Paulo

CulturaNaRIDE / Julho de 2012


Todas as obras nesta página são registradas

Ada lto Leite Co r r ea Adalto Leite Corrêa nasceu no dia 10/11/1979, na cidade de Januária – MG. Em 1980 mudouse para Brasília – DF, com seus pais e quatro irmãos. Em 1992 escreveu a primeira poesia. Em 1995 participou do primeiro concurso de poesias, ficando em 2º lugar. Ainda em 1995, aos quinze anos de idade, mudou-se para Cidade Ocidental/GO, onde permanece até hoje. É formado em Letras, pós - graduado em gramática, professor e agente administrativo.

Poesias e poetas

3

A vida é poesia Autor: Adalto Leite Correa Recita o exterior Quando sai do peito poético Componho Porque há vida nas folhas de outono. As palavras bebem na fonte Onde sorrisos e lágrimas Estão presentes... Não há regras no inconstitucional Apenas a transportação espontânea Fantasiando o real

Há vida nos braços das árvores O vento fala em vez de assoprar O inverno sente o próprio frio... É o sol nos lençóis em vez de queimar. Os sentimentos desatinam É a cor do verde que brota do sangue Completam-se como opostos E não se veem.

Foto: acervo do autor

Nádia Nascimento Rosa

Zumbi dos Palmares Virou tema de novelas Peças teatrais que mostram derrotas e vitórias. Notícia de jornais Aula de história, poemas e jograis.

CulturaNaRide / Julho de 2012

Projetos que fazem parte da consciência negra quevirou lei. Juntoso suor, o preconceito e o sangue derramados ao chão.

Foto: acervo da autora

Autora: Nádia N. Rosa

Anos de resistência á escravidão... Quilombo dos palmares, eterna lembrança. Símbolo da cultura afro-brasileira e exemplo de luta e esperança.

Nádia, moradora de Luziânia, leciona Língua Portuguesa na Escola Municipal Paulo Freire, no bairro Ocidental Park em Cidade Ocidental. Poetisa premiada, tem suas poesias publicadas em antologias, livros de poesia, participa de recitais e recentemente, declamou poema em

homenagem a Zumbi dos Palmares, no evento promovido pela Secretaria Municipal de Assistência Social Zumbi na Praça Fazendo o Coreto, realizado em maio deste ano, quando diversas escolas e entidades participaram celebrando o dia da África.


4

Artes Marciais Cidade Ocidental também tem

O

Muay Thai, o qual também é conhecido como Thai Boxing em alguns países como Estados Unidos e Inglaterra, é muito conhecido no Brasil como Boxe Tailandês e é uma Arte Marcial Tailandesa com mais de 2.000 anos de idade. Existem várias versões sobre a origem do Muay Thai. A mais aceita pela maioria dos Mestres é a seguinte: os tailandeses foram constantemente hostilizados e sofreram muitos ataques de bandidos, de animais, e também foram acometidos de muitas doenças. Para protegerem-se eles criaram um método de luta

chamado “Chupasart”. Este método de luta e auto-defesa fazia uso de diversas armas como por exemplo: espadas, facas, lanças, bastões, escudos, machados, arco e flecha, etc. No treinamento do “Chupasart”, freqüentemente ocorriam acidentes que causavam algumas vezes graves ferimentos aos praticantes. Para que eles pudessem treinar sem ferir-se, os tailandeses criaram um método de luta sem armas, o percursor do atual Muay Thai. Assim eles podiam exercitarse e treinar mesmo em tempos de paz e sem o risco de ferir-se. No início, o Muay Thai era muito parecido com o

Muay Thai

Kung Fu Chinês. Um fato normal levando-se em conta à origem do povo Tailandês. O antigo Muay Thai utilizava-se de golpes com as palmas das mãos, ataques com as pontas dos dedos, imobilizações e mãos em garras para segurar o oponente. Com o tempo, ele foi modificandose e transformou-se no estilo de luta que é hoje. Venha fazer uma aula experimental no Espaço Desportivo e Cultural do Friburgo: Segunda, Quarta e Sexta-feira - 19h Q. 8 lote 2 Friburgo B (61) 9212-3588

CulturaNaRIDE / Julho de 2012


i

Karatê

Filosofia de vida para Laerte

Sensei Chicão

Que

m nunca sonhou em praticar artes marciais, tal como os heróis da TV, dos quadrinhos e dos filmes? Desferir golpes certeiros, esquivas rápidas e sempre usar suas habilidades para o bem? Todo jovem, de qualquer faixa etária, já sonhou um dia em ser como Jack Chan, Bruce Lee, Chuck Norris, e claro, Daniel Larusso. Quem é Larusso? O famoso personagem do clássico filme dos anos 80, Karatê Kid. Mas em Cidade Oci-

CulturaNaRide / Julho de 2012

dental, todos querem ser como o professor de Karatê, Laerte. O professor Laerte, que é policial militar do Estado de Goiás, lotado na cidade, além de prestar um bom serviço à sociedade, desenvolve um bom serviço com projeto social de artes marciais em desenvolvimento no bairro Nova Friburgo. Através da disciplina e cultura oriental, vem empregando junto aos jovens, a valorização do cárater e personalidade através da arte marcial japonesa.

Um de seus seguidores, seu filho, Lucas, atua também como professor e desenvolve seu trabalho em escolas municipais da cidade. Laerte faz parte da equipe de Karatê Nova Geração, parte do Projeto Social do CAEE e vem representando a Cidade Ocidental há 12 anos realizando trabalhos sociais, resgatando crianças e adolescentes das ruas, transformando-os em cidadãos e atletas de competições, conquistando inúmeros títulos. As aulas são minis-

tradas gratuitamente para todos os interessados, sem distinção, por uma equipe de professores altamente qualificados. À frente do Projeto estão, além de Laerte, Shiran Luiz Andre, Shiran Vitor, Sensei Aline, Sensei Osni e Sensei Alex. E não podemos deixar de homenagear o Saudoso Sensei Chicão, que foi o Grande Responsável pela Formação dos Professores. Locais de Treino Bairro Friburgo B Qd 08 lote 02

Espaço Desportivo e Cultural do Friburgo Segundas, Quartas e Sextas a partir da 9h e 14h Bairro Araguari Terças e Quintas Escola Municipal Às 19h Escola Municipal Dom Augustinho SQ19 MAIS INFORMAÇOES: PROFº LAERTE: (61) 8459-7551 E-mail: sdsilviolaerte@hotmail.com

5


6

Entrevista

DJ Raffa Santoro

Claudio Rafaelo Santoro começou como dançarino de Break nos anos 80 e nunca mais parou. Filho do maestro Claudio Santoro, que dá nome ao Teatro Nacional, Raffa se tornou rapper e produtor de Hip-Hop em Brasília. Na década de 90 esteve em Cidade Ocidental com Os Magrellos e fizeram um show que levou muita gente a seguir a carreira de rapper e DJ, mudando suas vidas para sempre. Acompanhe esse papo revelador.

C

omo começou sua paixão pelo Movimento Hip-Hop e a Black

Music? Começou em 1982 quando eu tinha 14 anos. É claro que tive que pesquisar muito para entender o porquê do Hip Hop do Break ou Eletrofunk que estava despontando na época com o África Bambaataa. Mas tive professores maravilhosos que me ensinaram tudo sobre blues, soul, funk, disco. Foram os DJs Alexandre Medeiros, Elivio Blower, Zinho e Nino Mix. Esses dois últimos principalmente porque eu freqüentava os bailes da Dizzy Som no Núcleo Bandeirante e foi lá que eu compreendi como tudo havia começado e chegado até os sons da época. Encontrou barreiras em casa ou mesmo entre os outros Rappers e DJs, no início de sua carreira? Encontrei barreiras com amigos que não entendiam porque um cara que morava na Asa Norte e era filho de um dos maiores maestros, regentes e compositores de música erudita do Brasil e do mundo, freqüentava a periferia de Brasília e gostava de Hip Hop. O HH sempre foi a minha veia ideológica e isso eu puxei de meu pai que tinha sido um dos fundadores do partido comunista do Brasil, revolucionário que sofreu muito

com a ditadura militar tendo que fugir com sua família e morar no exílio para não ser torturado e morto. Mas com Rappers, B.Boys e DJs nunca encontrei barreiras e sim incentivos. Às vezes sofria o preconceito inverso. Das pessoas da periferia que não entendiam porque eu me sentia tão em casa entre eles. Mas ser a mesma pessoa com todos foi o que me deu um conceito de hoje poder freqüentar diversas quebradas por todo Brasil e ser respeitado nelas. Isso não se compra se conquista com humildade. Raffa, fazendo uma análise do Hip-Hop nacional e brasiliense desde o disco “A Ousadia do Rap de Brasília” o que mudou de lá para cá? Mudou muita coisa. Na nossa época não tínhamos nenhuma referência. Éramos pioneiros e não sabíamos o que estávamos fazendo. Tudo era na raça e coragem. Depois fomos aprendendo aos poucos. Hoje em dia os grupos sabem como proceder sem errar. Mesmo assim muitos erram. O principal neles, para mim, é fazer música pensando em dinheiro fama e mulher. Música se faz com amor, com verdade e acreditando em seu trabalho sem se levar por modismos ou rótulos. Fazer aquilo que acreditamos. O reconhecimento e dinheiro vêm com muito

trabalho honesto e humildade acima de tudo. É nisso que acredito com certeza. Naquela época, os Magrellos faziam muitos shows, inclusive em Cidade Ocidental que inspirou muita gente a cantar Rap e ser DJ. T e m alguma lembrança desse show? Esse na Cidade Ocidental naquele palco “altíssimo”(risos), é uma das melhores lembranças que tenho até hoje. Aquele dia foi maravilhoso. O público foi maravilhoso. Fiz muitos amigos naquele dia que tenho até hoje. Para mim, foi um dos marcos na minha vida profissional. E ter inspirado outros a seguir essa carreira foi muito bom e gratificante. Qual o futuro que você projeta para o Hip-Hop? Eu espero que o futuro do Hip hop esteja cada vez mais longe do lixo gringo que contamina as rádios “pops” do Brasil sendo aqui um Hip Hop com a preocupação com as desigualdades sociais sendo o 5º elemento o da “Responsabilidade e Consciência Social”.

CulturaNaRIDE / Julho de 2012


Saúde

Vida Saudável para a terceira idade

A

atividade física regular, feita periodicamente tem se tornado cada vez mais importante para aqueles que almejam uma vida saudável. Todos os médicos recomendam que as pessoas, de qualquer idade, pratiquem exercícios regularmente, de modo a, no futuro, não sofrerem de problemas de saúde, tais como hipertensão ou complicações cardíacas, advindas do sedentarismo, do péssimo hábito de fumar e ingerir bebidas alcóolicas e da má alimentação. Pensando na saúde, principalmente daqueles

CulturaNaRide / Julho de 2012

que não tem como pagar uma academia e estão na faixa etária entre os 50 e 80 anos, a chamada “melhor idade”, a prefeitura de Cidade Ocidental, por meio da Superintendência de Cultura e da Secretaria Municipal de Assistência Social, criou o projeto Vida Saudável, que visa proporcionar uma boa qualidade de vida ao seus praticantes. O Projeto Vida Saudável tem como objetivos: proporcionar uma opção de lazer ativo e interação social, bem como estimular a comunidade a mudar seu estilo de vida, adotar hábitos mais saudáveis, através da prática

de atividades físicas e de ações de prevenção e de melhoria de sua saúde e de seus familiares para conservação e melhoria da qualidade de vida. Funcionando provisoriamente, às segundas, quartas e sextas, no Espaço Vida Saudável, na SQ 17 Quadra 13, Loja 30, o projeto conta com a orientação dos profissionais de Educação Física Antônio “DJ Tony” dos Anjos e Ricardo S. Fonseca (CREF 003335G/DF) e no Centro Multiuso do bairro Parque Nápolis “A” durante toda a semana, a partir das 9 horas, com a experiente professora Ivone.

Projeto Vida Saudável Centro Multiuso do Parque Nápolis “A” Cidade Ocidental/GO Professora Ivone Segundas e Quartas às 9h00 Terças e Quintas às 18h00

Espaço Vida Saudável Superquadra 17 Quadra 13, Loja 30 Centro Cidade Ocidental/GO Professores Tony e Ricardo Segundas, Quartas e Sextas Inteiramente Grátis

7


8

Cidade dá o primeiro passo para democratizar o acesso à Cultura do município

C

om o intuito de dar maior visibilidade a artistas locais e organizações sociais que promovem a cultura, além de começar a planejar o Plano Municipal de Cultura, do qual fará parte o Sistema Municipal de Cultura, a exemplo de diversos outros municípios no Brasil, a Superintendência de Cultura de Cidade Ocidental realizou, dia 28 de abril de 2012, a I Conferência de Cultura de Cidade Ocidental. Desde 2003, com a posse de Luiz Inácio “Lula” da Silva como Presidente da

República começou-se a pensar em criar o Sistema Nacional de Cultura, que tem com base outros sistemas bem sucedidos que unificam temas prioritários ao Brasil como, por exemplo, o Sistema Único de Saúde – SUS. O grande desafio para todas as áreas importantes para o desenvolvimento da população e suas propostas é o de dar continuidade aos projetos e planos implementados em uma gestão anterior. Os municipios sofrem com a descontinuidade, muito embora, realmente falte exatamen-

Ocidental realiz Conferência d

te um plano a longo prazo para essas áreas, ratificado pelas câmaras legislativas. Segundo João Roberto Peixe, Secretário de Articulação Institucional do Ministério da Cultura, “O Sistema Nacional de Cultura é, sem dúvida, o instrumento mais eficaz para responder a esses desafios, através de uma gestão articulada e compartilhada entre Estado e sociedade. Seja integrando os três níveis de governo para uma atuação pactuada, planejada e complementar, seja democratizando os processos decisórios

intergovernos. Mas, principalmente, garantindo a participação da sociedade de forma permanente e institucionalizada.” Dito isto, desde 2009 os municípios têm se articulado para fazer parte da rede nacional de cultura, que entre outras benesses, trará recursos federais ,que só poderão ser repassados após implementação de Fundo Municipal de Cultura, sistematização da cultura e valorização dos vários segmentos municipais, dando-lhes visibilidade, capacitação e melhores

condições para se desenvolverem, trazendo para o município, receitas provenientes da comercialização de bens culturais e movimento turístico para a região. A CONFERÊNCIA Reunidos na Escola Municipal Silva Neto, membros do Governo de Cidade Ocidental e da sociedade civil discutiram os rumos da cultura enquanto força política, econômica e principalmente criativa. O evento contou com o Secretário de Governo Firmino, representan-

CulturaNaRIDE / Julho de 2012


realiza primeira cia de Cultura

Principais Propostas

9

PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL 1. Destinação de espaço público previsto no Plano Diretor do município, através de lei específica; 2. Incentivo e apoio ao Carnaval local; 3. Incentivo e apoio à Cultura Popular. CULTURA, CIDADE E CIDADANIA 1. Utilização dos programas do governo federal e estadual disponíveis; 2. Ampliar o campo de atuação da cultura incluindo os bairros; 3. Tombamento dos Bens Materiais e Imateriais de Cidade Ocidental. CULTURA E SUSTENTABILIDADE 1. Criação da Escola de Artes Municipal, dentro de espaço específico para a Cultura de modo a fomentar a capacitação para a sustentabilidade das ações da cultura. 2. Atuação junto a outras Secretarias para ampliar a atuação. 3. Garantia do direito das manifestações de na participação dos eventos locais.

Debates, propostas e eleição de delegados: governo e sociedade escolhidos democraticamente

Superintendente André Brito: Cultura também é prioridade

do o Prefeito Municipal Alex Batista, Secretário de Educação e Cultura, Anderson Luciano, Secretário de Turismo, Francisco Miranda, Secretário de Indústria e Comércio, Gileno Lantyer, Castilho Barreira, diretor da Escola Municipal Silva Neto e com os representantes das entidades não-governamentais Abadá Capoeira, Luiz Geraldo “Fumaça” e Obra Educacional e Assistencial – OEA 31 de Março Hugo Simon de Sá. Presidindo o evento, André Brito, Superintendente Municipal de Cultura,

CulturaNaRide / Julho de 2012

ressaltou a importância da participação da sociedade ao evento que teve como meta, propor diretrizes e eleger os delegados que participarão da II Conferência Estadual de Cultura em Goiânia, dias 15, 16 e 17 de junho. Os delegados para representar a comunidade na Conferência estadual, Francisco Porto e Luiz Geraldo “Fumaça”, ambos ativistas culturais nas áreas de música e cultura afro-brasileira. Como representantes da área governamental, André Brito, Superintendente de Cul-

tura e Castilho Barreira, diretor da Escola Municipal Silva Neto. Entre as mais de dez metas votadas pela conferência estão aquelas de maior importância como a criação da Secretaria Municipal de Cultura, criação da Casa de Cultura, criação do Fundo Municipal de Cultura e criação da Escola Municipal de Artes.

Blog: culturaocidentalense. wordpress.com E-mail culturaocidentlense@ gmail.com

Equipe da Cultura: profissionalismo


10

S

DESBRA VADORES

Grupo escotista promove ações e muda a cabeça dos jovens para melhor

uas origens remontam a 1907, quando por iniciativa de Baden Powell, jovens passaram a se reunir em prol de proteger a natureza e ajudar a comunidade. Desde então, inúmeros grupos foram fundados em muitos pontos do mundo seguindo os mesmos objetivos, as vezes variando de país em país, adaptando-se a preceitos religiosos mas sempre com o objetivo de congregar jovens em torno do bem comum. Uma dessas ramificações deu origem ao Clube de Desbravadores, presente em mais de 160 países, com 90.000 sedes e mais de dois milhões de participantes. Segundo seus membros, o clube existe oficialmente desde 1950, como um programa oficial da Igreja Adventista do 7º Dia. Fundado em 1988 por membros da Igreja Adventista do 7º Dia, os Desbravadores têm se destacado anonimamente no município, mas nem por isso não tem tido seu trabalho junto aos jovens desvalorizado pelos cidadãos. Com a nobre missão de despertar o que há de bom em todos os jovens, livrando-os de influências negativas, o grupo tem entre seus principais objetivos, trabalhar a parte física, espiritual e mental de jovens entre 10 e 15 anos. Como parte de suas ações sociais, tem colaborado sempre que possível com a limpeza de locais próximos a natureza, conscientizando a população sobre a importância de se manter o meio ambiente protegido, entre várias outras atividades. Em associação com a prefeitura, suas ações mais marcantes foram: limpeza do Lago Jacob, arrecadação de alimentos para doação, palestras em escolas, apoio em passeatas a favor da comunidade, como a Caminhada de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, realizada em 18 de maio, organizada pela Secretaria de Promoção Social e desfiles cívicos, como o desfile Cívico de Sete de Setembro. APOIO GOVERNAMENTAL Segundo Douglas Gonçalves, enfermeiro de profissão e Diretor Associado do clube, o prefeito Alex Batista, sensível às causas sociais, freqüentemente presta suporte aos Desbravadores no sentido de ajudar em seu desenvolvimento como grupo de utilidade pública e forte aspecto cultural. Recentemente os auxiliou disponibilizando transporte para a Casa de Idosos, localizada em Valparaíso de Goiás, em 5 de maio, quando foram doar alimentos, roupas e proporcionar atividades de lazer os velhinhos moradores do Casa. Também promoveu a confecção de seus uniformes de atividades, cerca de 70, para os jovens membros do grupo. Além de Alex Batista, outros ilustres membros da comunidade são membros honorários do Clube, como Kariny Nogueira, Secretária de Indústria e Comércio, licenciada, madrinha dos desbravadores e o professor Carlos Cezar Inocêncio, Superintendente de Esportes e Lazer, também licenciado, que é um grande apoiador e entusiasta do grupo.

PARA FAZER PARTE Qualquer jovem entre 10 e 15 anos, pode participar do grupo desde que esteja disposto a obedecer aos princípios de cidadania, moral e ética da instituição. Uma vez aceitos, irão participar de atividades relacionadas à proteção da natureza e promoção da cidadania que resultarão em melhorias no relacionamento familiar e escolar. Ao entrar no Clube, recebem uma planilha de Atos e Deveres, que nortearão seu desenvolvimento na organização e seu comportamento junto à comunidade (escola, família, bairro). Nessa planilha estão descritos, atitudes tais como ajudar nas tarefas domesticas obediência aos pais, desempenho na escola e desenvolvimento espiritual, independente da religião que porventura sigam. De acordo com o Instrutor e Conselheiro Absolom Cabral, Policial Militar de Distrito Federal, agora reformado e ex-membro do BOPE, “dentre aqueles que fazem parte do Clube, os pais são unânimes em afirmar que tem sentido melhoras na vida do jovem, em relação ao trato familiar, se relacionando bem na escola e promovendo esses valores na comunidade onde vivem”.

REUNIÕES Sábados de 15h00 às 16h30 e domingos de 8h30 às 11h30. Igreja Adventista do 7º Dia SQ 17 Q. 08 A/E Setor de Igrejas Próximo à Escola Edson André de Aguiar

CulturaNaRIDE / Julho de 2012


beça dos

Artigo

O Blefe da Educação XXCastilho Barreira Revistas, jornais e noticiários de TV fazem uso de valores numéricos e percentuais sobre a educação e o ensino. O fato mostra quanto o tema é relevante para sociedade. A preocupação com o assunto remonta uma condição no país que é histórica. Diante do insucesso da educação e do ensino o que a sociedade tem feito é cobrar: “onde tem se falhado?”. Todos indagam “de quem é a parcela maior de culpa pelas más sucedidas tentativas de melhoria da educação e do ensino no Brasil?” A ideia aqui há ser defendida não é, a princípio, encontrar um ou vários culpados e, sim mostrar como a educação e o ensino em países como a Finlândia, Coréia do Sul e Cingapura, assumem posição de destaque e sucesso. Os resultados extraordinários alcançados por estes países estão no mérito e no afinco do trabalho educacional que realizam. E o que mais tem chamado a atenção dos estudiosos são as práticas por eles desenvolvidas, testadas e aprovadas na sala de aula. Na busca da qualidade da educação no Brasil, o que sempre se buscou foi combater o fantasma assombroso da má qualidade da educação no país e ao mesmo tempo abrir caminhos que fossem capazes de enraizar a cultura do bom ensino. A educação e o ensino no Brasil, ao longo do tempo foram se distanciando daquilo que foi pensado no Manifesto dos Pioneiros, cujo objetivo principal era primar pela qualidade e pela valorização de seus profissionais. Não há mais tempo a perder! Se a luta dos Pioneiros, na perspectiva de uma educação de qualidade, não foi considerada e valorizada, é urgente que a educação no Brasil tome como referência aquilo que vem dando certo e funcionando em países como Finlândia, Coréia do Sul e Cingapura. É imperioso, por exemplo, a importância que se deve dar quando se for realizar a seleção de recrutamento de candidatos ao cargo de professor. Nesse momento o critério adotado seja de buscar o mais talentoso. Tendo em vista que o quadro que se apresenta hoje passa por uma realidade de má formação acadêmica, pelo comodismo e pela negação de

CulturaNaRide / Julho de 2012

envolvimento de certos profissionais da educação malsucedidos. Sonhar com uma educação de qualidade para todos é princípio “ad eternum”. Porém, para que este princípio se destaque, verdadeiramente, é relevante que seja feito uma filtragem de acesso no âmbito da educação. Por que da filtragem? Porque do contrário o que se apresentará na ponta final será o desperdício de tempo e dinheiro com gente sem o menor talento para o enfretamento da educação. Dentro do espaço escolar, o que tem de acontecer e prevalecer, de verdade, são uma educação e um ensino que sejam forjados por profissionais altamente gabaritados capazes de formar e de preparar o cidadão para exercer no presente aquilo que ao mesmo instante já é também futuro. Este deve ser o pano de fun-

do da educação no Brasil. Cabe ressaltar que nos países onde a educação e o ensino estão no topo, tiveram que enfrentar com ousadia as mazelas dos retrocessos que impediam o crescimento e o desenvolvimento do povo, crescimento e desenvolvimento que só poderiam ser alcançados a partir da implementação de uma política pública bem norteada na área da educação. Neste sentido, quais foram as medidas adotadas por países, exemplo para o mundo? Romperam com situações semelhantes às encontradas no sistema brasileiro de educação e ensino. Deste modo não mais admitiram professores e gestores que não fossem devidamente avaliados por

especialistas e com referência comprovada para tal finalidade. A história de sucesso nos países exemplares na área de educação, diga-se, não ocorreu de modo repentino. Tudo que aconteceu foi de forma gradativa. Primeiro elaborou-se um currículo bom e oficial; segundo estabeleceram metas claras, bem definidas e exigentes. O currículo oficial foi o grande divisor de águas entre o mundo da intuição e do da razão. Em países como o Brasil, onde o ensino é fraco, não só o currículo precisa ser bem definido, mas também, precisa que seja prescritivo se se quiser que o bom ensino seja enraizado na cultura da nação brasileira. Amiúde a prática adotada pelos países exemplares em educação é similar em todos eles: monitoração da qualidade do ensino é ferramenta basilar para garantia e manutenção do sucesso cotidiano. A educação como prioridade de ações governamentais é valorizada e obedece a critérios de inspeção dentro da escola de maneira sistêmica, concedendo direito aos especialistas a assistirem aulas, entrevistar alunos e professores, observar o estado de conservação do prédio escolar e a partir dessas auditorias gerarem relatórios. Não simples relatórios, mas recomendações práticas no sentido de provocar mudanças em todas as direções. O grande “pulo” para o futuro talvez seja, realmente, que a tarefa de contratação de professores deva ser entregue a especialistas em educação, mas que não sejam vinculados dos sistemas de educação em qualquer nível. Esta é a política adotada nos países que estão, mundialmente, na frente quando se trata de educação. A constatação é evidente! Se o Brasil não adotar, de vez, o que foi pensado no Manifesto dos Pioneiros ou as práticas que vêm sendo adotadas nos países que estão no topo da educação, estará fadado a conviver com o fantasma da má qualidade da educação. Pensemos nisso! XX Castilho Barreira de Carvalho, pedagogo, pós-graduando em Gestão Educacional, diretor da Escola Municipal José Fernandes da Silva Neto em Cidade Ocidental-GO,

11


12

No escurinho

Cinema itinerante na feira coberta leva a experiência da

A

lua cheia da noite de 4 de maio de 2012 para os moradores de Cidade Ocidental, trouxe com ela uma grande experiência de som e luz. O projeto “Cinema State Grid”

da empresa Cinemagia com patrocínio da State Grid Brazil Holding, com o apoio do Governo de Cidade Ocidental, atraiu mais de 800 pessoas ao espaço da feira coberta.

A iniciativa, que conta com o apoio do Ministério da Cultura/ Lei Rouanet de Incentivo à Cultura, leva sessões gratuitas de cinema a comunidades de 15 cidades, em cinco

estados brasileiros. O projeto prevê a realização de duas sessões de cinema, um dia em cada município participante. As exibições acontecem à noite, para um público de

aproximadamente 500 pessoas por sessão. Os locais de projeção são geralmente ginásios, praças e galpões. Segundo o Superintendente Municipal de Cultura, André

CulturaNaRIDE / Julho de 2012


ho do Cinema

eriência da telona pela primeira vez a crianças e adultos

Brito “a iniciativa sociocultural de trazer um cinema itinerante gratuito objetiva proporcionar à quem nunca foi ao cinema, uma experiência única, de som e imagem de qualidade, tal

CulturaNaRide / Julho de 2012

e qual no cinema, possibilitando viajar por outros mundos e culturas, se emocionar, refletir e principalmente se divertir.” Mais de 800 pessoas puderam assistir aos dois

filmes “Vida de Inseto” (1998) e “Se Eu Fosse Você 2” (2009) e degustar, de graça, a quantos saquinho de pipoca pudessem comer. A Superintendência Municipal de Cultura estuda

a possibilidade de dar continuidade a essa bela iniciativa cultural, que movimenta a cidade, leva cultura a todos e proporciona momentos memoráveis.

13


14

Nilson Albuquerque

Alunos d professo salão Mu

Música em família Família Albuquerque tem a música no sangue e no coração

N

ascido em Itaíba, Pernambuco e residente em Cidade Ocidental desde 1979, Nilson Albuquerque começou a desenvolver seu interesse pela música em 1987 na Escola de Musica de Brasília, graduando-se em 1993, mas em 1989 já havia retirado seu registro na Ordem dos Músicos do DF – OMB-DF (3387). Desde pequeno já havia a vontade de mexer com musica, mas seu pai proibia dizendo que musica era coisa de “maconheiro, sem vergonha e vagabundo”. Após sua ida para a Aeronáutica, onde serviu, é que pode entrar na Escola de Musica. Somente depois de formado, começou a trabalhar com musica, tocando em vários shoppings, pizzarias, churrascarias e festas em geral, trilhando o mesmo caminho de muitos musicistas. Participou de diversos festivais de música, entre os quais, o Festival de Música do Gama (1989) ficando em 6º lugar, Luziânia (1992) e Sudoeste (2006). Grande arranjador, Nilson é modesto. Tem músicas próprias que ainda não considera a hora de mostrar por não achá-las tão boas. Tem um estúdio em casa onde prepara as composições dos clientes dan-

do uma “cara” mais musical às peças, que muitas vezes chegam cruas e sem a avaliação de um profissional. Nilson produz jingles para quem quiser em seu estúdio, além de mensagens e programas de rádio gravados para os interessados. Mas o mais interessante é que toda a sua família é composta de músicos também. Sua esposa Maria do Socorro toca teclado e é exímia cantora, seu filho Nícolas, 8 anos, toca teclado, violão e canta como um verdadeiro anjo, um talento em constante processo de lapidação e que pode ser ouvido em ação no Projeto Feira Cultural, que acontece todos os sábados na feira coberta de Cidade Ocidental, promovido pela Superintendência de Cultura. Nilson tem seu estúdio funcionando no local onde as primeiras discotecas de Cidade Ocidental começaram a dar seus passos rumo ao entretenimento, ainda nos anos 80. Coincidência ou não, seu estabelecimento funciona ao lado de onde era a Discoteca Zum Zum, na Superquadra 12 Quadra 12 Projeção 1 loja 22. Nilson hoje trabalha em projetos sociais da prefeitura, dando aulas de violão no espaço Multiuso (bairro Nápolis A) e coordenando apresentações dos artistas locais todos os sábados na feira coberta da cidade, além de lecionar para os alunos do Projovem.

Nilson Albuquerque Aulas de violão e teclado Superquadra 12 Qd. 12 Projeção 1 loja 22 Cidade Ocidental/GO

CulturaNaRIDE / Julho de 2012


15

Alunos de violão do professor Nilson, no salão Multiuso

a

e eclado . 12

O

Pós-Graduação Pós-Graduação

Pós-Graduação FaculdadeDarwin Pólo Cidade Ocidental Coordenação: Liliene Lopes e Maria Vitória Telefones: 3605-2842 / 9297-2120

CulturaNaRide / Julho de 2012


16 16

RocknRoll

LosCarlos Banda

A Banda

Los Car Los, formada por Roca Melo, Francisco Porto, Kalunga e Fernando Garcia, além do convidado Gerho Brasilis nos Teclados, estão à frente da banda que busca trazer entretenimento e cultura à Cidade Ocidental de forma diferenciada. Em tempos de Funk Rio, Axé e duplas sertanejas, a Banda Los Car Los surge com um projeto divertido que tem em seu repertório musicas do Rei

Roberto Carlos e do Tremendão Erasmo Carlos. As músicas abrangem todas as grandes fases criativas de Roberto e Erasmo, que vão desde a Jovem Guarda (“Eu Sou Terrível”) até as baladas mais românticas (“Eu te darei o Céu”), passando por vários sucessos. Com novos arranjos, Francisco Porto canta as músicas que por quarenta anos embalaram as diversas gerações de fãs de Roberto Carlos. Com pouco tempo de formação (desde 2010), a banda já realizou

diversos shows pelos estados de Goiás e Tocantins, tocando inclusive em diversos pontos do Distrito Federal, mostrando que Cidade Ocidental continua sendo um pólo de cultura dos mais criativos. “A nossa proposta é homenagear o Rei trazendo as músicas para a atualidade”, explica Chico, como é conhecido Francisco Porto. Chico é um dos membros fundadores da banda Nomes Feios, originária da Cidade é que já teve sua trajetória retra-

tada no Jornal Ocidental e agora, no livro Cidade Ocidental contada por seus pioneiro, de autoria do jornalista Lander. Los Car Los é um projeto que, além de divertir e proporcionar momentos nostálgicos aos fãs do Rei visa resgatar as grandes canções de Roberto e apresentar essas maravilhosas composições às novas gerações, que parecem estar sempre alheias aos compositores do passado, ignorando, por exemplo, a influência que os novos ído-

los têm sobre esses artistas. Em tempos de sons automotivos, graves no talo ecoando dos carros e tirando a paz do fim de semana, um pouco de Roberto Carlos funciona como aquele chazinho gelado no final de uma tarde de domingo, trazendo alívio àquele corpo maltratado pelo álcool e debilitado pela ressaca: alívio e prazer em meio à dor de cabeça. “O Rock ‘N’ Roll ainda vive”, diria um fã ao final de um dos shows dos Los Car Los.

CulturaNaRIDE / Julho de 2012

Fotos: Marcelo Costa

Official Roberto e Erasmo Carlos Rock ‘N’ Roll Club Band


17

s

A

Nomes Feios

banda NOMES FEIOS surgiu em 1989, sempre atuante na cena de Brasília e Entorno, participou de vários festivais como: Porão do Rock, Redley Records Festival e Super Demo. Várias apresentações

por diversas partes do Brasil fizeram com que a banda se tornasse referência e conseguisse respeito e admiração. Com um trabalho simples e sincero os NOMES FEIOS se tornaram a lenda do rock do cerrado.

Discografia • Demo tape “Nomes Feios - 1993 • Coletânea “Consciência Underground” - 1994 • Disco “Doido e Feio” - 1995 • Coletânea de vídeos “Terapia, Imagens e Distorções” - 1996 • Home Vídeo “Nomes Feios Shows” - 1996 • Compact Disc “Nomes Feios” - 1997 • Compact Disc Interativo “Debutante” - 2004 • Coletânea “Contramão” - 2005 • Coletânea “Tributo ao Rock Brasília“ - 2006

Fotos: Marcelo Costa

Contatos: nomesfeios@gmail.com www.myspace.com/nomesfeios

CulturaNaRide / Julho de 2012


18

Prosa e História

História de Cidade Ocidental é contada em livro pela primeira vez

XXAndré Brito

Lançado

em junho deste ano, o livro Cidade Ocidental Contada Pelos Seus Pioneiros, por si só já é um fato histórico. Escrito pelo jornalista ocidentalense Lander Jorge, o livro é fruto de seu amor pela cidade. Lander Jorge visitou diversos pioneiros, folheou jornais antigos da região, visitou locais históricos e promoveu o resgate da cultura local através da literatura contida em seus belos escritos. De ínicio parecia um daqueles inúmeros projetos “de gaveta”, que jamais saem e são efetivados. Sempre que falava-se da publicação de livros sobre a cidade, alguém vinha com a velha frase: “também vou publicar um” emendando com “já está prontinho”. Nada contra, se considerarmos que quanto mais livros circulando, contando nossa história, tanto melhor, afinal a cultura não pode parar. Muitos duvidaram da iniciativa. O próprio livro sofreu criticas antes mesmo de virar realidade. Comentários dos ini-

migos da leitura davam conta de possíveis puxasaquismos que permeariam a publicação. Pelo contrário, o livro narra os fatos passados da mesma maneira como era noticiado à época, com a comprovação de documentos e fotos e sempre com um tom imparcial, sem juízo de valor ou condenações. Com prefácio escrito por este Superintendente, Cidade Ocidental chega aos 35 anos mais madura, independente (não somos mais cidade dormitório) e com vontade de crescer cada vez mais. Há capitulos emocionantes, como a construção do Jardim da Imaculada, cuja história funde-se com a da cidade, as ausências ilustres de Vovô Osório, famoso por ter falecido com mais de 100 anos, David Budin, patrono do jornalismo ocidentalense e fundador do Jornal Ocidental, de Neto do PT, incansável militante do Partido dos Trabalhadores e muitos outros. Para aqueles com mais de trinta anos, ler o capítulo Nos Tempos da Holliday tem sido uma viagem

no tempo. Relembrar as músicas do anos 80/90, os grupos de dança. Tudo isso tem um valor especial

e mostra como a vida cultural da cidade vem se desenvolvendo desde então. Nem todos os fatos e

personagens couberam no livro, mas outras edições vem aí, para fazer justiça à cidade que tanto amamos.

CulturaNaRIDE / Julho de 2012


Discoteca Básica

19

ez

O BONDE ILUSÃO, criado em 2009, passou por muitas formações até se firmar como um promissor grupo ocidentalense de funk carioca. Reunidos na festa de aniversário de um amigo, resolveram formar o grupo e apresentar-se nas festividades de comemoração do aniversário da cidade, em 2009. Com a entrada de MC Mago, o grupo ganhou mais coesão e apuro artistico, apresentando-se em diversos lugares e atualmente contam com os seguintes integrantes:

MC MAGO (VOCAL) DJ LUCAS SOUZA (MPC MIX) LUCIANO (DANÇARINO) LUKINHAS(DANÇARINO) DJ MARKINHOS MIX (DJ E PRODUTOR) Contatos para shows: (61) 9323-9720 / 8597-9719 7818-7971 - ID 962*9119 MARKINHO MIX

(61) 9373-9111 / 8486-5611 djtonny@hotmail.com

Aniversários, Casamentos, Lazer Som e Iluminação Cidade Ocidental e região do Entorno

CulturaNaRide / Julho de 2012

Lançad

o em 1993, ainda em vinil, o disco SubRaça é considerado um marco na história do Rap Nacional. Formado por “X” e DJ Jamaika, o Câmbio Negro surpreendeu com as letras contundentes que influenciariam dezenas de outros rappers. “Careca sim e Daí” com sampler da música Monster Crack, de Kool Moe Dee, mostra uma letra pagadora de sapo, bem ao estilo Rap, onde X populariza de vez a expressão “Véi”, típica da Capital Federal. Direcionada sistematicamente aos “bodinhos”, era cantada nos bailes até pelos próprios playboys. Acha irônico? Mas não só de críticas aos ricos eram fei-

tas as músicas do disco. “Que Irmão é Você” chama a atenção para aquele mano que desanda e merece, segundo a ótica da periferia, levar um “sacode” pela conduta errada. Povoada por samplers de Thaide & DJ Hum e Racionais MC’s, a base lembra aqueles funks da década de 1970, suingada e sincopada, com baixos poderosos e suaves. Fechando a trilogia inicial de apresentação, esculhambação dos manos errados e exaltação à periferia “Que se Fodam Vocês” não é o que parece ao se ler o título. Conta o dia a dia na periferia do jovem negro, mas também é um lamento vindo direto das senzalas urbanas, mas que no fim, dá as costas à sociedade opressora e

vai viver a vida. Mas ainda dentro desse espirito de revolta negra, sem dúvida a melhor música é a faixa título do LP. “Sub-Raça” parte daquele principio racista que Hitler, personificado por uma voz feminina, chama os negros ou simplesmente todos que moram em favelas de sub-humanos. Mas na verdade, sub-raça, é a PQP!

Glossário Bodinhos: garotos ricos, playboys. Gíria típica dos anos 80, falada pelos brasilienses. Sacode: surra. Outra expressão da periferia do DF, bem anos 80. PQP: Puta Que Pariu mesmo.


20

CulturaNaRIDE / Julho de 2012

Cultura na Ride  

Revista Cultural do Entorno de GO/DF

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you