Issuu on Google+

Não deixe de votar! Vote CHAPA 1!

CHAPA 1

Humberto Corrêa e Ana Simões Humberto Corrêa e Ana Simões

CHAPA 1

CONHEÇA ALGUNS MOTIVOS PARA VOTAR NA CHAPA 1

www.medicinarenovacao.com.br

DIAGNÓSTICOS E PROPOSTAS Considerando o curto prazo de campanha, de cerca de 30 dias, reunimos aqui as principais ideias e compromissos da Chapa 1 para você avaliar e fazer sugestões Pág. 4 a 9 MULHER NA DIREÇÃO Já pensou? Depois de 102 anos de historia, pela primeira vez uma mulher pode ser da Diretoria da Medicina Pág. 16


2

CHAPA 1 É RENOVAÇÃO NA FACULDADE DE MEDICINA Nos próximos dias 2 e 3 de dezembro, será realizada a eleição da nova Diretoria da Unidade

A

CHAPA 1, integrada pelos sejam compromissados com a socieprofessores Humberto Cor- dade, competentes tecnicamente e rêa da Silva Filho e Ana Cris- que desenvolvam espírito crítico e tina Simões e Silva, candidatos a diretor postura ética para enfrentar os dee a vice-diretor, respectivamente, se co- safios da saúde em nosso pais.”(Ana loca na disputa, com seus pilares funda- Cristina Simões e Silva) dos no desejo de RENOVAÇÃO, COMPROMISSO E TRANSPARÊNCIA. Os professores Humberto Correa e Ana Cristina Simões se prontificaram a Defesa da Universidade pública entrar na disputa, em função de diver- e gratuita e da fundamental autonosos apelos e estímulos mia em seus aspectos recebidos por parte sigdidático-científico, adnificativa da comunidaministrativo e de gestão de acadêmica, que vem financeira e patrimonial, CABE A NÓS percebendo a necessicomo preconiza o artiCONTINUAR dade de novas formas go 207 da Constituição de gestão, mais particiConsideramos CONSTRUINDO Federal. pativas, coletivas, transesse ponto fundamenparentes, que visam O SEU FUTURO tal para o exercício resgatar o necessário pleno de nossa missão diálogo e espírito crítico enquanto universidade de nossa instituição. pública, independente, “Nossa Escola foi construída, ao crítica e reflexiva. longo dos últimos 102 anos, por várias Defesa do Sistema Único de Saúde, gerações de professores, funcionários e com financiamento adequado, com a estudantes, que enfrentaram desafios devida valorização profissional que conaparentemente instransponíveis para temple a criação de uma carreira de esnos legar essa instituição de fundamen- tado para profissionais de saúde. Defesa tal papel social. Cabe a nós continuar do princípio de que nossa população esconstruindo o seu futuro” (Humberto teja ela onde estiver, tenha acesso aos Corrêa). melhores profissionais. “Nossa maior missão, enquanto Gestão democrática da Faculdade, Faculdade de Medicina, é obter a exce- incentivando a participação coletiva, lência na formação profissional de mé- respeitando divergências como construdicos, fonoaudiólogos e tecnólogos, que toras de novas ideias e construindo am-

Nossos princípios

biente plural. Transparência na gestão administrativa e financeira, disponibilizando e facilitando acesso a todos os dados, e o compromisso com sua divulgação. Participação ativa na vida universitária, lutando para que nossas especificidades e demandas históricas, como, por exemplo, as relativas ao regime de trabalho e valorização da Residência sejam, enfim, atendidas. Facilitar a qualificação constante de professores e funcionários técnico-administrativo e o princípio de que o bem mais precioso de nossa instituição é o ser humano. Atenção particular, mas não exclusiva, aos jovens doutores e professores recém-contratados, promovendo sua inserção plena em todas as dimensões de nossa vida acadêmica. Re-qualificação e adequação humana da estrutura física de nossa faculdade com a criação de um espaço de convivência adequado à indispensável interação entre todos. Gestões junto à administração central para implantação da Creche da UFMG no Campus Saúde.

Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


3

QUEM É QUEM NA CHAPA 1? Humberto Corrêa da Silva Filho

Ana Cristina Simões e Silva

Graduado em Medicina na UFMG em 1991, é Professor Titular do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina da UFMG. Foi chefe do Departamento de Saúde Mental por dois mandatos 2005-2009, e exerce atualmente essa chefia pela terceira vez. Foi eleito representante dos Professores Adjuntos da UFMG na Comissão Permanente de Pessoal Docente (CPPD). Representante da Congregação da Faculdade de Medicina no CEPE (Conselho de Ensino e Pesquisa) onde foi membro da Câmara de Extensão da Pró-Reitoria de Extensão e eleito pelo CEPE seu representante no Conselho Curador da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (FUNDEP). Foi novamente eleito pela congregação seu representante no CEPE, com assento na Câmara de Pesquisa da pró-reitoria de Pesquisa da UFMG. Atua como membro permanente em dois cursos de pós-graduação, Neurociências e Medicina Molecular, tendo participado da comissão de implantação de ambos. Foi coordenador da Residência em Psiquiatria do HC-UFMG e chefe e sub-chefe do Serviço de Psiquiatria do HC-UFMG e vice-presidente da Associação Mineira de Psiquiatria (AMP). Fez residência em Psiquiatria no HC-UFMG, onde foi presidente da Associação dos Médicos Residentes do HC (AMERCH) e da Associação Mineira de Médicos Residentes (AMIMER), atuando no Conselho Diretor do HC-UFMG. Presidiu o Diretório Acadêmico Alfredo Balena (DAAB) dos estudantes de medicina onde atuou como representante discente na Congregação da Faculdade de Medicina, Colegiado do Curso Médico e Conselho Diretor do Hospital das Clínicas da UFMG (HC-UFMG). Pesquisador IB do CNPq e pesquisador da FAPEMIG (Programa Pesquisador Mineiro). Concluiu seu Mestrado na Université Louis Pasteur (Strasbourg-França), doutorado No ICB-UFMG, e pós-doutorado na Université Paris-Decartes (Paris-França).

Graduada em Medicina na UFMG em 1990, é Professora Titular do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFMG. Pesquisadora 2 do CNPq, pesquisadora da FAPEMIG (Programa Pesquisador Mineiro) e membro do Comitê Gestor do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Medicina Molecular (INCT-MM). É coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde-Saúde da Criança e do Adolescente, em seu segundo mandato consecutivo. É coordenadora do Núcleo de Experimentação Animal da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em seu segundo mandato consecutivo, e Presidente do Comitê Assessor da área da Saúde junto à Pró-Reitoria de Pesquisa da UFMG, em seu segundo mandado consecutivo. É membro do Comitê da Capes da Área de Medicina II. Foi representante do Departamento de Pediatria na Comissão Permanente de Avaliação das Atividades Docentes e Departamentais (CPAADD). Foi representante do Centro de Pós-Graduação junto ao Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico (Nupad) e representante dos Programas de Pós-Graduação da área da Saúde junto à Comissão PROF da Pró-Reitoria de Pós-Graduação. Foi coordenadora da Residência em Pediatria do HC-UFMG. Fez residência em Pediatria no Hospital das Clinicas (HP-UFMG), entre 1991-1993, nesta ocasião foi representante dos médicos residentes na área de Pediatria junto à Comissão de Especialização em Pediatria (CEPED). Concluiu seu Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Fisiologia e Farmacologia do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG (1993-1994), doutorado em Pediatria na Faculdade de Medicina da UFMG (1996-2000), e pós-doutorado no Human and Molecular Genetics Center do Medical College of Wisconsin (Milwaukee-EUA, 2003)

Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


4

DIAGNÓSTICOS E PROPOSTAS GRADUAÇÃO CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA O Curso Superior de Tecnologia em Radiologia, coordenado pelo Departamento de Anatomia e Imagem (IMA) da Faculdade de Medicina da UFMG, conta com 80 vagas, anualmente, e tem por objetivo formar profissionais de nível superior para atuação prática e aplicada em Serviços de Medicina Nuclear, Radiologia e Radioterapia. Apesar de recentemente criado, o curso já apresenta Laboratório de Imagem e alguns campos de estágio estabelecidos. Seis eixos são: “Fundamentos das Ciências da Saúde” e “Fundamentos de Física e Radioproteção”. O segundo eixo relaciona-se principalmente com a atuação profissional, incluindo os conteúdos “Diagnóstico por Imagem na Área de Saúde” e “Aplicações Amplas da Radiologia”, que permitem a formação ampla, reflexiva e capaz de adaptar-se às solicitações do mercado de trabalho atual. Ressalta-

-se que, em 2013, o curso foi avaliado pelo MEC e, antes mesmo da formação de nova turma, ele obteve conceito 5 na avaliação do MEC. Apesar de muito bem sucedido em sua fase inicial de funcionamento, o curso superior de Tecnólogos em Radiologia necessita de laboratório de instrumentação e expansão dos termos de cooperação e de estágios para ampliar a área de atuação e desenvolver habilidades e competências dos profissionais em formação. É importante, ainda: A ampliação do corpo docente em função da necessidade de profissionais de diversas formações e treinamentos práticos, permitindo maior aproximação dos graduandos em tecnologia com o mercado de trabalho. Maior divulgação da profissão e da área de atuação, tendo em vista a procu-

ra ainda restrita por parte dos candidatos. A inserção dos estudantes do curso de Tecnologia em Radiologia no Hospital das Clínicas (HC) da UFMG – ainda muito restrita – e sua ampliação para que o hospital, de fato, se torne cenário de prática para os futuros tecnólogos. Melhorara infraestrutura da Faculdade de Medicina para manutenção do curso no turno da noite. Para isso é necessário: mais segurança do campus saúde no turno da noite, presença de funcionários e serviços de suporte no período da noite (limpeza, por exemplo, para melhores condições sanitárias das salas de aulas e banheiros públicos), criação de cantina e ampliação da estrutura de laboratório de informática. Melhorar as condições de trabalho de docentes, discentes e servidores técnico administrativos do Curso Superior de Tecnologia em Radiologia.

Nossa faculdade precisa ter um papel mais expressivo nacionalmente. Nos últimos anos ela está ausente do debate político quanto ao futuro da saúde e do ensino médico. Creio que o Humberto e a Ana têm condições de favorecer este debate, colocando nossa opinião no centro do debate nacional.

Ricardo Menezes

Professor e chefe do Departamento de Clínica Médica

Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


5

CURSO DE FONOAUDIOLOGIA O curso de Fonoaudiologia, desde sua criação, em 1995, está voltado para a formação do profissional generalista na área, com espírito critico e postura ética em sua atuação. Apesar de ser um curso de criação recente, nosso curso de Fonoaudiologia vem sendo muito bem avaliado, tendo atingido a nota máxima, nota 5, no último Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), realizado em 2010. O curso tem atuado como gerador de conhecimento científico na área dos distúrbios de comunicação humana, bem como do aperfeiçoamento dos padrões da fala e da voz refletindo na criação de curso de pós-graduação específico da área e possibilidade de aprimoramento das atividades de pesquisa e formação de alunos de iniciação científica do curso de Fonoudiologia.

Como curso recém-criado, é necessária adequação e expansão do quadros de professores, sedimentação e expansão de áreas de estágio e maior participação e envolvimento dos docentes da Fonoaudiologia nos órgãos decisórios da Faculdade de Medicina, como, por exemplo, a Congregação. A expansão de infraestrutura de pesquisa, por meio de criação de áreas para laboratórios de caráter multiusuário e setor de informática específico para estudos na área de distúrbios da voz e da audição são fundamentais para ampliar a infraestrutura para pesquisa. O Departamento de Fonoaudiologia deve também ter representação junto ao Centro de Pesquisa de nossa instituição para favorecer o estabelecimento de cooperações científicas. É necessária também a busca de

novos cenários para atendimento clínico-ambulatorial dentro da rede pública de saúde, que permitam o aprimoramento da formação dos profissionais de fonoaudiologia, além de expandir a interação entre profissionais de saúde de áreas afins. O recente curso de Mestrado em Fonoaudiologia deve ser consolidado e fortalecido, permitindo a criação do curso de doutorado em futuro próximo. Neste sentido, o curso de Mestrado em Ciências Fonoaudiológicas deve ser de fato incorporado ao Centro de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina, participando efetivamente do planejamento estratégico para desenvolvimento conjunto e integrado dos Programasde Pós-Graduação de nossa instituição (para detalhes, ver propostas para Pós-Graduação).

CURSO DE MEDICINA O novo currículo para o curso de Medicina, aprovado em agosto de 2013, tem como características básicas: a formação do médico voltado prioritariamente à atenção primária; a inserção precoce à prática médica; maior integração entre ciclo básico e ciclo profissional; inserção do estudante no SUS, atuando com equipes multiprofissionais nos diferentes aspectos do cuidado aos pacientes; a existência de disciplinas integrativas, que envolvem diversos departamentos e modificações no processo de avaliação com ênfase no caráter formativo do processo e na avaliação de competências e habilidades adquiridas pelo estudante.

O currículo tem seu início previsto para o segundo semestre de 2014, quando ocorrerá um período de transição entre o currículo vigente e o novo currículo. Dessa forma, o principal e maior desafio da futura diretoria da Faculdade de Medicina será viabilizar a implantação do novo currículo, atuando em nossa unidade acadêmica, junto aos nossos hospitais universitários, à administração central da UFMG e aos gestores do Sistema Único de Saúde. Para tanto, são necessárias, dentre outras propostas: ampliar a participação de docentes e discentes nos setores de apoio pedagógico da Faculdade de Me-

dicina, como o Centro de Treinamento em Saúde, o Laboratório de Simulação e a Biblioteca Baeta Viana para de fato atenderem às necessidades didático-pedagógicas do novo currículo. Também, disponibilizar o acesso à internet de banda larga e rede sem fio nas dependências da Faculdade de Medicina e em seus anexos; solicitar às chefias dos Departamentos avaliação detalhada da quantidade e do perfil de docentes para ministrar as disciplinas do novo currículo, levando em consideração as outras atividades desenvolvidas pelos docentes nos âmbitos de extensão, pesquisa, pós-graduação e administração.

Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


6

Metas e Ações Propostas para a Graduação em Medicina Proposta

Ação Buscar junto às instâncias superiores da UFMG a contratação dos novos professores e funcionários técnico-adminsitrativos

Viabilizar a implantação do novo currículo médico em relação a: recursos humanos,infra-estrutura física e cenários de prática

Avaliar distribuição de salas de aula e infraestrutura física da Faculdade de Medicina Buscar junto os gestores do Sistema Único de Saúde manutenção e expansão dos cenários de prática na rede pública de saúde, incluindo unidades básicas de saúde, unidades de pronto-atendimento e hospitais. Lutar pela garantia da plena autonomia didático-científica no HC-UFMG, mesmo com a implantação da EBSERH

Fortalecer e apoiar os Núcleos que compõem o Centro de Educação em Saúde

Promover oficinas e debates para a implantação das disciplinas do novo currículo com participação dos Núcleos que compõem o Centro de Educação em Saúde

Fortalecimento e estruturação do NAPEM. A demanda pelo NAPEM é crescente e acreditamos que irá aumentar ainda mais nos próximos anos com o SISU

Estruturação diretiva do NAPEM que seria coordenado por um colegiado formado por representantes dos Departamentos. Ampliaçãoda equipe de atendimentos aos estudantes

Melhoria e modernização da Biblioteca Alfredo Balena

Implementação, após discussão pela comunidade do plano de modernização da Biblioteca, criado por comissão específica

Defesa da discussão públicaampla e democrática na elaboração em curso das novas diretrizes para o curso médico

Gestões junto ao Ministério da Educação e ao Conselho Nacional de Educação para que nossa Faculdade seja ouvida na elaboração das novas diretrizes

Fortalecimento do sistema de revalidação de diplomas da Faculdade de Medicina

Manter e apoiar o processo de revalidação de diplomas já consolidado em nossa instituição

Promover a internacionalização

Estimular intercâmbio dos estudantes, estabelecer programas institucionais para receber e dar suporte a estudantes de outros países, apoiar os programas ciência sem fronteiras e minas mundi e trabalhar em parceria com a Diretoria de Relações Internacionais (DRI) da UFMG. Fortalecer convênios já estabelecidos com outras instituições de ensino e de pesquisa de outros países. Buscar novos parceiros internacionais

“Analisando as propostas desta chapa verifiquei pontos de convergência com minha visão da nossa Faculdade de Medicina.”

Antonio Carlos Vieira Cabral

Professor Titular do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia. Coordenador de Pós-graduação em Saúde da Mulher

Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


7

PÓS-GRADUAÇÃO A Pós-Graduação da Faculdade de Medicina da UFMG tem, atualmente, mais de 700 alunos matriculados nos diversos programas, 195 docentes envolvidos na atividade de Pós-Graduação, todos com a titulação de doutorado e, ao final de 2012, 300 defesas de traba-

lhos de conclusão (mestrado e doutorado) nos diversos programas do Centro de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina (CPG). A análise qualitativa também revela um bom nível no conjunto de programas -a maior parte com conceitos 4 e 5, e,

pontualmente, com nível de excelência 6. Mesmo com um quadro tão otimista, a Pós ainda apresenta uma série de problemas. No quadro abaixo, apresentamos algumas propostas, a partir de um breve diagnóstico.

Metas e Ações para a Pós-Graduação Proposta

Ação

Instituir representação na Congregação da Faculdade de Medicina para o coordenador do Centro de PósGraduação

Proposta de mudança no regimento interno da Faculdade de Medicina

Criar disciplinas instrumentais que reúnam docentes e discentes dos diversos Programas de Pós-Graduação

Identificar disciplinas que se superpõem nos diversos programas e integração do corpo docente para criação de novas disciplinas instrumentais, que reúnam docentes e discentes dos diferentes programas

Criar núcleo de apoio à pesquisa e produção intelectual composto por suporte de estatística, bioinformática, tradução e revisão de artigos científicos

Criar um núcleo composto por professores e profissionais contratados com vistas à prestação de serviço e consultoria interna e externa nas áreas de tradução/revisão linguística de artigos científicos, bioinformática e estatística,vinculado aos Centros de Pós-Graduação e de Pesquisa. As consultorias externas serão cobradas e o montante arrecadado será destinado às atividadesdos Centros de Pesquisa e de Pós-Graduação

Apoio gerencial para os pesquisadores (pessoal administrativo para auxiliar nas compras, prestação de contas, captação de recursos, elaboração de projetos de pesquisa, negociação com financiadores públicos e públicos, auxílio em processos de inovação e pedidos de patentes e outros.)

Designar funcionários, após devida capacitação, para atuação junto aos Centros de Pesquisa e de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina da UFMG

Maior integração dos Centros de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação

Elaboração de um calendário compartilhado de atividades formativas e informativas, ciclo de palestras sobre tópicos específicos e promoção de eventos que agreguem atividades de pesquisa e extensão

Expandir o quadro de funcionários técnicoadministrativos do Centro de Pós-Graduação

Busca, junto à administração central da UFMG, de expansão do quadro de funcionários técnico-administrativos do Centro de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina. Desenvolver políticas de incentivo e planos de capacitação para os funcionários técnico-administrativos do Centro de Pós-graduação

Otimização do processo de compra pelos Programas de Pós-Graduação do Centro de Pós-Graduação

Verificação de itens comuns aos diversos programas para padronização no sistema de compras e a requisição desses itens de forma coletiva, evitando abertura de múltiplos processos de compra. Aprimoramento do sistema computacional de compras. Designar funcionários do setor de compras para trabalharem especificamente com os processos de compras do Centro de PósGraduação

Adequação da área física e da infra-estrutura do Centro de Pós-Graduação

Solicitar aos setores de arquitetura e engenharia estudo das possibilidades de melhor adequação da área física do Centro de Pós-Graduação, no intuito de destinar sala para atividades da coordenação, salas de reuniões e de ensino para os diversos programas e sala para discentes dividida em pequenos gabinetes com computadores, quadro de avisos de disciplinas e relação das atividades disponíveis em todos os programas para discussão na congregação da Faculdade de Medicina

Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


8

EXTENSÃO O Centro de Extensão da Faculdade de Medicina da UFMG (Cenex-Med) registrou, até setembro de 2013, 293 atividades de extensão, sendo 156 projetos, 39 programas, 29 eventos, 20 prestações de serviço e 49 cursos. Mas, esses números ainda estão aquém da quantidade de ações extensionistas desenvolvidas. Melhorar os indicadores de Exten-

são é um dos grandes desafios. Recentemente, as atividades de extensão foram incluídas nos indicadores acadêmicos da UFMG, com o mesmo peso dos indicadores de pesquisa, nas avaliações da CPPD (Comissão Permanente de Pessoal Docente) para alocação de vagas docentes destinadas aos diversos Departamentos das Unidades Acadêmicas da UFMG.

A comunidade da Faculdade de Medicina tem dúvidas sobre quais seriam, de fato, projetos e programas de extensão, suas metas, produtos e indicadores. Éfundamental também aperfeiçoar a divulgação, melhorar e qualidade dos produtos e incentivar o registro das atividades extensionistasno Cenex-Med e no Sistema de Extensão (SIEX) da UFMG.

Metas e Propostas para a Extensão Proposta

Ação

Instituir a representação do coordenador do Centro de Extensão na Congregação

Propor mudança no regimento interno da Faculdade de Medicina, a ser debatida na Congregação

Promover a interdisciplinaridade nas atividades de extensão

Promover seminários anuais de extensão, sob coordenação do Cenex-Med, reunindo coordenadores e membros de projetos e programas de extensão

Desenvolver atividades conjuntas entre os centros de pesquisa e extensão

Elaborar calendário compartilhado de atividades formativas e informativas, ciclo de palestras e eventos que incluam atividades de pesquisa e extensão

Aprimorar a estrutura do Cenex-Med

Valorizar e capacitar os funcionários técnicos-administrativos, por meio de formação continuada

Divulgar as oportunidades de fomento para atividades de extensão nacionais e internacionais

Capacitar o pessoal administrativo para pesquisar oportunidades de fomento, e orientar os extensionistas quanto ao preenchimento de formulários de submissão dos projetos

Melhorar o espaço físico do Cenex-Med

Propor à Congregação a possibilidade de estruturar espaço multiusuáriopara reuniões de trabalho com os diferentes setores envolvidos nos projetos e programas

Dar maior visibilidade aos produtos de extensão

Intensificar a divulgação de nossas atividades extensionistas para a sociedade, de forma ampla e com regularidade

“Humberto Correa foi meu aluno no Internato Rural no distrito de Conceição de Piracicaba, perto de Monlevade. Sempre se destacou como aluno e como professor. Nunca o vi prejudicando seus colegas e suas pesquisas, ou pressionando-os para impor objetivos associados à manutenção de poder na estrutura da Universidade. Não tem este tipo de ambição pequena. Acredito que a Faculdade de Medicina terá outra cara, terá mais amizade e justiça em sua eventual gestão, para conversas produtivas e sem medo de retaliações. Precisamos de alternância no exercício da diretoria e melhorar o clima de convivência para que alunos, técnico-administrativos e professores se sintam melhor nas dependências da Faculdade, na qual muitos de nós nos diplomamos e aprendemos a amar. Fui aluno, fui presidente do DAAB, sou professor. Fui o idealizador do projeto Manuelzão. Não quero aqui expressar minhas dores, apenas minha alegria e esperança nas mudanças em nossa Faculdade. Um bom diretor saberá escolher um funcionário para síndico-administrador como seu auxiliar direto para se concentrar, num clima cordial e afetuoso nas questões essenciais do ensino, da pesquisa e da extensão.”

Apolo Heringer Lisboa

Idealizador/fundador do Projeto Manuelzão (PMz) Rio das Velhas /São Francisco watershed-cuenca/Brasil Movement for Rivers and Peace

Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


9

PESQUISA O Centro de Pesquisas da Faculdade de Medicina da UFMG precisa recuperar sua infraestrutura de forma a possibilitar maior colaboração em experimentos educacionais e de pesquisa entre maior número de estudantes de iniciação cien-

tífica, pós-graduação, pós-doutores e docentes. Outra deficiência do setor é o pouco estímulo para intercâmbios e colaboração entre alunos e pesquisadores. O Laboratório Multiusuários ainda apresenta um parque tecnológico res-

trito e, até o momento, tem atendido a poucas demandas para utilização compartilhada de suas instalações. Ainda não há, também, uma adequação de áreapara estudos comportamentais e criação e alojamento de animais transgênicos.

Metas e Propostas para a Pesquisa Proposta

Ação

Instituição de representação na Congregação da Faculdade de Medicina para coordenadores de pesquisa e extensão

Proposta de mudança no regimento interno da Faculdade de Medicina

Apoio gerencial para os pesquisadores (com pessoal administrativo para auxiliar nas compras, prestação de contas, capacitação de recursos, elaboração de projetos de pesquisa, negociação com financiadores públicos e privados, auxílio em processos de inovação e pedidos de patentes, e outros)

Designação de funcionários,após devida capacitação, para atuação junto aos Centros de Pesquisa e de Pós-Graduação

Maior integração dos Centros de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação

Elaboração de um calendário compartilhado de atividades formativas e informativas, ciclo de palestras sobre tópicos específicos e promoção de eventos que agreguem atividades de pesquisa e extensão

Orçamento específico, destinado ao Centro de Pesquisa, para ser utilizado em manutenção de equipamentos, enxovais para recém-contratados, compra de materiais de consumo comuns, custeio de publicações científicas em periódicos internacionais indexados, etc

Criação de uma reserva financeira proveniente de eventos como o ciclo de palestras supracitado e percentual de recursos decorrente de captação por meio de projetos de pesquisa vinculados ao Centro de Pesquisa

Estreitamento das relações e integração com a DEPE do HC

Estabelecimento de metas compartilhadas e de princípios de ação comuns visando potencializar a prática de pesquisa e desburocratizar o processo de aprovação de projetos de professores da Faculdade de Medicina realizados no HC-UFMG

Avaliar junto à administração central da Universidade e à Pro-Reitoria de Pesquisa, o estabelecimento de Comitê de Ética em Pesquisa do Campus da Saúde

Criar grupo de trabalho para avaliar viabilidade e encaminhar proposta

Núcleo de estatística e bioinformática

Criar um núcleo composto por professores e profissionais contratados, com vistas à prestação de serviço e consultoria interna e externa nas áreas de tradução/revisão linguistica de artigos científicos, bioinformática e estatística. As consultorias externas serão cobradas e o montante arrecadado será destinado às atividades do centro de pesquisa

Padronização dos pareceres de projeto de pesquisa dos departamentos da Faculdade de Medicina

Criação de formulário padrão e aprovação pela congregação

Criação do programa de formação continuada de jovens pesquisadores (graduação e pós-graduação)

Promoção de cursos de boas práticas em laboratório, escrita científica, metodologia de pesquisa, técnicas específicas e pesquisa clínica para ICs, alunos de PG, pós-doutorandos, técnicos

Investimento na Revista Médica de Minas Gerais potencializando seu impacto, ampliando a indexação em melhores bases bibliométricas. Início do processo de internacionalização da revista

Designação de equipe editorial de apoio para atuação e suporte para melhoria da qualidade das publicações e melhora da visibilidade e acesso às publicações da revista

Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


10

COMUNIDADE APOIA A CHAPA 1 Conheça alguns motivos que levaram professores, funcionários e alunos a querer renovar a Faculdade de Medicina com seu voto CARTA AOS ESTUDANTES DA FACULDADE DE MEDICINA

Renovação na Diretoria! Nossa FM-UFMG, Centenária em suas virtudes, ainda permanece como uma das melhores faculdades do País. Nos últimos anos, infelizmente, esse histórico vem sendo ultrajado e dilapidado por atos ignorantes e, por vezes truculentos, daqueles que deveriam servir de referencial à Comunidade Acadêmica: os doutores-diretores. A graduação está abandonada, com uma Reforma Curricular por fazer a doze anos e piora significativa dos índices de avaliação do ensino; o Hospital das Clínicas está sendo vendido para uma empresa; a Faculdade cumpre ordens de Brasília, enquanto a “Autonomia Universitária” agoniza nas Minas Gerais; a Diretoria atual desrespeita a Comunidade Acadêmica, como ocorreu em reuniões da Congregação para definição de posicionamento da FM sobre o “Programa Mais Médicos”. Nosso DA recebeu o nome de um Diretor receptivo e gentil aos propósitos Estudantis, Alfredo Balena; Teve sua sede social custeada com recursos de Estudantes da década de 1950. Relembramos nossa história para enfatizar a importância de uma Diretoria sensível aos anseios e projetos Estudantis. Há oito anos temos o mesmo grupo político liderando a FM-UFMG, praticantes de políticas antiquadas que “seduzem” alguns de nossos professores e rateiam recursos não por mérito, mas por “coleguismo”. Uma administração velada, que deseja se perpetuar. Entretanto, NÓS discentes temos a responsabilidade promover a RENOVAÇÃO das virtudes na Faculdade e, por isso, não podemos nos eximir da oportunidade de escolher de uma NOVA DIRETORIA! Otimistas em relação ao futuro da Faculdade de Medicina da UFMG, declaramos nosso apoio sincero à CHAPA 1, composta pelo: Professor Humberto Corrêa, que outrora enxergou esta Faculdade com os olhos de Coordenador Geral do nosso DAAB e que como docente é comprometido com transformações positivas à graduação; pela Professora Ana Simões que representa a excelência de nossas professoras-médicas; acompanhados de muitos mestres que se dedicam à nossa escola. Certos do apoio dos Estudantes da FM, agradecemos pela atenção. Acadêmicos Clarice Coimbra e Guilherme Lima

Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


11

CAMPANHA “PRETO NO BRANCO”

Considerando o curto prazo, de cerca de 30 dias, para fazer conhecer suas ideias e compromissos que pretendem firmar, se eleitos, os professores Humberto Corrêa e Ana Cristina Simões visitaram todos os segmentos e diferentes setores da Faculdade de Medicina. Defendendo o diálogo também com a sociedade, por meio da Extensão e da Divulgação Científica, eles ouviram sugestões e críticas de professores, alunos e servidores técnico-administrativos, públicos e terceirizados.

No dia 8 de novembro, a convite dos representantes dos funcionários na Congregação, a dupla apresentou e discutiu, nessa reunião (Foto), algumas de suas propostas e princípios que deverão nortear sua gestão, se eleitos. Reafirmando o grande valor estratégico do trabalho dos técnico-administrativos para o bom andamento da Unidade , eles também disseram que irão envidar esforços para oferecer cursos de gestão e de línguas para que esses trabalhadores possam melhor se preparar para o processo de internacionalização da Faculdade, que a dupla pretende liderar. Dentre os compromissos apresentados na ocasião, questões como Ponto Eletrônico (“problemas de gestão resolvem-se com gestão eficiente e moderna”; 30 horas(“implantá-la em todos os setores possa se aplicar na Faculdade, tão logo

seja aprovada pelo Conselho Universitário da UFMG”); Planejamento (“bianual, deverá ser construído com o apoio e envolvimento da comunidade acadêmica reunida na forma de Conselho, nos primeiros dias da gestão”); Reestruturação administrativa(“Superintendências de Recursos Humanos e Administrativa”); Política de Qualificação Profissional (“Em colaboração com os Servidores e em consonância a Política do Governo Federal e da UFMG”); Mestrado Profissionalizante (“com novo reitorado”); Representatividade nas eleições (“Realizar estudo aprofundado sobre modalidades de ponderação nas eleições para dirigentes de nossa instituição”); Creche ; (“buscar forma de viabilizar uma no campus Saúde”), Funcionários terceirizados (“dignidade salarial”); Reeleição (“não seremos candidatos à reeleição).

ção efetiva na gestão do HC”. Determinados a oferecer apoio ao DAAB e a outras agremiações estudantis, dentre os compromissos assumidos com esse segmento, duas em comum com as dos servidores, o peso dos votos e o planejamento das ações prioritárias da Faculdade. Mas, os candidatos também propõem aos estudantes que quaisquer medidas políticas e programas governamentais com impacto na educação médica e na prática profissional serão discutidas com toda a comunidade acadêmica da Faculdade de Medicina. Tudo o que foi dito nas reuniões, foi colocado no papel, assinado pelos candidatos e passou a ser

compromisso público: “preto no branco”, sem discurso vazio. Os representantes dos diretórios acadêmicos dos cursos de Fonoaudiologia e de Tecnologia em Radiologia também serão procurados, nos próximos dias. Considerando que RENOVAÇÃO, TRANSPARÊNCIA E COMPROMISSO são os pilares da campanha, os candidatos assumem esses compromissos publicamente. A íntegra das propostas para Servidores e Estudantes está no site da Chapa 1: www.medicinarenovacao.com. br. Para mandar suas sugestões: medicinarenovacao@gmail.com

Estudantis No dia 13, a Chapa 1 visitou também lideranças estudantis. Além de reforçar a necessidade da implantação efetiva da nova grade curricular, os professores destacaram a relevância de fortalecer o Centro de Educação em Saúde e o Núcleo de Apoio Psicopedagógico Ao Estudante (Napem). Com relação à EBSERH, comprometem-se a “buscar formas legais e éticas de diminuir o impacto dessa medida sobre o nosso principal cenário de prática, o Hospital das Clínicas da UFMG”, assim como também apoiam “toda iniciativa da Reitoria no sentido de reivindicar nossa autonomia, poder decisório e participa-

“Desde a vinda do Prof. Humberto Corrêa para o Departamento de Saúde Mental tenho testemunhado sua atuação como professor e chefe do Departamento, especialmente seu equilíbrio e liderança com seus pares e funcionários. Sempre solícito para ouvir, penso que o professor Humberto tem sido um bom exemplo a ser seguido.“

MarizeteTemponi de Souza

Funcionária do Departamento de Saúde Mental Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


12

SAÚDE MENTAL: APOIO UNÂNIME À CHAPA 1 “A medicina brasileira tem passado por um momento de intensas mudanças nos últimos anos, que incluem crescimento vertiginoso no número de escolas médicas, precarização das relações de trabalho, judicialização da saúde e o desafio de conciliar o enorme volume de informações científicas, novas técnicas e uma prática médica humanizada. Portanto, é imperativa uma discussão sobre o papel da Faculdade de Medicina na UFMG frente a essas questões. Que tipo de médico queremos formar? O mesmo tipo de médico das centenas de outras faculdades de medicina do Brasil? Como devemos nos posicionar frente a políticas que colocam os médicos entre Silas e Caríbdis: se submeter a condições de trabalho precárias no sistema público (em programas vexatórios como o Provab e o Mais Médicos) ou no sistema privado (recebendo migalhas de planos de saúde)? Que posição tomar frente a políticas privatistas - péssimas aos funcionários, aos alunos e à população - como a EBSERH? Como a Faculdade de Medicina se posicionou ultimamente em relação a essas questões? E de que forma? Tem sido de forma democrática e transparente? Frente a esses desafios, a Faculdade de Medicina necessita de uma direção compromissada com a defesa da Universidade pública, gratuita, de qualidade e autônoma. Além disso, que assuma o compromisso de tratar toda a comunidade acadêmica com respeito e que esteja aberta ao diálogo, possibilitando a participação coletiva na decisão de assuntos tão importantes como os citados. Nesse sentido, declaro meu apoio à Chapa 1, composta pelos professores Humberto e Ana, que publicamente assumiram a missão de fazer a Faculdade de Medicina da UFMG ocupar o lugar que lhe cabe: uma liderança na defesa do ensino público, dos princípios do SUS e da gestão democrática e transparente.”

Professor Arthur Kummer

Departamento de Saúde Mental

“Gostaria de ressaltar o apoio às atividades junto a graduação e pós-graduação que recebi do professor Humberto Correa, após assumir no início deste ano o cargo de Professor Adjunto em seu Departamento. Sua atuação nestas instâncias sempre se pautou pela defesa irrestrita de nossa profissão, tanto a de Professores quanto a de Médicos, assim como na busca permanente pela excelência da atividade acadêmica em nosso meio. Acredito que as propostas da Chapa 1,aliadas à capacidade administrativa dos Professores Humberto Correa e Ana Simões, podem levar nossa Faculdade a ocupar um lugar de maior destaque no cenário nacional e internacional, como um centro de excelência de Ensino e Pesquisa médica.”

Breno Satler Diniz

Professor Adjunto - Departamento de Saúde Mental “O Professor Humberto Correa e a Professora Ana Cristina são exemplos de dedicação integral à Medicina, à Docência, à Faculdade de Medicina, à UFMG. Pesquisadores de renome nacional e internacional, além de cultura de saberes inquestionáveis , prática clínica de excelência, experiência administrativa em diversos órgãos de destaque da UFMG e em diversas associações de pesquisa e de classe de destaque no Brasil e em outros países.O professor Humberto tudo com perfeição, excelência, cuidado, perfeccionismo, parcimônia: pesquisa, clínica, assistência, docência, orientações de mestrado, doutorado, iniciação científica. Será um grande Diretor da Faculdade de Medicina da UFMG. E muito bem acompanhado pela Professora Ana Cristina Simões: uma máquina de ensino, pesquisa, assistência e eficiência, na pediatria, na fisiologia renal, na residência em pediatria, no mestrado, doutorado e, sobretudo, na dedicação aos acadêmicos de pediatria da Faculdade de Medicina da UFMG.”

Rodrigo Nicolato

Professor adjunto, chefe em exercício e sub-chefe do Departamento de Saúde Mental

“Exemplos de competência e dedicação eles representam de maneira genuína a excelência acadêmica da UFMG. Observamos em suas carreiras experiências de liderança pautadas no respeito e na seriedade. Acredito que possuem todas as características necessárias para uma gestão ética, justa e contemporânea à frente da direção da Faculdade”

Maila de Castro L. Neves

Professora Adjunta do Departamento de Saúde Mental Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


13

Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


14

“A alternância de poder tonificará a democracia na Faculdade de Medicina, pois não se trata meramente de um projeto de poder. Trata-se de uma consistente e contemporânea proposta de trabalho que atenderá ao preceito constitucional da Universidade pública brasileira: a indissociabilidade entre ensino, extensão e pesquisa. Os “Princípios de Ação e Gestão”, amplamente divulgados e claramente fundamentados, refletem os compromissos da Chapa 1 com a estratégia da administração colegiada.”

Paulo Camargos

Professor Titular Aposentado do Departamento de Pediatria

“Externo meu apoio à Chapa 1, por ter a certeza de que vão realizar uma administração inovadora e arrojada em nossa Instituição. Ambos têm potencial para atuarem na área administrativa, para implementação de políticas em prol da melhoria no ensino médico, assim como a lutar pelas demais demandas ligadas à saúde, à pesquisa e à extensão, que interessam a toda a sociedade. “

Gilda Ferreira

Professora Adjunta e Sub-Chefe do Departamento de Aparelho Locomotor

“Apoio a CHAPA 1 por reconhecer no esforço dos Professores Humberto Corrêa e Ana Simões o desprendido e genuíno desejo de colaborar na recondução da nossa Faculdade Medicina da UFMG ao lugar que ela merece no cenário nacional, trazendo de volta o dinâmico espírito acadêmico característicos dos seus 102 anos de história. Ambos demonstramque as propostas da CHAPA 1 não são meramente retóricas, mas fruto de uma vivência universitária extraordinária nos diversos eixos fundamentais da trabalho acadêmico:ensino, pesquisa e extensão. Além disso, as capacidades administrativa e intelectual de ambos resultaram em histórias de sucesso nas diversas instâncias em que atuaram nessa vitoriosa trajetória. Além da contínua disposição para colaborar, Humberto e Ana pautam suas atuações pelo respeito ao pares, a cordialidade com funcionários e alunos, destacando-se o compromisso ético e humanístico, fruto da certeza que estão sempre fazendo o melhor para a instituição.”

Eduardo Araujo de Oliveira

Professor Titular - Depto Pediatria, Coordenador da Unidade de Nefrologia Pediátrica e Pesquisador 2 do CNPQ e da Fapemig

“Declaro meu apoio à sua candidatura à Diretoria da Faculdade de Medicina. É verdade que, de um modo geral, a história da Escola tem sido marcada por êxitos. No entanto, há necessidade de avanços na graduação, pesquisa, administração e relações com o Hospital das Clinicas. Confio que vocês dois estão preparados para nos conduzirem neste rumo.”

Francisco Cardoso

Professor Titular - Departamento de Clínica Médica

“Os professores Humberto e Ana me surpreenderam. De forma positiva, devo dizer. Aparentemente “acadêmicos demais” (se me permitem divulgar meu equívoco), eles provaram em reunião com os servidores técnicos e administrativos ter a firmeza e o conhecimento necessários para consolidar o que as gestões anteriores realizaram até aqui. Também, mostraram ter no currículo clareza de propósitos e sensibilidade para empreender mudanças que possam elevar a padrões internacionais os cursos de Fono, Radiologia e Medicina. Mais. Reconheceram publicamente a importância dos liderados para uma liderança de sucesso e prometem promover o desenvolvimento dos trabalhadores desta “Unidade”. Uma teoria básica da administração afirma que “as pessoas só se engajam e se esforçam para produzir coisas que resultem na satisfação de suas necessidades e proporcione oportunidade de demonstrar o máximo de suas capacidades”. Resultados, só através de pessoas. E isso é complexo, como são as relações interpessoais, exigindo diálogo e capacitação constantes. A Chapa 1 me parece melhor instrumentalizada no momento para efetivar essas mudanças. Que em última instância possam nos permitir voltar a ser uma comunidade onde nos sintamos à vontade para assobiar pelos corredores, a vibrar com o nascimento dos filhos de nossos colegas, e até a ousar inovadoras formas de formar profissionais de saúde para o século XXI, e outras. Apoio a Chapa 1, e vou cobrar...”

Marcus Vinicius Santos

Assessoria de Comunicação Social Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


15

REPRESENTANTES DE ENTIDADES MÉDICAS NACIONAIS PRESTIGIAM CHAPA 1 “A CHAPA 1, integrada pelos Professores Humberto Corrêa e Ana Simões, representa a luta pela melhoria do ensino, e por mais investimentos no ensino, pesquisa e extensão. Como membro da Associação Brasileira de Psiquiatria - a ABP, conheço o trabalho do Professor Humberto Corrêa que alia como poucos excelência científica e compromisso social.”

Antônio Geraldo da Silva

Presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria “Apoio a CHAPA 1, integrada pelos Professores Humberto Corrêa e Ana Simões, porque vislumbro, em ambos, uma grande disposição de lutar pela defesa de uma saúde de qualidade para o povo brasileiro, pela defesa do SUS, com financiamento adequado, pela valorização profissional com a criação de uma carreira de estado, e pela defesa do princípio de que nossa população, esteja ela onde estiver, tenha acesso aos melhores profissionais. É preciso para conseguirmos tudo isso que nossa Academia assuma o papel de liderança, intelectual e ético, independente, que historicamente a caracteriza. Por isso, dou a eles todo o meu apoio.”

Emmanuel Fortes

Vice-Presidente do Conselho Federal de Medicina

Veja mais depoimentos e apoios no site www.medicinarenovacao.com.br

Anote aí!

Humberto Corrêa e Ana Simões Humberto Corrêa e Ana Simões

Quando ocorrerá a votação? A votação ocorrerá nos dias 2 e 3 de de Medicina e de 9h30min as 17h dezembro de 2013, com início às 9h30min e término às 20h, na Faculdade no ICB. Onde votar? No hall da Faculdade de Medicin a e no ICB. Os alunos dos cursos de gradua ção respectivamente, só poderão vota de Medicina (1º ao 4º Período) e de Fonoaudiologia (1º e 2º Perí odos), r no ICB, enquanto os demais elei Medicina. tores só poderão fazê-lo na Fac uldade de O que preciso ter em mãos par a votar? Para votar, o eleitor deverá aprese ntar documento com foto. Quem pode votar? Toda a comunidade acadêmica da Faculdade, ou seja, professore s, alunos, funcionários e mestran que, proporcionalmente, o voto dos, sendo dos Qual é o tempo de mandato dos professores vale 70% e, os dos funcionários e alunos, 15%. diretores? Os integrantes da Chapa venced ora O Edital das eleições está disponív vão administrar a Instituição por um período de quatro anos. el www.medicina.ufmg.br/editais/ele no site da Faculdade de Medicina da UFMG icoes.php

Para conhecer a íntegra das nossas propostas e muito mais, acesse: www.medicinarenovacao.com.br facebook.com/humbertoeana E para dar sugestões: medicinarenovacao@gmail.com Eleições para direção da Faculdade de Medicina da UFMG – 2 e 3 de dezembro de 2013 Não deixe de votar! Vote CHAPA1!


Ana Simões é pioneira na disputa para a Diretoria da Faculdade

Quem disse que mulher na “direção” é um perigo?

N

a verdade, a frase, bastante machista, não faz o menor sentido. A mulher, no decorrer do tempo, vem assumindo, com habilidade e competência, os mais diversos cargos de direção. Além de sentido de organização aguçado, o olhar atento e sensívelperpassa todas as atividadesna qual ela se insere. Mas, você sabia que nunca, na história da Fa-

culdade de Medicina da UFMG, uma mulher pleiteou cargo na diretoria? Essa é a primeira vez que o nome de uma professora é colocado à disposição da comunidade acadêmica numa eleição diretiva. A pediatra Ana Cristina Simões Silva, juntamente com o psiquiatra Humberto Corrêa, disputa, pela CHAPA 1, a Vice-Diretoria da Faculdade. “Estou pleiteando este cargo

com a visão de, ainda jovem, poder contribuir para o reconhecimento nacional e internacional da nossa faculdade nas áreas de ensino, pesquisa e extensão, assumindo o compromisso não só de formar profissionais tecnicamente competentes como também de formar cidadãos responsáveis, éticos e capazes de construir um futuro melhor da saúde em nosso país.”

A professora Iracema MathildeBaccarini, (1912 – 2010), foi a primeira primeira cirurgiã de São João D’El Rei e também uma das primeiras ginecologistas do sexo feminino de Belo Horizonte e de Minas Gerais. Formada pela Faculdade de Medicina da UFMG, em 1942, foi também a primeira mulher a integrar a Congregação e a defender tese de doutorado na Faculdade. Era cirurgiã aposentada do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia. (Fonte: http://www.

Aos 96 anos, a escritora e dermatologista formada pela Faculdade de Medicina em 1945, Maria Bergo, autora do livro “Como chegar aos 90 de bem com a vida” contou, em matéria produzida pela Assessoria de Comunicação da Faculdade, que a presença de mulheres não era comum na época em que fez a graduação.

Mulheres de destaque Alzira Nogueira Reis (1886 - 1970) foi a primeira médica formada do Estado de Minas Gerais. Em 1920, formou-se pela então Universidade de Medicina de Minas Gerais, tornando-se a primeira mulher médica do estado. Resultado de suas ideias libertárias e sua ousadia por “querer fazer coisas de homem”, por cerca de seis meses sua mãe não lhe dirigiu uma palavra. (Fonte: Mulher - 500 Anos atrás dos panos http://www.mulher500.org.br/acervo/biografia-detalhes.asp?cod=909)

medicina.ufmg.br/noticias/?p=14664)


Jornal