Issuu on Google+

1


2


Indice

4 12 22 24 28 30 34 40 52 64 68 78 84 90 92

Casa na Cidade 1 Casa no Campo 1 Casa no Campo 2 Apartamento 2 Escritório de Advogados Vasconcelos, F. Sá Carneiro, Fontes & Associados Apartamento 3 Casa da Música Casa na Cidade 2 Casa na Cidade 3 Habitação Colectiva 3 Restaurante Gosho Hotel Tivoli Jardim Projecto Praça do Oxigénio (UI-1 do Projecto “Parque Maior”) Habitação Colectiva 5 Edifício Multifuncional da Cooperativa Agrícola de Paredes

98 98 99 100 101 102 103

Apresentação Introdução Abordagem Competências Organização Serviços Reconhecimento

104

aNC - Curriculum Vitae

3


Casa na Cidade 1 1994-2000 / Rua Woodhouse, Porto

A casa é, como tantas outras ‘português suave’, uma simplificação grosseira daquela linguagem, retendo só os aspectos formais e retóricos. O interior tinha uma escala mesquinha, tanto nos vãos como nos espaços e a entrada era feita para um corredor que conduzia abruptamente à escada que leva aos quartos. Optou-se por não se recuperar mas antes por se remodelar.

Localização Rua de Luís Woodhouse Porto Dono de Obra Dr. José António dos Santos e Dra. Maria Salomé Castelo Branco

A casa situa-se numa zona de lotes pequenos, em que o terreno exterior só pode servir para filtrar a relação com o interior, devido a ser pequeno e exposto. A única intervenção no exterior remete-se às traseiras e consiste em modificar a garagem para aproveitar a sua cobertura como um terraço nivelado com a sala de jantar. No interior, o programa distribui-se pelos três pisos com quartos no primeiro andar, zona social no rés do chão e salas íntimas e serviços na cave.

Em termos de circulações, cria-se um vestíbulo que faz a mediação entre a entrada, as salas e as zonas íntimas. Em todo o interior a escala dos espaços e dos vãos interiores é ampliada procurando uma proporção estável com o pé-direito e com os vãos exteriores. A estrutura resistente é a original, mas os aspectos de pormenorização adoptam referências modernistas e industriais disponíveis na época de construção da casa, surgindo como uma crítica ao tradicionalismo do ‘português suave’.

Arquitectura Jorge Carvalho e Teresa Novais com Diogo Rodrigues

Instalações Eléctricas Empresa HEXBYTE, Electeónica Lda

Área Edificação 475 m2

Estruturas Empresa Newton, Consultores de Engenharia LDA

Autor Raul Serafim Silva

Autor José Carlos Lino

Instalações Hidráulicas Empresa VHM, Coordenação e Gestão de Projectos Lda. Autor Rui Enes

Instalações Mecânicas Empresa VHM, Coordenação e Gestão de Projectos, Lda.

Empreiteiro Geral ROM - Sociedade de Revestimentos Organometálicos Lda.

Autor Rui Enes

Medidor Orçamentista Nelson Bertini

4


Terraรงo da Sala de Jantar

Vista do Exterior Pรกtio de Serviรงo

5


Vista da Escada existente

Hall de Entrada

Vista do Hall para a Escada

6


Interior do Móvel Sapateira Pormenor do Corrimão da Escada Chegada da Escada à Cave

Hall dos Quartos com Móvel Sapateira

7


Vista da Sala de Estar para o Hall

V達o Exterior com Portadas

Pormenor Sala de Estar

8


Cozinha

9


Lavandaria

Instalação Sanitária Desdobrada

Instalação Sanitária em Suite do Quarto Principal

10


Planta de Localização

Planta da Cave

Planta do Piso 0

Planta do Piso 1

Corte Longitudinal

Corte Transversal

11


Casa no Campo 1 1995–2001 / Calheiros, Ponte de Lima

O sítio desta obra seduz pelo equilíbrio entre intervenção humana e meio natural. Tal como em todo o Alto Minho, a topografia acidentada foi transformada em leiras cultivadas e muros de suporte em pedra. Uma pequena casa encaixou-se aqui, tudo segundo a mesma lógica: a de uma técnica construtiva artesanal com grande sensibilidade e economia de meios. A presença da natureza é aqui acrescida devido às vistas panorâmicas da paisagem. O programa é a remodelação da casa aí existente para segunda habitação de um casal urbano. O primeiro passo que a razão impõe é a remoção de uma intervenção anterior descaracterizadora da casa e desorganizadora dos espaços exteriores adjacentes.

Localização Lugar do Progo, Calheiros, Ponte de Lima, Portugal Dono de Obra Albertino Sousa Carvalho e Maria José Carvalho

O segundo, é optimizar a relação entre casa e terreno, concentrando as maiores transformações num domínio circunscrito em que a latada existente é nivelada e ligada à nova cobertura do alpendre. Trata-se de conseguir com economia de recursos o conforto psicológico de um espaço humanizado -regular, limitado, estável- com forte consciência da natureza. Depois, o novo programa da habitação é organizado em dois pisos, ocupando a anterior loja dos animais e adoptando no piso de cima a organização natural da casa -em espaços não especializados funcionalmente. Como uma escada de ligação entre pisos é um elemento espúrio neste tipo de construção, ela é colocada no exterior, ainda que encerrada por painéis.

Arquitectura Responsável Jorge Carvalho

Obra Coordenador Gustavo Guimarães

Coordenador Teresa Novais

Equipa Diogo Rodrigues

Equipa Lúcia Abreu, Paula Moreira

Estruturas Empresa Newton, Consultores de Engenharia LDA Autor Raimundo delgado

Instalações Eléctricas Empresa GOP, Gabinete de Organização e Projectos, Lda Autor Raul Serafim Silva Instalações Mecânicas Empresa VHM, Coordenação e Gestão de Projectos, Lda. Autor Nuno Enes

Os materiais da remodelação mantêm uma grande rusticidade, evitandose revestimentos e usando-se matérias primas industriais quando suplantam em simplicidade as disponíveis localmente: betão da laje exterior à vista por cima e por baixo, cobertura em cobre simplesmente lançada sobre os perfis da latada e encerramento da escada em placas autoportantes de fibrocimento, com ferragens montadas exteriormente. No interior, só as texturas transparecem através de uma camada homogeneizadora de cal. No terreno agrícola, a única intervenção é um tanque de rega e depósito de água potável.

Instalações Hidráulicas Empresa VHM, Coordenação e Gestão de Projectos Lda. Autor Rui Enes Empreiteiro Geral José Carvalho, Lda. Área Edificação 144 m2 Fotografia Nuno Borges de Araújo

12


Envolvente

Vista Sudoeste

Vista do Telhado

13


Pequeno Tanque de Água

Portão da Entrada

Vista do Terreiro

14


Vista do Alpendre

Vista do Alpendre Existente

Alpendre

Alpendre Existente

15


Pormenor do Alpendre

Detalhe da Porta Escada (Vista da Cave)

16


Cave

17


Sala de Estar Existente

Sala de Estar

Lavabo Saleta

Saleta

18


Cozinha Sala de Jantar

19


Tanque de Água Pormenor do Tanque de Água

20


Planta de Localização

Planta da Cave (Existente)

Planta do Rés-de-Chão (Existente)

Planta da Cave

Planta do Rés-de-Chão

Planta de Cobertura

Secção

Secção

Secção

21

Planta de Cobertura (Existente)


Casa no Campo 2

22


23


Apartamento 2

Localização Rua Morgado Mateus, 123, 1º, Porto, Portugal Dono de Obra Teresa Novais e Jorge Carvalho

Autor Raimundo Delgado Área 90 m2 Fotografia João Ferrand

Arquitectura Teresa Novais Responsável pelo projecto Teresa Novais Empresa Estruturas Newton, Consultores de Engenharia LDA

24


25


26


27


Escritório de Advogados Vasconcelos, F. Sá Carneiro, Fontes & Associados 1999–2000 / Porto

28

Recepção Sala de Trabalho


Corredor de Entrada

Vista da Recepção para a Sala de Reuniões Pequena Sala de Reuniões

29


Apartamento 3

Localização Rua Pêro da Covilha, Nº 219, 7º N Porto,Portugal

Instalações Mecânicas Enescoord Autor Nuno Enes

Dono de Obra Miguel Almeida e Alexandra Nunes

Instalações Hidráulicas Enescoord Autor Rui Enes

Arquitectura Teresa Novais Responsável pelo projecto Teresa Novais

Fotografia João Ferrand, Fotografia, Lda

Empreiteiro Geral Monteiro & Correia Lda. Área 155m2

30


31


32


33


Casa da Música 2001–2005 / Porto com OMA/Rem Koolhaas

Arquitectura Rem Koolhaas, Ellen van Loon Equipa Adrianne Fisher, Michelle Howard, Isabel da Silva, Nuno Rosado, Robert Choeff, Barbara Wolff, Uwe Herlijn, Matthias Hollwich, Stephan Grieck, Govert Gerritsen, Saskia Simon, Thomas Duda, Christian von der Muelde, Rita Amado, Philip Koenen, Peter Mueller, Krystian Keck, Eduarda Lima, Christoff Scholl, Alex de Jong, Alois Zierl, Olaf Hitz, Jorge Toscano, Duarte

Santo, Nelson Carvalho, Stefanie Wandinger, Catarina Canas, Shadi Rahbaran, chris van Duijn, Maria Baptista, André Cardoso, Ana Jacinto, Fabienne Louyot e Nicholas Firket Atelier Local aNC arquitectos Estructura ARUP London / AFA Lda Equipa Cecil Balmond, Rory McGowan, Asim Gaba, Toby Maclean, Andrew Winson, Rui Furtado, Rui Oliveira, Pedro Moás

Instalações ARUP London / AFA Lda Equipa Tim Thornton, Stephan Waldhauser, Dane Green, Rodrigues Gomes, Joaquim Viseu, Luís Graça, Paulo Silva, Marco Carvalho, Pedro Albuquerque Cálculo de Desenfumagem ARUP Fire Equipa George Faller Segurança contra

Incêndio OHM / Gerisco Equipa Christian Aoustin, Fernando Silva Acústica TNO Eindhoven / Dorsser Blesgraaf Equipa Renz van Luxemburg, Theo Raijmakers Interiores, curtinas Inside Outside Equipa Petra Blaisse, Peter Niessen, Marieke van den

34

Houvel e Mathias Lehner Cenografia Ducks Scéno Equipa Michel Cova, Stephan Abromeit, Aldo de Sousa Fachadas Robert van Santen / ABT / ARUP Facades Cadeiras de auditório Maarten van Severen Mobiliário Solto Daciano da Costa, Sena da Silva, Leonor Álvares de Oliveira

Área Edificação 42.000,00 m2 Exteriores 6.600,00 m2 Custo (excl. IVA) 78.000.000,00 €


35


36


37


Planta Nível 0

Planta Nível 1

Planta Nível 3

Planta Nível 4

Planta Nível 5

Planta Nível 6

38


Corte Este-Oeste

Corte Norte-Sul

Terra莽o na cobertura

Pequeno audit贸rio

Camarins

Bar dos artistas

Sala de ensaio

39


Casa na Cidade 2 2003–2010 / Vila do Conde

A casa resulta da necessidade de compatibilizar dois desígnios: o do programa e o do contexto. De acordo com o primeiro, devia ser ímpar, organizada com o mínimo de desníveis, integrar garagem de afável uso para 3 viaturas, piscina exterior e atelier de pintura. De acordo com o segundo (um loteamento cujo regulamento obriga à “modernidade” de coberturas planas e cores claras), devia pertencer a uma cidade higiénica, que se desenha tardiamente racionalista em habitações “bloco”, compactas, sem terra, sem vegetação, sem sombras ou contraste.

Localização Lote 15, Arruamento E, Loteamento Monte do Desterro, Vila do Conde, Portugal Dono de Obra Fernando Luís da Silva Carvalho

A sua localização em gaveto, revelase tão libertadora no desenho quanto restritiva na necessidade de privacidade. Assim, no sólido imposto são recortados pátios e nichos em diferentes níveis, quebrando-o em múltiplas faces exteriores, que reflectem a organização interior em meios pisos. A decomposição do volume permite criar duas “casas” sobre a zona comum no piso térreo único. A casa desdobra-se em duas conforme o número de utilizadores: a “casa” para o casal proprietário, que se organiza em meios pisos, mais afastada da rua e a “casa” para a família grande, com mais dois quartos de hóspedes

Arquitectura Responsável Teresa Novais

Estruturas Newton, Consultores de Engenharia LDA

Equipa Maria Luísa Meneses, Jorge Toscano, Adriana Silva, Gustavo Batista, Susana Dias, Tiago Branco, Joana Couceiro, Nuno Matos, Nuno Silva

Autor Carlos Lino Instalações Eléctricas Empresa Gpic, Projectos, Instalações e Consultoria L.da Autor Fernando Aires

Instalações Mecânicas Empresa EnesCoord, Coordenação e Gestão de projectos e Obras, Lda. Autor Nuno Enes Instalações Hidráulicas Empresa EnesCoord, Coordenação e Gestão de projectos e Obras, Lda Autor Rui Enes

40

situados sobre a cozinha e copa, com a sua própria escada de acesso. De uma “casa” vê-se a outra. Afinal para que se quer uma casa senão para criar a sua própria cidade? O interior vive da cumplicidade com o exterior. Este último é artificialmente desenhado de modo a criar uma paisagem variada, na forma diversamente texturada, na luz e na sombra, para a qual contribuirá uma vegetação densa envolvendo a casa. No detalhe, opta-se pelo uso contido de materiais e cores sem diferenciação entre interior e exterior de modo a sublinhar a continuidade entre ambos.

Empreiteiro Geral Empalme, Sociedade de construções Lda Área Edificação 441 m2


Vista da Entrada Principal Vista a partir da Rua

41


Pรกtio Rebaixado da Sala de Estar

Vista da piscina a partir do Piso 2

Vista a partir do Jardim

42


Pรกtio da Sala de Jantar entre as duas Alas Pรกtio Interior entre as duas Alas com vista para o Jardim

43


Superfícies Exteriores com Diferentes Texturas

Vista do Portão Elevatório da Garagem

Vista da Garagem

44


Relação entre a Garagem e a Entrada Entrada Principal

45


Vista a partir do cimo das Escadas para o Pรกtio dos Ateliers

Janela alta da Sala de Jantar

Vista da Entrada, Pรกtio, Cozinha e a Copa

46


Vista a partir do Quarto Principal para o Piso 0 e para os Ateliers

47


Sala de Estar Vista da Lareira entre a Sala de Estar e a Sala de Jantar

48


Quarto

Escadas para os quartos das visitas

Atelier Principal

49


Planta do Piso 0 Planta do Piso 2

7

9

8

3 6

2

5 17 1

4

10

1 - Hall de Entrada 2 - Sala de Jantar 3 - Sala de Estar 4 - Cozinha 5 - Casa de Banho de Serviรงo 6 - Escada 7 - Quarto 8 - Quarto de Vestir 9 - Casa de Banho 10 - Lavandaria 17 - Pรกtio

1-Hall de Entrada 2-Sala de Jantar 3-Sala de Estar 4-Cozinha 5-Casa de Banho de Serviรงo 6-Escada 7-Cuarto

16

13 15

8-Cuarto de Vestir 9-Casa de Banho

15

14

17

10-Lavandaria 11-Hall dos Cuartos 12-Cuarto 11

13-Casa de Banho

13

14-Hall Ateliers 12

15-Atelier

13

12

16-Arrumo 17-Pรกtio 11 - Hall dos Quartos 12 - Quarto 13 - Casa de Banho 14 - Hall Ateliers 15 - Atelier 16 - Arrumo 17 - Pรกtio

50


Corte A Corte C

51


Casa na Cidade 3 2004–2005 / Rua Duque de Saldanha, Porto

Duque de Saldanha 600 , Porto. Casa de uma mesma família desde a sua construção até hoje. Casa cheia de marcas das histórias que viveu, como tantas outras. Sala de receber à entrada. Portas ornamentadas de vidros coloridos. Sala de Jantar ricamente decorada na cave. Jardim em losângulos. A fachada para o jardim desfigurada. A sua coerência pertence ao passado. É necessário procurar uma nova coerência para albergar a vida de uma nova família. A nova distibuição de funções -espaço lúdico na cave, todo o piso nobre dedicado a espaço social, o espaço íntimo reduzido ao 2º Pisocria informalidade no uso da casa.

Localização Rua do Duque de Saldanha, nº600 Porto Portugal Dono de Obra Fátima Ferreira Arquitectura Responsável pelo projecto Teresa Novais

Repor a identidade da fachada do jardim: uma singular estrutura de ferro e vidro recria recantos e sombras. Procurar equilíbrio com os fragmentos existentes reforçandoos: na cave, o pavimento prolonga a policromia preto / branco existente até ao jardim; no piso nobre, a escala espacial obriga a não esquecer o ornamento dos novos tectos a preto, branco e dourado; no 2º Piso, reinventa-se o lanternim e o recorte dos tectos procura a luz e volume.

do jardim. O preto dos caixilhos harmoniza o contraste. No interior, o branco gelo nos elementos em madeira harmoniza as cores quentes ou frias dos espaços a Nascente e a Poente. No exterior decansamos num banco feito de escombros. Na cozinha esperamos muitas festas. Na varanda esperamos manhãs quentes de Inverno e tardes frescas de Verão.

Ao verde garrafa do existente do exterior da fachada da rua opõese o rosa velho escuro da fachada

Projecto Coordenador de Projecto Maria Luísa Meneses

Obra Coordenador de Projecto Teresa Novais

Equipa Oliver Arndt, Tiago Branco, Nuno Silva, Rafael Sousa, Jorge Toscano

Equipa Maria Luísa Meneses, Jorge Toscano Estruturas Empresa AFA associados Autor Guilhermina Barreto

Instalações Eléctricas Empresa Gpic, Projectos, Instalações e Consultoria L.da Autor Fernando Aires Instalações Mecânicas Empresa EnesCoord, Coordenação e Gestão de projectos e Obras, Lda Autor Nuno Enes

52

Instalações Hidráulicas Empresa EnesCoord, Coordenação e Gestão de projectos e Obras, Lda Autor Rui Enes Empreiteiro Geral Secular, Reabilitação de Edifícios Antigos Responsável Alexandra Grande

Área Edificação 185 m2 Exteriores 65m2 Fotografia João Ferrand, Fotografia Lda


Vista AĂŠrea

53


Fotos do Existente

Fachada Nascente

Fachada Poente

54


Fachada Nascente

55


Varanda da Sala

56


Evolução da Fachada Nascente Diagrama de Estereotomias

57


Hall de Entrada Piso Nobre

Existente

58


Pormenor da Cozinha Cozinha

59


Escritรณrio das Crianรงas Escada Central

Ginรกsio Cave

60


Clarabóia Piso 1

Quarto de Vestir (relação visual através do espaço da clarabóia)

61


Quarto das Crianças Quarto dos Pais

62

Instalação Sanitária


Planta de Localização

Plantas do Existente

Planta Piso 1

Corte Transversal

Planta Piso Nobre Planta Cave Corte Longitudinal

63


Habitação Colectiva 3 2006 / Berna, Suíça

Cada habitação articula-se em volta de um pátio-varanda com pé-direito duplo, virado para a paisagem. Quanto ao tipo de habitações, tendo em conta a incerteza do mercado imobiliário em Berna na altura do projecto, propôsse um módulo facilmente convertível para espaço de escritórios onde, unindo vários deles, se pode obter openspace contínuo.

Localização:

Projecto

Acústica

Blocos 16-18 Brünnen-Nord Berna, Suíça

Responsável pelo projecto:

Empresa: DHV-B.V.

Jorge Carvalho Autor: Dono de Obra: Fonds für die Boden- und Wohnbaupolitik der Stadt Bern

Equipa:

Renz van Luxemburg

Tiago Branco, Joana Couceiro, Adriana Silva, Luísa Meneses Área: 8851 m2

64


Vista da rua Vista geral

65


Articulação das unidades duplex-tipo com as varandas

Varandas de pé-direito duplo - corte e alçado

de pé-duplo Plantas da unidade duplex-tipo

66


Diagrama com organizações alternativas - escritórios

Corte-diagrama com localização das funções comuns

ou habitação

Alçado sul

Plantas com alternativas nos pisos 1 e 2 - escritórios ou habitação

67


Restaurante Gosho 2006–2007 / Avenida da Boavista, Porto

Para o espaço de um restaurante, desenha-se arquitectura que alimenta o ‘estar’ em público. O restaurante Gosho (‘Palácio Imperial’) situa-se num hotel de 5 estrelas e serve comida japonesa, programa que por si só nos remete para um campo de referências óbvias. Mas da restauração quer-se uma experiência mais complexa, até porque todos nós experimentamos desportos radicais e enquanto bebemos chá verde seguimos as regras de etiqueta ocidentais. Em arquitectura, cada projecto é único, mas contém temas diversos.

Localização Avenida da Boavista, 1277 Dono de Obra Porto Sushi Arquitectura Responsável pelo Projecto Jorge Carvalho, Teresa Novais Coordenador do Projecto Jorge Carvalho

Equipa Maria Luísa Meneses, Joana Couceiro, Pedro Gama, Marco Capela, Luís Dinis, Sérgio Ferreira Obra Coordenador do Projecto Maria Luísa Meneses Equipa Pedro Gama, João Pedro Fernandes, Marco Capela Operacionalidade de Restauração Haruo Morishima

O cenário relativamente durável que se constrói cruza distintos efeitos. Além de se evocar a arquitectura tradicional japonesa, através de uma presença crua e forte dos materiais, criou-se teatralidade com os túneis de entrada e a chegada elevada, sublinhou-se com pintura branca o porte divertido e aparentemente irracional da estrutura existente, alimentou-se um certo mistério diluindo os limites do espaço com a cortina permeável, o biombo translúcido e as paredes periféricas escuras e ofereceu-se conforto com absorção acústica nessas mesmas paredes.

Projecto Luminotécnico OHM-E Autor Fernando Silva

Instalações Mecânicas CM & A Autor José Campos Marinho

Design de Têxteis Katty Xiomara

Estruturas Sopsec, sociedade de prestação de serviços de engenharia civil, sa Autor Paulo Gomes

Acústica LeVeL Acoustics B.V. Autor Renz van Luxemburg

Instalações Eléctricas Segurel, estudos de segurança e electricidade, L.da. Autor Fernando Gomes

68

Em resumo, desenhou-se um ambiente para quem quiser, nos tempos livres, sentir-se protagonista de uma cena elegante e sofisticada.

Instalações Hidráulicas Sopsec, sociedade de prestação de serviços de engenharia civil, sa Autor André Apolinário Segurança contra Incêndio Segurel, estudos de segurança e electricidade, L.da Autor Luís Marques Santos Empreiteiro Geral JQS, obras e recuperações, Lda

Área Edificação 450 m2 Fotografia FG+SG - Fotografia de Arquitectura


Vista Panor창mica (Existente) Entrada pelo lado da Rua

69


Acesso à Praça pela cota da Rua

Acesso ao Food Court pela cota da Cave

Maqueta de Estudo

H

H

*****

*****

70


Corte pelos dois Acessos

Planta de Tectos

Planta

71


Percurso de Entrada (Lado do Food Court)

Escada de Entrada a partir do Food Court

Corredor de Entrada a partir do Food Court

72


Percurso de Entrada (Lado da Rua) Vista do Bar de Sushi a partir da Entrada (Lado da Rua)

73


Zona de Preparação de Vinhos

74


Zona sob a Claraboia (Existente) Sala de Jantar - Zona sob a Claraboia

75


Bar de Sushi (Pormenor) Vista da Sala de Jantar a partir da Recepção

76


Copa por detrรกs da Sala Privada

Vista da Sala Privada a partir da Entrada (lado da Rua)

77


Hotel Tivoli Jardim 2007 / Lisboa Com Menos é Mais, Arquitectos

Ao remodelar o Hotel Tivoli Jardim impõe-se reflectir sobre a sua identidade arquitectónica inicial e sobre o seu potencial no contexto dos actuais hábitos e desejos dos utilizadores dos hotéis. Hoje em dia os clientes dos hotéis nos centros urbanos já não são só turistas, são uma nova classe de “residentes”: indivíduos que vivem a maior parte do seu tempo em trânsito procurando em cada cidade onde chegam um lugar/ casa que os acolha. O desenho cuidado e a consistência da traça original do edifício, da fase tardia do modernismo, proporcionavam já aos hóspedes aspectos positivos que no projecto se procurou manter, articulados com um novo atributo: a capacidade de isolamento não só do ruído e do caos da cidade mas também da sensação de estar em trânsito. Através de reverter a estratificação de intervenções que ao longo do tempo desvirtuaram o edifício, clarificou-se a estrutura e recuperou-

Dono de Obra

Projecto Coordenador de Projecto Cristina Guedes, Teresa Novais

Arquitectura Responsável pelo projecto Cristina Guedes, Teresa Novais

Equipa Adalgisa Lopes, Marco Capela, Ana Matias, Ana Leite Fernandes, António Ferreira, Cristina Maximino, Luís Campos, Mariana Sendas

Localização Lisboa Portugal

se revestimentos que se equilibravam com o desenho da arquitectura. O redesenho da fachada através da elaboração de uma paleta cromática inspirada em Le Corbusier, sugere um factor personalizado para cada quarto, reflectindo desde logo a promessa do seu interior. Para aumentar a sensação de intimidade e reforçar a possibilidade de privacidade, introduziu-se no edifício um sistema de vários níveis de “filtros”: um jardim, em lugar do parque de estacionamento existente, funciona como barreira do movimento da cidade e permite desfrutar de pequenos prazeres; a entrada é enfatizada pela colocação de instalações escultóricas em chapa de bronze, que ao mesmo tempo são filtros entre o interior e o exterior; já no interior, o bar interpõe-se como um filtro entre o espaço informal e descontraido do lounge e o ambiente de degustação do restaurante. A escolha dos materiais, cores, texturas, e iluminação artificial Investigação em Reabilitação Arquitectónica Gabriella Casella Visualização 3D Estúdio Goma Área Edificação-5000.0 m2

78

oferece um ambiente subtil e relaxante. Nos espaços dos corredores a imagem da natureza é trazida para o interior do hotel. Marcada pela presença próxima do Jardim Botânico, a proposta desenvolveu uma linguagem decorativa que se inspirou na Iconografia Selecta da Flora Portuguesa de Gonçalves Sampaio. O quarto pode ser uma cápsula de privacidade através de, novamente, “filtros” em relação ao exterior: a própria varanda existente e uma zona intermédia, de trabalho, criada entre esta e o quarto. Noutros momentos, preciosos nas vidas apressadas, pode proporcionar vistas para o exterior mesmo a partir do banho. O sentido da transformação do edifício encontra-se na resposta aos actuais hábitos práticos e de conforto e na satisfação de desejos tantas vezes intangíveis mas que, no íntimo dos utilizadores do espaço, lhes conferem a sensação, talvez ilusória, de “qualidade de vida”.


Entrance Lobby Estudo de Cor da Fachada

79


Corredor dos Quartos Variação de Luz no Corredor dos Quartos

80


Organigrama em corte Corte pelos Corredores

81


Planta do Quarto Tipo Casa de Banho

82


Variação de Luz no Quarto Quarto

83


Projecto Praça do Oxigénio (UI-1 do Projecto “Parque Maior”) 2009 - ... / Rua Altino Coelho e Rua Engº Duarte Pacheco, Maia

Habitação Colectiva 5 O desafio deste projecto é o corrente na cidade contemporânea: criar bom habitat com recursos limitados. O plano onde se insere o edifício obriga todos os edifícios à mesma expressão: blocos puros, sem saliências, pousados sobre pisos térreos recuados. O projecto não tenta ser extravagante. Aceita a ideia de cada edifício tender a desaparecer, ou melhor, a diluir-se formalmente no conjunto. Para que prevaleça a clareza do volume, em vez da diversidade dos interiores, utilizam-se janelas indiferenciadas em todas as fachadas e para todos os compartimentos. A estratégia de redução de custos fixa a distribuição interna: seis pisos iguais, cada um com sete apartamentos de área média,

servidos por apenas dois núcleos de acessos verticais muito compactos. No entanto, a colocação isolada dos ascensores nos extremos das escadas de emergência cria uma noção de acessos quase privativos, com no máximo dois apartamentos por cada patamar de chegada. Nos apartamentos, os atributos espaciais partem da consideração detalhada de soluções funcionais (estendal exterior, arrumação integrada na cozinha, zona de refeições ligeiras, possibilidade de abertura da cozinha, disposição dos roupeiros em antecâmaras dos quartos), das proporções entre compartimentos e da excelente iluminação natural, proporcionada por janelas a toda a largura. O contexto urbano caracterizado convida ainda à relação visual com

Projecto Coordenador de Projecto Jorge Carvalho

Estruturas Empresa Newton, Consultores de Engenharia LDA

Instalações Eléctricas Empresa Gpic, Projectos, Instalações e Consultoria L.da

Instalações Hidráulicas Empresa Newton, Consultores de Engenharia LDA

Equipa João Pedro Fernandes, Ana Bacelar, Luísa Meneses, Pedro Loureiro

Autor Eulália Soares

Autor Fernando Aires

Autor Pedro Taveira

O projecto Parque Maior consiste numa profunda transformação do centro da Maia. O Plano de Pormenor, da autoria de Eduardo Souto de Moura, prevê dotar a cidade de um novo parque urbano e de um novo tecido urbano com características bem definidas: ‘modernidade’, espaços exteriores contínuos, regularidade das vias e dos edifícios, homogeneidade do tratamento arquitectónico. O presente projecto, para a Praça do Oxigénio, Centro Comunitário e um Edifício de Habitação Colectiva com 42 apartamentos, corresponde à primeira unidade de intervenção do plano. Localizado na esquina noroeste, faz a ligação para a zona urbana a manter e funciona como porta de entrada no centro da Maia para quem chega de automóvel do lado norte.

Localização Rua Altino Coelho e Rua Engº Duarte Pacheco Maia Portugal Dono de Obra Parque Maior – Sociedade de Reabilitação Urbana da Maia, S.A. Arquitectura Responsável pelo projecto Jorge Carvalho

Arquitectura Paisagista Victor Beiramar Diniz, arquitecto paisagista Autor Victor Beiramar Diniz

Projecto de Arruamentos Newton, Consultores de Engenharia LDA Autor José Magalhães

Instalações Mecânicas Empresa Get – Gestão de Energia Térmica, Lda Autor Raul Bessa

84

Área Edificação 8561,30 m2 Exteriores 11.365,90 m2


ele e à experiência directa do exterior a partir das habitações. Assim, concebe-se uma transição sensível, activa, e intensa para o meio exterior com uma fachada pouco espessa e com técnicas simples. Através da colocação destacada dos estores exteriores, mesmo com estes descidos para proteger contra sol rasante, permitem-se perspectivas diagonais para o céu ou fumar à janela a olhar para a rua. A imagem resultante é múltiplice, leve e sólida, delicada e perene. Não se propõe mais do que traduzir para um carácter provocador e amável, próprio do nosso tempo, a ideia modernista do habitat padronizado desde a cidade, ao bairro, ao bloco, à habitação, até ao elemento construtivo.

85


Vista Aérea do Plano

Vista Aérea (Maquete)

Vista Geral (Maquete)

86


Planta do Piso TĂŠrreo Planta do Piso 1

87


Conceito de Acessos da Habitação Colectiva Habitação Colectiva (Maquete)

88


Tipologias

Organigrama da Habitação Colectiva Habitação Colectiva - Alçado

89

T2

T2

T2

T2

T3

T3

T3


Habitação Colectiva 5 - Gateway Goes for Guild 2009 / Preston, Inglaterra

Para a revitalização desta área degradada de Preston, a arquitectura pode contribuir fortemente, consolidando qualidades urbanas, que actualmente se encontram desconexas. O projecto proposto para o quarteirão baseia-se numa massa contínua de dois andares, com diferenças subtis desenhadas por subtracções locais. Ao longo das duas ruas principais que compõem o quarteirão, a imagem do edifício referencia-se principalmente numa ‘ordem’ de conjunto ao invés de habitações individuais, oferecendo desta forma frentes de rua coesas. Estas duas fachadas são planos contínuos, como um terrace, sendo a repetição das habitações expressa somente na repetição das janelas. De frente para a forma urbana mais ‘solta’, localizada na zona norte da intervenção, a proposta oferece uma frente modelada. Aqui, as subtracções são mais visíveis, expressando desta

Localização Preston Inglaterra Dono de Obra Community Gateway Association Arquitectura Responsável pelo projecto Jorge Carvalho

Projecto Coordenador de Projecto Jorge Carvalho

forma as dimensões dos módulos repetidos, que se somam para fazer todo o volume. O projecto aborda a questão da identificação entre os residentes, a comunidade à qual pertencem e os espaços que eles habitam através da selecção do tipo de habitação e do critério da combinação de tipologias. Considerando que diferentes tamanhos de tipologias irão atrair diferentes perfis de famílias, a integração social é favorecida pela distribuição uniforme das diferentes tipologias habitacionais.

Área Edificação 1.880,30 m2 Exteriores 517,10 m2

Equipa João Pedro Fernandes, Ana Bacelar, Luísa Meneses, Pedro Loureiro, Marco Braz, Patrícia Machado

90

A pesquisa de projecto levou ainda a uma proposta onde as habitações e os jardins têm uma atmosfera íntima, mas não introvertida ou isolada, que é obtida por meio de uma organização algures entre casas em banda e casas pátio. Os jardins tornam-se espaços bem definidos dentro do quarteirão, cada um abraçado principalmente pela sua própria habitação. Dessa forma, é criada uma forte ligação entre cada habitação e o seu jardim. Ao mesmo tempo, a orientação das aberturas é definida para impedir perspectivas directas entre habitações opostas, favorecendo perspectivas diagonais dentro do quarteirão. Com este tipo de articulação, os pontos de vista entre diferentes espaços domésticos (compreendendo habitação e seu jardim) são em certa medida possíveis, se desejados, mas não intrusivos. Pretende-se alargar a privacidade e intimidade de cada família, permitindo simultaneamente a interacção entre os indivíduos e a sua comunidade.


Pรกgina Anterior:

Vista Interior para o Pรกtio

Corte Transversal

Alรงado Sul

91


Edifício Multifuncional da Cooperativa Agrícola de Paredes

Neste edifício multifuncional procurase, através da arquitectura, dar um sentido comum a dois universos tradicionalmente separados: o agrícola e o criativo. O programa distribui-se por níveis. O primeiro, nivelado pelas ruas, contém as actividades que directamente se relacionam com o público, a sede da Cooperativa Agrícola de Paredes, toda a área comercial e um pequeno ‘Mercado da Terra’. O segundo, nos pisos superiores, contém em dois pátios as actividades que procuram o convívio e a luz natural, uma Incubadora para o Design e dez Residências-Oficinas Criativas. Procurou-se um registo assumidamente urbano, com frentes de rua bem definidas. A forma é predominantemente regrada, com dois plintos rectangulares a

Localização Rua Alameda Dr. José Cabral e Rua Dom Afonso Henriques Paredes Porto, Portugal Dono de Obra Cooperativa Agrícola do Concelho de Paredes Arquitectura aNC arquitectos

Plano de Segurança e Saúde Autor Francisco Bernardo Estudo Térmico Get, Gestão de Energia Térmica, Lda Sistema de Certificação Energética de Edifícios Autor Raul Bessa

constituírem os dois pátios elevados, de igual largura, ladeados por volumes de várias alturas mas também de igual largura. Ao mesmo tempo, o conjunto procura ser sensível tanto à escala doméstica próxima, moldando-se como um todo às inclinações das ruas, como ao convívio, porventura temporário, com o lote quase vazio na esquina nascente do quarteirão, abrindo outro vazio na esquina oposta: um largo onde se entrelaçam as entradas para as principais componentes funcionais do complexo. A imagem do edifício cruza o carácter urbano definido pela sua volumetria com alusões ao universo agrícola nos materiais e composição de fachadas, uma síntese que parece pertinente num complexo que acolhe tanto agricultores como profissionais criativos urbanos.

Segurança contra Incêndio Gpic, Projectos, Instalações e Consultoria L.da Autor Fernando Aires

Instalações Eléctricas Estudo de iluminação Gpic, Projectos, Instalações e Consultoria L.da Autor Fernando Aires

Instalações de Telefone e Telecomunicações Gpic, Projectos, Instalações e Consultoria L.da

Área 8.461,37 m2 Custo da construção (excl. impostos) 3.573.430,19 €

Responsável pelo projecto Jorge Carvalho

92


93


94


95


96


97


Introdução

Abordagem aNC valoriza a interpretação das situações e procura dar-lhes respostas abrangentes. Em cada projecto procura desenvolver, a partir dos aspectos programáticos, urbanos e ambientais, uma identidade arquitectónica particular, que, no entanto, incorpore e gere valores culturais válidos para além do seu sítio. aNC acredita na relação próxima com as circunstâncias de cada projecto, por forma a expressar o seu significado e a criar ambientes confortáveis, económicos e sustentáveis onde os utilizadores possam desenvolver o seu máximo potencial. Competências Para garantir a coordenação e integração necessários para atingir estes objectivos, a ênfase cultural é combinada com amplo e detalhado conhecimento. Os arquitectos do escritório possuem uma vasta experiência em obras de grande complexidade e qualidade, beneficiam de actividade académica e de investigação e têm estabelecida uma rede internacional de conhecimento especializado, o que no seu conjunto lhes permite encarar cada projecto como um novo contexto para aplicação de conhecimentos consolidados ou inovadores em aspectos variados como tendências sociais e culturais, eficiência energética, comportamento de materiais, técnicas de restauro ou análise de ciclo de vida.

Organização A criatividade e competências são enquadrados por uma rigorosa organização. Os quadros técnicos principais estão envolvidos em todas as fases do processo arquitectónico e têm responsabilidade sobre as equipas criadas para cada projecto, sempre constituídas exclusivamente por arquitectos. Serviços O conceito unitário que aNC apresenta consubstancia-se na prestação de serviços de projecto de arquitectura, articulação arquitectura/energia/ ecologia, e projecto de paisagismo, permitindo propor as soluções globalmente mais eficientes no domínio energético e acompanhar ao pormenor a sua efectivação. Experiência vocacionada A actividade do escritório conta com uma valiosa experiência em edifícios de natureza diversa. No total, os sócios têm um total de 290.000m2 em projectos de execução e assistência técnica à obra em trabalhos de alto nível arquitectónico em Portugal e no estrangeiro. Entre estes, destaca-se o trabalho como atelier local no projecto da Casa da Música.

98

Reconhecimento O trabalho do escritório tem sido reconhecido em várias ocasiões: foi nomeado para o “European Union Prize for Contemporary Architecture Mies van der Rohe Award” (2011), recebeu o prémio PAUMA (2007) e a medalha de prata do “Premio Europeo di Architettura ‘Luigi Cosenza’” (2002). Os projectos de aNC têm sido publicados em publicações especializadas tanto portuguesas como internacionais (de Architect, Holanda; World Architecture, Hong Kong; Wallpaper, Londres; Interni, Milão; d’Architectures, Paris). O reconhecimento dos resultados também se tem manifestado em convites para inúmeras conferências em Portugal, Espanha, França, Itália, Alemanha, Irlanda e Croácia.


Abordagem

Arquitectura Emocional aNC trabalha o tema da sensação dos espaços, mais do que a sua estética ou forma. É o tema de tocar a alma do lugar: tal como toda a gente se envolve no processo de transformar uma casa num lar. Entre os aspectos da arquitectura relacionados com a dinâmica social, aqueles que fazem parte do processo de afinação da arquitectura, devem ser planeados na fase de projecto. Neste sentido, o acto de ‘organização do espaço’ deve não só prever o fluxo e a função do espaço, mas também determinar a sua sensação e personalidade ao informar os nossos sentidos através dos canais visuais, auditivos e tácteis.

Um tal processo de envolvimento só pode ser conseguido ganhando verdadeiramente posse do espaço, elevando o nível de consciência entre forma e matéria, entendendo profundamente todos os ADN’s que fazem esta personalidade holística. Afinando e mediando, é-nos possível criar um diálogo, estabelecendo assim uma agenda para que ambiente, energia, vibração e alma se materializem. Finalmente, a consciência detectável do físico funde-se com o metafísico, criando a sensação de conforto sem explicações empíricas acerca de como e porquê. Só é.

99

Integração Técnica, Funcional e Económica Os aspectos objectivos envolvidos num empreendimento de construção –funcionamento, orçamento, conforto- fazem parte das sensações e ambiente criados. A elaboração de um projecto é um processo complexo que envolve tanto as exigências e expectativas do Dono de Obra como uma equipa de técnicos numerosa, cada um com as suas competências específicas, responsabilidades e pontos de vista individuais. aNC tem um acompanhamento constante deste processo, ao longo de todas as fases do projecto e da obra, participando activamente no controlo, coordenação e compatibilização do projecto para garantir a concretização dos objectivos e expectativas económicos, temporais, e de expressão arquitectónica.


Competências

Biografias aNC arquitectos foi fundado em 1991, no Porto, por Teresa Novais e Jorge Carvalho. Teresa Novais licenciou-se em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura do Porto em 1991. Entre 1988 e 1990 trabalhou em Londres, com Flashman Associates e Foster Associates, onde colaborou em projectos de grande escala. De regresso a Portugal, trabalhou com Eduardo Souto Moura de 1991 a 1996. Entre outros projectos, foi arquitecta coordenadora do edifício de escritórios e comércio “Burgo Fundiários”, no Porto. Jorge Carvalho licenciou-se em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura do Porto em 1990. De 1988 a 1990 trabalhou em Londres com David Chipperfield, sendo arquitecto coordenador de projectos em Londres, Nantes e Quioto. Quando regressou a Portugal estabeleceu uma colaboração regular com Álvaro Siza como arquitecto coordenador do projecto de Reconstrução da Zona Sinistrada do Chiado em Lisboa, e de diversos edifícios desta área, entre eles, os Armazéns do Chiado.

Actividade no debate disciplinar aNC participa activamente no debate disciplinar e investigação. Teresa Novais foi co-responsável por uma intensa programação cultural na Ordem dos Arquitectos-SRN, como o ciclo de conferências internacionais ‘em trânsito’, o ciclo de exposições ‘reunião de obra’ ou participação em publicações, entre outros. Jorge Carvalho tem publicado diversos artigos sobre temas da arquitectura moderna e contemporânea, é conselheiro redactorial do Jornal dos Arquitectos e foi coordenador da secção portuguesa dos vários ‘Encontros Luso-Espanhóis de Arquitectura’. Teresa Novais e Jorge Carvalho são docentes da cadeira de projecto na FAAULP e foram várias vezes críticos convidados noutras escolas em Portugal e na Europa. Através dos seus membros, aNC tem também ligação à investigação académica, nomeadamente às Unidades de Investigação ‘Arquivo Documental de Arquitectura Contemporânea’ (Teresa Novais) e ‘Morfologia Arquitectónica e Identidade’ (Jorge Carvalho). Rede Internacional de Conhecimento Especializado Ao longo da sua actividade, aNC tem acumulado experiência de trabalho em equipa com consultores, outros arquitectos especializados e artistas a nível nacional e internacional, encarando com naturalidade a

100

constituição de equipas internacionais e o desenvolvimento de projectos e toda a documentação em língua inglesa. Como exemplo, aNC tem integrado na sua equipa consultores de acústica de Eindoven, Holanda (Casa da Música, Restaurante Gosho, Habitação em Berna, Cine-Teatro Constantino Nery), consultores de cenografia de Lyon, França (Casa da Música, Cine-Teatro Constantino Nery), consultores de operacionalidade em restauração de Londres, Reino Unido (Restaurante Gosho), luminoténcicos do Porto (Restaurante Gosho) e consultores de ecologia do Porto (Casa em Serralves). aNC tem também trabalhado em parcerias internacionais nos aspectos de concepção arquitectónica, nomeadamente com Rem Koolhaas e o Office of Metropolitan Architecture, de Roterdão, Holanda (Casa da Música), Degelo Architekten, Basileia, Suíça, (Edifício Multi-funcional para a Fundação de Serralves), Christian Gänshirt, Berlim, Alemanha (Palácio da República, Berlim)ou, em Portugal, com os Menos é Mais Arquitectos (Hotel Tivoli Jardim). Ou seja, aNC tem contituída um rede internacional de conhecimento especializado que pode pôr à disposição de cada projecto à medida das suas necessidades específicas.


Organização

Meios técnicos Localizado no centro da cidade, o escritório acomoda dez postos de trabalho num espaço de 72 metros quadrados: uma sala de recepção com posto de trabalho informatizado de secretariado e dois postos de trabalho de desenho; uma sala de desenho com seis postos de trabalho em CAD, zona de maquetas, impressoras e arquivo de amostras; uma sala de reuniões com zona de biblioteca. Os meios técnicos são constantemente modernizados, sendo o parque informático actualmente constituído por 6 computadores funcionando em ambiente Windows, duas impressoras de pequenos formatos e uma plotter para grandes formatos (A0). Os postos de trabalho têm instalado o MS Office e Autocad. Estão também instalados programas com maior versatilidade gráfica como o Adobe Photoshop, o Illustrator e o In Design. Todo o trabalho produzido é assistido por um sistema de” back-up “ automático com actualização diária e semanal.

Organização Com vista a manter uma capacidade de resposta e um controlo de qualidade eficazes, o trabalho do escritório é enquadrado por uma cuidada organização interna. O trabalho de desenho técnico é elaborado segundo normas gráficas, de layers e de arquivo estabelecidas internamente. A biblioteca de catálogos, a biblioteca digital de produtos, o arquivo de amostras e o arquivo de especificações estão organizados de acordo com o sistema “Masterformat” (Construction Specifications Institute). Reuniões semanais permitem controlar prazos, distribuir tarefas e antecipar o uso de espaço e meios disponíveis. Cada ausência parcial de um sócio para exercer a actividade de docente, para reuniões ou para visitas de obra, está organizada de modo a manter a assistência ao escritório para um eficiente funcionamento.

101

Equipa Técnica A ênfase cultural do aNC é combinada com a preocupação com uma irrepreensível eficácia. Os quadros técnicos principais detêm uma valiosa experiência em projectos de natureza diversa, tanto para clientes privados como públicos: no total, têm uma experiência de 115.000m2 em projectos de execução e assistência à obra em trabalhos de alto nível arquitectónico em Portugal e no estrangeiro. A estrutura do escritório tem o seguinte esquema: dois quadros técnicos principais, que assumem toda a responsabilidade da equipa e estão directamente envolvidos em todas as fases do processo arquitectónico; uma equipa de desenvolvimento dos projectos constituída exclusivamente por arquitectos. Com o objectivo da capacidade de resposta processual, cada projecto é atribuído a um arquitecto da equipa de desenvolvimento com experiência compatível com a sua dimensão e complexidade. No caso do projecto da ‘Casa da Música’ por exemplo, a assistência técnica à obra foi proporcionada por uma equipa de seis arquitectos em permanência no local. Uma série de serviços são contratados externamente: maquetas, medições, etc.


Serviços

Arquitectura, Energia, Ecologia Para o aNC, que desde cedo integrou nos seus projectos as preocupações ambientais e de desempenho energético, a certificação energética obrigatória dos edifícios é encarada como um contributo e como um estímulo para melhorar ainda mais o desempenho energético e ambiental dos edifícios que projecta. O aNC presta serviços em Projectos de Arquitectura, Projectos de RCCTE, Simulação dinâmica em Ecotect e EnergyPlus para medidas naturais e passivas e Estudos de Iluminação natural e sombreamento. O trabalho integrado nestas valências permite resultados que equivalem à Classe A do Certificado Energético. O aNC está também vocacionado para prestar serviços de consultoria e projecto a outros arquitectos e empresas.

Paisagismo aNC acredita que é imprescindível um conceito unitário na criação de todo o ambiente que nos rodeia, abrangendo simultaneamente os edifícios e o tratamento dos espaços exteriores, tanto em contexto urbano como na paisagem. aNC presta serviços de paisagismo numa completa continuidade com o Projecto de Arquitectura.

102

Projectos de Especialidades Pode também responsabilizar-se por todos os projectos de especialidades, em parceria com os seus consultores e especialistas. Além dos projectos de especialidades correntes, aNC vem estabelecendo colaboração e parcerias regulares com consultores e especialistas em arquitectura bioclimática, energia, climatização e iluminação, como resposta aos desafios conceptuais e técnicos que as preocupações energéticas e ambientais colocam à sua equipa de projecto. Assim, dá resposta à crescente solicitação de Simulações dinâmicas em EnergyPlus e Transys para optimização da eficiência energética de grandes edifícios de serviços e seus sistemas de climatização, Auditorias Energéticas e de QAI e a Certificação Energética.


Reconhecimento

Publicações Os seus projectos têm sido publicados em publicações especializadas tanto Portuguesas como internacionais (de Architect, da Holanda, World Architecture, de Hong Kong, Wallpaper, de Londres). “A dimensão espacial do trabalho de Teresa Novais e Jorge Carvalho é incontornável à persistência e delicadeza do detalhe, preciso e amadurecido.” RODEIA, JOÃO BELO, “Detalhes e Quotidianos”, O Independente, 10 a 16 de Dezembro de 1999 “Tornaram-se evidentes nestes trabalhos, como força propulsora, os temas do “contexto” e do “lugar”. ” CARVALHO, RICARDO, “Local, Ibérico, Global”, Público, 2 de Novembro de 2002, “No momento em que se ultrapassa o estigma do ‘velho’ que caracterizou a forma como as populações se relacionavam com o património histórico, associando-o a condições de miséria, de insalubridade e desconforto, de um país pobre que, manifestamente, já não somos, uma modernidade pragmática começa a afirmar-se na total disponibilidade para a essencial informalidade da vida contemporânea.” PEREIRA, LUÍS TAVARES, “Vakantiewoning als meubelstuk”, de Architect, Setembro de 2005, ed. Sdu Uitgevers, Haia, pp. 50-53

“Uma acertada conjugação de materiais, um cuidado desenho de mobiliário e uma iluminação pontual adequada conferem ao espaço um ambiente simultaneamente intimista, sofisticado e cosmopolita. Trata-se assim de um projecto que, apostando em poucos artifícios, extrai deles o máximo de efeitos.” GRANDE, NUNO, “Arquitecturas no Porto: escolástica e contaminação”, Habitar Portugal 06-08, Ed. Caleidoscópio, Outubro 2009, Ficha 17(Restaurante Gosho) “ A esta característica dos espaços japonenses, à ‘magia da sombra’, parece em parte referir-se este espaço caído entre os altos edifícios que o circundam e dos quais de qualquer modo quer destacar-se por dimensões e atmosfera” VERCELLONI, MATTEO, Interni. Ed. Arnoldo Mondadori Editore S.p.A., Nº 584/Nº9 Setembro. Italia, 2008, p.3841 “Góshó é o restautrante japonês mais de ponta que apareceu em Portugal nos últimos anos” SARAIVA, CLAUDIA, Wallpaper. Ed. The Wallpaper Group. Dezembro 2007, Inglaterra, 2007, p.141

103

Conferências O reconhecimento do trabalho do escritório também se tem manifestado em convites para inúmeras conferências em Portugal, Espanha, França, Itália, Alemanha, Irlanda e Croácia. Prémios Em 2011, a Escola de Leça do Balio foi nomeada para o “European Union Prize for Contemporary Architecture Mies van der Rohe Award”. Em 2007 o prémio P.A.U.M.A. foi atribuído ao CAM de Aveiro e em 2002 a Medalha de Prata no âmbito do “Premio Europeo di Architettura “Luigi Cosenza” foi atribuída à Casa no Campo I, em Ponte de Lima.


aNC - Curriculum Vitae

Obras e Projectos 2011_... Núcleo da Memória Foz Tua, Portugal (P68 - em curso) 2010-... Habitação Colectiva 6 desenvolvimento do projecto de execução projecto da autoria de Pedra Líquida Rua da Vitória, Porto, Portugal (P66 - em curso) 2010 Cooperativa Agrícola de Paredes Paredes, Portugal (P65 - concurso, 3º prémio) 2010 Museu do Carro Eléctrico Porto, Portugal (P64 - concurso) 2009/2010 Museu Soumaya Consultoria em concepção e coordenação projecto da autoria de LAR-Fernando Romero Cidade do México, México (P63 - 15000m2) 2010 Habitação colectiva 5 Preston, Reino Unido (P62 - concurso) 2009-... Centro Cultural D. Francisco de Noronha e Menezes desenvolvimento do projecto de execução projecto da autoria de António Barbosa Porto, Portugal (P61 - em curso) 2009-... Habitação Colectiva 5 Centro Comunitário Praça do Oxigénio Maia, Portugal (P60-5925m2 - 1020m2 - em curso)

Casa na Cidade 6 com Miguel Nery Carcavelos, Portugal (P59 - 454m2 - em curso)

e Manutenção das Auto-Estradas. Edifício Administrativo, de Armazéns e Oficinas Sintra, Portugal (P51 - 1385m2 - construído)

2008 Sede da Inovcapital com António Barbosa Porto, Portugal (P58 - concurso)

2007 Exposição 5 – “Reunião de Obra Norte #005 - Infra-estruturas Urbanas” – Exposição sobre o Metro do Porto, Eduardo Souto de Moura Museu dos Transportes, Ordem dos Arquitectos Porto, Portugal (P50 - 136m2 - temporário, desmantelado)

2008 Centro Escolar de Fonte Angeão Vagos, Portugal (P57- 3430m2 - concurso) 2008/2010 Escola Básica de Leça do Balio Matosinhos, Portugal (P56 - 2736m2 - construído)²² 2007 Farmácia do Hospital de S. João Porto, Portugal (P55 - 396m2 - não construído)² 2007 Edificio Multifuncional da Fundação de Serralves, Atelier Contacto projecto da autoria do Arquitecto Heinrich Degelo Porto, Portugal (P54 - 13550m2 - concurso) 2007 Hotel Tivoli Jardim, com Menos é Mais Lisboa, Portugal (P53 - 4953m2 - concurso) 2007 Habitação Colectiva 4, Monte Aventino Porto, Portugal (P52 - 390m2 - não construído) 2007/2010 C.A.M. da Grande Lisboa – Centro de Apoio

2008-...

104

2007 Exposição 4 – Representação Irlandesa na Trienal de Arquitectura de Lisboa – Atelier Contacto para o acompanhamento da Execução da obra da autoria de BodyCody Architects Lisboa, Portugal (P49 - 85m2 - temporário) 2006 Complexo de Artes Visuais e Arquitectura, Universidade de Évora Évora, Portugal (P48 - 7972m2 - concurso, 2º lugar) 2006/2007 Restaurante Gosho, Porto Palácio Hotel Porto, Portugal (P47 - 450m2 - construído) 2006 Biblioteca Municipal e arranjo paisagístico Oliveira de Frades, Portugal (P46 - 1295m2 - concurso) 2006-... Casa na Cidade 5, Serralves. Porto, Portugal (P45 - 290m2 - em curso) 2006/2007 Apartamento 5, Rua do Duque da Terceira Porto, Portugal (P44 - 120m2 - construído) 2006


Habitação Colectiva 3 Brünnen-Nord, Blocos 16-18 Berna, Suíça (P43 - 8851m2 - concurso)

Loja 2 – Loja de Impressão “Primitiae” Rua de Ferreira Cardoso, Porto, Portugal (P36 - 134m2 - não construído)

2003/2010 Casa na Cidade 2 Vila do Conde, Portugal. (P28 - 388m2 - construído)

2006/2007 Apartamento 4, Rua Oliveira Monteiro Porto, Portugal (P42 - 200m2 - construído)

2005 Exposição 3 – “Reunião de Obra” Exposição sobre a construção da Casa da Música com Leonor Cutileiro, Ordem dos Arquitectos, Lisboa, Portugal (P35 - temporário, desmantelado)

2003 Cine-Teatro Constantino Nery – Concurso Internacional Limitado por Prévia Qualificação para a Elaboração do Projecto de Remodelação do Cine-Teatro Constantino Nery, Matosinhos, Portugal (P27 - 4285m2 - concurso, 5º lugar)

2004 Exposição 2 – Exposição no IPO Projecto expositivo para a Exposição de trabalhos de alunos finalistas de Arquitectura da Universidade Lusíada no Instituto Português de Oncologia, Porto, Portugal (P34 - temporário, desmantelado)

2002/2005 C.A.M. de Vila Nova de Famalicão – Centro de apoio e Manutenção das Auto-Estradas Edifício Administrativo e Edifício de Armazéns e Oficinas Famalicão, Portugal (P26 - 1385m2 - construído)

2005/2007 C.A.M. de Celorico da Beira – Centro de Apoio e Manutenção das Auto-Estradas. Celorico da Beira, Portugal (P41 - 274m2 - construído) 2005 Palácio da República, com Christian Gaenshirt Berlim, Alemanha (P40 - Call for Ideas) 2005/2007 C.A.M. de Viseu – Centro de Apoio e Manutenção das Auto-Estradas. Edifício Administrativo, de Armazéns e Oficinas Viseu, Portugal (P39 - 1385m2 - construído) 2005/2007 C.A.M. do Grande Porto – Centro de Apoio e Manutenção das Auto-Estradas. Edifício Administrativo, de Armazéns e Oficinas Matosinhos, Portugal (P38 - 1385m2 - construído) 2005 Casa na Cidade 4, Parque da Cidade Porto, Portugal (P37 - 135m2 - não construído) 2005

Museu do Carro Eléctrico

2004 Centro Federico García Lorca Granada, Espanha (P33 - concurso)

2002/2005 C.A.M. de Aveiro – Centro de apoio e Manutenção das Auto-Estradas Aveiro, Portugal (P25 - 1385m2 - construído)

2004 C.A.M de Aveiro – Edifício de Exploração da Auto-Estradas da Beira Litoral. Aveiro, Portugal (P32 - 260m2 - construído)

2002 C.A.M. – Centros de Apoio e Manutenção das Auto-Estradas do Norte, início dos Projectos Padrão. (P24)

2004/2005 Casa na Cidade 3, Rua Duque de Saldanha Porto, Portugal (P31 - projecto de remodelação, 275m2 construído)

2001/2006 Interior 4, Azenhas de Cima Matosinhos, Portugal (P23 - projecto de mobiliário e decoração construído)

2004/2006 C.A.M. de Fafe – Destacamento da GNR e Posto Avançado de Manutenção das Auto-Estradas Fafe, Portugal (P30 - 820m2 - construído)

2001 Mercado de Melgaço – Concurso Público de Reformulação Urbana da Área Envolvente do Mercado Municipal, Melgaço, Portugal (P22 - concurso)

2003/2006 Interior 5, Rua do Campo Alegre Porto, Portugal. (P29 - construído)

Cooperativa Agrícola de Paredes

105

2001/2005 Casa da Música – Atelier Contacto para o desenvolvimento do Projecto de Execução e


acompanhamento da obra da autoria do Arquitecto Rem Koolhaas, O.M.A. Porto, Portugal (P21 - 45000m2 - construído)

Interior 1, Rua de Luís Woodhouse Porto, Portugal (P12 - Projecto de Mobiliário e Decoração de Interiores- construído)

1992 Museu Municipal de Coruche Coruche, Portugal (P5 - 2000m2 - concurso)

2001/2005 Apartamento 3, Nevogilde Porto, Portugal (P20 - projecto de remodelação, 155m2 construído)

1997 Apartamento 1, Nevogilde Porto, Portugal (P11 - Projecto de Remodelação, 155m2 - não construído)

1991 Loja 1 – Loja de Brinquedos AVLIS L.da, Loja 3 Ponta Delgada, Açores, Portugal (P4 - 130m2 - construído)

2000 Interior 3, Chiado Lisboa, Portugal (P19 - projecto de mobiliário fixo e móvel construído)

1996/2000 Apartamento 2, Rua Morgado Mateus Porto, Portugal (P16 - Projecto de Remodelação, 90m2 construído)

1991 Banhos de S. Paulo – Concurso Público para a Sede da AAP, Banhos de S. Paulo, Lisboa, Portugal (P3 - 2460m2 - concurso, 3º lugar)

2000 Centro Cívico de Westport – Concurso Público para Westport Civic Offices, Westport Poll NagCapall, Irlanda (P18 - 2600m2 - concurso)

1996 Habitação Colectiva 2 – Edifícios comerciais e residenciais no Pinheiro Manso, Porto, Portugal (P10 - 310m2 - não construído)

1991 Piscina e Instalações de Apoio usando um Tanque Antigo, Amares, Portugal (P2 - 285m2 - não construído)

2000 Escritório de Advogados Vasconcelos, F. Sá Carneiro, Fontes & Associados, Porto, Portugal (P17 - Projecto de Remodelação, 150m2 construído)

1996 Habitação Colectiva 1 – Concurso Limitado para Projecto de Habitação nos arredores da Estação de Ovar, Lote 1 e 8 Ovar, Portugal (P9 - 78000m2 - concurso)

1991 Exposição 1 – Expo Nick Night Exposição de Fotografia na Galeria dos Fotógrafos, 5 & 8 Great Newport Street Londres, Inglaterra (P1 - temporário, desmantelado)

1999 Casa no Campo 2 Mangualde, Portugal (P15 - 420m2 - não construído)

1995 /2002 Casa no Campo 1 Ponte de Lima, Portugal (P8 - projecto de recuperação, 144m2 construído)

Projectos Expostos 2010 Exposição Colectiva “Habitar Portugal 2006/2008” Ordem dos Arquitectos Cascais, Portugal Londres, Reino Unido Macau, China (Restaurante Gosho)

1999 Monumento ao 25 de Abril – Concurso Público para o Monumento ao 25 de Abril, com a escultora Claudia Amandi, Porto, Portugal (P14 - 12000m2 - concurso)

1994 /1999 Casa na Cidade 1, Rua Luís Woodhouse Porto, Portugal (P7 - projecto de remodelação, 475m2 construído)

1998 Interior 2, Nevogilde Porto, Portugal (P13 - projecto de mobiliário e decoração de interiores - construído)

1994 Edifício Cultural situado nos Jardins do Palácio de Cristal, Porto, Portugal (P6 - 7000m2 - concurso)

2008 Julho-Agosto-Setembro

Habitação Colectiva 3

1998

Exposição 5 Apartamento 3

106


Exposição colectiva “Reacções em Cadeia: Transformações na Arquitectura do Hotel” Allgarve 08 Loulé, Portugal (Hotel Tivolli Jardim)

Exposição colectiva Centro Cultural da Galiza, Santiago de Compostela, Espanha (Projecto para o Edifício Cultural situado nos Jardins do Palácio de Cristal)

2005 Novembro Exposição colectiva “Des-continuidade. Arquitectura Contemporânea.Norte de Portugal”, Centro de Convenções Fecomércio S. Paulo, Brasil (C.A.M. de Famalicão)

Projectos Publicados 2011 GRANDE, Nuno - Learning from Brutalism. Oris Ed. Arhitekst, Zagreb, N. 68, ano XIII-2011, p.44-53 (Escola de Leça do Balio)

Julho-Agosto Exposição colectiva “After Demolition?” Palácio da República Berlim, Alemanha (Palácio da República - Call for Ideas) 2004 Exposição colectiva “Habitar Portugal 20002002” Ordem dos Arquitectos, Cordoaria Nacional, Lisboa, Portugal Casa das Artes, Porto, Portugal (Casa na Cidade 1, Porto) 2000 Exposição de trabalhos de Arquitectura e Design dos Docentes da Universidade Lusíada do Porto, Porto, Portugal (Projecto para o Monumento ao 25 de Abril e Casa na Cidade 1) 1991

DIDELON, Valéry - École Primaire à Matosinhos, Portugal. D’Architectures, N.199, Abril (2011), p.74-81 (Escola de Leça do Balio) LYNCH, Patrick - Matosinhos. Architecture Today 216, March (2011), p.16-18 (Escola de Leça do Balio) Arqa, Ed. Futurmagazine, Janeiro-Fevereiro (2011), p.50-59 (Escola de Leça do Balio) 2009 Habitar Portugal 06-08. Ed. Caleidoscópio, Outubro 2009, Ficha 17 (Restaurante Gosho) NEVES, José Manuel das - Living City, Ed. True Team, Cascais. Novembro (2009), p.136-143 (Casa na Cidade 3) 2008 Jornal Arquitectos. Ed. Ordem dos Arquitectos. N.º 233, Outubro-Dezembro (2008), pp. 16-17 (Eu Cidade) Berlim: Reconstrução Crítica. Ed. Circo de Ideias, s/l, 2008, p. 74-79 (Palácio da República)

Escritório de Advogados apartamento 2

Diseño Interior. Ed. Globus Comunicación. SA. Nº 197. Espanha, 2008, p.86 (Restaurante Gosho)

Casa no Campo 2 Casa na Cidade 1

107

Interni. Ed. Arnoldo Mondadori Editore S.p.A. Nº 584/Nº9 Setembro. Italia, 2008, p.38-41 (Restaurante Gosho) PEREIRA, Luís Tavares - Reação em Cadeia Transformações na Arquitectura do Hotel. Ed. Fundação de Serralves. Porto. Julho (2008). p. 52-53 (Hotel Tivoli Jardim) NEVES, José Manuel das - Anuário Arquitectura, Ed. Caleidoscópio, Casal de Cambra. Junho (2008), p.150-153 (Restaurante Gosho) Diseño Interior. Ed. Globus Comunicación.SA. Nº 195. Espanha, 2008, p.118-125 (Restaurante Gosho) Yearbook 07’08 - Arquitectura em Portugal. Ed. Workmedia, Comunicação, S.A. Lisboa, 2008, p.72-77 (Restaurante Gosho) 2007 Wallpaper. Ed. The Wallpaper Group. Dezembro 2007, Inglaterra, 2007, p.141 (Restaurante Gosho) Catálogo da exposição Premio III Prémio de Arquitectura Ascensores Enor 2007. Ed. Tórculo Artes Gráficas, S.A. Espanha, 2007, p.374 (C.A.M. de Famalicão e C.A.M. de Aveiro) 2006 Jornal Arquitectos. Ed. OA. Nº 225, Out-Dez (2006), p. 84-89 (“Centros de Apoio e Manutenção das AutoEstradas do Norte”) NEVES, José Manuel das - Casas Recuperadas, Ed. Caleidoscópio, Casal de Cambra. Junho (2006), p.128-135 (Casa na cidade 3) WA, World Architecture, Contemporary Architecture in Portugal II. Pequim. Nº 188, Fevereiro (2006), p.29-33 (C.A.M. de Famalicão, Teatro Constantino Nery)


2005 NEVES, José Manuel das - Casas Contemporâneas. Ed. Caleidoscópio, Casal de Cambra. Outubro (2005), p.104-111 (Casa no Campo 1) PEREIRA, Luís Tavares - Vakantiewoning als meubelstuk. De Architect. Ed. Sdu Uitgevers The Hague Setembro (2005), p. 50-53 (Casa no Campo 1) AAVV - Arquitectura Contemporânea Norte de Portugal, Des-continuidade. Ed. Civilização, Setembro (2005), p. 294-297 (C.A.M. de Famalicão) Catálogo do Concurso Internacional de Ideas para la creación del Centro Frederico García Lorca en la ciudad de Granada. Ed. Fundación Frederico García Lorca. Madrid. (2005) (Concurso Internacional de ideias para a construção do Centro Frederico García Lorca) 2004 AFONSO, João e MENESES, Cristina - Habitar Portugal 2000.2002. Ed. Centro Editor Livreiro da Ordem dos Arquitectos. Lisboa. Outubro (2004) p. 94-95 (Casa na Cidade 1) 2003 Catálogo da exposição Premio Europeo di Architettura “Luigi Cosenza” 2002”. Ed. Cooperativa Libraria Editrice Architettura Napoli (Casa no Campo 1) Linha de Terra. Ed. Faculdade de Arquitectura e Artes, Universidade Lusíada do Porto. Porto, n.º 1, Maio (2003), p. 32-37 (Casa no Campo 1) Construir. Ed. Área Associativa. N.º 11, Ano I, Setembro (2003), p. 12 e 13 (Casa no Campo 1)

2002 NEVES, José Manuel das - Casas+Interiores Norte. Arquitectura Temas, s.l., ASA editores II, S.A., Outubro (2002), p.108-117 (Casa na Cidade 1) 1999 RODEIA, João Belo - Detalhes e Quotidianos. O Independente. (10 a 16 de Dezembro de 1999), p. 43 do caderno 3 (Casa na Cidade 1)

2009 2 de Dezembro “Naturalmente Híbrido” FAAULF Famalicão, Portugal 28 Maio PechaKucha Night Porto 02 Porto, Portugal

1995 Arquitectura. Ed. Colégio Oficial de Arquitectos de Madrid (COAM). N.º 302, (1995), p. 43 (Projecto para o edifício Cultural situado nos Jardins do Palácio de Cristal)

8 Maio “Naturally Hibrid” Ciclo de Conferências, “Portuguese Days of Oris” ORIS Magazine Dubrovnik, Croácia

1991 Jornal Arquitectos. Ed. AAP. Nº 97/98, Ano X, Abril (1991), p. 29-31 (Projecto para a Nova Sede da AAP, Banhos de S. Paulo)

1 Abril Ciclo de Conferências “O Projecto como Investigação ” Universidade Autónoma de Lisboa Lisboa, Portugal

Projectos Publicados em Audiovisual 2008 20 Novembro “Arquitectarte” Apresentação por Sónia Borges Realização por Sérgio Magro (Restaurante Gosho)

12 Fevereiro “Casa da Música” Ciclo “Brain Return” Facoltà di Architettura Politecnico di Torino Turim, Itália

Conferências e Apresentações 2010 18 de Setembro “O ar que nos inspira” Torneio Escada Picote, Portugal 22 de Junho “Diversidade” Departamento de Arquitectura da Universidade de Coimbra Coimbra, Portugal

5 Fevereiro “Reunião de Obra” École Nationale Supériure d’ architecture de Saint Etienne St Etienne, França 2008 18 Novembro “Prémio PAUMA 2007” Ciclo “Dão-se Explicações - Causa Final” NAAV Aveiro, Portugal 8 Novembro “Palácio em Construção Contínua”

20 de Maio “Diversidade” FAAULP Porto, Portugal

108


Ciclo “Berlim - Reconstrução Crítica” Auditório de Serralves - Circo de Ideias Associação Cultural Porto, Portugal

Ciclo “Porto, Novas Centralidades e acessibilidades” organizado pelo Departamento de Arquitectura da Universidade de Coimbra Coimbra, Portugal

Música” organizada pela Associação de Estudantes da Escola Técnica Superior de Arquitectura, Sevilha, Espanha

5 Novembro “O meu Siza” Jornadas “Tras Siza” Departamento de Arquitectura da Universidade de Valência Valência, Espanha

2005 7 Dezembro “Searching for the Heart of Inhabitation” Brandenburgische Technische Universitat Cottbus, Cottbus, Germany

2003 5 Junho “Casa da Música - Soluções Arquitectónicas” organizada pela Ordem dos Engenheiros, Região Norte Porto, Portugal

5 Março “Naturalmente Híbrido” Departamento de Arquitectura, Universidade Lusíada do Porto Porto, Portugal

6 Outubro “Reunião de Obra” Ordem dos Arquitectos – Secção Regional Sul Lisboa, Portugal

2002 29 Outubro “aNC Arquitectura” inserida no ciclo “Escolhas: A Jovem Criação Contemporânea em Arquitectura” nos “Encontros Jovens Arquitectos” organizados pela Ordem dos Arquitectos Portugueses Évora, Portugal

2007 8 Setembro “Naturally Hybrid” School of Architecture, University of Limerick Limerick, Irlanda 19 Janeiro “As escalas da Casa”, Ciclo de Conversas do Projecto “VIP3” Casa da Música Porto, Portugal 03 Janeiro “Londres e Berlim”, Seminário “As Cidades-Mundo” Departamento de Arquitectura da Universidade Autónoma de Lisboa Lisboa, Portugal 2006 27 Maio “Conceito, Experimentação, Limite – Casa da Música” Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Porto, Portugal 17 Fevereiro “Casa da Música - Objecto e Cidade”

5 Maio “Conceito, Experimentação, Limite – Casa da Música” Escola Universitária das Artes de Coimbra, Coimbra, Portugal 27 Abril “Conceito, Experimentação, Limite – Casa da Música” Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, no âmbito do programa “Twin Cities Campus”, Porto, Portugal 17 Fevereiro “Casa da Música” ciclo “Grandes Equipamentos” das “Jornadas de Arquitectura” Faculdade de Arquitectura da Universidade Lusíada do Porto, Porto, Portugal 8 Fevereiro “aNC arquitectura” Ciclo “semana Cultural” organizada pela Associação de Estudantes da Escola Técnica Superior de Arquitectura, Sevilha, Espanha 2004 18 Novembro “Conceito, Experimentação, Limite – Casa da

109

25 Outubro “aNC - Arquitectura” “III Encontro Luso Espanhol de Arquitectura”, organizado pelos titulares Álvaro Siza Vieira e José Rafael Moneo Vallés Salamanca, Espanha 14 Março “Casa da Música” “A cidade do Porto pós 2001”, organizado pela Universidade Católica Portuguesa Porto, Portugal Prémios 2007 P.A.U.M.A. – Prémio de Arquitectura e Urbanismo do Município de Aveiro (CAM de Aveiro) 2003 Medalha de Prata no âmbito do “Premio Europeo di Architettura “Luigi Cosenza” 2002”, (Casa no Campo 1)


anc arquitectos