Issuu on Google+

UNIVERSIDADE ABERTA

Instrumentos de Avaliação Alternativos ao Serviço da Aprendizagem: O relatório escrito

Professora Dra. Lúcia Amante

Mestrandas: Ana Taveira n.º 1200828 Sandra pedras n.º 1200841

Junho/2013


Índice Introdução ................................................................................................................................. - 4 Contexto educativo ................................................................................................................... - 4 Caracterização do instrumento escolhido e fundamentação da sua escolha........................... - 4 Aplicação do instrumento ......................................................................................................... - 5 Reflexão crítica sobre o processo e os resultados obtidos ....................................................... - 5 Considerações finais .................................................................................................................. - 6 Bibliografia ................................................................................................................................ - 7 Anexos ....................................................................................................................................... - 8 Anexo I................................................................................................................................... - 9 Anexo II................................................................................................................................ - 10 Anexo III............................................................................................................................... - 14 Anexo IV .............................................................................................................................. - 16 Anexo V

............................................................................................................................. 17


Introdução A sociedade em que vivemos cada vez mais exige novas medidas no ensino. A massificação e diversificação dos intervenientes da ação educativa são o exemplo de grandes conquistas sociais e que exigem mudanças nos sistemas educativos. Consequentemente a forma de avaliar vai sofrer modificações e adaptações centradas no aluno e nas suas práticas educativas, efetivando a avaliação com instrumentos alternativos. Centrado nesta temática, debruçamo-nos no relatório escrito, como instrumento de avaliação a aplicar a alunos de uma turma do 8.º ano, no âmbito da disciplina de Ciências Físico-químicas.

Contexto educativo O instrumento de avaliação alternativo foi aplicado numa Escola Básica de um agrupamento de escolas, a uma turma do 8.º ano, composta por dezasseis alunos. Teve como tema central uma atividade laboratorial seguida de observação, realizada na aula de Ciências Físico-químicas, bem como a participação ativa de todos os intervenientes.

Caracterização do instrumento escolhido e fundamentação da sua escolha A psicologia construtivista estabelece um paralelismo entre o aluno e os processos de aprendizagem através da avaliação formativa que “permite chamar a atenção ao aluno que (…) o modo como ele representa um saber, e as tarefas, influenciarão a sua execução ulterior de desenvolvimento de uma tarefa.” (Pinto & Santos, 2006, pp. 108, 109). Dá-se então uma grande importância à representação dos conhecimentos e das ações que ocorrem na realização de tarefas, efetivando os processos de regulação, autorregulação e autoavaliação. Segundo Pinto & Santos (2006) O processo de regulação pode ser perspetivado sobre vários pontos de vista, podendo-se afirmar que o aluno, ao desenvolver o trabalho proposto, apresenta uma regulação interativa, pois permite a regulação do processo de execução da tarefa e regulação retroativa, que incide sobre a análise do trabalho e identificação dos pontos fracos e fortes. Para esta atividade laboratorial em questão o instrumento escolhido centrou-se no relatório escrito em virtude deste instrumento, como referem Pinto e Santos (2006, p. 140) “descreve uma dada situação ou tarefa realizada”. Pode ser concretizado em grupo ou individualmente e podem ser feitos dentro ou fora da sala de aula. Dado que o relatório é um instrumento que permite a recolha de dados sobre as aprendizagens dos alunos e contribui substancialmente para mais um momento de efetiva aprendizagem, este foi aplicado à turma referida, tendo em conta as caraterísticas de elaboração de um guião de elaboração de um relatório sugeridas por Pinto e Santos (2006, p. 141). O objetivo da aplicação deste ou outros instrumentos de avaliação alternativos centra-se na melhoria da qualidade de ensino, colocando os alunos como protagonistas. A intenção desta avaliação alternativa passa pelos alunos: i melhorarem as suas aprendizagens, tornando-os mais responsáveis e autónomos na avaliação do seu trabalho, ii compreenderem efetivamente o que lhes é ensinado, iii desenvolverem


responsabilidades, pois é necessário que se criem ambientes essenciais para o desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem, com diferentes dinâmicas de trabalho. Por sua vez, os professores necessitam de conhecer as dificuldades dos alunos para ajudá-los na sua superação. Os pais também poderão intervir, ajudando os seus educandos através do apoio, motivação e apreciação dos trabalhos realizados.

Aplicação do instrumento Apesar deste instrumento de avaliação não constituir uma novidade para os alunos, a docente, numa primeira instância recordou o procedimento da atividade e o seu objetivo final, face às práticas avaliativas e autoavaliação. Para tal entregou e analisou, em conjunto com os alunos, uma ficha informativa de elaboração de um relatório de uma atividade laboratorial (Anexo I) de acordo com a natureza do trabalho a desenvolver. A atividade iniciou-se com a atividade prática e observação para reconhecer a existência de soluções ácidas, básicas e neutras. Este trabalho foi efetuado em quatro grupos de quatro alunos cada, dada a limitação de material existente na escola. Esta atividade foi realizada em duas fases, sendo que a primeira teve como objetivo distinguir soluções ácidas e básicas sem as provas e a segunda, teve com base a medição rigorosa pelos químicos modernos, da acidez e basicidade. A docente entregou um protocolo experimental (Anexo II) para os alunos preencherem no final de casa fase da atividade laboratorial, com o objetivo de tirarem dúvidas e também com o intuito de preparar os alunos para a realização do relatório final. Após as experiências efetuadas a professora solicitou que os alunos realizassem um relatório escrito (Anexo III - exemplo de minuta de relatório escrito) com base nas instruções iniciais que receberam e de acordo com a atividade laboratorial e observação efetuadas. Este procedimento foi realizado fora da sala de aula e entregue à professora no prazo delimitado. A docente analisou e corrigiu os trabalhos em casa, dando feedback escrito nos mesmos e procedeu à sua entrega na aula seguinte. Nessa aula os alunos verificaram o feedback dado, e detetaram quais os procedimentos menos corretos, alterando-os. Posteriormente expuseram as conclusões a que tinham chegado e os colegas dos restantes grupos tiveram a oportunidade de debater, aceitar e refutar as opiniões dadas.

Reflexão crítica sobre o processo e os resultados obtidos Numa primeira instância é de referir que este tipo de instrumento de avaliação não apresentou novidade para os alunos, visto já terem realizado um relatório escrito, na mesma disciplina, anteriormente. Assim, os alunos revelaram uma atenção mais específica para o decorrer de todo o trabalho, anotando e registando os resultados das suas observações e experiências, para que o resultado final se transformasse num relatório coerente e completo. O papel da professora como orientadora também foi fundamental ao guiar os alunos nas suas aprendizagens, solicitando a apresentação de dúvidas constantemente pelo que o registo das atividades foi, no geral, efetivado com sucesso. Relativamente ao trabalho de grupo este foi positivo, tendo fomentado a colaboração e cooperação entre pares. Os


alunos realizaram o respetivo relatório, fora da sala de aula. Alguns grupos juntaram-se em casa dos colegas, um outro juntou-se na sala de estudo. Denotou-se uma participação ativa na concretização do instrumento de avaliação, partindo das aprendizagens efetivadas para a consecução do trabalho final. Como referem Pinto e Santos (2006, p. 140), “Este tipo de atividade pode incluir objetivos de um certo nível de complexidade, ou seja, criatividade, organização, comunicação e interpretação, para além de outros de natureza afetiva e social.” Os resultados obtidos foram positivos, e o feedback dado pela professora promoveu ma reflexão sobre os aspetos a melhorar e a corrigir, no documento, permitindo aos alunos, entre os grupos, verificar onde erraram e descobrir soluções para a sua remediação. Após a apresentação das suas conclusões, o trabalho global da turma permitiu completar os trabalhos de cada grupo, com as intervenções e feedback dos seus pares. Para a conclusão desta atividade os alunos procederam ao preenchimento de uma grelha de autoavaliação individual que, para além do desenvolvimento individual teceram considerações sobre o trabalho em grupo. (Anexo IV). Questionada sobre a avaliação a professora referiu sentir maior empatia pela avaliação qualitativa do trabalho dos alunos, em função dos critérios definidos. A docente em questão mencionou, ainda, que prefere observar o aluno na situação e descrevê-lo a partir dos dados colhidos na observação direta.

Considerações finais As atividades que envolvem instrumentos de avaliação alternativos estão a tornar-se cada vez mais um instrumento de avaliação dos professores. Não obstante o fator tempo que os programas legais exigem para serem cumpridos, o que nem sempre permite o uso dessas práticas. É de notar que, em alguns momentos do ano letivo, as mesmas são colocadas em prática, como foi o caso do relatório escrito evidenciado neste trabalho. A avaliação tem o objetivo de orientar os alunos, através de informação e do feedback , na concretização das atividades, com a finalidade destes melhorarem as suas aprendizagens. Como refere Cockcroft (1982, p. 122, citado por Pinto & Santos, 2006, p. 130), “Avaliar, seja na forma escrita, oral ou prática, não deve ser um fim em si mesmo, mas sim um meio de obter informação nas quais se baseiam as ações futuras.” Desta feita, a avaliação fica registada, seja numa ou noutra forma, (Anexo V) tendo em conta o desempenho dos alunos. O relatório escrito apela para certas capacidades dos alunos, nomeadamente a comunicação e o repensar da sua experiência de aprendizagem. (Pinto e Santos.2006, p.147)


Bibliografia Pinto, J.; Santos, L. (2006) Modelos de Avaliação das Aprendizagens. Lisboa: Universidade Aberta. Alves, M. (2004). Currículo e Avaliação: Uma perspetiva integrada. Porto: Porto Editora.


Anexos


Anexo I Ficha informativa

NOME: ____________________________________________________ Nº______ Turma______

Como elaborar um relatório de uma atividade laboratorial I – Introdução Nome, número, turma, data da realização do trabalho, aula em que se efetuou a atividade e data de entrega do relatório II – Título Identificar o trabalho que se está a realizar. III – Objetivos Identificar os objetivos que se pretende atingir com a realização do trabalho experimental. IV – Introdução teórica Elaborar u pequeno texto sobre o conteúdo/conceitos: Leis físicas/Químicas que estão a ser alvo de estudo na atividade experimental. VI – Procedimento experimental Descrever as tarefas realizadas durante o trabalho experimental, que normalmente são dadas pelo professor oralmente ou através de um protocolo. O procedimento inclui frases curtas das etapas efetuadas. Também pode incluir a ilustração da montagem da experiência. VII – Resultados/Registo de observações Observar e registar qualquer alteração de valor, aspeto, observação microscópica, crescimento, etc., e que seja relevante para o trabalho. Estes registos podem ser efetuados sob a forma de tabelas, esquemas, desenhos que devem incluir uma legenda curta e esclarecedora. VIII – Discussão de resultados/Interpretação dos Resultados/Cálculos/Gráficos Interpretar os registos obtidos na fase experimental. Pode ser necessário efetuar cálculos ou construir um gráfico para posterior análise. Devem comparar-se os resultados obtidos com os conteúdos lecionados e assim ser capaz de responder a um questionário que pode ser incluído pelo professor.


AGRUPAMENTO ----------------------------------DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS

ATIVIDADE LABORATORIAL ÁCIDOS E BASES 8ºANO

Anexo II IX – Conclusão Apresentar as conclusões obtidas após a interpretação/discussão de resultados, podendo estas serem elaboradas sob a forma de listagem para facilitar a organização. X – Fontes de informação/Bibliografia

Anexo II

Organizada por ordem alfabética do apelido do autor.

OBJETIVO: Reconhecer a existência de soluções ácidas, básicas e neutras.

1ª PARTE: Como distinguir soluções ácidas e básicas sem as provar? Material: • Sumo de limão • Sumo de Laranja • Vinagre • Ácido clorídrico • Lixívia • Limpa vidros • Cerveja • Hidróxido de sódio • Água salgada • Água açucarada • 20 tubos de ensaio • 10 gobelés • 2 suportes para tubos de ensaio • Indicador azul de tornesol • Indicador fenolftaleína • Etiquetas • Marcador Procedimento: 

Coloca num suporte de tubos de ensaio, 10 tubos de ensaio, etiquetados de 1 a

10. 

Coloca em cada tubo de ensaio uma pequena amostra de cada solução.


Pega no indicador azul de tornesol e colocar algumas gotas em cada tubo de ensaio.  Observa e regista os resultados.  Coloca no outro suporte os restantes 10 tubos de ensaio, etiquetados de 1 a 10.  Coloca novamente em cada tubo de ensaio uma pequena amostra de cada solução.  Pega no indicador fenolftaleína e coloca algumas gotas em cada tubo de ensaio.  Observa e regista os resultados. 

SOLUÇÃO Tubo Tubo Tubo Tubo Tubo Tubo Tubo Tubo Tubo Tubo

Cor da solução após adicionar tintura de tornesol

Cor da solução após adicionar fenolftaleína

1 – Sumo de limão 2 – Sumo de laranja 3 – Vinagre 4 – Ácido clorídrico (HCl) 5 – Água salgada 6 – Água açucarada 7 – Lixívia 8 – Limpa vidros 9 – Cerveja 10 – Hidróxido de sódio (NaOH)

A partir do que observaste e registaste desta atividade, o que podes concluir? _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________

Quantas vezes precisaste realizar a atividade até obteres o resultado desejado? _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________


Quais

foram

os

principais

obstáculos/dificuldades

com

que

te

deparaste? _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________

2ª PARTE: Acidez e basicidade medidas com rigor pelos químicos modernos! Material: • • • • • •

Sumo de limão Ácido clorídrico Lixívia Hidróxido de sódio Água açucarada Papel indicador universal

Procedimento: Pega em 5 gobelés que contenham soluções ácidas, básicas e neutras, previamente escolhidas e identificadas.  Parte o papel indicador universal em 5 partes e mergulhar cada parte numa das soluções.  Observa e regista os resultados. 

SOLUÇÃO Tubo Tubo Tubo Tubo Tubo

1 2 3 4 5

– – – – –

Sumo de limão Ácido clor��drico (HCl) Lixívia Hidróxido de sódio (NaOH) Água açucarada

Cor adquirida pelo indicador universal

Valor de pH


Consideras que o papel indicador universal é importante e eficiente na medição da acidez e basicidade dos materiais? Porquê? _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________

Quantas vezes precisaste realizar a atividade até obteres o resultado desejado? _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________

Quais

foram

os

principais

obstáculos/dificuldades

com

que

te

deparaste? _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________

Bibliografia (Caso tenhas consultado) _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________

Bom trabalho!


Anexo III

NOME: ____________________________________________________ Nº______ Turma______

Relatório de Ciências Físico-Químicas Identificação dos elementos do grupo:

Título:

Objetivos:

Introdução teórica:

Procedimento Experimental: Materiais e reagentes

Materiais e reagentes


Registo de observação e resultados

Interpretação de resultados

Conclusão

Bibliografia


Anexo IV

NOME: ____________________________________________________ Nº______ Turma______

Anexo IV

Autoavaliação da atividade Avalia a tua participação na atividade, com a nota que consideres correta ao teu desempenho. Estive com atenção e participei de forma correta, ativa e pertinente na observação e nas experiências. Revelei capacidade de pesquisa recolhendo informação essencial para a elaboração do trabalho. Organizei a informação com estrutura coerente. Apresentei uma linguagem escrita, de forma clara, no relatório. O grupo esteve bem organizado e trabalhou em conjunto. Participei ativamente e respeitei as regras de trabalho de grupo. Revelei sentido de responsabilidade (concentração, solidariedade, respeito pelos outros, assiduidade e pontualidade).

1

2

3

4

5


Anexo V

Anexo V

Grelha de Avaliação do trabalho laboratorial

Agrupamento de Escolas _____________ Turma ____ Ano_____

Título do trabalho: _______________________________________________________

N.º

Nome

Preparação prévia do trabalho

Cumprimento das regras de segurança

Manuseamento do material e dos equipamentos

Colaboração com o grupo

Registo de observações

Apresentação dos resultados

Conclusões


Relatório escrito