Page 1

Allen, Rich; Train Smart; Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003 5 Pilares do Modelo Treinamento Inteligente

5 crenças

5 Princípios Guia

Ensine pessoas, não conteúdo: “...o conteúdo significa muito pouco Crista da onda: adultos prestam atenção em um novo assunto por fora do contexto humano... Treinar com o grupo reconhece que o no máximo 15 min. Existe a tendência de ser esquecidas aprendizado é bilateral” (p. 10). informações apresentadas no meio da aula.

1

Envolva: energizador e quebra-gelo, tem como propósito preparar mentalmente os participantes para o aprendizado e o objetivo de deixá-los ativos para reduzir distrações.

2

Contextualize: explica objetivos do treinamento. Algo que os A consciência leva à escolha: “...ajudar os participantes a tornarem- Perspectivas e contextos criam significados: “sem um contexto, participantes frequentemente se perguntam, por exemplo, „o que se conscientes de mais opções, padrões, potenciais, e os participantes, criteriosamente, decidem que a atividade é devo aprender?‟ possibilidades” (p. 11). irrelevante e voltam sua atenção para outro lugar” (p. 17)

3

Explore: introduz aos participantes conceitos chaves, Aprendizagem + Divertimento= Retenção: “as emoções têm um envolvendo-os neles, pois quando são estimulados em múltiplos efeito significativo na nossa capacidade de lembrar” (p. 12). níveis sua compreensão e capacidade de recordação crescem.

4

Interrogue: reforça o aprendizado, além de proporcionar ao treinador percepção dos assuntos que foram internalizados e onde precisa de mais elaboração.

5

Reflita: refletir criando relações com metáforas, estórias. Acarreta As estórias são poderosas: ensina-nos sobre o mundo em que numa fixação melhor do treinamento. vivemos “desencadeando emoções, conectando o inconsciente e estimulando imagens que facilitam a lembrança” (p. 13).

Faça o inesquecível: contar estórias e engajar emoções; acróstico e acrônimo; musicas; pedir aos participantes para conduzir partes do treinamento.

A aplicação é tudo: “exercício em pequenos grupos, jogos, estudos Loops abertos: usados para evocar curiosidade e suspense. de caso, desafio e role-plays são exemplos de maneiras pelas quais “Quando o loop é aberto, você tem que, eventualmente, fechá-lo” os participantes podem aplicar o conteúdo às suas vidas” (p. 12) (p. 21). Vá direto ao ponto: o acréscimo de informações desnecessária acabam assustando e desmotivando os participantes que ficam intimidados com o treinamento.

25 Conceitos-Chave Para um Treinamento Mais Inteligente: Palavra chave O que é?

1. Conhecimento Uma forma de feedback e uma técnica para ajudar os participantes a obterem sucesso.

Por que é O treinador que reconhece os importante esforços encoraja os participantes.

2. Zonas e Pontes

5. Contraste

Promover a finalização da tarefa “Predisposição do cérebro humano de antes de passar a outro tópico, pois identificar os elementos diferentes no o cérebro necessita de uma pausa ambiente” (p. 50). para tal transição.

Cria um clima construtivo e focalizado, Para criar um vinculo de confiança, desencadeia emoções positivas, senso de relaxamento permitindo promove transações suaves de uma estender os limites do treinamento. tarefa a outra além de engajar mais os participantes.

Para passar sem muita interferência Por ser método de chamar a atenção ou dificuldade pelo processo de para as idéias principais, aliada a aprendizagem. repetição proporciona ainda melhores resultados.

“Estabeleça suas zonas logo no inicio do workshop e use-as de maneira consistente... faça uma transição suave e casual de uma zona para a outra” (p. 36).

Além dos casos de excelência em pequenos sucessos, independente do resultado, o esforço já louvável e caso encorajado há grande tendência de maestria.

Quando não Usar Exemplo

Quando usar

4. Finalização da tarefa

“Prestar atenção às necessidades físicas e emocionais dos participantes durante as atividades que requeiram interação” (p. 34.).

Locais físicos num ambiente usado pelo treinador para estimular expectativas inconscientes nos participantes.

“Os treinadores que contam com múltiplas formas de encorajamento, evocam maiores níveis de resposta nos participantes... O encorajamento deve ser genuíno focalizando nos esforços específicos e feito frequentemente” (p. 30).

Como Incorporar

3. Níveis de conforto

“Escrever em uma ou duas palavras sucintas os principais objetivos do exercício” (p. 45); reservar pelo menos 10% do tempo para o fechamento.

Usá-lo também para criar um ambiente diferenciado; mudar a postura física dos participantes; diminuir as luzes para criar um ambiente reflexivo; juntar música, cor e movimento.

No começo da aula, mudança na Durante atividade em grupos; em maneira de aprender, fechamento da momentos críticos. aula, ao dar importantes instruções, apresentar um ponto muito importante, solicitar a participação da audiência.

Depois de quase todas as sessões de aprendizagem; antes de iniciar um novo tópico.

Quando houver ou quiser enfatizar um ponto chave.

“Fazê-lo em excesso pode reduzir o impacto dessa técnica” (p. 32).

Evitar usar inconscientemente, “quando um treinador vagueia de forma inconsciente entre as zonas, dá aos participantes permissão de vaguear (mentalmente)” (p. 37)

Quando houver necessidade dos participantes passarem por experiências de tensão, medo e estresse, por exemplo.

Não dar muita informação em tempo limitado; pessoas têm velocidades diferentes, respeite dando tempo adequado para a maioria realizar a tarefa.

Quando usada em exagero perde sua eficácia, por isso deve-se tomar atenção para usar esse recurso propositalmente em informações consideradas imperativas.

p. 33

p. 37-38

p. 42-43

P 48-49

p. 52

Estabeleça as regras e dê uma visão geral antes de iniciar as atividades; Comece com atividades suaves e progrida à medida que a confiança for se estabelecendo; se algo der errado reconheça e peça desculpas.


Palavra Chave

6. Direções precisas

7. Ensine com as pessoas de pé

8. Avaliação dos participantes

9. Tempo adequado para responder

10. Especificação do modo de resposta

Um elemento básico no processo de “É uma técnica que reforça a “É uma técnica usada pela qual o aprendizagem, dar direções é dar percepção tirando os participantes de treinador faz perguntas em linguagem instruções precisas. seus assentos e colocando-os de pé” adequada para envolver o participante (p. 63). e minimizar o risco emocional” (p. 67).

Reconhece que o cérebro humanos necessita de tempo para transitar entre diferentes tarefas mentais.

Especificar a maneira como deseja a resposta, por exemplo „levante a mão quem terminou.

Para direcionar os participantes com Manter-se sentado por longos Para substituir o sentimento de medo Por que é clareza, entendimento. períodos tem efeito sedativo que que o ambiente de aprendizagem traz Importante ocasiona em diminuição de atenção. para muitas pessoas.

O processo de pensamento é essencial para o aprendizado significativo e uma boa memorização

Quando é dada a orientação o participante não segue o princípio de que é mais seguro não responder do que responder errado.

O que é

A instrução deve ser congruente com Faça um breve alongamento, Como a mensagem; ser breve, preciso e exercício de respiração (outras dicas Incorporar especifico; module a seu tom de voz, podem ser encontradas na p. 64). linguagem corporal. A cada etapa do processo para dar mais impacto.

A qualquer hora durante o treinamento, recomendável a cada 30 minutos aproximadamente.

Quando não usar

Durante atividades que exijam concentração pois poderá distrair, frustrar os participantes.

Exemplo

p. 57-58

Quando usar

Palavra Chave O que é

É importante quebrar grandes segmentos de aprendizagem com atividades que mudam o foco mental.

Logo no inicio e também para aquecer grupos novos.

Em provas, elaboração de um artigo, Em demasia dá a sensação de longas leituras. manipulação. Quando o tempo for limitado não fazer perguntas muito abertas ou pedir respostas especificas.

Tempo adequado é algo relativo, por isso deve-se ler corretamente a audiência de todos os participantes.

Quando são básicas ou quando o padrão de modo de resposta já foi estabelecido.

p. 65-66

p. 74

p. 78

11. Padronização das interações

Padronizar as interações de maneira concisa; incluir um rationale a tarefa, Como Incorporar por exemplo, dê detalhes de como

Logo no inicio; para recuperar o foco; determinar o nível de disposição; revitalizar um grupo passivo.

p. 70

12. Gerenciamento de interrupções

Baseia-se em três componentes: dê Reconhecer e encontrar uma maneira instruções, dê exemplos, e repita a produtiva de lidar com pessoas que instrução original. querem chamar a atenção.

É uma grande ferramenta para se Por que é ensinar adultos. Importante

Reconheça as experiências individuais; Peça um resumo do que ouviram Pense em que informações precisa e aprenderam nos últimos 10 Algumas comparações na p. 76 obter antes de realizar algumas minutos. perguntas.

13. Tomar nota com criatividade

14. Linguagem alvo

15. Não diga, envolva

É uma maneira de reforçar a memória, otimizar a aprendizagem, pois junta informação e criatividade.

É uma técnica de comunicação onde Principio fundamental, consiste em o treinador sugere ao invés de dizer envolver o participante no processo de para fazer. aprendizagem.

“O treinador inteligente mantém o controle do grupo com a mão suave e ao mesmo tempo forte” (p. 85).

Por serem mais fáceis de lembrar, por usarem imagens, idéias, cores, etc.

Gera um senso de sinceridade, Porque há mais chances de refletir concentração, foco e principalmente sobre a aprendizagem maximizando a o desejo de seguir sua orientação. memória de longo prazo.

Dizer como será o treinamento, seu desenvolvimento e como eles podem contribuir.

Forneça material apropriado; faça pausas; crie seu próprio mapa mental.

Usar linguagem construída Fazer pausas regulares; realizar rolecuidadosamente. Alguns exemplos e plays, enquête, pantomimas e outros comentários p. 96-97 jogos.

pode ser importante para a vida pessoal.

Quando usar

Quando não usar Exemplo

Quando estiver dando instruções a Talvez os comentários não incomodem Quando um novo tópico for um grupo ou iniciando uma atividade o treinador mas aos participantes sim, apresentado. que requer participação ativa. por isso é importante não os ignorar.

Quando a idéia for „ligar‟ os participantes.

Deve ser uma norma, usada todo momento, especialmente durante aberturas e fechamentos.

Desnecessário em caso de instruções curtas e explicitas.

Não ser controlador nem desencorajar Durante um exercício que envolva Em ambientes rigorosos, como o humor alegre, pois a risada é uma participação ativa ou uma discussão. escola militar ou em situações de boa maneira de quebrar a tensão. perigo e de emergência.

Deve-se encontrar um ponto de equilíbrio entre apresentação do conteúdo e aprendizagem ativa.

p. 82-83

p. 88-89

p. 102-103

p. 93-94

p. 98


Palavra Chave

16. Assumir responsabilidade

17. Pausa entre os recursos

18. Pressionar e descontrair

19. Linguagem corporal com propósito

20. Variações do campo visual

“Necessidade de um período de tempo Pressionando alcança-se o foco livre para organizar os dados visuais intenso; descontraindo obtêm-se o novos que estão chegando” (p. 108). período de descanso.

É uma técnica de apoio a apresentação com interação nas pistas verbais e físicas.

“É a visão total que uma pessoa tem de um ponto de observação particular” (p. 120).

Motiva o progresso, se sentem Por que é valorizados. Importante

Para o participante não se desligar, confundir... aumentando o prazer de aprender e a compreensão.

Reflete nossos pensamentos e sentimentos inconscientes.

Cria níveis mais elevados de memorização e concentração.

Enfatizar em palavras e ações; Como Valorizar a contribuição; Fazer o Incorporar grupo criar sua própria lista de regras.

Explicar o conceito antes de entregar o Quanto mais complexo for o material Ver um vídeotape de si mesmo e material de apoio; dar tempo adicional mais frequentemente ira querer identificar os gestos que apóiam ou quando usar o retroprojetor. incorporar atividades que não o seu treinamento. descontraiam.

O que é

Quando usar

Quando não usar Exemplo

É o valor que o participante obtêm ao ser incluído na tomada de decisão.

“Tenha apoios visuais em cada área da sala; mude periodicamente, a direção da qual você esta fazendo a apresentação” (p. 122).

Estabelecido no inicio e reforçado no Sempre que iniciar um novo modo de Quebrar cada período de 20 minutos Prepare a sala antes do treinamento decorrer do treinamento. apresentar o tópico. Adquira o hábito de contração com algum exercício de O objetivo é usá-lo a todo momento. iniciar, espalhando pôsteres e outros de fazer pausas quando usar recursos descontração. recursos visuais. visuais. Não é necessário envolvê-los em todas as tomadas de decisão.

Não há necessidade de uma longa pausa quando for revisão de algum tópico, ou imagens não complicadas.

Desequilíbrios temporários não são Nem toda frase, sentença exige um ruins, podem induzir a aprendizagem gesto para enfatizá-la. Cuidar para com moderado nível de estresse. não exagerar.

Durante o teste não é apropriado.

p. 107

p. 111

p.115

p. 124-125

Palavra Chave O que é

Para criar um senso dinâmico e equilibrado de movimento no ambiente de treinamento.

21. Distribuição de recursos

22. Itálicos vocais

Baseada em: 1) dar tempo para os Distribuir os materiais de apoio de forma há aproveitar esse tempo com participantes compreenderem; 2) enfatizar termos novos; 3) repetir termos novos. um toque de novidade

Quando a distribuição dura mais de Por que é 30 seg. o treinador pode perder a Importante atenção do participante.

Para internalizar termos não-familiares, para serem relembrados.

Distribua metade dos handouts e o Fazer anotações de conceitos resto peça para os participantes Como potencialmente não familiares; monitorar Incorporar entregarem para o colega. Na p. 60-61 a audiência para sinais de frustração.

23. Importância da música Uma ferramenta potencialmente eficaz por facilitar a mudança de estado mente/corpo.

24. Direcionar a atenção Propõe que o treinador facilite transições suaves de uma tarefa para a próxima.

Constroem conexões sociais, “... variedade no modo de aumenta a tomada da consciência, aprendizagem é altamente benéfica promove sensação de segurança. para o aproveitamento” (p. 135).

25. Especificidade verbal Valor de comunicar detalhes exatos em linguagem precisa para maximizar a compreensão. “Um aprendizado novo é sempre acompanhado pelo sentimento de frustração/estresse” (p. 139), qualquer ação para melhorar é benéfica.

Para energizar toque um ritmo Fazer pedidos em vez de demandas; Usar linguagens positivas; utilize rápido; para focalizar use uma fazer uma ponte do antigo para o todos os sentidos; evite usar música inspirada na natureza, etc. novo tópico. linguagem vaga.

há cinco exemplos.

Quando usar

Quando os participantes ficarem muito Quando o conteúdo é um território tempo parados. “uma mudança de desconhecido pela audiência. estado físico e mental é recomendada a cada 15 ou 20 min” (p. 61).

Antes, durante e depois. Apenas modificando o ritmo.

“Para ser eficaz, você precisa planejar de antemão para estar o tempo todo um passo à frente dos participantes” (p. 137).

Sempre que possível, mas especialmente em casos de feedback e instruções.

Quando não usar

“A palavra chave é adaptar a velocidade da Durante testes, períodos que Após uma aprendizagem mais energética, ou de ritmo muito rápido. sua apresentação ao nível de compreensão exijam concentração intensa. da média dos participantes” (p. 128).

“Evitar concluir antecipadamente, principalmente se os participantes estiverem envolvidos” (p. 138).

Termos amplos e abstratos às vezes são benéficos, além disso o uso de palavras negativas pode ajudar a enfatizar pontos-chaves.

Exemplo

p. 62

p. 138

p. 142-143

p. 128-129

p. 133-134

Quadro resumo TrainSmart  

Conceitos essenciais para um treinamento inteligente

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you