Issuu on Google+

TEORIA DE CAMPO - KURT LEWIN

Idéia central O livro é composto de uma coletânea de artigos do autor escritos entre 1936 e 1946. A idéia central observada é que o grupo a que pertence o individuo constitui a base de suas percepções, ações e sentimentos. É o que dá ao indivíduo sua configuração. DIVIDIDO EM 3 PARTES: I-

Questões Práticas: Problemas de mudança cultural

II-

Conflitos em grupos primários

III-

Os conflitos intergrupais e a participação no grupo

Cada parte contém artigos dos quais serão destacados pontos relevantes ao estudo grupal. Parte I

Artigo 1 - Algumas diferenças sociais e psicológicas entre Estados Unidos e Alemanha: As figuras abaixo representam o grau de intimidade da situação que a pessoa está disposta a partilhar com a outra( intimidade). As regiões centrais são as mais íntimas. Nelas, o indivíduo é mais sensível. A cor verde representa a restrição aos espaços íntimos da pessoa. Mais regiões verdes – Maior restrição à vida particular Mais regiões brancas, vida publica mais aberta EUA – Fig 1 – TIPO E


Alemanha – Fig 2 – TIPO A

No comparativo entre pessoa / País, o autor avalia que nos Estados Unidos, representado na Fig 1, seria uma personalidade do tipo E. Neste caso, permite maior acessibilidade a situações ou atividades da pessoa. No caso da Fig 2, Tipo A – Alemanha, a acessibilidade é bem mais restrita. Partem deste raciocínio as seguintes análises: - Com o mesmo esforço de buscar um relacionamento com uma pessoa do tipo E e A, nos Estados Unidos consegue-se acessar a região 4 enquanto que na Alemanha somente se acessa a região 1. - Em relacionamentos de grupos E as relações são relativamente íntimas, sem profunda amizade pessoal e com menos perigo de atrito pessoal.

Fig 3 – Relacionamentos entre grupos Tipo A


Fig 4 – Relacionamentos entre grupos Tipo E

- O tipo A acentua a ideologia mais do que a ação - O tipo E busca coletas empíricas de fatos. Isso é a prova do Idealismo alemão X Pragmatismo americano presente nas atitudes, política e religião. O grupo de tipo E suporta mais diferenças individuais e com isto possui maior flexibilidade. Segundo o autor, “se as diferenças individuais no interior de um grupo se tornam grandes demais, o grupo se desfaz. Se for demasiado grande a diferença entre um recém – chegado e o membro médio, a pessoa terá que permanecer fora do grupo.

Artigo 2: Reconstrução Cultural – 1943 Idéia central: Reflexões sobre culturas de diversos países e das atitudes pós – guerra e mudanças culturais.

Artigo 3: O caso especial da Alemanha – 1943 Idéia central: É possível aplicar reflexões sobre mudanças culturais em países nas empresas? Como é possível mudar permanentemente o nível em que forcas antagônicas encontrem e seu equilíbrio?


Mudança profunda no grupo é possível pela introdução de formas diferentes de liderança. Como? Passo 1: Entendendo a cultura como um processo vivo. Passo 2: Mudando a constelação de forcas através da perturbação do equilíbrio. Passo 3: Estabelecendo um novo padrão cultural. Criar a fluidez para a mudança, realizar a mudança, Tomar medidas de permanência através da auto regulação. Técnicas de mudança de cultura: 1- Prover satisfação não basta; 2- Deve-se mudar a atmosfera do grupo e não itens isolados, sendo uma mudança mais profunda do que o nível verbal ou as formalidades sociais; exige mudança da constelação de poder do grupo e métodos de liderança. 3- Mudança da autocracia em democracia. Impor o sentido das responsabilidades democráticas, o agente de mudança deve ter poder; Não bastam preleções e propagandas. Essas somente funcionam se houver uma mudança nas relações de poder do grupo.

CONCLUSAO: Para uma mudança de cultura não basta propaganda, é necessário que o indivíduo se sinta membro de um grupo. Assim ele é mais influenciável. Também é necessário foco na liderança e treinamento “no trabalho”.

Artigo 4 – Conduta, conhecimento e aceitação de novos valores – 1945 Idéia Central: Como é possível reeducar um indivíduo ou um grupo que estão fora da realidade? As diferenças de cultura são adquiridas e não inatas. O que conta é o efeito no indivíduo do grupo em que ele se desenvolve. O que é realidade para uma pessoa é em parte determinado pelo que é aceito socialmente como realidade. A realidade não é um absoluto, difere com a pressão o grupo a que pertença o indivíduo. Exemplo: Grupos de alcoólicos anônimos. Processo reeducativo afeta o indivíduo de 3 maneiras: 1- Muda a estrutura cognitiva


2- Modifica as vivências e valores 3- Afeta sua ação motora Conclusão: A mudanca de valores ocorre através de um grupo solidário e da aceitação de um novo sistema de valores. Parte I I Artigo 1 – Experimentos com espaço social – 1939: Idéia Central: Reforça a convicção de que o experimento em grupo é empírico e válido. Desde o primeiro dia de vida a criança faz parte de um grupo e morrerá se o grupo não cuidar dela. Os objetivos que uma pessoa se propõe são influenciados pelo grupo a que pertence ou deseja pertencer. Êxito de uma professora em sala de aula depende não só da aptidão, mas sim da atmosfera que ela cria. Conclusão: O clima social em que uma criança vive é para ela tão importante quanto o ar que respira.

Artigo 2 – A origem do conflito no casamento - 1940: Idéia Central: Ressalta a importância do “espaço de movimento livre” da pessoa dentro de um grupo, utilizando-se de exemplos baseados na vida conjugal. Casamento é um grupo e apresenta as características gerais da vida grupal. Grupo é mais que a soma dos membros. Tem estrutura própria, objetivos próprios e relações próprias com outros grupos. A sua essência é a interdependência e depende do tamanho, organização e intimidade. O indivíduo participa de muitos grupos. Ex. profissional, partido político. O poder de qualquer um desses grupos é o grau em que a participação de uma pessoa nos grupos influi no comportamento dela. O que o grupo significa para um indivíduo? O grupo é o solo em que a pessoa se sustenta. Se a pessoa não está certa de sua participação nele e se não está bem estabelecida em seu grupo, seu espaço de vida apresentará as mesmas características de uma base instável.


O grupo como um meio: Na primeira infância relação maternal. Mais tarde o prestígio da pessoa está relacionado aos grupos que ela pertence – faculdade, clube, etc. Os estranhos a tratam como membro desse grupo. Um ataque ao seu grupo é um ataque a ele, assim como a sua ascensão ou declínio. O grupo se torna o espaço de vida da pessoa. Pertencer a um grupo não significa concordância com todos os regulamentos, objetivos, estilos de vida e pensamentos do grupo. Ate certo ponto, o individuo tem seus objetivos pessoais. E precisa de suficiente espaço de movimento livre no interior do grupo para atingir tais objetivos e satisfazer suas necessidades individuais sem perder status e participação no grupo. Se o espaço não for suficiente, a pessoa será infeliz. E uma frustração intensa o obrigara a deixar o grupo ou chegara a destruir o grupo. Grupo conjugal - Pequeno - Toca regiões centrais da pessoa - Relação intima entre os membros. A solução mais importante na resolução dos conflitos e a atmosfera.

“ Eu tinha raiva do amigo: Contei-lhe, a raiva acabou Tinha raiva do inimigo: Contei-lhe, ela aumentou.”

Artigo 3 – Moral e perspectiva temporal - 1942: Idéia Central: A perspectiva temporal corresponde `a esperança . A pessoa visa objetivos valiosos. Quando baixa ocasiona baixa moral. Enquanto exista a esperança de superar as dificuldades ao preço do esforço e dor do que o individuo esta pronta a pagar ele continuara a tentar.

Artigo 4 – A solução de um conflito crônico na indústria - 1942: Relato de caso.


Parte III

Artigo 1 – Problemas psicológicos e sociológicos de um grupo minoritário – 1935: Idéia Central: Um dos elementos mais importantes e o grupo social a que a família pertence. Exemplo: Família. O mesmo individuo participa de muitos grupos. Mudanca de grupos gera insegurança. Artigo 2 – Em face do perigo – 1939: Idéia Central: Pode o individuo satisfazer suficientemente suas necessidades pessoais sem interferir de forma indevida na vida e nos objetivos do grupo?

O grupo a que a pessoa pertence e o chão em que se apóia, que lhe da ou nega status social. O grupo a que a pessoa pertence não e somente fonte de auxilio e proteção. Implica também certas regulamentações e interdições. Estreita o espaço de movimento livre da pessoa. Se o fato de pertencer a um grupo ao invés de ajudar criar obstáculos surge um conflito entre ele e o grupo ate mesmo uma impaciência de deixar o grupo. 2 forcas: FORçA

Impele para o grupo e o conserva( necessidades satisfeitas)

FORçA

Afasta do grupo( traços desagradáveis do grupo)

O grupo conterá os membros em que as forcas positivas forem mais intensas. Se o grupo não for atraente o suficiente para a maioria dos indivíduos, ele desaparecera. -------------------------xxxxxxxx--------------------------- 1

1


Fichamento_Problemas de dinamica de grupo