Page 1

VOL. 02 Nº 45 ISNN 2019 - 045 CDD 720

REVITALIZAÇÃO DO LAGO MUNICIPAL ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PARQUE URBANO

ANA PAULA LEME MARTINS


SUMÁRIO

08 RESUMO 09 ABSTRACT 10 INTRODUÇÃO 12 CONCEITOS 14 EVOLUÇÃO HISTÓRIA DOS PARQUES URBANOS 16 JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS 17 LEGISLAÇÃO 20 PROJETOS CORRELATOS 30 CIDADE E LOCAL 34 PROGRAMA DE NECESSIDADES/PRÉ DIMENSIONAMENTO 36 ORGANOGRAMA E FLUXOGRAMA 38 PARTIDO ARQUITETÔNICO E PAISAGÍSTICO 39 REFERÊNCIAS PROJETO


RESUMO

A partir de um olhar crítico de uma quase profissional inserida na área de Arquitetura e Urbanismo, morando em uma pequena cidade, tendo conhecimento do lago existente e notando o estado em que se encontra atualmente, mal cuidado e pouco utilizado, onde pessoas frequentam em busca de um pequeno contato com a natureza, observou-se um grande potencial da área, surgindo então a ideia de propor uma revitalização do local. A pesquisa desenvolvida tem por objetivo fornecer o referencial teórico e projetual para a proposta de Revitalização do Lago Municipal no município de Campos Novos Paulista, interior do Estado de São Paulo, através da implantação de um Parque Urbano com a finalidade de enaltecer o local, incentivar a prática de lazer e recreação da população, proporcionando um espaço para contemplação que proporcionem e estimulem a convivência e qualidade de vida, além de atrair e promover o turismo regional. Para tal, foram abordados e descritos alguns conceitos relacionados e necessários para o entendimento e o desenvolvimento do tema em pauta proposto. De forma precisa foi apresentado um levantamento sobre a origem dos parques urbanos em geral e sua evolução histórica na Europa até chegar ao Brasil. A legislação apresentada no artigo se faz de extrema importância e necessidade para a execução legal do projeto. Em busca de referencial, inspiração e embasamento, foram também estudados e analisados projetos de áreas e conteúdos similares ao tema escolhido. Todo conteúdo apanhado e aqui apresentado foi obtido através de visitas ao local abordado e consultas bibliográficas, como livros, artigos e sites. Para auxiliar a proposta projetual foram feitos levantamentos do local, elaborado um Programa de Necessidades, o Organograma e Fluxograma que irão orientar o projeto de Implantação do Parque, além de auxiliar na definição do partido arquitetônico e do partido paisagístico. O local representa um desejo da autora em oferecer esse espaço com qualidade para que a população possa desfrutar, como possibilidade de lazer e contato com a natureza. Palavras – chave: Revitalização

08

Lago

Municipal,

Parque

Urbano,


Keywords: Municipal Lake, Urban Park, Revitalization

ABSTRACT

From a critical look of a almost professional inserted in architecture and urbanism area, living in a small city, having the knowledge of a lake existing there and noticing the condition that the place is today, with no care and underused, where the people visit seeking for a little contact with the nature, it was observed a big potential from the area, arising the ideia to propose a revitalization of the place. The article showed, have the goal to give the theorical projectual references to the proposal of revitalization of municipal lake in Campos Novos Paulista, interior of SĂŁo Paulo state, through the implantation of a urban park with the goal of praise the local, to encourage the recreation practices of population, proposing a contemplative space ready to living day-to-day and life quality, in adittion to attract and promote the regional turism. Therefore, were aborded and described some concepts related and necessaries to the understanding and development of theme proposed. In a precise way, was introduced a survey about the origins of urban parks in general and it's historical evolution in Europe until it arriving in Brazil. The legislation introduced in the article becomes extremely important to the legal execution of the project. In search of references, inspiration and basement, were studied and anilized too projects of areas and contents similar to the theme choosen. All the content taken and presented here were taken through visits in the local approuched and bibliographic queries, like books, articles and websites. To help the project propose, surveys were carried out, elaborate a necessities program, organization chart and flow chart that will guide the project of implantation of the park, besides help to define of the architectural party and the landscaping project. The place represents a wish of the author in offer this space with quality so that the population can enjoy, as a recreation possibility and nature contact. Â

09


INTRODUÇÃO 10

O presente trabalho apresentado como TFG – Trabalho Final de Graduação do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Marília aborda a proposta de revitalização do Lago Municipal da cidade de Campos Novos Paulista, através da implantação de um parque urbano. O local é combinado pelo lago ao centro e o seu entorno é composto por uma vegetação natural típica do clima subtropical. Hoje essa área se encontra abandonada e subutilizada tanto pelos visitantes quanto, principalmente, pelos moradores da cidade. Observando a potencialidade da área, a proposta de revitalização e a implantação de um parque urbano tem por objetivo reavivar o município, promovendo o turismo regional já que o mesmo está entre os 12 do Estado de São Paulo que recebe o título de Estância Climática “[...] em 29 de dezembro de 1955, pela Lei nº 3315 [...]” (TOBIAS, 1990, p. 29). Além disso as áreas verdes são fundamentais para manter as temperaturas mais baixa, amenizando o calor excessivo.


INTRODUÇÃO

Uma vez que, parques urbanos são considerados locais apropriados para o lazer de quem o frequenta, Barton e Pretty (2010 apud SZEREMETA E ZANNIN, 2013, p. 178) asseguram que cinco minutos caminhando em locais abertos como, áreas verdes, parques públicos, já se tornam suficientes o bastante para a melhoria da saúde mental, beneficiando o humor e a autoestima. Levando em consideração o descaso por parte da administração pública ao referido lago, a pesquisa procura apresentar soluções reais capazes de suprir os problemas atuais presentes na cidade quando se trata de espaços destinados ao lazer e contemplação do meio ambiente. Através de pesquisas feitas, levantamentos do local e seu entorno, visitas in loco, foi possível apresentar propostas capazes de suprir a carência do lazer e turismo em que o município se encontra atualmente, proporcionando um espaço público ao ar livre para quem busca bem estar e contato direto com a natureza.

11


CONCEITOS

Lazer

O conceito de lazer segundo Dumazedier (1983, apud LIMA, 2007) diz que:   O lazer é um conjunto de ocupações às quais o indivíduo pode entregar-se de livre vontade, seja para repousar, seja para divertir-se, recrear-se e entreter-se, ou ainda, para desenvolver sua informação ou formação desinteressada, sua participação social voluntária ou sua livre capacidade criadora após livrarse ou desembaraçar-se das obrigações profissionais, familiares ou sociais. (DUMAZEDIER apud LIMA, 2007)

Recreação Segundo a plataforma Blogspot (2010), recreação é uma das formas de atividade de passar o tempo para obter a distração de um indivíduo, ou seja, relaxamento mental ou físico do corpo. Enquanto o lazer é uma forma de entretenimento ou descanso, a recreação exige um certo desempenho em atividades de forma a obter diversão. Os jogos de recreação visam apenas o divertimento dos jogadores, não sendo assim um jogo desportivo, no qual o objetivo é a competição. Para Rousseau (1712-1771 apud LIMA, 2007) recreação é a “liberdade total da criança, não se deve obrigar o aluno a ficar quando quiser ir. [...] deve ser educado por e para a liberdade. É preciso que saltem, corram, gritem quando tiver vontade.”

12


Parque Urbano Para (KLIASS, 1993, p.19) “os parques urbanos são espaços públicos com dimensões significativas e predominância de elementos naturais, principalmente cobertura vegetal, destinados à recreação.” Para Macedo e Sakata (2010), o parque estruturado por sua vegetação, é como um espaço livre e público de lazer ou conservação dedicado à recreação da massa urbana. Assim como as demais definições, o “parque urbano é uma área verde, com função ecológica, estética e de lazer, no entanto com uma extensão maior que as praças e jardins públicos.” (LIMA, 1994 apud LOBODA; DE ANGELIS, 2005, p. 133). A característica em que todos concordam é que a função dos parques está relacionada, diretamente, com a qualidade de vida, lazer e recreação da população no entorno.

Segundo Vaz (1995), a revitalização pode ser executada através de várias formas, como: Reabilitação de áreas abandonadas; Restauração do patrimônio histórico e arquitetônico; Reciclagem de edificações, praças e parques; Redefinição de usos de vias públicas; Melhoria do padrão de limpeza e conservação dos logradouros; dentre outros.   Desta forma,   [...]podemos perceber que o processo de revitalização pode ser parcial ou total. Pode em algumas situações gerar uma reconfiguração total da área, ou pode ser mantida algumas de suas funções. [...] Revitalização urbana não compreende apenas áreas de preservação histórica.Ela se faz sempre que é necessária a revitalização de uma área degradada, que apresenta uma subutilização ou começa a torna-se obsoleta. Essas revitalizações [...] surgem como projetos de modernização da cidade. (BEZERRA; CHAVES, 2014, p.11)

CONCEITOS

Revitalização

13


EVOLUÇÃO HISTÓRICA

DOS PARQUES URBANOS Para Silva e Pasqualetto (2013) a origem dos parques surge através dos processos de urbanização e industrialização dos países, onde se deu primeiramente na Europa e posteriormente nos Estados Unidos. Segundo Martins Junior (2007 apud SILVA E PASQUALETTO, 2013, p. 288) essa manifestação se deu com o surgimento das grandes cidades e das metrópoles, baseado primeiramente na industrialização e depois no êxodo rural, assim designando o termo urbanização, onde a população urbana cresce em maior proporção comparado à população rural.

No final do século XVIII, na Inglaterra, o parque surge como fato urbano relevante e tem seu pleno desenvolvimento no século seguinte, com ênfase maior na reformulação de Haussmann em Paris, e o Movimento dos Parques Americanos- o Park Moviment liderado por Frederick Law Olmstead e seus trabalhos em New York, Chicago e Boston. No século XIX surgiram os grandes jardins contemplativos, os parques de paisagem, os parkways, os parques de vizinhança americanos e os parques franceses formais e monumentais. (SCALISE, 2002)

Segundo Macedo e Sakata (2010) com a necessidade de beneficiar as cidades com espaços adequados capazes de atender a nova demanda social, nasce os parques urbanos propondo o lazer, o tempo de ócio e também para contrapor-se ao ambiente urbano.

A evolução do Parque Urbano [...] tem acompanhado as mudanças urbanísticas das cidades, sendo assim um testemunho importante dos valores sociais e culturais das populações urbanas. [...] constituem um elemento de forte permanência, mantendo-se com suas principais características independentemente das transformações das estruturas urbanas em seu entorno. (MACEDO; SAKATA, 2010, p. 7) 14


Partindo do mesmo contexto, Macedo e Sakata afirmam que são criados os três primeiros parques públicos, na então capital Rio de Janeiro, com as características que conhecemos hoje: o Jardim Botânico, junto à distante Lagoa Rodrigo de Freitas, o Campo de Santana e o Passeio Público, localizados junto ao núcleo histórico e centro tradicional da cidade.

EVOLUÇÃO HISTÓRICA

O parque urbano brasileiro, ao contrário do seu congênere europeu, não surge da urgência social de atender ás necessidades das massas urbanas da metrópole do século XIX. O Brasil do século passado não possuía uma rede urbana expressiva, e nenhuma cidade, inclusive a capital, o Rio de Janeiro, tinha o porte de qualquer grande cidade europeia da época, sobretudo no que diz respeito a população e área. O parque é criado, então, como uma figura complementar ao cenário das elites emergentes, que controlavam a nova nação em formação e que procuravam construir uma figuração urbana compatível com a de seus interlocutores internacionais, especialmente inglês e franceses. (MACEDO; SAKATA, 2010, p. 16)

DOS PARQUES URBANOS

Apesar dessas motivações em outros países, Macedo e Sakata alegam que no Brasil ela se difere pois não foi impulsionada por tais mudanças comportamentais.

15


JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS

O Parque Urbano inserido no contexto da cidade, proporciona qualidade de vida e o bem estar para a população, pois permite a prática de atividades ao ar livre, recreação e o contato direto com a natureza. Diferentes benefícios são alcançados através dessas atividades, como os sociais, psicológicos e físicos bem como a diminuição do sedentarismo, alívio do estresse causado pelo cotidiano corrido. Visto que o município de Campos Novos Paulista é carente quanto à prática de lazer e promoção de turismo local, a revitalização da área do Lago Municipal se faz de extrema importância para suprir essas necessidades, uma vez que a área se encontra abandonada e esquecida.

A proposta do presente trabalho é fazer uma revitalização total do local, com objetivo principal de proporcionar a convivência no dia a dia da população e sobretudo atrair turistas para a pequena cidade. Implantar áreas de convivência, como lanchonete, piscina, quadra de vôlei, quiosque, academia ao ar livre, dispor de iluminação no entorno do lago, estacionamento, se tornam estratégias que beneficiam a beleza da paisagem natural e incentivam a utilização frequente por parte dos moradores e turistas que buscam o lazer, atividade ao ar livre e o tempo de ócio.

16


A Lei Orgânica Municipal é a lei maior da cidade. É um conjunto de normas que disciplina as regras de funcionamento da administração pública e dos poderes municipais. É uma espécie de Constituição do município e é através dela que ele se organiza.

De acordo com o Novo Código Florestal (Lei Federal nº 12.651/2012) em seu capítulo 1 – item II do Art. 3º define como área de preservação permanente toda aquela área que seja protegida, coberta ou não por vegetação nativa, e tem como função ambiental a preservação dos recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo da fauna e flora, como também a proteção do solo e por fim, assegurar o bem estar da população. Ainda no mesmo Art. item XX apresenta área verde urbana como espaços, sejam eles públicos ou privados, previstos no Plano Diretor do município, com predominação da vegetação nativa natural, destinados à prática de lazer e recreação, à proteção dos recursos hídricos e à melhoria da qualidade ambiental urbana, sendo inapropriados para construção de moradias.

LEGISLAÇÃO

No capítulo V, Art. 158º da Lei Orgânica do Município de Campos Novos Paulista, diz que cabe ao município reservar espaços de lazer para a comunidade, em formas de parques, bosques e jardins, aproveitando e adaptando rios, lagos e matas naturais como locais de passeio e distração.

17


LEGISLAÇÃO

Segundo o Prof. Pinhal (2009) o Código de Obras é um documento que visa a fiscalização e controle por parte da Administração através de normas técnicas para qualquer tipo de construção no solo urbano, priorizando o conforto ambiental, acessibilidade e melhor qualidade de vida para a população. Assim como aduz o Código de Obras do Estado de São Paulo (Lei nº 16.642/2017) em seu Capítulo I – Art. 1º:

I- acessibilidade: condição de utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida, de edificação, espaço, mobiliário e equipamento; II- acessível: edificação, espaço, mobiliário e equipamento que possa ser utilizado e vivenciado por qualquer pessoa, inclusive aquela com deficiência ou mobilidade reduzida, conforme os parâmetros definidos em norma técnica pertinente; [...]

O Código Sanitário do Estado (Lei nº 10.083/1998) apresenta princípios sobre proteção, promoção e preservação da saúde. Em seu Livro I – Título II Art. 2º dispõe:

18


A NBR 9050/2015 tem por finalidade garantir a acessibilidade à mobiliários, equipamentos e espaços urbanos e à edificações, no qual “estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quanto ao projeto, construção, instalação e adaptação do meio urbano e rural, e de edificações às condições de acessibilidade.” A esse respeito, a NBR 9050/2015:

[...] visa proporcionar a utilização de maneira autônoma, independente e segura do ambiente, edificações, mobiliário, equipamentos urbanos e elementos à maior quantidade possível de pessoas, independentemente de idade, estatura ou limitação de mobilidade ou percepção.

LEGISLAÇÃO

I - assegurar condições adequadas à saúde, à educação, à moradia, ao transporte, ao lazer e ao trabalho; II -  promover a melhoria da qualidade do meio ambiente, nele incluído o do trabalho, garantindo condições de saúde, segurança e bem-estar público; III -  assegurar condições adequadas de qualidade na produção, comercialização e consumo de bens e serviços de interesse à saúde, incluídos procedimentos, métodos e técnicas que as afetem; IV -  assegurar condições adequadas para prestação de serviços de saúde; V - promover ações visando o controle de doenças, agravos ou fatores de risco de interesse à saúde, e VI -  assegurar e promover a participação da comunidade nas ações de saúde.

19


ROJETOS CORRELATOS

Parque Cantinho do Céu O parque Cantinho do Céu está situado na cidade de São Paulo no distrito de Grajaú. O projeto teve início em 2008 e sua primeira etapa foi concluída em 2010, com uma área de 1500000.0 m2. O objetivo da equipe Boldarini Arquitetura e Urbanismo era integrar o assentamento à cidade, oferecendo infraestrutura urbana permitindo o desenvolvimento do indivíduo na sociedade.

Parque Cantinho do Céu

O parque conta com quadra de futebol, pista de skate, cinema, playgrounds, decks, praça com equipamentos para a prática de exercícios físicos e para caminhadas foram projetadas passarelas. Nos mobiliários urbanos como bancos, lixeiras, corrimãos dispostos pelo parque, foram produzidos com materiais mais duráveis e reforçados com intenção de dificultar o vandalismo.

Fonte: https://bit.ly/2DM1lEK

Algumas estratégias foram consideradas para a elaboração do projeto de urbanização do Cantinho do céu: preservação da vida da população, integração urbanística entre as novas propostas e o local existente, adequação da infraestutura urbana como redes de água e coleta de esgoto e também a mobilidade geral, espaços que proporcionassem lazer e prática do esporte. 20


Parque Cantinho do Céu

Diagrama

Fonte: https://bit.ly/2EnMe77

A figura acima retrata as modificações feitas ao longo da área, no mapa da esquerda os pontos pretos retratam as construções removidas. No mapa central apresenta a hierarquia das vias, de acesso, vias locais, vias principais e as vias propostas no projeto. Já o mapa da direita trás as áreas verdes de preservação, de conservação/lazer, as áreas institucionais, os locais de estar do parque e seus principais fluxos e o sentido do escoamento das águas pluviais.

Fonte: https://bit.ly/2EnMe77

Foi necessária a remoção de algumas construções às margens da represa Billings, pois encontravam-se em situações de risco quanto à infraestrutura e com isso possibilitou a implantação de parques nessas áreas próximas à agua no qual a população pôde se aproximar.

ROJETOS CORRELATOS

Parque Cantinho do Céu

21


Fonte:https://bit.ly/2DM1lEK

O projeto foi desenvolvido em partes, o que permitiu à equipe reconhecer as especificidades reveladas do terreno e assim propor espaços que ressaltassem a importância paisagística e ambiental da represa juntamente integrando a área do parque e suas ocupações do entorno. Corte B

Fonte:https://bit.ly/2DM1lEK

A proposta de urbanização do Parque Cantinho do Céu buscou destinar áreas à preservação das margens mantendo e reconstituindo as espécies vegetais nativas e também espaços com usos diversos como lazer, contemplação, recreação e esportes que atraíssem todas as faixas etárias.

Implantaçã o

Fonte:https://bit.ly/2EnMe77

22

Em consultas aos sites do ArchDaily e ArcoWeb, nota-se o objetivo da intervenção que além de promover a qualidade de vida dos moradores local ao frequentar o parque no qual valoriza o lazer, revela a importância do espaço público e coletivo como instrumento principal quanto à qualificação do bairro.

Parque Cantinho do Céu

ROJETOS CORRELATOS

Corte A


Parque Shenzhen Talent O parque está localizado na China, conta com uma área de 770.000 m². Foi projetado pela equipe de arquitetos AUBE no ano de 2017.

Parque Shenzhen Talent

De uma forma natural e artística, foi projetado a partir de setores estratégicos (comunicação, atividade, encorajamento e publicidade) conceituando o termo “talento“.

De uma forma natural e artística, foi projetado a partir de setores estratégicos (comunicação, atividade, encorajamento e publicidade) conceituando o termo “talento“. O parque nutri a ecologia natural do local, oferece experiências de espaços públicos através do seu paisagismo inserido no contexto urbano da cidade. Assim como um parque urbano, proporciona para a população espaços de lazer e relaxamento, podendo as pessoas praticar exercícios e atividades de recreação, fazer caminhadas, conversar.

Parque Shenzhen Talent

Fonte: https://bit.ly/2IHxYIS

ROJETOS CORRELATOS

Fonte: https://bit.ly/2IHxYIS

23


ROJETOS CORRELATOS

Parque Shenzhen Talent 24

As praças foram projetadas com linhas curvas e leves, foi utilizado gramas ornamentais que suavizam os espaços, caminhos desenhados de forma que garantisse uma conectivade entre as pessoas. Implantação

Fonte: https://bit.ly/2IHxYIS

O projeto mostra uma sensação de fluidez do local, já que a água surge no mar e corta o parque fazendo com que se torne parte da cidade.


Parque Shenzhen Talent

Fonte: https://bit.ly/2IHxYIS

ROJETOS CORRELATOS

Cortes

Parque Shenzhen Talent

Se atentando a toda informação do projeto disponibilizada no site do ArchDaily e fazendo a leitura dos cortes, é possivel notar a topografia irregular da área do parque. Entretanto, foi muito bem projetado os caminhos oferecendo acessibilidade ao local e compondo o paisagismo foram dispostas árvores, iluminação e diversos objetos decorativos trazendo leveza e calmaria ao parque.

Fonte: https://bit.ly/2IHxYIS

25


ROJETOS CORRELATOS

Parque da Gare Localizado em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, o Parque da Gare é resultado de um concurso internacional em 2012 que buscava intervenção na cidade, no qual a Idom foi a vencedora, uma empresa espanhola que também atua no Brasil. Implantação

Fonte: http://twixar.me/sZjn

Parque da Gare

O terreno do parque é de 96.070,40 m² onde foram dispostos diversos equipamentos para a prática educacional e esportiva totalizando como área construída 18.123,20 m².

26

Fonte: http://twixar.me/s


Parque da Gare - lago

O Parque também dispõe de um lago que tem espaço envoltório capaz de proporcionar a contemplação de quem caminha ao seu redor.

Fachada - Galpão/Feira Fonte:http://twixar.me/sZjn

ROJETOS CORRELATOS

Nas pontas da área, foram implantadas as edificações de principais usos. Havia um galpão anteriormente na borda superior, com a nova proposta do projeto foi edificado um novo galpão de dois pavimentos aproveitando a topografia do lote, mantendo a mesma volumetria. Planta - Galpão/Feira

Fonte: http://twixar.me/sZjn

Fonte: http://twixar.me/sZjn

Parque da Gare

27


Corte - Galpão/Feira

Parque da Gare

ROJETOS CORRELATOS

Essa área localizada no centro da cidade é caracterizada pela topografia acidentada e a forma irregular, ponto que beneficiou o projeto.

Fonte:http://twixar.me/sZjn

Pela característica acidentada do lote, foi possível trabalhar em “patamares“ diferentes. No ponto mais baixo do terreno, está situada a biblioteca/telecentro onde também está uma das entradas do parque. Biblioteca

28

Fonte: http://twixar.me/sZjn


Parque da Gare Parque da Gare 

Fonte: http://twixar.me/sZjn

Parque da Gare A finalidade geral do concurso apresentado pela página da ArcoWeb era selecionar uma área estratégica da malha urbana da cidade que atraísse maior quantidade de público através das propostas projetuais tanto educacional quanto de lazer, e todos da equipe Idom conseguiram atender o objetivo propondo um parque totalmente equipado.

ROJETOS CORRELATOS

Nas áreas centrais do lote estão interligados por caminhos para pedestres os espaços esportivos, o anfiteatro e a área infantil. Por fim, a ciclovia que abriga árvores de grande porte contorna todo o perímetro do parque.

Fonte: http://twixar.me/sZjn

29


CIDADE E LOCAL

História da cidade e seus aspectos Físicos e Geográficos Segundo Tobias (1990) a origem e fundação da pequena cidade, na época chamada de São José do Rio Novo, se deu por volta de 1868 a 1890. Entretanto, somente 17 anos depois foi considerada “[...] vila e município pela Lei Provincial nº 25, de 10 de Março de 1885 com o nome de Campos Novos do Paranapanema [...].“ (TOBIAS, 1990, p. 22). Em seu livro, Tobias (1990) relata que no decorrer do seu desenvolvimento a cidade presenciou momentos altos e baixos, onde em 1891 passava de 26.000 habitantes. Por desavenças políticas, a decadência da cidade se deu por volta de 1914 e se estendeu até 1972, quando a inauguração da BR-153 marcou o reinício do progresso da cidade. Em 1948, pertencendo à Comarca de Palmital, voltou à categoria de município recebendo o nome de Campos Novos Paulista.

O município se estende por 484,199 km² (2018), sua densidade demográfica (2010) é de 9,38hab/km², está a uma altitude de 506 metros e sua hidrografia se dá pelo Rio Novo. A rodovia mais próxima é a BR Transbrasiliana 153. A população somada no último censo (2010) era de 4.539 pessoas e segundo dados do IBGE, a população estimada em 2018 é de 4.932. Localização

A pequena cidade de Campos Novos Paulista está situada na região Centro-Oeste Paulista do interior do Estado de São Paulo, ficando à uma distância de 418 km da capital. 30

Fonte: Google Earth, 2019


Levantamentos do Local O local da proposta de intervenção se localiza ao final da cidade, com acesso principal pela rua Arthur Spinelli. Uma vicinal dá acesso ao Hotel Climático e também às propriedades rurais. A área total possui aproximadamente 76.582,53 m². É composta por uma vegetação típica do clima subtropical que circunda toda a margem do lago, que por sua vez apresenta como área 53.135,78 m², e do Rio Novo, no qual percorre ao lado. Ele conta com uma área favorável que o contorna possibilitando a caminhada das pessoas que frequentarão. Possui uma piscina e uma edificação, porém em estado de abandono.

Fonte: Google Earth, 2019

Vista da Ilha

Uma ponte de madeira faz conexão entre a ilha e a área que margeia o lago, na qual também será palco das intervenções que compõem a proposta da revitalização para o local.

Fonte: Acervo Pessoal, 2019

CIDADE E LOCAL

Área de Intervenção

31


Levantamentos do Local

CIDADE E LOCAL

O terreno por possuir uma característica topográfica levemente acidentada levando em consideração a predominância do lago no local, permite trabalhar em 3 níveis diferentes. Topografia do Local

Em conversa com o Profº Clovis Bertoncini, morador da cidade, ele relata que por volta de 1954 se deu início a construção do lago, simultaneamente à construção do Hotel, por aterramento, área na qual era completamente coberta por taboa, planta típica do brejo.

32

Fonte: Prefeitura Municipal de Campos Novos Paulista, 2019 Lago Municipal

A construção foi liderada por Higino Muzzi, de Marília, onde moradores braçais e também operários da região se uniram. As terras retiradas da área eram transportadas por carroções puxados por mulas e burros por cima dos aterros e assim iam se formando as bordas do lago. Após atingir 50% do aterro, substituíram os carroções por vagonetes sobre trilhos, no qual agora eram empurrados pelas pessoas. Fonte: Acervo Pessoal, 2019


A partir da área toda cercada, ligaram um duto de uma nascente da propriedade particular vizinha até o lago e também contaram com a colaboração da água das chuvas para enchê-lo.

Fonte: Acervo Pessoal, 2019 Panorama - Lago e Edificação inacabada

Fonte: Acervo Pessoal, 2019

Após finalizado, havia uma grande churrascaria na qual era palco de festas e bailes, na área sobre o lago as pessoas praticavam a pesca e no lago possuía barcos, canoas e pedalinhos para uso dos turistas da região e também das cidades de São Paulo e até Rio de Janeiro. Escape do Lago Municipal

CIDADE E LOCAL

Levantamentos do Local

Lago Municipal

Fonte: Acervo Pessoal, 2019

Aos poucos, a decadência se deu por ordem da própria administração. Hoje a área pertence ao município.

33


PROGRAMA DE NECESSIDADES/

PRÉ DIMENSIONAMENTO

O programa de necessidades é um conjunto de setores e ambientes imprescindíveis dispostos de forma sistematizado a fim de nortear o projeto, sendo um dos principais determinantes. Foi elaborado pensando na praticidade dos usuários do local, tanto os frequentadores quando os funcionários. Setor Social

SOCIAL

SETOR

AMBIENTE

QUANT

ÁREA (M²) TOTAL (M²)

Lanchonete

1

272,38

272,38

Sanitário/Vestiário (Masc/Fem)

2

62,92

125,84

Coleta Seletiva Lixo

1

1,50

1,50

Fonte: Elaborada pela autora, 2019

Setor Serviço

SERVIÇO

SETOR

AMBIENTE

QUANT

ÁREA (M²) TOTAL (M²)

Copa

1

12,79

12,79

Sanitário/Vestiário

2

7,93

15,86

Abrigo Máquinas

2

2,72

5,44

Almoxarifado

1

8,48

8,48

Sala Ferramentas

1

9,47

9,47

Circulação

1

19,06

19,06

Fonte: Elaborada pela autora, 2019

34


ADMINISTRAÇÃO

SETOR AMBIENTE

PROGRAMA DE NECESSIDADES/PRÉDIMENSIONAMENTO

Setor Administrativo

QUANT ÁREA (M²) TOTAL (M²)

Portaria

1

9,88

9,88

Circulação

1

6,37

6,37

Sala Monitoramento

1

6,70

6,70

Fonte: Elaborada pela autora, 2019 Setor Estacionamento

ESTACIONAMENTO

SETOR AMBIENTE QUANTIDADE CARRO+MOTO ÁREA (M²) TOTAL (M²)

Visitantes

1

37+13

462,50+ 31,20

493,70

Funcionários

1

7+5

87,50+ 12,00

99,50

Fonte: Elaborada pela autora, 2019 Setor Lazer

LAZER

SETOR AMBIENTE

QUANT ÁREA (M²) TOTAL (M²)

Piscina

2

28,00+ 84,00

112,00

Quadra Vôlei Areia

2

64,00

128,00

Quiosque

3

26,00

78,00

Academia ar livre

1

90,29

90,29

Playground

1

250,00

250,00

Fonte: Elaborada pela autora, 2019

35


ORGANOGRAMA/ FLUXOGRAMA Fonte: Desenvolvida pela autora, 2019

36

Organograma Organograma


Fluxograma

Fonte: Desenvolvida pela autora, 2019

ORGANOGRAMA/ FLUXOGRAMA

Fluxograma

37


PARTIDO ARQUITETÔNICO

E PAISAGÍSTICO O partido no geral se deu início a partir da necessidade de valorização do terreno em parceria com a análise do mesmo, onde foi considerado a orientação do sol e a topografia do local. Baseando-se na recuperação e preservação ambiental do espaço como um todo, tanto das áreas verdes como do lago, área de maior predominância desse parque, buscou enaltecer ao máximo as áreas de contemplação através do uso de elementos decorativos. Na cota mais alta da área foi determinado o espaço para os estacionamentos, tanto para funcionários quanto para os visitantes. Mais abaixo, na sequência, foram dispostos os elementos do setor de serviço juntamente com o de lazer, como o restaurante, piscina e o playground.

Acompanhando o nível da água do lago, estão situados a quadra de vôlei, os quiosques, a academia ao ar livre além da disposição de caminhos contornando o perímetro do lago e trilhas entre as vegetações que o cercam fazendo divisa com o rio. O projeto também conta com caiaques e pedalinhos para andar sobre as águas do lago. Nos acessos, ligações e caminhos entre um espaço e outro, optou-se pelo traçado informal, orgânico. De um nível para outro foi usado elementos como escada e rampas. Para as edificações seguiu-se a linha projetual contemporânea, na qual permite experimentar de tudo através da sua liberdade de criação, permitindo escolhas alternativas de materiais e técnicas construtivas, visando não esquecer a preservação ecológica e ambiental. 38


ARCOWEB. Idom: Parque da Gare. Disponível em: <https://www.arcoweb.com.br/projetodesign/arquitetura/idomparque-da-gare-passo-fundo-rs>. Acesso em: 02 Junho 2019. BEZERRA, A. M. M; CHAVES, C. R. C. Revitalização Urbana: entendendo o processo de requalificação da paisagem. 2014. 16 f. Artigo (Arquitetura e Urbanismo) – Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, São Luis, 2014.   BLOG SPOT. Recreação e Lazer. Disponível em: <http://recrelazer.blogspot.com/2010/08/definicoes-de-lazer-erecreacao.html>. Acesso em: 10 Abril 2019.   CÂMARA MUNICIPAL SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Lei orgânica. Disponível em: <http://www.camarasjc.sp.gov.br/noticias/4950/entenda-o-que-e-a-leiorganica-do-municipio-e-sua-importancia-para-a-cidade>. Acesso em: 10 Abril 2019.   CAMPOS NOVOS PAULISTA. Dados municipais. Disponível em: <https://www.camposnovospaulista.sp.gov.br/cidade/dado-domunicipio/>. Acesso em: 04 Junho 2019.   CAMPOS NOVOS PAULISTA. Legislação. Disponível em: <https://www.camposnovospaulista.sp.gov.br/temp/10042019065122lei _organica_do_municipio.pdf>. Acesso em: 10 Abril 2019.   CIDADE BRASIL. Município de Campos Novos Paulista. Disponível em: <https://www.cidade-brasil.com.br/municipio-campos-novospaulista.html>. Acesso em: 04 Junho 2019.

REFERÊNCIAS

ARCHDAILY. Parque Shenzhen Talent. Disponível em: <https://www.archdaily.com.br/br/888829/parque-shenzhen-talentaube>. Acesso em: 01 Junho 2019. ARCHDAILY. Urbanização do Complexo do Cantinho do Céu. Disponível em: <https://www.archdaily.com.br/br/01-157760/urbanizacao-docomplexo-cantinho-do-ceu-slash-boldarini-arquitetura-e-urbanismo>. Acesso em: 02 Junho 2019.   ARCOWEB. Boldarini Arquitetura e Urbanismo: Parque Cantinho do Céu. Disponível em: <https://www.arcoweb.com.br/projetodesign/arquitetura/boldariniarquitetura-urbanismo-parque-publico-19-01-2011>. Acesso em: 02 Junho 2019.

39


REFERÊNCIAS

CÓDIGO DE OBRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Lei nº 16.642/2017: capítulo I. CÓDIGO SANITÁRIO DO ESTADO. Lei nº 10.083/1998: livro I. COLEGIO DE ARQUITEOS. O que é código de obras. Disponível em: <http://www.colegiodearquitetos.com.br/dicionario/2009/02/o-que-ecodigo-de-obras/>. Acesso em: 31 Maio 2019. IBGE. Campos Novos Paulista. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/campos-novospaulista/panorama>. Acesso em: 04 Junho 2019. KLIASS, R. G. Os Parques Urbanos de São Paulo. São Paulo: Pini,1993. LIMA, J.O. Conceitos e diferenças entre recreação, lazer, jogo e brincadeira. Disponível em: <https://www.ebah.com.br/content/ABAAAfdUIAK/conceitosdiferencas-entre-recreacao-lazer-jogo-brincadeira>. Acesso em: 10 Abril 2019. LOBODA, C. R.; DE ANGELIS, B. L. Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Artigo. Guarapuava, v. 1, n. 1, p. 125/139, jan/jun 2005. MACEDO, S. S; SAKATA, F.G. Parques Urbanos no Brasil: brazilian urban parks: 3.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2010. NORMA BRASILEIRA. ABNT NBR 9050/2015. NOVO CÓDIGO FLORESTAL. Lei nº 12.651/2012: capítulo I. SCALISE, W. Parques Urbanos: evolução, projetos, funções e usos. Revista Assentamentos Urbanos, Marília, v. 4 n. 1, p17-24, 2002. SILVA, J. B; PASQUALETTO, A. O caminho dos parques urbanos brasileiros: da origem ao século XXI. Artigo. Goiânia, v. 40, n. 03, p. 287-298, jun/ago. 2013. SZEREMETA, B; ZANNIN, P.H.T. A importância dos parques urbanos e áreas verdes na promoção da qualidade de vida em cidades. Artigo. Curitiba, v. 29, p. 177-193, dez/2013. TOBIAS, J. A. História de Campos Novos Paulista: capítulos da boca do sertão do paranapanema. Marília: Intercâmbio, 1990. VAZ, J. C. Vida nova para o centro da cidade. Dicas: idéias para ação municipal. Instituto Polis, n.31, São Paulo, 1995.

40


AGRADECIMENTOS Primeiramente, à Deus, Pois é dele que recebo todas as bênçãos e forças para continuar Vivendo e realizando sonhos. À minha família, em especial minha mãe Gláucia, Pelo incentivo e puxões de orelha que me fizeram chegar até aqui e também ao meu pai Mauri, por me permitir ingressar no Ensino Superior.   À minha tia Valquíria e avó Orlanda, Pelos conselhos e novenas rezadas, intercedendo para que eu conseguisse atingir meus objetivos.   Aos grandes amigos, Que presenciaram e ajudaram nos momentos de angústia e aflição.   À minha pequena Maia, Companheira do dia a dia e das noites não dormidas.   À minha orientadora Walnyce, Por toda disponibilidade e paciência durante todo o processo de desenvolvimento da pesquisa e projeto e por todas sugestões construtivas que foram fundamentais para o resultado final. À toda equipe do corpo docente do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unimar, que foram essenciais durante a minha vida acadêmica.

41


PROJETO

FACHADA PRINCIPAL LANCHONETE

PLANTA HUMANIZADA

REVITALIZAÇÃO DO LAGO MUNICIPAL ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PARQUE URBANO

ACADEMIA AO AR LIVRE TFG - TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO DISCENTE: ANA PAULA LEME MARTINS DOCENTE: PROF MS. WALNYCE SCALISE

1/3


01-Quadras 02-Playground 03-Academia ar livre 04-Quiosques 05-Piscinas 06-Estacionamento Visit. 07-Sanitários/Vestiários 08-Lanchonete 09-Serviço 10-Administrativo 11-Lago 12-Estacionamento Func.

QUIOSQUE E PLAYGROUND

REVITALIZAÇÃO DO LAGO MUNICIPAL ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PARQUE URBANO

TFG - TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO DISCENTE: ANA PAULA LEME MARTINS DOCENTE: PROF MS. WALNYCE SCALISE

2/3


FACHADA SECUNDÁRIA LANCHONETE

PISCINAS MEMORIAL JUSTIFICATIVO

A escolha do tema se deu por conta da visão ampla para uma área que se encontra hoje subutilizada. A proposta de revitalizar a área do lago trás uma arquitetura mais contemporânea para as edificações e as circulações foram distribuídas de formas mais orgânicas. O terreno permitiu trabalhar em três níveis diferentes, sendo mais alto o estacionamento, passando pela parte social e chegando ao nível mais baixo onde se encontra os quiosques, quadras, playground, academia e o lago.

REVITALIZAÇÃO DO LAGO MUNICIPAL ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PARQUE URBANO

TFG - TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO DISCENTE: ANA PAULA LEME MARTINS DOCENTE: PROF MS. WALNYCE SCALISE

3/3


Profile for Ana Paula Martins

REVITALIZAÇÃO DO LAGO MUNICIPAL ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PARQUE URBANO  

REVITALIZAÇÃO DO LAGO MUNICIPAL ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PARQUE URBANO  

Advertisement