Page 36

OS MELHORES DO MUNDO BARCA VELHA

CHÂTEAU LAFITE ROTHSCHILD

Elaborado pela Casa Ferreirinha na Quinta da Leda, uma das propriedades mais emblemáticas do Douro, é para muitos especialistas o melhor vinho português. Sua composição muda pouco a cada safra, mas sempre estão presentes as castas Tinta Roriz, Tourigas Nacional e Francesa e pequena dose de Tinta Amarela. Só é produzido em anos de safras consideradas excepcionais. Com o envelhecimento ganha ainda mais complexidade, chegando ao auge por volta dos 20 anos de idade. É importado pela Zahil.

Outro dos tintos que fazem parte do seleto grupo dos Premier Grand Cru Classe e, portanto, merece todos os elogios. Seus vinhedos estão situados nas colinas mais altas de Pauillac, nas margens do Rio Gironde. São 60 alqueires plantados com intervalo de 1 metro entre cada parreira, das uvas Merlot, Cabernet Sauvignon e Petit Verdot. O resultado a cada safra é de um vinho complexo e extremamente elegante. Importado por várias distribuidoras.

CHÂTEAU LATOUR

Premier Cru Classe brindado pela classificação feita por Napoleão III em 1855. Em Pauillac, seus vinhedos ficam na sagrada região do Médoc, norte de Bordeaux. O Latour demora um pouco mais para envelhecer do que os outros Châteaux, atingindo o apogeu de aromas cerca de 15 anos depois de engarrafado. Da uva Cabernet Sauvignon, ele recebe a elegância e os aromas de frutas vermelhas; a Merlot lhe confere o aveludado e a maciez; e o pouco de Petit Verdot lhe confere os taninos necessários para fazer dessa mistura uma das mais célebres. A colheita é feita em setembro e, em dezembro, o vinho já está descansando em barris de carvalhos novos, onde vai ficar por cerca de dois anos e meio. Trazido por várias importadoras. CHÂTEAU MOUTON ROTHSCHILD

Um dos mitos entre os tintos, com cada uma de suas garrafas exibindo cor rubi intenso e aromas fantásticos de cassis e de outras frutas vermelhas. Nasceu em 1924, por obra de Philippe de Rothschild, em um pequeno vinhedo na cidade de Pauillac, no coração de Bordeaux. A Cabernet Sauvignon é a responsável pela fama e categoria do Mouton. A qualidade e a elegância da marca foram responsáveis pela única mudança feita na classificação francesa de 1855, que dividiu e nomeou os vinhedos por faixa de qualidade. Essa alteração, feita em 1973, elevou o Mouton à categoria de Premier Cru Classe, que abriga os melhores tintos. Seus rótulos são sempre desenhados por artistas, feito já executado por nomes como Salvador Dalí, Joan Miró e Andy Warhol. Trazido por várias importadoras. ROMANÉE-CONTI

É um vinho para reflexão e alegria da alma, costuma dizer seus apreciadores. Tinto mais famoso da Borgonha, onde é produzido na comuna de Vosne-Romanée, em um vinhedo de apenas 1,8 hectare, o que resulta em não mais do que 7 mil garrafas por safra. A uva Pinot Noir lhe confere cor rubi intenso e marcantes aromas de violeta e frutas vermelhas. A colheita de suas uvas é toda manual com os cachos selecionados individualmente e todas com perfeito grau de maturação. Depois de fermentado, o líquido vai repousar por dois anos em barricas novas de carvalho francês. Importado pela Expand.

36 034_037_CASTILHO.indd 36

CHÂTEAU HAUT BRION BRANCO

Um dos mais elegantes e complexos vinhos brancos. Como Bordeaux e o Château Haut Brion são conhecidos por seus tintos, os brancos lá produzidos acabam um pouco esquecidos, o que é injusto. Em sua elaboração, a uva Sauvignon Blanc garante boa acidez, ficando a cargo da Sémillon o caráter e o corpo do vinho. Em geral, é bastante frutado, lembrando frutas como maçã verde, pêssego e abacaxi. Importado por várias distribuidoras. MONTRACHET (DOMAINE DE LA ROMANÉE-CONTI)

Se alguém ainda tem preconceito com relação ao vinho branco, precisa, urgentemente, conhecer o Montrachet, o melhor vinho branco do mundo. Produzido em Côte d’Or, no coração da região francesa da Borgonha, possui cor amarelo-ouro e seu aroma intenso lembra pão tostado. Feito com a uva Chardonnay, seu nome deriva da montanha Mont Rachat, em cujas encostas estão seus vinhedos. O Montrachet é feito por um número muito pequeno de produtores. O melhor deles é o produzido na propriedade do Domaine de La Romanée-Conti. Importado pela Expand. PETRUS É considerado por muita gente o rei dos vinhos tintos. O Petrus está abrigado na região francesa do Pomerol, e é o único grande que não faz parte da classificação oficial de 1855. O Petrus é completo, com aromas intensos, excelente corpo e muito equilíbrio. O solo de Pomerol é o único da região coberto com uma camada de argila sobre a terra rica em óxido de ferro. Os segredos de sua produção continuam na colheita das uvas, realizada apenas entre 11 e 17 horas, quando não há mais vestígio do orvalho noturno. Elaborado com a cepa Merlot, passa por um período de fermentação de 25 dias em cubas de cimento, sendo envelhecido em barris novos de carvalho entre 24 e 30 meses.

7/28/10 12:03:02 PM

Just 2  
Just 2  

revista de luxo

Advertisement