Issuu on Google+

#1

Janeiro/Abril 2013

1ยบ A(c)tua Animal Benefit Um sentido de gratidรฃo

pรกg. 8

Resumo 2011/2012 O nosso percurso ...

pรกg. 10

Hard as Hell pรกg. 13

www.actuaaveiro.com

O Inferno chegou a Aveiro


Número 1 Janeiro/Abril 2013

Bernardo Leite

Presidente Direção

André Neves

Tesoureiro Direção

Arminda Esgueirão

Vice-Presidente Mesa de Assembleia

Ana Freitas

Presidente Conselho Fiscal

Ricardo Neves

Luís Rocha

Secretário Direção

Ana Martelo

Presidente Mesa Assembleia

Filipa Sousa

Secretária Mesa de Assembleia

Tiago Palmela

Relator Conselho Fiscal

Esta Edição Esta primeira edição começa por apresentar um resumo de algumas das atividades e eventos que a A(c)tua Aveiro organizou no decorrer do ano 2012. É ainda apresentado um resumo dos dois maiores eventos realizados desde o início do ano 2013 até esta data. Facultaremos também informação relacionada com alguns dos eventos que a A(c)tua irá organizar num futuro próximo. Contém ainda anúncios publicitários fazendo referência a alguns dos nossos principais parceiros de trabalho. Em cada número teremos sempre um espaço dedicado à divulgação da nossa organização que terá o propósito de dar a conhecer ao leitor quem somos, o que somos, porque existimos e o que nos move. O primeira parte desta edição resume apenas algumas das muitas atividades realizadas pela A(c)tua ao longo do ano 2012. Optámos por destacar o “Inverno Artístico”, o torneio “PokerSueca”, o “Ritmos Ecológicos” e o “Hurbanidades”. Os

leitores mais curiosos poderão encontrar informação referente a outros eventos realizados no site oficial actuaaveiro.com. A secção seguinte apresenta o resumo de duas atividades que decorreram no ano 2013, onde decidimos destacar o “Hard As Hell” e o “1º A(c)tua Animal Benefit”. Apresentamos ainda uma secção com reviews de eventos locais organizados por outras entidades, devidamente reportados e fotografados por associados da Actua que têm vindo a desenvolver os seus trabalhos enquanto freelancers. Esperamos conseguir proporcionar uma experiência agradável ao leitor.

Secretário Conselho Fiscal

4

www.actuaaveiro.com


Staff

Índice A(c)tua

4

Quem Somos

6

1º A(c)Tua Animal Benefit

8

Resumo 2011/2012

10-11

Hard as Hell

13

Em Aveiro ...

14-16

Agenda Cultural

www.actuaaveiro.com

17

Direção

Ana Martelo Bernardo Leite Equipa Criativa Ana Martelo Bernardo Leite Tiago Ferreira Fotografia Ana Martelo Cátia Teodoro Colaborações Nuno Fangueiro (fotografia) Sara Fidalgo (texto) Agradecimento Especial João Costa

5


Quem somos? Associação Actua Aveiro

A Associação A(c)tua Aveiro é um projeto sem fins lucrativos, proveniente de várias colaborações entre diversas entidades anónimas e indivíduos interessados numa melhor divulgação dos artistas amadores portugueses, com especial destaque para o distrito de Aveiro. Numa tentativa de colmatar algumas necessidades culturais, ambientais, recreativas e desportivas, decidimos criar a Associação A(c)tua Aveiro, partindo do princípio que, ao criar um projeto sólido e unindo forças, teremos mais oportunidades, mais apoios e mais facilmente nos faremos ouvir. Esta é uma forma de alertar e suscitar maior interesse na sociedade envolvente, focando-nos essencialmente nos jovens, para que estes tomem iniciativa e recorram a melhores práticas que possam, a longo prazo, mudar o seu estilo de vida. A(c)tua significa ação, dinamismo, jovialidade, sentimento, criatividade. São palavras simples mas bastante intensas. Estas palavras caracterizam um grupo de jovens que não perde tempo com coisas vãs, que preferem ocupar os seus tempos livres com aquilo que de mais bonito, enfeita as nossas vidas, a Arte e a Cultura. Esta associação permite dar asas à imaginação de todos aqueles que gostam de criar novas coisas, permite dar espaço a quem, de alguma forma, faz Arte.

6

A A(c)tua está recetiva a novas ideias, iniciativas e projetos de âmbito cultural, recreativo e desportivo. A missão desta organização passa pela promoção sociocultural, através do fomento da prática artística e pedagógica e do desenvolvimento das novas tecnologias da comunicação e da informação, bem como a promoção de eventos desportivos e recreativos. Numa perspectiva mais ambiciosa, a A(c)tua Aveiro pretende percorrer os melhores caminhos e desenvolver o seu trabalho, aumentando o número de associados e enriquecendo o seu portefólio de atividades para que venha a ser reconhecida como uma plataforma de referência para os jovens se lançarem no mercado de trabalho com maior facilidade e reconhecimento. Na nossa página oficial, poderá encontrar sempre os conteúdos mais atuais relativos à Associação A(c)tua Aveiro. No entanto, aconselhamos a sua subscrição na nossa página do Facebook para que possa estar em constante contacto connosco. Na eventualidade de persistir alguma dúvida que pretenda ver esclarecida, por favor, não hesite em contactar-nos.

www.actuaaveiro.com


Pr贸ximos Eventos


Atividades

1º A(c)tua Animal Benefit Um sentido de gratidão... O mês de Março, além do Hard As Hell, ficou também marcado por uma atividade que mobilizou os núcleos ambiental e performativo da Actua Aveiro. No dia 23 deste mês, realizou-se um concerto de angariação de fundos para a Pravi Aveiro, contando com a boa vontade de todo o staff que se disponibilizou para trabalhar e ainda com as bandas Modo Mudo, Doh!Down (agora com o nome Bone Drill), Primal Core e Estado de Sítio que também se disponibilizaram para vir apresentar os seus trabalhos gratuitamente.

“Modo Mudo, Doh!Down (agora com o nome Bone Drill), Primal Core e Estado de Sítio”

Desta forma, todo o dinheiro angariado na bilheteira reverteu inteiramente para a Pravi. Aproveitamos este espaço para agradecer, não só às bandas e ao staff, mas também à Associação Académica da Universidade de Aveiro por nos ter disponibilizado o seu auditório e equipamento de som sem quaisquer custos e ainda a todas as pessoas que marcaram presença e mostratam estar solidárias com esta causa, deixando donativos superiores ao valor do bi -lhete e sacos de alimentos para os nossos amigos de quatro patas.

Os concertos tiveram início com os Modo Mudo, que até improvisaram uma introdução relacionada com os animais. Mais um grande concerto desta banda que já nos habituou a prestações de grande qualidade. Seguiram-se os Doh!Down que mostraram a fibra de que são feitos com os seus riffs de rock and roll e toda a energia do seu ‘frontman’. A sonoridade ficou mais pesada com a entrada dos Primal Core que surpreenderam o público com uma melhoria significativa da qualidade dos seus concertos. Breakdowns poderosos, carregados de groove, foram o prato principal da ementa destes rapazes.

“surpreenderam o

público com uma melhoria significativa da qualidade dos seus concertos”

Finalmente, os Estado de Sítio voltaram a tocar em Aveiro, após um longo período de intervalo. 8

Para quem já conhece esta banda que muito tem representado o distrito de Aveiro ao longo do país nos últimos anos, não é preciso utilizar muitas palavras para descrever a forma como se apresentaram.

Irreverentes, energéticos, contagiantes e preparados para espalhar o caos na plateia. Fiquem atentos, pois estamos a ponderar realizar mais angariações deste género até ao final do ano 2013. A crise faz-se sentir em todo o lado e esta não nos afeta só a nós enquanto indivíduos, mas também instituições como esta (Pravi Aveiro) que cuidam de centenas de amigos de quatro patas e que precisam do nosso apoio para poder darlhes um mínimo de condições. www.actuaaveiro.com


Parceiros


Atividades

Resumo 2011 / 2012 Algumas das atividades realizadas ...

Hurbanidades

Os prémios foram atribuidos aos fotógrafos Miguel Afonso, Mia O projeto Hurbanidades foi desen- Lavernne, Raquel Leite, Ana volvido pela aluna Beatriz Santos Fernandes e Cíntia Marques. no âmbito do curso Técnico de Organização de Eventos da Escola Profissional de Aveiro, sendo tutoriado pelo presidente da A(c) tua. Desta forma foi criada uma oportunidade para fotógrafos amadores exporem os seus trabalhos ligados ao tema “degradação da sociedade”. Através dos trabalhos pretendeu-se sensibilizar o público expondo os problemas da sociedade atual, demonstrando as disparidades sociais existentes. Os trabalhos foram expostos na Casa da Juventude de Aveiro, no Perlimpimpim, no Mercado Negro e finalmente, no Fórum Aveiro (apenas os trabalhos mais votados) em forma de concurso sendo que a seleção dos melhores trabalhos, aos quais foram atribuídos vários prémios, ficou ao encargo de um júri devidamente qualificado. Com esta exposição foi possível alertar de uma forma artística para uma realidade que se vive nos dias de hoje sensibilizando o público e, simultaneamente, permitindo que artistas amadores tivessem possibilidade de expor os seus trabalhos perante a população aveirense. 10

(Associação de Proteção de Animais Vítimas de Maus Tratos). Assim, pelas 21:30 horas deu-se início ao espetáculo com um pequeno discurso por parte do presidente da associação. Começou-se por chamar ao palco a representante da Ritmos - Academia Gimnodesportiva, que deu a conhecer as várias modalidades gímnicas de que dispõem e houve uma pequena apresentação dos estilos de dança que iriam ali representar. Foi então que atuaram as pequenas ginastas da Ritmos – Academia Gimnodesportiva, com a modalidade ginástica rítmica. De seguida, foi chamado ao palco o representante da Casa do Povo da Gafanha da Nazaré, que apresentou as várias áreas desportivas que esta instituição oferece, passando-se então à atuação de dança contemporânea realizada pelos jovens da Casa do Povo.

Ritmos Ecológicos O Ritmos Ecológicos tratou-se de um evento que conjugou a dança com a sensibilização ecológica e ambiental. Este espetáculo aconteceu no dia 28 de Abril de 2012 e teve lugar no salão paroquial da Gafanha da Nazaré onde também esteve presente a Pravi Prosseguiu-se com a atuação de www.actuaaveiro.com


Ana Freitas e Mário Gonçalves, com as danças de salão, na modalidade Jive. Mais tarde, voltaram ao palco as ginastas da Ritmos – Academia Gimnodesportiva, desta vez com a modalidade de dança livre. Para finalizar a primeira parte deste espetáculo, atuaram as ginastas da Casa do Povo da Gafanha da Nazaré, com a modalidade ginástica rítmica. A segunda parte iniciou-se com a atuação da bailarina Dirce Russo, com uma performance de Ballet. De seguida contámos com a participação do grupo de dança Rythm and Dance que se apresentou na modalidade de hip hop. Por fim, voltaram ao palco os dançarinos Ana Freitas e Mário Gonçalves, desta vez com a modalidade “cha cha cha”. Finalizando assim o espetáculo, com todos os agradecimentos feitos, por volta das 23:30 horas. de

do com uma garrafa de espumante, o segundo com uma garrafa de vinho tinto e o terceiro com dois baralhos de cartas. É de frisar que para este evento tivemos o enorme apoio do bar N6, que nos disponibilizou o espaço para a realização do evento e nos presentou com alguns dos prémios a atribuir aos vencedores do torneio. A equipa que se classificou em primeiro lugar era composta por Filipe Teixeira e Gabriel Fleury, seguindo-se a dupla Vina Ferreira e Cátia Teodoro e finalmente, a dupla Bernardo Leite e Cristiano Trindade.

Nazaré apresentou um live act de pintura com alguns dos seus alunos numa sala do Perlimpimpim e às 17:00 horas ocorreu a atuação da banda de covers Prólogo.

Inverno Artístico

Torneio de Sueca – PokerSueca No dia 24 de Março de 2012 por volta das 15:00 horas realizou-se um torneio de sueca no bar N6 da Gafanha da Nazaré. Este torneio teve a participação de várias equipas, que foram escolhidas para se confrontar de forma aleatória. Após as eliminatórias ficaram puradas as equipas que seguiram para a meia final e por volta das 17:00 horas foram eleitas as duas melhores equipas que seguiram de imediato para mais uma partida. Depois de finalizada a partida deu-se a entrega dos prémios, sendo o primeiro lugar premiawww.actuaaveiro.com

O Inverno Artístico teve como principal temática a arte no seu todo, relacionada com o tema “o frio”. Este evento decorreu nos dias 3 e 4 de Março de 2012, no Perlimpimpim, na Praia da Vagueira. A principal intenção era dar a conhecer trabalhos e artistas que não têm a possibilidade de singrar, oferecendo alguma projeção aos seus trabalhos. O projeto englobou várias artes, passando pela música, pintura, dança, recitação de poemas, exposição audiovisual, entre outras e todas elas ligadas ao tema “o frio”. Este projeto foi dividido em duas fases: sendo feito primeiramente um apelo à participação e posteriormente a apresentação dos trabalhos após a realização de uma pré-seleção. A exposição dos trabalhos selecionados foi posteriormente alargada até ao dia 8 de Março, embora já sem a área de música e vídeo. Durante a tarde do dia 3 a Oficina de Artes da Gafanha da

Com início as 22:00 horas, Ana Freitas e Mário Gonçalves apresentaram duas danças cuja criação teve por base dois textos selecionados para a exposição na área de Literatura. As duas músicas que acompanharam a dança incluíam a gravação dos textos por Maria João Jorge. Intercalando com a dança, Otília Pedrosa recitou três dos poemas expostos. Na noite do dia 4, Maria João Jorge e Luís Rocha apresentaram uma performance de covers musicais. Como se tratou de uma atuação informal os elementos do público tiveram assim a oportunidade de participar tocando algum instrumento ou cantando. Neste projeto não existiu um prémio físico. Apenas foi criado um certificado de participação para entregar aos participantes. O fato de os trabalhos se encontrarem expostos, logo, divulgados e apreciados pelo público, terá sido reconhecido como um prémio. 11


Parceiros


Hard as Hell

Atividades

O Inferno em Aveiro!

O mês de Março começou em força em Aveiro com o Hard As Hell, evento protagonizado pela Associação A(c)tua Aveiro no Bar do Estudante da Universidade de Aveiro. Em colaboração com outras entidades, a A(c)tua Aveiro apresentou uma proposta arrojada para os amantes da música underground, com um cartaz repleto de grandes bandas como For The Glory ou Hills Have Eyes e ainda a dupla Union Sounds no after party. Há muito que esta associação vem desenvolvendo esforços para melhorar o circuíto da música underground na zona de Aveiro e o Hard As Hell foi mais uma demonstração daquilo que estes jovens podem fazer se lhes forem fornecidas as condições necessárias. O Hard As Hell teve início com os Destruction Eve, banda de punk composta por 3 jovens oriundos do Porto. Os motores começaram realmente a aquecer com os Motim, banda da casa e uma presença já habitual nestes cartazes em Aveiro. Com a casa já composta, os Ash Is A Robot, provenientes de Setúbal, soltaram toda a sua energia em palco numa atuação fantástica, mostrando pela primeira vez nesta www.actuaaveiro.com

cidade a sonoridade que os tem vindo a destacar no seu ainda curto trajeto, repleta de influências de post-hardcore e que em muito difere das restantes bandas que têm surgido ao longo do país. Com um clima infernal já instalado na casa, foi a vez de We Ride, formação oriunda de Espanha que apresenta riffs de hardcore poderosos, mostrar toda a sua fibra com a pequena Mimi, vocalista da banda, a dominar todas as atenções do público presente.

Seguiram-se as duas bandas mais aguardadas da noite, For The Flory e Hills Have Eyes, que marcaram presença pela primeira vez em Aveiro, apesar do longo percurso que ambas sustentam. A primeira delas, For The Glory, foi responsável pela maior prestação da noite, fazendo o público soltar toda a sua energia e gerando um verdadeiro caos, ou não fossem eles o expoente máximo do hardcore nacional. Um concerto explosivo e repleto de mensagens interventivas, bem à imagem deste conjunto lisboeta. Já os Hills Have Eyes não podiam deixar de carimbar a sua passagem pela cidade dos ovos moles sem mostrarem o motivo que os leva a serem considerados uma das bandas sensação no panorama underground nacional. Que o digam os fãs que literalmente se atropelaram para tentar chegar perto do vocalista enquanto tocavam algumas das suas músicas mais conhecidas, como o mais recente tema, ‘Strangers’. A noite ainda seguiu, mas apenas para os mais resistentes, com a dupla Union Sounds a fazer o after party com uma boa dose de dubstep e drum and bass. 13


Exterior A(c)Tua

Em Aveiro ... Em colaboração com artistas de Aveiro ... SUPERNADA @ CCI No passado dia 25 de janeiro, o Centro Cultural de Ílhavo recebeu uma das grandes bandas nacionais, Supernada! Não se sabe exatamente o motivo que levou o espaço a não ficar completo, ficando a faltar quase metade das cadeiras por preencher, porém os presentes fizeram questão de mostrar o apreço e a qualidade musical que a banda por ali vinha demonstrar. Nos primeiros minutos, assim que as luzes se apagaram, o silêncio imediatamente se instalou, sendo apenas interrompido pela chegada ao palco da banda, com o seu incontornável líder Manel Cruz a ser a grande figura do momento e que mais tarde se percebia que seria de toda a noite. O espetáculo começou relativamente tímido, pouco intenso, o que por momentos despertou algum desconforto nos fãs mais ávidos, porém rapidamente a promessa de um grande espetáculo se fez ouvir com o abuso das baterias, das batidas aleatórias e improvisadas e ainda da personificação de cada tema no corpo de Manel Cruz que se denotava a cada nota musical. O espetáculo avançou, a energia apareceu e a banda começou a ficar ao seu melhor estilo, passando por “Espuma”, “Manhã de Cinzas”, “Estética da

14

Ética” e “Isto não é nada”, o público ia seguindo ao pormenor todos os temas, recebendo sempre uma chuvada de palmas no fim de cada um. Com o avanço para o final do espetáculo, os jovens e fãs que se encontravam sentados junto ao palco, rapidamente se mexiam energicamente na expectativa de ter algum tipo de contacto com a banda, nomeadamente com o seu vocalista energético Manel Cruz. Um desses jovens acabou por ter a sorte de chegar ao palco, ver o seu bilhete autografado e outra jovem de tenra idade acabou mesmo por tirar uma fotografia durante o espetáculo com o mesmo. Com a chegada ao fim, a banda agradece todo o acolhimento do público, toda a energia e acima de tudo a presença de metade da sala. Saíram do palco mas foram ovacionados de pé, com uma chuvada de palmas e pés a bater no chão na expectativa de um encore especial. Depois da banda regressar, foi possível fazer uma espécie de viagem cronológica pela história da banda, com “Nova Estrela”, “Invisível Mundo”, “Sol Vermelho” e “Tudo Importa”.

Miguel Ângelo @ CCI A noite fria de sábado à noite fazia prever que nem todos os entusiastas da música de Miguel Angelo e companhia saíssem de casa e caminhassem pelo vento glacial até ao concerto do ex-vocalista dos Delfins no Centro Cultural de Ílhavo. Prometido para as 22h00, o espetáculo começou sem atrasos, embora a sala de espetáculos tivesse casa meia cheia.

Miguel Angelo entra em palco e a sua guitarra acústica abre o alinhamento com o tema Boa Noite, recebido com tímidos aplausos das mãos enregeladas do público, cujo coração continuava por aquecer. Mas o entusiasmo da plateia não demorou muito tempo www.actuaaveiro.com


a ser ouvido, logo após a mensagem de boas vindas oriunda do palco. Precioso foi o segundo tema do alinhamento, com as vozes que batiam nas paredes da sala do CCI a entoarem “É o amor, precioso”. De notar que a voz de Miguel Angelo se mantém inconfundível, com aquele arrastar da última sílaba que nos prende ao passado e que nos mostra um otimismo que só ele sabe cantar. Boa Onda foi, então, iniciada com um jogo de luz suave, ritmado e alternado entre sombras e contraluz (nunca antes tínhamos visto um técnico de luzes tão entusiasmado e apaixonado pela tarefa que desempenhava – em frente àquela mesa de programação dançava-se, batia-se o pé e moviam-se braços, e que admirável que era!). Seguiu-se Fica aqui comigo, com o violino de Dalila Marques a soar a romance. Entre os temas do “Primeiro” álbum pós-Delfins, apareceram os inevitáveis e apetecíveis clássicos dos 25 anos de carreira de uma das mais bem sucedidas bandas portuguesas: a Não vou ficar seguiu-se Num sonho teu – uma combinação ao vivo que funciona em parelha desde 1997. A voz do público ganhou, finalmente, corpo. Ainda no revival dos anos 90, foi-se buscar ao baú o tema Só eu te posso ajudar, feito de encomenda para o filme “Zona J”, de Leonel Vieira. A performance mais intimista do espetáculo conduziu a Sim, onde o músico ensinou os versos chave da “canção mais simples do www.actuaaveiro.com

álbum”. Sobre a palavra assertiva, comentou “Quando perguntaram ao John Lennon por que é que se tinha apaixonado pela Yoko Ono, lembro-me que a resposta dele falava sobre uma exposição da Yoko, em que tudo era branco e onde numa das salas havia apenas um escadote e uma lupa pendurada no teto, ao qual as pessoas subiam. Ao olharem pela lupa em direção a um pequeno ponto, liam a palavra ‘sim’… Tão simples quanto isso. E depois já sabemos onde a história foi dar”, arrancando um sorriso coletivo da cara dos ilhavenses e conterrâneos.

que usa para tocar e comandar Mareou, ato a que muitos responderam com entusiasmo e com um expectável “modernices”. O ponto alto da noite aconteceu ao som de Um Lugar ao Sol, com Sou como um rio, logo a seguir, a fazer soltar palmas, agora com o coração nas mãos, com as memórias a latejar na cabeça e com os primeiros passos de dança assumidos. O concerto termina com À Espera e com uma consequente ovação em pé, que começou ainda os músicos não tinham dado descanso aos seus instrumentos.

“fazer soltar palmas, agora com o coração nas mãos” O pedido de encore foi irresistível e, para o regresso a palco, foi escolhida Casa dos Sonhos, uma das mais belas canções de “Primeiro”, com um violino a arrancar, sublimemente, cada recordação. Com Aquele Inverno foi tempo de introduzir a fase introspetiva do concerto, com a lembrança de que, “às vezes, os portugueses têm problemas em lidar com o passado presente”, e com o revisitar das inspirações por detrás deste clássico dos Delfins – uma visão individual dos músicos sobre a Guerra Colonial. Para cortar o espírito saudosista, Rui Fadigas deixa a sua postura reservada e puxa de um iphone

“Voltámos às canções dos anos 90 e esta é para cantarem connosco – não pode ser só o Grândola Vila Morena” foi a introdução a Nasce Selvagem que, com a sua carga histórica e querida dos portugueses, adiantou o final de uma noite preciosa na cidade de Ílhavo. Precioso foi o despedir de mais um espetáculo da digressão a solo (mas bem acompanhado) de um dos eternos músicos da pop feita em Portugal. 15


There Must Be a Place @ CCGN Foi em dias de verão que duas talentosas bandas, conversaram a vontade de levar o calor e algo único, mais perto do público português. There Must be a Place juntou amigos de longa data e colegas de carreira musical, vindos do grande Porto – Best Youth, o dinamic duo de Ed Gonçalves e Catarina Salinas; We Trust, o projeto do mestre André Tentúgal.

A sala de teto vermelho e cadeiras beges, cobriu-se de tons friorentos, prontos para se deixarem aquecer com as (merecidas) palmas e momentos de dança, que estavam para vir. Sem mais demoras, a bateria de Nuno Sarafa entra numa introdução que puxou a banda, um a um, até ao palco. André Tentúgal faz as honras da casa com “Waiting”, o nono tema do alinhamento do seu trabalho em estúdio. Catarina Salinas, a Kate dos BY, entra em cena, com todo o seu carisma e voz nasalada, à qual se junta um instrumental intimista. “Wait for me”, de “Winterlies”, soa a amor e ao que ele obriga. Se Iggy Pop e Mick Jagger estivessem na plateia, sentir-se-iam inspirados para toda a vida, tudo porque a postura dançante de Catarina tem tanto de charme, como o seu batom vermelho. Segue-se “Too kind to mind”, o tema que me fez soltar emocionadas palmas descoordenadas, em confronto com uma plateia bem mais competente. Ouve-se “Freedom Bound”, onde um solo saído de uma les paul 16

branca, tocada por Ed, nos faz viajar por uma road trip sem fim. “Nice face” traz de novo ao palco, a aura Best Youth, com Ed e Catarina como personagens principais de uma narrativa de afeto musical, com as interjeições do costume – os ‘uuh’ que arrepiam os cabelos dos recém apaixonados. “Shouts” guardava em si, dinâmicas que revisitavam o sucesso da inconfundível Róisín Murphy, ainda com os Moloko, em “The Time is Now”. Ainda dentro do tom, reconhece-se a letra da canção

que Stevie Nicks eternizou, “Dreams” dos Fleetwood Mac, e os sorrisos, vêm-se à distância. “Este é o momento para ligarem a alguém especial ou darem a mão à vossa pessoa…mas vejam lá a quem dão a mão” antecedeu o love is in the air característico de “Them Lies” – que é como quem diz, o “momento Miminho” (segundo Catarina). A mística eletrónica chega perto do público com “Hang Out”, um dos mais aclamados temas made in Best Youth, com um baixo (de Fernando Sousa) de notas fortes, uma guitarra que canta e um trabalho de teclas, a cargo de Sofia Ribeiro, que nos soa a esperança. Sem intervalos, canta-se a pares, Ed+Kate e André+Sofia = “Playground Love”, o original dos Air; mesmo sem Sofia Coppola a assistir, o cenário naquela sala, era perfeito.

O público dançava sentado nas cadeiras mas alguns mais corajosos responderam ao impulso e levantaram-se. A emoção saltava entre o palco e os pezinhos de dança. O vocalista agarrou o momento e pediu para que todos fingissem fazer parte de um coro de Gospel, no acompanhamento de “Surrender”.

“de uma narrativa de afeto musical”

No regresso ao palco, ainda se cantava o refrão de Surrender. “When all the lights are down”, faz aparecer uma melódica que nos conta uma história de embalar. “Esta é mesmo a última!” – afirmação agridoce do frontman We Trust à qual Catarina acrescentou “Se quiserem sair dos lugares e vir curtir connosco, ainda mais…”, que levantou o público de uma vez por todas e a festa passou para cima das tábuas, ao lado do ensemble de músicos. Gritava-se de pulmões cheios “Façam mais um CD” e as palmas faziam a comemoração de uma noite que a Gafanha da Nazaré não (via e) ouvia há demasiado tempo. Próxima paragem: 30 de março na Figueira da Foz; marca a última data dos músicos como There Must be a Place.

“este é o momento para ligarem a alguém especial” www.actuaaveiro.com


Agenda Cultural Maio

Junho

Julho

Dia 10 - Aurea Teatro Aveirense Música

Dia 01 - Deolinda Teatro Aveirense Música Dia 07 - Ritmos Humanos C.C. Gaf. Nazaré Dança Dia 10 - Al Di Meola Teatro Aveirense Música Dia 15 - JIM C.C. Ílhavo Dança Dia 23 - Cou Cou C.C. Ílhavo Teatro

Dia 05/06 - Europa 2020 Univ. Aveiro Conferência

Dia 11 - Gerson

Baptista

Perlimpimpim Música

Dia 12 - Cuca Roseta Teatro Aveirense Música

Dia 18 - TedXYouth Aveiro Univ. Aveiro Conferência Dia 17 - Magna Tuna

Cartola

Teatro Aveirense Música Dia 18 - Patricia Barber Teatro Aveirense Música Dia 18 - TedX Aveiro Univ. Aveiro Conferência Dia 21 - Presságios

Dia 12/19 - Semana Jovem Município Ílhavo Vários Dia 20 - Guru Teatro Aveirense Teatro Dia 27 - As Bodas de Fígaro Teatro Aveirense Música

Dia 28 - Cristina Branco C.C. Ílhavo Música

Dia 29 - A(c)tua Fest II Bar do Estudante Música

Dia 29/30 - 24h GDG Pav. GDG Desporto

para um Mundo Novo Aveiro

Nova Acrópole Conferência

Dia 24 - AguArdente @ PT Bar do Estudante Música Dia 25 - Concurso Ban-

das de Garagem C.C. Ílhavo Música

www.actuaaveiro.com

17


Associação Actua Aveiro www.actuaaveiro.com www.facebook.com/AssociacaoActuaAveiro www.youtube.com/actuaaveiro actua.aveiro@gmail.com Próximas Reuniões 12 Julho - Sexta-Feira 11 Outubro - Sexta-Feira Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré

Junta-te a nós !


Revista Associação Actua Aveiro # 1