Issuu on Google+

ANA CAROLINA

PRADO


Ana Carolina Prado Portfólio 2017

Ana Carolina de Albuquerque Prado

Brasileira 28 de Março de 1995, Rio de Janeiro, Brasil Contato nanaalbuquerqueprado@hotmail.com Av. Sernambetiba, 3300, bl.6/1205 +55 21 99530-3304 Zip 22630-010 Habilidades SketchUp

Illustrator

Photoshop

Microsoft Office

AutoCAD

InDesign

Educação 2000 – 2012

Colégio Santa Marcelina, Rio de Janeiro

2013 – Atual

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-RIO Escola de Arquitetura e Urbanismo

Línguas Português Inglês Espanhol

Língua Nativa Nível Proficiente – Formada pela Cultura Inglesa em 2011, Certificado PET Cambridge 2006 Nível Proficiente – Fluência total na língua escrita e falada (filha de pai latino americano)

Acadêmico 2014

Monitora da disciplina desenho de arquitetura

2015

Monitora da disciplina de projeto para o 3º período

02 de 24


Ana Carolina Prado Portfรณlio 2017

03 de 37


Ana Carolina Prado Portfólio 2017

01 Varandas 238

Projeto Residencial Puc Rio – 2016.2 O varandas 238 está localizado no porto do Rio de Janeiro, nas proximidades residenciais e, futuramente, comerciais da região. Desta forma, o desenvolvimento do projeto teve como diretriz inicial a harmonia com o entorno, Estando em constante crescimento, os elevados gabaritos das novas edificações não podem ser ignorados; Assim, o terreno funciona como uma transição entre a tipologia residencial única dos sobrados e as grandes torres sendo erguidas. Acompanhando a futura ascensão dos gabaritos da região, foram criados dois módulos base de 3 pavimentos cada, onde as três tipologias existentes são dispostas de maneira a permitir que os pavimentos e apartamentos ganhem diferentes configurações em suas áreas externas, sendo elas públicas ou privadas. A partir desta com figuração proposta, alguns módulos do térreo foram designados ao comércio voltado para a praça central e os rebaixos (Áreas de repouso e esquinas), a fim de atrair e potencializar a passagem por dentro do terreno. Dessa forma, as passagens criadas seguem os principais fluxos existentes, conectando, através do terreno, os moradores da Rua Conselheiro Zacarias e da Gamboa ao teleférico do Morro da Providência, que da acesso à estação da central.

05 de 37


Ana Carolina Prado Portfรณlio 2017

03 de 37


Ana Carolina Prado Portfólio 2017

02 RESIDENCIAL ENGENHO DE DENTRO Projeto Residencial Puc Rio – 2016.2 Localizado no bairro de Engenho de dentro – Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro - o edifício é caracterizado por agrupar diferentes tipologias habitacionais, proporcionando a este desde unidades mínimas –33m² á unidades maiores – 75m². Além disso, este foi projetado para que suas áreas de convívio e circulação usufruíssem iluminação natural e ventilação cruzada iluminação natural. A partir desses pontos foram utilizados recursos, tais como recuos nas fachadas e o não fechamento de aberturas - criando espaços de convívio nos próprios andares- que permitissem levar a áreas mais internas da edificação tais elementos. Seguindo a ideia de variação de tipologias nos apartamentos, o projeto cria nas unidades de numero 2 varandas reentrantes, dando a cada um deles uma característica própria e fazendo a área útil de cada um ser modificada. Na fachadas, foram utilizados revestimentos de madeira tanto no térreo como no coroamento; Já nos demais pavimentos, são usados tijolos de concreto como alvenaria, e estes aparecem na própria fachada, assim como as vigas de concreto, que aparecem circundando a edificação, delimitando os pavimentos.

05 de 37


Ana Carolina Prado Portfรณlio 2017

06 de 37


Ana Carolina Prado Portfólio 2017

VARANDAS

1° PAVIMENTO - Unidade 2

2° PAVIMENTO - Unidade 2

3° PAVIMENTO - Unidade 2

4° PAVIMENTO - Unidade 2

- Total: 66,27 m² - Varanda: 7,68 m² - Total útil: 58,8 m²

- Total: - Varanda: - Total útil:

-

- Total: 78,00 m² - Varanda: 7,68 m² - Total útil: 69,82 m²

66,27 m² 8,41 m² 57,8 m²

Total: 66,27 m² - Varanda: 9,9 m² - Total útil: 56,2 m² 07 de 37


Ana Carolina Prado Portfรณlio 2017

08 de 37


Ana Carolina Prado Portfólio 2017

03 COMPLEXO CATETE

Projeto Revitalização - Reutilização Puc Rio – 2015.2

Caracterizado por ser um bairro histórico, o Catete possui uma arquitetura única repleta de sobrados que, atualmente, são usados por comércios variados de serviços. Observando estas caracteristicas e, principalmente as carências do bairro, o intuito do projeto voltou-se para a questão da criação de um espaço de convivio, cultura e lazer. Desta forma, a idéia seria criar um complexo que englobasse livrarias, espaços para filmes e peças, bares e lojas como papelarias que pudesse suprir as necessidades do bairro como um todo. Em relação ao terreno, foram escolhidos dois sobrados na Rua do Catete que, apesar de não estarem lado a lado, possuem uma conexão pela área externa que facilita a conexão entre eles. Com isto, o uso dos dois terrenos cria um grande unico sobrado em forma de U que interliga as diversas atividades.

09de 37


Ana Carolina Prado Portfรณlio 2015

MรšSICA E FILMES

LOUNGE E LEITURA INFANTIL BANHEIROS E ADM LIVRARIA E BAR PAPELARIA


Ana Carolina Prado Portfรณlio 2017


Ana Carolina Prado Portfรณlio 2017


Ana Carolina Prado Portfรณlio 2015 DEMOLIDO

CONSTRUรDO


Ana Carolina Prado Portfรณlio 2017

14 de 37


Ana Carolina Prado Portfรณlio 2017

15 de 37


Ana Carolina Prado Portfรณlio 2017

16 de 37


Ana Carolina Prado Portfólio 2017

04 PROJETO GALERIA DE ARTE + 3 ATELIÊS Projeto Espaço de Trabalho Puc Rio – 2014.2

Com terreno situado na Rua sete de setembro, em pleno Centro da cidade do Rio de Janeiro, o projeto foi pensado a partir de uma ideia inicial que visava abrigar os diversos programas – como galerias de arte, restaurantes, mídias e toda a parte administrativa- de maneira organizada, sendo capaz de criar espaços livres no terreno para diferentes usos (convívio, exposições, pequenas lojas e cafés). Desta forma, a verticalização tornou-se o partido. Além de remeter a outras áreas do centro da cidade cuja esta “arquitetura vertical” é significativamente presente, a criação da torre é capaz de organizar logicamente um espaço, além de liberar o térreo para uma maior circulação e criar uma significante relação entre a edificação e quem a visita. Contudo, o projeto teve grande preocupação em abrigar os ateliês de forma a criar um contato imediato com o espaço público mantendo também a privacidade necessária e, assim, favorecer um melhor acesso aos artistas que nele trabalham. Projetou-se então um rebaixamento de 1.5m em relação á rua para todo o terreno. Nele, estariam dispostos os ateliês na fachada voltada a Sete de Setembro - ocupando o espaço rebaixado e subindo mais 2,5 metros em relação á rua – E uma praça ainda rebaixada que tomaria a outra fachada, criando assim, áreas de convívio que tornariam o ambiente um excelente local para se estar.

Outro ponto a ser explorado é o fato deste rebaixamento, a rua e a laje dos ateliês estarem interligados por rampas confortáveis que criariam uma nova topografia ao local. Topografia esta que não se contrapões a torre, já que esta tem seu único acesso localizado na praça rebaixada, sendo imprescindível a vivencia da praça por quem visitar as galerias e outros programas distribuídos na edificação. Voltando a torre, outra preocupação foi a de não criar uma construção que fosse pouco explorada pelo público; Por isto, a organização dos espaços não limita aos primeiros pavimentos ou aos últimos á serem os espaços públicos, os programas estão devidamente posicionados pelos pavimentos de forma possibilitar a vivência e a experiência vertical. Além disso, dois terraços intercalam os programas rompendo o ritmo predial. Estes servem como respiro para quem visita a edificação já que os espaços trazem a cidade para dentro da torre. Por fugir do padrão construtivo do local, a edificação torna-se como um farol, um ponto e referência. Do interior, o publico vê a cidade, e do exterior isto também acontece. A construção foi projetada para ver e ser vista, de modo a emoldurar e exibir os detalhes da vida interna das galerias e dos outros programas. Essa exposição dos espaços cria uma conexão entre a cidade e o prédio, fortalecendo ainda mais a ideia de rompimento do ritmo criado pelos terraços. Sendo assim, os espaços internos e externos tornam-se extensões uns dos outros.

17 de 37


Ana Carolina Prado Portfólio 2017

Planta Baixa Térreo

Planta Baixa 2º Pavimento

18 de 37

Planta Baixa 1º Pavimento

Planta Baixa 3º Pavimento


Ana Carolina Prado Portfólio 2015

Seguindo a lógica de organização espacial citada, foi criado um núcleo rígido central, que percorre a construção verticalmente por inteiro. É nele que estaa circulação total da torre e, também,é nele que se apoiam os esforços dos grandes balanços existentes na construção. Sendo assim, este core torna-se o ponto principal em termos de estruturação e condução dos fluxos.

19 de 37



Portfólio 2017 1