Issuu on Google+

portf贸lio | fa utl | 2006-2011


ÍNDICE

3

CURRICULUM VITAE

4

SEDE DO CLUBE DOS POETAS MORTOS Pólo Universitário da Ajuda, Lisboa 2007

12

PROTÓTIPOS HABITACIONAIS Calçada da Ajuda, Lisboa 2008

20

MEECA - Museu da Energia e Espaço de Criação Artística Sant Adrià, Barcelona 2009

32

NO RULES, GREAT SPOT Praça de Lisboa, Porto 2011

36

CLUSTER URBANO NA ZONA RIBEIRINHA DE BELÉM Rua da Junqueira, Lisboa 2010-2011

46

PARIS MARKETLAB Saint-Germain, Paris 2012


ANA SOFIA RIBEIRO AMADOR

Informação Pessoal

Dat.Nasc:

07-02-1988

Telefone: E-mail:

+351 968 613 765 anasamador@gmail.com

Website:

www.cargocollective.com/anasofiaamador

Académico

2011

Conclusão do Mestrado-Integrado em Arquitectura (FA-UTL) Projecto e Tese Final de Mestrado “Inversões Espaciais; Percusos multipolar(es) através da Cidade e da Casa”, Orientada por Arq. Nuno Mateus e Prof Marieta Dá Mesquita

2009

Erasmus na Escola Tècnica Superior d’Arquitectura del Vallès (ETSAV) da Universidad Politécnica da Catalunya, Barcelona

2006

Inicio da Licenciatura em Arquitectura na Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa (FA-UTL)

Concursos

2012

Finalista no concurso internacional do Archmedium Paris MarketLab

2011

Projecto Final selecionado para representar a FA-UTL no prémio Secil Universidades 2011

2011

Finalista no Concurso de ideias “No Rules, Great Spot”, para a Praça de Lisboa, no Porto

2007

Participação no Concurso VELUX, “Light of Tomorrow”

Exposições

2010

Projecto POST-INDUSTRIAL LANDSCAPE, exposto no Centro Civico de Bèsos, Barcelona, durante Fevereiro de 2010

Competências

Informáticas: Linguisticas:

Ambiente Windows, Microsoft Office, Adobe Photoshop, Autodesk Autocad 2D e 3D, Rhinoceros, Sketchup Pro, Artlantis Portugês (nativo), Inglês (Certificate of Proficiency in English) Castelhano (fluente), Francês (básico)

3


Sede do Clube dos Poetas Mortos Pólo Universitário da Ajuda, Lisboa 2007 A proposta apresentada pretende criar uma sede para o “Clube dos Poetas Mortos”, no contexto do Pólo Universitário da Ajuda. O espaço projectado é marcado pela horizontalidade e apoia-se num sistema de circulação em rampas que definem a sua integração com o terreno. As rampas, ligadas à cobertura percorrível, fazem o acesso à entrada principal do edifício, e delimitam um espaço verde de estadia exterior. O espaço interior é atravessado pelo aqueduto preexistente, cuja presença física é assumida na definição e organização da proposta. O programa e a circulação interior encontram-se organizados segundo um páteo central, em torno do qual se distribuem um espaço de recepção, administração e, principalmente, o espaço de convívio e de encontros (a “Gruta”). No exterior, à noite, o sistema vidro fosco que se encontra sob as rampas, acende-se pelo interior, iluminando o caminho para a entrada do edifício e marcando a sua presença.

4


5


6


7


8


9


Protótipos Habitacionais Calçada da Ajuda, Lisboa 2008 A proposta desenvolvida prende-se com a criação de protótipos habitacionais de emergência de 30 m2 aliada à concepção e um sistema estrutural segundo o qual se proceda à sua agregação para utilização. O protótipo apresentado segue um conceito de paredes estruturais que definem o espaço e contêm e dividem funções. Segundo o seu desfasamento, estas paredes organizam o espaço e criam pátios exteriores que prolongam visualmente os limites interiores. A parede principal, central, determina e processa a distribuição da vivência do espaço, separando zonas privadas e de convívio, e contendo em si o sistema funcional do protótipo (equipamentos, instalações, arrumos). O sistema estrutural de agregação, é metálico e marcado pela verticalidade das suas peças, criando, tal como o protótipo, paredes estruturais segundo as quais os prototipos se encaixam. A alternância entre estrutura e protótipos, permite a criação de jardins verticais nos seus intervalos, qualificando o espaço da intervenção.

12 14


13


14


15


16


17


18


19


MEECA - Museu da Energia e Espaço de Criação Artistica Sant Adriá, Barcelona 2009, com Mariana Santana A central térmica de Sant Adrià del Besós, foi construída na década de 70 e hoje prepara-se para encerrar o seu funcionamento, depois de muitos anos a iluminar e a dar vida à cidade de Barcelona. A sua memória industrial, bem como a sua forte identidade arquitectónica, fazem dela um marco na paisagem da cidade, e tornam-na num espaço com potencial para uma redefinição de usos, de modo a dar resposta a novas necessidades e objectivos. Assim, propõe-se para este espaço a criação do Museu da Energia e Espaço de Criação Artística (MEECA). Devido à sua localização periférica, e degradação pelo tempo do edificado, a base conceptual da proposta baseia-se na re-conexão, revitalização e reutilização deste espaço.

20


21


24


25


26


27


28


29


30


31


No Rules, Great Spot Praça de Lisboa, Porto 2011, com Gonçalo Batista, João Varandas, Sandy Henriques e Filipe Louraço A proposta desenvolvida para a Praça de Lisboa, no centro histórico do Porto, tem como objectivo a reabilitação deste espaço público cuja desarticulação com a cidade, levou à sua progressiva degradação e abandono. As estratégias adoptadas pretendem promover uma (re)apropriação da praça no contexto da cidade. A articulação de cotas e a flexibilização do espaço público tencionam potênciar a vivência da praça e possibilitar a realização de diferentes actividades. As infra-estruturas propostas permitem a realização de espectáculos, exposições e reavivar o antigo mercado de rua, e o uso de elementos móveis pretende funcionar enquanto activadores e dinamizadores urbanos.

32


33


Cluster Urbano na Frente Ribeirinha de Belém Rua da Junqueira, Lisboa 2010-2011 A porposta de intervenção para a zona ribeirinha de Belém, pretende consolidar, definir e atribuir uma nova vida urbana a esta zona privilegiada da cidade, que une o Novo Museu do Coches e a Cordoaria Nacional. A proposta de requalificação do espaço urbano, privilegiou acima de tudo a proximidade e a densidade, e teve como elemento central a exploração do conceito de cluster, enquanto elemento agregador de diferentes actividades e realidades socias. Tentou-se promover dessa forma a aproximação de diferentes espaços funcionais da cidade e recuperação de uma lógica de aproximação entre a vivência urbana e doméstica. O projecto resultante, foi a criação de uma espacialidade sensorial de contrastes que combina o novo ao histórico e o desenvolvimento de uma urbanidade sustentável com base na inversão de alguns dos paradigmas actuais quer da casa quer da cidade.

36


37


40


44


45


Paris MarketLab OFF THE MENU Taste for Space Saint-Germain, Paris 2012, com Gonçalo Batista, João Varandas e Mariana Santana Publicado online em Archmedium, I like Architecture, Archiduck, Plataforma Arquitectura e Afasia

O conceito de Marketlab baseia-se na criação de um espaço onde a imaginação e produção gastronómica convivem mutuamente, e onde o acto de cozinhar pode ser entendido como arte e um estado de espirito. O programa pretende gerar uma rede de espaços para a criação e educação gastronómica associada ao mercados tradicionais. Neste sentido, o edifício apresenta-se como uma fusão e reinterpretação de vários arquétipos da cidade: a grelha Haussmaniana, a tipologia do mercado e as suas arcadas como representação de um espaço público e a renovada ideia das hortas urbanas. O piso térreo, como o elo de ligação entre a cidade e o mercado existente, apresenta-se como uma praça coberta que se desenvolve até à cobertura do edifício. Ao longo das escadas, somos chamados a olhar tanto para a cidade, como para o interior do edifício e no topo, o jardim aberto ao céu é finalmente revelado. Flexível e em constante mutação, o espaço para as experiências gastronómicas apresentase como o local de partilha e relação entre o ensinar, o aprender e o degustar, tentando estabelecer uma relação entre a maneira como experienciamos a comida e a arquitectura, em suma, descobrir e re-encontrar o gosto pelo espaço.


47


“Cooking, like architecture, manifests itself in building. The cook, like the architect, draws on an infinite array of creative resources which make it possible to create wonders from basic construction materials. But even using the finest marble or the best caviar, success is not guaranteed. Architecture, like cooking, evolves and lasts in the form of memories, tastes, and temperatures.” Ferran Adriá Back cover of the essay collection “Eating Architecture” MITPress 2004


51


Ana Sofia Amador anasamador@gmail.com +351 968 613 765


Ana Sofia Amador | Portfolio