Page 1


Distribuição: Lizzie Tradução: Cristina O., Regina G., Monica A., Cassia L. Andréa S.

Revisão Inicial: Cristina O. Regina G. Andréa S. Revisão Final: Andréa S.

Leitura Final: Lizzie Conferencia Final: Ava Vox Formatação: Eva


Coming Home


Em Lost Rider, o primeiro romance ocidental no New York Times e EUA HOJE série Home Coming do autor bestseller Harper Sloan, uma estrela de rodeio ferida encontra uma antiga paixão, mas ela vai ser exatamente o que ele precisa para voltar na sela? Maverick Austin Davis é forçado a voltar para casa depois de uma carreira de dez anos como uma estrela de rodeio. Após várias lesões na cabeça, ele está fora do circuito e no negócio de criação de cavalos, algo que ele nunca teve muito brilho, mas agora que é o legado do seu falecido pai, o dever familiar chama. Como Maverick vai encontrar seu caminho depois do único sonho que ele já teve acabar? Antigamente Leighton Elizabeth James, era tida como o patinho feio na visão de Maverick - a melhor amiga de sua irmã mais nova, para ser exato, alguém cujo coração ele pisou quando ela confessou sua paixão dez anos atrás. Agora Leighton está de volta na vida de Maverick, e não é mais a adolescente insegura e amorosa- Maverick não pode deixar de tomar conhecimento. Faíscas voam entre eles, mas Leighton será capaz de abrir seu coração para o único homem que quebrou todos esses anos atrás? Escrito no verso de Diana Palmer e Lindsay McKenna, esta série do Texas está cheia de emoções, coração e muitos cowboys!


1 MAVERICK “Traveller” por Chris Stapleton

Estremeço quando um raio de luz solar atinge meu para-brisa refletindo em meus olhos, fazendo-me amaldiçoar e brevemente desviar antes de corrigir o curso e acelerar novamente, minha caminhonete queimando no caminho da 35. A estrada é estéril, nenhum outro carro a minha esquerda ou direita. Isso me faria sentir sozinho, mas felizmente tenho uma filha-da-puta-de-uma-ressaca e uma sensação de orgulho ferido para me manter em contato com a jornada. Faz 11 dias que o médico me disse que minha carreira acabou. Onze dias praticamente me afogando no fundo de uma garrafa. Eu fiz a única coisa que jurei que nunca faria – tornei-me o homem que me criou. Tudo pelo que trabalhei se foi. Tudo o que já sonhei, desapareceu. Tinha todas as coisas que sempre quis na palma da minha mão. Montar era tudo que eu sempre precisei, e agora que isso se foi, a única coisa que ficou dos meus sonhos quebrados é uma conta bancária gorda, fivelas jogadas descuidadamente no banco de trás, uma mochila de roupas e um corpo fodido. Tudo o que eu possuo empurrado para a minha caminhonete, uma mísera cabine de pertences. Acabado.


Assim, Maverick “O Imparável” Davis estava, de fato, parado, e a cada segundo que eu me empurrei para alcançar o topo também pode ter sido para nada. Dez anos da minha vida, vivendo meu sonho, acabou como se nunca tivesse existido. Você não perdeu a única vida que você sempre quis. A pequena voz na parte de trás da minha cabeça me irrita ainda mais. Como se eu precisasse de outra lembrança do que minha perseguição desses sonhos agora perdidos me custou. Essa voz, entretanto, está certa, a montaria não é a única vida que eu queria para mim.... Não que eu tenha uma chance na outra agora. Não depois que me certifiquei de destruir todas as chances para isso. Minha cabeça começa a bater ainda mais. Ajustando meu aperto no volante, pego meu Stetson e coloco ao meu lado no banco do passageiro, descansando minha cabeça contra o apoio do banco enquanto minha mente começa a vagar, novamente. A montaria em touro era uma das duas coisas da minha vida que me traziam a paz. Estava destinado a montar exatamente como eu deveria ter ar em meus pulmões para viver. A necessidade que sentia para montar batia ao lado do meu coração. Sem isso, eu não seria eu. Quando tinha idade suficiente para andar, escalava nas costas da ovelha do rancho e fingia que estava lutando por aqueles perfeitos oito segundos na parte de trás do maior maldito novilho no circuito. A faixa destemida nunca me deixou, e sempre foi a força motriz que assumir com qualquer animal que fosse colocado no meu caminho reivindicando o campeonato. Saí de casa antes que a tinta no meu diploma do ensino médio estivesse seca. Todos esses anos depois, não tenho certeza do que me empurrou para sair da cidade: minha necessidade de perseguir meu sonho, ou escapar da vida que tinha, quando mal estava sobrevivendo. No fundo, sabia que não podia ficar, não importa o quanto desejasse poder. Eu queimei a única ponte que significava algo para mim naquela cidade, porque acreditava que eu não poderia ter nada me puxando de volta, amarrando-me. Eu sabia com certeza que, se eu não pudesse ter tudo, pelo menos, eu iria ter certeza de que tudo o que eu desisti não era por nada. Eu prometi daquele dia em diante governar o mundo.


E eu fiz. Por quase dez anos, fui o maior nome da montaria profissional de touro. Não havia uma besta que eu não conseguisse conquistar. Até eu conhecer Lúcifer. Cento e quatro corcoveadas consecutivas, e a centésima quinta foi a que levou tudo longe de mim. Muitas feridas na cabeça, disse o médico, balançando a cabeça com meus exames. Mais uma vez e vai deixar a arena em um saco para corpo, advertiu. Eu seria um homem morto montando se eles permitissem, ele prometeu. Então, assim. . . Foi embora. Esse sonho desapareceu junto com o único que eu deixei na minha vida que não me causava fúria. Bati minha palma no volante enquanto as palavras do médico voltam para mim novamente, correndo o mesmo ciclo contínuo que eu estava tentando tirar da minha mente por dias. Assombrando minhas lembranças e lembrando-me que nunca mais conseguirei recuperar o que eu tinha. Meu telefone toca, entrando em meus pensamentos de autoaversão, e eu sei sem olhar para o telefone ou o painel da minha caminhonete que é Clay, meu irmão mais velho, provavelmente para me perguntar – novamente – a que horas eu vou estar em Pine Oak. Pressiono o botão mãos livres no meu volante. “O quê?” Digo. “Bem, bem... Parece que meu irmãozinho, sempre agradável, está animado para vir para casa,” Clay responde a minha saudação de mau humor com sarcasmo escorrendo de suas palavras. Alcanço e puxo um maço de cigarros do meu porta-copos, deixando de responder para que possa acender e dou uma profunda tragada, soprando a fumaça de forma audível. Minha dor de cabeça subindo mais um entalhe no tom irritado e assustador do meu irmão. “Você está fumando outra vez, Mav? Achei que você deu fim a essa merda.”


“Tenho muita coisa na minha mente, Clay.” “Sim, você e eu, irmão. A que horas você estará aqui? Quinn quer esperar por você antes de partir para a igreja, mas se você não estiver perto, teremos que seguir em frente.” “Não me espere, Clay. Não tenho muita certeza de que eu quero ir.” “O quê?” Sua voz é dura, implacável, e me mata que estou desapontando ele. Novamente. “Você me ouviu, Clay. Qual é o objetivo? O velho não me queria há dez anos, então faz sentido que ele não me queira lá agora.” “Suba a sua maldita janela para que eu possa ouvir algo além dos seus fodidos pneus,” Clay exige. Puxo outra longa tragada antes de deslizar meu cigarro pela janela e subir o vidro, ligando o ar condicionado antes que o grosso calor do Texas me mate. Clay está fica em silêncio por um tempo. Ouço suas botas golpeando o chão através de nossa conexão, o pesado passo dizendo que ele está chateado. “Aqui, idiota. Você está pensando em não chegar, fale com Quinn e eu falo com você mais tarde.” Ele diz algumas palavras que não consigo distinguir antes que a voz da minha irmãzinha tome seu lugar, passando para doce e triste nos alto-falantes da minha caminhonete. “Ei,” ela diz suavemente. “Você está quase aqui, Mav?” Ela resmunga algumas vezes e eu silenciosamente amaldiçoo Clay por jogar o cartão Quinn. “Ei, pirralha,” digo com um suspiro, desejando não estar dirigindo então poderia ir à loja de bebidas mais próxima e passar as próximas horas bêbado. “Eu vou encontrar vocês na igreja. Ainda estou há uma hora mais ou menos.” “Ok, Mav. Te amo.” “Amo você também, querida.”


Espero, sabendo que Clay não vai perder uma chance de voltar ao telefone depois de obter o que ele queria usando nossa irmã. “Eu vou te ver lá, Mav.” Ele abaixa sua voz, provavelmente assim Quinn não o ouvirá me atacando. “Não foda este dia. Você não quer estar lá, eu entendo isso, mas as coisas não são iguais. Você não quis ouvir isso antes, mas é hora. Supere seu orgulho e certifique-se de aparecer, se não por ele – faça isso por Quinn. Não a deixe cair quando ela mais precisa de você.” Não respondo, uma vez desconectando a chamada, desligando o ar condicionado velho e deslizando a janela para baixo. O tom constante dos meus pneus contra o asfalto quente é a única coisa que ouço enquanto meus pensamentos me consomem mais uma vez. Já faz uma década desde que pisei em Pine Oak, Texas. Além de Clay e Quinn, não havia nada para mim lá. Isso é uma mentira. Meu pé empurra no acelerador enquanto o pensamento sussurrado flutua na minha mente. Não posso pensar nisso. Não quando há tantas coisas desconhecidas na minha vida. Não desde que a única maneira que consegui encontrar a paz na minha mente agora se foi – e a outra única coisa eu não posso permitir esperar por mais. Fiquei em contato com meu irmão e minha irmã ao longo dos anos, mas Clay está certo – eu não queria ouvir merda sobre os acontecimentos. Havia apenas uma pessoa além deles que, ao mesmo tempo eu teria mergulhado em qualquer menção, mas o orgulho me impediu de perguntar, os arrependimentos me comiam demais para suportar. Não pela primeira vez, eu me pergunto como as coisas teriam sido se eu não estivesse tão empolgado em fugir. Com cada volta dos meus pneus, o medo no meu estômago se multiplica e a pontada no meu crânio cresce mais alta. Minha pele fica quente, então fria, enquanto minha respiração acelera. Todo este tempo longe, e apenas estar perto de casa me faz sentir aprisionado de novo, o que dificilmente faz sentido vendo que o único homem que segurou as chaves da minha gaiola metafórica está morto.


Eu falei a mim mesmo todos aqueles anos atrás, eu nunca olharia para trás. Nada valeria a pena vir de volta a esse inferno. Isso é uma mentira. “Maldição!” Grito, o som severo e um pouco em pânico mesmo para meus próprios ouvidos. Sim, eu o usei como uma desculpa para fugir de Pine Oak. Não era uma mentira, em si; a necessidade de sair sempre esteve abaixo da minha pele, algo que eu não podia ignorar. Era o que eu costumava falar, minha desculpa para escapar. Mas havia uma coisa que eu poderia realmente querer mais do que montar – e, porque eu corri para longe disso, passei todos os dias com o fantasma do arrependimento que aparecia das sombras. Eu saí para perseguir meus sonhos – mas eu também fui para escapar dele, sabendo que, depois do inferno que ele me fez passar minha vida inteira, fazendo a única coisa que eu sabia que ele desprezava tanto seria um foda-se gigante para ele. Ironicamente, o mesmo homem que ajudou a me empurrar agora está me arrastando de volta. Parece que o velho estava certo quando disse que um dia eu estaria rastejando de volta com a minha cauda dobrada entre minhas pernas. Um fracasso e iria implorar a ele para aceitar-me de volta quando não conseguisse entender o circuito. “Bem, ria de você, não é,” resmungo, procurando por outro cigarro. Eu posso estar rastejando de volta, mas com certeza não é para implorar a ele por merda. Ainda posso ver seu rosto quando disse minhas palavras de despedida para ele. Sobre o meu cadáver. Só não é o meu cadáver, é o dele. A coisa que estou lutando mais, no entanto, é o profundo arrependimento que me encheu desde que descobri que ele morreu. É uma merda se isso não me irrita mais, porque se eu fosse honesto


comigo mesmo, saberia que não é a perda da minha carreira que tem me esgotado. Em vez disso, tudo o que posso me concentrar é no fato de que, mesmo em meu melhor, não fui bom o suficiente para ele se orgulhar de mim. Não importa o que, o silêncio dele ao longo dos anos dizia tudo. Ele não podia dar duas merdas no que eu realizei lá no circuito. Demorou muito tempo para perceber que eu estava empurrandome por tanto tempo para provar a ele que era digno, mesmo quando eu sabia que não valia a pena, algo dentro de mim ainda queria que importasse para Buford Davis. Todos aqueles sonhos perdidos e metas não atendidas morreram junto com o pequeno pedaço de esperança que estive carregando por anos, sem saber, mas foda-se se essa pequena peça não se fez conhecida nos últimos dias. Então, goste ou não, sem carreira e a convocação de casa que eu não poderia ignorar, estou retornando a Pine Oak. Uma cidade que sempre temi me sugar de volta. A mesma cidade que agora é o único futuro que eu posso ver na minha frente, já que os sonhos que deixei para perseguir estão tão mortos quanto o homem que me conduziu a minha cidade natal, em primeiro lugar. Ironia, você não é apenas uma puta.

Dez anos atrás

Deveria saber que ela estaria aqui. Inferno, se eu fosse honesto comigo mesmo, vim aqui porque sabia que ela estaria aqui. Certo ou errado, não posso ajudar o puxão que tenho quando se trata de Leighton. Ela é a única coisa que pode me acalmar quando sinto que estou espiralando fora de controle e merda é tão egoísta e injusto colocar nisso um tipo de pressão tácita entre nós – especialmente agora.


Meus pés pesados carregados me levam da borda da madeira na clareira que eu gosto de pensar como nosso pasto. As flores estão brilhando nesta época do ano, os bluebonnets1 que ama tanto a rodeiam enquanto ela contempla o céu azul sem nuvens. Ela parece um anjo. Mesmo na distância entre nós, posso dizer que ela está chateada. Leighton está sempre feliz, é algo que costumava me irritar, mas, ao mesmo tempo, era algo que me acalmava da mais estranha maneira. Quando decidi que estava saindo de Pine Oak – deixando-a – eu sabia que iria sentir falta dessa parte dela. Eu não entendi no início, mas também é uma grande parte do por que eu sei que tenho que sair limpo. Os sentimentos que eu percebi são muito maiores do que ela está pronta para ter – estou pronto para isso – não é algo que eu possa lidar. Não ao escapar desta cidade – meu pai – está bem ao meu alcance. “Ei, você!” Leighton diz com um sorriso, levantando os cotovelos e virando sua cabeça na direção que eu estou caminhando pelas flores, com cuidado para não prejudicar nenhuma delas no meu caminho para ela. Fico em silêncio quando eu caio na minha bunda no cobertor ao lado dela. Posso sentir seus olhos em mim, mas concentro minha atenção nos campos ao nosso redor. Há uma leve brisa, as flores sopram e fluem no suave fluxo de ar. “O que você está pensando, Mav?” “Nada, Leigh,” murmuro, minha mente voltou para o rancho e as palavras odiosas que meu pai jogou em mim quando disse a ele, que eu não mudaria de ideia e ficaria por aqui. Isso foi antes de ele jogar o seu frasco cheio de cerveja na parte de trás da minha cabeça. Graças a Deus, tinha acabado de tirar meu Stetson. Se ele tivesse arruinado esse chapéu – o que significava um inferno inteiro de um lote – provavelmente o teria matado. “Isso é um monte de nada para franzir a testa, cowboy,” ela brinca, alcançando uma mão delicada para agarrar meu pulso em um ataque

1

Tipo de flor.


mais forte do que deveria ser capaz. “Fale comigo, Maverick. Você não me faria vir aqui se você quisesse silêncio.” “Acabei de discutir com meu pai, não é novo, Leigh.” Ela faz um barulho na parte de trás da garganta e eu olho para ela, seu olhar forte e irritado. “Sobre você sair?” Concordo. Sua raiva não é algo que eu esteja acostumado, mas na rara ocasião em que ela entende que entrei com isso com meu pai, é algo que ela não tem problemas para me mostrar. “Você sabe, ele não é o único que não quer que você vá embora, mas ele é o único que o quer pelos motivos errados. Eu sei que Clay e Quinn querem você aqui, mas como eu, eles sabem que você é destinado para a grandeza. Não permita que suas opções sobre o assunto influenciem você, Maverick. Um dia, a partir de agora, você estará olhando para trás no momento e saberá que, independentemente do que ele disse, você fez o certo. Mesmo que eu queira que não estivesse saindo.” Ela acrescenta a última parte quase como uma reflexão tardia, seus olhos arredondando no segundo que as palavras deslizam através da sua boca e eu sei que não queria dizer isso em voz alta. Eu não sou estúpido, eu sei que ela tem uma paixão por mim por anos, mas sempre soube que esse momento viria – eu a deixando – tão certo quanto estava que Pine Oak era o lugar de onde Leighton nunca quis sair. Ela sempre quis ficar aqui. Para envelhecer e criar sua própria família na terra que sua família possui há décadas. E não importa uma merda se eu fechar os olhos e pensar sobre esse futuro, poderia me ver direto ao lado dela, se eu ficar aqui – a mesma cidade em que as palavras desagradáveis do meu pai podem me alcançar – eu sei que isso vai me matar rápido. “Eu sigo em uma semana, Leigh,” murmuro, torcendo o braço que ela ainda está segurando e mudando ligeiramente para que nossas mãos estejam ligadas. “Eu sigo em uma semana e honestamente não acho que voltarei. Você sabe disso certo?” Ela pisca algumas vezes, limpando a umidade que começou a se reunir, não deixando as lágrimas caírem. “Eu sei,” sussurra, olhando


para nossas mãos e dando um aperto. “Eu vou sentir sua falta, Maverick.” “Eu também vou sentir sua falta,” digo a ela, honestidade pingando de cada palavra. Então, como se minha mente tivesse dado à minha consciência um dedo médio gigante, solto sua mão, laço meus dedos através dos cabelos dela, puxo seus lábios para os meus. Eu sinto seu aparelho pressionar contra meus lábios fechados ao mesmo tempo, seu grito de choque enche o ar à nossa volta. Ignoro tudo e abro minha boca, usando minha língua para persuadi-la. Ela me segue sem demora e, antes que eu saiba, estou ofegante com a minha testa contra ela e seus lábios inchados apenas um suspiro longe dos meus. As lágrimas que ela tinha segurado tão bem na baía caem em lenta sucessão agora e eu sei que esse beijo conseguiu preenchê-la com um pouco de esperança quando fiz tão bem para ter certeza de que nunca tivesse raízes. Porra. Sem dizer uma palavra, levanto-me e caminho de volta ao bosque, tirando-me do meu paraíso e de volta ao meu inferno. Mais uma semana. Mais uma semana e estou livre. Não tenho certeza agora, se realmente estava escapando ou correndo para outra prisão – uma que me mantém da paz que só Leighton pode me dar. Porra.


2 LEIGHTON “Cowgirls Don’t Cry” por Brooks & Dunn

“Ele estará aqui, Q. Ele vem.” Espero, adiciono silenciosamente. Deus, é melhor ele estar aqui. Eu mexo no implacável banco de madeira e enrolo meu braço ao redor do seu corpo tremendo. Ela deixa cair sua cabeça no meu ombro e olho para cima para ver o aperto da mandíbula de Clay e suas narinas vibrando. Encontro seus olhos e espero que ele possa ler minha pergunta silenciosa sobre o paradeiro do seu irmão. Ele apenas dá a sua cabeça uma forte vibração em minha direção antes de retornar seu foco para frente da igreja. Não tenho ideia do que isso significa, mas eu tenho a sensação de que não é bom. Não há como deixar sua família para baixo hoje.... Certo? Quero dizer, com certeza que as coisas foram tensas – isso colocando bem – mas não há como deixar seus irmãos para lutar sozinhos quando eles precisavam dele. Inclino minha cabeça contra Quinn com carinho e esfrego seu ombro. Quinn Davis, a mais jovem dos Irmãos Davis, foi minha melhor amiga desde que éramos bebê. Nós nascemos na mesma semana, e uma vez que nossos pais foram amigos durante toda a vida, foi natural para nós crescermos juntas. Eu não tenho uma única lembrança da minha infância, onde Quinn não está na vanguarda. Vinte e seis anos depois, isso não mudou nenhum pouco. Quer seja no tamanho, ranho


no nariz e cheia de travessuras ou sem dentes, enlameada como o inferno, perseguindo cabras e cavalgando por campos, eu a amo como minha própria irmã. Clayton, seu irmão mais velho, é seis anos mais velho do que nós e sempre foi o irmão superprotetor até mesmo comigo. Ele é a rocha em nossas duas vidas e tem sido há anos. Ele sempre me procurou como se eu fosse família, mas quando meus pais faleceram logo depois que eu me formei no ensino médio, deixando-me com um rancho que eu não podia e não queria levar sozinha, Clay entrou. Ele sabia que eu estava dentro da minha cabeça, afugentando-me com o sofrimento e a responsabilidade, e assegurou-me de manter minha cabeça acima da água. Como a nossa propriedade fazia divisa com o rancho de Davis, ele comprou a terra, sem perguntas e me permitiu continuar vivendo na minha casa de família, algo pelo qual eu sempre serei grata. Com Quinn e Clay, sinto-me como se eu não estivesse sozinha no mundo porque me amam o suficiente para preencher o vazio que meus pais deixaram para trás. E depois... Há Maverick. Eu não via o Davis do meio desde aquela noite maldita antes dele sair da cidade. Uma noite que me atormentou desde então. É difícil esquecer a dor do passado quando as memórias ainda brilham. Ele pode ter ido embora, mas sua sombra nunca mais sairá dessa cidade. Quinn assoou novamente, trazendo minha mente de volta ao presente. Viro no meu assento novamente, checando rapidamente e me certificando de que a saia do meu vestido preto não tenha subido com toda a minha torção ao redor, antes de virar minha cabeça de leve um pouco e deixar meus olhos vagarem pela igreja lotada. Novamente. Eu tenho que lutar comigo mesma para não pensar sobre o menino Davis desaparecido, mas quando meus olhos vagam, eu sei exatamente o que estou procurando. Ou, devo dizer, quem. Foco, Leigh. Hoje você precisa se concentrar em Quinn e Clay. E, espero que, se ele aparecer, Maverick não vai fazer um dia difícil para eles ainda pior.


“Ele não está chegando, Leigh. Por que ele viria?” Quinn sussurra em pedaços, sua voz suave atravessando meus pensamentos, tirando os olhos da multidão enquanto examino as bochechas marcadas. Ela está olhando para frente da igreja, mas ela me conhece bem o suficiente para adivinhar o que eu estava fazendo. Eu não digo nada, permitindo meus olhos vagarem para encontrar o olhar de Clay. Seu rosto bonito parece ser esculpido em pedra, a raiva é clara como o dia em seus olhos tempestuosos. As palavras sussurradas de sua irmã, obviamente, não se perderam e, se eu tivesse que adivinhar apenas aumentaram sua já fervente raiva do seu irmão desaparecido com uma fervura completa. “Talvez ele esteja preso no trânsito?” Eu digo, sabendo muito bem que ele não está, não se ele realmente estivesse há uma hora como ele disse a Quinn antes. Uma hora o colocaria já fora da interestadual, e todos sabem que não há trânsito que se encontre entre aqui e lá. A menos que ele ficasse preso com algum gado vermelho perdido, não há como não chegar. Clay solta um som grosso na garganta. “Duvido disso, querida.” “Ele estará aqui,” eu sussurro de novo na orelha de Quinn, rezando para que esteja certa, mas honestamente não tenho ideia se ele estará. O velho Maverick, aquele que eu cresci esmagando duramente em toda a minha vida, não teria deixado seus irmãos assim. Mas o novo Maverick, o que deixou tão facilmente, bem.... Eu realmente não tenho certeza do que ele é capaz. Eu o vi algumas vezes ao longo dos anos quando o rodeio vinha ao Cedar Park, apenas fora de Austin, e nas poucas vezes que me juntei a Clay e Quinn, mesmo a uma distância, eu poderia dizer que ele mudou. Seus sorrisos não vinham mais facilmente. Sua risada não soava por uma sala lotada. Se eu tivesse que adivinhar, ele escapou do que pensava ser a prisão de uma vida na cidade pequena apenas para se encontrar trancado em uma vida de sua própria solidão. Volto minha atenção para frente da igreja mais uma vez e limpo minha mente quando ouço o pastor começar a falar. Meus olhos


brilham sobre o carrinho de mogno diretamente na frente de onde ele está de pé. Aquele que segura a urna de prata em exibição. A voz do Pastor John carrega a sala enquanto entrega a sua mensagem sobre uma longa vida vivida e prometida para sempre com nosso Pai. Eu mantenho meu braço ao redor de Quinn, ela faz suaves soluços que destroem meu coração enquanto ele continua falando. Ouço alguém que chora atrás de mim, puxando meus olhos do Pastor John quando olho para a igreja novamente. Estou chocada porque tantas pessoas estão aqui. Sabendo que todos por aqui provavelmente fecharam suas lojas ou interromperam seu já ocupado dia de agricultura para estar aqui. No meu caso, fechei minha padaria, a PieHole2, para o dia. Para prestar homenagem a Buford Davis. O pai duro como prego que governou sua casa com um punho de ferro. O único homem que todos nesta sala, ao mesmo tempo, ficariam felizes em ver desaparecer. Eu mesmo incluída. Independentemente do fato de que Buford Davis era um homem difícil, quase impossível de amar, Clay e Quinn fizeram, embora a sua maneira, e sua perda é aquela que os atingiu no cerne. Eles não tinham um relacionamento convencional com seu pai, mas não importava para eles que o amor mútuo era algo que não encontraram até os últimos anos. Ele ficou repugnado por tanto tempo que honestamente pensei que seria apenas nós, a família, mas eu deveria saber que, tal como Clay e Quinn, Pine Oak tem o perdão no coração e Buford estivera trabalhando duro para compensar todos os erros que ele havia feito ao longo de sua vida aqui quando ele morreu. Ele era um homem que comandava respeito, se não fosse mais, sendo que seu rancho mantinha uma parte justa dos trabalhadores municipais empregados, para não mencionar o fato de que a família Davis possuía a única loja de peças para automóveis num raio de

2

Em português Buraco da torta. Mais para frente ela explica o motivo da padaria ter desse nome.


oitenta quilômetros. A família Davis é a família em Pine Oak, e mesmo que Buford tivesse percorrido um longo caminho para ganhar de volta o respeito da cidade, eu apostaria minha última fatia de torta de maçã quente que a maioria das pessoas nesta igreja estão aqui para Clay e Quinn. Dou a Sra. Marybeth Perkins um sorriso quando encontro seus olhos, o rosto desgastado me dando um sorriso ondulado em troca. Meus olhos flutuam pela sala, olhando os rostos familiares estoicos, antes de começar a mover meu olhar de volta ao pastor. E é aí que eu vejo isso. Ou melhor, ele. É preciso cada grama de controle para não reagir, mas meu coração é puxando antes de decolar em um galope rápido poderia dar ao meu cavalo, Maize, uma corrida por seu dinheiro. De pé na parte de trás da sala, o Stetson preto puxado em sua cabeça para baixo, tirando seu rosto de vista. Sua camisa preta se encaixava confortavelmente contra sua construção muscular, os botões brancos pérola destacando-se contra a escuridão. Meus olhos seguem seu torso para a fivela do cinto de prata redonda brilhando contra sua camisa preta e calça preta. Os Wranglers3 pretos apertados abraçando seus quadris estreitos... E Santo Deus, eu volto os olhos para o rosto quando percebo que subconscientemente estava olhando sua virilha. Não preciso ver aqueles olhos verdes esmeralda para saber que o rosto sombreado da vista pertence a apenas um homem que já desejei mais do que o famoso frango e bolinhos de Nanny Jo. Eu o reconheceria em uma sala completamente escura. Bem, eu vou ser condenada. Maverick Davis finalmente chegou em casa.

3

Marca de calça jeans.


3 LEIGHTON “Fire Away” por Chris Stapleton

Dez anos atrás

“Leighton Elizabeth James! Não aguardarei um segundo mais para você sair desse maldito banheiro. É hora de puxar suas calças e abrir a porta.” “Eu não tenho certeza de estar pronta para tudo isso, Quinn.” Eu olho para o espelho novamente e puxo meu top, em vão desejo encontrar a cintura dos meus shorts. A camisa xadrez que geralmente parece poderosa e respeitosa agora me faz sentir como uma meretriz, graças a Quinn. Eu me visto para o conforto em um dia normal, mas também escondo o corpo que parece mais de um menino do que de uma garota em crescimento. De alguma forma, Quinn conseguiu fazer parecer que eu realmente tenho algum decote, não muito, mas é muito mais do que eu normalmente tenho em exibição. Ela domesticou meus cabelos excessivamente crespos em cachos lustrosos e sedosos, algo que eu nunca conseguirei descobrir como fazer sozinha. A maquiagem que ela tão habilmente aplicou me faz parecer ter mais do que dezesseis anos. Eu nunca uso maquiagem. Então algo mais do que rímel é drástico. Pareço tão longe da adolescente estranha que quase não me reconheço.


“Vamos, Leigh! Você sabe que eu atravessei muitos problemas para que meus irmãos nos deixassem ir esta noite. Se você ficar fechada no banheiro toda a noite, só vai provar que eles estão certos.” “Maldição,” eu luto e viro para abrir a porta do banheiro. Quinn quase cai no banheiro, seus braços abrindo-se como um moinho de vento tentando pegar o equilíbrio antes de cair com os cotovelos em mim. Eu rapidamente coloco meus braços para pegá-la antes de atingir o chão. “Jesus Jones, Leigh, você poderia ter gritado um pouco avisando que eu deveria parar de descansar minha bunda na porta que você recusou a abrir durante a última meia hora.” “Desculpe, Q,” digo com uma risada, dando-lhe um empurrão. “Pelo menos eu te peguei.” Ela murmura algo em voz baixa e se vira para mim. Independente do fato de eu conhecê-la nunca me julgaria, eu ainda mexo com a camisa e puxo para baixo os shorts que parecem estar sendo comidos pelas minhas bochechas. Quinn solta um assobio baixo através dos dentes. “Você parece quente, Leigh!” “Sim, eu não me sinto confortável, mas obrigada.” Seus olhos verdes se estreitam e eu sei o que está por vir. Quinn odeia quando eu me rebaixo e não tem medo de jogar um monte de atitude quando eu começo. “A sério? Você vai ficar aqui, na minha frente, e me alimentar dessa pilha de merda de cavalo?” “Uh, sim. Eu não me visto assim, Q. Você sabe disso. Eu sinto que estou nua.” “Bem, você não está,” ela bate e toca minha mão quando eu tento desfazer o nó que ela fez na minha camisa, então posso enfiá-la no meu shorts. Minha barriga inteira está nua. As pontas da minha camisa puxadas e amarradas logo abaixo do meu muito pouco impressionante


peito. Olho para seu top, o material vermelho apertado cobrindo seu peito – o muito mais impressionante peito do que o meu. Ela tem um colete jeans sobre isso, fazendo isso para que ela esteja bem coberta. Bem, exceto que ela está usando os mesmos shorts jeans ridiculamente curtos que eu estou. Eu me viro e aponto para a minha bunda, a única coisa que eu sei que eu tive sorte, depois baixei a perna enquanto engulo uma exasperação de Quinn quando ela rola os olhos. “Você parece ótima, Leigh.” Ela ignora meus protestos e rola as mangas compridas da camisa até meus cotovelos, endireita o nó debaixo do meu peito e abaixa para subir meus shorts. “Maldição, Q. Eu já sinto que tenho uma enorme pata de camelo4. Eles não precisam estar dentro da minha vagina.” Ela ri, se curva e me entrega minhas botas de vaqueiro vermelhas. “Aqui, estas ficam ótimos com essa camisa. Suas botas roxas parecem melhores, mas não com xadrez preto e vermelho.” Pego minhas botas, relutantemente, e mantenho os braços abertos para a inspeção de Quinn. Ela me dá um aceno de cabeça e inclina-se para puxar suas próprias botas castanhas. Paro para puxar minha camisa, novamente, e lembrar-me que todas as garotas da festa provavelmente estarão usando menos do que eu, mas isso não faz nada de bom para aliviar a sensação de que algo ruim está em meu caminho. “Então, esta noite é a noite?” Quinn pergunta, excitação a ponto de sair dela. “Eu acho que sim,” eu digo a ela, uma dor no estômago. “Como você pensa em fazer isso? Quero dizer, eu conheço o plano, mas o que você vai dizer?” “Eu acho que eu vou ser sincera com ele.” “Sim?” “Maldição, Q, eu não sei... Não pensei muito sobre isso. Já passei isso uma e outra vez, mas tudo o que posso pensar soa estúpido. Ele 4

Quando a roupa fica marcando a vagina (parece uma pata de camelo).


nunca me deu a impressão de que ele me vê assim. Além disso, eu vi Mindy Anne ontem na loja do dólar e ela disse que ele estava namorando Krissy Thompson. Eu sei que te disse para não me deixar sair, mas na verdade.... Eu estou bem com ser a única garota de dezesseis anos, que vai morrer sozinha. E virgem.” Não menciono o beijo. Eu não disse a ninguém sobre o beijo. Eu nem tenho certeza de que entendo isso, então eu não podia dizer que era sua maneira de mostrar seu interesse. Mas Deus, com certeza, senti isso. Ela dá um pequeno suspiro e envolve seus braços em volta de mim. “Um pouco dramático, Leigh, você não acha?” “Estou aterrorizada até meus ossos, Q. Claro que é um pouco dramático. Tudo o que eu sei é que provavelmente vou fazer uma grande idiota de mim esta noite. Eu sei que você disse que o notou me observando nas últimas vezes que fomos ao lago, mas este é um grande passo. Eu só sei que se não falar com ele agora, ele vai sair da cidade e quem sabe o que vai acontecer. Se eu deixá-lo sair sem dizer alguma coisa, eu só sei que vou me arrepender.” Ela se inclina para trás, suas mãos ficando plantadas em meus ombros e me dá um sorriso suave. “É um grande passo, eu sei, e estou aqui a cada passo. Não importa o quê, pelo menos você vai tentar. Vamos, vamos dar o fora daqui, é hora de se divertir.” Pronta ou não. Nós duas corremos pela escada, gritando para minha mãe que nós estamos saindo, e corremos pela porta da frente antes que ela possa ver nossas roupas, a porta de tela batendo contra a casa em nossa saída. Felizmente papai tinha ido consertar uma cerca no extremo oeste do nosso rancho, então não estava aqui. Ele é muito mais difícil de esquivar do que Mama. Ela estava trabalhando em suas tortas famosas o dia todo, então eu sabia que ela não iria sair da cozinha para verificarnos. Não com a feira do condado a um dia de distância. Quinn pula na cabine da caminhonete e gira a chave. O estrondo profundo do seu escapamento ecoa ao nosso redor quando o motor liga. Colocando um pé no acelerador, pego a alça segurando e me puxo para o banco do passageiro. Se não fosse uma longa caminhada pelos bosques separando as propriedades de nossas famílias, teríamos


apenas caminhado, mas também sei que ela está ansiosa para mostrar seu carro. “Você tinha que levantar essa coisa tão alta?” Eu ressoo quando me sento e coloco o cinto. “Eu estava pensando em adicionar mais cinco centímetros, dessa forma eu poderia obter aquela trilha de noventa centímetros que estou de olho.” Ela olha para mim antes de sair da nossa entrada e entrar na estrada. “O que?” “Você sabe que não entendo nada que você diz quando começa a falar sobre o carro, certo?” Ela encolhe os ombros e eu sorrio, os nervos soltando um pouco. Desde que Quinn obteve sua licença no mês passado, ela passou cada segundo, arrumando sua Silverado 2001; a primeira coisa que ela fez foi levantar e adicionar pneus para lama. Juro que ela viveria na Davis Autopeças se pudesse. Ela está me implorando para deixá-la mexer com o meu Jeep, mas estou perfeitamente bem sem que seja levado para o alto céu, muito obrigada. Nós passamos o resto da viagem de volta para o pasto da sua família cantando junto com o rádio e rindo quando Quinn sai do seu caminho para atingir todos os buracos lamacentos que ela pode encontrar na estrada de terra. Tinha chovido nos últimos dois dias, finalmente parando para a fogueira esta noite, o que significa que hoje Quinn passou cada segundo atrás do volante tentando transformar sua caminhonete preto em marrom. Eu nem me incomodo em tentar ver pela minha janela mais, não com a boa camada de lama que a cobre. “Espero que Jenny Fisher não esteja aqui. Eu não aguento essa cadela arrogante,” Quinn resmungou quando puxou sua caminhonete em linha com o de seu irmão, apoiando-se de modo que suas traseiras estavam todas alinhadas umas com as outras. Sorri quando vejo Elliott Parker, um dos amigos de seu irmão, pular na frente da caminhonete agitando os braços como um daqueles funcionários do aeroporto que dirigem o tráfego de voos.


“Ei, El!” Quinn grita, desligando a ignição, pulando e correndo para dar um abraço. “Ei Quinn,” ele diz, dando-lhe um grande abraço de urso. “Oh, como está você, Leighton,” ele diz quando eu abro a porta e pulo. “Não acreditei em Clay nenhum pouco quando ele me disse que finalmente estava permitindo que sua irmãzinha viesse a fogueira. Fogo do inferno, isso vai ser ótimo. Ele não vai acretidar quando ver o que você está usando, Quinn.” Ela ri, golpeando-o no ombro e dando-lhe o seu melhor sorriso inocente. Previsivelmente, Elliott ruboriza das raízes de seus cabelos vermelhos até seu peito sardento. Não tenho certeza de que ele use uma camisa, o que é ridículo, uma vez que ele passa os meses de verão queimado. “Jesus Cristo, Leighton,” ele resmunga e seus olhos viajam pelo meu corpo. Deus, eu sabia que essa roupa era um erro. “Ela está bem ou o que, El?” Ele acena com a cabeça, seus olhos nas minhas pernas. “Ou o que, com certeza, querida. Droga, Leigh, você estava se escondendo de mim.” Ele alcança sua mão e ajusta sua virilha. “Você tem quantos anos até os dezoito?” “Oh, grosseiro, El!” Quinn ri e bateu seu braço, aproximando-se para pegar minha mão e puxar-me para trás dela enquanto caminhamos até a parte de trás do seu carro para puxar a porta traseira para baixo. “Dois anos, Leighton, você vem encontrar Elliott em dois anos,” ele grita atrás de nós, sua risada arrastando enquanto ele desaparece na floresta que alinha o pasto de trás dos Davis. Quinn rola os olhos. “Deus, ele é um porco. Desde que Jamie O'Neal terminou com ele, tem sido como um touro no cio.” Ri, mas não respondo. Quinn pula e senta na porta traseira. Não querendo parecer uma idiota, eu me inclino para trás e coloco meus braços sobre meu peito e olho tudo ao nosso redor.


As fogueiras de Clay tornaram-se notórias, mas sempre foi fora dos limites para nós, mas, novamente, nós acabamos de completar dezesseis anos, e Quinn decidiu que já era hora de descobrir se os rumores eram verdadeiros. Desde que Clay se formou quase quatro anos atrás, muita gente tem sua idade. O resto são amigos de Maverick. Eles deixam as crianças da nossa idade participarem, mas na maior parte, todos têm de dezoito a vinte e dois. A família Davis possui quase duzentos acres, então é fácil sair com essas coisas. Ninguém nunca sai dessa maneira porque todo o extremo leste de sua propriedade é principalmente arborizado, com exceção desse campo. Eu sei que Clay vem aqui com o trator e limpa apenas pelas fogueiras, e ele pessoalmente limpou a trilha para as caminhonetes virem aqui. Então, novamente, seu pai geralmente está bêbado até a hora do jantar, mesmo assim, se ele soubesse sobre essas coisas, não faria nada para fechá-las. Eu olho em volta e vejo refrigeradores espalhados por todo o campo, pelo menos em outra caminhonete ou mais. Todas as caminhonetes estão estacionados em círculo com a fogueira ardendo no centro, as tampas abertas e as pessoas sentadas nelas ou em cadeiras mais perto do fogo. As caminhonetes de Clay e Maverick estão em ambos os lados do de Quinn, um lugar que eles claramente deixaram aberto apenas para ela. Ambas as traseiras abertas, mas vazias. Eu pulo de onde eu estava descansando e caminho até o refrigerador ao lado da caminhonete de Clay e pego duas Bud Light, entregando uma para Quinn antes de abrir a minha e tomar um enorme gole. “Nem pense nisso, Quinn.” Sorri para mim mesma e trago a lata de volta aos meus lábios, mas acabo sem o gole que eu estava indo tomar quando a lata é tirada das minhas mãos e pulveriza espuma em todo o meu rosto. “Ei!” Grito e me viro. “Ei também para você, querida.” Clay ri e traz minha lata roubada em seus lábios, derrubando tudo em um gole antes de esmagar a lata na mão e jogá-la sobre o ombro na carroceria da sua caminhonete.


“Só porque eu disse que era legal se vocês viessem não significa que eu vou deixar vocês duas ficarem bêbadas. De jeito nenhum.” Ele me dá um breve abraço antes de se mudar para dar a sua irmã um, beijando sua testa com uma risada quando ela dá ao seu intestino um golpe fraco. “Uma cerveja não me deixará bêbada, Clayton Davis,” Quinn diz. “Você não está bebendo, querida. Fim da história.” “O que quer que seja, pai,” ela solta, sabendo que ele odeia quando ela o chama assim. Isso não o impede de atuar como sempre faz, no entanto. Clay é mais protetor com ela do que seu próprio pai de qualquer maneira. Quinn salta da caminhonete e, indiretamente, gira as costas para o irmão mais velho. “Vamos, Leigh, vamos dançar.” Olho para cima e dou a Clay um encolher de ombros e aceno quando Quinn me arrasta para onde Brant Weaton está estacionado. Ele tem todas as portas abertas em sua caminhonete e a música está voando, criando uma pequena área de dança improvisada na frente dele. Não tenho certeza de quanto tempo dançamos e rimos com os outros à nossa volta, mas quando paramos o sol há muito tempo que desapareceu atrás das árvores e tudo ao nosso redor é iluminado apenas pelo fogo. A multidão cresceu consideravelmente desde que chegamos, superando cerca de uma centena ou mais. Provavelmente porque a graduação foi ontem e as pessoas estão procurando uma festa. Esse pensamento sóbrio leva toda a rápida diversão do meu pensamento quando lembro do por que Quinn empurrou seu irmão para nos deixar entrar. “Ei, Q! Eu vou para o banheiro das meninas!” Eu grito sobre a música de Toby Keith que estamos dançando. “OK, estarei aqui quando terminar. Certifique-se de pagar as coisas do banheiro na minha caminhonete.”


Eu dou um aceno de cabeça e assumo a direção da sua caminhonete. Não sou estranha de fazer xixi no meio do nada, mas ainda é uma merda me aproximar da floresta no meio da noite e não poder ver onde você está indo. Eu sorrio enquanto as pessoas chamam meu nome, dando alguns acenos, mas continuo indo em direção a caminhonete da Quinn. Os grupos de pessoas conversando, rindo e bebendo estão agora afastando-se do círculo das caminhonetes ao redor da fogueira e ocupando quase todo o pasto. “Para onde você está indo, querida?” Paro morta em meus pés. “Ee-ei, John.” Ele sai das sombras da caminhonete da Quinn e se aproxima de mim, puxando a gola da minha camisa. “Você com certeza parece bonita, querida.” Graças a Deus está escuro. Eu posso sentir minhas bochechas aquecendo e eu só sei que meu rubor está girando em cada centímetro da minha pele vermelha brilhante. John Lewis é um dos meninos mais populares da escola e sei por um fato que ele tem uma namorada. Mas eu também sei que tem uma reputação de não ser fiel à sua namorada. Dito isto, ele nunca mostrou atenção exatamente a uma garota como eu, então estou prestes a sair da minha pele. Eu estou tão nervosa. “O-obrigada.” Ele ri. “Onde você vai?” Pergunta novamente. Limpo minha garganta. “Pit stop na floresta.” Deus, isso é mortificante. Eu odeio como eu me transformo em uma estranha muda nervosa sempre que um menino quente fala comigo. Ele se aproxima, eu posso cheirar a cerveja em sua respiração. “Que tal você vir me encontrar quando você voltar aqui?” Ele me dá uma piscadela antes de andar ao meu redor, deixando-me boquiaberta no ponto vazio onde estava.


Santa. Porcaria. Eu me viro, vendo suas costas e deixando uma risada nervosa escapar de meus lábios. Isso apenas aconteceu. Sim, de jeito nenhum vou buscá-lo. A julgar por seus tropeços bêbados, essa seria a pior ideia de sempre. Pego o papel higiênico na caminhonete de Quinn, um dos sacos de compras vazios e um desinfetante para as mãos antes de ir para o lado do campo que parece suficientemente vazio. Andando alguns passos na linha da árvore paro e empurro meus shorts e tanga até meus joelhos e agacho. Fazendo um trabalho rápido, eu me limpo, jogo o papel higiênico usado no saco e amarro antes de limpar minhas mãos. Meus dedos tremendo dificultam arrumar minha roupa, mas depois de ter certeza de que meus shorts estão fechados, me dirijo de volta para fora das árvores e volto para a caminhonete da Quinn, mas paro nas minhas pistas enquanto as borboletas voam na minha barriga, ao lado da carroceria da caminhonete, estão os irmãos de Quinn, encostados ao Chevy de Clay. “Você viu o que Leighton está usando nesta noite?” Minha mandíbula cai na pergunta de Maverick. Eu olho para baixo, a luz do fogo lançando um brilho na minha roupa. Ele percebeu? “Você viu Leighton?” Clay responde enquanto leva a cerveja tomando um gole longo. “Meu palpite é que Quinn chegou a ela e não aceitaria um não como resposta.” Maverick está em silêncio por tanto tempo, estou meio convencida de que ele não vai responder ao seu irmão, mas eu seguro a minha respiração de qualquer jeito – aguardando o que ele vai dizer. As vibrações no meu estômago estão em excesso. “Difícil de perder quando ela parece que está nua. O que diabos ela estava pensando usando essa merda?” As minhas bochechas queimam enquanto aquelas borboletas estúpidas murcham e morrem. Já não sinto as ondas excitadas por causa da queimadura que tomou meu interior enquanto Clay ri, batendo nas costas de seu irmão e balançando a cabeça.


“Não que eu precise apontar isso, Mav, mas acho que ela está tentando se fazer notar hoje à noite. Ela parece muito quente para mim.” Maverick solta uma risada que não soa nem um pouco como real. É profunda e quase rancorosa. “Sim, meio difícil não notar. Ela parece uma pequena menina tentando se vestir com as roupas da sua mãe. A única coisa que as pessoas vão notar é uma criança tentando brincar nas grandes ligas.” Clay para sua cerveja em seu caminho de volta para sua boca com as duras palavras de seu irmão e olha para ele, a luz incandescente do fogo, destacando sua sobrancelha profundamente enrugada. “Você viu a mesma merda que eu vi irmão? Eu sei que não estou perdendo a cabeça e sei que, de fato, não sou o único que percebeu o quanto ela está boa de olhar. Elliott já disse alguma coisa e tenho certeza de que vi John falar com ela nem dez minutos atrás.” Meu coração está prestes a sair do meu peito. Eu nem tenho certeza de que estou respirando quando eu os escuto falar sobre mim. Enquanto escuto Maverick me rasgar, cada amarração de sua língua se parece como um chicote físico para minha alma. “Jesus, Clayton. É meio difícil não ver quando ela está parecendo com uma prostituta. Ela tem fodidos dezesseis e tem o corpo de um menino de dez anos, pelo amor de Deus, então estou bastante certo de que não vimos a mesma coisa. Tudo o que vi, irmão, é uma criança desesperada por alguma atenção. Diga-me que você não estava realmente olhando?” Não conseguiria parar o soluço que saiu da minha boca se eu tentasse. E, claro, tentei, então saiu como um gargarejo, um suspiro úmido. Ouvindo na voz de Maverick todas as minhas inseguranças tão duramente trazem uma vergonha como eu nunca conheci. Aqui estava eu tentando fazer ele me notar e ele acha que eu pareço um garotinho? Lágrimas enchem meus olhos quando os dois se viram bruscamente com meu grito estrangulado. “Merda,” Clay ladra e o empurra no carro para caminhar em minha direção.


Eu só fico de pé segurando uma bolsa de compras amarrada com o meu estúpido papel higiênico usado. Lágrimas rolam em minhas bochechas enquanto meu coração se quebra, meus olhos nunca deixam o rosto de Maverick. Ele já se afastou do fogo agora, então eu não posso distinguir sua expressão nas sombras, mas não há dúvida de que ele pode ver a dor na minha. Eu poderia ter perdido a fé no poder da minha paixão ao longo dos anos, mas isso não significa que meu coração ainda não anseie pelo homem que nunca terá..., mas ouvindo o que ele pensa sobre mim, mesmo que eu sempre tenha adivinhado, bem, quase mata. Clay para na minha frente, suas mãos apertando meus ombros exatamente como sua irmã tinha feito antes e abaixa sua cabeça para encontrar os meus olhos. “Merda, Leigh, sinto muito.” Clay continua falando suavemente para mim, mas não escuto suas palavras, meu foco completamente na pessoa que eu cresci imaginando uma grande história de amor enquanto ele balançava a cabeça algumas vezes. Eu estava certa em abandonar esse estúpido conto de fadas, mas essa realização não facilita e suas palavras queimam deixando para trás uma mordida. Maverick está olhando fixamente para o chão na frente dele. Ele olha para cima, joga sua cerveja na carroceria da caminhonete do seu irmão enquanto ele levanta seu Stetson de sua cabeça e passa os dedos pelos seus cabelos. Ele olha para onde estamos de pé e eu balanço, meu corpo fica sólido nos braços de Clay quando Maverick faz um movimento e começa a caminhar até nós. Olho de volta para Clay, meus olhos encontram seu olhar simpático antes de voltar meu foco na direção de seu irmão. Ele está a uns três metros de distância, mas no segundo que dá o primeiro passo, eu salto. Os dedos de Clay apertam meus ombros quando solto um soluço estrangulado. O pé de Maverick faz outro movimento para se aproximar e eu não perco um segundo. O saco de compras, papel higiênico e o desinfetante de mãos cai das minhas mãos enquanto saio do controle de Clay e vou correndo em direção às árvores. “Maldição,” eu ouço Maverick dizer. “Me dê uma das lanternas.” Eu corro.


Os galhos das árvores golpeiam minhas pernas nuas enquanto eu fujo, mas a dor abrasadora não me retarda. Eu continuo tão rapidamente como posso. Se puder continuar, vou passar por algum lugar onde a propriedade da minha família faz divisa com a dos Davis. Pode levarme uma hora ou mais a pé, mas do jeito que estou correndo, em breve vou estar em casa. “Foda-se pare, Leighton!” A voz do Maverick ecoa ao meu redor e me assusta tanto que giro minha cabeça e cegamente procuro através das árvores iluminadas pela lua, procurando por ele enquanto continuo meu ritmo rápido. Isso é até eu bater direito em uma árvore que não tinha visto chegar porque estava ocupada demais tentando ver sua localização para que eu possa correr na direção oposta. “Merda!” Eu grito quando a casca áspera arranha contra minhas coxas e braço esquerdo, me trazendo para o meu traseiro antes de saber o que me atingiu... ou o que acertei. Eu grito quando minhas palmas correm contra o terreno áspero. A julgar pelo que parece ser um rebanho de elefantes que atravessam a floresta, eu sei que estão perto. Vergonha das palavras de Maverick agora misturando com o constrangimento que sinto pela minha colisão com a árvore. “Você está bem, querida?” Clay me questiona com preocupação. Ele cai de joelhos ao meu lado, a luz da sua lanterna atinge o meu corpo, e rapidamente tiro minha perna para derrubá-la. “Deus todo poderoso, Leigh, me deixe olhar para você.” “Não!” Eu grito. “Deixe-me olhar, Leigh,” ele tenta novamente e eu simplesmente agito minha cabeça, me puxando para fora do chão e escovando minhas palmas nos meus shorts. Respiro fundo e empurro para baixo a mágoa, ignoro a dor e vejo onde Maverick está de pé.


O luar ajudando-me a vê-lo, mas o Stetson faz ver sua expressão impossível. Estou tão cansada disso. Parecendo como se ele fosse completamente inacessível. Intocável. Fechado. Ele nem sempre foi assim e acho que parte de mim ainda está esperando que o velho Maverick com quem eu queria fugir no pôr-do-sol com ele ainda esteja em algum lugar dentro desta pessoa fria na minha frente. Não tenho mais nada para perder agora, talvez também o deixe ir. “Merda,” eu murmuro para mim mesmo antes de limpar minha garganta e falar diretamente com Maverick. “Você está certo, você sabe?” Eu digo a ele, olhando para onde Clay ainda está ajoelhado na sujeira antes de me mover em volta dele e andar para onde Maverick está de pé. “Você está certo, eu tentei o meu mais difícil para ser notada esta noite. Eu estava tão doente e cansada de ser apenas a estúpida Leighton. Estúpida Leigh, que tem que ouvir todos os amigos dela falarem sobre seus namorados, seus primeiros beijos, tudo isso! Enorme o suficiente, era você que eu queria...” Grito e empurro meu dedo em seu peito duro, “...para me notar. Tudo o que eu queria desde que eu era uma garota bêbada-de-amor era você me ver e me notar! Nunca pensei em minha vida quando eu finalmente conseguisse sua atenção, porque eu parecia como alguma... alguma... do que você me chamou? Isso mesmo, uma menina pré-adolescente brincando de me vestir!” Eu grito as últimas palavras tão ferozmente que ficaria surpresa se não me ouvissem sobre a música ecoando em torno da escuridão. “Eu pensei que você segurava a lua e todas as estrelas em torno da minha vida inteira, Maverick Davis. Eu imaginei que você fosse um príncipe encantado que viesse me tirar dos meus pés quando você finalmente me visse. Tenho pena de mim por não ter percebido que você é o vilão determinado a me derrubar na minha bunda. Você sabe o que é engraçado? Em todos esses anos que eu estupidamente fui apaixonada por você, nunca imaginei em todo esse tempo que eu te conhecia é que você seria capaz de quebrar meu coração. Isso é por minha causa. Tudo isso é por minha causa.” Ele não se move. Nenhuma palavra sai de seus lábios para me parar quando me viro e volto na direção em que estava correndo, mas eu paro a alguns metros de distância e giro para trás para encará-lo.


“Talvez eu estivesse desesperada para você me ver mais do que apenas a pequena garota ao lado, mas você está saindo e era agora ou nunca. Então, aqui vai, amei você por anos, Maverick. Isso, agora você sabe e agora eu sei e pelo menos eu tentei, então não transpire.... Isso é para mim, não você. Você pode sair como você planejou e posso continuar com minha vida sabendo com certeza onde você está.” Com uma respiração profunda e mais força do que já pensei, eu empurro para dentro a dor e volto ao redor. Comecei esta noite com um sorriso no meu rosto e esperança no meu coração. Eu deveria ter confiado no meu instinto. “Ei!” Clay chama enquanto caminha comigo, seu braço se aproximando do meu ombro enquanto me acompanha. “Se você quer ir, vamos voltar e eu vou levar você? Está muito escuro para atravessar o portão traseiro, não quando eu sei que seu pai tem os touros no pasto norte essa noite.” Eu aceno com a cabeça, deixando ele me virar até que voltamos para a fogueira. A luz de Clay atinge o rosto de Maverick e eu seguro seus olhos, deixando ele ver a dor nos meus quando Clay e eu passamos pelo caminho da lanterna. Quando nós passamos Maverick, ainda parado no mesmo lugar, Clay bate em seu ombro com força suficiente para que o braço dele caia dos meus ombros, mas Maverick não se move uma polegada. Continuo andando enquanto deixo meu coração atrás de mim. Se eu soubesse que era a última vez que conversaria com Maverick, poderia ter feito as coisas de forma diferente. Talvez tenha mantido minhas feridas e racionalmente dissesse a ele como me sentia. Quem sabe? Mas naquele momento, eu perdi um pouco de mim naqueles bosques. Eu deveria ter sabido que quando o amor que você tem por alguém é maior do que você pode entender, é melhor deixar isso para seus sonhos. Ao sairmos da clareira, prometo que nunca deixarei outro homem segurar esse tipo de poder sobre mim. Qual é o ponto se este é o tipo de dor que está esperando por você no final?


4 LEIGHTON “Step Off” por Kasey Musgraves

Dias de hoje

Devo dizer a Quinn e Clay que ele está aqui. Mas um olhar para ele e é como se os últimos dez anos nunca passaram e voltei para a fogueira, a colegial inábil e estranha incomodada em sua própria pele. Marchando para longe dele na floresta. Foi à última vez que o vi. Como é possível que ele possa me afetar tanto depois de todo esse tempo? Ele não me notou, não com a cabeça inclinada, então eu rapidamente me viro e me concentro no Pastor John enquanto ele termina sua oração. Ele estar aqui não significa nada. Eu deveria estar feliz de me lembrar da dor daquela noite tão bem, isso fará com que manter meus muros em torno dele seja muito mais fácil. “Em nome da família Davis, quero agradecer a todos por terem vindo hoje. Neste momento, a família pediu por algum tempo sozinhos enquanto dizem adeus. Eles querem que eu lembre a todos que o PieHole estará abrindo por algumas horas esta noite a partir das cinco para qualquer um que deseje se juntar a eles.” Mantenho meu braço ao redor de Quinn, sem olhar para trás, onde vi Maverick. Posso ouvir a igreja lentamente esvaziando e sinto uma carranca nos meus lábios. Eu esperava que, quando todos


começassem a sair, ele fosse vir à frente para estar com sua família, mas até agora, o banco em que nos encontramos ainda está vazio, salvo nos três. Sentamo-nos e esperamos que todos se afastem, algo que Clay pediu ao Pastor John para fazer os arranjos no lugar da recessão habitual, sabendo que ninguém nesta cidade significaria realmente uma palavra de qualquer forma. Além disso, eu sei que Quinn está passando por dificuldades. Independente do fato de que ela não era muito próxima ao pai, ela estava realmente contando com isso – Maverick em casa. Ela ainda está tremendo em meus braços, mas quando eu olho para Clay, percebo que seu silêncio não é por causa do peso da morte de Buford, mas sim da raiva sobre a ausência do irmão que começou a construir e ferver. Temo que ele esteja a poucos segundos de cair sobre a borda. Eu paro quando Clay e Quinn fazem, mas ficam parados na frente da fila em que estávamos sentados enquanto eles encontram o Pastor John e recolhem as cinzas do seu pai. Não posso esperar para sair desses sapatos. Se fosse aceitável usar minhas botas, eu teria, mas Quinn teria me matado. Por enquanto, sinto que não posso tomar uma respiração profunda com o quão apertado meu vestido está contra meu peito. Eu nunca uso camisas apertadas. Eu não tenho desde que os meus seios se tornaram bestas por direito próprio. Estou muito ocupada mexendo com as tiras do meu vestido, tentando desesperadamente pressionar meu peito para aliviar e poder respirar fundo, quando ouço Quinn gritar. “Mav!” A próxima coisa que eu sei é que ela está passando por onde eu estou de pé, seu cabelo preto caindo no ar atrás dela enquanto ela avança diretamente nos braços de seu irmão. Clay move-se para ficar ao meu lado e eu olho para encontrar seus olhos verdes, as perguntas que ele não está vocalizando dançando nas suas profundidades esmeralda. Ele não é estúpido e estou fazendo um trabalho ruim ao esconder as memórias me assombrando agora. Ele me dá um pequeno sorriso, deslocando a mão na urna para me envolver com seu braço livre e me puxar para um forte aperto.


“Você está tremendo,” ele diz contra a minha têmpora e apenas concordo. “Eu estou bem, Clay. Vá ver seu irmão.” “Estou bem, onde estou, querida.” Mantenho meus olhos no chão, concentrando-me em suas botas desgastadas em vez de olhar para cima, me odiando por fazer este momento sobre mim quando deveria estar focada neles. Gostando ou não, não posso lutar contra os sentimentos que estar perto dele me traz. Eu sou a estúpida e ingênua de dezesseis anos de idade novamente. “Vamos sair daqui,” ele diz depois de alguns segundos silenciosos. Eu olho para cima e o sorvo, esperando que pareça muito mais corajosa do que eu me sinto. No interior sinto que posso vomitar. “Você acha que eu poderia ter um segundo com minha família?” Minha cabeça dispara contra a frieza que não tinha antecipado na voz de Maverick. Ele não está focado em mim, no entanto, ao invés olha seu irmão com uma dura expressão e uma sobrancelha levantada para cima. “Mav!” Quinn ofega e ele move sua atenção de seu irmão para ela. “Desculpe, Quinn, mas acho que a amiga de Clay entende que isso deveria ser um momento para a nossa família e nos dar um tempo sozinhos.” “Eu vou.…” “Você não ouse terminar essa frase, querida,” Clay corta, dissendo com os dentes cerrados e deixa cair o braço dele ao dar um passo à frente. “Você tem algo a dizer, Mav, então diga isso.” “Nada a dizer, Clayton, eu só acho que seria bom para sua namorada nos dar algum espaço.” “Minha namorada,” ele repete sarcasticamente, sua voz profunda vibra com raiva.


“Mav.” Quinn tenta se aproximar, mas para quando Maverick sai do seu lado e se vira para sair da igreja. Eu deveria achar cômico que ele obviamente não me reconheceu, nem no inferno, talvez ele tenha feito e está apenas pegando de onde parou há dez anos no meio da floresta escura. Respiro fundo. “Está bem. Ele tem razão. Vocês precisam de algum tempo como família. Eu vou para o PieHole e começar a arrumr para esta noite.” Quinn limpa uma lágrima da sua bochecha e apenas sacode sua cabeça. Olho para Clay para vê-lo olhando na direção que seu irmão simplesmente saiu. “Você é família,” ele finalmente diz, sem olhar em minha direção. “Clay, na verdade, tudo bem. Faz muito tempo que todos ficaram juntos e não preciso estar lá para essa reunião. É uma merda que levou tudo isso para finalmente trazê-lo para casa, mas ele está aqui e você precisa compensar o tempo perdido.” “Cala a boca, Leighton.” “Não, Clay.” “Não fazer o quê? Você tem todo o direito de estar aqui. Você é apenas uma parte da nossa família como ele é. Inferno, talvez até mais do que ele neste momento. Então, cale a boca, venha conosco e ignoreo.” Eu agito minha cabeça, a briga instantaneamente me deixando, sabendo que eu estaria discutindo até o fim dos tempos se pressionasse este problema. “Eu não posso acreditar que ele nem sequer reconheceu você,” Quinn sussurra. “Ou ele fez e é por isso que me quer longe. Você sabe que não nos separamos em bons termos naquela época. Isso realmente não é grande coisa, eu estou bem e a última coisa que quero é deixá-lo causar mais dor hoje. Vamos só levá-la para casa e nos trocar. Não se preocupe comigo. Essa é a última coisa que você deveria estar fazendo.”


Nos movemos os três juntos, para fora da igreja. Todos já foram e há apenas duas caminhonetes enormes e o Honda do pastor estacionados no lote de cascalho agora. Maverick está encostado ao Silverado preto, seu Stetson baixo novamente enquanto fumava um cigarro. “Gross, quando ele começou isso de novo?” Quinn pergunta ao irmão. Eu vejo a fumaça sair ao redor do seu rosto, pensando por que acho isso tão sexy. “Nenhuma pista, querida, achei que tinha parado há muito tempo.” “Ainda aqui?” Maverick pergunta sem olhar para cima das pedras que ele está chutando com o bico da sua bota. “Feche a merda, Mav,” Clay encaixa. “Sim? Quem vai me fazer? Você?” “Jesus, quantos anos você tem?” Pergunto, finalmente encontrando a minha voz. “Talvez vocês dois possam parar de agir como crianças tempo suficiente para manter sua merda e estar lá para sua irmã.” “Que diabos que você disse?” Eu olho para cima, encontrando a espinha dorsal que parecia ter perdido ao meu primeiro vislumbre de Maverick Davis em uma longa década e cruzo meus braços sobre meu peito, amaldiçoando meus seios quando percebo que seus olhos se desprendem para onde estou com certeza derramando no topo do meu vestido. “Meus olhos estão aqui, cowboy,” digo e solto meus braços para apontar meu rosto. “Tenha um pouco de respeito.” “Bem, querida, se você não queria que alguém olhasse, talvez você devesse se cobrir. Você colocou isso fora, eu vou olhar.” “Você é um idiota,” eu solto. “Estou surpreso por deixá-la vestir-se assim, Clay, ela apenas está pedindo a atenção.”


“Apenas quando pensei que você não poderia ser um bicho de merda maior, você simplesmente continua sendo,” respondo, interrompendo Clay antes que ele pudesse falar. “Querida, você não conhece uma coisa sobre mim, então por que você não mantém suas opiniões para si mesma.” “Jesus, Mav,” Quinn engasga em choque. Eu olho para Quinn, dando-lhe um sorriso antes de caminhar os dois passos para frente que me trará cara a cara com Maverick. “Você, Maverick Austin Davis, não mudou nem um pouco. Você pensaria que nos anos que você se foi de Pine Oak você lembraria o que acontece quando você trata uma garota como a merda presa sob sua bota, mas deixe-me assegurar-lhe que parei de pedir atenção há muito tempo. Dez anos atrás para ser exata e honestamente querido. Não consigo dar duas merdas se você me notou quando esse aviso não é nem querido e nem desejado. Retire sua cabeça do seu próprio rabo tempo suficiente para deixar de ser um idiota maciço e ter um pouco de respeito por seu irmão, sua irmã e seu pai.” Sua mão aparece e ele revira o chapéu para que possa me ver melhor, mas não dou um segundo para procurar descobrir o que estou falando antes de me virar e ir até Quinn. “Vamos, querida, voltemos ao rancho para que você possa se trocar. Clay?” Eu pergunto, segurando minhas mãos para pegar a urna antes de me mudar com Quinn para a porta do carro. Abro a porta e espero que ela se sente na frente antes de lhe entregar a urna e fechar a porta dela. Respiro fundo antes de me mudar para trás do volante para abrir a porta de trás. Eu olho para trás, dando a Maverick um olhar longo, duro e odioso antes de deixar minha saia em níveis respeitosos, coloco meu pé no estribo e com um pequeno pulo, subo no banco de trás e bato a porta atrás de mim. “Merda sagrada,” eu suspiro no silêncio que nos rodeia depois que a porta fecha. “Eu realmente não posso acreditar que ele não a reconheceu, Leigh. Sinos do inferno, isso foi intenso.”


“Já faz muito tempo, Q. Eu mudei muito desde que ele me viu pela última vez.” “Você estava no rodeio em Vegas, nem mesmo há dois anos.” Eu ri. “Quinn, você sabe muito bem que eu saí do meu caminho para ele não me ver.” Ela ficou em silêncio por um tempo, provavelmente tentando lembrar daquela noite. “Você pulou o bar depois, você não fez? Merda, Leigh! Você sempre pulou fora com a gente depois de cada rodeio, não é?” “Ding, ding, ding,” eu digo sarcasticamente. “Como eu não percebi isso antes? Meu senhor, Leigh. Eu sei que você não foi em muitos conosco, mas agora que estou pensando nisso, você realmente desaparecia sempre que fomos ver Mav.” “Porque eu não queria que você fizesse. Não é um grande problema, Q. Já estive em alguns e foi mais fácil para mim sair fora do que fazer com que vocês sofressem com a estranheza que seguiria se eu fosse junto. Vocês não tinham tempo suficiente juntos como era e não havia nenhuma maneira de eu tirar isso. A julgar pelo modo como tudo isso acabou de cair, teria arruinado o tempo que vocês tinham juntos com certeza, de qualquer maneira.” Eu olho pela janela quando a voz de Chris Stapleton canta através dos alto-falantes e vejo Maverick e Clay em uma discussão acalorada. Não consigo ouvi-los, não desde que Quinn ligou a caminhonete enquanto esperamos, mas quando a cabeça de Maverick se aproxima para olhar em minha direção, eu sei que Clay apenas derramou os feijões. Sim, com certeza parece que Maverick Davis chegou em casa. “Merda,” sussurro.


5 MAVERICK “Nobody to Blame” por Chris Stapleton

“Você é um maldito idiota, Mav, você sabe disso? Primeiro você está atrasado quando sabia que Quinn queria você – não, precisava de você – aqui com ela. Agora você está mostrando sua bunda quando você não tem o direito.” “Mostrando minha bunda? Você é o único que tem sua peça mais nova sentada na primeira fila e no centro com minha família. Parecia que Quinn não precisava de um segundo, irmão.” “Maldito, Mav!” Ele exclama e aproxima-se do meu espaço. “Você poderia ser um idiota maior?” “Com licença? Você conseguiu essa vagabunda lá com minha família, vestida como uma meretriz de dois bits, em nada menos que uma Igreja. Ela provavelmente não tem mais que sinais de dólar em seus olhos agora que o velho chutou o balde. Eu não ficaria chocado se ela começasse a iscar você por um anel após o testamento ser lido. Certifique-se e obtenha um muito bom acordo pré-nupcial, Clay.” Eu preciso de uma bebida. Não consigo controlar minhas palavras se tentasse. Muita merda girando na minha cabeça por muito tempo antes de eu mesmo rodar sobre a linha da cidade, especialmente depois de tudo o que aconteceu em Las Vegas. Quando você adiciona isso em cima do por que eu cheguei em casa, sim – eu definitivamente preciso de uma bebida. Apenas estar de volta a Pine Oak está fazendo com que


me sinta louco. Um animal enjaulado desesperado para libertar-se de seus limites. Eu sei que estou sendo um puto, mas não consigo fazer minha boca parar de soltar merda. Clay soltou um grunhido baixo. “Se eu não pensasse que isso iria chatear as garotas, eu iria bater a sua fodida cabeça por isso.” Eu cruzo meus braços sobre meu peito e mantenho minha altura cheia de um metro e noventa e mantenho seu olhar aquecido. “Sua besteira de intimidação não vai funcionar comigo,” Clay disse com uma risada seca quando ele se aproxima. “Deixe-me ajudá-lo aqui, irmãozinho, já que, como você foi embora, muita coisa mudou por aqui. Muito. A mulher que você parece tão certo em seu julgamento é a coisa mais distante para uma prostituta que você poderia encontrar. Ela é a pessoa que está ao nosso lado diariamente. Quando Quinn e eu tivemos que deixar Pops sozinho depois do primeiro derrame, ela foi a única que ficou por perto para ter certeza de que ele estava bem. Fechou sua padaria por horas enquanto estava sentada lá e lia para o velho.” Ele respira fundo, deixando sair com pressa. “Ela foi a que cavou seus joelhos na madeira dura por quarenta e cinco minutos e fez RCP5 sobre ele mesmo que provavelmente soubesse que ele estava bem além do ponto de ajuda. Ela fez isso até que alguém os encontrou. Com medo de parar as compressões e correr para um telefone para realmente pedir ajuda porque ela se recusou a desistir da esperança de que pudesse fazer alguma coisa. Quarenta e cinco minutos, ela nunca desistiu. Ficou de joelhos até estarem machucados tentando em vão salvá-lo.” “Você a deixou lá com ele? Maldição, Clay... Por tudo o que você sabe, ela poderia estar fodendo o seu caminho pelo seu dinheiro no segundo que você saiu.” “Eu deveria foder com você,” ele diz, fervendo. “Eu realmente deveria.”

5

Massagem cardíaca.


“Quão bem você a conhece? Você não disse uma palavra sobre ter um novo pedaço de bunda por isso ela não deve estar na foto por muito tempo. O melhor que posso dizer, não estou muito longe da marca.” “Quão bem a conheço?” Ele ri amargamente. “Eu diria muito bem, considerando que ela é a melhor amiga de Quinn por vinte e seis fodidos anos. Por que você não deixa isso afundar, seu maldito idiota?” Meus olhos deixam os dele instantaneamente e olho para o seu carro tentando ver na tinta negra que a esconde da minha vista. De jeito nenhum. Não poderia ser. “Sim... Vejo que você está conectando os pontos bem agora. Parabéns, Mav, nem mesmo está de volta à cidade por uma hora e eu diria que você conseguiu machucar Quinn e dar a Leighton mais uma dor para adicionar a última dose que você deu a ela. Merda, irmão, é como se você nunca tivesse saído.” Ele bate no meu peito, balança a cabeça e caminha até seu carro. Antes de dar a volta na carroceria, olha para trás e pega meu olhar atordoado. “Você fodeu, mas isso não significa que Quinn não vai querer você fora disso. Tudo o que ela queria desde o dia em que você saiu era que você voltasse para casa. Faça o que você precisa para consertar as coisas com ambas.” Ele não espera por uma resposta. Eu olho para trás na janela escurecida quando ela rola alguns centímetros. Clay reverte para fora do ponto de estacionamento, uma fresta na janela me provocando quando ele se aproxima de onde eu estou em pé, e logo quando ele se desloca para o carro, uma delicada mão de merda sai – o dedo do meio apontado em linha reta e foda-me, eu não pude parar o riso que disparou da minha boca. Parece que a pequena Leighton James está crescida. A última vez que a vi, eu sei que a machuquei profundamente. É um momento que não estou orgulhoso e surgiu mais frequentemente do que gostaria de admitir ao longo dos anos. Um arrependimento que sempre terei. O olhar em seu rosto quando ela afastou-se naquela noite me segurou preso por quase uma hora. Provei tudo o que pude para justificar minhas ações. Para encontrar uma maneira de corrigir o que


eu já sabia que estava errado, mas eu sabia, então, como eu faço agora, que se eu tivesse cedido para a verdade dos meus sentimentos sobre ela, eu nunca teria saído dessa cidade. Leighton James não é uma mulher que você pode ter e deixar ir. Eu sabia exatamente o que estava fazendo quando a vi fazer seu caminho para nós naquela noite da fogueira. É o mesmo que fiz com todos os outros na minha vida. Empurrá-los antes de me afastarem. “Foda-se!” Eu grito, tirando o chapéu e passando a mão pelos meus cabelos suados. Colocando o chapéu de volta no topo da minha cabeça, olho para o céu azul acima de mim e me pergunto, não pela primeira vez, quem diabos eu irritei tanto que continuo me encontrando nessas posições. Destruindo as pessoas que me interessam quando a única coisa que já fizeram foi cuidar de mim. As palavras de Leighton estão murmurando por minha mente e aperto meus olhos, lembrando o olhar de dor em seu rosto. “Você pensaria que nos anos em que você saiu do Pine Oak você se lembraria do que acontece quando você trata uma garota como a merda presa sob sua bota.” “Alguém poderia pensar...” Eu murmuro para mim mesmo antes de dar um chute no meu pneu. “Maverick? É você, filho?” Eu olho para cima, procurando a voz. Quando vejo a velha Marybeth Perkins, dou-lhe um sorriso. Um que vem facilmente quando me lembro da doce dama que trazia refeições caseiras quando parecia que Pops tinha bebido demais para cozinhar para seus filhos depois que a mamãe se foi. “Bem, sou eu. É você, querido. Tão teimoso como você foi no dia em que você escapou daqui mais rápido do que a última vitória de Jim Bob no concurso de comida de cachorro quente. Lembre-se, ele teve um pequeno obstáculo quando ele pensou que poderia comer três


desses cachorros ao mesmo tempo, mas ele ainda terminou em apenas dois minutos. Poderoso e rápido, se você me perguntar.” Ela se acalma lentamente, as bolinhas de tênis do seu andador batendo no chão suavemente. “Jesus Cristo,” murmuro e tiro meu chapéu, novamente, para limpar o suor na minha testa. “Você olha sua boca, jovem. Eu tenho meus olhos em você. Você se lembre na próxima vez que você quiser agir como um pequeno bosta. Agora me dê um abraço e peça desculpas à sua família, Leighton James incluída.” “Ei, Srª Perkins.” Eu lhe dou um sorriso, sentindo um pouco de aperto na minha facilidade. “Você é certo que é uma visão para os olhos doloridos. Já estava em tempo de você conseguir a sua bunda para casa. Você está aqui para o bem desta vez?” Ela pega sua mão e dá a minha bochecha algumas palmadas. “Sim, senhora. Acabei de voltar hoje.” “Bom, bom, querido,” ela diz, ainda sorrindo e acariciando minha bochecha. Estou prestes a abrir minha boca para falar quando o sorriso dela escorrega e ela me dá um olhar frio o suficiente para congelar o inferno. A mão macia que tinha dado um tapinha na minha bochecha amorosamente me dá mais um tapinha, um lote mais difícil do que o último. Ela solta o andador dela com a outra mão, traz as duas ao meu peito e agarra minha camisa em suas mãos, empurrando-me para o seu nível com uma força que nunca teria pensado que ela possuísse. “Vocês jovens sempre agem como se soubessem tudo quando vocês realmente não podem diferenciar a bunda de um cavalo de sua própria. Sonhos sempre grandes demais para sua própria cabeça, Maverick Davis. Você sempre teve um ar selvagem sobre você, mesmo quando um jovem fanfarrão. Semeou as aveias, eu acho, e agora você está de volta para casa. Onde você sempre pertenceu.” “Com todo o devido respeito,” eu começo, mas fecho minha boca quando ela alcança e puxa o topo da minha orelha.


“Lembro-me do dia da sua partida. Essas rodas traseiras espalharam tanta poeira que levou anos para se instalarem de volta no lugar. Eu posso ser velha, mas não sou burra. Olhando, essa doce garota te seguir como um cachorro perdido procurando uma sucata. Machucou-a bem quando você saiu, mas eu acho que você quis dizer isso dessa forma.” Abro a boca, desejando que ela solte minha orelha, mas ela apenas dá uma reviravolta e me puxa para baixo minhas costas estão curvadas sobre o andador enquanto ela olha diretamente nos meus olhos. “Ela sofreu muita dor em seus anos para que você adicione mais. Deixe essa pobre garota sozinha se você não consegue tirar esse pau da sua bunda, você me ouve?” “Sim, madame.” Foda, ela está puxando minha orelha fora da minha maldita cabeça? Eu concordaria com qualquer coisa se isso significasse que ela iria libertar seu aperto. “Bom. Agora vou te dizer algo, jovem, e espero pelo céu alto que você tenha em mente. Seu velho era um bastardo arrependido, Deus descanse sua alma. Não foi bom para vocês três, tanto quanto eu poderia dizer. Depois disso, sua mãe fugiu, a frieza se estabeleceu dentro dele, que era apenas puro mal. Você observe isso, Maverick, e não repita seus erros. Nem todo mundo tem que entrar e deixar você. Você saiu como sua mãe, achando que você era maior que suas próprias raízes e, assim como ela, você não pensou um segundo sobre essa nuvem de poeira que você deixou no seu rastro. É hora de voltar para casa, não apenas seu corpo, mas também sua alma. Abra essa sua mente teimosa e dê uma boa olhada em você.” “Srª Perkins, aprecio o que você está dizendo, mas eu realmente quero dizer sem desrespeito quando digo que realmente não é da sua conta.” Ela geme suavemente. “Sim, eu acho que você pensaria isso, mas você já passou muito tempo, menino, e como eu disse: não sou burra. Eu sou velha, mas não estou morta. Quando o seu bom papai ficou doente, era como se algo entrasse dentro dele e ele passou os últimos dois anos fazendo as modificações com seu irmão e sua irmã. Rasgou-


os quando ele morreu, mas você? Você age como se estar aqui é demais para aguentar. Você não vai ver isso agora, talvez não em breve, mas eu vivi muitos dias e conheço um tolo estúpido quando vejo um.” “Não é estúpido quando você está com certeza que não repetirá a história, Srª Perkins.” “Ha! Como eu disse, tolo estúpido. Não foi você a repetir a história quando você deixou aquela nuvem de poeira? Agora você está de volta e, assim como seu pai, está passando por aqueles que te amam.” Maldito inferno, esqueci como ela sempre viu tudo. Eu lhe dou o abraço que ela exigiu e beijo sua bochecha enrugada. “Assim está melhor. Foi bom ver você, Maverick. Você é um bom menino e venha uma noite para o jantar, você ouviu? Agora seja um querido e passe-me para o carro de Johnny,” ela diz com uma voz doce, nenhum sinal da velha do inferno que acabou de me entregar o meu traseiro em um grande prato fumegante. Eu olho para cima, vendo o pastor John Lewis encostado em seu carro. Eu dou um pequeno aceno com a cabeça enquanto a ajudo a andar até ele. Ele não diz nada, em vez disso sobe ao volante, mas não perco o sorriso que brinca sobre seus lábios. Ajudo-a a se instalar no assento do passageiro e fico de pé para que possam sair. Claramente, esse último golpe eliminou todo o sentido da minha cabeça, porque se eu fosse um homem inteligente, eu teria pegado minha caminhonete e voltado para fora da cidade, mas com a orelha ainda queimando da ira de Marybeth Perkins, saio do lote da igreja e dirijo-me ao último lugar que quero ir. O rancho Davis. Casa.


6 LEIGHTON “Better in Boots” por Tyler Farr

Depois de sair da igreja, Clay se dirige para minha casa. O passeio é silencioso, mas minha mente não está, e por isso, eu sou grata. Isso significa que vou ter algum tempo de silêncio antes que eu precise estar no PieHole. Tenho a sensação de que eles também precisam disso. Agora, a última coisa que quero é dirigir por aí, o que me faz sentir mesmo mais fora das coisas. Normalmente, você não conseguiria me fazer deixar minha padaria, mas depois desta tarde eu só quero ficar em casa, ter um banho quente e me perder em um bom livro. Com um profundo suspiro, subo os degraus para a minha varanda, acenando adeus para a caminhonete em retirada de Clay enquanto vou até a porta. Eu tinha planejado passar algum tempo em uma das muitas cadeiras de balanço que se alinhavam na varanda envolvente depois do funeral de Buford, mas sei que, a qualquer momento que ficar ociosa, só vai chutar minha mente em velocidade máxima pela faixa da memória, e esse é o último lugar que quero estar. Chutando o pacote na porta com a ponta do pé, abaixo e levanto o tapete para pegar a chave, puxando para trás a tela antiga e destravando a porta. Minha mente continua a mexer enquanto viro para substituir a chave e recolher a caixa – a julgar pela fita impressa e pelo logo, outra compra impulsiva da Amazon que eu realmente não tinha necessidade. Entrando, rapidamente tiro meus sapatos e coloco meus pés na madeira fria, deixando meus arcos terem um momento de


felicidade. Tanto quanto eu amo o jeito que minhas pernas parecem quando uso essas belezas, prefiro estar usando botas ou chucks6. Eu não estava brincando mais cedo quando disse a Maverick que parei de me vestir para impressionar anos atrás. Apesar de que agora eu realmente tenho um corpo que vale a pena mostrar, ainda me sinto como aquela garota brincando de vestir. Eu gostaria muito de ser apenas eu. “Ei, baby,” digo, um sorriso batendo meu rosto quando sinto a reconfortante e sensual carícia contra minhas canelas. Abaixando, pego meu gato robusto, Earl, certificando-me de acaricia-lo atrás da orelha esquerda. O seu ronronar saúda meus ouvidos, rompendo o silêncio em torno de mim. Earl é a única coisa que torna a vida sozinha suportável. Eu odeio o silêncio que me sufoca quando estou em casa, o que é provavelmente por que eu gasto tanto tempo em PieHole. Na PieHole, a única coisa que servimos é torta, então não é uma padaria típica. É muito mais do que isso. Ao longo dos anos, consegui transformar minha obsessão em fazer tortas em uma das melhores lojas especializadas por aqui. Começou como uma maneira de manter a memória da minha mãe viva – sentir como se ela estivesse ainda comigo – e aliviar essa dor que sentia diariamente com a ausência dela. Eu não diria que possuir uma padaria é algo que sempre sonhei, mas era seu sonho, e quando a perdi, encontrei minha felicidade em fazer do seu sonho uma realidade. Eu tenho tido sorte, e agora as pessoas vêm de todo o sul apenas para pegar algumas das minhas tortas famosas. Quinn disse que é minha ‘receita’ secreta, algo sobre o qual eu nem vou contar, mas eu gosto de pensar que é só minha Mama cuidando de mim lá de cima – dando a minhas criações um pingo de si mesma o que as torna tão inesquecíveis que todos anseiam o sentimento que eles conseguem com cada mordida. Nós recebemos pessoas de todo o caminho da Geórgia até o Canadá. Deixando a entrada, saio da porta da frente, em torno da namoradeira e mesa de café, tentando decidir onde quero ficar; eu 6

Tênis tipo All Star Converse.


finalmente escolho o sofá e mergulho nele. O ronronar de Earl se intensifica enquanto o abraço forte e continuo a raspar atrás da sua orelha. Ele é um animal, mas eu amo segurá-lo perto do meu peito, ou quão perto você pode chegar de um Maine coon7 de nove quilos. Ele parece mais um pequeno lince que um animal doméstico, mas adoro a pequena bola de pelos. Com um profundo suspiro, ainda acariciando suavemente, olho em volta da minha casa. Com a aparição súbita de Maverick de volta em Pine Oak, não consigo parar minha mente de girar em torno de velhas lembranças. Não apenas dele, mas também dos meus pais. Porque o nosso passado está tão entrelaçado, deveria ter visto isso acontecer, mas a dor que as memórias trazem é maior do que poderia ter antecipado. Eu sinto a perda dos meus pais como se fossem apenas dias e não anos desde que eles se foram. Meus olhos vagam sobre a sala, procurando por sugestões sutis. Durante o primeiro ano depois de terem morrido, eu não conseguia estar aqui, a dor de sua perda era demais para ficar de pé. Vivemos confortavelmente toda a minha vida, e o próspero negócio de criação de cavalo do meu pai significava que a casa em que cresci foi paga. Fiquei com mais dinheiro do que jamais gastaria na minha vida por causa do seu planejamento, mas era dinheiro que teria dado com prazer para tê-los de volta. Depois de vender nossas terras para a família Davis, além dos dez acres que minha casa ficava, o dinheiro aumentou ainda mais. Foi ideia de Clay remodelar minha casa de infância. Nunca me senti bem em gastar esse dinheiro, mas ele me lembrou que meus pais haviam trabalhado duro para garantir que eu seria cuidada – mesmo que não estivessem perto. Foi sua ideia que tornou mais fácil para eu estar aqui, porque uma vez que a casa já não se assemelhava a minha casa de infância, deixou de ser um constante lembrete do que havia perdido. A primeira coisa que fizemos foi tirar dois dos quartos de trás e eliminar algumas paredes, transformando meu velho banheiro em um 7 Um dos felinos domésticos mais antigos. Originalmente sendo do Maine e meio parente do guaxinim (de acordo com o folclore devido a sua cauda levantada como dos texugos). Possui característica de um cachorro, pois eles seguem cada movimento e são muito grandes.


banheiro adequado para um spa de luxo, com a banheira dos meus sonhos. Grande o suficiente para caber duas pessoas – não que eu tenha tido essa oportunidade em muito tempo. Ao liberar o que tinha sido um dos dois quartos de hóspedes, meu quarto agora tinha um armário que provavelmente nunca preencheria completamente. Nós pegamos meu quarto da infância e transformamos na habitação dos sonhos de uma mulher: acentos brancos e lavanda com o mais pálido roxo nas paredes completam o olhar, transformando-o em uma sala suave e feminina que não parecia nada como o quarto adolescente que tinha sido. O outro quarto de hóspedes deixamos igual, mas lhe demos uma suave camada de tinta amarelo claro e móveis novos. Ficou simples, mas aconchegante. Foi mais de um ano depois de terminarmos esses quartos até eu estar pronta para limpar o velho quarto dos meus pais. Como seu quarto ocupava metade da frente da casa, em frente à sala de família, nós decidimos transformá-lo em dois quartos. Demorou algum tempo, já que estávamos tomando o banheiro antigo e convertendo-o em um banheiro de hóspedes menor anexado a um dos recém-modelados quartos de hóspedes. O resto do espaço foi transformado em uma biblioteca, uma pequena, mas uma com prateleiras que alinham cada parede com duas grandes cadeiras confortáveis, separadas apenas por uma pequena mesa no meio. Não havia porta, apenas um arco duplo na entrada. Era – além da PieHole – meu lugar favorito para estar. Desde que Quinn passa mais tempo aqui do que na casa de sua família, ela assumiu as gavetas e armário no quarto da frente. Eu não me importo porque quando ela está aqui, ela faz o silêncio desaparecer. Com os quartos todos no lado direito da casa, o lado esquerdo foi deixado num piso plano aberto e acolhedor a sala de estar que alimenta na minha cozinha. Minha cozinha provavelmente daria a Paula Deen8 calcinhas molhadas. Além da minha biblioteca, esse cômodo é onde passo a maior parte do tempo – bem, quando não estou na Pie Hole. Certifico-me de que posso assar aqui e transportar para que possa 8

Chefe de cozinha famosa por programas culinários nos Estados Unidos.


quebrar um padrão normalmente muito longo de dia de trabalho na padaria. Realmente não há cheiro melhor do que os quatro fornos da minha cozinha assando e minha ilha de três metros coberta de tortas deliciosas. Demorou muito dinheiro e lágrimas para mudar completamente o que era uma vez minha casa de família. Agora, as únicas coisas que sobraram da minha infância são pequenos bibelôs e fotos de família. Mas mesmo com todas as mudanças, a dor ainda ruge alto em dias como este quando as memórias me assaltam. “Eu sinto falta deles, Earl,” murmuro, e dou-lhe um bom acariciar ao lado de sua cauda. Já passaram quase sete anos desde que eles se foram, mas ainda juro que posso ouvi-los às vezes. O clique das botas do papai quando ele entraria depois de um longo dia trabalhando nos campos, as panelas e frigideiras da Mama batendo na cozinha, ou mesmo sua risada e o beijo quando eles pensavam que eu não estava por perto para ver. Não que eu me importava. Quando os perdi, este lugar parou de parecer como um lar. Mesmo após a remodelação, é apenas uma casa, uma concha da felicidade que costumava estar espessa no ar. Não importa quantos revestimentos brilhantes e pinturas alegres são jogadas nas paredes, às vezes você não pode forçar a luz quando há muitas sombras bloqueando o caminho. “Vamos, meu velho, vamos nos trocar,” eu falo para Earl, cansada de me sentir triste e arrependida, saio do sofá e vou em direção ao meu quarto. “Miau,” ela ronrona e eu encaro nos olhos verdes com um sorriso. Eu continuo a acariciá-lo enquanto ando pela casa, falando com ele em tons suaves, quando o seu ronronar responde minhas palavras. Não pela primeira vez, percebo que estou me transformando na senhora louca do gato. “Eu realmente preciso sair mais, Earl,” digo. “Miau.”


“Sim... Na primeira chance que conseguir mamãe está saindo de casa por algum tempo.” “Miau,” ele faz de novo. Coloco-o no final da minha cama e ele imediatamente circula algumas vezes antes de se deitar no meio, como sempre faz, o rei do seu domínio. “Talvez a primeira coisa que eu precise fazer é obter uma cama maior para compensar todo o espaço que você ocupa,” digo com uma risada, alcançando atrás de mim para abrir desajeitadamente meu vestido. No segundo em que o zíper é liberado, eu me sinto como se finalmente conseguisse respirar fundo. Eu viro para o espelho e pego meu corpo inteiro. Obter uma plástica nos seios quando fiz dezenove anos provavelmente foi a pior ideia que já tive. Não só eu estava lidando com a perda dos meus pais, mas também a depressão em que tinha afundado me fez pensar apenas em todas as outras coisas dolorosas que já passei. Minha batalha ao longo da vida para amar e aceitar meu corpo, por exemplo. Quando ficou dolorosamente óbvio que meus seios nunca passariam de picadas de mosquito no meu peito, deixei um momento fraco após o fim de outro relacionamento fracassado me convencer de que eu não era o suficiente, e antes que eu soubesse, estava deitada de costas em uma sala de operações recebendo silicone recheando meu peito. Para ser justa, provavelmente teve muito pouco a ver com a obtenção do que não tinha e mais a ver com o sofrimento que não tinha sido capaz de me livrar. Uma pessoa faz coisas estúpidas quando está presa no nevoeiro desagradável da dor. É claro que, com a sorte que tenho, eu fui uma daquelas garotas que terminaram de se desenvolver após os vinte anos. Tomando o silicone e dobrando-o, deixando-me com uma taça E que foi a perdição da minha existência. Inferno, eu nunca soube que houvesse letras após o D no alfabeto do tamanho dos seios até que os meus se pegassem fora de controle. Isto me levou um ano com aqueles


meninos maus antes de voltar para a sala de operações. Ainda tenho implantes, mas eles não estão nem perto do que eram, deixando-me com uma taça D cheia. Ainda assim, mesmo que não sejam tão grandes, eles são grandes o suficiente para ser uma dor na minha bunda... Ou ombros, pescoço e costas, em vez disso. Eu me curvo e alongo, tentando desfazer as torções. Eu alcanço atrás da minha cabeça, juntando meus espessos cabelos loiros presos enquanto eu pego uma fita de cabelo da minha cômoda. Abro minha gaveta superior e alcanço o sutiã de renda vermelha brilhante, cobrindo o meu peito nu antes de escorregar da minha tanga e puxando a calcinha de renda correspondente sobre meus quadris. Só porque eu escolho me vestir com conforto não significa que eu não amo olhar e me sentir toda mulher com minha lingerie. Mesmo que eu tenha que ir a uma distância extraordinária –e os custos – para ter lingerie sexy no meu tamanho generoso de copo. Verificando o relógio pendurado ao lado da porta, eu me amaldiçoo por ficar tão perdida na minha cabeça. Como isso está, eu vou me apressar para fazer tudo aquecer no tempo. Eu peguei o primeiro short que eu consigo achar, nem mesmo prestando atenção entro neles e abotoo. Eu pego minha camiseta vermelha PieHole fora do gancho e puxoa sobre minha cabeça, amaldiçoando minha pressa quando meu rabo de cavalo afrouxa, permitindo que meus cabelos grossos escapem do lugar. “Senhor tenha misericórdia!” Eu grito quando quase puxo minha orelha tentando me apressar mais com o rabo de cavalo. Sinto-me como o lado de baixo de um nabo verde com a forma como meus nervos estão borbulhando. E eu sei exatamente o que – ou, devo dizer, quem – é a causa. Earl olha-me quando eu saio do armário e expiro em um arrepio de frustração. “O que?” Olhando rapidamente para mim, como se eu fosse mais baixa que a barriga de uma cobra em um sulco de lama, “Earl! Tem sido um longo dia; tenho permissão para estar um pouco cansada.”


Ele apenas olha uma batida antes de levantar a perna e lamberse. Agarrando minhas botas de cowboys vermelhas do chão, sento no banco no final da minha cama e puxo algumas meias antes de empurrar meu pé dentro do couro desgastado. Uma visão minha com dezesseis anos de idade, puxando nervosamente o nó na minha camisa de flanela, pisca na minha cabeça quando pego meu reflexo no espelho no canto do meu quarto e eu rapidamente venço isto. Eu tive o suficiente para tropeçar na pista da memória e me recuso a dar Maverick mais poder. “Te amo, garotinho,” digo para Earl e corro pela minha porta, arrancando minha bolsa de uma das cadeiras da ilha na cozinha. Eu começo a procurar dentro da minha bolsa enquanto passo na cozinha e na sala de estar, olhando para baixo enquanto puxo a porta da frente aberta e amaldiçoo o fato que minhas chaves do Jeep sempre parecem se perder na minha grande bolsa. “Que todos se danem no inferno!” Eu grito quando colido de cabeça em um corpo forte no segundo que minhas botas atingem o limiar da porta, derrubando-me de volta até que minha bunda toque dolorosamente o chão. “Filho da puta,” respiro quando uma dor aguda dispara nas minhas costas de onde meu cóccix dolorosamente bateu contra a madeira dura implacável apenas dentro da minha porta. Eu olho para cima e suspiro quando vejo o motivo da minha queda antes de rapidamente controlar meu rosto para algo parecido com calma e controle, apesar da cena que acabei de criar, e levantando uma sobrancelha em questão. Ele não fala, mas dá um passo mais perto e curva ligeiramente para me oferecer a mão dele. “Você deve aprender a olhar antes de abrir sua porta,” Maverick diz com uma voz profunda e rouca, fazendo-me lutar contra um arrepio de excitação. “Se isso é uma desculpa, você realmente precisa trabalhar em sua execução.”


Sua boca sobe de um lado, seus lábios cheios de zombaria dizendo sem palavras que uma desculpa não era sua intenção. Agh, aquele belo idiota, arrogante e teimoso. “Você sabe, enquanto você está nisso, você deve adicionar trabalho em seus modos também. Você realmente parece ser desprovido nessa área,” respondo sarcasticamente, ignorando sua mão estendida e subindo aos meus pés, esfregando o ponto dolorido na minha bunda. “Adivinha, vou acrescentar isso à lista de outras merdas que minha mãe nunca me ensinou,” ele fala. Inclino-me e pego minha bolsa antes de ficar em pé, esticando meus ombros e encontrando seus olhos. Sua expressão não muda enquanto ele traz uma mão bronzeada para empurrar o chapéu um pouco para trás, permitindo-me uma melhor visão dos olhos verdes brilhantes pelos os quais Davis são conhecidos. “O que você está fazendo aqui, Maverick?” Pergunto em um suspiro. “Estou atrasada e preciso sair daqui.” “Imaginei que eu precisava parar,” ele diz. Isso é tudo? O que diabos isso significa? “Então eu acho que não estamos na mesma página, porque não tenho certeza de que eu concorde com você.” “Você vai me deixar entrar ou o quê?” Eu solto uma risada sem humor. “Ou o que.” Puxando minha bolsa sobre meu ombro, estendo a mão e aperto as duas palmas contra seu abdômen e dou a ele um empurrão para trás, gritando mentalmente para mim para não apreciar a maneira que seus abdominais ficam contra minhas mãos. Não, não vou gostar nem um pouco. Cristo, ele parece pedra quente sob minha pele. Foco, Leighton!


Ele me permite empurrá-lo um passo para trás. Fecho a porta com força suficiente para que o som soe como um tiro. Quando volto, percebo que ele está segurando a porta da tela aberta com a perna e eu levanto a minha sobrancelha em questão enquanto ele continua a segurar minha porta aberta. “Importa-se de soltar minha porta? Eu tenho lugares para estar,” eu fico muito orgulhosa do fato de que minha voz soa muito mais calma do que eu me sinto... Bem, se mal-estar é calma. Ele move sua perna, deixando a tela contra a moldura da porta, mas não faz outra jogada para me deixar passar por ele pelos degraus da varanda, que ele está bloqueando. “Você vai falar?” Reclamo de forma acalorada quando fica claro que ele se tornou mudo nos últimos segundos ou intencionalmente é um idiota ainda maior. “Eu estava fora da linha mais cedo. Só queria que você soubesse.” A minha mandíbula cai enquanto olho para ele estupidamente. Estamos sérios agora? “Você estava fora da linha?” “Isso é o que eu disse, querida,” ele responde, cruzando os braços sobre o peito e colocando sua postura. Eu olho para baixo, vendo o tecido de sua camisa se estender contra seus bíceps grossos. As mangas compridas estão dobradas e empurradas até os cotovelos, fazendo com que as veias nos antebraços se destaquem quando pulsam grossas. É preciso um inferno de um esforço da minha parte para não lamber meus lábios naquela visão. Quem teria pensado que as veias poderiam ser sexy? Aposto que se eu corresse a língua sobre seu comprimento, ele teria um gosto delicioso. Espere – não! Merda, ele nem sequer voltou tempo o suficiente para que seu motor esfriasse e eu estou de volta, onde eu estava dez anos atrás, ansiando por ele, mesmo que eu com certeza estivesse melhor agora. Eu rasgo meus olhos para longe dos antebraços – esses sexy, quentes, lambíveis – maldito, Leighton, saia dele!


“Eu não sou sua querida. É Leighton, é melhor você se lembrar disso, cowboy,” sussurro duramente antes cutucar seu peito. Ele precisa parar de me chamar disso ou ficarei como massa de vidraceiro nas mãos dele. Há alguma coisa mais sexy do que um profundo sotaque do sul, pronunciando a palavra “querida”? Não, não existe, é por isso que ele precisa parar com isso imediatamente. “Cowboy?” Ele pergunta, desdobrando os braços para tirar minha mão. “Jesus Cristo, você poderia parar de fazer essa merda?” “Olhe,” resolvo, seguindo seu exemplo e cruzando meus braços sobre meu peito. “Eu não sei por que você sentiu que precisava vir aqui. Então você disse algumas coisas insensíveis antes, seja o que for, eu acabei com isso.” “Essa merda não acabou, querida,” ele diz, rindo. “Leighton. Você não me conhece bem o suficiente para deixar cair o ‘querida.’” Eu grito, lutando contra o desejo de bater meu pé e ter um ajuste de conotação, ignorando a forma como meu corpo está queimando com excitação. Ele tem que parar de me chamar assim; só ouvir essa palavra em sua voz de veludo profundo é suficiente para me fazer querer começar a roçar o ar. “Sim. Como eu disse, essa merda não terminou. Eu estava fora de linha. Precisamos colocar isso atrás de nós para que eu possa voltar para o rancho.” Suas palavras me atingiram, o significado era claro, e de repente estou mais irritada do que eu estava apenas um segundo antes. “Então você pode voltar para o rancho?” “Foi o que eu disse.” “Por que, seu-idiota-estúpido de merda. Você não veio aqui para se desculpar por mostrar sua bunda, mas para o que? Você tem um tempo limite estipulado por Clay? Ou Quinn? Você poderia ter nos salvado tanto problema apenas conduzindo ao redor naquele sua caminhonete chamativa por um minuto a mais antes de voltar e relatar a eles como um bom garotinho como você fez conforme o pedido.”


“Agora, você escuta aqui,” ele começa, dando um passo à frente, nossos peitos a um pé de distância. “Ah, acho que não, senhor. Você pode pensar que o sol surgiu apenas para escutar você, mas eu garanto que não preciso da sua bunda arrogante iluminando minha porta. Como é isso? Volte e digalhes que eu aceitei sua ‘desculpa’ e concordo em deixar o passado para trás.” Sua sobrancelha dispara com minhas citações no ar e vejo a raiva brilhar em seus olhos, tornando o verde claro em uma tempestade turva. Eu não dou mais um segundo antes de passar por ele e pisar no meu Jeep. Um pé no rodízio mais tarde, estou atrás do volante e giro na sujeira enquanto chicoteio a roda e acelero no cascalho da minha entrada. Quem diabos ele acha que é? E o que diabos foi aquilo lá atrás? E mais importante, como eu convenço meu corpo de que é uma má ideia cobiçar Maverick Davis novamente? Merda, estou ferrada. Se eu pensasse que minha paixão quando ele era apenas um adolescente era forte, não tem nada sobre a força de desejo pelo qual eu anseio o Maverick adulto agora. Quando eu tinha quatro anos, Maverick seis, pensava que ele era o mais belo garoto, desejando que ele me perseguisse e puxasse minha trança longa e balançasse como todos os meninos que gostavam das outras garotas da escola faziam. Quando eu tinha dez anos, mesmo em seu estágio de pré-adolescente estranho não podia disfarçar sua boa aparência. Quando fiquei com quatorze anos, ele começou a preencher suas camisas e meus sonhos se transformaram em fantasias. Aprendi a vencê-lo quando eu fiz dezesseis anos, ele dezoito anos, e percebi que o patinho feio que eu era nunca seria capaz de competir com as garotas com as quais ele sempre estava, mas apenas porque ignorei o quanto queria que isso não significasse que os sentimentos morressem. Que é provavelmente por que suas palavras me


machucaram tanto naquela época, porque elas me disseram que eu estava certa: Eu nunca seria o que ele queria. É melhor lembrar isso agora, porque o homem que ele se tornou me incendeia mais quente do que um incêndio fora de controle, e se eu não bater nessas chamas de volta, isso pode ter o poder de me consumir até que nada além de cinzas permaneça. E eu, Leighton James, sou melhor do que isso.


7 LEIGHTON “Crash and Burn” por Thomas Rhett

Jana Fox, a melhor empregada do mundo, já está no PieHole quando acelero no estacionamento traseiro e deslizo para o meu local de estacionar ao lado da lixeira. O seu VW Beetle rosa quente está encostado na parte de trás do prédio, e ela está segurando a porta dos fundos aberta com um pequeno sorriso em seu rosto bonito. Jana está comigo desde o dia em que abrimos as portas da PieHole. Eu honestamente não posso me imaginar andando por estas portas sem ela estar comigo. “Eu disse a você quando ligou cinco minutos atrás para não se apressar, Leigh. Estive aqui desde antes do serviço terminar. Tudo já foi colocado para fora, com exceção da abóbora. As fatias de maçã já estão distribuídas, e na prateleira de aquecimento, a abóbora tem cerca de um minuto antes de poder tirar e cortar, depois guardar. Você precisava de um segundo, querida, e eu tenho tudo sob controle.” “O que eu faria sem você?” Pergunto antes de dar um abraço. Ela entrou na minha vida no momento perfeito, preenchendo esse papel maternal que eu senti vazio por muito tempo. Não só isso, mas a mulher pode arrumar uma boa torta, e ela desempenhou grande parte em colocar bem a PieHole no mapa. Os braços dela levantam e inalo os cheiros familiares e tranquilizantes da minha padaria misturado com seu perfume e aproveito o conforto que ela oferece. Eu realmente não sei o que faria sem a peculiar mulher mais velha na minha vida.


Ela esfrega minhas costas por alguns momentos preciosos antes de se afastar. “Vamos, pequena, vamos lá terminar.” Atravessamos o corredor curto e jogo minha bolsa no meu escritório antes de entrar na grande área da cozinha. Os cheiros rodopiando ao redor do lugar trazem o primeiro sorriso não forçado dos últimos dias em meus lábios. Sim, isso aqui– este momento de coração alegre é exatamente por que eu gasto tanto tempo aqui mesmo na cozinha da PieHole. Caminhando para um dos quatro frigoríficos industriais e duas grandes unidades de congelamento, sorrio quando as vejo. Vinte das tortas favoritas de Buford Davis me cumprimentando. Não consigo lembrar quando comecei a colocar minhas tortas de sorvete TIC9, torta de sorvete Twix nas prateleiras, mas nunca vou esquecer o dia em que o mal-humorado Buford ligou para minha loja e perguntou: “Se esconda com uma fatia antes que seja forçada a ir pastar com os potros.” Elas começaram como algo com o qual eu estava brincando. Estava tentando uma maneira de fazer algumas tortas de estilo congelado e elas simplesmente aconteceram por acidente. A partir daquele momento sempre que eu ia até sua casa, eu me assegurava de ter uma torta inteira apenas para ele. Ele nunca me agradeceu. Nunca ofereceu nada além de uma piscadela antes de pegar toda a torta, um garfo e sentar-se de volta em sua cadeira por horas assistindo a Game Show Network. Não que eu estivesse atrás do seu agradecimento. Era em momentos como esse, quando ele esquecia a raiva e amargor que tinha, quando ele nos dava um vislumbre do que o povo de Buford raramente viu. Aquele que carregou uma vida cheia de arrependimento como um campo de batalha de raiva. Ele mostrava sua fragilidade nesses momentos. Seu medo. Sua solidão. E sua culpa. Ele trabalhou muito para mudar as coisas antes do final de sua vida e, enquanto dois de seus filhos o haviam perdoado, ninguém nunca esqueceu. Uma lágrima que escapa desliza e puxo duas tortas antes de me mudar para a ilha de aço inoxidável no meio da cozinha. Jana me dá

9

TIC: Twix ice cream (torta de sorvete twix).


um sorriso triste antes de retirar alguns dos nossos pratos roxos do armário acima da ilha e alinhá-los para que eu coloque as fatias. “Você tem certeza de que não quer que eu tire as tortas de biscoito que você fez essa manhã?” Ela pergunta, metodicamente os pratos, coloco uma fatia da torta TIC, arrastar um vazio em seu lugar, nós duas nos movendo em como uma máquina bem oleada.

de massa movendo antes de sincronia

“Não. Esta noite é apenas sobre os Davis, e as únicas tortas que eu estou servindo são suas favoritas. Ninguém irá pensar em argumentar. Hoje não.” Pequenas rugas aparecem entre suas sobrancelhas, mas ela acena com a cabeça, seus cachos cinza saltando com seu movimento. “Você provavelmente está certa, querida. Além disso, não há uma alma que não saiba que os Davis adoram suas tortas. Eu penso que Clay tem maçã manchando sua camisa pelo menos uma vez por semana.” Ela solta uma risada suave, o som como sinos badalando ao nosso redor. “Talvez eu precise ter um babador feito,” brinco. Acabamos de colocar cerca de trinta fatias da torta TIC e começamos a movê-las para o mostrador na sala principal. Olho em volta, vendo as paredes lavanda, mesas redondas pretas espalhadas por todo o chão, vasos de margaridas empoleirados em cada uma e sorrio. Quando eu abri a PieHole pela primeira vez, eu tinha uma pequena loja logo na Davis Street, não muito longe do centro de cidade, mas era perfeito para o que eu precisava. Até que a notícia começou a se espalhar sobre minhas tortas, e a próxima coisa que eu sabia era que eu tinha que afastar as pessoas porque não conseguia acompanhar a demanda. Tendo sido sábia com o dinheiro que herdei ao longo dos anos e vivendo uma vida frugal, além da remodelação de casa, eu transformei um pedaço de mudança já saudável em uma montanha. Depois de estar aberta por dois anos, consegui me mudar para uma das lojas vazias e maiores da Main Street. Você não poderia ir em qualquer lugar


em Pine Oak sem dirigir pela Main Street, e transformei meu negócio já próspero em um sucesso monstro. A cozinha ocupava um bom espaço, mas quando restabeleci a antiga churrascaria, certifiquei-me de usar apenas a quantidade necessária de espaço para minha cozinha, deixando um escritório que se parecia mais como um grande armário às vezes, mas era importante para mim que a área principal fosse ampla e acolhedora. A parede traseira é forrada com resfriadores e telas de aquecimento especializadas que levam ao caixa no meio. No final de cada exibição, há uma pequena porta giratória que nos permite entrar na sala de jantar. As mesas e piso de madeira preta são as únicas coisas na sala que não são uma sombra de púrpura. Parece louco, paredes roxas, pratos, utensílios, mas quando eu decidi nomear meu lugar, PieHole, eu sabia que esta era a única maneira que poderia ser. Minha mãe me ensinou tudo o que sei sobre tortas. Quando eu era pequena, uma das melhores tortas que ela fazia – e sua favorita – era a torta de batata doce roxa. Quando terminávamos a última fatia, eu sempre implorava e ela me deixava lamber o buraco da torta, que era o que eu sempre chamava a forma vazia. Então, quando chegou a hora de criar meu próprio lugar, nunca foi uma pergunta que minha casa roxa longe de casa seria chamada de PieHole. Sorrio enquanto eu me movo em torno das mesas espalhadas para destravar a porta da frente. A pesada porta de madeira é pintada com uma tinta roxa mais vibrante do que toda a loja e nunca deixa de iluminar meu humor. “Leigh, querida?” Jana grita de trás do balcão. Voltando da porta – e dos meus pensamentos – eu sorrio para ela. “Sim?” “Eu só queria perguntar uma vez mais se você tem certeza sobre as tortas de massa de biscoito. Eu posso dar-lhes um prato rapidinho.” “Tenho certeza. O que há com a preocupação súbita sobre a massa de biscoito?” Eu ri.


“Bem, Leigh, querida... Bem, só pensei... Não importa, querida. Minha velha mente às vezes só parece um pouco presa.” Eu torço minha cabeça para o lado e levanto minha sobrancelha confusa. Velha, minha bunda. Eu sei de fato que Jana tem toda sua inteligência sobre ela, e eu dificilmente chamaria cinquenta e três de velha. “O que você está tentando perguntar, Jana?” Ela começa a mexer com os cartões de visita perto da caixa registradora e eu sei que não vou gostar de nada que está em sua mente. “Eu simplesmente pensei, bem... Com Maverick em casa e tudo, você pode querer adicionar a sua favorita também.” Suas palavras são como um soco no intestino. A massa de biscoito sempre foi sua favorita quando estávamos crescendo. Era sempre uma fatia de abóbora para Quinn, maçã para Clay e para Maverick e para mim... Sempre massa de biscoito. Era apenas mais uma dessas coisas estúpidas que eu costumava convencer-me de que devíamos estar juntos. Jovem e burra, eu realmente acreditava que o amor compartilhado com a torta de massa de biscoito significava algo. “Eu duvido que ele mesmo apareça, Jana. Não fiz nada especial. Acho que acabei deixando as memórias de nós crescendo juntos obter o melhor da minha mente nessa manhã e nem percebi que eu tinha adicionado a dele a minha preparação. Além disso, elas sempre vendem bem quando as temos, então podemos usá-las amanhã.” Odeio o olhar de desapontamento que pisca nos olhos castanhos, como se eu estivesse fazendo algo errado, mas eu não estava brincando quando eu disse que duvidava que ele aparecesse. Soltei um suspiro audível e reconsiderei. “Eu vou te dizer o que: se Maverick aparecer e pedir uma fatia, sinta-se livre para correr lá atrás e pegar algumas. Mas eu não teria muitas esperanças.” Seu rosto se acende e ela me dá um pequeno aceno de cabeça. Continuamos nossa preparação, certificando-nos de que todas as janelas e as vitrines estão livres de impressões digitais. Quinze para as


cinco, a porta da frente se abre e Quinn entra. Eu corro ao redor do balcão para o lado dela. “Ei, você,” eu saúdo e dou um sorriso caloroso e um abraço. “Ei, Leigh. Você precisa de alguma ajuda?” Eu puxo para trás, apertando seus ombros nas minhas mãos como ela sempre faz quando está oferecendo conforto ou apoio para mim e agito minha cabeça. “Vamos, Leigh. Hoje vou sair da minha mente. Apenas me dê algo para fazer antes que as pessoas comecem a aparecer e me encham com essa merda ‘eu sinto muito por sua perda’ quando ambos sabemos que não há uma alma maldita nesta cidade que sente muito que ele se foi.” Deus, meu coração se quebra por ela. Uma coisa que Quinn Davis odeia é quando as pessoas são falsas. Claro, ela também está lidando com muitas coisas. Eu acho que ela e Clay estão felizes que o velho tenha ido, mas isso não facilita a perda. Eles trabalharam duro para lhe dar o perdão, mas depois do primeiro golpe, as coisas apenas tornaram-se tensas. Você pode perdoar facilmente, às vezes, mas esquecer é um jogo de bola diferente. Foi difícil assistir um homem tão grande como a vida desmoronar. Eu acho que, no final, sua morte apenas os lembrou tudo o que eles nunca tiveram crescendo. “Eu sei, querida, eu sei.” “Eu odeio isso. Odeio me sentir assim, Leigh. Eu não deveria estar tão triste que ele se foi.” Envolvendo meus braços ao redor dela novamente, eu a puxo para perto quando seus soluços suaves quebram meu coração um pouco mais. A porta abre novamente e Clay entra, puxando o chapéu e deixando cair no gancho da porta antes de passar as mãos pelos seus cabelos pretos. Ele olha, seus olhos se tornam moles quando ele vê a sua irmã nos meus braços. Não querendo ver a dor em sua expressão, eu olho para longe do seu rosto. Ele tirou sua camisa preta, trocou-a por uma camisa marrom com botões que está colocada em suas Wranglers.


Suas botas tocam fortemente contra o chão enquanto ele caminha até nós. “Desculpe, eu estava no telefone com Drew,” ele diz. Eu sei que o único motivo pelo qual seu capataz o incomodaria hoje é se houvesse um problema no rancho. Eu sei que ele está tendo problemas com seu gerente, Jimmy Wheat, mas, além disso, não posso pensar em uma única coisa que sairia errado no rancho Davis. “Tudo bem?” Pergunto, esfregando círculos pequenos nas costas de Quinn. “Será quando eu disparar a bunda de Jimmy. Ele não fez um pedido de ração na semana passada, então imagine o choque de Drew quando notou no registro que nenhum dos cavalos tinha sido atendido esta manhã.” Merda. Se há uma coisa que Clay não suporta em seu rancho, são empregados preguiçosos e negligência com seus cavalos. “Você precisa de alguma ajuda?” Pergunto, não tenho certeza do que eu poderia fazer por ele, já que nunca tive interesse em administrar o rancho da minha própria família, mas conheço o caminho da vida no rancho, e se eles precisassem de ajuda, eu não hesitaria. “Não, querida, não preocupe sua linda cabeça com isso.” Ele se inclina e me dá um beijo na minha testa. “Bem, vocês estão mesmo parecendo aconchegantes,” diz uma voz aguda e nós três nos voltamos para a porta. Maverick. Apenas adorável. Tanta coisa para ele não aparecer esta noite. “Se você não consegue manter sua boca fechada, irmãozinho, então vá embora agora.” Quinn solta um gemido suave e eu a abraço mais forte. Ela nunca fica bem quando se tratava de seus irmãos em combate. Maverick levanta as mãos e um sorriso perverso cruza seu rosto. Idiota arrogante.


“Maverick, querido. Bem, se você não é uma visão para olhos doloridos,” Jana chama enquanto ela vem pela porta da cozinha e caminha por trás do balcão, indo até onde ele está de pé e lhe dá um abraço. Ele não se move. Nenhum centímetro. Mas Jana não desiste, ela simplesmente o mantém mais apertado, seus braços pendurados ao seu lado. Eu vejo as emoções cintilarem sobre seu rosto antes dele voltar estranhamente o abraço, acariciando ela algumas vezes nas costas. “Ei, Srª Fox,” ele murmura, olhando para baixo para onde sua cabeça está pressionada logo abaixo no seu peito. Eu quase ri do quão engraçado e pequeno corpo, apenas um metro e meio, se parece ao lado de seu corpo gigante, mas então lembro que é Maverick e eu não preciso perder um segundo dos meus pensamentos sobre ele. “Você quer alguma torta, Q?” Pergunto calmamente, não querendo chamar a atenção de Maverick. Ela puxa para trás e me dá um sorriso, um que na verdade não parece forçado. Levando meus polegares para suas bochechas, limpo seus olhos e devolvo o sorriso dela. “Abóbora?” Ela pergunta com entusiasmo, o tom borbulhante e feliz em sua voz. “Eu faria a você de algum outro sabor?” Ela ri e balança a cabeça. “Te amo, Leighton.” “Te amo também, Quinn.” Ignorando a tormenta silenciosa fermentando entre os irmãos Davis, com uma ignorante, mas tagarela Jana presa entre a dupla, eu pego a mão de Quinn e puxo-a para sua mesa. Eu digo sua mesa porque ela geralmente para aqui em todas as chances que consegue entre os turnos na loja de automóveis. Caminho para o caixa segurando as fatias de torta de abóbora, pego a grossa que eu tinha deixado especialmente para ela e entrego. Bem, quando eu abro a boca para perguntar se ela precisa de mais alguma coisa, eu ouço o carrilhão da campainha e o som de mais vozes.


Dando uma piscadela, volto atrás do balcão, encontrando Jana com um sorriso. As próximas horas passam com uma sala de conversas de cidade, crianças rindo e mais do que algumas viagens para trás para recarregar as caixas de tortas vazias. Por sorte, estou tão ocupada que não tenho tempo para prestar atenção no que estava acontecendo com Maverick, mas os olhares que eu roubo sempre parecem levar meus olhos diretamente para os dele. Quinn e Clay se apegam a sua mesa, deixando as pessoas chegarem a eles com suas falsas simpatias. Jana faz certo de manter seus chás doces cheios, e algumas vezes Clay sinaliza por outra fatia de torta de maçã, sorrindo para mim com gratidão quando eu coloco um prato fresco na frente dele. Maverick não faz uma jogada para se juntar a eles em sua mesa, nem tomou uma bebida nenhuma das vezes que Jana ofereceu. Ele também nunca toca no prato de torta, nem mesmo depois que Jana traz a torta de massa de biscoito pela porta de trás, como eu disse a ela que poderia. Algo que eu já percebi. Ele fica parado lá. Um homem carrancudo de preto com as costas encostadas na parede de lavanda, um pé de bota no chão e o outro contra minha bela parede, e aqueles malditos braços grossos cruzados sobre o peito dele. Eu também me recuso a admitir o quão bom esse homem imponente de preto parece no meu espaço. “Eu vou fazer uma rodada e coletar alguns pratos. Você está bem?” Eu pergunto a Jana antes de pegar o balde que usamos para recolher os pratos sujos que precisam ser lavados. “Sim, você sabe que eu poderia trabalhar neste lugar dormindo.” “Você pode. Provavelmente poderia executá-lo melhor do que eu.” “Sobre as outras tortas,” ela começa. Eu rolo os olhos, mas não reconheço suas palavras. Ela ri o seu pequeno sino de duende atrás de mim enquanto eu uso a porta de balanço oposta de onde eu sei que ele está me assistindo. Da mesma forma que eu sabia que seus olhos não me deixaram a noite toda. Eu deveria poder ignorar isso, mas depois da nossa interação


mais cedo, só me irrita que está tentando jogar sua intimidação besta no meu lugar. Fazendo rapidamente o meu trabalho ao redor da sala, coloco todos os pratos sujos e garfos que eu posso antes de voltar meus passos e caminhar pela entrada da cozinha. O balde bate no balcão ao lado da pia quando eu o sinto. Como um toque físico, a energia bruta que apenas Maverick Davis parece trazer em mim, faz minha pele sentir em consciência. Olho para baixo, amaldiçoando os arrepios que dançam em meus braços. Ignore ele, Leigh. Basta fazer o que tem em sua mente e agir como se ele não estivesse aí. Ele quer isso, ter uma reação de você, então não dê isso a ele. Não jogue com ele. Ânimo para falar ou não, eu tenho que me forçar a estabilizar minhas mãos quando levanto os pratos, um a um, fora do balde antes de enxaguá-los e colocar cada um na bandeja que irá puxá-los através do sistema de lavagem. Cada prato que eu retiro me lembro de continuar o ignorando. Por alguma razão, ele continua me procurando, mas estou determinada a não morder. Quando o último prato é colocado no carrinho, não tenho outra desculpa para continuar ignorando-o. Com um profundo suspiro, viro e me inclino contra a pia, cruzando meus braços e movendo meus olhos diretamente para os dele. Serei condenada se eu vou deixá-lo ver como me afeta. Sorroso rebelde. “Eu queria saber por quanto tempo você iria fingir que eu não estava na mesma sala.” Levantando uma sobrancelha, eu dou uma expressão exasperada. “Oh, eu não estava fingindo. Eu simplesmente não tenho nada para dizer a você, Maverick.” “Sim, isso ficou muito claro, querida.” “É Leigh. E podemos não fazer isso? Eu não sei o que você quer de mim agora mesmo, mas use suas palavras de garoto grande e me avise para que possamos seguir em frente do que quer que seja isso,” eu estalo com força enquanto aponto entre nós.


“Percebi que você tinha as tortas de Clay e Quinn esta noite.” “Bem, você é esperto,” eu zombo. “Percebi que você também tinha a do velho,” ele lança e caminha a poucos passos da porta da cozinha fechada. “Você quer uma estrela de ouro?” “Sarcasmo não lhe convém,” ele responde, ignorando minha pergunta como se eu não tivesse falado. Eu me levanto um pouco mais reta enquanto ele dá mais um passo para perto, deixando apenas uns dois centímetros entre nós. “Também percebi que você pareceu esquecer uma,” ele continua dando mais um passo até ficar perto o suficiente que tenho que colocar minha cabeça para trás um pouco para olhar nos olhos dele. “Não esqueci nada,” retornei, inclinando-me para a borda da pia em que eu estava empurrando meu corpo e ficando na ponta dos dedos dos pés, então posso tentar fechar a lacuna de intimidação que ele está tentando criar usando sua altura contra mim. “Como eu deveria saber que você voltaria para a cidade, esta noite, de todas as noites?” Eu observo seus olhos para o calor e essa tempestade fervendo mais uma vez dentro deles enquanto ele aperta o maxilar. Meus olhos querendo desesperadamente mover-se para o canto da mandíbula para ver a mesma flexão que ele sempre tinha quando apertava o maxilar, mas eu os forço a ficarem treinados em seu rosto. “Maldição, Leighton. Você sabia que não ficaria longe quando Quinn me quisesse aqui.” Lançando minha cabeça para trás, ri, o nervoso que ele atravessa em meu corpo disparando tão rapidamente que eu me sinto de cabeça clara. “Sim? E quando ele ficou doente pela primeira vez e ela pediu que você voltasse para casa? E sobre a segunda, terceira ou mesmo a última vez? Onde você estava, Maverick? Parece-me que eu bati um prego na cabeça. Não use sua irmã como uma desculpa. E daí? Você está em casa agora – nós deveríamos beijar suas malditas fivelas e jogar fora o tapete vermelho? A famosa estrela de rodeio Maverick Davis está de volta, então o tempo para e curva-se? Novas notícias, idiota,


enquanto você não estava aqui, tenho me assegurado de aliviar a dor para eles, e esta noite é sobre eles desde que todos pensamos que você continuaria o caminho do covarde e ficaria fora.” Ele fica tenso com cada palavra, mas grito em seu rosto, e ele permanece em silêncio. “Você quer sua torta?!” Eu grito, minha voz saindo mais como um grito agudo. Meus ouvidos rugem quando meu coração ganha velocidade com minha raiva e eu sinto que posso realmente ouvir o sangue correndo pelas minhas veias. “Você quer sua maldita torta?” Eu bato em seu tórax com meu ombro com bastante força para fazê-lo balançar de volta a um passo enquanto empurro por ele e caminho até a geladeira que está mais perto do meu escritório. Aquela em que eu mantenho todas as minhas tortas especiais. Abaixando a porta, agarro a criação de massa de biscoito mais próxima antes de bater a porta de volta. Quando volto, ele ainda está no mesmo lugar, mas em vez daquela raiva furiosa, tudo o que vejo é choque. Sim, mergulhe nisso porque não sou a mesma pequena garota fraca que você conhecia. Minhas botas atingem o chão alto, com cada passo difícil, volto para ele, relaxando o rosto para lhe oferecer meu sorriso mais falso. “Você quer sua torta, Mav?” Eu pergunto novamente, desta vez escondendo minha raiva por trás de uma voz doce e pegajosa e um pequeno sorriso. Ele não fala e, honestamente, não tenho certeza de que sou capaz de lhe dar uma palavra de qualquer maneira. Sem um pensamento, trago meu braço para trás antes de girar para frente e passar toda a torta em seu rosto. “Tome sua maldita torta, seu idiota bom-para-nada!” Girando nos meus calcanhares, tomo uma enorme lufada de ar antes de levantar as duas mãos e batê-las na porta. Ela abre e entro na sala principal com a cabeça baixa enquanto inspeciono a quantidade de salpicos de creme que agora estão em meus braços e torso. Aparentemente, não estava pensando em todo o conteúdo da


torta caindo em todo o caminho ou teria percebido que provavelmente acabaria ficando com um bom bocado disso também. Com um suspiro, olho para cima, pronta para procurar uma toalha limpa para me limpar quando percebo o silêncio ao meu redor. Ah bem... Merda. Toda pessoa na sala está olhando em minha direção. Todas as conversas em toda a sala completamente paradas. Posso dar uma olhada na direção de Quinn e Clay e sinto um rubor de calor em minhas bochechas quando os vejo lutando uma batalha perdida com suas risadas. No segundo que Quinn se volta e sua risada soa no silêncio, quebrando o choque que mantinha o resto da sala em silêncio, e antes que eu saiba, todos estão se juntando. Eu solto minha cabeça, deixando uma exaustão apressada, sentindo a adrenalina sair do meu corpo. Minhas mãos tremem quando alcanço para agarrar um dos panos limpos debaixo da caixa registradora, e enquanto limpo minha camisa e meus braços, eu faço o meu melhor para evitar que meu rubor cresça. “Essa é uma maneira de derrubar uma camada teimosa da cabeça desse garoto,” ouço Marybeth Perkins gritar, ela cacareja após sua explosão. “Imagina quem é o filhote agora!” Ela acrescenta estranhamente. Meu Deus, essa mulher é louca quando vem. “Você esqueceu os pratos,” Jana riu e passa por mim até a cozinha. Olhando de volta para Quinn, vendo-a rindo ainda mais agora, acalma a corrida do meu coração. Vendo-a assim faz com que minha humilhação valha a pena. Se ela está rindo, ela não estará chorando. Curvando novamente, eu alcanço atrás da pilha de panos, movo algumas coisas antes de atingir meu objetivo. “Oh, inferno, pequena menina,” ouço Angus Todd berrar quando o frasco de vidro bate no balcão. “Você primeiro, velho,” eu digo, apontando em sua direção com um sorriso malicioso.


Ele resmunga e faz um bom show para a sala lotada, mas ainda fica em seu assento. Ele caminha em minha direção, ajustando os suspensórios e acariciando sua barriga arredondada. “Dê aqui, selvagem, e deixe-me mostrar a você como isso é feito.” “Vamos ver se você estará cantando a mesma música enquanto eu estiver de pé no final da noite e você tiver que chamar o xerife Holden para ir em seu carrinho de volta para casa.” Tirando seu velho Stetson de sua cabeça, ele o coloca cuidadosamente em cima de um dos cases de torta, depois corre sua mão carnuda entre seus cabelos grisalhos antes de pegar o frasco de aguardente. Com um sorriso, entrego-lhe um dos copos de tiro descartáveis que mantenho escondido com o frasco. Ele ainda está gritando quando leva minha oferta e derrama seu tiro, jogando-o de volta e soltando um silvo afiado. “Por Deus, garota. Não fique aí olhando mais feliz do que um porco na merda. Nunca nos contou que você estava oferecendo água do inferno. Onde você conseguiu isso?” Eu encolho os ombros, pisco e pego o frasco de volta com uma risada. Com essa multidão, quando a aguardente sai, é rápido. Por sorte, tenho estoque para tempos assim. Eu coloco tiro após o tiro do frasco enorme. Quinn anda em seguida e me dá outra risada apreciativa antes de jogar o seu próprio tiro, não fazendo uma careta tanto quanto Angus fez. Clay dá um passo para frente, e eu despejo seu tiro antes de conseguir um para mim. “Saúde,” brinco com os dois, olhando de Quinn para seu irmão. Ele me dá um olhar estranho antes de olhar atrás de mim. Eu nem tenho um segundo para questioná-lo. Um bronzeado braço densamente musculoso atinge meu ombro, e o tiro é tirado dos meus dedos. Eu grito quando sou virada por uma mão firme no meu ombro e olho em estado de choque para o rosto coberto de torta de Maverick, bem... O salpicado de torta ainda deixado depois do que se parece com algumas batidas irritadas de sua mão para limpar seu rosto. Seu chapéu já se foi, e os seus cabelos preto são uma bagunça de ondas arruinadas e raias de torta.


Seus olhos cheios de raiva nunca deixam os meus quando leva o tiro até os lábios grossos com um rápido movimento do seu pulso. Por uma fração de segundo, vejo um pingo de malícia rodando logo abaixo da superfície. Se eu tivesse pensado direito, eu teria visto isso como um aviso. Ele joga o copo de plástico no chão, e com uma velocidade mais rápida do que qualquer homem do seu tamanho deveria se mover, ele curva seus joelhos, fechando-se sobre mim e coloca as mãos logo abaixo da curva da minha bunda para me levantar do chão com essa firme pressão no topo das minhas coxas. Eu grito minha surpresa enquanto ele continua me levando até que eu não tenha outra escolha além de agarrar seus ombros. No segundo em que minhas mãos tocam seus ombros muito tensos, ele move suas mãos pelas minhas coxas, me forçando a enrolar minhas pernas ao redor da sua cintura. Quando sinto a dureza de sua ereção contra meu centro, meus olhos se ampliam ainda mais e solto um suspiro muito audível de choque. Usando isso contra mim, sua boca cai na minha. Sinto-nos dobrar um pouco quando suas mãos viajam de volta para minha bunda, flexionando profundamente e me puxando mais apertado contra sua ereção. Sem um pensamento, minha boca se abre e meus dedos se movem para empurrar em seus cabelos, segurando-me no lugar onde ele claramente me queria. Eu sinto os pedaços de torta entre meus dedos, mas apenas os aperto mais profundamente. O calor da queimadura da aguardente atinge minha boca primeiro quando ele lentamente deixa o tiro que acabou de levar na minha boca. Instintivamente, engulo, nem me importando com a queima do álcool. Quando a última gota atinge minha boca, sua língua mergulha e varre sem hesitação. No primeiro toque de nossas línguas, sinto que seus músculos pulam sob minhas mãos ao mesmo tempo que tomo consciência como eu nunca senti antes de começar a passar através dos meus nervos. Eu deveria empurrá-lo para longe, mas esse toque destruiu qualquer possibilidade de pensamento racional. O mundo que nos rodeia apenas desapareceu para nada. Eu me esqueço de tudo o que já aconteceu entre nós.


Minha raiva. Sua raiva. Tudo simplesmente desaparece e é como se ele nunca tivesse ido embora. Sem pensamento consciente, meu corpo se move sozinho. Meus tornozelos apertam fortemente atrás de suas costas e eu me esfrego um pouco contra a protuberância escondida atrás de seus jeans. Minhas mãos se movem através do cabelo macio no seu pescoço, aprofundando o aperto que tenho sobre ele. As mãos que me abraçam apertam ainda mais até o ponto em que eu tenho certeza que vou ter duas impressões de mão enormes na minha bunda. Um gemido ressoa do meu peito quando aprofundo nosso beijo. Nossas línguas se misturam em uma dança que tem tanta promessa. Sua boca festeja na minha quando ele dá uma flexão a mais em suas mãos, empurrando-me mais forte contra sua ereção. Quando estou a poucos segundos de arquear minhas costas e implorar descaradamente para me levar, ele levanta a cabeça com um último beijo de boca fechada contra meus lábios machucados. Eu olho para ele com os olhos encapuzados e vejo o momento em que ele coloca suas paredes de volta. Eu me sinto desabando, mesmo que seus braços ainda estejam ao meu redor, me segurando no seu corpo duro. “Não consigo me lembrar de provar torta assim quando sua mãe fazia, querida,” ele me diz, sua voz mais grossa, mais áspera do que nunca. Eu olho para ele, muda enquanto ele tira suas mãos do controle que estava usando na minha bunda e pelas minhas coxas e joelhos, curvando minhas pernas do corpo dele. Quando meus pés batem no chão e o nevoeiro no meu cérebro levanta, suas palavras finalmente chegam ao meu cérebro em curto-circuito. Mesmo que pareça que horas se passaram durante esse beijo, eu sei que foi só um minuto, se isso, mas a raiva que ele conseguiu reprimir dentro de mim vem gritando de volta com uma vingança. Não posso acreditar que acabei de perder a cabeça, aqui, na frente de todos, e suas palavras deixando claro que isso é apenas uma grande piada para ele. “Seu filho da puta,” digo com um suspiro. Minha mão voa para fora, mas antes de atingir sua bochecha ele agarra meu pulso.


“Você está fazendo um jogo perigoso. Você está pronta para descobrir o que acontece quando você se mantém me levando, Leighton?” “Eu odeio você,” solto, minha ira aumentando quando percebo que ele acabou de tomar a vantagem. Eu pensei que eu a tinha. Ele se inclina, trazendo a ponta do nariz para o meu. Suas palavras apenas para meus ouvidos. “Você não odeia. Seria melhor para você se realmente sentisse, mas querida, você não teria chegado tão perto de gozar apenas com um beijo se você me odiasse.” Sua voz cai incrivelmente mais baixa, suas próximas palavras apenas chegando aos meus ouvidos. “Diga-me, será que você gritaria meu nome?” Oh, não, ele não fez. “Eu não estava prestes a gozar!” Eu grito enquanto a fúria pulsa através de mim, apenas para encaixar minha boca fechada quando ouço os sussurros abafados atrás de nós. Meus olhos se alargam quando seus lábios, inchados do nosso beijo, se torcem em um sorriso devastadoramente perverso. Ele olha atrás de mim antes de mover sua boca para a minha orelha. “Nós continuaremos isso outra vez,” ele diz antes de sair pisoteando na multidão e pela porta da frente. Por minha vida, não posso dizer se é uma ameaça... Ou uma promessa.


8 MAVERICK “Let It Ride” de Brantley Gilbert

Meus lábios queimam enquanto eu me apresento ao calor sufocante lá fora. Poderia nevar e eu ainda não conseguiria afastar o fogo em mim. Agarrando minha camisa, puxo bruscamente até que os botões abram e eu seja capaz de puxar o material encharcado do meu corpo. Eu uso a camisa para esfregar o que resta da torta do meu rosto e pescoço e depois jogo a camisa na traseira da minha caminhonete. A subida no meu assento é dolorosa quando meus jeans apertam ainda mais contra o meu pau duro. Por que diabos eu estava pensando nisso? Se eu quisesse deslizar de volta para a cidade sem fazer um grande negócio do meu retorno, eu simplesmente mandaria tudo isso para o inferno. Não consigo explicar o que veio do meu corpo. Num segundo eu estou levando uma torta no rosto e no próximo eu tenho tanto desejo por ela batendo através de mim, que eu não pude deixar de beijá-la. Parecia que estávamos no final de uma longa série de preliminares verbais com apenas uma maneira de prosseguir. Juntos. “Foda!” Eu grito e bato minha mão contra o meu volante.


Eu pego meu pacote de cigarros do porta-copos, mas quando vejo que está vazio, o esmago na mão antes de jogá-lo no chão e baixar minha cabeça de volta contra o assento. Foi tão simples há dez anos. Cortar todos os laços com Pine Oak para que nada e ninguém estivesse esperando por mim aqui, me tentando para voltar. Eu sempre teria meu irmão e minha irmã, mas eles viriam para mim, e eu sabia no fundo que eles não iriam desistir desta cidade maldita para me seguir. Mas Leighton faria. Ela pensou que eu não percebi, mas ela fez um trabalho de merda ao esconder sua paixão por mim. Mas eu também sabia que, se alguém fosse provavelmente me seguir, seria ela. Ela teria desistido de tudo por isso. Não importava o quanto realmente a desejasse naquela época, sabia que tinha que cortar os laços que ligavam nossos corações. Eu não poderia pedir a ela para escolher entre a vida da qual eu estava fugindo e a para a qual eu estava correndo. Então eu fiz a única coisa que fazia sentido para um garoto desesperado na época. Certifiquei-me de machucar uma jovem, muito jovem, Leighton James, tanto que nunca pensaria em mim do jeito que eu sabia que ela pensava. Eu matei o que ela sentia por mim com palavras que eu desejo a Deus que eu pudesse retomar. Eu demorei muito para perceber que realmente a machuquei para impedir que fosse ela a me machucar. Eu sabia que isso aconteceria. Eu estive lutando com o que eu sentia por ela por muito tempo. Ansiando por uma garota muito jovem para ser cobiçada. Ela me fez realmente pensar em ficar perto do lugar que eu estava desesperado para sair. Eu a desejava. Inferno, eu a desejava antes mesmo de saber o que aqueles sentimentos significavam. E demorou muito para que ela parecesse com o sonho que ela é agora. Ela parecia boa naquela época, mas agora... porra. Ela tomou o que eu sempre pensei que era a perfeição e aumentou dez vezes.


Se eu fosse um homem melhor, teria me despedido e a deixado sem dor, mas aprendi muito cedo que se você deixar alguém se aproximar o suficiente, eles o atacariam o suficiente para tirar sangue. E terminei deixando as pessoas pegarem a primeira fatia na minha pele. Quantas vezes eu me deitei na cama e imaginei como seria tê-la nos meus braços? Quantas vezes eu me acariciei com o pensamento de levar seu corpo? Quantas vezes eu me arrependi de sair da cidade sem sentir seus lábios contra o meu? E agora que eu a segurei em meus braços, senti o fogo de seu desejo por mim ainda ardendo profundamente, não tenho certeza de que eu possa sair dessa vez se eu tentar. Eu sei muito bem que se eu me deixasse sentir isso há anos atrás, eu não teria ido, e a pior parte agora é que não tenho certeza se tudo o que eu persegui - tudo o que eu perdi - valeu a pena sabendo o que deixei para trás. Virando a chave, eu ligo a minha caminhonete e volto para Main Street, pegando as estradas vazias de volta ao rancho. O último lugar que eu quero ir, mas eu sei que não demorará muito para que Clay esteja quente na minha trilha e eu prefiro enfrentá-lo sem meu pau prestes a explodir na minha calça com apenas a lembrança do que Leighton parece se abrindo em meus braços. “Foda-se”, exalo lentamente. “Ahhh”, gemi profundamente, sentindo a pressão deixar minhas bolas enquanto meu esperma vem do pau pulsante em meu punho. Eu estendo a mão e uso minha mão livre para estabilizar meu corpo quando jatos espessos do meu gozo vêm sobre a parede na minha frente. Minha cabeça cai para a frente enquanto meu abdôme se contrai com a força poderosa que acaba de rasgar meu corpo. O vapor do chuveiro continua a flutuar ao meu redor. Movendo meu punho lentamente, continuo a espremer meu gozo. Quando a última gota cai da ponta do meu pau, solto meu eixo e volto ao spray do chuveiro. Pegando o sabão, continuo lavando meu corpo e silenciosamente rezo para que eu possa manter meu pau baixo agora que eu afastei os pensamentos de Leighton que me envolviam.


Quando estou saindo do banho, um pouco mais tarde, temporariamente saciado e rezando para que isso seja o suficiente para me impedir de voltar para Leigh novamente, ouço os sons de uma porta batendo na casa. Eu estou no tapete na frente do chuveiro enquanto gotas de água cortam minha pele. O eco de botas contra as escadas atingem meus ouvidos e ando para pressionar o botão no meu telefone que acenderá a tela. Eu ri quando vejo a hora e olho para longe de onde meu telefone está descansando ao lado da pia para embrulhar a toalha em torno de meus quadris. Eu pensei que ele estaria em meus calcanhares, mas ele conseguiu prender uma hora antes de voltar para casa. Exatamente quando eu termino de prender a toalha no lado do meu quadril, seu punho bate na porta, quase que sacudindo a madeira no quadro. Com um suspiro de aceitação no que tenho certeza, será um grande confronto entre Clay e eu, giro a maçaneta. “Eu não quero ouvir isso, Clay,” começo antes que a porta tenha aberto, mas no segundo em que eu começo a abrir a porta, esta empurra forte e a maçaneta é arrancada das minhas mãos ainda molhadas. “Eu realmente não dou o traseiro de um rato para o que você quer, Maverick.” Antes que eu possa piscar, tenho um punho vindo em minha direção e não há porra nenhuma que possa fazer para evitar isso. O choque toma conta de mim, e não importa que meus reflexos deveriam ter conseguido bloquear o soco, porque eu tenho um reflexo estúpido. “Maldito!” Digo depois, quando a dor brota de onde o soco aterrou no meu maxilar. “Sim? Isso doeu? Espero que o inferno e as inundações tenham feito isso. Eu deveria ter feito isso há muito tempo!” Agarrando o balcão atrás de mim, pisco algumas vezes para limpar a umidade que o soco trouxe aos meus olhos. Respirando profundamente, olho para cima de onde minhas mãos estão segurando os lados do balcão e sobre o meu ombro, notando os olhos azuis e ardentes diante de mim.


Não Clay. Leigh. “Sente-se melhor?” Pergunto em uma respiração profunda e exalada. O silêncio segue minha pergunta. Espero, sabendo que outra explosão certamente virá. “Droga!” Eu empurro para cima no balcão e endireito meu corpo quando a maldição estoura fora, e avança para alcançar a mão viciosa que quase me tornou estúpido. “Quem te ensinou como socar fez um trabalho de merda. Os danos foram feitos, não só para mim. “ Ela olha para cima, aqueles olhos que estavam jogando punhais em minha direção apenas alguns segundos antes estão enchendo com lágrimas. Ela me permite pegar seu pulso e eu viro sua mão para ver suas juntas ficando roxas. “Eu causei o dano,” ela acredita. Eu sinto meu riso balbuciar em minha garganta, “Sim, você pode realmente ter feito exatamente isso.” Eu olho para a mão dela, vendo o dano que ela causou a si mesma. “Não está quebrada, querida,” mas você deve se lembrar de como isso parece quando você conseguir aproveitar novamente essa cabeça dura.” “Eu odeio você,” ela sussurra sem convicção. “Não, você não odeia. Vamos, Leigh, vamos pegar um pouco de gelo.” Não deixo cair a mão e ela não puxa para trás quando saimos do meu antigo quarto e descemos as escadas até a cozinha. Tirando uma das merdas velhas da ilha, espero que ela se sente antes de colocar a mão no balcão na frente dela e me virar para pegar um saco. Sinto seus olhos em mim quando ando até o congelador e encho o saco com gelo. Quando percebo, vejo como a gravidade ganha sobre suas lágrimas e elas silenciosamente rolam por suas bochechas.


“Você está certo. Não odeio você. Eu gostaria de poder te odiar, mas eu não acho que nunca vou ser capaz disso.” Eu me ajoelho e coloco o saco na mão estendida. Sem pensar, toco e limpo uma lágrima na bochecha. “Eu queria que pudesse ser qualquer um além de você,” ela continua olhando para o chão. ”Eu não era nem exigente. Eu teria aceitado qualquer coisa, qualquer um, para sentir apenas uma porção do que sentia quando estava por perto. Mas, não, como na época... meu coração estúpido e idiota ainda bate por uma pessoa que nunca me quis.” “Lei-” “Não, Maverick. Eu nem sei o que estou dizendo. Você teve essa atitude, essa maldita parede, por tanto tempo que eu não deveria me surpreender. Estou mais louca por ter deixado você tirar o melhor de mim, tirando meu foco de Clay e Quinn. Se você realmente está aqui por eles, então você precisa fazer exatamente isso. Você saindo desta vez, dará cabo dele se você sair sem um olhar para trás. Você não entende isso porque você não estava aqui, mas todos sentiram duro sua falta, muito duro.” “Leigh, olha ...” Ela balança a cabeça. “Não, na verdade, Maverick. Tudo o que você está prestes a dizer com a sua língua de prata não é nada que eu queira ouvir. Eu sabia o que sentia antes de sair e, independentemente do que seja sua volta ao PieHole, acho seguro assumir que as coisas não mudaram nas poucas horas em que você voltou na cidade. Precisamos apenas colocar isso atrás de nós e seguir em frente, para sua família. Vou manter minha distância e eu apreciaria se você fizesse o mesmo. Honestamente, Mav-” ela faz uma pausa e vejo seu colo se mover enquanto respira profundamente – “Eu sobrevivi à picada de sua rejeição naquela época, e sou mais forte agora, não acho que eu poderia lidar com seus socos emocionais novamente. Desculpe-me por ter atingido você, isso foi errado, mas vamos começar a aguentar a bagunça e seguir em frente... em caminhos separados.”


Ela finalmente encontra meu olhar, seus olhos azuis ainda mais brilhantes com a umidade de suas emoções cobrindo-os. “Eu não vou embora.” Depois de tudo o que ela acabou de dizer, a única coisa que eu posso fazer passar por meus lábios é isso. Há tantas coisas que eu preciso dizer a ela, mas nem sei por onde começar. Eu só sei que preciso abordar sua afirmação de que vou tirar o traseiro daqui, porque se ela realmente acredita nisso, não importa o que mais eu diga a ela. Ela ficará à espera com o resto da cidade, adivinhando quando estarei chutando o pó como da última vez que eu saí. Seus lábios se abrem e fecham, mas nenhuma palavra sai. Posso ver sua mente trabalhando em horas extras à medida que sua sobrancelha sulca e seus olhos procuram os meus. Eu permaneço de pé e solto minha guarda, a deixando ver a honestidade e a verdade por trás das minhas palavras. Os olhos dela se alargam quando a realização atinge. Continuo parado enquanto ela me estuda. Os anos se afastam de nós. A dor infligida e a dor consumida desaparecem. Os sentimentos indefesos com os quais eu lutava diariamente, os que levaram a minha necessidade de escapar, desapareceram. Pela primeira vez na minha lembrança, sinto-me um pouco inteiro. Minha respiração acelera quando meus nervos disparam com uma necessidade irresistível. Não há nada falado entre nós, mas com a conexão de nossos olhares, talvez também tenhamos pronunciado nossos pensamentos mais profundos. Eu ando em direção a ela no segundo em que ela salta do banquinho, a madeira caindo no chão em seu rastro. Em uma fração de segundo, tudo cai. A raiva, o desamparo e os sentimentos perdidos com os quais tenho lutado. Foram. E, em seu rastro, uma sensação de necessidade tão forte que toca a respiração do meu peito, e assume, e eu sei que tenho que tê-la de volta em meus braços.


“Isso não pode acontecer,” ela diz com um suspiro quando meus braços se envolvem em torno dela para aproximá-la, suas palavras sussurradas contra meus lábios. O algodão macio de sua camisa esfregando meu peito nu e superaquecido. “Pode.” Meus braços serpenteiam em torno de seu corpo estreito para aproximá-la. “Isso é um erro,” ela diz, sua boca aberta e nossas línguas deslizando uma contra a outra. Suas palavras alimentam meus movimentos e estabelecem uma determinação sobre mim que exige que eu prove que ela está errada. Isso está longe de ser um erro. Esta é uma vida de desejo em combustão em uma fração de segundo de afirmação que prova exatamente o quão errada ela está. Com ela ainda em meus braços, giro, colocando sua bunda no balcão. Assim como de volta ao PieHole, tudo o que é errado na minha vida desliza e só meu desejo por ela é deixado. Tudo o que ignorei há alguns anos inunda meu sistema, misturando e entrosando com os novos sentimentos vendo-a novamente depois de todo esse tempo. É muito cedo, mas, ao mesmo tempo, são dez anos muito tarde. Suas mãos se movem lentamente pelo meu peito, ao redor dos meus ombros, e então seus dedos empurram meu cabelo. Seus polegares permanecem descansando contra meu rosto enquanto esses dedos se apertam contra o cabelo curto na minha nuca para me aproximar. Seus movimentos sinalizando para o meu cérebro que ela está cedendo ao que nossos corpos tão desesperadamente querem. Ela arrepia em meus braços e eu uso seu estado distraído contra ela. Aproximo nosso beijo enquanto eu movo minhas mãos de onde elas estavam descansando contra seus quadris, em seu torso, empurrando o tecido de sua camisa enquanto isso. No segundo em que minhas palmas calejadas atingem seu peito, ela se contorce, mexendo seus quadris em um gemido baixo. Eu me aproximo, sentindo o calor dela através da barreira da minha toalha e seu short, e quando eu pressiono meus polegares contra seus mamilos pontiagudos, ela salta em meus braços, conectando nossos corpos, quadril ao quadril.


Separamos-nos com respaldo. Seus olhos vidrados e encapuzados, suas bochechas coradas de excitação e seus lábios inchados de meus beijos. Ela parece deslumbrante. Eu dou uma ligeira batida de meus pulsos, indicando minhas intenções, e ela silenciosamente levanta os braços, permitindo-me tirar sua camisa de seu corpo. “Jesus.” Gemi severamente ao primeiro olhar de seus seios cobertos de renda vermelho sangue. Minha cabeça cai e eu abro minha boca para dar uma mordida suave contra a carne sensível no topo do sutiã. O material vermelho contra sua pele cremosa faz meu pau inchar dolorosamente contra a toalha amarrada apressadamente no meu quadril. Levanto as mãos, agarrando seus seios pesados, enquanto eu dou-lhe uma longa lambida no topo do peito esquerdo e até a clavícula. Minhas mãos espreitam cada globo os aproximando quando enterro meu nariz no pescoço, continuando o caminho molhado da minha língua até a orelha. Descansando meus lábios na orelha, dou um segundo para curtir os tremores que vibram de seu corpo trêmulo. Suas respirações ofegantes ecoando na parede se transformaram em um suspiro afiado quando eu enrolo meus dedos em cada bojo e abaixo. As pequenas tiras sobre os ombros se soltam enquanto seus seios se libertam. Com minha boca imóvel em seus lábios, pego seus pesados seios nus e aperto, seus mamilos duros pressionando o centro da minha palma enquanto eu continuo a brincar com ela. “Toque-me,” exijo e sorrio quando sinto o corpo dela sacudir. “Mav,” ela diz com um gemido, suas mãos se aproximando da minha toalha, em cada lado dos meus quadris, fazendo minha pele arder sob seu toque. Balanço minha cabeça, meus lábios esfregando a orelha com pequenos movimentos. Deixo minha língua serpentear e lamber seu lóbulo. Movendo as mãos um pouco, aperto os mamilos entre o polegar e o dedo indicador, ao mesmo tempo em que puxo seu lóbulo úmido


entre meus lábios, mordendo suavemente antes de chupar a carne macia. Ela grita severamente. Soltando minhas mãos, levanto-as e seguro sua cabeça, forçandoa a olhar no meu rosto. “Toque-me, Leighton,” exijo novamente, desta vez mais duro e com o significado inegável atado em minhas palavras. Espero que ela faça, movendo-me para que minha testa esteja descansando contra a dela, nossa respiração rápida misturando-se entre nossos corpos. Nossos olhos não perderam a conexão realizada entre azul brilhante e verde turvo. “Isso está errado,” ela choraminga, mas suas ações traem suas palavras. Eu sinto suas mãos deslizarem de meus lados para o centro do meu abdômen. Seu toque me marca enquanto ela se desloca em cada cume e mergulha antes de se mudar para onde eu quero que ela toque mais. Seus dedos se enrolam na minha toalha e eu viro os quadris um pouco para ajudar seus movimentos. Ela dá um duro puxão, puxando o nó de sua dobra, e depois solta o algodão no chão aos meus pés, os olhos dela ainda segurando os meus. Desta vez, a indecisão que tinha nadado nas profundidades lindas agora é substituída por um desejo sólido. “Diga-me que você me quer,” ordeno, minha voz se esforçando enquanto suas mãos movem-se para baixo do meu tronco, seus dedos traçando o V profundo até que ela os envolva em torno da minha carne esticada. Seus movimentos tentadores enquanto ela acaricia lentamente a carne dura em suas mãos me faz fechar meus joelhos e contrair meu abdômen. Seu toque longo e lento faz a bobina de prazer apertar. “Eu ... eu quero você,” ela diz, suas mãos apertando meu eixo, aprendendo o que eu gosto pelas pistas que ela tira de mim. “Diga-me que você sempre me quis,” continuo, não soltando seu rosto, mas movendo meus lábios mais perto dos dela, para que eu


possa sentir o calor de sua respiração bater na minha boca. Minhas palavras saem com um desejo baixo e árduo. Ela assente, mas isso não é bom o suficiente. Preciso de suas palavras para recuperar algum controle que sinto escorregar dos meus dedos. “Dê-me as palavras, querida.” “Maverick, por favor.” Ela aumenta seu aperto, dançando o polegar sobre a gota de umidade que sai da ponta do meu pau rígido. “Diga-me agora, Leighton. Diga-me que sempre fui eu.” Os olhos dela se alargam e eu observo enquanto uma única lágrima cai de sua pálpebra. Sua lágrima me confunde, mas não o suficiente para me fazer parar. Seu silêncio continua e eu empurro meus quadris, meu pau se movendo através do agarre de suas mãos Tenho a minha volta. Seus olhos se fecham por uma batida, e quando ela os abre, vejo que a que última indecisão desapareceu. “Sempre foi você.” “Tente novamente,” continuo atraindo-a para obter o que eu preciso. “Sempre foi você, Maverick.” Com o meu último comando, eu esmago meus lábios nos dela. Este beijo é duro e machucado, mas cheio da promessa do que está por vir, se ela me der o que eu desejo. Ela rasga sua boca livre e grita: “Sempre foi você, Maverick, Deus me ajude, mas só foi você!” Ela solta meu pau, seu peito pesado, para pegar meu rosto e puxar meus lábios de volta para os dela. Não tenho ideia do por que eu a empurrei. Por que eu a fiz confirmar o que eu no fundo sabia, mas com suas palavras, tudo o que estava pesando na minha mente por quase duas semanas desaparece e eu sinto que a paz mais abundante inunda meu corpo, deixando uma necessidade incontrolável por ela atrás. Não é importante para o meu cérebro que haja muito desconhecido flutuando fora do nosso abraço aquecido. O único que importa é isto... Nós... Aqui neste momento, enquanto eu a retiro do


balcão para remover o resto de suas roupas, jogando-as com as botas no chão. Eu não dou uma merda de quais são as consequências de nossas ações. O meu pensamento anterior vem correndo de volta: é muito cedo, mas, ao mesmo tempo, são dez anos muito tarde. E, no entanto, não pode ser muito tarde, quando é tão certo ter ela nos meus braços.


9 LEIGHTON “I Wish I Could Break Your Heart” by Cassadee Pope

Minha pele está queimando. Estou em chamas. Cada centímetro do topo do meu couro cabeludo até as pontas dos dedos dos pés está vivo com um poder que nunca senti antes. Meus nervos estão tomando uma vida própria. Quando Maverick termina de tirar cada uma das minhas botas, ele as joga cegamente atrás dele antes de agarrar meus quadris grosseiramente e levantar meu corpo sem esforço para cima em seus braços. Meus nervos explodem com cada varredura sobre minha carne. Parece incrível. O que eu estou fazendo? O que estamos fazendo? Isso é um desastre em todo caminho, mas Senhor, ajude-me, não posso negar isso, parece tão certo estar em seus braços - independentemente da precipitação. Sua língua pressiona minha boca, girando com a minha, e eu gemo. Sua ereção esticada faz contato com meu centro nu quando ele coloca uma enorme mão na base da minha coluna vertebral, usando a pressão para me puxar ainda mais contra ele. Seu eixo grosso se espalha largo, aninhado entre meus lábios. No segundo em que meu centro sensível envolve a sua dura pele de veludo, ele geme profundamente e empurra, batendo em meu clitóris. Minha boca sai da dele quando minha cabeça cai para trás. Ele move a mão que estava


espremendo minha bunda para as minhas costas até que seus dedos estejam emaranhados no meu cabelo e força minha cabeça para trás, sua respiração áspera a apenas um cabelo longe da minha boca fraca. “Você está protegida?” Suas palavras soam estranhas. Meu cérebro luta para compreendê-lo, pois seu pau espesso e duro continua empurrando através da minha umidade. Eu sei que se eu olhar para baixo em nossos corpos, a visão que encontrarei me desfaria completamente. “Leighton,” ele diz, mais urgente agora, “você está protegida?” “Hein?” Suspiro, rolando meus quadris quando a ponta de seu pau bate meu clitóris novamente. “Controle de natalidade, querida. Você está nisso?” Eu sinto vagamente minha cabeça se movendo, confirmando que estou de fato protegida, mas quando ele recebe a luz verde que esperava, todo pensamento racional foge. Com movimentos rápidos e impacientes, ele puxa os quadris para trás, move a mão do meu cabelo e baixa os quadris - espelhando a outra mão enquanto me levanta e me derruba sobre seu pau duro, empalando-me completamente. Ele rosna profundamente na garganta. Eu grito alto o suficiente para acordar os mortos. A cabeça dele cai para frente, sua testa no meu peito suado. Minha cabeça cai para trás, testa para o teto. Seus dedos, dolorosamente, espremem meus quadris, levando-me até quase perder a conexão, antes de puxar-me para baixo novamente. Meus dedos se enrolam, minhas unhas atravessam seus ombros bronzeados, tensos, minhas paredes se contraindo enquanto ele atinge uma parte profunda dentro de mim. Temo que eu possa dividir em dois. Sua língua aconchegada se lança longamente no meu pescoço e eu sinto o meu núcleo se apertar novamente em sua largura. Baixando minha cabeça, meus olhos vão do teto para as esmeraldas ardentes de seu olhar faminto, e os meus dedos soltam seus ombros, mas quando


ele começa a empurrar rapidamente para o meu corpo, procuro segurar enquanto uma série de sons flui de meus lábios. Minhas costas atinge a parede e ele para seus movimentos para enquadrar meu rosto com as mãos, forçando a minha boca na sua para um beijo com fome. Minhas mãos caem de seus ombros e envolvem suas costas, os músculos se esticando sob minhas mãos. Nosso beijo é nada menos que brutal, seu eixo duro ainda está enterrado, e eu sei que ele poderia ficar quieto, assim, e seria tudo o que eu precisava para empurrar-me para a borda. Mas com um som animal que vibra contra nossos peitos conectados, ele ergue a cabeça para trás e olha nos meus olhos. As respirações fracas elevadas que vêm de sua boca chegam aos meus mamilos, o suor do peito fazendo com que isso pareça quase como um toque físico. Ele não se move, apenas continua a procurar o meu rosto e gemendo quando minha necessidade atinge um passo da febre, torcendo-me contra a parede para tentar fazê-lo mover seus quadris. “Foda,” ele diz com um gemido, a palavra saindo em uma longa e baixa queda entre os lábios. “Por favor,” lamento, precisando que se mova, desesperada por mais. “Foda!” Sua voz soa à nossa volta. Suas mãos se movem do meu rosto, pelo meu pescoço, e ele leva cada um dos meus seios nas mãos, inclinando a cabeça para puxar um dos meus mamilos entre seus lábios. Eu sinto ele afastar suas bochechas enquanto a língua rola sobre o pico sensível, então ele suga bem. Meus dedos contraem-se contra suas costas, minhas unhas raspando sua pele, enquanto minha cabeça atinge a parede atrás de mim com dificuldade. A dor contra meu crânio foi instantaneamente esquecida quando se mistura com o prazer que sua boca me traz. Ele libera meu mamilo com um forte corte de seus dentes diante das mãos ásperas de sua onda sob minha bunda. “Espere,” ele avisa, fazendo meus olhos se abrirem. Eu vejo seus lábios, repletos e inchados de nossos beijos, se transformarem em um sorriso malicioso antes que seus dedos se flexionem, seus quadris se


afastem e, com uma piscadela, ele me leva de uma maneira que faz meu corpo sentir como se ele se desse a mim. Os grunhidos e os gemidos que vêm de nossas bocas se misturam e ecoam pelas paredes. Minhas mãos escavando para segurar, desesperadas com o fogo ardendo do meu centro - cada empurrão duro na minha umidade fazendo-o arder tão forte que estou meio convencida de que está me levando ao ponto de não retorno. Meu corpo dói tão forte que parece que vou explodir, sentimentos muito intensos e poderosos que sinto lágrimas preenchendo meus olhos fechados. E então eu quebro. Um milhão de flashes de fogo e luz brilhante giram através da escuridão atrás dos meus olhos fechados, espiralando com uma velocidade tonta. Minha garganta fica rouca enquanto eu grito seu nome repetidamente. Perco a capacidade de respirar quando meu clímax cruza através do meu corpo, fazendo meu tórax arder e girando minha cabeça. Meu último pensamento antes que eu sinta minha consciência escapar e sinto que ele se espalha no meu corpo é que se eu morresse agora, seria a morte mais linda que já existiu.

Desperto com uma sacudida. Meu corpo está dolorido e grita em protesto enquanto eu me sento. Olho em volta, procuro na escuridão e tento descobrir onde estou. E então eu o vejo. Maverick.


Ele parece tão pacífico. Um braço jogado sobre a cabeça, o rosto virado para mim. Assim, adormecido, ele parece o velho Maverick. Aquele que não estava lutando uma guerra com ele mesmo para escapar de uma prisão invisível. Ele não se parece com o guerreiro que ele se tornou. Aquele que nunca mostrou emoções. Aquele que iria pular nas costas de animais capazes de matá-lo com um movimento errado e nem pensar duas vezes sobre isso. Seu maxilar forte está relaxado e seus lábios cheios se separam um pouco com roncos suaves. Eu seguro minha respiração, aguardo para ver se meu movimento repentino se registra durante o sono profundo, mas ele continua a dormir. Uma pequena parte de mim pergunta se ele ainda estará tão relaxado e tranquilo quando acordar e perceber que dormimos juntos. Eu sei que a última coisa que eu sinto agora é calma; pânico é mais parecido com isso. É como se um assombro estranho acontecesse sobre mim e dissimulasse qualquer pensamento racional. Luxúria. Pura e simples. Bem, não é tão simples, já que agora tenho que lidar com as consequências. Eu sei no fundo que isso aconteceu há muito tempo. Nós fomos construindo em direção a isso desde que ele voltou para a cidade. Nossas emoções eram muito fortes para negar a explosão que nossa raiva estava provocando. Movendo-me lentamente até a borda da cama, enquanto mantenho os olhos no rosto dele. Ele não se agita. Eu permaneço, soltando minha respiração devagar quando meu peito começa a queimar. Não tenho certeza de quanto tempo eu dormi. A única coisa que eu tenho certeza neste momento é que preciso obter o inferno fora daqui. Olho em volta da sala, com vergonha, agora percebendo que devemos estar em seu antigo quarto. A lua cheia está iluminando o quarto através das cortinas abertas e facilmente remexo a mochila


escura jogada no chão ao pé de sua cama. Eu pego a primeira coisa que minha mão atinge, uma camiseta suave e puxo-a sobre meu corpo nu. A bainha atinge quase até meus joelhos, então eu paro minha busca. Prefiro estar mal coberta do que arriscar acordá-lo enquanto estou tentando escapar. Meu pé atinge um ponto fraco no chão e um grito alto ecoa em torno de mim. Meus olhos disparam para seu rosto, enquanto minha respiração está uma vez contrabalançada no meu peito. Ele rola, um braço musculoso, saindo e procurando. Eu entro em pânico, novamente, e rapidamente me viro para pegar o travesseiro no topo da cama e colocá-lo em seu caminho. Ele, felizmente, envolve seu braço ao redor e gira sua cabeça em sua suavidade. Afastando a respiração que eu estava segurando, volto a caminhar para a porta. Quando fecho silenciosamente a porta atrás de mim, ouço sua voz grave e rouca de sono gemer meu nome. O som sozinho me faz querer de novo, mas eu sei que isso foi um erro e retornar à sua cama tornaria as coisas apenas piores. Mas mesmo sabendo sem dúvida que seria um erro, uma grande parte de mim quer se virar de qualquer maneira. Leva tudo o que tenho em mim, mas a autopreservação ganha e eu corro até a cozinha tão silenciosamente quanto eu posso. Um olhar para o relógio acima do forno confirma que nem mesmo duas horas se passaram desde que cheguei ao rancho de Davis. Tenho certeza de que já estive aqui, Clay e Quinn poderiam voltar, mas estou bastante confiante de que ainda estão no PieHole. Especialmente desde que tirei o resto da minha bebida alcoólica escondida antes de ir de lá com os morcegos do inferno perseguindo minha cauda. Pego minhas roupas descartadas, ignorando a bagunça ao redor da cozinha e corro para o meu Jeep. Eu atiro minhas roupas e sapatos no assento do passageiro, minhas botas batendo contra a porta, e com os dedos trêmulos giro a ignição e golpeio meu pé nu no acelerador. Eu ouço o som de cascalho contra meu assoalho, mas o medo de acordar o Maverick me mantém focada. Giro a roda, acelerando e circulando na frente da casa da família Davis e pela longa pista que me colocará de volta à estrada principal.


Em toda a minha determinação de sair despercebida, não consegui ver a luz da varanda cintilar e o homem alto e muito nu que encheu a porta aberta. O que realmente é uma vergonha, porque se eu estivesse prestando atenção, eu teria visto o olhar de determinação cheio de promessas que assumiu suas características. Sem saber, tinha despertado o dragão adormecido, e não havia nada que fosse poderoso o suficiente para impedir o animal faminto que estava escondido há tantos anos. Pode ter demorado mais de dez anos, mas finalmente consegui meu desejo - Maverick não havia apenas me notado, mas ele também percebeu o que ele havia perdido, negando o que nós sempre fomos destinados a encontrar. E nunca mais seria o mesmo.


10 MAVERICK “Amarillo by Morning” de George Strait

“O que deu em você?” Eu continuo pulverizando o interior da barraca de Dixon antes de pegar minha forquilha e pisar no feno que eu tinha derrubado do loft esta manhã, ignorando as repetidas perguntas da minha irmã atrás de mim. Um lugar onde ela está parada desde que chegou ao celeiro há quinze minutos. Comicamente tentando me intimidar com sua teimosia. “Maverick! Pare de me ignorar e me diga o que diabos rastejou na sua bunda.” “Nada para contar, Quinny,” recordo-me, usando seu velho apelido, que eu sei fica em sua pele como nada mais, em um esforço vago para interromper seu questionamento insistente. Eu deveria saber melhor do que ninguém que, quando Quinn tem algo na cabeça, não há como afastá-la, independentemente do nome que você a chama. “Não me chame de 'Quinny', Maverick Austin Davis. Você tem um carrapicho aderido por duas semanas agora. O mesmo carrapicho, posso acrescentar, que decidiu se enrolar profundamente na minha melhor amiga também. Agora, eu posso estar fora da marca aqui - no entanto, duvido seriamente que eu esteja - mas quero que você me


informe sobre por que vocês dois estão agindo como pequenos pirralhos petulantes.” Com um último movimento de meus pulsos, jogo outra forquilha cheia de feno na barraca, checando brevemente para ter certeza de que terminei e volto a encarar minha irmã. Coloco o cabo da forquilha contra a porta da barraca e cruzo meus braços sobre meu peito refletindo sua posição - e espero que ela continue, porque Deus sabe que ela não terminou. “Quero dizer, Jesus Jones, Maverick. Você não chegou a tempo suficiente para que a lama em seus pneus secasse e você estava criando uma tempestade épica no seu caminho, mas é mais do que isso e nós dois sabemos disso. O que aconteceu quando ela saiu do PieHole e veio procurar você? Depois, devo acrescentar, daquele beijo louco que você estampou nela na FRENTE DA CIDADE INTEIRA! Quero dizer, sério, o que deu em você !?” No momento em que Quinn finalmente fechou a maldita boca, ela estava com o rosto vermelho e andando para lá e para cá. Eu podia ouvir Daisy, o cavalo de Quinn, ficar agitado em sua tenda. Não por causa da aspereza de Quinn, mas porque ela não estava recebendo a atenção que ela amava. Aquelas duas têm sido melhores amigas desde o dia em que Daisy nasceu. “Você já terminou?” Ignorando-a, eu dou um passo atrás e chego para onde Daisy está enfiando a cabeça para fora, bufando exalações profundas, exasperada para ser notada, e dou-lhe um cubo de açúcar do meu bolso. Quinn espeta com um olhar mortal. “Eu não sei. Deixe-me pensar.” Meus lábios se contorcem e eu tenho que lutar contra o sorriso que começa a dançar nas bordas. Eu limpo a umidade que Daisy deixou para trás antes de puxar o meu Stetson favorito e limpar o suor da minha testa no meu cabelo úmido e empurrar o chapéu de volta no lugar. Eu deveria ter deixado este chapéu maldito para trás quando saí de Vegas, mas tem sido meu a cada passo do caminho desde que comecei no circuito; inferno, tem estado comigo mesmo anos antes disso. Independente do fato de que não é nada, mas um lembrete do futuro que eu já não tenho diante de mim, essa maldita coisa tem muita


quilometragem comigo e memórias junto com ele para que apenas jogue-o fora. “Ela foi até você. Eu sei disso. Ela tinha o fogo do inferno iluminando o rabo; não há nenhuma maneira que ela deixaria o PieHole cedo, não apenas para ir para casa.” A voz de Quinn rompe meus pensamentos, trazendo a minha atenção de volta para ela. “Você está me perguntando isso ou me dizendo?” “Oh, cale a boca,” ela diz, e eu perco o controle dos meus lábios, um sorriso substituindo minha máscara estoica normal da indiferença. “Diga-me o que você fez, Mav.” “Pela última vez, Quinny, o que faz você pensar que eu fiz alguma coisa?” “Porque!” Ela grita. “Eu a conheço e ela não faria nada sem analisar isso de todos os ângulos. Não, Leighton não se precipita, mas você... é o seu MO 10 fazer exatamente isso - correr todo o pensamento despreparado e sem as consequências.” “Droga, Quinn, diga-me como você sente realmente, querida.” Sua opinião de mim não me incomoda, mas foda-se isso acontecer. Ela está errada, mas também está muito certa. Olhe para mim, algumas semanas atrás e a casca dura de indiferença que eu fui capaz de usar como um escudo já está rachando. Ela não vai deixar isso ir, e mesmo que ela seja a última pessoa que eu quero falar sobre aquela noite, se alguém sabe o que estaria passando pela mente de Leighton, seria minha irmã. “Olha, não me diga o que aconteceu, ok? É bastante claro que nenhum de vocês quer falar sobre isso, mas Maverick, estou implorando-lhe para não fazer isso com ela. Eu não quero limpar a bagunça que você deixará quando sair novamente.” “Quantas vezes eu preciso te dizer que não vou a lugar nenhum?” Ela olha em volta, antes de me dar um olhar triste de resignação.

10

Modus operante = maneira de agir


“Olhe para você, Mav. Você voltou há duas semanas e nem uma vez você fez a jogada para fazer esta estadia algo permanente. Sua mochila ainda está embalada. Você usa, lava e guarda novamente. Você não foi até a loja. Clay diz que enquanto você pode se manter ocupado, você tem a maldita certeza que não está fazendo nada. Você está aqui, mas não está. Inferno, você pode muito bem ser um novo contratado no rancho. Exceto que pelo menos esses caras realmente querem estar aqui. Drew mesmo disse que tudo que você faz é o trabalho pesado. A besteira que nem mesmo os jovens ansiosos para aprender querem tocar.” “Agora, Quinn -” Ela coloca a mão para cima, balançando a cabeça. “Você diz que não está saindo, mas tudo o que fizemos até agora desde o funeral do pai grita temporário. Você nem sequer esperou para a tinta secar em seu testamento antes de você falar com Clay sobre uma compra.” “Não traga isso, Quinn.” “Alguém tem fazer. Olha, eu entendo, você não querer nada a ver com ele, mas, Mav, ele não é o Rancho de Davis. Não mais. A fazenda é nossa. Clay, eu e você.” “Como chegamos a essa merda?” “Bem, você não vai falar sobre Leigh, por isso pode muito bem ir para a direita para mais alguma besteira centrada em você.” “Foda-se, Quinn! Eu não falei com Clay sobre uma compra, porque eu estava indo embora. Eu só não quero nada que tenha a ver com o velho.” “Entendi. Realmente. Está na hora de você aceitar que o que aconteceu no passado é uma merda, mas acabou. Clay e eu tivemos os nossos próprios desafios para lidar sobre a dor que o pai colocou sobre nós, mas ele não era o mesmo homem de quando você se afastou de nós. Não no final, de qualquer maneira.” Suas palavras levaram a nossa conversa para o ponto de inflexão, e antes que eu pudesse controlar o surto de raiva que disparou através do meu sistema, soltei uma série de palavrões que fariam um


marinheiro orgulhoso antes de perfurar o meu punho através do drywall11. “É melhor você saber como corrigir isso, Maverick Davis!” Punhos cerrados agora em meus quadris, eu tomo algumas respirações ofegantes antes de virar em direção a voz raivosa gritando para mim e acenando. “Vou ver isso, Drew.” “Você faça isso, meu filho,” ele chama de volta antes de clicar em seu potro, Stoner, e sair fora em um galope rápido. “Eu não sei como falar com você, Mav.” A voz de Quinn é mais silenciosa agora, e a quebra que ouço nela me corta mais rápido do que o seu grito mais alto. “Eu só sei que você está sofrendo. Você estava sofrendo antes de voltar, e agora não é só você que está lutando contra alguma coisa dentro de si mesmo.” “Venha aqui, Quinn,” Exijo suavemente e abro meus braços. Ela corre para mim, sem pausa, e de repente ela é apenas a minha irmã mais nova de novo, e não a mulher mal-humorada de pé diante de mim um momento atrás exigindo respostas. “Você está nojento,” ela murmura contra minha camisa encharcada de suor. “Sim, querida.” “Por favor, fale comigo,” ela implora, com os braços magros que apertam em volta do meu tronco quando ela me abraça mais apertado. “Por favor.” Eu abaixo e beijo o topo da cabeça dela. Com um suspiro, cedo e digo a ela o que eu sei que ela quer ouvir. “Eu só estou indo através de alguma merda, Quinn. Não estou indo em qualquer lugar, prometo, mas também não sei o que fazer agora que estou de volta. Eu não quero correr o rancho, e Clay sabe disso. Os cavalos são a coisa de Clay e do meu pai. Não minha. Estou mantendo-me ocupado, mas estou também tentando descobrir o que fazer comigo mesmo agora que a minha carreira de rodeio está longe.”

11

Parede de gesso


“Você sempre amou os cavalos, Maverick.” Ela se inclina para trás e olha para cima em meus olhos. “Eu amei montá-los, querida, mas todas as besteiras que vem com a raça do próximo campeão puro-sangue, isso não sou eu. O velho queria que eu fosse parte disso e eu acho que isso é parte da razão pela qual não tenho interesse.” “Há mais no rancho do que isso e você sabe, Mav.” “Sim, querida, e nada disso é de interesse para mim. Clay que controlou. Drew corre este lugar como uma máquina bem oleada. Estou apenas ajudando até que ele contrate outra mão.” “E então, o quê?” “Nenhum indício, querida. Acho que nós podemos descobrir isso juntos. Eu posso não querer ter um papel ativo nos trabalhos atuais aqui, mas eu não vou sair.” “Que tal um novo papel aqui?” Ela sai do meu agarre e eu largo meus braços. Ela tira o pó e algum feno da minha camisa e me dá um sorriso. “Você não quer nada a ver com o velho rancho Davis, mas acho que todos nós concordamos - Clay também vai - que é uma nova era para o rancho. Pai não queria se ramificar a partir da criação dos vencedores. Ele estava tão preso em seus caminhos. Eu acho que, com a sua ajuda, Clay pode finalmente fazer as mudanças que ele queria fazer a um maldito tempo.” “Primeira vez que eu estou ouvindo isso, Quinn.” “Olha, não amortize o rancho por causa da merda que você ainda está segurando como uma espécie de armadura. Vou deixar Clay saber que todos nós precisamos sentar e ter uma reunião de família. Ele está lá em baixo na loja fazendo a folha de pagamento, mas vamos descobrir alguma coisa. Vamos ao Bucky na cidade. Um pouco de negócio com o melhor maldito churrasco na cidade é apenas o que o médico ordenou.” Abro a boca, mas ela me interrompe antes que eu possa concordar.


“Mantenha a mente aberta, irmão mais velho. Você pode não querer ouvir isso, mas é hora de falarmos sobre o que aconteceu com o pai depois que você saiu.” “Não converso sobre ele.” “Eu temo que você não tenha uma escolha.” “Apenas deixe isso.” Ela balança a cabeça, seu rabo de cavalo preto longo chicoteando por cima do ombro. “A última coisa que você precisa é que eu 'apenas deixe isso', mas eu vou te dizer o quê... Vou parar de falar sobre o pai por pouco tempo, não para sempre, mas você vai ter que me dizer por que minha melhor amiga está agindo como um touro bravo.” Filha da puta. Ela me pegou e sabe disso se sua sobrancelha levantada e sorriso são quaisquer coisas para passar. Há apenas uma coisa que poderia me fazer falar sobre aquela noite, e se isso significa que eu posso adiar a conversa que não tenho nenhum interesse em ter, é isso. “Nós dormimos juntos, ok? No final, ela correu para fora daqui, então eu não sei por que ela está agindo como a parte ferida aqui. Nada mais que você precise saber.” Seu queixo cai antes que eu tenha terminado de falar, e eu juro que parece como se seus olhos pudessem saltar de sua cabeça. Ela se parece com um sapo que teve seu suprimento de ar cortado por muito tempo. De olhos arregalados e escancarados. “Você... você fez o que?” Ela suspira suavemente. “Você queria saber o que aconteceu. Dormimos juntos. Feliz agora?” “Vocês dormiram juntos?” Sua boca ainda está entreaberta como um cachorrinho na extrema necessidade de um pouco de água fria. “Jesus, Quinn. Não me diga que você precisa de mais detalhes, porque isso não está acontecendo. Eu não sei com o que ela está chateada. Foi o que aconteceu e nós dois somos adultos crescidos. Ela


escapou enquanto eu estava dormindo e está me ignorando desde então, então eu diria que ela não quer mais nada a ver comigo. Isso é tudo.” Apenas o pensamento queima meu íntimo. Ela está correndo com medo, eu sei disso. De maneira nenhuma que ela não está, depois do que eu senti entre nós naquela noite. “Ela está ignorando você?” “Você vai repetir tudo o que eu digo?” “Ela escapou enquanto estava dormindo?” “Eu acho que você vai,” digo inexpressivo, pegando o forcado novamente antes de caminhar ao redor dela para colocá-lo de volta na sala de ferramentas. “Puta merda,” ela finalmente sussurra depois de um longo silêncio. Eu balanço minha cabeça, pendurando o tridente de volta com os outros, e fazendo o meu caminho para a sala de aderência. Eu faço uma nota para o rancheiro que Dixon levou anteriormente que sua tenda está pronta para ele depois que ele tiver terminado o dia. “Você...ela...finalmente. Meu Deus! O que isso significa?” Quinn me chama. Eu lanço a caneta para baixo depois de fazer a lista do que ele e Dixon ainda precisam antes de sair do quarto e plantando-me em frente da minha irmã. “Uma merda sagrada! Será que vocês falaram? Quer dizer, isso é muito grande, para ela, pelo menos; eu não sei sobre você. Você provavelmente está acostumado a esse tipo de coisa, mas não Leighton. Meu Deus. Eu não posso acreditar que ela não me disse.” “Você não acha que talvez ela não disse nada, porque, como eu, essa é uma conversa estranha como o inferno para ter com a minha irmã?” Eu ignoro a parte sobre estar acostumado a isso. Mal sabe ela o quão errada ela está. “ESQUISITO?! Você tem alguma ideia de quanto tempo estive esperando para ter essa conversa?”


Dou um passo para trás, e com uma risada, seguro minhas mãos para cima. “Será que o diabo apenas saltou em seu corpo? Parece que você está a dois segundos de sua cabeça girar sobre seus ombros.” “Não aja como um espertinho agora! Isso muda tudo.” Ela começa a murmurar alguns rabiscos sob sua respiração, e eu não posso impedir o sorriso que cresce à medida que ela começa a jogar as mãos para cima entre as palavras de um disparate. “Sério, irmã mais nova, eu acho que você deve apenas soltar. Isso não muda nada.” “Iludido. Vocês dois. Idiotas, eu juro. Aquela garota...” Ela faz uma pausa no meio de seu discurso e me olha com olhos verdes que parecem saber mais do que deveria. “Você realmente não tem ideia, não é?” “Sim, querida, tenho certeza que isso é correto desde que você não está fazendo nenhum sentido.” Quinn suspira e estatela-se em um fardo de feno. “Tudo bem, grande irmão. Estou prestes a ir contra todas as regras escritas de melhor amigo da Bíblia agora, mas eu sinto que é completamente aceitável para você na pista aqui. O Senhor sabe que um dia, talvez depois do nascimento de seu primeiro filho, ela vai me perdoar por isso.” “Uh, quem está tendo um bebê?” “Você está...bem, talvez. Se pudermos obter a sua cabeça fora de seu traseiro. E, claro, você vai ter que rastejar e essa merda, mas este bebê hipotético está apenas esperando para nascer e eu não vou deixar vocês dois afastarem a minha futura sobrinha de mim.” “O que diabos você está dizendo?” “Você sabe quanto tempo eu estive esperando por esta pequena princesa? Não, é claro que você não. Completamente. Sem noção.” “Sério, Quinn. Quem está tendo um bebê?” “Não!” Ela grita, parecendo quase tão louca como ela soa. “Você precisa de um pouco de água? Talvez você deva sentar-se por um tempo, inferno. Acho que o calor está fazendo mal para você.”


Ela olha em volta antes de apontar para uma das muitas aberturas no teto do celeiro. “Este lugar tem ar-condicionado, Mav.” “Certo. OK? Então você é normalmente louca. Acertei.” “Eu não sou louca!” “Você também não está sã, querida. Você está falando alguma merda.” “Agora ouça aqui, Maverick, e ouça bem. Eu não quero saber o que aconteceu naquela noite. Eu sei o suficiente e o que eu sei explica muito. Desde que está viva, Leigh queria apenas uma coisa. Você. Claro, você colocou uma poderosa chave nesses sonhos antes de sair da cidade, mas nem uma vez que ela perdeu esses sonhos. Claro, ela pode ter tentado quebrar todas as cadeias que ligavam seu coração com o seu, mas quando essas correntes provaram sua força inquebrável, ela foi obrigada a construir um muro em torno de seu coração e subiu sobre ele. Selando-o longe de todos os outros, enquanto o maldito coração continuava a permanecer vinculado a você. Mesmo depois de todos esses anos, eu sei disso como sei que o céu é azul e a grama é verde.” “Eu acho que você está lendo muito para isso,” digo com um grunhido, cruzando os braços e recostando-me contra o poste, mas porra se suas palavras não me batem duro. “Eu não estou e você sabe disso. Ela está assustada. Agora entendi. Ela nunca, nem uma vez em sua vida, encontrou outra pessoa forte o suficiente para quebrar a parede e cortar essas correntes com você, não importa o quão aberta foi a procura de alguém que pudesse. E eu acho que ela só percebeu que ninguém nunca vai.” Meu estômago dá nós, e, tanto quanto gostaria de negar o que Quinn disse, uma grande parte de mim sabe que ela está certa. Eu senti o mesmo caminho através dos anos. O rebocador de meu coração parecia sempre que ia pensar nela me dizendo que eu sempre sentiria sua ausência, naquela noite nas árvores.


Eu empurrei Leighton longe, porque, no fundo, sabia o que ela era para mim e se eu admitisse isso, não seria capaz de sair. Fui golpeado com palavras mais nítidas do que qualquer contato físico, sabendo muito bem que eu a estava afastando para que ela não fosse capaz de me manter aqui. Ficar aqui teria me matado, embora deixá-la fez exatamente a mesma coisa. Tudo o que eu queria, toda a minha vida, era ser o melhor maldito cowboy que o rodeio tinha visto, mas bastou uma vez olhar em sua direção e nada disso importava mais. Tudo o que ela tinha a fazer era entrar em uma sala e eu esquecia tudo. Esquecia porque ela se tornava a única coisa que eu queria mais do que a minha necessidade de perseguir meus sonhos. A única coisa que eu ansiava mais que escapar. Por um segundo, antes que eu pudesse mudar minha mente, eu me permiti me tornar o que eu sempre temi - Buford Davis - e eu usei as minhas palavras para causar dano suficiente para garantir que nunca teria a única coisa que iria me manter nesta cidade e longe dos meus sonhos. Ela. Só agora eu sei que esses sonhos não significavam nada sem ela compartilhando deles. Eu desisti de uma coisa para perseguir outra, e agora eu só estou orando que não esteja muito atrasado para corrigir os erros do meu passado. “Lute por ela, Maverick,” Quinn sussurra. Eu olho em seu rosto, deixando suas palavras afundarem, e digo a verdade. “Estou trabalhando nisso, querida.”


11 LEIGHTON “Why Ya Yanna” por Jana Kramer

“Essa é a sexta torta de hoje que você jogou no lixo, querida.” Eu olho para Jana, soprando uma mecha loira de cabelo solto que escapou do meu rabo de cavalo na minha cara. “Não tem o gosto certo,” resmungo, mais para mim do que ela, sentindo a necessidade de defender minhas ações loucas. E isso é só o que eu tenho feito. Agindo como se fosse merda tudo porque tenho minha mente cheia de asneira por algum homem. “Oh, tenho certeza que não é o caso. Você pode fazê-las dormindo. Por que você não sai, menina bonita? Eu posso terminar aqui e obter os refrigeradores preparados.” “Isso não vai acontecer.” “E porque não?” Eu olho para cima com um sorriso, o primeiro que tive vindo naturalmente durante todo o dia, e ri dela. “Eu já preparei os refrigeradores para o estoque de segunda-feira.” Jana joga as mãos. “Bem, querida criança, o que você ainda está fazendo aqui, então? Fechamos horas atrás!” “A melhor pergunta seria por que você ainda está aqui? Você sabe que eu amo estar aqui. É o melhor lugar para pensar.” Ri, movendo-me


para a pia para lavar as mãos cheias de torta e reunir os suprimentos de limpeza para esfregar as bancadas. Verdade seja dita, não havia nada de errado com essa torta, ou qualquer uma das outras. Eu só não notei que assei de novo outra das tortas favoritas de Maverick até depois que eu tinha puxado para fora do forno quente. Estive fazendo essas durante todo o dia. Eu estava batendo profundamente em algo fora do nosso menu normal, em seguida, a coisa que sabia era que eu estava olhando para uma torta de massa de biscoito sem a memória de fazê-la. Eu não conseguia parar isso, e foi me irritando. Ele estava de volta na minha mente mais profundo do que nunca esteve antes. Jana incisivamente virou e começou a dobrar toalhas. “O que mais eu vou fazer?” “Eu tenho certeza que Bart ficaria mais do que feliz em dar-lhe algumas sugestões,” brinco, sabendo muito bem que seu homem ficaria feliz em vê-la em casa mais cedo em um sábado à noite. “Você não está pronta para casar com aquele homem bonito ainda?” Ri da velha piada que parece nunca envelhecer quando se trata de Jana e Bart. Ela está adiando se casar com o pobre homem por tanto tempo que eu nem tenho certeza por que ele continua pedindo, mas ele faz. Acho que estamos na décima primeira vez agora que ele lhe pediu para ser sua esposa. “Aquele homem provavelmente já dormiu na frente da TV. Você sabe que ele passa seus sábados com aqueles shows estúpidos que ele perde na semana. E eu já lhe disse, vou casar com sua bunda irritadiça no dia em que você tirar umas férias!” “Nada de errado com televisão diurna, Jana. E eu não preciso de umas férias.” Eu continuo a rir para mim mesma. Ela pode brincar, mas acho que ela continua a dizer não para ele, porque ela gosta de dizer às pessoas que está vivendo em pecado. Toda vez que eu pergunto quando vai finalmente casar com seu homem dos últimos quinze anos, ela vem com outra desculpa. Ela resmunga por um segundo, mas claramente decide se retirar da nossa luta constante me dando um tempo em favor de manter o


ambiente leve. “Há muita coisa errada com um homem de cinquenta e cinco anos de idade, que passa e registra cada episódio de Days of Our Lives.” Ri duro na visão do velho Bart observando seus shows semanais. A melhor parte, ele ainda se recusa a usar o DVR. Ele tem de definir o temporizador em seu velho leitor de VHS para gravá-los em fita. A coisa mais divertida que já vi foi quando um deles não gravou e era sobre um homem chamado DiMera, ou algo parecido. Claro, poderia ter sido porque seu macacão desprendeu no meio do seu discurso e ele acabou no meio do PieHole com as calças em torno de seus tornozelos e suas quentes boxers cor de rosa com detalhe vermelhos expostas. Eu me viro para enfrentar Jana e coloco minhas mãos em meus quadris, usando a minha melhor voz mandona. “Vá para casa. Fechamos duas horas atrás.” “Estou ciente. Eu sou a única que está sentada aqui por essas horas assistindo você murmurar sob sua respiração sobre um determinado cowboy alto, moreno e bonito,” ela brinca, seus lábios rosados quentes transformando-se conscientemente - que é impossível porque não disse uma palavra daquela noite a ninguém. Nem mesmo Quinn. “Eu não estou.” Eu suspiro, minha face aquecendo. “Oh, você certamente está.” Não pergunte. Não pergunte. Não... “O que eu disse?” Merda, porque eu não pude manter minha boca fechada? “Eu acho que a melhor pergunta seria o que você vai fazer sobre isso?” Ela pergunta. “Fazer o quê?” “Sua hooha12 quebrada.” Eu largo a garrafa do esterilizador que estava usando e fico boquiaberta com ela. 12

Vagina.


“Eu posso ser velha mas sei uma coisa ou duas. Você não está quebrada, só porque você teve algum bom tempo.” Espero que o chão da cozinha se abra e me engula toda, apenas para que não tenha que sofrer com essa conversa com a minha grande empregada com mais de cinquenta. “Isso é tão embaraçoso. Você não pode chamá-la de algo diferente?” “Oh, quieta. Agora me diga, por que você acha que sua hooha quebrou?” Eu sei que meu rosto não está apenas aquecido agora; que está pegando fogo com um inferno de um blush. “Essa não é uma conversa que vamos ter.” “Você já tentou jogar com você mesma? Sabe, dar a si mesmo um pequeno grão de amor? Isso deve mostrar que tudo está em ordem. Você conhece Bart, Deus o ama, lança em suas costas, pelo menos uma noite por semana, por isso, se você precisar de algumas dicas, eu sou sua garota. Eu tenho isso como uma ciência.” Eu tapo os ouvidos com as mãos e deixo escapar um pequeno grito. “Oh, meu Deus, não falamos sobre isso. Você não tem limites. Você sabe disso, certo?” Jana dá de ombros. “Isso está bem comigo. Você não precisa nem falar, apenas ouvir. Você sabe que a cidade já está falando, então eu tive muito tempo para pensar sobre isso; deixe-me ver se tenho tudo certo. Você saiu daqui logo após aquela coisa bonita dar-lhe um inferno de um beijo. Agora, eu posso não saber muito, mas tudo o que tinha que fazer era olhar para o conjunto teimoso em seus ombros e eu só sabia que não estava indo para casa. Meu palpite é que você o perseguiu e vocês fizeram muito mais do que argumentar, certo?” Ela termina com um balanço de suas sobrancelhas. “Jana,” advirto. “Limites.” “Limites, meu rabo. Não se atreva a me ignorar, senhorita. Eu estive esperando para que isso acontecesse por muito tempo. Você nunca, nem uma vez, foi tão fora de série sobre um menino e ambas sabemos o porquê. Mesmo o homem fantasia de Nova Iorque que veio soprando através da cidade não foi capaz de obter este tipo de reação


de você, e querida, tudo o que ele tinha a fazer era olhar para uma mulher e boom. Portanto, supere esse constrangimento ridículo que você está sentindo e me diga sobre isso.” “Espero não me arrepender disso,” murmuro para mim mesma, ignorando seu golpe sobre Trenton, uma chama que piscou por dois meses antes de perceber que a vela nunca iria queimar com o brilho que Maverick ainda estava queimado. “Sim, nós dormimos juntos. Sim, a terra se moveu. Não, eu não falei com ele desde então e não planejo isso. Estou muito ocupada me esquivando das fofocas da cidade graças a aquele beijo maldito. Sim, minha hooha, como você tão carinhosamente chama, está mais que definitivamente quebrada. Mesmo eu não posso fazer isso funcionar, porque ELE QUEBROU ISSO!” Ela começa a rir quando eu termino. Eu deveria saber que me arrependeria de lhe dizer tudo isso. Ela segura a mão quando se torna claro que ela não pode controlar sua risada e apenas aponta atrás de mim. Eu giro. Então morro. “Agora, duvido que eu quebre algo, mas ficaria mais do que contente em verificar, querida.” Meu Deus. Mate-me agora. “Você, você, não diga outra palavra!” Tento acalmar a minha voz, mesmo quando sinto meu rosto virar um tom claro de vermelho. Se isso poderia ficar mais humilhante, eu não sei como. Ele levanta as mãos e me viro para Jana, apenas para vê-la andando pela porta balançando de volta, bolsa na mão e ombros ainda tremendo com uma risada silenciosa. Ela não diminui seu passo, apenas continua indo até que tudo o que vejo é um corredor vazio. Eu uso o silêncio repentino em torno de nós para tentar acalmar meus nervos em frangalhos. “Parece que somos só nós agora.”


“Eu disse para não falar!” Grito, ainda olhando para o corredor como se Jana pudesse aparecer de volta e me salvar dessa cena humilhante. Não posso acreditar nela. Bem, acho que realmente posso. A mulher sorrateira sabia exatamente o que estava fazendo. Inferno, ela provavelmente o notou antes que começasse com suas perguntas. Espere um minuto. “Como você chegou aqui?” “A porta da frente estava destrancada, querida. Nem uma alma à vista, mas não foi difícil encontrar vocês desde que vocês não estavam exatamente sussurrando.” “Você não ouviu tudo.” É uma declaração mais do que uma pergunta. Ele ri, o som profundo e áspero ecoando pela sala vazia, ecoando nas paredes, e atirando diretamente para o meu corpo antes de se resolver entre as minhas pernas e acordar uma parte do meu corpo que tem estado completamente dormente pelas duas últimas semanas. Maverick parece bom. Bom demais. Sua calça jeans desbotada em todos os lugares certos. Tenho certeza que se ele se virasse, a vista seria tão agradável. Bem, talvez não, desde que eu estou atualmente agraciada com uma visão da protuberância saudável entre suas pernas. O jeans desbotado em torno de sua virilha não faz nada para esconder sua excitação crescente, em vez disso apenas a destaca ainda mais enquanto o material continua a apertar em torno dele. “Olhos aqui, Leighton.” Eu tremo, amando o som do meu nome em sua boca. Deus, algumas coisas nunca mudam. Mesmo que eu saiba que não é sábio, eu me deixo absorver no prazer. Mesmo que seja apenas o valor de um segundo, que é algo depois de uma década de nada, bem, qualquer coisa é melhor do que isso. Não é fácil, mas eu me lembro de todas as razões por que isso precisa parar agora. Eu me dou uma pequena sacudida, na esperança do fogo até meu cérebro parar, e estreito os olhos para ele. O prazer deixa meu corpo quando a teimosa autopreservação retorna.


“Por que você está aqui?” Estou orgulhosa da nota fria que consegui reunir em minha voz, mesmo quando meu interior já está pegando fogo com a sua presença. Ele desdobra seus braços, os músculos em movimento sob sua pele com o movimento. Levantando um braço, ele aponta para mim, confusão pintada por todo o rosto. “O que acabou de acontecer? Num segundo você era um livro aberto, me dando tudo, e, em seguida, assim como se as persianas descessem você está agindo como se eu fosse um estranho.” “Você pode muito bem ser,” murmuro sob a minha respiração. Ele dá um passo para frente, sua bota vindo para baixo com um baque pesado. “Isso não está funcionando,” ele diz, girando o dedo que ainda está apontado na direção na minha cara. “Eu posso ser um monte de coisas, mas um estranho não é uma delas.” “Você se foi há muito tempo, Maverick. Não nos conhecemos mais, então, por definição, te faz um estranho.” “Você tem o hábito de abrir as pernas para as pessoas que você não conhece?” Eu engasgo com suas palavras duras. “Foda-se,” ele diz com um grunhido, tirando o Stetson preto e apoiando-o sobre a mesa de trabalho de aço inoxidável ao lado dele, seus grossos cabelos negros se espalham em um milhão de direções diferentes. ”Olha, eu não vim aqui para lutar com você. Peço desculpas por saltar o portão com besteira sarcástica que você não merece. Mas precisamos conversar.” “Uau, você praticou esse pequeno discurso na frente de seu espelho?” Eu cruzo meus braços e fecho minhas mãos em meus lados, escondendo-me por trás da postura protetora. “Não seja uma cadela, Leighton, que não combina com você.” Meu rosto queima. “Você está certo, sinto muito,” respondo. “Olha, tem sido um longo dia e eu só quero ir para casa e deitar. Podemos apenas fazer isso outra hora?”


“Acho que não. Eu dei-lhe algum tempo, mas estou cansado de esperar ao redor enquanto você me ignora. Eu liguei, você não respondeu. Passei por sua casa, você não veio até a porta. Você correu para longe de mim, Leigh, e não o contrário, e quero saber o porquê.” “Você está falando sério agora?” Ele balança a cabeça, mas não diz nada. “Aquela noite...o que fizemos...aquilo foi um erro.” “Erro.” Eu sacudo a cabeça para trás em sua negação forte e rápida. “Oh, não, não foi. Fomos apanhados nas emoções do dia. Nós não estávamos pensando claramente e as coisas ficaram fora de mão. Pelo que tenho ouvido, você tinha muito em sua mente antes mesmo de ultrapassar a linha do condado, e quando você adiciona o por que você estava mesmo de volta, bem, faz sentido que você não estava exatamente bem da mente. Eu deixei minha raiva tirar o melhor de mim e, para ser honesta, o meu mal alimentou minhas ações. Nós dois somos culpados de deixar nossas emoções alimentarem a luxúria que nos uniu. Mas agora temos de esquecer isso e seguir em frente.” Ele fica silencioso uma batida antes que jogue a cabeça para trás e solte uma explosão de risos que traz arrepios ao meu corpo. Fazia tanto tempo desde que eu o ouvi rir assim que estava imóvel pela beleza disso. O estrondo fundo vibrando do fundo de seu peito estava fazendo todo o seu corpo tremer com sua hilaridade. Era bonito. Ele era lindo. E eu estava em apuros.


12 MAVERICK “Run,” de Matt Nathanson

Eu não conseguia nem explicar a mim mesmo como acabei aqui, na cozinha do PieHole depois de horas enfrentando a mulher que abalou meu mundo há duas semanas e, em seguida, desapareceu, mas estava cansado de esperar por ela vir para mim. Só de estar perto dela afrouxava o nó de tensão que sentia por mais tempo do que gostaria de admitir, dizendo-me que esta era a decisão certa para mim. Sem mais nem menos. Clareza inunda meu sistema. Depois que Quinn saiu, trabalhei em torno do celeiro por mais algumas horas fazendo o trabalho estúpido que ninguém queria fazer sem dizer. No momento em que eu saí de lá não havia uma única tenda das vinte que estavam no celeiro principal que não parecia perfeita. Muito bom trabalho. Eu ficava repetindo a conversa com Quinn mais e mais. Não era a primeira vez que sentia o pesar - agitando a alma sobre como eu deixei as coisas com Leighton todos aqueles anos atrás, mas era a primeira vez que estava determinado a fazer algo para corrigir isso. Para me certificar de que não era mais permitido me agarrar ao arrependimento como um parasita que não iria parar de chupar seu hospedeiro. E eu parei com a lamentação. No entanto, não foi até que entrei e a vi que percebi que eu faria qualquer coisa para voltar no tempo. Agora não queria apenas reparar o dano que tinha causado, eu


precisava mais do que já precisei de uma única maldita coisa na minha vida. Nem mesmo a minha necessidade para deixar a cidade quando adolescente tinha sido tão forte. Eu continuo a rir de sua última besteira quando meus olhos vagueiam sobre seu corpo. Suas longas pernas estão nuas e as cordas desgastadas de seus shorts cortado apenas brincam no topo de suas coxas, as pequenas cordas brancas contra sua pele bronzeada suave fazendo parecer como seda. Ela se move, e aquelas cordas dançam através de sua pele e eu gemo, memórias de nossa noite juntos batendo em minha mente. Eu sei como aquelas coxas se sentem agora. Eu apenas tenho que saber se elas seriam tão suaves como parecem enquanto abraçam meus quadris com força e acolhem meu empurrão duro. Não. Eu sei exatamente o que ela parece e está fodidamente marcado na minha pele. Eu tenho que forçar meus olhos de suas pernas. Não é até que eu volto ao logotipo de sua padaria logo acima dos seios que eu sou capaz de parar de pensar em dobrá-la sobre a mesa e obter essas pernas para trás em torno de meus quadris. A plenitude pesada do peito faz com que o trecho de algodão preto aperte; a farinha polvilhada sobre todo o tecido distrai minha mente e, finalmente, deixa-me concentrar. Ela parece uma bagunça completa. Um inferno de uma bagunça bonita batendo em minha bunda. Pensamentos de que eu perdi isso por tanto tempo enchem minha mente; o arrependimento que tenho estado tão determinado a parar de sentir volta. Eu poderia ter tido isso, mas em vez disso, joguei tudo fora porque não era forte o suficiente para ficar por aqui. Ela me dá um olhar de impaciência absoluta e frustração quando termino o lento arrastar de meus olhos para cima de seu corpo. Sua aparência poderia ter me deixado sem palavras, mas é isso aqui, ela,


que tem meu coração acelerando de volta quando o sentimento de contentamento enche meu corpo. Seu cabelo loiro está em um rabo de cavalo bagunçado reunido no alto da cabeça. Sua pele impecável está completamente livre de qualquer vestígio de maquiagem. Ela se parece muito como era há dez anos. Jovem e cheia de tanta beleza em seu interior que irradia de todos os seus poros. A cor é grande em suas bochechas e eu não posso dizer se é de raiva, vergonha, ou talvez-esperançosamente excitação. Eu só sei que estar ao seu redor me faz sentir vivo pela primeira vez desde que fui forçado a sair do circuito. Eu não sinto que há alguma grande incógnita faltando em minha vida. Essa peça perdida que estive procurando desde que era velho o suficiente para começar a colocar tudo isso junto. A mesma peça que senti que havia desaparecido desde o dia em que saí daqui. Eu assumi que era algo que eu iria encontrar na estrada. Eu acho que, no fundo, sempre soube que a peça que faltava estava escondida em um lugar e que estava tão fodidamente determinado a nunca voltar. Então, não, eu não só quero limpar o ar entre nós, mas precisava disso com uma ferocidade que ainda não entendo completamente. Eu sou finalmente capaz de acalmar meus pensamentos correndo e me concentrar nela. Ela está ali de pé, com os braços soltos ao lado do corpo, choque segurando-a como refém. Eu provavelmente pareço tão louco como o velho homem Croyers, e isso é dizer muito, já que ele fala com árvores e arrasta em torno de sua cadeira de balanço em uma trela. “Nós precisamos conversar, querida. Está na hora.” Ela balança a cabeça, mas não recua quando me movo em direção a ela. “Eu tenho muito que preciso dizer, e se você não quiser falar, tudo bem...mas isso precisa ser dito, Leigh.” “Você não está indo embora, não é?” Eu agito minha cabeça.


Ela respira fundo antes de me dar um pequeno aceno de cabeça. Renúncia clara em seu rosto. “Você quer um café?” “Sim, querida, forte.” Silenciosamente, ela se vira e anda pela porta da cozinha e na sala principal de sua padaria. Eu sigo. Ela levanta um dedo e aponta para a mesa no canto de trás antes de caminhar para as janelas da frente. Ela leva um segundo para olhar para as ruas e ao povo da cidade que está em torno antes dela fechar as persianas. Tenho certeza de que ela as tem lá para bloquear o sol durante o dia, mas elas efetivamente bloqueiam a vista para a padaria de alguém que está fora na Main Street hoje à noite. Eu poderia ter dito a ela que era inútil. Fofoca começou a queimar como fogo no segundo em que estacionei meu carro ao lado de seu jipe e entrei. Esta cidade não perde nada, e eles estão esperando para ver o que irá acontecer depois daquele beijo. Eu a observo enquanto ela se move para trás do balcão e prepara a cafeteira. É preciso esforço, mas puxo meus olhos de sua bunda e olho ao redor da sala. Eu odeio não estar aqui para vê-la se tornar a mulher que ela é hoje. É claro em cada polegada do espaço aqui que ela construiu sua padaria com orgulho e amor. Eu sabia por Clay que ela estava indo bem, mas a julgar por este lugar isso é um grande eufemismo. “Aqui...Preto” Ela bate a caneca cheia; força suficiente para fazer um grande estrondo contra a mesa, mas com cuidado o suficiente para que nem uma gota escape do topo. Ela ainda está chateada e não tem medo de deixar-me saber. Eu levanto a caneca roxa e a trago para a minha boca, respirando a bebida forte antes de tomar um gole. A queimadura em minha garganta é bem-vinda enquanto eu reúno meus pensamentos juntos. Ela se senta no lado oposto e coloca as mãos em torno desua caneca.


Tomo outro gole antes de colocar a minha para baixo e limpo a garganta. “Eu sinto muito.” Ela sacode levemente e estreita os olhos. “Há um monte de merda que fiz na minha vida que lamento, Leigh, mas nunca me deixei debruçar sobre isso porque, no momento, sabia que era necessário para conseguir o que eu queria. Para chegar onde eu queria ir. Para sair.” Eu olho para a minha caneca, compondo meus pensamentos antes de dar-lhe o resto. Sabendo que o resto é uma das coisas mais importantes que eu poderia dizer hoje à noite. “Eu notei você. Você estava errada-Deus, tão errada. Eu sempre vi você, Leighton. Ali, naquela noite, e a deixei pensar que eu não a via como a menina bonita que você era na época foi uma das coisas mais difíceis que já fiz. Porra isso me matou, mas eu sabia que tinha que ser feito, porque se não tivesse a certeza de que você me odiava naquele momento, não teria ido, e querida, eu tinha que sair. Não teria sobrevivido sob seu punho de ferro. Então tive a certeza de que esmaguei uma pessoa que sabia no fundo dos meus ossos que tinha o poder de me manter aterrado em Pine Oak até o dia em que eu desse o meu último suspiro. E querida, o último suspiro teria chegado muito mais rápido se não tivesse saído quando eu fiz.” Há um flash vermelho-quente de raiva antes que ela permita que uma casca frustrada de descrença saia. Ela abre a boca, apenas para encaixá-la fechada novamente. Ela sempre foi tão expressiva que é claro ver que uma guerra está sendo travada entre a fúria e dor agora. Eu assisto sua luta, seus olhos mostrando-me o que sua boca não pode vocalizar, que o lado de sua guerra ganhou, quando eles molham com emoção. Ela pisca as lágrimas, não permitindo que uma única caia, quando ela morde com força o lábio. Eu odeio saber que a estou machucando agora, mas preciso que ela ouça isso. Meu peito já está se sentindo mais leve apenas do pouco que eu disse. Eu poderia estar uma bagunça de merda na minha cabeça agora, mas sentir o domínio sobre meu peito clarear após uma década de culpa e arrependimento é bem atrasado. “Eu estava tão concentrado em dar o fora daqui que nunca imaginei que poderia ter outra maneira. Uma maneira de perseguir


meus sonhos e não a prejudicar, mas naquela época tudo o que eu podia ver era uma garota com uma família que a amava e um futuro que você tinha para realizar sozinha. Eu via uma garota de dezesseis anos de idade, desconhecendo o poder que ela tinha e foda-se se não me aterrorizou. Tomei o caminho do covarde e a feri antes que eu me permitisse ser vulnerável o suficiente para você me machucar. Bati sabendo que seria capaz de sair com nenhum outro laço além de Clay e Quinn e até mesmo eles entenderam por que eu estava correndo, para que esses laços não fossem amarrados apertados. Viviam aquele inferno comigo. Então, enquanto eu poderia ter obtido o que estava perseguindo, realizei tudo sozinho, porque eu empurrei todos para longe.” “Por que diabos você está me dizendo isso? O que muda, Maverick? Nem uma coisa maldita!” Ela grita, uma explosão de ressentimento que dura apenas um segundo antes de minhas palavras afundarem. A mão em seu peito enquanto ela ainda luta para manter suas emoções sob controle, a raiva começando a substituir a tristeza. “Porque, para explicar a ressoante merda dentro de mim, eu tenho que voltar ao começo querida, e isso é você.” “Eu não entendo. Pensei que estávamos indo falar sobre...bem, aquela noite?” “Vamos,” eu juro. “Talvez devêssemos simplesmente ignorar o passado e nos concentrar nisso então. Eu não tenho certeza do que você está esperando realizar deixando isso tudo agora, mas você fez a sua escolha quando você saiu, Mav, e eu não tenho certeza se é melhor voltar por esse caminho novamente. Não, na verdade, eu sei que não é.” Eu ri, o som tão estranho para mim como foi anteriormente na cozinha. “Eu preciso me livrar de tudo, Leighton, e querida, você precisa ouvir. Depois disso, onde vamos a partir daqui é com você.” “Aonde nós vamos?” “Isso é o que eu disse,” respondo, pegando a caneca e tomando outro gole.


“Eu acho que o único lugar que estamos indo é para casa após essa conversa.” “Então eu acho que vai ser com você se estamos indo para a mesma casa ou por caminhos separados, mas você vai fazer essa escolha com todas as informações.” Leighton franze o nariz desagradável. “Não gosto disso.”

como

se

ela

cheirasse

algo

Eu sorri, um pequeno, mas genuíno tudo a mesma coisa. “Sim, querida, e nem eu, mas como disse, é hora.” Ela deixa cair à mão de seu peito, respira calmante, e pega sua caneca para tomar seu primeiro gole desde que sentou. Prossigo antes que ela possa mudar sua mente. “Você sabe, na minha cabeça, planejei tudo, mas não foi até que tinha ido embora cerca de um ano ou dois quando percebi o quanto eu fodi. Subi as fileiras rápido. Fiz um nome para mim naquele tempo e sabia que estava no caminho certo, mas porra, eu era solitário. Não me interprete mal, tinha encontrado formas temporárias para tentar preencher esse vazio, mas sempre me fez sentir ainda mais sozinho, depois de um tempo essa merda parou também. Eu não estive com outra mulher no raio de cinco anos, Leigh, e antes mesmo disso, não era muito. Focado no meu trabalho. Eu estava tão sozinho porra. No topo do meu jogo, montar os animais me fez sentir como uma porra de Deus, mas mesmo em uma arena lotada, sentia-me como se estivesse em uma sala sozinho. Ainda me lembro do momento exato em que parei e notei que não havia pessoas perto de mim. Quinn me enviou uma foto de vocês duas na noite de graduação, dois anos depois que eu tinha ido, e foi como um soco no meu estômago quando olhei para seu rosto sorridente. Eu sabia que, enquanto pudesse ter tudo, eu tinha nada porque não conseguia ver aquele sorriso todos os dias. Eu fodidamente sentia falta daquele sorriso, Leigh. Eu senti o vazio como nunca tinha antes daquela noite.” Sua caneca bate na mesa, e líquido escuro derrama para fora e sobre a mão dela nos nós dos dedos brancos. Leigh murmura uma maldição e tateia às cegas para um guardanapo do dispensador sobre


a mesa, o olhar treinado em mim. Eu mantenho meus olhos em seus dedos encharcados de café antes de abrir a boca para continuar precisando do tempo para obter o controle das minhas emoções. “À noite em que Quinn me enviou essa foto eu fiquei no touro por doze segundos antes que soltasse minhas cordas e pulasse, mas era como se eu tivesse um desejo de morte. Olhei aquela besta no olho por uma batida toda sólida do meu coração antes de ele começar a cobrar. Eu nem sequer corri para sair. Eu tomei meu tempo doce em seu traseiro. No momento em que o meu treinador foi e me puxou sobre o trilho superior do meu colete, o touro estava prestes a me lançar. Eu não me importava. Eu não sentia nada. Essa foi a noite em que disse a minha irmã para nunca me enviar outra foto de você de novo.” Eu limpo minha garganta e, finalmente, olho para cima em seus olhos. Ela está tão quieta que tenho um sentimento que ela está tentando duro não me mostrar o que as minhas palavras a têm feito sentir, mas as lágrimas que ela esteve tão determinada a manter trancadas caem livremente agora, traindo sua vontade de se esconder de mim. “Eu posso ter sido o rei do rodeio depois disso, mas eu fiz isso com um coração morto que ninguém chegou perto de tocar. Anos se passaram e não senti uma coisa até Clay ligar e me dizer que ele precisava de mim voltando para casa. O velho se foi e ele precisava de mim de volta aqui para tomar algumas decisões sobre o rancho. Antes de eu receber a sua chamada passei quase duas semanas tão bêbado que não poderia mesmo dizer-lhe qual era o meu nome, mas essa chamada parou tudo. Pela primeira vez em um tempo maldito eu não via nada além de um escuro vazio na minha frente. Eu não senti o lembrete chocante de arrependimento imutável. Era como um sinal de que não era tarde demais para consertar as coisas. Eu não sabia o que seria voltar para casa, mas eu sabia com maldita certeza que não iria passar mais um dia remoendo os erros dos meus atos. Não quando eu tinha o poder de fazer algo sobre isso agora. Uma chance.” “Mav,” ela começou antes de limpar a garganta, torcendo o guardanapo umedecido em seus dedos, “eu não sou... realmente não sei o que dizer, Maverick.”


“Eu entendo, querida, coloquei um monte em você hoje à noite, mas você precisava ouvir para que entendesse por que não vou permitir que você chame aquela noite há duas semanas de um erro. Eu fodi tudo e te feri então eu mereço a sua raiva, mas não vou permitir que outro pesar aconteça na minha vida quando posso fazer algo para impedir isso. Eu deixei tudo sair, dei-lhe todo verdade feia. Cabe a você decidir para onde vamos a partir deste ponto.” Leigh olha para mim por um momento, a boca aberta, então cospe: “Você está me pedindo para apenas tomar uma decisão como essa com base em uma conversa de quinze minutos quando você me deu algumas avariadas notas sobre a sua vida durante a última década?” Inclinando-me para trás na cadeira, eu tenho que me segurar para me manter calmo, embora seja claro pelo seu tom arrogante que ela está chateada. “Não algumas notas quebradas, Leighton, e você sabe disso. Estou expondo as coisas da melhor maneira que eu posso.” “Porra que você está, Maverick. Clay e Quinn sabiam o porquê, mas mesmo eles não me deram muito. Não havia um dia que passasse que nós não sentimos o vazio de sua ausência. Você não pode simplesmente explicar esse afastamento facilmente. Você admite que me machucou de propósito. Você ainda tem alguma ideia do quão ruim você me machucou? Você não pode simplesmente decidir que agora, depois de dez fodidos anos, está disposto a....quê? Estar comigo? É insano!” “Você não acha que eu sei disso?!” Eu grito. Ela pula com a minha explosão, mas não fala. “Foda-se.” Estou andando pelo espaço apertado entre as mesas antes de olhar de volta para onde ela ainda está sentada, caneca de café ainda segura firmemente em sua mão. “Eu não estou escondendo merda de você. Estou te dizendo o que preciso para que você possa entender por que a feri e por isso que eu uma vez me arrependi daquela noite. Vou dar-lhe o resto, mas não posso fazer isso até que eu entenda isso sozinho, e agora estou batalhando para apenas passar por isso.” “Você é uma bagunça,” ela me diz, em um tom que é forte e verdadeiro, a vulnerabilidade que ela tinha mostrado anteriormente, se foi ou está oculta.


“Sim.” Eu ri sem humor. “Eu sou uma bagunça, mas eu estou trabalhando sobre isso porra.” “Isso é bom, Maverick. Estou feliz que você está trabalhando nisso. Espero que você encontre a paz que você precisa,” ela diz com sinceridade. Eu agito minha cabeça. Depois de tudo o que a fiz passar ela ainda me dá isso. “Outro dia, querida. Vamos deixar isso para outro dia. Eu tenho a minha própria merda para trabalhar, mas eu preciso consertar as coisas com minha família também.” Ela balança a cabeça, um sorriso triste tocando em seus lábios. “Eles sentiram sua falta.” Engulo através do nódulo arranhando a minha garganta. “Sim.” O que eu não daria para ela admitir que sentiu minha falta também. “Eu preciso limpar isso,” ela diz para a mesa, e sei que ela está à procura de uma saída. Não é preciso ser um gênio para dizer que ela está tentando sair antes de eu ver as emoções que ela está trabalhando tão duro para esconder de mim. Eu empurro para trás da mesa, e seus olhos inclinam-se para encontrar os meus. “Duas semanas atrás, eu rolei para a cidade não tendo certeza do que iria encontrar e no final daquela noite eu percebi que quando corri desta cidade para escapar do inferno que estava vivendo, perdi o único pedaço do céu que já tinha sentido. Eu o senti novamente naquela noite, Leigh, e estou dizendo a você agora, eu não estou me dando esse sentimento sem luta. Você precisa processar toda essa merda que coloquei em seu colo esta noite, mas você também precisa perceber que estou aqui agora. Estabeleci-me para um longo prazo, e que vai durar muito mais tempo do que oito segundos. É melhor acreditar que estou cavalgando isso com você até que você me atire para fora. E querida, não houve um passeio para o qual eu já estive mais preparado.” Eu dobro, pressionando meus lábios contra sua boca chocada e a solto antes de colocar meu chapéu da sorte em sua cabeça e caminhar através da porta da cozinha e para a minha caminhonete. Tanto quanto eu gostaria de terminar esta noite com ela em meus braços, sei que a


melhor coisa que posso fazer é sair e deixá-la fazer o que ela precisa fazer. Quinn estava certa hoje cedo, quando ela disse que Leigh não faz um movimento sem analisar todos os ângulos; isso é algo que nunca mudou. Dei-lhe todos os fatos que ela precisa e agora a bola está em suas mãos. Eu estava a meio caminho de volta para o rancho, sorriso ainda no meu rosto e minha mente sentindo um inferno inteiro de muito mais leve do que antes. Eu poderia estar fora do circuito, mas estava me preparando para a viagem da minha vida.


13 LEIGHTON “What Hurts the Most”, de Rascal Flatts

Isso não aconteceu por acaso. Não. Isso definitivamente não aconteceu. Eu levanto minha mão, atingindo a borda de feltro pesada do chapéu na minha cabeça. Com dedos trêmulos, agarro a coroa do chapéu para retirá-lo da minha cabeça. Minha mão livre treme quando esfrego as bordas. Eu não sei como sei, mas não tenho nenhuma dúvida de que este chapéu é especial para ele. Está bem desgastado que mesmo um idiota poderia dizer que tem uma longa vida por trás dele. Eu o coloco em cima da mesa atrás de mim, antes de me levantar da minha cadeira. Eu não me movi por tanto tempo depois que ouvi sua caminhonete sair que as minhas costas imediatamente protestam e meus pés gritam depois de finalmente ficarem confortáveis depois de um longo dia. Eu faço o trabalho rápido de limpar nossas canecas de café e o resto da minha bagunça, limpando a mesa antes de jogar o pano na cesta cheia de toalhas usadas que estava pronta para levar para casa e lavar antes de segunda-feira. Ignorando as emoções furiosas pelo meu corpo. Tanto conflito. Tristeza, arrependimento, e um monte de raiva profunda. Todos eles girando em torno, o que torna impossível dizer qual deles é mais forte.


Eu não posso nem pensar sobre o que Maverick disse esta noite; ao invés disso eu mantenho minha mente focada em fechar tudo corretamente, verificando que a porta ainda está bloqueada antes de sair. Eu tinha planejado trabalhar através dos livros e preparar um depósito para segunda-feira de manhã antes de abrir, mas depois de ver e conversar com Maverick, minha mente não é capaz de lidar com algo mais do que ir para casa. Eu tranco o rendimento no cofre no meu escritório com um suspiro, sabendo que isso significa que vou ter que entrar e lidar com isso amanhã, enquanto nós estivermos fechados ou isso só vai significar mais trabalho na segunda-feira. Com minha bolsa por cima do meu ombro, eu dou mais um passo em torno da cozinha para garantir que todos os frigoríficos estão fechados e os fornos estão desligado e pego o cesto de roupa da porta entre a cozinha e a sala principal. Meus olhos vão diretamente para o chapéu de cowboy solitário, ainda descansando contra a mesa onde o deixei. Eu deveria deixá-lo. Deveria apenas sair pela porta e fingir que não sabia que estava lá e deixar Jana lidar com ele segunda-feira quando ela abrir. Em vez disso, meus pés me levam para a mesa, e minha mão envolve a coroa antes de colocá-lo com reverência no topo da minha cabeça em vez de em cima da roupa suja dentro do cesto. Eu não devia me preocupar sobre deixá-lo sujo, mas porra, se eu não faço. Fazendo malabarismo com a cesta, saio pela porta dos fundos antes de trancá-la e ir para o meu jipe, recusando-me a reconhecer a sensação de calor viajando pelo meu corpo, onde o chapéu descansa. Eu posso sentir o cheiro dele, assim como a força como se ele estivesse bem diante de mim. Ter um pedaço dele perto de mim faz nada, mas amplifica a grande parte de mim que gostaria que eu tivesse tudo dele. Porra, eu estou realmente em apuros.


“O que você está fazendo?” Eu salto, a cadeira de balanço em que estava sentada sacodindo sob o meu movimento brusco. Eu tenho que olhar de soslaio para ver através da escuridão que só agora percebi que tinha caído em torno de mim. Quando me sentei antes estava tão perturbada e confusa sobre o que Maverick disse me fazia sentir. Eu não conseguia entender por que, mesmo com a raiva que eu sentia, tudo que queria fazer era correr para ele e forçá-lo a fazer sentido em tudo isso. Com as mãos. E sua boca. E outras coisas. “Deus, Q! Você assustou a merda fora de mim.” Eu chio, agarrando meu peito. “Eu notei, uma vez que quase caiu da cadeira saltando como um bebê.” Ainda respirando profundamente, meu coração disparado descontroladamente, estendo a mão e dou-lhe o meu dedo médio. “Sim, sim…recebo isso o suficiente dos caras na loja. Você vai ter que se esforçar mais se você realmente quer que eu sinta que você realmente queria dizer isso.” “O que você está fazendo à espreita nas sombras, afinal? Será que você anda por aqui?” Ela ri, o som feminino, profundo, rouco, sua rouquidão normal de voz como se ela tivesse um resfriado. É o tipo de voz que faria um 1900 milhões operador. “Bem,” ela começa quebrando meus pensamentos de novo, “dirigi, o que você deveria ter visto, sendo que eu esqueci que tinha meus faróis altos e as malditas coisas estavam atirando diretamente em seu rosto antes de perceber que você estava sentada aqui no escuro. Se isso não fosse uma pista grande o suficiente, estive chamando seu nome desde que pulei para fora da caminhonete, algo que você deveria ter ouvido.” “Oh,” murmuro timidamente. “Sim, oh.”


Ela bate em meus joelhos enquanto empurra passando por mim e sentando na cadeira ao lado da minha. Eu fecho meus olhos quando percebo o meu erro, suspiro ecoando pelo ar em torno de nós. Ela está em pé na frente da cadeira de balanço emparelhada com a minha, a cesta de roupa suja cheio colocada na mesa entre nós, mas não é isso que traz sua reação. É o chapéu solitário colocado na cadeira que lhe chamou a atenção. “O que é que isso está fazendo aqui?” “O que é que o que está fazendo aqui?” Repito, olhando para cima para vê-la olhando para o chapéu como se fosse uma cobra prestes a atacar. “Não se faça de idiota comigo, Leighton Elizabeth James. Eu reconheceria esse chapéu em qualquer lugar. Especialmente desde que ele é o único chapéu que, em quase 15 anos, ficou no topo da cabeça do meu irmão.” Meu coração pula e eu sacudo a cabeça em direção ao chapéu em questão. Vendo-o em toda uma nova luz agora. Eu sabia que parecia familiar. De jeito nenhum. Não há nenhuma maneira que este chapéu é o chapéu. O chapéu de Maverick desde quando ele era um adolescente. “Você está lendo muito para isso, Q. É apenas um chapéu preto. Você só pensa isso, porque tudo o que ele usa, independente da época do ano, é um sólido Stetson preto.” Minha voz é tão fraca como o meu argumento. E ela sabe disso, a julgar pelo sorriso no rosto bonito. “Então, por que você não me dá?” “Não.” “Entregue, Leigh.” “Deixe-o, Quinn.”


“Se você está tão certa de que é apenas um chapéu preto, então qual é o grande negócio? Prove que estou errada.” “Eu não preciso provar que você está errada, mas já que você está aqui, por que não o leva para casa com você e o dá a seu irmão. Ele o deixou no PieHole antes, quando veio para um café. Como eu disse, está lendo muito para nada, Q.” “Tudo bem,” ela diz. “Se você não irá verificar, então eu vou.” Eu tenho que forçar-me a não reagir, mas é tão difícil. Especialmente quando sinto a necessidade imperiosa de bater na mão dela quando os dedos estão a apenas um sopro de distância do feltro. Não reaja, Leighton. Não se atreva. “Mav iria chutar o seu traseiro se soubesse que você o colocou para baixo assim. Você não conhece a velha supertição que se você colocar a abertura chapéu para baixo, toda a boa sorte que foi recolhida vai cair fora?” “Isso não faz muito sentido, Q.” “Não tem que fazer sentido, é apenas a forma dos cowboys. Nunca, jamais, descanse um chapéu de cowboy com a abertura para baixo. Você o coloca com a abertura voltada para o céu para que ele possa continuar a 'pegar a sorte'...e enquanto eu estou nisso, nunca o coloque em sua cama.” Franzi a testa para ela, por um segundo esquecendo o que ela estava mesmo fazendo. “Você esteve gastando muito tempo no rancho.” “Sério, Leighton, você parece que nem nasceu e foi criada no Texas. Todo mundo sabe essas coisas.” “Se você diz.” Ela levanta o chapéu, seu aperto suave aliviando um pouco da minha ansiedade sobre ela por apenas tocá-lo, o que é absolutamente ridículo. Eu prendo a respiração, olhando para longe de seu rosto e olho para o pasto escuro a frente entre minha casa e a estrada abaixo. A


lua se esconde atrás das nuvens, lançando nada, mas diferentes tons de escuridão, e não me permitindo qualquer coisa para me concentrar. Quinn faz um barulho, mas não fala. Recuso-me a olhar para ela, mas a sinto caminhar para a varanda para onde tenho outra mesa. Eu ouço a conexão macia do chapéu contra a madeira, encolhendo interiormente e lutando contra o desejo de colocar uma toalha sob ele. “Você nunca realmente pensou que todo símbolo do infinito é uma coisa completa, não é?” Sua voz ecoa na escuridão. Meus olhos estão fechados. Minha garganta fecha. Seu significado claro. “Quero dizer, é um erro honesto para uma menina de quatorze anos de idade. Nunca pensei que instruções sobre o seu fluxo direcional seriam importantes, não é?” Ela deixa de falar. Meu coração continua a bater. Seu significado claro como cristal. “Eu acho que tudo funcionou, já que ele pensou que significava costurar o número oito no forro. Você sempre foi aquela que o aplaudia mais alto. Ainda me lembro do dia em que você pediu a seu pai para nos levar para o rodeio em Clareview. Eu quase pensei que você iria pular das arquibancadas quando ele não caiu. Claro, nós brincamos que era seu novo chapéu com o oito da sorte que fez aquele passeio possível.” Minha garganta queima. Meus olhos enchem de água. Suas palavras um lembrete silencioso dos sonhos de uma menina estúpida. “Quando o vi há cinco anos na Califórnia, saímos para bebidas em um bar perto da arena,” Quinn continua, um pouco mais suave agora. “Barulhentos como todos saindo. Algum cowboy bêbado coçando


para uma briga bateram no chapéu de Mav e a primeira coisa que ele fez foi saltar para cima de seu banco e pegar o chapéu do chão sujo. Você deveria ter visto o cuidado que ele tomou no sentido de assegurar que não fosse danificado. Colocou a abertura sobre a mesa antes de dar um empurrão com um soco no queixo. Eu vi a mesma costura desaparecer antes que ele colocasse o chapéu de volta na cabeça. Eu teria reconhecido esses pontos irregulares em qualquer lugar. As mesmas feitas pelo fio vermelho sólido que você montou em sua bicicleta quase trinta e dois quilômetros fora de Pine Oak para obter no Walmart da cidade vizinha. Os mesmos que você passou três dias aperfeiçoando dentro do chapéu que você passou dois anos economizando para comprar. O mesmo que você passou mais dois dias chorando em cima quando percebeu que colocou esse infinito lá verticalmente e ele só parecia um oito torto. Tudo isso dentro do mesmo chapéu que ele está usando desde o dia em que você deu a ele, Leighton.” Meu peito dói. Minha garganta dói. A dor do meu choro queimando através de ambos. Quinn não fala até que eu consiga me controlar, sua mão alcançando mais de sua cadeira e segurando a minha o tempo todo. Não foi até que eu tinha apenas levantado minha camisa para enxugar meus olhos que ela disse outra palavra. “Vá olhar no chapéu, Leighton. Não discuta comigo. Vá em frente e faça isso enquanto você se sente como você faz agora. É importante que você faça isso agora, enquanto eu estou aqui.” A observo, meus olhos difusos com lágrimas, e aceno com a cabeça. Finalmente, uma das emoções que senti em guerra dentro de mim desde que ele deixou a PieHole anteriormente vem à tona: tristeza. A última coisa que quero fazer é ir olhar para esse número torto estúpido, mas ela está certa de que é melhor fazer enquanto ela está aqui, porque uma vez que eu ver essas linhas vermelhas estúpidas, isso vai lembrar-me de cada memória dolorosa que venho trabalhando tão duro para esquecer.


“Eu estou bem aqui, Leighton,” ela me lembra suavemente. Eu saio da cadeira de balanço, meu corpo duro de muitas horas na mesma posição, e caminho até o chapéu. Eu ouço seu movimento, o som da minha porta de tela rangendo enquanto ela abre. No segundo em que as luzes da varanda ligam, uma diretamente acima da mesa onde o chapéu de Maverick está descansando como um refletor para dentro da abertura. Não foi a costura vermelha desbotada que ela prometeu que estaria lá que me chama a atenção, no entanto. Ela não podia ser ignorada, mas também não trouxe a dor que eu pensava que traria. Não, não foi a costura torta que se desvaneceu, uma tentativa fracassada de uma declaração romântica que me quebrou em um milhão de pedaços. Se fosse só isso, eu não me sentiria como se alguém tivesse acabado de me dar um soco no estômago. “Essa foi a última imagem que eu lhe enviei, você sabe,” sussurra Quinn atrás de mim, me dizendo algo que já sei que é verdade, graças a própria admissão anterior de Maverick. Ela chega para dentro do chapéu e puxa a imagem de onde tinha sido empurrada por trás da fita. Você pode dizer que mesmo que alguém tivesse tomado um tempo para proteger a fotografia com uma camada de laminação, que ela foi manipulada, muitas vezes a julgar pelas gastas bordas. Quando Maverick falou da foto antes, eu tinha assumido que ele tinha conseguido se livrar dela. Ele falou tão fortemente sobre como isso afetou a ele que nunca imaginei que ele teria se agarrado a ela, muito menos colocá-la em algum lugar destinado a estar perto dele. Foi por causa disso por si só que eu quebrei em um milhão de pedaços dolorosos. Eu ficaria feliz em levar a raiva de volta se isso significava que eu não sentisse tudo de novo como se tivesse perdido tudo que sempre quis. Quinn não falou de novo, mas ela não precisava. Seu ponto foi feito, e depois que ela se moveu para me puxar em seus braços, ela fez o que tem feito toda a minha vida: pegou os pedaços da minha alma e me ajudou a encontrar uma maneira de obtê-los juntos novamente.


14 LEIGHTON “Whiskey Lullaby”, de Brad Paisley e Alison Krauss

A negação foi a primeira coisa que aconteceu depois de descobrir o significado por trás do chapéu estúpido do Maverick. Passei um dia, o meu sólido dia de folga correndo sobre todas as coisas que isso realmente não significavam. Cowboys são um bando supersticioso; todo mundo sabe, assim eu tinha me convencido de que não era nada mais do que isso. Eu vim com cada desculpa que eu pude, mas no final, sabia no fundo que estava lançando mentiras para me proteger da dor. Até o momento em que o meu domingo havia chegado ao fim, porém, a negação tinha rapidamente se transformado em raiva. E a raiva era uma coisa poderosa, e até mesmo Jana me deu um amplo espaço naquele dia. Fiquei pensando no chapéu estúpido, no ridículo oito torto, e na maldita imagem. Cada vez que um deles ia entrar em meus pensamentos, acabava com um prato jogado contra a parede da cozinha. Eu tinha certeza de que iria perder clientes naquele dia, mas parecia que todo mundo estava louco para um show, porque nós ficamos lotados durante todo o dia, o que, naturalmente, apenas me irritava ainda mais. Ele fez isso. Ele nos fez o foco de rumores desta cidade. Apenas por estar de volta, ele lançou um holofote sobre nós enquanto os habitantes esperavam por mais coisas para sussurrar sobre nossas costas. Eu saltei a terceira etapa completamente. Constatação de que parecia estar no trem da dor ocorreu quando parei na estação da


depressão. Até o momento em que percebi o que estava acontecendo, eu estava implorando para a raiva retornar. Pelo menos com isso, eu ainda podia respirar sem dor. A dor do que poderia ter sido. Mas o que não era. E o que agora nunca mais poderia ser. Até agora, a profunda depressão que se instalara em mim não tinha saído por um segundo dolorido. Nem mesmo quando eu estava dormindo. Eu acordava com lágrimas escorrendo do meu rosto, ofegando por ar. Fazia dois dias desde que aquele peso se instalou sobre mim. Eu trabalhei com ele ontem, mantendo a mim mesma e evitando todos. Eu poderia dizer que Jana sabia que algo estava errado, mas ela não me chamou. Pela primeira vez, ela me deixou com meus pensamentos, voltando para a cozinha apenas quando precisava reabastecer algo que tinha acabado. Ela permitiu-me a minha solidão na cozinha, enquanto trabalhava no chão e tratava com os clientes, algo que eu estava grata. Mas hoje eu não tenho isso em mim. Eu não posso fingir meu caminho através do dia novamente, e para ser honesta, simplesmente não consigo encontrar a vontade de me levantar da cama. Pela primeira vez em uma semana desde que o PieHole abriu, o sinal fechado ficaria pendurado sobre a porta roxa. Não escapou da minha atenção que mesmo quando Buford faleceu, o sinal foi virado e a porta se abriu, mas tudo o que seu filho teve de fazer foi vir andando de volta para a cidade e tudo foi anulado por esse idiota. Eu inalo revirando meu corpo de modo que os lençóis deixam o meu braço livre, e pego um dos tecidos encharcados de lágrimas enrolados ao lado do meu corpo, limpando meu nariz antes de estender a mão e pegar o meu celular da mesa ao lado da minha cama. Earl começa a ronronar do seu lugar acima da minha cabeça, colocando uma grande pata no meu nariz quando eu me viro de novo, pensando que finalmente era tempo para sua mãe lhe dar alguma atenção.


“Pare, baby,” eu digo densamente através do nó na garganta, golpeando fora sua pata. Ele dá um silvo de irritação por que eu tive a coragem de repreendê-lo antes de passar para o final da cama. Ele me dá um olhar, seus olhos verde-amarelo piscando uma vez antes dele enrolar, levantar a perna, e se lamber. Meus olhos lacrimejam quando penso que mesmo Earl, o único homem fiel que deixei na minha vida, se virou contra em mim. Levame um minuto para me acalmar antes de eu pegar o telefone e ligar para Jana. “Bom dia, menina bonita,” ela cantarola para o telefone, sua voz clara e alegre apesar de ser apenas seis da manhã. Abro a boca, respiro fundo, e prossigo para dar uma performance de tosse falsa de uma vida. “Oh, céus, querida!” Faço alguns bons ruídos de pigarro antes de tomar o caminho do covarde e mentir através dos meus dentes. “Hey, Jana. Estava esperando te pegar antes que você saísse. Nós vamos ficar fechados hoje. Eu tenho algo desagradável e desde que comecei a me sentir mal na noite passada, eu não quero a chance de que isso possa ser contagioso. O que significa que todas as tortas que eu preparei ontem estão sendo jogadas fora. Eu não me sinto bem o suficiente para fazer mais.” Faço uma pausa e dou algumas tosses profundas. “Nós apenas estamos fechando para o dia.” “Querida, eu posso cuidar das coisas na PieHole. Tudo que precisa é de uma boa escovada e eu posso fazer algumas guloseimas novas antes mesmo de abrir a porta. Não se preocupe com nada. Você descansa e eu vou lidar com tudo isso.” Eu limpo minha garganta novamente, desta vez mais para aliviar a garra de culpa emocional que tomou um estrangulamento em mim. “Jana, vamos apenas tirar o dia e manter as coisas fechadas. Você está sempre atrás de mim para tirar férias, por isso parece que eu vou finalmente ter uma.”


“Umas férias não é quando você está em casa doente, Leighton, baby.” “E eu não vou deixar você executar as coisas durante todo o dia sozinha, por isso, se você insistir em ir, eu vou ter que sair da cama para ir também.” “Absurdo. Você fica melhor e nem mesmo se preocupe com uma coisa. Eu vou cuidar de tudo. Se você não começar a se sentir melhor, você chama o Doutor Baker, ouviu?” Minha boca tinha acabado de abrir para argumentar quando ouço o clique de seu desconectar. A culpa toma uma vida própria e só amplia o nevoeiro que esteve pairando sobre mim nos últimos dois dias. Piscando as lágrimas, eu olho para o chapéu que ainda está colocado do meu lado, estúpida Quinn. Como ele pôde fazer isso? Como ele pôde admitir que tudo o que pensei, toda a dor que me seguiu por aí, foi uma mentira? Por causa dele eu fui incapaz de seguir em frente, de julgar todos os homens antes de dar-lhes uma chance, sempre encontrando falta dos elevados padrões em que Maverick me fazia os medir. Ele fugiu, partindo para viver sua grande vida, sem um pensamento para as vidas que ele estava deixando para trás. Ele escapou. E eu fiquei. Se ele realmente se sentia assim por mim, ainda se sente assim por mim, como ele diz, como isso foi mesmo possível? Eu nunca tive o desejo de deixar Pine Oak como ele fez, mas eu teria por ele. Para mim, eu teria dado qualquer coisa para ele ser meu. Por ele, teria dado tudo para sair. Pensei que estávamos destinados a ficar juntos, mas ele só queria correr. E eu ainda não entendo o porquê. Eu sabia que ele tinha o sonho de estar no rodeio. Inferno, quase todos os meninos no Texas fazem, mas sempre pensei que, no fundo,


ele iria se juntar ao seu irmão na fazenda e que sua carreira no rodeio era apenas algo que ele faria para se divertir. Eu rolo na cama e olho para fora da janela do meu quarto, o sol começando a subir no alto do céu. Earl volta para cima e enrola seu corpo grande com o meu antes de começar a ronronar alto. Sem desviar o olhar da minha janela, eu chego para baixo e começo a acariciá-lo, desejando que a dor do meu coração confuso alivie.

“Isto tem que parar, Leigh,” Quinn exasperadamente bufa. “Você parece-” Eu olho para cima da chave que eu estava girando em torno de minhas mãos, esperando por ela parar de comer e voltar ao trabalho, sabendo que esta é a primeira coisa que ela se esquece de puxar da caminhonete com ela. Eu levanto uma sobrancelha para ela. “Termine a frase e eu vou bater em sua cabeça com isso.” Ela segura as mãos para cima e põe sua língua para fora antes de dar uma outra mordida da torta de morango ruibarbo que ela tinha apenas agarrado do balcão que eu coloquei quando cheguei aqui - a segunda desde que ela acabou de comer uma direto da lata rolando para trás debaixo da caminhonete que está ligado desde que entrou em sua loja uma hora atrás. “Você não deveria estar trabalhando em vez de comendo outra torta? Eu juro, se você pagasse pela merda que você mantem me ‘implorando’ para vir aqui e trazer-lhe no meio do dia, eu seria uma milionária.” “E eu estaria vivendo fora de uma caixa de papelão atrás do edifício.” “Pelo menos você não estaria, com fome” brinco, um pequeno sorriso levantando meus lábios. “Ah, eu perdi isso,” ela diz com uma mordida cheia de torta que ela apenas empurrou em sua boca.


“Perdeu a torta? Você acabou de comer uma inteira nem mesmo há dez minutos.” “Burrinha,” ela diz com um beicinho, dando outra mordida. ”Eu quis dizer o seu sorriso. Eu não o vi muito esta semana.” Eu paro meus movimentos, olhando para cima a partir da chave em minhas mãos e em seus olhos cor de esmeralda. “Você quer falar sobre isso?” Ela pergunta quando meu silêncio persiste. “Não de verdade, Quinn.” “Eu acho que você precisa.” Eu desisto de minha evasão e coloco a chave para baixo em seu banco de ferramenta. Deixo o silêncio continuar antes de encostar no balcão em frente de onde Quinn está sentada e encontrar seu olhar. “Eu não estou realmente certa do que você quer ouvir, Quinn. Estava triste. Então fiquei confusa. Que se transformou em raiva realmente rápido, e agora estou de volta a tristeza. Eu estou em todo o lugar e metade do tempo eu nem sei o que fazer comigo mesma. É quase como se estivesse presa em algum purgatório estranho que só não vai me deixar escapar.” Ela engole, parecendo tão triste como eu me sinto antes de falar. “Você sabe, acho que é a mesma coisa que Maverick disse a Clay e a mim um ou dois anos antes de ele sair.” Minha testa enruga. “O que?” “Que ele estava em um purgatório que não iria deixá-lo escapar. Um mundo cheio de dor que não parava de golpeá-lo para baixo.” “Quinn -” Ela salta do balcão onde ela estava descansando e vai até onde eu estou inclinada. “Eu odeio ver você sofrendo, Leigh. Corta-me tão profundamente que sinto que sou a única sangrado junto com você. Não importa o quão doloroso foi ajudá-la a se curar após Maverick machucar você, isso nem sequer faz cabo de vela em como eu me sentia


quando subia em sua cama como uma criança e a segurava apertado enquanto chorava em seu sono. Eu nunca te disse isso porque sabia o quanto você se machucou naquela época, mas estava feliz que ele saiu. Ele precisava, porque juro por Deus, Leighton, estar aqui o estava matando.” Eu não diga nada, pensamentos correndo pela minha mente tão rapidamente que eu não posso mesmo dar sentido a eles. “Ele sempre me pareceu muito mais forte do que Clay ou eu mesma. Quando a nossa mãe se foi, esse vazio bateu-lhe tão duro. Ele estava tão perto dela e então um dia ela simplesmente desapareceu. Quando você acrescentar toda a dor que nosso pai lhe deu, ele não podia ganhar. Ele não estava interessado no rancho como Clay. Ele não estava interessado na loja como eu. A única coisa que o interessava era a única coisa que o nosso pai odiava quase tanto quanto ele odiava a nossa mãe. Quando ele disse que queria montar, o pai lhe bateu tanto que ele teve que ir para o hospital. Disse a eles que se machucou durante a montaria. Você pode acreditar nisso?” “Quinn, eu não acho que você deve estar me dizendo isso.” E eu não acho. Parecia uma traição a Maverick, e mesmo que eu não devesse isso a ele, não deveria estar sabendo os segredos que ele mantinha enterrados dentro de sua família por sua irmã porque ela estava tentando jogar.” “Provavelmente não, mas isso não muda quem eu sou. Eu não lhe disse isso na época porque sabia que ele tinha que sair, Leigh. Ele tinha. Se não tivesse ele teria ou matado nosso pai ou morrido tentando. Havia muita dor lá. Maverick nunca foi o mesmo depois que a mãe saiu, mas quando ele disse a meu pai que queria deixar a fazenda que o velho tinha trabalhado para criar seus meninos para assumir para o rodeio, de todos os lugares - matou a única coisa boa dentro dele naquela época. Meu pai nunca o perdoaria por fugir com sonhos de rodeio em seus olhos. Assim como Mama. Mama fugiu perseguindo uma fivela como Mav.” “O que? Sua mãe não era uma cavaleira, Quinn.” “Não de cavalos e touros, mas ela amou um cowboy e um cowboy com as luzes da fama em seu rosto era a única coisa que importava.”


Eu suspiro. “Você nunca me disse isso, Q.” Ela deixa cair à lata agora vazia e olha para mim, tristeza e raiva nadando atrás de seu olhar. “Porque é melhor dizer que sua mãe fugiu porque ela não poderia lidar com ser mãe de três filhos e com a vida de esposa de um fazendeiro do que admitir que ela é nada além de uma puta com cifrões nos olhos.” “Jesus, Quinn.” “Sim, eu sei. Olha, eu já superei isso, só queria que você soubesse que há muito mais por trás de Maverick do que o que você sabe. Entendo que você está chateada agora e eu não estou dizendo que você não deve estar, mas acho que você precisa superar a si mesma. Você não é uma desistente e querida, ele está em casa...faça alguma coisa sobre isso. Não é tarde demais para vocês dois.” Faço uma nota mental para falar com ela sobre a mãe mais tarde, porque é claro que ela não tem interesse em continuar essa conversa agora. Ela é tão teimosa como um touro quando se trata de algo que não quer lidar. Quinn é uma especialista em prevenção. “Já se passaram dez anos, querida. Nós não somos os mesmos garotos que éramos naquela época. Éramos amigos instáveis na melhor das hipóteses e independentemente do que ele disse um monte de mágoa está de pé na maneira de levar essa amizade para algo mais. Eu te amo por seu otimismo, mas não tenho certeza de que não é tarde demais.” Minha mente rapidamente traz à tona a memória do nosso beijo roubado no campo entre as propriedades de nossas famílias, o que até hoje, dez anos mais tarde, eu não contei a ninguém. Éramos muito mais do que amigos instáveis. Ela me estuda por um segundo, não dando nada com sua expressão. “Eu entendo isso, mas Leighton, quero dizer uma coisa e eu preciso que você pense realmente sobre isso. Não tome uma decisão em frações de segundo, mas realmente deixe afundar, ok?” “Ok,” respondo hesitante. “Você pode me dizer honestamente que, desde que ele está em casa, você não se sente como se aquele pedaço de você que tem sido


oco desde que ele saiu, está começando a parecer como se estivesse consertando um pouco? Você já namorou, claro, mas você NUNCA deixou aquele pedaço encontrar uma maneira de se curar. Meu irmão retornou para casa e nem mesmo doze horas passaram antes de vocês dois serem puxados de volta juntos. Independentemente do que aconteceu para alimentar isso, quando duas pessoas estão uma para a outra, por vezes, suas almas fazem os movimentos que seus cérebros estão ocupados demais analisando a fim de permitir que aconteça. Vocês usam a sua dor como um escudo para manter as pessoas fora, e por causa disso, você está lutando contra a única pessoa que tem o poder de curar cada segundo da sua dor. Pare de lutar. Você está autorizada a se machucar sobre suas ações, Leighton. Você deve. Mas quando você está amarrada a uma outra pessoa para as vossas almas, você não dá esse tipo de conexão sem ter certeza que você tem todos os fatos, e querida, você não tem. Deixe-o dar-lhe a história completa. Se você sentir que o que ele fez no passado é imperdoável ainda, então pelo menos você pode fazer essa escolha com todos os fatos.” “Você faz parecer tão fácil, Quinn.” Ela ri, o som sem qualquer humor. “Não é, Leigh. Vai ser difícil e tenho certeza que será doloroso, mas só acho que, se o fim significar que você dois estão juntos, ou você finalmente terá o fechamento que você precisa para seguir em frente, também...de qualquer forma, você pode deixar o purgatório que você diz que a tem mantido em cativeiro. Mas se você acabar com ele, basta pensar sobre como doce vai ser quando você sair do outro lado.” Ela me dá um sorriso triste, agarrando a outra torta de ruibarbo que eu trouxe antes dela sair da área de trabalho e da sala de descanso onde o frigorífico está. Ela pode estar certa? Estar me abrindo para este tipo de dor vale a pena o pagamento que pode estar esperando por mim? Ou se eu me abrir novamente, só para ter o meu coração todo despedaçado quando Maverick sentir como se esta cidade o estivesse sufocando de novo? Melhor ainda, eu vou me arrepender se eu não tentar?


Eu acho que a melhor pergunta neste momento é, quem é que vai correr primeiro? E será que a pessoa estará correndo em direção a algo, ou para mais longe de algo? Com minha mente girando de tudo o que Quinn me disse hoje, eu faço a única coisa que sempre foi capaz de ajudar quando meus pensamentos estão um turbilhão de confusão. Corro de volta para baixo da Main Street e eu asso.


15 MAVERICK “Should’ve Been a Cowboy” de Toby Keith

Sentar em frente a Clay, no escritório do velho, está fazendo minha pele se arrepiar. Odeio estar aqui. A julgar pela tensão que rola de Clay, ele odeia tanto quanto eu, mas há trabalho a fazer e é aqui que ele precisa acontecer. “Este lugar se gere sozinho às cegas, Clay. Você não precisa de mim nesta criação sem fim. Inferno, nenhum de nós teria que fazer uma maldita coisa, além de aparecer quando os compradores viessem e colecionaríamos os cheques e essa fazenda continuaria a prosperar.” Ele tira o chapéu branco, arranhando seus cabelos bagunçados antes de colocar o chapéu de volta, sombreando o rosto de novo. “Eu ouço o que você está dizendo, Mav, mas o que você está pedindo significa que eu precisaria afundar uma tonelada maldita de dinheiro em algo que eu não tenho nenhum interesse ou o fodido tempo para lidar agora mesmo.” “Eu não estou pedindo para você lidar com essa merda e você sabe disso. Eu possuo tanto da fazenda como você agora. Você também sabe que não preciso do seu dinheiro para fazer isso acontecer. Eu não quero esse dinheiro, mesmo que eu fizesse. Eu quero isso para mim porque é algo em que acredito, mas também é algo que é meu sem ele por toda parte disto. Estou pedindo por uma terra que você não precisa e estou


pedindo por sua benção para encontrar meu próprio caminho com uma coisa que me faz feliz.” “Merda!” Ele sopra e olha para o teto. “O que você está querendo, irmãozinho?” “Inferno, Clayton. . . Só estou tentando encontrar meus pés quando eles foram arrancados de mim. Estou tentando encontrar meu caminho enquanto faço boas lembranças para substituir os pesadelos que se escondem em cada curva em torno desse rancho. Só estou tentando recuperar o que perdi quando não consegui ver no horror que foi nossa infância.” Ele tira o chapéu novamente, jogando-o sobre a mesa. Eu vejo isso girar algumas vezes antes de se estabelecer com um baque gentil. Ver o interior manchado de suor no chapéu Stetson me faz pensar no meu próprio que eu tinha deixado para trás com Leigh. Eu sinto que perdi um membro sem ele, mas estou condenado a rezar por ele, deixando-o para trás, eu dei a ela o suficiente para encontrar o caminho de volta para mim. “A terra que você está pedindo, Maverick. . . merda. Se você foder isso e der para trás novamente aqui, isso fará aquela noite no meio da floresta parecer um corte de papel maldito em comparação com o dano que isso vai fazer.” É preciso um esforço incansável para não rolar meus olhos; em vez disso, respiro fundo antes de responder. “Eu lhe disse todos os dias desde que voltei para Pine Oak, Clay. Não vou sair. Estou aqui para ficar, e Deus queira, estou aqui para recuperar o que perdi. Ele faz um barulho na garganta e embaralha alguns papéis na mesa. “Eu achei quando você me disse que voltaria, que você realmente ajudaria por aqui.” “Não há nada para mim nesta fazenda exceto você e Quinn. Não posso estar aqui sem pensar no velho que está indo para sair e quebrar minha cabeça porque eu não ando direto. Estou tentando provar o que você está falando, mas não posso fazer isso aqui, nesta propriedade.”


Clay olha para cima, seus olhos mais simpáticos do que eu vi desde que voltei quase um mês atrás. “Ele se foi Mav. Não pode te machucar no túmulo.” Meu peito vibra, o som longe de uma risada. “É aí que você está errado, irmão. Ele deixou sua marca por todo este maldito lugar. Aqui mesmo, nesta casa, ao redor do celeiro, nos campos de treinamento - é tudo ele. Todo momento, não posso andar dois pés de merda e eu estou vendo algumas besteiras na minha mente. Eu não quero correr, mas provar que estou ficando melhor, tenho que fazer isso longe do rancho Davis.” “É tudo sobre isso é?” Eu sabia que ele iria ver através de mim para a imagem maior. Clay está sempre quinze passos à frente do resto de nós. “Sobre o que mais isso seria?” Respondo, fazendo-me de estúpido e evitando o resto do tópico em mão. “Leighton.” Eu sinto minhas sobrancelhas erguendo-se devagar e permitindo que meus lábios apareçam. “O que tem ela?” Deus, apenas ouvir o nome dela me afeta. Estive saindo da minha pele por dias. Não só por causa do silêncio dela. Tudo o que eu disse a Clay é a verdade; eu não posso ficar no rancho Davis e ficar em Pine Oak porque aqui me faz sentir como um animal enjaulado novamente. “Ela passou por muito, Maverick. Eu sou seu irmão, e por isso, você tem minha lealdade... No entanto, eu amo essa garota como se ela fosse uma irmã, e irmão ou não, eu vou te deixar mal se você a machucar novamente.” Eu levanto na cadeira, mas antes do meu traseiro estar a uma polegada do assento de couro velho na frente da mesa do meu pai, Clay ergue a mão para parar meus movimentos. “Sente sua bunda e me ouça. Eu entendo porque você saiu, Mav. Já percebi. Eu sei que você precisava. Dito isto, você estava tão concentrado em sair da cidade que você também poderia estar cego como um morcego. Não posso mudar as coisas com o pai. Não consigo mudar o que aconteceu com a Mama. Não posso dar-lhe a sua carreira


de volta. Mas eu posso te dar isso. Você não é o único que carrega cicatrizes. Você precisa aprender a perdoar o pai, se for isso que quer, simplesmente deixe-o ir e siga em frente. Você precisa se esquecer da Mama. Você fez o que pôde, mas ela não nos queria e isso nunca mudará. Você também precisa dar a Leighton tudo. Uma coisa em que Davis é boa é esconder a dor. Então você quer sua terra - você precisa falar com ela sobre isso. Eu poderia reivindica-la, mas eu só comprei dela para que eu pudesse mantê-la próxima. Ela estava passando tanto e não consegui deixá-la fugir de Pine Oak. Nós não poderíamos perder ela também.” Ele acrescenta a última parte quase como uma reflexão tardia. Suas palavras silenciosas e difíceis de ouvir, mas eu o ouvi e os pensamentos que atravessam minha mente são tudo menos legais. “Diga-me, você e Leigh...” Eu deixo a pergunta não solicitada no ar. Ele ergue os olhos do ponto na mesa em que ele estava perdido pensando em se concentrar. “Você está fodidamente brincando comigo?” “Parece que há algo forte entre vocês dois.” “Sim, você está certo, existe.” Desta vez eu saio da minha cadeira. Clay também faz e antes de eu perceber, estamos peito a peito ao lado da mesa, ambos respirando com dificuldade. “Vou matá-lo se você tocar um fio de cabelo em sua cabeça,” digo com um rosnado. “Deixe-me perguntar-lhe algo, grande homem. . . Quem você acha que estava lá para pegar as peças depois que você espalhou por todo lugar naquela noite?” Minha raiva aumenta. Apenas pensar em meu irmão com as mãos em Leighton me faz querer matá-lo. Racionalmente, eu sei que não tenho o direito de me sentir desse jeito. Eu sabia o que estava fazendo naquela noite, e ao fazê-lo, sabia


que estava quebrando seu coração, mas nunca pensei em quem ficaria lá depois de eu sair. “Clayton,” eu fervi. “Você não se atreva a ficar irritado. Você saiu. Eu disse que entendi por que você fez. Todos entenderam isso. Você deveria sair, Mav. Mesmo que você não sentisse a necessidade de escapar dessa cidade, nasceu para montar. Mesmo sabendo por que você saiu, não conserta o fato de que você saiu como um tornado com um rastro de destruição em seu caminho. Você fodeu tudo e por isso eu tive que entrar e consertar tudo. Você tem grandes bolas para sentar aqui e ficar chateado porque ficamos mais próximos depois que você foi embora.” “Quão próximos?” Ele empurra para trás com o peito, mas não me movo. “Eu mataria por aquela garota. Mesmo meu próprio maldito irmão. Magoe ela novamente e nem pensarei duas vezes sobre isso, Maverick.” “Quão. Porra. Próximos?” Seu maxilar afrouxa, o aperto rígido de seus dentes tornando-se flexível rapidamente. Seus olhos verdes ficam frios como seus lábios finos. “Você realmente quer fazer isso? Bem! Você destruiu a pouca confiança que ela tinha em si mesma. Ela já estava insegura sobre tudo, como você sabe, mas sua beleza brilhava mesmo quando ela ainda estava se fechando em si mesma. Ela sempre teve algo sobre ela. Mesmo quando ela era apenas uma jovem, essa garota gritava “para sempre” e esse grito sempre foi direcionado para você. Você estava tão ocupado tentando encontrar uma saída – para ficar longe de papai, perseguindo alguma besteira com a mãe e montando, a única coisa que você amava no momento, você nem percebeu isso. Ou qualquer outra coisa, aqui em casa. Fora os amigos. A atenção das garotas, você não quis. Eu só via você em paz quando você estava montando ou quando estava com Leighton. Você realmente pensou, sabendo disso, que eu iria dormir com ela no segundo que você saísse?”


Suas palavras tiram o vento das minhas velas. A verdade que eu estava evitando. A dor, em saber disso, que uma das coisas que já me trouxe paz se foi e a outra nunca mais será minha é um lembrete muito real de que as apostas para as quais estive lutando para finalmente estar livre da dor que me assombra. “Você precisa se concentrar em uma coisa de cada vez, mas estou orgulhoso de você por colocar esse foco onde importa. Eu posso sinceramente lhe dizer que se você consertar essa merda com ela e vocês dois, finalmente, viverem o que vocês sempre foram destinados, tenho a sensação de que será tudo o que precisa para enfrentar o resto do que está assombrando você.” “Eu nunca deveria tê-la afastado,” digo a ele, expressando a única coisa que sabia no fundo do meu íntimo desde o dia da partida. “Eu deveria ter sido mais forte.” Ele respira fundo e aperta sua grande palma no meu ombro. “Você é um dos homens mais fortes que conheço, Maverick. Você poderia ter feito as coisas de forma diferente, mas nós dois sabemos que você fez o que você tinha que fazer em uma situação impossível.” “Você ficou,” sussurro. É uma das maiores coisas que fodeu com a minha mente ao longo dos anos. Eu peguei o caminho do covarde, e ao fazê-lo, deixei meus irmãos para combater o animal sozinho. “Foda-se, Maverick!” Clay grita, surpreendendo-me em meus pensamentos. “Quando você pensa no que foi crescer aqui, realmente pensei nisso, e eu quero que você veja isso. Sim, ele era um filho da puta, mas ele não tratou Quinn ou a mim, como ele fez com você. Você era o mais próximo de mamãe, nunca se importou com o rancho, e quando ela saiu, ele teve algum tipo de culpa por você sempre ter seu amor... O pouco que ela era capaz de dar. Quando descobriu que você estava montando, tudo o que fez foi lembrá-lo de que sua esposa fugiu com um cowboy. Tudo o que você era, apenas sendo você, te preparou para o seu ódio e fúria. Ele era uma desculpa bêbada naquela época, mas ele apenas colocou as mãos sobre você. Eu não precisava sair porque no momento em que você foi embora, ele não fez nada além de beber até o túmulo chegar finalmente a conta. Dez anos é muito tempo, Maverick, e quando estava muito doente para dar uma volta, a culpa de sua vida cheia de erros matou-o mais rápido do que a garrafa.”


Respiro fundo, minha cabeça girando com as palavras do meu irmão. “Você o perdoou?” Ele acena com a cabeça. “Tive muito tempo para falar com ele antes de morrer. Ele não era o mesmo homem, irmão. Quando eu conto a você que o arrependimento é uma coisa poderosa, eu digo isso sabendo que ele podia muito bem ser forte o suficiente para matar você. Faça o que puder para fazer as pazes com os seus.” Eu viro as minhas mãos. “O que você acha que estou fazendo? Eu deixei isso aqui com a raiva pesando minhas costas e eu estou de volta com o mesmo parceiro de montaria. Estou trabalhando nisso, mas fiz muito mal e não tenho certeza se é tarde demais.” Ele me dá um olhar de simpatia antes de me puxar para um abraço. Enrolo meus braços ao redor dele. Ele segura minha cabeça como ele costumava fazer quando éramos pequenos e eu vinha buscar seu conforto e amor. “Nunca é tarde demais, irmãozinho, desde que você ainda esteja respirando.”


16 LEIGHTON “Rise Up” por Andra Day

Estava escuro quando deixei o Pie Hole. Depois de Quinn, a única coisa que poderia fazer era pensar. E cara, eu pensei. Pensei em uma garotinha que acompanhava um menino igualmente pequeno imaginando o que aconteceria quando envelhecessem e tivessem filhos pequenos por conta própria. Eu sorri quando lembrei sobre aquela garotinha, alguns anos depois, percebendo que quando aquele menino fosse dela, eles teriam tudo. Lembrei o tempo de uma adolescente, estranha e insegura em sua própria pele, achando que ela era a coisa bonita na terra quando aquele menino, agora também adolescente, lhe daria alguma atenção. Lembrei o dia em que o adolescente parou de dar a essa adolescente seus sorrisos livremente - até um dia que ele parou de sorrir completamente. Lembrei-me do dia em que ele parou de procurá-la para sentar-se no meio das flores silvestres atrás da casa dela apenas para olhar as


nuvens. Segurando sua mão e falando sobre como seria sua vida quando ele fosse um montador de touro famoso. Eu ri, com humor, quando pensei nos sonhos que a adolescente tinha sobre se juntar ao cara adolescente enquanto fazia esses sonhos sussurrados na nuvem uma realidade. Ofeguei com dor pela memória do dia em que a adolescente testemunhou por que o adolescente não estava mais de pé com os ombros esticados com orgulho e força. Revivi a dor do dia em que a adolescente viu o pai do adolescente acertá-lo com uma cela de equitação. Eu senti no coração como se tivesse acontecendo quando aquela adolescente decidiu dar cautela ao vento e tentar recuperar esses sorrisos. No dia em que ela decidiu que tinha que recuperá-lo antes dele partir para sempre. Chorei lembrando as palavras do adolescente quando ele quebrou e destruiu a habilidade da adolescente de acreditar nos sonhos. Eu tive que me sentar quando lembrei da solidão que a adolescente sentia muito depois que o adolescente tinha partido. Não conseguia respirar quando senti a solidão se ampliando quando a jovem experimentou perder os dois pais, desejando e rezando para que o jovem que sentia falta voltasse e a ajudasse a se curar. Eu sorri pelas lágrimas quando pensei que a família do jovem a ajudava a se curar, mesmo quando ela continuou a desejar por ele. Reproduzi os anos que a jovem passou construindo novos sonhos em torno de seus negócios. Abrindo o coração dela apenas algumas vezes, mas nunca deixando outro jovem próximo o suficiente para tocálo. Eu assisti um slide show de anos passarem quando o jovem e a mulher envelheceram. A mulher agora o vendo apenas à distância, mas sentindo o vazio que as perdas ao longo dos anos criaram em sua alma. Eu olhei para o reflexo da mulher no forno construído por seus novos sonhos com lágrimas escorrendo para baixo no rosto dela


enquanto ela lembrava o último mês de sua vida. Uma turbulência de emoções desde que o homem voltou para ela e revelou coisas que nunca soube. Quando cheguei no meu Jeep para ir para casa, eu sabia que se quisesse continuar com minha vida – verdadeiramente me movendo tinha que fazê-lo saber que eu tinha tentado. Toda a dor que revivi durante as horas passadas ainda era forte, mas quando me lembrei de como me sentia nos braços do homem, novas esperanças encheram meu coração. Deixei sentir uma sensação de determinação avançar com uma nova força que encontrei no fundo do baú de minhas emoções. Não tinha nada a perder, mas tudo a ganhar. Com isso em mente, eu sabia que a primeira coisa que faria quando o sol começasse a levantar seria ir para ele. Independentemente do que acontecesse depois disso, pelo menos eu saberia que tentei e dei tudo de mim. Eu tinha liberado uma grande parte da dor que senti ao longo dos anos no decorrer de alguns dias, e agora tudo estava andando para o que aconteceria depois. Eu seria livre de tudo, ou estaria usando essa dor residual para seguir em frente. De qualquer maneira, amanhã de manhã estaria voltando para Maverick. Eu não poderia dizer se estava animada como o inferno, ou aterrorizada até os meus ossos. Ou um pouco de ambos. Quando eu volto para a casa, alimento Earl e vou direto para dentro do chuveiro para lavar o grande peso emocional do meu corpo. Não tenho ideia do que pode acontecer quando finalmente me sentar e conversar com Maverick. Ele disse que sentiu algo naquela noite que estávamos juntos, mas também sei que o único motivo daquela noite mesmo acontecer foi porque nós dois estávamos cheios de nossas emoções e talvez um pouco pressionados com muitos sentimentos suprimidos. Uma pequena parte de mim não podia esquecer o fato de que ele nem me reconheceu quando me viu pela primeira vez, então uma pequena parte irritante na minha mente se pergunta se ele mesmo


percebeu que era eu naquela noite que nós estávamos juntos ou se fui apenas outra maneira de usar algo - alguém - para esquecer. Eu sei que é estúpido, mas acho que é parte de mim tentando me preparar para todas as situações possíveis que posso enfrentar no futuro. Usando a escuridão desta noite para expulsar meus medos e preocupações e para me preparar melhor para o que quer que venha. Eu não quero ir até ele com a minha mente falhando, não quando estamos a muito andando sobre isso. Dado o que Quinn me disse hoje, eu sei que há muito sobre ele e sua vida, que não sei. Quebra meu coração, tão próxima quanto estive da família Davis, não ter ideia de que era tão ruim quanto era para eles. A partida da mãe deles foi algo que toda a cidade soube, mas nunca soubemos os verdadeiros motivos por trás disso. Eu sabia que Buford Davis era um homem difícil. Com meus próprios olhos, o testemunhei batendo em Maverick uma vez, apenas uma vez. Nunca pensei que poderia ter sido muito pior do que isso - a realidade, porém, era muito pior do que foi e já tinha sido difícil de engolir. Eu o ouvi mais vezes do que gosto de contar dando empurrões emocionais em todos, mas nunca vi as coisas que ela falou. Eram as incógnitas que mais me preocupavam. Eu sei que Maverick está mais complicado do que nunca. Sonhos. Aqueles desconhecidos são o que nos separaram. Tudo o que posso fazer agora é esperar que eu saiba o que fazer uma vez que tudo finalmente vier à luz. Saí do banho, me secando antes de colocar calcinha e uma velha camiseta desbotada. Eu escovo meu cabelo antes de trançá-lo e terminar minha rotina noturna. Eu me sinto muito melhor depois desse chuveiro, quase como se a água limpasse minhas dúvidas e revitalizasse minha confiança. Mas meu estômago ainda está em nó sobre o peso da semana passada me alcançando - o nevoeiro que tinha me assolado nos últimos dias, diminuiu tanto meu apetite que agora nem sinto as dores de fome, que eu sei que deveria ter. Não consigo lembrar a última refeição que tive. Posso me sentir melhor sobre o que está por vir, mas isso não significa que minha barriga não está uma bola de nervos.


Saindo do meu quarto, pego o Kindle na minha cômoda e me dirijo à minha cadeira favorita na minha biblioteca. O sono não vai vir fácil esta noite, então também posso manter minha mente ocupada com um bom livro. Escapar para a fantasia sempre me ajudou a esquecer as coisas ao meu redor. Eu não tinha dado dois passos fora do meu quarto antes que o som da minha campainha esteja ecoando pela casa. Earl corre passando entre meus pés, tecendo entre minhas pernas com pressa para chegar na porta da frente. Eu juro que são momentos como esse que me convenceram de que ele tem algum tipo de confusão de espécies e pensa que é um cão. Eu solto meu Kindle para alcançar e estabilizar meu corpo balançando contra a parede. Em vez de pegalo de volta, eu o deixo no lugar quando a campainha toca novamente. Earl vira sua cabeça, seus lindos olhos olhando para mim com impaciência, e sua longa e espessa cauda atrás dele, como se me dissesse para me apressar, para que ele possa conhecer o novo amigo que está esperando por ele. Sim, porque é tão difícil de acreditar que quem quer que seja, está lá para mim. “Sim, sim, estou indo o mais rápido possível, baby,” eu digo a ele, alcançando-o e colocando minha mão na maçaneta, esperando que ele se mova para que eu possa abrir a porta. Eu termino tendo que empurrá-lo para o lado com meu pé, seu corpo peludo tornando o empurrão fácil contra a madeira dura, e eu sorrio quando ele me dá um silvo de irritação por tirar o lugar dele. Esse sorriso morre quando olho para cima e vejo a pessoa sombreada de pé na minha varanda da frente. “Boa noite, querida,” ele diz, seu sotaque e sua voz um ruído baixo. A determinação anterior que tive em avançar para fora volta com o medo sobre as bolhas desconhecidas recuando internamente para a segurança. Eu fico lá, assustada e imóvel enquanto ele se inclina contra a porta aberta, um braço longo apoiado contra o batente. Demora um segundo para mim, mas finalmente clico meu cérebro de volta. “E-ei, Maverick.” “Importa-se se eu entrar?”


Balanço, sentindo minhas mãos cheias com minha falta de maneiras. “Uh, sim.” Eu ando para trás, perdendo a calma quando tropeço em Earl. Meus braços se atrapalham enquanto meus olhos se alargam. Eu ouço um silvo, mas antes que minha bunda atinja o chão, Maverick se move com uma rapidez graciosa que seu tamanho não deveria ser capaz de dominar. “Whoa, calma,” ele ressoa, segurando meu corpo com as mãos apertadas firmemente contra meu bíceps. Minhas mãos estão em punho no tecido de sua camisa de botão, o material azul escuro ao nível dos olhos esticado apertado contra sua construção muscular. Eu me forço a não pensar em quão fácil seria curvar minhas mãos na trava entre os botões e puxa-lo para perto. Meu corpo zumbe, estando assim perto dele, tornando-se vivo. E minha quebrada e estúpida hooha de repente tem direitos próprios e grita com êxtase. “Camisa agradável,” ele sussurra com voz rouca. Eu olho para cima do botão superior que eu estava estudando, amando a pitada de pele dourada que está aparecendo no topo e encontro seu olhar verde tempestuoso. Sem o chapéu sempre presente, estou com uma visão clara do rosto dele. Seu rosto muito expressivo. “Quinn deu isso por você?” “Huh?” Pergunto, confusa. “A camisa, querida. Ela deu isso para você? “ Eu olho para baixo e gemo. Eu dou um segundo, lembrando onde consegui isso e depois respondo. “Não, Maverick. Eu comprei para mim.” Ele está em silêncio e eu olho para cima. Seus olhos ainda liam a frase na camisa. Não é preciso muito para apenas entender quão desgastada e amada essa camisa é. Uma vez que a data está impressa


logo após o anúncio impresso em negrito de onde foi o evento de rodeio, ele vai poder contar muito com o quão desbotada está para algo que tem apenas um ano de idade. “Como, Leighton?” Ele pergunta com força. “O que você quer saber, Maverick? Isso pode ser mil perguntas diferentes.” “Como você conseguiu isso e eu não vi você?” “Eu não queria que você me visse. Eu sabia que Quinn e Clay estavam indo para Las Vegas para as Finais do Mundial. Você estava no topo do ranking para ganhar novamente e eu não queria perder, então fui com eles. Comprei a camisa antes de sair.” Engulo o nó na garganta, lembrando o orgulho que senti por ele enquanto montava. Eu estava gritando seu nome antes de me dar conta do que estava fazendo naquela noite. Eu podia jurar, mesmo com o rugido que a multidão estava fazendo, que ele também me ouviu falar, porque quando saiu do chão de terra, ele olhou diretamente para a seção em que eu estava sentada. Sua expressão escurece. “Você estava lá?” “Foi o único em Las Vegas que consegui. Voltei para casa naquela noite.” “Por que você não veio me ver?” “Eu vi você, Mav. Você não me queria, algo que você deixou claro, mas isso não significa que eu não queria ver você... Mesmo que fosse apenas oito segundos em uma arena lotada.” Ele deixa cair a cabeça, o queixo atingindo o peito e eu tento voltar atrás quando seu cabelo preto e grosso faz cócegas no meu rosto. A luz da minha sala de estar brilha em seu cabelo, e eu sinto minhas palmas coçarem quando me lembro apenas quão suave esses fios se parecem quando estou passando minhas mãos por eles. Seus dedos apertando meus braços quando faço outro movimento para me segurar. “Eu queria que você me avisasse que você estava lá,” ele sussurra. “Teria feito diferença?” Pergunto com honestidade.


Ele olha para cima, seus olhos brilhantes, mas cheios de angústia. “Não tenho certeza.” Eu faço uma tentativa de encolher os ombros, mas o controle de meus braços dificulta. Ele fica mais alto, me deixando ir, e tenho que levantar a cabeça para segurar a conexão entre nossos olhos. “O que você está fazendo aqui, Maverick?” “Eu sei que é tarde, mas tenho um monte de coisas que eu gostaria de falar com você, se você não se importa.” Ele puxa o ar. “Eu sei que disse que deixaria você descobrir o que você queria fazer, mas isso é o máximo que eu posso deixar você ir, Leighton.” Eu suspiro. “Quer alguma coisa para beber?” “Se você tem algo forte, eu vou tomar isso - se não, chá doce.” Eu aceno e viro para caminhar pela casa para a cozinha. Eu posso sentir seus olhos em mim e eu tenho instantaneamente que puxar a bainha da minha camisa. Com ele aqui, em minha casa, estou muito consciente da minha falta de roupas. Mas a camisa é longa e me cobre completamente. Agarrando dois copos e a garrafa de Jameson, volto para a sala de estar e vejo que ele está parado em uma das minhas estantes de livros com um quadro de fotos. Ele não se volta para reconhecer que eu voltei, mas continua a estudar as fotografias. “Eu estava indo para o rancho no meio da madrugada,” conto a suas costas. Ele se vira, seus olhos arredondados com choque na minha admissão. Dou-lhe um sorriso fraco e encolho os ombros. “Eu queria que você soubesse disso. Eu sinto que é importante que você saiba que eu estava indo para você. Você meio que roubou minha chance de fazer o próximo movimento, acho, mas eu estava chegando. Você estava certo quando falamos da última vez. Já é tempo.” Seus olhos se fecham e ele permanece imóvel, respirando com dureza, por um longo tempo. “Como você não está casada?” Ele


pergunta suavemente, rompendo o silêncio que se instalou em torno de nós. “Não tenho certeza de que seja muito educado perguntar isso a uma moça, Maverick.” Sua mudança de tópico é confusa, mas agradeço que ele aceitou a minha explicação - admitindo-lhe que eu estava pronta para o que está prestes a vir. Um músculo grosso aparece com seu encolher de ombros, mas ele não fala. Eu me ocupo com a abertura do licor e derramo dois tiros grandes. Eu bato um de volta antes de soltar o copo e enchê-lo. Quando olho para trás, ele está estudando as fotos novamente. “O casamento já não me interessa mais,” digo com sinceridade. “Estou feliz com a minha vida do jeito que é.” Ele se vira e olha para mim. “Você está? Feliz, é isso?” Que pergunta carregada que essa é. “Eu tenho um negócio muito lucrativo fazendo o que eu amo. Tenho bons amigos e um teto sobre minha cabeça. Eu vivo uma vida simples, Maverick, mas sou uma pessoa ocupada fazendo o que eu gosto. Estou cumprindo e eu consigo passar meus dias trazendo alegria às pessoas com minhas tortas.” “Isso não responde minha pergunta, Leighton.” “Você está feliz?” Pergunto, tentando virar sua sondagem de volta para ele. “Não em tudo.” “Oh.” Sua resposta brusca e abrupta me fecha e eu mudo meus pés e vou para a mesa de café e pego os tiros completos. “Uh, você pediu algo forte.” Do canto dos meus olhos eu o vejo se mover antes que seu braço se estenda dentro da minha linha de visão. Ele ignora os copos completamente e envolve seus longos dedos em torno da garrafa de Jameson. A tampa é jogado para baixo na mesa de café antes de eu o ouvir tomar um gole da garrafa. Eu não olho para cima; em vez disso, pego ambos os copos antes de os beber enquanto viro para a cozinha. Parece que estamos bebendo da garrafa esta noite.


Quando ando de volta à sala, ele ainda está de pé onde eu o deixei, bebendo da garrafa. “Eu senti sua falta,” ele diz bruscamente. “Não teve um dia que não pensei em você. Eu sempre pensei que você estaria casada e com dois filhos daquele momento até agora. Você costumava sempre falar sobre o quanto você não podia esperar para ser mãe. Evitei perguntar à minha família, no entanto. Eu pensei que não poderia lidar com isso se eles dissessem que você estava. Não tinha sentido para mim, mas eu sabia que se eu ouvisse que você estava casada teria sido doloroso como o inferno.” “Maverick-” “Eu não acho você feliz, Leigh. Realmente. Eu acho que você está longe disso, e isso me atinge com mais força do que um soco no intestino. Para uma mulher que sempre falou sobre o quanto ela não podia esperar para ser como sua própria mãe, uma esposa de fazendeiro com uma família enorme, é uma pena e uma vergonha. Mas a parte egoísta de mim, a pessoa que viveu uma vida de arrependimentos, essa parte de mim está feliz por não estar.” Engulo o grosso nódulo na garganta. “Por favor, Mav.” Deus, eu preciso que ele cale a boca. “Não, apenas. . . Merda!” Sua explosão repentina me faz dar um passo para trás. Eu o vejo pegar a garrafa e engolir profundamente. Ele bebe mais algumas vezes antes de eu voltar a olhar. “Eu fodi. Eu sei disso. Você sabe. Todos sabem disso. Preciso que você entenda por que estou aqui prestes a implorar que você olhe para o passado e me dê uma chance de descobrir o que é achar a felicidade. Para nos dar a chance, Leighton.” O silêncio se estende ao nosso redor. Sua máscara, normalmente forte e orgulhosa, desliza, mostrando-me o puro desespero que ele sente enquanto espera o meu próximo passo. Finalmente, assinto e seguro minha mão, apontando para a garrafa para que ele saiba o que eu quero. O peso de hoje em cima da montanha-russa emocional dessa semana que passou está me cobrando um preço, mas eu tomei a decisão hoje de ser forte, e por Deus, é isso que eu vou ser.


17 LEIGHTON “O seu” de Russell Dickerson

Quando Maverick se senta no meu sofá, Earl não perde um segundo antes de saltar no seu colo. Maverick fica assustado por um segundo antes de acariciar minha grande besta. O ronronar de Earl enche o silêncio em torno de nós e eu enrolo minhas pernas debaixo de mim e me inclino para trás na cadeira ao lado do sofá, observando a mão de Maverick enquanto ele acaricia Earl lentamente. Eu tomo outro gole grande, apenas para explodir quando a queimação desce mal. “Você está bem, querida?” Eu tusso algumas vezes. Meus olhos regam abundantemente. O álcool começa a aquecer meu corpo. “Estou bem.” Ele acena com a cabeça. “Isso pode levar algum tempo. Você provavelmente deve beber uma dose menor.” Eu rolo meus olhos e bebo outro grande gole, desta vez conseguindo não engasgar, e olho para Maverick provocantemente. Ele sorri. “Ou não.”


“Está tarde. Em vez de criticar meus hábitos de beber, por que não terminamos com isso, então eu posso parar tudo e tentar fazer sentido com a confusão que atravessa minha mente.” Eu me sinto mal quando seus ombros caem ligeiramente e ele suspira. Isso veio mais rápido do que eu pretendia, e queria no mesmo instante que eu pudesse forçar as palavras de volta. Isso não nos fará bem se eu começar isso na defensiva. Tomei a decisão de ver o que aconteceria a seguir, com uma mente aberta e ficar frustrada com ele não nos levará a lugar nenhum. Earl levanta seu corpo, suas grandes patas contra o peito de Maverick e cheira seu queixo antes de lhe dar uma esfregada de seus bigodes. Deixo para o meu bebê peludo saber quando alguém precisa de um pouco de conforto. Traidor. “Você sabe, quando Clay me chamou sobre a morte do velho, eu estava em um lugar ruim. Estava em um lugar tão ruim que todas as manhãs quando acordava e olhava no espelho, comecei a ver que Buford olhava para mim. Ficava tão bêbado e zangado como eu estava quando desmaiei a noite anterior. Eu odiava tanto isso – traze-lo de volta, quero dizer. Eu odiava tanto que eu passaria o dia ficando bêbado para esquecer essa imagem. Não podia quebrar o ciclo. Estava tão perdido, com raiva por causa disso, incapaz de superar a montanha para ver uma saída. Tudo o que demorou foi uma chamada de Clay e senti que não tinha muito tempo. Esperança. Por mais estúpido que pareça. Eu sei que poderia ter voltado sem essa chamada, mas era como uma corda me puxando para cima de onde eu estava sentado no fundo do poço.” Ele está tão perdido em seus pensamentos, apenas acariciando Earl e olhando para a distância, sem se concentrar em nada. Eu dou o tempo que ele precisa, sabendo que há mais por vir. “Eu usei isso para ajudar a me guiar. Motivar-me para soltar a garrafa e ver, pela primeira vez, que eu não perdi tudo. Em vez disso, me deram uma nova chance de corrigir tudo o que pensei ter perdido. Então, eu estava, finalmente, movendo-me, mas mesmo com tudo o que me fortaleceu, ainda não estava perto de deixar esse lugar ruim.


Estava preso. No segundo que eu entrei no Texas, era como se a esperança tivesse desaparecido. Um sentimento de medo em retornar a Pine Oak, juntou-se a tudo. Não conseguia parar de pensar em tudo o que aconteceu antes de sair. O que fiz com você foi uma grande parte disso. Quando cheguei aqui, sentia tanta pena de mim mesmo que eu usei isso e minha raiva com Buford para me transformar de volta naquela pessoa que eu odeio. Ele.” Aceno, lembrando-me do inferno que foi quando me expulsou da igreja no dia do funeral de Buford. “Você estava sofrendo, Maverick. estava justificado em suas emoções.” “Eu não estava triste.” Não por ele, pelo menos. Agradeci ao bom Senhor o dia em que descobri que ele morreu.” Eu aceno com a cabeça, entendendo suas palavras um pouco melhor do que eu poderia ter de outra forma, graças a Quinn. Não era importante que Buford tenha trabalhado duro para tentar corrigir seus erros quando enfrentou sua própria mortalidade. Às vezes é realmente muito tarde. Buford fez o que podia para obter uma aparência de respeito de seu mais velho até as crianças mais novas - mas, sempre que o nome de Maverick surgia, ele continuava dizendo que era uma perda de tempo e para deixar por isso mesmo. E se esse for o caso aqui também? Somos uma causa perdida? Devo deixar isso ir? As perguntas silenciosamente feitas me fazem parar enquanto o meu coração acelera. “Esse homem me odiava, Leigh. Sempre fez. Eu não tenho uma única lembrança dele não me odiando. Eu não descobri até que estive fora por cerca de quatro anos que ele não apenas me odiava porque eu era o favorito da minha mãe. Ele não me odiava porque não amava o rancho. Não foi porque eu queria montar. Ele me odiava porque quando Mama partiu, ela deixou seu filho bastardo para trás. Quando ela me deixou, ela deixou a ele um diário lembrando de sua infidelidade. Quando ficou claro que o meu chamado era montar e não cuidar do rancho, eu também posso ter assinado meu próprio atestado de óbito. Descobri depois da minha primeira grande vitória que meu pai biológico era outro cavaleiro que chamou a atenção quando o rodeio passou por


Austin. Lá estava, o bastardo, seguindo os passos do seu pai verdadeiro.” Ele se estendeu, inclinando-se sobre Earl, e meus olhos cheios de choque caem em sua mão estendida. “Garrafa,” ele comanda. Entrego muda, observando sua garganta trabalhar enquanto ele engole. “Ele me bateu, Leigh. Não era tão ruim quando eu era pequeno, mas quando parei de cuidar das ovelhas - as coisas ficaram ruins. Depois desse dia comecei a aprender sobre cordas e a arrumar o barril fixo na fazenda Triple R, não houve um dia que passou que ele não colocou as mãos em mim. Eu nunca entendia o que fazia de errado. Não conseguia descobrir como fazê-lo parar. Escondi muito do quão ruim era de Clay e Quinn, mas mesmo assim entenderam por que eu partir tinha tudo a ver com correr dele. Eu sabia que tinha que ser feito porque todos os dias que passavam, ele estava me deixando mais longe. E foi quando comecei a treinar e me concentrar em uma coisa - usar meu talento e fugir de Pine Oak.” Eu limpo a umidade debaixo dos meus olhos e mantenho meu silêncio, deixando ele dizer tudo o que precisa dizer. Fazê-lo abrir-se assim, deixando-me entrar e mostrando-me uma parte dele que conheço, traz dor a ele e me deixa nervosa, que um som ou um movimento possa quebrar o feitiço. Meu coração continua a romper com cada palavra que ele fala, mas mesmo assim, entender por que ele saiu é um longo caminho para aliviar a dor que eu tenho carregado como uma cicatriz estúpida desde então. “Encontrei minha mãe, você sabe. Que erro foi esse! Ela estava tão amarrada em bebidas e drogas. Ela não tinha ideia de quem eu era. Ela pensou que eu era alguém que procurava achar uma bunda por alguns dólares. Levou-me quase nove horas para obtê-la coerente o suficiente para manter uma conversa que fazia um pequeno sentido. No segundo que ela percebeu quem eu era, ela simplesmente colocou tudo lá fora. Como fui um erro de uma noite de diversão. Ela tinha esse gosto da grande vida e não conseguiu pensar em mais nada.


Presa, mas mesmo não tendo certeza de como ela fez isso e ainda conseguiu trazer Quinn para este mundo. No segundo que Quinn estava na escola, no entanto, ela se foi. Eu ainda não consigo envolver minha mente em torno do fato de a mulher que vi quando minha mãe estava aqui era a mesmo desperdiçando sua mente nas ruas. Ela fez tanto dano para si que ela também poderia ser um vegetal.” “Onde ela está agora?” Pergunto, minha garganta cheia de emoção. Ele dá uma pequena sacudida, quase como se tivesse esquecido que eu estava lá. Seu silêncio continua enquanto ele olha nos meus olhos, e eu me amaldiçoo silenciosamente por falar e interromper seu pensamento. “Na Califórnia,” ele me diz com um tom triste. “Ela exige cuidado constante agora e permanecerá sendo cuidada em longo prazo até que ela morra. Por último, verifiquei que ela tinha uma lista de enorme de problemas de saúde que não estava recebendo qualquer atenção. Os médicos ficam chocados com o corpo ainda não ter desligado, mas, por qualquer motivo, ela ainda está respirando.” Minha mente dispara e eu sei instantaneamente, sem dúvida, que ele é aquele que cuida dela. Mesmo depois de tudo o que ela fez com ele e seus irmãos, ele não pode deixá-la ir. “Você ainda a vê?” Ele balança a cabeça, seu olhar verde e ardente me abraçando. “Eu não a vejo em um ano ou mais. A última vez que estive lá, ela teve que ser sedada, ficou tão chateada. Tudo o que fiz foi entrar no seu quarto e foi como se ela tivesse visto um fantasma. Ficou louca, Leigh. Eu decidi que era demais para ela me ‘ver’, então mantenho minha distância e tenho certeza de que ela está confortável. “Sinto muito, Maverick.” E sentia. Odiava que essa fosse a realidade para ele e sua família. “Clay e Quinn, eles não sabem tudo isso, não é?” Pergunto. “Não. Que bem faria? Eles não precisam vê-la assim. É algo que eu nunca serei capaz de tirar da minha mente.” “Você provavelmente deveria deixá-los fazer essa escolha por conta própria, querido.”


Ele voltou a olhar para longe, mas no segundo em que palavras são sussurradas dos meus lábios, ele empurra o seu olhar de volta ao meu rosto, estudando-me. “Talvez. Algo sobre o que pensar,” ele permite. “Eles sabem? Sobre Buford não ser seu pai verdadeiro?” Ele balança a cabeça. “Eles são tudo que eu deixei, Leigh. Admitir que não sou seu irmão biológico por completo muda as coisas. Eu só sei disso.” Eu troco meu corpo antes de chegar e pegar sua grande mão na minha. “Não mudaria nada. Eles são sua família, independentemente do fato de você não compartilhar o mesmo pai. Sinceramente, penso... bem, acho que isso ajudaria a libertar sua própria dor do passado.” Sua mão se vira, mudando para que nossas palmas se toquem, e seus dedos contraem com nosso toque. “Eu vou acrescentar isso à lista para pensar. Como parece?” Com um pequeno sorriso, eu aceno com a cabeça. “Você vai me ajudar com isso?” Sinto minhas sobrancelhas se elevarem. “Ajudá-lo com o quê?” Seus olhos se quebram, um minúsculo sorriso nos seus lábios cheios. “Lidar com essa lista quando chegar a hora.” “Sim, Maverick.” Eu suspiro. “Mesmo que eu esteja apenas lá como uma amiga para apoiar. Se você precisar de mim, estarei aonde quer que seja que você precise de mim.” Mais uma vez, o silêncio cresce. Seus olhos continuam procurando os meus, mas desta vez ele não parece sofrer Em vez disso, um olhar de reverência está piscando através das profundidades verdes brilhantes. Eu sei o que provavelmente virá em seguida, então tenho certeza de como vou lidar com isso. Eu só sei que estou pronta. “Maverick?” Pergunto, quebrando a tensão silenciosa. Ele levanta a cabeça para que eu continue. Seu aperto na minha mão ainda se mantêm. “Por que você não me disse isso? Você diz que sabia o que eu


sentia sobre você, mas por que me machucar foi a única resposta? Você poderia ter saído. . . Você sabe, sem fazer isso.” Ele continua a olhar nos meus olhos enquanto acaricia um Earl agora dormindo com uma mão e varrendo o seu polegar contra a pele sensível no meu pulso com a outra. Respiro fundo e tento acalmar meu coração acelerado, esperando que ele fale. “Nenhuma outra resposta poderia ter sentido do que eu pensava ser minha única opção naquela época. Eu sabia que o que sentia por você era forte. Estava atraído por você, assim como você estava por mim. Toda a minha vida, você foi a única que já me fez sentir que não estava perdido. Você entrava em uma sala e eu não me sentia aprisionado. Você estava completamente sem ideias sobre o que eu sentia, mas mesmo sem qualquer indicação de que eu retornava seus sentimentos, você nunca escondeu o que sentiu por mim. Eu sabia que se cedesse a atração que sentia por você, estaria aqui para sempre, e com Buford, não conseguia ficar. Eu também sabia que com a chance de sair era capaz de parar esse processo, e você teria me seguido sem pensar. Você teria desistido de tudo o que você deveria fazer e eu não poderia deixar isso acontecer. Fiquei com vergonha e fiquei fraco porque eu tinha permitido que Buford me tratasse assim por tanto tempo. Não pensei que fosse digno de você. Na minha cabeça, era melhor para você me odiar e me deixar ir do que olhar para mim como um covarde e um dia se ressentir por roubar de você o futuro que você sempre quis aqui em Pine Oak.” “Eu não posso fingir entender como você veio com essa lógica, Mav, mas você era jovem e eu acho que apenas tentando encontrar o seu caminho para sair do que você sentia que era uma situação impossível. Eu posso ver isso agora. Não faz com que machuque menos, mas entendo. Eu nunca teria olhado para você como fraco. Nunca. Sinceramente, não acho que eu poderia ter me ressentido de você, mas também posso ver por que você pensaria que seria possível. Para ser sincera, quem sabe o que teria acontecido?” Isso rompe meu coração ainda mais, saber que ele sentiu a mesma atração por mim, mas saiu porque ele não sentia como se tivesse alguma outra escolha. Ele tinha sido abusado por tanto tempo


que o modo de sobrevivência tinha vencido e se tornou a única coisa em que poderia se concentrar, e por isso, custou tanto a nós dois. “Eu deveria ter ficado.” Meus olhos dispararam para os dele, de onde eles haviam se deslocado enquanto eu pensava. “Maverick...” Eu digo com um suspiro. “Não,” ele interrompe. “Eu deveria ter ficado. Deveria ter sido forte o suficiente para resolver isso. As coisas poderiam ter sido tão diferente. Para nós dois.” “Ou ainda poderíamos estar bem onde estamos agora. Você não pode pensar assim porque você honestamente, não sabe como nossas vidas teriam acontecido se um caminho diferente tivesse sido tomado. Não podemos saber o que poderia ter acontecido se as coisas fossem feitas de maneira diferente, Maverick. Nada pode mudar o passado. Eu entendo agora por que você fez as coisas que você fez. Eu sei que não foi fácil de me dizer, mas obrigado por explicar. Não tenho certeza se, saber disso naquela época, teria mudado as coisas. Eu sei que eu iria querer o melhor para você - assim como eu faço agora - e eu realmente acho que você sair para perseguir o ouro nos rodeios foi a melhor coisa que você poderia ter feito por si mesmo. Mesmo que isso signifique admitir que você fez o certo me empurrando para longe.” Ele passou as mãos pelo cabelo. “Você sabe o quanto isso é difícil? Aceitar o modo como as coisas foram quando você sabe que houve erros cometidos? E sem falar nas coisas que desejamos, que poderíamos ter feito diferente na vida?” Eu dou um sorriso pequeno, seus olhos vão instantaneamente aos meus lábios. “Sim, eu sei o quão difícil isso é, mas são esses erros e coisas que nos ajudaram a moldar as pessoas que nos tornamos. É por causa das coisas que você tenta não pensar, que você pode tomar novas decisões para sua vida enquanto cresce.” Ele soltou minha mão. Eu a puxo de volta ao meu colo, ainda sentindo o calor do seu toque. Ele pega o grande corpo de Earl do seu peito e o coloca na almofada ao lado dele antes de ficar de pé. Meus olhos seguem o seus movimentos. Ele para na minha frente e estende


a mão. Tomo sem dúvida, tremendo quando nossa pele toca de novo. Meus pés batem no tapete, e quando eu espero que ele deixe cair minha mão, ele não faz. Em vez disso, ele traz as mãos juntas até que elas estejam dobradas entre nós. Sua outra mão vem até minha mandíbula, levantando meu rosto, então eu olho nos olhos dele. Ele é muito mais alto do que eu, mas do jeito que ele está dobrando, nossos rostos estão apenas um suspiro um do outro. “Não consigo corrigir o passado, Leighton. Não consigo apagá-lo, não importa o quanto deseje poder. Inferno, não consigo nem prometer que serei capaz de esquecê-lo. A única coisa que posso fazer é garantir que cada dia que eu viva seja algo que vale pena, a partir deste dia. Eu poderia passar o resto da minha vida preso por nada, ou eu poderia trabalhar meu traseiro para garantir que eu apague os meus erros do passado, para que eu possa garantir que eles se tornem erros com que eu aprendi e finalmente encontrei uma maneira de viver para todo mundo.” Minha respiração vacila, e se ele não estivesse me segurando, eu teria desmoronado. Minha mão, segura na dele, apertado. A outra, que estava mole ao meu lado, subiu e tenta empurrar seu peito até eu enrolar minha mão ao redor do pescoço dele. Seus olhos escurecem. Eu lambo meus lábios e sinto sua excitação no meu estômago. “Estou aterrorizada.” Minha voz parece como um sussurro. “Eu também, querida, eu também.” Ele fecha a distância entre nós e pressiona seus lábios nos meus. Ele não se move para aprofundar o beijo, mas em vez disso, apenas segura a boca lá. Nossas respirações se misturam enquanto olhamos nos olhos um do outro. Ele toca meus lábios alguns vezes com a boca fechada antes de levantar a cabeça, mantendo nossos rostos próximos enquanto espera eu falar. “Você está pedindo muito, Maverick. Você está me pedindo para esquecer o passado, tudo o que aconteceu e tomar um grande salto de fé. Eu quero, sim, mas ... “ “Baby,” ele começa olhando nos meus olhos. Meu coração ganha velocidade com o carinho com o qual ele nunca usou para mim. “Tudo


o que peço é que você me dê uma chance. Dê a nós uma chance. Não era nosso tempo naquela época, mas nós não estaríamos de volta assim, se não fosse para ser agora. Não posso prometer que será um passeio fácil, mas fique comigo e eu vou mostrar que eu sou muito bom para segurar um longo prazo.” “O que acontece quando for a hora de você sair novamente?” Apenas pensar que ele pode ir faz meu coração apertar-se com desespero. “Leighton, não vou a qualquer lugar.” “Você diz isso agora, Mav. Você pode dizer honestamente que o desejo não existe? Depois de tudo o que você acabou de dizer eu não o culpo se for. Além disso, montar está no seu sangue. Você não pode apenas desistir disso.” Seus olhos piscam. “Querida, meu último rodeio foi quase dois meses atrás. Muitos golpes na minha cabeça ao longo dos anos e os médicos disseram que eu não estava apto para montar mais. Mesmo que não fosse esse o caso, eu não poderia sair sem você. Eu tive uma noite com você e tenho a sensação de que mesmo o para sempre nunca será suficiente. Eu tenho tido muito tempo para pensar sobre o que vem depois. Tentando encontrar uma nova direção na minha vida agora que montar já não é uma opção. Não importa qual direção eu posso pensar em ir, você sempre estará lá comigo.” Ele está parando porque ele não tem mais nada para perseguir? Ele realmente quer estar aqui, ou isso é apenas um plano de retirada agora que Bulford se foi? Minha mente corre enquanto eu tento analisar suas palavras, procurando um significado oculto. Ele está me dizendo tudo o que sempre quis ouvir, mas parece que é bom demais para ser verdade. Os olhos do Maverick se enrugam enquanto ele corre seus dedos sobre o vinco entre minhas sobrancelhas, aquele que tenho sempre que algo está me incomodando. “Pare de pensar o que quer que seja que está passando por sua linda cabecinha Leighton.” “Por que você quer ficar? Você pode me dizer que você teria voltado, se Buford não tivesse morrido? “


Ele solta um suspiro, sua respiração se choca contra meu rosto. “Eu estava perdido, Leigh. Tinham acabado de me dizer que não podia mais ter a única coisa em que eu estava vivendo. Fiquei zangado e bêbado, não pensando em qualquer coisa porque eu não me permitia ficar sóbrio o suficiente para pensar. Eu voltaria sem a sua morte? Honestamente? Não assim como eu fiz, mas eu teria voltado. Certifiquei-me de que a vida que estava vivendo estava tão cheia de treino e competições que não me dava tempo para pensar em outra coisa que não fosse os torneios. Eu não me deixaria pensar sobre o que eu estava falando. Mas uma vez que isso foi embora, e uma vez que eu rastejei fora daquela garrafa, eu estava nadando, bem, querida, para a única que eu nunca tinha deixado de olhar com arrependimentos, desejando que eu pudesse retomar. Então, poderia demorar um pouco, mas eu ainda teria percebido que essa senhorita era você.” Ele está me contando tudo o que quero ouvir. Coisas que eu teria dado exatamente tudo, sem pensar, anos atrás, mas uma década de dor mantém a dúvida ainda persistente. “Nós não nos conhecemos mais.” Ele sorri devagar, e memórias de nossa uma noite juntos inundam minha mente, fazendo minhas bochechas aquecerem. “Não diga isso. Não se atreva. Vou corrigir isso. Nós nos conhecemos mais que o suficiente para saber que somos compatíveis.” Esse sorriso parece um entalhe, o seus dentes brancos perfeitamente retos que piscam para mim. “Jesus Cristo,” resmungo. “Nós não nos conhecemos como adultos que nos tornamos, é o que estou tentando dizer, Maverick Austin Davis, tire a cabeça do esgoto. Nós não podemos tomar uma decisão tão grande com base no fato de que temos combustível entre os lençóis.” “Melhor eu lembrar que não havia nenhum lençol envolvido.” Levantei minha mão e o empurrei levemente contra seu abdômen. Ele riu. Uma expressão despreocupada assume o rosto que eu não via desde que éramos mais jovens. Muito antes que a inocência da mente de uma criança desaparecesse e a realidade a apanhou. “Você nem sabia quem eu era quando voltou para a cidade,” eu sussurro. Eu não posso ajudar a tristeza que eu ainda sinto sobre isso. Eu poderia ter contado a Quinn, mas no fundo isso doeu mais do que quero admitir. Eu o teria reconhecido em uma sala escura, e o fato de


que ele não podia fazer o mesmo, mesmo depois de tudo ele admitiu, dói. Percebo seus olhos trabalharem. Sua espera me tem de fato de que ele estar perto, quase me fazendo esquecer o que acabei de falar. Ele luta com suas palavras, posso dizer por que a boca se move algumas vezes antes de fechar, como se ele estivesse trabalhando o que dizer. Sua sobrancelha sulca, seus lábios afinam e ele engole duro, o tempo todo apenas olhando nos meus olhos. “Você tem que entender, Leighton, quando eu digo que estava em um lugar ruim...” Ele se afasta, a mão entre nossos corpos apertando quase dolorosamente. Seus olhos continuam a procurar os meus. “Estava cego por isso, tinha tanta raiva queimando dentro de mim. Não apenas sobre ser chamado de volta para o seu funeral, mas também porque eu tinha estado lutando por um longo maldito tempo, com raiva e muito assustado. Eu não sabia o que aconteceria depois, e para alguém que sempre soube o que estava fazendo, ter tudo fora do controle encheu-me de medo. Muitas emoções lutando pelo controle dentro de mim e eu não podia ver uma coisa maldita depois disso. Como disse, isso me cegou. Eu não tenho outra desculpa para isso, querida, mas posso te dizer agora - se estivesse com minha mente correta, de nenhuma maldita maneira, poderia entrar em uma sala e não perceber quem estava parada bem na minha frente.” Meus lábios tremem, e eu tenho que lutar contra mim mesmo para não soltar um comentário inteligente. Eu quase faço. Quase. “Sim, bem. . . Eu não tenho exatamente o mesmo corpo pequeno de menina que tinha quando me viu da última vez, então acho que faz sentido que foi fácil me esquecer quando essa foi a última lembrança que você teve.” A raiva brilha em seu rosto, e as narinas dele ampliam. “Eu pedi desculpas e lamento o que fiz para você na época. Expliquei por que escondi meus verdadeiros sentimentos por você por trás dessas mentiras ásperas, mas se você continuar segurando isso entre nós, vamos nos afastar antes que possamos subir na sela.” Seu tom é baixo, mas letal. “Desculpe-me,” silencio, com vergonha.


“Não se arrependa, Leigh. Você pode ficar louca ainda. Eu não provei para você que eu posso ser confiável no que estou dizendo, mas quero dizer, se você não conseguir encontrar uma maneira de deixar isso, não temos chance.” Eu aceno com a cabeça, com medo de olhar para trás em seus olhos. “Você diz que não nos conhecemos mais, mas você sempre será a mesma garota que sempre desejei que fosse minha. Seu cabelo ainda é da mesma cor dos campos quando o trigo está passando no vento. Esses olhos parecem como os bluebonnets que crescem atrás de sua casa - tão profundamente azuis, quase parecendo roxo. Eu nunca vi outra pessoa com os olhos como os seus. Quando você está com raiva, você ainda morde o lábio inferior e puxa o seus olhos para dentro. Parece que você está apenas pensando, mas você sempre costumava fazer isso quando estava tentando evitar dizer algo que você não poderia pegar de volta. Suas sardas ainda se recusam a ir embora, mesmo sob uma camada de maquiagem. Eu poderia continuar indo, mas julgar, pelo jeito que esses olhos que eu tanto amo estão parecendo, eu estou achando que você está querendo que eu cale a boca.” Ele ri profundamente em seu peito, sinto as vibrações contra minha mão. “Você esqueceu de mencionar, eu cresci... Bem, eu cresci.” “Sim, querida, você fez, mas você ainda é apenas a pequena Leigh para mim. Eu quero você, Leigh. Quero o que está dentro de você que sempre me atraiu e me fez sentir como se eu fosse o único homem do mundo. Eu quero a paz que você traz sobre mim, acalmando-me todo o caminho até o meu íntimo com apenas um olhar. Eu quero suas risadas, suas lágrimas, seus sorrisos, seus sons e seus gemidos. Quero qualquer coisa que não tenha me atrevido a pensar que eu merecia esperar quando eu perdi você porque eu estava muito concentrado em meu próprio orgulho egoísta. Eu quero saber que tudo que fiz no passado, todos esses arrependimentos, não significam que eu a perca de novo. Eu quero você, independentemente do que parece por fora, querida. Prometo a você, eu me certificarei de que não passe um dia maldito que você não saiba sem uma única dúvida de que estou aqui lutando por você... Lutando por nós. Eu quero você agora, tanto quanto


queria você antes, porque é hora de ter o que nós sempre devíamos ter tido. Entre nós.” “Isso me assusta tanto, Maverick. Se eu me deixar acreditar que está sendo sincero comigo. . . Eu estou dando-lhe o poder de me esmagar de novo.” “Deus, querida, eu sei, mas você não está sozinha. Dê-nos uma chance, Leigh. Eu ouço você, querida, eu sei. Venha dar uma volta comigo e deixe-me mostrar-lhe o quão bom eu sou com a certeza de que não deixamos nada de fora. Nós aproveitaremos do tempo para nos conhecermos como adultos e ver aonde vai a partir daí. Aproveite o tempo, então você pode realmente ver que o que estou dizendo a você é a verdade.” “Você está me pedindo para ficar firme, Maverick?” Eu ri, engolindo a emoção subindo minha garganta em suas palavras, tentando aliviar o humor, mas a seriedade em sua expressão me faz parar e só fico olhando nos olhos dele. “Eu estou pedindo que você me dê uma chance de fazer você minha. Estou pedindo que você me dê isso, para que eu possa provar a você que mereço, como você colocou? Ficar firme.” É isso. Isto é tudo o que eu sempre quis dele e tão assustador quanto é dar-lhe o poder de me machucar novamente, sei que se eu for a única a me afastar desta vez, nunca mais poderei seguir em frente. Sempre estarei presa vivendo com dúvidas, imaginando como seria minha vida. Há uma razão para isso, por dez anos, tenho sempre guardada a esperança de que um dia eu tivesse outra chance com o único homem que eu já amei. Eu tenho que tentar. Eu tenho que me abrir e derrubar as paredes que eu construí para me proteger de sentir dor novamente. Porque se isso realmente funcionar, eu sei com a mesma certeza de que o sol se eleva no leste e se estabelece no oeste que o que teremos juntos será o amor mais bonito que já existiu.


“Oh-oh.” Eu limpo minha garganta. “Ok, Maverick,” eu sussurro suavemente. Ele fica calado por tanto tempo que tenho que me perguntar se ele mesmo me ouviu, mas então eu vejo sua garganta engolir e as emoções que voam atrás dos olhos dele. “Tudo bem, querida,” ele finalmente diz, e sem aviso, leva a minha boca em um beijo destinado a marcar minha alma. Profundamente ele pega minha boca, sua língua se move lentamente contra a minha em uma dança hipnotizante. Quando ele puxa de volta, eu luto para abrir meus olhos. Estamos respirando pesadamente. “Estou pedindo isso, pedindo que me diga para ficar, mas sei que vou respeitar o que quiser, Leigh. Isto é o começo de nós e não quero apressar você. Eu tenho todo o tempo no mundo para me sentir dentro de seu corpo, mas hoje a noite eu realmente preciso estar perto de você. Você quer ficar sozinha esta noite? Você tem minha palavra, se você me deixar ficar, eu serei um cavalheiro completo. Eu só preciso saber que isso é real e você está realmente aqui, disposta a me dar outra chance, Leigh.” “Fique,” digo sem hesitação, e meu coração que já estava trovejando de seu beijo ganha ainda mais velocidade. Ele acena com a cabeça, o sorriso deslumbrante chegando até os olhos dele, algo que não vi em um muito longo tempo. Ele me dá um pequeno e breve beijo antes de soltar seu controle sobre mim para olhar ao redor da sala. Ele agarra o controle remoto da mesa antes de se sentar no sofá. Earl dá-lhe um olhar de um único olho antes de voltar a dormir. Ele dá ao gato um longo golpe antes de segurar sua mão para mim. Eu ponho meus pés para frente e levanto uma mão muito instável para a dele. Seus músculos se contraem, mas o sorriso não diminui em nada, antes de me puxar silenciosamente para o sofá. Eu me enrolo no seu lado, descansando minha cabeça contra o seu peito. Seu braço me envolve e me puxa ainda mais contra ele. Parece o céu.


Essa foi a última coisa que pensei antes de uma paz contrária de qualquer coisa que alguma vez sentia cair sobre mim e eu cair adormecida em seus braços, a solidão que me arrastou por tanto tempo, levada em cada batida do seu coração ao meu ouvido.


18 MAVERICK “Adeus, Earl” de Dixie Chicks

Tenho medo de me mexer. Estive acordado por algumas horas, mas foda-se se eu vou me mover uma polegada e arruinar esse momento. Ela pode ter concordado em avançar e ver o que vem disso, mas eu sei que a aceitação vem em terrenos instáveis. Eu passei as últimas duas semanas ou mais na minha mente, tentando pensar em como posso provar não só a minha família, mas também a Leigh, que não vou a lugar nenhum. Para encontrar uma maneira de fazer Pine Oak de casa, que eu nunca pensei que poderia ser. Eu sei agora, com Leighton em meus braços, que essa “casa” não será mais difícil de encontrar. Quinn diz que tudo o que fiz desde que voltei grita “temporário” e, honestamente, agora que fui forçado a realmente dar uma boa olhada nas coisas, ela está certa. Eu poderia estar pensando em como fazer o meu próprio caminho aqui, mas eu fiz isso enquanto mantinha a guarda. Voltei inseguro sobre o que eu acharia. Como me sentiria. Muito disso tinha que ver comigo ainda lutando para encontrar meu lugar depois de perder minha carreira no rodeio, mas eu sei que uma grande


parte era porque tanta incerteza flutuava ao redor do ar. Eu podia sentir o negócio inacabado se prender contra minha pele no segundo que eu cruzei a linha do condado. Agora, no entanto, depois da conversa com Clay hoje e com a mulher nos meus braços esta noite, eu sei que estou indo na direção certa. Eu não acho que eu sentirei como se o rancho Davis fosse minha casa em algum momento, não quando eu me sinto verdadeiramente em paz apenas com Leighton. Não foi até o outro dia que eu percebi que não perdi tudo apenas porque não podia montar mais. Naquele momento, tudo ficou claro. Não me senti perdido. Tudo começou a clicar junto. Estou a caminho de ter tudo de novo, e espero que, se Deus quiser, vou ter isso com esta menina sempre ao meu lado. Esta é a minha segunda chance em tudo, e eu vou ser condenado se eu foder isso. Eu sei que ainda tenho que provar a todos que eu estou falando sério sobre isso. Quando eu digo que estou aqui por bem, eles não precisam se preocupar com um desejo de fugir. Ao colocar raízes reforçadas com aço, não haverá como negar que eu voltei para casa para sempre. Estou com vontade de viver com meus erros. Não escapa ao meu aviso que o único lugar para o qual fiquei com medo de voltar é aquele que finalmente me fez sentir como se eu tivesse um propósito novamente. A poeira à minha volta se instalou e finalmente posso ver o caminho claro que está me esperando. Eu pensei que tinha perdido tudo quando me disseram que não podia montar mais, mas se eu jogar meus cartões não irei ter perdido uma maldita coisa. Eu ganhei tudo, não há dúvida em minha mente que é aqui que eu deveria estar. Solto uma respiração profunda mas contente, e Leigh mexe no meu aperto. Seu corpo se curvando mais no meu quando ela sobe uma


perna nua sobre meus quadris. Seus seios cheios pressionando contra minhas costelas. Eu seguro um gemido quando ela roça à minha ereção ainda estável. Quando ela adormeceu ontem à noite, mudei o suficiente para que estivéssemos ambos esticados no sofá, não permitindo distância entre nós. Ela de costas para o sofá e seu corpo pressionado ao meu lado. Ela quase não se mexeu a noite toda. Meu braço adormeceu em algum lugar em torno de uma da manhã. Meu pescoço tinha começado parecer como se alguém estivesse apunhalando em torno dele. Minhas costas estavam gritando em protesto por não poder mover-se. Meu pau tinha estado duro desde que entrei em sua casa e seu aroma de flor selvagem enrolou meu nariz, marcando meus sentidos. Estava com dor, por toda parte. E eu tinha um sorriso no meu rosto o tempo todo porque, porra, se essa dor não parecia como a coisa mais bonita no mundo. Eu tinha minha pequena fatia de céu de volta em meus braços e não havia dúvida de que eu iria lutar para mantê-la aqui. Eu olho para o ventilador de teto acima de nós, as lâminas movendo-se lentamente, mas apenas o suficiente para preencher a sala com uma linda brisa suave. Ainda há muito para provar a Leigh. Ela pode ter dito que está nos dando uma chance, mas eu sei que parte dela ainda está esperando que eu pule no meu caminhão e coloque-o fora daqui. Espero que os planos que desencadeei com Clay ajudem a provar que estou aqui para ficar. Eu quero que ela saiba que estou fazendo tudo isso porque quero estar aqui - com ela - e não por qualquer outro motivo. Não apenas porque minha carreira de rodeio acabou. Não porque meus irmãos me querem em casa. Não porque o velho se foi.


Eles podem ter me feito vir até aqui, mas eles não são a razão pela qual eu me embriaguei e peguei a rodovia. Ela é. Ela era minha bússola quando estava perdido e sem direção. Ela era a atração que sempre senti por vir para casa, mas nunca tive bolas para tentar, sabendo que também poderia estar atrasado. Ela foi o maior arrependimento, mas ela será a minha maior realização, se Deus quiser. Eu fecho meus olhos, um sorriso no meu rosto e a única garota que eu sempre quis em meus braços. Meus pensamentos não tem mais à ver com a fama de rodeio. Não me vejo como um vaqueiro solitário que empurrou todos à distância. Eu não estou consumido com raiva causada pelo medo. Não há mais muros para evitar as coisas que eu sempre tive medo de esperar. Não, não desta vez. Tudo o que posso ver agora é uma mulher de cabelos loiros e de olhos azuis que ainda, depois de todo esse tempo, olha para mim como se eu pendurasse a fodida lua. Eu vejo campos de bluebonnets, crianças rindo e uma felicidade que eu nunca pensei ser possível. O peso esmagador da raiva que levantei durante tanto tempo cai no caminho quando eu sinto seu pequeno braço enrolar meu peito, se aproximando de mim. Eu realmente vivi por nada, mas agora eu sei que tenho uma chance em tudo. Finalmente.

Eu acordo com uma sacudida. Eu tinha estado nesse espaço entre a consciência e o sono quando percebi que não estava sentido mais o


corpo de Leighton contra o meu. O pânico que me atravessou naquele momento foi poderoso o suficiente para eu sentir que poderia ter parado meu coração. Ficando em uma posição sentada no sofá, meu corpo gritando em protesto o tempo todo, eu olho vivamente ao redor da sala de estar. Não há como vê-la. Eu escaneio a sala, procurando, meu coração batendo descontroladamente. Penso, meus cotovelos nos joelhos e olho para meus pés descalços em seu tapete. Não lembro de tirar minhas botas na noite passada. Ouço um movimento e olho do chão, não movendo meu corpo. Seu gato grande - pelo menos eu acho que essa coisa é um gato, não queria ofender na última noite perguntando - corre para o quarto, vindo dos fundos da casa. Olha para mim com seus estranhos olhos amareloesverdeados. Eu sinto que ele vê bem através de mim. Nós continuamos nosso concurso fixo, o único movimento do gato / animal é proveniente da cauda cabeluda peluda atrás dele. Eu olho o salto do felino na mesa de café antes de caminhar até a borda, parando quando seu rosto está bem na minha frente, apenas continuando a olhar para mim. É assustador como merda. “Você está acordado.” Eu aceno com a cabeça, não querendo olhar para longe da besta na minha frente e dar-lhe a vantagem. Também não estou inteiramente certo de que ele não poderia arrancar meu rosto. É melhor manter meus olhos nessa coisa. “Este é um gato doméstico?” Eu a ouço sorrir suavemente; então, para meu choque, o sofá se move um pouco enquanto ela se instala atrás de mim, subindo para a direita na parte de trás do sofá como se fosse a coisa mais normal a fazer. Seu conforto em torno de mim alivia algumas das trepidações que eu senti quando acordei sozinho. Sinto uma pequena culpa que pensei instantaneamente o pior quando não a vi aqui, mas deixo o pensamento desaparecer quando sinto que ela se move atrás de mim. Suas pernas se espalham assim como os joelhos rolam nas minhas costas. Ela muda, eu sinto isso nas almofadas mexendo, e espero que ela se assente. Quando ela se inclina parafrente, porém, você poderia


me ter em estado de choque. Seu queixo bate no meu ombro, um braço envolve ao redor do meu tronco, e o outro se aproxima do gato / animal. Suas ações e seu conforto comigo me mostram que ela quis dizer o que disse ontem à noite sobre nos dar uma chance. Ela não está segurando. Se eu tivesse que adivinhar, ela sentia a necessidade, como eu, de estar o mais próximo possível. “Seu nome é Earl e ele é meu doce bebê. Ele come muito, dorme na cama e às vezes ronca, mas o amo. Ele está apenas curioso sobre o grande homem em seu espaço.” O sorriso em seu tom me relaxa completamente e eu me inclino para trás nela. Ela tira a mão do gato e a envolve acima do outro braço, me segurando a ela firmemente. “Você nomeou seu gato de Earl?” Suas suaves risadinhas fazem cócegas na minha bochecha. “O que posso dizer? Eu estava passando por uma fase de Dixie Chicks.” Giro minha cabeça para que eu possa ver seu rosto. Meus braços em torno de suas pernas espalhadas para envolvê-las em meu corpo. Estou completamente cercado por ela. Estamos tão perto que tenho que me lembrar de não me precipitar e fode-la aqui no sofá. “Você sabe do que é essa música, certo?” Eu brinco, esfregando minhas mãos em suas pernas suaves como merda. Seu rosto se ilumina com uma risada silenciosa. “Sim. Bem, você pode agradecer a sua irmã por isso. Ela pensou que era uma ótima maneira de me lembrar que os homens são estúpidos ou algo assim.” Não posso ajudar. Eu ri, alto, quando penso que minha irmã ajudou a nomear um gato por causa de um homem chamado Earl que fez algumas coisas de merda para as mulheres e acabou sendo assassinado por essas mesmas garotas. “É assim mesmo?” Eu pergunto, o sorriso presente no meu tom. “Bem, se está tudo bem para você, querida, tenho que pedir que você deixe os feijões-frade fora do menu indefinidamente.” Os olhos dela estão brilhantes e felizes. Seus lábios puxam por apenas um segundo antes de perder a habilidade de manter o rosto sério. Eu assisto, fascinado, enquanto ela lança sua cabeça para trás e


ri. Seu cabelo ondulado, não mais preso pelas tranças que ela tinha na noite passada, se move com ela enquanto ela continua a rir. Deus, ela parece linda. “A que horas você precisa estar na padaria?” Pergunto, tendo que limpar o pingo de emoção da minha garganta antes de falar. É muito cedo para dizer a essa garota que eu a amo, mesmo que eu queira, mas foda-se se quase não sai. Eu acho, considerando que eu me senti dessa maneira com ela toda a minha vida, não deveria ser muito cedo, mas agora não é a hora. “Jana está cobrindo hoje. Liguei para ela vinte minutos atrás e perguntei se ela se importaria de abrir sozinha e fechar depois do almoço. Eu... Uh, pensei que talvez... Bem, pensei que talvez eu devesse ficar em casa hoje.” “Ei,” digo suavemente quando ela olha para longe. Ela olha para mim, claramente sentindo algum tipo de embaraço. “O que está passando por sua mente?” Ela encolhe os ombros. “Parece bobo agora. Eu nem perguntei se você tinha planos hoje.” “Então me pergunte, querida. Eu sei que não tenho o melhor histórico para ficar aqui, mas eu quero que você possa falar o que você quer sem se preocupar o que ‘vou disparar-em-você’.” O silêncio nos detém enquanto espero que ela fale. “Eu, bem... Acabei pensando que poderíamos gastar algum tempo juntos hoje. Eu devia ter perguntado primeiro antes de assumir que você não estava ocupado. Você provavelmente está. Ocupado, quero dizer.” Demora um segundo, mas eu deslizo nossos corpos para que ela ainda esteja esticada no meu corpo entre as pernas, só que desta vez ela está sentada no meu colo. Suas pernas dobradas no sofá, espalham-se ao redor do meu corpo. Sua bunda descansando nos pés. Depois de guiar os braços para cima e ao redor do meu pescoço, coloco as minhas mãos em seus quadris, então eu a puxo para frente de modo que seu centro esteja bem acima do cume rígido do meu pau. Eu não poderia parar o profundo rosnado de prazer que vibra do meu peito se eu tivesse tentado.


Os olhos dela se alargam e seus dedos empurram do pescoço para dentro dos cabelos encaracolados que precisam de um corte. Eu a sinto dar um pequeno puxão, seja subconsciente ou não, e prometo agora mesmo e não vou cortar meu cabelo de novo até sentir ela fazer isso enquanto tenho minha cabeça entre suas pernas. Apenas o pensamento dela usando meus cabelos para segurar para manter minha cabeça onde ela quer, isso me faz sentir como se eu pudesse gozar rápido e aqui. “Vamos fazer algo em linha reta agora, querida.” Minha voz é grossa com gravidade enquanto estou falando, mas na posição em que ela está, eu tenho toda sua atenção. “Se você quiser passar o dia comigo, tudo o que você precisa fazer é dizer para mim. Se eu estiver ocupado, vou fazer o que posso para mudar isso. Se eu não puder, vou fazer o meu melhor para me libertar assim que eu puder. Tudo o que tenho para lhe oferecer é a minha palavra, que não é algo que dou sem pensar, mas estou dando isso para você agora, Leighton. Eu nunca quebrei minha palavra uma vez na minha vida, querida. Nós estamos achando nosso caminho aqui, vamos fazer isso juntos e sem nos prender. Perdemos muito tempo já por causa da minha besteira... Então, sim, em resposta à sua pergunta, acho que gastar hoje juntos parece realmente muito bom.” “Tudo bem, Mav,” ela responde, suas bochechas coradas e sua respiração vindo em arquejos. “Eu tenho algumas coisas que eu quero falar com você de qualquer maneira, mas eu prefiro fazer isso depois de você ter se vestido e não me fazendo lutar para não a foder aqui no sofá em frente a este grande gato/animal que eu não estou inteiramente convencido me deixou para ser sua próxima refeição.” Ela ri. Eu dou um aperto brincalhão em sua deliciosa bunda. “Vá se vestir, querida. Vamos pegar algo para comer e então eu tenho algumas coisas que quero discutir com você.” “Isso soa sério,” ela hesitantemente diz, a expressão alegre saindo de seu rosto.


“Ei,” sussurro. “Nada disso. Merda!” Ela salta no meu colo quando minha voz sobe. “Desculpa. Estou te dizendo isso, e eu realmente quero que você entenda o que estou dizendo. Eu vou fazer o que for preciso para que nunca veja esse medo em seus olhos novamente. Sim, tenho alguma coisa séria que quero conversar com você, mas eu prometo a você, não é nada que cause danos ao coração. Confie em mim para cuidar de você.” “Ok, Maverick. Eu confio em você.” Suas palavras são tão suaves que quase não consigo ouvi-las. “Não completamente, mas você vai.” Seus dedos apertaram novamente, puxando meus cabelos. O pedaço de medo que eu tinha visto atravessando sua expressão some. Ela olha para mim agora com o amor que eu espero ouvi-la um dia confessar-me, completamente aberta e sem vigilância. Ela me permite beber no meu preenchimento do que ela me mostra antes de fechar longe e pressionar os lábios nos meus. O toque é breve, mas não menos íntimo. “Eu confio em você, Maverick, mas isso não significa que eu não estou com medo. Estou trabalhando nisso, mas vai levar uma pouco mais de uma noite para eu poder parar de me preocupar que isso é tudo apenas um sonho que eu estou indo acordar apenas para descobrir que você foi novamente. Eu só preciso de algum tempo para me deixar acreditar que você está realmente aqui e me ofereceu tudo o que sempre quis.” Eu aceno com a cabeça, pressionando nossos lábios de volta juntos. “Isso é tudo o que eu estou pedindo, mas estou informando agora que se isso é um sonho com o qual sempre vamos acordar - não importa o que seja, ainda vou estar aqui, bem onde eu pertenço. Onde eu sempre pertenci.”


19 LEIGHTON “Next Boyfriend” de Lauren Alaina

Maverick não me contou muito sobre o que estávamos fazendo hoje. Tudo o que ele disse foi para usar jeans e minhas botas. Assim como se tivesse esquecido que o verão já havia começado. Foi um maio suave para os padrões do Texas. Mesmo agora, com junho já na metade do caminho, o tempo ainda estava confortável. Era apenas uma questão de dias até que começássemos a sentir o tempo de três dígitos, porém, e quando isso acontecesse, eu não seria pega em jeans nem morta. Eu tiro uma blusa de alças, puxo meu jeans favorito e faço um rápido trabalho em puxar minhas botas. Eu posso sentir a ansiedade de voltar para onde Maverick está esperando enquanto meu coração continuava trovejando. Eu não queria estar longe dele. Eu sei, logicamente, que eu já não deveria sentir essa intensidade sobre ele, mas ele não é um homem acabei de conhecer. Claro, ficamos separados por dez longos anos, mas quando ele me toca, esses anos se afastam e eu o sinto como o mesmo menino de dezesseis anos que eu sabia com tudo o que era que seria meu para sempre. Seria tão fácil deixar meus pensamentos permanecerem com esses medos, dúvidas e preocupações que tinham estado lá durante o mês passado. Com toda a certeza, seria mais fácil, mas ele não é o único que está cansado de viver com arrependimentos.


Esta é a nossa segunda chance. Ele pode ter feito algo na noite passada quando ele disse que era nosso tempo para tomar o que não devíamos ter dez anos atrás. Nós devíamos voltar um ao outro, eu sei disso no fundo dos meus ossos, e eu vou me certificar de que teremos todas as possibilidades de sucesso. Sorrindo, fico na frente do espelho que está na parte de trás da porta do meu quarto. “Meu Deus, nós teremos um futuro bonito,” eu digo ao meu reflexo, deixando essa declaração encher meu corpo com o conhecimento de que vou fazer tudo o que estiver ao meu alcance para que isso aconteça. Eu estou dentro. Não mais olhando para trás. É hora, de junto com Maverick, começar a viver para tudo. A voz do Maverick gritando pela casa me faz sorrir. “Você se perdeu, querida? Eu sei por Quinn que as mulheres pensam que precisam passar horas a fio no banheiro fazendo o que quer que seja que você está fazendo para parecer do mesmo jeito que você estava quando você entrou, mas você poderia bater na minha bunda sem tudo isso, e Leighton, tenho certeza de que seu gato/animal está tentando descobrir qual parte de mim vai ser mais gostosa, então, se apresse, querida.” Eu sorri. Meus pensamentos passam de engraçados para sexuais com uma batida do meu coração. “Eu poderia provavelmente dizer a Earl que parte sua é a melhor, se você quiser que eu o ajude,” digo de volta antes que possa parar, deixando meus pensamentos eróticos sair. Eu ouço um estrondo à distância. O silêncio segue, mas não por muito tempo. Bem, quando estou prestes a abrir a porta e descobrir o que está acontecendo, ela é aberta e um Maverick ofegante está preenchendo o espaço. Seu peito está mexendo. A agora -enrugada camisa de botão azul escuro que ele estava desde que apareceu a noite passada está desabotoada e pendurada em seus lados, a camisa branca e rígida apertando forte contra o peito. Quando finalmente sou capaz de mover meu olhar fixo dos solavancos que seus abdominais fazem contra essa camisa branca, sua expressão parece selvagem.


Selvagem e fora de controle com um pouco de pânico misturado. “Você está bem?” Eu questiono, tentando sacudir os pensamentos alimentados pela luxúria da minha mente. Dando um passo em sua direção ele finalmente sai de qualquer transe que o tinha preso no local. “Você não pode dizer merda assim para mim, Leigh.” “Uh, merda como o quê?” “Se você diz merda assim, eu vou esquecer que devo ser um cavalheiro e levar as coisas devagar. Se eu me deixar esquecer disso, não vou mais poder me segurar.” Aprecio-o, arrastando os olhos por cada centímetro. “Quão mais lento podemos levar algo que vem se construindo há vinte e seis anos?” Minhas palavras parecem apenas quebrar. Seu peito ainda está agitado, mas agora posso ouvir a força de suas respirações deixando seus lábios. “Baby, estou pendurado por um fio aqui. Passei anos sem querer ou precisar de outra mulher. Tudo o que você precisa fazer é respirar e eu sinto que vou sair da minha pele com a minha necessidade de você. Você não tem ideia do quanto eu quero você. Eu só preciso de você para trabalhar comigo aqui. Eu não quero estragar isso entre nós, correndo com você até a cama.” Oh, uau. Logicamente, entendo o que ele está dizendo. Eu faço. Ouvindo-o admitir, novamente, que ele não esteve com qualquer uma em anos faz algo poderoso para mim. Dito isto, eu também não estava brincando. Você não pode apressar algo que esteve mais de duas décadas em construção. “Eu aprecio isso, Mav, eu faço. Mas você não pode tomar decisões assim sem falar comigo. Por quinze anos, mesmo com os dez que você não estava realmente presente, eu sempre quis você. Estive com dois outros homens nesse tempo e até mesmo eles não conseguiram passar pela parte de mim que eu só queria compartilhar com você. Então, enquanto eu entendo o que você está dizendo, eu quero que você me ouça quando eu lhe disser que estou cansada de perder tempo.”


Seus olhos se fecham e ele deixa o queixo no peito, parecendo com dor quando um gemido escapa de seus lábios. Eu o ouço murmurando, mas com a forma como ele está de pé, não consigo entender quais são suas palavras. Eu não deveria empurrá-lo, mas as lembranças da nossa noite juntos algumas semanas atrás tornam impossível que meu corpo não o anseie quando ele está perto. “Eu não quero que o primeiro dia de nossa viagem juntos pareça que eu só quero uma coisa de você, Leigh. Eu deixei o desejo que tenho por você assumir a liderança naquela noite, e tanto quanto quero e preciso disso de você novamente, você tem que me deixar provar que quero mais do que simplesmente fodê-la.” “Eu não tenho certeza do que dizer a isso,” eu digo a ele, minha voz saindo grossa e rouca de vontade. “Baby, me dê hoje. Você quer continuar empurrando meus botões, faça isso, mas até o dia em que eu souber que você me deu toda a total confiança com seu coração, não vou lá - não importa o quanto eu queira isto.” Eu olho para ele. “Nós não vamos fazer sexo?” Ele balança a cabeça. “Mesmo que eu queira?” Ele balança a cabeça novamente. “Mesmo que eu amarre você à cama e monte você?” Seus olhos escurecem. “Pode ser difícil, levá-lo para a cama e amarrar e tudo. Quero dizer, você é mais alto do que eu, mas provavelmente poderia descobrir isso.” Um barulho, no fundo da garganta, ruge pelo ar. “Eu realmente quero senti-lo dentro de meu corpo novamente, Maverick Davis.” E é isso que o quebra.


Ele sai de seu lugar com um empurrão contra o porta que ele tinha na maçaneta e moldura. Eu nem mesmo tenho um segundo para puxar uma respiração cheia em meu corpo antes de ser derrubada pela força de seu grande quadro colidindo contra o meu. Uma mão grande em meu cabelo para segurar a cabeça onde ele quer, a outra me atinge diretamente na bunda, apertando. Sua boca cai contra a minha com um beijo duro. Não consigo me aproximar o suficiente dele. Minhas mãos empurram para cima e sob a camisa desabotoada. Eu arrasto minhas unhas para cima de seu peito coberto de algodão e em volta do pescoço dele. Com pequeno esforço e uma mão, ele me puxa até seu corpo com as pernas trancadas atrás do seu quadril. Ele não se move do nosso lugar no meio do meu quarto. Ele continua a me beijar com tanto poder que estou meio convencida de que eu possa derreter aqui em seus braços. É o beijo mais intenso e insano que eu já experimentei. Quando ele puxa para trás, longos minutos depois que me levou em seus braços, eu estou bêbada com prazer e meio que esfregando a protuberância pressionando contra o meu centro coberto de jeans, longe de chegar. Seus olhos pesados olhando profundamente dentro dos meus enquanto pressiona sua testa contra a minha. “Não até que eu tenha seu coração, querida.” Com isso, ele pressiona seus lábios de volta nos meus brevemente antes de me ajudar a me separar de seu corpo. Palavras não são faladas, mas a expressão em seu rosto está cheia de desejo carnal. Não há dúvida em minha mente que ao afastar-se e negar o que ambos queremos, isso está custando muito. Eu quero tanto correr atrás dele e dizer a ele que meu coração é dele, só assim ele vai me levar aqui e agora, mas sei que ainda tenho um pouco de medo dentro de mim que ele vai sair de novo, independentemente do que ele me diz. Não tenho certeza do que vai levar para me convencer de outra forma, mas eu sei que até que a dúvida se vá, não poderei dar a ele tudo de mim.


E parece que isso significa que vou ter que fazer sem ele, por enquanto. Senhor tenha piedade.

Uma hora e um monte de olhares aquecidos e beijos roubados depois, estamos em sua caminhonete e nos dirigimos para a estrada principal. Ele não falou muito e estou um pouco preocupada que o tenha deixado louco com a minha tentativa fracassada de sedução. Olho para ele, seu chapéu voltou a cabeça e queria ver seus olhos com clareza. Julgar o que está em sua mente. Éramos próximos quando crianças. Nós fomos separados, mas ainda éramos tão próximos quanto adolescentes podem ser quando um é secretamente apaixonado pelo outro - ou eu acho, agora que ele se abriu para mim, ambos estamos secretamente apaixonados um pelo outro. Seu humor nunca foi difícil de medir com um olhar em seus olhos, mas o que estava acontecendo em sua mente sempre foi um segredo. Eu percebo que a única maneira de saber com certeza o que ele está pensando é perguntar. Quase me consola saber que parte dele independentemente de quão irritante ainda possa ser.

não

mudou,

Não seja um bebê, Leighton. Comunique-se. Diga-lhe o que está em sua mente. Mais fácil falar do que fazer. Eu olho para ele, seu antebraço flexionando enquanto ele dirige a caminhonete. O único jeito que nós vamos avançar é fazer isso juntos e sem temer constantemente o próximo movimento desconhecido. Eu sei disso, mas porra se eu consigo fazer minha boca se mover.


“Desculpe-me,” digo alguns minutos mais tarde, suavemente, mas alto o suficiente para ser ouvida pelo zumbido de seus grandes pneus contra o asfalto. Ai. Eu fiz isso. Ele olha para cima, largando o volante tempo suficiente para derrubar o chapéu, me dando um olhar. “Pelo quê?” “Eu não deveria ter empurrado você.” Ele olha para frente na estrada, sem falar. “Eu só quero que você saiba isso, eu me desculpo, eu o empurrei, eu não me arrependo de qualquer coisa que eu disse. Eu quero que você saiba disso. Quero dizer, eu entendo se você não estiver pronto.” Eu vejo seus ombros se moverem enquanto ele dá algumas risadas silenciosas. “Bem, você não precisa rir de mim. Isso é difícil de falar como está, cowboy.” “Não estou rindo de você, querida.” “Então, o que é tão engraçado?” Eu estalo, perdendo minha paciência e jogando minhas mãos no ar. Seus ombros continuam a se mover. “É engraçado que você pense que não estou pronto. Eu já estive dentro de você, querida, e eu estou pronto para voltar lá em um segundo, se você vier ao redor do meu pau. Não tem uma maldita coisa a ver comigo não estando pronto.” “Você não precisa ser grosseiro.” “Eu não sou, Leigh. Estou sendo honesto com você. Não é que não esteja pronto, é que não estamos preparados. Eu quero que você acredite em mim quando eu digo que estou aqui para sempre e até que eu possa provar isso para você, eu não estou tomando isso. Eu não quero construir o que estamos começando com uma base de apenas sexo, mesmo que seja o melhor sexo que eu já tive.” “Que encantador.” Eu ri. “Eu ouço o que você está dizendo, mas como você vai julgar quando atingimos esse ponto invisível de aceitação em nosso relacionamento?”


“Nenhuma pista, Leigh. Eu acho que ambos saberemos quando chegarmos lá. Pode ser uma semana, pode ser um mês, inferno poderia levar menos ou mais do que ambos, mas até que eu pare de ver que você olha para mim com preocupação de que pode ser a última vez em seus olhos, vou continuar tentando provar para você que estou aqui para sempre.”


20 LEIGHTON “Poison & Wine” por Civil War

“Você sabe, nós poderíamos ter caminhado.” Ele ri imperturbável, sua mão apertando a minha. Ele não fala, mas o silêncio é confortável. Eu tenho um sorriso no meu rosto desde que ele estacionou sua caminhonete e exigiu que eu não me movesse até que ele abrisse minha porta. Meu sorriso pode ser um pouco maníaco, mas não posso ajudar com isso. Este Maverick - o que tive desde que eu abri minha porta na noite passada - é o que eu pensei ter perdido para sempre. Não há mais a guarda levantada, mantendo-o longe de todos ao seu redor. O peso que ele usava desde o fim da adolescência não pode ser encontrado em lugar nenhum. Ele realmente está me dando tudo dele. E tudo isso é lindo. “Nós poderíamos, mas onde está a diversão nisso?” Olho por cima do ombro para a caminhonete, aquela que estava perfeitamente limpa quando saímos da minha casa e meu sorriso cresce quando vejo a quantidade de lama presa a ele. “Faz muito tempo que fiz trilha. Quinn e eu costumávamos fazer o tempo todo, mas depois as coisas na loja foram acontecendo para ela e a PieHole manteve-me ocupada.... Simplesmente não achamos tempo. Esqueci o quanto eu amo isso.”


“Eu tenho marcas de garras no meu braço que me contam uma história diferente, querida,” ele diz com uma risada. “Oh, quieto. Esse passeio apenas me surpreendeu.” Seu riso profundo e alto soa à nossa volta, e eu sinto que meu coração pode explodir. Quando foi a última vez que vi isso? Sua risada descarada. Eu nem me importo que eu seja o alvo de sua risada. Com prazer volto da caminhonete, apanho a trilha e grito novamente. E cara, eu gritei. Compreendo por que ele está rindo. Dizer que eu fui pega de surpresa é um grande eufemismo. Você pensaria que estava prestes a sair da minha pele no primeiro grande buraco de lama que ele atingiu. E fiel às suas palavras, quando olho para o seu antebraço, estão brilhantes marcas de unhas vermelhas presentes. “Você terminou, cowboy?” Eu sorri. Ele ergueu a outra mão, seus ombros ainda tremendo. Eu simplesmente levanto uma sobrancelha e espero ele parar, meu sorriso cresce à medida que os segundos passam. “Você tem alguma ideia do que você faz comigo?” Ele pergunta de repente. Eu agito minha cabeça. Ele fecha a distância entre nós. “Baby, se esse é o tipo de reação que recebo de um passeio surpresa na lama, não posso esperar para ver o que acontecerá quando realmente nos deixar sujos.” Minha mandíbula cai. “Maverick, eu vou precisar que você não diga coisas assim quando você deixou claro que não fará nada sobre isso.” Sua mão livre aparece e toca minha mandíbula, sua expressão mudando. Seus olhos escurecem, enquanto o sorriso dele se transforma pernicioso. “Logo,” ele sussurra com promessa. “Sim, sim.”


“Prometa-me, que quando chegarmos lá, vou conseguir essas garras enquanto você grita assim novamente. Desta vez em meus ouvidos, no entanto.” Eu gemi, um pouco irritada e muito ligada. Mudando os pés, tento aliviar a tensão entre minhas pernas. “Você tem que parar de falar assim.” Um lado de seus lábios levanta e ele pisca. “Essa não é uma promessa que vou fazer.” Estreito meus olhos. “Então, faça algo sobre isso.” “Estou trabalhando nisso, querida. Você continua com esses pensamentos na minha cabeça, e não posso deixar de usar eles para construir isso, então é o melhor passeio que você já teve.” “Deus,” digo com um suspiro. “Pare.” “Vamos lá”, ele ri. Seus olhos ainda mantêm a paixão que acabei de ver ardendo, mas seu tom é brincalhão em vez de sedutor. Quando ele se vira, ele tem que puxar meu braço suavemente para que meus pés funcionem de novo, a minha mente ainda está pensando na possibilidade de outros passeios surpresa que vamos ter juntos. Não tenho dúvidas de que as garras vão sair e ele vai me fazer gritar de novo. Demora um segundo, minha mente ainda está confusa, mas quando paramos de caminhar alguns minutos depois, percebo onde estamos. Eu sei, que se as árvores não estivessem bloqueando minha visão, eu veria minha casa apenas a oeste de onde estamos em pé. Algumas centenas de acres na outra direção é o rancho dos Davis. E o meio de tudo isso é um campo dolorosamente familiar que eu sei ainda floresce brilhante na primavera com o mais bonito remendo de bluebonnets ao redor. Meu pai as havia plantado anos e anos atrás, um presente para minha mãe quando ela mencionou o quanto desejava que tivéssemos eles mais perto da terra da nossa família. Com a primavera, agora o campo está coberto com ervas daninhas e grama, para a próxima vez estação estará pintado em deslumbrante


cor. Se eu fechar os olhos, posso ver a beleza que voltará no próximo ano. É um dos meus lugares favoritos do mundo. Ou foi, há muito tempo. Quando eu finalmente consigo arrastar meus olhos do pedaço de terra espalhado diante de nós, e olhar para Maverick, ele está tão quieto. Seus olhos vagando pelo meu rosto, esperando com atenção para ver minha reação para onde ele nos trouxe. “Você sabe por que eu trouxe você aqui?” Ele pergunta, seu tom sério que me deixa livre do transe que minhas memórias dominaram. Engulo nervosamente. “Já faz muito tempo desde que eu vim aqui, Mav.” Ele solta minha mão, depois levanta e remove o chapéu. Quando ele empurra sua mão em seus cabelos grossos, tomo um momento para realmente olhar para ele. Aparentemente, ele parece relaxado, mas eu o conheço melhor. A camada de barba cobrindo sua mandíbula não pode esconder a forma como está se movendo e o que está acontecendo em sua mente. Eu não preciso ver seus olhos para saber que ele está trabalhando nas palavras que ele quer dizer. Depois de alguns segundos silenciosos, seus ombros enquadram e ele coloca seu chapéu de volta em sua cabeça. “Você se lembra de vir aqui comigo?” Ele pergunta suavemente. Eu concordo. “Claro que eu lembro.” “Eu acho que a última vez que estivemos aqui eu tinha acabado de completar 14 anos, talvez quinze. Quinn voltou para casa em torno do almoço depois de passar o fim de semana em sua casa. Lembro-me porque tinha acabado de comer um bocado do meu sanduíche quando peguei a mão do velho contra a parte de trás da minha cabeça. Ele me bateu tão duro apenas por perguntar se ele nos levaria para o antigo lugar de filmagem em Buckley naquela noite, que eu vi malditas estrelas surgirem na minha cabeça. Estava acostumado a estar no alvo da sua raiva, mas ainda não tenho ideia do que a provocou naquele dia. Quinn tinha entrado poucos minutos antes falando sobre como


belos os campos aqui pareciam agora que as flores azuis tinham começado o desabrochar.” “Mav.” Eu tento detê-lo, odiando ouvir quão ruim foi para ele. “Tenho que entender tudo, Leigh.” Eu aceno com a cabeça, dando alguns passos em direção a ele para pegar sua mão. “Eu sabia duas coisas naquele momento. Minha cabeça doía como uma cadela, mas não senti nada quando pensei sobre este campo. Sobre você. Joguei minha comida no lixo e bati a porta atrás de mim, sai de lá sem sequer falar uma palavra. Algo dentro de mim tinha que chegar aqui. Eu só precisava. Não seria possível explicar se eu tentasse.” “Lembro-me desse dia.” Eu percebi que ele estava sorrindo nervoso algumas vezes, mas não queria trazer isso, preocupada em quebrar o feitiço dele apenas por estar comigo. “Você estava tão bravo.” “Sim.” Ele grunhiu. “Eu estava até chegar aqui e você estava correndo por aí olhando para o céu com o maior sorriso suado no seu rosto. Seu cabelo era muito mais longo naquela época e eu juro por Deus que você parecia com um maldito anjo com aquilo dançando atrás de você. Eu poderia ter ficado louco, mas quando você parou e me deu aquele sorriso, a raiva que passava por mim acabou por desaparecer.” Penso agora naqueles momentos, o mesmo que começou nossas semanas de encontros esporádicos no mesmo local. Ele sempre parecia um touro enfurecido que montaria em um dos seus veículos, mas no segundo que ele sentava sua bunda na sujeira, era quase como se uma calma o tivesse tomado. “Eu posso até dizer-lhe quantas vezes eu voltei para esse ponto,” ele me diz, desviando o olhar de mim para um ponto atrás de seu ombro. Quando seus olhos se encontram com os meus novamente, eles não parecem tão preocupados quanto eles estavam minutos antes. “Venha.” Eu recebo um pequeno sorriso antes que ele me guie alguns metros atrás dele.


Ele olha por um segundo antes de cair no chão, puxando-me para baixo com ele. Sentamo-nos como costumávamos com as flores silvestres que nos rodeavam. Não espero que ele fale; em vez disso, eu me deixo cair em minhas costas, olho para o céu e deixo os anos se afastarem de nós. Ele limpa a garganta e eu sinto ele se mudar para deitar ao meu lado, colocando o chapéu no chão ao lado dele antes de pegar minha mão na dele. Eu não tiro meus olhos das nuvens. Mesmo naquela época, não desprendia os olhos das nuvens. Parte de mim sempre pensou que se eu fizesse isso, ele não continuaria falando. “Esta foi a primeira vez que eu disse a alguém sobre montar. A primeira vez que prometi, em voz alta, deixar essa cidade e ser o melhor cavaleiro que o rodeio já viu. Você não disse nada, mas quando eu disse que iria sair, você manteve minha mão tão apertada que quase chequei para ver se estava quebrada. Cada vez que saímos daqui você mudava. Você começou a olhar para mim de forma diferente. Eu acho que sabia, mesmo então, que você teria feito praticamente qualquer coisa para me ajudar a fazer minhas palavras uma realidade. Você nunca disse nada, deixou-me entender tudo, mas eu podia ver isso em seus olhos. Se eu tivesse perguntado, você teria deixado esta cidade comigo. E você queria que eu perguntasse.” Pisco de forma selvagem para evitar que as lágrimas escapem às suas palavras. “Tinha acabado de iniciar o ensino médio, não era nem mesmo suficientemente velha para saber o que diabos você estava pensando, mas ainda assim você teria feito isso.” “Sim,” respondo rouca. “A última vez que eu vim para cá, você se lembra do que você me disse?” Eu balancei a cabeça, tentando lembrar as palavras de uma adolescente bêbada de amor. “Você disse” - ele faz uma pausa e depois olha para mim “Maverick Davis, você vai ser o melhor Cowboy em todo o mundo e eu vou estar lá para cada percurso que você estiver gritando tão alto que ouvirá até em casa.”


Tenho que fechar os olhos; a batalha que venho vencendo com minhas lágrimas estava perdida, e eu as sinto rolar em minhas bochechas e na sujeira debaixo de mim. “Você não voltou aqui depois disso.” Minhas palavras dificilmente soam como aquela garota se sentira quando nunca voltou para o campo de flores selvagens. “Eu não fiz. Esse foi o dia em que percebi que eu tinha que fazer o que fosse necessário para garantir que você fosse capaz de encontrar seus próprios sonhos e crescer sem mim, arrastando você pelo caminho escuro, eu estaria preso.” “Você mudou muito depois da primavera. Aquele garoto que eu conheci se foi em um piscar de olhos.” Ele se move, e viro a cabeça para vê-lo inclinando-se com o cotovelo no chão, olhando para mim com arrependimento em seus olhos. “Foi uma das coisas mais difíceis que já fiz. Eu sei agora que poderia ter feito as coisas diferentes, mas para um garoto desesperado, era tudo o que eu podia ver. Não importa o quanto desejava diferente, não conseguia afastá-la deste lugar. Não quando você gostava tanto. Eu tive que deixar você encontrar você mesma.” “Por que você me trouxe de volta aqui?” Eu funguei, tentando livrar minha mente dessas memórias dolorosas. “Porque mesmo que este lugar eventualmente não tenha os mesmos sentimentos que antes, ainda é um lugar que eu olho com carinho, sabendo o quão próximos éramos na época. Sentei-me aqui e fiz planos para o meu futuro. Eu olhei para o céu enquanto estávamos lado a lado, flores ao nosso redor, e cada palavra que saiu da minha boca eu usei ao longo dos anos como uma promessa que eu não estava disposto a quebrar.” A mão que não está segurando seu peso aparece. Ele passa a ponta do dedo na minha testa, movendo alguns dos cabelos em seu caminho. “Parecia justo que eu a trouxesse de volta ao mesmo lugar que fiz todos aqueles grandes planos anos atrás e dar-lhe novos. Novos sonhos para um futuro que, desta vez, estaremos construindo juntos. Diga-me, por que você vendeu esta terra para Clay? “


“O que? Eu não entendo.” Sua pergunta faz a minha mente dar uma pausa, ainda estava presa em pensar sobre seus motivos por nos trazer aqui. “Quando você vendeu sua terra, por que você não manteve essa parte?” Eu me sento e sua mão solta o pedaço de cabelo que ele estava brincando nos meus olhos. Eu golpeio grosseiramente e depois giro minha cabeça para olhar para onde ele ainda está sentado. Ele segura meu olhar, mas se move para sentar-se como eu. “Você tem que entender, enquanto este lugar sempre foi especial para mim por causa de você, também tinha um monte de memórias de meus pais. Com o tempo, tudo o que fazia era me lembrar de tudo o que eu tinha perdido. Esta é a primeira vez que eu estou aqui em quase oito anos.” “Por quê?” Eu solto um sopro de ar. Sinto que outra lágrima cai, mas ele se estende e a afasta antes que eu possa. “Quando eles morreram tão de repente, senti como se tivesse perdido tudo. Um acidente de carro e poof, eles tinham ido. Eu estava tomando aulas on-line, trabalhando para obter meu diploma de negócios, com planos de ajudar o papai por aqui. Claro, tudo mudou quando eles se foram. Eu não estava realmente em um bom lugar, mas foi por causa dessa perda que eu consegui encontrar meu novo caminho. Durante esse tempo, percebi que estar aqui, cuidando do rancho e tudo, não era o que eu queria. E para ser sincera, foi muito doloroso estar aqui e não só lembrar deles. . . Mas você também. Eu simplesmente não podia me segurar, mas também não queria que isso fosse embora. Eu sabia que Clay não venderia a ninguém mais. Então, acho que, na minha pressa de esquecer, afastei-me de todas essas lembranças de uma vez só.” “Quando você abriu o PieHole?” “Alguns anos depois de terem ido embora. Quando estava na cozinha, os cheiros de Mama ao meu redor, eu não me sentia tão


sozinha. Era minha maneira de fazer novas lembranças sem ter a dor das antigas.” “Então,” ele diz, estendendo sua mão para agarrar a mão mais perto dele. “Você vendeu, mas você fez isso de uma maneira que você ainda poderia continuar com isso?” Meu sorriso balança, suas palavras me lavando. “Eu acho que eu fiz. Eu não fiz isso com esse propósito, mas quando você diz assim, sim... Eu acho.” “Fico feliz que Clay teve a certeza de que isso não foi perdido. Eu sei que seus pais significaram muito para você, Leigh. Eu estou me desculpando, que eu não estava aqui para ajudá-la através de sua perda.” Eu agito minha cabeça. “Foi há muito tempo, Maverick. Não leve isso em seus ombros.” “Foi, mas eu sei que você não sente falta deles menos porque esse tempo passou.” Ele aperta minha mão e olha do meu rosto para a terra que nos rodeia. Eu uso a interrupção em nossa conversa pesada para conectar minhas emoções. “Eu conversei com Clay por muito tempo ontem. Eu percebi que eu tenho falado desde que voltei que eu estava aqui para ficar, mas eu não tinha feito merda para fazer com que todos vissem isso. Eu sabia que ele tinha essa terra, ele me disse quando ele comprou, mas não foi até ontem que percebi que ele fez isso para me ajudar tanto quanto você.” “Como ajudar você?” “Ele se assegurou de que você não saísse. Eu acho que ele sabia que nosso tempo iria vir e ele fez o que podia para mantê-la aqui... Enquanto eu fazia meu caminho de volta para você.” “Eu acho que você está sacando,” eu digo rápido a ele. “Nah, querida, tudo faz sentido agora. Você verá. Diga-me, onde você nos vê em alguns anos?”


Bem, se essa não é uma questão carregada. “Honestamente, não me deixei pensar com muita antecedência, Mav. Eu estou continuamente envolvendo a cabeça em torno do fato de você estar de volta à minha vida - da maneira que eu sempre quis que você fizesse.” Desta vez, seu sorriso não aguentando a tristeza pesada que nossa conversa criou. Seus olhos dançam. “Por que você não me deixa ajudar a pintar essa foto para você? “ “Dê a sua melhor foto, cawboy.” “Pedi a Clay que me deixasse comprar essa terra dele,” ele solta as palavras apressadamente. Meus olhos se alargam. De todas as coisas que eu pensava que ele diria, definitivamente não era uma deles. “Eu sei que montar como eu fazia não é algo que eu posso fazer mais, mas o rodeio está no meu sangue, Leigh. Quando eu fui forçado a me sentar e a olhar para a minha vida agora que montar foi embora, eu sabia que não podia desistir completamente. Minha esperança é que, com sua benção, eu possa manter essa parte da minha vida, mas desta vez estarei fazendo com você ao meu lado, compartilhando essa nova parte da minha vida, a cada passo do caminho.” “Eu realmente não estou seguindo você, Maverick.” E eu não estou. Não tenho ideia do que ele está falando. “O que comprar esta terra de Clay te ajuda? “ “Eu quero começar a ensinar.” Suas palavras são tão cheias de orgulho e emoção que não posso deixar de sentir o mesmo zumbido sobre a minha pele. “Ensinar o quê?” “Levará algum tempo, mas, eventualmente, planejo abrir uma espécie de escola. Quero que os jovens tenham um lugar para aprender quando eles têm grandes sonhos e até um talento maior, mas nenhuma maneira de tornar uma realidade. Eu conversei com Clay sobre isso e mesmo que hesite, eu sei que ele pode ver a visão que eu tenho. Então, é isso, eu criando raízes que nunca serão desenterradas, mas fazendo


isso no único lugar que eu já senti que eu poderia realmente chamar de casa.” Eu olho em volta, vendo em minha mente a terra que nos rodeia. Há tanta propriedade que eu tenho dificuldade de ver exatamente o que ele faz em sua cabeça. “Aqui mesmo?” Pergunto, apontando para a área à nossa volta. “Aqui não. Este é o nosso lugar e não vou dar isso a mais ninguém. Do outro lado da terra que você manteve, há quase duzentos acres. Eu compraria tudo de volta dele, mas essa parte seria intocada. O resto será, eventualmente, um campo de treino. Íntimo e com inscrição baixa. Eu vou ter algum tipo de dormitório e habitação construída em torno das principais áreas de treinamento para as pessoas que eu vou contratar e as que se inscreverem. Eles serão capazes de aprender tudo, diferentes áreas construídas para cada campo oferecido e um treinador pessoal para cada um. O maior será planejado para que os touros sejam guardados para que os cavaleiros treinem.” “Você quer construir uma arena?” Ele ri. “Não é tão grande como as que você está acostumada a me assistir, mas esses cowboys, com certeza sentirão o gosto disso.” “E você?” “O que você quer dizer?” “Em todos esses planos, onde você vai chamar de casa?” Seu peito se eleva enquanto ele respira profundamente. “A resposta longa, eu terei alguma coisa temporária sobre isso enquanto estiver sendo construído. A resposta curta, onde quer que você esteja.” Estou com uma perda completa de palavras, e isso é visível. “Uau,” eu finalmente digo. “Isso é muito para começar.” Ele ri baixinho. “Sim é. Eu quero que você saiba, nada disso acontecerá sem sua bênção. Eu não vou em qualquer lugar. Se você não quer isso na terra que seu pai costumava trabalhar, basta dizer a palavra. Eu vou procurar outro lugar em Pine Oak, mas não importa o que aconteça, está acontecendo nessa cidade. Raízes de aço, querida. Não vou em qualquer lugar, exceto onde quer que você vá comigo.”


“Aqui,” eu sussurro. Fecho meus olhos, tentando o meu melhor para ver o que ele explicou, mas a única coisa que posso ver é ele, sorrindo para mim enquanto ele constrói seu novo sonho. “Você pertence aqui, Maverick. Eu sei que o papai iria concordar comigo se ele ainda estivesse aqui, não poderia pensar em mais ninguém que preferiria trazer a vida a este lugar novamente. Construa seu sonho, querido.” A pressa da certeza absoluta enche meu corpo. Eu sei sem uma única dúvida em minha mente que este homem deve ser meu, e com a mesma convicção, eu sei que ele sente isso também. As palavras dele e ações me provam que seu coração está nisso tanto quanto o meu. Ele se move rapidamente. Suas mãos estão chegando para me puxar para ele. Nossas bocas se conectam. “Nosso sonho, querida. O nosso.” Com essas palavras, sussurradas contra meus lábios, sentamos no mesmo campo onde os velhos sonhos foram uma vez falados, e fizemos novos.


21 MAVERICK “H.O.L.Y.” pela Florida Georgia Line

“Venha então, cowboy. Mostre-me onde serão esses nossos novos sonhos.” Pela primeira vez desde que fomos para longe de sua casa, sinto que o nervoso desaparece. Eu trabalhei tanto por essa conversa com ela que eu tinha estado perto de vomitar antes que eu pudesse chegar as palavras. Mas eu não deveria ter me preocupado, não com Leigh. Essa garota pode precisar analisar a maior parte da merda em sua vida, mas apenas como costumava ser entre nós, ela nunca precisava muito para me seguir com todo o seu coração. E eu vou ter certeza de que não se arrependa de colocar esse tipo de confiança em minhas mãos. Eu paro, pegando meu chapéu no chão no meu caminho para cima, e limpo a sujeira úmida da minha bunda. Eu deveria ter pensado um pouco melhor. Tinha chovido muito ontem, não só nos dando um grande lamaçal nas trilhas - mas desde que eu não trouxe um cobertor para sentar, nossas bundas estão agora sujas e molhadas. Não é preocupação para Leigh, no entanto. Ela fica de pé, olha para trás e ri. O som vai direto para minha virilha. Como sua atenção não está em mim, pego a espessura incomoda e ajusto rapidamente, sem tirar os olhos da sua bunda. Quando eu olho para cima do ponto molhado


que ficarmos sentados fez nos seus jeans e encontro seu olhar, eu sei que ela me pegou, no entanto. “Precisa de ajuda?” Pergunta com uma piscadela. “Ainda não.” Ela rola os olhos, mas segura a mão na minha. Pego e deixo ela me levar de volta a caminhonete. Uma vez que ela se instalou, ando rapidamente até o lado do motorista e subo. “Eu vou dirigir e pegar um quadriciclo de Clay. Você quer vir, ou você quer que eu a pegue depois?” Ela sorri, larga e cheia de dentes. “Eu estou com você, cowboy. Lidere o caminho.” O motor liga com um rugido alto e eu nos conduzo de volta através da trilha enlameada, certificando-me de bater cada depressão profunda no caminho. Os sons de seus gritos excitados fazem meu rosto doer de rir malditamente. Foda-se, essa garota. Quando saímos da estrada para a unidade que nos levará até a casa principal, não sinto nem um momento da trepidação normal que costumava fazer. Eu não sinto a necessidade arranhando para estar em qualquer lugar, exceto aqui. Não com ela ao meu lado. Com isso em mente, eu alcanço e pego sua mão. Ela olha de onde ela estava olhando por sua janela e me dá um grande sorriso. “Você ainda não gosta de estar aqui?” Ela pergunta, sabendo sem palavras que este não é um lugar que eu gostaria de estar. “Não é tão ruim quando você está comigo.” O que cruza sua expressão é nada menos que o arrebatamento. Ela adora saber que a sua presença me acalma e não tem medo de mostrar isso para mim. “E quando eu não estou?” “Eu odeio cada segundo.”


Ela limpa a garganta e eu olho para longe do carro e do perfil dela. Seus lábios estão enrolados e aquele pequeno espaço entre as sobrancelhas está enrugado. “O que é isso?” “Estava pensando, agora que entendo por que você não gosta de estar aqui e tudo, por que você não fica na minha casa, por um tempo? Você poderia ficar no quarto de hóspedes se você quiser seu próprio espaço, mas pelo menos você não estaria aqui.” Sua última palavra se mostra dura, como se ela estivesse vendo este lugar pelos meus olhos e não suporta o pensamento de estar aqui mais do que posso. “Baby, se eu estiver em sua casa, não vou estar em um maldito quarto.” “Oh.” Ela engasga. “Bem, também está bem... Quero dizer, se você não precisa do seu espaço e de tudo.” “A última coisa que quero de você é espaço, Leighton, mas você está me pedindo para me mudar para sua casa. Isso não é algo que deveria ser oferecido sem realmente pensar nisso.” “Eu não quero você aqui,” ela revolve sentenciosamente. “Te quero comigo.” “Um dia de cada vez, baby. Não há nada naquela casa que é minha, exceto uma bolsa de lona. Ainda não foi desembalada. Nós não precisamos tomar decisões como essa agora.” Eu digo as palavras, mas meu peito aperta no pensamento de que ela me quer na casa dela. Não só porque ela sabe por que é difícil estar aqui, mas também porque ela me quer com ela. Ela cutuca e cruza os braços, o movimento empurrando o peito para cima. Eu lambo meus lábios nas ondas que estão expostas de seu decote baixo. Por que diabos eu disse que não foderíamos? Oh, sim, porque eu tinha uma grande ideia de que, quando estivermos lá, da próxima vez seria porque ela me deu toda ela. Movimento inteligente mais estúpido que já fiz.


“Você está na minha cama esta noite,” ela exige, seu tom não deixando espaço para discutir. “Sim, senhora,” eu zombo. “Quero dizer, Maverick. Se você não estiver na minha cama, não pense que não encontrarei uma maneira de amarrá-lo como eu disse que faria. Eu. Não. Quero. Você. Aqui. E não quero dizer esta noite, cowboy.” Deus, ela é linda quando está chateada. “Baby, acalme-se. Não há qualquer lugar que eu prefira estar. Eu vou estar lá hoje à noite. Podemos conversar sobre o resto mais tarde.” “Bom. E você está trazendo esse saco de lona com você. É hora de desempacotar.” Uma sobrancelha arqueada sobe, desafiando-me apenas a me atrever a discutir com ela. Eu ri, balançando a cabeça com um sorriso e pulo da caminhonete. Eu olho para cima quando ouço meu nome e dou um aceno para Clay. Eu sei que ele não pode ver na minha caminhonete, não com essas películas de janela pretas e foscas sobre eles. Mantenho meus olhos nele enquanto eu ando, esperando ver sua reação quando Leigh sair. Sua expressão estoica assistindo todos os meus movimentos. “Onde você esteve?” Ele chama bem quando eu abro sua porta. “Comigo!” Leigh sai do carro com um salto, acenando para Clay. Clay nem sequer tem a chance de reagir antes de um brilho de cabelo preto e roupas cor-de-rosa correr com pressa saindo da casa. “Cale a boca, sua chata! É melhor você falar tudo neste segundo!” Eu não desvio do meu irmão, querendo ver com meus olhos como ele se sente sobre Leigh estar comigo. Eu sei o que ele disse ontem, mas algo dentro de mim precisa saber que ele está feliz conosco juntos. Quando Quinn está prestes a alcançar Leigh, ele tem um grande sorriso no rosto. Tenho um aceno de cabeça antes dele pisar na varanda e dirigir-se para nós.


Quinn bate em Leigh com tanta força que ambas caem no chão. Um segundo eu tinha minha mão descansando contra a parte inferior de suas costas, e no próximo fiquei sem e duas mulheres adultas rindo no chão na minha frente. O cascalho não pode parecer bem contra as costas de Leigh, mas você não saberia por que ela estava com um grande sorriso no rosto. “Sua cadela sorrateira. Eu liguei para você ontem à noite e você disse que iria ler antes de ir para a cama.” Leigh ri e olha para mim. “Eu tive uma mudança de planos.” Eu olho para ela. Nossos olhos se comunicam tanto, não precisando de palavras. “Eu vejo. Uma grande mudança de planos.” “Ele não estava pensando.” Quinn senta-se. Eu não posso vê-la, mas a julgar pelo rubor que cobre todas as polegadas expostas do rosto de Leighton das raízes do cabelo até o topo do peito, minha irmã deve ter feito algum tipo de gesto grosseiro. “Você não se atreva,” Leigh sussurra firmemente. “Não me atrevo o quê? Comente sobre o que deve ter acontecido para fazê-lo parar de matutar?” Ela ri maliciosamente. “Quinn, feche a boca,” ela diz. “Bem. Tudo bem, a boca está fechada.” Quinn sai do chão e prende a mão para Leigh, para ajudá-la a levantar. Eu estava prestes a abrir a boca e perguntar a ela onde estava o meu abraço, mas ela vira no segundo que Leigh estava de pé, e a expressão em seu rosto me fez fechar a boca. “Você sabe o que eu quero,” ela me diz com um tom duro. “Uh,” eu murmuro. “Você sabe o que estou esperando,” ela continua, abanando as sobrancelhas. A clareza me atinge, e eu tenho que morder uma risada. A conversa que tive com ela no celeiro quando ela estava tentando


descobrir o que estava acontecendo entre Leigh e eu volta depressa. “Como você sabe, me deixa preocupado deixá-la sozinha sabendo que há uma maior chance de conseguir o que quero, se você não assustar minha garota antes mesmo de ter uma chance de nos levar para lá.” “Não tenho certeza se isso é bom o suficiente.” Tão estranha, minha irmã é. “Vai ter que ser.” “Sobre o que vocês estão falando?” Clay pergunta, entrando em nossa pequena discussão. “Nada que vale a pena repetir agora,” eu digo a ele, meus olhos ainda estão em Quinn, então ela sabe que tem que ficar com a boca fechar. “Você disse sua garota.” Quinn exprime as palavras, seus olhos arregalados enquanto ela olha entre mim e Leigh. “Você disse . . . Santa merda! Você disse SUA MENINA!” Ela grita a última parte e deixa sua boca aberta. Leigh ri de novo, mas não responde a Quinn. “Você sabia sobre isso?” Quinn continua, olhando para Leigh. “Uh, sim... Ao ver que eu sou a garota em questão, acho que é um bom palpite, Q. “ “Você sabia e não me disse!” Leigh se aproxima de mim, envolvendo o braço em minhas costas e cavando os dedos no meu lado. Eu olho pra baixo e veja sua piscadinha, retornando o gesto e puxando-a mais perto do meu lado com um braço sobre o ombro dela. Seu outro braço aparece, os olhos largos de Quinn seguindo o movimento, e repousa contra o meu estômago. Sinto que meus abdominais contraem com o menor contato dela. “Nós estamos dizendo a você agora, Q.” “Ohmigod. Ohmigod. Oh. Meu. Deus,” minha irmã murmura em voz baixa, os olhos ainda mais largos. “Clay,” ela diz com um suspiro, estendendo a mão cegamente atrás dela para encontrá-lo, sem olhar para longe de nós dois.


“Clayton!” Ela grita quando sua mão não consegue encontrá-lo. “Jesus, Quinn, respire,” ele resmunga, agarrando a mão antes que ela pudesse derrubá-lo. “Está acontecendo,” ela respira. “Você é a pessoa mais estranha do mundo,” Leigh diz, rindo. “Eu sabia que um dia isso aconteceria. Eu simplesmente sabia disso.” Leigh aperta meu lado, mas estou muito ocupado rolando meus olhos para minha irmã para ela chamar minha atenção. “Você está feliz por nós?” Leigh pergunta. Algo em seu tom me deixa finalmente afastar de Quinn. Quando eu olho para baixo e afasto para que eu possa ver seu rosto, eu sei que esta é uma pergunta que não está sendo perguntada levemente. Ela realmente quer saber se Quinn está feliz. Como ela tem que questionar isso com a maneira como Quinn está agindo vai além de mim, mas mantenho a boca fechada e aperto meu controle. Ela precisa disso, por qualquer motivo. “Deus, sim”, Quinn respira. “Você não tem ideia de como estou feliz. Por ambos, “ela acrescenta, olhando para longe da menina nos meus braços e de volta ao meu rosto. “Muito feliz por você.” Eu sei que a última parte é para mim e sozinho. Eu aperto meu maxilar quando a emoção queima e machuca minha garganta. Droga, isso é bom. “Apenas no caso de alguém se perguntar como eu sinto, eu só quero adicionar, já era tempo.” Todos nós rimos, as meninas estão um pouco bambas, quando Clay finalmente fala, sua voz profunda levando todos nós. Sim, isso é realmente bom.


Depois de deixar Clay e Quinn, pegamos um dos quadriciclos e saímos. Leigh sabe como andar, mas mesmo que me segurar não seja necessário, ela ainda mantém seus braços embrulhados em torno do meu estômago. Sua cabeça descansando entre meus ombros parece quase tão bom quanto as mãos esfregando contra meu tronco. Porque a fazenda Davis é tão grande, nos leva um pouco para alcançar a linha que separava os dois ranchos. Como Clay não usa mais essa parte de nossa propriedade, e não há mais animais sendo alojados no antigo rancho de James, o portão havia sido derrubado, mas nunca esquecerei a linha que me levava para o meu santuário. Um pouco mais tarde, acompanhado de alguns gritos e risos provenientes de Leigh quando acerto os buracos desiguais da terra que estamos cavalgando, nós puxamos para a parte da propriedade que eu estava falando para ela mais cedo. Não parece muito agora. O antigo celeiro ainda está em boas condições, mesmo que não tenha sido usado em anos, mas precisaria de trabalho. Eu nunca permitiria que esse fragmento de seu passado fosse derrubado, então é um grande foco no que eu espero criar aqui. Ela sai, dando um aperto ao redor do meu meio antes de fazê-lo, e olha ao redor dela com as mãos nos quadris. Seu rosto parece sereno, enquanto ela absorve tudo. Imagino que ela esteja vendo o que costumava ser também. Como o que será. Seu pai era um maldito de um rancheiro bom e você pode ver isso em quão bem este lugar ficou com pouca ou nenhuma manutenção ao longo do tempo. “Eu quero transformar o celeiro na sala de estar. Eu vou ter que organizar, adicionar uma cozinha na parte de trás, mas eu quero ser capaz de manter uma parte de seus pais aqui quando construirmos essa coisa.” Ela olha demonstrando surpresa. “Nós?” “Sim, querida. Isso é tão seu como é meu.”


Sua mão sai do quadril e ela se aproxima de mim. “Significa muito que você disse isso, Maverick, muito, mas querido, isso é tudo seu.” Agarrando sua mão, balanço minha perna sobre a parte de trás do veículo com quatro rodas e pulo na grama ao seu lado, mantendo sua mão firmemente na minha. A cabeça dela levanta e ela continua a sorrir para mim. “Pensei que deixei claro, mas não há nada do que eu faço a partir deste ponto, que não é sobre os dois.” “Você fez. Eu estava apenas dizendo, bem, eu não queria que você pensasse que tinha que fazer as coisas de uma certa maneira porque esta costumava ser a terra da minha família. Não há nenhuma expectativa para mim. Eu ainda vou te apoiar nisso cem por cento.” Puxando-a nos meus braços, eu espero que seus dedos entrem no meu cabelo, desejando que meu chapéu não estivesse, então ela teria mais espaço para brincar. Com a cabeça inclinada e o corpo pressionado no meu, eu me sinto como o mais sortudo bastardo na terra. Isso é tudo o que é preciso, ela em meus braços e esse sorriso focado em mim. “Eu não acho que você saberá o quanto isso significa para mim, Leighton.” Seu rosto se torna suave e o sorriso que amo tanto cresce um pouco. Ela não fala, mas seus olhos me dizem o que eu quero ouvir. Ela está feliz, muito feliz se eu a estiver lendo direito. Eu juro ali mesmo com um pequeno beijo na sua testa que não vai passar um dia sem que eu tenha certeza de que ela sempre se sinta como ela faz agora mesmo, todo dia.


22 LEIGHTON “Heartbeat” por Carrie Underwood

Não posso acreditar na diferença que apenas um dia faz. Na noite passada fiz uma promessa para ver isso. Para abrir meu coração novamente e seguir em frente. Claro, eu também fiz essa promessa sem saber se eu iria avançar com ou sem ele, mas de pé aqui agora em seus braços, eu estou mais feliz que já estive na minha vida. E é tudo por causa dele. Bem, talvez não tudo por causa do Maverick. Saber que Quinn e Clay apoiam isso e estão felizes por nós percorre um longo caminho na minha mente, solidificando que estou no lugar certo – ao seu lado. Vendo o homem que Maverick se transformou e sabendo porquê ele era o adolescente irritado que era naquela época também me fez perceber que, se tivéssemos tido nossa chance, talvez não fossemos fortes o suficiente para seguir através dos problemas que o perseguiam. Não me interprete mal, eu sei que ele ainda está agarrado a essa dor, mas as feridas não são tão frescas quanto antes. Ele é mais forte. Eu sou mais forte. Juntos, só sei que seremos inquebráveis. Isso, aqui e agora, é o nosso tempo. A única coisa que me impede de acreditar sem nenhuma dúvida é o conhecimento de que ele ainda


tem que soltar toda a dor que tem dentro dele porque, até que faça não estou convencida de que ele não vai embora quando as coisas ficarem difíceis de lidar emocionalmente. Ele também sabe disso. Tudo o que ele me disse na noite passada atesta isso. A única coisa que posso fazer é prometer que eu estarei lá para ficar ao seu lado e ajudá-lo a cada passo do caminho. Começando agora. “Venha, cowboy,” digo suavemente. “Conte-me sobre seus planos.” Ele me dá um sorriso torto antes de pressionar outro beijo na minha testa. Seus braços deixam o laço que eles tinham no meu corpo, virando-me para que eu estivesse presa debaixo de um braço e com uma grande mão em volta do meu ombro. “Como eu disse, o celeiro servirá como refeitório, mas também será um lugar para todos relaxarem e jogar conversar fora. Minha esperança é fazer metade cozinha e sala de jantar, com a outra metade com sofás e um centro de entretenimento. Eles podem assistir vídeos de si mesmos que serão filmados para aprender o que eles precisam melhorar, mas também poderão assistir filmes e outras merdas.” “E merdas.” Eu ri. “Então, basicamente, uma sala de estar e uma cozinha em um único celeiro gigante?” “Isso é certo,” ele responde com um sorriso na sua voz. “No lado esquerdo do celeiro, onde não há muita terra, vamos ter algumas pequenas cabanas construídas. Como eu quero manter isto de certa forma exclusivo, o plano é ter de cinco ou mais cavaleiros aqui de cada vez. Cada um terá seu próprio quarto e banheiro, mas todos irão compartilhar uma cabana. As outras cabanas serão construídas mais como pequenas casas para os instrutores e funcionários para terem um tempo com eles mesmos. Eu acho que, saindo da terra que eu quero dedicar a isso, vou ter quase dez cabanas em tudo. Os cavaleiros tendo a maior.” “Uau,” respondo, olhando para a área de terra que ele havia apontado e imaginando sem problema o que ele está dizendo. “Que tipo de equipe você terá na mão?”


“Pelo menos, três instrutores além de mim. Cada um com uma especialidade diferente para oferecer aos cavaleiros. Uma vez que vamos nos concentrar em montaria de touro exclusivamente, por agora, pelo menos. Isso pode mudar com o passar do tempo. Eles terão um cozinheiro, bem como um médico a disposição. O médico ajudará com tudo, desde necessidades médicas até ensiná-los a usar seu corpo como uma ferramenta.” “Você realmente pensou em tudo,” elogio, olhando para ele. “Sim, querida. Como eu disse, raízes reforçadas com aço.” Meu estômago cai em suas palavras. “Diga-me mais,” eu solicito com uma inclinação na minha voz. Maverick passa a próxima meia hora andando pela terra, explicando onde ele quer construir as coisas. Com paciência me explica onde cada “área de treinamento” se concentrará, e por que, realmente me ajudou a compreender a magnitude desse empreendimento. Eu honestamente não percebi quão grande eram essas raízes aplicadas pelo aço nele, mas ouvir sobre isso ao visualizar seus planos deixoume sem dúvidas de que algo desse porte não estaria acontecendo se ele não estivesse nisso a longo prazo. “Então, haverá duas arenas para montaria,” ele continua. “Uma para a prática e a outra para simular um rodeio no campeonato. Eles usarão tudo que aprenderam aqui naquela arena. Nós os julgaremos assim como eles seriam se estivessem no circuito montando para o grande prêmio. Eles serão classificados em todos os procedimentos de chute, habilidade para montaria e a técnica para desmontar. Eles serão filmados cada vez que eles pularem nas costas de um touro nesta arena, então, quando eles saírem daqui eles montarão tão facilmente quanto respiram.” “Deus, Mav. O que você está fazendo aqui é incrível. Este lugar vai ser outra coisa.” “Espero que sim. Eu comecei a colocar alguns sensores, para ver quem eu posso puxar para este lugar comigo. Estou animado, Leigh e querida, isso não é algo que eu sentia por meu futuro há muito tempo.”


“Eu sei que você está. Eu não posso esperar para ver você trazer esse sonho à vida. Vai ser lindo, eu só sei disso. Você vai ter tantas pessoas reunidas em Pine Oak para serem treinadas pelo ‘Imparável' Maverick Davis.” Seu rosto torna-se sério e sinto meu sorriso escorregar um pouco. “Juro por Deus, Leigh, ouvindo quanta fé você tem em mim – nisto – significa o mundo, mas eu estou dizendo agora, se eu não tiver você ao meu lado a cada passo, tudo isso...,” ele se afasta e olha em volta de nós antes de chamar minha atenção novamente, “...tudo isso não significa nada se eu não tiver você. Tudo o que desejo para o meu futuro é construído em torno de nós estarmos bem entrelaçados. Eu não quero fazer isso sem você. Você entende isso?” Eu aceno com a cabeça, não confiando na minha voz para falar. “Não é só eu para mim que estou construindo isso. Quero isso aqui, no antigo rancho da sua família, não só por causa da paz que este lugar me traz, mas porque este é o primeiro passo unindo nossas vidas juntas.” “Não tenho certeza do que dizer, Maverick. Parte de mim quer gritar que é muito cedo para estar tomando decisões que significam para sempre, mas uma parte ainda maior de mim sabe que nada que possamos fazer será muito cedo. Nem nós. Não estou dizendo que não estou nervosa – eu estou –, mas eu sei que algo que parece certo não pode estar errado. Estou com medo, mas muito desse medo é devido ao quanto eu me importo com você. Não estou perdida quando estou com você. Eu não sinto mais a solidão dolorida. Meu coração bate forte e verdadeiro novamente. Tudo o que eu sempre quis Maverick, é isso que você está nos oferecendo aqui. Então eu acho que o eu estou tentando dizer é sim, apesar de ter tanto medo desse futuro, vou estar aqui a cada passo do caminho.” Ele se inclina e pega minha boca em um beijo lento e ardente, inclinando a cabeça apenas para não ter o seu chapéu derrubado. Quando sinto sua língua traçar meu lábio inferior, abro com um suspiro. Nossas línguas se entrelaçam juntas, e eu sinto fogo formigando através dos meus nervos quando suas mãos enrolam em torno do meu corpo, segurando-me perto dele. Meu próprio punho nas


mãos do material macio de sua camisa, desesperada por encontrar algo para segurar quando minhas pernas começam a tremer. Quando rompemos com um suspiro, eu olho para os lábios cheios e sinto um tremor que me atravessa quando vejo quão feridos e inchados estão. Tudo do nosso beijo. Julgando como seu foco também está nos meus, eu não tenho dúvida que eles parecem exatamente como os seus. Eu sinto que fui marcada. Eu espero ter sido marcada, porque nunca haverá outro homem para mim, agora não... nem nunca.

Após a nossa conversa, passamos mais um tempo caminhando pela terra. Vendo o meu antigo lugar em uma nova luz agora que tenho uma boa imagem do que Maverick está planejando para construir sua escola de treinamento. Eu não estava com pressa de sair, no entanto, algo que eu disse me certificava de dar voz a Maverick. Seu sorriso de resposta me disse que estava se sentindo do mesmo jeito. Esse tempo juntos era algo que ambos precisávamos. A partir de sua própria admissão, eu sei que nós dois sentimos o peso opressivo de nossa solidão. Mas juntos agora, há uma felicidade que enche o ar que não pode ser negada. Eu sei que para mim, esse não é um sentimento que eu não estou com pressa para interromper, e tenho certeza de que ele sente o mesmo. Levamos algum tempo antes de voltar para sua caminhonete saltando sobre o quadriciclo e correndo pela propriedade. Eu não sinto a tristeza pesada que costumava pendurar dessas pastagens como uma neblina espessa. Elas podem ter perdido o meticuloso padrão de perfeição que meu pai manteve em seu rancho ao longo dos anos, mas mesmo coberto de vegetação, eles ainda mantêm a pegada dos meus pais. Agora com Maverick aqui comigo, e o conhecimento de que ele vai


estar respirando uma vida inteiramente nova nesta terra, não posso limpar o sorriso agridoce do meu rosto. Meu pai ficaria tão orgulhoso. Não apenas dos planos que Maverick tem para este lugar, mas também por causa do homem que ele se tornou. Ele sempre amou Maverick, tanto quanto ele amava Clay e Quinn, mas como sua filha, ele tinha um fraquinho para o garoto Davis do meio. Depois de ouvir uma conversa entre ele e minha mãe, eu sei, mesmo que ele nunca tenha me dito diretamente, ele estava muito ciente da paixão da sua única filha por Maverick. Nunca esquecerei as palavras que ele sussurrou para a mãe. Ele disse, “É maior do que a vida, como ela se sente por esse menino e não poderia estar mais feliz com isso, mas ele deve descobrir seu próprio coração antes que ele possa aceitar o dela. Marque minhas palavras, querida, isso acontecerá um dia. Eu só sei disso.” Eu queria que ele estivesse aqui para ver que finalmente aconteceu, mas eu sei que em algum lugar lá ele está sorrindo para nós. Maverick me deixa em casa depois de voltar para a caminhonete dele. Quinn não está lá, felizmente, então eu estou salva de outra queda no chão com sua excitação. Ela também não ligou e estou igualmente agradecida que ela está me dando algum tempo para envolver a cabeça em torno do novo status entre o seu irmão e eu. A caminhonete de Clay está lá, mas ele não veio falar conosco dessa vez. Clay está sobrecarregado, outra coisa que Maverick me disse, mas algo que eu também soube de Quinn. Antes que Buford morresse, Clay tinha passado muito tempo na loja com ela. Ajudando a encontrar novas maneiras de crescer o negócio, não que eles precisassem disso, ela estava tão inundada quanto minha padaria. Eu sei que Clay esperava conseguir que tanto a loja quanto o rancho corressem de uma maneira que ele poderia supervisioná-los por trás dos bastidores como o proprietário, mas isso não aconteceu ainda. Ele ainda é muito workaholic13, só que desta vez o peso nos seus ombros é muito mais pesado.

13

Pessoa viciada em trabalho.


Maverick me deixou quase uma hora atrás, dizendo-me que ele voltaria depois que ele “lidasse com alguma merda.” Eu não tenho certeza de que merda ele precisava lidar, mas fiquei um pouco aliviada por ter um tempo sozinha. Tanto aconteceu em tão pouco tempo que minha cabeça parece que literalmente pode começar a girar. Não é que eu esteja reclamando. Ainda assim, é bom ter um pouco de calma para os meus pensamentos. Adicione a isso, Maverick me dizendo que ele estava me levando para um encontro esta noite, minha mente giratória chutou em excesso. O encontro em si é um grande negócio porque ele não está apenas me mostrando que ele está sério sobre nós, mas ele vai mostrar a cidade inteira. E com uma cidade como Pine Oak que prospera na próxima maior fofoca da história, vamos ser notícia por muito tempo. Não é apenas a história de nós dois que eles estão tão fascinados, não me interpretem mal, eles estão... Mas também é ele. Sua partida de Pine Oak foi assunto por anos depois do fato, mas com ele voltando e voltando um pouco famoso – tudo bem, muito famoso – Ele está sentado sob um gigantesco sinal de néon de atenção. E isso me aterroriza. Nossa relação é nova. Nós somos novos. Mesmo com a nossa longa história. É um dado a atenção que ele traz consigo, cada segundo do nosso relacionamento será perseguido, sussurrado pela maioria, e analisado por muitos. Eu odeio isso. Odeio saber que desta vez entre nós será submetido a tantas conversas enquanto as pessoas nos assistem com um foco de falcão, esperando que eles consigam ver os fogos de artifício. Embora eu saiba que temos o apoio da cidade, eu seria uma tola para não ficar nervosa. Com isso muitas pessoas estão assistindo meu novo relacionamento, há uma pressão muito maior. Eu apenas espero que com sua emoção de assistir a pequena Leighton James finalmente conseguir o garoto que ela sempre amou não invadam o que estamos construindo.


Ele não me disse para onde estávamos indo esta noite, mas com uma cidade desse tamanho, não há muitas opções. A menos que, você queria dirigir fora da cidade para uma das áreas mais povoadas. Não é como se estivéssemos no meio do nada, mas estávamos a mais de uma hora de Dallas e uns bons trinta minutos para chegar a outra cidade importante. A menos que ele planeje em nosso primeiro encontro seja no restaurante, nada glamoroso lá, nós estaríamos dirigindo por um tempo. Não pude pensar em nada mais que ele escolheria para o nosso primeiro encontro. Bem, havia sempre o Chicken Coop, um popular bar local, apropriadamente chamado assim desde que há um monte de canetas de fio de frango por aí afora. Não me interpretem mal – eu adoro ir ao Chicken Coop, ou como os locais gostam de chamar, o Coop, mas seria uma noite muito barulhenta. “Bem, Earl, como eu pareço?” Ele olha para cima do seu lugar no meio da minha cama e pisca para mim. “Sim, é assim que eu também me sinto, querido.” Eu decidi ir com algo casual, dessa forma, independentemente de onde terminamos esta noite, deve funcionar para qualquer situação. Seja um bom restaurante ou um bar lotado. O vestido de verão de renda branca era um dos mais agradáveis que eu possuía. Dependendo dos sapatos que eu colocasse, ele poderia passar de sofisticado a casual em um piscar de olhos. Esta noite eu fui com meu favorito par de botas de cowboy marrom. Meu cabelo estava pendurado em cachos soltos, e além de rímel e algum batom, eu não tinha nenhuma maquiagem. Algumas pulseiras Alex e Ani em meus pulsos eram tudo o que restava. Era cem por cento eu, mas também estava muito longe do tipo de mulheres que eu sei que ele passou os últimos dez anos vendo. É claro que essas garotas estavam mais preocupadas em pegar um cowboy do que estavam sobre modéstia. A minha dúvida tinha me acompanhado desde que eu saí do banho e tentei por quase uma hora encontrar algo


para vestir, mas no final eu sabia que nunca seria outra coisa senão a mulher no espelho na minha frente. “Você está linda, Leighton.” Eu gritei, sacudindo no lugar antes de girar para olhar o homem agora de pé na minha porta aberta. “Jesus, Maverick. Você assustou a merda de mim.” Seus ombros tremem, mas, além de alguns estrondos profundos, ele não faz um som. Seus olhos vagam do topo da minha cabeça até as pontas das minhas botas, sem perder um centímetro enquanto ele toma seu tempo. O ponto alto da excitação do seu olhar dominante é tão poderoso que é quase tangível. Eu mudo meus pés, sentindo a fina seda entre minhas pernas ficar molhada com a excitação que me dá sua avaliação. “Se você continuar me olhando assim, cowboy, o único passeio que vamos ter hoje à noite sou eu, em cima de você.” Seus olhos se fecharam e ele baixou a cabeça. Eu sorrio para mim mesma, nem me importo se eu o estou atiçando. Ele está com suas Wranglers apertadas, esse par num azul mais profundo do que o último. Ele trocou sua camisa por uma camiseta preta simples, seus músculos esticando as mangas. Suas botas de vaqueiro pretas têm uma camada de pó marrom cobrindo-as, mas, além disso, parece que ele tomou muito tempo e se preocupou em parecer bem. Não que ele tenha que colocar muito esforço nisso. “Eu não ficaria chateada com isso, no caso de você me perguntar,” acrescento com uma piscadela. Quando ele traz o olhar de volta para o meu, seu pomo de Adão balançando enquanto ele engole, eu sorri, sabendo que sua pele está cheia da necessidade que eu sinto. “Você não tem ideia de quanto me mata dizer isso novamente, mas não até que eu tenha toda você, Leigh. Nenhum segundo antes disso.” Quero tanto gritar que ele já tem meu coração. Que ele sempre teve meu coração. Ele estreita o seu olhar e olha para mim como se


soubesse o que está passando por minha mente. Ele se move, levando os poucos passos necessários para trazê-lo bem na minha frente e olha para baixo. Mesmo com o chapéu e a iluminação fraca no meu quarto, eu posso ver o fogo ardendo de seus brilhantes olhos. “Você está quase lá, eu sei, querida, mas até que eu não veja mais medo nos seus olhos, não estou fazendo meu movimento.” “Não tenho medo, não de você.” Um lado da boca dele cai. “Você tem.” Meu cabelo faz cócegas meus ombros quando balanço a cabeça, negando o que ele está dizendo. “Leighton,” ele diz com um gemido. “Não tenho medo de você, Maverick. Estou com medo dos sentimentos que tenho quando se trata de você? Sim... Mas isso é algo que nunca desaparecerá. Eu não me importo se tivermos oitenta anos de idade, caminhando naquela varanda enquanto nossos netos gritam ao nosso redor, eu sempre vou sentir isso,” sussurro, e alcanço até sua bochecha agora barbeada. “Os sentimentos que tenho por você são tão fortes que quase não consigo respirar por causa deles. Querido, isso iria fazer com que qualquer um se assustasse, e isso nunca mudará. Eu senti isso toda a minha vida, só que não vejo isso como medo. Eu vejo isso como eu sempre sabendo que o que temos juntos é o maior tipo de amor que duas pessoas sempre compartilharão.” Seus olhos se fecham e eu sinto sua mandíbula apertando debaixo da minha palma. “Leigh,” ele respira profundamente, parecendo dolorido. “Leve-me, Maverick. Pare de olhar para isso como algo negativo e acostume-se a isso.” “O que você está dizendo...” Ele faz uma pausa, sua mandíbula novamente apertando na minha mão. Eu dou um sorriso para ele e empurro minha mão de volta no seu cabelo que tem apenas suficiente para enrolar os dedos sob as bordas do seu chapéu. “De jeito nenhum, cowboy. Você receberá essas palavras no segundo que você estiver de volta dentro de mim com seu corpo nu


movendo-se em cima do meu e eu puder sentir seu coração batendo contra meu peito em nenhum momento antes disso.” Ele geme, o som baixo ecoa em torno de nós. Fico na ponta dos pés e dou-lhe um breve beijo antes de deixá-lo de pé no meio do meu quarto. Eu deveria me sentir mal por empurrá-lo, mas ele não tinha que esperar meu coração, que sempre e sempre pertencerá a ele. Ele precisa perceber isso. Mesmo que as minhas palavras que ele nunca precisou esperar pelo meu amor o traz do choque. No entanto, não deveria. Não quando esse amor sempre foi dele.


23 MAVERICK “Stay the Night” por Jordan Gray

Enquanto saia de Pine Oak estava reproduzindo suas palavras em minha mente. Ela não disse as palavras, mas o significado era claro. Ela me ama. Foda-me, sua admissão não deixa espaço para dúvidas – ela sempre me amou. Mesmo após eu a machucar propositalmente, esse amor nunca morreu. Deus, o que eu fiz para merecer essa mulher? E, mais importante, como eu vivi tanto tempo sem sentir o que seu amor pode fazer comigo? Eu sinto como se cada centímetro quebrado e oco meu estivesse curado, e foda, ela nem mesmo disse isso. Foi implícito, sem dúvida, mas se eu senti essa onda de poder de cura apenas de sua alusão a isso, o que acontecerá quando eu finalmente ouvir essas três palavras de sua boca? “Você está pensando muito alto,” Leighton diz. Eu alcanço o console e pego sua mão, juntando nossos dedos. Sua mão flexiona e se move de modo que a pegada esteja mais apertada. Depois que ela continua, eu levanto nossas mãos e aperto meus lábios contra sua pele lisa, respirando seu aroma.


“Você me deu muito para refletir, querida. Sem dúvida, meus pensamentos são altos quando tenho repetido suas palavras desde que você saiu daquele seu quarto feminino como o inferno.” “Feminino como o inferno, hein?” Ela ri. “Leigh, o único lugar que tem mais roxo do que aquilo pode ser o PieHole. Inferno, estou começando a pensar que seu gato/besta não estava tentando descobrir como me comer na outra noite, mas tentando falar de homem para homem, que ele precisa de mais testosterona naquele lugar.” Eu vejo, pelo canto do meu olho, quando ela joga sua cabeça para trás. Seus dedos apertam os meus quando ela solta uma risada alta. “Não é tão ruim,” ela diz entre risos. “Apenas um pouco roxo.” “Apenas um pouco, ela diz,” eu murmuro. “Ok, então talvez um pouco mais do que um pouco. Eu gosto disso, isso me deixa feliz.” “Feito?” Eu pergunto. “Bem, ainda assim. atualização não faria mal.”

Estou

pensando

que

uma

pequena

“É você, Leigh. Não mude nada disso. Eu só estou puxando sua perna, de qualquer maneira.” Eu ouço sua mudança, o braço em movimento, mas ela não deixa sua mão soltar da minha. “Eu quis dizer o que eu falei sobre querer você na minha casa, Maverick. Eu não quero você de volta naquele lugar.” Quando ela faz uma pausa, olho para cima e vejo a aparência de desgosto em seu belo rosto. Antes que eu possa abrir minha boca e abordá-la, porém, ela continua. “No segundo que eu disse, eu sabia que é onde você pertence. O inferno com a linha de tempo normal que um relacionamento deve seguir, estamos longe de ser normal e você sabe disso. Quero que minha casa se pareça com uma casa novamente. Não, eu preciso disso. Estou começando a perceber que parei de me sentir assim muito antes de perder meus pais. Depois dizem que a casa é onde está seu coração.”


“Deus, Leigh.” “Quero dizer, Maverick. Sem expectativas. Se você ainda quiser trazer algo temporário enquanto estiver construindo nosso futuro, então faça, mas até então você está sob meu telhado feminino como o inferno.” Eu tomo um segundo rápido para fechar meus olhos antes de me concentrar na estrada, suas palavras levam sobre mim. “Eu te disse mais cedo, que eu estaria lá, Leighton. Eu só quero que você tenha certeza.” “Eu sei o que você disse, mas você também disse que descobriríamos o resto mais tarde. Não preciso descobrir nada. Sei onde pertenço, sei onde você pertence, e esse lugar é o mesmo.” “O que você disse anteriormente sobre ser tão cedo?” Eu pergunto, chateado que eu realmente estou lhe dando um fora. Mesmo que seja fora, rezo para que ela não tome como um. Eu não acho que poderia estragar isso se ela percebesse que eu não era uma coisa que ela queria em algum lugar na estrada. “Eu tenho que saber que você entende o que está dizendo aqui. Transparência total, querida, isso me faz sentir como o rei da maldita selva ouvindo você dizer que me quer em sua casa, mas jogando de advogado do diabo aqui – você tem que olhar para isso de todos os ângulos.” “Sim,” ela bate. “E cada ângulo começa e termina com você.” “O que aconteceu com o pensamento ‘as coisas estavam acontecendo muito cedo’?” Ela resmunga. Nem mesmo parecendo uma dama. Profundo, gutural e cheio de insolência. E dispara através do meu coração para minha virilha. “Deixe-me quebrar isso para você, cowboy. Vinte e seis anos longos como o inferno. Dezesseis desses em que gastei todos os sonhos me concentrando em você. Dez deles que passei rezando para que esses sonhos encontrassem seu caminho de volta para mim. Eu talvez não tenha percebido o que estava fazendo, mas nenhuma vez, em todo esse tempo, eu cheguei perto de encontrar o tipo de contentamento que sinto desde que você voltou para a cidade. Mesmo com todos os socos


emocionais que recebi desde aquele momento com você, não fez o contentamento diminuir. No fundo, com você de volta, eu sabia que os últimos vinte e seis anos finalmente valeram alguma coisa. Estávamos correndo a este ponto antes que nossas mentes tivessem mesmo a chance de perceber o que o destino tinha reservado para nós. Nunca haverá um minuto que marque que isso pode ser muito cedo quando temos um passado tão profundo quanto o nosso, levando-nos cegamente para onde estávamos indo.” “Você chegou a essa conclusão muito rápido, Leigh. Não me interprete mal, o que você está dizendo é algo que eu quero, mas só faz um dia que você realmente entendeu tudo o que aconteceu. Tudo o que eu fiz, por que fiz isso, e o mais importante, por que ao fazer tudo isso roubei dez anos de nós.” “Sim, mas não foi você que roubou esse tempo. Você não teve controle sobre a vida em que você nasceu. A dor que você sentiu significava que aqueles dez anos foram roubados. E, Maverick” – ela pausa e aperta minha mão – “Esses anos foram roubados de você também.” Eu engulo o nó na garganta e aperto a mão dirigindo o caminhão. Deus, essa garota me tem de joelhos. “Você disse que falaríamos sobre isso mais tarde, mas o inferno com isso. Mais tarde, significa mais tempo, e não deixarei mais tempo ser roubado quando finalmente conseguimos nossa chance. Quero você comigo. Se você sente que é muito cedo, então obtenha sua casa temporária. Estou falando agora a você, porém, seria um desperdício de tempo e esforço quando você sabe tão bem quanto eu que você só pertence a um lugar.” Puxo a caminhonete para o acostamento, não contente em ter essa conversa quando não consigo olhar para ela. Depois de jogar o caminhão no parque, viro minha cabeça. Não está completamente escuro, por isso não há problemas para vê-la claramente, e o que vejo é como um soco no intestino. O peito dela está subindo com cada ingestão áspera de ar que ela puxa através dos seus pulmões, a dureza da liberação disso como um ofego. A cor das bochechas é forte, mas não porque ela está envergonhada. Não, isso é


porque ela está chorando. Uma lágrima para me fazer ver o que ela acredita ser verdade com certeza inquestionável. “Eu vou desfazer a mala, querida,” respondo com voz rouca. Todo seu rosto se ilumina com essas cinco palavras. Eu mudo e vejo seu queixo enquanto ele balança e ela a puxa lábio inferior entre os dentes. Jesus Cristo. Dar isso a ela, o que eu queria tanto quanto ela, sem dúvida, foi a decisão certa. Eu sinto isso com a pressão que sempre tive ao redor do meu peito aliviando. Eu acredito quando vejo seus cachos balançarem quando ela me dá um rápido aceno de cabeça. Eu sinto isso quando ela se move, se puxa sobre o console, e traz a ponta do nariz para o meu. “Cabeça sobre as botas, cowboy. Cabeça. Sobre. Botas.” Não são as palavras que ela aludiu anteriormente, mas elas também poderiam ser. Mudo rapidamente, tirando um grito para fora dela que rapidamente se transforma em um gemido quando eu a arrasto sobre o console central e no meu colo. Nós somos uma bagunça de braços emaranhados e línguas um segundo depois. Meu chapéu é derrubado da minha cabeça quando ela empurra as duas mãos no meu cabelo, me puxando tão forte que os nossos dentes tocam juntos. Meu coração bate no meu peito. Estou vagamente consciente dos sons do tráfego que passam por nós. O que eu não daria para colocá-la para baixo e afundar em seu corpo, e isso parece apenas aumentar todos os deslizes de sua língua molhada contra a minha. Não tenho certeza de quanto tempo vou durar, não quando eu sinto que negar minha necessidade de estar dentro dela poderia muito bem me matar. Minha mão se move por suas costas, e quando eu toco seu quadril, eu percebo que com sua posição metade em mim e metade fora do console, seria tão fácil afundar meus dedos em seu corpo. O cheiro da excitação dela está girando em torno da cabine, e tenho que espremer os olhos quando sinto minhas bolas puxar para cima e a umidade do meu pau molhando minhas cuecas boxer. Eu enrolo meus dedos na carne macia em seu quadril, rezando para ser suficientemente forte para resistir ao que desejo.


Ela choraminga e, com honestidade, não tenho certeza se é do meu controle sobre o corpo dela ou porque está sentindo a mesma necessidade que eu estou. Me mata fazer isso, mas me separo da sua boca com um gemido. Seus olhos ainda estão fechados quando inclino a cabeça para trás no apoio de cabeça e olho para ela. Sem abri-los, sua língua sai e lambe os lábios vermelhos e inchados. O som que escapa da sua boca depois disso é nada menos do que sensual. Quando ela finalmente abre os olhos, o medo que eu via neles desde que cheguei em casa há um mês não está em qualquer lugar a ser encontrado. O amor puro e não adulterado é brilhante. Eu vou tirar essas malditas palavras dela. Ela pode acreditar que não me daria até que nossos corpos estivessem nus e fundidos, mas eu sei que não vou fazer isso por muito tempo. Mesmo que isso me mate, eu vou recebê-las antes disso. Quando olho seu corpo oscilar de volta ao seu assento, a saia do seu vestido sobe e me dá um vislumbre da sua calcinha branca, eu realmente acho que poderia morrer antes disso.

“O que há de errado?” Eu pergunto quando Leigh volta à nossa mesa depois de uma rápida pausa no banheiro. “Nada,” ela murmura na mesa, sem me olhar nos olhos. “Foda-se, querida?” “Não é nada, Maverick. Apenas deixe isso em paz e vamos terminar a nossa sobremesa.” Ela pega seu garfo e leva seu tempo doce dando uma mordida do bolo de chocolate que chegou enquanto ela estava no banheiro. Eu espero, silenciosamente, por uma espécie de indício de por que seu humor passou da forma feliz para ficar mal-humorada em cinco minutos.


Abro minha boca para pressionar mais por respostas, mas quando ouço o som de risadas maliciosas atrás dela, eu mudo minha atenção para a dupla de mulheres que vem do banheiro. Elas estão olhando para a parte de trás de Leigh, rindo e sussurrando uma com a outra, mas elas estão fazendo um trabalho de merda se acham que não é óbvio de quem elas estão falando. “Você as conhece?” Eu pergunto a ela com tensão na minha voz. Ela endireita os ombros e, mesmo que esteja tentando colocar uma cara corajosa, está claro como o dia que ela está tentando dificilmente se tornar invisível quando se aproximam. Olhando para trás, não posso deixar de notar as diferenças entre elas e Leighton. Estamos em um lugar italiano elegante que fica fora de Dallas, mas não é chique o suficiente para a merda que elas têm. O cabelo loiro em ambas as cabeças é a única coisa que elas poderiam chegar perto de ter em comum com Leigh. A merda que elas usam é tão apertada quanto curta, seus vestidos brilhantes não deixam nada para a imaginação. Eu dou um olhar para baixo e vejo os saltos ridiculamente altos que eles estão usando. Elas parecem prostitutas, mas a julgar pela quantidade de diamantes escorrendo, eles são provavelmente apenas cadelas ricas. Para meu choque total, elas caminham até a mesa e param. “Posso ajudá-las?” Eu pergunto, o aborrecimento alimentado por minha preocupação com Leigh fazendo minhas palavras saírem pouco convidativas e ásperas. “Você é...,” coisa um começa a dizer, mas ela é irritante enquanto as risadas de merda começam de novo e ela acaba só sorrindo. “O que minha amiga aqui, Tamera, está tentando perguntar é, você é Maverick Davis?” A outra corta, inclinando-se para frente um pouco para que seu amplo decote se mostre ainda mais. “O Maverick Davis?” Leigh faz um barulho que soa muito como um gemido, o som é tão baixo que quase sinto falta disso. Por que diabos?


“Eu sou,” respondo, não desviando o olhar de Leigh até a garota abrir a boca novamente. A doce e pegajosa voz é tão alta como um rato. “Eu sou Veronica, a propósito,” ela continua. Como se eu me importasse uma merda. Não querendo fazer algo para envergonhar Leigh, especialmente quando não tenho certeza do por que ela está com raiva, mordo a língua e respondo educadamente. “Prazer em conhecer todas vocês.” Coisa um, seja qual for o nome dela, se aproxima, empurrando Leigh e fazendo com que seu garfo caia no prato. Sua cabeça dispara ao som, olhando ao redor do restaurante com olhos selvagens antes de parar em meu rosto. “Foda-se isso,” resmungo, jogando meu guardanapo sobre a mesa e recostando-me. “Com licença, mas você poderia ter um pouco de respeito?” A garota rola os olhos, sem mover um centímetro. Eu olho dela para sua amiga e então de volta. “Afaste-se. Agora.” Desta vez, ela se move, mas mal, e só porque sua amiga a afasta. “Nós só queríamos parar e dar-lhe isso,” Victoria, Vicki, seja qual for o nome dela, diz, segurando um pedaço de papel. Eu olho para ele, mas só quando ela começa a balançar na minha cara eu alcanço e pego. “Nós não tínhamos certeza de quanto tempo você vai ficar aqui na cidade, mas se você quiser se divertir, gostaríamos de mostrar-lhe como uma verdadeira dama pode balançar o seu mundo.” Quando ela diz a última parte, ela olha para Leighton como se ela fosse uma espécie de animal doente. “Uma verdadeira dama?” Pergunto com incredulidade. Os olhos de Leighton se estreitaram enquanto me olha. Eu olho dela até essas cadelas e levanto minhas sobrancelhas. “Você está tentando dizer que minha mulher não é uma verdadeira dama?” Eu digo. Eu ouço Leigh suspirar, mas foda-se se eu não sei o que a está chateando agora. Eu não olho para longe delas, esperando como o inferno que elas possam ver o quanto eu estou irritado. “Bem,” diz a risonha, ainda rindo e olha para Leigh. “Quero dizer, olhe para ela.”


Ela não pode falar sério. Olho para a outra Vanessa ou o que quer que seja, mas fico mais irritado quando está escrito em todo seu rosto, que ela pensa o mesmo. Abrindo o papel, vejo um nome de um hotel, quarto, e um número de telefone escrito. Pisco algumas vezes, nem acreditando na coragem dessas duas. Inclinando-me no meu assento, eu mudo meu escrutínio e deslizo meus olhos sobre o rosto de Leighton. Não posso dizer se ela está chateada, mas está definitivamente incomodada com suas palavras. “Deixe-me perguntar-lhe, o que faz você pensar que eu não tenho uma verdadeira dama?” Seus lábios se enrolam com desgosto. Ambas rolam os olhos com um golpe. Parece quase algo que ensaiaram com antecedência. Vadias insípidas. “Ela está usando botas velhas e sujas e algo que eu aposto que ela comprou no shopping com desconto,” a mais próxima a Leigh diz com habilidade com outro rolar de olhos. Vanessa bate seus cílios ridiculamente falsos. “Eu acho que o que Tamera quer dizer é que você está claramente acostumado a mulheres mais como nós e não queríamos sair sem ter certeza de que soubesse que você tinha opções. Nós odiaríamos que alguém como você acabasse, bem... Opções é o que queríamos dar a você.” Eu me inclino para frente, puxando minha carteira para fora e retirando algumas notas. Mais do que suficiente para cobrir o nosso jantar e deixar uma gorjeta mais do que generosa. Lançando o papel colocado entre meus dedos, eu olho para cima e sorrio. Leigh permanece em silêncio, e eu sei que ela reconhece minha falsa sinceridade. “No meu livro, senhoras, minha princesa sempre usa botas. Vocês duas não têm ideia de que tipo de mulher eu estou acostumado, mas deixe-me assegurar-lhe, nunca foi o tipo de mulher que prefere se parecer com uma prostituta do que a.... Como você chamou? Uma verdadeira dama? Uma verdadeira dama não seria pega fora de casa vestindo algo que uma prostituta teria em seu armário. Uma verdadeira dama não precisa mostrar seu corpo, porque tudo o que ela tem que


fazer é sorrir e homens cairão a seus pés para lhe dar o mundo. Esta mulher, minha mulher, é tão real quanto parece e vocês duas terão sorte de ter apenas uma grama do que ela tem.” Eu permaneço, dominando-as, e lanço minha mão livre para Leigh. Ela aceita sem hesitação e eu a puxo para perto do meu corpo. Suas curvas suaves pressionando meu lado escurecem uma parte da minha raiva. Com o papel, que elas me entregaram entre dois dedos, eu avanço e afundo no fundo do meu copo de água. “Com todo o devido respeito, vocês podem aproveitar sua oferta e irem se foder.” Elas engasgam e suspiram. Eu pego meu chapéu da cadeira que tinha colocado antes de nos sentarmos, e coloco na minha cabeça. Virando ao mesmo tempo que as pessoas nas mesas ao nosso redor começam a aplaudir. Eu ignoro isso, mas Leigh apenas pressiona a cabeça no meu peito. Leighton acompanha-me todo o caminho do restaurante, mesmo sabendo, na minha raiva, que não pode ser fácil. Ajudo-a na caminhonete, puxando o cinto de segurança em seu corpo silenciosamente. Certo, quando ele encaixa no lugar, sua pequena mão se dobra sob meu queixo e me inclina para cima. “Eu am....” ela começa, lágrimas em seus olhos, mas eu a interrompo instantaneamente quando percebo o que ela está prestes a dizer. “Não se atreva a me dar as palavras que quero e ter a memória desse momento manchada com essa besteira que você precisava se sentar sobre isso. Segure-as bem deixe-me levar-nos para casa, baby. Deixe-me levar-nos para casa.” Eu não perco um segundo antes de pressionar meus lábios contra os dela. O contato é áspero com a rapidez que eu me movi para apagar o espaço entre nós. Tudo o que aconteceu lá desapareceu. Eu sinto suas lágrimas moverem-se entre os nossos rostos e levo minhas mãos para a parte de trás do seu pescoço, puxando-a para mais perto. Eu tomo uma tração profunda de ar através do nariz, nossas bocas fechadas ainda pressionadas fortemente, e com suas palavras batendo em torno do meu corpo, sinto como se pudesse adicionar algumas lágrimas minhas.


Ambos estamos respirando fortemente quando me afasto. Movendo minhas mãos, eu limpo as lágrimas de suas bochechas com meus polegares. “Você vai me dar tudo de você?” Eu respiro. Ela abre a boca, meus olhos se movendo para ver seus lábios abertos. “Eu...” Ela começa, mas para e fecha sua boca, fazendo-me descer minha atenção e voltar para seu olhar azul. “Sim.” Ela limpa garganta. “Sim, Maverick. Eu vou te dar tudo de mim.” Nós não nos afastamos um do outro, o que aconteceu lá dentro apenas aumentando esse momento, então estamos ambos sentindo nada além de emoção bruta. Com um beijo na ponta do nariz, eu solto minha mão e apoio. “Vamos para casa, querida.” Seu sorriso balança e seu olhar se ilumina, todas as nuvens que começaram a ferver dentro deles no restaurante ficam claras. Fecho a porta e, com o meu coração prestes a correr do meu peito, contorno a caminhonete e entro. Ela estende a mão desta vez, pegando minha mão, e nós saltamos de volta na estrada... Indo para casa.


24 LEIGHTON “Head Over Boots” por Jon Pardi

Como eu simplesmente fui de devastada para o topo do mundo em apenas um piscar de olhos? Depois de ouvir essas meninas falarem sobre como elas não podiam acreditar que o famoso Maverick Davis, estrela de rodeio, estava com tal lixo a reboque e elas se certificariam de lhe dar o que ele realmente queria, eu explodi longe. Eu pensei que ao sair da cabine, deixando-as ver que eu estava lá e as ouvi, seria o fim disso. Claro, elas me machucaram com suas palavras, mas estava mais chateada por que permiti que elas conseguissem uma reação fora de mim. Quando voltei à mesa, ainda não conseguia digerir o que tinha ouvido. Olhei para o agitado restaurante e o homem bonito que me trouxe lá e pensei o que ele está fazendo comigo? Ele poderia ter qualquer uma. Era natural sentir um pouco de insegurança depois das coisas que haviam dito. Eu odiava colocar um amortecedor na nossa noite com o caminho que minha mente havia tomado. Eu quase consegui me livrar de suas palavras, fazendo o meu melhor para seguir em frente e colocar atrás de mim. Isso foi até que eu as ouvi rindo atrás de mim. Eu deveria ter sabido melhor do que ter esses pensamentos escuros. Não há espaço para a besteira que elas realmente me fizeram pensar sobre mim quando tenho um homem como Maverick ao meu


lado. Suas palavras para elas, ambas, preencheram meu coração cheio a ponto de explodir. O tom venenoso que ele tomou não deixou espaço para discussão, nem mesmo de mim. Eu sabia antes mesmo dele ter jogado seu dinheiro na mesa que eu tinha que dizer a ele que o amava. Eu tinha que colocar as palavras que quis dizer com todas as fibras do meu ser fora – as que sempre senti por ele. Não apenas por ele me defender lá. Ele indiscutivelmente fez, mas a maneira pela qual ele não só apenas provou àquelas mulheres que seu coração apenas bate por uma pessoa – ele mostrou a mim também. Ele sozinho apagou a dor que formou quando virou as costas para nós anos atrás e, por sua vez, encheu isso com a nova memória dele criando e solidificando um vínculo que sei que nunca será quebrado. Tão simples como isso. Este é o nosso tempo, finalmente, e eu não vou perder outro segundo. Minha princesa sempre usa botas. Suas palavras ecoam por minha mente, e eu sinto sorrindo para elas de novo. Eu olho outra vez para ele, a escuridão da caminhonete me dando apenas uma sombra de seu grande corpo, mas posso ver seu rosto claramente em minha mente. O jeito que ele me olhou quando comecei a dizer-lhe que o amava, aquela expressão era descrita em histórias de amor. Seus olhos brilhavam, para mim, e o poder de adoração feroz dentro deles nos batendo como um toque físico. Eu nunca o vi parecer tão vulnerável. Ele não deixou espaço para dúvidas. Esse olhar as apagou completamente. Pela milésima vez nos últimos trinta minutos de nossa viagem, abro minha boca para dizer essas palavras mais uma vez, mas sinto os meus lábios fechados antes que possa tirá-las. Parte de mim, a parte egoísta e carente, quer esperar na esperança de que ele me vença. No entanto, essa parte nunca ganhará. Não vou deixar isso. Eu penso em voltar para tudo o que ele me contou sobre sua vida crescendo. Como essa dor que seus pais criaram com seu egoísmo o forçando a sair quando queria ficar. Para nos esperar. Ele passou toda


a sua vida não acreditando no amor, e vou ser condenada se o deixar passar outro dia sem sentir isso e saber que é dado a ele livremente. “Você está pensando muito alto por aí,” ele brincou, me devolvendo as palavras que tinha falado com ele mais cedo essa noite. Eu cantarolo meu reconhecimento e sorriso, sabendo que ele não pode ver isso, mas curtindo a brincadeira fácil que teve retorno após o final tumultuado do nosso encontro. “Estamos quase em casa,” ele continua. “Eu gosto de ouvir você dizer isso, cowboy.” Oh, garoto, como gosto. “Eu sei, querida. Você fez isso bastante claro antes.” “E você?” Pergunto, deixando a pergunta pendurada no ar entre nós. Ele ficou calado por um tempo, o zumbido dos seus pneus audível ao longo do ritmo do meu coração. Eu sei que estou empurrando forte, mas não estava brincando quando disse a ele que não queria que ele ficasse no rancho Davis. Nem agora, nem nunca. No segundo que o pensamento dele sob meu teto se enraizou, eu sabia com certeza cristalina que estava onde ele pertencia. “Eu posso dizer honestamente, Leighton, que não há nenhum outro lugar, que eu prefiro estar. Isso é um fato que garanto a você que nunca mudará.” “Isso é bom,” respiro com calma. Ele geme baixo e profundo. Estendo a mão, conto com o silêncio e laço nossos dedos juntos, desejando que o grande console que nos separava desaparecesse para poder sentir ele contra mim. Em breve, acho. Muito em breve.


O telefone de Maverick começa a tocar cerca de dez minutos de casa. Ele olha para a tela, mas colocou de volta no porta-copos entre nós, tomando a mão que ele havia deixado de volta em suas mãos. Nem sequer parou de tocar um minuto antes do telefone estar novamente chamando. Ele me dá um aperto e depois solta minha mão novamente, verificando a tela, mas continuando a ignorá-la. “Você precisa atender isso?” Perguntei, olhando para a tela do telefone. “Ele pode esperar.” “Parece bastante importante,” eu falo quando começa a tocar pela terceira vez e o nome do mesmo homem mostrando na tela. “Eu não sei quem é Trey, mas parece que ele realmente precisa falar com você.” “Não é tão importante quanto o que está prestes a acontecer, Leigh. Eu não quero levar mais tempo do que o que levou para chegar aqui. Não quando estou tão perto disso. Ele pode esperar.” Sinto minhas sobrancelhas franzindo, confusas com a última parte. “Tão perto? Tão perto do quê?” Eu questiono, pensando que ele quer dizer da nossa chegada em casa. Movendo seu pisca-pisca, apesar de sermos o único veículo na estrada, ele gira a caminhonete para a rua que leva à minha casa. Eu continuo olhando para ele, seu perfil delineado na iluminação das luzes que alinham minha varanda, e aguardo que ele me responda. Ele para sua caminhonete, puxando para a direita ao lado do meu Jeep, com um pé pesado no freio antes de desligá-lo. Sem sequer olhar em minha direção, ele pula com pressa. O som de sua porta clicando e fechando no silêncio que nos rodeia me faz saltar. Eu ouço vagamente que seu telefone começa a tocar novamente, mas com a maneira como meu coração está galopando contra minhas costelas, eu quase não ouço isso. Todo o meu foco está sobre ele. Seu ritmo é rápido quando ele caminha ao redor da frente da sua caminhonete, o tempo todo eu sinto como se fosse a presa sendo caçada. Não consigo ver os olhos dele, com as luzes agora em suas costas e o chapéu jogando seu rosto na sombra, mas posso sentir a


queimadura do seu olhar como um toque físico. Marcando-me com promessa. A força com que ele abre a porta a tem batendo firmemente contra o seu lado, mas ele apenas se afasta e continua com sua missão, chegando para soltar meu cinto de segurança em silêncio. Sua respiração é dura e corre através de seus lábios separados, refletindo os mesmos sons que meu peito está fazendo. Há tantos desejos carnais brilhando entre nós agora. Os arrepios que dançam em todos os centímetros expostos da minha pele me fazem tremer. A antecipação do que está por vir me deixa fraca com a necessidade. Isso é tão diferente da nossa primeira vez juntos. Chegamos tão longe em pouco tempo, mas parece que nós estamos construindo esse momento há anos. Acho que, de certa forma, nós temos. Depois do metal do meu cinto de segurança agora desabotoado cair contra a armação do caminhão, ele não faz um movimento. Ele continua me olhando, não tocando em nenhuma parte de mim, mas ainda sinto a resposta do meu corpo quando uma onda de calor me lava da cabeça aos pés. É tão intensa, a necessidade que sinto profundamente dentro de mim, que eu tremo e deixo um gemido audível. Esse som é o que o quebra. Ele faz um barulho no peito, quase de natureza animal, e estende-se para me girar com as mãos nos meus quadris, virando-me e levantando-me para fora da caminhonete alta com facilidade. Minhas mãos disparam até seus ombros ao mesmo tempo em que meu centro bate contra o dele. Apenas quando eu bloqueio meus pés atrás dele, logo acima da ondulação de sua bunda fantástica, suas mãos se movem. Passando da minha cintura, movendo-se debaixo do meu vestido, até que seus dedos longos e hábeis estão empurrando sob a faixa da minha calcinha. Ele flexiona as duas mãos contra a minha bunda, fazendo-me cair quando ele se afasta da porta.


“Oh, Deus,” respiro. “Segure-se,” ele exige, flexionando sua pressão novamente enquanto subia os degraus da minha varanda. Uma mão deixa o meu traseiro e ele dobra os joelhos, sem esforço agacha para mover o tapete e agarrar a chave antes de ficar de pé rapidamente. O movimento empurra sua ereção mais forte no meu corpo desesperado, a esfregando contra mim perfeitamente, e eu grito com um gemido baixo de prazer. “Foda-se,” ele assobia através do seu maxilar cerrado. Saber que ele está se sentindo tão desesperado por mim quanto eu estou por ele faz algo perigoso para o meu corpo. Saber que ele está tão perto da borda me empurra, e não sou mais uma participante dócil nisso. Minhas mãos se movem, acariciando lentamente e massageando os músculos tensos debaixo da minha palma. Ele geme quando meus dedos deixam o algodão de sua camisa e eu olho para seus olhos encapuzados. No meu piscar de olhos, a única pista que tenho de algo, seus lábios se separam e eu vejo a faísca de necessidade iluminar seu olhar penetrante. Dobrando minha cabeça, corro a ponta do meu nariz ao longo da forte coluna do seu pescoço, começando logo atrás da orelha até sentir o material da sua camisa. Eu o respiro, seu cheiro forte, fazendo-me zumbir com prazer enquanto eu balanço meus quadris. Desta vez, ele não contesta os deliciosos sons. O rugido gutural e profundo que vibra contra meus mamilos duros me fazem apenas roçar contra ele mais difícil. Minha cabeça gira, tonta com minha fome por ele. Quando ele dá um passo dentro de casa, empurrando meu corpo o suficiente para dar fricção nítida contra ele, eu abro minha boca e mordo seu pescoço. Não é suficiente para machucar, mas apenas o suficiente para obter uma reação dele. Ele para em seu caminho, instantaneamente. “Maldição!” Ele sopra, usando seu aperto em mim para roçar meus quadris com dureza contra o dele. “Você é tão quente, mesmo através do meu maldito jeans, posso sentir seu calor, querida.


Mantenha-se fodendo contra mim e você não será a única que goza totalmente vestida.” Soltei o aperto dos meus dentes, lambendo o local com a língua antes de arrastá-la até sua orelha, mordiscando seu lóbulo antes de sussurrar em sua orelha. “Então, depressa, cowboy.” Ele não precisa de mais incentivo meu. No segundo que minhas palavras estão fora, continuo a lamber e beijar seu pescoço, e ele começa a andar novamente, mais rápido desta vez, se isso for possível. Não estou ciente de qualquer outra coisa ao nosso redor, exceto pela necessidade irresistível que sinto por ele. Este último mês foi um turbilhão de emoções, todas elas construindo para isso, nós voltando juntos – mas desta vez é alimentado pelo amor que ambos temos um para o outro, tornando-o mais poderoso e consumindo tudo o que jamais poderia imaginar. Não mais disposta a desperdiçar outro segundo, eu curvo minhas costas e deixo um espaço entre nossos corpos para arrastar minhas mãos de seus ombros até seu estômago. Quando eu puxo a camisa das suas calças e empurro minhas mãos debaixo do material, seus abdominais se abaixam sob meu toque e ele geme. Encorajada por sua reação, eu rapidamente levanto sua camisa, sabendo que ele não pode removê-la sem me deixar, mas a levanto o suficiente até que possa provocá-lo ainda mais. Levá-lo tão louco quanto me sinto. Eu tenho sua camisa tão alta quanto consigo. Abro os olhos lentamente e tentando me concentrar através da neblina cheia de luxúria que está flutuando ao nosso redor. Mesmo quando ele entra no meu quarto, viro minha cabeça e abaixo meu pescoço, pegando seu mamilo entre meus lábios com um chupar molhado. As palavras que deixam a sua boca são completamente inarticuladas. Apenas um toque de sons que escapam com pressa. E então, estou voando pelo ar com um suspiro ofegante, pousando no centro da minha cama. Meu cabelo cobre completamente meu rosto e leva-me um segundo para me recuperar do choque de seu lance antes que possa mover meus braços e começar a empurrar minhas mãos através dos fios emaranhados, separando os cachos para ver Maverick.


Nada poderia ter me preparado para a visão que meus olhos encontraram quando finalmente liberei minha visão, no entanto. Não, não havia nada no mundo que pudesse me preparar para o que Maverick Davis parece quando ele soltava seu controle feroz. Para vê-lo baixar a guarda de tudo o que ele manteve bloqueado no fundo dele, finalmente conseguiu se libertar, criando uma eletricidade quase tangível ao redor do quarto que bate, rola e zune através do meu corpo com apenas a conexão aquecida dos nossos olhos. É a coisa mais bonita que já senti na minha vida. Ele já não tem aquele ar sobre ele que grita perdido, ferido e desistente. Ele, parado no meio do meu quarto feminino, parece que encontrou o propósito para o seu coração. E esse propósito sou eu e eu. Eu sinto o soluço arrancar da minha garganta antes que possa fazer qualquer coisa para detê-lo, o som me sufocando no segundo que ele explode através dos meus lábios. Ele agarra a camisa que ainda está embaixo dos seus braços e com um grunhido, puxa-a sobre sua cabeça e lança em algum lugar ao lado. Seu peito se ergue enquanto ele ronda no final da minha cama, o bronzeado de sua pele parecendo mais escuro na luz apagada, a lua atravessando as janelas abertas. Quando ele está perto o suficiente, suas mãos fazem um rápido trabalho metódico de arrancar minhas botas e meias, deixando-as cair no chão. Eu me empurro na cama e passo até o final, envolvendo meus dedos em torno da pesada fivela no cinto dele. Eu olho para cima, através dos meus cílios, e espero para ver o flash em seus olhos antes de puxar a espessura de couro através do vão. Minhas mãos empurram entre o jeans e a fina camada da sua cueca do boxer, arrastando elas descem suas grossas coxas. Suas narinas abrem, o único aviso que recebo antes que ele ataque, movendo com a força e agilidade que apenas um atleta pode dominar, e mesmo com o jeans em torno de seus joelhos, ele não tem problemas para manobrar o meu corpo para obter o que ele quer. O que ele precisa. O que eu preciso.


O que nรณs desejamos.


25 MAVERICK “The Only One Who Gets Me” by Charles Kelley

Estou em chamas. O sangue que está correndo e rugindo através do meu corpo superestimado e privado me fazendo sentir como se estivesse a poucos segundos de explodir. Literalmente, é como se Leigh continuasse provocando novas chamas através do meu corpo. Foda-se, quase vim na minha calça quando ela mordeu meu pescoço. Mas de alguma forma eu segurei. Mantive meu controle. Não foi até agora que soube que esse controle era inútil. Eu quase tropeço, as calças presas no topo das minhas botas, descansando diretamente em meus joelhos. Não tenho certeza se conseguirei parar o tempo suficiente para tirá-las. O único que posso ver agora é ela. As mãos de Leighton deslizam sob meus braços e eu os sinto pressionando minhas costas. Quase como um efeito de ondulação, todos os músculos começam a ter espasmos e se contraem. Eu nunca, na minha vida de merda, senti algo tão poderoso quanto nós juntos. Nem mesmo completamente nua, e meu peito bate tão forte que é difícil respirar a emoção que está construindo lá. Meu coração parece que está batendo pela primeira vez. Pressionando a minha testa com a dela, eu fecho os olhos e tento acalmar o golpe selvagem.


Nunca dei a ninguém essa parte de mim. Nenhuma pessoa jamais teria conseguido. Esta parte de mim, a parte que foi feita para ela, foi trancada e guardada tão apertada que me sinto completo e totalmente vulnerável. Os sentimentos enervantes que trazem me deixam indefeso com a enormidade desse momento. É o tipo mais bonito de terror que uma pessoa jamais experimentará. Suas mãos começam a vagar, calmamente, e eu abro os olhos para contemplá-la. Seu rosto é suave e seus olhos estão cheios de amor. As portas foram abertas, e o que ela me está dando neste momento é tudo o que sempre tive medo de sonhar. Eu sabia, todos os dias que estávamos separados, que se nunca tivesse isso, ficaria perdido para sempre. Nada poderia me trazer de volta. Lentamente, rolo ao meu lado e sento. Minhas botas atingem o chão de madeira primeiro, seguidas silenciosamente por minhas meias e, em seguida, o pesado golpe da fivela do meu cinto atinge o chão. Com os cotovelos nos meus joelhos, expiro alto e solto meu queixo no meu peito. Eu estava com a mente tão perdida, tentando recuperar de volta apenas um pouco de controle sobre meu corpo, que nem ouvi seu movimento. Uma mão delicada pressiona contra o meio das minhas costas segundos antes de seu corpo macio curvar-se contra o meu lado, esfregando círculos reconfortantes enquanto me laça. Seus lábios pressionam beijos macios em meu ombro e bíceps. Meu pulso salta com cada pressão de sua boca contra minha carne superaquecida. Levantando a minha cabeça, olho por cima do meu ombro. Seus olhos estão fechados, o prazer de satisfação que ela sente simplesmente me tocando, ainda está escrito em todo o rosto. Eu continuo a observála, nivelada para o maldito chão com o quão bonita ela está agora. “Leigh,” digo com voz rouca. Suas pálpebras levantam lentamente e ela olha para mim quase como se estivesse bêbada e não pudesse se concentrar. Limpo minha garganta. “Venha aqui, amor.” Ela se move rapidamente, sua perna balançando sobre a minha, e então ela coloca sua bunda no meu colo. As palavras não são faladas,


mas nos movemos sincronizados, ambos sabendo o que o outro quer sem expressar. Seu vestido é puxado sobre a cabeça pelas minhas mãos, enquanto a dela trabalha para retirar seu sutiã. Quando o vestido branco flutuou no chão, meus lábios estavam envolvidos em torno de um de seus mamilos enquanto eu tomava o outro e apertava gentilmente com a mão. Minha outra mão foi atrás de suas costas para puxar seu peito mais perto do meu rosto. Suas mãos começam a passar pelo meu cabelo, correndo do topo da minha cabeça até a base do meu pescoço. Mudo a boca para o outro mamilo, movendo minhas mãos para os quadris e pressionando. Ela solta um gemido baixo quando a dureza do meu pênis pressiona contra a calcinha. Mesmo que a barreira não seja muita, eu quero que vá embora. Soltando seu peito com um pop alto, eu olho para baixo em nossos corpos. Sua barriga plana contraindo-se com cada rolar de seus quadris. O desespero de sentir mais evidente em suas calças pesadas. “Levante, querida,” eu solicito com voz rouca. Suas pernas tremem contra minhas coxas e eu olho para ela. Ela tem o lábio inferior puxado para dentro e seus dentes mordendo duro. Seus olhos selvagens implorando o que ela quer. Minhas mãos andam até a calcinha e com mais ajuda do que pensava que seria capaz, ela ajuda a levantar cada perna para que eu possa arrastá-las para baixo e deixá-las cair no chão. Com ela ainda em pé, deslizo meus dedos na minha cueca boxer e puxo pela minha bunda. Ela segue o movimento com seus olhos e, por favor, foda-se, porque é tão difícil que não consigo pegá-lo sobre o meu pênis. Suas mãos saem e gentilmente, tão fodidamente gentil, ela levanta a bunda e ajuda a me libertar. Eu puxo o resto do caminho para meus joelhos, mas com as pernas ainda espalhadas por mim, tenho que parar. O meu pau de pé e a visão diante de mim me deixou tão fodido que me tem ligado que ele contrai uma vez antes de bater no estômago suavemente. Mesmo que a luz da lua nos dê muito para ver claramente, eu preciso de mais. Eu não quero perder um segundo, e foda-me, vou me


certificar de ter as imagens mais claras queimadas no meu cérebro para o resto da minha maldita vida. “Aguente,” estou irritado, levando-a nos meus braços e paro. Sua buceta abre e envolve a espessura do meu pênis. Eu olho para baixo, vendo a ponta vermelha irritada me espreitando. Eu quase esqueço minha intenção à vista. Com um gemido, tiro minhas calças pela minha perna antes de voltar para a porta e puxar o interruptor para trazer sua iluminação. A dureza da iluminação brilhante me faz piscar algumas vezes, mas quando me concentro na mulher nos meus braços, estou além do prazer de ter tomado o tempo para acender a luz. Ela é a imagem do desejo. A fome que sinto por ela amplifica. A coceira logo abaixo da minha pele começa a ferver quando suas mãos vagam por qualquer parte do meu corpo que ela possa tocar. No entanto, a demanda que sinto em afundar em seu corpo num segundo plano enquanto continuamos a estudar um ao outro. Isso se transforma em algo novo, algo indescritível, lambendo minha espinha e fazendo-me chorar quando se torna demais para suportar. Estamos tão perto quanto podemos sem fundir nossos corpos juntos, e com o coração batendo tão selvagemente contra minha pele suada, percebo o que é essa nova necessidade. E eu sei que no segundo que conseguir isso, nunca mais serei o mesmo. Voltando para a cama, coloco-nos suavemente sobre o colchão. Mantendo nossos corpos juntos, mas desta vez fechando meus olhos e pegando sua boca. Ela abre imediatamente, um suspiro de felicidade escapando de seus lábios e deixando minha língua dentro. Eu a beijo profunda e lentamente, derramando tudo o que sinto nesse beijo. Nossas línguas um emaranhado, deslizando uma contra a outra com varreduras lentas. Eu sinto suas mãos tremendo enquanto corre para cima e para baixo nas minhas costas lentamente. Suas pernas tremendo em torno de meus quadris até que ela não é mais capaz de mantê-las trancadas, deixando-as cair contra o colchão e abrindo sua buceta ainda mais para o meu pau espesso. Gemi, sentindo sua umidade me cobrir quando começo a deslizar, empurrando lentamente. Cada vez que esfrego contra o seu clitóris, ela geme. Com mais uma


varredura da minha língua, puxo para trás e olho para ela, meus olhos se alargando quando vejo as lágrimas caírem de seus olhos até a cama. Os soluços dela são silenciosos e, apesar das lágrimas, ela sorri para mim. Seus braços se movem, e então sinto suas mãos moldarem meu rosto. Ela pisca algumas vezes antes de tirar o ar dos meus pulmões com suas palavras. “Eu te amo, Maverick Austin Davis. Eu amei você antes. Eu amo você agora. Eu sempre o amarei.” Aí está. Toda ela. E, finalmente, com isso, encontrei tudo de mim. “Eu, Deus,” respiro, fechando os olhos enquanto suas palavras lavam sobre mim antes de abri-los novamente. “Eu te amo também, Leighton. Te amei antes. Te amarei para sempre.” Sua respiração e curta, mais lágrimas caem e foda-me, elas não são de tristeza. “Eu nunca vou deixar você ir novamente.” Ela soluça. “Eu nunca quero ir.” Levantando meus quadris, não desviando o olhar, afundo no corpo dela. Cada polegada que entra fazendo-a gemer um pouco mais alto. Quando estou cheio, minhas bolas encontrando a umidade que escorre do seu corpo, pego sua boca novamente. Desta vez, não há um acúmulo lento - eu a tomo como um homem faminto. Meus quadris passam de balanços preguiçosos para impulsos vigorosos. Seus seios balançam entre nós até eu pressiono nossos corpos ainda mais perto, atingindo o colo do útero com o quão profundo eu estou. Quando sinto que suas paredes se ondulam contra mim, arranco minha boca dela com um gemido segundos antes de sua cabeça empurrar para o colchão e ela gritar meu nome. Eu assobio através dos meus dentes quando sua buceta se torna incrivelmente apertada, então ela começa a gozar, suas paredes flexionando, soltando e apertando meu clímax até a borda. Meus esforços tornam-se frenéticos, os tapas de nossos corpos molhados se conectando, ecoando alto. Minha espinha parece que está mais


apertada cada vez que eu conduzo em seu corpo apertado e molhado, mas sou egoísta e quero mais. Alcançando entre nossos corpos, seus olhos se alargam e seus lábios inchados se separam. O segundo, que eu rolo meus dedos sobre seu clitóris, ela grita uma voz ruidosa e confusa, completamente incompreensível. “Dê-me outro, Leigh. Goze em meu pau novamente e deixe-me dar a você todas as partes de mim.” Ela geme, balançando a cabeça. “É demais, Mav. Deus, é demais. “Nunca é demais, querida,” sibilo quando ela fica ainda mais apertada. “Querido, Deus, dê-me isso. Deixe-me te amar bem.” “Meu Deus. Oh, meu DEUS! “Ela começa a gemer, balançando a cabeça e arqueando suas costas. “Você está tão profundo,” ela continua as palavras lutando para superar suas respirações que me fazem levála ainda mais rápido do que antes. Arrasto meu pau para fora, a ponta descansando dentro de seu corpo trêmulo, e espero que seus olhos se concentrem no meu rosto. Quando sinto que poderia desmaiar ao negar a meu corpo o que ele precisa, ela me dá o que quero. E eu lhe dou a única coisa que resta. “Nunca te deixarei ir. Nem mais outro dia, Leigh. Você e eu, para sempre, juro.” Empurrando ao máximo e esvaziando-me dentro de seu corpo com um grito alto. Meu estômago começa a apertar com força e todo o meu corpo treme. Enrolo meus braços embaixo dela e a aperto firmemente, não a deixando ir mesmo quando rolo, então ela está no topo. Seus braços ficam a minha volta, necessitanto ficar conectados. Eu sinto que nossa umidade combinada começa a cair de onde eu ainda estou duro e enterrado profundamente, mas não tenho pressa de mover um centímentro. Tudo o que sempre quis. Aqui em meus braços.


26 LEIGHTON “Drunk on Your Love” by Brett Eldredge

Eu quero acordar desta maneira pelo resto da minha vida. Estive acordada por horas. Bem, não horas, mas parece que sim. Acordei com o meu corpo pressionado fortemente contra o de Maverick. Nossos corpos nus um emaranhado de pernas e braços. Ele nem se mexeu quando deslizei da cama para usar o banheiro. Não houve nem uma contração quando voltei, trazendo-me de volta para ele. Eu não pressionei tão perto como tínhamos estado, mas não consegui ficar longe, então fiquei com a cabeça em seu bicep estendido, enquanto curvava meu braço sobre seu corpo. Com esta nova posição pude nós manter conectados pelo toque e ainda pude observá-lo claramente. Estudei o homem que finalmente é meu. E fiquei pelo que pareceram horas, apenas observando seu belo rosto enquanto ele dormia pacificamente. Ele parece tão jovem. Seus cílios escuros curvando-se contra sua bochecha, sua boca se separou tão ligeiramente, e mesmo em seu sono, ela está enrolada em um sorriso satisfeito. Seu rosto forte e anguloso agora brinca com as sombras de sua barba. A visão sozinha faz minhas palmas se contrair com o desejo de sentir a aspereza. Com o lençol pairando sobre seus quadris, posso ver a cume generoso entre suas pernas. Eu sei, porque olhei quando voltei para a cama, que embora pareça estar duro, ele não está. Minha boca fica molhada quando vejo o seu pau mole descansando contra a pele bronzeada de suas pernas.


Meu núcleo vibra só com o pensando em quão talentoso ele é na cama. Claro, quando você está trabalhando com algo impressionante, estou meio tentada a nunca deixar essa cama. Parece bobo chamar o pau de um homem de lindo, mas não consigo encontrar uma palavra melhor para ele. Meu trem de pensamento torna impossível segurar a risada macia que faz borbulhar dentro de mim. Se você tivesse me perguntado um ano atrás, se eu estivesse deitada na cama ao lado de Maverick Davis, pensando na beleza de seu pau, eu pensaria que você tinha perdido a cabeça. No entanto, agora que sei exatamente o que o dito pau é capaz, estou tentada a ver se podemos fazer um molde e bronzear a maldita coisa. Eu mexo, esfregando minhas pernas juntas, quando minha mente se desloca para a noite passada e apenas como ele pode trabalhar a parte de seu corpo. Minha necessidade por ele está em marcha. Certamente mais uma espiada não vai doer. Eu não deveria me sentir culpada por isso. De modo nenhum. Qualquer pessoa na minha posição faria o mesmo. Tendo o suficiente com o debate interno em curso, lanço a cautela ao vento e levanto o lençol para olhar para baixo em seu corpo. Eu trabalhei tanto que um olhar mais poderia muito bem me enviar sobre a borda. Meus olhos seguem as linhas perfeitas de seu abdômen. Cada uma das saliências e depressões que levam ao profundo V acima de sua cintura é tão bem definido, mesmo em seu sono. Novamente, meus dedos picam para sentir o aço quente de seus músculos. Continuando a examinar o Adonis na minha frente, porém, estou muito orgulhosa do autocontrole que tenho de me conter. No entanto, quando chego a esse lindo pacote entre as suas pernas, esperando vê-lo mole contra sua pele, como antes, eu suspiro. Já não está descansando contra sua perna, não. O segundo que o lençol foi levantado pelo resto do caminho, aquele belo pau poderia ser uma flecha de néon apontando para minha mão - no ar - segurando o lençol do corpo de Maverick. Eu suspiro. Ele ri. Eu grito.


Ele ri mais alto, a rudeza desse som tocando no meu corpo já empolgado. “Querida,” você continuou olhando, era apenas uma questão de tempo antes que ele dissesse bom dia para você,” ele fala, sua voz ainda mais profunda. A textura áspera de sua voz sonolenta não faz nada para esfriar meu corpo. Sua voz soa como um sonho molhado. Seu peito se move e eu atiro meus olhos para o rosto dele. “Eu disse isso em voz alta, não foi?” “Sim,” ele confirma. “Venha aqui e diga-me bom dia,” ele diz com uma risada. Eu rolo meus olhos, meu sorriso crescendo todo tipo de desequilibrado a seu pedido, e faço uma grande produção para me aproximar. Não satisfeito com meus movimentos lentos, ele se estende para me agarrar pela cintura, me puxando para cima do seu corpo. Minhas pernas abrem e seu pau lindo muito acordado, está de volta, onde eu quero. “Bom dia.” Eu irradio, descansando meus braços no seu peito, com cuidado para não cavar meu cotovelo em sua pele e lembrar ao meu corpo que não estamos tão desesperados por ele quanto parecemos. “Com certeza é,” ele brinca, sorrindo de volta para mim. “Eu preciso pular no chuveiro. Gostaria de ficar na cama o dia todo, mas eu preciso estar na PieHole até as dez. Nós não abrimos até o meio dia hoje, mas preciso ir e me certificar de que não estamos sem torta desde que sai ontem.” “Eu acho que também preciso começar a me mover, querida.” Eu tenho um saco de lona para ir buscar,” ele acrescenta com uma piscadela. “Isso me faz muito feliz.” Eu suspiro, sinto minha voz soando maravilosamente sonhadora. “Sim, Leigh. Eu também.” Movendo minhas mãos, eu beijo o lugar logo acima do seu peito.“Quais são seus planos para hoje?” Seus dedos começam a traçar


círculos preguiçosos por minha espinha e eu me mudo, fazendo a parte dele que eu juro que é muito talentosa acertar meu centro carente. Nós ambos gememos. “Eu tenho um futuro para construir.” Seus dedos se movem para trás e eu os perco brevemente enquanto ele faz um arrastão suave sobre meus ombros, minha pele ardendo em seu rastro. Então ele pega meu rosto em um aperto suave. Levantando a cabeça do travesseiro para que estivéssemos nariz a nariz. “Eu estou encontrando Clay para um café atrasado na cidade. Seu advogado está chegando e estamos recebendo toda a papelada e besteira legal do caminho para que eu possa comprar a terra de volta. Vai levar algum tempo para que todos os planos em minha mente estejam projetados antes que possamos começar a construir, então é apenas a formalidade que precisa acontecer rapidamente para que eu possa tirar isso do chão.” Ele está em silêncio por uma batida antes de ver o seu rosto se tornar sério.”Se você puder ir, eu gostaria de você lá.” “Eu?” Eu pergunto, confusa, procurando seu rosto por uma pista. “Nosso futuro, lembra? Não será só o meu nome naquela terra, Leighton.” Minha mandíbula cai até que minha boca fique aberta silenciosamente em estado de choque. “Foda-se, você é fofa.” “Você tem certeza? Quero dizer, esta escola de treinamento, querido é sua.” Seus olhos se estreitaram. “É nossa, só porque você não vai ser a que está executando ou trabalhando, isso não muda nada, eu estou construindo isso para nós - nosso futuro Nós estamos começando nossas vidas juntos e quero que você saiba isso sem dúvidas sobre o quanto eu estou de pé quando se trata de você.” “Eu confio em você, Mav,” respondo, um pouco preocupada que, mesmo depois da noite passada, ele ainda pense que tem que provar algo para mim. “Eu pensei que você sabia disso, querido,” eu digo com um suspiro.


“Eu sei, Leigh, realmente. Não é só isso. Significa muito para mim que você faça parte disso. Quero que todos vejam o que estamos construindo aqui e sabemos que é para sempre. Eu quero dar-nos um bom começo, mas quero que comece a ser algo que é construído sobre uma base inabalável. Um dia, vou dar aos nossos filhos essa base, e eles vão conhecer o que seus pais construíram juntos, com amor, unindo todas as partes de nossas vidas. Esta terra, as memórias que compartilhamos, e nós. Será visível em tudo o que estamos construindo Leigh. Pedaços do nosso passado misturado com as pessoas que nós tornamos, enquanto nós não estávamos prontos para sermos nós. É muito mais do que apenas ir embora sem dúvidas, querida, muito mais. Somos nós.” “Você vai me fazer chorar,” eu falo em uma onda de ar. “Você estará lá?” Ele pergunta novamente, seu rosto suavizando com a umidade reunida em meus olhos. Seu polegar pressiona meu queixo vacilante como se estivesse tentando aliviar meu coração emocionado. “Sim, querido, estarei lá.” Depois disso, lhe daria o mundo se ele pedisse. “Bom.” Ele sorri. “Você está com fome?” Eu questiono, piscando furiosamente para limpar os meus olhos, e mudando de assunto antes de acabar chorando feio em cima dele. “Eu posso te fazer uma coisa depois de tomar banho, antes de sair.” “Esfomeado.” Seus olhos escurecem, a esmeralda brilhante se torna escura. Esse sorriso torna-se perigoso e sinto minha barriga apertar. Ele se move tão rápido, deslizando de baixo de mim e parando ao lado da cama em um movimento rápido. Seus braços estão se aproximando para me puxar para cima e sobre seu ombro antes mesmo de minha mente sequer ter registrado que não estou mais o empurrando. Ele pisa no banheiro, minha posição sobre o ombro me


deu uma visão de seu bumbum duro e redondo. Cada passo que dá ele flexiona da maneira mais deliciosa. Meu Deus, esse homem é perfeito em todos os lugares. O banheiro nem sequer teve a chance de preencher de vapor do nosso banho quente antes de eu estar gritando meu segundo orgasmo, vindo contra sua língua. Só então ele levantou e me deu o sorriso mais diabólico. Meu coração acelerado a partir do turbilhão de sair da cama e estar à sua mercê. “Obrigado, querida.” Esse foi o melhor café da manhã que já tive.” Mesmo com meu corpo saciado, sentindo que sou incapaz de levantar até um dedo, suas palavras me deixam jogando a cabeça para trás e rindo muito mais do que em anos. Bem, isso foi até que minha risada se transformou rápido em um grito alto de curvar os dedos. Realmente não há melhor maneira de acordar do que com esse homem. Especialmente quando esse despertar vem com seu corpo duro me pressionando contra a parede do chuveiro enquanto ele me leva da maneira mais deliciosa. Sim, quero acordar desta forma para o resto da nossa vida. “Alguém parece que acordou no lado direito de um vaqueiro,” Jana observa, mexendo as sobrancelhas rapidamente quando entro na cozinha do PieHole duas horas depois. Minhas pernas ainda parecem fracas do adeus muito enérgico de Maverick contra a porta da frente há dez minutos, então eu quase caio na minha bunda quando ela fala. Eu estava tão perdida em meus pensamentos, que nem percebi que ela estava ali. “Oi, Jana. Sim, é um lindo dia. Estou bem, obrigada por perguntar.” Eu respondo com inteligência, empurrando as imagens da despedida de Maverick da minha mente e pegando meu avental favorito fora do gancho da porta do meu escritório antes de ir a pia para me lavar. “Você não é uma idiota, Leighton, querida. Dê a uma senhora velha algo para pensar aqui! Vamos, detalhes, senhorita.”


“Você realmente não entende limites, não é?” Eu rio, mudando da pia para começar os pedido de hoje. Primeiro da lista, torta de massa de biscoito, penso. “Não existe tal coisa. Os limites são para os chatos e os jovens, muito burros para perceber o quão curta é a vida. Agora, diga-me, como é que sua hooha quebrada está?” Inclino minha cabeça, escondendo meu sorriso, e tentando o meu melhor para não rir dela. Apenas a encorajaria. Que, se eu for honesta comigo mesma, não precisa muito. A menor reação, mesmo que seja apenas a respiração, apenas provocará seu comportamento impossível. Juro que ela fica mais ultrajante com passar dos dias. “Estou adivinhando, que com esse rubor que você está ostentando agora, você definitivamente corrigiu essa hooha quebrada,” ela pensa consigo mesma, claramente não precisando de um participante ativo para essa conversa. Bom, talvez ela continue e vá buscar tudo fora da minha cozinha pronto para iniciar o nosso dia. Claro, meu alívio é de curta duração quando ouço a porta dos fundos abrir. “Quem teve a hooha violada?” Eu ouço e olho para ver Quinn atravessar a cozinha da entrada do corredor. “Eu vi você chegando e decidi vir,” ela diz com um encolher de ombros, respondendo a minha pergunta não feita antes de ir até a geladeira mais perto dela e puxar uma torta. Com sua loja, na mesma rua do PieHole, essa é uma ocorrência normal, algo que eu esperaria se não estivesse perdida na neblina Maverick. “Ei!” Eu encaixo, jogando minhas mãos no ar e estreitando meus olhos na torta em sua mão. “Certo, Quinn, ajude-me.” Ela tira a língua, agarra um garfo da estação de talheres e começa a comer do centro da torta de creme de cereja e chocolate que ela apenas agarrou. Eu deveria ter escondido melhor a torta de destaque de hoje. Ou, no mínimo, percebido que isso poderia acontecer e feito uma extra para cobrir aquela que ela devoraria em segundos. Seus olhos fecham de felicidade ao redor dos dentes. Ela aponta seu garfo para baixo em direção à torta e depois ergue o polegar para cima. Acho


que isso significa que a nova receita que eu criei para as seleções de não-cookies tem uma chance. “Então,” ela diz, ignorando meu olhar irritado, “o que foi tudo isso sobre uma hooha quebrada?” Ela termina sua pergunta exatamente como Jana, sacudindo as sobrancelhas de forma dramática. “Ah, de jeito nenhum! Não há nenhuma maneira no inferno que estou tendo essa conversa com você! Você vê o que fez agora, Jana?” Eu me queixo, sorrindo para ambas. As duas riem as minhas custas, claramente amando o fato de que estou desconfortável conversando sobre isso com elas. Quero dizer, Jana é uma coisa, mas Quinn? Não há como querer saber sobre a vida sexual do seu irmão comigo. Risca isso; ela é tão sem vergonha quanto Jana. Não quero que ela ouça sobre minha vida sexual com seu irmão. “Oh, vamos!” Ela geme. “Você tem que nos dar algo. Tem que haver algum bônus aqui, sendo sua melhor amiga. Eu pego a dica de que toda a cidade esta desesperada. A maneira como todos estão falando, você pensaria que vocês dois estão a dois passos em direção ao altar! Inferno, nesta manhã, Elliott Parker veio para pegar sua nova F-250 e ele nem quis falar sobre o elevador que eu especialmente pedi e instalei. O mesmo elevador que disse a ele que poderia não estar disponível por meses, mas que fui capaz de consegui em três dias. Ele se importou? Não. Tudo o que ele queria falar era de você e Mav. Espero receber alguns detalhes da minha melhor amiga, se isso for o que vou ter que aguentar agora e para sempre.” Eu coro. “Você está sendo ridícula.” As bochechas de Quinn ficam vermelhas, não de embaraço. Teimosa como um touro, minha Quinn, ela odeia quando não cedo a ela. “Isso vai acontecer. Eu vou ouvir tudo isso, Leigh. Vocês são como Romeu e Julieta. Não, isso não está certo - eles tiveram aquelas famílias-inteiras-que-odiavam-uma-outra. E eles morreram e merda. Tanto faz. Vocês dois são como conto de fadas da cidade, sim, é isso. Eles não vão parar. Só sei disso. Nem mesmo depois que vocês finalmente se casarem. Guarde minhas palavras.”


“Eu adoraria um bom casamento,” Jana acrescenta com saudade. “Ninguém está se casando!” Gritei, ainda olhando incrédula para Quinn. “No entanto,” ambas adicionam simultaneamente antes de se dissolverem em risos incontroláveis. “Você continua e não vou deixar você ser minha dama de honra,” eu digo a Quinn. Ela para de rir, olhando em minha direção com os olhos arregalados. Eu olho para Jana, vendo o mesmo brilho chocado em seus olhos que assumiu no de Quinn. Inferno, não pensei que elas me levariam a sério. Como se eu pensasse em excluir Quinn. Eu abro a boca para dizer a ela o que penso, mas paro quando sinto um corpo rígido pressionar contra minhas costas. O calor se instala na minha pele por apenas uma batida antes de zingir e atingir cada nervo. “Quem está se casando, querida?” A voz profunda pergunta, os lábios colados no meu ouvido. Arrepios dançam na minha pele como uma chuva constante em resposta a ele estar tão perto. A reação de meu corpo a ele é algo que espero nunca me acostumar. Em vez de parecer timidamente chocada, a dupla descarada está lutando com tudo o que elas têm para reprimir suas risadas. Algo que estão falhando miseravelmente. Oh, inferno com isso. Jogando o saco de frutas que eu tinha acabado de pegar fora da estação de trabalho de volta para baixo, saudo as senhoras à minha frente com um dedo meio orgulhoso antes de virar para enfrentar Maverick. “Ninguém. Especialmente não você.” Ele cambaleia de volta, dramaticamente, como se apenas tivesse lhe dado um soco. Suas mãos indo para seu coração brincando, e eu esqueci cada grama do constrangimento que eu sentia antes, agora que sou confrontada com um Maverick Davis brincalhão. Ele continua a balançar em seus pés antes de se debruçar contra a parede atrás dele. Já houve um tempo, mesmo quando éramos jovens e despreocupados, que já o vi tão alegre? Não, tenho certeza que não, porque isso é algo que nunca teria esquecido.


“Diga que não é assim, querida,” ele sibila depois que termina sua queda dramática contra a parede, os olhos enrugados nos lados e um grande sorriso no rosto. “Você me feriu.” “Puta merda,” Quinn sussurra atrás de mim. Jana ri. Eu só fico ali de pé, a boca aberta, sentindo que algo no meu peito tinha mudado com essa visão dele. Seu sorriso exultante não deixa o rosto quando ele está em sua altura máxima e volta para mim. “Ei,” ele diz com uma piscadela, estendendo a mão com dois dedos para fechar minha mandíbula, seu sorriso crescendo conscientemente. “Ei,” eu respondo sem convicção, ainda me sentindo sem fôlego. “Sentiu minha falta?” Eu ri, o som saindo mais como um chiado. “Eu vi você nem mesmo meia hora atrás.” “Bem, eu senti sua falta.” “Oh, meu Deus, Jana,” eu ouço Quinn gaguejar. Tenho certeza de que ela pensou ter falado baixo e apenas para seus ouvidos, mas nada sobre Quinn é suave; ela parece como se estivesse gritando. Essa garota não tem um osso sutil em seu corpo. “Eu vejo isso, querida,” Jana diz com um suspiro. Essas duas são tudo o que é preciso para sair de qualquer feitiço que o Maverick brincalhão me tenha fascinada. Eu rolo meus olhos com indignação para ele e observo enquanto o sorriso dele cresce. “O que você está fazendo aqui? Eu pensei que estava te encontrando às duas no almoço.” “Você está. Tinha algo que eu não queria fazer sem você.” “Uh,” lamento. “OK?” Ele olha por cima do meu ombro para as meninas atrás de mim e inclina seu chapéu antes de pegar minha mão e me levar ao escritório. Ele não fecha a porta, então, se a privacidade fosse algo que ele queria, movendo-nos aqui, ele não conseguirá. Não quando posso ouvi-las,


correndo pela cozinha para se aproximar. Graças a Deus, não abrimos por mais uma hora; a julgar pelos sons que elas estão fazendo, vou ter uma bagunça para limpar, e se conheço Jana, ela não deixará seu posto dessa porta até que tenha todos os detalhes suculentos que seu coração pode lidar. “Você sabe que elas vão ficar ali, como pessoas intrometidas ouvindo o que quer que seja para saber porque você me arrastou aqui, certo? “ Ele ri. “Reconheço isso.” Ele se vira e fecha a porta suavemente antes de voltar para o meu lado. “Eu deveria saber. Agora temos nossa privacidade de seus ouvidos e olhos. O que é bom porque na verdade não sinto vontade de te beijar da maneira que quero na frente da minha irmãzinha .” “Oh. Uau.” Ele me puxa para dentro de seus braços, sua bunda descansando contra minha mesa, e me beija me forçando direito para fora das minhas pernas. Quando ele puxa para trás, tenho que tomar um momento para fazer meu cérebro voltar. Se ele não estivesse me segurando, eu teria derretido em uma poça. “Lembra-se das chamadas que recebi ontem à noite?” Ele pergunta em tom baixo. Mesmo que a porta esteja fechada e eu sei que não podemos ser ouvidos, ele obviamente não está se arriscando. Minha mente ainda bêbada pelo seu beijo, então demoro um segundo para processar sua pergunta. “Uh”, eu enrolo, tentando limpar minha mente para pensar em qualquer coisa que aconteceu na noite passada além dele e eu entre os lençóis. Ou no banho. Ou contra a porta. Ele geme, lendo claramente o meu rosto. “Certo, você vai lembrar se você acha o que aconteceu antes de tudo isso,” ele brinca. “As chamadas que recebi quando estávamos a caminho de casa? Essas eram de Trey. Ele deixou uma mensagem, uma que recebi esta manhã. Eu escutei isso quando entrei no carro, mas decidi vir aqui em vez de ir para a mochila. Queria chamá-lo de volta com você.”


“Ok?” Eu arrastei a frase, confusa porque ele precisaria que eu estivesse com ele para chamar alguém de volta. “Querida,” Trey foi um dos melhores treinadores quando estava no circuito. Não só isso, mas ele é o irmão do meu pai biológico. Estivemos perto e ele foi capaz de me dar partes de seu irmão que eu nunca saberia agora que ele se foi. Ele é uma grande parte da minha vida, Leigh. Trey ainda está lá, mas ele estava ligando porque estava me oferecendo um lugar para treinar ao lado dele no circuito.” Meus olhos se arregalam, o que ele está me dizendo limpando aquele sentimento de amor e embriagez fora da minha mente. As palavras me escapam. Ele havia se aberto para mim na outra noite sobre seu pai biológico não estar mais vivo. Ele nunca teve a chance de conhecê-lo, então ele não sentiu que era um grande problema. Eu me preocuparia desde que ele estava lidando com a chance de nunca saber essa parte dele, mas com esse novo conhecimento sobre um tio, eu sinto como se talvez ele tivesse conseguido conhecer essa parte dele. Não diretamente, mas claramente este Trey significa um ótimo negócio para ele. Eu quero estar entusiasmada por ter obtido essa oferta, especialmente porque isso significa que ele está perto daquela parte de sua família, e isso mostra claramente que os homens com quem viajou e viveu muito tempo sabem que ele é um trunfo para o esporte, mesmo que ele não esteja montando mais. Eu quero encorajar se isto for algo que ele quer. Mas eu estaria mentindo, porque apenas o pensamento dele me deixando me enche de medo. Ele beija minha testa, olhando-me conscientemente, com amor nos olhos. “Tudo bem por não esta feliz com essa chamada, Leighton. Não esconda o que está sentindo.” Procuro escolher minhas palavras cuidadosamente antes de falar. “Você sabe que só quero o que é melhor para você. Eu não vou mentir e dizer que não enche minha barriga de medo com o pensamento que você tem uma oferta que pode leva-lo para longe de mim, no entanto. Eu só quero que você seja feliz, querido, e se seu tio for o que você precisa, eu vou apoiar isso.” Ele estende a mão, não levantando da minha mesa, e agarra as minhas duas mãos, puxando-me entre suas pernas abertas. “Eu vim aqui depois de ouvir sua mensagem porque quando chamá-lo de volta,


quero que seja com você. Eu vou tê-lo na minha vida, independentemente. Eu sabia o que diria a ele antes de chegar aqui, mas eu queria fazer isso com você. Juntos, querida.” Ele não espera que eu fale. Ele muda, deixando cair uma das minhas mãos para puxar o telefone do bolso das costas. Eu olho, meu coração na garganta, enquanto ele pressiona a tela algumas vezes antes de tocar no silêncio nos rodeia. Ele mantém o telefone, mas não solta minha outra mão, seu polegar continua a acariciá-la calmamente. “Bem, deixe estar!”A voz desencarnada entra através do altofalante depois do clique da ligação. Os ombros do Maverick tremem quando ele abaixa o volume no alto-falante do telefone. “Estava na hora da porra da sua bunda aprender a retornar uma ligação.” “Tenho minha garota na minha frente, Trey, faça-me um favor e veja a boca,” ele diz em vez de uma saudação. “Minhas desculpas,” ele murmura. “Você recebeu minha mensagem?” Se ele estava chocado com a afirmação de Maverick de ter sua garota com ele, não mostrou isso. “Eu recebi, Trey. Você não tinha que chamar quinze vezes na noite passada para deixar isso, no entanto. Eu teria chamado você de volta com uma chamada perdida e nenhuma mensagem.” “Isso pode ser assim, filho, mas você já me conheceu por ser paciente? Estava muito animado para esperar. Não só é uma ótima oportunidade para você, mas eu sabia que você ficaria feliz em receber esse chamado.” O rosto do Maverick fica macio e ele aperta minha mão. Engulo uma poça de saliva quente na minha boca. Não importa o que, vou apoiá-lo e ficar ao seu lado. Eu não vou quebrar e implorar para que ele nunca vá embora. Parte de nós se movendo para frente, juntos, significa apoio cego não importa a que. “Bem, Trey,” ele começa e minha mão flexiona involuntariamente dentro de seu controle.” Eu aprecio a oferta e pela fé que você tem em mim oferecendo isso.”


“Claro que eu tenho fé em sua bunda gorda,” Trey interrompe com uma risada rouca. Antes que o pânico possa preencher meu sistema, no entanto, eu sinto como se uma apresentação de slides de nossas vidas começasse a passar na minha mente. Rapidamente, aproximando essas memórias, até chegar em nós desde que ele voltou. Naquele momento, sem ele mesmo expressar, sei que não há como ele aceitar. A clareza desse conhecimento supera o pânico. Embora eu saiba com tudo o que sou que não há nenhuma maneira que Maverick aceitaria, as palavras de um homem que nunca conheci parecem como um soco no intestino. Eu torço minha cabeça e estudo Maverick, esperando que ele fale. Levantando minha sobrancelha e mentalmente batendo a dúvida, sabendo em meu coração que ele não iria embora. “Como eu disse, significa muito para mim que você tem essa fé. Você sabe o quanto eu respeito você e não seria o Cowboy que fui se não tivesse sido por sua orientação ao longo dos anos.” “Merda, menino. Eu posso estar guiando, mas o Cowboy que você é não tem nada a ver com isso. Está no seu sangue, filho. Você nasceu um Cowboy e não há mais ninguém que eu queira trabalhando ao meu lado. Eu sabia que você não iria desistir disso,” o homem fala novamente, interrompendo Maverick. Estou começando a pensar que isso é normal, já que Maverick parece não se senti ofendido ou irritado. Mas eu estou. “Eu acho que você deve deixá-lo terminar,” estalo. “Senhor.” Eu acrescento a última parte com pressa como uma reflexão tardia, não deixando meus modos escorregar apenas porque me sinto emocional. Todo o corpo do Maverick começa a tremer com riso. O telefone está em silêncio entre nós depois das minhas palavras irritadas. Maverick se inclina para frente e me dá um beijo rápido antes de falar de novo. “Como eu estava falando, Trey. Agradeço a oferta, mas vou ter que dizer não. Você sabe que sempre estarei aqui se você quiser atirar a merda e falar, mas estou em casa agora. É onde eu quero estar. Quando o Doc me disse que não podia montar, foi a melhor notícia que poderia ter obtido. . . Uma benção em disfarce. Com certeza não vi isso


então. Não consegui ver o que estava bem na minha frente muito antes de ter perdido da última vez. Eu vivi minha vida sendo conduzido pela raiva, alimentada com um monte de arrependimentos, mas acabei com essa vida, Trey. Eu sei que conversamos sobre maneiras de me retirar, para me manter onde pensei que precisava estar, mas posso sinceramente te dizer sem arrependimentos, tudo o que preciso está aqui mesmo na minha frente.” Trey não fala por um segundo, claramente não está feliz com a rejeição de sua oferta porque ele resmunga algumas palavras desagradáveis antes de falar novamente. “Eu ouvi você, Maverick. Eu respeito isso, e mesmo que desejasse ter suas habilidades ao meu lado, estou feliz que você não está mais perdido na besteira de sua própria mente.” Meu grande e forte homem se curva, pressionando sua testa na minha. “Não, eu poderia estar perdido por um tempo, mas tive um bom guia para me trazer de volta. Eu tenho algumas merdas, que estou começando aqui, eu tenho um sentimento que você vai querer conversar sobre isso. Vou ligar na próxima semana. Veja se você pode ter algum tempo para sair e conhecer minha garota.” O resto da conversa é breve, mas no momento em que ele para de falar eu tenho lágrimas rolando pelo meu rosto. Não são tristes, mas a pura felicidade está vazando dos meus olhos. A magnitude de sua decisão é algo que não pode ser ignorado. Dois meses atrás, quando ele voltou para a cidade, eu nunca teria acreditado que ele ficaria em torno de Pine Oak. Eu teria sido mutilada no segundo que ele sequer mencionasse a chamada e a oferta que veio com ela. No entanto, isso foi antes de sentir o quão poderoso nosso amor realmente é. Antes que eu soubesse a verdade que o tirou da minha vida para começar. E muito antes de eu aceitar que era o movimento certo, não importa o quanto doeu. Mesmo tendo desperdiçado uma década, eu sei que realmente foi nosso destino assumir o lugar do motorista, certificandose de que estaríamos prontos quando nosso tempo finalmente chegasse. Esse tempo é agora. Eu acredito no nosso amor, no futuro que ele está construindo para nós, e o mais importante, nele. Não há lugar para dúvidas ou


medos quando você tem uma conexão tão profunda quanto a nossa. Nós não conhecíamos então, mas esses laços sempre foram inquebráveis. Era apenas uma questão de tempo antes de nos chamar de volta para onde pertencíamos. Juntos.


27 LEIGHTON “Yeah Boy” by Kelsea Ballerini

Depois da chamada de Maverick, nós deixamos o escritório para descobrir que Quinn já havia voltado para sua loja. Quando ele fechou a porta na escuridão, ela deve ter ficado entediada. Ou talvez ela se lembrou que dirige um negócio e, na verdade, voltou para ele. Jana não fez nenhuma pergunta, apenas me deu um sorriso conhecido antes de sair da cozinha para obter tudo pronto para abrir ao meio-dia. Ela nunca atravessa aqueles limites que ela não pode se importar ao menos se não houver sexo envolvido nas fofocas de qualquer maneira. Mulher tola. O dia passou muito rápido depois que fui deixada sozinha na minha cozinha. Passei a grande maioria do meu tempo antes de Maverick voltar avançando na minha preparação para a semana, o que significa que teria algum tempo extra para gastar com ele. Faz tanto tempo - se alguma vez - que eu saí do meu caminho para fazer tanto em excesso que quase terminei saindo do espaço da geladeira, mas é importante para mim encontrar um equilíbrio entre o trabalho e minha nova vida amorosa. Quando Maverick volta para me pegar, já fiz o suficiente para que pudesse ter o resto da semana se eu quisesse. Por mais tentador que isso seja, não posso simplesmente abandonar o PieHole porque meu coração achou sua razão de correr novamente.


Eu me sentia como se estivesse atordoada durante toda a reunião com os garotos Davis e seu advogado de família. Maverick, porém, não parou de sorrir, nem uma vez, depois de deixar o PieHole horas antes. Claro que eu não sabia disso de fato, já que não estávamos juntos o tempo todo, mas esse sorriso ainda estava no seu rosto quando ele voltou pela porta da cozinha, e não saiu uma vez durante a reunião do almoço. Eu tinha minha cabeça tão longe nas nuvens que quase assinei meu nome em um monte de documentos sem pistas sobre o que eu estava realmente assinando. Levei mais tempo do que os homens gostariam, mas li cada um e cada página. Todo o ruído que fiz fazia com a mão de Maverick esfregando círculos calmantes no interior da minha coxa, um lugar em que ele colocou a mão no segundo em que nos sentamos. Jana me deu espaço desde que voltei do almoço mais cedo e, felizmente, Quinn não veio ainda. Ela virá. É nossa coisa dela se juntar a mim em algum momento antes de fechar. Pela primeira vez, eu não estou cheia da minha excitação normal ao antecipar o tempo gasto com a minha melhor amiga. Eu a amo, mas também sei que seu eu peculiar não vai parar até estar satisfeito de saber mais detalhes sobre meu relacionamento com o irmão do que qualquer outra pessoa. Incluindo a mim. Tenho certeza de que ela já sabe tudo o que aconteceu antes do almoço. Mesmo sem ele confirmar, eu sei que Maverick escolheu esse lugar com cuidado. Ele poderia ter, e provavelmente deveria ter, essa reunião no rancho. Ao movê-la para o único lugar em Pine Oak garantiu que o mais rápido flash de fofocas se espalhasse, meu homem estava fazendo um ponto para nós sermos vistos juntos, como um casal. Eles podem não saber quais são seus planos até a grande imagem, mas não dos aspectos específicos. Não quando o fato de que tanto Maverick quanto eu compramos terra - juntos - e para qualquer pessoa que estava assistindo, ele estava fazendo a maior exibição pública para provar nosso compromisso. Eu poderia ter dito a ele que era inútil, que eu sei onde está o coração dele, mas uma pequena parte de mim está aturdida de felicidade que queria intencionalmente que as pessoas soubessem quão sério somos.


Eu pensei que Marleen Day, melhor amiga de Marybeth Perkins, ia engolir a língua quando Clay mencionou seu ciúme sobre seu irmão conseguir torta sempre que quisesse e isso agora porque ele estava vivendo com “a melhor padeira do Texas.” E, claro, Jimmy Lane, um dos clientes regulares, parecia que ia ter um ataque cardíaco, quando Maverick brincou dizendo que ele iria se divertir comendo essa torta ao padeiro. Depois, havia o melhor amigo de Jimmy, outro regular, Terry Long, que não podia deixar de mencionar que já tinha passado da hora para que Maverick tivesse sua torta e também comesse. Eu teria ficado envergonhada, mas quando vi os olhares nos rostos de Joellen Heely e Tracey Hawthorn, duas das melhores putas da cidade, quando elas ouviram tudo isso - valeu a pena. No final, uma vez que todos dentro do restaurante perceberam o que estava acontecendo, isso iniciou um efeito de dominó que continuou até que eu finalmente consegui voltar ao PieHole. Uma vez que estou de volta na solidão da minha cozinha, porém, minha mente simplesmente não desliga. Boas reflexões, mas ainda, estou pronta para a novidade de nos desgastar, então a cidade vai parar de agir como se fosse a mais incrível coisa desde pão fatiado. Não posso deixar de me perguntar se a superexuberância e a excitação quase frenética que estamos encontrando estão ajudando a minha mente ainda que a ansiedade que sentiram por nós se mova tão rapidamente. Sem dúvida, apenas estresse por causa do quanto as coisas estão mudando. Eu nunca fui bem com a mudança. Foram tantas mudanças enormes na minha vida neste curto período de tempo, que eu deveria estar uma bagunça, mas estou longe disso. Se isso fosse qualquer pessoa que não Maverick, eu seria uma bagunça com as coisas se movendo tão rápido quanto elas estão mudando tão dramaticamente. Qualquer outro homem - ou qualquer outra relação, em vez disso seria muito cedo. Com ele, porém, eu sinto que está na hora. Nós apenas decidimos tentar, mas mesmo que tenha sido apenas alguns dias, parece que são anos. Você não gasta toda a sua vida querendo algo que você conhece, que você deve ter, viver sem ele por dez anos, e não segura tudo o que você é quando você finalmente o tem.


Sabendo que Maverick sempre sentiu o mesmo eu imagino que mesmo a velocidade da luz em que nos movemos é muito lenta para ele. Mesmo que desperdiçamos muito tempo, eu sei sem dúvidas que o tempo era necessário. Meu coração pausa por Maverick, sabendo a dor que sentiu - a dor que ele vivia - que o empurrou para sair. Eu não seguro isso contra ele, agora não. O tempo que perdemos o construiu no homem que ele é hoje. Tivemos tempo de nos descobrir. Nós dois tivemos outros relacionamentos - um termo que eu uso vagamente para ele -, mas é por causa de tudo que eu sei, estamos finalmente preparados para nós. Eu acredito com tudo no meu coração que me foi dado quando nós éramos tão jovens, eu cheia de ingenuidade e ele cheio de dor, talvez não tivéssemos sido fortes o suficiente para durar. É um pensamento sóbrio, especialmente porque sei que fomos feitos um para o outro. Eu poderia optar por me absolver do que perdemos, mas prefiro me concentrar no que teremos. Eu sei que o Maverick sente o mesmo; sua velocidade de dobra é um testemunho disso. Ele, como eu, está ciente de que em uma vida diferente, estaríamos casados com crianças agora. Inferno, se ele tivesse seu caminho, aposto que ele me teria amanhã, com os pés descalços e grávida, em um esforço para começar a recuperar esse tempo perdido. Eu me afasto da geladeira depois de colocar a última torta que acabei de terminar dentro, me abalando com a minha entrega a este pensamento e olho em volta para ver se alguém tinha testemunhado meu flash quente. Sozinha, graças a Deus. Com o calor ainda alto nas minhas bochechas, apenas pensando em engravidar com os filhos de Maverick, eu me estatelo no tamborete alto ao lado da minha estação de preparação e olho para o espaço. Agora, isso é algo que eu sei que é muito cedo para esperar, mas agora que a visão está em minha mente, não consigo limpar. Deus, nossas crianças serão lindas. “Sobre o que você está sonhando?”


Assustada, eu olho para cima, olhando para Quinn antes de olhar para o relógio. “Você terminou cedo?” “Estava faltando algumas peças para o elevador na caminhonete do filho de Tucker Hillstorm. Eu percebi, não consigo obter o resto das minhas merdas feitas sem essas partes, então eu também posso te incomodar um pouco mais.” “Uh-há,” eu zombo, sentindo minha testa em arco. “E essas peças desapareceram antes ou depois de todas as fofocas atravessarem esta cidade e atingir sua loja? Eu tenho que admitir, eu esperava você mais cedo do que isso.” “Posso colocar isso atrás de algumas coisas que eu sei que não serão movidas para que eu possa afirmar que elas estavam perdidas se Tucker perguntar a outra pessoa enquanto eu estiver fora. E isso pode ou não ter sido logo após algum suculento sussurro começar a pendurar no ar da loja.” Eu lanço minha cabeça para trás e rio. “Você teria feito o mesmo,” ela diz na defensiva. “Se o quê? Você parou de evitar relacionamentos o tempo suficiente para ser o centro desses sussurros?” “Ei,” ela ri. “Não estou evitando relacionamentos. Eu sou apenas exigente.” “Quinn, sério? A única pessoa que tem mais medo de um relacionamento do que você é Clay. Ele é tão fóbico sobre isso, que ele ainda está dirigindo por três cidades para transar com garotas. Olhe para você! Tudo o que tenho a fazer é dizer a palavra e você está se encolhendo.” Ela estreita seus olhos. “Relacionamento,” lanço o caminho, enunciando a palavra devagar. “Cale-se!” “Re-la-ção!” Grito.


“Tanto faz. Não tenho medo deles. Eu simplesmente não conheci alguém que valha o meu tempo.” “E quanto ao Travis? Ou Michael? Ou Brett? Ou—” começo a rir ainda mais quando ela segura a mão acima e lança punhais meu caminho com os olhos dela. “Você não conheceu ninguém valendo o seu tempo porque tudo o que você quer é dar a eles um pedaço de você. Você não pode saber o que vale a pena quando não está disposto a tentar. Marque minhas palavras, um desses dias você vai cair em seu traseiro sobre um cara, e eu, por um lado, não posso esperar para ver isso acontecer.” “Bem, até então, apenas vou gostar de cair na minha bunda com caras por uma razão completamente diferente.” Eu rolo meus olhos. “Eu juro que você tem a mente de um homem. Tudo o que você pensa é sexo.” “Falando em ...” ela começa, e eu coloco minhas mãos imediatamente. “Você não termina esse pensamento, a menos que você realmente queira saber. Você é minha melhor amiga e eu nunca mantive qualquer coisa de você, mas você também é sua irmã. Incômoda sequer começar a tocar nisso.” Ela vinga impaciente e se levanta de onde estava inclinada para caminhar em direção à geladeira. Felizmente, ela pega o frigorífico que eu abasteci apenas para ela e as visitas aleatórias de Clay para atacar minhas coisas. “Apenas você está fazendo isso desajeitado. Só porque ele é meu irmão não significa que eu não posso bater as mãos com uma menina precisando muito – necessitando abrir as cortinas nas pernas. Além disso, além do fato dele ser meu irmão, não há nada estranho sobre isso. Eu conheço você tanto quanto eu o tenho.” “Você fez . . . EU . . . Abrir cortinas nas pernas? “ Ela encolhe os ombros. “Eu estive negligenciando você. É isso? Os caras na loja estão corrompendo sua mente novamente? Nós precisamos ter a noite de


uma menina de mimos, então você se lembrará do que é pensar como uma garota.” “O que há de errado com abrir as cortinas nas pernas? A vagina é melhor, Leigh? Buceta. Túnel de amor. Isso é tudo igual, apenas um pouco mais de pizza.” “Hooha!” Jana grita pela porta aberta que conduz ao chão principal. Eu ouço risos silenciosos que seguem seus gritos. “Certo e hooha,” Quinn acrescenta com um aceno de cabeça. “Não a encoraje,” grito em direção à entrada. “Tudo bem eu já entendi. Você aparentemente é uma riqueza de conhecimento para a terminologia vaginal. Devemos falar sobre o grande pênis de seu irmão agora?” Ela encolhe os ombros de novo, bravamente. “Você não vai me chocar.” Isso pareceu muito como um desafio. Quinn e eu nunca tivemos fronteiras quando era namoro, homens ou sexo, mas eu a conheço, e ela pode pensar que ela quer saber, mas não. Bem, Quinny, desafio aceito. “Oh, Q, deixe-me dizer-lhe, esse homem tem um monstro nas calças. Eu nem tenho certeza de como eu posso andar. Mesmo assim, nem começo com as coisas que ele pode fazer com a língua. Elas deveriam ser ilegais. Só de manhã, ele me fez gozar tão forte no chuveiro que eu sinto que meu interior está permanentemente marcado.” Eu termino e mordo a minha língua para não rir da expressão dela. Seu rosto, o brilho normal do bronzeado, está pálido, e ela ainda está congelada. Garfo na mão a meio da boca com o recheio de cereja caindo no chão. “Talvez” - ela começa com um gole - “Eu posso ficar chocada depois de tudo.” Eu olho, virando-me para terminar de limpar a bagunça que fiz com as últimas tortas do dia. Eu deveria saber melhor que pensar que ela estaria mortificada em completo silêncio.


“Você provavelmente deveria ter mais cuidado se seu grande pau gigante a marcar a ferro permanentemente,” ela murmura através de uma boca cheia. “Isso não pode ser seguro para suas partes íntimas, e Leigh, eu preciso que você proteja essas partes melhor até eu conseguir minha sobrinha.” Eu me viro, dura, e olho para ela como se ela estivesse perdida. “Eu nem tenho certeza de qual parte disso tocar primeiro.” “Provavelmente o grande monstruoso pau gigante,” ela geme. Meus olhos se ampliam. “Você é algo mais.” Ela irradia. “Não tenho certeza de que isso seja positivo.” Ri. “Tanto faz. Não me guarde as coisas. Eu não gosto disso.” “Está bem, está bem. Todas as brincadeiras de lado, porém, as coisas são incríveis, Q. Sinto que devo me beliscar e ter certeza que não estou sonhando. Todas essas fantasias que eu tive todos esses anos de ser dele - são pálidas em comparação ao que a realidade de ser amada por ele se parece.” Ela abandona sua torta no balcão, agarrando um guardanapo para limpar as mãos e o rosto antes de caminhar sobre mim e me envolver em um grande abraço. “Estou tão feliz por vocês. Eu realmente estou.” E então ela me pica muito do meu lado até que eu grito. “Lá, sem sonhar,” ela acrescenta com uma risada. Eu me junto a ela, rindo de suas palhaçadas loucas. Eu amo seu tipo especial de louca. Ela volta a sua torta, contente no silêncio, enquanto eu termino de limpar e fechar a cozinha. A única conversa que vem das nossas costas e na frente é tentando decidir aonde ir quando fecharmos esta noite. “O que dizer de dirigir-se para o Coop?” Quinn pergunta quando o barulho da máquina de lavar roupa finalmente se instala para um zumbido maçante.


“Isso soa bem. Deixe-me enviar um texto ao seu irmão e ver se ele quer nos encontrar lá. A última vez que falei com ele, ele disse que ia jantar com Clay.” “Eu passei por eles no caminho aqui. Eu acho que eles iam para aquela nova pizzaria fora da cidade.” Eu disparo um texto para Maverick antes de ir sobre o meu negócio. Quinn está tão acostumada com minha rotina ao fechar que ela silenciosamente começa a ajudar. Quando Jana trava a porta atrás do último cliente, somos capazes de nocautear o resto do encerramento em dez minutos. Quando terminamos, ainda não tinha ouvido falar de Maverick. Eu não estava preocupada, porém, sabendo que estava gastando algum tempo tão necessário com seu irmão. “Deixe-me enviar a Mav outra mensagem e apenas deixa-lo saber para nos encontrar na Coop, então podemos sair.” Eu digo a Quinn, meu rosto no meu telefone. “Você está vindo?” Quinn pergunta a Jana. “Querida, eu não perderia isso por nada neste mundo. É melhor deixar que aquele cowboy bonito saber que ele está sendo o motorista designado,” ela acrescenta com uma piada.

Que seja conhecido, você nunca deve confiar na Jana quando menciona precisar de um motorista designado. Nas duas horas desde que chegamos ao Coop, ela está se certificando de que minhas bebidas nunca estão vazias, entre seus lances na linha de danças e risadas altas. Perdi a conta muito tempo atrás. “Por que tooooodos eles estão olhando para mim?” Eu falo arrastado, inclinando-me para Quinn. Pelo menos, acho que me inclino.


Tudo tem girado durante a última hora. Acabamos de voltar de outra dança no meio da área de dança lotada. “Porque você está bêbada?” Ela minimamente se preocupa. “Você acabou de dizer que estou bêbada?” Eu rio, pegando minha Corona. Estou um pouco ansiosa, porém, e acabo perdendo a minha boca por centímetros, derramando o meu desejado bocado em todo o meu peito, fazendo com que Quinn e Jana irrompam em gargalhadas. “Você está tentando começar um concurso de camisetas molhadas?” Quinn sibila através de suas risadas. Eu olho para baixo, e com certeza, meu sutiã preto está se mostrando através da frente molhada da minha camisa branca. Encolhendo os ombros, eu decido que tomar outro robusto gole é mais importante do que me preocupar com isso, sutiã preto sob a camisa branca é uma declaração de moda, certo? Estou totalmente coberta de álcool e amando isso. Depois de colocar meu copo para baixo, pego um pedaço de porco em um guardanapo no prato no meio de nossa mesa. Eu amo como a Coop tem os melhores alimentos para comer com os dedos e aplicativos. Tecnicamente, nem sequer estão no menu, mas quando se cresce com o proprietário, você obtém o que você pede. Eu acho que ajuda que Quinn e eu passamos os últimos cinco anos ficando bêbadas e barulhentas, então eles sabem que é melhor nos dar comida durante toda a noite, para absorver todo o álcool. Quando eu dou uma mordida na pequena salsicha coberta de massa amanteigada, minha mente começa a pensar sobre outras “Salsichas” – grandes salsichas - e todos os outros pensamentos desaparecem. “Ei, Jana, pode um pau monstro quebrar minha hooha?” Pergunto, de repente completamente séria. Quinn engasga, um spray de sua cerveja voa de sua boca. “Você!” Ela grita. “Você não pode simplesmente dizer isso. Dê algum aviso a uma garota.” “Bem? Pode? “Eu continuo como se Quinn não cobriu tudo - e eu - com uma cerveja pegajosa.


“Você provavelmente pode machucar seu útero,” Jana diz, dando a isso um pensamento real. Quinn grita com indignação e olha para mim como se eu tivesse cometido o pecado mais grave. “Não se atreva a foder tudo e manter minha sobrinha de mim!” Claro, ela escolhe a única vez que o bar e a música não estão no auge para gritar isso, ganhando olhos arregalados em choque das pessoas vizinhas. “O que?” Ela estala neles com um ligeiro insulto. “Você nunca ouviu falar de grandes paus quebrando coisas? Meu irmão está muito ocupado quebrando sua merda para me dar aquele bebê!” “Que bebê?” Pergunto, confusa. “O que você vai fazer com meu irmão,” ela diz devagar, como se estivesse explicando algo a uma criança.” Ele entende a seriedade disso.” “Uh, não. . . Nós não estamos fazendo bebês em breve, Q.” Eu olho em volta, vendo que agora as pessoas ao nosso redor nem sequer tentam agir como se não estivessem ouvindo. “Ainda. O que, eu posso acrescentar, não estou muito feliz por estar sendo forçada a esperar.” Jana entra. “Querida, você tem que deixá-los divertir-se primeiro. Uma vez que esses bebês chegam aqui, eles vão ter que usar todas essas memórias armazenadas até que possam escapar, tentando encontrar tempo.” “Vocês duas estão loucas,” digo, ofegante. “Não precisamos esgueirar e encontrar tempo. Não há nada melhor do que ser amada e bem por Maverick!” “Até que ele quebre sua buceta!” Quinn grita sobre a mesa. “Minha buceta não está quebrada,” respondo, jogando as fritas que estava prestes a comer nela e batendo no meio da testa. “Então, por que você está caminhando como se você tivesse um bastão em sua bunda?”


Franzi o cenho, tentando me lembrar se eu realmente estou, mas é difícil me concentrar nisso com toda a cerveja nadando ao redor do meu cérebro. “Eu não ando engraçado. Acabei de ser bem usada por um monstro!” “Você não precisa se gabar disso,” ela resmunga. “Você é a única que continua expondo o pênis bonito de seu irmão.” “Uh.” Eu ouço alguém aclarar sua garganta, mas continuo olhando para Quinn. Ela nem está prestando atenção em mim, no entanto, em vez disso, sendo segura por Jana enquanto ela luta para ficar no banquinho porque está rindo tanto. “Querida,” não tenho a certeza se eu me referiria ao meu monstro como lindo.” Eu empurro minha cabeça ao redor e esqueço momentaneamente o que estava fazendo quando vejo os dois homens bonitos parados atrás de mim. Os meninos Davis são uma visão a contemplar, tão semelhante em construção e aparência, mas meu coração vai selvagem para apenas um deles. “E chame ele de pau, não pênis, Leigh! Os homens gostam de chamar de coisas masculinas assim.” Maverick olha atrás de mim nas palavras vulgares de sua irmã e simplesmente balança a cabeça, uma vaga expressão de dor no rosto. “É melhor se eu disser que seu pau é bonito?” Pergunto com um tom sério, olhando entre Maverick e Clay, esperando que um deles responda. “Você está bêbada, baby?” Maverick sorri para mim. Concordo. “Você quer ficar bêbada ou ir para casa?” “Isso depende,” sussurro com voz rouca, torcendo meu dedo para que ele se incline mais perto de mim. “Eu consigo montar meu cowboy


em ambos os cenários ou apenas um?” Aparentemente, não sou tão quieta quanto eu penso porque Quinn e Jana começam a rir alto. Maverick nunca me responde. Ele me põe em meus pés antes de sentar no banquinho em que eu estava e me puxar para o seu colo. Claro, a julgar pela dureza contra o meu fundo, tenho a sensação de que estarei montando meu cowboy em breve, não importa o quanto tenho que beber esta noite. E não posso esperar.


28 MAVERICK “Save a Horse (Ride a Cowboy)” by Big & Rich

“Pare,” eu repreendo, batendo a mão de Leigh brincando no meu cinto longe pela quinta vez desde que subi no banco do motorista. Nós nem mesmo saímos do Coop e ela está tão alterada que eu meio que esperava que saltasse em mim no estacionamento. “Por favor?” Ela geme. “Se você conseguir as mãos em qualquer lugar perto do meu pau agora eu vou destruir minha caminhonete.” Ela faz um som de protesto antes de bufar e colocar as mãos sobre o peito e fazer beicinho para a janela. Nunca vi Leigh bêbada, mas o lado brincalhão e desinibido dela é outra coisa. Ela estava definitivamente alimentando a atenção que nosso grupo estava recebendo hoje à noite. Ela sempre foi uma pessoa silenciosa, nunca hesitou em se divertir, mas ela definitivamente não procura o destaque. Em vez de ficar irritado, eu acompanhei o crescimento de sua confiança, agradecendo minha estrela de sorte que conseguirei passar o resto da minha vida experimentando todas as facetas de sua personalidade. Conhecemo-nos toda a nossa vida, mas de muitas maneiras somos estranhos. Olho de novo, percebendo que não a tenho ouvido falar a alguns minutos, e vejo que ela dobrou dormindo como morta, aquela linda


boca um pouco aberta, sorrindo para mim. Clay me avisou no jantar o que nós encontraríamos quando chegássemos ao Coop. Aparentemente, as meninas adoram sair um bom tempo e quando o álcool está em jogo, elas ficam um pouco turbulentas. Foi minha decisão aguardar algumas horas para dirigir. Eu queria que Leigh tivesse um tempo de garota com Quinn, mas uma grande parte de mim não podia esperar para experimentar uma bêbada e selvagem Leighton James. E não fiquei desapontado. No momento em que partimos, três horas depois de Clay e eu chegarmos lá, eu estava mais do que um pouco ligado. Quanto mais bêbada Leigh fica, mais apalpadora ela é, aparentemente. Mas quanto mais apalpadora ela está, mais molhada continua ficando aquela camisa. Inferno, em um ponto eu estava ligeiramente preocupado com o fato de que ela nunca mais poderia sentir seus lábios. Ela simplesmente driblava sua cerveja por toda parte. Não me interprete mal, eu gosto de vê-la solta, mas eu não preciso dos punks filhos da puta nesta cidade, vendo-a assim. Eu puxo para a casa, Leigh agora ronca e baba contra a janela. Desligando a caminhonete, eu olho para o meu pau ainda dolorosamente duro e peço desculpas para ele por não começar a se divertir esta noite. Eu estava ansioso para descobrir o que seria sexo bêbado com Leigh. Algo me diz, a julgar como duro a bebida a atingiu, seria um momento divertido. Eu caio no chão e fecho minha porta. Ela nem se mexe, então eu corro e desbloqueio a porta com a chave que está agora no meu chaveiro. Earl dá um miado forte antes de voltar para a casa escura, claramente não suficientemente impressionado para ficar por perto. Posso vê-la ainda desmaiada nas luzes da varanda refletindo na cabine. Mesmo uma bagunça, ela ainda faz meu peito parecer que estou prestes a ter um ataque cardíaco. O poder que ela detém sobre mim é algo indescritível. Eu ando até o lado da cabine e abro a porta, planejando pegar meu pequeno anjo dormindo e trazê-la para dentro da casa.


“Yeeeeeawwwwwkkkk!” Leigh salta no segundo que eu clico no bloqueio da porta. No próximo minuto, porém, estou convencido de que estou realmente tendo um ataque cardíaco. No segundo, que sua porta clicou, encontrei-a desmaiada no sono, se movendo ela saltou e atacou. Minha garota não tem nada de cansada quando ela lembra do que estava procurando antes de dormir. Ela se move tão rapidamente que ela traz nós dois na grama ao lado da minha caminhonete. Eu caio mais duro, então uma mulher de vinte e cinco anos me levando para o meu traseiro não é nada, mas é o poder por trás de suas ações que me deixa sem fôlego. Estou impotente. Impotente e amando cada fodido segundo. O que foi que eu pensei sobre ela ser uma mulher submissa durante sexo bêbado? Foda-se, eu não poderia estar mais errado? “Você tem um gosto bom,” ela zumbiu contra meu pescoço, sua língua lambendo caminhos quentes do colarinho da minha camisa até traçar a concha da minha orelha. Eu estava duro antes, mas suas ações estão fazendo meu pau dolorosamente assim. “Deus, cada centímetro de você tem gosto de um orgasmo na minha boca.” Minhas mãos apertam seus quadris, tentando infrutiferamente guiar o apalpar de seus movimentos e mantê-la de fazer um dano permanente à minha virilha. Seus dedos se enrolam no espaço entre meus botões, e ela se inclina o suficiente para rasgar minha camisa aberta, nem mesmo desperdiçando tempo para puxá-la todo o caminho antes de seus dedos ágeis estarem empurrando para baixo. Minhas mãos ficam vazias quando ela se move da minha preensão antes mesmo de eu registrar isso, mas quando sinto sua respiração quente contra meu estômago, levanto minha cabeça para olhar para baixo no meu corpo. Ela está de joelhos ao meu lado, felizmente na grama e não no cascalho que está do outro lado. Sua boca está beijando suavemente a pele logo acima do meu cinto, seus dedos fazendo o trabalho rápido do couro. Eu aperto seu cabelo sobre o ombro, prestes a entrar nas minhas malditas calças ao ver seu rosto excitado.


Merda, ela quer isso. Desesperadamente, se eu tivesse que adivinhar. “Levante,” ela comanda, e eu cumpro. Ela empurra meus jeans para baixo, levando minhas cuecas boxer com eles. No segundo que meu pau sai livre das ligações, entretanto, ela abandona minhas calças. “Inferno!” Eu berro na escuridão ao nosso redor quando a boca dela leva meu pau profundamente. Nem mesmo engasgou quando bati na garganta dela. Quando suas mãos entram em jogo, uma jogando com minhas bolas e a outra trabalhando em conjunto com a boca no meu pau, meus olhos se cruzaram. A capacidade de manter a cabeça erguida é perdida, e eu recosto e olho para as estrelas pintadas no céu. Seus gemidos ficam excitando meu pau em sua boca se tornando um som de luxúria. Entre seus ruídos e sua boca, tenho que espremer os olhos e apertar minha bunda, a necessidade de gozar me dominando. “Levante-se aqui e ‘me foda’ mostre a seu cowboy como você monta,” eu grunho, rezando para que não me perca antes de poder sentir sua buceta quente me cercar. Eu mantenho meus olhos apertados e minhas mãos agarrando a grama debaixo de mim, porque eu sei que a ver me montando vai me desfazer completamente neste ponto. Controle? O que é isso? Eu quase ganhei apenas um pouco disso de volta quando a sinto encurralar meu corpo, mas quando ela cai forte no meu pau, o controle tão pequeno que eu tinha conseguido encontrar evapora. Meus olhos se tornam abertos por sua própria vontade para testemunhar uma visão que nunca esquecerei. Eu estava tão perdido na tentativa de não gozar que completamente perdi ela se despir. Lá estava ela, com a luz da lua brilhante em sua pele pálida, saltando no meu pau. Com cada mudança vigorosa de seus quadris, seus peitos balançavam. Suas mãos se apoiam nos joelhos atrás dela, empurrando o tórax para o centro das atenções e fazendo minha boca encharcar. “Seu pênis é tão lindo,” ela diz com um gemido. Embora eu esteja a poucos segundos de soprar o meu topo, a ouvir dizer isso faz meu


peito se mover com uma risada. Sua cabeça, que foi jogada de volta com prazer, levanta, e ela me olha. “Você não ria de mim, cowboy.” “Não sonharia com isso, querida,” eu rugi grosso. Ela move as mãos, ainda balançando contra mim, e as traz para apertar seus peitos. Meus olhos caindo para assistir o prazer dela. Ela dá a seus seios pesados algumas flexões de seus dedos, mas depois se move para apertar seus mamilos com dureza. Seus gemidos pegam volume. Eu digo uma oração silenciosa de agradecimento por estar no meio de lugar nenhum porque vê-la foder-se no meu corpo no espaço aberto do pátio da frente é uma visão que espero ter marcada nas minhas lembranças para sempre. Sinto meu pau inchando, sua buceta apertada tornando impossível fazer algo além de rezar para que eu possa durar. “Você é tão grande,” ela choraminga e balança ligeiramente. Minhas mãos levam seus quadris novamente, ajudando a estabilizá-la. Suas mãos deixam cair seus seios enquanto ela cai com elas reforçando cada lado da minha cabeça. O peso de seus seios grandes balançando entre nossos corpos, fazendo meu pau se contrair, ganham um gemido dela. Eu lambo meus lábios, desejando ter a capacidade de virá-la e pegar minha boca em seus peitos, mas estou impotente para a mulher tomando o que ela precisa, trazendo nós dois para onde queremos estar. Seus lábios se movem nos meus, não se mexendo para me beijar, com sua respiração sobre minha boca separada. “Aguente, Cowboy,” esta é a única advertência que ela me dá antes dela começar a saltar, mais rápido desta vez. Seu calor apertado me engolindo inteiro com cada golpe contra mim, movendo seus quadris rapidamente até eu sentir seu aperto tentando me chupar de volta na ponta. Ela acelera ainda mais, a umidade dela correndo abaixo dos nossos corpos pelo meu eixo. Não há nada que eu possa fazer, mas segurar seus quadris fortemente enquanto ela me mostra como é ser bem e verdadeiramente fodido. Quando ela cai uma última vez, apertando meu pau em uma aderência, não tenho poder para segurar. Minhas costas voam fora do chão, tiro as mãos dos quadris e gemi na minha libertação enquanto a


beijo bruscamente. Com cada pulso do meu pau, ela geme em troca, girando os quadris enquanto montava seu próprio orgasmo. “Podemos fazer isso de novo?” Ela sussurra contra meus lábios, depois de nossos movimentos continuarem para um leve sussurro. Eu caio de volta, puxando-a comigo e rugindo um riso. “Querida, você apenas sugou-me com sua buceta apertada. Eu vou precisar descansar um pouco antes que possa foder você corretamente e mostrar-lhe o quanto amei essa montaria.” Ela sorri e, em seguida, para meu choque absoluto, lança a cabeça para o céu e começa a cantar Big & Rich's “Save a Horse (Ride a Cowboy).”

Um mês depois

“Posso te perguntar uma coisa?” Leighton olha para cima, parando em seu caminho para a cozinha. “Claro que você pode.” Ela sorri, mas parece preocupada. Faz um mês que assinamos a escritura da terra. As coisas estão se movendo rapidamente, e a construção está prevista para começar no próximo mês. Quanto a Leighton, ganhou um grande prêmio na Feira do Estado do Texas em Dallas, uma semana depois de assinar a escritura, e ela não diminuiu a velocidade desde então. Ela prova uma torta Cowboy, uma mistura de creme, frutas e bacon, que de todas as coisas, ganhou melhor degustação. Ela tem feito algumas feiras diferentes do condado desde então, não que seu negócio precise de campanha, mas eu sei que é algo que sua mãe adorava, então ela faz isso por ela.


Estamos tão ocupados que o tempo que temos juntos é geralmente roubado entre nossos horários de dormir. Não que eu esteja reclamando; nós nos instalamos juntos em nossas novas vidas sem esforço. Não há um segundo que passa que Leigh não me certifica de saber o quanto ela me ama. Mesmo que seja apenas um sorriso tímido antes de se dirigir para a PieHole. Talvez eu não a esteja levando em encontros extravagantes, mas tenho certeza de que ela sabe que seu amor é devolvido em sobras. Mesmo com tudo isso, no entanto, não posso deixar de sentir como se houvesse uma peça perdida em um quebra-cabeça que estou trabalhando por quase trinta anos. A última que precisa preencher esse pequeno espaço vazio que nunca consegui satisfazer. “Por que você deu tanto de você a Buford?” Choque pisca, claramente não esperando que eu perguntasse isso. “O que você quer dizer?” Ela se inclina, andando pela ilha para sentar na mesa da cozinha ao meu lado. “Clay me disse que você estava lá depois que ele ficou doente, que você estava lá quando ele morreu. Eu sei que não deve ter sido fácil para você, com o PieHole e tudo, parando sua vida para cuidar dele.” Ela se estende e pega minha mão, puxando-a para o colo enquanto desloca a cadeira para que estivéssemos bem próximos um ao outro. Eu olho para cima do gato /besta que eu estava acariciando e dou a ela minha atenção. “Você precisa entender, Maverick, eu não sabia tudo o que estava por trás de você sair. Eu sabia que Buford era uma grande parte disso, mas na minha cabeça ele ainda era seu pai. Quando ele ficou doente, tudo o que pude pensar era o que seria se fosse você? E se você estivesse lá fora na estrada, doente e incapaz de cuidar de si mesmo? Não importa o quanto eu quis odiá-lo por afastar você, até mesmo antes de saber a magnitude disso, eu olhava para ele e via o homem que eu sentia cada vez mais falta com o passar do tempo.” Eu aceno com a cabeça, compreensivelmente, a realidade desoladora que ela estava lá e o usando para me substituir, de certo modo. “Você acha que é errado que eu não posso perdoá-lo?”


Ela está em silêncio enquanto procura meu rosto, seja para que ela possa tentar ver onde eu vou com minha pergunta ou para escolher suas palavras com cuidado, mas com uma pequena sacudida de sua cabeça ela quebra o silêncio. “Eu não, querido. Eu sei que foi forçado em nossas cabeças que é melhor perdoar, mas alguns pecados não podem ser lavados. O que Buford fez com você foi errado, tão errado. Toda a sua vida foi alterada por causa de um homem detestável. Eu tive meus próprios problemas com o perdão que tão facilmente lhe dei depois que você me disse tudo, mas no final, eu sei que não posso mudar nada, odiando um homem morto. Eu acho que o que você realmente precisa se perguntar é se segurar tudo isso vale o preço que você está pagando.” A confusão puxa os meus lábios franzindo a testa, minhas sobrancelhas enrugadas e me sinto começando a protestar antes mesmo de saber o que vou dizer. “Deixe-me terminar,” ela diz, sua mão livre virando para alisar a pele entre minhas sobrancelhas. “Você confiou em mim com a verdade do seu passado, e é algo que nunca vou dar por certo. Vou segurar aquelas verdades dentro até o dia em que eu morrer, mas acho que você precisa dizer a Clay e Quinn. Eles não tiveram isso tão ruim quanto você. Eu nunca ia sequer insinuar, mas eles também lutaram. Eu acho que você precisa ser sincero com eles sobre sua mãe, seu relacionamento com Buford, tudo isso. Não estou dizendo que vai ser fácil, mas para deixar tudo para trás e esquecer tudo, você tem que deixar isso ir, e manter engarrafado entre nós, você está tornando impossível deixar isso para trás completamente.” “Que bem poderia fazer a eles dizer a verdade?” “Querido,” ela diz com um suspiro, “Buford era um homem detestável, mas quando ficou doente aquele ódio dissipou. Não estou dizendo que se foi ou que desculpou tudo o que ele fez de errado em sua vida. Clay pode tê-lo perdoado pelo passado, mas ele nunca esquecerá. Ele deu perdão a Buford, mas acho que era mais para ele mesmo. Ele carregou muita ira por um longo tempo, e entre a mão dura de Buford e sua mãe os deixando, ele não confia fácil. Ele tem tanto amor para dar, mas por causa da porcaria que está segurando por causa de seus pais, temo que nunca vai dar a alguém com a sorte de ter.”


Ela olha para baixo, cobrindo a mão que ainda está segurando antes de levantá-la para beijar contra os meus dedos. Não deixando ir, mas me dando um pouco de seu amor sabendo que essa conversa é difícil. “E depois Quinn,” ela respira. “Minha melhor amiga tem um coração tão grande, mas ela o mantém escondido. Eu tenho observado ela se endurecer com a picada de rejeição durante toda a vida. Ela não deixa ninguém chegar perto dela o suficiente porque fica aterrorizada de sentir essa ferida novamente. Ela costumava queimar tão brilhante que o sol não podia até mesmo acompanhá-la, mas abrir o coração algumas vezes foi tudo o que demorou para que esse brilho escurecesse. Faz muito tempo que a vi deixar alguém entrar. Esse medo a acompanha. É muito boa em esconder isso, mas está lá.” Meu peito dói de ouvir sobre as lutas que meus irmãos me escondem. “Eu pensei que iria poupar a eles a mesma dor que senti, Leigh. Na minha cabeça, pensei que se eu fosse embora, talvez o velho seria diferente para eles. Me mata saber que eles estão sofrendo. Por que eles não me mostram isso?” Minha garganta se constrange e tenho que piscar de volta a emoção que quer se libertar. Ela ergue-se da cadeira e segura minhas mãos para sentar no meu colo. Seus braços circundam meu pescoço e a sua testa atinge a minha levemente. Seus olhos estão cheios de amor, mas vejo a tristeza na umidade. “Ambos viram você sofrer na mão de Buford. Eles o perderam por causa de seu abuso. Isso não é algo que eles poderiam ter deixado ir. Não tenho dúvidas de que eles não lhe contaram tudo pelo mesmo motivo que você está mantendo as suas verdades. Para protegê-lo.” “Deus,” respiro, fechando os olhos. “Não estou dizendo que será fácil, querido, mas você precisa dar tudo isso. Deixe-os ter a chance de encontrar sua própria paz com a verdade. Eles fizeram as pazes com Buford - deixe-os fazer as pazes com a realidade de sua mãe também. A única coisa que você pode fazer é estar lá para eles, mas eu acho que você nunca será capaz de colocar isso atrás de você, se mantiver isso deles.”


Seu corpo muda enquanto ela repousa a cabeça no meu ombro, me dando o silêncio para os meus pensamentos, mas mantendo seu suporte. Minha mente gira e meu coração bate. Eu sei que ela sente a batida rápida porque ela traz uma de suas mãos para o meu peito para esfregar círculos calmantes. “Eu não quero machucá-los mais,” eu sussurro com voz rouca. “Querido,” ela chora suavemente, inclinando-se para olhar para mim, “você não acha que, saber a verdade, pode ser o que eles precisam para curar?” “Qual, Leighton, a verdade de que eu não sou realmente seu irmão? A verdade de que nossa mãe era mais interessada em malditos cowboys e fazer um golpe do que seus próprios filhos? Como eu até justifico manter isso deles? Essa dor que me manteve longe de você por muito tempo, levando-me a uma vida de arrependimento e tormento. . .. Como dar-lhes os meus motivos e verdades, fazer tudo menos esmagá-los? Que parte disso iria ajudá-los a se curar?” As mãos dela levantam, limpando as lágrimas que eu não consigo segurar. Fecho meus olhos e tento me acalmar. “Olhe para mim, meu belo cowboy,” ela exige suavemente. Inspiro profundamente antes de abrir os olhos e me concentrar nela. “Em primeiro lugar, você é seu irmão. O fato de você não compartilhar seu pai não significa uma merda para eles. Eles te amam, e isso nunca mudará. Em segundo lugar, sua mãe não merece que você fique com isso. O que ela merece é ficar cara a cara com as crianças que ela abandonou. Ela não merece a paz que vem com Clay e Quinn não conhecendo seus pecados. Eles fizeram as pazes com Buford para que pudessem colocá-lo atrás deles e seguir em frente. Sua morte foi a melhor coisa que poderia ter acontecido com eles. Ao dar-lhes o resto, você está permitindo a eles a capacidade de finalmente encerrar isso tudo. Você não os está esmagando, querido, você os está curando. Você deve confiar neles para serem fortes o suficiente para enfrentar isso.” Eu olho para longe, olhando para Earl enquanto ele me dá um olhar irritado por empurrá-lo do meu colo para dar espaço para Leigh. Por mais difícil que seja, eu sei que ela está certa. Na melhor parte, os conhece melhor do que eu. Eu não tive tempo suficiente para ver o lado


deles que ela está descrevendo. Não duvido da verdade de suas palavras. Agora que eu sou forçado a ver o que eles não queriam que eu visse, é tão claro quanto o dia. Se dar a eles este desgosto significa que eles podem se curar, o único que posso fazer é garantir que eu esteja lá para lhes dar o mesmo apoio que eu tenho de Leighton -amor -e se isso significa que eles têm a chance de encontrar o que eu tenho com essa mulher, eu tenho que dar-lhes todas as possibilidades de aceitar esse amor quando se trata de buscá-los. Eu não tive isso por tanto tempo que sentia o vazio daquela perda queimando no meu íntimo diariamente. Eu não quero isso para eles. Eu não quero uma vida de solidão para eles porque tenho muito medo de deixar alguém se aproximar o suficiente. E se contar a verdade sobre a nossa mãe ajudará a chegar lá, então eu acho que não tenho outra escolha. “Você estará lá comigo?” Eu pergunto, sabendo que não é mesmo algo que eu tenho que perguntar, mas precisando da confirmação dela para aliviar minha trepidação. “Eu vou estar com você a cada passo do caminho, querido. Para sempre.” Eu aceno com a cabeça, não confiando na minha voz. “Eu amo você,” ela diz suavemente. Eu engasgo com o nó na garganta, sentindo meu queixo agitado e seguro dois dedos. Compreensão acende em seu rosto, ao mesmo tempo em que perco minha luta, envolvo meus braços firmemente ao redor dela e choro como um maldito bebê no seu pescoço.


29 LEIGHTON “How to Breathe” by Matthew Mayfield

Nas últimas duas semanas, depois da nossa conversa sobre dizer a Clay e Quinn a verdade sobre o passado, Maverick tem lutado. Não é uma luta óbvia. Ele a esconde bem, mas não de mim. Ele está bem num minuto e no próximo, ele está apenas olhando para o espaço. Eu sei que é porque sua mente está trabalhando em sobrecarga, preocupado com o que a verdade fará a seus irmãos. Eu odeio, mas eu sei que não há nada que possa fazer até conseguir tudo. Eu entendo seu medo em dizer a eles - causando mais dor - mas porque sou uma estranha olhando, não tenho dúvidas de que é algo que eles precisam ouvir para seguir em frente com suas vidas. Assim como Maverick, seus irmãos são construídos a partir de um molde formidável. Será uma picada, sem dúvida, mas as crianças Davis nasceram guerreiras. “Você está bem, querido?” Pergunto ao homem silencioso olhando pela nossa janela da frente. Convidamos Clay e Quinn para o jantar esta noite, dessa forma Maverick poderia ter uma chance de falar com eles, e ele está uma bagunça quente, passeando pela sala de estar durante a última meia hora. Eu lhe dei espaço, interrompendo o pensamento taciturno dele apenas o tempo suficiente para lhe dar uma nova cerveja quando ele terminou, mas não aguento mais o silêncio pesado sem pelo menos tentar estar lá para ele. “Sim, querida,” ele suspira profundamente, e eu permaneço ali sem palavras, esperando que ele tire tudo. “Eu apenas odeio saber que no final da noite, eles podem me odiar.”


“Oh, Maverick.” Eu me preocupo, fechando a distância entre nós para envolver meu grande e forte cowboy em um abraço.”Eles nunca poderiam te odiar. Eles podem ficar machucados, mas eles nunca virarão isso em você. “ “Espero que você esteja certa,” ele medita. “Sei que estou. Não duvide deles.” Eu o sinto acenar com a cabeça quando seu queixo se move no topo da minha cabeça. Recuo e lhe dou um sorriso ficando nas pontas dos pés e lhe dou um beijo casto assim que ouvimos uma batida à porta, anunciando a chegada deles. Algumas horas depois, levanto-me para limpar a mesa, dispensando Quinn quando ela levanta para me ajudar. “Você está sendo estranha,” ela murmura, revirando os olhos quando eu a golpeio novamente com uma toalha de prato. “Eu tenho isso, Q. Vá sentar com seus irmãos.” “Estranha,” ela resmunga novamente, mas obedece, voltando a mesa para sentar-se com um suspiro. Maverick e Clay estão em uma pequena conversa sobre a demolição do antigo celeiro que Maverick estará começando amanhã. Ele decidiu arrancar a coisa inteira, algo com o qual estou feliz porque ele poderá canalizar suas emoções nesse projeto. “Venha aqui por favor, querida,” Maverick me chama da mesa, e meu coração afunda sobre o que está por vir. Eu vou até ele, secando as mãos no caminho e solto a toalha na ilha antes de me mover para o lado dele. Seu braço serpenteia e envolve minha cintura antes de me puxar para o colo. As vibrações nervosas na minha barriga me fazem mexer as mãos, tentando aliviar a tensão que irradia do Maverick para mim. Ele estende uma mão e a coloca sobre a minha, acalmando os meus movimentos.


“Por que vocês dois estão agindo tão estranhos de repente?” Quinn questiona bruscamente. Seus olhos estão voando entre seu irmão e o meu rosto, perplexidade dançando em seu tom. “Você está grávida?” “Não!” Respondo ao mesmo tempo que Maverick solta um “ainda não.” Eu atiro um olhar a ele, que apenas pisca de volta. “Bem, algo está errado com você dois.” Quinn me nivela direto com ela com Eu-sou-sua-melhor-amiga-e-eu-vejo-através-desse olhar. “Sua hooha esta quebrada novamente?” “Jesus, você é uma coisa,” lamento. “Minha hooha está bem, mas obrigada pela sua preocupação.” Ela adquiri um brilho malicioso em suas brilhantes esferas verde. Eu arranco a minha mão fora do domínio de Maverick. “Não se atreva,” reclamo com os dentes cerrados, apontando para ela. “O que? Eu só vou dizer que estou feliz que seu monstro de bolso não esteja marcado a ferro no seu útero.” “Quinn!” Clay estala. Quando olho na sua direção, é obvio que ele está tentando sufocar uma risada, mas claramente apanhou a energia nervosa também, ele está mais preocupado com isso. Ela ergue as mãos, mas felizmente mantém sua boca fechada. O silêncio continua, o ar apreensivo se transformando em uma nuvem profunda de pressentimento. Eu dou a Maverick um sorriso de apoio. “Está tudo bem, querido,” eu digo a ele suavemente, segurando seu maxilar forte e apertado. Não desvio os olhos, segurando seu olhar. “Tudo bem,” repito. Eu sinto sua mandíbula trabalhar sob a palma da minha mão. Um brilho de medo cobre seu rosto, o olhar desaparece tão rápido quanto apareceu. Nós ignoramos seus irmãos e espero, como o inferno, que possa dar-lhe o incentivo que ele precisa com minhas pequenas sugestões.


“Eu preciso dizer duas coisas. Algo que tenho mantido de vocês dois,” ele fala densamente. “Isso não é fácil, então me deixe explicar tudo. Eu vou contar tudo o que vocês queiram saber depois, mas eu apenas preciso que me deixem explicar tudo, ok?” Quinn acena com a cabeça, mastigando o lábio inferior. Clay ergue o queixo, a mão percorrendo através do seu curto cabelo preto. Um sinal claro de apreensão. “Vocês dois sabem por que eu sai. Ou mais importante, o que me levou daqui cheio de raiva e pura determinação. Buford foi um bastardo para mim - para todos nós - mas vocês sabem por que eu não poderia ficar aqui, nem ficar perto daquele homem. Eu nunca escondi minhas razões, mas quando eu saí eu descobri muito sobre o homem que me empurrou para deixar as pessoas que eu amo.” Pego sua mão na minha e seguro com firmeza, não olhando para longe de Clay e Quinn. Eu quero ser o escudo do Maverick aqui, mas também quero que eles saibam que estou aqui para eles também. Odeio o medo que vejo em seus rostos, especialmente sabendo que o medo rapidamente se transformará em mágoa. “Porra,” ele assobia, e eu sinto sua testa contra meu ombro. Ele permanece assim por um segundo antes de conseguir o que for que ele precisa para continuar. “Eu encontrei Mama alguns anos depois que eu deixei Pine Oak”. Ele pausa quando Quinn engasca. Eu vejo a mandíbula de Clay flexionar os lábios finos. Eles mantêm o silêncio. “Eu vou dizer a vocês o que quiserem saber sobre ela, mas depois. Nosso primeiro encontro foi uma merda, mas no final eu aprendi muito, um lote inteiro que nunca soube merda nenhuma. Eu sempre me perguntei por que Buford me tratava como lixo, mas nunca chegou tão longe com vocês. Ele era uma merda para ambos, com certeza, mas não como ele para mim. Foi minha conversa com ela que me fez procurar um treinador que eu não tinha trabalhado antes: Trey Mavericks. “ Ele limpa a garganta. “Eu nunca quis contar tudo isso. Vocês tem que entender, eu mantive isso de vocês dois porque porra estava com medo de que fosse muito doloroso, mas recentemente percebi que vocês precisariam disso para deixar tudo o que poderia estar assombrando vocês dois para trás. Trey, se tornou o mais próximo de família que eu tinha enquanto estava fora. Não apenas porque ele terminou sendo


meu treinador pela maior parte do tempo, enquanto estava cavalgando, mas também porque ele é minha família.” “Eu não entendo,” Quinn sussurra. “Estou chegando lá, Quinny”, ele respira. “Trey é meu tio. O irmão mais velho do meu pai biológico.” “O quê?” Ela diz com um suspiro. Olho para Clay e vejo o choque presente em seus olhos arregalados. “Quando eu finalmente consegui rastrear Mama, ela me contou sobre seu caso. Meu verdadeiro pai era um Cowboy chamado Trent Mavericks, do seu passado. Ela me chamou de Maverick por causa dele, mas fazendo isso ela deu a Buford um lembrete constante de que ela fodeu em torno dele. Sabendo disso, ele usou seu ódio por ela e suas ações como combustível para me odiar, bem. . . Isso fez sentido. Ele me odiava. Não por qualquer outra razão, mas por causa do lembrete que eu era. Meus sonhos de cavalgar o fizeram me odiar mais. Eu sei que não havia nada que eu pudesse fazer para mudar isso.” “Maldito!” Clay exclama, enquanto se levanta do assento dele para enfrentar, os ombros tensos. “Eu amo vocês dois muito por mais me mate saber que vocês possam me ver como ele fazia. O bastardo.” “Mav,” Quinn grita, derramando lágrimas dos olhos dela. “Nada disso muda uma maldita coisa. Você tem que saber isso,” ela alega. Clay gira em suas palavras, suas feições esculpidas em granito. “Nada que eles fizeram jamais o tornaria menos meu irmão. Eu não me importo com o sangue que atravessa suas veias. Você é nosso irmão.” O aperto do Maverick se torna doloroso, mas não me atrevo a mostrar isso. Meus olhos pulando de Clay para Quinn, desejando poder aliviar sua dor. Maverick empurra, as palavras saindo dele agora que ele começou. “Eu quero que vocês dois saibam, nunca quis contar isso, mas eu sei agora que não foi correto manter isso de vocês. Leighton,


bem. . . Ela esteve aqui quando eu não estava. Ela conhece vocês dois, melhor do que eu provavelmente faço agora. Ela foi minha rocha trabalhando através dessa merda, mas mais importante, minha voz da razão. Eu oro para que eu não cause mais dor com essa informação. E talvez dê paz para que vocês possam deixar algumas merdas para atrás. Eu tive muito tempo para chegar a um acordo com essa merda, mas é por causa dela que eu consegui colocar no passado e começar a seguir em frente. Vocês dois merecem isso em sua vida. Eu sei que para vocês seguirem em frente, vocês terão que abrir seus corações e não deixar que nossa história fodida se repita. Não vivam suas vidas com a raiva que nos ensinaram.” Quinn está soluçando abertamente agora, sua cabeça apoiada dentro de suas mãos. Clay se move para o lado dela, puxando-a para ficar de pé antes de envolver seus braços ao redor dela. Ele olha para Maverick, o silêncio espesso. Meu próprio coração está alojado na minha garganta, mas não me mexo. O que acontecerá depois me dirá tudo. Se eu precisar construirei uma parede ao redor do meu Cowboy para protegê-lo da mágoa ou virei abaixo como um bebê enquanto uma família se cura. “Irmão,” ele grunhiu, sua voz ainda mais profunda com o peso agora sobre ele. “Venha aqui,” ele ordena com convicção, afastando um braço de Quinn e esticando para ele. Eu me apresso a ficar de pé, quase tropeçando nos pés grande de Maverick. Eu chicoteio minha cabeça para trás, observando-o levantar de seu assento, um soluço pegando minha garganta quando vejo uma lágrima silenciosa cair de seus olhos tristes. Ele caminha, pegando minha mão e me puxando com ele antes de cair nos braços de seu irmão. Eu aperto sua mão, meu olhar segurando o de Clay. Ele me dá um sorriso triste murmurando para mim “obrigado.” Isso foi o suficiente “obrigado”. Isso foi tudo que levou para que as comportas se abrissem. Pressiono a minha testa no ombro de Maverick, dando-lhe tudo o que ele precisa, mantendo-me perto durante este momento. Quinn dá um suspiro antes de levantar a cabeça e limpar o rosto na camisa de Clay. Ele olha para baixo, uma parte da dureza deixando o rosto dele e suspira por ela. “Você acabou de limpar sua meleca na minha camisa?”


“Cale a boca,” ela soluça, virando-se para me segurar. “Eu sempre soube que você traria meu irmão para casa.” Eu empurro, soltando a mão de Maverick e puxando-a para perto. “Eu não o trouxe para casa, Q. Ele me mostrou, assim como eu mostrei para ele, onde seu coração deveria estar. Tudo o que fiz foi amá-lo.” Quinn sorri através de suas lágrimas. “Então, Maverick Mavericks, fale-me sobre o seu pai.” O peso sumindo. Eu posso sentir isso como uma neblina que se dissipa em torno de nós. Minha linda melhor amiga dando a seu irmão a certeza que ele nao tinha nada a temer, provando que nada mudaria entre eles, e ela fez isso apenas sendo ela.


30 MAVERICK “Trouble” by Ray LaMontagne

“Você está pagando por seus cuidados?” Clay pergunta, sua cadeira de balanço se movendo constantemente enquanto olha para frente no jardim escuro. “Sim,” exalo. “Você deveria deixá-la apodrecer.” Eu movo meu olhar do nada que eu estava focando e olho para Clay. Realmente olho para ele. É a imagem da máscara que sou familiarizado em usar. Nós conversamos durante horas, todos nós, maldição, odeio ter sido eu que trouxe isso para ele, mas eu sei no fundo que Leigh está certa. Ele nunca terá a chance de encontrar algo como o que tenho com ela, se não superar isso completamente. Tudo o que posso fazer é estar aqui para ele. “Clayton.” Ele se vira e me dá atenção. Eu respiro. É como olhar no espelho. A raiva e a confusão girando como um tornado dentro dele, cada uma batalhando pelo domínio. “Fale comigo,” eu imploro. “O que você quer que eu diga?” Ele ruge, jogando as mãos no ar. “Comece com o que está em sua mente, irmão mais velho.” Quinn fala por trás de nós, passando pelas nossas cadeiras para sentar na varanda de madeira, de costa para às grades.


Eu ouço o movimento atrás de mim antes que a mão de Leighton deslize no meu ombro para descansar bem acima do meu coração. Ela não se move apenas mantém sua mão lá um apoio silencioso. “Eu ainda estou tentando envolver minha cabeça em torno dessa merda, Quinny. Eu sabia que ela andava ao redor dele. Todos na cidade sabiam que ela andava ao redor dele. Eu nunca, porra, pensei que em toda esta corrida, que ela estava ocupada ‘fazendo o motivo do pai. . . “ Ele se afasta e depois limpa a garganta. “Eu nunca imaginei que o motivo do ódio de Buford em sua direção fosse por causa dessa merda, Mav. Culpar você por algo tão completamente fora do seu controle. Mesmo assim, não consigo entender. Eu lhe dei o meu perdão e fodase agora eu sinto que ele não merecia esse tipo de paz antes de morrer.” Porra. “Ele ainda é seu pai, Clay”, eu digo com veemência. “Ele não é meu pai.” O poder letal por trás das palavras não deixa espaço para discutir. Ele precisa de tempo, eu sei disso, e farei o que puder para ajudá-lo através disso. Olho para a minha irmã. Ela está tão brava quanto ele. Ela oculta sua dor com risadas e piadas, mas ela sente profundamente. “Ele era um pai terrível,” Clay continua. “Eu me recuso a justificar seu abuso. Eu não podia mesmo antes de conhecer toda essa merda, e nada muda isso. Você era uma criança inocente, Mav. Você não pediu nada disso, mas ele puniu você da mesma maneira. Eu lhe dei o que pensei que ele precisava para deixar esta terra com alguma paz. Lutei com isso então, mas não é nada comparado com o que eu sinto agora. Mamãe deveria ter ficado aqui. Ela deveria ter protegido você. Ela nunca foi apta para ser mãe, no entanto. Essa merda ficou clara no pouco tempo que ela esteve aqui, mas não posso ajudar a parte em mim que quer culpá-la por tudo isso. Os anos que você sofreu por causa de suas ações. Os anos que todos nós perdemos você por causa deles. Eu dava desculpas por ela. Nenhuma vez eu acreditei que ela realmente queria nos deixar. Eu sei mais agora e eu a odeio por isso. Não tenho certeza se eu odeio mais ela, a ele ou a mim por não fazer o que podia para protegê-lo.” “Não é sua cruz para carregar, Clay. Quero dizer, essa merda. Não tente carregar isso nem por um segundo.”


Ele olha para mim, suas características esculpidas em pedra, eu sei que ele quer lutar comigo contra isso. “Você era apenas uma criança também, Clay,” acrescento, quer ele admita ou não. Poderíamos ser capazes de lutar fisicamente, mas Buford tinha feito seus danos em todos nós e foi por causa desse medo que ele incutiu que nenhum de nós lutou contra o abuso dele. “Você acha que ela nos amou?” Quinn questiona, mudando de assunto e perguntando o que todos nós provavelmente nos perguntamos. A mão de Leigh se contrai e eu a alcanço para mantê-la contra o meu coração. Precisando dela para me manter em pé. “À sua maneira, Quinny. Eu acho que ela fez à sua maneira.” Eu empurro as palavras, mesmo que nem eu estou certo quanto disso é verdadeiro. “Como você pode defendê-la?” Clay ladra. “Como eu não posso? Eu sei que você está com raiva, Clay. Eu entendo ... confie em mim, eu sei. Você tem que se lembrar, eu tive muito tempo para chegar a este ponto de aceitação. Eu a odiei por um longo tempo também, mas asseguro a você isso estava me arrastando para baixo. Quando penso no tempo em que ela estava aqui, ela não agia como ele fazia. Ela sorria. Ela ria e brincava conosco. Essa é a mulher que eu escolho lembrar em vez do fantasma que assombrou essa casa muito depois que ela se foi. Essa é a mulher em que me apego quando eu acordo tremendo com o pesadelo que ela se tornou. Eu tenho que acreditar que ela nos amava, mesmo que fosse uma pequena parte dela.” “Ela nos deixou!” Ele sopra. “Ela nos deixou com ele, sabendo o que aconteceria. Você nem pensa em defender isso, porque isso nunca foi diferente.” Perco a mão de Leigh quando fico de pé. Quinn grita e rapidamente puxa as pernas que esticou na sua frente. Eu passo por ela e fico bem na frente de onde Clay está sentado. “Eu também te deixei, caralho.” Eu esbravejo. “Eu deixei você como ela fez, Clayton. Fique puto da vida. Odeie ela. Inferno, me odeie. Mas lembre-se de que ela não foi à única que desapareceu sabendo o


que estava deixando. Ela não foi à única que fez essas escolhas e, por sua vez, machucando cada pessoa que amava. Então, sim, eu posso defendê-la sabendo que eu segui o mesmo maldito caminho!” O meu peito está agitado quando deixo de gritar com ele. Ele não se move, no entanto. Sua mandíbula continua apertada, a única parte dele que me mostra o quão irritado ele esta. Clay é o mestre do controle, mas está escorregando. “Se você deixar essa raiva dentro de você ganhar, Clay, então você se torna a mesma besta como a que você está tão irritado. Ela nos amava do modo dela. Mesmo que ela não me tivesse como resultado de ter traido Buford, ela não teria ficado presa aqui. Às vezes, a vontade de escapar e sobreviver é muito mais forte. No final, independentemente da merda como nos fomos tratados, nós temos um ao outro, e nada pode tirar isso, a menos que você dê a eles o poder de fazer isso. Não dê isso a eles.” “Eu queria que ela estivesse morta.” Seu controle quebra nesse momento e ele deixa cair a cabeça. Ele quebra, e eu sou grato que estou de pé na frente dele. O primeiro choro estrangulado que ele tenta esconder de nós me chuta em ação. Inclino e envolvo meus braços ao redor do meu grande irmão, dando-lhe a força que não encontrei por quase uma década, orando para que ele não leve muito tempo para encontra a paz. “Você não faz, Clay. Você está magoado e confuso porque é tudo novo. Estou aqui a cada passo do caminho para ajudá-lo a superar isso.” Eu ouço Leigh e Quinn falarem calmamente antes de seus passos nos deixarem. Eu sei que ela vai estar lá para minha irmã enquanto eu dou a Clay minha atenção e apoio. Ambos vão ter dificuldade, eu sei, e tudo o que podemos fazer é ajudá-los a alcançar o outro lado. Eu não quero que eles cometam os meus erros. Eles merecem o tipo de liberdade que encontrarão depois de empurrar as coisas que os retiveram por causa do passado da nossa família. “Clay, eu preciso que você me escute.” Ele puxa para trás. As contusões mostram a força com que ele estava me agarrando aliviando agora que ele não está me apertando como um vício. “Eu nunca quis


que você sentisse o que está sentindo neste momento, mas agora sei que fiz mais mal do que bem mantendo isso de você. Eu evitei que você se afastasse, mesmo que não percebesse que você estava preso todo esse tempo. Eu gastei tantos anos perdido porque eu me sentia exatamente como você esta agora. Não podemos mudar o que eles fizeram ou as pessoas que eles eram, mas podemos garantir que a história não se repita. Estou aqui para você a cada passo. Espero que, com o tempo, você esteja pronto para deixar isso ir. Não foi algo que eu consegui fazer da noite para o dia, mas eu lhe digo que a recompensa que está esperando por você quando você colocar a merda para fora valerá a pena cada segundo de sentir como se o seu interior estivesse queimando. Toda essa dor valerá a pena quando você se permitir ser suficientemente vulnerável para aceitar o amor de outra pessoa.” “Merda, isso mata, ele diz através de uma intensa exalação. “Não vou negar isso, Clay, mas eu viveria tudo novamente contanto que soubesse que acabaria vivendo a vida que tenho agora.” Ele olha para mim, realmente “porra”me olha. Não consigo ver seu rosto claramente através das sombras, mas quando ele concorda, eu sei que ele entende o que eu estou falando. “Eu não sei, se vou me encontrar, Mav, mas espero que você esteja certo.” “Você vai,” prometo. “Você com certamente vai querer. Um dia, quando formos velhos mal-humorados, nós sentaremos aqui nesta varanda e veremos nossos filhos e nossos netos juntos, Clay. Eles vão percorrer esses campos conhecendo uma vida feliz, construída com nada mais que amor. Marque minhas palavras, irmão. A felicidade que você nunca imaginou está esperando por você. Quero que você conheça esse tipo de contentamento. O tipo que você sente profundamente em seus ossos. Eu odeio que te machuquei com a verdade, mas sei que quando você superar isso que está sentindo agora tudo valerá a pena.” Viro quando ele avança. Ele já teve o suficiente esta noite e eu tenho que lhe dar espaço para processar toda a turbulência fervendo dentro dele. Ele acena com a cabeça, e eu o ouço engolir grosso. Então, seu peito está batendo contra o meu com um abraço áspero.


“Te amo, Maverick. Nada mudará o fato de você ser meu irmão. Eu não posso prometer que vou superar o que estou sentindo amanhã, mas quero que você saiba que não importa o quão bravo eu estou, nenhuma dessa raiva é direcionada para você. Você fez o que tinha que fazer, e ninguém o culpa por isso. Estou orgulhoso do homem que você se tornou.” Eu tossi, minha garganta apertando enquanto eu guardo com força o grito que quase saiu. “Também Te amo, Clayton.” Ele se afasta e usa a parte de trás da mão para secar o rosto. “Estou feliz que você tenha Leighton. Não posso dizer que agradeço que foi necessário isso para você aceitar-la, mas me dá uma pequena esperança sabendo que você também esteve nas minhas botas e ainda tem isso.” “Nós não somos eles,” digo-lhe honestamente. “Estamos a cargo de nossas próprias vidas. Nossa própria felicidade, amor e futuro. Não consigo sonhar em deixá-la novamente, e eu sei que ela nunca mais me deixaria. Se Deus quiser, ela me dará bebês e sei com tudo o que sou que nunca lhes darei o que Buford nos deu. Eu estava perdido por um longo tempo, Clayton, mas não vou deixar que eles governem meu futuro. Nós não vivemos pelos erros deles.” “Não, nós não vivemos,” ele concorda com convicção. “Você encontrará sua própria fatia da felicidade, eu prometo isso. Até então, estou aqui a cada passo do caminho para garantir que seu caminho seja claro quando chegar cavalgando na cidade.” “Vamos ver,” ele diz com um suspiro. “Vamos verificar Quinn. Eu não quero que ela pense que isso vai ficar só entre nós. Ela não é tão dura quanto tenta nós convencer de que é.” Ele passa por mim e entra na casa. Giro e olho para a lua cheia. Me mata saber que ambos estão feridos, mas mesmo testemunhando essa dor, eu sei que Leighton estava certa em me empurrar para revelar a verdade para eles. Eu quis dizer todas as palavras que acabei de dizer a ele. Eu sei que ele não seria capaz de avançar com as questões de confiança e raiva que nosso passado incultiu em nós. Isso me impediu


por muito tempo. Eu queria ter alguém para me empurrar nisso há anos. Talvez eu tenha perdido anos da minha vida com Leigh por causa da mulher de quem eu nasci e do homem que me criou, mas farei tudo o que estiver ao meu alcance para garantir que meus irmãos não percam esse tempo também. Com um suspiro, eu me empurro da grade e viro para entrar na casa. Não, não apenas uma casa. . . Lar. Meu lar com Leighton. Ela está de pé na entrada, seu gato em seus braços e seu coração nos olhos. A iluminação das luzes atrás dela lança algum brilho angélical. Fodase, eu soei como um maldito cartão Hallmark. “Ponha-o para baixo, querida.” Ela não me questiona. Meu tom é desesperado. Preciso desse momento roubado antes de entrar em casa. Depois de colocar Earl em suas patas, ela abre a porta da tela e entra na escuridão comigo, a porta fechando suavemente atrás dela com um baixo rangido. Ela está em meus braços segundos depois. As pernas dela levantam e ela as envolve na minha cintura com um pouco de ajuda. Deixo meu rosto no pescoço dela e a respiro, tomando a força que sua própria existência me traz. “Estou orgulhosa de você, cowboy,” ela respira; suas palavras suavemente faladas me fazendo apertar meu controle. “Eles estão machucados porque é novo, mas você lhes deu algo que eles perderam por muito tempo, esta noite.” “O que é isso, querida?” “Todos vocês,” ela responde, e, foda-me, eu fico lá e tenho que lutar para respirar através do aperto no meu peito. “Como está Quinn?” Eu pergunto depois de finalmente ter controle sobre mim. Leigh puxa para trás e me dá um sorriso triste. “Ela quer vê-la. Não amanhã, talvez nem mesmo no próximo ano, mas ela quer isso.” “Se é isso que ela quer.” A última coisa que eu quero é vê-la novamente, mas para Quinn, eu moveria montanhas.


“Vamos, volte para dentro”. Ela deixa cair as pernas depois de me dar um beijo rápido e pegar minha mão para me levar até nossa casa. Leigh deixa minha mão cair depois de um aperto rápido quando entramos na sala de estar. Quinn corre para os meus braços e me abraça com força. Nenhuma palavra é falada, mas quando nos sentamos, um pouco da melancolia que se instalou sobre todos nós se dissipa. Ambos ainda estão abalados, mas, quando eles saem, todos estamos rindo depois de passar horas contando histórias sobre as boas lembranças que tivemos enquanto crescemos juntos. O amor é uma coisa poderosa. Agora que eu me abri com Leighton, eu sei que ele realmente pode conquistar tudo. O amor que Leighton e eu compartilhamos me trouxe de volta dos tempos mais sombrios que já havia passado. O amor que ambos temos por meus irmãos percorrerá um longo caminho enquanto eles tomam as medidas que precisam para realmente deixar o nosso passado para tras. Com alguma sorte, eles se encontrarão experimentando o mesmo poder divino que corre por minhas veias toda vez que a mulher que eu amo está perto. Às vezes, é preciso bater no fundo do poço para encontrar o caminho de novo. Você deve estar perdido antes que você possa ser encontrado. Isso pode ter demorado anos, mas quando dei adeus ao passado eu sabia sem sombra de dúvidas de que não estava mais à deriva. Virando da porta, vejo Leigh caminhando de volta para a sala de estar da cozinha. Ela está fazendo tudo o que as garotas fazem para colocar seus cabelos em uma bola no topo da cabeça. Seu lábio inferior puxa entre os dentes enquanto se concentra em sua tarefa. No segundo, que ela me vê inclinado contra a porta fechada, ela corre para terminar. Algumas peças caem, seus cabelos grossos se recusam a permanecer no lugar. Ela sopra para eles até que eles não estão em seus olhos e me dá minha razão por respirar. Seu sorriso cresce, seus olhos se iluminam, e a força do seu amor enche meu corpo com esmagadora supremacia. “Você está bem, Maverick?” Ela pergunta suavemente. “Eu estou agora, Leighton. Agora eu estou.”


Epílogo LEIGHTON “Eight Second Ride” by Jake Owen

Quatro meses depois

“Estamos sem maçã, bolo de aniversário e massa de biscoito!” Jana grita através da entrada da cozinha. Olho para o relógio. Apenas duas horas da tarde, e eu já estou me sentindo como se tivesse ido a uma corrida. As sextas-feiras são normalmente um pouco mais movimentadas do que de segunda a quinta-feira, mas parece que hoje, especialmente, está sem parar desde que abrimos a porta. Estava de mau humor de qualquer maneira porque Maverick saiu da cidade nos últimos dois dias. Ele tem um amigo no Wyoming, que cria touros resistentes e ele foi lá para falar sobre as necessidades da escola que ele está construindo. Bem, chamo isso de escola, mas acho que é mais como um campo de treino. Um campo de treinamento de elite, é isso. Tanto quanto estou solidária e animada que ele está fazendo grandes progressos em seus planos, eu odeio quando ele se vai. Conseguimos pegar algumas chamadas aqui e ali, mas, na maioria das vezes, não ouço falar muito dele desde que ele sai. Quando falamos ontem à noite, ele disse que não estaria em casa até domingo. Isso normalmente não seria tão grande.


Sou uma mulher independente. Ou então eu pensava. Demorou uma noite sem ele para perceber que perdi toda a capacidade de dormir sem os seus braços em volta de mim. Eu me acostumei tanto a sua presença que não gosto de não sentir sua energia dominante assumir a nossa casa. Até mesmo Earl tem feito beicinho. Ele se sentou do outro lado da porta do meu chuveiro esta manhã e não se moveu para eu poder abri-lo. Eu tive que empurrá-lo, para ele sair. Estou completamente jogada fora do meu eixo e odeio isso. Passaram-se alguns meses desde o jantar com Clay e Quinn. Durante as primeiras duas semanas, minhas exigências no PieHole me mantiveram afastada durante o dia e depois do jantar. Maverick fazia questão de começar seu dia depois de eu ter acordado, mesmo que isso significasse que ele começasse o seu dia atrasado em seu próprio trabalho. Nunca perguntei, mas tenho a sensação de que era algo que ele precisava depois de tudo o que tinha resultado naquela noite. Se era tranquilizante que ele realmente estava em nossa casa ou que eu estava lá com ele, não tenho certeza, mas eu sei disso sem dúvida. Clay vem muitas vezes agora para conversar. Ele e Mav falam lá fora, balançando nas cadeiras da varanda muito depois que o sol se pôs, e eu nem desconfio do que eles discutem, mas estou esperando que Clay se apóie no seu irmão, levando a ajuda e o apoio que Mav prometeu dar a ele. Se eles precisarem que eu faça parte disso, estarei pronta e disposta. Não há nada que eu não faria para os dois. Quinn, por outro lado, tem sido mais um desafio. Eu sei que ela está tendo dificuldade em saber a enormidade das transgressões de seus pais. Com Buford morto, ela não pode obter respostas dele. Não que ele teria dado a eles. Eles poderiam ter colocado um monte atrás deles depois que ele ficou doente, mas ela nunca esqueceu. Minha garota é leal ate à morte, e nesse caso, ela permaneceu leal a seus irmãos. Ela nunca receberá essas respostas, não agora e talvez nunca, e acho que isso é muito pesado para ela. Não só isso, mas ela está lutando com querer correr para a mãe com a qual ela tem poucas lembranças e apesar do fato de que o novo conhecimento que tem dela provoca ódio e raiva.


Ela está confusa. Ferida. E tem medo. E mesmo que ela tenha seus irmãos e eu, ela está sozinha. Ela teve medo de se comprometer desde o dia em que tinha idade suficiente para parar de pensar que os meninos tinham piolhos. Não é difícil, quando você é criado como os Davises. Além de um tipo de relacionamento sério, ela teve um verão fugaz, se instalando para relações de uma noite e sem cordas. No entanto, ela está vendo suas ações em uma nova luz. Uma expulsão das transgressões de sua mãe. Eu me preocupo que ela esteja comparando suas próprias escolhas orientadas pelo medo às que sua mãe fez. “E blueberry!” Jana grita novamente, interrompendo meus pensamentos. Impulsionando minhas preocupações com minha melhor amiga da minha mente, eu me apresento na cozinha. Eu trago o bolo de aniversário em primeiro lugar, nem mesmo olhando para cima em minha pressa. Jana faz um barulho para chamar minha atenção, mas eu apenas aperto minha mão e volto para a cozinha. Leva-me mais três viagens para trazer as outras nove tortas. Quando coloco a segunda torta de massa de biscoito na prateleira de refrigeração, finalmente olho para cima, soprando um pedaço de cabelo fora dos meus olhos. Meu coração acelera e meu estômago de repente está cheio de borboletas. “O que você está fazendo aqui?” Pergunto com atenção. “Bem, se você tivesse olhado para cima, eu poderia ter te salvado do problema dessas tortas de massa de biscoito,” Jana murmura, atravessando e me deixando com a visão de Maverick. Maverick glorioso, sorrindo para mim enquanto ele empurra uma enorme mordida de torta de massa de biscoito na boca. “Eu também senti sua falta, querida,” ele diz com uma risada, de pé na mesa depois de colocar seu garfo para baixo. Ele lambe os lábios antes de se curvar para me dar um beijo profundo. “Eu pensei que você não voltaria para casa até domingo?” Pergunto contra sua boca antes de puxar para longe e olhar para a sala lotada, sorrindo para os rostos familiares olhando.


“Mudança de planos.” “Mudança de planos?” Repito, estudando seu rosto. Ele está despreocupado como pode estar, mas há algo malicioso trabalhando atrás desses olhos verdes que tornam meus joelhos fracos. Com uma piscadela, ele olha por cima do meu ombro. “Você está bem aqui, Jana?” Ele chama de volta para o balcão. “Ei,” protesto. “Menina, você não discute com seu homem,” Jana repreende por trás de mim. “Se ele quiser roubá-la, você o deixa roubá-la. Apenas não deixe ele engolir a chave. Nada de bom vem se a chave é engolida.” Minha cabeça estala sobre Jana com um suspiro. “Limites!” Eu grito com o riso que agora está rolando de todos a nossa volta. Eles nem sequer fingem não estarem assistindo com muita atenção. “Sem algemas desta vez, Jana,” ele brinca. “Não a encoraje,” eu silvo. Ele ergue as mãos, rindo profundamente. “Ela começou.” “Talvez você seja o único algemado se você continuar assim,” eu digo toda espertinha. Seus olhos escurecem e ele se inclina mais perto de mim. “Querida”, você me quer em algemas e só você dizer a palavra que eu vou está acorrentado na cama antes que você possa piscar.” “Vá pegar suas coisas,” Maverick suspira contra minha orelha, puxando-me de volta com as mãos nos meus quadris para que eu possa sentir sua espessura contra as minhas costas. Faço uma nota mental para procurar comprar algumas algemas antes de caminhar para o meu escritório e pegar minha bolsa. Eu verifico os fornos no meu caminho de volta, tentando não me encolher na bagunça na minha estação de trabalho. “Continue, querida,” Jana diz, entrando em meus pensamentos e me tirando da cozinha antes que eu possa alcançar o limpador. A mulher também me conhece muito bem. “Não se atreva a pensar nisso. Sou perfeitamente capaz de lidar com as coisas aqui. “


“Eu odeio deixar você sozinha para fechar.” “Eu não estou sozinha! Você foi à única que contratou aquela pequena e doce Avonlee na semana passada, então nós teríamos outro corpo para noites como essas. Vá e passe algum tempo com o seu homem bonito. “Ela sacode sua toalha para mim como se eu fosse uma mosca. “Agora continue, shoo.” Eu rolo meus olhos, mas sei que ela está certa. A Avonlee não foi completamente treinada, mas não há melhor momento do que o presente. Ela está em boas mãos com Jana. Eu propositadamente contratei a Avonlee para que eu pudesse parar de trabalhar às cinco. Desta forma, eu poderia passar mais tempo com Maverick e espero configurar as minhas funções aqui no PieHole para um tempo mais parcial para mim no futuro. O futuro que crianças.

com esperança, nos dará uma casa cheia de

“Vejo você pela manhã,” eu digo a ela, puxando minha bolsa para meu ombro. Ela não responde, mas antes que eu possa chamá-la sobre o olhar estranho em seus olhos, Maverick está de volta ao meu lado e me puxando pela porta. “Será que você pode diminuir a velocidade, seu grande gigante,” eu digo com uma risada, apressando-me a acompanhar seus passos longos. Ele se vira, e sem uma palavra, me pega no estilo noiva e continua a marchar para a caminhonete, meu riso ecoando em torno de nós. Maverick abre sem esforço a porta do caminhão, me coloca no assento e anda para a porta dele. Durante todo o tempo, seu sorriso nunca diminui. “Bem, cowboy, você me pegou. Agora, o que você vai fazer comigo?” Ele estende a mão e pega a minha. “Espere.” Ele manobra a caminhonete, as vibrações fazendo arrepios salpicarem na minha pele. Quando ele dá um salto para fora da área


de estacionamento ao lado do PieHole, continuo com um sorriso estampado em meu rosto e desfruto do passeio. Ele acelera o motor quando passamos por Quinn de pé fora das baías da loja. Suas mãos em seus quadris e uma enorme raia de graxa negra em sua testa. Ela sorri intensamente e acena de volta. Mav liga o rádio, e com o velho Lynyrd Skynyrd cantando, ele deixa cair o pé e rola pela cidade. Por desconhecer para onde estamos indo, mas sabendo que eu amo o homem que me leva, olho pela janela com um sorriso no meu rosto. E o sigo cegamente, ele parece tão despreocupado e feliz como ele esta agora, que eu o seguiria até a lua.

MAVERICK Eu puxo fora na estrada, logo após contornar na nossa casa, e jogo a caminhonete no estacionamento. Foi uma das primeiras coisas que fiz antes de iniciar a construção, adicionando uma unidade que levaria as pessoas diretamente para o celeiro principal. Eu ainda posso obter tudo de nossa propriedade pessoal, mas desta forma podemos manter nossas vidas separadas do campo de treinamento. Leighton olha para mim com confusão antes de olhar pela janela. Eu espero, sabendo que ela vai ver isso sem eu ter que indicar. Nunca tínhamos discutido isso, e eu sei que foi um risco sem sua contribuição, mas não tenho dúvidas de que minha garota vai entender o que trouxe isso. Bastou um chamado para um velho amigo em Montana, um excowboy como eu, que levou sua paixão pela soldagem e tornou um negócio próspero depois que ele deixou o circuito, e uma parte de meus planos para hoje estava em andamento. Foi mais difícil do que eu pensava estar em casa uma noite mais cedo, escondendo-me


novamente no meu antigo quarto no rancho Davis, mas ver Cliff instalar seu trabalho esta manhã fez tudo valer a pena. Eu ouço seu suspiro e olho com orgulho de onde ela está colocada no enorme arco de ferro forjado, a dez metros da estrada, pela entrada fechada.

MAVERICK JAMES ESCOLA DE RODEIO.

As grandes letras em negrito, com dois enormes postes conectando-os a cerca preta abaixo, foram criadas como destaque para o que está sendo construído atrás desses portões fechados. “Você . . . “Ela suspira, sua cabeça disparando do portão para me olhar em choque antes de jogar a cabeça para trás e olhar pela janela. “É importante para mim, Leigh, que isso seja parte de você, como eu sou. O nome Davis, esse não sou eu. . . não mais.” “Mas querido,” ela começa, sua respiração prendendo, “as pessoas estão vindo por você. Maverick ‘O Imparável’ Davis.” “Eles ainda vão conseguir isso, querida.”Não importa que Davis não esteja lá, não para eles, mas sim para mim. Eles não iriam conseguir isso se não fosse pela mulher que me salvou.” Ela abre a boca, mas eu balanço minha cabeça para silenciá-la. “Se você quiser discutir comigo mais tarde, você pode, mas ainda não.” Ela franze o cenho, mas depois de examinar o meu rosto, ela apenas me dá um rápido aceno de cabeça antes de se acomodar contra o assento para esperar. Coloco a caminhonete em movimento e movo o teclado na frente do portão, pressiono o código e aguardo nosso caminho abrir. Eu dirijo pela pista, olhando para frente e vendo o progresso que fizemos nos meses que passaram desde que assinamos a escritura da propriedade. O antigo celeiro terminou há alguns meses, a brilhante tinta vermelha e branca que se destaca contra os campos verdes ao redor. Os pequenos alojamentos espalhados em torno dele finalizaram em


seguida. Os edifícios médicos e de equipamentos estavam perto do celeiro principal. Cada uma das arenas de treinamento estavam perto de terminar. Havia apenas mais algumas coisas para finalizar, mas a maior parte estava quase pronta para começar a atravessar os milhares de candidatos que começaram a aplicar e escolher a nossa classe inaugural de estudantes. Assim que deixei as notícias da escola saírem, eu estava com público inicial, não havia um cowboy novato ao redor que não soubesse sobre o meu programa de treinamento que não quisesse participar. Em cima de quatro outros instrutores que eu escolhi a dedo, Trey estaria deixando o circuito para se juntar a mim aqui depois que a temporada terminasse. Ele saiu em um encontro com Leighton e viu a terra um mês depois que recusei sua oferta, e nem me deram a chance de fazer a pergunta antes de fazer planos para se mudar para Pine Oak. A essa altura, no próximo ano, teríamos uma equipe completa e cowboys morando aqui, passando seus dias aprendendo com os melhores. Não existe uma escola de treinamento nos Estados Unidos que possa oferecer o tipo de conhecimento que a Maverick James escola de rodeio irá. Uma corrida familiar enche meu corpo quando penso no futuro. A única coisa que me dá mais alegria do que isso é a mulher sentada ao meu lado. Ainda não consigo mesmo acreditar quanto mudou desde que voltei para a cidade com raiva do que pensei ter perdido apenas um ano e meio atrás. Para onde vamos?” Leighton pergunta, segurando a alça da porta quando deixamos a estrada e começamos a tropeçar pelo campo. Em vez de responder a ela, olho para cima e dou uma piscadela. Ela apenas ri e rola os olhos. Quando chegamos à cerca que separa nossa propriedade e as escolas, eu pulo para abrir o portão de metal. Nós não conseguimos colocar o cascalho na estrada, então, depois de subir e puxar a caminhonete, eu faço uma nota mental para que isso saia mais cedo. Se eu continuar conduzindo minha caminhonete por esta merda, Quinn vai me matar. Ela já teve que substituir meus pára-choques uma vez.


Não demora muito para nos levar para onde eu quero. O mesmo campo que sempre foi tão especial para nós dois, que contém tantas lembranças. Olho para Leigh e vejo seus olhos acenderem e a felicidade que ela está sentindo fazendo com que eles acendem. Ela não espera eu abrir a porta dela; em vez disso, pula e me encontra na frente da caminhonete, olhando para o piquenique que eu tinha preparado antes de ir buscá-la. “Você está sendo romântico, cowboy?” Ela reconhece. “Depende. Será que vou ter sorte se eu estiver?” Eu zombo. “Desde quando você não tem sorte?” Eu atiro minha cabeça para trás e sorrio. “Venha, querida.” Eu teria feito isso por um longo tempo maldito, mas eu queria esperar que os bluebonnets florescessem antes de trazê-la aqui novamente. Ela não menciona isso muitas vezes, mas eu sei que vê-los faz com que ela sinta que está mais perto de seus pais. Eu queria que ela tivesse esse conforto quando a trouxesse de volta. “Obrigada,” ela diz quando cai no cobertor de xadrez que espalhei no único lugar onde não há flores, o azul brilhante que envolve sua pintura, uma imagem deslumbrante. Eu engulo o grosso nódulo de emoção e me inclino para abrir a cesta. Pego a garrafa de champanhe que comprei em Austin algumas semanas atrás. Eu não poderia dizer se é uma merda boa ou não, mas vendo como isso me custou algumas centenas de dólares, acho que é. Leigh se inclina para trás, apoiando seu peso em suas mãos e me dá um sorriso largo. “Papai adoraria ver o nome James lá em cima.” Eu faço um barulho na minha garganta e continuo a encher nossos copos antes de entregar o dela. “Eu sei que você pensa que devia ser Davis lá em cima, Leighton, mas é importante para mim que eu comece este novo capítulo de nossas vidas sem ele. Costumava pensar que ser um Davis era o que me definia, mas agora sei que não é esse o caso. Um nome apenas mantém o poder que você deixa. Eu sou o homem que sou hoje porque lutei para não me tornar ele e foi por você que finalmente tive as


ferramentas para vencer essa luta. Para mim, isso é tudo. É você e eu, Leigh, para o resto dos nossos dias.” “Querido, tudo o que fiz foi te amar.” “E esse amor me salvou,” eu digo com sinceridade. Eu deixo o silêncio prolongar enquanto espero que ela tome um gole. Estou meio tentado a virar todo o meu copo, mas apenas engulo um pouco antes de colocar o copo no topo da cesta. “Venha comigo?” Eu peço, tomando o copo e colocando-o no outro suporte de copo na borda da cesta antes de ficar de pé e segurar fora da minha mão. Seus lábios se curvam em um pequeno sorriso, e ela pega minha mão estendida para ajudá-la. Eu a puxo do cobertor e ando em direção ao final do campo. A pequena elevação na terra nos dá a visão perfeita da escola. Você não pode ver tudo, mas uma boa parte da terra da escola é visível da elevação mais alta do campo. “Você sabe, quando eu voltei para casa, eu temi cada segundo que me levou para chegar aqui. Eu estava tão bravo, baby. Eu não conseguia nem passar por mais um segundo. Por isso, não via um futuro para mim mesmo em qualquer lugar. Eu estava perdido, tão perdido, Leighton.” Tomo um ar profundo, olhando além de nós enquanto procuro as palavras certas. Ela se aproxima e envolve seus braços em volta de mim. “Eu corri de você e sabia no fundo dentro de mim que era errado antes mesmo de deixar esse lugar. Eu não posso dizer o quanto significa para mim que você estava disposta a me perdoar por isso. Nunca poderei expressar o quanto esse perdão me salvou.” “Querido,” ela sussurra, olhando para cima e apertando seus braços em volta de mim. “Você me salvou, Leigh. Você me trouxe de volta e me mostrou que não estava tão perdido quanto eu temia. Toda aquela escuridão e dor ao meu redor, você é a razão pela qual os venci de volta. Confie em mim quando eu digo isso, seu amor me deu um motivo para viver de


novo, e eu vou passar o resto da minha vida certificando-me de você saber o quanto estou grato por ter esse presente.” “Maverick, querido, você diz isso, como se eu fosse a única a salvalo. Eu estava tão perdida. A solidão estava me matando devagar. Durante todo esse tempo que estívemos separados - mesmo com toda essa distância - isso fez o vínculo que sempre tínhamos tido muito mais forte.” Ela dá uma pequena sacudida na cabeça e seus cachos balançam em seu rosto. “Você acha que eu salvei você, mas querido eu acho que nos salvamos um ao outro.” Curvando ligeiramente, eu a pego com as minhas mãos agarrarando as suas coxas. Ela não envolve as pernas ao redor dos meus quadris, mas as mãos dela se aproximam para envolver minha mandíbula e inclino minha cabeça para trás e olho para ela. Ela sorri e traz os lábios para um beijo tão cheio de fodida emoção que tenho que apertar meu controle por medo de deixá-la cair. Eu sinto meu chapéu cair próximo aos meus pés, mas continuo a beijá-la apaixonadamente. Nossas bocas se movem com fome enquanto nossas línguas se deslizam e se espalham. A promessa do que está por vir me faz gemer profundamente na boca dela, virando minha cabeça para aprofundar nosso beijo. “Eu te amo,” ela diz contra meus lábios depois de um último golpe molhado de sua língua contra a minha. Eu não respondo. Em vez disso, lentamente, deixo ela cair no chão antes de cair de joelhos. Ela engasga. Eu olho para ela, a enormidade do amor que sinto por ela queimando minha garganta. Minha testa atinge sua barriga e ela tropeça ligeiramente quando eu cruzo meus braços ao redor de suas costas, puxando-a mais perto com minhas mãos em seus lados. Eu cavo meus dedos na carne macia e aperto meus olhos. Rezando, eu tiro tudo antes de chorar como um bebê. “Eu te amo pra caralho, Leighton. Eu sei que se alguma vez for forçado a viver sem você de novo, nunca encontraria meu caminho de volta com isso. Você é tudo para mim, querida. Tudo o que eu nunca me deixei acreditar que teria, mas agradeço a Deus todos os dias que finalmente tenho isso. Eu olho para cima, nem mesmo envergonhado


das lágrimas rolando pelo meu rosto. “Em um desses dias, nossos filhos irão percorrer esses mesmos campos em que crescemos.” Eles farão isso com corações felizes porque seus pais os amam tanto quanto eles se amam. O meu passado nunca os tocará, e ao dar a nossa terra ambos os nossos nomes, eu vou garantir isso. Case comigo, Leighton James. Case comigo, me dê bebês e deixe nosso amor se tornar algo que as outras pessoas sonham em encontrar.” Quando acabei de falar, ela soluçava tanto que, se não a estivesse apertando, acho que ela teria caído. “Deus, sim!” Ela chora, suas lágrimas caindo ainda mais rápido agora. “Nada me deixaria mais feliz.” Fico de pé e a aperto. Ela rola para os dedos dos pés e me inclino para encontrá-la no resto do caminho. Nosso beijo é lento. A respiração pesada que sai de nossas duas bocas fundidas torna nossa conexão desesperada, a necessidade de estar o mais próximo possível construindo entre nós enquanto nossas lágrimas de felicidade dançam juntas. Essa necessidade se constrói à medida que nossos movimentos frenéticos rasgam nossas roupas, a demanda silenciosa de nossos corpos nos alimenta até que nós dois estamos tão nus quanto o dia em que nascemos sob o sol brilhante do Texas. Eu a levanto e ela se envolve em mim, nossas bocas nunca se separam enquanto a levo de volta ao cobertor. Sua umidade me faz puxa-la mais perto do meu pau dolorido, e antes que suas costas atinjam o chão, estou dentro dela. Nós nos movemos devagar, seu corpo pegando cada centímetro de mim. Levanto minha boca da dela, mantendo minha testa conectada enquanto meus quadris começam a se mover mais rápido. Os gritos dela pegam ritmo com cada estocada funda que eu dou no corpo apertado dela, nossos olhos ainda molhados de emoção. “Eu vou levar o seu nome, baby,” juro, batendo meus quadris para baixo. “Oh, Deus.” Ela traga, o corpo inteiro dela tremendo quando sua buceta treme em torno de meu pau. “Eu vou levar o seu nome e quando tivermos nossos bebês, eles também vão levar-lo.” “Oh, Deus!” Ela grita, seu núcleo me apertando forte.


“Nada que eu queira mais do que deixar o mundo saber que você me salvou. Vou mostrar a todos eles quando você se casar comigo, baby.” Ela balança, meu pau atingindo a parte mais profunda dela, e eu gemo enquanto minhas bolas se apertam. “Você vai me dar isso?” Pergunto, sentindo que minha liberação começa a correr pelo meu corpo. “Eu vou te dar tudo!”Ela grita, seu corpo mais uma vez me apertando, mais apertado do que antes, quando ela começa a gozar. Eu dou três impulsos mais poderosos e profundos antes que eu sinta meu gozo derramar em seu calor acolhedor. “Você já tem,” sussurro, levando sua boca novamente enquanto mergulho preguiçosamente dentro e fora da nossa umidade combinada. Com sorte, os bebês James que eu quero tão desesperadamente virão mais cedo do que mais tarde. Acomodamos-nos depois de mais alguns minutos, e Leighton solta um pequeno suspiro feliz enquanto me aconchego contra ela. Não temos pressa para sair do nosso campo. Ninguém nos incomodará aqui. Não em nosso lugar. Com as flores do nosso passado florescendo tão incrivelmente quanto nosso amor, mantenho meu futuro em meus braços. Eu estava perdido uma vez. Um cowboy sem a capacidade de fazer o que ele amava. Cheguei em casa apesar de ser o último lugar que pensei que eu queria estar, e no processo não só me encontrei de novo, mas também descobri que a minha razão para viver não tem nada a ver com a montaria. Não . . . montaria não me define mais. Não quando tenho o amor da mulher feita para mim. Ela me devolveu a mim, e no processo, ganhei tudo. Leigh se agita contra mim. “Devemos ir, baby?” Ela murmura meio adormecida.


Eu apenas a aperto contra mim e beijo sua testa doce para tudo que eu valho. “Baby, não vamos a lugar nenhum.” “Nós temos todo o tempo do mundo.”

Lost Rider - Série Coming Home #1- Harper Sloan  

Maverick Austin Davis é forçado a voltar para casa depois de uma carreira de dez anos como uma estrela de rodeio. Após várias lesões na cabe...

Lost Rider - Série Coming Home #1- Harper Sloan  

Maverick Austin Davis é forçado a voltar para casa depois de uma carreira de dez anos como uma estrela de rodeio. Após várias lesões na cabe...

Advertisement