Boletim Informativo da Agência do Zambeze - Mabhassa Ya Zambeze

Page 1

Zambézia já conta com uma incubadora de negócios

Comofinanciamento do FCID, Gurue e Rapale incrementam a produção de frangos e ovos

Pág: 12

Pág:13-17

Mabhassa Ya Zambeze Boletim Informativo do Vale do Zambeze Edição nº 03 Março-2020 Periodicidade: Mensal

Agência do Zambeze aposta na produção, processamento e comercalização de arroz

Disponíveis 500 milhões de Meticais para o processamento e comercalização do arroz no Vale do Zambeze.

... este ano vamos montar

cinco (5) pequenas fábricas de processamento do arroz, com capacidade para 15 mil toneladas por campanha

Ficha Técnica Propriedade: Agência do Zambeze Director: Roberto Albino Editor: Miranda Miguel Produção de Conteúdos: Comunicação e Marketing Endereço: Tete, Av. Eduardo Mondlane, nº 161 Periodicidade: Mensal


Mabhassa Ya Zambeze

Editorial

Março, 2020

Caro leitor e parceiro

O mundo vive hoje, dias assombrados, por conta da pandemia do Coronavírus (Covid-19). É um momento em que todos nós somos chamados a participar desta “guerra”, cujo inimigo é invisível. Somos desafiados a unir esforços para conter a propagação deste vírus. Como é de conhecimentos de todos, ainda não há remédio para esta doença, prevalecendo como melhor “arma” para a nossa luta, a prevenção e o cumprimento escrupuloso das recomendações das autoridades sanitárias e governamentais. Este não é o momento, para ficarmos “relaxados” e pensarmos que esta pandemia não nos vai atingir. Pelo contrário, o nosso país já regista caso positivos para a Covid-19, o que nos remete a uma maior consciencialização individual e colectiva, para evitar que mais pessoas sejam infectadas. A Agência do Zambeze no cumprimento das medidas decretadas pelo Governo, sobre o Estado de Emergência, está a implementar uma série de medidas para redução do risco de contágio, nomeadamente: regime de rotatividade dos quadros, disseminação de mensagens sobre as medidas de prevenção para além de distribuição de equipamento de protecção individual e colectivo..

e assegurando o cumprimento das suas actividades. Com isso, caro leitor e parceiro, em nome da Agência do Zambeze e do meu nome pessoal, quero apelar que continuemos a cumprir rigorosamente com as medidas decretadas pelo Governo, sobre o Estado de Emergência, por forma reduzirmos os impactos nefastos desta pandemia no nosso país. Cada um de nós deve ser responsável pela sensibilização e difusão de mensagens sobre a prevenção. Vamos todos nesta luta, empenhados e na esperança de que dias melhores virão, e todos celebraremos a vitória. Fique em casa e salve vidas. O distanciamento é a melhor cura para a Covid-19. Tete, Abril de 2020 Roberto Albino Director-geral da Agência do Zambeze

Igualmente, adoptamos a medida do uso das tecnologias de informação e comunicação para a realização de reuniões com os diversos parceiros e quadros da instituição, evitando deste modo a aglomeração de pessoas nos mesmos espaços Agência do Zambeze

www.agenciadozambeze.gov.mz

Página 2


Mabhassa Ya Zambeze

Notícias

Março, 2020

Disponíveis 500 milhões de meticais para processamento e comercialzação de Arroz

A

Agência do Zambeze e o GAPI procederam,no dia 05 de Março, no Distrito de Nicoadala, na Zambézia, ao lançamento da Linha de Financiamento da Cadeia deValor deArroz,para oVale do Zambeze,designada por LIFINCA. O LIFINCA está orçado em 500 milhões de meticais, para um período de cinco anos, (2020-2024).Visa fortalecer e promover iniciativas agro empresariais dentro da cadeia de valor do arroz, com enfoque na comercialização e processamento de modo a capitalizar as Pequenas e Medias Empresas ao longo do Vale do Zambeze, que abrange as Províncias da Zambézia, Manica, Sofala eTete. Dados do Ministério da Indústria em Comércio relativos ao ano de 2019, indicam que Moçambique consome anualmente cerca de 600 mil toneladas de arroz, cujo défice é de cerca de 300 mil toneladas. Para suprir esta demanda, o país é obrigado a importar este cereal. Em 2018 por exemplo, o país gastou cerca de 221 milhões de dólares na importação de arroz. Tendo em conta estes dados, o Director-Geral da Agência do Zambeze, Roberto Albino, disse que se pretende com o LIFINCA “contribuir para a redução dos níveis de importação deste cereal, através do incremento da sua disponibilidade, em quantidade e qualidade, dinamizar o processo de comercialização do arroz e promover o agro-processamento”.

do incremento da sua disponibilidade, em quantidade e qualidade, dinamizar o processo de comercialização do arroz e promover o agro-processamento”. “Esta linha de financiamento é um mecanismo de resposta às necessidades e preocupações dos intervenientes da cadeia de valor do arroz, com destaque para a comercialização dos excedentes dos produtores e reforçar a renda das famílias” frisou Roberto Albino.

Esta linha de financiamento é um mecanismo de resposta às necessidades e preocupações dos intervenientes da cadeia de valor do arroz, com destaque para a comercialização dos excedentes dos produtores e reforçar a renda das famílias

Albino, disse que se pretende com o LIFINCA “contribuir para a redução dos níveis de importação do arroz, através Agência do Zambeze

www.agenciadozambeze.gov.mz

Página 3


Mabhassa Ya Zambeze

Março, 2020

Notícias

Roberto Albino - Director-Geral da Agência do Zambeze intervindo pela ocasião do lancamento do LIFINCA

A cerimónia de lançamento do LIFINCA foi dirigida pelo Governador da Zambézia, Pio Matos, o qual referiu que o arroz é a cultura de bandeira daquela província. “A cultura de arroz é uma das mais importantes na província da Zambézia por ocupar um lugar de destaque na dieta alimentar das famílias nesta região do país, mas também em termos de índice de produção”, disse Pio Matos acrescentando que “a dinamização da produção e comercialização do arroz contribuirá para dinamização da sua cultura e na renda das famílias”. “A nossa aposta é tornar a província da Zambézia auto-suficiente na produção e disponibilidade de

“A nossa aposta é

tornar a província da Zambézia autosuficiente na produção e disponibilidade de produtos alimentares e ser líder na cadeia de produção e comercialização do arroz no país, - Pio Matos

Agência do Zambeze

produtos alimentares e ser líder na cadeia de produção e comercialização do arroz no país”, vaticinou o Governador da Zambézia apelado ao dinamismo, empenho e eficácia dos intervenientes da cadeia do arroz na província. O dirigente apelou ainda aos intervenientes na cadeia de valor do arroz a aderirem a esta iniciativa por considera-la uma alavanca para o aumento da produção e produtividade. Na cerimónia de lançamento foram entregues cinco cheques, a igual número de beneficiários, em montantes que variam de 247 mil meticais a dois milhões de meticais, totalizando cerca de 8 milhões de meticais.

Pio Matos - Governador da Zambézia, no lancamento do LIFINCA

www.agenciadozambeze.gov.mz

Página 4


Mabhassa Ya Zambeze

Março, 2020

ZAMBÉZIA EM FOCO

Agência do Zambeze apoia projectos estruturantes na Zambézia

A

Agência do Zambeze está a implementar, desde 2013, diversos projectos para acelerar o desenvolvimento da base produtiva da Região do Zambeze, de modo a assegurar a sua rápida e forte contribuição no crescimento da economia nacional, na melhoria da balança comercial, na oferta de emprego e na inclusão económica e social, através da gestão sustentável e transparente dos recursos naturais e do ambiente. Estas iniciativas fazem parte do Plano de Desenvolvimento da Região do Vale do Zambeze, do qual são esperados: aumento de produção de cereais com enfoque para no arroz na ordem das 250 mil toneladas/ ano; crescimento na produção anual de leguminosas na ordem das 50 mil toneladas/ano; disponibilidade anual carne para consumo (frango, bovino e caprino) na ordem das 8 mil toneladas; produção adicional de

Agência do Zambeze

Zambézia prevê produzir para a presente campanha agrícola cerca de sete milhões de toneladas de culturas diversas, no qual, a Agência do Zambeze espera apoiar no mínimo, na produção de três milhões de toneladas de culturas.

cerca de 175 mil toneladas de açúcar e introdução de área para irrigação na ordem dos 70 mil hectares, entre outros até 2024. Plano de Desenvolvimento da Região do Vale do Zambeze prevê até 2024:

250 000

Toneladas de arroz por ano

50 000

Toneladas de legominosas por ano

8 000

Toneladas de carne para consumo por ano

O Vale do Zambeze abrange a totalidade da Província deTete, quatro distritos da província de Manica, sete de Sofala e 14 da Zambézia, região centro do país. Na Zambézia, a Agência do Zambeze opera em 15 distritos, sendo que um distrito - Gurué, não faz parte do Vale do Zambeze, segundo Alves Vicente, delegado naquela província. De acordo com Alves Vicente, Zambézia prevê produzir para a presente campanha agrícola cerca de sete milhões de toneladas de culturas diversas, no qual, a Agência do Zambeze espera apoiar “no mínimo, na produção de três milhões de toneladas de culturas”.

www.agenciadozambeze.gov.mz

Página 5


Março, 2020

Mabhassa Ya Zambeze

Para a materialização deste “sonho”, a Agência do Zambeze colocou a disposição dos produtores locais, 64 tractores, uma linha de financiamento para apoiar iniciativas empresariais de agronegócio, criação de centros de alto rendimento e unidades de processamento de arroz para assegurar a comercialização e disponibilidade de

N

ZAMBÉZIA EM FOCO

produtos no mercado local e nacional.

(...) não se deve olhar somente a Agência do Zambeze. Cada um de nós tem o seu contributo, Alves Vicente

No entanto, Alves Vicente considerou crucial a coordenação de esforços ao nível da província, “este deve ser um esforço combinado entre as diferentes instituições” - disse advertindo, “não se deve olhar somente a Agência do Zambeze. Cada um de nós tem o seu contributo”.

Disponíveis 18 parques de máquinas agrícolas na Zambezia e expectativa de produção três milhões de toneladas de culturas diversas

a Província da Zambézia, a Agência do Zambeze esta assistir 15 distritos nos quais, foram estabelecidos 18 parques de máquinas agrícolas, com um total de 64 tractores e respectivas alfaias.

A iniciativa está sendo implementada desde… através de um Programa de Mecanização Agrária do Vale do Zambeze (PROMAG), criado pela instituição, enquadrado na operacionalização da Estratégia Nacional de Mecanização Agrária. Na campanha 2018/2019, através do PROMAG, a província contava com 48 tractores agrícolas, perfazendo 10 parques de máquinas, tendo lavrado cerca de 2 mil hectares (ha), de um total de 5000ha previstos, segundo explicou Alves Vicente. “Não atingimos as nossas metas porque nos deparamos com a situação do

(...) há algumas práticas desfavoráveis de alguns produtores que esperam a queda das primeiras chuvas para lavrar as suas machambas e, na época 2018/2019, (as chuvas) caíram intensamente dificultando o trabalho dos tractores nos campos

Agência do Zambeze

Agência do Zambeze colocou 64 tractores na Zambézia

ciclone Idai”- disse, apontando ainda que “há algumas práticas desfavoráveis de alguns produtores que esperam a queda das primeiras chuvas para lavrar as suas machambas e, na época 2018/2019, (as chuvas) caíram intensamente dificultando o trabalho dos tractores nos campos”, lamentou Vicente. Para a presente campanha agrícola, o dirigente referiu que houve um reforço de oito (8) novos parques de máquinas onde “já foram lavradas dois mil e quinhentos hectares (2500ha) de cerca sete mil hectares previstos”.

O delegado refere que a alocação da maquinaria agrícola permitiu a criação de 71 novos postos de emprego permanentes e espera-se a produção de cerca de três milhões de toneladas de culturas diversas.

64

Tractores disponíveis na Zambézia

120

Capacidade de lavoura por cada tractor por época

71

Postos de trabalho fixos criados em 18 parques

www.agenciadozambeze.gov.mz

Página 6


Mabhassa Ya Zambeze

Março, 2020

ZAMBÉZIA EM FOCO

Investidos 56 milhões de meticais para financiar 54 projectos ligados ao agronegócio e empreendedorismo.

A

inda Zambézia, foram financiadas 54 iniciativas empresariais de jovens recém-graduados e alguns empreendedores através de uma Linha de Financiamento ao Agronegócios e Empreendedorismo (FAE). Trata-se de uma iniciativa da Agência do Zambeze e do Banco Nacional de Investimentos (BNI) avaliado em cerca e 400 milhões de meticais, lançada em 2017. “Até aqui foram aprovados 33 projectos no âmbito do FAE normal, dos quais 23 estão em implementação e os restantes 10 estão em processo de desembolso” - disse o dirigente, Para o efeito, Alves Vicente avançou que, no FAE normal “foram desembolsados pouco mais de 25 milhões de meticais para iniciativas viradas a comercialização agrícola, produção e uma pequena parte avicultura em pequena escala. “Estão envolvidos 38 jovens recém-graduados sendo alguns colectivamente com maior incidência para agricultura e avicultura”, informou. Com a passagem do ciclone Idai, que afectou a zona centro do país (as quatro províncias abrangidas pelo Vale do Zambeze), a Agência do Zambeze criou uma linha de Financiamento ao Agronegócios e Empreendedorismo, designada por FAE Emergência, segundo avançou o dirigente. No contexto desta nova linha “foram desembolsados 31 milhões de meticais para financiar projectos, na sua maioria, virados a produção de arroz e horticultura” - frisou Vicente. Agência do Zambeze

Até aqui foram aprovados 33 projectos no âmbito do FAE normal, dos quais 23 estão em implementação e os restantes 10 estão em processo de desembolso. Já foram desembolsados pouco mais de 25 milhões de meticais. 38 jovens recémgraduados entre os beneficiários

Sobre os impactos dos projectos, o delegado da Agência do Zambeze considerou de “ainda é prematuro” mostrando algum optimismo “existem boas perspectivas para geração de emprego, sustentabilidade dos projectos”.

Alves Vicente - delegado da Agência do Zambeze, na Zambézia

Refira-se que o FAE é uma linha de Financiamento cujas taxas de juro variam de 10 a 15 por cento e tem como beneficiários estudantes recê-graduados das escolas técnicas profissionais das áreas de agronegócio. Micros, Pequenas e Médias Empresas, Cooperativas, Associações com fins lucrativos no Vale do Zambeze.

No âmbito do FAE Emergência foram desembolsados 31 milhões de meticais para financiar projectos, na sua maioria, virados a produção de arroz e horticultura.

www.agenciadozambeze.gov.mz

Página 7


Mabhassa Ya Zambeze

Março, 2020

ZAMBÉZIA EM FOCO

Agência do Zambeze aposta em Centros de Alto Rendimento

S

eis jovens produtores do distrito de Namacurra estão a beneficiar de assistência técnica e financeira, disponibilizada Agência do Zambeze, de modo a incrementar os níveis de produção e produtividade da cultura de arroz e sua ligação com o mercado. Os jovens estão a ser incubados no Centro de Alto Rendimento de Mutange, onde, de acordo com o delegado da Agência do Zambeze, na Zambézia,AlvesVicente, o grupo “tem acesso maquinaria agrícola, inovações tecnológicas em todas as áreas, incluindo sementes, fertilizantes, insecticidas e outros fármacos”.

Os trabalhos dos jovens produtores são assistidos por uma empresa privada, contratada pela Agência do Zambeze para o efeito, numa área de cerca de 60 hectares, na qual, espera-se colher perto de 240 toneladas de arroz (cerca de 4 6 toneladas por hectare).

Os jovens beneficiaram de credito por meio da Linha de Finamento ao Agronegócio e Empreendedorismo (FAE), adstrito aAgência do Zambeze, de modo a fazer face as despesas de tratamento e preparação dos solos.

estabelecidos com o mercado para onde será colocada a produção” assegurou Alves Vicente, referindo as Unidades de Processamento de Arroz que estão a ser instaladas na Província da Zambézia.

“É mais um benefício para eles, o auto-emprego” - disse o dirigente para quem “já existem contactos

Os trabalhos dos jovens produtores são assistidos por uma empresa privada, contratada pela Agência do

Agência do Zambeze

Zambeze para o efeito, numa área de cerca de 60 hectares, no qual esperase colher perto de 240 toneladas de arroz (cerca de 4 à 6 toneladas por hectar). A Agência do Zambeze prevê ainda a criação de mais centros de alto rendimento nos distritos de Nicoadala, Gurué e Mopeia para a produção de arroz e horticultura. “Nicoadala e Mopeia podem estar contemplados para componente de arroz” mas Gurué é especificamente para horticultura” - contou Alves.

www.agenciadozambeze.gov.mz

Página 8


Mabhassa Ya Zambeze

Março, 2020

ZAMBÉZIA EM FOCO

Juleca Jaime é produtora agrícola dos distrito de Nicoadala, incubada no Centro de Alto Rendimento de Mutange. Recebeu um crédito de 218 mil meticais da linha de Financiamento ao Agronegócios e Empreendedorismo, pós Idai (FAE Emergência), uma iniciativa da Agência do Zambeze por forma a impulsionar a sua actividade produtiva. “Usei para trabalhar a minha área de 3 hectares” - contou, esclarecendo que “mandei fazer lavoura, gradagem, sementeira, adubação, sacha, além de custear despesas de alguns trabalhadores sazonais”. Relativamente a assistência de que beneficia, a produtora explicou que “aprendi a conduzir as máquinas (tractores) para fazer a sementeira, gradagem e lavoura”. A produtora espera colher cerca de 12 toneladas de arroz cujo destino final “é para venda na Unidade” na Unidades de Processamento de Arroz”. Namacurra é um dos distritos com maior aptidão para a produçao da

Juleca Jaime - jovem produtora de arroz em Mutange - Namacurra

(...) aprendi a conduzir as máquinas (tractores) para fazer a sementeira, gradagem e lavoura.

Betinho José - Director do SDAE de Namacurra

Agência do Zambeze

cultura do arroz, na Província da Zambézia. Conta com uma área potencial para produção agrícola na ordem dos 140 mil hectares de terras aráveis, segundo o Director dos Serviços de Actividades Económicas (SDAE), Betinho José. “Estamos a explorar 105 mil hectares de terras aráveis, dos quais, 75 mil para o arroz e os restantes para outras culturas como: mandioca, milho, feijões, amendoim, batata-doce, gergelim e hortícolas”, disse José. Aquele dirigente referiu que o distrito conta com nove tractores no total, dos quais, seis receberam através da Agência do Zambeze, a quem considera de parceiro estratégico. “Para além de trazer recursos financeiros e materiais, promove capacitações técnicas aos beneficiários dos programas”, informou Betinho José.

www.agenciadozambeze.gov.mz

Página 9


Mabhassa Ya Zambeze

Março, 2020

ZAMBÉZIA EM FOCO

Estabelecidas cinco Unidade de Processamento de Arroz com capacidade de processar 15 mil toneladas por campanha

Obras de construção da unidade de processamento de arroz em Namacurra

E

stão em processo de montagem nos distritos de Nicoadala, Namacurra,Maganja da Costa,Mopeia (da Zambézia) e mais um em Sofala, cinco unidades de processamento de arroz, com capacidade de processar até 15 mil toneladas por campanha. As unidades foram adquiridas pela Agência do Zambeze e estão orçadas em cerca de 45 milhões de meticais. Para a sua operacionalização, a maquinaria será cedida ao empresariado local, a título de crédito a ser pago num período não superior a 10 anos, segundo indicouAlvesVicente - delegado da Agência do Zambeze na província da Zambézia. “Cabe ao gestor de cada projecto garantir infraestruturas necessárias para albergar os equipamentos” referiu o representante da Agência do Zambeze, adiantando que neste momento, as infraestruturas encontram-se em construção

Agência do Zambeze

esperando-se que até em “Junho estejam em pleno funcionamento, após a colheita”. O dirigente assegurou ainda que, cada gestor recebeu 60 toneladas de sementes das quais: 40 toneladas de grão destinadas para consumo e 20 toneladas de sementes para fomento, fertilizantes e pesticidas. “Depois de receberem este apoio, os gestores celebraram contractos com produtores de modo a garantir que, no final, haja matéria-prima em cada campanha e mercado garantido para ambos (produtores e gestores) ”, informou.

A Agência do Zambeze investiu cerca de 45 milhões de metiicais para aquisição das fábricas

Cabe ao gestor de cada projecto garantir infraestruturas necessárias para albergar os equipamentos (...) Depois de receberem este apoio, os gestores celebraram contractos com produtores de modo a garantir que, no final, haja matéria-prima em cada campanha e mercado garantido para ambos (produtores e gestores), informou, Alves Vicente

Como resultado das intervenções, a Agência do Zambeze espera a colocação de cerca de 20 mil toneladas de arroz no mercado e contribuir para competitividade no mercado. O gestor da unidade de processamento de arroz que está em construção no distrito de Namacurra, Lazito Assebola, referiu ter investido cerca de cinco (5) milhões de meticais, fundos próprios, para a construção e apetrechamento da sua infraestrutura (unidade de processamento), onde espera empregar seis (6) pessoas.

Lazito Assebola - Empresário de Namacurra

www.agenciadozambeze.gov.mz

Página 10


Mabhassa Ya Zambeze

No que toca a matéria-prima, Lazito Assebola disse estar confiante de que existe o suficiente no distrito. “Mais de 70 produtores vieram levantar comigo sementes que recebi da Agência do Zambeze e depois de eles produzirem vão pagar aquilo que eles levaram e o outro produto vão vender-me”. “Como estou sozinho aqui no distrito de Namacurra, vou lançar postos de compras de produtos em vários

Março, 2020

ZAMBÉZIA EM FOCO

sítios” - referiu descrevendo “vou atingir a área (postos administrativos) de Michichine, Furquia, Macuze, Mutange e o próprio Namcura (distrito). Praticamente tenho essas zonas para comprar”. Assebola disse ainda que trabalha na identificação de locais e estabelecimento de parcerias nos principais mercados comerciais daquela província.

Mais de 70 produtores vieram levantar comigo sementes que recebi da Agência do Zambeze e depois de eles produzirem vão pagar aquilo que eles levaram e o outro produto vão venderme.

A

cidade de Tete acolheu em Março último um Workshop em Tecnologias de apoio à gestão territorial com utilização de satélites onde participaram técnicos provenientes de instituições públicas e privadas ao nível do Vale do Zambeze, enquadrado num projectopiloto para aplicação nas dimensões de agricultura, água e conservação da biodiversidade. Trata-se de uma iniciativa que visava dotar os participantes de conhecimento da análise e interpretação de imagens captadas por satélites relativas a ocupação do solo, água, floresta e outros recursos naturais através do uso de novas tecnologias, numa plataforma AGROMAP. Falando sobre o evento, Miranda Miguel – director dos Serviços de Estudos e Análise Estratégica da Agência do Zambeze disse que “esta tecnologia vai apoiar os decisores sobre as dinâmicas territoriais para a tomada de decisões acertadas nos projectos e programas de desenvolvimento ao nível da região do vale do Zambeze”. Por outro lado, aquele dirigente revelou que “a expectativa desta Agência do Zambeze

Tete acolhe Workshop em Tecnologias de apoio à gestão territorial com utilização de satélites parceria é que a população moçambicana, em especial do Vale do Zambeze, tenha uma plataforma eficaz e eficiente na capacidade de produção, e controlo dos recursos hídricos, na conservação da nossa biodiversidade”, informou. Por seu turno, José Rafael da Agroinsider, considerou que a ligação com aAgência do Zambeze de positiva, “porque vai possibilitar os técnicos da Agencia do Zambeze e as demais instituições e terem conhecimento, sobre como os satélites da Agência espacial europeia podem facilitar na gestão de território na água, agricultura, da vegetação, inclusive das populações para perceber a questão de assentamento”.

Participam da formação, cerca de 30 técnicos das seguintes entidades: ARA-Zambeze, CEP Tete, INE, INGC, Direcção de Agricultura, Terra e Ambiente, Serviços Provinciais de Florestas e Fauna Bravia, Hidroelétrica de Cahora Bassa, Parque Nacional de Mágoe e quadros da Agência do Zambeze.

Esta tecnologia vai apoiar aos decisores no que tange as dinâmicas territoriais para a tomada de decisões acertadas nos projectos e programas de desenvolvimento ao nível da região do vale do Zambeze

www.agenciadozambeze.gov.mz

Página 11


Mabhassa Ya Zambeze

Março, 2020

Notícias

Zambézia já tem uma incubadora de negócios

O

governador da Zambézia, Pio Matos procedeu a 06 de Março, na cidade de Quelimane, a inauguração da incubadora de negócios, um espaço criado para dar assistência técnica ao sector privado naquela província. Para montagem da infra-estrutura foram investidos cerca de 9 milhões de meticais, através da Agência do Zambeze. Estão já em processo de incubação oito empresas, todas da província da Zambézia e o governador Pio Matos espera que mais empresas adiram à incubadora. “Queremos que as empresas venham aqui adquirir conhecimentos sobre as boas práticas empresariais, sejam elas recém-criadas ou mesmo antigas”, disse Matos.

Momento da Inauguração da Incubadora de Negócios

“pretendemos ter incubadoras em todas as províncias do Vale do Zambeze”.

A incubadora deverá saber treinar os empresários para tenhamos empresas consistentes – disse Pio Matos, acrescentando que “as empresas devem aprender o saber fazer”.

“Esperamos que saiam das incubadoras empresas tecnologicamente avançadas que adoptam práticas empresariais internas e que estejam preparadas para enfrentar as adversidades que o mundo empresarial enfrenta”, disse Albino.

Por seu turno, o Director-geral da Agência do Zambeze, RobertoAlbino anunciou que este é um primeiro passo, porque segundo anunciou

Aquele dirigente disse acreditar que a incubadora de Quelimane seja “um centro de conhecimento e de experiencias práticas”. No local está uma equipa de técnicos da Agência do Zambeze para assistir e fazer acompanhamento das empresas incubadas. Segundo Roberto Albino,

“ Pio Matos - Governador da Zambézia

Agência do Zambeze

Queremos que as empresas venham aqui adquirir conhecimentos sobre as boas práticas empresariais.

Roberto Albino - DirectorGeral da Agência do Zambeze

por se tratar de um conceito novo nesta primeira fase a Agência do Zambeze vai suportar os custos operacionais. “Futuramente a medida que esta metodologia for adoptada pelas empresas, elas vão comparticipar”, revelou o director-geral da Agência do Zambeze. Presenciaram a cerimónia de inauguração da incubadora de negócios de Quelimane, membros do governo provincial, representantes do sector privado e das empresas incubadas.

www.agenciadozambeze.gov.mz

Página 12


Financiada pelo FCID

Zambézia poderá contar com “maior projecto de produção de ovos no país”

E

stão em construção na região de Txacaia, Posto Administrativo de Lioma, no distrito de Gurué, província da Zambézia 100 pavilhões para albergar igual número de produtores de ovos e outras infraestruturas complementares, orçado em pouco mais de 10 milhões de dólares americanos, sendo que 1.5 são do Fundo Catalítico para Inovação e Demonstração (FCID). As infra-estruturas estão equipadas com tecnologia de ponta. Todo o projecto está a ser implantado numa área de 780 hectares, dos quais, uma parte estará disponível para a produção de matéria-prima para ração, com destaque para milho e soja.

Cada pavilhão tem capacidade até 1.500 galinhas poedeiras, numa área de cerca de 26 metros quadrados. Para além dos aviários, está quase pronta a casa de recria dos pintos, com capacidade para 17 mil pintos. Numa primeira fase, os aviários vão albergar 30 produtores de ovos do distrito de Gurué, sendo que cada criador vai receber 500 aves. Os criadores vão trabalhar em parceira com a ManMart Moçambique, uma empresa de criação e abate de frangos.

Este projecto vai impulsionar ainda o mercado de soja e milho, e criar impactos financeiros ao nível do distrito através do aumento da comercialização, considera José Manuel – Director do SDAE de Gurué

“Este será o maior projecto de produção de ovos no país”, disse Pedro Sousa – responsável da ManMart, para quem na sua fase avançada, o projecto vai produzir uma média de 120.000 mil ovos por dia. Por outro lado, Sousa garantiu que o distrito de Gurué é um potencial para a produção de frango de corte e ovos, porque “tem potencialidades para a produção de matéria-prima (soja e milho), para a produção de ração”.

Pedro Sousa- Representante da ManMart

Página 13


O distrito de Gurué produziu na campanha agrária 2018/19 cerca de 41 mil toneladas de soja e cerca de 130 mil de milho.

de soja e milho, e criar impactos financeiros ao nível do distrito através do aumento da comercialização”, observou José Manuel.

Está em construção de uma fábrica de ração naquele distrito, numa iniciativa público-privada, segundo indicou José Manuel – Director do Serviços de Actividades Económicas (SDAE).

Actualmente, a maior parte do ovo e frango consumido no distrito de

Manuel acredita que com a conclusão destes dois empreendimentos o distrito será uma potência na produção do frango e ovo, ao nível da província e da região centro do país. “Vai impulsionar ainda o mercado

Gurué é importado do vizinho Malawi, e com a implantação do projecto da ManMart naquele distrito esperase reduzir a entrada ao país destes produtos, “porque os produtores irão produzir para o mercado”.

Gurué é um potencial para a produção de frango de corte e ovos, porque “tem potencialidades para a produção de matéria-prima como a soja e o milho, para a produção de ração.

Produtores com “altas expectativas”

José Manuel - Director do SDAE de Gurué

(...) será um bom desafio, e estou pronto para isso e espero que com essa actividade possa melhorar as minhas condições de vida e ampliar o negócio.

oito mil pintos.

Para Zito Chissano, um dos produtores de frango contemplado pelo projecto da ManMart Moçambique, o apoio “será um bom desafio, e estou pronto para isso e espero que com essa actividade possa melhorar as minhas condições de vida e ampliar o negócio”. O produtor explicou ainda que

Com 29 anos de idade, e pai de um filho, Chissano encontrou na avicultura um refúgio ao desemprego e sustento familiar. “Tenho dito Zito Chissano- Produtor de que nós jovens não devemos ficar a espera do emprego formal, temos frangos em Gurué que nos auto-empregar”, apelou Zito beneficiou-se, neste projecto, Chissano. de treinamento em técnicas de produção de ovos, financiado pelo Governo moçambicano através do Fundo Catalítico para Inovação e Demonstração (FCID). Zito Chissano contou que trabalha com mais três jovens nos seus dois aviários, ambos com capacidade para

Pavilhões em obras em Gurué

Página 14


Com financimento do FCID

Rapale incrementa a produção de frangos

Um dos aviários de Mutivazi povoado com 7 mil pintos

M

ais de 20 criadores de frangos da Associação de Criadores de Avícola de Rapale (ACAR), localizada na região de Mutivazi, no distrito de Rapale, Província de Nampula receberam 16 aviários melhorados. A iniciativa é da empresa Novos Horizontes, baseada em Rapale, dedicada à venda de frangos e conta financiamento do Governo moçambicano, através Fundo Catalítico para Inovação e Demonstração (FCID), com o apoio do Banco Mundial. Os pavilhões estão sendo construídos para albergar até 7.500 pintos (sete mil e quintos).

Esperamos que com os lucros desta actividade nestes pavilhões, os criadores melhorem as suas vidas e se tornem pequenos e médios empresários.

Garantido mercado aos produtores O gestor de Produção Integrada da Novos Horizontes, Ibrahimo Hamido, explicou que todo pinto criado no complexo de Mutivazi irá directamente para o matadouro da empresa. “Isso significa que o mercado para os criadores está garantido”. “Por ano, prevê-se seis (6) ciclos de produção de frangos por cada pavilhão ou produtor”- esclareceu Hamido assumindo “uma média de perdas de 5 por cento, espera-se que cada pavilhão que cada produtor forneça à Novos Horizontes, cerca de 42 mil frangos ao ano”. “Esperamos que com os lucros Página 15


desta actividade nestes pavilhões, os criadores melhorem as suas vidas e se tornem pequenos e médios empresários”, vaticina o gestor da Novos Horizontes. Em Mutivazi está igualmente posicionado um técnico da Novos Horizontes, responsável pela assistência técnica dos criadores. “Os criadores já foram capacitados em matérias de associativismo, boas práticas para a produção de frangos e aspectos técnicos de biossegurança”concluiu Ibrahimo Hamido.

Criadores perspectivam dias melhores

Ibrahimo HamidoRepresentante da NH

Os criadores já foram capacitados em matérias de associativismo, boas práticas para a produção de frangos e aspectos técnicos de biossegurança.

Já o presidente da ACAR Cardoso de Castro, de 48 anos de idade, pai de sete filhos e criador de frangos há cerca de 13 anos, confirmou que também recebeu um pavilhão com 7 mil pintos, onde emprega 4 jovens. Avançou que, com o apoio espera melhorar a sua produção de frangos e aumentar as suas receitas de modo a construir mais pavilhões. “Agradeço ao Governo moçambicano e o Banco Mundial por este apoio, porque aqui temos boas condições e creio que futuramente vamos crescer”. Por outro lado, Cardoso de Castro diz que o processo de constituição da sua associação foi tranquila e a relação com os membros é harmoniosa.

sete (7) mil pintos onde emprega três jovens trabalhadores.

Adelina Kamoco- membro da ACAR

Adelina Kamoco é membro da Associação de Criadores Avícolas de Rapale (ACAR), e criadora de frangos desde 2008. Contou que, antes de receber o pavilhão melhorado, desenvolvia a sua actividade num aviário precário, erguido na sua casa, algures no distrito de Rapale, com capacidade não superior a 2.500 pintos. delina Kamoco recebeu, por via do projecto da Novos Horizontes, no âmbito do Fundo Catalítico para Inovação e Demonstração (FCID),

Casada e mãe de 8 filhos, a criadora afirma estar motivada e explica que “com o dinheiro que sairá deste negócio, espero continuar a pagar os estudos do meu filho que frequenta uma universidade em Nampula e pagar o salário dos meus trabalhadores”. Adelina Kamoco revelou que no anterior aviário tinha em média 16 a 18 mil de rendimentos por cada ciclo de produção. “No actual aviário financiado pelo Governo moçambicano espero ganhar entre 60 a 80 mil meticais”.

No actual aviário financiado pelo Governo espero ganhar entre 60 a 80 mil meticais por ciclo de produção.

Cardoso de Castropresidente da ACAR

Agradeço ao Governo moçambicano e o Banco Mundial por este apoio, porque aqui temos boas condições e creio que futuramente vamos crescer.

Página 16


Adelino Manuel - Director do SDAE de Rapale

(...) vai melhorar a vida dos criadores

O

distrito de Rapale ocupa um lugar de destaque na produção de frangos ao nível da zona norte do país. Produzi por dia cerca de 80 toneladas de ovos e 15 mil toneladas de frango, indicou Adelino Manuel – Director dos Serviços de Actividades Económicas (SDAE) de Rapele. Com a construção do complexo de Mutivazi, Manuel disse que “vai melhorar a vida das famílias produtoras de frango e impulsionar o desenvolvimento do distrito e o aumento do emprego”. O SEDAE explicou ainda outras

iniciativas que o Governo distrital está a implementar para melhorar a cadeia de frangos.

promover a produção de soja”, disse segundo apontou Adelino Manuel.

“Com o apoio do SUSTENTA, através de uma linha de financiamento para jovens, vai ser construído na região de Mutivazi, uma incubadora, onde os jovens poderão aprender a criar frangos, através das experiencias dos membros da ACAR”.

Com o apoio do SUSTENTA, através de uma linha de financiamento para jovens, vai ser construído na região de Mutivazi, uma incubadora, onde os jovens poderão aprender a criar frangos, através das experiencias dos membros da ACAR.

Face a demanda de matéria-prima para a produção de ração, o distrito de Rapale está a intensificar a produção de milho e soja. “Através do SUSTENTA se está

Página 17


ComfinanciamentodoFundoCatalítico

Produtores de Mugema usam equipamentos de mecanização agrária

CEPSA da Cooperativa Opuanha em Mugema

C

om o apoio do Governo moçambicano, através do Fundo Catalítico para Inovação foi criada, em 2018 a Cooperativa de produtores Agrários de Naela – conhecida por cooperativa Opuanha.

Sou vice-presidente da cooperativa e daqui discuto de igual forma com os homens sobre o futuro da cooperativa, mas também a partir daqui recebemos Passados cerca de dois anos, os muitos treinamentos membros da Coop Opuanha, sobre boas práticas apontam ganhos. agrícolas. A cooperativa conta atualmente com 36 membros efectivos, dos quais, três são mulheres. Com o apoio do FCID, a Opuanha, assistida tecnicamente pela Miruku Coop recebeu equipamento de mecanização agrária e processamento de graus.

Joanita Caberula é vice-presidente da cooperativa. Tem 33 anos de idade, casada e mãe de 8 filhos.

A camponesa conta que há três anos trabalhava numa área de apenas 2 hectares. Com ajuda da maquinaria agrária colocada à disposição dos produtores pelo FCID, aumentou a sua área para 10 hectares, onde emprega outras pessoas. “Tive que encontrar trabalhadores sazonais para me ajudarem na minha machamba”, informou Joanita Caberula. A camponesa produzi milho e soja. Devido a queda pluviométrica que se registou em Alto Molócue, os produtores estão esperançados em obter boa colheita. “Espero boa colheita e com a venda do excedente melhorar a minha casa”, disse Joanita, que pretende ver mais Página 18


“Esta época creio que vou colher entre 13-15 toneladas de diversos produtos, principalmente milho e soja”, indicou Marques Dias. Toda produção dos membros da cooperativa Opuanha já tem mercado garantido “temos já acordos com a Miruku Agro – Indústria que vai comprar a nossa produção e aquela que nós compraremos dos pequenos produtores locais”, informou o Presidente da Cooperativa.

Joanita Caberula- vicepresidente da Opuanha

36

Membros efectivos da cooperativa

“ Esta época creio

mulher na cooperativa Opuanha, porque no seu entender traz muitos benefícios. “Sou vice-presidente da cooperativa e daqui discuto de igual forma com os homens sobre o futuro da cooperativa, mas também a partir daqui recebemos muitos treinamentos sobre boas práticas agrícolas”. Por seu turno, Marques Dias – presidente da cooperativa que antes comerciante de diversos produtos decidiu abraçar agricultura há dois anos.

que vou colher entre 13-15 toneladas de diversos produtos, principalmente milho e soja

74

Hectares foram lavrados na presente época agrária em Mugema

“A agricultura é vantagiosa”, disse Dias, acrescentando que “hoje tenho mais tempo de ficar com a minha família”. Também com o uso da maquinaria agrária da cooperativa aumentou a sua área de produção dos anteriores 5 hectares para 8. Está a empregar um número não especificado de trabalhadores sazonais que ajudam nos trabalhos da machamba.

Marques Dias- presidente da Opuanha

Página 19


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.