Issuu on Google+

arquitectura · cinema · dança · fotografia · moda · música · teatro

#33 Setembro 2012

MAG

amol amolmagazine.net

Moda

Luís Balão

Fotografia Tutorial de iluminação de moda

Arquitectura Vivências urbanas

MÙsica Entrevista com Pedra, tesoura e papel

Karina Ferro

Numa TV perto de si Portefólio de Sin Vision photography New faces/New models: Karen Nascimento


amol mag | 2


Anuncie na Amol magazine! Seja nosso patrocinador. Basta contactar: geral@amolmagazine.net Tenha o seu nome associado aos concursos que pormovemos, oferecendo os prémios para os nossos concursos! Divulgue a sua marca na nossa revista e o seu anúncio será visto por milhares de pessoas.

Amol agency Inscreve-te já! Exerces alguma atividade relacionada com Fotografia? És modelo, fotógrafo/a, maquilhador/a, cabeleireiro/a, body painter ou retouch artist? Inscreve-te em: www.amolagency.net um site completamente gratuito onde todos os membros são VIP.

Edição impressa Agora maior e mais barata! 8.00 euros Já podes encomendar a versao impressa da tua Amol Magazine em tamanho A4. Vai a www.euedito.com e trata de tudo online … em breve divulgaremos através do nosso Facebook o endereço directo para encomendas. A Amol cresceu e baixou de preço... encomendar ficou mais fácil.

amol mag | 3


sumário Ficha técnica

Capa

Joana Caldeira Fotografia Pedro Cabral Make Up Artist Marta Moreira Guarda-roupa Meirydiane Garcês

Direção Equipa AMOL IT Manager Tiago Silva Design Gráfico André Araújo Relações públicas Maria João Lima Fotógrafo Pedro Cabral Colaboradores editoriais Fernando Bagnola, Fernando Dionísio, Florisa Nogueira, Helena Oliveira, Maria João Lima, Mariana Lambertini, Miguel Meira, Nuno Pinheiro e Pedro Cabral

índice 06 10 20 21 22 24 26

amol mag | 4

Em Foco Portfólio: Sin Vision photography Música Cinema Arquitetura Moda Fotografia

06 10


Amol Mag nº 33

tas ... Iguais ou diferentes. Relembramos que a Amol não é um

E cá estamos de novo!

projecto “fechado” e que estamos

A Amol de Setembro é sempre sentida

abertos a novas propostas de coo-

como um regresso, quanto mais não

peração, no campo das artes. Basta

seja porque muitos de nós regressam

contactarem-nos, apresentar os novos

de férias para assegurar que a Amol

projectos e debater a sua viabilidade.

vai saír, no dia 1, como sempre!

E pronto... É tudo. Leiam a amol e

Este não é um mês de novidades, por-

divirtam-se. Se gostarem divulguem,

que habitualmente Agosto não é um

porque os nossos leitores são a nossa

mês em que avancemos com novos

publicidade.

projetos, com novas iniciativas. Mas não deixamos de pensar na Amol, não

Leiam e divulguem a Amol !

deixamos de reflectir a por isso esperamos em breve ter mais novidades,

Equipa Amol

que nos façam continuar a crescer e a atraír novos leitores. Parece-nos importante trazer a este editorial a nossa parceria com a euedito que nos permite oferecer a preços mais interessantes a possibilidade de impressão da revista, com métodos de pagamento mais simples. Salientamos ainda a campanha lançada durante o mês de Agosto que permite imprimir com 50% de desconto desde que se encomendem, no mínimo, cinco revis-

30 40

Capa - Karina Ferro

30

Música entrevista: Pedra, tesoura e papel

40

Teatro: Poema, A velha artista

42

Eu na Amol

48

Amol Madeira

52

New Faces

57

amol mag | 5


Em Foco: Renato Ferro Em foco é uma nova secção da Amol Mag destinada a fotógrafos que têm trabalhos que pretendem publicar fora do âmbito de um portfolio. A pequena reportagem, um relato de viagem, uma sessão “especial” passa a ter agora lugar na nossa revista. Enviemnos os vossos trabalhos até dia 15 de cada mês, para: geral@

amolmagazine.net com “Em foco” no assunto. Em www. amolmagazine.net, no separador “Em foco” copiem a declaração de autorização de publicação que têm que nos enviar e...Aguardem a saída da revista. Se tivermos a vossa colaboração, todos os meses publicaremos um “Em foco”.

Renato Ferro, 28 anos, fotografo há cerca de dois anos. A vertente moda é a que mais o fascina e apesar de ainda não ter uma máquina chamada de topo, um estúdio ou outras condições que lhe permitam inovar, tem tentado evoluir à medida que vai fotografando e vendo os constantes trabalhos de imensas pessoas que o inspiram e apoiam. Renato Ferro is a twenty-eight-year-old photographer. He started shooting about two years ago. His main interest is fashion and in spite of not to have a top camera, a studio or other conditions he is trying to grow up on photography taking as inspiration some other photographs he is following and that give him some feedback on his work.

amol mag | 6


“Focus” is a new section, at Amol, for photographers who wish to share some of their work. This is not a portfolio, our aim is to publish a short story, a travel diary, a special session... Send us your photos until the 15th of each month for geral@amolmagazine.net with “Focus”

in the subject. Go to http://www.amolmagazine.net/ emfoco/ download the disclaimer you have to send us and get acquaintance with the rules of this editorial. We are waiting for you.

amol mag | 7


Em Foco: Renato Ferro

amol mag | 8


amol mag | 9


Portef贸lio: Sin Vision photography

amol mag | 10


Portefólio:

Sin Vision photography

Uma criatividade que tem algo de provocante, a arte na sua essência, estilo a que é impossível ficar indiferente .... Deliciem-se com Sin Vision. amol mag | 11


Portefólio: Sin Vision photography

Sin Vision photography Olá Sandra

Como é que a fotografia aparece na

abunda, não deixo de procurar mais e ten-

O teu trabalho surpreende-nos, po-

tua vida?

tar evoluir. Sei que apenas desta forma

demos gostar ou não, mas não se

O gosto pela arte fotográfica surge desde

conseguirei progredir enquanto fotógrafa.

fica indiferente. Quem é a Sin Vi-

cedo, quando ainda manuseava as fotos

Provavelmente neste percurso há

sion? Ou a Sandra?

que se viam no ambiente familiar. O per-

contratempos

SinVison nasce da necessidade de recriar

petuar de um momento, o congelar de

estimulantes... Tens encontrado di-

situações e personagens que aos poucos

emoções sempre me fascinou!

ficuldades? O que te faz continuar

surgiam na minha imaginação. O audiovi-

com esta garra que vemos no teu

sual desde cedo me atraiu, assim como,

Como tem sido o teu percurso fotográfico ?

a criação de ambientes. Desta forma, fui

O percurso está estritamente ligado às

Dificuldades, estas fazem parte do per-

tentando passar para a pratica as ima-

solicitações profissionais. Estas, por ve-

curso. Entendo-as como força e estímulo

gens imaginadas.

zes são mais, por vezes são menos. No

adicional ao desenvolvimento daquilo que

entanto, mesmo quando o trabalho não

gosto de fazer.

amol mag | 12

e

momentos

mais

trabalho?


amol mag | 13


Portefólio: Sin Vision photography

Como funciona o teu “processo cria-

Quem são os teus mestres? Quem te

por aperfeiçoamento a nível de edição e

tivo”?

inspira?

toda a manipulação que está ao nosso al-

O meu processo criativo funciona por es-

Admiro o trabalho de inúmeros artistas ,

cance nos dias de hoje. A evolução é sem-

tímulos. Os mesmos podem surgir através

David Lachapelle, Jean Saudek, Ellen von

pre gradual, e só com o passar do tempo é

de sonhos no conforto do repouso, como

Unworth, Francesca Woodman, Nan Gol-

que nos apercebemos do que estávamos a

também da observação do real, locais

din, Terry Richardson, Phantom Orchid,

fazer menos bem. Essa capacidade de ve-

que me fazem sentir algo especial, ou

de entre muitos outros…

rificação do erro é evolução!

até mesmo de conversas que despertam

Em termos profissionais, na fotogra-

Sabemos que também estás na fo-

uma imagem na minha mente. O facto de

fia, que gostarias de fazer?

tografia como modelo ... Consegues

gostar da arte da fotografia e me manter

Pretendo seguir em frente com o meu

distanciar-te da fotógrafa? Como é

atualizada nesta área, também acaba por

projecto SINVISION, e acima de tudo

ser fotógrafa e ser modelo?

influenciar o trabalho de pesquisa.

evoluir enquanto fotógrafa, desenvolver

O facto de estar na área enquanto fotó-

Como te defines? Quais os géneros

mais e novas competências no âmbito da

grafa e modelo fotográfico permite-me

que mais te atraem?

fotografia artística.

compreender o processo de forma mais

Defino-me como uma apaixonada do não

E o que é que detestarias fazer?

abrangente. Sei o que é estar de um lado,

convencional, uma amante do comporta-

Detestaria ter que fazer books de moda

sei o que é estar no outro, ou seja, fazer

mento não standard. Enquanto profissio-

toda a minha vida ... hehehe

a ponte talvez seja para mim algo mais

nal da fotografia, sei que tenho um longo

Sentes que desde que começaste a

intuitivo de que tivesse apenas experien-

caminho a percorrer. Mas encaro-o com

fotografar tens evoluído? Qual é a

cia enquanto fotógrafa. Acredito enquanto

vontade e determinação, aquela que se

maior evolução

modelo fotográfico que alguns conheci-

tem quando realmente gostamos do que

Mau seria, se não existissem evoluções

mentos desta área me podem ser de bas-

fazemos.

técnicas a diversos níveis: começando pela

tante utilidade na fotografia.

qualidade da foto em si mesma e passando

Para além da fotografia, quem és tu?

amol mag | 14


Sou uma pessoa, igual a tantas outras que lutam pela sua paixão. No meu caso é a fotografia e todo o seu universo a razão da minha luta! Certamente muito ficará por dizer…. mas deixamos-te agora um pouco de espaço para em discurso directo nos falares um pouco mais de ti e nos mostrares um pouco mais do teu trabalho. Bem, de mim não haverá muito mais a dizer para além do que atrás ficou descrito para além de não gostar muito de falar sobre mim própria, prefiro que seja o meu trabalho a faze-lo. Deixo o meu contacto para todos os interessados no meu trabalho, e aproveito também para agradecer o vosso interesse no universo SinVision. Obrigado! Sand.mm.costa@gmail.com http://www.facebook.com/pages/SinVision-Photography/171857916177919

amol mag | 15


Portef贸lio: Sin Vision photography

amol mag | 16


amol mag | 17


Portef贸lio: Sin Vision photography

amol mag | 18


Música Nuno Pinheiro, 30 anos, jornalista sem carteira. Nasceu e mora em Lisboa, numa casa com janela para o rio. Talvez por isso esteja muitas vezes bem-disposto e nunca escreva mal de nada. Colabora com a AMOL há uns bons meses e, que se saiba, não escreve sobre Música em mais lado nenhum. Também não precisa.

SBTRKT preferida é a Pharaos feat. Roses Garbor

Aqui não há lei. É por isso que desta vez

tas que as do James ou do Jamie.

vos trago um disco de Junho de 2011.

Há quem chame isto de pós-dubstep mas,

ou a Something Goes Right feat. Sampa.

SBTRKT é o álbum de estreia do SBTRKT

rótulos à parte, estamos perante um disco

Ouçam e ajudem-me a decidir.

(lê-se subtract), um produtor inglês que se

fora do comum e de extremos no sentido

chega à frente com um disco cheio de can-

em que tanto pode ser ouvido para rela-

ções emotivas e muito arrojadas. A música

xar em casa como banda sonora de fundo

do SBTRKT é declarada e deliciosamente

como também pode ser ouvido com ouvi-

eletrónica com ambiências ao estilo de Ja-

dos cirúgicos de quem procura novos sons

mes Blake e Jamie Woon. A grande vanta-

e novos caminhos.

gem é que as canções do artista aqui em

Mais um disco para ouvir de uma ponta

destaque me parecem muito mais imedia-

à outra e eu ainda não decidi se a minha

Nuno Pinheiro


Cinema Maria João Lima é professora e bailarina, mas a sua paixão pelo Cinema levou-a ser jornalista freelancer para a AMOL, onde tem entrevistado grandes nomes da Sétima Arte. Este ano, vai dar os primeiros passos nesta área como realizadora.

Batman- The dark knight rises Cavaleiro das Trevas Renasce e termina por aqui! Nolan terminou a sua trilogia! Após ter

que toda a gente fique contente! Não

culo e novos aliados juntam-se a uma

revolucionado o género super-herói ,

aconteceu! Muita gente ficou desiludi-

fotografia e ambiente de Gotham como

chega ao fim a jornada do bilionário/vi-

da. Mas mesmo que não tenha supe-

ainda não tínhamos visto!

gilante que usa o seu maior medo para

rado o segundo filme , talvez porque a

Sem querer revelar muito mais posso

combater os criminosos da cidade fictí-

personagem do Jocker e a interpreta-

dizer que gostei deste final mas fiquei

cia de Gotham City! Apesar de sermos

ção mítica de Heath Ledger sejam insu-

com uma certa pena de não voltar a

fás da versão de Burton ( vamos es-

peráveis , é muito superior ao primeiro!

ver este cavaleiro…..Mas caros fãs de

quecer que os outros dois existem por

Não irei revelar muito do desenvolvi-

bd e de Nolan , em breve teremos Zack

favor ) e do seu lado negro temos que

mento mas apenas direi que fez um

Snyder à frente de Super-Man com No-

confessar que Nolan deu-lhe o toque

bom trabalho! Nolan concluiu de forma

lan na produção! E se já viram o teaser

de veracidade que precisava e tornou

muito inteligente o seu Batman! Bane

trailer já perceberam que este estilo de

-o ainda mais negro e profundo! Como

pode não ser um vilão à altura de Joker

super-herói adaptado à nossa realidade

fazer que um homem que se veste de

mas é um vilão cativante e actual! Mas ,

veio para ficar! E fica a dica para os pró-

morcego e que luta contra os maus,

para mim , a grande surpresa chama-se

ximos realizadores!

não pareça tão ridículo como soa? Ora

Anne Hathaway! No seu papel de Selina

a resposta é : uma Gotham City que

Kyle ( nunca o nome Catwoman surge

nos soa a uma Nova York ou Chicago

durante o filme como Nolan já tinha re-

e um Bruce Wayne credível na sua de-

velado ) representa muito bem a meia

manda pela salvação da sua cidade que

vilã, meia companheira de Batman e

no fundo representa um sonho antigo

deixa-nos encantados com a sua sub-

dos pais.

tileza e intenções ardilosas dignas de

Mas mais difícil do que fazer uma se-

uma felina! Fãs de Catwoman podem

quela melhor que o primeiro filme , que

respirar fundo porque fomos recom-

fez , é terminar a história de forma a

pensadas! Novos gadgets , novo veí-

7/10

amol mag | 21


Arquitectura Miguel Meira tem 25 anos, vive no Porto e concluiu em 2012 os seus estudos em Arquitetura. Em simultâneo, tem vindo a trabalhar como ator, tendo pisado o palco pela primeira vez em 2005, no teatro académico. Colabora com a AMOL desde Setembro de 2010. Fernando Dionísio é autor de Arquitetura,. Provocador e irreverente, faz do constante questionamento dos conceitos o seu modo de estar na vida. Integrou a equipa AMOL em maio de 2012.

Vivências urbanas No último artigo, abordámos uma campanha de marketing para promover um espaço urbano que, pretende-se, a cidade do Porto adote, cuide e viva. Este mês, debruçar-nos-emos sobre um outro conjunto de espaços públicos portuenses que entendemos serem merecedores do mesmo tipo de reflexão. | Texto de Fernando Dionísio e Miguel Meira | Fotografias de Mariana Lambertini

As vivências urbanas acontecem quan-

ser entendido como tal sempre que se in-

Se analisarmos a intervenção na orla ri-

do utilizamos um passeio, uma praça ou

tervém, mesmo que pontualmente

beirinha e marítima de Vila Nova de Gaia,

qualquer outro espaço público. Comece-

Pelo contrário e a título de exemplo, o per-

verificamos que as diferentes malhas ur-

mos por analisar um percurso marcante

curso compreendido entre o Cais de Vila

banas não constituíram impedimento ao

em qualquer dia e a qualquer hora, mas

Nova de Gaia e o limite deste concelho

caráter lúdico de um percurso onde hou-

sobretudo aos domingos de manhã para

com Espinho, não obstante as malhas ur-

ve o cuidado de retirar obstáculos e criar

caminhadas e passeios de bicicleta: o con-

banas mais ou menos heterogéneas que

uma continuidade apenas dependente da

junto de espaços públicos, entre o Castelo

o acompanham, consegue uma coerência

vivência do utilizador. Já do lado do Porto,

do Queijo e a Ribeira, que constitui a mar-

urbana associada ao lazer que não se ve-

apesar do apreciável desafogo em alguns

ginal da cidade. De fora, fica o segmento

rifica do lado do Porto. Não seria - nem

momentos, confrontamo-nos permanen-

entre o Castelo do Queijo e o Museu Na-

é - de facto, difícil obter a mesma unidade

temente com obstáculos que resultam

cional da Imprensa (na freguesia de Cam-

para estoutro percurso. Afigura-se, sim,

da ausência de uma atitude urbana. Por

panhã, junto à Marina do Freixo), apesar

necessário perceber que um percurso pe-

exemplo, os antigos trilhos para os elé-

de, em bom rigor, ser parte integrante do

donal ou ciclável não se resume à pintura

tricos (turísticos, de velocidade lenta)

todo marginal portuense junto ao Douro,

de setas e símbolos no pavimento que se

podiam e deviam ser rentabilizados e ar-

assim como o túnel da Ribeira, já que os

alteram conforme a boa ou má disposição

ticulados com percursos pedonais e, so-

respetivos arranjos urbanos retiram a uni-

de um qualquer responsável técnico da

bretudo, ciclovias.

dade ao percurso ribeirinho - que devia

máquina autárquica.

amol mag | 22


A recente Praça das Cardosas, na Baixa do Porto, levou-nos a esta reflexão acerca das vivências urbanas, sobre as quais produziremos alguns artigos nas próximas edições, avançando desde já com algumas intenções: de um lado, uma análise das dinâmicas do jardim de S. Lázaro e da Praça do Marquês (equivalentes na natureza das práticas sociais); de outro, uma reflexão conjunta envolvendo o Parque da Cidade, o Palácio de Cristal (ambos no Porto) e o Parque da Lavandeira (em Vila Nova de Gaia). Estes dois tipos de espaços - nos antípodas um do outro que no respeita à utilização - juntamente com os percursos já referidos, compõem, em nosso entender, os três géneros básicos de ocupação de espaços públicos de lazer nas cidades

amol mag | 23


Moda Florisa Nogueira nasceu em 1989, no Porto, e desde cedo se interessou por Moda. Seguiu Artes, em Produção Artística na Secundária Artística de Soares dos Reis em 2007, e está actualmente a estudar Design de Moda na mesma escola. Tem vindo a participar em diversos eventos e produções de Moda desde 2006.

ENTREVISTA COM:

Luís Balão Olá Luís, bem-vindo à Amol Magazine!

em Matosinhos no ano de 1979 a 1980,

Quem é o Luís Balão?

ano em que vou cumprir o serviço mili-

Sou alegre, divertido, responsável, orga-

tar obrigatório. Em 1981 vou para outro

nizado, criativo, perfeccionista, sociável,

gabinete de projectos até Fevereiro de

dinâmico, de bom humor, activo, frontal,

1988. Em Março de 1988 mudo de acti-

conversador, amigo e defensor do meio

vidade e vou para gerente comercial de

ambiente. Sou uma pessoa que gosta

uma empresa dedicada ao comércio de

de viajar para conhecer outras culturas e

componentes para a indústria do calça-

costumes, sou uma pessoa aberta a no-

do. Em 2000 até 2007 sou representante

vos desafios e pronto a ajudar o próximo,

em Portugal de empresas de curtumes

dou muito valor à amizade e aos seres

de Espanha e Itália para as indústrias de

Onde vais buscar a tua inspiração? Com idas à praia onde vou buscar energia para retemperar forças e no nosso dia-adia urbano.

humanos.

calçado, marroquinaria e vestuário. Ac-

Fala-nos sobre o teu processo cria-

Como e quando surge a Moda na tua

tualmente crio e executo artesanalmen-

tivo, como se processa desde a ideia

vida?

te acessórios de moda para a Mulher.

inicial até ao produto final?

Em 2000 quando sou representante em

Usas algumas técnicas originais e

Desde o desenvolvimento de croquis

Portugal de empresas de curtumes para

inovadoras nas tuas peças. Como en-

onde houve uma pesquisa de tendências

a indústria de vestuário, mas o maior

traste em contacto com as mesmas?

para o que desejo criar, em que depois

despertar é quando me inscrevo para fre-

As técnicas que utilizo são o resultado

tudo se vai desenvolver naturalmente com

quentar o curso de Design de Moda na

do curso de Design de Moda que me

muita dedicação e paixão por aquilo que

Escola Artística de Soares dos Reis em re-

despertou a curiosidade de aplicar os

faço, em que o grau de exigência na exe-

gime pós-laboral.

conhecimentos adquiridos nos mais di-

cução das minhas peças é elevado para

Conta-nos um pouco sobre o teu

versos materiais

que o resultado final seja de excelente

percurso académico e profissional.

A quem se dirigem as tuas criações

qualidade.

Tenho o 10º ano do ensino secundário e

e como as defines?

Quais os eventos mais importantes

decido tirar o curso de desenhador projec-

As peças são dirigidas à Mulher de hoje,

na tua carreira?

tista na Escola Tecla no ano de 1977. Vou

com a estética urbana das grandes cida-

Todos os que me deram oportunidade de

trabalhar para um gabinete de projectos

des cosmopolitas, onde vão poder real-

mostrar o meu trabalho.

amol mag | 24

çar a originalidade das formas e estilos, que vão ser elementos de referência nesta sociedade de contrastes culturais.


Quais são as maiores dificuldades

divulgação de talentos criativos nas áreas

que encontraste até agora?

da cultura e moda.

Neste curtíssimo espaço ainda nenhum, porque quando faço algo não poderei estar pendente de alguém, organizo a minha própria equipa. Quais os teus objectivos para o futuro? Criar peças de vestuário e acessórios de moda para a Mulher, onde ao juntar realidade e desejo às minhas peças, se vão caracterizar pela diferença, originalidade e exclusividade. Para terminar, o que pensas do projecto Amol Magazine? Um projecto que conheci recentemente, que é uma mais-valia com qualidade na

amol mag | 25


amol mag | 26


fotografia

amol mag | 27


Portusaki 2012 Após grande sucesso em Fevereiro passado, o Portusaki volta

Durante todo o horário (das 10 às 20) dispõe de:

ao Hard Club a 1 e 2 de Setembro de 2012.

- Zona Comercial / Zona de Restauração / Exposição da

Portusaki é um evento de entretenimento que celebra a anima-

Banda Desenhada / Exposição de Ilustração “Astroboy” /

ção, jogos, banda desenhada, música, cinema e T.V.

Mural de Arte / Pinturas Faciais

Várias actividades e concursos preencherão, das 10h às 20h, os

Filmes com projecção já confirmados:

dois dias desta convenção. Desde o concurso de ilustração ao

Papá Wrestling

sempre esperado concurso de Cosplay - que este ano correspon-

Blarghaaahrgarg

de à eliminatória portuguesa do EUROCOSPLAY -, haverá lugar

Banana Motherfucker

para oficinas, projecção de filmes, concurso de dança, vídeos de lipdub, mural de arte, concursos de cultura pop, torneios de

O Horário:

cartas, karaoke, torneios de jogos tradicionais, videojogos, etc.

Das 10h às 20h.

Há ainda tempo para passar na praça de alimentação para ma-

Stands já confirmados:

tar a fome de ramen e outras iguarias ou deliciar-se com as

O Lobo Mau (www.olobomau.com)

novidades dos livros de banda desenhada ou merchandise, que

Casa da BD (www.casadabd.com)

poderão encontrar na zona comercial. As entradas são a 5€ para um dia ou 7€ para dois dias.

Apoios:

Quem as adquirir com antecedência terá desconto de 1€ em

O Lobo Mau (www.olobomau.com)

cada modalidade e evita as filas de espera! Arte do poster: Rui Ricardo A informação completa (e o programa) encontra-se na página

Portusaki 2

oficial, em:

Hard Club (Mercado Ferreira Borges – Porto)

http://www.portusaki.com

geral@portusaki.com

Veja também as páginas facebook: http://www.facebook.com/portusaki http://www.facebook.com/portusaki2

5 Leitores ganharam entradas grátis para um dia:

– Tiago Brandão – Andreia Luísa Teixeira – Miguel Araújo – André Mendes – Yuuki Harada Boa visita!

amol mag | 28


amol mag | 29


Capa

amol mag | 30

Pedro Cabral, fotógrafo amador (de quem ama), a residir no Porto. Adepto da fotografia digital, depois de longos anos com horas a fio passadas no laboratório P&B. É um dos fundadores da AMOL Magazine.


Karina Ferro

Karina Ferro, natural de _Praia, Cabo Verde, onde nasceu há 25 anos. Reside em Braga. É modelo fotográfico e a sua beleza tem-na levado a aparecer em diversas revistas. É licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho e não duvidamos que muito em breve poderá ser cara de uma TV perto de si. • Fotografia: Pedro Cabral • MUA: Marta Moreira • Roupa: Meirydiane Garcês Este mês está connosco, na Amol Magazine.Karina Ferro... Quem é? Em duas palavras: sou uma pessoa bastante extrovertida e sensível.. Sou descendente de africanos e sempre dei valor às minhas raízes e aquilo que sou hoje, uma mulher com valores e respeito pelos outros. Já te vimos na J e na Vidas? A que se deve a tua presença regular em revistas? Desde criança que sonhava ser modelo. E sou modelo desde os 16 anos, os convites começaram a surgir entretanto , e espero eu continuar assim por mais tempo. Agora Amol magazine e mvmTV. Achas que pode ser um passo mais para aliares a beleza, moda e o teu curso? Gostavas de ter um programa, numa televisão, em que pudesses rentabilizar as duas facetas da tua

vida, moda e comunicação social? Claro que sim, alias isso era o ideal. É o sonho de qualquer uma ! Apesar de que a beleza não é tudo , pode ser um impuslo para o trabalho na televisão, mas a partir daí só o trabalho, a responsabilidade e ambiçaõ de ser alguém é que conta. Só a beleza não é suficiente para singrar. Como é que surge esta tua vocação para os mundos da moda e da fotografia? Os meus pais são fotografos. Desde criança que sonhava ser modelo fotográfico, gosto mais de estar á frente das câmaras ! Tu fazes muitos trabalhos de passerelle? É a tua verdadeira vocação? Preferes passerelle ou fotografia? De passerelle, apenas alguns. Sem duvida prefiro fotografia. Como te sentes no papel de modelo? Todas as modelos devem sentir–se bem na sua pele. Adequo aquilo que tenho

como genuino e inato aos diferentes papéis que tenho que encarnar. Como é que olhas para o teu corpo? Entusiasmam-te os registos mais ousados? Olho para o meu corpo com agrado. Gosto daquilo que sou e não mudaria nada em mim. Esta visão positiva acerca do meu corpo, com todas as suas qualidades e defeitos, sustenta a minha personalidade forte e confiante. Ao sentirmo-nos bem connosco próprios, exteriorizamos um bem estar para com todos aqueles que nos rodeiam… E a vida sabe muito melhor assim! Relativamente aos registos mais ousados, encaro-os com naturalidade, como um trabalho igual a todos os outros. Há na tua viagem pela moda um momento mais marcante? Todos os meus trabalhos me marcam de qualquer forma. É um currículo estimulante

amol mag | 31


Capa

amol mag | 32


amol mag | 33


Capa

amol mag | 34


amol mag | 35


Capa

amol mag | 36


e recompensador! E uma situação caricata? No início da minha carreira, ver-me deparada com seis homens num quarto a fotografar-me foi, no minimo, constrangedor… Não tinha tanto à vontade mas depois correu tudo bem. Qual é o teu desejo secreto? Ou, se preferires, a proposta irrecusável? - Ser capa da revista GQ! No teu dia a dia, és uma mulher vaidosa? Sim, bastante. Tem a ver com o meu signo, peixes. Em termos mais gerais, como vês o teu futuro? Quais são os teus sonhos? Ser jornalista e vingar no mundo da apresentação e representação. Como são os teus tempos livres? Cinema, moda, estar com as amigas, viajar, jogar ténis e estar com a família. À noite, onde te encontramos? Noite do Porto e noite de Madrid. Amolmagazine ... que pensas do projeto? Penso que hoje em dia a sociedade comunica bastante a partir do mundo virtual e penso que esta revista é uma boa maneira de chegar a um publico mais abrangente de uma forma inovadora, como é obvio, é um bom projeto. Foi difícil trabalhar connosco?

Foi bastante fácil trabalhar com a amol e, melhor que isso, foi divertido pois tem pessoas excelentes que fazem o melhor pela revista. Qual vai ser a tua próxima capa? Para já tenho algumas propostas, mas vou ter de pensa porque envolve alguma nudez, e é algo para que ainda não me sinto preparada, mas está no segredo dos deuses. -Obrigado, foi um prazer trabalhar contigo.


Capa


amol mag | 39


música entrevista Helena Oliveira é jornalista, licenciada em Ciências da Comunicação. Actualmente, integra um projecto televisivo na área da Música e, desde Outubro de 2011, é também colaboradora editorial da AMOL.

Pedra, tesoura e papel

Pedra Tesoura e Papel como surgiu

Descrevemo-nos assim pois como todas

portância que neste momento estamos a

este projeto musical?

as bandas passamos por várias influên-

responder a estas perguntas devido aos

Este projeto surgiu pela vontade que tínha-

cias, desde as mais velhas até aquelas que

Crossover que conhecemos no concurso

mos em criar uma banda sólida. O facto de

estão a crescer agora. Tentamos sempre

da Fabrica de som.

sermos amigos facilitou todo o processo de

conjugar essas influencias tentando que

A Internet acaba por ter um papel

formação dos Pedra Papel Tesoura.

as pessoas tenham uma experiencia em

fundamental na divulgação do vosso

Escolheram o nome a pensar no co-

que o antigo se conjuga perfeitamente

trabalho?

nhecido jogo pedra, tesoura e papel?

com aquilo que os miúdos de hoje tem

Sem duvida que a internet desempenha

Sim, pode-se dizer que um dos fatores

para dar na música!

um papel fundamental na divulgação das

pelo qual escolhemos este nome foi o co-

Participaram recentemente num con-

bandas e é claro que a nós não nos passa

nhecimento do jogo.

curso de bandas na Fábrica do Som.

ao lado, até porque todo o material que

O que quiseram transmitir com a es-

Estes concursos são importantes para

temos disponível encontra-se nas nossas

colha do nome?

as bandas se darem a conhecer?

paginas da internet.

Além de retratar um jogo de sorte retrata a

É sempre importante divulgar o trabalho

Como tem sido o percurso dos Pedra

vida, ou seja, para todos os problemas que

que fazemos ao máximo, especialmente

Tesoura e Papel?

temos na vida existem “ armas” físicas e psi-

nos dias que correm em que as coisas se

A verdade é que para quem começou com

cológicas das quais nos podemos munir. No

complicam cada vez mais, não só para a

a ideia de ter uma banda apenas pelo

fundo é isso que o jogo retrata, por exemplo:

musica nacional, mas também para o pais

prazer e gosto em fazer musica, o nosso

ao enfrentarem-nos com uma pedra a única

em geral. Um dos fatores importantes

percurso evoluiu significativamente. Te-

solução de vencermos é ter um papel.

nos concursos de bandas está na expe-

mos tido ótimas experiencias e tem-nos

Uma espécie de coisa que viaja pelo

riencia de conhecer outras bandas e ver

surpreendido

passado e futuro, é assim que se

como elas funcionam, poder trocar ideias

nos últimos meses em que recebemos

descrevem? Porquê?

e fazer amizades. Isto revela-se de tal im-

grandes ajudas como a do Ricardo Barros,

amol mag | 40

bastante,

especialmente


produtor do nosso E.P. e anjo da guarda

em função das nossas influências, faze-

Trabalharmos juntos é muito bom e grati-

da banda ( obrigado Ricardo) e recente-

mos musica conforme nos sai da maneira

ficante, já nos conhecemos há muito tem-

mente temos contado com um forte apoio

mais maternal possível. É esse o nosso

po e isso facilita-nos a vida. Temos evoluí-

da eyes on you ( media report e promoção

objetivo, criar algo que sentimos a sair

do como banda e continuamos a faze-lo.

musical ) que nos tem presenteado com

de nós e que nos pertence realmente. No

Como têm sido os concertos e a re-

propostas muito acima das expectativas

nosso ponto de vista essa é a maneira

cetividade do público?

da banda para esta fase do percurso. Sem

mais bonita de fazer musica.

- Para já o publico tem aderido, nunca

duvida que pelo excelente trabalho a eyes

Como todas as bandas é claro que temos

nos atiraram pedras nem dispararam em

on you vai dar muito que falar.

influencias e que por mais que não quei-

nós, por isso achamos que estamos me-

Fazem rock essencialmente, em por-

ramos vão acabar por estar presentes nas

lhor do que algumas bandas. Mas, fora de

tuguês, acham cada vez mais im-

músicas. As bandas que nós ouvimos pas-

brincadeiras, o público tem se mostrado

portante escolher a língua mãe para

sam por, Linda Martini, Ornatos Violeta,

sempre apelativo e contente em relação

cantar?

Led Zepplin, Queens of the Stone Age,the

às atuações.

Não condenamos as bandas que cantam

Raconteurs , Faith no More, Rage Against

Onde pretendem levar o vosso projeto?

em inglês e outras línguas, nem há esse

the Machine e muito mais.

direito porque achamos que musica é mu-

O álbum já está pronto? Têm já uma

levar este projeto o mais longe possível

sica e dá para curtir sempre sendo em

data para o lançamento?

prometendo sempre muito boa disposição

chines ou alemão, mas no meu ponto de

Ainda não temos data, até porque falta

e também muito rock.

vista ( vocalista ) cantar em português faz

a edição da capa estar pronta, mas está

mais sentido por transmitir sentimentos

para breve.

na língua que todos nós partilhamos.

O que vai poder o público encontrar

Quem escreve as músicas?

no vosso álbum?

No que toca à parte lírica pertence ao vo-

No nosso E.P. podem encontrar o que qui-

calista, na composição vamos todos dan-

serem, não é um E.P. com estilo definido,

do uma ajudinha.

nem nós sabemos ao certo o que é aqui-

Quem são as vossas principais in-

lo. O que podemos garantir é muita festa

fluências?

e boa musica.

Não nos focamos muito em fazer musica

Como é trabalharem juntos?

Para o infinito e mais além. Pretendemos

amol mag | 41


Teatro Bruna Diogo dos Santos. 21 anos. Jurista e Mestranda em Ciências Jurídico Criminais. Atriz Amadora/Semi-Profissional, pratica Teatro desde os 9 anos de idade e adora falar, escrever e praticar arte em cima de um palco. A oportunidade de falar de uma das coisas que mais ama na Vida, tornou-a colaboradora da Amol.

A Velha Artista Ah! Artista deplorável! Abandonada como pano sujo pelo chão! Trapo velho sem continuação… Apenas vítima da reforma incurável! Fui a mais bela atriz desta viagem, Que agora largada é sem raios de consolação! Ah! Malditos! Malditos os novos homens da Representação! Tenho a pele flácida e as mãos enrugadas. Demonstrando fortemente a minha reputação! Que em cenário de pouca luz eu já fui um furacão! Arrebatei letras, plateias, palavras e corações! Deixando almas amachucadas e sonhos pelo ar… E mentes retalhadas… Salientes, devoradas! Gente incapaz de se levantar no final de uma peça, daquele cadeirão! Ah! Malditos! Malditos os novos homens da Representação! Eu! Que altivei o seio da mulher! E a voz com que ela domina um homem! Que determinei um mental masturbação, De palavras rudes e secas que da minha boca fogem! Eu! Que pressionei a Encenação! A marcar as pancadas de um Moliére qualquer, Chorando lágrimas de dor, amor ou excitação! Gritando a toda a sala a afirmação, Das mais belas frases de uma dramaturgia a florescer! Ah! Malditos! Malditos os novos homens da Representação! Fui violenta, Fui só! Fui desamparada! Bebi o veneno teatral das letras mais possessas! Ganhando obsessão por um palco que não é afinal de ninguém… E descobri nele o orgasmo mais selvagem! Aquele que ocorre por entre os aplauso de um alguém Que vibrou, amou, esquentou e não esquecerá a voltagem, Com que grandemente atuou a minha imagem! Ah! Malditos! Malditos os novos homens da Representação! Eu, que devorei cenas, devorei actos, devorei páginas! amol mag | 42


Com a agilidade mesma de um escritor, Máquina rebelde criada por um amor, Que se tem por um simples deixa numa só passagem! É a entrega que se dá e que trás dor! É a violenta mágoa de uma artista, Incapaz de refazer o próprio nome. Incapaz de deixar escapar a alma que deu a tal viagem. Ah! Malditos! Malditos os novos homens da Representação! Fui agora largada, vítima de um trágico final! Sem aplausos fortes ou gestos das mãos que se rebatem No tilintar que a palma faz, afinal… E o público? Meu fiel companheiro de armas, as palmas que se desvaneceram? Ter-se-ão desvanecido? Até isso os novos homens terão temido? Que lhes disseram sobre mim afinal? O público! Que soube de mim afinal! Ah! Malditos! Malditos os novos homens da Representação! Essas cadeiras altas que sempre me foram fiéis! E as cortinas gigantes e negras, com os tacos de madeira de um palco único. Que lhes disseram! Que lhes disseram? Plebeus desse meu reinado sem término! Eu serei sempre a Rainha de Palco feroz e inesquecível Serei a marca de um inferno! Ah, que me sinto a fraquejar Que sinto a minha voz a expirar As lágrimas a derrotarem-se por entres os aplausos Daqueles que agem sem talento, Daqueles que negam o alento, De prenderem às cadeiras o público a chorar. E assim, num termo único de último suspiro em paixão Que faço por não temer… Dou o último grito de Raiva do meu coração “Ah! Malditos! Malditos os novos homens da Representação!” Fujam, Fujam Público! Que vou desfalecer… Aplaudam! Aplaudam agora… agora que vou morrer! “Aisha”. Escalão 3. Poesia

amol mag | 43


Filipa Magalhães Idade: 19 Anos Localidade: Porto Disponível para: desfiles, fotografia e publicidade editoriais de moda, catálogos


Fábio Azevedo Idade: 21 Anos Localidade: Porto Disponível para: desfiles, catálogos e publicidade


Eu na amol: Mariana Leitão “Eu, na Amol” é uma nova secção da Amol Mag destinada a modelos/candidatas/os a modelo, que pretendam mostrar o seu trabalho. Enviem-nos os vossos trabalhos até dia 15 de cada mês, para geral@amolmagazine.net com “Eu, na Amol” no assunto. Em www..amolmagazine.net, no separador “Eu, na Amol” copiem a declaração de autorização de publicação que têm que nos enviar e consultem as regras da candidatura. Ficamos à vossa espera.

Nome/name: Mariana Leitão Idade/age: 21 Anos Vive em/ Lives in: Lisboa Altura/height: 1,58 Peso/weight: 47 Kg Profissão/job: Modelo/Model Designer Foto: João Ferreira

Foto: João Ferreira

Foto: Márcio Sousa


“I am in Amol” is for those who are (or wish to be) models and want to share their work. Send us your photos until the 15th of each month for geral@amolmagazine.net with “I am in Amol” as the subject. Go to http://www.amolmagazine.net/eunaamol/ copy the disclaimer you have to send us and get acquaintance with the rules of this editorial. We are waiting for you.

“A fotografia de moda é um dos meus sonhos, e é com muita infelicidade que não posso fazer apenas isso da minha vida.” “Fashion photography is one of my dreams and I feel sorrow because I can’t live just on this.”

Foto: Pedro Gonçalves

Foto: Márico Sousa

amol mag | 49


Eu na amol: Mariana Leit達o

Foto: M叩rcio Sousa

Foto: mag Jo達o | Ferreira amol 50

Foto: Jo達o Ferreira


Foto: Mรกrcio Sousa

amol mag | 51


Amol Madeira Este é uma nova secção que estará connosco a partir deste número. Contamos com a colaboração do Leo, que, da

rectamente o Leo ou a amol magazine: leophoto@amolmagazine.net geral@amolmagazine.net

Madeira, procurará enviar-nos mensalmente uma “flor”. Se resides na Madeira e queres participar podes contactar diEste mês apresentamos a modelo Luisa Gonçalves com 26 anos. Além da moda trabalha em visual merchandising. Actualmente a Luísa reside no Funchal, e dedica-se à moda e fotografia o seu grande fascínio, tendo vindo a desenvolver vários trabalhos nestas áreas.

amol mag | 52


amol mag | 53


Amol Madeira

amol mag | 54


fotos dos nossos leitores

Categoria: Retrato

Categoria: Retrato

Título: About a girl

Título: Memories

Autor: Andreia Fernandes

Autor: Patricia Ferreira

Categoria: Moda/Glamour

Categoria: Moda/Glamour

Título: Madame Daisy

Título: Elegância

Autor: Andreia Fernandes

Autor: Jorge Alminhas

amol mag | 55


Categoria: Tema livre

fotos dos nossos leitores

Título: Rossio Vareiro Autor: Fabio Moreira

Categoria: Tema livre Título: Genuine people Autor: Andreia Fernandes

FOTO DO MÊS Categoria: Tema livre Título: La Bailerina Autor: Rui Oliveira

amol mag | 56


new faces | new models

Karen Nascimento

Setembro 2012

amol mag | 57


new faces | new models

amol mag | 58


new face

SETEMBRO 2012

NOME NAME

Karen Nascimento DATA DE NASCIMENTO BIRTHDAY

1994 - 02 - 03 RESIDÊNCIA CITY

Porto OLHOS EYE COLOUR

Castanhos Brown CABELO HAIR COLOUR

Cobre ALTURA HEIGHT

171 cm

PESO WEIGHT

49kg

PEITO BUST

77 cm

CINTURA WAIST

62 cm

ANCAS HIPS

89 cm

amol mag | 59


new faces | new models

Karen Nascimento Retrato/Portrait Glamour Bikini/Swimwear Lingerie Semi-nu/Semi-nude

amol mag | 60


amol mag | 61


new faces | new models

amol mag | 62


Condições: Trabalho pago. Poderá aceitar TPF se considerar relevante para portefólio. Contactos: amolagency.net

Envia-nos as tuas fotos + autorização do fotógrafo ou envia-nos um mail e pede a marcação de uma sessão fotográfica! amolmagazine@gmail.com

amol mag | 63


amol mag | 64


AMOL Magazine 33 - Setembro 2012