Issuu on Google+

AGRUPAMENTO DE SOARES DOS REIS BE/CRE DA ESCOLA E. B. 2/3. DE SOARES DOS REIS

Práticas e Modelos AA das BE – DREN T4, 2010 A BIBLIOTECA ESCOLAR - DESAFIOS E OPORTUNIDADES NO CONTEXTO DA MUDANÇA “Este novo paradigma educativo pressupõe grandes transformações: espaços educativos com ensino virtual, sistemas de e-learning, que põem no centro o aluno e potenciam as suas habilidades na construção do conhecimento; recursos informativos apoiados cada vez mais pelas tecnologias de comunicação e informação, em ambientes cada vez mais conectados e cooperativos.” Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares - RBE No contexto da BE/CRE do Agrupamento que represento, está sempre presente o que se pretende de uma BE neste novo paradigma e que Ross Tod tão bem define. •Connections, not collections •Actions, not positions •Evidence, not advocacy

São, então, necessárias novas práticas, de acordo com impacto que o Plano Tecnológico da Educação está a provocar nas nossas BEs. Verificámos que, para a construção de uma BE de qualidade, definimos três áreas chave: - Integração na escola e no processo de ensino/ aprendizagem - Condições de Acesso. Qualidade da Colecção - Gestão da BE

Ana Maria Mocho – professora bibliotecária da EB Soares dos Reis – V N Gaia

Página 7


Também é do nosso conhecimento que ao gerir uma BE temos de ter em conta necessidades e expectativas a partir das quais definimos as nossas políticas e desenvolvemos um plano para um horizonte temporal determinado. Por vezes, porém deparamos com factores externos que nos são adversos e teremos de contornar. É, por isso, essencial a uma boa gestão, identificar essas problemáticas (pontos fracos).

1. Situação actual A Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos do Agrupamento de Soares dos Reis serve quatro Jardins de Infância e três escolas de 1º ciclo, além da EB de 2º e 3º ciclo, onde tem as suas instalações. É a única biblioteca do agrupamento integrada na RBE. A professora bibliotecária tem um horário de 35h efectivas e fazem parte da equipa duas professoras com um horário muito reduzido. Existe uma professora colaboradora. A funcionária, tem sido destacada para serviços de substituição e só se encontra neste espaço entre as 14h e as 17h. Há um grupo de alunos voluntários (e muito empenhados) aos quais chamamos Guardiães dos Livros, que desempenham um óptimo trabalho na integração dos mais novos, no esclarecimento e divulgação das normas, assim como na localização e uso das diferentes fontes de informação. Feita uma análise da actual situação da BE/CRE, poderemos apontar:

Ana Maria Mocho – professora bibliotecária da EB Soares dos Reis – V N Gaia

Página 7


PROBLEMÁTICAS IDENTIFICADAS (PONTOS FRACOS) •

FACTORES DE SUCESSO (PONTOS FORTES) •

Professor bibliotecário a tempo inteiro;

visto a professora bibliotecária não ter assento no CP;

O empenho, forte mobilização e coesão da Equipa;

Diponibilidade, profissionalismo e óptimo relacionamento com os jovens e com os

O diálogo com a Direcção e com o CP encontra-se um pouco comprometido O reduzido número de horas atribuído aos elementos da Equipa (4h+7h), a

redução de colaboradores (de 4 professores, só já se encontra uma com 3h) do nº

adultos, por parte da assistente operacional;

de assistentes operacionais (de 2 para 1);

Desconhecimento de verba a gerir para aquisição documental;

assistentes operacionais;

Carência de obras PNL para leitura orientada na sala de aula para o 1º e 2º

ciclos;

A equipa possui uma boa relação com o restante corpo docente, alunos e Articulação com os diferentes Departamentos, professores e alunos no

desenvolvimento de actividades conjuntas que fomentem a aprendizagem;

Não existência, na Equipa, de um elemento com perfeito domínio das TIC;

Óptima experiência de articulação com o Departamento de Línguas;

A assistente operacional não tem qualquer formação em biblioteconomia;

Disponibilidade dos alunos para colaborarem com a BE/CRE (Guardiães dos Livros)

Carências de formação na equipa;

O PTE como factor de modernização tecnológica da BE;

A colecção não se encontra catalogada na totalidade;

Existe um número considerável de documentos que permite a leitura lúdica e o

O catálogo não se encontra em rede;

apoio à aprendizagem em quase todas as áreas, apesar de ainda não estarem todos

As contagens de utilização fazem-se manualmente;

catalogados, e haver carências documentais ;

Falta de espaços de arrumação;

O espaço físico da Biblioteca da escola sede, embora atractivo, não é

utilizadores;

A equipa desdobra-se na organização de actividades com interesse para os

suficiente para o número de alunos, tornando-se complexa a realização de diversas

Horário de atendimento muito alargado, cobrindo os cursos EFA;

actividades em simultâneo;

Um plano de actividades rico e diversificado de promoção da leitura e das

Inexistência de um gabinete para a Equipa;

literacias.

Biblioteca nas escolas de 1º ciclo ainda inexistentes;

Participação nas reuniões interconcelhias da Rede de Bibliotecas Escolares;

Desconhecimento do impacto que a biblioteca produz na aprendizagem dos

Preocupação em ajustar a acção desenvolvida às metas/objectivos do PE da

alunos.

Escola; •

Incorporação da auto-avaliação da BE/CRE na avaliação da própria escola.

Ana Maria Mocho – professora bibliotecária da EB Soares dos Reis – V N Gaia

Página 7


2. PLANO DE ACÇÃO

Ana Maria Mocho – professora bibliotecária da EB Soares dos Reis – V N Gaia

Página 7


ACÇÕES A IMPLEMENTAR

SUBDOMÍNIOS

A. 1. Articulação curricular da

A.

DOMÍNIO

INICIATIVAS

• Participar activamente no PAA: articula actividades/serviços de acordo com os projectos propostos pelos diferentes Grupos Disciplinares e pelos Conselhos de Turma. • Sistematizar mecanismos e estratégias de articulação com os diferentes Departamentos Curriculares.

BE com as estruturas pedagógicas e

• Sistematizar práticas colaborativas e de articulação com os diferentes grupos disciplinares. • Potenciar a utilização dos recursos da BE em contexto lectivo. • Criar mecanismos e estratégias de articulação com as ACND. • Participar activamente no PTE e no desenvolvimento de outros programas e projectos do Agrupamento.

os docentes A. 2. Promoção das Literacias da Informação, Tecnológica e Digital

• Promover a colaboração no planeamento e realização de actividades de substituição (plano OTE). • Promover a articulação com a equipa dos serviços de apoio especializados e ducativos (SAE).

• Promover actividades de formação de utilizadores para alunos e professores (power point sobre utilização da BE/CRE, guiões…) • Implementar um programa de literacias de informação em articulação com as ACND, em turmas de 5º ano. • Definir um perfil de competências ao nível das literacias de informação por nível de escolaridade para o Agrupamento. • Promover sessões de formação para alunos e professores. • Dinamizar sessões de formação para utilização autónoma da BE e para o uso do catálogo. • Implementar a nível do Agrupamento um Programa de desenvolvimento de competências tecnológicas e digitais de forma articulada com o Plano Tecnológico. • Criar um blogue para a biblioteca e gerir os conteúdos de forma a abrir canais de comunicação/divulgação com o exterior. • Envolvimento dos alunos no funcionamento da BE/CRE, valorizando permanentemente as atitudes positivas e os valores conducentes a futuros cidadãos responsáveis (alunos monitores).

Ana Maria Mocho – professora bibliotecária da EB Soares dos Reis – V N Gaia

Página 7


ACÇÕES A IMPLEMENTAR

DOMÍNIO

INICIATIVAS

• Desenvolver projectos/actividades de promoção de leitura envolvendo todas as turmas do Agrupamento (leitura orientada de

B. Leitura e

contos de Natal na BE/CRE, Mês da Leitura, contadores de histórias, maratona de leitura, poemas pendurados…). • Criar contextos diversificados de leitura e de produção/comunicação da informação com recurso a suportes tradicionais e a ambientes digitais (exposições temáticas, leitura informal de jornais, revistas, BD, livros recreativos, concurso de fotografia Ler em qualquer lugar…).

Literacia s

• Apoiar e incentivar as actividades/iniciativas do PNL. • Promover o crescimento do gosto pela leitura e o desenvolvimento de competências ligadas à leitura (Clube de Poesia, blogue…). • Promover a leitura e a produção da informação em vários suportes e formatos (criação de um banco de livros digitais, projecção de filmes que também são livros, exposições de trabalhos de alunos…) • Promover a utilização da BE/CRE e adequar a colecção de acordo com os interesses/necessidades. • Questionário aos pais e encarregados de educação

DOMÍNIO

SUBDOMÍNIOS

ACÇÕES A IMPLEMENTAR

Ana Maria Mocho – professora bibliotecária da EB Soares dos Reis – V N Gaia

Página 7


INICIATIVAS C. 1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular C. 2. Projectos e parcerias

LivresC. Projectos, Parcerias e Actividades

S

• Dinamização de actividades livres, de carácter lúdico e cultural de acordo com os interesses e necessidades dos alunos. • Garantir um horário da BE/CRE coincidente com o horário da escola. • Apoiar a iniciativa e intervenção livre dos alunos.

• Implementar novos projectos • Participar/articular de forma alargada e mais sistematizada com os projectos do Agrupamento • Envolver de forma mais sistemática os Pais /Encarregados de Educação nas actividades da BE • Abrir ao exterior.

Ana Maria Mocho – professora bibliotecária da EB Soares dos Reis – V N Gaia

Página 7


ACÇÕES A IMPLEMENTAR

SUBDOMÍNIOS

D. 1. Articulação da BE com a Escola/

DOMÍNIOS

INICIATIVAS

• Inserção da BE nos documentos da Escola: definir a sua missão, princípios e objectivos estratégicos e operacionais de acordo com o PE (regimento, regulamento, plano de acção, plano de actividades). • Demonstrar a necessidade de um papel activo no CP, colaborando e trabalhando de forma a ajudar a concretizar

D. 3. Gestão da colecção/da informção

D. 2. Condições Agrupamento humanas e . Acesso e materiais para a serviços prestação dos prestados serviços. pela BE.

D. Gestão da Biblioteca Escolar

a missão da Escola • Alargar a oferta de serviços a todo o Agrupamento • Implementar o processo de auto-avaliação • Adequar o número de elementos da equipa às necessidades da BE/CRE • Organização do espaço da BE/CRE de acordo com as necessidades dos utilizadores. • Adequar os equipamentos tecnológicos às necessidades dos utilizadores e ao espaço. • Promover formação para todos os elementos da Equipa • Definição de uma política documental – Política de Desenvolvimento da Colecção • Actualizar a colecção • Potenciar o uso da colecção por parte dos docentes • Melhorar e divulgar a colecção digital • Facilitar o acesso ao catálogo da BE • Implementar veículos diversos de difusão da informação para o exterior

Ana Maria Mocho – professora bibliotecária da EB Soares dos Reis – V N Gaia

Página 7


A BIBLIOTECA ESCOLAR - DESAFIOS E OPORTUNIDADES NO CONTEXTO DA MUDANÇA