Issuu on Google+

Jornal Gente Madura 1 edição – Setembro, 2012 Gente Madura (Crônica)

formas de organização social, mais sustentável. Há um povo calado na rua, pendurado no tempo, sem voz ativa. Este povo é mal tratado por um estado que não tem se quer o cuidado em comunicar atual situação que a nação enfrenta. Vejo este povo aceitando, resignando. A insegurança é vista quando se pronuncia-se a palavra futuro.

Desemprego é o retrato da atual União Europeia. Jovens praticam uma nova diáspora (dos licenciados sem trabalho). Aprendi que nada pode ser mais nobre do que um proletário digno de sua mão-de-obra. Mas a ausência de trabalho trás baixa-estima, o desemprego é uma das coisas mais difíceis de se enfrentar nesta atual sociedade que chegamos. Assim somos obrigados a carregar um sentimento de culpa por não nos encaixarmos, por não corresponder o sucesso, a abundância e a produtividade. Somos cobrados por uma mentalidade que devemos ganhar, obtiver, conquistar. Acontece que a vida deve ser mais interessante do que esse jogo de disputa, isso, porque, para muita gente chegar aos objetivos são capazes de passar por cima de qualquer ética.

Não necessitamos mais de pessoas que justifique os fins pelos meios, mas que faça os meios pelos quais. A questão é, que queremos ser alguém, ou qualquer coisa parecida. Todos nós temos uma certa necessidade de representar, contribuir. Queremos respeito e liberdade por sermos nós mesmos, isso sim. Devemos procurar outras

existe mais o tempo… a refeição é feita de pressa, os bons momentos em família mal apreciados, a barba feita de qualquer jeito e o sexo sem amor. Trabalha-se 8, 10, 12 horas para sustentar uma vida de consumo inconsciente. O grande capital e sistema atual não da campo a produção coletiva e ao estilo de vida sábia. As pessoas nesse ciclo não dão conta da sua escravidão voluntária, acontece que o ser humano precisa de tempo para ele, acredite, o calendário atual é a maior teia já inventada. Bebida é água! Comida é pasto! Você tem sede de que? Você tem fome de que?... A gente não quer só comida A gente quer comida Diversão e arte A gente não quer só comida A gente quer saída Para qualquer parte...

Sem perder a atitude de indignação é preciso deixar de esperar que as coisas podem ser mudadas pelo estado, porque não existe nenhuma crise global inocente. O povo não deve fazer de coitado, perdendo assim sua vitalidade, ele próprio deve se erguer e inventar sua nova condição. Na sociedade atual a saúde espiritual não se leva em conta. Primeiro é que se temos trabalho já não

Esta canção dos titãs (comida) retrata bem o nossa questão humana, não precisamos apenas alimento e água, mas temos outras necessidades, como alimentar a alma, desenvolver o autoconhecimento, parar e meditar.

É preciso que surjam uma praça no centro da cidade onde reúnam gente madura.


Gente que se indigne e pelo amor a pátria mude vossa realidade, é preciso que as ruas sejam tomadas por gente com espírito de unidade, gente forte, gente amiga, que criam um novo canto, um novo sentido de trabalho, porque o tempo não para e criar algo novo, possível, sempre é hora. É preciso acima de tudo depositar confiança e acreditar no próximo. Não é porque o estado não trás confiança que devemos recriar essa atitude nos outros.

O que constrói um sítio? É o fato de estarem unidos, através dum objectivo e vontade em comum construindo uma cultura. Se o povo se separa a desintegração será inevitável. É preciso de gente madura, de sorrisos justos e de espírito voluntário para doar as mãos e erguer, assim com uma nova frequência combater a miséria, seja ela a falta de informação, económica, social, jurídica, cultural ou emocional. Porque acreditar no homem é preciso, porque o dia que deixarmos de acreditar deixaremos de acreditar em nós próprios.

Direitos humanos e saúde mental Você sabia que mais da metade do cacau que você consome procede da Africa? Que só a Costa do Marfim corresponde cerca de 40% do mercado mundial? Mas a realidade que esta produção existe um mercado negro onde milhares de crianças de países vizinhos como Mali, Burquina Faso, Gana, Togo, Níger e

Nigéria são vendidas por cerca de 230€ para fazerem trabalho escravo em plantações de cacau. Empresas como Nestlé, Barry callebaut, Mars e a própria OIT (organização internacional do Trabalho) e autoridades governamentais vêm negligenciando a condição dessas milhares de crianças em nome do mercado europeu e americano. Antes de comer tabletes de chocolates procure saber se não foi produzido por cacau de mão-de-obra escrava. Mude teu consumo, escolha melhor as marcas que consome, pois muitas empresas como a Nestlé violam os direitos humanos e patrimónios naturais para fabricar seus produtos. Para saber mais…

diferentes que combatem a inflamação. juntos, eles trabalham quase o mesmo que as drogas anti-inflamatórias, tais como ibuprofeno e a aspirina, mas sem efeito colaterais. Bebe o chá de gengibre adicione mel com limão ou laranja.

Acesse o vídeo: O lado negro do chocolate: youtube.com/watch?v=eo5I7soi5Gs Saladacultural Aprecie música: banda Titãs, gênero rock, nacionalidade brasileira. O 4 álbum da banda Jesus não tem dentes no País dos banguelas (1987) Sáude e fins medicinais Gengibre: É estimulante que ajuda a prolongar a função erétil. Serve para tratar dores nas articulações, resfriados, indigestões. Antiflamatório natural, contém 12 compostos

Edição e escrito por: Santiago Guimarães Contactos: santiagoprojeto@gmail.com twitter/amealoucamente


Jornal Gente Madura