Issuu on Google+

A riscar

Ano II Nº12 Dezembro 2012

CARNAVAL 2012 “Países” foi o tema deste ano (pág. 4) DIA INTERNACIONAL DA JUVENTUDE O dinamismo da juventude do concelho (pág. 14) 1


EDITORIAL

COORDENAÇÃO Martinho Antunes PERIODICIDADE Anual REDAÇÃO Daniel Fernandes, Raquel Sousa, Rui Vieira

A RISCAR EM NOVO FORMATO O A Riscar reaparece como revista. Nela pretendemos reportar toda a actividade desenvolvida ao longo do ano, transparecendo todo o trabalho, empenho e dedicação de quantos têm colaborado neste clube. Desde 1975 que todos os anos arriscamos, quer através do desporto ou da cultura, quer em novos projectos. Têm sido muitos os desafios, nas mais diversas áreas mas, em todos eles, temos sido capazes de alcançar os objectivos, de vencer dificuldades e de criar oportunidades. Os Jovens de Amares têm respondido à altura, pois têm sido criativos, dinâmicos e empreendedores, sabendo aproveitar as oportunidades que lhes temos proporcionado ao longo dos anos. Todos esses desafios têm implicado mais empenho, novas aprendizagens, aquisição de novas técnicas e novas competências e, acima de tudo, uma troca de saberes e de conhecimentos adquiridos através da educação não-formal, da responsabilização e da vontade de querer arriscar, aprender e inovar. Julgamos ser este o papel de uma colectividade juvenil: dar os meios e proporcionar as oportunidades para a aprendizagem, para a descoberta, para querer ir mais alem, fomentando nos jovens a aquisição de competências para a vida. Em 2012 muitas foram as actividades desenvolvidas e que, de uma forma resumida, queremos trazer até vós, através desta revista que, para além de ter uma função de divulgação, também será um registo para memória futura. O trabalho desenvolvido nesta colectividade mereceu o reconhecimento público através da atribuição do Troféu “O Minhoto”, que tem como objectivo reconhecer e premiar, publicamente, o mérito de atletas, clubes, treinadores, árbitros, dirigentes e eventos desportivos que mais se destacaram em toda a região. Em cerimónia realizada no Parque de Exposições de Braga, no dia 12/03/2012, fomos galardoados na categoria de “Clube ligação Desporto e cultura”, relativo ao ano de 2011. Esta distinção traz-nos novas responsabilidades e a vontade de fazer mais e melhor. Para tal contamos com todos, só assim poderemos fazer deste Clube um ponto de encontro de várias gerações e de oportunidades para o futuro.

2

PARTICIPAÇÃO ESPECIAL Helder Fernandes CONCEITO GRÁFICO Bruno Martins FOTOGRAFIA Coletivo IMPRESSÃO Pimentel Publicidade TIRAGEM 500 exemplares ENDEREÇO CDRC Amarense Rua Cancela da Cruz, 24 4720-051 Amares cdrcamarense@gmail.com www.amarense.com facebook.com/animares DEPÓSITO LEGAL 166817/01 Edição apoiada pelo Programa PAJ - IPDJ


INDÍCE

PÁG

4-5 PÁG

6-7 PÁG

8-11 PÁG

12-13 PÁG

14-15 PÁG

16 PÁG

17 PÁG

18 PÁG

19 PÁG

20-21 PÁG

22

CARNAVAL 2012 REIS 25 ABRIL 25 (Jovens - Músicas - Abril) DESPORTO

CHANGE 4 LIFE

DIA INTERNACIONAL DA JUVENTUDE JUVENTUDE INQUIETA

INTERNACIONAL

ENAJ

ANIMAÇÕES

SEMINÁRIOS

SERVIÇO VOLUNTÁRIO EUROPEU (SVE)

3


CARNAVAL 2012 No dia 21 de Fevereiro o CDRCA fez sair às ruas de Amares mais um alegre e colorido desfile carnavalesco.

Os “PAÍSES” foram o tema central que permitiu dar especial enfoque à crítica social, à caricatura e à sátira política, numa divertida viagem de Portugal à China com passagem pelos EUA, Grécia, França, Alemanha, Itália, Brasil e Vaticano. Em Portugal refletimos sobre o inevitável afundamento do país e do seu povo, sobrecarregados sob o peso da vil austeridade e os desvarios do carnavalesco Alberto João Jardim: o todo-poderoso rei e senhor da Madeira, afundada pelos seus tentáculos. Na China olhámos para a voracidade chinesa no que respeita às nossas exempresas públicas e para a sumptuosidade para turista ver e o contraste com a dura realidade dos trabalhadores.

4

Nos EUA versámos acerca do Imperialismo americano e sua expansão mundial através da sua “máquina de guerra” e a interminável busca do “ouro negro”. Na Grécia revisitámos um país em saldos, mostrámos o berço da cultura e civilização europeia envergonhado sob o peso da dívida e dos mercados. Num saltinho passámos pela França e Alemanha. Aí satirizámos o jogo político europeu; o domínio franco-alemão e a subjugação dos pequenos/peões. Pela Itália rimos com os desvarios e aventuras amorosas do, agora, ex-primeiro-ministro, Berlousconi. Na visita ao Brasil mostrámos o país dos contrastes: da dura vida das favelas, repleta de droga, miséria, cri-

me, fome, delinquência, ao esplendor das praias de Copacabana repletas de turistas e palco onde o mundo porá os olhos nos grandes eventos que se aproximam. Pelo Vaticano evidenciámos a incompreensível sumptuosidade e riqueza da Igreja em contraste com a doutrina pregada. O CARNAVAL DE AMARES realizou este ano de 2012 a sua 23ª edição pelo que, pela longevidade e pelo número de participantes e assistentes, já se assume como um evento relevante e com tradição na Região. A participação popular confirmou esse facto. Calcula-se que assistiram ao desfile mais de 15000 pessoas. Entendendo isso como uma responsa-


REIS Nas primeiras semanas do mês de Janeiro, percorremos as ruas de Amares a cantar os Reis com o intuito de recolher fundos para o desfile de Carnaval.

bilidade acrescida o CDRCA pretende, apesar da conjuntura desfavorável, continuar fazer a crescer e a evoluir o CARNAVAL DE AMARES. ___ GRAÇA LEITE “Como participante e ajudante na preparação do Carnaval, acho que o mesmo só se realiza graças ao elevado empenho de várias pessoas voluntárias. Sendo a minha área mais vocacionada para a costura, gosto imenso de ajudar pois existe imenso convívio entre toda a gente. Mais uma vez, e como vem sendo habitual, o Carnaval de Amares foi fascinante, com uma boa crítica e muita diversão.”

Como é habitual na freguesia de Amares, mais uma vez, realizaram-se os cantares de Reis nas primeiras semanas do mês de Janeiro, com o intuito de angariar dinheiro para o desfile de Carnaval. Contando com a voz voluntária de vários e várias Amarenses, a recolha de fundos decorreu com alegria e boa disposição, tendo uma boa adesão por parte das pessoas que recebiam os cantores em suas casas. Espera-se que a aderência e exultação voltem em quantidades iguais ou ainda maiores no ano vindouro.

5


25 ABRIL 25 (Jovens - Músicas - Abril)

Como é que se vê um ideal pelo lado de dentro? Vira-se às avessas. Para conhecer há que sentir o sangue desassossegar-se e deixar o tempo perceber o cheiro e o tom das canções que as palavras fazem. Porque há sempre canções.

A (in) evitável emigração dos jovens. Os significados da crise na europa. A nova Pobreza A ditadura dos mercados e das agências de rating. O povo, anestesiado, na personagem do Zé Povinho

Desde 2000 que o Animares comemora Abril. Vincar a viragem de 1974 é imprimir a história incompleta da democracia e ter uma certeza: há capítulos por concluir. Por isso, a urgência de rasgar telas opacas e aguçar o espírito. Fazem falta gaivotas que em bando cubram o céu quando o cinzento procura imporse como a cor da primavera.

Cinco grupos juntaram voz e trouxeram, nas suas genuínas e particulares formas de estar, outra dimensão e textura à noite. Com diferentes afinações Amares ecoou a Grândola e foi “terra da fraternidade”, lugar onde “o povo é quem mais ordena”. Mil gaivotas abriram asas gigantes e cobriram o coração do tempo. Por um momento cumpriu-se Abril. Porque há sempre canções.

Neste Abril, voltamos ao Zeca Afonso para espreitar esse outro lado (o de dentro). (Já em 2007 o havíamos chamado para protagonista do espetáculo “A cantiga é (era) uma arma.” No dia 25 cerca de duas dezenas de jovens fardaram-se de madrugadas para dizerem a voz da sua liberdade mostrando a realidade do país dos cravos com legendas do cantor da revolução, 25 anos após a sua morte.

Canção do desterro Formiga no carreiro Menino do bairro negro Vampiros Venham mais cinco … (Palavras densas ó Zeca! Palavras para ontem e para hoje!) As músicas provocaram discussão, fizeram pensar, foram o mote para a construção de textos, inspiração para a interpretação de personagens. Os quadros construídos fizeram-se de vários elementos e levaram as pessoas a percorrer diferentes espaços e diferentes realidades.

6

___ GUILHERME CAPELA “Antes da realização do teatro noturno nunca me imaginaria a desempenhar o papel de narrador, principalmente porque narrar um texto complexo não é apenas ler, mas sim interpretar e transmitir as emoções do autor. Com o acompanhamento necessário, constatei as minhas lacunas e foquei-me nelas de modo a ser um melhor comunicador. Saí desta experiência certamente enriquecido, uma vez que não me considerava capaz de executar tal tarefa, mas afinal, apenas precisava da orientação certa!” ___ MARINA RODRIGUES “Este ano, como é usual, o Animares brindou o povo amarense (e não só!) com mais uma iniciativa louvável sobre o “25 de Abril”. No ano em que fez 25 anos da morte do Zeca Afonso, os esforços concentraram-se no sentido de se homenagear


este Grande Homem, referência de intervenção, de protesto e de resistência, tão importante na Revolução de 1974. Foi através da música que expressou, antes e durante a Revolução, a sua procura pela liberdade que o poder fascista lhe negava. Como em tudo que participo no Animares, foi com grande entusiasmo e dedicação que me envolvi nesta atividade empolgante, mais concretamente numa peça de teatro e no canto de uma música “Menino do Bairro Negro” (juntamente com o Grupo Coral de Amares). Importante a reter deste espetáculo: talvez os dias de hoje não correspondam à liberdade pretendida com a Revolução de 1974! Muito há que lutar para alcançar o respeito pela condição humana! Ao fim e ao cabo, não seremos agora escravos modernos? 7


DESPORTO

ATLETISMO ___ HÉLDER SERRÃO Durante o ano de 2011/12 voltei a lançar martelo e a competir. Logo me perguntaram - porquê?” ,“- O que te levou a voltar?” Em 2002/03 ainda com júnior (2ºano) realizei um excelente ano competitivo. Bati o recorde pessoal, do clube e regional (Braga) consecutivamente nas provas ao longo do ano e fechei a temporada de juniores (martelo 6Kg) sagrando-me vice-campeão nacional no Campeonato Nacional de Juniores (12/07/2003) em Guimarães com 51,80 mts. Tinha ainda obtido os mínimos para o Campeonato Nacional de sub-23 (martelo 7,26Kg) realizado na Guarda e no qual participei (uma prova desastrosa). No ano seguinte, já como sénior, melhorei várias vezes o recorde regional e no final desse ano numa prova realizada em Vila Nova de Cerveira (25/06/2004) estabeleci a actual marca a 48,88 mts. Com esta marca fiquei a 1,12 mts de obter os mínimos (50 mts) para a participação no Campeonato Nacional Absoluto, que na altura se constituía num dos objectivos da época. Confesso que à data fiquei decepcionado por não o ter conseguido. Seria, ainda como sub-23, a minha primeira participação num Campeonato Nacional Absoluto. Aos 20 anos, e atendendo aos parcos recursos do clube e às limitadas condições de treino (note-se que não havia, nem há, ainda, um local de treino de lançamentos digno ou minimamente aceitável em Amares ou Braga) seria um excelente resultado. No entanto aí ficou um objectivo por cumprir. Haviam sido dois anos de treino intenso com bons resultados, estava satisfeito com o nível atingido mas tinha ambição de fazer mais e senti-me capaz de melhorar. Contudo em Setembro de 2004 parti para Paris para frequen8

tar, na Universidade da Sorbone - Paris IV, o 3º ano da minha licenciatura através do programa ERASMUS e com isso parei de treinar. Durante mais de um ano não tive qualquer hipótese de lançar mas tencionava voltar à competição assim que regressasse (2005/06). Porém findado esse ano o retorno à competição por várias razões não se concretizou. A conclusão dos estudos, o estágio pedagógico, o trabalho, o part-time aos fins-de-semana e a rotina pessoal diária não tornaram possível o regresso à competição. Continuei a treinar e a manter-me em relativa forma mas deixei de lançar e com isso as rotinas e certas memórias musculares foram-se perdendo à medida que os anos iam passando. A entrada para o Exército em 2008, a realização da especialização em Operações Especiais e a colocação e prestação de serviço em Lamego, no CTOE, e consequente empenhamento foram impedindo o regresso. Todavia no final de 2011 decidi, dentro das possibilidades, voltar a lançar e a competir. Tracei objectivos a curto e a longo prazo. Os primeiros, para as duas “primeiras” épocas (2011/12 e 2012/13), eram/são modestos e centravam-se essencialmente no reaprender da técnica e em readquirir as rotinas e memórias musculares entretanto perdidas. Não se trata, nestes dois anos, de realizar grandes marcas mas paulatinamente reaproximar-me de um patamar de desempenho de há 8 anos. Nesse sentido ainda há um longo caminha a percorrer. Contudo o objectivo de longo prazo centra-se na melhoria do meu recorde pessoal (martelo 7,26 kg - 48,88mts) e na obtenção de mínimos para a participação no Campeonato Nacional Absoluto (um propósito que ficou pendente em 2004). A razão para o retorno à competição correspondeu à “imposição” desse desafio pessoal e deveu-se também à consciencialização de que o treino com objectivos é mais produtivo. Confesso que foi com satis-


fação que voltei a lançar e voltei a realizar provas. Os anos passaram e muito mudou. Hoje compito com atletas maioritariamente mais novos, o nível de ambição é também mais moderado e mais realista, saliento ainda a maior tranquilidade durante as provas, a melhor “aceitação” do fracasso e a maior facilidade na análise dos erros cometidos e do trabalho a efectuar para melhorar (algo que a experiência ajuda a perceber). Assim este é um regresso tranquilo e sem pressão. Volto por gosto e com vontade de melhorar. Desejava que nestes últimos anos as condições de treino se tivessem alterado e melhorado e que o apoio ao atletismo tivesse sido reforçado, infelizmente não, mas um maior grau de resiliência permite encarar as dificuldades, os obstáculos, os insucessos, o sacrifício do treino e do trabalho a realizar com mais naturalidade e optimismo pois o importante é continuar a batalhar. ___ PAULO SILVA A época passada correu satisfatoriamente, na medida em que alcancei os principais objetivos traçados no inicio da mesma, em conjunto com o meu treinador, consistiam em alcançar o pódio no Campeonato Nacional de Juniores e bater o Recorde Regional de Juniores . Senti-me bastante realizado pois tenho a sensação de que todos os treinos duros, todas as lutas constantes contra as lesões, e tudo aquilo de que prescindi, no fim, compensaram e recompensaram. A época de 2012/2013 ainda está no início, contudo, já se nota uma evolução ao longo dos treinos relativamente à época anterior, fruto do cumprimento e da disciplina aplicada nas tarefas exigidas. O meu objetivo primário para esta época é atingir resultados melhores do que os anteriores: alcançar o pódio no Campeonato Nacional de Juniores e ultrapassar novamente o

Campeonato Nacional de Juniores Campeonato Regional Absoluto Campeonato Regional Juniores

3º lugar | 52,12 M (Recorde Regional) 2º lugar | 47,93 M 1º lugar | 47,82 M

recorde regional. Para tal, pretendo aperfeiçoar as minhas capacidades físicas, como a força, flexibilidade, e, essencialmente, a técnica. 9


CAMINHADAS Ao longo do ano, o CDRC Amarense, proporciona aos seus membros e voluntários que ajudam nas várias actividades realizadas o prazer de poderem desfrutar de algumas caminhadas. Seja pelas antigas estradas romanas ou mesmo com vista a chegar a um local especial estes são sempre momentos de grande convívio e alegria partilhados sempre por várias pessoas. Este ano não foi diferente e fomos brindados com duas caminhadas durante o ano: uma no dia 5 de Abril ao Gerês e outra a 6 de Outubro num percurso da Geira, desde a barragem de Vilarinho da Furna até Rio Caldo (Lóbios - Espanha), seguida de uma visita ao Aquis Querquennis, acampamento militar romano, em Porto Quintela – Bande. Os nossos jovens relatam destas expe-

10

riências muita animação e referemnas com entusiasmo. Veremos o que o próximo ano nos trará a nível de caminhadas, mas a esperança é que sejam sempre muitas e animadas.


PEDALARES O Pedalares nasce da paixão de um grupo de amigos pelo prazer de andar de bicicleta e do respeito pela natureza. Depois de, já há algum tempo se juntarem regularmente para fazerem passeios por trilhos da região, quando começam a entrar em eventos de outros clubes pelo país fora, decidem também eles próprios criar um grupo que promovesse a prática do BTT na nossa região. Foi então criada uma secção de BTT no Amarense nascendo o Pedalares, um trocadilho com as palavras pedal, parte fundamental de uma bicicleta, e Amares, a vila onde o clube está sediado. E este grupo está pronto para ora monte acima, ora monte abaixo, desfrutar da beleza rica que têm os montes e florestas do país e desfrutarem da natureza no seu estado mais puro. Anualmente o Pedalares realiza algumas actividades, entre as quais claramente se destaca a organização da Rota da Laranja: um passeio de BTT sem carácter competitivo, que visa promover a modalidade, assim como o concelho de Amares, na sua vertente turística, agrícola e gastronómica. A Rota da Laranja deste ano contou com cerca de 300 participantes, oriundos na sua maioria do norte e centro de Portugal. A edição deste ano destacou-se pela espetacularidade do percurso escolhido, que deixou os participantes com um nível de satisfação elevado, aliando isto à excelente organização do evento, que já é característica. E tudo faremos para que a 6ª edição seja ainda melhor. O Pedalares tem na Rota da Laranja a sua principal actividade anual, sendo uma organização a que muitos participantes apelidam de 5*, e que só é possível com um grande esforço dos nossos elementos, assim como os muitos

amigos que todos os anos nos ajudam e que sem eles isto não era possível. Procuramos todos os anos apresentar um percurso diferente dos anteriores, com toda a variedade de trilhos, o que deixa os participantes com o desejo de voltar no ano seguinte. Fica aqui a promessa que a 6ª edição, a realizar a 12 de Maio de 2013, apresentará um percurso completamente novo. A Rota da Laranja tem contribuído largamente para o aumento do número de praticantes de BTT, como se pode comprovar todos os domingos nas estradas e nos montes do nosso concelho. É isto que nos move.

O Pedalares ficou mais pobre com a partida destes dois companheiros.

Jorge Pereira

www.pedalares.com facebook.com/pedalares

Sérgio Quintãos

11


CHANGE 4LIFE Intercâmbio europeu (Portugal. Bélgica e Eslováquia) 1 - 11 Setembro em Banská Stiavnica, Eslováquia

No passado mês de Setembro, do dia 1 a 11, sete jovens do CDRC Amarense participaram num intercâmbio de nome “Change4Life!” na cidade de Banská Stiavnica, na Eslováquia. Durante 12 dias, os jovens Amarenses, realizaram diversas actividades e vários debates em conjunto com grupos de jovens da Bélgica e da Eslováquia. Realizaram-se ainda noites temáticas, podendo assim os mesmos conhecer mais sobre a cultura dos outros grupos. O nosso país também ficou representado numa destas noites com a gastronomia típica Portuguesa e alguns petiscos Amarenses e claro o nosso vinho branco de Amares, dando assim a conhecer a nossa cultura aos restantes participantes. Para os nossos jovens esta “foi uma experiência muito enriquecedora” e “devem ser proporcionadas mais oportunidades aos jovens para poderem participar nestes intercâmbios europeus.” Voltaram com novos horizontes e novos ensinamentos, os quais foram transmitidos aos restantes membros do Animares, de forma a, criar vontade e motivação a participarem em oportunidades futuras. ___ PAULO SILVA “Antes de ir para a Eslováquia a fim de participar no C4L, não imaginava que fosse gostar tanto daquela semana que íamos passar a falar de hábitos de vida saudáveis. Foi uma semana muito enriquecedora, onde, ao contrário do que eu imaginava, estes assuntos foram abordados de uma forma muito didática, interativa, dinâmica e interventiva. Por outro lado, não se pode desprezar toda a autonomia, sentido de responsabilidade, organização, independência, forma de relacionamento com os outros, entre outras competências, que indiretamente desenvolvemos e aperfeiçoamos ao longo desta jornada, que exigiu muito de nós e nos tornou mais maduros.”

12

“Todo o desafio, desde a preparação meses antes de partirmos até ao último dia do intercâmbio em si, foi emocionante e gratificante. Sendo a minha primeira experiência do género, não sabia bem o que esperar mas com certeza superou todas as minhas expectativas. Regressei a casa com novos amigos e colegas, com novas virtudes, com a mente mais aberta e com novos horizontes para o futuro e penso que isso deve ser um incentivo a todas as pessoas que tenham a oportunidade de participar em projectos deste género. “ ___ ALEXIS VIEIRA Gostei muito do intercâmbio no geral, principalmente pelo facto de poder conhecer um país novo e diferente, pessoas e culturas. Foi óptimo contatar com realidades diferentes de Portugal e poder comparar com a vida no nosso país. Percebi muito melhor como é viajar de avião, como funciona um aeroporto e como me orientar lá dentro, assim como utilizar os transportes públicos numa grande cidade (comboio, metro, autocarro) e, em pouco tempo, aproveitar para ver os pontos mais importantes duma cidade.” ___ PEDRO PEREIRA “Do meu ponto de vista, Change 4 Life foi um intercâmbio fantástico e uma oportunidade única. As actividades realizadas durante os nove dias estiveram muito bem conseguidas e organizadas e encaixavam muito bem no tema do intercâmbio que era “Estilos de Vida Saudáveis”. Este foi o meu primeiro intercâmbio e foi uma experiência espectacular e inesquecível que quero repetir. Foi uma oportunidade única para conhecer novas culturas, novas pessoas e um novo país que decerto irei recordar por longos anos, e o melhor de tudo é


que vim para Portugal com novos conhecimentos e boas memórias, foram onze dias muito bem passados!” ___ JOÃO VASCONCELOS “O projecto C4L foi algo novo na minha vida, uma experiência única, algo que marcou e me ensinou muitas coisas. Gostei dos temas, achei que eram temas adequados para a actualidade visto que a sociedade de hoje em dia dispensa muito a parte do exercício físico e a alimentação é descuidada não havendo um equilíbrio na forma como se come. Em síntese, penso que foi uma óptima experiência, com novos lugares, novas formas de viver e aprender e sem dúvida enriqueceu a minha vida.” ___ DANIEL FERNANDES “Este intercâmbio foi o primeiro do género em que participei, daí que será sempre especial por esta e por mais

razões. Foi graças à participação numa formação em 2011 na Hungria que se estabeleceram os contactos que permitiram que o Amarense fosse parceiro neste intercâmbio, “Change 4 Life” (C4L). Desta forma, pude também rever algumas amizades que fiz nessa primeira formação húngara, factor que contou muito para a minha avaliação bastante positiva do C4L! Tendo bastante curiosidade em traçar as diferenças entre os intercâmbios e as formações, saí com uma comparação bem definida de que os intercâmbios fazem realmente jus ao seu nome: são uma troca de conhecimentos num ambiente bastante amigável, leve e informal. Juntamente com os líderes dos outros países e as organizadoras realizei uma visita preparatória onde debatemos o programa de trabalhos. Voltei a Portugal com um esboço das actividades. Duas semanas depois, partimos!”

PS: No final o bónus, visitar Bratislava e a maravilhosa Viena! :)” ___ JOSÉ COSTA “Considero que esta experiencia foi sem dúvida nenhuma uma mais valia para mim. A “obrigação” em falar diariamente em inglês, que no meu caso foi um bocado difícil no início, ajudou-me a superar as minhas dificuldades nesta área. Penso que todos os jovens devem passar por uma situação similar, ou seja, encontrarem-se num sítio diferente, ver culturas diferentes, falar diferente, adquirir novas ideias com novas experiências. Este tipo de projetos servem como um “open mind “ para os jovens não se limitarem a estar em casa, mas sim procurar inovar, avançar com novos projetos, olhando mais para o futuro, procurar novas situações, ir atrás de um objetivo.”

13


DIA INTERNACIONAL DA JUVENTUDE Pela 1ª vez comemoramos o Dia Internacional da Juventude, num fim-de-semana cheio de actividades e animação para a juventude Amarense.

Foi na sexta-feira à noite que se deu início ao primeiro DMJ com uma animada sessão de Karaoke, seguida do DJ Zmode membro da associação SYNERGIA, que permitiu os presentes descansarem a voz e mostrarem os seus melhores passos de dança ao som das músicas da atualidade. O dia de Sábado chegou e foi tempo de abrir espaço para os insufláveis e as paredes de escalada, o workshop de Boomerangs, enquanto preparávamos o desfile de carnaval noturno, e o espetáculo de rua “Os 4 elementos”, que animaram a noite desde a Praça do Município até ao Largo D. Gualdim Pais. Enquanto isso, na antiga Escola Conde Ferreira , “VITAMINA C” era a oportunidade de vários jovens amarenses mostrarem os seus dotes, desde DJ’s, VJ’s, bandas de música, rock eletrónico, num evento que entrou pela madrugada dentro. No domingo teve lugar nas Piscinas Municipais de Amares, a Sunset Party, tendo como plano de fundo o pôrdo-sol de mais um fim de dia de Verão. Piscina, água, música e bikinis fizeram as delícias de quem não quis faltar à festa. Todos os membros do CDRC Amarense trabalharam com afinco na organização de todo o fim-de-semana e foi com satisfação que viram o povo de Amares aderir às celebrações do Dia Internacional da Juventude. ___ SÉRGIO DOMINGUES “Como muitos outros Portugueses a trabalhar no estrangeiro, regressei a Amares no mês de Agosto. Na primeira reunião do grupo de animação após o meu regresso, assisti a um grupo de jovens dinâmicos idealizarem diferentes eventos no âmbito do Dia Mundial da Juventude. Um deles era o Carnaval de Verão, cujo guião tinha

14


sido escrito por esta nova geração do Animares. Queriam mostrar algum do trabalho feito pelo grupo durante o ano, nomeadamente, o icónico Carnaval de Amares. Mas queriam também deixar uma marca com um espetáculo que pudessem dizer seu. Chamaramlhe “Os 4 elementos”. Apresentaram o tema, pediram conselhos e colaboração. Alguns dos membros mais “velhos” (mas ainda activos), deram opiniões e partilharam experiências. Desta vez, e desde há muito tempo, fui um espectador de um evento promovido pelo grupo de animação Animares. Encontrei-me numa posição ingrata, sendo que facilmente a minha opinião poderia ser tida como enviesada, mas os amigos estrangeiros que me aconpanharam gostaram “imenso do facto de utilizarem sátira política nos bonecos,” acrescentando que também gostaram muito “dos próprios bonecos, que estavam muito elaborados e de ter a oportunidade de ver alguns dos desfiles anteriores”. O espetáculo de rua ao longo do desfile foi muito apreciado, principalmente a apresentação do fogo, bem como a energia demonstrada pelos jovens. Pareceu-me que esta festa da juventude foi bem aceite quer pelos Amarenses, quer pelos mais inusitados espectadores. Há certamente coisas a corrigir e a melhorar. Inspirado na tradição olímpica, também isso é um dos lemas do nosso grupo: procurar ser sempre melhor!”

___ DANIEL COSTA “Este ano juntei-me ao CDRC amarense para ajudar na realização do primeiro DMJ, acho que foi uma boa experiencia, porque muita gente colaborou e tudo correu como previsto e quem assistiu elogiou o nosso trabalho. Gostei bastante de colaborar com este grupo e acho que no próximo verão devemos repetir este evento.” ___ MICAEL SILVA “Este ano tive a minha primeira experiência ao nível de animação através do grupo Animares, no DMJ! Foi uma boa maneira de colocar as minhas capacidades e a minha imaginação à prova! Desde a preparação até à realização sucederam-se vários passos, todos com a mesma importância pois, sem eles, nada era possível... Tivemos de controlar o tempo, planear o que queríamos fazer e batalhar para que tudo estivesse pronto na hora! Espero repetir esta experiência mais vezes, pois para além de aprender muito ao nível da manufaturação e da organização, gostei imenso de sentir que algo que fiz foi bem realizado e que as pessoas gostaram do que fizemos.”

SUNSET PARTY

A primeira Sunset Party nas Piscinas de Amares contou com a presença de cerca de 150 pessoas para além dos 20 voluntários que apoiaram a organização do evento. A festa começou antes do pôr-do-Sol e com algumas nuvens a encobri-lo de vez em quando. A equipa de voluntários preparou tudo: do bar ao som passando pela segurança, tudo estava a postas para a entrada da primeira dupla de DJ. Os primeiros mergulhos foram ao som da música brasileira dos Favelaboyz. Um dos voluntários, José Costa, diz que “a festa foi porreira, acho que uma melhor organização durante a festa e uma melhor divulgação, podem fazer com que cresça e se torne importante no Verão Amarense, por ser diferente de todas as outras”. De seguida os Djs Jonh Mayze e Miguel Faria marcaram o ritmo animando a festa pela noite dentro. A aposta em jovens de Amares é um grande objectivo, pretendendo-se apoiar projetos de jovens do concelho.

15


JUVENTUDE INQUIETA Participação no Pintar a Páscoa 2012, organizado pela EPATV .

VITAMINA C

Os jovens do Animares encontraram o Coelhinho da Páscoa na estrada. Aparentemente este preparava-se para viajar. Chocados com este cenário, os mesmos, tentaram perceber o que levara o Coelhinho a tomar tal decisão. Ia emigrar! Apresentou várias razões para a sua súbita fuga: o aumento de impostos, as duras medidas de austeridade e a falta de emprego para um jovem coelho, recentemente licenciado, requeriam esta dura medida. O próprio declarou: “Não há condições para ser o Coelhinho da Páscoa em Portugal! Estudei tantos anos para tirar a minha licenciatura e agora não tenho emprego. Não sou nenhum piegas, vou emigrar!” O nosso trabalho visa avaliar o nosso país, associando os elementos desta quadra aos problemas vividos em 16

Portugal. O Coelhinho deixa o seu ovo para procurar uma oportunidade no estrangeiro. “Juventude Inquieta” foi construído com diversos materiais: esferovite na estrutura, ferro e arame na base, massa de estucador na cobertura, tintas de água, madeira para as placas e papel fantasia. Equipa responsável “Pintar a Páscoa 2012”:

Alexis Vieira Carlos Silva Daniel Plácido João Brandão João Vasconcelos João Marcos Joel Vieira José Costa Paulo Silva Pedro Pereira Rui Vieira

Uma injecção de ‘Vitamina C’ nas artes amarenses ‘Vitamina C’. Assim se designou a jornada artística e cultural que marcou Amares em 2012, numa já longínqua noite do passado verão. A ideia passava, precisamente, por dar a conhecer uma espécie de nova injecção de energia – como que extraída do famosoproduto amarense, a laranja, – no meio artístico do concelho. Fruto da iniciativa de um grupo de jovens amarenses ligados à área, mas não só, centenas de pessoas visitaram, conheceram ou recordaram as instalações da antiga Escola Conde Ferreira, em Amares, onde assistiram a diversos espectáculos proporcionados pelo Vitamina C, evento dinamizado pela ‘Recordie’, que tinha como principal objectivo “divulgar e promover produtos artísticos nascidos no concelho”. Nuno Veloso - Beatbox, Metabolic, Liana Rego, Ligação 253, The Jokers, Conundrum, Mix Elle Feat Mc Tresh, Ok Munich, Beck, Behave! , Massive Suicide Diisco, Elomind e Dirty Vision foram os projectos apresentados ao público amarense. No fundo, este primeiro evento procurava iniciar uma luta pelo desenvolvimento cultural do concelho de Amares, onde a Recordie procura ser o espaço que muitos jovens não têm, para obterem respostas, encontrarem apoios e se desenvolveremcontinuamente.


INTERNACIONAL Participação em seminários europeus no âmbito do programa Juventude em Ação.

uma formação bastante cansativa, por vezes começando às 9h e terminando às 22h30. Mas apesar de tudo, foi fantástica. Isto porque incluiu todo o processo de organização deste tipo de actividades, desde a montagem dos desafios com cordas em altura e no chão, à incorporação de um programa de actividades bem definido, passando pelo uso de técnicas de (auto)avaliação dessas mesmas actividades.” “A vida começa para lá da zona de conforto! Por isso experimentem.”

___ DANIEL FERNANDES “Através do CDRC Amarense tive a oportunidade de, durante o ano de 2012, participar em uma formação e um seminário internacionais ligados a políticas de juventude e incorporados no programa Juventude em Acção. Primeiramente participei num seminário de estabelecimento de contactos entre associações que trabalham com o programa de Voluntariado Europeu, chamado “Hook-Up”. Este encontro realizou-se de 23 a 26 de Fevereiro em Cork, na Irlanda, e incluiu representantes de associações de Portugal, da República Checa, Estónia, Turquia, Irlanda e outros. A ideia por detrás deste tipo de encontros é criar uma rede de contactos para que se possam eventualmente formar futuras parcerias em projectos do programa Juventude em Acção. Assim sendo, tivemos todos que apresentar e vender a nossa associação de forma informal e através de um poster que levamos. Especificamente neste encontro, o principal objectivo era troca de informações sobre associações que trabalham com o Serviço de Voluntariado Europeu, pelo

que vários participantes se demonstraram muito interessados em vir para as três associações portuguesas. Naturalmente que conseguimos também contactos com associações para onde teremos a possibilidade de enviar voluntários portugueses, por isso o objectivo principal foi alcançado. Uns meses depois, de 15 a 25 de Julho, fui a uma formação chamada “Back to Nature 2”, na Hungria. O Amarense foi a associação portuguesa parceira, sendo que desta forma coube-nos a tarefa de encontrar mais participantes que se enquadrassem nesta formação. No fim fomos três portugueses. O tema desta formação foi a aprendizagem não-formal através de uma técnica a que chamam “challenge by choice”, ou seja, algo literalmente traduzido para “desafios por escolha”, onde cada um define os seus limites e escolhe até onde se quer pôr à prova. Tendo as manobras com cordas como meios para atingir os fins, fomos instruídos nas partes práticas e nas partes teóricas. A grande componente teórica sobre métodos de aprendizagem não-formal fez com que fosse

FALLAS - VALÊNCIA De 16 a 18 de Março estivemos presentes nas festas de Valência em Espanha para apreciar e admirar o trabalho magnífico dos artistas valencianos, naquelas que eles consideram ser a maior festa do mundo, as Fallas, dedicadas a S. José. Os artistas e artesãos, escultores, pintores e outros muitos profissionais dedicam-se durante meses a construir monumentos que as diferentes comissões (em Valência há 386) contratam. As Fallas instalam-se na via pública a 15 de Março, sendo queimadas na noite do dia 19.

17


ENAJ 12º ENAJ - Encontro Nacional das Associações Juvenis, Braga 24 e 25 Novembro.

Braga acolheu nos dias 24 e 25 de novembro o 12º ENAJ e, uma vez mais, o CDRC Amarense marcou presença, participando ativamente nas atividades. Para além de estarmos presentes na mostra associativa onde divulgamos as nossas atividades e realizamos dois workshops de máscaras, ministrados por membros do Animares, os jovens das andas e dos malabarismos não pararam e deram um ar de sua graça para animar todos os participantes. O grupo de percussão do Animares actuou no sábado na abertura e no encerramento, já no final da manhã de domingo. Nuno Veloso, jovem do Animares, deu um enorme show na noite de sábado, com uma demonstração das suas habilidades no Beatbox, surpreendendo e animando a plateia durante a sua atuação.

18

Os cerca de 1250 jovens oriundos de associações do continente e das ilhas tiveram oportunidade de abordar e debater temas atuais como “Desafios e oportunidades para os jovens – a importância do associativismo no atual contexto económico, social e politico”, “Os Jovens e a Comunicação Social” ou ainda “Politicas Públicas de Juventude – da reflexão pública” para além do espaço de mostra do associativismo juvenil e das animações apresentadas por vários grupos, desde a musica, ao teatro e à dança. Este tipo de eventos é de elevada importância, permitindo não só o debate, a exposição e intercâmbio de novas ideias, como também é uma boa oportunidade para conhecer novas associações e para fazer possíveis parcerias futuras.


ANIMAÇÕES Participações do Animares ao longo do ano

O Animares, grupo de animação do CDRC Amarense, tem tido ao longo dos anos imensas animações. Este ano não fugiu à regra e o nosso grupo, sempre alegre, realizou algumas animações de percussão e malabarismos pela nossa região do Norte. Segue uma lista das mesmas e também os votos que no próximo ano venham muitas mais oportunidades para mostrar o nosso trabalho.

NOME DO EVENTO

LOCAL DA ANIMAÇÃO

DATA

Troca de Saberes

Amares

9 Junho

Campo de Férias

Famalicão

19 e 26 Julho

S. Tiago

Caldelas

22 Setembro

Festa de S.Bento

Paradela de Frades - Bouro

19 Agosto

Synergia

Braga

30 Setembro

Inauguração da Biblioteca

Amares

10 Novembro

12º ENAJ

Braga

24 e 25 Novembro

19


SEMINÁRIOS Estivemos presente em vários seminários para os jovens

EMPREENDE JÁ

LIVRO BRANCO DA JUVENTUDE

JUVENTUDE, EUROPA E PODER LOCAL

Nos dias 19 e 20 de Outubro o IPDJ do Porto acolheu a formação “Empreende Já”. O Rui Vieira teve oportunidade de participar nesta formação que pretendeu aconselhar, orientar e incentivar profissionais que lidam com jovens empreendedores, abordando temas como: quais as estratégias para atingir determinados objetivos, a desmistificação da total importância de capitais para o arranque de um negócio, e melhores formas de pensar e tomar decisões com consciência.

No passado dia 28 de Março Daniel Fernandes, Paulo Silva e Rui Vieira participaram no Seminário sobre o Livro Branco da Juventude, no Porto. O Livro Branco da Juventude é um documento que contém propostas de acção comunitária em domínios específicos, tais como o Empreendedorismo, Mobilidade e Educação e Formação, temas tratados neste dia. Pretendia-se elaborar um documento a nível nacional que defina uma estratégia global e um plano de acção na área da Juventude e os nossos jovens iriam ajudar nisso mesmo!

Daniel Fernandes e Rui Vieira participaram nos dias 22, 23 e 24 de Novembro, na Colunata do Bom Jesus de Braga, no encontro nacional “Juventude, Europa e Poder Local”, conjuntamente com dirigentes associativos juvenis e autarcas, onde foi debatido o processo europeu e boas práticas das autarquias em termos de políticas de juventude e cidadania activa.

“Participei nesta formação e penso que esta teve, no seu final, um balanço bastante positivo. Além da interação e relação com novas pessoas dentro da área, os workshops serviram também para me abrir os olhos a novos horizontes que antes não conhecia ou ideias que antes não achava possíveis de realizar. Fiquei também a conhecer os vários apoios existentes para jovens com novas ideias, existentes no nosso país”, relatou-nos o nosso companheiro.

20

Os workshops eram baseados em cada tema de forma a poderem-se encontrar soluções viáveis que viriam a ser escritas nesse livro. Os nossos jovens deram o seu contributo de forma a deixarem a sua marca neste documento. Regressaram mais instruídos e clarificados sobre cada tema. Por fim, foi altura de apresentar o trabalho realizado nesse dia ao restante grupo numa reunião que juntou grande parte dos membros do Animares.

Nas sessões plenárias foram abordados vários temas e iniciativas como o programa Juventude em Acção, a participação dos jovens em mobilidades e intercâmbios, políticas de educação, igualdade de sexos, o Plano Municipal para a Juventude da Câmara Municipal do Porto e as políticas de juventude no poder local da Galiza. Nas discussões e grupos de trabalho foi reforçada a importância do papel dos Conselhos Municipais de Juventude como ferramenta para dialogar com a juventude e as associações locais. No final de todos trabalhos foi criado um documento denominado “Declaração de Braga sobre políticas autárquicas de Juventude”, onde constam as conclusões deste encontro.


JUVENTUDE GLOBAL

START POINT

Com intenções de dar testemunho sobre o significado da globalização no âmbito do trabalho e formação, incentivando os jovens a inserir-se neste desafio global, a Secretaria de Estado do Desporto e Juventude (SEDJ) e a AICEP , organizaram a 8 de Novembro, no Porto, um seminário com dois painéis: “Investir no Presente para Construir no Futuro”e “O desafio da internacionalização” que pretenderam abrir a mente dos jovens para a globalização e a importância desta, na situação em que nos encontramos. Foram abordados assuntos como o papel da educação e formação em boas práticas internacionais e os desafios que se colocam aos jovens numa carreira profissional de sucesso. Foram também apresentados os apoios existentes no que toca à internacionalização de empresas. Durante o encerramento foi possível ouvir palavras de encorajamento e incentivo aos jovens presentes no anfiteatro, pela voz de Alexandre Mestre, Secretário de Estado do Desporto e da Juventude. O CDRC Amarense marcou presença, contando com a participação de Rui Vieira e Daniel Fernandes que posteriormente passaram a mensagem do evento aos restantes elementos do grupo.

A START-POINT, Feira de Emprego e Empreendedorismo, decorreu no Parque de Exposições de Braga nos dias 16 e 17 de novembro. Entre as muitas entidades participantes constava o IPDJ - Instituto Português do Desporto e Juventude e a Agência Nacional para o Programa Juventude em Ação. O Daniel Fernandes participou numa pequena conferência de apresentação do Serviço Voluntário Europeu (SVE), tendo em conta que foi participante deste programa em 2009, na Grécia, e atualmente, é o responsável dos projetos internacionais no Amarense. Após uma apresentação do programa por uma técnica da Agencia Nacional, foram apresentados testemunhos de um voluntário italiano e uma alemã, que se encontravam à 4 meses num projeto em Braga. De seguida o Daniel relatou a sua experiência de SVE, tentando motivar os jovens da plateia para embarcarem nesta experiência que muito marcou o seu percurso!

21


PROGRAMA JUVENTUDE EM AÇÃO Intercâmbios e SVE (Serviço Voluntário Europeu)

as comunidades locais. A nosso ver, Amares só tem a ganhar em ter no seu seio jovens europeus a trabalhar voluntariamente para melhorar a sociedade. É necessário que as pessoas entrem em contacto com estes jovens e que se apercebam que a Europa somos todos nós e que as barreiras existem apenas nos mapas.

SVE - O QUE É?

INTERCÂMBIO POLÓNIA

SVE - CREATIVE SEEDS

De 23 a 31 de Março vamos realizar um intercâmbio com 11 jovens polacos entre os 15 e os 20 anos intitulado “Ponte sobre a Europa – Ao Ritmo de Duas Cultura” e pretende trazer aos jovens amarenses um conhecimento mais profundo sobre os hábitos dos adolescentes e adultos jovens dos dois países, fomentando a participação activa e a interculturalidade. Com esta actividade esperamos que os jovens aumentem a sua consciencialização para as semelhanças e as diferenças entre os modos de vida de outras culturas e que, ao invés de os verem como algo negativo ou desinteressante, que olhem para isto como uma fonte imensa de riqueza cultural e de unidade Europeia. Para se chegar a este objectivo serão utilizados métodos de aprendizagem não-formal e informal através de jogos e actividades como workshops culturais, intercâmbios de ideias e métodos de trabalho, apresentações criativas das diferentes realidades, entre outras. Fiquem atentos, porque uma das actividades irá incluir a comunidade local!

Quem se lembra da Ana e do Georgos, uma jovem espanhola e um grego que em 2004 estiveram em Amares? Em 2013 vamos ter uma jovem finlandesa a fazer voluntariado no Amarense, num projeto aprovado ao abrigo da ação 2.0 do Programa Juventude em Ação, a decorrer de fevereiro a setembro. A Riikka Hyvarinen será a voluntária que vai apoiar a realização das nossas atividades previstas para 2013, principalmente na preparação do intercâmbio com os jovens polacos e o Encontrarte. Terá ainda, um papel importante na divulgação do Serviço Voluntário Europeu junto da comunidade em geral e dos jovens em particular. Os jovens amarenses terão uma oportunidade de intercâmbio de experiências e ideias, para que vejam a interculturalidade como algo de valor tal que é impossível atribuir um preço e motivar vontades de vivenciarem situações semelhantes. Acreditamos que este tipo de oportunidades são bastante importantes não só para os jovens mas também para

22

SVE, Serviço Voluntário Europeu é a ação 2.0 do Programa Juventude em Acção. Este tipo de projetos de voluntariado tem como principais objetivos o desenvolvimento da solidariedade e a promoção de uma cidadania ativa, bem como uma maior interação e entendimento entre os jovens. Existindo mais de 4000 projetos em aberto no momento, este voluntariado tem incidência em áreas como cultura, juventude, desporto, arte, proteção civil, ambiente entre outras. Todos os jovens entre os 18 e os 30 anos de idade, podem participar como voluntários em organizações sem fins lucrativos, num país que não o seu país de residência, durante um período que pode ir das 2 semanas aos 12 meses. Cada jovem pode apenas participar numa única atividade da SVE. Os países abrangidos pelo projeto estão espalhados por todos os 4 cantos do mundo, desde os nossos vizinhos europeus até países da África, Ásia, América ou Oceânia. Os participantes no Serviço Voluntário Europeu têm direito a viagem, vistos e vacinação, seguro, apoio pessoal e linguísticos, transporte local, formação e avaliação, orientador, subsidio, custos extraordinários, alojamento e alimentação. Toda ou qualquer informação complementar pode ser encontrada no site www.sve.pt ou contactando-nos diretamente pelo nosso endereço de e-mail: amarense@gmail.com.


ENCONTRARTE AMARES 2013 25 a 28 de Julho 2013

Alicerçado no conceito do voluntariado, quer na parte organizativa quer na participativa, comprometendo a população local, oferece ao público um conjunto de actividades gratuitas. Intervindo em estruturas desvalorizadas ou esquecidas, utilizando espaços que inicialmente não seriam utilizados para a divulgação artística, o evento focalizou-se em duas áreas fundamentais, abertas a concurso: Cinema de Animação Experimental e Artes Plásticas, na sua vertente de desenho, promovendo e valorizando os criadores nacionais e estrangeiros. Além disso, o Encontrarte aposta fortemente na mostra de outras formas de expressão artística, como a música, a poesia e as artes performativas, promovendo workshops e ateliês de trabalho com jovens criadores, residências artísticas, tertúlias e outras plataformas em que se pretende convergir o saber-fazer profissional com o académico. Esta abordagem permite, não só, a aproximação de gerações e de públicos pouco habituados a esta dinâmica, como também a promoção e a interacção entre escolas e artistas locais. Após duas edições, esta bienal preten-

de afirmar-se, na sua singularidade e cometimento, como incontornável na agenda cultural nacional. Para tal, a sua forte aposta no rigor profissional da sua estrutura organizativa, permanecendo o espirito voluntário que a caracteriza, orientada para o seu propósito maior: A Fruição plena das Artes por todos e para todos.

___ LÁZARO SILVA (Director Artístico) A importância de um movimento cultural deste género é que com o passar das edições o concelho de Amares venha a ser conhecido pela Bienal assim como é conhecido pelo Carnaval, pelo festival de papas e por um concelho com um bom vinho verde. Para o povo Amarense e para aqueles que não se deslocam aos centros de arte, deslocase a arte até eles. Tenho a certeza que a Equipa trabalha sempre para uma edição melhor. Temos um novo espaço para trabalhar, uma equipa maior na curadoria e programação, nas artes plásticas e complementares, o que significa que ideias novas e diferentes contribuirão para uma maior diversidade. Tenho a certeza que será o melhor Encontrarte desde o seu início, mas todos os anos teremos que pensar assim. ___ FERNANDO ALMEIDA (Curador) De uma forma liberta de pressupostos a vila de Amares torna-se temporariamente num laboratório de criação e experimentação. Os artistas deambulam pelas ruas como se de lá pertencessem, e as pessoas de Amares como se tudo de novo se tratasse. A comunidade Amarense depara-se com uma vila reinventada, redesenhada, repleta de som, cor e movimento. Os mais idosos analisam, criticam, refletem, os mais novos partilham, refletem sobre novas diretrizes vivênciais. Novas formas de viver a vila, novos conceitos de pensar a vida. Quanto à vila de Amares, sente-se o seu grito por este movimento desenfreado de vida, esta semana de adrenalina, e entrega o seu corpo para ser explorado. E esta entrega é de tal modo genuína que todos que de lá saem sentem-se seus filhos, ansiosos por um dia lá voltar. A vila de Amares, cunhou no mapa a sua existência enquanto território criativo, enquanto incansável corpo de bem receber e sua população marcou muitos corações de amizade.

23


24


A riscar