Issuu on Google+

sexta-feira - 11 de novembro de 2011

Rudge Ramos Jornal - 5

CIDADE

Conselhos Comunitários de Segurança completam 25 anos AMANDA SEQUIN

q Os Consegs (Conselhos Comunitários de Segurança) completaram 25 anos de existência em 2011. Atualmente, existem 857 organizações desse tipo em todo o Estado. Só no ABC, são 19 em atividade. Das sete cidades, São Bernardo abriga o maior número. São, ao todo, seis conselhos: Conseg 2, Centro, Sudeste, Sul, Riacho Grande e Leste. São entidades civis sem fins lucrativos de natureza associativa, que têm como finalidade discutir problemas e temas de segurança pública da comunidade. Buscam intermediar o diálogo entre a população e a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo. Cada conselho possui um presidente, um vice e um secretário, que realizam reuniões periódicas com a população, na presença do comandante da Polícia Militar e do delegado titular da área, além de autoridades convidadas, como membros da guarda civil e líderes comunitários. Esses encontros ocorrem em locais disponibilizados pela própria comunidade, podendo ser itinerantes. Segundo o comandante da Polícia Militar no ABC, coronel Roberval Ferreira França, o trabalho de um Conseg permite que a PM tenha uma visão mais realista dos problemas com segurança local. As principais reivindicações da população durante as reuniões são referentes à presença da polícia na comunidade e a casos de furto e roubo. “Nós enfrentamos o problema da subnotificação, que é quando as vítimas não registram boletim de ocorrência. Como a PM faz todo o planejamento com base nesses registros, fica difícil ver onde o problema está realmente. E os Consegs têm contribu-

ído com campanhas para os moradores registrem os BOs. Em São Bernardo, isso já começou a surtir efeito”, disse o comandante. O presidente do Conseg Sudeste, desde maio, é José Macedo, que atua em conselhos há 10 anos. Segundo ele, poucas pessoas conhecem o trabalho realizado. “Infelizmente, as reuniões têm uma média de 20 a 30 moradores. São poucos para a segurança de tantos, visto que o nosso conselho compreende uma região de 300 mil pessoas, desde o Baeta, passando por bairros como Esperança, Jardim Silvina, Montanhão e até parte do Rodoanel.” O Conseg Riacho Grande, por exemplo, aguarda novos interessados em participar da diretoria. “Aqui a comunidade só vem quando tem problema. Quando ele acaba, não comparecem mais. Isso é ruim, porque a gente chama representantes da Polícia Militar e Civil e fica uma situação desagradável. Estamos tentando fazer com que continue, mas precisamos de mais adesões”, contou a presidente desse Conseg, Lucia Cavinato. Apesar do pouco envolvimento, os conselhos têm garantido bons resultados. Um exemplo é do Conseg Centro, que conseguiu a criação de uma lei que obriga bancos da cidade a instalar câmeras de monitoramento na área externa, para evitar os crimes conhecidos como “saidinhas de banco”. Segundo o seu presidente, Adelmo Capitanio, o prazo máximo para adequação é o dia 4 de dezembro. O Conseg Sudeste busca também ampliar o monitoramento em outros pontos da cidade. “Estamos aguardando a resposta da GCM, que nos prometeu até o final do ano instalar esses equipamentos. A prefeitura informou que está licitando”, afirmou o presidente.

4

Reuniões na primeira quinta-feira do mês, às 19h30, na EMEB Profª Ermínia Pagge, na Rua Marisa Prado, 166, Jardim Palermo. Atende desde o bairro Baeta Neves ao Montanhão.

São Bernardo do Campo 4

4

Reuniões itinerantes. A próxima será realizada no dia 14 de dezembro, às 19h30, na Sociedade Amigos do Bairro Taboão (Avenida Taboão, 3726). Atende a área do bairro Taboão ao Planalto. Conseg Centro

Conseg Riacho Grande Reuniões toda última quinta-feira do mês, no Colégio Urupês, na Av. Tocantins, 125. Atende toda a região do Riacho.

4

Reuniões itinerantes, sempre na primeira quarta-feira do mês, às 19h30. A próxima será realizada no dia 7 de dezembro, na sede da Acisbec, na rua do Imperador, 14, Nova Petrópolis. Atende também o bairro Santa Terezinha. Mais informações em www. consegcentrosbc.com.br

Solidariedade Os conselhos também contribuem para a integração da comunidade. O Conseg Centro, por exemplo, criou o Vigilância Solidária, um projeto que espalha placas pela região e indicam que a área é monitorada pelos próprios moradores. A qualquer sinal de irregularidade, a PM

Conseg Sul Reuniões realizadas na última sexta do mês, às 20h. Ocorrem no Restaurante São Francisco, na Av. Maria Servidei Demarchi, 1911, Bairro Demarchi, ou em locais itinerantes. Atende entre os bairros Independência e Dos Casa.

4 CONSEG 2

4

Conseg Sudeste

é acionada. O projeto também pretende desenvolver a comunicação entre vizinhos por códigos sonoros, como apitos e sirenes. A prática já é adotada em Santo André e em outros Estados. Outro exemplo de ação desses conselhos ocorreu em 2005, quando o Conseg 2 construiu um novo prédio para a 2ª

Conseg Leste

Reuniões itinerantes, sempre na última quinta-feira do mês. Próxima será realizada em 24/11, às 19h, na Escola Estadual Maria Estela Vieira, bairro Jardim Telma. Atende dos bairros Alves Dias ao Batistini.

Companhia da Polícia Militar. A prefeitura cedeu o terreno, e os moradores e comerciantes arrecadaram verbas para a construção. A iniciativa ganhou o Prêmio Franco Montoro, da Coordenadoria Estadual dos Conselhos Comunitários de Segurança, que escolhe os melhores projetos idealizados pelos conselhos. g


Conselhos Comunitáriosde Segurança completam 25 anos