Issuu on Google+


A revisão do logotipo atual da marca é a etapa inicial de um estudo de planejamento estratégico de marca. Sugerimos a seguir algumas propostas desenvolvidas a partir do estudo de algumas problemáticas detectadas, como: dificuldade de leitura do logotipo (enquanto elemento tipográfico e de padrão de grafismo), quando aplicado em versão reduzida, aplicação em fundos complexos e versões em 1 cor.


A leitura do nome da marca fica prejudicada pela alteração demasiada da estrutura dos caracteres. O elemento ‘e’ fica percebido como parte isolada do conjunto do nome, recebendo destaque de maneira negativa.

Dificuldade de leitura do nome da marca por conta da cor e organização do grafismo de preenchimento.


Outro ponto a se observar é que a necessidade do redesign ocorre seguindo o conceito do planejamento estratégico de marca e de branding. No caso do branding, o objetivo é estabelecer a sua relevância para os públicos em potencial objetivando construir um Universo Visual proprietário e dar consistência a todos os materiais de comunicação. Observando a marca atual, percebemos que a padronagem atualmente utilizada poderia estabelecer uma melhor conexão com o público alvo, que é jovem, antenado em tecnologia, tendências de moda, design e música e que já é bombardeado em suas navegações diárias com informações, elementos e cores de maneira demasiada, neste caso, o uso de tantas cores pode ser visto como um ponto negativo, tornando-se mais um elemento de leitura dentro deste cenário, não recebendo destaque. A interligação entre o conceito de espaço colaborativo, o dinamismo e a rede de ideias que a marca propõe também são conceitos que poderia estar de uma maneira mais explícita na sua representação simbólica.


A leitura do nome é o aspecto central da marca, é a base da identidade e deve materializar a Essência e Personalidade da Marca, gerando diferenciação. Deve ser de fácil pronunciação e funcionar nos idiomas que regem o mercado da Marca. Notamos que o nome ‘E-colab’ oferece mais destaque à questão eletrônica que colaborativa. Tudo atualmente é digital. O eletrônico, tornou-se natural de nossa rotina. O uso do ‘e’ e do @ como elementos visuais e de semântica acabam por passarem desapercebidos. Convém mostrar que a colocação do conceito de colaborativismo e de rede de ideias poderia fazer-se mais presente e funcional, destacando os valores da marca.


O ‘e’ fica visualmente isolado do restante do conjunto, associado com o conceito do @ compõe mais um elemento visual a que o leitor visualizar. A quantidade de cores presentes no grafismo e a escala em que estão localizados atualmente oferecem riscos nas reduções. A escolha de outra paleta cromática e de grafismos poderia gerar melhor conexão com o consumidor atual, que tem um perfil mais ‘hype’. O uso do ‘.com’ acaba tornando-se uma mancha com pouca leitura nas reduções. É importante que a marca possua boa legibilidade no máximo de suas aplicações, independente da escala. O nome pode oferecer confusão na leitura e no entendimento da identidade da marca. A leitura soa como ‘ECO-lab’, com mais destaque ao aspecto ecológico que eletrônico.


Redesign Ecolab