Issuu on Google+


CURSO SOBRE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO 5ª EDIÇÃO

São Paulo 2013


2013 Curso sobre Gestão de Resíduos da Construção Civil e Operação de Usina de Reciclagem de Entulho Coordenação técnica: Levi Torres Pesquisa - CRCD: Daniel Toniate Coordenação de Pesquisa - CRCD: Engenheiro Luciano Barros Projeto gráfico e diagramação: Sancho Comunicação, Amanda Pais Redação e conteúdo Gestão Integrada de Resíduos da Construção Civil: Élcio Carelli Redação e conteúdo Operação de Usina de Reciclagem de Entulho: Leonardo Miranda Criação e editoração: Sancho Comunicação, Amanda Pais

Curso sobre Gestão de Resíduos da Construção Civil e Operação de Usina de Reciclagem de Entulho. 5ª edição, novembro/2013 São Paulo, 2013. É proibida a reprodução total ou parcial deste material sem prévia autorização.


SUMÁRIO PARTE I���������������������������������������������������������������������������������������������������������13

GESTÃO DE RCC – CONTEXTUALIZAÇÃO E CENÁRIO������������������������������������������������������������������ 15 DAS CADEIAS PARA LOGÍSTICA REVERSA E COMPARTILHAMENTO DE RESPONSABILIDADES������������������������ 18 A. Solos excedentes (classe A)������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 19 B. Alvenaria, concreto, argamassas e cerâmicos (classe A)������������������������������������������������������������������������� 19 C. Madeira (classe B)������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 20 D. Papel/papelão, plástico e metais (classe B)������������������������������������������������������������������������������������������� 20 E. Gesso (classe B)������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 21 F. Outros resíduos não recicláveis – classe C����������������������������������������������������������������������������������������������� 21 DA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC����������� 22 DOS PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES GERAIS RELATIVAS À GESTÃO DOS RESÍDUOS NOS CANTEIROS����� 23

PARTE II ��������������������������������������������������������������������������������������������������������35

1.RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL ���������������������������������������������������������������� 36 1.1 Definição e classificação dos resíduos de construção e demolição ������������������������������������������������������� 36 1.2 Áreas de recebimento de RCD ����������������������������������������������������������������������������������������������������������� 37 1.3 Importância da reciclagem ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 38 1.4 Situação da reciclagem de RCD no Brasil �������������������������������������������������������������������������������������������� 39 2. ABERTURA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE RCD����������������������������������������������������������������� 43 2.1 Desenvolvimento de um plano de negócios e pesquisa de opinião �������������������������������������������������������43 2.2 Fatores que influem na viabilidade de uma usina de reciclagem ����������������������������������������������������������� 44 2.3 Setores envolvidos na reciclagem de RCD ������������������������������������������������������������������������������������������� 46 2.4 Aspectos relativos à abertura da empresa ������������������������������������������������������������������������������������������� 47 2.5 Aspectos relativos ao projeto e instalações de uma usina de reciclagem ����������������������������������������������� 48 2.6 Aspectos relativos ao licenciamento da usina de reciclagem ���������������������������������������������������������������� 50 2.7 Estimativas do custo de implantação e obtenção de financiamentos ���������������������������������������������������� 55 2.8 Estimativa de retorno financeiro ���������������������������������������������������������������������������������������������������������� 55 3. PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA RECICLAGEM DE RESÍDUOS CLASSE A DA CONSTRUÇÃO CIVIL �� 56 3.2 Grelha vibratória��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 57 3.3 Equipamentos de transporte���������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 58 3.4 Separadores magnéticos��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 59 3.5 Britadores ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 60 3.7 Peneiras vibratórias����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 64 3.8 Equipamentos para processo de reciclagem via úmida ������������������������������������������������������������������������ 66 3.9 Equipamentos e técnicas para redução da variabilidade dos agregados de RCD ����������������������������������69 4. GESTÃO DA USINA DE RECICLAGEM PARA PRODUÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS ������������������������� 71 4.1 Recebimento, verificação e transporte dos resíduos ����������������������������������������������������������������������������� 71 4.2 Triagem de RCD ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 72 4.3 Dificuldades técnicas encontradas na reciclagem ������������������������������������������������������������������������������� 74 4.4 Variabilidade da composição de RCD ������������������������������������������������������������������������������������������������ 74 4.5 Presença de contaminantes���������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 76 4.6 Recursos Humanos ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 77 4.7 Operação ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 77 4.8 Comercialização dos agregados reciclados ���������������������������������������������������������������������������������������� 78 5. ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO E A MELHORIA DA RECICLAGEM DE RCD�������������������������������������� 82

BIBLIOGRAFIA �������������������������������������������������������������������������������������������������87


TABELAS E IMAGENS TABELA I: Normas técnicas e papel estruturante na gestão dos resíduos da construção e demolição�������������16 TABELA 2: Perdas e ações preventivas�������������������������������������������������������������������������������������������������������� 25 TABELA 3: Materiais / Resíduos com potencial para reutilização������������������������������������������������������������������� 25 TABELA 4: Considerações sobre triagem e acondicionamento inicial������������������������������������������������������������ 26 TABELA 5: Considerações sobre transporte interno e acondicionamento final de resíduos������������������������������28 TABELA 6: Massa de RCD gerada em cidades do estado de São Paulo (SINDUSCON, 2005)��������������������������39 TABELA 7: Distribuição das usinas no país��������������������������������������������������������������������������������������������������� 40 IMAGEM 1: Distribuição das usinas de reciclagem de resíduo classe A instaladas no país�������������������������������40 TABELA 8: Algumas usinas de reciclagem implantadas no Brasil������������������������������������������������������������������� 41 GRÁFICO 1: Percentual de Usinas ativas����������������������������������������������������������������������������������������������������� 42 TABELA 9: Resumo das principais características técnicas das usinas de reciclagem de RCD brasileiras�����������42 GRÁFICO 2: Percentual de Usinas inativas�������������������������������������������������������������������������������������������������� 42 IMAGEM 2: Quadro de comando dos equipamentos de uma usina������������������������������������������������������������� 49 TABELA 10: Licenças a serem obtidas para a instalação de uma usina de reciclagem�����������������������������������52 TABELA 11: Estimativa de custo de implantação de uma usina de 50 t/h������������������������������������������������������ 56 IMAGEM 3: Alimentador vibratório������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 57 IMAGEM 5: Transportadores de correia������������������������������������������������������������������������������������������������������ 58 IMAGEM 4: Grelha Vibratória �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 58 IMAGEM 6: Separador magnético suspenso e permanentes, de limpeza manual������������������������������������������59 IMAGEM 7: Britador de mandíbula tamanho 5030�������������������������������������������������������������������������������������� 60 IMAGEM 8: Processo de britagem do britador de impacto�������������������������������������������������������������������������� 62 IMAGEM 9: Moinho de martelos���������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 63 IMAGEM 10: Peneiras vibratórias inclinadas������������������������������������������������������������������������������������������������ 64 TABELA 14: Comportamento do material sobre uma dada peneira�������������������������������������������������������������� 65 TABELA 12: Ângulo de inclinação da peneira em função da abertura da malha������������������������������������������65 TABELA 13: Tabelas de frequência e amplitudes para peneiras vibratórias convencionais�����������������������������65 IMAGEM 11: Lavador de rosca duplo, em utilização na extração de areia de Amparo/SP�����������������������������68 IMAGEM 12: Homogeneizador de agregados reciclados���������������������������������������������������������������������������� 69 IMAGEM 13: Armazenamento do RCD em diferentes áreas em função da natureza do RCD������������������������71 IMAGEM 14: Triagem do RCD�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 72 TABELA 15: Composição de RCD em diversos locais do Brasil e no estrangeiro, em %.������������������������������������ 75 IMAGEM 15: Recursos humanos utilizados na operação da usina de reciclagem de RCD������������������������������77 TABELA 16: Exemplos de aplicação dos agregados������������������������������������������������������������������������������������ 78 IMAGEM 16: Agregados reciclados����������������������������������������������������������������������������������������������������������� 78 IMAGEM 17: Pavimento sendo executado com brita corrida reciclada cerâmica���������������������������������������� 79 IMAGEM 18: Uso de agregados reciclados����������������������������������������������������������������������������������������������� 80 IMAGEM 19: Bloco de concreto estrutural�������������������������������������������������������������������������������������������������� 81


PARCERIA QUE FUNCIONA A Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição – ABRECON nasceu com a ideia de introduzir a questão no debate público e criar unidade das empresas recicladoras de entulho no país. Entabulada por Levi Torres, ambientalista e consultor ambiental, a entidade iniciou suas operações no dia 09 de fevereiro de 2011 na cidade de São Paulo, após quatro meses de contatos e inúmeras apresentações. A ABRECON surgiu das necessidades das empresas recicladoras de entulho de mobilizar e sensibilizar governos e sociedade sobre a problemática do des� carte irregular dos resíduos da construção e oferecer soluções sustentáveis para a construção civil em um dos momentos mais importantes da história para o setor produtivo. Sendo o Brasil o organizador dos dois mais importantes eventos esportivos do mundo – Copa do Mundo e Olimpíadas e ainda programa especiais para a habi� tação e a premência da construção civil por matérias primas mais sustentáveis, o intento tomou corpo e fi� cou mais evidente. Assim, com a Política Nacional de Resíduos Sólidos nº 12.305, de 02 de agosto de 2010, um marco na gestão de resíduos sólidos no país e sua última regulamenta� ção, por meio de Decreto Presidencial nº 7404 de 23 de dezembro de 2010, a ABRECON se posiciona como representante do setor de reciclagem de entulho no aperfeiçoamento de projetos, leis e programa visando reutilizar e reciclar o resíduo gerado. A ABRECON representa o que há de mais avançado e inteligente na gestão dos Resíduos da Construção Civil e Demolição – RCD no Brasil. Mais do que reciclar entulho, o que nos moverá nesses novos tempos é a possibilidade de trabalhar em con� sonâncias com as questões ambientais, de poder livrar nossos mananciais de lixo, de reduzir o impacto am� biental de produtos extraídos da natureza, de poder gerar mais postos de trabalho para a população car� ente. Enfim, o que nos moverá é o poder de transfor� mar. Contribuir com um mundo melhor!

O Instituto Nova Ágora de Cidadania - INAC é uma organização não governamental sem fins lucrativos, com o título de Organização Social e Civil de Interesse Público – OSCIP junto ao Ministério da Justiça. Fundado em 2003, com a proposta de propiciar acesso à educação para a comunidade, através de cursinho pré-vestibular, ajudou centenas de jovens no ingresso às faculdades e escolas técnicas. Porém, seus associa� dos perceberam ser necessário e possível desenvolver projetos em outras áreas. Com essa perspectiva, hoje, o Inac tem dentre seus principais objetivos: contribuir na construção de novas metodologias e ferramentas para a inclusão social e conquista da cidadania através da geração de em� prego e renda e o fortalecimento das organizações sociais de bairro (associações, sociedades, entidades, etc.), além da promoção da cultura e inclusão digital. Sempre na busca de um ambiente sustentável. Os principais projetos desenvolvidos pelo INAC são: Centro de Referência em Resíduos da Construção Civil e Demolições, Usina de Reciclagem de Entulho de Osasco e Hortolândia, Estação de Metarreciclagem EMR Apoena, Projeto Edução de Trânsito, Educand’art e Rede Conect@.


,

SAUDACOES ,

Promover a reciclagem de resíduos da construção civil e demolição no Brasil. Com essa ideia a Abrecon em parceria com o INAC promovem a 5ª edição do curso de Gestão Integrada de Resíduos da Construção Civil e Operação de Usina de Recicla� gem de Entulho.

Caros Leitores,

Disseminar boas práticas na gestão dos resíduos e na operação de uma usina de reciclagem de entulho trás benefícios reais ao setor, à sociedade, a gover� nos e ao meio ambiente.

O material aqui presente, é fruto de um trabalho com muita dedicação e compromisso, visa proporcionar ao leitor um conhecimento básico sobre resíduos sóli� dos e seus impactos ambientais, e sobre o sistema de logística reversa proposta pelo nosso instituto.

Como representantes da iniciativa privada em par� ceria com o setor público e organizações não gover� namentais, estamos certamente investindo em ideias que irão, seguramente, fazer diferença para as em� presas em um futuro próximo. Quero aqui agradecer a dedicação e o empenho da equipe organizadora do curso, dos parceiros e patro� cinadores e, acima de tudo, dos alunos que fazem este projeto acontecer. Após este curso, te convido a participar dos grupos de trabalho voltados ao aper� feiçoamento dos processos e produtos oriundos da reciclagem de entulho e políticas direcionadas a ex� pandir o mercado. É motivo de grande orgulho tê-lo neste curso. Esperamos fazer a diferença. Um bom dia de trabalho!

Hewerton Bartoli, Presidente da ABRECON

Com grande satisfação que apresentamos a 5ª edição do curso de Gestão Integrada de Resíduos da Construção Civil e Operação de Usina de Reci� clagem de Entulho.

Entretanto, temos as expectativas que este trabalho contribua com os seus interesses e seja uma fonte rica para estudos e pesquisa, contudo, sirva como referência para implementação de novos projetos visando minimizar o impacto do descarte dos resídu� os da construção civil e demolição. Boa Leitura!

Arivonaldo Vieira Júnior, Presidente do INAC


12

Reciclagem de Entulho em S達o Paulo - SP


GESTAO INTEGRADA DE RESIDUOS DA CONSTRUÇAO CIVIL

Élcio Carelli Economista e mestre em tecnologia ambiental pela Centro Paula Souza - SP, co-autor do Manual de Gestão Ambi� ental de Resíduos da Construção Civil publicado pelo Sinduscon e diretor da consultoria técnica Obra Limpa.

PARTE I


GESTÃO DE RCC – CONTEXTUALIZAÇÃO E CENÁRIO

A percepção da necessidade de intervir e transformar a realidade urbana nos municípios brasileiros motivou, nos anos 90, algumas ações pioneiras, merecendo destaque o caso de Belo Horizonte, em que a SLU (Superintendência de Limpeza Urbana) tomou a inicia� tiva de implantar equipamentos públicos para possibilitar a gestão diferenciada de tais resíduos. Para captação de pequenos volumes (cargas limitadas a 2 m3) implantaram rede de URPV (Unidades de Recebimento de Pequenos Volumes), realizando programa de cadastramento de carroceiros e de controle de zoonoses dos animais que tracionam as carroças. Para captação e reciclagem das cargas mais volumosas (acima de 2 m3) foram implan� tadas, ainda nos anos 90, duas usinas (Estoril e Pampulha) para produção de agregados reciclados a partir dos resíduos da construção e demolição coletados por caçambas estacionárias (grandes volumes) e mesmo dos pequenos volumes captados nas URPVs. Tais iniciativas inspiraram o regramento expresso na Resolução CONAMA no 307/2002 que definiu e classificou os resíduos, atribuindo responsabilidades pelo processo de gestão urbana aos diversos atores envolvidos. Também nos anos 90, a Lei de Crimes Ambientais (no 9605/1998) definiu como necessária a observância das condições estabelecidas em leis e regulamentos no que se refere ao lançamento de resíduos sólidos, líquidos e gasosos, penalizando os infratores quando tais eventos ocasionassem poluição em níveis que provocassem dano à saúde humana, mortandade de animais ou destruição da flora. Desta maneira, considerando o regramento e as diretrizes estabelecidas pela Resolução CONAMA no 307/2002 e os riscos apontados pela Lei de Crimes Ambientais, foram in� duzidas iniciativas para gestão urbana dos RCC em diversos municípios brasileiros. Em 2004, foram editadas normas ABNT que respaldaram a implantação da gestão sustentável de resíduos da construção e demolição, conforme apresenta na tabela 1. Destacamos a necessidade de atenção para o papel que deve ser exercido pelos em� preendimentos especializados no manejo urbano dos resíduos da construção civil. Assim as Áreas de Transbordo e Triagem cumprem o importante papel de viabilizar a formação de cargas para posterior valorização dos resíduos segundo sua classe e tipo e os Aterros de Resíduos da Construção viabilizam a disposição final da fração classe A (alvenaria, argamassas, concreto, cerâmicos e solos) de modo ambientalmente compromissado. Finalmente, as Áreas de Reciclagem são os empreendimentos que possibilitam transfor� mação dos resíduos classe A em agregados reutilizáveis em pavimentação e concretos não estruturais cujos procedimentos para reutilização são definidos de modo detalhado pelas normas NBR 15.115:2004 e 15.116:2004.

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Nos municípios brasileiros, de modo geral, os resíduos da construção e demolição representam cerca de 60% da massa de resíduos sólidos gerados e sua dispersão e mane� jo desregrado geram impactos ambientais e econômicos significativos, notadamente relacionados à degradação da paisagem urbana, a formação de vetores transmissores de doenças, a obstrução e comprometimento dos sistemas de drenagem superficiais potencializando inundações e a necessidade de realizar ações corretivas onerosas de limpeza pública para coleta de resíduos dispersos em vias e logradouros.

15


Tabela I: Normas técnicas e papel estruturante na gestão dos resíduos da construção e demolição Número da norma

Nome

NBR 15.112:2004

Resíduos da Construção civil e volumosos – Áreas de transbordo e triagem – Diretrizes para projeto, im� plantação e operação.

NBR 15.113:2004

Resíduos sólidos da Construção civil e resíduos in� ertes – Aterros - Diretrizes para projeto, implantação e operação.

NBR 15.114:2004

Resíduos sólidos da Construção civil – Áreas de reci� clagem - Diretrizes para projeto, implantação e op� eração.

NBR 15.115:2004

Agregados reciclados de resíduos sólidos da con� strução civil – Execução de camadas de pavimen� tação - Procedimentos

NBR 15.116:2004

Agregados reciclados da construção civil – Uti� lização em pavimentação e preparo de concreto sem função estrutural.

Aspecto da gestão sustentável dos resíduos da construção abordado

Manejo urbano dos resíduos da construção civil

Uso dos agregados reciclados

Como resultado direto do regramento estabelecido pela Resolução CONAMA no 307/2002, os chamados Planos Integrados de Gerenciamento de Resíduos da Con� strução Civil foram editados em diversos municípios. A aplicabilidade dos princípios es� tabelecidos em tais leis tem relação direta com a disponibilidade de soluções locais para destinação dos resíduos e da ação efetiva do poder público no licenciamento de empreendimentos e na fiscalização do processo de gestão urbana. Quando da implan� tação dos Planos Integrados de Gerenciamento de RCC, cabe ao gestor público esta� belecer as condições para apresentação dos Planos de Gerenciamento de Resíduos pelos Grandes Geradores, induzindo comportamento compromissado com o manejo e destinação sustentável dos RCC, respeitando os princípios da Resolução CONAMA no 307/2002.

16

As ações de gestão pública dos resíduos da construção devem ser também extensivas aos pequenos volumes de resíduos gerados em eventos informais (obras não licencia� das) e aos resíduos gerados em obras públicas e serviços de limpeza urbana. Da parte dos grandes geradores formais de resíduos (construção urbana empresarial), os esforços para gestão sustentável dos resíduos na fase de implantação dos empreendi� mentos ganham expressão na ação articulada dos sindicatos patronais (Sinduscons) re� gionais, buscando apoiar os filiados na busca por soluções diferenciadas para gestão ur� bana dos RCC. Assim cartilhas e manuais foram editados, grupos de trabalho formados, atividades de capacitação tem sido constantemente realizadas e a mobilização desta cadeia formal tem resultado na melhoria das condições para gestão dos resíduos nos re� spectivos canteiros de obra, reduzindo impactos ambientais e permitindo condição de maior compromisso ambiental. A própria mobilização da construção empresarial articu� lada com as cadeias produtivas ensejou a edição de Resolução CONAMA no 431/2010, reclassificando os resíduos de gesso (de classe C – não recicláveis para classe B – reci� cláveis para outros fins) face às oportunidades existentes para sua valorização.


Assim, o conceito de responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos abre espaço para adoção de práticas empresariais mais responsáveis oriundas do es� forço dos diversos agentes que compõem as diversas cadeias, envolvendo fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, consumidores e titulares dos serviços pú� blicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos. Por outra parte, a logística reversa, como instrumento para restituição dos resíduos ao setor empresarial, possibilita a reinserção dos resíduos em seus respectivos ciclos produtivos ou em outros compatíveis, o que na prática, amplia o espectro de alternativas possíveis de recaptura de valor pelos agentes econômicos que se conectam às respectivas cadeias. Mais especificamente, observa-se uma dinâmica no mercado de manejo e destinação dos resíduos da con� strução que representa a aplicação de tais conceitos neste ciclo produtivo específico, com franca expansão de negócios e especialização com a formação de uma ampla rede de empreendimentos cujas atividades possibilitam a valorização dos RCC. Na União Européia, aplica-se como princípio norteador para gestão dos resíduos o conceito de responsabilidade estendida do produtor que assume de alguma forma o compromisso de receber os resíduos pós-consumo. Tipicamente, reconhecemos 03 (três) formas básicas praticadas: a) take-back: obrigação do fabricante de receber em devolução o remanescente do produto descartado; b) depósito-retorno: taxa adicional sobre consumo restituível quando da devolução da embalagem (caso típico das em� balagens de vidro); c) coleta domiciliar: efetuada diretamente pelo próprio produtor ou por alguma organização que o represente, sucedida pela separação e destinação adequada dos respectivos resíduos. Para o Brasil, segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos, embora não enunciada explicitamente, a responsabilidade estendida é referida para a gestão das embalagens de agrotóxicos, pneus, baterias, óleos lubrificantes e suas embalagens e alguns tipos de lâmpadas. Neste cenário, os negócios que se valem do potencial de valorização dos resíduos da construção civil vieram se consolidando. Da parte do poder público, prefeituras por in� termédio de autarquias municipais, secretarias de serviços públicos e de meio-ambiente, por exemplo, implantaram usinas de reciclagem de RCC como estratégia para regular de modo mais consistente o fluxo de resíduos observando a perspectiva da redução dos impactos ambientais relacionados à dispersão na malha urbana. Também a possibili� dade de uso dos agregados reciclados em serviços públicos de pavimentação, sanea� mento urbano e habitação motivou gestores públicos. Entretanto, no decorrer dos anos várias das iniciativas públicas de implantação e operação de usinas de reciclagem de RCC malograram, ocorrendo casos de desativação pela paralisação das atividades ou mesmo de operação precária e descontinuada. A estruturação de negócios privados de reciclagem, opostamente, tem ocupado es� paço significativo, motivando a criação em 2011 da ABRECON. Empresas recicladoras de RCC têm-se estabelecido em diversos municípios brasileiros, provendo soluções para

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Cumpre papel fundamental neste cenário evolutivo a edição da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei no 12.305/2010) e do respectivo Decreto Regulamentador no 7404/2010 que firmam conceitos importantes para adoção de práticas sustentáveis na gestão integrada de resíduos sólidos, com repercussões extensivas a todas as cadeias produtivas, inclusive da construção civil.

17


a destinação ambientalmente compromissada dos resíduos, sustentando sua atividade com receitas oriundas da cobrança pelo recebimento dos resíduos e da venda dos agregados reciclados após britagem e classificação. Em sua Pesquisa Setorial 2013, a ABRECON identificou 310 iniciativas de reciclagem de RCC para produção de agrega� dos reciclados em operação ou implantação, com predominância marcante das usinas privadas (80% do total das iniciativas). Mais especificamente, 96 destes 310 empreendi� mentos responderam a questionário informando produção média mensal de 426.453 m3, que corresponde a cerca de 6% da geração estimada de RCC no Brasil (500 kg / habitante ano). Outro componente importante para o avanço da gestão sustentável dos RCC no país é a gestão mais cuidadosa e compromissada dos resíduos nas demolições e construções empresariais. A busca pela obtenção da certificação ambiental reforça a necessidade de qualificar processos de destinação de resíduos que impliquem em maior comprom� isso ambiental, o que pode ser viabilizado pela reciclagem dos RCC. A partir de 2007, os processos de certificação ambiental LEED e AQUA passaram a ser requeridos por empreendedores e, no conjunto de seus requisitos, há considerações sobre a qualidade das soluções utilizadas pelos empreendimentos para destinar resíduos. No processo LEED, por exemplo, a comprovação de desvio de aterro (reciclagem) de parcela superior a 50% dos RCC gerados (em massa ou volume) possibilita obtenção de 01 ponto adicional para certificação. A partir, respectivamente, de 75% e 95% alcance-se 2 e 3 pontos. Além da abordagem relativa aos resíduos da construção, característicos da implantação dos empreendimentos, os processos de certificação ambiental LEED e AQUA também abor� dam a questão do gerenciamento dos demais resíduos, tipicamente gerados na oper� ação dos empreendimentos.

DAS CADEIAS PARA LOGÍSTICA REVERSA E COMPARTILHAMENTO DE RESPONSABILIDADES

18

As Resoluções do CONAMA nos 307/2002, 348/2004 e 431/2011 estabeleceram classifi� cação dos resíduos segundo os conceitos de risco ambiental, reconhecendo os resídu� os perigosos (classe D), e de potencial de valorização, identificando resíduos classe A (valorizáveis diretamente pela própria construção civil) e classe B (valorizáveis em outras atividades produtivas). Por exceção, resíduos não perigosos, mas potencialmente não valorizáveis são denominados classe C (equiparáveis a rejeito, se considerarmos a termi� nologia da Política Nacional de Resíduos Sólidos). Da identificação dos resíduos e associação com suas respectivas classes, temos: Classe A – alvenaria, concreto, argamassas, pavimentos, solos e cerâmicos; Classe B – papel, papelão, plástico, metais, vidros, madeira, gesso etc; Classe C – resíduos para os quais não foram desenvolvidas ou aplicações economi� camente viáveis que permitam sua reciclagem ou recuperação; Classe D – resíduos perigosos tais como amianto, tintas, solvente, óleos ou quais� quer resíduos contaminados por substâncias perigosas e originários de atividades da construção, demolição, reformas, reparos, preparação e escavação de ter� renos. A formação das cadeias para logística reversa e que permite o compartilhamento de


responsabilidades está sempre condicionada à possibilidade de estruturar negócios es� pecializados cuja vocação é captar, de maneira seletiva, resíduos e transformá-los, per� mitindo agregação de valor, ou ao menos, transferi-los para posterior atividade de trans� formação e valorização realizáveis por outros agentes da mesma cadeia, permitindo de modo imediato a redução de custos operacionais. Assim, cabe considerar o conjunto de resíduos classificados pela Resolução CONAMA no 307/2002 e discriminar quais são tipicamente, os processos de manejo e destinação diferenciada mais usuais e potencialmente mais sustentáveis. Assim temos:

Os serviços de terraplenagem e as escavações, realizados na fase ini� cial de implantação dos empreendimentos, resultam em grandes volumes de solos excedentes e integram o sistema tecnogênico de infra-estrutura urbana. A norma brasileira ABNT 15.113:2004 referencia a operação de aterros de resíduos da construção e inertes, estabelecendo as condições ambientalmente compro� missadas para a disposição final de resíduos classe A, incluindo os solos escava� dos, o que comumente é praticado quando da recuperação ambiental de áreas de mineração degradadas (cavas de pedreiras e portos de areia). A reutilização deste excedente em outras obras de engenharia que não especificamente os aterros de resíduos da construção e inertes é também extensamente praticada, não obstante a inexistência de disciplina e normas específicas para a formação de tais aterros em pequeno porte. Tem sido comum o reuso de solos para nivelamento topográfico de terrenos, devendo-se reconhecer a formalidade da execução de tais serviços como obra de engenharia, respaldada por projetos, licenças e sob responsabilidade técnica de profissionais habilitados. B. Alvenaria, concreto, argamassas e cerâmicos (classe A) São compostos pela fração “cinza”, gerada a partir de insumos que tem ci� mento em sua composição, tais como argamassa, concreto (inclusive blocos) etc e pela fração “vermelha”, tais como tijolos, blocos cerâmicos etc. Em ordem de preferência, de um modo geral, podemos estabelecer uma hierarquia na escolha das soluções para destinação, a saber: 1º) Áreas de reciclagem; 2º) Áreas de ater� ro de RCC; 3º) Áreas de transbordo e triagem (ATT). Entretanto, quando do reconhecimento das alternativas específicas, cab� erá identificar as condições operacionais de cada destinatário para escolha, uma vez que o simples licenciamento não é suficiente para garantir compromisso ambi� ental no manejo e destinação dos resíduos. Além disto, a escolha também estará condicionada a conveniência de utilizar as soluções em relação à necessidade de destinar um conjunto diversificado de resíduos, às restrições relacionadas a tria� gem, a distancia em relação a obra etc. Desde que sejam respeitadas as respectivas normas técnicas que estabele� cem as condições de implantação e operação das atividades, não há impedi� mento para combinação das atividades de reciclagem, aterro de RCC e das ATTs, com ampla perspectiva de consolidação de negócios mais robustos e com maior potencial para atrair resíduos.

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

A. Solos excedentes (classe A)

19


C. Madeira (classe B) São gerados na preparação das formas e descarte após uso exaustivo (madeira compensada), tanto em fundações como na execução das estruturas em concreto armado e também no recorte em carpintaria para preparação de peças com dimensão diversificada (madeira serrada). Os destinatários de resíduos desta natureza que poderão ser buscados são os seguintes: i) empresas que utili� zam resíduos de madeira como biomassa para produção de energia em processos de queima em fornos e caldeiras, desde que licenciados (exemplos: lavanderias e indústrias cerâmicas); ii) recicladores que trituram resíduos de madeira, homogene� izando-os sob a forma de cavacos ou adensados na foram de briquetes que são comercializados para queima em fornos e caldeiras; iii) recicladores que façam pré-seleção de peças reutilizáveis considerando o potencial de reutilização após redimensionamento (por exemplo, reuso de madeira proveniente de paletes para preparar novos paletes). Formalmente, a operação de uma unidade de processamento de resíduos de madeira poderá ser viabilizada em combinação com outras atividades (reci� clagem, aterro e transbordo e triagem de RCC classe A, por exemplo), valendo-se da potencialidade regional específica e do posicionamento mercadológico dos operadores. D. Papel / papelão, plástico e metais (classe B)

20

Oriundos de embalagens e da preparação (recorte para redimensionamen� to) de alguns materiais como tubulações em PVC, vergalhões em aço para estru� turas de concreto armado, chapas e perfis metálicos etc, normalmente utilizados em determinadas etapas da obra. Embora genericamente considerados como resíduos classe B, ou seja, com potencial de valorização, em certas circunstâncias de mercado, alguns destes resíduos tem sua comercialização muito restringida, o que acontece comumente com as sacarias em papelão tipo Kraft III que embalam cimento, argamassas e gesso. O motivo da restrição relaciona-se ao acúmulo de grãos de cimento e congêneres entre as folhas de papelão da embalagem e ao ataque abrasivo nos equipamentos utilizados para reciclagem. A impossibilidade de identificação de destinatários que formem cargas viabilizadoras do encamin� hamento das sacarias ou qualquer dos resíduos em questão resultará em consid� erá-lo como resíduo não reciclável (classe C). Por outro lado, embalagens metálicas (latas) esgotadas, com resíduos secos de tintas e congêneres apenas aderidos superficial e internamente nas tais embal� agens, podem ser consideradas como resíduos de metal, simplesmente, valendo a recomendação de encaminhamento para reciclagem como sucata metálica. Mais especificamente, tais resíduos classe B deverão ser destinados a agentes formais da cadeia produtiva responsáveis pela preparação para posterior desti� nação aos recicladores, sendo preferencial a utilização de destinatários que con� sigam comercializar cargas também compostas por sacarias diversas em papelão (cimento, argamassas, gesso etc). As próprias áreas de manejo especificamente tipicamente habilitadas para receber RCC (ATTs, Aterros de RCC classe A ou Àreas de Reciclagem) poderão viabilizar formação das tais cargas de resíduos classe B


E. Gesso (classe B)

Gerados no revestimento de paredes e tetos, na divisão interna de ambien� tes (na forma de placas tipo dry-wall) e em serviços de acabamento (na forma de sancas, molduras e forros). Tais resíduos podem ser reincorporados em artefatos de gesso (inclusive placas dry-wall), reutilizados em substituição a gipsita hemi-hidrata� da (CaSO4 + ½ H2O) por cimenteiras para controlar pega do cimento na fase final de moagem do clínquer, ou na produção de fertilizantes para estabilizar e condi� cionar solos agrícolas. A necessidade de formação de cargas mais volumosas que permitam transporte a maiores distâncias caracteriza demanda por operação de transbordo dos resíduos coletados em obra, o que é possível ser compatível com atividade de uma ATT, desde que considere formação de cargas em superfície pavimentada e contida. F. Outros resíduos não recicláveis – classe C (tecidos não contaminados, botas, luvas, lixas, mantas asfáticas, mantas de cura, lã mineral, fibra de vidro, vegetação superficial etc) Há alternativa de destiná-los em aterros sanitários e industriais ou ainda em ATTs. G. Resíduos perigosos – classe D (amianto, óleos, graxas, solventes, instrumentos de aplicação, EPIs e estopas contaminadas, efluentes da lavagem dos instrumentos de aplicação etc) Embora represente fração diminuta da massa dos resíduos urbanos da con� strução, cabe cuidado especial em função do risco ambiental relacionado a seu manejo e destinação. A caracterização das cargas formadas é sempre requeri� da como forma de minimizar riscos, cabendo identificar oportunidades de utilizar soluções de destinação tais como: aterro classe I (para resíduos de amianto), blen� dagem associada a co-processamento em cimenteiras (para resíduos contamina� dos por óleos e graxas), tratamento físico-químico para efluentes etc. Primordialmente, a necessidade de coleta regular dos RCC nas obras impulsionou o desenvolvimento de uma rede de prestadores de serviços especializados conheci� dos como caçambeiros. Cumprem importante papel como agentes conectados dire� tamente às obras com oportunidade de também se firmarem como operadores das atividades de valorização dos resíduos, tipicamente caracterizadas, em estratégia de verticalização que impulsiona a formação e consolidação das redes para compartilha� mento de responsabilidade. No âmbito do exercício de responsabilidade pela destinação dos RCC, considera-se também como oportunidade o reuso de resíduos em canteiro, quer de maneira sim� plificada (reutilizando resíduos sem processamento) quer após reciclagem (operação mecanizada para cominuição e classificação), utilizando britadores, moinhos, peneiras etc. Justificam-se tais iniciativas pelo potencial de substituição dos agregados naturais em canteiro pelos agregados reciclados, além da supressão dos custos de transporte e destinação dos resíduos.

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

segregadas, bem como as empresas que fazem unicamente comercialização de aparas (papel e plástico) e de sucatas.

21


Afirma-se, neste contexto, a importância de planejamento na implantação de proces� sos de gestão de resíduos em obras como forma de viabilizar a adoção de práticas sus� tentáveis e de assegurar maior compromisso da parte dos geradores de resíduos com seu manejo e destinação.

DA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC A elaboração do plano de gerenciamento deve ser o elemento de referência promo� tor da integração sustentável dos empreendimentos aos respectivos ambientes urbanos (cidades), evidenciando o conhecimento da realidade local com seus limites e possib� ilidades para exercício da responsabilidade por parte do grande gerador dos resíduos. Como peça central para orientar a gestão dos resíduos pelos grandes geradores, sua elaboração deve ser feita considerando os seguintes elementos: a) Caracterização do empreendimento – localização da obra, descrição do tipo de empreendimento (ocupação), da tipologia da construção e do processo con� strutivo empregado, descrição do escopo das atividades de demolição e limpeza do terreno, apresentação do cronograma projetado, da planta baixa com alo� cação das áreas considerando o terreno e as edificações a serem erigidas com as respectivas áreas comuns, de circulação etc; b) Caracterização dos resíduos – descrição dos tipos e respectivas classes de resídu� os a serem gerados considerando informações presentes em projetos, memoriais e orçamentos, estimativa das quantidades tomando como referência os indica� dores disponíveis, preferencialmente extraídas do histórico da geração de resíduos apurado em obras semelhantes. Caso haja demolição antecedendo as atividades de construção, os resíduos provenientes desta fase deverão ser caracterizados a parte. c) Identificação das oportunidades para minimizar perdas – providências que pos� sibilitem reduzir a geração dos resíduos, minimizando perdas ou reutilizando materi� ais antes que sejam descartados como resíduos; 22

d) Conhecimento da realidade urbana em relação à legislação vigente e as condições operacionais – considerações sobre a legislação e regulamentos mu� nicipais e estaduais aplicáveis e da configuração geral dos serviços de transporte e destinação de RCC na região onde está a obra. e) Identificação dos possíveis destinatários – apresentação e caracterização dos potenciais destinatários de resíduos, discriminando os processos de destinação as� sociados aos tipos e as classes de resíduos, identificando também e de modo es� pecífico as oportunidades para reciclagem e utilização dos agregados gerados na própria obra; f) Identificação de transportadores aptos – apresentação e caracterização dos transportadores de resíduos com os quais se viabiliza a destinação maximamente qualificada dos resíduos considerando a realidade local, respeitando as questões


relativas ao licenciamento / cadastramento nos órgãos competentes, a luz da legislação local vigente.

g) Logística interna - descrição das condições para a triagem e acondicionamento diferenciado dos resíduos, considerando a necessidade de manter a organização no canteiro, além segregá-los e acondicioná-los de modo a permitir sua coleta e destinação respeitando as diretrizes estabelecidas pela própria Resolução CONA� MA n0 307/2002.

Há aspectos mais gerais no trato da questão do gerenciamento dos RCC que dizem re� speito ao manejo de materiais e dos resíduos no ambiente dos canteiros. a) Da organização dos espaços no canteiro Os espaços operacionais de uma obra são sucessivamente modificados na me� dida em que as diversas atividades e serviços são desenvolvidos requerendo das equipes de planejamento e execução atenção redobrada para evitar sua ocu� pação desordenada o que ocasiona, via de regra, a intensificação da geração dos resíduos. De um modo geral, podemos definir 03 fases com diferentes configurações relati� vas à dinâmica de ocupação dos espaços, utilização de materiais e repercussões sobre o processo de gestão de resíduos: Fase inicial (terraplenagem, contenções e fundações) – amplos espaços dis� poníveis, movimentação de volumes expressivos de terra escavada, homoge� neidade na geração de resíduos (solos, principalmente, concreto e madeira), necessidade de cuidar da limpeza no entorno da obra preparando lava-rodas e tanque para decantação dos sólidos proveniente da lavagem e das inter� ferências nas edificações vizinhas por conta da vibração durante execução das fundações profundas. Fase intermediária (estrutura, vedações e instalações) – grande volume de produção, com intensificação e diversificação do uso de materiais repercutin� do na pluralidade da geração de resíduos, aumento do contingente de mãode-obra e da movimentação de pessoas e cargas, confinamento progressivo dos espaços tornando mais complexa a movimentação interna de materiais, de pessoas e o processo de gestão de resíduos. Fase final (revestimento e acabamento) – grande diversidade de serviços si� multâneos e de equipes operacionais aumentando o potencial de desorgani� zação por conta da dispersão de materiais e de resíduos e pressão por conta da proximidade do término da obra. No que se refere ao acondicionamento dos diversos materiais que serão incorpo� rados à construção os critérios básicos que devem ser respeitados são: i) classifi�

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

DOS PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES GERAIS RELATIVAS À GESTÃO DOS RESÍDUOS NOS CANTEIROS

23


cação dos materiais; ii) freqüência de utilização; iii) empilhamento máximo; iv) dis� tanciamento entre fileiras; v) alinhamento das pilhas; vi) distanciamento do solo; vii) nivelamento das superfícies de apoio; viii) proteção contra avarias (quebras, trin� cas, riscos etc) em materiais mais delicados; ix) preservação da limpeza e proteção contra umidade. A dinâmica da utilização dos materiais nos diversos espaços repercute na utilização de dispositivos para carga, descarga e transporte, utilização de elevadores e gruas para transporte vertical e ocupação transitória dos diferentes espaços próximos aos locais onde os materiais serão aplicados. A necessária circulação e ocupação dos espaços operacionais pelos operários e o desenvolvimento das atividades lab� orais específicas gera também a necessidade de preparar adequadamente siste� mas de proteção coletiva e do uso preventivo de dispositivos de proteção individ� ual, além da tomada integrada e abrangente de medidas que minimizem riscos à saúde e segurança dos trabalhadores. b) Das providências para minimizar perdas e a geração de resíduos A redução de perdas e da geração de resíduos na construção empresarial é propi� ciada, em grande medida, por decisões nas fases de concepção e projeto dos empreendimentos. Alguns exemplos: i) para minimizar a retirada de volumes excedentes de terra escavada, cabe examinar as possibilidades de integração das construções ao perfil topográfi� co do terreno ou mesmo de reutilizar solos escavados no próprio terreno para preparar taludes e preencher porções do terreno que demandem nivelamen� to com elevação; ii) em substituição às estruturas de concreto armado moldadas in loco são alternativas minimizadoras da geração de resíduos a montagem mecanizada de estruturas metálicas e de estruturas de concreto armado pré-moldadas; iii) utilização de painéis pré-moldados em concreto como elemento de ve� dação na delimitação dos espaços; 24

iv) projetos modulares em alvenaria para compatibilizar as dimensões do es� paço a ser delimitado com o conjunto dos elementos de vedação minimizan� do recortes. Em relação à utilização dos materiais, para evitar desperdícios é fundamental a definição de procedimentos de execução e treinamento das equipes. A tabela 2 sintetiza algumas situações em que comumente ocorrem perdas apontando as possíveis ações preventivas. A observância das condições de organização dos es� paços no canteiro também contribuirá para minimizar as perdas e geração de resíduos. c) Da reutilização de materiais / resíduos e reciclagem dos resíduos na obra


Perda ocorrida

Origem

Ação preventiva

Carreamento de partículas de ma� terial a granel por ação do vento ou chuva

Planejamento Operacional

Fazer projeto de canteiro que per� mita melhor acondicionamento dos materiais

Materiais desperdiçados durante o transporte interno (ensacados, a granel, em caixas ou enfardados, por exemplo)

Planejamento Operacional e suprimentos

Fazer projeto de canteiro que mini� mize deslocamentos, utilizando eq� uipamentos para transporte interno adequados e acompanhar índice de quebra dos elementos de ve� dação para controlar qualidade

Argamassas desperdiçadas duran� te a aplicação

Planejamento operacional e execução

Planejar produção de argamassas definindo o consumo necessário e utilizar instrumentos adequados para aplicação

As oportunidades para reutilização dos materiais na própria obra se dão como decorrência do cuidado em reconhecer situações em que tipicamente tais mate� riais estão disponíveis e são identificáveis. Quando não identificados e segregados para reutilização, tais materiais facilmente se dispersam podendo, em seguida, tor� nar-se resíduo. Desta forma cabe o alinhamento de cuidados e procedimentos para permitir a reutilização de alguns materiais, conforme está exemplificado na tabela 3.

Tabela 3 - Materiais / Resíduos com potencial para reutilização Tipos de materiais ou resíduos

Painéis de madeira provenientes da desforma de lajes, pontal� etes, sarrafos etc.

Blocos de concreto e cerâmicos parcialmente danificados.

Resíduos de alvenaria, concreto, cerâmicos e argamassa.

Solos

Cuidados requeridos

Procedimento

Retirada das peças, separan� do-as dos resíduos.

Empilhar e organizar as peças deixan� do-as disponíveis e próximas dos locais de reaproveitamento. Se o aproveita� mento das peças não for próximo do local de geração, deverão ser estoca� das (com sinalização) nos pavimentos inferiores, preferencialmente nas ime� diações da carpintaria para facilitar os reparos necessários.

Segregação imediatamente após a sua geração, para evitar descarte.

Empilhar para posterior utilização em outras frentes de trabalho.

Segregação imediatamente após a sua geração.

Reutilizar após compactação mecâni� ca ou manual em enchimentos para nivelamento e elevação sob contrap� isos, em áreas que serão pavimenta� das ou em aterros nos espaços livres no terreno.

Identificar eventual necessidade Planejar execução da obra compati� do aproveitamento na própria bilizando fluxo de geração e possibili� obra para reaterros. dades de estocagem e reutilização.

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Tabela 2 - Perdas e ações preventivas

25


A reciclagem dos resíduos de alvenaria e concreto na própria obra também poderá gerar agregados com potencial de aplicação diversificada, tais como reaterros, pavimentação, enchimentos, drenagens, contrapisos, assentamentos etc. O ex� ame das condições específicas para a reciclagem dos resíduos e do potencial de reaproveitamento na obra sob a forma de agregados reciclados deve ser feito por ocasião da elaboração dos PGRCC, valendo considerar genericamente os seguintes condicionantes: • Volume de resíduos que possibilite produção continuada de agrega� dos; • Compatibilidade dos fluxos de geração dos resíduos e de produção de agregados reciclados; • Mix de geração de resíduos que favoreça a produção de agregados com potencial de aplicação na própria obra; • Espaço físico disponível suficiente para formação de estoques (de resíduos e de agregados reciclados) e para instalação de equipamentos; • Possibilidade de fazer a triagem dos resíduos de modo a permitir pro� dução de agregados com qualidade aceitável; • Controle tecnológico dos agregados resultantes da reciclagem; • Viabilidade econômica do processo de reciclagem em canteiro, con� siderando os investimentos, custos operacionais e as contrapartidas relativas à redução dos custos de remoção dos resíduos e de aquisição de agrega� dos naturais. d) Da triagem e acondicionamento inicial dos resíduos A limpeza dos diversos ambientes deverá ser feita de modo que seja preservada a organização nos espaços operacionais e nas áreas de circulação e garantida a tri� agem dos resíduos considerando a diversidade de resíduos existentes e as melhores condições para o manejo e destinação. Assim, a tabela 4 faz considerações gerais sobre triagem e acondicionamento de acordo com o tipo e a classe dos resíduos, destacando as observações cabíveis que devem ser levadas em conta quando da efetiva elaboração e implantação dos projetos de gerenciamento de resíduos em cada obra. Tabela 4 - Considerações sobre triagem e acondicionamento inicial

26 #

Tipo de Resíduo

Classe

Triagem

Acondicionamento Inicial

Empilhamento Mecanizado

4.1 Solos 4.2 Blocos de concreto 4.3 Blocos cerâmicos 4.4 Argamassa 4.5 Cerâmicas (pisos e azulejos)

A

Empilhamento Manual

Observação As condições específicas para destinação dos resíduos alin� hadas no PGRCC definirão, se for o caso, a forma de segre� gareste conjunto de resíduos por tipo de resíduo.s por tipo de resíduo.


4.6 4.7

Tipo de Resíduo Madeira

Fragmentos Peças maiores

Triagem

B

Manual

Fragmentos de aço e arames

4.8 Metais 4.9

Latas esgotadas

4.10 Papel e papelão

4.11 Plásticos

B

B

Mantas ², tecidos não contami� 4.13 nados, botas, EPIs não contami� nados, lã de vidro, lixas, etc

4.14

B

B

4.12 Gesso ¹

4.15

Classe

C

Peças inteiras Amianto

Fragmentos

Acond. Inicial

Observação

Sacos e baias Feixer e baias

Baias preparadas na carpintaria, dif� erenciadas para madeira reutilizável e resíduos de madeira

Sacos e baias

Baias preparadas na central para reparo das armaduras

Baias

Após esgotamento com uso ex� austivo de seu conteúdo (tintas, solventes, etc.), sem sua lavagem evitando a geração de efluentes.

Bombonas, pequenos far� dos e big-bags

As condições específicas para des� tinação dos resíduos alinhadas no PGRCC definirão as condições para triagm e acondicionamento das sacarias em papelão (possibilidade de não ser possível a valorização cabendo reclassificação como resíduo classe C)

Bombonas e big-bags

O perfil específico da geração de resíduos de plástico deverá ser iden� tificado quando da elaboração do PGRCC, devendo também ser identificadas as soluções locais e as possíveis restrições de mercado a alguns tipos de polímeros. Há uma variedade grande de polímeros uti� lizada na construção civil tais como PVC, PP, PEAD, PEBO, EPS, PU, ABS etc. presente em diversos materiais e até em embalagens. Outro fator que define a possibilidade de val� orização é a qualidade do resíduo pela presença ou não de impurezas

Sacos

Não deverão em hipótese alguma ser misturados aos resíduos classe A sob pena de descaracterizá-los.

Sacos e baias

Havendo oportunidade, a identificação do fabricante do produto associado ao resíduo poderá possibilitar destinação diferenciada requerendo for� ma de triagem específica, o que poderá ser constatado quando da elaboração e im� plantação dos PGRCC, obra a obra.

Manual

Manual

Manual

Manual

Manual

Empilhamento manual D

Manual

Big-bags

No manuseio dos resíduos de amianto deverão ser obser� vados os cuidados estabeleci� dos no art. 8 do anexo 12 da NR-15 do Ministério do Traball� ho, para proteger adequada� mente os trabalhadores

¹ Gesso acartonado e em pastas. ² Mantas para impermeabilização de superfícies, mantas para cura de concreto em lajes.

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

#

27


#

Tipo de Resíduo

Classe

Óleos, graxas, tintas e instru� mentos de trabalho impreg� nados por resíduos perigosos 4.16 (pincéis, trinchas, brochas, bo� tas, etc.), embalagens plásticas metálicas com produtos/resídu� os perigosos envazados etc.

D

Grande volume

4.17

Manual

Acond. Inicial

Efluentes provenientes de la� vagem de instrumentos de apli� 4.19 cação e saturados com produ� tos químicos

D

Será pertinente caso seja feito ensaio caracterização e con� statada existência de passivo ambiental.

Manual

Proveniente de derramamento de óleos, graxas ou produtos Tambor ou químicos requerendo coleta bombona conti� manual com uso de kit de mit� do em baia igação (caixa coms erragem ou areia) para raspagem do solo.

Manual

Concentrados após sucessivas lavagens sendo necessário o descate quando água estiver sarurada a ponto de impedir a limpeza do instrumento d eapicação.

D Pequeno volume

Observação

Os lotes deverão ser concen� trados e caracterizados por Tambor ou laboratório especiaçozadp. Os bombona conti� PGRCC deverão descrever os do em baia procedimentos específicos a serem adotados considerando a legislação e práticas locais.

Empilhamento mecanizado

Solos contaminados 4.18

Triagem

Tambor ou bombona

e) Do transporte interno e acondicionamento final dos resíduos As dimensões do canteiro e as características específicas de cada projeto relaciona� das à forma de ocupação dos espaços e ao perfil de geração dos resíduos são deter� minantes para a definição da melhor maneira de realizar o transporte horizontal e ver� tical (quando aplicável), bem como do posicionamento, das dimensões e da própria configuração dos dispositivos para o acondicionamento final dos resíduos, conforme descrição geral no quadro 4. Assim, somente por meio da elaboração do PGRCC poderemos compatibilizar os recursos para transporte e acondicionamento final dos resíduos com a necessidade específica de cada empreendimento. 28

Tabela 5 - Considerações sobre transporte interno e acondicionamento final de resíduos #

5.1

Tipo de Resíduo

Solos

Classe

Grande volume Pequeno Volume

5.2

Blocos de concreto

5.3

Blocos cerâmicos

5.4

Argamassas

5.5

Cerâmicas (pisos e azu� lejos)

Transporte interno Pá mecânica

A Caminhos ou giricas

Acond. Final

Observação

Tambor ou As condições específicas para bombona conti� destinação dos resíduos alinha� do em baia das no PGRCC condicionarão Caçamba esta� a forma de acondicionamento cionária final, considerando até mesmo a hipótese de formação de es� Pilhas ou baias toques que possibilitem a recicla� ou caminhões gem em canteiro para produção basculantes ou de agregados ou a simples reuti� caçambas esta� lização interna em enchimentos e cionárias reaterros.


5.6

Tipo de Resíduo Madeira

Classe

Transporte interno

B

Manual

5.7

Metais

B

Manual

5.8

Papel e papelão

B

Manual

5.9

Plásticos

B

Manual

5.10

Gesso (inclusive acar� tonado e em placas)

Mantas, botas, lã de vidro e rocha, lixa, teci� 5.11 dos e EPIs não contami� nados, etc.

5.12 Amianto 5.13

Peças inteiras

B

C

D

Fragmen� tos

Óleos, graxas, tintas e instrumentos de tra� balho impregnados por resíduos perigosos 4, em� 5.14 balagens plásticas ou metálicas com produtos/ resíduos perigosos en� vazados etc.

Pequeno 5.15 Solos con� volume taminados Grande 5.16 volume

Baias associa� das ou não a caçambas estacionárias ou caixas Baias cober� tas ³ associa� das ou não a caçambas estacionárias ou caixa tipo roll on roll off

Observação

A dimensão das baias para acondicio� namento final e até a escolha pela uti� lização de outros dispositivos tais como caçambas e caixas tipo roll on roll off es� tarão condicionadas ao volume estima� do de resíduos, aos espaços disponíveis em canteiro, acessos, ogística interna e tmabém a própria disponibilidade de soluções locais para destinar tais resídu� os, o que estará referido no PGRCC es� pecífico.

Manual

Caçambas estacionárias ou caixas tipo roll on roll off asso� ciadas ou não Tais resíduos não podem ser dispostos a baias prepa� em superfície permeável no canteiro. radas em piso cimentado para fomação das cargas

Manual

Baias cober� tas associa� das ou não a caçambas estacionárias ou caixas tipo roll on roll off

Empilhamento Manual Manual

D Manual

Big-bags

Imediatamente após triagem resídu� os devem ser dispostos na baia para acondicionamento final e a necessi� dade de uso de algum outro tipo de dispositivo será definida em função das informações específicas que estiverem relacionadas a cada obra por ocasião da elaboração dos PGRCC. Tais resíduos devem ser imediatamente acondicionados e preparados para co� leta para minimizar o manuseio pelos operários.

Tambor ou bombona contido em compartimen� to coberto em local arejado e Após a triagem dispor resíduos imedi� atamente os tambores ou bombonas protegido de in� contidos no abrigo. tempéries, com piso cimentado impermeável e acesso limitado por portinhola Caçambas estacionárias ou caminhões basculantes

D

D

Acond. Final

Manualecâni� ca

Tambor ou bombona

³ Baias cobertas com resíduos contidos ou não em big-bags. 4 Resíduos perigosos são: pincéis, trinchas, brochas, panos, estopas, trapos, EPIs, uniformes, botas, etc.

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

#

29


#

Tipo de Resíduo

Efluentes provenientes da lavagem de instru� 5.17 mentos de aplicação e saturados com produtos químicos

Classe

Transporte interno

Acond. Final

D

Manual

Tambor ou bombona

Observação

f) Sinalização dos dispositivos para transporte e acondicionamento O padrão recomendável para sinalização dos respectivos dispositivos de acondi� cionamento dos resíduos está baseado em normas internacionais e é descrito pela Resolução CONAMA no 275/2001, com a seguinte associação entre cores e tipos de resíduos:

PAPEL E PAPELÃO PLÁSTICO METAL VIDRO MADEIRA RESÍDUOS PERIGOSOS 30

RESÍDUOS AMBULATORIAIS

- SERVIÇOS DE SAÚDE

RESÍDUOS RADIOTIVOS RESÍDUOS ORGÂNICOS RESÍDUO NÃO RECICLÁVEL

- MISTURADO NÃO PASSÍVEL DE SEPARAÇÃO


• Solos não contaminados – dispensar sinalização; • Alvenaria, concreto, cerâmicos e argamassas – nomear como classe A e descrever ítens; • Gesso – descrever o ítem; • Mantas para impermeabilização de superfícies, mantas para cura de con� creto em lajes, tecidos e EPIs não contaminados, botas, lã de vidro, lã de ro� cha, lixas etc – nomear como classe C e descrever ítens preponderantes con� forme o caso (obra a obra); • Amianto – além da sinalização como resíduo classe D, fazer rotulagem con� forme disposto no anexo 12 da NR-15; • Solos contaminados – além da sinalização como resíduo classe D, descrever o item; • Efluentes de lavagem – descrever o item. A nomenclatura proposta considerando os padrões da Resolução CONAMA no 275/2001 e a forma de identificação auxiliar proposta deverão ser apresentadas em etiquetas auto-adesivas que serão coladas em plaquetas posicionadas nos re� spectivos locais de acondicionamento ou no próprio dispositivo, no caso de bom� bonas e tambores. Considerando os dispositivos citados nas tabelas 4 e 5, cabe mencionar algumas condições para sua disponibilização e uso: • Sacos: confeccionados em ráfia, são utilizados usualmente para conter farinha de trigo e podem ser comprados em padarias. Com capacidade usual para 50 litros, facilitam o transporte manual dos resíduos nele contidos; • Bombonas e tambores: confeccionadas em plástico ou metal podem ser compradas das empresas especializadas que comercializam embalagens re� utilizáveis de indústrias químicas e de alimentos, devendo atentar para o licen� ciamento ambiental das respectivas unidades de tratamento dos efluentes proveniente da lavagem de tais embalagens. Para uso em obra, a capaci� dade usual compatível varia entre 50 e 200 litros. • Big-bags: confeccionados em ráfia reforçada, com 04 alças, fitas para am� arração e capacidade para armazenar cerca de 1 m3. Devem, durante o uso, ser mantidos abertos e apoiados em suporte com dimensões compatíveis. Após estarem cheios, as fitas deverão ser amarradas para fechamento e reti� rada dos suportes. • Baias: confeccionadas em alvenaria ou madeira, com delimitação lateral podendo ser feita com telas de proteção tipo guarda corpo. Dimensões de� verão variar em conformidade com as características da geração dos resídu� os de cada obra. Devem ser suficientemente robustas para evitar a dispersão e mistura dos resíduos, desorganização dos espaços de acondicionamento e,

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Considerando a nomenclatura dos resíduos da construção e demolição e o fato de que há resíduos específicos sem enquadramento nos padrões descritos cabe, complementarmente e de modo auxiliar, definir que a identificação dos resíduos deva ser feita da seguinte forma:

31


principalmente, para preservar a delimitação de tais espaços. Quando usadas como dispositivos de acondicionamento final poderão ser dotadas de alças e confeccionadas tal qual um caixote para facilitar o transporte interno dos resíduos até os locais de acondicionamento final. • Compartimento coberto (abrigo) com portinhola: deve ser preparado em alvenaria ou madeira, com piso cimentado impermeável. • Caçambas basculantes: equipam caminhões, e tem capacidade que varia entre 7 e 17 m3 usualmente. • Caçambas estacionárias: transportadas por caminhões equipados com po� li-guindastes, tem capacidade usual entre 3 e 5 m3. • Caixas tipo roll on roll off: ideal para transporte de grandes volumes de resídu� os pouco densos (madeira, metais, papel / papelão e plásticos) são acop� ladas por engate a carroceria de caminhão compatível. Capacidade usual entre 25 e 40 m3. g) Da prestação dos serviços de coleta e transporte. Devem ser requisitos para contratação dos fornecedores a formalidade jurídica e a capacidade operacional (quantidade de veículos e de dispositivos para coleta) face a demanda da contratante e a realidade do mercado local, considerando o necessário cumprimento das condições estabelecidas nas leis e regulamentos aplicáveis localmente, o que deve ser explicitado nos respectivos PGRCC. Genericamente, serão compromissos contratuais a serem assumidos pela contrata� da junto ao grande gerador de resíduos:

32

i) disponibilizar caçambas estacionárias em bom estado de conservação e vazias; ii) atender a legislação municipal vigente no que se refere a prestação dos serviços de coleta de RCC; iii) utilizar como destinatários dos resíduos coletados apenas empreendimentos licenciados e previamente qualificados pela contratante; iv) não dispor os resíduos coletados em encostas, lotes vagos, corpos d´água, áreas protegidas, bota-foras, áreas não licenciadas ou quaisquer outra forma de destinação inadequada segundo a legislação vigente; v) utilizar equipamentos condizentes com a natureza dos serviços de modo a evitar o derramamento dos resíduos na via pública; vi) obedecer o padrão de sinalização exigível, nas caçambas estacionárias e no próprio veículo transportador, pela legislação, normas e regulamentos vigentes; vii) comprovar a destinação correta dos resíduos destinados apresentando os respectivos CTRs assinados e carimbados pelos destinatários e pelo próprio transportador; viii) não ceder os direitos de prestação dos serviços contratados em hipótese alguma a terceiros.


h) Da destinação dos resíduos

Para comprovar a efetiva destinação dos resíduos deverão utilizar o CTR (Controle de Transporte dos Resíduos) ou assemelhado, conforme estiver especificado na legislação local. As informações que deverão estar contidas nos campos deste documento são: i) razão social e CNPJ do gerador dos resíduos; ii) Endereço do local de geração e retirada dos resíduos; iii) descrição dos resíduos coletados; iv) volume (em m3) ou massa (em t) de resíduos coletada; v) data da retirada; vi) razão social, CNPJ e inscrição municipal do transportador; vii) razão social, CNPJ e endereço do destinatário; viii) assinaturas do gerador, transportador e destinatário. Caso a legislação municipal vigente obrigue a apresentação de outros dados além dos descritos, o formulário deverá ser adaptado para atendimento desta determi� nação. Também conforme a legislação municipal deverá ser definida a quanti� dade de vias a serem emitidas, com ao menos 03 (vias) – gerador, transportador e destinatário e, possivelmente, 01 via adicional para o órgão público que gerencia os RCC localmente. Ao gerador dos resíduos caberá manter arquivados os registros da destinação, considerando a necessidade de apresentá-los as equipes de fiscal� ização durante a obra ou em seu término aos órgãos públicos responsáveis por sua verificação. A emissão dos CTRs deverá ser feita pelo grande gerador, em formulário padrão na quantidade de vias requerida que acompanharão a carga e retornarão devidamente assinadas. O próprio pagamento aos transportadores de resíduos que portarem os CTRs e as respectivas cargas só deverá ser feito mediante comprovação documental da des� tinação dos resíduos.

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

A qualificação das soluções específicas para destinar os resíduos no ambiente urbano deve ser feita por ocasião da elaboração do Plano de Gerenciamento respectivo, examinando as condições de licenciamento dos agentes e, notada� mente, considerando as condições de compromisso ambiental para escolha dos destinatários. i) Dos registros documentais do transporte e da destinação

33


34

Produção de Agregado em Caraguatatuba/SP


,

OPERACAO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

,

Leonardo Miranda Engenheiro Civil, Professor da Universi� dade Federal do Paraná. Doutor em Ma� teriais de Construção Civil pela Escola politécnica da USP. Desenvolve pesqui� sas com agregados reciclados para di� versas aplicações: argamassas, blocos, pavimentação, revestimentos asfálticos. Possui cerca de 40 artigos publicados so� bre o tema.

PARTE II


1.RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL 1.1 Definição e classificação dos resíduos de construção e demolição A Resolução no 307 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), de 5 de julho de 2002, define como resíduo de construção civil os resíduos provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil e os resul� tantes da preparação e da escavação de terrenos, tais como: tijolos, blocos cerâmicos, concretos em geral, solos, rochas, metais, resinas, colas, tintas, madeiras e compensa� dos, forros, argamassa, gesso, telhas, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc., comumente chama- dos de entulhos de obras, caliça ou metralha. Neste livro será usado o termo técnico resíduo de construção e demolição (RCD), como sinôni- mo de resíduos de construção civil, por ser mais semelhante com o termo interna� cionalmente utilizado (“Construction and Demolition Waste” - CDW). Esta resolução, aliada à Resolução no 431 de 24 de maio de 2011 que altera o art. 3º itens II e III da Resolução no 307, e à Res- olução 348 que altera o art. 3o item IV da mesma Resolução, estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos RCD e os classifica da seguinte forma: Classe A: são os resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados, tais como: de construção, demolição, reformas e reparos de edificações, como componen� tes cerâmicos (ti- jolos, blocos, telhas, placas de revestimentos, etc.), argamassa e concreto; de construção demolição, reformas e reparos de pavimentação e de outras obras de infraestrutura, inclusive so- los provenientes de terraplenagem; de processo de fabricação e/ou demolição de peças pré-mol- dadas em concreto (blocos, tubos, meios-fios, etc.) produzidas nos canteiros de obras; Classe B: são os resíduos recicláveis para outras destinações, tais como: plásticos, papel/ papelão, metais, vidros, madeiras e gesso (al- teração dada pela Resolução n° 431/11); Classe C: são os resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem e/ou recu� peração (alteração dada pela Resolução n° 431 (CONAMA, 2011); 36

Classe D: são resíduos perigosos oriundos do processo de construção, tais como tintas, sol- ventes, óleos e outros ou aqueles contaminados ou prejudiciais à saúde oriundos de demolições, reformas e reparos de clínicas radiológicas, instalações industriais e outros, bem como telhas e demais objetos e materiais que contenham amianto ou outros produtos nocivos à saúde (alteração dada pela Resolução n° 348/04). Pela NBR 10004/04, o RCD foi designado por uma classificação diferente mas não con� flitante, da proposta pelo CONAMA, que é a seguinte: Classe I: são os que apresentam característi- cas de inflamabilidade, corrosividade, reativi- dade, toxicidade ou patogenicidade, consider- ados resíduos perigosos;


Classe II: são os resíduos não perigosos, divididos nas subclasses IIA (não inertes) e IIB (in- ertes). Os resíduos classificados como Classe A pela Resolução CONAMA no 307 seriam classificados como IIB pela NBR 10004/04. Apesar de serem considerados resíduos de baixa periculosidade, pode s er con� siderado grave o problema de geração de RCD classe A no país, devido ao grande volume que se deposita de forma caótica pelas cidades em geral, como mostrado no item 1.2 a seguir. 1.2 Áreas de recebimento de RCD É importante apresentar a definição dos diferentes tipos de áreas passíveis de li- cenci� amento para recebimento de resíduos de construção: aterro de inertes, ATT e áreas de reciclagem.

Aterro de Resíduos classe A

É a área tecnicamente adequada onde serão empregadas técnicas de desti� nação de resíduos da construção civil classe A no solo, visando a reserva de mate� riais segregados de forma a possibilitar seu uso futuro ou futura utilização da área, utilizando princípios de engenharia para confiná-los ao menor volume possível, sem causar danos à saúde pública e ao meio ambiente e devidamente licenciado pelo órgão ambiental competente (alteração dada pela Resolução 448/12). Área de Transbordo e Triagem de Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos (ATT):

Área de Transbordo e Triagem - ATT, Guarulhos/SP

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Aterro de Resíduos Classe A de Reserva de Material para Usos Futuros:

37


Área destinada ao recebimento de resídu- os da construção civil e resíduos volu� mosos, para triagem, armazenamento temporário dos materiais segregados, even� tual transformação e posterior remoção para destinação adequada, observando normas operacionais específicas de modo a evitar danos ou riscos a saúde pública e a segurança e a minimizar os impactos ambi- entais adversos. Nas ATT é feita somente a tria- gem dos resíduos em função da natureza. Estas áreas não são eq� uipadas com equipamentos para reciclagem de resíduos classe A, como por ex� emplo, britadores. Por isto, seu licenciamento é feito somente na esfera municipal. Áreas de reciclagem são áreas propriamente equipadas para realizar a reciclagem de resíduos classe A:

Usina de Reciclagem de Entulho - URE, Hortolândia/SP

Em geral são equipadas com alimenta- dores vibratórios, transportadores de cor� reia, britadores e peneiras vibratórias. Como fazem o processamento dos resíduos, necessitam de licenciamento em esfera estadual para que se possa operar. 1.3 Importância da reciclagem

38

O volume de RCD gerado em todo o mundo é alarmante. Anualmente, são produzi- dos na Alemanha cerca de 33 milhões de tone- ladas (RUCH et al., 1997b). Na Inglaterra, chega a 70 milhões de toneladas por ano (FREEMAN; HARDER, 1997) e, na França, de 20 a 25 mil- hões de toneladas (BOILEAU, 1997). No oeste da Europa, a quantidade é cerca de 0,7 a 1,0 tonelada por habitante, quase 2 vezes a mas- sa do resíduo sólido municipal (SIMONS; HEN- DERIECKX, 1994). No Canadá, o volume de RCD representa 35% do total de resíduos pro- duzidos, o que equivale a 11 milhões de tonela- das (ACC, 2001). Com todo esse volume, o RCD foi clas- sificado como resíduo prioritário pelo Community European Committee (CEC) (RUCH et al., 1997a) e sua reciclagem tem sido estuda� da por vários países desenvolvidos, como Holanda, Bélgica, França, Japão e Inglaterra. Como ex- emplo, na Alemanha se recicla cerca de 60% do RCD gerado; na Holanda, cerca de 95% (PUT, 2001). Em média, nos países da comunidade europeia, cerca de 60% do RCD gerado (aprox- imadamente 180 milhões de toneladas) é reci- clado corrente� mente (MOMBER, 2002).


No Brasil, PINTO (1999) mostrou que é gerada, em média, 0,52 tonelada de RCD por habitante/ano ou 150 kg por m² construído, representando de 54% a 70% da massa dos resíduos sólidos urbanos. A Tabela 6 apresenta a estimativa da massa de RCD gerada em algu- mas cidades paulistas.

Municípios - SP

Fonte

Geração diária (t)

Participação em relação aos resíduos sólidos urbanos (%)

Campinas

PMC (1996)

1.800

64

Diadema

458

57

Guarulhos

1.308

50

Jundiaí

712

62

Piracicaba

620

67

1.043

70

Santo André

1.013

54

São José do Rio Preto

678

58

São josé dos Campos

733

67

São Paulo

17.240

55

Ribeirão Preto

I&T (2001)

Todo este volume de RCD está tornando os aterros urbanos regulares e as reservas de matéria-prima cada vez mais esgotados. Além disso, devido à distância desses ater� ros, muitas vezes os resíduos da construção civil são jogados em bota-foras clandesti� nos, tornando-se uma fonte geradora de problemas e de constantes prejuízos para as cidades como, por exemplo, agra- vamento de enchentes urbanas, poluição visual e proliferação de doenças como leptospirose. Além de causarem a degradação ambi- ental, os resíduos da construção civil aumen� tam expressivamente os custos da administração municipal. Mesmo em capitais meno� res, como da Prefeitura de São Luís/MA, que possui cer- ca de 800.000 habitantes, dados apresentados durante a audiência pública de 16/09/2005 con- tabilizaram gastos acima de R$300.000,00/mês com remoção de resíduos. Logo, é muito importante que sejam desenvolvidos novos materiais e técnicas construti� vas para materiais reciclados que diminu- am o volume de RCD gerado por novas obras, reformas e demolições, o que só pode ser com- batido através da educação social para a reci- clagem, fiscalização, apoio do setor público e de pesquisas do setor acadêmico engajados no tema. 1.4 Situação da reciclagem de RCD no Brasil A reciclagem de RCD no país tomou um impulso principalmente após o ano de 2002, com a Resolução CONAMA 307. Deste ano em diante observa-se um crescimento con� stante da quantidade de usinas instaladas no país, onde a maior parte delas está na região Sudeste (Tabela 7 e Imagem 1, próxima página). Pelo Gráfico 1 (página 40) observa-se que a grande maioria das usinas ativas no país, cerca de 84%, pertencem à iniciativa privada. Pode- se afirmar que tal fato foi motiva� do pela Resolução CONAMA nº 307 e pela Política Nacional de Resíduos Sólidos, antes

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Tabela 6 - Massa de RCD gerada em cidades do estado de São Paulo (SINDUSCON, 2005)

39


desta a maioria das usinas em funcionamento no país era pública. O Gráfico 2 (página 40) indica que, das usi- nas inativas, a maior parte é do poder público, por dificuldades no gerenciamento. A Tabela 8 (na página a seguir) apresenta uma relação de algumas usinas instaladas no país, com sua capacidade de produção e situação atual. A Tabela 9 (página 40) resume as características técnicas das usinas brasileiras. Pode-se afirmar que, no Brasil, a conscientização sobre a importância da reciclagem do entulho, do desenvolvimento de pesquisas e o interesse das administrações públicas e do setor priva� do em investir neste mercado tem crescido intensamente, principalmente nos últimos 5 anos. Entretanto, ainda é necessário melhorar muito a qualidade das usinas nacionais, principalmente no que diz respeito ao projeto da planta e ao controle tecnológico dos materiais e componentes produzidos, para que sejam desenvolvidos novos mercados para o material reciclado. Tabela 7 - Distribuição das usinas no país Ativas

Em implantação

Inativas

Região

Total de Usinas

Privada

Pública

Privada

Pública

Privada

Pública

Brasil

143

48

11

51

11

8

14

Sudeste

100

40

8

27

5

6

14

Estado SP

79

36

5

17

13

5

3

Grande SP

23

16

2

4

0

1

0

Sorocaba e região

3

2

1

-

-

-

-

81%

19%

82%

18%

% Brasil

40

Imagem 1: Dis� tribuição das usinas de reciclagem de resíduo classe A insta� ladas no país


Tabela 8 - Algumas usinas de reciclagem implantadas no Brasil Cidade

Propriedade

Situação

1

Americana/SP

Solus Reciclagem

2007

25

Operando

2

Araraquara/SP

Morada do Sol

2012

70

Operando

3

Barretos/SP

Riomar

2012

80

Operando

4

Belo Horizonte/MG (BR 040)

Prefeitura

2006

40

Operando

5

Belo Horizonte/MG (Estoril)

Prefeitura

1994

30

Operando

6

Belo Horizonte/MG (Pampulha)

Prefeitura

1996

20

Operando

7

Bragança Paulista/SP

RRCC Reciclagem

2011

80

Operando

8

Brasília/DF

Caenge

2001

30

Operando

9

Brasília/DF

Caenge

2008

30

Operando

10

Campinas/SP

Prefeitura

2004

70

Operando

11

Colombo/PR

Soliforte

2007

40

Operando

12

Curitiba/PR

Usipar

2011

50

Operando

13

Fortaleza/CE

Usifort

2002

60

Operando

14

Goiânia/GO

Renove

2012

70

Operando

15

Guarulhos/SP

CBR Ambiental

2012

50

Operando

16

Guarulhos/SP

Eco-X

2012

50

Operando

17

Guarulhos/SP

Prefeitura/Proguaru

2000

15

Operando

18

João Pessoa/PB(*)

Prefeitura/Emlur

2007

25

Operando

19

Jundiaí/SP

SBR Reciclagem

2012

70

Operando

20

Limeira/SP

RL Reciclagem

2007

35

Operando

21

Londrina/PR

Kurica Ambiental

2008

40

Operando

22

Manaus/AM

Concrecicle

2012

50

Operando

23

Mogi das Cruzes

Empreiteira Vidal

2012

70

Operando

24

Natal/RN

Ecobrit

2012

80

Operando 

25

Osasco/SP

Inst. Nova Agora

2007

25

Operando

26

Pindamonhangaba/SP

AB Areias

2011

150

Operando

27

Piracicaba/SP

Autarquia/Emdhap

1996

15

Operando

28

Piracicaba/SP

Autarquia/Semae

2007

20

Operando

29

Ponta Grossa/PR

P. Grossa Amb.

2006

20

Operando

30

Praia Grande

Foccus

2010

70

Operando

31

Ribeirão Preto/SP

Prefeitura

1996

30

Operando

32

Rio de Janeiro/RJ

Global RCD

2012

150

Operando

33

Salvador/BA

Revita

2011

80

Operando

34

Santa Maria/RS

GR2

2007

15

Operando

35

São Bernardo do Campo/SP

Urbem

2005

50

Operando

36

São Carlos/SP

Prefeitura/Prohab

2005

20

Operando

37

São José do Rio Preto/SP

Prefeitura

2005

30

Operando

38

São José dos Campos/SP

RCC

2008

50

Operando

39

São José dos Campos/SP

RCC Ambiental

2008

70

Operando

40

São Luís/MA

Limpel

2008

40

Operando

41

São Paulo

Estação Resgate

2010

60

Operando

42

São Paulo/SP

Recinert Ambientale

2008

70

Operando

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Instalação Capacidade (t/h)

#

41


43

São Paulo/SP

Desmontec

2008

150

Operando

44

Sete Lagoas/MG

Ciclo Ambiental

2012

60

Operando

45

Socorro/SP

Irmãos Preto

2000

3

Operando

46

Sorocaba/SP

Usina São João

2012

60

Operando

47

Várzea Paulista/SP

RMP

2012

80

Operando

48

Votuporanga

Mejam Ambiental

2012

80

Operando

Fonte: Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição – ABRECON – Ma� peamento 2012 Gráfico 1 - Percentual de Usinas ativas

Gráfico 2 - Percentual de Usinas inativas

Tabela 9 - Resumo das principais características técnicas de algumas das usinas de reciclagem de RCD brasileiras

42

Cidade

Propriedade

Capacidade nominal (t/h)

Peneiramento

Separação magnética

Belo Horizonte

Prefeitura

30

Sim

Sim

Belo Horizonte

Prefeitura

15

Não

Sim

São Bernardo do Campo

Urbem

50

Sim

Sim

Socorro

Irmãos Preto

5

Sim

Não


2. ABERTURA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE RCD

2.1 Desenvolvimento de um plano de negócios e pesquisa de opinião O primeiro passo a ser dado antes da abertura de uma usina de reciclagem de RCD é o desenvolvimento de um plano de negócios. Através dele é possível obter um maior amadurecimento do negócio proposto, avaliando seus próprios objetivos e se o negócio tem chances de ser bem sucedido, levando-se em consideração as características do mercado local. Também, através deste plano, obtém-se dados para a definição do pro� jeto mais adequado para a usina. De fato, considerando as diversas dificuldades existentes desde a abertura de uma empresa até sua manutenção, considera-se esta uma etapa imprescindível para o investi� mento no setor, sendo assim o primeiro passo a ser tomado. É importante nesta fase que o plano seja realista, baseado em informações corretas sobre o mercado, concorrência, riscos e oportunidades, evitando surpresas desagradáveis. É um erro comum fazer estimativas altamente otimistas onde todas as dificuldades serão facilmente superadas. Assim, um bom parâmetro para analisar se o futuro investidor está amadurecido para passar para a próxima fase - abertura da empresa – é quando está realmente ciente das dificuldades, sabendo quais riscos pode correr e como enfrentá-los. Conhecer a experiência de outros que já estão no mercado ajuda a conhecer al� guns segredos do negócio, mas não é totalmente garantido. Como exemplo de usinas privadas, na usina de Socorro/SP, o principal produto comercializado é a areia reciclada principalmente de RCD cerâmico para uso em argamassas de assentamento. Na usina de São Bernardo do Campo/SP (Urbem Tecnologia Ambiental), o produto de maior vol� ume de vendas é a brita ou bica corrida reciclada. Por outro lado, nas usinas das regiões metropolitanas é possível cobrar para receber RCD limpo na usina, algo que dificilmente ocorrerá em Socorro/SP. É interessante também fazer uma pesquisa de opinião para analisar a intenção e a aceitação do material reciclado no mercado.

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Usina de Reciclagem de Entulho - URE, Osasco/SP

43


2.2 Fatores que influem na viabilidade de uma usina de reciclagem HENDRIKS; JANSSEN (20011) citam três principais fatores que influem no sucesso da re� ciclagem: tamanho da população e densidade da região, ocorrência e acesso à matéria-prima natural e o nível de industrialização. Também a qualidade do material processado é de grande importância. Autores como LANGUELL (2001), LAU- RITZEN; HANSEN (1997), argumentam que a demolição seletiva e a reciclagem dependem de fatores regionais, ou seja, o sucesso da reciclagem está relacionado às características políticas, sociais e econômicas da região onde se insere. A taxa de juros é um indicador do aumen- to ou diminuição da atividade construtiva. Taxas de juros baixas a prazos mais longos favorecem empresas de construção, pois resultam em um aumento dos gastos do consumidor de bens duráveis (WRIGHT et al., 2000). Como mostrado por vários autores (LAURITZEN e HANSEN, 1997; WILBURN; GOONAN, 1998; KIBERT; LANGUELL, 2000; LANGUELL, 2001; CALDERONI, 1998), regiões com alta den� sidade populacional normalmente enfrentam problemas de saturação de aterros e disponibilidade para novas áreas, sendo os resíduos enviados a aterros localizados em áreas distantes dos centros urbanos, encare- cendo seus custos de disposição. Sendo o RCD volumoso e ocupando muito espaço nos aterros, sua reciclagem se apresenta, nestas cidades, como uma solução favorável e imediata. Em relação ao local de instalação de uma usina, este depende do balanço entre a quantidade de resíduo que será tratado pela usina e a demanda de material inerte (BRESSI, 2003). Deve estar, de preferência, o mais perto possível dos locais de geração e consumo do produto, sem causar problemas com legislação local. Se possível perto dos locais de geração de resíduos de concreto, como por exemplo, concreteiras. De um ponto de vista puramente econômico, a reciclagem dos resíduos de construção só é atrativa quando o produto reciclado é competitivo com o natural em relação ao custo e quantidade. Materiais reciclados serão mais competitivos em locais onde existe uma falta de matéria-prima e de locais de aterro (HENDRIKS; JANSSEN, 20011). 44

Legislação e incentivos econômicos são mencionados por vários autores como im� por- tantes para a implementação e o sucesso da reciclagem e da demolição seletiva (LANGUELL, 2001; CHUNG; LU, 2003). Segundo LANGUELL (2001), depois de considerações monetárias, as regulamentações, os mandatos e as leis são os que mais influenciam os negócios de reci- clagem. Sem uma pressão legal ou econômica para reduzir, reusar e reciclar, a maioria dos es- forços é ignorada. COSTA et al. (2004) desenvolveram um modelo que permite analisar e identificar as variáveis mais relevantes, a nível socioeconômi-co, técnico e administrativo, o sucesso de im-plantação de programas de reciclagem de RCD por municípios brasileiros. Para tanto foram utilizadas técnicas da análise multivariada, de- nominadas de análise discrimi� nante e análise de clusters. Neste trabalho foram consideradas as seguintes variáveis: Aspecto econômico das cidades: número de empresas presentes na região e ren�


da per capita; Aspecto social: nível educacional, domicílios com coleta de lixo, esgoto, água e habitantes por domicílios; Aspecto demográfico: densidade e crescimento populacional; Aspectos relativos à administração municipal: legislação básica, descentralização, nível educacional dos funcionários da administração direta do município e uso de consórcios;

No Brasil, onde o volume de RCD é grande, mas a presença de agregados reciclados no mercado ainda é novidade e a população apresenta um certo grau de preconceito no seu uso, são considerados como fatores principais para o sucesso da reciclagem como negócio privado a qualidade do produto (que depende da qualidade do RCD e do processo de reciclagem instalado), o preço, o apoio das administrações públicas no seu consumo e a possibilidade de cobrar uma taxa para recebimento deste. De fato, não será possível comercializar o agregado reciclado se não houver qualidade suficiente para tal. Mas, mesmo tendo qualidade suficiente, é importante o consumo deste pela administração pública, já que, em geral, a maioria do RCD que chega nas usinas é de origem cerâmi- ca e que, até o momento, o principal uso deste é para apli� cação como base e sub-base de pavimentos. A cobrança de uma taxa para o recebi- mento de RCD na usina normalmente não é obrigatória para o sucesso financeiro da usina, mas interessante. Isto porque o processo de britagem do RCD usa os mesmo tipos de eq- uipamentos das pedreiras, tornando o custo de produção semelhante. Se não houver a cobrança desta taxa, o material reci� clado poderá ter um custo igual ou maior ao do natural, devido à diferença de escala de produção, podendo o reciclado levar vantagem, em alguns casos, na distância do frete, o que nem sempre será suficiente para deixar o produto atrativo. Além da venda de produtos minerais reci- clados, outra fonte de renda que pode existir em uma usina é a venda dos materiais triados do RCD, como papel, metais ferrosos, ges� so plástico, vidro e madeira. Mas isto vai depender do RCD recebido. RCD de qualidade, necessário para se produzir agregados reciclados de qualidade, devem estar limpos, gerando pouco retorno financeiro na venda de resíduos classe B. Assim, é importante primeiro verificar se o RCD que será recebido terá produtos triados vendáveis em quan� tidade suficiente, se existe mercado comprador destes produtos, quais suas exigências e se terá área disponível para tal atividade. Sendo assim, destacam-se abaixo alguns itens que devem ser considerados na análise de viabilidade econômica de uma usina de reciclagem privada: a) possibilidade de cobrança para recebimento do RCD e qual o valor possível;

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Outras variáveis: área de recepção de entul- hos, idade da cidade, área, pop� ulação, número de empresas de construção civil e existência de programas de coleta seletiva.

45


b) natureza do RCD obtido: presença de resídu- os de qualidade (como os oriundos de concreto), quais os possíveis produtos a serem comercial- izados e aceitação destes pelos consumidores; c) possibilidade de parceria com o setor público: interesse dele em consumir mate� rial reciclado, capacidade de ambos cumprirem com contratos de fornecimento; d) possibilidade de venda do material triado; e) análise dos materiais concorrentes, principal- mente, do preço dos materiais naturais; f) distância da usina aos centros consumidores; g) público alvo: quem são eles (empreiteiras, construtoras, fábricas de componen� tes, lojas de materiais, setor público), onde estão e o que desejam (menor preço, maior qualidade, se us- ariam material reciclado, etc). 2.3 Setores envolvidos na reciclagem de RCD Em relação aos agentes que podem e devem estar envolvidos na reciclagem de RCD, pode-se citar as empresas de remoção de RCD (por exemplo, “caçambeiros”), prefei� tura, construtoras e demolidoras. As empresas de coleta de resíduo estão se associando e já existe pelo menos um sindi- cato: o Sindicato das Empresas Removedoras de En� tulho do Estado de São Paulo, que conta, segundo informações da entidade em 2004, com aproximadamente 250 associados. Não existem estatísticas mais precisas sobre o tamanho do setor de coleta de entulho, mas admitindo-se o valor de R$10/hab.ano, pode-se estimar gros- seiramente que o negócio de coleta do entulho para cidades maiores que 600 mil habitantes no Brasil pode atingir mais de R$400 milhões por ano (JOHN; AGOPYAN, 2003). Pelo tamanho deste mercado, pode-se observar que não falta RCD para ser reciclado.

46

Em cidades onde se tem a necessidade de percorrer grandes distâncias para a de� posição de RCD em locais legalizados e é aplicada mul- ta pela deposição de RCD em local clandestino, torna-se economicamente interessante, para as empresas remove� doras, que sejam instaladas, cada vez mais, usinas de reciclagem de RCD, de forma a se ampliar alternativas de despejo legalizado. As empresas de demolição têm sua importância no sentido de se especializarem e di- sponibilizarem o serviço de demolição seletiva visando a geração de um RCD de maior quali- dade. Quanto às construtoras e empreiteiras, sua participação no processo de reciclagem é fundamental no que diz re� speito à triagem do RCD na origem e ao consumo do material re- ciclado. Os custos de implantação desta ativi- dade no canteiro podem ser reduzidos caso seja desenvolvido um bom plano de gestão do entulho, e as vantagens técnicas e econômicas proporcio� nadas à reciclagem são enormes. Sua importância pode ser ainda maior caso: a) decidam contratar apenas “caçambeiros” que se comprometam a transportar o RCD pré-sele- cionado somente para as usinas de reciclagem. Além disso, elas podem se beneficiar economi- camente com isto uma vez que poderão adquirir


agregados mais baratos; b) decidam por utilizar material reciclado, no mínimo, em aplicações que não comprometam o bom desempenho da construção. Isto porque não basta uma construtora implantar um siste- ma racional de gestão do RCD, é necessário que ela utilize o material reciclado para que o ciclo da reciclagem se feche.

Segundo, eles devem, sempre que pos- sível, apoiar qualquer iniciativa relacionada à reciclagem, seja na criação de leis que amparem ou promovam a reciclagem, seja no apoio a iniciativas privadas que queiram investir nesta área (através de isenção de impostos e doação de área, por exemplo), seja no apoio à pesquisa de materiais alter� nativos. Isto é de interesse econômico das pre- feituras, uma vez que diminui seus gastos com remoção de despejo clandestino e gera em- pregos. Dados de PINTO (1999) mostram que a implantação e a operação do sistema de gestão do RCD são compensadas pela redução da necessidade de coleta e deposição do resíduo depositado ilegalmente e pela substituição de agregados naturais adquiridos de terceiros, para consumo nas obras da municipalidade, pelo agregado reciclado. A resolução CONAMA nº 307/2002 define que os municípios devem elaborar um Plano Integrado de Gerenciamento que incorpore: a) Programa Municipal de Gerenciamento (para geradores de pequenos volumes); b) Projetos de Gerenciamento em obra (para aprovação dos empreendimentos dos geradores de grandes volumes). Este plano integrado deveria ter sido implan� tado até julho de 2004, mas, o que se ob- serva, é que a grande maioria dos mu� nicípios ainda não cumpriu a resolução. Em relação à implantação de usinas pe- las prefeituras, sua principal deficiência está no risco de interrupção do funcionamento devido à descontinuidade que caracterizam as ações das administrações públicas (JOHN; AGOPYAN, 2003). A interrupção total de diversas usinas públicas no Brasil e a baixa atividade da maio- ria delas, como a de São Paulo, Ribeirão Preto, São José dos Campos, Ribeirão Pires e Londri- na podem ser exem� plos desse problema. Quanto à iniciativa privada, esta deveria se envolver investindo na implantação de usi� nas, o que poderia ser feito com caráter ape- nas econômico ou também social. 2.4 Aspectos relativos à abertura da empresa É fundamental consultar um contador para informar-se das diversas alternativas de

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

O envolvimento dos órgãos públicos é de fundamental importância. Primeiro, eles deveriam consumir prioritariamente os agregados reciclados, tanto pelo seu menor custo quanto para dar exemplo ao restante da população. O consumo pelas Prefeituras de brita corrida de origem em materiais cerâmicos reciclados, além de poder ser vantajoso financeiramente para o órgão público, auxiliará no grave problema da reciclagem atu� al no Brasil que é conseguir des- tinação para o material cerâmico reciclado.

47


abertura de empresa e suas principais características (ME, Ltda, S.A), principalmente no que se refere à incidência de impostos. Normalmente, uma usina de reciclagem se car� acteriza como uma EPP (Empresa de Pequeno Porte). No contrato social deve estar muito bem estabelecido quais são as atividades que se pretende desenvolver na usina, para evitar problemas futuros com a fiscalização. En� tre as possíveis atividades, pode-se citar: recebimento de resíduos, triagem, reciclagem de materiais, produção de componentes. Deve-se verificar a forma legal de se realizar serviços de consulto- ria técnica ou de fabricação de equipamentos, caso seja interesse da usina. De acordo com o CNAE, a atividade de reciclagem de resíduos de construção em usinas se enquadra no código 3839-4/99 - RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS NÃO ESPE� CIFICADOS ANTERIORMENTE. Quanto ao nome da empresa, as regras de marketing empresarial geralmente recomendam que se escolha um nome paroxítono e que tenha ligação com a atividade que a empresa desenvolverá (HINGSTON, 2001). 2.5 Aspectos relativos ao projeto e instalações de uma usina de reciclagem A instalação de uma usina de reciclagem começa pela escolha do local mais adequa� do para esta atividade. Esta escolha deve consid- erar vários aspectos. O primeiro deles seria a área necessária. Como exemplo, para uma usina de capacidade de 50 t/h, é in� teressante ter, pelo menos, 10.000 m² de área disponível, para que seja possível uma boa classificação do RCD que chega na usina, triagem deste, circulação de caminhões e área de estocagem do material reciclado. Considerando que uma usina de reciclagem deve focar a comercialização de agregados recicla- dos por atacado, é importante que ela disponha de boa área de estocagem para armazenamen- to do produto. O local deve ser escolhido não somente em função da lei de uso do solo do município, como também considerando o mercado local, facilidade de acesso de caminhões, proximi- dade com atividades da construção civil. É importante que a usina não es� teja instalada muito distante dos centros de consumo de materiais e de geração de resíduos, para que o projeto não seja inviabilizado pelo frete. Entretanto, usinas instala� das em regiões muito próximas aos cen- tros urbanos necessitam de um controle maior de emissão de poeira e ruído, podendo ser mais difícil obter seu licenciamento. 48

Como já dito antes, a instalação da usina na região do município onde estão concen� tra- das as concreteiras pode facilitar a captação de resíduos de boa qualidade. Quan� to à infraestrutura, é importante que a usina esteja de acordo com a NBR 15114/04, que define as diretrizes para projeto, implantação e operação de áreas de reciclagem de RCD, estando os principais pontos descritos a seguir: 1) o local de implantação deve ser tal que a aceitação pela população seja maximizada e o impacto ambiental minimizado; 2) a área de reciclagem deve possuir cercamen- to no perímetro que impeça o acesso de pessoas estranhas e animais, sinalização na entrada que identifique o empreendimento, iluminação e en- ergia que permitam uma ação de emergência a qualquer tempo, sistema de drenagem que im- peça o carreamento de material sólido para fora da área;


3) a área de reciclagem deve ter um local específico para o armazenamento temporário de resíduos não recicláveis na instalação, com cobertura no caso de resíduos classe D; 4) a presença de água e energia elétrica é, ob- viamente, indispensável, mas a capacidade disponível dependerá das atividades e dos equipamentos instalados.

Quando o controle de emissão de poei- ra é necessário e um sistema de aspersão está presente, deve-se procurar um meio de se obter água por menor custo, como através da con- strução de um poço artesiano (ou semi-artesiano) ou instalando-se uma rede de água de reuso (caso na região tenha esta disponibilidade). Caso esteja prevista a lavagem de agregados reciclados para remoção de finos, como pode ser encontrado em algumas pedreiras, o consumo de água é bem maior, deven� do-se in- stalar um processo de reutilização da água. Para a energia elétrica, é necessária a disponibilidade de um transformador de, pelo menos, 50 kW, para usinas de menor porte, ou 100 kW, para usinas com capacidade de 50 t/h ou mais, por exemplo. Isto porque apenas o motor de um britador de impacto tem a potên- cia aproximada de 50 kW, chegando a 75 kW a potência instalada na usina quando são consid- erados os transportadores de correia, alimenta- dor e peneira vibratória (sem o uso de moinho). Em geral, usinas de maior porte instalam uma cabine primária que disponibiliza ener� gia, pelo menos, em 220 V e 380 V, e uma cabine de comando para a operação dos equipamentos. Esta última possui um quadro de comando dos equipamentos (Imagem 2), do qual sai um controle manual que possui botões de liga/desliga do alimentador e do sistema de aspersão de água dos transportadores de correia e do britador, além de um botão de emergência para desligamento geral dos equipamentos. Este controle manual fica nas mãos do op� erador das máquinas, que trabalha junto ao alimentador controlando a en- trada de materiais para o britador. A presença de uma chave inversora de fre� quência no alimentador para evitar con� stan- tes ligamentos e desligamentos, que Imagem 2: Quadro de comando dos equipamentos da usina da empresa Urbem Tecnologia Ambiental, em São Bernardo do Campo.

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

No caso da água, para uma usina que pretende produzir apenas os materiais reciclados básicos e tenha pouca preocupação com o controle de poeira, o consumo de água é pequeno, não sendo necessárias instalações especiais. Deve-se apenas garantir a presença de diversas torneiras e a instalação de uma caixa d’água para alimentar os nebulizadores das máquinas.

49


causam picos de energia, pode ser interessante. Além disso, é interessante que este controle manual tenha um botão de liga/desliga dos transporta- dores de correia, para evitar o deslocamento do operador da máquina desde o alimentador até a cabine de comando no caso de uma pedra ou uma barra de aço agarrar nos transportadores. Quanto aos transportadores de correia que transportem material graúdo, é interessante que eles sejam fechados lateralmente para evitar quedas de material que podem cau� sar gas- tos com mão-de-obra e, até mesmo, um aciden- te grave. Uma parte muito importante da usina é a instalação de sistemas para evitar a emissão de poeira. Para isso, algumas alternativas podem e devem ser utilizadas: a) a presença de vegetação alta no perímetro da usina auxilia na contenção da poeira fugitiva; b) aspersores de água devem estar instalados nos transportadores de correia, prin� cipalmente nos locais de descarga de material entre um transportador e outro ou entre o transportador e o local de estocagem; c)principalmente no ponto de descarga de areia e da brita corrida, pode ser insta� lado um equi- pamento chamado chute telescópico que é, na verdade, um tubo por onde escorre a areia após a descarga do transportador de correia, que pode reduzir de comprimento à medida que o cone de estocagem aumenta de altura; d) o britador de impacto deve ter também asper- sores de água em sua parte su� perior e central. A corrente de ar causada por ele é um grande causador de poei� ra, por isso no ponto de sua descarga no transportador de correia devem ter outros aspersores e cortinas de borracha para reduzir a velocidade desta corrente de ar. As borrachas laterais de vedação entre o britador e o transportador de correia são materiais de desgaste e devem ser inspecionadas sempre. A instalação de filtro manga também pode ser prevista. No britador de mandíbulas a emissão de poeira é muito menor e mais fácil de ser con- trolada e) aspersores de água do tipo 180‘ também po- dem ser colocados no perímetro dos acessos de circulação de caminhões; 50

f) a pavimentação da usina pode ajudar na re- dução de emissão de poeira e de paradas de produção devido a furos no pneu do equipa- mento utilizado na ali� mentação do britador (normalmente pá carregadeira ou retroescavadeira); g) se necessário, pode ser colocado um funcionário molhando o RCD no momento em que ele é pego do estoque e levado para o alimen- tador; h) caso seja formada poeira devido ao material que está sendo transportado pelos transporta- dores de correia, o fechamento da parte superior deste equipamento resolverá o problema; i) pode-se prever um local confinado para a descarga do RCD que chega na usina e para o carregamento do caminhão com agregado reciclado, de forma a evitar que a poeira seja trans- portada pelo vento para a vizinhança.


Deve-se tomar um grande cuidado no momento de britagem para se controlar o ponto exato de umedecimento do RCD reciclado através dos aspersores de forma a evitar a emissão de poeira mas, também, não molhá-lo demais a ponto de causar atolamento do britador e entupimentos das telas da peneira vibratória.

Esta área coberta pode ser apenas para o RCD de origem cimentícia (concretos e artef- atos de cimento), no caso das usinas que optarem por classificar o RCD em sua natureza e peneirar apenas RCD desta origem, deixando o material de origem cerâmi� ca para a produção de brita corrida para pavimentação. Caso não seja possível uma área coberta, o cobrimento diário do material com lona pode amenizar o proble- ma. Quanto ao ruído, em geral os equipamentos de britagem e as bicas de descarga de material são revestidas com lonas de borracha que reduzem o barulho para níveis aceitáveis. Com isso, as principais fontes de ruído são o barulho do motor a diesel da pá carregadeira de alimentação, o trânsito de caminhões e o desli- zamento do RCD reciclado sobre as telas da pe- neira vibratória, mas que, em geral, também são ruídos permissíveis. A presença de uma pequena oficina na usina também é bem interessante. Como os eq- uipamentos são de grande desgaste e neces- sitam de manutenção constante, esta oficina pode reduzir grandes paradas de produção e o custo de manutenção. Assim, além de ferramen- tas básicas como chaves combinadas em dup- las, martelos, marre� tas, grifo, serrote, chaves de fenda, saca-polia entre outras, deve-se adquirir, no mínimo, esmerilhadeira, máquina de solda, maçarico e furadeira. Não se deve esquecer das demais in- stalações de infraestrutura da usina, como es� critório, refeitório, banheiro, almoxarifado, guarita para controle de entrada e saída de caminhões e inspeção visual, e área para esta- cionamento de veículos. 2.6 Aspectos relativos ao licenciamento da usina de reciclagem O licenciamento ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental licencia a localização, instalação e a op- eração de atividades consideradas poluidoras ou daquelas que possam causar a degradação ambiental, considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas (art. 1º, I, da Resolução CONA� MA n.º 237/97). A decisão quanto à concessão de licença ambiental envolve a análise dos seguintes as- pectos: a localização, o processo produtivo, o porte do empreendimento e as condições do meio. O licenciamento de uma usina de reciclagem é uma etapa fundamental para a legal-

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Aliás, é de grande utilidade existir na usina uma área coberta para evitar molhagem excessiva do RCD pela chuva, o que causará maior desgaste do sistema de britagem e grandes transtornos quando se quiser produzir material peneirado. Certamente, se esta molhagem excessiva ocorrer, as telas de pequenas aberturas (< 6,3 mm) ficarão con� stantemente colmatadas, impedindo separações granulométricas eficientes, o que, de� pendendo do interesse do cliente, poderá causar problemas na venda.

51


ização do negócio. O funcionamento ilegal de uma usina de reciclagem de RCD por falta de licença poderá resultar em seu fechamento e aplicação de mul- ta. O licenciamento ambiental envolve normalmente 3 etapas, Licença Prévia (LP), Licença de Instalação (LI) e Licença de Operação (LO), brevemente descritas a seguir e resumidas na Tabela 10. Tabela 10: Licenças a serem obtidas para a instalação de uma usina de reciclagem Licenças Ambientais

Licença Prévia – LP

Licença de Instalação – LI

Licença de Operação – LO

Estágio de Obtenção

Requisitos Básicos

Comprovação de viabilidade técnica e am� biental do projeto (fases locacional, de insta� lação e operação), observadas as diretrizes Fase preliminar de planejamento de planejamento e zoneamento ambientais do empreendimento e sem prejuízo do atendimento aos planos de uso e ocupação do solo, incidentes so� bre a área. Início da implantação do em� preendimento

Implementação das especificações con� stantes do projeto executivo e exigências da licença prévia.

Início da atividade do empreen� dimento

Vistorias necessárias para autorizar o início da atividade, incluindo a verificação do fun� cionamento dos equipamentos de controle ambiental e de monitorização e cumpri� mento das demais exigências das licenças ambientais prévia e de instalação.

Fonte: D´ALMEIDA; VILHENA, 2000

Licença Previa (LP) Licença concedida na fase de planejamento do empreendimento ou atividade, apro- vando sua localização e concepção, atestando a viabilidade ambiental e estabelecendo os req- uisitos básicos e exigências técnicas a serem atendidas nas fases de instalação e operação. Os principais aspectos observados na análise do pedido da LP são: 52

• conformidade com legislação municipal e estadual; • concepção do processo produtivo; •localização, no que diz respeito às característi- cas da vizinhança, áreas pro� tegidas, etc.); • condições do meio (classe de enquadramento dos corpos d’ água, dados das redes de monito- ramento de ar, água, etc.); • atendimento ao código florestal. Os empreendimentos licenciados terão um prazo máximo de 2 (dois) anos, conta� dos a partir da data da emissão da Licença Prévia, para solicitar a Licença de Instalação, sob pena de caducidade da licença concedida (art. 70 – Regulamen� to aprovado pelo Decreto n.º 8468/76).


Licença de Instalação (LI) Autoriza o início da implantação, de acordo com as especificações constantes do proje- to executivo aprovado, incluindo as medidas de controle ambiental e de� mais exigências técnicas necessárias. Os principais aspectos observados na análise do pedido de LI são: • Processo produtivo (detalhado); •Identificação dos poluentes emitidos (ar, água, solo, ruído, vibração); •Tecnologias de controle de poluição (parâmet- ros de projeto); • Cumprimento das exigências feitas na LP. O prazo de validade da LI é de no máxi- mo 3 anos para iniciar a implantação das insta- lações.

Autoriza, após as verificações necessárias, o início da atividade licenciada e o funcionamento de seus equipamentos de controle de poluição, de acordo com o previsto nas licenças prévia e de instalação. Os principais aspectos observados na análise do pedido de LO são: • vistoria técnica; • coerência com as informações da Licença de Instalação (localização, pro� cesso produtivo etc.) •cumprimento das exigências técnicas constantes da Licença de Instalação. A Licença de Operação terá prazo de validade de até 5 anos, a ser estabelecido de acordo com o fator de complexidade (W) da li- stagem do anexo 5 (Reg. Lei 997/76), conforme o seguinte critério: I - 2 (dois) anos: W = 4, 4,5 e 5. II - 3 (três) anos: W = 3 e 3,5. III - 4 (quatro) anos: W = 2 e 2,5. IV - 5 (cinco) anos: W = 1 e 1,5. Poderá ser emitida Licença de Operação a Título Precário (LOTP), cujo prazo de validade não poderá ser superior a 180 dias, nos casos em que a operação da fonte for necessária para testar a eficiência do sistema de controle de poluição do meio ambiente.(art. 64 – Regulamento aprovado pelo Decreto n.º 8.468/76). Para devida autorização de teste que deverá ser previamente concedido à con� cessão da licença de operação, em caráter excepcional e devidamente fun� damentada pelo órgão licenciador, que será estabelecida em razão do perío� do necessário para avaliar a eficiência das condições, restrições e medidas de controle ambiental, impostas à atividade ou ao empreen dimento, não podendo, em qualquer hipótese, exceder o prazo de 180 dias (art. 2.º, § 2º - De- creto n.º 47.400/02). É possível que sejam feitas exigências técnicas pelo órgão ambiental de cada esta� do que não estejam definidas em normas ABNT. Como exemplo, podem-se citar as se� guintes exigências técnicas da CETESB quando do pedido de licença de operação de uma usina do estado de São Paulo:

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Licença de Operação (LO)

53


a) instalar sistemas de controle de material particulado (poeira), segundo a mel� hor tecnologia prática proveniente das operações realizadas na linha de britagem (britador, transportadores de correia, peneiras vibratórias e pontos de transferên� cia) disponível, de forma a impedir a emissão de poluentes para a atmosfera; b) o pátio e as áreas de movimentação e tráfego de máquinas e veículos em geral deverão ser pavimentadas e umectadas permanentemente, de forma a impedir a emissão de material partic- ulado (poeira) para fora dos limites de proprie- dade do empreendimento; c) instalar sistemas de umectação permanente nas áreas de estocagem de agre� gados e nas baias de britas, areia e pedrisco, de forma a evitar emissões de poeiras fugitivas durante o manuseio para transporte dos referidos materiais; d)os níveis de ruído emitidos pelas atividades do empreendimento deverão atender aos padrões estabelecidos pela norma NBR 10151, conforme resolução CONAMA nº 01 de 08/03/90, retificada em 16/08/90; e) os resíduos gerados no estabelecimento deverão ter destinação adequada atendendo ao artigo 51 do regulamento da Lei nº 997/76, aprovado pelo Decreto nº 8468/76, e suas alterações. Para cada uma das 3 licenças pedidas é necessário o pagamento de uma taxa que depende de fatores como o porte do empreendimento (área construída, atividade ao ar livre, equipamentos), tipologia da atividade (fator de complexidade W). No caso da CETESB, micro- empresas e empresas de pequeno porte po- dem conseguir um desconto de 85%. Também é necessário anunciar no jornal da cidade que está sen� do feita a solicitação da licença, sendo um anúncio para cada uma das 3 licenças. Em geral, a obtenção destas licenças é um processo lento, podendo demorar mais de 6 meses desde a licença prévia até a licença de operação.

54

Quanto às licenças pedidas pela Prefeitura, é necessário que a usina esteja de acordo com as exigências do corpo de bombeiros e que seja elaborado o RIV – Relatório de Impacto na Vizinhança. O RIV visa analisar as condições de im- plantação e operação de uma usina de recicla- gem, sob o ponto de vista da eventual geração de impactos e incômodos à vizinhança. Neste relatório deve ser apresentado um resumo da caracterização do empreendimen� to, de seu entorno e uma avaliação dos eventuais impactos de cada uma das suas etapas, tanto na implantação quanto na operação, na infraestrutura da região, sistema viário e na população. 2.6 Aspectos legais da produção e comercialização de materiais de construção Não foram encontradas leis específicas para a comercialização de materiais de construção reciclados. Existem sim leis gerais nas quais os agregados reciclados devem se en- quadrar, como a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, descrita em ACQUAVIVA (1990). Ainda assim, devem ser feitas duas con- siderações a respeito da comercialização de


agregados reciclados que servem como precauções a serem tomadas pelos fabricantes e vendedores: 1) as informações corretas sobre o uso do agre- gado reciclado devem ser da� das ao consumidor, como diferenças de comportamento em relação ao material natural, consumos de cimento, resistência, possibilidade de aplicação, restrições quanto ao uso estrutural, etc.; 2) caso o produto comercializado não seja indicado para fins estruturais, é impor� tante que, em cada nota fiscal de venda, tenha um carimbo avisando que o ma� terial vendido é reciclado e para uso não estrutural.

O custo de implantação de uma usina de reciclagem é muito variável, dependendo do local, área (tamanho, alugada ou comprada), porte da usina, tipos de materiais que se deseja produzir, empresa fornecedora dos equipamentos e se estes serão novos ou usados. A aquisição de equipamentos usados em uma empresa idônea, mas revisados e com garantia, pode ser uma alternativa muito interessante para se reduzir os custos de inves� timento. Como exemplo, os equipamentos necessários para a produção de 50 t/h de agre- ga� dos básicos (brita corrida, areia, pedrisco, brita 1 e 2 e rachão, sem processo de la� vagem), desconsiderando a pá carregadeira e ferramen- tas de oficina, custam cerca de R$600.000,00 (em setembro de 2012), dependendo do fabri- cante. Usinas de capaci� dade 25 t/h com equipamentos usados chegam a R$400.000,00. Não se deve esquecer, na montagem de um orçamento, dos demais custos, como da instalação elétrica, hidráulica, bases metálicas e/ou de concreto (para instalação dos equipamentos), serviços de terraplenagem e obras civis (escritório, guarita, vestiários, galpão coberto, etc.) entre outros, conforme estimativas apresentadas na Tabela 11 (página a seguir). Financiamentos podem ser obtidos, por exemplo, junto ao BNDES e à Caixa Econômica Federal, sendo que esta possui uma linha de financiamento específica para negócios na área de reciclagem. Mais detalhes podem ser conseguidos no respec� tivo endereço eletrônico ou diretamente em uma agência. 2.8 Estimativa de retorno financeiro A estimativa de retorno financeiro do negócio obviamente variará em função de di� versos fatores, como preço do agregado natural, capacidade de produção, taxas de financiamento, perspectiva de venda. Entretanto, para diversas cidades brasileiras já pesquisadas, encontra-se como resulta� do uma taxa interna de retorno entre 3,0% e 5,0% ao mês, com payback de 24 meses e ponto de equilíbrio próximo a 2000 m³/mês (da- dos de setembro 2012). Entretanto, chama-se a atenção de que estes valores dependem principalmente da em- presa conseguir ter uma taxa mensal crescente de vendas, sendo capaz de atingir

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

2.7 Estimativas do custo de implantação e obtenção de financiamentos

55


Tabela 11: Estimativa de custo de implantação de uma usina de 50 t/h Descrição

Valor

Licenciamento

5.000,00

Projeto

15.000,00

Base de equipamentos

25.000,00

Obras civis

80.000,00

Móveis de escritórios

5.000,00

Ferraments básicas

5.000,00

Instalação elétrica

10.000,00

Equipamentos

600.000,00

Cabine primária de energia

25.000,00

Pá carregadeira

150.000,00

Laboratório básico de controle tecnológico

10.000,00

Aportes financeiros

100.000,00

Total

1.030.000,00

e manter um volume de vendas mensal igual à metade de sua capacidade nominal no 13‘ mês e 100% de sua capacidade nominal no 23‘ mês de funcionamento. Ao atingir e manter sua capacidade nominal de produção de 200 m³/dia, a previsão de resultado financeiro (lucro líquido) mensal é em torno de R$80.000,00.

3. PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA RECICLAGEM DE RESÍDUOS CLASSE A DA CONSTRUÇÃO CIVIL Uma etapa fundamental na tecnologia de reciclagem da fração de origem mineral de RCD, como agregado para a construção civil, é a que diz respeito às técnicas e aos eq� uipamentos utilizados nas usinas. Os resíduos classe A da construção civil, por serem uma matéria-prima secundária, geral� mente requer uma série de operações no pro- cesso de reciclagem, sendo as mais cor� rentes a identificação, a classificação, a redução e a separação (HENDRIKS, 2000). 56

Estas etapas são geralmente realizadas utilizando-se equipamentos já citados na descrição das usinas brasileiras e que podem ou devem ser utilizados para reciclagem do RCD, tanto mais quanto for necessário obter um material de qualidade. Isto não é difícil, uma vez que já existem diversos fabricantes no mercado capacitados a vendê-los e a prestar serviços de manutenção, além de permitir a aquisição por menores preços, pois podem ser recondiciona- dos de outras indústrias, como é o caso da mineração. Assim, outros equipamentos utilizados em processos a úmido de mineração e para a redução de variabilidade na área de tratamento de minérios são apresentados neste item como possíveis de serem aplicados em usinas de reciclagem com o intuito de mel� horar a qualidade do material reciclado, apesar de nenhuma usina brasileira ter, até o momento, aplicado qualquer um deles em seu processo.


Diversas bibliografias podem ser encon- tradas a respeito de equipamentos para tratamento de minérios, sendo a coleção de livros do Prof. Arthur P. Chaves e colaboradores de grande conteúdo e caráter prático e, por isso, largamente citado aqui.

Imagem 3: Alimentador vibratório

O alimentador vibratório (Imagem 3) é o primeiro equipamento no processo de reciclagem de RCD. É ele quem recebe o RCD, trazido normalmente pela pá carregadeira ou retroescavadeira, e lança dentro do britador em uma vazão controlada pelo operador, dentro dos limites de dimensionamento da máquina. O alimentador é composto, principalmente, de uma mesa vibratória apoiada sobre mo� las, grelha, tremonha e sobretremonha, motor elétrico e um eixo excêntrico duplo. O eixo excêntrico é o responsável pelo movimento horizontal e vertical da mesa vibratória, que causam uma força resultante inclinada em 45º, responsável pelo movimento das partículas. A vibração causada pelo eixo excêntrico pode ser regulada através do uso de contrapesos ou variando o tamanho da polia do motor. A grelha do alimentador separa a fração fina de RCD antes que esta atinja o britador, reduzindo seu desgaste, sendo esta operação chamada de escalpe. A dimensão desta fração pode ser regulada abrindo ou fechando o espaçamento entre as barras da grel� ha, definida em função do material que se pretende produzir. Recomenda-se fazer escalpe quando o teor de finos da alimentação ultrapassar 30%, o que facilmente pode ocorrer para RCD, antes mesmo da britagem primária. 3.2 Grelha vibratória A grelha vibratória (Imagem 4) é um equi- pamento interessante quando se pretende trabalhar com 2 britadores, por exemplo, primário e secundário, para evitar sobrecarga ou desgaste desnecessário do britador secundário com frações menores que 5 mm de diâmetro. Em geral, ela é um equipamento robusto, mas com uma eficiência entre 60% e 70%, bem inferior à das peneiras vibratórias.

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

3.1 Alimentador vibratório

57


Imagem 4: Grelha Vibratória (Fonte: Masterquip)

3.3 Equipamentos de transporte Os sistemas de transporte também são equipamen� tos sempre presentes nas usinas de reciclagem de RCD. Pode-se encontrar nas usinas, de acordo com a necessidade e o porte, transportadores de correia, elevadores de canecas ou de rosca. 58 Imagem 5: Transportadores de correia

Os transportadores de correia são considerados mais convenientes que veículos a diesel, por serem silenciosos, contínuos e mais baratos, além de serem elétricos. Sua largura deve ser pelo menos três vezes a dimensão máxima do material a ser trans� portado (CHAVES; PERES, 1999). Sua principal limitação está no ângulo de transporte, uma vez que elevadas inclinações só são possíveis com a presença de taliscas na cor� reia ou com o uso de transportadores fecha- dos, para evitar o rolamento do material


Imagem 6: Separador mag� nético suspenso e perma� nentes, de limpeza manual

3.4 Separadores magnéticos Os separadores magnéticos são equipamentos colocados no processo de reciclagem, normalmente acima do transportador de correia, após o RCD passar pelo britador, com o intuito de remover os metais presentes. São de grande importância no processo quan� do o RCD não passa por uma triagem prévia e, mais ainda, quando são utilizados moinhos de martelo, pois podem danificar as grelhas do moinho e, até mesmo, causar seu travamento, resultando em paradas constantes e indesejáveis no processo. Os tipos mais utilizados são os separadores magnéticos suspensos, de magnetismo per� manente (sem uso de energia elétrica), de limpeza automática ou manual (Imagem 6) dependendo do grau de contaminação do entulho. O magnetismo pode ser proveni� ente de ímãs permanentes de ferrite de estrôncio anisotrópico ou outro material com propriedades magnéticas. Para o correto dimensionamento do separador magnético, é necessário ter definido as seguintes variáveis: material a ser submetido à separação, densidade de massa espe� cífica desse material, largura da correia por onde passa esse material, localização ou posição do separador em relação à correia/calha: a 2,5 do início da correia, acima dela, distante de 10 cm, vazão de material a ser submetido à separação, altura da camada desse material sobre a correia, velocidade da correia, granulometria desse material, temperatura ambiente desse material, tipo de impureza ferrosa desse mate� rial, tamanho das impurezas ferrosas (menor e maior), grau de contaminação ferrosa, grau de contaminação ferrosa requerido após a separação magnética, se o separador magnético solicitado é de limpeza automática ou manual (caso já esteja definido pelo cliente), altura do separador magnético em relação à correia ou ao topo da camada, (caso já esteja definido pelo cliente), tensão de alimentação disponível.

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

correia abaixo, sendo necessário às vezes grandes distâncias de transporte. Quando se necessita vencer grandes al- turas em pequenos espaços, pode-se também optar por transportadores inclinados de rosca ou de canecas, dependendo da granulometria.

59


3.5 Britadores O conjunto de operações com o intuito de reduzir o tamanho das partículas minerais, executado de maneira controlada e de modo a cumprir um objetivo pré-determina� do chama-se cominuição. O processo de cominuição inclui britagem e moagem das partículas (CHAVES; PERES, 1999). A britagem de RCD é, em geral, o processo seguinte à triagem e à alimentação e é realizada normalmente com britadores de impacto ou de mandíbula. Cada um desses equipamentos possui princípios de funcionamento diferentes e produzem materiais com diferentes características. O britador de mandíbulas (Imagem 7 abaixo) é considerado bom para capacidades de produção de até 1000 t/h e recomendado quando se dese� ja baixa quantidade de finos. Não possui restrições quanto às características mecânicas das rochas e materiais abrasivos, mas é menos indicado que o britador de impacto para materiais úmidos com alto teor de argila (LUZ et al., 1998). As mandíbulas deste britador são feitas com o material de desgaste em aço contendo de 12% a 14% de Mn, o que torna o aço aus- tenítico (o impacto localizado encrua a estrutura austenítica, tornan� do-a muito dura). Algumas características quanto aos britadores de mandíbula:

Vista lateral

Vista superior mostrando as mandíbulas

60

Imagem 7: Britador de mandíbula tamanho 5030

Processo de britagem


a) potência entre 7,4 kW e 400 kW (10 a 500 cv, respectivamente), produção de 1,5 a 800 m³/h, velocidade de 300 a 100 rpm, relação de redução entre 4:1 e 9:1 (de� pendendo da etapa da britagem, primária, secundária ou terciária), dimensões 125 mm (gape ) x 150 mm (largura) a 1600 mm x 2100 mm, faz britagem primária e secundária (CHAVES; PERES, 1999); b) o material deve estar preferencialmente seco para diminuir o desgaste da mandíbula (teor de umidade < 10%). Além disso, se grande quanti- dade de ma� terial fino e úmido é alimentado, ele pode grudar nas mandíbulas e não escoar para baixo, causando o problema de empastamento. Se não for possível secar o material, pode-se avaliar a possibilidade de britar com excesso de umidade para evitar estes problemas;

d) tende a fornecer distribuições granulométri- cas constantes, independente do material que está sendo britado, dependendo apenas da geometria da câmara de britagem (ou seja, para um dado tamanho do britador e da abertura de des� carga). Isto porque o comprimento da superfície britante é finito e as partículas se rompem sempre pelo mesmo mecanismo; e) a granulometria de saída e a produtividade sofrem influência da abertura de saída do britador, que por sua vez pode ser regulada; f) quando uma peça muito grande trava o britador, as correias patinam ou arre� bentam, protegendo o motor; g) a abertura de saída é regulável. Entretanto, recomenda-se não trabalhar na abertura mínima por causa do desgaste excessivo da extremidade inferior da mandíbula, tornando impossível regulagens subsequentes, além de aumentar o consumo de energia, redução na produção e problemas de engaiolamento; h) pode apresentar os seguintes problemas: empastamento, entupimento (quan� do blocos maiores que o tamanho máximo admitido pelo britador entram nele), atolamento (as partículas podem se arrumar dentro do britador formando um arco que sustenta as partículas acima dele e impede a sua passagem) e afogamento (causado pelo aumento do volume ocupado pelas partículas com sua britagem – deve-se evitar alimentação acima da vazão crítica). CHAVES; PERES (1999) apresentam um método para dimensionamento do britador a ser utilizado, bem como fórmulas para cálculo do consumo de energia (equação de Bond) e de desgaste das mandíbulas. Os britadores de impactos também têm sido utilizados para reciclagem de RCD (Imagem 8, próxima página). Podem ser encontrados no mer� cado com eixo vertical ou horizontal. Neste equipamento, as partículas são al- imentadas ao britador e atingidas pelo impacto do rotor. Então são lançadas contra o revesti- mento onde sofrem fraturamento adicio� nal. Em geral, as partículas recebem de uma a duas pancadas e tendem a atravessar o

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

c) a quantidade de finos produzida pela britagem pode ser reduzida minimizando a área de apli- cação de carga. Isso é feito usando britadores com superfícies cor� rugadas (LUZ et al., 1998);

61


Interior do britador de impacto da usina Urbem

Processo de britagem do britador de impacto

Imagem 8: Processo de brita� gem do britador de impacto

equipamento rapidamente. O efeito do impacto é desprezível para partículas menores que 0,15 mm. Dentro de certas limitações mecânicas, aumentando a velocidade do ro� tor, diminui a granulometria de saída (CHAVES; PERES, 1999). Como características desse equipamento, podem ser citadas: distribuição granulométrica mais fina que a do brita� dor de mandíbulas, mas com menor geração de materiais pulverulentos, uso limitado a rochas frágeis ou elásticas, efetivo para materiais com tendência a produzir partículas lamelares (gera formas mais cúbicas) e para materiais úmidos com alto teor de argila, alto grau de redução, elevado custo de manutenção e grande desgaste (não sendo aconselhável no caso de rochas abrasivas e de materiais com mais de 15% de sílica), elevada produtividade (LUZ et al., 1998). Alguns dados de britadores de impacto de eixo vertical: britagem terciária para rocha muito dura e abrasiva, menor desgaste e um produto mais cúbico que o moinho de martelos, capacidade entre 100 e 200 t/h, redução de 2:1, potência entre 55 e 150 kW.

62

Dados de britadores de impacto de eixo horizontal: britagem primária, secundária e terciária de materiais brandos e friáveis, redução 40:1, capacidade de até 2500 t/h, pro� duto bem classificado, de forma cúbica e com um mínimo de materiais pulverulentos, potência de até 450 kW. Como pode ser observado, tanto o britador de mandíbula quanto o de impacto pode ser utilizado para a reciclagem de RCD, como já ocorre em diversas usinas do país. Cada um tem suas vantagens e desvantagens e, por isso, a definição de qual o equipamento ideal deve ser feita analisando caso a caso através, principalmente, de um estudo de mercado. 3.6 Moinhos A moagem compreende as operações de cominuição na faixa de dimensões de partículas abaixo de 2 mm e é efetuada mediante os mecanismos de abrasão, arredon�


damento das partículas e quebra de pontas (CHAVES; PERES, 1999). A moagem pode ser realizada em processo via seca ou úmida. Recomenda-se que o processamento via seca seja realizado somente quando existe alguma razão impeditiva para o processa� mento via úmida, como escassez de água ou quando o material a ser moído reage com água (CHAVES; PERES, 1999). Algumas características do processamento via úmida (CHAVES; PERES, 1999): a) a água funciona como meio de transporte, dissipação de calor e abatimento da poeira; b) a polpa deve ter um teor de sólidos < 50%. Características do processamento via seca (CHAVES; PERES, 1999): a) menor desgaste dos revestimentos e corpos moedores, uma vez que o processo de corrosão é potencializado pelos eletrólitos presentes na polpa do processo via úmida; b)exige a instalação de equipamentos e dispositivos auxiliares para o abatimento das poeiras geradas no processo e para o transporte do ma- terial, resultando em maior consumo energético e investimento em relação ao processamento via úmi� da; c) a umidade não deve ultrapassar 5 a 7%. Em geral, não são encontrados em usi� nas de reciclagem de RCD equipamentos de moagem (Imagem 9 acima), por nor� malmente se ter interesse em uma quantidade maior de agregado graúdo para aplicação em pavimentos. A principal desvantagem da moagem é que esta é uma operação cara pelo desgaste dos equipamentos e energia consumida, devendo sempre ser muito bem analisada a

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Imagem 9: Moinho de martelos

63


sua real necessidade em função dos produtos a serem comercializados. No caso de uma usina voltada para a produção de argamassas pode-se considerar recomendável a sua inclusão no processo.

Imagem 10: Peneiras vibratórias inclinadas

3.7 Peneiras vibratórias O peneiramento é o processo pela qual se faz a separação do material reciclado na usina em frações granulométricas controladas. Este processo em campo é feito normal� mente através do uso de peneiras vibratórias (Imagem 10). Este equipamento é composto de chassi robusto apoiado em molas, mecanismo acio� nador, com 1 a 4 “decks” (suportes de telas) e que podem ser inclinados (15º a 35º) ou

Eficiência = U x = 100 Ua

64

horizontais (CHAVES; PERES, 1999). A eficiência da peneira vibratória é normalmente me� dida utilizando-se a Equação 1. Onde: U = t/h de passante em uma dada peneira; Ua = t/h de material passante presente na alimentação. As peneiras vibratórias industriais devem ter eficiência entre 90% e 96% (CHAVES; PERES, 1999). A eficiência do peneiramento pode ser prejudicada pela presença de umidade no material. A umidade presa em trincas, poros abertos e fechados no interior da partícu� la não afeta o peneiramento. Só a umidade superficial interfere no peneiramento, que se torna impossível quando a umidade estiver entre 5% e 8% (para materiais naturais) e só volta a funcionar com umidade acima de 60% (CHAVES; PERES, 1999). Atualmente, existem telas metálicas que, devido ao seu projeto, são autolimpantes, mas,


normalmente, possuem menor vida útil. Outros fatores que interferem na eficiên- cia das peneiras são a inclinação (Tabela 12), a frequência e amplitude (Tabela 13), o compri� mento da peneira e a área aberta da peneira. Em relação à produtividade de peneiras vibratórias, ela está relacionada à largura. Em Tabela 12: Ângulo de inclinação da peneira em função da abertura da malha, conforme recomendação da FAÇO (1994) Ângulo (º)

20

19

15

10

Malha (”)

6a4

4a1

21/2 a 1/2

1 a 1/8

Malha (” ou nº da peneira)

4

3

2

1

1/2

1/4

10

14

Rotação (rpm)

800

850

900

950

1000

1400

1500

1600

Amplitude

6,5

5,5

4,5

3,5

3,0

2,0

1,5

1,0

geral, a produtividade de peneiras vibratórias inclinadas está entre 50 e 200 t/m²/mm abertura/24h (LUZ et al., 1998). A Tabela 14 (a seguir) apresenta um resumo do comportamento das partículas a serem pe- neiradas sobre a peneira. CHAVES; PERES (1999) apresentam alguns métodos de di� Tabela 14: Comportamento do material sobre uma dada peneira (CHAVES; PERES, 1999) Relação entre a dimensão da partícula (d) e a abertura da malhar (a)

Comportamento do material

d > 1,5 a

Material vai para o “oversize” sem acarretar problema no peneiramento, mas pode deformar ou desgastar a tela. Se a quantidade for grande deve-se usar um “deck” de alívio

1,5 a >d > a

Material pode ficar preso na abertura da malha

a > d> 0,5 a

É necessário um grande número de tentativas para que o material passe. É chamada de “faixa crítica”

d < 0,5 a

O material passa sem problemas

d<<a

Parte passa sem problemas e parte fica aderida aos grãos maiores. Se a quantidade for grande é necessário fazer lavagem

mensionamento de peneiras vibratórias inclinadas, como o proposto por Bauman e pela FAÇO (Fábrica de Aço Paulista S.A). A seguir são apresentados alguns parâmetros considerados relevantes sobre este assun� to: a) no dimensionamento e escolha da peneira deve-se considerar a capacidade de transporte das partículas, espaço para acomodação do leito e tempo para que as partículas finas alca- ncem a tela e a atravessem; b) a amplitude deve lançar a partícula numa distância entre “a” e “1,5a”, sendo

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Tabela 13: Tabelas de frequência e amplitudes para peneiras vibratórias convencionais, conforme recomendação da FAÇO (1994)

65


“a” a abertura da malha da peneira. Para partículas maiores, deve-se aumentar a amplitude e diminuir a fre- quência. Diminuindo a malha, deve-se diminuir a ampli� tude e aumentar a frequência; c) o comprimento da peneira é normalmente o dobro de sua largura (LUZ et al., 1998); d) para haver uma estratificação satisfatória, é necessário que a altura do leito seja no máximo quatro vezes a abertura da tela. 3.8 Equipamentos para processo de reciclagem via úmida Existe a alternativa de se utilizar um processo a úmido de reciclagem que pode pro� porcionar uma maior qualidade de agregados reciclados de RCD pela remoção do excesso de material pulverulento proveniente da reciclagem (o que para alguns usos é indesejável) e dos contaminantes presentes na fração miúda como gesso, sais solúveis e matéria orgânica. Para isto, pode ser utilizado um sistema de lavagem sobre uma pe� neira vibratória ou equipamentos específicos para esta finalidade como o lavador de rosca, o classificador espiral e o ciclone. Processos a úmido, apesar de serem já consagrados na área de tratamento de minérios, pela primeira vez em pesquisas nacionais estão sendo abordados como alternativa para a melhoria da qualidade de agregados reciclados. A lavagem em atividades de mineração é realizada pelos seguintes processos (FAÇO, 1986): 1) material graúdo: lavagem direta sobre peneiras vibratórias ou “scrubbers”, quan� do o teor de argila ou a plasticidade é alta; 2) materiais de difícil desagregação podem ser tratados em equipamento do tipo “log washer” antes do peneiramento; 3) materiais finos: em lavadores de rosca, classificadores espiral ou ciclones.

66

A lavagem em peneira é usada para remover materiais indesejáveis, principalmente argilas e partículas extremamente finas. Também é empregada para a remoção de ma� teriais finos que possuem umidade tal que impeça um peneiramento via seca eficiente. A lavagem em peneira é executada aplicando jatos de água sobre o material durante o peneiramento para remover as impurezas aderidas ao material. Para recuperar o ma� terial menor que 1 cm, é necessário usar um lavador de rosca para remover impurezas e o excesso de partículas finas (FAÇO, 1986). Em geral, para lavagem em peneira usa- se uma pressão da água de 1 a 3 atm e um volume de água de 1 a 3 vezes o volume de material que está sendo peneirado, sendo de 1 a 1,5 vezes para materiais relativamente limpos e de 1,5 a 3 vezes para materiais contendo argila. Em FAÇO (1986), é possível encontrar um método para dimensionamento de lavagem


em peneiras. O classificador espiral é um equipamento simples e robusto, constituído de tanque, eixo, espirais e acionamento, utilizado para separações granulométricas na faixa de 75 a 150 m³. Possui maior eficiência de classificação que o ciclone e o lavador de rosca (CHAVES, 2002). Seu método de operação é o seguinte: a) a polpa escoa para a porção mais baixa do tanque classificador; b) as partículas mais grossas se acomodam no fundo do tanque e são levadas para cima pela rotação do espiral (“underflow”), sendo descarregado com uma porcentagem de sólidos entre 65% e 75% (CHAVES, 1996);

Algumas variáveis do processo devem ser limitadas. Por exemplo, a inclinação do classificador deve estar entre 10% e 20% (LUZ et al., 1998) e a velocidade de rotação da ros� ca, para um diâmetro de espiral de 60 cm, deve estar entre 6 e 16 rpm (CHAVES, 1996). A área do transbordo do “overflow” é outra variável que governa sua capacidade, poden- do ser aumentada variando-se a inclinação das paredes laterais do tanque. Quanto maior esta área, maior a capacidade do equipamento em termos de vazão do “overflow” (CHAVES, 2002). Variando a imersão da espiral no banho, varia a agitação induzida por ela no volume de polpa imediatamente junto à superfície do banho. Se a espiral estiver girando alguns centímetros abaixo da superfície do banho, esta superfície fica mais calma do que se a espiral estiver parcialmente emersa. Isto afeta a superfície do corte: com a espiral emersa, a agitação é forte e qualquer partícula que esteja por ali é lançada no “overflow”; com a espiral imersa, há um espaço entre a região agitada pela espiral e a superfície do equipamento. Neste espaço, a partícula pode encontrar seu verdadeiro camin- ho (“overflow” se leve e “underflow” se pesada) (CHAVES, 2002). O tamanho do classificador é expresso pelo diâmetro da espiral, em polegadas, varian� do normalmente entre 24” e 86” (60 cm e 218 cm). A espiral é dotada de placas de des� gaste e é presa ao eixo por braçadeiras dotadas de dis- tanciadores. É possível usar de duas a três es- pirais ao redor do eixo ao invés de apenas uma, oque duplica ou triplica a capacidade de arraste de “underflow” pela rosca (CHAVES, 2002). O eixo se apóia em sua parte inferior em um mancal submerso, que se constitui na peça de maior responsabilidade deste equipamento. Por trabalhar em condições extrema� mente desfavoráveis (ambiente imerso, cheio de areia e suportando todo o esforço do transporte do “underflow” calha acima), deve-se dedicar especial atenção a ele escol� hendo uma boa solução de vedação (CHAVES, 2002). Todos os classificadores possuem um sistema de elevação do eixo para prevenir que a espiral fique travada pelo minério sedimentado, em caso de parada de operação. Este sistema pode ser manual (rosca sem-fim), hidráulico ou motorizado (CHAVES, 2002). Em geral, a drenagem do “underflow”, calha acima, é muito eficiente, fazendo com que ele saia com uma porcentagem de sólidos relativamente constantes e regulares (CHAVES,

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

c) o movimento das partículas acomodadas dentro do espiral também permite que as partículas finas aprisionadas escapem, juntando-se ao material não acomo� dado e ao líquido que escoam para a descarga (“overflow”) (FAÇO, 1986).

67


2002). Quando o equipamento está trabalhando em regime de classificação, a regu� lagem da operação é feita pelo controle da diluição da polpa dentro do classificador: quanto maior a porcent- agem de sólidos, mais grosseiro é o corte. Além disso, outros parâmetros influem no corte: aumentando a rotação da espiral (até um certo limite) ou a inclinação do aparelho, o corte tende a ficar mais grosseiro. Entretanto, quando ele trabalha em regime de corrente (alimentação bem mais diluída que no regime de classificação), o mecanismo é inverso: quanto menor a porcentagem de sólidos, mais grosso o corte (CHAVES, 2002). De acordo com LUZ et al. (1998), os clas� sificadores espirais não trabalham com mais de 50% do peso em sólidos. Os lavadores de rosca (Imagem 11) também são usados para lavagem e drenagem de materiais finos que tenham um produto de tamanho menor que 1 mm. São espe� cialmente projetados para cumprir os requisitos de agregados para concretos e arga� massas, onde partículas extra-finas não são desejáveis. A lavagem é realizada pela in� jeção de água pressurizada e pelo movimento do material através da rosca. O tamanho

Imagem 11: Lavador de rosca duplo, em uti� lização na extração de areia de Amparo/SP

68

das partículas a serem removidas pode ser ajustado pela variação de vazão de água (FAÇO, 1986). Os lavadores de rosca são similares em aparência ao classificador espiral, mas operam segundo outro princípio. Eles são equipamentos que, através da movimentação do ma� terial pelas roscas e da injeção de água (de lavagem) a alta pressão na extremidade inferior do tanque do equipamento (extremidade inundada), realizam a lavagem do material de interesse, reti- rando por “overflow” as partículas indesejáveis e certa quan� tidade de água. A regulagem do corte é feita variando a vazão de água de lavagem injetada. O “underflow” é desaguado, podendo chegar até a 75% de sólidos (CHAVES; PERES, 1999). A lavagem do agregado em lavador de rosca envolve um consumo de água elevado, de 8 l/s (para equipamento de menor porte e remoção da fração menor que 75 mm) a 38 l/s (para equipamento de maior porte e remoção da fração menor que 0,15 mm) (FURLAN, 2003). Nos processos via úmida, por questões econômicas e ambientais, tor� na-se necessário investir em um processo de reutilização da água. Para isto, podem ser utilizados tanques de decantação, equipamentos como bacia de sedimentação com


uso de floculadores ou de separação de sólidos por centrifugação.

As combinações de material leve com concreto ou tijolo e de gesso acartonado com concreto podem, em tese, ser separadas por jigagem. Entretanto, para a combinação tijolo/concreto, não é possível obter uma separação total dessas frações, mesmo em processos muito efetivos e controlados em laboratório (MULLER; WIENKE, 2004). Mas, WEI� MANN; MULLER (2004) testaram um outro processo a úmido, que incluía a remoção da matriz ligante, a remoção de finos < 0,10 mm por ciclone e a separação de densidade por jigue, e constataram que este processo pode melhorar as propriedades do material feito com finos de concreto britado, em comparação ao processo via seca.

Imagem 12: Homogeneizador de agregados reciclados

3.9 Equipamentos e técnicas para redução da variabilidade dos agregados de RCD Existe ainda a possibilidade de se utilizar pilhas de homogeneização, semelhante às utilizadas na produção de cimentos e minérios, em agregados reciclados, para diminuir a variabilidade natural do produto ao longo do processo. Na mineração, as pilhas de homogeneização têm as funções de estocagem e redução das variáveis na alimentação do processo, tendo como objetivos (FERREIRA, 1989): a) racionalização e otimização das operações de lavra; b) menor custo operacional e produtos com melhor qualidade;

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Uma desvantagem de qualquer processo de lavagem é o aumento do custo da reci� clagem, não somente pelo consumo de água, mas também porque este processo gera um resíduo (fração pulverulenta) que, se não for utilizado e nem tiver valor comercial, envolverá custos para remoção. Todavia, a necessidade de saturação prévia de agre� gados reciclados para uso em argamassas e concretos de consistência plástica a fluida, somada à eliminação de frações contaminantes, são aspectos favoráveis ao uso desses processos em reciclagem de RCD.

69


c) usinas mais bem dimensionadas, dada a regularização do fluxo de material no sentido mina-usina conseguido pelo estoque existente nas pilhas; d) maiores recuperações do produto alimenta- do no processo, com a conse� quente diminuição dos custos finais; e) melhor atendimento a limites de tolerância mais estreitos, implicando em ganhos cumulativos nos estágios posteriores de processamento. Na área de reciclagem de RCD, a necessidade de se ter processos de redução da variabilidade é ainda maior devido à heterogeneidade do entulho. Entretanto, os equipamentos atualmente aplicados na área de mineração dificilmente poderiam ser adotados em uma usina de reciclagem devido aos custos operacionais e de investimento inicial. Por isto, como resultado da tese de doutorado deste autor, foi desenvolvido e aplicado na usina de Socorro/SP um homogeneizador de custo reduzido, tanto de fabricação quanto de manutenção (Imagem 12). Este homogeneizador, através de seu movimento radial, espalha o agregado reciclado em camadas horizontais sobrepostas, garantin� do-se assim que porções verticais retiradas dessas pilhas tenham composições aproxi� madamente iguais. Apesar dele ter sido testado para areia, certamente mostrará bons resultados também para pedrisco e brita. Quanto maior a altura de descarga do material pelo homogene� izador, maior será o tamanho da pilha e, assim, melhor o processo de homogeneização. Para melhor operação da usina e eficiência do processo, é importante que no projeto se- jam previstas duas pilhas por tipo de agregado, uma em formação e a outra em car� acterização tecnológica e venda. Para a medida de eficiência da instalação de homogeneização, pode ser utilizado o fa� tor de homogeneização, definido como o quociente entre o desvio-padrão do produto final da pilha e o desvio padrão do material alimentado na instalação (FERREIRA, 1989).

70

Uma outra técnica que pode auxiliar na redução da variabilidade dos agregados é a classificação visual do RCD pela natureza, que, aliás, já é uma prática comum nas usinas brasileiras, mas que sozinha não é suficiente para se ter um agregado reciclado homogêneo.


4. GESTÃO DA USINA DE RECICLAGEM PARA PRODUÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS Um dos pontos importantes para o sucesso da produção de agregados reciclados é a qualidade do RCD classe A obtido. Para que se garanta um agregado reciclado de qualidade, é necessário que sejam tomados alguns cuidados, desde a sua geração no canteiro de obras até sua entrada na usina de reciclagem. 4.1 Recebimento, verificação e transporte dos resíduos

Quando o RCD chega na usina, um funcionário deve subir no caminhão e verificar sua natureza e presença de contaminantes, orientando o dono do caminhão a voltar com a carga caso o RCD se mostre contaminado, ou a descarregar em uma determinada área da usina em função da natureza do RCD.

Imagem 13: Armazenamento do RCD em diferentes áreas em função da natureza do RCD (concreto ou misto).

A NBR 15114/04 define o seguinte: 1) somente podem ser aceitos em área de reci- clagem os resíduos de construção e demolição classe A (solos, tijolos, blocos, telhas, placas de revestimento, arga� massa, concreto e pré-moldados em concreto); 2) nenhum resíduo pode ser aceito em área de reciclagem sem que sejam conhe� cidas sua procedência e composição; 3) em área de reciclagem, deve ser previsto o controle de recebimento e oper� ação, por meio de um plano que contemple: controle de entrada dos resíduos recebidos, discriminação dos procedimentos de triagem, reciclagem, armazenamento e outras operações realizadas na área, descrição e destinação dos resíduos a serem rejeitados, reutilizados e reciclados, controle de qualidade dos produtos

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

A usina deve apresentar de forma bem visível, no portão de entrada, os materiais que ela aceita receber e que não são aceitos. A cobrança de taxa de recebimento de en� tulho varia em função do mercado e da qualidade do resíduo. para recebimento de resíduos de concreto são cobradas taxas menores ou, em muitos casos, o recebimento é gratuito.

71


gerados; 4) os operadores devem providenciar o arquivamento dos controles de transporte de resíduos (CTR), referentes às cargas recebidas, mantendo os registros para even� tual apresentação de relatório. 4.2 Triagem de RCD Uma operação importante para a reciclagem é a triagem de RCD classe A. Um pro� grama de triagem consiste em uma série de atividades de separação dos materiais reutilizáveis e recicláveis conforme sua natureza. Por exemplo, deve ser removido do agregado reciclado o aço, betume, selante, plástico, madeira, papel e alumínio antes de ser utilizado como material secundário. Asfalto e concreto provenientes da quebra de pavimentos também podem possuir contaminações, tais como sais, resíduos de óleo e outros (HENDRIKS, 2000).

Leiras de triagem

Triagem manual no chão Imagem 14: Triagem do RCD

Esta é uma etapa de grande importância na reciclagem do RCD, uma vez que nor- mal� mente, antes de ser selecionado, ele pode apresentar mais de 5 frações distintas e que, na maioria dos casos, a presença de mais de uma fração em teor significativo pode inviabilizar a reciclagem. 72

Três alternativas existem para a ex- ecução da triagem: na usina de reciclagem, em área de transbordo e triagem (ATT) e na origem (nos canteiros de obras). Cada uma possui suas vantagens e desvantagens, como descrito a seguir. Quando se decide por implantar um sistema de triagem no canteiro de obras, é importante verificar primeiro se existe espaço suficiente para coleta, manutenção e armazenamento da quantidade prevista de RCD. Se o canteiro não possui espaço suficiente, pode-se estudar a possibilidade de utilizar temporariamente as propriedades adjacentes (ACC, 2001). Neste caso, são colocados contêineres no canteiro de obras para armazenamento de diferentes frações, em ta� manhos apropriados, claramente identificados, em local de fácil acesso para o despejo de RCD manual ou por coletores de entulho. A triagem de RCD em canteiro de obras, visando sua reciclagem, era considerada, até


pouco tempo atrás, impossível de ser realizada no Brasil. Isto porque não existia uma conscientização da importância da reciclagem de RCD, não existia o hábito e nem o interesse por parte das construtoras em fazer tal atividade no can- teiro (uma vez que pode acarretar custos à obra) e, mesmo se houvesse o interesse, uma dificuldade pre� sumível é definir onde levar o material selecionado para ser reciclado, pois são poucas as usinas de reciclagem no país, e este pode acabar sendo remisturado novamente a outros rejeitos. Entretanto, atualmente, este panorama tem mudado. Aliás, não somente a triagem, mas também a reciclagem de RCD, pode ser realizada no próprio canteiro a partir de equipamentos de britagem ou moagem, muito embora haja alguns contrapontos a este respeito. Estes equipamentos podem ser utilizados para reciclar concreto, alvenaria, ma� deira e vidro.

I) disponibilizar a todos os trabalhadores e sub- contratados o plano de gestão de RCD e sensibilizá-los da importância da reciclagem, pois muitos não têm o hábito de separar o entulho no canteiro de obra e podem não colaborar com este tra� balho adicional; II) dimensionar e definir o local dos contêineres (de preferência próximo de onde serão produzidos os resíduos), designar os tipos de materiais e o método de trans� porte antes do início do projeto; III) selecionar os resíduos em cada andar e depois transportá-los ao térreo é mais barato; IV) determinar o volume de material realmente útil para verificar a rentabilidade da reciclagem em canteiro; V)verificar os limites e as restrições locais quanto ao barulho e à poeira; VI) determinar os custos, disponibilidade de equipamento, mercados de utilização final dos reciclados e as possibilidades de reutilização. A triagem de RCD na usina de reciclagem pode causar problemas na qualidade do produto final, uma vez que uma triagem eficiente de um RCD muito contaminado é in� comum. Entretanto, é possível que o material triado da fração mineral de RCD se torne uma fonte de renda bem interessante para a usina. Mas, para isso, é necessário que a usina esteja licenciada como área de transbordo, triagem e reciclagem (ATTR) e se en� quadre na NBR 15112/04. A triagem de RCD em ATT é uma solução intermediária entre as duas alternativas anteriores. Entretanto, pode apresentar alguns inconvenientes, no que diz respeito à quali� dade da triagem: - em alguns casos, são triados nestes locais somente aqueles materiais que pos� suem valor comercial, ficando as demais impurezas incor- poradas à fração princi�

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Devem ser considerados os seguintes itens antes de se optar por selecionar e reciclar o RCD em sua origem (ACC, 2001):

73


pal, em geral, da classe A; - algumas ATT não possuem área física suficiente para uma classificação visual de resídu- os classe A, quanto à sua natureza, de forma a separar a fração cerâmica da fração de concreto. Considerando que algumas ATT destinam seus resíduos de origem mineral triados para usinas de reciclagem e que estas podem cobrar um preço mais baixo para receber resíduos de concreto, pode ser interessante eco� nomicamente para as ATT que elas organizem melhor seu trabalho e façam uma boa classificação vi- sual dos resíduos; - lotes de RCD com presença de gesso podem ser recebidos e misturados com lotes isentos desse resíduo, contaminando a maior parte do estoque. Vale ressaltar a dificuldade que ainda existe na etapa de triagem do gesso de RCD não segre� gado na origem. Uma triagem eficiente deste material na usina é praticamente im� pos- sível de ser realizada, uma vez que chega em pequenos pedaços totalmente misturados com grandes volumes de RCD. O que pode ser feito é simplesmente negar o recebimento do lote. As ATT têm o mesmo problema na triagem, mas, como dito anteriormente, ainda pode ter a agra- vante de contaminarem lotes puros de RCD. Ou seja, a melhor alternativa é que o gesso seja triado na origem de sua utilização, ou seja, no canteiro. Entretanto, algumas construtoras que têm feito isso estão tendo dificuldade em encontrar um local para despejá-lo. 4.3 Dificuldades técnicas encontradas na reciclagem Apesar do RCD vir sendo utilizado em obras de engenharia desde a Roma antiga e até mesmo existirem locais como Londres, Berlim e Varsóvia, que são exemplos de cidades recon- struídas com os escombros produzidos durante a II Guerra Mundial (CABRERA et al., 1997), a sua reciclagem em grande escala tem encontrado algumas dificuldades para se organizar como atividade comercial e industrial. De fato, uma revisão da história mostra que é necessário tratar o RCD antes de utilizá-lo. Na Alemanha, por exemplo, foram considerados muito ruins os resultados obtidos quan� do foram utilizados na construção civil, sem nenhum tipo de tratamento, durante a II Guerra Mundial (BRESSI, 2003). Entre os principais problemas que dificultam a reciclagem de RCD, pode-se citar sua variabilidade de composição, a presença de contaminações e o preconceito pela sociedade com o material reciclado. 74

4.4 Variabilidade da composição de RCD A maioria das matérias-primas primárias de origem natural possui composição homogênea, conforme a natureza da jazida de ocorrência. Devido a esta homogenei� dade, é possível utilizá-la em processos de fabricação com operações relativamente simples. Com matérias-primas secundárias, entretanto, isto é completamente diferente, pois se tratam de produtos descartados, com composições complexas e cuja reutilização só é possível após tratamento (HENDRIKS, 2000). Do ponto de vista industrial, uma das principais dificuldades que se enfrenta para a pro� dução de blocos e argamassas com agre- gados reciclados de RCD é a sua elevada


heterogeneidade, que pode variar de acordo com o tipo ou etapa da obra, do país ou região, em função da diversidade de tecnologias construtivas utilizadas. Como ex� emplo, o gesso é fartamente en- contrado na construção americana e europeia e só recentemente vem sendo utilizado nos maiores centros urbanos brasileiros (PINTO, 1999). No Canadá, concreto, madeira e asfalto são os materiais mais encontrados em RCD, correspondendo a 71% deles (ACC, 2001). Em países já desenvolvidos, os resíduos de demolição são muito mais frequentes, enquanto no Brasil os dados são ainda escassos.

A Tabela 15 abaixo apresenta resultados da composição de RCD no Brasil e no estrangeiro, sendo predominantes os resíduos de concreto, argamassa e materiais cerâmi� cos. Tabela 15: Composição de RCD em diversos locais do Brasil e no estrangeiro, em %. Materiais

Holanda 1

Flandres 2

Salvador 3

São Carlos 4

Cerâmica

39

3,4

14

29

Madeira

17

Nd

Nd

Nd

Concreto

13

41

53

4

Argamassas

8

Nd

Tijolos/blocos

14

40

Nd

Nd

64

Outros

9

16

33

3

BRESSI (2003) considera que a variabilidade dos resíduos de construção e demolição é uma das principais razões pela qual não é possível seu uso sem tratamento, nem mesmo para aterros e sub-bases. Uma sub-base de pavimentos deve ser feita de um material com tamanho e curva granulométrica determinada para que ele proporcione máxima compactação. A heterogeneidade do material, tanto de composição como de tamanho dos grãos, e a descontinuidade no suprimento, tornam impossível o uso direto deste material pela inconstância de qualidade. De fato, também na usina Urbem de reciclagem de RCD foi possível observar a preocupação de alguns consumidores com relação à homoge� neidade dos produtos reciclados, principalmente da brita corrida, da areia e da brita. Isto mostra que desenvolver um processo de produção que garanta um produto com propriedades controladas é uma necessidade técnica e comercial.

BOSSINK; BROUWERS (1996) apud ANGULO (2000), para resíduos de novas construções. SIMONS, HENDERIECKX (1994). Região norte da Bélgica. 7 CARNEIRO (2000). 8 PINTO (1986). 5 6

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

De acordo com o resultado de pesquisas feitas com coletores de RCD em São Paulo, as reformas e ampliações são responsáveis por cerca de 52% das remoções efetivadas (PINTO, 1999). O SINDUSCON-SP (2005) afirma que cerca de 75% dos resíduos gerados pela construção nos municípios provêm de eventos informais (obras de construção, reformas e demolições, geralmente realizadas pelos própri- os usuários dos imóveis). As� sim, é importante que sejam feitos esforços para se captar de for- ma racional os resíduos gerados pelo setor informal.

75


4.5 Presença de contaminantes Independente da triagem feita no canteiro de obra ou na usina de reciclagem, os resíduos da construção civil sempre apresentarão diversas naturezas de materiais, inerentes ao próprio processo de construção ou de demolição. Entre estes materiais considerados contaminantes, os mais comuns são solo, madeira, vidro, plástico, papel, metais, gesso e asfalto. Estes contaminantes podem ser oriundos tanto da fase de uso da construção que lhes deram origem quanto do seu manuseio posterior, e podem afetar o ambiente e a qualidade técnica do produto contendo o material reciclado (JOHN; AGOPYAN, 2003). Também nos resíduos de demolição, principalmente de construções industriais, existe a possibilidade que outras categorias de resíduos que não se enquadrem como Classe A sejam reciclados, acidentalmente ou não (BRESSI, 2003). Como exemplo do efeito de alguns contaminantes, os sulfatos e outros sais solúveis em elevados teores podem causar expansão em argamassas devido à formação de etringi� ta pela sua reação com o C3A do cimento. O teor de sulfato aceito pelas normas atualmente varia bastante. Os cloretos podem causar corrosão em armaduras e acelerar a pega do cimento. No trabalho de CARNEIRO et al. (2000) os ensaios não mostraram presença de gesso e o nível de cloretos encontrados na fração graúda e miúda são similares àquelas encontradas no agregado natural de Salvador, que não requer procedimentos de lavagem. Outras contaminações menos encontradas, mas que não devem ser secundárias, principalmente no caso de demolições industriais, são os chamados resíduos perigosos defini� dos pela ACC (2001) como substâncias, materiais, mercadorias e produtos perigosos tais como os venenos, agentes corrosivos, substâncias inflamáveis, munições, explosivos, substâncias radioativas, metais pesados ou qualquer outro material que constitua risco à saúde e ao bem estar do público ou para o ambiente, se não manipulados adequada� mente. São também considerados resíduos perigosos o amianto, lâmpadas fluorescentes com vapor de mercúrio, pilhas contendo chumbo, ácido ou mercúrio e equipamentos de refrigeração contendo cloro-flúor-carbono (CFC).

76

Os resíduos perigosos exigem condições especiais de transporte e eliminação. Assim, antes de se efetuar obras de construção, reforma ou demolição, é necessário verificar a presença de materiais perigosos. Em resumo, podem ser citados os seguintes prob� lemas em concretos e argamassas devido à presença de contaminações: hidratação mais lenta do cimento (matéria orgânica), expansão devida à absorção de umidade (madeira) ou à formação de etringita (gesso), reação álcalisílica (vidros) e redução de resistência (argila, matéria orgânica) (HENDRIKS, 2000). Em relação à fração dos resíduos em que estes contaminantes aparecem, RUCH et al. (1997b) mostraram que a maior parte dos contaminante encontra-se nas frações abaixo de 8 mm. Essas contaminações, após separadas, devem ser removidas da usina ou do canteiro. Caso não exista alguém interessado nestes materiais residuais, esta remoção terá um custo extra. Se não houver um local apropriado para a deposição, o problema se agrava e o custo


de deposição final também. Assim, no caso das obras que fazem triagem no canteiro e, principalmente, das usinas que recebem RCD não triados, é necessário arranjar uma finalidade ou reciclagem para todos os resíduos oriundos das atividades de construção civil, de preferência, com o menor custo possível. 4.6 Recursos Humanos Uma proposta de quadro organizacional é apresentada no fluxograma a seguir (Ima� gem15). A quantidade de funcionários de triagem varia em função do grau de limpeza que o RCD chega na usina. Quando se recebe somente resíduos de concreto a quanti� dade de funcionários de triagem é menor. Nas usinas brasileiras ainda não é encontrado funcionário laboratorista.

Gerente de Produção (1) Técnico em Operações (1) Operador de Carregadeira (1)

Operador de Britagem (1)

Gerente Administrativo (1) Secretária (1)

Porteiro (1)

Vendas (1)

Segurança (2)

Contador (1)

Laboratorista (1)

Triagem (6) Imagem 15: recursos humanos utilizados na operação da usina de reciclagem de RCD

4.7 Operação A sequência a seguir indica as etapas básicas de reciclagem do RCD, normalmente en� contradas nas usinas brasileiras: 1) triagem primária; 2) despejo do RCD no alimentador vibratório; 3) britagem dos resíduos; 4) separação magnética/densidade de pedaços de metais possivelmente exis� tentes (metal doado para cooperativa); 5) triagem secundária; 6) peneiramento e classificação do material (areia, brita, pedrisco e rachão); 7) estocagem segregada dos produtos prontos para a venda (frota de entrega sob

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

Conselho

77


responsabilidade do cliente, ou terceirizada quando necessário). 4.8 Comercialização dos agregados reciclados A Tabela 16 a seguir exemplifica o mercado dos agregados reciclados. A Imagem 16 ilustra cada agregado reciclado produzido. Tabela 16: Exemplos de aplicação dos agregados Produto

Segmento

Brita corrida

Setor público, empresas de pavimentação

Areia

Construtoras e autoconstrutores: 0,05 m³/m² construído em argamassa de assenta� mento e contrapiso, mais perdas no processo. Setor público: passeios, praças, ma� nutenção de obras públicas em geral.

Pedrisco

Fábricas de artefatos de concreto: consumo próximo de 20 m³ de pedrisco misto por dia, por empresa de pequeno porte (3.000 blocos/dia). Empresas de pavimentação e saneamento. Setor público.

Brita

Construtoras e autoconstrutores: concretos não estruturais. Setor público: pavimen� tação e obras de manutenção em geral. Empresas de pavimentação e sanemento

Rachão

Setor público: pavimentação e sistemas de drenagem. Empresas de pavimentação e saneamento.

Areia

Pedrisco

Brita

Rachão

78

Imagem 16: Agregados reciclados

As usinas de reciclagem podem funcionar simplesmente produzindo e comercializan- do agregados reciclados ou produzindo componentes. A produção de agregados apenas é o caso da maioria das usinas brasileiras já que, em geral, essa atividade engloba um processo de produção mais simples, com menor custo de investimento e de produção, menor controle de qualidade do produto e, portanto, produzindo um material com menor custo e valor agregado.


Usinas desse tipo produzem agregados para uso mais simples, como base e sub-bases de pavimentos, para produção de argamassas de assentamento de alvenaria de vedação e de contrapisos ou, nos melhores casos, para concretos não estruturais, separados em frações granulométricas (graúdo e miúdo). A definição de qual agregado é a melhor al� ternativa em termos de retorno financeiro de- penderá de um estudo de mercado para cada região. As alternativas de aplicação e algumas particularidades dos diversos tipos de agregados reciclados estão descritas a seguir:

SIMONS; HENDERIECKX (1994) consideram a construção de pavimentos (Imagem 17) o primeiro mercado para os produtos reciclados. Se o uso desses produtos for admitido, a qualidade puder ser certificada e o preço for atrativo, um largo mer� cado estará criado. Na Holanda, a qualidade e preço favoráveis da brita corrida reciclada em com- paração à tradicional usada como material para base de es�

Imagem 17: Pavimento sendo executado com brita corrida reciclada cerâmica

tradas faz com que quase todo entulho britado seja vendido para a indústria de pavimentação (HENDRIKS, 2000). De fato, a utilização de brita corrida reciclada para bases e sub-bases é um merca� do interessante, uma vez que consome grande volume de material cerâmico reci� clado, é um produto competitivo economicamente em relação a outros do mer� cado para mesma finalidade, é de fácil produção e possui norma brasileira que o regulamenta, a NBR 15114/04. Entretanto, este produto possui uma desvantagem comercial grande, que é o fato de seu consumo, no Brasil, ainda ser dependente da administração pública, uma vez que é ela quem controla a maioria das obras de pavimentação no país. Sendo assim, o público consumidor fica muito limitado. Estimativas mercadológicas de ANGULO et al. (2002) apontam que o consumo deste tipo de agregado não é o suficiente para dar destino ao volume de resídu� os da construção civil brasileira. Em 2005, a usina Urbem forneceu brita corrida reciclada para pavimentação à Prefeitura de São Bernardo do Campo/SP (4.800

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

a)Brita corrida reciclada para pavimentos

79


m3), à Prefeitura de Mauá/SP (3.600 m3) e à obra do campus da Universidade de São Paulo na zona leste da capital paulista (cerca de 5000 m3). O consumo de brita corrida por parte da iniciativa privada, além de ser muito menor, é mais seletivo, uma vez que este setor possui preferência por brita corrida oriunda de resíduo de concreto e a quantidade disponível deste material para a reciclagem é mais limitada. b) Agregados reciclados não lavados para argamassas e concretos não estruturais

Acesso de obra

Reboco

Piso intertravado

Bloco de vedação

Imagem 18: Uso de agregados reciclados

A produção e emprego de areia reciclada para a produção de argamassas não estruturais pode ser uma alternativa factível e comercialmente atrativa para várias cidades brasileiras. O elevado custo da areia natural em algumas cidades, cau� sado principalmente pela dificuldade de sua obtenção (longas distâncias de trans� porte, alcançando até 150 km), abre espaço para a entrada da areia reciclada no mercado de agregado miúdo para a construção civil, como uma alternativa de se utilizar um material de qualidade compatível, porém de custo bem inferior.

80

Entretanto, a desvantagem da areia reciclada não lavada é seu número limitado de aplicações, principalmente se for de origem em RCD cerâmico. Seu uso para a produção de concretos estruturais, revestimentos de paredes, calçadas e, até mesmo, em contrapisos, muitas vezes dão como resultados perda de resistência mecânica, excesso de fissuração e aumento no consumo de cimento (ou queda de resistência para mesmo teor de cimento), causados pelo elevado teor de finos e de consumo de água. Prejuízos semelhantes de resistência foram observados em PEREZ (2005), apenas pela substituição da areia natural por reciclada de concreto da usina de Socorro/SP. Assim, exemplos típicos de potenciais aplicações desta areia são na produção de argamassas de assentamento, de enchimento de tubulações, cortinas ou outros usos secundários, onde ela teria a vantagem, além de seu menor custo, de não necessitar de adicionar cimento ou cal, conforme aplicação desejada, uma vez que seu teor de finos elevado pode conferir à massa trabalhabilidade e coesão mecânica suficientes para baixas resistências. Mas, o uso limitado deste produto, associado ao preconceito do consumidor com


relação à areia reciclada de RCD cerâmico limita a venda deste material. Quanto ao pedrisco, a usina Urbem, que o produzia somente a partir de RCD de concreto, conseguia comercializá-lo para fábricas de blocos de concreto para alvenaria de vedação sem muita dificuldade, que preferiam que o pedrisco reciclado já fosse entregue misturado com areia reciclada. Uma verificação dos blocos de vedação produzidos mostrou que, mesmo utilizando-se apenas RCD de concreto, a cor e a resistência dos blocos alterava levemente quando se utilizava areia reciclada na fabricação, mas sendo a diferença aceitável pelos fabricantes. A utilização de pedrisco e areia reciclados de RCD cerâmico para a fabricação de blocos mostrou-se inviável, mesmo em pequenas quantidades, devido à queda de resistência e rejeição por parte dos consumidores por causa da cor final dos blocos.

Imagem 19: Bloco de concreto estrutural

Outra possibilidade que existe é produzir agregados graúdos e miúdos para usos mais nobres como concreto estrutural, que pode ser conceituado como aquele de resistência característica à compressão de 15 MPa. Mas, no Brasil, até o presente ano, não são ainda encontradas usinas que comercializem agregados reciclados para este fim, uma vez que isto significa aumentar o controle de produção, fazendo com que o preço do agregado reciclado se aproxime do agregado natural, dificultando sua comercialização. Também na Holanda, apesar da parte técnica estar bem desenvolvida, o uso de agregado reciclado em concreto não tem sido largamente comercializado por problemas econômicos. A margem de lucro é menor do que para material de sub-bases porque o agregado reci- clado deve ser lavado e o resíduo da lavagem tem que ser removido, gerando custo. Além disso, existe a fração miúda do RCD que é produzida durante a britagem e que dificilmente é consumida para este fim (HENDRIKS, 2000).

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

c) Agregados reciclados para concreto estrutural

81


Em relação aos consumidores, o uso de agregado reciclado em concreto estru� tural tem as seguintes desvantagens (HENDRIKS, 2000): - o produto pode não atingir a qualidade desejada. O consumidor alega ser contaminado ou incapaz de atingir a resistência desejada; - o preço não é considerado favorável, tanto devido à lavagem como pelo uso de maior quantidade de cimento e controle; - os fabricantes de concreto não possuem lugar para armazenar vários tipos de agregado; - é necessário mais pesquisa e selo de qualidade/certificação para criar uma base firme e promover melhor o produto. Em 2004, usinas de grande porte foram visitadas na Alemanha e na Itália pela orientadora deste trabalho e lá também não é usual a comercialização de agregados para concretos estru� turais. A normalização alemã (DIN 4226-part 100) atual, inclusive, limita em 20% o teor de substituição de agregado naturais por agregados reciclados de concreto para concretos estruturais. Assim, o mercado de RCD para concretos terá que ser criado através de medidas externas, oferecendo maior margem de lucro para os fabri� cantes. Atualmente, na Holanda existe um mercado potencial de 4,3 milhões de toneladas de RCD para uso em concreto, mas são supridos somente 100.000 tone� ladas (HENDRIKS, 2000).

5. ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO E A MELHORIA DA RECICLAGEM DE RCD Para que a reciclagem do RCD no Brasil realmente atinja uma proporção compatível com a sua geração, é fundamental que sejam produzidos agregados reciclados com qualidade comprovada e que haja um maior envolvimento do setor público.

82

Para a obtenção de agregados reciclados de qualidade, alguns pontos devem ser ob- servados. Primeiro, é quase impossível produzir bons agregados reciclados se a matéria-prima, ou seja, o RCD, não apresentar qualidade suficiente para ser reciclado. E, a melhor forma de se obter isso é aumentando o número de construtoras que aplicam a técnica de triagem do RCD no canteiro de obras ou de demolidoras que adotam a técnica de demolição seletiva, uma vez que os resíduos de construção e demolição tornam-se mais homogêneos, com menos impurezas e mais fácil de serem reciclados se os processos de construção e de demolição pas- sarem por um planejamento prévio. Entretanto, deve-se ressaltar que algumas tecnologias construtivas dificultam ou simplesmente impedem a reciclagem de RCD, mesmo se forem utilizadas técnicas de demolição seletiva. Como exemplo, pode-se citar a aplicação de revestimento de ges� so sobre alvenarias ou o uso de poliestireno expandido em lajes. Segundo, é importante que os projetos de usinas de reciclagem evoluam, introduzindo equipamentos que ga� rantam uma maior limpeza e homogeneidade dos agregados. Sistemas de lavagem de baixo custo e o homogeneizador são ótimas opções para isso. Terceiro, é importante


que a usina comprove que seus produtos são de qualidade. Para isto, um controle tecnológico sistêmico dos produtos é fundamental e pode ser realizado pela própria usina ou por laboratórios terceirizados. Além disso, o enquadra� mento da usina em sistemas de qualidade, como ISO 9000 e ISO 14000, ou a obtenção de outros selos de quali- dade também auxiliará na transmissão de credibilidade aos consumidores, eliminando a ideia de que o material reciclado é de má qualidade. Quanto ao envolvimento do setor público, este deve ser de várias formas:

2) criando legislações ou outras formas de regulamentação que estimulem e protejam a reciclagem de RCD, como redução de ICMS dos produtos reciclados, isenção de IPTU para as áreas de reciclagem e ATT, proibição de aterro de resídu� os recicláveis, concessão do uso de áreas públicas para a instalação de usinas privadas de reciclagem; 3) dando preferência ao uso de agregados reci- clados em suas obras. Em Diadema, o Decreto Municipal no 5.984, de 26 de setembro de 2004 regulamenta, entre outros pontos, o uso obrigatório de agregados reciclados nas seguintes obras e serviços públicos: - execução de sistemas de drenagem urbana ou suas partes, em substituição aos agrega- dos convencionais utilizados a granel em las- tros, nivelamentos de fundos de vala, drenos ou massas; - execução de obras sem função estrutural como muros, passeios, contrapisos, en� chimentos, al- venarias, etc; - preparação de concreto sem função estrutural para a produção de artefatos como blocos de vedação, tijolos, meio-fio (guias), sarjetas, cana- letas, briquetes, mourões, placas de muro, etc.; - execução de revestimento primário (cascalhamento), ou camadas de reforço de subleito, sub-base e base de pavimentação em estacionamentos e vias públicas, em substituição aos agregados convencionais utilizados a granel. Como condicionantes deste Decreto para uso dos agregados reciclados, tem-se: - o uso obrigatório destes materiais dar-se-á tanto em obras contratadas como em obras executadas pela administração pública direta ou indireta; - poderão ser dispensadas desta exigência as obras de caráter emergencial ou contratadas com dispensa de licitação em períodos de calamidade; - haverá dispensa desta exigência no caso de inexistência de oferta de resíduos

OPERAÇÃO DE USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO

1) fiscalizando as construtoras quanto ao cumprimento da Resolução CONAMA 307/2002 e quando, for o caso, criando condições para que elas cumpram esta resolução;

83


reciclados por produtor instalado no município ou em raio inferior a 50 km do local da obra; - as dispensas descritas nos dois parágrafos anteriores deverão ser atestadas pelo dirigente do órgão municipal executante ou contratante e pelo órgão ambiental municipal; - a aquisição de materiais e a execução dos serviços com agregado reciclado serão feitas com obediência às normas técnicas NBR 15115/04 e NBR 15116/04 da ABNT; - as disposições deste artigo ficam condicionadas à existência de preços inferiores para os agregados reciclados, em relação aos agrega- dos naturais, e sujeitas aos termos da legislação que rege os contratos e licitações públicas; - o Departamento da Secretaria Municipal de Serviços e Obras, responsável pela licitação de obras públicas municipais, deverá incluir as disposições deste artigo nos editais referentes a estas obras; - para a execução dos serviços descritos anteriormente, poderão ser utilizados agregados reciclados produzidos em instalações públicas ou privadas, sendo obrigatória, em ambos os casos, a observância das normas técnicas da ABNT. Como exemplo de uso preferencial de agregado reciclado, exigido em edital, o melhor talvez seja a obra do campus zona leste da Universidade de São Paulo. De fato, mui� tos outros exemplos de usos de materiais reciclados e de iniciativas públicas e privadas ainda estão por vir, à medida que a tecnologia for sendo difundida e novas aplicações forem surgindo, pois no que se trata de reciclagem de RCD no Brasil, tudo isso é apenas o começo.

84


86

Usina de Reciclagem de Etulho - URE de Hortol창nfia / SP


BIBLIOGRAFIA


ACQUAVIVA, M.C. Vandemecum do código do consumi� dor. Ed. Jurídica Brasileira, 1230p. São Paulo, 1998. AGUIAR, G. Estudo de argamassas com agregados reci� clados contaminados por gesso de construção. São Pau� lo, 2004. 201p. Dissertação (Mestrado) - Escola Politécni� ca, Universidade de São Paulo. ALMEIDA, A.C. Como são feitas as pesquisas eleitorais e de opinião. FGV Editora. Rio de Janeiro. 2002, 196 p. ANGULO, S. C. et al. Desenvolvimento de novos merca� dos para a reciclagem massiva de RCD. In: Seminário de Desenvolvimen- to sustentável e a reciclagem na con� strução civil, 5, 2002, São Paulo. Anais: São Paulo: IBRAC� ON/IPEN. 2002a. p. 293-307. ANGULO, S.C. Variabilidade de agregados graúdos de resíduos de construção e demolição reciclados. São Pau� lo, 2000. 155p. Dissertação (Mestrado) - Escola Politécni� ca, Universidade de São Paulo. ANGULO, S.C.; ULSEN, C.; CARRIJO, P.M.; SILVA, R.M. JOHN, V.M.; KAHN, H. Characterization of Brazilian con� struction and demolition waste coarse recycled aggre� gate, v1, Spain, 2004. Proceedings. Spain, RILEM Publica� tions S.A.R.L, 2004. p. 87- 96 (RILEM Proceedings PRO 40). ACC - ASSOCIATION CANADIENNE DE LA CONSTRUCTION. Guide des meilleures pratiques en matière de ré� duction des déchets solides. Document normalisé de con� struction – 81. 2001. BAGLIONI, A.; BONECCHI, M. Building design and recycle. In: INTERNATIONAL CONFERENCE, 2., Paris, 1997. Proceedings, Paris, CSTB, 1997. v.1, p.699-704. BOILEAU, H.; LACHAMBRE, V.; ACHARD, G. Waste on new building construction sites: existing situation and proposals for a better management. In: INTERNATIONAL CONFER� ENCE, 2., Paris, 1997. Proceedings. Paris, CSTB, 1997. v.1, p.717-24. BRESSI, G. Recycling of construction and demolition waste: te Italian Technology. Milano, Italy. Tecnitalia Consultants, Via Vi- goni 5, 20122 (Member of the working group of the EU on the construction and demolition waste). BRITO FILHO, J. A. Cidades versus entulhos. In: SEMINÁRIO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A RECICLAGEM NA CONSTRUÇÃO CIVIL, 2., São Paulo, 1999. Anais. São Paulo, IBRACON, 1999. p.56-67. CABRERA, J.L.A. Morteros de albañilería com escombros de demolición. Materiales de Construcción, v.47, n.246, p.43-8, abr/jun, 1997. CALDERONI, S. Os Bilhões Perdidos no Lixo. 2.ed. São Pau� lo. Humanitas. Editora/FFLCH/USP, 1998. CARNEIRO, A.P. et al. Characterization of C&D waste and pro- cessed debris aiming the production of construction materials. In: CIB SYMPOSIUM ON CONSTRUCTION AND EN� VIRON- MENT – THEORY INTO PRACTICE, São Paulo, 2000. Anais. São Paulo. EPUSP, 2000. CHAVES, A.P. Teoria e Prática de Tratamento de Minérios. 2.ed., São Paulo: Editora Signus, 2002, v.1. CHAVES, A.P. Teoria e Prática de Tratamento de Minérios. 1.ed., São Paulo: Editora Signus, 1996, v.2. CHAVES, A.P.; PERES, A.E.C. Teoria e Prática de Tratamento de Minérios - britagem, peneiramento e moagem. 1.ed., São Paulo: Editora Signus, 1999, v.3. CHUNG, S.L.; CARLOS, W.H. Evaluation sustainability in waste management: the case of construction and dem� olition, chemical and clinical wastes in Hong Kong. Re� sources, Conservation and Recycling, n. 37, 2003. COSTA, N.A.A. da; COSTA JR., N.C.A. da; DETONI, M.M.L; SE- LIG, P.M.; ROCHA, J.C. A reciclagem de resíduo de construção e demolição: uma aplicação da análise

multivariada. In: I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTE- NTÁVEL. X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO. São Paulo. 2004. Anais. São Paulo. ANTAC. 2004. D´ALMEIDA, M.L.O.; VILHENA, A. Lixo municipal – manual de gerenciamento integrado. 2.ed., São Paulo: IPT – CE� MPRE (Compromisso Empresarial para Reciclagem), 2000, 370p (Pub- licação IPT 2622). FAÇO - Fábrica de Aço Paulista S. A. Crushing handbook . 2. ed., 1986. FAÇO – Fábrica de Aço Paulista S. A. Manual de brita� gem. 1994. FERREIRA, F. M. Otimização do projeto de pátios de ho� mogeneização através do método da simulação condi� cional. São Paulo, 1989. 129p. Dissertação (Mestrado) - Es� cola Politécnica, Universidade de São Paulo. FREEMAN, L. A.; HARDER, M. K. Environmental impact of transportation during the transfer and disposal of con� struction and demolition waste to landfill. In: INTERNA� TIONAL CONFER- ENCE, 2., Paris, 1997. Proceedings, Paris, CSTB, 1997. v.1, p.707-715. HENDRIKS, C. F. The building cycle. Anaeas. 2000. 1HENDRIKS, C. F.; JANSSEN, G.M.T. Application of construc� tion and demolition waste. Heron, v. 46, n.2, p. 95-108, 2001 (publicado pela TNO Building and Construction Re� searchrijswijk e Netherlands School for Advanced Studies in Construction). 2HENDRIKS, C. F.; JANSSEN, G.M.T. Reuse of construction and demolition waste in the netherlands for road con� structions. Heron, v. 46, n.2, p. 109-117, 2001 (publicado pela TNO Building and Construction Researchrijswijk e Netherlands School for Ad- vanced Studies in Construc� tion). 3HENDRIKS, C. F.; JANSSEN, G.M.T. Testing regulations and procedures for environmental auditing of recycled aggre� gates. Heron, v.46, n.2, 2001 (publicado pela TNO Building and Con- struction Researchrijswijk e Netherlands School for Advanced Studies in Construction). HINGSTON, P. Como abrir e administrar seu próprio negócio. São Paulo: Publifolha, 2001, 192p. JOHN, V.M.; AGOPYAN, V. In: SEMINÁRIO - RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES. Disponível em: <http://www.reciclagem.pcc.usp.br/ftp/CETESB.pdf>. Acesso em dezembro 2003. KASAI, Y. Guidelines and the present state of the reuse of demolished concrete in Japan. In: INTERNATIONAL RILEM SYM- POSIUM ON DEMOLITION AND REUSE OF CONCRETE AND MASONRY, 3., Odense, 1993. Proceedings. London, E & FN Spon, 1994. p.93-102. (RILEM Proceedings, 23). KIBERT, C.J. Concrete/masonry recycling progress in the USA. In: INTERNATIONAL RILEM SYMPOSIUM ON DEMO� LITION AND REUSE OF CONCRETE AND MASONRY, 3., Odense, 1993. Proceedings. London, E & FN Spon, 1994. p.83-92. (RILEM Proceedings, 23). KIBERT, C. J.; LANGUELL, J. L. Implementing deconstruction in Florida: materials reuse issues, disassembly techniques, economics and policy. Florida center for solid and haz� ardous waste management. Disponível em: <http://www. floridacenter.org/pub- lications/kibert.pdf>. Acesso em maio 2000. KOEN, VAN D.; BOEDIANTO, P.; DORSTHORST, B.J.H. Te; tKOWALCZYK, T. Strategy for reuse of construction and demolition waste role of authorities. Heron, v.46, n.2, p. 8994, 2001 (publicado pela TNO Building and Construction Researchrijswijk e Netherlands School for Advanced Stud� ies in Construction). LANGUELL, J.L. Development of a prototype assessment


tool to evaluate the potencial to successfully implement deconstruc- tion as a regional waste reduction strategy. Florida, 2001. Tese (Doutorado) - Department and Coastal Engineering, University of Florida. LAURITZEN, E.K.; HANSEN, T. Recycling of construction and demolition waste 1986 – 1995. Denmark: Ministry of Envi� ron- ment and Energy, 1997. LICHTENSTEIN, N.B. Patologia das construções: proce� di- mento para formulação do diagnóstico de falhas e definição de conduta adequada à recuperação de edi� ficações. São Paulo, 1985. 191p. Dissertação (Mestrado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. LUZ, A.B. da; POSSA, M.V.; ALMEIDA, S.L. Tratamento de minérios. 2.ed. Rio de Janeiro: CETEM – Centro de tecno� logia mineral e CNPq., 1998, 676 p. FURLAN LTDA. Catálogo on line. Disponível em: <http:// www. furlan.com.br>. Acesso em março de 2003. MARTINS NETO, A.A.A.; DJANIKIAN, J.G. Aspectos de de� sem- penho da argamassa dosada em central. 1999 (Bo� letim técnico PCC n. 235). MEHUS, J.; PETKOVIC, G.; ENGELSEN, C.J.; KARLSEN, J.; LILLESTOL, B. Recycled aggregates a viable alternative for the Norwegian building and construction industry. In: SUS� TAINABLE BUILDING, 2002. Oslo. Proceedings. Oslo. 2002. MIRANDA, L.F.R. Estudo de fatores que influem na fissur� ação de revestimentos de argamassa com entulho reci� clado. São Paulo, 2000. 172p. Dissertação (Mestrado) - Es� cola Politécnica, Universidade de São Paulo. MIRANDA, L.F.R.; SELMO, S.M.S. CDW recycled aggregate renderings: Part II - effect of thermal shock on the cracking and bond tensile strength of renderings. Construction and Building Materials, 2005 (no prelo). MOMBER, A.W. The fragmentation of cementitious com� posites in a jaw breaker. Theoretical and applied fracture mechanics, Elsevier. 38, p.151-164. 2002. e São Paulo. PAOLINI, M.; KHURANA, R. Admixtures for recycling of waste concrete. Cement and concrete composites, Else� vier. 20. p.221- 229.1998. PEREZ, D. D. Estudo sobre a influência da variabilidade do agregado miúdo reciclado em concretos de média resistência. São Paulo, 2005. Relatório Final de Iniciação Científica FAPESP – Departamento de Engenharia de Construção Civil e Urbana, Escola Politécnica, Universi� dade de São Paulo. PINTO, T.P.P. Utilização de resíduos de construção. Estudo do uso em argamassas. São Carlos, 1986. 137p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenha� ria de São Carlos, Universidade de São Paulo. PINTO, T.P.P. Metodologia para a gestão diferenciada de resíduos sólidos da construção urbana. São Paulo, 1999. 189p. Tese (Doutorado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Reciclagem de entulho da construção civil. Disponível em: <http://www.pbh.gov. br/lim- peza-urbana/reciclaent.htm>. Acesso em março 2003. PUT, J. Recycling of CDW: success factors. In: WORKSHOP RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E AS NORMAS TÉCNICAS PARA SUA UTILIZAÇÃO, São Paulo. Anais. São Paulo, SINDUSCON, 2001. aRUCH, M.; SCHULTMANN, F.; SINDT, V.; RENTZ, O. Selective dismantling of buildings: state of the art and new de� velop- ments in Europe. In: INTERNATIONAL CONFERENCE, 2., Paris, 1997. Proceedings. Paris, CSTB, 1997. v.1, p. 43340. bRUCH, M.; SCHULTMANN, F.; SINDT, V.; RENTZ, O. Strategies for the quality improvement of recycling materials. In: IN- TERNATIONAL CONFERENCE, 2., Paris, 1997. Proceed�

ings, Paris, CSTB, 1997. v.1, p. 611-18. SCHOFIELD, C.G. Homogenization / blending systems de� sign and control for minerals processing: with fortran pro� grams. Clausthal-Zellerfeld: Trans Tech, 1980, 321p. SCHULZ, R. The processing of building rubble as concrete ag- gregate in Germany. In: INTERNATIONAL RILEM SYM� POSIUM ON DEMOLITION AND REUSE OF CONCRETE AND MASON- RY, 3., Odense, 1993. Proceedings. London, E & FN Spon, 1994. p. 105-116 (RILEM Proceedings, 23). SEELE, J.; GREVEN, H.; SELMO, S. M. S. Umidade ascen� dente em paredes – panorama sobre o diagnostico e as soluções de reparo. 2004. 15 p. São Paulo, 2004. No prelo. SELMO, S.M.S. Prevenção de patologia em revestimentos externos de argamassa dos edifícios: a importância dos serviços de manutenção. IN: SIMPÓSIO SOBRE PATOLO� GIA DAS EDIFICAÇÕES: PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO, Porto Alegre, 1989. Anais. Porto Alegre, UFRGS, 1989. p.195-212. SHIROMA, C. S. Estudo da influência da cura nas proprie� dades de argamassas de assentamento com areias re� cicladas contam- inadas com gesso de construção. São Paulo, 2005. Relatório Final de Iniciação Científica FAPESP – Departamento de Engenharia de Construção Civil e Ur� bana, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. SIMONS, B.P.; HENDERIECKX, F. Guidelines for demolition with respect to the reuse of building materials: guidelines and experiences in Belgium. In: INTERNATIONAL RILEM SYMPO- SIUM ON DEMOLITION AND REUSE OF CONCRETE AND MASONRY, 3., Odense, 1993. Proceedings. London, E & FN Spon, 1994. p.25-34. (RILEM Proceedings, 23). SINDUSCON-SP. Gestão Ambiental de Resíduos da Con� strução Civil - A experiência do SindusCon-SP. São Paulo, 2005. Disponível em: <http://www.sindusconsp.com.br>. Acesso em junho 2005. SOUZA, U. E. L. de; FRANCO, L.S. Subsídios para a opção entre: elevador ou grua, andaime fachadeiro ou bal� ancim, argamassa industrializada ou produzida em obra. São Paulo, EPUSP, 1997 (Boletim Técnico 176). ULSEN, C.; KAHN, H. Caracterização de resíduos de construção e demolição: estudos de separabilidade. Relatório par- cial FAPESP Nº 02/00849-1. Setembro, 2002. 41p. WEIMANN, K.; MÜLLER, A. Properties of building materi� als gained from wet-processed crushed concrete fines, v1, Spain, 2004. Proceedings. Spain, RILEM Publications S.A.R.L, 2004. p. 133-141. (RILEM Proceedings PRO 40). WILBURN, D.R.; GOONAN, T.G. Aggregates from natural and recycled sources: economic assessments for con� struction applications – a material flow analysis. Washing� ton, D. C.: U.S. Geological Survey, Circular 1176, 1998. WRIGHT et al. Administração estratégica: conceitos. São Paulo: Atlas, 2000.


RASCUNHO


RASCUNHO


Desenvolvido por

patrocinio

,

realizacao ,

apoio


Cartilha Curso RCD 5ed