Page 1

p o r t f รณ l i o arquitetura

AMANDA BERNACCI 2 0 1 5 . 2 0 1 8


Amanda Victรณrio Bernacci

amanda.bernacci@gmail.com + 55 11 98943-0464 Sรฃo Paulo, Brasil 19/12/1995 (23 anos)


for m a ç ão

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FAUUSP Graduanda em arquitetura e urbanismo, ingresso em 2015 ETECAP - CAMPINAS Ensino médio 2011 - 2013

At i v ida des

INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM BOLSA PUB 2017 2018 Caderno de Habitação Coletiva e Espaço Urbano em São Paulo os edifícios de autoria de Abelardo de Souza no Conjunto Ana Rosa CURSO CURA 2017 Curso de representação arquitetônica usando indesign, photoshop, sketch up e vray. ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA ACADÊMICA FAUUSP 2016 Tesoureira, responsável pela organiçaão financeira da entidade. PROGRAMA APRENDER COM CULTURA E EXTENSÃO 2015 - 2016 Intervenção Cromática nos muros da Cidade Universitária - USP

idio m as

INGLÊS - Avançado PORTUGUÊS - Nativo

sof t wa r es

AUTOCAD SKETCH UP VRAY

PHOTOSHOP INDESIGN ILLUSTRATOR

REVIT OFFICE QGIS


SP PERIFÉRICA

01 02

Sala de uso comunitário, espaço de estar e lazer para a comunidade. Localização: Cratera Colônia 2018

unidade de saÚde mÓvel Arquitetura modular temporária Localização: variada 2017

CASA DE CULTURA EM PIRITUBA

03 04

Espaço destinado a coletivos do bairro para produção de cultura. Localização:Pirituba 2018

ESTÚDIO 96 Habitação coletiva de caráter social - HIS. Localização: Jardim Helena 2017


[1]> vista interna da sala de artes


SP PERIFÉRICA

OPTATIVA DE JULHO - FAUUSP prof: Angelo Bucci prof: Alexandre Delijaicov

O projeto se localiza no extremo sul de São Paulo junto a comunidade que se desenvolveu no interior da cratera, hoje conhecida como Cratera Colônia. A comunidade se originou a partir da presenca de um presídio, ali construido na década de 1980. Por ser um assentamento não regularizado a ocupacão se deu de forma agressiva sobre a Mata Atlantica que havia ali. No intuito de controlar a expansão desenfreada sobre a mata que ainda resta o projeto se insere na borda da ocupacão, delimitando assim o limite de expansão urbana. O programa é composto por três salas (sala de artes, leitura e um auditório) que funcionam no contraturno das escolas da região. O intuito foi criar lugares de cultura, ensino e abrigo para criancas, jovens e adultos promovendo assim o encontro entre a comunidade.


[2]> localização cratera Colônia

[3]> local de intervenção

[4]> planta de implantação do projeto. escala 1:200


[5]> vista interna da sala de leitura


[6]> corte longitudinal com perspectivas explodidas das trĂŞs salas


[7]> perspectiva de situação: inserção dos módulos


UNIDA DE DE SAÚDE ARQUITETURA E INDÚSTRIA - FAUUSP Com: Eric Chu, Lucca Donaire Maia, Matheus Soares Alves, Victor Henrique Fidelis

O projeto foi concebido no intuito de complementar o sistema público de saúde, que possui uma demanda de atendimento superior a suportável, baseado no programa proposto pelo governo federal, direcionada as áreas centrais de São Paulo, região favorecida de infraestrutura de mobilidade e redes de saneamento básico. Planejada para funcionar nas 48hrs dos sábados e domingos e sendo nômade dentro de um raio preestabelecido a cada fim de semana, o projeto toma como partido o uso de calderaria leve, de encaixes parafusados e planos móveis que permitem o rearranjo dos espaços internos conforme a necessidade do usuário. Na configuração apresentada, o sistema atende um número máximo de 76 pacientes por dia, considerando um tempo máximo de consulta de 30 minutos. É proposto ainda que o local abrigue residentes de medicina e enfermagem, sendo, assim um espaço de formação pessoasl e conhecimento prático.


7. COPA

PLANTA DOS MÓDULOS ESC. 1:50

AUP 448 ARQUITETURA E INDÚSTRIA AUP 448 ARQUITETURA E INDÚSTRIA AUP 448 ARQUITETURA E INDÚSTRIA AUP AUP 448 AUP 448 ARQUITETURA 448 ARQUITETURA ARQUITETURA E INDÚSTRIA E INDÚSTRIA E INDÚSTRIA ARQUITETURA MODULAR TEMPORÁRIA ARQUITETURA MODULAR TEMPORÁRIA ARQUITETURA MODULAR TEMPORÁRIA ARQUITETURA ARQUITETURA ARQUITETURA MODULAR MODULAR MODULAR TEMPORÁRIA TEMPORÁRIA TEMPORÁRIA UNIDADE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE UNIDADE DE DE SAÚDE UNIDADE UNIDADE UNIDADE DE SAÚDE DE SAÚDE DE SAÚDE

6

AMANDA BERNACCI ERIC |CHU MATHEUS SOARES | VICTOR FIDELIS AMANDA | SOARES ERIC CHU |VICTOR LUCCA MAIA | MATHEUS VICTOR FIDELIS AMANDA BERNACCI | BERNACCI ERIC |CHU ||CHU LUCCA MAIA |MAIA AMANDA AMANDA AMANDA BERNACCI ERIC BERNACCI |LUCCA ERIC| BERNACCI CHU LUCCA |MATHEUS ERIC | |MAIA LUCCA CHU | MAIA |MATHEUS LUCCA || MATHEUS MAIA SOARES |FIDELIS MATHEUS SOARES | VICTOR | SOARES VICTOR FIDELIS SOARES FIDELIS | VICTOR| FIDELIS

CORTE BB' ESC.1:50 CORTE BB' ESC.1:50 CORTE BB' CORTE ESC.1:50 CORTE BB' ESC.1:50 BB' CORTE ESC.1:50 BB' ESC.1:50

A'

A'

A'

A' 2

2 3 2 3 23

23 4

2 3

34

4

4

1,20

5

4

B' 1.RECEPÇÃO B' 1.RECEPÇÃO B' 1.RECEPÇÃO 1.RECEPÇÃO 1.RECEPÇÃO 1.RECEPÇÃO

configuração o apresentada, sistema um número Na configuração apresentada, o um sistema um número Na Na configuração apresentada, o sistema um número Na configuração Na configuração Naapresentada, configuração apresentada, apresentada, o atende sistema o atende sistema atende o sistema atende atende número um atende número um número máximo de 76 pacientes por dia, considerando tempo máximo de 76 pacientes por dia, considerando um tempo máximo de máximo 76 de pacientes porpacientes dia,por considerando um um tempo máximo máximo 76 de 76 pacientes de 76 pacientes por dia, dia, considerando por considerando dia, considerando um tempo um tempo um tempo máximo de consulta de 30 minutos. Éminutos. proposto ainda que oproposto local máximo de 30 minutos. É que o local máximo de consulta dede30 minutos. Éconsulta proposto ainda que o ainda local máximo máximo de máximo consulta consulta de de consulta 30 de minutos. 30 de 30 Édeproposto minutos. É proposto Éainda proposto oainda que local oainda que localoque local abrigue resindentes de medicina e de enfermagem, portanto, abrigue resindentes dee medicina e enfermagem, sendo, portanto, abrigue resindentes deresindentes medicina e enfermagem, sendo, portanto, abrigue abrigue resindentes abrigue resindentes de medicina de medicina e medicina enfermagem, enfermagem, esendo, enfermagem, sendo, sendo, portanto, sendo, portanto, portanto, espaço formação pessoal epessoal de conhecimento um espaço dede formação pessoal deprático. conhecimento prático. um um espaço de formação eformação conhecimento prático. um espaço um de espaço umde espaço formação depessoal formação de pessoal e pessoal de e conhecimento de econhecimento deeprático. conhecimento prático.prático.

5

5

5

6 5

6 5 6

56 7

B'

B'

7 6 7

5. BANHEIRO 5. BANHEIRO ACESSÍVEL 5. BANHEIRO 5. ACESSÍVEL BANHEIRO 5.ACESSÍVEL BANHEIRO ACESSÍVEL 5. BANHEIRO ACESSÍVEL ACESSÍVEL 6. VESTIÁRIO 6. VESTIÁRIO 6. VESTIÁRIO 6. VESTIÁRIO 6. VESTIÁRIO 6. VESTIÁRIO 7. COPA 7. COPA 7. COPA 7. COPA 7. COPA7. COPA

2.DEPÓSITO DE LIXO 2.DEPÓSITO 2.DEPÓSITO DE LIXO 2.DEPÓSITO 2.DEPÓSITO DE 2.DEPÓSITO LIXODE LIXO DE LIXO DE LIXO 3.ESTERILIZAÇÃO E ESTOCAGEM 3.ESTERILIZAÇÃO E ESTOCAGEM 3.ESTERILIZAÇÃO E3.ESTERILIZAÇÃO ESTOCAGEM 3.ESTERILIZAÇÃO 3.ESTERILIZAÇÃO E ESTOCAGEM E ESTOCAGEM E ESTOCAGEM 4.DEPÓSITO GERALGERAL 4.DEPÓSITO 4.DEPÓSITO GERAL4.DEPÓSITO 4.DEPÓSITO 4.DEPÓSITO GERAL GERAL GERAL

B'

67

7

7

8

8

8

88

8

88

8

8

1,20

A'

A'

1,20

1

1,20

1,20

1

1,20 1,20

1,20

1

3,60

3,60

1,20

1

3,60

1,20

1

3,60 3,60 3,60

1,20

A

3,60 3,60

3,60

1,20

1

3,60

1,20

A

2,40

A

3,60

1,201,20 1,20 1,20 1,201,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,201,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,201,20 1,20 1,20 1,20

2,40

A

2,40

A

B

2,40

A

B

2,40

Planejada para funcionar nas 48 horas dos sábados esábados domingos Planejada para nas 48 horas dos sábados e domingos Planejada paraPlanejada funcionar nas 48 horas dosfuncionar sábados edos domingos Planejada para Planejada para funcionar funcionar para nas funcionar 48 nas horas 48 nas horas dos 48 sábados horas dos e domingos sábados e domingos e domingos e sendo nômade de um raio preestabelecido, com rodizio sendo deraio um preestabelecido, raio preestabelecido, com e sendo dentro deedentro um raio preestabelecido, com rodizio de enômade sendo e sendo nômade e dentro sendo nômade nômade dentro denômade um dentro deraio umdentro de preestabelecido, raioumpreestabelecido, com rodizio comderodizio com de rodizio de rodizio de de endereço a cada final de semana, osemana, projeto toma como partido uso endereço cada de semana, o projeto toma como endereço a cada final de o ade projeto toma como ocomo usoo partido endereço endereço a endereço cada a semana, cada final ade final cada semana, final de ofinal projeto semana, o projeto toma opartido projeto toma como partido toma como o uso partido o usopartido o uso o uso da caldeiraria leve, de encaixes parafusados e planos móveis que da caldeiraria leve, de encaixes parafusados e planos da caldeiraria leve, de leve, encaixes parafusados eparafusados planosparafusados que da caldeiraria da caldeiraria da caldeiraria leve, de encaixes de leve, encaixes deparafusados encaixes emóveis planos e planos móveis e planos móveis que móveis que móveis que que permitem o rearranjo dos espaços internos conforme a necessidade permitem o rearranjo dos espaços internos a necessidade permitem o rearranjo dos espaços internos conforme a internos necessidade permitem permitem o permitem rearranjo o rearranjo odos rearranjo espaços dos espaços dos internos espaços internos conforme conforme a conforme necessidade a conforme necessidade a necessidade do usuário, de permitir fácil montagem e transporte, dando do além de fácil montagem e dando transporte, do usuário, além dedo permitir fácil montagem epermitir transporte, do usuário, do além usuário, além usuário, além deusuário, permitir de além permitir de fácil permitir fácil montagem montagem fácil emontagem transporte, edando transporte, e dando transporte, dandodando efemeridade à arquitetura - traço primordial ao - nosso entendimeto. efemeridade à - arquitetura traço primordial ao nosso entendimeto. efemeridade àefemeridade arquitetura -à traço ao- primordial nosso entendimeto. efemeridade efemeridade à arquitetura arquitetura àprimordial - arquitetura traço traço primordial traço ao primordial nosso ao nosso entendimeto. ao nosso entendimeto. entendimeto.

B

B

1,20

3,60 1,20

B

B

2,40

Tendo em Tendo perspectiva complementar o sistema público saúde, quesaúde, Tendo emocomplementar perspectiva complementar oque sistema público Tendo emTendo perspectiva complementar sistema depúblico saúde, em perspectiva em Tendo perspectiva em complementar perspectiva complementar opúblico sistema o sistema ode sistema público de saúde, público de que de saúde, quede saúde, que que possui umapossui demanda de atendimento superior àquela suportável, projetamos possui uma demanda desuperior atendimento superior àquela suportável, projetamos possui umapossui demanda de atendimento superior àquela suportável, projetamos uma demanda uma possui demanda uma de demanda atendimento de atendimento de superior atendimento àquela superior àquela suportável, suportável, àquela projetamos suportável, projetamos projetamos unidade baseando-se nobásica, programa proposto pelo governo uma unidade baseando-se no programa pelo governo uma uma unidade básica, baseando-se no programa proposto pelo governo uma unidade umabásica, unidade uma básica, unidade básica, baseando-se básica, baseando-se baseando-se no programa no programa noproposto programa proposto pelo proposto governo peloproposto governo pelo governo federal, direcionada às áreas centrais de São Paulo, região favorecida de direcionada áreas centrais São região federal, direcionada àsfederal, áreasfederal, centrais de São Paulo, região favorecida de Paulo, federal, federal, direcionada direcionada direcionada às áreas às áreas centrais àscentrais áreas deàsSão centrais dePaulo, São de Paulo, região Sãode região Paulo, favorecida favorecida regiãode favorecida defavorecida de de infraestrutura de mobilidade urbana e redes de saneamento básico ede elétrica. infraestrutura de mobilidade urbana ede saneamento básico e elétrica. infraestrutura deinfraestrutura mobilidade urbana ede redes de eredes elétrica. infraestrutura infraestrutura de mobilidade de mobilidade urbana mobilidade urbana esaneamento redes urbana e redes de saneamento de ebásico redes saneamento básico saneamento básico e elétrica. ebásico elétrica. e elétrica.

1,20

CORTE AA' CORTE ESC. 1:50 CORTE AA'1:50 ESC. 1:50 CORTE AA'CORTE ESC. 1:50 AA' ESC. AA' CORTE 1:50 ESC. AA' 1:50 ESC.

4

4

8

8

8. CONSULTÓRIO 8. CONSULTÓRIO 8. CONSULTÓRIO 8. CONSULTÓRIO 8. CONSULTÓRIO 8. CONSULTÓRIO

PLANTA DOS MÓDULOS ESC. 1:50 PLANTA DOS MÓDULOS ESC. 1:50 PLANTA DOS MÓDULOS ESC.MÓDULOS 1:50 PLANTA PLANTA DOS MÓDULOS PLANTA DOS DOSESC. MÓDULOS 1:50 ESC. 1:50 ESC. 1:50

3

6

6

6

6

6

6

5

5

5

5

5

5

4

4

4

4

4

4

IMPLANTAÇÃO LARGO DAIMPLANTAÇÃO BATATA LARGO DA BATATA IMPLANTAÇÃO LARGO DA BATATA IMPLANTAÇÃO IMPLANTAÇÃO IMPLANTAÇÃO LARGO LARGO DA BATATA DA LARGO BATATA DA BATATA

2 3

3

3

3

3

3

2

2

2

2

2

2

1

1

1

1

1

1

1

IMPLANTAÇÃO PRAÇA DA IMPLANTAÇÃO REPÚBLICA PRAÇA DA REPÚBLICA IMPLANTAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA IMPLANTAÇÃO IMPLANTAÇÃO IMPLANTAÇÃO PRAÇA PRAÇA DA REPÚBLICA DA PRAÇA REPÚBLICA DA REPÚBLICA

[8]> perspectiva explodida do módulo

DETALHE 2: DETALHE VIGA-VIGA/VIGA-PILAR DETALHE 3: DETALHE PAINEL WALL-VIGA DETALHE 4: DETALHE PAINEL GRP-TRILHO/VIGA DETALHE 5 -DETALHE PILAR-PÓRTICO DETALHE 6 -DETALHE COBERTURA DETALHE 1: DETALHE ENCAIXE SAPATA DETALHE 2: VIGA-VIGA/VIGA-PILAR DETALHE 3: PAINEL WALL-VIGA DETALHE 4: PAINEL GRP-TRILHO/VIGA DETALHE 5 - PILAR-PÓRTICO DETALHE 6 - COBERTURA DETALHE 1: ENCAIXE SAPATA DETALHE 2:DETALHE VIGA-VIGA/VIGA-PILAR DETALHE 3:DETALHE PAINEL WALL-VIGA DETALHE 4:DETALHE PAINEL GRP-TRILHO/VIGA DETALHE 5 DETALHE - PILAR-PÓRTICO DETALHE 6 DETALHE - COBERTURA DETALHE 1:DETALHE ENCAIXE 2: VIGA-VIGA/VIGA-PILAR DETALHE 2: VIGA-VIGA/VIGA-PILAR 2: VIGA-VIGA/VIGA-PILAR 3: PAINEL DETALHE 3: PAINEL WALL-VIGA 3:WALL-VIGA PAINEL WALL-VIGA 4: PAINEL DETALHE 4: PAINEL GRP-TRILHO/VIGA 4:GRP-TRILHO/VIGA PAINEL GRP-TRILHO/VIGA 5 - PILAR-PÓRTICO DETALHE 5 - PILAR-PÓRTICO 5 - PILAR-PÓRTICO 6 - COBERTURA DETALHE 6 - COBERTURA 6 - COBERTURA 1:SAPATA ENCAIXE DETALHE 1: ENCAIXE SAPATA 1: ENCAIXE SAPATA SAPATA


[9]> corte perspectivado do mรณdulo de consultรณrio


[10]> planta da recepção

[11]> planta do consultório

[14]> perspectiva externa dos módulos

[12]> planta do banheiro, copa e vestiário

[13]> planta dos depósitos e área de esterilização


[15]> maquete física do projeto, evidenciando estrutura e vedações

[16]> maquete física do projeto, evidenciando estrutura e vedações

[17]> maquete física do projeto, evidenciando as vedações

[18]> maquete em corte

[19]> maquete de detalhamentos da sapata

[20]> maquete de detalhamentos das vigas


[21]> perspectiva de situação: inserção dos módulos


[22]> perspectiva de situação


Cas a de cu ltu r a

PROJETO IV - FAUUSP prof: Luciano Margotto

O projeto localiza-se no distrito de Pirituba e consiste em um espaço de produção de arte, dedicado a coletivos da própria região. Nasce da intenção de responder a alguns problemas constituintes do partido arquitetônico: primeiramente um edifício que seja pensado para a escala do lugar, tentando se aproximar ao máximo do gabarito dos edifícios que o circundam. Em segundo lugar deve se apropriar do grande declive presente no lote, propondo entradas para o edifício em dois níveis diferentes. O projeto se distribui em quatro pavimentos: térreo inferior (praça coberta e a área destinada a administração e aos funcionários), térreo superior (saguão de entrada e salão de exposições), primeiro pavimento ( salão de oficinas e pelo salão de apresentações) e terraço (salão de leitura e praça descoberta), totalizando 2800m² de construção.


[23]>mapa de localização na metrópole

[24]>inserção do lote na malha urbana

[25]>perspectiva do volume e seu entorno


[26]> corte perspectivado escala 1:100


[30]> planta térreo inferior PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

[28]> planta primeiro pavimento

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

[29]> planta térreo superior

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

[27]> planta segundo pavimento

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION


+9.40m

SALÃO DE LEITURA

+9.40m TERRAÇO

+4.70m

SALÃO DE OFICINAS

+4.70m

SALÃO DE APRESENTAÇÕES

0.00m

SAGUÃO DE ENTRADA

0.00m

SALÃO DE EXPOSIÇÕES

-3.70m

ADMINISTRAÇÃO

-3.70m

PRAÇA COBERTA

Loja Balcão de informações

Café Bicicletário

[31]> perspectiva explodida de todo o prédio


[32]>perspectiva interna a partir do salão de apresentações


[33]>perspectiva interna a partir do salão de exposições


[34]>perspectiva externa do edifĂ­cio


e st ú d i o 9 6

PROJETO III - FAUUSP prof: Helena Ayoub com: Mariana Hyppolito

Dado o contexto em que o projeto se insere - em uma região com alta vulnerabilidade a alagamentos, localizada na várzea do Rio Tietê -, a solução proposta a curto prazo para possibilitar o uso misto no térreo foi sua elevação a 1 metro do nível da rua, através de duas rampas acessíveis e uma grande escada, que também tem o propósito de servir como espaço de encontro e convívio para os moradores do bairro. Prevê-se a existência de estabelecimentos comerciais e de serviços no térreo, como forma de manter a relação do pedestre com o edifício através da fachada ativa e ainda impulsionar a economia local Contribuindo para qualificar o espaço comercial o corredor -circulação horizontal do edifício- se dá totalmente em balanço, não só deixando o espaço completamente livre no térro mas ainda projeta-se como uma marquise sobre a fachada das lojas.


[35]>planta pavimento tipo. escala 1:100

[36]>planta pavimento tĂŠrreo. escala 1:100


[37]>corte transversal. escala 1:100


[38]>perspetiva interna da sala de estar


3.04

3.45

3.35

2.00 4.00

2.76 3.20

2.20

2.38

2.55

2.45

1.85

1.65

3.20

1.85

3.20

2.50

5.00

2.00

2.40

3.45

3.45

[39]>planta tipo A - 57,4 m² escala 1:100

3.85

[40]>planta tipo B - 55,7 m² escala 1:100

Uso flexível do espaço

Esquadria de aluminio para fechamento da parede.

[41]>planta tipo B’ - 57,4 m². sem escala

Considerando a possivel necessidade de um fechamento de parte da sala para criar um terceiro comodo, tem-se como solução para a iluminação e ventilação a criação de uma parede de esquadrias como fechamento entre a sala e a varanda, desse modo o morador tem a liberdade de decidir que tipo de abertura e onde ela mais o convêm, dando particularidade a cada apartamento do edificio. Assim como temos uma plana livre de paredes estruturais dentro das áreas de longa permanência da unidade, completando o conceito de flexibilidade porposto.


oBRIGADA


Profile for amanda.bernacci

Portfólio de Arquitetura  

Trabalhos realizados no curso de arquitetura e urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, entre os an...

Portfólio de Arquitetura  

Trabalhos realizados no curso de arquitetura e urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, entre os an...

Advertisement