Issuu on Google+

Henri Cartier-Bresson


Sumário 03 - BIOGRAFIA 04 - ESTILO DO FOTÓGRAFO 06 - OBRA

08 - CRÉDITOS


Biografia Nome: Henri Cartier-Bresson Data e local de nascimento: 22 de agosto de 1908, Chanteloup-en-Brie, França Livros lançados: Ver é um todo – Entrevistas e conversas – 1951-1998, O Imaginário segundo a natureza Principais Trabalhos: foi um fotógrafo, fotojornalista e desenhista francês. Principais Prêmios: Prêmio da Sociedade Francesa de Fotografia. Prêmio Internacional da Fundação Hasselblad. Prêmio cultural da Sociedade Alemã de Fotografia. Prêmio Nadar Grande Prêmio Nacional da Fotografia (França) Henri Cartier-Bresson foi inumado em Montjustin, Luberon, França.


Obra “A única coisa que era uma surpresa completa pra mim e me levou à fotografia foi o registro de Munkacsi. Quando eu vi a fotografia dos meninos negros correndo em direção à onda, eu não pude acreditar que tal coisa poderia ser captada por uma câmera. Peguei a câmera e fui para as ruas.” (…) “Aquela fotografia me inspirou a parar de pintar e a levar a fotografia a sério.” (…) “De repente eu entendi que a fotografia poderia captar a eternidade instantaneamente.” Henri Cartier-Bresson

Os anos seguintes foram de uma lenta deserção da fotografia e conseqüente aproximação com a pintura. Em torno de 1975, Cartier-Bresson já não fotografava mais, admitindo que, talvez, ele tivesse dito tudo o que podia através da fotografia. Segundo ele, a câmera agora ficava guardada em um cofre em sua casa e raramente era usada. E assim, após anos desenvolvendo sua visão artística com a fotografia, a pintura tomou conta de sua vida. Sua primeira exposição de pinturas aconteceu em na Carlton Gallery, em Nova York, em 1975. “ Hoje em dia tudo o que eu quero é pintar – fotografia nunca foi mais do que uma maneira de pintar, um tipo de desenho instantâneo. “ Henri Cartier-Bresson


Ele fotografou em diversas cidades européias e sua primeira Exposição aconteceu em 1932, na Julien Levy Gallery, em Nova Iorque, e em seguida no Ateneo Club em Madrid. Em 1934 Cartier-Bresson conheceu David Szymin e Endré Friedmann, que mais tarde mudaria o nome para Robert Capa. Juntos, os três montaram um estúdio e Capa passou a ser uma espécie de mentor de Cartier-Bresson. Em visita a Nova Iorque, em 1935, ele conheceu o fotógrafo Paul Strand, que foi camera no documentário The Plow That Broke the Plains. Esse contato com o cinema fez com que, ao voltar para a França, ele se candidatasse a trabalhar com o diretor Jean Renoir, que incentivou Cartier-Bresson a atuar nos filmes Partie de campagne (1936) e La Règle du jeu (1939) para que ele pudesse entender como era estar do outro lado da câmera. Durante a Segunda Guerra Mundial, Cartier-Bresson serviu o Exército francês na unidade de filmagem e fotografia. Durante a Batalha da França, em 1940, ele foi capturado por soldados alemães e mantido como prisioneiro de guerra durante 35 meses. Tentou fugir sem sucesso por duas vezes até que, em fevereiro de 1943, na terceira e última tentativa, teve sorte. Fugiu e se escondeu em uma fazenda onde pode conseguir documentos falso que lhe permitiram voltar para a França. Lá, ele trabalhou secretamente contribuindo para que outros prisioneiros pudessem fugir, além de registrar com outros fotógrafos a Ocupação e Liberação da França. Ainda em 1943, voltou a Vosgues (departamento da França localizado na região Lorena),onde havia enterrado sua Leica.

Em 2003, juntamente com sua esposa, Martine Frank, inaugurou a Fundação Henri Cartier-Bresson, para manter um local permanente com seus trabalhos. Ele veio a falecer em 2004, em Montjustin, na França.


Estilo

Para um fotógrafo de rua, um dos aspectos mais importantes para se conseguir uma boa foto é manterse discreto. Tente ser o menos intruso possível ao tirar fotos do sujeito que você quer captar. Misture-se com o ambiente ou seja capaz de disparar a sua câmera sem ter a necessidade de enquadrar o plano pelo visor. Dessa forma as pessoas não irão perceber que você está ali para tirar fotos. É possível que você consiga capturar emoções autênticas, o que seria impossível caso o sujeito enfocado soubesse que você está ali com uma câmera na mão.


Pense em incluir elementos geométricos quando enquadra a sua fotografia. Incorpore desenhos e linhas geométricas na tua composição e ficará surpreendido com os resultados únicos obtidos. Olhe em volta e certamente você encontrará muitos elementos geométricos que podem ser incluídos nas suas fotos.


CRÉDITOS AUTOR: Amabile Joana Da Silva FONTES: Centro de Fotografia ESPM DATA: 07-12-2016


Henri Cartier-Bresson