Page 1


Sinopse Sempre tive uma regra: Não misture negócios e prazer. Mas então Landon Wright volta para casa, para a empresa de construção da sua família com um passado e um coração partido e acaba como o meu novo chefe sexy. Quando o escritório fica quente, estou pensando em jogar o livro de regras pela janela. Se ao menos não houvesse um milhão de razões, isso nunca poderia funcionar. Nós podemos ter compartilhado um único beijo perfeito, mas não posso deixar nossa conexão intensa nublar meu julgamento. Não com tudo o que eu trabalhei para o cargo. Namorar seu chefe é tão, tão errado... mesmo ele sendo tão Wright.


Equipe Curly Claire no SCB Tradução: Curly Revisão: Shadow Leitura Final e Formatação: Claire


Um

Foda-se, minha esposa estava arruinando minha vida. Na verdade, Miranda estava arruinando a minha vida desde o dia em que nos conhecemos. Eu não sabia disso na época. E não descobriria até muito tempo depois. Mas, agora, o fato era inegável. Miranda era uma célula cancerígena corroendo meu corpo. Se eu não saísse, ela iria me destruir. Meu telefone tocou e olhei para baixo para ver o nome de Miranda na tela. Pela centésima maldita vez. —Foda-se — gemi, terminando a chamada. Ela estava me ligando sem parar desde que saí pela porta sem ela. Mas eu tinha acabado de pousar em Lubbock no último avião do dia, e francamente, não queria falar com ela. Não depois do que ela tinha feito. Não depois do que ela fazia comigo há anos. Claro, não a culpo por estar pirando enquanto eu estava indo para a minha reunião de dez anos do colégio sem ela. Eu me encolhi com o pensamento. Eu queria voltar para a reunião no melhor do meu jogo. Passei seis anos trabalhando como um golfista profissional fora de Tampa com algumas


vitórias no PGA Tour1 sob a minha cintura, mas queria voltar para casa depois de ter ganhado os Masters2 com a minha mulher sexy no meu braço, vivendo o sonho. Eu queria fazer o meu nome como alguém diferente de um Wright. Tão orgulhoso como eu era da minha família e Wright Construction, a maior empresa de construção do país, eu queria a minha própria vida. Agora, eu estava voltando, aos vinte e oito anos, sem a minha esposa e com meus sonhos de golfe em ruínas. Afastei os pensamentos depressivos e saí do avião. O Aeroporto de Lubbock era compacto, para dizer o mínimo. Eu trouxe somente uma bagagem de mão, então contornei a reivindicação de bagagem e saí pelas portas de vidro deslizantes para a minha casa quente e empoeirada. Depois dos verões na Flórida, onde o ar é agradável de respirar, em Lubbock respirar parecia áspero. Um Alfa Romeo vermelho brilhante surgiu na minha frente, e meu irmão Austin abaixou a janela. Ele tocou a buzina e mostrou o dedo do meio. Ele era dois anos mais velho do que eu, mas muitas vezes agia como se fosse o irmão mais novo. —Ei, entre! — Austin gritou. Ele acionou o botão para abrir o porta malas. —É bom ver você, também — Eu disse sarcasticamente. —Onde está a sua outra metade? — Perguntou Austin. O PGA Tour é a organização que reúne os jogadores profissionais de Golfe nos Estados Unidos da América. 2 Masters de Golfe (em inglês The Masters Tournament) é um dos quatro principais torneios de golfe do mundo chamados de Major e o primeiro a ocorrer em cada ano entre os homens. 1


—Não foi possível trazê-la. Claro, Miranda não poderia vir. Essa era a mentira que eu estava construindo com uma mulher que não trabalhava, gastava meu dinheiro como se realmente crescesse em árvores, e estava praticamente ligada ao meu quadril. —Legal. — Austin disse com um encolher de ombros. Eu sabia que ele era o único dos meus quatro irmãos que iria comprar essa explicação. Enfiei a minha mala no porta-malas e fechei de repente. —Este carro é tão pequeno. — Eu disse depois de afundar no banco do passageiro. — O porta malas mal tem espaço suficiente para a minha mala. Austin afastou-se do aeroporto. — Continue reclamando, e vou fazer você ficar com Jensen. Sentei-me e olhei para fora da janela. —Sim, prefiro não ter que ouvi-lo transando com a minha ex-namorada. —Tenho certeza que ele poderia colocar o seu traseiro no outro lado da casa. Então, você só tem que imaginá-lo com Emery. —Obrigado. Você está realmente ajudando. —É para isso que estou aqui. — Austin disse com um sorriso. Mesmo

que

Jensen,

meu

irmão

mais

velho,

tivesse

começado a namorar a minha ex-namorada Emery oito meses atrás, era um pouco estranho para mim. Não porque eu tinha


sentimentos por ela. Mas eu não podia apagar os dois anos que namoramos no colégio. A coisa toda tinha adicionado a minha irritação com Miranda. Como poderia Jensen estar tão feliz quando eu estava preso em um casamento infeliz, sem amor? Deus, tudo voltava para Miranda. Meu telefone tocou, como se ela soubesse que eu estava pensando nela. Verifiquei a mensagem. Querido,

atenda

o

telefone.

Precisamos

conversar sobre isso. Não posso acreditar que você partiu sem mim. O que eu devo fazer? Foda-se a confusão. Desliguei meu telefone. —Deus, podemos ficar fodidos antes dessa coisa de hoje a noite? — Perguntei em desespero. O álcool iria atenuar a dor por uma noite. —Agora, com isso eu posso ajudar. — Austin disse com um sorriso. Eu provavelmente não deveria contribuir para o alcoolismo do meu irmão, mas porra, eu precisava de uma bebida. Austin tinha bebido muito, desde que nosso pai morreu, há dez anos de uma overdose. O Golfe sempre me ajudou a controlar os meus vícios e a característica de personalidade viciante dos Wright. Sem ele, acredito que acabaria como meu velho. Vinte minutos mais tarde, chegamos na casa de Austin no Tech Terrace. Ele a tinha destruído e redesenhado depois que comprou. Então, apesar da construção ter sido construída na década de sessenta, a casa era nova. Tinha a vantagem de estar


localizada a uma curta distância dos melhores bares, achei que era a razão do porquê ele havia comprado. Mas isso também significava que eu podia andar com a minha bunda bêbada para a reunião no final da rua. Austin estacionou na garagem e entramos na casa. Depois de colocar a minha mala em seu quarto de hóspedes, no primeiro andar, voltei para encontrar Austin já no bar molhado3. Estava totalmente abastecido com tanto álcool como a loja de bebidas mais próxima. Ele ainda tinha um pouco de uísque na prateleira de cima que não estava disponível nas lojas, mas tinha que ser comprado diretamente do distribuidor. Ele estava levando a bebida muito a sério. Era talvez a única coisa que ele levava a sério. Austin serviu-me um copo de uísque, e eu afundei no sofá. Ele caiu para trás em uma cadeira e mudou a tela grande para o SportsCenter. Foi nesse exato momento em que as estatísticas de Golfe foram para o British Open4, um torneio que eu deveria estar. Engoli todo o meu copo em um gole. —Eu vou tomar outro. Austin deu-me um olhar estranho, como se ele soubesse que algo estava errado, mas não disse nada. Ele apenas mudou o canal. —Fique à vontade. Essa era a melhor coisa sobre Austin. Ele não se intrometia.

Wet bar (bar molhado) é onde o bar fica em uma piscina ou no mar e você pode nadar até ele para obter um coquetel. 4É o mais antigo dos 4 principais torneios de golfe do mundo denominados de major. Acontece todos os anos em grandes clubes do Reino Unido e faz parte do circuito PGA Tour. 3


Ficamos sentados por algumas horas, assistindo a algum jogo de beisebol, nenhum dos dois se preocupando enquanto bebíamos como estúpidos. Quando estava quase na hora de ir para a Flips para a reunião, Austin finalmente se virou para olhar diretamente para mim. —Irmão, você provavelmente deve inventar uma história melhor para contar a Jensen. —Sobre o quê? — Eu me fingi de idiota. —Qualquer que seja a porra que você está lidando. Você sabe que ele vai perguntar, e você é um mentiroso de merda. —Eu não estou lidando com qualquer coisa. —Como eu disse. — Austin disse, recarregando o meu copo uma última vez, — Um mentiroso de merda. Eu ri e levantei meu copo para ele. —Talvez eu vá lhe dizer a verdade. —Nah, você não vai. Essa não é a maneira Wright. Agora, isso era uma afirmação verdadeira. Estávamos em uma família de cinco, variando em idades entre 33-21, e escondemos a verdade uns dos outros como se tivéssemos sido feitos para isso. Nós tínhamos aprendido isso com nossos pais, mortos há muito tempo. Nossa mãe nunca nos contou sobre seu câncer, e nosso pai tinha mentido sobre o álcool, mesmo em seu último suspiro. Talvez fosse a maneira Wright. De qualquer maneira, eu não discuti com Austin sobre esse ponto. Eu lidaria com Jensen quando precisasse.


Com minha cabeça suficientemente confusa, coloquei calças cáqui e uma camisa azul de botão. Então, aceno um adeus a Austin e caminho os poucos quarteirões escassos para a Flips. A última vez que estive lá, descobri que Jensen e Emery estavam namorando. Tinha sido uma maldita noite estranha, e eu estava realmente esperando não ter outra igual a qualquer momento em breve. Eu queria ficar bêbado, falar com alguns dos meus velhos amigos, e esquecer a merda que eu tinha deixado para trás. Eu me firmei para frente e, em seguida, em ângulo reto para o bar no lado esquerdo da sala. Eu quase consegui, quando Jensen deu um passo na minha frente. Ótimo. Apenas a pessoa que eu não queria falar sobre meus problemas. —Ei. — Jensen disse. —Ei, mano. —Onde está Miranda? —Não sei. Onde está Emery? Jensen apontou atrás dele, e vi Emery inclinando-se sobre o bar em um conjunto todo preto, apontando para o barman. —O que quer dizer, você não sabe onde sua esposa está? Eu prefiro não a ter correndo para Emery. Ela ainda age como uma... — Jensen olhou para mim, e seus olhos disseram que a palavra que estava procurando era psicopata, mas ele não queria dizer isso na minha frente. —Bem, ela não gosta da Emery. —Nada para se preocupar, então por isso eu não a trouxe. — Eu disse. Então, tentei passar por ele para pegar a minha bebida.


Jensen agarrou meu braço. —Como diabos você conseguiu se safar disso? —Dá um tempo, Jensen. Ele suspirou e deixou cair o braço. —O que aconteceu? —Olha, nós tivemos uma briga, e eu saí sem ela. Fim. —Deve ter sido um grande argumento para ela não ter vindo com você. — Jensen cutucou. Jensen, como o resto da minha família, odiava Miranda com uma vingança ardente. Ele poderia pensar que era capaz de manter seu desgosto por ela em segredo, ao contrário da minha irmã Morgan, mas ele não me enganava. Só a minha irmã mais nova, Sutton, era boa em fingir que gostava de Miranda. Não que eu os culpe neste momento. —Eu vou deixá-la, homem. É isso que você queria saber? — Eu cuspi em Jensen. Ele olhou para mim, atordoado. Talvez ele nunca pensou que eu realmente fosse fazer isso. Miranda tinha empurrado, empurrado e empurrado, e eu nunca tinha quebrado. Havia razões para tudo isso. Razões que eu lidava como um Wright e que mais ninguém precisava saber sobre isso. Mas ela cruzou a linha, e eu tive o suficiente. —Landon, você sabe que eu só quero que você seja feliz. —Sim, bem, eu preciso de uma bebida, não um sermão. Deixe acontecer.


Eu tropecei até o bar e ordenei uma bebida, certificando-me de ficar longe de Emery. Nós estávamos em condições perfeita agora, mas uma vez que isso tudo era sobre o ensino médio, eu não queria trazer à tona as memórias difíceis. Talvez eu encontrasse alguns dos meus velhos amigos de futebol. Ou a loira na mesa de bilhar na parte de trás do bar. Meus olhos encontraram Heidi Martin, a melhor amiga de Emery, enquanto ela se levantava em sua altura considerável. Certamente ela estava fazendo de tolo seu oponente, desde que eu tinha visto pessoalmente mais da sua convicção do que sua ação justa com vítimas inocentes. Nós nos conhecíamos há anos. Ela tinha sido uma líder de torcida quando eu comecei como quarterback na escola. Nós tínhamos saído juntos mais vezes do que eu poderia contar enquanto eu estava namorando Emery. Mas, quando voltei para o casamento de Sutton, foi como ver uma nova Heidi. Ela escorria confiança e poder, fazia todos sorrirem, e fazia tudo isso sem esforço. Heidi Martin tinha se encontrado completamente. Começamos a nos falar após o casamento. Nada sério. Ou pelo menos foi o que eu tinha dito a mim mesmo. Nossas conversas se tornaram íntimas... e então o Ano Novo aconteceu. Nós quase nos beijamos, e porra, eu queria. Mas não teria sido justo com Miranda. E assim, depois disso, eu tinha cortado todo o contato com ela. Hora de corrigir esse erro.


Eu caminhei pelo bar e fui direto para as mesas de bilhar. Heidi curvou uma bola e bateu na caçapa. Seus olhos azuis levantaram da mesa e pousaram direto em mim. Seu sorriso cresceu, mas com cautela. Ela não tinha esquecido como abruptamente eu tinha terminado as coisas. —Heidi. — Disse, sentindo uma lufada de ar fresco. —Ei, Landon. — Seus olhos examinaram em cima do meu ombro, como se ela estivesse tentando descobrir se eu estava sozinho. —Onde está sua esposa? —Ela não está aqui. —Oh. — Embora não parecesse chateada com essa noção. — Sinto muito que ela não pôde vir. —Você sente? — Perguntei, curiosamente. Ela riu e balançou a cabeça. —Você está bêbado? —Eu poderia estar um pouco embriagado, sim. —Ah. Embriagado, não é? — Ela perguntou com um rolar de olho. —Acho que você não pode estar muito bêbado, então. —Nunca se sabe. Eu ainda sou um bêbado inteligente. —Claro que você é. — Ela empurrou o cabelo loiro do rosto e sorriu, como se parecesse estar se aquecendo para a minha presença. A próxima pessoa perdeu a bola, e ela começou a correr a mesa. —Outra rodada? O cara balançou a cabeça. —De jeito nenhum. Encontre alguém para constranger, Martin.


Ela encolheu os ombros e inclinou-se no taco de bilhar, voltou sua atenção para mim. —Então, o que há de novo com você? —Muito, na verdade. — Disse a ela. —Podemos ir a algum lugar para conversar? —Em algum lugar, não é aqui? —Em algum lugar... mais privado. — Então, deixei cair a minha voz. — Eu só... não gosto da maneira como deixamos as coisas. —Oh, Landon, — ela disse com sua risada característica, como se nada a incomodasse. Mesmo que eu soubesse que incomodava — Não se preocupe com isso. —Heidi, — eu disse suavemente, dando um passo mais perto dela. Seu corpo ficou tenso quando me aproximei, e ela respirou fundo. —Por favor. —Tudo bem. — Disse tropeçando um passo para trás. Seus olhos estavam arregalados e desejosos, mas ela rapidamente escondeu as suas emoções. Ela colocou um grande sorriso. — Claro, eu adoraria recuperar o atraso. Ela colocou o taco de volta em seu encaixe e, em seguida, assentiu com a cabeça para o lado. Segui-a até uma mesa na parte de trás da sala. Um punhado de pessoas da nossa classe sênior mais suas companhias já estavam na reunião. Eu soube imediatamente que conversar em uma mesa na parte de trás era equivalente a anunciar que algo nefasto estava acontecendo. Eu


não queria que ninguém nos ouvisse. Eu não queria que ninguém nos visse. Eu poderia não me importar que dez anos se passaram. Eu era um homem diferente. Eu era um jogador de Golfe profissional. Eu tinha a minha própria vida. Eu não vivia na cidade. Mas ninguém podia escapar das fofocas do ensino médio. —Vamos lá para fora. — Sugeri. —Landon, não acho que é uma boa ideia. —Foda-se as boas ideias. — Peguei a mão dela na minha e gentilmente a puxei para a saída de emergência. Ela estava desativada por tanto tempo quanto eu conseguia lembrar, e nós fomos através dela e para a noite de verão quente. —Tudo bem, estamos fora. O que foi? — Heidi perguntou. Ela recostou-se na parede de tijolo e colocou um pé contra ela. — A última vez que nos falamos, você disse que não devíamos conversar mais. Você disse que o que estava acontecendo entre nós, não era justo com sua esposa. —Isso era verdade. — Concordei. Mas meu corpo e cérebro confuso não poderiam se importar menos sobre o que eu disse todos esses meses atrás. Janeiro parecia como uma vida passada. As razões que eu tinha para reagir dessa forma deixaram de existir. —Isso provavelmente não é justo com ela, Landon. Dei um passo em seu espaço pessoal, e sua respiração engatou. Minhas mãos ficaram em ambos os lados do seu rosto,


encurralando-a. Ela engoliu, mas ferozmente encontrou meu olhar. Eu pensei que ela iria me afastar. Pensei que iria me parar. —Você ainda se sente da maneira que sentia naquela época? —Landon, — ela sussurrou. Suas palavras saíram ofegante e macia. —Não faça isso. —Sente? —Eu não falo com você há meses. Na época, Emery suspeitava o que estava acontecendo, e eu sou a sua melhor amiga. Há um código de menina a considerar. Eu não posso fazer isso. Eu não posso te responder. —Ela está namorando o meu irmão. Eu não acho que isso se aplica mais, Heidi. Apenas me responda; você se importa ou não comigo? Ela parou, congelada no lugar, com seus olhos azul-gelo perfurando os meus. Ela estava tentando descobrir até onde isso era um truque ou uma piada. Mas ela não iria encontrar isso em mim. —Sim. — Sussurrou. Sem outro pensamento, empurrei minhas mãos em seu cabelo loiro selvagem e trouxe meus lábios para baixo sobre os dela. Eu a provei como uma iguaria de luxo e, em seguida, a devorei como se eu nunca pudesse ter o suficiente. Foda-se tudo na minha vida. Este foi o momento em que eu fiz Heidi Martin minha.


Dois

Landon Wright estava me beijando. Era fantástico. A melhor coisa que já tinha acontecido comigo. Ele estava cumprindo todas as fantasias que eu tinha na parte de trás da minha cabeça durante os últimos oito meses. Quantas vezes eu tinha imaginado ele fazendo exatamente isso? No inverno passado, quando ele me levou para casa deste mesmo bar, tudo o que eu queria fazer era inclinar-me e beijá-lo sem sentido. Eu queria que ele me levasse até meu apartamento e me fodesse. Eu queria tanto. E no Ano Novo, estivemos tão perto de ceder e acabarmos juntos neste momento. No entanto, mesmo tão bêbada quanto eu estava em ambas as ocasiões, eu sabia que ele era casado. Eu sabia o quanto errado era mesmo querer isso dele. E fui embora. Agora, ele estava finalmente me beijando e respondendo a todas as minhas súplicas silenciosas, e eu tinha que pará-lo. Porra. Empurrei Landon para trás com tanta força quanto eu poderia. Em seguida, mudei-me para longe da parede e limpei a minha boca. Porra!


—Uau! — Eu gritei para ele. Dei mais um passo para trás. Colocar distância entre nós era a única maneira que eu não iria ceder novamente. —Uau! Casado! Landon inclinou-se para o espaço que eu tinha desocupado e suspirou profundamente. —Sim. —Você está completamente louco? Ele se virou para mim, pressionando as costas contra os tijolos. Seus olhos estavam brilhantes e cheios de luxúria. Eu poderia entender esse olhar. Eu tinha certeza que espelhava o meu. Mas ele também parecia... arrependido. Como se a última coisa que ele quisesse fazer era me machucar. Novamente. —Uh, sim — Landon disse, —um pouco louco no momento. —Bem, Jesus Cristo, o que você estava pensando? Porque eu precisava de uma explicação. O que diabos havia mudado, que ele iria de me rejeitar inteiramente a brincar com a minha cara? Se não fizemos isso no ano novo, quando ambos estávamos no meio de tudo isso, não entendo como ele poderia fazer isso agora. —Que eu realmente queria beijá-la, e eu queria fazer isso por um maldito longo tempo. Levantei a minha mão e tentei respirar lentamente. —Você não pode dizer coisas assim para mim. Deus, ele está bêbado. Claro, eu sabia disso antes de sair com ele aqui, mas eu não esperava que a nossa conversa se desviasse tão extremamente. E, agora, eu nunca seria capaz de


tirar a sensação dos seus lábios ou o passar da sua língua ou o gosto de uísque misturado com algo puramente Landon, da minha cabeça. Eu não poderia pensar sobre isso ou não seria capaz de pensar em outra coisa. Nunca. —Eu posso, — ele disse, encontrando o meu olhar. —Mas você age como se eu não devesse. Seus olhos castanhos escuros quase fizeram eu me perder. Ele era demais. Alto, moreno e bonito, era muito clichê ter Landon com seu bronzeado de intermináveis dias no campo de Golfe e de expressão nobre. Ele era um homem que tinha conhecido a perda e compreendido a depressão, mas tinha superado. Havia mais nele do que o lindo Wright aparentava. Mas isso não era desculpa para as suas ações. Eu não queria ser algum erro que ele tinha feito, quando a sua esposa não estava na cidade. —Não, você não deve— eu disse. —Não vou fazer isso de novo. Eu não vou ser esse tipo de garota. É desrespeitoso comigo, e é desrespeitoso para Miranda. E... é só ruim, — eu divagava, porque, se eu não parasse, eu sabia que iria ser feito. Meus dedos estavam coçando para agarrá-lo e esmagar a sua boca à minha novamente. Eu queria isso por meses. Mesmo que houvesse um milhão e meio de razões de que se tratava de uma ideia extremamente idiota, eu ainda o queria. O que tinha feito namorar quase impossível. De alguma forma, Landon tinha se tornado o padrão que eu tinha em todos


os outros caras. Não que eu tivesse muita sorte fora da associação do Tinder, e me recusava a sair com meus colegas de trabalho. Essa era a regra número um. Uma que eu sempre respeitava. Não importa o quão bonito o cara novo era. —Sim, má ideia, — ele concordou lentamente. —Eu não estou tentando fazer de você esse tipo de garota, Heidi. —Bom, porque isso nunca iria acontecer. —Estou perdido, e eu quero que você me encontre. Eu sabia que ele estava bêbado, mas porra, era brega. E, porra, odiava que eu ainda pensava que era doce da parte dele dizer isso para mim. Mesmo que ele não tivesse permissão. —Pare com isso! Sem conversa doce. —Eu não estava… —Como não, Landon? Então, com toda a força que pude reunir, caminhei de volta para a saída de emergência. Eu poderia fazer isso. Eu era uma mulher forte, feroz, independente, que trabalhava em um campo dominado por homens no limite. Eu poderia caminhar para longe de um cara. Mesmo que ele fosse um Wright. Então, ele me tocou. A mão suavemente pousou no meu cotovelo. Ele não estava exigindo a minha atenção, apenas me afastando da porta. —Heidi. —O quê? — Perguntei em frustração. Como eu deveria deixá-lo para trás quando estava sendo tão irresistível?


—Sinto muito. — Disse. —Pare, — eu disse. —Por favor. —Eu vou deixá-la. Meu coração parou de bater. Meus pulmões pararam de funcionar. Meu cérebro parou de funcionar. O que ele estava dizendo era impossível. Eu honestamente não poderia mesmo acreditar que essas palavras saíram da sua boca. Não havia nenhuma maneira no inferno que ele estava deixando Miranda. —Volte isso novamente? — Sussurrei. —Eu vim sem a Miranda porque vou deixá-la. Fiquei de boca aberta. Ele havia dito essas palavras. Ele as repetiu. Ele estava, na verdade, deixando Miranda. Isto não era um momento, uma furada. Este era um negócio real! Meu cérebro tentou alcançar o resto do meu corpo, mas em vez disso, eu estava ali, como uma idiota. Tinha que haver algo preso. Tinha que haver alguma grande piada que estava sendo jogada em mim. Porque Landon deixar a sua esposa era muito bom para ser verdade. —Uau. — Disse. Então, pisquei rapidamente algumas vezes e tentei me recuperar. —Quero dizer... como é horrível. Isso deve ser tão difícil, Landon. Ele riu sem graça para mim. —Heidi, você é bonita. Eu arqueei uma sobrancelha em questão. —Eu digo a você que sinto muito por sua esposa, e você me diz que sou bonita?


—Você não pode esconder o quanto você odeia Miranda mais do que a minha família pode. —Ei, — disse, segurando as minhas mãos. —Eu não odeio Miranda. Nem a conheço. —Bem, se você a conhecesse, você a odiaria, também. —Talvez. — Concedi. —Mas isso não faz as coisas mais fáceis para você. Claramente, você deve tê-la amado. —É apenas... sim. — Ele disse. —Eu não sei. Aconteceu tudo hoje. —Não me admira que você está bêbado e agindo como um tolo. Talvez devêssemos ter falado de você deixar Miranda primeiro e beber em segundo. Ele

sorriu

diabolicamente.

—Então,

vamos

fazer

isso

novamente? —Não. — Eu disse, batendo em seu braço. Deus, eu mal conseguia manter a minha mente fora da sarjeta5. Eu nunca ia ter sucesso em manter a sua fora de lá também. —Não devíamos ter nos beijado em primeiro lugar. Ele poderia ter deixado Miranda hoje, mas quem sabe o que o amanhã traria? Eu duvidava que ele tinha sequer apresentado os documentos para o divórcio. Eu tinha tantas perguntas sem resposta que, mesmo que eu quisesse beijar Landon... e ceder a essa coisa entre nós, eu não poderia fazer. Eu sabia que era errado.

5

Deixar de pensar em sexo.


Não apenas por causa da Miranda, mas também por causa de todas as mulheres que eu tinha visto com meu pai. Minha mãe morreu em um roubo de carros quando eu estava no ensino médio. Ela foi brutalmente assassinada, e eu fui um zumbi através do ensino médio. Sem Emery, eu nunca teria feito isso. Mas meu pai tinha se ocupado com as mulheres. Ele ia de namorada para namorada regulares que vinham para o bar Hanks, que ele possuía. Eu sabia dos sinais de quando ele saia com as mulheres casadas, era quando uma mulher virava o diamante ou o tirava, deixando uma faixa pálida em seu dedo anelar, ou quando eu ia encontrar um anel de casamento na pia durante a noite. Eu tinha decidido em uma idade jovem que faria qualquer coisa para ser uma pessoa diferente do meu pai. Eu não estava prestes a deixar Landon Wright foder isso. —Sim, eu provavelmente não deveria ter te beijado. — Landon disse. Ele coçou a parte de trás do seu pescoço e estremeceu. —Mas estive pensando sobre isso desde o Ano Novo. —Landon, você não pode vir aqui e falar comigo assim. Se você quiser falar sobre Miranda, eu estou aqui. — Segurei as minhas mãos em súplica. Eu não iria negar-lhe uma amiga ou um ombro para chorar, mas era isso. —Podemos conversar depois da reunião, mas agora, tentar esquecer talvez. —Sobre Miranda ou você? —Ambas.


—Não vai acontecer. — Ele deu um passo em minha direção e segurou o meu rosto. —Não há maneira nenhuma que eu poderia esquecer você, Heidi. —Você fez muito bem até agora. Faça o que você tem feito, Landon, e não terá nenhum problema. — Eu disse um pouco mais forte do que pretendia. Então, virei-me e voltei para a Flips.


Três

Deixar Landon do lado de fora fez eu me sentir horrível. Eu sabia que ele estava em um momento difícil, e precisava de alguém para conversar. Fiquei feliz por ser essa pessoa. Mesmo que a última coisa que eu queria ouvir fosse sobre Miranda. Não podia fazer isso enquanto estávamos lá atrás onde tínhamos acabado de nos beijar. Eu confiava em mim na maioria das coisas, mas Landon Wright não era uma delas. Olhei por cima do ombro para me certificar de que Landon não tinha me seguido. A última coisa que queria era que as pessoas nos vissem vindo de fora juntos. Quando nós saímos, apenas um punhado de pessoas estavam presentes, mas agora, o bar estava enchendo. Reconheci quase todo mundo e fui parada constantemente com as pessoas querendo dizer oi para mim. No colégio, eu tinha sido uma líder de torcida, vicepresidente da classe, e vice-presidente do conselho estudantil. Estava muito envolvida. Então, planejar esta noite com Meredith e Dave, o presidente da classe e tesoureiro, tinha sido uma festa, mas também iria colocar muita pressão sobre mim. Eu era a única que ainda morava aqui. Isso significava que era a única que tinha que fazer a maior parte dos preparativos. O benefício era, de termos o evento no Flips.


—Tequila? — O barman, Peter, perguntou quando se aproximou de mim. Balancei a cabeça e levantei dois dedos. Sim, faça um duplo. Peter sabia o tipo de álcool que eu precisava com base em meu humor. Foi assim, muitas vezes que estive aqui. Era um pouco assustador honestamente. —Quer fazer um brinde com a sua melhor amiga e colega de quarto? — Emery perguntou, esgueirando-se ao meu lado. —Os tiros não são comemorativos a menos que eu esteja lambendo-os do seu estômago. — Informei a ela. —Vamos fazer isso, baby! — Emery disse. Ela se inclinou para trás em sua cadeira e levantou o seu top preto revelando seu estômago plano. —Peter, eu preciso de sal! —Oh Deus, vocês duas estão fazendo isso de novo? — Perguntou. Ele inclinou a cabeça e nos julgou, como de costume. —Entregue! — Emery cantarolou. —Não é realmente uma reunião se não estamos bêbadas e ridículas. — Eu disse. —Vamos ser honestas, — Emery disse. —Não é uma reunião se não estivermos bêbadas com vinhos gelados e fugindo da polícia porque Landon tem maconha e tem medo de ser preso. Emery levantou no balcão e se deitou. Ela equilibrou o tiro de bruços e começou a jogar sal ao lado do seu umbigo. —Querida, — Jensen disse, aparecendo ao seu lado, —o que diabos você está fazendo?


—Tiros no corpo. Não me diga que você nunca fez um. O rosto de Jensen se contraiu. —Quem está lambendo o tiro do seu corpo? —Heidi, é claro. — Emery disse com um sorriso. —Sim, Wright, saia do caminho. — Eu cutuquei Jensen, e ele me deu uma expressão de dor. Eu sabia o quanto doía-lhe não chegar a ter esse tiro, mas eu não estava desistindo. —Esta é a minha amiga, e poderíamos ou não ter feito isso uma ou duas vezes na escola. —Houve um monte de coisas que vocês duas fizeram na escola que não precisam ser repetidas. — Ele disse. —Desmancha prazeres. — Emery disse para ele. —Não dê ouvidos a ele, Em. Ele está com ciúmes porque eu vou tomar os tiros. Todos nós sabemos que ele já fez pior. Jensen deu de ombros e não negou. Emery piscou para seu namorado e, em seguida, colocou o limão em sua boca. Ela fez um gesto de venha e pegue. Eu ri da minha melhor amiga e me senti incrivelmente grata por tê-la. Mesmo que ela não soubesse que algo estava errado, ela me permitiu esquecer completamente o que tinha acontecido. Abaixei-me, lambi o sal do estômago de Emery, e depois bebi o tiro. Depois engoli a tequila, peguei o limão diretamente da boca de Emery. Ela gritou com entusiasmo enquanto eu chupava o limão. Meu sorriso sedutor quando levantei meus braços como se tivesse ganhado uma medalha de ouro.


—O que eu perdi? — Landon perguntou quando me virei para enfrentar o resto da multidão. Abaixei os braços e encolhi ombros. —Tiros no corpo. —Ah, como nos velhos tempos. —Você não tem nenhuma erva com você, não é? Emery lembrou-nos que você costumava ser um maconheiro. Landon ergueu as sobrancelhas para mim e depois voltou a sua atenção para Emery. —Eu não era um maconheiro. Emery saí do bar. —Nah, você estava com muito medo de ser pego sendo um maconheiro em desenvolvimento. —Na verdade, acho que ele estava com muito medo do nosso pai. — Jensen entrou na conversa. Landon deu de ombros. —Bem, ele poderia ser um filho da puta assustador. —Landon! Mano, eu não sabia se você viria. — Um cara disse atrás dele. Meus olhos se mudaram da cara linda de Landon para o cara atrás dele. Brandon McCain. Meu número de sorte no colégio. Fui obcecada por ele todos os quatro anos, e eu tinha até mesmo adotado o seu número de futebol como o meu favorito. Emery gostava de tirar sarro de mim sobre isso. Eu não conseguia nem lembrar de todas as vezes que passei sobre ele, mas nada nunca tinha vindo dele. Ele tinha uma namorada séria todos os quatro anos do ensino médio e nunca olhou para o meu


caminho. Mas, tanto quanto eu sabia, ele era solteiro agora e vivia em Los Angeles com a ambição de ser um ator e modelo. —Brandon. — Landon disse. Eles firmemente apertaram as mãos. —É bom ver você, cara. Eu não sabia que você também estaria aqui. —Porra, cara. Eu não teria perdido isso. Ensino médio foi a merda. — Brandon disse. —Embora a quem estou enganando? Você o matou na escola, e olhe para você agora! Foda do PGA Tour! Landon estremeceu ligeiramente. Eu estreitei os olhos para esse movimento. Por que ele iria recuar sobre estar no PGA Tour? Esse era o seu sonho. Essa era a sua vida. Ele amava golfe com tudo nele. Parecia estranho que estaria desconfortável em discuti-lo. Eu nunca tinha visto ele chateado com golfe. —Obrigado, cara. — Landon disse. Os olhos de Brandon passaram de Landon para mim, e seu sorriso cresceu. —Heidi Martin. Porra, — ele disse, me puxando para um abraço. —Você parece ainda mais quente do que era na escola, e você era linda há dez anos atrás. Quando Brandon disse isso, eu procurei o rosto de Landon, e ele passou de pestanejar para chateado em um segundo. Se eu não estivesse enganada, ele estava lembrando daquele amor que eu sempre tive. —Obrigada, Brandon, — eu disse, saindo do seu abraço. — Você está ótimo, também.


—Nós definitivamente devemos nos encontrar mais tarde. — Brandon apontou o dedo para mim e piscou. —Definitivamente. Mas, primeiro, eu vou roubar Landon aqui. — Ele disse, jogando um braço em volta do ombro de Landon, e colocando o resto da equipe de futebol juntos. Landon me lançou um olhar aflito, mas desapareceu com Brandon. Eu já podia ver que um enorme grupo de jogadores de futebol foram convocados na parte de trás. Landon era a sua estrela. É claro que eles tinham vindo para buscá-lo. Realmente queria que a interação com Brandon fizesse eu me sentir melhor sobre toda a situação com Landon, mas isso não aconteceu. Brandon McCain ainda era muito bonito. Los Angeles comia as pessoas vivas se não ficassem em forma. Ficou claro que ele estava colocando um grande tempo na academia, mas eu não senti a mesma faísca da outra vez. Raios, Landon. Até os caras que eu poderia ficar ligada foram contaminados por você. Tudo o que eu queria por quatro anos era um cara sexy. Agora que estávamos aqui e eu definitivamente não tinha interpretado mal a sua linha “te pegar mais tarde”, eu estava sem entusiasmo sobre a coisa toda. —Uau! — Emery disse. —Brandon McCain está tão porra na sua. Olá, sonho realizado! —Sim, — murmurei. —Sonho realizado. Emery envolveu seu braço no meu. —Tudo bem, colega de quarto, é suposto você se divertir. Você sabe que eu odeio


reuniões e basicamente todas as coisas do ensino médio. Mas estou aqui para você porque eu amo seu rosto. Diga-me o que está errado, para que eu possa conserta-lo. —Nada está errado. —Noticia rápida! A porra de Brandon McCain acabou de dar em cima de você, e você está triste. Você teria explodido aquele cara atrás das arquibancadas depois de um jogo, se ele deixasse. Qual parte dele pensar que você está super quente é uma coisa ruim? Limpei a minha mente de tudo que eu estava lidando desde que Landon retornou para a minha vida. Landon Wright não era certo para mim. Não havia nenhum futuro para nós. Eu não sabia se ele iria voltar para sua esposa amanhã. Eu não sabia se ele já tinha dado entrada nos papéis do divórcio. Eu não sabia se aquele beijo era um movimento de recuperação de merda. Destacar isso só iria arruinar a minha reunião de ensino médio. E eu tinha colocado muito esforço nesta reunião para que a merda acontecesse. Eu era a vida da festa. Eu era inteligente, bonita e confiante. Eu poderia balançar esta reunião com ou sem Landon Wright. —Você está tão certa. — Disse, amparada por minha própria conversa de vitalidade. —Não há absolutamente nada de errado com isso. —Tem certeza disso? Você parecia um pouco fora de si. Talvez você e Landon...


—Por favor, não termine esse pensamento. Landon e eu não pertencemos na mesma frase. Você me incomodou sobre isso no passado, Em, mas ele é casado. Você sabe o que o meu pai era. Você sabe que eu nunca poderia fazer isso. E eu nunca poderia fazer isso com você. —Mas isso não me incomoda. Eu segurei as minhas mãos para cima. —Irrelevante. Me incomoda! Agora, vamos falar sobre Brandon McCain e como ele acabou de me paquerar. Emery me deu um olhar que disse que não acreditava na minha

besteira, mas

ela

não

ia empurrar.

Ela

não

me

incomodaria até que eu deixasse a informação. —Está bem, você vai ficar com ele? Porque ele deixou de ser o grosseiro no colegial para ser um menino bonito de LA. — Emery observou. —Eu não sei se você poderia foder um menino bonito. —Oh, eu poderia. Eu te asseguro. —Além disso, ele usou mano em uma frase sem ironia. Ri e sinalizei para outra bebida de Peter. —Então, ele não é a ferramenta mais afiada no galpão. Contanto que ele tenha uma longa ferramenta, que eu possa usar, em seguida, nós podemos ir. —Oh

meu

Deus!

Emery

disse,

rebentando

em

gargalhadas. —Rezo para que ele tenha, para o seu bem, Heidi.


Nós

ficamos

no

bar

quando

mais

e

mais

pessoas

apareceram. Era ainda mais do que eu tinha previsto. Uma boa parte das pessoas locais não tinham RSVP'd6, então pensei que era principalmente os habitantes da cidade. Muita gente se queixou sobre a localização e falta de comida e não ser ideal para as crianças... e assim por diante. Tantas queixas. Mas parecia que uma tonelada de pessoas tinha aparecido de qualquer maneira. Provavelmente por causa do bar aberto que eu tinha arranjado. No momento que parecia que a maioria das pessoas tinha finalmente chegado, o bar estava lotado. Meredith tinha planejado fazer algum tipo de discurso, mas com a multidão, isso seria impossível. Eu não estava preocupada com isso, mas ela estava. Eventualmente, ela desistiu e ligou a apresentação de slides que havia preparado com todas as imagens que todos haviam enviado para a reunião. A coisa toda foi um passeio pela pista da memória. Eu só tinha enviado duas fotos minha e de Emery juntas, mas era quase desagradável, quantas imagens haviam de mim. E nunca foi mais claro para mim, que fui totalmente obcecada com a popularidade. Eu não me importava sobre isso agora, mas eu profundamente me preocupava sobre isso na época. Eu tinha certeza que tinha colocado sobre o meu pai a culpa por muito disso. Nós nunca tivemos muito, mas ele me permitia tudo o que eu queria na época. Eu tinha tomado cada centavo. Cara, como tudo isso tinha saído pela culatra. 6

Confirmar presença.


A equipe de futebol estava vaiando e gritando sobre todas as imagens deles. Landon estava em quase tantas quanto eu. Então, uma parou sobre ele em um jogo de polo de golfe no colegial, explorando o seu clube. Meus olhos se deslocaram para onde ele estava sentado toda a noite com praticamente um IV de uísque colocado em seu braço. Quando viu a foto, ele abertamente se encolheu para ela. Então, seu olhar me encontrou. Eu rapidamente desviei o olhar. Eu não deveria estar olhando para ele. Eu não deveria estar preocupada com ele. Eu não deveria estar me perguntando por que o golfe era um gatilho para ele. Mas eu não conseguia concentrar-me em qualquer outra coisa. Eu tentei esquecê-lo. Eu tentei ficar longe dele. Eu tentei não olhar para ele. Tudo que fiz foi falhar. Nossos olhos se encontraram através da distância, e meu coração puxou em sua direção. Ele acenou com a cabeça para trás em direção à saída. Era uma pergunta e uma promessa. Eu sabia que, se eu fosse lá fora, ele me beijaria de novo. E eu daria a ele. Porque eu queria. —Ugh, quem enviou essas fotos? — Emery perguntou ao meu lado.


Culpada olhei para longe de Landon e olhei para a foto. Era Emery e Landon juntos depois de um jogo de futebol. Ela estava usando a sua jaqueta, e eles estavam rindo. A próxima era deles sentados lado a lado para a foto do anuário de Melhor Casal. Uma outra tinha Emery sentada em seu colo em uma fogueira. Eu estava sentada ao lado deles, sorrindo como uma tola. Havia outras três ou quatro, tudo em uma linha. Uma abundância de Emery e Landon. Um lembrete grande e gordo que o cara que eu estava sonhando tinha saído com a minha melhor amiga. Isso não era como Jensen, que não tinha conhecido Emery quando ela namorava Landon. Eu tinha estado lá com eles através de tudo. Eu sabia sobre, o bom, o mau e o feio. Emery e eu tínhamos passado horas lamentando sobre as nossas vidas amorosas. Não havia nenhuma maneira no inferno que eu deveria estar interessada em Landon. Eu não permitiria isso. Prometi a mim mesma que não iria olhar em sua direção novamente. De jeito nenhum, não assim. E, quando Brandon McCain voltou para falar comigo, eu o deixei me pegar e disse a mim mesma que não ia me sentir culpada por isso.


Quatro

—Bem, eu diria que isso foi um sucesso. — Emery disse algumas horas mais tarde com um bocejo. —Um grande sucesso. — Concordei. —Muito melhor do que a reunião de cinco anos. —Sim. Desta vez, eles deixaram ser em um bar. As pessoas são muito melhores quando estão bêbadas. —Verdade. Além disso, as pessoas têm realmente mudado... tipo... desde então. Todo mundo tinha acabado de se formar na faculdade há cinco anos. —Ou eles estavam em seu segundo filho. — Eu a lembrei. Emery riu. —Ou isso. —Estou feliz que você veio. Você vai voltar com Jensen agora, certo? Emery me deu um olhar envergonhado. —Não aja como se me conhecesse. —Claro que conheço você. Somos melhores amigas desde o jardim de infância, e agora, vivemos juntas!


Puxei minha melhor amiga para um abraço, e nós balançamos para frente e para trás em uma espécie de dança lenta embriagada. —Você é a melhor. — Emery disse. —Você é a melhor. —Desculpe quebrar o momento romântico, — Jensen disse com um sorriso divertido, —mas eu não acho que podemos ir para casa até levarmos Landon em segurança de volta para Austin. Emery gemeu. —Mas eu estou tão cansada! Eu quero ir para casa. —Como eu, mas se você não notou, ele está totalmente fodido. Balancei a cabeça. Eu definitivamente tinha notado mesmo que estivesse tentando não notar. Embora as pessoas lentamente estavam deixando o local, a maioria dos jogadores de futebol ainda estavam bagunçando na parte de trás. Landon, que nunca tinha sido o tipo, tinha começado a participar com suas palhaçadas. Isso me fez estremecer. Ele realmente deve estar passando por alguma coisa para deixar-se ir tão longe. Emery bocejou longa e dramaticamente, como se dissesse: Por favor, meu Deus, vamos agora. Eu ri dela. —Terei certeza que ele entre em um táxi. Tenho que estar aqui até o bar fechar e resolver as contas com Peter de qualquer


maneira. Eu não vou deixar Landon fazer nada estúpido. — Disse a Jensen. —Tem certeza? — Perguntou. Ele tinha aquele olhar em seus olhos, sendo o irmão mais velho, que tinha que garantir a segurança de todos os seus irmãos. Era adorável. —Sim. Não se preocupe. Chamamos táxis para levar as pessoas quando encerrarmos. Vou fazer os jogadores de futebol carregá-lo em um. Nada impossível, —eu disse a ele. Emery arqueou uma sobrancelha, e tivemos uma conversa silenciosa. Você vai ajudar a colocar Landon em um táxi, hein? Sim. E daí? E não há nada acontecendo? Não! Certeza. Não há. Eu não acredito em você. Foda-se, Robinson. Seja como for, Martin. Eu ri e a empurrei para Jensen. —Não se preocupe com nada. Vai ter um monte de sexo de macaco7. Emery gemeu. —Eu te odeio. —Eu também te amo, prostituta.

O ato sexual violento ... selvagem ... apaixonado ... Geralmente acompanhado com vários sons vocais. A exibição espontânea e descontrolada de fornicação pública sem vergonha . 7


—Obrigado por fazer isso, Heidi, — Jensen disse fazendo um gesto para Emery se adiantar para fora da Flips. —Eu realmente agradeço por isso. Se algo der errado ou se você precisar de mim, não hesite em chamar. Deus, Jensen é um cara tão legal. —Eu não vou, mas não se preocupe; ele vai ficar bem. —Famosas últimas palavras. — Murmurou antes de seguir Emery para fora. Eu queria rir do comentário de Jensen, mas com os Wrights, algo sempre dava errado. Sem Emery, a reunião ficou chata para mim. Eu não tinha mantido contato com ninguém da nossa classe sênior, que não fosse Landon. Éramos todos amigos no Facebook e Instagram, mas não estava envolvida em suas vidas. Eu poderia sair com a multidão de torcida, mas não me encaixava com eles agora que tinham sua própria roda da mamãe. Eu conhecia todo mundo, mas, de repente, me senti muito sozinha. Voltei para o bar, onde Peter estava limpando uma pilha de copos, basicamente parecendo exausto. —Noite longa? Ele encolheu os ombros. —Muito ocupado caso você não percebeu. —Reparei nisso. Peter passou a mão pelo cabelo na altura dos ombros e suspirou. —Você tem companhia.


Eu me virei naquele comentário, esperando encontrar Landon. Então, rapidamente me odiei por essa expectativa. Em vez disso, achei Brandon voltando com seu sorriso aguçado e cara de flerte. —Ei, Brandon. — Eu disse com um sorriso. —Heidi. — Ele disse, inclinando-me para o bar. —Você quer sair daqui? Assim mesmo. Sem preâmbulos, nem nada. —Na verdade, tenho que fechar o bar depois da reunião. —Eu posso esperar. — Disse com um sorriso sedutor que eu estava certa que usava nas meninas em LA. —Não, está tudo bem. Vai ser chato, e eu deveria apenas ir para casa depois disso. O sorriso de Brandon escorregou, e eu poderia dizer que sua mente bêbada estava irritada. Ele não esperava que eu o recusasse. Ele girou uma mecha do meu cabelo em volta dos seus dedos. —Vem cá Neném. Eu sei que você era louca por mim no colégio. Gentilmente me afastei dele. —Isso foi há mais de dez anos atrás, Brandon. —Não poderia ter mudado tanto. —Engraçado você dizer isso, — eu disse, com crescente irritação. —Eu diria que mudei muito, mas você não saberia, já que você passou o tempo todo falando comigo sobre sua vida


incrível em LA e todos os papéis que você poderia ter conseguido, mas perdeu. Eu não estou interessada. Você perdeu a sua chance de ter alguém tão incrível quanto eu. Virei e me afastei dele, sentindo-me incrivelmente poderosa. Mesmo que pudesse ouvir as palavras cadela e me seduziu ser murmurado sob a sua respiração. Poderia ter sido bom flertar com ele, mas isso não garantia que eu tinha que ir para casa com ele. E isso certamente não significa que ele poderia me empurrar por causa de algo que eu sentia quando era uma adolescente. Meredith anunciou na frente da sala que era hora do bar fechar e

que

todos deviam sair agora. Algumas pessoas

mencionaram uma pós-reunião depois da festa, e os grupos começaram a organizar para ir à casa de alguém para continuar as coisas. Eu não tinha intenção de fazer isso em absoluto. Eu tinha prometido que ia levar Landon para casa, e era isso. Quando encontrei Landon, ele estava bebendo diretamente de um jarro de cerveja que alguém tinha comprado para um jogo de ping-pong no pátio, anexado ao lado do edifício. Meus olhos estavam rodando com preocupação em seu nível de embriaguez. Seus olhos estavam vidrados, e ele estava derramando cerveja em todos os lugares. —Landon, eu disse a Jensen que te colocaria em um táxi perto do bar. São duas. Hora de voltar para Austin e dormir. —Heidi,

Heidi,

Heidi.

Ele

cantou,

suas

palavras

arrastadas. Ele passou um braço em volta da minha cintura, ignorando os olhares dos restantes dos jogadores de futebol em sua plateia. —Não dê ouvidos a Jensen. Ele não sabe de nada.


Facilmente escorreguei para fora do seu aperto. —Hora de ir, Landon. Ele colocou o jarro sobre a mesa e levantou-se para olhar para mim. Mas o seu equilíbrio era uma merda total. Ele tropeçou em mim, e tive que incliná-lo contra a mesa para que ficasse reto. —Deus, você está fodido. —Heidi, — ele disse novamente. —O que? —Você vai com McCain? Cerrei os dentes. —E se eu for? —Fique à vontade, Martin, — Landon disse, balançando seu braço. —Ele só transa com qualquer coisa que anda. Vá em frente, se você quer mesmo isso. —Mesmo que eu queira isso, — eu disse com irritação, — não seria da sua maldita conta. —Não é da minha conta? — Ele disse com uma risada aguda. —Certo. Seus amigos lhe deram um tapinha nas costas e cutucaram o seu ombro enquanto passavam. —Vejo você no pós festa, Landon! — Um cara gritou. Landon gritou e levantou as mãos. —Sim, cara! Os outros caras aplaudiram e depois desapareceram da sala, agora vazia.


Não havia nenhuma maneira que eu ia deixá-lo ir a uma festa; com maldita certeza. Ele estava bêbado demais para ir a qualquer lugar. —Landon, você está bêbado. Você pode me deixar leva-lo para casa, para que eu possa cumprir a minha promessa a Jensen? —Foda-se Jensen! — Landon anunciou. —Eu acho que Em já faz isso com ele. — Rosnei em frustração. —Impressionante. Outra coisa que temos em comum. Esposas de merda, uma propensão para o uísque, e minha ex. —Você poderia retirar isso? —Eu normalmente diria loiras, também. — Landon disse. Passando a mão pelos meus longos cabelos loiros e sorrindo para mim. Bati a mão para longe de mim e tentei manter a calma. — Hora de ir. Vamos. Agora mesmo. —Tudo bem. — Resmungou quando o empurrei em direção à porta. Fizemos isso no meio da sala, virando desajeitadamente em sua embriaguez, antes de Peter me ajudar a levá-lo para fora. Só mais um táxi estava à espera, e eu dei um suspiro de alívio. Eu poderia levá-lo para casa. Então, esta noite louca estaria acabada.


Peter e eu finalmente manobramos Landon na parte de trás do táxi. —Obrigada, Peter. Eu agradeço. —Tenha cuidado, Heidi, — ele disse com um olhar compreensivo. —Wrights não são sempre certos. — Então, piscou para mim. Senti meu rosto arder com suas palavras. Se fosse qualquer outra pessoa, provavelmente eu teria explodido, mas Peter não falava muito. Ele observava e constatava. Se ele notou alguma coisa, então era flagrantemente óbvio com apenas um olhar. —Obrigada pelo conselho, mas você não tem que se preocupar comigo. —Eu sei, — disse com um aceno. —Você é uma lutadora, assim como o seu velho. Estremeci um pouco com o comentário. Talvez fosse suposto ser um elogio, mas sobre o meu pai... Eu mal podia tomá-lo como um. —Obrigada, — murmurei, tentando um sorriso. —Você é o melhor. Pulei para dentro do táxi e consegui o endereço de Austin com Landon, para o motorista. Eu quase o chutei quando descobri que era à apenas três quarteirões de distância. Não que eu pudesse ter andado por esses três blocos, mas me senti ridícula, tendo um táxi o levando a uma distância tão curta.


Tirá-lo do táxi foi tão difícil como fazê-lo entrar, e eu tinha o número do motorista de táxi, assim poderia chamá-lo quando precisasse de uma carona para casa. Não acho que fazê-lo entrar em casa ia ser mais fácil. Eventualmente, entramos na casa de Austin e fomos para o quarto do primeiro andar. Agradeci ao Senhor que ele não estava no segundo andar. Não tinha certeza de como iria fazê-lo subir as escadas. Eu provavelmente teria que deixá-lo no sofá. Empurrei-o para baixo em cima da cama, e ele caiu para trás. —Deus, eu estou bêbado. — Murmurou. —Bem-vindo ao meu mundo. —Nunca esperei que você seria a única a tomar a iniciativa. — Ele arrastou. —Você gosta de ficar por cima? —Não mexa comigo agora, Landon. —Ei, você me empurrou para a cama. —Porque você está bêbado, e eu queria levá-lo a algum lugar seguro. Agora, estou indo para casa, para que eu possa dormir um pouco. Ele estendeu a mão para o meu lado. —Fique comigo. Puxei a minha mão da dele com um aceno de cabeça. —Não vai acontecer. Então, fui encontrar água, Tylenol, e uma pequena lata de lixo para colocar ao lado da cama. Ele poderia passar mal, e eu não queria que ele vomitasse em todo o quarto de Austin.


—Acho que estamos ignorando essa conversa. — Murmurei quando voltei com os suprimentos e encontrei Landon desmaiado. Coloquei a água e o Tylenol na mesa de cabeceira e comecei a tirar os sapatos de Landon. Ele poderia dormir no resto de suas roupas por tudo o que me importava. Dei um tapinha para baixo em seus bolsos para remover a sua carteira e telefone celular. Deixei a carteira ao lado da água e conectei o seu telefone ao carregador enrolado em volta da lâmpada. A tela se iluminou, e por um segundo curioso, meus olhos caíram para baixo na tela. Eu me encolhi quando vi que a tela inteira estava cheia de mensagens de Miranda. Parei de olhar. Aqui estava eu, cuidando do marido de outra pessoa quando a sua esposa tinha mandado mensagens para ele sem parar. Não importa o que tinha acontecido entre nós, os sentimentos que estávamos escondendo por tanto tempo, eu sabia que era errado. Estávamos tão errados. Meus olhos pousaram na tela acesa mais uma vez, e me culpei por ler algumas das mensagens. Eu sabia que não deveria, mas se visse o que ela estava dizendo a ele, então talvez isso me desse o empurrão para deixar tudo isso para trás, para sempre. Landon, eu te amo tanto. Por favor, atenda o telefone.


Eu sempre vou te amar. Sei que temos um futuro juntos. Nós não podemos nos separar. Pense em tudo o que passamos. Nós podemos fazer isso funcionar, Landon. Eu sinto muito. Eu não estava no meu juízo perfeito. Eu não posso imaginar a minha vida sem você. Por favor, por favor, meu amor, por favor, vamos resolver isso.

Eu me afastei do seu telefone, como se tivesse colocado a mão em uma cama de brasas. Puta merda! Miranda é um desastre! Ela era um desastre total. E ela não tinha ideia de que eu tinha contribuído para isso de alguma forma. Ela não tinha ideia de que o seu marido tinha vindo aqui e prontamente beijado outra mulher. E isso era tudo que eu era, a outra mulher. Ele pode estar separado, mas eles não tinham acabado. Fiquei olhando para ele dormindo pacificamente na cama e não queria nada mais do que me enrolar ao lado dele. Mas eu não faria isso. Landon Wright não pertencia a mim. Ele pertencia a Miranda. Eu não seria estúpida o suficiente para esquecer isso novamente.


Cinco

—Poooorra, — gemi. Meu estômago se agitou, e rolei para encontrar uma lata de lixo convenientemente localizada para esvaziar o meu estômago. Obrigado, porra! Depois que finalmente fui capaz de me sentar, olhei para o quarto iluminado e tentei me lembrar onde diabos eu estava. Parecia com a casa de Austin, mas como eu tinha chegado aqui? Depois de beijar Heidi e vê-la falar com Brandon McCain, o resto da noite ficou meio confusa. Eu me atrapalhei com a garrafa de água na mesa de cabeceira e bebi três quartos antes de perceber que havia Tylenol ao lado dela. Alguém deve ter lido a minha mente. Não tem como eu ter conseguido tudo isso na noite passada. Não, se não conseguia nem lembrar. Foda-se, quero dizer, meus sapatos estavam fora, minha carteira estava fora do meu bolso, e meu telefone estava carregando na mesa de cabeceira. Eu não poderia ter vindo sozinho para casa; isso era certeza. Austin não teria se incomodado. Não tinha certeza se ele ainda não estava de ressaca.


Lentamente, me arrumei em uma posição de pé e tomei o Tylenol para minha dor de cabeça. Retirei as roupas que usara na noite passada e encontrei um short de basquete e uma camiseta. Então, peguei meu celular e sai para a sala. —Bom dia, luz do sol, — Austin chamou a partir da sala de estar. SportsCenter estava passando na tela ao fundo, e ele estava bebendo um Bloody Mary. —Como você pode sequer olhar para o álcool? —Temos uma relação especial. Ri e então segurei a minha cabeça com a dor. Uma relação especial para dizer o mínimo. —Que horas são, afinal? —Uma da tarde. — Austin anunciou. —Porra — Gemi. Eu me joguei em uma cadeira e puxei as mensagens no meu celular. Eu tinha ignorado Miranda durante todo o dia de ontem, mas porra, ela tinha enchido as minhas mensagens de texto, e eu tinha dezessete mensagens de voz. Cristo! De jeito nenhum estava com vontade de ouvir qualquer uma dessas. A partir de uma breve rolagem através dos textos, já podia ver que era a mesma merda dela. Eu lidaria com essa conversa quando chegasse em casa. Eu não queria falar com ela sobre a merda que ela tentou puxar ou a discussão que tínhamos entrado.


Revirei os olhos. Eu não era um idiota. Ela tentou esconder a merda de mim e, em seguida, agiu como um animal encurralado quando a confrontei. Apesar da nossa longa e danificada história, ela não imaginava que eu a deixaria. Não importa se eu quis me divorciar dela há um ano atrás. Eu tinha preparado os papéis e tudo, mas ela ficou grávida e eu disse que ia nos dar mais uma chance. Então chance após chance e após aconselhamento matrimonial a chance que eu tinha dado a ela até o seu mais recente ataque de besteira. Eu tinha lhe dado tantas chances que ela não achava que eu a deixaria. Agora que finalmente tive o suficiente, eu sabia que ela estava realmente em pânico sobre... perder seu salário. —Então, você está saindo com Heidi agora? — Austin perguntou. Eu me ergui com tanta força que estremeci e segurei a minha cabeça. —Eu estou o quê? — Gritei. Os olhos de Austin se estreitaram. —Ela esteve aqui ontem à noite. Eu a vi sair do seu quarto quando voltei por volta das duas e meia. —Ela estava aqui? —Irmão, você estava tão bêbado que não se lembra de ter transando com ela? Isso explicaria porque ela parecia tão chateada. — Austin disse. —Você acha que eu dormi com ela? — Perguntei, ficando mais pálido a cada segundo.


—Quer dizer, não sei ao certo, mas por que mais uma garota quente sairia do seu quarto, às duas e meia da manhã? Além disso, com a merda indo abaixo com Miranda, pensei que você queria um pouco de diversão neste reencontro. —Que merda com Miranda? —Não sei, cara. Não pode ser bom se você está aqui sem ela. —Espere,

espere,

espere,

eu

disse,

meu

cérebro

finalmente recuperando o atraso. —Heidi estava chateada? Austin deu de ombros. —Você realmente não lembra de nada, não é? —Porra. Estou ferrado, não estou? —Pelo que vejo. — Austin empurrou o Bloody Mary em minha direção. —Acho que você precisa disso mais do que eu. —Obrigado,

mas

tenho

que

descobrir

o

que

diabos

aconteceu ontem à noite. — Tentei sacudir as teias de aranha da minha mente, mas tudo estava apenas faltando. Eu não tinha desmaiado assim desde a faculdade. Jesus, eu tinha sido um idiota. Arrastei meu traseiro de volta para o quarto em que estava hospedado e disquei o número de Heidi. Ele tocou e tocou e tocou antes do seu correio de voz, finalmente assumir. —Olá, essa é Heidi. Você sabe que eu odeio mensagens de voz. Se é importante, me mande um texto. Bip.


Desliguei antes de deixar uma mensagem que ela nunca iria ouvir. —Porra, Heidi. — Resmunguei enquanto discava o número dela novamente. Nem sequer passou por todos os toques antes de empurrar para o correio de voz. Um minuto depois, Heidi me enviou um texto. Vamos apenas acabar com isso da forma como fizemos na noite passada. Olhei para aquela mensagem de texto com um crescente sentimento de pânico no meu peito. O que aconteceu ontem à noite? Onde foi que deixei as coisas? Eu não queria ligar e ser como, Ei, nós transamos na noite passada? Tinha certeza que lembraria se tivéssemos. Não poderia imaginar que fazer sexo com Heidi seria nada menos do que inesquecível. Respondi a sua mensagem. Não é bom o suficiente para mim. Atenda seu telefone. Disquei o número dela de novo, e desta vez, quase no último momento, Heidi respondeu. Era como se não tivesse certeza de que ela estava realmente fazendo isso. —Ei. — Ela disse suavemente. —Ei. Obrigado por atender. —Não tenho certeza por que eu atendi.


—Porque me deixar às duas e meia da manhã, bêbado e totalmente perdido, não é como queria terminar as coisas. —Sim. Como você está se sentindo esta manhã? —Ressaca e com uma grave falta de memória de várias horas de ontem à noite. — Admiti. —Estou vendo. — Ela disse. —Quer me contar os detalhes? —Nada aconteceu, se é isso que você está perguntando. — Disse com uma dor em sua voz. —Eu disse que não faria nada com você enquanto ainda estiver com Miranda. Enfim, você acha que eu iria tirar proveito de alguém tão bêbado quanto você estava na noite passada? —Não, não acho que você faria. Só não sabia se eu tinha me feito de um tolo total na sua frente. —Se: insinuar que eu estava indo foder Brandon McCain porque ele tinha me lisonjeado com atenção desagradável, ficar tão bêbado que estava bebendo cerveja diretamente de um jarro, e desmaiar assim que eu coloquei você na cama o tornou um tolo total, então sim. Estremeci. Ótimo. Isso era tudo uma merda, mas pelo menos eu não tinha tido relações sexuais com ela e de alguma forma esquecido. Isso teria sido muito pior. —Sim. Desculpe por tudo isso.


—Está tudo bem, Landon. Não tem problema. Eu deveria desligar. Não acho que devemos nos falar mais. —Heidi, por favor. Você disse que iríamos conversar. —Sim, e então você desperdiçou isso! —Eu sei. Brunch8 comigo. —Você não pode me pedir para sair! — Ela gritou. —É só um Brunch, Heidi. Você disse que conversaria após a reunião. Posso pedir esse favor? —Não. —Heidi, — gemi. —Por favor. Ela

suspirou

pesadamente

no

telefone

e

me

deixou

esperando e me perguntando. —Bem. Brunch. Meia hora é tempo suficiente? —Sim, isso é muito tempo. Obrigado. Café J? —Tudo bem. Vejo você lá, Landon. Desliguei o telefone com um suspiro. Eu poderia fazer isso direito. Eu não tinha feito nada imperdoável. Heidi iria aparecer. Eu poderia estar no processo de deixar Miranda, mas não queria perder de ter uma chance com Heidi. Nos próximos vinte minutos, tomei banho, do álcool ainda escorrendo dos meus poros, raspei a barba, e me troquei em uma polo marinho. Ainda tinha muito tempo para chegar ao Café J,

8

Pequeno café da manhã que é praticamente um almoço, acontecendo entre as 11 e 2 da tarde.


que era um dos meus restaurantes favoritos da cidade. Peguei meu telefone, e ele começou a tocar. Jensen. Revirei os olhos. Pelo menos não era Miranda. —Ei, mano, — disse quando atendi ao telefone. Ocupei-me ao redor da sala, colocando a minha carteira no bolso e colocando meu relógio grande. —Landon, odeio chamá-lo assim no início da tarde, considerando a sua condição na noite passada. — Jensen disse. Ele era só negócios. O tom da sua voz me acalmou. —Sim. A noite passada foi difícil. O que está acontecendo? —Miranda simplesmente apareceu na minha porta, exigindo para ver você. —Ela fez o quê? — Gritei. —Acho que ela pegou o voo da manhã em Tampa e acabou de chegar à cidade. Ela veio direto para cá, pensando que você estivesse aqui. —Você disse a ela que eu estava no Austin? Jensen suspirou. —Claro que eu disse. Ela é sua esposa. —Porra, Jensen. —Lide com a sua merda, Landon, ou deixe-me ajudar. Caso contrário, você vai acabar no mesmo lugar. Amaldiçoei Jensen sob a minha respiração. Ele estava certo, por isso que eu o odiava. —Obrigado pela atenção.


Minha mente estava hesitando quando desliguei. Eu deveria saber que Miranda me seguiria. O que eu esperava dela? Ela tinha feito coisas mais loucas nos últimos anos, do que subir em um avião para me ver em Lubbock. E, com a maneira que tinha deixado as coisas, eu deveria ter previsto isso. Mas estava tão chateado que não estava pensando direito, mas estava se tornando mais evidente enquanto o dia ia passando. Corri para fora da sala de estar. Austin estava recostado para trás com seu Bloody Mary, mandando mensagens de texto. —Miranda está a caminho. — Disse a ele. Eu podia ouvir o pânico na minha voz. Austin virou a cabeça para olhar para mim e fez uma careta. —Isso é ruim, certo? —Provavelmente. Tenho que fazer um telefonema. Você vai atender a porta se ela aparecer? —Bem, eu estava indo ver se você queria almoçar comigo e Patrick, mas isso soa fora de questão. —Sim, não acho que vou ser capaz de sair com vocês agora. — Não é o que eu tinha planejado para o almoço de qualquer maneira. —Você pode atender? Tenho que fazer uma chamada antes que ela chegue aqui. —Vou

fazer

essa

intervenção.

Austin

concordou,

acenando-me para longe. Disquei o número de Heidi enquanto corri de volta para o meu quarto.


Estava chegando atrasado. Definitivamente tarde. Porra, eu poderia ter que cancelar. Não, isso não era uma opção. Eu tinha que falar com ela. Tinha que pedir desculpas pela noite passada e explicar o que estava acontecendo. Se ela soubesse a verdade, então entenderia. Após alguns toques, a linha de corte caiu em seu correio de voz. Desliguei e soltei uma respiração forte enquanto disquei o número dela novamente. —Atenda, atenda, atenda. — Respirava mais e mais enquanto o telefone tocava. Ela deve estar no carro ou algo assim, porque foi para o correio de voz novamente. Xinguei alto e estava prestes a discar o número dela novamente quando ouvi a campainha. —Foda-se.— Xinguei. Guardei o meu telefone e saí do quarto. Austin já havia estabelecido seu Bloody Mary e caminhado até a porta da frente. Ele me lançou um olhar curioso sobre o ombro antes de abrir a porta. —Miranda, — Austin disse, como se estivesse surpreendido. —Eu não estava esperando vê-la. —Onde está Landon? — Ela interrompeu, ignorando todas as cortesias. —Ele está com um pouco de ressaca, mas está aqui. Miranda passou por ele para entrar. Ele soltou um suspiro. —Vamos entrar.


Os olhos de Miranda me encontraram do outro lado da sala, e eu vi a determinação em seu olhar. Ela era uma mulher em uma missão. Ela claramente não tinha pensado em mais nada, mas somente em mim desde que saí. Mas ela ainda conseguia parecer perfeita. Seu longo cabelo loiro estava reto e intocado. Sua maquiagem era impecável com batom vermelho-cereja. Mesmo a sua saia até o joelho branca emparelhada com uma blusa de seda rosa-choque estava apertada e perfeita. Se eu não a conhecesse, nunca teria imaginado que esta era uma mulher que estava caindo aos pedaços. —Landon! — Ela disse, correndo para mim. Jogou os braços ao redor do meu pescoço e pressionou seu corpo contra o meu. — Estive tão preocupada. Acariciei suas costas. Meus olhos encontraram Austin do outro lado da sala. Sua expressão era constrangida. Ele ainda pensava que eu tinha dormido com Heidi na noite passada. Ele deve estar pensando coisas horríveis sobre mim. Ou isso, ou ele realmente desprezava Miranda, tanto quanto todos os outros e esperava que isso não acontecesse. —Ei, o que você está fazendo aqui? — Perguntei. Segurei-a no comprimento do braço. —O que estou fazendo aqui? — Ela perguntou, incrédula. — Depois que você saiu de casa sem mim, o que você esperava que eu fizesse? —Ficasse em casa, em Tampa.


Seus olhos se arregalaram. —Eu nunca poderia fazer isso, Landon. Você tinha que saber que eu nunca poderia vê-lo ir embora e ficar bem com isso. Fiquei arrasada. Eu tinha que segui-lo. Tinha que fazer isso direito. Austin pigarreou. —Desculpa por interromper. Eu vou... sair e almoçar com Patrick. Deixe-me saber se você precisar de alguma coisa. —Obrigado, Austin. — Disse com um suspiro. Acenei, quando ele praticamente saiu correndo da casa para evitar a conversa que eu queria desesperadamente escapar. Assim que Austin fechou a porta, Miranda pegou as minhas mãos.

—Estou

tão,

tão

triste,

Landon.

Eu

estou.

Verdadeiramente. Você tem que saber o quanto estou triste sobre tudo isso. Puxei as minhas mãos para trás. —Eu realmente não estou. Você parecia que queria dizer o que disse. —Você sabe que eu não queria. Estava frustrada e preocupada com você quando me ouviu falar no telefone com Janice. Não é todo dia que temos que enfrentar a notícia do seu médico que você nunca mais será capaz de jogar golfe novamente. A respiração deixou meus pulmões em um baque, e eu dei um passo para trás. Até mesmo ouvir essas palavras da sua boca fez o meu estômago apertar e meu corpo travar. Tentei não pensar exatamente nessas palavras. Tentei bloquear o médico dizendo que eu feri a minhas costas no mesmo lugar de antes. Tentei esquecer ele me dizendo que, se eu não parasse, se não


tirasse uma folga para me curar, nunca jogaria golfe novamente. E, mesmo assim, não havia garantias. —Não, eu esperava nunca ter que ouvir isso, — disse, —Mas também não esperava ouvir você dizer a Janice que não quer ter filhos, depois que passamos o último ano fazendo todo o possível para que isso acontecesse, e então explodir em mim quando perguntei-lhe sobre isso. Lágrimas brotaram nos olhos dela, e em poucos segundos, ela estava choramingando em suas mãos. Seus ombros estavam tremendo. Seu corpo sacudindo com soluços. A mulher composta que eu conhecia desapareceu. —Sinto muito, — ela soluçava. —Eu sinto muito. Era uma piada entre garotas. Eu juro. —Bem, não foi uma piada engraçada, considerando que perdemos um filho e eu atendi a todos os seus caprichos o ano passado em uma tentativa de consertar as coisas. Então ouvir você dizer a ela que não quer um filho, para ser como um Wright, por isso não terá um. Desculpe-me se não acho isso engraçado. —Foi estresse, — ela prosseguiu. — Eu sei que não deveria ter dito isso. Eu não quis dizer isso. Tudo o que eu disse foi por estar preocupada com sua carreira e saiu tudo errado. Não era qualquer outra coisa. Eu quero que você fique melhor. Eu quero que você faça o que ama novamente. Você sabe que é minha primeira prioridade. Sempre. E eu voei até aqui para fazer isso direito.


Seus olhos encontram os meus. Eles estavam vermelhos, e as lágrimas escorriam pelo seu rosto. —Landon, deixe-me fazer isso direito. — Disse ofegante. Meu telefone tocou no meu bolso, e eu sabia exatamente quem era. Eu sabia onde deveria estar e o que deveria estar fazendo. Mas aqui estava a minha esposa, minha esposa insensível e rígida, colocando tudo para fora para mim. Eu estava tão cansado de toda a merda que havia passado. Eu não sabia se acreditava quando ela dizia que, estava brincando ou que a minha carreira era a sua primeira prioridade, mas eu teria que ser um homem diferente, um homem horrível, para não a ouvir. —Mais uma chance, Miranda, — eu disse a ela. —Apenas uma e se alguma vez me sentir assim novamente. Estou fora. Você entendeu? Ela assentiu ferozmente. —Você nunca sentirá. Eu prometo.


Seis

Ir ao Café J para ter um brunch com Landon era uma ideia idiota. Eu sabia até os meus ossos, mas não podia dizer não a ele. Tentei, mas quando ele me implorou, eu era um caso perdido. Nunca haveria uma verdadeira relação entre nós. Eu não ficaria entre ele e Miranda. Eu não seria esse tipo de garota. Mas, ainda assim, eu esperava. Eu esperava pelo dia em que ele me diria que não estavam apenas separados, mas que ele tinha finalizado um divórcio com Miranda. Era uma coisa má, cruel de se esperar. Esperar que um casamento fosse arruinado era um karma ruim, e eu precisava de todas as boas vibrações que poderia ter em minha vida. Eu tive tempos difíceis o suficiente, para ter certeza. Ainda assim... fez meu peito doer pensar naquele beijo. E, embora estivesse bebendo na noite anterior, o meu sangue tinha aquecido quando ele me perguntou se eu gostava de estar por cima. Levou toda a força de vontade no meu corpo para não ceder e esquecer sobre ser uma adulta responsável, apenas uma vez. Mas aqui estava eu, dirigindo para vê-lo.


Como se eu sinceramente acreditasse que pudéssemos voltar a ser amigos depois daquele beijo. Ele cortou todo o contato comigo porque nossas conversas tinham ido dele, finalmente ter alguém que pudesse conversar em sua vida, para conversas profundas, emocionais. Em conversar até tarde da noite. E querer acordar e chama-lo. E querer falar com ele todos os dias apenas para contar sobre o meu dia. E querer voar e ver o seu sorriso coincidir com a risada que eu poderia tirar dele. E então o Ano Novo. Quando nossas conversas eram tudo, mas sentimentos admitidos a quase cruzar uma linha que nunca teria sido capaz de voltar. Ele terminou por uma razão. Nós provavelmente deveríamos ter sido mais espertos e parado isso. Tarde demais agora. Ele tinha a sua língua na minha garganta, e eu certamente não estava a ponto de esquecer. Mesmo que o lado sensato do meu cérebro me dizia que eu deveria esquecer. Cheguei ao Café J e desliguei o motor. Ele estava agitado, e o estacionamento estava cheio. Corri para dentro, e depois de olhar em volta e ver que Landon não estava lá, coloquei o meu nome na reserva para uma mesa para dois.


—Deve ser liberada em quinze minutos. — Disse a hostess9. —Obrigada. Sentei-me no banco para esperar por Landon e peguei o meu telefone. Tinha duas chamadas perdidas dele, mas nenhuma mensagem de correio ou de texto ou de voz. Estranho. Disquei o número de Landon e esperei. Ele não era como eu. Ele não evitava telefonemas como a peste. Ele quase sempre respondia imediatamente. Mas, desta vez, o seu correio de voz realmente atendeu. —Ei. É o Landon Wright, e você atingiu o meu correio de voz. Eu não estou aqui agora, mas se você deixar uma mensagem, vou ligar para você. Bip. Terminei a chamada. Se eu odiava correios de voz, não estava prestes a deixar um para ele. Ainda assim, era estranho. —Martin. — A hostess chamou. —Sou eu! — Acenei a minha mão e me levantei Deixei a mulher me levar para nossa mesa no fundo da sala e pedi um copo de água para cada um de nós. Assegurei ao garçom que Landon estava a caminho e estaria aqui a qualquer minuto. Após cerca de dez minutos de silêncio, estiquei o pescoço para trás e para frente para ver se talvez ele estivesse esperando e

Hostess é uma profissão. Uma espécie de recepcionista de restaurantes, bares, eventos, festas, discotecas ou hotéis. 9


não tinha percebido que eu tinha conseguido uma mesa já. Mas ele não estava lá em cima, e meu telefone não tocou. Landon estava atrasado. Sério, isso era irritante. Por que insistiu em me ver se ele ia se atrasar? Ele provavelmente estava apenas trabalhando sua ressaca ou algo assim, mas era uma merda não mandar pelo menos um texto. Tentei ligar mais uma vez, mas ele não respondeu. Mordi o lábio. Isso não parecia Landon. Talvez algo tivesse acontecido. E se ele se envolveu em um acidente de carro ou algo assim? E se alguma coisa tivesse acontecido com ele ou Austin, e ele não podia chegar ao seu telefone? Uma série de possíveis outros cenários piores passaram pela minha cabeça. Com o medo me conduzindo, mandei um texto a Landon. Ei, está tudo bem? Estou preocupada com você. Me ligue de volta. Mordi a minha unha enquanto esperava pelo o que parecia ser uma quantidade infinita de tempo. Enxotei o garçom mais de uma

vez,

quando

veio

me

verificar.

Dez

minutos

se

transformaram em vinte, vinte foi rapidamente se aproximando dos trinta. Eu não tinha comido nada, e tinha ido de preocupada para chateada. Landon Wright me fez vir aqui, só para me abandonar. Ele me deixou. Meu coração batia rapidamente no meu peito, e podia ouvilo zunindo nos meus ouvidos, como se eu estivesse passando por


um túnel. Um rubor de vergonha revestiu as minhas bochechas, e raiva impregnou em mim. Eu não sabia o que estava acontecendo em sua vida. Eu não sabia o que estava realmente acontecendo com Miranda. Mas isso não era aceitável. Apertei as minhas mãos em punhos e levantei-me da mesa. Landon me fez de idiota. Eu sabia que estava certa da primeira vez. Eu tinha deixado a casa de Austin na noite passada, visivelmente chateada com o que tinha percebido. Landon e Miranda tinham coisas para resolver, e eu era a pessoa mais próxima para ele canalizar sua raiva. Isso era tudo o que tinha sido. Quando ele ligou esta manhã, pensei que talvez eu tivesse lido a situação de forma errada. Talvez eu não devesse ter saído ontem à noite. Talvez pudéssemos ver onde as coisas poderiam ir entre nós. Talvez ele me quisesse. Agora, tinha que segurar as minhas mãos para não tremerem. Eu estava tão zangada com ele. Ele provou que eu estava certa, e não gostei nada disso. Saí do restaurante e voltei para o meu carro. Minha respiração estava saindo arranhada induzida por hiperventilação furiosa. Em toda a minha vida e todos os encontros horríveis que estive, nunca tinha sido abandonada e me sentido tão estúpida. Virei a ignição quando o meu telefone começou a vibrar ao meu lado. Quase ignorei. Se fosse Landon, era insignificante, e era muito tarde. Eu estava tendo uma reflexão tardia. Eu não era


importante o suficiente para até mesmo ser avisada que ele não poderia vir. Não queria falar com alguém que poderia me tratar desse jeito. Mas minha mão se estendeu, e olhei para a tela de qualquer maneira. Deixei escapar um suspiro quando vi que era Emery, não Landon. De alguma forma, ainda tinha esperanças de que fosse ele. Mas eu tinha que colocar isso tudo fora agora. Não podia deixar Emery saber por que eu estava tão chateada. Landon estava fora dos limites. Ele não era uma conversa que queria ter com a minha melhor amiga. Respondi à chamada, — Alô? —Ei! Eu cheguei em casa. Onde você está? — Emery perguntou. —Saí para comprar alguma comida, mas perdi o apetite e não comi nada. —Isso é ridículo. Você provavelmente deve comer alguma coisa. Quer que eu faça alguma coisa em casa? —Não, está tudo bem. — Eu realmente não estava com fome mais. Minha raiva tinha queimado a minha necessidade de comida. —Tudo bem? —Tenho tanta coisa para falar com você. Eu queria te contar logo que cheguei em casa. Você vai ficar fora muito tempo?


—Estou no caminho para casa, na verdade, — disse enquanto virei a ignição e saí da minha vaga de estacionamento. —Estou ai em, tipo, dez minutos. —Certo. Bem, eu não posso esperar tanto tempo, — disse Emery. —Miranda apareceu na casa de Jensen esta manhã. Engoli em seco quando tudo pareceu cristalizar. —Miranda? Como a... esposa de Landon? —Minha voz era frágil, como se eu fosse uma casca de ovo rachada, pronta para quebrar. —Sim. Como a senhora cadela louca que grita comigo cada vez que me vê, embora ela saiba que Jensen e eu estamos juntos e não tenho interesse em Landon. Ela é um monstro total. Jensen a detesta, para dizer o mínimo. —O que ela estava fazendo lá? — Consegui dizer enquanto dirigia cegamente em toda a cidade. Não conseguia lembrar de nenhum caminho. Semáforos e sinais de trânsito e mudanças de faixa tinham acontecido, mas eu estava no piloto automático. —Ela estava à procura de Landon, mas como você sabe, nesta viagem, ele veio ficar com Austin, não Jensen. —Certo. — Porque eu tinha levado a sua bunda bêbada para casa ontem à noite. —Mas... o que ela queria? —Não tenho certeza. O que escutei a partir da sua conversa aflita com Jensen foi que eles tiveram uma discussão, Landon ameaçou deixá-la, e ela estava aqui para acertar as coisas. Qualquer que seja o inferno que isso signifique. —Sim. — Sussurrei.


Miranda estava aqui para fazer as coisas direito. E, agora, Landon não retornava as minhas chamadas ou respondia a nenhuma das minhas mensagens. Minha garganta estava seca e oprimida. Minhas mãos estavam rígidas no volante. Meu coração apertou dolorosamente. Claro. Claro que era isso. Era como se aquelas mensagens que tinha lido na noite passada no telefone de Landon e a conclusão que eu tinha chegado a partir delas se tornaram realidade. Landon não estava deixando Miranda. Landon nunca ia deixar Miranda. Mesmo que Emery tinha dito que Landon só tinha ameaçado ela. Ele não estava realmente seguindo adiante. Não sei o que essa coisa toda de brunch significava para ele. Talvez ele estivesse tentando quebrar meu coração de uma vez por todas? Ele teria decidido que seria mais fácil eu saber como inútil realmente era para ele se me levasse em um encontro e depois me ignorasse? Estava me sentindo com cinco centímetros de altura no momento, e o sangue rugia nos meus ouvidos. —Heidi? Ei, você ainda está aí? — Emery perguntou. Não tinha percebido que ela ainda estava falando comigo ao telefone. —Sim, desculpe-me. Estou dirigindo. —Isso está claro. Você ficou calada. —Não acho que estou me sentindo tão bem, — admiti.


—Oh, não. — Emery disse. —Nós vamos ter que assistir algum Netflix e relaxar. Eu ri baixinho. —Você sabe que significa que vamos fazer sexo, certo? —E? —Conte comigo, — eu disse as palavras, mas elas não demostravam nenhum do meu alegre entusiasmo normal. Eu não poderia ter o humor para a conversa. —Heidi, — Emery disse novamente. —Sim? —Isso é sobre Landon? —O que acontece com Landon? — Perguntei, em pânico que ela tivesse interpretado corretamente o meu silêncio. —Você sabe... sobre ele e Miranda. —Não. Eu não sei. Emery suspirou. —Eu sei que você gosta dele, Heidi. Você não esconde as coisas de mim, assim como você acha que faz. —Eu não gosto dele, — insisti. Agora, definitivamente eu o odiava. —Certo, — Emery disse incrédula. —Bem, eu não sei o que está acontecendo com Miranda, mas se Jensen não tem nada a dizer sobre isso, eles vão estar se divorciado mais cedo ou mais tarde. —Eu não vou segurar a minha respiração.


—Bem, volte para casa, e podemos tomar sorvete e fazer maratona de Buffy, está bem? —Parece bom. A vejo em breve. — Terminei a chamada e fui direto para casa. Quando estacionei dentro do parque de estacionamento do apartamento que dividia com Emery, um texto de Landon apareceu. Então, desculpe sobre o brunch! Algo surgiu, e eu não podia fugir. Podemos falar depois? Vou explicar tudo. Sacudi a cabeça, exasperada. Ele nem sequer mencionou Miranda no texto. Algo surgiu. Tudo bem, certo. O que ele queria dizer era, que a sua esposa tinha aparecido, e se eu tivesse ficado a noite, ela teria nos flagrado. Pior ainda, se ele estivesse no brunch comigo, ela poderia ter aparecido lá enquanto estávamos juntos. O que diabos ele teria feito então? Landon não estava sendo honesto comigo, e pior, não parece que ele estava sendo honesto consigo mesmo. Ele não estava deixando Miranda. Falar comigo só ia causar-lhe problemas. Eu não tinha interesse em um triângulo amoroso danificado. Eu não tinha interesse em lutar por alguém que era inatingível. Eu não tinha interesse em perder meu coração para alguém que só poderia quebrá-lo. Bati uma mensagem para Landon, deixando minha raiva me guiar. Eu sabia que estava fazendo a coisa certa. Reconsiderar


tinha sido o movimento errado. Esperar por ele quando estava atrasado tinha sido terrível. Concordar em conversar com ele novamente depois de tudo isso seria totalmente estúpido. Eu sei que Miranda está aqui. Isto está acabado. Nunca mais fale comigo de novo.


Sete

O texto de Heidi foi explicitamente claro. Nunca mais fale comigo de novo. Porra. Porra. Porra. Eu tinha fodido tudo. Podia sentir a sua raiva nessa mensagem. Ela estava além de chateada. Eu não sabia como ela havia descoberto sobre Miranda, mas isso não era bom. Pior ainda, não fui eu quem disse a ela que Miranda estava aqui. Agora, provavelmente ela pensava que eu estava escondendo isso dela. Quem sequer sabia o que estava acontecendo em sua cabeça? Não poderia ser bom. E, pelo som, a nossa amizade não era nem mesmo recuperável. Com Miranda aqui em Lubbock, não tive a chance de acertar as coisas com Heidi. Até para me desculpar e deixar Heidi ir. Poderia ser melhor mantê-la fora da minha bagagem no momento, mas eu ainda me sentia mal. Depois de como agi a noite passada tinha sido desnecessariamente cruel. Eu nunca teria feito isso se tivesse uma maneira de fugir. Em vez disso, fiquei na casa de Austin e ouvi a conversa de Miranda por horas. Talvez ela estivesse falando sério sobre fazer


as coisas direito. Eu não tinha certeza. Precisava de mais tempo para processar. Entre a minha lesão, no golfe, e Miranda, eu preciso de mais do que um dia para descobrir o que fazer com a minha vida. Depois de uma tarde dolorosa, decidi que seria melhor para nós irmos para casa. Com a reunião e Heidi recusando-se a falar comigo, não havia nada para mim em Lubbock. Eu tinha a consulta de outro médico na segunda-feira. Tive muita dor na parte inferior das minhas costas, e sei que estou fodido. Realmente não estava ansioso falar com ele sobre isso um pouco mais. Mas isso não era uma opção com a minha carreira em jogo. Balancei a cabeça para clarear os pensamentos. Tudo o que parecia era como se eu estivesse andando sobre uma corda bamba sem rede. Um movimento errado, e eu perdia tudo. Miranda deve ter notado o meu humor sombrio porque enxugou as lágrimas e se tornou completamente complacente. Eu poderia estar chateado com ela pela discussão que tivemos antes de eu sair. Depois de ouvir a sua conversa com Janice e confrontá-la sobre isso, ela tinha tentado levar em águas mansas. Quando percebeu que não iria funcionar, gritou que era verdade. Tudo bem, ela não queria filhos. Fiquei feliz? Feliz? Como eu poderia estar feliz? Fiquei com ela por crianças. A possibilidade de corrigir o nosso casamento com crianças.


Agora, ela estava dizendo que não era isso que quis dizer. Ela parecia estar falando sério quando disse. Tanto para mim, quanto a Janice. E não sabia se eu poderia acreditar nela, embora continuasse distribuindo uma segunda chance a ela como doces. Nós veríamos como isso ia ficar, porque eu quis dizer isso, porra. Manteria a minha palavra. Esta era a última que ela teria. Não poderia continuar vivendo a minha vida assim.

Domingo de manhã, disquei o número de Jensen enquanto estava arrumando meus poucos pertences. Eu sabia que ele iria responder. Meu irmão mais velho era um vampiro, um insone. —Ei, — Jensen disse grogue no telefone. Eu me assustei por ele estar parecendo cansado. Isso era novo. —Ei, eu o acordei? —Não, não. Volte a dormir, — Jensen sussurrou. Presumi que ele estava falando com Emery. Em seguida, ele estava de volta para mim. —Me desculpe por isso. Estou de pé. O que está acontecendo? —Queria que você soubesse que Miranda e eu estamos pegando um voo mais cedo esta manhã. Jensen soltou uma respiração forte. —Você já está indo embora? —Sim. Acho que preciso voltar para minha vida e descobrir o que está acontecendo. —Com Miranda?


—Sim, — eu disse lentamente. —E o golfe. —Sua lesão não se curou, — Jensen adivinhou. — Reparei que você estava cuidadoso com isto na reunião. Estremeci. Não tinha percebido que estava fazendo isso. Eu tinha um pouco de dor desde que feri as minhas costas há quatro anos, e tive que sair no meio do meu último torneio. Em seguida, algumas semanas atrás eu tinha completamente jogado fora. Não era nenhuma surpresa que eu estava sofrendo do jeito que estava. —Sim. Vamos ver o que acontece. —Você vai perder a missa, — acusou. Esta era a parte mais difícil de dizer a Jensen que eu estava saindo cedo. Igreja era uma necessidade em Lubbock e uma tradição Wright. Nossa mãe tinha ido à igreja todos os domingos, e continuamos a fazê-lo em sua memória todos os domingos. Sair antes da missa era nada menos do que uma blasfêmia, e eu estava fazendo isso. Novamente. —Sim, desculpe-me. Você sabe que eu queria estar lá, mas... —Sim, sim. Apenas resolva a sua vida. Chame se precisar de mim... ou um advogado. Suspirei. —Obrigado, cara. Vou manter isso em mente. Depois que desliguei, disse as minhas despedidas para Austin e, em seguida, Miranda e eu fomos para o aeroporto. Nosso voo teve uma escala em Dallas, e Miranda insistiu em fazer a mudança para a primeira classe para o restante do voo. Eu não


queria discutir, então só fiz isso. Ela pediu uma mimosa assim que estávamos no ar novamente. Eu não precisava de uma bebida; precisava de um novo corpo. O pouso foi um inferno para as minhas costas, e naquele momento, eu estava feliz pelo assento de primeira classe. Se a dor podia se agravar tão rapidamente, tinha a sensação de que a cirurgia ia vir mais cedo ou mais tarde. Um problema para outro dia. Depois que peguei a bolsa de Miranda do setor de bagagens, nós caminhamos para o meu Mercedes SUV estacionado na garagem e dirigi para Clearwater. Nós vivíamos em um clube de campo fechado com um campo de golfe completo que, até esta lesão recente, eu tinha jogado quase todos os dias. Grande o suficiente para abrigar as férias de primavera de uma faculdade, nossa casa era ampla com dois andares e com vista para o Golfo do México, com uma piscina e banheira de hidromassagem na parte de trás. Miranda estava silenciosa e inquieta no caminho do aeroporto. Ela pulou para fora do carro logo que estacionei dentro da garagem. Ela parecia nervosa, e eu não sabia porquê. Mas a vibração dela estava saindo forte. Realmente não queria lidar com isso no momento. Eu queria levar a nossa bagagem para dentro e desmaiar por algumas horas. Não tinha conseguido dormir o suficiente neste fim de semana. Com um gemido, puxei a enorme mala de Miranda do portamalas. Por que ela tinha que levar uma mala cheia desse


tamanho para uma viagem de fim de semana de última hora, eu nunca iria entender. Minhas costas certamente não aprovavam. Então, arrastei junto com a minha própria bolsa para dentro. E parei morto nos meus pés. —Que porra é essa? A casa era um desastre. Eu tinha deixado em bom estado, e voltei para casa para encontrá-la... vandalizada. A mobília tinha sido movida, os travesseiros foram espalhados por toda a sala. Fotos tinham sido arrancadas das paredes. Todos os quadros meus e de Miranda tinham sido derrubados, ou o vidro tinha quebrado no chão de madeira. Algumas peças decorativas com seixos de vidro verde tinham sido espalhadas pela sala. Miranda virou-se com as sobrancelhas juntas e franzidas e sua boca aberta. —Eu posso explicar. —Você pode... explicar? — Perguntei, confuso. —Nós fomos roubados. Era a única explicação que parecia se encaixar. Alguém deve ter entrado e destruído o lugar, à procura de dinheiro ou objetos de valor. —Nós não fomos, — ela disse suavemente. —Como diabos você sabe disso? Deixei a bagagem e bati a porta da garagem atrás de mim. Minha fúria reacendeu, como jogar gasolina sobre uma chama. Eu tinha ido embora há três dias, e esta porra tinha acontecido! —Porque eu fiz isso. — Ela sussurrou.


—Você fez o que? —Eu estava chateada, e eu me empolguei, — disse de modo uniforme que era como se ela estivesse entregando notícias sobre onde estávamos indo para o almoço. Não era nada de importante. Apenas algo que tinha acontecido. Algo que ela não tinha sequer piscado quando deixou a casa assim para ir me buscar em Lubbock. —Você destruiu a nossa casa, — eu disse lentamente por entre os dentes. —Eu disse que estava chateada. — Ela levantou um ombro pequeno, como se quisesse dizer, Oops. Meu olhar se deslocou ao redor da sala mais uma vez. Isso era o que acontecia quando ela estava chateada. Ela tinha se transformado em um demônio da Tasmânia e acabado com a sala de estar. Que diabos havia de errado com alguém que poderia fazer algo assim? Finalmente, meus olhos retornaram para ela. Ela parecia perfeitamente satisfeita. Nós conversamos. Eu estava em casa. Seu mundo estava certo. Mas eu estava vendo uma pessoa diferente. Eu estava vendo a pessoa que a minha família estava me avisando há anos. O que eu sabia que existia e estive disposto a me afastar um ano atrás. A mulher que eu tinha dado tudo... e, em seguida, cuspiu na minha cara. Eu tinha sido enganado.


Enquanto olhava em volta para a destruição, era tão porra óbvio. Miranda não tinha estado triste ou chateada depois que eu a tinha deixado. Ela estava chateada. Em seguida, usou essa raiva para chegar a um plano para me trazer de volta. Não importa o quanto tinha que mentir e agir. E isso porra tinha funcionado. Mas a evidência de seus planos estava diante de mim. —Não se preocupe, — Miranda continuou. —Vou mandar alguém vir limpar. Vai ficar tudo bem. —Tudo bem, — sussurrei. —Sim. — Sorriu para mim. Ela achava que estava tudo melhor agora. Seu plano tinha funcionado. Ela tinha outra chance, e agora poderia voltar à forma como as coisas eram. — Vou subir e me trocar. Agendei uma massagem facial para mais tarde hoje. Após este fim de semana horrível, preciso de uma desintoxicação. Então, ela caminhou no andar de cima, como se o mundo inteiro estivesse em seus pés mais uma vez. Mas, realmente, estava desmoronando ao meu redor. —Foda-se, — murmurei. Sem outra palavra, me virei e saí pela porta da frente. Meus pés me carregaram pela rua e para o campo de golfe. Encontrei o verde mais próximo e fiquei ali, observando enquanto um casal tentava e não conseguia colocar a sua bola no buraco. Isso era onde tudo voltava.


Este era o lugar onde eu estava em casa. Isso era toda a minha vida. Agora, eu não poderia mesmo usar um taco de golfe, muito menos agitar um clube. Eu poderia estar em uma crise de meia idade ou algo assim, mas tudo o que tinha conhecido e tudo o que tinha associado como uma pessoa parecia mais. Eu poderia voltar a jogar golfe. Eu não poderia. Eu poderia salvar meu casamento. Eu não poderia. Eu poderia ter uma família um dia. Eu não poderia. Tudo o que eu sabia, era que não iria continuar com a forma como as coisas estavam. Minha família odiava Miranda. Todo mundo odiava Miranda. A única razão que tínhamos ficado juntos todo esse tempo foi por causa da gravidez, e depois dessa exibição, como eu poderia possivelmente querer crianças com ela. Como eu poderia querer trazer uma criança para um mundo onde sua mãe agia dessa maneira? Eu estava farto de atender a Miranda. Eu estava cansado de lidar com esta merda. Eu não tinha mais nada em mim. Não havia mais chances. Por que eu continuava me colocando nisso? Eu nem sequer a amava. Com um suspiro, senti um peso sair dos meus ombros. Eu finalmente soube que estava fazendo exatamente a coisa certa.


Puxei meu telefone e liguei para o último número que eu tinha chamado. —Landon? — Jensen respondeu ao primeiro toque. —Você está em Tampa? —Você disse que ia me ajudar, — eu disse a ele. Meus olhos estavam fixos no verde diante de mim. Jensen era um reparador. Nós poderíamos fazer isso juntos. —Miranda? —Acho que preciso de um advogado. Jensen lentamente respirou. —Eu tinha medo que chegaria a isso. —Sim. Terminou. Estou tão cansado. —Eu vou resolver isso imediatamente. Florida é um estado sem falha. Você sabe que ela estará recebendo metade do seu dinheiro de golfe, certo? —Foda-se meu dinheiro. — Rosnei. —Apenas estou informando-o. Metade de tudo após o acordo pré-nupcial. —Não importa. Algo tem que mudar. Ela não é a mulher que eu casei. Ela não é a mulher que quero estar casado. —O que você vai fazer nesse meio tempo? — Perguntou. — Você não pode viver naquela casa com ela.


—Não sei. Tenho uma consulta médica amanhã. Vou saber mais sobre o que está acontecendo com o golfe então. Depois disso... Vou descobrir o que vou fazer. —Concentre-se em ficar melhor. Deixe-me lidar com o resto. Balancei a cabeça, e nós terminamos a chamada. Tomei uma respiração profunda, como o divórcio que tinha estado muito tempo próximo estava finalmente sendo colocado em movimento. Era como se eu pudesse finalmente respirar, e eu sabia que estava fazendo a coisa certa. Mas tinha certeza que não estava ansioso para dar essa notícia para Miranda.


Oito

Um mês depois. —Não sei sobre um terceiro encontro Julia, — disse, inclinando meu quadril contra o lado da sua mesa. —Nick era quase muito bom, muito normal. Julia revirou os olhos. —Você precisa de bom e normal, menina. Tudo que você tem lidado são idiotas, sacos de merda, e cretinos. Dei de ombros para a minha amiga de trabalho mais próxima. —Então, eu tenho um tipo. —Você não tem um tipo. Eu tive esse tipo, lembra? — Ela estendeu o braço para revelar as tatuagens que espreitava para fora da blusa e, em seguida, correu uma mão para baixo no conjunto de pregos em seu ouvido. —As meninas más atraem meninos maus. Você é como a rainha do baile. —Eu não era a rainha do baile. —Seu cabelo é loiro Blonde10 até a cintura, e você está vestindo as cores mais brilhantes do que eu tenho em todo o meu

10


guarda-roupa. Além disso, os saltos altos, — acrescentou ela em triunfo. —Eu atraio os meninos maus. Você vai procura-los. —E daí? Eu tenho apenas vinte e oito anos. Viva um pouco. Julia riu bruscamente. —Oh, eu vivi demais para nós duas. Estou contente com não viver como costumava fazer e encontrar um cara agradável e normal. —Como Trevor? — Perguntei. —Sim, como Trevor. Julia e Trevor tinham começado a namorar no início do verão.

Ele

trabalhava

na

contabilidade,

o

que

o

deixou

completamente fora dos limites para mim, por causa da minha regra de não-namoro com colegas de trabalho. Mas ele tinha um amigo

bonito,

Nick,

que

não

trabalhava

para

a

Wright

Construction e com quem eu tive dois encontros duplos agora. Ele era exatamente como eu havia descrito bom, normal, e livre de bagagem. E pode ser por isso que Julia gostava de Trevor, mas às vezes, eu achava tudo um pouco maçante. Eu era notoriamente exigente, e embora achasse que ele era um cara legal, não senti qualquer vibração que ele era o único. Mas pelo menos eu estava namorando. Ver Landon novamente na reunião no mês passado me fez despertar. Eu estava vadiando pela vida, esperando por um cara tão impressionante quanto Landon surgir e ainda nada. Acabou, Landon não era tão grande quanto eu pensava. Ele era essencialmente o mesmo cara que tinha descartado a minha


amiga no dia da formatura dez anos antes. Eu claramente não estava dando aos outros o meu tempo. Agora, eu estava. —Basta dar outra chance a Nick. — Julia incentivou. Ela jogou o cabelo castanho avermelhado na altura dos ombros para o lado, revelando o corte raspado que tinha feito no início daquela semana. Ela era, obviamente, a pessoa mais legal que eu conhecia. —Tudo certo. Eu vou para o encontro três, — disse a ela com um encolher de ombros. —O que mais vou fazer neste fim de semana, além do plano da festa de aniversário surpresa de Emery? Você acha que poderá ir? —Na próxima segunda-feira? — Perguntou Julia. —Sim. —E ela ainda não tem nenhuma pista? —Emery odeia, odeia, odeia aniversários. Ela não suspeita que eu tenho nada planejado. —Eu posso ter que chegar atrasada. Isso é legal? —Você vai perder a parte surpresa. — Fiz beicinho. —Está bem, está bem. Eu vou reagendar meu compromisso de cabelo. A menina é tão difícil de conseguir vaga. —Você acabou de fazer o seu cabelo! —Manutenção, cadela, — Julia disse com uma risada. —Eu não pareço fabulosa para nada.


—Sim, você faz. Você sempre parece fabulosa. Julia revirou os olhos e acenou com a mão, como se quisesse dizer, que seja. —Então, é, uh... Austin vai estar lá? Sorri amplamente e cruzei os braços, dando-lhe o olhar. — Você nunca vai me dizer o que aconteceu com você e Austin Wright depois da festa de Natal do escritório? —Sem chance, — disse, de pé abruptamente. Ela estava em uma saia lápis toda preta, blusa de botão, e sapatilhas. —Austin Wright prova completamente o meu ponto de que os meninos maus me encontram. Eu gosto de arquiva-lo sob o passado que eu nunca mais vou olhar novamente. —Pelo

menos

ele

não

está

tanto

em

seu

escritório

ultimamente, — eu concedi. Julia era diretora de RH para toda a empresa. Ela era excelente em seu trabalho. Mas Austin tem mais relatórios de RH contra ele do que qualquer um na existência. Aparentemente, estar bêbado diariamente no trabalho o colocou em um monte de problemas. Se fosse qualquer outra pessoa que não um Wright, então ele teria ido embora. Agora, ele está sendo pago para beber em sua mesa e com seu pau ao redor. Ele tinha um problema, mas não importa quantas queixas recebia, sua família não iria jogá-lo num centro de reabilitação. —Ele vem e vai, dependendo da semana.— Julia deu de ombros. —Não quero falar sobre Austin. Vamos falar sobre Nick. Você acha que vão fazer sexo?


Dei de ombros. —Acho que temos um tempo para chegar lá. Nós nos beijamos, mas não foi realmente qualquer coisa. Claro, era impossível ter um beijo que alterava a vida como eu tive com Landon na parte de trás do Flips naquela noite. Não deveria ter permitido que isso acontecesse, mas porra, ele era um bom beijador. Foda-se, eu estou fazendo isso novamente. Quantas vezes tenho que me lembrar que não devia pensar em beijar o marido de outra pessoa? Foi ruim o suficiente que Emery foi insistente sobre Landon após a reunião. Eu finalmente tive que para-la completamente e dizer-lhe que, como ela, eu tinha jurado estar fora dos irmãos Wright. Ela, de todas as pessoas, deveria entender que eu não queria ouvir sobre Landon ou falar sobre Landon. O que quer que tivesse acontecido com a gente acabou. A ideia de que as pessoas realmente passavam de amigos para amantes era ridícula. Amigos para amantes não existia mais entre Landon e eu. —Ugh! Eu só quero que você se apaixone, como eu! —Julia confessou. —Vai acontecer. Talvez. Algum dia. Nunca. —Você é ridícula. —Ei, Heidi, — Jim disse, colocando a cabeça no escritório de Julia. —Morgan veio e pediu para toda a equipe de engenharia e projeto se reunir na sala de conferências. Algum anúncio. —Que anúncio? — Perguntou Julia. —Não sei do que se trata, mas preciso roubar Heidi.


—Tudo bem, estarei lá, — eu disse. Voltei para Julia com um encolher de ombros. —Acho que vou ver o que é isso tudo. —Mantenha-me informada. —Mantenho. Saí da sua mesa e do seu escritório. Meu escritório estava do outro lado do local com o resto da engenharia. A equipe de engenharia e projeto trabalhavam juntas aqui na sede da Wright Construction. Tive a sorte de estar no mesmo andar com Julia embora nossos trabalhos fossem completamente diferentes. Eu era a única mulher que trabalhava na engenharia, e estava muito orgulhosa disso. Mesmo que estivesse em um cubículo minúsculo, ao contrário do escritório chique de Julia. Empenhei-me pelo meu progresso por toda a minha vida. Eu tinha me formado no topo da minha classe em engenharia civil no Texas Tech e comecei a trabalhar como estagiária na Wright logo após a faculdade. Trabalhei meu caminho para o topo. Meu trabalho era minha vida. Fiz muito dinheiro, e eu amava o que fazia. Eu me sentia tão feliz por estar onde estava. —Ei, Heidi, — Matt disse, aproximando-se ao meu lado. Ele tinha uma camisa rosa e azul xadrez sob seu blazer azul marinho com um laço. Com ele, cada dia era mais eclético do que o próximo. —Ei, você sabe sobre o que é este anúncio? — Perguntei enquanto caminhávamos para o meu cubículo. Vasculhei a minha bolsa e peguei meu telefone. Se esta reunião fosse chata,


eu ia precisar de algo para ocupar a minha mente enquanto fingia tomar notas. —Nenhuma ideia. Você? —Não, — eu disse, olhando para baixo do meu nariz, para ele. Eu já tinha um metro e setenta sem meus saltos, e fazia questão de usar meus saltos altos no trabalho. Eu gostava de ser tão alta ou mais alta do que um monte de caras da equipe, de modo que não podiam olhar para baixo dos seus narizes para mim. —Jim acha que alguém vai ser demitido. — Ele me disse, arrastando atrás de mim, quando me mudei para a sala de conferência. Do lado de fora dela, eu poderia dizer que já estava lotada. Matt deve ter esperado por mim. Ele me seguiria em muito, como um cachorrinho perdido. —Por que eles trariam todos juntos para demitir alguém? Não são esse tipo de pessoas? —Sim, verdade. Talvez seja um novo projeto ou algo assim. —Depois que assumiram a Tarman Corporação no ano passado, eu não quero pensar sobre a adição de um novo projeto. Sinto que nós finalmente resolvemos o quão merda eles estavam. Matt riu e segurou a porta aberta para mim. —Sim, definitivamente.


Nós entramos na sala de conferência iluminada. Ela estava cheia até a borda com os homens em ternos baratos que só queriam ir em uma corrida de café. Havia alguns caras, como Matt, que eram da minha idade, mas a maioria deles estavam com a empresa muito antes de Jensen assumir. Esses caras realmente não pensam muito carinhosamente de mulheres na engenharia, mesmo quando chutei seus traseiros. Ou talvez porque eu fiz. Não tinha certeza. Nem me importava. Por mais que eu detestava o sexismo flagrante que corria desenfreado ao redor do escritório, estava sendo paga tanto ou mais do que os meus colegas. A menos que alguém fosse assediar-me sexualmente, eu não estava prestes a reclamar com os superiores que os meus colegas eram sacos de merda. Mas isso não era nem aqui nem lá. Eu estava esperando descobrir o que o grande anúncio era, e eu completamente esqueci de Matt. —O quê? — Perguntei, olhando de volta para ele com grandes olhos azuis. —Desculpe, perdi o que você disse. —Uh... Eu estava perguntando se está livre na sexta-feira à noite. Mesmo que ele fosse um pouco baixo e usava roupas estranhas, ele era um cara bonito. Ele só... não era o meu tipo. Não que eu iria sair com ele por causa da minha regra número um de não misturar negócios e lazer.


—Oh, — murmurei. —Isso é doce, Matt, mas estou tipo vendo alguém. Espécie de verdade. Se eu considerasse o encontro número três com Nick de estar vendo alguém. E isso contava agora. —Certo. Totalmente. É claro — ele disse com as pontas das orelhas ficando rosa. Dei-lhe um sorriso que disse, sinto muito, e, em seguida, enfrentei a frente da sala novamente. Foi quando Morgan Wright entrou na sala de conferência. A sala passou de um zumbido alto ao silêncio quase completo em questão de segundos. Morgan tinha esse efeito nas pessoas. Ela era dois anos mais nova que eu, e tínhamos animado juntas na escola. Mas ela tinha sido criada para a sua posição como vice-presidente sênior da empresa desde o nascimento. Algumas pessoas diziam que ela fazia o negócio ainda melhor do que Jensen. Era claro para mim que ela gostava mais. Ela inspirava atenção e respeito, e estes homens, que davam tão raramente, distribuíam a ela em espadas. Não importava o que ela estava vestindo ou como parecia ou quão bonita era, aquelas coisas que os homens nunca iriam considerar sobre outros homens, mas as mulheres geralmente julgavam adiante. O que importava com Morgan era que ela era inteligente, leal, forte, motivada e trabalhadora. Se ela não sabia como ajudá-lo com o seu trabalho, iria aprender a ajudá-lo. Ela iria sair para os locais de construção.


Iria sujar as mãos se tivesse que fazer. Morgan Wright era invencível. —Obrigada por se reunirem aqui em tão pouco tempo neste início da manhã. Vou ser breve, para que possa voltar para seus cafés da manhã, — ela disse com um sorriso travesso. Os homens riram com o que não era exatamente uma piada. Eu amava como sarcástica Morgan poderia ser, sem nunca quebrar um personagem. —Eu queria que vocês soubessem que temos reorganizado a empresa um pouco, e estamos adicionando um novo nível de gerenciamento para este departamento que tem sido necessário a algum tempo. Um estrondo de confusão seguiu essa afirmação. Precisávamos de uma gestão melhor? Isso era uma coisa estranha de se dizer. A Engenharia e equipes de projeto, juntamente com alguns departamentos menores todos relatados diretamente para seus supervisores, e os supervisores se reuniam com um gerente de equipe para o departamento. Em seguida, os chefes de equipe relatavam de lá. A forma como as coisas funcionavam nunca tinha sido um problema antes. —Não se preocupem. Isso não muda nada com o que vocês já fazem. Nós recentemente contratamos um novo funcionário que estará preenchendo o vazio nesta área. Está claro? A resposta foi essencialmente não.


—Podemos trabalhar os problemas, mas acho que isso vai ser uma boa solução para todos os envolvidos. Deixe-me apresentar-lhe o seu novo chefe. — Morgan disse. Com um sorriso gigante, ela puxou a porta aberta, e ninguém menos que Landon porra Wright entrou.


Nove

Todos os olhos se voltaram para Landon, e um pequeno punhado de aplausos seguiram à sua entrada, mas eu estava congelada como um bloco de gelo no Ártico. Que diabos estava Landon Wright fazendo na Wright Construction , no meu piso, no meu departamento? Por que ele estava mesmo em Lubbock? E, oh meu Deus, ele estava em um terno. Um terno preto, de ajuste personalizado com uma camisa branca por baixo e uma gravata azul modelada. Seu cabelo estava cortado mais curto do que o normal, e seus olhos escuros estavam sem rumo vagando pela sala, como se estivesse perdido. Um cachorro perdido, perdido tentando encontrar o seu caminho neste mundo estranho da América corporativa. Então, seus olhos, aqueles olhos de cachorrinho, pousaram em mim. Ele encontrou-me em pé na parte de trás da sala de conferências, em estado de choque. Surpresa estava escrito em seu rosto, mas o meu só revelava horror. Será que ele não sabia que trabalharíamos juntos quando ele apareceu? Eu não sabia a resposta a qualquer destas perguntas. Eu não sabia por que estava ali ou o que tinha acontecido, mas nada disso importava.


Landon Wright era meu chefe. Ele era meu chefe. Porra, ele era meu maldito chefe. Eu não poderia processar essa informação. Eu não podia processar o que Morgan estava dizendo, e certamente não conseguia entender por que ele estava aqui, em pé a poucos metros na minha frente. Por que Landon seria meu chefe? Claro, ele tinha um diploma de comércio de Stanford que tinha feito durante uma bolsa de golfe. Ele entendia da merda toda. Ele era perfeitamente competente. E ele era um Wright. Mas ainda não fazia sentido. Não ajudou o nó que se formou no meu estômago e fez o seu caminho até a minha garganta. Minha boca estava seca, e eu me senti doente. Como se não fosse ruim o suficiente que o tinha beijado,

enquanto

ele

era

casado,

mesmo

se

estivessem

legitimamente separados, não sabia se eu poderia lidar com vê-lo dia após dia. Lentamente avancei para a porta. Eu não poderia estar aqui um segundo a mais. O trabalho era o meu lugar seguro. Meu lugar feliz. Ele não conseguiria tirar isso de mim. Nós ainda estávamos olhando um para o outro, quando ele falou para o departamento sobre como estava animado de estar aqui. Embora disse, sem entusiasmo. Ele não estava me


convencendo, pelo menos. Eu sabia que um monte de caras olhava para ele por sua vitória no PGA, então talvez eles não ouvissem como ele realmente soou. Ou eles não o conheciam como eu conhecia. Eu o conhecia. Pretérito. Anteriormente. Em outra vida. Grande diferença. Sem pensar duas vezes, quebrei o contato visual, puxei a porta da sala de conferência aberta, e desapareci pelo corredor. Nosso lado do edifício era um cemitério, e corri no meu salto alto para baixo, para o banheiro. Irrompi pela porta e apertei as minhas mãos em cima do balcão. Eu me inclinei para frente e tentei recuperar o fôlego. Eu sentia como se estivesse hiperventilando. Não era possível obter oxigênio suficiente para alimentar meu cérebro. Meu cérebro totalmente confuso e desorientado. —Ele não pode ser meu chefe, — sussurrei para mim mesma. —Ele não pode ser. Eu queria chamar Emery e exigir respostas. Como ela não sabia que Landon estava voltando para a cidade? Como ela poderia não ter me dito que ele estaria trabalhando aqui? Claro, eu não poderia chamar Emery. E a razão pela qual eu não sabia era porque estava completamente fechada a qualquer


momento que ela tentou falar sobre Landon comigo. Eu disse uma e outra vez que não havia nada entre mim e Landon. Emery o tinha namorado pela primeira vez, e eu nunca iria quebrar o código de garota assim. Mas lá estava eu, tendo um colapso mental, porque ele estava aqui. Como Emery era muito desconfiada sobre mim e Landon. Chamando-a e exigindo respostas só iria provar seu ponto. E nada estava acontecendo. Não mais. Ainda assim... Eu tinha tantas perguntas a lhe fazer, todas elas voaram pelo meu cérebro na velocidade da luz. Por que ele estava em Lubbock? Por que ele estava trabalhando para Wright Construction? Por que ele não estava jogando golfe? Se ele sabia que seria meu chefe? Ele pediu para ser meu chefe? Ele estava aqui com Miranda? Tinha recuperado seu relacionamento? Ela sabia que eu o tinha beijado? Será que ele pensa sobre aquele beijo tanto quanto eu? Porra! Não! Olhei para mim mesma no espelho do banheiro, respirei fundo e endireitei a minha altura. Eu precisava me recompor. Este não era o fim do mundo. Landon não era meu supervisor direto. Ele não era nem supervisor do meu supervisor. Eu não tinha que vê-lo. Eu não teria que entrar em contato com ele. Isso nem sequer era uma coisa que eu estava pensando.


Além de tudo isso, isso fez toda a nossa situação mais fácil. Eu nunca colocaria em risco a minha carreira, a coisa mais importante na minha vida, por qualquer coisa. Regra número 1: Não namore seu colega de trabalho. Regra número 2: Definitivamente não saia com o seu chefe. Regra número 3: Esqueça o sabor dos lábios do seu chefe. Tudo bem, o sabor dos seus lábios era uma nova, mas eu precisava segui-la de qualquer maneira, porque, às vezes, o gosto de uísque iria rastejar até mim. A verdade era que eu tinha trabalhado muito, muito duro por este trabalho. Nada e ninguém ia me distrair. Nem mesmo Landon Wright. Saí do banheiro com a minha cabeça erguida. Eu poderia fazer isso. A reunião havia sido suspensa quando voltei à minha mesa. Matt me deu um olhar simpático. —Você está bem? — Perguntou. Concordei com a cabeça. —Totalmente bem. Só tive uma emergência. Você sabe, coisas de menina. Seu rosto empalideceu, e ele desviou o olhar. A maneira mais fácil de fazer um cara parar de falar com você era trazer o seu período. —Então, eu perdi alguma coisa? — Perguntei. —Nah, você estava lá para mais do mesmo. Todos os Wright estão sob o mesmo teto agora.


—Bem, não Sutton. Ela acabou de ter seu bebê. —Certo. É verdade, —Matt concordou. —Qual é nome dele? James? —Jason. —Eu ainda não posso acreditar que ele recebeu seu sobrenome em vez do contrário. Não consigo me imaginar fazendo isso. —Ah sim. Como já vi mulheres sobreviver a todas essas gerações, lidando com a mudança de seu nome? —Eu disse com um rolar de olhos. —Faz sentido que ela iria mudar seu nome, considerando quem Sutton é. Então, eles podem ter o bebê sendo um Wright. —É castrador. Meus olhos quase saltaram das órbitas. —E como você acha que as mulheres se sentem, ter que mudar seu nome para caber o de um homem? Ele olhou para mim como um peixe fora d'água. Ele não tinha claramente nunca pensado sobre isso antes. —Esqueça—, murmurei. Ainda estava irritada com Landon. —Um monte de mulheres realmente ama a ideia de mudar o seu nome. Talvez Maverick tenha sugerido isso. Talvez não fosse castrar ele em tudo. No mínimo, tenho certeza que ele queria que seu filho fosse Jason Wright, em vez de Jason Johnson. Jim salvou Matt de ter que responder a isso. —Ei, Heidi. O novo chefe Wright quer vê-la em seu escritório.


—Agora? — Perguntei, apertando a borda da minha mesa. —Uh... sim, acho que sim. —Oh, certo. Onde fica o escritório dele? Jim apontou o corredor e em um canto. Eu podia ver o escritório de onde estava sentada na minha mesa. Se ele se aproximasse da porta, então eu seria capaz de vê-lo. Eu teria uma linha clara de visão sobre Landon a cada dia. Ele não foi empurrado para fora em algum canto solitário ou mesmo do outro lado da pista pela equipe do projeto. Não.

Claro,

eles

tinham

escolhido

o

cargo

apenas

desocupado a esquerda na área. E, agora, podia vê-lo sempre que eu quisesse. Ótimo. —Obrigada, — murmurei, incapaz de esconder o meu tom sarcástico. Sem outro segundo de hesitação, marchei pelo corredor para determinar meu destino. E, mesmo que eu fosse sólida e digna na minha abordagem, eu me senti como se estivesse marchando através da água até a cintura. Meu cérebro estava dizendo ao meu corpo para não passar por isso. Não suportar o que estava por vir. Mas eu sabia que poderia lidar com isso. Bati duas vezes na porta aberta, e a cabeça de Landon se ergueu. Ele parecia... fora do lugar. Eu tinha visto ele em um terno antes, é claro. Ficava bem. Mas ele parecia mais confortável, mais feliz em roupas de golfe. Eu o assisti na TV. Quando o golfe era um jogo mental, e tudo o mais desaparecia


quando ele jogava. Alguns jogadores ficavam tenso e deixavam o jogo chegar até eles, mas não Landon. Toda a pressão e todas as suas preocupações se afastavam até que havia apenas ele e o jogo que ele gostava de jogar. Ele parecia o oposto do agora. —Heidi, — disse. —Por favor, entre. Feche a porta. Arquei uma sobrancelha, mas fiz o que tinha sido dito. Estar sozinha no escritório de Landon com a porta fechada era uma ideia muito terrível, mas não me impediu de fazê-lo de qualquer maneira. Ou não me impediu de estar chateada com a calma que aparentava. Ou não me impediu de querer jogá-lo nessa mesa. —Você pediu para me ver, — eu disse, mantendo a voz neutra. —Sim. Decidi me reunir com todos em minha equipe para conhecer meus novos funcionários. Apertei os lábios. Um milhão de perguntas ameaçava voar para fora da minha boca, mas eu não lhe daria a satisfação de saber a minha curiosidade. —E você decidiu começar comigo? Landon levantou-se e deu a volta para frente da sua mesa. Ele abotoou o botão superior do seu terno, como se estivesse se vestindo

para

uma

produção

teatral.

—Sim,

disse

simplesmente. —Eu decidi começar com você. —Não vamos fazer isso, Landon. Tenho certeza de que já sabemos que você me conhece melhor do que a maioria dos seus funcionários. E isso é tudo o que sou, uma empregada.


Landon olhou para mim através dos metros escassos de espaço entre nós. Nós dois estávamos atolados nesse momento e a distância impenetrável. Poderia muito bem ser um oceano porque eu não podia atravessa-lo. O que tinha acontecido há um mês pairava no ar como uma névoa espessa obscurecendo a nossa visão. —Você não quer saber por que estou aqui?— Ele perguntou finalmente. Estendi a minha mão para cima. —Não importa. Ele me lançou um olhar incrédulo. —Heidi... —Realmente não. Esta é a minha carreira. Eu trabalhei duro para chegar onde estou. Eu não nasci para isso. O rosto de Landon era uma máscara. Eu tinha certeza que tinha atingido um nervo com ele, mas não mostrou. Eu não estava acostumada a isso dele. Ele geralmente usava as suas emoções em sua manga. Mas imaginei que não poderia fazer isso aqui. —Não que você não mereça a sua posição ou nada, — acrescentei.

—Mas

acho

que

devemos

manter

o

nosso

relacionamento profissional. Ter conversas com a porta fechada... provavelmente não é uma boa ideia. Não há nenhuma razão para turvar as águas. Você sabe... o que está feito está feito. —Certo. Bom. Sim. Profissional. —Sua voz foi cortada. —Bom. Estou feliz, — eu disse sem entusiasmo.


Isso não era como eu esperava que o nosso próximo encontro acontecesse. Eu tinha oscilado entre gritar com ele por ter me dado o cano e esmagar os meus lábios nos dele. Eu não tinha previsto indiferença. Ou que ele concordasse. —Acredito que é tudo, então, senhorita Martin, — Landon disse formalmente. Sua mandíbula se contraiu. Inalei bruscamente em seu comentário enquanto meus dedos se fecharam em punhos ao meu lado. Senhorita Martin? Certo. Profissional porra então. Tanto faz. Nem sequer importa. —Só vou voltar ao trabalho então... chefe. Girei meus saltos altos preto de plataforma e rasguei a porta aberta. Saí do seu escritório como uma tempestade. Deus, eu me senti como uma idiota. Eu sabia que tinha feito isso para mim mesma. Eu poderia ter ido para aquela sala simpática e cheia de perguntas. Eu poderia ter dito a ele que, sim, na verdade, eu queria saber o que ele estava fazendo aqui. Eu queria saber um monte de coisas. Mas eu não podia permitirme nenhum pouco de curiosidade. Se eu desse um centímetro, daria a ele quilômetros e muito mais. E eu não podia. Eu gostaria que não me sentisse tão bem em vê-lo. Deus, esse terno. Essa cara. E não era puramente físico. Vê-lo me fez sentir... certa. Como um pedaço do quebra-cabeça que tinha desaparecido, e ele se encaixava perfeitamente. —Foda-se — resmunguei quando me afundei no assento na minha mesa.


Isso nunca iria funcionar.


Dez

—Isso nunca vai funcionar, — gemi. Sentei na minha cadeira de escritório e descansei minha cabeça para trás. Eu estava totalmente fodido. Isto foi um desastre. De todas as coisas que aconteceram quando comecei a trabalhar para Wright Construction, eu tinha que acabar como chefe de Heidi. Poderia o universo ser mais cruel? O jeito que ela me olhou apenas me colocou sobre o limite. Tão fria e sem emoção. Como se me ver fosse insignificante. Mas eu sabia que ela estava chateada. Depois de como as coisas tinham terminado com a gente, como eu poderia culpá-la? Agora, estávamos em território desconhecido. E qualquer chance que eu pensei que tinha de me reconciliar com ela saiu pela janela quando me rejeitou. Mas eu não iria deixá-la ir tão facilmente. Não depois do inferno que suportei para chegar aqui. Se ser seu chefe fosse o problema, então eu faria o que pudesse para mudar isso. Corri para fora da minha cadeira e ignorei o olhar interrogativo do gerente que trabalhava diretamente abaixo de mim. Eu sabia que ele não estava satisfeito que agora estava respondendo a mim. Ele, como Heidi tinha insinuado, acreditava


que eu tinha começado este trabalho porque era um Wright. E o fato de que era verdade só me fez odiar a posição mais ainda. Meus pés me levaram até o elevador o que me levou até o lugar mais alto da Wright Construction. O piso superior tinha um restaurante chique que a empresa utilizava para reuniões de negócios, buffet e grandes eventos. Mas eu não estava olhando para o restaurante. Eu precisava falar com Morgan. Ela estava no telefone quando evitei a sua secretária, uma mulher alta e elegante, e entrei em seu escritório. Suas sobrancelhas se ergueram quando olhou para mim. Ela levantou um dedo perfeitamente bem cuidado em minha direção. Era estranho receber ordens da minha irmã de vinte e seis anos de idade. Eu mandei nela o suficiente quando éramos mais jovens, de modo que a ver assim, sempre me espantava. Ela tinha sido feita para isso, é claro. Ainda mais do que Jensen, que sempre tinha sido mais interessado no lado arquitetônico do que o lado do negócio. Quando ela finalmente desligou o telefone, eu estava encostado a uma cadeira na frente da sua mesa, tentando não ser impaciente. —O que foi? — Perguntou Morgan. —Eu aprecio tudo o que você fez para eu conseguir esse emprego. Morgan franziu as sobrancelhas. —Você desistiu? —Hum... não?


—Quem é você? Ben de Parks and Rec11? Ri e balancei a cabeça. —Última vez que verifiquei, eu não era um contador que me recusava a trabalhar para você. Morgan sorriu. —Bem, qual é o problema? —Quero trocar de posição. —Você o que? Eu andei em volta do lado da cadeira e sentei-me na frente da minha irmã. Ela sabia por que eu estava aqui e tudo o que tinha acontecido no último mês. Afinal, ela era a chefe da operação Miranda, o nome bobo que a minha família tinha dado para tentar nos separar. Ela a desprezava mais do que ninguém. —Acho que preciso estar em um novo trabalho, — repeti. —Landon, — ela disse, juntando os dedos e olhando para mim por cima de suas mãos — você sabe o que passamos para chegar a este trabalho em tão pouco tempo? Tivemos que embaralhar e reorganizar a empresa. Eu essencialmente inventei um trabalho para você em um lugar onde outra posição poderia caber perfeitamente na estrutura já existente. Eu tive que analisar todos os postos de trabalho de cima para baixo, e é este trabalho. Quer dizer, se você quiser ir trabalhar em um canteiro de obras, em seguida, por todos os meios, temos uma abundância de empregos. Não tenho certeza que as suas costas poderiam lidar com as máquinas embora.

11

Parks and Recreation é uma série de televisão norte-americana de comédia.


—Sim, sim. Minhas costas não podem lidar com muito, — concordei. Sabia o que Morgan teve que fazer. Para não mencionar, Jensen tinha me ajudado com o advogado, encontrando um apartamento, mudando-me, e mais importante, encontrado um fisioterapeuta de primeira classe no centro médico. Eu era inconveniente no momento. Podia sentir isso. Não importa o quanto a minha família me amava, eu estava uma pilha. —Então, como você pode ver, este é o melhor que posso oferecer. Eu não acho que você gostaria de realmente trabalhar na construção... ou mesmo se isso fosse possível para você. E, realmente, a minha posição de secretário está cheia. — Ela sorriu. —Ha! Eu nunca iria trabalhar como seu secretário. Nós mataríamos um ao outro. —Tenho certeza de que, com a condição que tenho, eu iria ganhar. —Vamos ver sobre isso. —Então, — Morgan continuou, —por que não quer esta posição, agora que tive todo este trabalho para conseguir para você? Dei de ombros com indiferença. Eu não poderia dizer-lhe a verdade. Que a ideia de ser o chefe de Heidi e ver o seu dia dentro e fora era uma tortura absoluta. Tive um tempo difícil em manter as minhas mãos para mim enquanto estava ao seu redor, e me envolver com ela


romanticamente definitivamente tinha que ser algum tipo de violação do RH. Confraternizar com os seus colaboradores não era uma boa ideia, e o pensamento de evitar seu corte profundo. Seria mais fácil para nós dois se nada disso tivesse acontecido. No entanto, aqui estávamos. —Vamos, diga-me. — Morgan disse. —Acho que eu não estou qualificado, — menti. Morgan me deu um olhar de comer merda do dia. —Você tem um diploma de comércio de Stanford. Você se formou no top dez cem porcento superior da sua classe. Você sabe como executar um negócio. —Bem, eu realmente não tenho nenhuma experiência. —Deus, pare. Sabe mais sobre Wright Construction do que qualquer um poderia porque você está na Wright Construction. — Ela disse clicando alguns botões em seu computador. —Basta fazer o seu trabalho, e você vai ficar bem. Todo mundo sempre gosta de você. Eles vão ver que você sabe o que está fazendo. Balancei a cabeça e me levantei. —Certo. Sim. Desculpe trazer isso à tona. Eu me senti como um idiota por ter mesmo perguntado, mas eu tinha que fazer. A realidade era, eu precisava deste trabalho. Eu não podia jogar golfe pelo próximo ano, no mínimo. Pelo menos,

não

profissionalmente.

Eu

estava

na

fisioterapia

indefinidamente. Fora isso, a única coisa que eu tinha que lidar era com os papéis do divórcio.


Minha mente, que vivia ocupada com meu jogo, tinha ficado irritantemente silenciosa. Se eu não voltasse ao golfe após um ano, eu perderia minha vida. Eu perderia tudo. Eu tinha que estar indo, indo, indo. Eu precisava de algo para ocupar as longas horas e dias, semanas e meses antes que pudesse me tornar eu novamente. E a única outra coisa que tinha na minha vida era o negócio da família. Quando minha mão estava na porta do seu escritório, Morgan falou novamente, —Você vai estar de volta a sua vida antes que você perceba. Fechei os olhos e respirei forte. —E se eu não estiver? —Eu duvido. Acredito em uma boa dose de otimismo. Você ama demais. E, de qualquer maneira, Wrights não desistem. Senti-me encorajado pela confiança de Morgan. Ela estava certa. Este não era o fim de tudo. Eu ainda poderia fazer um retorno. O PGA Tour esperaria por mim, pelo menos, dois anos em uma isenção porque eu tinha ganhado um torneio no ano passado. Mas, se eu não cumprisse os requisitos para o Tour depois disso, eu poderia ter que me qualificar novamente. Algo que eu não estava olhando como um futuro. Era ruim o suficiente que eu tinha perdido o Campeonato do PGA neste último mês, mas agora, o Tour estava indo para a partida da temporada e desempate para a Copa FedEx. Um mês inteiro em alguns dos melhores campos de golfe do mundo, e eu iria começar a ver do lado de fora. Pior... a partir de uma tela de TV.


Tentei não pensar nisso. Um problema de cada vez. O que eu poderia lidar no presente era Heidi. Era oficial. Eu era seu chefe. E eu seria seu chefe para o próximo ano, a menos que, por algum milagre, outro trabalho abrisse na empresa. O que parecia improvável, considerando a minha nova posição. Mas eu poderia convencer Heidi. Eu precisava falar com ela. Para fazê-la entender o que tinha acontecido naquele dia. Não podia aceitar que, só porque estávamos nesta situação agora, não poderíamos ter algo entre nós novamente. Ela parecia ter resolvido ir embora, e eu estava tão determinado a convencê-la de outra forma. Quanto poderia ter mudado no último mês? Saí do escritório de Morgan e peguei o elevador de volta para o meu andar. Minha mente estava zumbindo com todo o trabalho que tinha sido jogado aos meus pés, juntamente com o fato de que eu teria que interagir com Heidi em uma base regular. Pelo menos eu não estava sentado, me preocupando ou não em recuperar o suficiente para fazer a única coisa que eu amava. Que era positivo. Embora, um pouco estranho. Dobrei o corredor que levava ao meu escritório e não consegui me

controlar. Procurando

por Heidi. Ela estava

descansando contra sua mesa, de frente para a minha direção. Um grupo de rapazes da engenharia estavam em volta dela em profunda discussão. Um cara estava inclinado sobre algo em sua


mesa. Ele disse algo a ela, e ela balançou a cabeça. Tudo o que ela disse em seguida fez todos na área rachar de rir. Mesmo ela, inclinou a cabeça para trás e riu. Sua cabeleira loira caiu como uma cascata pelas costas. Deus, era bom vê-la rir. Eu sabia que deveria ir embora. Que eu não deveria olhar para ela assim. Nós conversamos até tarde da noite sobre o quanto ela amava seu trabalho e como estava orgulhosa de que tinha começado de baixo e subido os degraus do cargo. Depois de tudo o que ela tinha feito para chegar onde estava, ela deve me achar desprezível por entrar sem experiência e me tornar seu chefe. Eu tinha pegado esta posição por pura sorte de nascimento. No entanto, eu não conseguia parar de observá-la. Tinha estado assim comigo uma vez, e eu fui embora. Foi a jogada inteligente. Mas sabendo que eu estava me separando de Miranda só tornava mais difícil. Linda, desinibida, e completamente em seu elemento. Era assim que ela deveria ser sempre. Não engarrafada com raiva e frustração. Tensa com mal-entendidos. De agora em diante, eu tinha que fazer isso, a minha missão de fazê-la rir. Ela levantou a cabeça para mim, como se estivesse sentido os meus olhos sobre ela como um laser. Suas bochechas aqueceram, mas não desviou o olhar. Foi-se a diversão e a menina brincalhona de um minuto atrás. Em seu lugar estava


aquela criatura feroz que me manteve na ponta dos pés. Nunca tinha certeza se ela iria me afastar ou me devorar. Eu não gostava dos jogos de adivinhação com ela. A melhor coisa sobre Heidi era, você sempre saber exatamente onde estava. Mas, agora, eu sentia como se estivesse em uma casa de diversão com espelhos refletindo de volta para mim, revelando um milhão de versões diferentes da realidade. Enquanto segurava seu olhar, eu quebrava todos os espelhos, para o real em seus olhos. Ela pareceu perceber que havia se entregado e rapidamente se afastou de mim. Mas eu tinha visto o suficiente para saber a verdade. Isso não tinha acabado ainda. Isso estava longe de terminar.


Onze

Para dizer o mínimo, os últimos cinco dias tinha sido o mais desconfortável da minha vida. Se pensei que seria capaz de evitar Landon, eu estava errada. Muito errada. Eu sabia que precisava descobrir uma maneira de viver com a minha nova realidade. Mas, no momento, queria dar o fora do escritório e não ter que lidar com Landon estando lá. Eu não fazia bem sendo uma criatura contida. Segurar as minhas emoções era como esperar por uma Jack in the box12 estourar aberta. Por isso concordei em aceitar jantar com Nick depois do trabalho. Este era o terceiro encontro, e eu não poderia ter Landon Wright na minha cabeça quando ia para isso. Eu quase poderia me convencer de que estava olhando para frente. Minha mão se desviou para o meu cabelo, e coloquei uma mecha atrás da minha orelha. Mesmo que o escritório de Landon estivesse fora do caminho, eu me prometi que não iria dar uma olhada e ver o que ele estava fazendo. Não preciso saber se ele parecia exausto, como ele estava nos últimos dias. Não estava indo ver se ele já tinha tirado o paletó, tirado a gravata, e arregaçado as mangas. Essas coisas não eram importantes.

12

Caixinha de surpresas.

.


No entanto, meus olhos corriam para lá de qualquer maneira. Para minha surpresa, ele tinha seu paletó e gravata no lugar. Seu cabelo não estava despenteado, como se estivesse correndo os dedos por ele com irritação durante todo o dia. Ele parecia relaxado. E, quando me viu, sorriu. Ah, porra. Eu sou um caso perdido. —Ei, — Landon disse. Ele saiu do seu escritório e se inclinou contra a porta. Meu coração parou. —Ei. Nós não tínhamos conversado mais do que isso desde que ele começou. Ele tinha me dado espaço para respirar. Mesmo que não pudesse evitá-lo, mesmo se eu quisesse. —Você está saindo mais cedo? — Perguntou. Parei e olhei para ele. —Sim. É sexta feira. Isso é um problema? Ele balançou sua cabeça. —Não. Não é um problema comigo. —Ótimo, — eu disse. —Não achei que precisava de permissão. Seu sorriso desapareceu por um segundo, e então voltou, estourou. Deus, aquele sorriso. —Você não. Não de mim, pelo menos.


—Maravilhoso, — eu disse secamente. Não estava tentando ser uma cadela sarcástica, mas era um mecanismo de defesa contra o seu charme. —Heidi, por que não podemos fazer isso? —Oh, eu sou Heidi agora? O que aconteceu com a senhorita Martin? Landon me nivelou com um olhar você-sabe-porque-eudisse-isso. —Se nós vamos estar em volta um do outro, então devemos talvez tentar ser civilizados. Amigos mesmo. —Somos amigos, Landon, — disse com um sorriso triste. — Apenas amigos. Empurrei a porta e me dirigi para o elevador. Não sei quanto tempo mais eu poderia fazer isso, e tinha sido apenas cinco dias. Landon e eu éramos apenas amigos. Tudo o que sempre íamos ser era amigos. Mesmo que colocando o seu charme e sorrindo para mim desse jeito não estava ajudando uma maldita coisa. As portas do elevador se abriram. Entrei e apertei o botão para descer. Quando as portas deslizaram fechada, a mão de Landon disparou para detê-las. Ele mantinha aberta com as duas mãos e atentamente olhando para mim. Engoli em seco e senti meu corpo aproveitar-se. Ali estávamos nós. Apenas nós dois. Sozinhos. No entanto... não exatamente sozinhos. Qualquer um poderia vir ao virar do corredor e nos ver juntos. Pergunto por que ele estava segurando as portas abertas enquanto me olhava como um animal faminto.


—O quê? — Perguntei quando ele não disse nada. —Não saia daqui assim. Arqueei uma sobrancelha. —É apenas meia hora mais cedo. —Você sabe o que eu quero dizer. —Eu não... —Você passou pelo meu escritório como se fôssemos estranhos. Não somos. Nós não tivemos a oportunidade de conversar. Eu nem sequer tive a chance de pedir desculpas. —Bem... não. —Não? — Ele perguntou, suas sobrancelhas franzindo. —Não se desculpe. O que você tem que se desculpar? —Deixe-me começar uma lista, — ele disse com um meio sorriso. —Sua esposa apareceu, e foi isso, Landon, — disse a ele com o encolher de ombro. —Isso não foi o que aconteceu. Balancei a cabeça e inclinei-me contra a parte traseira do elevador. Eu não quero ouvir isso. Não quero que ele faça isso agora. Rezei para que alguém viesse e nos interrompesse, mas não tive essa sorte. —Só não faça, está bem? O elevador começou a fazer barulho porque Landon estava segurando as portas abertas por tanto tempo. Ele fez o


impensável e entrou no elevador comigo. As portas se fecharam ruidosamente atrás dele, colocando-nos juntos. —O que você está fazendo? — Sussurrei, minha voz suave. —Tenho que conversar. Ele andou para frente até que apenas meros centímetros estavam

entre

nós.

Eu

estava

xingando

e

também

silenciosamente agradecendo a Wright Construction por ter elevadores lentos. Porque, da última vez que tinha estado tão perto dele, nós tínhamos feito algo. E, de repente, eu não podia tirar esse pensamento da minha cabeça. Eu sabia que queria novamente. Eu poderia dizer que ele também queria. Só porque nós temos uma conexão não significa que devemos agir sobre ela. —Isto não é uma boa ideia, — murmurei. Eu deveria ter dito algo mais como, saí de perto de mim, mas meu cérebro não estava funcionando. —Tudo sobre você é uma boa ideia, Heidi. —Você é meu chefe. —Sim eu sou. —Meu trabalho é muito importante para mim. Eu não posso... Eu não quero fazer isso. —Seu trabalho não está em perigo. —Está se você me beijar.


Ele sorriu, aquele sorriso brilhante. Meus joelhos estavam bambos. Poderia dizer que ele gostou que eu estivesse pensando em beijá-lo. Eu mentalmente me chutei por levantar isso. Mas, com ele tão perto, estava ficando difícil pensar corretamente. —Da próxima vez que eu te beijar, será porque você está me pedindo, Heidi. —Isso não vai acontecer, — assegurei a ele. Ele sorriu para mim, como se não acreditasse em mim. Agora... Eu não acreditava em mim também. —Posso te ver mais tarde? —Não. — Sussurrei. —Heidi, vamos lá. Me dê uma chance. —Quero dizer, não... tenho um encontro, — eu disse quando o elevador chegou ao piso inferior, e as portas apitaram abertas. Landon deu um passo chocado em volta de mim. —Um encontro? —Sim. —Entendo. —Sim. Landon me seguiu para fora do elevador. Na portaria, havia muitas pessoas que poderiam estar nos observando de todas as direções. De repente, me senti exposta, como se todos estivessem olhando para nós. Mesmo que ninguém mais soubesse o que tinha acontecido entre Landon e eu há um mês... ou no elevador.


—Há quanto tempo está acontecendo?

— Ele perguntou,

sua voz firme e controlada. —Namoro? Minha vida inteira. Alguns caras me levam para jantar. Talvez um filme. Uma oferta muito doce. — Disse, tentando a leviandade. —Você sabe o que eu quero dizer. —Algumas semanas. —Desde que saí, então? —Você não teve nada a ver com isso. — Menti. —Heidi, você não pode... —Não me diga o que eu posso ou não posso fazer, — Gritei para ele. —Você tomou a sua decisão, Landon, e agora, estou fazendo a minha. — Minha voz era quase um sussurro, mas eu ainda me sentia exposta até mesmo de pronunciar essas palavras. Seus olhos eram duas janelas abertas, revelando cada pequeno pensamento que vibrava através da sua cabeça. Ele estava chateado, ciumento e frustrado. Ele queria me dizer para não sair com ninguém. Mas sabia que era injusto. Ele sabia que não tinha o direito a esses sentimentos. Ele era o único que tinha fodido isso. Eu não. Ele era o único que merecia se sentir desta forma. Então, por que eu me senti tão horrível quando finalmente me afastei dele?


Emery estava no apartamento quando cheguei do trabalho mais cedo. Ela estaria começando seu emprego de professora na segunda-feira e estava no modo de planejamento profundo. Ela tinha ido para a escola cedo nas últimas semanas para a nova orientação de professores. Pensei que era inteligente que ela estava aproveitando todo esse tempo para se preparar para seu grande trabalho de garota. Mas ela pensou que eu era uma idiota quando coloquei assim. Eu era a sua melhor amiga, então ela provavelmente estava certa. —Ei, sexy, — eu disse, andando no quarto de Emery. —Olá, minha amante, — Emery disse com uma piscadela. —Ainda no modo planejamento? —O mais importante, — disse. —Olhe o que chegou hoje. — Ela levantou um envelope branco de tamanho padrão. Eu sabia o que a carta era. Ela sabia o que a carta era. Ela veio em cada semana. Toda semana. —Ótimo, — eu disse, arrancando da mão dela e colocando em minha bolsa, sem abrir. —Então, como foi o trabalho? Enruguei o meu nariz. —Foi um trabalho. Ela olhou para mim com o canto do olho. —Você ama seu trabalho. —Sim, eu amo, mas as coisas têm sido... você sabe, ásperas recentemente.


—Você finalmente vai admitir para mim que isto é sobre Landon? —Absolutamente não. Eu me sentei em sua cama e observei enquanto ela guardava um monte de papelada. Ela estava, como de costume, vestida de preto da cabeça aos pés e tinha o cabelo escuro em um rabo de cavalo no topo da cabeça. Sem maquiagem, sem complicação, e ela ainda estava linda como o inferno. —Bem. Então, como é ter Landon como seu chefe? —Estranho pra caralho, — admiti. —Quer dizer, eu sei que ele é um Wright, mas nós somos da mesma idade. Eu tenho feito isso por seis anos, e ele caiu no trabalho. —Bem, o que você esperava quando Jensen mexeu os pauzinhos por ele? Dei de ombros. Eu não esperava nada diferente. —Ele está fazendo muito bem, mas é apenas... estranho. —Estranho, porque você está na dele ou por causa de toda a situação? —Pare! — Gemi, me jogando para trás e olhando para o teto. —É porque é Landon. Você deve entender isso. —Eu entendo, — concordou. —Mas, quando você estiver pronta para me dizer que você gosta dele, vou estar aqui para ouvir. — Ela se levantou e se elevou sobre mim, que foi a primeira vez, considerando que eu era gigante e ela era um camarão. —Tanto faz. Eu tenho um encontro hoje à noite.


—Oh, certo, — Emery disse, revirando os olhos. —Soa fascinante. O maravilhoso, e digno Nick. —Você é a melhor amiga de merda. —Está bem, certo. Conheço você desde o jardim de infância. Eu sei quando você está jogando junto, e sei quando está interessada. Você está namorando esse Nick porque Julia quer ter alguém para sair com ela e Trevor. —Mas ele é agradável. — Coloquei-me em meus cotovelos. —Agradável? Totalmente, — disse, enfiando a língua para fora. —Quem quer agradável? Tente paixão e fogo e necessidade. Você não pode se contentar com alguém que é bom. Você quer alguém que não pode viver sem. —Obrigada, rainha dos maus relacionamentos. Emery golpeou-me. —Ei! Eu posso ter tido algumas relações ruins no passado, mas dou bons conselhos. —Então, você acha que eu deveria cancelar com Nick? —Não! — Gritou. —Acho que você deve definitivamente ir a um encontro com Nick. Então, você vai perceber que não quer. Porque eu já sei que não é ele. Você parece alheia a ele. Eu não estava alheia a ele. Mas ele era um cara legal. Eu gostava muito dele. Não havia absolutamente nada de errado com o lugar onde nosso relacionamento estava indo. Mas, como Emery tinha dito eloquentemente, eu poderia viver sem ele. Muito facilmente.


Mas isso também era um problema comigo como pessoa. Eu era resistente. Depois do que tinha acontecido com a minha mãe e depois da merda que aconteceu com o meu pai, eu tinha que ser. Eu não precisava de pessoas. Eu poderia fazer tudo sozinha. Emery era a minha verdadeira família. Eu a amava em pedaços. Ela era a única pessoa que já tinha admitido que eu realmente precisava. Porque, sem ela, não sei se eu teria continuado durante estes anos duros. Mas os caras? Eles poderiam entrar na fila. Eu era forte, e poderia ficar sem eles. E isso me fez perfeitamente intimidante. Um homem forte deve realizar-se com uma mulher forte, não fugir dela. Eu pensei por um tempo que Landon Wright poderia ser o tipo de cara que fazia isso. O tipo de cara que eu não poderia viver sem. Mas eu estava errada. Eu estava vivendo sem ele. Ou talvez... eu estivesse errada o tempo todo. Talvez isso fosse chamado de sobrevivência... não viver.


Doze

Um namorado. Heidi tinha um namorado, porra. Deus, eu sou um idiota. Por que não tinha adivinhado antes? Claro, ela iria seguir em frente. Ela era o pacote completo. Qualquer cara teria a sorte de tê-la. Eu sabia que era um fato. Mas não tinha pensado que isso iria acontecer tão cedo. Enquanto eu estava ocupado me curando e tentando arrumar minha vida, ela estava correndo e tentando encontrar alguém. E eu não poderia mesmo culpá-la. Eu queria. Eu queria quebrar a merda e mandar ela nunca mais ver esse babaca do caralho novamente. Eu queria fazer as coisas direito. Para ver onde essa relação poderia ir. Eu queria que ela fosse minha. O ciúme queimou através de mim como um dragão que cospe fogo. Eu não podia sequer ver direito enquanto ela caminhava para fora do edifício e fora da minha vida. Eu deveria ter contado a ela sobre os papéis do divórcio. Deveria ter contado a ela sobre a lesão. Deveria ter contado a ela sobre porque eu tinha me afastado e por isso eu precisava desse trabalho.


Mas eu não queria deixar escapar tudo o que tinha acontecido comigo. Eu não queria que ela pensasse, que só porque eu estava deixando Miranda, automaticamente significava que ela deveria cair em meus braços. Não queria assustá-la. Como tinha acabado de fazer. Tudo o que eu queria fazer era chegar em casa e relaxar. Deixar a minha mente não fazer absolutamente nada por um tempo. Eu tinha fisioterapia quase todos os dias, mas às segundas-feiras e sextas-feiras, eu ia antes do trabalho, o que significava que poderia relaxar esta noite. E ficar obcecado sobre o namoro de Heidi. Cerca de uma hora depois que entrei no meu novo apartamento de um quarto, tirei o meu terno estúpido e tinha um texto de Austin. Bebidas? Suspirei e inclinei a minha cabeça para trás no sofá. A bebida parecia bom. Talvez fosse melhor sair em vez de sentar em casa e assistir ESPN. Sim. Onde? Quando? Patrick e eu vamos ao West Table em meia hora. Por quê? O West Table era um dos mais badalados restaurantes da cidade. Eles tinham um agradável bar e café ao lado do prédio, mas não teria sido a minha primeira escolha.


Patrick está conversando com a bartender. Ela é quente. Ah, bem, isso explica porque. Conte comigo. Coloquei minha calça cáqui padrão e uma polo e saí do apartamento. Eu havia deixado meu carro em Tampa, e estava com a Mercedes de Jensen no momento. Afundei no interior escuro e virei em uma estação de rádio local antes de acelerar. Após o dia que tive, estava feliz que Austin estava oferecendo uma distração. Patrick sempre foi divertido, mesmo que ele instigasse qualidades mínimas de Austin. Mas eles se conheciam suas vidas inteiras e ambos eram solteiros ainda. Eu tinha certeza de que Austin era, porque ele se afastava de qualquer garota que parecia se importar com ele, e Patrick perdia o interesse em um piscar de olhos. Um monte de meninas esvoaçava dentro e fora de suas vidas, e ninguém segurava qualquer um deles gravemente. Embora Jensen estivesse certo de que Patrick e Morgan tinham uma coisa. Eu não poderia imaginar a pessoa menos séria que eu conhecia acabar com a pessoa mais séria que eu conhecia. Cheguei No West Table cerca de dez minutos mais tarde. Vi que o Lexus SUV de Patrick já estacionado no lado do edifício, o que era bom porque então Austin não estava dirigindo. Estacionei atrás deles e entrei pela porta lateral. A entrada do edifício era com pisos de mármore branco, um teto muito alto, e uma enorme escadaria. O café era para a esquerda, e o restaurante era à direita.


A hostess iluminou a minha abordagem. —Quantos? —Estou apenas me encontrando com algumas pessoas no bar, — disse a ela. —Certamente senhor. Bem ali. — Ela disse. Eu lancei lhe um sorriso e, em seguida, encontrei Austin e Patrick no bar, cada um com um copo de uísque na frente deles. A morena sexy alta, estava atrás do bar, profundamente envolvida em tudo o que Patrick estava dizendo. Ela estava em uma roupa toda preta com seu decote gloriosamente em exibição. Eu podia ver por que Patrick estava dentro dela. Ela estava na sua pista. Embora, com o histórico de Patrick, eu duvidava que iria a qualquer lugar. —Ei, — eu disse, deslizando ao lado de Austin. —Ei. E ai? — Austin disse. —Ei, cara, — Patrick disse. —É bom ter você na cidade. Não tive a chance de vê-lo ao redor do escritório ainda. É estranho, trabalhar na Wright? —Sim, um pouco estranho, — confirmei. Patrick trabalhava para Wright Construction, também. Ele destruía números e trabalhava com despesas, e no início do verão, foi promovido a um papel mais gerencial. Imagino que ele faz mais dinheiro e trabalha menos. —Bem,

Austin

acha

que

você

estará

jogando

novamente em breve. Estamos todos torcendo por você.

golfe


—Obrigado, — eu disse. Virei-me para a bartender antes que pudesse amaldiçoar a minha volta. — “Maker’s Mark”13, puro. —É isso aí, — ela disse, estendendo a mão para a garrafa. —Oh sim. Landon, esta é Mindi. Mindi, este é irmão de Austin, Landon. Ela piscou para mim. —Prazer em conhecê-lo. Você é o irmão mais novo, certo? —Eu sou, — confirmei. —Fofo. Eu gosto de irmãos. Inclinei a cabeça para ela, tentando ver se estava captando o que ela estava sinalizando. Seus lábios se curvaram em um sorriso

travesso.

Sim,

eu

não

estava

errado.

Ela

estava

definitivamente interessada em um ménage à trois. Ela era claramente o tipo de Patrick. Louca. Ele amava as loucas. Austin deu uma cotovelada em Patrick. —Ouviu isso, cara? Ela gosta de irmãos. Patrick deu de ombros. —Tanto faz. Sou o preferido. Ele poderia dizer isso já que não tinha um irmão. Mindi riu e completou a sua bebida. —Vocês meninos são tolos. Patrick sorriu para ela. —Isso, nós somos.

13Uísque.


—Ei, você viu que a sua menina está aqui? — Perguntou Austin, me batendo na parte de trás. —Minha... menina? — Perguntei em confusão e também pânico. A última vez que um dos meus irmãos havia dito algo parecido, Miranda tinha vindo de Tampa para me encurralar. —É cara. Confira, — Austin disse. Apontando para uma mesa na nossa frente. E estava Heidi. Em seu encontro. Com algum babaca. Meu ciúme, que havia subjugado no tempo em que eu me permiti estar distraído, inflamou-se novamente como um inferno. Um segundo, eu estava rindo sobre a nova garota louca de Patrick, e no próximo, eu queria ir até lá e interromper o encontro de Heidi. Quem diabos era ele, afinal? Eu nunca tinha visto ele antes. Não que estive em Lubbock por um tempo. —Espere, do que estou ausente? — Perguntou Patrick. — Quem é a garota de Landon? Deus ajude-nos, não é Miranda. —Nah, cara. Heidi Martin, — Austin disse, informando. Eu não podia negar. Eu queria Heidi. O mês de intervalo depois daquele beijo e todas as realizações sobre Miranda tinha solidificado isso. Pensei que ia voltar e continuar de onde paramos. Não imaginei que ela já estaria saindo com outra pessoa. —Com quem ela está? Ambos os rapazes deram de ombros. Nenhum deles sabia, o que significava que eu tinha a necessidade de descobrir.


—Então... você e Heidi? — Patrick perguntou surpreso. — Você não namorou a sua melhor amiga? —Não é a sua melhor amiga que namora meu irmão? — Eu disse. Por que Emery sempre tem que ser um ponto de atrito? Nós não tínhamos nos encontrado em mais de dez anos. Além disso, não era como se ela ou Jensen tivesse falado comigo antes de começarem a namorar. —Ponto, — Patrick concordou. —Sério, eu não entendo vocês dois, — Austin disse. —Como você pôde deixá-la ir a um encontro com outra pessoa? Isso é por causa de você e Miranda? —Não. — Eu disse entre dentes. —Bem, você vai impedi-la? Porque imaginei que, se vocês dois estão transando, não a deixaria encontrar alguém. —Uau! Legal, cara! — Patrick disse, segurando a sua mão para dar-lhe um high-five. —Trocando de cadela mais rápido possível, eu entendo. —Nós não estamos transando, — corrigi. —Bem, exceto por uma vez, — Austin disse com as sobrancelhas levantadas. —Isso não é o que aconteceu, cara — eu disse a ele em frustração.


Estava tão atolado em lidar com Miranda, que ainda não tinha dito a Austin que Heidi e eu não tínhamos transado. E ele ainda pensava claramente que tínhamos. —Entreeeeegaaa, — Austin disse, arrastando a palavra. —Bem, isso vai ser divertido. — Patrick disse. Ele tinha um sorriso de comedor de merda no rosto, e eu tinha certeza que só significava problemas. —Ei, Mindi. —O que foi, amor? —Você pode enviar uma bebida para aquela mesa? — Ele perguntou, apontando Heidi. —O que você está fazendo? — Perguntei. —Você está enviando uma bebida para outra menina? — Mindi fez beicinho, ressaltando o lábio inferior. —É do Landon, — ele disse a ela. —Não faça isso, — gemi. —Isso seria muito ruim. —Ah, divirta-se um pouco! — Patrick disse. —Ela parece infeliz em seu encontro de qualquer maneira. Ela vai gostar. —Claro querido. O que devo enviar? — Ela perguntou. Patrick olhou para mim. Balancei minha cabeça. — Nem fudendo. —Um bom vinho tinto vai bem, — Patrick disse quando me recusei a responder.


Austin estava rindo ao lado dele. —Anime-se, Landon. Heidi vai agradecer. Olhe como ela está com este cara. Eu estava tentando não olhar, para dizer a verdade. Vê-la em um encontro com alguém me fez querer ser violento. Mas fiz o que Austin disse. Heidi parecia desconfortável. Ela estava inclinada longe do cara e tinha os braços cruzados sobre o peito, enquanto ele estava falando. O sorriso bonito que eu conhecia e amava desapareceu do seu rosto. Mas ela parecia estar tentando prestar atenção a sua boca. Ele estava comprando claramente. Eu não queria sentir a satisfação do fato de que ela não estava gostando do seu encontro, mas uma pequena parte de mim sentiu. Vi quando o garçom voltou para a sua mesa com o copo de vinho que Patrick havia enviado para ela. E eu queria desviar o olhar quando ela recebeu em estado de choque, obviamente, insistindo que não tinha pedido. Em seguida, o garçom apontou para o bar, e os olhos de Heidi caíram sobre mim. Sua carranca se aprofundou, e ela parecia que estava prestes a sair do seu assento e jogar o copo de vinho na minha cara. Então, abri um grande sorriso e acenei. Seu namorado se virou e olhou para nós por cima do ombro. Não tinha certeza do que vi em sua expressão. Principalmente surpresa. Então, ele estava falando com Heidi. Ela empurrou o copo de vinho longe, intocado. Porra. —Você é um babaca, — eu disse a Patrick


—Estamos ajudando você. Nós não estamos, Austin? — Patrick perguntou, cutucando-o. —Se intrometer é um passatempo divertido. —Eu vou lembrá-lo disso da próxima vez que me intrometer em seu negócio. Heidi e seu encontro, ao que parece, tinham chegado ao fim da sua refeição. Eu podia ver a nota sobre a sua mesa. Eles se levantaram e foram andando em direção à saída. Ela estava realmente saindo sem beber o copo cheio de vinho? —Ei, Heidi! — Patrick disse, acenando para ela e seu encontro quando eles nos passaram. Heidi parou em seu caminho e suspirou. Ela parecia estar preparando-se para o impacto. —Ei, Patrick— disse enquanto ela nos enfrentava. —Austin. Landon. —Heidi. — Austin disse com um olhar compreensivo. Balancei a cabeça para ela, mas ela não iria sequer olhar em minha direção. —Olá a todos. Eu sou Nick, — seu encontro disse quando ficou claro que ela não estava prestes a fazer uma apresentação. —Ei, Nick. — Patrick disse. Cada um de nós apertamos as mãos do cara. Demorei mais tempo do que os outros e apertei um pouco mais forte. Eu não poderia me controlar. Imediatamente não gostava desse cara. Não teria importância se ele fosse à pessoa mais legal do planeta.


—Austin e Landon, — Nick disse com uma expressão pensativa. —Irmãos Wright? Austin acenou com a cabeça. —Sim. —Então, vocês todos trabalham para Wright Construction, também? — Perguntou Nick. Heidi saltou imediatamente. —Sim. Landon é meu chefe. — Ela exercia a palavra como uma arma. —Oh, — Nick disse, seus ombros relaxando. Era como se essa palavra, chefe, fosse um peso transportado e lhe dissesse que não era uma ameaça. Ele não poderia estar mais errado. —Você não vai beber o seu vinho? — Patrick solicitou. Eu quase gemi em voz alta. Por que deixei Austin dizer a Patrick sobre o que ele achava que tinha acontecido naquela noite com Heidi? Heidi cerrou os dentes. —Nós já terminamos, e eu não estou me sentindo muito bem. Então, ia abrir mão dele. Mas... obrigada. Seus olhos se encontraram brevemente com os meus, e eles disseram qualquer coisa, menos obrigada. O fogo neles dizia: Que diabos você está fazendo? E, Foda-se. —Bem, sabe o que faria você se sentir melhor? — Patrick disse. —Um Xanax, sorvete, e dormir um pouco? — Ela murmurou baixinho.


Tive que lutar para não sorrir com suas palavras. —Jogo de bilhar. — Patrick disse. Nick franziu a testa. —Como é que um jogo de bilhar melhoraria o seu bem-estar? Eu quase enfiei a cara no bar com essas palavras. Então, este não era um cara que ela estava namorando há um tempo. Este não era uma concorrência verdadeira. Ele nem sabia que ela jogava bilhar, se mostrava muito temporário por toda a situação. Para não mencionar, o dormir um pouco. Talvez eu não devesse andar longe disso. Talvez Patrick tivesse um ponto. Eu poderia jogar para isso e passar o meu jogo. Eu poderia me livrar de boa de Nick em uma noite. Então, Heidi e eu poderíamos finalmente ter aquela conversa. Eu estaria de volta aos trilhos. —Tiro de sinuca, — eu o corrigi. —Se você conhecesse Heidi, assim como eu, saberia que é uma das suas coisas favoritas a fazer. Heidi quase se engasgou com essas palavras. —Isso não é exatamente certo. Eu diria que uma das minhas coisas favoritas a fazer é chutar o seu traseiro no bilhar. Eu ri. —Vamos ver se você pode fazer isso. —Eu não posso nem contar o número de vezes que fiz isso. —Espere, pensei que você disse que este era o seu chefe. — Nick disse em confusão. —Eu... Bem... ele é, — Heidi disse, recuando.


—Landon e Heidi são amigos há anos, cara. — Patrick disse. —Ele é seu chefe há apenas uma semana. Ela pode dar-lhe um passe para a noite e jogar bilhar. Você sabe onde é a Flips? Nick gaguejou, — Eu... sim, eu sei. —O que ele está tentando dizer é, — Austin interrompeu, — nós estamos indo para a Flips para jogar sinuca se você quiser se juntar a nós. —Oh, eu não sei, — Heidi disse. —Quero dizer, estes são os seus amigos, certo? — Perguntou Nick. —Não me importo de ir com você, se quiser ir. —Eu não... —Vamos, Heidi, — pressionei. —É apenas um jogo. A menos que você esteja com medo que eu vá bater em você. —A única vez que você já ganhou foi quando eu deixei, para proteger seu ego precioso. Dei de ombros. —Você pode provar esta noite. Ela implorou olhando para Nick, mas ele parecia não notar. —Eu estou junto com ela! Eu nem sabia que você gostava de jogar bilhar. Eu adoraria ver o quão boa você é. —Certo. — Ela sussurrou. —Ótimo! Então, está resolvido, — Austin disse. —Vamos ver você lá em vinte minutos. Nós apenas temos que pagar. Heidi olhou para mim, como se isso fosse tudo culpa minha. Eu tinha certeza que ela iria desistir e o seu encontro iria levá-la


para casa. SĂł que eu tinha a desafiado para um jogo, e ela era muito competitiva para deixar o desafio abandonado. NĂŁo me importava se eu perdesse terrivelmente para ela. Eu queria a chance de lutar por mais do que o jogo.


Treze

— É bom conhecer alguns dos seus outros amigos além da Julia, — Nick disse com seu sorriso sempre presente em seu rosto enquanto estávamos do lado de fora do Flips. —Eu realmente preciso conhecer a sua companheira de quarto agora. Emery parece legal. Lutei para manter um olhar vazio no meu rosto. Isso era um desastre. Um desastre! —Sim, devemos convidá-la, também, e então teríamos toda a turma junta. — Murmurei sarcasticamente. —Se você quer convidá-la, não me importo. Este ainda está sendo o melhor encontro. Eu, infelizmente, sorri para ele. Emery estava certa. Não havia nenhuma faísca aqui. Ele ainda não tinha notado a tensão entre eu e Landon. Mesmo depois que Landon tinha enviado aquela bebida. E oh meu Deus! Como ele ousa me enviar essa bebida enquanto eu estava em um encontro com alguém! O que diabos ele estava pensando? —Acho que Emery está com o namorado esta noite. —Disse a ele, afundando no banco do passageiro.


—Ela não está namorando um Wright? —Sim, Jensen. Ele é o mais velho. —Tão interessante. Eu não sei muito sobre sua família, só que eles são, como, a realeza de Lubbock. Trevor sabe mais de tudo isso do que eu. —Realeza de Lubbock. — Gargalhei. —Eles são apenas pessoas que por acaso têm dinheiro. Eu não iria colocá-los em um pedestal. O que era intenso, vindo de mim. Eu os tinha colocado em um pedestal toda a minha vida. Mas tinha sido fácil fazer isso enquanto cresci com nada. O bar do meu pai não era exatamente um negócio lucrativo. O único dinheiro que ele já havia arrecadado era inteiramente ilegal... e todos nós tínhamos pagado caro por isso. Eu estava do lado errado das faixas, olhando para as mansões, imaginando como era viver assim. Não podia me controlar. Mesmo agora que eu tinha dinheiro, tinha certo nível de fascínio com os ricos e famosos. Claro que, com a sua carreira no golfe, Landon se encaixava nesse molde melhor do que todos eles, e eu nunca me senti assim sobre ele. Provavelmente porque eu o tinha conhecido antes da sua carreira decolar. —Você está pronta para ir? Suspirei. Eu não estava pronta para entrar. Eu não tinha ideia do porque tinha até concordado com isso. Em parte, porque eu era competitiva por natureza e em parte porque... eu queria ver Landon. Depois dessa viagem de elevador,


minha mente estava ficando louca. Pensei que um encontro poderia me fazer esquecê-lo, mas é claro, a minha sorte, foi nós esbarrarmos com ele no encontro... agora, estava de bom grado saindo com ele e o cara que eu estava namorando. Apenas uma explicação. Eu era uma masoquista. Nick estava saindo do carro antes que eu pudesse pensar em mudar de ideia. Eu estou fazendo isso. Eu estou realmente fazendo isso. Deixei meus saltos baterem sobre o pavimento e endireitei o meu vestido rosa e preto. Cara, eu estava protelando. Nick estava sorrindo para mim na frente do seu carro, e eu hesitante caminhei até ele. —Você está bem? —Sim. — Menti. Quando entramos no Flips, foi como voltar para casa. Tendo crescido em um bar, eu sempre me senti mais confortável dentro de suas quatro paredes. Não importava que ele frequentemente

cheirasse

a

licor,

vômito,

e

cigarros

ultrapassados. Não importava que o piso de madeira estivesse manchado com anos de desuso. Não importava que ele estivesse mal iluminado, tornando-se difícil de ver todo o caminho até o fundo da sala, ou que estava preenchido com um vasto leque de pessoas de todas as esferas da vida. Isso parecia certo.


E, caramba, eu precisava de uma bebida. Peter estava trabalhando. Honestamente, não tinha certeza de quando ele não estava. Ele me viu chegando e tinha um tiro de tequila à espera. Ele bateu o saleiro na minha frente. —Parece que você precisa disso. — Disse. Oh, os de poucas palavras. —Ei, Peter. É bom te ver. Este é o meu... este é Nick, —eu disse, tropeçando na palavra encontro. —Ei, cara. — Nick disse, oferecendo a sua mão. Peter tipo olhou para ele como se o cara estivesse fora da sua mente. —O que você vai querer? —Oh, eu vou tomar uma Bud Light. — Nick deixou cair sua mão de volta para o seu lado. Peter me deu um olhar que dizia, Bud Light? Mesmo? Então, ele não tem o melhor gosto em cerveja. Quem sou eu para julgar? Exceto... eu sempre julguei as pessoas pelo que elas bebem. Você pode dizer muito sobre uma pessoa com base no tipo de bebida que pediu em um bar. Era como ver alguém lendo um livro no parque. Vocês ou eram amigos instantâneos ou inimigos instantâneos. Engoli o tiro de tequila mesmo que eu precisasse manter meu juízo sobre mim. Mas um tiro faria muito bem. —Nós estamos indo para as mesas, — disse a Peter. Então, acenei para Nick me seguir com sua Bud Light.


Eu já tinha acumulado as bolas na mesa quando Landon, Austin, e Patrick chegaram ao Flips como se fossem os donos do lugar. Não completamente fora do reino da possibilidade para os Wrights.

Embora

provavelmente

um

mau

investimento,

considerando a confusão que era toda a família. Austin adquiriu uma garrafa inteira de uísque da prateleira e uma bandeja de copos. Deve ter custado pelo menos o dobro do que custaria em um mercado, mas Austin não parecia se importar. Austin colocou a bandeja, e Patrick derramou o uísque em cada um dos copos. Balancei a minha cabeça. —Você é uma bagunça, Austin. Ele piscou para mim. —Você me conhece, Martin. Isso não é o pior que já me viu. —Não é o melhor também. Patrick sorriu. —Isso é definitivamente o seu melhor. Landon tomou uma bebida quando foi oferecida a ele, mas caso contrário, seus olhos estavam focados apenas em mim. Eu não tinha sequer olhado para ele. Ainda assim, podia sentir seu olhar sobre mim como uma carícia. Mordi o lábio e, finalmente, deixei os meus olhos vagarem ao seu. De repente, a sala era uma fornalha. Como se o chão fosse revestido em gasolina, e aquele olhar tivesse definido o local em chamas. Eu odiava que ele era capaz de me fazer sentir isso. De me arrastar em direção a ele com um olhar. No entanto, eu era incapaz de me afastar dele.


—Você está pronta para jogar? —Ele perguntou, com a sua voz grave e rouca. —Hum, — murmurei, —jogar? —Bilhar. — Ele jogou um pau de bilhar em minha direção, e eu peguei em uma mão. Ele sussurrou enquanto passou por mim —A menos que você tenha outra coisa em mente. Gaguejei em minhas palavras quando senti sua mão trilhar ao longo das minhas costas. Meus olhos se apressaram para Nick, mas ele estava preocupado com Austin e Patrick. Eu me senti horrível que isso estava acontecendo. Esta era uma má ideia, mas era Landon. Eu queria que ele lutasse por mim... mesmo que isso fosse injusto. —Pare com isso, — assobiei, recuperando o controle do meu corpo. Ele arqueou uma sobrancelha e um sorriso se curvou para mim. —Sua vez. Tirei a minha frustração sobre as bolas de bilhar e agarrei a atenção de todos. Encaçapei três bolas nos bolsos no intervalo, dois breaks sólidos (pontuação máxima no jogo) na faixa e sorri. —Cem dólares que eu o venço neste jogo. Landon puxou a carteira e colocou cinco notas de vinte dólares sobre a mesa, sem um segundo pensamento. —Por mim tudo bem. Patrick pegou o dinheiro e jogou para baixo na bandeja. — Agora, temos um jogo!


Eu já me sentia triunfante. Landon só tinha me vencido um punhado

de

vezes,

e

era

geralmente

quando

eu

estava

embriagada ou distraída. Nenhum dos quais eu ia estar hoje à noite. —Presumo que o seus são sólidos? — Perguntou Landon. —Você sabe, — eu disse a ele como precedia e embolsei mais três bolas antes de perder uma, deixando a mesa aberta para Landon. —Uau, você é realmente boa! — Nick disse, esgueirando-se ao meu lado. —Por que nunca me disse que poderia jogar bilhar assim? —Apenas um truque divertido de festa, — menti. —Bem, acho que é bastante surpreendente. Eu sou uma merda no bilhar. Só joguei uma vez na minha vida. —Uh-huh, — eu disse quando Landon embolsou uma bola. —Desculpa de me concentrar no jogo. —Oh, sim, claro. Vá em frente, — Nick disse. Ele deu um passo para trás e começou a conversar com Patrick novamente. Caminhei ao redor de onde Landon estava de pé, avaliando a situação. —O que você acha? Dez no canto superior direito? — Perguntou. Dei de ombros. —Sua vez, Landon. Ele se inclinou para frente, quase na minha cara. —Nós não discutimos o que aconteceria se eu ganhasse. —Eu lhe dou cem dólares, — disse com calma praticada.


Foda-se, ele estava muito perto. —Isso não é o que eu quero. —Isso é o que você vai ter... se você ganhar, — assobiei para trás antes de me afastar. Ele sorriu com o quão nervosa eu estava, e eu aliviei de volta para o outro lado da mesa. Assisti Landon afundar o dez que ele tinha prometido no bolso superior direito. Isso não era bom. Tive um sentimento que já sabia o que Landon queria se ele ganhasse. Algo que eu não poderia lhe dar, muito menos, porque eu estava em um encontro com outro cara atualmente. Atualmente. Neste exato momento! Quase gritei quando ele bateu em mais duas bolas. Ele estava ficando arrogante, embora. Eu podia vê-lo no conjunto de seus ombros e o riso em seus olhos. Isso era quando os caras se estragavam. Isso era quando eles pensavam que poderiam vencer uma menina, porque tinham começado a correr a mesa. Eu ainda poderia ganhar. Eu precisava ganhar. Dei um passo para frente enquanto ele alinhava para o seu próximo lançamento. —Você tem certeza sobre isso? Meu quadril foi para o lado da mesa de bilhar, e os olhos de Landon viajaram para baixo em minhas pernas longas e bronzeadas. —Tentando me intimidar? Eu ri levemente. —Claro que não. Apenas ajudando o meu adversário.


—Você esquece que eu a conheço muito bem para isso. Você nunca ajudou o seu adversário. —Ás vezes eu faço. Quando eu quero que eles vençam, — acrescentei. Seus olhos agarraram o meu com pontos de interrogação gigantes em si. —E você quer que eu ganhe? — Sua voz estava atada com a tentação. —Não. Ele sorriu. —E eu pensei que era um mentiroso de merda. —Vamos, vocês dois, — Patrick chamou de onde estava sentado. —Terminem logo. —Eu iria com o doze, — disse a ele enquanto apontava para o nove. —O doze é impossível. —Talvez para você. —Você quer fazer essa jogada, ou está aqui como uma distração? — Os olhos dele deslizaram pelo meu vestido novo. — Eu não me importo de qualquer maneira. —Sim, vocês — disse Nick, juntando-se com Austin e a camaradagem de Patrick. —Não leve a noite toda. —Onde você encontrou esse cara? — Landon murmurou sob a sua respiração enquanto alinhava a bola novamente. —Bem, ele não é casado. Então, acho que vou chamar isso de uma vitória.


Landon bufou completamente. A bola mal escovou o nove que estava apontando, e ele amaldiçoou a sua falta. Mas eu sabia que ele estava realmente amaldiçoando o que eu tinha acabado de dizer. Tudo o que a tensão da última semana se apresentou bateu o seu auge entre nós agora. Se Nick não fosse tão completamente alheio, ele teria notado como Landon olhou para mim e do jeito que ele falou comigo e os sentimentos que eram ferventes em sua presença. —A vitória da suposição será minha, — eu disse a ele quando o arrastei para fora do caminho. Pousei o dois e o seis quase sem respirar. Com a maior parte da mesa apagada, as jogadas tinham sido fáceis. Geometria sempre foi meu forte. Foi a razão pela qual eu tinha entrado em engenharia, em primeiro lugar. Eu era aquela garota maluca que gostava de matemática. Compensava nestas situações. Eu só precisava marcar o oito para ganhar. —Vamos, Heidi. Você tem isso. — Nick falou. —Sim, Heidi, — Austin concordou. —Adoro ver você chutar o traseiro do meu irmão. —Você é tão cheio de ideias. — Landon murmurou. —O que? É quente quando uma garota vence você. —Ei, — eu disse, apontando o meu taco de sinuca para ele. —Eu não sou apenas uma garota.


—Você está certa. Você é uma garota quente. — Patrick disse. —Ignore-os, e faça a jogada — Landon disse. Revirei os olhos e alinhei para a bola oito. —Oito no canto superior direito. No milésimo de segundo depois que eu bati a bola, tive um sentimento que ia perder. Não tinha certeza se foi à maneira que eu ia bater na bola ou a trajetória que passou, mas parecia fora para mim. Ela sacudiu para frente e para trás contra os cantos do bolso, e todos nós soltamos a nossa respiração e esperamos. —Ugh, — gemi quando assisti com a mão sobre os olhos. Surpreendentemente, ela oscilou apenas o suficiente para trás para pousar no bolso. Pulei em surpresa. —Meu Deus! Os outros caras todos me aplaudiram. Austin me deu os cem dólares de Landon. —Nunca duvidei de você por um segundo. Nick aplaudiu meu sucesso. —Bom trabalho! Patrick passou o braço em volta dos ombros de Nick. — Vamos! Vamos fazer nossos tiros! Era só Landon que parecia constrangido. Mas ele era um bom perdedor. Ele sorriu quando olhei para ele. —Jogo legal. —Obrigada. — Murmurei.


Imaginei que nunca saberia o que teria conseguido se ele tivesse ganhado.


Quatorze

Landon deu um passo mais perto de mim quando Austin, Patrick, e Nick finalmente se afastaram. —Realmente foi um grande jogo, Heidi. —Moleza; fácil; como tirar doce de criança. —Claro que você não quer descobrir o que teria acontecido se eu tivesse vencido. —Acho que nunca vamos saber, Landon, porque você nunca vai me vencer. — Disse confiante. Ele sorriu. —Talvez. —Sério, Landon, o que diabos você está fazendo? — Perguntei antes que eu pudesse me parar. —Esperando sair com você. —Você está fazendo todo esse eu-sei-que-você-está-tão-bemesta-noite. E, com certeza, você pode me conhecer, mas não pode esquecer que eu conheço você também, o que significa que sei que você não está aqui apenas para sair comigo. —Você está certa. Você me conhece, Heidi. Essa é a questão. Você tem me evitado e se afastado de mim e se recusado a me ouvir durante toda a semana, quando eu estive bem na sua frente, tentando fazer as coisas direito.


—Talvez eu não queira fazer as coisas direito. —Por quê? Devido a esse cara? — Landon perguntou, apontando Nick. —O cara é tão inconsciente, ele não pode sequer ver o que está bem na frente dos seus olhos. Eu poderia ter transado com você na mesa de bilhar, e ele teria batido palmas e aplaudido o quanto você é boa. —Isso não é verdade, — gritei. —Porra, eu nem quero entrar nisso com você. Pisei longe dele, em direção ao banheiro. Seus passos me alertaram da sua presença antes que ele agarrasse o meu cotovelo. —Heidi, pare. Eu deveria saber que ele não iria me deixar ir embora. E, agora, estávamos sozinhos em um corredor, na parte de trás, que levava para os banheiros onde ninguém podia nos ver. Eu me virei e bati na mão dele onde estava me tocando. — Não entendo o que diabos você espera conseguir aqui. Seguindome e depois me encurralando de novo? Isso não é inteligente. Não só estou aqui com outra pessoa, mas você também é meu chefe. —Sim eu sou! Quem diabos se importa? —Eu me importo! —Bem, Cristo, Heidi, eu sei o quão importante o seu trabalho é para você. Entendi. Não estou tentando fazer você ser demitida. E não acho que seria mesmo se alguém descobrisse. —Você não pode saber disso. Isso é uma maneira tão incrivelmente ingênua de pensar. Julia é uma das minhas amigas


mais próximas. Eu sei que ela demitiu as pessoas de diferentes ramos da empresa ou as mudou por menos do que isso. —Menos do que o que? Um beijo antes de eu ser o seu chefe? Porque você continua me dizendo que não há nada aqui. — Moveu-se para frente, e me prendeu. —Ou será que há algo aqui? E nós somos algo mais, mas você se recusa a reconhecer. Seus lábios estavam a meros centímetros do meu rosto e meu corpo estava pulsando em resposta a suas palavras. Suas mãos percorriam meus braços nus. Todos os pensamentos conscientes fugiram da minha mente. Eu queria ceder a isso. Assim como queria na reunião e todos aqueles meses atrás no Natal. Mas eu não podia. —Que parte do encontro, você não entendeu, Landon? — Perguntei, empurrando-o para trás. —A parte em que você não está comigo! — Ele rosnou. —Você é casado! —Bem, se você apenas porra falasse comigo, saberia que estou me divorciando dela! —Espere...

O

quê?

Perguntei,

momentaneamente

aturdida. —Sim, eu vou deixá-la! Sacudi a minha cabeça. —Você disse isso da última vez, e depois saiu correndo de volta para ela como um cachorro com o rabo entre as pernas.


—É isso que você acha que aconteceu? — Perguntou, sua voz baixa e seriamente irritada. —Da última vez, estávamos separados. Eu disse que ia deixa-la. E, agora, eu oficialmente estou, Heidi. Não sabia que ela estaria na cidade naquele dia. Eu não tinha ideia de que tipo de merda ela estava tentando puxar. Estou aqui tentando corrigir meus malditos erros. Meu queixo caiu em sua confissão. —Você está realmente deixando-a? —Sim. Suas mãos escovaram meus braços novamente. Quando eu não disse nada em resposta, ele se aproximou. Nossa raiva e frustrações queimavam através do espaço entre nós. Meu cérebro não poderia manter-se com o meu corpo. Meu cérebro estava dizendo, vá embora. Não se entregue. Mantenha suas defesas para cima. Meu corpo estava dizendo, toque-me, sinta-me, me devore. Seus dedos roçaram a minha cintura, amontoando o material do meu vestido e forçando-nos de volta contra a parede. Nossos olhares se encontraram, e meu peito arfava com o desejo e pânico. Eu não poderia ceder a ele. Eu queria muito ceder para ele. Ele acariciou meu pescoço com a barba por fazer. Minha respiração saiu em ondas. E, ao primeiro beijo no meu pescoço, eu era um caso perdido. Fechei os olhos e inclinei a cabeça para trás. Querendo isto, precisando disso.


—Porra, Heidi, — ele gemeu. Minhas mãos foram ao redor dos seus ombros, sentindo os músculos em suas costas enquanto puxei-o contra mim. Esqueci onde estávamos ou o que eu estava fazendo. Eu estava vivendo o momento. Ele agarrou a parte de trás de uma das minhas pernas e a colocou em volta da sua cintura. Seus dedos deslizaram até o meu vestido e cavaram em minha coxa exposta, deixando marcas enquanto se divertia com o músculo tenso. Ele beijou meu pescoço e chupou meu lóbulo da orelha. Uma respiração desesperada, gutural escapou da minha boca. —Landon ... —Volte para casa comigo. —Eu não posso. — Sussurrei. Seus lábios roçaram os meus, e levou tudo em mim para não ceder a esse beijo. E, Deus, eu queria. Eu queria tudo o que ele estava oferecendo. —Isto é o que eu queria, se eu tivesse ganhado—, disse ele. —Só você. Eu chorei por isso. Minhas mãos foram para a sua camisa. Meu coração batia tão rápido como se tivesse corrido uma maratona. Suas palavras eram tão atraentes. Exatamente o que eu queria ouvir o tempo todo. Mas, se eu cedesse, me odiaria mais tarde. Eu me odiaria por não esperar até que o divórcio fosse finalizado e ... se ele nunca fosse finalizado. Odiava que ele era meu chefe, e com um


beijo, eu poderia perder a carreira que tinha trabalhado tão duro. E odiava que magoaria Nick. Embora não sentisse por ele o que eu sentia por Landon, mas não era certo permitir que isso acontecesse. Finalmente, com toda a força de vontade que eu poderia reunir, empurrei Landon de volta. —Não. —Não? — Perguntou com um cenho franzido. —Não o quê? —Isso não muda nada. —Que diabos, Heidi? —Você acabou derrubando em mim que está deixando Miranda e isso não muda nada. — Disse a ele. —Claro que não. Disse-lhe que estou deixando a minha esposa e que eu quero estar com você, e isso não significa nada para você? Faz todo o sentido. —Mas você não a deixou ainda! Você ainda está com ela! —Legalmente, estamos separados. E em alguns meses, vamos estar divorciados, — disse. —Você quer esperar por ela assinar um documento que iniciei e já está assinado. Um que diz que nosso casamento está irremediavelmente quebrado e que não podemos consertar nossas diferenças irreconciliáveis. —Não sei, Landon. Não sei sobre nada disso. É tudo muito de uma vez. Estou em um encontro com outro cara, e você está tentando me seduzir. Isso está fodido. Landon deu um passo para trás e suspirou. Ele fechou os olhos por um segundo. Poderia dizer que ele odiava como isso


tinha acontecido. Talvez não a parte do beijo, mas que tinha ficado fora de controle. Estava tremendo e só queria ir embora. Não que eu quisesse ver Nick. Eu, obviamente, teria que terminar depois do que aconteceu. Eu já estava planejando fazê-lo, mas essa coisa com Landon tornou inevitável. Julia iria chutar a minha bunda por estragar uma coisa boa. Se ao menos eu tivesse uma pequena ligação com Nick. Se ao menos Landon não tivesse voltado para a cidade. —Você está certa. — Ele finalmente disse. —Estou? —Sim. Isso não era o que eu queria que acontecesse. E sinto muito por arruinar o seu encontro. —Você sente? — Apertei os olhos, imaginando qual era a pegadinha. —Eu lidei com isso da maneira errada— Seus olhos eram sinceros. —Eu quero isso com você, Heidi, mas não vou empurrála se você não estiver pronta. Se você quiser esperar até que o divórcio esteja finalizado, então eu posso esperar. Vou esperar por você. Meu coração gaguejou em suas palavras. Ele realmente quis dizer isso também. Ele poderia ter me empurrado hoje, mas seus olhos disseram que ia esperar. Landon e eu tínhamos retrocedido esse limite em janeiro, quando tínhamos sido imprudentes o suficiente

para

nos

esgueirarmos

juntos.

Quando

quase

cruzamos a linha. Mesmo quando ele me disse que não poderia


conversar mais, eu sabia que era porque ele se importava muito. Não porque ele não se importava em tudo. No entanto, não importa o quão perto nós estávamos no ano passado, foi difícil não pensar que eu poderia ser uma maneira de afastar sua esposa. Ainda assim, eu queria acreditar que o olhar que ele estava me dando me dissesse que não era o caso. —Você vai esperar por mim? —Se é o que você precisa. Mas simplesmente não ... se contente com aquele cara nesse meio tempo. Eu colori com a acusação. Como se eu pudesse escolher Nick sobre ele. Ele acenou com a cabeça quando viu a minha expressão. — Vou reunir as tropas e vamos embora. Eu realmente não quero feri-la, Heidi. Ele se inclinou e roçou os lábios contra a minha bochecha. Não pude me controlar. Suspirei nesse toque. Com esse toque, minha pele cantarolava, e meu corpo estava ligado. Ele poderia estar indo embora e fazer o que eu tinha pedido a ele, mas meu corpo traidor contou-lhe tudo o que ele precisava saber. —Landon, — sussurrei quando ele se virou para ir. —Sim? —Obrigada. Ele sorriu e pegou a minha mão. Ele gentilmente apertou. —Ei, pessoal! — Austin disse, virando o corredor e encontrando-nos de pé juntos, de mãos dadas. —Vocês podem


querer quebrar a festa de amor porque o bom garoto vai ficar desconfiado. Pulei longe de Landon, como se o próprio Nick tivesse acabado de virar o corredor. Landon pareceu não se incomodar. Ele provavelmente não se importava se Nick nos visse. —Está tudo bem, — Landon disse a Austin. —Estamos saindo. —Estamos? — Austin perguntou. —Sim. Vamos. —Mas e sobre Heidi? Landon olhou para mim, seus olhos varreram o meu corpo mais uma vez, demorando-se em cada centímetro que ele havia tocado. —Ela recolheu seus ganhos. Talvez eu vá sair por cima outra noite. Assisti Landon sair com Austin, que parecia incrivelmente confuso. Não o culpava. Como Landon e eu tínhamos passado de discutir, com ele me empurrando contra a parede e com ele indo embora? E, pior, como foi que eu não poderia mesmo ficar brava com ele? Ele estava

sendo um cavalheiro. Ele estava fazendo

exatamente o que eu lhe disse para fazer. No entanto ... tudo o que eu realmente queria era que ele voltasse. Para quebrar todas as minhas regras. E percebi então que era comigo que estava muito brava.


Quinze

Quando voltei para o escritório na segunda-feira de manhã, os meus passos estavam hesitantes e meu coração pesado. Emery felizmente esteve muito preocupada com o início do trabalho esta manhã, para perceber que eu estava andando em um precipício todo o final de semana. Terminei com Nick, logo que ele me deixou. Ele parecia chateado, mas compreendeu. Ele até me agradeceu pela diversão naquela noite. Meio que me perguntei se ele gostava de Austin e Patrick mais do que a mim, o que seria totalmente justo, considerando o quão louco são. Agora que não estava namorando mais ninguém, eu tinha todo fim de semana para pensar sobre o que Landon disse ... e fez. A eletricidade que tinha acendido entre nós ofuscou os meus sentidos. Tanta coisa havia mudado em um ano, mas ainda não era suficiente. Suspirei e peguei o elevador no andar de cima. A tensão estava enrolada no meu estômago como uma víbora esperando para atacar. Eu não sabia como Landon reagiria quando me visse. Não sabia como eu reagiria. Com a incerteza me corroendo, decidi acabar com isso. Andei até seu escritório e bati duas vezes.


—Está aberta, — Landon falou. Empurrei a porta aberta e olhei para Landon desgastado. Ele estava debruçado sobre sua mesa com pilhas e pilhas de papéis espalhados diante dele. Ele não tinha sequer olhado para cima. —Ei, — eu disse. Seus olhos dispararam ao som da minha voz. —Heidi. — Disse meu nome como uma oração. —Início de manhã? —Cristo, que horas são? —Nove. — Respondi. Ele esfregou a ponta do seu nariz. —Sim, início da manhã. Eu nem sabia que as pessoas estavam aqui já. —Quando você chegou? —Oh, cheguei aqui por volta das seis e meia. —Da manhã? Ele riu. —Sim, na parte da manhã. —Para quê? Nós não começamos até as nove. Pelo que parecia, ele estava atolado em trabalho. Ele só estava aqui há uma semana, e, já estava sobrecarregado. Eu não tinha certeza se isso era porque ele não foi feito para o trabalho ou se realmente foi acumulando. De qualquer forma, parecia que ele precisava de alguma ajuda.


Landon recostou-se na cadeira e arranhou a parte de trás da sua cabeça. —Bem, tenho fisioterapia terças, quartas e quintasfeiras a tarde e segundas e sextas-feiras de manhã, então quando termino venho direto. —Fisioterapia? — Minha voz subiu uma oitava. —Para quê? —Oh, nós estamos fazendo perguntas agora? —Perguntou com um sorriso. Abri a boca e depois fechei. Ele estava certo. Eu não queria saber por que ele estava aqui. Tinha mesmo recusado ele me dizer. Ele acenou com a mão. —Estou brincando. Machuquei minhas costas durante o verão. —Mais uma vez? — Perguntei. Eu sabia que ele tinha passado por alguns problemas no início da sua carreira e que o havia incomodado no verão passado. Não sabia que isso ainda era um problema. —Sim. — Disse simplesmente. Parecia que ele queria dizer mais, mas não o fez. Não tinha certeza se isso era minha culpa porque eu o afastei ou se ele legitimamente não queria falar sobre isso. —Bem, estou feliz que você está se cuidando, desta vez. — Disse a ele. —Eu também. Apesar de estar muito atrasado. —Então, — murmurei, —você irá para a festa de hoje, da Emery?


—Já estou programando sair mais cedo para isso. —Ótimo. Isso vai ser divertido. —Você sabe, que ela odeia aniversários, certo? —Dãh. Vai ser mais divertido dessa forma. — Disse, com um sorriso. —Ela provavelmente vai matá-la. Dei de ombros. Eu estava apreciando a facilidade da nossa conversa. Era assim que sempre tinha sido antes. Era bom voltar a isso. —Sim, estou acostumada a ela me dizer isso. Landon riu, e meu peito diminuiu com o quão natural soou vindo dele. —Bem, boa sorte com isso. —Obrigada. Nossos olhos se encontraram. Meu sorriso suavizou. Cara, eu tinha sentido falta dele. —Bem, vou deixar você com isso, — disse a ele, afastandome antes que me metesse em problemas. —Obrigado por parar aqui. A tensão que tinha visto quando entrei em seu escritório tinha evaporado. Talvez ele estivesse antecipando essa conversa, tanto quanto eu tinha. E foi melhor do que eu pensava. Nenhum de nós tinha agarrado um ao outro, nem tínhamos rasgado as roupas um do outro. Ainda.


Saí do escritório de Landon com um salto na minha etapa que não tinha estado lá antes. As coisas estavam melhorando. Landon e eu estávamos de volta em condições de conversa. Eu tinha uma festa de aniversário surpresa esta noite para a minha melhor amiga. Eu me senti no topo do mundo. Quase cheguei à minha mesa quando Julia saiu do seu escritório, vindo em minha direção. Estava envolvida em um vestido preto sexy que eu nunca, usaria nem em milhão de anos. Ela tinha as curvas mais surpreendentes. Como curvas de morrer. —Ei, sexy, — eu disse, assobiando enquanto ela se aproximava. —Não use esses movimentos em mim, Martin— Julia disse. —Meu escritório. Agora. Ri enquanto ela me empurrou. —Espero que eu não esteja em apuros. —Você está em um mundo de problemas. Balancei a cabeça e depois me sentei no banco em frente à sua mesa. Ela bateu a porta, como se eu estivesse realmente em apuros, e depois me deu um tapa no braço. —O que diabos aconteceu com Nick? Você não liga. Você não manda mensagens. Você não pode informar uma menina? —Não funcionou. —Qual parte disso não deu certo? Trevor foi o único que me disse. Acho que Nick está realmente reclamando com ele.


—Ele está? — Perguntei, confusa. —Ele parecia totalmente bem quando o deixei suavemente depois do nosso encontro na sexta-feira à noite. Julia abaixou a cabeça em suas mãos. —Você o abandonou em seu encontro? —Bem, não estávamos realmente namorando. Então, eu realmente não o abandonei. —Foi o encontro de número três. Pensei que as coisas estavam indo para algum lugar. —Acho que elas não estavam. —Vamos. Dê-me detalhes. Eu achava que isso era uma coisa boa. Dei de ombros. Eu sabia antes, que Nick não era certo para mim, mas depois de sexta à noite, eu estava além da certeza de que não poderia continuar o encontrando. —Eu não acho que era uma coisa boa. Acho que foi uma coisa conveniente. Julia suspirou. —Tudo certo. Volte à prancheta de desenho. Talvez Trevor tenha um outro amigo. —Não penso assim, — disse, levantando a minha mão. — Você poderia me imaginar namorando outro de seus amigos? —Não, — ela resmungou. —Mas eu quero que você seja feliz. É um projeto de amor encontrar um homem para você. Abri um sorriso. —E se eu só quiser o seu corpo?


Julia riu e sacudiu a cabeça. —Não diga a Emery. Ela estaria de alguma maneira com ciúmes do nosso amor. —Isso é um fato, — concordei. —Ela é uma cadela com ciúmes. —Com

todo

o

direito

de

ser.

Você

é

uma

amiga

impressionante, como pessoa, e é por isso que quero junta-la com um cara. Acenei. —Não se preocupe com isso. Aparentemente, essa foi a coisa errada a dizer. Seus olhos se estreitaram, e ela me avaliou de cima para baixo. —O que não está me dizendo? —Nada. —Você já encontrou alguém! — Julia disse, pulando na cadeira. —Olha como você está feliz. Cara, eu estou tão animada. Quem é ele? Quando vou conhecê-lo? —Julia. — Lamentei. —Não esconda isso de mim. Dê-me a mercadoria. Se há alguém novo, quero ouvir sobre isso. —Tudo bem, — disse, olhando para trás, para sua porta. — Mas não é uma boa ideia. —Seu favorito. Ri baixinho. Ela não tinha ideia. —Eu meio que tenho essa coisa com Landon.


—Landon, — Julia repetiu. Seu rosto ficou pálido, e ela sentou-se. —Como ... Landon Wright? —Sim. Nós fizemos essa nossa reunião de dez anos da escola secundária, e agora, ele está aqui, e está em mim. Ele passou no mesmo bar quando Nick e eu estávamos em nosso encontro, e foi como noite e dia. A conexão está lá com Landon. Os olhos de Julia eram grandes e redondos. —Heidi, ele é seu chefe. —Eu sei. — Sussurrei. —Ele namorou a sua melhor amiga por dois anos! —Eu sei, eu sei. —Que parte disso não é uma boa ideia? Você não pode ter uma conexão com Landon! —Eu sei. — Disse de novo. Deus, eu sabia de tudo isso já. Eu sabia disso mil vezes. Ter sentimentos por Landon era como esperar por uma bomba-relógio explodir. A qualquer momento, estaria explodindo na minha cara. —Não acho que você sabe. Esta é uma má, má ideia! —Julia, — gemi. —Sério, eu sei o quão ruim é a ideia disso. —Eu sou chefe do RH! Você não pode me dizer esse tipo de coisa! —Nada está acontecendo, Julia. Além disso, eu disse a você sobre isso como uma amiga, não como chefe de RH.


—Porra, Heidi. — Ela parecia nervosa e insegura de como proceder. —Você tem que ficar longe dele. Balancei a cabeça. —Eu lhe disse a mesma coisa na sextafeira à noite. Ele é meu chefe. Está passando por um divórcio. Nós não podemos fazer isso agora. —Bom. Bom. Isso é muito maduro da sua parte. —Claro, eu lhe disse isso depois que ele subiu a minha perna ao redor da sua cintura e começou a beijar meu pescoço. Julia colocou as mãos sobre as orelhas e começou a dizer, — Lá-lá-lá-lá—, alto o suficiente para me fazer parar de falar. Eu estava rindo do seu comportamento ultrajante. Talvez devesse ter esperado um pouco mais para informa-la com tudo. —Está bem, está bem— disse a ela, levantando as mãos. — Vou parar de falar sobre isso. —Falar sobre isso? Você vai parar de fazer mais do que falar sobre isso. Você tem que parar completamente, ou sabe que eu vou ter que descobrir uma maneira de separar os dois. E quem você acha que eles vão demitir você ou um irmão Wright? Paralisei com essas palavras. Pensei sobre isso, é claro. Era por isso que eu tinha ficado tão assustada que ele era meu chefe. E se eu não pudesse ficar longe dele? Eu teria que sair. Isso era o que Julia estava dizendo. Ou eu teria que ir para outro escritório fora de Lubbock ou teria que dar um passo para baixo, para que ele não fosse meu chefe. Eles não


estavam indo mover a posição de Landon. Eles tinham acabado de fazer esse ponto para ele. O que era um engenheiro a menos? —Diga-me que entende como isso é importante, Heidi, — Julia disse. Seu rosto contorcido de medo. —Estou muito preocupada com você. —Não, eu entendo. Mesmo. —Você tem certeza? —Sim. — Sussurrei. Mas eu estava completamente insegura. Apesar de todas as consequências e tudo o que tinha dito a Landon, não sabia se eu poderia ficar longe dele para sempre. Parecia impossível. —Oh, merda, — Julia suspirou quando viu meu rosto. — Apenas ... apenas não seja pega.


Dezesseis

Olhei para o meu telefone e xinguei. Miranda do caralho. Por que ela tem que vir e arruinar o meu bom humor? Estive pensando sobre Heidi todo fim de semana. Não tinha certeza se tinha feito a escolha certa. Vamos lá. Imaginei que a empurrando e lutando por ela iria fazê-la perceber que devemos tentar dar uma chance a isso. Mas quanto mais eu empurrava, mais ela cedia, e mais lutava comigo. Era um paradoxo. E, quando percebi como ela estava chateada sobre toda a situação, recuei. Então, ela chegou nesta manhã com alguma distância diferente entre nós. Ela parecia feliz. Falou comigo como se fôssemos amigos. Como antes de nos beijarmos a um mês atrás. Eu sabia que esses sentimentos ainda estavam lá, mas o fato de que ela finalmente tinha perguntas, pareceu aliviar um pouco da minha dor de me afastar na sexta-feira. Eu ia colocar a bola no seu campo. Então ela imediatamente voltaria para mim. Parecia uma vitória. E eu estava voando alto sobre ela até que Miranda me enviou um texto desagradável sobre a papelada do divórcio. Eu não poderia mesmo desligar meu telefone para silenciar seu


discurso. Tinha muito trabalho a fazer, e era o número ao qual as pessoas tinham acesso. Então, passei a maior parte do dia ignorando o bip, bip, bip do meu telefone. Quando finalmente chegou a hora de sair, corri para fora do escritório o mais rápido que pude. Não estava em casa desde as cinco desta manhã, mas não estava prestes a ir para casa tão cedo também. Em vez disso, fui direto para a casa de Jensen, onde a festa surpresa

de

Emery

estava

sendo

realizada.

Heidi

estava

organizando o evento, o que significava que ela já estaria lá. E eu queria gastar tanto tempo com ela quanto poderia. Estacionei a Mercedes de Jensen na garagem e entrei pela porta da garagem na cozinha. —Ei, — eu disse. Heidi estava de pé na ilha no meio da cozinha em nada além de shorts curtos e um top que terminava em seu estômago. Seus olhos correram para mim. —Oh, Landon! Você chegou cedo. Ela tentava pendurar uma bandeirinha perto da luminária, mas não conseguiu. A cozinha já estava decorada, mas eu podia ver que havia sacos com mais decoração apenas esperando serem colocadas no lugar. —Precisa de uma mão com isso? — Perguntei. —Se você não se importa. —Sou um pouco mais alto do que você.


—Só um pouco. Subi na ilha ao lado dela e peguei a bandeira da mão dela. Nossos corpos estavam juntos, ali de pé no meio da cozinha de Jensen. Seus olhos azuis iluminavam à minha proximidade, e então ela desviou o olhar e deu um passo vacilante para trás. —Obrigada. Eu tenho uma tonelada de coisas para fazer. Então, seria ótimo se você pudesse ajudar. — E pulou para fora da ilha. —É para isso que estou aqui. —Ótimo. Ótimo. — Murmurou. Ela parecia nervosa em volta de mim agora. Era como se a menina descontraída que falou comigo no meu escritório esta manhã desapareceu, e eu não sabia o porquê. Afastei sua inquietação e decidi que não iria pensar nisso. Eu realmente tinha aparecido cedo para ajudá-la, se necessário e ir embora. Não estava tentando ser astuto e fazer um movimento com ela. Uma vez que pendurei a bandeirinha na luminária, pulei da ilha e segui até a sala de estar. Os balões pretos estavam por toda parte alguns com brilhos e outros rosas, espalhando um pouco de cor por todo lado. Isso era definitivamente Emery por completo. —Quer que eu faça isso? — Perguntei a Heidi enquanto ela se sentava para encher mais balões. —Estou supondo que você não ficará feliz até que encha a sala inteira.


Ela sorriu para mim e depois se conteve e desviou o olhar. — Sim, quero que Emery tente me esfaquear depois de ver como tão exagerado está. —Isto certamente vai fazer. — Confirmei, olhando ao redor. Heidi me entregou o saco de balões. —Obrigada pela ajuda. Eu ainda tenho um milhão de coisas para fazer. —Sem problemas. Ela saiu pela porta quando Jensen apareceu no topo das escadas. —Landon! — Jensen disse com um grande sorriso. —Você chegou cedo. —Sim, pensei que poderia ajudar. Eu sabia que Heidi tinha algo grande planejado. —É bom te ver. Jensen me puxou para um abraço. Ele parecia mais feliz do que já tinha visto. Mesmo que a minha ex-namorada fosse a única que lhe trazia tanta alegria, eu não poderia invejar isso. Eu queria ser tão feliz, e tudo que sido era deprimido ao longo do último ano. —É bom ver você também, cara. —Como estão as coisas? Você está de volta já há um tempo, e sinto que você é um estranho. —Eu estava na igreja ontem, — eu o corrigi. Certifiquei-me de fazer isso, considerando como saí mais cedo tantas vezes antes.


Jensen sorriu. —Sim, é verdade. Apenas verificando você. Eu sou o mais velho. O que você espera de mim? —Nada mais do que isso. A fisioterapia tem sido boa. Não sei o quanto de progresso que consegui, mas a terapeuta é uma deusa. —Consegui a melhor. —Eu posso dizer. Ela sabe o que faz. —E Miranda? — Jensen perguntou friamente. Olhei para longe. Neste ponto, odiava falar sobre Miranda. Não que eu nunca tinha desfrutado discutir sobre ela com a minha família antes, mas agora, tinha que lidar com o divórcio. Era apenas confuso. —Ainda recebendo textos dela todos os dias, e diz se recusar a assinar a papelada. Jensen suspirou. —Eu estava com medo disso. Ela vai assinar embora. —Nós só podemos esperar. —E o novo emprego? Interiormente me encolhi. Não queria trazer o fato de que eu queria sair do trabalho. Não queria ser o chefe de Heidi, mas também não queria ser deixado sem um trabalho por um ano, enquanto estava me recuperando. Minha mente não podia aceitar isso. Eu nunca tinha abrandado um dia na minha vida. Não estava prestes a começar agora. Mas, depois de tudo, que Jensen tinha feito por mim, não poderia reclamar para ele.


—Um ajuste. — Finalmente disse. Jensen assentiu. —Eu sabia que ia ser, mas você vai fazê-lo funcionar. Você sempre faz. Tenho que ir buscar Emery agora. Todos devem estar chegando em alguns minutos. Vou te ver quando voltar com ela. —Vejo você então. Com um suspiro, eu o assisti desaparecer. Eu amava o meu irmão, mas às vezes, a sua preocupação parecia como um interrogatório. Ele não fazia isso de propósito. Ele tinha estado sempre lá para nós. Ele tinha sido o único a nos criar. Ele não poderia mesmo evitar agora. Voltei para encher balões em sua ausência. Um minuto depois, Heidi colocou a cabeça de volta para a sala de estar. Rosa levantou-se em seu rosto, e ela parecia um pouco envergonhada. —Ei. — Ela disse com um aceno um pouco nervoso. —O que foi? — Arqueei uma sobrancelha para ela. —Odeio admitir isso, mas eu fiz uma espécie de espionagem. Minha mente voou sobre tudo o que eu disse a Jensen, e voltei em branco. Não acho que eu disse nada incriminador. Jensen me verificou. —E? —Sinto muito. Eu não deveria ter. —O que você ouviu que está corando tão furiosamente? — Coloquei os balões de lado e me aproximei dela.


Estávamos sozinhos na casa. Nós só tínhamos alguns minutos antes que as pessoas começassem a aparecer. —Acho que estou mais envergonhada do que qualquer coisa. —Sobre o que? —Bem ... não sabia se eu deveria acreditar no que você disse sobre Miranda na sexta-feira. —Que parte? —Que você estava se divorciando dela. Inclinei a cabeça para o lado e olhei para o rosto bonito, aqueles olhos azuis brilhantes, os lábios incrivelmente deliciosos. —Você pensou que eu iria mentir sobre uma coisa dessas? —Não. Não exatamente. Eu estava ... cautelosa. —Cautelosamente pessimista. — Acusei. Ela mordeu o lábio e deu de ombros. Cara, eu queria beijar aqueles lábios. Queira morder ela. O jeito que ela estava olhando para mim. O rubor nas bochechas. O jeito que ela gravitava em volta de mim. —Otimista. — Murmurou. —Mas nervosa. —E agora? —Eu acredito em você. Não acho que Jensen teria perguntado se você estivesse mentindo sobre tudo. —Eu não vou mentir para você, Heidi. Passei a mão pelo braço dela, e ela estremeceu sob o meu toque. Eu poderia ter dito que iria dar-lhe espaço quando ela


pediu por ele na sexta-feira. E eu quis dizer cada palavra quando disse isso. Mas, porra, estar a sós com ela assim, ter o seu olhar em mim assim ... era o suficiente para quebrar qualquer homem. —Eu estou começando a perceber isso. — Sussurrou, sua voz tão suave que era quase apenas uma expiração. Minha mão correu até seu ombro e em seu longo cabelo loiro. Este cabelo. Porra, este cabelo. Era lindo e suave, e tudo que eu queria fazer era puxá-lo e assistir seus olhos rolar para trás em sua cabeça com prazer. Um suspiro escapou da sua boca ao meu toque, e peguei isso como resposta suficiente. Inclinei sua cabeça para olhar para mim, mas seus olhos se fecharam. Eu podia sentir seu coração acelerado. Ela queria isso, não importa o que tinha dito ou como ela parou o que parecia inevitável. Porque Heidi e eu éramos inevitáveis. Não havia como negar o que sentia ou para onde isso estava indo. Eu poderia diminuir o ritmo como pediu para fazer. Bombear os freios quando as rachaduras em sua fachada começaram a desmoronar. Mas eu nunca poderia virar e ir embora. Não havia quantidade de distância entre nós que poderia me fazer voltar atrás. —Heidi. — Murmurei. —Hmm? —Olhe para mim.


Seus olhos se abriram, hesitante, como se ela não pudesse enfrentar a sua própria realidade. Como se ela fosse ceder no minuto em que visse a profundidade de afeto em meus olhos. —O que você está fazendo? — Ela perguntou. —Apaixonando-me por você. Não

havia

acusação

em

seus

olhos.

Era

profunda

turbulência emocional. Um passo à frente e dois passos para trás. A luta para decidir em quanto queria isso e como apavorada estava em permitir. Porque, se ela permitisse... poderia se machucar. Ela poderia sucumbir a algo que tinha jurado que não faria. Heidi era uma lutadora. Ela era resistente. Ela não ia me deixar ganhar a menos que ela quisesse, também. Até que ela estivesse pronta. Eu podia ver como dividida em dois ela estava. Negando o que queria e aderindo à suas armas, tudo ao mesmo tempo. —Você não pode se apaixonar por mim, Landon. —É tarde demais. Está feito. —Não é bom o suficiente. —Eu sou um caso perdido, Heidi. Você não pode ver? Ela engoliu em seco e assentiu. Ela podia ver no meu rosto. Ela sabia que eu não estava mentindo sobre Miranda. Eu estava deixando-a

permanentemente

neste

momento.

Nenhuma

separação. Somente um bondoso divórcio transparente, tão transparente como poderia fazer.


Mas não eliminava todos os nossos problemas. E estava tentando encontrá-la no meio do caminho sobre eu ser seu chefe. Eu sabia que a preocupava, mas poderíamos dar um jeito nisso. Eu sabia que podia. —Acho ... acho que você precisa de tempo. Quer dizer, não sei o que eu penso. — Ela disse. —Eu não preciso de tempo. Tive todo o tempo que eu precisava. —Bem, então eu preciso de tempo. — Ela me disse. Abri minha boca para convencê-la de outra forma. Mas já tínhamos estado aqui antes. Estivemos aqui há alguns dias. Eu a beijaria. Ela cederia e então surtaria. Então, ela estaria com raiva de mim, e eu teria que começar do zero. Infinitamente. Eu queria parar este ciclo interminável. Mas não podia. Aqui não. Agora não. Minha cabeça acenou automaticamente, e eu dei um passo para trás. Parecia que ela ia dizer alguma coisa, mas depois parou. Eu queria dizer alguma coisa, mas não podia. Nós dois estávamos no limbo. Em seguida, a porta da frente se abriu, e ambas as nossas cabeças dispararam para a entrada. —Tio Landon! — Colton gritou, correndo para a sala e pulando em mim. Ri porque não poderia evitar. Nunca via o meu sobrinho o suficiente. Jensen e Emery sempre voavam para Nova York para


ver Colton onde vivia com a sua mãe. Eu não tinha percebido que Jensen tinha feito uma exceção para o aniversário de Emery, mas aprovei. Levantei o garoto de sete anos de idade, em meus braços e gemi. —Você está ficando tão grande. — Brinquei. Sinceramente, provavelmente não deveria ter pego ele com a minhas costas do jeito que estava, embora. Eu lidaria com as consequências mais tarde. Apesar que ignorar o problema provavelmente foi como tinha complicado ainda mais em primeiro lugar. —Eu estou me transformando em um homem. — Colton confirmou para mim. Heidi e eu rimos. —Com quem você veio? Sua babá? —Nanny Jenn voou comigo, mas a tia Kimber e Lilyanne me trouxeram. E só então a irmã de Emery, Kimber, entrou na sala. Ela estava segurando a sua filha, Lilyanne, pela mão enquanto seu marido, Noah, carregava seu bebê de oito meses de idade, Bethany. —Ei, Landon. Heidi. — Kimber disse. Ela puxou Heidi para um abraço, não percebendo como perturbada ela estava um segundo antes. —Bom te ver. —Ei, Kimber. — Heidi disse. —Está tudo pronto para a festa?


—Sim, muito bem. Apenas esperando todos os outros chegarem aqui. Coloquei Colton para baixo, e ele e Lilyanne imediatamente começaram a chutar os balões pretos ao redor da sala. Tinha a sensação de que eles estourariam todos eles antes mesmo que Emery aparecesse. —E você, Landon, — Kimber disse, dando-me um abraço. — Como você está indo? Emery me disse que você machucou as costas novamente. —Nada que algum do seu famoso bolo de chocolate não possa consertar. Kimber possuía uma padaria no centro chamada Death by Chocolate. Ela era uma incrível cozinheira e padeira e eu costumava comer seu bolo de chocolate o tempo todo na escola. Ela riu e balançou a cabeça. —Bem, você mudou um pouco. Como ela estava errada. Meus olhos se deslocaram para Heidi, e no exato momento, ela olhou para mim. A julgar por sua expressão, estava pensando a mesma coisa. As coisas tinham mudado muito de um inferno desde o colegial. Agora, eu estava olhando para a melhor amiga da minha ex-namorada como se eu desistisse do bolo de chocolate em um piscar de olhos para comê-la na sobremesa.


Dezessete

O resto da minha família foi chegando, Austin, Morgan, e Sutton, juntamente com seu marido, Maverick, e seu bebê recémnascido, Jason. Julia apareceu passando, correndo para a sala como se a casa estivesse em chamas. Ela tinha dado uma olhada em Austin e parado no lado oposto da sala. Com certeza iria perguntar a ele sobre isso mais tarde. Eu tinha escutado bastante merda dele sobre Heidi, que ter alguma sujeira dele sobre alguém era, provavelmente, uma boa maneira de mudar de assunto. Emery

estava

atordoada

quando

entrou.

Ela

parecia

genuinamente emocionada ao ver todos em uma sala, celebrando o dia do seu nascimento. Todos cantamos —Parabéns a você — com diferentes níveis de habilidade, e então ela soprou as velas. —Então, vamos comer bolo, logo? — Colton perguntou. Ele tinha empurrado Lilyanne fora do caminho e estava encostado na ilha da cozinha, olhando para o bolo de chocolate que Kimber tinha trazido da padaria. Emery riu. —Sim, todos nós vamos comer bolo! Ela piscou para Kimber, que pegou uma faca de corte de bolo do balcão e começou a trabalhar.


Emery cantarolava baixinho a canção tema da Bagel Bites14 —Cupcakes de manhã, biscoitos à tarde, chocolate na hora do jantar. Quando Kimber está na cozinha, você pode comer assados a qualquer hora. —Oh meu Deus, — eu disse enquanto Kimber colocava bolo para as crianças em primeiro lugar. —Não ouvia essa música em um longo tempo. —Você tem sorte. — Kimber murmurou. —Será que ela ainda canta para você toda vez que você assa? —Bastante frequente. —Ei, — Emery disse, —é uma boa canção! É cativante. —É um jingle comercial para Bagel Bites que você mudou as palavras. Emery deu de ombros. —E? Eu sou esperta. —Não vamos discutir com a aniversariante, hein? — Disse Jensen, se intrometendo entre mim e Emery. Dei um passo para trás e percebi que todos estavam olhando para

nós.

Eu

realmente

não

tinha

a

intenção

de

cair

perfeitamente em sua dinâmica familiar, mas tinha namorado Emery por dois anos. Às vezes, era fácil estar em torno deles. Mas isso não queria dizer nada sobre mim e Emery. Terminamos a

14


muito tempo, e ela estava de cabeça para baixo pelo meu irmão ... e eu estava de ponta-cabeça por sua melhor amiga. Os olhos de Heidi me encontraram. Eles estavam à procura, e ela parecia confusa. Julia agarrou seu braço e puxou-a para fora da sala sem dizer uma palavra. Eu me perguntava se Heidi tinha dito a Julia. Se ela tinha dito a Emery. Só que, agora que tinha visto Emery, ela parecia completamente alheia a isso. Então, eu não sabia. Tanto faz. Talvez eu estivesse super analisando as reações de todos. Peguei um pedaço de bolo que Kimber tinha me oferecido e segui o resto do grupo para fora da casa no quintal. Jensen estava planejando fazer um churrasco no final da tarde, e havia jogos para as crianças e bebidas para os adultos. Austin pegou uma cerveja, logo que estávamos todos fora e me ofereceu uma. Balancei minha cabeça. —Nah, cara, estou bem. Austin deu de ombros e foi pegar o suficiente para balancear com o resto do grupo que não bebia. Eu queria manter meu juízo sobre mim. Morgan e Sutton se aproximaram de nós, e Morgan atirou em Austin um olhar de desdém. —Você nunca faz nada além de beber? — Ela perguntou. —Por quê? Você quer uma? —Ele ofereceu-lhe a cerveja que tinha na mão. Ela revirou os olhos. —Não, obrigada. Estou feliz que começamos a ter esta festa de aniversário em paz sem a cadela aqui. Sem ofensa, Landon.


—Ofensa foi intencionada, mas não aceita, — eu disse a ela. Falar sobre Miranda me empurrou a beber. —E ela tinha que ser uma das minhas damas de honra, — Sutton resmungou. —Você não poderia ter se divorciado dela antes do casamento? —Bem, se você não tivesse engravidado no dia 21, então poderíamos ter provavelmente encaixado em seu calendário. Os olhos de Sutton foram até Maverick, que estava segurando o bebê Jason. Ele estava segurando-o como se fosse uma carga preciosa e não se perturbou nem um pouco que Sutton tinha saído sem ele. Kimber tinha se mudado para se sentar ao lado dele com Bethany no colo. —Eu não tenho arrependimentos. — Ela pronunciou apenas como uma Wright. Uma boa maneira de fazer seus erros parecerem proposital. —Então, você está indo terminar a faculdade ou o quê? — Morgan perguntou. Isto devia estar em sua mente por um longo tempo. Sutton deu de ombros. —Eh, por que se preocupar? Eu quero ficar em casa com Jason. Os olhos de Morgan cresceram. —Às vezes, eu não sei como nós somos irmãs. —Você comanda a empresa, Morgan, — Sutton disse, carinhosamente lhe acariciando no ombro. —Eu vou fazer a minha própria coisa. Eu sempre faço.


—Isso com certeza, — Austin concordou. —Você se lembra daquela roupa de super-herói da princesa? —Isso de novo? — Sutton gemeu. —É muito memorável. — Eu disse a ela. —O que está acontecendo aqui? — Patrick perguntou quando chegava no quintal. —Oh não, o problema está aqui, — Austin disse. Apertando a mão de Patrick e batendo-lhe nas costas. Patrick balançou as sobrancelhas para as minhas irmãs. — Senhoras. —Você sabe que está atrasado, certo? — Morgan perguntou desafiadoramente. Seus olhos foram treinados no rosto de Patrick. —Você perdeu a surpresa. —Sim, sinto muito por isso. Eu tive que pegar Mindi. Morgan deu um passo para trás. —Quem é Mindi? Patrick sorriu para mim e Austin. —Os caras vão te dizer. Ela é essa bartender no West Table. Nós nos conhecemos quando eu estava lá para um jantar de negócios. —Uma namorada? — Sutton perguntou quando ficou claro que Morgan não podia. —Uh, — Patrick disse nervosamente. —Quero dizer ... você sabe que eu não faço rótulos e essas merdas. —Há crianças, — eu lembrei a ele, observando este acidente de trem através da festa.


—Certo. Desculpe cara. Oh, aqui está ela. —Patrick estampou um sorriso quando a morena alta de sexta-feira à noite andou no quintal de Jensen em shorts jeans, uma camisa branca que mostrava seu estômago, e botas de cowboy. Morgan ficou pálida como um fantasma quando Mindi aproximou-se e acenou para nós. —Ei, você! — Ela gritou. —Austin. Landon. Nós acenamos nossas cabeças para ela e eu disse: —Ei. Patrick apresentou-a as meninas, e eu me desconcentrei da conversa. Ter a minha família toda junta em um só lugar era o melhor. Éramos um grupo muito unido, e apesar de todos ter esqueletos em nossos armários, nunca nos impediu de amar uns aos outros. Aqui era onde me sentia bem. Mas isso não me impediu de procurar Heidi. Ela e Julia tinham acabado de voltar de onde quer que haviam estado escondidas. Heidi parecia pálida, e seus olhos contornaram a festa. Ela franziu o cenho quando viu o nosso grupo, todos empilhados e juntos. E, mesmo quando Julia correu para abraçar Emery, Heidi ficou no lugar. Ela parecia congelada. Heidi não era normalmente uma estranha. Ela era geralmente uma garota cheia de amor, e o centro das atenções. Ela sorria mais brilhante do que o sol e ria com abandono. Sua personalidade era uma grande piada, e ela se deleitava em ser original e ultrajante. Eu adorava todas essas coisas sobre ela.


No entanto, agora, neste exato momento, ela não era essa garota. Algo estava errado. E não acho que era eu que estava causando-lhe este stress. Talvez Julia tinha dito alguma coisa, mas a Heidi que eu conhecia, afastaria as tensões sobre ela e colocaria uma cara corajosa. Essa Heidi não conseguia lidar com isso. Sem olhar para trás, andei longe da minha família e os deixei para as palhaçadas de Patrick. Meus pés me carregaram em todo o quintal para onde ela estava sozinha. —Ei, flor — eu disse. —O que você está fazendo sozinha? —Oh, ei, — ela disse, olhando para longe de mim antes que seus olhos voltassem. —Não sabia que estava fazendo um espetáculo de mim mesma. —Não acho que você está. Acho que sou o único que percebeu. Ela mordeu o lábio e parecia incerta se gostou que eu tinha notado seu desconforto. —Bem, obrigada. Estou bem. —Heidi Martin é o tipo de garota que está sempre muito bem. Ela levantou uma sobrancelha. —Sério, eu estou bem. —Você normalmente domina o mundo em um grupo. Sua personalidade não pode ser contida. Mas você não parece feliz. —Eu estou feliz. —Mentirosa.


Ela riu sem graça. —Bem, estou feliz por Emery. Estou feliz que ela tem toda a sua família aqui e toda a sua nova família enorme aqui. Sua família. Estou tão feliz que há tanto amor ao seu redor. Ela merece isso. —E você não? — Perguntei. —Eu não estava falando de mim. — Ela colocou o cabelo loiro atrás de uma orelha e virou a cabeça para longe de mim. —Não estava? —É bobagem. Esqueça isso. —Não é bobagem se você está chateada. Fale comigo, Heidi, — eu a encorajei. —Se temos alguma coisa, é que podemos falar um com o outro. Você sabe que eu estou aqui. Que vou ouvir. Ela encontrou meu olhar e deve ter visto o quão sincero eu fui porque seus ombros relaxaram. —É só ... eu não tenho uma família. Então, às vezes, estar em torno de uma família como a sua é esmagador. Sabe? Eu não sabia. Na verdade, não. Eu sempre tive uma família grande. Sempre quis uma grande família. Que foi um ponto de discórdia com Miranda no último ano. Preocupou-me que Heidi parecia querer o mesmo. —Esmagador como? —Eu não sei. Como ... é difícil estar em volta de todas estas pessoas que se conhecem e se amam tanto e não sentem tipo de ... ciúmes. Eu me sinto horrível mesmo em pensar assim, mas a única família que eu tenho é Emery. E então vejo todos vocês


juntos e a família de Emery, que praticamente me aceitou, e eu só ... quero isso. Alívio me inundou. Não conseguia nem acreditar que eu tinha pensado por um segundo que ela seria qualquer coisa como Miranda. Heidi se sentia mal porque estava sozinha, e ela queria mais.

Foi

estimulante

e

uma

emoção

completamente

compreensível. —Você não está sozinha, sabe? — Eu disse. —Bem, a família que eu tenho não conta. — Ela disse asperamente. —Eu não estava falando sobre seu pai, mas podemos, se quiser. Ela balançou a cabeça ferozmente. —Não quero falar sobre ele. Ele está na prisão onde deve ficar. Balancei a cabeça, dando-lhe o momento que ela precisava. Não era segredo para ninguém que o pai de Heidi estava na prisão por lavagem de dinheiro e tráfico de drogas. Quando a economia despencou, ele quase perdeu o bar, e recorreu a meios ilícitos para manter à tona. Ele foi capturado da pior maneira possível. Tinha sido um grande escândalo, e Hank Martin era um nome que todos na cidade conheciam. —Podemos falar sobre seu pai quando estiver pronta. —Não segure a respiração. — Murmurou. —Nesse meio tempo, você não está sozinha. Emery pode estar ajudando e ser verdadeiro, mas eu não vou a lugar nenhum.


Você não precisa querer uma família assim quando estamos bem na sua frente, aceitando você no grupo. Pode levar algum tempo para se acostumar. Eu sei que somos um ... grupo interessante. Mas você não tem que procurar por uma família novamente enquanto tiver a minha, bem diante de você. Eu estava oferecendo a ela a minha família em uma bandeja. Eu sabia que todos eles já amavam Heidi. Jensen achava que ela era uma empregada incrível e uma grande melhor amiga. Austin pensava que era hilariante e uma pessoa divertida para sair. Elogios dele. Heidi e Morgan foram cheerleaders15 juntas. Elas já eram unidas. E Sutton sempre quis ser como Emery e Heidi quando estávamos no colégio. Minha família já a aceitava mais do que alguma vez aceitaram Miranda. E Heidi não tinha ideia. Heidi suspirou e pareceu pensar no que eu tinha dito a ela. —Você com certeza sabe como acalmar uma menina chateada. —Só você, Heidi. Heidi

riu.

—Conhecendo

o

seu

histórico,

tenho

que

concordar com isso. —Agora, você está se sentindo melhor? Quer se juntar à mesa das crianças legais? —A popularidade é tão superestimada, Landon.

15

Líderes de torcidas.


Eu sorri. Isso era exatamente o oposto da Heidi que eu conheci na escola. —Vamos, líder de torcida. Coloque-se em movimento. Jensen vai começar a grelhar em breve, e você não quer estar aqui, de pé em seu caminho, quando ele chega perto de uma churrasqueira. Venha tomar uma cerveja, e sair com a gente. Nós não mordemos. Bem, eu não posso garantir Austin. Heidi riu, e todo o seu rosto se iluminou. Os demônios que ela vinha enfrentando desapareceram. Ela era apenas uma garota confiante, borbulhante que eu achava absolutamente fascinante. E, quando ela perfeitamente se integrou na minha família o resto da tarde, era como se tudo no mundo inteiro estava indo bem.


Dezoito

Quase duas semanas depois, na sexta-feira de manhã, fui chamada para uma reunião antes mesmo de chegar até o elevador. —Para quê? — Perguntei a Max. Ele era um dos nossos engenheiro-líder e um dos caras menos agradável no meu departamento. —Não perguntei. Apenas disse para fazer. Estou avisando as pessoas quando elas chegam aqui. —Tudo bem. — Disse com uma sobrancelha levantada. Peguei o elevador para nosso piso com um senso de urgência. A última vez que tivemos uma reunião, tínhamos descoberto que Landon era o novo chefe. Eu com certeza esperava que isso significava que Landon fosse conseguir um novo emprego em um departamento diferente ... ou no térreo. Porque passar por ele todos os dias no meu caminho para minha mesa estava começando a se transformar na melhor parte do meu dia, e não tinha certeza de como eu me sentia sobre isso. Não que alguma coisa tinha acontecido. Ele tinha sido um perfeito cavalheiro. Talvez até muito de um perfeito cavalheiro, considerando a energia que vinha crescendo entre nós. Achei que ele estava esperando meu movimento desde que eu tinha o rejeitado tantas vezes. E não conseguia me ver fazendo isso.


Suspirei e decidi não me preocupar com isso. Uma decisão para outro Reuni um sorriso para Landon enquanto passava em seu escritório, mas fiquei surpresa ao encontrá-lo vazio. Hã. Ele estava geralmente radiante e cedo no escritório às sextas-feiras. Estranho. Dei de ombros e me dirigi para a sala de conferência. Matt me cumprimentou com um aceno. Ele estava em uma camisa xadrez verde-limão com um laço azul-marinho com bolinhas e suspensórios hoje. Suas escolhas de roupas sempre me faziam rir. —Ei, Matt. — Eu disse, pegando o assento ao lado dele. —Nós nos encontramos de novo, Heidi. —

disse com um

sorriso torto. —De fato. Você sabe sobre o que é esta reunião? —Não. Eles nunca nos dizem nada antes. —Sim, essa é a verdade. — Estendi a mão e agarrei um biscoito da mesa. —Pelo menos eles nos deram um café da manhã. —Estou surpreso que você come esse tipo de coisa. Olhei para ele em confusão com a metade da rosquinha recheada na minha boca. —Hãh? — Consegui pronunciar.


—É tudo farinha processada e xarope de milho. É horrível para você. Engoli em seco e sorri. —Sabor delicioso. —Você deve cuidar do seu corpo. Você só tem um. —Anotado. — Disse, dando-lhe um polegar para cima quando peguei um segundo biscoito. Só então o gerente de engenharia, Dennis, entrou na sala. Ele era um homem careca em seus meados de cinquenta anos com uma barriga redonda e um sorriso fácil. Eu gostava do Dennis. Ele foi o único que continuou me dando mérito por fazer melhor do que os meninos. —Está

todo

mundo aqui?

— Perguntou Dennis. Ele

caminhou até a frente da sala, pegou uma caixa de biscoitos enquanto andava. Olhei em volta e percebi que não, na verdade, nem todos estavam aqui. —Acho que está faltando o Jim. —Certo, Jim, — Dennis disse. —Jim está assumindo uma posição na agência de Austin. Seu filho ficou no Texas, e ele e sua esposa queriam fazer a mudança para estar perto dele. —Ele deu de ombros, como se pensasse que era um motivo estúpido para assumir uma posição em Austin. Família era a coisa mais importante, porém. Era tipo fofo que Jim queria se mudar para onde seu filho estava. E, enquanto ele era um movimento lateral, eu não via como era uma coisa ruim. Austin era uma cidade incrível. Tinha ido visitar Emery


algumas vezes enquanto ela estava fazendo seu PhD. Ela tinha mais a oferecer do que Lubbock; isso era certo. —Assim, com Jim limpando a sua mesa na próxima semana no meio do novo contrato de trabalho da cidade, vamos precisar de ter alguém preparado e em seu trabalho, imediatamente. — Dennis estalou os lábios juntos. Meus olhos se iluminaram. Eles iam promover alguém. Meu Deus! Uma vaga de engenheiro principal estava aberta, e eles queriam alguém para cair diretamente no contrato de trabalho da cidade que Jim vinha fazendo. Pode não ser o sonho da maioria das pessoas, mas eu não era a maioria das pessoas. Eu queria essa posição. Não, eu merecia essa posição. Trabalhei pra caramba para chegar onde estava. Passei anos na escola e treinamento. Eu tinha todas as certificações. Eu estava atualizada sobre todos os programas apropriados. Eu até fiz trabalho extra para provar o meu valor. Esta posição precisava ser minha. —A política da empresa diz que eu tenho que deixar a proposta por no mínimo de três dias. Isso significa que todos vocês têm até a próxima quarta-feira para se candidatar antes de fechar a proposta por completo. Muita coisa está se baseando neste projeto, e precisamos de alguém que saiba o que está fazendo imediatamente. Então, não vou arrastar os pés no presente. Se você não acha que pode lidar com isso, então não desperdice o meu tempo. Entenderam? Todos nós respondemos afirmativamente.


—Ótimo. Agora, voltem ao trabalho. Estão desperdiçando tempo e dinheiro. Ri, mas a maioria dos outros caras resmungaram. Dennis era um osso duro de roer, mas ele tinha um bom coração. Matt imediatamente se virou para mim quando nós, nos levantamos. —Você parece muito feliz com isso. —Sim, bem, acho que é uma grande oportunidade. —Você vai se candidatar? — Ele parecia genuinamente chocado. —Hum, sim. Por que eu não iria? —Você simplesmente não está na empresa há tanto tempo. Dei-lhe um rosto incrédulo. —Hum ... eu estou na Wright há seis anos. Você não está aqui só há quatro? —Oh sim. Acho que esqueci que eu comecei depois de você. Trabalhei para outra empresa por quatro anos antes desta, embora. — Ele disse, como se isso de alguma forma fizesse seus oito anos de experiência melhor do que a minha experiência. —Isso é legal. — Porco misógino. Ele me seguiu quando saí da sala, e nós voltamos para nossas mesas. Eu tinha o suficiente de Matt depois de uma sessão hoje. Primeiro, ele tinha criticado os biscoitos. Quer dizer, rosquinhas! E então ele fez parecer que eu não deveria ganhar a promoção, porque não tenho experiência suficiente. Neste trabalho, que era código para, você não deve fazê-lo porque você é uma mulher.


—Ei, Heidi. — Matt disse depois que virei de costas para ele e estava tentando ignorar a sua presença. —Hmm?— Perguntei. Estudando os papéis na minha mesa. —Então, eu sei, que a última vez que conversamos, você disse que estava namorando alguém. Minha cabeça se levantou para isso. Ah não. —Sim? —Bem, ouvi dizer que você está solteira novamente. —Há uma conversa sobre isso? Ele deu de ombros com um sorriso nervoso. —Você sabe que as pessoas fofocam por aqui. —Entendo. —Bem, eu estava pensando se você queria sair um dia. Estou livre esta noite. Nós poderíamos ir à Rain Uptown. Eu amo a massa deles. Sorri mais ou menos em uma espécie de nenhumamaneira-do-inferno. Então, percebi que tinha que o deixar devagar —Desculpe, Matt, mas eu não namoro no escritório. —Oh, — ele disse suavemente. —Entendo. —É uma regra pessoal. Melhor não misturar negócios com prazer e tudo isso. Você entende, certo? —Uh, com certeza. Sim, faz todo o sentido. — Ele disse enquanto eu esmagava os seus sonhos. Afundei em minha cadeira na minha mesa e tentei ignorar os olhares lamentáveis que recebi de Matt, como se o dia pudesse


ficar mais difícil. Bem, provavelmente poderia se Landon aparecesse e descobrisse que Matt tinha me convidado para sair. Aqueles meninos Wright eram um bocado ciumentos. Mas Landon nunca demonstrou. Seu escritório estava misteriosamente escuro durante toda a tarde. Eu queria perguntar ao redor para descobrir se alguém sabia onde ele estava, mas a última coisa que queria era chamar a atenção sobre mim e Landon. Já era ruim o suficiente, o que tinha feito até agora. Seria pior fazer as pessoas considerarem a possibilidade. Claro, eles já sabiam que éramos amigos. Nós tínhamos sido amigos desde o ensino médio. Eu esperava que não fosse mal interpretado. Até o momento que cinco horas chegou, eu estava realmente preocupada. Tinha me acostumado a ver Landon todos os dias. Três semanas como meu chefe, e agora, era uma emoção vê-lo e falar com ele. Mesmo que nada estava acontecendo. Com ele fora o dia todo, percebi o quanto sentia a sua falta. Sem olhares roubados. Nenhum sorriso escondido. Nenhuma razão estúpida para ir falar com ele. Sem passeios de elevador. Hoje foi incrivelmente sem graça sem ele. E meu telefone estava incrivelmente silencioso. Verifiquei mais uma vez quando fui até o meu carro. Nada. Eu me sentei no banco da frente e explodi o ar condicionado para me impedir de suar com o calor seco maldito de Lubbock. Eu queria saber o que estava acontecendo com Landon. Parecia


estranho que ele iria faltar ao trabalho sem ninguém saber ou falar sobre isso. Talvez ele estivesse ferido. Ou talvez ele tinha algo para fazer. Sabia que era uma desculpa esfarrapada, usar sua ausência para mandar uma mensagem ... mas mesmo assim eu mandei. Ei! Você não estava no escritório hoje. Tudo certo? Levou uns bons cinco minutos antes de enviá-lo. Ri trêmula na minha necessidade de ter certeza que ele estava bem. Ele

mandou

uma

mensagem

de

volta

quase

que

instantaneamente. Sim. Obrigado por querer saber. Perdi alguma coisa? Nova vaga de emprego na engenharia. Muito animado. Isso é ótimo. Por causa de Jim estar saindo? Você já sabia!

Claro, que ele já sabia. Afinal ele era meu chefe. Ele provavelmente

teve

que

falar

com

Jim

quando

pediu

a

transferência para Austin. Culpado. Mas eu não podia dizer nada. Entendi. E eu estava secretamente frustrada que tínhamos essa coisa entre nós. Essa coisa que nos mantinha distante. Eu queria falar com Landon. Queria dizer a ele tudo o que acontece na minha vida, como costumava ser capaz de fazer.


Então, por que você não estava no trabalho hoje, então? Esperei consideráveis cinco minutos entre a mensagem e a próxima. Não tinha certeza do por que ele estava levando tanto tempo para responder, mas quando respondeu, eu sabia que ele estava decidindo se queria ser ousado. Eu gostava de ousado. Por que você não vem ao meu apartamento, e eu te conto tudo sobre isso?


Dezenove

Ir ao apartamento de Landon caia sob a categoria de más ideias. Mas lá estava eu, dirigindo para o endereço que ele havia mandado em uma mensagem para mim e me sentindo ridícula que estava fazendo isso. Eu poderia tentar me convencer de que era simplesmente porque estava preocupada com o seu bemestar. Na verdade, vamos com isso. Parecia legítimo. Mesmo que fosse uma mentira. Estava indo para Landon porque queria vê-lo, e ficar longe dele porra me consumia. À queima-roupa. Assim que cheguei no estacionamento do seu prédio, recebi uma mensagem de Emery. O sangue pulsava em meus ouvidos, e me senti congelada. Ainda não tinha contado a Emery que qualquer coisa estava acontecendo com Landon. Quer dizer, nada estava acontecendo com Landon, mas ela gostaria de saber porque eu estava indo até lá para vê-lo, e eu não tinha uma resposta real para isso. Pelo menos não uma que poderia dar a ela. Ei! Eu estou indo para Jensen está noite, mas sinto sua falta. Podemos planejar uma noite das meninas este fim de semana?


Suspirei e estacionei o carro. Cara, sentia falta da minha melhor amiga, também. Provavelmente deveria ir direto para casa e sair com ela. Essa era a coisa sensata a fazer. Mas havia a porta do apartamento de Landon, e que foi onde toda a minha curiosidade me levou. Sentindo-me péssima como melhor amiga, decidi não contar a ela. Sim!

Também sinto

sua

falta.

Que

tal

amanhã à noite? Oh meu Deus, isso precisa acontecer! Este maldito homem sempre toma todo o meu tempo. Sim, porque você odeia isso. Nem um pouco, mas isso leva tempo longe da minha

melhor

amiga

e

colega

de

quarto!

Assim, amanhã, com certeza, cadela! É melhor você estar lá. Definitivamente amanhã. Eu vou ser toda sua, amada. Oh, não me provoque!

Ri do seu comportamento bobo que eu adorava. Isso era oficial embora. Tinha que dizer a Emery sobre Landon. Eu temia isso. Verdadeiramente eu temia. Mas Emery era minha família. Cento e cinquenta por cento. Eu não ia mentir


para ela. O meu pobre coração não poderia lidar com isso. Eu já estava amarrada em nós sobre o fato de que ela não sabia. Não era como se eu estivesse traindo. Estava apenas ... saindo com meu chefe. Que basicamente era seu ex-namorado. Porra, eu estou ferrada. Joguei meu telefone na minha bolsa e corri até a porta da frente de Landon. Bati duas vezes e meu pé batia no chão em antecipação. Não podia acreditar que estava fazendo isso. Claro, eu poderia ser capaz de mentir para mim mesma e dizer que Landon e eu éramos amigos há muito tempo, por isso não era estranho vir aqui. Mas ainda era uma mentira. Landon abriu a porta, e seu rosto se iluminou. —Ei! Você apareceu. —Eu disse que viria. —Sim, você disse, mas eu não tinha certeza. Com, bem ... você sabe. Sim, eu sei. Ele recuou e fez um gesto para eu entrar. Com o coração na garganta, passei por ele e entrei na sala de estar. O apartamento não era nada de especial. Eu podia ver tudo sobre o lugar em uma varredura. A pequena sala de estar que tinha um enorme TV curva que atualmente estava mostrando algum torneio de golfe, uma cozinha pequena com uma mesa de café da manhã para duas pessoas, e um quarto com uma cama grande demais. Este não era o tipo de lugar que eu teria imaginado alguém na família Wright. Muito menos um golfista


profissional. Pelo que sabia, não que eu me importava de uma forma ou de outra, os Wrights eram todos grandes milionários, e o golfe profissional, mesmo no meio do caminho, arrecadava mais de um milhão por ano. No entanto, ali estava ele, em um pequeno quarto em Lubbock, Texas. —Lugar agradável. — Disse a ele. Ele tossiu duas vezes e se engasgou com sua própria risada. —Sim. Certo. Gosto impressionante. —Não é o que eu esperava. — Disse a verdade. Ele fechou a porta atrás de mim e me seguiu até a sala de estar. —Não estou sendo sarcástico, juro, mas cansei de viver em uma casa de cinco mil metros quadrados em Clearwater com uma piscina e jacuzzi, em frente a um campo de golfe PGA-regular, para isto. Isto é ... um ajuste. Meu queixo estava aberto com as palavras dele. —Bem, merda. —Praticamente minha opinião sobre isso. —Por que você escolheu este lugar? Não é como se você não pudesse viver em algum lugar ... melhor. —Isso é verdade. Eu poderia mudar de novo se quisesse. Mas, considerando todas as outras mudanças em minha vida, eu só queria ir devagar. Não preciso de espaço. Sou só eu depois de tudo. —Isso faz sentido, na verdade.


—Acho que soa melhor em minha cabeça do que quando eu disse em voz alta para Jensen, — Landon disse. Ele foi para a cozinha. —Você quer uma bebida? Agua? Coca? Uma cerveja? —Coca está bom para mim. Ele abriu duas latas e entregou uma para mim. Fiz-me confortável em seu sofá, que era muito baixo, perto do chão e claramente muito novo. As bolhas espumantes no topo da lata fizeram cócegas em meu nariz quando tomei um gole. Ri baixinho para mim mesma, e os meus olhos foram para a boca de Landon. Lambi meus lábios onde as bolhas estavam e tentei não pensar sobre qual seria o seu gosto sem uísque. —O que Jensen achou quando você disse a ele que queria um buraco de quarto na parede? Landon colocou a mão sobre o peito. —Você me feriu. Não é realmente um buraco na parede. Eu ri. —É quase comicamente pequeno. —Dê-me um tempo. Eu não o vi antes de assinar o contrato. —Isso não foi uma jogada inteligente. —Não, — concordou. —De qualquer forma, Jensen pensou que eu estava exagerando com todo o divórcio e me afastando. Que eu não tinha necessidade de viver em uma casa na árvore para conseguir ficar longe do meu estilo de vida normal. —Ele não está errado. — Disse suavemente. —Ele não está. Mas eu não estou vivendo em uma casa na árvore também.


Balancei a cabeça e coloquei a minha Coca-Cola na mesa de café. —Então, por que você não estava no trabalho hoje? —Ugh! Você quer falar sobre o trabalho? — Perguntou. Ele chegou mais perto de mim, e meu coração disparou por toda uma outra razão. —Quando eu finalmente tenho você aqui? —Finalmente? — Murmurei, arqueando uma sobrancelha. —Nunca tinha sido convidada para a sua casa na árvore antes. —Eu não sabia que tudo o que eu precisava fazer era enviarlhe um convite para você vir. Sua mão escorregou através do espaço entre nós e pegou a minha mão na sua. Nossos dedos entrelaçaram. Meu estômago se atou ao toque, e eu tremi enquanto ele corria o polegar para cima e para baixo da minha mão. Meus olhos presos ao seu e a intensidade neles. Eu sabia que deveria parar, mas não me afastei. Eu pairava à beira da rendição. —Não tenho certeza de que apenas qualquer convite teria funcionado. — Murmurei. Ele me puxou ainda mais perto até que seu quadril estava pressionado no meu lado e seu ombro estava apertado contra o meu. Seus lábios estavam apenas centímetros dos meus. O lembrete do nosso beijo atingiu minha cabeça, com vontade. —Que tal este? — Ele colocou a outra mão para cima no meu cabelo e trouxe o meu rosto para ele. Nossos lábios se fundiram com um calor que impregnava toda a sala. Não estava sozinho neste momento. E eu podia sentir


essa dor que se instalara na boca do estômago, implacável durante semanas. Isso pode estar errado, mas parecia tão certo. Eu não estava respirando quando respondi ao seu beijo, aquecido e necessitado. Eu queria isso por tanto tempo, e agora que ele estava bem na minha frente, tudo na minha frente, eu não poderia conseguir o suficiente. Não havia nenhuma maneira que isso fosse o suficiente. E, quando o arrastei para perto de mim e abri minha boca para seus beijos, tentei afastar aquela sensação incômoda. Tentei ignorar aquela voz na parte de trás da minha cabeça, dizendo que ele era meu chefe e eu ia ser demitida por isso. Empurrei-o para trás com força que não sabia que era capaz e tropecei para os meus pés.

—Oh, merda, —murmurei

ininteligível. —Porra, merda, merda. —Heidi, o que está errado? — Ele perguntou, levantando-se também. Afastei-me dele e balancei a cabeça. Estendi minha mão. — Fique. Fique aí. Seus olhos inflamados em frustração. —Por quê? —Porque isso acaba apenas em um caminho, Landon. —Esperemos que, com você na porra da minha cama, Heidi. —Isso não vai acontecer! —E por que diabos não? — Perguntou. —Se a única razão pela qual estou aqui agora é porque você quer me foder, então vou embora. — Gritei para ele.


Contornei o sofá enquanto me dirigia para a porta, mas Landon pulou na minha frente, bloqueando o meu caminho. —De jeito nenhum você está saindo agora. —Assista! Landon fechou a mão. —Você não está indo embora. —Você está redondamente enganado se acha que, por me convidar para sua pequena casa na árvore, vou desistir de todas as minhas razões para ficar longe de você. Só que era exatamente o que eu estava pensando desde que ele me mandou uma mensagem e me disse para vir. Eu sabia que vir aqui era uma má ideia, e eu tinha feito isso de qualquer maneira. Sabia que isso iria acontecer, e eu queria. Porra de consciência estúpida. —Isso não é o que eu penso. Acho que você veio falar comigo sobre porque eu faltei no trabalho. Em seguida, olhou para a minha boca e lambeu seus lábios, e eu não podia me sentar ao seu lado e mentir para mim mesmo sobre querer você. Não posso consigo acreditar que você seja capaz. —Sim eu quero você. Mas não posso ter você. É isso aí. Ponto final. —Eu não aceito isso. — Ele me disse. —Aprenda. —Você está apenas cega? É isso o que é isso? Você acha que pode realmente evitar isso para sempre? Porque eu não vou a lugar nenhum, e o que temos não está apenas indo embora.


—O que nós temos, Landon? — Perguntei em desespero. — Alguns telefonemas, erros de Ano Novo, e dois beijos ao todo? Isso não é muito, tanto quanto eu estou preocupada. —Você está brincando, certo? — Seus olhos estavam surpresos e feridos pela minha acusação. —Nós somos amigos, como, há quinze anos, Heidi. Você me ajudou mais do que poderia saber, durante o último ano. A única razão pela qual parei de falar com você foi porque eu estava tão em você, e sabia que tinha que colocar distância entre nós. Mas deixe-me ser claro, — ele disse, dando um passo perigosamente perto de mim, —não há nenhuma distância entre nós por mais tempo. —Talvez deva haver. — Disse. Mas eu tinha perdido meu fogo. Minhas costas estavam pressionadas contra a parede em seu apartamento, e ele foi elevando-se sobre mim, mesmo em meus saltos altos. E senti qualquer coisa, menos ameaçada. Eu me senti tão porra excitada. Com o coração batendo, pernas-tremendo, pele formigando, molhada e excitada. Eu mal conseguia controlar o meu próprio corpo. Tudo o que queria, era agarrá-lo e dizer que se lixem todos os meus receios sobre a situação. —Não, você está errada. Você está lutando contra isso por causa do trabalho. Mas eu era seu antes disso, e eu vou ser seu depois disso, também. —Isso não muda o fato de que você é meu chefe embora. Porra, eu nem sei por que você é meu chefe. —Gritei.


—Bem, você se recusou a me ouvir. Segurei meus braços e tentei apertar para baixo o meu desejo crescente. —Estou ouvindo agora. Eu vim aqui para ouvir você. Para que você me diga porque você faltou ao trabalho. Não para você me beijar! Landon se curvou em um sorriso. Ele estava apenas um centímetro da minha boca. Tão perto que, se eu ainda respirasse forte, tocaria seus lábios. Meus olhos estavam arregalados de pânico, e os meus dedos estavam ansiosos para agarrar a sua camisa. Ele estava me provocando. E isso estava funcionando. —Tudo bem, Heidi, — ele disse com ar sonhador. Ele moveu a sua boca, então estava roçando ao longo da minha bochecha e até o meu pescoço. —Vamos jogar do seu jeito. Eu não vou te beijar. Sua respiração estava quente contra a minha pele, e de repente me senti febril. —Então ... nós não estamos fazendo nada de errado. — Ele deslizou sobre a minha clavícula e meu ombro. Suas mãos estavam pressionadas contra a parede em ambos os meus lados. Eu não poderia me controlar. Isso era uma tortura. Clara e simples. Perfeita, doce tortura. —Isso não está ajudando. — Consegui dizer. —Você quer dizer ... mesmo quando eu não estou beijando você, — ele disse, finalmente, dando um beijo no meu ombro e depois outro na minha clavícula —mesmo quando não estou tocando em você ...


Ele empurrou seu corpo contra o meu, prendendo-me completamente à parede. Eu podia sentir cada centímetro do seu corpo forte sob as suas roupas. Sua pele estava em chamas, e cada centímetro da minha que ele tocava, queimava. —Você ainda tem sentimentos por mim? Você ainda me quer? Você ainda quer isso? Endureci sob seu escrutínio e aquelas piscinas escuras sem fundo. —Porque, se você ainda me quer, então isso não vai desaparecer. E só vai aumentar. Até que exploda. E eu era um vulcão ativo com suas palavras. —Diga-me que você quer isso tanto quanto eu quero, — ele disse com seriedade. —Diga-me que isso não é uma causa perdida. Posso ver que você não quer que eu pare. Apenas me diga que você quer isso. Pare de me dizer para parar. Sua súplica me fez ceder. Balancei a cabeça uma vez. —Não pare. E então ele esmagou seus lábios nos meus ... e eu estava perdida.


Vinte

Heidi não estava lutando mais. Ela jogou os braços ao redor do meu pescoço e estava me beijando com o fervor e a paixão que eu sabia que estavam adormecidos sob a superfície. Não sabia que isso ia acontecer. Quando a convidei, esperava que iria acabar aqui. Mas eu realmente estava planejando falar com ela sobre a razão que eu tinha faltado ao trabalho hoje, juntamente com tudo que estava acontecendo na minha vida. Eu queria expor tudo para que ela pudesse saber onde estávamos. Então, não fui capaz de recuar. Aquele olhar. Aquele olhar que dizia que ela estava pensando em me beijar. Era tudo que eu precisava para esquecer completamente qualquer outra razão que a convidei aqui. Sim, eu queria falar com ela. Eu amava falar com ela. Mas queria transar com ela um inferno inteiro e muito mais neste momento. Sem pensar duas vezes, agarrei-a pela parte de trás das coxas e coloquei as suas pernas em volta da minha cintura. Eu sabia que, assim que fizesse isso, era uma má ideia. Algumas ligeiras dores agudas nas minhas costas, mas eu estava tão


determinado em Heidi que não poderia mesmo sentir. Lidaria com isso mais tarde. Ela segurou-me apertado enquanto a levava através do apartamento - do tamanho da casa na árvore - e para o meu quarto. Deixei-a cair na cama, e ela encontrou meu olhar com os olhos cheios de luxúria. Não perdi tempo em despi-la das calças que usava para trabalhar. Haveria tempo para ir devagar mais tarde, mas agora, não conseguia o suficiente dela. Ela sentou-se e pegou meus shorts. Seus olhos se iluminaram quando abriu o botão e arrastou o zíper para baixo. Com um simples empurrão de suas mãos, meus shorts cáqui estavam caídos em uma poça aos meus pés, perto da sua calça. Ela arrastou a sua própria camisa sobre a cabeça e jogou-a no chão, e a minha logo seguiu. —Oh. — Murmurou baixinho. —O que? De pé, ela arrastou os dedos sobre os meus ombros e meu bíceps. Em seguida, voltou para cima e sobre meu peitoral antes de mergulhar no meu pacote de seis16 e o V que eu tinha trabalhado incansavelmente na academia. —Você deve sempre andar por aí sem camisa. —Ela disse. Eu ri quando as unhas acariciaram cada polegada do meu corpo. —Devidamente anotado.

16

Abdômen. Tanquinho trabalhado.


—Pode ser um problema no escritório. — Ela mordeu o lábio e inclinou a cabeça para o lado enquanto apreciava a vista. — Estou disposto a assumir o risco. —Vou arriscar tudo por você. Minhas mãos agarraram seus quadris e a puxei para perto de mim. Então, explorei meu próprio caminho sobre sua cintura fina até a curva do seu sutiã rosa brilhante. Amava que ela estava em algo muito ela. Ela tinha sido esta bonequinha Barbie na escola, e apesar que isso tivesse sumido ao longo dos anos, embora usasse preto como se possuísse a cor, nunca desistiu totalmente de ser aquela garota por baixo de tudo. Ela respirou bruscamente quando meus dedos roçaram os mamilos antes de passar para as costas e desabotoar o sutiã. Estendi a mão para as alças e os removi dos seus braços. Então, ela estava deitada diante de mim em apenas uma tanga azullistrada. Os seios dela eram redondos e perfeitos, e eu sofria para reivindicá-los. —Landon, — ela murmurou baixinho. Não havia um pingo de autoconsciência nessa mulher, e quando olhei para seu rosto, ela estava praticamente implorandome para continuar. Meus lábios estavam de volta sobre ela em um instante, beijando e degustando e devorando. Ela agarrou-se a mim quando nós caímos de costas na cama juntos. Meu corpo estava cobrindo-a, e a sensação dela por baixo foi o suficiente para me fazer explodir. Ela circulou suas longas pernas em volta da minha


cintura, pressionando meu pau contra sua boceta. Dois pedaços finos de algodão nos separavam, e me esfregava contra ela. Ela se afastou dos meus lábios gemendo meu nome, que não fez nada mais do que meu pau pulsar. Eu queria sentir cada centímetro dela. Eu queria que ela não apenas gemesse o meu nome, mas também gritasse. Eu queria tudo de Heidi Martin. Eu me aninhei em seu pescoço, arrastando minha barba através dela, até que ela cravou as unhas em minhas costas. Porra, não vou ser capaz de durar se ela continuar isso. —Heidi, — gemi, mordiscando seu pescoço, —Eu quero você. —Sim. —Eu quero toda você. —Por favor. —Não há volta daqui, — eu disse. Minha mão escorregou dentro da sua roupa intima, e eu acariciava seu clitóris em pequenos círculos. —Oh, foda-se! Ela já estava molhada quando mergulhei meus dedos em sua boceta. Suas costas arquearam fora da cama, mas a tinha presa, não lhe permitindo nenhum alívio. Eu a levei em um verdadeiro delírio. Sua respiração estava saindo em suspiros quando finalmente deslizei para baixo e tirei a sua tanga. —Landon, — ela gemeu, —oh Deus. Eu ri baixinho antes de lamber lentamente o clitóris. —Era isso que você queria?


—Deus, sim. —Onde está toda aquela raiva foi, fogo de artificio? Ela rosnou para mim, e não pude deixar de rir. Por mais que eu adorasse a maneira como ela não se conteve em volta de mim, certamente gostava desta Heidi suave, que estava prestes a gozar ao meu toque. —Nada para ficar com raiva de mim agora? — Continuei brincando com ela. —Landon, que Deus me ajude, — ela conseguiu dizer antes que eu me inclinasse para trás sobre ela e começasse a lambê-la como se estivesse tentando chegar ao centro de um Tootsie Pop17. Empurrei dois dedos profundamente dentro dela e consegui dois

impulsos

determinados

antes

que

ela

se

desfizesse

completamente. E ela gritou. E foi incrível. Sem lhe dar tempo para fazer uma pausa, tirei as minhas boxers, peguei um preservativo da minha mesa de cabeceira, e depois voltei para sua respiração ofegante, impotente na cama. —Isso foi ... foda, — ela murmurou com os olhos fechados. —E isso foi apenas o aperitivo. Seus olhos se abriram quando retornei em cima dela. Por uma fração de segundo, algo como o medo refletido de volta para mim. Parei. —Está tudo bem? — Perguntei.

17

Pirulito


Todos argumentos de lado, nunca iria fazê-la passar por isso. Nós dois queríamos. Isso foi o que fez a merda mais incrível. E eu queria que ela quisesse isso aqui. Neste exato minuto. Na minha pergunta, a centelha de medo dissolveu em seus olhos, e ela balançou a cabeça. —Isto está mais do que bem. Sorri diabolicamente para ela. —Bom. Isso era o que eu pensava que os seus gritos significavam, mas não tinha certeza. —Idiota. —Desculpe-me?

Perguntei

com

uma

sobrancelha

arqueada. Pressionei meu pau contra a sua abertura, e ela gemeu. —Eu disse, que você é um filho da puta. Escorreguei todo o caminho em sua boceta apertada e gemi de prazer. —O que foi isso? —Mais, — foi tudo que ela disse. E eu felizmente me impulsionei. Toda a tensão sexual finalmente caiu entre nós naquele momento. Não havia nenhuma parada agora. Eu estava dentro dela. Eu estava tomando o que era meu. Estava porra, marcando meu território. Eu disse isso todas aquelas semanas atrás, quando a beijei na parte de trás do Flips. Heidi era minha. Minha. Toda minha.


Não me importava o que tinha acontecido no meu passado, em seu passado. Eu só estava pensando em avançar. Nunca me movendo para trás novamente. Meu pau empurrou profundamente dentro dela, e eu sabia que estava chegando perto. Porra, eu queria isso pra caralho, por tanto tempo que não poderia mesmo continuar. Depois de assistir seu orgasmo apenas com meus dedos e os sons que fez quando me deixou dar prazer a ela, pensei que ia me perder ali mesmo. Esta mulher me fazia sentir como nenhuma outra. Mas eu precisava que ela gozasse novamente. Precisava disso como minha próxima respiração. Aliviei os joelhos e agarrei os seus quadris em minhas mãos, levantando-a ligeiramente para fora da cama. O novo ângulo me fez ainda mais profundo do que estava antes, e não havia nenhuma maneira que ia ser capaz de adiar. Observando os peitos dela saltar quando afundei nela. O rubor de vermelho em todo seu corpo. O olhar vidrado de satisfação no rosto. O ó rodando de seus lábios enquanto ela escorregava sobre a borda novamente. Em seguida, os gritos de êxtase. Meu nome em seus lábios, como uma oração. Quando ela apertou em volta do meu pau, eu perdi e gozei com ela. Eu caí para a frente sobre ela e ofegava quando o meu corpo tentava se recuperar. —Oh, Heidi, — eu disse, colocando beijos rápidos ao longo das suas bochechas e boca. Ela riu suavemente. —Eu não consigo sentir as minhas pernas.


—Estou esmagando você? —Não, acho que você me matou. —Em uma boa maneira? — Eu perguntei com uma risada. —Na melhor maneira. Reivindiquei a sua boca mais uma vez antes de correr para fora dela. Ela rolou para fora da cama, e eu não pude me controlar. Bati na sua bunda quando ela se endireitou. —Cuidado, filho da puta. — Ela disse com um sorriso travesso. —Sim, eu apenas acabei te foder. — Pisquei para ela, e ela bufou antes de caminhar até o banheiro. Limpei-me o melhor que pude no quarto e, em seguida, deitei na cama com as mãos atrás da cabeça, sentindo-me como um rei. Eu estava no topo do mundo do caralho. Heidi pulou de volta na cama e se aconchegou sob as cobertas ao meu lado. Ela estava legitimamente radiante. —Não posso acreditar que somente tive relações sexuais com o meu chefe. Eu me curvei e puxei-a para mim. —Você e seus títulos. Eu acho que você só fez sexo comigo. O resto não importa. —Talvez. —Você vai ficar bem com isso? — Perguntei. Não gostava de onde esta conversa estava indo, mas ela apenas sorriu para mim.


—Você está de brincadeira? Tudo certo? Nós deveríamos ter feito isso há muito tempo. Beijei a sua têmpora e assenti. —Isso é o que eu venho tentando lhe dizer. —Essa foi uma maneira muito divertida de evitar as minhas perguntas antes. — Disse, beijando meu peito antes de descansar a cabeça contra ele. —Oh, Heidi, não era para evitar qualquer coisa. Era por diversão, e, francamente, foi há muito tempo. —Mmm, — ela disse, não discutindo. Ela arrastou seus dedos em meu peito, e tentei esquecer que era como isso tudo tinha começado. Se ela continuasse, poderíamos estar indo para uma segunda rodada. —Então, por que você faltou no trabalho hoje? —Consulta médica. —Para a sua volta? —Sim. —Você vai me contar toda a história? Soltei um suspiro. —Sim. Então, eu fui certo e terminei a faculdade e me classifiquei para o PGA no meu primeiro ano fora. Foi muito importante. Quer dizer, eu sei que você seguiu alguns deles, mas eles achavam que, em poucos anos, eu estaria dentro para uma vitória de Mestres e talvez até mesmo o Copa FedEx.


—Eu me lembro um pouco disso. Foi logo quando comecei a trabalhar para Wright. —Sim. Assim, cerca de dois anos na minha carreira, eu fodi minhas costas. Todos os médicos disseram que não havia nenhuma maneira que eu poderia jogar. Eu precisava sair e fazer uma dispensa médica. —Mas você não fez. —Não. Joguei com dor. Fiquei dopado com analgésicos que o médico tinha prescrito e empurrei através dela. Seus olhos agarrados ao meu, amplos e preocupados. — Essa coisa é super viciante. —Estou bem ciente. —Você continuou tomando? — Ela disse, com o rosto apertado. —Você está tomando agora? Eu sabia do que se tratava. Isso era sobre seu velho. Mas eu não era como ele a esse respeito. —Não, — eu disse a ela. —Foi um erro estúpido continuar quando eu deveria ter feito uma pausa. Eu estava tão alto no jogo. Parei de tomar as medicações e tentei me curar fora da temporada. E eu não tenho tomado isso desde então. —Nunca? — Ela perguntou. —Não. Não vale a pena o risco. Ela assentiu com a cabeça, relaxou contra mim novamente. —Bom.


—De qualquer forma, avance três anos. Algo mais fodeu minhas costas, mas meu médico me liberou depois de algumas semanas. Mas, neste verão foi o pior. Eu forcei mais. Acho que devo ter colocado toda a pressão em minha parte inferior das costas, e foi aí que tudo acabou. O médico disse que eu precisava de cirurgia e um mínimo de um ano para recuperação, mesmo assim, nunca poderia jogar golfe novamente, estava terminando minha carreira. —Oh meu Deus, — ela sussurrou, sentando e olhando para mim com tal choque e compaixão em seus olhos. —Então ... você está trabalhando para Wright, porque acha que não jogará golfe novamente? —Tenho esperança de que vou ser capaz de jogar golfe novamente, mas estou trabalhando para Wright, enquanto estou na

fisioterapia

para

tentar

manter

a

minha

mente

de

enlouquecer. Preciso de algo para me concentrar e algo em que acreditar ou então me preocupo que a parte psicológica do meu jogo vai desintegrar se ... quando eu voltar. —Merda, — ela murmurou. —Isso é apenas ... horrível. —O pior é, — eu disse entre dentes — quando recebi a notícia, em vez de responder como você fez ... como a maioria dos seres humanos normais faria, Miranda me disse que eu não podia arriscar acabar com a minha carreira por causa de um pouco de dor.

Acho

que

suas

palavras

exatas

integridade’. Heidi fez uma careta. —Que horrível.

foram:

'Foda-se

a


—Sim. Então a peguei dizendo a uma das suas amigas que não queria ter filhos, depois de passarmos o último ano em aconselhamento matrimonial depois que ela abortou. Eu estava planejando me divorciar antes dela ficar grávida, mas tentei fazer funcionar. Em seguida, foi apenas uma bofetada na cara. —Uau, — Heidi sussurrou. —Isso foi logo antes da reunião? Balancei a cabeça. —Foi quando a deixei. Ela usou até sua última chance comigo, e eu estava decidido. Então, lá estava você. —Eu acariciava seu cabelo fora do seu rosto. —Meu pequeno fogo de artifício. E eu percebi o quão estressante minha vida

tinha

se

tornado

e

quanto

eu

estava

sofrendo

emocionalmente, mentalmente e fisicamente. Mas você e eu sempre fomos certos. Nós sempre fomos abertos e honestos um com o outro. Nossa ligação era profunda. E, de repente, tudo no mundo fazia sentido. Eu queria você e só você.


Vinte e Um

Meus olhos se abriram para ver a luz no início da tarde fluindo através da janela de Landon. Eu estava desorientada por meio segundo antes de me lembrar de tudo o que tinha acontecido na noite passada. Santo sexo ardente! Bocejei e me estiquei, rolando para o lado de Landon. Ele estava deitado de costas, com a cabeça virada para mim. Seus olhos estavam fechados, e estava respirando suavemente. Ele parecia tão calmo, como se todas as preocupações do mundo tivessem saído dos seus ombros. E, depois de ouvi-lo falar ontem a noite sobre não poder mais jogar golfe, legitimamente parecia que carregava o mundo firmemente em seus ombros. Ser tão jovem, e ter seus sonhos arrancados. Isso pesava sobre ele de uma forma que nem mesmo eu poderia perceber. Sabia sobre as lesões, mas a extensão de tudo era horrível. Final de carreira não eram palavras que qualquer atleta queria ouvir. O braço de Landon embrulhou cuidadosamente em volta da minha cintura e me puxou para perto. —Dia. —Bom dia. — Murmurei. Ele espiou com um olho aberto. —Você é linda na parte da manhã.


Eu ri. —Uh, sim. Certo. —A coisa mais bonita que eu já vi. —Você é ridículo. —Mmm, — ele disse, evasivo quando se inclinou para me dar um beijo. Ele parou no meio do movimento e retornou para a cama. —Merda. —O quê? — Perguntei, preocupada. —Uh ... nada. —Nada, né? —Eu só ... acho que fiz algo para minhas costas na noite passada. —Você acha, ou você fez? — Eu me preocupei. Seus olhos diziam tudo. —Eu fiz, mas vai ficar tudo bem. Não se preocupe. —Você precisa de ajuda? Ou, como, Tylenol? Ele se encolheu e então lentamente se ajeitou em uma posição sentada. —Acho que estávamos um pouco intensos na noite passada. Sorri. —Você poderia dizer isso. —Foi, provavelmente, quando eu a levantei. —Ah merda. Sim, — murmurei. Eu não sabia a extensão dos seus

ferimentos, então, ou

não

teria permitido

que

isso

acontecesse em primeiro lugar. Golpeei seu braço. —Você precisa


cuidar melhor de si mesmo. Jesus. Deixe-me pegar algo para você. O que você tem? —Há um pouco de Tylenol e um relaxante muscular no armário do banheiro, se você puder me trazer alguns juntamente com um copo de água. Pulei e corri para a cozinha para pegar um pouco de água antes de entrar no banheiro. Eu me senti um pouco boba, vasculhando em seu armário de remédios, mas foi ele quem me disse para fazer. Meus olhos pousaram na pequena fileira de medicamentos com prescrição. Tirei alguns Tylenol e, em seguida, encontrei o relaxante muscular também. —Encontrou? — Landon perguntou. —Sim. Está bem aqui. Fechei a porta do armário e voltei para o quarto. —Aqui está. — Disse, entregando-lhe as pílulas e água. —Obrigado. — Ele colocou na boca e bebeu a água. —Eu acho que estou desidratado, também. — Ele arqueou uma sobrancelha para mim. —Você teve alguma coisa a ver com isso? Voltei para a cama e sorri. —Não. Eu não. —Por que não acredito em você? — Perguntou, aninhando em meu pescoço. —Porque eu estava totalmente envolvida. Landon me puxou em cima dele e me beijou, lenta e constantemente. Eventualmente, a medicina fez o seu trabalho, e


a dor diminuiu. Eu queria acreditar que os beijos também ajudaram. No tempo em que comemos o almoço e voltamos para o quarto, não podia acreditar na hora. Já tinha passado muito tempo e eu precisava ir ver Emery. Tinha prometido a ela uma noite das meninas. Esta coisa com Landon era recente, novo e ofuscante, e eu queria sucumbir a ele em cada minuto acordada. Realisticamente, porém, não ia ser possível. —Oh meu Deus, tenho que ir para casa, — disse a ele, pulando para fora da cama e localizando todas as minhas roupas descartadas da noite passada. —Eu tenho uma noite de meninas hoje à noite. —Não vá, — Landon disse. Ele saiu da cama e passou os braços em volta da minha cintura, puxando-me para outro beijo. —Basta ficar mais uma noite. —Eu não posso, — mal consegui dizer. —Prometi a Em. —Tenha uma noite das meninas amanhã. — Seus lábios roçaram meu queixo, e ele mordeu a minha orelha de uma forma que fez eu querer me jogar de volta em sua cama. —Não é possível. Por mais que eu queira ficar. —Então, fique. —Oh, você é um problema. —Sim. — Concordou facilmente. Tirei as mãos da minha bunda com um suspiro. —Você está fazendo isso muito difícil.


—Nunca prometi lutar justo. Ri. —Isso é com certeza. —Quando vou te ver de novo? — Ele perguntou, me seguindo até a porta. —Não sei. Amanhã? —Bom. — Seus olhos se iluminaram com isso. —Amanhã, é uma promessa. Passei meus braços em volta do seu pescoço. —Eu gosto disso. —Você vai dizer a Em? —Sim, — disse com um sorriso tímido. —Não posso esconder nada dela. Além disso, de qualquer forma, ela já imaginava o que estava acontecendo em dezembro. —É claro que ela sabia. — Landon tentou me puxar de volta para ele de novo. —Tem certeza que você não pode dizer a ela amanhã? Sorri e pressionei um beijo firme nos seus lábios. —Eu irei sentir a sua falta também. Ele finalmente me soltou, e eu escorreguei para fora da porta. Ele estava na porta aberta em nada além da sua cueca, e foi muito duro fugir disso. Esse corpo. Esse abdômen. Esse V!


Porra, eu queria aquele corpo, e tudo o que ele era capaz de fazer com ele. De alguma forma, consegui chegar até o meu carro e ligar a ignição. Ele ficou ali, sorrindo para mim, na exibição mais bemvinda que já testemunhei. Precisei de todo meu autocontrole para sair daquela vaga do estacionamento e ir para casa. Quando entrei em casa, Emery estava esparramada no sofá com Buffy the Vampire Slayer pela centésima vez. —Você está de volta! — Emery disse com um grande sorriso. —Pensei que talvez você tivesse me abandonado. —Não. Lembrei-me da noite das meninas. Só vou entrar em algo um pouco mais confortável. Emery pulou do sofá e me seguiu até meu quarto. —Por que você está vestindo roupas de trabalho? —Essa é uma excelente pergunta. —Na verdade, onde você estava, afinal? —Também é uma boa pergunta. Peguei alguns pijamas e roupa limpa antes de me retirar para o banheiro sem responder as perguntas de Emery. Eu precisava de um momento para me recompor antes de contar tudo. Quando voltei, ela estava sentada na minha cama com as pernas cruzadas sob ela, como um pretzel. —Evitando muito as perguntas? —Não. — Eu disse de forma evasiva.


—Você tem outra carta hoje. — Ela levantou o mesmo envelope branco padrão que eu recebia uma vez por semana pelos últimos seis anos. Fiz uma careta e tirei-o da mão dela. —Obrigada. — Murmurei antes de colocar no meu armário com todas as outras cartas fechadas. Emery franziu a testa. —Você vai… —Não, — disse a ela com mais força do que o necessário. — Eu não vou. —Certo, — disse rapidamente. Ela sabia quando não pressionar. —Então, derrame onde estava e o que estava fazendo. Ou então vou fazer você falar sobre as cartas. —Está bem, está bem, — eu disse, levantando as minhas mãos em defesa. —Eu estava ... com Landon. —Eu sabia! —Ela gritou. Emery pulou da cama. Seu sorriso era largo e os olhos verdes brilhantes. Ri da sua reação exagerada. —Eu nem sequer disse qualquer outra coisa. —Bem, você está finalmente porra admitindo para mim que você estava com Landon. Eu estava esperando por isso durante meses. Então, vocês estão juntos, como juntos? — Emery perguntou. —Emery, eu não entendo você. Por que você está tão animada sobre isso? Você namorou Landon por dois anos. Eu estava com medo de lhe dizer.


Emery deu de ombros e jogou o cabelo escuro dos seus ombros. —Além do fato de que eu estou namorando seu irmão? Acho que superei a minha raiva contra os Wrights por causa do Jensen. Éramos crianças, Heidi. Landon me deixou porque pensou que estava fazendo a coisa certa pelo seu pai. Eu não entendia, na época, mas dez anos lhe dá um monte de perspectiva. Não odeio você por sair com ele, como eu poderia odiar, logo após o colegial ou algo assim. —Acho que faz sentido. Quero dizer ... eu ainda me sinto estranha, dizendo-lhe sobre isso. —Você não me disse nada, — gemeu, arrastando-me para fora do quarto em direção a cozinha. —Diga-me todos os detalhes. Acho que precisamos de sorvete e borbulhante para comemorar. —Oh, campeãs, sim! — Concordei. —Campeãs?

Emery

bufou.

—Você

é

tão

Real

Housewives18 agora. Oh meu Deus, eu me odeio por saber disso. Droga Morgan e sua obsessão com esses tipos de shows e revistas de lixo. Eu ri. —Será que ela ainda assiste somente para tirar sarro das pessoas? —Sim, embora acho que ela é secretamente obcecada. De qualquer forma, isso é o suficiente sobre Morgan. Conte-me sobre Landon. Estão juntos?

The Real Housewives... é um reality show de televisão transmitido nos Estados Unidos pela TV Bravo, e também em outros países. O programa mostra o dia-a-dia de mulheres ricas. 18


—Sim. Bem não. Quer dizer, não tecnicamente uma vez que ele está no meio de um divórcio. —Oh, graças a essa merda sobre Miranda. —E há toda a questão de ele ser meu chefe. — Eu a lembrei. —Oh, certo. Você tem essa coisa de não-namorar-colegas de trabalho. Ela jogou sorvete de baunilha em tigelas para nós duas e regou com chocolate por cima. Peguei um para mim, e voltamos para a sala de estar. —Julia disse que provavelmente eu serei a demitida se algo acontecer desde que ele é um Wright. Mas não diga nada para Jensen. —Ugh, sério? — Disse Emery, comendo seu sorvete. —Eu não quero que Jensen saiba. Nós vamos ficar em apuros, e acho que estou na fila para uma promoção. Eu trabalhei tão duro por este trabalho. —Tudo bem, — Emery disse —Entendo isso. Você se colocou onde está hoje. Mas e o Landon? —Se ele quisesse se mudar ... ele teria perguntado já, — eu disse um pouco defensivamente. —Então, você vai esperar por ele para fazer o movimento? —Eu não vou comprometer a minha carreira.


Emery suspirou. —Eu não estou dizendo isso. Estou dizendo que, se isso te incomoda tanto assim, então, fale com ele sobre isso. —Eu falei. Ele sabe como me sinto sobre ele ser meu chefe, mas ele conseguiu esse emprego por um motivo. Eu não sei o que fazer. Não quero dizer a ele para conseguir um novo emprego quando o nosso relacionamento está apenas começando, e ele está passando por tanto. —Bem, se for sério, então você vai ter que falar sobre isso. —Sim. — Concordei. Esse era um dia que eu estava temendo. Eu sabia que precisava falar com Landon sobre isso. Por mais que ele achava que isso não importava, eu sabia que importava. Eu tinha visto o rosto de Julia quando mencionei isso. Suspirei e decidi que iria falar com ele. A última coisa que eu queria era enfatizar o nosso relacionamento a cada dia no escritório. —Desculpe, — Emery disse. —Eu quero que você seja feliz. Landon faz você feliz? Concordei com a cabeça. —Muito. —Bom. Mesmo que seja um pouco estranho. —Eu sabia! — Gritei. —Eu sabia que você estava esquisita. Emery riu e me cutucou. —Nah. Estou brincando. Agora, a questão realmente importante. Meninas Malvadas ou Perfeita é a Mãe? —Escolho os dois.


—Boa escolha.

Durante toda a noite, fiquei obcecada sobre o que dizer para Landon sobre a situação de chefe. Mas no minuto em que cheguei ao

seu

apartamento

na

tarde

de

domingo,

as

palavras

simplesmente não saíram da minha boca. Eu estava muito feliz para falar com ele sobre algo tão difícil. Nosso relacionamento tinha acabado de começar. Eu não sabia como seria. Só queria que durasse. Sabia que deveria dizer algo, mas quando ele olhou para mim e me tocou e me beijou, minhas preocupações desapareceram. Segunda de manhã chegou, e eu ainda não tinha dito nada. Meus pensamentos estavam girando na minha cabeça tanto que, quando fomos almoçar comida tailandesa, ele parecia ler no meu rosto. —Você está preocupada de almoçarmos juntos? —Quero dizer ... sim, — confirmei. —Você ainda é meu chefe. —Eu sei. Meus olhos deslizaram até o seu. —Você não pode apenas ... perguntar a Jensen ou Morgan para movê-lo? Landon suspirou e assentiu. —Eu já fiz. —O quê? — Engoli em seco. —Sim. O primeiro dia que te vi, eu fui perguntar para Morgan por um trabalho diferente.


—Eu não sabia disso! —Bem, não queria que você pensasse que eu tinha passado dos limites enquanto ainda estava com raiva de mim. —O que Morgan disse? Landon franziu a testa. —Ela teve que reestruturar a empresa para me colocar nesta posição. Não há outra posição para mim agora. Nada que sou qualificado, pelo menos. O trabalho que tenho é somente para mim, até que outra coisa se abra. Balancei para trás em minha cadeira e franzi a testa. —Uau. —Sim, eu sei. —Bem, acho que está fora de questão. —Por enquanto, Heidi, mas não para sempre. Podemos lidar com isso. —Ele enfiou a mão na minha. —Eu prometo. Balancei nitidamente a cabeça, observando todas as minhas sugestões cuidadosamente planejadas voar para fora da janela. —Ei, — ele disse, inclinando-se para mim, —nós podemos lidar com isso. Eu juro. Estou com você cem por cento. —Eu sei. — Disse a ele com um sorriso. Eu queria que fosse mais fácil. Mas, é claro, não era fácil. Nada na vida nunca era fácil. Nós terminamos a refeição e voltamos para o escritório. Minha cabeça estava nas nuvens sobre a viagem de volta, e


Landon permaneceu em silêncio, dando-me o espaço para voltar para o chão. Eu sabia duas coisas com certeza-Landon era meu chefe, e eu não ia desistir dele por qualquer coisa. —Heidi, — disse baixo, puxando-me em direção ao seu escritório, quando eu tinha instintivamente me dirigido para minha mesa, —vamos falar sobre isso. —O que há para falar? — Sussurrei. —Por favor, — ele disse mais intensamente. —Tudo bem. — Disse. Não sei o que mais poderíamos descobrir hoje, mas eu estava disposta a ouvir. Então, nós entramos em seu escritório, e os meus olhos pousaram em uma mulher em um vestido vermelho colado que havia se sentado no meio da mesa de Landon com as pernas cruzadas sedutoramente. —Olá, querido. — Miranda disse.


Vinte e Dois

Merda. Ah Merda. Meus olhos estavam arregalados com alarme. Que porra Miranda estava fazendo aqui? Eu estava ignorando as suas chamadas, textos e mensagens patéticas para tentar e conseguir me fazer reconsiderar o divórcio. Eu só respondi para lhe dizer para assinar a papelada ou falar com seu advogado. Eu tinha tomado a minha decisão, e não ia voltar para onde tinha estado no último ano miserável. —Oh, — Heidi disse. Seu rosto estava vermelho brilhante. — Eu só estou ... vou voltar para a minha mesa, então. Boa conversa, chefe. —Heidi, — eu disse suavemente. —Nós vamos conversar sobre essa ... coisa mais tarde. E então ela praticamente correu para fora da sala, deixandome sozinho com a mulher mais conivente que eu conhecia. —O que você está fazendo aqui, Miranda? — Exigi. —Eu vim para ver meu marido, é claro. Quase rolei meus olhos. Por que estava mesmo surpreso que ela estava jogando essa carta? Nada me surpreendia sobre ela.


Essa era a pior hora porra para ela aparecer. Tudo o que eu queria fazer era correr para fora da sala e ir falar com Heidi. Não sabia o que ela estava sentindo agora e não queria que ela pensasse que alguma coisa estava acontecendo entre Miranda e eu. Queria poder lhe dizer para não se preocupar e que não havia nada entre eu e Miranda mais. Em vez disso, tive que lidar com Miranda. —Você vai assinar os papéis? — Exigi. Ela mostrou os lábios vermelho-cereja e jogou a sua franja loira dos olhos. Ela tinha feito esse corte de cabelo desde a última vez que a vi, e estava em volta do seu queixo. Tentei não olhar mais abaixo do que isso. Ela tinha escolhido a sua roupa com um propósito, e não queria dar-lhe a satisfação de analisar isso. —Nós temos que falar sobre esse documento bobo, que você me enviou? Minha raiva queimou. —Estou no trabalho. Ou você está aqui para assinar a papelada ou você vai embora. Ela pulou da mesa. Os Louboutins que comprei no seu aniversário no ano passado clicou quando ela atingiu o chão. — Eu voei até aqui, e você está me expulsando? —Sim. — Disse sem rodeios. —Pensei que pudéssemos conversar. —Por favor, apenas acabe com isso, Miranda. Apenas assine os formulários de divórcio e acabe logo com isso.


Ela caminhou em minha direção com espreitar de um felino, e levou tudo em mim para não tremer e ir para longe dela. Ela arrastou a unha cuidada e francesa pela minha gravata e sorriu, como se achasse que conseguiria uma reação, como se ela tivesse algum tipo de controle sobre mim. Mas ela não tem. Em um ponto, eu amei essa mulher. E vê-la aqui assim me fez pensar como isso tinha sido possível. —Mas eu não quero acabar com isso. Eu quero você, Landon. Ela inclinou-se contra mim, e dei um passo para trás. —Que parte de divórcio, que você não está compreendendo? —A parte onde nos casamos e dissemos nossos votos de casamento. Levei aquilo a sério, Landon. Acho que você não fez. Suspirei. Esta era uma conversa que eu não queria ter. —Eu levei a sério, — disse a ela. —Você sabe que eu quis dizer essas palavras quando lhe disse, mas as coisas mudaram. Nós mudamos. Acho que vai ser melhor para nós dois se seguirmos em frente com nossas vidas. —Eu não posso simplesmente parar de amar você. — Ela disse, sua voz suave e hesitante. Uma encenação. Eu o vi pelo que era. Não havia nada suave ou hesitante sobre Miranda. Nunca houve. Ela era dominante e ardente e enchia uma sala. Era a sua característica que tinha me conquistado uma vez. Mas o nosso conto de fadas não estava terminando em um felizes para sempre.


—Nós não estamos tendo essa conversa. —Sim, estamos. — Ela retrucou. —Receio que não. Tenho trabalho a fazer. E você deve ir para casa. —Como posso ir para casa, para uma casa vazia? — Miranda exigiu. Suas mãos estavam em seus quadris, e ela tinha ido de amuada para furiosa em um piscar de olhos. —Por que eu deveria me importar? —Porque eu sou sua esposa! —E, em breve, você vai ser a minha ex-esposa. —Como você pode ser tão insensível? — Ela perguntou. — Como você pode apenas jogar-me de lado assim? Há mais alguém? Meu

rosto

comprimiu

apenas

no

momento

errado,

ressaltando que eu estava vendo outra pessoa ... Heidi. E Miranda me conhecia muito bem para não julgar minhas expressões faciais, meu aborrecimento com essa pergunta, como qualquer outra coisa, mas a verdade. Ela engasgou. —Quem é ela? Você está me traindo? Suspirei e esfreguei a minha testa. —Eu nunca te traí. E não posso atualmente estar traindo você porque estamos separados. E, se você tivesse acabado de assinar a papelada, estaríamos divorciados. —Então, você está vendo alguém, nesse tempo?


—Essa conversa não tem propósito. Se você está aqui para me irritar, então parabéns. Você conseguiu. — Levantei as minhas mãos para cima em frustração. Não havia nenhuma maneira no inferno que eu ia contar a ela sobre Heidi. De jeito nenhum eu jamais iria mencionar que estava namorando outra pessoa até que o divórcio estivesse completamente acabado. Nada faria Miranda atrasar mais o divórcio, do que saber que eu já tinha seguido em frente. Não importa que eu tinha saído da minha casa com Miranda há um ano atrás. Não queria que isso durasse por mais tempo do que era necessário. —É isso que você acha? Que estou aqui para irritá-lo? — Ela afundou em seu quadril, e suas narinas se inflaram. —Eu acho que essa coisa toda é uma loucura, Landon. Eu sou a porra da sua esposa. Tem que haver uma razão para esta loucura filha da puta. Ou você encontrou alguém ou você está clinicamente insano. Bufei. —Muito doce. Agora, sou clinicamente insano? —Não, — ela resmungou. —eu acho que você está com outra pessoa. —O que é preciso para você assinar os papéis? — Eu quis mudar de assunto. Ela mordeu o lábio vermelho-cereja e me olhou como se esta fosse a primeira vez que estivesse pensando na questão. Eu sabia por seus olhos que não era. —Nada.


—Eu não acredito em você. Você já está recebendo a metade de tudo o que não está previsto no acordo pré-nupcial. O que mais você poderia querer de mim? —Tudo. —Bem, você não pode ter tudo. —Então, só você. —Não. Mas quer saber? Não vou ter essa conversa com você por mais tempo. O meu advogado vai entrar em contato com você, e se não podemos resolver isso de uma forma amigável, então vamos para a mediação, ou vamos para o tribunal. Sua escolha, Miranda. Seus olhos estavam arregalados com alarme, como se ela tivesse finalmente percebido que eu estava falando sério. —Leve-me para jantar hoje à noite. Tenha mais uma noite comigo. —Não. — Disse imediatamente. Eu não queria passar mais tempo com ela do que tinha que fazer. —E eu vou assinar. Fiz uma pausa. Ela estava falando sério? Um jantar, e ela ia acabar tudo isso? Parecia bom demais para ser verdade. E você sabe o que dizem sobre coisas que eram boas demais para ser verdade. —Não acredito em você. —Eu juro.


Só então a porta abriu, e o rosto de Morgan apareceu na porta. Oh, homem, como eu amava a minha irmã por ela ter o timing impecável. —Eiiiiiiiii! —Oh, Morgan, — Miranda disse depreciativamente. Ela ergueu o queixo um nível e lançou lhe um sorriso feroz que só poderia ser visto como uma ameaça. —Como é bom te ver. Como sempre. —Mesmo, Miranda. O que você está fazendo aqui? Apenas tomou um rumo errado e acabou em Lubbock, hein? — Ela perguntou

na

voz

lenta

geralmente

reservada

para

mau

comportamento de crianças. —Estou aqui para ver meu marido. Você não tem que ser tão condescendente. —Oh, grandes palavras. Tão adorável. — Morgan disse. Tentei não rir. —Morgan. —Você

vai

deixá-la

falar

assim

comigo?

Miranda

perguntou, girando para mim. —Você acha que tenho algum controle sobre ela? — Perguntei. —Ele não tem. — Morgan confirmou. —Como você sabia que ela estava aqui?


Morgan deu de ombros. —As notícias viajam rápido. — Ela virou-se para Miranda. —Pronta para ir para casa agora? Tchauzinho! —Você não pode me fazer sair. Morgan tocou a mão no queixo e contemplativamente olhou no ar. —Hmm ... última vez que verifiquei ... eu era a vicepresidente da empresa. Isso tipo me faz ... no comando por aqui. Eu sei que deve ser difícil para você compreender desde que não tem um emprego. Sua ideia de trabalho está em ser uma donade-casa, o que significa gastar todo o dinheiro do meu irmão e geralmente ser um bimbo19. —Foda-se, Morgan. —Então, como você pode ver, eu posso fazer você sair. Eu ri. Não poderia ajudá-la. Morgan estava esperando por esse momento por muito tempo. Ela estava se divertindo demais. —Está bem. Ela está saindo. Você não está, Miranda? — Perguntei. —E o jantar? — Ela perguntou. Eu sabia que ela tinha perguntado de propósito, bem na frente de Morgan. Não era a mais inteligente jogada embora porque não havia nenhuma maneira que Morgan pensaria que era uma boa ideia. Eu ainda estava em cima do muro e inclinando-me em sua direção segurando forte para não ceder. Parecia a opção mais inteligente. Mas, ainda assim ... se houvesse uma chance. 19

Mulher bonita e burra.


—Vou pensar sobre isso. —Não pense em nada, — Miranda disse. Ela olhou para Morgan com desdém. —Apenas me mande uma mensagem. —É hora de você ir! — Morgan interrompeu. —Você está invadindo a propriedade privada, e se você não sair daqui, vou chamar a segurança. Miranda lançou lhe um olhar cruel. —Você é uma vadia, Morgan. —Por mim tudo bem! — Morgan atirou de volta. —Agora, fora! Miranda deu a Morgan mais um olhar zangado antes de enviar-me um olhar sorridente e sair do meu escritório. Fiquei contente de tê-la indo embora, mas sabia que tinha feito um espetáculo de todo o tormento. Isso significava, que Heidi tinha ouvido alguns deles, o que provavelmente não era bom. Eu precisava falar com ela e esclarecer as coisas. —Você não está pensando seriamente em ir jantar com ela? — Morgan disse, virando para mim. —Que diabos foi que ela disse antes de eu aparecer que faria você considerar isso? Dei de ombros. Esta era uma conversa que eu não queria ter com Morgan também. —Oh meu Deus, vocês não vão voltar. — Ela estendeu a mão e agarrou meu braço. —Por favor, pelo amor de todas as coisas sagradas, me diga que você não está voltando com ela!


—Nós não estamos voltando a ficar juntos. Acalme-se, —eu disse com uma risada. —Oh! Graças a Deus. Pensei que ia ter que preparar uma intervenção. Iria reunir toda a família. Nos encontraríamos na casa de Jensen. Ele provavelmente envolveria uma apresentação do PowerPoint e muito uísque. Levantei a minha mão para impedi-la de continuar, mas estava sorrindo. —Entendi. Ninguém na família gosta dela. —Eufemismo. —E você está muito feliz que meu casamento está se dissolvendo, e estamos nos divorciando. —Muito. —E você não se importa em como isso acontece enquanto ele é feito. —Bem, mais ou menos. Quer dizer, eu quero que você seja feliz. E estou certa que você vai sair dessa mais feliz do que era antes. Não sei como você viveu com ela todo esse tempo. —Você sabe, ela não foi sempre assim comigo. —Ou você estava apenas transando e não se importava. — Morgan colocou as mãos sobre os olhos. —Imagem mental horrível. Eu ri. —Você é demais, Morgan. Agora, realmente, o que está fazendo aqui?


—Olá? Eu salvei a sua bunda. Ouvi -e cito - 'A esposa quente de Landon está aqui’. Então, corri o mais rápido que pude para cuidar dela. Você é um tolo. Como essa coisa do jantar ... —Olha, ela prometeu que iria assinar os papéis do divórcio se eu fosse para mais um jantar com ela. Morgan zombou. —Ela vai assinar de qualquer maneira. —Ela ainda não assinou. —Nós não estamos em apuros aqui. Ela vai assinar. Ela tem que assinar. —Eu gostaria que ela fizesse isso hoje. —E você acha que jantar com ela, de alguma forma milagrosamente vai convencê-la a fazer isso? —Não sei, mas se for, não vale a pena tentar? Farei qualquer coisa para fazer isso mais rápido. — Disse a ela. Morgan fez uma careta. —Não diga nada. Você não sabe com o que ela vai surgir. —Vou pensar sobre isso. Não sei o que vou fazer. —Por favor, não faça nada estúpido. Ainda há tempo para preparar essa intervenção. Ri e dei um tapinha nas suas costas. —Você já fez o suficiente por mim, Morgan. O divórcio será finalizado em breve, e então todos nós poderemos seguir em frente a partir desta desgraça. —Não vou segurar a minha respiração. — Murmurou.


—Sempre um raio de sol. —Eu estou gerindo uma empresa. Não preciso ser uma porra de raio de sol. Eu só preciso ter a merda feita. Levantei as minhas mãos em defesa. —Se todos nós fossemos tão incrível como você, Morgan. —Não faça nada estúpido, está bem? Mostrei lhe um sorriso. —Eu, alguma vez? —O tempo todo. Você e Austin. Você vai me dar cabelos brancos. —Ela sacudiu seu longo cabelo castanho antes de se mudar para a porta. —Se você for fazer algo estúpido, então não me culpe quando isso sair pela culatra na sua cara, certo? Estou avisando agora. —Aviso aceito. Eu não era um idiota. Eu sabia que Miranda tinha algo na manga. Mas não tinha certeza se era suficiente para deixar isso tudo ir ou para ceder ao seu pedido. De qualquer forma, eu sabia que precisava falar com Heidi e fazer isso direito. Porque Miranda estava certa. Eu estava vendo outra pessoa. E a razão pela qual eu queria este divórcio finalizado tão rapidamente quanto possível era tudo por ela.


Vinte e Três

Morgan deixou meu escritório e se dirigiu de volta para cima. Coloquei a minha cabeça fora do escritório e encontrei uma barreira de olhos me encarando. Aparentemente, nada disso tinha sido sutil. Morgan e Miranda não eram exatamente discretas. Imaginei que todos, pelo menos sabiam que eu tinha problemas conjugais se não tivessem ouvido nossa discussão de um divórcio. Felizmente, muito do que tinha sido abafado antes, Morgan jogou para a sala. Mas o único conjunto de olhos que não estavam em mim era o que eu estava procurando. Heidi tinha a cabeça enterrada em seu trabalho. Ela propositadamente não estava olhando para cima. Eu me perguntei se ela estava mesmo lendo ou se estava apenas olhando. Bem, foda-se em trabalhar o resto do dia. Arrumei minha gravata e caminhei em direção a ela. Eu sabia que ela não queria que ninguém soubesse sobre nós, enquanto eu era o seu chefe, mas não ia esperar o dia todo até que pudesse vê-la depois do trabalho. Não queria forçar as coisas assim. Antes de chegar a ela, no entanto, um dos outros engenheiros se levantou e bloqueou meu caminho. —Ei, Landon!


Tentei lembrar o seu nome em minha mente. Eu estava tentando memorizar todos os nomes dos meus funcionários, mas não estava aqui há tanto tempo. Esse cara não me lembrava nada. —Ei, cara, — eu disse com um sorriso Wright. —O que está acontecendo? —É Matt— ele disse em uma corrida. —Certo. Matt. O que posso fazer para você? —Eu queria lhe dar uma high-five, cara. — Matt disse, segurando sua mão para cima. Eu dei a ele um olhar vazio, mas bati as mãos de qualquer maneira. Por que esse cara está me tratando como se fôssemos melhores amigos quando eu era claramente o seu patrão e ele não sabia? —Pelo que? —Você tem uma esposa muito quente! — Matt disse. A cabeça de Heidi levantou com isso. Seu olhar se estabeleceu em Matt, como se ela pudesse queimar através do seu cérebro com raios laser em seus olhos. —Quero dizer, elas não se tornam assim por aqui, se você sabe o que quero dizer. — Ele riu duas vezes. Eu mal era capaz de controlar a sensação de nojo que tomou conta de mim. Heidi não era. Eu me ajeitei e levantei uma cabeça mais alto do que ele. — Você deve se lembrar com quem você está falando. Eu não vou


tolerar as pessoas degradando as mulheres de tal maneira em meu escritório. Matt gaguejou, —Uh, sim, totalmente. Desculpa. Eu não quis dizer nada com isso. Pensei que era um elogio. —Isso é o que me preocupa. Matt abriu a boca e depois fechou. —Eu, uh ...— —Não se preocupe com isso. Apenas tente ser mais respeitoso no futuro. Com isso, caminhei passando Matt e indo direto para Heidi. Ela olhou para cima do seu trabalho. —Posso ajudar? —Sim. Por uma questão de fato, eu preciso te ver em meu escritório. —Fiz alguma coisa errada? — Ela perguntou, inclinando a cabeça para mim. —Pelo contrário, eu queria discutir o antigo emprego de Jim. Vou falar com todos ao longo da semana, sobre a nova posição. —Entendo. — Ela se levantou lentamente a seus pés e olhou para mim com parte confusa, parte com medo em seus olhos. —Depois de você. — Fiz um gesto para ela ir em frente. Ela respirou fundo e depois caminhou reto para o meu escritório. Ela não olhou ao redor uma vez. Ela passou por todos os seus colegas do sexo masculino, ignorando os olhares de questionamento. Fechei a porta, logo que ela estava lá dentro. —Isso foi ... interessante. — Heidi resmungou.


—Mais como ultrajante. —Qual parte? Morgan ou Miranda? —Sim. — Eu disse a ela, caminhando para a mesa. Ela se sentou na cadeira em frente da minha mesa e cautelosamente olhou para mim. —Estou supondo que não estou aqui para discutir o novo emprego. —Não exatamente. — Admiti. —Imaginei. Então ... Miranda está de volta. O que isso significa? Vocês estão juntos novamente? —Você não ouviu o grito? —Eu ouvi Morgan mandado Miranda sair. Não sei onde você está nisso. —No mesmo lugar onde eu estive com ela desde a reunião. Eu vou deixá-la. Acabou. —Mas ela não quer isso? — Heidi adivinhou. Ela escolheu olhar para as suas unhas e tentou não olhar para mim. Suspirei pesadamente e dei a volta para onde ela estava sentada. Estendi a mão e peguei a mão dela na minha. Fiquei surpreso que ela me deixou. —Ei, isso ainda não muda nada entre nós. É por isso que eu queria falar com você. —Então, você não está indo jantar com ela? — Ela me olhou, nervosa como se esperando que eu iria mentir. —Eu não sei. Eu queria falar com você sobre isso.


—O que há para falar? — Ela deslizou a mão para fora da minha. —Você claramente quer ir. —Espere. Eu claramente não quero ir, mas ela disse que, se eu fosse, ela assinaria os papéis do divórcio. Isso parece ser uma coisa boa para mim e para você. —Só o jantar? — Perguntou, desconfiada. —Isso é o que ela disse. —Sim. —E você acredita nela? —Não sei, — eu disse a ela honestamente. —O que você acha? Vale a pena arriscar? —Honestamente, isso soa como uma ideia horrível. — Heidi disse. —Então, eu não vou. Fácil o suficiente. —Mas, — disse suavemente. Se encolheu, como se odiasse mesmo ter esse pensamento. —Eu quero que seja mais, Landon. Odeio me esconder. Odeio tudo isso. —Ela abriu dramaticamente as mãos para fora. —É uma merda. Estendi a mão para ela e puxei-a para perto de mim. Eu odiava vê-la magoada. Eu odiava saber que não sabia como consertar tudo isso. —Eu também, Heidi. Você sabe que eu odeio isso também. Eu não quero nem mesmo escondê-la. Meus lábios suavemente roçaram o dela. Ela se dissolveu em mim por um instante antes de romper.


—Landon, — ela assobiou. —Estamos no trabalho! —Eu sei. Sinto muito. Não posso me controlar perto de você. —Você é meu chefe. Eu sou sua empregada. Há uma linha que não devemos cruzar, e você continua atravessando. —Com prazer. Ela balançou a cabeça. —Eu odeio a ideia de você gastar algum tempo com Miranda. Ela é imprevisível, o que a torna um perigo. No entanto, se você acha que pode avançar, então vá. —Heidi-— —Eu vou ficar bem. Eu vou só ...

sair com Em. Ela vai

entender. Estremeci. Sim, eu feri Emery. Eu tinha sido um completo cretino. Lamentei como agi, e ainda carregava uma grande dose de culpa sobre como isso tudo tinha acabado. Mas ter Heidi insinuando que Emery iria entender porque Heidi estava se sentindo da mesma maneira que Emery tinha todos esses anos? Parecia como um soco no estômago. —Eu não vou. Não, se você está sofrendo metade do que Emery sofreu. Heidi suspirou. —Não, eu não quis dizer isso com você. Eu quis dizer, Vanessa, — ela disse, mencionando a ex-mulher de Jensen. —Em vai ver Colton cada mês e tem que lidar com ela. Ela pode se lamentar. Sério ... basta ir, mas não desfrutar.


Um pequeno sorriso curvou em seus lábios, e tudo que eu queria fazer era beijá-la. Transar com ela aqui nesta mesma mesa. —Eu nunca poderia desfrutar de um único momento gasto com ela ... quando poderia gastar com você. Ela se inclinou e me ofereceu uma pequena bicada. —Bom. Agora, faça a cadela assinar a papelada maldita. Eu ri. —Combinado.

Eu

estava

no

meu

caminho

para

fora

do

escritório,

contemplando como lidar com Miranda sobre o jantar, quando Austin e Patrick vieram em ambos os meus lados. —Hey, mano, — Austin disse, me cutucando. —Ei, ei,— disse Patrick. Eu podia sentir o cheiro do uísque saindo de Austin. Jesus Cristo. —Você bebeu no trabalho? — Perguntei a Austin. Ele deu de ombros, sem falsa modéstia. —Talvez? —Um dia, eles irão demiti-lo. —Improvável. —E não é por isso que estamos aqui, — Patrick disse com um sorriso. —Ouvimos dizer que a burguesa apareceu no escritório hoje. —Deus, você foi falar com Morgan? — Perguntei.


—Ela disse que você estava indo jantar com Miranda, — Austin disse. Ele ergueu as sobrancelhas em questão. —Sim. Vou levá-la para assinar a papelada. —Não é uma boa ideia. — Austin disse. —O

que

você

sabe

sobre

as

boas

decisões

em

relacionamentos? — Perguntei com uma risada. —Qualquer um de vocês realmente. Alguma vez você já teve uma namorada séria? —Oh, houve uma vez, — Patrick disse. —Não, não houve. — Austin cortou. —Quero dizer se ... você estava falando sério com aquela garota do RH por tipo, um minuto quente. —Julia? — Perguntei. —Eu não sabia que vocês namoraram. —Nós não namoramos, — Austin disse com irritação. —Isto não é sobre nós. Trata-se de Miranda. Quer dizer, eu sei que você está transando com Heidi ... —Você poderia manter a sua voz baixa? — Olhei para o chão, olhando ao redor do estacionamento descontroladamente. Felizmente, não havia ninguém nas proximidades. Mas, Jesus! —E Miranda tem uma maneira de te foder, cara. Quero dizer, você tinha que casar com ela para perceber que ela era uma cadela enorme. Parei de andar uma vez que atingi o Mercedes de Jensen que eu ainda estava compartilhando. Olhei para os dois. Eu sabia que


eles tinham boas intenções, mas não poderiam entender onde eu estava indo. —Aprecio a preocupação, caras, mas ela está assinando a papelada. É isso, — disse a eles. —Devo cuidar da sua menina enquanto você estiver fora? — Perguntou Patrick com uma risada. Antes que eu soubesse o que estava fazendo, empurrei Patrick para trás. Ele estava pressionado contra o SUV ao lado do meu carro, e minhas mãos estavam em punhos na frente do paletó dele. Seus olhos se arregalaram em alarme. —Cara, eu estava brincando! — Patrick gritou. —Nunca faça uma piada como essa sobre Heidi novamente, — Rosnei. —Nunca. —Você sabe que eu só estou de brincadeira. — Patrick disse. —Landon, mano, — Austin disse, colocando a mão na minha manga. —Nunca. — Repeti. —Entendi, — Patrick disse. —Claro como o dia. Não há piadas sobre Heidi. Eu o soltei com um empurrão e apertei o chaveiro para abrir o carro. —Estou indo para essa porra de jantar com a minha exesposa, e é a última coisa maldita que eu quero fazer. Quero que este casamento termine. Quero seguir em frente com minha vida. Então, enquanto aprecio vocês tentando me orientar na direção


certa, — disse, olhando-os nos olhos, um de cada vez, —deixe-me em paz. Patrick endireitou seu terno e me deu uma saudação com dois dedos. Austin apenas balançou a cabeça. —Mande-me um texto se precisar de uma saída. Nós vamos ficar felizes em fazer uma cena. —Obrigado. — Eu disse com um sorriso genuíno. Miranda tinha me colocado no limite. Eu odiava que tinha chegado em uma discussão com meu irmão e seu melhor amigo. Eu tinha acabado de perder a minha paciência. A ideia de alguém chegando perto de Heidi enquanto eu estava tentando eliminar a minha bagagem tinha me feito ver vermelho. Eu não deixaria isso acontecer. Com um suspiro pesado, afundei no assento do motorista do Mercedes e enviei a Miranda um texto. Vou ao jantar se você concordar em assinar a papelada.

Eu o vejo às sete no West Table, querido. Use meu terno favorito.


Vinte e Quatro

Apareci na hora certa. Nem um segundo antes ou depois das sete. Queria manter meu tempo com ela a um mínimo. Eu já estava temendo esta merda toda. Para não mencionar, a última vez que tinha estado no West Table, eu estava dando em cima de Heidi enquanto ela estava com outra pessoa. Agora, lá estava eu, com Miranda. E, claro, ela apareceu em um total de dez minutos atrasada. Eu me encolhi com o fato de que eu tinha caído direitinho em sua cilada. Ela estava no controle já, porque me deixou esperando. E eu tinha ficado. Como um idiota. —Desculpe o atraso, — disse, sem se apressar nenhum pouco, enquanto caminhava até a mesa que eu tinha reservado para nós. Ela trocou o seu vestido vermelho para um preto, que eu nunca tinha visto antes e pedi a Deus para nunca mais ver novamente. Era ... justo. Claramente destinado a ser sedutor. E muito pouco coberto. —Eu estava prestes a sair, — eu disse como uma forma de uma saudação. Ela me lançou um sorriso suave. —Não, você não estava.


Raspei meus dentes. Ela afundou-se em sua cadeira, que era uma benção desde que eu poderia agora só ver a sua metade superior. O outro problema era, agora, eu podia ver a sua metade superior. —Você está com o terno, — disse com um grande sorriso. Olhei para o terno de carvão vegetal que eu tinha escolhido com desdém. Provavelmente nunca usaria novamente. —Você trouxe a papelada? Você vai assinar agora? —Você não deu uma boa olhada em mim? Onde eu esconderia os papéis do divórcio? Sinta-se livre para tentar encontrá-los embora. — Ela piscou para mim. —Vou passar. —Que vergonha. — Miranda virou o cabelo loiro e pegou o menu de vinhos. —Eu vou assinar quando chegar em casa. Sem pressa. —Então, nada disso é necessário? — Olhei para ela e comecei a me levantar. —Sente-se, Landon. Tome um pouco de vinho comigo. Relaxe. Eu assino seus papéis preciosos. Só ...— Seus olhos tão comoventes olharam nos meus. —Apenas ... deixe ser como nos velhos tempos por uma noite. Eu não relaxei. Eu só olhava para ela sem expressão. Ela ignorou a minha expressão e pediu uma garrafa do seu vinho vintage francês favorito. Ela foi através de um copo de vinho no momento em que pedimos a nossa comida. Eu tinha um copo na


minha frente, mas só tomei um gole. O que eu realmente queria era um pouco de uísque de Austin. Eu deveria ter roubado seu frasco para passar esta noite. —Então,

Miranda

disse

uma

vez

que

o

garçom

desapareceu com nossos pedidos. Ela girou a haste de sua taça de vinho em torno de sua mão e sorriu para mim. —Então? —Eu estou pronta para engravidar agora. Minha boca caiu aberta em estado de choque. De todas as coisas que eu tinha pensado que ela diria, essa não tinha sido uma delas. —Você o que? —Grávida, bobo. Acho que devemos tentar de novo. Balancei a cabeça e pisquei rapidamente. —Hum ... não. —Bem, é por isso que você está se divorciando, certo? Porque eu perdi o primeiro e, em seguida, brincando, disse que não queria filhos. —Isso não é... —Deus, eu sei, Landon, — ela disse. —Quer dizer, eu entendo o que você quer. Você quer uma família grande. Você vem de uma família grande. Não acho que foi tão grave. Não pensei que você iria embora só porque eu estava com medo. —Isso não é o que está acontecendo. Seus olhos estavam brilhantes. —Então, vamos descobrir isso. Eu sei que tenho sido mal-humorada no último ano. Sei que não tenho sido perfeita com você, mas isso não significa que


desistimos. Podemos tentar mais. Podemos tentar ter outro bebê. Apenas ... não me deixe. —Miranda, você não pode fazer isso agora. —Fazer o quê? — Ela perguntou. —Tentar salvar o nosso casamento? —Nosso casamento está em processo de ser dissolvido. Estou aqui para que você torne oficial, —eu disse a ela o mais calmamente que pude. —A última coisa que eu quero é ter um bebê com você. —Isso não é o que você disse há alguns meses! Você estava gritando comigo por alguma declaração louca que eu fiz. —Declaração

louca...—

Fechei

os

olhos

e

respirei

calmamente através do meu nariz. —É mais do que uma declaração. Isso é maior do que isso. Mas eu não estou mudando a minha decisão. —É Emery? —Quantas vezes eu tenho que lhe dizer que Emery está com Jensen, e eu não tenho sentimentos por ela? —Várias vezes porque eu não acredito nisso. É algo mais. —Eu não posso acreditar que ainda tenho que dizer isso, porque você já sabe porque estou me divorciando de você. Mas eu preciso lhe dizer de novo? Miranda bebeu o resto de sua taça de vinho. Claramente, isto não estava indo como ela tinha planejado. —Bem. Me diga de novo. Porque eu acho que você está cometendo um grande erro.


—Estou me divorciando porque o que temos está quebrado, — eu disse a ela, apertando as minhas mãos na minha frente. — Somos duas pessoas diferentes, e isso levou anos para eu perceber. —Isso é loucura, Landon. Eu te dei tudo. Mudei-me para Tampa por você onde eu não conhecia absolutamente ninguém. Deixei o meu emprego por você para que pudesse apoiá-lo enquanto você jogava golfe. Desisti de férias com minha família em Augusta para estar aqui neste deserto com sua família que me odeia. Lidei com os fãs de golfe e que o agarravam e toda essa besteira. Você acha que eu arruinei a sua vida, Landon? Olhe um pouco mais. Eu quase ri, exceto que ela realmente acreditava no que estava dizendo. Ela estava completamente delirante, e não havia nada que eu poderia dizer que iria mudar a sua mente. Ela nunca iria ver que tinha feito todas aquelas coisas de sua livre e espontânea vontade para ter acesso ao meu dinheiro. Que tinha sido uma daquelas fãs de golfe e me agarrado, e eu não tinha percebido isso na época. Que ela parou o seu trabalho porque não queria trabalhar enquanto eu estava em turnê ... para que pudesse ir a todas as festas suntuosas e agir como uma celebridade. Não importa o que eu dissesse, neste ponto, não faria diferença. Só provava o meu ponto. —A resposta é não. — Eu disse a ela quando a nossa comida apareceu.


—Não o quê? — Ela cuspiu, empurrando sua salada longe dela. —Tudo. Estamos aqui para você assinar a papelada. É isso aí. —Você não quer sequer considerar? —Eu não preciso. Isso acabou, Miranda. —Então, eu vou mudar as minhas condições. — Ela disse ao mesmo tempo. Oh, Plano B. Isso deve ser bom. —Você não pode mudar os termos. Você disse que queria o jantar. É isso aí. —Bem, se você realmente acha que nunca voltaremos a ficar juntos, então isso não vai nem mesmo importar. Inclinei a cabeça para o lado. Eu realmente não quero nem saber. —Não. —Só mais uma coisa, e então eu estou fora da sua vida para sempre ... como você quiser. —O que? Que coisa? Ela sorriu e se inclinou para frente, expondo mais do seu decote. —Faça amor comigo mais uma vez. Fiquei

boquiaberto

com

ela

e,

em

seguida,

cai

na

gargalhada. Não consegui me controlar. Era tão ... ultrajante. É claro que ela queria transar novamente. Provavelmente em algum lugar em sua doente cabeça, demente, ela pensou que, por ter relações sexuais mais uma vez, eu magicamente mudaria a


minha decisão. Que eu perceberia que ela ainda era a mulher perfeita para mim, e nós acabaríamos juntos. Ou pior, ela ia tentar engravidar e me fisgar para sempre. Balancei a cabeça em desgosto e puxei a minha carteira. Joguei uma centena de dólares para baixo para a refeição e joguei outros cem para ela. —Para o momento oportuno estarei ausente. Ela bravejou comigo. —Landon! —A resposta é não, — disse enquanto estava em pé. —Na verdade, a resposta é porra nenhuma. Eu prefiro ver você no tribunal do que sentar aqui mais um minuto. —Landon, espere! Quando saí do restaurante, eu ri de mim mesmo por quão estúpido tinha sido por ter vindo. Todo mundo estava certo. Ela não assinaria os papéis só porque eu tinha ido jantar com ela. Tinha valido a pena tentar, mas não vale mais do que isso. Tentei o número de Heidi quando voltei para o carro, mas ela não respondeu. Acelerei o Mercedes e fui para fora do estacionamento, no meu caminho para seu apartamento. Eu não me importava se Emery estava lá. Eu precisava ver Heidi. Precisava tirar o lodo do jantar do meu corpo. Foi um erro ir, e enquanto eu sabia no fundo, queria que tudo porra terminasse. E foda-se Miranda e suas malditas estipulações. Ela não conseguiria colocar estipulações sobre este divórcio. Ela teve muito

tempo

para

corrigir

nosso

casamento.

Ela

estava

desmoronando há um ano. Eu a defendi de todos, e então só percebi que eles estavam certos.


Eu estava quase no apartamento de Heidi quando recebi um texto dela. Flips. Amaldiçoei e puxei uma meia-volta, no meu caminho para o bar que ela adorava. Considerando a sua história com o pai, você pensaria que ela não amaria bares tanto quanto faz. Mas eu sabia que eles ainda traziam lembranças felizes por ela. Talvez era nisso que ela sempre se agarrava quando ia para Flips jogar bilhar com vítimas inocentes. Isso provavelmente ajudava a esquecer seu pai tanto quanto trazia memórias positivas. Para alguém que tinha tido uma vida bem difícil, ela era incrivelmente dinâmica. Eu a admirava por isso. Por empurrar através de todas as besteiras e sair na frente. E, um dia ... eu a levaria a falar sobre tudo. Estacionei em frente do bar e desliguei o motor. O lugar estava surpreendentemente cheio para uma segunda-feira à noite, mas sempre teve seus frequentadores. Meu soldado estava de pé em um shorts de cintura baixa jeans e uma blusa preta que dizia Hank em letras brancas e angustiadas. Ela tinha um taco de sinuca atrás do seu pescoço, e estava segurando-o com as duas mãos. O cara de pé ao lado dela estava olhando para ela como se fosse a sua próxima refeição, mas ela apenas pediu-lhe para fazer a sua jogada. Quando ele perdeu, sua risada ecoou pelo bar, e ela tropeçou, deixando cair o taco de sinuca para o lado dela. Ela estava bêbada. Meu rosto caiu quando me aproximei dela.


Eu podia vê-la em seus movimentos corporais lânguidos e a inclinação de seus ombros enquanto ela se aproximava da mesa. Ela inclinou-se para apontar para sua jogada, e metade de suas nádegas penduraram na parte de trás de seus shorts. Estava quente pra caralho. Mas não estava em exposição para mim. Ela estava em exposição para cada porra de pau neste lugar. E, de repente, eu estava furioso. Não com Heidi. Comigo mesmo. Eu tinha estado fora em algum jantar de merda com a minha horrível, que logo seria ex-esposa. Eu tinha feito Heidi vir aqui, onde ela precisava jogar sinuca e ficar desleixada e bêbada para esquecer. Eu tinha feito isso. E, agora, todos na sala estavam tendo uma visão completa da sua bunda por causa do meu maldito erro. De maneira nenhuma. Minha chegada foi notada antes de eu fazer todo o caminho até ela. —Ei, cara, — o cara que ela estava jogando me disse. —Tudo bem? Eu o ignorei enquanto os olhos de Heidi bloquearam com o meu. —Landon! —Hora de ir. —De jeito nenhum! Eu tenho, como ... uma cerveja inteira aqui, e eu estou totalmente matando Tommy aqui.


Arqueei uma sobrancelha para ela. Ela revirou os olhos para mim. —Você estava ocupado. —Eu não estou ocupado mais. — E disse, minha voz baixa e intransigente. —Eu só vou terminar este jogo. —Não. —Ei, amigo, por que você não deixa a senhora fazer o que ela quer? — Tommy disse. —Por que você não encontra outra garota bêbada semi-nua para transar? — Cuspi de volta para ele. —Eu vou estar aqui, cuidando de um presente. Heidi se aproximou de mim e me cutucou no peito. —Eu não preciso ser cuidada. —Você está certa. Você não precisa ser cuidada, mas eu vou cuidar de você de qualquer maneira. Você não pode me convencer do contrário. E, agora, eu gostaria de colocar algumas roupas em você e levá-la longe de cada indivíduo neste lugar que quer chicotear seu pau para fora agora. —Oh, você quer colocar roupas em mim? — Ela disse com outro enrolar de olhos. —Isso é novo. Dei de ombros para fora do meu casaco e atirei sobre os seus ombros. Ela protestou: —Eu estou bem! —Devemos levar você para casa.


—Ugh, por quê? —Você tem trabalho na parte da manhã. Você está bêbada. Você precisa falar comigo, e isso não está ajudando tanto quanto você quer acreditar. Seus olhos estavam vidrados, e ela rapidamente desviou o olhar de mim. Ela ficou ferida. Eu sabia. Eu podia ver isso. —Eu vou ficar aqui. — Disse sem entusiasmo. —Não me faça jogá-la por cima do meu ombro e levá-la fora deste bar. —Você não faria isso, — ela cuspiu. —Suas costas. Eu arqueei uma sobrancelha. —Apenas assita. Ela mordeu o lábio, como se estivesse mais preocupada com a minha lesão do que estava para falar comigo. Apreciei o sentimento porque jogá-la sobre meu ombro provavelmente seria um movimento realmente estúpido. Mas eu faria isso de qualquer maneira. —Tudo bem. — Ela disse, jogando o taco de bilhar na mesa e saindo antes de mim. Suspirei pesadamente e segui atrás dela. —Heidi, — chamei quando fomos para fora. —Ei, você está bem? Ela virou-se para mim. —Você sabe, eu transei com aquele cara Tommy no Ano Novo. Eu apertei a minha mandíbula. —Não, eu não sabia disso.


—Sim. Ele é, tipo, um cara totalmente normal. Acabamos bem. E quando você me deixou lá sozinha, eu fui e encontrei outra pessoa. Transei com ele porque você não estava lá. Você era casado. Você não poderia estar comigo. E eu queria te esquecer. —Você não pode me esquecer, Heidi. Não importa o quão longe você tente me afastar ou chegar a razões que não podemos estar juntos, vamos sempre acabar aqui. — Apontei para o espaço entre nós. —Porque eu sou seu, e você é minha. E não somos apenas um momento; somos para sempre.


Vinte e Cinco

—Jesus, Landon, — sussurrei, desintegrando-me em suas palavras. Estava tão ocupada bêbada e frustrada e enlouquecendo com ciúmes que eu não fui capaz de ver além do meu próprio ego. Eu não sabia o que tinha acontecido naquele jantar com Miranda. Só tinha os piores cenários correndo pela minha cabeça, embora eu disse-lhe para ir. Ou talvez porque eu lhe disse para ir. Quando queria dizer a ele para ficar. Fique. Apenas fique comigo. Não se entregue a ela. Não dê ouvidos a ela. Por favor, Deus, não foda isso. Landon eliminou a curta distância entre nós e deu um beijo suave nos meus lábios. O fogo extinguiu-se de mim em uma corrida. Eu me derreti nele, jogando meus braços em volta do seu pescoço. —Estou tão feliz que você está aqui. — Sussurrei. —Eu também, fogo de artifício. Eu também. Ri. Esse apelido maldito.


—Podemos levá-la para casa agora? — Ele perguntou, apontando para a Mercedes. —E o meu carro? —Nós vamos pega-lo na parte da manhã. Concordei com a cabeça com um suspiro. —Sim. Está bem. Nós entramos no carro, e ele me levou de volta para o meu apartamento em silêncio. Eu tinha um milhão de perguntas que zumbiam em torno da minha cabeça, mas não tinha certeza se queria perguntar. Meu cérebro estava confuso, e eu sabia que tinha bebido muito. Bem, se eu podia dizer que estava muito bêbada, era um mau sinal. Eu era uma daquelas pessoas que constantemente

reclamam,

que

não

está

bêbada,

quando

claramente estava. Mas Peter sabia que semana era. Então, não estava surpresa que ele não me parou esta noite. Landon me ajudou a tropeçar até o meu apartamento, e eu estava feliz ao ver que Emery não estava lá. Ela dormia no Jensen todo o tempo de qualquer maneira. E não queria ter esse momento estranho com ela e Landon. Teria que acontecer um dia. De preferência, não quando estivesse bêbada. —Por qual caminho? — Landon perguntou quando fechou a porta atrás de nós. De repente eu estava consciente do fato de que Landon estava aqui, no meu apartamento. Eu tinha estado no dele, mas ele nunca esteve aqui.


—Uh ... naquele quarto. — Apontei meu quarto. Ele colocou a mão na parte inferior das minhas costas, enquanto caminhávamos pela sala de estar ordenadamente decorada e para o meu quarto. Era muito grande para o tamanho do seu apartamento. Eu gostava que de poder ter uma cama king-size grande, e não encher o quarto inteiro. Esse tinha sido o ponto de venda ... juntamente com o closet e a ducha. —Foda-se, — eu disse enquanto quase corri para minha cama de dossel. Minha cabeça estava girando. —Quanto eu bebi hoje à noite? —Eu acho que muito. Você estava bêbada naquela noite que jogamos bilhar com Em no último Natal. —De jeito nenhum, — arrastei. —Em estava muito mais bêbada do que eu naquela noite. —Sim. Mas você estava bêbada, também. —E você nem me ajudou a entrar. —Sim, bem, — ele disse, olhando para longe de mim. —O que? Debrucei-me contra um poste da minha cama e olhei para ele. Seus olhos encontraram os meus, cheios de desejo e, de repente, eu estava tão porra excitada. Um olhar, e eu era um caso perdido. —Eu não confiava em mim para entrar. — Admitiu. —Oh? Por que não? — Perguntei com um sorriso.


—Porque eu queria mais do que estava autorizado a ter naquela noite, e você teria me dado o que eu queria. —Eu teria. — Concordei em voz baixa. Eu queria muito ele. Ele tinha me levado para casa do Flips naquela noite porque eu estava bêbada, e tudo o que eu queria fazer era beijá-lo. Eu tinha certeza de que tinha estado descaradamente dando sinais disso. Estava escrito na minha cara. E, em vez de entrar, onde ele certamente teria traído a sua esposa, ele tinha ido embora. Parte de mim tinha estado frustrada por causa da conexão que estava claramente lá, mas parte de mim, a parte sóbria, apreciou que ele tinha ido embora. Ele poderia ter sido o idiota que traiu ao sair do seu casamento, mas ele não foi esse cara. Ele não tinha sido esse cara no Ano Novo também. Ele parou de falar comigo. Embora eu tenha odiado. E então ele esperou até que fosse o momento certo para nós. Como agora. —Mas você pode ter hoje à noite, — eu disse a ele. Ele sorriu. —Eu acho que você está um pouco bêbada esta noite. —Então? Você não estaria se aproveitando de mim. —Oh, eu certamente estaria. Retirei a jaqueta que ele tinha jogado em meus ombros antes, deixando-me em nada, mas meus shorts jeans e regata.


Fui até onde ele estava, meio-dentro e meio fora do meu quarto. Minhas mãos caíram para a fivela do cinto. —Você não parece querer estar neste terno mais. —Eu ficaria feliz em queimar o terno. —Ela tocou o seu terno? — Perguntei, minha voz corajosa e afiada. —Ela olhou para ele. Isso foi o suficiente para mim. —Para mim também. Definitivamente queime. — Soltei o cinto e, em seguida, me atrapalhei com o botão antes de deslizar para baixo o zíper. Meus olhos ainda estavam colados nos dele. — Nós provavelmente vamos ter que tirá-lo primeiro. Ele riu com a voz rouca. —Você vai ser a minha morte. Eu sorri. Meus dedos deslizaram o nó da gravata livre deixando-a solta. Então, trabalhei até os botões da sua camisa branca. Eu me atrapalhei algumas vezes quando tentei na minha pressa tirar a camisa, mas ele sorriu e abriu os últimos botões. Apertei minhas mãos contra seu abdômen duro e, em seguida, o seu suave peito, cortado. Minhas unhas cravaram em seus ombros enquanto empurrava sua camisa do seu corpo - atraente. Deus, ele era sexy como o inferno. Queria ele nu como eu não queria mais nada. O álcool poderia estar me alimentando, mas isso não mudava nada sobre o quanto eu o queria. —Porra, Heidi. — Ele disse. Ele se inclinou para mim e capturou meus lábios. Seu beijo era urgente e necessitado. Ele queria isso tanto quanto eu queria.


Nossos corpos se chocaram, e logo, eu estava pressionada para trás contra um poste na minha cama. Suas mãos estenderam para meus shorts jeans e abriram o botão. —Cada indivíduo na porra do bar queria entrar nestes shorts. — Ele agarrou a minha bunda com uma mão enquanto empurrou a outra na frente dos meus shorts. —E me matou que eu não estava com você, que eu não poderia reivindicar você ali mesmo. Ele rodou seu dedo em volta do meu clitóris, e fiquei ofegante contra ele. Tudo parecia intensificado. Minha pele se arrepiou. Meu coração martelou no meu peito. Meus dedos cavaram em seus bíceps. Meu corpo cedeu às sensações que só Landon Wright provocava. Era um fósforo que atingia um fogo dentro de mim. —Oh sim? É por isso que estava tão disposto a me jogar sobre seu ombro? —Eu estava disposto a fazer muito mais do que isso. Eu teria sido perfeitamente feliz com dobrar esta bunda quente sobre a mesa de bilhar. —E eu aqui pensando, que eu era a ciumenta. — Disse a ele. Ele gentilmente levantou meu queixo até que olhei em seus olhos escuros. —Você não tem uma única razão para ter ciúmes. Você é minha primeira e única. Debrucei-me em seus braços e o beijei ternamente. Ele era bom demais para ser verdade. Ele estava provando ser tudo o que eu queria. Foi difícil para mim não pensar que algo


poderia acontecer para mudar isso. Especialmente com Miranda na cidade. Mas aqui estávamos nós, no meu quarto, e ele só tinha olhos para mim. Ele tirou meu shorts, e logo em seguida, a minha parte superior da regata. Todo lugar que ele me tocou, meu corpo queimou. Um rastro de calor se espalhou diretamente entre as minhas pernas. Eu gemia com seu toque quando ele me inclinou para trás em cima da cama. Seu pênis se projetava da sua cueca boxer, e facilmente se libertou, deixando cair a cueca no chão. Eu estendi a mão e envolvi em volta dele. Eu o acariciei de cima para baixo até que seus olhos ficaram vidrados, e ele praticamente arrancou a minha calcinha. —Você não quer que eu termine? — Perguntei, lambendo meus lábios. —Deus, sim, mas eu quero mais estar dentro da sua boceta. Ele agarrou meus quadris e pressionou a ponta do seu pênis contra a minha abertura. Eu gemi e arqueei para trás. Ele empurrou um pouco mais e, em seguida, retirou. Pensei que ia explodir se ele não continuasse. Nós conversamos no fim de semana sobre o fato de eu estar tomando a pílula, mas ainda podia senti-lo hesitar. —Landon, por favor. — Choraminguei. —Tem certeza? — Perguntou.


Envolvi as minhas pernas em volta da sua cintura e puxei para mais perto para lhe mostrar quanta certeza eu tinha. — Deus, por favor, me foda. E não precisou ser dito duas vezes. Landon empurrou para a frente, em seguida, todo o caminho. Nossos corpos colidiram juntos, plenamente. Ele agarrou a minha mão e empurrou sobre a minha cabeça. Mantendo-as no lugar, agarrou meus quadris e começou a impulsionar em mim. Toda a frustração e tensão e ciúme que tinha engarrafado entre nós pareceu explodir naquele momento. Aqui, estávamos juntos. Aqui, o resto do mundo não existia. Aqui, ele não era meu chefe. Éramos apenas duas pessoas pegando o que poderíamos ter – e foda-se as consequências. —Ah, porra, Heidi. — Ele disse, inclinando-se para roubar um beijo. —Você é tão boa pra caralho. —Oh Deus, sim. — Eu ofeguei. Ele pegou seu ritmo. Nossos corpos balançando juntos. E, logo o ritmo com as contusões me enviado diretamente sobre o limite. Gritei seu nome na noite quando ele gozou comigo. Nossos corpos estavam escorregadios de suor, nossos lábios inchados. E eu nunca tinha me sentido melhor. —Acho que preciso de um banho.


Eu ri inevitavelmente. —Sim. Nós dois precisamos. —Vamos, fogo de artifício. Vamos limpar você. Landon se retirou de mim, e então nós dois nos caminhamos para o chuveiro. Exaustão caiu sobre todo o meu corpo assim que o jato quente bateu na minha pele. Eu poderia ter dormido durante dias depois disso. Landon deve ter notado o esforço sair dos meus membros, porque ele fez a maioria do trabalho. Ele levou o seu tempo em ensaboar meu corpo com o sabonete de banho de eucalipto que eu adorava. Suas mãos estavam hábeis e escorregadias. Ele passou os dedos pelo meu cabelo comprido e massageou meu couro cabeludo. Foi divino, e isso me fez esquecer por um pouco mais de tempo o que estava por vir no final desta semana. A verdadeira razão que eu estava irritada e cansada. Uma vez que estávamos ambos limpo, Landon enrolou uma toalha em volta dos meus ombros e beijou meus lábios. —Você parece cansada. Por que você não rasteja na cama, e eu vou encontrar algumas roupas? Balancei a cabeça distraidamente e fui até a cama. Tomei a maior parte da água e, em seguida, enrolei a toalha no meu cabelo antes de subir na cama. Meu corpo sucumbiu ao contato do edredom macio e almofadas. Eu vagamente ouvi Landon escorregar de volta para sua cueca boxer e vasculhar as minhas gavetas. —As camisetas estão no armário. — Murmurei. —Você pendura todas as suas camisetas?


—Sim. Sou um pouco obsessiva. Ele riu e, em seguida, entrou no closet, acendendo a luz do teto. Ele voltou um minuto depois com uma camiseta de líder de torcida do ensino médio na mão e calcinhas. —Nenhum shorts? — Perguntei, empurrando as cobertas e sentando para colocar as roupas. —Eu adoraria mantê-la nua durante toda a noite, mas acho que você precisa dormir. E eu quero ser capaz de agarrar a sua bunda. Eu ri enquanto puxava a camiseta. —Você é ridículo. —Provavelmente, — disse com um encolher de ombros. —Ei, o que são todas essas cartas? Congelei no lugar, minha mão foi até a metade para puxar meu cabelo para fora da toalha. —O quê? — Gritei. —Você percebe que tem uma enorme coleção de cartas em uma caixa em seu armário, certo? —Ele disse com uma risada fácil enquanto deu a volta para o outro lado da cama. —Você mexeu nas minhas cartas? — Perguntei, em pânico. —Não. — Ele se virou para olhar para mim, como se tivesse acabado de perceber que eu estava pirando. —Eu só as vi. Elas estão expostas. —Elas não são nada. Esqueça. — Eu disse um pouco precipitadamente. —Heidi...


—Eu disse, esqueça. — Levantei a minha voz e invadi o banheiro para pendurar a toalha. Minhas mãos tremiam enquanto eu colocava em um gancho na parte de trás da porta, e meu estômago estava em nós. Eu ainda não tinha pensado sobre ele ver as cartas. Eu não tinha considerado que iria perguntar. Landon bateu duas vezes na porta do banheiro e suspirou. —Heidi, venha aqui, por favor. Respirei fundo e abri a porta. —Ei. —Eu sinto muito. Não sabia que iria perturbar você. Eu fui legitimamente curioso. Balancei a cabeça duas vezes e, em seguida, entrei em seus braços abertos. —É ... está tudo bem. Eu só ... eu não estava preparada. —Está bem. Vamos para a cama, tudo bem? Concordei. Nós nos arrastamos para a cama, e Landon desligou a última luz, lançando-nos na escuridão. Ele puxou-me apertado contra o peito e beijou meu ombro. Fiquei ali, completamente contente com apenas ouvir a ascensão e queda do seu peito e sua respiração suave. Esperei até que tive certeza que ele estava quase dormindo antes ter a coragem de dizer algo. —Elas são do meu pai. — Sussurrei. Foi a primeira vez que eu já tinha dito em voz alta. Eu tinha certeza que Emery sabia, mas não falava sobre isso.


—Eu imaginei que elas poderiam ser. — Landon disse em meu ombro. —Eu não as respondi. —Nunca? —Nem uma única vez em seis anos. Landon suspirou baixinho. —E quando ele foi para a prisão? Balancei a cabeça. Minha voz estava rouca quando disse: — Seis anos no sábado. —Isso é muito tempo para não falar com ele. —Não muito, tempo o suficiente. — Retruquei. Landon pressionou outro beijo em meu ombro. Imaginei que ele sabia que não devia me pressionar sobre isso e que era um grande passo eu ter dito a ele tanto. Todas as vezes que nós tínhamos conversado antes e, tanto quanto todos na cidade sabiam sobre os assuntos ilegais de Hank Martin, nunca ninguém se atreveu a falar sobre isso comigo. —E, no sábado ... você vai ficar bem? —Eu costumo passar o dia sozinha. — Admiti. —Eu não quero que você esteja só este ano, — ele me disse. —Não mais. Não quando você tem a mim. Está bem? Concordei porque as palavras estavam falhando. —Está bem.


Vinte e Seis

Acordei com o som da porta batendo, e Emery gritando meu nome —Heidi? —Oh, merda. — Murmurei. Landon gemeu perto de mim e me puxou para mais perto dele. Ou ele tinha o sono mais profundo do mundo ou ele simplesmente não se importava que a minha melhor amiga, sua maldita

ex-namorada,

estava

prestes

a

entrar

enquanto

estávamos seminus. —Landon,

eu

disse,

empurrando-o.

—Levante-se.

Levante-se. Levante-se. Você precisa ... como, se esconder no armário. Seus olhos castanhos se abriram bem devagar e olharam para mim. Ele tinha um sorriso sexy no rosto e disse: —Bom dia. —Landon, vamos lá. —Você disse, esconder no armário? —Perguntou, como se apenas estivesse processando o que eu disse. —Sim, Emery está... Só então Emery entrou no quarto, vestindo um minúsculo shorts preto e uma camiseta preta enorme. Poderia ter sido Jensen.


—Oh, merda. — Emery disse. —Bem vinda ao lar. — Terminei. Landon languidamente virou e esticou os braços sobre a cabeça. —Bom dia, Em. —Oh meu Deus, — ela disse, segurando as mãos sobre os olhos. —Isso não foi ... quero dizer, foda-se. Eu só vou ... sim, tudo bem, então. —Ela tropeçou para trás para fora da porta. Eu gemi. —Ugh! Landon riu, se aproximando de mim. —Por que você está tão envergonhada? Eu o empurrei de volta para o travesseiro. —Você tão malvado —Ei, ei, — ele disse, levantando as mãos. — É ela que namora meu irmão. Joguei meu travesseiro nele quando pulei da cama. —E você quer vê-la na cama com ele? Ele franziu o nariz. —Sim, eu acho que não. Empurrei meu cabelo para cima no topo da minha cabeça enquanto deixei o meu quarto para ir encontrar a minha melhor amiga. —Ei, Em? —Aqui, — Emery chamou do seu quarto. —Ei.


Ela acenou com a mão enquanto procurou através do seu armário por roupas para vestir para o trabalho. —Me desculpe por isso. —Não tem problema, — disse —Eu só não ... estava cem por cento preparada para isso. —Sim, acho que é provavelmente muito estranho. Emery me lançou um olhar de não-merda. —Essa é uma palavra para isso. —Eu sei que você disse que estava bem com isso, mas eu realmente não quero que você se sinta desconfortável em seu próprio apartamento. Não temos que estar aqui se você não... Emery levantou a mão. — Diminua o ritmo, prostituta. Eu não me importo que vocês estão juntos, e não quero que você tenha que ir para outro lugar. —Mas? — Solicitei. —Mas ... eu não sei quanto tempo posso esconder isso de Jensen. Landon enfiou a cabeça no quarto. Felizmente, ele tinha colocado sua camisa de botão e calças. —Desculpe, só aconteceu de ouvir. Emery revirou os olhos para ele. —Sim, porque somos tão quietas. —Dizer a Jensen seria uma péssima ideia para Heidi neste momento.


Emery jogou o par de sapatos que estava segurando. —Eu estou ficando louca aqui. Segredos são uma grande coisa entre eu e Jensen, e se ele achar que estou escondendo alguma coisa, então ele vai ficar chateado. E, acredite em mim, ninguém gosta quando isso acontece. Pelo menos eu não. —Sim, mas se dissermos a Jensen, eu poderia perder meu emprego. — Eu disse. —Ou podemos descobrir alguma coisa! — Gritou Emery. —Eu amo meu irmão, mas todos nós sabemos que ele resolve problemas de maneira inequívoca. — Landon disse. —E se falarmos com Morgan? — Perguntou Emery. —Já falei. —Foda-se, — Emery gemeu. —Está bem, está bem. Eu posso imaginar isso, mas se ele aparecer e ver vocês juntos, eu nunca soube! —Entendi. — Landon concordou. Balancei a cabeça. —Obrigada, Em. —Você me deve, — Emery me disse. —E você ... você tem sorte de ser meu melhor amigo. Landon ergueu os braços. —Nós dois apreciamos, Emery. Mesmo que nós dois não merecemos. Ela assentiu com a cabeça, quando Landon foi para fora do quarto.


—Eu tenho que ficar pronta para o trabalho, — Emery disse com um suspiro. —Por favor, tenha cuidado? Eu poderia facilmente ter trazido Jensen comigo, e nós estaríamos tendo uma conversa muito diferente. —Eu gostaria de evitar essa conversa, se possível. —Eu também, — ela murmurou. Os olhos de Emery cortando o meu novamente. —Isto é tão estranho. Você está dormindo com Landon Wright. Como ... Landon Wright. —Sim, — eu disse com um encolher de ombros. —Acho que sim. —E é a semana de ... e você parece bem. Engoli em seco. —Estou segurando. Eu disse a ele ontem à noite ... sobre tudo. —Puta

merda,

Heidi.

Aquilo

é

enorme.

Vocês

estão

realmente sérios, não é? Mordi o lábio e fiz um aceno rápido. —Sinto que tudo aconteceu tão rápido, mas ... estive esperando por esse momento por tanto tempo. Apenas encontrar um cara que realmente me entende, sabe? Emery olhou para baixo e sorriu. —Isso eu sei. E eu também sou rainha de perceber que nem sempre é o cara que você esperava se apaixonar. —O que há com esses irmãos Wright? — Perguntei. —Se eu soubesse. —Sério.


—Nos apaixonarmos por eles apenas inflou seus egos. — Emery disse. Eu ri. —Como se os seus egos precisassem ser inflados. —No entanto, nós os amamos. —Nós amamos. — Concordei em voz baixa. Emery riu. —Tudo bem, sério, mova-se. Vá colocar algumas roupas, em você pateta. Você está super nua. Puxei a camiseta que estava lembrando de repente que não tinha colocado o shorts. —Tanto faz. Você gosta disso. —Oh, sim, baby. Tire tudo. Puxei o fundo da minha camiseta, dando-lhe uma espiada do meu estômago. —Venha e pegue, amor. Emery piscou para mim antes de eu desaparecer no corredor. Dei um suspiro de alívio. Eu era a porra da pessoa mais sortuda no mundo por ter uma amiga como ela. E não era brincadeira quando disse que ela era a única família que me restava. Eu me preocupava mais sobre o que ela pensava do que com a perda do meu trabalho neste momento. Eu sabia que ela estava fingindo, também. Ela não estava cem por cento confortável comigo e Landon, mas ela me amava e queria me ver feliz. Eu esperava que todos nós pudéssemos descobrir como lidar com isso ao longo do tempo. —Ela está bem? — Landon perguntou quando voltei para o meu quarto.


—Acho que ela está se adaptando. —Sim, bem-vinda ao clube. —Você sabe o que? Não use esse tom comigo sobre Emery. Você foi o único que a abandonou no dia da formatura e deixou-a em pedaços esfarrapados que eu tive que colocar de volta juntos há anos, Landon. Ele ergueu as mãos em defesa. —Uau. Tudo bem. Eu não queria incomodá-la assim. Eu quis dizer que tive que me adaptar a ela e Jensen. Pelo menos você disse a ela sobre nós antes que ela descobrisse sobre nós. —Eu sei, — eu disse com um aceno de cabeça. —Eu fico na defensiva sobre Emery. Você realmente a machucou, sabe. Ele coçou a parte de trás da sua cabeça. —Sim. Confie em mim, carrego a culpa disso. Eu estava louco sobre o que tinha acontecido com meu pai, a última coisa que eu tinha dito a ele, era que escolhia Emery em vez dele e que escolheria todas as vezes. Quando ele morreu, eu me culpava, e estupidamente culpei Emery. Eu não podia sequer olhar para ela, ou pensar sobre ela, ou falar com ela sem essa dor. Então, sim, eu entendo que você quer protegê-la. Eu fui um idiota por afastá-la quando estava de luto, mas era o ensino médio. Eu pedi desculpas. E o que aconteceu comigo e Emery não tem absolutamente nada a ver com o que está acontecendo comigo e você, Heidi. —Isso foi o que você disse para o seu pai? — Perguntei suavemente.


—Uh ... sim, — ele disse, olhando para fora. —Eu nunca te contei sobre isso? —Para mim não. Eu sabia que vocês discutiram sobre a faculdade. —Sim, bem, o que eu não daria para refazer esses dias. Mas então não sei se eu estaria aqui de pé, e sei que é onde eu deveria estar. Fui para os seus braços, descansei a minha cabeça em seu ombro, e fechei os olhos. Este era o lugar onde eu estava destinada a estar, também. —Nós

provavelmente

devemos

pegar

meu

carro.

Sussurrei, apertando o meu domínio sobre ele. —E começar a trabalhar. — Ele concordou. —Mas há uma cama. Suas

mãos

deslizaram

para

baixo

na

minha

bunda

enquanto ele fechava a porta. —E essa bunda. Porra. Desnecessário dizer que nós dois nos atrasamos para o trabalho.

Cheguei primeiro

no escritório, porque

ele ainda tinha que ir para casa se trocar depois de me deixar no meu carro. Mas eu fiz uma corrida louca assim que atingi o prédio. Meus saltos não estavam cooperando comigo também, e pela primeira vez em muito tempo, desejei ter escolhido sapatos baixo. Apesar dos saltos me fazerem sentir fortalecida.


Eu

estava

me

sentindo

muito

fortalecida,

independentemente da minha escolha de sapato hoje. Julia estava esperando na minha mesa quando cheguei. Ela estava impaciente batendo os sapatos pretos enquanto Matt tentava conversar com ela. Julia tinha uma vibe totalmente nemfodendo-comigo que Matt tinha que ser muito estúpido ou muito egocêntrico para não perceber. Eu estava começando a suspeitar de ambos. —Aí está você! — Julia gritou, saltando da minha cadeira. —Sim, sinto muito por isso. Problemas com o carro. —Landon deve ter tido o mesmo tipo de problemas com o carro. — Matt murmurou sob sua respiração. —O quê? — Perguntei, esperando soar confusa. Mesmo que meu coração estava saltando longe dentro do meu peito como um pássaro em uma gaiola. —Landon não está aqui ainda. — Julia me informou. —Mesmo? Esquisito. Será que ele realmente teve problemas com o carro? — Perguntei. Matt me olhou com desconfiança, como se não comprasse o que eu estava dizendo. —Nós não sabemos. Ele apenas não está aqui. Dei de ombros. —Ele não tem fisioterapia ou algo assim? —Para quê? — Perguntou Matt. —Lesão do golfe.


—Como você sabe tanto sobre Landon afinal? —Bem ... somos amigos desde o ensino médio. Ele namorou a minha melhor amiga. —Huh. — Matt disse. Suas sobrancelhas ficaram juntas, como se estivesse contemplando algo realmente difícil. Esperava que ele estivesse pensando que a informação que eu tinha dado, era a verdade. Claro, Landon e eu éramos amigos. Sim. —Eu não sabia disso. — Matt disse finalmente. —De qualquer forma, — Julia disse, —nós não estamos aqui para falar sobre Landon. Estou aqui para agendar a sua entrevista. —Minha entrevista para o cargo de engenheiro-chefe? — Engoli em seco, saltando sobre as pontas dos meus pés. —Sim. Isso mesmo. —Parabéns, Heidi. — Matt disse. —Marquei a minha ontem. Eu quase virei e olhei para Matt. Que maneira de roubar meu momento, cara. —Oh meu Deus, sim. Vamos fazer isso. Julia apontou para seu escritório, e eu a segui para dentro. Ela fechou a porta e virou-se para mim. —Por favor me diga que você e Landon não chegaram tarde porque vocês dois estavam juntos.


—Nós não chegamos tarde porque estávamos juntos. — Eu disse a ela. —Parece ruim, Heidi. —Eu sei. — Admiti. —Isso faz Matt imaginar coisas, e eu não quero que ele coloque os pedaços juntos sobre vocês dois. Eu pensei que você seria esperta sobre isso. Aparecer tarde, faltar ao trabalho, ao mesmo tempo, passear em seu escritório, ir almoçar juntos? Heidi, vamos lá. Mordi o lábio. Eu sabia que ela tinha razão. Eu sabia que estávamos sendo imprudentes. Nós definitivamente precisávamos ser mais cuidadosos se mesmo o idiota do Matt estava começando a ver através das coisas. —Entendi. Eu sei disso. — Disse. Julia se inclinou para frente, seu cabelo balançando na frente do seu rosto. —Você é uma candidata séria para esta promoção, Heidi. Eu não deveria sequer estar te dizer isso, mas você é. Sorri para ela, mas entendi o sentimento subjacente. Eu não iria começar o trabalho se alguém descobrisse sobre mim e Landon. Eu seria demitida. —Entendi, Julia. —Bom. Agora que isso acabou, vamos agenda-la na quintafeira de manhã, às nove horas com Dennis. —Parece bom.


—Agora, o que você está fazendo no sábado? Porque eu poderia desesperadamente fazer algumas compras para o evento de caridade da Wright. Abri a boca e depois fechei. Julia só tinha vindo a trabalhar para Wright Construction por cerca de um ano. Nós nos tornamos amigas quase imediatamente, mas ela sabia muito pouco sobre o meu passado. Ela definitivamente não sabia que sábado era o aniversário do dia em que meu pai havia sido preso. —Uh ... Sábado não é bom. Pode ser domingo? Ela torceu o nariz. —Trevor está me arrastando à igreja com ele e toda sua família. —Oh, você está conhecendo a família? —Sim. Deve ser interessante. Infelizmente, eles vão para a mesma igreja que os Wrights. —Isso significa que ... Austin vai estar lá? — Eu adivinhei. —Sim. Idiota. Eu ri. —Tudo bem. Domingo não. Nós vamos resolver isso. Ainda tem muito tempo antes do jantar de caridade. —Verdade. Apenas deixe-me saber se você mudar de ideia sobre sábado. Eu poderia usar algum tempo com minhas meninas! Balancei a cabeça, mesmo que eu não tivesse nenhuma intenção de fazer isso, e acenei adeus a Julia.


Landon estava entrando nas instalações quando saí do escritório de Julia. Ele parecia quente pra caralho em calças cáqui impressionantes e um blazer azul. Foi o mais quente que eu o tinha visto vestir desde que começou a trabalhar aqui. Suas calças cáqui e polo, seu típico traje de golfe, deixava-o melhor do que um terno. Ele sorriu para mim. —Bom Dia. —Você está atrasado, Sr. Wright. —Tive uma manhã movimentada. —Eu também. Descobri que tenho uma entrevista para o cargo de Jim. — Eu disse, diminuindo um passo ao lado dele. —Parabéns. — Disse com um sorriso. —E

que

Matt

suspeita

de

que

alguma

coisa

está

acontecendo. — Calmamente disse a ele. Landon rapidamente mascarou a sua surpresa. —Hã. Verdade? —Sim. Devemos ter mais cuidado. —Anotado, senhorita Martin. Boa sorte na sua entrevista. Ele acenou para mim e, em seguida, dirigiu-se para a sua mesa, como se não se importasse de uma forma ou de outra, se eu queria falar com ele. Ele agiu como meu chefe. E eu podia sentir o olhar de Matt nos meus, enquanto andei longe de Landon sem olhar para trás. Odiei o que estávamos fazendo, mas não podia parar agora. E, francamente, eu não queria.


—Então, por que ele estava atrasado? — Matt perguntou quando me sentei. —Não sei. Ele disse que teve uma manhã movimentada. — Eu disse com um encolher de ombros. —Você pode imaginar se eu usasse isso como minha desculpa? —Ele bufou. —Bem, ele é o chefe. Matt acenou com a cabeça e voltou sua atenção para o seu computador. —Foda-se os Wrights, — ele murmurou sob sua respiração. —Eles poderiam escapar de um assassinato. Ele não estava errado.


Vinte e Sete

Sábado de manhã começou como qualquer outro dia. O mundo girou. O sol nasceu. A vida continuou. Só que isso não aconteceu. Hoje era o único dia do ano que a minha vida não seguia em frente. Hoje era o dia em que meu pai havia sido acusado e condenado à prisão. No meu mundo, isso significava que ele tinha morrido. E eu lamentava sua morte apenas neste dia. Acordei com o sol - sozinha e estranhamente vacilante. Normalmente, eu afastava o pensamento do meu pai ... a morte da minha mãe. Não pensava sobre isso. Não deixava me machucar. Permanecia forte e poderosa, apesar das minhas circunstâncias, mas hoje, eu me deixei - sentir tudo. Landon queria ficar à noite. Depois de ficar o mais longe possível um do outro no escritório, estaríamos colados um ao outro durante a noite-quente, suada, e desesperados para estar próximo um do outro. Mas eu precisava de ontem à noite sozinha, e ele tinha prometido voltar na parte da manhã. Eu me troquei em jeans e uma camiseta rosa com tênis. Nada extravagante para o meu velho. Eu tinha sido uma filhinha de papai toda a minha vida. Sua pequena princesa rosa. Com um suspiro, amarrei os sapatos e saí para a sala.


Emery estava sentada no balcão com uma pilha de papéis na frente dela da escola para avaliar. Ela empurrou uma xícara de café para mim. —Obrigada. — Eu disse, acrescentando creme e açúcar. —Como você está? — Seus olhos estavam arregalados e cautelosos. Ela sabia o que hoje significava. Ela sabia que eu estava normalmente confusa durante toda a semana, antecipando. —Pronta para enfrentar o dia. Emery colocou sua mão sobre a minha e apertou. —Você é uma pessoa incrível, você tem uma mente brilhante, e é minha melhor amiga. Você sabe disso, certo? Sorri. —Obrigada. —Venha aqui. Eu fui nos braços da minha melhor amiga, e nós nos abraçamos forte. —Eu amo você, Heidi. —Eu também te amo, Em. —Chame se precisar de mim. Balancei

a

cabeça

e

depois

me

afastei.

Eu

estava

acostumada a fazer essa rotina sozinha, então disse a Landon que iria buscá-lo. Isso me ajudava a estar no controle da situação, ter minhas mãos no volante e saber exatamente onde eu estava indo.


Dirigi em toda a cidade para o apartamento dele, e ele estava esperando por mim em shorts cáqui e uma camisa polo azul com tênis, óculos Ray-Ban e um boné. Ele parecia confortável e descontraído, que era o que eu tinha sugerido. Foi bom vê-lo fora do seu terno enfadonho ... e em algo além do seu terno de aniversário. Embora, esse fosse o meu favorito. Ele abriu a porta do passageiro e afundou-se no assento. — Bom dia, linda. —Ei, — eu disse com um sorriso triste. —Está pronto? —Contanto que você esteja. Mordi o lábio e depois conduzi o carro para a estrada. Nós não falamos enquanto dirigi. Ele parecia confortável com o silêncio. Eu precisava disso. Havia muitos pensamentos, ideias,

histórias,

memórias-correndo

pela

minha

cabeça

e

bagunçando minha mente. Tudo o que eu nunca me deixei pensar, que me sobrecarregava neste dia. Eu era a rainha de compartimentalização20, mas quando me afastei e olhei para as gavetas de memórias categorizadas em minha mente, tudo apenas tinha acabado. Filas e filas de cartas e vídeos e letras que apenas assumiram. Deixei-me sentir, respirar. Doía como nada mais. Mas eu precisava sentir para manter a sanidade. Entramos no cemitério poucos minutos mais tarde, e Landon inalou bruscamente. Era o maior cemitério de Lubbock com enormes lápides e até mesmo uma cripta ou duas. E todo mundo conhecia alguém que vivia aqui. 20

Separar em compartimentos, classes, tipo, gênero.


Manobrei em um estacionamento enorme e desliguei o motor. Comprei flores e coloquei no banco de trás, antes de buscar Landon e as peguei quando saímos do carro. Ele envolveu um

braço

forte

ao

redor

dos

meus

ombros

quando

silenciosamente se enfiava através das lápides. Minha mãe estava à espera no centro das pedras. MARY ELIZABETH MARTIN 21 de junho de 1969-17 out 2000 UMA BOA MÃE, ESPOSA E AMIGA

Coloquei as flores na frente do seu túmulo. Orquídeas as suas favoritas. A pior parte era que, eu nunca sabia o que dizer. Era por isso que eu não visitava tanto quanto provavelmente deveria fazer. Porque, quando falava com minha mãe, era difícil não falar do meu pai. Ela teria perguntado sobre ele. E as respostas doíam muito. Ele não é o cara que você conhecia. Ele não é um bom pai mais. Ele desistiu de você. De mim. De si mesmo. Você teria vergonha dele agora. Landon esfregou suavemente as minhas costas. Eu estava feliz por ele estar aqui. Mesmo que fosse difícil para ele, desde que seus pais estavam enterrados aqui também. —Ei, mãe, — sussurrei. —Eu, uh ... só queria parar e apresentá-la para Landon. Ele é, uh ... um, uh, Wright. Você


provavelmente conhecia o seu pai. — Olhei para Landon, e ele apenas sorriu. —Ele é tipo meu namorado, e pensei que você deveria conhecê-lo. —Prazer em conhecê-la, Sra. Martin. A Sra. tem uma grande garota aqui, — Landon disse. Depois, se virou para mim. —Então, sou tipo seu namorado, hein? —Isso mesmo. —Estou ansioso para o dia em que possamos nos livrar desse tipo parcial. —Eu também, — sussurrei. —Você sabe, alguns anos eu vou ser tão velha quanto a minha mãe quando ela morreu. É assustador pensar que vou viver mais tempo do que ela. —Eu sei como é isso. Eu tinha apenas sete anos quando minha mãe morreu. Eu era mais velho do que ela há dois anos atrás. Foi desorientador. —Você quer vê-la enquanto estamos aqui? Ele beijou minha testa. —Que tal fazê-lo quando eu puder apresentá-la a eles como a minha namorada ... não apenas um tipo de namorada? Sorri, apesar de tudo. —Gostaria disso. —O que mais você faz neste dia? — Perguntou. —Costumo fazer todas as coisas que eu teria feito com meus pais antes da minha mãe morrer. É como se eu começasse a chorar por ambos no mesmo dia. É uma espécie de como ... eu


me dou permissão para ser uma criança novamente. É estúpido. Eu sei. Eu nunca contei a ninguém sobre isso. Ele colocou um dedo nos meus lábios. —A maneira como você sofre nunca é estúpido. É único para cada pessoa. Permitirse o tempo para fazê-lo é que é importante. Joguei meus braços em volta da sua cintura e segurei com força. Eu não sabia como tinha ficado com tanta tão sorte de ter alguém como Landon Wright. Mas eu estava agradecendo a todas as coisas sagradas por enviar-me uma pessoa que me entendia tão completamente. Saímos do cemitério com um humor melhorado e nos dirigimos para O Pomar, que era um pomar de maçã a vinte minutos fora da cidade. Eles sempre realizavam o Apple Butter Festival um evento de escolha de maçã, nesta época do ano. Landon carregou a cesta, enquanto caminhamos em volta do pomar e enchemos com maçãs. E, toda a vez que passamos através dos vendedores de artesanato, ouvimos a música de artistas locais, e até mesmo tentamos acertar uma maçã com um estilingue, eu lhe contei histórias. As histórias que eu sempre repetia na minha cabeça enquanto fiz isso sozinha a cada ano. —Meu pai costumava me colocar em seus ombros quando eu era criança para que eu pudesse alcançar os galhos mais altos das árvores. Era minha parte favorita, chegando a jogar maçãs até a minha mãe. — Eu disse a ele. Ele sorriu apreciando as memórias.


—Às vezes, eu iria balançar para trás e para frente entre os seus braços. Viemos a cada ano, você sabe. Minha mãe adorava maçãs frescas. Mais tarde, quando chegávamos em casa, ela me fazia uma torta de maçã caseira. Ela sempre me lembrava de soprar nela para esfriar. Quando criança, eu sempre queria tomar o sorvete, mas agora, eu mataria por uma fatia da sua torta. —Vamos fazer uma quando voltarmos. — Ele sugeriu. Balancei a minha cabeça. —Não, eu não tenho a sua receita. É diferente. Eu tentei. —Tudo bem, amor. — Ele disse, beijando-me na bochecha. —Pronto para nossa próxima parada? — Perguntei. Ele arqueou uma sobrancelha. —Tem mais? Concordei com a cabeça. —Sim. —Lidere o caminho. Saímos do festival, só para parar a meio caminho para o nosso próximo destino para tomar um sorvete de Dairy Queen. Eu pedi um sorvete grande com M & M e manteiga de amendoim, com sorvete extra e coloquei os dois na minha frente. Landon tinha um cone-mergulhado com chocolate. Ele curiosamente olhou para o sorvete extra. —Para o meu pai. — Sussurrei. —Você costumava vir muito aqui?


—Durante o verão, ele levava para casa grandes sorvetes extras que duravam todo o verão. Minha mãe odiava, mas ela pegava um pouco do seu sorvete quando ele não estava olhando. —E, normalmente, você vem e toma um destes sozinha? —Sim, bem, é uma lembrança de tempos mais felizes, sabe? Antes das ... drogas e ... e tudo. — Solucei durante a última palavra e desviei o olhar. —Eu entendo, — ele disse, cobrindo a minha mão. —Eu gosto de saber esse lado de vocês. —Obrigada por estar aqui comigo. —Não teria perdido isso. Se precisar de mim, estou aqui. Balancei a cabeça e depois voltei para o meu Blizzard (sorvete).

Na

verdade,

não

havia

nenhuma

maneira

que

conseguiria terminá-lo, mas não podia levá-lo de volta para o apartamento com todas as memórias que detinha. Assim, quando Landon terminou seu cone, eu joguei o resto do sorvete, e continuamos. —Espero que você saiba como andar de patins, — disse a ele quando fomos para o estacionamento. Ele riu. —Uh, eu não patino há anos. —Só não quebre as suas costas. —Tarde demais para isso. Nós alugamos um conjunto de patins de baixa qualidade e amarramos em cima de um banco acarpetado neon-rosa, preto, verde-néon, e que brilhava sob as luzes negras. Um casal comum,


uns alunos do ensino médio, que poderiam patinar em círculos em torno de todos no local, já estavam se exibindo com a música techno de merda que estava tocando nos alto-falantes. Mas o cheiro rançoso de pipoca queimada, com sobrecargas de açúcar, e pizza barata, juntamente com a sensação das rodas sob os meus pés, me levaram a um lugar diferente. Um lugar diferente. Era como se eu tivesse sido transportada. —Eu realmente não sou bom em patins, — Landon admitiu quando se firmou em seus pés. —Isso me surpreende. Um Wright na verdade não é bom em alguma coisa. —Somos ruins em um monte de coisas. —Bem, eu vou segurar a sua mão, menino bonito. Venha aqui. Ele pegou as minhas mãos, e eu patinei para trás como uma profissional, guiando-o e recebendo-o de volta em um ritmo. Depois que fizemos uma ou duas voltas, ele parou de pensar tanto sobre o que seus pés estavam fazendo e começou a divertirse. Isso significava que eu poderia me exibir, e foi divertido. Deus, era tão divertido. —Onde você aprendeu a andar de patins assim? — Landon perguntou em reverência. Sorri quando eu deslizava meus pés para trás. —Meu pai. —Hank Martin um patinador? — Perguntou praticamente sem compreender.


—Ele era incrível. Cresceu em uma época onde patins eram baratos, e todas as crianças legais faziam isto. Se exibir era o passatempo do meu pai. —Não

conheço

ninguém

assim.

Ele

disse

sarcasticamente. Eu ri, confortável com a declaração de hoje. A maioria dos outros dias, não iria apreciar a comparação com o meu pai. —Eu tenho um talento para o dramático. —Eu gosto disso em você. —O que você não gosta, Wright? Ele inclinou a cabeça para o lado. —Nada. —Dê-me um tempo. —Eu te conheço há muito tempo, Heidi. Não vai mudar como me sinto agora. Ele pegou a minha mão e me puxou de volta ao redor para que pudéssemos patinar como um casal do ensino médio mostrando a novidade aos nossos amigos. Foi estranhamente romântico de uma maneira completamente despretensiosa. No momento que o público da tarde de aniversário começou a aparecer, Landon e eu decidimos sair. Patins não eram a melhor coisa para as costas de qualquer maneira. Eu poderia dizer que ele estava com um pouco de dor, mas não queria estragar o meu dia com isso. Eu lhe pedi para pegar nossos sapatos enquanto eu pegava uma pizza e Coca-Cola. Nós comemos como se um fosse um


jantar chique, rindo sobre como o queijo parecia deslizar para fora da fatia inteira e a parte inferior tinha a consistência de papelão. Mas foi delicioso. E estar com ele assim era igualmente delicioso. —Para onde vamos a seguir? — Ele perguntou quando o sol estava finalmente ajustando no horizonte. —Flips? Para piscina? —Não, — eu disse com um suspiro. —Hank’s. Landon olhou para mim em confusão. —Mas a Hank foi demolida. —Eu sei. — Limpei a lágrima no meu olho com a menção de que o amado bar do meu pai tinha sido derrubado pela Wright Construction

para colocar condomínios de alta qualidade. E

então eu fui trabalhar para as pessoas que tinham feito isso. Parei o carro na frente dos condomínios, e Landon e eu deslizamos para fora. Balancei a cabeça para o pequeno parque do outro lado da rua. Ele estava deserto a esta hora, e nós facilmente encontramos um banco de jardim que dava para os condomínios. Quando enfrentei o prédio que costumava ser a minha casa longe de casa, onde eu tinha passado mais horas do que na minha própria casa, as lágrimas derramaram dos meus olhos. E eu as deixei. Deixei-me sentir toda a dor. —Eu sinto falta dele, — finalmente admiti. —Sinto muita falta dele. Landon passou um braço em volta do meu ombro. —Eu sei. —Sinto falta do homem que ele costumava ser. Quando ele era um bom pai. Quando não usava drogas, ou vendia drogas, em


seguida, bancar a porra do bar com seu dinheiro de drogas para tentar mantê-lo. Gostaria que ele não tivesse sido o tipo de pai que trazia mulheres estranhas o tempo todo. Mulheres casadas. O tipo que eu nunca realmente sabia seus nomes, e ele as trocava muitas vezes para eu me importar. Desejei não ter que limpar as suas malditas bagunças o tempo todo. Ajudá-lo em seu estupor bêbado e me fazer chorar até dormir quando estava em uma fúria bêbada tão ruim que só desmaiando iria fazê-lo parar. —Mas ele me amava. Você sabe ... apesar de tudo isso ... ele me amava. Ele procurava me sustentar e me deixava fazer o que eu quisesse. Mas ... não era paternal. Após a minha mãe morrer, ele estava sobrevivendo. E me deixar fazer qualquer coisa que eu queria não era compaixão. Tive sorte de ter Emery e que a mãe dela me ajudou tanto quanto ela. —Talvez ele tenha mudado. Por que você não conversa com ele? Você não sabe; ele pode surpreendê-la. —Não, eu não posso. — Fechei meus olhos. —Mas por que? Balancei minha cabeça. —Porque. —Heidi... —Porque ele gastou todos os meus fundos da faculdade com drogas! — Gritei, levantando-me e jogando meus braços. Deixei escapar a última gota de notícias deprimentes. A parte que eu tinha retido de todos. —Ele gastou todo o dinheiro que a minha mãe tinha me deixado para a faculdade. Ele penhorou todas as suas joias e cada última coisa que já tinha pertencido a ela. E ele


me deixou sem nada. Agora, mesmo que eu estou trabalhando pra caramba, estou falida como nunca, Landon. Eu preciso deste emprego mais do que a própria vida. E é tudo culpa dele. —Foda-se. — Landon sussurrou. —Sim. Então, ele recebe um dia. Eu me dou um dia para sentir falta dele. Isso é tudo o que ele merece.


Vinte e Oito

Passar esse dia com Heidi, quando ela estava mais vulnerável, tinha mudado tudo. Eu me apaixonei por ela. Completamente, totalmente, de forma inequívoca. E eu era um babaca. Eu sabia por que ela precisava desse trabalho. Agora sabia, sem dúvida, porque isso era tão importante para ela. No entanto, eu estava brincando com isso. Eu estava jogando com ela. Eu podia sentir a corda bamba delicada que estávamos andando, e temia que nossos pés iriam escorregar se eu não tivesse cuidado. Eu não sabia como ser mais cuidadoso. Domingo de manhã, Heidi estava envolta em meus braços quando recebi uma mensagem de Jensen. Você ainda vai vir à igreja?

—Foda-se, — cuspi. —Hmm? — Heidi perguntou, olhando para mim com olhos privados de sono. —Esqueci que é domingo. Eu deveria encontrar Jensen e ir para a igreja. Quer ir comigo? —Não vai parecer esquisito? — Murmurou.


Cerrei os dentes e assenti. —Sim, Provavelmente. Foda-se, sinto muito. Você pode ficar aqui e continuar dormindo. Eu vou estar de volta em cerca de uma hora, está bem? —Tudo bem, — ela disse com um grande bocejo. —Volte para mim em breve, está bem? —Deus, eu gostaria que você pudesse ir comigo. —Um dia. — ela disse, inclinando-se para me dar um beijo. —Um dia em breve, — prometi. Rapidamente me troquei em um terno e corri para a igreja que tinha frequentado desde que era pequeno. Minha mãe tinha sido uma paroquiana ávida, antes mesmo que descobrisse sobre o seu câncer. Claro, nós não sabíamos o quão ruim era, até que ela estava em seu leito de morte. Mas fazia sentido agora porque ela tinha sido tão religiosa sobre o culto da igreja. Ela deve ter ficado assustada com cinco crianças e uma doença com risco de vida. Cheguei a tempo de ver o culto. Jensen, Emery, Austin, Morgan, Sutton, Maverick, e o pequeno bebê Jason estavam todos sentados na primeira fila, como um exército de defesa. Mesmo que minha família fosse super fodida e transportava mais bagagem do que um avião em um ano, estávamos sempre aqui. Lubbock era uma daquelas cidades onde o culto da igreja era obrigatório, mas nós Wrights levávamos para um extremo. Isso era novo para mim embora. Eu tinha ido embora há muito tempo. Eu só tinha ido à igreja quando estava em casa para os feriados. Definitivamente não ia quando estava em Tampa. Então,


lembrando que esta era uma coisa que sempre fazíamos aos domingos, me derrubou. —Desculpe, — murmurei enquanto afundei no assento que Jensen tinha deixado para mim no final do corredor. —Onde você estava? — Perguntou. —Meu alarme não disparou. Jensen me lançou um olhar que dizia que não acreditava em mim. E ele estava certo. Não que eu o deixaria saber disso. Emery se inclinou para frente e acenou. —Ei, Landon. —Em. Seus olhos disseram o suficiente para mim sem palavras. Ela perguntou: Como está Heidi? Indo bem. Bom. Eu me preocupo. Eu sei. Estou tomando conta dela. Ela assentiu com a cabeça para Jensen. Você vai falar com ele? Suspirei e assenti. Sim. Graças a Deus. Ela suspirou de alívio e sentou-se. Jensen me lançou um olhar interrogativo, mas o culto começou antes que ele pudesse dizer qualquer coisa. Minha mente estava cheia com a conversa que eu sabia que precisava ter com Jensen, e não conseguia me concentrar no que estava sendo dito. Também senti uma merda sobre deixar Heidi na


minha cama, mesmo que ela estivesse apenas dormindo o resto da manhã. Felizmente, o culto foi mais breve, e a congregação se levantou e começou a misturar-se. Emery pulou e correu para sua irmã, Kimber, que estava segurando a sua filha mais nova, Bethany, e tentando encurralar Lilyanne. Austin enfiou os dedos no bolso para o que eu imaginei que fosse um frasco e tentava tirar,

mas

Morgan

estava

batendo

no

seu

braço

e,

silenciosamente, discutindo com ele. Eu sabia que não ia adiantar. Além disso, provavelmente eu deveria ajudar, mas não o fiz. Sutton foi a única que veio. —Aqui, segure seu sobrinho, seu pagão. — Ela disse, empurrando Jason em meus braços. Eu

ri

e

suavemente

embalei

o

bebê.

Ele

estava

completamente desmaiado e não tinha feito nem um pio durante o culto. E segurando-o em meus braços assim fez meu peito doer. A família era algo que eu queria desde que meu pai morreu. —Ele é muito bonito e pequeno. — Eu disse a ela. —Ele é adorável, e graças a Deus. Com o pouco de sono que estou tendo, é melhor ele ser. Eu ri, e ela sorriu. Sutton era o bebê, apenas 21 anos de idade, e, ela de alguma forma teve seu próprio bebê antes de todo mundo, exceto Jensen. Era quase injusto. Mas eu não poderia invejar a sua felicidade.

Ela

ainda

estava

radiante

de

alegria.

Todos

pensávamos que o casamento forçado de Sutton era por causa


deste rapaz em meus braços. No entanto, ela parecia amar verdadeiramente

seu

marido,

Maverick.

Contra

todas

as

probabilidades, Sutton era a mais feliz de todos nós e aquela com a menor quantidade de bagagem. Talvez porque ela tinha apenas um ano quando a nossa mãe morreu e onze quando o nosso pai morreu, ela não tinha memórias tão intensas da dor. De qualquer maneira, eu a invejava. —O que você vai fazer para o seu aniversário? — Perguntei. —Está chegando. O grande vinte e dois. —Ugh, — ela gemeu. —Jensen planejou o evento de caridade para o mesmo fim de semana. Então, provavelmente recebendo uma babá e indo para o evento tolo. —Eu não agendei a data para o evento de caridade, — Jensen disse. —Eu não teria colocado no seu aniversário, mas Emery e eu ficaríamos felizes em tomar conta dele na noite anterior se você quer uma noite fora. Seus olhos se iluminaram. —Você está falando sério? —Eu sei uma coisa ou duas sobre bebês. Podemos controlar. —Você é o melhor! — Ela disse. Maverick apareceu ao som do seu grito, e ela o informou. —Obrigado, cara. — Ele disse, segurando sua mão para Jensen. Jensen sacudiu-a e deu-lhe um olhar curioso. Eu tinha certeza que Jensen ainda acreditava que Maverick queria Sutton


apenas pelo seu dinheiro, mas com certeza não se parecia com isso. Maverick levou Jason de mim, e eu me virei para enfrentar Jensen. Ele levantou uma sobrancelha. —Você quer conversar? Balancei a cabeça. —Sim. Lá fora? —Certo. Nós deixamos a capela juntos e vagamos para o ar fresco da manhã. Lubbock tinha uma estranha sensação de ser deserto. Não importa o quão quente estava durante o dia, as manhãs e noites sempre eram significativamente mais frias. O tempo no Texas estava estranhamente irregular. Estar em volta de Jensen sempre me fez perceber o quanto eu sentia falta dele quando não nos víamos. Não importa que vivemos na mesma cidade novamente e ele trabalha à apenas alguns andares acima de mim, eu nunca o via. Ele era um solitário por escolha, que só se intensificou após a Vanessa. Eu estava feliz que ele tinha alguém mesmo que esse alguém tivesse que ser Emery. Mas eu não podia falar; eu estava namorando com sua melhor amiga. —Eu suponho que isso é sobre Miranda, — Jensen disse quando fomos para sua caminhonete. —Não, na verdade, — eu disse. Ainda não tinha pensado sobre Miranda desde que ela foi embora. —Oh?


—Eu comecei a ver alguém. — Disse a ele. —Oh, — Jensen disse com um suspiro. —Já? Você não podia esperar até que o divórcio fosse finalizado? —Sim. Isso meio que aconteceu inesperadamente. —E você está me ... dizendo isso porque me preocupa de alguma forma? —Eu estou dizendo isso ao meu irmão, tudo bem? Não como o CEO da Wright Construction . — Eu disse a ele com cuidado. —Oh, rapaz, lá vem ele. Drama familiar Wright. Coloque em mim. —Eu estou vendo uma das minhas funcionárias. Jensen suspirou e olhou para o céu claro acima de nós. — Mesmo? O que eu fiz para merecer isso? —Você é um burro. — Eu disse a ele com uma risada. —Porra, Landon. Você veio para mim, porque queria que eu te dissesse o quão ruim é essa ideia? E, Deus ... não me diga quem é. Caso contrário, eu vou ser cúmplice. —Eu vim para um conselho, eu acho, — disse a ele. Eu realmente não tinha certeza porque estava conversando com ele. —E talvez um novo emprego? Jensen

riu.

—Aconselhamento

e

um

novo

emprego?

Trabalho apenas aparece do nada agora? Cresce em árvores? —Você é o CEO. Você pode me transferir.


—Bem, você está falando com seu irmão, e não o CEO, e seu irmão acha que você é um idiota por não ser capaz de manter-se em suas calças. —Obrigado, idiota. Não é desse jeito. —Tenho certeza. —Não é sobre o sexo. —Você não sabe que a regra número um é, não foda seus funcionários? —Você pode me transferir ou não? —Eu realmente não quero saber quem é, não é? — Jensen me perguntou. Eu hesitei por um segundo e depois balancei a cabeça. — Não. —Vou falar com Morgan, — ele disse com um aceno de cabeça — mas não posso prometer nada. Se eu fosse você, ia arrumar suas coisas em primeiro lugar. Nós não precisamos pagar uma fortuna para o melhor terapeuta, no estado do Texas, porque você perdeu o seu divertimento, enquanto sua cabeça estava envolvida em torno de uma garota que conheceu há algumas semanas. Abri a minha boca para protestar. Eu conhecia Heidi um inferno de muito mais tempo. Mas ele estava certo; eu não precisava lhe dizer quaisquer detalhes sobre quem eu estava vendo. Havia apenas uma pessoa no meu andar que eu tinha


conhecido antes de começar o trabalho, e as habilidades de dedução não eram tão difíceis. —Basta ficar longe dela até que possamos descobrir isso, está bem? —Quanto tempo isso vai demorar? — Perguntei. Ele encolheu os ombros. —Eu não sei, Landon. Talvez, em algumas semanas, você vai encontrar alguém que não trabalhe em seu andar, e não teremos que sequer afasta-la. Cerrei os dentes. —Não acho que isso está acontecendo. —Você se apaixonou por alguém mais rápido do que qualquer um de nós, — Jensen disse, como se fosse um crime. — Você se apaixonou por Miranda rápido e se casou com ela seis meses depois. Imagine se você tivesse abrandado e chegado a conhecê-la. Talvez não estaria lidando com essa merda toda. —Eu não quero nem ouvir. Você arriscou tudo por Emery depois de apenas conhecê-la algumas semanas, e agora, está me ensinando? — Perguntei, incrédulo. —Eu vim para lhe pedir ajuda como meu irmão. Não para porra me julgar, cara. Jensen levantou as mãos. —Você está certo. Eu só me preocupo. Achei que você tinha o suficiente no seu prato, sem acrescentar algo mais à mistura. Levou quatro semanas para fazer essa posição para você. Então, vou olhar para isso, mas fique longe dela até então. Engoli em seco. —Está bem. Mesmo que eu soubesse que não faria.


Quando cheguei em casa, não partilhei a minha conversa com Heidi. Eu queria dizer a ela que estava trabalhando para corrigir o problema que nos mantinha separados, mas Jensen não tinha feito nenhuma promessa. Eu não queria iniciar as suas esperanças, só para elas serem frustradas se não pudesse chegar a uma solução.

Na

manhã

seguinte,

fui

para

a

matutina

e

brilhante

fisioterapia. Anjee me cumprimentou com um sorriso amigável e começou com meus aquecimentos e alongamentos. Mudar de casa para começar a fisioterapia e conseguir um emprego com a empresa era para me ajudar a desestressar, mas eu estava mais estressado do que nunca. Isso significava que o meu estado mental era totalmente fodido agora, destruindo toda a minha razão para me mudar para cá em primeiro lugar. Mas Anjee sempre me acalmava, me fazia lembrar de manter a minha cabeça no jogo, para me curar corretamente da primeira vez para que eu pudesse voltar a minha vida. Eu sabia que ela estava certa. Em mais de uma maneira. Eu precisava de tempo, e era a única coisa que eu não poderia realmente apressar. Terminei a terapia exatamente no momento certo, me sentindo desgastado e com dores por toda parte. Segunda-feira de manhã era o pior dia, porque eu ficava os fins de semana parado. Mas estava feliz que tinha conseguido tirar isso do caminho. Então, eu poderia me atualizar no trabalho antes de todo mundo chegar lá.


Caí na minha cadeira quando finalmente cheguei ao meu escritório. Minhas costas estavam latejando. Eu tinha realmente trabalhado duro hoje. Mais difícil do que tinha antes. Algo que Anjee tinha me dito me fez realmente querer fazer tudo o que eu poderia cada minuto que estive com ela para conseguir que as minhas costas começassem a melhorar. E, agora, estava me odiando por isso. Peguei alguns Tylenol e, em seguida, passei por meus emails. Quando descobri o que mais me interessava, parei e olhei para a linha de assunto.

Oferta de Trabalho Engenheiro Líder.

Este era o cargo que Heidi tinha solicitado. Eu saberia antes dela, se ela tinha conseguido isso ou não. Meu mouse pairou sobre o e-mail. Eu queria lê-lo. Eu queria saber se ela tinha conseguido o cargo. Eu queria ser o único a lhe dizer, felicitá-la e abraçá-la. Mas eu não poderia fazer. Se ela tivesse conseguido o trabalho, então ela precisava ouvir isso de outra pessoa. Mesmo que ninguém mais soubesse que estávamos vendo um ao outro, eu sabia, que pareceria como favoritismo. Encaminhei o e-mail para Julia e Dennis, o chefe de engenharia, e pedi-lhes para informar quem tinha conseguido o trabalho. Eles provavelmente pensariam que eu estava sendo um


idiota, delegando uma das minhas tarefas, mas eu não me importava. Todo mundo achava que a família Wright eram todos uns idiotas de qualquer maneira. Eu não me importava de alimentar a nossa reputação um pouco mais, se isso salvava a minha integridade.


Vinte e Nove

Heidi

apareceu

no

escritório

uma

hora

mais

tarde.

Tentávamos não falar um com o outro ou olhar um para o outro quando ela estava aqui. Mas eu me pegava fazendo isso de qualquer maneira. Não importa o quão problemático fosse, era impossível olhar para longe dela. Especialmente quando tudo que eu conseguia pensar era em levá-la de volta para a minha casa e despi-la de todas aquelas roupas de trabalho sensuais que ela rebolava por aqui. Embora hoje, é claro, eu estava animado para saber mais sobre a promoção. E estava feliz que eu não sabia. Se ela tivesse conseguido isso, eu não poderia estragar, e se ela não tivesse, não poderia arruinar seu dia. Julia correu até a mesa de Heidi assim que ela apareceu, e elas tagarelaram. Tive um vislumbre delas juntas enquanto eu me dirigia para o banheiro. Meu estômago estava realmente em cólicas. Eu estava tão nervoso por ela. Eu sabia o que isso significava para ela. Eu sabia muito bem. Quando saí do banheiro, porém, fiquei chocado ao encontrar Heidi esperando por mim. —Eu consegui! — Gritou, mordendo o lábio e parecendo que tudo o que ela queria fazer era jogar seus braços em volta de mim e transar comigo.


—Você conseguiu? — Disse, me fazendo de bobo. —O

emprego!

Você

está

olhando

para

o

seu

novo

engenheiro-chefe! Seus olhos corriam para trás e para frente, como se estivesse esperando alguém virar o corredor e encontrar-nos falando um com o outro. —Parabéns! —Eu disse. Não queria nada mais do que agarrá-la pela cintura e balançar em volta dela. —Você sabia? — Ela perguntou, radiante. —Você já sabia? Já sabia todo fim de semana? Balancei minha cabeça. —Não, eu não sabia. Eu não teria sido capaz de manter isso em segredo todo fim de semana. —Oh meu Deus, Landon, eu só ... você sabe o quanto isso significa para mim. —Sim, eu sei, — disse, dando um pequeno passo para a frente. —Eu realmente quero te beijar agora. —Você não pode. Mas seus olhos estavam brilhantes, e seus dedos se fecharam em punhos em seus lados. Imaginei eles segurando em meu paletó, e dei mais um passo para a frente. —Apenas um. Deus, eu sabia que era para ficar longe. Eu sabia que deveria recuar e não tirar proveito desta situação, mas eu queria. Eu queria correr as minhas mãos pelo seu cabelo comprido e agarra-lo no meu punho como quando eu fodi ela por trás. Queria


beijar

seus

perfeitos

lábios-rosa,

até

que

eles

estivessem

inchados. Eu queria provar cada centímetro do seu corpo e, em seguida, deixá-la provar a si mesma em meus lábios. Eu queria tudo naquele momento. E eu não poderia ter nada. Ela podia ver o desejo escrito claramente no meu rosto, e deu um suspiro ofegante que só me fez querer recria-lo. —Landon. — Ela sussurrou. Inclinei a cabeça para o banheiro vazio. Ela balançou a cabeça, os olhos arregalados. Sorri quando a arrastei para dentro e tranquei a porta. —O que você está fazendo? — Ela ofegou enquanto pressionei suas costas contra a parede. —Comemorando com você. Meus lábios caíram nela, e ela devolveu o beijo com fervor. Como se não estivéssemos estado apenas juntos na noite passada. Como se não tivéssemos estado juntos todo o fim de semana. No entanto, eu não conseguia o suficiente. Paciência voou para fora da janela. Os avisos de Jensen flutuaram fora da minha mente. Todos os meus pensamentos sobre a integridade desapareceram inteiramente. —Landon, não podemos. — Ela disse enquanto agarrou a minha roupa e me puxou para mais perto. —Eu sei.


Minha mão deslizou para cima da sua coxa nua e empurrei a saia lápis até a cintura. Empurrei a sua tanga de lado, e ela choramingou com o meu toque. Meus dedos mergulharam entre suas dobras e senti a necessidade lisa. Ela já estava molhada para mim. Porra. —Oh Deus, eu quero você agora. — Eu disse a ela. Ela fechou os olhos e tentou controlar a respiração quando o meu pau endureceu desconfortavelmente na minha calça do terno. Mudei meus dedos molhados e circulei seu clitóris. Ela ficou tensa ao meu redor enquanto tentou não choramingar, e eu sabia que devia ser difícil, porque ela era muito vocal. Mas eu continuava circulando seu centro sensível até que ela estava mordendo sua própria mão para não gritar. Então, empurrei dois dedos dentro dela. —Parabéns. — Eu rosnei em seu ouvido enquanto ela gozou em meus dedos. Eu queria desesperadamente tirar meu pau e tê-la contra a parede. Mas estávamos sem tempo. Tirei a minha mão da sua calcinha, e ela caiu contra a parede. Sua respiração era irregular, mas rapidamente ela endireitou a sua saia. —Como estou? —Quente como o inferno. —Landon. — Disse, batendo no meu braço. —Bem. Você está bem.


—Que diabos você estava pensando? — Ela estava olhando para mim agora. Ela parecia muito chateada, embora eu apenas lhe dei uma porra de um orgasmo sexy. —Eu não estava. — Admiti. —Não faça essa merda de novo. Talvez espere até depois do trabalho na próxima vez. Sorri. —Parece bom. Vejo você depois do trabalho. Ela balançou a cabeça e enviou um olhar mais aguçado na minha direção, metade-desejo e metade-raiva. Então, espiou para fora do banheiro e desapareceu. Levei um minuto para me equilibrar contra a pia. Eu tinha estado tão perto de transar com ela ali mesmo na pia do banheiro. E não me importava com isso. A discrição estava me causando dor física. Foda-se, Jensen e permanecer longe dela. Com um suspiro, corri uma mão para trás pelo meu cabelo e voltei à minha mesa. Eu estava finalmente passando o resto dos meus e-mails para a manhã, quando houve uma batida na porta. Olhei para cima e vi Matt de pé na porta. —Vamos entrar. —Ei, Landon. — Disse, entrando na sala. —Como posso ajudá-lo, Matt? O rosto de Matt escureceu, e ele desviou o olhar. Em seguida, ele firmemente fechou a porta e sentou na minha frente. —Eu queria falar sobre a posição de engenheiro líder com você.


—O que sobre isso? —Eu sei que você teve algum papel na escolha de quem teve a promoção. Pensei que a nossa conversa sobre a posição havia corrido muito bem. Eu me inclinei para trás em meu assento e avaliei ele. —Ela correu. —Pensei assim. Eu sou um engenheiro muito experiente. Tenho todas as certificações. Trabalho em todos os maiores projetos. Estive aqui dia após dia, chegando no horário, garantindo que esteja tudo certo, e, geralmente, segurando este departamento unido. —Está bem. — Tive um sentimento que sabia onde isso ia, e eu não ia gostar. Esse cara Matt com certeza pensa muito de si mesmo. Na minha experiência, as pessoas com as melhores credenciais não têm que exibi-las. —Então, por que Heidi exatamente conseguiu a promoção e não eu? — Ele cruzou os braços e esperou. —Matt, enquanto eu entendo que você pode estar chateado porque não recebeu a promoção, eu não posso revelar o conteúdo da entrevista ou as credenciais de Heidi. Ela era a pessoa mais qualificada para o trabalho, e foi por isso que ela foi escolhida. —Desculpe dizer isso, senhor, mas isso parece ridículo.


Eu estava na minha mesa e abotoei o botão de cima do meu paletó. —Lamentamos muito que não fomos capazes de oferecerlhe o trabalho, mas haverá mais oportunidades no futuro. Matt olhou enojado para mim e, em seguida, virou-se e saiu. Meu dia não foi nada melhor. Pelo menos três outros homens no departamento vieram falar comigo sobre a escolha de Heidi sobre eles. Pelo que eu reuni, eles não acreditam que uma mulher poderia fazer com precisão o trabalho de um homem. Quando o último cara me disse isso, levou toda a minha energia para não lhe dar um soco nos dentes. —Já chega. — Eu disse, minha voz curta e irritada. —Heidi é perfeitamente capaz de ser um engenheiro-líder e muito mais. Você deve se acostumar com a ideia. Agora, saia do meu escritório. Passei o resto do dia em silêncio e solidão. Sabia que eu tinha sido breve, com todos, porque eles estavam falando sobre Heidi. Mas eu também senti que a atitude geral era repreensível. Morgan poderia lidar com toda a Wright Construction tão bem, se não melhor, do que Jensen. Não havia nenhuma razão para dizer de outra forma sobre Heidi. Antes que eu percebesse, o tempo voou e, de repente, eu estava bem após o final do dia. Esfreguei os olhos cansados e fiquei na minha mesa. Hoje tinha sido desgastante. Quando eu estava prestes a desligar o meu computador, um último e-mail chegou. Ryan Copeland.


Ri. Não ouvia esse nome há algum tempo. Abri o e-mail do meu melhor amigo, provavelmente, do golfe e li o conteúdo. Você sabe que você quer.

Eu rolei para baixo e vi o que ele queria dizer. Franzi e, em seguida, contemplei. Hmm ... talvez ele esteja certo. Peguei meu telefone e disparei para Heidi uma mensagem de texto. Vamos viajar neste fim de semana.

O barulho soou pelo corredor, e eu achei Heidi caminhando na minha direção. Ela parecia tão desgastada do dia como eu estava. —Não sabia que você ainda estava aqui. — Eu disse. —Eu não sabia que você ainda estava aqui também. — Ela levantou seu telefone enquanto vagava em meu escritório. —Isso é sobre o quê? O piso estava estranhamente vazio quando fechei a porta atrás dela. —Você quer ir? Ela se inclinou para trás contra a minha mesa. Sua saia lápis deslizou até suas coxas, e eu não pude evitar o meu olhar de se mudar para lá. —Landon, devemos falar sobre isso. Você sabe que é uma má ideia para nós sermos vistos juntos. O que você fez mais cedo ...


—Sim? — Perguntei, dando um passo para ela. Eu estava perto o suficiente para tocá-la, mas não o fiz. —Não foi inteligente. —Tem mais alguém aqui esta noite? —Não, — ela me disse. —Todo mundo saiu há uma hora. Eu ainda estava preenchendo a papelada e descobrindo tudo que precisava para o novo trabalho. —Bom. — Disse a ela. Então, levei meus lábios para baixo, em cima dela. —Landon, eu disse, depois do trabalho, — ela gemeu em minha boca. Mas não me impediu. —Isso é depois do trabalho. —Eu quis dizer... foda-se, — ela disse enquanto sentia meu pau pressionar contra ela. —Vamos viajar neste fim de semana. — Minhas mãos arrastaram para baixo na sua bunda, e eu avidamente agarrei. Eu amava seu traseiro. —Landon ... —Quero comemorar a sua promoção. —Oh, Landon. —Diga sim. Eu lentamente subi a saia até as pernas mais uma vez, e ela engasgou um pouco. —Para o que estou dizendo sim, de novo?


—Tudo. — Disse a ela. Tirei a tanga na minha mão e puxei para baixo das suas pernas. Ela saiu dela, e eu coloquei no meu bolso enquanto pisquei para ela. —Landon, isso é complicado. — Ela disse, sua voz quase um sussurro. —Eu sei que deveríamos esperar. Que devo ser paciente. Mas, Heidi, como você pode ver, —eu disse, empurrando a minha mão entre as pernas dela, —Eu não sou paciente. Eu não quero ser paciente. Não com você. —Oh Deus. — Sua cabeça caiu para trás enquanto meus dedos acariciaram seu ponto mais sensível. —Isso é um sim? —Sim, Landon. Sempre. Deus, sim. Virei-a em torno de modo que ela estava de frente para minha mesa e, em seguida, inclinei-a na cintura. Eu soltei as minhas calças e deixei cair na minha bunda quando puxei meu pau para fora da minha cueca boxer. Heidi gemeu baixinho. Eu acariciei a sua bunda empinada e, em seguida, chutei os seus pés um pouco mais afastados. Eu queria tomar meu tempo com ela aqui, na minha mesa, como tinha fantasiado sobre isso desde que assumi este trabalho. Mas, mesmo que todo mundo tivesse ido embora, não queria dizer que estávamos completamente sozinhos. Eu sabia que tínhamos preciosos poucos minutos.


A antecipação me fez balançar duro, e eu escorreguei meu pau profundamente em sua boceta. Ela já estava toda molhada para mim. Eu não tinha quaisquer problemas. —Foda-se, — grunhi quando puxei para fora e bati de volta nela. —Porra eu amo esta vista. —Você fica tão…— balancei forte nela- —profundo. Minha mão bateu no seu rabo, e ela gritou suavemente ao toque. O barulho foi direto para o meu pau, e eu sabia que não ia aguentar por muito tempo. Não com ela fazendo aqueles ruídos, não com a sua bunda em minhas mãos, não com meu pau enterrado profundamente dentro dela enquanto estava debruçada desta forma. Peguei meu ritmo, e logo, nós estávamos gozando juntos. Cerrei os dentes, assim que terminei e depois puxei para trás. Rapidamente a limpei depois de mim e joguei o pano na lata de lixo. Heidi puxou a saia para baixo e, em seguida, entrou em colapso em uma das cadeiras. —Você sabe que isso não era o que eu quis dizer com depois do trabalho. Eu sorri. —Eu sei. Mas você está reclamando? Ela balançou a cabeça. —Você vai me fazer entrar em tantos problemas. —Venha comigo esse final de semana. — Eu disse, curvando-me e capturando seus lábios mais uma vez. —Para onde é que vamos? — Ela perguntou, já cedendo.


—Você me mostrou uma parte da sua vida neste fim de semana. Deixe-me mostrar-lhe a minha.


Trinta

Era difícil ficar brava com Landon por ser tão imprudente no trabalho. Eu sabia que deveria ter tentado mais, especialmente desde que eu tinha conseguido a promoção. Mas estar com ele era como viver em uma euforia eterna. Não importa a punição que eu poderia ter que sofrer mais tarde, eu queria a próxima dose. Então, tinha concordado em ir com ele. Na verdade, não tinha sido uma pergunta. Principalmente porque, quando me disse para onde estávamos indo, eu gritei de excitação. Seu mundo era de golfe, mais especificamente, o PGA Tour Championship em Atlanta naquele fim de semana. Era a final para o mundo do golfe, onde o melhor dos melhores disputaria a Copa FedEx e o cobiçado primeiro lugar de dez milhões de dólares de prêmio em dinheiro. The Masters era o mais importante de todo golfe, tanto quanto eu estava preocupada, não que eu sabia muito sobre o esporte, mas o Tour Championship era uma oportunidade incrível. O amigo de Landon Ryan Copeland tinha enviado ingressos para alguns grandes eventos naquele fim de semana. Landon poderia entrar em praticamente qualquer lugar com o seu nome,


mas eu tinha certeza que a consideração de Ryan o havia conquistado. Chegamos na sexta-feira à noite depois do trabalho. Nós não podíamos nos arriscar ser visto saindo do trabalho mais cedo juntos novamente. Já era ruim o suficiente que Julia tinha suspeitado que eu estava tramando algo quando lhe disse novamente que não podia ir às compras. Felizmente, Emery estava com Jensen em Nova York neste fim de semana para ver Colton. Então, foi muito fácil sair das compras. Eu tinha embalado mais do que o meu quinhão de roupas para esta viagem. Mesmo que estávamos só indo por dois dias, eu queria ter certeza de que estava preparada. Quando Landon deu uma olhada para a minha roupa no sábado de manhã, ele sorriu e me puxou de volta para o quarto. —Esqueça o torneio. Vamos ficar aqui. Eu ri. —Estou em uma saia cáqui, polo e tênis! —Nunca te vi tão sexy. —Oh meu Deus, você se excita com trajes de golfe! Já ouvi falar de tudo agora. Ele beijou meus lábios. —Fico excitado por você em trajes de golfe. Você parece sexy como o inferno em tudo o que usa, mas está usando isso para mim. Então, como posso não gostar? —Você está arrumando um pretexto assim não temos que sair?


Ele me deu um olhar penetrante. —Porque você pensaria isso? —Porque ... você não está jogando, — eu disse suavemente. —Pensei que seria difícil para você. —É. —Sim, eu poderia dizer. —Como é que você me lê tão perfeitamente? — Ele me puxou para mais perto. —Porque eu te conheço. —Eu aprovo isso. —É melhor. Ele riu. —Oh Deus, estou tão feliz que a trouxe comigo. Uma batida na porta nos assustou, e Landon afastou a minha ansiedade. Eu não estava completamente confortável em estar aqui com ele. Mesmo que não conhecesse ninguém e claramente ninguém aqui iria me conhecer, eu não conseguia relaxar. Este era o ambiente de Landon, não meu. Landon abriu a porta e apertou a mão do cara que estava ali. —E aí cara! —Landon porra Wright, — o cara disse, ficando na suíte do hotel, como se fosse o dono do lugar. Ele era um homem Afroamericano excepcionalmente alto e bonito com o sorriso mais incrível. —Finalmente trouxe seu rabo de volta para um torneio de golfe. — Seus olhos escuros dispararam para mim, e as sobrancelhas subiram. —Bem, Olá.


—Olá, — eu disse com uma sobrancelha levantada. Ele estendeu a mão e deu um beijo na minha com um sorriso de menino. —Tenho certeza que Landon lhe contou tudo sobre seu amigo encantador. Landon revirou os olhos. —Heidi, este é Ryan Copeland. Ele está no Tour. —Oi. Foi você que nos deu os ingressos para esta noite. — Habilmente puxei a minha mão para fora da sua. —Nós? — Disse Ryan, olhando entre mim e Landon. —Você deixou Miranda e já encontrou uma substituta mais quente no percurso? O homem sem nenhum jogo sempre pega as mais gostosas porra de meninas. Como você faz isso? —Heidi não é uma substituta, — disse Landon com um aceno de cabeça. —Heidi é ... dona de si mesma. Ela não é uma verdadeira PGA. —Uma PGA verdadeira? — Perguntei em confusão. —É horrível, — Ryan disse, com um sorriso, como se ele não se encontrasse terrivelmente naquilo. —Partido de Associação Groupie. Basicamente, as putas que perseguem as nossas bolas, se você sabe o que quero dizer. Abri e fechei a boca. Eu realmente não tinha pensado muito sobre em como eram as meninas que os seguiram ao redor na excursão. Claro, todo mundo sabia que Tiger Woods tinha fodido mais pessoas do que a estrela média pornográfica, mas simplesmente não tinha assimilado.


—Eu suponho que sim. — Finalmente disse. —Tente evitar a conversa de vestiário, — Landon disse. — Vocês são nojentos o suficiente sem trazer para a minha namorada. —Namorada? Namorada. —Ryan suspirou. —Pensei que você estava me trazendo um deleite. Estou tão decepcionado com você. —Sem sorte. Você vai ter que se contentar com outra pessoa. —Ai de mim, — Ryan disse. Ele piscou para mim. —Bem, vamos lá. Tenho um jogo em algumas horas, e devemos ir para o clube antes de eu ter que me aquecer. Seguimos Ryan para fora do hotel e encontramos seu carregador, Gerald, esperando no banco da frente. Me enfiei no banco de trás com Landon. —Quem é seu carregador? —Jake Gibson, — Landon me disse. —Estamos juntos desde o início, mas eu tive que dispensa-lo quando me machuquei. —Jake é o seu homem principal, Wright, — Ryan disse do banco da frente. —Ele estará de volta quando você estiver. Landon não fez comentários. Eu sabia que ele estava pensando que nunca poderia estar de volta. Embora ele parecia bem quando estava sentado atrás de uma mesa e empurrando papéis, eu sabia que ele não estava pronto para balançar um clube ... nem mesmo andar um campo completo.


O clube era ao Sul e maravilhoso. Eu não conseguia superar o número de árvores e colinas e a natureza úmida geralmente do final de setembro. Atlanta era tão diferente de Lubbock como qualquer coisa poderia ser. Não tinha certeza se eu gostava das minhas mãos estarem suando só de andar nos arredores, mas era inegavelmente deslumbrante. Pessoas estavam por toda parte. Milhares de pessoas já estavam alinhadas no campo, sendo retido por uma corda frágil e fazendo silencio para os jogadores. Equipes de câmera giravam em volta como as abelhas no início da primavera. Tanto quanto o olho podia ver, todo mundo estava vestido com roupas de golfe. Ryan nos levou para o clube, e fomos levados para uma sala enorme com uma varanda com vista para um dos campos. Landon gentilmente colocou a mão na parte inferior das minhas costas para me fazer seguir Ryan para o bar. —Há tantas pessoas aqui. — Eu disse a ele, surpresa. Ele riu. —Sim, o golfe é um esporte de espectador. A maioria das pessoas aqui são profissionais à espera da sua hora de jogar ou aqueles que não participam desta rodada. —Há um monte de mulheres aqui. —Sim,

bem,

esposas

aparecem

muito

neste

torneio.

Tecnicamente fecha a temporada até janeiro. E, realmente, qualquer um pode entrar aqui enquanto conhecem alguém. Fomos parados quatro vezes no caminho para o bar-todos os golfistas estavam animados por ver Landon no torneio e perguntando sobre quando ele estaria de volta. Ele conversou


alegremente com todos eles. Claramente, muitos dos golfistas estavam perto embora Landon tinha me dito que era uma vida muito solitária. A quantidade de tempo que tem para ver outros jogadores era muito limitada, e a menos que você já estivesse fora do torneio, a maioria dos rapazes gostava de ficar no estado emocional certo para jogar. Eu suspeitava que Landon tinha sido esse tipo de jogador. Ele tinha esse tipo de intensidade sobre ele. Além disso, submeteu-se ao trabalho para que pudesse manter a sua mente ativa. Ele levava isso a sério. Eu podia ver no respeito que todos o tratavam. Estar aqui, neste mundo, com ele era uma experiência nova e louca. Para mim, Landon ainda era um Lubbock e irmão Wright com o charme do Texas e personalidade descontraída. Mas aqui ... ele era muito mais. —Você é uma celebridade. — Sussurrei em seu ouvido quando nos encontramos com Ryan novamente. Os olhos de Landon brilharam com humor. —Eu sou um jogador de golfe profissional, amor. —Eu sei. Eu só ... você é uma celebridade, Landon. Eu ainda me lembro de você na escola secundária quando era ... espere, você era o quarterback estrela. Suponho que era uma celebridade, então, também. —Escala diferente.


—Será que você disse que o conhece desde a escola? — Ryan perguntou com um grande sorriso no rosto. —Oh Deus, está é a sua namorada da escola que me falou uma vez? —Não. — Landon disse uma vez, sua voz entrecortada. Franzi a testa. Ele havia dito a outras pessoas sobre Emery? Eu não estava com ciúmes sobre isso ou qualquer coisa, apenas surpresa. Pensei que ele nunca havia falado sobre o que tinha acontecido. Que foi o que eu e Emery sempre assumimos com a forma como ele seguiu em frente. —Nós nunca namoramos na escola. Eu apenas o conheço há muito tempo. —Interessante. — Ryan passou umas cervejas para mim e Landon, apesar de ser apenas oito horas da manhã, e pegou um café para si mesmo. —Preciso da cafeína para passar este dia, agora que eu estou chutando e fumando21,porra. Nós fomos até a varanda e pegamos uma mesa de alguém que havia se levantado e deixado o clube para ir jogar. Nossa visão era excelente, e os caras conversaram coisas de uma forma que era indecifrável para mim. Eu sabia tanto sobre o golfe como Landon sabia sobre engenharia. No momento em que Ryan tinha ido se aquecer, fiquei agradavelmente tonta da cerveja e precisando de uma água. Estava prestes a me levantar quando uma equipe de filmagem apareceu.

21

Gíria americana como chutar o balde no Brasil.


—Landon Wright, tão bom vê-lo de volta em um torneio hoje. Se importa se fizermos uma breve entrevista sobre sua lesão e recuperação? — Perguntou o homem. Eu saí da minha cadeira. —Vá em frente. Vou pegar uma água, e já volto. —Está bem. Seja rápida. Eu podia ver que Landon realmente não queria dar a entrevista, mas se ele fosse metade da celebridade que parecia ser, não seria a única que daria hoje quando as pessoas percebessem que ele estava aqui. As câmeras começaram a filmar assim que levantei do meu assento. —Estamos aqui hoje com um favorito PGA, Landon Wright. Esta é a sua primeira aparição desde que ele abandonou o Aberto dos EUA em junho. Bom vê-lo aqui hoje, Landon. Observei quando Landon concentrou todo o seu carisma encantador. Este era o cara que eu tinha caído de cabeça para baixo. Aquele que andei de mãos dadas de patins, tomando sorvete e aconchegada em sua cama. Aquele que chamei de meu chefe e filho da puta. Eu era o seu fogo de artifício. E, de alguma forma, aquela realidade fundiu-se com esta. Eu desapareci em seguida, deixei-o ter o seu momento para a câmera, e me aproximei do bar. —Duas águas, por favor. —Claro. — Disse o barman.


—Vamos, Ben. — Uma voz familiar guinchou a partir do final do bar. Meus olhos arredondaram com horror quando virei a cabeça e encontrei nada menos que Miranda. —Porra, porra, porra. — Respirei. Ela estava sentada em um tamborete com um homem que era um dos jogadores que haviam parado para conversar com Landon hoje cedo. Ela estava inclinada para ele e dando-lhe um olhar de venha cá. O termo vadia ganhou um novo significado. —Miranda, não posso fazer isso. Não quando sou amigo do Landon. Ela arrastou um dedo para baixo em sua frente e sorriu diabolicamente. —Você me queria há anos, e ficamos longe um do outro. A espera acabou. Ele colocou a mão sobre a dela, como se para afastá-la, mas não o fez. Ela aproximou-se mais perto quando ele não fez nada. E eu tinha visto o suficiente. Eu me senti mal do estômago. Peguei as garrafas de água assim que o barman entregou para mim, e saí correndo. Eu precisava levar Landon embora daqui. Como se não fosse ruim o suficiente que Miranda estivesse recusando-se a assinar a papelada do divórcio, agora, ela estava tentando encontrar um substituto para Landon, para que ela pudesse ir de um jogador para outro.


Estremeci e mudei-me para o lado de Landon. A entrevista tinha acabado. Ele me deu um olhar confuso quando eu parecia frenética. Mas então eu disse as palavras mágicas para fazê-lo se mover —Miranda está aqui.


Trinta e Um

—Que porra ela está fazendo aqui? — Perguntei enquanto conduzia Heidi para fora do clube. Provavelmente não deveria estar andando no campo. Tudo bem, eu definitivamente não deveria estar. Mas não podia permanecer no clube e encontrar Miranda. Isso seria suicídio. —Você realmente quer saber? — Ela perguntou. —Sim. Pegamos as escadas e estávamos fora quando Heidi finalmente suspirou e me disse: —Ela está à procura de um novo você. —Um novo ... eu? —Sim. Ela estava falando com esse cara Ben que você conhece. Dizendo-lhe que eles queriam um ao outro desde sempre e que agora ele poderia tê-la. Dei-lhe uma cara de nojo. —Deus, ela dá ao termo buraco XIX um significado totalmente novo. Heidi bufou. —Buraco XIX? Deus, vocês golfistas são realmente nojentos!


—Você não precisa nem querer saber. Os Double boggey22 e buracos de agua têm duplo sentido também. Você provavelmente pode adivinhar. —Oh ... wow. Provavelmente posso. Ri do seu rosto adorável enquanto pensava sobre trabalhos de reprodução e jogo anal. —Você sabe, se você estiver interessada ... —Concentre-se, em você. — Ela disse, brincando de bater no meu braço. —Certo. Escapar da minha ex louca é a prioridade número um. O jogo sujo de quarto pode ser considerado em um momento posterior. —Oh, você vai ficar só pensando sobre isso agora, não é? Arqueei uma sobrancelha em sua direção e passei um braço em volta da sua cintura. Então, deixei cair mais baixo e agarrei sua bunda. —Você pode me culpar? Ela se inclinou e me beijou de uma maneira que não admitia discussão. Ela não me culpava. —Talvez mais tarde. — Sussurrou em meu ouvido. Claro que sim. Agora que eu estava fora do clube, longe de Miranda, e fora do campo, me senti mais como eu mesmo. Havia muitas pessoas ao redor que poderiam me reconhecer, mas com o meu boné puxado sobre os olhos e sem um taco em minhas mãos, a maioria Desde o local de saída (tee) até o buraco, o número médio de tacadas necessárias para embocar a bola é um índice, chamado par do buraco. Double boggey, duas tacadas acima do par. 22


das pessoas acabaram passando. Apenas a ocasional menina do PGA de olhos arregalados ou o homem de meia-idade dedicado. Ambos eram inofensivos em pequenas quantidades. Heidi levou tudo na esportiva. Eu estava tão acostumado a esse ambiente que não tinha sequer pensado em prepará-la para o que estava por vir. Claro, eu era apenas o cara que ela tinha conhecido na escola, quando estávamos em Lubbock. Eu era uma pessoa diferente aqui, mas estava gostando da sua percepção disso. Tudo era uma nova aventura, e ela queria respostas a todas suas perguntas - quantos torneios joguei, quanto você poderia ganhar, a dinâmica do jogo, quem eram todos, qual era a importância de diferentes clubes, e assim por diante. Eu gostava de contar-lhe tudo sobre o meu primeiro amor: o golfe. Quanto mais tempo passava com Heidi, mais eu percebia que ela era o meu segundo.

No momento em que voltamos ao nosso quarto de hotel mais tarde naquele dia, estávamos exaustos e famintos, e Heidi estava um pouco queimada do sol. —Sol do caralho! Eu passei protetor solar. — Ela gemeu. —Você estava um pouco pálida.


—Um pouco pálida? — Ela perguntou, colocando o braço para fora para eu investigar. —Eu era um fantasma, e agora, sou uma lagosta. —Você está apenas um pouco rosa. Nós vamos comprar um chapéu amanhã e algum filtro solar melhor. Ela suspirou. —Vou parecer ridícula no meu vestido hoje à noite. Nada como linhas bronzeadas em um vestido sem alças. —Por que não podemos ignorar isso? — Sugeri. —O que? Essa foi a razão que viemos, porque você tem os ingressos do Ryan. —Isso me deu o empurrão para trazê-la, mas na verdade, só queria passar algum tempo com você e mostrar-lhe um torneio de golfe. Um dia, quero voltar a isso. Espero que eu possa voltar a isso. E, quando eu fizer, quero que você saiba como é. —Groupies de golfe sempre se jogando em você? — Ela perguntou. —Isso é uma parte infeliz do trabalho, mas a maioria dos jogadores de golfe no Tour são profundamente devotados às suas namoradas ou esposas e nunca enfrentam esse absurdo. E isso é tudo o que é: absurdo. —Foi assim que você se encontrou com Miranda? Suspirei e assenti. —Bem, ela não era exatamente uma groupie. Ela era uma enfermeira para o Tour. Então, eu a via o tempo todo, uma vez que viajava para muitos dos mesmos eventos.


—Ela era uma enfermeira? Não sabia disso. —Sim. Ela parou depois que nos casamos. —Hã. E você não acha estranho. Como ela planejou tudo isso? —Há um monte de coisas que eu lamento sobre estar com Miranda, — disse a ela. —E, apesar de eu vê-la pela pessoa que ela é agora, não fiz na época. Nada disso importa agora. Tudo o que importa é que eu tenho você. — Beijei sua testa e, em seguida, seu nariz e, em seguida, seus lábios. —Você nunca se esconde de mim, e eu não tenho que ser alguém diferente para você. É por isso que eu acho que devemos ignorar o jantar. Ela riu levemente. —É por isso? —Prefiro fazer outra coisa senão correr para a minha ex. E quanto a você? —Tudo bem, — disse com um aceno. —O que você tem em mente? —Qualquer coisa. Vamos encontrar um restaurante e termos o nosso próprio jantar. —Isso parece bom, — disse. Toda a tensão deixava seus ombros. Era como se ela tivesse ficado com medo de ver Miranda, também. —Mas eu vou precisar de um banho primeiro. Puxei Heidi para o banheiro. A melhor parte da suíte que estávamos era a enorme ducha com jatos de cachoeira. Tiramos as roupas que tínhamos usado durante todo o dia no campo e entramos no spray de vapor. Minhas mãos deslizaram para cima


e para baixo em seu corpo molhado e depois para cima em seu longo cabelo. Ela soltou um gemido suave quando corri meus dedos através do seu couro cabeludo. —Mmm, Landon. Nós nunca vamos sair deste chuveiro. — Sussurrou. —Você está certa sobre isso. Meus dedos deslizaram entre suas pernas e ternamente em seu clitóris. —Uma definição totalmente nova de buraco de água. — Disse com uma risada. Em seguida, ela caiu de joelhos diante de mim. —Foda-se. — Gemi. Eu estava pensando sobre toda a diversão que podíamos ter hoje, mas porra, não esperava dela apenas uma gota assim. Então, meu pau estava em sua boca quente e molhada e porra incrível. Perdi todo o pensamento consciente nesse ponto. Sua língua estava lambendo meu pau. A mão dela para cima e para baixo. Ela ainda fez este som zumbindo baixo que enviou vibrações em linha reta através do meu corpo. Estremeci enquanto ela subia e descia, me fodendo com sua boca. —Heidi, — gemi, afundando minha mão em seu cabelo. —Mmm ... —Deixe-me te foder. —Mmm, — foi sua resposta.


Senti meu pau contorcer em sua boca. Porra, ela era muito boa nisso. Eu estava mal segurando. Se ela continuasse assim, gozaria em sua boca, e eu realmente, realmente queria gozar dentro dela. —Heidi, — eu disse, —curve-se agora mesmo, porra. Seus olhos ficaram no meu, e ela lentamente liberou meu pau. —Agora mesmo? —Bunda para o ar, amor. Ela mal podia lutar contra um sorriso quando se virou, colocou as mãos no banco do chuveiro, e mostrou-me a bunda. Deus, eu amava tudo nela, mas ela tinha uma bunda incrível. Coloquei as minhas mãos nas bochechas da sua bunda e as espalhei para mim. Então, espalmei meu pau e impulsionei em sua buceta. Ela gemeu e empurrou de volta contra mim, me deixando muito mais profundo. Eu queria tudo dela. Cada centímetro. E muito mais. Não havia uma parte de mim que ela não tinha tocado. E, se ela sabia ou não, eu era um caso perdido. Não importa as barreiras entre nós, Heidi Martin conseguiu elimina-las todas da minha mente. Havia apenas ela e aqui e agora. E, quando estávamos juntos, nada mais importava. Apenas a sensação dela e seu sabor. Esse sorriso. Esse toque. Esse gemido. Tudo sobre ela.


E ela não tinha ideia do que estava fazendo comigo. Como completamente e totalmente ela havia roubado meu coração. Nossos corpos balançando juntos em perfeita sincronia. Ela apertou em volta de mim. Deslizei um dedo entre suas bochechas e seu beicinho. Quando ela apertou ainda mais forte, avidamente empurrando de volta contra mim, impulsionei um dedo dentro dela. Ela gritou de prazer com a sensação de estar cheia, e meu pau aumentou quase dolorosamente enquanto seu corpo tremia. Gozamos juntos no calor do momento com a água batendo em nós e o vapor nublando o quarto. Heidi caiu de joelhos, ofegante, enquanto o orgasmo a levava. E fiquei olhando para ela com admiração. Ela poderia ter caído de joelhos, mas senti como se eu tivesse acabado de lhe dar um pedaço de mim que nunca tinha doado. Ajoelhei-me ao lado dela e trouxe seus lábios nos meus. — Eu te amo. — Sussurrei. Ela se acalmou e se afastou para olhar para mim. Seus olhos estavam arregalados de excitação e terror. Como se ela quisesse dizer o tempo todo, mas estava segurando de volta. —Eu também te amo.


Trinta e Dois

Nós nos beijamos apaixonadamente sob a água e, em seguida, nos lavamos. Uma vez fora do chuveiro, nós nos trocamos e encontramos um lugar local de frutos do mar que tinha peixes da costa a cada dia. Foi incrível, e Landon assegurou-me que era muito mais relaxante do que um grande jantar PGA jamais poderia ser. Eu queria ir a um, mas não valeria a pena ir a isso. Não quando Miranda poderia aparecer e estragar tudo. Eu não queria Landon tendo que lidar com isso, e não poderia enfrentar a dor de cabeça. Foi o suficiente para mim neste momento que ele realmente me queria no torneio para me mostrar a vida que levou fora de Lubbock. E que era a sua vida. Passamos o dia seguinte vagando pelo campo de golfe e conhecendo os seus amigos. Ryan caiu muito rapidamente para fora do topo do ranking do torneio, mas Landon me disse que ele ainda estaria assegurando um prêmio substancial por chegar até aqui. E o resto do fim de semana foi apenas ... incrível. Sair com Ryan, apreciar o jogo, e encontrar meu lugar em ambas as realidades de Landon.


Depois que o vencedor foi anunciado, tivemos que nos apressar e pegar nosso voo para casa. Eu estava triste por ir. Este tinha sido um fim de semana muito maravilhoso. Apenas nós dois, realmente tendo a oportunidade de viver nossas vidas. Foi refrescante. E isso me deixou ainda mais nervosa para chegar em casa. Porque nós não poderíamos ter essa vida em casa. Quando voltarmos, ele será meu chefe novamente, e eu serei um engenheiro-chefe na empresa que eu estava trabalhando desde a faculdade ... a empresa que a sua família possuía. Tudo estava contra nós, na realidade. E eu não queria ter que lidar com isso. Não depois do fim de semana que tivemos. —Você está muito quieta. — Ele disse à medida que embarcamos no avião para casa. —O fim de semana foi tão perfeito. —Então, você está triste com isso? —Só de ... não estarmos juntos em casa. Isso não é nossa realidade. E eu me acostumei a você ser meu namorado aqui. —Heidi, — ele disse com um suspiro. —Nós vamos resolver isso. —Quando? — Perguntei. —Eu poderia ter ... já falei com Jensen. —Você fez o quê? — Gritei. Algumas pessoas viraram para olhar para nós, e eu mergulhei minha cabeça no meu peito. — Quero dizer ... o que você estava pensando?


—Não lhe disse que era você. Só que eu estava namorando alguém no meu andar, e queria que ele me encontrasse um novo cargo. Minha respiração ficou fraca. —Ele vai descobrir isso. —Não, ele não vai. Há um monte de meninas no andar. Não são somente da engenharia. E, de qualquer maneira, ele disse para esperar, e iria descobrir uma maneira de fazer funcionar. —Quando você falou com ele? Por que você não me contou? — Perguntei freneticamente. —Hum ... na igreja, há uma semana. Eu não lhe disse porque não queria te dar esperanças. Não sei quanto tempo isso pode levar. Ele não sabe que é você. Ele acha que a minha nova garota é alguém que acabei de conhecer e que eu vou superar isso. —Como é encantador. —Jensen está apenas cuidando de mim. —Eu sei, eu sei. Ele é um grande cara. Ele teria que ser para estar com a minha melhor amiga. Ainda assim, eu queria que você tivesse me dito. —Sinto muito. Não estava tentando manter isso em segredo, nem nada. Eu queria esperar para descobrir o que Jensen poderia fazer. — Landon pegou a minha mão quando nos estabelecemos em nossos assentos de primeira classe. —Confie em mim, está bem? Vamos fazer isso dar certo.


Concordei com a cabeça. Ele estava certo. Se Jensen não sabia, então ela poderia, teoricamente, ser qualquer uma. Havia uma centena de outras mulheres que Landon poderia estar, e se Emery continuasse com a boca fechada, então Jensen nunca teria um motivo para suspeitar de mim. Na verdade, ele provavelmente acharia que eu era a última pessoa que Landon iria pegar, considerando a sua história com Emery. Landon deu um beijo na minha bochecha, e o resto do voo foi bem calmo. Meu mau humor sobre ter que esconder nosso relacionamento novamente desapareceu. Talvez eu estivesse exagerando de qualquer maneira. Eu queria que nosso relacionamento fosse conhecido por todos? Claro. Poderia esperar até Jensen mudar Landon para um novo cargo? Provavelmente. Eu não queria esperar, mas não era o fim do mundo. Landon valia a pena esperar, tanto quanto eu estava preocupada. Nossa descida para Lubbock foi um pouco atribulada. Houve inesperadamente algumas pancadas de tempestades, e estavam mantendo um monte de voos em Dallas. Felizmente, nós tínhamos saído bem na hora. Mas meu estômago estava enjoado enquanto fomos para o carro de Landon. Tomei um gole de uma garrafa de água quando nós dirigimos pelas ruas alagadas de volta para o meu apartamento. Isso era como um problema em Lubbock. Porque chovia tão raramente, e a qualquer momento que houvesse chuva, todas as


ruas transbordavam. O chão não poderia absorver. Não havia drenos suficientes. E, basicamente, a chuva sempre atingia como uma enchente. Jurava que, era mal planejamento de algum pobre engenheiro civil do governo. Um melhor sistema de esgoto teria lidado com isso, mas eu não trabalhava para o governo. Então, provavelmente não iria ser consertado tão cedo. Landon levou a minha mala para dentro enquanto verifiquei o correio. Enfiei as cartas debaixo do braço enquanto corri para dentro para tentar sair da chuva. —Oh meu Deus, é como uma monção23 lá fora. — Disse, jogando as cartas no balcão e sacudindo meu cabelo encharcado. —Sim. Não é brincadeira. Você nunca adivinharia que estamos normalmente em um clima desértico. Eu ri. —De jeito nenhum. Vou trocar essas roupas molhadas. —Posso ver? — Perguntou com um sorriso. —Por que eu tenho um sentimento que não é tudo que você vai fazer? —Não faço ideia. — Ele tentou e falhou em me dar um olhar de inocência. — Vou apenas levar um minuto. Caminhei para o meu quarto e retirei minha roupa da viagem. Coloquei um pijama e uma camiseta antes da toalha

Nome dado aos ventos que sopram principalmente no Sudeste da Ásia, alternativamente do mar para a terra e da terra para o mar, durante muitos meses: a monção do verão é úmida. 23


secar meu cabelo. Eu parecia um cachorro molhado, mas tudo bem. Quando voltei para a sala de estar, Landon estava sentado no sofá, segurando um papel branco de carta comum na mão. Ele estava gentilmente batendo-o contra a mesa de café. Seus olhos encontraram os meus do outro lado da sala. —O que você está fazendo com isso? — Perguntei, minha voz baixa. —Apenas o vi na pilha de correspondência. Você ainda não leu nenhum deles, não é? —Não. Porque não vou nunca os ler. Não quero falar com ele. Landon estava de frente para mim. A carta entre nós parecia como uma barreira. —Você não deveria guardar isso da maneira que você faz, Heidi. Eu sei que você sente falta dele. Eu sei que você só se permite um dia por ano para pensar sobre ele. Mas está aqui a cada semana como um lembrete. Você não está nem um pouco curiosa? —Não, — eu disse fervorosamente. —Eu não estou curiosa. Eu não quero ouvir do homem que fez tudo o que podia para arruinar a minha vida. —Você e eu sabemos que não é verdade. —Sim, é! — Gritei. —Você não pensava dessa maneira sobre ele na escola, e ele estava usando então. Ele pode ter estragado tudo. Ele pode ter


feito coisas horríveis. Mas ele te ama. Ele te colocou como líder de torcida. E então esteve em todos os jogos de futebol. Ele lhe deu uma festa de formatura. —História antiga! Eu não posso esquecer todas as vezes que tive que cuidar de sua bunda bêbada quando eu era uma garota. Eu era a única que precisava ser cuidada. Jogando dinheiro em um problema não faz ir embora. —Não, não, — Landon disse com um suspiro. Ele andou para a frente, para mim, e me entregou a carta. —Mas a última coisa que eu disse para o meu pai antes de morrer foi algo horrível, e eu daria qualquer coisa para ter mais um dia com ele. Mais um momento para fazer as coisas certo. Mas eu nunca vou ter isso. Você tem isso, e você está jogando fora. Senti como se tivesse sido queimada com um cigarro. Eu recuei para trás a partir da declaração, enquanto as lágrimas brotaram dos meus olhos. Nunca nos seis anos que meu pai tinha ido embora teve uma vez que eu pensei sobre realmente ler as suas cartas, falar com ele. Mas eu nunca tinha pensado nisso como Landon pensava. Se eu pudesse, iria fazer de tudo para ter mais um dia com a minha mãe? Meu pai pode ser horrível. Ele poderia ter arruinado a minha vida e a sua própria, mas talvez eu estava errada por não lhe dar uma segunda chance. Os braços de Landon estavam ao meu redor quando todas essas emoções me atingiram de uma só vez. —Ei, está tudo bem. Você não tem que decidir hoje. Eu só não quero que você ignore para sempre e viva lamentando nunca ter um relacionamento com ele novamente.


—Não sei se eu posso. — Funguei. —Você vai saber quando for a hora. Puxei para trás e olhei para a carta. Meu coração apertou. Não sabia se eu tinha a força hoje. Eu precisava de mais tempo para contemplar isso. —Ainda não, — sussurrei. —Será que você ... vai estar aqui quando eu estiver pronta? —Sempre, — ele me disse. —Eu sempre estarei aqui quando você precisar de mim. Eu me inclinei para trás em seu abraço, minha mente presa na caixa de cartas escondidas no meu armário. O pensamento de deixar e, de rasgar anos, abriam feridas em mim e me deixou drenada, e eu não tinha sequer tocado ainda. Eu estava com medo do que iria encontrar, tão certa como eu pensei que era sobre o meu pai, eu também poderia estar errada. E se eu tivesse desperdiçado seis anos para nada? E pior ... e se tudo o que eu tinha feito para proteger o meu coração dele era sem uma boa razão? Landon saiu mais tarde naquela noite quando recebi um texto de Emery, dizendo que ela estava a caminho de casa. Ele precisava chegar com as suas coisas em casa e tirar suas próprias roupas de viagem. Além disso, ele não queria encontrar Jensen ainda. Eu sabia que a conversa, provavelmente, teria que acontecer novamente, mas nenhum de nós queria que fosse assim.


Emery apareceu com Jensen, como esperado. Isso me fez feliz pela minha amiga e ciumenta por ela não ter que esconder nada. Mas, quando me viu sentada na sala, assistindo Moana, ela enxotou-o para fora do apartamento, e passamos o resto da noite conversando enquanto ela terminava uma avaliação de última hora. —Então, você realmente irá ler as cartas? — Emery perguntou em estado de choque. —Não sei. Eu acho ... que vou saber quando for o momento certo. Certo? —Minha amada, você tem esperado tanto tempo. Tem certeza de que vai saber? Talvez você deva fazê-lo agora e acabar com isso. —Não, Landon disse que estaria aqui comigo. Acho que vou precisar de todo o apoio emocional que puder conseguir. —Bem, eu estou aqui, também. —Eu sei. — Disse enquanto me inclinei e beijei sua bochecha. —Oh, Heidi, tão atrevida. —Você gosta disso. Ela riu. —Totalmente. Gostaria muito de ser bi, para você. —O mesmo. Olhamos uma para a outra e depois caímos na gargalhada. Foi uma noite divertida. Uma noite relaxante. Uma que eu não tinha percebido o quanto precisava. Eu tinha a minha melhor,


melhor amiga do mundo. E sabia que tinha a sorte de tê-la conhecido toda a minha vida. Nossa noite terminou cedo demais, e, em seguida, estava de volta à rotina. Eu sabia que Landon estaria no início da segundafeira de manhã, como de costume, e teria a certeza de evitar a sua mesa a todo custo. Não confiava não me entregar quando olhava para ele. Eu me sentei ao lado de Matt. —Ei, Heidi! — Ele disse com um dinamismo que eu não tinha visto nele ... nunca. —Ei, Matt. —Como foi o seu final de semana? Congelei por um momento, surpresa com a pergunta. —Uh ... bom. Não fiz muito. E quanto ao seu? —Eu conheci alguém, — ele jorrou. —Ela é linda, e isso só clicou. Dei um suspiro de alívio. Ele não tinha perguntado sobre o meu fim de semana, porque realmente se importava. Como é hábito de Matt. Ele tinha perguntado porque tinha notícias, e queria compartilhar. —Oh sim? A nova garota? Isso é emocionante. Onde você a conheceu? —Eu estava em um bar com alguns amigos, e eu a conheci lá. O nome dela é Wendy, e ela é perfeita para mim. Eu só sei disso.


—Isso é incrível, Matt. — Eu disse com um sorriso genuíno. Se ele tinha uma namorada, isso significaria que iria parar de me convidar para sair. —Sim. Eu não posso esperar para que você possa encontrála. Eu sei que ela vai te amar. Achei duvidoso, mas disse a ele como eu estava animada para

conhecê-la

também.

Voltei

o

meu

olhar

para

meu

computador quando Julia apareceu na minha mesa. —Heidi, podemos conversar? — Perguntou, balançando a cabeça em direção ao seu escritório. —Ei, baby. Sim, claro. Segui-a até seu escritório e afundei na cadeira. Julia lentamente fechou a porta atrás dela. Ela ficou de frente para a porta e suspirou. —Eu quero saber por que você mentiu para mim. —O quê? — Perguntei em confusão. —Por que você mentiu para mim, Heidi? —Eu não sei o que... —Você disse que não queria ir às compras comigo este fim de semana porque Emery estava fora da cidade. — Ela se virou para mim. —Mas você estava com Landon neste fim de semana. Abri a boca e depois fechei. Como ela sabia disso? —Certo? Balancei a cabeça. —Sim.


—Em Atlanta em um torneio de golfe. —Sim. Como você sabe disso, Julia? Ela não respondeu a minha pergunta. Ela caminhou lentamente para sua mesa e girou a tela do computador para me encarar. Na tela estava um vídeo meu e de Landon, fora no campo, em Atlanta. Ele tinha a mão na parte inferior das minhas costas, e você podia ver claramente eu inclinando-me para beijálo. Minha mão voou para a minha boca. —O que ... o que é isso? —É um dos muitos vídeos encaminhados para Dennis esta manhã. Então, eles acabaram na minha caixa de entrada. Suas

mãos

tremiam

quando

seus

encontraram os meus. —Sinto muito, Heidi. Você está demitida.

olhos

finalmente


Trinta e Três

O choque me atingiu com a força de um maremoto. Eu fui derrubada para trás, arremessada no esquecimento, me afogando na minha própria descrença. Eu não poderia processar as palavras que Julia tinha dito. Elas não fazem sentido. Elas não eram lógicas. Elas não eram algo que alguém já me disse. Alguns dias atrás, eu tinha sido promovida, e agora ... isto. Abri minha boca para fazer as perguntas mais óbvias. O que? Por quê? Como? Mas elas não saiam. Nada saiu. Lágrimas surgiram nos meus olhos, e eu lutei com tudo para não deixá-las cair. Eu as engoli, recusando a me submeter a tal humilhação. Eu não perguntaria. Eu não imploraria. Eu não iria rastejar. E certamente porra não gritaria. Aqui não. Julia era uma das minhas amigas mais próximas. Eu sabia que isso estava a matando, ter que ser a única a me dizer. Mas, como chefe de RH, isso era parte do seu trabalho. Ela queixou-se de demitir outras pessoas antes. Era a sua parte menos favorita de recursos humanos. Ela pensava que isso deveria ser tratado em cada departamento, mas todo mundo estava sempre a impondo a responsabilidade em alguém.


E agora ... ela era ... ela era ... Parei abruptamente. —Tudo bem. — Consegui dizer. Parecia oco e frágil. Mais um suspiro do que uma palavra. —Heidi, — Julia disse. Havia angústia em sua voz. Seus olhos me disseram que queria estender a mão para mim. O corpo dela disse que queria me confortar. Suas mãos me disseram para ficar ... para descobrir o que estava acontecendo ... para deixá-la responder a todas as perguntas que eu tinha borbulhando sob a superfície. Mas mordi o lábio e dei um passo frenético para trás. —Tudo bem. — Repeti. —Tem certeza de que não... —Sim. — Interrompi. Se não sair agora, não serei capaz de segurar minha cabeça erguida quando caminhar para fora daquele escritório. E eu precisava disso. Eu queria manter meu orgulho até que tivesse ido embora. Eu torci a maçaneta da porta do seu escritório aberta e sai de lá como uma nuvem de tempestade. Assim que estava fora do seu escritório, fui de perto das lágrimas em estar irada e chateada de querer porra matar alguém em cerca de três segundos. Minhas mãos estavam apertadas em punhos ao meu lado. Meu coração estava galopando em velocidade vertiginosa. Meus ouvidos estavam zumbindo. Eu estava vendo um tom de vermelho para tudo.


Minha cabeça virou para o escritório de Landon. Eu estava pronta para explodir, mas não estava preparada para ele não estar lá. O escritório estava escuro, e a porta estava fechada. Não olhei para lá antes, mais por medo disso. Exato. Porra. Coisa. E então, o dia em que eu fiz, o dia depois que tinha chegado de volta do Tour Championship PGA, ele tinha desaparecido. —Foda-se.— Bati na porta do seu escritório fechado e, em seguida, marchei para a minha mesa. —O que foi aquilo? — Perguntou Matt. Ele poderia dizer claramente que algo estava errado. Ele parecia confuso e preocupado. Eu só queria dizer-lhe para se foder, mas segurei a minha língua. —Vou para casa. — Disse a ele, em vez da verdade. Lutei para recolher um pouco dos meus pertences pessoais. Eu trabalhei aqui durante seis anos. Não poderia levar tudo em uma viagem, mas queria ter certeza que tinha coisas que eu realmente necessitava. —Por quê? Bati a minha mão para baixo sobre a papelada que eu estava organizando. —Tenho cara de quem falar agora? Ele se encolheu. Normalmente eu era uma puta sarcástica, mas não levantava a minha voz. —Não. —Não, eu não quero.


Joguei tudo o que eu tinha conseguido reunir em minha bolsa enorme, limpei os arquivos pessoais e senhas que tinha no computador, e deixei tudo mais. Pensei que Matt ia tentar dizer mais alguma coisa para mim, mas ele não o fez. Ele só me deixou passar. Provavelmente pensou que era TPM ou algo igualmente sexista. Essa era a MO no escritório. Saí do escritório em transe. De alguma forma consegui sair do edifício Wright Construction , após a placa em frente, com o lema da empresa, o que é Wright é certo, e para o meu carro sem ser abordada por qualquer pessoa. Jogando o conteúdo da minha bolsa no banco do passageiro, eu me joguei para o lado do motorista e apenas porra fiquei lá. Meu olhar desviou-se do lado do edifício que eu trabalhava por tanto tempo, e tudo me atingiu de uma só vez. Eu tinha sido despedida. Nunca mais trabalharia aqui novamente. Eu não tinha fonte de renda. Tudo pelo o que trabalhei foi em vão. Minha vida como eu conhecia tinha acabado. As lágrimas que eu estava segurando com choque e raiva se lançaram como uma torrente do meu corpo. De repente, eu estava chorando no meu volante, minhas mãos em cada lado dele, quando incontrolavelmente soquei para cima e para baixo. Um som abafado veio da minha boca, e tentei sugar oxigênio que não conseguia chegar ao meu cérebro.


Não havia oxigênio. Não havia nenhum ar. Não havia nada. Eu não conseguia respirar. Meu corpo tremia enquanto as lágrimas continuavam a escorrer pelo meu rosto, e eu me transformei em uma bagunça chorona. Comecei a tossir alto e desesperadamente. Meu peito doía, meus dedos das mãos e pés estavam dormentes, e minha cabeça parecia confusa. Solucei sobre as lágrimas, lutando com a resposta do meu corpo para a notícia horrível. Eu estava ofegante. Eu estava tendo um ataque de pânico. Eu precisava me acalmar. —Foda-se. — Disse ofegante através das lágrimas. —Acalmese. Acalme-se. Acalme-se. Não importa quantas vezes eu disse a mim mesma para parar o que estava fazendo, isso não importava. Os ataques de pânico não eram racionais. Não havia nada que alguém pudesse fazer para ser lógico sobre a situação. Calma não era uma palavra que você mesmo entendia quando batia em você. Havia apenas o momento em que seu cérebro parava de funcionar, você parava de respirar, e as lágrimas se recusavam a parar de cair. Fazia muito tempo desde que eu tive um ataque. Anos, na verdade. O último tinha sido o dia em que meu pai foi enviado para a prisão. Eu não tinha chorado na frente dele. Eu não tinha dito uma maldita palavra. Ele me implorou. Implorou por mais um minuto comigo. Uma chance. Eu friamente olhei fixamente em seus olhos pálidos que eram tão parecidos com os meus e, em


seguida, virei e fui embora. Quando cheguei no meu carro, não tinha sido capaz de deixar o estacionamento do tribunal por quase uma hora. Não poderia fazer isso hoje. Não poderia estar aqui mais um minuto. Apesar

dos

perigos,

acelerei

o

motor

e

saí

do

estacionamento. Minha respiração era irregular, e minhas lágrimas se recusavam a parar. Meu rosto estava quente, e meus olhos ardiam. Ainda assim, eu não parei. Eu não encostei. Cheguei em casa sem me lembrar de uma única coisa que eu tinha feito para chegar lá. Assim que estava dentro, fui direto para o chuveiro, liguei a água tão quente como ela poderia, saí das minhas roupas de trabalho, e entrei debaixo do chuveiro. As lágrimas finalmente cederam a um lamento baixo e respirações chocalhando no peito. Mudei-me para a sala e liguei alguns programas de TV sem sentido, olhando para ele, sem ver. Foi assim que Emery me encontrou quando chegou em casa depois da escola. —Ei! Você está em casa cedo! Lentamente me virei para olhar para ela e, em seguida, de volta para a TV. —Sim. —O que está acontecendo? — Perguntou depois de ver meu rosto vermelho manchado e as roupas que ela tinha apelidado de meu pijama desarrumado do Tinder. Emery correu para o sofá e sentou-se. —Você e Landon terminaram? O que ele fez para você? Eu vou matá-lo.


—Eu ... eu ...— Tossi sobre as palavras, tentando força-las para fora. —Fui demitida. Emery gritou de volta, chocada. —Você foi demitida? —Sim. Ela se abriu para mim. —Você é a melhor funcionária que eles têm. Em que bases eles poderiam eventualmente demiti-la? —Provavelmente por causa da porra do meu chefe. —É apenas rumor e especulação, — Emery insistiu. —Quero dizer, o que eles sabem? Estão se agarrando à sorte. Você pode negar. Landon vai ficar com você. Nós vamos dizer a Jensen e Morgan. Vamos começar endireitando isso. Eles não podem fazer isso. É ilegal. —Eles têm a prova. —Qual prova? — Emery guinchou. As lágrimas vieram novamente quando pensei sobre isso. — Landon e eu fomos a um torneio de golfe juntos este fim de semana, e alguém fez vídeos de nós juntos. Eu assisti um de nós nos beijando. —Oh. — Emery colocou as pernas para cima debaixo de si mesma e mordeu seu dedo. —Bem ... porra. —Sim. Inclinei-me para a frente, colocando a minha cabeça em minhas mãos. Emery esfregou as minhas costas e me segurou enquanto eu chorava.


—Quem mandou os vídeos? — Ela perguntou depois de alguns minutos. Funguei. —Eu não sei. Eu tinha que sair do escritório de Julia ... —Julia? — Emery engasgou. —Ela que te demitiu? —Ela não queria, mas ... sim. —Deus. Tudo bem, vou mandar um texto para ela e ver se pode vir. Talvez possamos descobrir quem enviou isto. Voltei assistir à TV e contemplar o quão horrível minha vida estava no momento presente quando Julia apareceu no meu apartamento. —Ei. — Disse a ela timidamente. —Venha. — Emery disse. —E ela..… —Um naufrágio, mas não está com raiva de você. Julia exauriu. —Graças a Deus. Essa foi a coisa mais difícil que eu já fiz no trabalho. Descaradamente acenei a minha mão e, em seguida, voltei para a TV. Ela estava apenas fazendo seu trabalho. Eu não podia culpá-la. Eu estava ocupada me culpando e a Landon por esta catástrofe. —Você não saberia dizer quem enviou esse e-mail? — Emery cutucou.


—Não, era anônimo. — Julia franziu a testa. —Pensei que era estranho, mas havia bastante imagens diferentes que não poderia pensar que haviam sido adulteradas. Então, Heidi concordou que eles tinham viajado juntos. —Não sabia que você ia me demitir se eu dissesse que sim. — Murmurei. —Eu sei. Sinto muito. Sinto-me como a pior amiga do mundo. —Como Landon está levando tudo isso? — Perguntou Emery. Fiz uma careta e desviei o olhar. Eu não tinha perguntado sobre Landon. Eu ainda não tinha verificado meu telefone para ver se ele tinha mandado uma mensagem ou chamada. Minha fúria estava se construindo novamente, e eu não sabia se poderia lidar em vê-lo quando estava assim. —Não tenho ideia, — Julia disse. —Ele estava em algum encontro com as autoridades durante todo o dia. Eu não o vi. —Será que ele sabe? — Emery perguntou. —Quero dizer ... ele tem que saber, certo? Você avisou ele em primeiro lugar? —Eu ... eu não sei. Pensei que todos tinham feito o que deveriam fazer nesta situação. Não era o meu trabalho seguir com Landon. Quero dizer ... pensei que ele já havia sido questionado. —Heidi, você provavelmente deve mandar um texto para ele. Balancei minha cabeça. —Não. —Ele pode até não saber.


—Eu disse que não. — Gritei. Ambas meninas se acalmaram. Elas podiam sentir a minha raiva a partir de onde estavam de pé ao lado do sofá. Eu não conseguia ficar sob controle. Se Landon e eu tivéssemos apenas esperado, se nós tivéssemos escutado todos os outros, se tivéssemos feito a coisa certa e ficado longe um do outro, eu nunca estaria nesta situação. Emery e Julia trocaram um olhar significativo, mas não disseram mais nada sobre isso. Elas só colocaram Meninas Malvadas e me trouxeram sorvete. Estávamos apenas com vinte minutos de filme quando minha porta parecia que ia ser quebrada. Meus olhos foram para Emery. —O que você fez? Ela me deu um olhar inocente. —Quem eu? —Eu te odeio. —Eu sei. Eu também te amo, botão de ouro. — Emery cutucou Julia, e ambas se dirigiram para o quarto dela. Lentamente, levantei o meu corpo do sofá e caminhei até a porta da frente. Eu sentia como se tivesse envelhecido uma vida inteira nas poucas horas desde que saí do trabalho. Virei a maçaneta da porta e encontrei um Landon irritado de entrada. —É verdade? — Perguntou. —Como você não sabe.

pé na


Ele estreitou os olhos. —Posso entrar? —Eu acho que você pode. Não importa mais, — Eu disse enquanto me afastava da porta da frente, deixando-lhe espaço para me seguir. Ouvi o clique da porta se fechando atrás dele. —Emery disse que você foi demitida. — Ele disse. Estremeci, como se ele tivesse me dado um tapa. Demitida. Que porra de palavra. Venenosa e tóxica. Uma palavra capaz de fazer tanto dano. —Aconteceu esta manhã. —Por que você não ligou ou me mandou mensagem? Seu braço pousou na minha manga, e eu pulei para longe dele. Um olhar de horror cruzou seu rosto e, em seguida, desapareceu. —O que eu teria dito? —Eu poderia estar aqui com você. Poderíamos resolver isso juntos. —Acho que nós já resolvemos. E aconteceu exatamente como eu disse que iria, Landon. Naquela época, eu disse o que iria aconteceria e você não deu ouvidos. Você só tinha que seguir em frente. Você tinha que me ter. Você não podia me ouvir quando eu lhe disse que isto não podia dar certo, que o meu trabalho significava algo para mim, que eu precisava. Eu até lhe disse por que eu precisava, e isso não parecia ser suficiente. Você teve que empurrar. Você tinha que exigir. Bem, parabéns! Você teve exatamente o que você queria.


—Você acha que eu queria isso? — Ele perguntou, incrédulo. —Você acha que eu queria que você perdesse o seu emprego? —Acho que você não se importou de uma forma ou de outra, desde que você conseguiu o que queria. — Eu disse com veneno na minha voz. Minhas mãos tremiam ao meu lado. —Isso não é verdade, e você sabe disso. —Não, eu não sei! — Gritei para ele. —Porque aqui estou eu, sem o meu trabalho, e você continua com o seu, porque você é uma merda de irmão Wright. —Eu nem sabia que isso estava acontecendo. Eu nunca os teria deixado fazer isso com você. —Bem, parece que nós encontramos algo que não é bom. Pensei que o que tínhamos entre nós parecia tão certo. — Balancei a cabeça e desviei o olhar. —Eu estava errada. —Heidi, — ele gemeu. Ele passou a mão pelo cabelo. —Por favor, amor, deixe-me corrigir isso. Eu posso fazer isso direito. Eu sei que posso. —Não, você não pode. E você realmente não quer. Vocês todos têm milhões de dólares. Você é uma merda de celebridade. Como você poderia entender alguém como eu? — Joguei em cima dele. —Achei que nada disso tivesse importância para você. — Ele disse rigidamente.


—E aqui eu pensei que era importante para você. Acho que nós dois estávamos errados. Landon recuou com as

minhas

palavras. Eu estava

machucando-o de propósito. Eu sabia que estava. Mas estava tão brava comigo, com ele e com o mundo. Ele era apenas um alvo fácil. Porque nós poderíamos ter parado. Ele não poderia ter me empurrado do jeito que empurrou, mas ele não parou ou recuou. E, agora, eu era a única a pagar o preço. Não ele. —Você deve sair. — Disse a ele. —Por favor, não faça isso. —Eu disse, saia. —Heidi, eu não vou deixá-la. Virei as costas para ele. —Basta ir, Landon. Agora. Lágrimas brotaram nos meus olhos novamente. Eu o ouvi respirar profundamente atrás de mim. Eu sabia que ele não queria ir. E parte de mim queria me virar e pedir-lhe para ficar. Mas eu não o fiz. E ele saiu.


Trinta e Quatro

Bati a minha mão com força na parede de tijolo do apartamento de Heidi quando eu saí. Não foi tão bom. —Foda-se! — Gritei enquanto fui para o Mercedes. Sacudi minha mão sangrando antes de entrar no banco da frente, mas não fez muito bem. Os dedos estavam quebrados, e doeu como um filho da puta. Pelo menos a dor me impediu de pensar sobre o acidente de trem que eu tinha acabado de entrar. Quando Emery me mandou uma mensagem e disse para vir, eu esperava que fosse ruim. Mas certamente não tinha pensado que seria tão ruim quanto foi. Eu não podia porra acreditar que Heidi tinha sido despedida sem que ninguém sequer falasse comigo. Era tão incrivelmente fodido que eu estava além de lívido. Eu sabia que Heidi estava puta, mas não tinha me preparado para ela descontar em mim. Não estava preparado para que fosse minha culpa. E deveria estar. Porque a culpa era minha. Eu a tinha empurrado e exposto para isso. Eu queria estar com ela, e não me importava com mais nada. Claro, eu nunca queria que ela perdesse o emprego. Nunca em um milhão de anos. Mas não tínhamos sidos cuidadosos. Inferno, nós nunca tínhamos sido cuidadosos. E foi incrível que ninguém tinha nos


pegado até agora, considerando toda a merda que tínhamos feito juntos. Mas eu não ia deixar que Heidi se afastasse de nós. Nós fomos feitos um para o outro. Nada ia ficar no meu caminho. Fui até Jensen com uma determinação cega. Quebrei pelo menos três leis de trânsito no caminho, mas eu realmente poderia dar um foda sobre tudo isso. Depois de estacionar na garagem, apareci na casa de Jensen e gritei para ele, —Jensen! —Estou aqui. — Ele disse de volta. Encontrei-o sentado em seu escritório no segundo andar, olhando para a tela do computador. Minha mão ainda estava em chamas, mas bati sobre a mesa. —Que diabos você fez? — Exigi. Ele olhou para minha mão. —Você está sangrando na minha mesa. —Deixe-me repetir. Que porra você fez? —Landon, eu não fiz nada. Mas sei o que você vai dizer. —Não, você não sabe! —Sim, acho que sim. Agora, sente-se e fale comigo sobre isso. —Eu desisto!


Jensen suspirou e esfregou a ponta do seu nariz. —Sente-se. — Repetiu, apontando para a cadeira. —Eu não vou sentar e ser um bom menino, Jensen! Isso é ultrajante. Eu disse que estava vendo alguém, e, em seguida, Heidi foi demitida antes mesmo de eu dizer sobre o que estava acontecendo. Você não acha que isso é ridículo? Eu nunca teria deixado que isso acontecesse com ela, e agora, você perdeu uma das suas melhores funcionárias. —Eu bati nele. —Então, sim, eu parei. Eu preciso do trabalho, mas não preciso tanto. Dê o emprego a Heidi de volta, e deixe-me porra descobrir as minhas próprias coisas. Jensen recostou-se na cadeira. —Você terminou? —Estou porra feito? Isso é tudo que você tem a dizer? —Bem, você está indo para limpar seu lado, ficou em segundo lugar, mas eu pensei que ia levar com a questão mais importante. —Você ouviu uma palavra do que eu disse? —Claro que eu ouvi, Landon. Mas você não está saindo da empresa. Eu não sabia que Heidi tinha sido mandada embora até que já tinha acontecido, e eu estou trabalhando em descobrir quem está por trás dos vídeos que vieram à tona. —Quem se importa de onde os vídeos vieram? O que importa é que Heidi precisa desse trabalho, e você o roubou dela por minha causa. —Eu entendo que você está chateado, — Jensen disse calmamente. Ele lentamente se levantou e colocou a mão no meu


ombro. —Mas você não pode pensar claramente quando está assim. Bati a mão e ignorei a dor desse movimento. —Heidi terminou comigo por causa dessa merda. Não preciso pensar claramente. Preciso corrigir isso. —O que aconteceu com Heidi foi ... lamentável, — Jensen disse, escolhendo cuidadosamente suas palavras. —Ela foi maltratada. Eu entendo que os funcionários do seu departamento acreditavam que estavam fazendo a coisa certa para conter a situação e evitar um escândalo. No entanto, como não fomos notificados, nenhuma investigação foi colocada nisso, além de assumir que a evidência não havia sido processada. Nós dois sabemos que isso não é bom para a empresa. E, obviamente, não é bom para o seu relacionamento com Heidi. E, por sinal ... Heidi? Não me admira que você não queria me contar. —Sim, bem, eu queria dizer a você, mas não queria que ela fosse foda demitida. Jensen suspirou e cruzou os braços sobre o peito. —Olha, falando como o CEO da empresa e seu chefe, a prova foi bastante contundente, e todos reagiram rapidamente para minimizar os danos. Você já viu os vídeos? Neguei com a cabeça. —Eu nem sabia existiam. Jensen voltou para o computador dele e puxou o e-mail que tinha recebido com a evidência de Heidi e eu juntos. Era uma série de vídeos e algumas fotos de Heidi e eu no campo de golfe, no clube, e até mesmo no jantar no restaurante de frutos do mar


que tínhamos escolhido aleatoriamente. Quem quer que tivesse tirado essas fotos tinham estado claramente nos seguindo, porque ninguém sabia onde estávamos. —Bem, foda-se. — Gemi, finalmente, afundando no assento. —Concordo. Depois de assistir a isso, você vê porque ela foi demitida? Eu me odiava, mas assenti. —Eu sei porque eles fizeram isso, mas eu ainda quero corrigir isso. —A maneira de corrigir isso é descobrir quem enviou os mesmos. Foi anônimo. Eu já tenho alguém olhando para isso. A forma como essas imagens foram enviadas para nós parece como uma ameaça. Foi salientado. Não enviados a mim ou a Morgan, mas diretamente ao supervisor imediato de Heidi. Será que Heidi tem algum inimigo? Qualquer um que gostaria de vê-la demitida? Balancei minha cabeça. —Eu não sei. Acho que não. Espere, talvez esse Matt Guy que trabalha em seu departamento. Ele queria a promoção que ela teve. Jensen bateu com os dedos sobre a mesa. —Ele tem motivo, mas ele teria tido acesso a esses vídeos? —Porra, eu não sei. —E você? —Eu o que? Jensen desviou o olhar, e foi aí que eu percebi que ele já tinha chegado a uma conclusão. Ele olhou para mim então. — Você conhece alguém que se beneficiaria de Heidi ser demitida?


Abri a boca quando a conclusão de Jensen tinha vindo me dando conta. —Miranda. —Sim. Isso é onde eu cheguei, também. —Ela estava no torneio, — eu disse a ele. —Heidi a viu brevemente. Ela estava tentando pegar um amigo meu do golfe para me substituir, mas nós não a vimos o resto do fim de semana. Nós pulamos um jantar e tudo para evitá-la. —Não pareceu funcionar. — Jensen disse, tocando a sua tela. —Porra. Que puta conivente! —Eu não passaria por ela. —Oh, eu vou chama-la e dar-lhe um pedaço da minha mente. —Estou certo de que, o que ela quer de você é uma reação. É melhor para nós, pesquisar um pouco mais e ver se podemos pega-la em algo como isto. Vamos ter certeza que é realmente seu e não esse ... Matt Guy. Então, vamos decidir para onde ir a partir daí. Um juiz não vê com bons olhos as ameaças se ela estiver tentando conseguir mais dinheiro. —Eu poderia torcer o seu pescoço. —Também gostaria de aconselhar contra isso, — disse Jensen com diversão. —Embora eu conheça bem o sentimento. Inclinei a minha cabeça para trás e olhei para o teto branco. —Que porra eu faço, homem? Heidi me enlouqueceu e me forçou


a sair do seu apartamento. Estou de cabeça para baixo pela menina, e ela não vai mesmo falar comigo. —Tal como o seu irmão, eu diria a você para lutar por ela. Se você está disposto a jogar tudo fora por ela, ela deve valer a pena. —Ela é. Ela vale a pena. —Você sabe, Emery suspeitou que algo estava acontecendo com vocês em dezembro, mas eu pensei que ela era louca. —Sim. Ela estava certa. Eu tentei negar que alguma coisa estava acontecendo naquela época e tentei dizer que nós estávamos conversando muito. Mas isso é uma mentira. Eu tinha me apaixonado por ela, e parei de falar com ela quando percebi que tinha sentimentos por ela. — Dei de ombros. —Não queira ser um saco de merda. —Eu acho que foi inteligente. Todas as coisas consideradas. —Sim, mas agora, quando eu finalmente a tenho, tudo explode na minha cara. —Você vai resolver isso, — Jensen me disse com confiança. —Você deve apenas tentar falar com ela. —Não, ela não vai me ouvir. Ela descarregou em mim quando pisei em seu apartamento. A última coisa que ela quer fazer é falar comigo. Ela está me culpando por isso. Jensen passou a mão pelo cabelo. —E se eu tentar falar com ela? Apertei os olhos. —Você faria isso?


—Ela era a minha funcionária, afinal. Até chegarmos a tudo isso esclarecido, eu não posso fazer nada sobre seu trabalho, mas posso tentar corrigir como isso foi tratado e que ela saiba que você não teve culpa. —Eu ... sim. — Disse com um aceno de cabeça. Mandei uma mensagem para ela meia dúzia de vezes depois que Emery me enviou mensagens, mas ela não tinha respondido. Ela realmente não tinha respondido aos meus textos durante todo o dia. Eu tinha estado mandando mensagens através das minhas reuniões. —Seria ótimo. —Tudo bem. Vou fazer isso agora. Você vai limpar a sua mão. Balancei a cabeça e desapareci no quarto de hóspedes. Passei a mão na água fria, assobiando o tempo todo. Doeu pra caralho.

Que

porra

de

ideia

idiota.

No

entanto,

parecia

perfeitamente lógico no momento. Meu estômago estava em nós mais de tudo o que tinha acontecido. E o desamparo que se instalara sobre mim. Sair parecia que era a única coisa lógica a fazer. Se eu não fosse seu chefe, então ela poderia ter seu emprego de volta. No entanto, não era tão simples. Havia mais coisas a considerar no nosso relacionamento. Pena que eu não conseguia me concentrar em qualquer uma delas, mas a maneira que Heidi tinha olhado para mim quando me disse para sair da sua casa.


Uma vez que minha mão estava enfaixada com outra lesão de porcaria para eu lidar sem mexer, voltei para o escritório de Jensen. Ele estava olhando para o telefone, e parecia sombrio. —O quê? — Perguntei. Meu estômago caiu, e esperei pela má notícia que eu sabia que estava por vir. —Ela não respondeu. Eu esperei. —E? —Nada. —E, Jensen? Ele franziu a testa. —Ela mandou uma mensagem de volta. —O que ela disse? Ele balançou sua cabeça. Peguei o telefone dele e olhei para o texto de Heidi. Eu sei que você só está me ligando por causa de Landon. Assim, apenas ... não. Eu não quero falar com ele. Eu não quero falar sobre ele. Eu não quero nada a ver com ele ou qualquer pessoa da sua família. Me deixe em paz. Minhas mãos tremiam quando as palavras filtram dentro e fora da minha visão. Se tivesse sido o meu telefone, eu provavelmente teria jogado contra a parede e quebrado em um milhão de malditos pedaços. Como era de Jensen, eu joguei para ele sem cuidados e saí do seu escritório. Ele seguiu. —Ei, cara, onde você está indo? —Encontrar Austin.


—O que? Por quê? —Porque eu sei que ele vai ter uma garrafa de reposição à mão.— —Eu tenho álcool aqui. —Foda-se, Jensen. Eu quero ficar perdido e não pensar em como minha namorada terminou comigo ou como eu perdi a melhor coisa que já me aconteceu. —Merda, — Jensen murmurou. —Eu vou contigo. —Tudo bem. — Cuspi. Eu não me importava de uma forma ou outra que estava lá. Austin e Patrick eram bons para uma distração. E eu precisava de uma. Desesperadamente. Porque, caso contrário, eu ia acabar fazendo algo realmente estúpido. Hoje à noite, eu estaria chateado. Amanhã, gostaria de colocar minha vida de volta junta.


Trinta e Cinco

Dois dias mais tarde, eu ainda não tinha saído do sofá. Eu estava com as mesmas roupas, e meu cabelo estava no mesmo topete. Emery deu uma olhada para mim quando chegou em casa do trabalho e começou a me forçar a ir para o chuveiro. —Você não pode fazer isso. Você não pode chafurdar. —Sim eu posso. O que mais eu tenho para fazer? —Heidi

Anne

Martin!

Você

é

uma

mulher

forte

independente, incrivelmente incrível. Você vai se levantar e seguir em frente. Este não é o fim da sua vida. Você é uma engenheira brilhante, e qualquer um seria sortudo por ter você. Só porque você não está mais no emprego remunerado pela Wright construção

não

muda

absolutamente

nada

sobre

sua

grandiosidade. —Você é uma grande amiga, Em. —Terrivelmente direta! — Ela me empurrou em direção ao chuveiro. —Agora vá. Obedeci. No momento em que eu estava limpa, tinha secado o meu cabelo, e tinha escolhido um novo conjunto de pijama para descansar, Julia estava aqui com a mão no quadril, olhando feroz pra caralho.


—O que é isso? Uma intervenção? —Perguntei. Emery e Julia estavam vestidas em trajes bonitos de preto sobre preto. E pareciam prontas para me derrubar, se eu resistisse a todo o enredo que tinham combinado. —Inferno sim, é — Julia disse. —Agora, vire sua bunda bonita, e coloque algo apresentável. Nós vamos sair. —Eu não vou sair. —Não nos faça entrar lá, — Emery ameaçou. —Estamos tentando levá-la de volta a seus pés. Você não saiu de casa em três dias. Está na hora. Cerrei os dentes. —Onde estamos indo? —Compras. —Deus, vocês são as piores. — Murmurei. Elas estavam tocando a minha fraqueza. Elas sabiam que eu adorava fazer compras. Mesmo que eu não precisasse de nada. Embora talvez um pouco de terapia de varejo ajudaria. —Seja como for, — Julia disse. —Apenas se apresse! Eu combinei com seus trajes sombrios e entrei em um skinnies preto, um top preto, e um antigo Converse. Pulei toda a minha maquiagem, exceto o rímel. Emery me entregou sua carteira, e enfiei na minha bolsa. A esquisitona ainda não gostava de levar uma bolsa. Pegamos o SUV de Julia e fomos para Malouf “s, uma loja de roupas local que era essencialmente a Nordstrom de Lubbock. Tinha todos os designers extravagantes e faziam ternos sob


medida. Mesmo que eu não devesse gastar dinheiro aqui, eu gostava de fazê-lo. Um suspiro escapou de mim quando entramos porque percebi que não havia nenhuma maneira que poderia pagar nada aqui agora. Sem o meu trabalho, eu teria que usar minhas economias para cobrir as rendas e os meus empréstimos estudantis. Normalmente, eu era a única agarrando vestidos das prateleiras e jogando-os nos braços relutantes das minhas amigas, mas hoje, eu seguia atrás. Eu poderia ser capaz de sofrer através das vitrines, mas não tinha que apreciar. O pensamento de gastar dinheiro no momento me deixava em pânico. Eu sabia que precisava estar à procura de outro emprego. Simplesmente não conseguia fazer muita coisa. Estava de luto pela carreira que eu sempre pensei que teria. —Este aqui. — Emery disse, jogando o vestido para mim. Estendi a mão e peguei-o antes que o material de seda pudesse cair no chão. Olhei para o vestido rosa-envelhecido de cetim que Emery tinha entregue a mim. Ele era impressionante. Minha cor e longo o suficiente para o meu tamanho, também. —Onde diabos eu usaria isso? — Segurei para as meninas examinarem. Elas usavam sorrisos correspondentes. —Ah não. Existe uma coisa maior acontecendo aqui? —Apenas experimente, — Emery incentivou.


—Você vai parecer tão quente nisso! — Julia disse. —Estou indo com algo preto, é claro. Mas rosa? Cara, ninguém consegue usar rosa como você. Com esse longo cabelo loiro e olhos azuis brilhantes. —Uau, — Emery disse, colocando a mão para fora. —Pare de mexer com a minha mulher. Não poderia ajudá-la. Eu ri. Foi a primeira vez desde que deixei o trabalho que eu tinha feito outra coisa senão uma carranca ou chorar. Parecia ... agradável. —Sucesso! — Julia disse. —Eu sabia que compras iria funcionar. — Emery concordou. Então, elas me agarraram e correram para o camarim. Seus braços estavam cheios de roupas quase exclusivamente pretas ... e eu tinha um vestido. Eu não tinha certeza se elas achavam que eu me protegeria levando muito tempo para olhar ou o quê. Elas pareciam ansiosas para me ver saudável. Para ver o meu sorriso e esperando que eu fosse voltar para a amiga borbulhante que elas estavam acostumadas. Eu só ... não tinha certeza se seria capaz de fazer isso. Pelo menos ainda não. Ainda assim, eu as agradei, deslizei o material elegante sobre a minha cabeça e para baixo em meus quadris estreitos. Curto na parte da frente e com uma fenda relativamente elevada acima do lado direito. Quando saí do vestiário, fiquei chocada ao ver a transformação. As meninas estavam certas. Esta era a minha cor.


—Oh meu Deus, — Emery murmurou. —Não é mesmo justo. Sua genética é irreal. Por que para você foi dado todos os bons genes? Você é tão ruim como Kimber. Eu ri. A irmã de Emery, Kimber, tinha sido a rainha do baile na escola, e elas eram noite e dia na aparência. Eu parecia mais com Kimber que Emery já pareceu. Na verdade, no ensino médio, parecia mais como se nós três fossemos irmãs, e não que eu fosse uma filha única. —Você tem que levar. — Julia disse assim que saiu da sala. —Não tenho onde usá-lo, e tenho certeza que não posso pagar. —Olha, — Emery disse com um suspiro, encostando no espelho de três lados. —Estamos todos muito preocupados com você. Eu sei o quanto este trabalho significava para você. —Eu realmente não acho que você entende. —Heidi, eu te conheço toda a minha vida. Eu sei que você queria ter sucesso nisso infinitamente. Balancei minha cabeça. —Você não sabe tudo, Em. —O que? O que eu não sei? —Meu pai, — botei para fora. —Meu pai costumava usar meus fundos da faculdade. —Ele usou o seu ...— Sua boca estava aberta. —Oh. Oh Deus. —O quê? — Julia perguntou. —O que eu não sei?


—Ele usou meus fundos da faculdade em drogas e me cobriu de dívidas com alguns empréstimos de estudante, — eu cuspi com raiva. —Então, eu precisava do emprego mais do que ninguém sequer sabia. E, agora, não sei o que vou fazer. —Heidi, eu sinto muito, — Emery disse. —Por que você não me contou? —Porque eu estava cuidando disso, — disse com um suspiro. —E agora ... agora, eu não estou. —Bem, acho que você deveria falar com Jensen. Nós conversamos, e eu sei que ele está preocupado com você e Landon. Ele tem saído e bebido todas as noites com Austin e Patrick. Todos nós sabemos que não é uma decisão inteligente. —Eu não quero ouvir isso. — Disse, levantando as minhas mãos. —Bem, sinto muito. Você precisa. Jensen vem tentando conversar com você. Eu sei que ele quer se desculpar sobre como isso tudo foi tratado e que eles estão vendo as circunstâncias por trás disso. —Em, basta parar. —Venha por favor. Fale com ele. —Eu já mandei uma mensagem para ele de volta. —Eu sei, — Emery disse com uma careta. —Mas… —Não há mas a esta conversa, Em. Eu sei o que você está tentando fazer. Mas eu não quero falar sobre Jensen Wright ou Landon Wright ou qualquer um dos Wrights.


—Mas não é culpa deles. — Emery disse. —Não é? Eu não fui apenas demitida da empresa que possuem e comandam? —Você foi, mas… —Você está realmente tentando ficar aí e defendê-los para mim? — Engoli em seco. —Você, de todas as pessoas? Virei-me e caminhei de volta para o vestiário. Eu não queria ter que lidar com esta merda. Meu corpo tremia com o esforço para não explodir. Eu amava Emery querer ajudar, e eu sabia que ela tinha boas intenções. Eu não queria gritar com ela. Mas ela estava falando bobagem para mim, e ela porra sabia disso. —Eu não estou defendendo como tudo aconteceu. Foi uma merda, — Emery disse através da parede do vestiário. Eu podia ouvir o desespero se infiltrando em sua voz. —Mas eu sei que nenhum deles sabia que estava acontecendo. Eles não estavam nem mesmo cientes de que você foi demitida ou que você estava namorando Landon até depois que tudo aconteceu. Você precisa falar com alguém. Se não Landon, pelo menos falar com Jensen. Com minhas roupas de volta, coloquei o vestido de volta no cabide e saí. —Não. —Heidi... —Acabou, Emery. Eu fui demitida por causa do Landon. Não importa como você tenta torcer, isso foi o que aconteceu. É sobre ele. Você não se lembra que Landon quebrou seu coração, mentiu para você, e te ignorou por meses? Isso não deve ser tão difícil para você entender.


—Isso foi há dez anos, Heidi! E ele é diferente com você. Bufei. —Tudo bem, certo. —Hum, eu posso interromper? — Julia perguntou. —Eu não conhecia Landon há dez anos. Eu realmente não o conheço agora. Mas sei que ele tem estado horrível no trabalho desde que você partiu. Eu nunca vi um homem adulto lamentar assim. —Jesus, — eu disse. Inclinei a minha cabeça para trás e suspirei. —Eu não sei. Está bem? Eu não sei nada. Eu realmente não quero nem estar discutindo isso. Eu perdi meu emprego e namorado tudo em um dia. Estou quebrada e espancada e deprimida. Meu coração é um deserto vazio onde Landon Wright costumava ocupar. E eu quero que as coisas voltem a ser como eram. Mas como eu posso estar com alguém que foi tão descuidado com a coisa que eu mais amava? Não é algo que vai ser corrigido durante a noite. —Tudo bem, — Emery disse lentamente. —Não tive a intenção de empurrar. Eu acho que você deveria falar com Jensen quando estiver pronta. Mesmo que não seja hoje. —É uma boa ideia, — Julia concordou. —Ter isso tudo engarrafado não ajuda. Confie em mim, eu sei. Eu estive em terapia há anos, tentando acabar com o meu ex louco. Gostaria de ter tido amigas como você e Emery naquela época. Fugir nem sempre resolve o problema. Isso é tudo que estou dizendo. —Sim talvez. Eu sei que sua situação é tão mais louca do que isso, Julia, —eu disse com um suspiro. —Eu não sei. Vou pensar sobre isso, está bem?


Emery e Julia concordaram. Elas não poderiam pedir mais do que isso. Eu não estava preparada para dar mais do que isso. Levantei o vestido ainda na minha mão. —Por que você estava tentando me comprar este de qualquer maneira? —Evento de caridade— Julia disse. Gemi. —Você pensou que eu iria para o evento Wright depois desta semana? Você está louca? Elas se entreolharam e encolheram os ombros. —Talvez um pouco. — Emery disse. —Poderíamos fazer uma viagem de meninas, — Julia disse. —Champanhe grátis? —Não. —Hum, — Emery murmurou. —Basta pensar nisso. —Não. —Eu estou comprando o vestido, — Julia disse, ignorando meus protestos. —Assim como um reserva. No caso de você mudar de ideia e ir com a gente. Isso não estava acontecendo. Mas, no final, eu não consegui mudar as suas mentes. E o vestido chegou em casa comigo. Ainda assim, minha mente vagou de volta para Landon. Mesmo que eu não quisesse isso também. Eu me perguntava o que estava fazendo. Se ele tinha ficando bêbado com Austin todas as noites, como Emery tinha dito. Se ele tinha estado se


lastimando, como Julia havia dito. Se ele estava sofrendo tanto quanto eu estava. Meu coração doía com a perda dele. Eu só tinha acabado de ter ele... apenas me apaixonado ... e então tudo tinha sido tragicamente arrancado. Eu não poderia voltar o relógio. Nós sabíamos que era errado, mas parecia tão certo. Agora, estava tudo em chamas.


Trinta e Seis

Quarto dia sem nenhuma resposta de Heidi. Nem mesmo um texto dizendo para ir me foder e deixá-la sozinha. Eu estava ficando totalmente insano. A única coisa que me impedia de bater na sua porta era a garantia de Emery e da minha família que Heidi precisava de tempo. Tempo. Esse filho da puta doente. Estava se transformando na minha palavra menos favorita na existência. Algo sobre o qual eu não tinha controle. Algo que sempre me perseguiu. Algo que era impossível comandar ou deixar escapar. Uma cobra infinita eternamente comendo a sua cauda. Rindo de mim. E como limitada a minha vida era. Afastei os pensamentos que continuavam a me atormentar e encaminhei a terceira chamada de Austin ao correio de voz. Eu sabia que ele queria sair e beber. Nós tínhamos feito isso todas as noites desde que Heidi foi rudemente demitida e, em seguida, me largou. Tinha sido um alívio bem-vindo à dor que era tão brutal,


era uma fissura no meu peito. Mas eu precisava de uma noite longe de tudo. Para ficar sozinho e decidir o meu próximo passo. Mesmo sem saber exatamente para onde estava indo, parei dentro do estacionamento do cemitério e desliguei o motor. Era uma noite clara, e a lua estava pesada no céu quando saí do carro, peguei um casaco North Face do banco de trás, e vaguei entre as lápides. Quando minha mãe morreu, eu tinha apenas sete anos, e cemitérios me assustavam por um longo tempo depois disso. Mas, quando meu pai morreu, eu simplesmente tinha parado de vir. Eu disse a Heidi que queria apresentá-la aos meus pais quando fossemos oficiais, mas a verdade era ... eu não tinha vindo aqui mais do que um punhado de vezes desde que eles morreram. E nunca sozinho. Mas eu me senti atraído aqui esta noite. Não haveria mais álcool. Não haveria mais noites desperdiçadas. Não mais esquecimento. Encontrei meus pais enterrados um ao lado do outro no meio do cemitério. Eles tinham lápides magnificas que não poderiam passar despercebidas. A palavra Wright estava em letras grandes sobre cada uma delas. Afundei na grama entre a minha mãe e meu pai e apenas olhei, sem ver. Era o suficiente estar aqui fora esta noite e deixar os meus pais ter o peso da minha dor.


Luzes me puxaram do meu assento, e pulei para cima para ver uma lanterna vindo em minha direção. Mas a pessoa nunca fez isso. Elas pararam algumas linhas abaixo de mim, e fiquei chocado quando percebi que sabia exatamente quem era. Sem pensar duas vezes, caminhei para cima e limpei a minha garganta. —Heidi. Ela se virou e segurou a lanterna como uma arma. Sua respiração era instável, os olhos arregalados de terror. —Landon? — Ela perguntou suavemente. —Sim. —O que você está fazendo aqui? —O mesmo que você. Ela balançou a cabeça e se afastou de mim. —Você me assustou muito. —Me desculpe por isso. Não esperava que alguém estivesse aqui. —Eu também. —Heidi, eu... —Landon, não. — Ela murmurou. —Por favor, não. —Não, — eu disse a ela. —Eu não posso simplesmente desligar. Não ao seu redor. Ela soltou um suspiro pesado. —Eu pensei que você estaria em um bar com Austin. —Por quê?


—Não sei. Emery disse que você estava saindo. —Sim, bem, é difícil não querer beber quando sua namorada termina com você. Ela fez uma careta. —Eu aposto. —Cara, eu não vim até aqui para te culpar. Eu ... queria ver você. Eu senti a sua falta como um louco. —Eu sei. —Emery

disse-lhe

isso,

também?

Arqueei

uma

sobrancelha. Ela balançou a cabeça. —Não. Experiência pessoal. Consegui um sorriso rápido para isso. Ela sentiu minha falta. Foda-se, apenas vê-la estava me comendo de dentro para fora. Eu a queria de volta em meus braços, na minha cama, na minha vida. Às vezes, o amor rachava o seu coração aberto para mostrar o que realmente importava. Ela. Somente ela. Estendi a minha mão. —Venha comigo. —Landon ... —Apenas confie em mim. Com um suspiro, ela colocou a mão na minha e me deixou levá-la até as lápides dos meus pais. Ela largou a minha mão quando chegamos lá e olhou para seus nomes nas pedras. —Seus pais, — ela sussurrou.


—Sim. Hã ... eu nunca fiz isso antes, — disse, sentindo-me totalmente fora do meu eixo. —Mas, mamãe ... papai ... está é Heidi. Ela é, uh ... bem, uma amiga. Na verdade, ela quebrou meu coração, mas eu a amo tanto que queria apresentá-la a vocês de qualquer maneira. —Landon ... —Pare de dizer meu nome assim, — eu disse, virando-me para encará-la. —Você parece tão desanimada quando fala assim. Eu quero lembrar da maneira como você dizia quando estava gemendo em cima de mim. Ela virou a cabeça para o lado e respirou fundo. —Eu devo ir. —Heidi, eu entendo porque você me culpa por isso. —Não parece que entende. — Ela disse. Suas mãos estavam cerradas ao lado do seu corpo. —Eu entendo. Eu sei, porque a culpa é minha. — Suspirei. —Jensen está investigando quem enviou os vídeos para a empresa, e meu palpite é que foi Miranda. E, se eu estiver certo, então você está certa. É minha culpa que tudo isso aconteceu. Porque minha ex cadela está tentando se vingar de mim. —Você acha que Miranda fez esses vídeos? —Eu acho que é uma possibilidade real de que ela iria querer que você fosse demitida depois de descobrir que estávamos juntos. —Mas ela não teria enviado para Jensen?


Eu ri sem graça. —Não. Ela odeia a minha família. Todos eles. Ela saberia que Jensen ficaria do meu lado e se manteria calmo. E, você sabe, eu deveria ter visto tudo isso junto. Você me perguntou uma vez: 'Por que ela? Por que eu me casei com ela? ’ — Balancei a cabeça e olhei para o túmulo do meu pai. —Eu venho dizendo há muito tempo que era porque ela não era essa pessoa quando nos conhecemos e eu pensei que ela me amava. Não acho que eu estava disposto a ver o que realmente era. —O que você quer dizer? Que se casou com uma psicopata? — Ela cruzou os braços. —Sim. Eu achava que estava fazendo a escolha certa. Meu pai queria que eu ficasse com alguém digno do nome Wright. É por isso que ele não me queria com Emery. Ele não achava que ela era boa o suficiente. Então, quando eu conheci Miranda fora da faculdade, ela veio do velho dinheiro, trabalhava como enfermeira no Tour, parecia saber os prós e contras do golfe, e se encaixava na minha vida. Eu pensei ... pensei que era o que meu pai teria desejado. Mesmo depois que eu descobri que os seus pais foram à falência e os ajudei a sair da dívida, eu ainda estava cego. —Você pagou as dívidas dos seu pais? — Heidi engasgou. —Sim. Ninguém sabe. Pensei que era a coisa certa a fazer no momento. Eu tinha casado com sua filha depois de tudo. Mas, se eu apenas percebesse então como louca ela era e o quanto ela estava me usando, não estaríamos aqui agora. —Talvez. Talvez não. — Heidi disse.


—Eu não quero falar sobre Miranda ou pensar sobre a pessoa que eu era quando estava com ela. Eu só quero ser exatamente quem eu sou quando estou com você. Ela fechou os olhos e virou a cabeça para as estrelas. Ela estava tremendo um pouco do frio. Lubbock estava ventando tanto ultimamente, que tinha noites frias. Peguei o meu casaco que ia colocar mais cedo e atirei sobre os seus ombros. Parecia que ela queria protestar, mas estava frio demais para fazê-lo. —Obrigada. — Os olhos dela caíram para o chão e, em seguida, voltaram-se para os meus. —Sinto muito por ter gritado com você no outro dia. Meu queixo quase caiu no chão. —Você sente? —Eu estava com raiva e frustrada e tão, tão chateada. E descontei tudo em você. Querendo ou não, achando que a culpa era sua, você não merecia como te tratei. —Heidi, meu fogo de artifícios, — disse com uma risada, — Eu nunca poderia te amar menos por gritar comigo. Dei um passo em direção a ela, e ela recuou. —Mas eu não posso fazer isso. —O quê? — Perguntei, a minha voz saindo mais dura do que eu pretendia. —O que você quer dizer? —O que eu estou sentindo é paralisante, — ela me disse. — Completamente fisicamente debilitante. Isso está transformando todo o meu mundo de cabeça para baixo, e estou tentando


descobrir onde me encaixo. Eu perdi meu emprego e minha identidade tudo de uma só vez. —Você não acha que eu, de todas as pessoas, entendo o que é isso? — Perguntei. —Quando fiquei com as minhas costas ferida, o golfe tinha acabado. Algo que eu tinha feito toda a minha vida. O único trabalho que eu já tinha conhecido. E não apenas isso, mas eu estava fisicamente limitado a partir desse ponto. Eu era metade do homem que tinha sido, tudo por causa de um balanço ruim. Acho que posso entender como se sente ao ter uma crise de identidade. —Foda-se, eu sei. Eu sei que você esteve aqui antes. E eu sinto muito que gritei com você, mas isso realmente não muda o que sinto. Isso não muda o fato do que aconteceu ... eu associo a você e sua família. Assim, faz isso difícil. — Ela fez um gesto entre nós. —Ficar comigo? —Estar perto de você, — ela corrigiu. —Vê-lo e saber que eu te amo e que não posso deixar isso ir. Isso eu não posso perdoar e esquecer. Que, agora, eu odeio os Wright e tudo o que essa porra representa. Porque eu me perdi, fui pega com você, e fiz exatamente o que eu jurei que não faria. Agora, estou fodida. —Eu entendo. — Disse, de repente miserável novamente. Ela me amava, mas não queria nem mesmo estar perto de mim. Miranda odiava minha família sem nenhum motivo, e agora, Heidi odiava com razão. Eu não podia ganhar. —Então, eu só ... preciso de tempo, Landon.


Olá, tempo, meu velho amigo. —Claro, — encontrei-me dizendo. —É a última coisa que eu quero te dar, mas vou, se você acha que vai ajudar. Ela deu um passo para a frente, como se quisesse se jogar em meus braços. Em seguida, parece que se deu conta e parou. Ela tirou o meu casaco e ofereceu-o de volta para mim. —Fique. —Não posso. —Por favor, Heidi. Deixe-me cuidar de você mesmo que não queira ser cuidada. Coloquei

uma

distância

que

ela

tinha

hesitado

em

atravessar antes e puxei a jaqueta mais junto ao seu redor. Seus olhos

estavam

arregalados

com

preocupação

a

minha

proximidade. Mas ela não se afastou. —Você pode me odiar agora, mas eu vou estar bem aqui. Se precisar de mim, se você achar que pode se aproximar depois do que aconteceu. Eu estarei aqui, tentando consertar o que quebrei entre nós. —Eu me inclinei para frente e pressionei os meus lábios em sua testa. —Eu deveria ter esperado por você. Deveria ter provavelmente esperado até Jensen ou Morgan me ajudar. Há uma tonelada de coisas que eu poderia ter feito, mas não posso me arrepender do nosso tempo juntos. Eu nunca vou. Você roubou meu coração completamente com o primeiro beijo na parte de trás do Flips, e eu nem sequer quero de volta. Uma

lágrima

suavemente.

escorreu

pelo

seu

rosto,

e

eu

limpei


—Não há mais lágrimas, amor. —Sinto muito, Landon. — Ela disse em um suspiro sufocado. Então, se afastou de mim e fugiu através do cemitério, deixando-me com nada, mas os mortos para consolar o meu coração partido.


Trinta e Sete

—Não posso acreditar que deixei você me convencer a isso. — Eu disse com um suspiro pesado quando Julia estacionou seu SUV no estacionamento do Overton. —Vai ficar tudo bem. —

Emery falou do banco do

passageiro. Eu estava sentada na parte de trás, com o vestido rosa que Julia tinha comprado para mim. Não tinha ideia do por que diabos eu estava usando isso ou por que eu estava prestes a participar do Evento de caridade da Wright. —Eu tenho fontes seguras que Landon não vai estar aqui, e você sabe que a maior parte da empresa nem sequer aparecerá. É principalmente para os tipos pretensiosos com um monte de dinheiro para repartir, — Julia me lembrou novamente. —A engenharia nunca apareceria para isso. Bem,

isso

era

verdade,

pelo

menos.

Ninguém

no

departamento que eu tinha trabalhado tinha qualquer interesse em se vestir e ir para alguma função de alta classe. Mas eu não entendia por que Landon não estaria aqui. Era um evento Wright. Ele era um Wright. —E por que Landon não virá? — Perguntei. Julia e Emery passaram um olhar entre elas.


—Jensen disse que ele estava ocupado, — Emery disse, ao mesmo tempo que Julia disse: —Acho que ele está ocupado. As duas riram nervosamente, e eu me arrumei no banco. — Ele vai estar aqui, não é? —Não! — Ambas disseram ao mesmo tempo. —Oh, Jesus, vocês mentiram para mim? — Gemi. —Me leve para casa! Eu não estou lidando com isso esta noite. —De que outra forma iríamos chegar aqui? — Perguntou Emery, girando o rosto para mim. —Então ... Landon pode estar aqui. Eu realmente não sei. Mas ainda podemos nos divertir de qualquer maneira. Eu realmente não queria vir sem você. Pense em quanta diversão tivemos no casamento de Sutton porque você me arrastou para lá. —Vocês duas são amigas de merda. —Champanhe grátis. Jantar gratuito. E uma razão para usar um vestido extravagante. Foda-se todo os Wrights esta noite, e vamos apenas nos divertir. O que você acha, Heidi? —Julia perguntou com um sorriso. Seu cabelo vermelho estava virado para o lado, revelando o lugar raspado. —Tudo bem, mas me guiem para longe deles esta noite, ou não posso prometer que não vou soltar a minha merda. — Abri a porta e saí com os meus saltos de tiras nude. —Excelente. — Emery disse. Ela ficou ao meu lado em seu vestido preto até o chão e sapatilhas.


Julia tinha ido com saltos pretos. Ela estava com um vestido curto de um ombro preto que mostrava as suas tatuagens. Eu não foderia com ela. —Vamos? — Julia perguntou com um sorriso malicioso. Assenti com relutância e fui levada para dentro entre as minhas duas melhores amigas. Eu sabia que elas estavam apenas tentando ser boas amigas, mas eu não estava ansiosa para isso. A Wright construção tinha me demitido, e eu tinha terminado com um membro da família Wright. Agora, eu estava aparecendo em um dos seus eventos. Era muito corajoso. O salão foi decorado para combinar com o tema do casino com enormes cartazes que diziam, Noite de Caridade Wright Casino: Double Down para a caridade. Mesas de roleta foram criadas no centro da sala. Mesas de blackjack e pôquer já estavam cheias de jogadores. A área mais barulhenta da sala era a mesa de dados. Mulheres sopravam sobre os dados diante dos homens atirando e esperando ganhar. Era ultrajante e genial. Todo o dinheiro gasto seria doado para o hospital de crianças local de Lubbock. Desse ponto de vista, seria uma doação muito generosa, de fato. Nós fomos em direção ao bar menos lotado, e Emery derramou champanhe rosa. Ela segurava sua taça alta. —Por champanhe grátis, pelas melhores amigas, e uma noite das meninas. —Vamos ficar fodidas. — Julia acrescentou.


Eu apenas ri. —Talvez eu tenha que me embebedar para viver esta noite. —Vocês estão arruinando o brinde! — Emery cuspiu. —Por Emery ser uma merda em brindes. — Julia disse, levantando a taça novamente. —Vou brindar a isso. — Disse. Emery suspirou, e todas nós brindamos nossas taças juntas. Ela murmurou —Cadelas, — sob a respiração enquanto viramos nossas bebidas. Os olhos de Julia se iluminaram quando nos aproximamos da mesa de dados. Eu tinha apenas uma vaga ideia de como jogar. Nunca tinha sido uma grande jogadora, mas eu podia ver que Julia realmente sabia o que estava fazendo quando colocou a sua aposta. —Já fez isso antes? — Perguntei. Ela sorriu. —Não por muito tempo. Eu prefiro blackjack ou poker, mas dados é puro entretenimento. Não precisa de raciocínio. Olhei para a placa com minha cabeça girando. Sim, menos para pensar. Certo. Mas, novamente, este era provavelmente o que as pessoas pensavam sobre bilhar, e tudo se encaixava para mim como um quebra-cabeça.


Julia tinha uma pilha louca de dinheiro na frente dela depois de apenas meia hora de jogo. Ela encolheu os ombros, como se não quisesse dizer nada, e depois guardou seus ganhos. —Você sabe que isso é para caridade, — Emery disse com uma risada. —Você deveria perder. —Oh, eu não perco, — Julia disse. Então, franziu a testa e parecia desconfortável. —Hum, talvez eu não devesse jogar? —Eu estava brincando, — Emery disse. —Claro que você deve jogar. Nós fomos para as mesas de blackjack onde os olhos de Julia foram como laser nas cartas sendo distribuídas. Se eu não a conhecesse, pensaria que ela estava realmente contando as cartas. Ela poderia fazer isso? —Não esperava vê-la aqui. — Alguém disse ao meu lado. Abaixei a minha cabeça e encontrei Austin e Patrick de pé e sorrindo para mim. A namorada de Patrick, Mindi, estava bebendo um Martini e olhando fixamente para a mesa de blackjack em um microvestido prata. —Eu não esperava aparecer. — Admiti. Patrick sorriu de volta. —Não culpo você. Mas a atenção de Austin estava em Julia. —Ei, — ele disse. Ela olhou para ele com indiferença. —O que você quer? —Precisa de uma bebida?


—Não. — Disse. —Não tenho que tomar uma bebida para me divertir. —Vai machucar beber? — Ele inclinou a cabeça no bar e sorriu como o bastardo arrogante que era. —Vem caminhar comigo. Vamos colocar a conversa em dia. —Não. Não com você. — Ela disse a ele. Suas mãos estavam em seus quadris, e ela parecia feroz. Eu certamente não gostaria de mexer com ela. Emery beliscou meu braço, e vi que estava preocupada que Austin e Julia estavam fazendo uma cena. —Talvez apenas a deixe sozinha. — Eu disse. —Eu estava simplesmente lhe perguntando se eu poderia pegar uma bebida. —Eu não quero uma bebida sua. — Julia disse. —Então que tal um passeio? —Eu não quero ir a qualquer lugar com você também. —Isso não é o que você disse da última vez. As narinas de Julia se alargaram. —Você me usou e depois me ignorou, Austin. Você é nojento, e eu prefiro ir a qualquer lugar do que estar perto de você. Você é um manipulador. Isso é o que você faz. —Basta um para conhecer o outro. — Ele disse, sua mandíbula apertada.


Julia deu uma bofetada em Austin. Sua cabeça virou para o lado, e a mesa em que estávamos perto silenciou. Todo mundo estava olhando na nossa direção agora. Mas Julia não pareceu notar. Ela tremia de raiva. —Foda-se. — Ela gritou. Austin esfregou o queixo, olhou para Julia, e riu. —No entanto você gosta, querida. Julia se irritou e parecia pronta para dar mais do que apenas um tapa nele quando Emery interveio e guiou Julia longe de Austin. Mas eu estava olhando para ele. Ele estava ferido. Fiquei chocada ao ver nada, mas o olhar de um idiota bêbado no rosto. Seu tom tinha sido conservador. Ele tinha sido ofendido, então foi para a jugular quando isso não funcionou, e fez uma piada. Era um mecanismo de defesa. Dei um passo para a frente e entrei em seu rosto. —Se você machucar a minha amiga de novo, vou rasgar as suas bolas fora e colocá-las em um liquidificador. Estamos entendidos? —Como um cristal. — Ele cuspiu. Fui depois de Julia, mas ela estava escondida no banheiro e não deixaria Emery ou eu perto dela. Eu conhecia esse sentimento. Ela provavelmente só precisava se recompor antes que pudesse voltar. Deus, por que os caras têm que agir assim? Eu estava de pé contra a parede, bebendo mais um copo de champanhe que um garçom tinha trazido, quando vi Landon romper com Austin e Patrick e apontar em linha reta em minha


direção. Era como se tivesse um radar para me encontrar em pé como um Wallflower24 contra o fundo da sala. Parte de mim queria virar as costas e se esconder no banheiro feminino, mas não fiz. Mantive a minha dignidade. —Ei, você apareceu. — Ele disse com alguma surpresa em sua voz. —Sim. Eu, uh ... me disseram que você não estaria aqui. Ele desanimou por um segundo antes de uma recuperação rápida. —Claro que estaria. Parece certo. Ele olhou para mim por um segundo, como se estivesse me bebendo. Eu tinha esquecido completamente o meu vestido sexy e saltos altos. —Você parece incrível. — Ele me disse. —Obrigada. — Mordi o lábio quando o avaliei pela primeira vez. Porque ... puta merda! Ele estava em um smoking. Um smoking sob medida que se encaixava em seu corpo como uma luva, e eu queria lentamente tirá-lo. Ele estava bem barbeado onde normalmente tinha um pouco de barba, e parecia ter cortado seu cabelo. Eu realmente desejava que ele não fosse tão quente. Faria tudo isso mais fácil. —Você parece bem, também. Ele sorriu. —Desculpe por Austin. Patrick me contou. —Sim. Seu irmão é um grau-A de idiota. 24

Flor de canto.


—Infelizmente, é assim que você pode dizer que ele gosta dela. —Bem, nós não estamos no playground mais, e o que significa meninos não eram legais mesmo assim. Landon levantou as mãos. —Eu não estava defendendo as suas ações. Acho que o que ele disse está errado. Mas este é Austin. Ele é um merda total, quando gosta de alguém. O que eu queria dizer era, se ele não fosse um alcoólatra tão enlouquecido, então talvez nem sempre se encontraria nesta situação. Mas eu realmente não conhecia Austin. Definitivamente não como Landon conhecia. Então, eu só o deixei ir. —Você quer ...— Landon parou e fez um gesto para a sala atrás dele. Estava cheia de foliões felizes gastando frivolamente seu dinheiro para a caridade. —Você realmente acha que isso é inteligente? —Acho que eu não me importo nem um pouco. Era quase impossível ficar indiferente ao Landon quando ele estava olhando para mim com tanto fervor, pedindo um pouco de tempo comigo. Claro, isso era o que tinha começado a nossa confusão, para começar. —Sim. Eu acho que todo mundo já sabe que eu fui demitida por sua causa. — Eu disse com um suspiro.


—Na verdade, eles não sabem. Além da sua supervisora, Julia, e eu, ninguém no seu andar está ciente da razão da sua ausência. —Ausência? —Sim. —Todo mundo pensa que tirei uma folga? — Perguntei, incrédula. —Que tipo de besteira é essa? Salvar sua própria bunda? —Eles estavam tentando evitar um escândalo, Heidi. Isto poderia ter sido prejudicial à marca Wright Construção. Muito além do âmbito que tínhamos pensado. Eu, obviamente, tenho focado principalmente em suas necessidades, mas entendo com o que Jensen e Morgan estão lidando. —Certo. Demitir a menina dispensável, e encobrir para que você não fique mal, e, em seguida, falar sobre como isso poderia ter machucado você, e não ela. —Isso não é o que eu estou dizendo a todos. Estou tentando trazer você de volta! — Disse. —Eu já tentei sair, na esperança de conseguir o seu emprego de volta. Meus olhos arredondaram. —Você fez? —Sim. Fui direto para Jensen depois que terminou comigo. Eu lhe disse que iria descobrir a minha própria merda. —Eu não sabia disso. — Eu disse, minha voz fraca. —Sim. Mas ele se recusou. Ele disse que, mesmo se eu sair, não iria lhe garantir o seu trabalho. Pelo menos não até que eles


descobrissem quem enviou os vídeos ou se estariam enviando quaisquer ameaças mais. Ou, pelo menos até que ele pudesse me encontrar outra posição. —Espere, ameaças? Você acha que os vídeos eram uma ameaça? —Você não acha? — Perguntou. —E funcionou, também. —Você acha que Miranda estava ameaçando a empresa? —Qualquer ameaça contra um membro da família de Wright é uma ameaça contra a empresa. E esses vídeos vazando estrategicamente me mostrando com um empregado. Sim, isso é uma ameaça. Eu não tinha pensado tão longe. Eu tinha estado na minha própria bolha toda a semana. Abatida e deprimida com a perda do meu trabalho. Eu não tinha pensado sobre isso como um jogo de bilhar. Alinhando as bolas para três movimentos a partir de agora. Vendo onde seu oponente se moveria para chegar na posição certa. Era estratégico. E, se Miranda estava jogando este jogo, então absolutamente era mais do que apenas me tirar do caminho. —Porra, ela está tentando um jogo maior, não é? — Sussurrei. —Ela quer algo mais do que eu fora do caminho. Landon assentiu. —Sim, estamos esperando por ela para mostrar a mão, e Jensen está tentando antecipar isso. Eu sinto muito que você foi pega em sua mira. Olhei por cima do ombro e congelei. —Acho que estamos prestes a descobrir.


—Por que você ...— Landon começou. Em seguida, ele seguiu meu olhar e encontrou Miranda caminhando diretamente para nós.


Trinta e Oito

Miranda usava um vestido vermelho-cereja, virando todos os olhos em sua direção. E era exatamente o ela que queria. Então, eu propositadamente olhei para longe dela e procurei Jensen e Morgan na multidão. Eles não eram difíceis de encontrar, em pé na frente da sala com um punhado de grandes doadores. Como se ela pudesse me sentir a observando, Morgan cutucou Jensen, e ele franziu a testa na minha direção quando percebeu que Miranda estava aqui. Hora de começar. —Não se envolva com ela. — Eu disse a Heidi. Fiquei na frente dela, então eu a estava protegendo de Miranda. —Landon, eu não vou sentar e a deixar atacar você. Se ela é a puta que me fez perder meu emprego, então vou lhe dizer o que penso. Oh, Heidi. Deus eu te amo. —Você estará dando a ela o que ela quer. Seria melhor se me deixasse cuidar disso. Ela quer me foder de qualquer maneira. Você está ... apenas no seu caminho. —Foda-se. — Ela murmurou. —Logo em seguida, amor. — Sussurrei antes que Miranda ficasse cara-a-cara comigo.


Miranda só parou um pé de mim e sorriu, como se ela estivesse realmente animada para me ver. Como se a última vez que tinha ficado cara a cara, eu não tinha jogado o dinheiro para ela como uma prostituta comum. —Olá, querido. — Miranda disse com um sorriso sedutor. — Estou com saudades de você. —Não posso dizer o mesmo. — Eu disse. Seus olhos seguiram para trás de mim, para encontrar Heidi parada lá. Eu tinha certeza de que ela era evidente. Miranda bufou. —Acho que a Wright tem realmente reduzido os seus padrões este ano já que deixam entrar qualquer um no seu maior evento de caridade da temporada. Eu dei-lhe um olhar aguçado. —Parece que sim. —Oh, você é tão adorável quando está chateado. —Você fez isso, Miranda? —Fazer o quê, cachorrinho? Eu fiz um monte de coisas. — Ela disse com uma piscadela. —Você fez os vídeos e os enviou para a empresa? Ela bateu os cílios para mim. —Que vídeos? —Você sabe muito bem que vídeos. —Perguntei-lhe à queima-roupa se você estava vendo alguém, Landon. Você me disse que não. —Ela inclinou a cabeça para o lado. —Eu queria provas para mim.


—O que você espera conseguir com isso? — Perguntei. Eu tive que cerrar os punhos para mantê-los de tremer de raiva. —Pensei que você iria ver o erro em seu caminho e voltar para mim. — Miranda me disse. Heidi bufou atrás de mim e, em seguida, dissolveu em gargalhadas. Que não fez nada mais para Miranda. Ela passou de docinho sulista ao modo cadela em cerca de dois segundos. Ela zombou de Heidi, e eu tive que me segurar. —Isso nunca vai acontecer, Miranda. — Disse a ela. —Você deveria virar e sair daqui agora. Basta assinar a porra da papelada e sair da minha vida com todas as suas formas de manipulação do caralho e intrigas. O fato de que você poderia ter feito esses vídeos e enviá-los para a empresa para tentar conseguir alguma coisa, me enoja. —Você foi o único que agiu pelas minhas costas e me enganou. — Ela retrucou. —Claro que contratei um investigador particular para olhar meus interesses! —Eu nunca te traí, — eu disse tão calmamente quanto podia. —Mas eu nunca, em um milhão de anos, te escolheria sobre Heidi. Lá. Eu tinha colocado tudo para fora. Todos no edifício poderiam ouvir o que eu estava dizendo. Não me importava mais. As ameaças de Miranda não eram válidas. Tudo o que ela queria de mim, ela nunca iria conseguir. E eu estava cansado de esconder meus sentimentos por Heidi.


Ela era a única para mim, e eu não me importava com quem soubesse disso. —Você não está falando sério. — Miranda gritou. —Você está tão desesperado para estar com alguém que ficou com a melhor amiga da sua ex-namorada? Você ficou desapontado que Jensen tinha reivindicado Emery, então você foi para a segunda opção? Quer dizer, Deus, é do caralho repulsivo. —Cale a boca. —Apenas enfrente, Landon. Você não pode ficar sozinho. Você

é

viciado

em

estar

apaixonado,

em

estar

em

um

relacionamento. —Talvez eu não goste de ficar sozinho, mas prefiro ficar sozinho do que estar com você em qualquer dia. E, porra, Miranda, você não tem direito de falar. Você já estava tentando me substituir com outro golfista em Atlanta. Miranda revirou os olhos. —Eu não tinha interesse em Ben. Estava tentando verificar você. E acabei descobrindo que você estava mentindo para mim, então eu tinha uma boa razão para fazê-lo. E, Deus, olha com o que você está tentando me substituir. Ela zombou de Heidi, e senti o seu movimento, para se defender, mas balancei a cabeça. Não valia a pena. —Miranda. — Avisei. —Quero dizer ... você desceu o nível. — Miranda disse com uma risada coquete. —É engraçado que você pensou que um lixo


de trailer do Texas com um pai traficante de drogas poderia substituir alguém como eu. Heidi pulou de

trás

de mim. Realmente, depois do

comentário, eu não a culpava. —Vá para o inferno! — Heidi gritou. —Por que você tem que tentar arruinar a vida de todos só porque está infeliz? —Oh, querida, eu não estou infeliz. Eu tive os melhores anos de Landon Wright. Você está gostando dos meus restos? As costas de Heidi se endireitaram, e eu vi mais fogo nela naquele momento do que tinha visto toda a semana. Era como se meus fogos de artifícios estivessem de volta ... e ela estava prestes a explodir. —Você nem sequer vale a pena seu tempo. Você certamente não vale a pena o meu. O fato de que voou todo o caminho até aqui porque estava tão desesperada e achando que poderia leválo de volta se você me tirasse do caminho é realmente patético. — Heidi inclinou a cabeça e franziu a testa. —Eu realmente tenho pena de você. Miranda riu. —Eu não preciso da pena de ninguém. —Você é uma putinha triste que conseguiu um golfista profissional e agora vai fazer de tudo para mantê-lo. Ele finalmente viu você por quem realmente é, — Heidi disse. —E você pode me insultar o quanto quiser, mas nunca vai levá-lo de volta. Não com o seu charme. —Puta maldita, — Miranda resmungou. —Você não sabe o que está dizendo.


—Ela sabe, — eu disse. Coloquei meu braço sobre os ombros de Heidi e me afastei de Miranda. Miranda abriu a boca para responder, mas minha família apareceu em ambos os lados de mim e Heidi. Estávamos todos de frente para ela-Jensen, Austin, Morgan, Sutton, e até mesmo Patrick, Emery e Julia. Nós contra ela. Eu sabia em quem colocaria a minha aposta. —Você deve ir, — eu disse com firmeza. —Você não é querida aqui. —Foda-se todos vocês, porra de Wrights. Vou levar o escândalo para a imprensa! Jensen sacudiu a cabeça. —Eu comprei o seu investigador. Não acho que vai acontecer. —Sim, não era mesmo tão difícil de rastrear quando eu sabia o que estava procurando, — Morgan disse. Ela mudou seu tom de voz e sorriu para Miranda. Eu sabia que ela estava se divertindo. —Então, você pode ir, tchau agora. Os olhos de Miranda passaram pela minha família antes de parar em mim. —Deus, estou tão feliz que fiz aquele aborto. Meu estômago caiu fora do meu corpo. Eu me sentia tonto, e não conseguia processar o que ela havia dito. —Você o que? —Sim. Você porra pensou que abortei? Não, eu só não queria ter a porra do seu filho e tê-lo crescendo e sendo um Wright. Então, eu me livrei dele. — Miranda cuspiu em mim.


O ano passado acelerou diante dos meus olhos. Todas as vezes que eu tinha defendido e atendido ela e movido montanhas para o seu conforto por causa do aborto que eu acreditava que estávamos em luto. Mesmo quando eu queria sair, tinha estado lá para ela através de tudo. Então ela tinha feito isso sem sequer me dizer e mentiu sobre isso durante um ano. —Dê o fora, — eu disse, apontando para a porta. —Agora mesmo. Miranda abriu a boca para responder, mas Jensen, Austin, e Patrick assumiram, atuando como meus próprios seguranças pessoais para acompanhá-la para fora do prédio. Eu esperava que esta fosse a última vez que iria vê-la. Eu queria deixa-la por um longo tempo, mas nunca soube as profundezas das suas mentiras. Heidi colocou a mão nas minhas costas. Ela sabia o que isso significava para mim. Ela sabia o quanto eu queria uma família e o que eu tinha sacrificado para tentar uma. —Ei, isso não é sua culpa. — Ela disse suavemente. —Ela matou nosso feto. —Eu sei, — ela sussurrou. —E nada poderia fazer isso certo. —Ela realmente fez isso. —Eu sei, — ela repetiu. Sua mão fez círculos em volta das minhas costas, tentando aliviar a minha dor. —Mas ... mas eu estou aqui, Landon. Se você precisar de mim.


Vi a sinceridade em seus olhos. Que ela ainda estava chateada comigo, mas não podia se afastar de mim quando descobri algo como isto. Eu a amava ainda mais por isso. —Eu não posso acreditar nisso. —Acho que explica muito sobre seu comportamento. A maneira como ela sempre agiu com tanta inveja e raiva. Quando você me disse pela primeira vez que ela teve o aborto, eu pensei que as suas ações eram da culpa que ela poderia não ser capaz de ter um filho, — Heidi explicou. —Agora, eu vejo como culpa, porque ela se livrou do que você queria e mentiu sobre isso. O fato de que ela soltou a notícia como uma arma apenas mostrou como estava desesperada. Ela quis te machucar. —Funcionou. — Admiti. —Como não poderia? — Heidi perguntou. —O que ela fez foi desprezível. Fazendo as coisas pelas suas costas e mentindo e, em seguida, fazendo com que você atendesse a ela por tanto tempo sobre algo que nem mesmo era verdade. Ela é uma louca. Você não está um pouco feliz que uma criança não está envolvida? Meus

olhos

se

mudaram

para

Jensen,

que

estava

caminhando de volta para nós. Ele era prova suficiente de que o divórcio era ruim quando uma criança estava envolvida. Eu balancei a cabeça. Eu estava contente. Eu não queria ter filhos com Miranda ou ser algemado a ela para sempre.


Mas eu nunca iria perdoá-la por acabar com aquele que poderia ter tido. A possibilidade. Parecia como perder o bebê novamente. —Deus, o que é uma puta! — Morgan disse. —Quero dizer ... ufa! Você escolheu uma verdadeira vencedora, Landon. —Obrigado, Morgan, — eu disse com um rolar de olhos. —Ela com certeza sabe como fazer um show embora. E, sério, eu não levaria em conta qualquer coisa que ela disse. — Ela me deu um olhar aguçado. —Neste ponto, ela faria qualquer coisa para

machucá-lo,

mentir,

enganar,

roubar,

contratar

um

investigador particular para conseguir que a sua namorada fosse demitida. Você sabe, comportamento psicótico totalmente normal. Não pude evitar. Eu ri. —Bem, há uma coisa boa que saiu de tudo isso. —Sim? — Heidi perguntou. —Você está falando comigo de novo. —Hum ... sim, isso é ótimo, — Morgan disse, —no entanto, tenho que dizer que a melhor parte é que, quando Jensen a escoltou para fora, ele a ameaçou até a morte. Tenho certeza que vamos ter a papelada do divórcio assinada amanhã. Eu dei esse primeiro suspiro de alívio com o pensamento. Mesmo que Miranda havia destruído a minha vida e abatido o meu coração com esse último comentário, que ia acabar logo. Eu poderia seguir em frente, e esperava que, pudesse fazer isso com Heidi no meu braço.


Morgan piscou para Heidi e depois desapareceu em direção ao pequeno palco na frente da sala. Virei-me para enfrentar Heidi, que ainda estava olhando para mim com olhos azuis redondos cheios de preocupação. —Você sabe que eu sou completamente apaixonado por você, certo? — Perguntei. Ela assentiu com a cabeça. —Sim, acho que eu notei isso. —Não quero que fiquemos separados. Eu não quero que o que aconteceu aqui ou com nossos trabalhos nos separe. Vou realmente sair desta vez, Heidi. Vou ter seu emprego de volta, e nós vamos fazer funcionar. Não vale a pena não ter você. Ela acenou. —Olha, eu não queria terminar com você. Quero que fiquemos juntos. Isso é o que eu queria há muito tempo. Eu só o culpei por tudo. E, com certeza, era culpa de Miranda, e nós dois poderíamos ter sido mais cuidadosos, mas devíamos ter trabalhado nisso juntos. Tenho certeza que é por isso que Emery e Julia insistiram para que eu viesse aqui. —Adoraria fazer isto funcionar como uma equipe. Eu não quero passar a vida, perguntando sobre o que seria. Eu quero você. Segurei

seu

rosto

em

minhas

mãos

e

em

seguida,

delicadamente dei um beijo em seus lábios. Ela se inclinou para mim, e eu provei a doce vitória naquele pequeno movimento. Heidi era minha. —Senhoras e senhores, se eu pudesse ter a sua atenção, — Jensen disse do palco. —Eu sou Jensen Wright, CEO da Wright


Construção, e queria agradecer a todos por terem vindo esta noite para nossa caridade anual. Espero que estejam perdendo todo o seu dinheiro nas mesas, para que possamos doar uma enorme seleção para o Hospital Infantil de Lubbock! A multidão riu e aplaudiu com o seu comentário, levantando taças para brindar a noite. —Enquanto tenho a atenção de todos, tenho um anúncio especial. Wright Construção abriu recentemente uma nova divisão da empresa, onde uma porcentagem de todos os rendimentos vai para a nossa parceria com o Hospital Infantil de Lubbock. Nós estaremos abrindo o Wright Golf Club, um campo de golfe estilo PGA focado em ensinar iniciantes e trazer profissionais para a cidade. Meu coração parou de bater. Meu queixo caiu. O próprio tempo parou. —E aqui para comandar esta nova divisão, trago-lhes meu irmão Landon Wright.


Trinta e Nove

O choque de Landon escorria por todos os poros. Sua família estava sorrindo para ele. Todos estavam envolvidos. Mesmo Sutton, que era a única Wright que não trabalhava para a empresa. E meu coração derreteu por todos eles. Eles tinham visto a sua depressão e o preço que a perda do golfe tinha pressionado sobre ele. E então eles tinham feito algo sobre isso. Não sei quanto tempo isso estava em andamento, mas não poderia estar mais feliz por ele. Landon subiu ao palco e apertou a mão de Jensen e Morgan. Depois disseram algumas palavras um para o outro, Landon ligou o charme quando agradeceu a multidão por esta incrível oportunidade e, em seguida, disse que esperava vê-los todos no campo. Emery me cutucou. —Que tal? —Você sabia? — Perguntei a ela. —Eu tinha uma ideia sobre isso, mas acho que foi um vislumbre de uma ideia. Não tinha certeza, e eu não queria dizer nada para você não saber. Especialmente se Landon não sabia. —Estou tão feliz por ele. Este é o lugar onde seu coração está. Acho que ele, eventualmente, teria morrido por trabalhar em um escritório todos os dias.


—Você provavelmente está certa, — Emery concordou. — Então ... você não está feliz de ter vindo? —Foi por isso que você mentiu para mim? —Jensen me disse que eu tinha que te trazer aqui, não importa o quê. Então eu trouxe. E estou tão feliz que eu fiz, também. — Emery assentiu com a cabeça atrás de mim. — Falando nisso. Virei-me e fiquei cara-a-cara com Jensen Wright. —Heidi. — Ele disse com um sorriso com covinhas. —Ei, — eu disse. —Hum ... desculpe por aquele texto no outro dia. —Perdoada. Provavelmente eu merecia. —Isso foi uma coisa muito legal que você fez por Landon. —Ele é meu irmão. Eu o amo, e quero vê-lo feliz. Eu sabia que ele nunca realmente estaria feliz na Wright. Ele pode ter o diploma de negócios, mas ele pertence a outro curso. E eu queria dar-lhe algo que iria realmente mantê-lo ocupado até que pudesse voltar para o campo. —Isso é realmente incrível. —É por isso que eu gostaria que tivesse respondido o telefone. — Ele continuou. —Sim. Eu ... essa não foi uma boa semana. Ele assentiu. —Eu imagino. Se você tivesse respondido o meu telefonema, porém, eu teria lhe dito sobre o que tinha em


andamento para Landon. Eu queria que fosse uma surpresa para ele. Quando ele me disse que estava namorando alguém, nunca imaginei que era você, então eu ignorei o problema. Eu profundamente peço desculpas por esse erro e como resultou em você perder o seu emprego. —Oh, sim ... demitida. Praticamente um dos piores dias da minha vida. —Eu sei que não posso compensar a tensão emocional que a empresa lhe causou, mas com Landon em uma posição diferente na empresa, eu ficaria feliz em oferecer-lhe o seu emprego de volta. Congelei no lugar. Minha boca se abriu. Meus olhos estavam arregalados. Ele riu. —Isso é um sim? —Eu ...não sei. Quero dizer, sim, eu quero voltar, — admiti rapidamente, — mas não quero voltar para um ambiente onde as pessoas acreditam que a única razão pela qual eu tenho a minha promoção é porque dormi com meu chefe. Há sexismo suficiente no departamento de engenharia sem que tenha essas besteiras, também. —Eu entendo, — ele disse com um aceno. —Fizemos o seu chefe e Julia assinar um NDA25, onde eles seriam responsáveis se divulgassem a informação do que havia encontrado no e-mail. Isso significa que as únicas pessoas que sabem sobre os vídeos

25

Acordo de Não Divulgação.


são você e minha família. Eu nunca iria querer colocá-la em uma posição onde você estaria desconfortável. —E eu ... continuo com a minha promoção? — Sussurrei, pensando que isso tudo parecia bom demais para ser verdade. —Não vejo por que não. —Qual é a pegadinha? — Perguntei com uma risada. —Não há nenhuma pegadinha. O que aconteceu foi um erro. Tirar você seria uma enorme perda para a empresa. Realmente quero você de volta, Heidi. Meu coração gaguejou, e eu me senti fraca. —Está bem. —Tudo bem? —Sim, — eu disse com um aceno de cabeça. —Vou ter um aumento de salário de dez por cento para o meu desconforto emocional, e gostaria de um escritório verdadeiro. Jensen riu ruidosamente. —Oh cara. Vejo por que Landon te ama. Dei de ombros. —Não custa tentar. Ele assentiu e estendeu a mão. Coloquei a minha na dele, e nós apertamos. —Feito. —Oh meu Deus, — sussurrei. Então, vi Landon caminhando em nossa direção, e não pude me controlar. Corri até ele, atirando-me em seus braços. —Meu Deus!


—O quê? — Ele perguntou, sua voz meio preocupada e excitada. —Jensen só me deu o meu emprego de volta. —Heidi, isso é incrível. —Com um aumento e um escritório! Landon riu. —Você superou Jensen Wright. Aqueça-se a glória desse sentimento, amor. Só acontece uma vez na vida. —Deus, Landon, — disse. Eu me afastei e suspirei profundamente. —Estou realmente tão triste por esta semana. Ele levantou a mão. —Você não tem que pedir desculpas para mim. Eu posso entender exatamente como você se sentiu. Tenho certeza de que não fui gentil com ninguém na semana que machuquei as minhas costas. —Sim, eu sei. É uma razão, mas não uma desculpa. Eu deveria ter acreditado em você e confiado em você. Explodindo com isso foi apenas ... idiota. Eu me machuquei, então estava cega. Não importava o quanto eu te amava ou qualquer outro pensamento. Apenas a dor. Não quero sentir isso de novo. Eu não quero mais perder você por algo assim. Ele me puxou para mais perto e deu um beijo em meus lábios. —A verdade é que você nunca me perdeu. Estive aqui o tempo todo, e eu sempre estarei. Eu sabia disso agora. O nevoeiro que eu estava andando por toda a semana limpou, e eu pude finalmente ver o que estava na minha frente.


Landon Wright era a melhor coisa que tinha acontecido comigo. Poderíamos ter tido nossos altos e baixos, mas não havia mais barreiras entre nós. —Você quer sair daqui? — Perguntei. Ele sorriu. —Eu não gostaria de nada mais. Ele estendeu o braço, e eu coloquei minha mão na curva da sua manga. Sem olhar para trás, nós saímos e deixamos trás nossos amigos e familiares e toda a festa. Com a semana que tivemos, eu queria ficar longe da multidão e cair no amor com ele. Ele pagou o estacionamento, e esperamos até o manobrista trazer a Mercedes para nós. Então, ele me levou em toda a cidade. Ele nem sequer perguntou, sua casa ou a minha? Ele só me levou para o meu apartamento e me ajudou a entrar. Não sei como ele sabia que eu queria que viesse para a minha casa, em vez da sua pequena casa na árvore. Mas eu queria apagar as memórias negativas que tive aqui com ele. Minhas mãos deslizaram sob o paletó de smoking antes mesmo da porta se fechar. Ele riu do meu comportamento ansioso, mas quando o beijei com tudo o que eu tinha em mim, seu humor evaporou. Eu queria ele e precisava dele como nada mais. Eu me agarrei à minha raiva ao longo da última semana, mas queria esquecer que tinha acontecido. —Heidi. — Ele murmurou contra a minha boca. —Mmm — gemi, jogando sua jaqueta no chão.


Suas mãos estavam segurando meu vestido de cair. E era o material mais fino possível, de modo que ele estava realmente agarrando a minha pele. E, porra, eu o queria. —Eu quero saborear você. —Eu quero que você me foda. Ele deslizou a língua pelo meu lábio inferior. —Eu quero provar cada centímetro do seu corpo. —Eu quero isso áspero e rápido. —Eu quero fazer você gozar tantas vezes, até que você veja estrelas. — Seus dedos encontraram a fenda do meu vestido e subiram para os meus quadris onde eu estava sem calcinha para a noite. —Mais forte, — eu praticamente respirei contra seus lábios. —Muito mais forte. —E só lembrar do meu nome. — Ele moveu a mão entre minhas pernas e acariciou a minha buceta antes de explorar o meu clitóris. Ronronei com o toque, levantando o meu corpo com excitação. —Leve-me, — implorei. —Possua-me. —Você não é o tipo de mulher que pode ser possuída — ele me disse fazendo um trabalho muito bom em possuir o meu corpo. —Prove que estou errada. — Gemi. —Porra, eu senti sua falta.


—Eu sei. Foi terrível. —Eu gostaria de porra poder jogá-la por cima do meu ombro e levá-la para o quarto. Esta lesão é ...—Ele balançou a cabeça. Eu me inclinei para a frente e o beijei ternamente. —Sua lesão não tem nenhuma importância para mim. Você não é menos homem porque não pode agir como um homem das cavernas. Confie em mim, tenho experiência em primeira mão. Ele sorriu. —Gostaria da experiência mais em primeira mão? —Sim, por favor. Ele tirou a mão e me levou para o quarto. Quando passei por ele, bateu na minha bunda. Uma vez que eu estava no quarto, ele tirou um tempo em puxar meu vestido sobre minha cabeça e descartar o caro pedaço de material no chão. Eu não poderia me importar. Suas mãos traçaram seu caminho pelo meu corpo. Então, ele me inclinou para trás na cama e usou seus lábios a seguir, onde suas mãos tinham estado. Era uma doce tortura, feliz. Eu queria ele dentro de mim, e ele queria me devorar. Ele estava ganhando. Sua língua definiu o cerco ao meu clitóris, e seus dedos devastaram dentro de mim, trazendo-me ao orgasmo duas vezes antes dele estar satisfeito. Eu estava incoerente. Não havia separação entre eu e Landon. Não havia espaço ou distância ou emoção que não poderíamos ultrapassar. Nenhum sentimento que não tínhamos conquistado. Nenhum


toque que não tinha abraçado. Viver sem ele tinha sido uma agonia, e eu me recusava a suportar novamente. Afastei Landon para que ele estivesse deitado de costas e, em seguida, mudei-me para cima dele. Ele agarrou meus quadris e me levou para baixo em seu pau. Inclinei a minha cabeça para trás de prazer com a sensação dele me enchendo. Então, comecei a levantar para cima e para baixo em cima dele. Meus seios estavam

movendo-se

comigo,

e

eu

sabia

que

ele

estava

apreciando a vista. —Porra, Heidi, — ele gemeu. —Você vai me fazer gozar. —Goze comigo. — Implorei. Eu já podia sentir meu orgasmo de novo, e estava ansiosa para ele acabar comigo. Ele passou os braços em volta da minha cintura e me segurou firme contra seu peito. Em seguida, empurrou-se em mim uma e outra vez. Seus olhos eram piscinas escuras de luxúria, e eu era um espelho para o seu desejo. —Não feche seus olhos. — Ele me disse. E, quando gozei, eu estava olhando diretamente em seus olhos e gritando seu nome enquanto me desfiz. Ele gozou comigo, e nós deitamos ofegantes de cansaço e satisfação. Ele colocou um leve beijo no meu ombro. —Acho que você me desgastou. —Você estará pronto para a segunda rodada em breve, — eu disse a ele com uma piscadela antes de sair para o banheiro.


Quando voltei, ele estava com suas boxers de volta e estava recostado de costas na cama, olhando poderoso, satisfeito consigo mesmo. —Algo que você quer dizer? — Perguntei, deslizando nas minhas calcinhas e uma camiseta grande e alegre. —Só pensando em você gozando três vezes. —Quer tentar mais? —Foda-se, sim, eu quero. Eu ri e aconcheguei-me ao lado dele na cama. Pressionei meu rosto em seu peito e suspirei. Isso era real. Tudo isso era real. Landon estaria divorciado em vinte e quatro horas. Eu tinha o meu emprego de volta. Ele estava indo trabalhar no golfe novamente. As dificuldades tinham sido insuportáveis, ...mas valeram a pena se eu tenho tudo isso no final. Ele passou os dedos pelo meu cabelo comprido, e eu me senti sendo embalada para dormir. —Obrigado. — Sussurrou no silêncio. —Por quê? —Não desistir completamente de nós. —Isto é o que eu quero. Sempre foi. Eu me senti tão feliz. Landon e eu fizemos merda. Quase fomos destruídos. Mas vencemos. Isso me fez sentir como se eu


pudesse fazer qualquer coisa. E havia mais coisas que eu tinha deixado de fazer.


Quarenta

—Você ... quer ler essas cartas comigo? — Sussurrei. Landon congelou. —Agora? —Sim. Eu só ... achei que agora poderia ser um bom momento. Ele se inclinou e acendeu a luz da mesa lateral. —Vamos fazer isso. —Você tem certeza? Você ainda quer? —Eu acho que você precisa. Tomei uma respiração profunda e, em seguida, caminhei até o armário. Peguei a caixa de cartas. Era muito pesada. A última vez que eu tinha contado, havia mais de trezentas cartas não respondidas, fechadas lá dentro. Eu tinha certeza que estava mais perto de trezentos e cinquenta agora. Era uma tarefa difícil, mas uma que eu senti que deveria finalmente enfrentar. Meu pai tinha cometido erros, como eu e Landon, e esperava que, através da leitura das cartas, eu poderia realmente descobrir a verdade em tudo o que meu pai tinha feito. Landon pegou a caixa de mim e colocou-a sobre a cama. Nós classificamos através das cartas que eram em sua maioria, em ordem de quando haviam sido enviadas, e eu retirei a primeira.


—Você está pronta? — Perguntou. Concordei com a cabeça, alimentando-me de sua força, rasguei o envelope aberto. Fiquei surpresa ao descobrir que tinha apenas algumas linhas sobre eles. Minha querida Heidi, Você merece alguém melhor do que eu para ser o seu velho. Espero que, um dia, você me perdoe e venha me visitar. Eu não sei se eu vou sobreviver a este lugar sem você. Te amo, princesa. Papai.

Meu coração parou sobre cada linha. Era tão pouco. Tão simples. Apenas um pedido de desculpas. Apenas a sua necessidade por eu estar com ele, e eu ainda não tinha sido capaz de abri-las. Nós rasgamos através de cartas e mais cartas. As primeiras cinquentas eram todas desculpas, suplicando-me para responder, para ir vê-lo, para entender. Pedindo mais do que eu tinha sido capaz de dar durante esse tempo da minha vida. Eu tinha estado muito chateada com ele ... incapaz de perdoar ... nunca podendo esquecer. Então, de repente, as cartas mudaram. A primeira que começou diferente, era como um último apelo.


Heidi Meu desespero não deve ser suficientemente claro para você, ou você está se recusando a responder às minhas cartas. Eu posso entender porque você está chateada, mas eu não posso dizer que estou feliz que não vai falar comigo. Mesmo apenas para me dizer para parar de escrever. Eu não vou pedir de novo para você vir me ver. Quando quiser vir me ver, eu estarei aqui. No mesmo lugar. Esperando.

E então, de todas as coisas, ele começou a falar sobre a minha mãe. A primeira vez que ele a tinha visto. A primeira vez que ele tinha chegado a ter a coragem de falar com ela. Seu primeiro encontro. Seu primeiro beijo. O dia do casamento. O dia em que nasci. Os últimos seis anos de cartas era uma coleção de cada memória feliz, que meu pai já tinha tido de mim e da minha mãe ... e eu perdi. Todas essas memórias que eu não tive e eventos que eu não poderia recordar. Tudo o que eu sempre quis saber sobre a minha mãe e meu pai, e estavam guardadas no meu armário, negligenciada nos últimos seis anos. Havia cartas suficientes da nossa história para encher um livro. E Landon e eu ficamos acordados até as primeiras horas da manhã, lendo cada uma. Chorei com algumas delas. Nós sorrimos durante a maior parte da minha infância. E o meu coração se encheu de arrebentar com cada nova descoberta, como


se eu estivesse começando a ver diretamente a cabeça do meu pai em uma maneira que ele nunca tinha feito para mim quando eu era criança ... e certamente nunca depois disso, quando ele era usuário. Este era um homem diferente. Este era o homem que eu lembrava a cada ano com sorvete e um bom choro. Ele esteve aqui o tempo todo. Sentado na prisão, e não mais do que alguns quilómetros fora da cidade. Nós finalmente chegamos à última, e eu lentamente abri, insegura da história que eu iria começar a ler em seguida. Meus olhos estavam cansados, mas eu ainda estava acordada e ansiosa. Minha Heidi, Pensei em outra coisa que você provavelmente não se lembra. Você tinha apenas três ou quatro anos no momento. Era alta para a sua idade, é claro. Você ainda é alta. Assim como sua mãe. Apenas como eu. Nós pensamos que seria uma jogadora de volei ou mesmo

uma

jogadora

de

basquete.

Tínhamos

grandes esperanças de que você gostaria de ser uma atleta profissional e conseguir uma bolsa de estudos para colocá-la na escola mais tarde. Claro, nós não podíamos pagar muito, então estávamos sempre esperando que você começasse a viver o seu sonho se quisesse.


Mas você tinha ideias diferentes. Você queria estar na ginástica. Era o verão dos Jogos Olímpicos de 1992, e depois de assistir as meninas voarem pelo ar, você decidiu que queria fazer isso também. Sua mãe insistiu que você entrasse na aula. Eu estava trabalhando em três empregos para sobreviver. Eu não tinha aberto o bar ainda, e mal tinha o suficiente para cobrir o aluguel e manter a comida na mesa. Então, eu disse que não. Bem, sua mãe tinha tido algumas aulas de ginástica quando era jovem. Então, enquanto eu estava trabalhando, ela estava ensinando-lhe como fazer loucuras dobrando as costas e outras coisas que eu não sabia os nomes. Cheguei em casa um dia para encontrá-la pendurada de cabeça para baixo, e você já tinha descoberto como fazer algum tipo de coisa fácil. Tinha sido apenas uma semana, e sua mãe, me olhou bem nos olhos e disse: —Hank, você coloca esta menina nas aulas de ginástica e deixe-me preocupar com a despesa. Eu nunca perguntei como ela conseguiu o dinheiro para cobri-la. Suspeito que ela implorou a seus pais. Algo que odiava tanto. Mas você teve as suas aulas, e valeu a pena no final. Porque foi assim que você foi líder de torcida, e eu nunca vi você mais feliz do que quando estava se apresentando. Eu não entendia


muito. Nem sequer percebi que era um esporte real até que estivesse nele, mas eu estava orgulhoso de você. Eu queria que você tivesse o mundo, e mesmo quando eu não poderia nunca dar a você, espero que saiba que eu tentei. Eu sempre tentei. Eu te amo muito. Papai

Senti o olhar quente de Landon nos meus enquanto eu olhava para a última carta. Calor ampliando em meu peito, e depois comecei a rir. —Heidi? — Landon perguntou. Eu não podia parar. Não conseguia parar de rir. Isso saiu de mim completamente espontâneo e incontrolável. —Ei. Ei, o que há de errado? O que está acontecendo? Por que você está rindo? Abracei-me e recostei na cama, quando deixei as emoções da noite correrem sobre mim. —Nada. — Foi o que conseguiu sair. —Nada? —Quero dizer ... não por Deus, é apenas ... engraçado. —O que é engraçado?


—Eu tive tanto estresse sobre essas cartas. Elas estavam colocadas lá, no meu armário, me atormentando há anos. Anos, Landon, —eu disse a ele, mordendo de volta outra risada. —E isso é tudo o que é. Memórias da minha infância. Memórias da minha mãe. —Acho que é bastante surpreendente. Eu gostaria de ter algo parecido com isso dos meus pais. — Admitiu. Eu me inclinei para a frente e o beijei. —Oh, eu te amo. Você está certo. Isso foi uma pena. Eu deveria ter aberto elas há muito tempo. Embora, talvez se eu tivesse, não teria estado tão indulgente. Talvez eu precisava de alguém para me mostrar que não há problema em cometer erros. Que podemos perdoar e podemos seguir em frente com o que aconteceu. Ele trouxe seus lábios nos meus novamente. —Estou contente de prestar meus serviços. —Oh, você tem sido de grande utilidade. — Eu disse, movendo as sobrancelhas para cima e para baixo. Ele riu. —Você está dizendo que está pronta para a segunda rodada? —Hum ... sim, mas também quero dormir? —Nessa ordem? —Você me convenceu. Landon colocou cuidadosamente todas as cartas de volta na caixa e depois colocou no chão. —O que você vai fazer com tudo isso? — Perguntou quando subiu de volta em cima de mim.


Eu caí para trás na cama, gostando da sensação do seu corpo pressionando contra o meu. —Acho que sei exatamente o que eu preciso fazer. Seus olhos varreram sobre meu rosto, e ele sorriu. —Bom. Então, sua boca cobriu a minha, e todas as palavras cessaram.

Na manhã seguinte, Landon e eu apresentamos a nossa identificação para o guarda de segurança no portão do lado de fora da prisão onde meu pai estava alojado. Eu estava vestida com um vestido azul simples e uma jaqueta jeans, eu estava aflita e tremendo como uma folha. Eu estava tão confiante quando planejei esta viagem no dia anterior, mas agora que estava aqui, não podia acreditar que estava realmente acontecendo. Depois de liberar nossas IDs, nos foi dito para onde ir e o horário de visitas. Landon colocou o braço em volta dos meus ombros e me guiou para dentro do prédio. —Está tudo bem, — ele me disse. — Você consegue fazer isso. —Eu sei que posso. Mas eu ... e se ele não quiser me ver? —O homem escreveu cartas por seis anos. Ele quer ver você. Eu sabia que ele estava certo, mas ainda assim, não conseguia afastar o medo das minhas veias. Isso poderia ser um desastre. Respirei fundo e entrei.


Landon e eu achamos uma mesa no fundo da sala, mas não podia me sentar. Eu estava muito nervosa. Os nervos estavam lutando seu caminho através do meu corpo, e eu fechava e abria as mãos. Landon estava ao meu lado e foi a minha rocha através da coisa toda. Outros visitantes vieram e esperaram, sentados casualmente em mesas. Essa claramente não era sua primeira vez. A campainha da porta anunciou que os presos estavam sendo deixados na sala, e eu prestei atenção. Meus olhos estavam fixos na porta, o quanto esperei por esse momento. Ansiedade rastejou pelo meu corpo, e eu balancei a cabeça. —Talvez devêssemos ir. — Sussurrei. —Nós podemos, se você não estiver pronta. — Ele pegou minha mão na sua. —Mas acho que você está pronta. Apertei a sua mão. Ele estava certo. Eu estava pronta. Eu poderia fazer isso. Então, meu pai entrou na sala. Ele parecia como se tivesse envelhecido significativamente nos seis anos que esteve aqui. Seu cabelo havia diminuído e estava acinzentado. Sua pele estava pálida. Seus olhos estavam profundamente definidos. Ele se portava como se tivesse um peso em seus ombros. E que o peso estava prestes a enterrá-lo. Engasguei um pouco com a visão dele. Eu deveria ter notado tudo isso de uma vez, mas o que eu vi em seguida foi só ... papai. Meu pai. O homem que eu tinha jurado que nunca veria


novamente. O homem que jurei que nunca iria perdoar. O homem ... que eu estava dando uma segunda chance. Seus olhos percorreram a sala em confusão. Eu me perguntei se ele já tinha tido um visitante nos seis anos em que esteve aqui. Então, ele me viu. E o mundo parou. Sua boca se abriu, e as lágrimas brotaram em seus olhos. Uma mão foi para o seu peito. Pensei que ele ia entrar em colapso. Corri para a frente com Landon em meus calcanhares. Meu pai olhava com admiração. Seus lábios tremeram, e em seguida, lágrimas reais caíram por suas bochechas. —Heidi? — Ele sussurrou. —É realmente você? —Sim, pai. Realmente sou eu. Moveu-se lentamente e tocou a manga da minha jaqueta. Quando descobriu que eu era real, ele me puxou contra ele e me segurou. Eu passei meus braços em volta dele enquanto ele soluçava. —Pensei que você

nunca viria. Eu

tinha perdido

a

esperança. —Eu sei, — sussurrei. —Mas li suas cartas, e ... decidi que era hora. —Estou tão feliz. — Ele disse.


Hesitante ele me soltou e então pareceu perceber que eu tinha alguém comigo. —Pai, este é o meu namorado, Landon Wright. Meu pai franziu as sobrancelhas, como se estivesse tentando conciliar Landon Wright em estar com sua filha. Então, estendeu a mão, e Landon a apertou. —É bom ver você de novo, filho. —Prazer em conhecê-lo novamente, senhor. —Você está cuidando da minha menina? —Pai, — sussurrei. Ele tinha chegado há apenas alguns minutos, e já estava interrogando o meu namorado. —Ela é a coisa mais importante na minha vida. Eu vou cuidar dela até o fim dos tempos. Meu pai concordou, e eles pareciam ter um entendimento. — Como deve ser. Landon envolveu o seu braço para trás em meus ombros e beijou a minha testa quando meu pai nos levou para uma mesa. —Obrigada. — Sussurrei. —Eu quis dizer cada palavra. Você é e sempre será a coisa mais importante na minha vida. Nunca se esqueça disso. À medida que nos viramos para sentarmos com meu pai pela primeira vez em seis anos, eu sabia que não iria esquecer isso. Nunca.


Porque, quando você encontra um amor que era inevitável, você o mantém e nunca mais solta.


Epílogo

Dois anos depois Fiquei olhando para o verde em choque. Eu tinha acabado de acertar a última bola no meu primeiro torneio de volta ao mundo que pensei que tivesse perdido para sempre. E, melhor ainda, era no campo de Wright Golf Club. No campo que eu tinha ajudado a projetar e colocar em funcionamento nos últimos dois anos. Foi uma das experiências mais gratificantes da minha vida, e conseguir adiciona-lo ao rol do PGA para o próximo ano foi uma vitória ainda mais doce. Não que eu tivesse voltado com uma explosão ou qualquer coisa. Eu tinha terminado este torneio no meio do bloco. Minha recuperação tinha sido longa e árdua, mas tinha conseguido. E a minha fisioterapeuta, Anjee, continuamente me lembrou que teria sido mais rápido se eu não tivesse sido tão merda sobre me esforçar. Meu velho amigo e carregador de bolas, Jake Gibson, tinha entrado no torneio para jogar comigo de novo. Ele pegou a bola que eu tinha batido e passou para mim. — Parabéns, cara. É bom ter você de volta. —Sim, é bom estar de volta.


—E, provavelmente, não ter Ryan te perseguindo. Eu ri. —Verdade. Essa parte era irritante. —Vai iniciar o treinamento integral na próxima semana para as eliminatórias da PGA? —Pode apostar. — Concordei. Então, andei para fora do campo e encontrei a minha bela noiva esperando por mim. O rosto de Heidi feliz quando me aproximei, e ela saltava para cima e para baixo nas pontas dos pés. —Você fez muito bem! — Gritou, jogando os braços em volta de mim. Eu beijei o topo da sua cabeça e puxei-a para perto. —Eu fui tipo sugado pelo amor. —Bem, tanto faz. Você está no golfe novamente! —Sonhos tornam-se realidade. —Você tem outras obrigações hoje? Enrolei o meu braço em volta da sua cintura enquanto caminhávamos de volta ao clube. —Nada mais hoje. Por quê? —Eu posso ou não ter planejado uma festa surpresa. —Não. De jeito nenhum, — eu disse. —E, de qualquer maneira, não é uma surpresa se eu sei. —Oh, você vai se surpreender.


—Nós temos que ir agora? Ela acenou com a cabeça em excitação e saltou ao redor um pouco mais. —Eu estou muito, muito animada. —Posso dizer isso. — Disse, agarrando-a para outro beijo. — Vou me limpar e me trocar. Então, podemos ir embora. —Ótimo! —Você sempre pode me surpreender com uma chupada, se quiser. —Landon Wright! —Ela retrucou. Eu apenas ri. —Mais tarde, então? Ela me deu um olhar misterioso. —Provavelmente ... sim. Sorri diabolicamente, e ela bateu no meu braço enquanto eu passava. Eu a amava pra caralho, e nossa vida sexual era incrível. Nunca pensei que pudesse ser tão feliz. Depois de seis meses juntos, eu tinha lhe pedido para se mudar e se casar comigo, tudo de uma só vez. Ela recusou. Eu deveria ter percebido. Heidi era uma mulher incrível, e fazia as coisas à sua maneira. Depois de uma semana, ela admitiu que só tinha dito não no princípio e que ela queria ficar comigo para sempre de qualquer maneira. Mas, a partir daí estávamos levando as coisas devagar, e nós ainda não tínhamos definido uma data para o casamento. Eu estava esperando por ela para me dizer quando estivesse pronta.


Se não tinha pressa e estava em meus braços e minha cama todos os dias, então eu poderia esperar por ela. Pensei que uma parte dela estava esperando para ver se seu pai iria sair em liberdade condicional para estar lá para o casamento. Então, não forcei. Nós tínhamos nos livrado da minha casa na árvore e seu apartamento, e compramos uma casa perto do campo de golfe. Emery tinha se mudado para Jensen no mesmo fim de semana. Melhores amigas e irmãos. Quem teria imaginado? Uma vez que tinha me trocado, encontrei Heidi inclinandose para trás contra o Jeep que eu tinha comprado depois de assumir o meu novo cargo na Wright Golf Club. Parecia mais permanente, uma vez que eu tinha o meu próprio carro aqui. Chega da Mercedes de Jensen emprestada. Ela estava com shorts jeans e um top curto com sandálias, e eu queria comê-la. Maldita surpresa. —Para onde vamos, fogo de artifícios?

— Perguntei,

balançando as chaves em volta do meu dedo. Ela estendeu a mão. —Entrega. —Você não vai dirigir o meu carro. —Olhe para mim. — Respondeu. Eu ri, sabendo quais os botões apertar, e atirei-lhe as chaves. Nós subimos no jipe, e ela me levou para o lado norte da cidade. Eu não conseguia descobrir onde estávamos indo até que ela realmente parou dentro do parque de estacionamento.


—Você está brincando. — Eu disse com um olhar de descrença. —Vai ser divertido! Olhei para a placa do mini-golfe e comecei a rir. —Você é tão ridícula. —Sim, e você ama. —Verdade. Quando caminhamos para o golfe ao ar livre, eu agi tão surpreso quanto prometi que estaria. Toda a minha família estava lá, esperando por nós. Jensen e Emery estavam inclinados, falando com Colton. Austin e Patrick estavam tentando descobrir como equilibrar as bolas de golfe. Morgan estava balançando a cabeça para o par dela e conversando animadamente com Julia. Sutton estava perseguindo uma criança de dois anos de idade, Jason, que estava cambaleando à sua frente. Heidi limpou a garganta, e todos se viraram para olhar para nós. —Conseguimos! Todos aplaudiram e me felicitaram no meu primeiro torneio de volta, e foi realmente incrível ter a minha, danificada, família incrível maluca em um só lugar. Então, quando a emoção passou, todo mundo se mexeu para pegar seus equipamentos. —Eu sou azul! — Morgan disse. —Eu sou rosa quente! — Patrick disse em uma imitação muito boa da voz de Morgan. Ela lhe deu um tapa no braço. Forte.


—Este taco é muito curto. — Jensen disse, segurando um taco de baixa qualidade. Ele deu de ombros, levando com ele de qualquer maneira. —Eu vou primeiro! — Colton gritou. Heidi e eu subimos para a estação de golfe. Eu reivindiquei uma bola amarela-mostarda que ninguém mais queria, e ela pegou um de cor magenta. —Você percebe, que eu vou ganhar, certo? — Perguntei com um sorriso arrogante. Heidi revirou os olhos. —De jeito nenhum. Estou foda no mini-golfe. —Este é o meu trabalho, fogo de artifício. —Bem, ouça aqui. Eu sou muito competitiva. Eu ri e a beijei. —Veremos. —Não, você vai ver! Quando eu alinhei a minha primeira tacada, Heidi se inclinou atrás de mim e continuou tentando esgueirar-se com beijos. —Distração não está funcionando. —Ah, é? — Ela perguntou. Sua cabeça disparou para trás e para frente, e quando eu estava prestes a fazer a tacada, ela levantou a camisa e me lançou um olhar. Eu funguei, batendo a bola para baixo sem uma única gota de precisão.


—Te disse. Bati na bunda dela com o meu bastão quando passei para tentar terminar o trabalho horrível que eu tinha feito. —Você vai pagar por isso mais tarde. —Promete? —Sim, — eu disse enquanto afundei minha segunda batida —Você pode me colocar no chão, amor. Ela escreveu a minha pontuação e, em seguida, colocou os braços em volta da minha cintura. —Amor? — Sussurrou. —Hmm? —Acho que estou pronta. —Espero que sim. É a sua vez. —Para um bebê. — Ela sussurrou. Eu congelei e olhei para o rosto dela. Ela estava subitamente séria, mesmo com seu bonito, sorriso assustado. Mas eu não podia parar meu sorriso gigante. Isso era o que eu queria há muito tempo. A vida e uma família com a menina dos meus sonhos, e aqui estava ela, oferecendo em uma bandeja. —Acho que deveríamos nos casar primeiro, ou você quer começar aqui? —Não aqui. — Ela riu. —Estava pensando em nos casar no fim de semana após o Campeonato. —Isso é daqui há seis semanas. — Eu a lembrei.


—Acho que temos um planejamento para fazer, então, hein? —Acho que temos. E você está certa sobre isso? Ela ficou na ponta dos pés e gentilmente me beijou. —Eu nunca estive mais segura de nada na minha vida. —E o seu pai? Ela balançou a cabeça. —Eu o amo, mas não vou colocar minha vida em espera por ele. Ele entende. Conversei com ele sobre isso. Eu quero estar com você. Quero ser sua esposa e ter seus filhos. Estou pronta. Eu a peguei e a girei em um círculo. Nosso jogo foi esquecido. Todo o resto sumiu. Só eu e a mulher que eu amava com o mundo inteiro à nossa frente, pronto para ser conquistado.

Fim.

Profile for OliverThay98

THE WRIGHT BOSS - LIVRO 02 - K.A. LINDE  

Eu sempre tive uma regra: Não misture negócios com prazer. Mas então Landon Wright volta para casa para a empresa de construção da sua famíl...

THE WRIGHT BOSS - LIVRO 02 - K.A. LINDE  

Eu sempre tive uma regra: Não misture negócios com prazer. Mas então Landon Wright volta para casa para a empresa de construção da sua famíl...

Advertisement