Issuu on Google+

Bloco  das  Pretas!    

  Mulheres  negras,  Indígenas,  Nordestinas  e  migrantes  na  luta  contra  o  machismo,  racismo  e  exploração  do   trabalho!  

Embora  as  reivindicações  pelos  direitos  da  mulher  expressos  pelos  movimentos  de  mulheres  terem   conquistados   muitos   avanços,   percebemos   que   a   luta   pelo   reconhecimento   e   luta   das   mulheres   negras   permanece   constantemente   invisibilizadas.   Apesar   das   transformações   conquistadas   pelos   movimentos   feministas,   as   mulheres   negras   continuam   marcadas   pelos   inúmeros   tipos   de   violência   e   vivem   em   uma   situação  de  muita  opressão,  marcada  não  só  pelo  machismo  como  também  pelo  racismo.  As  negras  sempre   resistiram   a   essa   violência,   mesmo   negadas   a   diversos   direitos,   elas   foram   pioneiras   na   luta   pela   emancipação,   ocupando   espaços   fora   de   casa   muito   antes   das   brancas   questionarem   a   falta   de   acesso   e   as   desigualdades  impostas  pelo  sistema  de  dominação  patriarcal.  Mesmo  manifestando  sua  resistência  antes   das   brancas,   as   negras   ainda   não   conseguem   ter   suas   demandas   contempladas   pelos   movimentos   feministas,  resultando  na  manutenção  dessas  mulheres  em  condições  de  desigualdades  e  falta  de  acesso.   Se  a  mulher  negra  desempenhava  no  período  escravista  o  trabalho  de  exploração  de  sua  força  física,  vimos   que  após  a  abolição  a  situação  permanece  a  mesma.  Sabemos  que  quando  se  fala  do  estereótipo  do  “sexo   frágil”,   não   se   fala   das   negras,   pois   a   essas   sempre   foram   exigidos   os   serviços   braçais   e   ainda   hoje,   elas   continuam   desempenhando   funções   análogas   as   do   trabalho   escravo   da   sociedade   colonial.   Além   da   exploração   pelo   trabalho,   as   mulheres   negras   sempre   sofreram   com   a   exploração   sexual   por   meio   do   assédio  de  seus  senhores,  tendo  o  corpo  reduzido  a  um  simples  objeto.  Se  antes  eram  obrigadas  a  servir   aos  senhores,  até  hoje  são  exploradas  pelo  estereótipo  da  “negra   boa  de  cama”  ou  a  “negra  cor  do  pecado”,   essa   visão   da   negra   como   objeto   sexual   é   sustentada   pela   mídia,   estimulando   o   turismo   e   a   exploração   sexual  dentro  e  fora  do  país.  A  negra  tem  se  manifestado  pela  liberdade  sexual  e  os  direitos  reprodutivos   desde  sempre,  violências  em  que  a  negra  continua  sendo  a  mais  oprimida.  Se  no  período  colonial  a  negra   era   obrigada   a   sufocar   seu   filho   na   hora   do   nascimento   para   que   ele   não   nascesse   escravo,   hoje   ela   continua   a   ser   a   maior   vítima   do   descaso   com   a   saúde,   fazendo   aborto   em   clínicas   clandestinas   ou   com   procedimentos   caseiros   arriscados.   Muitas   delas   morrem   ou   guardam   grandes   sequelas   resultantes   do   descaso  de  uma  discussão  aprofundada  sobre  as  maneiras  de  contracepção  e  o  aborto.  As  brancas,  por  sua   vez,   têm   sua   saúde   e   segurança   garantidas,   já   que   podem   pagar   pelos   serviços   médicos.   E   de   que   vale   termos   uma   presidenta?   Dilma   tem   cada   vez   mais   ignorado   a   discussão   sobre   o   aborto   e   as   políticas   públicas  voltadas  a  saúde  da  mulher  negra,  representando  o  retrocesso  na  luta  de  mulheres.         As  mulheres  negras  também  são  vítimas  de  padrões  de  beleza  eurocêntricos  e  brancos  que  buscam   de  todas  as  maneiras  rejeitar  nossos  traços,  cabelos  e  formas  de  vestir.  As  mulheres  brancas  são  sempre   associadas  a  figuras  do  bem,  as  figuras  angelicais  e  isso  tem  desestimulado  as  negras  que  cada  vez  mais   alisam   seus   cabelos   e   perdem   a   sua   identidade.   Enquanto   as   negras   são   associadas   a   figuras   maliciosas   ou   a  falta  de  asseio,  a  sujeira,  a  pobreza.     Assim  como  no  período  escravista  a  mulher  continua  desempenhando  a  responsabilidade  de  cuidar   de   sua   família   e   da   família   de   suas   patroas,   estas   que   ironicamente   lutaram   se   reivindicando   feministas   para  alcançar  o  mercado  de  trabalho,  mas  que  mantém  as  condições  de  desigualdade  impostas  à  mulher   negra.     Enquanto   as   brancas   reivindicavam   a   inserção   no   mercado   de   trabalho   (enquanto   feminista),   a   negra  torna-­‐se  a  principal  provedora  da  casa  após  a  abolição,  uma  vez  que  após  a  assinatura  da  lei  áurea   não   foram   garantidos   direitos   necessários   a   nossa   população,   resultando   na   marginalização   a   que   nosso   povo  continua  submetido.  As  mulheres  negras  sempre  manifestaram  diversos  maneiras  de  resistência  ao   sistema   colonial,   trabalhando   como   quituteiras,   por   exemplo,   tiveram   também   um   grande   papel   na   formação   dos   quilombos,   auxiliando   na   troca   de   informações   que   garantiam   as   fugas   dos   escravizados   em   direção   aos   quilombos.   Tendo   em   Palmares,   uma   líder   chamada   Acotirene.   Muitas   negras   protagonizaram   as   revoltas   negras,   como   Luiza   Mahin,   negra   guerreira   que   protagonizou   uma   das   principais   revoltas   negras,  a  revolta  dos  malês  que  aconteceu  na  Bahia.    As  negras  sempre  manifestaram  sua  resistência  de   diversas   formas,   seja   por   meio   de   luta   armada,   pela   cultura,   pela   religião   ou   pela   dança.   Ainda   assim   continuam  em  situação  de  submissão  à  mulher  branca  e  as  suas  demandas.      


Após   diversas   lutas,   sobretudo   após   a   década   de   90,   muitas   mulheres   passaram   a   ocupar   altos   cargos   e   vagas   nas   universidades,   porém   ainda   temos   muita   dificuldade   em   ver   mulheres   negras   nestes   espaços.     Por  outro  lado  elas  são  facilmente  identificadas  em  espaços  destinados  aos  serviços  de  limpeza,  serviços   domésticos  e  de  menor  prestígio.  Entendemos  que  o  acesso  que  é  proporcionado  às  mulheres  brancas  não   é  o  mesmo  proporcionado  às  negras.  Além  disso,  sabemos  das  dificuldade  das  mulheres  negras  em  acessar   os  direitos  trabalhistas,  sobretudo  as  que  exercem  trabalhos  como  os  de  empregada  doméstica,  função  que   mais  tem  explorado  e  violado  os  direitos  constitucionais  e  humanos.     Mesmo   tendo   uma   sociedade   estruturalmente   fundada   no   racismo,   a   discussão   sobre   o   “feminismo   negro”   ainda   não   desperta   a   atenção   dos   movimentos   feministas   ou   por   muitas   vezes   é   tratada   equivocadamente   como   sectarismo.   A   nossa   intenção,   porém   é   de   promover   a   luta   da   mulher   negra   e   suas   especificidades   somadas   à   luta   dos   movimentos   feministas,   a   invisibilidade   de   uma   análise   que   contemple   a   questão   racial   e   a   questão   da   mulher   só   contribuem   para   que   as   mulheres   negras   não   acessem   os   serviços  públicos  e  para  que  continuem  excluídas  do  processo  democrático.     O   bloco   das   pretas   é   um   bloco   fundado   pelo   CEN-­‐   Coletivo   de   estudantes   negros   e   surge   com   o   intuito  de  compor  uma  luta  completa  pela  descolonização  por  meio  do  empoderamento  das  mulheres,  pois   acreditamos   que   a   valorização   de   nossas   matrizes   afro-­‐brasileiras   são   ferramentas   necessárias   para   refletirmos  acerca  das  dominações  em  que  nós,  negras,  estamos  submetidas.  Estamos  no  país  mais  negro   fora   do   continente   africano,   o   Estado   de   Minas   Gerais   é   o   terceiro   estado   mais   negro   do   país,   mas   percebemos  que  a  mulher  negra  continua  inferiorizada  e  excluída.  Com  altos  índices  de  violência  contra   mulher,   nós   sabemos   que   as   negras   são   as   que   menos   utilizam   a   lei   Maria   da   Penha,   muitas   vezes   nem   conhecem   os   instrumentos   de   denúncia;   além   de   serem   afetadas   pela   falta   de   auto-­‐estima,   dependência   financeira   ou   emocional   e   pelo   medo   de   retaliação.   Acreditamos   que   somente   as   medidas   punitivas   em   nada   solucionam   os   problemas   de   um   sistema   patriarcal,   essas   devem   ser   associadas   a   programas   de   educação,  prevenção  e  conscientização  da  população,  hoje  o  que  o  sistema  prisional  representa  as  senzalas   do   período   colonial,   que   privam   majoritariamente   a   população   negra.   A   maior   parte   das   mulheres   em   privação   de   liberdade,   tanto   em   sócio-­‐   educativos   quanto   em   penitenciárias   hoje   no   estado   também   são   negras.           Entendemos   que   a   visão   colonialista   e   o   racista   são   fundamentais   para   a   manutenção   do   capitalismo   e   a   imposição   dos   valores   eurocêntricos   em   que   o   machismo   se   expressa.   Combatemos   as   visões   etnocêntricas   e   racistas   que   buscam   inferiorizar   nossa   cultura,   construindo   dentro   da   marcha   de   mulheres   um   bloco   que   possa   visibilizar   nossa   luta.   Para   nós   é   de   suma   importância   que   a   luta   de   mulheres   deve   contemplar   as   dinâmicas   de   opressão   impostas   pela   sociedade,   avançando   a   luta   das   mulheres   negras   em   todo   Brasil.   Convidamos   a   todxs   companheirxs   para   compor   esse   movimento,   acreditamos  que  a  violação  aos  direitos  humanos  em  que  a  mulher  negra  está  exposta  deve  ser  exposta  e   combatida   e   para   tanto   devemos   avançar   nossas   discussões   com   os   movimentos   convencionais   na   luta   pela  garantia  de  direitos  que  contemplem  todos,  sem  isso  os  movimentos  não  alcançarão  a  revolução  e  a   igualdade.        

FRENTE  DE  MULHERES  BLOCO  DAS  PRETAS  -­‐  COLETIVO  DE   ESTUDANTES  NEGRXS.           “Contaremos  com  a  vivência  histórica  de  resistência  da  mulher  negra  e  indígena  para  mudarmos,  em  caráter  de  urgência,  esse   cenário  de  desigualdades.  Mas  há  que  pular  todas  essas  barreiras,  externas  e  introjetadas,  fazer  do  feminismo  a  soma  de  todas  as   variações  do  feminino.”  [Alzira  Rufino]    

   


CEN  -­‐  Coletivo  de  Estudantes  Negrxs.     O   CEN   -­‐   Coletivo   de   estudantes   NegrXs   surge   de   uma   necessidade   de   unir   afro-­‐descendentes   e   oriundos   camadas   populares   na   luta   contra   o   racismo   e   a   opressão,   assim   como   garantir   os   direitos   fundamentais   do   ser   humano   bem   como   o   acesso   a   uma   educação   que   respeite   e   reconheça   a   cultura   negra.     Nosso   objetivo   é   cobrar   uma   real   democratização   do   acesso   e   permanência   dos   estudantes   à   educação  gratuita  e  de  qualidade,  exigir  das  instituições  respeito  e  reconhecimento  as  demandas  do  negro,   na   recuperação   de   nossa   cultura   e   identidade,   valorização   de   nossos   intelectuais   e   sobretudo,   efetivar   a   luta  diária  contra  o  racismo  pela  perspectiva  do  “lado  de  cá”.     O   CEN   (Coletivo   de   estudantes   Negrxs)   trata   da   necessidade   de   abordar   questões   acerca   da   inserção  do  negro  em  um  espaço  que  ��  tradicionalmente  da  elite,  em  sua  maioria  branca.  A  luta  contra  o   racismo   e   a   opressão   é   diária,   assim   como   nosso   direito   de   exigir   uma   escola,   uma   universidade   de   qualidade   e   que   tenha   a   nossa   cara,   que   respeite   e   reconheça   nossa   cultura.   Estamos   organizadxs   para   mostrar   uma   outra   face   da   sociedade   que   ninguém   fala,   poucos   querem   e   muitos   fingem   não   ver.   Queremos  reparação  e  valorização  no  espaço  do  conhecimento  cientifico,  fortalecendo  os  laços  para  que   essa  luta  seja  de  todxs  nós.     Trecho  do  Projeto  CEN  -­‐  Uma  Consciência  Negra!     "Ao   contrario   das   obras   com   fins   lucrativos   e   algumas   outras   manipuladoras   da   opinião   do   cidadão   brasileiro  que  brotam  a  cada  dia,  nosso  trabalho  nasce  com  a  intenção  e  ação  de  socializar  informações  e   saberes  invisibilizados  sobre  as  origens  mais  profundas  da  consciência  negra.  Portanto,  firmar  uma  arvore   de  profundas  raízes  é  apresentar  uma  nova  opção  para  além  dos  projetos  voláteis  que  após  concluídos  se   dissipam   no   ar,   ou   seja,   fazer   historia   e   permanecer   nela.   Na   historia   da   humanidade   não   é   tão   difícil   observar   que   só   um   lado   da   realidade   é   transmitido   amplamente   e   os   outros   lados   que   remontam   a   historia   dxs   negrxs   não   são   mostradas   e   quando   o   são   é   na   condição   enviesada   do   sujeito   caricaturado,   oprimido,   omitido,   quando   não   morto.   Assim   foi   a   capoeira,   o   samba   e   as   religiões   de   matriz   africana,   logo   desnudar  para  nossas  consciências  as  opiniões  deturpadas  por  uma  literatura  e  um  discurso  produzido  a   partir   do   modismo,   da   torre   de   marfim   da   academia   e   da   imprensa   trocadilho,   vista   como   símbolo   da   competência  e  da  única  verdade.  Vem  se  contrapor  aos  discursos  daqueles  que  desqualificam  a  demanda   do  movimento  social  negro  e  que  como  bons  paternalistas,  querem  ditar,  como  faziam  os  colonialistas,  o   que  é  bom  e  ruim  para  “seus  negros”,  objetos  de  pesquisa  e  não  sujeitos."     Além  de  um  certo  assedio  "perturbador"  que  estamos  vivenciando  com  nossa  proposta  "Bloco  das   Pretas",  outro  fator  que  inspirou  essa  posição  é  a  referencia  no  link  abaixo  na  fala  do  vovô,  presidente  do   Ilê   Aiyê   que   critica   a   estratégia   oportunista,   rasa   e   comercial   de   alguns   blocos   de   lá   e   que   acreditamos   ser   uma  situação  análoga  ao  contexto  de  BH...  E  porque  não  seria?  Eis  a  fala:     “Não  vou  colocar  guitarras  nem  teclados  no  Ilê  só  para  tocar  mais  nas  rádios.  O  Ilê  não  é  uma  banda,  nós   somos   uma   ENTIDADE   negra   que   tem   uma   banda,   o   que   é   muito   diferente.   Sempre   fomos   assim   e   não   vamos  mudar  só  para  ganhar  disco  de  ouro."   A  matéria  completa  está  no  link  abaixo,  ela  irá  dar  alguma  base  para  compreensão  do  norte  que  orienta   nossas  ações,  principalmente  no  que  tange  a  defesa  da  constante  tentativa  de  APROPRIAÇÃO  DA  NOSSA   CULTURA.     http://raizafricana.wordpress.com/tag/timbalada/       Nós   todos   do   CEN   estamos   acumulando   muito   trabalho   com   amor   e   alegria.   Assim,   desde   já   agradecemos  o  interesse  de  todos  reforçando  o  convite  a  participação.  Aproveitamos  o  ensejo  para  saldar-­‐ los  com  estima  e  consideração.       Axé!  

   


Letras  das  Musicas  do  repertorio  “Bloco  das  Pretas”:     Musica  01    

Alienação  àIlê  Aiyê     (refrão)   Se  você  esta  de  ofender   É  só  chamá-­‐lo  de  moreno  pode  crê   É  desrespeito  a  raça  é  alienação   Aqui  no  Ilê  Aiyê  a  preferência  é  ser  chamado  de  negão     Se  você  esta  de  ofender   É  só  chamá-­‐la  de  morena  pode  crê   Você  pode  até  achar  que  impressiona   Aqui  no  Ilê  Aiyê  a  preferência  é  ser  chamada  de   negona     A  consciência  é  o  motivo  principal   Eu  quero  muito  mais     Alem  de  esporte  e  carnaval,  natural.   Chega  de  eleger  aqueles  que  tem   Se  o  poder  é  muito  bom     Eu  quero  poder  também   (refrão)   O  sistema  tenta  desconstruir     lhe  afastar  de  suas  origens   Pra  que  você  não  possa  interagir,  construir.   Já  passou  da  hora  de  acordar   Assumir  sua  negritude  é  vital  para  prosperar     Ser  negro  não  questão  de  pigmentação   É  resistência  para  ultrapassar  a  opressão,  sem   pressão.   Lutar  sempre  igualdade  e  humildade   Vou  subir  de  Ilê  Aiyê   E  mudar  toda  cidade   (Refrão)            


Musica  02    

Que  Bloco  É  Esse  à  Ilê  Aiyê     Somo  crioulo  doido  e  somo  bem  legal.   Temos  cabelo  duro  é  só  no  black  power.   Somo  crioulo  doido  e  somo  bem  legal.   Temos  cabelo  duro  é  só  no  black  power.     Que  bloco  é  esse?  Eu  quero  saber.   É  o  mundo  negro  que  viemos  mostrar  pra  você  (pra  você).   Que  bloco  é  esse?  Eu  quero  saber.   É  o  mundo  negro  que  viemos  mostrar  pra  você  (pra  você).     Branco,  se  você  soubesse  o  valor  que  o  preto  tem.   Tu  tomavas  banho  de  piche,  branco  e,  ficava  negrão  também.   E  não  te  ensino  a  minha  malandragem.   Nem  tão  pouco  minha  filosofia,não  ?   Quem  dá  luz  a  cego  é  bengala  branca  em  Santa  Luzia.     Que  bloco  é  esse?  Eu  quero  saber.   É  o  mundo  negro  que  viemos  mostrar  pra  você  (pra  você).   Que  bloco  é  esse?  Eu  quero  saber.   É  o  mundo  negro  que  viemos  mostrar  pra  você  (pra  você).     Somo  crioulo  doido  e  somo  bem  legal.   Temos  cabelo  duro  é  só  no  black  power.   Somo  crioulo  doido  e  somo  bem  legal.   Temos  cabelo  duro  é  só  no  black  power.     Que  bloco  é  esse?  Eu  quero  saber   É  o  mundo  negro  que  viemos  mostrar  pra  você  (pra  você).   Que  bloco  é  esse?  Eu  quero  saber?   É  o  mundo  negro  que  viemos  mostrar  pra  você  (pra  você).                      


Musica  03    

Quilombo Axé (Dia de Negro) à Afoxé Oyá Alaxé Eu vou pegar minha viola (eu vou) Eu sou um negro cantador A negra canta deita e rola É na senzala do senhor Vou toca fogo no engenho meu pai (eu vou) Aonde o negro apanhou Mais canta aí negro Nagô Mais dança aí negro Nagô Negro nagô (BIS) Irmãos e irmãs assumam sua raça assumam sua cor Essa beleza negra Olorum quem criou Vem pro quilombo axé dançar o Nagô Todos unidos num só pensamento levando a origem desse carnaval desse toque colossal Pra denunciar o Racismo Contra o Apartheid Brasileiro 13 de Maio não é dia de negro (BIS) 13 de Maio não é dia de negro quilombo axé colofe colofe colofe Olorum Irmãos e irmãs assumam sua raça assumam sua cor Essa beleza negra Olorum quem criou Vem pro quilombo axé dançar o Nagô Todos unidos num só pensamento levando a origem desse carnaval desse toque colossal Pra denunciar o Racismo Contra o Apartheid Brasileiro 13 de Maio não é dia de negro 13 de Maio não é dia de negro (BIS) Quilombo axé colofe colofe colofe Olorum     Musica  04      

Oya  ó  Mulher  Forte  à  Afoxé  Oya  Alaxé        


1˚  Ato:  “As  cordas  da  mercantilização”   Resumo:    

 

1. Esse  ato  visa  denunciar  e  marcar  um  dos  pontos  de  maior  concentração  de  casas  de  prostituição  de   mulheres  da  região  metropolitana  de  minas  gerais  (3˚  maior  capital  do  país).     2. A  cena  remonta  o  tipo  de  condução  violenta  em  que  os  captães  do  mato  amarravam  e  conduziam  os   negrXs  que  fugiam,  bem  como  a  cotidiana  “guia”  em  que  os  negrXs  eram  algemados  em  situações  de   deslocamento.     3. As  adaptações  que  adequam  tal  ato  a  proposta  do  Bloco  das  Pretas  e  por  consequente  a  Marcha   mundial  das  mulheres  no  8  de  março,  se  concretiza  na  analogia  das  cordas  ao  dinheiro  que  “força”  a   utilização  do  corpo  da  mulher  como  uma  mercadoria.  Fato  que  nunca  deixou  de  existir,  apenas   mudou  de  roupa,  principalmente  quando  se  trata  da  mulher  negra.     4. Primeiramente  iremos  desenvolver  o  1˚  ato  na  esquina  das  ruas  guaicurus  com  são  Paulo  e  repidir   nos  demais  pontos  escolhidos  em  comum  acordo  com  as  entidades  participantes.  

  (A  foto  foi  tirada  pelo  fotógrafo  Luiz  Morier  nos  anos  80,  ironicamente  na  mesma  década  que  marcaria  os   cem  anos  da  falsa  e  ilusória  Lei  áurea.)                                  


Formação  do  Bloco  das  Pretas:       Nossa  formação  foi  inspirada  no  modelo  de  Guerra  de  supremacia  Zulu,  retomando  uma  orientação  que   tenha  como  base  o  PANAFRICANISMO  e  suas  diversas  matrizes.  As  duas  alas  que  formam  o  “chifre”  será   preenchida  pelas  Iabás  representadas  no  estandarte.  O  bloco  central  é  o  do  canto  e  no  fundo  a  percussão.     As  vestimentas  são  combinadas  para  fortalecer  a  união  do  bloco;  Roupas  brancas  em  geral  compõe  o  traje   básico,  além  de  ser  um  kit  mais  fácil  de  achar  no  guarda  roupa  é  uma  cor  leve  e  mais  adequada  para  o   horário  e  proposta.  De  preferencia  quem  tiver  roupa  parecida  com  as  baianas  (saias  longas  e  rodadas)   melhor.  Para  o  calçado  sugerimos  sandália  de  couro,  chinelo  de  borracha  e/ou  descalço.     Gravura  tirada  do  livro:  “Para  entender  o  negro  no  Brasil  de  hoje:  História,  Realidades,  Problemas  e   Caminho.”  [Kabenge  Munanga,  Nilma  Lino  Gomes]          


MAPA  DO  TRAJETO  à  BLOCO  DAS  PRETAS    

    Segue  abaixo  o  Link  do  trajeto  do  Bloco  das  pretas  saída  da  Av.  Assis  chateaubriand  (abaixo  do  viaduto)  e   retorno  para  o  mesmo  local  no  horário  do  duelo  de  MC’s  20  hs  aproximadamente:     http://maps.google.com.br/maps?saddr=Serraria+Souza+Pinto+-­‐ +Avenida+Assis+Chateaubriand,+Belo+Horizonte+-­‐ +Minas+Gerais&daddr=Rua+dos+Guaicurus,+Belo+Horizonte+-­‐ +Minas+Gerais+to:R.+S%C3%A3o+Paulo+to:Av.+Afonso+Pena+to:Pra%C3%A7a+Sete+de+Setembro,+Bel o+Horizonte+-­‐+Minas+Gerais+to:R.+da+Bahia+to:Serraria+Souza+Pinto+-­‐ +Avenida+Assis+Chateaubriand,+Belo+Horizonte+-­‐+Minas+Gerais&hl=pt-­‐BR&ie=UTF8&sll=-­‐19.919978,-­‐ 43.934155&sspn=0.020981,0.032701&geocode=Ff8K0P4da55h_SFI8DikeliwtykpsVdj8JmmADFI8Dikeliw tw%3BFZYd0P4dA5Zh_SlFKA96-­‐ZmmADHyd2kI5prT-­‐ g%3BFfge0P4dnIth_Q%3BFXYU0P4dr4lh_Q%3BFa4O0P4dioxh_SEGNWW7NTV2qil5-­‐QFc-­‐ 5mmADEGNWW7NTV2qg%3BFSoF0P4dq5Rh_Q%3BFf8K0P4da55h_SFI8DikeliwtykpsVdj8JmmADFI8Dik eliwtw&oq=serraria+sou&dirflg=w&mra=pr&t=m&z=15       Grupos  integrantes  do  Bloco  das  Pretas:  CEN  –  Coletivo  de  Estudantes  NegrXs,  Negras  Ativas,  Hip  Hop  das   Minas,  Mulheres  do  duelo  de  MC’s,  Mulheres  do  Aglomerado  da  Serra  –  BH,  Indigenas,  Nordestinas  &   Mulheres  Oprimidas,  D.A  Fafich  -­‐  UFMG.   Informações  e  contatos  do  Coletivo  de  Estudantes  Negrxs:   Melina  Rocha:  (31)  9497  -­‐3235  /  Álvaro  Zulú:  (31)  8940  -­‐  2957   E-­‐mail:   negrosufmg@gmail.com   Website:   http://negrosufmg.blogspot.com.br/        



Caderno do Bloco das Pretas / Marcha Mundial das Mulheres