Issuu on Google+

O Cara da Foto


O Cara da Foto Rodrigo Polesso e Ricardo Polesso

Rio de Janeiro, 2017


SUMÁRIO Introdução����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 1 Os Quatro Objetivos deste Livro������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 3

Capítulo 1. A História do “Cara da Foto”������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������13 Capítulo 2. Fotografia e Estilo de Vida����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������57 Os Quatro Maiores Valores de um Fotógrafo de Paisagens e Viagens��������������������������������������������������������60 Um Pensamento Interessante��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������64

Capítulo 3. Além da Imagem���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������73 A Compulsão Fotográfica������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 75 Fotografias como Âncoras de Memória�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������77 Viver Duas Vezes, Compartilhar Muitas e Inspirar Continuamente���������������������������������������������������������������82

Capítulo 4. O Processo de Aprendizado da Fotografia������������������������������������������������������������������������������������������������������������������99 Quando É Hora de Mudar de Equipamento?��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 103

Capítulo 5. O Método Cara da Foto versus o Estilo Tradicional������������������������������������������������������������������������������������������ 119 O que Pensamos sobre o Ensino Tradicional de Fotografia����������������������������������������������������������������������������� 121


Capítulo 6. Os Cinco Passos para Fotos Sensacionais������������������������������������������������������������������������������������������������������133 O Processo para Fotos Sensacionais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 136

Capítulo 7. Uma Palavra sobre Possibilidades��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������185 Capítulo 8. Conclusão���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 199 Uma Pesquisa Interessante������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 201

Fotógrafos São Super-heróis���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 209

O CARA DA FOTO

As Cinco Razões Inegáveis do Por que Fotógrafos São Super-heróis���������������������������������������������� 210

vi


INTRODUÇÃO “Me parece que o mundo natural é a maior fonte de entusiasmo; a maior fonte de beleza visual; a maior fonte de interesse intelectual. É a maior fonte de tanto na vida que faz com que ela valha a pena ser vivida.”

— David Attenborough

Mesmo com todas nossas andanças pelo cosmos e bisbilhotadas telescópicas até quase a fronteira do infinito, o planeta Terra continua sendo, de longe, o planeta mais espetacular que conhecemos no universo. Essa esfera decorada com a mais bela e variada aquarela de cores e texturizada com montanhas, vales, florestas, lagos, oceanos, rios, desertos, cidades, planícies e planaltos, nunca para de nos surpreender. É realmente uma obra de arte! Até mesmo nós seres humanos, habitantes de longa data deste mundo, mesmo já tendo vagado insistentemente por este território por mais de 200 mil anos, ainda ficamos sem ar, perplexos e emocionados com a beleza do que vemos ao redor.


Agora, em meio a toda esta grandeza, sabe qual é o maior pecado? Deixar com que tudo isso passe totalmente despercebido dia após dia à medida que seguimos com nossas vidas “modernas” ocupadas em um estado anestesiado de transe. Por um lado, nunca antes na história da humanidade tivemos tantas comodidades e conveniências para tornar nossas vidas o mais fácil e tranquilas possível. No entanto, por outro lado, pode se dizer que também nunca antes na história prestamos tão pouca atenção ao nosso redor e passamos menos tempo vivendo de fato, como hoje em dia.

O CARA DA FOTO

Ainda, poderíamos ir além e talvez questionar, será que hoje somos realmente mais felizes do que éramos há 100, 500, 1.000, 5.000, 10.000 anos atrás quando a vida era mais simples e nossas maiores preocupações estavam em tentar não ser devorados por leões na savana? Em um ambiente muito mais hostil de se viver, momentos estressantes no passado existiam naturalmente, porém, nunca antes na história tivemos tantas pessoas cronicamente estressadas, deprimidas e insatisfeitas com suas vidas como hoje em dia. Albert Einstein, muito sabiamente (para variar), deu uma pista que pode ser a luz no fim do túnel de tudo isso quando disse:

“Olhe profundamente para a natureza e então você irá entender tudo melhor.”

Talvez seja mesmo hora de começarmos a viver novamente, nos reconectando a este planeta que é, sempre foi e será (por um bom tempo, esperamos) o nosso lar, porque com o passar do tempo tudo que fizemos foi nos distanciar cada vez mais dele e hoje pagamos o preço disso com todos estes problemas.

2


Bom, depois desta introdução profunda e filosófica, chegou a hora de chutar a porta e escancarar uma crua e dura verdade: O mundo não precisa de mais um livro de fotografia, não! O mundo não precisa de mais coisas que tirem nossa atenção do nosso redor, que façam nossas cabeças ficarem baixas e nossos olhos cansados focados em dois palmos na frente do nosso nariz. O mundo não precisa de mais um manual técnico, teórico ou tradicional de fotografia. Nós precisamos acordar deste transe, levantar nossas cabeças, abrir nossos olhos e olhar em volta, absorver a luz do sol, sujar nossos pés na terra, nos molharmos na chuva, tremermos de frio e transpirarmos de calor. Nós precisamos voltar a viver de verdade!

É quando não há mais tempo e não há mais solução, quando não tem mais como voltar atrás e corrigir a trajetória, que engolimos a seco e aceitamos que de fato desperdiçamos o maior milagre conhecido pela espécie humana: o milagre da vida. É isso que queremos evitar. A partir de agora, convidamos você a se juntar a nós nesta jornada que está começando pelo mundo da fotografia, pela arte de se viver mais plena e intensamente. Respire fundo, relaxe e vamos em frente.

3

INTRODUÇÃO

Nos dizem que só temos uma vida aqui e a tragédia maior está em acordar um dia após o outro, passar semana após semana, ano após ano e no final, quando nosso tempo estiver se esgotando, olharmos para trás com os olhos cheios de lágrimas de arrependimento por termos levado tudo tão a sério e vivido a vida em um flash preocupados em construir algo que neste ponto não faz a menor diferença.


Os Quatro Objetivos deste Livro Quando pensamos em escrever este livro, pensamos em atingir quatro objetivos: Inspirar, Surpreender, Motivar e Ensinar. Além disso, queremos que isso marque o início de um grande movimento em nome da vida e convidamos você a fazer parte dele. Mais importante ainda, convidamos você a ser mais uma semente disseminadora destas ideias. Está dentro? Ótimo! O CARA DA FOTO

Agora, sobre os quatro objetivos deste livro: Inspirar: Queremos tentar inspirar as pessoas a viverem mais intensamente, a explorarem mais e a não aceitarem o marasmo do dia a dia, transformando suas vidas em um conjunto de miniaventuras que podem ser capturadas e eternizadas pela fotografia. Surpreender: Esperamos poder surpreender você com uma variada seleção de fotos nossas capturadas ao redor do mundo, nos cinco continentes, que será distribuída homeopaticamente ao longo do livro, onde cada uma delas virá acompanhada de uma análise técnica, dicas especiais e histórias por trás do momento da captura. Fotografia é muito mais que uma mera imagem. Motivar: Bom, todos sabemos que ninguém motiva ninguém. O máximo que conseguimos fazer é incentivar cada um a acender dentro de si mesmo o fogo motivacional e é isso que iremos ousar tentar fazer aqui. Queremos incentivar você a motivar-se para perseguir o que quer nesta vida e mostrar que este tipo de arte está ao alcance de qualquer pessoa que tenha o conhecimento correto e a vontade de fazer acontecer.

4


Ensinar: Não é só de inspiração e motivação que vive o homem, certo? Logo, iremos também compartilhar com você pontos de vista diferentes, truques e técnicas fora do tradicional, para que você possa aplicar tudo já na sua próxima foto, elevar o nível das suas fotografias e começar a viver esta arte ainda mais intensamente. Além disso, iremos passar juntos pelos cinco passos oficiais aqui do Cara da Foto para fotos sensacionais. Adicionalmente, falando em ensinar, por você ter adquirido este livro, nós te damos acesso gratuito a algumas videoaulas especiais onde mostramos na prática alguns conceitos-chave de fotografia. Convidamos você a acessar estas videoaulas agora mesmo entrando em http://caradafoto.com.br/bonus-livro. Agora, acho que você merece saber um pouco mais sobre nossa história pessoal, certo? Então é isso que veremos a seguir! INTRODUÇÃO

5


Rodrigo Polesso

Monte Lion’s Head Localização | Cidade do Cabo, África do Sul. Vista de cima do monte Lion’s Head nos arredores da cidade. Dados Técnicos | Câmera: Canon 60D • Lente: Sigma 10-20mm f3.5 • Configurações: f/7.1 1/80 ISO 100


Como esta foto foi capturada? Durante a minha estadia de pouco mais de um mês na Cidade do Cabo, fiz bastantes coisas e uma das principais foi subir a pé a trilha até o topo do monte chamado de Lion’s Head (Cabeça de Leão). Este monte fica basicamente dentro da cidade e oferece vistas panorâmicas de 360 graus.

África do Sul

Monte Lion’s Head

Comecei a caminhada morro acima no final da tarde para tentar pegar o pôr do sol durante a descida. O clima estava bom, céu azul e temperatura agradável. O trajeto é íngreme, mas o nível de dificuldade não é tão alto. O melhor é que tudo passa tão rápido porque a natureza do lugar é realmente espetacular e nos pegamos admirando tudo aquilo continuamente. Poucos metros antes de chegar ao topo começou a acontecer uma das coisas que todo fotógrafo de paisagem mais teme: a neblina começou a se formar. E não deu outra, assim que atingi o topo do morro a neblina havia fechado completamente e toda aquela vista belíssima de 360 graus do extremo sul do continente africano estava agora escondida dos meus olhos por uma grossa camada de neblina. Bom, nesta hora não restava muitas alternativas para mim a não ser colocar minha câmera de volta na mochila, tomar uma água e sentar aproveitando o que a natureza naquele momento estava me oferecendo, uma neblina fresca com um vento contínuo que deixava a sensação térmica quase muito fria para ser confortável. Depois de aguardar alguns momentos, resolvi levantar e descer um pouco do topo porque vi por um segundo uma vista espetacular de um dos lados que apareceu quando houve uma brecha na neblina. Tirei a câmera da mochila e fiquei de pé esperando por um milagre, que houvesse uma brecha na neblina longa o suficiente para que eu conseguisse ver a cena na minha frente, ajustar a câmera, compor e capturar a bendita foto.


Fiquei esperando pacientemente sem muitas esperanças e em um estado de aceitação pelo que era naquele momento. A natureza é linda independentemente da situação, só nos resta sermos gratos pelo privilégio de podermos admirá-la tão de perto.

É crucialmente importante que você conheça e domine sua câmera de olhos fechados, pois muitas vezes você terá apenas poucos segundos para ligá-la, configurá-la e capturar uma cena que poderia ser perdida para sempre caso você se delongasse demais.

Vira e mexe o improvável aconteceu, uma brecha começou a se abrir na neblina, a luz dourada do sol no fim do dia começou a bater as montanhas ao fundo e a banhar as pedras e gramas na minha frente, este era o meu momento, era agora ou nunca!

Como dica eu sugiro que você brinque com sua câmera em casa, pratique os controles e configurações, memorise onde cada botão está e realmente fique confortável com seu equipamento antes de sair por aí.

Aguardei até que a cena ficasse mais clara e muito rapidamente tirei a foto. Depois de poucos segundos a neblina fechou novamente e não abriu mais até eu descer do morro. Parece realmente uma dádiva que me foi dada, uma oportunidade única que me presenteou com alguns poucos segundos de beleza natural. A oportunidade curta que eu precisava para capturar aquele momento para a eternidade.

Composição e Dicas específicas Gostei bastante da composição desta foto porque ela capturou harmonicamente todos os elementos importantes da cena, valorizando cada um na medida certa. Os olhos das pessoas começam focando nas pedras e gramíneas do lado inferior esquerdo da foto e são levados lentamente até o começo da cordilheira, seguindo a neblina até o horizonte onde depois voltam e enxergam parte da cidade logo abaixo dos morros.

O seu equipamento fotográfico precisa ser uma extensão do seu próprio corpo e tal como precisa ser manuseado com precisão, naturalidade e rapidez. Dica Bônus: Os olhos das pessoas focam primeiro nas áreas mais claras das fotos, logo, tenha isso em mente quando valorizar o objeto principal das suas fotografias.


Rodrigo Polesso

Macaco Ladrão Localização | Arredores de Krabi, Tailândia. Dados Técnicos | Câmera: Canon 60D • Lente: Canon EF-S18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/7.1 1/60 ISO 200


Como esta foto foi capturada? Se tem uma coisa que se aprende bem rápido ao se visitar a Tailândia é que não dá para se confiar nestes pequenos primatas. Eles basicamente estão por todos os lugares, seja na cidade ou no campo, e uma das primeiras coisas que ouvimos dos guardas dos parques é que tomemos cuidado com nossos pertences.

Tailândia

Estes macacos são experts em roubar garrafas de água, por exemplo. Mas eles não roubam para beber, eles roubam para que você queira de volta e ofereça algo em troca. Inclusive, em muitos destes parques os próprios guias estão acostumados a redimir itens roubados oferecendo comida aos bichinhos. Ainda, não ache que sua mochila com zíper ou sua bolsa bem fechada ficará imune à malícia destes seres porque eles sabem muito bem como abrir qualquer coisa e pode ter certeza que eles te mostrarão os dentes caso você os ameace.

Krabi

Enfim, em meio a tudo isso (e com a alça da câmera muito bem enrolada no meu braço) eu resolvi capturar um destes salafrários que posava na sua árvore a espreita da próxima vítima. Aliás, você pode meio que ver a atenção nos olhos deste macaco capturado na foto. Ele com certeza estava pensando no seu próximo golpe e a julgar pelos farelos que ele tem no rosto, não devia fazer muito tempo desde seu último “ataque”. O fato dele estar parado por vários segundos me permitiu setar tudo rapidamente na câmera, compor a foto e disparar.

Copyright © Free Vector M


Composição e Dicas específicas Nós costumamos enfatizar nos nossos cursos de fotografia a importância de você treinar e praticar bastante, mesmo em casa, o processo de configurar a sua câmera. A ideia é que você saiba intuitivamente onde cada controle fica e também praticar composição para que seu cérebro possa facilmente identificar enquadramentos adequados nas mais variadas situações. Isso tudo é importante porque vira e mexe você irá se deparar com oportunidades fotográficas que não duram muito tempo, como esta em questão. Se eu demorasse um pouco mais para capturar a foto, este macaco poderia já ter pulado para outro galho, ido para uma área com uma luz muito forte ou menos interessante. No momento em questão, eu estava sem tripé e precisei utilizar o zoom da lente para focar bastante nos detalhes do macaco em si. O problema é que nesta foto em consegui uma velocidade do obturador (1/60) que quase não foi suficiente para deixar a foto nítida. Eu precisei parar de respirar alguns segundos, congelar e apertar cuidadosamente o gatilho da câmera. No entanto, se eu tivesse tido talvez um segundo a mais, deveria ter aumentado a abertura do diafragma para f/5.6 ao invés de deixar em f/7.1. Isso já me daria um bom aumento de velocidade de obturador, facilitando minha vida e aumentando minhas chances de capturar uma foto cristalina e nítida.

Sobre a composição em si, posicionei o macaco mais à direita da foto, tentando colocá-lo em cima de uma das linhas das proporções douradas de forma que a cabeça dele ficasse dentro da intersecção destas linhas. Outra coisa importante foi capturar o macaco olhando “para dentro” da foto e não para fora. Costumamos também enfatizar a diferença que isso faz. Sempre que possível, compôr o ator da foto olhando para a maior área dela. Querendo ou não isso faz uma diferença considerável na impressão que as pessoas têm da foto. No pós-processamento, para finalizar, me certifiquei de realçar a nitidez ao redor da região dos olhos e de valorizar os vários tons de dourado dos pelos e também dos olhos. Para fechar, adicionei uma vinheta preta para puxar a atenção para a parte importante da foto, o macaco. Dica Bônus: Ao fazer retratos, seja de animais ou pessoas no geral, tente sempre pegar o foco nos olhos das pessoas. Esta é a parte mais importante de estar nítida já que nós seres humanos tendemos a olhar primeiro para os olhos de outros seres.


Capítulo 1

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”


“Você não pode passar por um único dia sem impactar o mundo ao seu redor de alguma forma. O que você faz, faz a diferença. Agora, você precisa decidir que tipo de diferença quer fazer.”

— Jane Goodall

Rodrigo

“Pai, pai, pai, deixa eu bater a foto!”, eu, Rodrigo, gritava tentando minha sorte toda vez que meus pais tiravam a máquina fotográfica da mochila para capturar algum momento. Bom, hoje eu até entendo o porquê de eles quase nunca terem me deixado mexer com o equipamento, afinal, naquela época não existiam máquinas digitais e cada foto errada era caro! Agora, não sei se você é “experiente na vida” o suficiente para ter vivido naquele tempo, mas as máquinas fotográficas ainda eram de filme e cada foto precisava ser “revelada”. O pior é que tanto os rolos de filme quanto a revelação eram coisas bastante caras, logo, cada foto mal capturada ou queimada era literalmente dinheiro jogado no lixo. Ainda, para piorar, naquela época você só poderia saber como a foto ficou depois de tê-la revelado. Nada de visores de LCD atrás da câmera ou coisas do tipo. Era você, a cena, um equipamento mecânico nas suas mãos, seu conhecimento e um pouco de sorte.


Com isso em mente, por que alguém deixaria uma criança bater uma foto que facilmente poderia sair borrada ou ruim de alguma forma? Mas apesar de hoje entender tudo isso, na época eu só queria apertar o botão da câmera, ouvir o click e depois ser surpreendido com o que havia capturado.

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Pensando, acho que estas poucas fotos que meus pais deixaram eu fazer na época foram meus primeiros momentos em contato com uma câmera fotográfica. Bom, eu sei que seria muito mais emocionante se eu viesse aqui te contar que a partir daquele momento na infância eu descobri uma paixão incontrolável por fotografia, que eu me tornei um gênio do click, que andava noite e dia com uma câmera no bolso e que havia começado a ganhar prêmios atrás de prêmios, mas não... A verdade foi que somente lá por volta dos 18 anos de idade que eu comecei a olhar novamente para a câmera fotográfica como algo de interesse. Eu tinha uma câmera digital Olympus de bolso na época e ela passava mais tempo na gaveta do que em qualquer outro lugar. Eu realmente só usava ela para fazer fotos de festas com os amigos e coisas do dia a dia, sem a menor preocupação com técnicas de qualquer tipo. Eu usava a câmera como qualquer pessoa do dia a dia usa. Passado um tempo, decidi comprar uma câmera nova na época, outra câmera de bolso, agora, uma Canon. Como eu havia pago caro pela câmera (afinal, eu era estagiário e tudo era caro para mim), eu resolvi tentar usar mais a câmera para fazer valer o dinheiro que havia investido sem necessidade real alguma. Com isso eu me lembro andando pela orla ao redor de Balneário Camboriú, Santa Catarina, e tentando capturar algumas cenas. Lembro de tentar capturar algumas flores que via pelo caminho e ficava boquiaberto quando minhas fotos tinham o “fundo borrado”, lembrando (muito) de longe uma foto “profissional”.

14


Eu sentia orgulho destas fotos que capturava na época! Mal sabia eu que elas eram, digamos, toscas... Na verdade, tenho ainda algumas das fotos que tirei na época e posso te mostrar aqui. Afinal, jogo limpo, todas cartas na mesa, não é verdade?

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

15


16

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”


Naquela época eu nunca tinha lido nada de fato sobre a arte da fotografia, não tinha a menor ideia de como uma câmera funcionava, não sabia da existência dos três pilares da fotografia (velocidade do obturador, abertura do diafragma e ISO) e nunca tinha ouvido falar em composição de fotos. Mas algo se acendeu dentro de mim a partir daquele momento. Novamente, seria muito mais emocionante se eu dissesse aqui que aquilo mudou minha vida e que fotografia se tornou uma paixão maior do que a própria vida, mas não... Nada heroico ou impactante aconteceu, somente o fogo da fotografia, a ideia de se usar uma câmera estava mais acesa dentro de mim.

17

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Com isso, já com 25 anos eu pedi demissão do meu emprego estável em uma multinacional em Curitiba e fui estudar em Berkeley nos Estados Unidos por alguns meses.


Foi durante este meu tempo lá que por algum motivo que não sei ao certo, aquela chama fotográfica dentro de mim realmente pegou minha atenção. Pela primeira vez na vida, fui para a internet pesquisar coisas do tipo: “como aprender fotografia”.

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Comecei a ver vídeo após vídeo, artigo depois de artigo e logo percebi que eu precisava de algo essencial para poder colocar tudo que estava aprendendo em prática: uma câmera! Óbvio o bastante, eu percebi também que não precisava de outra câmera de bolso mas, sim, uma “verdadeira câmera” que logo aprendi que eram chamadas de DSLR. Uma DSLR é basicamente uma câmera que te permite o controle manual dos três pilares da fotografia e também permite que você troque as lentes nela. Fui para internet e comprei uma Canon T2i e depois de alguns dias esperando ansiosamente pela câmera chegar, ela chegou! Abri o pacote correndo, coloquei a lente que veio junto, saí na rua para fotografar, comecei a fazer fotos sensacionais e o resto é história. Um gênio da fotografia havia nascido. Hmm, só que não... O que aconteceu foi basicamente o completo oposto disso. Depois de ter ligado a câmera e saído para fotografar pela primeira vez, voltei extremamente frustrado, afinal, eu tinha estudado na internet e investido uma grana preta em uma câmera “verdadeira”. Eu achava que as fotos precisavam obrigatoriamente ser boas! Mas a verdade foi que as fotos que eu havia capturado eram piores do que as que eu costumava obter com minha câmera de bolso. Isso mesmo, piores. Como isso era possível? Bom, só depois de muito tempo eu viria a entender que isso acontecia porque nesta câmera, ao contrário das câmeras de bolso que faziam tudo automaticamente, eu era quem estava no controle!

18


As fotos que eu capturava eram resultados do que eu realmente fazia e não eram corrigidas ou otimizadas automaticamente pela câmera. Frustrado, me neguei a aceitar que eu não era competente o suficiente para fazer fotos boas. Agora, novamente, eu tinha gasto dinheiro que realmente não tinha sobrando para investir em um mero hobby. Eu precisa fazer aquilo valer a pena de algum jeito!

Fiquei de olhos esbugalhados e queixo caído! Não era possível neste universo que aquelas pessoas estavam conseguindo fotos tão impactantes e sensacionais como aquelas utilizando a exata mesma câmera que eu tinha em mãos! Como isso era possível? Como alguém poderia fazer arte com a mesma câmera que eu tinha enquanto eu fazia, digamos, o oposto disso? Isso me motivou muito a seguir em frente, porque se outras pessoas conseguiram aquilo, eu com certeza teria que conseguir também. Eu só precisava descobrir o que eles sabiam que eu não sabia.

19

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Fui para internet novamente procurar em sites como Flickr.com, 500px.com, etc., exemplos de fotos que foram capturadas com a mesma câmera que eu tinha.


Continuei firmemente meus estudos na internet, procurando mentores internacionais e estudando tudo o que conseguia achar sobre fotografia. Comecei a sair todo santo dia de casa para praticar o que vinha aprendendo. A cada dia eu tentava alguma técnica nova, tentava regulagens diferentes na câmera, tentava efeitos e perspectivas diferentes para ver os resultados. Cada pequeno avanço era uma grande conquista!

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Aos poucos comecei a ganhar um pouco mais de confiança e descobri as poucas habilidades e técnicas que geravam os maiores resultados nas fotos. Com isso comecei a ficar mais orgulho de algumas fotos minhas, comecei a mostrar para meus amigos e postar na internet. Eu estava começando a fazer fotos melhores de propósito e não por mera sorte.

20


A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

21


surpreendeu o fato de que as pessoas realmente pareciam gostar do que estavam vendo e a achar que eu era de fato um fotógrafo. Não sei se elogiavam porque eram meus amigos ou porque realmente gostavam do que viam, enfim... Aquilo me motivou a seguir em frente, sempre aprendendo e praticando novas técnicas e métodos. Minhas fotos estavam melhorando, mas estavam longe de serem o que queria que fossem. Depois dos EUA, me mudei para Munique na Alemanha onde fiquei por um ano.

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Foi lá que este meu hobby ganhou mais força e eu realmente passava muito tempo fotografando, aprendendo, processando fotos e experimentando ao máximo essa arte. Foi lá também que pela primeira vez na vida eu descobri a técnica de HDR (High Dynamic Range) e isso me deu um grande turbo de motivação para continuar em frente no hobby.

Primeira fo to HDR qu e tirei n a vida

22


Técnica essa que ficou famosa no mundo principalmente graças ao fotógrafo americano Trey Ratcliff, que sempre foi uma das pessoas que mais nos inspirava nesse ramo. Em 2015 eu e o Ricardo tivemos o prazer de passar alguns dias com ele na Nova Zelândia, fotografando e dando feedback no portfólio uns dos outros. Incrível! Mas agora, antes de te contar a história interessante de como o projeto “Cara da Foto” surgiu e de como ele mudou nossas vidas (e também o cenário nacional de fotografia), vamos ver a história aqui do Ricardo.

Ricardo

Veja, por mais fascinantes que sejam aquelas histórias de filme que nos encantam como se fossem contos de fadas, a minha, na fotografia, não é uma delas. A verdade é que eu, Ricardo, também precisei patinar e muito antes de descobrir essa enorme paixão pela arte da fotografia e quão longe eu seria capaz de chegar através dela. Desde bem pequeno eu me lembro de ouvir nosso pai muito entusiasmado contando histórias sobre o tio José Macagnan, que era praticamente um alquimista da arte no laboratório fotográfico dele nos anos 1950. O pai dizia que muito provavelmente foi ali naquele laboratório onde as primeiras relevações coloridas surgiram no Brasil, com os experimentos que o tio fazia usando filtros de cor e outras engenhocas dele. Além de um grande entusiasta e apaixonado pela arte da fotografia, descobrimos depois que o tio Macagnan, que é filho de Antônio Prado — um dos mais conceituados fotógrafos do Brasil na época — havia participado de cursos de especialização em Zurich, na Suíça, nos anos de 1976 e 1978, tendo visitado também o famoso Photokina, na Alemanha, na mesma época.

23

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Será que ele descobriu que nasceu para a fotografia logo cedo e começou a surpreender as pessoas com sua genialidade fotográfica e a ganhar prêmios ao redor do mundo?


Enfim, a fotografia corre no sangue há muitas e muitas gerações e parece que bom gosto realmente é hereditário.

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

A fotografia é uma paixão que vem sendo transferida desde os bisavós até o nosso pai, que também teve seus dias de luz vermelha na câmara de revelação e fotógrafo/cinegrafista oficial da família enquanto crescíamos. Como sou grato por tantas fotos e vídeos dele daquela época, um verdadeiro banquete de momentos marcantes. Isso não tem preço! Mas como eu disse, a minha história na arte da fotografia também não é uma jornada onde tudo se encaixa magicamente desde o início, mas sim a história de um “guri” que descobriu o que era a fotografia através do seu mais precioso presente de aniversário até então: uma Polaroid. Se você não sabe o que é uma Polaroid, basicamente eram câmeras bastante modernas para a época que imprimiam as fotos imediatamente após a captura. Mágica! Ah, como eu era feliz com aquela caixinha futurística... Mas como você sabe, tudo que é novidade costuma custar caro. No caso das Polaroids o maior problema nesse quesito não era a câmera em si, mas sim os cartuchos de poses (como eram chamadas as fotos na época). Basicamente, para cada cartucho você tinha uma quantidade limitada de fotografias que poderia imprimir (geralmente dez, se me lembro bem) e cada cartucho desse custava uma pequena fortuna naquela época. Mas olhe, eu não sabia bulhufas sobre fotografia e francamente sobre quase nada naquela idade. Independentemente disso, estava sempre munido da minha querida Polaroid clicando tudo o que meus olhos achavam interessante. Inclusive, na casa dos meus pais consegui recuperar algumas das fotos que capturei naquela época. O que seríamos sem nossos pais, não é?! Nunca falta espaço para guardar as bugigangas e coisas da nossa infância. Olhando algumas dessas fotos consigo viajar no tempo e me posicionar novamente naqueles momentos…

24


Obviamente que aquelas fotos eram meras capturas de momentos vistos através dos olhos de uma criança, porém desde aqueles dias as raízes da fotografia foram se formando dentro de mim.

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Mas com o passar dos anos meus interesses mudaram e a Polaroid foi ganhando cada vez mais poeira no meu armário, infelizmente. Passei o resto da infância e provavelmente a adolescência inteira sem tocar em um máquina fotográfica, se quer. Foi apenas depois de terminar o ensino médio que eu tive um impulso interno muito grande de entrar na área de design digital, ao assistir filmes como a trilogia Matrix — que me impactou profundamente pelos efeitos especiais e tudo mais. Quando entrei nessa nova aventura, de forma autodidata como de costume, não fazia a menor ideia de que boa parte do meu aprendizado no assunto seria também aplicável na fotografia anos depois. Comecei então a estudar tudo sobre criação e edição de vídeos, que era o meu mais novo interesse e hobby.

25


Após incontáveis horas garimpando e estudando materiais de qualidade sobre o assunto, eu acabei ficando muito bom nisso, o que também foi bastante útil até hoje na produção dos cursos oficiais do Cara da Foto e demais conteúdos em vídeo que produzimos.

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

E foi mais ou menos na época do meu ápice dentro do design digital que eu e o Rodrigo trocávamos bastantes e-mails sobre a experiência dele fora do país, meus trabalhos em design 3D aqui no Brasil e também a vontade de fazer minha tão esperada primeira viagem internacional. No meio dessas conversas compartilhávamos também um com o outro imagens e vídeos que fazíamos. No meu caso, animações, criações e edições variadas e o Rodrigo, fotos e vídeos que ele tinha capturado em Berkeley e Munique. Com o tempo fui notando uma enorme evolução nas fotografias que ele me enviava. A cada e-mail parecia que ele se aproximava mais daquilo que eu considerava “fotógrafo profissional”. Mal sabia eu que, devagarinho aos 22 anos de idade mais ou menos, aquelas fotos foram acendendo novamente dentro de mim o interesse pela fotografia. Naquela época eu tinha um emprego estável e de prestígio em uma das maiores empresas de telecomunicações do país há alguns anos em Curitiba, então sem muito esforço conseguiria juntar dinheiro suficiente para viajar, comprar uma DSLR para mim e começar a brincar novamente com fotografia. Foi exatamente o que aconteceu. Comprei a Canon T2i, usada do Rodrigo, logo após minha primeira viagem internacional de visita a ele em Berkeley nos Estados Unidos. Agora sim tinha a faca e o queijo na mão e era hora de entrar de cabeça novamente na fotografia.

26


Notei uma leve vantagem nesse momento, pois muitas das teorias e técnicas que havia estudado no design se aplicavam também na fotografia. Mas mesmo assim, nessa etapa da evolução os resultados não poderiam ser diferentes. Era a primeira vez que fotografava usando uma “câmera de verdade” (DSLR).

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

27


A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

O processo de entender como colocar na câmera todas aquelas configurações que antes eu fazia virtualmente em programas, foi doloroso e demorado, mas eventualmente aconteceu e aí sim me senti em plena sintonia. 28


A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

As minhas prioridades trocaram, agora eu não me divertia mais tanto criando animações e vídeos, mas, sim, fotografando. Sentia sede por conhecimento e muita ansiedade para fotografar cada vez melhor. Com vários meses de prática usando a nova câmera em duas viagens e no meu dia a dia, fui me sentindo cada vez mais confiante e empolgado com as fotos. Isso acabou me levando a criar coragem para também compartilhar online com amigos algumas das minhas fotos preferidas da época. 29


30

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”


A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

31


Para minha surpresa, as fotos que compartilhava conectavam superbem com meus amigos e eu acabei virando “o cara da foto” da turma. Aquele cara que as pessoas vinham pedir dicas e orientações sempre que o assunto era fotografia. A verdade é que eu adorava essa sensação e também me sentia privilegiado por poder ajudar.

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Isso também me motivava muito a continuar pesquisando novas técnicas e a trocar figurinhas com o Rodrigo. Logo nós dois passamos a criticar o trabalho um do outro até nos nivelarmos e eventualmente chegar no estilo, agora famoso, do Cara da Foto. E quem diria que dentro de pouco tempo, através da fotografia, minha vida mudaria completamente. Trabalho, férias e hobby virariam sinônimos. Mas isso você vai entender a seguir na história de como foi o início propriamente dito da maior família de apaixonados por fotografia do mundo em língua portuguesa, o caradafoto.com.br.

“Em cada caminhada pela natureza se recebe muito mais do que se procura.” — John Muir

Bom, Rodrigo de volta aqui. Como você viu, nós dois infelizmente não pudemos contar com as facilidades de um talento natural ou genialidade nata para avançarmos na arte da fotografia. Nós realmente seguimos o caminho tradicional de aprendizado, o longo e tortuoso caminho do aprendizado de qualquer habilidade, o qual é pavimentado com puro suor, dedicação, frustração e com certeza, mais erros do que acertos. Mas e o projeto Cara da Foto? De onde surgiu e como surgiu?

32

Rodrigo


Bom, durante minha estadia em Munique, eu já tinha um blog em outra área que gostava bastante: nutrição e emagrecimento, emagrecerdevez.com. Eu tinha como plano de vida poder viver fazendo somente o que eu gostava e o fato de que eu tinha um emprego lá que eu realmente não gostava, só me motivou a acelerar este processo. Sempre acreditei que o ideal seria trabalhar com meus hobbies. Afinal, eu já os praticava diariamente de graça, porque não focar em criar algo que fosse baseado neles, certo? Eu acho que ninguém deveria viver nem mais um dia da vida fazendo o que não gosta. A vida é realmente muito curta para ser pequena e desperdiçada. Este sentimento me pressionava todos os dias.

Eu achei que era um nome fácil, simples e ao mesmo tempo divertido. Depois de decidir o nome eu fui em frente e criei o site. O design era horrível, o logotipo era feio e não tinha conteúdo, mas estava no ar! O projeto havia começado. Dizem que cada pequena conquista, por menor que seja, no caminho de algo grande te dá a motivação que você precisa para seguir em frente e foi isso mesmo que aconteceu. Lembro agora que já naquela época eu tinha a ideia de fazer um curso em vídeo ensinando o que havia aprendido ao longo dos últimos meses sobre fotografia. A ideia era linda e motivadora, porém, ideias e fantasias são muito diferentes de realidade. Em uma tarde de sol de verão, resolvi pegar minha mochila, microfone e tripé e levar para um parque por lá. Eu estava decidido a começar as gravações naquele dia e assim o fiz. Bom, mais ou menos... Bolei em um papel rapidamente um esquema do que queria falar, achei um lugar calmo, coloquei o tripé, montei o equipamento, sentei na grama e comecei a gravar. 33

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Então, foi em Munique mesmo que eu, pela primeira vez, tive a ideia de criar um site sobre fotografia e depois de bater a cabeça um tempo cheguei no nome Cara da Foto (porque na época achava que seria só eu...).


Foi horrível. Para começar, havia centenas de mosquitos que me atrapalhavam toda hora. Para piorar, eu não tinha a menor experiência em falar para a câmera e não estava nem um pouco contente com o conteúdo e a forma como eu estava passando ele. No final, eu gravei uns dois vídeos que nunca de fato cheguei a editar. Eu simplesmente não estava pronto para isso.

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Fiz mais alguns vídeos curtos para postar no blog caradafoto.com.br na época e pronto, deixei o projeto às moscas por muito tempo. Depois daquele ano em Munique, me mudei para a Noruega, onde viveria pelos próximos três anos. Lá eu também tinha um emprego (meu sonho de viver dos hobbies ainda era sonho), estava focando no emagrecerdevez.com e realmente tinha quase esquecido já do caradafoto.com.br. O ponto positivo é que eu continuava praticando fotografia, estudando e me aprimorando cada vez mais. Eu amava este meu hobby! Com o tempo, fui pegando experiência em desenvolver cursos, didática e falar para a câmera por causa dos trabalhos no meu outro site. As coisas foram caminhando até que tudo chegou no ponto de eu dar atenção novamente ao caradafoto.com.br depois de mais de um ano totalmente às moscas. Eu e o Ricardo amávamos fotografia, praticávamos sempre e já estávamos cansados de ver tanto material técnico, teórico, tradicional e chato por aí sobre o assunto. Nós achávamos que poderíamos, sim, fazer a diferença e ajudar muitas pessoas a pegarem atalhos para melhorarem bastante suas fotos e em apenas uma fração do tempo.

34


Como disse antes, nós seguimos um caminho longo e frustrante de aprendizado, tendo que achar material bom em meio a um mar de coisas confusas e chatas e agora queríamos fazer a nossa parte para retribuir e melhorar isso. Neste ponto falei com o Ricardo e ambos decidimos bater a poeira do site, seguir em frente com o projeto e focar seriamente nele!

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Rodrigo e Ric ardo no interior da Nova Zelândia durante as gravações do Curso Master de Fotografia e Pós-processam ento

35


Contratamos um web designer, montamos um plano concreto, gravamos muitos vídeos e tutoriais e, principalmente, gravamos com sucesso o nosso primeiro curso em vídeo. O projeto Cara da Foto estava de volta à vida e agora mais forte do que nunca.

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

Ricardo, que na época tinha acabado de virar seu quinto ano trabalhando naquela empresa em Curitiba, estava bastante confiante no projeto e decidiu focar-se integralmente no Cara da Foto. Logo após pedir demissão, ele foi morar um tempo nos Estados Unidos e depois fez várias viagens ao redor do mundo abrindo de vez as porteiras para esse novo e libertador estilo de vida. A partir daí, para nossa surpresa, vimos nossa audiência crescer aos poucos de um punhado de gatos pingados que achavam o site, para dezenas, milhares e centenas de milhares de pessoas, amantes da fotografia que nos achavam e hoje tudo se tornou muito maior do que um mero site. Nós vemos tudo isso como um grande movimento de libertação fotográfica e estilo de vida onde as pessoas formam uma família unida em prol de uma paixão em comum, a arte da fotografia. Mais do que isso ainda, nós acreditamos que tudo vai além da fotografia em si, mas que esta arte é um capacitador que permite as pessoas viverem suas vidas mais plenamente, prestando mais atenção ao mundo ao redor, admirando mais cada respirada de ar puro, cada detalhe belo do nosso mundo enquanto ao mesmo tempo capturando e congelando no tempo estas sensações e momentos de forma que tudo possa ser revivido depois a qualquer momento, por qualquer pessoa, com uma mera olhada em um álbum de fotos. Motivados por tudo isso e pela energia dessa família incrível de pessoas, nós continuamos até hoje gravando vídeos, escrevendo artigos, capturando fotos, montando tutoriais, tentando inspirar as pessoas e também gravando cursos diferentes do tradicional para ajudar a todos que precisam, como o nosso curso mais completo até hoje, do qual temos muito orgulho, o Curso Master de Fotografia e Pós-processamento do Cara da Foto. Foi esse nosso grande desejo de fazer a diferença e contribuir que nos motivou a gravá-lo. O Curso Master de Fotografia e Pós-processamento tem o objetivo de fazer com que qualquer pessoa comece 36


a fazer as melhores fotos da sua vida, ensinando fotografia na prática e em vídeo, do jeito que acreditamos que esta arte deve ser ensinada, da maneira que nós mesmos gostaríamos de ter aprendido no passado. Agora, quando olhamos para trás e vemos onde tudo começou, abrimos um sorriso no rosto de saber que hoje, ambos podemos viver dessa nossa paixão, desse nosso hobby e ter o privilégio de poder inspirar e ensinar outras pessoas a fazerem o mesmo. Isso para nós é uma vida digna de ser vivida.

37

A HISTÓRIA DO “CARA DA FOTO”

“Tudo parece impossível até que seja feito.” — Nelson Mandela


Rodrigo Polesso

Savana Localização | Kruger Park, África do Sul. Pôr do Sol na Savana.  Dados Técnicos | C  âmera: Canon 60D • Lente: EF-S18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/6.3 1/320 ISO160


Como esta foto foi capturada?

Kruger Park

Tive a oportunidade de passar pouco mais de um mês na África do Sul e não seria uma estadia completa por lá se eu não tivesse feito um safári, não é verdade? O que mais me foi recomendado foi o Kruger Park que é uma enorme reserva selvagem que fica a leste de Joanesburgo.

África do Sul

Eu e minha namorada reservamos nossa cabana, pegamos um carro alugado e dirigimos desde a Cidade do Cabo até lá para passarmos quatro dias em meio à savana. Agora, preciso confessar, eu não estava esperando muita coisa. Eu tinha certeza que teria que tentar a sorte de ver os animais de longe na savana, talvez tivesse sorte de conseguir ver algum com o binóculo, etc. Ah, quão errado eu estava... ainda bem! Logo ao chegar no parque começamos a ver zebras, veados e outros animais relativamente perto da estrada e já começamos a ficar animados. Fomos até nossa cabana que ficava em uma área cercada, afinal, nós estamos mesmo em meio à savana selvagem. O lugar era confortável e no complexo tinha restaurante, loja de conveniência, etc. Logo aprendemos que o esquema seria acordar bem cedo para sair antes do sol nascer. Os portões abriam às 5h30 e fechavam às 18h. Assim que os portões abriam nós já estávamos fora com o carro (é proibido sair do carro durante o safári). O legal é que nós poderíamos fazer a rota que quiséssemos no nosso próprio carro, tendo total liberdade de exploração. Em uma palavra, a experiência foi absolutamente sensacional. Uma das melhores experiências da minha vida. Nós vimos todos os animais que queríamos ver e bastante de perto. Vimos um grupo de leões enormes que decidiram sentar no meio da estrada, incontáveis girafas, chacais, hienas, elefantes e até uma chita que é o animal mais raro da reserva.


Esta foto em questão eu capturei em um destes dias que levantamos antes do sol nascer. Fazemos isso porque muitos animais como chacais, hienas, leões e chitas são mais noturnos. Quando o sol apareceu no horizonte, peguei minha câmera e tentei capturar aquele momento único no meio da savana. Foi surreal! Depois da foto, nós tínhamos à frente um dia inteirinho de exploração e emoções selvagens!

Composição e Dicas específicas O nascer do sol é sempre uma coisa legal de se capturar em fotos. Agora, assim como o pôr do sol, nós não temos todo o tempo do mundo para capturar a cena, uma vez que a posição do sol muda rapidamente, assim como, as cores também. Nesta foto, com câmera em mãos eu fui dirigindo devagarinho na estrada até achar algum elemento da savana que pudesse agregar a composição. Foi aí que avistei essa árvore maior. Depois disso, foi só questão de ir um pouco mais em frente de forma que eu pudesse posicioná-la praticamente em cima da linha da esquerda das proporções douradas, ancorando minha composição. Com isso decidido, só faltava configurar rapidamente os pilares da fotografia na câmera. Eu estava sem tripé, afinal, estava dentro do carro.

Como iria fazer uma foto de frente para o sol, tinha certeza que teria bastante luminosidade, então setei minha abertura do diafragma em f/7.1 que é uma região boa de nitidez nesta lente, o ISO em 160 como de costume na minha câmera e isso me deu uma velocidade do obturador de 1/320 que foi mais do que suficiente para fazer uma foto nítida. Com isso, me certifiquei de pegar o foco na árvore, posicionar os elementos de acordo com as proporções douradas (golden ratio) e apertar o gatilho. Dica Bônus: Pegar o foco em ambientes de muita luz ou pouca luz pode ser mais difícil, por isso recomendo que ache algum elemento que contraste bem e pegue o foco nele. No pós-processamento só o que eu fiz foi realçar os contrastes entre as cores frias da noite e as quentes do sol que surgiam no horizonte. Adicionei uma pitada extra de vibração nas cores ao redor do sol para dar mais impacto e pronto, a foto estava pronta. Dica Bônus: Em fotos de nascer e pôr do sol, recomendo que sete a compensação de exposição (exposure compensation) da câmera em -1 ou -2. Isso forçará a câmera a fazer uma foto melhor exposta e isso também irá realçar as cores. Se deixarmos no automático padrão, a câmera tentará equilibrar a luminosidade na foto inteira e como o foco no sol é muito forte, o resultado ficará bem aquém do desejado. Provavelmente muito clara ou muito escura.


Ricardo Polesso

Monumento Natural El Morado

Chile

Monumento Natural El Morado Localização | Chile. Dados Técnicos | C  âmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Canon 18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/1 1/250 ISO 100


Como esta foto foi capturada? Para mim esta não é apenas uma fotografia, mas sim uma conquista. Digo isso porque por trás desta vista incrível existe uma trilha de 16km morro acima lutando contra um gélido vento. Antes de mais nada, preciso confessar que somente aos 28 anos de idade e na enésima viagem tomei vergonha na cara para visitar esse nosso belo vizinho: o Chile. Curioso como às vezes achamos que o que está mais distante de nós é sempre melhor... Enfim, antes mesmo de pousar por lá tinha certeza de que uma visita apenas jamais seria suficiente para explorar todos os lugares e paisagens que queria. Então nessa minha primeira vez acabei focando somente nos arredores da capital, Santiago. Como de praxe (e aqui vai uma dica), pesquisei sobre a região antes mesmo de comprar as passagens. Assim já saberia dos principais pontos e atrações turísticas à tempo de fazer reservas e meus planos. Não demorou até a trilha ao Glaciar San Francisco aparecer na lista de favoritos pelos turistas. Trata-se de uma caminhada de 16km (ida e volta) dentro do Parque Nacional Monumento Natural El Morado até a geleira San Francisco, que fica aos pés do Cerro El Morado. Era impressionante a quantidade de pessoas que falavam bem e recomendavam. Descobri também que no final da trilha você pode continuar rumo ao cume do Cerro El Morado se fosse corajoso o

suficiente. Ele fica 5.060m de altitude. Não, obrigado! Talvez na próxima. Agora, esses 16km não seriam meu record nem a caminhada mais distante por uma fotografia, mas certamente uma das mais difíceis. O trajeto todo fica a mais de 2.000m de altitude, o que deixa o ar rarefeito e consequentemente tudo mais desafiador. Algo tão simples quanto encher os pulmões fica mais emocionante. Rumo à geleira San Francisco aos pés da montanha, parti logo no início de uma manhã fria de abril munido de alguns snacks e da minha câmera fotográfica. Já nos primeiros minutos de caminhada meus olhos foram premiados com um cenário inacreditavelmente colorido e inóspito ao mesmo tempo. A cordilheira dos Andes reina imponente aos fundos enquanto você caminha entre a vegetação que costeia um vale de águas glaciais azuis turvas. Simplesmente sensacional! Há mais ou menos umas duas horas de caminhada desde o início cheguei na primeira grande atração da trilha: a Lagoa El Morado. Obviamente a primeira coisa que fiz ao chegar ali não foi capturar esta foto, mas sim procurar a primeira pedra quadrada o suficiente para sentar um pouco e repor as energias. Sentado, fiquei alguns minutos imóvel apreciando a paisagem e tentando fazer sentido de como um lugar daqueles pode existir de verdade. Verdadeiramente impressionante! Eu precisava de uma foto digna daquele momento.


Composição e Dicas específicas Antes mesmo de pegar minha câmera, simulei com os olhos algumas composições candidatas. Mas em cenas como esta onde temos um lago no primeiro plano que reflete montanhas ao fundo, não tem muito o que pensar. Simetria é uma excelente ideia. Para a minha sorte, naquela manhã o sol tinha um halo bastante colorido e forte então decidi tentar compor ele também na minha foto, se possível. Peguei minha câmera na mochila e fui configurando tudo até achar uma combinação ideal para aquela vista. Como a luminosidade estava bastante forte naquela manhã optei por uma abertura do diafragma média de f/11 e um ISO 100, o que me dá bastante qualidade de imagem e nitidez. Eu estava sem tripé também, então escolhi uma velocidade do obturador rápida o suficiente para que eu conseguisse fotografar a cena sem tremer. No caso, 1/250. Depois de alguns cliques percebi também que uma composição vertical (modo retrato) seria melhor ali porque valorizaria mais os três principais elementos de impacto que meus olhos viam: o lago, as montanhas e o halo solar. Fotografando na horizontal (modo paisagem) eu tive impressão de que muitas coisas que apareciam na foto não precisavam estar ali. É uma questão de preferência. Mas seja como for, sugiro que capture de ambas as formas e deixe para

decidir depois em casa. É melhor ter e optar por não usar do que lamentar a oportunidade perdida. Tomei bastante cuidado também no posicionamento do pico central (Cerro El Morado), já que o cume se inclina levemente para a esquerda. Para isso, tracei uma linha vertical imaginária cortando tudo ao meio e busquei harmonia na distribuição dos lados direito e esquerdo da foto. Depois posicionei a linha do horizonte exatamente no centro da foto (pensando na simetria) e fotografei. Simples assim, meus olhos foram sumariamente esbugalhados pelo resultado. Mesmo vendo a foto ali pelo visor da câmera tive certeza de que fiz jus ao momento e teria uma boa âncora de memória para o resto da vida. Depois em casa na etapa do pós-processamento optei por uma versão artística que realçasse através de cores fortes e contrastantes a beleza daquela cena. Dica Bônus: Quando estiver fotografando reflexos, seja em água ou qualquer outra superfície, você pode alterar o seu ângulo de captura chegando mais perto ou longe da água. Dessa forma você consegue chegar na proporção que quiser, seja a perfeita simetria ou algo mais distorcido.


Rodrigo Polesso

Praça La Grande-Place Localização | Bruxelas, Bélgica. Praça La Grande-Place no centro da capital.  Dados Técnicos | C  âmera: Canon 60D • Lente: Sigma 10-20mm f3.5 • Configurações: f/22 25seg. ISO 100


Como esta foto foi capturada? Eu sempre ouvi falar que a Bélgica é um país onde não falta chuva, mas pude experimentar isso na pele durante a minha estadia lá. Sabe, se tem algo que qualquer fotógrafo teme é: chuva! Claro, ainda assim, dependendo das circunstâncias, é possível explorar criativamente a situação e tudo mais, mas, no geral, chuva não é o tipo de clima favorito dos fotógrafos. Passei três dias em Bruxelas e acredite, choveu todo santo dia. Eu tive que ficar alerta para tentar aproveitar os breves momentos de pausa na chuva para explorar e capturar algumas fotos. No geral, quando estou em viagem para fotografia, passo o dia inteiro fora explorando e foi assim também no dia em que tirei a foto em questão. Já no cair da noite, sem chuva no momento, decidi ir até a praça principal da cidade, o ponto turístico mais visitado de lá, a praça La Grand-Place. Nesta praça, há várias coisas que inspiram fotografias, mais notoriamente dois prédios. Bom, como eu já os havia fotografado, estava em busca de novas cenas para capturar. Foi aí que olhei para minha direita e vi essa linha de prédios superantigos que me chamou a atenção.

Composição e Dicas específicas O que eu queria capturar ali era justamente a linha destas “casas” antigas que parecia não seguir um padrão arquitetônico comum. O fato de elas estarem literalmente coladas umas nas outras também me chamou atenção. Peguei meu tripé e montei a câmera. O que eu tentei fazer no quesito composição é algo que sempre falamos no Cara da Foto que é: “fechar o frame”, ou seja, focar realmente no que interessa e eliminar da foto o que não interessa.

Praça La Grande-Place

Bélgica


Dessa forma tentei preencher a maior área da foto possível com os prédios e também uma parte da rua de ladrilhos para adicionar drama. Outra coisa que tentei fazer foi deixar a foto simétrica no sentido de deixar o espaço acima das casas parecido com o espaço abaixo delas. Este tipo de coisa faz bastante diferença na impressão que as pessoas têm quando olham suas fotos. Outra coisa bacana que queria capturar e aí vai uma dica bônus é capturar o estrelado das lâmpadas. Uma forma fácil de fazer isso é diminuir bastante a abertura do diafragma na sua lente. Enquanto isso varia de lente para lente, a técnica é simples. Neste caso eu coloquei minha abertura do diafragma no mínimo que era possível, f/22. Uma abertura pequena assim tipicamente gera este efeito estrelado nas fontes mais fortes de luz da foto (tente na sua próxima foto!). Como eu estava com meu tripé e no momento não tinha vento nenhum, setei minha velocidade do obturador para 25 segundos e meu ISO para 100, afinal, quanto menor o ISO, menos ruído na foto. Com isso, dei o click e saiu o que saiu. Agora, no pós-processamento eu me certifiquei de “limpar” a foto de coisas que poderiam distrair. Na foto original, você poderia ver algumas luzes e traços de luzes no céu, mas isso estava atrapalhando, logo, me certifiquei de deixar o céu totalmente preto, limpo destas

distrações para que o foco da foto em si seja a cena capturada. Limpei também algumas sujeiras que apareciam no chão da praça. Esse tipo de coisa faz diferença na impressão final que as pessoas têm da foto. Depois da foto, era hora de empacotar as coisas e voltar para o hotel antes da chuva voltar a irrigar a cidade. Dica Bônus: Quando você está fotografando uma cena popular que é difícil de encontrar vazia, você pode setar sua velocidade do obturador bastante lenta (até mesmo durante o dia se você tiver um filtro de densidade neutra), porque isso irá ajudar a fazer com que as coisas que passam pela foto não sejam capturadas no final.


Ricardo Polesso

Nova Zelândia

Lake Tekapo

Via Láctea Localização | L ake Tekapo, Nova Zelândia. Dados Técnicos | C  âmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Canon 18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/11 16seg. ISO 800


Como esta foto foi capturada? Às vezes é difícil acreditar que estamos eternamente flutuando em um infinito mar de corpos celestes, você não acha? Em constante movimento, porém parados ao mesmo tempo, presos a um destes corpos através de uma força ainda não totalmente compreendida, mas que gostamos de chamar de gravidade. Um planeta tão extraordinário como o “nosso”, de incomparável beleza e valor para nós que aqui habitamos, não deixa de ser um quase invisível ponto em meio à vastidão do hipnotizante cosmos que cresce dia após dia. Por quê? Essa talvez seja a mais antiga e cruel dúvida da história… O ser humano é abastecido pela contínua busca por respostas. É isso que nos move e nos faz progredir. A incessável corrida pelo conhecimento. Nossos antepassados há dezenas de milhares de anos atrás olhavam para cima com admiração e respeito, porém, supostamente sem entender. Na melhor de suas habilidades tentavam fazer sentido do que era aquele fascinante e místico canvas infinito que aparecia à noite e se movimentava lentamente pelas horas. Alguns destes antepassados, inclusive, tentavam replicar aquela intrigante cena nas paredes de cavernas com pinturas e gravuras feitas a base de carvão e gordura animal. Ainda hoje um céu estrelado é uma das visões mais incríveis que qualquer pessoa pode ter na vida. Algo se acende dentro da gente quando olhamos para cima...

Enfim, a Astrofotografia, que é a arte de se fotografar os astros (ou corpos celestes), tem ganhado o merecido espaço nos últimos anos em função da tecnologia. Hoje todos têm plenas condições de capturar suas próprias fotos das estrelas, da Lua e até mesmo da nossa querida Via Láctea. Ainda assim, apesar de também conseguirmos ver com nossos próprios olhos, essa é uma cena pouco comum no dia a dia de muitas pessoas. E como sabemos, aquilo que foge da rotina tende a ser mais interessante, logo, fotografias assim causam impacto. A Nova Zelândia é um país de múltiplas qualidades e o turismo fotográfico certamente é uma das maiores delas. Apesar do pequeno território dividido em duas ilhas, a densidade de lugares lindos para se fotografar é imensa. Muitos filmes de ficção e épicos foram gravados ali. Você consegue aplicar algumas das paisagens de lá à qualquer roteiro que criar, sejam histórias vikings, extraterrestres, élficas, de super-heróis, deuses e etc. Enquanto eu e o Rodrigo estivemos lá por algumas semanas gravando o Curso Master de Fotografia e Pós-processamento, cruzamos de van as duas ilhas fotografando alguns dos mais icônicos lugares do mundo. Dentre eles, a Church Of The Good Shepherd (Igreja do Bom Pastor) — que fica de frente para o belíssimo Lake Tekapo — à noite. Ainda com sol alto desembarcamos no lugar para planejar as fotos que faríamos dentro de algumas horas, com total escuridão.


Composição e Dicas específicas Nessas ocasiões é interessante andar de um lado para o outro tentando identificar ângulos e composições que funcionem melhor quando o céu ficar estrelado e, com um pouco de sorte, com a galáxia visível também. Assim que ficamos satisfeitos, reservamos um lugar só para nós usando os tripés e fomos capturando fotos exatamente do mesmo ângulo ao longo dos minutos e horas. Com isso, depois no pós-processamento podemos fazer o que chamamos de exposure blending, ou combinação de exposições entre múltiplas fotos para que tenhamos perfeita luminosidade no todo e o efeito que buscamos. A minha composição foi totalmente em função do céu, sendo que a igreja cobre menos de 40% da minha foto. Então se porventura o céu ficasse encoberto por nuvens, eu provavelmente teria que voltar novamente no dia seguinte e repetir o processo. É um jogo de sorte, você aposta e torça para ter feito a coisa certa. Mas aquele foi um bom dia. Voltei para casa naquela mesma noite ciente de que tinha capturado algumas das melhores fotos da vida. Infelizmente nem mesmo nossos poderosos olhos conseguem essa dinâmica perfeita de luz que permitiria que víssemos

toda a verdadeira beleza daquela cena. Por isso considero fotos assim particularmente especiais. Gosto bastante dessa foto e do efeito que ela causa nas pessoas para quem eu mostro. Dica Bônus: Use velocidades do obturador preferencialmente menores a 30 segundos ao fotografar estrelas, caso contrário elas começarão a parecer cometas devido a rotação da terra. Você pode, é claro, usar isso propositalmente e expor por horas e horas até criar um efeito de espiral no céu. É bem bonito também. Dica Bônus: Um atalho de pós-processamento legal para fotos assim de estrelas e galáxia, é configurar o balanço de branco para “tungstênio” no seu software de edição de fotos. Isso te ajuda a obter uma luz mais azulada e realista no céu.


Rodrigo Polesso

Neblina do Amanhecer nas Colinas Localização | Queenstown, Nova Zelândia.  Dados Técnicos | C  âmera: Canon 60D • Lente: Canon EF-S18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/11 1/50 ISO 160


Como esta foto foi capturada? No começo do nosso próprio aprendizado fotográfico, uma das pessoas que muito nos inspirou a seguir em frente através de seu trabalho foi o americano Trey Ratcliff. Ele é talvez o fotógrafo de viagem mais seguido na internet hoje em dia e também foi um dos primeiros a compartilhar online fotos em HDR.

Nova Zelândia

Queenstown

Eu e o Ricardo tivemos a oportunidade de passar cinco dias juntos com ele em um workshop na Nova Zelândia onde ele vive hoje. Durante este workshop o assunto foi fotografia 24h por dia e o lugar em si, Queenstown e arredores, não poderia ser mais inspirador. Era começo de outono e as cores das folhas estavam começando a mudar dando um toque especial nas paisagens. Certo dia acordamos bem cedo antes do sol nascer para justamente pegar o nascer de cima de uma montanha nos arredores da cidade. Embarcamos na van e subimos... subimos e subimos até que chegamos ao ponto em questão onde tínhamos uma vista absolutamente incrível de toda a região lá em baixo. O que eu poderia ver na minha frente era um panorama incrível com montanhas, árvores coloridas, colinas, casas, estradas e fazendas. Informação para processar era o que não faltava. Eu capturei várias fotos diferentes neste lugar, mas tive uma ideia especial de tentar capturar um pequeno pedaço daquilo tudo, um pedaço especial. Eu precisaria eliminar um monte de coisa da foto para que pudesse tentar concentrar apenas alguns elementos que passassem um sentimento bacana através da imagem. Foi aí que escolhi focar neste pedaço específico da região que acho que resume realmente o que era o lugar como um todo. A foto, ao meu ver, passa a sensação da neblina matinal se dissipando devagar em meio as folhas amarelas do outono e os primeiros raios da luz dourada do amanhecer banhando o morro do centro e realçando sutilmente as cores.


Para minha surpresa, o próprio Trey quando viu essa foto me deu os parabéns e fez questão de mostrar para a turma toda do workshop como exemplo, nada mau!

Dica Bônus: Quando você utiliza o zoom da sua lente, a velocidade mínima do obturador necessária para se fazer uma foto nítida com as mãos aumenta.

Em meio a tanta coisa bonita para fotografar, às vezes menos é mais!

Neste ponto, ajustei a foto para posicionar a montanha central basicamente no meio da foto, a estrada cortando horizontalmente abaixo meio que marcando um limite da cena e logo acima, preenchendo o quadrante inferior direito da foto, aquela fazenda com uma área quadrada de árvores. Tentei ter o cuidado para deixar espaços parecidos acima da montanha central e abaixo para tirar um pouco de proveito da simetria (que é uma das regras mais conhecidas de composição).

Composição e Dicas específicas A busca pela composição desta foto começou quando decidi eliminar muitas coisas da paisagem panorâmica a minha frente e realmente focar em alguma área específica da região. Com isso em mente eu utilizei todo o zoom que minha lente atual me possibilitava usar, no caso 135mm. Com os olhos colados na câmera, coloquei o zoom em 135m e comecei a escanear a área em busca de uma região interessante. Mexo para um lado e para o outro, para cima e para baixo em um processo contínuo de busca pela arte até que encontrei algo que gostei. A partir deste ponto, me certifiquei que meu ISO estava baixo, afinal, tinha bastante luz do dia e queria uma qualidade boa da imagem, coloquei a abertura do diafragma em f/11 sem justificativa na verdade e isso me deu uma velocidade do obturador que seria quase lenta demais para se capturar a foto com as mãos. Neste workshop sempre andávamos com nossos tripés para todos os lados, então, neste caso não tive problemas.

No pós-processamento investi em tentar mostrar o contraste entre o frio e o quente. Como a foto foi tirada pela manhã em Queenstown que fica bem ao sul do mundo e no início do outono, o frio começava a diminuir devagar a medida que a luz do amanhecer começava a brilhar, logo, enfatizei esta diferença na edição para injetar ainda mais emoção e impacto na foto. Dica Bônus: Cores quentes (amarelo, laranjado, vermelho, etc.) combinam muito bem com cores mais frias (azul, ciano, etc.).


Rodrigo Polesso

Marina Bay Localização | S  ingapura. 

Dados Técnicos | C  âmera: Canon 60D • Lente: Sigma 10-20mm f3.5 • Configurações: f/22 30seg. ISO 200


Como esta foto foi capturada? Singapura é uma cidade fantástica, moderna, organizada e extremamente segura. Isso sem contar que fica praticamente em cima da linha do equador, o que significa tempo bastante quente o ano inteiro, sem contar as chuvas torrenciais de estação. Ao chegar na cidade tive a ótima surpresa de saber que naquele final de semana estaria acontecendo o grande prêmio de Fórmula 1 na cidade. Sempre fui fã deste esporte na minha infância (como sinto falta do Senna...). A corrida acontece dentro da cidade, nas próprias ruas e avenidas que são fechadas para o evento. Não conseguimos comprar tickets para ver de perto, mas conseguimos algo quase tão bom quanto. Conversamos com o porteiro do hotel que nos informou alguns lugares da cidade onde teríamos uma visão privilegiada (e gratuita) de partes da corrida. Não deu outra, fomos nestes lugares nos dois dias de corrida para prestigiar o incrível som dos motores e as emoções de estar ali. Mas fora esta surpresa que não estava prevista, nós exploramos bastante a cidade a pé, principalmente ao redor do centro e áreas mais modernas. Uma das áreas mais visitadas e famosas da cidade é a Marina Bay que você vê na foto. Este prédio é um hotel e também shopping, ambos de muito alto padrão. Em uma das noites decidimos ir visitar o bar que existe lá em cima na pontinha daquele barco que você vê na foto. A vista de lá é incrível. Depois de termos ido lá e tomado um drink para refrescar, eu e minha namorada descemos e continuamos nossa exploração já à noite. Eu estava de posse do meu tripé e logo depois de atravessar esta ponte interessante que você vê na foto eu decidi olhar para trás e na hora eu sabia que precisava capturar aquele momento.

Singapura

Marina Bay


Cravei o tripé no chão e comecei a buscar composições até que achei a que você vê.

Composição e Dicas específicas Neste momento eu vi duas coisas que claramente queria enfatizar na foto, a ponte e o prédio do barco. Encontrei uma composição bastante interessante onde a ponte em si serve como uma linha guia que leva seus olhos do canto da foto até o prédio em si que é o ponto principal da foto. Me certifiquei de fechar o frame, ou seja, utilizar o zoom da lente para eliminar da foto áreas “mortas”, ou seja, elementos que não agregam porque assim conseguimos valorizar mais o que realmente interessa. Precisamos, às vezes, pensar na área das nossas fotos como se fosse um terreno valioso no centro de Nova York. Se você tivesse um terreno grande lá, com certeza não deixaria entulhos ocupando espaços de destaque e se certificaria de popular aquela área com somente aquilo que realmente merece estar lá, não é verdade?

Quando pensamos assim, tendemos a valorizar bastante a foto e sermos também mais seletivos a respeito de o que entra e o que sai dela. Bom, posicionei o prédio de acordo com as proporções douradas de composição, fiz pequenos ajustes e apertei o gatilho. Perceba que esta foto foi de 30 segundos de exposição e com f/22. Fiz isso porque uma pequena abertura do diafragma tende a estrelar os pontos de luz da foto. Como esta ponte é semeada de luzes, eu realmente queria que elas se estrelassem para dar um efeito adicional de interesse na foto. No pós-processamento me certifiquei de eliminar pontos de distração que apareciam no céu, deixando ele perfeitamente preto. Lembrando, assim como você não deixaria ervas daninhas e sujeira acumular no seu valioso terreno no centro de Nova York, você também não deve deixar que distrações tomem espaço nas suas fotos!


Capítulo 2

FOTOGRAFIA E ESTILO DE VIDA


“Não se preocupe com o risco de falhar, se preocupe com as coisas que você pode perder se nem mesmo tentar.”

— Jack Canfield

Para fins de simplicidade de argumento, nós dois costumamos dizer que somos fotógrafos de viagem e paisagem, mas no fundo mesmo, acreditamos ser fotógrafos de experiências. Afinal, o que é a vida de cada um senão um conjunto de experiências, não é mesmo? Os lugares que visitamos, os momentos que nos fazem suar, tremer, temer, ferver, as pessoas com quem convivemos, as paisagens que tatuam nossa memória, os caminhos que andamos, as emoções que sentimos, as belezas que nos animam e que fazem nossos olhos encherem de lágrimas de gratidão e admiração. A sua vida nada mais é do que um conjunto de curtos momentos que vêm do futuro e acontecem rapidamente no presente antes de virarem passado. Já dizia o autor Eckhart Tolle e dezenas de outros antes dele: o único momento que realmente existe é o agora. O resto ou é ilusão de algo que pode vir a acontecer ou memória de algo que já passou.


O problema é que passamos grande parte dos nossos valiosos momentos presentes pensando no futuro ou revivendo o passado. Quem não sofre deste “problema” que jogue a primeira pedra. Parece ser da natureza humana temer o desconhecido e se preparar para o que pode ou não acontecer. No entanto, antes de vermos nossas vidas passarem aceleradas diante de nossos olhos anestesiados, é válido lembrar que nós sempre temos uma escolha.

FOTOGRAFIA E ESTILO DE VIDA

Enquanto todos os seres humanos tendem a viver uma quantidade semelhante de anos aqui neste planeta, nós ainda assim acreditamos que uns vivem muito mais do que outros, afinal, tempo é relativo, não é verdade? Cinco segundos para alguém sentado no escritório trabalhando com planilhas de contabilidade passam com uma velocidade e significância bastante diferente do que os mesmos cinco segundos para surfista rasgando uma onda, certo? Enquanto para uns o tempo passa em um piscar de olhos, para outros ele se delonga muito mais. Um ano, 365 dias da vida de uma pessoa que vive de final de semana a final de semana, de feriado a feriado, sempre aguardando as próximas férias, seguindo uma rotina diária pré-programada e previsível é um ano bem mais curto do que os mesmos 365 dias vividos por uma pessoa presente em cada momento, que faz escolhas diferentes para navegar pelos mesmos minutos do relógio de maneira diferente. Vendo-se desta forma, parece mesmo ser possível se viver três, quatro, cinco, dez, vinte vezes mais tendo disponível a mesma exata quantia de anos disponíveis. O tempo realmente é relativo e nós temos total controle sobre a velocidade com que ele passa para nós. Este controle se dá devido a um superpoder que todos nós possuímos e que é chamado de: foco. Quanto mais prestamos atenção e focamos no nosso momento atual, no nosso “agora”, mais fazemos valer cada segundo da nossa vida, dificultando que ele passe despercebido. Nós temos o poder de fazer esta escolha a qualquer momento.

58


Por que viver na inércia e no “mesmismo” se podemos assumir um papel protagonista na nossa própria história, deixando um legado significativo para trás? Não precisamos necessariamente mudar o mundo, mas simplesmente viver com o objetivo sincero de tentarmos ser o melhor que podemos ser. É neste ponto que acreditamos que a arte da fotografia tem o poder de nos fazer viver mais, de fazer com que os apaixonados por esta arte tenham uma grande vantagem de poder viver uma vida mais intensa, presente e longa.

59

FOTOGRAFIA E ESTILO DE VIDA

Ao pararmos para admirar o mundo com um foco especial antes, durante e depois da captura de uma foto, nós fazemos com que todos aqueles segundos contem e durem mais e que o tempo diminua a velocidade.


Os Quatro Maiores Valores de um Fotógrafo de Paisagens e Viagens “Enquanto ninguém pode voltar atrás para criar um novo começo, todos podem começar agora a criar um novo fim.”

FOTOGRAFIA E ESTILO DE VIDA

— Carl Bard Todas as pessoas têm uma lista de valores pelos quais vivem cada dia de suas vidas. Agora, conscientemente ou não, assim como cada pessoa possui esta lista, cada um também a possui ordenada em ordem de importância. Cada um de nós possui um ranking de valores pelos quais vivemos. Uma pessoa que valoriza família acima de tudo, tendo este valor no topo de sua lista, dificilmente será uma pessoa que irá se mudar para longe e começar uma nova vida, assim como uma pessoa que possui dinheiro no topo irá tender a gerar muitos inimigos e a não ter escrúpulos para atingir seus objetivos financeiros. Todos nós vivemos de acordo com nosso conjunto especial de valores. Agora, nós acreditamos que os amantes e praticantes de fotografia de viagem e paisagem tendem a ter quatro grandes valores em comum que são meio que interdependentes. Inclusive, por você estar lendo este livro, talvez também se identifique com eles.

60


São eles:

•• Amor por liberdade •• Amor por experiências •• Amor por viagens •• Amor por paisagens Um fotógrafo de paisagem e viagens é intrinsecamente um amante da vida, um admirador do planeta Terra e um espírito solto, sem amarras.

Assim como uma flor coberta com o orvalho da manhã na beira da calçada é muito mais do que algo rotineiro que passa despercebido para maioria das pessoas. Cada detalhe é um universo de apreciação e de possibilidades, é uma fonte de inspiração artística. Fotógrafos vivem mais simplesmente porque focam mais em cada momento, porque estão mais presentes. Deixar o seu relógio contar os segundos, minutos e horas aleatoriamente sem dar o devido valor aos pequenos milagres que acontecem dia após dia, é, talvez, o maior sacrilégio que podemos cometer. A arte da fotografia naturalmente tende a atrair pessoas com um senso elevado de liberdade, até porque nesta arte, assim como em muitas outras, não existem regras engessadas, políticas a serem seguidas e limites a serem respeitados. Você é livre! Você com sua câmera na mão está limitado somente aos horizontes da sua própria visão artística e intenção.

61

FOTOGRAFIA E ESTILO DE VIDA

Para todos nós amantes desta arte, coisas como o movimento das nuvens, o vento nas árvores, os diferentes tons de azul do céu e as diferentes colorações que a luz do sol toma a medida que ele desce rumo ao horizonte, são todos fenômenos a serem apreciados e capturados singularmente e não coisas da nossa rotina que passam despercebidas.


Você com sua câmera na mão é o criador do seu próprio mundo, o colecionador das suas próprias experiências e o único responsável por capturá-las da maneira que bem entender. Você com a sua câmera na mão tem o poder de trazer à luz e tornar relevante aquilo que foi ofuscado e esquecido em função do frenético ritmo que a grande maioria das pessoas vive suas vidas. Você com sua câmera na mão é livre. Ah, o doce sabor da liberdade...

FOTOGRAFIA E ESTILO DE VIDA

Amantes dessa arte tendem a ter uma forte repulsão por censura e qualquer coisa que remeta a limitação e opressão. Nós achamos que uma vida digna de ser vivida só pode ser uma que nos dê total liberdade tanto física quanto de expressão e opinião. A forte ligação que os amantes de fotografia têm com estes valores todos acaba influenciando diretamente no tipo de estilo de vida que eles vivem. Este senso e vontade insaciável por liberdade nos leva a explorar o mundo ao nosso redor de todas as formas que podemos para absorver o máximo possível do que está a nossa volta. Não é por nada que fotógrafos adoram viajar e se manter em movimento, sem amarras, seja para visitar a cidade vizinha, uma fazenda nos arredores, o próprio centro da cidade ou países e continentes longínquos. O importante é explorar! Cada um explora como pode, com olhos sedentos pelas próximas paisagens que nos esperam, pelas próximas experiências e momentos a serem vividos. Uma vida digna de ser vivida é uma vida digna de ser fotografada.

62


“Não vá para onde o caminho leva, ao invés, vá para onde não exista caminho e deixe uma trilha.” — Ralph Waldo Emerson

FOTOGRAFIA E ESTILO DE VIDA

63


Amantes da fotografia vivem mais intensamente, estão mais presentes em cada momento, mais atentos aos arredores e mais gratos ao milagre que é se viver neste planeta azul. Nossa espécie está sempre em busca da próxima aventura, da próxima experiência, dos próximos momentos marcantes e da próxima trilha a ser traçada. Mais do que um mero equipamento, a câmera para um de nós é uma extensão do próprio corpo e através dela nos comunicamos e influenciamos o mundo com nossa percepção da realidade.

FOTOGRAFIA E ESTILO DE VIDA

É por estas e tantas outras que dizemos que fotografia é muito mais do um hobby, uma profissão ou uma paixão qualquer. Fotografia é uma forma de se viver. Se a vida é um canvas branco onde dia após dia você pincela fragmentos do que no final de contas será o seu legado, que cada traço seja intencional e especial.

Um Pensamento Interessante A essência da fotografia é algo que vive dentro de cada um de nós desde muito antes da invenção da primeira câmera fotográfica. Desde praticamente os primórdios da espécie humana há muitíssimos milênios atrás, nosso fascínio pela fotografia pôde ser identificado na história. Hoje podemos facilmente ler sobre pinturas com mais de 40 mil anos que foram feitas em paredes de cavernas, monumentos ricos em detalhes esculpidos em pedra há mais de 12 mil anos e essa lista não para de crescer, assim como a idade dos novos registros que vem sendo descobertos cada vez mais frequentemente. Quanto mais se entende do passado, mais nos impressionamos.

64


Seja através de pictogramas, petroglifos, esculturas, estatuetas ou gravuras, parece que nossos longínquos antepassados ao redor do mundo todo sentiam uma grande necessidade de replicar graficamente aquilo que vivenciavam. Talvez não por necessidade, mas sim por ter uma profunda atração pela habilidade de se fazer isso. Ainda não se entende exatamente porque muitos destes registros foram originalmente criados tão cedo na história, com tamanha destreza, dedicação e custo. O que se sabe é que a quantidade deles é grande o suficiente e tão dispersa pelo mundo e em culturas diferentes que deixa qualquer um perplexo.

Agora, seria portanto, a fotografia uma versão moderna do que nossos antepassados faziam milhares de anos atrás com ferramentas rudimentares e o conhecimento que poucos possuíam naquela época? Será que ao invés de gordura animal, carvão e pedra, continuamos simbolicamente pintando paredes de cavernas em larga escala com nossas máquinas fotográficas e softwares? Será que apesar da evolução contínua da tecnologia, das mudanças nas formas de expressão, esta vontade insistente e inexplicável de congelar o tempo e contar histórias sem palavras sempre foi o que motivou tudo isso e sempre esteve conosco? Definitivamente um pensamento interessante…

65

FOTOGRAFIA E ESTILO DE VIDA

O fato é que a habilidade de criar algo que possa ser entendido por todos, independentemente do idioma ou cultura, aparenta ter sido igualmente fantástico eras atrás assim como continua sendo hoje para nós através da fotografia e da arte como um todo.


Ricardo Polesso

Karnak Temple Localização | Luxor, Egito. A Antiga Cidade dos Deuses. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Sigma 10-20mm f/4-5.6 • Configurações: f/11 1/20 ISO 100


Como esta foto foi capturada? Eu acho incrível o fato de estruturas tão antigas como estas ainda estarem em perfeito estado milênios após terem sido construídas. Um espetáculo de engenharia! Numa era onde tudo é passageiro, feito para durar pouco e ser substituído o mais rápido possível, lugares como esse parecem alienígenas para a nossa realidade.

Egito

Karnak Temple

Mas sabe o que me deixa mais perplexo em tudo isso? O fato destas estruturas terem sido supostamente planejadas, projetadas, construídas e depois erguidas por civilizações “desprovidas de tecnologia” e ferramentas avançadas. Será mesmo?! Mas deixemos isso para os historiadores e antropólogos nos responderem assim que eles mesmos tiverem certeza de alguma coisa. Dito isso, estar onde impérios e deuses reinavam há milhares de anos, é algo mágico para mim. Tive uma das melhores experiências da minha vida ao visitar o complexo de templos chamado Karnak Temple Complex, na cidade de Luxor no Egito. Ele fica no centro da cidade e é bem fácil de achar. Passei horas e horas passeando pelas várias câmaras e módulos desse lugar inacreditável. Tudo o que meus olhos viam parecia difícil de acreditar. Faz qualquer pessoa se perguntar: “mas por que tão grande?”. Os egípcios definitivamente não eram modestos na hora de construir templos e monumentos... Mas além de uma viagem no tempo, esta era também uma grande oportunidade fotográfica para mim. Com meus cartões de memória quase lotados no final do dia, decidi caminhar até o lado oposto do complexo para apreciar o pôr do sol e fazer uma última foto.


Composição e Dicas específicas Nesse lugar você acha de tudo um pouco, então a primeira dificuldade é: foco. É muito fácil se perder e sair fotografando freneticamente. Não que isso seja necessariamente um problema, mas idealmente eu tento não fotografar muito o mesmo lugar porque o processo de escolher as melhores depois pode ser uma das coisas mais tediosas e cansativas do mundo. Bem, como naquele momento eu estava do outro lado do complexo olhando em direção à entrada, notei que o sol poente começou a banhar tudo de lado criando um efeito bacana. Eis que uma nova oportunidade de foto foi se materializando na minha mente. Como âncora para minha composição decidi posicionar simetricamente o portal que duas colunas formavam exatamente na minha frente. Achei legal o efeito de túnel levando até a parte mais iluminada pelo sol. Já na parte técnica, optei por uma iluminação mais dramática configurando um exposure compensation (compensação da exposição) de -1 na minha câmera. Isso faz com que minha foto fique propositalmente mais escura. Na sequência tive que configurar os pilares da fotografia na minha câmera o melhor que dava, já que naquele dia estava sem tripé. Inclusive, sempre que se fotografa próximo ao pôr ou nascer do sol, é recomendado usar um tripé já que a luminosidade é reduzida e fica difícil de se fotografar. Mas mesmo assim consegui uma configuração boa o suficiente para não ter

ruídos na minha foto (ISO 100), mantendo boa nitidez através de uma abertura de diafragma ideal na minha lente (f/11) e velocidade do obturador rápida o suficiente para não trepidar nas minhas mãos (1/20). Depois no pós-processamento optei por uma levada mais natural que recuperasse as cores originais e dinâmica de luz que meus olhos viram, mas que a câmera pecou em capturar corretamente. Gostei bastante da foto. Através dela consigo imaginar como tudo deveria ser nos anos de glória, em perfeito estado. Dica Bônus: Fotografar cenas amplas como esta usando lentes superangulares é uma excelente ideia, principalmente quando você não tem muita liberdade ou espaço para se movimentar livremente. Lentes assim possuem um ângulo de visão maior, então você consegue enquadrar mais coisas na sua foto sem precisar andar para trás ou se contorcer.


Ricardo Polesso

9 Pirâmides do Egito

9 Pirâmides do Egito Localização | Cairo, Egito. Vista panorâmica das 9 pirâmides do Egito. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Canon 18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/8 1/1250 ISO 100

Egito


Como esta foto foi capturada? As Pirâmides do Egito sempre foram especiais para mim. São construções que me deixaram perplexo desde a primeira vez que ouvi falar delas e terrivelmente ansioso contando os dias até poder finalmente ver tudo com meus próprios olhos. Mais que um sonho, pisar naquelas areias e entrar nas câmaras internas era uma necessidade. Fico abismado com o fato de ainda não termos conseguido quebrar o código por trás dessas enigmáticas e majestosas pirâmides. Construções tão perfeitas e massivas que podem ser vistas até mesmo do espaço e que se calcificam na memória uma vez que penetram pelas suas retinas. Só espero estar vivo no dia em que respostas definitivas sobre as origens e propósito delas forem descobertas. Bom, após anos de espera finalmente consegui realizar um dos meus maiores sonhos e visitar o Egito. Estando lá, mal consegui dormir na noite anterior à minha visita ao Giza Plateau na cidade do Cairo, tamanha ansiedade que sentia.

Enfim, vários minutos depois o taxista nos deixou na entrada dos fundos do complexo, obviamente não seguindo o acordo que fizemos no início, mas mesmo dali a primeira coisa que se via ao desembarcar do carro é a imponência das pirâmides. Uau! Simplesmente uau… não tenho palavras para descrever aquele momento. Eu finalmente estava ali, fisicamente no lugar mais intrigante deste planeta. Após horas andando debaixo de um sol escaldante fotografando cada detalhe com a minha câmera, decidi concordar com uma das dezenas de ofertas que os “guias turísticos” nos fizeram para um passeio de camelo até a vista panorâmica das nove pirâmides. Poucas pessoas sabem que na realidade no Giza Plateau existem nove pirâmides e não apenas três. Naturalmente as três maiores levam toda a atenção, porém as outras seis (consideravelmente menores e mais danificadas) podem ser vistas contornando duas das grandes pirâmides, a de Khufu e Menkaure.

Assim que o sol subiu no horizonte, peguei minha mochila e chamei um táxi. Eu e minha namorada não tínhamos planos de voltar antes do anoitecer.

O que eu só fui descobrir lá é como esse tipo de passeio que estávamos fazendo é supercomum, seja de charrete, cavalo ou camelo. Talvez seja a maior atração dali depois do tour por dentro das pirâmides.

Inclusive, como nota paralela para quem não passou por isso ainda, em cada corrida de táxi no Egito você precisa exercitar (e muito) a sua paciência e técnicas de negociação. Nada é tão simples quanto deveria ser — pelo menos para nós naquela época em que estivemos por lá.

Sem hesitar peguei novamente minha câmera na mochila e comecei a explorar composições diferentes.

Depois de alguns minutos de pura adrenalina em cima do pobre animalzinho chegamos até o dito belvedere. E não é que a vista era mesmo de roubar o fôlego?!


Composição e Dicas específicas Tudo era bonito demais para os meus olhos e eu precisava capturar todos aqueles elementos. Não conseguiria abrir mão de nenhum detalhe dentro da minha foto. Com isso em mente, a única opção era: um panorama. Panorama é o resultado final de várias fotos somadas, como se fossem costuradas uma do lado da outra. Esse pode ser um processo manual ou automático. A minha recomendação é que você evite usar funções ou modos que automatizem esse processo. Ao invés, use o modo Manual da sua câmera, fotografe as fotos todas manualmente e depois na pós-produção crie o panorama propriamente dito. Adicionalmente, fotografe com a sua câmera na vertical (retrato) ao invés de horizontal (paisagem) para que o panorama não fique muito estreito, com aspecto wide demais. Dica Bônus: Tenha certeza de não deixar o balanço de branco no automático nem a abertura do diafragma variável (como no Modo AV, por exemplo), isso pode fazer com que algumas das suas fotos tenham luminosidade diferente, o que fica bem visível quando você for “costurá-las”.

Pois bem, decidida a parte técnica, optei então por uma composição que enquadrasse as pirâmides na esquerda e a cidade do Cairo ao fundo na direita, pegando também bastante céu e areia. Esperei o momento exato quando nenhuma nuvem fazia sombra na areia nem nas pirâmides, e cliquei. Como bônus, a cereja no bolo nessa foto acabou sendo o camelo que passava ali na hora também. Posso dizer que essa foto sintetiza muito bem grande parte da minha experiência naqueles dias que passei pelo Egito.


Capítulo 3

ALÉM DA IMAGEM


“As melhores e as mais lindas coisas do mundo não se podem ver nem tocar. Elas devem ser sentidas com o coração.”

— Helen Keller

A fotografia, para nós apaixonados pela arte, vai muito além da imagem, não é verdade? Nós acreditamos que uma foto pode compactar experiências, emoções, sons, cheiros e sensações presentes no momento em que foi capturada. Uma fotografia nos permite viajar no tempo e reviver nossa história, reviver aquele momento especial por trás da captura. É por isso que dizemos que fotografias são como âncoras de memória, marcos na sua trajetória de vida, porque elas remetem a situações que poderão sempre ser revisitadas e revividas. No entanto, muito mais importante que a imagem em si, é o momento por trás dela. De nada adianta fotos bonitas de lugares incríveis se você não estava presente naquele momento. Essas imagens, apesar de lindas, seriam vazias. Seriam momentos vazios que entraram para a história sem terem tido significado real.


Infelizmente, muitas pessoas vivem por trás da lente fotografando compulsivamente antes mesmo de apreciar a oportunidade de estar ali. No final das contas, o cartão de memória da câmera estará recheado de imagens que remetem a um momento vazio, a um momento não vivido de verdade. É por isso que costumamos dizer que uma das grandes virtudes de um fotógrafo é a habilidade de estar presente e consciente na maior parte da vida. Como se estivéssemos meditando, conseguimos focar em nada e em tudo ao redor ao mesmo tempo, respiramos fundo e deixamos os momentos especiais irem calcificando-se devagarinho na memória.

ALÉM DA IMAGEM

Sentimos gratidão de poder estar ali, naquele momento, capturando algo belo, sentindo o vento no rosto, a temperatura na pele e as emoções que dominam nossas mentes.

an do a vida e Ricardo ce lebr de ter feito a opor tu nidade km para ver 12 uma tr ilh a de l nos E stados este lago glacia Unidos

74


É assim que acreditamos fazer jus às oportunidades e ter gratidão pelas experiências. A vida é curta demais para não ser vivida da forma mais intensa e consciente possível. Um momento vivido sem se estar plenamente presente é um momento desperdiçado.

A Compulsão Fotográfica A noção de que a fotografia não é meramente uma imagem parece antiquada e sobre constante ameaça de se tornar obsoleta em função da cultura imediatista superacelerada que nos pressiona diariamente a cada batida do relógio. Fotografar com o objetivo principal de compartilhar com o mundo tudo o que fazemos tornou-se norma e também praticamente um padrão de aceitação nos círculos sociais. “Se ninguém sabe o que eu faço ou do que eu gosto, eu não sou relevante.” Muitas pessoas pensam assim, infelizmente. Vivendo em uma vitrine, muitos tentam desesperadamente fazer parte da coleção da moda e conquistar espaço na vida dos outros. Fazer algo ou simplesmente ser, parece não bastar se ninguém souber. Mas não é de hoje essa necessidade de nos sentirmos parte integrante de um todo, de pertencer e sermos efetivamente valorizados. Essa é a essência humana. Porém, tudo parece ter sido amplificado nos últimos anos a proporções sem precedentes. Nesse âmbito, será que fotografia realmente se resume a incontáveis capturas compulsivas que lotam nossas mídias sociais e celulares? Será que fotografia realmente tem o singular propósito de compartilhar nossas atividades e rotina com o intuito de pintar uma imagem sobre nossa vida para nosso círculo social?

75

ALÉM DA IMAGEM

Tic... tac... tic... tac… tic… tac!


Será que fotografia é meramente uma imagem? A resposta deveria sempre ser um claro e absoluto: não! Não menos importante, independentemente de quantas forem, cada fotografia continua transportando uma carga emocional única e preciosa que precisa ser entregue às demais pessoas que as virem, porém, isso jamais acontecerá sem que antes o mesmo tenha acontecido dentro de você.

ALÉM DA IMAGEM

Muito mais que uma mera imagem, nós acreditamos que fotografia é vida e uma vida traçada com fotos pode ser revivida, compartilhada e servir de inspiração.

Rodr igo n a Noruega lo go após termo s fo tografa do essa paisagem in ac re ditáve l de todo s os ân gulo s possíveis

76


Fotografias como Âncoras de Memória Cada fotografia é uma âncora de memória. Esta talvez seja para nós, de longe, a característica mais valiosa e nobre de cada fotografia. Veja se você concorda também. Imagine que a medida que você navega as águas da vida, com cada click que dá ao longo dela, capturando suas experiências, viagens e momentos especiais, larga uma âncora do tempo naquele lugar. Cada âncora lançada irá cristalizar aquele momento no mar do tempo e, claro, como cada âncora que se preze, para poder ser recolhida depois, ela é presa no seu barco, o qual, continua a navegar sem parar e como sabemos, o barco da vida só navega os mares indo em frente e nunca voltando atrás.

Agora, o que acontece quando você resolve dar uma olhadinha nos seus álbuns de foto é o que faz tudo valer a pena. Você encontra uma foto que capturou há muitos anos atrás, uma foto que você gosta bastante. Ao contemplar esta foto, como se fosse uma âncora, seu cérebro irá começar a perseguir a corrente dela saindo do seu barco até onde a âncora foi largada, ou seja, ao olhar a foto, você irá ser remetido imediatamente àquele momento do tempo que já passou, podendo reviver vividamente aquelas memórias e emoções únicas que já passaram. A fotografia em questão tem este poder; de ser o atalho mais curto e direto entre o “agora” e um momento singular e especial capturado no passado, tudo porque ela é uma âncora de memória que foi lançada e sempre estará presa no seu barco para ser reencontrada a qualquer momento.

77

ALÉM DA IMAGEM

Ao longo da jornada, você terá centenas ou milhares de âncoras que deixou para trás, uma a cada click que deu, uma a cada fotografia que capturou, todas elas ainda presas no seu barco com correntes infinitamente longas.


ALÉM DA IMAGEM

Durante as gravações do nos so curso de Fotografia Ponta a Ponta, fize mos uma parada em Jökulsá rlón, na Islân dia, para tomar um caf é e fotografar os peque nos iceb ergs 78


Ric ardo aproveitando a brecha entre os car ros que pasa savam nessa estrada na Nov os r ura capt para Zelândia e elem entos que praticam ent sul, do s define m o país: alpe cam pos verdes e ove lhas

Agora, imagine o contrário. Imagine navegar os mares da vida sem jamais lançar estas âncoras. Você contará apenas com sua memória para voltar a reviver momentos especiais que nunca mais voltarão e, como sabemos, nossa memória se desgasta com o tempo e perde carga emocional à medida que o tempo passa e que nosso barco se distancia mais e mais daquele ponto que já passou. Viver uma vida sem fotografá-la é, ao nosso ver, um desperdício de oportunidade. É perder a chance de reviver incontáveis momentos que já passaram e de compartilhá-los com pessoas queridas ao seu redor. O barco da vida não para, nunca para, está sempre indo em frente, não temos poder sobre isso. Só o que podemos fazer é semear nosso caminho com âncoras que irão marcar a trajetória e nos possibilitar revivê-la a qualquer momento. 79

ALÉM DA IMAGEM

É por isso que dizemos tanto que uma vida fotografada é uma vida possível de ser revivida.


ALÉM DA IMAGEM

n a Islâ n dia tografan do Rodr igo fo o ve nto a tava co ntr enq uanto lu sto pouvi ha n q ue ti mais inte n so a n evasca s ante s de um cos minuto su rpre sa

Agora, aqui está outro ponto muito importante: só o que é percebido pode ser revivido. Se no momento em que você lançou a âncora, ou seja, tirou a foto, você não estava presente, absorvendo as emoções e prestando atenção nas nuanças do que era de fato estar ali presente, você irá lançar uma âncora para um lugar vazio no tempo. Se o momento atual é vazio, de nada adianta uma âncora que aponta para o nada. É somente estando perfeitamente cientes do momento presente, sentindo o vento no rosto, a temperatura na pele, as sensações de felicidade, gratidão, tristeza ou admiração e o tato dos nossos pés no solo que iremos poder construir uma imagem recheada de emoções que irá de fato ser um marco digno de uma âncora. 80


ALÉM DA IMAGEM

Ricardo registrando um dos monastérios construídos sobre rochas na cidade de Meteora, na Grécia, logo depois de ter passado 15 minutos sentado de pernas cruzadas, ouvindo o barulho do vento, sentindo a umidade das rochas em que sentou e apreciando a peculiaridade daquela cena incrível

O pior na vida é viver sempre com a mente no amanhã, capturando momentos sem prestar atenção neles, já pensando em como vai compartilhar, para quem vai mostrar, etc., simplesmente porque todos “amanhãs” são somente ilusões que só acontecem de fato quando se tornam um “hoje”, porém, quando isso acontecer, existirá um novo “amanhã” e jamais estaremos presentes no único momento que de fato existe, o agora.

81


Viver duas vezes, compartilhar muitas e inspirar continuamente Uma vida fotografada é uma vida que pode ser revivida a qualquer momento, certo? Uma vida fotografada é uma vida semeada com incontáveis âncoras que estão disponíveis para que a qualquer momento nos remetam àqueles momentos e emoções congeladas no tempo.

ALÉM DA IMAGEM

Por isso acreditamos que nós fotógrafos possuímos uma espécie de superpoder, o poder de viver duas vezes (ou mais). Mas além de todas estas coisas legais que beneficiam somente a nós mesmos, uma vida fotografada também é uma vida que pode ser compartilhada. Todos nós sabemos o quão legal é mostrar nossas capturas para nossos amigos e pessoas queridas e ver nos olhos deles um senso de admiração, não é verdade? Compartilhar nossas alegrias, memórias e experiências com os outros é um dos grandes prazeres da vida e o nosso papel como fotógrafo, senão outro, é o de inspirar as pessoas. Devemos inspirar não só com palavras, mas com imagens e emoções. Não tem nada melhor do que mostrar uma foto a alguém e contar a história interessante por trás daquele momento. O mundo hoje sofre de uma crise de inspiração, onde as pessoas estão cada vez mais focadas no próprio umbigo, cada vez mais ocupadas, depressivas e anestesiadas para o que acontece ao seu redor. Ao invés de viver uma vida semeada com âncoras de memórias em alta definição, marcando centenas ou milhares de momentos especiais e cheios de emoções, a maioria das pessoas vive de piscar de olhos em piscar de olhos.

82


ALÉM DA IMAGEM

Rodrigo, na Ta ilâ ndia faze ndo uma to ur de barco pe las ilh as e te ntan do não derreter no pr oc esso…

O problema é que a cada piscar se passa uma semana. As pessoas vivem de finais de semana a finais de semanas, de feriado a feriado e tudo que acontece entre eles não é nada mais do que um cinza sem definição, um passatempo. O problema é que os finais de semanas são apenas dois dias a cada cinco e os feriados são ainda mais raros. Vivendo desta forma estaremos desperdiçando no mínimo 60% das nossas vidas. 83


Este é o nosso papel, o seu papel como amante da arte da fotografia, o de salvar o mundo uma pessoa de cada vez, trazendo a consciência de volta a cada momento que estamos vivos, fazendo com que cada respirada de ar não passe despercebida.

ALÉM DA IMAGEM

Vamos lembrar que o barco da vida nunca volta atrás. Quando chegar ao destino, nada mais será possível de se fazer para aproveitar a continuação da viagem, porque neste ponto, já será tarde demais.

fazer se ntido Ricardo te ntan do ito enqu anto das pirâmide s do Eg Pla te au za cr uz ava o Gi

84


ALÉM DA IMAGEM

“O que para muitos era apenas mais uma onda nesta praia havaian a de areia negra, para um fotógrafo, era uma oportu nidade de apreciação e arte”.

85


Ricardo Polesso

Deserto Urbano Localização | Cairo, Egito. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Canon 18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/7.1 1/1000 ISO 100


Como esta foto foi capturada? Deserto Urbano

Egito

Era uma tarde de muito sol em Cairo, no Egito, e apesar de já estarmos andando por várias horas nos arredores da cidade e pelos principais pontos turísticos, a vontade de voltar para o hotel ainda não batia. Uma paisagem tão diferente para quem vive do outro lado do globo parece ser hipnotizante. Cada detalhe, aroma, brisa e pessoa que cruzávamos na rua roubava nossa atenção. Essa é a beleza de ser turista. As principais cidades do Egito foram construídas às margens do Rio Nilo. Dentre elas eu pude conhecer Aswan, Luxor, Abu Simbel e Cairo. Bem, o dia dessa foto deveria ser o nosso terceiro ou quarto desde que chegamos e nele decidimos voltar pela segunda vez no Giza Plateau, que é o complexo das famosas Pirâmides do Egito. Uma visita apenas não era suficiente para internalizar tudo aquilo. Inclusive, elas são tão grandes e ficam tão próximas da cidade que você consegue enxergá-las da maioria dos lugares que estiver. Uma vista realmente inspiradora! Agora, e se eu te falar que capturei essa foto há apenas uns 50 metros de uma delas? E que se seu virasse 180 graus, tudo o que meus olhos veriam seria a imensidão da cidade do Cairo e seus 7 milhões de habitantes? Difícil de acreditar, não é? A foto parece ter sido capturada em um lugar isolado deserto adentro cercado de areia e mais nada, mas na verdade esse lugar fica há poucos minutos da civilização. Tudo o que precisei fazer foi olhar para o outro lado. Essa habilidade de criar universos e alterar a percepção da realidade através das suas fotografias é, para mim, um dos superpoderes mais divertidos que temos enquanto fotógrafos.


Sem pensar duas vezes peguei minha câmera novamente e me preparei para o clique.

Composição e Dicas específicas Como não tive tempo de fazer um tour pelo deserto do Saara desta vez, uma foto assim seria o mais perto disso e talvez o melhor souvenir. Decidi então focar apenas no camelo e no deserto, passando um sentimento de simplicidade na minha foto. Para isso, optei pela técnica de composição “fechar o frame”, que basicamente me ajuda a isolar qualquer coisa na cena (usando um zoom na lente) que roube atenção do meu objetivo principal. Feito isso, decidi ainda combinar outra regra posicionando o camelo conforme as linhas de interesse das proporções douradas (golden ratio). Tendo fechado a parte da composição, fotografei usando uma abertura do diafragma de f/7.1 para conseguir um leve desfoque artístico no fundo em função da profundidade do campo, um ISO 100 por causa do sol forte e uma velocidade de 1/1000. Depois em casa na etapa do pós-processamento reforcei a sensação de calor e cores quentes para reforçar a ideia de que a foto foi capturada em um longínquo e inóspito deserto. Fiz isso com um clique apenas usando um dos nossos presets oficiais do pacote de 61 Presets para o Adobe Lightroom do Cara da Foto. Achei que a foto final ficou com um ar bastante simples, mas que permite diferentes interpretações e cava sentimentos diversos em quem olha.

Tendo em mente que a ideia dela surgiu assim que meus olhos se depararam com a cena curiosa e que eu não acordei aquele dia pensando em fotografar algo desse tipo, uma foto dessas torna-se especial. Eu, inclusive, muitas vezes acabo capturando minhas fotos preferidas em situações inusitadas e improváveis. É sempre bom manter-se alerta e presente nos momentos para não desperdiçar oportunidades assim. Dica Bônus: O uso de presets (que basicamente são efeitos e pré-configurações) no Adobe Lightroom é uma excelente forma de se buscar inspiração para pós-processar fotos ou ainda chegar em resultados totalmente diferentes com apenas um clique do mouse. Costumamos sempre experimentar alguns deles antes de chegarmos nas versões finais.


Ricardo Polesso

Parque Nacional Yellowstone Localização | Parque Yellowstone, Estados Unidos. Aquarela. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Sigma 10-20mm f/4-5.6 • Configurações: f/7.1 1/13 ISO 100


Como esta foto foi capturada? Parque Nacional Yellowstone

Estados Unidos da América

Apesar do cansaço de estar dirigindo direto por várias e várias horas até o Parque Nacional Yellowstone em Wyoming, nos Estados Unidos, assim que chegamos a empolgação era tão grande que foi difícil segurar as pontas e descansar no hotel esperando o dia seguinte. Foram tantas fotos incríveis que vi deste lugar que minha expectativa era altíssima. Então sem pensar duas vezes, pegamos as tralhas novamente no quarto e fomos parque adentro pela primeira vez. Quem sabe alguma foto bacana fosse capturada por sorte nesses poucos minutos que tínhamos até o pôr do sol. Esta era a segunda parada principal da roadtrip que fiz com minha namorada cruzando o lado leste dos Estados Unidos, saindo da Califórnia rumo à fronteira do Canadá em Seattle. Foram mais de 6 mil quilômetros em pouco mais de 20 dias. Baita experiência! Sabendo que cada dia dessa jornada era precioso, a ideia de perder um minuto sequer não apreciando cenas marcantes estava fora de cogitação. Inclusive, um hábito que sempre faço é pesquisar com antecedência os pontos fortes de cada região que vou conhecer. Isso me dá um pouco mais de controle para decidir quanto, como e o que fazer com o tempo disponível. Apesar de bastante ansiosos e empolgados (talvez também pelos incontáveis copos de café e energéticos consumidos nas horas anteriores), escolhemos estrategicamente um ponto ideal para visitarmos naquele fim de tarde. Poucos minutos depois chegamos a uma das muitas hotsprings (fontes naturais de águas termais) lá do parque.


A vista era de tirar o fôlego! Uma verdadeira aquarela borbulhante de cores vibrantes.

Acredito que ela capturou todos os detalhes que meus olhos viram naquela paisagem única e curiosa.

O mais incrível é que chegamos no momento perfeito quanto o sol estava quase sumindo no horizonte, deixando as cores todas do lugar praticamente acesas.

Dica Bônus: Sempre que se fotografa contra o sol e ele irá aparecer na foto é uma boa ideia usar aberturas de diafragma pequenas — como f/22 ou f/26 — para que ele fique estrelado, com os raios definidos e bonitos. No caso dessa foto como o sol estava passando por entre algumas árvores, meus próprios olhos conseguiam ver os raios bem definidos entre os galhos, então consegui fotografar o efeito facilmente usando uma abertura maior de f/7.1.

Composição e Dicas específicas Essa foto foi capturada prezando principalmente pelas cores e características únicas da cena. Apesar de ser uma paisagem bastante diferente e ampla com várias coisas em destaque, as cores e formas impactantes foram meu foco principal. Decidido isso, comecei a experimentar algumas composições sem necessariamente respeitar nenhuma técnica ou regra específica. Simplesmente apontei a câmera para a cena e fui escaneando o lugar inteiro em busca do melhor ângulo. Às vezes o aparente caos da cena em si acaba sendo uma boa oportunidade de fotografia, ao contrário do tradicional “less is more” (menos é mais). Gostei bastante da foto final.


Ricardo Polesso

Many Glaciers Lodge Localização | Glacier National Park, Estados Unidos. Corredeiras ao amanhecer no Many Glaciers Lodge. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Sigma 10-20mm f/4-5.6 • Configurações: f/18 1/4 ISO 100


Glacier National Park

Como esta foto foi capturada? Visitar parques nacionais geralmente é uma boa ideia quando você tem tempo disponível para isso.

Estados Unidos da América

Nos Estados Unidos existem vários deles que são mundialmente famosos, dentre os quais pude visitar os seguintes até o momento: Glacier National Park, Yellowstone National Park e Grand Teton Nation Park. Cada um com suas particularidades e pontos fortes. Agora talvez o que mais pude aproveitar fotograficamente falando, é o primeiro deles, o Glacier National Park. Foram milhares de fotos capturadas em poucos dias, cada uma retratando aspectos diferentes muitas vezes dos mesmos lugares. É impressionante como se consegue imagens diferentes com outras composições e configurações variadas. Agora, esta foto em questão me deu bastante trabalho. Capturei-a nas primeiras horas de um dia que sucedeu outro de extremo cansaço turistando pelo parque. Tive que pular da cama às 3h da madrugada e dirigir 240km do hotel em que estava hospedado em Kalispel até o Many Glaciers Lodge, uma pousada que fica do outro lado do parque. Dirigindo da forma mais rápida, porém responsável, fui capaz de chegar no Lodge quase no momento exato do nascer do sol. Mas apesar disso, dois fotógrafos já haviam tomado posse do melhor ângulo para as corredeiras. Claro que eu não fiquei muito contente por ter feito tudo aquilo e a bola bater na trave, mas mesmo assim me esforcei para capturar pelo menos uma foto que me agradasse antes de empacotar tudo e voltar.


Composição e Dicas específicas Tanto eu quanto os outros dois fotógrafos estávamos sobre uma pequena ponte que dava acesso à entrada principal do Many Glacier Lodge. Sustentando essa pontezinha havia alguns pilares espessos de concreto em que eu poderia apoiar algo em cima sem muito risco de cair rio abaixo. Para acessar esses pilares, bastava passar a câmera e o tripé por uma grade de ferro folgada o suficiente para isso e voilà… uma perspectiva mais baixa e próxima da água. Com a parte da estabilidade resolvida, notei que a corredeira era um tanto quanto forte e a água quando batia nas pedras do fundo faziam um risco branco de bolhas. Bolhas que se capturadas em longa exposição traformariam-se em linhas guias. Notei também que pela direita vinha uma formação bastante interessante de pedras amareladas que ia na frente em direção ao horizonte, como se fosse um grande trampolim natural. E pela esquerda, o final de uma montanha que também ia em direção ao horizonte. Com esses elementos todos eu decidi explorar uma composição simétrica ancorada principalmente pela corredeira que vinha de baixo, fotografada em longa exposição.

Após alguns testes de velocidade do obturador notei que o efeito das linhas guias mais prominente acontecia com a velocidade de ¼ (um quarto de segundo). Capturei também fotos tanto na vertical quanto na horizontal para garantir, mas acredito que esta versão foi a melhor. Para mim o resultado final valeu cada segundo daquela jornada emocionante parque adentro pela escuridão da madrugada até aquela cena. Dica Bônus: Quando quiser criar efeito de véu com a água em suas fotos, considere que quanto mais longa a exposição (1 segundo, 5 segundos, 30 segundos) mais suave e macia ela ficará; da mesma forma, quanto mais curta a exposição (0.5 segundo, 1/4 de segundo, 1/500 de segundo) mais nítida e detalhada será a água, “congelando” o movimento dela. Dica Bônus: Configure o timer de 2 segundos da sua câmera antes de fotografar usando exposições lentas, isso evita que o movimento causado por você ao pressionar o botão de captura afete a nitidez da sua foto. Essa função normalmente é ativada através do “drive mode” no menu da maioria das câmeras DSLR.


Ricardo Polesso

Skyline da Cidade Localização | Seattle, Estados Unidos. Skyline da cidade na blur hour. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Canon 18-135mm f/3.5-5.6 • Configurações: f/22 30seg. ISO 100


Seattle

Como esta foto foi capturada? Não é que nos cinco dias em que estive na capital da chuva dos Estados Unidos fui sortudo o suficiente para não pegar uma gota de chuva se quer? Estados Unidos da América

Pelo contrário, foram cinco dias de tempo bom e clima agradável para turistar a famosa Seattle. Essa é uma cidade que além de ser notória por chover muito durante o ano todo, é também conhecida pela arte em geral. Pude visitar pessoalmente o Experience Music Project Museum (EMP Museum), que é uma espécie de museu da música (muito bacana!), e também o Pike Place Market, talvez o “mercado municipal” da cidade onde se tem de tudo, inclusive muitos tipos de artesanato. Com mais de quinze museus que soube da existência lá na hora, acho que posso afirmar sem medo que essa cidade respira arte e cultura! Um prato cheio para quem gosta. No dia dessa foto depois de ter tomado um café da manhã vegano pela primeira vez na vida, decidi sair andando pelas ruas e sentir a vibe do lugar (como se bacon vegetal já não fosse aventura o suficiente para um dia). Gosto sempre de olhar os cartões postais que ficam expostos nas barraquinhas de turismo na rua. Além de ser muito bom para pegar ideias de fotos, é legal para descobrir pontos turísticos. Em um deles vi a skyline (linha de prédios) da cidade no entardecer e achei muito legal. Durante o passar do dia aquela imagem foi se calcificando cada vez mais na minha cabeça até que poucas horas para o sol se pôr, decidi pegar o carro e sair em busca de um ângulo interessante onde eu pudesse fazer a minha versão daquele cartão postal. Para ser franco com você, achar o viaduto com a vista premiada para a foto foi muito mais difícil do que eu tinha imaginado. Mas agora eu estava ali, no lugar certo, no momento certo, com as condições certas… bastava agora eu acertar!


Composição e Dicas específicas Meu objetivo com essa foto era bastante simples: capturar a linha de prédios em frente ao pôr do sol. Para isso, decidi esperar um horário específico do dia onde o efeito fica particularmente bonito e impactante. Ele é chamado blue hour ou twilight: o crepúsculo. O crepúsculo pode ser facilmente compreendido como aquela curta faixa de tempo que fica entre a escuridão e o nascer do sol, ou o pôr do sol e a escuridão. Nesses minutos o céu fica com cores mais frias, azuladas — daí o termo “blue hour” (hora azul). Nestas condições um efeito muito buscado por fotógrafos do mundo todo é combinar a iluminação natural à artificial dos prédios e automóveis. E era exatamente isso que eu queria fazer: combinar o gradiente lindo de cores daquele pôr do sol, as luzes dos prédios e o movimento frenético dos carros na hora do rush. Como composição, sinceramente não havia muitas alternativas a não ser posicionar o aglomerado de prédios no centro, as rodovias e estradas como linhas guias até os prédios e as cores do crepúsculo ao fundo. Com isso decidido, coloquei a câmera no tripé e fiz alguns testes com velocidades do obturador diferentes até chegar na de 30 segundos, que foi onde consegui capturar os fachos

de luz dos carros cortando completamente a parte inferior da minha foto e o restante da cena perfeitamente exposta. Optei também por uma abertura de diafragma pequena para obter o efeito de estrela nos postes e contei com a sorte de não ter vento algum para trepidar meu tripé. Gostei bastante do resultado mesmo ali direto no visor da câmera. Com uma iluminação tão dramática e bonita já sabia que seria necessário pouco pós-processamento no estúdio depois. OBS.: Esta foto foi a quarta colocada na votação aberta que fizemos das melhores fotos de 2015 do Cara da Foto. Dica Bônus: Para fotos assim caso não tenha um tripé em mãos, tente fotografar várias vezes na mesma composição e na menor velocidade de obturador possível para ter nitidez. Depois, no pós-processamento combine-as até conseguir o efeito completo nas luzes dos carros. Já precisei fazer isso em outra ocasião e o resultado é muito parecido.


Capítulo 4

O PROCESSO DE APRENDIZADO DA FOTOGRAFIA


O processo de aprendizagem de qualquer coisa na vida parece ser semeado tanto de momentos de êxtase quanto de momentos de frustração, ambos formando uma dança que acaba testando nosso comprometimento e paixão pelo objetivo em questão. De fronte a vários erros, frustrações e ruas sem saída, quando estamos quase desistindo de seguir em frente, somos presenteados com alguns sucessos e momentos de alegria apenas grandes o suficiente para nos darem a energia e motivação extra necessária para nos manter no caminho. Aprender algo de verdade e se tornar bom naquilo nunca é uma tarefa fácil. O autor Malcolm Gladwell ficou famoso por dizer que são necessárias 10 mil horas de prática e treino para se realmente dominar qualquer coisa, seja um esporte, um instrumento, um novo hobby, etc. Seriam também necessárias 10 mil horas de prática de fotografia para dominar esta arte? Difícil de dizer, afinal, como qualquer arte, não existe muito certo ou errado, bom ou ruim. Tudo tende a ser subjetivo.


FOTOGRAFIA ciclo d a práti ca

O Ã Ç

P

ICA

REALI

ÁT

Independentemente do que for, existem algumas coisas que parecem sempre acontecer no caminho de evolução de um amante da prática da fotografia em busca da perfeição da sua arte e a primeira delas, sem dúvidas, é o ciclo da prática:

ZA

Talvez não seja somente a nossa habilidade técnica em si que necessite de tanto tempo para evoluir, mas, sim, o nosso olhar fotográfico, a nossa identidade e personalidade artística que leva tempo para se achar, amadurecer e tomar forma.

R

O PROCESSO DE APRENDIZADO DA FOTOGRAFIA

Agora, quem já segue o caminho da prática da fotografia há um tempo provavelmente observou como seu gosto e prática foi se alterando e evoluindo ao longo do processo.

FR

100

US

TRAÇÃ

O


Movidos pelo amor pela arte da fotografia, nós decidimos começar a praticá-la. Decidimos começar a capturar mais os nossos momentos. No início tendemos a ficar felizes com os resultados que vemos, afinal, são os nossos primeiros resultados. Agora, não tanto tempo depois, a medida que continuamos praticando, começamos a perceber que as fotos boas que capturamos parecem depender mais de sorte do que competência de fato.

Esse processo inicial começa a pesar mais para o lado da frustração quando decidimos ir em busca de mais informação sobre fotografia e a ver o trabalho de outros fotógrafos no mundo. Neste ponto, aquela falta de padrão de comparação que vinha nos ajudando no início, será demolida. Afinal, se você por exemplo nunca viu uma TV a cores na sua vida, você vai achar uma TV preto e branco algo maravilhoso! Ao vermos o trabalho incrível de fotógrafos consolidados, tenderemos a ter duas fortes emoções opostas brigando dentro do nosso ser: motivação e frustração. Para muitos, ver fotos sensacionais muito além da sua própria capacidade de capturá-las, é algo motivacional. É algo que mostra o que é possível e inspira você a seguir em frente até atingir seu objetivo. Já para outros, ver este tipo de coisa irá trazer uma grande frustração e vontade de desistir ao se ter a percepção de que os resultados que você gera hoje estão anos-luz de distância das obras de artes que você está vendo. Esta grande distância acaba desmotivando justamente pela ausência de visão de possibilidade de evolução. O processo de evolução parece ser quase impossível e você acaba se colocando para baixo. Agora, tipicamente, sentiremos um pouco de cada uma destas emoções opostas e este equilíbrio é saudável e faz parte do ciclo de aprendizagem. 101

O PROCESSO DE APRENDIZADO DA FOTOGRAFIA

Começamos a ver que mesmo tentando, acabamos capturando fotos que não nos agradam e às vezes sem querer capturamos algumas que realmente nos fazem sorrir.


Passando-se por esta fase e seguindo em frente aprendendo novas coisas, estaremos de fato fazendo parte do ciclo.

O PROCESSO DE APRENDIZADO DA FOTOGRAFIA

Neste ponto, iremos começar a praticar as coisas novas que viemos aprendendo e nestes momentos iremos nos frustrar por não obtermos os resultados que esperávamos obter. Mas isso não é problema porque quanto mais erros e resultados ruins obtemos, mais perto estamos de obter resultados positivos que nos surpreendem de tempos em tempos com uma motivação extra que nos leva em frente para praticar mais. A prática, inspirada tanto pelo aprendizado de coisas novas quanto por resultados motivadores durante o processo, irá gerar continuamente resultados negativos e positivos que irão nos levar novamente a avaliá-los, aprender mais, refinar nossa arte e voltar a praticá-la, fechando o ciclo. A mágica aqui é que a proporção de erros e acertos tenda a ir se ajustando ao longo do tempo, passando a pesar cada vez mais para o lado dos acertos. Se colocarmos erros e acertos em uma razão, sendo o número de acertos no nominador e o número de erros no denominador, teremos algo como:

a cer tos erros

102


Esta razão no começo irá gerar números bem menores do que 1, já que o número de acertos é de longe ultrapassado pelo número de erros. Agora, ao seguir-se o ciclo da prática, esta razão irá começar a se aproximar cada vez mais de 1, eventualmente, passando bastante desta marca.

Quando É Hora de Mudar de Equipamento? Uma das grandes falácias da fotografia, na nossa opinião, é a falácia do equipamento bom, ou seja, achar que equipamento bom necessariamente gerará fotos boas. Bom, enquanto equipamento gera de fato fotos boas quando nas mãos de pessoas habilidosas, este mesmo equipamento irá capturar fotos horríveis em mãos de pessoas inexperientes. Tipicamente, quando iniciamos na arte da fotografia acreditamos talvez que precisamos comprar uma câmera melhor, uma lente melhor, filtros, acessórios, etc., porque claramente o que está limitando a qualidade dos nossos resultados é o nosso equipamento. Esta impressão irá persistir até que uma de duas coisas aconteça: Ou você vai em frente, gasta seu rico dinheirinho em um equipamento caro só para ter o amargor de ver que suas fotos continuam tão ruins como antes ou você chega em um ponto de ver que alguém captura fotos absolutamente sensacionais com uma câmera que é igual ou ainda pior do que a que você tem hoje.

103

O PROCESSO DE APRENDIZADO DA FOTOGRAFIA

Alguém uma vez disse que todo aprendiz de fotografia precisa fazer mil fotos ruins antes de começar a fazer fotos boas. Bom, enquanto é difícil de se saber se isso é verdade ou não, este dizer serve para nos motivar a esperar resultados aquém do desejado no começo e nos fazer tirar o quanto antes todas estas fotos ruins, não é verdade?


Qualquer uma destas duas coisas irá abrir seus olhos para uma dura verdade: equipamento bom não significa foto boa. Foto boa depende muito mais da qualidade artística e técnica do fotógrafo do que do equipamento que ele usa.

O PROCESSO DE APRENDIZADO DA FOTOGRAFIA

Coloque um celular na mão de um fotógrafo experiente e veja arte sendo feita. Coloque a melhor câmera do mundo nas mãos de um aprendiz e veja uma catástrofe fotográfica acontecendo. Nós aqui do Cara da Foto temos uma certa filosofia a respeito de quando você deve mudar de equipamento fotográfico. Nós acreditamos que você só deva comprar algo adicional ou melhor quando você já chegou em um ponto em que está tirando o máximo do que tem e que seu equipamento atual está claramente limitando a sua evolução. Aliás, precisamos confessar que nós mesmos talvez levamos essa filosofia a sério um pouco até demais. Por anos nós dois usamos de câmeras de entrada ou nível intermediário básico, com lentes medianas para fotografar nossas viagens e gerar resultados que até hoje temos muito orgulho. Nós percebemos que em se tratando de equipamento fotográfico, chega-se em um ponto onde é necessário se investir 10 vezes mais para se obter apenas 10% de melhora na qualidade dos resultados. Agora, quando você chega neste patamar, seu olho crítico e visão artística irão com certeza achar que o investimento é completamente aceitável tendo em vista uma melhora de 10% em algo que já é bom. Afinal, são estes detalhes que diferem um artista do outro. Porém, antes de chegar neste ponto, é mais provável que se caia na falácia do equipamento bom. Para deixarmos as coisas mais tangíveis, vamos ver um exemplo mais prático de como a evolução de equipamento pode acontecer durante o processo de aprendizagem de um iniciante na arte da fotografia: Primeiro, você pode começar a fazer fotos com seu celular e por algum motivo sentir uma atração por isso que está fazendo.

104


Você começa a fotografar mais e mais, começa a capturar algumas fotos que te dão orgulho, começa a compartilhá-las e a receber elogios. Isso te motiva a seguir em frente, aprender e praticar mais. Porém, logo no início do seu aprendizado você irá se deparar com um conselho típico que nós mesmos damos nos nossos cursos de fotografia:

De fronte a isso, você irá logo perceber que o seu equipamento atual (o celular), está limitando a sua evolução. Neste ponto você decide investir em uma câmera DSLR (Digital Single-lens Reflex) de entrada com uma lente kit. Com isso em mãos, você inicia uma nova etapa de aprendizado e possibilidades dentro da arte. Você irá seguir o ciclo da prática em frente, irá se frustrar e se motivar, irá aprender e lapidar a arte até que você chegue em um nível onde algumas coisas irão começar a te incomodar. Por exemplo, você pode começar a achar que sua lente não está focando rápido o suficiente. Ou você pode começar a perceber que a qualidade das suas fotos é bem inferior nos cantos quando comparado com o centro delas. Você pode perceber que seu equipamento está distorcendo as bordas da foto ou adicionando vinhetas não propositais. Você percebe que sua lente não está gerando uma imagem nítida o suficiente. Você começa a ficar irritado que seu ISO não vai abaixo de 100, que a sua função de bracketing não te possibilita fazer mais de três fotos, que a qualidade das suas fotos em baixa luminosidade esta aquém do seu nível de exigência. Acredite, até o próprio barulho do obturador da câmera pode começar a te incomodar porque você já sabe distinguir um barulho de uma câmera de iniciante de uma profissional (aconteceu isso comigo).

105

O PROCESSO DE APRENDIZADO DA FOTOGRAFIA

“Para poder aproveitar o maior número de possibilidades de fotografias e maior controle sobre elas, é sugerido que você possua uma câmera que te permita controlar individualmente os três pilares da fotografia (velocidade do obturador, abertura do diafragma e o ISO).”


Neste ponto, onde novamente você já está tirando “suco de pedra” com o equipamento que possui e percebe claramente que ele está limitando a sua evolução, você naturalmente decide investir em algo melhor.

O PROCESSO DE APRENDIZADO DA FOTOGRAFIA

Este tipo de evolução natural parece ser o que mais faz sentido. Agora, claro, se você puder comprar o melhor equipamento já de início, ótimo. Porém, realmente não achamos necessário e talvez, quem sabe, isso poderá influenciar até negativamente no seu processo de aprendizagem justamente porque irá fazer com que você não passe por estas etapas evolutivas intermediárias onde você presta atenção e entende todas as nuanças da arte que justificam uma evolução de equipamento. Talvez isso ainda poderia fazer com que seu senso crítico não se desenvolva com a mesma rapidez. Agora, saindo um pouco da parte de equipamento e focando mais nos estilos de fotos, na qualidade fotográfica, uso das técnicas, etc., também é possível de se identificar algumas fases comuns no processo de evolução. No começo, tudo parece se resumir em tentar realmente capturar uma foto de qualidade tendo em mente o correto ajuste dos três pilares da fotografia e outras configurações na câmera. Você quer uma foto nítida, em foco e bem iluminada ou você quer uma foto de longa exposição e bem composta. O primeiro desafio é dominar a câmera para conseguir capturar corretamente as fotos que se quer capturar e fazer com que a câmera realmente seja uma espécie de extensão do seu próprio corpo sendo algo que você maneja com confiança e naturalidade. Fazendo uma analogia com se dirigir um carro, no início, grande parte da sua atenção está dividida entre olhar para onde está indo e em justamente controlar o carro, trocar as marchas, cuidar da embreagem, acertar os pedais de freio e o acelerador.

106


Com o tempo, a parte mecânica de se dirigir se torna automática, você adquire confiança e naturalidade em dominar a máquina e pode agora focar a maior parte da sua atenção na estrada, em onde está indo e em apreciar a jornada em si.

Nesta hora, as pessoas tipicamente descobrem o mundo do pós-processamento, mundo este que nós do Cara da Foto há anos estamos lutando para disseminar mais e mais. Nós focamos muito nesta parte porque realmente achamos que é a outra metade da laranja na arte da fotografia. Nós devotamos grande parte dos nossos cursos a explicar como você pode dominar o pós-processamento das suas fotos e realmente transformá-las em obras de arte de impacto em apenas poucos minutos. Quando as pessoas atingem esta etapa do aprendizado elas começam de fato as etapas de evolução dentro do pós-processamento. É comum observar que as pessoas passam por algumas fases típicas. Por exemplo, em um certo ponto você passa pela etapa das fotos extremamente contrastadas e super saturadas. Cores extremamente vivas e contraste forte em todas as partes da foto. Este tipo de resultado, até então desconhecido por você, te agrada muito. Aí, não demora muito até você começar a achar que isso tudo está indo um pouco além do necessário. Depois disso você começa a brincar com processamento de cores, split toning, preto e branco, sépia, bordas, etc. Seguindo em frente é só questão de tempo até você se deparar com o estilo de fotografia conhecido como HDR (High Dynamic Range) e isso muda o jogo completamente para você.

107

O PROCESSO DE APRENDIZADO DA FOTOGRAFIA

O mesmo acontece com a relação entre você e a câmera. Uma vez que você domina o equipamento e começa a configurar com naturalidade e confiança todos os detalhes técnicos, você começa a prestar mais atenção a arte da fotografia em si, em pensar no que quer capturar, nas emoções que quer passar, etc.


A partir deste momento o seu mundo fotográfico se resume a fotografia HDR e nada mais existe.

O PROCESSO DE APRENDIZADO DA FOTOGRAFIA

Com o passar do tempo, você começa a perceber que suas fotos estão meio artificiais e não muito condizentes com os resultados que você quer para elas. Você começa a ficar mais crítico e seu olho artístico mais exigente. Com isso, você começa a buscar novas técnicas, começa a mesclar HDR com blending mais natural de fotos e depois tenderá a ser atraído por um blending completo mais natural e manual das suas fotos, simplesmente porque assim você tem mais controle sobre seus resultados. É neste ponto que você atinge uma etapa crítica na sua evolução como artísta, como fotógrafo. O momento em que você adquiriu a habilidade tanto técnica, artística quanto de pós-processamento para ter total controle sobre os resultados das suas fotos, podendo fazer com que eles realmente reflitam a sua personalidade e a sua arte de fato. É neste ponto que ainda uma nova etapa se inicia. A partir deste ponto, o que irá começar a te limitar não mais serão as habilidades técnicas, mas, sim, a sua própria identidade artística. Neste ponto é que nosso olho fotográfico começa a se desenvolver mais do que nunca e a se lapidar. Nós passamos por muitas fases a partir deste ponto, começamos a ser atraídos por diversos tipos e estilos de fotografia. Começamos a tentar diferentes técnicas, emoções e resultados. Tudo isso faz parte do processo de amadurecimento do olho fotográfico e da nossa personalidade artística. Nós acreditamos que este processo nunca irá acabar. O processo de amadurecimento do “eu artístico” e da evolução da nossa arte nunca irá se completar, somente continuará se moldando e se lapidando continuamente em uma espécie de metamorfose livre e eterna.

108


É esta a beleza da arte, é isso que possibilita que cada um de nós seja único e que até mesmo quando capturando fotos nos exatos mesmos lugares, das exatas mesmas cenas ou pessoas, consigamos resultados completamente diferentes e únicos. É aqui que deixamos de ser fotógrafos e passamos a ser artistas.

O PROCESSO DE APRENDIZADO DA FOTOGRAFIA

109


Ricardo Polesso

Hidden Lake Localização | Glacier National Park, Estados Unidos. Vista do Hidden Lake ao entardecer. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Sigma 10-20mm f/4-5.6 • Configurações: f/22 25seg. ISO 100


Glacier National Park

Como esta foto foi capturada? Antes de tudo preciso dizer que esta é uma das minhas fotos preferidas. Agora veja, isso não quer dizer que ela foi programada ou planejada. Muito pelo contrário!

Estados Unidos da América

Era uma tarde fria e nublada no Glacier National Park, nos Estados Unidos. Esse parque fica à noroeste do estado de Montana, próximo da fronteira com o Canadá. Isso quer dizer que estamos em uma região tipicamente de bastante chuva e frio. Dentre todos os sete dias que passei por lá, este foi premiado com um frio especial e chuvisco o tempo todo. Independentemente do clima, você sabe que o verdadeiro apaixonado por fotografia não se pega para trás e faz acontecer com as cartas que tem em mãos. Logo cedo digiri parque adentro apenas para encontrar paisagens encobertas por nuvens e vento quase insuportavelmente gelado. Mesmo assim segui em direção a um dos pontos mais famosos que tinha pesquisado, o Hidden Lake, ou Lago Escondido. Quando finalmente cheguei no início da trilha de acesso, notei que algumas nuvens carregadas se aproximavam e o sol já estava quase se pondo. Por alguns minutos avaliei a situação pensando se valia ou não a pena continuar naquele dia ou se deixava para o próximo. Veja, uma coisa que falo com frequência no Cara da Foto é para nunca deixar para fotografar depois o que pode ser fotografado agora. Você realmente não tem controle sobre o que pode ou não acontecer, portanto desperdiçar o que pode ser sua única chance, realmente não é uma boa ideia. Com isso em mente, peguei minha mochila e câmera e saí rumo ao famoso belvedere há uns 3km de caminhada intermediária se não me engano. Uma verdadeira corrida contra o tempo.


A cada passo eu ficava mais ansioso imaginando qual seria a vista lá de cima naquelas condições, se estava jogando meu tempo fora ou indo em direção a uma das paisagens mais impactantes que já havia visto. Algum tempo depois cheguei no final da trilha só para dar de cara com um vento ainda mais intenso e alguns fotógrafos se preparando para voltar antes de virarem pipas humanas. Ainda firme e com esperança de fazer uma boa foto, avancei mais um pouco rumo a um espaço aberto onde a vista parecia mais limpa para uma possível foto. Foi ali que montei meu tripé e câmera e esperei os minutos passarem.

Composição e Dicas específicas Para minha surpresa e alegria, uma fenda entre as nuvens apareceu bem no horizonte por onde o sol brilhava. Naquele momento como ventava muito e as nuvens praticamente apostavam corrida umas com as outras de tão rápidas que se movimentavam, tive uma ideia: longa exposição. Eu não queria apenas capturar a preciosidade daquele lugar e a beleza da cena, mas sim a experiência toda através de uma fatia de tempo daquele momento. Uma foto de longa exposição faria isso, já que em fotos assim você tem uma sequência de acontecimentos representados em uma só imagem. Então tremendo de ansiedade (e frio), corri até minha mochila, peguei um filtro de densidade neutra e instalei na lente o mais rápido que consegui. Sabia que o sol não iria me esperar por muito tempo.

Como composição decidi rapidamente posicionar o Hidden Lake como se fosse um cinturão para a Bearhat Mountain, montanha no centro, e o sol poente ao fundo na direita. Eis que após 25 segundos de exposição pude apreciar a captura. Por sorte os cuidados todos que tive para focar e configurar tudo corretamente resultaram nesta foto. Caso eu não tivesse tomado meu tempo garantindo que tudo estivesse de meu agrado antes de fotografar, não teria voltado para casa feliz aquela noite. Assim que levantei meus olhos do visor da câmera, notei que o horizonte estava agora cinzento e cada vez mais escuro. Gostei muito dessa foto e não podia esperar para processá-la no estúdio. A forma como as nuvens ficaram riscadas devido à longa exposição, as cores vivas da vegetação e do sol poente contrastando com os tons pastéis das pedras deixaram a foto marcante e memorável. Eu gosto de falar que todo fotógrafo precisa, sim, de um pouco de sorte para chegar na foto perfeita, mas acima de tudo, competência. OBS.: Esta foto foi a segunda colocada na votação aberta que fizemos das melhores fotos de 2015 do Cara da Foto. Dica Bônus: Em situações de vento extremo, deixe seu tripé o mais próximo do solo possível recolhendo quaisquer extensões de pernas que ele possa ter. Adicionalmente, tente apoiar na estrutura algo que reforce a estabilidade e cubra do vento, como uma mochila ou seu próprio corpo.


Ricardo Polesso

Templo de Apollo Localização | Delphi, Grécia. Templo de Apollo ao entardecer. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Sigma 10-20mm f/4-5.6 • Configurações: f/7.1 1/20 ISO 200


Como esta foto foi capturada? Grécia, terra de história, mitologia, arte, filosofia, política, arquitetura, ilhas paradisíacas, jogos olímpicos… e paisagens incríveis. Um curr��culo nada mal! Grécia

Templo de Apollo

Depois da minha primeira visita de duas semanas, a única certeza que ficou é a de que esta foi a primeira de muitas. Mesmo tendo feito uma roadtrip cortando o país de ponta a ponta, seria mentira minha dizer que já vi tudo que gostaria de ver. Apesar de ser um lugar muito pequeno quando colocamos em perspectiva com o Brasil, por exemplo, a quantidade e variedade dos pontos turísticos é enorme. De um lado você tem uma das cidades mais relevantes de toda história da humanidade, Atenas, e de outro, Meteora, um lugar tão complexo e sublime que nossos cérebros custam entender e fazer sentido. Considerando isso, como você pode imaginar, foi bastante difícil bolar um itinerário. Mas desde a etapa de planejamento da viagem eu já sabia que uma parada obrigatória seria em Delphi, para conhecer o Templo de Apollo e o antigo Teatro. Que foi onde capturei esta foto. Essa parada aconteceu só no final da roadtrip enquanto percorria o trajeto de Zagori à Atenas. Quando chegamos no lugar o sol já estava quase se pondo, o que infelizmente acabou botando um pouco de pressão, mas mesmo assim deu para aproveitar bem os minutos gastos lá. Uma vista verdadeiramente incrível que com certeza foi escolhida a dedo na época, não tenho dúvida.


Rapidamente por causa do curto tempo passeamos pela parte de cima do lugar conhecendo as ruínas de Delphi e do antigo teatro e depois fomos em direção ao Templo de Apollo, que fica um pouco mais para baixo dentro do vale. Nesse momento o sol já tocava o horizonte e eu tinha perdido as esperanças de fotografar já que não sabia o que esperar e nem por onde andar. Mas tudo mudou assim que avistei de longe as pilastras do templo pela primeira vez. Com o lugar todo para mim naquele final de tarde, o único desafío agora era fazer tudo a tempo antes do sol sumir completamente.

Composição e Dicas específicas Tentando controlar a ansiedade e empolgação, fiz uma leitura visual da paisagem e depois com a câmera experimentei composições interessantes. Com algumas fotos teste cheguei no resultado que mais me agradou, capturando os destroços do templo, as montanhas e o sol no horizonte. Essa composição foi principalmente ancorada pelo posicionamento do templo nos quadrantes esquerdos da foto segundo as proporções douradas (golden ratio). Para conseguir fazer isso precisei usar uma lente superangular, já que o espaço era limitado e eu não poderia me afastar suficientemente para enquadrar tudo.

Fazendo meu máximo para aproveitar aquela oportunidade, refinei a composição e fotografei usando as configurações que pareceram ideais para a ocasião. Gostei bastante da foto, é como se eu estivesse lá novamente cada vez que olho para ela. Um pôr do sol colorido e vibrante após horas de tempo cinzento foi um momento de muita sorte. Dica Bônus: Lentes superangulares costumam distorcer as laterais da foto em função do maior ângulo de visão delas, o que pode ou não ser um problema. Apesar de facilmente mitigável no pós-processamento, essa distorção quando usada propositalmente agrega para o resultado. Note que a pilastra da direita na foto está bastante inclinada para dentro por causa dessa distorção, o que foi proposital. Desta forma a pilastra vira também uma linha guia diagonal, apontando para as demais. Nossos cérebros adoram percorrer mentalmente toda e qualquer linha que compormos na foto.


Rodrigo Polesso

Templo Perdido

Ilha de Oahu

Localização | Ilha de Oahu, Havaí. Dados Técnicos | Câmera: Canon 60D • Lente: Canon EF-S18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/7.1 1/60 ISO 160

Havaí


Como esta foto foi capturada? Nesta minha segunda “visita” ao Havaí eu passei três meses morando na praia de Waikiki, do lado de Honolulu, na ilha de Oahu. Esta é, sem dúvida, a parte mais movimentada de todas as ilhas, mas como eu estava trabalhando em novos projetos e surfando todo dia, precisava de uma infraestrutura legal. Nada mal...

Logo, resolvi fazer um panorama e o resultado é este que você vê.

Composição e Dicas específicas Em termos de composição, esta foi bastante simples. Eu queria pegar o templo completo na foto e também um pouco das árvores ao redor.

Eu e minha namorada tiramos um final de semana para alugar um carro e conhecer um pouco mais do resto desta ilha em particular. O fato interessante é que alugamos o carro mais barato que tinha disponível e na hora de ir buscá-lo, nos ofereceram uma BMW Z4 conversível, sem custo adicional praticamente. Claro que eu não recusei...

Uma pena que tinha uma névoa no fundo, porque ali tem umas montanhas magníficas que iriam adicionar à foto.

Então aí estávamos eu e minha namorada montados em uma BMW Z4 conversível nova e dirigindo no meio do oceano pacífico pelas paisagens desta ilha magnífica... incrível.

Eu estava sem meu tripé, então cuidadosamente setei meus pilares na câmera e tirei algumas fotos na vertical.

Curiosidade: Nesta ilha que foi gravado o seriado Lost, tão famoso no Brasil na época. Aliás, se você assistiu o seriado, provavelmente se lembra deste templo também. Ele apareceu em algumas partes como sendo algumas cenas na Coreia do Sul, mas o templo está bem ali, na mesma ilha. Nós fomos até lá para apreciar a vista naquela tarde úmida e quente. Quando chegamos estava tendo uma aula gratuita de meditação, interessante. Bom, eu me distanciei um pouco do templo para poder vê-lo por completo mas mesmo assim não conseguiria capturar uma foto que fizesse juz a ele.

O ponto positivo de estar nublado é que a luz está naturalmente bem difusa e isso é bom, já que as cores também se realçam e não existem pontos fortes de luz e sombras.

Depois foi só montar o panorama no Adobe Lightroom e a cena estava pronta. Na pós-produção eu me certifiquei de deixar claro o contraste entre o vermelho e o verde das árvores. Eu adoro quando as cores são simples e contrastantes, o que chamo neste caso de dicotômica de cores, o verde e o vermelho e só. Dica Bônus: Tente fazer seus panoramas tirando as fotos na vertical ao invés de na horizontal. Isso tende a dar mais impacto no resultado.


Capítulo 5

O MÉTODO CARA DA FOTO VERSUS ESTILO TRADICIONAL


“Daqui a vinte anos você estará mais arrependido das coisas que não fez do que das que fez. Então solte suas amarras. Afaste-se do porto seguro. Agarre o vento em suas velas. Explore. Sonhe. Descubra.”

— Mark Twain

Não existe ainda autoridade formal, religiosa ou espiritual que homologue ou institua qualquer tipo de permissão necessária para você se chamar de fotógrafo. É você quem decide e ninguém mais. A arte como um todo tem essa característica libertadora, de independência. Você não precisa seguir um estilo específico, estudar materiais teóricos, normas, modelos, atestar ou comprovar suas habilidades. Você simplesmente é, por quanto tempo e da forma que bem entender. É por isso até que para muitas pessoas um estilo de vida assim pode soar utópico, bom demais para ser verdade. Esse sentimento vívido de liberdade parece intangível para quem vê de fora, porém, você, por estar lendo esse livro agora, provavelmente pensa diferente.


O MÉTODO CARA DA FOTO VERSUS O ESTILO TRADICIONAL

Acreditamos que não deveriam existir amarras que nos prendam a um estilo de vida que não nos faça plenamente felizes e realizados. Inclusive, uma história muito comum no mundo da fotografia é a chegada de pessoas que “caíram de paraquedas” descobrindo tarde a paixão pelo hobby e que acabaram depois mudando completamente suas vidas para acomodar um modo de vida que ressonasse melhor consigo mesmas. Em contrapartida, muitas pessoas encaram a fotografia também como válvula de escape ou terapia. Seja como for, na verdade, tudo o que você precisa na fotografia é de uma câmera, algo para fotografar, uma vontade de fazer acontecer e voilà! Você é livre para ser, viver e criar o que quiser através da sua inspiração e visão artística. Esse é um direito seu e que ninguém pode roubar ou interromper. Talvez uma das maiores vantagens dessa arte sensacional é a habilidade de vestir o chapéu da fotografia sempre ou somente quando quiser, sem a obrigatoriedade de assumir papel formal, sério ou permanente na sua vida. Por exemplo, nos nossos cursos oficiais temos alunos que são médicos, padres, mochileiros, arquitetos, fazendeiros, dentistas, aposentados, empresários, estudantes de fotografia, professores de fotografia e por aí vai. Todos, ao nosso ver, possuem plenas condições de se alcunhar, também, fotógrafos. Mas se você é livre para ser e praticar essa arte única e exclusivamente seguindo seus próprios anseios, o que, então, tradicionalmente, caracteriza um fotógrafo? Essa é uma questão que possui várias respostas e raízes profundas na história. O que falaremos a seguir diz respeito a justamente como nós do Cara da Foto encaramos o estilo tradicional frente ao nosso.

120


O que Pensamos sobre o Ensino Tradicional de Fotografia Como para quase tudo na vida, na fotografia também existe o jeito simples e o jeito complicado. O jeito rápido e o demorado. O divertido e o chato. Agora, o que absolutamente não pode existir na fotografia, na nossa opinião, é o jeito certo e o errado. Assim como uma pessoa pode pegar uma câmera fotográfica na mão pela primeira vez na vida e capturar fotos incríveis a cada click que der, uma outra, por exemplo, pode conseguir fotos assim somente após inúmeras tentativas e anos de estudo. Ou pior ainda, independentemente do esforço e empenho, não conseguir de forma alguma fotos que a satisfaçam. Como sabemos, existem habilidades no mundo que são aprendidas e dominadas única e exclusivamente através do estudo extensivo, não há dúvidas. Mas acreditamos que a fotografia não é uma delas. Todo e qualquer estudo, obviamente, é válido e pode nos ajudar a compreender qualquer coisa mais a fundo, mesmo que por contexto. Porém, a noção de que é somente desta forma, ao longo de anos sentado com a cara enfiada em pilhas e mais pilhas de livros e manuais técnicos que se desenvolve a arte, não, não! Mas infelizmente, para muitas pessoas, é assim que o estilo tradicional de aprendizado da fotografia se traduz e precisa ser. Dessa noção nós não compartilhamos. Nós do Cara da Foto preferimos acreditar em métodos mais simples e práticos. Métodos que transmitam todo o conhecimento necessário para que essa arte se desenvolva rapidamente dentro de qualquer pessoa que tenha interesse, independentemente da bagagem ou experiência prévia.

121

O MÉTODO CARA DA FOTO VERSUS O ESTILO TRADICIONAL

Precisamos nos lembrar de que fotografia é arte e que nesse âmbito conceitos assim não se aplicam.


O MÉTODO CARA DA FOTO VERSUS O ESTILO TRADICIONAL

Como veremos no capítulo seguinte, compartilharemos as bases de um método criado por nós que acabou ficando famoso pela descontração, simplicidade e eficácia comprovada através de milhares de casos de sucesso nos nossos cursos oficiais. Acreditamos que a fotografia é uma arte sensacional demais para ser quadrada e desnecessariamente complexa. Logo, isso também nos leva a ter uma certa resistência ao ensino tradicional. Veja, uma impressão comum para muitas pessoas é de que a fotografia, seja como hobby ou profissão, não é algo compatível com elas. Normalmente pela crença de não ser uma habilidade possível de se dominar a curto prazo ou ainda por parecer financeiramente insustentável. Talvez isso seja em virtude de anos de falácia sobre o assunto por alguns profissionais da área, como se fosse uma espécie de mecanismo automático de autodefesa, ou quem sabe, pela quantidade estarrecedora de materiais puramente técnicos e históricos que são recomendados aos recém-chegados e interessados em fotografia para que a fundação vá sendo construída. Vai saber... A ideia de que você precisa, obrigatoriamente, se inteirar por completo dos aspectos físicos, mecânicos, científicos e dos primórdios da arte antes de qualquer outra coisa para se considerar um fotógrafo com destreza, é, para nós, muito triste e lamentável. Na nossa opinião, qualquer pessoa tem plenas condições de aprender fotografia em pouco tempo e sem gastar enormes quantias de dinheiro. Para isso, acreditamos ser um direito de todos ter acesso à informação sincera, de qualidade, e é esse um dos motivos pelo qual o caradafoto.com.br se destaca. O método Cara da Foto de aprendizado gira em torno de uma levada tranquila, descontraída e focada no que realmente provê resultados práticos no menor tempo possível e sem frustração. Um método pelo qual nós mesmos gostaríamos de ter aprendido fotografia, na época.

122


Odiamos desperdiçar tempo (que é o bem mais valioso da atualidade) em coisas que não sejam absolutamente cruciais. Logo, o denominador comum em todo o conteúdo que criamos é o princípio dos 80-20 de Pareto. Ou seja, focamos nos 20% das coisas que geram 80% dos resultados. No capítulo seguinte veremos como o processo completo para fotografias sensacionais pode ser resumido em apenas cinco passos, os “Cinco Passos para Fotos Sensacionais do Cara da Foto”. Como andar de bicicleta: você pode ter todos os livros do planeta sobre o assunto, mas a única coisa que de fato irá te ajudar a conseguir andar será a prática. Fotografia não é diferente! Além disso, acreditamos na ideia de que uma das melhores formas de se obter conhecimento de qualidade em qualquer área é através de pessoas que já atingiram o que você busca. Tem um ditado popular americano que diz “walk the talk” e quando aplicado na nossa cultura, algumas traduções cabíveis são: coloque em ação aquilo que diz; siga suas palavras com ações; seja coerente com seu próprio discurso. Ou seja, nós preferimos seguir e acreditar em pessoas que conseguem comprovar com ações e resultados aquilo que ensinam. Veja, assim como você não se inscreveria em aulas de pintura com um pintor que pinta quadros que você odeia ou em aulas de inglês com alguém que mal consegue falar a língua, você jamais deveria aprender fotografia com teóricos de plantão que possuem 10 livros e 30 manuais, mas que não capturam fotos que você goste ou que te inspirem. Seja na arte da fotografia ou em qualquer outra, procure aprender com quem já gera os resultados que você mesmo quer atingir! Bom, voltando a questão dos mitos, lamentavelmente a fotografia sofre com alguns que de tão antigos e enraizados, permanecem resilientes e enganando muita gente.

123

O MÉTODO CARA DA FOTO VERSUS O ESTILO TRADICIONAL

Ainda, outra coisa que achamos que reina todos os aspectos do ensino da fotografia é a prática.


O MÉTODO CARA DA FOTO VERSUS O ESTILO TRADICIONAL

Como vimos, a troca e/ou aquisição de equipamento fotográfico deveria ser motivada pela necessidade e não pela crença de que esta é uma bala de prata que sozinha transformará suas fotos. A verdade é que por mais caro ou avançado que o equipamento fotográfico seja, ele não garante fotos boas sozinho. A competência, sim. O mesmo pode ser dito sobre outro mito, o do estudo, o qual prega que todo e qualquer fotógrafo que se preze precisa ter estudo formal na área. Apesar do estudo sempre ser algo útil e ter seu espaço em tudo na vida, não deveria ser entendido como impeditivo ou obrigatoriedade, ainda mais quando o assunto é arte. Agora um outro aspecto de enorme negligência na fotografia e que também merece aparecer aqui é o pós-processamento. Conforme veremos em detalhes e com exemplos no capítulo seguinte, este é um momento-chave no processo fotográfico e que muitas pessoas fazem vista grossa. A tecnologia continua nos aproximando cada vez mais dessa importante etapa do processo criativo, a ponto de que hoje conseguimos em pouquíssimos segundos ou até mesmo através de um clique apenas obter fotos muito mais impactantes e marcantes através do pós-processamento. É por termos bastante entusiasmo por essa questão artística que dedicamos grande parte de nossos cursos oficiais de fotografia ao processo de pós-produção. Temos, inclusive, pacotes de presets para o Adobe Lightroom que transformam qualquer fotografia com apenas um clique do mouse. O pós-processamento das suas fotos é tão importante porque ele é um outro universo de possibilidades a ser explorado para que você possa mais uma vez dar suas próprias pinceladas de personalidade e individualizar ainda mais a sua arte.

124


Mesmo com muitas pessoas querendo complicar, gurus e professores tradicionais defendendo métodos arcaicos e acreditando que evolução não é possível sem anos de sofrimento, nós achamos que tudo é muito simples e que existe um processo natural e prazeroso de aprendizado em qualquer área. Na fotografia, acreditamos que quanto antes você focar na prática, melhor. Acreditamos que quanto antes você aprender os 20% das técnicas e macetes que geram 80% dos resultados, melhor.

“A vida é realmente simples. Nós é que insistimos em torná-la complicada.” — Confucius

125

O MÉTODO CARA DA FOTO VERSUS O ESTILO TRADICIONAL

Isso é suficiente para te motivar a seguir em frente para conquistar os outros 20% de qualidade que irão transformá-lo em artista e fazê-lo amar esta arte ainda mais.


Rodrigo Polesso

Trilha para o Victoria Peak Localização | Hong Kong. Dados Técnicos | Câmera: Canon 60D • Lente: Sigma 10-20mm f3.5 • Configurações: f/16 10seg. ISO 500


Como esta foto foi capturada? Hong Kong é uma cidade fantástica, tão diferente, tão frenética e tão difícil de se pegar com céu limpo...

Hong Kong

Bom, um dos pontos mais famosos entre os fotógrafos que visitam a cidade é sem dúvida o Victoria Peak que é onde se tem talvez a melhor vista do centro da cidade. Agora, o maior obstáculo é conseguir uma vista que não esteja totalmente encoberta pela neblina.

Victoria Peak

Não sei exatamente o motivo, mas dependendo da época do ano que se visita Hong Kong, fica bastante difícil de se ter um céu limpo, sem fuligem, neblina e fumaça. Isso prejudica a visibilidade do horizonte nas fotos. Eu passei três dias lá e uma das coisas que estava no topo da minha lista era fotografar o aglomerado de prédios do centro vistos do Victoria Peak, porém, nem sempre o que queremos é o que conseguimos, certo? No dia em que fui tentar fotografar essa vista, fui “presenteado” com uma neblina tão pesada que não conseguia ver absolutamente nada da cidade lá de cima. No ponto com a melhor vista, havia uma linha de fotógrafos com seus tripés em posição, todos esperando ansiosamente por uma brecha na neblina. Imagina a frustração, você leva um tempo para se programar, subir até o pico, seguir a trilha até a vista sabendo que uma das cenas de fotografia mais famosas do mundo te aguarda no final e chegando lá você não vê absolutamente nada na sua frente a não ser neblina. Eu, assim como os outros incontáveis fotógrafos que esperavam pacientemente ali por horas não tivemos sorte alguma. A neblina não deu trégua, logo, só me restava voltar para o hotel com o rabo entre as pernas e tentar novamente no dia seguinte.


Só que, no caminho de volta eu literalmente fui presenteado com a neblina permeando a trilha. Já que era o dia da neblina, porque não tirar proveito dela para fazer arte, não é mesmo? A trilha que leva até o belvedere do Victoria Peak é estreita e rodeada por uma floresta úmida muito bacana e estas luzes amarelas deixam a cena ainda mais nostálgica. Quando virei uma curva dei de cara com esta cena que você está vendo na foto. Enquanto os outros fotógrafos andavam frustrados de volta, eu fiquei grato e animado com o que a natureza tinha me dado ali na hora. Não era o que eu esperava fotografar quando subi até o pico, mas com certeza foi uma bela surpresa.

Composição e Dicas específicas Uma coisa que sempre tento pensar quando estou compondo uma foto é na forma como a composição será “ancorada”. Algum elemento da foto precisa ancorar a composição e neste caso eu escolhi o poste de luz para exercer este papel. Posicionei ele estrategicamente próximo de uma das linhas verticais das proporções douradas (golden ratio). Outra coisa forte desta composição são as linhas-guias. Elas são diversas. A própria linha de pedras na esquerda leva em direção ao poste de luz, assim como o caminho, a cerca e a própria linha de árvores.

Tudo leva em direção ao horizonte, em direção ao poste de luz. A neblina adiciona um toque especial de drama na foto e tudo se completa passando uma emoção interessante, um sentimento meio nostálgico. Montei meu tripé, esperei as pessoas passarem e capturei a cena. No pós-processsamento em si eu não fiz muita coisa, na realidade. Só o que fiz foi realçar as cores quentes que vinham da luz e equilibrar um pouco a dinâmica de luz. OBS.: Esta foto foi a quinta colocada na votação aberta que fizemos das melhores fotos de 2015 do Cara da Foto.


Rodrigo Polesso

Vilarejo nas Yasawa Islands Localização | Ilhas Fiji. Vilarejo em algum lugar nas Yasawa Islands. Dados Técnicos | Câmera: Canon 60D • Lente: Canon EF 18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/7.1 1/80 ISO 125


Como esta foto foi capturada?

Yasawa Islands Ilhas Fiji

Eu sempre senti uma atração especial por lugares remotos, não sei por quê. Em 2015, tive a oportunidade de passar seis semanas nas ilhas Fiji. Agora, se você acha que a Austrália é longe, chegando lá, ainda tem que voar umas três horas e meia para dentro do oceano pacífico até se chegar ao arquipélago que forma estas ilhas. Bom, as ilhas Fiji acho que caem dentro da definição de “paraíso” para muita gente, afinal, tempo quente e sol o ano inteiro, praias lindas, areia branca e água azul turquesa, nada mal! No final da minha estadia por lá, fiz um passeio pelo conjunto de ilhas Yasawa que fica a oeste da ilha principal onde se encontra a capital Suva. Na minha opinião (e na de muita gente), são nestas ilhas que se encontram as praias mais belas do arquipélago. Em uma destas ilhas, fiquei em um resort (uma cabana sem ar-condicionado) que era bem próximo de um vilarejo minúsculo que ficava na outra costa. Em uma manhã de sol, o tal resort organizou uma caminhada até este vilarejo e eu me alistei para a empreitada, claro. Depois de caminhar um pouco de baixo de um sol escaldante, chegamos ao tal vilarejo que era de fato minúsculo. Fomos direto para dentro da igreja onde acontecia uma missa. Foi muito interessante culturalmente presenciar aquele momento, ver como a vila inteira estava dentro da igreja e como a missa deles era. Claro, não dava para ignorar o fato de que estava muito calor, muito quente mesmo. Eu, mesmo sentado quieto dentro da igreja, suava sem parar. Como minhas habilidades no dialeto falado em Fiji são inexistentes, decidi sair no meio da missa para explorar um pouco (que heresia...).


Ao caminhar por entre as casas da vila quieta à beira do mar, tentando dar uma espiada dentro delas para ver como o pessoal vivia foi que avistei esse pequeno menino olhando curioso para mim, ser estranho que estava ali perturbando a rotina deles.

Se, ao contrário, o alvo da foto estiver olhando para o lado onde a foto acaba, algo parece não “clicar” na composição. Depois de capturar a imagem, meu trabalho no pós-processamento foi muito simples.

Eu rapidamente ajustei as configurações da câmera e tirei a foto acima enquanto ele agora olhava curioso para outros membros do nosso grupo que andavam por ali.

Me certifiquei de deixar o interior da casa totalmente escurecido para não distrair o foco no menino e também busquei trazer um contraste legal de cores e dinamismo de luz de forma a valorizar o rosto da criança.

Eu adoro essa foto porque me remete diretamente de volta aquele momento tão especial em que eu estava “perdido” em um vilarejo pesqueiro isolado no meio do oceano.

Na arte da fotografia, escolher o que capturar é tão importante quanto escolher o que não se capturar.

Composição e Dicas específicas Ao se pensar em fotos de retrato ou similares, uma coisa é crucial: foco! É essencial que o foco esteja perfeito na área que mais importa da foto e no caso de retratos, o foco nos olhos é importantíssimo. Além de me certificar de que o foco estava corretamente ajustado, me preocupei em posicionar a criança na linha da esquerda das proporções douradas. Desta forma, o menino também olha “para dentro” da foto e não para fora. Esta é uma dica importante quando estamos fotografando pessoas ou animais, se certificar de que o alvo da foto esteja olhando para a parte de dentro da foto.

É muito fácil pegarmos coisas demais na foto, diluindo a atenção e perdendo a essência da mesma. Nesta foto por exemplo, enquanto eu poderia ter pego a casa inteira na foto e talvez algumas árvores, isso não estaria fazendo jus ao meu objetivo de capturar a curiosidade daquela criança local. Dica Bônus: Os olhos das pessoas tendem a ir para a parte mais clara da foto. Utilize-se disso para chamar atenção para o que você quer na foto.


Capítulo 6

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS


“O impossível é apenas uma grande palavra usada por gente fraca, que prefere viver no mundo como ele está, em vez de usar o poder que tem para mudá-lo, melhorá-lo. Impossível não é um fato. É uma opinião. Impossível não é uma declaração. É um desafio. Impossível é hipotético. Impossível é temporário. O impossível não existe.”

— Muhammad Ali

Por trás de toda fotografia verdadeiramente sensacional, existe um fotógrafo competente. Algumas pessoas podem até ter sorte e capturar fotos épicas de vez em quando, porém não há como se ter consistência nos resultados quando lidamos apenas com a sorte. Você já sabe que muito mais importante do que o equipamento usado e o lugar fotografado, é a competência e visão artística do responsável pela captura. Através da competência, sim, podemos garantir resultados consistentes e fotos sensacionais com muito mais frequência.


Agora, como já dizia Ralph Waldo Emerson: “todo artista foi antes um amador”.

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Fotografia é também progressão. Exceto raras exceções onde algumas pessoas naturalmente nascem com o dom para a coisa ou possuem extra sensibilidade artística, o apaixonado pela arte precisa percorrer um processo de aprendizado até obter o sentimento de plenitude e refletir isto nas suas fotos. Mas assim como no nosso próprio caso, acreditamos que a grande maioria das pessoas que embarca nessa fantástica jornada dentro da arte da fotografia fez isso movido pela paixão e vontade de aprender mais. Especialmente nestes casos é necessário percorrer uma verdadeira caminhada pelo conhecimento espalhado no mundo, um trabalho que às vezes parece ser investigativo. Na fotografia, portanto, essa caminhada pode ser árdua e tediosa ou divertida e rápida. Como falamos anteriormente, todos nós capturamos fotos ruins e isso é perfeitamente normal. Quanto mais fotos destas você capturar, mais prática e experiência se adquire e também mais perto de descobrir seu próprio estilo fotográfico ficará. O que queremos aqui agora é que você não perca tempo batendo cabeça em coisas que não farão diferença real e prática nas suas fotos a curto e médio prazo. A verdade é que a enorme maioria dos materiais que vimos sobre o assunto serve mais para jogar um balde de água fria na nossa chama interior de vontade de aprender do que para nos colocar no caminho certo e nos inspirar a seguir em frente. Com isso em mente e visando quebrar de vez a noção de que você precisa, impreterivelmente, de muitos anos de estudo e prática para ser considerado fotógrafo(a) propriamente dito(a) e capturar sua primeira foto sensacional, tudo que fazemos sobre fotografia, sejam artigos, cursos, tutoriais e etc., foi usando do princípio dos 80-20. Ou seja, gostamos bastante de direcionar 80% da nossa atenção aos

134


20% das coisas que geram 80% dos resultados e benefícios. Este é um princípio que também aplicamos em praticamente tudo nas nossas vidas. A verdade é que você realmente não precisa perder seus cabelos de tanto ler manuais técnicos ou livros teóricos para isso, como infelizmente muitas pessoas fazem. Agora se você decidir fazer isso, que seja por sua própria vontade e interesse e não pela crença de que isso é pré-requisito para qualquer coisa.

Por outro lado, com tanta informação acessível, o desafio agora é discernir informação boa e prática de informação morosa e confusa, não é verdade? O desafio é, portanto, identificar o caminho mais curto e eficaz para se aprender algo. E na fotografia não poderia ser diferente. A nossa experiência pessoal e de outros fotógrafos renomados que conhecemos no mundo comprova que um denominador comum na etapa do aprendizado foi a aparente inexistência de materiais eficazes que turbinassem o aprendizado. As habilidades foram surgindo ao longo de vários anos de prática através do constante sentimento de fracasso, desamparo e injustiça. Deveria existir uma forma melhor de se aprender. Uma forma mais fácil e objetiva e que provesse, de fato, resultados reais dignos de orgulho sem o sentimento de tempo perdido. A fotografia é uma arte sensacional, uma espécie de legado, patrimônio da humanidade. É uma injustiça, portanto, que ela seja demasiadamente complexa e limitada aos que tem coragem de meter a cara a tapa e bancar o arqueólogo desenterrando conhecimento mundo afora. Pessoas do mundo todo merecem ter acesso a esta arte sem precisar passar por isso. Eis que com o passar dos anos uma luz se intensifica no fim do túnel!

135

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Na era da informação em que vivemos, qualquer nova habilidade ou conhecimento fica a um clique de distância basicamente. Não saber algo tornou-se uma condição temporária e facilmente reversível para as pessoas que quiserem.


Nós fomos identificando padrões no processo que usávamos em todas as nossas fotos e uma sequência de passos começou a emergir nas nossas cabeças. Eram passos que costumeiramente repetíamos ao fotografar e que muito frequentemente resultavam em fotografias sensacionais.

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Mais do que passos, é realmente um framework, uma estrutura guia para se manter em mente para que mantenhamos os pés no chão e o foco no objetivo, sem sairmos pela tangente e dispersarmos energia com coisas que não importam. Com isso, acreditamos ter identificado o processo por trás de fotos sensacionais. Um processo pelo qual nós mesmos gostaríamos de ter aprendido fotografia, na época. E é sobre esta abordagem diferente da fotografia que falaremos agora.

O Processo para Fotos Sensacionais E se nós falássemos para você que 100% das fotografias compartilhadas no caradafoto.com.br e no nosso portfólio oficial foram obtidas seguindo apenas cinco simples passos? Que após muita prática e sofrimento ao longo dos anos, conseguimos entender e mapear de forma simples o processo que gera a dita competência fotográfica necessária para fotografias memoráveis? Claro, cada passo pode ser um universo em si, porém, essa é uma abordagem diferente de tudo o que vimos até hoje e acreditamos que é uma ótima forma de simplificar as coisas. Nós chamamos esse processo de “Os Cinco Passos para Fotos Sensacionais do Cara da Foto”. São eles: enxergar, compor, configurar, capturar e pós-processar.

136


enxergar

processar

PASSOS PARA

FOTOS SENSACIONAIS

compor

CARA DA FOTO

configurar

capturar

Seguindo estes cinco passos que veremos na sequência, você nunca mais dependerá da sorte ou do acaso para capturar fotos que abram um sorriso no seu rosto e impacte outras pessoas. Você terá total domínio sobre o resultado final das suas capturas e fotos sensacionais naturalmente surgirão. Nós realmente acreditamos que este processo é a forma mais simples e eficaz de se garantir fotos muito melhores, todas as vezes. Não acreditamos em pílulas mágicas de conhecimento, mas sim, em atalhos.

137

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

5


Passo 1 — Enxergar O primeiro passo para fotografias sensacionais começa muito antes de você segurar sua câmera em mãos, mas sim usando a melhor lente conhecida: seus olhos.

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Mais do que meramente olhar a cena que irá fotografar, no Passo 1 você precisa de fato enxergar tudo usando o que chamamos de “olho fotográfico”. Esse é um dos seus superpoderes enquanto fotógrafo. O olho fotográfico nos permite perceber a cena como um todo, prestando atenção em cada detalhe independente de quão minúsculo for. Nada é menosprezado! Para desenvolver ou exercitar o seu olho fotográfico, reserve alguns minutos antes de fotografar. Respire, olhe para os lados, esteja presente no momento, sinta todas as sensações e somente depois continue. Nesta pequena pausa seu cérebro fará uma leitura panorâmica do todo e além de guardar uma experiência mais vívida na sua memória, trará luz ao mundo dos detalhes — invisível para muitos — e nuanças do lugar. É durante esta pausa que você também decidirá que tipo de emoção quer passar com sua captura. Você vai ver que em qualquer lugar existem belezas escondidas que podem ser exploradas fotograficamente. Belezas que, infelizmente, a maioria das pessoas não enxerga devido ao ritmo frenético das nossas vidas modernas. Nós acreditamos que somente quando você começa a desenvolver esse olhar fotográfico, é que a arte acontece de verdade. É através desta visão aguçada que o processo artístico para fotos sensacionais realmente se inicia. Mas não se preocupe, essa é uma habilidade que fica cada vez mais natural para você com o tempo. Esteja presente no momento, aprecie tudo ao seu redor e deixe seu cérebro processar a cena no tempo dele. Isso gradativamente vai treinando seu olho fotográfico.

138


Agora indo além da questão de enxergar a cena, o Passo 1 é também o momento onde você planeja a sua foto. É o momento onde você decide o tipo de fotografia que vai capturar, o propósito do seu click. Será que você quer capturar um acontecimento específico, um momento congelado no tempo, uma emoção ou sensação, o movimento do vento na vegetação, ou etc. Fotografias planejadas, mesmo que segundos antes da captura, tendem a fazer mais sentido. Lembre-se: você não quer contar exclusivamente com a sorte.

Conhecemos fotógrafos que encaram cada fotografia como verdadeiros projetos, indo para lugares do globo exclusivamente durante uma determinada estação do ano para capturar algum efeito específico e passam dias para capturar uma única foto. Novamente, uma questão de preferência e filosofia pessoal. Agora, seja qual for o seu objetivo com a fotografia, seguir o Passo 1 do processo permite que você seja grato pelo simples fato de estar ali, presente. Permite também que sua mente perceba o que é especial em uma cena. Seu olho se tornará sua melhor câmera e você passará a viver de uma outra forma. Ou seja, enxergará sua vida com outros olhos. Lembre-se, é somente tendo este momento de presença e consciência que você poderá lançar uma âncora de memória, a qual poderá depois te remeter devolta àquele momento especial! Sem dar esse passo para trás e analisar a cena com esse olhar artístico, acreditamos não ser possível capturar fotos que façam sentido e impressionem.

139

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Esse planejamento pode ser tão simples quanto escanear a cena com seus olhos em busca de pontos de interesse, ou como se fosse um projeto, de fato, planejar a captura com uma certa antecedência.


Passo 2 — Compor Talvez o passo mais importante dos cinco e da fotografia como um todo: compor.

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

É aqui que a arte da composição fotográfica irá acontecer! Nós acreditamos que, muito mais do que pela qualidade técnica das fotos, os melhores fotógrafos se distinguem pelas suas composições fotográficas peculiares. Nós achamos que talvez esta seja a parte mais artística em si do processo fotográfico. Esse é um momento chave no processo todo onde a arte da fotografia realmente acontece e você coloca a sua marca nas fotos. Agora, enquanto este passo da composição é artístico e inerentemente não respeita necessariamente diretrizes fixas, ele ainda possui um embasamento científico. Algo que transcende a humanidade e nossa própria compreensão. Veja, por milênios a arte vem sendo expressada através de várias facetas, seja em pinturas, desenhos, arquitetura, design, música, escultura, matemática, monumentos e construções históricas. Em algum momento da história padrões e proporções foram identificados por trás de coisas que o ser humano naturalmente se identifica mais, que achamos mais harmônico e bonito. Ninguém sabe precisamente quando, como ou onde isso aconteceu, somente que foi há vários milhares de anos atrás. Hoje sabemos, inclusive, que a própria natureza e o universo funcionam respeitando alguns destes mesmos princípios. Como legado desta descoberta (ou digamos mapeamento de padrões), algumas regras e fórmulas vêm sendo passadas de geração em geração ao longo dos anos. Como a famosa Sequência Fibonacci e a Golden Ratio (Proporção Áurea) — intrinsecamente conectadas e que podem ser vistas até mesmo em antigas construções gregas e nas Pirâmides do Egito, que ninguém sabe exatamente a idade. Estas proporções são usadas há séculos por pintores famosos, como Leonardo da Vinci, etc.

140


Esses padrões e proporções são, portanto, reconhecidos por serem esteticamente agradáveis há bastante tempo. Agora limitando o foco desta conversa ao nosso universo da fotografia, se sabemos da existência de proporções naturalmente agradáveis, por que então não aplicá-las sempre que possível em tudo que criamos?

Mas veja, assim como é uma tarefa desafiadora ensinar alguém a assoviar ou andar de bicicleta pela primeira vez, por mais que você demonstre e explique intensivamente os passos, parece que não há alternativa, é somente experimentando e testando na prática que a pessoa conseguirá de fato aprender. Na composição, o mesmo acontece. Nos nossos cursos de fotografia mostramos tudo isso na prática, em campo, com exemplos diversos e tudo mais. Achamos que esta é realmente a melhor forma de ensinar, mas vamos fazer o possível para te passar uma boa ideia aqui nestas páginas. Se esta é a primeira vez que você fica sabendo da existência da Golden Ratio, isso pode transformar suas fotos para sempre, mas fique tranquilo. Vamos tentar simplificar a aplicação prática dela usando uma outra regra de composição bastante conhecida: a Regra dos Terços. Veja a comparação.

141

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

A Golden Ratio especificamente aplicada na composição fotográfica, é uma das regras mais exploradas pelos melhores fotógrafos do mundo, o que não deveria ser surpresa para ninguém que sabe do que acabamos de falar. Ela é também uma das nossas grandes preferidas pela incrível simplicidade e poder.


OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Regra dos Terços

Golden Ratio

Antes de tudo, imagine que esses retângulos representam a sua foto. Você pode notar que segundo a Regra dos Terços, o retângulo (ou sua foto) é dividido em nove partes iguais por duas linhas horizontais e duas verticais. Já na Golden Ratio isso não acontece, as mesmas linhas cruzam o quadrado em regiões diferentes — em função da proporção áurea. Além das divisões em posições diferentes, você talvez pôde ver que tem mais coisa acontecendo ali dentro do quadrado de baixo, não é? Algumas linhas a mais e também uma espiral. Isso acontece porque a Golden Ratio é mais completa e avançada. Costumamos dizer que a Regra dos Terços é uma mera tentativa de simplificação da Golden Ration. Bom, existem três principais formas de se aplicar a Golden Ratio na composição das suas fotos. São elas:

142


2. Quadrantes

3. Espiral

É importante mencionar que essas três formas se aplicam em qualquer orientação ou sentido (horizontal, vertical, invertido). Aplicando isso na prática uma forma de cada vez, começando pelas linhas e pontos de intersecção, para usar da Proporção Áurea na sua foto basta posicionar o(s) objeto(s) de interesse da sua foto sobre algumas das linhas verticais ou horizontais ou ainda sobre os quatro pontos onde elas se cruzam.

143

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

1. Linhas e pontos de intersecção


OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Lin has e pontos de intersecç ão

Outra forma de se usar é posicionando os elementos da sua foto segundo os quadrantes formados pelas mesmas linhas.

Quadrante s

A terceira e talvez mais avançada forma de se aplicar a Golden Ratio nas suas fotografias é através da espiral.

144


Esta espiral é fascinante e pode ser facilmente reconhecida também na natureza ao nosso redor: plantas podem crescer em padrões espirais (como o girassol), a concha dos caracóis, a espiral das galáxias, tornados e etc. Veja, então que não é ao acaso que posicionamos os elementos das nossas fotos da forma que posicionamos. Recomendamos que você também tente fazer isso daqui em diante, caso ainda não faça. Enquanto que na nossa opinião a Golden Ration é a “regra” mais poderosa que rege todas as outras, existem outras diretrizes úteis de se conhecer, como por exemplo as Linhas Guias (Leading Lines).

145

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

E spiral


OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

O cérebro humano é naturalmente programado para identificar e seguir caminhos. Talvez pela influência dos nossos primórdios onde caminhos eram sinônimo de comida, segurança e direção (riachos, trilha de animais, etc.), ou por qualquer que seja o outro motivo desconhecido. O fato é que caminhos sempre nos agradam e podem ser explorados fotograficamente para gerar imagens mais impactantes. Outra forma bastante poderosa de compor suas fotos é buscando a simetria, já que nós, seres humanos, somos verdadeiras máquinas de reconhecimento de padrões. Nosso cérebro constantemente busca padrões no dia a dia e sempre que identifica uma sequência ou padrão, existe o sentimento de harmonia (mesmo que talvez inconsciente). 146


Além de um padrão atual de beleza, a simetria existe por tudo e em tudo. Desde o corpo humano até o reflexo em um lago, árvores e construções.

Existem ainda várias outras como: Fechar o Frame, Contraste, Emoção, Movimento, Ponto de Vista, Iluminação e etc. No nosso Curso Master de Fotografia e Pós-processamento cobrimos também extensivamente composição fotográfica, inclusive as três regrinhas vistas acima (Golden Ratio, Linhas Guias e Simetria) e também outras que consideramos serem as mais poderosas. Tudo em vídeo e na prática ao longo das 25 horas totais de vídeo no curso. 147

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Estas foram apenas três das formas mais conhecidas de se aplicar regras e técnicas específicas no momento da composição fotográfica para se obter fotos mais impactantes e memoráveis. Certamente as mais famosas e usadas no mundo da fotografia.


Passo 3 — Configurar

TRIÂNGULO DA EXPOSIÇÃO os 3 p i l a res da fotog ra f i a r 1s

me no

4s

1/ 8s 1/

TE MP 0s O V DO EL 1/ 25 0s OB OCI 1/ 30 TU DA s RA DE DO R

DO

50

1/

s

FA TIA

10 00

1/ s 20 00 1/

ior ma

00 0s

1/ 4

maior

3200

1600

800

6

ISO

r no me 22 f/

12800 6400

O /2 OC 1 f EF f/1 O D /8 f IÇÃ .6 IBU f/5 TR RA A DIS f/4 TU GM ER RA AB IAF D

.8 f/2

DO

148

f/2

Nós os consideramos “pilares” pois eles funcionam como um triângulo, o triângulo da exposição. Eles são os seguintes: Abertura do Diafragma, Velocidade do Obturador e Sensibilidade do ISO.

ior

Depois de enxergar as nuanças da cena que estamos prestes a capturar, decidir o propósito e intenção da nossa captura, compor tudo de acordo, é preciso, agora, configurar na câmera o que chamamos de “os três pilares da fotografia”. É somente através da configuração deles que teremos o que chamamos de uma foto bem executada, ou seja, uma foto nítida, em foco, bem exposta, etc.

ma

Esta é a parte, digamos, mais técnica do processo de fotografia. Esta é a etapa onde traduzimos nossa intensão fotográfica em configurações de fato na câmera.

.4 f/1

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

É somente agora no Passo 3 que vamos nos preocupar com o equipamento fotográfico propriamente dito. Até então a arte da fotografia aconteceu somente através da nossa percepção sensorial.

400

QUALIDADE DA IMAGEM

200

100

menor


Uma coisa que gostaríamos que ficasse absolutamente clara desde já é que a configuração correta destes três pilares é chave para que a foto seja capturada do jeito que você quer. É de extrema importância que seja você o(a) responsável pelas configurações, e não a câmera. Algumas pessoas não conseguem os resultados que buscam justamente por isso.

Nós somos grandes defensores da ideia de que somente assumindo-se total controle sobre os três pilares da fotografia (Abertura do Diafragma, Velocidade do Obturador e Sensibilidade do ISO) é que se torna possível capturar uma foto do jeito que nós (e não a câmera) queremos capturar. Portanto, nunca recomendamos modos automáticos de captura, mas sim, o modo 100% manual ou os semimanuais disponíveis (AV, A, TV, S). Acreditamos que essa é a diferença entre sorte e competência. Agora, para configurá-los corretamente você precisa primeiro compreender como cada um funciona e também as relações de interdependência entre eles. Uma forma bastante fácil de se pegar as bases do assunto é a seguinte:

•• Abertura do Diafragma Imagine que o diafragma está para sua câmera assim como seus olhos estão para você. Ele é um mecanismo físico dentro da sua câmera que regula a entrada de luz. Assim como seus olhos, sob o seu comando, o diafragma pode estar bastante ou parcialmente aberto ou fechado.

149

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Agora, com a grande popularização da fotografia digital nos últimos anos e a crescente facilidade de acesso que temos a dispositivos que fotografem, o hábito da configuração manual tem perdido espaço para funções mais rápidas e automáticas. Apesar de isto ter trazido facilidade e agilidade ao processo de captura, não necessariamente quer dizer que traz melhores resultados.


OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

ABERTURA DO DIAFRAGMA

ol h o

d i a f ra g m a

Os efeitos práticos disso podem ser entendidos de duas simples formas. A primeira delas é através da quantidade de luz que chega até o sensor da sua câmera: quanto mais aberto estiver o diafragma, mais luz entrará e quanto mais fechado, menos luz. Já a outra, que é também uma importante característica vinculada ao diafragma, é o que chamamos de “distribuição de foco”, onde quanto maior for a abertura do diafragma, menor a distribuição de foco e quanto menor a abertura, maior a distribuição de foco nas fotos capturadas. Tecnicamente na sua câmera a abertura do diafragma é controlada pelo chamado f-stop (f), seguindo a seguinte lógica:

150


○○

f/1.2, f/1.4, f/1.8, f/2.8, f/3.5: são configurações onde o diafragma está bastante aberto.

○○

f/11, f/13, f/16, f/22, f/26: são configurações onde o diafragma está bastante fechado.

○○

f/7.1, f/8, f/9: são configurações onde o diafragma possui abertura média.

Perceba que o F é em formato de uma razão, ou seja, F no nominador e um número no denominador.

Então não se engane se por acaso sua câmera mostrar a configuração desse pilar somente através de números (1.2, 1.8, 11, 16) ou sem a barra de divisão (F1.2, F1.8, F11, F16). Quanto maior for o número que aparecer (como, por exemplo, 16, 18 ou 22), menor o “f” e, consequentemente a abertura do diafragma. Quanto menor o número (como por exemplo 1.2, 1.8, 2.8), maior o “f” e consequentemente a abertura do diafragma. Agora uma nota paralela, nas câmeras do tipo DSLR estes números estão vinculados à lente acoplada ao corpo da câmera, então é natural que você tenha variações diferentes de acordo com a lente que estiver usando no momento. Dito isso, um dos efeitos mais famosos que podemos obter através do controle desse pilar é a profundidade de campo (depth of field), onde conseguimos desfocar áreas específicas de nossa foto.

151

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Quanto maior o número no denominador, menor o resultado da fração, ou seja, menor abertura do diafragma. Por isso f/22 é uma abertura bem menor do diafragma do que um f/1.8, por exemplo.


OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

f/1.8 f/22

f/2.8 f/16

Este é um assunto que pode ser bastante técnico e longo, porém entendemos que a noção básica que vimos coloca você no trilho certo e permite que obtenha resultados práticos na hora. Entenda que a abertura do diafragma controla o tamanho da “fatia” de foco que passa por sua foto. Um f/1.8 (diafragma bem aberto), por exemplo, irá gerar uma fatia de foco muito fina, fazendo com que o resto da sua foto além do seu ponto de foco, fique bastante borrado (fora de foco). Agora, um f/22, por exemplo, (abertura bem pequena) irá gerar uma fatia de foco bem mais espessa, possibilitando que mais coisas fiquem em foco na sua foto. 152


Se essa é a primeira vez que você fica sabendo sobre o diafragma da sua câmera, não se assuste. Tudo fica muito natural com a prática, portanto pegue sua câmera e pratique mesmo dentro de casa tentando replicar as imagens de demonstração.

•• Velocidade do Obturador O segundo pilar da fotografia tem a ver com o que chamamos de “fatia do tempo”.

Se você os abrir e fechar logo na sequência, verá pouca coisa. A imagem que fica na sua cabeça será apenas uma pequena porção do que estava acontecendo. Se você abrir os olhos e demorar alguns segundos para fechar, conseguirá ver por mais tempo o que está acontecendo. A imagem na sua cabeça agora será mais completa, inclusive com o movimento das coisas. Faz sentido, não é? O mesmo acontece com a velocidade do obturador, onde quanto mais rápida a velocidade, menos tempo o sensor fica exposto e quanto mais lenta a velocidade, maior o tempo de exposição do sensor à cena para capturar a foto. Seguindo essa lógica, é aqui onde você controla a “fatia do tempo” capturada na sua foto, seja ela milésimos de segundo, segundos ou até mesmo horas. Logo, quanto maior a velocidade do obturador, menor a fatia do tempo e quanto menor a velocidade do obturador, maior a fatia do tempo. Na grande maioria das câmeras esta configuração da velocidade do obturador é feita também através de uma fração, onde divide-se 1 segundo por algum número. Por exemplo: ○○

1/1000, 1/2000, 1/4000: velocidades rápidas (menor fatia do tempo)

○○

1/10, 1/2, 1 segundo, 10 segundos: velocidades lentas (maior fatia do tempo)

○○

1/50, 1/125, 1/250: velocidades intermediárias

153

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Usando a analogia do olho de novo, imagine que agora com a velocidade do obturador você controle por quanto tempo seus olhos ficarão abertos.


OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Os efeitos práticos dessas configurações podem ser notados mais facilmente quando fotografamos locais que possuem algo em movimento, como, por exemplo, o mar, cachoeiras ou corredeiras.

1/125 4 segundos

1/500

1/4

Como nota paralela, é necessário lembrar-se que conforme a velocidade do obturador for sendo reduzida, mais desafiador será capturar uma foto nítida sem o uso de tripé devido à trepidação das nossas mãos. Recomendamos que faça seus testes em casa usando talvez uma torneira aberta com água corrente e veja os diferentes efeitos que velocidades diferentes proporcionam. 154


○○

Sensibilidade do ISO

O terceiro e último pilar da fotografia que precisamos configurar antes de fotografar é a sensibilidade do ISO. Aqui nós costumamos dizer que é onde você controla a qualidade de imagem da sua foto. Este é também, de longe, o mais simples dos pilares. Basicamente, quanto menor o ISO, maior a qualidade de imagem da sua foto e quanto maior o ISO, menor a qualidade de imagem da sua foto.

Tecnicamente na sua câmera a sensibilidade do ISO é configurada através de números que normalmente vão de 100 até 6400, onde quanto maior for o número, mais sensível o sensor da câmera fica à luz e menor a qualidade de imagem e vice-versa. →→ ISO100, ISO160, ISO200: sensor menos sensível; maior qualidade de imagem →→ ISO800, ISO1600, ISO3200: sensor mais sensível; menor qualidade de imagem

ISO100 ISO3200

155

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

A explicação e origens disso vêm da época quando ainda comprávamos filmes com uma sensibilidade de ISO específica para todas as “poses” disponíveis. Naquele tempo, quanto maior o ISO maior era a sensibilidade do filme à luz. Porém hoje em dia a nossa vida foi bastante simplificada nesse aspecto pela tecnologia e preferimos poupar você desta viagem no tempo.


Mantenha em mente que em fotos noturnas ou de baixa luminosidade as consequências de uma má configuração deste pilar são especialmente fortes. Como regra geral, recomendamos que você use o menor ISO possível, sempre.

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Agora, vale lembrar que quanto menor for o ISO, menos sensível ele será a luz, ou seja, mais lenta precisará ser a velocidade do obturador para que seja possível expor o sensor à luz pelo tempo necessário para uma perfeita exposição de luminosidade na sua foto. Isso pode ser um problema por exemplo em situações onde você não dispõe de um tripé e quer fazer uma foto nítida em um ambiente de baixa luminosidade. Se a velocidade do obturador for muito lenta, a foto ficará borrada. Então, em casos como esses, você precisaria sacrificar a qualidade da imagem aumentando o ISO para que consiga capturar uma cena em foco e sem tremer. Um ISO alto irá causar o que chamamos de “ruído na foto” que é exatamente o que vê no exemplo acima. É uma espécie de granularidade que irá prejudicar a qualidade e nitidez da sua foto. Agora veja, este foi apenas um apanhado geral sobre o triângulo da exposição e como cada um dos três pilares da fotografia podem ser entendidos separadamente. No entanto, é no manuseio conjunto deles que se obtém a exposição correta para as fotografias, já que qualquer alteração em um deles impacta os demais. Você precisa configurar sua câmera considerando os três ao mesmo tempo. Para treinar, recomendamos que pegue sua câmera agora mesmo, coloque no Modo Manual e faça seus próprios testes dentro e fora de casa experimentando com os parâmetros de exemplo aqui de cima e outros que desejar. No nosso Curso Master de Fotografia e Pós-processamento dedicamos também uma grande quantidade de tempo no assunto para que essa questão fique o mais clara, simples e natural possível através de aulas em vídeo e diferentes exemplos práticos.

156


Passo 4 — Capturar Dando continuidade no processo de captura seguindo os Cinco Passos para Fotografias Sensacionais do Cara da Foto, vem agora a etapa de capturar a foto.

Talvez você opte por usar um filtro de densidade neutra, filtro polarizador, disparador remoto, configurar um auto timer de 2 ou 10 segundos, auto bracketing, compensação de exposição (exposure compensation) ou ainda, um tripé. Esses são exemplos de coisas que entram no Passo 4 do processo após a configuração básica dos pilares. Nós gostamos bastante de usar principalmente três acessórios: tripé, filtro de densidade neutra e filtro polarizador. Principalmente porque estes são os únicos acessórios que não conseguimos replicar no pós-processamento depois, ou seja, eles são realmente úteis. O tripé, pela estabilidade e praticidade de manter uma mesma composição por bastante tempo mesmo durante o dia e os filtros de densidade neutra para fazer fotos de longa exposição (velocidade do obturador lenta) quando a iluminação ainda é abundante. É através deles também que conseguimos criar aquele efeito de véu de noiva em cachoeiras.

157

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Mais do que simplesmente pressionar o botão de captura, esse é o momento onde você regula quaisquer ou-

tras configurações finais da sua câmera que vão além dos três pilares da fotografia e decide por usar ou não de acessórios extras antes de fazer o click.


Agora veja, este quarto passo também varia de foto para foto e pode ser tão simples quanto apenas apertar o botão de captura da máquina, sim. Tudo depende do seu objetivo. Ainda, dependendo do que você fizer neste passo, como adicionar um filtro de densidade neutra, por exemplo, pode se fazer necessário voltar ao Passo 3 para ajustar as configurações para este filtro e depois voltar a este passo para capturar de fato a foto. OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

O fato é que tudo o que foi feito até o momento através dos Passos 1, 2, 3 e 4 antecede a foto em si. São etapas fundamentais no processo de captura de fotografias sensacionais, uma vez que agora temos plenas condições de prever o resultado que nos será exibido no visor da câmera após a captura.

Passo 5 — Processar Concluindo o nosso processo, vem agora a outra metade da laranja. O trabalho não está concluído sem essa importante etapa que sucede a captura da foto. De nada adianta enxergar a cena, compor, configurar, capturar e não pós-processar. É aqui no Passo 5 onde você valoriza a cena fotografada, corrige falhas e defeitos causados pelo equipamento, aproxima a foto das condições que viu com os olhos e usa da sua liberdade artística para dar a cara que quiser na foto. Acreditamos ser o seu papel enquanto fotógrafo pós-processar toda e qualquer foto que pretenda compartilhar com o mundo, pois somente assim fará jus ao momento capturado. Isso é o que acreditamos e incentivamos nossos alunos a fazer. Mas, infelizmente, esse assunto ainda é muito negligenciado no mundo da fotografia. Muitos “gurus” por aí não dão a devida atenção a esta crucial etapa do processo fotográfico e muitas vezes pulam por completo.

158


Novamente, nós do Cara da Foto entendemos que essa é uma questão de filosofia pessoal, porém acreditamos que mesmo hoje em dia as câmeras ainda não são tão boas quanto nossos olhos. Uma foto dificilmente sairá direto da câmera com a dinâmica de luz correta, contrastes e vibração das cores como seus olhos viram. Logo, na nossa opinião, uma foto não está finalizada até ser pós-processada.

Mas melhor do que falar, é demonstrar, não é? Já tem o ditado que diz que “uma imagem vale mais que mil palavras”. A primeira foi capturada na ilha de Santorini, na Grécia.

Uma foto obviamente escura e que escondia grande parte das belezas. Note que a quantidade de informação que ficaria no limbo sem o pós-processamento é muito grande.

159

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Além disso, é no pós-processamento também que você pode realmente se expressar e definir sua identidade artística. Existem fotógrafos que são experts em preto e branco, outros que amam cores bastante vibrantes, outros que preferem processamentos mais naturais, outros mais dramáticos, etc. Por isso chamamos o Passo 5 de outra metade da laranja, porque o que você fizer aqui pode resultar em uma foto bastante diferente da que saiu da câmera.


OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

O segundo exemplo é de uma foto capturada no Reflection Lake na Nova Zelândia.

Novamente uma foto que estava aquém do que poderia ser. Por mais cuidadoso que fomos no momento da captura, a câmera simplesmente não consegue expor corretamente toda essa variação de luminosidade. O Passo 5 é uma necessidade! A foto seguinte também foi capturada na Nova Zelândia, perto da cidade de Fox Glacier.

160


A foto original parece lavada, com cores opacas e sem contraste. Não condiz com a realidade. Inclusive, esta é uma característica muito comum em fotos de dias de muito sol. Agora neste outro exemplo, uma foto do Templo de Apolo - na Grécia.

No último exemplo, uma foto retratando o Monumento Natural El Morado, no Chile.

161

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Resultado típico quando se fotografa contra o sol ou céu iluminado. A câmera prioriza uma coisa ou a outra, ela não consegue expor corretamente o primeiro plano e o céu ao mesmo tempo. Note como o processamento mitiga isso e faz jus à beleza!


Pós-processada

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

in a l Orig

Versão artística

Este é um exemplo de pós-processamento artístico onde foi optado por injetar cores surreais resultando num clima dramático, o que gera curiosidade e também interpretações variadas na cabeça de quem olha. É através do pós-processamento que você consegue também individualizar ainda mais o seu trabalho. Por mais que alguém vá no mesmo lugar e capture uma foto de mesma composição e configurações, o resultado jamais será o mesmo quando você processa. As opções são infinitas e você merece ter total liberdade de fazer experimentos com as suas fotos.

162


Bem, esperamos que esses exemplos tenham passado a importância do quinto e último passo do processo para fotos sensacionais. Nós realmente acreditamos que as fotografias não estão finalizadas até serem pós-processadas. Hoje dia isso pode ser feito até mesmo nos celulares em questão de segundos, então não tem desculpa.

Com isso, encerramos os Cinco Passos para Fotografias Sensacionais do Cara da Foto. Seguindo-os você nunca mais dependerá de sorte ou do acaso para capturar fotos sensacionais. Ao invés, passará a ter total domínio sobre o resultado final através da competência fotográfica. Através deste processo vimos como o “olho fotográfico” nos permite estar presente e perceber cada detalhe da cena. Como a arte (e ciência) da composição nos passa formas de enquadrar as fotos de maneira harmônica e comprovadamente impactantes. Como a configuração dos três pilares da fotografia precisa ser feita manualmente e de acordo com o resultado desejado. Entendemos como alguns acessórios e configurações extras nos ajudam a obter resultados artísticos mais avançados e que de nada adianta fazer tudo isso se não pós-processarmos a foto antes de publicá-la. Este é, portanto, na nossa opinião, o mapa do tesouro. O processo para fotografias sensacionais.

163

OS CINCO PASSOS PARA FOTOS SENSACIONAIS

Inclusive, para nossas fotos de portfólio costumamos usar duas ferramentas bem comuns no panorama mundial dos fotógrafos: Adobe Lightroom e Adobe Photoshop. Recomendamos fortemente que inclua pelo menos uma delas no seu processo também. Nós não temos vínculo algum com a empresa responsável, porém você tem o direito de saber o que usamos.


Rodrigo Polesso

A Cachoeira Negra Localização | Svartifoss, Islândia. A Cachoeira Negra no círculo polar ártico. Dados Técnicos | Câmera: Canon 60D • Lente: Sigma 10-20mm f3.5 • Configurações: f/6.3 30seg. ISO 160


Como esta foto foi capturada? Islândia

Svartifoss

Eu e o Ricardo passamos umas duas semanas na Islândia para gravar nosso curso de Fotografia Ponta a Ponta e fizemos tudo de carro por lá. Realmente foi uma aventura, passamos por tempestades de vento, poeira, neve, etc... O mais emocionante foi ter visto o limpador de parabrisa ser totalmente ejetado do carro durante uma tempestade de neve. Não dava pra ver 5 metros na frente do carro... Bom, durante nossa viagem um dos pontos que estava no nosso itinerário era a Svartifoss, ou “cachoeira negra” na tradução do islandês. Estacionamos na beira da trilha e seguimos caminhando por uns 25 minutos até chegar nela. Ficamos impressionados realmente de ver como ela se parece com algo de outro mundo. É como se fosse uma cachoeira em um planeta longínquo... Essas pedras pretas cortadas de forma tão simétrica são muito curiosas. Nós ficamos um bom tempo neste lugar, explorando composições diferentes e tentando capturar a cena de várias formas. Fiquei feliz com o resultado. Em 2015 fizemos uma eleição das melhores fotos do ano e esta foto ficou em primeiro lugar no ranking, eleita pelo público. Nada mal!


Composição e Dicas específicas Depois de ter capturado algumas fotos com composições diferentes, resolvi tentar esta composição que você vê. O princípio dela é o seguinte, eu tentei ancorar a composição posicionando a queda d’água bem em cima da linha vertical da direita das proporções douradas de forma que assim pudéssemos ver a origem da queda, a queda da água em si, o pequeno lago formado e ainda a corredeira que se forma depois. Ainda, adicionalmente, eu queria capturar uma boa quantidade das rochas ao redor da cachoeira, que são de fato o que tornam este lugar tão interessante. No pós-processamento eu realcei as cores da água que eram maravilhosas, um azul límpido e com várias tonalidades e me certifiquei de não deixar nenhum cast de cor muito forte nas rochas pretas. No entanto, olhando a foto agora, eu vejo um cast púrpuro que poderia ter sido retirado, mas é um detalhe mais perfeccionista mesmo. Além disso eu me certifiquei de adicionar uma vinheta mais forte para tentar reduzir a falta de detalhes no pouco de céu que aparece na foto e, claro, para puxar os olhos das pessoas para o foco da foto que é a cachoeira e o caminho d’água. Dica Bônus: Um dos grandes objetivos de uma foto é conduzir os olhos das pessoas por ela. Lembre-se: os olhos das pessoas vão ser atraídos para a parte mais clara da foto, então utilize isso a seu favor para conduzir a ordem de visualização dos elementos nas suas fotos.

Noruega

Trondheim


Rodrigo Polesso

Retrato Ingunn Localização | Trondheim, Noruega. Dados Técnicos | Câmera: Canon 60D • Lente: Canon EF50mm f/1.8 II • Configurações: f/2.8 1/30 ISO 400


Como esta foto foi capturada? Eu morei três anos em Trondheim na Noruega que fica uns 500km ao norte da capital Oslo. A Noruega é um país incrivelmente lindo e com uma qualidade de vida muito elevada (aliás, tem o maior IDH do mundo por vários anos seguidos). No entanto, vamos dizer que o clima de lá não é exatamente tropical. Pela sua posição bem ao norte do globo e pela proximidade com o oceano atlântico, o clima é bastante instável, chovendo e nevando bastante e sendo meio fresquinho o ano inteiro, ou seja, não existe de fato um verão de verdade. Com sorte temos umas duas semanas de tempo quente e é por aí. Neste dia frio em particular era outono e minha namorada e eu estávamos indo para nossa sessão semanal de cinema. A caminho do cinema eu resolvi parar e já que tinha a minha câmera na mão, fazer uma foto dela. Agora, note que estou com a lente Canon 50mm F/1.8. Esta lente é fantástica e muito econômica. O F/1.8 significa um efeito borrado muito legal no fundo. Bom, pedi para ela parar por um momento, olhar direto para a câmera e esperar eu fazer a foto. Tive que esperar o vento dar uma folguinha e dei o click!

Composição e Dicas específicas Quando pensei em fazer a foto já sabia de algumas coisas: Eu queria preencher o frame da foto com o rosto dela, fazendo dele o foco óbvio da foto.

Queria um efeito borrado intenso no fundo. A ideia era passar o sentimento de frio com a foto. Para isso, setei minha abertura do diafragma para F/2.8 para ser um pouco mais fácil de se pegar o foco no lugar certo (mas ainda assim difícil com esta lente porque ela não tem estabilizador de imagem embutido). Ainda, precisei elevar o ISO para 400 para ter uma velocidade do obturador rápida o suficiente para conseguir fazer a foto sem tremer, ainda que quase lenta demais. Nestas horas vale sempre aquela dica de se prender a respiração antes de fazer a foto. Centralizei o rosto dela na foto, me certifiquei de pegar o foco no olho direito dela e capturei. Uma coisa importante é considerar a perfeita simetria em uma foto. Se a cabeça dela estivesse um pouquinho mais para um dos lados da foto, nosso olhos iriam identificar esta falha e isso quebraria a composição. Agora, no pós-processamento eu puxei uma cor fria (azulada) para passar o sentimento do outono nos países nórdicos. Fiquei bastante feliz com o resultado da foto e ao olhá-la também me remeto àquela tarde de domingo gélido antes de entrar no cinema. Ótima âncora de memória.


Ricardo Polesso

Cavalos Islandeses Localização | Arredores de Akureyri, Islândia. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Canon 18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/5.6 1/250 ISO 100


Como esta foto foi capturada? A Islândia é realmente um paraíso fotográfico adorado pelo mundo inteiro. Milhares de fotógrafos viajam para lá todos os anos em busca de uma aventura inesquecível pelo território mais alienígena desse nosso planeta. Cachoeiras, montanhas, lagos, campos, vulcões, vales… o potencial artístico dessa ilha é enorme. Você que escolhe!

Akureyri Islândia

Em 2010 quando eu e o Rodrigo estivemos lá pela primeira vez, encontramos pessoas de todas as nacionalidades. Inclusive, um casal canadense já de idade que estava fazendo sua terceira ou quarta viagem por ali. “Pelo menos uma vez para cada estação”, de acordo com o senhor. Tendo depois visto tudo em primeira mão, fica realmente fácil compreender o que ele quis dizer para nós. A ideia de voltar várias vezes, em estações diferentes, é muito tentadora. Nessa viagem que aconteceu no mês de abril e foi dedicada principalmente à gravação do nosso curso oficial de Fotografia Ponta a Ponta, podemos apreciar de tudo um pouco, seja auroras boreais, tempestades de neve, sol, chuva. Uma experiência e tanto! Bem, na manhã do dia desta foto estávamos dirigindo rumo à cachoeira Godafoss, próximo da cidade de Akureyri. Enquanto passávamos pelos vales e campos completamente cobertos de neve, eis que surge a oportunidade de capturar uma das coisas mais icônicas por lá: cavalos islandeses. Dourados, negros, brancos, marrons, com topete, sem topete, de chapinha, sem chapinha, faça sua escolha... Já tinha visto incontáveis fotos do tipo e estava na hora de eu fazer a minha também! Sem hesitar, paramos no acostamento e fomos tremendo de frio o mais perto que dava para ver se algo bom resultava daquele esforço.


Composição e Dicas específicas Quando os modelos da foto forem animais, a palavra-chave é: a paciência. Você precisa ser paciente e esperar o momento certo, não tem jeito. Animais vão ficar constantemente se mexendo de um lado para o outro, “entrando” e “saindo” de composição, logo o fotógrafo de maior paciência é o que volta para casa mais feliz. Outra coisa que você pode fazer também em situações assim é fotografar várias vezes e depois tentar pescar uma ou outra foto que te satisfaça, porém isso pode acabar exigindo ainda mais paciência. Eu acabei fazendo uma mescla desses dois estilos nesse caso. Assim que chegamos na cerca na beira da estrada todos os cavalos vieram conferir o que estava acontecendo. Bichos extremamente curiosos... Depois fui tentar isolar os cavalos que mais chamavam atenção e começar a clicar, testando composições e elementos diferentes no plano de fundo. Adicionalmente, aproveitei a iluminação quente e dourada que batia nos cavalos para contrastar com o azul gélido da neve aos fundos. Além do contraste interessante entre as cores naturalmente complementares, isso gera o sentimento de profundidade na foto.

Em uma cena assim eu tinha liberdade para focar em fotos close que isolassem os animais uns dos outros e também do enredo, ou fotos mais amplas que capturassem o todo. Como meu objetivo era fotografar a experiência completa de um cavalo islandês naquelas circunstâncias, decidi usar pouco zoom e enquadrar o máximo possível de elementos pertinentes. Dica Bônus: Em fotografias deste estilo usar aberturas de diafragma médias como f/5.6, f/7.1 e f/8 causam o que chamamos de desfoque artístico em função da profundidade do campo (depth of field). Apesar de separar o sujeito da foto do plano de fundo através da nitidez, preserva a maioria dos detalhes para que o lugar permaneca reconhecível.


Rodrigo Polesso

Gota de Orvalho Localização | Reykjavik, Islândia. Dados Técnicos | Câmera: Canon 60D • Lente: Canon EF100mm F/2.8L Macro IS USM • Configurações: f/5.6 1/125 ISO 200


Como esta foto foi capturada?

Islândia

Reykjavik

A Islândia é um daqueles países que todo amante de fotografia de natureza e paisagem precisa ir uma vez pelo menos, mas de preferência várias vezes, uma em cada estação. Eu e o Ricardo passamos pouco mais de duas semanas explorando essa ilha gélida no norte do oceano atlântico para gravar nosso curso de Fotografia Ponta a Ponta. Nós fomos em abril e ainda assim passamos por tempestades de neve, areia, ventos fortíssimos, etc. Porém, também vimos áreas verdes e uma natureza começando a brotar novamente. Andando pelos arredores da capital Reykjavik, estávamos ambos explorando um parque por lá e eu decidi colocar minha lente macro para tentar capturar o orvalho da manhã na vegetação. No caso eu estava munido de uma lente especificamente para fotos macro. Agora, quem já tirou fotos macro sabe que é um grande desafio. A fatia de foco é minúscula e isso significa que qualquer movimento da câmera ou do objeto da foto irá tirar completamente o foco dele. Isso significa que qualquer sopro de vento, por menor que seja, irá movimentar as folhas e você irá perder o foco que tão cuidadosamente ajustou. É ao se fazer fotos macro sem o uso de tripé que nós treinamos uma técnica valiosa de prender a respiração. É realmente um treino de paciência e estabilidade. Esta foto em questão eu tirei sem tripé e vou dizer que foi bastante difícil deixar o foco perfeito na gota de orvalho na ponta desta folhinha de pinheiro.


Eu dava uma respirada, segurava e tentava ficar estável como um robô.

Posicionei a gota perfeitamente na interseção inferior esquerda das linhas das proporções douradas e dei o clique.

Uma dica nessas horas é você ajustar o timer da câmera para fazer a foto 2 segundos depois de você pressionar o botão. Assim, o pressionar do dedo não irá esculhambar o foco e a composição.

Tive o cuidado também para posicionar a direção da folha meio que na diagonal, atravessando a foto. Isso porque, querendo ou não, a folha é uma linha guia que sai perfeitamente da diagonal superior direita da foto e leva os olhos das pessoas até a gota perfeitamente em foco na ponta. Acho que estes detalhes contam.

Logo, o que eu fiz foi compor, ajustar o foco, cuidadosamente apertar o botão para fazer a foto, segurar a respiração e ficar imóvel e finalmente esperar o “click”. Depois de algumas tentativas, eis que adorei o resultado. OBS.: E aqui não estamos nem considerando o fato de que para se fazer esta foto eu tive que tirar minha luvas de frio e pelo fato de as mãos ficarem paradas e altas segurando a câmera no meu olho, elas ficam gélidas e começam a literalmente doer de frio muito rápido.

Composição e Dicas específicas Em fotos macro em geral eu gosto de desfocar bastante o fundo e focar perfeitamente no alvo da foto, no objeto em destaque na mesma, que neste caso é a gota de orvalho. No entanto, se eu tivesse selecionado um f/2.8 na minha lente, eu estaria até hoje lá tentando pegar um foco perfeito sem tripé. Para mitigar esta dificuldade, eu selecionei um f/5.6 que ainda me dá um bokeh legal no fundo, pelo fato de a lente ser de 100mm e facilita bastante a captura.

Aqui, é muito importante enfatizar novamente a importância de se ter um foco perfeitamente nítido no objeto da foto. Isso vale para todo tipo de fotografia, mas, principalmente para macro. Dica Bônus: Use um tripé para fazer fotos macro e utilize a telinha atrás da câmera para pegar o foco perfeito no objeto. Utilizando os botões de zoom, você pode se certificar de que o foco está perfeito e estável antes de fazer a foto.


Ricardo Polesso

O Brotar da Vida Localização | Reykjavik, Islândia. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Canon 18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/5.6 1/250 ISO 100


Como esta foto foi capturada?

Islândia

Reykjavik

Nessa manhã de primavera na terra do gelo deixamos o carro um pouco de lado e decidimos explorar a capital Reykjavik um pouco a pé. Apesar de estar bastante frio e ter nevado no dia anterior, o amanhecer foi bonito e acabou inspirando uma caminhada turística. É sempre bom passear a pé também para podermos respirar do ar local e sentir na pele o que seria morar ali, mesmo que por alguns minutos somente. Agora, uma vantagem de se viajar para o hemisfério norte nos meses de abril e maio são as cores vivas da primavera imediatamente após o inverno. Essa é a estação do brotar da vida. A vegetação vai devagarinho voltando à vida, trazendo cores e o sentimento de conforto àquela paisagem branca e marrom. Também com isso em mente e fotografando ao meu lado, no mesmo lugar, estava o Rodrigo. Enquanto ele fotografava o orvalho, eu me interessei por um brotinho perdido no meio dos galhos secos. Gostei do contraste de cores e também da vida em si. Não tinha comigo nenhuma lente macro nesta viagem, ao contrário do Rodrigo, mas mesmo assim fui adiante e recriei o efeito usando aquilo que tinha em mãos.


Composição e Dicas específicas Acoplada à minha máquina naquela manhã, uma lente zoom kit de 18-135mm da Canon. Lente esta bastante comum e que costuma acompanhar vários modelos de câmeras como brinde. Mas não menos poderosas ou especiais, lentes assim dão plenas condições de fazermos capturas épicas e verdadeiramente sensacionais. Quando falamos em fotografia macro, duas coisas são cruciais: profundidade de campo e zoom/proximidade do sujeito da foto. Lentes macro costumam possibilitar que você chegue muito perto do que quer fotografar e também que consiga usar aberturas de diafragma bastante grandes para obter o efeito de desfoque (blur, depth of field). No entanto, é possível se replicar o efeito usando lentes simples seguindo esses três passos: chegar o mais próximo possível do objeto e capturar o foco correto, usar o zoom máximo disponível e usar a maior abertura de diafragma possível. No meu caso com esta lente, consegui me aproximar 45 centímetros do brotinho, usei 135mm na lente e configurei a abertura do diafragma de f/5.6. O resultado fica tão bom que muitas pessoas custam a acreditar que é tão simples assim.

Naturalmente lentes macro costumam permitir que você fotografe muito mais de perto, a nível microscópico, porém, para fotos close-up como esta qualquer lente kit é mais que suficiente no começo. Antes da captura da foto, optei por uma composição seguindo a golden ratio (proporções áureas) ao posicionar o brotinho sobre a linha de interesse vertical da direita e o galho na diagonal. Além da composição cuidadosamente escolhida, a foto também ganha impacto pelas poucas cores e o fato de elas naturalmente contrastarem entre si. Se eu não tivesse configurado uma abertura de diafragma tão grande quanto f/5.6, a vegetação do fundo ficaria menos borrada e mais perceptível na foto, o que certamente daria a elas mais atenção do que merecem. A foto perderia impacto. Dica Bônus: Quando você estiver fotografando cenas simples e com poucas cores, tente isolar o máximo possível dos elementos que roubem atenção ou distraiam. Se não no momento da captura, com uma vinheta no pós-processamento como fiz nessa foto.


Ricardo Polesso

Lago Espelhado Localização | Stryn, Noruega. Reflexos perfeitos no Loen Lake. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Sigma 10-20mm f/4-5.6 • Configurações: f/8 1/400 ISO 100


Como esta foto foi capturada? Quando decidi visitar a Noruega alguns anos atrás enquanto o Rodrigo ainda morava por lá, eu tinha algumas expectativas e imagens mentais do que esperar... Posso te dizer que cores, dias ensolarados e céu azul não era bem o que eu esperava. Imagine então a minha surpresa quando dei de cara com dias incrivelmente agradáveis, clima bom, céu azul e paisagens combinando cores de outono, primavera e de inverno logo no início de abril? Uau! Em alguns momentos eu me questionava se realmente sabia de alguma coisa certa sobre a Noruega... Bem, nos poucos dias que ficamos por lá antes de partir para a Islândia para gravar o nosso curso de Fotografia Ponta a Ponta, fizemos uma viagem de carro pela região sul saindo de Trondheim em direção a Bergen. Uma das paradas dessa viagem foi na cidade de Stryn, que ficava mais ou menos na metade do caminho. Cidadezinha muito pequena, mas de beleza privilegiada. Noruega

Poucos quilômetros do centro da cidade você vê o lago da foto em questão, o Loen Lake.

Composição e Dicas específicas Stryn

Idealmente nem eu nem o Rodrigo costumamos fotografar durante ou próximo do meio-dia devido à iluminação ser tipicamente muito forte e ruim para fotografia. Em horários assim de sol a pino um dos principais problemas são as sombras, que costumam ser fortes e definidas demais. Mas assim como toda moeda tem dois lados, fotografar debaixo de sol forte tem também uma grande vantagem. Principalmente em cenas com água...


O sol batendo diretamente de cima para baixo ultrapassa a água e ilumina intensamente o fundo do lago, riacho, corredeira, etc. Em qualquer outro momento do dia esse efeito jamais vai ser tão intenso e bonito.

horizontal usando uma lente superangular, garanti que a composição estava perfeita e cliquei.

E por (muita) sorte naquele dia também não tinha uma brisa se quer, o que deixou a superfície do Loen Lake perfeitamente imóvel e espelhada. Condições ideias para se fotografar explorando a técnica de composição da simetria.

Fotógrafos quando ficam de frente para uma paisagem como esta, tentam todas as possibilidades fotográficas e voltam para casa com o cartão de memória cheio.

Agora, em fotos assim onde a simetria é a principal âncora de composição, você precisa ter certeza de que a foto é, de fato, perfeitamente simétrica, com espaços iguais em todas as laterais. O nosso cérebro é especialista em identificar padrões, assim como a falta ou quebra deles. Então antes de mais nada comecei a olhar ao meu redor para ver de onde seria melhor fotografar para aproveitar aquelas condições, principalmente a visibilidade do fundo do lago. Para isso, quanto mais de cima melhor. Vi que há alguns metros de mim havia uma rocha grande em que eu poderia subir para testar composições e em cima dela chegar um pouco mais perto da água. Após algumas poucas fotos-teste cheguei em uma composição onde o lago cobria toda a parte inferior da minha foto refletindo a paisagem acima de forma simétrica e, adicionalmente, a água e as montanhas meio que apontam para o centro como se fossem linhas guias. Fiz testes orientando a câmera tanto na vertical quanto na horizontal, mas notei que seria um pecado não aproveitar o máximo aquela paisagem. Então logo de cara optei pelo modo

Essa é uma das minhas fotos favoritas e tenho certeza de que o Rodrigo deve ter capturado outra leva dele ali também.

Veja, você consegue imaginar a frustração que seria ter que explicar com palavras uma cena dessas caso nenhuma das suas fotos tenha saído legal? Impossível... Por isso que em momentos assim, caso você não esteja totalmente seguro, recomendo que fotografe muito e depois em casa escolha as suas preferidas para o pós-processamento. É melhor pecar pelo excesso do que lamentar a falta. Agora, infinitamente melhor que uma foto é estar presente no momento. Lembre-se de que quem vive por trás da lente tem dificuldade em reviver as emoções ao olhar as próprias fotos. Dica Bônus: Filtros polarizadores são comumente usados em cenas que tenham água para que a sua câmera consiga ver o fundo. No entanto, quando se tem uma iluminação tão intensa quanto esta e uma água perfeitamente parada, quase não se nota diferença prática usando ou não esses filtros, que na verdade são como óculos de sol antirreflexo para sua lente.


Rodrigo Polesso

Viagem de Carro pelos Fiordes Localização | Em algum lugar na região de Sor-trondelag, Noruega. Uma parada na beira da estrada para uma captura épica. Dados Técnicos | Câmera: Canon 60D • Lente: Canon EF-S18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/8 1/500 ISO 160


Como esta foto foi capturada? Antes de irmos para a Islândia gravar o curso de fotografia Ponta a Ponta, o Ricardo deu uma passada na Noruega onde eu estava morando. Decidimos fazer uma viagem de carro pelo centro e sudoeste do país para curtir um pouco da beleza incrível dos fiordes, montanhas e lagos que permeiam todo o território. Durante a viagem o que mais fizemos foi virar a cabeça para os lados o tempo inteiro admirando a incrível beleza natural do país. A Noruega realmente é abençoada neste sentido. Era primavera, então se tinha uma ótima combinação do verde e do resto da neve ainda sobre as montanhas. Em um dos trajetos de carro vimos de relance esta cena e paramos na hora para admirar melhor. Não deu outra, ficamos de boca aberta e obviamente que aproveitamos para fotografar. Noruega

Não é toda hora que você encontra tantos elementos incríveis em uma mesma foto, céu azul, montanhas com neve, grama verdinha, algumas casas e um lago perfeitamente reflexivo. Seria um crime não tirar vantagem daquele momento para eternizá-lo em uma foto.

Sor-trondelag

Depois de respirar conscientemente por algumas vezes e realmente sentir os pés no chão daquele lugar, seguimos em frente com a viagem.


Composição e Dicas específicas É difícil se escolher uma composição quando tantos elementos incríveis aparecem na mesma cena, não é verdade? O perigo é justamente este. Capturar uma foto ruim escolhendo uma composição que não irá fazer jus ao lugar. O que eu decidi fazer foi pegar as melhores partes de todos os elementos de mais impacto de uma forma harmônica e tentando organizá-los de acordo com as proporções douradas, sempre. Fechei o frame de forma a pegar a melhor parte da cordilheira, dando um zoom para maximizar o tamanho e imponência dela e cuidando para pegar uma boa porção do lago refletido. Como eu ainda queria pegar a casa vermelha que você vê no canto inferior da foto, precisei abrir o frame um pouco. Posicionei ela bem no canto para que seja realmente um detalhe que vem a agregar e não o foco da foto. Perceba que o horizonte em si está perto da linha superior horizontal das proporções douradas. Esta orientação, na minha opinião, possibilitou com que os outros elementos fechassem perfeitamente na composição.

Fiquei bastante feliz com a captura. Não precisei fazer muito no pós-processamento. Somente realcei as cores naturais que já estavam lá e o equilíbrio de luminosidade. Dica Bônus: Configure sua câmera para fazer fotos um pouco subexpostas ao invés de sobre-expostas. É muito mais fácil recuperar a luz, detalhes e cores em cenas subexpostas do que trazer de volta estes detalhes em partes superexpostas. Como a minha câmera tende a capturar fotos um pouco superexpostas quando deixo esta configuração no centro, tendo a sempre setar para -1 a compensação de exposição (exposure compensation).


Capítulo 7

UMA PALAVRA SOBRE POSSIBILIDADES


“O ponto inicial de toda conquista é o desejo.”

— Napoleon Hill

Hoje em dia, nesta era de possibilidades, não existe desculpa para se viver mais nenhum dia sequer fazendo o que não se gosta. Enquanto hoje vivemos na era mais frenética e ocupada da história da nossa espécie, também vivemos em uma era onde o poder que cada um de nós tem de fazer acontecer, moldar nossa realidade e construir a vida que queremos parece nunca ter sido tão grande. O que por muitas gerações foi entendido como a “penitência da vida” está muito rapidamente se transformando em o “milagre da vida” e as pessoas estão cada vez mais se dando conta disso. Uma metamorfose está acontecendo transformando as impressões de uma vida de deveres e obrigações, medos e opressões em uma vida de sonhos, possibilidades e liberdade.


As pessoas estão cada vez mais se dando conta de que o poder de decisão cabe a ninguém mais do que a nós mesmos. A era atual possibilita que cada um individualmente expresse e realize seu potencial como pessoa, como profissional, como artista, como sonhador, como parte integrante deste universo. Nós não só temos o direito, mas também o dever de sermos o melhor que podemos ser.

UMA PALAVRA SOBRE POSSIBILIDADES

É nosso dever sair dessa terra sendo uma pessoa, um ser, mais evoluído em todos os aspectos do que éramos quando chegamos. Nós temos o direito de crescer e nos aprimorar e isso nos dá liberdade de possibilidades. No entanto, nós também temos o dever de fazer isso acontecer e isso coloca uma pitada de responsabilidade e obrigação em tudo. Hoje, não tem porque se viver nem mais um dia sequer fazendo o que não se gosta. Agora, claro, não é somente de sonhos que vive o homem e nós também entendemos que tudo é mais fácil na teoria. Nada de valor vem sem esforço, não é verdade? No entanto, nós acreditamos fortemente que se você é capaz de sonhar algo e abrir um sorriso no rosto, você também é capaz de conquistar este sonho. Até porque seria uma baita injustiça da natureza fazer com que nós consigamos ter os mais inspiracionais sonhos possíveis sem nos dar reais possibilidades de realizá-los. Muitos acreditam que se você consegue sonhar, você consegue realizar e nós dois também somos devotos desta ideia. A pergunta que precisamos nos fazer agora é: estamos dispostos a “pagar o preço” para chegar lá? A arregaçar as mangas, fazer escolhas, abrir mão de muitas coisas e mudar o caminho em nome de um objetivo de vida, de um sonho? Agora, por que achamos que amantes e praticantes de fotografia estão um passo a frente neste sentido?

186


Bom, a arte da fotografia em si é intrinsecamente inspiracional. Fotografar significa sonhar, visualizar possibilidades, se apegar ao subjetivo, ter um senso emotivo mais aguçado, ter uma visão artística, uma ideia de possibilidades, um amor por liberdade e aversão ao quadrado, às normas, ao senso comum. Nós, você e todos que abraçam esta arte, somos especiais porque já condicionamos nossas mentes a enxergar além do tradicional, já damos espaço para nosso lado direito do cérebro, o lado artístico e subjetivo, dominar um pouco mais.

Quando decidimos seguir em um caminho diferente, notamos que todas as minúsculas conquistas do dia a dia começam a ter um efeito exponencial e não se delonga muito até percebermos que a direção que estamos seguindo começa também a se alterar de acordo e muitas coisas começam a misteriosamente se alinhar com nosso objetivo. No entanto, parece que o sucesso demanda provas de comprometimento e uma das coisas que mais observamos e que pessoas de sucesso têm em comum é: persistência. Persistência porque toda e qualquer vida de conquistas e sucessos é traçada com incontáveis buracos no caminho. Parece realmente que um dos ingredientes essenciais do sucesso é o fracasso. Não existe nenhuma pessoa de sucesso real no mundo que não concorde que a trajetória até lá foi semeada com pequenas e até grandes derrotas. Ao nosso ver, estas derrotas no caminho do sucesso nada mais são do que provas de comprometimento que a natureza nos impoe para se certificar que nós realmente queremos chegar onde queremos. Parece que, ironicamente, a natureza antes de permitir que realizemos nossos sonhos, realmente nos testa muito bem para saber se nós de fato queremos isso o bastante.

187

UMA PALAVRA SOBRE POSSIBILIDADES

Nós tendemos a superestimar o que podemos realizar dentro de um ano, mas por outro lado, tendemos a subestimar o que podemos conquistar em dez.


Agora, a única forma de passar no teste é seguir em frente e persistir mesmo de frente com os maiores buracos no caminho. Mesmo naqueles momentos onde não vemos nenhuma saída, onde todos parecem nos puxar para a direção oposta, se realmente acreditamos no nosso objetivo, no nosso propósito, nós precisamos persistir. Como o famoso ator americano Will Smith uma vez disse:

UMA PALAVRA SOBRE POSSIBILIDADES

“Se me colocarem para correr na esteira para competir com outra pessoa, ou eu ganho ou eu vou morrer tentando.”

Ao nosso ver, esta é a mentalidade do sucesso. Quando você tem clareza da vida que quer viver, das coisas que quer atingir e do seu propósito, você estará disposto a fazer absolutamente de tudo para chegar lá. Se você já chegou no ponto de dizer “ou eu conquisto o que eu quero ou vou morrer tentando”, você não aceita nenhum plano B, não aceita voltar atrás, já botou abaixo todas as pontes, já queimou os navios, o único caminho é seguir em frente. Quando você vive com essa mentalidade, acreditando no seu propósito mais do que em qualquer outra coisa, estará provando ao universo, à natureza ou a qualquer coisa que você acredite, que é digno de receber o que procura.

188


É neste ponto que nasce uma pessoa de sucesso que será uma semente de influência no seu meio e influenciará outras pessoas a não abrirem mão de seus sonhos e objetivos. Se nós somos capazes de sonhar, somos capazes de realizar. O que definirá o sucesso nesta jornada é somente o tamanho da nossa vontade de chegar lá.

189

UMA PALAVRA SOBRE POSSIBILIDADES

“Confie em você mesmo. Crie o tipo de pessoa com a qual você ficará feliz de viver toda sua vida. Seja o melhor que pode ser transformando as pequenas brasas de possibilidades em chamas de conquistas.” — Golda Meir


Rodrigo Polesso

Vida Macro no Verão Nórdico Localização | Trondheim, Noruega. Dados Técnicos | Câmera: Canon 60D • Lente: Canon EF100mm f/2.8L Macro IS USM • Configurações: f/3.5 1/800 ISO 320

Noruega

Trondheim


Como esta foto foi capturada? Uma das grandes vantagens de se trabalhar de casa é a liberdade e flexibilidade que podemos ter no dia a dia e isso é ainda mais propício quando se vive no norte do mundo. Agora, uma coisa que aprendi bem nos três anos que morei na Noruega é que não se desperdiça um dia de sol, porque eles realmente não acontecem muito seguidos. O verão lá é bem ameno e bastante curto. Em Trondheim, que fica mais na metade do país, os verões são, digamos, ruins. São poucos dias de temperatura realmente agradável a ponto de se usar camiseta e shorts e menos dias ainda em que estas temperaturas acontecem junto com dias bonitos e ensolarados. O dia em que tirei esta foto era um destes raros dias ensolarados de temperatura confortável.

Fiquei uns 15 minutos ao redor de umas flores tentando capturar uma das abelhas em uma posição legal. Fotografia macro é um exercício de paciência realmente. O bacana é que agora eu olho pra esta foto e ela me remete automaticamente para aquela situação naquele dia ensolarado perto do círculo polar ártico. Não é por nada que falamos tanto que fotografias são como âncoras de memória, não é verdade?

Composição e Dicas específicas Bom, abelhas se mexem a toda hora e rapidamente. Este é um desafio por si só. Além disso, o vento bate e mexe as flores e quebra composições a cada segundo.

Eu me obriguei a sair de casa de bicicleta e com a câmera na mochila para aproveitar a raridade. Coloquei somente minha lente macro na câmera e fui.

Eu queria isolar nesta foto apenas uma das flores típicas e uma única abelha, então, realmente precisei ficar no mesmo lugar por muitos minutos até achar a oportunidade única para a foto.

A ideia era realmente capturar algumas flores no centro da cidade. Eu realmente acho que fotografia macro é um outro universo que se abre, com suas infinitas possibilidades e desafios particulares.

É por essa e outras que enfatizamos a necessidade de se ficar bastante confortável com o equipamento que tem em mãos, porque para algumas fotos você pode acabar tendo somente 1 ou 2 segundos para configurar e apertar o gatilho.

Encostei a bicicleta perto de alguns jardins no centro e comecei a explorar com a câmera. Notei que tinham bastante abelhas fazendo a festa na curta estação de fartura de pólen.

Quando vi que esta abelha sentou nesta flor em particular, piscou a luz de foto na minha mente!

Agora, eu estava sem meu tripé e queria fotografar macro. Essa é uma combinação perigosa, no entanto, possível. É só questão de aprender a ficar estático como um robô prendendo a respiração por alguns segundos.

Esta flor era perfeita porque estava meio isolada das outras e no fundo poderia pegar ainda outras cores de flores borradas. Esperei a abelha andar para cima um pouco na flor, correndo o risco de ela voar e ir embora.


Setei um ISO um pouco mais alto para poder conseguir uma velocidade rápida o suficiente para congelar a imagem. Além disso queria uma abertura do diafragma grande suficiente para borrar bastante o fundo, pegando somente a mistura de cores e não as definições de contornos. Foi por isso que acabei com as configurações dos três pilares que você vê acima. No final, fiquei contente com o resultado. Consegui pegar boa parte da abelha em foco e também da parte superior da flor. Uma das coisas que mais gostei é da aquarela de cores capturadas. Ah sim, tentei posicionar a abelha o mais próximo possível da intersecção superior esquerda das linhas da proporção dourada! Muita coisa acontecendo por trás de uma única foto, não é verdade? No mais, sou grato por ter saído de casa naquele dia para fotografar e posso vir aqui falar para você sobre esta captura.

Nova Zelândia

Wanaka


Rodrigo Polesso

A Árvore Mais Fotografada do Mundo Localização | Wanaka, Nova Zelândia. Dados Técnicos | Câmera: Canon 60D • Lente: Canon EF-S18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/11 1/10 ISO 160


Como esta foto foi capturada?

Composição e Dicas específicas

Durante a nossa viagem de van pela Nova Zelândia eu e o Ricardo paramos rapidamente na cidade de Wanaka, na Ilha Sul, antes de chegarmos ao destino final Queenstown onde teríamos um workshop com o Trey Ratcliff.

Tipicamente as pessoas compõem esta árvore da mesma forma, ela no meio ou mais na esquerda.

O propósito da parada era fotografar a árvore mais fotografada do mundo, segundo eles, que é a “lone tree” que você vê aí na foto. Wanaka é uma cidade muito bonita pela natureza que tem ao redor, realmente é de tirar o fôlego. Neste dia, nós acordamos dolorosamente cedo para chegar até a árvore antes do sol nascer, na esperança de capturar os primeiros raios da manhã iluminando a cena. Ao chegarmos lá, já havia outros fotógrafos, mas nós conseguimos cravar o tripé e pegar nosso lugar. Depois de andar para cá e para lá tentando composições diferentes, eu resolvi tirar meu tripé do lugar, já depois de o sol ter nascido no horizonte e caminhar para longe da árvore. Eu fiz isso para utilizar o zoom da minha lente para comprimir o fundo. Com isso, as montanhas que você vê ao fundo são trazidas “para frente” dando uma maior sensação de magnitude. Como era outono, você pode ver as lindas cores amareladas das folhas e já um pouco de neve no topo da montanha. Se tem uma coisa que todo fotógrafo de paisagem ama é ver montanha, lagos e árvores na mesma cena. Um prato cheio!

O que eu fiz foi realmente tentar algo novo que capturasse um pouco de cada elemento do lugar, as montanhas com neve em tamanho próximo do real, as árvores com folhas amarelas do outono, a água do lago e claro, a árvore principal. Depois de andar para longe um pouco e ter utilizado o zoom da lente para comprimir o fundo, comecei a encaixar as peças do quebra-cabeças da composição. Posicionei a árvore preenchendo ali a parte direita das proporções douradas, enquanto capturando a linha das outras árvores no fundo que apontam para a árvore principal, formando uma linha guia. Como eu estava com meu tripé, pude fazer uma foto um pouco mais lenta já que escolhi uma abertura do diafragma menor (f/11) para dar mais definição as montanhas do fundo. Fiquei feliz com o resultado e não precisei fazer muito no pós-processamento a não ser realçar as cores e contrastes. Dica Bônus: Sempre que você quiser dar mais impacto nas suas fotos maximizando o tamanho dos elementos do fundo, distancie-se dos elementos e utilize o zoom da sua lente, aumentando ele, para comprimir estes elementos. Este é um truque bacana!


Ricardo Polesso

Estrada para o Mount Cook Localização | Twizel, Nova Zelândia. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Canon 18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/9 1/100 ISO 100

Twizel

Nova Zelândia


Como esta foto foi capturada? Uma das minhas grandes alegrias dentro da fotografia é fotografar montanhas. Alguma coisa dentro de mim funciona diferente sempre que me deparo com estas majestosas obras-primas da natureza. Talvez seja pelo fato de eu custar a aceitar que tudo foi formado ao acaso com o passar das eras, supostamente pelo movimento das placas tectônicas, choques e impactos “aleatórios”. Não sei, eu simplesmente acho tudo isso perfeito demais para ser aleatório. Enfim, assim como cada um de nós é único de alguma forma ou de outra, eu vejo as montanhas da mesma maneira. Cada uma possui nuanças e características que as diferem das outras quando damos a devida atenção a estes detalhes. O meu papel através de fotos assim é justamente tentar capturar e passar adiante essa “personalidade” das montanhas que conheço. O mesmo aconteceu na tarde em que eu e o Rodrigo dirigíamos rumo ao Mount Cook, na Nova Zelândia. Esse é o maior pico do país, com o cume ficando há quase 4 mil metros de altitude. Contornado as águas azul vibrante do lago alpino Pukaki há poucos quilômetros da cidadezinha de Twizel, seus olhos são premiados com uma vista panorâmica dos Alpes do Sul, na qual o Mount Cook destaca-se soberanamente no centro. É uma jornada épica para se fazer de carro! Já havíamos estado ali no Lake Pukaki no dia anterior para gravar um módulo do nosso Curso Master de Fotografia e Pós-

-processamento, mas sob condições totalmente diferentes. O dia havia amanhecido com uma luz fantástica e tempo favorável. Desta vez seria o exato oposto. Apesar do que a crença popular possa dizer sobre tempo nublado, a verdade é que condições assim podem ser ainda melhores para a fotografia. A iluminação fica naturalmente difusa e o céu com nuvens com mais personalidade. Caso contrário, essas são condições que você jamais teria. Então se você acha que estávamos frustrados ou tristes, pense novamente. Não há tempo ruim na fotografia! Bem, assim que a estrada acabou de contornar o lago ela virou um longo corredor que sumia em direção a base do Mount Cook. Sem pensar duas vezes paramos a van no acostamento e descemos para apreciar a vista. A cor quente da vegetação queimada pelo frio contrastava com o azul celeste dos glaciais lá de cima. Uma oportunidade imperdível de fotografia.

Composição e Dicas específicas Em uma cena dessas você tem infinitas possibilidades de capturar fotos bonitas. Identifiquei logo de cara que poderia facilmente aplicar ali todas as regras e técnicas de composição que conheço, tamanha beleza do lugar. Os elementos, se isolados, são perfeitos para fotografia de detalhes e caso somados, para fotografias panorâmicas. O que eu costumo fazer em situações assim é olhar friamente para o todo e deixar meus olhos irem em direção ao que mais chamar atenção. Algumas vezes é algo simples no chão,


outras uma ave sobrevoando por cima ou ainda o movimento da vegetação...

Gosto tanto desta foto que hoje ela é um quadro de mais de dois metros na minha sala de estar.

Mas o que raramente acontece é meu olhos ficarem inertes. Isso para mim é meu corpo querendo sinalizar a oportunidade de fazer panoramas.

Todas as pessoas que me visitam ficam admirando de olhos esbugalhados. De vez em quando escuto de algumas delas: “Um dia quero ir aí também!”. E essa é uma das maiores conquistas que um fotógrafo de viagem e paisagem pode conseguir com suas fotos.

Respeitando meu instinto, fui para o centro da pista e comecei a configurar a câmera. Optei por não usar um tripé pela praticidade (essa é uma decisão que hoje tomo com mais facilidade pela minha experiência, mas recomendo fortemente que você use caso esteja começando). Em fotografias assim é essencial que o horizonte esteja o mais nivelado possível em toda a sequência de fotos (daí a importância do tripé) e que a iluminação permaneça igual. Você definitivamente não quer que a sua câmera decida as configurações e crie o panorama por você, portanto use sempre o Modo Manual ao invés dos modos automáticos ou pré-programados. Configure os três pilares até atingir a exposição correta e capture tantas fotos quanto achar necessário. No meu caso foram 12 resultando em um panorama de mais de 150 Megapixel. Como âncora de composição posicionei a estrada exatamente no centro como linha guia levando em direção a cordilheira ao fundo. Fazendo isso consegui também um resultado simétrico na parte inferior da foto.

Dica Bônus: Não use funções automáticas para fotografar panoramas, mas sim assuma completamente o controle sobre o resultado e faça tudo manualmente. Certifique-se de tentar capturar as fotos segurando a câmera verticalmente (modo retrato) e em cada foto tentar capturar pelo menos 50% do que capturou na foto anterior para que o processo de juntar todas depois no pós-processamento aconteça o melhor possível. Dica Bônus: Em panoramas lembre-se sempre de não deixar o balanço de branco no automático porque ele pode variar de foto para foto e o seu panorama ficar com tonalidades diferentes em algumas partes da imagem. Recomendo que faça algumas fotos de teste antes usando as opções que tiver até achar sua preferida.


Capítulo 8

CONCLUSÃO


Obrigado por seguir a jornada deste livro junto com a gente e ter chegado ao final. Esperamos sinceramente que tenhamos atingido o nosso grande objetivo de inspirar, surpreender, motivar e também ensinar você ao longo destas páginas. Agora, este ponto não é o fim, muito pelo contrário, este é somente o começo da sua jornada com a gente. A partir de agora queremos manter contato com você e continuar te ajudando da melhor maneira possível a evoluir ainda mais na sua prática de fotografia, fazendo de tudo para que você comece também a capturar as melhores fotos da sua vida até agora. Começando já neste momento, como presente nosso por ter nos acompanhando ao longo deste livro, nós queremos te mandar uma seleção especial de tutoriais que irão levar a qualidade das suas fotos para o próximo nível. Nestes tutoriais em vídeo, 100% na prática, vamos expor segredos, métodos e técnicas que desvendamos ao longo dos anos e que nós mesmos usamos para capturar fotos que nos fazem sorrir ao vê-las.


Para ter acesso imediato a estes tutoriais de presente, acesse agora mesmo: http://caradafoto.com.br/livro-brindes. Ainda, se você é uma daquelas pessoas que gosta de pegar atalhos de aprendizado e aprender o máximo possível no menor tempo, convidamos você a se inscrever no nosso curso mais completo, campeão de vendas, o Curso Master de Fotografia e Pós-Processamento do “Cara da Foto”.

CONCLUSÃO

Até onde sabemos este é o curso de fotografia mais prático e completo disponível no Brasil e o feedback que recebemos da nossa grande família de alunos é simplesmente fantástico. Por isso, se você quer fazer parte de algo sensacional e comprovado e começar em tempo recorde a capturar as melhores fotos da sua vida, convidamos você a ver o vídeo de apresentação do curso com todos os detalhes e garantir sua inscrição. Para isso, acesse agora: http://caradafoto.com.br/master. Esperamos que o que temos para compartilhar contigo a partir de agora realmente faça você amar ainda mais esta arte sensacional da fotografia e, melhor ainda, capturar cada vez mais fotos que deixem as pessoas sem ar de tanta admiração e você orgulhoso com um sorriso de realização no rosto.

200


Uma Pesquisa Interessante Perguntamos algumas coisas interessantes a todos os nossos alunos do Curso Master até então e recebemos centenas de respostas, veja abaixo: Quão importante a fotografia é na sua vida?

É apenas mais um hobby É um hobby importante, gosto muito

41.8%

É uma grande paixão que tenho Faço isso como profissão Faço como profissão e é minha paixão

42.9%

201

CONCLUSÃO

9.3%

Dos alunos, 90.7% disse que a fotografia é algo especial, uma grande paixão ou até profissão.


Se você pudesse estimar O QUANTO as fotos que você tira melhoraram depois de passar pelo Curso Master de Fotografia e Pós-processamento, quanto seria? 20.5%

Dos alunos, 60.4% disseram que suas fotos duplicaram, triplicaram ou mais que triplicaram em qualidade depois de fazer o Curso Master.

Não melhoraram em nada Melhoraram em 25% 14.2%

Melhoraram em 50% Duplicaram em qualidade

25.7%

Triplicaram em qualidade 11.2%

Mais que triplicaram na qualidade

CONCLUSÃO

23.1%

Impressionantes 94.8% dos alunos disseram que suas fotos melhoraram significativamente depois do Curso Master.

Você recomendaria o Curso Master de Fotografia e Pós-processamento para outras pessoas que querem melhorar na fotografia? Não recomendaria Recomendaria 63.4%

Recomendaria muito!

Absolutos 97.7% das pessoas disseram que recomendam ou recomendam muito o Curso Master para quem quer aprender fotografia!

34.3%

202


Estes números são incríveis. Agradecemos profundamente a todos os nossos milhares de alunos do fundo do nosso coração. Vocês são incríveis! Agora, se você quer fazer parte desta família também, veja esta apresentação: http://caradafoto.com.br/master. Bem vindo(a) ao começo de tudo, bem vindo(a) a família “Cara da Foto”.

Siga o “Cara da Foto” nas redes sociais: Facebook: https://www.facebook.com/caradafotooficial Youtube: http://youtube.com/caradafotooficial Página: http://caradafoto.com.br

203

CONCLUSÃO

Instagram: https://www.instagram.com/caradafotooficial


Ricardo Polesso

A Cidade dos Hobbits Localização | Hobbiton, Nova Zelândia. A Cidade dos Hobbits das trilogias Senhor dos Anéis e Hobbit. Dados Técnicos | Câmera: Canon 700D (T5i) • Lente: Canon 18-135mm f/3.5-5.6 IS • Configurações: f/11 1.6seg. ISO 100


Hobbiton

Como esta foto foi capturada? Nova Zelândia

Nos mais de 20 dias que eu e o Rodrigo passamos no país das maravilhas, digo, Nova Zelândia, cruzamos o território inteiro — desde a cidade de Auckland na ilha do Norte até Queenstown na ilha do Sul — abordo de uma vanzinha alugada. Uma casa móvel que nos acompanharia por mais de 2 mil quilômetros durante gelados dias e noites. Experiência maneira! O foco principal dessa viagem foi a gravação do nosso mais novo e completo curso oficial da época, o Curso Master de Fotografia e Pós-processamento, que quando finalizado teria mais de 100 aulas em 25 horas de vídeo. Apesar de todas as nossas energias estarem direcionadas a isso conseguimos aproveitar também a visita para conhecer alguns dos lugares mais incríveis do mundo e enriquecer nosso portfólio. Essa foto em particular foi capturada em Hobbiton que é a cidade fictícia dos Hobbits (o Shire) onde as trilogias Senhor dos Anéis e O Hobbit foram gravadas. Um lugar verdadeiramente mágico. Mesmo vários anos tendo se passado desde as gravações, tudo parece parado no tempo. Você pode visitar, tomar uma cerveja exclusiva e ainda fotografar o Shire como se o lugar existisse de verdade.


Agora o que mais chama atenção é o perfeccionismo do diretor Peter Jackson, que foi quem criou o lugar todo seguindo os livros. Os mínimos detalhes de cada coisa foram minuciosamente trabalhados e posicionados no respectivo lugar conforme instruções dele, dando vida ao set. É uma experiência única e inesquecível que recomendo fortemente a todos que tiverem oportunidade. Nós fomos sortudos e conseguimos encaixar um tour na parte da tarde, que apesar de cinzenta e fria acabou sendo perfeita para fotografar algumas das cenas mais icônicas de forma diferente.

Composição e Dicas específicas É preciso lembrar que por mais que o lugar todo seja sensacional, não há garantia alguma de que nossas fotos também sejam. A sua competência por trás da câmera, sim, garante. Dito isso, uma das principais características deste incrível lugar é a atmosfera mística e de fantasia retratada nos filmes. As construções são rústicas, porém delicadas. Muitas em quantidade, porém individualmente significativas. Nada é aleatório, tudo está ali para cumprir um propósito.

Minhas fotos precisavam contemplar estes aspectos todos que tornam aquele lugar mágico para todos que visitam. Uma tarefa desafiadora, mas factível seguindo principalmente os Passos 1 e 2 dos do processo de 5 Passos para Fotografias Sensacionais do Cara da Foto (enxergar, compor, configurar, capturar, pós-processar). Seria, portanto, principalmente através do meu olhar fotográfico e das técnicas de composição que conseguiria fotos que me orgulhassem e que impressionassem as pessoas que as virem. Eis que no final do dia depois de degustar a exclusiva cerveja de cortesia ali do condato, achei a cena premiada onde uma das minhas fotos favoritas seria capturada. Naquele momento as luzes já estavam acesas pelo horário e o sol se pondo por trás das nuvens, o que deu uma injeção de drama na paisagem. Me posicionei mais próximo do chão para compor o trapiche de madeira levando em direção à casinha e também buscando um reflexo simétrico na água. Com o tripé, decidi capturar tudo em longa exposição para suavisar a água e capturar a sensação de movimento do moinho.


Configurei na câmera todos os pilares da melhor forma que julguei no momento e dei o click. Gostei muito do resultado! É como se fosse um momento no tempo naquele mundo paralelo... Esta foto foi a sexta colocada na votação aberta que fizemos das melhores fotos de 2015 do Cara da Foto. OBS.: Para que as nuvens ficassem bem expostas e definidas na minha foto como os demais elementos, foram necessárias fotos adicionais com exposições diferentes através do auto bracketing. Depois, na etapa do pós-processamento, combinei em uma foto apenas todas as exposições corretas através de máscaras e modos de combinação (assim como ensinado passo a passo no Curso Master de Fotografia e Pós-processamento). Dica Bônus: Uma boa prática em cenas externas onde o céu aparece nas suas fotos, recomendo que tenha o hábito de fotografar pelo menos duas exposições: uma normalmente exposta e outra subexposta (mais escura, usando o exposure compensation negativo) pensando com antecedência na etapa de pós-processamento, quando você pode usar o céu da foto mais escura sobre a foto normalmente exposta.


FOTÓGRAFOS SÃO SUPER-HERÓIS


Apesar de respeitar muito o Stan Lee, criador dos famosos X-Men, nós acreditamos que ele errou profundamente ao não incluir um fotógrafo no lugar do Ciclope, convenhamos… Ele estava seguindo o fio de pensamento correto pensando no poder dos olhos, mas aí deve ter exagerado na cafeína e acabou criando um personagem que solta laser pelos olhos ao invés de um personagem que cria mundos com sua visão. Em outras palavras, um “Cara da Foto”, um fotógrafo! FOTÓGRAFOS SÃO SUPER-HERÓIS

Enfim, ninguém é perfeito, certo? Certo, seja você fotógrafo ou simplesmente entusiasta e amante de fotografia, veja abaixo que o que separa você de um super-herói é simplesmente a sua vontade de vestir a capa e sair voando!

As Cinco Razões Inegáveis do Por que Fotógrafos São Super-heróis 1. Fotógrafos Têm um Terceiro Olho (Uma Extensão de Consciência). Se você já pratica fotografia há um tempo (e é perceptivo), já deve ter notado que não é mais a mesma pessoa desde que começou. Você desenvolveu uma percepção estendida, aguçada, do mundo ao seu redor. Como fotógrafo, você tem um terceiro olho, uma consciência extra e independente que escaneia o mundo ao seu redor em busca de momentos e acontecimentos

210


peculiares e interessantes. Você enxerga muitas coisas ao seu redor que são invisíveis aos “reles mortais”. Este seu terceiro olho está sempre atento e pronto para sinalizar situações e emoções a serem eternizadas através de uma fotografia. Enquanto algumas pessoas andam pela vida feito zumbis em seus próprios túneis de visão limitada, você, fotógrafo, vive cada segundo mais intensamente e é capaz de perceber com clareza momentos únicos que se “escondem” em meio à mesmice do dia a dia normal.

FOTÓGRAFOS SÃO SUPER-HERÓIS

211


Este é, na nossa opinião, o seu primeiro e talvez mais poderoso superpoder. Enquanto a grande maioria das pessoas nem sabe da existência dessa habilidade de se ver e viver mais, você trilha um caminho de muito mais gratidão e satisfação!

FOTÓGRAFOS SÃO SUPER-HERÓIS

2. Fotógrafos Enxergam o Mundo em ULTRA HD Enquanto a maioria das pessoas precisa comprar TVs modernas ou ir a cinemas para ver um mundo em alta definição, você, fotógrafo, já possui este superpoder instalado em sua mente (muito melhor do que o Ciclope…). Fotógrafos aprenderam a turbinar uma grande qualidade e habilidade: a percepção! Munidos de seus três olhos e visão Ultra HD, fotógrafos andam pela vida percebendo o mundo ao redor em um nível muito além das pessoas normais. Como fotógrafo, você anda pela vida consciente e admirado com os detalhes da natureza, com as belezas escondidas nos seus detalhes e na sua grande magnitude. Seja a luz do nascer do sol iluminando o orvalho das flores no campo, as texturas complexas de um tronco de árvore na floresta, as feições das pessoas que caminham aceleradas em meio a suas rotinas de segunda-feira, um céu de pintura que complementa perfeitamente uma montanha ao fundo, o reflexo perfeito da paisagem no lago, seja um simples copo de café perfeitamente posicionado na mesa, etc. Você tem o poder de ver o que geralmente passa totalmente despercebido pela maioria das pessoas.

212


Cada um de nós compartilha o mesmo espaço de tempo nesta terra. Um segundo para nós e um segundo para você é o mesmo segundo para o resto do mundo. O que faz a diferença é o quão denso, emocionante e vívido é este segundo!

FOTÓGRAFOS SÃO SUPER-HERÓIS

Baseando-se nesta ideia, é justo dizer que fotógrafos também vivem MAIS! Afinal, é algo esperado de um super-herói…

213


3. Fotógrafos São Livres para Criar o Mundo que Bem Entenderem Fotografia é arte e apesar de alguns fotógrafos (ainda em maturação e desenvolvimento) acharem que todos deveriam seguir um conjunto de regras engessadas e pré-definidas, a sua fotografia só é limitada pelos limites que você impõe a si próprio.

FOTÓGRAFOS SÃO SUPER-HERÓIS

A sua fotografia só é limitada pelo poder da sua imaginação! Fotógrafos são livres para criarem e retratarem o mundo que quiserem, seja este um mundo real, fantástico, antigo ou moderno. A ideia da prática da fotografia tem um grande sentimento de liberdade atrelado e por uma boa razão. Você, como fotógrafo, vive em um mundo sem limites e sem regras que começa com você e sua câmera e se estende por tão longe quanto for sua visão. Assim como esperado de qualquer super-herói que se preze, você, fotógrafo, cria e transforma o mundo de acordo com a sua própria visão da realidade e absolutamente ninguém pode te julgar por isso (caso contrário você solta um laser na pessoa e pronto…)

214


4. Fotógrafos, assim Como Qualquer Super-herói, Inspiram as Pessoas e o Mundo Fotógrafos têm o incrível superpoder de capturar fatias de tempo e emoções em imagens que são eternas e transportam momentaneamente quem as ver para uma realidade remota, fantástica e sem limites. Suas fotos têm a habilidade de controlar as emoções das pessoas, fazendo-as sorrir, chorar, pensar, contemplar, relembrar, suspirar…

215

FOTÓGRAFOS SÃO SUPER-HERÓIS

Você, fotógrafo, tem a dádiva de inspirar as pessoas ao seu redor não só com suas fotos, mas também com o seu estilo de vida e maneira de ver o mundo.


FOTÓGRAFOS SÃO SUPER-HERÓIS

E isso tudo, claro, acaba inevitavelmente levando você ao quinto ponto abaixo…

216


5. Fotógrafos São Simplesmente Irresistíveis ao Sexo Oposto Claro! Naturalmente… Para o espaço com “piloto de avião”, “cirurgião plástico”, “ator de televisão”, etc… Um fotógrafo de qualidade pulveriza todos eles (não é meninas?). Seja você homem ou mulher, ninguém resiste ao estilo de vida e superpoderes de um fotógrafo (ou fotógrafa).

É por isso que você, fotógrafo, assim como qualquer super-herói de respeito, atrai olhares e é loucamente disputado pelo sexo oposto! Vida dura essa sua… Parabéns por ser o que você é, por compartilhar sua existência e ser uma semente de inspiração em um mundo com tanta carência disso! Fotógrafo! Avante e além! O que Fazer Agora? Certifique-se de incluir seu e-mail no www.caradafoto.com.br para que possamos continuar te mandando tutoriais e dicas a fim de melhorar cada vez mais a qualidade e impacto das fotos que você captura.

217

FOTÓGRAFOS SÃO SUPER-HERÓIS

Afinal, além de ter uma visão expandida da realidade, ser capaz de criar mundos, manipular emoções, capturar o tempo, inspirar as pessoas, ver o mundo em qualidade superior, você ainda fica supersexy com a câmera na mão! Aí, ninguém resiste mesmo!



Cq ocaradafoto baixa