Page 1

CINEMA & PSICANÁLISE

DEBATE SOBRE PATCH ADAMS EMOCIONA INOVAÇÃO NO CM

SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA

De olho no futuro

O presidente do Centro Médico de Franca, Dr. Júlio César Batista, põe em prática diversas ações para tornar o CM cada vez mais uma referência na cidade

ESPECIAL | FOTOS EXCLUSIVAS DOS EVENTOS DA SEMANA DO MÉDICO JANEIRO / 2016

1


Sumário REVISTA CENTRO MÉDICO

Sistema de Captação de Água Economia e sustentabilidade no CM P6

CAPACIDADE DE 55 MIL LITROS

VENHA PARA O CLUBE

ENTREVISTA: Júlio César B. Lucas ‘‘Substituir grandes médicos é uma honra” P8

CINEMA & PSICANÁLISE É SUCESSO

Centro Médico em ação Tudo que acontece no CM P12

SEMANA AGITADA NO CM

Semana do Médico Corrida, baile dos médicos e muito mais P16 Raio X Conheça o clube/sede do CM P20

2

JANEIRO / 2016

+

ALÉM DO CONSULTÓRIO O ginecologista Raul Hellu e a ultrassonografista Maria Célia Cossi revelam suas paixões P22


CENTRO MÉDICO DE FRANCA

Editorial O começo de uma nova etapa Quando assumi a presidência do Centro Médico, há um ano e 10 meses, ocupei o lugar que um dia foi de médicos reconhecidos em Franca e região. E, graças ao trabalho deles, a associação se tornou organizada e preparada para oferecer a vocês uma das mais belas sedes campestres do Estado. Temos piscina, campos de varias modalidades, pista de caminhada, salão de jogos e áreas com churrasqueira. Além disso, oferecemos aos médicos associados isenção da taxa de lixo, assessoria jurídica, palestras e aulas, salão de festas para 500 pessoas e um teatro climatizado com capacidade para 108 lugares. Agora, pretendemos investir muito mais. Em 2014, devido à falta de chuva e à acentuada crise hídrica do estado de São Paulo, a nova diretoria investiu em um sistema de captação de água da chuva que se provou um sucesso. Para nosso futuro, a atual diretoria possui um desejo. Mas, para colocá-lo em prática, precisa da ajuda de todos os associados. Nós, médicos, precisamos frequentar mais o clube. Toda a estrutura e as atividades desempenhadas no Centro Médico são pensadas para atender aos profissionais de Franca. Nosso objetivo é atrair mais e mais associados para usufruir de tudo que possuímos. Foi por isso que resolvemos investir e dar início a essa revista. Mais que uma publicação, o objetivo é que ela se torne um elo de ligação entre todos nós, profissionais, associados e também com toda a comunidade. Para mostrar como, unidos, fazemos muito mais pela nossa associação e, consequentemente, para a nossa família e região. Aqui, vamos noticiar o que acontece no clube, publicar artigos, falar um pouco sobre curiosidades dos associados, entre outros temas. Expondo assuntos de alto interesse para a classe e, claro, para os nossos pacientes e amigos. Conto com vocês.

Presidente: Dr. Júlio César Batista Lucas Vice-Pres.: Dr. Carlos Augusto Mantovani 1° Secretário: Dr. Belini Coli Rodrigues 2ª Secretário: Dr. Marco Antônio Benedetti Filho 1º Tesoureiro: Dr. Carlos Eduardo Martins Barcelos 2º Tesoureira: Drª. Gislaine F. Ferreira Almeida Dir. Def. Profissional: Dr. Marco Aurélio Piacesi Dir. Cultural/Científico: Drª. Aniette Renom Espineira Diretor Social: Dr. Flávio Gaspar Flávio Deleg. Ass. Apm: Dr. Ricardo de Oliveira Bessa CONSELHO FISCAL:

Efetivo: Dr. José Tarcisio De Andrade Merlino Dr. Ulisses Marquez Gianechini Dr. Euripedes José Florentino Motta Suplente: Dr. Marcelo de Paula Lima Dr. Mauro Terão Dr. Marcos Gomes Figueira DIRETORES AUXILIARES: Patrimônio: Dr. Luis Fernando Calixto Comun. Social: Drª. Ana Paula F. Engler Goulart Esportes: Dr. Ciro Macedo Camarota Dir. Desg: Dr. Antônio Roberto R. Carmo

REVISTA CENTRO MÉDICO

Júlio César Batista Lucas Presidente

Av. Eliza Verzola Gosuen, 3103. Tel.: (16) 3713 8823 JANEIRO / 2016

3


4

JANEIRO / 2016


ARTIGO ANIETTE RENOM Medicina Baseada em Evidências: como explicar para o paciente? SERÁ QUE NOSSOS PACIENTES TÊM A NOÇÃO DE QUE POR TRÁS DE DECISÕES APARENTEMENTE SIMPLES EXISTEM ANOS DE ACÚMULO DE RESULTADOS Há alguns dias recebi uma sugestão da Denise, jornalista da Crazz, a quem, dito seja, parabenizo pelo trabalho realizado neste primeiro número da Revista. A sugestão era a de escrever algum artigo. Senti o compromisso de fazê-lo já que este projeto fora tão sonhado, tão imaginado por todos há meses. Imediatamente me perguntei o que escrever, a quem dirigir o artigo, aos meus colegas, aos nossos pacientes, à população geral, a todos? A resposta apareceu igualmente veloz: tem que ser uma mensagem a todos. E foi assim que comecei a pensar no dia a dia do médico, nos desafios, nas alegrias, nas dificuldades, nos medos comuns a todos, nos elementos que norteiam a tomada de decisões que se amontoam uma atrás das outras no cotidiano. Será que o paciente sabe disso, perguntei-me. Lembrei-me então de quão importante é explicar ao paciente e aos seus familiares o porquê dos seus sintomas, a origem da desordem que o acomete e de onde nascem as decisões que tomamos em relação ao seu tratamento. Imaginei o que deve sentir o paciente quando sai do consultório sem entender por que aconteceu aquele transtorno do qual adoece e como ele deve se fazer perguntas em relação ao tratamento proposto, dentre essas perguntas, com certeza: estará meu médico certo, será que não existe alguma alternativa melhor? Neste contexto me pareceu produtivo mencionar que atualmente, na Educação Médica no mundo todo, não se discute mais a importância da prática médica ser baseada no melhor nível de evidência científica existente. A Medicina Baseada em Evidências (MBE) é hoje uma exigência das mais sérias Universidades,

Centros de Pesquisa, Organização Mundial da Saúde e entidades reguladoras de governos em todos os países. No Brasil, a Associação Médica Brasileira, o Conselho Federal de Medicina e a Associação Paulista de Medicina estabeleceram parâmetros para a prática da MBE científicas, defendendo o seu compromisso com a ética médica. A MBE não nega o valor da experiência pessoal e nem das condutas baseadas em teorias fisiopatológicas, mas propõe que estas sejam testadas, validadas e alicerçadas. Por muito coerente que uma intervenção possa parecer do ponto de vista fisiopatológico, esta coerência não é suficiente, ela precisa ser provada. A MBE é definida como o elo entre a boa pesquisa científica e a prática clínica. Quando abordamos o tratamento e falamos de evidências, referimo-nos a efetividade, eficácia e segurança comprovadas. Será que os nossos pacientes sabem disso? Será que eles têm a noção de que por trás de decisões tão aparentemente simples como observar e não intervir, a escolha de uma medicação ou a combinação de mais de uma droga, existem anos de acúmulo de resultados de estudos observacionais, de caso-controle, trials clínicos e até metanálises? Ou será que nós temos o dever e obrigação de informá-los, levando com isso segurança e confiança no tratamento delineado? Na minha prática diária como endocrinologista, cada dia com mais frequência me deparo com pacientes em uso de reposição hormonal sem ter deficiência endócrina comprovada, em uso (ingênuo ou deliberado) dos chamados hormônios bioidênticos, com promessas de prevenção

de envelhecimento ou suposta melhora na qualidade de vida. O uso de reposição hormonal em indivíduos não deficientes, o uso de anabolizantes com fins de hipertrofia de massa muscular por razões estéticas ou esportivas, o uso irresponsável de suplementos proteicos em academias, assim como de medicações para emagrecer manipuladas sem controle pelos órgãos de vigilância sanitária, sem rótulos, sem identificação, são práticas eticamente questionáveis e sem fundamento científico. Ditas práticas, no melhor dos cenários possíveis, não aportam absolutamente nada ao paciente, a não ser custo financeiro e perda de tempo. No pior dos cenários, tais intervenções levam a efeitos colaterais desastrosos que podem culminar em óbito. Revisões da literatura médica baseadas em estudos randomizados, controlados têm alertado para o benefício de uma efetiva comunicação médico-paciente. Por outro lado, os pacientes vêm se informando cada vez mais (mas nem sempre da maneira adequada e nem de fontes confiáveis) e querem participar mais das decisões. Distinguir o verdadeiro do falso pode ser uma tarefa muito difícil, particularmente na área da Medicina e a história demonstra que algumas verdades absolutas que regeram atitudes médicas durante décadas, foram posteriormente desaprovadas e revogadas. Entretanto, prometer o que não se conhece comprovadamente é um desrespeito ao ser humano. Nesta perspectiva, acredito que a melhor decisão a tomar seja ainda a conversa franca, diáfana, respondendo claramente as perguntas para as quais há respostas e aceitando com humildade a nossa limitação em não responder outras, fornecendo os dados da literatura de forma simples e individualizada. Em não poucos casos, a melhor das intervenções continua sendo o diálogo com o paciente e a explicação exaustiva, mesmo quando leve implícito seu visível desapontamento, no final das contas nem tudo é e nem nunca será perfeito, fundamentalmente, em se tratando de natureza humana.

Dra. Aniette Renom, médica endocrinologista e Metabologista. Seu consultório fica na Rua Marechal Deodoro, 2233, Centro. Tel (16) 3721-5151 JANEIRO / 2016

5


Sistema de captação de água é mais que economia CENTRO MÉDICO INOVA E CONSTRÓI SISTEMA QUE ECONOMIZA ÁGUA E FAZ MUITO BEM AO MEIO AMBIENTE. SUSTENTABILIDADE E AUTOSUFICIÊNCIA 6

JANEIRO / 2016

55 mil litros de água - o suficiente para atender até 292 pessoas (em SP, em média, uma pessoa consome 188 litros de água por dia). Essa é a capacidade do sistema de captação de água do clube do Centro Médico de Franca. A ideia veio de uma experiência pessoal do presidente da associação, Dr. Júlio César, quando, há 10 anos, resolveu criar um sistema de captação de água da chuva em sua própria casa. Naquela época, a iniciativa foi vista com desconfiança por amigos. Mas, em pouco tempo, tudo mudou. E como mudou. No início de 2014, o sudoeste brasileiro sofreu uma das piores secas do século. A maioria dos rios do estado de São Paulo atingiu níveis críticos e alguns simplesmente de-


10

mil litros Podem ser armazenados em um reservatório subterrâneo que recebe a água que escorre das calhas e depois distribui aos galões

3

galões Estão instalados na área externa do Clube com capacidade de 15 mil litros cada. São eles que armazenam a água da chuva até que ela precise ser utilizada

sapareceram. Em Minas Gerais, o famoso “Rio Grande” que abrange toda extensão sul do estado atingiu níveis jamais vistos. Ranchos antes banhados pela água, viraram um verdadeiro deserto. Na região, a represa que banha Delfinópolis (MG) e os ranchos de Peixoto praticamente secaram. Felizmente, Franca não sofreu tanto com toda essa crise, mas a conscientização passou a ser regra em toda a região. Como o assunto foi muito pautado nas mídias, estava afetando toda a população e Dr. Júlio tinha conhecimento experimental e técnico sobre captação de água, resolveu investir e aplicar o projeto no clube/ sede do Centro Médico.

COMO FUNCIONA A água que cai nas calhas escorre por um encanamento até um reservatório subterrâneo com capacidade para 10 mil litros de água. Quando cheio, uma bomba sapo é acionada e transfere essa água para outros 3 reservatórios externos, que ficam na entrada do clube, cada um com capacidade de 15 mil litros de água. No total, o sistema pode captar 55 mil litros de água (veja em infográfico acima). Para se ter ideia, um caminhão pipa carrega cerca de 20 mil litros de água. Como não existe um sistema de tratamento, e o clube exige muita

água por conta de seu paisagismo e da manutenção de seus salões, a água captada é usada para limpeza das áreas sociais e para manter os belos jardins do local. Dr. Júlio garante que houve economia e que nunca mais faltou água. “Nas últimas semanas de setembro choveu o bastante para encher o reservatório e isso é ótimo. Já economizamos muito dinheiro com água, e ajudamos de forma efetiva o ambiente”, contou. Agora o presidente, que carrega a vontade de um clube autossuficiente, quer investir em placas fotovoltaicas. A tecnologia, basicamente, capta energia solar e a transforma, através de um sistema hidráulico, em eletricidade. Além de gerar energia para todo complexo, se sobrar, essa energia pode ser vendida para as companhias de distribuição elétrica, como a CPFL, gerando recursos para a associação. São inovações como essa que transformam o Centro Médico em referência regional para outras associações e empresas. Economizando, gerando renda e ainda dando um grande passo para ajudar o planeta. Quer saber mais? Visite o Centro Médico, fica na rodovia Franca - Claraval, KM 2. JANEIRO / 2016

7


ENTREVISTA JÚLIO CÉSAR B. LUCAS

Centro Médico: de olho no futuro DIRETORIA FOCA EM MELHORIAS E PROGRAMA SÉRIE DE OBRAS E ATIVIDADES PARA OS PRÓXIMOS MESES

A

tual presidente quer unir mais os médicos e suas famílias, e garante que o maior objetivo da associação é trazer paz e tranquilidade a classe.

Endocrinologista, diabético, maratonista, ciclista e palmeirense roxo, o atual presidente do Centro Médico de Franca, doutor Júlio César Batista Lucas concedeu uma entrevista à nova Revista do Centro Médico na sede da associação. Revista Centro Médico - Todas as diretorias que administraram o CM fizeram algo marcante para o clube. O senhor carrega esse desafio? Dr. Júlio César Batista Lucas - Todos os presidentes que me antecederam criaram algo que deixou sua marca. O Dr. Ricardo Bessa criou o teatro, a Dra. Vera Pontes arrumou o salão de festa, o Dr. Neto aqueceu a piscina. Então sempre que se troca a diretoria parece que existe esse desafio de criar alguma coisa diferente e, olha, eu não tenho esse pensamento imediato. Mas, quando você assume a presidência, percebe que tem algumas coisas que deixamos de diretoria para diretoria (como cercar o clu8

JANEIRO / 2016

be, que é o nosso próximo objetivo, já que o clube está praticamente em área urbana e a segurança pede por isso). A casa do nosso zelador estava sem reformar há muito tempo, não tinha forro e o chão era de cimento. Prometi para ele que iria arrumar e estamos arrumando. Além disso, quando eu assumi era naquela época da falta d’água aqui em São Paulo, aí eu comecei a pensar em como guardaríamos água, por que iríamos precisar. Usei de minha experiência pessoal, já que há 10 anos eu criei um modo de captar água da chuva na minha casa e, naquela época, que não existia essa grande preocupação sobre sustentabilidade, meus amigos me chamaram de louco. Só que agora, em períodos de seca, eu uso essa água para lavar o carro, aguar as plantas, lavar as áreas sociais lá de casa, entre outras coisas. Então, voltando ao assunto, quando eu assumi a diretoria, nós criamos um sistema aqui no Clube. Nas últimas chuvas,

SUBSTITUIR GRANDES MÉDICOS (NA PRESIDÊNCIA) É UMA GRANDE HONRA

Presidente Dr. Júlio, sobre o desafio de ser presidente do Centro Médico


Presidente em pose na piscina do clube do Centro Médico

por exemplo, captamos 55 mil litros de água. Esse sistema possibilita não só a economia de água, mas de energia elétrica também. A sustentabilidade, tanto econômica quanto ecológica, é muito importante, ainda mais nessa época de crise. Revista CM - Quais são os planos do senhor a curto prazo? Dr. Júlio - Nós também pretendemos trocar as lampadas do clube por LEDs, pois são bem mais econômicas, e tenho uma ideia, que ainda não foi pra frente, mas você sabe que existe uma nova perspetiva de criar energia através de placas fotovoltaicas. O custo é muito alto; Para famílias, não é muito viável, mas aqui no Centro Médico acho viável. Até por que gastamos, por conta desses aumentos, quase R$ 3 mil por mês com energia elétrica e esse sistema ainda pode gerar mais energia do que precisamos, assim podemos vender essa energia para as companhias de

distribuição elétrica. É uma ótima alternativa para economizar e ainda gerar renda. Revista CM - Quais são as principais atividades do Clube? Há alguma novidade? Dr. Júlio - As atividades que nós temos aqui são voltadas totalmente para os médicos e suas famílias. Temos quadras de futebol, o tênis que dá mais movimento, a pista de caminhada; na parte sociocultural, que é o teatro, temos cursos e o famoso Cinema & Psicanálise; na parte social oferecemos as nossas festas, o Dia das Mães, a Semana do Dia do Médico, o prata das casas, o baile do dia do médico. Esse é o segundo ano da corrida do dia do médico (leia mais a partir da página 16) . Além disso tem a parte científica, com as aulas de várias especialidades, como o congresso de gastro, de pediatria e as aulas esporádicas. Também oferecemos a defensoria médica aos associados.

EU SOU DIABÉTICO E USO BOMBA DE INFUSÃO DE INSULINA. COMO EU CORRIA, EXISTE UM PROGRAMA CHAMADO GLOBAL HEROES E, EM 2011, FUI O PRIMEIRO BRASILEIRO ESCOLHIDO PARA REPRESENTAR O PAÍS NESSA CORRIDA. ESSA FOI A COISA QUE MAIS ME MARCOU NOS ÚLTIMOS ANOS: COMO EU, UM AMADOR, CONSEGUI SAIR DE FRANCA E REPRESENTAR O PAÍS EM UMA CORRIDA PROFISSIONAL.

JANEIRO / 2016

9


A PESSOA MAIS IMPORTANTE NO ATENDIMENTO ÉO PACIENTE

A gente sabe que a judialização da medicina cresce cada dia mais e nos proteger disso custa caro, por isso mantemos esse departamento jurídico. Revista CM - E o senhor, participa das atividades oferecidas? Dr. Júlio - Eu participo da maioria dos eventos. A parte esportiva é difícil, mas eu venho nas aulas, nos congressos, nas festas, quando eu corro eu venho aqui para tomar uma água. Estou em Franca desde 97, e fiquei sócio do CM logo que cheguei. Nesse tempo todo não lembro de ter perdido nenhuma festa. Revista CM - Falando em festas e eventos no Centro Médico, como está o planejamento nessa área? Dr. Júlio - A minha maior preocupação é manter as festas boas, que nosso sócio venha, que ele goste e continue participando das próximas. Tivemos uma grata surpresa com o Carnaval do Centro Médico. Este foi o primeiro ano. A ideia foi do Dr. Flávio Tozati e o resultado foi melhor do que eu esperava. Contratamos um grupo de congada e foi um Carnaval legal, bem família. Foi ótimo. Esse ano, na Semana do Dia do Médico, continuamos com o “Pratas da Casa” e homenageamos médicos com mais de 50 anos de profissão

10

JANEIRO / 2016

que atuam em Franca - e são muitos, pode acreditar. O CRM é que ficou responsável por encontrá-los e convidá-los. É um evento do que eu queria muito fazer parte - quem sabe um dia vou ser homenageado com 50 anos de profissão (risos). Revista CM - Qual seu maior desejo para o Centro Médico? Dr. Júlio - Hoje existe uma situação: nós não vamos mais em clubes. Quando éramos crianças íamos no Clube dos Bagres, depois no Castelinho... Com o tempo fomos colocando piscina em casa, comprando ranchos e diminuímos muito as visitas aos clubes, em geral. Então, nós investimos bastante aqui. A pergunta que fica é: ‘do que adianta transformar o clube, deixar ele lindo e maravilhoso e ele não ser usado?’. Então meu desejo é esse, que os associados e suas famílias venham mais aqui e participem mais da rotina do clube. Revista CM - O que representa ser presidente do CM? Dr. Júlio - Quanto a isso, o que isso representa, você pode ir ali fora e ver o quadro dos antigos presidentes. Lá estão o Dr. Ismael Alonso Y Alonso, Dr. Peixe, o Dr. Ricardo Bessa, o Dr. Conrado, todos grandes médicos, grandes pessoas. Olha o

Dr. Alonso, que foi até prefeito de Franca. Substituir essas pessoas é uma grande honra e espero sair daqui e deixar o Centro Médico, pelo menos, um pouco melhor. Revista CM - E qual a importância do CM para a classe? Dr. Júlio - A grande importância dessa associação é unir os médicos e suas famílias, por que nossa profissão nos torna tão distantes que nos encontramos muito pouco. O CM é um local para relaxar. O clube faz parte da nossa vida como o local para descansar a cabeça. Revista CM - Quanto à equipe do Centro Médico, quem são eles e qual a importância deles para a associação? Dr. Júlio - Temos na portaria o William, o Sr. Ademir, os zeladores, Silvano e a Joana, os filhos deles, o Payk e a Pyetra, que não são funcionários do clube mas moram aqui e fazem parte da rotina. Temos a Marilda, que é uma das secretárias, a Luciana, do Sindicato dos Médicos, e temos a Heloisa, que sem dúvida é o motor desse local. Se ela não existisse, nesse momento o clube passaria apertado. Ela sempre fala que vai se aposentar e fico preocupado com esse dia, mas vamos preparar a Marilda para substituir a Heloisa. Todos

Diábético, maratonista, médico e presidente do Centro Médico de


vão fazer muita falta, mas ela é uma pessoa extremamente competente, honesta e está aqui há mais de 20 anos. O Centro Médico é o que é por causa dos funcionários e um tanto por conta do esforço e da dedicação da Heloisa. Revista CM - Agora vamos falar um pouco sobre o senhor. Qual a sua origem? Dr. Júlio - Sou francano, tenho 48 anos e nunca quis ser outra coisa a não ser médico. Diz minha mãe que com 6 anos eu já falava que seria médico, era a minha sina. Estudei no Caetano Petraglia, depois fiz o colegial no Pestalozzi, fui para Uberlândia, me formei médico na UFU e fiz residência em endocrinologia no Hospital das Clinicas de Ribeirão Preto. Aí, no último ano de residência, me casei. Até então eu não tinha intenção de voltar pra Franca, achei que nunca voltaria, coisa de adolescente... Só que nas últimas semanas de residência, eu vim dar plantões no “Janjão” e eu já conhecia o Wagner Deocleciano Ribeiro, que é cirurgião pediatra e um dos donos do Hospital São Joaquim. Num desses plantões ele me convidou para trabalhar no São Joaquim, já que o hospital precisava e tinha interesse em um endocrinologista. Minha mu-

lher, nessa época, estava grávida e pensei que era hora de sossegar. Eu voltei, atendi um tempo dentro do hospital e depois abri um consultório ao lado do mesmo. Desde 1997 estou lá, mesmo depois da Unimed ter comprado o hospital em 2000, já que fui incorporado na compra. Além de médico do São Joaquim, trabalho no setor de qualidade do hospital, na UTI e sou especialista em terapia extensiva. Resumindo, já faz 18 anos que voltei pra casa. Minha esposa se chama Rosana e é design de interiores. Tenho 3 filhos, a minha mais velha está terminando o colegial, se chama Maria Clara e vai prestar vestibular para publicidade e propaganda. Revista CM - Algum dos seus filhos está mostrando sinais de que vai seguir seus passos? Dr. Júlio - Eu acho que os filhos atuais de médicos veem essa nossa correria, fazendo plantão, trabalhando sábado e domingo, etc, e isso espantou um pouco os meninos. Pelo menos a minha filha não quer, os outros dois pequenos até hoje não mostraram interesse, não senti neles essa vontade. Minha mãe era professora primária, meu pai era contador e não havia qualquer médico em minha família. En-

tão, só com tempo para descobrir (risos). Revista CM - Qual o maior pensamento do senhor sobre o trabalho médico? Dr. Júlio - Minha filosofia médica é: a pessoa mais importante no atendimento é o paciente. Temos que fazer de tudo para fazer o melhor por ele. O salário a gente discute antes ou depois do atendimento. Não é problema do paciente se aceitei infeliz as minhas condições de trabalho. A partir do momento em que o paciente senta em sua frente, você vai fazer o melhor por ele, independente se você está recebendo ou não. Se você vê alguém passando mal, independente ou não de receber, você tem que ajudar! Revista CM - O que o senhor gosta de fazer quando não está trabalhando. Tem algum hobby? Dr. Júlio - Eu gosto de correr. Já fiz várias provas esse ano, corri duas meia maratonas: A Golden Four e a Maratona no Rio. Também já participei da meia maratona da Disney, e corri a meia de Minneapolis. Aqui no Brasil corri praticamente todas, a do Rio, a de SP a de Ribeirão, a da Pampulha duas vezes. E eu gosto de andar de bicicleta também. (risos)

Franca, Dr. Júlio Cesar Batista Lucas tem a missão de dar continuidade ao trabalho de grandes nomes do CM

JANEIRO / 2016

11


CM EM AÇÃO

Muito além do cinema SESSÃO DE FILME E ANÁLISE PSICOLÓGICA ACONTECE HÁ MAIS DE 7 ANOS NO CLUBE E ATRAI PROFISSIONAIS DE DIVERSAS ÁREAS TODOS OS MESES Já na programação da associação há 7 anos, o Cinema & Psicanálise acontece, na maioria das vezes, no terceiro sábado do mês. Se revelou um sucesso já nas primeiras exibições em 2009, e hoje é o que mais ganha visitantes externos no Centro Médico. Fazendo uma releitura psicológica de filmes consagrados, o evento traz a tona detalhes antes não vistos e surpreende os apreciadores da sétima arte. Psicólogos, jornalistas e professores são os que mais lotam as cadeiras do teatro, e eles não abrem mão de chegar cedo e pegar um ótimo lugar. Na Semana do Médico de 2015, Silvana M. L. Andrade conduziu uma palestra e um debate sobre o filme “Patch Adams - O amor é contagioso”. O filme retrata a história de um médico que ajuda as pessoas usando o bom humor. Mais uma vez, uma experiência incrível para os convidados, e um motivo de orgulho para o Centro Médico. Participe você também, acompanhe a agenda no site www.centromedicodefranca. com.br e bom filme! 12

JANEIRO / 2016

Platéia atenta ao debate

As psicólogas Débora e Maria Luiza em discussão

As amigas e psicólogas Josiane, Ana Regina, Sônia, Ana Marcia, Silvana, Fátima e Debora


P PENARA SAR

Neonatal Curso de reanimação aconteceu em agosto de 2015, e foi aplicado pelas doutoras Iolanda Correia Braga Cancado e Rosalina Massako Yamawaki Murata, no Centro Médico. Residentes, novos e antigos médicos da região formaram a platéia.

Simpósio Cardiopulmonar Aconteceu dia 17 de outubro de 2015 palestras dos doutores Marcus Simões e Roberto Stirbulov, organizadas pela Regional Franca da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo. Dra. Soraya Sader Milani durante sua apresentação

Distúrbios de diferenciação sexual Dra. Soraya Sader Milani, MD, PhD, médica assistente do Serviço de Endocrinologia, Departamento de Pediatria, Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, Universida-

de de São Paulo, ministrou no dia 22 de agosto uma palestra sobre “Distúrbios de diferenciação sexual: abordagem para o pediatra”, um tema ainda pouco discutido. Com uma clara abordagem, ela apresentou seus ideais e uma visão diferente de um assunto polêmico e bastante interessante sobre diferenciação de sexo na hora do parto.

Jornada de cirurgia e gastroenterologia A 23ª jornada movimentou o Centro Médico com palestras, debates e encontros especiais para a comunidade médica de Franca e região.

Socesp

Os médicos Adair Tadeu Carielo, Luiz Alfredo H. Patti, Tan Chen Wu, Pedro Erneto Faggioni, Rossini Rodrigues Machado e Adel Miguel

Dia 12 de setembro de 2015, a Dra. Tan Chen Wu ministrou uma palestra com a temática Síncopes, no Centro Médico de Franca. Realizada pela Regional Franca da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, a palestra tratou desse assunto de forma curiosa, já que a síncope é apenas um sintoma e pode decorrer de várias patologias. JANEIRO / 2016

13


CM EM AÇÃO

Fórum em Defesa da Saúde EVENTO TRADICIONAL TRAÇA FUTURO DA MEDICINA E REAFIRMA O COMPROMISSO DA APM/SP COM A REGIÃO

Atenção na fala dos representantes da APM

Dr. Julio, presidente do Centro Médico de Franca; Dr. Lavínio, conselheiro do CRM Franca; Dr. Florisval, presidente da APM; Dra. Cleusa, diretora da 6ª Distrital da APM e Dr. João Sobreira, diretor de Defesa Profissional da APM

Férias Dra. Gislaine Ferreira Almeida, médica e 2ª Tesoureira do CM, tirou um tempinho e foi descançar em Porto de Galinhas, Pernambuco. Na foto ela, o marido, José Luis, e a filha, Ana Luíza.

“Meu cérebro está em férias!” 14

JANEIRO / 2016

Já tradicional, o XXVI Fórum Regional em Defesa da Saúde e Valorização do Médico aconteceu dia 17 de setembro, no Centro Médico. Esse ano, os temas foram “Prestação de serviços da APM aos Médicos”, “Aspectos éticos e jurídicos da prática médica” e “Atuação da APM na defesa profissional dos médicos” com os ilustres Dr. Florisval Meinão, presidente da APM - SP, Dr. João Sobreira de Moura Neto, Diretor de Defesa Profissional da APM - SP e com o conselheiro do CRM de Franca, Dr. Lavínio Nilton Camarin. Com auditório cheio, o anfiteatro do Centro Médico foi palco de um dos melhores fóruns sobre medicina do Estado e, com certeza, ainda terá muitas edições.


HOMENAGEM

CIRILO BARCELLOS

Cirilo Barcellos: uma vida de exemplo O MÉDICO CIRILO BARCELLOS FALECEU EM 11 DE JULHO DO ANO PASSADO, AOS 92 ANOS. FUNDADOR DO HOSPITAL REGIONAL, VICE-PREFEITO, ATUOU EM MUITAS AÇÕES SOCIAIS NA REGIÃO

D

r. Cirilo Barcellos foi um dos médicos

mais conhecidos e honrados de Franca. Natural de Patrocínio Paulista, viveu de forma intensa, sempre ajudando quem precisava. Como reconhecimento ao seu trabalho com a comunidade, nos anos 60 se candidatou a vice prefeito na chapa encabeçada por Flávio Rocha, e ganhou. Barcellos sempre manteve viva sua paixão pela Francana e isso o fez médico do clube por um longo tempo. Hoje seu filho, Cirilo Barcelos Júnior, segue os passos do pai e mantem viva a história e honra de um dos maiores médicos da região. Nossa primeira, de muitas homenagens.

JANEIRO / 2016

15


Semana agitada

Entre os dias 14 e 18 de outubro foi promovida a XXII Semana do Médico de Franca 2015. A abertura aconteceu com o evento Pratas da Casa. Logo depois, dia 15, os médicos que atuam há mais de 50 anos foram homenageados no anfiteatro. Dia 16, sexta feira, as comemorações ficaram por conta do tradicional Baile dos Médicos, que foi um espetáculo ao som da Banda A3. No dia 17, sábado, o Cinema e Psicanálise com o filme “Patch Adams - O amor é contagioso” e, logo depois, uma incrível palestra da Silvana M. L. Andrade. E, para finalizar a Semana dos Médicos, dia 18, domingo, aconteceu a II Corrida do Centro Médico, e no almoço o ótimo Churrasco de Encerramento no salão de festas do CM!

Dr. Flávio e Mônica Tozatti

Marli e Dr. Eneas Cunha

Pratas da Casa

O Evento Pratas da Casa revelou diferentes talentos: teve um solo de piano, executado pelo Dr. Wagner Dias Rezende, um de violino, executado pelo Dr. Renato Tadeu Barufi, um show de canto com o diretor social do CM, Dr. Flávio Gaspar Tozatti. As filhas do Dr. Sérgio Paulino também arrasaram soltando a voz!

Renato Tadeu Barufi e família

Campeões

Na corrida, que encerrou as atividades da Semana do Médico, o resultado foi o seguinte: 8 km - Masculino Paulo Bolliger Andrede Cunha | 1º Marcelo Ballaben Carloni | 2º Júlio César Batista Lucas | 3º

Loner Patti e família

Dr. Ricardo Meiwa e Margarete

8 km - Feminino Elisabete Lilian Dair | 1º 4 km - Masculino Marcelo Alves da Cruz | 1º Acácio Patrício Lima Júnior | 2º Carlos. F. N. Barcelos | 3º 4 km - Feminino Júlia Romani Ol. De Siqueira | 1º Cintia Goulart Conrado SilVA | 2º Aniette Renom Espineira | 3 º

16

JANEIRO / 2016

Luis Fabian Batista Lucas, Cacilda, Luiz Henrique e Regina Batista


EVENTOS :: BAILE, CORRIDA, CHURRASCO E LUAU

Dra. Andrezza e Dr. Carlos Eduardo

Dra. Priscila e Dr. Ronan Faleiros

Equipe Credimed em uma pausa para a selfie

Dr. Eduardo Simões e Maria de Fátima

Equipe da Personew com Dr. Júlio e sua esposa Rosana

Valéria e Dr. Adriano Denubila

Aline, Dr. Rogério Pavani e a filha Lívia

JANEIRO / 2016

17


Dr. Jairo, Roberta e as filhas Giovana e Isadora

Dr. Marco Benedetti e Dra. Lílian

Dr. Wagner Dias Rezende e seus convidados

Dr. Antônio Roberto Rodrigues e Adriana

Daniele, Ana Carla Camarota, Sthael e Selma

Dr. José Osiel e Dra. Nadia

18

JANEIRO / 2016

Dr. Ricardo Rached e Rachel

Dr. Luiz Fernando Calixto e Valéria


EVENTOS

Dr. Sérgio Paulino e Soraya

Dr. Roberto Salomão e Maria Cristina

José Luiz, Ana Luiza e Dra. Gislaine Ferreira

Pódium feminino da Corrida do Centro Médico

Dra. Júnia, Dr. Fábio Navarro e a filha

Dr. Marcelo Ballaben e Dr. Júlio comemoram o resultado da corrida

Dra. Camila, Dr. Eduardo e Heitor

Vivian Fagioni e família

Dr. Peixe e Terezinha

JANEIRO / 2016

19


Mesa de bilhar no salão de jogos Carramanchão para casamentos

Quadra de tênis de cimento

RAIO X O CLUBE Piscina com tobogã infantil

Diversão para toda a família

V

ocê sabia que o clube do Centro Médico possui uma das melhores estruturas de lazer da cidade de Franca? Com grandes investimentos e uma equipe show, a associação oferece serviços de lazer para os médicos e suas famílias, todos os dias da semana, inclusive nos feriados. Você pode jogar tênis em uma das 4

quadras, sendo 2 de saibro e 2 de cimento. Pode bater aquela bolinha em um dos campos de futebol, jogar vôlei de areia, nadar na piscina com toboágua, saborear uma comida saudável na lanchonete e ainda se divertir no salão de jogos. Além disso, o Centro Médico oferece diversas festas temáticas durante o ano. Carnaval, Festa Junina, Dia das Mães, Comemorações da Semana do Médico e muito mais!

Brinquedos e casinha da boneca para criança 20

JANEIRO / 2016


as

Lanchonete

Quadras de tênis de saibro

Academia ao ar livre

Entrada do Centro Médico JANEIRO / 2016

21


FORA DO CONSULTÓRIO

DUAS RODAS RAUL HELLU

Descobrindo a famosa e inspiradora Rota 66 MÉDICO FRANCANO RODOU 4.700 KM PELOS ESTADOS UNIDOS EM 2012 22

JANEIRO / 2016

ROTA 66 | SUA CONSTRUÇÃO COMEÇOU EM 1926, DURANTE O NEW DEAL DO PRESIDENTE ROOSEVELT Dr. Hellu é apaixonado por longas viagens de moto e isso não é segredo para ninguém. Essa paixão surgiu por causa de um grande amigo que o apresentou as duas rodas. Não demorou muito e ele comprou a sua primeira, em 1986. No Brasil fez algumas viagens, mas o seu grande sonho foi realizado em outubro de 2012: percorrer a famosa route 66, conhecida como a “rua principal da América”, Hellu cruzou os estados de Ilinois, Missouri, Oklahoma, Texas, Novo México, Arizona, Nevada e Califórnia. No total, foram 4.700 quilômetros rodados com uma moto por 8 estados norte americanos. “O Gran Canyon é um espetáculo à parte, com o Rio Colorado serpenteando as montanhas. As pistas são simplesmente maravilhosas para quem gosta de viajar”, recomendou.


“Cumplicidade” - OST - 80 x 80

“Liberdade” - OST - 80 x 100

PURA ARTE MARIA CÉLIA COSSI

Arte e emoção: o legado de Maria MUITO ALÉM DA MEDICINA, DESDE SUA INFÂNCIA, MARIA AMA AS ARTES.

Nascida e criada em Araxá, quando criança desfilou para eventos sociais e campanhas infantis. Hoje, a ultrassonografista Maria Célia Cossi mantém um site e uma página no Facebook onde conta um pouco sobre sua vida, publica suas poesias, e dá dicas para melhorar a auto-estima e a beleza de seus seguidores, que são muitos. Só em sua fan page, que se chama “Legado de Maria”, ela já atingiu a marca de 75 mil seguidores. “Chegou um dia, que não deu mais para segurar”, contou a médica sobre o seu desejo de pintar. Inspirada pelo Naturalismo e pelo Realismo, cada um dos 50 quadros já finalizados contém uma história e emoções diferentes. “Tem dia que eu estou calma e serena, as cores e os movimentos nas pinceladas são diferentes daquele dia que me sinto mais forte e de outro dia que me sinto sufocada. E tem dia que eu não consigo pintar nada.” Quer conhecer mais sobre suas obras e inspirações? Acesse no facebook a sua fanpage “Legado de Maria”.

JANEIRO / 2016

23


24

JANEIRO / 2016

Revista Centro Médico de Franca  

Revista Centro Médico de Franca - 1ª Edição

Revista Centro Médico de Franca  

Revista Centro Médico de Franca - 1ª Edição

Advertisement