Issuu on Google+

5

GAZETA DO POVO SÁBADO, 13 DE JULHO DE 2013

www.gazetadopovo.com.br/mundo EDITOR EXECUTIVO: RHODRIGO DEDA EDITOR RESPONSÁVEL: CÉLIO MARTINS

DELATOR

Edward Snowden confirma pedido de asilo à Rússia por não conseguir viajar

mundo@gazetadopovo.com.br

Mundo

❚❚Página 6

>>> MERCOSUL

Para Dilma, combate ao terrorismo não justifica atos de espionagem

Nicolas Garrido/Reuters

Presidentes na reunião da cúpula do Mercosul: Evo Morales (Bolívia), Cristina Kirchner (Argentina), José Mujica (Uruguai, o anfitrião), Dilma Rousseff (Brasil) e Nicolás Maduro (Venezuela).

Presidente disse que o bloco tomaria “medidas cabíveis” para garantir a segurança cibernética de cidadãos e empresas

❚ ❚

MONTEVIDÉU Das agências

❚❚A presidente Dilma Rous­ seff afirmou ontem, em Montevidéu, após o fim da cúpula do Mercosul, que “a cooperação no combate ao ter­ rorismo e outros crimes não é justificativa para a violação de direitos individuais de qual­ quer cidadão em qualquer Estado”. Dilma fazia referên­ cia às denúncias de espiona­ gem do governo dos EUA em relação ao Brasil e outros pa­ íses latino-americanos. Ela disse que o bloco to­ maria “medidas cabíveis” pa­ ra garantir a segurança ciber­ nética de seus cidadãos e em­ presas, mas que aguardaria

“sem sobressaltos” as expli­ cações pedidas ao governo americano sobre as denún­ cias, feitas pelo ex-agente da CIA Edward Snowden. “Somos atingidos pelas de­ núncias de que [nossa] comu­ nicação eletrônica está sen­ do espionada. A espionagem atinge nossa soberania e direi­ tos inalienáveis da nossa po­ pulação. Defendemos a pre­ servação de nossa soberania e privacidade de nossos cida­ dãos e empresas. Devemos também adotar medidas per­ tinentes para coibir a repe­ tição dessas situações”, dis­ se Dilma. “Saúdo a decisão de rechaço do Mercosul pa­ ra questões sobre ferimento de soberania.” Em decisão conjunta, os países reafirmaram o “com­ promisso histórico” das na­ ções da região com relação ao direito de asilo. “É funda­ mental assegurar que seja ga­ rantido o direito dos asilados de transitar com segurança até o país que tenha concedi­ do o asilo”, diz o documento. Dilma, porém, preferiu não comentar a possibilida­ de de países da região rece­ berem Snowden.

Paraguai volta ao bloco no dia 15 de agosto

o processo de impeachment de Fernando Lugo, condu­ zido pelo então vice-presi­ dente, Federico Franco, que permaneceu como presiden­ te interino.

❚ ❚

Apoio Dilma salientou que, durante a suspensão, o Paraguai não foi penaliza­ do com nenhuma retaliação econômica que pudesse afe­ tar o povo ou a economia pa­ raguaia. Como demonstra­ ção de apoio ao presidente eleito, segundo Dilma, todos os presidentes dos países do Mercosul se comprometeram a comparecer à posse dele.

MONTEVIDÉU Agência Estado

❚❚A partir do dia 15 de agos­ to, o Paraguai poderá voltar a ser sócio pleno do Mercosul, segundo confirmou a pre­ sidente Dilma Rousseff, em entrevista. “A partir do dia 15, após a posse do presiden­ te Horacio Cartes, nós temos todas as condições de rece­ ber o Paraguai de volta ao Mercosul”, disse. O Paraguai está suspen­ so do bloco regional desde o dia 29 de junho de 2012, por decisão dos presidentes do Brasil, Argentina e Uruguai que consideraram irregular

29 DE JUNHO de 2012 foi a data em que o Paraguai foi suspenso do Mercosul.

“Somos atingidos pelas denúncias de que (nossa) comunicação eletrônica está sendo espionada. A espionagem atinge nossa soberania e direitos inalienáveis da nossa população. Defendemos a preservação de nossa soberania e privacidade de nossos cidadãos e empresas. Devemos também adotar medidas pertinentes para coibir a repetição dessas situações.” Dilma Rousseff, presidente do Brasil.

FORÇA Mercado comum deu condições melhores para se enfrentar crises

❚ ❚

MONTEVIDÉU

Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff afirmou que o mercado comum da América do Sul, representado pelo Mercosul, proporcionou as condições para que os países pertencentes ao bloco pudessem enfrentar as crises econômicas globais, como a que teve início em 2008. “O mercado comum nos proporcionou melhores condições para enfrentar crises in-

ternacionais, como a de 2008. Fluidez tem sido incentivo fundamental ao aprofundamento da integração em novas cadeias produtivas”, disse. A presidente citou que, na última década, o intercâmbio comercial entre os países do bloco aumentou 12 vezes. “Nesse mesmo período, nosso comércio com o mundo cresceu apenas 8 vezes”, ressaltou. “Nas últimas décadas, o Mercosul foi projetado para o mundo.” Dizendo que o Mercosul é a “mais bem-sucedida e mais abrangente iniciativa de integração da região”, Dilma disse ser necessário “resguardar

o patrimônio comum” construído no bloco. “Transformar a lógica das relações é algo muito difícil. Cada vez mais somos Mercosul, um Mercosul diverso. Transformamos a lógica das relações na América do Sul”, afirmou.

“O mercado comum nos proporcionou melhores condições para enfrentar crises internacionais, como a de 2008. Fluidez tem sido incentivo fundamental ao aprofundamento da integração em novas cadeias produtivas.” Dilma Rousseff, presidente do Brasil.

Presidentes exigem desculpas a Morales ❚ ❚

MONTEVIDÉU Agência Estado

❚❚Os presidentes do Mercosul decidiram exigir um pedido de desculpas públicas dos pa­ “Que íses europeus por causa da ninguém se agressão contra o presiden­ equivoque. te Evo Morales, da Bolívia. Não é uma Eles afirmam que o episó­ defesa dio poderia ter ocorrido con­ somente ao tra qualquer outro presiden­ presidente te da região, e ao povo “Que ninguém se equi­ da Bolívia. voque. Não é uma defesa Poderia ter somente ao presidente e ao ocorrido povo da Bolívia. Poderia ter com ocorrido com qualquer um qualquer de nós”, disse a presiden­ um de nós.” te da Argentina, Cristina Kirchner, em discurso duran­ Cristina Kirchner, te a abertura da reunião de presidente da Cúpula do Mercosul. Argentina. Cristina reconheceu que,

em diversas oportunidades, foi impedida de viajar no avião presidencial argenti­ no, o Tango 1, aos países eu­ ropeus por temor a embar­ gos judiciais promovidos por credores que não aceitaram as duas reestruturações da dívida pública, que obtive­ ram 93% dos credores. “Vou ser extremamente sincera, eu não pude viajar a alguns países da Europa com resquícios coloniais porque algum juiz poderia dispor al­ gum embargo porque algum credor abutre não quis entrar nas reestruturações”, disse a presidente, recordando o recente embargo da Fragata Libertad determinado pela Justiça de Gana. Cristina denunciou a exis­ tência de novas formas de co­

lonialismo, como as que proi­ biram Morales de sobrevo­ ar o espaço aéreo de França, Itália, Portugal e Espanha, no último dia 2, por suspeitas de que levava em seu avião o ex-técnico de inteligência dos Estados Unidos, Edward Snowden. Ele é procurado pe­ los EUA após ter revelado os programas secretos de espio­ nagem americanos em vários países, em meados de junho. Uma reportagem publi­ cada pelo jornal O Globo, na semana passada, filtrou do­ cumentos de Snowden reve­ lando também que o Brasil e outros países da região fo­ ram objetos de espionagem por parte dos EUA. O jornal The New York Times revelou ontem que o governo americano está exer­ cendo forte pressão aos lati­ nos para que não concedam asilo à Snowden. O presiden­ te Barack Obama já avisou que o preço será alto para o país que conceder o asilo ao ex-técnico.


Capa mundo 13 de julho