Issuu on Google+


BrasĂ­lia 2010


153

9

Política na Capital

Apresentação

11

O

Distrito Federal é dividido em 30

Regiões Administrativas (RA’s). As Regiões são áreas territoriais do Distrito Federal, cujos limites físicos, estabelecidos pelo poder público, definem a jurisdição da ação governamental para fins de descentralização administrativa e coordenação dos serviços públicos de natureza local. Esta ação é exercida por intermédio de cada Administração

O Sonho

Regional. Conheça agora cada uma delas e suas características.

19 Personagens desta História

“...já não exportamos apenas café, açúcar, cacau... damos também um pouco de comer à cultural universal”. Lucio Costa

“O trabalho feminino, com amor e dedicação foi fundamental.“ Sarah Kubitschek

“Um jardim faz-se de luz e sons; as plantas são coadjuvantes”. Burle Marx

“Sem ele (José Pessôa), talvez o processo tivesse sido cortado e postergado a um outro momento...“ Cláudio Queiroz

41 A Realização do Sonho

105 Brasília Empreeendedora

145 Fatos Marcantes

“Brasília minha 31ª meta-síntese do meu governo, minha terceira filha .“ Juscelino Kubitschek

Regiões Administrativas

203 A Capital no Mundo

“Artista eu era. Pioneiro eu fiz-me. Devo a Brasília esse sofrido privilégio”. Athos Bulcão

171

“Na minha Arquitetura debrucei-me por toda a vida”. Oscar Niemeyer

“Atuei com humildade e paciência, pela palavra e pelo pelo exemplo...“ Israel Pinheiro

209 Brasília aos 50 anos

343 Festa do Cinquentenário

363 Brasília Avança


Os sonhadores Marquês de Pombal manifestou a possibilidade de transferir a capital da Colônia para o interior em 1751. O cartógrafo italiano Francesco Tosi Colombina, explorador, geógrafo e engenheiro militar, por ele contratado e a serviço do Primeiro Governador de Goiás, Dom Marco de Noronha, Conde dos Arcos, elabora carta geográfica de Goiás e realça o valor estratégico do Planalto Central.

Em 1789, os Inconfidentes Mineiros , liderados por Tiradentes, reivindicam à Corte de Lisboa fixar a capital em São João Del Rei alegando vantagens estratégicas (segurança) e demográfica (povoamento no interior).

No dia 20 de outubro de 1821, José Bonifácio de Andrade e Silva sugere, nas “Instruções dos Deputados Paulistas à Corte”, que se levante no interior do Brasil uma cidade central para a Corte, na latitude de 15° aproximadamente. Além disso, propõe à Assembleia Constituinte que a Capital do Império seja transferida para a Comarca de Paracatu do Príncipe, Minas Gerais. Sugeriu os nomes Brasília ou Petrópolis.

Em 4 de setembro de 1883, Dom Bosco, o padre fundador dos Salesianos, teve um sonho profético sobre o nascimento de rica e próspera civilização na América do Sul, entre os paralelos 15° e 20°. “Entre os graus 15 e 20, existia um seio de terra bastante largo e longo, que partia de um ponto onde se formava um lago. Então uma voz me disse repentinamente: ‘Quando vieres escavar os minerais ocultos no meio destes montes, surgirá aqui a Terra da Promissão, fluente de leite e mel. Será uma riqueza inconcebível’ ”.

10


E

Missão Cruls

m 7 de maio de 1894, o Sr. Luiz Cruls publicou um relatório sobre o Planalto Central (topografia, fontes de energia, clima, caracterização do solo, geologia, fauna, flora) verdadeiro

estudo ambiental. O sucesso da missão resulta a criação da Comissão de Estudos da Nova Capital da União. No relatório apresentado por Luiz Cruls, foi revelada uma região de incrível

beleza panorâmica, de ótimo clima e de fauna e flora exuberantes, ou seja, de condições mais que propícias para a implantação do novo centro do poder nacional. Integrantes da Comissão Cruls:

engenheiro-chefe, astrônomos, médicos, farmacêutico, geólogo, botânico, ajudantes, auxiliares, mecânico, ajudante de mecânico, Comandante do contingente.

11


Juscelino Kubitschek, Esposo e Pai

J

uscelino e Sarah casaram-se no dia 30 de dezembro de 1931, na Igreja Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, no Rio de Janeiro. Na acidentada carreira política de JK, Sarah era o apoio sem o qual dificilmente ele teria conseguido superar os terríveis obstáculos da vida pública. As filhas de Juscelino Kubitschek, Márcia e Maria Estela, e a esposa Sarah formavam a poderosa retaguarda afetiva que deu a ele forças para prosseguir na sua caminhada política.

12


Juscelino Kubitschek, Político

E

m 30 de dezembro de 1931 estava casado com Sarah Lemos. Além de ser apaixonado pela esposa e pela medicina, era também pela política. Sendo assim, em outubro

de 1934 Juscelino Kubitschek disputou a sua primeira eleição e tornou-se deputado federal; 6 anos mais tarde assumiu a Prefeitura de Belo Horizonte.

Em 31 de janeiro de 1951, após longa e áspera estrada percorrida desde a chegada a Belo Horizonte, foi eleito pelo voto da maioria esmagadora do povo mineiro e

tornou-se a mais alta autoridade do Estado, Governador de Minas Gerais.

13


Oscar Niemeyer, o Escultor de Espaços

B

rasília é um marco mundial da arquitetura e urbanismo modernos. A Capital está na lista de bens de valor universal, recebendo o título de Patrimônio Cultural da Humanidade, em 1987, pela Organização das Nações Unidas para a educação, ciência e a cultura (UNESCO). Esses títulos muito se devem a genialidade de Oscar Niemeyer. Nascido no Rio de Janeiro, em 1907, Oscar Niemeyer tem sido o arquiteto brasileiro que acumula o maior número de prêmios internacionais, bem como exibe um conjunto de obras realizadas no Brasil e no exterior que o coloca como um dos expoentes da arquitetura universal. Formado em 1934 pela Escola Nacional de Belas Artes, o primeiro trabalho que elaborou - como membro da equipe liderada por Lucio Costa e consultoria de Le Corbusier - para a sede do Ministério de Educação e Saúde em 1936, caracterizou-se como um marco da arquitetura moderna mundial. Em 1947participa da equipe responsável pelo projeto da sede da Organização das Nações Unidas - ONU, em New York. Nos dez anos seguintes consolida sua obra no país até que, em 1960, com a construção da nova capital - Brasília - alcança prestígio e reconhecimento internacional ao projetar os principais edifícios públicos e palácios-sede do governo, como o Palácio da Alvorada, da Justiça, do Planalto, dos Arcos, e a Catedral de Brasília, todos eles marcados pelo arrojo estrutural e inovadores da estética arquitetônica. Criador

14

e fundador da Universidade de Brasília, com a implantação do regime militar juntamente com a maioria dos seus docentes, afastase da instituição, e o período de perseguições e repressão política se instala a seguir no país, levando-o a aceitar diversos convites de trabalho no exterior. Com escritório montado em Paris e tendo recebido do governo francês o prêmio “Legião de Honra da França”, “Medalha de Ouro” da Academia de Arquitetura da França e membro do Comitê dos Conselheiros Artísticos da UNESCO realiza obras no mundo inteiro, das quais se destacam o Edifício-Sede da Editora Mondadori, na Itália; o Centro Cultural do Havre e sede

do Partido Comunista Francês, na França; Universidade de Constantine, em Argel; e os planos da Cidade de Neveg, em Israel; Plano de Urbanização do Algarve, em Portugal; Centro Cívico e Administrativo de Argel; Centro Residencial de Estudantes em Oxford, Inglaterra, entre outros. De volta ao Brasil, continua em intensa atividade, destacandose em 1983 nas obras da Passarela do Samba (Sambódromo) e no conjunto de escolas pré-fabricadas - CIEPs, no Rio de Janeiro. Entre seus projetos mais recentes encontram-se a Sede do Jornal “L Humanité”, na França; o Panteão da Liberdade, na Praça dos Três Poderes, em Brasília; o projeto para a Embaixada Brasileira em Cuba,

(Vinícius de Moraes)

o Memorial da América Latina, em São Paulo. Entre os inúmeros prêmios recebidos destacam-se o Prêmio Lênin da Paz em 1963; Prêmio “Lorenzo il Magnífico”, Itália, 1980; Membro Honorário da Academia de Artes da URSS, 1983; Membro Titular da Academia Europeia das Ciências, Artes e Letras, 1983; Doutor “Honoris Causa” da Academia de Construção da República Democrática Alemã, 1988; Pritzker Architecture Prize - Estados Unidos, 1988; Membro Honorário do “Royal Institute of British Architects”, Inglaterra, 1989, no mesmo ano, o Prêmio Príncipe de Asturias de Las Artes, Espanha. O arquiteto da nova capital, Oscar Niemeyer, pretendia construir uma cidade utópica conseguindo torná-la uma cidade muito além da política e um esplendor de lugar. Ao ser perguntado sobre qual das suas obras lhe agrada mais, o arquiteto responde filosofando, “Lembrando todos esses projetos, direi que foi ter guardado um tempo para pensar na vida, neste mundo injusto que um dia vamos modificar.” Livro Brasília 50 anos. Uma ideia, uma nação. Oscar acredita que o livro Brasília 50 anos vai ser um grande marco para o povo brasileiro, já que reúne personalidades que ajudaram a tornar a Capital da República uma referência para o mundo. Ainda, segundo Niemeyer, todo livro que reúne fatos históricos é de fundamental importância para o desenvolvimento das sociedades e para o crescimento intelectual do indivíduo.


Israel Pinheiro, o Grande Construtor

I

srael Pinheiro, filho de João Pinheiro da Silva e de Helena de Barros Pinheiro, nasceu em CaetéMG, dia 4 de janeiro de 1896. A morte do pai dá início à etapa de formação escolar de Israel Pinheiro. Com a ajuda de amigos da família, ingressa no Colégio Anchieta (Nova Friburgo - RJ). Permanece até 1913, quando regressa a Minas Gerais para estudar Engenharia na Escola de Minas e Metalurgia de Ouro Preto.

Ao final dos estudos ganha viagem à Europa pela “distinção e louvor” que marcaram seus estudos. Entra em contato com as novas tecnologias e com o dinamismo europeu do início do século. Regressa ao Brasil em 1922. Traz ideias progressistas e revolucionárias, com as quais pretendia modernizar sua cidade natal, dando continuidade aos ideais políticos do pai, que exerceu importante

papel na política nacional ao final do século XIX. Questionando o Regime Monárquico e lutando a favor da abolição da escravidão, era considerado um dos grandes defensores dos ideais republicanos. João Pinheiro da Silva elege-se senador por Minas Gerais em 1905 e governador em 1908. Destacouse por ideias inovadoras que tinham o intuito de desenvolvimento econômico de Minas Gerais. Entre

suas obras estão a melhoria das estradas de ferro, a instalação e núcleos de colonização agrícola com imigrantes estrangeiros e a criação de escolas para a formação profissional de agricultores. Teve nome cogitado para a Presidência da República na sucessão de Afonso Pena, mas sua morte repentina, em 1908, interrompeu o processo.

15


A

Ermida Dom Bosco

Ermida Dom Bosco foi construída exatamente no ponto de passagem do paralelo de acordo com a profecia de Dom Bosco. Às margens do Lago Paranoá, a obra foi planejada por Oscar Niemeyer

16

para ser uma homenagem ao visionário de Brasília. Construída dentro dos preceitos da construção das pirâmides egípcias, a atração turística representa o marco da profecia. Foi

inaugurada em 4 de maio de 1957 a Ermida Dom Bosco, foi a primeira obra de alvenaria de Brasília, por orientação de Israel Pinheiro. Segundo Dom Bosco, a Terra prometida ficaria entre o paralelo

15° e 20° onde havia um leito largo e extenso que partia de um ponto onde se formava um lago.


Igrejinha Nossa Senhora de Fátima

A

Igreja Nossa Senhora de Fátima - Entrequadra da 307/308 Sul - é o primeiro prédio de alvenaria e a primeira igreja de Brasília. Projeto de Oscar

Niemeyer, a pedido de D. Sarah em promessa pelo restabelecimento da filha Márcia. Inaugurada em 28 de junho de 1958. Primeiro vigário foi o Frei capuchinho Demétrio.

A arquitetura da Igreja Nossa Senhora de Fátima faz referência a um chapéu de freiras. Em seu interior e na fachada encontram-se azulejos de Athos Bulcão.

Os afrescos com bandeirolas e anjos de Alfredo Volpi foram cobertos por tinta em uma reforma na década de 1960.

17


Diretas Já

O

movimento ressuscitou a esperança e a coragem da população. O Brasil vinha da ditadura militar desde 1964, e era grande a expectativa pela volta da democracia. Brasília já foi e continua sendo palco de várias manifestações públicas e populares, mas nenhuma foi tão expressiva como as Diretas Já, que foi um movimento civil de reivindicação por eleições presidenciais diretas no Brasil ocorrido em 1983-1984. Segundo pesquisas a primeira manifestação pública a favor de eleições diretas ocorreu no recém emancipado município de Abreu e Lima, em Pernambuco, no dia 31 de março de 1983 e foi seguida por manifestações em Goiânia, em 15 de junho de 1983 e em Curitiba em novembro do mesmo ano. Posteriormente, ocorreu também uma manifestação na Praça Charles Miller, em frente ao Estádio do Pacaembu, no dia 27 de novembro de 1983, na cidade de São Paulo. Com o crescimento do movimento, coincidiu com o agravamento da crise econômica (em que coexistiam inflação, fechando o ano de 1983 com uma taxa de 239%, e uma profunda recessão). A manifestação contou com representantes de diversas correntes políticas e de pensamento, unidas pelo desejo de eleições diretas para presidente da República. Muitos políticos da situação ficaram sensíveis às suas bases, pois todos morreram tragicamente e também formaram um bloco de dissidência no Partido Democrático Social

18

(PDS), ex-Arena, o partido situacionista. Dentre os políticos, destacaram-se Ulysses Guimarães, Leonel Brizola, Antônio Carlos Magalhães, Miguel Arraes, José Richa, Tancredo Neves, André Franco Montoro, Dante de Oliveira, Mário Covas, Gérson Camata, Orestes Quércia, Teotônio Vilela, Luiz Inácio Lula da Silva, Eduardo Suplicy, Roberto Freire, Fernando Henrique Cardoso e muitos outros. As “Diretas Já!” foram marcadas por enormes comícios onde figuras perseguidas pela ditadura militar, intelectuais e representantes de outros movimentos militavam pela aprovação do projeto de lei. Artistas famosos como Chico Buarque, Elba Ramalho e Fafá de Belém e o apresentador Osmar Santos aderiram à campanha, popularizando-a e transformando as Diretas Já num movimento de milhões. Em janeiro de 1984, cerca de 300 mil pessoas se reuniram na Praça da Sé, em São Paulo. Três meses depois, um milhão de cidadãos tomou o Rio de Janeiro. Algumas semanas depois, cerca de 1,7 milhões de pessoas se mobilizaram em São Paulo. A essa altura, a perda de prestígio do regime militar junto à população era grande. Militares de baixo escalão, com seus salários corroídos pela inflação, começavam a pressionar seus comandantes - que também estavam descontentes. A possibilidade de eleições

diretas para a Presidência da República no Brasil se concretizou com a votação da proposta de Emenda Constitucional Dante de Oliveira pelo Congresso. Entretanto, a Proposta de Emenda Constitucional foi rejeitada, frustrando a sociedade brasileira. Ainda assim, os adeptos do movimento conquistaram uma vitória parcial em janeiro do ano seguinte quando um de seus líderes, Tancredo Neves, foi

eleito presidente pelo Colégio Eleitoral. Nesse momento o cenário político perderia seu poder de influência em uma possível eleição direta em 1985. Por fim, a emenda Dante de Oliveira não foi aprovada por uma pequena diferença de votos. Com isso, as eleições indiretas de Tancredo Neves serviram para a consagração de um projeto de transição política que desarticulou profundas mudanças no cenário político nacional.


19


Brasília em Números

M

uito se fala nas belas paisagens de Brasília, no céu que é, esplendorosamente, lindo e, também, no verde que a cidade produz, mas o que vem ganhando destaque nos últimos tempos é a elevação do custo de vida dos brasilienses que subiu 3,94%. O Plano Piloto de Brasília possui a maior renda per capita do Brasil e o Distrito Federal ocupa a oitava posição na economia brasileira. A qualidade de vida da população de Brasília é composta dentro dos mais avançados padrões

de excelência. Com área de 5.802 km², a densidade demográfica da região, segundo dados do governo do DF, é de 354,3 habitantes por km², o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é 0,844 (escala de 0 a 1) e a taxa de analfabetismo é 4,35%. O Produto Interno Bruto (PIB) do DF é de R$ 99,9 bilhões, conforme dados do IBGE e da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), nas chamadas contas regionais do período de 2002 a 2007. Nessa pesquisa, foi constatado que a

administração pública permanece como a atividade mais relevante na economia do DF, representando 53,8% de toda a estrutura produtiva, e contribuindo com 22,8% na composição da taxa do valor adicionado bruto total. A atividade de serviços de informação registrou o maior crescimento acumulado no período: 48%, com média anual de 8,16%. Tal atividade inclui telecomunicações, consultoria de hardware, software, processamento de dados, atividades de banco de dados e

distribuição online, atividades cinematográficas, de rádio e de agências de notícias. Por ser sede política e administrativa da República, Brasília é dotada de infraestruturas básicas como segurança, assistência à saúde, escolas e transportes, em nível de eficiência encontrado em poucos locais do país. Possui um moderno aeroporto internacional 3ª cidade do país em movimento de tráfego aéreo - metrô, uma enorme frota de ônibus urbano e transporte rodoviário para todo o país.

Dados Gerais da Capital Região: Centro-Oeste Unidade Federativa: Distrito Federal Estados limítrofes: Goiás e Minas Gerais Área Territorial: 5.801,937 km² População: 2.606.885 milhões de habitantes RIDE (Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno): 3.506.967 habitantes Densidade Demográfica: 441 habitantes/km² Altitude: entre 1000 e 1152 metros (média: 1100 m) Clima: Tropical de Altitude Vegetação: Cerrado IDH (Índice de Desenvolvimento Humano): 0,874 PIB: R$ 89,6 bilhões PIB per Capita: R$ 37,6 mil Aeroporto: Aeroporto Internacional de Brasília - Presidente Juscelino Kubitschek Residências: 750 mil domicílios Agências bancárias: 314 Agências Rede hoteleira: 27 mil leitos Estabelecimentos de saúde: 1,7 mil Transporte público: 6,6 mil ônibus Shoppings: Alameda Shopping, Brasília Shopping, Brasília Design Center, Boulevard Shopping, Casa Park, Conjunto Nacional, Iguatemi, Deck Brasil, Free Park, Jardim Botânico Shopping, Pátio Brasil, Pier 21, Liberty Mall, Taguatinga Shopping, Terraço e Venâncio 2000. Metrô: São 24 estações com 42,38 km de linhas em funcionamento, que ligam Brasília às de Ceilândia e Samambaia, passando pela Asa Sul, Guará, Águas Claras e Taguatinga. 20


energia Elétrica e Saneamento Básico

E

nergia elétrica em 1960: o suprimento provisório foi feito por meio de medidas emergenciais, como a aquisição de dois motores diesel-elétricos de 90 kVA cada; a construção de uma pequena usina hidráulica no Catetinho (para abastecer a primeira residência do Presidente no Planalto Central), e outras, em 1958, a de Saia Velha para energizar os escritórios, oficinas, serrarias, olaria, aeroporto e residências da Novacap e da Granja do Ipê . Outra usina começou a ser construída, a do Paranoá, mas que só ficaria pronta em 1962. Asa Sul e Eixo Monumental: 60% rede subterrânea, 70% das subestações, 50% das redes aéreas,

50% da parte construção civil das subestações dos edifícios públicos. Em 2008: 100% das casas tem energia elétrica. Saneamento básico em 1960: pronta primeira etapa para

abastecimento do Plano Piloto e a construção da Usina de Recalque e da linha adutora. Reservatório R1 e R2 para capacidade de 30 milhões de litros de água. Na Zona Sul, 140 km de água potável e 100

km de galerias. Esgotos sanitários, 38 Km em vários distritos. A CAESB encerrou o ano de 2005 atendendo a 2,12 milhões de pessoas com serviços de abastecimento de água e 1,99 milhão de pessoas com serviços de esgotamento sanitário, o que corresponde, respectivamente, a 98,87% e 92,69% da população regularmente instalada do Distrito Federal. Esses índices, aliados ao nível de tratamento de esgotos coletados, de 100%, fazem com que a CAESB continue sendo uma das companhias estaduais de saneamento básico de melhor performance do País.

21


22


23


O

Mercado de Luxo

s consumidores brasilienses estão cada vez mais exigentes e buscam exclusividade, glamour e qualidade. O mercado brasiliense está em constante crescimento e mudanças. A prova disso é uma pesquisa realizada pela MCF Consultoria e Conhecimento, de São Paulo. Brasília aparece em destaque no levantamento “O Mercado do Luxo no Brasil”, feito em 2009 com mais de 100 empresas e 600 consumidores nas principais capitais do país. O Distrito Federal representou no ano passado 23% do total de expansões do mercado nacional de luxo. Ampliações como

24

a do ParkShopping e a chegada do Shopping Iguatemi, no Lago Norte, também se refletem nisso. Segundo o gerente geral do Iguatemi Brasília, Fernando Simões, Brasília tem uma economia bastante expressiva, pois a Capital Federal tem o terceiro maior PIB do país, chegando a R$ 81 bilhões, quase 4% de todo o PIB; o Índice de Desenvolvimento Humano comparável ao de países desenvolvidos indicou a cidade, pelo ranking do Banco Mundial (Doing Business Brazil) como a melhor cidade para negócios e ainda tem um consumo per capita quase 30% acima da média

nacional, entre outros aspectos. “É um mercado extremamente atraente, que a diferencia de outras cidades”, conclui Simões. A busca pela exclusividade não termina nos shoppings e chega ao setor imobiliário da Capital que já é o segundo maior mercado do país, posição que assumiu no ano passado. Com um Valor Global de Vendas (VGV) de R$ 4,2 bilhões, em 2009, Brasília superou o Rio de Janeiro. Agora a cidade fica atrás apenas da capital paulista, que ostenta um VGV de R$ 11,6 bilhões, de acordo com pesquisa do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP).

Em 2010, as vendas de imóveis devem crescer 20%, de acordo com estimativas do Sindicato da Indústria da Construção do Distrito Federal (SindusCon-DF). A grande expectativa agora é para o Setor Noroeste que é rotulado pelo Governo do Distrito Federal como o primeiro bairro sustentável do Brasil. Com isso surgem, também, os supervalorizados empreendimentos residenciais, que elevam o preço médio do metro quadrado da região a mais de oito mil reais.


Brasília, Capital da Moda

A

Capital abriga o 3º maior evento de moda do país. Os estilistas do Centro-Oeste lançam tendências com criações que priorizam matérias-primas típicas da região. A região CentroOeste possui grande potencial de exploração de matériasprimas para a confecção de uma moda diferenciada. Em 2005, a empresária Márcia Lima idealizou e produziu a primeira edição do Capital Fashion Week, com apoio institucional do Governo do DF, da Câmara Legislativa do DF, da Federação das Indústrias do DF, Fecomércio-DF, do Sebrae-DF e da Associação Comercial do DF.

Desde o primeiro momento, o CFW deu prioridade à criação local, segundo duas vertentes: o lançamento nacional de jovens estilistas da região Centro-Oeste - escolhidos através do concurso denominado Novos Talentos; e a valorização das fábricas e estilistas locais de confecções, jóias, bolsas, sapatos, acessórios e artesanatos. De 2005 a 2009, 22 jovens estilistas foram lançados pelo concurso Novos Talentos. Alguns deles vêm atuando fora do DF e até no exterior. Aqueles que permanecem no DF mantêm ligação estreita com o Capital Fashion Week, passando

a se chamar Estilistas do CFW. Nessa condição, apresentam suas coleções no evento, fortalecendo suas marcas no mercado. A evolução das grifes que surgem em Brasília é constante, favorecida pelo fato de que a cidade, reconhecidamente, detém a maior renda per capita do Brasil, hoje distribuída por uma população de 2,5 milhões de habitantes. Essa população se amplia para quatro milhões quando computados os habitantes dos 22 municípios goianos que compõem a sub-região chamada de Entorno de Brasília. Com o surgimento do CFW

em 2005, Brasília acordou para o potencial da moda como setor que alavanca muitas outras atividades. Os shoppings passaram a fazer eventos localizados para promover suas lojas. Diversas faculdades e universidades criaram cursos relacionados a esse segmento. Surgiram publicações e sites especializados em moda no DF e desenvolveram-se pelo menos cinco agências de modelos, que hoje exportam valores masculinos e femininos principalmente para o mercado do Oriente. Todas essas ações tornaram Brasília uma cidade emergente dentro do panorama de moda nacional.

25


26


27


Previa do Livro Brasília 50 anos