Issuu on Google+

CIRCULANDO ANO 15 NÚMERO 403

JORNAL-LABORATÓRIO DO CURSO DE JORNALISMO DA UNIVALE - FEVEREIRO/MARÇO DE 2013

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Vidas que seguem à margem

George Gonçalves

Com muita sensibilidade, o repórter George Gonçalves, aluno do 7º período de Jornalismo, buscou entender com profundidade a realidade de uma minoria marginalizada de Governador Valadares: os moradores de rua. Pacientemente, George abriu os ouvidos e o coração para acolher as histórias, as angústias e os sonhos de quem, dia após dia, somente encontra as calçadas e ruas para viver. Em visita ao Centro de Referência em Assistência Social à População de Rua

(CREASPOP), acompanhou momentos de sociabilidade entre dezenas de moradores de rua. Conheceu duras histórias e presenciou alguns sorrisos. Fazendo uso de técnicas do Jornalismo Literário, a reportagem tem a proposta de minimizar incompreensões de muitos que veem os moradores de rua com olhos de medo, como criaturas estranhas que devem se manter o mais distante possível do convívio “civilizado”. Páginas 4 e 5

Profissionais do sexo

Quem dança seus males espanta

OPINIÃO

Com vontade de aproveitar cada vez mais a vida, o maquinista aposentado Ladislau Moreira, de 73 anos, dá a receita: “A seresta é a melhor coisa do mundo!”. Membro da Associação dos Ferroviários, ele é um dos organizadores de uma seresta que acontece há 20 anos na cidade e que reúne amantes das músicas antigas em busca de diversão num clima bastante familiar. Outra que não para de produzir, apesar de já ter se aposentado, e dá dicas para uma vida equilibrada é Maria das Mercês de Meira, 67 anos. “Se pararmos, enferrujamos. Vou até onde puder”. Leia reportagem completa na Página 8.

Alexandrina Santanna

Os alunos-repórteres Adriano Félix e Mari Fialho foram a campo investigar como é a rotina de trabalho de pessoas que ganham a vida colocando seus corpos à venda. O valor de um programa com essas garotas ou garotos do sexo varia de R$ 50,00 a R$ 200,00, “dependendo do gosto do cliente”, como costumam explicar. Na maior parte dos casos, não sabem quem são os contratantes. As BR’s 116 e 381 há tempos são pontos estratégicos para esses profissionais conseguirem clientes, além da Praça Serra Lima e a esquina da Rua Afonso Pena com Belo Horizonte, bem no Centro da cidade. A reportagem também faz um resgate histórico da zona boêmia valadarense, revelando que, no passado, a prostituição vinha recheada de requinte e sofisticação. Páginas 6 e 7

Há duas décadas, Ladislau se diverte na seresta

Nesta edição do Circulando estreia Lettícia Gabriella Carvalho de Oliveira, 17 anos, do 1º período de Jornalismo. Com a crônica “Reflexão”, ela indaga como “seria bom poder mudar determinadas coisas, refazer aquilo que gostaríamos que fosse diferente, o que foi feito às pressas na correria do dia-a-dia”. Também na editoria Opinião destaca-se a resenha do livro “Maus - a história de um sobrevivente”, indicação da aluna Vanessa Fófano, do 5º período de Jornalismo. Por meio de quadrinhos, Maus narra a história de um judeu polonês que viveu os horrores da Segunda Guerra Mundial. Página 2

Cabeças pensantes Instigados pelas ideias dos documentários “Levante sua voz” e “A história das coisas”, alunos do 1º período de Jornalismo manifestaram-se acerca do monopólio dos meios de comunicação no Brasil e a incompatibilidade da lógica de consumo do sistema capitalista em um mundo com recursos naturais finitos. O aluno Guinther Carvalho Kerr ousou um pouco mais e deu sua contribuição por meio de um roteiro para uma charge que foi desenvolvida pelo graduando Renan Duarte, do 5º período de Design Gráfico. Página 3


CIRCULANDO

Arquivo pessoal

Fevereiro/Março de 2013

2

OPINIÃO

CRÔNICA

Reflexão LETTÍCIA GABRIELLA CARVALHO DE OLIVEIRA / 1º PERÍODO DE JORNALISMO

Seria bom poder mudar determinadas coisas, refazer aquilo que gostaríamos que fosse diferente, o que foi feito às pressas na correria do dia-a-dia. Deixar o presente parado por um tempo, pois quem sabe desta forma problemas futuros fossem evitados. Refletir apenas. Ter tempo o bastante para pensar no que deve ser feito, decidir como e quando prosseguir. Repensar os erros e ava-

liar em quanto ficará o conserto. Quem sabe assim não houvesse tantos erros, quem sabe não fossemos mais felizes. Ficar um tempo sem falar com as pessoas, desligar o computador, sair da frente da TV. A libertação de todas as influências. Decidir o certo e o errado, independentemente dos conceitos pré-estabelecidos pela sociedade. Exercer o pensamento crítico, sair da caverna. E, então, deixar o tempo voltar a cor-

rer. Observar aonde a reflexão irá nos levar, ver as decisões nos guiando enfim. Voltar ao contato com as pessoas, o pensamento concreto, agora longe de mudanças, não mais influenciável. Passar a mensagem para quem quiser ouvir, e, então, parar o tempo novamente, para que novos conceitos sejam processados. E quando ele, enfim, voltar a correr, apenas seguir em frente, porque ao final do dia, o que passou não volta mais. Maristela do Valle/Folhapress

O Jornal-Laboratório Circulando é uma publicação bimestral do Curso de Jornalismo da Faculdade de Artes e Comunicação (FAC). Fundação Percival Farquhar Presidente Francisco Sérgio Silvestre   Universidade Vale do Rio Doce Reitora Profa. Mylene Quintela Lucca   Coordenador do Curso de Jornalismo Prof. Pedro Lucca Neto   Editora e Jornalista Responsável Profa. Fernanda de Melo F. da Silva (MG11497/JP) Editoração Eletrônica Aline Nascimento Ribeiro, Andréia Márcia de Oliveira Silva, Camilla Xavier Viana de Paiva, Gisele Coelho Cunha, Karoline Teixeira de Almeida, Renan Silva Duarte, Sylvia Cristina Gomes, Thiago dos Santos Guimarães, Thuana Botelho Mendes, Victor Augusto Fernandes Pigoretti (Alunos do 5º e 7º Período de Design Gráfico/Univale)   Impressão / Tiragem Gráfica Unidos / 500 exemplares

Arquivo pessoal

Redação Laboratório de Jornalismo Carlos Olavo da Cunha Pereira (LabJor) Rua Israel Pinheiro, 2.000, Bairro Universitário - Campus Antônio Rodrigues Coelho - Edifício Pioneiros, Sala 4 - Governador Valadares/Minas Gerais - CEP: 35.020-220. Contato: (33) 3279-5956 / circulando@univale.br

RESENHA

Maus - a história de um sobrevivente

Fó sa es

Os personagens são representados no quadrinho como animais. Os judeus são desenhados como ratos, os nazistas como gatos, poloneses não-judeus são porcos e americanos, cachorros. A ideia de representá-los dessa forma ironiza o fato de que as imagens propagandistas do nazismo retratavam os judeus e poloneses como ratos e porcos. Esse recurso e a opção pelo preto e branco dão o tom dramático/perturbador à história, que relata verdadeiras tragédias e profundo sofrimento vividos pelo protagonista. Ao mesmo tempo, o preto e branco também traz o ar de leveza e afeto à história. Foi criada uma categoria especial no Prêmio Pulitzer para o quadrinho Maus, pois o comitê não se decidiu se o categorizava como uma obra de ficção ou biografia. Com um texto fluente e desenhos muitas vezes chocantes e profundamente sentimentais, Maus é um quadrinho impecável e imprescindível a qualquer um que curta a arte das narrativas gráficas. Confesso que apesar de ter lido em apenas um dia é preciso algumas pausas pra conseguir respirar e tirar o “cisco” do olho.

Va n

Quando apareceu lá em casa um quadrinho chamado “Maus” olhei aquela capa com dois ratinhos abraçados e uma suástica ao fundo. Achei estranho, mas intrigante. Não me chamou tanto a atenção no primeiro momento. Aquela velha história de não julgar o livro pela capa não funciona muito bem pra mim. Num dia de bastante ociosidade resolvi ler o quadrinho de capa estranha. “Maus” é uma verdadeira viagem aos tempos de guerra. O autor, Art Spiegelman, consegue fazer com que a gente se imagine nas situações, se emocione, devore a história. E foi o que aconteceu. Li as 296 páginas em um dia. Histórias como essas tão reais e carregadas de sentimento prendem a atenção de forma que não tem como parar. Maus - ratos em alemão - é a história de um judeu polonês que viveu os horrores da Segunda Guerra Mundial. O próprio sobrevivente narra toda a história ao filho, Art Spiegelman, autor do quadrinho. O roteiro é envolvente e emocionante tamanha é a riqueza de detalhes com que o protagonista relata sua história. “Maus” é considerado um livro-reportagem, pois o autor baseia toda a história em entrevistas realizadas com o próprio pai.

fan o

VANESSA DE OLIVEIRA FÓFANO / 5º PERÍODO DE JORNALISMO

SPIEGELMAN, Art. Maus: edição completa. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. 296 p.


CIRCULANDO

Fevereiro/Março de 2013

3

SOCIEDADE

Direito à comunicação em um mundo capitalista Acreditando que a universidade, por excelência, é o espaço do pensamento, da crítica e da diversidade de opiniões, alunos do 1º período de Jornalismo da Universidade Vale do Rio Doce (Univale) debateram questões polêmicas sobre o direito à informação e à liberdade de expressão, o monopólio dos meios de comunicação no Brasil e suas implicações para a democracia e, também, o desequilíbrio entre a atual lógica de exploração do sistema capitalista versus a finitude dos recursos naturais do nosso planeta. O debate foi norteado pelo conteúdo apresentado nos documentários “Levante sua voz” e “A história das coisas” - ambos disponíveis na internet. Após assistirem aos vídeos pela disciplina Ética e Cidadania, os futuros jornalistas expressaram seu ponto de vista. Confira abaixo!

A história das coisas Com linguagem clara, simples e bem humorada, a ambientalista norte-americana Annie Leonard revela no documentário os passivos sociais e ambientais gerados pelos hábitos de consumo da sociedade capitalista atual. Por meio de animações, é mostrado passo a passo o funcionamento da cadeia de produção, desde a exploração dos recursos naturais, passando pela produção na indústria, pela compra até chegar ao descarte, onde nossas aquisições viram lixo. Para acalentar um pouco o espectador, ao final, Annie sugere ações que podem contribuir para melhorarmos a nossa sociedade e o planeta.

Levante sua voz De forma didática e com humor, o documentário, produzido pelo Intervozes Coletivo Brasil de Comunicação Social, pauta o direito à comunicação e à liberdade de expressão e retrata a concentração dos meios de comunicação existente há décadas no Brasil. Trata-se de uma crítica contundente e ácida às poucas famílias que são detentoras dos principais canais de TV e rádio no país, que funcionam mediante concessão pública liberada pelo Senado Federal.

“O vídeo “Levante sua voz” é um documentário que fala sobre a ‘falsa liberdade de expressão’ a que nós brasileiros estamos submetidos. Só espero que possamos pensar e agir diferente no exercício de nossa profissão.” Evanilson Correia

“É sabido que a mídia tem um poder de formar opinião, mas quando esse poder está nas mãos de poucas pessoas, a informação tem o risco de ser passada de forma bem parcial, devido a questões que possam envolver postura política, interesses financeiros, dentre outras. A pessoa que recebe a informação ou notícia, às vezes, fica privada da questão que realmente poderia interessar-lhe, dependendo de como é feita a comunicação.” Fábio Eustáquio Velame Silva

“Como um país de quase 200 milhões de habitantes pode ser influenciado por apenas 11 famílias? Com muito dinheiro, bons contatos e detendo o monopólio das comunicações, isto é possível num país chamado Brasil.”

Guinther Carvalho Kerr (roteiro) 1º período de Jornalismo

Mauro Lúcio Rodrigues da Silva

“No Brasil, muitas pessoas se sentem superiores às outras pelo fato de serem mais bem sucedidas. Acham que têm o poder nas mãos e não dão o direito de pessoas mais simples, com pouca escolaridade, se expressarem, se comunicarem. Temos que mudar esta realidade. Todos têm os mesmos direitos. Direito de ir e vir, direito à liberdade de expressão. Levante sua voz!”

“Depois de tanta luta por liberdade de expressão, ainda existe censura por parte dos meios de comunicação do nosso país. No Brasil, cerca de 10 famílias detém as maiores emissoras de TV, além de jornais e emissoras de rádio. Muitas vezes, elas passam aos cidadãos as notícias que os “grandes” querem que as pessoas saibam e não o que realmente deveria ser passado.”

“O documentário ‘A história das coisas’ revela de forma bastante clara tudo o que nossos olhos não percebem a respeito do sistema de extração, produção, venda, consumo e descarte de produtos comuns em nosso cotidiano, nos proporcionando uma visão mais ampla de sustentabilidade, e alertando sobre os atuais problemas ambientais e sociais.”

“A economia de materiais é um sistema em crise, porque se trata de um sistema linear e nós vivemos em um planeta finito. A dinâmica social consumista que estamos inseridos não leva o consumidor a refletir sobre os seus hábitos e atos, que estão sendo refletidos diretamente na escassez de recursos naturais, essenciais para a sobrevivência humana.”

“A mídia manipula e nos transmite aquilo que a convém fazendo as pessoas terem as informações pela metade. Na maioria das vezes, omitindo e escondendo a verdade dos telespectadores. A mídia tem uma grande força no Brasil. Sendo assim, somos obrigados a assistir, ouvir e ler aquilo que ela tem a nos dizer e a nos influenciar.”

“Erga a voz brasileiros sonhadores, mesmo que os donos da comunicação tentem tirar a nossa liberdade de expressão. Dinheiro algum, nem mesmo a pressão de um mundo capitalista, pode tirar o nosso direito de falar o que pensamos. É só falar, a qualquer hora e em qualquer lugar. Precisamos de pessoas que tenham compromisso com a verdadeira informação. A nossa beleza está em nossas atitudes. Portanto, abra a boca e diga o que seu coração quer transmitir.”

Gabriella Mariano

Kessy Almeida Pereira

Marcela Ferreira

Otacílio Rodrigues

Salomão Renato R. Santana

Talita Ramalho de Souza

“Vivemos em uma sociedade cheia de injustiças, vítima de poderes que nos deixam sem esperança dia após dia, cada vez mais sem ação e completamente impotentes. Enquanto isso, os engravatados de colarinhos brancos se enchem de poderes e regalias cada vez mais e o cidadão comum vive como pode e agradece.” Viviane Ferreira dos Santos

“A liberdade do mais forte de se ‘alimentar’ do mais fraco acontece com muita frequência em nossa sociedade. Mas é preciso ter democracia para que todos tenham direitos iguais.” Kesia Melo


CIRCULANDO

Fevereiro/Março de 2013

4

CIDADANIA

Se essa rua fosse minha... GEORGE GONÇALVES 7º PERÍODO DE JORNALISMO

Eles estão à margem. Vivem nos centros, espalhados pelas ruas, abandonados à sorte de uma alma caridosa que decida ajudar. São vistos com olhos de medo. Como criaturas estranhas, por alguns. Eles vivem perambulando pelas calçadas. Ou parados nas esquinas. As mãos estendidas, maltratadas pela vida, denunciam a condição. Com poucas peças de roupa, algumas até rasgadas, têm a oportunidade de dizer que são cidadãos. Com documento, dignidade e tudo. Por eles, infinitos destinos, com pressa de chegar, passam todos os dias. Passos atrasados para o trabalho, para compromissos inadiáveis ou, quem sabe, para secos encontros, cheios de superficialidade e egoísmo. Há pessoas que quando se deparam com essa realidade crua e cruel, sentem o que não tem nome, talvez repulsa. Sentem dó, pena e fim. A precipitada conclusão, que já virou certeza, fica escondida no pensamento. Mas transparece na distância que o corpo sutilmente toma ao ver um morador de rua. Como, ironicamente, acontece com o ímã. Mas, neste caso, só há repulsão entre pólos iguais. É a própria natureza ensinando que todos têm algo em comum. Então, atravessa-se a rua, por medo de assalto ou outra coisa. Atitude de gente que acha que é mais gente porque tem carro, casa e conforto. Lutam para conquistar um pedaço para chamar de seu. Querem a chance da felicidade, sabidos de que ela pode, sim, ser alcançada com uma vida mais digna. Eles, de tantas ruas, se vêem num beco sem saída. Tentam fugir da verdade do hoje. Escolhem um mundo imaginário, onde são donos da condição. Onde têm poder de decidir o que querem ser. “Não somos mendigos./ Nem somos tampouco andarilhos./So-

mos, simplesmente, amantes./ Aman tes da arte do sofrimento!”, despeja a moradora de rua, Rosiane Pires dos Santos, que faz poesia da sua realidade. A vida é urgente no coração de quem sofre todos os dias. De quem experimenta a miséria, a humilhação, o frio, o calor, o desconforto, a pobreza. São moradores de rua. Brigam, sem levantar a voz, por um lugar que os acolha. Um pedaço de parede fechada, com teto, para chamarem de casa. É neles que os olhos de preconceito miram todos os dias. Carregam o duro esteriótipo de gente que leva a vida por levar. Mas bastam alguns minutos, numa conversa descomprometida ou numa entrevista para uma reportagem, para revelar a riqueza que têm dentro de si. Machucados pelo martírio diário, querem dizer. E querem que a conversa demore. Não é todo dia que alguém pára para escutar.

A mulher invisível Alaíde Simões de Souza, de 63 anos, não tinha ideia do rumo que sua vida iria tomar após a morte do marido. Era compradora e vendedora de pedras preciosas na cidade e tinha uma boa condição financeira. Foi numa tarde de domingo, 26 de junho de 1983, que dois assaltantes invadiram sua casa, a renderam junto com o marido, o único filho do casal e a empregada doméstica. O marido reagiu, foi morto com cinco tiros, segundo a polícia. “Mas eu e meu filho só ouvimos dois”. Os três outros estalidos foram ignorados pela audição da mulher desconsolada, que estava prestes a perder tudo. Talvez, inconscientemente, não quisesse acreditar no que estava acontecendo. Juscélio Simões, com 13 anos à época, presenciou tudo e ficou traumatizado, conta Alaíde. “Ele começou a ficar estranho. Parecia viver em outro mundo. Tive que levá-lo para fazer tomografia em outras cidades, a pedi-

Geroge Gonçalves

Os moradores de rua carregam a angústia de ocupar muitos espaços da cidade sem ter um só para eles

Lutam para conquistar um pedaço para chamar de seu. Querem a chance da felicidade, sabidos de que ela pode, sim, ser alcançada com uma vida mais digna. Eles, de tantas ruas, se vêem num beco sem saída.

do do neurologista, porque aqui não tinha. Fui à Belo Horizonte, Vitória, Rio de Janeiro e São Paulo. Para bancar a viagem, vendia meus móveis, minhas coisas”. Dia após dia, tendo que se desprender do que tinha em nome da saúde do filho, se deparou com a finitude dos pertences. Pouco lhe restou, talvez até menos do que o necessário. Ela e o filho, que foi diagnosticado como doente mental, foram condenados a se mudar para um pequeno apartamento, de apenas dois cômodos. Algum tempo depois, a mulher conta que Juscélio deu uma crise e rasgou

todos os papéis da família e quebrou os poucos móveis da casa pobre. Uma das duas irmãs de Alaíde, Irene Simões, que mora em Vitória, ficou sabendo da situação da parente e veio buscar ela e o filho para morar no Espírito Santo. Lá ficaram 15 anos. Alaíde conseguiu um emprego como atendente de telemarketing e depois como vendedora ambulante de uma revista de culinária. Segundo ela, “a melhor vendedora da empresa”. Ganhava pouco, por isso morava de favor com a irmã. Alaíde diz que não tinha condições de bancar sozinha as despesas dela e do filho.


CIRCULANDO

Fevereiro/Março de 2013

5

A vida é urgente no coração de quem sofre todos os dias. De quem experimenta a miséria, a humilhação, o frio, o calor, o desconforto, a pobreza. São moradores de rua. Brigam, sem levantar a voz, por um lugar que os acolha.

Mas o destino estava prestes a lhe pregar outra peça. A empresa faliu e Alaíde ficou desempregada. Orgulhosa, diz que voltou para Governador Valadares porque não tinha mais como ficar na casa da irmã. “Os filhos dela brigavam muito comigo e com o Juscélio às escondidas. Quando a Irene estava em casa, nada acontecia. Mas bastava ela sair para eles nos humilharem e até baterem”. Alaíde e o filho voltaram para as ruas Valadares, desta vez por opção. De Irene e da outra irmã, Lúcia, não tem mais notícias. Prefere evitar o contato. “A Lúcia é muito metida a besta e a Irene tem a vida dela, não quero atrapalhar”. Depois de um tempo, a mulher conseguiu internar o filho em uma clínica em Coronel Fabriciano, cidade a 116 km de Governador Valadares, com a ajuda de um programa do Governo Federal, que concede a Juscélio um auxílio R$ 300 por mês. O dinheiro é destinado às despesas do filho, hoje com 42 anos. A última vez que Alaíde o viu foi há 15 dias. Sem a presença do rapaz, ela tem agora um novo companheiro. Um pedaço de papelão que lhe serve de cama todas as noites. Quando o material molha, vai à Casa Perso-Brasileira, onde antes era cliente, pegar mais um exemplar. Nas noites frias, um cobertor que ganhou é seu único acalento. Vive sozinha, deprimida, desconsolada.

Droga de rua “Precisava aprender a ser gente. A vida havia se encarregado de me ensinar, não aprendi muito, mas vivi bastante. Não tive tempo de correr e, sem querer, acabei caindo em teus braços. Mas hoje tenho certeza: amo muito você! (...)”. A declaração de amor é de Keila Costa Miranda, viú-

va de um marido assassinado, cinco filhos, 38 anos. As palavras cheias de plenitude se revelam independentes do sofrimento das ruas. Sim; os moradores de rua também amam, também têm medos, sonhos e projetos. “Quero me livrar do crack. Sou viciada há 14 anos”. É este o sonho de Keila. O corpo magro e a boca escassa de dentes dão uma ideia das consequências do vício. Mas nem por isso, ela deixa de lado a vaidade. Durante os 20 minutos de entrevista, numa mesa do Centro de Referência em Assistência Social à População de Rua (CREASPOP), ela penteou religiosamente o curto cabelo. “É porque acabei de tomar banho e não tenho creme. Então fica mais difícil desembaraçar. Estou acostumada com cabelo bem curtinho, mas meus filhos fizeram uma promessa e agora eu que estou tendo que cumprir”, conta, com sorrisos. A promessa, Keila prefere não dizer. A decisão de sair de casa foi dela mesma. A família mora no Conjunto Sir, em Valadares. Um dos filhos dela ficou com a mãe biológica, os outros três filhos, “com a mãe de coração”, e a mais velha, de 23 anos, “já sabe se virar”. Keila conta que, pelo vício, dava muito trabalho aos familiares quando morava com eles. Decidiu ser só para

É horrível morar na rua. Se eu pudesse voltava pra casa, de verdade! Mas não tenho o direito de machucar minha família. Keila Costa Miranda

CIDADANIA não prejudicá-los. “Mas eu tenho contato com todos”, garante. Nas ruas, fica mais perto daquilo que quer fugir e enfrenta a tentação diariamente. “Quando não estou aqui no Centro, estou fazendo coisa errada nos bairros vizinhos”, confessa. Ela alimenta o vício proporcionalmente à vontade que tem de deixá-lo. “Eu me escondo das pessoas. Tenho vergonha disso tudo, mas não consigo me livrar. É uma força maior que eu”. De vez em quando aparece algum serviço, já que, segundo ela, é uma excelente decoradora. Também já trabalhou como salgadeira, cozinheira, em farmácia e numa loja de calçados ortopédicos em São Paulo, de onde chegou há 23 anos. Morar na rua é o castigo de Keila. Está isolada de todos que ama porque não consegue lidar com o desejo de se drogar. O exílio cobra um alto preço. “Nós somos vistos como bandidos. Alguns policiais nos tratam como animais, até. Pegam nossas coisas, comem, jogam fora, fazem pouco caso delas”, denuncia. “É horrível morar na rua. Se eu pudesse, voltava pra casa, de verdade! Mas não tenho o direito de machucar minha família”, conclui. Assim que se livrar do vício, ela promete se organizar para ter sua casa, morar com os filhos e tomar as rédias da vida. Enquanto isso, procura uma solução para seu problema crônico.

Mão estendida Há algo em comum nas histórias que você conheceu na reportagem. Alaíde e Keila são atendidas no Centro de Referência em Assistência Social à População de Rua (CREASPOP, em Governador Valadares. O lugar foi inaugurado em abril de 2011. Por de trás do portão marrom, da casa que fica na rua Belo Horizonte, alugada pela Prefeitura de Governador Valadares, diferentes histórias passeiam, livres, pelos cômodos. Cerca de 35 pessoas são atendidas diariamente. Lá, podem tomar banho, lavar a roupa e descansar sob um teto que não os acusa. A semelhança os aproxima. São amigos porque experimentam, cada um à sua maneira, uma mesma rea-

Muitos chegam aqui com a vida fragmentada e o vínculo familiar fragilizado. Eles têm sonhos, mas não sabem como concretizar. Natália Alves dos Santos Educadora do CREASPOP

lidade. Participam de oficinas, como cultura e artesanato, para desenvolver suas aptidões. Os trechos de poesia inseridos nesta matéria, inclusive, fazem parte de uma oficina de jornal, onde os educadores sociais estimularam a criação artística sobre a vida na rua. Ao final, a fanzine, pequena Revista feita pelo Centro, intitulado “VAGO – produção transeunte e sem moradia fixa!”, eternizou nas folhas de papel o sentimento guardado, e poucas vezes expressado, dos moradores de rua. Segundo a psicóloga Natália Alves dos Santos, mestre em Saúde Mental, que trabalha como educadora de nível superior no Centro, o perfil do público atendido é formado de homens, geralmente com algum contato com a dependência química. Apenas pessoas maiores de 18 anos são aceitas no CREASPOP, que funciona na Rua Belo Horizonte, nº 816, no Centro, de segunda a sexta, de 7h30 às 17h. “Muitos chegam aqui com a vida fragmentada e o vínculo familiar fragilizado. Eles têm sonhos, mas não sabem como concretizar”. O secretário de Assistência Social do município, Jaime Luiz Rodrigues Júnior, explica que o trabalho com os moradores de rua tem dado resultado. “É a primeira vez na história de Governador Valadares que é feito algo concreto para esse público”, destaca. “O Centro é um projeto de inclusão social que tem vários desafios. O primeiro deles foi a própria implantação. Agora, a Secretaria Municipal de Assistência Social busca consolidar essa política pública”, conclui Jaime.


CIRCULANDO

Fevereiro/Março de 2013

6

PROSTITUIÇÃO

O dia a dia de quem usa o corpo como instrumento de trabalho Em Governador Valadares, garotas de programas e travestis sustentam que 80% de seus clientes são homens casados. Já os garotos afirmam que 30% de sua clientela é fixa e a maioria é composta por casais que os procuram para satisfazer fantasias sexuais Arquivo Circulando

ADRIANO FÉLIX E MARI FIALHO 7º PERÍODO DE JORNALISMO

S

ão quase 22h de uma noite quente em Governador Valadares. Ainda que seja difícil, decidimos sair em busca dos profissionais que utilizam o corpo como instrumento de trabalho pelas ruas da cidade. Paramos na BR 116, quatro prostitutas encontrava-se no local. Logo, uma delas vem ao nosso encontro e oferece o serviço. É um travesti que se identifica como tal, enquanto as outras apenas acompanham a amiga e fazem sinais para chamar a atenção dos outros motoristas que passam pelo local. Iniciamos uma conversa e logo nos deparamos com os efeitos do trabalho na noite: medo, frustração, sonhos. A prostituição é uma das profissões mais antigas do mundo e uma das mais arriscadas. As pessoas que oferecem esse tipo de serviço, na maioria das vezes, não sabem quem são os seus clientes. Entram nos carros, nos hotéis e motéis com um desconhecido e entregam seus corpos em troca de dinheiro e alguma esperança. O valor de um programa com essas garotas ou garotos do sexo gira de R$ 50,00 a R$ 200,00, “dependendo do gosto do cliente”, como costumam dizer. Esses profissionais são facilmente encontrados em pontos do Centro da cidade, como na Praça Serra Lima; Rua Afonso Pena esquina com Belo Horizonte e nas BR’s 116 e 381. Pesquisa divulgada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) revela que são 1.776 pontos de prostituição existentes próximos às rodovias brasileiras. Destes, 252 ficam em Minas Gerais, estado com a maior malha rodoviária do país. O Estado também se destaca por ser pioneiro num concurso de beleza voltado para esse público. Em setembro de 2012, enquanto o Ceará sediava o concurso que escolheu a representante oficial do Brasil para o Miss Universo 2012, Minas Gerais voltava os olhos para as beldades da primeira edição do “Miss Prostituta”. Com o argumento de combater o preconceito contra a classe, profissionais do sexo que atuam na capital mineira desfilaram charme na passarela montada em um shopping popular de BH, onde uma capixaba foi eleita.

Exibição de corpos Hoje, são cada vez mais comuns os sites que divulgam o trabalho de garotas e garotos de programa. Muitos optam por construir blogs próprios para evitarem os custos do serviço de divulgação de suas fotos em sites especializados. Há aquelas que procu-

Tanto as mulheres quanto os homens entrevistados na reportagem revelaram receber ofertas financeiras maiores para programas sem uso de camisinha

ram exibir seus corpos através de sites na internet, onde a fotografia estimula os clientes. Outra prática que tem aumentado na região são os anúncios nas páginas de classificados dos jornais impressos, onde exploram com detalhes as formas físicas, a cor da pele e dos olhos.

Meu maior sonho é ter meu filho e meu netinho perto de mim, casar com meu namorado que eu amo muito, apesar dele ser casado.

Nossa personagem, que não quis se identificar, anuncia no Diário do Rio Doce e atende em casa. Diz que a opção de anunciar no jornal é melhor porque não precisa ir para as ruas para conseguir seus clientes. A casa onde mora e atende a quem procura pelo serviço é simples, mas bem organizada. Apesar de não consumir, tem fartura de bebidas alcoólicas no barzinho que fica na copa. Ela tem 38 anos e desde os 15 trabalha como profissional do sexo. Tem um filho de 21 anos e um netinho de dois que moram com

os avós, no Espírito Santo. O namorado, com quem se relaciona há cerca de quatro anos, sabe da sua profissão e, segundo ela, aceita. “Meu maior sonho é ter meu filho e meu netinho perto de mim, casar com meu namorado que eu amo muito, apesar dele ser casado”, acrescenta. Ela conta que cobra R$ 200,00 pelo programa, com duração entre 15 minutos a, no máximo, uma hora cada. Em média, faz entre 15 a 20 programas por mês. A entrevistada garante que não fica sem usar preservativos, mas já teve propostas para não usá-los. Revela que o filho e os vizinhos sabem da sua profissão. O filho não aceita, por isso foi embora; já os vizinhos não se incomodam.

Travestis Não são apenas as mulheres que usam o corpo para ganhar dinheiro neste mercado. Os travestis são uma realidade nas ruas e rodovias. Bianca (nome fictício) tem 23 anos e há quatro se prostitui. Ela conta que é atriz de teatro e entrou para essa vida porque o lucro é bem maior. Assim como as mulheres, revela que parte do dinheiro que ganha é para ajudar nas despesas de casa. A outra parte é para comprar roupas, perfumes e calçados. Ela cobra R$ 50,00 pelo programa. Disse que atende até seis clientes por dia, quando o movimento está bom e que a grande maioria é casada.

Segundo Bianca, o medo persegue as travestis. Por causa da violência vivida por ela e pelas amigas, se vê obrigada a andar com uma faca na bolsa para se prevenir. “Tenho medo das pessoas, porque a gente não as conhece. Entramos no carro deles sem saber para onde estão indo e se vão fazer programa mesmo, sabe-se lá. É muito arriscado”, revela. “Graças a Deus nunca aconteceu nada comigo, mas perdi uma amiga aqui já faz dois anos. Ela morreu assassinada atrás dos motéis”, relembra.

Tenho medo das pessoas, porque a gente não as conhece. Entramos no carro deles sem saber para onde estão indo e se vão fazer programa mesmo, sabe-se lá. É muito arriscado. Bianca Travesti


CIRCULANDO

Fevereiro/Mar��o de 2013

7

PROSTITUIÇÃO

Legalização é defendida no Senado Google Imagens

Enquanto os profissionais do sexo trabalham no lado obscuro da informalidade, a legalização da prostituição já tem representante no Senado brasileiro. O Deputado Federal Jean Wyllys (PSOL/RJ) protocolou o Projeto de Lei 4211/2012, que visa regulamentar a atividade de profissionais do sexo. O objetivo é garantir que o exercício da atividade desses profissionais seja voluntário e remunerado, tirando-os de um submundo de marginalização, sejam homens ou mulheres. Batizada de Lei Gabriela, o nome é uma homenagem à escritora, presidente da ONG Davida - que representa prostitutas - e ex-aluna de Filosofia da USP, Gabriela Leite, que decidiu virar prostituta aos 22 anos. Um dos pontos principais do projeto é também tipificar a exploração sexual diferindo-a do instituto da prostituição, a fim de combater o crime, principalmente contra crianças e adolescentes. Em seu blog, o deputado Wyllys defende que “a mesma sociedade que desaprova a prostituição a utiliza”, complementando que “desenvolver a cidadania

das e dos profissionais de prostituição caminha no sentido da efetivação da dignidade humana”. E por falar em dignidade humana, em Governador Valadares trabalhos voltados especificamente para profissionais do sexo é uma lacuna, sejam trabalhos de assistência direta, acompanhamento ou até de reconhecimento. A realidade local não se difere das demais cidades do interior do Brasil. No cenário político municipal, também não há representantes que, oficialmente, levantam a bandeira em defesa da legalização. A psicóloga Maria José Pio avalia que trata-se de um assunto delicado. Para ela, é preciso encontrar um equilíbrio diante desta questão que não deixa de ser polêmica. “Temos importantes vertentes para serem levadas em conta nesta discussão. Se de um lado discute-se a legalização da profissão, de outro há quem pense que estas pessoas precisam de um trabalho de resgate à cidadania, saindo totalmente dessa margem para “entrar” para a sociedade”, exemplifica.

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL/RJ) defende a diferenciação entre exploração sexual e prostituição

Google Imagens

Zona boêmia de GV já foi palco de celebridades “Olha a cabeleira do Zezé, será que ele é, será que ele é...”. Quem nunca ouviu esse refrão certamente não é brasileiro. Esta, entre outras marchinhas carnavalescas, vinha sempre acompanhada de gente enfeitada, carros alegóricos, bebida, lança-perfume e muita mulher bonita. São estas as recordações de um tempo em que Governador Valadares era palco de celebridades. E foi exatamente neste período que a zona boêmia da cidade era frequentada por artistas de renome nacional, como Nelson Gonçalves e Altemar Dutra, que não só passavam por aqui como também garantiam sua volta. Eles se apresentavam na cidade, principalmente nos clubes, ou no Cine Palácio (atual Ilusão Esporte Clube), e depois faziam “festão” para a turma dos boêmios nas boates da zona. Se na atualidade a prostituição em Governador Valadares caminha na escuridão, no passado ela vinha recheada de requinte e sofisticação. Quem estava na cidade à época tem história para contar. Conhecida pela discrição e elegância das mulheres, era o período de Carnaval que atraía clientes de todo o Brasil para a zona boêmia, cujas beldades desfilavam em um carro alegórico enfeitado e animado ao lado de outros que representavam clubes carnavalescos locais.

Quem recorda com saudades do período é o advogado Ivaldo Tassis. “Você vê o Rio de Janeiro com aquelas escolas de samba? Nós tínhamos isso tudo! Lógico que era em tamanho menor, micro. Mas nós tínhamos aquela beleza, aquela coreografia, aqueles efeitos visuais todos aqui na cidade”, relembra. O advogado conta ainda que era tudo muito fascinante e que seu pai era um carnavalesco emérito, junto a figuras marcantes em nossa sociedade, como o médico Arnóbio Pitanga. “E tinham ainda os blocos dos clubes, que bancavam a disputa de quem era campeão. O lança-perfume era liberado. E o povo participava, tinha outros blocos”, anima-se.

Se na atualidade a prostituição em Governador Valadares caminha na escuridão, no passado ela vinha recheada de requinte e sofisticação.

Quem sustenta as informações é o colecionador de objetos antigos e pesquisador diletante da história local e regional, Harley Cândido, também formado em Direito. Ele explica que na cidade realmente havia a rotatividade de mulheres na zona boêmia, informando que pesquisas dão conta de que elas vinham da região, de longe, sempre mulheres bonitas.

Respeito O pesquisador também sustenta a relação de respeito presente dentro das boates da zona, à época. “Era proibido ter sacanagem no salão. Não tinha disso naquela época. A maior intimidade era para dentro dos apartamentos que ficavam bem nos fundos, em uns quartos específicos, camuflados”, completa. O pesquisador acrescenta que alguns quartos eram das mulheres que iam para trabalhar e também moravam na boate. Ele destaca que as mais conhecidas eram as Boate Normandi, cuja proprietária era chamada de Rosa, e a Boate Frenesi, de propriedade de dona Dulce, todas localizadas na região do atual Mercado Municipal, esquina com a Rua José Luiz Nogueira e Euzebinho Cabral. As duas boates disputavam a grande clientela de Governador Valadares.

Altemar Dutra já cantou na zona boêmia de GV

Harley Cândido conta ainda que havia uma classificação das zonas locais, que variavam de A a B – normalmente as mais centralizadas - e ainda as de classe média, que eram aquelas localizadas nas imediações das ruas Afonso Pena e Bárbara Heliodora, boates consideradas médias, de onde algumas mulheres eram donas. O pesquisador ressalta que haviam ainda as boates denominadas de “Torresmo”, de baixo meretrício, onde ocorriam muitas brigas com o famoso “puxa faca”, ambiente mais pesado. Harley Cândido prepara o lançamento de um livro em que contará detalhes importantes da antiga zona boêmia de Valadares.


CIRCULANDO

Fevereiro/Março de 2013

8

O melhor da vida na terceira idade ALEXANDRINA SANT’ANNA E GEORGE GONÇALVES 7° PERÍODO DE JORNALISMO

de dois filhos e cuida da saúde do corpo praticando musculação em uma academia. Na seresta, não há espaço para dores no corpo. O desenrolar dos passos funcionam como uma terapia. Para animar o público da terceira idade, o cantor José das Graças, de 58 anos, acompanha há 15 anos a festa. O repertório é feito de acordo com o que o público pede. “Geralmente tocamos bolero, a valsa e o tradicional forró. As músicas mais antigas fazem sucesso. Eles são muito animados e participativos”, diz. Envelhecer faz parte do processo humano. Mas o grande desafio, atualmente, é chegar à “melhor idade” com qualidade de vida. A maturidade, associada a bons hábitos, segundo os médicos, garante a saúde do corpo e da mente, fundamentais nessa fase da vida.

questões financeiras. “O atendimento oferecido pelo governo, sozinho, não dá conta de receber a demanda com eficiência”, completa. Pela lei, é considerado idoso quem está acima dos 60 anos. Mas ainda segundo a médica, é difícil restringir-se a um conceito específico porque cada pessoa reage de uma forma ao envelhecimento. “Existem pessoas jovens, por exemplo, que tem um condicionamento físico de um idoso e vice-versa. A gente começa a envelhecer desde quando é gerado. Esse processo natural pode ser encarado de várias formas diferentes”, conclui. Mas como encarar bem a velhice? A psicóloga Mary Gláucia Ribeiro, que trata de pacientes na terceira idade, revela um dos segredos: não deixar a vida social de lado. “Muitos, quando aposentam, perdem o vínculo com outras pessoas. As serestas e os momentos de lazer para a terceira idade em geral, Saúde em dia A geriatra Isabel Pimenta Seolin ajudam a construir laços”, destaca. afirma que é preciso buscar um equilíbrio na saúde biopsicossocial, aque- Trabalho na velhice la que responde pela integralidade Maria das Mercês Meira, 67 anos, se do ser humano. “Os cuidados na ter- diz realizada com a vida que até aqui ceira idade devem ser os mesmos de construiu. Viúva, mãe de quatro filhos qualquer pessoa: atividades físicas, e avó de quatro netos, a professora alimentação saudável e hábitos de aposentada segue cheia de energia e vida mais tranquilos. O que muda é a satisfação em seu trabalho. questão previdenciária, que na minha Com quase cinco décadas de proopinião, deve ser olhada com atenção fissão, Mercês, como é conhecida, pelo idoso”. começou dando aulas para crianças. Isabel explica que muitas pessoas Natural da cidade de Diamantina, não têm acesso a serviços de saúde por veio para Governador Valadares após

O que você faz com R$5,00? Para cerca de 300 pessoas, em Governador Valadares, o dinheiro tem destino certo nas noites de sexta-feira. É o preço do ingresso de uma seresta organizada há 20 anos na cidade, que reúne amantes das músicas antigas dispostos a encarar uma diversão num clima bastante familiar. “A seresta é a melhor coisa do mundo!”, conta Ladislau Moreira, de 73 anos, que organiza o evento desde o princípio. Os passos já não são mais os mesmos. A lentidão ao caminhar revela a fragilidade que os anos deixaram em Ladislau. As marcas do tempo também são visíveis no rosto. Mas com o sorriso de um menino, demonstra muita vitalidade e revela um dos segredos para envelhecer com saúde: dançar. Uma das armas do maquinista aposentado contra o tempo. Dono de uma boa saúde, só vai ao médico para fazer exames de rotina. O bem-estar vindo da dança, segundo ele, é uma excelente fisioterapia. O aposentado Jairo Firmino, de 75 anos, também foi um dos colaboradores para a criação da seresta. A alegria de relembrar um passado não muito distante é visível em seu rosto. Jairo conta que, quando começaram o evento, participavam dez pessoas, mas já tiveram noites em que receberam cerca de 1.000 participantes. “Os benefícios da seresta são muiThiago dos Santos tos; principalmente porque na cidade a maioria das pessoas tem uma renda baixa. O valor cobrado pela entrada é simbólico, o que permite a participação de mais pessoas. O entretenimento e a diversão, aqui, são garantidos”, destaca. A Associação Ferroviária ganha uma decoração especial para o momento. Luzes, mesas e cadeiras dispostas pelo salão ajudam a enfeitar o lugar. A maioria dos participantes já viveu bastante coisa nessa vida. O evento conquista, principalmente, o público da terceira idade. E nada de chegar no horário certinho. Os participantes têm hábitos de jovens, atrasar para a seresta é um deles. Marlene Solarich frequenta o local há três anos e conta que a dança é um remédio eficaz para o corpo e para a alma. A preparação para a velhice começou cedo. Aos 47 anos, é mãe “O entretenimento e a diversão, aqui, são garantidos”, revela o aposentado Jaime Firmino, de 75 anos

se casar. A missão de lecionar continuou em nova terra. Com o passar do tempo, no Colégio Imaculada Conceição, formou adolescentes para o curso de Normal Superior, onde ministra aulas até hoje.

Gosto de boa música. Para mim, a vida é maravilhosa de viver. Por isso, a gente precisa aproveitá-la ao máximo.

Mercês também atua na Superintendência Regional de Ensino na função de pedagoga. “Atender a cidade de Valadares e os municípios vizinhos não é uma tarefa nada fácil, mas faço com muito amor, dedicação e entusiasmo”, afirma. A aposentadoria não foi, para ela, sinônimo de descanso. Para Mercês, continuar trabalhando é muito gratificante. “Considero o trabalho como uma benção. Através dele, contribuo com a dimensão divina, social e humana. Não vejo motivos para não trabalhar. O corpo humano é uma obra de Deus. Esta máquina necessita estar em constante movimento. Se pararmos, enferrujamos. Vou até onde puder”. O processo de envelhecer tem se tornado prazeroso. Ter saúde nesta fase da vida e continuar exercendo a profissão, para Mercês, é um bem primordial. Mas para chegar a terceira idade saudável, pequenos cuidados são necessários para que sejam grandes aliados na velhice. Do contrário, o envelhecimento pode ser doloroso. Mercês valoriza a boa alimentação e os exercícios físicos. Mas deixa outra dica importante: “A boa convivência familiar e as amizades contribuem para nossa paz de espírito. A relação com o outro é muito importante”. A senhora, com aparência de menina, mantêm seus desejos. Aprender é um deles. “Como qualquer ser humano os erros são inevitáveis, mas através deles, aprendemos. Ser feliz é minha meta. Gosto muita daquela música de Gonzaguinha: ‘Viver e não ter a vergonha de ser feliz. Cantar e cantar e cantar a beleza de ser um eterno aprendiz’. Quero continuar aprendendo e acreditando na felicidade”, revela, sorrindo.


Jornal Circulando - Ano 15 Número 403