Page 1

SAÚDE COLETIVA VACINA BCG Andréia Gonçalves Erika Doretto Blaques


O QUE É VACINA ? • Substância que tem a propriedade de imunizar o organismo contra uma doença infecciosa. • É preparada a partir de microorganismos mortos ou inativos, ou a partir de microorganismos vivos mas atenuados pelo formol, por uma outra substancia ou pelo calor. • A substância mantém suas propriedades antigênicas e suscita no sangue do individuo inoculado a formação de anticorpos que o protegem contra o microorganismo correspondente. • Administrada por via oral, parenteral ou pela escarificação com finalidade de prevenir a doença infecciosa


COMPOSIÇÃO E APRESENTAÇÃO • A vacina contra Tuberculose-BCGBacilo de Calmette e Guérin é obtida por atenuação do Mycobacterium bovis apresentada em ampolas com múltiplas doses. É indicada como principal meio de prevenção de formas graves da Tuberculose( Miliar e Meningea).


INDICAÇÃO • A vacina BCG é indicada principalmente para prevenção da formas graves de Tuberculose(Miliar e Meníngea) em crianças menores de 5 anos, mais freqüentes em menores de 1 ano. • Indicada também o mais precocemente possível nas crianças VIH-positivas assintomáticas e filhos de mães VIHpositivas. • Contra-indicada nos individuos VIH_posotivos sintomáticos.


IDADE DE APLICAÇÃO • A aplicação deve ser feita no primeiro mês de vida da criança, devendo ser adiada se a criança apresenta peso inferior a 2kg. • Também administrada em domicilio de pacientes com Hanseníase com o propósito de aumentar a proteção do grupo.


VIA DE ADMINISTRAÇÃO • A vacina deve ser rigorosamente administrada por via Intradérmica no braço direito, na altura da inserção inferior do Músculo deltóide. • Nota→A evolução da reação vacinal começa por um nódulo local que evolui para pústula(lesão cutânea que se caracteriza pela eleveção epidérmica circunscrita que contém líquido purulento), seguida de crosta e úlcera, com duração habitual de 6 a 10 semanas, dando origem quase sempre a pequena cicatriz, podendo haver durante a fase da úlcera o aparecimento de secreção.


ESQUEMA • Uma dose(0,1ml), ao nascer.( Leitura: 72 á 96 horas após a aplicação medindo com régua milímetrada o maior diâmetro transverso da área de enduração palpável); • Revacinação: preferencialmente entre ao 6 e 10 anos • Obs: o reforço com a vacina BCG está indicado em regiões endêmicas para Hanseníase.


NOTAS • O TesteTuberculínico (PPD) é dispensável, antes ou depois da aplicação do BCG; • Em crianças que receberam o BCG há 6 meses ou mais, na qual a cicatriz vacinal esteja ausente, indica-se a revacinação, sem a necessidade de realização do PPD; • Se a primeira dose for aplicada com 6 anos de idade ou mais, não há necessidade de revacinação.


EVENTOS ADVERSOS MAIS COMUNS • Formação de abscesso e/ou ulceração, no local da aplicação; • Linfadenite regional (inflamação dos gânglios linfáticos).


CONTRA-INDICAÇÕES • Imunodeficiência congênita ou adquirida, incluindo crianças infectadas pelo VIH sintomático; • Recomenda-se adiar a vacinação com a BCG em RNs com peso inferior a 2kg; • E em presença de afecções dermatóligas extensas em atividade.


CONSERVAÇÃO E VALIDADE • Conservar entre +2°C e +8°C. A vacina inativa-se rapidamente quando exposta diretamente a raios solares, não havendo riscos se for por exposição à luz artificial. • Após a reconstituição, deve ser utilizada no prazo máximo de 6 horas. • O prazo de validade é indicado pelo fabricante e deve ser respeitado rigorosamente.


VACINAÇÃO E/OU REVACINAÇÃO DE GRUPOS ESPECIAIS • Segundo recomendação da Coordenação Nacional de Pneumologia Sanitária o objetivo de conferir maior proteção aos profissionais da área da saúde que exercem atividades em Hospitais e Instituições onde haja permanência de pacientes com Tuberculose ou AIDS, frequentemente expostos, portanto, a Infecção deve-se vacinar com BCG todos os não reatores e reatores fracos ao PPD incluidos os novos profissionais admitidos no mencionado serviço.


VACINAÇÃO DE COMUNICANTES DE HANSENÍASE • Considerando-se a norma estabelecida pela CNDS, deve-se vacinar os comunicantes de casos de Hanseníase com 2 doses de BCG, administradas com intervalo minimo de 6 meses devendo-se considerar a presença de cicatriz vacinal como primeira dose, independentemente do tempo transcorrido desde a aplicação que provocou o seu aparecimento. • Em gestantes recomenda-se transferir a aplicação do BCG para depois do final da gravidez.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SANTOS, Angélica Barbosa dos; MATIVI, Edileuza de Oliveira; MURTA, Genilda Ferreira et al. Saberes e Práticas: Guia para Ensino e Aprendizado de Enfermagem. 3 ed. Vol 3. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, 2007. p 104. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de normas de vacinação. 3 ed. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2001. p 23-24.

Vacina bcg  
Advertisement