Issuu on Google+

DEUS VÊ A SUA REVISTA ONLINE DE PRÁTICA DE ENSINAMENTOS ESQUECIDOS N°01/2012


EDITORIAL Neste número zero, experimental resgatamos uma carta esquecida e por sinal, muito criticada sobre a prática de ensinamentos de um novo membro da Arte do Johrei – Recife – PE. A carta dirigida ao Senhor Amarelo trata de uma conexão sincera com os ensinamentos do mestre Meishu Sama. Esperamos com esta re-publicação despertar o olhar e cuidado para a escrita cheia de sentimento da jovem membro. Uma boa leitura a todos e um ótimo re-começo Mr. Amarelo! A editora.


Deus vê “Entretanto, como já disse anteriormente, a questão fundamental nesse aspecto tem suas raízes nas idéias ateístas e, por isso, torna-se tão imprescindível eliminá-las, para que se consiga a chave da solução. Daí a importância do papel exercido pelos religiosos que através da prática de suas atividades, devem procurar conduzir os seres humanos ao reconhecimento da existência de Deus. Por isso eles precisam plantar a firme crença de que é possível enganar os olhos dos homens, mas jamais os de Deus.” Meishu Sama – Origem da corrupção – O caminho da felicidade Meu amigo Wellington, Comecei há pouco tempo a leitura do caminho da felicidade e este capitulo sobre a origem da corrupção foi algo que mexeu muito comigo, pois trás verdades muito profundas e ao mesmo tempo simples mas que de fato as pessoas realmente, até as mais crentes escorregam diante dos desafios e provações do dia-a-dia. Claro que minha empolgação em ensinar, aprender e ensinar, aprender e fazer é muito forte. Uma vez fiz uma vivência de biodança e no outro dia ensinei pra umas 15 pessoas e uma amiga me disse: olha tu ensina rápido o que tu aprende isso de chama (uma palavra sânscrito que não lembro) e minha eletricidade é um enigma e ao mesmo tempo insight que me deixa cada dia mais e mais apaixonada pelo kung fu e a certeza de que guerreiro tem que aprender a lutar e a lutar pelas coisas certas. A idéia é realmente sorver, respirar, realmente aplicar os ensinamentos do mestre já que venho nos últimos três meses “devorando” seus ensinamentos (com seus devidos exageros né Wellington?), mas, você pensava que eu não ia escutar. Na realidade até fiquei irritada (porque eu uma novata... tava querendo te guiar com minha santa pretensão e ansiedade) e confesso que fiquei pensativa depois quando você disse no nosso jantar e eu realmente topei. Eu realmente topei e no dia seguinte continuei lendo o livro e achei este ensinamento (ai acima) e fiquei pensando em ensinar ele (na mesma ansiedade) e lá se vou eu


trabalhar... Louca pra ensinar ele ao meu chefe, pra alguém... E também decidida a colocá-lo em prática. Consegui ensinar ele para a menina do administrativo e ela me disse que se eu realmente colocar ele em prática eu vou ser uma pessoa muito diferente e eu disse a ela que na semana que vem a gente conversa... E lá se vou eu para meu primeiro teste de fé. Minha consciência. Provar as pessoas o que sentimos e pensamos, o quanto somos honestos, e verdadeiros, a nossa intenção é algo realmente muito difícil. Só quem conhece o nosso coração e nossas intenções mais profundas é mesmo Deus. Diante das maiores acusações é impossível provar... é impossível fazer as pessoas sentirem o que sentimos no fundo, até porque lá na frente eu aprendi que nem nós mesmos temos consciência da nossa intenção... Eu apelidei esta prática de simplesmente: Deus vê! Deus vê o nosso mundo interno. Vê como somos por dentro... Nossas intenções até mesmo com o que julgamos ser um bem. “Oh. Eu estou sendo boazinha e fazendo isso e isso”, mas lá no fundo sabe o que Deus me mostrou? Ele mostrou minhas verdadeiras intenções, minhas vaidades, o sentido último dos meus atos, ele mostrou bem direitinho. Então eu fiz assim: ah Deus vê. Mas eu só fiz assim depois de tentar todas as ações materialistas. Provar para o mundo algo que nem eu mesma tenho tanta consciência. Então eu aprendi numa discussão que se Deus vê a gente não precisa brigar. Que se Deus vê não há porque lutar. Que se Deus vê realmente há justiça! E acreditar nisso a cada instante testa nossa fé no mundo diante das pessoas. Será mesmo que acreditamos em Deus? Eu mesma me envergonhei quando especialmente estava dedicando e pensava: Deus vê. Então tudo ficava claro e eu sabia exatamente o que eu queria e isso me deixava tão envergonhada e pensava ao mesmo tempo: Poxa se Deus sabe nossa intenções ele realmente é bom! Bom, porque sabe da nossa vaidade, do nosso egoísmo, do quanto ainda falta muito para sermos perfeitos e mesmo assim permite tudo e aos poucos quando entendemos o sentido das pauladas ele


simplesmente nos dá. Incrível. Porque durante este aprimoramento eu pensei: É incrível como a cada dia eu estou me tornando uma perfeita INÚTIL. Era como me sentia antes desta prática. Uma inútil! E eu reclamei e conversei com Deus como ele podia desperdiçar a minha dedicação e empenho... e ele me mostrou que enquanto não aprimoramos e só quando começamos a aprender é que nos tornamos qualificados a ajudar a passar de fase, a ser útil. Antes é preciso ver. Preciso ver o nosso próprio coração. Deus vê é uma super meditação porque sua prática é estado de vigília. É atenção. É cair e saber que está caindo. E conhecer sua condição inicial, e saber porque se purifica tanto as mesmas coisas e nãos e avança. Mas nem tudo foi só dificuldade! Eu vi também que tinha intenções justas e boas. Eu vi também o poder do silêncio. Aquela lição de que a mão esquerda não saiba o que faz a direita. Do significado de conquistar uma alta posição aos olhos de Deus que é algo que realmente não está no mundo. A honestidade verdadeira é esta espécie de comunhão perfeita com Deus. Esta fé mesmo de ele vê nossas ações, de que ele sabe a verdade, de que ele vai fazer a justiça no seu tempo. Não o que tentamos o tempo inteiro: provar. Superar a vaidade é um super desafio. Abandonar toda vontade de poder. De honrarias... Hoje já pensando uma forma de transmitir esta minha vivência, eu me emocionei... Porque Deus me mostrou, porque eu me permiti ver e dizer a mim: Seja honesta, você é especial para Deus! Eu senti isso. E queria agradecer a você muito, muito meu irmão Wellington... Por esta oportunidade de realmente entrar no caminho do aprimoramento... Sou-te infinitamente grata por seres este instrumento divino maravilhoso na minha vida! Um Abraço apertado! Aline Cavalcanti


Deus vê