Page 1

Toxicologia Básica

para Agentes Comunitários de Saúde Medicamentos e Saneantes

Ministério da Saúde Grupo Hospitalar Conceição ANVISA

Manual de


Dados do agente Nome do agente comunitário: Endereço: Telefone/celular:

Unidade de Saúde: Endereço: Telefone:

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


Ministério da Saúde Grupo Hospitalar Conceição – GHC Projeto Estação GHC

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Gerência Geral de Pós-Comercialização


Expediente MINISTÉRIO DA SAÚDE

Alexandre Padilha

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO - GHC

Carlos Eduardo Nery Paes - Diretor - Superintendente Gilberto Barichello - Diretor Administrativo e Financeiro Néio Lúcio Fraga Pereira - Diretor Técnico

GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA - GEP

Lisiane Bôer Possa

SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA - SSC

Claunara Schilling Mendonça

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA

Dirceu Brás Aparecido Barbano - Diretor Presidente José Agenor Álvares da Silva - Diretor Jaime César de Moura Oliveira - Diretor

ESTAÇÃO GHC – OTICSS

Observatório de Tecnologias em Informação e Comunicação em Sistemas e Serviços de Saúde Alcindo Antônio Ferla (UFRGS) Jamaira Moreira Giora (GHC)

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


Projeto Estação GHC- ANVISA: PROGRAMA MULTIFOCAL DE IDENTIFICAÇÃO DE RISCO RELACIONADO A PRODUTOS E EDUCAÇÃO E PREVENÇÃO DE AGRAVOS TÓXICOS JUNTO AOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA

Equipe Técnica Responsável Alberto Nicolella Eliane Dallegrave Maria da Graça Boucinha Marques B823m Brasil. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição Manual de toxicologia básica para agentes comunitários de saúde; organização de Alberto Nicolella, Eliane Dallegrave, Maria da Graça Boucinha Marques; ilustrações de Ronaldo Magalhães. Porto Alegre: GHC/ANVISA, 2010. 50 p. : il. 22 cm.

Divulgação e Informações oticsghc@ghc.com.br Projeto e Design Gráfico Alicecom/Doze66 Estudio Gráfico Ilustrações: Ronaldo Magalhães

1.Saúde Pública - Brasil - SUS - Toxicologia Clínica. 2. Nicolella, Alberto, Org. 3.Dallegrave, Eliane, Org.4.Marques, Maria da Graça Boucinha, Org. 5.Magalhães, Ronaldo, Il. I. Título.

CDU 614(81):616-085(035)

Catalogação elaborada por Izabel A. Merlo, CRB 10/329.

É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. 2ª impressão Abril 2012


SUMÁRIO

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


INTRODUÇÃO DADOS DE OCORRÊNCIA DE ENVENENAMENTOS

MEDICAMENTOS

ANALGÉSICOS/ANTITÉRMICOS

Paracetamol

Relato de Caso Salicilatos

09 10

14 16

Antitussígenos Antihistamínicos Descongestionantes nasais

DESENTUPIDORES E DESENGRAXANTES DESODORIZANTES/ANTI-TRAÇA E ANTIMOFO PESTICIDAS DE USO DOMÉSTICO

19

20

Benzodiazepínicos Antidepressivos

RISCOS NO USO DE MEDICAMENTOS PRIMEIROS SOCORROS PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM MEDICAMENTOS CUIDADOS AO ADQUIRIR MEDICAMENTOS

2

CERAS E POLIDORES

ANTIBIÓTICOS E HORMÔNIOS (ANTICONCEPCIONAL)

Relato de Caso

DESINFETANTES

18

MEDICAMENTOS UTILIZADOS NA ANSIEDADE E DEPRESSÃO

DETERGENTES, AMACIANTES, SABÕES E SAPONÁCEOS ALVEJANTES / ÁGUA SANITÁRIA

1

MEDICAMENTOS UTILIZADOS EM RESFRIADOS

SANEANTES

22 23 24 25

28 31 32 34 35 36 37 38

Inseticidas de uso doméstico Piretróides Organofosforados / Carbamatos

Relato de Caso

3

Lesmicidas

RODENTICIDAS/RATICIDAS

Relato de Caso

4

42

CUIDADOS NA CASA E EM AMBIENTES COLETIVOS

44 45 46 47

LOCAIS DE RISCO EM DOMICÍLIOS GLOSSÁRIO

50 52

RISCOS NO USO DE SANEANTES PRIMEIROS SOCORROS PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM SANEANTES


Manual de 08

Toxicologia Básica para Agentes Comunitários de Saúde Medicamentos e Saneantes

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


INTRODUÇÃO Este manual fornece informações específicas, voltadas para a qualificação dos Agentes Comunitários de Saúde, na identificação de situações de risco relacionadas a medicamentos e saneantes. Estes produtos, muito comuns em nosso dia-a-dia, frequentemente estão envolvidos em casos de intoxicação. Intoxicações são alterações que ocorrem no organismo, resultantes da exposição excessiva a substâncias potencialmente tóxicas, como os medicamentos e saneantes. Em alguns casos, necessitam de atendimento especializado. A exposição aos medicamentos ou saneantes, pode ocorrer por ingestão, contato com a pele, olhos ou mucosas, por inalação, entre outras. Praticamente qualquer substância pode ser tóxica, dependendo das características do produto, da quantidade e da forma de exposição. Os sintomas e sinais de intoxicação, muitas vezes se confundem com os de doenças comuns, dificultando o diagnóstico e, consequentemente, o tratamento.

Crianças são particularmente vulneráveis a intoxicações, considerando sua curiosidade, rapidez e muitas vezes, o descuido dos cuidadores. Portanto, é necessário conhecer o risco potencial de exposição aos agentes tóxicos, para que se possa evitar as intoxicações. Os Agentes Comunitários de Saúde são fundamentais no processo de prevenção de intoxicações, considerando sua estreita ligação com a comunidade e a capacidade de avaliar situações de risco domiciliar. Sendo assim, este manual faz parte de um programa de qualificação dos Agentes Comunitários de Saúde para abordagem preventiva de intoxicações, junto à comunidade. Equipe Técnica Responsável

09


DADOS DE OCORRÊNCIAS DE ENVENENAMENTOS Intoxicações no Rio Grande do Sul Para prevenir é necessário conhecer a real situação dos agravos tóxicos em nosso meio. Para isso, veja algumas informações que talvez você não conheça:

10

Segundo dados divulgados pelo Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas da Fundação Oswaldo Cruz (Ministério da Saúde) (1)referente ao ano de 2008, o Rio Grande do Sul responde por 21,8% do total de 99.215 atendimentos realizados por 17 Centros de Informação e Atendimento toxicológico do país.

Você sabia que o Rio Grande do Sul é um dos estados brasileiros com maior registro de intoxicações no país?


Você sabe quantos casos de intoxicação em crianças menores de 7 anos foram registrados no Rio Grande do Sul no período entre 2005 a 2008?

Segundo dados do Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul(2) foram registrados 22.460 casos de exposições tóxicas em crianças menores de 7 anos no Rio Grande do Sul neste período. Isso representa 32,5% do total de atendimentos deste serviço.

Crianças menores de 7 anos

32,5%

11


25,5%

Saneates

38,1%

(1) SINITOX - Casos Registrados de Intoxicação Humana, de Intoxicação Animal e de Solicitação de Informação por Região e por Centro. Brasil, 2008. (2) RIO GRANDE DO SUL. Secretaria da Saúde. Centro de Informação Toxicológica. ToxicovigilânciaToxicologia Clínica: dados e indicadores selecionados, Rio Grande do Sul - 2005, 2006, 2007, 2008. Porto Alegre: CIT/RS.

Medicamentos

11,8%

Animais peçonhentos

4,1%

Plantas

12,1% 8,4%

Outros agentes

Produtos químicos

12

Os Medicamentos e os Produtos Saneantes são os agentes que mais frequentemente estão envolvidos em acidentes tóxicos em crianças menores de 7 anos em nosso Estado(2). Eles representam 63,6% de todos os registros nesta faixa etária, totalizando 14.288 atendimentos entre os anos de 2005 a 2008.

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Você sabe quais são os agentes que mais frequentemente estão envolvidos nestes acidentes tóxicos?

Medicamentos e Saneantes


Tanto os medicamentos quanto os saneantes estão presentes nos domicílios de nossas comunidades, conferindo riscos potenciais de exposição em crianças.

Principalmente se não houver cuidado com o local de armazenamento desses produtos.

13


Medicamentos

MEDICAMENTOS 14

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


Estes são elaborados em farmácias ou indústrias farmacêuticas, atendendo a especificações técnicas e legais. Também são os maiores causadores de intoxicação em crianças abaixo dos 5 anos.

15

Medicamentos

Medicamentos são substâncias ou preparações utilizadas com a finalidade de aliviar os sintomas, prevenir ou curar doenças.


ANALGÉSICOS / ANTITÉRMICOS Uso

• combatem a dor; • diminuem a temperatura corporal, quando ocorre febre. Composição Os analgésicos/antitérmicos são compostos por vários princípios ativos: • Paracetamol • Salicilatos (Ácido acetilsalicílico) Medicamentos

Paracetamol Quando o Paracetamol é ingerido de forma indevida (quantidade maior do que a prescrita pelo médico, podem surgir alguns sinais e sintomas). Inicialmente pode ocorrer: • náuseas; • vômitos; • palidez ; • mal estar geral. Após alguns dias: • dor abdominal na altura do fígado; • alterações do fígado, que causam icterícia (amarelão);

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

podendo fazer com que o paciente não urine mais); • casos graves podem evoluir para coma e morte.

Nem sempre os sinais são imediatos!

Salicilatos

Efeito 16

• alterações do ritmo do coração; • alterações neurológicas; • alterações nos rins (diminuição da eliminação de urina),

Medicamentos e Saneantes

Quando o Ácido acetilsalicílico é ingerido de forma indevida (quantidade maior do que a prescrita pelo médico), podem surgir sintomas semelhantes aos da febre: • rubor da face; • aumento da temperatura corporal; • aumento da frequência do coração.


Paciente de 2 anos, previamente hígido, é atendido em sala de emergência com história de ter sido encontrado pela mãe, no início da noite, com um vidro de Paracetamol, de onde tinha sido utilizado somente uma dose, conforme a prescrição do médico. A criança apresentava somente mal estar. O médico ligou para o CIT/RS e foi informado do risco do medicamento em causar alterações no fígado. Como não sabia a dose exata que a criança tomou o médico além dos tratamentos comuns em super dosagem de medicamentos utilizou um antídoto por vários dias. A mãe ficou muito preocupada e sentiu-se responsável pelo ocorrido por não ter colocado o medicamento em local seguro longe do alcance da criança. E também por ser informada que seu filho poderia ficar com problemas no fígado para sempre, caso não o tivesse levado para o atendimento médico.

17

Medicamentos

RELATO DE CASO 1


MEDICAMENTOS UTILIZADOS EM RESFRIADOS Entre estes, os mais perigosos são os antitussígenos que inibem a tosse e o sistema nervoso central.

Antitussígenos

Descongestionantes nasais vasoconstritores

Uso Medicamentos

18

• hipotensão (diminuem a pressão arterial); • convulsão; • coma. 

Medicamentos indicados para o alívio da tosse.

(oximetazolina, fenoxazolina)

Efeito

Usos

Os efeitos no uso indevido incluem: • depressão do SNC; • convulsão; • coma.

Medicamentos usados para aliviar os sintomas de congestão nasal (“nariz entupido”).

Efeitos

Antihistamínicos (bromofeniramina, difenidramina e clorfeniramina)

Uso Medicamentos para controlar reações alérgicas

Efeito Os efeitos no uso indevido incluem: • depressão do SNC; • sonolência/desorientação;

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes

Os efeitos no uso indevido incluem: • depressão do SNC; • náuseas e vômitos; • dor de cabeça; • sudorese; • irritabilidade; • aumento da pressão arterial; • alterações do ritmo do coração; • sonolência.


MEDICAMENTOS UTILIZADOS NA ANSIEDADE E DEPRESSÃO

Uso

• como calmantes/sedativos; • para tratar a ansiedade; • para induzir o sono.

Antidepressivos Uso Controlar a tristeza, a melancolia e a depressão.

Composição

Composição

Amitriptilina, imipramina, nortriptilina, fluoxetina, entre outros.

Diazepam, Clonazepam, Lorazepam, Flunitrazepam, entre outros.

Efeitos

Efeitos Os efeitos no uso indevido incluem: • depressão do SNC; • sonolência/desorientação; • hipotensão (diminuem a pressão arterial); • convulsão; • coma.

Os efeitos no uso indevido incluem: • sonolência; • convulsões; • excitação, seguida de coma; • depressão respiratória; • temperatura corporal baixa (hipotermia); • pressão baixa (hipotensão).

19

Medicamentos

Benzodiazepínicos


ANTIBIÓTICOS E HORMÔNIOS (ANTICONCEPCIONAL) Aparecem como causadores de intoxicação, porque estão frequentemente presentes em muitos domicílios, por serem amplamente utilizados. Os riscos de causarem intoxicações são pequenos, pois há necessidade de uma ingestão muito grande para causarem sintomas.

Antibióticos Medicamentos

Usos Medicamentos utilizados para curar infecções. 20

Efeitos Na ingestão de grande quantidade de antibióticos pode ocorrer: • náuseas; • vômitos; • diarreia.

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes

Anticoncepcionais Usos Medicamentos utilizados para evitar a gestação.

Efeitos Na ingestão de grande quantidade de anticoncepcionais pode ocorrer: • náuseas; • vômitos; • em meninas, pode ocorrer sangramento vaginal alguns dias após a ingestão.


LEMBRETE IMPORTANTE

“No caso de intoxicação levar a embalagem ou a bula do medicamento ao atendimento médico para facilitar a correta identificação do mesmo.”

Medicamentos

21


RISCOS NO USO DE MEDICAMENTOS

Medicamentos

Os medicamentos são compostos por várias substâncias, cada uma delas age de forma diferente no nosso organismo e tem seu potencial tóxico específico. 22

Deve-se estar sempre atento aos locais onde são guardados e ao acesso pelas crianças. Sempre ter cuidado com a conservação dos medicamentos e evitar trocas de embalagem, pois ambos representam risco de intoxicação.

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneates


PRIMEIROS SOCORROS Manter o acidentado calmo. Não administrar água ou alimento, se o acidentado estiver sonolento ou inconsciente. Informar-se sobre o medicamento e a quantidade ingerida ou inalada. Procurar socorro médico.

23

Medicamentos

1 2 3 4


PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM MEDICAMENTOS

1 Medicamentos

24

2 3 4 5 6

Manter os medicamentos em locais fechados e longe do alcance das crianças. Não deixe medicamentos em “mesinha de cabeceira” ou em gavetas de armários abaixo de 1,50m. Colocar os medicamentos em lugar seguro. Ler a bula do medicamento antes de tomá-lo ou administrá-lo a alguém. Não tomar medicamento na frente das crianças. Não enganar as crianças dizendo que o medicamento é bala ou guloseima. Ensinar as crianças a não tomarem medicamentos por conta própria, somente quando administrado por um responsável.

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes

7 8 9 10 11

Não tomar ou administrar medicamentos no escuro ou quando estiver sonolento, sem óculos (se usuário). Não reutilizar frascos de medicamentos. Conferir a dose (número de gotas, de comprimidos), antes de utilizar. Descartar de forma correta os medicamentos vencidos ou não utilizados. Utilizar medicamentos somente com prescrição médica.


CUIDADO AO ADQUIRIR MEDICAMENTOS!

6

Verificar sempre se o medicamento comprado corresponde ao receitado pelo médico. Evitar comprar medicamentos sugeridos por parentes, amigos ou vizinhos. Comprar medicamentos em locais idôneos, jamais em vendas ou camelôs. Verificar o prazo de validade, as características da embalagem e o aspecto do produto e não adquirir medicamentos com data vencida. Não comprar medicamentos com embalagens ou frascos amassados, tampas violadas, com vazamentos ou alteração de cor.

25

Medicamentos

1 2 3 4 5

Comprar medicamentos somente prescritos por médico.


Anotações

Medicamentos

26

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


27 Medicamentos

Anotaçþes


Saneantes

28

SANEANTES

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


Popularmente conhecidos como produtos de limpeza, são utilizados para vários fins, como limpeza, desinfecção e conservação de ambientes domésticos ou coletivos como escolas, mercados, hospitais,... Possuem a capacidade de desengordurar, desinfetar ou ainda, eliminar pragas, sendo importantes no controle de bactérias, insetos ou mesmo ratos, evitando várias doenças. Apesar de serem substâncias muito diferentes, todas podem conferir risco tóxico. Portanto, é essencial conhecer estes produtos, seus usos, riscos, os acidentes tóxicos mais comuns, o quê fazer em caso de intoxicação e, principalmente, como prevenir estes acidentes.

29

Saneantes

Todos os produtos usados na limpeza e conservação de ambientes (casas, escritórios, lojas, hospitais) são considerados saneantes. São exemplos de Saneantes: Detergente Líquido, Detergente em Pó, Desinfetante, Sabão em Pó, Cera, Água Sanitária ou Água de Lavadeira, Inseticida, Repelente de Insetos e Raticida. (ANVISA/MS)


Quais são os produtos de limpeza que costumamos ter em casa Saneantes

30

De que tipo de substâncias eles são compostos

• detergentes e amaciantes; • sabões; • saponáceos; • alvejantes / água sanitária; • desinfetantes; • ceras e polidores; • desentupidores e desengraxantes; • desodorizantes.

• surfactantes (sabões), hipoclorito de sódio, óleo de pinho, soda cáustica, piretróides, varfarin, entre outros.

Também temos nas nossas casas produtos que servem para o controle de insetos (formigas, mosquitos, moscas) e roedores (ratos, camundongos), que muitas vezes por desconhecimento do seu potencial tóxico são chamados de “remédios para pulgas, formigas, baratas, ratos, etc..”

Efeitos

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes

Quais os riscos que representam para a saúde? Riscos Contato com a pele, olhos, inalação ou mesmo ingestão acidental. Dependem do tipo de substância, da quantidade (concentração do produto) e da forma de contato com o organismo (via de exposição).


DETERGENTES, AMACIANTES, SABÕES E SAPONÁCEOS Usos

• detergente líquido, sabão em barra e saponáceo: servem para desengordurar e limpar louças, talheres e outros utensílios de cozinha; • sabão em barra ou pó: serve para lavar roupas; • amaciantes: servem para amaciar as fibras das roupas após a limpeza com sabão. São surfactantes, ou seja, substâncias capazes de produzir espuma quando misturados a água e agitados.

Efeitos Contato com a pele: Pode reduzir ou eliminar a gordura que protege a nossa pele, possibilitando reações alérgicas, ressecamento, que provocam coceira. Ingestão: Pode causar náuseas, vômitos, diarreia e suas consequências podem ser bastante sérias, pois frequentemente, causam desidratação.

Saneantes

Composição 31


ALVEJANTES / ÁGUA SANITÁRIA Usos

• branqueadores de roupas; • desinfetantes de ambientes; • desinfecção de água; • lavagem de legumes e verduras; • algicida de piscinas. Composição Saneantes

32

São constituídos por hipoclorito de sódio, em diferentes concentrações. No uso doméstico a concentração é mais baixa, fica entre 2% e 6%. Em concentrações mais altas e, portanto com maior poder de intoxicar, ficam os produtos com até 12%. Existem ainda produtos com concentrações em torno de 70%, como “algicidas” (eliminam algas), utilizados em piscinas. Além disso, esses produtos podem conter outras substâncias que aumentam o seu potencial de risco. Exemplo: Q-boa, Clorofina, Alvex.

Efeitos Contato com a pele ou mucosas: Pode ocorrer desde irritação até corrosão; edema (inchaço) de mucosas oral ou ainda de glote, o que pode causar asfixia, pois são produtos que frequentemente causam alergia; Ingestão: Pode provocar irritação ou mesmo corrosão da mucosa oral, faringe, esôfago e estômago. Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


Acidentes com Água Sanitária são muito comuns em nosso meio. Segue o relato de um caso: Uma menina, de 3 anos, estava na cozinha comendo uma bolacha, enquanto sua mãe lavava a louça. Quando a mãe percebeu, a menina chorosa estava com cheiro de clorofina. Imediatamente a mãe verificou que a embalagem, que estava embaixo do tanque, estava aberta e caída no chão. A mãe pegou o produto e levou a menina ao Posto de Saúde. Lá, a enfermeira retirou a camiseta da criança, lavou o corpo e a boca da criança. O médico verificou que a pele do corpo não apresentava alterações, mas a mucosa da boca sim, estava muito avermelhada com sinais de irritação. O médico tratou a criança. Você acha que o caso termina aqui? Engano seu! Tanto o médico, quanto à enfermeira orientaram a mãe a manter este tipo de produto fora do alcance da criança. A prevenção é fundamental. A água sanitária está envolvida em quase metade dos acidentes tóxicos com crianças menores de 7 anos.

Para serem vendidos a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) exige que as empresas desenvolvam produtos seguros, que deêm bons resultados e com rigoroso controle de qualidade. Todos os fabricantes são obrigados a seguir normas legais e técnicas e obter autorização do Ministério da Saúde para cada produto saneante colocado à venda.

33

Saneantes

RELATO DE CASO 2


DESINFETANTES Uso Os desinfetantes são substâncias utilizadas para desinfetar: • utensílios; • superfícies; Tanto no ambiente doméstico (casa) quanto em locais públicos, os desinfetantes eliminam germes e bactérias.

Composição Saneantes

34

Os desinfetantes são constituídos por: • solventes (semelhantes ao querosene, gasolina); • produtos cáusticos como o formol, cresóis (creolina), fenóis, amoníaco entre outros.

Efeitos No uso indevido, por contato ou ingestão: • pode ocorrer irritação de pele e mucosas até corrosão das mesmas. • alguns deles que contêm formol e/ou amoníaco, liberam gases e podem acarretar alterações respiratórias e/ou neurológicas.

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


CERAS E POLIDORES Uso São utilizados para obtenção de polimento e lustro de: • objetos; • superfícies de madeira; • pedras; • metal. As ceras e polidores são constituídos por: • ceras naturais ou sintética; • silicone; • solventes derivados do petróleo; • acido oxálico.

Efeitos

• Locais: causam irritação de pele e mucosas. • Na ingestão: produzem náuseas, vômitos e diarreia. • Os solventes podem ser aspirados (falsa via) e causam

pneumonite química. • Os que contem ácido oxálico produzem redução do cálcio no sangue e lesão renal.

Saneantes

Composição

35


DESENTUPIDORES E DESENGRAXANTES Uso Os desentupidores e desengraxantes são utilizados em: • caixas de gordura; • ralos; • vasos sanitários; “Desmancham bolos” de matéria orgânica acumulada.

Composição

Saneantes

36

• os desentupidores/desengraxantes são produtos compostos por substâncias alcalinas. • o principio ativo mais usado é o hidróxido de sódio (soda caústica). Efeitos

• provocam lesões muito graves no uso indevido ou ingestão; • acidentes devem ser tratados com a maior rapidez, pois

causam queimaduras muito profundas, desde a pele, mucosas, olhos; • em caso de ingestão provocam vômitos que se tornam sanguinolentos devido a destruição das mucosas o que pode levar a “choque e morte” por hemorragia; • nos olhos as lesões profundas causam úlceras e até a perda da visão; Acidentes com esses produtos são considerados sempre graves.

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


DESODORIZANTES/ANTI-TRAÇA E ANTIMOFO Uso

Efeitos

Os desodorizantes são utilizados para: • controlar odores desagradáveis causados pelo metabolismo microorgânico de vaso sanitário, ambientes fechados; • controlar traças.

Contato: • irritação de pele e mucosas;

As substâncias presentes nos desodorizantes são: • paradiclorobenzeno, nas pedras que são utilizadas nos vasos sanitários, armários; • naftalina ou naftaleno, que também são substâncias repelentes de traças; • surfactantes catiônicos, detergentes mais potentes.

Seus vapores causam: • edema de pálpebras, irritação e dor ocular, cefaléia; A naftalina pode causar ainda: • alterações no fígado e nos rins; • alterações neurológicas chegando à convulsões e coma.

Saneantes

Composição

Em caso de ingestão: • náuseas, vômitos e diarreia; • anemia hemolítica (destruição das células vermelhas do sangue); • icterícia (amarelão); 37


PESTICIDAS DE USO DOMÉSTICO São substâncias utilizadas nas residências, para eliminar pragas como ácaros, insetos, moluscos, roedores e também, produtos para repelir insetos.

Inseticidas de uso doméstico Uso Os inseticidas são produtos capazes de eliminar moscas, baratas, entre outros. Saneantes

38

Composição Os Inseticidas de uso doméstico são compostos por: • piretróides; • organofosforados; • carbamatos; Estes três grupos são os principais componentes dos inseticidas de uso no nosso lar, nas escolas, nos postos de saúde, nas creches e demais locais onde ocorrem insetos, na sua maioria, prejudiciais à saúde. Os solventes, entram nas formulações como veículos.

Efeitos Em caso de uso indevido ou mesmo ingestão acidental, os inseticidas podem provocar danos ao organismo:

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes

Inseticidas Piretróides

• reações alérgicas; • inalação: irritação das vias aéreas (nariz, garganta e laringe); • tosse; • contração dos brônquios; • contato com a pele: eritema (vermelhidão), bolhas, perda

da sensibilidade tátil (dormência); • na ingestão: náuseas, vômitos, diarreia, dor abdominal, tremores, sonolência, convulsões,...

Os inseticidas piretroídes podem ser líquidos (aerossol/spray) ou em forma de espiral.


• salivação; • náuseas, vômitos, dor abdominal; • sudorese (aumento do suor); • sonolência; • visão borrada; • tremores; • convulsão; • dificuldade respiratória.

Inseticida de Uso Ilegal Ácido Bórico Utilizado para eliminar baratas, não tem controle de fabricante, portanto é clandestino e a isca caseira pode ter efeitos danosos à saúde. Se a isca de Ácido Bórico for ingerida pode causar: • vermelhidão da pele; • náuseas; • vômitos; • diarreia; • insuficiência renal; • excitação seguida de depressão do sistema nervoso; • coma.

Saneantes

Inseticidas Organofosforados e Inseticidas Carbamatos

39


RELATO DE CASO

3

Após fechar as janelas e a porta do quarto, a mãe colocou um spray contra mosquitos e levou a criança para dormir. Cerca de 10 minutos depois, o menino de 5 anos começou a tossir e apresentar dificuldade respiratória. A mãe retorna ao quarto preocupada com a criança, achando que está com coqueluche, leva o menino para o hospital. O médico avalia a criança e refere não ser coqueluche, e sim, que o menino está intoxicado com o inseticida aplicado. A criança foi tratada e a mãe orientada a não utilizar mais o produto em ambiente fechado e expor o menino, pois ele é alérgico ao produto. Saneantes

40

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


PESTICIDAS DE USO DOMÉSTICO Lesmicida Também conhecido como molusquicida, serve para controlar lesmas de jardins e hortas. No organismo, os lesmicidas podem provocar: • salivação; • dor abdominal; • febre; • visão borrada; • incoordenação motora; • convulsão; • depressão do sistema nervoso; • depressão respiratória.

Saneantes

Efeitos

41


RODENTICIDAS / RATICIDAS Os rodenticidas/raticidas permitidos no Brasil são os de ação anticoagulante: derivados da cumarina (warfarin®, brodifacum®, bromadiolona®) e os derivados da Idandiona. Existem no mercado informal, alguns ilegais e muito mais perigosos!

LEGAIS Composição Derivados da cumarina (warfarin®, brodifacum®); Derivados da Idandiona. Efeitos tóxicos Sangramentos espontâneos (gengival, nasal); Sangue na urina; Hemorragia na pele e mucosas.

Saneantes

42 CLANDESTINOS Composição Estricnina; Fluoroacetato de sódio. Chumbinho ( Carbamato) Efeitos tóxicos Náuseas, vômitos, dor abdominal; Agitação; Convulsões; Parada respiratória; Morte.

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


Um menino de 2 anos, engatinhava pela sala enquanto a mãe assistia televisão. Quando a mãe resolveu observá-lo, ele estava com alguns grãos cor de rosa dentro da boca. Foi então que ela lembrou ter colocado raticida atrás do sofá, por ter visto um camundongo perambulando pela casa, alguns dias antes. A mãe se apavorou e chamou a vizinha para ajudar. A vizinha tinha o telefone do Centro de Informação Toxicológica e ligou para perguntar o que fazer. Foi então que elas obtiveram a informação de que a quantidade ingerida provavelmente não seria tóxica e que não causaria nenhum mal a criança. Mas que as mesmas deveriam procurar o Posto de Saúde, para que ela fosse avaliada pelo médico e se necessário, fosse realizado o exame para verificar se há alterações na capacidade de coagulação do sangue da criança. Ao voltar para casa, a mãe comentou com a vizinha, que se ela não tivesse colocado o raticida num local acessível à criança, isso não teria acontecido.

43

Saneantes

RELATO DE CASO 4


RISCOS NO USO DE SANEANTES Os riscos que representam estes produtos são muitos e de gravidade variada. Dependerá do tipo de produto saneante, sua concentração, locais onde são guardados, onde são adquiridos (produtos clandestinos ou de fabricação caseira), tipos de embalagens, entre outros. Muitos dos produtos saneantes podem conferir risco por ingestão ou contato com a pele/mucosas, mas também a inalação pode levar a alterações respiratórias, como as provocadas por produtos com formulação em pó! Saneantes

44

Os produtos saneantes clandestinos são potencialmente perigosos: Podem provocar acidentes tanto em quem adquire, pelo uso de embalagens inadequadas, que em sua maioria pode ser confundida com alimento ou bebida (embalagem de refrigerante), e também para quem manipula essas substâncias concentradas, em local inadequado. Também o meio-ambiente pode ser contaminado em caso de um derramamento.

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneates


PRIMEIROS SOCORROS

2

No caso de contato com os olhos lavar imediata e abundantemente com água limpa ou solução fisiológica. Em caso de dor, irritação, ardência ou lacrimejamento, procurar imediatamente auxílio médico especializado.

3

No caso de contato com a pele lave imediatamente a parte do corpo atingida, com muita água limpa.Tire as roupas contaminadas pelo produto. Em caso de irritação, dor ou queimadura procure ajuda médica.

4 5

No caso de inalação de produto saneante retirar a pessoa para outro local, arejado. Se houver sinais de intoxicação (mal-estar, tontura, dificuldades para respirar, tosse), buscar auxílio. Procurar socorro médico.

“No caso de intoxicação, levar a embalagem ou rótulo do produto ao atendimento médico para facilitar a correta identificação do produto.”

Saneantes

1

No caso de ingestão de produto saneante não provoque vômito, encaminhe a pessoa para o serviço de saúde mais próximo. No caso da vítima ficar inconsciente não fornecer água ou qualquer alimento.

LEMBRETE IMPORTANTE

45


PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM SANEANTES Todos os produtos saneantes legalmente comercializados possuem rótulo. Para a segurança da comunidade deve-se utilizar produtos que tenham a embalagem com as informações sobre o produto, para que serve e como deve ser utilizado.

Não utilize produtos sem rótulo !!! Saneantes

46

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes

Cuidado!

1 2 3 4 5

Com produtos saneantes vendidos por ambulantes nas portas das casas. Com produtos saneantes vendidos em embalagens de refrigerantes e outras bebidas, pois há risco de serem produtos de fabricação e/ou comercialização ilegal. Com produtos que não tenham data de fabricação, prazo de validade e número de lote. Com produtos cujas embalagens pareçam ter sido abertas ou estejam amassadas, enferrujadas, estufadas, rasgadas ou furadas. Com produtos embalados em grandes volumes como bombonas e que são colocados em embalagens fornecidas pelo comprador no momento da compra.


CUIDADOS NA CASA E EM AMBIENTES COLETIVOS (CRECHES E OUTROS LOCAIS PARA CUIDADO DE CRIANÇAS) Guardar os produtos saneantes longe de alimentos, medicamentos e outros produtos de uso pessoal. Manter os produtos saneantes fora do alcance de crianças e animais. Manter os produtos saneantes protegidos do sol, chuva e umidade. Manter os produtos saneantes longe do calor e do fogo, pois alguns produtos são inflamáveis. Evitar a mistura de um produto saneante com outro produto. O produto desta mistura pode dar origem a um outro produto com maior toxicidade ou mais perigoso. Desprezar as embalagens vazias dos produtos saneantes e evitar o reaproveitamento delas para outro fim, comestível ou não. Cuidar com as embalagens do tipo “aerosol” – não furar ou colocar no fogo – risco de explosão.

Saneantes

1 2 3 4 5 6 7

47


Anotações

Saneantes

48

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes


Saneantes

Anotações

49


LOCAIS DE RISCO EM DOMICÍLIO A grande maioria dos acidentes tóxicos em crianças ocorre em ambiente doméstico. Para não tornar sua casa um ambiente perigoso, guarde os produtos tóxicos em locais fechados e longe do alcance das crianças.

SALA Bebidas alcoólicas Plantas Medicamentos Cigarros Produtos de limpeza

Locais e ambientes de risco: Área de serviço

Banheiro

Quarto

50

QUARTO Perfumes Maquiagens Cigarros Inseticidas Naftalina Medicamentos Cozinha

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Sala

Medicamentos e Saneantes


BANHEIRO Cosméticos Talcos Desodorantes Perfumes Medicamentos

COZINHA e/ou ÁREA DE SERVIÇO Medicamentos Álcool Solventes Tintas Desodorizantes Inseticidas Raticidas Gás de cozinha

Produtos de limpeza Sabões Detergentes Desentupidores Desinfetantes Alvejantes Ceras Saponáceos

51 JARDIM E QUINTAL Plantas Inseticidas Formicidas Fertilizantes Animais Peçonhentos


GLOSSÁRIO

52

Acido oxálico: substância ácida que pode provocar queimadura. Agravos tóxicos: ocorrências de doença produzida por substância tóxica ou venenosa. Alterações respiratórias: alterações do trato respiratório que provocam dificuldade para respirar. Amoníaco: substância/gás incolor e com odor característico de amônia. Anticoncepcional: substância química, semelhante aos hormônios presentes no organismo da mulher, que tem a finalidade de evitar a gravidez. Antidepressivo: medicamento utilizado para controlar a depressão. Antihistamínico: medicamento utilizado para combater alergias. Antitérmico: medicamento utilizado para combater a febre, abaixa a temperatura do corpo. Antitussígeno: medicamento utilizado para combater a tosse. Bactérias: são microorganismos e entre elas, algumas causam doenças. Benzodiazepínicos: medicamentos que tem a capacidade de diminuir a ansiedade. Broncodilatador: medicamentos que tem a capacidade de relaxar os brônquios e assim, aumentar a passagem de ar, durante a respiração.

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes

Carbamatos: substâncias químicas utilizadas para combater insetos e outras pragas. Cáusticos: substâncias que atacam a pele e outros tecidos causando corrosão, irritação. Cefaléia: dor de cabeça. Choque: estado de saúde onde o doente apresenta-se pálido, pele fria e pode ter perda da consciência. Cuidadores: pessoas que cuidam ou tomam conta de alguém. Cumarina: substância que possui atividade anticoagulante. Depressão do SNC: depressão do sistema nervoso central que se caracteriza por sonolência e coma. Derivados benzênicos: substâncias utilizadas como solvente e são obtidas a partir do petróleo. Desidratação: alteração decorrente da perda de água do organismo. Desinfetante: substância capaz de eliminar (matar) microorganismos (ação microbiocida). Domiciliar: relativo à residência; casa, habitação. Exposição: tempo ou modo a que o organismo fica em contato com alguma substância. Fluoroacetato de sódio: substância também conhecida como "composto 1080", utilizado no combate de roedores, atualmente proibido no Brasil. Formol: substância utilizada como antisséptico e desinfetante.


Hemorragia: perda de sangue do sistema circulatório; sangramento. Hígido: Indivíduo gozando de plena saúde. Sem doenças. Hipoclorito de sódio: substância usada como desinfetante e como agente alvejante. Inalação: ato de inalar, absorção de medicamentos ou drogas por via respiratória. Idandiona: substância com poder de inibir a coagulação do sangue, utilizada como raticida. Ingestão: ato de ingerir, deglutir, engolir. Intoxicação: ato ou efeito de intoxicar(-se); envenenamento. Lesão renal: caracteriza-se por lesão do rim que ocasiona dificuldade na filtragem do sangue. Medicamento: substância capaz de causar efeitos benéficos ao organismo. Cura ou previne doença. Náuseas: sensação de tontura e enjôo. Organofosforados: compostos químicos utilizados para combater insetos e outras pragas. Paradiclorobenzeno: composto orgânico com odor semelhante ao da canfora usado como pesticida e desodorante sanitário, popularmente conhecido como naftalina. Pneumonite química: inflamação dos pulmões (pneumonite) caracterizada por dificuldade respiratória provocada pela inalação de produtos químicos. Potencialmente tóxicas: substância de qualquer natureza com capacidade de intoxicar ou causar envenenemento

Riscos potenciais: probabilidade de ocorrência de evento indesejável. Rodenticidas: produto utilizado para matar roedores (ratos). Raticidas. Rubor: vermelhidão, normalmente em face. Salicilatos: são substâncias (medicamento) que apresentam atividades analgésica e antipirética. Saneantes: produtos que tornam uma área limpa, habitável, oferecendo condições adequadas de vida para uma população. Solventes: líquidos onde uma substância é dissolvida. Solventes derivados do petróleo (tiner, gasolina, querosene). Substância tóxica: substância capaz de produzir intoxicação. Substâncias alcalinas: substâncias que atacam a pele e outros tecidos causando corrosão ou irritação. Sudorese: transpiração aumentada. Suor intenso. Úlceras: são lesões superficiais em tecido cutâneo ou mucoso, popularmente denominadas feridas.

53


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Orientações para consumidores de saneantes. Brasília, 2003. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Monografias de produtos agrotóxicos. Brasília, 2002. 3v. Dicionário de especialidades farmacêuticas. Rio de Janeiro: Publicações Científicas, 2008. 54

KOROLKOVAS, A.; FRANÇA, F. F. A. C. Dicionário terapêutico Guanabara. 15. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. LARINI, L. Toxicologia. São Paulo: Manole, 1997. OGAS, S. Fundamentos de toxicologia. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2003. RIO GRANDE DO SUL. Ministério da Saúde. Secretaria Estadual da Saúde. Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde. Centro de Informação Toxicológica. Toxicovigilância toxicologia clínica: dados e indicadores selecionados Rio Grande do Sul, 2005. Porto Alegre: CIT/RS, 2006.

Manual de Toxicologia Básica Para Agentes Comunitários de Saúde

Medicamentos e Saneantes

RIO GRANDE DO SUL. Ministério da Saúde. Secretaria Estadual da Saúde. Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde. Centro de Informação Toxicológica. Toxicovigilância toxicologia clínica: dados e indicadores selecionados Rio Grande do Sul, 2006. Porto Alegre: CIT/RS, 2007. RIO GRANDE DO SUL. Ministério da Saúde. Secretaria Estadual da Saúde. Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde. Centro de Informação Toxicológica. Toxicovigilância toxicologia clínica: dados e indicadores selecionados Rio Grande do Sul, 2007. Porto Alegre: CIT/RS, 2008. RIO GRANDE DO SUL. Ministério da Saúde. Secretaria Estadual da Saúde. Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde. Centro de Informação Toxicológica. Toxicovigilância toxicologia clínica: dados e indicadores selecionados Rio Grande do Sul, 2008-2009. Porto Alegre: CIT/RS, 2009. SCHVARTSMAN, S. Produtos químicos de uso domiciliar: segurança e riscos toxicológicos. São Paulo: Almed, 1980.


Calendรกrio

2012

2013

55

Calendรกrio


manual toxicologia agentes de saude  

manual, educativo, toxicologia

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you