Page 1


O segredo do anel

http://groups-beta.google.com/group/digitalsource


Kathleen McGowan

O segredo do anel O legado de Maria Madalena

Tradução de Pinheiro de Lemos


Título original THE EXPECTED ONE Esta é uma obra de ficção. Nomes, personagens, localidades e incidentes são produtos da imaginação da autora ou foram usados de forma ficcional. Qualquer semelhança com acontecimentos ou locais e pessoas reais, vivas ou não, é mera coincidência. Copyright © 2006 by McGowan Media, Inc. Todos os direitos reservados, incluindo os direitos de reprodução no todo ou em parte sob qualquer forma. Edição brasileira publicada mediante acordo com editor original, Simon & Schuster, Inc. Direitos para a língua portuguesa reservados com exclusividade para o Brasil à EDITORA ROCCO LTDA. Av. Presidente Wilson, 231-8° andar 20030-021 — Rio de Janeiro, RJ Tel.: (21) 3525-2000 — Fax: (21) 3525-2001 rocco@rocco.com. br www.rocco.com.br Printed in Brazil/lmpresso no Brasil revisão técnica LUCAS TRAVASSOS TELLES preparação de originais MÔNICA MARTINS FIGUEIREDO CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte. Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ. McGowan, Kathleen M429s O segredo do anel/Kathleen McGowan; tradução de Pinheiro de Lemos. — Rio de Janeiro: Rocco, 2006. (Linhagem de Madalena; v.1) Tradução de: The expected one ISBN 85-325-2096-0 1. Maria Madalena, Santa — Ficção. 2. Romance norte-americano. I. Lemos, A. B. Pinheiro de (Alfredo Barcellos Pinheiro de), 1938. II Título. III. Série. CDD-813 06-2266

CDU-821.111 (73)-3


À senhora eleita e seus filhos, que amo na luz da verdade — não apenas eu, mas todos os que têm conhecimento da verdade — em virtude da verdade que permanece em nós e estará conosco para sempre. —

2 JOÃO 1-2


Este livro é dedicado a Maria Madalena, minha musa, minha ancestral; Peter McGowan, a pedra sobre a qual construí minha vida; Meus pais, Donna & Joe, pelo amor incondicional e a genética fascinante, e a nossos príncipes do Graal, Patrick, Conor e Shane, por preencherem nossas vidas com amor, riso e constante inspiração


PRÓLOGO

Gália Meridional, ano 72

Não restava muito tempo. A velha puxou o xale esfarrapado em torno dos ombros. O outono chegara mais cedo às montanhas vermelhas naquele ano e ela podia senti-lo nos ossos. Suavemente, devagar, flexionou os dedos, desejando que as juntas enrijecidas relaxassem. As mãos não podiam lhe faltar agora, não com tanta coisa a fazer. Tinha de acabar de escrever naquela noite. Tamar chegaria em breve com os jarros e era preciso que tudo estivesse pronto. Ela permitiu-se um longo suspiro, meio trêmulo. Sinto-me cansada há muito tempo. Tempo demais. Aquela missão final, ela sabia, seria a última que teria neste mundo. Os dias passados em recordação haviam drenado a vida que ainda pulsava no corpo sem viço. Os ossos velhos estavam sobrecarregados pelo inexprimível pesar e cansaço daqueles que sobrevivem às pessoas amadas. As provações a que Deus a submetera haviam sido muitas e rigorosas. Somente Tamar, a única filha mulher e a última criança viva, permanecia com ela. Tamar era sua bênção, o lampejo de luz naquelas horas tenebrosas, em que lembranças mais aterradoras do que pesadelos recusavam-se a ser contidas. Sua filha era agora a única outra sobrevivente do Grande Tempo, embora fosse apenas uma criança, quando todos desempenharam seu papel na história viva. Ainda assim, era um conforto saber que havia alguém que lembrava e compreendia. Os outros haviam partido. A maioria morrera, martirizada por métodos brutais demais para serem suportados. Talvez alguns ainda


sobrevivessem, dispersos pelo vasto mapa do mundo de Deus. Ela nunca saberia. Muitos anos já haviam passado desde que recebera as últimas notícias dos outros, mas, de qualquer forma, orava por eles e orava do amanhecer ao anoitecer, naqueles dias de recordações muito intensas. Gostaria de ter em seu coração e alma a paz, que eles não sofressem a agonia dos milhares de noites insones. Era verdade, Tamar se tornara seu único refúgio naqueles anos de crepúsculo. Ela era jovem demais para recordar os terríveis detalhes do Tempo das Trevas, mas já tinha idade suficiente para lembrar a beleza e a graça das pessoas que Deus escolhera para trilharem Seu caminho. Ao dedicar sua vida à memória daqueles eleitos, o caminho de Tamar fora de puro amor e serviço. A singular dedicação da jovem a confortar a mãe, naqueles dias finais, fora extraordinária. Deixar minha amada filha é a única coisa difícil que me resta fazer. Mesmo agora, quando a morte vem me buscar, não posso aceitá-la de bom grado. E, no entanto... Ela espraiou seu olhar da entrada da caverna, que tinha sido seu lar por quase quarenta anos. O céu estava claro. Ela ergueu o rosto enrugado para contemplar a beleza das estrelas. Nunca deixara de se sentir maravilhada com a criação de Deus. Em algum lugar, além daquelas estrelas, as almas que mais amara neste mundo aguardavamna. Podia senti-las agora, mais próximas do que em qualquer outro momento anterior. E podia senti-Lo. — Seja feita a Sua vontade — sussurrou ela para o céu noturno. A velha virou-se, devagar, determinada, e tornou a entrar na caverna. Respirou fundo, pegou o pergaminho áspero, os olhos contraídos na claridade mínima e enfumaçada de um lampião de óleo. Pegou o estilo e recomeçou a escrever, com todo o cuidado.


... Tantos anos transcorridos e não tornou-se mais fácil agora escrever a respeito de Judas Iscariotes do que naqueles dias sinistros. Não porque eu dele fizesse qualquer julgamento, mas justamente porque não fazia. Contarei a história de Judas, e tenciono fazê-lo com justiça. Era um homem intransigente em seus princípios, e aqueles que nos seguem disso devem saber: ele não os traiu — nem a nós — por um saco de moedas de prata. A verdade é que Judas era o mais fiel dos doze. Muitas foram minhas razões para a dor ao longo dos anos que já se passaram, e, mesmo assim, considero que há apenas Um e Único cuja perda lamento mais do que a de Judas. Há muitos que me coagiriam a escrever o pior possível em relação a Judas... a condená-lo como um traidor, alguém que não enxergava a verdade. Porém não permito-me escrever nenhuma dessas coisas, pois mentiras seriam antes mesmo que a pena tocasse o pergaminho. Muitas serão as mentiras escritas sobre o nosso tempo. Deus assim me revelou. Nego-me, pois, a escrever qualquer outra. Afinal, qual é o meu propósito, se não o de relatar toda a verdade dos acontecimentos daquele tempo? O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO DOS DISCÍPULOS


CAPITULO UM

Marselha Setembro de 1997

Marselha sempre fora, séculos afora, um lugar marcado pela morte. O

lendário

porto

mantinha

a

reputação

de

covil

de

piratas,

contrabandistas e assassinos, desde a época em que os romanos tomaram a cidade dos gregos, antes de Cristo. Ao final do século XX, os esforços do governo francês no combate ao crime

na

cidade

finalmente

permitiram

que

se

saboreasse

uma

bouillabaise sem o medo de ser assaltado. Não que o crime chocasse seus habitantes. A violência estava enraizada em sua história e genética. Os calejados pescadores nem piscavam quando suas redes pegavam alguma coisa mais consistente do que frutos do mar. Roger-Bernard Gelis não era um nativo de Marselha. Nascera e fora criado nos contrafortes dos Pireneus, numa comunidade que sobrevivia, orgulhosa, ao seu anacronismo. O século XXI não ameaçava sua cultura, muito antiga, que reverenciava os poderes do amor e da paz acima de todas as coisas terrenas. Mesmo assim, ele era um homem de meia-idade com alguma experiência do mundo, pois era o líder de seu povo. E, embora a comunidade convivesse em profunda paz espiritual, tinha sua cota de inimigos. Roger-Bernard gostava de dizer que a luz maior atrai as trevas mais profundas. Era quase um gigante, uma presença imponente para os estranhos. Aqueles que não conheciam a gentileza que prevalecia no espírito de Roger-Bernard podiam confundi-lo com alguém que devia ser temido.


Alguém diria, mais tarde, que seus atacantes provavelmente não lhe eram desconhecidos. Ele deveria ter percebido o que poderia acontecer. Deveria ter compreendido que não o deixariam carregar um objeto de valor tão inestimável impunemente. Afinal, um milhão de seus ancestrais não haviam morrido por aquele mesmo tesouro? Mas o tiro fora disparado por trás, estilhaçando seu crânio antes mesmo que ele soubesse que o inimigo estava próximo. O exame de balística seria inútil para a polícia, já que os assassinos não encerraram seus feitos com o ataque. Devia haver vários deles, pois o tamanho e o peso da vítima exigiriam uma certa força para concretizar o dano. Foi um ato de misericórdia Roger-Bernard ter morrido antes que o ritual começasse. Foi poupado da exultação de seus assassinos enquanto se empenhavam na tarefa macabra. Seria possível

imaginar

um

fervor

especial

nas

ações

seguintes,

embaladas pelo antigo mantra de ódio enquanto trabalhavam. — Neca eos omnes. Neca eos omnes. Separar uma cabeça humana do resto do corpo é um trabalho difícil e complicado. Exige força, determinação e um instrumento muito afiado. Os assassinos de Roger-Bernard Gelis tinham todas essas coisas e usaram-nas com extrema eficiência.

 O corpo estava no mar havia bastante tempo, sacudido pelas ondas e roído pelos famintos habitantes das profundezas. Os investigadores

ficaram tão impressionados com as precárias

condições do cadáver que atribuíram pouco significado ao dedo desaparecido em uma das mãos. Uma autópsia, arquivada mais tarde pela burocracia — ou talvez por algo mais —, limitou-se a registrar que o dedo indicador da mão direita fora decepado.


 Jerusalém Setembro de 1997 A antiga e movimentada Cidade Velha de Jerusalém fervilhava com a frenética atividade de uma tarde de sexta-feira. A história impregnava o ar seco, enquanto os fiéis se apressavam a caminho de suas casas de culto, em preparativos para os respectivos sabás. Os cristãos vagueavam pela Via Dolorosa, a Via Sacra, uma série de ruas sinuosas, calçadas com pedras, que fora o caminho para a crucificação. Fora por ali que um Jesus Cristo açoitado e sangrando, suportando no ombro uma pesada cruz, seguira para seu destino divino, no alto do Gólgota. Naquela tarde de outono, a escritora americana Maureen Paschal não parecia diferente dos outros peregrinos, que acorriam dos cantos mais distantes e variados do mundo. A brisa inebriante de setembro misturava o aroma de shwarma, o prato de galinha desossada crepitante, com os cheiros de óleos exóticos que exalavam dos mercados antigos. Maureen circulava pelo impacto sensorial que era Israel, com um guia de viagem de uma organização cristã, comprado pela Internet. O guia detalhava a Via Sacra, com mapas e instruções para encontrar as catorze estações do caminho de Cristo. — Quer um rosário, moça? É madeira do Monte das Oliveiras. — Moça, precisa de um guia? Nunca vai se perder. E mostrarei tudo que quiser. Como a maioria das ocidentais, ela era obrigada a se esquivar dos avanços indesejáveis dos mercadores das ruas de Jerusalém. Alguns eram insistentes em seus esforços para oferecer mercadorias e serviços. Outros apenas sentiam-se atraídos pela mulher pequena, de cabelos ruivos compridos e pele clara, contraste singular naquela parte do mundo. Maureen repelia seus perseguidores com um “Não, obrigada” polido, mas firme. Depois, ela desviava o olhar e se afastava. Seu primo Peter,


especializado em estudos do Oriente Médio, preparara-a para a cultura da Cidade Velha. Maureen era meticulosa em seu trabalho e estudara a cultura de Jerusalém com todo o cuidado. Até agora, estava dando resultado. Maureen era capaz de desviar sua concentração o mínimo, enquanto se detinha na pesquisa, observando e anotando detalhes no caderninho de capa de couro. Ficara comovida até as lágrimas pela intensidade e beleza da Capela da Flagelação franciscana, erguida há oitocentos anos no lugar em que Jesus sofrera as vergastadas. Uma reação emocional profunda e inesperada, já que Maureen não fora a Jerusalém como peregrina, mas como observadora investigativa, uma escritora em busca do cenário histórico acurado para sua trama. Ao procurar uma compreensão maior dos acontecimentos da Sexta-feira da Paixão, Maureen abordara a pesquisa com a cabeça, não com o coração. Visitou o Convento das Irmãs de Sion, antes de passar para a vizinha Capela da Condenação, o lendário local em que Jesus recebera a cruz, depois da sentença de crucificação proferida por Pôncio Pilatos. Mais uma vez, o inesperado aperto na garganta foi acompanhado por um sufocante sentimento de angústia, enquanto percorria o prédio. Esculturas em baixo-relevo, em tamanho natural, ilustravam os eventos de uma manhã terrível, dois mil anos antes. Maureen ficou imóvel, paralisada, por uma cena vivida de humanidade atormentada: um discípulo que tentava proteger Maria, a Mãe de Jesus, poupando-a da visão do filho carregando a cruz. Lágrimas arderam no fundo dos seus olhos enquanto contemplava a imagem. Era a primeira vez na vida em que pensava naqueles personagens históricos como pessoas reais, seres humanos de carne e osso, sofrendo por uma fatalidade quase inconcebivelmente dolorosa. Como se sentisse um pouco tonta, Maureen estendeu a mão para as pedras frias da parede antiga, a fim de se firmar. Fez uma pausa para se concentrar, antes de retomar as anotações sobre as pinturas e esculturas. Continuou em seu caminho, mas as ruas da Cidade Velha eram


um autêntico labirinto. Podiam ser enganadoras, até mesmo para quem tinha um mapa meticuloso. Os pontos de referência eram quase sempre antigos, desgastados pelo tempo, e podiam passar despercebidos, com a maior facilidade, por pessoas que não conheciam seu paradeiro. Maureen esboçou uma imprecação silenciosa ao compreender que se perdera de novo. Parou ao abrigo do vão de porta de uma loja, evitando o sol direto. A intensidade do calor, apesar da brisa que soprava, não combinava com a época do ano, o final do verão. Ela protegeu o guia da claridade forte, consultou-o e olhou ao redor, tentando se orientar. — A Oitava Estação da Cruz deve ser em algum lugar aqui por perto — murmurou. Maureen tinha um interesse específico pelo local, na medida em que seu trabalho concentrava-se na história relacionada com as mulheres. Numa nova consulta ao guia, ela leu a passagem dos evangelhos relacionada com a Oitava Estação: Muitas pessoas o seguiam, inclusive mulheres que lamentavam e choravam por ele. Jesus disse: Não chorem por mim, filhas de Jerusalém. Chorem por si mesmas e por suas crianças. Maureen foi surpreendida por uma batida firme na vitrine, por trás dela. Virou-se, esperando deparar com o olhar de um proprietário furioso por estar bloqueando a entrada da loja. O rosto que a fitava do outro lado entretanto, exibia uma expressão radiante. Um palestino de meiaidade, vestido de maneira impecável, abriu a porta da loja de antiguidades fazendo sinal para Maureen entrar. Quando ele falou, foi num inglês correto, temperado pelo sotaque: — Entre, por favor. Seja bem-vinda. Sou Mahmoud. Está perdida? Maureen acenou com o guia, embaraçada. — Estou procurando a Oitava Estação. O mapa mostra... Mahmoud descartou o livro, com uma risada. — A Oitava Estação. Jesus se encontra com as mulheres santas de Jerusalém. Fica aqui perto, logo depois da esquina. — Ele apontou.


— O local é assinalado por uma cruz bem em cima do muro de pedra, mas você tem de olhar com muito cuidado. Mahmoud fitou Maureen atentamente por um momento, antes de acrescentar: — É como tudo em Jerusalém. Você tem de olhar com muita atenção para ver o que é. Maureen observou seus gestos, até ter certeza de que compreendia a orientação. Sorriu, agradeceu e virou-se para sair. Mas parou de repente, quando alguma coisa numa prateleira próxima atraiu sua atenção. A loja de Mahmoud era um dos estabelecimentos mais sofisticados de Jerusalém. Vendia antiguidades autenticadas, como lampiões do tempo de Cristo ou moedas com a efígie de Pôncio Pilatos. Um delicado tremeluzir de cores passando pela vitrine deixou-a fascinada. — São jóias feitas com fragmentos de vidros romanos — explicou

Mahmoud,

enquanto

Maureen

se

aproximava

de

um

mostruário com jóias de prata e ouro com mosaicos coloridos. — São deslumbrantes — murmurou Maureen. Ela pegou um pendant de prata. Prismas de cor projetaram-se pela sala, enquanto ela suspendia a jóia para a luz, iluminando sua imaginação de escritora. — Qual seria a história que este pedaço de vidro poderia contar? — Quem sabe o que foi outrora? — Mahmoud deu de ombros. — Um vidro de perfume? Um pote de especiarias? Um vaso para rosas ou lírios? — É espantoso pensar que há dois mil anos era um objeto do cotidiano na casa de alguém. Uma perspectiva fascinante. Maureen resolveu examinar mais atentamente a loja e as coisas que oferecia. Ficou impressionada com a qualidade dos itens e a beleza dos mostruários. — Isto tem mesmo dois mil anos? — Claro. E algumas das outras peças à venda são ainda mais antigas. Maureen balançou a cabeça.


— Antiguidades como estas não deveriam pertencer a um museu? Mahmoud riu, um som exuberante e efusivo. — Minha cara, a cidade de Jerusalém inteira é um museu. Não se pode abrir um buraco em seu jardim sem encontrar alguma coisa muito antiga.

A

maior

parte

dos

objetos

valiosos

vai

para

coleções

importantes. Mas nem tudo. Maureen foi até um balcão de vidro, onde havia jóias antigas de cobre marchetado e oxidado. Sua atenção foi atraída por um anel com um disco do tamanho de uma moeda pequena. Mahmoud acompanhou seu olhar, tirou o anel do mostruário e o estendeu para ela. Um raio de sol, passando pela vitrine, incidiu sobre a peça e, iluminando sua base redonda, realçou um padrão de nove pontos em torno de um círculo central. — Uma escolha muito interessante — comentou Mahmoud. Sua

atitude

jovial

mudara.

Estava

agora

intenso

e

sério,

observando Maureen atentamente, enquanto ela o interrogava a respeito do anel. — Quão antigo é este anel? —

É

difícil

dizer.

Meus

peritos

dizem

que

era

bizantino,

provavelmente do século VI ou VII, talvez mais antigo. Maureen examinou o padrão dos círculos. — Este padrão parece... familiar. Tenho a impressão de que já o vi antes. Sabe se simboliza alguma coisa? A intensidade de Mahmoud relaxou. — Não posso dizer com certeza o que um artesão pretendia criar há mil e quinhentos anos. Mas me garantiram que era o anel de um cosmólogo. — Um cosmólogo? — Alguém que compreende a relação entre a Terra e o cosmo. Como acima é abaixo. E devo dizer que me lembrou, na primeira vez em que o vi, dos planetas girando em torno do sol. Maureen contou os pontos em voz alta. — ...sete, oito, nove. Mas não podiam saber que havia nove planetas naquele tempo ou que o sol era o centro do sistema solar. Isto


não é possível, não é mesmo? — Não podemos presumir que sabemos o que os antigos percebiam. — Mahmoud deu de ombros. — Experimente o anel. Maureen, notando subitamente a conversa de um vendedor, devolveu o anel. — Não, obrigada. É muito bonito, mas eu estava apenas curiosa. E prometi a mim mesma que não gastaria dinheiro hoje. — Não tem problema. — Mahmoud recusou-se a pegar o anel de volta, numa atitude firme. — Porque o anel não está à venda. — Não? — Não. Muitas pessoas já quiseram comprar esse anel. Eu me recuso a vendê-lo. Sinta-se à vontade para experimentar. Apenas por diversão. Talvez porque a jovialidade tivesse voltado ao tom de Mahmoud e ela se sentisse menos pressionada ou talvez fosse a atração pelo padrão antigo e inexplicado. Alguma coisa, no entanto, fez com que Maureen enfiasse o disco de cobre no dedo anular direito. Coube perfeitamente. Mahmoud balançou a cabeça, sério de novo, quase sussurrando para si mesmo: — Como se tivesse sido feito para você. Maureen ergueu o anel para a luz, olhando para a mão. — Não consigo desviar os olhos. — Isso acontece porque você deve ficar com o anel. Maureen fitou-o, desconfiada, sentindo a iminência de uma oferta de venda. Mahmoud tinha mais classe que os vendedores das ruas, mas, de qualquer forma, era um mercador. — Pensei que houvesse dito que não está à venda. Ela fez menção de tirar o anel, ao que Mahmoud protestou com veemência, erguendo as mãos. — Não. Por favor. — Está bem. E neste ponto que começamos a negociar, não é mesmo? Quanto? Mahmoud pareceu ofendido por um momento, antes de responder:


— Não está entendendo. Esse anel me foi confiado até que encontrasse a mão certa. A mão para a qual foi feito. Descubro agora que é a sua mão. Não posso vendê-lo a você porque já é seu. Maureen olhou para o anel, depois para Mahmoud, perplexa: — Eu é que não entendo. Mahmoud ofereceu um sorriso solene. Encaminhou-se para a porta da frente da loja. — Não pode entender. Mas um dia vai compreender. Por enquanto, apenas fique com o anel. É um presente. — Eu não poderia... — Pode e ficará. Deve ficar. Se não o fizer, eu terei fracassado. E não vai querer esse peso na consciência, é claro. Maureen sacudiu a cabeça, cada vez mais aturdida, enquanto o seguia até a porta. Parou ali. — Não sei o que dizer ou como agradecer. — Não precisa. Mas tem de ir agora. Os mistérios de Jerusalém estão à sua espera. Mahmoud segurou a porta aberta. Maureen saiu e agradeceu de novo. — Adeus, Madona... — sussurrou Mahmoud, enquanto ela se afastava. Maureen parou no mesmo instante. Virou-se: — Desculpe, mas o que foi mesmo que disse? Mahmoud tornou a exibir um sorriso enigmático. — Eu disse adeus, minha cara. Ele acenou em despedida. Maureen retribuiu o gesto e tornou a se afastar, ao sol forte do Oriente Médio.

 Maureen voltou à Via Dolorosa, onde encontrou a Oitava Estação, exatamente como Mahmoud indicara. Mas estava inquieta e incapaz de se concentrar, sentia-se estranha depois do encontro com Mahmoud. Ao continuar em seu caminho, a sensação de vertigem que já experimentara


antes voltou, desta vez mais forte, a ponto de desorientá-la. Era seu primeiro dia em Jerusalém e com certeza sofria do cansaço da viagem e da alteração dos fusos horários. O vôo em que chegara de Los Angeles na noite anterior fora longo e cansativo e ela quase não dormira. Fosse uma combinação de calor, exaustão e fome ou alguma coisa mais inexplicável, o que aconteceu em seguida estava completamente fora do território da experiência de Maureen. Ao encontrar um banco de pedra, ela se sentou para descansar um pouco. Balançou com outra onda de vertigem inesperada, enquanto um clarão ofuscante emanava do sol implacável, transportando os seus pensamentos. Foi lançada abruptamente no meio de uma multidão. O caos reinava ao seu redor. Havia muitos gritos e empurrões, uma intensa comoção por todos os lados. Maureen conservava o suficiente da mentalidade moderna para perceber que as pessoas enxameando ao seu redor vestiam roupas feitas em tear manual. Muitas estavam descalças, enquanto outras usavam uma versão tosca de sandália, como ela notou quando alguém pisou em seu pé. Quase todos eram homens, barbudos e sujos. O sol onipresente do início da tarde castigava-os, misturando suor com poeira nos rostos furiosos e aflitos ao seu redor. Ela estava na beira de uma rua estreita. A multidão à frente começava a se empurrar, com um vigor crescente. Uma brecha natural surgiu, com um pequeno grupo avançando lentamente pelo caminho. A multidão parecia seguir esse grupo. Quando a massa em movimento chegou mais perto, Maureen viu a mulher pela primeira vez. Uma ilha solitária e serena no meio do caos, era uma das poucas mulheres na multidão... mas não era isso que a tornava tão diferente. Era o seu comportamento, uma atitude imponente, que a distinguia como uma rainha, apesar da camada de poeira que cobria-lhe as mãos e os pés. Estava um pouco desgrenhada, os cabelos castanho-avermelhados lustrosos presos parcialmente por baixo de um véu escarlate, que cobria a metade do rosto. Maureen compreendeu, num impulso instintivo, que precisava alcançar essa mulher, precisava se ligar a ela, tocá-la, falar com


ela. Mas a multidão agitada a impedia, e ela se deslocava nos movimentos em câmera lenta de um sonho. Enquanto continuava a avançar com dificuldade na direção da mulher, Maureen ficou impressionada com a beleza angustiada de seu rosto. Tinha feições delicadas e refinadas. Mas foram os olhos que continuaram a assediar Maureen muito depois que a visão acabou. Eram olhos enormes e brilhantes, com lágrimas não derramadas, em algum ponto no espectro de cores entre o âmbar e o verde, com uma luminosidade castanho-clara extraordinária que refletia uma infinita sabedoria e uma tristeza insuportável, numa mistura comovente. Os olhos da mulher, profundos e envolventes, encontraram-se com os de Maureen por um momento breve e interminável... e aqueles olhos surpreendentes transmitiram uma súplica de total e absoluto desespero. Você tem de me ajudar. Maureen sabia que a súplica lhe era dirigida. Ficou em transe, paralisada, enquanto a mulher a fitava. O momento foi rompido quando a mulher baixou os olhos para uma menina que a puxava pela mão, com urgência. A criança também fitou-a, com aqueles enormes olhos claros que herdara da mãe. Por trás dela havia um menino, mais velho e com olhos mais escuros que a menina, mas obviamente filho daquela mulher. Maureen compreendeu, naquele momento inexplicável, que era a única pessoa que podia ajudar a estranha majestosa e sofredora e seus filhos. Um fluxo de intensa confusão, acompanhado por alguma coisa muito parecida com pesar, sucedeu-se a essa compreensão. Depois, a multidão tornou a arremeter, engolfando Maureen num mar de suor e desespero.

 Maureen piscou várias vezes. Fechou os olhos com força, por alguns segundos. Sacudiu a cabeça vigorosamente, para clarear a visão, sem saber a princípio onde se encontrava. Um olhar para o jeans, a mochila de microfibra e o tênis Nike proporcionou-lhe a garantia de que se


encontrava à beira do século XXI. Ao seu redor, a agitação da Cidade Velha

também

era

intensa,

mas

as

pessoas

vestiam

roupas

contemporâneas e os sons agora eram diferentes. A rádio Jordão transmitia uma canção americana — seria “Losing My Religion”, do REM? — de uma loja no outro lado da rua. Um adolescente palestino tamborilava o ritmo no balcão. Sorriu para ela, sem perder a marcação. Maureen levantou-se e tentou se livrar da visão... se é que fora mesmo isso. Não tinha certeza do que fora nem podia se permitir pensar a respeito. Sua estada em Jerusalém era curta e tinha dois mil anos de cenários para visitar. Acionou a disciplina de jornalista e a experiência da vida inteira de controle de suas emoções. Tratou de arquivar a visão em assuntos a serem pesquisados, para análise posterior, e recomeçou a andar. Descobriu-se no meio de um enxame de turistas britânicos que contornaram a esquina, levados por um guia que usava o colarinho de sacerdote anglicano. Ele anunciou para seu grupo de peregrinos que se aproximavam do local mais sagrado da Cristandade, a Basílica do Santo Sepulcro. Maureen sabia, por sua pesquisa, que as Estações da Cruz que restavam ficavam dentro daquele prédio reverenciado. A basílica ocupava vários quarteirões, inclusive o local da crucificação. A construção começara quando a imperatriz Helena jurara proteger esse lugar sagrado, no século IV. Helena, a mãe do imperador romano Constantino, fora mais tarde canonizada por seus esforços. Maureen aproximou-se da vasta entrada devagar, com alguma hesitação. Ao parar no limiar, compreendeu que não entrava numa igreja de verdade havia muitos anos. Não gostou da perspectiva. Lembrou a si mesma, com a devida firmeza, que a pesquisa que a trouxera a Israel era acadêmica, não espiritual. Enquanto se mantivesse concentrada nesse aspecto da questão, não teria qualquer problema. Poderia passar por aquelas portas. Apesar de sua relutância, ela teve de admitir que havia alguma coisa naquele colossal santuário que inspirava reverência, um ambiente


magnético. Enquanto passava pela entrada enorme, ela ouviu as palavras do sacerdote britânico: — Dentro destas paredes, vocês verão onde Nosso Senhor fez o supremo sacrifício. Onde ele foi despojado de sua túnica e pregado na cruz. Entrarão na tumba sagrada em que seu corpo foi sepultado. Meus irmãos e irmãs em Cristo, depois de entrarem aqui, suas vidas nunca mais serão as mesmas.

 O cheiro intenso e inconfundível do incenso chamado olíbano envolveu Maureen quando ela entrou. Peregrinos de todas as áreas da Cristandade espalhavam-se pelos vastos espaços da basílica. Ela passou por um grupo de sacerdotes coptas empenhados numa discussão reverente, as vozes abafadas. Observou um clérigo ortodoxo grego acender uma vela numa das pequenas capelas. Um coro masculino cantava em dialeto oriental, um som exótico para ouvidos ocidentais, o hino se elevando de algum lugar secreto dentro da basílica. Maureen concentrava-se em absorver as imagens e sons daquele lugar sagrado, atordoada com a sobrecarga sensorial. Não notou a aproximação do homem pequeno, magro e forte, até que ele bateu em seu ombro, provocando um sobressalto. — Desculpe, moça. Desculpe, Srta. Mo-ree. Ele falava inglês. Ao contrário do enigmático Mahmoud, no entanto, seu sotaque era carregado. Sua habilidade com o idioma de Maureen era rudimentar, na melhor das hipóteses; por isso ela não entendeu a princípio que o homem a chamava pelo primeiro nome. Ele repetiu. — Mo-ree. Seu nome. É Mo-ree, não é? Maureen

estava

perplexa,

tentando

determinar

se

o

estranho homenzinho a chamava mesmo pelo seu nome e, se chamava, como o conhecia. Estava em Jerusalém havia menos de vinte e quatro horas e ninguém na cidade sabia seu nome, exceto o recepcionista

do

King

David

impaciente e perguntou de novo:

Hotel.

Mas

aquele

homem

era


— Mo-ree. Você é Mo-ree. Escritora. Você escreve, não é? Mo-ree? Maureen acenou com a cabeça em confirmação, lentamente. — Isso mesmo. Meu nome é Maureen. Mas como... como você sabia? O homem ignorou a pergunta. Pegou-a pela mão e puxou-a através da igreja. — Não há tempo, não há tempo. Venha. Esperamos muito tempo por você. Venha, venha. Para um homem tão pequeno — era mais baixo até do que Maureen —, ele se movia com bastante rapidez. As pernas curtas impulsionaram-no pelo interior da basílica, passando pelo lugar em que os peregrinos esperavam para serem admitidos na tumba de Cristo. Ele continuou a andar, até alcançar um pequeno altar no fundo da basílica, onde parou abruptamente. A área era dominada por uma escultura de bronze em tamanho natural de uma mulher com

os

braços

estendidos

para

um

homem,

numa

pose

suplicante. — Capela de Maria Madalena... Madalena... Veio por causa dela, não é? Não é? Maureen tornou a acenar com a cabeça, cautelosa, olhando para a escultura. Uma placa informava: NESTE LUGAR, MARIA MADALENA FOI A PRIMEIRA A VER A ASCENSÃO DO SENHOR. Ela leu em voz alta a citação de outra placa, abaixo do bronze: — “Mulher, por que chora? A quem procura?” Maureen teve pouco tempo para refletir sobre a pergunta, pois

o

estranho

homenzinho

puxava-a

de

novo,

seguindo

apressado, em seus passos improváveis, para outro canto escuro da basílica. — Venha, venha.


Contornaram uma esquina e pararam na frente de um quadro, um retrato grande e antigo de uma mulher. O tempo, o incenso e séculos de resíduos de velas oleosas haviam impresso seu tributo sobre a obra de arte. Para ver melhor, Maureen teve de chegar mais perto do quadro escuro, os olhos contraídos. O homenzinho explicou, numa voz subitamente muito séria: — Quadro muito antigo. Grego. Pode me entender? GREGO. Mais importante, da Senhora. Ela precisa que você conte sua história. E por isso que veio até aqui, Mo-ree. Esperamos há muito tempo por você. ELA esperou. Por você. Sim? Maureen olhou atentamente para o quadro, um retrato antigo de uma mulher usando um manto vermelho. Virou-se para o homenzinho, com a maior curiosidade sobre o lugar para onde ele queria levá-la. Mas ele não estava mais ali... desaparecera tão depressa quanto havia surgido. — Espere! O grito de Maureen ressoou pela câmara de eco da vasta basílica. Mas ela não obteve resposta. Tornou a concentrar sua atenção no quadro. Ao se inclinar em sua direção, verificou que a mulher usava um anel na mão direita, um disco de cobre redondo, com um padrão de nove círculos em torno de uma esfera central. Maureen levantou sua mão direita, a fim de comparar o anel que acabara de ganhar com o que aparecia no quadro. Os anéis eram idênticos.


... Muito será dito e escrito, nos tempos que virão, sobre Simão, o Pescador de Homens. De como ele foi chamado de pedra, Pedro, por Easa e por mim, enquanto os outros chamavam-no de Cefas, o que era natural na língua que falavam. E, se a história se propuser justa, dirá como ele amou Easa com intensidade e lealdade incomparáveis. E muito se tem dito, assim me contaram, sobre meu relacionamento com Simão-Pedro. Há aqueles que nos chamavam de adversários, de inimigos. Querem acreditar que Pedro me desprezava e que disputávamos a atenção de Easa em todas as ocasiões. E há aqueles que diriam que Pedro odiava as mulheres... essa é, porém, uma acusação que não pode ser atribuída a nenhum dos seguidores de Easa. Saibam que nenhum homem que seguiu Easa jamais menosprezou uma mulher ou subestimou seu valor nos desígnios de Deus. Qualquer homem que faz isso e alega ter Easa como mestre está proferindo uma mentira. São

inverídicas

tais

acusações

contra

Pedro.

Aqueles

que

testemunharam as críticas a mim dirigidas por Pedro desconhecem nossa história, ou de que fontes se originaram suas explosões. Contudo eu compreendo e nunca o julgarei. Isso, acima de todo o resto, é fruto daquilo que Easa me ensinou... e espero que aos outros ele também tenha ensinado. Não julgar. O EVANGELHO

DE

ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO DOS DISCÍPULOS


CAPITULO DOIS

Los Angeles Outubro de 2004

— Vamos começar do alto. Maria Antonieta nunca disse: “Se eles não têm pão, que comam brioche.” Lucrécia Bórgia nunca envenenou ninguém. E Maria I, da Escócia, não era uma prostituta assassina. Ao repararmos esses erros, damos o primeiro passo para restituir às mulheres seu lugar apropriado e respeitável na história... um lugar que foi usurpado por gerações de historiadores com uma agenda política. Maureen fez uma pausa, enquanto murmúrios de aprovação espalhavam-se pela platéia de estudantes. Falar para uma nova turma era quase como uma noite de estréia no teatro. O sucesso do desempenho inicial determinava o impacto a longo prazo de todo o curso. — Ao longo das próximas semanas, vamos examinar as vidas de algumas das mulheres mais infames na história e na lenda. Mulheres com histórias que deixaram uma marca indelével na evolução da sociedade

e

do

pensamento

moderno;

mulheres

que

foram

dramaticamente incompreendidas e mal retratadas pelas pessoas que estabeleceram a história do mundo ocidental, ao registrarem suas opiniões no papel. Maureen estava concentrada e relutante em parar para perguntas tão cedo, mas um jovem estudante acenava com a mão da primeira fila desde que ela começara a falar. Parecia muito ansioso; afora isso, porém, não havia nada de extraordinário em sua aparência. Amigo ou inimigo? Admirador ou fundamentalista? Havia sempre esse risco. Maureen deu-lhe a palavra, sabendo que ele distrairia a sua atenção enquanto não o


fizesse. — Considera que essa é uma visão feminista da história? Era só isso? Maureen relaxou um pouco, enquanto respondia à pergunta familiar: — Considero que é uma visão honesta da história. Não trato do assunto com qualquer outro interesse que não a busca da verdade. Mas ela ainda não se livrara do importuno. — Pois me parece uma visão contra os homens. — Nem um pouco. Adoro os homens. Acho que toda mulher devia ter um. Maureen fez uma pausa, para permitir o riso das mulheres. — Estou brincando. Meu objetivo era o de recuperar o equilíbrio, analisando a história com olhos modernos. Você leva sua vida da mesma maneira como as pessoas viviam há mil e seiscentos anos? Não. Então,

por

que

leis,

convicções

e

interpretações

históricas

determinadas na Idade Média devem reger a maneira como vivemos no século XXI? Não faz o menor sentido. O estudante declarou: — Mas é por isso que estou aqui, para descobrir o que realmente acontece. — Ótimo. Neste caso, aplaudo sua presença. Só peço que mantenha a mente aberta. Na verdade, quero que todos parem o que estão fazendo, levantem a mão direita e façam o seguinte juramento. Os estudantes do curso noturno trocaram murmúrios outra vez. Sorriram e deram de ombros uns para os outros, querendo determinar se ela falava mesmo sério. A professora, escritora de sucesso e jornalista respeitada, mantinha-se de pé na frente deles, com a mão direita levantada e uma expressão de expectativa. — Vamos — encorajou. — Levantem a mão e repitam o que eu disser. Os estudantes levantaram a mão, esperando por sua deixa. — Juro solenemente, como um estudante sério de história — Mauree fez uma pausa, enquanto os estudantes repetiam, obedientes —,


lembrar em todas as ocasiões que as palavras registradas no papel foram escritas por seres humanos. Outra pausa, para a repetição dos estudantes. — E como todos os seres humanos são regidos por suas emoções, opiniões, filiações políticas e religiosas, toda a história inclui tanto opinião quanto fato e em muitos casos foi inteiramente fabricada para promover as ambições pessoais ou as intenções secretas de quem a escreveu. Outra pausa. — Juro solenemente manter minha mente aberta em cada momento em que estiver sentado nesta sala. Aqui está o nosso grito de batalha. A história não é o que aconteceu. A história é o que foi escrito. Ela levantou um livro de capa dura que estava no pódio à sua frente, mostrando para a turma. — Todos já possuem um exemplar deste livro? Acenos de cabeça e murmúrios de confirmação foram a resposta. O livro na mão de Maureen era sua controvertida obra, HERstory — Uma defesa das heroínas mais odiadas da história. Era o motivo pelo qual ela lotava as salas de aula e os auditórios cada vez que decidia dar um curso ou fazer uma conferência. — Começaremos esta noite com uma análise das mulheres do Antigo Testamento, ancestrais das tradições judaica e cristã. Na próxima semana, faremos a transição para o Novo Testamento, concentrando a maior parte da sessão em uma única mulher... Maria Madalena. Examinaremos as diferentes fontes e referências sobre sua vida, tanto como mulher quanto como discípula de Cristo. Por favor, leiam os capítulos correspondentes, em preparação para as discussões a respeito. Maureen fez uma pausa. — Também teremos um convidado especial, o Dr. Peter Healy, que alguns de vocês já conhecem de nosso programa de extensão em Ciências Humanas. Para aqueles que ainda não foram bastante afortunados para comparecer a uma das aulas do nosso bom Dr. Healy, devo acrescentar


que ele é também o padre Healy, um estudioso jesuíta, um especialista internacionalmente aclamado por seus estudos bíblicos. O estudante persistente na primeira fila levantou a mão outra vez e foi logo perguntando, sem esperar que Maureen lhe concedesse a palavra: — Não tem uma relação especial com o Dr. Healy? Maureen acenou com a cabeça em confirmação. — O Dr. Healy é meu primo. Ela olhou para os outros estudantes e acrescentou: — Ele nos dará a perspectiva da Igreja sobre o relacionamento de Maria Madalena com Cristo e revelará como as percepções evoluíram ao longo de dois mil anos. — Maureen estava ansiosa em voltar ao que dizia antes e encerrar o mais depressa possível aquela tergiversação. — Será uma boa noite. Tentem não perdê-la. Mas esta noite vamos começar por uma de nossas mães ancestrais. Quando tomamos conhecimento de Betsabá, ela está “purificando-se de sua impureza”...

 Maureen saiu apressada da sala, pedindo desculpas e jurando que ficaria depois da aula na semana seguinte. Em circunstâncias normais, teria permanecido na sala pelo menos por mais meia hora, conversando com o grupo que inevitavelmente ficava por ali. Adorava aquele tempo com os alunos, talvez ainda mais do que as aulas. Afinal, os que permaneciam na sala eram aqueles que tinham afinidades. Eram os estudantes que faziam com que continuasse. Não precisava da remuneração insignificante que o curso de extensão lhe proporcionava. Dava aulas porque adorava o contato e o estímulo de partilhar suas teorias com pessoas curiosas e de mentalidade aberta. Os saltos ressoando ritmados pela calçada, Maureen acelerou os passos, seguindo pelas ruas arborizadas no norte do campus. Não queria perder Peter, não naquela noite. Irritou-se com seu senso de elegância, desejando estar usando calçados mais apropriados para a quase corrida até a sala de Peter, antes de sua saída. Como sempre, vestia-se de forma impecável. Dedicava às roupas o mesmo cuidado


meticuloso que dispensava a todos os outros detalhes de sua vida. O tailleur de grife ajustava-se ao corpo pequeno com perfeição, a cor de floresta realçava seus olhos verdes. Os sapatos de saltos altos de Manolo Blahnik acrescentavam um toque de ousadia ao traje, afora isso, conservador... e alguma altura a seu corpo de pouco mais de metro e meio. Eram justamente os Manolo que constituíam a fonte de sua atual frustração. Ela considerou por um instante a possibilidade de tirá-los. Por favor, não saia daí. Por favor, espere até minha chegada. Maureen projetou o pensamento em Peter, enquanto andava. Havia uma estranha ligação entre os dois, desde crianças. Ela esperava agora que Peter pudesse sentir como precisava desesperadamente falar com ele. Maureen tentara antes ligar para o primo por meios mais convencionais, mas fora em vão. Peter detestava celulares e não tinha um, apesar de suas muitas súplicas ao longo dos anos. Além disso, recusava-se a atender na extensão em sua sala, se estava absorvido no trabalho. Ela acabou tirando os incômodos sapatos e guardou-os na enorme bolsa de couro pendurada no ombro, enquanto corria na etapa final para seu destino. Prendeu a respiração ao virar a esquina, levantou os olhos para as janelas do segundo andar e contou da esquerda para a direita. Deixou escapar um suspiro de alívio ao ver a luz acesa na quarta janela. Peter ainda estava lá. Maureen subiu a escada devagar, ganhando tempo para recuperar o fôlego. Virou à esquerda no corredor e parou ao alcançar a quarta porta à direita. Peter estava sentado à sua mesa, examinando com uma lupa um manuscrito amarelado. Sentiu sua presença antes de vê-la na porta. Ao levantar os olhos, seu rosto se desmanchou num sorriso acolhedor. — Maureen! Que surpresa maravilhosa! Não esperava vê-la esta noite. —

Oi,

Pete

murmurou

ela,

no

mesmo tom afetuoso,

contornando a mesa para um abraço intenso. — Fico contente que ainda esteja aqui... fiquei com medo de que já tivesse ido embora e precisava desesperadamente falar com você. Ele alteou uma sobrancelha e refletiu por um longo momento,


antes de responder: — Em circunstâncias normais, eu já teria ido embora há horas. Mas senti-me compelido a trabalhar até mais tarde esta noite, por alguma razão que não entendi direito... até agora. O padre Healy deu de ombros, com um sorriso jovial e sugestivo. Maureen retribuiu com o mesmo sorriso. Nunca fora capaz de explicar em qualquer nível lógico a ligação que tinha com o primo mais velho. Mas desde o dia em que chegara à Irlanda, quando menina, eram íntimos como

gêmeos,

partilhando

uma

fantástica

capacidade

de

se

comunicarem sem palavras. Maureen enfiou a mão na bolsa e tirou um saco plástico de compras azul, do tipo usado por importadoras no mundo inteiro. Continha uma caixa retangular pequena, que ela estendeu para o padre. — Ah, Lyon's Gold Label! Uma grande escolha. Ainda não consigo suportar o chá americano. Maureen fez uma careta e estremeceu, para indicar sua aversão partilhada. — Água de pântano. — Creio que a chaleira já está cheia de água. Basta ligar e daqui a pouco tomaremos um chá. Maureen sorriu, enquanto observava Peter levantar-se da velha cadeira de couro que ganhara da universidade. Ao aceitar o cargo no Departamento de Extensão de Ciências Humanas, o estimado Dr. Peter Healy recebera uma sala com janela. Os móveis eram modernos, com mesa e cadeira novas e funcionais. Peter detestava o funcional em matéria de mobília, mas detestava ainda mais o moderno. Usando o seu charme gaélico como uma força irresistível, ele conseguira atiçar o estafe, em geral impassível, para uma atividade frenética. Era um sósia do ator irlandês Gabriel Byrne, uma aparência que nunca deixava de atrair as mulheres, com ou sem o colarinho clerical. Os funcionários procuraram em porões e salas de aula em desuso, até encontrarem exatamente o que ele procurava, uma cadeira de couro de encosto alto, bastante confortável, e uma mesa de madeira que pelo menos parecia antiga. Os confortos


modernos na sala eram de sua escolha: a pequena geladeira no canto, atrás da mesa, uma pequena chaleira elétrica para ferver água e o telefone, que costumava ignorar. Maureen sentia-se mais relaxada agora, enquanto o observava, segura na presença de um parente próximo, absorvida na arte tranqüilizante e absolutamente irlandesa de fazer chá. Peter voltou até a mesa e inclinou-se para a pequena geladeira no canto. Tirou uma caixa de leite pequena e pôs ao lado do açucareiro branco e rosa, em cima da geladeira. — Há uma colher em algum lugar... ah, aqui está! A chaleira começou a apitar, indicando que a água estava prestes a ferver. — Pode deixar que eu faço o chá — ofereceu Maureen. Ela levantou-se e pegou a caixa de chá na mesa de Peter. Abriu o lacre de plástico com a ponta da unha. Tirou dois saquinhos redondos e largou-os em canecas diferentes, manchadas de chá. Os estereótipos sobre os irlandeses e o álcool eram um exagero dramático, na perspectiva de Maureen; o verdadeiro vício irlandês era o chá. Ela terminou os preparativos com a devida eficiência e entregou uma caneca fumegante ao primo. Foi se sentar na cadeira na frente da mesa. Com sua caneca na mão, Maureen tomou um gole do chá, calada, sentindo que os benevolentes olhos azuis de Peter a contemplavam. Depois de se apressar para encontrá-lo, não sabia por onde começar. Foi o padre quem acabou rompendo o silêncio. — Quer dizer que ela voltou? Maureen deixou escapar um suspiro de alívio. Nos momentos em que pensava alcançar os limites extremos da sanidade, Peter estava ali para ajudá-la: primo, padre, amigo. — Isso mesmo — balbuciou ela, com uma inarticulação inesperada. Ela voltou.

 Peter revirava-se na cama, irrequieto, incapaz de dormir. A conversa


com Maureen perturbara-o mais do que a deixara perceber. Estava preocupado com ela, tanto como seu parente vivo mais próximo quanto como seu conselheiro espiritual. Sabia que os sonhos voltavam de maneira inesperada e persistente e vinha ganhando tempo, à espera do dia em que teria de agir. Quando voltara da Terra Santa, Maureen sentia-se perturbada pelos sonhos com uma mulher imponente e sofredora, que vira em Jerusalém. Os sonhos eram sempre iguais: ela estava no meio da multidão na Via Dolorosa. De vez em quando, um sonho podia conter pequenas variações ou um detalhe adicional, mas sempre projetavam um sentimento de profundo desespero. Era essa intensidade vivida que perturbava Peter, a autenticidade nas descrições de Maureen. Era intangível, uma coisa desencadeada pela própria Terra Santa, um sentimento que Peter experimentara pela primeira vez quando estudava em Jerusalém. Era uma sensação de estar muito próximo do antigo... e do Divino. Depois de voltar da Terra Santa, Maureen passara muitas horas em ligações internacionais com Peter, que na ocasião era professor na Irlanda. Ele começara a questionar a sanidade de Maureen. A intensidade e

freqüência

dos

sonhos

deixavam-no

angustiado.

Pedira

uma

transferência para Loyola, sabendo que seria concedida imediatamente, e embarcara num avião para Los Angeles, a fim de ficar perto da prima. Quatro anos depois, ele lutava contra seus pensamentos e sua consciência, sem saber a melhor maneira de ajudar Maureen. Queria levá-la para encontros com alguns de seus superiores na Igreja, mas sabia que a prima nunca concordaria com isso. Peter era o único elo que ainda se permitia ter com sua criação católica. E só confiava nele porque era da família... e porque era a única pessoa em sua vida que nunca a decepcionara. Peter se sentou na cama, aceitando a certeza de que o sono continuaria a se esquivar dele pelo resto daquela noite... e tentando não pensar no maço de Marlboro na gaveta da mesinha-de-cabeceira. Tentava se livrar daquele péssimo hábito... e isso fora um dos motivos pelos quais


optara por morar sozinho num apartamento, em vez de partilhar a residência dos jesuítas. O estresse era demais naquele momento e ele acabou cedendo ao impulso para o pecado. Acendeu um cigarro, deu uma tragada profunda e refletiu sobre os problemas com que Maureen se defrontava. Sempre houvera alguma coisa especial naquela pequena e dinâmica prima americana. Quando chegara à Irlanda com a mãe, era uma criança de sete anos assustada e solitária, tinha o sotaque do sul dos Estados Unidos. Oito anos mais velho, Peter a tomara sob sua proteção, apresentando-a às crianças da aldeia... e proporcionando olhos roxos a qualquer um que ousasse zombar da recém-chegada de sotaque engraçado. Mas não levara muito tempo para que Maureen assimilasse o ambiente. Curara-se rapidamente dos traumas de seu passado na Louisiana, enquanto as neblinas da Irlanda a envolviam, acolhedoras. Encontrava refúgio nos campos, por onde dava longos passeios, levada por Peter e suas irmãs, que mostravam a beleza do rio e advertiam-na para os perigos das areias movediças no pântano. Os longos dias de verão eram consumidos na colheita de amoras silvestres na fazenda da família e nas partidas de futebol, até o sol se pôr no horizonte. Com o passar do tempo, as crianças locais passaram a aceitá-la, à medida que ela se tornava mais segura no ambiente e permitia que sua verdadeira personalidade aflorasse. Peter muitas vezes especulara sobre a definição da palavra carisma, tal qual era usada no contexto sobrenatural dos primeiros tempos da Igreja: carisma, uma dádiva ou poder de concessão divina. Talvez se aplicasse a Maureen de maneira mais literal e profunda do que qualquer um dos dois jamais concebera. Ele mantinha um diário de suas conversas

com

Maureen,

desde

aqueles

primeiros

telefonemas

internacionais, onde registrava suas próprias percepções sobre o significado dos sonhos. E orava todos os dias por orientação... se Maureen fora escolhida por Deus para desempenhar alguma missão relacionada à Paixão, e ele tinha cada vez mais certeza de que era esse período que ela testemunhava em seus sonhos, Peter precisaria do


máximo de orientação de seu Criador. E de sua Igreja.

 Le Château des Pommes Bleues Languedoc, região da França Outubro de 2004

— Marie de Nègre escolherá quando chegar o momento de A Escolhida. Ela que nasceu do Cordeiro Pascal, quando o dia e a noite são iguais, ela que é filha da Ressurreição. Ela que carrega o Sangre-el receberá a chave, ao contemplar o Dia Tenebroso do Crânio. Ela se tornará a nova Pastora e nos mostrará O Caminho. Lorde Berenger Sinclair andava de um lado para outro do assoalho envernizado de sua biblioteca. As chamas na enorme lareira de pedra projetavam uma claridade dourada numa coleção de livros e manuscritos de valor inestimável. Um estandarte esfarrapado pendia numa vitrine que se estendia por toda a extensão da enorme lareira. Outrora branco, o tecido amarelado tinha uma flor-de-lis dourada, bastante desbotada. O nome composto Jhesus-Maria estava bordado na entretela, mas só era visível para os poucos que tinham a oportunidade de se aproximar daquela relíquia. Sinclair recitou a profecia em voz alta, de cor, o ligeiro sotaque escocês prolongando os erres. Conhecia aquelas palavras havia muito tempo. Aprendera-as sentado no colo do avô, quando era pequeno. Não compreendia o significado das frases naquele tempo. Era apenas um jogo de memorização que fazia com o avô, quando passava o verão na vasta propriedade da família na França. Ele parou de andar para se postar diante de uma linhagem extraordinária. Uma árvore genealógica, estendendo-se ao longo de séculos, estava pintada na parede do chão ao teto, por toda a sua extensão. Um imponente mural exibia a história dos ancestrais de Berenger.


Aquele ramo da família Sinclair era um dos mais antigos da Europa. Originalmente chamada Saint Clair, a família fora expulsa do território continental da Europa e fora se refugiar na Escócia, no século XIII. Ali, o sobrenome fora mais tarde anglicizado para sua forma atual. Os ancestrais de Berenger eram alguns dos personagens mais ilustres da história britânica, incluindo Jaime I, da Inglaterra, e aquela infame rainha-mãe Maria I, da Escócia. A influente, prática e perceptiva família Sinclair conseguira sobreviver a guerras civis e convulsões políticas na Escócia, atuando nos dois lados da coroa, ao longo da tumultuada história do país. Capitão de indústria no século XX, o avô de Berenger acumulara uma das maiores fortunas da Europa, com a fundação da companhia North Sea Oil, para explorar petróleo no mar do Norte. Várias vezes bilionário e um par do reino, com assento na Câmara dos Lordes, Alistair Sinclair tinha tudo o que qualquer homem podia pedir. Mas permanecera irrequieto e insatisfeito, alguém que procurava alguma coisa que sua fortuna não podia comprar. O avô Alistair tornara-se obcecado pela França. Comprara um enorme castelo nos arredores da aldeia de Arques, na rude e misteriosa região sudoeste, conhecida como o Languedoc. Dera à sua nova residência o nome de “Château des Pommes Bleues”, o Castelo das Maçãs Azuis, por motivos que só eram conhecidos de uns poucos iniciados. O Languedoc era uma região montanhosa, dominada pelo misticismo. As lendas locais de tesouros enterrados e cavaleiros misteriosos remontavam a milhares de anos. Alistair Sinclair tornara-se um estudioso do folclore do Languedoc, comprando tanta terra na região quanto podia adquirir, procurando com uma urgência crescente pelo tesouro que acreditava estar enterrado na região. Só que o tesouro que ele procurava ali tinha pouco a ver com ouro ou riquezas, coisas que Alistair já possuía em abundância. Era algo muito mais valioso para ele, para sua família e para o mundo. A medida que envelhecia, ele passava cada vez menos tempo na Escócia. Só se sentia feliz quando estava ali, nas montanhas vermelhas e selvagens do Languedoc. Insistia que o neto o


acompanhasse nos verões. Incutira no pequeno Berenger a mesma paixão, verdadeira obsessão, pela região mítica. Agora, um homem na casa dos quarenta anos, Berenger Sinclair parou de andar mais uma vez, ficando na frente de um enorme retrato do avô. As feições angulosas e pronunciadas, os cabelos crespos escuros e olhos intensos faziam com que ele experimentasse a sensação de olhar para um espelho. — Parece muito com ele, monsieur. Mais e mais parecido, sob muitos aspectos, a cada dia que passa. Sinclair virou-se para seu corpulento empregado, Roland. Para um homem tão grande, ele era furtivo a um ponto excepcional e muitas vezes parecia surgir do nada. — E isso é bom? — indagou Berenger, irônico. — Claro. Monsieur Alistair era um homem extraordinário, muito amado pelos habitantes das aldeias. E por meu pai... e por mim. Sinclair balançou a cabeça, com um pequeno sorriso. Era de esperar que Roland dissesse aquilo. O gigante francês era um filho do Languedoc. O pai dele pertencia a uma família local, com raízes profundas no solo legendário. Fora o mordomo de Alistair no castelo. Roland fora criado ali. Compreendia a família Sinclair e suas excêntricas obsessões. Com a morte súbita do pai, Roland assumira seu lugar no Château des Pommes Bleues. Era uma das pouquíssimas pessoas no mundo em que Berenger Sinclair confiava. — Se não se importa que eu diga, estávamos trabalhando no outro lado do saguão e ouvimos o que disse... Jean Claude e eu. As palavras da profecia. — Ele fitou Sinclair com uma expressão inquisitiva: — Alguma coisa errada? Sinclair atravessou a sala até a enorme mesa de mogno que dominava a parede no outro lado. — Não, Roland. Não há nada errado. Na verdade, acho que as coisas podem finalmente estar muito certas. Ele pegou um livro em cima da mesa. Mostrou a capa a Roland. O título era HERSTORY. O subtítulo dizia: UMA DEFESA DAS HEROÍNAS


MAIS ODIADAS DA HISTÓRIA. Roland pegou o livro e ficou olhando, perplexo. — Não estou entendendo. — Vire o livro. Dê uma olhada na mulher. Roland virou o livro para ver a foto na quarta capa, com a legenda: AUTORA — MAUREEN PASCHAL. Era uma ruiva atraente, na casa dos trinta anos. Posara para a foto com as mãos no encosto de uma cadeira à sua frente. Sinclair passou a mão pela foto, apontando para as mãos da autora. No dedo anular direito, pequeno mas visível, estava o antigo anel de cobre de Jerusalém, com seu padrão planetário. Roland levantou os olhos do livro, com um sobressalto. — Sacré bleu! — É isso mesmo — murmurou Sinclair. — Ou talvez, seja mais apropriado dizer outra coisa: Sacré rouge. Os dois foram interrompidos por uma presença na porta. Jean Claude de la Motte, membro de confiança do círculo íntimo do Château des Pommes Bleues, olhava para seus companheiros, inquisitivo: — O que aconteceu? Sinclair gesticulou para que Jean Claude entrasse. — Nada... ainda. Mas quero que me diga o que acha disso. Roland entregou o livro a Jean Claude e apontou para o anel na mão da autora, na foto na quarta capa. Jean Claude tirou os óculos de leitura do bolso e ajeitou-os no rosto. Examinou a foto por um momento, antes de perguntar, quase num sussurro: — A Escolhida? Sinclair riu. — Isso mesmo, meus amigos. Depois de tantos anos, acho que podemos finalmente ter encontrado nossa Pastora.


... Percebo Pedro em minhas mais antigas lembranças, pois seu pai e o meu eram amigos. Havia um forte vínculo entre ele e meu irmão. O templo em Cafarnaum era próximo à casa do pai de SimãoPedro, lugar que com freqüência visitávamos quando éramos crianças. Recordo-me de brincar ali, na praia. Por ser muito menor que os meninos, não eram poucas as vezes que o fazia na solitude. Porém o som de suas risadas, enquanto brincavam de luta, é algo que ainda povoa minhas recordações. Pedro costumava ser o mais austero dos meninos, enquanto seu irmão André tinha um coração mais alegre. Ambos eram bemhumorados, quando pequenos. Porém, após a partida de Easa, os dois irmãos perderam por completo a jovialidade. Não devotavam quase paciência alguma àqueles entre nós que se apegavam à leveza de espírito para sobreviver. Pedro guardava muita semelhança com meu irmão, na medida em que adotou postura de total seriedade em relação às responsabilidades de família, ao ingressar na vida adulta. Transferiu esse senso de responsabilidade para os ensinamentos sobre O Caminho. Era dotado de uma tal força e tal determinação que só encontravam comparação entre os próprios mestres... e por isso nele depositavam tanta confiança. Contudo, por mais que Easa lhe ensinasse, Pedro lutava contra sua própria natureza com mais empenho e intensidade do que a maioria das pessoas jamais saberia. Creio que ele renunciou a mais do que os outros no firme propósito de seguir O Caminho, tal qual foi ensinado... exigia

mais

de

Pedro,

mais

mudanças

internas.

Pedro

foi

incompreendido e houve quem lhe quisesse mal. Embora não seja esse o meu caso. Amei Pedro e nele confiei. Como se fosse ele meu filho mais velho. O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO DOS DISCÍPULOS


CAPÍTULO TRÊS

McLean, Virgínia Março de 2005

McLean, no estado da Virgínia, é um lugar eclético, uma estranha mistura de comunidade suburbana política e próspera. Perto da Beltway a rodovia de contorno da cidade de Washington, fica entre o quartelgeneral da CIA e Tyson's Corner, um dos maiores e mais prestigiosos centros comerciais dos Estados Unidos. McLean não é uma comunidade suburbana conhecida por sua espiritualidade. Pelo menos não para a maioria das pessoas. Maureen Paschal não estava nem um pouco preocupada com questões sagradas enquanto guiava o Ford Taurus alugado, a caminho do McLean Ritz Carlton. A agenda da manhã seguinte seria movimentada: uma reunião no café da manhã com a Liga das Escritoras do Leste, seguida por uma manhã de autógrafos numa enorme livraria em Tyson's Corner. Assim, teria a maior parte da tarde de sábado só para si. O que era perfeito. Poderia sair para uma exploração, como sempre fazia quando se encontrava numa nova cidade. Não importava se o lugar era pequeno ou rural; se Maureen nunca tivesse estado antes, sempre era fascinante. Ela nunca deixava de encontrar a característica especial de cada cidade que visitava, o que a tornava única em sua memória. Amanhã, ela descobriria o que distinguia McLean de todos os outros lugares. O check-in foi fácil, pois a editora cuidara de tudo. Maureen só teve de assinar e pegar a chave. Subiu no elevador e foi para o quarto elegante. Ali, submeteu-se à sua necessidade de ordem, arrumando a bagagem e verificando até que ponto as roupas estavam amarrotadas.


Maureen adorava os hotéis de luxo como todo o mundo, ela supunha. Seu comportamento, no entanto, era o de uma criança quando se hospedava em um. Fez uma inspeção meticulosa das instalações, verificou o que havia no minibar, passou a mão pelo suntuoso roupão com o logotipo do hotel pendurado atrás da porta do banheiro, sorriu ao ver a extensão do telefone ao lado do vaso. Jurara que nunca ficaria tão embotada a ponto de deixar de apreciar esses pequenos privilégios. Talvez aqueles anos de dificuldades, comendo macarrão instantâneo, cereal e sanduíches de pasta de amendoim, enquanto a pesquisa devorava o que restava de suas economias, tivessem sido bons para ela, no final das contas. Ajudavamna a apreciar as boas coisas que a vida começava a lhe proporcionar. Ela correu os olhos pelo quarto espaçoso, sentindo uma breve pontada de tristeza. Apesar de todos os sucessos recentes, não tinha ninguém com quem pudesse partilhar suas conquistas. Vivia sozinha; sempre fora sozinha e talvez continuasse sendo para sempre... Maureen tratou de banir a autocompaixão tão depressa quanto surgira. Contava com a maior das distrações para afastar a mente desses

pensamentos

desconcertantes.

Algumas

das

lojas

mais

fascinantes dos Estados Unidos estavam à sua espera. Maureen pegou a bolsa, verificou os cartões de crédito e saiu para conhecer a cultura de Tyson's Corner.

 A Liga das Escritoras do Leste realizou seu café da manhã num salão de conferências do McLean Ritz Carlton. Maureen usava seu uniforme público: um tailleur clássico de grife, com sapatos de saltos altos. Ao chegar ao salão, pontualmente às nove horas, ela recusou a comida e pediu um bule de chá irlandês. Comer antes de uma sessão de perguntas e respostas nunca lhe parecia uma boa opção. Deixava-a enjoada. Maureen sentia-se menos nervosa do que o habitual naquela manhã, já que a mediadora era uma aliada, uma mulher adorável chamada Jenna Rosenberg, com quem mantivera contato durante várias


semanas, em preparação para o evento. Em primeiro lugar e acima de tudo, Jenna era uma admiradora do trabalho da escritora, que podia citar extensamente. Só isso era suficiente para conquistar Maureen. Além disso, o cenário montado era de intimidade, com pequenas mesas agrupadas, de tal forma que Maureen não precisaria de um microfone. A própria Jenna iniciou a sessão de perguntas e respostas, com uma indagação óbvia, mas importante: — O que a inspirou a escrever este livro? Maureen pousou a xícara na mesa para responder: — Li uma ocasião que os primeiros textos históricos britânicos foram traduzidos por uma seita de monges que acreditavam que as mulheres não tinham alma. Estavam convencidos de que a fonte de todo mal vinha das mulheres. Esses monges foram os primeiros a alterar as lendas do rei Artur e do que chamamos de Camelot. Guinevere tornou-se uma adúltera calculista, em vez de uma poderosa rainhaguerreira. Morgan Le Fey tornou-se a irmã diabólica de Artur, que o engana para cometer incesto, em vez da líder espiritual de toda uma nação, como ela era nas primeiras versões da lenda. Ela fez uma pausa. — Essa noção me chocou e me levou a formular a pergunta: teriam outros retratos de mulheres na história sido registrados com a mesma distorção? Obviamente, essa perspectiva estende-se ao longo da história. Comecei a pensar nas muitas mulheres a que poderia se aplicar a questão e minha pesquisa partiu daí. Jenna providenciou para que as perguntas partissem de diferentes mesas. Depois de alguma discussão sobre literatura feminista e questões de igualdade na edição de livros, a pergunta seguinte foi de uma jovem com uma pequena cruz de ouro por cima da blusa de seda. — Para aquelas entre nós que foram criadas num ambiente tradicional, o capítulo sobre Maria Madalena foi uma revelação. Você apresenta uma mulher muito diferente da prostituta arrependida. Mas ainda não tenho certeza se posso aceitá-lo. Maureen acenou com a cabeça em sinal de compreensão, antes de


dar sua resposta: — Até mesmo o Vaticano já admitiu que Maria Madalena não era uma prostituta e que não se deveria mais ensinar essa mentira, em particular na escola dominical. Faz mais de trinta anos que o Vaticano proclamou formalmente que Maria não era a mulher decaída do evangelho de Lucas e que o papa Gregório, o Grande, criara essa história para atender a seus propósitos obscurantistas da Idade Média. Mas é difícil apagar dois milênios de opinião pública. A admissão do erro pelo Vaticano, na década de 1960, não foi mais do que uma retratação escondida na última página de um jornal. Com isso, essencialmente, Maria Madalena torna-se a madrinha das mulheres incompreendidas, a primeira mulher de grande importância a ter sua vida alterada, de forma intencional e total, pelos cronistas da história. É uma das seguidoras

mais

próximas

de

Cristo,

discípula. E, no entanto, foi cortada

indiscutivelmente

uma

quase por completo dos

evangelhos. Jenna interveio, obviamente excitada com o assunto: — Mas há muita especulação agora sobre Maria Madalena, inclusive de que ela pode ter tido um relacionamento íntimo com Cristo. A mulher com a cruz de ouro da pergunta anterior teve um sobressalto evidente, mas Jenna acrescentou: — Você não tratou dessas questões em seu livro e eu gostaria de saber o que acha das teorias. — Não tratei porque não creio que haja qualquer prova para apoiar essas alegações... muitos relatos pitorescos, possivelmente racionalizações, mas sem qualquer prova. Os teólogos concordam nesse ponto, de um modo geral. Não há nada que eu, como uma jornalista que se preza, pudesse considerar como um fato e publicar com meu nome. Mas posso chegar ao ponto de dizer que há documentos autenticados que insinuam um possível relacionamento íntimo entre Jesus e Maria Madalena. Um evangelho descoberto no Egito em 1945 diz que “a companheira do Salvador é Maria Madalena”. Ele a amava mais do que a todos os outros discípulos e costumava beijá-la na boca com freqüência.


Maureen fez uma pausa. — Esses evangelhos, é claro, têm sido questionados pela Igreja e podem ter sido a versão do século I da revista sensacionalista National Enquirer, por tudo o que sabemos. Creio que é importante ter muito cuidado nessas questões e por isso só escrevi sobre o que tenho certeza. E tenho certeza de que Maria Madalena não era uma prostituta e que era uma importante seguidora de Jesus. Talvez tenha sido até a mais importante, pois foi a primeira pessoa que o Senhor em ascensão escolheu para abençoar com seu aparecimento. Além disso, não estou disposta a especular sobre seu papel na vida de Cristo. Seria irresponsabilidade. Maureen respondeu à pergunta com bastante segurança, como quase sempre fazia. Sempre especulara, contudo, que talvez a queda de Madalena tivesse ocorrido porque ela era muito próxima do Mestre e por isso despertara o ciúme dos discípulos, que mais tarde tentaram desacreditá-la. São Pedro desdenhara Maria Madalena ostensivamente. Censurava-a nos evangelhos gnósticos, baseados nos documentos do século II que haviam sido descobertos no Egito. E os últimos textos de São Paulo pareciam eliminar de forma metódica toda e qualquer referência à importância das mulheres na vida de Cristo. Em conseqüência, Maureen consumira muito tempo de pesquisa para desmontar a doutrina paulina. Paulo, o perseguidor que se tornara apóstolo, moldara o pensamento cristão com suas observações, apesar da distância filosófica e literal de Jesus, dos próprios seguidores eleitos do Salvador e da família. Não tinha um conhecimento direto dos ensinamentos de Cristo. Um “discípulo” tão misógino, um manipulador político, dificilmente imortalizaria Maria Madalena como a servidora mais devotada de Cristo. Maureen estava determinada a vingar Maria, considerando-a como o arquétipo da mulher injuriada na história, a mãe das incompreendidas. Sua história, em essência, se não na forma, repetia-se nas vidas das outras mulheres que Maureen decidira defender em HerStory. Mas fora essencial para Maureen manter os capítulos sobre Madalena tão próximos quanto possível da teoria acadêmica provável. Qualquer


insinuação sobre uma “nova era” ou uma hipótese sem comprovação a respeito do relacionamento de Maria com Jesus poderia invalidar o resto da pesquisa e prejudicar sua credibilidade. Ela era cuidadosa demais em sua vida particular e profissional para correr esse risco. Apesar de seu instinto, Maureen rejeitara todas as teorias alternativas sobre Maria Madalena, optando por se ater aos fatos mais incontestáveis. Pouco depois de tomar essa decisão, o sonho começara, insistente.

 A mão direita sofria uma cãibra intensa e o rosto corria o perigo imediato de rachar, por causa do sorriso incessante, mas Maureen continuou a trabalhar. A manhã de autógrafos na livraria deveria durar duas horas, incluindo um intervalo de vinte minutos. Ela estava agora já adiantada na terceira hora, sem intervalo, e determinada a continuar a autografar, até que o último cliente fosse atendido. Maureen nunca seria capaz de repelir um leitor em potencial. Nunca desprezaria o público comprador de livros, que transformara seu sonho numa realidade. Sentia-se satisfeita pela presença de um número relativamente grande de homens. O assunto do livro indicava uma audiência de predominância feminina, mas ela esperava ter escrito de uma maneira que atraísse todos com a mente aberta e algum bom senso. Embora seu objetivo principal fosse reparar os erros sofridos por mulheres poderosas, como vítimas dos homens que escreviam a história, o tempo e a pesquisa mostravam que a motivação por trás do registro da história no papel, de uma maneira tão seletiva, fora determinada em grande parte pelo clima político e religioso. O gênero era um fator secundário. Explicara isso durante uma recente entrevista na televisão, citando Maria Antonieta, talvez o exemplo mais claro dessa teoria sociopolítica, porque os relatos predominantes da Revolução Francesa foram escritos pelos revolucionários. Embora a rainha atormentada fosse culpada em geral pelos excessos da monarquia francesa, ela não tivera na verdade nada a ver com a criação dessas tradições. Maria Antonieta assumira as práticas da aristocracia francesa quando viera da Áustria, como noiva do


jovem delfim, o futuro Luís XVI. Era filha da grande Maria Teresa, uma imperatriz austríaca que não admitia os excessos e indulgências reais. Era bastante austera e frugal para uma mulher em sua posição. Criara as muitas filhas, inclusive a pequena Maria Antonieta, com o maior rigor. A jovem dauphine teria sido forçada, por pura sobrevivência, a se adaptar aos costumes franceses, tão depressa quanto possível. O palácio de Versailles, o grande monumento à extravagância francesa, fora construído décadas antes de Maria Antonieta sequer nascer, mas se tornara um exemplo de sua ganância mítica. Sua famosa resposta ao comentário de que “Os camponeses estão famintos, não têm pão para comer” pode ser atribuída a uma cortesã real, uma mulher que morrera muito antes da jovem austríaca chegar à França. Até hoje, porém, a frase “Então que comam brioche” era reconhecida como o grito de guerra da revolução. Com essa única citação, conseguiram justificar o Grande Terror, com todo o derramamento de sangue e violência que se irradiaram da Bastilha. E Maria Antonieta, condenada a um fim trágico, nunca disse essa frase infame. Maureen sentia uma profunda simpatia pela malfadada rainha da França. Odiada como estrangeira desde o dia de sua chegada, Maria Antonieta fora uma vítima do racismo insidioso e deliberado. Era de absoluta conveniência para a nobreza francesa do século XVIII, radicalmente etnocêntrica, atribuir todas e quaisquer circunstâncias políticas e sociais negativas à rainha nascida na Áustria. Maureen ficara impressionada pela predominância dessa atitude, durante sua viagem de pesquisa à França. Os guias de Versailles que falavam inglês ainda se referiam à rainha decapitada com grande desdém e rancor, ignorando as provas históricas que inocentavam Maria Antonieta de muitas acusações infames. E tudo isso apesar do fato da coitada ter sido brutalmente mutilada há quase duzentos anos. A primeira visita a Versailles estimulara Maureen em sua pesquisa. Ela lera inúmeros livros, das descrições mais acadêmicas da França do século XVIII aos romances históricos mais elaborados, com suas visões


sobre a rainha. O quadro geral variava, mas não de forma muito drástica, da caricatura aceita: ela era superficial, indulgente em seus caprichos, não muito inteligente. Maureen rejeitava esse retrato. O que se podia dizer de Maria Antonieta como mãe... uma mulher angustiada que lamentara a perda de uma filha ainda bebê e mais tarde perdera também o amado filho? Havia também Maria, a esposa, negociada como um objeto no proverbial tabuleiro de xadrez político, uma menina de catorze anos casada com um estrangeiro, numa terra estranha, mais tarde rejeitada pela família do marido e depois por seus súditos. Finalmente, havia a Maria que se tornara bode expiatório, uma mulher que esperara no cativeiro enquanto as pessoas que mais amava eram executadas em seu nome. A maior amiga de Maria, a princesa de Lamballe, fora literalmente esquartejada por uma turba furiosa, tivera pedaços de seu corpo espetados em chuços e mostrados pela janela de sua cela. Maureen estava determinada a pintar um retrato simpático — mas nem por isso menos realista — de uma das monarcas mais desprezadas da história. O resultado fora convincente, uma das seções de HerStory que merecera muita atenção e veementes debates. Mas, apesar de toda a controvérsia que envolvia Maria Antonieta, ela sempre seria o primeiro degrau para chegar a Maria Madalena. Era essa atração sobrenatural de Maria Madalena que Maureen discutia no momento, com a animada loura a sua frente. — Sabia que McLean é considerado um lugar sagrado pelos seguidores de Maria Madalena? — perguntou a mulher, abruptamente. Maureen abriu a boca para falar, mas tornou a fechá-la. Um momento passou antes que conseguisse balbuciar: — Não, não sabia nada a respeito. Lá estava outra vez, aquela vibração elétrica que percorria todo o seu corpo cada vez que alguma coisa estranha surgia no horizonte. Podia sentir de novo, mesmo ali, sob as luzes fluorescentes de um vasto centro comercial americano. Tratou de respirar fundo, num esforço para recuperar o controle. — Muito bem, eu desisto. De que maneira McLean, na Virgínia, é


relevante para Maria Madalena? A mulher estendeu um cartão de visita para Maureen. — Não sei se terá algum tempo livre durante sua estada em McLean. Mas, se tiver, gostaria que me visitasse. O cartão era da livraria The Sacred Light, pertencente a Rachel Martel. — Não é nada parecido com isto — acrescentou a mulher, que Maureen presumiu ser Rachel, gesticulando com a mão para a vasta loja da rede de livrarias. — Mas acho que temos alguns livros que você pode achar muito interessantes. Escritos por locais e de publicação particular. São sobre Maria... a nossa Maria. Maureen engoliu em seco, confirmou que a mulher era mesmo Rachel Martel e pediu orientação para chegar a The Sacred Light. Houve uma tosse discreta à esquerda de Maureen. Ela se virou para ver o gerente da livraria, gesticulando enfático para indicar que não devia deixar a fila parada. Depois de lhe oferecer um olhar irritado, Maureen voltou a se concentrar em Rachel. — Poderei encontrá-la na livraria esta tarde? É o único momento livre de que disponho. — Estarei à espera. E como a livraria fica na rua principal, a poucos quilômetros daqui, será fácil encontrar. Afinal, McLean não é tão grande assim. Ligue antes de partir, se precisar de mais alguma orientação. Obrigada pelo autógrafo. Até mais tarde. A mulher afastou-se da mesa. Maureen observou-a por um momento, antes de se virar para o gerente e murmurar: — Acho que vou precisar daquele intervalo, no final das contas.


Paris — 1er Arrondissement Cave dos Mosqueteiros Março de 2005

O porão de pedra, sem janelas, no prédio antigo, era conhecido como Cave dos Mosqueteiros por tanto tempo quanto todos podiam lembrar. Sua proximidade com o Louvre, no tempo em que o grande museu era a residência dos reis da França, proporcionava-lhe uma importância estratégica, que não era menor nos tempos modernos. O espaço oculto recebera esse nome em homenagem aos homens que Alexandre Dumas tornara famosos em sua obra mais aclamada. Dumas baseara os bravos espadachins de seu romance em homens de verdade, com uma missão de verdade. Aquele lugar era um dos pontos de encontro secretos da guarda da rainha, depois que o infame cardeal Richelieu os pusera na ilegalidade. Na verdade, não era o rei da França que os mosqueteiros haviam jurado proteger, mas sim a rainha. Ana da Áustria era filha de uma linhagem mais antiga e mais real que a de seu marido. Dumas, com toda a certeza, estremeceria na sepultura se soubesse que aquele espaço outrora sagrado caíra em mãos inimigas. Naquela noite, a cave era o lugar de reunião de outra fraternidade secreta. A organização que ocupava o lugar não apenas era anterior aos mosqueteiros em mil e quinhentos anos, mas também se opunha à sua missão com um juramento feito com sangue. A iluminação feita por duas dúzias de velas projetava imagens que dançavam nas paredes e revelavam em silhuetas e sombras um grupo de homens vestindo túnicas. Estavam de pé em torno de uma mesa retangular, toda escalavrada, os rostos numa interação de claridade e escuridão. Embora nenhuma de suas feições fosse discernível, o emblema peculiar de sua associação era visível em cada um: um cordão vermelho, cor de sangue, pendurado ao pescoço. As vozes abafadas revelavam uma variedade de sotaques: inglês britânico e dos Estados Unidos, francês e italiano. Todos ficaram em silêncio quando o líder ocupou seu lugar, à cabeceira da mesa. Na frente


dele, um crânio humano polido faiscava à luz das velas, sobre um prato de ouro filigranado. Num lado do crânio havia um cálice, decorado com as mesmas espirais de ouro e com pedras preciosas incrustadas, como o prato. No outro lado, havia um crucifixo de madeira esculpido à mão, com a imagem de Cristo virada para baixo. O líder tocou no crânio, reverente, antes de erguer o cálice de ouro, que continha um líquido vermelho espesso. Falou com um sotaque inglês de Oxford: — O sangue do Mestre da Justiça. Tomou um gole, devagar, antes de passar o cálice para o irmão à sua esquerda. O homem pegou o cálice, repetiu o mesmo refrão, em francês, e também tomou um gole. Cada membro da Guilda repetiu o ritual, em sua língua nativa, até que o cálice voltou à cabeceira da mesa. O líder pôs o cálice na mesa. Depois, ergueu o prato e beijou o crânio na testa, reverente. Como fizera antes com o cálice, passou o crânio para o homem à sua esquerda, que fez a mesma coisa. Cada membro da fraternidade repetiu a ação. Essa parte do ritual foi realizada em absoluto silêncio, como se fosse sagrada demais para ser maculada por palavras. O crânio completou o círculo dos fiéis e voltou ao líder. Ele ergueu o prato por um instante, antes de pô-lo de volta na mesa, com um floreio, acompanhado pelas palavras: — O primeiro. O único. O líder ficou imóvel por um momento, para depois pegar o crucifixo de madeira. Virou-o, a fim de que a imagem crucificada ficasse de frente para ele. Ergueu o crucifixo para que ficasse ao nível dos olhos... e cuspiu furioso no rosto de Jesus Cristo.


... Sara-Tamar aparece com freqüência e lê minhas memórias, enquanto as escrevo. E sempre me lembra de que ainda não dei qualquer explicação a respeito de Pedro e do que é conhecido como sua negação. Alguns julgaram-no com muito rigor, chamando-o de “Pedro in Gallicantu” — em alusão às três vezes em que Pedro negou o Mestre antes do cantar do galo — mas isso é injusto. O que essas pessoas que o julgam não podem saber é que Pedro não fez nada, a não ser cumprir os desejos de Easa. Sou informada de que alguns dos seguidores dizem agora que Pedro realizou uma profecia feita por Easa, que Easa disse a Pedro: “você me negará”, e Pedro respondeu: “não, não negarei”. A verdade é a seguinte: Easa instruiu Pedro a negá-lo. Não foi uma profecia. Foi uma ordem. Easa sabia que, se o pior acontecesse, far-se-ia necessário que Pedro, entre todos os seus discípulos de confiança, permanecesse são e salvo. Dada a determinação de Pedro, os ensinamentos continuariam a ser propagados pelo mundo, da forma que Easa sempre sonhara. E, por isso, Easa ordenou-lhe: “você me negará”, ao que Pedro respondeu, em seu tormento: “não, não posso”. Mas Easa insistiu: “Você deve me negar, para permanecer e para que prossigam os ensinamentos sobre O Caminho.” Essa é a verdade sobre a “negação” de Pedro. Jamais foi uma negação, visto que ele seguiu as ordens de seu mestre. Disso tenho certeza, pois eu estava presente e testemunhei. O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO DOS DISCÍPULOS


CAPITULO QUATRO

McLean, Virgínia Março de 2005

A freqüência cardíaca de Maureen tinha uma aceleração anormal, enquanto ela atravessava McLean pela rua principal. Estava totalmente despreparada para o convite da mulher, mas mesmo assim sentira um profundo excitamento. Sempre fora assim; sua vida era ligada por eventos estranhos e muitas vezes intensos, por coincidências extraordinárias, que causariam um impacto permanente. Aquela seria mais uma dessas ocorrências sobrenaturais? Sentia-se particularmente curiosa em relação a qualquer revelação que se referisse a Maria. Curiosa? Essa palavra não era bastante forte. Obcecada? Uma palavra mais acurada. Sua ligação com a história de Maria Madalena fora uma força dominante em sua vida, desde os primeiros dias da pesquisa para HerStory. E, desde aquela primeira visão em Jerusalém, Maureen tinha um sólido senso de Maria Madalena como uma mulher de carne e osso, quase uma

amiga. Quando trabalhava no texto final do livro,

experimentara a sensação de que defendia uma amiga que fora caluniada pela imprensa. Seu relacionamento com Maria era muito real. Ou talvez fosse mais objetivo dizer que era surrealista. A livraria The Sacred Light era pequena, embora houvesse na fachada uma enorme vitrine abaulada, que exibia anjos de todos os tipos. Havia livros sobre anjos, estatuetas de anjos e muitos cristais reluzentes cercados por querubins em estilo moderno. Maureen achou que a própria Rachel tinha uma aparência angelical: um pouco roliça, com os cabelos louros cacheados, emoldurando um rosto meigo. Usava


um vestido branco antes, quando comparecera à manhã de autógrafos. O tilintar melódico de um carrilhão anunciou a chegada de Maureen, no momento em que ela empurrou a porta e entrou numa versão ampliada da vitrine. Rachel Martel estava abaixada atrás do balcão, procurando localizar no mostruário uma jóia específica para uma cliente. — É esta? — perguntou ela à jovem, que devia ter dezoito ou dezenove anos. — Exatamente. — A jovem examinou a peça de cristal, com uma pedra cor de lavanda engastada em prata. — É ametista, não é? — Na verdade, é ametrina. — Rachel acabara de notar que Maureen fora a causa do toque do carrilhão na porta. Esboçou um sorriso rápido, de quem avisa “já falo com você”, antes de acrescentar para a cliente: — Ametrina é a ametista que tem citrina dentro. Se levantar para a luz, poderá contemplar o lindo centro dourado. A adolescente contraiu os olhos para observar o cristal contra a luz. — E linda! — exclamou ela. — Mas fui informada de que precisava de ametista. Esta pedra tem o mesmo efeito? — Tem, sim, e mais ainda. — Rachel sorriu, paciente. — Acreditase que a ametista expande sua natureza espiritual, enquanto a citrina serve para equilibrar as emoções no corpo físico. Em tudo e por tudo, é uma poderosa combinação. Mas também tenho ametistas puras ali, se você preferir. Maureen não prestava muita atenção à conversa. Sentia uma curiosidade muito maior em relação aos livros de que Rachel falara. As estantes eram divididas por assuntos e ela examinou-as rapidamente. Havia volumes xamânicos, uma seção celta, em que uma Maureen menos ansiosa teria se detido num outro dia, e a seção onipresente sobre anjos. A direita dos anjos, havia alguns livros sobre pensamento cristão. Ah, devo estar quente! Ela continuou a procurar. Parou abruptamente. Havia um livro branco, com grossas letras pretas: MADALENA. — Vejo que está encontrando tudo, mesmo sem minha ajuda.


Maureen teve um sobressalto; não ouvira Rachel se aproximar. A jovem cliente fez o carrilhão soar ao abrir a porta para deixar a loja, levando seu pequeno saco azul e branco, com o cristal escolhido. — Este é um dos livros de que falei. Os outros não passam de brochuras. Você deve dar uma olhada neste. Rachel tirou da prateleira ao nível do olho uma brochura fina, pouco mais que um folheto. Era rosa e dava a impressão de ter sido impressa num computador doméstico. Maria em McLean, dizia a capa, em Times New Roman, tamanho 24. — Qual é a Maria? — perguntou Maureen. Enquanto escrevia seu livro, ela seguira diversas linhas de pesquisa interessantes, apenas para descobrir que levavam à Virgem, não a Madalena. — Sua Maria — respondeu Rachel, com um sorriso sugestivo. Maureen ofereceu um meio sorriso à mulher. É mesmo minha Maria. Era assim que ela começava a sentir. — Não havia necessidade de especificar, porque foi escrito por uma pessoa daqui. A comunidade espiritual de McLean sabe que é Maria Madalena. Como eu disse antes, ela tem seus seguidores aqui. Rachel explicou que os habitantes daquela pequena cidade da Virgínia informavam ter visões espirituais havia muitas gerações. — Jesus foi visto aqui em quase uma centena de ocasiões documentadas, durante o último século. O mais estranho é que ele é visto com freqüência parado à beira da rua... a rua principal, a mesma que você seguiu para chegar aqui. Umas poucas visões envolveram Cristo na cruz, visto da rua principal. Em outras, ele foi visto andando com uma mulher, que foi descrita repetidamente como pequena, com os cabelos compridos. Rachel folheou o livro, mostrando os vários capítulos para Maureen. — A primeira visão desse tipo foi registrada no início do século XX. A mulher que teve a visão chamava-se Gwendolyn Maddox. Aconteceu no quintal dos fundos de sua casa. Ela alegou que a mulher com Cristo era Maria Madalena. O sacerdote de sua paróquia insistiu que a visão fora de


Cristo e da Virgem Maria. Imagino que você adquira mais prestígio no Vaticano com a visão da Virgem. Mas a velha Gwen manteve-se irredutível. Era mesmo Maria Madalena. Ela disse que não sabia como podia saber, mas tinha certeza absoluta. E Gwen também alegou que a visão curou-a por completo de um caso grave de artrite reumática. Ela construiu um santuário e abriu o jardim ao público. Até hoje os habitantes locais oram para Maria Madalena em busca de cura. Ela fez uma pausa, sorrindo antes de acrescentar: — Também é fascinante ressaltar que nenhum dos descendentes de Gwen sofreu de artrite reumática, que, até onde eu sei, é uma condição hereditária. E me sinto particularmente grata por isso, assim como minha mãe e minha avó. Sou bisneta de Gwendolyn. Maureen olhou para o livro. Não reparara no nome da autora de Maria em McLean. Leu-o agora: Rachel Maddox Martel. Rachel entregou-lhe o livro. — É um presente. Contém a história de Gwen e alguns outros detalhes sobre as visões. Mas veja este outro livro. Rachel

indicou

o

enorme

volume

branco,

com

o

título,

MADALENA, em letras pretas. — Este também foi escrito por uma pessoa daqui. A autora passou muito tempo investigando as visões locais de Maria, mas também realizou muitas pesquisas gerais. O livro apresenta todas as teorias sobre Madalena e posso dizer que algumas são um pouco exageradas, até mesmo para o meu gosto. Mas é uma leitura fascinante e não encontrará o livro em qualquer outro lugar, pois nunca foi distribuído. — Vou levá-lo, é claro — murmurou Maureen, um pouco distraída, a mente em vários lugares ao mesmo tempo. — Por que McLean, em sua opinião? Entre todos os lugares nos Estados Unidos, por que ela veio para cá? Rachel sorriu e deu de ombros. — Não tenho uma resposta para isso. Talvez haja outras cidades americanas onde isso também tenha acontecido, só que as pessoas não divulgaram. Ou talvez haja alguma coisa especial aqui. Só sei que as


pessoas com interesse espiritual pela vida de Maria Madalena tendem a aparecer aqui, mais cedo ou mais tarde. Não dá para dizer quantas passaram por esta loja à procura de livros específicos sobre ela. E, como você, não tinham um conhecimento consciente sobre a ligação de Madalena com esta cidade. Não pode ser apenas uma coincidência, não é mesmos? Creio que Maria atraiu seus fiéis para McLean. Maureen pensou a respeito por um momento, antes de responder. E começou a falar devagar, organizando seu pensamento. — Quando tomei as providências para a viagem, tinha a intenção de permanecer em Washington. Uma grande amiga mora lá e seria fácil vir até McLean de carro para a sessão de autógrafos. Minha estada em Washington faria muito mais sentido, inclusive pela proximidade do aeroporto. Mas, no último minuto, decidi me hospedar aqui. Rachel sorria, enquanto ouvia Maureen explicar a mudança nos planos de viagem. — Foi Maria quem a trouxe para cá. Gostaria que me prometesse uma coisa. Se por acaso avistá-la enquanto estiver em McLean, não se esqueça de me telefonar e contar. — Você já a viu? — perguntou Maureen. Rachel bateu no livro rosa na mão de Maureen com a ponta da unha. — Já, sim. E este livro é uma explicação sobre a maneira como as visões passaram de uma geração para outra em nossa família. — O tom de Rachel era surpreendentemente descontraído. — Eu era muito pequena na primeira vez. Tinha apenas quatro ou cinco anos. Foi no santuário no jardim de minha avó. Maria estava sozinha, na ocasião. A segunda visão ocorreu quando eu era adolescente. Foi uma “beira de estrada”, como chamamos por aqui. Maria estava com Jesus. Foi muito estranho. Eu me encontrava num carro cheio de garotas, voltando de uma partida de futebol americano do time da escola. Era noite de sexta-feira. Minha irmã mais velha, Judith, guiava o carro. Ao fazermos uma curva, avista mos um homem e uma mulher caminhando em nossa direção. Judy diminuiu a velocidade, para verificar se precisavam


de ajuda. Foi nesse instante que compreendemos o significado da cena. Os dois estavam parados ali, congelados no tempo, envoltos por uma intensa claridade. Judy ficou bastante transtornada e começou a chorar. A garota sentada ao seu lado, no banco da frente, perguntou qual era o problema e por que havíamos parado. Foi quando compreendi que as outras garotas não podiam vê-los. Só minha irmã e eu. Especulei por muito tempo se a genética tinha alguma relação com as visões. Minha família tivera muitas e eu dispunha de provas objetivas de que podíamos ter visões que permaneciam ocultas para outras pessoas. Ainda não sei o que é. Afinal, há outras pessoas em McLean sem qualquer parentesco conosco que também tiveram as visões. — Todas as visões foram tidas por mulheres? — Ah, sim, esqueci essa parte. Em todas as ocasiões em que Maria foi vista sozinha, ao que eu saiba, sempre foi uma mulher quem teve a visão. Quando ela aparece com Jesus, pode ser vista por pessoas de ambos os sexos. Mesmo assim, são raras as aparições vistas por homens. Ou talvez não sejam tão raras, mas os homens se mostram menos dispostos a falar a respeito em público. — Estou entendendo — murmurou Maureen, acenando com a cabeça. — Com que nitidez você viu Maria, Rachel? Pode descrever seu rosto em detalhes? Rachel continuou a sorrir, à sua maneira beatífica, que Maureen achava estranhamente confortadora. Conversar com alguém sobre visões como se fosse a coisa mais natural do mundo fez com que Maureen se sentisse surpreendentemente segura. Se não estava louca de vez, pelo menos estava numa companhia bastante agradável. — Posso fazer melhor do que descrever seu rosto. Venha comigo. Rachel pegou Maureen pelo braço, gentilmente, e levou-a para o fundo da loja. Apontou para a parede atrás da caixa registradora. Mas os olhos de Maureen já haviam encontrado o retrato. Era um quadro a óleo; mostrava uma mulher de cabelos castanho-avermelhados, com um rosto de beleza refinada e os mais extraordinários olhos castanho-claros, com um brilho entre dourado e verde.


Rachel observava atentamente a reação de Maureen, à espera de que ela falasse. Seria uma longa espera. Maureen sentia-se incapaz de falar. Rachel tentou estimulá-la: — Vejo que vocês duas já se encontraram...

 Por mais atordoada que se sentisse pelo rosto no retrato, Maureen ficou ainda mais abalada pelo que se seguiu. Depois do momento inicial de choque, ela começou a tremer, um instante antes de o soluço percorrer seu corpo. Ficou parada ali e chorou, pelo que devia ter sido um minuto, talvez dois, os soluços sacudindo-lhe o corpo pelos segundos iniciais, antes de passar para um choro baixinho. Sentia um pesar terrível, uma dor profunda e difusa, mas não sabia se a tristeza era mesmo sua. Era como se experimentasse o sofrimento da mulher no retrato. Mas logo mudou; depois do fluxo inicial, o choro de Maureen foi mais de alívio e ela se entregou. O quadro a óleo representava uma espécie de confirmação; fazia com que a mulher do sonho se tornasse real. A mulher do sonho que ela acabava de constatar ser Maria Madalena.

 Rachel foi gentil o bastante para fazer um chá de ervas na sala dos fundos. Deixou Maureen sentada ali, naquele pequeno depósito, para ter alguma privacidade. Um jovem casal à procura de livros de astrologia entrou na loja e Rachel foi atendê-lo. Maureen se sentou a uma escrivaninha pequena, tomando o chá de camomila e torcendo para que o aviso na caixa, “acalma os nervos”, não fosse apenas um anúncio exagerado. Assim que concluiu a transação na frente da loja, Rachel voltou para verificar como estava Maureen. — Sente-se melhor?


Maureen acenou com a cabeça e tomou outro gole do chá. — Estou ótima agora, obrigada. Rachel, lamento o acesso, mas não podia... Foi você quem pintou o quadro? Rachel confirmou com um aceno de cabeça. — A habilidade artística é uma das características da família. Minha avó é escultora. Fez várias versões de Maria em argila. Muitas vezes tenho me perguntado se o motivo das aparições de Maria para nós não seria... porque temos a capacidade de expressá-la de alguma forma. — Ou talvez seja porque as pessoas com tendências artísticas mantêm a mente mais aberta. — Maureen pensava em voz alta. — Uma coisa do hemisfério direito do cérebro? — É possível. Acho que é uma combinação das duas coisas, no mínimo. Mas posso lhe garantir uma coisa. Creio com toda a força do meu coração que Maria quer ser ouvida. Suas aparições aqui em McLean aumentaram durante os últimos dez anos. Ela quase me assediou ao longo do último ano. Compreendi que tinha de pintá-la, a fim de encontrar um mínimo de paz. Depois que o retrato ficou pronto e foi exposto, pude dormir de novo. E não a vi mais desde então.

 De volta a seu quarto no hotel, naquela noite, Maureen girou o vinho tinto em seu copo, olhando para o turbilhão do clarete. Levantou os olhos para o aparelho de televisão, ligado num canal a cabo. Fez um esforço para não deixar que o apresentador ultraconservador do programa de entrevistas a irritasse. Apesar da aparência externa de força, Maureen detestava o confronto. Até mesmo a insinuação de que podiam estar falando de seu livro era angustiante. Era como observar um terrível desastre de carro... ela não conseguia desviar os olhos, por mais desagradável que fosse a cena à sua frente. O apresentador radical apresentou seu respeitável convidado, fazendo uma pergunta logo em seguida: — Isto não seria apenas mais um da longa lista de ataques contra a Igreja?


A legenda de identificação, Bispo Magnas O’Connor, apareceu logo abaixo do rosto idoso e irado de um sacerdote, que respondeu com um inconfundível sotaque irlandês: — Claro. Há séculos que temos suportado as calúnias de pessoas desorientadas, que tentam solapar a fé de milhões de fiéis, apenas para proveito pessoal. Essa extremista feminista precisa aceitar o fato de que todos os apóstolos reconhecidos eram homens. Maureen desistiu. Não estava a fim de agüentar as críticas naquela noite. Fora um dia cansativo e emocionante. Com um toque no botão do controle remoto, ela silenciou o bispo, desejando que houvesse a mesma facilidade na vida real. — Não enche, Sua Reverendíssima — resmungou ela, enquanto se ajeitava na cama para dormir.

 Um facho das luzes da rua que filtravam para dentro do quarto de Maureen incidiu na mesinha-de-cabeceira, iluminando suas poções para dormir: o copo com vinho tinto pela metade e uma caixa de calmante. Num pequeno cinzeiro de cristal, ao lado do abajur, estava o anel de cobre antigo de Jerusalém. Maureen revirou-se na cama, irrequieta, apesar da sua tentativa de automedicação para ter um sono tranqüilo. O sonho veio, inexorável e espontâneo. Começou como sempre... o tumulto, o suor, a multidão. Mas, quando Maureen chegou à parte em que avistava a mulher pela primeira vez, tudo ficou escuro. Mergulhou no vazio, por um espaço de tempo incompreensível. E, depois, o sonho mudou.

 Num dia idílico, ao longo de uma praia do mar da Galiléia, um menino corria à frente de sua adorável mãe. Não partilhava com ela os


surpreendentes olhos cor de avelã e os cabelos cor de cobre, como a irmã caçula. Pegou uma pedra interessante, que atraiu sua atenção, e levantou-a para faiscar ao sol. A mãe gritou uma advertência para que ele não se aventurasse muito longe pela água. Ela não usava o véu formal hoje. Os cabelos compridos e soltos esvoaçavam em torno do rosto, enquanto ela pegava a mão da menina, uma perfeita versão em miniatura da mãe. A voz de um homem expressou agora uma advertência similar e jovial para a menina, que se desvencilhara da mão da mãe e correra ao encontro do irmão. A criança parecia rebelde, mas a mãe riu. Olhou para trás e ofereceu um sorriso íntimo para o homem que caminhava em sua esteira. Naquele passeio descontraído com sua jovem família, ele usava uma túnica desbotada e solta, não a túnica branca impecável que sempre vestia em público. Ele afastou as mechas de cabelos castanhos compridos dos olhos e retribuiu o sorriso, com uma expressão transbordando de amor e contentamento.

 Maureen foi lançada abruptamente de volta ao estado de vigília, como se tivesse sido expulsa do sonho em termos físicos e impelida de volta ao quarto do hotel. Tremia toda. O sonho sempre a deixava perturbada, mas aquele era ainda mais desconcertante, devido à sensação de ser arremessada através do tempo e espaço. A respiração estava acelerada. Ela fez um esforço para recuperar o equilíbrio e respirar de uma maneira mais relaxada. Começava a firmar os sentidos quando teve consciência de um movimento no outro lado do quarto, junto da porta. Teve certeza de ouvir um sussurro, embora sentisse mais do que visse a figura que apareceu na entrada do quarto. O que via, na verdade, era indefinível... um vulto, uma figura, uma sugestão de movimento. Não tinha importância. Maureen sabia quem era, com a mesma certeza de que sabia que não estava mais sonhando. Era Ela. Ali, no quarto de Maureen. A boca ressequida do choque e sentindo mais que um pouco de


medo, Maureen engoliu em seco. Sabia que a figura na porta não era do mundo físico, mas não tinha certeza de que isso era confortador. Recorreu a toda a sua coragem e conseguiu sussurrar para o vulto na porta: — O que... diga-me como posso ajudá-la. Por favor. Houve um ligeiro murmúrio em resposta, o som de um véu ou de folhas da primavera farfalhando à brisa. E, depois, mais nada. A aparição desapareceu, tão depressa quanto surgira.

 Maureen se sentou na cama e acendeu a luz: 4:10 da madrugada, segundo o relógio digital. Eram três horas mais cedo em Los Angeles. Perdoeme, padre, pensou ela, enquanto pegava o telefone na mesinha-decabeceira e ligava, tão depressa quanto os seus dedos trêmulos permitiam. Precisava de seu melhor amigo... e talvez, apenas talvez, precisasse também de um padre. A voz insistente de Peter, com seu sotaque irlandês, trouxe Maureen de volta a este mundo. — É da maior importância que você mantenha um registro de todas essas... visões. Está anotando tudo? — Visões? Por favor, não dê uma de Vaticano para cima de mim. Morreria antes de me tornar uma exótica cause célebre para a inquisição romana. — Ora, Maureen, eu nunca faria isso. Mas o que acontece se forem mesmo visões? Não pode descartar a importância potencial do que lhe foi mostrado. — Em primeiro lugar, não foram visões, no plural. Houve uma única suposta visão. O resto foi sonho. Sonhos intensos e nítidos, mas, mesmo assim, apenas sonhos. Talvez seja a loucura genética me envolvendo. Acontece na família, como você sabe muito bem. Maureen deixou escapar um suspiro. — Confesso que tudo isso me deixa assustada. E você deveria me ajudar a ficar calma, lembra? — Desculpe. Você tem razão. Quero ajudá-la. Mas prometa que


anotará as datas e horários de suas vi... de seus sonhos. Apenas para nossos registros. Você é uma historiadora e jornalista. E sabe, dentre todas as pessoas, que documentar os dados é crítico. Maureen permitiu-se uma pequena risada. — E o que temos aqui são dados históricos, com toda a certeza. — Ela deu outro suspiro. — Mas está bem, farei isso. Talvez me ajude a encontrar algum dia um sentido para tudo o que está acontecendo. Tenho a sensação de que muita coisa vem ocorrendo abaixo da superfície, totalmente fora do meu controle.


... Cumpre-me escrever agora a respeito de Natanael, que chamamos de Bartolomeu, pois sinto-me comovida com sua devoção. Bartolomeu era bastante jovem quando se juntou a nós na Galiléia. E, embora tivesse sido expulso da casa de seu nobre pai, Tolma de Caná, era evidente ao conhecê-lo que não havia nada de incorrigível nele... um patriarca cruel e insensato avaliara mal a beleza e a promessa de uma alma tão preciosa e especial, um filho tão belo. Easa percebeu isso também, no preciso instante em que o conheceu. Bartolomeu podia ser compreendido num relance, quando se fitava seus olhos. Afora Easa e minha filha, nunca vi tanta pureza e bondade nos olhos de alguém. Revelavam a inocência interior... uma alma que é pura e imaculada. No dia em que ele chegou a minha casa, em Magdala, meu filho pequeno subiu em seu colo e ali permaneceu pelo resto da noite. As crianças são os maiores juizes. Easa e eu sorrimos um para o outro, através da mesa, enquanto observávamos o pequeno João com seu mais recente amigo. João nos confirmou o que ambos já sabíamos ao olhar para Bartolomeu... ele era parte de nossa família e assim seria pela eternidade. O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO

DOS

DISCÍPULOS


CAPITULO CINCO

Los Angeles Abril de 2005

Maureen sentiu-se exausta ao saltar do carro no estacionamento de seu elegante prédio de apartamentos, no Wilshire Boulevard. Entregou o carro a André, o manobreiro de plantão, e pediu-lhe que depois levasse sua mala. O atraso do vôo no aeroporto Dulles, combinado à sua incapacidade de dormir na noite anterior, deixara-a com os nervos à flor da pele. A última coisa que ela esperava ou de que precisava era uma surpresa, mas era exatamente isso o que a aguardava quando entrou no saguão. — Boa-noite, Srta. Paschal. — Laurence era o recepcionista do prédio. Pequeno e meticuloso, saiu de trás da mesa para falar com Maureen. — Peço que me desculpe, mas tive de entrar em seu apartamento esta tarde. A encomenda era grande demais para ficar aqui no saguão. Seria melhor se nos avisasse com antecedência quando estiver esperando alguma coisa desse tamanho. — Encomenda? Que encomenda? Eu não estava esperando nada. — Mas não resta a menor dúvida de que é para você. Deve ter um admirador e tanto. Perplexa, Maureen agradeceu a Laurence e pegou o elevador para o 11° andar. Assim que abriu a porta do elevador, foi envolvida pelo inebriante perfume de flores. A fragrância aumentou dez vezes mais quando abriu a porta do apartamento. Soltou uma exclamação de espanto. Não podia ver sua sala através das flores. Havia requintados


arranjos de flores por toda parte, alguns altos e sobre colunas, outros em vasos de cristal nas mesas. Todos continham variações do mesmo tema: rosas vermelhas, copos-de-leite brancos e lírios brancos. Os lírios estavam em plena floração, eram a fonte do perfume inebriante. Maureen não precisou procurar um cartão. Estava evidente num enorme quadro de moldura dourada, que mostrava uma cena pastoral clássica, na parede do outro lado da sala. Três pastores, de túnica e coroa de louros, estavam reunidos em torno de um enorme objeto de pedra, que parecia ser uma tumba. Apontavam para uma inscrição. O ponto focai do quadro era uma mulher, uma pastora ruiva, que parecia ser a líder do grupo. O rosto fora pintado de modo que tivesse uma semelhança extraordinária com Maureen.

 — Les Bergers d'Arcadie. — Peter leu a inscrição numa placa de bronze, na base da moldura, impressionado com a excelente reprodução na sala de Maureen. — De Nicholas Poussin, o mestre barroco francês. Vi o original do quadro no Louvre. Maureen não disse nada, aliviada por Peter ter vindo tão depressa, enquanto ele acrescentava: — Os pastores de Arcádia. — Não sei se devo me sentir lisonjeada ou ficar toda arrepiada. Por favor, diga-me que no original a pastora não parece comigo. Peter soltou uma risada. — Não, não parece. Foi uma alteração feita por quem pintou a reprodução ou uma decisão de quem mandou o quadro. Sabe quem é? Maureen estendeu um envelope grande para Peter. — Foi enviado por alguém chamado... Sinclair. Não tenho a menor idéia de quem seja. — Um admirador? Um fanático? Um maluco saindo da toca depois de ler o seu livro?


Maureen soltou uma risada nervosa. — É possível. Minha editora tem recebido algumas cartas estranhas para mim nos últimos meses. — De admiração ou de ódio? — Dos dois tipos. Peter tirou uma carta do envelope grande. Fora escrita à mão, num elegante papel timbrado apergaminhado. Letras douradas no fundo da página indicavam que o autor era Berenger Sinclair. Peter ajeitou os óculos de leitura e leu em voz alta: Prezada Srta. Paschal: Por favor, perdoe-me a intromissão. Mas creio que tenho as respostas que você tem procurado... e você tem uma coisa que venho procurando. Se tem coragem para persistir em suas convicções e participar de uma espantosa expedição para descobrir a verdade, espero que se encontre comigo em Paris, no solstício de verão. A própria Madalena solicita sua presença. Não a desaponte. Talvez este quadro ajude a estimular seu subconsciente. Pense nele como uma espécie de mapa... um mapa para o seu futuro e talvez para o seu passado. Estou confiante de que honrará o grande nome Paschal, como seu pai tentou. Atenciosamente, Berenger Sinclair — O grande nome Paschal? Seu pai? — indagou Peter. — O que acha que ele está querendo dizer? — Não tenho a menor idéia. Maureen tentava absorver tudo. A menção ao pai deixara-a perturbada, mas não queria que Peter soubesse. Por isso a resposta foi petulante: — Conhece a família de meu pai. Dos pântanos da Louisiana. Não há nada de elevado nela, a menos que a insanidade possa ser equiparada à grandeza.


Peter não disse nada. Esperou que ela continuasse. Maureen quase nunca falava sobre o pai e ele estava curioso, querendo saber se ela explicaria alguma coisa. Ficou um pouco desapontado quando ela mudou de assunto, pegando a carta para ler de novo. — É muito estranho. Sobre que respostas você acha que ele está falando? Maureen passou o dedo pela carta, pensativa. Peter correu os olhos pela sala, admirando a abundante exposição de flores e o enorme quadro. — Quem quer que seja, todo esse cenário indica duas coisas... fanatismo e muito dinheiro. Em minha experiência, isso é uma péssima combinação. Maureen não prestava muita atenção. — Veja a qualidade desse papel timbrado. É espetacular. Ao estilo francês. E esse padrão gravado em relevo aqui... o que é isso? Uvas? — Havia algo ali que despertava uma lembrança na mente de Maureen. — Maçãs azuis? Peter ajustou os óculos no nariz e espiou no final da página. — Maçãs azuis? Hum... Acho que você tem razão. Isto aqui parece ser um endereço. Le Château des Pommes Bleues. — Meu francês não é grande coisa, mas isso não significa maçãs azuis? Peter acenou com a cabeça em confirmação. — Castelo das Maçãs Azuis. Isso significa alguma coisa para você? Maureen balançou a cabeça devagar, pensando. — Não consigo determinar o que é, mas sei que já encontrei referências a maçãs azuis em minhas pesquisas. E uma espécie de código, se não me engano. Creio que tinha alguma coisa a ver com os grupos religiosos na França que cultuavam Maria Madalena. — Os mesmos grupos que acreditavam que ela foi para a França depois da crucificação? — Isso mesmo. A Igreja perseguiu-os como hereges porque


alegavam que seus ensinamentos vinham direto de Cristo. Foram obrigados

a

cair

na

clandestinidade.

Formaram

sociedades

secretas, uma das quais era simbolizada por maçãs azuis. — Mas qual é o significado de maçãs azuis? — Não lembro o suficiente para dar essa resposta. — Maureen fez um esforço para recordar, mas não conseguiu. — Mas conheço alguém que deve saber.

 Marina del Rey, Califórnia Abril de 2005

Maureen Embarcações

foi de

andando luxo,

pelo

cais

de

Marina

del

regalias

dos

superprivilegiados

Rey. de

Hollywood, faiscavam ao sol da Califórnia Meridional. Um surfista com uma camiseta rasgada, em que se lia “Apenas outro dia de merda no Paraíso”, acenou para ela do convés de um pequeno iate. Tinha a pele bronzeada e os cabelos clareados pelos mesmos raios de sol implacáveis. Maureen não o conhecia, mas o sorriso de satisfação combinava com a garrafa de cerveja em sua mão indicando que sua disposição era de absoluta cordialidade. Maureen acenou em resposta e continuou a andar, seguindo para o complexo de restaurantes e butiques para turistas. Entrou em El Burrito, um restaurante mexicano com um deque à beira d'água. — Reenie! Estou aqui! Maureen ouviu Tammy antes de vê-la, o que acontecia com muita freqüência. Ela virou-se na direção da voz e descobriu a amiga a uma mesa ao ar livre, tomando uma margarita de manga. Tamara Wisdom era um estudo de contrastes para Maureen Paschal. Escultural e com a pele azeitonada, era bela de uma maneira exótica. Os cabelos pretos lisos desciam até a cintura, com mechas em


cores vibrantes, determinadas por seu humor. Naquele dia, os reflexos eram violeta. O nariz era furado, ornamentado com um diamante surpreendentemente grande... presente de um ex-namorado, um bemsucedido diretor de cinema independente. As orelhas tinham vários piercings, nos dois lados. Ela usava vários amuletos de padrões esotéricos por cima da blusa de renda preta, sem mangas. Tinha quase quarenta anos, mas parecia ser pelo menos dez anos mais moça. Tammy era exuberante onde Maureen era conservadora; clamorosa e obstinada, enquanto Maureen era discreta e cautelosa. Não podiam ser mais diferentes na vida e no trabalho, mas haviam encontrado uma base mútua de respeito, que as transformara em grandes amigas. — Obrigada por me receber em prazo tão curto, Tammy. Maureen sentou-se e pediu um chá gelado. Tammy revirou os olhos, mas sentia-se excitada demais pelo motivo do encontro para censurar Maureen pela escolha conservadora da bebida. — Está brincando? Berenger Sinclair anda atrás de você e acha que eu não quero ouvir todos os detalhes suculentos? — Você foi muito reservada pelo telefone, mas agora tem de confessar tudo. Não posso acreditar que conhece esse cara. — Eu não posso acreditar que você não conhece. Como, em nome de Deus... literalmente... publicou um livro que fala de Maria Madalena sem ir à França para pesquisar? E se considera uma jornalista? — Sou mesmo uma jornalista e é justamente por isso que não fui à França. Não tenho o menor interesse por sociedades secretas. Esse é o seu departamento, não o meu. Mas estive em Israel para fazer uma pesquisa séria sobre o século I. As provocações joviais eram parte fundamental da amizade. Maureen conhecera Tammy durante a pesquisa para o livro. Uma amiga comum apresentara-as, ao saber que Maureen investigava a vida de Maria Madalena. Tammy publicara diversos livros alternativos sobre sociedades

secretas

e

alquimia.

Também

realizara

um

documentário sobre as tradições espirituais secretas, apresentando o culto a Madalena, aclamada pela crítica no circuito dos festivais.


Maureen

ficara

surpresa

ao

descobrir

que

os

pesquisadores

esotéricos mantinham uma rede interligada, porque parecia que Tammy

conhecia

todo

mundo

nessa

área.

Embora

logo

compreendesse que o foco alternativo de Tammy estava longe de ser o que procurava, em termos de material de fonte respeitável, Maureen também reconhecera a mente perceptiva por trás dos olhos muito maquiados,

a

substância

por

baixo

da

ostentação.

Maureen

admirava a coragem impetuosa e a implacável honestidade de Tammy, até mesmo quando era o alvo de suas alfinetadas. Tammy enfiou a mão em sua bolsa grande, de um laranja brilhante, para tirar um elegante envelope. Balançou-o por um instante diante do nariz de Maureen, antes de estendê-lo através da mesa. — Eu queria lhe mostrar isto pessoalmente. Maureen alteou uma sobrancelha para a amiga, ao ver no envelope a flor-de-lis, agora familiar, junto com as estranhas maçãs azuis. Tirou um convite impresso e começou a ler. — É um convite para o exclusivo baile à fantasia anual de Sinclair. Parece que finalmente entrei no circuito principal. Você também recebeu um? Maureen sacudiu a cabeça. — Não. Recebi apenas uma estranha mensagem sobre um encontro no solstício de verão. Como conseguiu esse convite? — Conheci-o durante minha pesquisa na França. Pedi um financiamento para concluir meu novo documentário. Como ele está interessa

do

em

fazer

seu

próprio

documentário,

estamos

negociando... sabe como é, coçarei as costas de Sinclair se ele coçar as minhas. — Está trabalhando num novo filme? Por que não me contou antes? — Não temos conversado ultimamente, não é? Maureen ficou contrafeita. Negligenciara a amiga durante a loucura vertiginosa dos compromissos profissionais nos últimos


meses. — Desculpe. E pare de mostrar essa cara horrível de satisfação consigo mesma. O que mais não está me dizendo? Sabia sobre Sinclair... que ele anda atrás de mim? — Não, não sabia. Só nos encontramos uma vez... mas eu bem que gostaria que ele estivesse atrás de mim. O cara vale pelo menos um bilhão e ainda por cima é lindo de morrer. Sabe, Reenie, isso pode ser maravilhoso para você. Deixe os cabelos soltos e se lance numa grande aventura. Quando foi a última vez que namorou alguém? — Não vem ao caso. — Talvez tenha chegado o momento. Maureen descartou a questão e fez um esforço para reprimir a sua irritação. — Não tenho tempo para um relacionamento. Nem tive a impressão de que ele me convidou para um encontro romântico. — O que é uma pena. Não há lugar mais romântico no planeta. — Então é por isso que você tem passado tanto tempo na França ultimamente. Tammy riu. — Não, não é por isso. Acontece que a França é o centro do esoterismo ocidental, o caldeirão da heresia. Eu poderia escrever cem livros sobre o assunto e fazer cem documentários, mas, ainda assim, apenas arranha ria a superfície. Maureen sentia dificuldades para se concentrar. — O que você acha que Sinclair quer de mim? — Quem sabe? Ele tem uma reputação de excêntrico e extravagante. Dispõe de tempo demais nas mãos e dinheiro demais para desperdiçar. Calculo que alguma coisa em seu livro tenha atraído a atenção de Sinclair e ele quer acrescentá-la à sua coleção. Mas não tenho a menor idéia do que poderia ser. Seu trabalho não combina muito com a linha dele. — O que isso significa? — Maureen sentia-se um pouco defensiva. — Por que não é a linha dele?


— Porque você seguiu as tendências e foi muito acadêmica. Quando escreveu aquele capítulo sobre Maria Madalena, optou por ser cautelosa e politicamente correta. Maria Madalena pode ter tido um relacionamento com Jesus, mas não há qualquer prova... blablablá. Preferiu se manter dentro de uma margem de segurança. Mas pode ter certeza de que não há nenhuma margem de segurança naquilo em que Sinclair acredita. É por isso que gosto dele. Maureen respondeu de uma maneira um pouco mais incisiva do que tencionava: — Sua função é a de revisar a história com base em convicções pessoais. Não é o meu caso. Tammy estava tocando num ponto sensível hoje. Mas, ao seu estilo pessoal, recusou-se a recuar e continuou a pressionar Maureen. — E quais são as suas convicções? Tenho a impressão de que nem você mesma sabe. Você é uma grande amiga e não tenho a menor intenção de desrespeitá-la. Portanto não fique zangada. Mas sabe tão bem quanto eu que Maria Madalena manteve um relacionamento com Jesus e que tiveram filhos. Por que tem tanto medo dessa possibilidade? Nem sequer

é

religiosa. Isso não deveria ameaçá-la. — E não me ameaça. Apenas não queria seguir por esse caminho. Tive medo de que prejudicasse o resto de meu trabalho. Mas é óbvio que seus padrões para “evidências” e os meus não são os mesmos. Passei a maior parte da minha vida adulta pesquisando para o livro. Não podia jogar tudo fora por causa de alguma teoria simplória e sem confirmação, na qual não estou nem um pouco interessada. Tammy respondeu sem hesitar: — Essa teoria que você chama de simplória é sobre a união divina. A

idéia

de

duas

pessoas

respeitando

uma

à

outra

num

relacionamento sagrado é a maior expressão de Deus que existe neste mundo. Talvez você deva considerar a possibilidade de investir nisso. Maureen mudou de assunto, abruptamente. — Você prometeu que me diria o que sabe sobre as maçãs azuis.


Se

você

desculpar

minhas

teorias

simplórias

e

sem

confirmação... — Desculpe. Maureen parecia sinceramente arrependida, o que fez Tammy rir. — Esqueça. Já fui chamada de coisa muito pior. Aqui está o que sei sobre as maçãs azuis. São um símbolo da linhagem genealógica... isso mesmo, essa linhagem que você e seus amigos acadêmicos querem presumir que não existe. A linhagem de Jesus Cristo e Maria Madalena, através de seus descendentes. Várias sociedades secretas têm usado símbolos diferentes para representar a linhagem. — E por que maçãs azuis? — Já houve muitos debates a respeito, mas de um modo geral acredita-se que seja uma referência a uvas. As regiões produtoras de vinho no sul da França são famosas por suas uvas enormes, que podiam ser simbolizadas por maçãs azuis. Dê o salto comigo neste ponto: os filhos de Jesus são iguais aos frutos da videira, que são uvas, que são maçãs azuis. Maureen balançou a cabeça. — Isso significa que Sinclair está envolvido em uma dessas sociedades secretas? — Sinclair é sua própria sociedade secreta. — Tammy soltou uma risada. — Ele é como o poderoso chefão por lá. Nada acontece sem o seu conhecimento e aprovação. E é também o talão de cheques para muitas pesquisas. Inclusive a minha. Tammy ergueu o copo num brinde zombeteiro à generosidade de Sinclair. Maureen tomou um gole de seu chá. Olhou de novo para o envelope. — Mas você não acha que Sinclair é perigoso? — Claro que não. Ele é famoso demais para ser perigoso... embora tenha dinheiro e influência para esconder os corpos. Foi só uma brincadeira. Não precisa ficar verde. E é provavelmente o maior estudioso de Maria Madalena no mundo inteiro. Podia ser um contato muito interessante, se você decidir abrir um pouco a mente.


— Posso presumir que você vai à festa? — Está louca? Claro que vou. Até já comprei a passagem de avião. A festa será no dia 24 de junho, três dias depois do solstício de verão. Hum... — O que é? — Ele está armando alguma coisa, mas não sei o que é. Quer se encontrar com você no dia 21 de junho em Paris e depois oferecer a festa no dia 24... que é o meio do verão, pelo calendário antigo, mas também é o dia de João Batista. Está ficando cada vez mais interessante. Não acredito por um minuto sequer que essas datas sejam apenas uma coincidência. Onde ele quer que você o encontre? Maureen tirou a carta da bolsa, junto com o mapa da França que a acompanhara. Entregou as duas coisas a Tammy. — Veja isto. — Maureen apontou. — Há uma linha vermelha daqui até o sul da França. — É o meridiano de Paris. Passa direto pelo coração do território de Maria Madalena... e pela propriedade de Sinclair, digase de passagem. Tammy virou o mapa para mostrar outro, este de Paris. Acompanhou o traçado no mapa com a unha vermelha. Desatou a rir quando encontrou o ponto na Rive Gauche cercado por um círculo vermelho. — Essa não! O que você está tramando, Sinclair? — Tammy indicou o ponto marcado no mapa. — A igreja de Saint-Sulpice. É o lugar em que ele pediu a você para encontrá-lo? Maureen confirmou com um aceno de cabeça. — Você conhece? — Claro. Uma igreja enorme, a segunda maior de Paris, depois da Notre Dame, às vezes chamada de Catedral da Rive Gauche. É um local de atividades de sociedade secreta pelo menos desde o século XVII. Eu gostaria de ter sabido disso antes. Mudaria meu vôo até Paris para chegar alguns dias mais cedo. Daria qualquer coisa para testemunhar seu encontro com o poderoso chefão.


— Ainda não decidi se vou. Tudo parece meio absurdo. Não tenho qualquer informação para contato com ele... nem telefone, nem e-mail. Ele nem mesmo mandou o aviso de RSVP. Parece que tem certeza de que estarei presente. — Sinclair é um homem acostumado a conseguir o que quer. E, por algum motivo que não consigo imaginar, ele parece querer você. Mas você precisa parar de jogar pelas regras da sociedade normal, se quer se envolver com essas pessoas. Não são perigosas, mas podem ser muito excêntricas. Os enigmas são parte de seu jogo e você terá de resolver alguns para provar que é digna de ingressar no círculo interno. — Não tenho certeza de querer ingressar em algum círculo. Tammy tomou o resto de sua margarita. — A decisão é sua, minha cara. Se fosse eu, não perderia um convite assim por nada neste mundo. Acho que é a chance de uma vida para você. Vá como jornalista, para investigar. Mas lembre-se de uma coisa: depois que entrar nesse mistério, será como passar pelo espelho e cair no buraco do coelho. Por isso, tome cuidado. E atenha-se à sua realidade, minha pequena e conservadora Alice.

 Los Angeles Abril de 2005

A discussão com Peter fora mais acalorada do que ela previra. Maureen sabia que ele se oporia à sua decisão de se encontrar com Sinclair na França, mas estava despreparada para a veemência com que o primo defendeu sua posição. — Tamara Wisdom é doida. Não posso acreditar que você permitiu que ela a convencesse a fazer isso. Ela não pode ser uma testemunha do caráter desse tal de Sinclair. A discussão prolongara-se durante quase todo o jantar, com Peter bancando o irmão mais velho e protetor, preocupado com sua segurança,


enquanto Maureen tentava fazer com que ele compreendesse a decisão. — Sabe que eu nunca fui de correr grandes riscos, Pete. Gosto de ordem e controle em minha vida e estaria mentindo se não dissesse que essa perspectiva me deixa apavorada. — Então por que vai comparecer ao encontro? — Porque os sonhos e as coincidências me apavoram ainda mais. Não tenho controle sobre eles e se tornam cada vez piores, mais freqüentes e mais intensos. Sinto que tenho de seguir esse caminho para descobrir aonde vai me levar. Talvez Sinclair tenha as respostas que procuro, como ele alega. Se é o maior estudioso do mundo de Maria Madalena, talvez alguma coisa em tudo isso faça sentido para ele. E só há uma maneira de eu descobrir, não é mesmo? Ao

final

de

uma

discussão

extenuante,

Peter

finalmente

concordou, mas com uma condição. — Irei com você. E isso foi definitivo.

Maureen apertou a tecla em seu celular para chamar o telefone de Peter no instante em que saiu da Agência de Viagens Westwood, na manhã do sábado seguinte. Ainda não contara tudo ao padre. Às vezes, Peter a tratava como se ela ainda fosse uma criança e ele seu protetor. Embora lhe fosse grata por isso, era uma mulher adulta, que precisava tomar algumas decisões importantes naquela encruzilhada de sua vida. Agora, com a decisão tomada e as passagens na mão, era hora de avisá-lo. — Oi. Já está tudo acertado. Peguei as passagens. Mas tomei uma decisão súbita... de voar para Nova Orleans um dia antes. Peter ficou calado por um momento, surpreso. — Nova Orleans? Está bem. Vamos voar para Paris de lá? Essa era a parte difícil. — Não. Irei para Nova Orleans sozinha. — Ela se apressou em continuar, antes que Peter pudesse interrompê-la. — É uma coisa que preciso fazer sozinha, Pete. Vamos nos encontrar no aeroporto JFK no dia seguinte e voaremos juntos para Paris, a partir de Nova York.


Peter fez uma pausa mínima, antes de aceitar, com uma resposta simples: — Está bem. Maureen sentia-se culpada por enganá-lo. — Estou em Westwood, deixando a agência de viagens. Pode almoçar comigo? Você escolhe o restaurante. Eu pago. — Não posso. Estou dando hoje aulas de atualização em Loyola. — Não pode arrumar alguém para dar aulas de latim em seu lugar? — De latim, poderia. Mas sou o único professor de grego aqui. Tudo depende de mim hoje. — Está certo. Talvez um dia você possa me explicar por que adolescentes do século XXI precisam aprender línguas mortas. Peter sabia que Maureen estava brincando. A prima tinha o maior respeito por sua educação e conhecimentos lingüísticos. — Pelo mesmo motivo que eu precisei aprender línguas mortas e meu avô também precisou. E não acha que nos serviu muito bem? Maureen não podia contestar essa alegação, nem de brincadeira. O avô de Peter, o respeitado Dr. Cormac Healy, integrara um comitê em Jerusalém que estudara e fizera traduções de algumas obras da extraordinária biblioteca de Nag Hammadi. A paixão de Peter por manuscritos antigos florescera quando ele era adolescente e passara o verão em Israel com o avô. Como parte de um estágio, Peter participara de uma escavação no Scriptorium, em Qumran, onde os pergaminhos do mar Morto foram escritos. Durante anos, ele mantivera um fragmento de tijolo de uma parede do Scriptorium dentro de um mostruário de museu, ao lado de sua mesa. Mas, quando a prima demonstrara uma autêntica paixão e vocação para seu trabalho como escritora, Peter achara que seria mais apropriado que ela ficasse com a relíquia, como inspiração. Maureen usava o fragmento de tijolo numa bolsa de couro, pendurada ao pescoço, cada vez que sentava para escrever. Foi durante esse verão em Israel que o jovem Peter encontrou sua vocação, como estudioso e sacerdote. Visitara os locais sagrados do cristianismo com um grupo de jesuítas. A experiência causara um


profundo impacto no jovem e idealista irlandês. A ordem dos jesuítas demonstrara ser o local perfeito para suas paixões combinadas, religiosas e acadêmicas. Maureen acertou um encontro no fim de semana. Ao desligar e fechar o celular, sentia-se mais leve do que em muitos meses. O que não acontecia com o padre Peter Healy.

 A costa oeste dos Estados Unidos tem uma série espetacular de prédios históricos nas missões encontradas na Califórnia. Fundadas por um dedicado monge franciscano, padre Junípero Serra,

no

século

XVIII,

essas

missões

eram

amostras

da

arquitetura espanhola, abençoadas com lindos jardins ou em locais de extraordinária beleza natural. Peter sentia uma grande afinidade pela ordem franciscana e decidira que um objetivo pessoal seria visitar todas as missões na Califórnia, desde que chegara ao estado. As missões misturavam história com fé, uma combinação que encontrava ressonância no coração e na alma de Peter. Quando precisava de tempo e espaço para pensar, ele costumava escapar para uma das missões, de fácil acesso, no sul da Califórnia. Cada uma possuía seu charme singular e representava um oásis de calma no centro do frenético estilo de vida de Los Angeles. Naquele dia, ele escolheu a Missão de San Fernando, por causa de seu amigo, padre Brian Rourke, que residia perto e era superior da ordem dos jesuítas no vale de San Fernando. A amizade de Peter com o padre Brian datava de seus primeiros anos no seminário, quando o sacerdote mais velho servira como seu mentor. Agora, Peter precisava de um amigo de confiança; estava em busca de um santuário... mesmo que fosse a Igreja que ele amava e a que obedecia. O padre Brian concordara em encontrá-lo mesmo em tão curto prazo, sentindo um princípio de pânico na voz de Peter. — Sua prima é uma católica praticante?


O padre mais velho passeava pelos jardins da missão em companhia de Peter. O sol da tarde era forte no vale e Peter removeu uma gota de suor, com as costas da mão. — Não. Mas era muito devota quando criança. Ambos éramos. O padre Rourke balançou a cabeça. — Aconteceu alguma coisa para afastá-la da Igreja? Peter hesitou por um momento: — Problemas de família. Prefiro não falar a respeito. Ele já sentira que revelar as visões de Maureen sem o seu conhecimento era uma forma de traição. Tampouco queria revelar os segredos de família. Pelo menos ainda não. Contudo estava um tanto desorientado sobre o que deveria fazer e precisava de conselhos objetivos de alguém em quem pudesse confiar, dentro da estrutura de sua Igreja. O padre mais velho acenou com a cabeça respeitando a confidencialidade. — É muito raro que essas coisas possam ser consideradas visões divinas. Às vezes são sonhos, às vezes delusões da infância. É provável que não seja causa para qualquer preocupação. Vai acompanhá-la até a França? — Vou, sim. Sempre fui seu conselheiro espiritual e creio que sou a única pessoa em quem ela realmente confia. — Isso é ótimo, pois neste caso poderá ficar de olho nela. Por favor, ligue imediatamente se achar que ela está se tornando perigosa para si mesma, sob qualquer aspecto. Daremos um jeito de ajudá-lo. — Tenho certeza de que não chegará a esse ponto. Peter sorriu e agradeceu ao amigo. A conversa passou a versar sobre o calor intenso na Califórnia, em comparação com os verões amenos na Irlanda. Falaram sobre velhos amigos e um antigo professor e conterrâneo de ambos, que era agora bispo em algum lugar do sul dos Estados Unidos. Quando chegou o momento de partir, Peter assegurou ao velho amigo que se sentia melhor depois da conversa. Ele mentia.


 O padre Brian Rourke voltou para seu escritório naquela tarde com um aperto no coração e a consciência em conflito. Ficou sentado em silêncio por um longo momento, olhando para o crucifixo pendurado na parede, por cima da mesa. Deixou escapar um suspiro de resignação, pegou o telefone e discou o código de área da Louisiana. Não precisava olhar o número.

 Nova Orleans Junho de 2005

Maureen guiava o carro alugado pelos arredores de Nova Orleans, um mapa da área aberto no banco de passageiro vazio. Diminuiu a velocidade e parou no lado da rua, a fim de consultar o mapa, para ter certeza de que continuava no caminho certo. Satisfeita, tornou a partir. Enquanto fazia a curva seguinte, avistou as tumbas acima do solo, em estilo de sarcófago, pelas quais os cemitérios de Nova Orleans eram famosos. Maureen parou no estacionamento. Inclinou-se para o banco traseiro, a fim de pegar a bolsa e as flores que comprara de um vendedor de rua. Saiu do carro, tomando cuidado para evitar as poças de lama, remanescentes de uma tempestade de verão. Correu os olhos pela paisagem, com seus gramados bem cuidados. Lápides refinadas e coroas de flores estendiam-se por uma vasta distância. Maureen respirou fundo e se encaminhou para o portão do cemitério, levando as flores. Parou na entrada e levantou os olhos, mas desviou-se abruptamente para a esquerda, sem entrar no cemitério.

 Foi andando em torno do perímetro do cemitério, até alcançar


outro conjunto de sepulturas. Os túmulos ali tinham o mato crescido, com muito musgo, o lugar era negligenciado e comovente. Aquele era o cemitério dos desajustados.

 Ela avançou entre as sepulturas, devagar, com todo o cuidado, reverente. Fez um esforço para reprimir as lágrimas, enquanto passava por sepulturas esquecidas, pessoas que haviam sido abandonadas até mesmo na morte. Na próxima vez, traria mais flores... flores para todos. Maureen ajoelhou-se e afastou o mato que cobria uma lápide meio arrebentada. O nome inscrito ali era EDOUARD PAUL PASCHAL. Começou a arrancar o mato invasor com as mãos, em movimentos bruscos. Detritos voavam ao seu redor enquanto limpava a área, indiferente à terra e lama que se acumulavam sob as unhas e salpicavamlhe as roupas. Ela alisou a terra com as mãos e esfregou a lápide, para dar mais definição às letras. Depois de limpar a área da melhor forma que podia, Maureen ajeitou as flores. Tirou o porta-retrato da bolsa e contemplou a foto por um momento, deixando as lágrimas escorrerem. A foto mostrava-a quando criança, não mais que cinco ou seis anos, sentada no colo de um homem que lia um livro para ela. Os dois sorriam um para o outro, felizes, indiferentes à câmera. — Oi, papai — murmurou ela para a foto, antes de encostá-la na lápide. Maureen permaneceu ali por algum tempo, os olhos fechados, absorvida na tentativa de recordar o pai, de lembrar qualquer detalhe. Com exceção daquela foto, não tinha mais nada que lhe pudesse propiciar lembranças do pai. Depois de sua morte, a mãe proibira qualquer referência ao homem ou ao papel que tivera em suas vidas. Maureen e a mãe haviam se mudado para a Irlanda logo depois. Seu passado na Louisiana fora relegado às vagas lembranças de uma criança traumatizada e triste. No início daquela manhã, Maureen folheara uma lista telefônica de


Nova Orleans, à procura de residentes com o nome de Paschal. Havia vários, e alguns podiam ser da família. Mas ela logo fechara a lista, nunca tivera a intenção de fazer qualquer contato com prováveis parentes, não depois de tanto tempo, muito menos agora. Fora mais um exercício de recordação. Ela tocou na foto em despedida. Depois, removeu as lágrimas com a mão enlameada, deixando o rosto todo sujo. Não se importava. Levantou-se e voltou pelo caminho por onde viera, sem olhar para trás. Parou no lado de fora do portão do cemitério propriamente dito. Lá dentro, uma capela branca impecável, com uma cruz de latão polida, faiscava ao sol meridional.

 Maureen olhou para a capela através das barras do portão, com o olhar de uma forasteira. Ergueu a mão para proteger os olhos do reflexo de luz na cruz, depois virou as costas à igreja e afastou-se.

 Cidade do Vaticano, Roma Junho de 2005

O cardeal Tomas DeCaro levantou-se e olhou pela janela para a piazza. Os olhos cansados não eram a única coisa que precisava de uma pausa do exame da pilha de papéis amarelados em sua mesa. Sua mente e consciência também precisavam de descanso, além de reflexão sobre as informações que recebera naquela manhã. Havia a iminência de um terremoto, não havia a menor dúvida a respeito. Ele ainda não tinha certeza sobre a extensão dos danos que o novo cataclismo poderia acarretar... e quem seriam as vítimas. Abriu a gaveta de cima da mesa e olhou para o objeto ali dentro que lhe dava força em momentos assim. Era um retrato do santo papa João


XXIII, sob o cabeçalho de Vatican Secundam — Vaticano II. Logo abaixo da imagem, havia uma citação do grande e visionário pontífice, que tanto arriscara para levar sua amada Igreja ao mundo contemporâneo. DeCaro conhecia as palavras de cor, mas sempre se sentia fortalecido quando as lia em voz alta: — Não é que o Evangelho tenha mudado. Apenas passamos a compreendê-lo melhor. Chegou o momento de discernir os sinais dos tempos, de avaliar as oportunidades e olhar para a frente. Lá fora, o verão estava prestes a começar. Prometia ser um lindo dia em Roma. DeCaro decidiu relaxar por algumas horas, dando um longo passeio por sua amada Cidade Eterna. Precisava andar, precisava pensar e, acima de tudo, precisava orar por orientação. Talvez o espírito-guia do bom papa João o ajudasse a encontrar seu caminho através da crise iminente.


... Bartolomeu veio a nós por intermédio de Filipe, outro de nossa tribo que foi julgado de maneira equivocada... e tenho de confessar aqui que fui a primeira a incorrer nesse equívoco. Ele era um antigo seguidor de João Batista e conheci-o por meio dessa associação. Por isso demorou um pouco para que eu aprendesse a confiar em Filipe. Filipe era um homem enigmático. Prático e instruído, eu era capaz de lhe falar na língua dos helenistas, em que também era versada. Ele vinha da nobreza, nascido em Betsaida. Mesmo assim, havia muito que optara por levar uma vida de extrema simplicidade, negando a si mesmo os acessórios da vida da nobreza. Isso ele aprendeu primeiro com João. Filipe era difícil e belicoso na superfície, mas em seu íntimo era todo luz e bondade. Não havia nada em Filipe que pudesse fazer mal a outra criatura viva. Era austero em seus hábitos alimentares e não consumia qualquer comida que pudesse ter causado o sofrimento de algum animal. Enquanto o resto da tribo alimentava-se de peixe, Filipe não queria saber disso. Era incapaz de suportar o pensamento de bocas delicadas sendo dilaceradas por anzóis ou a agonia que os peixes deviam sentir ao ficarem presos em redes. Teve muitas discussões com Pedro e André por causa desse dilema. Tenho pensado a respeito com freqüência. Talvez ele estivesse certo e sua dedicação a essa convicção é um dos motivos pelos quais eu o admirava. ...Às vezes eu sentia que Filipe era muito parecido com os animais que tanto reverenciava, aqueles que se protegem com espinhos ou uma carapaça externa, a fim de que nada possa penetrar a tenra criatura por baixo. Apesar disso, ele tomou Bartolomeu sob sua proteção, quando o descobriu vagueando pelas estradas, sem um lar. Viu a bondade em Bartolomeu e levou essa bondade até nós. Depois do Tempo das Trevas, Filipe e Bartolomeu foram os meus maiores confortos. Eles cuidaram dos preparativos iniciais, junto com José, para levar-nos sãos e salvos até Alexandria, longe de nossa terra, o mais depressa possível. Bartolomeu era tão importante para as


crianças quanto para as mulheres. Na verdade, ele foi o maior conforto para o pequeno João, que ama todos os homens. Mas Sara-Tamar também adorava Bartolomeu. Esses dois homens merecem um lugar no Paraíso repleto de luz e perfeição por toda a eternidade. Filipe ficou muito preocupado em nos proteger e nos levar em segurança para nosso destino. Creio que ele não se deteria diante de nada Não importaria o que eu lhe pedisse. Se dissesse a Filipe que nosso destino devia ser a lua, ele tentaria tudo ao seu alcance para nos levar até lá. O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO DOS DISCÍPULOS


CAPÍTULO SEIS

Paris 19 de junho de 2005

O sol faiscava no Sena enquanto Maureen e Peter caminhavam pela margem do rio. Paris era banhada pela luz quente do início do verão e os dois sentiam-se contentes pela oportunidade de espairecer um pouco e apreciar a vista da cidade mais linda do mundo. Haveria oportunidades suficientes para se preocuparem com o encontro com Sinclair, dentro de dois dias. Ambos se apressavam em tomar o sorvete de casquinha, antes que começasse a pingar ao sol e deixasse uma trilha viscosa de arco-íris. — Hum... Você tinha razão, Pete. O Berthilion pode mesmo ser o sorvete mais gostoso do mundo. É espantoso. — Que sabor você pediu? Maureen estava praticando seu francês. — Poivre. — Pimenta? — Peter desatou a rir. — Pediu sorvete com sabor de pimenta? Maureen ficou vermelha de embaraço, mas tentou de novo: — Pauvre? — Pobre? Pediu um sabor de pobre? — Está bem, eu desisto. Pare de me atormentar. É sabor de pêra. — Poire. Poire é pêra. Peço desculpas, não deveria rir de você. Foi uma boa tentativa. — É óbvio quem tem o talento lingüístico na família. — Não é verdade. Você fala inglês muito bem.


Os dois riram, desfrutando a descontração do momento e a beleza do dia.

 A magnificência gótica da Notre Dame dominava a Île de la Cité havia oitocentos anos. Ao se aproximarem da catedral, Peter contemplou reverente a fachada imponente, com sua mistura de santos e gárgulas. — Na primeira vez em que a vi, eu disse para mim mesmo: “Deus vive aqui.” Quer entrar? — Não. Prefiro ficar do lado de fora, com as gárgulas, que é o meu lugar. — É a mais famosa estrutura gótica do mundo e um símbolo de Paris. Como turista, você tem a obrigação de entrar. Além do mais, os vitrais são fenomenais. E você poderá ver a rosácea ao sol do meio-dia. Maureen ainda hesitou, mas Peter pegou seu braço e levou-a. — Vamos entrar. Prometo que as paredes não vão desabar à sua presença.

 O sol passava pela rosácea, famosa no mundo inteiro, iluminando Peter e Maureen numa claridade azul-celeste, riscada de vermelho. Peter vagueou pela catedral, o rosto erguido para os vitrais, com um sentimento perfeito de bem-aventurança. Maureen seguia ao seu lado, fazendo um esforço para lembrar a si mesma que aquele prédio possuía um enorme significado histórico e arquitetônico, que não era apenas mais uma igreja. Um padre francês passou por eles, acenando com a cabeça num cumprimento solene. Maureen tropeçou de leve nesse instante. O padre parou e estendeu a mão para ampará-la, falando com alguma preocupação, em francês. Maureen sorriu e ergueu a mão, para indicar que estava bem. Peter voltou para o seu lado, enquanto o padre francês se afastava. — Você está bem?


— Estou, sim. Apenas senti uma vertigem súbita. Talvez pelo cansaço da viagem. — Quase não dormiu nos últimos dias. — Isso deve ter contribuído. — Maureen apontou para um banco lateral, perto da rosácea. — Vou me sentar um pouco ali e apreciar o vitral. Você pode continuar a circular. Peter

parecia

preocupado,

mas

ela

acenou

para

que

ele

continuasse. — Estou bem. Pode ir. Esperarei aqui. Peter balançou a cabeça e se afastou para explorar o resto da catedral. Maureen se sentou no banco, respirando fundo para recuperar o controle. Não quisera admitir para Peter que ficara bastante tonta. Fora uma crise repentina e ela sabia que cairia se não se sentasse. Mas não queria que Peter soubesse. Provavelmente era apenas uma combinação de exaustão com o chamado jet lag, a desorientação causada pela mudança brusca de fusos horários. Ela passou as mãos pelo rosto, tentando se livrar da vertigem. Fachos em caleidoscópio da luz colorida passavam pela rosácea e incidiam sobre o altar, iluminando um enorme crucifixo. Maureen piscou com força. O crucifixo parecia estar aumentando, ampliando cada vez mais em seu campo de visão. Ela pôs as mãos na cabeça quando a vertigem envolveu-a e as imagens prevaleceram.

 Os raios riscavam o céu de uma escuridão anormal, naquela desolada tarde de sexta-feira. A mulher de vermelho subiu a colina cambaleando. Teve de jazer o maior esforço para chegar lá em cima. Mantinha-se alheia aos cortes e arranhões que se acumulavam em seu corpo e esfarrapavam as roupas. Só tinha um objetivo, que era o de alcançá-Lo. O som de um martelo batendo num prego — metal contra metal


— ressoava pelo ar, com uma finalidade assustadora. A mulher perdeu o controle e gemeu, um som estranho, de desespero humano irredimível. A mulher alcançou a cruz no momento em que a chuva começou. Levantou os olhos para Ele. Gotas de Seu sangue caíram no rosto transtornado da mulher, misturando-se com as lágrimas incessantes.

 Perdida na visão, Maureen não tinha mais noção do lugar em que se encontrava. Seu gemido, um eco perfeito do desespero de Maria Madalena, ressoou pela Catedral de Notre Dame, assustando os turistas e fazendo Peter correr em sua direção.

 — Onde estou? Maureen acordou num sofá, numa sala revestida de madeira. O rosto sisudo de Peter pairava por cima dela, enquanto ele respondia: — Em uma das salas da catedral. Peter acenou com a cabeça para o padre francês que haviam encontrado antes e que acabara de entrar na sala, através de uma porta oculta no fundo, com uma expressão preocupada. — Padre Marcel ajudou-me a trazê-la para cá. Não tinha condições de ir a lugar algum por conta própria. O padre Marcel adiantou-se e estendeu um copo com água. Maureen pegou e bebeu, agradecida. — Merci — murmurou ela. O francês acenou com a cabeça, sem dizer nada. Recuou para o fundo da sala, a fim de esperar, discreto, caso houvesse necessidade de voltar a ajudar. — Desculpe — balbuciou ela para Peter, constrangida. — Não precisa se desculpar. É óbvio que perdeu o controle. Quer me contar o que viu?


Maureen relatou a visão. O rosto de Peter foi se tornando mais branco a cada palavra. Quando Maureen acabou, ele fitou-a com uma expressão solene. — Sei que não quer ouvir isso, Maureen, mas acho que vem tendo visões divinas. — Acha, então, que eu deveria conversar com um padre? — gracejou ela. — Falo sério. Isso está fora de minha esfera de experiência, mas posso descobrir alguém que sabe sobre essas coisas. Basta falar, mais nada. Pode ajudar. — Não há a menor possibilidade. — Determinada, Maureen sentou-se no sofá. — Só quero que me leve de volta ao hotel, para que eu possa descansar. Depois que dormir um pouco, tenho certeza de que estarei bem.

 Maureen conseguiu descartar a visão e deixar a catedral sem ajuda. Ficou aliviada por poder sair por uma passagem lateral, sem a necessidade de atravessar outra vez o interior daquele grande símbolo do cristianismo. Depois que a levou sã e salva para o quarto, Peter foi para seu próprio quarto. Sentou-se por um momento, olhando para o telefone. Ainda era muito cedo para fazer uma ligação para os Estados Unidos. Sairia por algum tempo e voltaria quando fosse uma hora mais apropriada, considerando a diferença de fuso.

 Mais abaixo, às margens do Sena, o padre Marcel atravessava o interior iluminado por velas da mais famosa catedral gótica do mundo. Estava acompanhado por um sacerdote irlandês, o bispo O'Connor, que tentava lhe fazer perguntas, num péssimo francês. O padre Marcel levou-o ao banco em que Maureen tivera a visão.


Deu a explicação devagar, tentando superar a barreira da língua. Embora fizesse um esforço sincero para se comunicar com o irlandês, o padre francês tinha a impressão de que conversava com um idiota. O'Connor dispensou-o, com um aceno impaciente, se sentou no banco e olhou para o crucifixo no altar, imerso em concentração.

 Paris 19 de junho de 2005

A Cave dos Mosqueteiros era menos sinistra durante o dia, iluminada por uma lâmpada fluorescente implacável. Os ocupantes vestiam roupas comuns, sem ter no pescoço os cordões vermelhos que os identificavam como membros da Guilda dos Justos. Uma réplica do retrato de João Batista pintado por Leonardo Da Vinci estava pendurada na parede dos fundos, apenas a um quarteirão de distância do Louvre, onde se encontrava o original, de valor inestimável. No famoso quadro, João olha da tela com um sorriso insinuante. Tem a mão levantada, o indicador e o polegar apontando para o céu. Leonardo pintou João nessa pose, muitas vezes referida como o gesto “Lembre-se de João”, em várias ocasiões. O significado dessa pose específica é debatido há séculos. O inglês se sentava à cabeceira da mesa, como sempre, de costas para o quadro. Um americano e um francês estavam sentados a seus lados. — Não compreendo o que ele está querendo — disse o inglês, ríspido, Ele pegou um livro de capa dura em cima da mesa e sacudiu-o para os dois homens. — Já o li duas vezes. Não há nada de novo aqui, nada que possa ser de interesse para nós. Ou para ele. Então o que há? Vocês já pensaram a respeito de tudo isso? Ou estou falando sozinho? O inglês largou o livro em cima da mesa, com óbvio menosprezo. O


americano o pegou e folheou, distraído. Concentrou-se na foto da autora. — Ela é atraente. Talvez isso seja tudo. O inglês soltou uma risada desdenhosa. Típica besteira ianque, sem o menor sentido. Ele sempre fora contra americanos na Guilda, mas aquele idiota era de uma família rica, associada ao legado comum, e tinham de aceitá-lo. — Com Sinclair, é sempre dinheiro e poder. Ele tem muito mais do que “atraente” à sua disposição, vinte e quatro horas por dia. Suas façanhas de playboy são lendárias na Inglaterra e no resto da Europa. Há muito mais do que uma simples conquista envolvendo essa mulher e espero que vocês dois descubram o que é. O mais depressa possível. — É quase certo que ele acredita que a mulher é a Pastora, mas saberei com certeza muito em breve — declarou o francês. — Viajarei para o Languedoc neste fim de semana. — O fim de semana é tarde demais — disse o inglês, irritado. — Deve partir no máximo amanhã. Hoje seria preferível. Há o fator tempo aqui, como sabem muito bem. — Ela tem cabelos vermelhos — comentou o americano. O inglês soltou um grunhido. — Qualquer vagabunda com vinte euros e alguma disposição pode se tornar ruiva. Descubram por que ela é importante. E depressa. Porque se Sinclair descobrir o que está procurando antes de nós... Ele não concluiu a frase; não precisava. Os outros sabiam exatamente o que aconteceria; sabiam o que acontecera na última vez em que alguém do lado errado chegara muito perto. O americano era um tanto sensível e a perspectiva da escritora ruiva sem cabeça deixava-o muito consternado. O americano pegou o exemplar do livro de Maureen, ajeitou-o debaixo do braço e saiu com seu companheiro francês para o sol ofuscante de Paris.

 Depois que seus subalternos se retiraram, o inglês, que fora


batizado com o nome de John Simon Cromwell, levantou-se e foi para o fundo do porão. Fora da vista da sala principal, havia uma pequena câmara aberta. O espaço continha um pesado armário de madeira escura, além de um pequeno altar, à direita. Um genuflexório dava espaço para um único suplicante diante do altar. As maçanetas das portas do armário eram de ferro batido. O compartimento inferior era protegido por uma tranca de aparência poderosa. O inglês enfiou a mão por dentro da camisa para pegar a chave pendurada ao pescoço. Ajoelhou-se, enfiou a chave na tranca e abriu o compartimento. Tirou dois itens. Primeiro, uma garrafa do que parecia ser água benta, que despejou numa pia batismal na frente do altar. Depois, pegou um relicário, pequeno, mas todo ornamentado. Cromwell pôs o relicário no altar, com o maior cuidado. Mergulhou as mãos na água. Esfregou a água no pescoço com as palmas, proferindo uma invocação durante o processo. Ergueu o relicário ao nível dos olhos. Através de uma pequena abertura na caixa de ouro maciço, era visível um brilho de marfim. Comprido, estreito e entalhado, o osso humano chocalhou quando o inglês espiou. Ele comprimiu o osso contra o peito e murmurou uma oração fervorosa: — Ó Grande Mestre da Justiça, sabe que eu não lhe faltarei. Mas suplicamos que nos ajude. Ajude a nós, que procuramos a verdade. Ajude a nós, que vivemos apenas para servir seu exaltado nome. Acima de tudo, ajude-nos a manter a meretriz em seu lugar.

 O americano, sozinho agora, desceu pela Rue de Rivoli, enquanto gritava pelo celular, acima do barulho do tráfego de Paris: — Não podemos esperar por mais tempo. Ele é um completo renega do, totalmente fora de controle. A voz no outro lado da ligação também tinha um sotaque americano, refinado, característico do nordeste dos Estados Unidos. O


tom era igualmente furioso. — Atenha-se ao plano. Vai permitir que alcancemos nosso objetivo, de uma maneira metódica e completa. E foi criado por pessoas muito mais sábias do que você. A voz do homem mais velho era incisiva, soando através de quilômetros e quilômetros. — Essas pessoas mais sábias do que eu não estão aqui — protestou o homem mais jovem. — Não podem ver o que eu vejo. Quando vai me dar algum crédito, papai? — Quando você merecer. Enquanto isso, eu o proíbo de fazer qualquer idiotice. O

americano

mais

jovem

fechou

o

celular

abruptamente,

praguejando. Contornara a esquina na frente do Hotel Regina e atravessava a Place des Pyramides. Levantou os olhos... e parou bem a tempo de evitar uma colisão com a famosa estátua dourada de Joana d'Arc, esculpida pelo grande Frémiet. — Sua vaca — resmungou ele. E parou apenas pelo tempo suficiente para cuspir na imagem da salvadora da França, sem se importar com quem pudesse vê-lo.

 Paris 20 de junho de 2005

A pirâmide de vidro de I.M. Pei faiscava ao sol da manhã do verão francês. Maureen e Peter, ambos revigorados depois de uma boa noite de sono profundo, esperavam na fila, junto com os outros turistas, para entrar no Louvre. Peter correu os olhos pelas pessoas na fila comprida, quase todas segurando seu guia de viagem. — Toda essa confusão por causa da Mona Lisa. Nunca poderei compreender. O quadro mais superestimado do planeta. — Concordo. Mas enquanto eles se espremem para ver a Mona


Lisa, teremos a ala Richelieu só para nós.

 Maureen e Peter compraram os ingressos. Tornaram a examinar a planta do Louvre. — Para onde vamos primeiro? — Nicholas Poussin — respondeu Maureen. — Quero ver os Os pastores de Arcádia pessoalmente, antes de fazermos qualquer outra coisa. Eles seguiram pela ala dos mestres franceses, procurando nas paredes a enigmática obra-prima de Poussin. Maureen explicou: — Tammy me disse que esse quadro tem sido o centro de controvérsias há centenas de anos. Luís XIV fez tudo o que podia para obtê-lo, durante vinte anos. E, quando finalmente conseguiu o quadro, trancou-o num porão de Versailles, onde mais ninguém podia vê-lo. Não é estranho? Por que você acha que o rei da França se empenharia tanto para obter uma importante obra de arte, só para depois escondê-la do mundos? — É apenas mais um numa série crescente de mistérios. — Peter verificava os números em seu guia enquanto ouvia. — Segundo as indicações aqui, o quadro deve estar... — Aqui! — exclamou Maureen. Peter aproximou-se por trás. Ficaram olhando para o quadro, calados, por um longo momento. Maureen virou-se para Peter e rompeu o silêncio: — Eu me sinto uma tola. Como se estivesse esperando que o quadro me dissesse alguma coisa. — Ela tornou a olhar para o quadro. — Está tentando me dizer alguma coisa, Pastora? Um súbito pensamento ocorreu a Peter: — Não posso acreditar que não pensei nisso antes. — Não pensou em quê? — A idéia de uma pastora. Jesus é o Bom Pastor. Talvez Poussin... ou Sinclair... estivesse indicando a Boa Pastora.


— Mas é isso mesmo! — gritou Maureen, um pouco alto demais, em seu excitamento pela idéia. — Talvez Poussin quisesse nos mostrar Maria Madalena como a pastora, a líder do rebanho. A líder de sua própria Igreja! Peter ficou todo arrepiado. — Não era exatamente isso que eu queria dizer... — Nem precisava. Há uma inscrição em latim na tumba no quadro. — Et in Arcadia Ego — leu Peter, em voz alta. — Hum... Não faz sentido. — Como se traduz? — Não se traduz. É uma confusão gramatical. — Dê seu melhor palpite. — Ou é péssimo latim ou uma espécie de código. A tradução literal é uma frase incompleta. “E em Arcádia eu...” Não significa coisa alguma. Maureen queria prestar atenção, mas uma voz de mulher começou a gritar, através do museu, distraindo-a: — Sandro! Sandro! Ela olhou ao redor, à procura da origem da voz. Pediu desculpas a Peter: — Desculpe, mas essa mulher está me perturbando. A voz gritou de novo, ainda mais alto, deixando Maureen irritada. — Quem pode ser? Peter fitou-a, perplexo. — Quem pode ser quem? — Essa mulher gritando... — Sandro! Sandro! Maureen tornou a olhar para Peter, enquanto a voz se tornava mais alta. Era evidente que ele não ouvia. Ela virou-se para observar os outros turistas e estudantes, absorvidos nas obras de arte nas paredes. Ninguém mais parecia estar consciente da voz urgente que ressoava através do Louvre. — O Deus! Você não pode ouvir, não é? — Ninguém mais pode ouvir. Sou a única que ouve.


Peter estava confuso. — Ouvir o quê? — Há uma voz de mulher gritando através do museu. Sandro! Sandro! Venha comigo. Maureen agarrou Peter pela manga e seguiu apressada na direção da voz. — Para onde vamos? — Estamos seguindo a voz. Vem daquela direção. Os dois foram andando pelos corredores do museu. Maureen olhava para trás a todo instante, pedindo desculpas às pessoas em que esbarrava. A voz se transformara num sussurro urgente, mas levava-a para algum lugar e ela estava determinada a segui-la. Voltaram correndo pela ala Richelieu, ignorando o olhar furioso de um irritado guarda do museu. Desceram alguns degraus e entraram em outro corredor, passando por placas que indicavam a ala Denon. — Sandro... Sandro... Sandro... A voz parou subitamente quando Maureen e Peter subiram por uma imponente escada, passando pela Vitória de Samotrácia, a estátua da deusa Nike. Ao virarem à direita, no alto da escada, depararam com duas obras-primas menos conhecidas da Renascença italiana. Peter fez a primeira observação: — Afrescos de Botticelli. A compreensão aflorou nos dois ao mesmo tempo. — Sandro... Alessandro Botticelli! Peter olhou para os afrescos e depois fitou Maureen. — Como fez isso? Ela estremeceu. — Não fiz nada. Apenas ouvi e fui atrás da voz. Os dois concentraram a atenção nas figuras em tamanho quase natural, expostas lado a lado. Peter traduziu a placa para Maureen: — Um jovem é apresentado por Vênus às Artes Liberais. Afresco pintado para o casamento de Lorenzo Tornabuoni e Giovanna Albizzi. — Por que há um ponto de interrogação depois de Vênus? —


perguntou Maureen. Peter sacudiu a cabeça. — Não deviam ter certeza se ela era mesmo o tema. Era uma representação elegante, embora estranha, de um jovem segurando a mão de uma mulher, envolta por um manto vermelho. Estavam diante de sete mulheres, três das quais seguravam objetos insólitos e de aparência incongruente. Uma agarrava um enorme e um tanto ameaçador escorpião preto. A mulher ao seu lado tinha na mão um arco. Outra empunhava uma régua de arquiteto, num ângulo insólito. Peter pensou em voz alta: — As sete artes liberais. Os reinos do saber superior. Está nos dizendo que esse era um jovem muito instruído? — Quais são as sete artes liberais? Peter fechou os olhos, para recordar seus estudos clássicos, e recitou: — O Trivium, ou os três primeiros caminhos de estudo: a Gramática, a Retórica e a Lógica. As outras quatro, Quadrivium, são Aritmética, Geometria, Música e Cosmologia. São inspiradas por Pitágoras e sua perspectiva de que todos os números representavam padrões no tempo e espaço. Maureen sorriu. — Uma memória impressionante. Mas o que podemos deduzir? Peter deu de ombros. — Não sei se alguma coisa disso se ajusta em nosso cada vez maior quebra-cabeça. Maureen apontou para o escorpião. — Por que um quadro feito para um casamento mostra uma mulher segurando um inseto enorme e venenoso? Qual das artes liberais poderia representar? — Não tenho certeza... — Peter aproximou-se do afresco, tão perto quanto a barreira do Louvre permitia. Inclinou-se para ver melhor. — Olhe mais de perto. O escorpião é mais escuro e mais vivido que o resto do quadro. Todos os objetos são assim. Parece até...


Maureen terminou a frase por ele: — ... que foram acrescentados mais tarde. — Mas por quem? Pelo próprio Botticelli? Ou alguém adulterou os afrescos do mestre? Maureen balançou a cabeça, aturdida com todo o incidente.

 Enquanto tomavam um café com creme, na cafeteria do Louvre, Maureen

examinou

suas

aquisições,

junto

com

Peter.

Comprara

reproduções dos quadros relevantes, assim como um livro sobre a vida e a obra de Botticelli. — Espero descobrir mais sobre as origens daqueles afrescos. — Estou mais interessado em descobrir a origem da voz que a levou aos afrescos. Maureen tomou um gole do café antes de responder. — Mas o que era? Meu inconsciente? Orientação divina? Insanidade? Fantasmas no Louvre? — Eu gostaria de poder responder, mas não posso. — Que grande conselheiro espiritual você é... — gracejou Maureen. Ela concentrou sua atenção na reprodução de Botticelli. Tirou-a do envelope. Quando a luz refratada da pirâmide de vidro incidiu sobre a gravura, Maureen teve uma epifania. — Espere um instante. Você não disse que a cosmologia era uma das artes liberais? Maureen olhou para o anel de cobre em seu dedo. Peter acenou com a cabeça em confirmação. — Astronomia, cosmologia. O estudo das estrelas. Por quê? — O homem de Jerusalém que me deu este anel disse que era de um cosmólogo. Peter passou as mãos pelo rosto, como se fazer isso pudesse estimular o cérebro a encontrar uma solução. — Mas qual é a ligação? Que devemos olhar para as estrelas em busca de uma resposta?


Maureen pôs o dedo sobre a mulher enigmática segurando o enorme inseto preto. Depois, quase saltou da cadeira ao gritar: — Escorpião! — Como? — É o símbolo de um signo astrológico, Escorpião. E a mulher ao seu lado segura um arco. O símbolo de Sagitário. Escorpião e Sagitário estão ao lado um do outro no zodíaco. — Então acha que há alguma espécie de código nos afrescos que se relaciona com astronomia? Maureen acenou com a cabeça lentamente, em confirmação. — No mínimo, pode nos dar um ponto para começar.

 As luzes brilhavam através da janela do quarto de Maureen no hotel, iluminando os itens na cama, ao seu lado. Adormecera lendo o livro de Botticelli. A gravura de Poussin estava virada para cima, no outro lado. Maureen mantinha-se alheia a essas duas coisas. Estava outra vez engolfada num sonho.

 Numa sala de paredes de pedra, vagamente iluminada por lampiões a óleo, uma mulher idosa debruçava-se sobre uma mesa. Usava um xale vermelho desbotado sobre os longos cabelos grisalhos. Com uma pena de escrever na mão enrijecida, escrevia com todo cuidado no pergaminho. Uma enorme arca de madeira era o único outro ornamento na sala. A velha parou de escrever, levantou-se e foi lentamente até a arca. Ajoelhou-se, sentindo dor nas articulações, e levantou a pesada tampa. Virou a cabeça para trás, por ama do ombro, um sorriso sereno e sugestivo estampando-se em seu rosto. Olhou para Maureen e fez sinal para que ela se adiantasse.


 Paris 21 de junho de 2005

Num tributo encantador à excentricidade gaulesa, a ponte mais antiga de Paris é conhecida como Pont Neuf, a ponte nova. É uma das principais artérias da vida parisiense, atravessando o Sena para ligar o elegante Premier Arrondissement com o coração da Rive Gauche. Peter e Maureen passaram pela estátua de Henrique IV, um dos mais amados reis da França, sobre a ponte que fora concluída durante seu tolerante

reinado,

transbordando

a

em

1604.

imponência

Era

uma

linda

exuberante

que

manhã é

em

Paris,

específica

da

incomparável Cidade Luz. Apesar do cenário perfeito, Maureen sentia-se nervosa. — Que horas são? — Cinco minutos depois da última vez que você perguntou — respondeu Peter, sorrindo. — Desculpe. Estou começando a ficar nervosa com tudo isso. — A carta dizia para estar na igreja ao meio-dia. Ainda são onze horas. Temos bastante tempo. Sempre se orientando por um mapa de Paris, atravessaram o Sena, seguiram por ruas sinuosas da Rive Gauche, onde a Pont Neuf se tornava Rue Dauphine. Passaram pela estação Odeon do metrô, viraram à direita na Rue Saint-Sulpice e terminaram na pitoresca praça com o mesmo nome. Os enormes e diferentes campanários da igreja dominavam a praça, projetando sombras sobre o famoso chafariz, construído por Visconti em 1844. Quando os dois se aproximaram das portas imensas, Peter sentiu que ela hesitava. — Não a deixarei desta vez. Peter pôs a mão em seu braço, num gesto tranqüilizador e abriu as portas da vasta igreja.


 Entraram em silêncio. Avistaram um grupo de turistas na primeira capela, no lado direito. Ao que parecia, eram estudantes de arte britânicos. O professor fazia uma preleção, em voz baixa, sobre as três obras-primas de Delacroix que ornamentavam aquela parte da igreja: Jacó lutando contra o Anjo, Heliodoro expulso do templo e O Arcanjo Miguel vencendo o demônio. Em outro dia, Maureen se sentiria propensa a admirar a famosa obra de arte e ouvir a preleção em inglês. Mas naquele momento tinha outras coisas em mente. Passaram pelos estudantes britânicos e avançaram pelo centro da igreja, contemplando impressionados a estrutura maciça

e

histórica. Quase que por instinto, Maureen aproximou-se do altar, que era flanqueado por dois quadros enormes. Cada um devia ter pelo menos dez metros de altura. O primeiro mostrava duas mulheres... uma com um manto azul, a outra com um manto vermelho. — Maria Madalena com a Virgem? — arriscou Maureen. — Pelas cores dos mantos, eu diria que sim. O Vaticano determinou que Nossa Senhora só pode ser pintada vestindo branco ou azul. — E minha dama está sempre de vermelho. Maureen foi até o quadro do mesmo tamanho no outro lado do altar. — Olhe para isto... O quadro mostrava Jesus em sua tumba, com Maria Madalena parecendo preparar o corpo para o sepultamento. A Virgem Maria e duas outras mulheres choravam na beira do quadro. —

Maria

Madalena

prepara

o

corpo

de

Cristo

para

o

sepultamento? Isso não está indicado nos evangelhos, não é mesmo? — Marcos 15 e 16 mencionam que ela e outras mulheres levaram especiarias para o sepulcro e que podem tê-lo ungido, mas não descrevem expressamente o ato. — Hum... — Maureen pensou um pouco. — E aqui está


Maria Madalena fazendo justamente isso. Mas na tradição hebraica a unção do corpo não era reservada apenas para... — A esposa — arrematou uma voz masculina aristocrática, com uma suave insinuação de sotaque escocês. Maureen e Peter viraram-se abruptamente para o homem que se aproximara por trás de uma maneira tão furtiva. Era moreno e bonito, vestia-se com a maior elegância. Embora as roupas e o porte falassem em classe hereditária, não havia nada de pomposo no homem. Na verdade, tudo em Berenger Sinclair era um pouco diferente, absolutamente singular. Os cabelos tinham um corte perfeito, embora fossem um pouco compridos demais para ser aceitáveis na Câmara dos Lordes. A camisa de seda era de Versace, em vez de Bond Street. A arrogância natural decorrente do privilégio era amenizada pelo bom humor... um sorriso enviesado, quase infantil, que ameaçava prevalecer enquanto ele falava. Maureen sentiu um fascínio instantâneo. Ficou imóvel, como se estivesse enraizada, enquanto ouvia o resto da explicação: — Só a esposa tinha permissão para preparar o homem para o sepultamento. A menos que ele morresse solteiro e neste caso a honra era da mãe. Como pode ver neste quadro, a mãe de Jesus está presente, mas obviamente não cuida desse encargo. O que só pode levar a uma única conclusão. Maureen olhou para o quadro, depois tornou a fitar o homem carismático à sua frente. — Que Maria Madalena era sua esposa — murmurou ela. — Bravo, Srta. Paschal. — O escocês fez uma reverência teatral. — Mas perdoe-me por ter esquecido por completo as boas maneiras. Lorde Berenger Sinclair, a seu serviço. Maureen adiantou-se para apertar a mão estendida. Mas Sinclair surpreendeu-a ao segurar sua mão por um longo momento. Não a soltou de imediato; em vez disso, virou a mão menor em sua mão maior e passou um dedo de leve pelo anel. Tornou a sorrir para Maureen, um pouco insinuante, piscando um olho. Maureen ficou completamente desconcertada. Especulara muitas


vezes como seria Lorde Sinclair em pessoa. O que quer que estivesse esperando, não era aquilo. Tentou não parecer muito embaraçada quando falou: — Já sabe quem eu sou. — Ela virou-se para apresentar Peter. — Este é... Sinclair interrompeu-a: — Padre Peter Healy, é claro. Seu primo, não é mesmo? E um sábio homem. Seja bem-vindo a Paris, padre Healy. Sei que já esteve aqui antes. — Ele olhou para o elegante e absurdamente caro relógio suíço. — Temos alguns minutos. Venham comigo. Há coisas para ver aqui que acho que vão considerar muito interessantes. Sinclair falou olhando para trás, enquanto se afastava apressado pela igreja. — Diga-se de passagem, não percam tempo com o guia de viagem que vendem aqui. São cinqüenta páginas que ignoram por completo a presença de Maria Madalena. Como se ela pudesse desaparecer pelo simples fato de ser ignorada. Maureen e Peter seguiram seus passos acelerados. Pararam ao lado de outro pequeno altar lateral. — Como logo descobrirão, ela é apresentada em muitos lugares desta igreja, mas deliberadamente ignorada. Aqui está um exemplo maravilhoso. Sinclair levou-os até uma estátua de mármore grande e elegante, uma Pietà, a clássica escultura da Virgem Mãe com o corpo alquebrado de Cristo. À direita da Virgem, Maria Madalena fora incluída na cena, aninhando a cabeça no ombro da Virgem. — O guia refere-se a esta obra apenas como “Pietà, século XVIII, italiana”. Uma Pietà tradicional mostra a Virgem aninhando o filho depois da crucificação. A inclusão de Maria Madalena nesta obra é bastante heterodoxa, mas... foi deliberadamente ignorada. Sinclair deixou escapar um suspiro dramático e sacudiu a cabeça ante a injustiça de tudo aquilo. — Qual é a sua teoria? — perguntou Peter, um pouco mais incisivo


do que tencionava, pois havia alguma coisa em Sinclair que começava a irritá-lo. — Que há uma conspiração da Igreja para excluir as referências a Maria Madalena? — Tire suas próprias conclusões, padre. Mas uma coisa posso lhe dizer... há mais igrejas dedicadas a Maria Madalena na França do que a qualquer outro santo, inclusive a Santa Mãe. Há toda uma região de Paris que tem o seu nome... posso presumir que já esteve na Madeleine? Maureen ficou surpresa com a descoberta. — Nunca havia me ocorrido até agora, mas Madeleine é Madalena em francês, não é mesmo? — Isso mesmo. Já esteve na igreja consagrada a ela na Madeleine? É uma estrutura enorme, ostensivamente dedicada a Maria Madalena. Mas, originalmente, em todas as obras de arte e ornamentos no interior, não havia imagens de Maria Madalena. Absolutamente nenhuma. Estranho, não é mesmo? Acrescentaram a escultura de Marochetti por cima do altar. Pelo que sei, havia antes uma imagem da Assunção da Virgem. Foi trocada por Maria Madalena por causa da pressão aplicada... por aqueles que se importavam com a verdade. — Suponho que você vai me dizer agora que Marcel Proust também deu o nome a seus biscoitos em homenagem a ela — gracejou Peter. Em contraste com o fascínio imediato de Maureen, ele sentia-se irritado pela segurança descontraída de Sinclair. — São moldados como conchas por alguma razão. Sinclair deu de ombros, deixando Peter refletir, enquanto se juntava a Maureen, junto da Pietà. — É quase como se tentassem apagá-la — comentou Maureen. — É isso mesmo, minha cara Srta. Paschal. Muitas pessoas tentaram nos fazer esquecer o legado de Madalena, mas sua presença é muito forte. E, como você sem dúvida já deve ter notado, ela não será ignorada, em particular...


Os sinos da igreja começaram a repicar, para anunciar o meio-dia, interrompendo a resposta de Sinclair. Em vez de continuar, ele tornou a levá-los através da igreja, apressado. Apontou para uma estreita linha meridiana de bronze, embutida no chão, estendendo-se pelo transepto norte-sul. A linha terminava num obelisco de mármore, ao estilo egípcio, com um globo dourado e uma cruz no alto. — Venham depressa. É meio-dia agora e vocês precisam ver isso. Só acontece uma vez por ano. Maureen apontou para a linha de bronze. — O que isto significa? — É o Meridiano de Paris. Divide a França de uma maneira muito interessante. Mas olhe ali em cima. Sinclair apontou para uma janela por cima deles, no outro lado da igreja. Quando eles se viraram para olhar, um raio de sol passou pela janela e iluminou a linha de bronze embutida na pedra. Observaram a luz dançar através do chão da igreja, seguindo o bronze. A luz subiu pelo obelisco até alcançar o globo, iluminando a cruz dourada com uma chuva de luz. — Lindo, não é mesmo? Esta igreja está alinhada para marcar o solstício com perfeição. — É mesmo lindo — admitiu Peter. — E detesto romper sua bolha de admiração, Lorde Sinclair, mas há uma legítima razão religiosa para isso. A Páscoa é o domingo seguinte à lua cheia depois do equinócio da primavera. Não era incomum que as igrejas procurassem meios de identificar os equinócios e solstícios. Sinclair deu de ombros. Virou-se para Maureen. — Ele tem toda a razão. — Mas há mais nesse Meridiano de Paris, não é mesmo? — Alguns se referem a ele como A Linha de Madalena. Se quer descobrir por quê, encontre-se comigo em minha casa no Languedoc dentro de dois dias. Mostrarei a razão para isso e muito mais. Ah, já ia me esquecendo... Sinclair tirou um dos seus envelopes de papel apergaminhado de


um bolso interno do paletó. — Sei que conhece aquela adorável cineasta Tamara Wisdom. Ela estará em nosso baile à fantasia, no final da semana. Espero que vocês dois se juntem a ela. E insisto que também sejam meus hóspedes no Château. Maureen olhou para Peter, a fim de avaliar sua reação. Não esperavam pelo convite. — Lorde Sinclair, Maureen veio de muito longe para este encontro — disse Peter. — Em sua carta, prometeu algumas respostas... Sinclair interrompeu-o: — Padre Healy, as pessoas vêm tentando compreender esse mistério há dois mil anos. Não pode esperar saber de tudo em um único dia. O verdadeiro conhecimento deve ser conquistado, não é mesmo? Agora, estou atrasado para uma reunião e tenho de me apressar. Maureen pôs a mão no braço de Sinclair para detê-lo. — Mencionou meu pai em sua carta, Lorde Sinclair. Esperava que pelo menos me dissesse o que sabe a seu respeito. Sinclair fitou-a e abrandou. — Tenho uma carta escrita por seu pai que achará muito interessante. Não está aqui, é claro, mas no Château. É um dos motivos pelos quais deve ser minha hóspede. Junto com o padre Healy, é claro. Maureen estava aturdida. — Uma carta? Tem certeza de que foi escrita por meu pai? — O nome de seu pai não era Edouard Paul Paschal, escrito com a grafia francesa? E ele não residia na Louisiana? — Isso mesmo — respondeu Maureen, numa voz que era pouco mais que um sussurro. — Então a carta é dele, com toda a certeza. Encontrei-a nos arquivos de nossa família. — Mas o que diz... — Seria uma terrível injustiça de minha parte se tentasse lhe dizer que minha memória é abominável, Srta. Paschal. Terei o maior prazer em lhe mostrar a carta assim que chegar ao Languedoc. Preciso ir


agora, pois estou bastante atrasado. Se precisarem de alguma coisa antes de partir, liguem para o número no convite e peçam para falar com Roland. Ele os ajudará em qualquer coisa que for necessária. Absolutamente qualquer coisa. Basta dizer. Sinclair afastou-se às pressas, sem se despedir. Depois de alguns passos, olhou para trás e acrescentou: — Creio que já têm um mapa. Basta seguir a Linha de Madalena. Os passos do escocês ressoaram pela vasta igreja, enquanto atravessava o prédio, deixando Maureen e Peter olhando um para o outro, perplexos.

 Maureen e Peter avaliaram o estranho encontro com Sinclair durante o almoço, num café na Rive Gauche. Tinham opiniões diferentes a respeito dele. Peter estava desconfiado, à beira da irritação. Já Maureen sentia-se fascinada. Decidiram facilitar a digestão com um passeio pelo jardim de Luxemburgo, um dos mais famosos parques da Europa. Uma família com um bando de crianças barulhentas fazia um piquenique na grama. Duas crianças pequenas corriam atrás de uma bola de futebol — e uma da outra —, enquanto as crianças mais velhas e os pais gritavam para estimulá-las. Peter parou para observar as crianças, com uma expressão ansiosa. — Qual é o problema? — perguntou Maureen. — Não há nenhum. Eu apenas pensava na família. Minhas irmãs, seus filhos. Sabia que não visito a Irlanda há dois anos? E nem vou falar do tempo que você não vai lá. — Fica a pouco mais de uma hora de avião daqui. — Sei disso. E tenho pensado muito a respeito. Vamos ver o que acontece por aqui. Se tiver tempo, posso passar alguns dias na Irlanda. — Já sou crescidinha, Pete, e perfeitamente capaz de cuidar de tudo sozinha. Por que não aproveita a oportunidade agora e visita a família?


— E deixá-la sozinha nas mãos de Sinclair? Perdeu o juízo? A bola de futebol, agora disputada pelas crianças mais velhas, correu na direção de Peter. Ele controlou-a, passando de um pé para outro, e a chutou de volta. Com um pequeno aceno para as crianças que o aplaudiram, Peter continuou o passeio com Maureen. — Alguma vez se arrependeu de sua decisão? — Qual decisão? De vir para Paris com você? — Não. De se tornar padre. Peter parou abruptamente, chocado com a pergunta. — O que a levou a fazer essa pergunta? — Apenas por observá-lo agora. Você adora crianças. Daria um pai maravilhoso. Peter recomeçou a andar, enquanto explicava: — Não estou arrependido. Tinha uma vocação e segui-a. Ainda tenho essa vocação e acho que sempre a terei. Sei que sempre foi difícil para você compreender. — Ainda é. — E sabe o que é mais irônico? — O quê ? — Você é um dos motivos pelos quais me tornei padre. Foi a vez de Maureen parar abruptamente: — Eu? Como? Por quê? — Leis ultrapassadas da Igreja fizeram você se virar contra sua fé. Acontece o tempo todo, mas não deveria ser assim. E agora há ordens... ordens mais jovens, mais estudiosas, mais progressistas... que tentam levar a espiritualidade para o século XXI e torná-la acessível para a juventude. Descobri isso com os jesuítas que conheci em Israel na minha primeira visita ao país. Tentavam mudar justamente as coisas que afastaram você. Eu queria ser parte disso. Queria ajudá-la a encontrar sua fé outra vez. Você e outras pessoas na mesma situação. Maureen fitava-o fixamente, fazendo um esforço para conter as lágrimas inesperadas que afloravam a seus olhos.


— Não posso acreditar que nunca tenha me contado isso antes. Peter deu de ombros. — Você nunca perguntou.


... O sofrimento final de Easa significou puro tormento para todos nós, mas causou um profundo impacto em Filipe. Com freqüência ele chorava no sono e não me revelava o motivo, não permitia que eu o ajudasse. Finalmente, descobri a verdade por intermédio de Bartolomeu, que comentou que Filipe não queria me angustiar com lembranças tão terríveis. Todas as noites, no entanto, Filipe era atormentado pelo pensamento da agonia de Easa, pela maneira como seus ferimentos foram descritos. Os homens me concederam a honra, já que fui a única entre todos que testemunhou a paixão de Easa. Durante nosso tempo no Egito, Bartolomeu tornou-se meu discípulo mais dedicado. Queria saber tanto quanto possível e o mais depressa possível. Era ansioso e ávido por conhecimento, como um homem faminto por pão. Era como se o sacrifício de Easa tivesse aberto um buraco em Bartolomeu que só podia ser preenchido pelos ensinamentos sobre O Caminho. Compreendi, então, que ele tinha uma vocação especial, que levaria as palavras de Amor e Luz para o mundo e, por meio de suas pregações, muitas pessoas sofreriam mudanças. Por isso, todas as noites, quando as crianças e os outros dormiam, eu ensinava os segredos a Bartolomeu. Ele estaria preparado quando chegasse o momento. Mas eu não podia saber se também estaria. Passara a amá-lo tanto quanto a meu próprio sangue. Temia por ele... por sua beleza e pureza, que os outros não compreenderiam tanto quanto era compreendido por aqueles que mais o amavam. Bartolomeu era um homem sem astúcia. O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO DOS DISCÍPULOS


CAPITULO SETE

A região do Languedoc, na França 22 de junho de 2005

A paisagem da região rural da França voava pelas janelas do trem em alta velocidade. Maureen e Peter não se importavam com a paisagem; sua atenção concentrava-se totalmente nos vários mapas, livros e documentos estendidos à sua frente. — Et in Arcadia Ego... — murmurou Peter, escrevendo num bloco. — Et... In... Arca-di-a... E-go... Ele estava absorvido no mapa da França, o que tinha a linha vermelha descendo pelo centro. Apontou para a linha. — Veja como o Meridiano de Paris desce para o Languedoc, até esta cidade, Arques. Um nome muito interessante. Peter pronunciou o nome da cidade parecido com “Ark”, que significa “Arca”. — Como em Arca de Noé e Arca da Aliança? Maureen estava muito interessada em descobrir para onde aquilo os levaria. — Exatamente. Arca é uma palavra versátil em latim... em geral, significa um recipiente, mas também pode significar tumba. Espere um instante. Deixe-me verificar isto. Peter tornou a pegar o bloco e a caneta. Escreveu as letras de Et In Arcadia Ego. Escreveu ARK no alto da página, em letras maiúsculas. Por baixo, escreveu ARC, também em maiúsculas. Maureen teve uma idéia. — Vamos pensar em ARC de outra maneira. ARC... ADIA. Talvez não seja uma referência ao lugar mítico de Arcádia... não poderiam ser


palavras separadas reunidas? Faz algum sentido em latim? Peter escreveu, em letras maiúsculas: ARC A DIA. — E então? — Maureen estava ansiosa por saber. — Isso significa alguma coisa? — Vendo dessa maneira, pode significar “Arca de Deus”. Com um pouco de imaginação, a tradução da frase poderia ser: “e na Arca de Deus eu estou”. Peter apontou para a cidade de Arques no mapa. — Suponho que você não saiba nada sobre a história de Arques? Se a cidade tivesse uma lenda sagrada, a frase poderia significar: “e na aldeia de Deus eu estou”. — A propriedade de Sinclair fica junto de Arques. — Eu sei. Mas isso não explicaria por que Nicholas Poussin pintou o quadro há quatrocentos anos, não é mesmo? Ou por que você ouviu vozes no Louvre quando olhava para o quadro. Acho que temos de examinar as coisas que vêm acontecendo com você como separadas de Sinclair, pelo menos por enquanto. Peter estava empenhado em diminuir a importância de Sinclair na experiência de Maureen. Ela tinha as visões de Madalena havia vários anos, muito antes de ter ouvido falar de Berenger Sinclair. Maureen acenou com a cabeça em concordância. — Digamos que Arques fosse conhecida como um lugar sagrado por alguma razão. “A Aldeia de Deus”... Poussin estava nos dizendo que há alguma coisa importante ali, não é mesmo? É essa a teoria? “E na aldeia de Deus eu estou”? Peter balançou a cabeça, pensativo. — Apenas um palpite. Mas não acha que a área em torno de Arques merece uma visita?

 Era o dia de feira na aldeia de Quillan. A comunidade no sopé dos Pireneus franceses estava alvoroçada com o evento semanal. Os


habitantes do interior do Languedoc seguiam apressados de uma barraca para outra, abastecendo-se de vegetais frescos e peixes trazidos do Mediterrâneo. Maureen e Peter circularam pela feira. Maureen tinha na mão a gravura de Os pastores de Arcádia. Um vendedor soltou uma risada, apontando para a gravura: — Ah, Poussin! Ele começou a dar uma orientação, num francês muito rápido. Peter pediu-lhe que falasse mais devagar. O filho de dez anos do mercador percebeu a confusão de Maureen, enquanto o pai falava com Peter em francês e decidiu tentar seu inglês precário, mas intrépido: — Quer visitar a tumba de Poussin? Maureen acenou com a cabeça, excitada. Nem mesmo sabia que a tumba do quadro ainda existia. — Oui! — Pegue a estrada principal e desça. Quando encontrar a igreja, à esquerda. A tumba de Poussin fica no outeiro. Maureen agradeceu ao menino. Abriu a bolsa e tirou uma nota de cinco euros. — Merci... merci beaucoup. Ela estendeu a nota para o menino, que deu um largo sorriso. — De rien, Madame. Bonne chance. Foi o mercador quem disse isso, enquanto Maureen e Peter deixavam o mercado. Mas foi seu filho que falou por último: — Et in Arcadia Ego! O menino soltou uma risada, antes de deixar a barraca para gastar o dinheiro em balas e chocolates.

 Os dois conseguiram destrinchar as instruções de pai e filho, o que os levou pela estrada certa. Peter guiava devagar, enquanto Maureen examinava a paisagem pela janela do carona.


— Ali! Não é aquilo? No alto daquele outeiro? Peter parou ao lado de uma encosta suave, com árvores e moitas. Por trás dos arbustos, podiam ver os contornos superiores de uma tumba de pedra retangular. — Vi esse mesmo tipo de tumba na Terra Santa — comentou Peter. — Há várias na região da Galiléia. Ele fez uma pausa, como se um pensamento lhe ocorresse de repente. — O que foi? — indagou Maureen. — Acaba de me ocorrer que há uma tumba assim na estrada para Magdala. Parece muito com esta. Pode até ser idêntica. Foram andando pela beira da estrada, à procura da trilha que subia para a tumba. Descobriram que fora invadida pelo mato. Maureen parou e ajoelhou-se no início da trilha. — Olhe só para este mato crescido. Não é natural. Peter ajoelhou-se ao seu lado. Examinou a vegetação na entrada da trilha. — Tem razão. — Parece que alguém tentou deliberadamente esconder a trilha — comentou Maureen. — Pode ser coisa do dono do terreno. Talvez ele tenha se cansado de pessoas como nós invadindo sua propriedade. Quatrocentos anos de turistas podem levar qualquer um à loucura. Os dois subiram com todo o cuidado, passando por cima do mato e seguindo a trilha até o alto do outeiro. Quando a tumba retangular de granito estava bem na frente, Maureen ergueu a gravura do quadro de Poussin e comparou com a paisagem. O afloramento rochoso por trás da tumba aparecia no quadro pintado há quatrocentos anos. — É idêntica. Peter aproximou-se da estrutura e passou a mão. — Só que esta tumba é lisa. Não há inscrição. — Então a inscrição foi invenção de Poussin? Maureen deixou a pergunta pairar no ar, enquanto contornava a


tumba. Como a parte posterior da tumba estivesse coberta pelo mato, Maureen tentou remover as obstruções. Uma visão clara da parte posterior fez com que ela chamasse Peter: — Venha até aqui! Você tem de ver isto! Peter foi para o seu lado e ajudou-a a afastar o mato. Sacudiu a cabeça em incredulidade quando viu a causa do excitamento de Maureen. Gravada na parte de trás da tumba, havia um padrão de nove círculos, em torno de um disco central.

 Era idêntico ao desenho no anel antigo de Maureen.

 Maureen e Peter passaram a noite num pequeno hotel em Couiza, a poucos quilômetros de Arques. Tammy escolhera o hotel para eles, por causa de sua proximidade com um lugar enigmático chamado Rennes-le-Château, conhecido nos círculos esotéricos como “A Aldeia do Mistério”. Ela voaria para o Languedoc ao final da noite. Haviam combinado que se encontrariam no dia seguinte, para o café da manhã. Tammy entrou esfuziante no pequeno restaurante do hotel, onde Maureen e Peter tomavam café enquanto a esperavam. — Desculpem a demora. Meu vôo para Carcassonne atrasou e já passava de meia-noite quando cheguei aqui. Levei uma eternidade para dormir e não consegui acordar cedo. — Fiquei preocupada quando não recebi notícias suas ontem à noite — disse Maureen. — Veio guiando desde Carcassonne? — Não. Tenho outros amigos que irão à festa de Sinclair amanhã à noite e viajei com eles. Um deles mora aqui e foi nos buscar. Uma cesta com croissants foi posta na mesa. O garçom anotou o pedido de Tammy. Ela esperou que o garçom fosse para a cozinha antes de acrescentar:


— Agora, precisamos fazer o check-out esta manhã. Maureen e Peter ficaram perplexos. — Por quê? — perguntaram os dois, ao mesmo tempo. — Sinclair está furioso porque viemos para um hotel. Deixou um recado para mim ontem à noite. Ele tem quartos reservados no Château para todos nós. Peter parecia cauteloso. — Não gosto dessa idéia. — Ele virou-se para argumentar com Maureen. — Prefiro permanecer aqui. Acho que é mais seguro para você. O hotel é território neutro, um lugar para onde podemos nos retirar se acontecer alguma coisa que a deixe constrangida. Tammy ficou irritada. — Sabem quantas pessoas seriam capazes de matar por um convite assim? O Château é fantástico, é como um museu habitado. Você correrá o risco de ofender Sinclair se não aceitar, Maureen, e pode não querer isso. Ele tem muito a lhe oferecer. Maureen estava indecisa. Olhou de um para o outro. Peter tinha razão ao dizer que o hotel era um território neutro. Mas sua imaginação foi atiçada pela perspectiva de se hospedar no Château... e observar de perto o enigmático Berenger Sinclair. Tammy percebeu o dilema em que ela se encontrava. — Já expliquei que Sinclair não é perigoso. Ao contrário, acho que é um homem maravilhoso. — Ela olhou para Peter. — Mas se você sente diferente, lembre-se do ditado antigo: “É preciso manter os amigos por perto, mas os inimigos ainda mais perto.” Ao final do café da manhã, Tammy já os convencera a deixar o hotel. Peter observou-a com toda a atenção enquanto comiam, registrando para si mesmo que ela era uma mulher bastante persuasiva.


Rennes-le-Château, França 23 de junho de 2005

— Vocês nunca encontrariam este lugar pela primeira vez se alguém não mostrasse o caminho. — Tammy vinha dando as instruções do banco de trás. — Vire à direita ali. Está vendo aquela pequena estrada? Sobe a encosta para Rennes-le-Château. A estrada estreita era mal pavimentada, subindo em ziguezague, numa sucessão de curvas fechadas. No alto da encosta, uma placa quase oculta pelo mato alto anunciava o nome do pequeno povoado, — Pode estacionar ali. Tammy indicou uma clareira na entrada da pequena aldeia. Ao sair do carro, Maureen olhou para seu relógio. Deixou escapar uma exclamação de surpresa, antes de comentar: — E muito estranho. Meu relógio parou, embora eu tenha trocado a bateria pouco antes de deixar os Estados Unidos. Tammy riu. — A diversão já começou. O tempo assume um novo significado aqui, no alto da montanha mágica. Garanto que seu relógio voltará ao normal assim que deixarmos esta área. Peter e Maureen trocaram um olhar, enquanto seguiam Tammy. Ela não se deu ao trabalho de explicar. Apenas continuou a andar, olhando para trás uma vez, a fim de fazer um gracejo: — Senhoras e senhores, estão entrando agora na chamada Zona do Crepúsculo... Além da Imaginação. A aldeia proporcionava uma visão estranha, de uma terra que o tempo esquecera. Era surpreendentemente pequena e parecia deserta. — Alguém vive aqui? — perguntou Peter. — Claro. É uma aldeia em pleno funcionamento. Tem menos de duzentos habitantes, mas ainda assim é habitada. — É estranhamente quieta — comentou Maureen. — É sempre assim, até que ônibus de excursão descarreguem seus


passageiros — explicou Tammy. À direita, na entrada da aldeia, havia o que restava de um castelo, uma construção quase em ruínas, que dava o nome à localidade. — É o Château Hautpol. Era um baluarte dos Cavaleiros Templários durante as cruzadas. Estão vendo aquela torre? — Ela apontou para uma pequena torre decrépita. — Não se deixem enganar por sua localização remota e pelo estado em que se encontra. É conhecida como “a Torre da Alquimia”, um dos mais importantes marcos esotéricos da França. Talvez do mundo. — Será que você vai nos explicar por quê? Peter descobria que sua irritação era cada vez maior. Estava cansado de jogos envoltos por mistérios. Queria apenas que alguém lhe desse algumas respostas que fizessem sentido. — Claro que explicarei, mas não agora. Porque não vai significar nada até vocês conhecerem a história da aldeia. Deixarei isso por último. Prometo que contarei na hora de ir embora. Passaram por uma pequena livraria, à esquerda. Estava fechada, mas livros sobre ocultismo destacavam—se na vitrine. — Não é a sua aldeia rural católica típica, não é mesmo? — murmurou Maureen para Peter, enquanto Tammy seguia na frente. — Aparentemente, não é mesmo — concordou Peter, olhando para o estranho inventário de livros e o pentagrama desenhado na vitrine. Outra estranheza, na parede do outro lado da rua estreita, atraiu a atenção de Maureen, enquanto seguiam Tammy pelas ruas de calçamento de pedra da estranha aldeia. Gravado no lado de uma casa, ao nível dos olhos, podia ver o que parecia ser um relógio de sol. A peça central de metal havia muito caíra, deixando um buraco. Uma observação mais atenta mostrava que não havia nada de corriqueiro nas marcas. Começavam pelo número nove e continuavam até o número dezessete, com a meia hora indicada nos intervalos. Mas, sobre os números, havia uma série de símbolos arcanos. Peter olhou por


cima do ombro de Maureen, enquanto ela apontava os estranhos glifos. — O que você acha que significam? — perguntou ela. Tammy voltou, sorrindo como o gato que comeu sardinha. —

Vejo

que

encontraram

a

primeira

das

importantes

singularidades de RLC. — RLC? — Rennes-le-Château. É assim que todos chamam, porque o nome completo é muito comprido. Maureen tornou a se virar para o que fora gravado na parede. Peter fazia um exame atento. — Reconheço estes símbolos. São os planetas. Aqui estão a Lua e Mercúrio. Isto é o Sol? Ele apontava para um círculo com um ponto no centro. — Claro que é — respondeu Tammy. — E este é Saturno. Os outros símbolos são de astrologia. Aqui estão Libra, Virgem, Câncer e Gêmeos. Maureen teve uma idéia. — Escorpião está em algum lugar? Ou Sagitário? Tammy sacudiu a cabeça em negativa, mas apontou para o lado esquerdo do relógio de sol, que seria a posição de sete horas num relógio comum. — Não. Estão vendo aqui, onde as marcas param? É o planeta Sa turno. Se as marcas continuassem, no sentido anti-horário, teríamos Escorpião, depois Libra e Sagitário. — Por que pára num ponto tão estranho? — perguntou Maureen. — E o que isso significa? — acrescentou Peter, muito mais interessado numa resposta. Tammy ergueu as mãos, num gesto de quem não podia ajudar. — Achamos que é uma referência a um alinhamento planetário. Além disso, não sabemos mais nada. Maureen continuou a olhar. Lembrou o afresco de Botticelli no Louvre. Tentava determinar se havia alguma ligação com o escorpião no quadro. Queria compreender o possível uso daquele estranho relógio de


sol, se é que era isso mesmo. — É mais ou menos como “quando a Lua está na sétima casa e Júpiter alinha com Marte”? — Se vocês duas começarem a cantar “Age of Aquarius”, eu vou embora — anunciou Peter. Todos riram. Tammy explicou: — Mas ela está certa. Provavelmente é uma referência a um alinha mento planetário específico. E como está aqui, na frente de uma casa, proeminente, temos de presumir que fosse importante que todas as pessoas na aldeia soubessem disso. Tammy reiniciou a excursão. — O ponto focal da aldeia é o museu e toda a área do prédio. Fica bem à nossa frente. Ao final da rua estreita, havia uma exótica casa de pedra. Uma torre de formato estranho projetava-se para o céu a alguma distância, aderindo à encosta da montanha. — O mistério desta aldeia decorre de uma história muito estranha sobre um sacerdote famoso... ou melhor, infame... que viveu aqui, no final do século XIX, o abbé Berenger Saunière. — Berenger? Não é o primeiro nome de Sinclair? — perguntou Peter. Tammy balançou a cabeça em confirmação. — Isso mesmo. E não é por coincidência. O avô de Sinclair esperava, ao dar o mesmo nome ao neto, que ele herdasse algumas qualidades do homônimo... Saunière era destemido na proteção das histórias e mistérios locais, com uma devoção absoluta ao legado de Maria Madalena. Ela fez uma pausa, antes de continuar. — Seja como for, há várias lendas sobre o que o abbé encontrou aqui quando se empenhou em restaurar a igreja. Alguns acham que ele descobriu o tesouro perdido do templo de Jerusalém. Como o Château adjacente estava associado aos Cavaleiros Templários, é possível que usassem este remoto posto avançado para esconder os despojos da Terra


Santa. Quem procuraria por qualquer coisa valiosa aqui em cima? E alguns dizem que Saunière encontrou documentos de valor inestimável. O que quer que tenha sido, ele tornou-se muito rico, de maneira súbita e misteriosa. Gastou

milhões enquanto viveu, embora

ganhasse

o

equivalente a vinte e cinco dólares de salário como padre local. Então, de onde vinha todo o dinheiro que ele gastava? Tammy olhou para a torre. — Na década de 1980, três pesquisadores britânicos escreveram um livro sobre Saunière e sua riqueza misteriosa, que se tornou um bestseller. Saiu nos Estados Unidos com o título de Holy Blood, Holy Grail (O Santo Graal e a linhagem sagrada), e é considerado um clássico nos círculos esotéricos. A má notícia é que o livro criou uma obsessão de caça ao tesouro nesta região. Os recursos naturais foram saqueados, os pontos de referência locais foram vandalizados por fanáticos religiosos e caçadores de suvenires. Sinclair precisou até pôr guardas armados em sua propriedade para proteger a tumba. — A tumba de Poussin? — indagou Maureen. — Claro. É a parte central de todo o mistério por causa dos Pastores de Arcádia. — Visitamos a tumba ontem — disse Peter. — Não vi nenhum guarda. Tammy soltou uma risada, sonora e gutural. — Porque são bem-vindos na propriedade de Sinclair. Podem ter certeza de que ele sabe que estiveram ali. E se não quisesse que vissem a tumba, vocês saberiam. Chegaram ao prédio grande, que dominava a aldeia. Uma placa anunciava: “Villa Bethania — Residência de Berenger Saunière”. Quando passaram pelas portas do museu, Tammy sorriu e inclinou a cabeça para a mulher sentada a uma mesa, junto da entrada, que acenou com a mão para que eles passassem. — Não precisamos comprar ingressos? — indagou Maureen, ao ver a placa com os preços. — Não — respondeu Tammy. — Eles me conhecem aqui. Estou


usando o lugar como um cenário para um documentário sobre a história da alquimia. Passaram por mostruários de vidro com vestimentas sacerdotais usadas pelo abbé Saunière, no século XIX. Peter parou para examiná-las, enquanto Tammy continuava até o final do corredor. Ela parou junto de uma antiga coluna de pedra, onde havia uma cruz gravada. — É chamada de Coluna dos Cavaleiros. Acredita-se que a cruz foi gravada pelos visigodos, no século VIII. Era parte do altar da velha igreja. Quando o abbé Saunière tirou a coluna, durante as obras de restauração, encontrou alguns misteriosos pergaminhos codificados... ou pelo menos é o que dizem. Os pergaminhos expostos tinham cópias ampliadas, por decisão dos curadores do museu, para tornar o código mais óbvio. As letras dispersas sobressaíam em preto. Mas um exame mais atento indicava que não havia nada de aleatório em sua disposição. Maureen apontou para a frase “ET IN ARCADIA EGO”, em letras maiúsculas escurecidas. — Aqui está outra vez — comentou Maureen para Tammy. Ela olhou para Tammy. — O que isso significa? E alguma espécie de código? — Já ouvi pelo menos cinqüenta teorias diferentes sobre o significado dessa frase. E quase que foi a causa exclusiva da criação de uma indústria de construção de chalés. — Peter formulou uma teoria interessante no trem que nos trouxe até aqui. Achou que a referência era à aldeia de Arques. “Em Arques, a aldeia de Deus, eu estou.” Tammy ficou impressionada. — Bom palpite, padre. A convicção mais comum é a explicação do anagrama em latim. Se você muda as posições das letras, passa a ler I Tego Arcana Dei. Peter traduziu: — Eu escondo os segredos de Deus. — Isso mesmo. Não ajuda muito, não é? — Tammy riu. — Vamos sair. Quero que vejam a casa por fora. Peter ainda estava pensando na tumba de Poussin.


— Espere um instante. Isso não poderia insinuar que havia alguma coisa escondida dentro da tumba? Se juntar tudo, a frase seria mais ou menos o seguinte: “Em Arques, a aldeia de Deus, eu escondo os segredos.” Maureen e Peter esperaram pela resposta de Tammy. Ela fez uma pausa, pensando por um momento. — É uma teoria tão boa quanto qualquer outra que já ouvi. Infelizmente, a tumba foi aberta e revistada muitas vezes. O avô de

Sinclair

escavou

cada

palmo

da

propriedade

por

um

quilômetro quadrado ao redor da tumba. Berenger utilizou todo tipo de tecnologia imaginável à procura do tesouro enterrado... ultra-som, radar e outras coisas. — E nunca descobriram qualquer coisa? — perguntou Maureen. — Absolutamente nada. — Talvez alguém tenha chegado primeiro — sugeriu Peter. — O que me diz desse sacerdote chamado Saunière? Não poderia ser isso que o deixou tão rico? Um tesouro que ele descobriu? — É o que muitas pessoas acham. Mas quer saber de uma coisa engraçada? Depois de décadas de pesquisas, empreendidas por homens e mulheres muito determinados, ninguém sabe até hoje qual era o segredo de Saunière. Tammy levava-os por um pátio adorável, dominado por um chafariz de pedra e mármore. — Impressionante para um simples padre paroquial do século XIX — comentou Peter. — Não é mesmo? E há outro fato muito estranho. Embora o abbé Saunière tenha gasto uma fortuna para construir esta casa, nunca residiu aqui. Mais do que isso, recusava-se a fazê-lo. E acabou deixando a casa para sua... governanta. — Fez uma pausa antes de dizer governanta — ressaltou Peter. — Muitas pessoas acham que ela era mais do que a governanta de Saunière. Era sua parceira na vida. — Mas ele não era um sacerdote católico?


— Não julgue, padre. Este sempre foi meu lema. Maureen afastara-se um pouco, a atenção atraída por uma escultura desgastada pelo tempo. — De quem é a estátua? — Joana d'Arc — respondeu Tammy. Peter adiantou-se para examinar a estátua. — É isso mesmo. Ela está com sua espada e estandarte. Mas parece deslocada aqui. — Por quê? — perguntou Maureen. — Ela parece... muito tradicional. Um símbolo clássico do catolicismo francês. Mas parece não haver mais nada por aqui que seja remotamente convencional. — Joana... convencional? — Tammy deu outra risada. — Não por estas bandas. Mas deixaremos a lição de história para mais tarde. Querem ver uma coisa realmente heterodoxa? Vamos até a igreja.

 Mesmo ao calor e sol do verão, Rennes-le-Château era um lugar de estranheza e sombras. Maureen tinha a desconcertante sensação de ser seguida, de uma silhueta esgueirando-se em sua esteira a cada volta no jardim. Descobriu-se a virar rapidamente, em várias ocasiões, apenas para descobrir que não havia ninguém ali. A aldeia deixava-a nervosa... um lugar estranho em que seu relógio não funcionava, em que tinha a sensação de que alguém a seguia. Por mais fascinante que fosse, ficaria feliz ao sair dali, o mais cedo possível. Tammy levou-os para fora do jardim. Contornaram a casa. Através de outro pátio, ela divisou a entrada de uma velha igreja de pedra. — Esta é a igreja paroquial de RLC. Havia uma igreja consagrada a Maria Madalena neste local cuja origem remontava a mil anos. Saunière começou a reformá-la por volta de 1891, mais ou menos a ocasião em que teria encontrado os documentos misteriosos. Levou-os para Paris e logo depois se tornou um milionário. Usou o dinheiro para fazer alguns acréscimos insólitos à igreja.


Ao alcançarem a entrada da igreja, Peter parou para ler em voz alta a inscrição no lintel: — Terribilis est locus iste.


— Terribilis? — indagou Maureen. — Este lugar é terrível — traduziu Peter. — Reconhece, padre? — perguntou Tammy. — Claro. — Se Tammy queria testar seus conhecimentos bíblicos, pensou Peter, teria de se esforçar muito mais. — Gênesis, capítulo vinte e oito. Jacó diz depois de sonhar com a escada para o céu. — Por que um padre escolheria essa frase para inscrever na entrada de sua igreja? — indagou Maureen, olhando para Peter e Tammy à procura de uma resposta. — Talvez seja melhor dar uma olhada dentro da igreja antes de tentar responder. A sugestão foi de Tammy. Peter aceitou-a, entrando na igreja. — A escuridão é total aqui — avisou ele. — Espere um instante. — Tammy tirou uma moeda de euro da bolsa. — As luzes são acionadas por moedas. Ela inseriu a moeda na fenda de uma caixa ao lado da porta. As luzes fluorescentes acenderam. — Na primeira vez em que vim aqui, tentei ver a igreja no escuro. Trouxe uma lanterna na segunda vez. Foi então que um dos zeladores me mostrou a caixa de moeda. Dessa maneira, os turistas podem ajudar na manutenção da igreja. As luzes ficam acesas durante cerca de vinte minutos. — O que é isso? — indagou Peter. Enquanto Tammy explicava a situação da luz, Peter virara-se para ver a estátua de um hediondo demônio, agachado na entrada da igreja. — Esse é Rex. Oi, Rex. — Tammy afagou a cabeça da estátua, jovial. — Ele é como a mascote oficial de Rennes-le-Château. E como acontece com todo o resto aqui, há toneladas de teorias a seu respeito. Alguns dizem que é o demônio Asmodeu, o guardião dos segredos e tesouros ocultos. Outros dizem que é o Rex Mundi da tradição dos cátaros, e essa é a minha convicção. — Rex Mundi... o Rei do Mundo? — indagou Peter. Tammy acenou com a cabeça em confirmação. Explicou para


Maureen: — Os cátaros dominaram esta região na Idade Média. Há uma igreja aqui desde 1059, quando o catarismo estava no auge. Eles acreditavam que um ser inferior era o guardião do plano da Terra, um demônio que chamavam de Rex Mundi... o Rei do Mundo. Nossas almas estão empenhadas numa luta constante para derrotar o demônio Rex e alcançar o Reino de Deus, que é o domínio do espírito. Rex representa todas as tentações terrenas e físicas. — Mas o que ele faz numa igreja católica consagrada? — perguntou Peter. — Está sendo vencido pelos anjos, é claro. Olhe para cima. Havia estátuas de quatro anjos, fazendo o sinal-da-cruz, por cima das costas do demônio, no alto de uma fonte de água benta, moldada como se fosse uma enorme concha. Peter leu a inscrição em voz alta e depois traduziu: — Par ce signe tu le vaincrais. Por este sinal, tu o vencerás. — O bem derrota o mal. O espírito conquista a matéria. Os anjos prevalecem sobre os demônios. Heterodoxo, é verdade, mas très Saunière. — Tammy passou a mão pela cabeça de Rex. — Estão vendo isto? Alguém arrombou a igreja há alguns anos e cortou a cabeça de Rex. Esta é uma substituta. Ninguém sabe se era um caçador de suvenires ou um católico furioso, protestando contra um símbolo tão dualista num terreno consagrado. Ao que eu saiba, é a única estátua de um demônio numa igreja católica. E isso mesmo, padre? Peter acenou com a cabeça em confirmação: — Eu diria que não conheço qualquer coisa parecida numa igreja católica romana. É essencialmente uma blasfêmia. — Os cátaros, que dominaram esta região, eram dualistas. Acreditavam em duas forças divinas opostas, uma que trabalhava para o bem, empenhada em purificar a essência do espírito, e outra que trabalhava para o mal, acorrentada ao corrupto mundo material. Olhem para o chão aqui. Os ladrilhos que formavam o chão da igreja eram pretos e brancos,


dispostos como um tabuleiro de xadrez. — Outra das concessões de Saunière à dualidade... preto e branco, o bem e o mal. Mais toques excêntricos. Acho que Saunière era astuto como uma raposa. Nasceu a poucos quilômetros daqui e compreendia muito bem a mentalidade local. Sabia que sua congregação descendia de sangue cátaro e que tinha bons motivos para desconfiar de Roma, mesmo tantos séculos depois. Sem ofensa, padre. — Não me senti ofendido. — Peter estava se acostumando às provocações de Tammy. Pareciam sempre joviais e ele sinceramente não se importava. Começava até a apreciar seu comportamento excêntrico. — A Igreja lidou com a heresia catara de uma maneira muito rigorosa. Posso compreender por que ainda parece injuriosa para os habitantes locais. Tammy virou-se para Maureen: — A única cruzada oficial na história em que cristãos mataram outros cristãos. O exército do papa massacrou os cátaros, e ninguém por aqui jamais esqueceu esse fato. Assim, ao acrescentar elementos cátaros e gnósticos à sua igreja, Saunière criou um ambiente em que seu rebanho podia se sentir à vontade. Com isso, aumentou a freqüência e a lealdade. Deu certo. Os habitantes locais amavam-no a ponto de reverenciá-lo. Peter circulou pela igreja, absorvendo tudo. Cada elemento da ornamentação era bizarro. Era vulgar, exagerado e anticonvencional. Havia estátuas de gesso pintadas, de santos pouco conhecidos, como São Roque levantando a túnica para mostrar a perna ferida ou Santa Germana, apresentada como uma jovem pastora carregando um cordeiro. Em todas as obras de arte na igreja, havia alguma coisa irregular ou insólita. A que mais se destacava era uma escultura quase em tamanho natural do batismo de Jesus, mostrando João inclinado sobre ele... vestido incongruentemente em túnica e capa romana. — Por que alguém poria João Batista com as roupas de um romano? — indagou Peter. Uma sombra passou pelo rosto de Tammy, por um breve instante,


mas ela não respondeu. Em vez disso, prosseguiu em seu comentário, enquanto levava-os para o altar: — A lenda local diz que o próprio Saunière pintou algumas obras. Temos certeza de que ele foi responsável no mínimo pelo retábulo. Maureen seguiu Tammy até o lugar em que um baixo-relevo de Maria Madalena era o ponto focai do altar. Seus ícones habituais a cercavam: o crânio a seus pés, o livro ao seu lado. Ela olhava para uma cruz que parecia ser feita de uma árvore viva. Peter concentrou-se nas placas em alto-relevo que descreviam as estações da cruz. Como as estátuas, cada peça continha um detalhe estranho ou idiossincrasia, que era contrário à tradição da Igreja. Eles examinaram os elementos bizarros dentro da igreja, cada um se tornando mais uma peça no crescente mistério em torno deles. Inesperadamente, um clique forte ressoou pela igreja e eles ficaram mergulhados na total escuridão. Maureen entrou em pânico. As sombras que a seguiam, mesmo à luz do sol, eram sufocantes ali. Ela gritou por Peter. — Estou aqui! — gritou ele em resposta. — Onde você está? A acústica na igreja fazia com que o som ricocheteasse de um lado para outro, tornando impossível determinar a posição de qualquer pessoa. — Junto do altar! — berrou Maureen. — Está tudo bem! — gritou Tammy. — Não entrem em pânico. Nosso tempo esgotou... foi só isso. Tammy foi abrir a porta para deixar a luz do dia entrar, permitindo que Peter e Maureen se encontrassem na escuridão. Ela segurou-o e correu para a porta da frente. Deliberadamente, olhou para a esquerda, para não ver outra vez a estátua do demônio. — Sei que foi uma questão de mecânica, mas mesmo assim me deixou toda arrepiada. A igreja é muito... esquisita. Maureen tremia, apesar do sol do Languedoc, quase a pino. Aquela aldeia, que parecia de outro mundo, esquecida pelo tempo, era absolutamente desconcertante, fora de seu âmbito de experiência. Havia


uma sensação de caos sob a superfície ali. Embora a aldeia estivesse quase deserta, havia uma qualidade ensurdecedora em seu silêncio. Maureen olhou para o pulso e lembrou que o relógio parara por completo desde que chegara ali, um fato que aumentava ainda mais sua apreensão. Peter tinha muitas perguntas para Tammy, enquanto ela os levava de volta através do jardim e contornava a Villa Bethania. — Não posso imaginar que Saunière tenha feito tudo isso sem entrar em conflito com as autoridades eclesiásticas. — Ele teve problemas... e foram muitos — explicou Tammy. — Até tentaram afastá-lo, substituindo-o por outro padre, mas não deu certo. Os moradores não aceitavam mais ninguém, porque Saunière era um deles. Ele estava bem preparado para assumir o cargo, ao contrário do que você vai ler na maioria dos livros. É engraçado que supostas autoridades sobre RLC falem da vinda de Saunière para cá como uma espécie de ocorrência fortuita. Podem ter certeza de que nada do que acontece nesta região é coincidência. Há forças poderosas demais em ação aqui. — Refere-se a forças poderosas humanas ou forças poderosas sobrenaturais? — Ambas. Tammy gesticulou para que eles a seguissem. Encaminhou-se para uma torre de pedra na extremidade oeste da propriedade, na beira de um penhasco. — Vocês ainda não viram a pièce de résistance. A Tour Magdala. — Tour Magdala? — perguntou Maureen, intrigada com o nome. — A Torre de Madalena. Era a biblioteca particular de Saunière. Mas é a vista que vale o esforço. Eles

seguiram

Tammy

para

o

interior

da

pequena

torre.

Examinarem por um breve momento alguns itens pessoais de Saunière, em caixas de vidro, antes de subir os vinte e dois degraus para a plataforma de observação. A vista era espetacular. Tammy apontou para uma colina distante. — Podem ver aquela colina? É Arques. E no outro lado do vale fica


a lendária aldeia de Coustassa, onde outro sacerdote, um amigo de Saunière chamado Antoine Gelis, foi brutalmente assassinado em sua casa. Vasculharam a casa, e acredita-se que o assassino ou assassinos procuravam por alguma coisa mais importante do que dinheiro. Deixaram moedas de ouro em cima de uma mesa, mas levaram todos os documentos. O pobre velho já tinha mais de setenta anos. Foi encontrado no meio de uma poça de seu próprio sangue, assassinado com um atiçador de lareira e um machado. — Que coisa horrível! Maureen estremeceu, reagindo à história contada por Tammy, mas também ao local em que se encontravam. Por mais fascinada que estivesse por aquele lugar, também sentia uma certa repulsa. — Há pessoas dispostas a matar por esses mistérios — comentou Peter, incisivo. — Mas isso aconteceu há um século. Gosto de pensar que somos mais civilizados hoje em dia. — O que aconteceu com Saunière? Maureen conduziu a história de volta ao estranho sacerdote e seus misteriosos milhões. — As coisas se tornaram ainda mais estranhas. Ele sofreu um derrame dias depois de encomendar o próprio caixão. Diz a lenda local que um sacerdote de fora foi chamado para ministrar a extrema-unção, mas recusou-se a fazê-lo depois de ouvir a confissão final de Saunière. O Pobre coitado deixou Rennes-le-Château em profunda depressão e dizem que nunca mais tornou a sorrir. — O que será que Saunière contou para ele? — Ninguém sabe com certeza. Parece que a única exceção foi a suposta governanta, Marie Denarnaud, para quem Saunière deixou toda a sua riqueza... e seus segredos. Ela também morreu misteriosamente, alguns anos depois. Como se tornou incapaz de falar, nos últimos dias de sua vida, ninguém jamais soube o que foi dito. Tammy contemplou a vista sensacional. — É por isso que a aldeia passou a contar com uma próspera


indústria. Cem mil turistas visitam todos os anos este lugar tão atrasado. Muitos vêm por curiosidade, mas alguns estão determinados a encontrar o tesouro de Saunière. Ela foi até a beira da plataforma e olhou para o vale lá embaixo. — Não sabemos com certeza por que ele construiu a torre aqui, mas pode-se apostar que procurava alguma coisa. Não concorda, padre? Tammy piscou para Peter, depois recuou para a escada da torre.

 Enquanto os três seguiam para o carro, Maureen insistiu para que Tammy cumprisse a promessa anterior de explicar a Torre da Alquimia. Tammy hesitou, sem saber por onde começar. Havia inúmeros livros escritos sobre aquela região e ela passara anos pesquisando. Por isso era sempre difícil apresentar uma versão condensada. — Há alguma coisa nesta região que atrai as pessoas há milhares de anos. Tem de ser alguma coisa intrínseca, algo na própria terra. De que outra forma se explicaria o fato de existir uma atração universal que se estende por mais de dois mil anos de história e abrange as mais variadas convicções religiosas? Como tudo o mais aqui, há incontáveis teorias. É sempre divertido começar pelas mais absurdas... aquelas que garantem que tudo está ligado a alienígenas e monstros marinhos. — Monstros marinhos? — Peter riu junto com Maureen, enquanto fazia a pergunta. — Eu quase que poderia esperar por alienígenas, mas monstros marinhos? — Não estou brincando. Os monstros marinhos são uma presença constante nos mistérios locais. O que é estranho para uma região que não tem mar como esta, mas não tão bizarro quanto algumas histórias de disco-voador. Há alguma coisa por aqui que deixa as pessoas quase que literalmente loucas. E há ainda o elemento do tempo. Seu relógio continua parado? Maureen já sabia a resposta, mas mesmo assim olhou para baixo, a fim de ter a confirmação. O relógio continuava parado em 9:33 havia mais de uma hora. Ela balançou a cabeça.


— Provavelmente continuará parado até deixarmos a montanha — comentou Tammy. — Há alguma coisa que afeta os relógios, mecânicos e eletrônicos. Pode ser um dos motivos pelos quais tantas pessoas por aqui ainda usam relógio de sol, mesmo no século XXI. Não acontece com todo mundo, mas não dá para descrever quantos encontros estranhos já tive pessoalmente. Ela começou a contar uma de suas muitas histórias sobre os inexplicáveis elementos de tempo na área de Rennes-le-Château. — Eu vinha de carro para cá com alguns amigos. Verificamos os relógios dentro do carro, na base da colina. Quando chegamos lá em cima, o relógio do carro indicava que leváramos quase meia hora para cobrir a distância. Você guiou agora... quanto tempo durou, mesmo subindo devagar? Cinco minutos? A pergunta foi dirigida a Peter, que acenou com a cabeça em concordância. — Não muito mais do que isso. — Não é longe, talvez três quilômetros. Por isso pensamos que o relógio do carro tivesse algum problema, até que conferimos em nossos relógios. Meia hora havia mesmo passado. Todos sabíamos que não havíamos passado meia hora naquela estrada. Mas, de alguma forma, trinta minutos completos transcorreram até chegarmos ao topo da colina. Posso explicará Não. Foi como se tivesse ocorrido alguma distorção no tempo. Desde então, conversamos com inúmeras pessoas que tiveram a mesma experiência. Os moradores locais nem se dão mais ao trabalho de se preocupar com isso, porque já estão acostumados. Pergunte a respeito e eles dão de ombros, como se fosse a coisa mais normal do mundo. Ela fez uma pausa. — Mas muitas pessoas experimentaram fenômenos similares junto da Grande Pirâmide e dentro de alguns locais sagrados na GrãBretanha e Irlanda. O que acontece? É alguma espécie de força magnética? — Ou é alguma coisa intangível e por isso impossível de ser entendida por nossos débeis cérebros humanos? Tammy discorreu sobre as várias teorias que haviam sido


formuladas Por locais e equipes internacionais de pesquisadores, enumerando uma lista de possibilidades: as linhas ley (que ligam os pontos de poder), vórtices do tempo, terra oca, portais estelares. — Salvador Dali dizia que a estação ferroviária em Perpignan era o centro do universo, porque era o lugar em que se cruzavam essas forças magnéticas. — Qual é a distância daqui para Perpignan? — perguntou Maureen. — Cerca de sessenta quilômetros. Perto o bastante para tornar a cidade interessante, sem dúvida. Eu gostaria de respostas para tudo isso, mas não tenho. Ninguém tem. Lembram aquele meridiano que Sinclair mostrou na igreja de Saint-Sulpice em Paris? — A Linha de Madalena — disse Maureen. — Exatamente. Segue de Paris direto para esta área. Por quê? Porque há alguma coisa nesta região que transcende o tempo e o espaço. Creio que foi isso que atraiu os alquimistas de toda a Europa, por tanto tempo quanto alguém pode lembrar. — Eu já me perguntava quando voltaríamos à alquimia — comentou Peter. — Sinto muito, padre. Tenho uma tendência a falar demais. Mas também

nenhuma

dessas

explicações

é

simples.

Aquela

torre,

conhecida como a Torre da Alquimia, parece ter sido construída sobre um lendário ponto de poder. A Linha de Madalena passa por ali. A torre tem sido o local de incontáveis experimentos de alquimia. — Quando você fala em alquimia, está se referindo ao sistema de crença medieval de transformar enxofre em ouro? A pergunta foi de Maureen. — Em alguns casos, era isso mesmo. Mas qual é a verdadeira definição de alquimia? Se você quiser algum dia provocar uma tremenda briga, faça essa pergunta numa convenção de pensadores esotéricos. Haverá a maior confusão, pois nunca se encontrou uma resposta definitiva. Tammy enumerou os diversos tipos de alquimia. — Há os alquimistas científicos, aqueles que tentam por meios


físicos transformar materiais básicos em ouro. Alguns alquimistas científicos vieram para cá convencidos de que a própria magia da terra era o fator X mágico que procuravam para completar seus experimentos. Há também os filósofos, que acreditam que a alquimia é uma transformação espiritual, que converte os elementos básicos do espírito humano num eu áureo. Há esotéricos que exploram a idéia de que os processos alquímicos podem ser usados para alcançar a imortalidade e causar um impacto na natureza do tempo. Há ainda os alquimistas sexuais, que acreditam que a energia sexual cria um tipo de transformação quando dois corpos se fundem, usando uma combinação de métodos físicos e metafísicos. Maureen escutava atentamente. Queria saber mais sobre a perspectiva pessoal de Tammy. — E qual é a teoria que você endossa? — Pessoalmente, sou uma grande fã da alquimia sexual. Mas acho que todas são verdadeiras. É o que realmente penso. Na minha opinião, alquimia é, no fundo, um termo para designar o mais antigo conjunto de princípios que temos no mundo. Houve uma época em que essas normas eram compreendidas pelos antigos, como os arquitetos da Grande Pirâmide de Gizé. A pergunta seguinte foi de Peter: — Mas o que tudo isso tem a ver com Maria Madalena? — Para começar, acreditamos que ela tenha vivido aqui ou pelo menos passado algum tempo na região. O que nos leva a uma pergunta. Por que aqui? É um lugar remoto mesmo agora, com os modernos meios de transporte. Podem sequer imaginar como era tentar passar pelas montanhas no século I? O terreno era totalmente inóspito. Então por que ela escolheu este lugar? Logo aqui, com tantos outros para escolher? Porque há alguma coisa especial neste lugar. Tammy fez uma pausa. — Ah, já ia me esquecendo de mencionar que há outra alquimia que ocorre aqui... uma coisa que passei a chamar recentemente de Alquimia Gnóstica.


— Parece um título interessante para uma nova religião — comentou Maureen, avaliando o termo. — Ou para uma antiga. Mas há uma convicção aqui que se estende aos cátaros e talvez além, uma convicção de que esta região era o centro da dualidade. Que o Rei do Mundo, o velho Rex Mundi, vive aqui. O equilíbrio terreno de luz e trevas, bem e mal, ocorre nesta estranha aldeia e seus arredores imediatos. E em algum nível, esses dois elementos estão em guerra um com o outro, durante todo o tempo, aqui mesmo, sob nossos pés. Você acha que a aldeia é sinistra durante o dia? Não poderia me pagar para andar por estas ruas no meio da noite. Há alguma coisa muito importante neste lugar e nem tudo é bom. Maureen acenou com a cabeça para Tammy. — Também sinto isso. Portanto talvez Dali estivesse errado em cerca de sessenta quilômetros. Rennes-le-Château não poderia ser o verdadeiro centro do universo? Peter interveio, mais sério: — Isso poderia fazer sentido para os habitantes da França medieval, já que este era seu universo. Mas as pessoas ainda acreditam nisso hoje em dia? — Tudo o que posso lhe dizer é que há estranhas ocorrências aqui que ninguém é capaz de explicar e que acontecem durante todo o tempo. Aqui, em Arques, nas áreas ao redor, onde os castelos foram construídos. Alguns dizem que os cátaros construíram esses castelos como fortalezas de pedra contra as energias das trevas. Optaram por construí-los em cima de vórtices ou pontos de poder, onde podiam realizar cerimônias sagradas para controlar ou derrotar as forças das trevas. E todos os castelos têm torres, o que é significativo. Peter escutava atentamente. — Mas não seriam torres estratégicas, construídas para propósitos de defesa? — Claro. — Tammy balançou a cabeça enfática. — Mas isso não explica por que cada castelo tem lendas envolvendo a alquimia dentro de suas torres. As torres são conhecidas como lugares em que ocorreu


alguma espécie de magia ou transformação. O que se relaciona diretamente com o lema da alquimia, “como acima é abaixo”. As torres representam a Terra, porque assentam no solo, mas também representam o paraíso, porque se projetam para o céu. Assim, são locais apropriados para a realização de experimentos alquímicos. E como acontece com a torre de Saunière, todas foram construídas com vinte e dois degraus. — Por que vinte e dois? — perguntou Maureen, o interesse aguçado. —

Vinte

e

dois

é

um

número

mestre

e

os

elementos

numerológicos são críticos na alquimia. Os números mestres são onze, vinte e dois e trinta e três. Mas vinte e dois é o padrão que se encontra com mais freqüência nesta área, já que pertence à energia divina feminina. Vai notar que o dia de Maria Madalena no calendário da Igreja... — É o dia 22 de julho — declararam Peter e Maureen ao mesmo tempo. — Bingo. Portanto, para finalmente responder à sua pergunta, talvez tenha sido por isso que Maria Madalena veio para cá, porque conhecia os elementos de poder natural ou compreendia alguma coisa sobre a luta entre luz e trevas, como acontece aqui. A região não era desconhecida dos habitantes da Palestina. A família de Herodes tinha casas não muito longe daqui. Há até uma tradição segundo a qual a mãe de Maria Madalena seria do Languedoc. Portanto, de alguma forma, ela estava voltando para casa. Tammy olhou para a torre do Château Hautpol. — O que eu não daria para ser uma mosca imortal na parede daquela torre...

 Languedoc 23 de junho de 2005 Eles deixaram Tammy em Couiza, onde ela se reuniria a alguns


amigos para um almoço tardio. Maureen ficou desapontada porque Tammy só iria encontrá-los depois. Sentia-se nervosa ao se aproximar da casa de Sinclair sem um amiga comum para tornar a situação menos constrangedora. E podia também perceber a tensão de Peter. Ele fazia o melhor que podia para esconder, mas a tensão era evidente na maneira como as mãos apertavam o volante. Talvez ficar na casa de Sinclair fosse um erro, no final das contas. Mas já haviam assumido o compromisso e mudar de idéia agora seria uma grosseria e um insulto para o anfitrião. Maureen não queria correr esse risco. Sinclair era uma peça muito importante de seu quebracabeça. Peter cruzou com o carro alugado os enormes portões de ferro. Maureen notou, na passagem, que os portões eram ornamentados com enormes flores-de-lis douradas, entre cachos de uvas... ou, talvez, maçãs azuis. O caminho cheio de curvas subia por uma encosta, através da extensa e suntuosa propriedade que era Le Château de Pommes Bleues. Pararam na frente do castelo, aturdidos por um momento pelo tamanho e pela grandiosidade da construção. O castelo fora construído no século XVI e restaurado com todo o cuidado. Assim que saltaram do carro, o imponente mordomo de Sinclair, o gigante Roland, passou pela porta da frente. Dois criados de libré encaminharam-se para o carro, a fim de pegar a bagagem, obedecendo às ordens de Roland. — Bonjour, mademoiselle Paschal, abbé Healy. — Ele sorriu subitamente, a expressão abrandando o rosto, o que fez com que Maureen e Peter soltassem a respiração reprimida. — Sejam bem-vindos ao Château des Pommes Bleues. Monsieur Sinclair sente-se muito satisfeito por terem vindo.

 Maureen e Peter foram instados a esperar no vasto vestíbulo, enquanto Roland ia procurar o patrão. Não foi problema esperar ali, já que havia valiosas obras de arte e antiguidades de valor inestimável para admirar, equivalentes ao que se encontrava em muitos museus na


França. Maureen parou junto de uma caixa de vidro, que era o ponto focal do vestíbulo. Peter seguiu-a. Havia ali um cálice de prata maciço, todo ornamentado, e um crânio humano, num lugar de honra no relicário. O crânio estava embranquecido pelo tempo, mas ainda assim dava para perceber uma nítida rachadura no osso. Uma mecha de cabelos — esmaecida, mas ainda exibindo um óbvio pigmento vermelho — estava ao lado do crânio, dentro do cálice. — Os antigos acreditavam que os cabelos ruivos eram uma fonte de grande magia. Berenger Sinclair chegara por trás deles. Maureen teve um pequeno sobressalto ao ouvir a voz inesperada, mas no instante seguinte virou-se para comentar. — Os antigos nunca tiveram de estudar numa escola pública na Louisiana. Sinclair riu, um som céltico profundo. Estendeu a mão para passar um dedo pelos cabelos de Maureen, jovial. — Não havia meninos na sua escola? Maureen sorriu, mas no instante seguinte voltou a concentrar a atenção na relíquia na caixa de vidro, antes que ele pudesse vê-la corando. Ela leu em voz alta a placa dentro da caixa: — O crânio do rei Dagoberto II. — Um dos meus mais pitorescos ancestrais — comentou Sinclair. Peter estava fascinado e um pouco incrédulo. — São Dagoberto II? O rei merovíngio? Você é descendente dele? — Sou, sim. E seus conhecimentos de história são tão bons quanto seu latim. Estou impressionado. — Refresque minha memória. — Maureen exibia uma expressão tímida. — Desculpem, mas minhas lembranças da história francesa começam depois de Luís XIV Quem eram mesmo os merovíngios? Foi Peter quem respondeu: — Uma antiga linhagem de reis no território em que existem agora a França e a Alemanha. Reinaram dos séculos V a VIII. A linhagem acabou


com a morte deste Dagoberto. Maureen apontou para a rachadura no crânio. — Alguma coisa me diz que ele não morreu de causas naturais. — Não, não foi de causas naturais — respondeu Sinclair. — O afilhado enfiou uma lança em seu cérebro, através do olho, enquanto ele dormia. — E ainda falam na lealdade familiar — murmurou Maureen. — Por mais triste que possa parecer, ele optou pelo dever religioso acima da lealdade familiar, um dilema que atormentou muitos ao longo da história. Não é isso mesmo, padre Healy? Peter franziu o rosto pela insinuação percebida. — O que isso significa? Sinclair fez um gesto solene na direção de um escudo heráldico na parede: uma cruz cercada por rosas, sobre as quais havia uma inscrição em latim: ELIGE MAGISTRUM. — O lema de minha família. Elige Magistrum. Maureen olhou para Peter, à espera de um esclarecimento. Alguma coisa acontecia entre os dois homens que começava a deixá-la nervosa. — Escolha um mestre — traduziu Peter. Sinclair explicou: — O rei Dagoberto foi assassinado por ordem de Roma, já que o papa sentia-se preocupado com a sua versão de cristianismo. O afilhado de Dagoberto foi pressionado a escolher um mestre e optou por Roma, tornando-se assim um assassino da Igreja. — E por que a versão de cristianismo de Dagoberto era tão perturbadora? — indagou Maureen. — Ele acreditava que Maria Madalena era uma rainha e a esposa legítima de Jesus Cristo, e que ele descendia de ambos. Assim, tinha o direito divino dos reis de uma maneira que superava todos os outros poderes deste mundo. O papa na ocasião considerou que era ameaçador demais um rei acreditar nisso. Maureen sentiu um arrepio. Fez uma tentativa de manter a conversa amena, cutucando Peter e dizendo:


— Promete que não vai espetar nenhuma lança em meu olho enquanto durmo? Peter lançou-lhe um olhar de lado. — Lamento, mas não posso fazer promessa alguma. Elige Magistrum e todo o resto. Maureen lançou-lhe um olhar de horror zombeteiro e voltou a estudar o relicário de prata, ornamentado com o padrão refinado de florde-lis. — Para alguém que não é francês, você é um grande apreciador desse símbolo. — A flor-de-lis? Claro. Não esqueça que os franceses e escoceses foram aliados por centenas de anos. Mas minha razão para usá-la é diferente. É o símbolo... Peter arrematou a frase: — ...da trindade. Sinclair sorriu para os dois. — Isso mesmo. Mas me pergunto, padre Healy, se é o símbolo da sua trindade... ou da minha? Antes que Maureen ou Peter pudessem pedir uma explicação, Roland apareceu. Falou rapidamente com Sinclair, numa língua que parecia francês com uma dicção mediterrânea. Sinclair virou-se para seus hóspedes. — Roland os levará a seus quartos, para que possam descansar antes do jantar. Ele fez uma reverência elaborada, lançando uma piscadela para Maureen, antes de se retirar.

 Maureen entrou no quarto e ficou boquiaberta. A suíte era magnífica. Uma enorme cama com dossel em cortinas de veludo vermelho, onde estava bordada a onipresente flor-de-lis em dourado, dominava o espaço. Os outros móveis eram obviamente antigos, todos


dourados. Um retrato de Maria Madalena no deserto, do mestre espanhol Ribera, cobria uma das paredes do quarto, o rosto doce da Madona erguido para o céu. Pesados vasos de cristal Baccarat, cheio de rosas vermelhas e lírios brancos, estavam espalhados pelo quarto, fazendo lembrar os arranjos de flores que Sinclair mandara para o apartamento de Maureen em Los Angeles. —

Uma

mulher

pode

acabar

se

acostumando

com

um

tratamento desses — murmurou ela para si mesma. Foi nesse instante que uma criada bateu na porta e entrou para desarrumar sua bagagem.

 O quarto de Peter era menor que o de Maureen, mas ainda assim todo ornamentado e digno da realeza. Suas malas ainda não haviam chegado, mas ele tinha a bagagem de mão, que continha o suficiente para as necessidades imediatas. Tirou da bolsa preta a Bíblia encadernada em couro e o rosário de contas de cristal. Com o rosário na mão, Peter desabou na cama. Sentia-se cansado... esgotado da viagem e exausto por causa da tremenda responsabilidade pessoal que assumira com o bem-estar de Maureen, físico e espiritual. Aventurava-se agora por território desconhecido e isso deixava-o nervoso. Não confiava em Sinclair. Pior ainda, não confiava na reação da prima a Sinclair. O dinheiro e a aparência física do homem obviamente criavam uma mística que exercia uma forte atração sobre as mulheres. Mas pelo menos ele sabia que Maureen não era uma mulher que podia ser arrebatada com facilidade. Na verdade, Peter sabia que ela tivera bem poucos relacionamentos com homens. A visão romântica de Maureen fora prejudicada pelo ódio que sua mãe alimentava contra o seu pai. O fato do seu casamento desajustado ter acabado em tragédia era a razão que impelia Maureen a permanecer longe de qualquer coisa que se parecesse com um relacionamento com um homem.


Ainda assim, ela era mulher e era humana. E também muito vulnerável por causa de suas visões. Peter tencionava evitar que Sinclair usasse isso para manipular Maureen. Não tinha a menor idéia do quanto Sinclair já sabia — ou como ele sabia —, mas estava determinado a descobrir, o mais depressa possível. Peter fechou os olhos e começou a rezar, pedindo orientação. Porém as orações silenciosas foram interrompidas por um zumbido insistente. Ele tentou ignorar a vibração a princípio, mas finalmente desistiu. Atravessou o quarto até o lugar em que deixara a mala, abriu-a e pegou o celular.

 Por sorte, o quarto de Maureen ficava no mesmo corredor em que estava o quarto de Peter, caso contrário poderiam não se encontrar no vasto castelo de Sinclair. Maureen estava fascinada pela propriedade, absorvendo cada detalhe de arte e arquitetura enquanto atravessavam de uma ala Para outra. Queriam sair para investigar juntos o exterior do castelo, já que ainda faltavam algumas horas para o jantar. Ambos sentiam-se tão fascinados pelo ambiente em que se encontravam que não podiam deixar de explorá-lo. Enveredaram por um corredor largo, iluminado por luz natural, que entrava pela janela de uma vidraça de cristal. Um mural enorme e extraordinário, descrevendo uma cena da crucificação um tanto abstrata, adornava toda a extensão do corredor. Maureen parou para admirar a obra. Ao lado do Cristo crucificado, uma mulher com um véu vermelho erguia três dedos, enquanto uma lágrima escorria por seu rosto. Estava de pé ao lado de uma massa de água — um rio? — de onde saltavam pelo ar três peixes pequenos, um vermelho e dois azuis. Tanto o padrão dos três peixes quanto os dedos levantados da mulher repetiam o desenho da flor-de-lis, de uma forma abstrata. Havia incontáveis detalhes no mural, que era refinado e obviamente moderno. Maureen tinha certeza de que eram todos simbólicos, mas


levaria horas para examinar cada um... e provavelmente anos para compreendê-los. Peter recuou para contemplar a cena da crucificação, que era linda em sua simplicidade. O céu por cima da cruz era obscurecido pelo que parecia ser um sol negro. Um raio riscava o céu. — Não acha que parece com o estilo de Picasso? — murmurou Peter. O anfitrião apareceu na extremidade do corredor. — É de Jean Cocteau, o artista mais prolífico da França e um dos meus heróis pessoais. Ele pintou o mural quando era hóspede de meu avô. Maureen ficou espantada. — Cocteau esteve aqui? Incrível! Este castelo deve ser um tesouro nacional para a França. Todas as obras de arte são fenomenais. O quadro em meu quarto... — O Ribera? E meu retrato predileto de Madalena. Capta sua beleza e graça divina mais do que qualquer outro. E mesmo excepcional. Peter estava incrédulo. — Mas não pode estar dizendo que é um quadro original! Vi o original... exposto no museu do Prado. — Mas é de fato original. Ribera pintou-o a pedido do rei de Aragão. Para ser mais preciso, pintou dois quadros. E você tem toda a razão, pois o menor está no Prado. O rei espanhol deu este quadro aqui a um de meus ancestrais, como um pedido de paz, a um membro da família Stuart. Como poderão ver, as belas-artes têm uma forte ligação com a Senhora. Mostrarei outros exemplos durante o jantar. Mas se não se importam que eu pergunte, para onde iam agora? Foi Maureen quem respondeu: — Íamos sair para uma volta antes do jantar. Avistei algumas ruínas no alto da colina quando chegamos e eu queria examiná-las mais de perto. — Uma excelente idéia. Eu teria o maior prazer em servir como guia. Se a proposta for aceitável para o padre Healy, é claro.


— Claro que é. Peter sorriu, mas Maureen notou a tensão nas extremidades de seus lábios quando Sinclair segurou-a pelo braço.

 Roma 25 de junho de 2005

O sol brilhava em Roma mais forte do que em qualquer outro lugar do mundo, ou pelo menos era o que sentia o bispo Magnus O'Connor ao caminhar sobre as pedras abençoadas da basílica de São Pedro. Ele quase entrara em êxtase pela honra de ter acesso à capela particular. Ao entrar em chão consagrado, ele parou diante da estátua de mármore de Pedro, segurando as chaves da igreja. Beijou os pés descalços do santo. Depois, foi até a frente da igreja e sentou-se no primeiro banco. Deu graças ao Senhor por trazê-lo àquele lugar sagrado. Rezou por si mesmo, por seu bispado e pelo futuro da Santa Madre Igreja. Depois de completar suas devoções, Magnus O'Connor foi para a sala do cardeal Tomas DeCaro, levando as pastas de arquivos vermelhas que haviam garantido seu ingresso no Vaticano. — Está tudo aqui, Sua Eminência. O cardeal agradeceu. Se O'Connor esperava um convite do cardeal para uma longa conversa, ficou bastante desapontado. O cardeal DeCaro dispensou-o com um aceno de cabeça brusco, sem dizer mais nada. DeCaro estava ansioso em examinar o conteúdo das pastas, mas preteria fazê-lo, naquela primeira vez, sem platéia. Ele abriu a primeira das pastas, todas marcadas com o mesmo nome, em letras pretas maiúsculas: EDOUARD PAUL PASCHAL.


... Ainda não escrevi sobre a Grande Mãe, a Grande Maria. Esperei durante todo esse tempo pois, com freqüência, especulei se teria as palavras certas para fazer justiça à sua bondade, sabedoria e força. Na vida de cada mulher, haverá sempre a influência e os ensinamentos de uma mulher que se destaca, suprema. Para mim, esse foi o papel da Grande Maria, a mãe de Easa. Minha própria mãe morreu quando eu era muito pequena. Não me lembro dela. E, embora Marta tenha sempre cuidado de mim e atendido às minhas necessidades, como uma irmã deve fazer, foi a mãe de Easa quem me proporcionou a instrução espiritual. Ela alimentou minha alma e me ensinou as muitas lições de compaixão e perdão. Fez-me ver o que era se portar como uma rainha e instruiu-me em relação aos comportamentos apropriados a uma mulher com o destino marcado. Quando chegou o momento de assumir o véu vermelho e me tornar uma verdadeira Maria, eu estava preparada. A Grande Maria foi um modelo de obediência, mas era uma obediência que atendia apenas ao Senhor. Ouvia as mensagens de Deus com absoluta clareza. Seu filho tinha a mesma capacidade e foi por isso que se distinguiram dos outros, que também vieram de um nascimento nobre. Isso mesmo, Easa era um filho do leão, o herdeiro da Casa de Davi. Sua mãe descendia da grande casta sacerdotal de Aarão. Ela nasceu rainha e Easa, rei. Mas não foi pelo sangue que se distinguiam dos outros; foi por seu espírito, pela força de sua fé na mensagem de Deus para nós. Não fizesse eu qualquer outra coisa que não andar à sua sombra por todos os meus dias, teria sido, ainda assim, abençoada. A Grande Maria foi a primeira mulher a ter a dádiva do lúcido conhecimento divino. Isso representava um desafio para os altos sacerdotes, que não sabiam como aceitar uma mulher com tanto poder. Mas não podiam condená-la. A Grande Maria pertencia a uma linhagem de sangue imaculada, e era dona de um coração e espírito acima de qualquer censura. Sua reputação impecável era conhecida


através de muitas terras. Homens de poder temiam-na, pois não podiam controlá-la. Ela apenas respondia a Deus. O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO DOS DISCÍPULOS


CAPÍTULO OITO

Château des Pommes Bleues 23 de junho de 2005

Sinclair levou Maureen e Peter por um caminho calçado com pedras, que os afastava da vasta construção. Estavam cercados por contrafortes de rocha vermelha, coroados pelas ruínas de um castelo numa escarpada

colina próxima. Maureen absorvia o cenário

espetacular. — Este lugar é impressionante. Irradia uma sensação mística. — Estamos no coração do território dos cátaros. Toda esta região foi outrora dominada pelos cátaros. Os Puros. — Por que se chamavam assim? — Seus ensinamentos vinham de Jesus Cristo por uma linha pura e ininterrupta. Por intermédio de Maria Madalena. Ela foi a fundadora do catarismo. Peter exibiu uma expressão de total ceticismo, mas foi Maureen quem expressou a dúvida: — Por que nunca li sobre isso em parte alguma? Berenger Sinclair limitou-se a rir, nem um pouco preocupado se lhe davam crédito ou não. Era um homem tão seguro de suas convicções e tão confiante em si mesmo que a opinião dos outros não tinha a menor importância. — Não leu e nunca vai ler. A verdadeira história dos cátaros não se encontra em qualquer livro de história. Não se pode pesquisá-la com autenticidade em qualquer outro lugar que não aqui. A verdade dos cátaros só é encontrada nas rochas vermelhas do


Languedoc, não fora daqui. — Eu adoraria ler sobre eles — comentou Maureen. — Pode recomendar alguns livros que considere autênticos? Sinclair deu de ombros e sacudiu a cabeça. — São bem poucos e praticamente nenhum dos que merecem crédito foi traduzido. A maioria dos livros sobre a história dos cátaros baseia-se em confissões extraídas durante tortura. Quase todos os relatos medievais sobre o povo cátaro foram escritos por seus inimigos. Até que ponto você acha que esses relatos são acurados? Eu esperava que você compreendesse esse princípio, Maureen, com base em sua reavaliação da história. Nenhuma prática cátara autêntica jamais foi registrada por escrito. Suas tradições são passadas de uma geração para outra pelas famílias desta região há dois mil anos, mas são tradições orais, protegidas com a maior determinação. — Tammy não disse que houve uma cruzada oficial contra eles? — indagou Maureen, enquanto continuavam a seguir pelo caminho sinuoso, entre rochas vermelhas. Sinclair confirmou com um aceno de cabeça. — Um ato brutal de genocídio, com o massacre de mais de um milhão de pessoas, desfechado por um papa que ironicamente tinha o nome de Inocêncio III. Já ouviram falar da frase “Matem-nos e deixem que Deus os identifique”? Maureen ficou toda arrepiada. — Já, sim. E a expressão de um sentimento bárbaro. — Foi expresso pela primeira vez no século XIII, pelas tropas papais que massacraram os cátaros em Béziers. Para ser mais preciso, eles disseram: “Neca tos omnes. Deus suos agnoset.” O que pode ser traduzido como “Matem todos. Deus reconhecerá os seus”. Ele virou-se abruptamente para Peter. — Reconhece? Peter sacudiu a cabeça, sem saber aonde Sinclair queria chegar, mas relutante em cair na armadilha intelectual. — E emprestado de São Paulo. Timóteo II, versículo dois. “O Senhor


conhece os seus.” Peter ergueu a mão para deter Sinclair. — Não pode culpar Paulo porque suas palavras foram distorcidas. — Não posso? Pois acho que acabei de fazê-lo. A verdade é que tenho Paulo atravessado na garganta. Não é por acaso que nossos inimigos têm usado suas palavras contra nós por muitos séculos. É o começo de tudo. Maureen tentou aliviar a crescente tensão entre os dois, levando Sinclair de volta à história local. — O que aconteceu em Béziers? — Neca eos omnes. Matem todos. E foi exatamente o que os cruzados fizeram em nossa linda cidade de Béziers. Passaram todos na espada... do mais idoso ao bebê recém-nascido. Ninguém foi poupado pelos carniceiros. Talvez cem mil pessoas tenham sido assassinadas só nesse sítio. A lenda diz que nossas colinas estão vermelhas até hoje em luto pelos inocentes massacrados. Caminharam em silêncio por alguns momentos, em respeito pelas almas partidas. Os massacres haviam ocorrido quase oito séculos antes e mesmo assim havia uma sensação de espíritos perdidos por toda parte, uma presença que pairava em cada brisa que soprava pelos contrafortes dos Pireneus. Ali era e seria sempre o território dos cátaros. Sinclair continuou em sua preleção: — É claro que muitos cátaros escaparam, refugiando-se na Espanha, Alemanha e Itália. Preservaram seus segredos e ensinamentos, mas ninguém sabe o que aconteceu com seu maior tesouro. — E o que era esse tesouro? — indagou Peter. Sinclair olhou ao redor, a ligação inextricável com a terra era evidente em sua expressão. O lugar e sua história estavam gravados em sua alma. Não importava quantas vezes ele relatasse aquelas histórias, cada relato revelava sua paixão incomparável. — Há muitas lendas sobre os tesouros cátaros. Alguns dizem que era o Santo Graal, outros alegam que era a verdadeira mortalha de Cristo ou a coroa de espinhos. Mas o tesouro era um dos dois livros mais sagrados já escritos. Os cátaros eram os guardiões d'0 Livro do Amor, o


único evangelho verdadeiro. Ele fez uma pausa, para ênfase, antes de acrescentar o ponto de exclamação: — O Livro do Amor é o único evangelho verdadeiro porque foi todo escrito pela mão do próprio Jesus Cristo! Peter parou abruptamente ao ouvir essa revelação. Ficou olhando aturdido para Sinclair. — Qual é o problema, padre Healy? — Não lhe ensinaram sobre O Livro do Amor no seminário? Maureen também estava incrédula. — Acha mesmo que esse livro existiu? — Tenho certeza que existiu. Foi trazido da Terra Santa por Maria Madalena e deixado com extrema cautela para seus descendentes. É bastante provável que O Livro do Amor tenha sido o verdadeiro impulsionador das cruzadas contra os cátaros. A Igreja estava desesperada para se apoderar do livro... mas não para protegê-lo e guardá-lo, posso assegurar. — A Igreja nunca danificaria uma coisa tão sagrada e valiosa — protestou Peter. — Não? E se esse documento pudesse ser autenticado? E se esse documento autenticado contestasse não apenas muitos dos postulados, mas também a própria autoridade da Igreja? E pela mão do próprio Cristo? O que aconteceria neste caso, padre? — Tudo isso é pura especulação. — Você tem direito à sua opinião, assim como eu também tenho direito à minha. Só que a minha baseia-se no conhecimento de fatos altamente resguardados. Mas para continuar com minha... especulação, a Igreja teve êxito em sua busca, de certa forma. Depois da perseguição aos cátaros, os Puros foram obrigados a se esconder e O Livro do Amor desapareceu para sempre. Bem poucas pessoas hoje em dia sequer sabem que existiu. É uma tarefa e tanto... eliminar da história a existência de uma coisa tão poderosa. Peter se mantivera em profunda concentração enquanto Sinclair


falava. Só depois de refletir por mais um minuto é que ele deu uma resposta: — Você disse que o tesouro era um dos dois livros mais sagrados que já foram escritos. Se o evangelho escrito pelo próprio Jesus é um desses livros, qual seria o outro? Berenger Sinclair parou e fechou os olhos. Os ventos do verão sopravam, desmanchando seus cabelos. Ele respirou fundo, depois abriu os olhos e fitou Maureen, ao responder: — O outro é o Evangelho segundo Maria Madalena, um relato puro e perfeito de sua vida com Jesus Cristo. Maureen ficou paralisada. Olhava para Sinclair, absorvida por sua expressão de intensa paixão. Peter rompeu o encantamento: — Os cátaros alegavam que também tinham esse livro em seu poder? Sinclair desviou os olhos de Maureen depois de mais um segundo. Balançou a cabeça ao responder: — Não, não alegavam. Ao contrário d'O Livro do Amor, que teve testemunhas

históricas,

ninguém

jamais

viu

o

Evangelho

de

Madalena. Provavelmente porque nunca foi encontrado. Acredita-se que esteja escondido perto da aldeia de Rennes-le-Château, que vocês visitaram. Tammy mostrou a Torre da Alquimia? Maureen acenou com a cabeça em confirmação. Peter estava ocupado demais tentando imaginar como Sinclair sabia tanto sobre os seus movimentos. Maureen não se importava com isso, estava fascinada pela história viva... e pelo amor desconcertante que Sinclair demonstrava por essa história. — Ela mostrou, mas ainda não compreendo por que é tão importante. — É importante por muitas razões. Mas para os nossos propósitos, aqui e agora, alguns acreditam que Maria Madalena viveu e escreveu seu evangelho no local em que está a torre. Depois, escondeu os documentos numa caverna, para que ali permanecessem até chegar o momento de revelar sua versão dos acontecimentos.


Sinclair apontou para uma série de enormes buracos, parecendo cavernas, nas montanhas ao redor. — Estão vendo aquelas crateras? São cicatrizes deixadas pelos caçadores de tesouros durante os últimos cem anos. — A procura desses evangelhos? A risada de Sinclair foi curta e amarga. — Ironicamente, a maioria nem sequer sabe o que procura. Não tem a menor idéia. Muitos conhecem a lenda do tesouro cátaro ou leram um dos muitos livros sobre Saunière e sua misteriosa riqueza. Mas a maioria não sabe o que é. Alguns acham que é o Santo Graal ou a Arca da Aliança, enquanto outros têm certeza de que é o tesouro saqueado do Templo de Jerusalém ou o estoque de ouro dos visigodos deixado numa caverna secreta. Ele fez uma pausa. — Diga a palavra tesouro e seres humanos até então racionais tornam-se no mesmo instante selvagens incontroláveis. Pessoas vieram para cá, do mundo inteiro, durante séculos, no empenho de deslindar os mistérios do Languedoc. Já vi isso acontecer muitas vezes. Caçadores de tesouros usaram dinamite para criar aquelas cavernas lá em cima. Sem minha permissão, posso acrescentar. Sinclair apontou para outras cavernas nas encostas e depois continuou em sua explicação: — Proteger a natureza do tesouro tornou-se, para os cátaros, tão importante quanto o próprio tesouro. E por isso que bem poucas pessoas nesta era moderna sequer sabem que os evangelhos existiram. Podem imaginar o que seria feito com a nossa terra, se as pessoas descobrissem a natureza sagrada e de valor inestimável do verdadeiro tesouro.

 Sinclair contou outras lendas locais sobre o tesouro, além de relatar as histórias mais sórdidas de caçadores que devastaram os recursos naturais da região. Disse que os nazistas haviam enviado


equipes durante a guerra, num esforço para descobrir artefatos ocultos, que acreditavam estar enterrados na região. Até onde se sabia, as tropas de Hitler não foram bem-sucedidas em sua busca, deixando a região de mãos vazias... e perderam a guerra pouco depois. Peter mantinha-se retraído e calado, contentando-se em ficar em segundo plano, enquanto absorvia a vasta gama de informações. Mais tarde, analisaria os detalhes, a fim de determinar o quanto era potencialmente verdadeiro e o quanto não passava de romantismo do Languedoc. Seria fácil se deixar absorver por lendas do Graal e de manuscritos sagrados perdidos, num lugar tão agreste e místico quanto aquele. Peter sentiu sua pulsação acelerar à mera idéia da existência daqueles documentos. Maureen caminhava ao lado de Sinclair, escutando com o máximo de atenção. Peter não sabia se era Maureen, a jornalista, ou Maureen, a mulher solteira, quem absorvia ansiosa cada palavra de Sinclair. Mas sua atenção era extasiada, totalmente concentrada no carismático escocês. Ao fazerem uma curva no caminho, no alto de uma pequena colina, uma torre de pedra surgiu de repente na encosta. Tinha o equivalente a vários andares de altura, singular e incongruente na paisagem rochosa. — Parece com a torre de Saunière! — exclamou Maureen. — Nós a chamamos de “Loucura de Sinclair”. Foi construída por meu bisavô. E foi mesmo baseada na torre de Saunière. Nossa vista não é tão espetacular quanto a que se tem em Rennes-le-Château, porque estamos numa posição mais baixa, mas ainda assim é adorável. Querem ver? Maureen olhou para o distraído Peter, a fim de verificar se ele queria explorar. Mas Peter sacudiu a cabeça em negativa. — Ficarei esperando aqui embaixo. Podem subir. Sinclair tirou uma chave do bolso e abriu a porta da torre. Entrou na frente. Subiram por uma escada íngreme, em espiral. Ele abriu uma porta no alto e gesticulou para que Maureen saísse na frente. A vista do território cátaro e dos antigos castelos em ruínas, a distância, era magnífica. Maureen apreciou-a por um momento, antes de


perguntar a Sinclair: — Por que ele construiu a torre? — Pela mesma razão de Saunière. Ter a perspectiva de uma ave. Eles acreditavam que se podia divisar muitos segredos do alto. Maureen inclinou-se sobre o parapeito. Deixou escapar um grunhido de frustração. — Por que tudo é um enigma? Você prometeu respostas, mas até agora só suscitou mais indagações. — Por que não pergunta às vozes em sua cabeça? Ou melhor ainda, à mulher em suas visões? Foi ela quem trouxe você até aqui. Maureen estava aturdida. — Como soube da mulher? O sorriso de Sinclair era insinuante, mas não presunçoso. — Você é uma mulher com o sangue Paschal. Era de se esperar. Conhece as origens do nome de sua família? — Paschal? Meu pai nasceu na Louisiana, de descendência francesa, como todo mundo no Bayou. — Cajun? Maureen balançou a cabeça em concordância. — Pelo que sei, ele morreu quando eu era pequena. Não lembro muita coisa dele. — Sabe de onde vem a palavra Cajun? Arcadian. Os franceses que colonizaram a Louisiana eram chamados de arcadianos. No dialeto local, evoluiu para Cajun. Alguma vez procurou a palavra “paschal” num dicionário de inglês? Maureen observava-o atentamente, curiosa, mas cada vez mais cautelosa. — Não. Nunca procurei. — Surpreende-me que alguém com sua capacidade de pesquisa saiba tão pouco sobre o nome de sua família. Maureen desviou os olhos ao falar de seu passado. — Quando meu pai morreu, mamãe me levou para viver com a família dela na Irlanda. Não tive mais qualquer contato com a família de


meu pai depois disso. — Mesmo assim, seu pai ou sua mãe deve ter tido uma premonição de seu futuro.

.

— Por que diz isso? — Seu nome, Maureen. Sabe o que significa? O vento quente soprou de novo, desmanchando os cabelos ruivos de Maureen. — Claro. É a palavra irlandesa para “pequena Maria”. Peter sempre me chama assim. Sinclair deu de ombros, como se tivesse acabado de confirmar o que queria. Olhou para a paisagem do Languedoc. Maureen seguiu seu olhar, até uma série de rochedos maciços, dispersos por uma extensa planície coberta pela relva.

 O sol do verão incidiu sobre alguma coisa a distância. O reflexo fez com que Maureen tivesse uma reação de surpresa, como se avistasse algo na planície. Sinclair parecia muito interessado no que Maureen via. — O que foi? — Nada. — Maureen sacudiu a cabeça. — Apenas... o sol nos meus olhos. Sinclair não estava disposto a se contentar com essa resposta. — Tem certeza? Maureen hesitou por um longo momento, enquanto olhava outra vez para a planície. Balançou a cabeça, antes de fazer a pergunta que martelava em sua mente: — Toda essa conversa sobre o nome de minha família... Quando vai me mostrar a carta de meu pai? — Creio que você terá uma noção melhor quando esta noite terminar.


Maureen voltou a seu suntuoso quarto no castelo, para tomar banho e trocar de roupa para o jantar. Ao sair do banheiro, notou uma coisa que não vira ao entrar. Havia na cama um livro de capa dura. Era um dicionário de inglês, aberto na letra “P”. A palavra “paschal” fora circulada com tinta vermelha. Maureen leu a definição. Paschal [pascal] — Qualquer representação simbólica de Cristo. O Cordeiro Pascal é o símbolo de Cristo e da Páscoa.


Fui informada por muitos sobre esse homem que era chamado de Paulo. Ele foi causador de muitos conflitos entre os eleitos. Alguns percorreram a longa distância desde Roma e do Éfeso para me consultar a respeito desse homem e suas palavras. Não cabe a mim julgar, nem posso dizer o que havia em sua alma, pois não o conheci em carne e osso, não o fitei nos olhos. Mas posso afirmar, sem qualquer dúvida, que esse homem, Paulo, nunca se encontrou com Easa. Fiquei consternada ao saber que ele falava em nome de Easa e ao saber de tudo o que ensinava sobre a luz e a bondade que constituem O Caminho. Havia muitas coisas nesse homem que eu acreditava serem perigosas. Ele havia sido aliado dos mais rigorosos seguidores de João, todos

os

homens

que

menosprezavam

Easa.

Opunham-se

aos

ensinamentos sobre O Caminho que eram pregados por ele. Fui também informada que era antes conhecido como Saulo de Tarso, e que costumava perseguir os eleitos. Permaneceu imóvel, enquanto um jovem seguidor de Easa, chamado Estevão, dono de um coração repleto de amor, era apedrejado. Há aqueles que dizem que esse Saulo atiçou a multidão para apedrejar Estevão, que foi o primeiro a morrer, depois de Easa, por sua fé n'O Caminho. Mas estava longe de ser o último. Por causa de homens como Saulo de Tarso. Havia muitos motivos para ter cuidado com ele. O EVANGELHO

DE

ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO DOS DISCÍPULOS


CAPÍTULO NOVE

Château des Pommes Bleues 23 de junho de 2005

A sala de jantar que Sinclair escolheu para aquela noite foi sua sala privada, menos formal que o vasto salão de jantar do castelo. A sala era ornamentada com reproduções das mais famosas obras de Botticelli. As duas versões das obras-primas conhecidas como Lamentações cobriam a maior parte de uma parede, mostrando Jesus crucificado na posição da Pietà, estendido no colo da mãe. Na primeira versão, sua cabeça é aninhada por uma chorosa Maria Madalena; na segunda, ela segura seus pés. Três dos quadros mostrando a Madona do mestre da Renascença, Madona da Romã, Madona do Livro e Madona do Magnificat, estavam pendurados, em molduras douradas, nas duas outras paredes. Maureen e Peter só desviaram a atenção dos quadros quando viram que um tradicional banquete do Languedoc lhes fora reservado. Terrinas borbulhantes de cassoulet, o guisado de feijão-branco com carne de carneiro e de porco, foram trazidas pelas criadas, para ser comido junto com o pão crocante em cestas na mesa. Um vinho tinto de Corbières esperava para ser servido. — Sejam bem-vindos à sala de Botticelli — disse Sinclair, ao entrar. — Sei que desenvolveram uma afinidade recente pelo nosso Sandro. Maureen e Peter fitaram-no em silêncio, surpresos. — Você tem nos seguido? — perguntou Peter. — Claro — respondeu Sinclair, como se isso não tivesse a menor importância. — E devo admitir que senti o maior prazer e fiquei


bastante

impressionado

quando

foram

parar

nos

afrescos

do

casamento. Nosso Botticelli era totalmente devotado a Madalena, o que se torna óbvio em suas obras mais famosas. Como esta. Sinclair apontou para a réplica de O nascimento de Vênus, de Botticelli, mostrando a deusa nua a emergir das ondas numa concha. — Este quadro representa a chegada de Maria Madalena às praias da França. Ela é mostrada com freqüência como a Deusa do Amor na pintura da Renascença, o que tem uma forte associação com o planeta Vênus. — Já vi esse quadro pelo menos uma centena de vezes — comentou Maureen. — Não tinha a menor idéia de que era Maria Madalena. — Poucas pessoas sabem disso. Nosso Botticelli era um elemento importante numa organização toscana dedicada a preservar seu nome e memória,

a

Confraria

de

Maria

Madalena.

Compreenderam

os

simbolismos dos afrescos que viram no Louvre? Maureen hesitou. — Não tenho certeza. — Dê um palpite. — Meu primeiro pensamento foi a astrologia, ou pelo menos a astronomia. O escorpião representava a constelação de Escorpião, enquanto o arco do arqueiro representava Sagitário. — Bravo. Creio que acertou em cheio. Já ouviu falar do Zodíaco do Languedoc? — Não. Mas já ouvi falar do Zodíaco de Glastonbury, na Inglaterra. São similares? — São, sim. Se puser um mapa das constelações sobre esta região, vai descobrir que cidades diferentes estão dentro de determinadas constelações. A mesma coisa acontece em Glastonbury. Peter expressou sua confusão: — Desculpem, mas não estou entendendo. Foi Maureen quem explicou: — Era um tema comum entre os antigos, começando pelos


egípcios. Os locais sagrados na Terra são escolhidos para refletir o céu. Por exemplo, as pirâmides de Gizé são dispostas de acordo com a constelação

de

Orion.

Cidades

inteiras

foram

planejadas

para

acompanhar o padrão das estrelas. Estava de acordo com a filosofia alquimista, “como abaixo, assim acima, e como acima é abaixo”. — Os afrescos do casamento são um mapa — acrescentou Sinclair. — Botticelli estava nos dizendo para onde olhar. — Espere um instante. Está querendo dizer que um dos maiores pintores da história estava nessa teoria da conspiração de Madalena? Peter sentia-se cansado e por isso se mostrava muito menos diplomático que o habitual. — Para ser mais preciso, padre Healy, estou dizendo que muitos dos maiores pintores da história estavam envolvidos. Temos de agradecer a Madalena por muitas coisas, inclusive uma riqueza de tesouros artísticos dos grandes mestres. — Como Leonardo Da Vinci? — indagou Maureen. O rosto de Sinclair se tornou sombrio tão depressa que Maureen ficou confusa. — Não! Leonardo não está incluído na lista, por bons motivos. — Mas ele pintou Maria Madalena em seu quadro da Ultima Ceia. E há muita especulação popular de que ele era líder de uma sociedade secreta que reverenciava Madalena e o divino feminino. Leonardo era o pintor sobre o qual Maureen encontrara inúmeras referências, enquanto pesquisava sobre Maria Madalena. Ficou agora chocada e confusa com a inesperada aversão de Sinclair ao assunto. Sinclair tomou um gole do vinho. Pôs o copo na mesa num movimento lento e deliberado. Havia um certo nervosismo em sua voz quando falou: — Minha cara, não vamos estragar esta noite com uma conversa sobre esse homem e sua obra. Não encontrará referências a Leonardo Da Vinci em minha casa, nem nas casas das pessoas nesta região. Por enquanto, essa explicação terá de ser suficiente. — Ele sorriu, para aliviar um pouco o clima. — Além do mais, temos muitos outros


pintores maravilhosos entre os quais podemos escolher, Botticelli, Poussin, Ribera, El Greco, Moreau, Cocteau, Dalí... — Mas por quê? — perguntou Peter. — Por que todos esses artistas envolveram-se com o que é essencialmente uma heresia? — A heresia está nos olhos de quem vê. Mas, para responder à sua pergunta, esses grandes artistas pintavam para patronos ricos, que os sustentavam e financiavam suas obras. A maioria desses patronos nobres era relacionada com a linhagem sagrada, descendentes de Maria Madalena. Pegue, por exemplo, os afrescos que Botticelli fez para o casamento. O noivo, Lorenzo Tornabuoni, era de um ramo da linhagem sagrada. A noiva, Giovanna Albizzi, era de um ramo ainda mais importante. Vai notar que ela usa uma capa vermelha, para simbolizar sua ligação com a linhagem de Madalena. Foi um casamento muito importante, porque uniu duas poderosas famílias dinásticas. Nem Maureen nem Peter disseram qualquer coisa, esperando para descobrir que outros detalhes Sinclair queria partilhar. — Até que se especulou que todos esses artistas eram também da linhagem e que seu fabuloso talento derivava da genética divina. Isso é bem possível, até provável no caso de Botticelli. E temos certeza de que é verdade em relação a vários mestres franceses, como George de la Tour, que pintou sua musa e ancestral muitas vezes. Maureen ficou exultante ao reconhecer a referência. — Vi um dos quadros de De la Tour durante a minha pesquisa. Madalena Penitente está em Los Angeles. Ela sentira-se comovida com o quadro, que fazia um uso excepcional de luz e sombras. Maria Madalena, a mão no crânio da penitência, olha para a chama bruxuleante de uma vela, refletida num espelho. — Você viu uma das Madalenas Penitentes — explicou Sinclair. — Ele pintou muitas, com sutis variações. Várias desapareceram. Uma foi roubada de um museu no tempo do meu avô. — Como sabe que George de la Tour era relacionado com a linhagem? — O nome é a primeira indicação. De la Tour significa “da torre”. E tudo um jogo de palavras. O nome Magdala vem da palavra migdal, que


significa torre. Portanto ela é literalmente Maria do lugar da torre. Como você já sabe, alguns alegam que Madalena é um título, significando que Maria era a torre ou a líder de sua tribo. Quando os cátaros foram perseguidos, os sobreviventes se viram obrigados a mudar de nome, para proteger suas identidades, já que os nomes cátaros eram bastante reconhecíveis. Esconderam sua herança à plena vista, usando nomes como “de la Tour” e... — Sinclair fez uma pausa, para aumentar o efeito dramático — “de Paschal”. Maureen arregalou os olhos. — De Paschal? — Isso mesmo. O nome Paschal foi usado para proteger uma das mais nobres famílias de cátaros. Outra vez, escondido à plena vista. Chamaram-se de Paschal em francês e di Pasquale em italiano. Crianças do Cordeiro Pascal. Uma pausa e Sinclair acrescentou: — E sei também que George de la Tour era da linhagem porque era Gão-Mestre de uma organização dedicada a preservar as tradições do cristianismo puro, conforme foi trazido para a Europa por Maria Madalena. Foi a vez de Peter perguntar: — E que organização é essa? Sinclair gesticulou para que olhassem ao redor. — A Sociedade das Maçãs Azuis. Vocês estão jantando na sede de uma organização que existe nesta terra há mais de mil anos.

 Sinclair recusou-se a falar mais sobre a sociedade, descartando o assunto com a eficiência de um manipulador magistral. Passaram o resto do jantar falando sobre o dia em Rennes-le-Château e aprendendo mais sobre o enigmático sacerdote chamado Berenger Saunière. Sinclair tinha o maior orgulho de seu homônimo. — O abbé batizou meu avô naquela igreja — informou Sinclair. —


Não é de admirar que o velho Alistair fosse tão dedicado a esta terra. — E é evidente que ele passou essa dedicação para você — comentou Maureen. — É isso mesmo. Quando resolveu me dar meu nome em homenagem a Berenger Saunière, meu avô impôs uma bênção em minha cabeça. Meu pai protestou, mas Alistair era feito de aço e ninguém podia se opor a ele por muito tempo, e certamente não meu pai. Sinclair não deu mais explicações. Maureen e Peter não insistiram, pois era óbvio que se tratava de uma questão íntima e sensível. O jantar encerrado, Sinclair saiu com os dois da sala. — Venham comigo. Quero voltar a Botticelli e à maravilhosa descoberta que vocês fizeram no Louvre. Por aqui. Ele levou-os para uma sala incongruentemente moderna, com os mais novos equipamentos de home theatre e vários computadores. Roland postava-se na frente de um monitor e ofereceu um cordial “bonsoir”, quando eles entraram. O mordomo francês bateu em algumas teclas e depois inclinou-se para apertar um botão num painel. Uma tela de projeção desceu na parede no outro lado. Um mapa da região apareceu na tela. Sinclair apontou diversos locais. — Devem notar aldeias familiares. Rennes-le-Château é aqui. E este lugar é Arques. Onde fica a tumba de Poussin que vocês viram ontem. — E tudo isso está dentro de sua propriedade? — perguntou Maureen. Sinclair acenou com a cabeça em confirmação. — Temos certeza de que um dos mais preciosos tesouros da história humana está nesta área. Ele gesticulou para Roland, que baixou uma grade das constelações para se sobrepor ao mapa da região. As constelações estavam indicadas. Escorpião ficava por cima da aldeia de Rennes-le-Château. Arques situava-se entre Escorpião e Sagitário. — Botticelli desenhou um mapa para nós. Foi o seu presente de


casamento para o casal de nobres. Na verdade, o que ele criou era tão perigosamente acurado que teve de ser destruído o mais depressa possível. Os afrescos estavam em paredes que eram parte da propriedade Tornabuoni. Por isso, eles não podiam demoli-las. Em vez disso, passaram tinta branca por cima. Os afrescos permaneceram ocultos até o final do século XIX, quando foram descobertos por acaso. Maureen começou a compreender a situação. — É por isso que você vive aqui, em Arques. Acha que o evangelho de Maria Madalena está escondido aqui? — Tenho certeza. E agora vocês podem perceber que Botticelli também sabia disso. Olhem de novo para os afrescos. Roland, por favor. Roland bateu em várias teclas, o que projetou na tela os afrescos expostos no Louvre. Sinclair apontou os elementos. — A mulher com o escorpião está aqui. Deslocando-se para a direita,há uma mulher que não segura qualquer tipo de símbolo. Sentada por cima delas, num trono, está a mulher com o arco. Mas observem atentamente. Esta mulher veste-se de vermelho, a cor de Maria Madalena, e oferece o sinal de bênção sobre a cabeça da mulher sentada entre ela e a mulher do escorpião. Este é o '“X” que marca o local no mapa, entre Escorpião e Sagitário. Sandro Botticelli conhecia a localização do tesouro, assim como Nicholas Poussin. E foram bastante generosos para nos deixar as pistas para encontrá-lo. Isso não fazia sentido para Peter. — Mas por que esses pintores fizeram mapas de exposição pública para revelar a localização de um tesouro de valor inestimável? — Porque esse tesouro tem de ser conquistado. Não pode ser descoberto por qualquer pessoa. Podemos ficar de pé sobre o próprio local em que Madalena escondeu o seu tesouro, em todos os dias de nossa vida, mas nunca o veremos, até que ela decida mostrá-lo. Foi ostensivamente escondido por processos alquímicos, uma tranca que só pode ser aberta por... energias apropriadas, digamos assim. A lenda afirma que o tesouro se revelará na ocasião apropriada, quando a pessoa escolhida pela própria Madalena vier procurá-lo. Botticelli e Poussin


esperavam que fosse descoberto em seu tempo e tentaram ajudar no processo. Sinclair olhou para a tela, enquanto continuava: — No caso de Botticelli, acreditava-se que Giovanna Albizzi tinha o potencial para descobrir o tesouro. Por todos os relatos, era excepcional mente virtuosa e espiritualizada, além de inteligente e instruída. No retrato dela que pintou, Ghirlandaio incluiu um epigrama que dizia: “Se a arte pudesse mostrar caráter e inteligência, não haveria quadro mais belo no mundo.” Foi lamentável, mas não aconteceu o que se previa. A pobre e adorável Giovanna morreu de parto, apenas dois anos depois de seu casamento. Maureen absorvia tudo, tentando processar a história italiana com o que vira antes em Rennes-le-Château. Um pensamento ocorreu-lhe: — Acha que Saunière pode ter encontrado o evangelho de Madalena? Foi isso que o tornou tão rico? — Não, absolutamente não. — Sinclair foi enfático nesse ponto. — Mas não resta a menor dúvida de que Saunière procurava o tesouro. A lenda local diz que ele costumava andar por quilômetros nesta área, examinando rochedos e cavernas, à procura de pistas. — Como pode ter tanta certeza de que ele não encontrou? — indagou Peter. — Porque minha família saberia se ele tivesse encontrado. Além do mais, só pode ser encontrado por uma mulher... uma mulher da linhagem, escolhida pela própria Madalena. Peter não podia mais reprimir suas suspeitas. — E você acha que Maureen é a escolhida. Sinclair pensou por um momento, antes de responder, com a franqueza habitual: — Admiro a maneira como vai direto ao ponto, padre. E para responder do mesmo modo... Sim, acho que Maureen é a escolhida. Ninguém jamais conseguiu, e milhares já tentaram. Sabemos que o tesouro está aqui, mas até mesmo os mais intrépidos fracassaram em suas tentativas de descobri-lo. Inclusive eu.


Quando ele se virou para Maureen, sua expressão e o tom de sua voz se tornaram mais suaves: — Espero que isso não seja assustador para você, minha cara. Sei que tudo deve parecer estranho, até mesmo chocante. Tudo o que peço é que me escute. Nunca lhe será pedido para fazer qualquer coisa contra a sua vontade. Sua presença aqui é totalmente voluntária e espero que opte por ficar. Maureen balançou a cabeça, sem dizer nada. Não sabia o que dizer, como reagir a uma revelação como aquela. Nem mesmo sabia como se sentia a respeito. Era uma honra ser considerada daquela maneirai? Um privilégio? Ou apenas assustador? Talvez não passasse de um peão de um excêntrico e seu culto. Parecia impossível que tudo aquilo pudesse ser não apenas verdade, mas também relacionado com ela. Por outro lado, havia alguma coisa na atitude de Sinclair que, em última análise, parecia-lhe sincera. Apesar de todas as suas opiniões radicais e excentricidades, Maureen não o considerava desequilibrado. Finalmente, ela respondeu com uma única palavra: — Continue. Peter pressionou por mais detalhes: — O que o faz pensar que Maureen seja a escolhida? Sinclair acenou com a cabeça para Roland. — Primavera, por favor. Roland apertou algumas teclas, até que apareceu na tela uma versão da obra-prima de Botticelli, Primavera, em cores gloriosas. — Mais do nosso Botticelli. Conhecem o quadro, é claro. — Conheço. A resposta de Maureen foi quase inaudível. Ela não sabia para onde aquilo levava, mas sentia o estômago todo embrulhado. — É um dos quadros mais famosos do mundo — respondeu Peter. — Alegoria da primavera. Poucas pessoas sabem da verdade por trás deste quadro, mas outra vez Botticelli prestou um tributo à Senhora. A figura central aqui é a Maria Madalena grávida...


observem a capa vermelha. Sabem por que a nossa Maria representa a primavera? Peter tentava acompanhar o pensamento de Sinclair da melhor forma possível. — Por causa da Páscoa? — Porque a primeira Páscoa caiu no equinócio vernal. Cristo foi crucificado a 20 de março e ascendeu a 22 de março. Uma lenda esotérica desta região diz que Madalena também nasceu no dia 22 de março. O primeiro grau do primeiro signo do zodíaco, Áries, o carneiro. É a data de novos começos e da ressurreição, com a bênção adicional do número 22, um número espiritual, o número do divino feminino. Essa data significa alguma coisa para você, minha cara Maureen? Peter já registrara a ligação e virou o rosto para verificar como Maureen reagia à revelação. Ela se manteve calada por um longo momento. Quando a resposta veio, a voz era rouca, um mero sussurro: — É o meu aniversário. Sinclair olhou para Peter. — Nascida no dia da ressurreição, nascida na linhagem da Pastora. Nascida no signo do carneiro, no primeiro dia da primavera e do renascimento. Ele fez uma pausa, antes de arrematar para Maureen: — Minha cara, você é o Cordeiro Pascal.

 Maureen pediu licença e se retirou no instante seguinte. Precisava de tempo para pensar e processar todas as informações e as implicações do que Sinclair dissera. Em seu quarto, recostou a cabeça e fechou os olhos. A batida na porta era inevitável, mas veio mais cedo do que ela esperava. Ainda bem que era a voz de Peter no outro lado. — Maureen, sou eu. Posso entrar?


Maureen levantou-se da cama e atravessou o quarto para abrir a porta. — Como se sente? — Sufocada. Entre. Maureen gesticulou para que ele se sentasse em uma das confortáveis poltronas de couro vermelho que ladeavam a lareira. Peter sacudiu a cabeça em negativa. Estava tenso demais para se acomodar numa poltrona. — Escute bem o que vou dizer, Maureen. Quero que saia daqui antes que a situação se torne ainda mais estranha. Maureen suspirou e sentou-se numa poltrona. — Mas estou começando a obter as respostas que vim procurar... que nós viemos procurar. — Não posso dizer que gosto das respostas de Sinclair. E acho que você corre um grande risco aqui. — Da parte de Sinclair? — Isso mesmo. Maureen assumiu uma expressão irritada: — Ora, por favor. Por que ele haveria de me fazer qualquer mal se me considera a resposta para seu objetivo durante toda a vida? — Porque seu objetivo é uma ilusão, envolta por séculos de superstição e lenda. E muito perigoso, Maureen. Estamos falando de cultos religiosos. Fanáticos. O que preocupa aqui é o que ele fará com você depois que compreender que não é a salvadora dele. Maureen permaneceu em silêncio por um momento. Sua pergunta seguinte foi feita com uma calma surpreendente: — Como sabe que não sou? Peter ficou atordoado com a pergunta. — Está aceitando tudo isso? — Pode encontrar explicações para todas as coincidências, Pete? As vozes, as visões? Porque fora a explicação de Sinclair, eu não consigo. O tom de Peter era firme, como se ele estivesse falando com uma criança:


— Vamos partir pela manhã. Podemos pegar um vôo de Toulouse para Paris. Ou podemos voar de Carcassonne para Londres. Maureen não cedeu. — Não vou embora, Pete. Não sairei daqui enquanto não tiver as respostas que vim procurar. A escalada da agitação começava a dominar Peter. — Maureen, jurei para sua mãe, quando ela estava morrendo, que sempre cuidaria de você, que não deixaria o que aconteceu com seu pai... Peter parou de falar de repente, mas o dano já fora causado. Maureen dava a impressão de que levara uma bofetada. Peter tratou de voltar atrás no que tinha dito. — Sinto muito, Maureen. Eu... Ela interrompeu-o: — Meu pai. Obrigada por me lembrar de mais um motivo para minha permanência aqui. Descobrir o que Sinclair sabe sobre meu pai. Passei a maior parte da minha vida especulando sobre ele, enquanto minha mãe se limitava a dizer que não passava de um criminoso insano. Suponho que ela lhe tenha dito isso também. Mas pelas lembranças que tenho dele, por mais vagas que sejam, sei que isso não é verdade. Se alguém pode me oferecer um retrato mais amplo de meu pai, farei tudo o que for necessário para vê-lo. Devo isso a ele. E a mim mesma. Peter fez menção de dizer alguma coisa, mas mudou de idéia. Em vez

disso,

virou-se

para

deixar

o

quarto,

com

uma

expressão

atormentada. Maureen observou-o por um momento, antes de chamá-lo de volta: — Por favor, tente ser paciente comigo. Preciso descobrir tudo. Como poderemos saber se as visões significam alguma coisa se não seguirmos isso até o fim? E se... apenas se... até mesmo uma fração do que Sinclair disse esta noite for verdade? Preciso encontrar a resposta para essa pergunta, Pete. Se partir agora, tenho certeza de que me arrependerei até o dia da minha morte e não quero viver assim. Passei toda a minha vida fugindo... fugindo de tudo. Quando


criança, fugi da Louisiana... e fugi para tão longe e tão depressa que não me lembro de nada. Depois que minha mãe morreu, fugi da Irlanda e voltei para os Estados Unidos. Fugi para uma cidade em que não havia memórias, para um lugar em que todo mundo se torna diferente do que era ao nascer. Los Angeles é uma cidade em que todos são como eu, em que todos fugiram do lugar em que se encontravam antes. Mas eu não quero mais fugir. Ela atravessou o quarto ao seu encontro, frente a frente. — Agora, pela primeira vez na vida, sinto que estou correndo

ao

encontro

de

alguma

coisa.

Reconheço

que

é

assustador, mas não posso parar. E prefiro não enfrentar isso sem você. Mas posso... e farei... se você decidir partir pela manhã. Peter ouviu calado o que Maureen tinha a dizer. Parado com a mão na maçaneta da porta, pensou por um momento e disse, antes de sair: — Não vou para lugar algum. Mas, por favor, não me faça me arrepender dessa decisão pelo resto da minha vida... ou da sua.

 Peter voltou para seu quarto e passou o resto da noite rezando. Descobriu-se a refletir durante muito tempo sobre os ensinamentos de Santo Inácio de Loiola, o fundador da ordem dos jesuítas. Um texto em particular, escrito pelo santo em 1556, destacou-se em sua mente: Já que o demônio demonstrava grande habilidade em tentar os homens para a perdição, a mesma habilidade devia ser demonstrada para salvá-los. O demônio estudava a natureza de cada homem, captava as características de sua alma, ajustava-se a elas e se insinuava pouco a pouco na confiança de sua vítima... sugerindo esplendores para os ambiciosos, ganhos para os gananciosos, prazer para os sensuais e uma falsa aparência de devoção para os devotos... e um conquistador de almas devia agir da mesma maneira cautelosa e hábil. O sono lhe escapou, enquanto as palavras de Santo Inácio


martelavam em seu coração e mente.

 Roma 3 de junho de 2005

O bispo Magnus O'Connor limpou a gota de suor da testa. A sala de reunião no Vaticano tinha ar-condicionado, mas isso não o ajudava no momento. Sentava-se no meio de uma enorme mesa oval, cercado por autoridades de sua Igreja. As pastas vermelhas que entregara no dia anterior estavam nas mãos do carrancudo e intimidador cardeal DeCaro, que agia como um interrogador. — E como sabe que as fotos são autênticas? O cardeal pôs as pastas em cima da mesa, mas não as abriu ainda para mostrar o conteúdo aos outros. — Eu estava presente quando foram tiradas. — Magnus tinha de fazer um grande esforço para dominar a gagueira, que se revelava em situações estressantes. — O problema me foi encaminhado pelo padre da paróquia. O cardeal DeCaro tirou agora uma série de fotos 8 x 10 de uma pasta. Haviam sido batidas em preto e branco e estavam amareladas pelo tempo, mas isso não diminuiu o impacto que as imagens causaram quando as fotos circularam ao redor da mesa. A primeira a ser mostrada, marcada com a etiqueta de PROVA I, era uma foto macabra, mostrando os braços de um homem. Lado a lado, as palmas viradas para cima, exibiam enormes ferimentos sangrentos nos pulsos. A PROVA II mostrava os pés do homem, ambos com horríveis buracos sangrentos. A terceira foto, PROVA III, mostrava um homem sem camisa. Um talho longo e irregular, sangrando, destacava-se na parte inferior direita do tórax.


O cardeal esperou que as fotos chocantes terminassem de circular pela mesa. Guardou-as de volta no envelope antes de falar. Os rostos em torno da mesa eram solenes quando ele confirmou o que todos já desconfiavam: — Acabamos de ver estigmas autenticados. Os cinco exatos pontos, incluindo os pulsos.

 Château des Pommes Bleues 24 de junho de 2005

Sinclair não estava na manhã seguinte. Maureen e Peter foram recebidos por Roland, que os levou até a sala do café da manhã. Peter não tinha certeza de se a extraordinária atenção que recebiam no castelo era um sinal de impecável hospitalidade ou algo mais próximo da prisão domiciliar. Obviamente, Sinclair tomava todo o cuidado para não deixar Maureen e Peter sozinhos. — Monsieur Sinclair pediu-me para assegurar que tenham à sua disposição belos trajes para o baile desta noite. Está ocupado com os preparativos finais para a festa, mas pôs o motorista à disposição, se quiserem visitar os arredores hoje. Ele achou que poderiam gostar de conhecer os castelos cátaros na região. Terei o maior prazer em guiá-los. Maureen e Peter aceitaram a oferta. Conheceram vários locais importantes da região, levados pelo gigante Roland, que fazia excelentes comentários. Roland mostrou as ruínas de outrora, poderosos baluartes cátaros. Descreveu como os ricos condes de Toulouse haviam rivalizado com os reis da França em termos de poder e privilégio. Os nobres de Toulouse eram todos cátaros ou pelo menos simpatizantes dos ideais cátaros. Fora uma das razões para que as brutais cruzadas contra os Puros recebessem o apoio do rei francês, que pudera confiscar o que antes pertencia a Toulouse. Com isso, aumentara suas terras e sua fortuna, ao mesmo tempo em que diminuía a influência dos rivais.


Roland falou com orgulho de sua terra e do dialeto local, chamado “Oc”, que dera seu nome à região. A “Língua de Oc” era “Languedoc” em francês. Quando Peter referiu-se a ele como francês, em determinado momento da conversa, Roland rebateu no mesmo instante. Ele era um occitano. Roland relatou em detalhes as numerosas atrocidades que devastaram sua terra e seu povo no século XIII. Era um apaixonado pela história do lugar. — Muitos estrangeiros nem sequer sabem da existência dos cátaros. Ou se sabem, pensam que é um culto pequeno e desimportante, no meio das montanhas. Não compreendem que os cátaros foram a raça e a cultura dominantes em uma grande e próspera área da Europa. O que aconteceu aqui foi nada menos do que genocídio. Quase um milhão de pessoas foram massacradas pelas tropas papais. Ele fitou Peter com uma expressão complacente. — Não tenho ressentimentos contra o clero moderno pelos pecados da Igreja medieval, abbé Healy. É um padre porque tem vocação. Qualquer um pode perceber isso. Roland conduziu-os em silêncio depois disso, enquanto Maureen e Peter admiravam os enormes castelos construídos em picos escarpados por

quase

mil

anos.

Aquelas

fortalezas

eram

essencialmente

impenetráveis, considerando a localização nas montanhas, mas também eram insondáveis em termos de arquitetura. Especularam sobre os recursos de uma cultura que era capaz de construir aqueles imensas fortificações num terreno tão inóspito, sem o benefício da tecnologia moderna. Durante o almoço, na aldeia de Limoux, Maureen sentiu-se bastante à vontade na companhia de Roland para perguntar sobre seu relacionamento com Sinclair. Estavam sentados num restaurante à margem do rio Aude, que dava nome à região. O corpulento criado era surpreendentemente

simpático

e

afável,

até

mesmo

divertido,

contradizendo sua aparência intimidadora. — Fui criado no Château des Pommes Bleues, mademoiselle.


Minha mãe morreu quando eu era bebê. Meu pai trabalhou para monsieur Alistair e para monsieur Berenger. Morávamos na propriedade. Quando meu pai morreu, insisti em tomar seu lugar no castelo. E o meu lar e os Sinclair são a minha família. A imponente estatura de Roland parecia suavizar enquanto ele falava da perda dos pais e da lealdade à família Sinclair. — Deve ter sido muito difícil para você perder pai e mãe — comentou Maureen, simpática. Roland ficou tenso, empertigado, ao responder: — Foi, sim, mademoiselle Paschal. Como já expliquei, minha mãe morreu quando eu era bebê, de uma doença que não podia ser controla da. Aceitei como a vontade de Deus. Mas a morte de meu pai foi diferente... ele foi assassinado de maneira brutal, há poucos anos. Maureen deixou escapar uma exclamação aturdida. — O Deus! Sinto muito, Roland. Ela não queria pressioná-lo para arrancar detalhes. Peter, no entanto, achou que a necessidade de saber superava sua propensão normal para a sensibilidade e por isso fez a pergunta: — O que aconteceu? Roland levantou-se, para sinalizar o fim da refeição e da conversa. — Há amargas rivalidades em nossa terra, abbé Healy. Projetam-se ao longo de muitos anos e não admitem a voz da razão. Esta região... é inundada pela luz mais bela. Mas essa luz às vezes atrai as trevas mais terríveis. Lutamos contra as trevas da melhor forma possível. Mas, como aconteceu com os nossos ancestrais, nem sempre vencemos. Ele respirou fundo: — Mas uma coisa é certa. Nenhuma tentativa de genocídio jamais teve êxito aqui. Ainda somos cátaros, sempre fomos cátaros e sempre seremos cátaros. Podemos praticar nossa fé de uma forma discreta, em particular, mas é hoje uma parte tão grande de nossas vidas quanto sempre foi. Não deixem que qualquer livro ou historiador diga o contrário.


Quando Maureen voltou ao castelo, naquela tarde, uma das camareiras a esperava no quarto. — O cabeleireiro chegará em breve, mademoiselle. E seu vestido já foi entregue. Se há mais alguma coisa que eu possa fazer... — Não há nada. Merci. Depois que a camareira se retirou, Maureen fechou a porta. Queria descansar antes da festa. Fora um lindo dia, em que pudera contemplar algumas das vistas mais maravilhosas que já conhecera em suas viagens. Mas também sentia-se esgotada. E mais do que um pouco apreensiva com as enigmáticas revelações de Roland sobre o assassinato de seu pai. Avistou um saco de roupa enorme, estendido na cama, quando atravessou o quarto. Presumiu que era o traje para o baile. Puxou o zíper do saco de plástico e tirou o vestido. Levou um momento para compreender o que era e soltou um grito de espanto quando veio o reconhecimento. Levantou o vestido na frente do quadro de Ribera e viu que era igual ao traje de saia vermelha que Maria Madalena usava na interpretação do pintor espanhol.

 Peter não sentia a menor atração por usar uma fantasia. Não planejara comparecer ao baile e achava que sua presença seria imprópria. Mas, com escalada das intrigas de Sinclair — e com a reação de Maureen —, ele estava determinado a mantê-la dentro de seu campo de visão. Isso significava usar a túnica rebuscada e as perneiras do século XIII que lhe haviam sido reservadas. — É demais! — resmungou Peter, enquanto tirava o traje do saco de plástico e tentava descobrir como vesti-lo.

 Peter bateu na porta de Maureen, ajustando seu traje, meio desajeitado. Ficou esperando no corredor. Poderia dispensar o chapéu. Era


pesado e assentava em sua cabeça de uma maneira incômoda, um lembrete constante de que parecia ridículo. A porta foi aberta. Uma Maureen transformada saiu do quarto. O traje do quadro de Ribera assentava-lhe como se tivesse sido feito para ela. A renda da blusa que deixava os ombros à mostra terminava num mar do mais rico tafetá vermelho. Os longos cabelos ruivos haviam sido arrumados de um jeito que lhes acrescentava plenitude e volume, caindo em torno dos ombros como uma cortina lustrosa. Mas o que mais impressionou Peter foi o ar de confiança e serenidade que Maureen irradiava. Era como se ela tivesse assumido um papel a que se ajustava com absoluta perfeição. — O que você acha? Está demais? — Pode ter certeza de que sim. Mas você parece... uma visão. — Uma interessante escolha das palavras. Foi intencional? Peter piscou e acenou com a cabeça para confirmar, feliz por estarem gracejando de novo, pelo fato do relacionamento não ter sido abalado pela discussão da noite anterior. A excursão pelo extraordinário território cátaro fora restauradora para ambos. Peter escoltou-a pelos sinuosos corredores do castelo, a caminho do salão de baile, numa ala distante. Maureen riu quando ele se queixou de seu traje. — Você parece elegante e galante — assegurou ela. — Pois eu me sinto um rematado idiota.

 Carcassonne 24 de junho de 2005

Numa antiga igreja de pedra, fora da cidade murada de Carcassonne, estavam sendo feitos os preparativos para um evento de outro tipo. Os membros da Guilda dos Justos estavam reunidos ali em absoluta solenidade.

Mais

de

duzentos

homens,

em

túnicas

formais,


compareciam ao serviço, usando as grossas cordas vermelhas de sua ordem em torno do pescoço. Não havia mulheres no grupo. Nenhuma fêmea jamais profanara os salões ou as capelas particulares da Guilda. Placas gravadas, citando a opinião de São Paulo sobre as mulheres, destacavam-se em todos os pontos de encontro da Guilda. A primeira era um versículo de Coríntios: Façam com que suas mulheres mantenham silêncio nas igrejas; pois não lhes é permitido falar. São obrigadas a permanecer em obediência, como também determina a lei. E se quiserem aprender alguma coisa, que perguntem a seus maridos em casa. E lamentável que as mulheres falem na igreja. A segunda era de Timóteo: Não se permita que uma mulher ensine, nem que usurpe a autoridade para ensinar, nem que usurpe a autoridade sobre o homem, pois deve se manter em silêncio. Mas embora a Guilda reverenciasse essas palavras de Paulo, ele não era seu Messias.. As relíquias de seu mestre ancestral estavam expostas em almofadas de veludo, em cima do altar: o crânio faiscava à luz das velas, assim como o resto de osso do dedo indicador direito, removidos do relicário para aquela exposição anual. Depois do serviço formal e da apresentação do Mestre da Guilda, cada membro teria permissão para tocar nas relíquias. Era um privilégio normalmente reservado apenas ao conselho da Guilda, depois do juramento de sangue para defender os ensinamentos dos Justos. Mas o dia da festa anual era uma peregrinação de membros da Guilda do mundo inteiro. Naquela noite, todos os fiéis podiam ter a honra de tocar nas relíquias. O líder subiu ao púlpito para iniciar seu discurso de introdução. O sotaque inglês aristocrático de John Simon Cromwell ressoou dentro das antigas paredes de pedra da igreja. — Meus irmãos, esta noite, não muito longe daqui, a prole da


prostituta e o padre ímpio se reuniram. Celebram sua impureza hereditária na devassidão. Decidiram intencionalmente profanar esta noite sagrada, ao ostentarem sua lascívia e nos mostrarem sua força. “Mas não permitiremos que nos intimidem. Desfecharemos nossa vingança muito em breve, uma vingança que esperou dois mil anos para alcançar a plena luz da justiça. Abatemos seu iníquo pastor antes e abateremos seus descendentes agora. Destruiremos o Grão-Mestre e seus fantoches. Eliminaremos a mulher que eles chamam de sua Pastora e cuidaremos para que essa rainha das meretrizes seja lançada no inferno, antes que possa espalhar mentiras sobre a bruxa de que descende. “Fazemos isso em nome do Primeiro e Único Verdadeiro Messias, pois ele me falou e esse é o seu desejo. Fazemos isso em nome do Mestre da Justiça e com as bênçãos do Senhor nosso Deus.” Cromwell iniciou a procissão diante das relíquias. Tocou primeiro no crânio e depois no osso do dedo, reverente. Pronunciou em voz alta ao fazê-lo: — Neca eos omnes. Matem todos.


Aqueles que me falaram sobre Paulo disseram que ele se manifestou contra o papel das mulheres n'O Caminho. É a prova mais certa de que esse homem não pode ter conhecido a verdade dos ensinamentos de Easa nem a essência do próprio Easa. A imensa reverência de Easa pelas mulheres é bem conhecida dos eleitos e tenho, eu própria, servido como prova disso. Ninguém pode mudar esse fato, a menos que me apaguem por completo da história. Sou ainda informada de que esse Paulo reverenciava a maneira como Easa morreu, não as palavras que Easa disse. Isso me entristece como uma grande falha de compreensão. Esse homem Paulo foi prisioneiro de Nero durante um longo tempo. Sou informada de que ele escreveu muitas cartas para seus fiéis, apresentando ensinamentos que alegava serem de Easa. Mas aqueles que me procuraram sempre disseram que ele não falava em defesa d'O Caminho, que seus ensinamentos eram falsos. Lamento por qualquer homem que foi torturado e assassinado no tenebroso reinado do homem chamado Nero. E, no entanto, isso me enche de medo. Receio que esse homem Paulo seja considerado um grande mártir d'O Caminho e que muitos acreditem que seus falsos ensinamentos eram de Easa. Não eram. O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO DOS DISCÍPULOS


CAPITULO DEZ

Le Château des Pommes Bleues 24 de junho de 2005

Maureen e Peter seguiram o som melodioso dos madrigais através dos corredores. Ao se aproximarem do salão de baile, tiveram o primeiro vislumbre da suntuosa e requintada festa de Sinclair. Maureen experimentou a sensação de que fora transportada para outra época. O vasto salão de baile estava ornamentado com tapeçarias de veludo e com milhares de velas e flores. Criados de libré e peruca circulavam pelo salão, silenciosos, discretos e eficientes, oferecendo comida e bebida, limpando com cuidado e discrição as sujeiras deixadas pelos convidados mais turbulentos. Mas eram os próprios convidados que se revelavam as jóias mais preciosas daquela caixa de veludo. As fantasias eram elaboradas e extravagantes, trajes de época através de várias eras da história francesa e occitana ou representando elementos das tradições misteriosas. O convite para o baile de Sinclair era cobiçado pela elite esotérica do mundo inteiro. Os felizes contemplados empenhavam muito tempo e dinheiro em projetar e fazer um traje apropriado. Havia um concurso para a fantasia mais original, a mais bonita e a mais engraçada. Sinclair era o único juiz e júri e os prêmios concedidos muitas vezes equivaliam a uma pequena fortuna... e ainda mais importante, uma vitória garantia um cobiçado lugar na lista dos convidados para o baile do ano seguinte. A música, o riso, o retinir dos copos de cristal, tudo parou abruptamente quando Maureen e Peter entraram no salão.


Um homem de libré soprou algumas notas formais numa trombeta. Roland adiantou-se, numa túnica cátara simples, para anunciar os recém-chegados. Maureen ficou surpresa ao ver Roland vestido como um convidado naquela noite, em vez de estar usando o uniforme de empregado. Mas não teve tempo para pensar a respeito, arrebatada pela surpresa na chegada. — É meu privilégio anunciar nossos convidados de honra, mademoiselle Maureen de Paschal e abbé Peter Healy. A multidão ficou paralisada, como bonecos de cera, todos olhando aturdidos para os dois. Roland apressou-se em gesticular para que a banda recomeçasse a tocar, a fim de superar o constrangimento momentâneo. Depois, estendeu o braço para Maureen e levou-a pelo salão de baile. O espanto persistiu, mas não tão óbvio. Os mais hábeis no decoro trataram de disfarçar o choque com um desinteresse simulado. — Não se importe com eles, mademoiselle — disse Roland, incisivo. — É um rosto novo e um novo mistério para ser descoberto. Mas vão aceitá-la num instante. Não têm opção. Maureen também não teve tempo de pensar no significado das palavras de Roland, pois ele levou-a para a pista de dança. Peter ficou para trás, observando com um crescente interesse.

 — Reenie! O sotaque americano de Tamara Wisdom era incompatível com aquele cenário europeu. Ela atravessou o salão de baile até o lugar em que Maureen acabara de completar uma dança com Roland. Tammy parecia bastante exótica, num traje de cigana. Os cabelos extraordinários estavam pintados de preto lustroso e desciam até a cintura. Argolas de ouro cobriam seus braços. Roland piscou para Tamara — como se estivesse flertando, Maureen notou —, antes de fazer uma reverência para Maureen e pedir licença para se afastar. Maureen abraçou Tammy, exultante por encontrar outro rosto familiar naquela terra cada vez mais estranha.


— Mas você está deslumbrante! Está vestida de quê? Tammy girou, graciosa, os cabelos pretos esvoaçando. — Sara, a Egípcia, também conhecida como a Rainha Cigana. Ela era a serva de Maria Madalena. Tammy levantou o tafetá vermelho da saia de Maureen com um dedo. — E não preciso perguntar quem você é. Foi Berry quem lhe deu esse traje? — Berry? Tammy riu. — É assim que os amigos chamam Sinclair. — Não sabia que vocês dois eram tão íntimos. Maureen

esperava

ter

evitado

que

o

desapontamento

transparecesse em sua voz. Mas Tammy não teve tempo para responder. Foram interrompidas por uma jovem, não muito mais do que uma adolescente, vestida com uma túnica cátara simples. Trazia na mão um único copo-de-leite e entregou-o a Maureen. — Marie de Nègre — murmurou ela, fazendo uma reverência e se afastando no instante seguinte. Maureen virou-se para Tammy, à espera de uma explicação. — O que isso significa? — Você é o alvo de todas as conversas esta noite. Há apenas uma regra para este baile anual, a de que ninguém deve se vestir como Ela. E, de repente, você aparece como a Maria Madalena do retrato. Sinclair está anunciando-a para o mundo. Esta é a sua festa de apresentação. — Que beleza! Seria melhor se eu fosse informada desse pequeno detalhe. De que aquela garota me chamou? — Marie de Nègre. Maria Negra. É uma gíria local para designar Maria Madalena, a Madona Negra. Em cada geração, uma mulher da linhagem recebe esse nome, como um título oficial, e o mantém até a morte. É uma imensa honra aqui. É como se a garota tivesse acabado de dizer “Sua Majestade”. Maureen

teve

pouco

tempo

para

observar,

no

caos

que


turbilhonava ao seu redor. O salão estava repleto de fascinantes distrações: muita música, muitas pessoas excêntricas e interessantes. Sinclair não era visto em parte alguma. Maureen perguntara por ele enquanto dançava com Roland, mas o gigante do Languedoc dera de ombros e respondera de um modo vago e enigmático, como sempre. Ela corria os olhos pelo salão quando Tammy perguntou: — Procura seu cão de guarda? Maureen lançou-lhe um olhar rápido, mas acenou com a cabeça, preferindo deixar Tammy pensar que sua preocupação era apenas com o paradeiro de Peter. Tammy indicou que Peter se aproximava, por trás de Maureen. — Comporte-se, por favor — sussurrou Maureen para a amiga. Tammy ignorou-a. Já se adiantara para cumprimentar Peter. — Seja bem-vindo à Babilônia, padre. Peter riu. — Obrigado... eu acho. — Chegou na hora certa. Eu ia oferecer à Senhora aqui presente uma excursão pelo show de variedades. Não quer nos acompanhar? Peter acenou com a cabeça em aceitação. Sorriu desamparado para Maureen, enquanto Tammy levava-os através do salão, em passos rápidos.

 Tammy

conduziu

Maureen

e

Peter

entre

os

convidados,

sussurrando em tom de conspiração para os pequenos grupos por que passavam. Fazia as apresentações apropriadas quando encontrava amigos ou conhecidos na multidão. Maureen sabia que era o centro das atenções ao percorrerem o salão. Os três passaram por um pequeno grupo de homens e mulheres em trajes sumários. Tammy cutucou Maureen. — São representantes do culto sexual. Acreditam que Maria Madalena era a alta sacerdotisa num conjunto bizarro de rituais sexuais que vieram do antigo Egito.


Maureen e Peter assumiram expressões escandalizadas. — Não atirem na mensageira. Apenas os designo pelo que são. Mas esperem... não digam nada agora. Olhem primeiro para aquelas pessoas. Era o grupo mais bizarro, em trajes de alienígenas, inclusive com antenas, parado no fundo do salão. — Rennes-le-Château é um Stargate, um portal estelar, com acesso direto a outras galáxias. Maureen desatou a rir. Peter balançou a cabeça em incredulidade. —Você não estava brincando sobre o show de variedades. — E eu pensei que você tinha inventado aquelas coisas. Os

três

pararam

para

observar

um

grupo

que

escutava

atentamente um homenzinho rotundo, de cavanhaque. Ele parecia falar em rimas, os admiradores absorvendo cada palavra. — Quem é aquele? — sussurrou Maureen. — Nostradiota — gracejou Tammy. Maureen fez um esforço para reprimir o riso, enquanto Tammy acrescentava: — Ele alega ser a reencarnação de vocês sabem quem. Fala apenas em quadras rimadas. Um chato insuportável. Lembre-me de contar mais tarde por que detesto todo esse culto de Nostradamus. — Ela estremeceu, dramática. — Não passam de charlatães. Poderiam muito bem vender óleo de cobra como cura para todos os males. Tammy manteve-os em movimento através do salão. — Ainda bem que nem todos aqui são aberrações. Algumas pessoas são extraordinárias... e estou vendo duas neste momento. Venham comigo. Aproximaram-se de um grupo de homens vestidos em trajes da nobreza dos séculos XVII e XVIII. Um aristocrata inglês se abriu num enorme sorriso quando viu Tammy. — Tamara Wisdom! É um prazer tornar a vê-la, minha cara. Você está maravilhosa. Ela deu dois beijos no inglês, ao estilo europeu, no ar, sem tocar-lhe o rosto.


— Onde está sua maçã? Ele riu. — Deixei na Inglaterra. Por favor, apresente-nos a seus amigos. Tammy fez as apresentações, referindo-se ao inglês apenas como Sir Isaac. Ele explicou a escolha de sua fantasia. — Há muito mais em Sir Isaac Newton do que a maçã. A descoberta das leis da gravidade foi um subproduto de sua obra maior. Isaac Newton foi indiscutivelmente um dos mais talentosos alquimistas da história. Ao final do discurso de Sir Isaac, o grupo foi abordado por um jovem americano, alto e parecendo um pouco desconfortável no seu traje de Thomas Jefferson, com a peruca empoada. — Tammy, querida! O abraço que ele deu em Tammy foi bem apertado, ao melhor estilo americano, acompanhado por um teatral beijo nos lábios. Tammy riu e explicou para Maureen: — Este é Derek Wainwright. Foi meu primeiro guia na França, quando comecei a pesquisar essa loucura. Ele fala um francês impecável, o que salvou minha vida em mais ocasiões do que posso me lembrar. Derek fez uma reverência para Maureen. Seu sotaque era puro Cape Cod com as vogais prolongadas de Massachusetts. — Thomas Jefferson a seu serviço, madame. — Ele meneou a cabeça para Peter. — Olá, padre. Derek era o primeiro do grupo a sequer assinalar a presença de Peter, notou Maureen. Mas ela não teve muito tempo para pensar a respeito porque Peter perguntou: — Qual é a associação de Thomas Jefferson... com tudo isso? — Nosso grande país foi fundado por maçons. Todos os presidentes americanos, de George Washington a George W. Bush, têm sido descendentes da linhagem... de um jeito ou de outro. Maureen ficou surpresa. — É mesmo? Foi Tammy quem respondeu:


— É, sim. Derek pode provar. Teve tempo demais sem fazer nada no colégio interno. Isaac adiantou-se para bater de leve no ombro de Derek e anunciou solene: — Paulo foi o primeiro corruptor das doutrinas de Jesus, não é mesmo, Tammy? Peter fitou-o. — Como assim? — É uma das citações mais controvertidas de Jefferson — explicou o inglês. Foi a vez de Maureen se tornar surpresa. — Jefferson disse isso? Derek acenou com a cabeça, mas parecia não estar prestando muita atenção. Olhava ao redor, examinando a festa. Tammy indagou: — Onde está Draco? —- Acho que Maureen gostaria de conhecê-lo. Três dos homens riram. Isaac respondeu: — Eu o ofendi, e ele nos deixou à procura dos outros Dragões Vermelhos. Tenho certeza de que está metido em algum canto, com suas câmeras ocultas, espionando todo mundo. Estão vestidos a caráter esta noite e por isso não será possível deixar de vê-los. A curiosidade de Maureen fora atiçada. — Quem são eles? — Os Cavaleiros do Dragão Vermelho — respondeu Derek, com uma ênfase dramática simulada. — Uma coisa horrível — comentou Tammy, torcendo o nariz em repulsa. — Usam um traje que parece o uniforme da Ku Klux Klan, só que em cetim vermelho brilhante. Disseram que eu poderia aprender os segredos de seu respeitável clube se doasse meu sangue menstrual para experimentos alquímicos. Claro que aceitei a oferta. — Quem não aceitaria? — A resposta de Maureen foi seca, antes que desatasse a rir. — Quem são esses caras? Preciso dar uma olhada neles. Ela correu os olhos pelo salão, mas não viu ninguém que


correspondesse à bizarra descrição. — Eu os vi lá fora — informou Newton, prestativo. — Mas não sei se é aconselhável expor Maureen a essa gente por enquanto. Ela pode não estar preparada. Tammy acrescentou: — É uma sociedade secreta. Todos alegam ser descendentes de alguém real e famoso. O líder é um cara que eles chamam de Draco Ormus. — Por que o nome me parece familiar? — perguntou Maureen. — Ele é escritor. Temos a mesma editora esotérica na Inglaterra e é por isso que o conheço. Pode encontrar um de seus livros em suas viagens pelo território de Madalena. A ironia é que ele escreve sobre a importância do culto da deusa e o princípio feminino, mas não permite mulheres em seu clube masculino. — Uma atitude muito britânica — disse Derek, cutucando Sir Isaac, que não gostou do comentário. — Não me inclua na companhia desse lunático, caubói. Nem todos os britânicos são iguais. — Isaac é um dos bons — garantiu Tammy. — Claro que há muitos gênios de boa-fé na Inglaterra e alguns são meus grandes amigos. Mas na minha experiência muitos esotéricos ingleses são esnobes. Todos pensam que possuem o segredo do universo e que o resto das pessoas... os americanos em particular... são idiotas da Nova Era, que só sabem fazer pesquisas medíocres. Eles acham que sabem tudo só porque podem escrever trezentas páginas sobre a geometria sagrada do Languedoc e criar mais duzentas páginas sobre árvores genealógicas fictícias. Mas se largarem suas bússolas e se permitirem sentir alguma coisa, vão descobrir que há muito mais para se apreciar aqui do que apenas o que pode ser quantificado no papel. Tammy acenou com a cabeça para um grupo em trajes da era elisabetana, no outro lado do salão. — Ali estão alguns assim, diga-se de passagem. Eu os chamo de Turma do Transferidor. Passam a vida inteira analisando a geometria


sagrada dos mapas. Você quer uma opinião sobre o significado de Et In Arcádia Ego? Eles podem oferecer anagramas em doze línguas diferentes e traduzir esses anagramas em equações matemáticas. Ela apontou para uma mulher atraente, mas de aparência arrogante, num traje elaborado, ao estilo Tudor. Uma letra “M” em ouro pendia de uma corrente em seu pescoço. A Turma do Transferidor reunida ao seu redor dava a impressão de que a adulava. — A mulher no centro alega ser descendente de Maria I, da Escócia. Como se sentisse que falavam a seu respeito, a mulher virou-se para olhar na direção deles. Fitou Maureen de alto a baixo, com uma expressão de absoluto desdém, antes de se virar de novo para seus aduladores. — Uma vaca altiva — murmurou Tammy, ríspida. — Está no centro de uma sociedade não muito secreta que quer restaurar a dinastia Stuart no trono britânico. Com ela como rainha, é claro. Maureen sentia-se fascinada pela enorme variedade dos sistemas de crenças representados no salão, para não mencionar as personalidades individuais extremadas. Peter inclinou-se para ela e gracejou: — Freud teria um prato cheio aqui. Maureen riu, mas tornou a concentrar sua atenção no grupo britânico no outro lado do salão. — Como Sinclair se sente em relação a ela? Ele é escocês... e não tem parentesco com os Stuart? A curiosidade de Maureen sobre Sinclair não parava de aumentar... e a mulher que se apresentava como Maria I, da Escócia, era muito bonita. — Ele sabe que aquela mulher é um caso de hospício. Não subestime Berry. Ele pode ser obsessivo, mas não é estúpido. — Olhem ali! — interrompeu Derek, à sua maneira um tanto juvenil de atenção limitada. — Hans e seu bando famoso. Ouvi dizer que Sinclair quase proibiu a presença deles este ano. — Por quê?


Maureen estava cada vez mais fascinada pelo Languedoc e a estranha subcultura esotérica que produzira. — Eles são caçadores de tesouros no sentindo mais literal — explicou Sir Isaac. — Circulam rumores de que é o bando o mais recente a usar dinamite nas montanhas de Sinclair. Maureen olhou para o grupo de alemães enormes e exuberantes. A reputação não era melhorada pelos trajes que vestiam: todos estavam fantasiados de bárbaros. — As fantasias são de quê? — Visigodos — respondeu Isaac. — Esta parte da França era território dos visigodos nos séculos VII e VIII. Os alemães acreditam que o tesouro de um rei visigodo está escondido na região. Tammy acrescentou: — Seria o equivalente europeu de descobrir a tumba de Tutankhamon. Ouro, jóias, artefatos de valor inestimável. Tudo o que se costuma encontrar num tesouro. Um grupo bastante turbulento atravessou o salão, esbarrando em Peter e Tammy. Cinco homens de túnica perseguiam uma mulher vestindo véus coloridos do Oriente Médio. Ela carregava uma grotesca cabeça humana numa bandeja. Os homens em seu encalço gritavam, aparentemente se dirigindo à cabeça cortada: — Fale conosco, Baphomet! Fale conosco! Tammy deu de ombros e limitou-se a dizer, depois que eles passaram: — Batistas. — Não os verdadeiros, é claro — ressaltou Derek. — Não, não os verdadeiros. Peter estava intrigado pelo ângulo religioso. — O que significa que não são os verdadeiros? Tammy virou-se para ele. — Tenho certeza de que você sabe que dia é hoje no calendário cristão, não sabe? Peter acenou com a cabeça.


— É o dia de São João Batista. — Os seguidores de João Batista nunca compareceriam a uma festa como esta em seu dia — explicou Derek. — Seria blasfêmia. — É um grupo muito conservador, pelo menos o ramo europeu. — Tammy acenou na direção da mulher com a cabeça. — Eles são uma paródia. Um tanto brutal, posso acrescentar. Não que não seja justificada. As pessoas no salão observavam a brincadeira extravagante com diferentes reações. Alguns riam, alguns sacudiam a cabeça, outros ficavam escandalizados. Derek comentou, incapaz de se ater a um assunto por muito tempo: — Preciso de um drinque. Alguém quer alguma coisa do bar?

 Peter aproveitou a partida de Derek para pedir licença e se afastar. O traje

não

lhe

assentava

bem,

e

ele

sentia-se

desesperadamente

desconfortável, por razões que não eram apenas de elegância. Disse a Maureen que ia procurar um banheiro. Na verdade, seguiu direto para o pátio. Estava na França, no final das contas... e tinha certeza de que encontraria no pátio alguém para lhe dar um cigarro.

 Um francês de excepcional elegância, apesar da simplicidade da túnica cátara, aproximou-se de Maureen e Tammy. Balançou a cabeça para Tammy e fez uma reverência diante de Maureen. — Bienvenue, Marie de Nègre. Constrangida com a atenção, Maureen soltou uma risada. — Lamento, mas meu francês é horrível. O francês falou num inglês impecável, embora com sotaque: — Eu disse que a cor fica muito bem em você. Uma voz chamou Tammy do outro lado do salão. Maureen olhou, achando que a voz era de Derek. Tornou a fitar Tammy, que estava


radiante. — Ei, Derek conseguiu acuar no bar um dos meus investidores potenciais. Pode me dar licença por um momento? Tammy afastou-se numa fração de segundo, deixando Maureen com o misterioso francês. Ele beijou a mão direita de Maureen, hesitando por um instante para examinar o anel, antes de se apresentar formalmente. — Sou Jean-Claude de la Motte. Berenger me disse que somos parentes, você e eu. O nome de minha avó também era Paschal. — É mesmo? Maureen sentiu-se excitada com a ligação. — E, sim. Ainda há alguns Paschal no Languedoc. Conhece a história, não é? — Não. Envergonho-me de dizer que tudo o que sei a respeito aprendi com Lorde Sinclair nos últimos dias. Adoraria ouvir mais sobre minha família. Dançarinos em trajes de Versailles no século XVIII passaram por eles, enquanto Jean-Claude falava: — O nome Paschal é um dos mais antigos da França. Foi adotado por uma das grandes famílias cátaras, descendentes diretos de Jesus e Maria Madalena. A maior parte da família foi eliminada na cruzada contra nosso povo. No massacre de Montségur, os sobreviventes foram queimados vivos como hereges. Mas alguns escaparam. Membros da família se tornaram mais tarde conselheiros de reis e rainhas da França. Jean-Claude gesticulou para um casal na pista de dança, em trajes requintados de Maria Antonieta e Luís XVI. — Maria Antonieta e Luís? — indagou Maureen, surpresa. — Isso mesmo. Maria Antonieta era uma Habsburgo, e Luís, um Bourbon... dois ramos diferentes da linhagem. Os dois ramos se uniram e foi por isso que as pessoas ficaram com tanto medo. A revolução foi causa da em parte pelo medo de que a união das duas famílias formasse a mais poderosa dinastia do mundo. Já esteve em Versailles, mademoiselle? — Já, sim. Fiz uma visita durante a minha pesquisa sobre


Maria Antonieta. — Então conhece o refúgio? — Claro. O refúgio fora um dos lugares prediletos de Maureen no terreno do vasto palácio de Versailles. Sentira uma profunda compaixão pela rainha, enquanto percorria a residência real. Cada uma das atividades de Maria Antonieta, de sentar-se no vaso a se preparar para dormir, era testemunhada pelos cães de guarda da nobreza. Seus filhos nasceram na presença de bandos de nobres reunidos no quarto. Maria, a rainha, rebelara-se contra as sufocantes tradições da realeza francesa e inventara um meio para fugir de sua prisão dourada. Construíra um refúgio, uma pequena aldeia ao melhor estilo da Disneylândia, à beira de um laguinho com patos e botes a remo. Um moinho em miniatura e uma pequena casa de fazenda eram os cenários para as festas pastorais, com pequenos grupos de amigos de confiança. — Então você sabe que Maria gostava muito de se vestir como a Pastora. Em todas as suas reuniões particulares, ela era a única que se vestia assim. Maureen balançou a cabeça em espanto, enquanto as peças se ajustavam em seus lugares. — Maria Antonieta sempre se vestia como a Pastora. Eu sabia disso quando estive em Versailles, mas na ocasião ignorava todo o resto. — Foi por isso que ela mandou construir o refúgio longe do palácio, com rigorosas medidas de segurança. Era a sua maneira de celebrar as tradições da linhagem em privacidade. Mas é claro que outros sabiam, já que nada era segredo naquele palácio. Havia muitos espiões, muito poder em jogo. Seria um dos fatores que levaram à morte de Maria... e à revolução. Os Paschal, é claro, eram leais à família real. Com bastante freqüência, eram convidados para as festas particulares de Maria. Mas a família foi obrigada a fugir da França durante o Grande Terror. Maureen ficou toda arrepiada. A história trágica da rainha da França nascida na Áustria sempre fora uma fonte de profundo fascínio e


tornara-se um dos principais fatores que haviam motivado seu livro. Jean-Claude acrescentou: — A maioria foi para os Estados Unidos e muitos se instalaram na Louisiana. Maureen empertigou-se ao ouvir isso. — Meu pai era da Louisiana. — Sei disso. Qualquer pessoa com olhos para ver saberia que você é desse ramo da linhagem real. Tem as visões, não é? Maureen hesitou. Relutava em falar sobre suas visões até mesmo para os mais íntimos e aquele homem era um completo estranho. Mas havia alguma coisa que parecia liberá-la por estar na companhia de outros como ela... pessoas que achavam que era perfeitamente natural ter aquelas visões. Ela respondeu com toda a simplicidade: — Tenho, sim. — Muitas mulheres da linhagem têm visões de Madalena. Às vezes até os homens, como Berenger Sinclair. Ele tem as visões desde que era criança. É bastante comum. Mas não me parece tão comum, pensou Maureen. Ela ficou curiosa com aquela revelação. — Sinclair tem visões? Ele não mencionara isso. Mas ela teria a oportunidade de perguntar ao próprio, pois Sinclair atravessava o salão naquele instante, vestido como o conde de Toulouse. — Vejo que já encontrou sua prima há muito perdida, JeanClaude. — Oui. E ela é um crédito para o nome da família. — Um grande crédito. Posso roubá-la por um momento? — Só se você me permitir levá-la para um passeio de carro amanhã. Eu gostaria de lhe mostrar alguns dos locais da região ligados ao nome Paschal. Já esteve em Montségur, ma chérie? — Não. Saímos com Roland hoje, mas não chegamos a Montségur. — É um lugar sagrado para a família Paschal. Importa-se que eu a leve até lá, Berenger?


— Claro que não. Mas Maureen é perfeitamente capaz de tomar suas próprias decisões. — Quer me conceder essa honra? Posso mostrar Montségur e depois a levarei a um restaurante tradicional. Só servem comida preparada ao autêntico estilo cátaro. Maureen não conseguia encontrar nenhuma maneira graciosa de dizer não, mesmo que quisesse. Mas a combinação de charme francês e a perspectiva de ter mais uma percepção da história da família era irresistível. — Terei o maior prazer. — Então até amanhã, prima. Posso vir buscá-la às onze horas? Jean-Claude beijou-lhe de novo a mão, depois que ela concordou. Despediu-se de Berenger. — Tenho de partir agora, pois preciso fazer planos para amanhã. Maureen e Sinclair sorriram quando ele se afastou. — Você causou uma impressão e tanto em Jean-Claude. O que não é de surpreender. Está maravilhosa nesse traje, como eu sabia que ficaria. — Obrigada por tudo. Maureen sabia que corava, pois não estava acostumada a tanta atenção masculina. Resolveu retomar a conversa sobre Jean-Claude: — Ele parece muito simpático. — É um estudioso brilhante, um dos maiores conhecedores de história francesa e occitana. Trabalhou durante anos na Bibliothèque Nationale, onde tinha acesso aos mais espantosos materiais de pesquisa. Foi de grande ajuda para Roland e para mim. — Roland? Maureen ficou surpresa pela maneira deferente com que Sinclair se referiu ao mordomo. Não parecia um comportamento típico para um aristocrata. Sinclair deu de ombros. — Roland é um leal filho do Languedoc. E possui o maior interesse pela história de seu povo. — Sinclair pegou Maureen pelo braço e começou a levá-la através do salão. — Venha comigo. Quero lhe mostrar


uma coisa. Os dois subiram um lance de escada e entraram numa pequena sala, com um terraço particular. Dava para o pátio e um vasto jardim que se estendia além. Havia um portão com flores-de-lis douradas, protegidos Por guardas, nos dois lados. — Por que há tantos guardas no portão? — Este é o meu domínio particular, um terreno sagrado. Eu o chamo de Jardim da Trindade e só permito o acesso a bem poucas pessoas... e pode ter certeza de que muitos dos convidados aqui esta noite fariam qualquer coisa para passar por aquele portão. Depois de uma breve pausa, Sinclair acrescentou: — O baile à fantasia é uma tradição... minha reunião anual para determinadas pessoas, que partilham um interesse comum. — Ele gesticulou para as pessoas no pátio. — Algumas eu respeito... até mesmo reverencio, algumas eu chamo de amigas, outras... outras são divertidas. Mas todas eu vigio atentamente... algumas muito atentamente. E achei que você poderia achar interessante observar como as pessoas vêm do mundo inteiro para investigar os mistérios do Languedoc. Maureen correu os olhos pelas pessoas no pátio, desfrutando a brisa, que trazia a fragrância do roseiral próximo, no início do verão. Notou que Tammy parecia muito íntima de Derek... e que Derek se mostrava fascinado pela exuberante rainha das ciganas. Viu alguém que poderia ser Peter, mas chegou à conclusão de que não era. Aquele homem estava fumando. E Peter não fumava desde que era adolescente. Ela virou-se abruptamente para Sinclair e perguntou: — Como me descobriu? Ele levantou a mão direita de Maureen, gentilmente. — Pelo anel. — O anel? — Estava com o anel na foto em que aparece na capa do livro. Maureen balançou a cabeça, começando a compreender. — Sabe o que o padrão significa? — Tenho uma teoria a respeito e foi por isso que a trouxe até


aqui. Venha comigo. Sinclair tornou a segurá-la pelo braço. Levou-a até uma obra de arte na parede, protegida por um vidro. Era pequena, não maior que uma foto 8 x 10. Mas estava bem no meio da parede, com uma iluminação cuidadosa, para destacar todos os detalhes. — É uma gravura medieval — explicou ele. — Representa a filosofia. E as sete artes liberais. — Como o afresco de Botticelli. — Exatamente. Vem da perspectiva clássica de que alguém que se dedica às sete artes liberais pode alcançar o título de filósofo. É por isso que a figura feminina no centro é apresentada aqui como a deusa, Filosofia, e as artes liberais estão a seus pés, a seu serviço. Mas aqui está o que pensei que você acharia mais interessante. Sinclair começou pela esquerda, dando os nomes das artes liberais, enquanto as indicava com o dedo. Parou na sétima e última. — Aqui estamos. Cosmologia. Percebe alguma coisa que parece familiar? Maureen não pôde conter uma exclamação de espanto. — Meu anel! A

figura

representando

a

cosmologia

segurava

um

disco

ornamentado com o padrão do anel de Maureen. Ela contou as estrelas e ergueu a mão para a comparação com a gravura. — E idêntico, até no espaçamento do centro para os círculos. Maureen ficou calada por um momento, absorvendo tudo, antes de se virar para Sinclair. — Mas o que tudo isso significa? Como se aplica a Maria Madalena? E a mim? — Há aplicações espirituais e alquímicas. Em relação aos mistérios de Madalena, creio que esse símbolo aparece com freqüência como uma pista, um lembrete de que precisamos dispensar toda a atenção à crítica relação entre a Terra e as estrelas. Os antigos sabiam disso, mas esquece mos em nossa era moderna. “Como acima é abaixo.” As estrelas nos lembram todas as noites que temos a oportunidade de criar o paraíso


na Terra. Creio que é isso que eles queriam nos ensinar. Foi sua suprema dádiva para nós, sua mensagem de amor. — Eles? — Jesus Cristo e Maria Madalena. Nossos ancestrais. E como se um cronômetro cósmico estivesse armado para pontuar a frase, os fogos de artifício começaram a explodir nesse instante, promovendo um espetáculo de luzes sobre o jardim, deixando todos maravilhados. Sinclair levou Maureen de volta ao terraço, a fim de contemplar as explosões de cores sobre o terreno do castelo. E, quando ele estendeu o braço ao seu redor, Maureen deixou, sentindo-se estranhamente confortável naquele abraço forte e afetuoso.

 Lá embaixo, no pátio, o padre Peter Healy não olhava para os fogos de artifício. Pelo menos não os que brilhavam no céu. A sua atenção concentrava-se em Berenger Sinclair, no terraço, com o braço em torno da cintura da prima ruiva de Peter, num gesto firme e possessivo. Em contraste com Maureen, ele não se sentia nem um pouco tranqüilo... em relação a Sinclair e a todas aquelas pessoas e seus planos. Havia outros pares de olhos observando a evolução da química entre Sinclair e Maureen naquela noite. Derek também observava lá de baixo, de sua posição no outro lado do pátio. Ao correr os olhos pelo terraço, ele notou que seu colega francês estava bem posicionado lá em cima, talvez até bastante perto para ouvir a conversa entre o anfitrião e a mulher vestida como Maria Madalena. Derek Wainwright apalpou seu corpo discretamente, para ter certeza de que a corda vermelha cerimonial de sua Guilda estava bem escondida nas dobras do traje de Thomas Jefferson. Precisaria usá-la mais tarde, ainda naquela noite, quando voltasse para Carcassonne.


... Talvez eu seja a única defensora da princesa chamada Salomé, porém obrigo-me a assumir tal posição. Lamento ter esperado tanto, pois ela não merecia seu terrível destino. Houve um tempo em que falar a respeito dela e de suas ações era a morte. Por isso eu não podia defendê-la sem pôr em risco os seguidores de Easa e os ensinamentos mais elevados d'O Caminho. Como muitos de nós, entretanto, ela foi julgada por aqueles que não conheciam a verdade, nem sequer um eco da verdade. Em primeiro lugar, cumpre-me afirmar algo: Salomé me amava e amava Easa ainda mais. Se tivesse a oportunidade, em outro tempo, outro lugar ou outras circunstâncias, ela poderia ter sido uma autêntica discípula, uma sincera seguidora d'0 Caminho da Luz. Por isso, não há como furtar-me a incluí-la neste Livro dos Discípulos, pois ela poderia ter-se tornado um deles. Como Judas, Pedro e os outros, a Salomé foi garantido um determinado papel, e pouca chance de escapar ao seu destino. Seu nome foi gravado nas pedras de Israel com o sangue de João e talvez também com algum sangue de Easa. Se suas ações se revelaram precipitadas e infantis, como uma jovem que não pensa nas coisas antes de falar, então ela é culpada por isso. Porém ser lembrada como ela é, injuriada e desprezada como uma meretriz que ordenou a morte de João Batista, é uma das maiores injustiças de que posso me lembrar. No Dia do Juízo Final, talvez ela me perdoe por isso. E talvez João perdoe todos nós. O EVANGELHO

DE

ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO DOS DISCÍPULOS


CAPITULO ONZE

Château des Pommes Bleues 24 de junho de 2005

Maureen foi deitar pouco depois da queima dos fogos de artifício. Peter apareceu quando ela descia a escada, oferecendo-se para acompanhá-la até seu quarto. Ela aceitou a oferta sem hesitar, mais do que ansiosa em escapar para uma solidão muito necessária. As últimas vinte e quatro horas haviam sido vertiginosas e sua cabeça latejava. Mais tarde, ainda naquela noite, Maureen foi despertada por vozes no corredor. Pensou reconhecer a voz de Tammy, falando num sussurro. Uma voz abafada de homem respondeu. Depois, ela ouviu uma risada gutural, uma característica tão específica de Tammy quanto as impressões digitais. Ficou feliz em pensar que a amiga se divertia na festa. E Maureen sorria quando tornou a mergulhar no sono, com uma noção vaga, sonolenta, de que a voz sussurrando em intimidade para Tammy não era de um americano.

 Carcassonne 25 de junho de 2005

Derek Wainwright soltou um grunhido quando o sol da manhã entrou inexorável pela janela de seu quarto no hotel. Havia duas coisas com que ele não queria lidar naquele dia: sua ressaca e as oito mensagens no celular.


Levantou-se devagar, a fim de avaliar a extensão da dor de cabeça. Arrastou-se até a mala de couro italiano e pegou um vidro. Abriu-o para revelar

um

amplo

sortimento

de

pílulas.

Tomou

um

Vicodin,

acompanhado por três cápsulas de Tylenol, por precaução. Assim, fortalecido, ele olhou para o telefone na mesinha-de-cabeceira. Desligara-o quando voltara ao hotel, tarde da noite. Não podia suportar os bips incessantes e não queria ouvir as mensagens. Derek

passara

a

maior

parte

de

sua

vida

escapando

da

responsabilidade dessa maneira. Nascido numa família muito rica e influente na Costa Leste dos Estados Unidos, o filho mais novo do magnata do ramo imobiliário Eli Wainwright sempre tivera uma vida fácil. Ingressara em Yale sem a menor dificuldade, com base nos legados do pai e dos irmãos mais velhos. Obtivera um cargo de executivo numa empresa de investimentos de alta classe, apesar de seu medíocre desempenho acadêmico. Deixara o emprego menos de um ano depois, quando chegara à conclusão de que o horário de trabalho não era compatível com seu estilo de vida, de noitadas e festas freqüentes. Não que precisasse trabalhar. O fundo de investimentos que fora criado para ele era suficiente para sustentá-lo pelo resto da vida. Daria também para sustentar seus filhos e netos, se algum dia se assentasse o suficiente para tê-los. Eli Wainwright se mostrara surpreendentemente paciente com as deficiências do filho caçula. Derek carecia do empenho nos estudos e da aptidão para os negócios dos irmãos. Demonstrara, porém, o maior interesse por um elemento essencial na vida e sucesso da família: a participação na Guilda dos Justos. Batizado, primeiro, quando bebê e depois outra vez aos quinze anos, como era tradição na organização, Derek parecia ter uma afinidade natural pela sociedade e seus ensinamentos. O pai escolhera Derek para tomar o seu lugar como um dos principais membros americanos da Guilda, uma organização que se estendia não apenas por todo o mundo ocidental, mas também por partes da Ásia e Oriente Médio. A Guilda dos Justos contava entre os seus membros com alguns dos homens mais influentes na comunidade empresarial e na


política internacional. A participação era estritamente para herdeiros de sangue. Os homens batizados deviam casar com as Filhas da Justiça. Eram as filhas dos membros da Guilda, criadas num rigoroso código de decoro. As garotas recebiam um treinamento especial para se tornar esposas e mães. As lições vinham de um documento antigo conhecido como O verdadeiro livro do Santo Graal, que havia séculos era passado de uma geração para outra. Alguns dos maiores bailes de debutantes da Costa Leste e do Sul dos Estados Unidos, em particular no Texas, eram em essência “festas de apresentação” preparadas

das

para

Filhas entrar

da no

Justiça, mundo

anunciando

como

esposas

que

estavam

obedientes

e

apropriadas de membros da Guilda. Os filhos mais velhos de Eli haviam se casado com Filhas da Justiça e estavam todos bem instalados em suas vidas de classe superior. Assim, era cada vez maior a pressão sobre o Wainwright mais novo, agora na casa dos trinta anos, para assentar-se de uma maneira similar. Derek não estava interessado, embora não ousasse dizer isso ao pai. Achava que as Filhas da Justiça eram chatas demais, em sua virgindade imaculada. A idéia de ir para a cama todas as noites com uma daquelas princesas do gelo, de criação perfeita, fazia-o estremecer. Claro que podia fazer o que seus irmãos e todos os outros membros da Guilda faziam: casar com a mãe apropriada e aprovada para seus filhos e arrumar uma vagabunda ardente para manter as coisas interessantes por fora. Mas por que tomar juízo naquela altura da vida? Ainda era jovem, com uma imensa riqueza, e tinha poucas responsabilidades. E enquanto houvesse mulheres exóticas e sensuais para atraí-lo, como Tamara Wisdom, ele não tinha a menor intenção de se acorrentar a uma reprodutora insuportável e premiada, que o faria se lembrar da mãe. Se o pai continuasse convencido de que ele só estava interessado em executar os planos da Guilda, Derek poderia se esquivar de suas outras responsabilidades, pelo menos por mais alguns anos. O que Eli Wainwright não percebia, com os olhos cegos de um pai que opta por não admitir os defeitos do filho, era que Derek não sentia afinidade pela filosofia da Guilda. O fascínio era pela mística de uma


sociedade proscrita, os rituais, o senso de elitismo que vinha de conhecer segredos legados ao longo dos séculos e protegidos com sangue. A verdadeira atração vinha da compreensão de que praticamente qualquer ato de um membro da Guilda, por mais abominável que fosse, podia ser apagado e encoberto pela rede global de influência. Derek adorava essas coisas, assim como a maneira pela qual era tratado, aonde quer que fosse, por causa da riqueza e influência do pai. Ou pelo menos era o que acontecia antes, até que o antigo Mestre da Justiça morrera, de uma maneira um tanto misteriosa, sendo substituído pelo novo, o fanático inglês que agora dominava a Guilda com mão de ferro. O novo líder mudara tudo. Gabava-se de sua ligação hereditária com Oliver Cromwell, ao mesmo tempo que estudava as táticas implacáveis e muitas vezes sinistras de seu antepassado para lidar com a oposição. Ao assumir o título de Mestre da Justiça, John Simon Cromwell efetuara sua primeira declaração dramática de princípios, através de

uma brutal

execução.

Era

verdade

que

o

homem

assassinado era um inimigo da Guilda e líder de uma organização que se opunha a eles havia centenas de anos. Mas a mensagem fora evidente: “Eliminarei qualquer um que me desafiar e farei isso da maneira mais brutal.” Decapitar o homem com uma espada e cortar o dedo indicador direito eram atos que demonstravam o toque pessoal do fanatismo incontrolável do novo líder. Derek tentou bloquear essa imagem específica de sua mente atordoada ao pegar o celular e ligá-lo, acessando a caixa postal. Era tempo de enfrentar a música. Assumira o compromisso de cumprir uma missão e estava determinado a fazê-lo, a fim de demonstrar para o desgraçado do britânico, de uma vez por todas, do que ele era capaz. Estava cansado de ser escarnecido pelo britânico e pelo francês. Tratavamno como se fosse um idiota e ninguém jamais tivera permissão para fazer isso antes. Enquanto ouvia os recados, Derek respirou fundo, contra a voz com sotaque de Oxford que se tornava mais e mais ameaçadora a cada mensagem. Ao ouvir as palavras finais, na oitava mensagem, Derek já


sabia o que tinha de fazer.

 Château des Pommes Bleues 25 de junho de Z005

Tamara Wisdom escovava os cabelos negros lustrosos, enquanto se contemplava no enorme espelho de moldura dourada. O sol vibrante da manhã iluminava seu quarto, que era tão espetacular quanto o de Maureen. Havia rosas, em tonalidades de creme e púrpura, em vasos de cristal, em todas as mesas. Veludos e brocados de cor púrpura envolviam a enorme cama, um lugar que ela raramente ocupava sozinha. Tammy sorriu, deleitando-se por um momento com as recordações da noite anterior. O calor do corpo do homem deixara uma impressão em sua pele por muito tempo depois que ele se retirara, pouco antes do amanhecer. Em sua atitude intrépida e experimental em relação à vida, ela conhecera muitas paixões intensas, mas nenhuma fora como aquela. Finalmente compreendia o que os alquimistas queriam dizer quando falavam da Grande Obra, a união perfeita de um homem e uma mulher... um encontro de corpo, mente e espírito. Mas o sorriso se desvaneceu quando ela voltou à realidade do que tinha de ser feito naquele dia. Tudo fora muito divertido a princípio, como um grande jogo de xadrez entre dois continentes. Ela passara a gostar de Maureen muito depressa. Todos gostavam. Até o padre não se mostrara a criatura intrometida que todos temiam. Era um místico, à sua maneira, muito longe do dogmático rígido que haviam previsto. Havia também a questão de seu próprio envolvimento, cada vez mais profundo. O elemento Mata Hari fora divertido no começo, mas agora estava se tornando repulsivo. Teria de equilibrar tudo com muito cuidado hoje, a fim de obter a informação de que precisava, mas sem se perder no processo. Tinha vários objetivos a alcançar, por si mesma, pela


Sociedade e por Roland. Mantenha o foco, Tammy, ela lembrou a si mesma. Há muito a ganhar, se você for bem-sucedida, e tudo a perder, se fracassar. O jogo mudara. E estava se tornando mais perigoso do que qualquer um previra. Tammy largou a escova e passou uma fragrância floral nos pulsos e na garganta, em preparativo para o que ia acontecer. Ao se virar para deixar o quarto, ela parou diante do quadro espantoso na parede. Era de Gustave Moreau, pintor simbolista francês, e mostrava a princesa Salomé envolta pelos sete véus e segurando uma bandeja com a cabeça de João Batista. — Essa é a minha garota — murmurou Tammy para si mesma, antes de partir para sua última e mais crucial participação na intriga.

 Maureen tomou o café da manhã sozinha na copa. Roland, passando pelo corredor, viu-a ali e entrou. — Bonjour, mademoiselle Paschal. Está sozinha? — Bom-dia, Roland. Desci sozinha. Peter ainda dormia e eu não quis acordá-lo. Roland balançou a cabeça. — Tenho um recado de sua amiga, Srta. Wisdom. Ela está agora hospedada no Château e gostaria que jantassem juntas esta noite. — Vou adorar. — Maureen estava ansiosa em se encontrar com Tammy para conversar sobre a festa. — Onde ela está agora? Roland deu de ombros. — Ela foi cedo para Carcassonne. Para tratar de alguma coisa relacionada com o filme que está fazendo. Só me pediu para lhe dar esse recado. E agora, mademoiselle, vou procurar monsieur Berenger, pois tenho certeza de que ele ficará consternado ao saber que está comendo sozinha.


Sinclair interrompeu os pensamentos de Maureen, entrando na copa pouco depois de Roland se retirar. — Dormiu bem? — Como poderia ser de outra forma naquela cama? É como dormir nas nuvens. Maureen notara, logo na primeira noite, que havia um enorme colchão de plumas por baixo dos lençóis de algodão egípcio. — Isso é ótimo. Tem planos para esta manhã? — Não até onze horas. Lembra que vou me encontrar com Jean-Claude hoje? — Claro que lembro. Ele vai levá-la para Montségur. Um lugar extraordinário. Só lamento não ter mostrado para você na primeira vez. — Não gostaria de nos acompanhar? Sinclair riu. — Minha cara, Jean-Claude trataria de me enforcar, esfolar e esquartejar se eu fosse junto hoje. Você é a estrela da região agora, depois de sua apresentação na noite passada. Todo mundo quer saber mais a seu respeito. A cotação de Jean-Claude na região vai subir mais de cem pontos se ele for visto escoltando-a sozinho. Mas não o invejo por isso. Também tenho uma coisa para lhe mostrar, assim que acabar de comer... e tenho certeza de que você vai achar memorável.

 Os dois estavam parados no mesmo terraço de onde haviam assistido aos fogos de artifício, na noite anterior. O extraordinário jardim do castelo estendia-se à frente. — É muito mais fácil contemplar e apreciar o jardim à luz do dia — comentou Sinclair, orgulhoso, apontando para as três seções separadas. — Está vendo como formam um padrão de flor-de-lis? — É um jardim magnífico. Maureen estava sendo absolutamente sincera. O jardim era impressionante em sua beleza escultural, visto de cima. — Esse jardim pode contar a história de nossos ancestrais


melhor do que eu sou capaz. Gostaria que me concedesse a honra de mostrá-lo. Vamos? Maureen aceitou o braço oferecido. Desceram para o átrio. Ela notou que o castelo estava impecável, apesar das várias centenas de convidados que recebera na noite anterior. Os criados deviam ter realizado uma limpeza meticulosa logo em seguida, pois não havia qualquer coisa que não fosse uma ordem imaculada por ali. Passaram pelas enormes portas de vidro e saíram para o pátio de mármore. Seguiram até o portão dourado. Sinclair tirou uma chave do bolso e a inseriu no cadeado. Soltou a corrente e empurrou o portão por uma barra dourada. Entraram em seu santuário pessoal. Um chafariz de mármore rosa borbulhava bem à frente, na entrada do jardim. O sol faiscava nas gotas de água que caíam pelos ombros de uma estátua em tamanho natural de Maria Madalena, esculpida em mármore cor de marfim. Havia uma rosa na mão esquerda da imagem; uma pomba pousava na mão direita. Na base do chafariz, estava esculpida a onipresente flor-de-lis. — Você conheceu muitas pessoas ontem à noite. Todas têm teorias sobre esta região e o tesouro misterioso. Tenho certeza de que ouviu muitas, do sublime ao ridículo. Maureen riu: — A maioria era ridícula. Sinclair sorriu para ela. — Todos têm suas teorias e acreditam... ou seria melhor dizer, sabem... que Maria Madalena é nossa rainha, aqui no sul da França. Na verdade, isso é a única coisa com que todos que estavam no salão ontem à noite concordam. Maureen escutava com total atenção. A voz de Sinclair tinha um ar de excitamento, de expectativa. Era contagiante. — E todos sabem também que há uma linhagem. Uma linhagem real, que vem de Maria Madalena e seus filhos. Mas bem poucos conhecem toda a verdade. A história inteira está reservada


para aqueles que são os verdadeiros seguidores d'O Caminho. O Caminho como foi ensinado por nossa Madalena. O Caminho como foi ensinado pelo próprio Jesus Cristo. Maureen deteve-o, com alguma hesitação: — Não sei se é apropriado ou não perguntar, mas é esse o objetivo de sua Ordem das Maçãs Azuis? — A Ordem das Maçãs Azuis é antiga e complexa. Eu lhe contarei mais a respeito depois. Por enquanto, basta dizer que a Ordem existe para defender e preservar a verdade. E a verdade é que Maria Madalena foi mãe de três crianças. Maureen ficou surpresa. — Três? Sinclair acenou com a cabeça em confirmação. — Bem poucas pessoas conhecem a história em sua totalidade, porque os detalhes foram intencionalmente encobertos para a proteção dos descendentes. Três crianças. Uma trindade. E cada uma fundou uma linhagem de sangue real que mudaria a face da Europa e do mundo. O jardim celebra as dinastias instituídas pelas três crianças. Meu avô criou tudo isso. Ampliei o jardim e assumi o compromisso de preservá-lo. Três arcadas levavam às diferentes partes do jardim. — Começaremos por nosso próprio ancestral. Ele conduziu uma aturdida Maureen pela arcada central. — O que foi? Ficou surpresa por saber que somos parentes? Muito distantes, é verdade, mas descendemos da mesma linhagem original. — Não é fácil absorver tudo isso. Sei que é um conhecimento antigo para você, mas é chocante para mim descobrir. Não posso imaginar como o resto do mundo reagiria. Eles entraram num roseiral de viço extraordinário. Várias espécies de lírios estavam plantadas num círculo, em torno de outra estátua. A combinação formava a fragrância magnífica que Maureen aspirara na noite anterior. Uma pomba branca arrulhou e sobrevoou as roseiras requintadas e entrelaçadas, enquanto Maureen e Sinclair caminhavam juntos, em


silêncio. Ela parou por um momento para aspirar, absorvendo o perfume das rosas vermelhas desabrochadas. — Rosas... São simbólicas para todas as mulheres da linhagem. E lírios... O lírio é um símbolo específico de Maria Madalena. A rosa pode se referir a qualquer mulher descendente, mas, em nossa tradição, só Madalena tem permissão para ostentar o lírio. Ele conduziu Maureen até a estátua, que dominava tudo ao redor. Era de uma jovem esguia, com cabelos lisos e soltos. Maureen teve dificuldade para falar. Sua pergunta foi pouco mais que um sussurro: — Essa é a filha? — Posso apresentá-la a Sara-Tamar, a única filha de Jesus Cristo e Maria Madalena? A fundadora das dinastias reais francesas. E nossa antepassada comum, há mil e novecentos anos. Maureen ficou olhando por um longo momento para a estátua, antes de tornar a se virar para Sinclair. — É tudo incrível demais. E, no entanto, não estou achando tão difícil aceitar. Muito estranho, mas ao mesmo tempo parece... certo. — Isso acontece porque sua alma reconhece a verdade. Uma pomba arrulhou em concordância, do alto de uma roseira. — Está ouvindo as pombas? São o símbolo de Sara-Tamar, emblemas de seu coração puro. Mais tarde, tornou-se o símbolo de seus descendentes... os cátaros. — E foi por isso que os cátaros foram exterminados como hereges pela Igreja? — E, sim... pelo menos em parte. Porque podiam provar, mediante determinados objetos e documentos em seu poder, que eram descendentes de Jesus e Maria. O que fazia com que sua mera existência se tornasse uma ameaça para Roma. Homens, mulheres e crianças. A Igreja tentou exterminar todos eles para manter o segredo. Mas há mais para ver. Vamos. Sinclair levou Maureen num semicírculo, através das roseiras, proporcionando-lhe a oportunidade de experimentar a beleza do jardim ao sol do verão, numa manhã dourada no Languedoc. Voltaram pela


arcada e contornaram o chafariz de Maria Madalena. — É hora de conhecer o irmão caçula. Maureen podia sentir que o seu excitamento tornava a crescer. Especulou como devia ser a manutenção de um segredo daquela magnitude. Pensou por um instante, com uma pontada de apreensão, que em breve saberia em primeira mão. Sinclair passou pela arcada da direita, para um trecho do jardim mais meticuloso e bem tratado. — Parece muito inglês — comentou Maureen. — É isso mesmo, minha cara. E agora lhe mostrarei por quê. Uma estátua de um jovem de cabelos compridos, levantando um cálice, era o ponto focal do chafariz grande que havia ali. Uma água cristalina despejava-se do cálice. — Yeshua-Davi, o filho mais novo de Jesus e Maria. Ele não conheceu o pai, pois Madalena estava grávida por ocasião da crucificação. Nasceu em Alexandria, no Egito, onde a mãe e sua comitiva se refugiaram, antes de partir para a França. Maureen parou de repente. Num gesto inconsciente, levou a mão à barriga. — O que houve? — Ela estava mesmo grávida. Eu vi. Estava grávida na Via Dolorosa e... na crucificação. Sinclair começou a acenar com a cabeça, à sua maneira distraída, mas ficou imóvel abruptamente. Foi a vez de Maureen perguntar: — O que houve? — Você disse crucificação? Teve uma visão da crucificação? Maureen começava a sentir um aperto na garganta e as lágrimas ardendo no fundo dos olhos. Teve medo de falar por um momento, achando que não seria capaz de controlar a voz. Sinclair percebeu e falou com extrema gentileza: — Maureen, minha querida, pode confiar em mim. Diga-me, por favor. Teve uma visão de Madalena na crucificação? Uma lágrima escorreu, incontrolável, mas Maureen não sentiu


mais a necessidade de tentar reprimi-la. Havia um sentimento de liberação, se não mesmo de segurança, em partilhar aquilo com alguém que compreendia. — Tive — sussurrou ela. — Aconteceu na Notre Dame. Sinclair estendeu a mão para remover a lágrima de seu rosto. — Minha cara Maureen, pode imaginar como isso é extraordinário? — E por que é tão importante? — A profecia. Maureen esperou pela explicação que sabia que viria. — Há uma profecia que passou de geração em geração, por tanto tempo quanto alguém pode se lembrar. A lenda diz que era parte de um livro maior de profecias e revelações que outrora existiu, escrito em grego. O livro era atribuído a Sara-Tamar e por isso seria um evangelho. Sabemos que uma importante princesa da linhagem, Mathilda da Toscana, a duquesa de Lorena, possuía o livro original, quando construiu a Abadia de Orval, no século XI. — Onde fica Orval? — No que é agora a fronteira belga. Há vários locais religiosos muito importantes na Bélgica que pertencem à nossa história, mas foi

em

Orval que as profecias de Sara-Tamar ficaram

guardadas durante alguns anos. Sabemos que o original de seu livro passou algum tempo, depois disso, em poder dos cátaros do Languedoc. É lamentável que o livro tenha desaparecido por completo da história. Pouco se sabe sobre o que aconteceu. E nossa única percepção sobre o conteúdo vem de Nostradamus. — Nostradamus? Maureen sentia a cabeça girar. Tinha a impressão de que nunca deixaria de ficar chocada com a maneira como tudo se entrelaçava. Sinclair revirou os olhos. — Isso mesmo. Ele recebeu todo o crédito por sua espantosa visão e clarividência, mas as profecias não eram suas. Eram de Sara-Tamar. Ao que tudo indica, Nostradamus teve acesso a uma versão copiada à mão do original, numa visita a Orval. Essa cópia


desapareceu pouco depois. Pode tirar suas conclusões. Maureen soltou uma risada. — Não é de admirar que Tammy fale dele de uma maneira tão desdenhosa. Nostradamus era um plagiário. — E muito esperto. Temos de lhe conceder o crédito pela criação das quadras. Foram uma invenção sua. Ele reescreveu as profecias de Sara-Tamar de maneira a disfarçar a fonte original e ter o máximo de impacto em seu tempo. O velho Michel era mesmo brilhante.

E

seus

amplos

conhecimentos

de

alquimia

lhe

proporcionaram a capacidade de decifrar o que devia ser um documento muito complicado. Mas pouco nos ficou de nossa SaraTamar, afora a obra de Nostradamus e a única profecia que está arraigada em alguns de nós. — E o que diz essa profecia? Sinclair olhou para a água caindo do cálice. Depois, fechou os olhos e recitou uma parte da profecia: — Marie de Nègre dirá quando chegar o momento para A Escolhida. Ela que nasceu do Cordeiro Pascal, quando o dia e a noite são iguais, ela que é filha da ressurreição. Ela que carrega o Sangre-el receberá a chave, ao contemplar o Dia Tenebroso do Crânio. Ela se tornará a nova Pastora e nos mostrará O Caminho. Maureen estava atordoada. Sinclair tornou a pegar sua mão. — O Dia Tenebroso do Crânio. Gólgota, o monte em que ocorreu a crucificação, é uma palavra que pode ser traduzida como “lugar do crânio”. O Dia Tenebroso é o que chamamos agora de Sexta-feira da Paixão. A profecia indica que a filha da linhagem que tiver uma visão da crucificação receberá a chave. — A chave para quê? Maureen ainda não entendia direito. Sentia-se atordoada com tanta informação. — A chave para alcançar o segredo de Maria Madalena. Seu evangelho. Um relato na primeira pessoa de sua vida e sua época. Ela escondeu-o com um tipo de alquimia, como já expliquei. Só pode ser


encontrado se determinados critérios espirituais forem atendidos. Sinclair gesticulou para a estátua do jovem. Indicou em particular o cálice em sua mão. — Ali está o que muitos têm procurado, há muito tempo. Maureen

tentava

entender

e

ordenar

os

incontáveis

pensamentos que passavam por sua mente. O cálice. Ela teve um estalo. — O cálice que ele está segurando... é o Santo Graal? — Isso mesmo. A palavra “Graal” vem de um termo antigo, SangreEl, que significa o Sangue de Deus. Simbólico da linhagem divina, é claro. Mas a procura não era por descendentes em geral da linhagem. A maioria dos cavaleiros do Santo Graal também era da linhagem e todos sabiam muito bem o que o legado significava. Na verdade, eles procuravam uma descendente específica, uma Princesa do Graal, que é também conhecida como A Escolhida. E a filha que tem a chave que todos queriam. — Espere um instante. Está querendo me dizer que a busca pelo Santo Graal era na verdade a procura pela mulher de uma profecia? — Em parte, é isso mesmo. O filho mais novo, Yeshua-Davi, foi para Glastonbury, na Grã-Bretanha, com o tio-avô, o homem que ficou conhecido na história como José de Arimatéia. Juntos, fundaram o primeiro povoado cristão na Grã-Bretanha. Foi ali que surgiram as lendas sobre o Santo Graal. Sinclair gesticulou para outra estátua, a alguma distância. Parecia ser a de um rei empunhando uma enorme espada. — Por que você acha que o rei Artur era conhecido como O Único e Eterno Rei? Porque descendia de Yeshua-Davi. Até hoje ainda temos a nobreza britânica que descende dele. E há muitos também na Escócia. — Inclusive você. — Inclusive eu, pelo lado materno. Mas também sou descendente de Sara-Tamar pelo lado paterno, como você. Um bip inconveniente interrompeu-o. Ele soltou um som irritado, pegou o celular, conversou rapidamente em francês e desligou. — Era Roland. Jean-Claude chegou para tirá-la de mim.


Maureen não foi capaz de disfarçar seu desapontamento. Ainda não se sentia disposta a deixar tudo aquilo. — Mas ainda não vi a terceira parte do jardim. A expressão de Sinclair tornou-se sombria. Era uma mudança quase imperceptível, mas Maureen notou. — Talvez seja melhor assim. É um lindo dia e ali... — Ele indicou com um aceno de cabeça. — ...é o jardim do filho mais velho de Madalena. Sinclair respondeu à pergunta tácita de Maureen da maneira vaga e enigmática que os nativos da região pareciam apreciar, o que sempre era irritante. — E já que o dia está lindo, não devemos empaná-lo com as muitas sombras que se encontram naquela parte do jardim.

 Ao sair do jardim com Maureen, Sinclair parou junto do portão dourado. — No dia em que chegou, você perguntou por que demonstro tanta preferência pela flor-de-lis. Flor-de-lis significa “flor do lírio” e o lírio é simbólico de Maria Madalena, como você já sabe. A “flor do lírio” representa a prole de Madalena. São três filhos, representados pelas três pétalas da flor. Ele passou um dedo pelos contornos de uma flor-de-lis no portão. — O primeiro ramo descende do filho mais velho, João-José, sobre o qual falarei mais tarde, quando chegar o momento apropriado. Por enquanto basta dizer que seus herdeiros floresceram na Itália. A pétala do meio representa a filha, Sara-Tamar, enquanto a terceira é o filho caçula, Yeshua-Davi. Sinclair fez uma pausa, olhando para o jardim. — Esse é o segredo bem guardado da flor-de-lis. O motivo pelo qual representa tanto a nobreza italiana quanto a francesa. O motivo para sua presença na heráldica britânica. Foi usada pela primeira vez por aqueles que descendiam de Maria Madalena,


através de sua trindade de filhos. Já foi um símbolo arcano muito protegido, para que apenas os iniciados nessas verdades pudessem se reconhecer uns aos outros, enquanto viajavam pela Europa. Maureen estava espantada com essa revelação. — E agora é um dos símbolos mais comuns do mundo. Aparece em jóias, roupas, móveis. Escondido à plena vista durante todo esse tempo. E as pessoas não têm a menor idéia do que simboliza.

 O Languedoc 25 de junho de 2005

Maureen estava sentada no banco do carona do Renault esporte de Jean-Claude, enquanto esperavam pela abertura do portão eletrônico do castelo, a fim de sair para a estrada. Pelo canto do olho, ela divisou um homem se deslocando de maneira estranha pela cerca do perímetro. — Qual é o problema? — perguntou Jean-Claude, ao notar a mudança de expressão. — Há um homem ali, junto da cerca. Não dá para vê-lo agora, mas ele estava ali há um momento. Jean-Claude deu de ombros, no despreocupado estilo gaulês. — Deve ser um jardineiro. Ou um dos seguranças de Berenger. Quem pode saber? Ele tem muitos empregados. — Os seguranças no portão passam o tempo todo aqui? Maureen sentia a maior curiosidade pelo castelo e as coisas extraordinárias lá dentro, inclusive o proprietário. — Oui. E quase nunca se pode vê-los, porque o trabalho deles inclui a determinação de não serem vistos. Talvez tenha sido um deles. Mas Maureen não teve tempo para pensar nos aspectos


corriqueiros da administração da propriedade, pois Jean-Claude começara a relatar a história da família Paschal como a conhecia. — Seu inglês é impecável — comentou Maureen, enquanto ele relatava alguns dados históricos bastante complicados. — Obrigado. Passei dois anos em Oxford aperfeiçoando-o. Maureen estava fascinada, absorvendo cada palavra, enquanto o respeitado historiador francês guiava o Renault pelos espetaculares contrafortes vermelhos. O destino era Montségur, o imponente e trágico centro de resistência final dos cátaros.

 Há locais na Terra que irradiam uma aura poderosa, a um só tempo de mistério e tragédia. Banhados por rios de sangue e séculos de história, esses lugares assediam nosso espírito por anos e anos, muito depois que o visitante, que por eles passa, voltou a seu lugar seguro no mundo moderno. Maureen conhecera alguns desses lugares em suas viagens. Durante seus anos na Irlanda, experimentara esse sentimento em cidades históricas, como Drogheda, onde outrora Oliver Cromwell massacrara a população inteira, assim como nas aldeias devastadas pela Grande Fome, na década de 1840. Em Israel, Maureen escalara a montanha em Masada, para ver o sol nascer sobre o mar Morto. Ficara comovida além das palavras e lágrimas ao caminhar pelas ruínas do lugar em que centenas de judeus, no século I, haviam acabado com a própria vida, a fim de não se submeter aos opressores romanos e à escravidão inevitável. Enquanto Jean-Claude manobrava o Renault no estacionamento, no sopé do monte em que ficava Montségur, Maureen teve o sentimento intenso de que aquele era outro desses lugares extraordinários. Mesmo naquele dia claro de verão, a área parecia amortalhada pela neblina do tempo. Ela ergueu os olhos para o topo, enquanto Jean-Claude a levava pela trilha. — Uma longa subida, não é mesmo? Foi por isso que eu lhe disse para usar sapatos confortáveis.


Maureen sempre viajava com tênis, já que andar e correr eram suas formas prediletas de exercício. Iniciaram a longa escalada em espiral. Maureen refletiu que sua agenda recente não lhe deixara tempo para fazer exercícios e por isso não se encontrava em sua forma atlética habitual. Jean-Claude, no entanto, não tinha pressa. Foram andando devagar, enquanto ele falava mais sobre os misteriosos cátaros e respondia às perguntas de Maureen. — O quanto sabemos sobre seus costumes? Isto é, o que sabemos com certeza. Lorde Sinclair disse que muito do que se escreveu sobre os cátaros não passa de especulação. — É verdade. Seus inimigos escreveram muitos dos detalhes que lhes foram atribuídos, para fazer com que parecessem mais hereges e ultrajantes. O mundo não se importa se você massacra párias. Mas se massacra outros cristãos, que talvez estejam mais próximos de Cristo do que você, então pode ter um problema. Por isso, historiadores da época e posteriores inventaram muitas histórias sobre os hábitos cátaros. Mas você sabe o que temos certeza de que é verdadeiro? A base da fé cátara era a Oração do Senhor. Maureen parou ao ouvir isso, a fim de recuperar o fôlego e fazer mais perguntas: — É mesmo? A Oração do Senhor era o mesmo Pai-Nosso que dizemos hoje? Ele balançou a cabeça em confirmação: — Exatamente. Só que recitado em occitano, é claro. Quando esteve em Jerusalém, visitou a igreja de Pater Noster, no Monte das Oliveiras? — Claro! Maureen conhecia o local exato. Havia uma igreja no lado leste de Jerusalém, construída sobre uma caverna. Era considerado o lugar em que Jesus ensinara pela primeira vez o Pai-Nosso. Um lindo claustro externo mostra a oração em mosaicos, em mais de sessenta línguas. Maureen tirara uma foto do mosaico que mostrava a oração numa forma antiga de gaélico para dar a Peter.


— A oração é apresentada ali em occitano — informou JeanClaude. Todo cátaro a recitava pela manhã ao acordar. Não de cor, mecanicamente, como muitos fazem hoje, mas como um ato de meditação e autêntica oração. Cada frase era uma lei sagrada para eles. Maureen ficou pensando a respeito enquanto andavam. JeanClaude continuou: — Eram pessoas que viviam em paz e ensinavam o que chamavam de O Caminho, uma vida baseada em ensinamentos de amor. Era uma cultura que reconhecia o Pai-Nosso como sua mais sagrada escritura. Maureen percebeu aonde ele queria chegar. — Portanto, se você está no comando da Igreja e quer eliminar essas pessoas, não pode deixar que os outros saibam que são bons cristãos. — Isso mesmo. Foi o motivo pelo qual inventaram rituais bizarros e fizeram acusações contra os cátaros, para que massacrá-los se tornasse aceitável. Jean-Claude parou quando alcançaram o monumento no meio da trilha. Era um enorme bloco de granito, encimado pela cruz do Languedoc. — Este é o monumento do mártir — explicou ele. — Foi erguido aqui porque é o lugar em que ficava a pira. Maureen

estremeceu.

Foi

dominada

pela

mesma

sensação

angustiante, mas ao mesmo tempo inebriante, o senso de se encontrar num lugar terrível da história. Escutou Jean-Claude relatar a história do último local de resistência dos cátaros. Ao final de 1243, o povo cátaro já sofrera quase meio século de perseguição dos exércitos do papa. Cidades inteiras haviam sido dizimadas e ruas de lugares como Bèziers haviam sido inundadas pelo sangue dos inocentes. A Igreja estava determinada a erradicar aquela “heresia” a qualquer custo. O rei da França ficara feliz em ajudar com suas tropas. Cada vitória sobre os nobres cátaros, outrora prósperos, aumentava o território francês. Os condes de Toulouse haviam ameaçado vezes demais criar seu próprio Estado independente. Se usar a ira da


Igreja era conveniente para detê-los, o rei da França era todo a favor dessa solução, pois ele esperava que isso aliviasse um pouco sua culpa no legado da história. Os líderes restantes da sociedade cátara assumiram uma última posição de resistência na fortaleza de Montségur, em março de 1244. Como os judeus em Masada, mais de mil anos antes, eles se juntaram em uma comunidade para orar pela salvação do opressor. Juraram que nunca renunciariam à sua fé. Havia até alguma especulação de que os cátaros haviam extraído sua força do legado dos mártires de Masada, durante o sítio final. E, como os exércitos romanos que eram seus próprios ancestrais, as tropas papais tentaram fazer com que a presa morresse de inanição, cortando qualquer acesso à água e comida. Isso foi tão difícil em Montségur quanto fora em Masada, já que as duas fortalezas se equilibravam precariamente no alto de montes, tornando quase impossível guarnecer todos os lados. Os rebeldes das duas culturas encontraram meios de frustrar e confundir seus opressores. Depois de vários meses de sítio, as tropas papais decidiram que estavam cansadas de esperar. Apresentaram um ultimato à liderança cátara. Se confessassem e se arrependessem, assumindo a condição de hereges e se entregando à Inquisição, seriam poupados. Mas, se não o fizessem, seriam todos queimados vivos, pelo insulto à Santa Igreja Romana. Tinham duas semanas para tomar uma decisão. No último dia do prazo, os comandantes do exército papal mandaram acender uma pira fúnebre e pediram uma resposta. E a resposta que tiveram nunca mais seria esquecida no Languedoc. Duzentos cátaros saíram da fortaleza de Montségur, de mãos dadas, usando suas túnicas simples. Entoavam em coro o Pai-Nosso, em occitano, enquanto se encaminhavam para a pira. Morreram como haviam vivido, em perfeita harmonia com sua fé em Deus. As lendas em torno dos últimos dias dos cátaros eram muitas, cada uma mais dramática do que a outra. A mais memorável era a dos enviados franceses que foram conversar com os cátaros, em nome das tropas reais. Os enviados eram mercenários calejados. Foram convidados a


permanecer dentro das muralhas de Montségur e testemunhar os ensinamentos cátaros. O que viram, naqueles últimos dias, teria sido tão milagroso e impressionante que os soldados franceses pediram para ser admitidos na fé dos Puros. Mesmo sabendo que a morte os aguardaria, os franceses tomaram o supremo sacramento cátaro, o consolamentum, e marcharam para as chamas com seus irmãos e irmãs recém-descobertos. Maureen removeu uma lágrima do rosto, enquanto olhava para o pico e depois para a cruz. — O que você acha que foi? O que os franceses viram que foi o suficiente para tomar a decisão de morrer com aquelas pessoas? Alguém sabe? — Não. — Jean-Claude sacudiu a cabeça. — Há apenas especulação. Alguns dizem que o Espírito Santo apareceu durante os rituais cátaros e mostrou o reino do céu que os aguardava. Outros dizem que teve alguma relação com o infame tesouro dos cátaros. A lenda de Montségur continuou a ser relatada, enquanto retomavam a escada da trilha íngreme. No penúltimo dia da resistência final dos cátaros, quatro membros do grupo foram baixados pelo paredão mais escarpado da fortaleza e fugiram a salvo. Acredita-se que tiveram a ajuda das informações dos enviados franceses convertidos ao catarismo, os mesmos que morreram com os outros um dia depois. — Levavam com eles o lendário tesouro dos cátaros. Mas o que era o tesouro ainda é objeto de especulação. Devia ser um tesouro fácil de carregar, pois duas moças foram escolhidas e pode-se presumir que eram pequenas. Além disso, deviam estar fracas depois de meses de sítio, com racionamento de água e comida. Alguns dizem que levavam o Santo Graal ou a coroa de espinhos, ou até mesmo o tesouro mais valioso do mundo, O Livro do Amor. — Que é o evangelho escrito pelo próprio Jesus Cristo, não é? Jean-Claude confirmou com um meneio de cabeça. — Todas as lendas a respeito desapareceram da história mais ou menos nessa ocasião.


A historiadora e jornalista em Maureen estavam em alerta. — Há livros que possa me recomendar? Documentos que eu possa pesquisar, enquanto estiver na França, para obter mais informações a respeito? O francês soltou uma risada e deu de ombros. — Há folcloristas no Languedoc, mademoiselle Paschal. Eles protegem seus segredos e lendas ao não registrá-los no papel. Sei que é difícil para muitos compreender isso. Mas olhe ao redor, ma chérie. Quem precisa de livros quando se tem tudo isso para contar a história? Eles chegaram ao topo da colina para contemplar as ruínas da outrora grande fortaleza. Diante daquelas muralhas maciças, que pareciam irradiar a história de tudo o que acontecera ao redor. Maureen compreendeu perfeitamente o argumento de Jean-Claude. Ainda assim, sentia-se dividida entre seu senso inato e a necessidade da jornalista de confirmar suas descobertas. — É um estranho sentimento para um homem que se considera um historiador — comentou ela. Jean-Claude deu agora uma gargalhada, um som que ecoou pelo vale verde lá embaixo. — Eu me considero um historiador, mas não um acadêmico. Há uma diferença, em particular num lugar como este. Os requisitos acadêmicos não se aplicam a tudo, mademoiselle Paschal. A expressão de Maureen deve ter indicado que não estava entendendo direito. Ele explicou: — Para se conquistar os mais prestigiosos títulos no mundo acadêmico, basta ler todos os livros certos e escrever os ensaios apropriados. Quando fui fazer uma conferência em Boston, conheci uma americana que tinha doutorado em história francesa, com ênfase nas heresias medievais. Ela é considerada agora uma das maiores especialistas

no

assunto.

Até

escreveu

livros

didáticos

para

as

universidades. E quer saber de uma coisa muito engraçada? Ela nunca esteve na França, nem uma única vez. Nem foi a Paris, muito menos esteve no Languedoc. Pior ainda, acha que isso não é necessário. De


acordo com os melhores preceitos acadêmicos, considera que tudo de que precisa está em livros ou em documentos disponíveis nos bancos de dados da universidade. Sua noção do catarismo é tão realista quanto um livro humorístico e duas vezes mais cômica. E, no entanto, ela é reconhecida publicamente como uma autoridade maior do que qualquer um de nós, por causa dos diplomas que possui e das iniciais de títulos depois do nome. Maureen escutava atentamente, enquanto avançavam entre rochas e ruínas magníficas. Sempre pensara em si mesma como uma acadêmica, mas a experiência de repórter também a levava a investigar as histórias no local em que haviam ocorrido. Não podia imaginar que se escrevesse sobre Maria Madalena sem visitar a Terra Santa. Fizera questão de excursionar por Versailles e visitar a prisão revolucionária da Conciergerie enquanto pesquisava sobre Maria Antonieta. Agora, mesmo com tão pouco tempo em contato com a história viva do Languedoc, não podia deixar de reconhecer que era uma cultura que exigia uma compreensão experiencial. Mas Jean-Claude ainda não acabara. — Deixe-me dar um exemplo. Você pode ler uma das cinqüenta versões sobre a tragédia aqui em Montségur, escrita pelos historiadores. Mas olhe ao redor. Se nunca subiu até aqui, se nunca viu o lugar em que o fogo ardeu, se não observou como as muralhas eram impenetráveis, como poderia compreender? Venha comigo. Quero lhe mostrar uma coisa. Maureen seguiu o francês até a beira do platô, onde as muralhas da fortaleza outrora inexpugnável haviam desmoronado. Ele apontou do penhasco para o abismo, dezenas de metros abaixo. O vento quente parecia aumentar de intensidade, desmanchando os cabelos de Maureen, enquanto ela tentava se projetar na situação de uma jovem cátara ali, no século XIII. — Foi por aqui que os quatro escaparam — explicou JeanClaude. — Imagine agora como você se sentiria aqui naquela ocasião. Na calada da noite, com a relíquia mais preciosa de seu povo presa em seu corpo, bastante fraca, depois de meses de estresse e fome. Você é jovem e


está apavorada. Sabe que pode sobreviver, mas também sabe que todas as pessoas que ama neste mundo serão queimadas vivas. Com tudo isso em mente, você é baixada por um precipício pelo nada, sob um frio intenso, em plena escuridão, com uma enorme possibilidade de cair para a morte. Maureen

deu

um

suspiro

profundo.

Era

uma

experiência

desconcertante estar parada ali, onde todas as lendas eram vivas e bastante reais. Jean-Claude interrompeu seus pensamentos. — Imagine, agora, apenas ler esse relato numa biblioteca em New Haven. É uma experiência diferente, não é mesmo? Maureen balançou a cabeça em concordância: — Tem toda a razão. — Ah, sim... esqueci de mencionar uma coisa. A garota mais jovem que escapou naquela noite... é bem possível que fosse sua ancestral. Assumiu mais tarde o nome de Paschal. Foi conhecida como La Paschalina até o dia de sua morte. Maureen ficou aturdida ao tomar conhecimento de mais uma ancestral da família Paschal que fora excepcional. -

O que sabe sobre ela?

-

Muito pouco. Ela morreu no mosteiro de Montserrat, na

fronteira espanhola, muito idosa. Ainda se encontram ali alguns registros de sua vida. Sabemos que se casou na Espanha com outro refugiado cátaro e que tiveram vários filhos. Está escrito que ela levou um presente de valor inestimável para o mosteiro, mas a natureza desse presente nunca foi revelada publicamente. Maureen abaixou-se e arrancou uma das flores silvestres que cresciam nas fendas das muralhas em ruínas. Foi até a beira do penhasco de onde a jovem cátara, que mais tarde se tornaria La Paschalina, corajosamente descera pelo abismo, como a última esperança de seu povo. Maureen jogou a pequena flor púrpura pela beira do penhasco, murmurando uma pequena oração pela mulher que podia ou não ter sido sua ancestral. Quase que não importava. Com a história daquele


povo magnífico e a dádiva da própria terra, aquele dia já a mudara de uma maneira irremediável. — Obrigada — disse ela para Jean-Claude, num tom de voz que era pouco mais que um sussurro. Ele deixou-a sozinha nesse instante, a refletir como seu passado e presente estavam entrelaçados, naquela terra tão antiga e enigmática.

 Maureen e Jean-Claude almoçaram na pequena aldeia na base de Montségur. Como ele prometera, o restaurante servia comida ao estilo cátaro. O cardápio era simples, consistindo basicamente de peixes e vegetais frescos. — Há uma concepção equivocada de que os cátaros eram vegetarianos rigorosos, mas eles também comiam peixe — explicou Jean-Claude. — Eram muito literais em relação a certos elementos na vida de Jesus. E como Jesus alimentava as multidões com pães e peixes, eles achavam que isso era uma indicação de que deviam incluir peixe em sua dieta. Maureen achou a comida muito saborosa. Estava adorando a excursão. Sinclair tinha razão. Jean-Claude era um historiador brilhante. Maureen fizera inúmeras perguntas enquanto desciam e ele respondera a todas com paciência e extraordinária percepção. Ao se sentarem para almoçar, ela não hesitou em responder às perguntas de Jean-Claude. Ele começou a interrogá-la sobre seus sonhos e visões. Antes, isso a deixaria constrangida. Mas aqueles últimos dias no Languedoc haviam aberto sua mente para o assunto. Ali, visões como as suas eram tratadas como coisas comuns, um simples fato da vida. Era um alívio falar a respeito para pessoas que aceitavam tudo. — Tinha visões quando era criança? — perguntou Jean-Claude. Ela sacudiu a cabeça em negativa. — Tem certeza? — Se tive, não me lembro. E não tive nenhuma deste então, até


que visitei Jerusalém. Por que pergunta? — Apenas curiosidade. Por favor, continue. Maureen entrou em detalhes, que Jean-Claude ouviu com a maior atenção, fazendo perguntas a intervalos variados. Seu interesse tornouse maior quando ela descreveu a visão da crucificação na Notre Dame. Ela comentou: — Lorde Sinclair também achou essa visão muito importante. — E é mesmo — confirmou Jean-Claude. — Ele falou sobre a profecia? — Falou. É fascinante. Mas me preocupa um pouco o fato de que ele parece pensar que sou A Escolhida da profecia. O que acarreta ansiedade pelo desempenho. O francês riu: — Não se preocupe. Essas coisas não podem ser forçadas. Ou você é ou não é e, se for, isso será revelado muito em breve. Quanto tempo pretende permanecer no Languedoc? — Prevíamos quatro dias antes de voltar a Paris. Mas já não tenho tanta certeza. Há muita coisa para ver e aprender aqui. Estou ampliando meus conhecimentos. Jean-Claude tornou-se um tanto pensativo enquanto a escutava. — Aconteceu alguma coisa estranha ontem à noite, depois da festa? Qualquer coisa fora do comum para você? Algum novo sonho? Maureen sacudiu a cabeça. — Não houve nada. Estava exausta e mergulhei num sono profundo. Por quê? Jean-Claude deu de ombros. Pediu a conta. Quando falou, era quase para si mesmo: — Isso estreita as possibilidades. — Que possibilidades? — Muito simples. Se você pretende partir em breve, precisamos pensar no que podemos fazer para determinar se é mesmo uma descendente de La Paschalina. Se é mesmo A Escolhida que nos levará ao grande tesouro secreto.


Ele piscou para Maureen, jovial, e puxou a cadeira para que ela se levantasse. Comentou pouco depois, ao deixarem o solo sagrado que era Montségur: — É melhor voltarmos logo, antes que Berenger ponha minha cabeça a prêmio.


... Como se pode começar a escrever a respeito de um tempo que transformou o mundo? Esperei muito para começar, porque sempre temi que esse dia chegasse e tivesse de viver tudo de novo. Tenho revisto em meus sonhos aqueles anos, muitas e muitas vezes, e agora eles retornam sem me atormentar. Porém tomar a decisão de reconstituir tudo, trazer tudo de volta, intencionalmente, jamais foi uma opção que me agradasse. Pois, embora tenha perdoado todos que, de alguma forma, tiveram participação no sofrimento de Easa, a verdade é que o perdão não traz o esquecimento. E assim que tem de ser, no entanto, pois sou a única que restou capaz de contar o que realmente aconteceu durante aqueles dias de trevas. Há quem diga que Easa planejou tudo, desde o início. Essa não é a verdade. Foi planejado para Easa e ele viveu em sua força e obediência a Deus. Bebeu da taça que lhe foi dada com uma coragem e uma graça nunca vistas antes ou depois, a não ser em sua mãe. Apenas sua mãe, a Grande Maria, ouviu o chamado do Senhor com a mesma clareza e apenas sua mãe respondeu a esse chamado com a mesma coragem. Nós, os outros, tivemos de nos tornar humildes para aprender com a graça dos dois. O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO

DO

TEMPO

DAS

TREVAS


CAPÍTULO DOZE

Carcassonne 25 de junho de 2005

Tamara Wisdom e Derek Wainwright pareciam com qualquer outro típico casal americano de turistas, nos arredores da cidadefortaleza murada de Carcassonne. Encontraram-se no saguão do hotel de Derek, que a beijou com paixão. O sorriso de Tammy foi tímido quando se desvencilhou gentilmente de seus braços. — Haverá bastante tempo para isso mais tarde, Derek. — Promete? — Claro que prometo. — Ela passou a mão pelas costas de Derek, para confirmar o compromisso. — Mas você sabe como sou viciada em trabalho. Depois que eu resolver o problema, podemos tirar o resto do dia para... nos divertir. — Está certo. Vamos embora. É melhor eu guiar. Derek pegou a mão de Tammy e levou-a até o carro que alugara, que os esperava no estacionamento. Ele saiu para a rua, contornou a cidade murada e pegou a estrada que seguia pelas colinas. — Tem certeza de que é seguro? — perguntou Tammy. Derek balançou a cabeça. — Todos partiram para Paris esta manhã. Todos, a não ser... — A não ser quem? Parecia que ele estava prestes a contar, mas reconsiderou. — Nada. Um deles continua no Languedoc, mas está ocupado demais hoje e não há a menor possibilidade de nos encontrar.


— Pode explicar? Derek riu: — Ainda não. Já é um absurdo eu estar correndo esse risco. Sabe qual é a penalidade se eu for apanhado? Tammy sacudiu a cabeça em negativa. — Não. Qual é? Uma cerimônia de iniciação duplamente secreta? Ele lançou-lhe um olhar rápido. — Pode gracejar quanto quiser, mas os caras não são de brincadeira. Derek passou o dedo indicador direito pela garganta num gesto de corte. — Não pode estar falando sério. — Estou, sim. A penalidade por revelar segredos da Guilda para quem não é membro dela é a morte. — Já aconteceu alguma vez? Ou é apenas o bicho-papão que inventaram para aumentar a mística da sociedade secreta e controlar seus membros? — Há um novo Mestre da Justiça... é assim que chamamos nosso líder... e o cara é radical. Tammy pensou a respeito por um momento, a sério. Derek lhe confessara sua participação na Guilda havia alguns anos, numa indiscrição de bêbado. Mas depois se calara e não quisera mais falar sobre o assunto. Tammy arrancara mais informações dele na noite passada, durante a festa. Ao final, a combinação de álcool e o desejo por ela, havia muito frustrado, fizeram com que ele revelasse que o quartel-general ficava nos arredores de Carcassonne. Derek até se oferecera para lhe mostrar o santuário. Mas, se ele falava sério sobre as terríveis conseqüências da descoberta, então era um peso que Tammy não queria ter na consciência. — Se é tão perigoso assim, Derek, não quero pressioná-lo a fazer isso. Não quero mesmo. Posso usá-lo como uma fonte anônima se decidir incluir a Guilda em meus projetos. Vamos voltar para Carcassonne e almoçar. Você pode me revelar alguns segredos ali, na


segurança de um café, em plena luz do dia. Pronto. Ela lhe oferecera uma saída fácil. Mas Derek surpreendeu-a ao não aceitar. — Não. Quero mostrar para você. Para ser franco, agora mal posso esperar para mostrar tudo. Tammy sentiu-se apreensiva com o entusiasmo na reação de Derek. — Por quê? — Você vai ver.

 Derek estacionou atrás de uma sebe, a várias centenas de metros da entrada para a propriedade. Foram andando com toda a cautela. Saíram da estrada para pegar um caminho estreito e sem pavimentação. Percorreram mais cem metros até que a capela de pedra apareceu. Era o local em que os membros da Guilda haviam realizado seu culto na noite anterior. — Aquela é a igreja. Entraremos ali mais tarde, se você quiser ver o que tem dentro. Tammy balançou a cabeça, contente em segui-lo, para descobrir para onde ele a levava. Havia anos que conhecia Derek, mas sempre fora um contato superficial. Compreendia agora que não o conhecia bastante bem para avaliar quais eram seus verdadeiros motivos. Pensara a princípio que eram impulsos masculinos básicos e primitivos, que ela poderia controlar. Mas havia agora uma súbita determinação, algo que nunca percebera antes. E que a deixava assustada. Graças a Deus que Sinclair e Roland sabiam onde ela se encontrava. Derek levou-a para um bangalô comprido por trás da igreja. Tirou uma chave do bolso e abriu a porta. A fachada banal na construção não preparou Tammy para o tamanho e o interior ornamentado do Salão da Guilda. Era suntuoso, cada palmo do espaço de parede coberto por obras de arte... e cada uma delas era uma cópia de um quadro de Leonardo Da Vinci. Na parede em frente à porta, o primeiro espaço visível quando se


entrava no salão, havia duas versões do São João Batista, de Leonardo, penduradas lado a lado. — Meu Deus! — sussurrou Tammy. — Então é verdade. Leonardo Da Vinci era um joanita. Um herege total. Derek riu. — Por que padrões? Para a Guilda, os “cristãos” que seguem Cristo são os verdadeiros hereges. Gostamos de chamá-lo de “O Usurpador” e “O Sacerdote Ímpio”. Derek fez um gesto de 360 graus para indicar as obras de arte, falando num tom solene, que Tammy nunca ouvira antes: — Leonardo Da Vinci foi o Mestre da Justiça em sua época, o líder de nossa Guilda. Acreditava que João Batista era o único verdadeiro Messias e que Jesus roubou sua posição por meio de um complô das mulheres. — Complô das mulheres? Derek confirmou com um meneio de cabeça. — É um dos fundamentos de nossa tradição. Salomé e Maria Madalena conspiraram para a morte de nosso Messias, a fim de pôr seu falso profeta no trono. A Guilda refere-se a ambas como as meretrizes. Sempre foram, sempre serão. Tammy fitou-o, incrédula. — Acredita mesmo nisso? Até que ponto está comprometido com essa filosofia, Derek? E como manteve isso em segredo? Ele deu de ombros. — O segredo faz parte de nossos princípios. Quanto à filosofia, fui criado para acreditar e estudei os textos sagrados por anos. É tudo muito convincente. — O que é convincente? — O material que temos em mãos. Chamamos de O verdadeiro livro do Santo Graal. Vem sendo passado de geração em geração, desde a época dos romanos. São textos escritos pelos seguidores originais do Batista. O livro descreve em detalhes os eventos relacionados com sua morte. Você


acharia fascinante. — Posso vê-lo? — Darei uma cópia para você. Tenho uma em meu quarto no hotel. Havia mais do que um toque de insinuação na declaração. Tammy fez uma anotação mental e tentou conter um arrepio exterior. Podia imaginar o que Derek esperava em troca daquele documento tão valioso. Ela virou-se e foi andando devagar pelo vasto salão, sempre olhando para os quadros. — Já notou o que todos têm em comum? — perguntou Derek. — A não ser pelo fato de que são todos de Leonardo? — Tammy sacudiu a cabeça em negativa. Não podia perceber outra ligação além da óbvia. — Não. Pensei a princípio que todos mostravam João Batista, mas não é o que acontece. Aquele ali parece um detalhe da Ultima Ceia, mas isso não faz sentido, baseado no que acabou de me contar. Por que estaria aqui se a Guilda despreza Jesus como um usurpador e culpa Maria Madalena pela morte de João? — É por isso. Derek ergueu a mão direita na frente de seu rosto, num gesto específico. O dedo indicador apontava para o céu, o polegar estava virado de lado para cima, enquanto os outros três dedos estavam virados para baixo. Tammy olhou mais atentamente. Um dos apóstolos no famoso quadro de Leonardo fazia o mesmo gesto com a mão... e na frente do rosto de Jesus, de uma maneira quase ameaçadora. — O que isso significa? Já vi o gesto antes, no quadro de João Batista, no Louvre. — Tammy apontou para a cópia na parede. — Aquele ali. Presumi que fosse uma referência ao paraíso, o dedo indicando o céu. Derek estalou a língua para ela, num desapontamento zombeteiro. — Pense bem, Tammy. Você deve saber que Leonardo nunca foi óbvio. Chamamos esse gesto de “Lembre-se de João”. Tem vários significados. Primeiro, se você observar bem, vai verificar que os dedos formam a letra J, de João. O indicador direito também representa o número um. Assim,


o gesto significa “João é o primeiro Messias”. E há uma coisa ainda mais importante no gesto “Lembre-se de João”... a relíquia. — Vocês têm uma relíquia de João? O sorriso de Derek foi insinuante. — Eu gostaria que estivessem aqui para poder lhe mostrar, mas o Mestre da Justiça nunca as deixa longe de sua vista. Temos os ossos do dedo indicador direito de João, o mesmo dedo usado para fazer o gesto que tem sido o nosso código público há mil anos. Permitia que cavaleiros e nobres se reconhecessem na Idade Média. Ainda usamos o código hoje. O dedo de João é usado em nossas cerimônias de iniciação. E sua cabeça também. Isso deixou Tammy perplexa. — Vocês têm a cabeça de João? Derek soltou uma risada. — Temos, sim. O Mestre da Justiça a lustra todos os dias. É a parte central de todos os rituais da Guilda. — Como sabe que é mesmo a cabeça de João? — Pela tradição. Vem passando de uma geração para outra. Há uma grande história por trás de tudo isso, mas deixarei que você leia em O verdadeiro livro do Santo Graal. Mas há mais do que apenas o dedo indicador. Aparece em todos esses quadros. Mesmo enquanto conversava sobre um assunto tão importante, Tammy notou que o âmbito da atenção de Derek parecia limitado e que ele pulava de um assunto para outro. Seria intencional? Ele tinha uma meta? Ela não dera muito crédito antes à sua inteligência, mas agora experimentava a sensação assustadora de que o subestimara. Sua mente estava em disparada, enquanto ela tentava manter uma aparência tranqüila. O homem seria um fanático? Por que ela não notara antes que suas opiniões eram tão arraigadas? Tammy tinha de fazer um esforço para não se deixar dominar pela idéia angustiante de que havia uma possibilidade de perder sua linda cabeça de cabelos negros. Derek mostrou os outros quadros, apontando o gesto “Lembre-se de João” em cada um. Havia quadros em que o próprio João Batista fazia


o gesto. Na Última Ceia, o gesto era feito por um dos apóstolos, Tomás, visivelmente agitado. — Vários apóstolos eram seguidores de João muito antes de Jesus aparecer — explicou Derek. — O importante nesta versão da Última Ceia é que Jesus está anunciando que um deles o trairá. Tomás confirma isso e explica o motivo com o gesto “Lembre-se de João”... será em memória de João. O destino de João se tornará seu destino. É o que ele diz com o indicador no rosto do falso profeta. Você será martirizado como João foi e esse será seu castigo. Tammy sentia-se chocada com essa nova e surpreendente interpretação de um dos quadros mais famosos do mundo. E não pôde resistir à pergunta seguinte: — Então você provavelmente não acredita que Maria Madalena sentou ao lado de Cristo na Última Ceia? Derek cuspiu no chão em resposta. — E isso o que penso dessa teoria e de todos os que acreditam nela. Derek acenou com a mão para encerrar as explicações sobre a Última Ceia. Mas ainda não encerrara a aula de história para Tammy. Levou-a para o lugar em que havia cópias das duas versões dos quadros famosos de Leonardo conhecidos como A madona das rochas. Apontou primeiro para a tela à direita. — Leonardo foi incumbido de pintar um quadro da Virgem e do Menino Jesus para a festa da Imaculada Conceição. Aparentemente, não era isso o que a Irmandade da Imaculada Conceição queria e o quadro foi rejeitado. Mas tornou-se um clássico de nossa Guilda e todos têm uma cópia em casa. O quadro focalizava a Madona com o braço direito em torno de um bebê, com a mão esquerda sobre outro bebê, sentado por baixo. Um anjo observava a cena. — Todos acham que é Maria, mas estão enganados. O título original do quadro era A madona das rochas, não A virgem das rochas. Olhe bem. A mulher é Isabel, a mãe de João Batista.


Tammy não estava convencida. — O que o faz pensar assim? — A tradição da Guilda, em primeiro lugar. Sabemos que é. — A resposta era arrogante em sua certeza. — Mas há também a história da arte para nos apoiar. Leonardo teve uma tremenda briga com a Irmandade por causa do pagamento do quadro. Por isso, tratou de se vingar, fazendo com que todos pensassem que entregava a cena tradicional encomenda da. Na realidade, porém, ele pintou uma versão de toda a nossa filosofia, como um tapa na cara. Era sua ironia insidiosa. Grande parte da arte de Leonardo expressava sua maneira de escarnecer da Igreja e escapar impune, porque era muito mais esperto do que os papistas idiotas em Roma. Tammy tentou não demonstrar sua surpresa pelo fanatismo ostensivo. Nunca antes observara esse aspecto de Derek, que a deixava cada vez mais apreensiva. Tateou o bolso para sentir a segurança do celular. Podia ter de transmitir um SOS, se a situação ali se tornasse perigosa. Mas sentia-se dividida. Como escritora e cineasta, estava recebendo ouro em pó naquela conversa... mas ousaria usá-lo? Derek continuava entusiasmado com seu ídolo, Leonardo Da Vinci. — Sabia que a Mona Lisa é na verdade um auto-retrato? Leonardo desenhou a si mesmo e depois alterou o desenho para a Mona Lisa que conhecemos hoje. Foi tudo uma grande piada para ele. E é uma piada para nós agora, ver as filas imensas de pessoas que querem ver o quadro. Ele odiava as mulheres por causa da mãe, como deve saber. Até aumentou as restrições às mulheres na Guilda, como meio de punilas por sua infância miserável. Isso está registrado em O verdadeiro livro do Santo Graal, como você vai descobrir. Derek apresentou uma breve história de Leonardo... como o artista fora abandonado pela mãe natural e tivera uma infância confusa, com uma mãe adotiva difícil. Todos os relacionamentos documentados de Leonardo

com

as

mulheres

haviam

sido

negativos,

até

mesmo

traumáticos. Sua aversão às mulheres fora bem pesquisada por historiadores, que também informaram que o artista fora preso e


condenado por sodomia. Mas a pior mácula em sua reputação ocorrera quando Da Vinci adotara um menino de dez anos como seu aprendiz e o mantivera como companheiro por muitos anos. A vida pessoal de Leonardo era com freqüência escandalosa, mas ele conseguia se manter a salvo, na maior parte do tempo, de problemas com as autoridades, ao pintar quadros para a Igreja e muitos patronos ricos, que sempre davam um jeito de ajudá-lo. — Cada vez que era obrigado a pintar uma mulher, como a Mona Lisa, ele a transformava em alguma espécie de piada, acima de tudo para se divertir. Era assim que reagia quando tinha de pintar coisas de que não gostava. Derek tornou a se virar para A madona das rochas. — Pelo que sabemos, a única mulher que Leonardo respeitou foi Isabel, a perfeita mulher e mãe. A verdadeira Madona. Aqui ela está com o braço em torno deste menino... seu filho. Obviamente, é João. Tammy balançou a cabeça em concordância. Não havia a menor dúvida de que o bebê aninhado nos braços da mulher era mesmo João Batista. — Repare agora na mão esquerda de Isabel. Ela está afastando o menino Cristo, mostrando que ele é inferior a seu filho. Leonardo até posicionou Jesus fisicamente abaixo de João, para demonstrar sua inferioridade. E, finalmente, observe os olhos do anjo Uriel. Para quem ele olha com adoração? Notou no primeiro quadro? Ele aponta para João, mas também faz o gesto de “Lembre-se de João”. Derek fez uma pausa. — O pessoal da Imaculada Conceição ficou infeliz com o quadro original e a mensagem joanita óbvia. Obrigaram Leonardo a pintar um segundo quadro, exigindo que desta vez Maria e Jesus tivessem halos e que o anjo não apontasse para João. Olhe aqui e verá que eles receberam o que pediram... mais ou menos. Maria e Jesus têm um halo, mas João também tem. Leonardo também deu a João um bastão batismal, para deixar ainda mais claro quem ele é e indicar mais autoridade. Nos dois quadros, Jesus concede sua bênção a João. Mas, olhando para os


quadros agora, quem você acha que Leonardo reverenciava como o verdadeiro Messias e profeta? Tammy não podia deixar de dar uma resposta honesta. — João Batista. Isso é evidente. — Exatamente. O arcanjo Uriel afirma a superioridade do Batista, assim como a mãe de João. Em nossa tradição, cultuamos Isabel, da mesma maneira com que os iludidos cristãos reverenciam a mãe de Jesus. Nossas meninas são criadas à imagem de Isabel, para se tornarem Filhas da Justiça. Tammy alteou uma sobrancelha. — E o que isso significa? Derek deu um sorriso insinuante e chegou mais perto. — Que as mulheres devem saber qual é seu lugar, que devem ser obedientes e subservientes para com os homens. Mas, na verdade, não é tão ruim assim. Depois que se tornam mães de um filho homem, elas ganham o título de “Uma Isabel” e passam a ser tratadas como rainhas. Devia ver os diamantes que minha mãe ganhou para cada um de seus filhos. E pode ter certeza de que, se conhecesse sua vida superprivilegiada, não sentiria nem um pouco de pena. — E você apóia essa idéia de mulheres subservientes? Tammy mantinha uma aparência firme, sem deixar transparecer seu crescente nervosismo. — Como eu disse, fui criado assim. E é certo para mim. Derek deu de ombros. Tammy sacudiu a cabeça, mas depois desatou a rir, meio irônica, meio nervosa. — O que foi? — perguntou Derek. — Pensei neste salão com toda a heresia de Da Vinci, em comparação com o salão de Sinclair, com toda a heresia de Botticelli. Como se fosse o “Combate Mortal da Renascença”. Da Vinci contra Botticelli. Derek não riu. — Seria engraçado se não fosse tão sério. A rivalidade entre os


descendentes de João e os descendentes de Jesus tem causado muito derramamento de sangue. E ainda causa problemas agora, mais do que você imagina. Tammy fitou Derek com uma confusão simulada. Sabia exatamente aonde ele queria chegar, mas não podia deixá-lo perceber. Perguntou com uma cara inocente: — Os descendentes de João? Derek parecia surpreso. — Claro. Vai me dizer que não sabia disso? Tammy sacudiu a cabeça, mantendo a fachada. — Não, não sabia. A expressão de Tammy suplicava que ele continuasse. — Não sabia que João teve um filho? A Guilda foi fundada assim, pelos descendentes de João. É uma longa história, porque a metade da família acabou se vendendo aos papistas e aos seguidores de Cristo, como os Medici. Derek fez uma careta de aversão à menção da primeira família histórica da Itália. — Até mesmo Da Vinci acabou a serviço do inimigo, no final de sua vida. Mas achamos que ele foi mantido cativo na França contra a sua vontade. Mas os outros, o núcleo propriamente dito, formaram nossa Guilda. Na verdade, você está olhando para um descendente de João Batista.

 Tammy temia o inevitável... acabar no quarto de hotel de Derek e pior ainda. Mas não havia alternativa. Tinha de pegar O verdadeiro livro do Santo Graal e descobrir a história dos descendentes de João. Tinha a oportunidade de ser a primeira pessoa fora da Guilda a obter essas informações valiosas e não queria perdê-la. O problema era muito mais profundo do que qualquer um deles imaginara. Por isso, não podia partir sem o livro. Faria isso por seu futuro filme, por seus amigos na Ordem das Maçãs Azuis e, acima de tudo, por Roland. É claro que Roland nunca


saberia o que ela tivera de fazer para obter os documentos. Precisaria inventar uma história verossímil a respeito. Ainda bem que o motorista do Château des Pommes Bleues só viria buscá-la no final da tarde. Teria tempo de imaginar uma história plausível durante a viagem de volta para Arques. Tammy insistiu em almoçar antes de ir para o hotel de Derek. Pediu o vinho tinto Pays d'Oc. Vira Derek tomar algumas pílulas para a ressaca da noite anterior e tinha alguma esperança de que a mistura com o vinho pudesse deixá-lo mais dócil, ou mesmo inconsciente. Durante o almoço, Derek explicou que revelara os segredos da Guilda para Tammy porque queria que ela os divulgasse em livro e num filme. Nunca poderia ser citado expressamente — tinha seus planos, mas não era louco —, mas queria que alguém revelasse a verdade sobre a Guilda. — Mas por quê? Não fazia sentido para Tammy. Derek era leal à Guilda e obviamente

influenciado

por

seus

ensinamentos.

A

Guilda

era

responsável em parte pela riqueza que sua família acumulara. Por que Derek se viraria contra eles? — Preste atenção, Tammy — sussurrou ele, inclinado sobre a mesa. — Estou disposto a lhe contar uma porção de coisas... crimes graves, até mesmo assassinato. Mas não pode deixar ninguém saber que sou a fonte das informações ou serei um homem morto. — Ainda não estou entendendo. Por que se vira contra uma organização que é tão importante para você e sua família? — Por causa do novo Mestre da Justiça, Cromwell. É um desgraçado insano e vai arrastar todos para o fundo do poço. Na verdade, estou sendo leal, não desleal. A única esperança que temos de salvar a Guilda é afastá-lo antes que ele cause danos permanentes. Quero que você denuncie Cromwell, não a Guilda. Faça com que ele pareça uma ameaça incontrolável, um fanático enlouquecido. — Por que me confia essa missão? Tammy sentia-se cada vez mais apreensiva. Aquela história era muito maior do que previra e muito mais tenebrosa do que desejava.


Derek fitou-a com uma expressão presunçosa, enquanto roçava os dedos por seus braços. — Porque você é ambiciosa e vai adorar as informações exclusivas para um livro e um filme. E porque meu fundo de investimentos é maior do que o PIB de muitas nações independentes, portanto você também sabe que assinarei todos os cheques de que precisar para financiá-la. Não estou certo? Tammy ofereceu um sorriso meigo e pôs a mão sobre a dele, fazendo um esforço para não vomitar. Tinha de ir até o fim, da melhor forma possível. — Claro que está. O que Derek não revelou na conversa foi que a delegação americana planejava dar um golpe dentro da Guilda. Primeiro, precisavam atar os fios soltos na Europa, eliminando os homens mais poderosos ali. Seu pai, Eli Wainwright, estava preparado para se tornar o próximo Mestre da Justiça — com Derek como seu eventual sucessor —, se pudessem neutralizar a estrutura de poder européia. Derek Wainwright sorriu para Tammy, com a expressão astuta de um predador. Vinha preparando Tammy para aquele propósito desde o início. Se ela pensava que o enganara para que revelasse segredos da Guilda, usando a astúcia feminina, então era uma vagabunda estúpida que merecia ser usada exatamente da maneira como ele tencionava. De qualquer forma, seria uma maneira bastante agradável de encerrar a tarde. Afinal, aquela meretriz já não o provocara demais?

 Tammy tomou cuidado para não acordar Derek enquanto recolhia suas coisas. Precisava sair dali, o mais depressa possível. Mal podia esperar para voltar à segurança do castelo e tomar um longo banho de chuveiro. Tammy especulou por um instante quanto tempo levaria para tirar da pele o fedor dos fanáticos da Guilda. Ainda bem que o pior resultado possível fora evitado. Tammy calculara de forma acurada: o consumo de pílulas por Derek combinara


com o vinho e o cansaço, levando-o a apagar assim que chegaram ao quarto no hotel. A princípio, tivera de se esquivar. Derek ainda estava bem desperto quando entraram no quarto, mas Tammy o desviara para sua obsessão óbvia: derrubar seu rival, John Simon Cromwell. Ela enfatizara que precisava de tanta informação quanto possível, se ia se tornar sua parceira num jogo tão perigoso. Derek entregara o que prometera e muito mais, outros documentos e segredos, como uma descrição minuciosa e chocante de um brutal assassinato cometido em Marselha. Tammy precisara recorrer a todo o seu controle para não vomitar ao ouvir o relato da execução de um homem do Languedoc, dois anos antes. O homem fora decapitado e o dedo indicador direito cortado, como um símbolo da vingança da Guilda. O conhecimento desse ato seria abominável para Tammy em quaisquer circunstâncias. Mas ela conhecia o homem: era o Grão-Mestre da Ordem das Maçãs Azuis. Não podia deixar que Derek percebesse que reconhecera o crime ao ouvir a descrição. Tomara o cuidado de se manter tão impassível quanto possível. Tammy se esforçava para pegar tudo em silêncio, mas esbarrou num abajur, que caiu no chão com um baque alto. Ouviu Derek se mexer na cama com o barulho e ficou irritada com o descuido. — Ei... — balbuciou ele, atordoado. — Para onde você vai? — O carro de Sinclair está aqui para me levar de volta a Arques. Tenho de chegar a tempo para o jantar que marquei com Maureen. Ele tentou se sentar na cama, levou as mãos à cabeça e gemeu. Tornou a arriar na cama, murmurando: — Ah, Maureen... Já ia me esquecendo de contar. Tammy ficou imóvel. — Contar o quê? — Ela pode ter um problema hoje. — Como assim? — Ela ia sair com Jean-Claude de la Motte hoje, não é mesmo? Tammy meneou a cabeça, pensando tão depressa quanto podia,


num esforço para imaginar a situação. Derek rolou na cama e espreguiçou-se, lânguido. — Acorde, menina. Jean-Claude é um dos nossos. Ou talvez eu deva dizer um deles. É o braço-direito do caso de hospício que é o nosso Mestre da Justiça e líder do capítulo francês da organização. Está conosco desde que era garoto. Seu verdadeiro nome nem mesmo é Jean-Claude, mas Jean-Baptiste. Ele fez uma pausa, para soltar uma risada, antes de acrescentar: — Mas é provável que ele não faça nada com ela. Pelo menos por enquanto. Estão muito interessados em saber se ela pode ou não descobrir o tesouro durante sua permanência aqui. E ambos sabemos que há um limite de tempo para essa possibilidade. Tammy sentia a cabeça girar. Não podia processar a traição de Jean-Claude, não tão depressa. Ele era amigo de Sinclair e Roland havia anos. Os dois depositavam nele confiança total. Há quanto tempo aquela infiltração começara? Mas havia outra coisa que a incomodava e precisava saber. Rezou para não parecer tão abalada quanto estava, ao fazer a pergunta, com uma calma que não sentia: — Em termos históricos, A Escolhida sempre foi eliminada antes que o tesouro fosse descoberto. Por que agora seria diferente? Se Jean... Baptiste e seu líder acreditam que Maureen é a mulher da profecia, por que não se livrariam dela antes que possa assumir esse papel? Como fizeram com Joana e Germana? Derek bocejou. — Porque querem que ela os leve ao livro de Madalena, para que possam destruí-lo. Depois disso, sua amiga também se tornará história... antes que tenha uma chance de escrever a respeito. — Por que está me contando isso? — indagou Tammy, cautelosa. — Porque quero que Jean-Baptiste caia junto com seu líder. E calculo que, assim que souber que foi enganado, seu Grão-Mestre


Sinclair vai eliminá-lo por mim. Tammy teve vontade de gritar com ele, explicar que Sinclair e os outros em sua organização não eram como Derek e os fomentadores de ódio na Guilda. Mas não ousava revelar qualquer coisa sobre sua posição antes de passar pela porta, sã e salva. Derek ainda não acabara. — Enquanto isso, eu diria apenas que, se fosse você, tiraria aquela ruiva do Languedoc o mais depressa possível. Tammy virou-se para sair, mas parou de repente. Tinha de fazer uma última pergunta. Precisava saber até que ponto fora enganada por Derek durante todos aqueles anos. — Como você se sente em relação a tudo isso? — Para ser franco, não me importo com uma coisa nem com outra. — Derek parecia extremamente entediado, ansioso em voltar ao sono induzido pelo vinho. — Embora sua amiga seja bastante simpática, ainda é uma descendente de Jesus, o que a torna minha inimiga natural. E é assim que tem de ser. Talvez você não possa compreender, mas nossas crenças são muito antigas. Quanto à descoberta dos pergaminhos da prostituta, todos parecem ter certeza de que acontecerá desta vez, por que sua amiga atende a todos os requisitos da profecia, não apenas alguns. Mas não estou preocupado com isso. Afinal, por que isso é tão importante? Ele riu pela segunda vez. Virou-se de lado, ergueu o tronco, apoiado no cotovelo, e fitou-a nos olhos. — A situação é muito engraçada. Ninguém quer o que está nos pergaminhos. O Vaticano não quer reconhecê-los por causa do conteúdo, o que também acontece com as outras correntes cristãs. Os historiadores não querem porque fará com que todos os acadêmicos e estudiosos da Bíblia pareçam idiotas. Portanto é bem possível que nossos inimigos escondam os pergaminhos antes que o público saiba o que contêm. O que nos pouparia o trabalho de resolver o problema. Ele bocejou de novo, como se o assunto fosse irrelevante demais para continuar a falar a respeito. Tornou a se virar de costas, enquanto


acrescentava: — Claro que desprezamos os pergaminhos porque sabemos que apregoam mentiras sobre João Batista. E porque eles foram escritos por uma prostituta.

 Tammy queria sair correndo do hotel, escapar o mais depressa possível de Derek e de sua abominável filosofia da Guilda. Apertava o telefone com toda a força e tirou-o do bolso assim que saiu. Não havia tempo para pensar, não havia tempo para fazer qualquer outra coisa que não descobrir onde Maureen se encontrava naquele momento. Ela apertou o código para o número de Roland. Teve vontade de chorar quando ouviu seu confortador sotaque occitano. A ligação estava péssima e ela teve de gritar várias vezes para ser ouvida: — Maureen! Você sabe onde Maureen está agora? Droga! Ela não conseguiu entender a resposta. Gritou de novo: — Como? Não consigo ouvir! Grite, Roland! Grite para que eu possa ouvi-lo! Roland gritou: — Maureen está aqui! — Tem certeza? — Tenho. Ela está à sua procura. Quer... A ligação foi interrompida. Melhor assim, pensou Tammy. Não quero explicar nada para Roland enquanto não tiver tempo de pensar a respeito. Como Maureen estava sã e salva no Château des Pommes Bleues, havia tempo para recuperar o controle. Teria de conversar com Sinclair antes do jantar para determinar uma estratégia. Tammy verificou a hora no celular. Deveria se encontrar com o motorista em menos de meia hora, perto dos portões da cidade. Não era uma longa caminhada, mas ela sentia-se fraca e não tinha certeza de que poderia confiar em suas pernas trêmulas para andar depressa e chegar na hora combinada. Começou a andar, tentando normalizar a respiração, enquanto avaliava tudo o que descobrira com e sobre Derek. Ao recordar


tudo, com absoluta nitidez, ficou com o estômago embrulhado. Avistou o jardim de um pequeno hotel, bem à sua frente. Ao alcançar os arbustos, teve um violento acesso de vômito.

 Maureen sentia-se culpada por negligenciar Peter. Mas não o encontrou em parte alguma quando voltou de sua excursão com JeanClaude. — Não vejo o abbé desde esta manhã — informou Roland. — Ele tomou o café da manhã tarde e saiu em seguida, no seu carro alugado. Mas hoje é domingo. Ele pode ter ido à igreja. Temos muitas por aqui. Maureen não pensou mais a respeito. Peter era um homem vivido e falava um francês fluente. Portanto era lógico que saísse à procura de uma

missa

e

depois

decidisse

ver

mais

alguma

coisa

daquela

extraordinária região. Marcara um jantar no castelo com Tammy. Sentia-se ansiosa por isso, mas também não queria magoar os sentimentos de Peter. Perguntou a Roland: — Tem algum meio de fazer contato com Tamara Wisdom? Esqueci de perguntar se ela tem um celular. — Ela tem, sim. E posso falar com ela por você, já que tenho de lhe perguntar uma coisa, a pedido de Lorde Sinclair. Algum problema? — Não. Eu só queria saber se ela se importaria se Peter jantasse conosco. — Tenho certeza de que ela não vai se incomodar, mademoiselle Paschal. Creio até que ela conta com a presença do abbé, pois pediu-me para providenciar um jantar para quatro pessoas, às oito horas. Maureen agradeceu e retirou-se para seu quarto. Passou primeiro pelo quarto de Peter e bateu na porta. Não houve resposta. Ela virou a maçaneta e empurrou a porta devagar. Deu uma espiada no quarto. Avistou as coisas de Peter no lado da cama, a Bíblia encadernada em couro e o rosário de contas de cristal. Mas ele não se encontrava ali. Maureen voltou para sua enorme suíte. Pegou o maior dos


cadernos de anotações. Queria escrever sobre Montségur, enquanto as impressões ainda eram intensas em sua mente. Mas ao tirar a faixa elástica e abrir as páginas, ficou surpresa quando outra história de martírio aflorou em sua mente.

 Maureen escalou a montanha escarpada na região do mar Morto ao amanhecer, em sua visita à Terra Santa. Subiu pela trilha rochosa em ziguezague, junto com um grupo numeroso. Não sabia o que a levava a efetuar a árdua escalada. Mesmo ainda tão cedo, o calor já era intenso. Todos os outros na trilha naquela manhã eram judeus. Para eles, era uma peregrinação óbvia e emocional. Maureen não podia fazer qualquer alegação de herança ou religião. Ela parou muitas vezes na subida, para admirar a paisagem de uma beleza quase angustiante, as cores faiscando no que parecia ser uma planície lunar, refletindo-se nos cristais de sal da água estranha e parada. Ouviu fragmentos de conversa dos peregrinos enquanto subiam. Ela não falava hebraico, mas a paixão dos judeus pela escalada era inegável. Especulou se eles falavam sobre os mártires de Masada, que preferiram morrer a viver no cativeiro, ou sujeitar suas mulheres e crianças à escravidão e degradação nas mãos dos romanos. Ao chegar ao pico, ela explorou o que restava do que fora outrora uma grande fortaleza. Vagueou pelas câmaras em ruínas e muralhas desmoronando. Porque o espaço era surpreendentemente vasto, ela se descobriu sozinha, separada dos outros peregrinos, que exploravam, por razões pessoais, outros pontos das ruínas sagradas. Havia uma serenidade envolvente naquele lugar, um silêncio tranqüilo, que era uma ruína por si mesmo, tão tangível quanto as pedras. Maureen estava dominada por esse sentimento, olhando quase distraída para as ruínas de um mosaico romano, quando a viu. Aconteceu tão depressa e de uma forma tão inesperada quanto as outras visões. Não podia recordar como sabia que a criança se encontrava


ali, mas tinha certeza de uma presença próxima. A cerca de três metros de distância, uma criança que não devia ter mais que quatro ou cinco anos fitava-a, com olhos enormes e escuros. As roupas estavam rasgadas e sujas, as lágrimas misturavam-se com a lama salpicada no rosto. Ela não falou, mas naquele momento Maureen soube que o nome da criança era Hannah... e que testemunhara acontecimentos que nenhuma criança deveria jamais suportar. Maureen também soube que a criança sobrevivera de alguma forma à indescritível tragédia de Masada. Deixara aquele lugar, levando suas histórias. Era o seu legado, partilhar a verdade do que ocorrera ali com seu povo. Ela

não

sabia

determinar

por

quanto

tempo

a

criança

permaneceu em sua presença. Havia um senso intemporal nas visões. Seriam minutos? Segundos? Ou uma eternidade? Mais tarde, Maureen conversou com um dos guias israelenses em Masada. Ele era jovem e franco. Maureen se surpreendeu ao descobrir que lhe relatava a visão. O guia deu de ombros e disse que não era antinatural ou incomum ver uma coisa assim num lugar com tamanha carga emocional. Explicou que havia lendas sobre sobreviventes de Masada, uma mulher e várias crianças que se esconderam numa caverna e escaparam, levando a verdadeira história para o mundo. Maureen tinha certeza de que a pequena Hannah era uma dessas crianças. Especulara muitas vezes desde então por que tivera a visão, por que acontecera com ela. Sentia-se indigna, achava que não merecia um encontro tão profundo com a história sagrada do povo judeu. Mas, depois da experiência em Montségur, tudo começou a se juntar, num belo padrão, que Maureen começava finalmente a compreender. A pequena Hannah e a jovem cátara conhecida como La Paschalina eram relacionadas, em espírito, se não também no sangue. Eram as crianças destinadas a transmitir e guardar as histórias, para que nunca se perdesse a verdade. O destino de ambas fora o de se tornarem mestras sagradas da humanidade. Aquelas meninas — e o que se tornaram ao


crescer — representavam a história e a sobrevivência da raça humana. Suas experiências não tinham limites; as histórias pertenciam a todos os povos, independentemente de identidade étnica ou crenças religiosas. Ao aceitar essa ligação, não poderiam todos se unir, na certeza de que formavam, em última análise, uma única tribo? Maureen agradeceu a Hannah e Paschalina num sussurro, enquanto terminava de escrever as anotações.

 Tammy entrou correndo no castelo, esperando evitar o contato com qualquer pessoa até tomar um banho. Sentia-se exausta, com a sensação de que cada palmo de seu corpo estava sujo. Mas a solidão não foi tão fácil, pois Roland interceptou-a na porta do quarto dela. Abriu a porta para ela e entrou em seguida, indagando com a maior preocupação: — Você está bem? — Estou, sim. Ensaiara um discurso durante a viagem de volta, mas seu coração se derreteu quando viu o enorme occitano. Ficou tão aliviada por estar ali, segura no castelo e segura com ele, que jogou-se em seus braços e chorou. Roland se espantou. Nunca vira tanta vulnerabilidade naquela mulher antes. — O que aconteceu, Tamara? Ele a machucou? Deve me contar tudo. — Não, não me machucou, mas... — O que aconteceu? Ela ergueu a mão e tocou no rosto de Roland, aquele rosto masculino e anguloso que tanto amava. — Roland... Roland... você tinha razão sobre quem matou seu pai. E agora acho que podemos provar isso.


... Easa era a criança da profecia, coisa que todos sabiam. E a profecia traçava um destino que tinha de ser cumprido da maneira exata. Easa procedeu dessa maneira; não por qualquer glória pessoal, mas a fim de facilitar a compreensão e a aceitação, pelos Filhos de Israel, de seu papel de Messias. Quanto mais o papel de Easa se aproximasse da natureza exata da profecia, mais fortes as pessoas seriam depois que ele partisse. Porém, apesar de tudo isso, não era esperado que acontecesse da maneira como aconteceu. Easa entrou em Jerusalém, montado num jumento, cumprindo, assim, as palavras do profeta Zacarias sobre a chegada do ungido. Nós o seguíamos com palmas, entoando hosanas. Uma enorme multidão passou a nos acompanhar tão logo entramos na cidade. Um sentimento de alegria e esperança pairava no ar. Muitos vinham conosco desde Betânia. Fomos recebidos pelos companheiros de Simão, os zelotes. Até mesmo os representantes de um movimento essênio recluso deixaram sua comunidade no deserto para nos acompanhar naquele dia triunfante. Os filhos de Israel regozijavam-se porque aquele eleito viera libertá-los de Roma, do jugo, da opressão e da miséria. Aquele filho da profecia crescera para se tornar homem e Messias. Havia força em nossos corações e em nossos números. O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO

DO

TEMPO DAS TREVAS


CAPITULO TREZE

Château des Pommes Bleues 25 de junho de 2005

O jantar no castelo era sempre mais elaborado quando havia convidados e naquela noite não foi diferente. Berenger Sinclair exigira o máximo do pessoal da cozinha e de sua adega de vinhos para oferecer um banquete típico do Languedoc, em proporções medievais e desregradas. A conversa era também fascinante. Tammy recuperara o controle, com um aprumo merecedor de um prêmio. Com a atitude provocante e jovial que era sua marca registrada, voltou a ser o que sempre fora. Maureen gostou de acompanhar o duelo de Sinclair e Tammy com Peter, segura no conhecimento de que o primo podia se defender sozinho em qualquer debate teológico. Tinha certeza disso por experiência pessoal. Sinclair lançou-se num discurso: — Sabemos, em termos históricos, que o Novo Testamento como existe agora foi formulado no Concilio de Nicéia. O imperador Constantino e seu concilio tinham muitos evangelhos para escolher, mas selecionaram apenas quatro... quatro que foram alterados de uma maneira drástica. Foi um ato de censura que mudou a história. — Não se pode deixar de especular sobre tudo o que ele decidiu esconder de nós — comentou Tammy. Peter não se perturbou nem um pouco com um argumento que já ouvira uma centena de vezes. E surpreendeu os dois supostos antagonistas com sua resposta: — Não parem por aí. Lembrem-se de que nem mesmo sabemos com certeza quem escreveu esses quatro evangelhos. Na verdade, a


única coisa de que temos uma relativa certeza é de que não foram escritos por Mateus, Marcos, Lucas e João. Provavelmente foram atribuídos aos evangelistas em algum momento do século II, mas alguns dizem que nem mesmo isso é um bom palpite. E mais uma coisa: mesmo com toda a documentação disponível no Vaticano, não podemos dizer com certeza em que língua os evangelhos originais foram escritos. Tammy mostrou-se surpresa: — Pensei que tivessem sido escritos em grego. Peter sacudiu a cabeça. — As versões mais antigas conhecidas são em grego, mas é bem possível que sejam traduções de uma forma anterior. Não podemos simplesmente ter certeza. — Por que a língua original é importante? — perguntou Maureen. — Isto é, exceto pelos erros de tradução. — Porque a língua original é a primeira indicação da identidade do autor e do local em que ele vivia — explicou Peter. — Por exemplo, se os evangelhos originais foram escritos em grego, isso indicaria autores que eram helenizados... uma influência grega reservada para a elite, os sofisticados

e

instruídos.

Tradicionalmente,

não

pensamos

nos

apóstolos dessa maneira. Por isso esperamos outra coisa deles, um vernáculo aramaico ou hebraico. Se tivéssemos certeza de que os originais foram escritos em grego, teríamos de fazer uma avaliação sobre o que isso significa em relação aos seguidores originais de Jesus. — Os evangelhos gnósticos encontrados no Egito foram escritos em copta — acrescentou Tammy. Peter corrigiu-a, gentilmente: — Há textos coptas, mas muitos foram escritos originalmente em grego e depois copiados em copta: — E o que isso nos diz? — indagou Maureen. — Não temos o menor conhecimento de egípcios entre os seguidores originais. Portanto isso nos diz que alguns levaram seu ministério logo no início para o Egito e que o cristianismo inicial floresceu ali. Ou seja, cristãos coptas.


— Mas o que sabemos com certeza sobre os quatro evangelhos? Maureen estava curiosa sobre o rumo da conversa. Não tivera tempo disponível durante sua pesquisa para esmiuçar as questões relacionadas com a história do Novo Testamento. Concentrara-se estritamente nas passagens relevantes para Maria Madalena. — Sabemos que Marcos foi o primeiro e que Mateus é quase uma cópia exata de Marcos, com cerca de seiscentas passagens idênticas — respondeu Peter. — Lucas é também muito parecido, embora o autor revele algumas poucas novas percepções, que não são encontradas em Marcos e Mateus. E o Evangelho de João é o maior mistério dos quatro, já que assume uma posição muito diferente da dos outros três em termos políticos e sociais. — Sei que há pessoas que até acreditam que Maria Madalena escreveu o quarto evangelho, o que foi atribuído a João — comentou Maureen. — Durante a minha pesquisa, entrevistei um estudioso brilhante que fez essa alegação. Não concordo necessariamente com ele, mas achei que a idéia era fascinante. Sinclair sacudiu a cabeça e declarou, com alguma veemência: — Não acredito nisso. Acho que a versão de Maria ainda está por aí, esperando para ser descoberta. — O quarto evangelho é o maior mistério do Novo Testamento — reiterou Peter. — Há muitas teorias a respeito, inclusive a teoria do comitê: foi escrito por várias pessoas, ao longo de um prazo determinado, numa tentativa de relatar os acontecimentos da vida de Jesus de uma certa maneira. Tammy ouvia Peter com o maior interesse e respondeu: — Mas tenho a impressão de que muitos cristãos tradicionais querem apenas tapar os ouvidos e ignorar esses fatos. — Ela era apaixonada pelo assunto e já se envolvera em muitas discussões ao longo dos anos. — Não querem saber dessa história. Querem apenas acreditar cegamente no que a Igreja lhes diz. Ou no que os clérigos dizem. Peter respondeu também com paixão: — Não é isso. Você não está percebendo o ponto importante. Não


é cegueira, é fé. Para as pessoas de fé, os fatos simplesmente não importam. Mas não cometa o erro comum de confundir fé com ignorância. Sinclair deu uma risada, um som irônico. — Estou falando sério — insistiu Peter. — As pessoas de fé acreditam que o Novo Testamento teve inspiração divina. Portanto não importa quem escreveu os evangelhos ou em que língua foram escritos. Os autores foram inspirados por Deus. E quem tomou a decisão de editar os evangelhos, nos concílios de Constantinopla e Nicéia, também devia ter inspiração divina. E assim por diante. É uma questão de fé e não há espaço para a história aqui. Nem se pode debater. A fé é uma coisa que não pode ser questionada. Ninguém respondeu, esperando para saber o que mais ele tinha a dizer. — Pensam que não conheço a história da minha própria Igreja? Conheço muito bem e é por isso que a pesquisa de Maureen e suas opiniões não me ofendem nem um pouco. Por falar nisso, sabiam que há alguns estudiosos que até acreditam que o evangelho de Lucas foi escrito por uma mulher? Foi a vez de Sinclair se mostrar surpreso: — E mesmo? Eu nunca soube disso. Essa possibilidade não o incomoda? — Claro que não. A importância das mulheres no início da Igreja, assim como na continuação do cristianismo, é uma coisa que não podemos negar. Nem mulheres

como

Clara

queremos, de

Assis,

quando consideramos grandes que

manteve

o

movimento

franciscano firme depois que Francisco morreu tão jovem. — Peter olhou para os rostos espantados de Sinclair e Tammy. — Lamento estragar um argumento tão bom, mas concordo com a idéia de que Maria Madalena merece o título de “Apóstola dos Apóstolos”. — Concorda? A indagação incrédula foi de Tammy. — Claro que concordo. Em Atos, Lucas oferece os requisitos


específicos para se tornar um apóstolo: era preciso ter participado do ministério de Jesus enquanto ele viveu, era preciso ter sido testemunha de sua crucificação e era preciso ter sido testemunha de sua ressurreição. Para ser absolutamente literal a respeito, só há uma pessoa que atende a todos esses requisitos... e essa pessoa é Maria Madalena. Os apóstolos homens não testemunharam a crucificação, o que é um tanto embaraçoso. E Maria Madalena foi a primeira pessoa para quem Jesus apareceu no momento de sua ascensão. Maureen teve de fazer um esforço para não rir das expressões de Sinclair e Tammy. Os dois estavam atordoados com aquela demonstração de inteligência e personalidade de Peter. — Não resta a menor dúvida de que as únicas outras pessoas que se ajustam tecnicamente à descrição de apóstolos são as outras Marias... a Virgem Maria, além de Maria Salomé e Maria Jacobina, ambas presentes na crucificação e no sepulcro no dia da ressurreição. Quando Peter olhou em sua direção, Maureen não pôde mais se conter. Sua risada ressoou pela sala. — O que foi? — perguntou Peter, malicioso. — Desculpem. — Maureen tomou um gole de vinho para ter tempo de se controlar. — É que... Peter tende a pegar as pessoas de surpresa e sempre acho divertido observar isso. Sinclair balançou a cabeça. — Admito que é um homem muito diferente do que eu imaginava, padre Healy. — E o que imaginava, Lorde Sinclair? — indagou Peter. — Com todas as desculpas devidas, acho que imaginava um cão de guarda romano. Alguém dominado pelo dogma e pela doutrina. Peter riu. — Esqueceu uma coisa muito importante, Lorde Sinclair. Não sou simplesmente um padre, mas também um jesuíta. E irlandês ainda por cima. — Touché, padre Healy.


Sinclair ergueu seu copo na direção de Peter. A ordem de Peter, Companhia de Jesus, mais conhecida pelo mundo como os jesuítas, concentrava-se na educação e em estudos acadêmicos. Embora

constituíssem

a

maior

ordem

no

catolicismo,

os

conservadores na Igreja Católica Romana achavam que os jesuítas eram independentes demais, há várias centenas de anos. Tinham o apelido de “Missionários do Papa”, mas havia rumores de que fazia séculos que os jesuítas elegiam seu próprio líder dentro da ordem e só se submetiam ao pontífice romano por uma questão de formalidade e cerimônia. Tammy estava curiosa agora. — Os outros de sua ordem também pensam assim sobre o papel das mulheres? — É sempre insensato generalizar — respondeu Peter. — Como Maureen disse, as pessoas tendem a estereotipar o clero, presumindo que todos pensamos com um único cérebro, o que não é verdade. Os padres são pessoas e muitos de nós são muito inteligentes e estudiosos, além de dedicados à nossa fé. Cada homem tira suas próprias conclusões. Peter fez uma pausa. — Mas há uma coisa que temos discutido a fundo sobre Maria

Madalena e a veracidade dos quatro evangelhos. Os

apóstolos deviam achar um tanto embaraçoso que Jesus confiasse toda a sua missão a essa mulher, qualquer que fosse a posição que ela ocupasse em sua vida e ministério. Ela ainda era uma mulher, numa época em que as mulheres não eram consideradas iguais aos homens. Os evangelistas seriam força dos a escrever isso, porque era verdade, por mais embaraçoso que fosse para eles. Mesmo que os

autores

dos

evangelhos

manipulassem

outros

fatos, não alterariam esse elemento importante da ressurreição de Jesus... que ele apareceu primeiro para Maria Madalena. Não para os apóstolos, mas sim para ela. Portanto acredito que os autores dos evangelhos não tinham outra opção além de escrever isso, porque era a verdade.


A admiração de Tammy por Peter aumentava cada vez mais. Era visível em seu rosto expressivo. — Quer dizer que está disposto a explorar a possibilidade de que Maria Madalena foi a discípula mais importante? Ou mesmo que ela possa ter sido mais do que isso? Peter fitou Tammy nos olhos e desta vez respondeu muito sério: — Estou disposto a explorar qualquer coisa que nos leve mais para perto de uma compreensão honesta da natureza de Jesus Cristo, Nosso Senhor e Salvador.

 Foi uma grande noite para Maureen. Peter era o conselheiro espiritual em que mais confiava, mas passara a admirar Sinclair, que achava fascinante. O fato de seu primo encontrar elementos em comum com o excêntrico escocês era um profundo alívio para ela. Talvez todos pudessem

agora

trabalhar

juntos

para

explorar

as

estranhas

circunstâncias das visões de Maureen. Ao final do jantar, Peter, que passara o dia explorando a região sozinho, alegou cansaço e pediu licença para se retirar. Tammy disse que precisava trabalhar no roteiro de seu documentário e também se retirou. Maureen e Sinclair ficaram a sós. Estimulada pelo vinho e pela conversa, ela pressionou Sinclair: — Acho que é tempo de você cumprir sua promessa. — Que promessa, minha cara? — Quero ver a carta de meu pai. Sinclair pareceu pensar a respeito por um momento. Depois de uma breve hesitação, ele concordou: — Está bem. Venha comigo.

 Sinclair levou Maureen por um corredor sinuoso até uma sala trancada. Tirou do bolso um chaveiro grande, abriu a porta e fez


Maureen entrar em seu escritório. Ele apertou um interruptor no lado direito da parede assim que entraram, iluminando um enorme quadro na parede no outro lado. Maureen soltou uma exclamação de prazer. — É o meu quadro! Sinclair riu. — Lucrécia Bórgia reina no Vaticano na ausência do papa Alexandre VI. Maureen aproximou-se do quadro com reverência. Sentia uma grande admiração pelo talento nos traços e no uso das cores demonstrado por Frank Cadogan Cowper, o pintor britânico do século XIX que criara aquela obra-prima. O quadro mostrava Lucrécia Bórgia entronizada no Vaticano, cercada por um vasto mar de cardeais de vermelho. Para Maureen, aquela única imagem explicava as centenas de anos de vilanias contra o caráter da filha do papa. Lucrécia fora chamada das piores coisas possíveis, inclusive assassina e prostituta incestuosa. Era uma punição imposta pelos cronistas renascentistas, todos homens, por ter a audácia de sentar no trono de São Pedro... e dar instruções papais durante as ausências do pai. — Lucrécia foi uma força propulsora na criação de meu livro — comentou Maureen. — Sua vida personificou o tema da mulher menosprezada e privada de seu verdadeiro papel na história. A pesquisa de Maureen revelara que as terríveis acusações de incesto haviam sido inventadas pelo primeiro marido de Lucrécia, um homem rude e violento, que ficara arruinado depois da anulação do casamento. Fora ele quem lançara os rumores de que Lucrécia queria a anulação porque tinha um envolvimento sexual com o pai e o irmão. Essas mentiras insidiosas perduraram por séculos, perpetuadas pelos inimigos da invejada família Bórgia. — Eles são da linhagem — comentou Sinclair. — Os Bórgia? — Maureen estava incrédula. — Como? — Pela linha de Sara-Tamar. Seus ancestrais eram cátaros que fugiram

para

a

Espanha.

Procuraram

refúgio

no

mosteiro

em

Montserrat. Foram assimilados em Aragão, onde adotaram o nome


Bórgia, antes de emigrarem para a Itália. Mas a escolha do local para onde foram não foi acidental, nem sua lendária ambição. César Bórgia estava determinado a assumir o trono, a fim de restaurar em Roma aqueles que acreditava serem seus legítimos soberanos. Maureen balançou a cabeça, aturdida, enquanto Sinclair continuava: — A instalação de sua filha no trono foi emblemática da descendência cátara. As mulheres são iguais aos homens n'O Caminho, em todos os aspectos, inclusive na liderança espiritual. Lamentavelmente, a história só lembra dos Bórgia como violentos e manipuladores. Maureen concordava com essa posição. — Alguns autores chegaram ao cúmulo de escrever que eles foram a primeira família do crime organizado. É uma injustiça brutal. — Para não dizer que é absolutamente inverídico. — Essa informação sobre a linhagem acrescenta um novo ângulo à história — murmurou Maureen, ainda absorvendo tudo. — Posso prever o embrião de um novo livro, minha cara? — gracejou Sinclair. — Pode prever pelo menos vinte anos de pesquisa. Estou fascinada. Mal posso esperar para descobrir aonde tudo isso me leva. — Mas primeiro acho que é hora de tomar conhecimento de um capítulo em sua própria vida. Maureen ficou tensa. Suplicara por aquele momento, até insistira. Era o motivo de sua vinda para a França, em primeiro lugar. Mas agora não tinha certeza de querer saber. — Você está bem? — perguntou Sinclair, com sincera preocupação. Ela acenou com a cabeça. — Estou, sim. Acontece apenas que agora que estou aqui... eu me sinto nervosa. Sinclair indicou uma cadeira e Maureen sentou, agradecida. Ele abriu um arquivo embutido, com outra chave, e tirou uma pasta. Explicou para Maureen, enquanto andava: — Descobri esta carta nos arquivos de meu avô há alguns


anos. Quando tomei conhecimento de seu trabalho e vi sua foto e o anel, campainhas de alarme soaram em minha cabeça. Conhecia os descendentes de Paschal aqui na França, mas também lembrei que existira um americano chamado Paschal que fora importante. Não podia me lembrar o porquê, até que encontrei esta carta. Sinclair pôs a pasta na frente de Maureen, gentilmente. Abriu-a para revelar o papel amarelado e a tinta desbotada. — Gostaria que eu a deixasse sozinha? Maureen fitou-o, mas viu apenas compreensão e segurança em seu rosto. — Não. Fique comigo, por favor. Sinclair inclinou a cabeça em concordância. Bateu de leve na mão de Maureen e depois foi se sentar no outro lado da mesa, em silêncio. Maureen pegou a pasta e começou a ler. “Meu caro Monsieur Gelis”, começava a carta. — Gelis? — indagou Maureen. — A carta não era dirigida a seu avô? Sinclair sacudiu a cabeça em negativa. — Não, não era. Estava nos arquivos de meu avô, mas foi escrita para um morador daqui, de uma antiga família cátara chamada Gelis. Maureen achou por um instante que já ouvira o nome antes, mas não passou muito tempo pensando a respeito. Estava preocupada demais com o conteúdo da carta. Prezado Monsieur Gelis Por favor, perdoe-me, mas não tenho mais ninguém a quem recorrer. Soube que tem um conhecimento profundo das coisas do espírito. Que é um autêntico cristão. Espero que sim. Há muitos meses que sou atormentado por pesadelos e visões de Nosso Senhor na cruz. Sou visitado por Ele, que me transmite sua dor. Mas não escrevo por mim. Escrevo por minha filha pequena, minha Maureen. Ela grita durante a noite e me relata os mesmos pesadelos. É pouco mais que um bebê. Como isso pode acontecer com ela? Como posso fazer com que pare, antes que ela experimente a


mesma dor que venho sentindo? Não suporto mais ver minha filha assim. Sua mãe me culpa e ameaça afastá-la de mim para sempre. Por favor, ajude-me. Por favor, diga-me o que posso fazer para salvar minha filha. Com meus mais profundos agradecimentos, Edouard Paschal Maureen não podia ver através das lágrimas, enquanto largava a pasta e se permitia soluçar.

 Sinclair ofereceu-se para ficar com Maureen, mas ela recusou. Estava abalada demais pela carta e precisava ficar sozinha. Pensou por um instante em acordar Peter, mas decidiu não o fazer. Precisava pensar a respeito, primeiro. E o recente deslize de Peter, ao dizer que prometera à mãe de Maureen que não permitiria que nada lhe acontecesse, deixaraa desconfiada e apreensiva. Peter sempre fora sua âncora, a figura masculina em sua vida. Confiava nele e sabia que Peter nunca faria qualquer coisa que não considerasse de melhor interesse e segurança da prima. Mas Peter não poderia estar se baseando em alguma informação equivocada? O conhecimento que tinha da primeira parte da infância de Maureen — sobre a qual ele sempre se recusava a falar em termos concretos — vinha exclusivamente da mãe dela. Sua mãe... Maureen se sentou na cama enorme, recostando-se nos travesseiros bordados. Bernadette Healy fora uma mulher dura e inflexível ou pelo menos era assim que Maureen a recordava. As únicas indicações que ela podia ter sobre uma disposição diferente anterior vinham das fotos. Maureen tinha algumas fotos da mãe na Louisiana, com a filha recém-nascida no colo. Bernadette olhava radiante para a câmera, mãe orgulhosa. Muitas

vezes

Maureen

especulara

sobre

o

que

mudara

Bernadette, transformando-a da mãe jovem e esperançosa, nas fotos, para a disciplinadora fria de suas lembranças. Quando foram viver na Irlanda, Maureen passara a ser criada em grande parte pela tia e o tio...


os pais de Peter. Maureen ficara na segurança e no anonimato da remota comunidade rural, no oeste da Irlanda, enquanto Bernadette ia para Galway. Maureen só a via raramente, quando Bernadette voltava à fazenda, por algum senso de dever ou obrigação. Essas visitas eram tensas, à medida que a mãe se tornava mais e mais estranha. Maureen adotara a família de Peter como sua, sendo absorvida pelo afeto curativo da prole grande e exuberante. A tia Ailish, mãe de Peter, preenchera o papel maternal. Maureen desenvolvera seu afeto e humor por influência da família de Peter. A tendência ao comedimento, à ordem e cautela vinha da mãe. Em umas raras ocasiões, em geral depois de uma das desastrosas e destrutivas visitas de Bernadette, Ailish chamara a sobrinha para uma conversa. — Não deve julgar sua mãe com muito rigor, Maureen — disse ela uma vez, em seu tom paciente. — Bernadette a ama. E talvez seja assim por amá-la demais. Mas saiba que ela teve uma vida difícil e que isso a mudou. Quando for mais velha, você poderá compreender. O tempo e o destino eliminaram toda e qualquer possibilidade de Maureen conhecer e compreender melhor a mãe ao crescer. Bernadette tivera um linfoma quando Maureen estava na adolescência e morrera rapidamente. Peter fora chamado ao seu leito de morte e fora o padre que ministrara a extrema-unção. Ouvira a confissão final e passara a carregar em seus ombros o peso das chocantes revelações da tia, durante todos os dias de sua vida. Mas não dizia nada a respeito para Maureen, alegando o sigilo da confissão. E agora havia uma nova peça no quebra-cabeça. Maureen precisava tentar interpretar a carta do pai, ter um vislumbre do complexo legado que ele poderia ter deixado. Dormiria com o problema na mente naquela noite e na manhã seguinte conversaria com Peter com mais lucidez.


Carcassonne 25 de junho de 2005

Derek Wainwright estava mergulhado num sono pesado. O coquetel de remédios e vinho tinto se misturara com a exaustão e o estresse para produzir um estado de total apagamento. Se estivesse um pouco mais consciente, talvez tivesse sido alertado... pelos passos, o som da porta do quarto sendo aberta e o canto sussurrado do atacante. — Neca eos omnes. Neca eos omnes. Deus suos agnoset. Matem todos. Matem todos. Deus reconhecerá os seus. Mas quando a corda vermelha foi amarrada em torno de seu pescoço, já era tarde demais para Derek Wainwright. Ao contrário de Roger-Bernard Gelis, ele não teve a boa sorte de já estar morto quando o ritual começou.

 Maureen ficou toda arrepiada quando alguém bateu em sua porta. Não estava preparada para Sinclair ou Peter naquele momento. Sentiu alívio ao ouvir uma voz de mulher do outro lado: — Reenie? Sou eu. Maureen abriu a porta para Tammy, que deu uma olhada nela e soltou um gemido. — Você está horrível! — Obrigada. Eu me sinto maravilhosa. — Quer conversar a respeito? — Ainda não. Estou apenas processando algumas coisas pessoais. Tammy hesitou. A atenção de Maureen foi aguçada no mesmo instante, ao compreender que deparava com um fato absolutamente novo: Tamara Wisdom estava nervosa. — Qual é o problema, Tammy? Tammy suspirou. Passou a mão pelos cabelos compridos.


— Detesto fazer isso com você, num momento em que sua carga emocional já é enorme, mas precisamos conversar. Maureen gesticulou para as poltronas. — Vamos sentar. Tammy sacudiu a cabeça. — Não. Preciso que você venha comigo. Tenho de lhe mostrar uma coisa. — Está bem. Maureen seguiu Tammy pelo labirinto de corredores do Château des Pommes Bleues. Depois de tudo o que acontecera, achava que não havia muita coisa que pudesse surpreendê-la. Estava enganada.

 Entraram na moderna sala de comunicações em que Sinclair mostrara para Maureen e Peter os mapas da região comparados com as constelações. Tammy apontou para um sofá de couro na frente de uma enorme tela de televisão. Foi pegar um controle remoto e se sentou ao lado de Maureen. Respirou fundo e iniciou a explicação: — Quero lhe mostrar algumas imagens que registrei para o meu próximo documentário. É sobre a linhagem. Preciso que preste total atenção, porque é muito importante e, em última análise, envolve você e seu papel em toda essa situação. Como já sabe, o mistério de Maria Madalena inspirou muitas sociedades secretas e grupos de aventureiros. Eles sussurram sobre a linhagem e realizam rituais secretos. Tammy apertou um botão no controle remoto para ligar a televisão. Uma série de slides apareceu na tela, um de cada vez. As primeiras imagens eram de quadros de Maria Madalena, pintados por mestres da arte renascentista e barroca. — Alguns desses grupos são formados por fanáticos, mas outros são de pessoas boas e espiritualizadas. Sinclair é um dos mocinhos. Portanto você está em terreno seguro aqui. Quero ser bem clara nesse ponto. Ela fez uma pausa, ordenando os pensamentos.


— Eu queria fazer um filme que mostrasse a extensão de todo esse conceito... até que ponto a idéia de uma linhagem sagrada projetase no mundo ocidental e em nossa história. O objetivo é apresentar quem seus descendentes foram... e são. Dos famosos aos infames e aos anônimos. Retratos familiares de figuras históricas e religiosas surgiram na tela, enquanto Tammy continuava a falar: — Algumas dessas pessoas podem surpreendê-la. Carlos Magno. Rei Artur. Roberto da Escócia. São Francisco de Assis. — Espere um instante. São Francisco de Assis? Tammy confirmou com um meneio de cabeça. — Isso mesmo. A mãe dele, Pica, nasceu em Tarascon. Sangue cátaro, da linha de Sara-Tamar, da nobre família de Bourlemont. Foi assim que ele recebeu seu nome. Nasceu Giovanni, mas os pais chamavam-no de Francisco porque ele lembrava o lado franco-cátaro da família da mãe. Já esteve em Assis1? Maureen sacudiu a cabeça em negativa. Cada nova revelação era espantosa, atordoante. Ela ficou observando, fascinada, enquanto surgiam na tela imagens da aldeia italiana de Assis, o berço do movimento franciscano. — Precisa ir até lá. É um dos lugares mais mágicos do mundo. E os espíritos de São Francisco e Santa Clara ainda estão muito vivos ali. Creio que eles reviveram os papéis de Jesus e Maria Madalena. Preste atenção às obras de arte na Basílica de São Francisco. O mestre italiano Giotto, que foi contemporâneo de Francisco, dedicou as obras de uma capela inteira a Maria Madalena. Há um mural de Maria Madalena chegando à França, depois da crucificação. É incontestavelmente uma declaração. E há muito sentimento cátaro no que consideramos o pensamento franciscano. Tammy parou no quadro de Giotto mostrando São Francisco recebendo os estigmas do céu. — Francisco é o único santo conhecido a apresentar todos os


cinco pontos de estigmas. Por quê? A linhagem. Ele é um descendente de Jesus Cristo. Creio que há uma argumentação pela qual todo estigmatizado autêntico é da linhagem. Mas o importante em Francisco é que ele teve todos os cinco estigmas. Ninguém jamais teve isso. Maureen estava contando, enquanto acompanhava o relato de Tammy; — As palmas das mãos, os pés... são quatro... e... — O flanco direito, onde o centurião espetou Jesus com a lança. Mas tenho de corrigi-la. Os estigmas autênticos não ocorrem nas palmas, mas sim nos pulsos. Ao contrário da crença popular, Cristo não foi pregado na cruz pelas mãos, mas sim através dos ossos dos pulsos. As mãos não são bastante fortes para suportar o peso do corpo. Tammy fez uma pausa. — Embora já tenham sido autenticados estigmas nas mãos, como os do santo padre Pio, são os estigmas nos pulsos que realmente atraem a atenção da Igreja. É o que torna Francisco tão importante. Artistas como Giotto podem nos mostrar os estigmas nas mãos, pelo efeito dramático, mas os relatos históricos nos contam uma história diferente. Francisco teve todos os cinco pontos, inclusive nos pulsos. Tammy soltou o botão de pausa para mostrar a imagem seguinte, a estátua dourada de Joana d'Arc na Rue de Rivoli, em Paris. Foi substituída por outra imagem de Joana, a estátua no jardim de Saunière, que haviam visto dois dias antes. — Lembra quando Peter me perguntou sobre essa estátua de Joana? Ele comentou que o mundo a considera um símbolo do catolicismo francês. Aqui está por que ela é qualquer coisa menos isso. Tammy projetou na tela um retrato de Joana d'Arc segurando sua marca registrada, o estandarte de “Jesus-Maria”. — Os cristãos sempre acharam que o lema de Joana era uma referência a Cristo e sua mãe, porque o estandarte dizia “Jhesus-Maria”. Mas não era. Em vez disso, era uma referência a Cristo e Maria Madalena. Foi por isso que ela pôs um hífen, para mostrar que os dois estavam juntos. Jesus e sua esposa, ancestrais de Joana.


— Mas pensei que ela era uma camponesa... uma pastora. Maureen soltou uma exclamação de surpresa ao compreender o que acabara de dizer. — Exatamente. Uma pastora. E seu nome? “D'Arc” indica que tinha alguma relação com esta região, com Arques, embora tenha nascido em Domrémy. Joana de Arques... é uma referência à sua linhagem. E a seu perigoso legado. Berry lhe falou sobre a profecia, não é mesmo? Sobre A Escolhida? Maureen confirmou com um lento balanço de cabeça. — Não creio que o mundo esteja preparado para isso. Não creio que eu esteja preparada. Tammy tornou a apertar o botão de pausa e concentrou sua atenção em Maureen. — Preciso que você escute o resto da história de Joana, porque é importante. O que você sabe sobre ela? — Provavelmente o que a maioria das pessoas no mundo sabe. Ela lutou para restaurar o Delfim no trono da França. Comandou batalhas contra os ingleses. Foi queimada viva na fogueira como bruxa, embora todos soubessem que não era... — Foi queimada viva porque tinha visões. Maureen avaliava tudo, tentando determinar aonde Tammy queria chegar. Ainda não estava entendendo direito e por isso Tammy explicou, com alguma ênfase. — Joana tinha visões... visões divinas. E era da linhagem. O que isso significa para você? Tammy não esperou por uma resposta. — Joana era A Escolhida e todos sabiam disso. Ia realizar a profecia. Tinha visões que a levariam até o evangelho de Madalena. Foi por isso que tiveram de silenciá-la para sempre. Maureen sentia-se atordoada. — Mas... a data de nascimento de Joana é a mesma que a minha? — É, sim. Só que não encontrará isso registrado nos livros de história. De um modo geral, os historiadores indicam um dia em janeiro.


A data foi deliberadamente alterada, num esforço para proteger sua verdadeira identidade, como bastarda real e como a tão aguardada princesa do Graal. — Como sabe disso? Há alguma documentação para apoiar esses dados? — Há, sim. Mas você tem de parar de pensar como uma acadêmica. Precisa ler nas entrelinhas, porque está tudo ali. E não descarte as lendas locais. É irlandesa e por isso conhece o poder da tradição oral e como é transmitida. Os cátaros não eram tão diferentes dos celtas. Existe até uma tonelada de evidências de que as duas culturas se misturaram através da França e Espanha. Protegiam suas tradições ao não escrevê-las. Dessa forma, não deixavam qualquer evidência para seus inimigos. Mas a lenda de Joana como A Escolhida é predominante aqui, quando se vai além da superfície. — Sempre pensei que tropas inglesas tivessem executado Joana. — Errado. Os ingleses prenderam Joana, mas foi o clero francês que a processou e insistiu em sua morte. O algoz de Joana foi um clérigo chama do Cauchon. O que é uma piada por aqui, já que Cauchon significa “porco” em francês. Foi esse porco que arrancou a confissão de Joana e depois distorceu as evidências para forçar seu martírio. Cauchon tinha de matar Joana antes que ela pudesse cumprir seu papel como A Escolhida. Maureen

ficou

calada,

escutando

atentamente,

enquanto

Tammy continuava: — E Joana não foi a última pastora a morrer. Lembra a estátua da santa sobre a qual você me perguntou em Rennes-le-Château? A jovem com rosas no avental? — Santa Germana. Tive um sonho sobre ela na noite passada. — Isso acontece porque ela é outra filha do equinócio vernal e da ressurreição. E representada com um cordeiro pascal por razões óbvias, mas também com um carneiro, para indicar seu nascimento no começo de Áries. Maureen se lembrava muito bem da estátua. Ficara comovida com


a expressão solene da jovem pastora. — A mãe dela tinha uma posição elevada na linhagem, a Marie de Nègre de seu tempo. Quando Germana era bebê, a mãe morreu misteriosamente. Germana foi criada por uma família adotiva que a maltratava. Acabou sendo assassinada enquanto dormia, ao final da adolescência. Tammy pegou a mão de Maureen, muito séria agora. — Há mil anos que há pessoas dispostas a matar para impedir a descoberta do evangelho de Maria, Maureen. Compreende o que estou querendo lhe dizer? A solenidade da ocasião começava a impressionar Maureen. Subitamente, ela sentiu um frio intenso, enquanto Tammy concluía: — Ainda há pessoas que matariam para impedir que a profecia seja consumada. E você corre um grave perigo se essas pessoas acreditarem que é A Escolhida.

 Tammy tivera a previdência de levar uma garrafa do excelente vinho local para a sala. Tornou a encher o copo de Maureen. As duas permaneceram em silêncio por algum tempo. Maureen finalmente falou. Olhou para Tammy e disse, num tom um tanto acusador: — Sabia muito mais do que me deixou perceber em Los Angeles, não é mesmo? Tammy suspirou. Recostou-se no sofá. — Sinto muito, Maureen. Não podia lhe contar tudo o que sabia naquela ocasião. Ainda não posso, pensou ela, desolada, antes de acrescentar: — Não queria assustá-la. Você nunca faria essa viagem e nós não podíamos correr esse risco. — Nós? Está se referindo a você e Sinclair? Pertence à Sociedade das Maçãs Azuis? — Não é tão simples assim. Mas posso garantir que Sinclair fará tudo o que for possível para protegê-la.


— Porque ele acha que sou a mulher que tanto espera? — E também porque ele gosta sinceramente de você. Dá para perceber. Mas Berry também sente a responsabilidade. Levou-a para o sacrifício, como o proverbial cordeiro pascal, ao apresentá-la no baile com aquela roupa. Em seu excitamento, não pensou nas conseqüências. Maureen tomou outro gole do vinho. — O que você sugere que eu faça? Este lugar é um território estrangeiro para mim, Tammy. Devo ir embora? Tratar de esquecer que tudo isso aconteceu e voltar à minha vida antiga? — Ela soltou uma risada irônica. — Claro. Não há problema. Tammy exibia uma expressão compadecida. — Talvez você devesse mesmo partir, em benefício de sua segurança física. Berry pode dar um jeito de tirar você e Peter daqui amanhã, sem que ninguém perceba. Isso vai matá-lo, mas ele não hesitará em fazer, se você pedir. — E o que acontece depois? Volto para Los Angeles, passando o resto da vida atormentada por pesadelos e visões? E meu trabalho será prejudicado, porque nunca mais poderei considerar a história da mesma maneira, mas também não ousaria investigar mais a fundo por causa de alguns lacaios furtivos que querem me eliminar? E quem são essas pessoas perigosas? Por que querem tanto impedir a consumação da profecia, a tal ponto que estão dispostas até a matar? Tammy levantou-se e começou a andar de um lado para outro. — Há diversas facções que têm um interesse velado em manter em segredo as palavras de Maria Madalena. Há os representantes da Igreja tradicional, é claro. Mas eles não são os perigosos. — Então quem são? Estou cansada de enigmas, Tammy, e não agüento mais nenhum jogo. Alguém me deve uma explicação completa. Quero saber de tudo, o mais depressa possível. Tammy balançou a cabeça, uma expressão sombria. — E você saberá de tudo pela manhã. Mas não cabe a mim dar as explicações. — Então quem vai dar? Sinclair? Quero falar com ele. Agora.


Tammy deu de ombros, com um ar desamparado. — Infelizmente, isso não será possível. Ele saiu pouco depois que você deixou o escritório dele. Não sei aonde foi, mas disse que só voltaria muito tarde. Mas prometo que ele lhe contará tudo amanhã de manhã. Mas quando Berenger Sinclair voltou ao Château des Pommes Bleues, o mundo havia mudado.


...A chegada de Easa foi notada por todas as autoridades em Jerusalém, dos Sacerdotes do Templo à Guarda de Pilatos. Os romanos estavam preocupados com a Páscoa. Temiam que um levante ou um distúrbio pudessem

ser

insuflados por qualquer erupção de

sentimento ou

nacionalismo judaico. E, porque havia zelotes entre nós, Pilatos não podia deixar de se manter em alerta. Dentre os nossos havia aqueles cujos irmãos pertenciam à casta sacerdotal. Informaram-nos de que o Sumo Sacerdote Caifás, o genro de Jônatas Anás, que tanto nos odiava, convocara uma reunião, sobre “essa idéia do Nazareno transformado em Messias”. Já manifestei minha opinião sobre esse homem Anás, no passado, e aqui tornarei a falar sobre seus feitos. Porém cumpre-me fazer uma advertência: não condenem muitos pelas ações de um só. Pois a casta sacerdotal é igual a todas as outras: alguns são justos e bons em seus corações, outros não são. Há aqueles que seguiram as ordens de Jônatas Anás nos dias tenebrosos, sacerdotes e homens comuns. Alguns o fizeram porque eram obedientes ao Templo, porque eram homens bons e justos, assim como meu próprio irmão fora ao fazer aquela terrível opção. Nosso povo foi enganado por líderes corruptos, foi cegado para a verdade por aqueles que tinham o dever de lhe dar algo mais. Alguns opuseram-se a nós porque temiam mais derramamento de sangue judaico e queriam apenas encontrar a paz para o povo durante a Páscoa. Não posso culpar quem quer que seja por essa opção. Devemos condenar aqueles que não viram a luz? Não. Easa ensinounos que não devemos rechaçá-los. Em vez disso, devemos perdoar-lhes. O EVANGELHO

DE

ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO

DO

TEMPO

DAS

TREVAS


CAPÍTULO CATORZE

Château des Pommes Bleues 25 de junho de 2005

Maureen voltou para seu quarto sentindo-se sufocada de medo e ansiedade. Estava atordoada e não tinha a menor idéia do que fazer. Vestiu-se para dormir, lentamente, tentando pensar de forma objetiva, apesar do cérebro confuso pela sobrecarga emocional e o excesso de vinho tinto. Isto é um esforço inútil, pensou ela. Não conseguirei dormir esta noite. Entregou-se, no entanto, ao conforto acolhedor da enorme cama e o sono envolveu-a em questão de minutos. E o sonho também.

 A mulher pequena com o véu vermelho seguia em silêncio na escuridão. O coração batia em ritmo acelerado, enquanto ela tentava acompanhar os dois homens e suas passadas largas. Aquilo era tudo ou nada... um risco terrível para cada um, mas o momento mais importante de sua vida. Desceram apressados pela escada externa; aquele era o risco maior na missão. Ficariam expostos à noite de Jerusalém e só podiam orar para que os guardas tivessem sido afastados, conforme o prometido. Olharam uns para os outros, aliviados, ao se aproximarem da entrada subterrânea. Não havia guardas. Um homem ficou do lado de fora, para se manter de vigia. O outro homem, que conhecia o caminho através dos corredores da prisão, continuou a conduzir a mulher. Parou


diante de uma pesada porta e pegou a chave que escondera sob as dobras da túnica. Ele olhou a mulher e disse alguma coisa, enfático. Todos sabiam que havia pouco tempo antes que o risco de descoberta fosse grande demais... ela mais do que os outros. O homem virou a chave na fechadura e abriu a porta para deixá-la entrar. Tornou a fechá-la assim que ela passou, a fim de proporcionar privacidade à mulher e ao prisioneiro. Ela não sabia o que esperava, mas com certeza não era aquilo. Seu belo homem fora tratado brutalmente; quanto a isso, não podia haver a menor dúvida. Tinha as roupas rasgadas e exibia equimoses no rosto. Apesar de todos os ferimentos, no entanto, ofereceu um sorriso de afeto e amor para a mulher, que se jogou em seus braços. Ele abraçou-a apenas por um breve instante, já que o tempo conspirava contra os dois. Depois, segurou-a pelos ombros e começou a dar instruções... enfáticas, urgentes. Ela balançou a cabeça, várias vezes, assegurando que compreendia e que todos os seus desejos seriam cumpridos. Finalmente, ele passou a mão de leve por sua barriga e deu a última instrução. Quando acabou, a mulher caiu em seus braços, pela última vez, fazendo um bravo esforço para reprimir o som dos soluços que sacudiam seu corpo.

 Os

mesmos

soluços

sacudiram

Maureen.

Ela

chorou,

incontrolavelmente, o rosto comprimido contra o travesseiro, para que as outras pessoas no castelo não pudessem ouvi-la. O quarto de Peter era o mais próximo e ela não queria atrair sua atenção. Aquele sonho fora o pior de todos. Era muito real, muito nítido. Ela sentia cada segundo de tensão e dor, sentia a urgência das instruções transmitidas. E sabia o motivo. Eram as instruções finais de Jesus Cristo para Maria Madalena, na véspera da Sexta-feira da Paixão. E havia outra instrução urgente no sonho, esta dada para Maureen. Ouvira a voz do homem em seu ouvido... seria mesmo o seu ouvido? Ou o ouvido de Maria? Ela observava Maria de fora, mas sentia


tudo o que Maria experimentava por dentro. E ouvira a instrução final: — Porque o tempo chegou. Vá e cuide para que nossa mensagem continue a viver. Maureen se sentou na cama e tentou pensar. Operava por instinto agora e por algo mais... algo indefinível, sem lógica e sem razão. Era algo em que tinha de confiar, com toda a força de seu coração, em vez de analisar demais com o cérebro. Era plena noite no Languedoc, suave, com os raios do luar entrando pelo quarto de Maureen. Iluminaram o rosto adorável de Maria Madalena no deserto, a Madona de Ribera, erguendo os olhos para o céu, à procura de orientação divina. Maureen decidiu seguir a direção de Maria. Pela primeira vez desde que tinha oito anos de idade, ela começou a rezar por orientação.

 Mais tarde, Maureen não conseguiu lembrar quanto tempo passara antes de ouvir a voz. Segundos? Minutos? Não tinha importância. Quando ouviu, ela teve certeza. Foi como no Louvre, a mesma voz feminina insistente, chamando-a, levando-a para a frente. Só que desta vez dizia seu nome. — Maureen... Maureen... E sussurrava com uma urgência crescente. Ela se vestiu e calçou os sapatos, com medo de demorar demais e perder o contato com a guia etérea que queria conduzi-la. Abriu a porta de seu quarto, com todo o cuidado, rezando para que não rangesse e acordasse alguém. Como Maria Madalena

no

sonho,

os

movimentos

furtivos

eram

de

extrema

importância. Não podia ser vista... ainda não. Era uma coisa que tinha de fazer sozinha. O coração de Maureen batia forte, vibrando em seus ouvidos, enquanto atravessava o castelo na ponta dos pés, sem fazer barulho. Sinclair saíra e todos os outros dormiam. Ao se aproximar da porta da frente, ela parou de repente, quando um pensamento lhe ocorreu. O alarme. A porta da frente tinha um alarme de código. Observara


quando Roland o desligara certa manhã, depois do café, para abrir a porta. Ele batera três vezes no teclado. Três números. O código de alarme tinha três dígitos. Parada diante do painel, ela tentou pensar como Sinclair. Que código ele usaria? Uma idéia ocorreu-lhe. A festa de Maria Madalena era em julho, no dia 22. Ela bateu os números no teclado, como vira Roland fazer. 7-2-2. Nada. Uma luz vermelha piscou e um bip alto soou, provocando um sobressalto em Maureen. Droga! Por favor, não deixe que o som desperte alguém. Maureen fez um esforço para se controlar. Pensou de novo. Sabia que não dispunha de muita margem de erro. O alarme seria acionado se ela continuasse a bater códigos incorretos. Maureen ergueu a cabeça e olhou para o alto, sussurrando: — Por favor, ajude-me. Não sabia o que esperava... que a voz respondesse? Para lhe dar o número? Que a porta se abrisse, como num passe de mágica, para deixá-la sair? Ela esperou por um momento, mas nada aconteceu. Não seja idiota. Vamos, Maureen, pense bem. E foi então que ela ouviu. Não a voz efêmera da mulher, mas uma voz que vinha de sua memória. Era a voz de Sinclair, na primeira noite que passara no castelo. — Minha cara, você é o cordeiro pascal. Maureen tornou a se virar para o painel e bateu os números 3-22. Março, dia 22, seu aniversário. E o dia da ressurreição. Dois bips curtos soaram, uma luz verde acendeu e uma voz mecânica disse algo em francês. Maureen não esperou para ver se aquilo acordara alguém. Abriu a pesada porta e saiu. O luar iluminava o caminho de pedras do castelo.

 Maureen sabia exatamente para onde ia. Não sabia por que e não sabia como, apenas sabia qual devia ser o seu destino. A voz não era mais audível, mas não precisava dela. Alguma coisa assumira o controle, alguma coisa interior que sabia e que ela seguia sem questionar.


Contornou rapidamente o lado da casa, o mesmo caminho que Sinclair seguira quando a levara na excursão pelo jardim. Havia um caminho ali, invadido pelo mato e difícil, que seria impossível percorrer numa noite escura, sem luar. Mas o luar iluminava seu caminho. Ela avançou quase correndo, até avistar seu objetivo, a distância. A Loucura de Sinclair. A torre que Alistair Sinclair construíra no meio da propriedade, sem qualquer razão aparente. Só podia haver uma razão e agora ela a conhecia. Era uma torre de vigia, como a Torre Magdala, de Berenger Saunière, em Rennes-leChâteau. Os dois homens mantinham-se atentos à região, para o dia em que Maria decidisse revelar seus segredos. As duas torres davam para a área que fora definida como o esconderijo do tesouro. Maureen encaminhou-se para a torre na maior expectativa. Mas sentiu um aperto no coração ao lembrar que Sinclair mantinha a porta trancada. Ele usara uma chave para abri-la quando subiram até lá. Mas... o que acontecera quando saíram? Maureen vasculhou a memória, enquanto se aproximava. Estavam absortos na conversa e ela não se lembrava de Sinclair ter trancado a porta. Seria possível que ele estivesse tão distraído que esquecera? Teria voltado mais tarde para reparar a negligência? Ou a tranca era automática? Ela não precisou esperar muito para descobrir. Ao contornar a torre para a entrada, viu que a porta estava entreaberta. Deixou escapar um suspiro de alívio e gratidão. — Obrigada — murmurou ela, erguendo o rosto para o céu. Maureen não sabia se fora um esquecimento de Sinclair ou intervenção divina, mas sentia-se exultante, o que quer que tivesse sido. Subiu a escada, com o maior cuidado. A escuridão era total dentro da estranha construção de pedra e não podia ver coisa alguma. Tratou de reprimir a tendência à claustrofobia e continuou a subir, apesar do medo. Ouviu a voz de Tammy em sua mente, lembrando que Sinclair e Saunière haviam construído suas torres de acordo com a numerologia espiritual. Contou meticulosamente e soube quando estender a mão para a porta à frente, no 22° degrau. A porta se abriu e o luar inundou a


escada da torre, enquanto Maureen saía para o deque. Ela ficou imóvel ali por um longo momento, absorvendo toda a fantástica beleza da noite quente. Sem saber o que procurar, limitou-se a esperar. Chegara àquele ponto e tinha de manter a fé em que a jornada não acabaria ali. O luar lhe mostrou uma coisa que não notara antes, quando estivera ali com Sinclair. Esculpido na parede de pedra, por trás da porta, havia um relógio de sol, parecido com o que ela vira em Rennesle-Château.

Maureen

passou

a

mão

pelas

marcas.

Não

tinha

conhecimento suficiente dos símbolos para ter certeza de que era idêntico ou apenas comparável ao outro. Pensou a respeito, enquanto seguia para o ponto central do deque de observação. Teve a impressão de divisar alguma coisa no horizonte, por um momento. Esperou, contemplando a noite do Languedoc. E depois tornou a ver, primeiro como um clarão, em sua visão periférica. Reagiu com surpresa, como acontecera na primeira vez em que estivera ali, com Sinclair. Alguma coisa intangível, um ponto de luz ou um movimento, atraiu seus olhos para um local determinado no horizonte. Virou-se nessa direção e ficou observando, enquanto o luar parecia aumentar, focalizando um raio intenso, num ponto distante, bem à sua frente. A luz refletia em alguma coisa... uma pedra? Um prédio? E, depois, ela soube o que era. A tumba. A luz era mais intensa no local da tumba de Poussin. Claro. Escondido à plena vista, como tudo até agora. A luz continuou a se movimentar e mudar, tornando-se mais opaca, como se assumisse uma forma humana alongada. Era agora uma mancha iridescente, viva e dançando. Deslocou-se pelos campos em sua direção, para depois tornar a se afastar. Maureen observava com absoluto fascínio, por tanto tempo quanto ousou, antes de tomar a única decisão possível: tinha de segui-la. Maureen escorou a porta, a fim de que o luar iluminasse a escada para a descida. E desceu o mais depressa possível. Saiu da torre. Parou de repente. Alcançar a tumba no escuro era um problema logístico. Não havia um caminho direto, nenhum atalho que a levasse até lá. Era um


terreno acidentado, coberto por mato baixo e denso. O único percurso que Maureen conhecia bem era o que passava pelo caminho de carro até o castelo e depois a estrada principal, contornando a propriedade, até a tumba. Mas teria de passar pela frente do castelo e ficar exposta na estrada. Saiu andando tão depressa quanto podia, pela trilha coberta de mato. Avistou o castelo à sua frente. Estava escuro e silencioso. Até ali, tudo bem. Ela correu pelo caminho de pedras, até o portão. Ficou aliviada ao descobrir que o portão naquele lado tinha detectores de movimento e se abriu com um sussurro mecânico quando ela se aproximou. Passou pelo portão e virou à esquerda na estrada. Era o meio da noite e por isso bastante improvável que houvesse muitos carros naquela área remota. O silêncio da região ameaçava engolfá-la... um silêncio estranho, fantástico, desconcertante. O castelo ocupava um vasto terreno e não havia vizinhos próximos. O único som vinha do coração de Maureen, batendo forte dentro do peito. Ela tentou se manter junto da sebe à beira da estrada, observando ao redor com o máximo de atenção, enquanto andava. O coração subiu pela garganta quando um som rompeu o silêncio. Ela tentou não entrar em pânico. Um motor de carro. De que direção vinha? A acústica na região montanhosa tornava difícil determinar. Maureen não esperou para descobrir. Em vez disso, jogou-se no chão, rezando para que os arbustos e a relva alta a escondessem dos faróis. Ficou absolutamente imóvel enquanto o carro passava, os faróis iluminando a área ao redor. O motorista devia estar preocupado com outras coisas, pois não diminuiu a velocidade ao passar pela ruiva deitada de bruços no lado da estrada. Quando teve certeza de que o carro já estava longe, Maureen levantou-se e limpou as roupas. Continuou a andar, seguindo a estrada. Olhou na direção do castelo, agora distante... havia uma luz acesa numa janela lá em cima? Maureen contraiu os olhos por um momento, tentando identificar onde ficava a janela. Mas o castelo era grande demais e ela não tinha tempo para ficar ali e calcular. Tornou a se apressar, o coração cada vez mais excitado, ao contornar


uma curva que reconheceu. Podia avistar, à encosta à sua frente, a tumba de Poussin brilhando ao luar. — Et in Arcadia Ego — sussurrou Maureen para si mesma. Ela procurou o caminho que descobrira com Peter poucos dias antes, aquele que obviamente havia sido escondido. Encontrou-o, através de uma mistura de sorte e memória, talvez algo mais. Subiu até o ponto em que a tumba estava, havia séculos, impassível, testemunha silenciosa de um legado antigo, que ainda não revelara seus segredos. E agora? Maureen olhou ao redor da área próxima, depois se adiantou e parou ao lado da tumba, pensando e esperando. Foi assaltada por um breve momento de dúvida, ao ouvir de novo a voz de Tammy em sua memória: — O avô de Sinclair escavou cada palmo da propriedade por um quilômetro quadrado ao redor da tumba. Berenger utilizou todo tipo de tecnologia imaginável à procura do tesouro enterrado... ultra-som, radar e outras coisas. E não era só isso. Milhares de caçadores de tesouros haviam percorrido a região, muitas e muitas vezes. Ninguém jamais encontrara qualquer coisa. Por que ela seria diferente? O que a fazia pensar que tinha o direito de esperar mais? E foi então que ela ouviu, a voz de seu sonho... a voz dele: — Porque é o momento. Um farfalhar nos arbustos assustou-a tanto que ela pulou para trás, perdeu o equilíbrio e caiu. A mão direita bateu numa pedra afiada e Maureen sentia que a palma era cortada. Mas não podia se dar ao luxo de pensar na dor, pois tinha medo demais do som. O que seria aquilo? Maureen esperou, absolutamente imóvel. Não podia respirar. Ouviu o som de novo, enquanto duas pombas brancas perfeitas alçavam vôo dos arbustos para a noite do Languedoc. Maureen

voltou

a

respirar.

Levantou-se

e

seguiu

para

o

emaranhado de arbustos que escondia o amontoado de blocos de pedra na frente da tumba. Empurrou os arbustos para os lados, a fim de verificar se havia alguma coisa por trás. Apenas os blocos de pedra. Ela


empurrou um, mas não houve qualquer movimento, nada cedeu. Parou para descansar por um momento, tentando pensar. A mão latejava no talho. O sangue escorria pela palma. Quando ergueu a mão direita, para verificar o ferimento, o luar refletiu no anel, faiscando no padrão circular gravado no cobre antigo. O anel... Ela sempre tirava as jóias antes de se deitar, mas naquela noite sentia-se exausta demais para seguir a rotina normal e acabara dormindo com o anel no dedo. O padrão circular das estrelas. Como acima é abaixo. Havia uma duplicata do padrão no lado posterior da tumba. Ela deu a volta para o outro lado da tumba. Empurrou os arbustos ali para ter acesso ao padrão. Passou a mão pela inscrição. O sangue da palma de sua mão caiu dentro do círculo. Ela prendeu a respiração, em total imobilidade, esperando pelo que viria. Nada aconteceu. O silêncio prolongou-se por minutos, até que Maureen sentiu que estava acuada num vácuo... como se todo o ar da noite fosse sugado. E de repente, num momento atordoante, um som alcançou-a. Vinha de uma distância desconhecida, talvez do alto da estranha colina que é Rennes-le-Château... o repicar de um sino de igreja. O som profundo vibrou pelo corpo de Maureen. Era o som mais sagrado que ela já ouvira, ou o mais ímpio. Mas o incongruente repicar do sino de igreja na calada da noite parecia monumental. O som sacudia a escuridão em torno de Maureen. Foi seguido um instante depois por um estalo forte e ominoso. Era alto e vinha das pedras por trás dela, o lugar de onde as pombas haviam voado. O estranho foco de luar incidia sobre aquele lugar agora... só que estava diferente. Onde antes ela vira apenas arbustos e blocos de pedras, havia agora uma abertura, uma fenda na encosta da montanha, convidando-a a entrar. Maureen avançou para a caverna que acabara de se abrir. Tremia agora, de uma maneira quase incontrolável. Mas seguiu em frente. Ao se aproximar da abertura, que mal dava para passar de pé, ela avistou uma tênue claridade. Fez um esforço para reprimir o medo, depois baixou a cabeça e entrou na caverna.


Ela prendeu a respiração assim que entrou. Lá dentro havia uma arca, antiga e escalavrada. Maureen vira-a num sonho, em Paris. A velha a mostrara, gesticulando em sua direção. Tinha certeza de que era a mesma arca. Um brilho estranho envolvia aquela peça. Maureen ajoelhou-se e pôs as mãos na arca, reverente. Não havia tranca. Ao estender os dedos por baixo da tampa, para levantá-la, estava tão concentrada no que fazia que não ouviu os passos. Depois, não teve consciência de qualquer outra coisa que não a dor intensa que se irradiou detrás do seu crânio, antes do mundo escurecer.

 Roma 26 de junho de 2005

Se o bispo Magnus O'Connor esperava uma recepção de herói no conselho do Vaticano, ficou bastante desapontado. Os homens estóicos, sentados em torno da mesa antiga, mantiveram-se impassíveis, os lábios comprimidos. O cardeal DeCaro era o principal inquisidor. — Pode explicar para o conselho, por favor, por que o primeiro homem a apresentar os cinco estigmas desde São Francisco de Assis não foi leva do a sério? O bispo O'Connor suava bastante agora. Apertou o lenço no colo, que usava para limpar o acúmulo de gotas de suor no rosto. Pigarreou antes de responder, com a voz um pouco mais trêmula do que gostaria: — Sua Graça, Edouard Paschal tinha transes perturbadores. Gritava e chorava, alegava ter visões. Foi determinado que não passavam de delírios lunáticos de uma mente perturbada. — E quem foi o responsável por essas determinações oficiais? — Fui eu, Sua Graça. Mas deve compreender que era um homem comum, um cajun do Bayou... DeCaro não conseguiu esconder sua irritação. Não estava mais se importando com as explicações do bispo. Havia muita coisa em jogo e


precisavam agir depressa. Suas perguntas eram cada vez mais incisivas, o tom mais áspero. — Descreva as visões para aqueles que não tiveram a oportunidade de ler os arquivos. — Ele tinha visões de Nosso Senhor com Maria Madalena... visões perturbadoras. Falava sobre... a união dos dois... e falava de filhos. Os delírios se tornaram mais intensos depois... dos estigmas. Os membros reunidos do conselho sentiam-se cada vez mais apreensivos. Mudaram de posição em suas cadeiras e trocaram comentários,

em

sussurros.

DeCaro

continuou

o

interrogatório

implacável: — E o que aconteceu com esse Edouard Paschal? O'Connor respirou fundo antes de responder: — Ele se tornou tão atormentado com as ilusões que... matou-se com um tiro na cabeça. — E o que houve depois de sua morte? — Como um suicida, não podíamos permitir que ele fosse sepultado em terreno consagrado. Guardamos os registros e esquecemos. Até... até que a filha dele atraiu nossa atenção. O cardeal DeCaro balançou a cabeça, pegando outra pasta vermelha. Correu os olhos pelos membros do conselho. — O que nos leva à questão da filha...


... Muitos ficarão chocados ante a minha decisão de incluir a romana Cláudia Prócula, neta de Augusto César e filha adotiva do imperador Tibério, entre nossos seguidores. Porém não era a sua posição como romana que a tornava uma seguidora tão improvável. Era o fato de Cláudia ser esposa de Pôncio Pilatos, o mesmo procurador que condenou Easa à crucificação. Entre as muitas pessoas que se dispuseram a nos ajudar, nos dias de trevas, Cláudia Prócula arriscou tanto ou mais que qualquer outra por Easa. Na verdade, tinha muito mais a perder do que outros. Porém, naquela noite em que nossas vidas se cruzaram em Jerusalém, nós duas ficamos ligadas pelo coração e pelo espírito. E assim permanecemos, ligadas, desse dia em diante, como esposas, como mães, como mulheres. Por seus olhos apreendi que ela se tornaria uma filha d'O Caminho quando chegasse o momento. Testemunhei ali a luz que provém da conversão, quando um homem ou uma mulher encontra Deus claramente pela primeira vez. E Cláudia possui um coração pleno de amor e perdão. O fato de ter permanecido com Pôncio Pilatos, apesar de tudo o que aconteceu, é um sinal indelével de sua fidelidade. Até o fim, ela sofreu pelo marido, como só uma mulher que ama verdadeiramente é capaz de sofrer. E isso é uma afirmativa que permito-me fazer porque sei. A história de Cláudia ainda não foi contada. Espero que lhe faça justiça. O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO

DO

TEMPO DAS TREVAS


CAPITULO QUINZE

Château des Pommes Bleues 27 de junho de 2005

Maureen tinha a boca ressequida e sentia que a cabeça pesava uma tonelada. Onde estava? Tentou se virar. Uma dor intensa irradiou-se da sua cabeça. Não fosse por isso, porém, estava confortável. Muito confortável. Estendida numa cama, no castelo. Mas como? Confusa... nada era claro. Teve um breve pensamento de que podia ter sido drogada, além de levar a pancada na cabeça. Por quem? E onde estava Peter? Vozes no outro lado da porta. Alteradas. Transtornadas e preocupadas.

Furiosas?

Homens.

Ela

tentou

identificar

sotaques.

Occitano, com certeza. Roland. A voz mais alteada era... escocesa? Irlandesa? Só podia ser Peter. Ela tentou chamá-lo, mas só conseguiu emitir um som fraco. Ainda assim, foi suficiente para atrair a atenção. Os dois entraram correndo no quarto.

 Peter nunca se sentiu tão aliviado em toda a sua vida quanto no momento em que ouviu o barulho no quarto de Maureen. Empurrou para o lado o gigante Roland e ultrapassou Sinclair para ser o primeiro a entrar no aposento. Foi seguido de perto pelos outros. Maureen tinha os olhos abertos. Parecia atordoada, mas estava consciente. O médico lhe enfaixara a cabeça, depois de estancar a hemorragia. Ela parecia uma vítima de guerra. — Graças a Deus, Maureen! Pode me ouvir?


Peter pegou sua mão. Maureen tentou balançar a cabeça para confirmar que o ouvia. Uma péssima idéia. Teve uma vertigem com o movimento e perdeu a visão por um minuto inteiro. Sinclair aproximou-se por trás de Peter. Roland ficou para trás, em silêncio. — Não se mexa, se puder evitar. O médico disse que é melhor você permanecer tão imóvel quanto possível. Maureen piscou para indicar que compreendia. Queria falar, mas descobriu que não podia. Mal conseguiu balbuciar: — Água... Sinclair pegou uma tigela de cristal com uma colher na mesinha-de-cabeceira. Fez um esforço para parecer jovial: — Ainda não pode tomar água, por ordem do médico. Mas pode chupar pedaços de gelo. Se tiver uma boa reação, poderá tomar água daqui a pouco. Juntos, Sinclair e Peter ajudaram Maureen. Peter levantou-a, gentilmente, enquanto Sinclair usava a colher para pôr pedaços de gelo em sua boca. Ao sentir a reidratação, Maureen tentou falar de novo: — O que...? — O que aconteceu? — Peter olhou para Sinclair e depois para Roland, mais atrás, antes de acrescentar: — Contaremos tudo depois que descansar mais um pouco. Roland... é o seu herói. E o meu também. Os olhos de Maureen deslocaram-se para Roland, que meneou a cabeça, solene. Ela passara a gostar do enorme occitano e sentia-se grata pelo que ele fizera para trazê-la de volta ao castelo. Sua maior preocupação, no entanto, não era consigo mesma. A resposta de que precisava ainda não viera. Sinclair pôs mais lascas de gelo em sua boca. Ela tornou a tentar falar: — A... arca? Sinclair sorriu, pela primeira vez em dias: — Está segura. Foi trazida para cá, junto com você, e ficou trancada em meu escritório.


— O que...? — O que tem dentro? Ainda não sabemos. Não vamos abri-la sem você, minha cara. Seria um erro. A arca lhe foi confiada e você deve estar presente quando o conteúdo for revelado. Maureen fechou os olhos, aliviada. Deixou que o sono profundo do sedativo a envolvesse de novo, segura de que não fracassara.

 Quando Maureen tornou a se mexer, Tammy estava sentada ao lado da cama, em uma das poltronas de couro vermelho. — Bom-dia, minha linda. — Ela largou o livro que estava lendo. — Enfermeira Tammy, a seu serviço. O que posso lhe servir? Margarita? Piña colada? Maureen teve vontade de sorrir, mas ainda não podia. — Pode se contentar com lascas de gelo? Ah, vejo o sinal internacional do polegar para cima! Lá vamos nós! Tammy pegou a tigela de cristal e foi para o lado de Maureen. Usou a colher para pôr algumas lascas de gelo em sua boca. — Uma delícia, não é mesmo? São fresquinhas, feitas esta manhã. Desta vez Maureen sorriu um pouco, mas ainda doía. Melhor ainda, podia pensar. A cabeça latejava, mas a vertigem era mínima e a memória começava a voltar. — O que aconteceu comigo? Todo o humor desapareceu do rosto de Tammy. Ela tornou a sentar ao lado de Maureen, muito séria. — Esperamos que possa nos contar a primeira metade. E depois pode remos relatar a segunda. Não agora, é claro. Podemos esperar até você ter condições de falar. Mas a polícia... — Polícia? — Calma, calma... eu não deveria ter dito isso. Está tudo bem agora e isso é o que nos interessa. — Não é, não. — Maureen sentia que recuperava o controle da


voz, junto com sua força. — Preciso saber o que aconteceu. — Como você quiser. Vou chamar os homens.

 Os quatro entraram no quarto de Maureen, primeiro Sinclair, seguido por Peter, depois Roland com Tammy. Sinclair aproximou-se da cama e sentou na única cadeira ao lado. — Maureen, não tenho palavras para exprimir o quanto lamento o que aconteceu. Eu a trouxe para cá e a expus ao perigo. Mas nunca imaginei que qualquer coisa assim pudesse lhe acontecer. Tinha certeza de que conseguiria protegê-la dentro do terreno do castelo. Não previmos que você se aventuraria a sair sozinha, ainda mais no meio da noite, como aconteceu. Tammy também se aproximou da cama. — Lembra o que eu lhe disse? Que havia pessoas que tentariam impedi-la de encontrar o tesouro? Maureen balançou a cabeça, apenas o suficiente para que o movimento fosse percebido. — Quem são eles? — sussurrou ela. Sinclair inclinou-se para a frente: — A Guilda dos Justos. Um bando de fanáticos que opera na França há séculos. Suas metas são complicadas, e acho melhor deixar para explicar quando você estiver plenamente recuperada. Maureen fez menção de protestar. Queria respostas concretas. Surpreendentemente, foi Peter quem se manifestou em apoio a Sinclair: — Ele tem razão, Maureen. Seu estado de saúde ainda é precário. Por isso devemos poupar os detalhes mais sórdidos para o momento em que você estiver um pouco mais forte. — Você foi seguida — continuou Sinclair. — Eles vigiavam seus movimentos desde que chegou à França. — Mas como? Sinclair parecia muito pálido e exausto ao se inclinar para a frente,


a fim de explicar. Maureen notou as olheiras quando ele passou a mão pelo rosto. — Foi nesse ponto que eu falhei, minha cara. Alguém se infiltrou aqui. Eu não tinha a menor idéia, mas um dos nossos foi um traidor, durante anos. A angústia e a vergonha por esse fracasso haviam cobrado um tributo de Berenger Sinclair. Mas, enquanto ele parecia desesperado, Roland, um pouco atrás, exibia uma expressão ameaçadora, de fúria total. Foi para ele que Maureen endereçou sua pergunta: — Quem? O gigante soltou um grunhido. — De la Motte. Ele se pôs a falar em sua língua natal, não francês, mas occitano. Quando fez uma pausa, Sinclair explicou: — Jean-Claude era o culpado. Mas você não precisa se sentir traída por um parente. Ele não tem o sangue da família Paschal. Isso, como todo o resto nele, era uma mentira. Eu tinha plena confiança em Jean-Claude ou nunca teria permitido que ele chegasse perto de você. Ontem, quando veio buscá-la, ele deixou um espião na propriedade. Maureen pensou no encantador Jean-Claude, que fora tão respeitoso e gentil durante a excursão. Seria possível que aquele homem conspirasse contra ela desde o início? Era difícil acreditar. E havia outra coisa que não fazia sentido. Ela tentou formular a pergunta: — Como eles sabiam? O momento... Roland, Sinclair e Tammy trocaram olhares, um visível sentimento de culpa em seus rostos. Tammy ergueu a mão, num gesto de quem se oferecia como voluntária. — Eu contarei. Ela ajoelhou-se ao lado da cama de Maureen. Olhou para Peter, a fim de incluí-lo na explicação. — É parte da profecia. Lembra o estranho relógio de sol em Rennesle-Château? Aponta para um alinhamento astrológico indicado na profecia, que ocorre a intervalos aproximados de vinte e dois anos, por


um período total de dois dias e meio. Sinclair continuou: — Quando esse alinhamento acontece, os habitantes locais mantêm uma vigilância permanente sobre a região, à espera de qualquer indicação de atividade excepcional. É para isso que as torres foram originalmente construídas... a de Saunière e a minha. Era onde eu estava ontem à noite. Devo ter perdido sua passagem por pouco. Fiquei de vigia na Loucura de Sinclair por várias horas, antes de pegar o carro e seguir até RLC para observar de lá. E essa a tradição em minha família. Sinclair respirou fundo antes de continuar: — Da Tour Magdala avistei um ponto brilhante, que parecia se tornar cada vez maior, na área de Arques. Sabia que precisaria voltar imediatamente. Liguei para Roland pelo celular, mas ele já havia saído à sua procura. equipamentos

A área de

em

torno da

segurança

tumba

avançados,

é monitorada

inclusive

sensores

por de

movimento, o alarme soara nos aposentos de Roland. Claro que ele estava atento aos monitores por causa do alinhamento... e ainda mais porque Tammy avisara que nossos inimigos podiam estar mais próximos do que pensávamos. Roland saiu assim que um alarme perto da tumba foi acionado. Chegou ao local segundos depois que você foi atacada. E eu cheguei logo depois, de carro. Com relação a seu atacante... posso assegurar que não se sente hoje tão bem quanto você. E, quando receber alta do hospital, vai se recuperar dos ossos quebrados na prisão. Tudo começava a se ajustar para Maureen, que entendeu que a porta da torre estava aberta... porque Sinclair acabara de sair de lá. — Jean-Claude conhecia a ocasião tão bem quanto nós, porque até ontem integrava nosso círculo — continuou Sinclair. — Quando descobri mos sobre você e seu trabalho, a dois anos do alinhamento, tivemos quase certeza de que o momento chegaria, se pudéssemos trazê-la para cá durante a configuração. Peter fez uma pergunta que também aflorava na cabeça de Maureen. Ele fitou Tammy com uma expressão acusadora. — Há quanto tempo você sabe disso?


Foi a vez de Tammy se mostrar constrangida. Tinha os olhos vermelhos de estresse, insônia e lágrimas não derramadas. — Maureen... — A voz saiu trêmula, mas ela fez um esforço para continuar. — Sinto muito. Não fui franca com você. Quando a conheci em Los Angeles, há dois anos, reconheci você e seu anel. Escutei as histórias que me contou, em sua absoluta inocência... Não fiz nada na ocasião, mas tomei o cuidado de me manter em seu círculo de conhecidos e observar seu progresso. Assim que o livro foi publicado, mandei um exemplar para Berry. Somos amigos há anos e eu sabia o que ele procurava. O que todos nós procurávamos... Peter não ficou satisfeito com a explicação, pois passara a gostar de Tammy. E sentia-se diferente agora que sabia que ela usara Maureen. — Mentiu para ela durante todo o tempo. Tammy deixou as lágrimas escorrerem. — É verdade. E lamento muito... mais do que posso dizer. Roland estendeu o braço protetor em torno de Tammy, mas foi Sinclair quem falou em sua defesa. — Não a julguem com muito rigor. Podem não gostar do que Tammy fez, mas ela tinha razões para isso. E há muito mais que Tammy arriscou e que você ignora. É uma mulher altruísta, uma autêntica guerreira d'O Caminho. Maureen ainda tentava juntar tudo... as mentiras, as manobras deliberadas, a consumação de anos de estranhos sonhos e visões. Era demais para o estado em que se encontrava. A agitação deve ter ficado aparente em seu rosto, pois Peter se apressou em interferir: — Já chega por enquanto. Depois que você se recuperar, eles contarão o resto. Maureen

hesitou

por

um

momento.

Ainda

havia

uma

pergunta crucial para a qual precisava de uma resposta: — Quando abriremos a arca? Sentia-se sinceramente surpresa com o fato de que isso ainda não houvesse sido feito. Aquelas pessoas haviam dedicado a maior parte de suas vidas a buscar o tesouro. No caso de Sinclair,


várias gerações de sua família haviam gasto milhões de dólares com esse intuito. Embora a considerassem A Escolhida, ela não achava que merecia conhecer o conteúdo da arca antes dos outros. Mas Sinclair insistira que ninguém abrisse a arca até que Maureen estivesse

preparada

para

fazê-lo.

Roland

mantinha

guarda

pessoalmente durante a noite, dormindo entre a porta e a arca. — Assim que você estiver em condições de descer — respondeu Sinclair. Roland deslocava o peso do corpo de um pé para outro, irrequieto, um espetáculo fascinante para um homem tão grande. Tammy notou e perguntou, preocupada: — O que é, Roland? O corpulento occitano aproximou-se de Maureen. — A arca... É uma relíquia sagrada, mademoiselle. Eu acho... creio que tocá-la poderia curar seus ferimentos. Maureen ficou comovida com tanta fé. Pegou a mão de Roland. — Talvez você tenha razão. Vamos ver se consigo me levantar... Foi a vez de Peter se mostrar preocupado. — Tem certeza de que quer tentar isso tão rápido? É uma longa caminhada pelos corredores e há vários lances de escada. Roland sorriu para Peter, depois para Maureen. — Não vai precisar andar, mademoiselle. E quando Maureen indicou que estava pronta, Roland levantou-a sem o menor esforço e carregou-a no colo através do castelo.

 O padre Peter Healy seguiu em silêncio atrás do gigante que carregava sua prima ferida com tanta facilidade. Nunca se sentira tão desamparado em toda a sua vida, tão desprovido do controle de uma situação. Tinha a impressão de que Maureen se encontrava agora em algum lugar em que não poderia alcançá-la. A descoberta da arca ocorrera graças a algum tipo de intervenção divina; ele via


isso em Maureen e sabia que os outros também podiam perceber. Havia um clima de presciência no vasto castelo. Alguma coisa monumental estava acontecendo e nenhum deles chegaria ao fim inalterado. E havia também a condição clínica de Maureen. O médico ficara assustado cora o ferimento em sua cabeça; dissera que era um milagre que ela continuasse viva. Peter refletira até que ponto isso podia ser literal. Talvez Roland estivesse certo. Peter até argumentara que a prima devia ser hospitalizada. Fora Roland — não Sinclair — quem resistira à sugestão. O gigante assumira a firme posição de que Maureen não devia ser afastada da arca. O contato de Maureen com a arca já podia ter causado alguma espécie de cura divina, pois sua sobrevivência era inacreditável. Ao se aproximarem da porta do escritório de Sinclair, Peter percebeu que a pressão de sua mão no rosário dentro do bolso fazia com que as contas de cristal cortassem-lhe a palma.

 A arca estava no chão, perto de um enorme sofá. Roland pôs Maureen nas almofadas de veludo, com todo o cuidado. Ela agradeceu em voz baixa. Tammy se sentou de um lado, Peter no outro, enquanto Sinclair e Roland permaneciam de pé. Ninguém se mexeu ou falou por um longo momento. O silêncio foi rompido por um pequeno soluço que escapou dos lábios de Maureen. Ninguém mais se mexeu enquanto ela se inclinava para a frente, cautelosa. Maureen pôs as mãos na tampa da arca e fechou os olhos. As lágrimas passaram pelas pálpebras e escorreram pelas faces. Finalmente, ela abriu os olhos e fitou cada um. — Está tudo aqui — sussurrou ela. — Posso sentir. — Acha que já pode? — perguntou Sinclair, gentilmente. Maureen sorriu para ele, um sorriso sereno e consciente, que transformou seu rosto. Por um momento, não era mais Maureen Paschal. Era uma pessoa muito diferente, uma mulher com luz e paz interior.


Mais tarde, ao recordar aquele momento, Berenger Sinclair diria que viu a própria Maria Madalena sentada no lugar de Maureen. Ela virou-se para Tammy com um sorriso de radiante compaixão. Inclinou-se e apertou a mão da amiga por um instante. Nesse segundo, Tammy compreendeu que fora perdoada. Todos haviam sido trazidos para aquela sala com algum propósito divino, algo bem superior... e todos sabiam disso. Era esse conhecimento que os transformava, ao mesmo tempo em que os uniria pela eternidade. Tammy baixou o rosto para as mãos e chorou baixinho. Sinclair e Roland ajoelharam-se dos dois lados da arca e fitaram Maureen, à espera de uma confirmação. Quando ela balançou a cabeça, os dois enfiaram os dedos por baixo da tampa, preparados para uma abertura difícil. Mas as dobradiças não reagiram com a ferrugem do tempo, como esperavam. A tampa foi aberta sem qualquer dificuldade, de tal forma que Roland quase perdeu o equilíbrio. Não que alguém notasse. Todos estavam concentrados demais, olhando para os dois jarros de barro, em perfeito estado de conservação, dentro da arca.

 Apesar de toda a tensão, Peter foi o primeiro a romper o silêncio: — Os jarros... são quase idênticos aos que foram usados para guardar os pergaminhos do mar Morto. Roland, ajoelhado ao lado da arca, passou a mão pela tampa de um dos jarros, reverente. — Estão perfeitos — murmurou ele. Sinclair mexeu a cabeça em concordância. — Tem toda a razão. Não há poeira ou erosão, nem qualquer sinal de desgaste. É como se os jarros tivessem permanecido suspensos no tempo. — Parecem lacrados com alguma coisa — comentou Roland. Maureen passou a mão pela tampa de um dos jarros. Teve um sobressalto, como se levasse um choque de uma corrente elétrica. — Pode ser cera?


— Esperem um instante — interveio Peter. — Se esses jarros contêm o que vocês esperam e no que acreditam, não temos o direito de abri-los. — Então, quem tem? — indagou Sinclair incisivo. — A Igreja? Esses jarros não sairão daqui enquanto não verificarmos seu conteúdo. E o último lugar em que gostaria que acabassem seria um cofre no Vaticano, onde ficariam escondidos do mundo por mais dois mil anos. — Não era a isso que eu me referia — declarou Peter, parecendo mais calmo do que se sentia. — Se há documentos nesses jarros, lacrados há dois mil anos, a súbita exposição ao ar pode afetá-los, até mesmo destruí-los. Estou apenas sugerindo que encontremos um local neutro aceitável... talvez por intermédio do governo francês... para abrir os jarros. Se arruinarmos o conteúdo, vocês não terão nada para mostrar por uma vida inteira de busca. Seria um crime... em termos literais e espirituais. O rosto de Sinclair deixava transparecer seu dilema. A perspectiva de arruinar o conteúdo dos jarros era horrível demais para sequer considerar. Mas era difícil resistir à tentação quando se tinha o sonho de uma vida inteira ao alcance das mãos. Além disso, havia sua suspeita inata de todos os forasteiros que se envolviam nos interesses da linhagem. Ele não sabia o que fazer. Roland virou-se para Maureen e disse: — A decisão é sua, mademoiselle. Creio que Ela a trouxe para nós e que nos dirá o que deseja por seu intermédio. Maureen começou a responder, mas parou de repente, quando uma vertigem a envolveu. Peter e Tammy estenderam a mão ao mesmo tempo para ampará-la. Tudo ficou escuro para Maureen, mas apenas por um momento. E depois a certeza aflorou, com absoluta clareza. Quando as palavras saíram, foi em tom de ordem: — Abra os jarros, Roland. A instrução saiu de sua boca, mas a voz não era a de Maureen.

 Sinclair e Roland retiraram os jarros da arca, com todo o cuidado, e


os puseram em cima da enorme mesa de mogno. Roland perguntou a Maureen, com excepcional reverência: — Qual deles abrimos primeiro? Maureen, amparada por Peter e Tammy, encostou um dedo em um dos jarros. Não podia dizer por que escolhera aquele para ser o primeiro, apenas sabia que era a opção certa. Roland seguiu a instrução, passando o dedo pela beira da tampa. Sinclair pegou uma espátula antiga em sua mesa e começou a remover a cera do lacre. Tammy ficou imóvel, sem desviar os olhos de Roland. Peter estava apavorado. Era o único ali que sabia o que era lidar com documentos antigos e dados do passado de valor inestimável. O potencial de danos graves era imenso. Até mesmo danificar os jarros seria lamentável. Como se para pontuar seu pensamento, um ruído assustador de algo esfarelando ressoou na tensão da sala. A espátula de Sinclair espatifara a tampa do primeiro jarro e arrancara uma lasca da beirada. Peter teve um arrepio e cobriu o rosto com as mãos. Mas não pôde se manter assim por muito tempo. O som da respiração profunda de Maureen forçou-o a olhar. —

Minhas

mãos

são

muito

grandes,

mademoiselle

murmurou Roland para Maureen. Maureen deu um passo para a frente, as pernas trêmulas, e enfiou a mão dentro do jarro danificado. Quando a retirou — devagar, cautelosa — segurava o que pareciam ser dois livros, escritos em papel antigo. A tinta preta se destacava, em nítido contraste com as páginas que pareciam de papel de linho. As letras eram pequenas, precisas, perfeitamente legíveis. Peter inclinou-se por cima de Maureen, incapaz de conter seu crescente entusiasmo pelo que se encontrava na mesa. Olhou para os rostos extasiados ao seu redor, mas fez seu julgamento direto para Maureen. A voz tremia quando ele informou: — O texto está escrito... em grego. A respiração de Maureen ficou presa na garganta. Ela perguntou,


esperançosa: — Pode ler o que está escrito? Mas ela já sabia a resposta antes que Peter falasse. Toda a cor se esvaíra do rosto dele. Ficou evidente para as pessoas na sala nesse momento que o mundo nunca mais seria o mesmo para o padre Peter Healy. — Sou Maria, chamada Madalena — traduziu ele, a voz pausada. — E... Peter parou, não pelo efeito dramático, mas porque não tinha certeza se podia continuar. Mas um olhar para o rosto de Maureen fez com que tivesse certeza de que não havia outra opção. — ... sou a legítima esposa de Jesus, chamado o Messias, um filho real da Casa de Davi.


CAPITULO DEZESSEIS

Château des Pommes Bleues 28 de junho de 2006

Peter trabalhou durante a noite nas traduções. Maureen recusouse a deixar a sala, cochilando de vez em quando no sofá de veludo. Roland trouxera travesseiros e uma manta. Maureen sorriu-lhe, tranqüilizadora, para acalmar sua preocupação. Por mais estranho que pudesse parecer, sentia-se bem. A cabeça não doía nem um pouco e sentia-se espantosamente forte. Permaneceu no sofá, pois não queria pairar junto de Peter. Sinclair já fazia isso por todos. Mas Peter parecia não se importar; Maureen teve a impressão de que ele nem notava. Estava completamente absorto na natureza sagrada de sua tarefa como escriba. Tammy aparecia na sala a intervalos para verificar o progresso da tradução, mas acabou se retirando de vez... junto com Roland. Maureen observara-os durante o dia inteiro e chegara à conclusão de que não era uma coincidência. Lembrou-se da noite da festa, quando ouvira a voz de Tammy no corredor, acompanhada por uma voz de homem com sotaque. Tammy e Roland... Havia alguma coisa acontecendo ali, e tudo indicava que era um novo casal. Depois que a situação acalmasse, ela arrancaria toda

a

história

de

Tammy.

Queria

saber

a

verdade

sobre

os

relacionamentos no Château des Pommes Bleues. Sua atenção foi atraída subitamente para os pergaminhos quando Sinclair exclamou: — Meu Deus! Dê uma olhada nisso! Ele estava parado ao lado de Peter, nervoso, observando. Peter


escrevia depressa nos blocos, fazendo uma tradução literal das palavras gregas. Não fazia o menor sentido, por enquanto. Precisava primeiro fazer a transcrição, depois usaria sua experiência em línguas para colocar as frases de uma forma lógica para o século XXI. — O que é? — perguntou Maureen. Peter levantou os olhos e passou a mão pelo rosto. — Você precisa ver. Venha até aqui, se puder. Não ouso levar o pergaminho até você no momento. Maureen levantou-se do sofá lentamente, ainda preocupada com o ferimento na cabeça, apesar da recuperação milagrosa. Aproximou-se da mesa e ficou à direita de Peter, cujas anotações estavam espalhadas sobre a mesa. Sinclair apontou para o pergaminho original, enquanto Peter explicava: — Isto aparece ao final de cada segmento, que chamaremos de capítulos. Parece um lacre de cera. Maureen olhou para o símbolo indicado por Sinclair. O padrão, agora familiar, do anel de Maureen — nove círculos em torno de um décimo central — havia sido aplicado no fundo da página. — O lacre pessoal de Maria Madalena — comentou Sinclair, com a maior reverência. Maureen estendeu o anel para o lado da imagem. Os padrões eram idênticos. Era como se as marcas na cera tivessem sido feitas pelo mesmo anel.

 Quando o sol se levantou sobre o Château des Pommes Bleues, grande parte do primeiro livro, o relato em primeira pessoa da vida de Maria Madalena, já fora traduzida. Peter trabalhava como um possesso naquele Livro de Madalena. Sinclair tomara o chá servido. Mas, exceto por uma pausa de dois minutos, para sorver alguns goles da bebida, Peter não parara. Parecia muito pálido, o que deixava Maureen bastante preocupada. — Pete, você tem de fazer uma pausa. Precisa dormir por algumas horas.


— Não posso. — Ele foi enfático. — Não dá para parar agora. Você não compreende porque ainda não viu o que está aqui. Tenho de continuar. Tenho de saber o que mais ela dirá. Todos haviam decidido esperar até que Peter estivesse certo da tradução antes de ler qualquer coisa. Todos respeitavam a capacidade do padre e a enorme responsabilidade que sabiam estar depositada em seus ombros, mas ainda assim era difícil esperar. Naquele momento, apenas Peter conhecia o que havia nos pergaminhos. — Não posso parar agora — reiterou ele, incisivo, os olhos brilhando com uma febre que Maureen nunca vira antes. — Apenas por cinco minutos. Vamos sair para que possa respirar um pouco do ar fresco da manhã. Será bom para você. Poderá voltar em seguida e tomaremos o café da manhã aqui mesmo, se você quiser. — Nada de comida. Preciso jejuar até que a tradução seja concluída. Não quero parar agora. Sinclair podia compreender o que Peter sentia, mas também via como ele parecia fisicamente esgotado. Tentou uma tática diferente. — Padre Healy, tem feito um trabalho admirável, mas sua precisão será prejudicada se estiver cansado demais. Pedirei a Roland para vir até aqui e vigiar os documentos, enquanto você descansa. Sinclair apertou uma campainha para chamar Roland. Peter olhou para o rosto preocupado de Maureen. — Está bem — admitiu ele. — Cinco minutos, só para respirar um pouco de ar fresco.

 Sinclair abriu o portão para o jardim da trindade e Maureen entrou com Peter. Uma pomba alçou vôo do meio das roseiras, enquanto o chafariz de Maria Madalena borbulhava ao sol da manhã. Peter falou primeiro, a voz suave e reverente: — O que está acontecendo, Maureen? Como chegamos aqui e nos tornamos parte de tudo isso? É como um sonho, um milagre. Parece real para você?


Maureen meneou a cabeça numa resposta afirmativa: — Parece, sim. Não sei como explicar, mas experimento uma sensação de serenidade em tudo que está acontecendo. Como se ocorresse de acordo com um plano. E você é parte disso tanto quanto eu, Pete. Não é por acaso que veio comigo ou que ensina línguas antigas e pode traduzir do grego. Tudo foi... orquestrado. — Tenho mesmo a sensação de que estou desempenhando um papel num plano. Só não sei ainda qual é esse papel e por que logo eu. Maureen parou para aspirar a fragrância das rosas vermelhas desabrochadas. Tornou a se virar para Peter: — Há quanto tempo tudo isso está sendo preparado? Foi planejado antes mesmo de nascermos? Até muito antes? — Seu avô tinha de trabalhar na biblioteca de Nag Hammadi, a fim de prepará-lo para este momento específico? Ou foi tudo planejado há dois mil anos, quando Maria escondeu seu evangelho? Peter ficou calado por um momento, antes de murmurar: — Até a noite passada, eu teria uma resposta muito diferente da que tenho agora. — Por quê? — Por causa de Maria e do que escreveu em seus pergaminhos. Ela diz exatamente

o que você

acaba de

enunciar...

uma

coisa

espantosa. Segundo Maria, algumas coisas estão gravadas nos desígnios de Deus e algumas pessoas estão fadadas a desempenhar um determinado papel. É incrível, Maureen. Estou lendo um relato de Jesus e dos apóstolos escrito por alguém que se refere a eles em termos humanos. Não há nada como esse... — Peter hesitou apenas por um instante, antes de usar a palavra — ...evangelho na literatura da Igreja. Eu me sinto indigno de traduzi-lo. — Ao contrário, você é mais do que digno — assegurou Maureen, enfática. — Foi escolhido para isso. Pense em toda a intervenção divina que foi necessária para nos reunir, neste lugar e neste momento, para contar esta história. — Mas que história vamos contar? — Peter parecia atormentado


e, pela primeira vez, Maureen compreendeu que ele lutava contra poderosos demônios interiores. — Que história eu posso contar? Se esse evangelho é mesmo autêntico... Maureen parou abruptamente. Virou-se para fitá-lo, incrédula: — Como pode duvidar? Depois de tudo o que aconteceu para nos trazer até aqui? — É agora uma questão de fé para mim, Maureen. Os pergaminhos estão em perfeito estado de preservação, sem uma única falha, sem qualquer palavra faltando. Os jarros nem mesmo os sujaram. Como é possível? Só pode ser uma de duas coisas: ou uma falsificação moderna ou um ato da vontade divina. — Em que você realmente acredita? — Passei vinte horas consecutivas traduzindo o mais espantoso documento que já conheci. E muito do que estou lendo é... essencialmente herético. Mas também apresenta uma visão de Jesus Cristo que é bela, de uma maneira extraordinária e humana. Mas o que eu

penso

não

terá

importância.

Será

preciso

autenticar

os

pergaminhos pelos processos mais rigorosos para que o mundo em geral possa aceitá-los. Ele fez uma pausa, para chegar a uma conclusão pessoal: — Se for possível provar que são autênticos, será um desafio para o sistema de convicções da raça humana durante os últimos dois mil anos. E um desafio a tudo o que sempre me foi ensinado, tudo em que sempre acreditei. Maureen fitou o homem, seu primo e melhor amigo, por um longo momento. Sempre o conhecera como um rochedo, um pilar de força e absoluta integridade. Era também um homem de fé intensa e absoluta lealdade à sua Igreja. Ela limitou-se a perguntar: — O que pretende fazer? — Ainda não tive tempo de pensar a respeito. Preciso saber o que há no resto dos pergaminhos para verificar o quanto contesta... ou confirma, assim espero... os relatos evangélicos como os conhecemos. Ainda não alcancei a descrição de Maria sobre a crucificação... nem sobre


a ressurreição. Maureen compreendeu subitamente por que Peter relutava tanto em largar os pergaminhos antes de terminar a tradução. O relato autenticado dos acontecimentos depois da crucificação poderia ser crítico para a fé de um terço da população do mundo. O cristianismo baseava-se na convicção de que Jesus ressurgira dos mortos no terceiro dia. E como Maria Madalena era a principal testemunha de sua ressurreição, segundo os evangelhos, sua versão pessoal dos acontecimentos era vital. Maureen aprendera, durante suas pesquisas, que os teóricos que haviam escrito sobre Maria Madalena como esposa de Jesus também presumiam, em sua grande maioria, que Jesus não era o Filho de Deus e não ressuscitara dos mortos. Havia várias hipóteses de que Jesus sobrevivera à crucificação; outra teoria comum era a de que seu corpo físico fora retirado do sepulcro por seus seguidores. Ninguém jamais teorizara que Jesus fora casado e também era o Filho de Deus. Por alguma razão, essas duas circunstâncias sempre foram consideradas como mutuamente exclusivas. Talvez fosse por isso que a existência de Maria como a primeira apóstola sempre tivesse sido ameaçadora para a Igreja, ao longo de toda a história. Não podia haver a menor dúvida de que todas essas coisas haviam passado pela mente de Peter durante as últimas horas. Ele acrescentou, respondendo a Maureen: — Tudo vai depender da posição que a Igreja assumir. — E se a Igreja negar? O que você pretende fazer? Vai optar pela instituição que é a Igreja ou pelo que sabe, no fundo de seu coração, que é a verdade? — Espero que essas coisas não sejam mutuamente exclusivas — murmurou Peter, com um sorriso amargo. — Talvez eu esteja sendo otimista demais. Mas, se por acaso acontecer, então creio que será o momento. — O momento para quê? — Elige Magistrum. O momento de escolher o mestre.


 Os dois acabaram o passeio e voltaram ao castelo. Maureen convenceu Peter a tomar pelo menos uma ducha para se revigorar, antes de reiniciar a tradução. Ela também foi até seu quarto, a fim de lavar o rosto e ordenar os pensamentos. A exaustão ameaçava dominá-la, mas ainda não podia se entregar. Não até saber o que havia nos pergaminhos. Enquanto Maureen enxugava o rosto, numa elegante toalha vermelha, ouviu uma batida na porta. Tammy entrou, animada como sempre. — Bom-dia. Perdi alguma coisa? — Ainda não. Peter vai ler para nós o texto do primeiro livro assim que achar que a tradução está pronta. Ele diz que é espantoso, mas isso é tudo o que eu sei. — Onde ele está agora? — Em seu quarto, descansando um pouco. Não queria largar os pergaminhos, mas nós insistimos. Peter enfrenta uma situação difícil, embora

não

queira

admitir

para

ninguém.

É

uma

tremenda

responsabilidade para ele. Talvez até um enorme sacrifício. Tammy se sentou na beira da cama. — Sabe o que não posso compreender? Por que incomoda tanto as pessoas a idéia de que Jesus foi casado e teve filhos? Como isso pode diminuir sua mensagem? Por que os cristãos se sentiriam ameaçados? Tammy continuou a falar, com alguma veemência, pois era evidente pensara muito a respeito: — O que significa aquela famosa passagem do evangelho de Marcos que é lida nas cerimônias de casamento? “Mas no começo do mundo Deus os fez homem e mulher; por isso o homem deixará seu pai e sua mãe e se ligará a sua mulher e os dois se tornarão uma só carne. Assim eles não são mais dois, mas uma só carne.” Maureen estava surpresa. — Não imaginei que você fosse capaz de citar os evangelhos com tanta precisão.


Tammy piscou para ela: — Marcos, capítulo dez, versículo seis. As pessoas sempre usam os evangelhos contra nós para tentar diminuir a importância de Maria. Por isso, empenhei-me em descobrir os versículos de acordo com as nossas convicções. E é isso que Jesus prega no evangelho. Encontre uma esposa e fique com ela. Por que pregaria algo que fosse errado para ele, pessoalmente? Maureen considerou a indagação de Tammy com o maior cuidado: — Boa pergunta. Para mim, a idéia de Jesus casado parece mais acessível. Tammy ainda não acabara: — E se Deus é referido como o pai, por que não deveria Cristo, como o filho de Deus feito à sua imagem, ter filhos? Como isso influi em sua divindade? Não consigo entender. Maureen sacudiu a cabeça, pois não tinha a resposta para uma questão tão importante. — Suponho que, em última análise, seja uma questão a ser interpretada pela Igreja e pelas pessoas, de acordo com sua fé.

 No final da tarde, Peter anunciou que já completara a tradução inicial do primeiro livro. Sinclair levantou-se. — Está preparado para ler para nós, padre? Se estiver, eu gostaria de chamar Roland e Tamara, pois eles também participaram de tudo. Peter balançou a cabeça em concordância. — Está bem. Pode chamá-los. — Ele fitou Maureen, com uma combinação indecifrável de sombra e luz nos olhos. — Porque o momento chegou. Tammy e Roland desceram apressados para o escritório de Sinclair. Com todos reunidos ao seu redor, Peter explicou que ainda havia diversos trechos em esboço na tradução, pois precisaria de tempo e da opinião de especialistas para chegar a um texto definitivo. Mas, de um modo geral, fizera uma tradução objetiva,


mostrando quem Maria realmente fora e o papel que desempenhara na vida de Jesus. — Ela se refere a estes pergaminhos como O livro do Grande Tempo. Pegando um bloco, o padre Healy começou a ler em voz baixa: — Sou Maria, chamada Madalena, uma princesa da tribo de Benjamim, uma filha dos nazarenos. Sou a esposa legítima de Jesus, o Messias d'O Caminho, que era um filho da casa de Davi e descendia da casta sacerdotal de Aarão. Muito já se escreveu sobre nós e mais ainda se escreverá nos dias que virão. E muitos dos que escrevem a nosso respeito não têm conhecimento da verdade e não estavam presentes durante o Grande Tempo. As palavras que escreverei aqui são a verdade diante de Deus. Isto é o que ocorreu durante minha vida, durante o Grande Tempo, o Tempo das Trevas e tudo o que virá depois. Deixo estas palavras para as crianças do futuro, a fim de que possam encontrá-las quando chegar o momento e conhecer a verdade daqueles que seguiram O Caminho. A história da vida de Maria Madalena desenrolou-se diante deles, em todos os seus detalhes inesperados e surpreendentes.


CAPITULO DEZESSETE

Galiléia O Ano 26

A terra era macia e fresca entre os dedos dos pés de Maria. Ela baixou os olhos, consciente de que as pernas à mostra estavam completamente sujas. Não se importava, nem um pouco. Além do mais, era apenas um dos muitos elementos impróprios de sua aparência naquele dia. Os cabelos castanho-avermelhados lustrosos caíam soltos até a cintura, um pouco emaranhados, enquanto a túnica descia solta, sem cinto. Antes, ao tentar sair da casa despercebida, fora descoberta por Marta, que indagara, em tom de desaprovação: — Aonde você pensa que vai desse jeito? Maria soltou uma risada rápida, imperturbável por ter sido interceptada em sua tentativa de fuga. — Só vou até o jardim. E o jardim é murado. Ninguém me verá. Marta não ficara convencida. — É impróprio para uma mulher de sua classe e posição sair com as roupas soltas e descalça, como uma serva. A desaprovação de Marta era mais rotineira do que sincera. Ela já se acostumara ao comportamento livre da jovem cunhada. Maria era uma singular e refinada criação de Deus e Marta a mimava. Além do mais, a jovem tinha bem poucas oportunidades de ser indulgente consigo mesma. Sua vida era sufocada pela responsabilidade. Na maior parte do tempo ela suportava esse fato com graça e coragem. Nos raros dias em


que Maria tinha um momento livre para vaguear pelo jardim, seria injusto lhe negar esse pequeno prazer. — Seu irmão voltará antes do pôr-do-sol — lembrou Marta, com alguma ênfase. — Sei disso. Mas não se preocupe pois ele não me verá. E voltarei a tempo de ajudá-la com o jantar. A mulher mais jovem deu um beijo na face da esposa do irmão e saiu apressada para desfrutar a privacidade do jardim. Marta observou-a se afastar com um sorriso triste. Maria era tão pequena e delicada que era fácil tratá-la como criança. Mas ela não era uma criança, Marta lembrou. Era agora uma jovem em idade de se casar, uma mulher com um senso firme de seu profundo destino. Maria não pensava no destino ao sair para o jardim. Haveria tempo suficiente para pensar a respeito no dia seguinte. Agora, ela erguia o rosto para aspirar a intensa fragrância de outubro no jardim, misturada com a brisa forte que soprava do mar da Galiléia. O monte Arbel projetava-se a noroeste, sólido e tranqüilizador ao sol da tarde. Sempre pensava no Arbel como sua montanha pessoal, uma elevação rochosa no rico solo vermelho, ao lado do lugar em que nascera. E ela sentia muita saudade. A família vinha passando mais e mais tempo em Betânia, pois a proximidade de Jerusalém era importante para o trabalho de seu irmão. Mas Maria adorava a beleza selvagem da Galiléia e exultara quando o irmão anunciara que passariam o outono ali. Aquele era o momento que tanto prezava, sozinha, cercada por flores silvestres e oliveiras. A solidão se tornava cada vez mais rara e ela saboreava cada segundo daquelas oportunidades roubadas. Ali, era capaz de apreciar plenamente a beleza de Deus em paz, sem as restrições das rigorosas normas de vestimenta e tradição, uma parte inerente à sua posição na vida. O irmão a encontrara ali certo dia e perguntara o que ela fazia durante as horas em que “desaparecia”. — Nada. Absolutamente nada. Lázaro olhara com severidade para a irmã caçula, mas logo


abrandara. Ficara furioso quando Maria não aparecera para a refeição da tarde, uma ira derivada do medo. Gostava muito daquela irmã linda e inteligente, mas também era seu guardião. A saúde e o bem-estar de Maria eram sua maior prioridade. Devia protegê-la a qualquer custo, pois era seu dever sagrado, com sua família, seu povo e seu Deus. Quando a encontrara estendida na relva, os olhos fechados, imóvel, Lázaro experimentara um momento de puro terror. Mas Maria logo se mexera, como se tivesse sentido o seu pânico. Protegera os olhos sonolentos do sol, para fitar o rosto irritado do irmão. Ele parecia mesmo ameaçador. A raiva de Lázaro se dissipara, contudo, quando a irmã lhe falara. Ele começara a compreender, pela primeira vez, como Maria precisava desesperadamente daquelas raras oportunidades de solidão. A única filha da linhagem de Benjamim, seu futuro fora determinado desde a infância. Tinha o destino privilegiado do sangue e da profecia. A irmã teria um casamento dinástico, um casamento que fora previsto pelos grandes profetas de Israel... um casamento que muitos acreditavam ser nada menos do que a vontade absoluta de Deus. Ombros tão pequenos para suportar um peso tão grande, pensara Lázaro, enquanto a escutava. E Maria falara de uma maneira como em geral não se permitia: franca e com emoção. O que levara o irmão a compreender, com uma pontada de culpa, que ela sentia um medo real por seu papel predestinado na história. Era estranho, mas ele quase nunca pensava na irmã como totalmente humana. Era um tesouro precioso, tinha de ser protegida e bem cuidada. Lázaro cumprira todas as suas tarefas com absoluta diligência, de uma forma admirável. Mas também a amava... embora só depois de conhecer sua esposa, Marta, se permitisse compreender isso plenamente e aceitar qualquer tipo de emoção. Lázaro ainda era muito jovem quando o pai morrera. Talvez jovem demais para assumir a enormidade das responsabilidades de sua família, além das obrigações como proprietário de terras. Mas o jovem prometera ao pai, durante os seus dias finais, que não desapontaria a


Casa de Benjamim. Não desapontaria seu povo e não desapontaria o Deus de Israel. Com a intensidade de sua determinação, Lázaro enfrentara as inúmeras responsabilidades, entre as quais a de se tornar o guardião da irmã Maria. Ele levava uma vida de obrigação e dever. Providenciara a educação e criação da irmã de acordo com seu nascimento, mas nunca se permitira sentir qualquer coisa. A emoção era um luxo... e muitas vezes um luxo perigoso. Mas depois Deus lhe trouxera Marta. Ela era a mais velha de três irmãs de Betânia, nascida de uma das famílias nobres de Israel. Fora essencialmente um casamento arranjado, embora Lázaro tivesse a oportunidade de escolher entre as três. Escolhera Marta por razões práticas, inicialmente. Como a mais velha, era mais equilibrada e responsável, com mais experiência na administração de uma casa. As irmãs menores eram um tanto frívolas e mimadas, e Lázaro se preocupara que pudessem exercer uma influência negativa sobre Maria. Todas as três eram adoráveis, mas a beleza de Marta era mais serena. Ela exercia um efeito tranqüilizador em Lázaro. A união prática se transformara num grande amor. Marta abrira o coração de Lázaro. Quando a mãe dele morrera, deixando a pequena Maria sem uma influência maternal, Marta assumira esse papel sem qualquer dificuldade. Maria pensava em Marta quando parou para descansar à sombra de sua árvore predileta. No dia seguinte, o sumo sacerdote Jônatas Anás estaria em sua casa, a fim de iniciar os preparativos para o casamento. Não haveria mais oportunidades de escapulir sozinha para o jardim, durante muito tempo. Por isso Maria tinha de aproveitar ao máximo aqueles momentos. Na verdade, chegaria o tempo, como todos sabiam, em que teria de deixar a casa que tanto amava e viajar para o sul, com seu futuro marido... seu marido! Easa. O

mero

pensamento

do

homem

que

era

seu

prometido

proporcionou a Maria um ardor intenso. Qualquer mulher invejaria sua


posição. Mas era mais do que a posição que trazia tanta alegria a Maria; era o próprio homem. O povo chamava-o de Yeshua, aquele filho da Casa de Davi. Mas Maria chamava-o por um apelido da infância, Easa, para grande consternação de seu irmão e de Marta. — Não é apropriado chamar o líder escolhido do povo por um apelido de criança, Maria — repreendera Lázaro, durante a última visita de Easa. — Ela pode — dissera a voz profunda e gentil que exigia atenção sem qualquer esforço. Lázaro ficara imóvel ao ouvir isso. Olhara para trás e vira Yeshua parado ali. — Maria me conhece desde que era pequena e sempre me chamou de Easa. E eu não gostaria que ela mudasse. O irmão de Maria se mostrara mortificado, até que Easa dissipara a tensão com seu sorriso. Havia magia naquela expressão, a transformação a que era impossível resistir. O resto da noite fora maravilhoso, com as pessoas que Maria mais amava, reunidas em torno de Easa, desfrutando sua sabedoria. Deitada sob a maior de duas oliveiras, Maria mergulhou no sono, ao sol da tarde, imagens de seu futuro marido passando por sua mente.

 Quando sentiu a primeira sombra passar por seu rosto, Maria entrou em pânico, pensando que dormira demais. Estava escurecendo! E Lázaro ficaria furioso! Mas quando sacudiu a cabeça para desanuviá-la, compreendeu que ainda era meio-dia e o sol brilhava sobre o monte Arbel. Maria levantou os olhos abruptamente para descobrir a causa da sombra que passara por seu rosto sonhador. Soltou uma exclamação de espanto. Ficou imobilizada pela surpresa por um instante, antes de se levantar com toda a exuberância de uma jovem apaixonada. — Easa! — gritou ela, a voz estridente e alegre. Ele abriu os braços e envolveu-a num abraço apertado por um


momento, antes de recuar para contemplar seu rosto delicado. — Minha pombinha — murmurou ele, utilizando a expressão que usava para ela desde menina —, como é possível que você se torne mais bela a cada dia que passa? — Easa! Eu não sabia que você viria. Ninguém me contou... — Eles não sabiam. Será uma surpresa também para os outros. Mas eu não podia permitir que fizessem os preparativos para o casamento sem a minha participação. Ele concentrou em Maria toda a força de seu sorriso. Ela contemplou seu rosto por um momento, os olhos muito escuros, os malares salientes. Era o homem mais bonito que já vira... o homem mais bonito do mundo. — Mas meu irmão diz que não é seguro você vir até aqui agora. — Seu irmão é um grande homem que se preocupa demais. Deus haverá de prover e proteger. Enquanto Easa falava, Maria olhou para baixo e compreendeu, horrorizada, como estava desarrumada. Tinha os cabelos emaranhados, com fragmentos de relva, até mesmo uma folha solta, o que combinava com braços e pernas à mostra, sujos de terra. Naquele momento, não parecia com uma futura rainha, nem mesmo remotamente. Começou a balbuciar uma desculpa, mas Easa interrompeu-a com uma sonora risada. — Não se preocupe, minha pombinha. É você que eu vim ver, não suas roupas nem suas maneiras. Ele tirou a folha dos cabelos de Maria com um sorriso divertido. Ela sorriu, ajeitando a túnica e limpando a terra. — Meu irmão não pensará assim — murmurou Maria, com uma falsa preocupação. Lázaro era firme com ela em questões de protocolo e honra. Ficaria consternado se soubesse que a irmã estava parada no jardim sem uma acompanhante e vestida de maneira imprópria... e na presença de um descendente de Davi. — Posso cuidar de Lázaro — garantiu Easa. — Mas, apenas como precaução, por que você não entra correndo e finge que não me viu? Sairei


pelos fundos e voltarei ao final da tarde, para ser anunciado de forma apropriada. Assim, nem você nem Marta terão uma surpresa. — Então voltaremos a nos ver esta noite — murmurou Maria, com uma súbita timidez. Ela hesitou por um breve instante, antes de se virar e correr para a casa. — Finja que está surpresa! — acrescentou Easa, rindo, enquanto observava a futura esposa correr pelo jardim, na direção da casa do irmão.

 Aquele dia e a noite subseqüente ficariam gravados na memória de Maria pelo resto de sua vida. Foi a última vez em que se sentiria despreocupada, jovem, apaixonada e feliz. Jônatas Anás apareceu no dia seguinte, mas chegou com uma nova proposta. O clima político e espiritual em Jerusalém era cada vez mais instável e os planos haviam sido mudados, para evitar a crescente ameaça dos romanos. Os sacerdotes haviam escolhido um novo líder, durante uma reunião secreta em que Yeshua fora considerado impróprio para assumir os deveres do ungido. Os membros do conselho acompanharam Anás para apresentar as conclusões. Maria recebera a ordem de deixar a sala, junto com Marta, mas recusou-se a permanecer distante, enquanto seu futuro era discutido pelos mais poderosos entre seu povo. Easa sorriu para tranqüilizá-la, mas ela percebeu em seus olhos algo que a assustou. Incerteza. Nunca o vira indeciso antes, mas era o que acontecia agora, deixando-a apavorada. Contra os desejos de Marta, Maria escondeu-se no corredor, perto da sala, para escutar a conversa. Ouviu vozes alteadas, alguns gritos, homens falando ao mesmo tempo que outros. Muitas vezes era difícil ouvir direito o que diziam. A voz ríspida, alta e rouca pertencia a Jônatas Anás. — Você mesmo causou essa situação ao se aliar aos zelotes. Os romanos nunca nos permitirão fazer qualquer tipo de aliança com você


por causa dos assassinos e revolucionários entre seus partidários. Estaríamos propiciando o massacre de nosso próprio povo. A voz calma e melodiosa que se manifestou em seguida era a de Easa. — Aceito todo e qualquer um que decidir me seguir e procurar o Reino de Deus. Os zelotes reconhecem que sou descendente de Davi. Sou o legítimo líder deles. E também o de vocês. — Você não compreende o que temos de enfrentar — declarou Anás. — O novo procurador romano, Pôncio Pilatos, é um bárbaro. Vai derramar tanto sangue quanto achar necessário para silenciar nossas demandas mais básicas. Ostenta seus estandartes pagãos em nossas ruas, grava seus símbolos de blasfêmia em nossas moedas... tudo para nos lembrar que somos impotentes contra isso. Não hesitaria em eliminar qualquer um aqui se achasse que estamos apoiando a insurgência contra Roma dentro do Templo. — O tetrarca nos apoiará — respondeu Easa. — Talvez interfira junto ao novo procurador. Anás disse, desdenhoso: — Herodes Antipas não apóia qualquer coisa que não seja sua luxúria e prazer. E Roma faz tudo para agradá-lo. Ele só é judeu quando isso serve a seus interesses e ambições. — Sua esposa é uma nazarena. O

comentário

foi

recebido

com

silêncio.

Easa

adotara

os

ensinamentos liberais do povo nazareno, do qual sua mãe era líder. Os nazarenos não consideravam a lei da mesma maneira rigorosa dos judeus do Templo. Entre as tradições diferentes, havia a inclusão das mulheres em seus rituais e até mesmo seu reconhecimento como profetisas. Também

permitiam que

os

gentios

escutassem

seus

ensinamentos e participassem de seus serviços religiosos. Embora Anás apontasse a facção zelote como a razão primária para o conselho retirar seu apoio a Easa, todos ali sabiam que isso não passava de uma cortina de fumaça para a verdade. Os ensinamentos de Easa eram muito revolucionários, muito influenciados pelos nazarenos.


Os sacerdotes do Templo não podiam controlá-lo. Ao levantar a questão da esposa de Herodes ser nazarena, Easa lançara um desafio aos sacerdotes do Templo. Assumiria seu papel profetizado de Messias sem eles e ainda faria isso como um nazareno. Era uma opção muito arriscada. Podia diminuir o poder dos sacerdotes do Templo, mas também podia ser desfavorável a Easa, se o povo retirasse o apoio popular a ele, em favor dos líderes tradicionais. Mas Anás ainda não concluíra seu ataque. Sua voz ressoou através da tensão na sala: — Aquele que tem a noiva é o noivo. O silêncio reinou na sala. Em seu esconderijo no corredor, Maria ficou paralisada. Era uma alusão às profecias que celebravam a suprema união dinástica das nobres casas de Israel. Era uma referência direta ao noivado de Easa com Maria. Para que reinasse sobre o povo, a tradição proclamava que o líder devia ter uma noiva também de linhagem real. Maria, como descendente benjamita do rei Saul, tinha a mais alta posição em Israel pelo sangue. Como tal, fora prometida a Yeshua, um Filho do Leão de Judá, desde a infância. As tribos de Judá e Benjamim se uniam desde os tempos antigos. O casamento das duas linhagens fora garantido desde que Mical, filha de Saul, se casara com Davi. Mas para governar dentro da lei, era preciso ter uma noiva dinástica. Anás estava fazendo uma ameaça direta à união. Foi o irmão de Maria quem falou em seguida. Lázaro era um homem que mantinha um controle total de suas emoções, em todas as ocasiões. Apenas os que eram muito próximos perceberiam a tensão em sua voz ao se dirigir ao sumo sacerdote: — Jônatas Anás, minha irmã está noiva de Yeshua por lei. Os profetas têm comprovado que ele é o Messias de nosso povo. Não sei como pode mos nos desviar desse curso que Deus escolheu para nós. — Ousa me dizer o que Deus escolheu? — indagou Anás, ríspido. No corredor, Maria ficou toda arrepiada. Lázaro era um homem justo e ficaria mortificado por qualquer ofensa ao sumo sacerdote. — Acreditamos que Deus escolheu outro homem — acrescentou


Anás. — Um legítimo defensor da lei, um homem que apoiará tudo o que é sagrado para o nosso povo, sem criar qualquer ofensa política aos romanos. Ali estava a verdade para quem quisesse ouvi-la. Um legítimo defensor da lei. Era o modo de Anás indicar a Easa que não tolerariam reformas nazarenas, apesar de sua linhagem impecável. — E quem é esse homem? — perguntou Easa. — João. — O Batista? — indagou Lázaro, incrédulo. — Ele é da família do Leão — interveio outra voz, ríspida. Maria não a reconheceu. Era possível que fosse de um sacerdote mais jovem, Caifás, o genro de Jônatas. — Ele não é um Davi — argumentou Easa, sempre calmo. — Não, não é — disse Anás. — Mas sua mãe é da linha de sacerdotes de Aarão e seu pai dos saduceus. O povo acha que ele é herdeiro do profeta Elias. Será o suficiente para levar o povo a segui-lo, ainda mais se ele tiver a esposa apropriada. O círculo fora completado. Anás estava ali para garantir o noivado de Maria com o candidato a Messias dos sacerdotes. Era o instrumento que todos exigiam para legitimar um novo líder. A voz seguinte era furiosa, aos gritos. Maria jamais conhecera Tiago, um irmão mais jovem de Easa, mas adivinhou que era ele quem berrava agora. Aquele homem falava como Easa, mas sem o controle e serenidade do irmão mais velho. — Não podem escolher seu Messias como mercadorias num bazar. Todos sabemos que Yeshua é o eleito para libertar nosso povo da servidão. Como ousam propor um substituto apenas porque receiam por suas posições privilegiadas? Seguiram-se gritos, cada um querendo falar mais alto do que os outros. Maria tentou discernir as vozes e palavras, mas tremia demais agora para entender direito. Só sabia que tudo se relacionava com a mudança. A voz irritada de Anás prevaleceu sobre as outras:


— Lázaro, como guardião dessa jovem, você pode tomar a decisão de romper o noivado e conceder a mão da filha de Benjamim ao candidato que escolhemos. Tudo depende de você agora. Mas quero lembrar-lhe que seu pai era um fariseu, um leal servidor do Templo. Eu o conheci muito bem. Ele esperaria que você fizesse o que é melhor para o povo. Maria podia sentir a angústia de Lázaro. Era verdade, o pai fora dedicado ao Templo e um servidor da lei até o dia de sua morte. A mãe fora uma nazarena, mas não faria a menor diferença para homens assim. Lázaro jurara ao pai, no leito de morte, que defenderia a lei e preservaria a posição da Casa de Benjamim a qualquer custo. Enfrentava agora uma terrível opção. — Deseja casar minha irmã com o Batista? — indagou ele, cauteloso. — Ele é um homem justo e um profeta — respondeu Anás. — E depois que João for ungido como profeta, sua irmã terá a mesma posição que teria como esposa desse homem. — João é um eremita, um asceta — interveio Easa. — Não tem o menor desejo ou necessidade de uma esposa. Prefere viver em isolamento, por que acha que assim pode ouvir a voz de Deus. Acabaria com sua solidão e suas boas obras ao impor-lhe um casamento, com todas as obrigações que isso acarreta, nos termos da lei? — Não — declarou Anás. — Não obrigaríamos João a fazer qualquer coisa. Ele se casará com a jovem para confirmar sua posição como Messias perante o povo. Depois da cerimônia, ela continuará a viver na casa de sua família e João poderá voltar às suas pregações. Ela desempenhará os deveres de acordo com a lei. João fará a mesma coisa. Maria escutava, rezando para que o enjôo no fundo do estômago não a dominasse, para não ter de revelar seu esconderijo. Sabia que “deveres de acordo com a lei” significavam a procriação, ter filhos com... João, o asceta. Já era bastante terrível que aqueles homens tentassem despojá-la da maior felicidade com que já sonhara, que era o casamento


com Easa. Ainda por cima, tentavam tirar de Easa sua posição. E havia também a perspectiva do próprio Batista. Maria nunca vira o homem, que pregava nas margens do rio Jordão, mas ele era lendário entre o povo. Era um primo mais velho de Easa, mas os dois eram muitos diferentes no temperamento. Easa reverenciava João, falava a seu respeito com freqüência, como um grande servidor de Deus, um homem sincero e justo. Mas Easa também conhecia os limites de João. Explicara isso para Maria um dia, quando ela perguntara sobre o arrebatado pregador que batizava com água. João rejeitava as mulheres, os gentios, os aleijados ou quaisquer outros que considerasse impuros. Easa, por sua vez, acreditava que a palavra de Deus pertencia a todas as pessoas que quisessem ouvi-la. Não era uma mensagem para a elite, explicara Easa. Era uma mensagem de boas novas para todos. Essas divergências haviam sido a causa das discussões entre Easa e João. João passara muito tempo nas praias áridas do mar Morto depois que os pais morreram. Vivera ali com os essênios de Qumran, uma seita rigorosa de ascetas, de onde ele tirara muitas de suas observâncias estritas. A seita de Qumran vivia em condições difíceis e desdenhava “aqueles que procuravam coisas fáceis”. Falavam de um Mestre da Justiça, que traria o arrependimento e a total adesão à lei. Easa também passara algum tempo entre os essênios, e explicara seus costumes a Maria. Respeitava a devoção dos essênios a Deus e à lei e enaltecia seus atos generosos e caridosos. Contava com muitos essênios entre seus companheiros mais íntimos ao longo da vida e muitas vezes se retirava para a solidão absoluta de Qumran, para períodos de meditação. Mas, enquanto João adotara as observâncias mais rigorosas dos essênios, Easa rejeitara muitas de suas convicções como exageradas demais, implicando um julgamento. Easa também contara para Maria outros detalhes sobre João, como a estranha dieta que ele adotara em Qumran, de gafanhotos e mel, além das roupas exóticas, feitas de peles de animais e pêlos de camelo, que coçavam e arranhavam a pele. Explicara como o primo, conhecido como Batista, optava por viver no deserto, direto sob o céu, onde se sentia mais


próximo de Deus. Não era uma existência apropriada para uma mulher nobre ou uma criança. E não era certamente o que Maria Madalena esperava para sua vida. Tudo dependia de Lázaro agora, pensou Maria, desolada. Os homens discutiam de novo na sala, enquanto as lágrimas escorriam pelo rosto de Maria. Não podia mais distinguir uma voz de outra. Que voz era de Lázaro e o que ele dizia? O irmão amava e respeitava Easa, como um homem e um descendente de Davi, embora nunca tivesse aceitado as reformas d'O Caminho dos nazarenos. Lázaro era um tradicionalista. O pai fora um fariseu e sempre dera um forte apoio financeiro ao Templo em Jerusalém. Jônatas Anás forçava-o a fazer uma opção angustiante: se apoiasse Easa, o legítimo rei e herdeiro de todas as profecias, seria banido do Templo. Isso estava implícito nas palavras do sumo sacerdote. Assim, Lázaro não teria alternativa que não se aliar aos nazarenos, aceitando um credo reformista em que não acreditava. Os mais moderados entre o povo, como Lázaro, haviam se mostrado contentes por Easa ser aceito tanto pelas nazarenos quanto pelos sacerdotes do Templo. Mas aquilo era a véspera de um cisma terrível, uma total separação das duas partes, o que criaria hostilidade entre as grandes famílias dinásticas de Israel, provocando uma amarga rivalidade. Exigiria uma opção que seria angustiante para muitas pessoas. Naquele momento, porém, Maria só estava preocupada com uma única opção a ser feita ali. A decisão de Lázaro, de apoiar os sacerdotes do Templo, causaria muito mais do que a destruição dos sonhos de Maria, obrigando-a a um casamento detestável. Mudaria o curso da história, de uma forma indelével, pelos séculos futuros.

 Easa fez um acordo com Lázaro naquela noite: queria dar a notícia pessoalmente a Maria. Lázaro concordou, provavelmente com um profundo alívio. Maria foi levada a uma sala para se encontrar com o


homem que sempre acreditara que seria seu marido. Quando viu o seu corpo trêmulo e o rosto molhado pelas lágrimas, Easa compreendeu que ela já sabia. E quando viu a tristeza nos olhos de Easa, Maria soube que seu destino estava selado. Jogou-se nos braços dele e chorou até que não lhe restassem mais lágrimas. — Mas por quê? — indagou ela. — Por que você tinha de concordar? Por que deixou que tirassem o reino que é seu? Easa afagou seus cabelos para acalmá-la. Sorriu à sua maneira tranqüilizadora. — Talvez meu reino não seja deste mundo, pombinha. Maria sacudia a cabeça; não podia compreender. Easa continuou a explicar: — Meu trabalho é ensinar O Caminho, Maria, mostrar às pessoas que o Reino de Deus está à mão, que temos o poder para nos libertar, aqui e agora, de toda e qualquer opressão. Não preciso de uma coroa ou um reino deste mundo para fazer isso. Preciso apenas alcançar tantas pessoas quanto puder para partilhar a palavra de Deus sobre O Caminho. Ele fez uma pausa, sorrindo: — Sempre pensei que herdaria o trono de Davi e que você se sentaria ao meu lado. Mas se isso não acontecer, devemos nos submeter à vontade de Deus. Maria considerou suas palavras, fazendo um esforço para ser corajosa e aceitar. Fora criada para isso; era por isso que recebera o nome de Maria, um título reservado para as filhas de famílias nobres, dentro da

tradição

nazarena.

Também

fora

instruída

por

mulheres

nazarenas, tendo à frente a mãe de Easa. A Grande Maria assumira sua educação quando ainda era jovem, a fim de prepará-la para a vida com o Filho de Davi, mas também para dar lições espirituais sobre o credo reformista Depois que casasse com Easa, Maria Madalena passaria a usar o véu vermelho da sacerdotisa nazarena, o mesmo véu vermelho usado pela Grande Maria. Agora, porém, isso não mais aconteceria.


Maria não podia suportar a perda e começou a chorar outra vez. Ao fazê-lo, um pensamento terrível aflorou em sua mente. E um soluço sacudiu todo o seu corpo. — Easa... — balbuciou ela, com medo de fazer a pergunta. — O que é? — Com quem... com quem você vai se casar agora? Easa fitou-a com tanta ternura que Maria pensou que seu coração ia explodir. Pegou as mãos de Maria e disse, a voz suave, mas firme: — Lembra o que minha mãe disse na última vez em que você esteve em nossa casa? Maria meneou a cabeça, sorrindo através das lágrimas. — Nunca esquecerei. Ela me disse: “Deus fez de você a companheira perfeita para meu filho. Vocês dois se tornarão uma só carne. Não haverá mais duas pessoas, mas apenas uma. E o que Deus uniu nenhum homem pode separar.” — Isso mesmo. Minha mãe é a mais sábia das mulheres e uma grande profetisa. Percebeu que você foi feita para mim por Deus. Se Deus decidiu em seus desígnios que não terei você, então não terei nenhuma outra. O alívio envolveu Maria. Dentre todas as coisas que não podia suportar, outra mulher ao lado de Easa era a mais inconcebível. E nesse instante outra realidade ocorreu-lhe, com uma força surpreendente: — Mas... se devo ser a esposa de João... ele nunca permitirá que eu me torne uma sacerdotisa nazarena. O rosto de Easa era muito sério quando ele respondeu: — Não, Maria. João exigirá que você mantenha a mais estrita observância da lei. Ele despreza as reformas de nosso povo e pode ser muito rigoroso com você, impondo uma severa penitência. Mas lembre o que eu disse e que minha mãe também ensinou. O Reino de Deus está em seu coração e nenhum opressor... nem os romanos, nem mesmo João... pode tirá-lo de você. Ele ergueu o queixo de Maria e fitou seus olhos castanho-dourados, enquanto acrescentava:


— Escute com toda a atenção, minha pombinha. Devemos seguir o nosso curso em graça e fazer tudo o que é certo para os filhos de Israel. Isso significa que não posso no momento me opor a Jônatas Anás e ao Templo. Manterei essa decisão para que o ensinamento d'O Caminho possa continuar em paz, crescer por toda a terra. Concordei com duas coisas, como demonstração de meu apoio. Comparecerei a seu casamento com João em companhia de minha mãe e permitirei que João me batize em público, para indicar que reconheço sua autoridade espiritual. Maria balançou a cabeça, solene. Seguiria pelo curso que se estendia à sua frente, pois era sua responsabilidade como uma filha de Israel. As palavras de amor e força de Easa serviriam para ampará-la. Ele beijou de leve a cabeça de Maria, para depois se despedir. — Você é muito forte para uma mulher tão pequena. Sempre percebi essa força em você. Será um dia líder de nosso povo. Easa parou na porta para fitá-la pela última vez e deixá-la com um pensamento final. Levou a mão ao coração, enquanto murmurava: — Sempre estarei com você.

 João Batista não podia ser manipulado com a facilidade que Jônatas Anás e seu conselho haviam previsto. Quando o procuraram e apresentaram a proposta, João censurouos por sua falta de integridade e chamou-os de víboras. Lembrou que já havia um Messias, seu primo Yeshua, um profeta escolhido por Deus, e ressaltou que ele, João, não era digno de ocupar essa posição. Os sacerdotes argumentaram que o povo chamava João de maior profeta, o herdeiro de Elias. Mas João declarou: — Não sou nenhuma dessas coisas. — Então nos diga o que você é, para que possamos avisar o povo de Israel, que o seguiria como um profeta e um rei. João respondeu à sua maneira enigmática: — Eu sou a voz no deserto. Ele mandou os fariseus embora. Mas o jovem e astuto sacerdote


Caifás entendera o estranho pronunciamento de João, “Eu sou a voz no deserto”, como uma referência ao profeta Isaías. João estaria mesmo se anunciando como um profeta, através de um labirinto das escrituras? Estaria testando os sacerdotes de alguma forma? Os enviados dos sacerdotes voltaram no dia seguinte e desta vez solicitaram o batismo a João. Ele insistiu que se arrependessem de todos os pecados, antes de sequer considerar o pedido. Isso irritou os sacerdotes mas eles sabiam que deviam jogar de acordo com as regras de João ou se arriscariam a perdê-lo... e ele era a chave para sua estratégia. Receber o batismo de João fortaleceria a posição dos sacerdotes entre a multidão que o considerava um profeta. Era justamente esse o objetivo. Depois que os sacerdotes proclamaram seu arrependimento, João submergiu-os no Jordão. Mas ressaltou: — Eu os batizarei com água, mas aquele que vier depois será mais poderoso do que eu aos olhos de Deus. Os sacerdotes permaneceram com João durante aquele dia e relataram seu plano, depois que a maior parte da multidão na margem do rio se dispersou. João não queria participar. Opunha-se a tomar uma esposa, ainda mais sendo uma mulher que fora noiva de seu primo. Mas o conselho estava preparado para suas objeções. Havia considerado todas as possibilidades com o maior cuidado, por causa da veemência de João no dia anterior. Falaram de Lázaro, um homem justo e nobre da Casa de Benjamim, e como esse bom homem temia que sua devota irmã casasse dentro da influência nazarena. O Batista teve um sobressalto ante tal revelação. Essa noção era a fraqueza de João. Embora aceitasse as profecias de que Yeshua fosse o eleito, sentia uma preocupação crescente com o fato do primo caminhar com os nazarenos e de seu clamoroso desrespeito à lei. Mas João dispensou os sacerdotes, dando a conversa por encerrada. Os sacerdotes partiram sem ter obtido qualquer alteração na determinação de João. Mais tarde, ainda naquele dia, Easa apareceu na margem oriental do Jordão para cumprir a promessa que fizera a Anás. Uma grande


multidão de seguidores acompanhava Easa. O encontro entre os dois homens tão celebrados atraiu incontáveis pessoas para as margens do rio. João estendeu a mão para deter a aproximação de Easa. — Veio à minha procura para o batismo? Talvez eu precise ser batizado por você, já que é o eleito de Deus. Easa sorriu: — Primo, é assim que deve ser agora. Cabe a nós fazer o que é certo. João moveu a cabeça em concordância, não demonstrando surpresa ou qualquer outra emoção diante da declaração de aceitação de Easa. Era a primeira vez que os dois se encontravam desde que Jônatas Anás

iniciara

suas

manipulações,

a

primeira

oportunidade

de

avaliarem um ao outro. O Batista afastou Easa da multidão e falou com todo o cuidado, para determinar a perspectiva do primo. — Aquele que tem a noiva é o noivo. Easa não deixou transparecer qualquer reação às palavras de João. Limitou-se a acenar com a cabeça em concordância com a disposição. João acrescentou: — Mas o amigo do noivo que se aproxima e ouve o que ele tem a dizer, regozija-se com suas palavras. Posso sentir alegria por isso, por sua dádiva altruísta, se é verdade que dá por sua livre e espontânea vontade. Easa tornou a balançar a cabeça positivamente: — Estarei realizado em ser o amigo do noivo. Devo decrescer para que você possa crescer. Que assim seja. Era um jogo de palavras, uma espécie de dança, entre dois grandes profetas, cada um verificando a posição política do outro. Convencido de que o primo concordara pacificamente em renunciar à sua posição, além de ceder a noiva, João virou-se para as multidões reunidas nas margens do Jordão. Fez um pronunciamento para o povo, antes de pedir que Easa se adiantasse: — Depois de mim virá este homem, que é preferido à minha frente... porque ele foi escolhido antes de mim. Easa foi submergido no rio, enquanto as palavras de João


ressoavam. Haviam sido escolhidas com todo o cuidado, indicando que se João assumisse o lugar do Messias, então Yeshua seria o herdeiro do trono, se alguma coisa lhe acontecesse. “Ele foi escolhido antes de mim” era uma clara indicação de que João ainda reconhecia as profecias do nascimento de Yeshua. A formulação protegeria João entre os moderados que o apoiavam

e

temiam

as

reformas

nazarenas,

embora

ainda

homenageassem Easa como a criança das profecias. As primeiras palavras, “depois de mim virá este homem”, eram uma indicação de que João considerava assumir o papel do ungido. João, o pregador do deserto, com suas roupas extravagantes e estilo fervoroso, talvez fosse um homem fácil de subestimar. Mas suas ações e palavras na margem do rio Jordão, naquele dia, indicavam que era um político muito mais astuto do que muitos imaginavam. Quando Easa saiu da água, a multidão aclamou os dois grandes homens, parentes e profetas, tocados por Deus. Mas depois houve silêncio no vale, enquanto uma única pomba branca descia do céu e voava graciosa sobre a cabeça de Easa, o Leão de Davi. Um momento que seria lembrado pelos habitantes do vale do Jordão e além, por tanto tempo quanto o mundo durasse.

 Caifás voltou ao rio Jordão no dia seguinte, com seu contingente de fariseus. Planejara sua estratégia em relação a João com todo o cuidado. O batismo de Yeshua no dia anterior não servira ao propósito que ele e Anás queriam. Acreditavam que Easa, ao se submeter ao batismo, reconheceria publicamente a autoridade de João. Em vez disso, o evento servira para lembrar às pessoas que o agitador nazareno era o eleito das profecias. Agora, mais do que nunca, os fariseus tinham de reduzir o impacto da idéia de Yeshua como o Messias. A única maneira de fazer isso era transferir o título de Messias para outro, tão depressa quanto possível... e o único candidato aceitável era João. Mas João estava perturbado pelo sinal da pomba. O fato de ter surgido no céu logo depois do batismo não provava que Easa era o eleito


de Deus? João vacilava, querendo voltar a apoiar a posição do primo. Caifás, um aluno aplicado do sogro Anás, estava preparado para essa possibilidade. Tratou de desfechar logo o ataque: — Seu primo nazareno esteve hoje com os leprosos — informou ele. João ficou espantado. Não havia nada mais impuro do que aqueles miseráveis, que haviam sido abandonados por Deus. E era inconcebível que o primo fosse se encontrar com aquelas criaturas depois do batismo. — Tem certeza de que isso é verdade? Caifás inclinou a cabeça, solene. — É, sim. Lamento informar que Yeshua esteve no lugar mais impuro esta manhã. Disseram-me que ele pregou as palavras do Reino de Deus para eles. Até permitiu que o tocassem. João estava espantado por Yeshua ter caído tanto, tão depressa. Sabia muito bem que os nazarenos haviam exercido uma influência profunda sobre o primo. A mãe de Yeshua não era uma Maria e líder daquele grupo? Mas era uma mulher e tinha pouca importância, exceto por sua grande influência sobre o filho. Mas se Yeshua mergulhava no mundo dos impuros, menos de um dia completo depois do batismo, talvez Deus tivesse lhe virado as costas. E havia que pensar na mulher, aquela filha de Benjamim. João sentia-se profundamente perturbado por ela se chamar Maria... um nome nazareno, indicando que a mulher fora educada em suas tradições impróprias. Mas a profecia em torno da mulher tinha de ser considerada com toda a seriedade, pelo bem do povo. Acreditava-se que ela era a Filha de Sião, como estava descrito no livro do profeta Miquéias. A passagem referia-se a Migdal-Eder, a Torre do Rebanho, uma pastora que levaria o povo: E tu, torre do rebanho, alto da filha de Sião, a ti voltará a soberania de outrora, a realeza que compete à filha de Jerusalém. Se Maria era mesmo a mulher profetizada, João tinha a obrigação de cuidar para que ela permanecesse no caminho dos justos. Caifás


assegurava que a mulher era bastante jovem para ser instruída como João julgasse mais conveniente, nos mais tradicionais cursos da lei. O irmão até lhe suplicava para que fizesse isso antes que fosse tarde demais. O noivado daquela jovem da Casa de Benjamim com Yeshua fora rompido por causa de suas inclinações nazarenas. O que era perfeitamente aceitável dentro da lei. O próprio sumo sacerdote, Jônatas Anás, não escrevera o documento de dissolução do compromisso? Mais importante ainda, Yeshua e seus seguidores nazarenos não haviam protestado contra essa decisão. Além disso, prometeram que apoiariam João em sua posição de ungido. Yeshua até concordara em comparecer à festa de casamento, como demonstração de seu apoio. Não havia nada naquela proposta que merecesse objeção. Se João casasse com a benjamita e se tornasse o ungido, seus números de batismo seriam multiplicados por dez. Alcançaria muito mais pecadores e mostraria o caminho do arrependimento. Ele se tornaria o Mestre da Justiça das profecias de seus ancestrais. Com a oportunidade de converter mais pecadores e ensinar o caminho da penitência a mais filhos de Israel, João concordou em casar com a benjamita e assumir o lugar que lhe era devido na história de seu povo.

 O casamento de Maria, a filha da casa de Benjamim, com João Batista da linhagem sacerdotal de Aarão e Sadoq, ocorreu na colina de Caná, na Galiléia. Contou com a presença de nobres, nazarenos e fariseus. Como prometido, Easa compareceu com a mãe, seus irmãos e um grupo de discípulos. A devota mãe de João, Isabel, era prima da mãe de Easa, Maria. Mas, por ocasião do casamento do filho, tanto Isabel quanto o marido Zacarias estavam mortos havia alguns anos. Não havia parentes imediatos para tomar as providências para a celebração, e João não conhecia nem se preocupava com o protocolo. Quando a Grande Maria observou que os convidados não recebiam a devida atenção, assumiu o


comando das comemorações, como a mulher mais velha da família de João. Foi para o lugar em que o filho sentava, com vários seguidores, e disse: — Não há mais vinho para a festa do casamento. — O que isso tem a ver comigo? — perguntou Easa. — Não é o meu casamento. Não seria apropriado que eu interferisse. A Maria mais velha disse ao filho que discordava de sua posição. Primeiro, ela sentia-se na obrigação de providenciar tudo o que fosse necessário para que a festa de casamento corresse bem, em memória de Isabel. Mas, além disso, Maria era uma sábia mulher, que conhecia o povo e as profecias. Aquele seria um momento oportuno para lembrar aos nobres e sacerdotes ali reunidos a posição singular de seu filho na comunidade. Easa concordou, com alguma relutância. Maria chamou os servos e deu instruções: — Qualquer coisa que ele pedir façam sem questionar. Os servos esperaram pelas ordens de Easa. Depois de um momento, ele mandou que trouxessem seis enormes jarros, cheios de água até a borda. Os servos assim o fizeram, pondo na sua frente os jarros de barro. Easa fechou os olhos e disse uma oração, passando as mãos em cada um dos jarros. Quando acabou, disse aos servos para tirarem um pouco do líquido dos jarros. Uma mulher foi a primeira a fazêlo... e largou a caneca, surpresa. Os jarros não continham mais água. Um vinho tinto suave substituíra a água. Easa instruiu um servo para levar uma taça de vinho a Caifás, que presidia a cerimônia. Caifás ergueu o copo para João, o noivo, e elogiou-o pela qualidade do vinho. — A maioria serve o melhor vinho no início da festa e deixa o vinho de qualidade inferior para o final, quando poucos notam a diferença — comentou Caifás. — Mas você guardou o melhor vinho para o final. João fitou Caifás sem entender. Nem ele nem o sacerdote tinham a menor idéia do que acontecera. A única indicação de que havia alguma coisa fora do normal foram os murmúrios de uns poucos servos e os comentários de alguns discípulos nazarenos. Mas não demoraria muito


para que todos na Galiléia soubessem exatamente o que acontecera no lamentável casamento em Caná.


 Depois do casamento de João e Maria, ninguém mais falava sobre os recém-casados. A fusão dinástica fora ofuscada por algo muito mais extraordinário. Os comentários de todos eram sobre a milagrosa transformação de água em vinho pelo profeta mais jovem. Na região do norte da Galiléia, o nome de Yeshua estava na boca de todos. Era considerado o único Messias, independentemente das manipulações do Templo. O poder e popularidade de João estendiam-se para o sul, das margens do Jordão, perto de Jericó, através de Jerusalém, continuando pelas áreas de deserto do mar Morto. Estimulados pelos sacerdotes do Templo, os seguidores de João aumentavam mais e mais, até que as margens do rio transbordavam de pessoas querendo ser batizadas. A insistência de João para que esses homens aderissem à lei, em suas normas mais rigorosas, aumentou o número de sacrifícios... e, com isso, encheu os cofres do Templo. Todos estavam satisfeitos com o resultado do arranjo. Isto é, todos menos Maria Madalena, que agora era casada com o Batista. Talvez fosse uma bênção o fato da união não ser desejada nem por um nem pelo outro. João queria apenas permanecer no deserto e realizar a obra de Deus. Respeitaria a lei, que exigia que o homem fosse fértil e se multiplicasse, e visitaria a esposa nos momentos apropriados por razões de procriação. Mas fora desses períodos, expressamente determinados pela lei e pela tradição, ele não tinha o menor interesse na companhia de qualquer mulher. Providenciar um lugar para Maria viver era uma das primeiras obrigações do recém-casado João. Ele não fez segredo que a esposa não seria bem-vinda nas proximidades de seu ministério. Os essênios de Qumran não permitiam que as mulheres vivessem com eles. Preferiam exilá-las em habitações separadas, porque eram naturalmente impuras. E a situação era problemática porque a mãe de João já morrera. Se Isabel


fosse viva, Maria passaria a viver com a sogra. O problema foi tratado por João e Lázaro antes do casamento, e Maria conseguiu fazer com que o irmão propusesse o que ela desejava Lázaro insistiu que a irmã continuasse a viver com ele e Marta, nas propriedades da família, em Magdala e Betânia. Isso proporcionaria uma constante companhia a Maria, com a presença de um homem e uma mulher devotados à lei. E Betânia ficava a pouca distância de Jericó, para as raras ocasiões em que João deveria visitar a esposa. Era uma solução apropriada e fácil para João, que tinha pouco interesse nas atividades de Maria, a não ser pela garantia de que ela se comportasse como uma mulher devota e arrependida em todas as ocasiões. Se aquela mulher deveria ser a mãe de seu filho, tinha de ser acima de qualquer censura. Maria assegurou a João que em sua ausência obedeceria

ao

irmão,

como

sempre

fizera.

Tentou

não

deixar

transparecer sua alegria quando foi decidido o acordo para que continuasse a viver com Lázaro e Marta. O prazer de Maria, no entanto, teve curta duração, pois João impôs o cumprimento do resto de suas determinações. Não queria que Maria fosse exposta aos ensinamentos nazarenos. Não permitia que ela fosse à casa da Grande Maria, sua mais reverenciada mestra e amiga. E não admitia que ela se apresentasse em público em qualquer lugar em que Easa estivesse falando. João andava irritado porque alguns de seus discípulos haviam deixado as margens do Jordão para seguir o primo. O Batista condenava-os por se tornarem nazarenos e dizia que eram “aqueles que procuravam coisas fáceis”. Pouco a pouco, aumentava a rivalidade entre os diferentes ministérios do nazareno Easa e do asceta Batista. João não seria envergonhado pela esposa; ela nunca deveria ficar na presença de nazarenos. E João arrancou uma promessa solene de Lázaro. Jovem, ingênua e nunca exposta a qualquer outra coisa que não amor e aceitação, Maria tentou argumentar com João. Mas recebeu as primeiras agressões do marido ao protestar. A mão de João deixou uma marca no rosto de Maria pelo resto do dia, como um firme lembrete de


que não deveria contestar o marido em questões de obediência. O Batista abandonou a esposa na casa do irmão em Magdala naquele mesmo dia, sem sequer se despedir.

 Maria temia as visitas de João e sentia-se grata porque só ocorriam raramente, a longos intervalos. João só aparecia em Betânia quando se encontrava nas proximidades, para seus próprios propósitos, quase sempre ao viajar do santuário à beira do rio para Jerusalém. Perguntava pela saúde de Maria, formalmente, e, quando era apropriado, nos termos da lei, desempenhava os deveres de marido. Durante essas visitas, João passava algum tempo instruindo Maria sobre a lei e determinando tarefas penitentes, ao mesmo tempo em que alegava que o Reino de Deus estava à mão. Como uma mulher da Casa de Benjamim, Maria sabia que era inadmissível comparar seu marido com outro homem, mas ela não podia evitar. Seus dias e noites eram povoados por pensamentos de Easa e tudo o que ele lhe ensinara. Surpreendia-a que tanto Easa quanto João pregassem a mesma coisa — que o Reino de Deus se aproximava —, porque o significado era muito diferente para cada profeta. No caso de João, era uma mensagem sinistra e ameaçadora, uma terrível advertência de terror para os ímpios. No caso de Easa, era uma bela oportunidade para todos que abrissem o coração a Deus. Quando soube que Easa viria para Betânia, com a mãe e um grupo de seguidores nazarenos, Maria sentiu a alegria retornar a seu coração, durante muitos e muitos dias.

 — Eles não ficarão aqui. E você não pode visitá-los, Maria. Seu marido proibiu. Lázaro assumiu uma expressão firme contra as súplicas da irmã. — Como pode fazer isso comigo? São meus amigos mais antigos... e


alguns são seus amigos também. Os pescadores, Pedro e André, brincaram conosco em Cafarnaum e nas praias da Galiléia. Como pode lhes recusar a hospitalidade? A tensão da decisão era evidente no rosto do irmão de Maria Afastar-se de seus amigos de infância, além de Easa e da Grande Maria descendentes reverenciados de Davi, fora uma decisão angustiante. Mas Lázaro tinha ordens do sumo sacerdote para não hospedar a facção nazarena em sua passagem por Betânia, a caminho de Jerusalém. Além disso o marido de sua irmã dera instruções expressas para que ela não fosse exposta a ensinamentos nazarenos. Lázaro tinha de cumprir a promessa

de

manter

a

devoção

de

Maria

dentro

dos

limites

determinados pelo marido. — Faço isso em seu benefício, irmã. — E me casou com o Batista em meu benefício? Maria não esperou pela resposta, nem para ver a expressão chocada de Lázaro. Atravessou a casa, furiosa, e saiu para o jardim, onde se permitiu chorar. — Ele faz realmente o que é melhor para você. Maria não ouvira Marta segui-la, pois estava absorta demais em seu sofrimento para prestar atenção. Por mais que amasse Marta, no entanto, não queria ouvir mais preleções sobre obediência. Maria começou a falar, mas Marta interrompeu-a: — Não estou aqui para repreendê-la, mas sim para ajudá-la. Maria fitou-a, cautelosa. Nunca soubera de qualquer ocasião em que Marta ficasse contra o desejo do marido ou se opusesse a ele de qualquer forma. Mas Marta irradiava uma força suave e Maria percebeu essa força na expressão da cunhada naquele momento. — Maria, você é como minha irmã... em alguns aspectos, como minha própria filha. Não posso suportar o sofrimento pelo qual passou durante o último ano. E me orgulho de você, assim como seu irmão. Sei que ele não lhe diz isso, mas me fala a respeito com freqüência. Você cumpriu seu dever como uma filha nobre de Israel e sempre manteve a cabeça erguida.


Maria enxugou as lágrimas, enquanto Marta acrescentava: — Lázaro irá a Jerusalém a trabalho. Não voltará antes da noite de amanhã. Os nazarenos estarão aqui em Betânia para uma reunião na casa de Simão. Os olhos de Maria foram se arregalando enquanto ela ouvia. Seria mesmo a devota e obediente Marta quem expunha um plano de subterfúgio? — A casa de Simão... aquela casa? Maria apontou para a casa, que era visível do jardim. Marta confirmou com um meneio de cabeça. — Se você for bastante cuidadosa e discreta, olharei para o outro lado se decidir visitar seus amigos mais antigos. Maria abraçou a cunhada, exclamando: — Eu amo você! — Fale baixo! — Marta desvencilhou-se do abraço de Maria. Olhou ao redor, para ter certeza de que não eram observadas. — Se Lázaro for falar com você antes de partir para Jerusalém, deve se mostrar furiosa. Ele não pode desconfiar de qualquer coisa ou nós duas estaremos metidas em apuros. Maria balançou a cabeça, solene, fazendo um esforço para não sorrir. Marta voltou apressada para a casa, a fim de se despedir de Lázaro, deixando Maria a dançar entre as oliveiras.

 Maria aproximou-se da casa de Simão por um caminho lateral, os cabelos castanho-avermelhados, tão fáceis de reconhecer, cobertos por um de seus véus mais grossos. Disse a palavra de admissão e deixaram-na entrar no mesmo instante. Ela exultou ao ver diversos rostos familiares. Correu os olhos pela sala, mas não encontrou o mais importante e amado. Easa ainda não chegara com a mãe. Mas teve pouco tempo para pensar a respeito, pois foi surpreendida por uma voz de mulher, às suas costas, dizendo seu nome. Maria virou-se para deparar com o sorriso exuberante de Salomé,


filha de Herodíades e enteada do tetrarca da Galiléia, Herodes. Maria soltou um grito de alegria ao reconhecê-la, já que as duas haviam sido instruídas pela Grande Maria. Abraçaram-se felizes, com um profundo afeto. — O que está fazendo tão longe de casa? — perguntou Maria. — Minha mãe me deu permissão para seguir Easa e continuar o aprendizado, para poder assumir os sete véus. Os sete véus só eram usados pelas mulheres que haviam passado pelo aprendizado para alta sacerdotisa. — Herodes Antipas faz tudo o que minha mãe quer e ainda por cima é simpático aos nazarenos — acrescentou Salomé. — Ele só detesta o Batista. Salomé tapou a boca no exato momento em que as palavras foram pronunciadas. Parecia mortificada. — Desculpe. Eu havia esquecido. Maria deu um sorriso triste. — Não precisa se desculpar, Salomé. Às vezes eu também esqueço. Salomé assumiu uma expressão compadecida. — É horrível para você? Maria balançou a cabeça. Amava Salomé como uma irmã e as duas até se tratavam assim, o que era tradicional para as sacerdotisas nazarenas. Mas Maria ainda era uma princesa e fora instruída a se comportar como tal. Não falaria mal do marido para ninguém. — Não, não é horrível. Quase nunca vejo João. Salomé falou depressa, como se sentisse uma imensa necessidade de corrigir sua gafe. — Espero não a ter ofendido, irmã. Mas acontece que o Batista diz coisas terríveis sobre minha mãe. Ele a chama de prostituta e adúltera. Maria já ouvira todas essas coisas. A mãe de Salomé, Herodíades, era neta de Herodes, O Grande, e herdara algumas das características mais voluntariosas do infame rei. Descartara o primeiro marido para se casar com Herodes Antipas, que reinava sobre a Galiléia. O tetrarca fizera a


mesma coisa, divorciando-se da esposa árabe para casar com Herodíades. João ficara indignado por um monarca judeu demonstrar um desrespeito tão clamoroso pela lei. Denunciara abertamente o casamento de Herodes Antipas com Herodíades como adultério. Até então, Herodes apenas manifestara sua irritação, mas demonstrara pouco interesse em efetuar uma ação real contra João pedindo sua condenação. Como tetrarca da Galiléia, ele já tinha o suficiente com que se ocupar, lidando com os caprichos de um César e as exigências daquele difícil posto avançado. Não precisava da dor de cabeça de um profeta ascético e inflamado. O fato de Herodíades ser uma nazarena não ajudava em sua posição perante João. Também não melhorava a opinião de João sobre a cultura nazarena. Se tanto, provava por que as mulheres nunca deveriam ocupar posições de autoridade, nem mesmo ter liberdades sociais, o que as transformaria em libertinas. Com bastante freqüência, João usava Herodes e Herodíades como exemplo da corrupção nazarena. Porém, enquanto o Batista tornava o tetrarca seu inimigo, Easa era muito admirado pela esposa de Herodes. Ela enviara sua única filha para iniciar o aprendizado d'O Caminho, assim que Salomé alcançara a maioridade. Salomé e Maria tornaram-se amigas durante o tempo em que passaram juntas na Galiléia, unidas ainda mais no amor espiritual pela Grande Maria e seu filho. — Nossa irmã Verônica também está aqui — informou Salomé, ansiosa por mudar de assunto. A sobrinha de Simão, Verônica, era uma jovem adorável e de profunda espiritualidade, que estudara com elas na casa da mãe de Easa. Maria amava Verônica. Olhou ao redor, à procura do rosto da amiga tão querida. — Lá está ela! Salomé pegou a mão de Maria e levou-a através da sala até Verônica, agora radiante. As três mulheres, irmãs no credo nazareno, abraçaram-se afetuosamente. Mas não tiveram tempo para conversar, pois Easa entrou na sala.


Estava acompanhado pela mãe e dois irmãos mais jovens, Tiago e Judas, além dos irmãos pescadores da Galiléia e de um homem de cara triste que Maria achava que se chamava Filipe. Easa cumprimentou a todos na sala. Parou diante de Maria. Abraçou-a com imenso afeto, mas com o decoro e respeito devidos a uma nobre, esposa de outro homem. E fitou-a com uma expressão que indicava surpresa por ela ter desobedecido ao irmão. Mas não disse nada. Maria sorriu e levou a mão ao coração: — O Reino de Deus está comigo e nenhum opressor poderá tirá-lo de mim. Easa retribuiu o sorriso, com imensa ternura, depois foi para a frente da sala e começou a ensinar.

 Foi uma noite maravilhosa, com o amor dos amigos e as palavras sobre O Caminho. Maria quase esquecera como o Verbo se tornara importante e como Easa era um mestre inspirador. Mas sentar-se à sua frente e ouvir sua pregação era experimentar o Reino de Deus neste mundo. Ela não podia imaginar como alguém seria capaz de condenar palavras tão belas ou por que alguém negaria deliberadamente aqueles ensinamentos de amor, compaixão e caridade. Quando se levantou para ir embora, Easa foi até Maria e tocou gentilmente em sua barriga. — Você está esperando uma criança, pombinha. Maria deixou escapar um murmúrio de surpresa. João passara uma noite com ela para cumprir seus deveres, na última estação, mas não tinha a menor idéia de que concebera. — Tem certeza? Easa meneou a cabeça em confirmação. — Uma criança cresce em seu ventre. Cuide-se bem, pombinha. Pois quero que tenha essa criança em segurança. Uma sombra passou pelo rosto de Easa por um instante, antes que ele acrescentasse: — Diga a seu irmão que deve ter a criança na Galiléia. Peça que ele


permita sua partida à primeira claridade do amanhecer. Maria ficou perplexa. Afinal, Betânia ficava perto de Jerusalém, onde se encontravam as melhores parteiras e os melhores medicamentos, se ocorresse alguma complicação. Fazia mais sentido ficar. Além disso, Lázaro não voltaria por mais um dia. Mas Easa vira alguma coisa, naquele momento de sombra, que o levara a exortar Maria a deixar Betânia e seguir imediatamente para as praias da Galiléia. O que Maria não podia saber era que Easa, num claro momento de profecia, vira a necessidade de afastá-la de João o máximo possível.

 — Prostituta! — berrou João, enquanto dava tapas em Maria. — Eu sabia que era tarde demais para você e seus devassos costumes nazarenos. Como ousou desobedecer a seu marido e a seu irmão? Marta e Lázaro estavam no outro lado da casa em Betânia, mas podiam ouvir os sons da violência. Marta chorava baixinho, deitada em seu lado da cama, enquanto escutava os golpes aplicados na pequena Maria. A culpa era sua. Encorajara Maria a desobedecer as ordens expressas do marido e do irmão. Marta sentia que era ela quem merecia a surra. Lázaro estava sentado, imóvel, paralisado pelo medo e impotência. Sentia-se furioso com Marta e Maria, mas ainda mais preocupado com a surra que a irmã levava do marido. E não podia fazer absolutamente nada. Qualquer interferência aumentaria o insulto a João, algo que ele não ousava fazer. Além do mais, era bastante comum um marido espancar uma esposa desobediente. Nas famílias mais tradicionais, era até esperado. As ações de João estavam de acordo com sua interpretação da lei. Ainda não sabiam como João descobrira que Maria estivera na reunião nazarena. Havia um informante entre eles na noite anterior? Ou a dádiva da profecia em João era tão intensa que ele via a própria Maria em suas visões? Qualquer que fosse o catalisador, João viera para Betânia na tarde


seguinte num acesso de fúria incontrolada, determinado a punir todas as pessoas envolvidas na farsa. Sabia que sua jovem esposa se sentara devota diante do primo na noite anterior. Pior ainda, se sentara ao lado da prole devassa da prostituta Herodíades. O fato de Maria ostentar suas simpatias nazarenas e sua ligação com Salomé era uma fonte de vergonha e embaraço para João. Tinha o potencial de arruinar sua reputação. Maldita mulher! Será que ela não compreendia que qualquer mancha em seu nome causaria um impacto em sua obra e afetaria a mensagem de Deus? Aquilo era a prova de que as mulheres não tinham o menor

juízo,

não

tinham

capacidade

alguma

de

pensar

nas

conseqüências de suas ações. As mulheres eram criaturas pecaminosas por natureza, filhas de Eva e Jezebel. João começava a concluir que talvez todas estivessem além da possibilidade de redenção. João gritou essas coisas e muitas outras, enquanto continuava a agredir Maria. Ela se encolhia no canto, os braços erguidos sobre a cabeça, no esforço inútil de proteger o rosto. Era tarde demais; um círculo roxo expandia-se em torno de um olho, o lábio inferior estava inchado e sangrava, rasgado por um dente, a um golpe de João. Ela conseguiu gritar: — Pare! Vai fazer mal ao bebê! João manteve a mão no ar, sem desferir o golpe seguinte. — O que você disse? Maria respirou fundo, num esforço para se acalmar. — Estou esperando uma criança. João fitou-a com absoluta frieza. — Você é uma prostituta nazarena que passou a noite na casa de outro homem sem uma acompanhante. Não posso sequer ter certeza de que essa criança é minha. Maria falou devagar, enquanto tentava se levantar: — Não sou o que você me chama. Fui para você como noiva virgem e nunca conheci qualquer outro homem. Só meu marido, de acordo com a lei. — Ela enfatizou as últimas cinco palavras. — Está


furioso porque eu desobedeci a você, e mereço sua ira. Ela assumiu uma posição firme agora. Uma cabeça mais baixa que ele, empertigou-se para fitá-lo no rosto: — Mas sua criança não merece ser questionada. Ele se tornará um dia príncipe do nosso povo. João emitiu um som gutural e virou as costas para sair: — Apresentarei

a

Lázaro

as

condições

estritas

para

o

nascimento. Ele abriu a porta e passou para o corredor. Sem olhar para trás, desfechou um golpe verbal final: — Se a criança for uma menina, terei o maior prazer em abandonar as duas.

 Já era o final da tarde seguinte quando Maria decidiu se aventurar até o jardim, para respirar um pouco de ar fresco. Passara a maior parte do dia na cama, recuperando-se da surra que levara. O jardim era privado, cercado por muros, e por isso não havia qualquer possibilidade de alguém ver as marcas da desgraça que cobriam-lhe o rosto. Ou pelo menos era o que ela pensava. Maria, entretanto, ouviu um barulho nas moitas que fez seu coração parar. O que seria? Quem seria? — Quem está aí? — perguntou ela, hesitante. — Maria? Era uma voz de mulher, seguida por mais farfalhar nos arbustos. Subitamente, uma figura saiu de trás de uma sebe, perto do muro. — Salomé! O que está fazendo aqui? Maria correu para abraçar a amiga, uma princesa herodiana que se esgueirava como uma ladra comum. Salomé não respondeu. Estava paralisada, olhando para o rosto todo machucado de Maria. — Está

tão

horrível

sussurro, virando a cabeça.

assim?

perguntou

Maria,

num


Salomé soltou um murmúrio de raiva: — Minha mãe tem razão. O Batista é um animal. Como ele ousa tratá-la dessa maneira? Você é uma nobre. Maria preparou-se para defender João, mas compreendeu que não tinha energia para isso. Sentia uma súbita exaustão, esgotada pelos eventos dos últimos dias e pelo crescente tributo que a gravidez cobrava de seu corpo miúdo. Sentou-se num banco de pedra, acompanhada pela amiga. — Eu lhe trouxe isto. — Salomé entregou uma bolsa de seda a Maria. — Há um ungüento curativo no pote. Servirá para aliviar os machucados. — Como você soube? Ocorreu de repente a Maria que Salomé sabia de uma coisa que só Lázaro e Marta haviam testemunhado. Salomé deu de ombros. — Ele viu. — Só podia haver um Ele. — Não me contou o que aconteceu. Apenas disse: “Leve seu melhor ungüento curativo para sua irmã Maria. Ela vai precisar imediatamente.” E aconselhou a ter cuidado para que ninguém me visse, por causa de João. Maria tentou sorrir à revelação da visão de Easa, mas o corte no lábio fez com que estremecesse. O adorável rosto de Salomé contraiu-se em raiva, ao observar a dor da amiga. — Por que ele fez isso? — Porque desobedeci a uma ordem. — Como? — Ao comparecer à reunião nazarena. Salomé começou a compreender a situação. — Então agora somos o inimigo para o Batista. Quando será que ele vai denunciar Easa publicamente? Tenho certeza de que é o que vai acontecer em seguida. Maria soltou uma exclamação de espanto: — Eles são primos. E João anunciou Easa como Messias em seu batismo. Ele não faria isso. — Não? — Não tenha tanta certeza, irmã. — Salomé pensou por


um instante. — Minha mãe diz que João é astuto como uma serpente. Pense a respeito. Ele se casou com você para legitimar seu reinado. Agora, você está grávida de seu herdeiro. O Batista denuncia minha mãe como adúltera e usa o fato de ela ser uma nazarena como um opróbrio... e uma arma contra nós. Qual é o próximo passo? Retirar publicamente seu apoio a Easa, baseado no que João acredita ser o desrespeito nazareno à lei. Ele não ficará satisfeito enquanto não destruir O Caminho. — Não creio que João faria isso, Salomé. — Não? — Salomé riu, um som duro para alguém tão jovem. — Não passou tanto tempo quanto eu convivendo com os Herodes. É espantoso o que os homens são capazes de fazer para conquistar posições. Maria suspirou e sacudiu a cabeça: — Sei que é difícil para você acreditar, mas João é um bom homem e um profeta de verdade. Eu não me casaria com ele se não acreditasse nisso... nem meu irmão concordaria com o casamento. João é diferente de Easa, um homem duro e agressivo, mas acredita no Reino de Deus. Vive apenas para ajudar os homens a encontrarem Deus, pelo arrependimento e pela lei. — É verdade, ele acredita em ajudar homens. Quanto às mulheres, João prefere que todas nos afoguemos naquele seu precioso rio, em vez de nos oferecer a salvação. — Salomé fez uma careta para demonstrar seu desdém. — E ele se tornou um joguete nas mãos dos fariseus, quanto menos não seja porque não tem habilidades sociais ou políticas. Segue o que eles indicam. E garanto que será orientado para questionar ainda mais a legitimidade de Easa, se não for detido. Maria fitou a amiga. Alguma coisa na maneira como Salomé falava agora deixava-a nervosa, mas era um medo misturado com respeito. Sua amiga de infância adquirira uma profunda compreensão da política de seu tempo nos palácios de Herodes. — O que você propõe? Quando Maria levantou os olhos, um raio de sol iluminou seu


rosto, realçando as marcas roxas e pretas dos machucados. A princesa herodiana estremeceu à vista do rosto lindo e delicado de Maria desfigurado pela surra. E quando Salomé falou, foi com suave determinação: — Farei com que João Batista pague por seus atos... contra você, contra Easa e contra minha mãe. De um jeito ou de outro. Um tremor percorreu o corpo de Maria ao ouvir essas palavras. Apesar do calor ao sol do meio-dia, ela sentiu frio, muito frio.

 A rapidez com que prenderam João foi espantosa. Maria descobriria muito mais tarde que Salomé seguira para o palácio de inverno do tetrarca, perto do mar Morto, onde se realizava uma festa pelo aniversário de Herodes Antipas. Herodes pedira que Salomé dançasse para ele e seus convidados, pois a graça e a beleza da jovem eram lendárias. Além disso, havia convidados que haviam percorrido longas distâncias para prestar tributo a Herodes. O tetrarca achava que seria um gesto de cordialidade apresentar sua linda enteada. Salomé entrou na sala em que se realizava a festa, ao melhor estilo romano. Usava sedas reluzentes e correntes de ouro, dadas pelo padrasto apaixonado. Sua entrada provocou uma comoção, com os convidados esticando o pescoço para contemplar melhor a deslumbrante princesa. — Você é a jóia de maior valor em meu reino, Salomé — declarou o padrasto. — Dance para nós. Será uma grande emoção para os nossos convidados descobrir como você é graciosa. Salomé aproximou-se do trono em que Herodes presidia o banquete. Era uma imagem de linda petulância. — Não sei se posso dançar, padrasto. Meu coração ficou tão oprimido pelo que suportei na viagem que não creio que tenha disposição para dançar. Herodíades, numa almofada ao lado do marido, empertigou-se: — O que aconteceu que lhe causou um efeito tão ruim, criança? Salomé contou uma história triste sobre o homem horrível que


era chamado de Batista, e como suas palavras atormentavam-na e pareciam segui-la, aonde quer que fosse. — Quem é esse homem... esse Batista? — perguntou um nobre romano em visita à terra. Herodes fez um gesto desdenhoso. — Ninguém. Um dos vários Messias que surgiram este ano. É um agitador, mas não muito importante. Ao ouvir isso, Salomé desatou a chorar. Jogou-se aos pés da mãe. Falou sobre os nomes horríveis que o Batista usara contra Herodíades. Ela ficou apavorada, pois aquele profeta previra que Herodes seria derrubado e o palácio desmoronaria, com todos dentro. Ele incitava o ódio aos Herodes entre o povo, a tal ponto que Salomé não podia mais viajar em segurança com os nazarenos, a não ser que estivesse bem disfarçada. — Ele parece mais um rebelde do que um profeta — comentou o nobre romano. — É melhor lidar com gente desse tipo o mais depressa possível. Herodes não tinha a menor vontade de tratar de política, mas não podia se dar ao luxo de parecer fraco na presença de um enviado romano. Por isso chamou os guardas e deu uma ordem: — Prendam esse homem chamado Batista e tragam-no para cá. Quero ver se ele tem a coragem de dizer essas coisas na minha frente. Os convidados aplaudiram a decisão e seguiram o exemplo do nobre romano, levantando seus copos para um brinde ao anfitrião. Salomé limpou as lágrimas dos olhos e sorriu ternamente para Herodes Antipas: — Que dança gostaria que eu apresentasse esta noite, padrasto?

 João Batista era um prisioneiro que acarretava problemas. Herodes Antipas não previra a força dos seguidores de João, que haviam aumentado em proporções extraordinárias. Suplicantes compareciam ao palácio todos os dias, pedindo a libertação de seu profeta. Apelavam para Herodes como a um judeu, querendo seu apoio. Como o palácio de inverno ficava perto de Qumran, a comunidade essênia mandava enviados todos


os dias, para pedir a liberdade do prisioneiro. Não se tratava de um mero profeta regional que podia ser punido e silenciado com facilidade. João Batista era um fenômeno. Herodes assumiu o encargo de interrogar João pessoalmente. Mandou que trouxessem o pregador ascético à sua presença. Esperava respostas indignadas e comentários desvairados, como costumava acontecer com aqueles pregadores do deserto, supostos Messias. Era quase um esporte para Herodes, ansioso em fazer com que o homem que tanto perturbava sua esposa e enteada mordesse a isca. Depois de brincar com o prisioneiro por algum tempo, ele decidiria qual seria a sentença. O interrogatório, no entanto, não transcorreu como o tetrarca planejara. Embora João se vestisse de uma maneira extravagante e não houvesse nada de civilizado em sua aparência, suas palavras não eram as de um louco delirante. Herodes achou-o inteligente, talvez mesmo um sábio, o que era desconcertante. João falou com severidade dos pecadores e da necessidade de arrependimento. Não hesitou em fitar Herodes nos olhos quando advertiu que o Reino do Céu seria negado a alguém com os pecados do tetrarca. Mas ainda havia tempo para a redenção, se Herodes se separasse de sua esposa adúltera e se arrependesse de suas muitas violações da lei. Ao final do interrogatório, Herodes estava muito preocupado com a prisão de João. Tinha vontade de soltá-lo, mas não podia fazer isso sem parecer fraco e ineficiente aos olhos de Roma. Um enviado romano não estava presente quando fora dada a ordem para prender João? Libertar o homem agora faria com que Herodes parecesse incoerente, talvez mesmo incompetente para lidar com os rebeldes judeus. Não, ele não ousaria libertar o Batista, pelo menos por enquanto. Quando soube o que acontecera, Maria de Magdala mandou um mensageiro ao palácio para saber se o marido gostaria de recebê-la ou de ter notícias da criança que esperava. João ignorou a mensagem. As únicas palavras que Maria recebeu de João, durante sua prisão, foram de condenação. Soube pelos seguidores mais íntimos que João continuava a questionar a paternidade da criança e só se referia a ela nos termos


mais desdenhosos. Culpava a jovem esposa por sua prisão e os seguidores mais fanáticos haviam feito ameaças à família. Finalmente, Maria convenceu o irmão e Marta a levarem-na para a Galiléia, tão longe quanto possível do Batista e seus seguidores. Não podia compreender como uma noite de desobediência inocente se transformara numa reputação maculada como meretriz, mas era essa a realidade que agora enfrentava. Maria preferia ficar no santuário de seu lar, na base do monte Arbel, mais perto dos nazarenos e seus simpatizantes. João continuou seu ministério da prisão, sua lenda e influência crescendo na região sul. Mas o ministério de seu primo, o carismático nazareno, desabrochava com crescente vigor na região ao norte do Jordão e na Galiléia. Os seguidores de João levavam ao seu conhecimento, na prisão, as notícias das grandes obras e das curas milagrosas que eram atribuídas a Easa. Mas também informavam sobre a persistente indulgência do nazareno com os gentios e os impuros. Ele até impedira que uma mulher adúltera fosse justamente apedrejada! Era evidente que o primo de João perdera por completo a noção da lei. Era tempo de João assumir uma posição firme. Por instrução de João, seus seguidores compareceram a uma grande reunião de nazarenos. Quando Easa se apresentou à multidão, para iniciar sua pregação, dois enviados ascéticos se adiantaram. O primeiro disse, dirigindo-se a Easa e à multidão: — Viemos da cela de João Batista. Ele pede que transmitamos esta mensagem a todos. Ele diz, Yeshua, o Nazareno, que o contesta. Que acreditou outrora que você era o Messias enviado por Deus, mas não pode acreditar que sua aceitação dos impuros esteja dentro da lei. Por isso, ele pergunta: “Você é aquele que era esperado? Ou as pessoas devem esperar por outro?” A multidão tornou-se irrequieta ao ouvir essas palavras. O batismo de Jesus por João fora o momento de definição para alguns dos mais novos discípulos nazarenos. O dia mágico na margem do Jordão, em que João anunciara o primo como o eleito e Deus demonstrara-lhe ser favorável, sob a forma de uma pomba, transformando muitos em


seguidores d'O Caminho. Agora, João Batista estava, em essência, retirando seu apoio, ao questionar publicamente o primo. Jesus, o Nazareno, mostrou-se impassível diante da pergunta e indiferente ao insulto. Fez um gesto para silenciar a multidão: — Não há maior profeta neste mundo que João Batista. Para os homens que o haviam questionado, ele acrescentou: — Por favor, apresentem todas as minhas considerações a meu primo. Contem a ele todas as coisas que viram e ouviram entre nós hoje. E haveria muito a contar. O líder nazareno circulou entre a multidão, dispensando bênçãos aos doentes. Naquele dia, pelo que disseram, ele devolveu a visão a muitos que eram cegos. Curou enfermidades dos idosos, expulsou maus espíritos dos aflitos. E durante todo o tempo pregou a palavra d'O Caminho, ensinou às pessoas a luz de Deus. Contou uma história, uma parábola sobre uma mulher perdoada por seus pecados porque tinha o coração cheio de fé e amor. Esta foi a mensagem final do dia: — Os pecados são perdoados naqueles que têm o coração cheio de amor. Mas, se o homem mais virtuoso tem pouco amor no coração, conhecerá pouco perdão. Foi um dia que definiria o ministério de Jesus, o Nazareno, como O Caminho curativo de perdão e amor, um curso para a salvação para todas as pessoas que optassem por seguir na luz.

 Herodes Antipas tinha um problema. O enviado romano que testemunhara a ordem para prender João Batista, meses antes, voltara à terra. Quando o romano perguntou a subordinados do tetrarca por que havia tantos judeus cercando o palácio, foi informado de que o profeta aprisionado continuava a atrair seguidores. O enviado ficou atônito ao saber que Herodes ainda não tomara uma atitude contra o rebelde. Ao jantar, naquela noite, o nobre de Roma falou com Herodes sobre o problema, em tom firme:


— Você não pode ser frouxo em relação a esses agitadores. Está aqui porque César confia em você para representar Roma e porque ele acha que leva uma vantagem sobre outros por ser judeu. Mas seria um erro terrível se mostrar apaziguador. Esse homem insulta Roma todos os dias da própria prisão em que é mantido e você permite. O tetrarca defendeu sua posição: — A região do deserto é controlada por seitas essênias e outras que consideram esse homem um profeta. Executá-lo provocaria grandes tumultos. — Você, um cidadão romano e um rei, permite ser tratado como um refém por esses habitantes do deserto? A indagação era uma censura. Herodes sabia quando se encontrava acuado. Aquele enviado voltaria a Roma no dia seguinte e ele não podia permitir que o homem comunicasse a César qualquer fraqueza

percebida.

Tinha

muitos

inimigos

que

gostariam

de

testemunhar a queda dos Herodes de uma vez por todas. Isso não podia acontecer. Antipas não nascera com o sangue desses reis por nada. O avô não executara os próprios filhos quando percebera uma ameaça ao trono? Herodes sabia como lutar pelo que lhe pertencia por direito. Herodes Antipas bateu palmas duas vezes para chamar os servos. Mandou que os centuriões fossem trazidos à sua presença. — Executem imediatamente a sentença contra o prisioneiro João Batista. Ele deve ser executado com uma espada. O

enviado

romano

balançou

a

cabeça

vigorosamente

em

aprovação, enquanto Herodes Antipas preparava-se para ocupar seu lugar na história pela primeira vez... mas não pela última.

 Antes de sua execução, João pediu apenas uma coisa: que uma mensagem fosse enviada à sua esposa na Galiléia. Ele teve permissão para receber um seguidor, que serviria como mensageiro. João lhe transmitiu suas palavras finais, de instruções e arrependimento, antes que a espada do centurião o executasse. A cabeça foi separada do corpo


pelo primeiro golpe e João Batista, profeta do Jordão, foi para o Reino de Deus. Herodes mandou que a cabeça de João fosse colocada na ponta de uma lança e exposta no portão da frente do palácio, para mostrar ao enviado romano como ele lidava de forma rápida e severa com atos de traição. A cabeça permaneceu por alguns dias ali, bicada por aves de rapina, até a noite em que desapareceu misteriosamente. O resto do corpo de João foi entregue aos seguidores essênios para sepultamento.

 Maria, em avançado estágio de gravidez, em Magdala, recebeu a notícia da execução de João. O mensageiro lhe transmitiu pessoalmente as últimas palavras de João: — Arrependa-se, mulher. Faça penitência todos os dias pelos pecados que nos levaram a essa situação. Faça isso pela minha memória e pelo bem da criança que você espera. Para que haja alguma esperança de que a criança seja aceita no Reino de Deus, você deve se arrepender e batizá-la no nascimento. Se João morreu acreditando ou não que a criança era sua, Maria nunca soube. O fato de ter se dado ao trabalho de enviar uma mensagem, com o seu último pedido, era uma indicação de que talvez acreditasse que o fosse. Maria gravou suas palavras no coração e rezou todos os dias, durante o resto de sua longa vida, pelo perdão de João. Ele fora grosseiro e agressivo, mas ela não guardava qualquer ressentimento. Easa e a Grande Maria haviam ensinado que o perdão era divino e ela adotou esse princípio com toda a sinceridade. João fora um enigma para ela desde o início. Era um homem rude, que nunca pedira o que lhe fora impingido, nunca tivera a intenção de tomar uma esposa. Ela fizera o melhor que podia para se comportar de uma maneira que João julgasse obediente, mas nada jamais o agradava. Lamentavelmente, Maria se casara com o único homem em Israel que não daria qualquer coisa para tê-la. Era bonita, virtuosa, rica e herdara o sangue real de seu povo. Mas nenhuma dessas qualidades tinha qualquer


interesse para João Batista. O casamento fora uma espécie de sentença para ambos. E a bênção para ambos era o fato de permanecerem separados durante a maior parte do tempo, só se encontrando quando os fariseus pressionavam João para ter um herdeiro. No final das contas, o casamento fora mais detestável para João do que para Maria. Agora, estavam livres, mas Maria daria qualquer coisa para mudar a maneira que a fizera recuperar a liberdade. Assim como fora culpada pela prisão de João, Maria também foi acusada por sua execução pelos seguidores mais leais. A mulher mais injuriada na terra no momento era Salomé. A princesa herodiana era acusada de atos terríveis, inclusive de incesto com o padrasto. Espalharam-se histórias fantásticas sobre a sexualidade dissoluta de Salomé, como ela a usara para exigir a cabeça de João numa bandeja de prata. Nenhuma dessas coisas era verdadeira. Salomé apenas usou sua manobra infantil para conseguir que João fosse preso, mas confessou em lágrimas para Maria, mais tarde, que nunca imaginara que ele seria executado. Só queria afastar João por algum tempo, conter o seu crescente poder entre o povo, para que não pudesse fazer mal a Easa ou Maria. Salomé, em última análise, era muito jovem e inexperiente, em política e religião, para prever que a prisão de João o tornaria ainda mais popular entre o povo. Pior ainda, não imaginara o terrível dilema de Herodes nem sua dramática solução. Um mensageiro anônimo de João levou uma última e inesperada relíquia de arrependimento para sua jovem esposa, algumas semanas depois. Sem dizer nada, o asceta entregou-lhe um cesto de vime e deixou a casa em seguida. Não havia qualquer mensagem e o mensageiro não a fitou nos olhos em momento algum. Curiosa, Maria levantou a tampa do cesto para descobrir o conteúdo. Sobre uma almofada de seda, dentro do cesto, estava o crânio esbranquiçado pelo sol de João Batista.

 Maria entrou em trabalho de parto antes do tempo. Foi uma bênção


disfarçada, já que seu corpo pequeno não seria capaz de dar à luz o bebê com a gestação completa. Mesmo prematuro, o menino era grande e robusto. Nasceu berrando com grande força à indignidade do mundo. Com um único dia de idade, era a imagem física de João. E qualquer pessoa que ouvisse a insistência do choro do bebê poderia reconhecê-lo como filho legítimo do Batista. Maria de Magdala mandou para a Grande Maria e Easa a notícia de que a criança nascera, sã e salva, junto com seus agradecimentos pelas orações dos dois. Ela deu ao menino o nome de João-José, em homenagem ao pai.

 Depois da execução de João, houve uma tremenda pressão sobre Easa para que assumisse uma posição entre os seguidores do Batista. Ele foi para o deserto e se reuniu com os essênios e discípulos de João, pregando o Reino de Deus à sua maneira. Alguns essênios aceitaram Easa como seu novo Messias e passaram a segui-lo, porque ele era da linha de Davi. Muitos outros, no entanto, opunham-se às suas reformas nazarenas, porque João se manifestara veementemente contra elas até o final de sua vida. Para a maioria dos habitantes do deserto, João era o único Mestre da Justiça; qualquer outro que tentasse tomar o seu lugar era um impostor. A profunda divisão entre os seguidores de João e os fiéis a Easa foi definida naqueles primeiros dias. O espírito nazareno aflorou como amor e perdão, acessível a qualquer pessoa que quisesse assumi-lo. A filosofia joanita era muito diferente, baseada em julgamentos rigorosos e normas estritas da lei. Enquanto eram acolhidas e respeitadas por Easa e os nazarenos, as mulheres eram desprezadas pelos seguidores de João. O Batista sempre mantivera as mulheres em baixa estima. Sua descrição de Maria e Salomé para os seguidores, como prostitutas de Babilônia encarnadas, consolidou a idéia das mulheres como seres inferiores. Surgiu um retrato imperfeito e injusto de Maria Madalena como uma pecadora arrependida, e de Salomé como uma meretriz decadente.


Os seguidores de João Batista atiçaram as chamas dessa injustiça, desencadeando uma conflagração que arderia ao longo dos séculos.

 Easa, o Nazareno, príncipe da Casa de Davi, tencionava mudar a percepção do público da princesa difamada e agora viúva. Mais do que qualquer outro, ele sabia que aquela boa e virtuosa mulher era vítima de uma terrível injustiça. Ela não era menos filha de Benjamim agora. Seu sangue ainda era real, o coração ainda puro e ele ainda a amava. Lázaro ficou surpreso quando o Filho do Leão apareceu em sua porta sozinho, sem os seguidores. — Vim visitar Maria e a criança — anunciou ele. Gaguejando, Lázaro chamou Marta e convidou Easa a entrar. Marta veio e tentou disfarçar sua reação, de surpresa ou alegria. Havia muito era

simpatizante

dos nazarenos,

apesar de sua criação

conservadora. Sempre amara e reverenciara Easa. — Vou trazer Maria e o bebê — disse ela, deixando a sala, apressada. Quando ficaram a sós, Lázaro tentou se explicar: — Yeshua, tenho de pedir muitas desculpas por... Easa levantou a mão: — Paz, Lázaro. Nunca soube que você tenha feito qualquer coisa em que não acreditasse em seu coração, que não fosse certa e justa. E sincero consigo mesmo e sincero para com o Senhor. Por isso não precisa pedir desculpas, para mim ou para qualquer outra pessoa. Lázaro sentiu um tremendo alívio. Sentira por muito tempo a tristeza de ter rompido o noivado entre Easa e sua irmã. Também lamentava ter negado hospedagem aos nazarenos em Betânia, naquela noite que redundara numa calamidade para Maria. Mas não teve tempo para dizer isso, já que o pequeno João-José anunciou sua entrada na sala com um choro vigoroso. Easa sorriu para Maria e o bebê. Estendeu os braços para o menino, que tinha o rosto vermelho de tanto chorar.


— Ele é bonito como a mãe e determinado como o pai — comentou Easa, rindo. Ao primeiro contato da mão de Easa, João-José parou de chorar. Ficou quieto, olhando para aquela presença nova com um grande interesse. Arrulhou feliz quando Easa embalou-o nos braços, gentilmente. — Ele gosta de você — murmurou Maria, com uma súbita timidez na presença daquele homem que se tornara uma lenda entre o povo. Easa fitou-a, muito sério. — Espero que seja mesmo verdade. — Ele olhou para Lázaro. — Lázaro, meu querido irmão, eu gostaria de falar em particular com Maria sobre um assunto importante. Ela é viúva e por isso não é indecoroso que converse comigo sem a presença de outras pessoas. — Claro — respondeu Lázaro, deixando a sala. Easa, ainda com o pequeno João no colo, gesticulou para que Maria se sentasse. Ele também se sentou. Os dois ficaram em silêncio por um momento, enquanto o pequeno João continuava a arrulhar para Easa e a puxar seus cabelos compridos, ao estilo nazareno. — Maria, tenho uma pergunta para lhe fazer. Ela balançou a cabeça, sem dizer nada. Não sabia o que estava para acontecer, mas sentia uma felicidade intensa por estar outra vez na presença de Easa. Era um verdadeiro bálsamo para seu espírito arrasado. — Você sofreu muito, em grande parte por causa de sua fé em mim e n'O Caminho. Quero reparar tudo com você e essa criança. Maria, eu gostaria que se tornasse minha esposa e me desse permissão para criar o filho de João como se fosse meu. Maria ficou paralisada. Ouvira direito? Não, aquilo era impossível. — Não sei o que dizer, Easa. — Ela fez uma pausa, procurando ordenar os pensamentos que disparavam por sua mente surpresa. — Passei toda a minha vida acalentando o sonho de me casar com você. E, quando isso não aconteceu... nunca mais pensei nesse sonho. Mas não posso permitir que faça isso. Prejudicaria você e sua missão. Há muitos que me culpam pela morte de João, homens que me odeiam e que me chamam de pecadora.


— Isso não faz diferença para mim. Qualquer pessoa que me segue agora conhece a verdade... e ensinaremos a verdade para aqueles que ainda não a conhecem. E os seguidores não poderão se opor. Na verdade, é apropriado que eu a tome como esposa. Você é viúva de João, que era meu primo. Sou o parente mais próximo de João e como tal devo criar seu filho, pelas próprias tradições que os seguidores dele juraram respeitar. E eu o criarei como um príncipe de seu povo, como meu herdeiro escolhido e o filho de um profeta. É uma união correta, perante a lei e o povo de Israel. Ainda sou o filho de Davi e você ainda é a filha de Benjamim. Maria estava atordoada. Nunca imaginara que alguma coisa assim pudesse acontecer. Na melhor das hipóteses, esperava que Easa batizasse o menino, como João pedira. Mas adotar o pequeno João como seu próprio filho e tomá-la como esposa? Era mais do que ela podia agüentar. Maria baixou o rosto para as mãos e começou a chorar. — O que a faz chorar, pombinha? Não somos agora menos perfeitos um para o outro aos olhos de Deus do que éramos quando Ele nos escolheu para uma união. Maria removeu as lágrimas dos olhos e fitou o nazareno, seu Easa, o homem que Deus lhe devolvera. — Nunca pensei que saberia o que era ser feliz de novo — sussurrou ela.

 Ao contrário da festa suntuosa em Caná, Easa e Maria se casaram numa pequena cerimônia privada, com a presença da Grande Maria e dos nazarenos mais leais. O casamento foi realizado numa praia da Galiléia, na aldeia de Tabga. Mas a notícia da união espalhou-se depressa. No dia seguinte, multidões começaram a chegar a Tabga. Alguns eram seguidores, outros apenas curiosos pela idéia da união dos noivos da profecia de Salomão. Havia também os que não se sentiam satisfeitos pelo casamento de seu amado profeta da Galiléia com aquela mulher de reputação maculada.


Mas Easa ficou contente pela presença de todos. Disse a Maria, várias vezes, que cada dia trazia uma nova oportunidade de mostrar O Caminho para alguém que nunca o conhecera, uma nova oportunidade de proporcionar a visão aos cegos. A notícia do casamento atraiu milhares de pessoas durante dois dias. A Grande Maria procurou Easa ao final do segundo dia. Lembrou-o do milagre do primeiro casamento, em Caná, quando não havia vinho suficiente para os convidados. Agora, as praias da Galiléia transbordavam de viajantes que não comiam havia vários dias e restava bem poucos alimentos para tantas pessoas. A mãe o aconselhou a considerar que aquele era seu banquete de casamento. Easa chamou os seguidores mais próximos. Pediu um cálculo do número total de convidados. Filipe respondeu: — Há quase cinco mil pessoas, mas o que temos para comer não dá para duzentas. André, o irmão de Pedro, acrescentou: — Conheço um filho de pescador que tem cinco pães de cevada e dois peixes pequenos. Mas isso é tudo. E não é nada em comparação com o que precisamos. Easa disse: — Digam a todos para se sentarem. E me tragam os pães e os peixes. Isso foi feito por André, que pôs os pães e os peixes, num cesto, aos pés do mestre. Easa fez uma oração de graça e abundância sobre os alimentos. Depois, entregou o cesto a André. — Comece por esse cesto, passando-o pelos convidados. Recolham todos os fragmentos, para que nada se perca. Ponham esses fragmentos em novos cestos, para distribuir entre as pessoas. André seguiu as instruções, ajudado por Pedro e os outros. Ficaram espantados quando viram os cestos que continham apenas algumas migalhas transbordarem de pães e peixes. Não demorou muito para que houvesse doze cestos grandes cheios de alimentos. Foram distribuídos


pela multidão, até que todos comeram o suficiente. Todos os que participaram do banquete nas praias de Tabga ficaram convencidos, acima e além de qualquer dúvida, de que Easa, o Nazareno, era mesmo o Messias da profecia. Sua reputação como alguém que fazia milagres e curava os doentes continuou a se espalhar. Seus seguidores não paravam de aumentar. E já havia muitos agora que se mostravam dispostos a aceitar Maria de Magdala. Afinal, se um profeta tão poderoso escolhera aquela mulher, ela devia ser digna. A posição de Maria apresentava um problema. Numa época em que as mulheres eram definidas por suas relações com os homens, sua situação era complicada e politicamente difícil. Não seria apropriado referir-se a ela como a viúva de João. Tampouco seria de todo aceitável indicá-la apenas como a esposa de Easa. Nessa ocasião, ela tornou-se conhecida por seu próprio nome, como uma mulher de liderança. Reinaria para sempre como a Filha de Sião, a Torre de seu Rebanho... a Migdal-Eder. Passaria a ter uma posição própria, com o nome de uma rainha. O povo a chamava simplesmente de... Maria Madalena.

 Foi a esse período do ministério, depois da milagrosa multiplicação de pães e peixes em Tabga, que Maria Madalena se referiu como O Grande Tempo. Pouco depois do casamento, os nazarenos, agora acompanhados por Maria, partiram para a Síria. Easa curou uma quantidade espantosa de pessoas durante a jornada. Passava o tempo ensinando nas sinagogas e levando a palavra d'O Caminho para novos ouvidos. Mas depois de alguns meses, eles voltaram à Galiléia. Maria Madalena estava grávida e Easa queria que a criança nascesse onde a mãe se sentiria mais confortável... em sua casa. Maria e Easa tiveram uma menina pequena e perfeita pouco depois de voltar. Deram-lhe o nome composto de uma princesa, Sara-Tamar. O nome Sara invocava uma nobre hebréia das escrituras, a esposa de Abraão. Tamar era um nome da Galiléia, uma referência às abundantes


tamareiras que cresciam na região. Havia gerações era usado por casas reais como um dos prediletos para suas filhas. A família aumentava, o ministério se expandia, e os filhos de Israel experimentavam um sentimento de esperança pelo futuro. Era mesmo um Grande Tempo.


CAPITULO DEZOITO

Château des Pommes Bleues 28 de junho de 2005

Ninguém falou por um longo momento, depois que Peter terminou de ler sua tradução do primeiro livro. Todos permaneceram calados, cada um absorvendo, à sua maneira, a enormidade da informação. Todos haviam chorado a intervalos variados, os homens mais reservados, as mulheres mais abertamente, ante os acontecimentos na história de Maria. Foi Sinclair quem rompeu o silêncio: — Por onde começamos? Maureen sacudiu a cabeça. — Não tenho a menor idéia. Ela levantou os olhos para verificar como Peter reagia às circunstâncias. Ele parecia surpreendentemente calmo e até sorriu quando seus olhos se encontraram. — Você está bem, Pete? — Nunca me senti melhor. É muito estranho, mas não me sinto chocado nem preocupado. Sinto-me apenas... contente. Não posso explicar, mas é assim que me sinto. — Parece exausto — comentou Tammy. — Mas fez um trabalho extraordinário. Sinclair e Roland manifestaram sua concordância, agradecendo a Peter pelo incansável empenho na tradução. — Por que não descansa um pouco? — sugeriu Maureen, gentilmente. — Pode começar o trabalho nos outros livros amanhã. Você


precisa dormir, Pete. Peter sacudiu a cabeça, determinado. — Não há a menor possibilidade. Há mais dois livros para traduzir... O livro dos discípulos e o seguinte, que ela chama de O livro do Tempo das Trevas. Acho que podemos presumir que seja seu relato pessoal da crucificação e não vou descansar enquanto não descobrir. Quando compreenderam que seria impossível fazer Peter mudar de idéia, Sinclair mandou que trouxessem uma bandeja com chá para ele. Peter continuava se recusando a comer, convencido de que deveria jejuar enquanto estivesse traduzindo. Deixaram-no sozinho. Sinclair, Maureen e Tammy foram para a sala de jantar, a fim de fazer uma refeição leve. Roland foi convidado a acompanhá-los, mas recusou polidamente, alegando que tinha muitas coisas a fazer. Ele olhou para Tammy, no outro lado da sala, antes de se retirar. A refeição foi leve, já que nenhum deles sentia muita disposição para comer. Ainda tinham dificuldades para converter em palavras sua reação ao primeiro livro. Tammy finalmente comentou as informações sobre João: — Depois de passar o dia com Derek, tudo faz mais sentido ainda. Posso entender agora por que os seguidores de João reunidos na Guilda guardam tanto ódio contra Maria e Salomé. Mas é muito injusto. Maureen estava confusa. Ainda não tomara conhecimento das descobertas de Tammy. — O que está querendo dizer? São essas pessoas que me atacaram? Tammy relatou tudo o que descobrira por intermédio de Derek, na terrível visita a Carcassonne. Maureen escutou num silêncio atordoado. — Mas vocês já sabiam que Maria tinha um filho de João Batista? — Ela dirigiu a pergunta aos dois. — Porque é uma tremenda surpresa para mim... desconcertante. Sinclair concordou, balançando a cabeça. — Será um choque para a maioria das pessoas. E uma tradição que conhecemos aqui, mas poucas pessoas fora de nossas seitas orgulhosa mente heréticas sabem disso. Houve um esforço conjunto para remover esses fatos da história... dos dois lados. Ostensivamente, os


seguidores de Jesus não queriam que qualquer informação sobre João ofuscasse a história de Jesus, conforme foi contada, com o maior cuidado e habilidade, pelos autores dos evangelhos. Tammy interrompeu-o: — Os seguidores de João não falam a respeito porque desprezam Maria Madalena. Comecei a ler os documentos da Guilda, o chamado O verdadeiro livro do Santo Graal. Dão esse nome porque acreditam que o único sangue sagrado vem de João e seu filho. O que faz com que sua linhagem seja o único Santo Graal, o verdadeiro cálice do sangue sagrado. Se pudessem impor sua vontade, eles teriam eliminado toda e qualquer menção a Maria Madalena não apenas nas escrituras, mas também na história. Há uma lei na Guilda de que ela nunca deve ser mencionada sem o epíteto de prostituta acrescentado ao nome. — Isso não faz sentido — comentou Maureen. — Ela foi a mãe do filho de João e eles o reconhecem como legítimo. Por que ainda sentem tanto ódio contra Maria Madalena? — Porque acham que Maria e Salomé conspiraram para a morte de João, a fim de que ela pudesse casar com Jesus... Easa... para que Jesus pudesse assumir a posição de ungido. E para que Jesus pudesse usurpar a posição de pai do filho de João, para treiná-lo nos costumes nazarenos. É parte do ritual deles negar Cristo, cuspindo na cruz e chamando-o de O Usurpador. Maureen fitou um e outro: — Hesito em levantar a questão, mas é difícil para mim acreditar que Jean-Claude seja parte disso. — Está falando de Jean-Baptiste — murmurou Tammy, o desdém evidente ao enunciar o nome. — Quando visitamos Montségur... ele demonstrou que sabia muita coisa sobre os cátaros. Não apenas isso, mas também se mostrou reverente e respeitoso. Era tudo uma encenação? Sinclair suspirou e passou as mãos pelo rosto. — Era, sim... e foi apenas uma pequena parte de uma grande


encenação, pelo que sei. Roland descobriu que Jean-Claude foi preparado desde a infância para se infiltrar em nossa organização. Sua família é rica. Contando ainda com os recursos da Guilda, ele pôde criar essa identidade. E verdade que ele acrescentou o elemento Paschal mais tarde, o que deveria me deixar desconfiado. Mas eu não tinha motivos para suspeitar. E persiste o fato de que ele é um estudioso e historiador competente, um profundo conhecedor de nossa história. Só que em seu caso não era por uma questão de reverência, mas sim de acordo com aquela máxima antiga: “Conheça seu inimigo.” — Há quanto tempo existe essa rivalidade? — Dois mil anos — respondeu Sinclair. — Mas é unilateral. Nosso povo não guarda ressentimento contra João. Sempre acolhemos as pessoas da linhagem do Batista como nossos irmãos e irmãs. Afinal, somos todos descendentes de Maria Madalena, não é mesmo? É assim que sempre consideramos. — Os agitadores estão no outro ramo da família — gracejou Tammy. Sinclair acrescentou: — Mas é importante lembrar que nem todos os seguidores do Batista são extremistas. Esses fanáticos da Guilda não passam de uma minoria. Um grupo sempre irado e assustador, surpreendentemente poderoso, mas, ainda assim, uma minoria. Vamos sair, pois eu gostaria de mostrar uma coisa. Os três se levantaram. Tammy disse que não podia ir junto, pois tinha outra coisa a fazer. Pediu a Maureen para encontrá-la mais tarde na sala de comunicações. — Agora que chegamos a esse ponto, quero também lhe revelar mais algumas coisas que descobri em minhas pesquisas. Maureen concordou em procurá-la dali a uma hora. Saiu com Sinclair. O céu ao crepúsculo ainda brilhava com o resto do sol de verão, enquanto passavam pelo portão do Jardim da Trindade. — Lembra-se do terceiro jardim? O que não conheceu naquele dia? Vou mostrá-lo agora.


Sinclair pegou o braço de Maureen. Passaram pelo chafariz de Maria Madalena e atravessaram a arcada da esquerda. Um caminho de mármore levava para um jardim requintado, parecido com o de uma villa italiana. — Parece... um jardim romano medieval — comentou Maureen. — E isso mesmo. Sabemos pouco sobre João-José. Até onde eu sei, não há nada escrito a seu respeito... ou pelo menos não havia até hoje. Temos apenas um punhado de tradições e lendas locais, passadas de geração em geração. — E o que você sabe? — Apenas que o menino não era filho de Jesus... que era de João. Também sabíamos o nome certo, João-José, embora algumas lendas se refiram a ele como João-Yeshua e até João-Marcos. A lenda diz que em algum momento ele foi para Roma, deixando a mãe e os irmãos na França. Se isso aconteceu por sua própria iniciativa ou como parte de um plano geral, é pura especulação. E também não sabemos qual foi o seu destino. Há duas linhas de pensamento a respeito. Sinclair levou-a até uma estátua de mármore de um jovem, ao estilo da Renascença. Ele estava de pé na frente de uma cruz enorme, mas tinha um crânio na mão. — Ele foi criado por Jesus. Portanto é possível que tenha integrado a florescente comunidade cristã em Roma. Mas, se isso aconteceu, é provável que tenha sofrido uma morte prematura, como muitos dos primeiros líderes da Igreja, exterminados por Nero. O historiador romano Tácito disse que Nero “punia com todos os tipos de crueldade os membros

do

grupo

notoriamente

depravado

conhecido

como

cristãos”. Sabemos que isso era verdade, pelos relatos sobre a morte de Pedro. — Acha então que João-José foi martirizado? — É bem possível. Talvez até tenha sido crucificado junto com Pedro. É difícil acreditar que alguém com sua origem fosse qualquer outra coisa que não um líder. E todos os líderes eram executados. Mas há também outra perspectiva.


Sinclair apontou para o crânio na mão de mármore de João-José. — Aqui está outra possibilidade. Uma lenda diz que os seguidores mais fanáticos de João procuraram seu herdeiro em Roma e convenceram-no de que os cristãos haviam usurpado o lugar que lhe pertencia por direito. Que João era o único e verdadeiro Messias e JoãoJosé, como seu filho, era herdeiro do trono do ungido. Alguns dizem que ele virou-se contra a mãe e a família, aceitando os ensinamentos dos seguidores de seu pai. Não sabemos onde ele acabou, mas sabemos que há uma seita muito forte de fiéis de João no Irã e Iraque. São os mandeus. São pessoas pacíficas, mas muito rigorosas em suas leis e na crença de que João foi o único e verdadeiro Messias. É possível que sejam descendentes diretos, que João-José ou seus herdeiros tenham seguido para o leste, depois de um cisma com os primeiros cristãos. E agora você já conhece a Guilda dos Justos. Eles alegam que são os verdadeiros descendentes aqui no Ocidente. Maureen olhava atentamente para o crânio, enquanto escutava a explicação de Sinclair. Um pensamento súbito ocorreu-lhe: — Mas é João! O crânio... aparece em toda a iconografia de Maria... nos quadros! Ela é sempre mostrada com um crânio e ninguém jamais foi capaz de me dar uma boa explicação para isso. Sempre há apenas uma vaga referência à penitência. O crânio representa o arrependimento. Mas por quê? Agora eu compreendo o motivo. Maria era pintada com o crânio porque fazia penitência por João... literalmente com o crânio de João. Sinclair meneou a cabeça de acordo. — É isso mesmo. E o livro... ela é sempre mostrada com um livro. — Pode ser apenas a escritura. — Pode ser, mas não é. Maria é mostrada com um livro porque é o seu próprio livro, a mensagem que ela deixou para que a encontrássemos. E espero que nos ofereça a compreensão do mistério do filho mais velho e seu destino, porque não sabemos o que aconteceu. Torço para que a própria Madalena esclareça os fatos.


Eles caminharam em silêncio por um momento, ao crepúsculo, no jardim, a primeira poeira de estrelas surgindo no céu. Maureen finalmente comentou: — Você disse que havia outros seguidores de João que não eram fanáticos. — É verdade. São milhões. Nós os chamamos de cristãos. Maureen lançou-lhe um olhar surpreso. Sinclair acrescentou: — Falo sério. Pense no seu país. Quantas igrejas se intitulam batistas? Esses são cristãos que aceitaram a idéia de João como um profeta. Alguns o chamam de O Precursor e consideram que foi ele quem anunciou o advento de Jesus. Na Europa, há algumas famílias da linhagem que se fundiram, misturando o sangue do Batista com o do Nazareno. A mais famosa dessas famílias foi a dinastia Medici. Eram integrados, celebrando tanto João quanto Jesus. E nosso Botticelli também era um deles. Maureen ficou surpresa. — Botticelli descendia das duas linhagens? — Isso mesmo. Quando entrarmos, dê outra olhada na Primavera de Botticelli. Na extrema esquerda, verá a figura de Hermes, o alquimista, erguendo o símbolo do caduceu. Suas mãos fazem o gesto de “Lembre-se de João”, sobre o qual Tammy lhe falou. Ele está nos dizendo, nessa alegoria à Maria Madalena e ao poder do renascimento, que devemos também reconhecer João. A alquimia é uma forma de integração e a integração não deixa margem para o fanatismo e a intolerância. Maureen observou-o atentamente, uma sincera admiração por aquele homem aflorando. Ele, que no início considerara um imenso enigma. Sinclair era um místico e um poeta, um homem que procurava as verdades espirituais. Mais do que isso, era um bom homem... afetuoso, dedicado e, obviamente, leal. Ela o subestimara, o que se tornou ainda mais evidente quando ele fez seu comentário final: — Na minha opinião, uma atitude de perdão e tolerância é a base da verdadeira fé. E nas últimas quarenta e oito horas passei a acreditar nisso mais do que nunca.


Maureen sorriu, deu-lhe o braço e voltaram pelo jardim. Juntos.

 Cidade do Vaticano, Roma 28 de junho de 2005

O cardeal DeCaro terminava um telefonema quando a porta de sua sala foi aberta abruptamente. Sempre ficava espantado com o fato de o bispo O'Connor ainda não ter compreendido como era precária sua posição em Roma. O homem não tinha a menor idéia de sua situação. DeCaro ainda não determinara se era pura ambição ou completa falta de tato o que afligia O'Connor. Talvez fossem as duas coisas. O cardeal escutou com paciência simulada e surpresa irônica, enquanto o homem falava sobre a descoberta na França. Mas depois o bispo mencionou algo que fez DeCaro se empertigar. Aquilo era informação confidencial. Ninguém naquele nível deveria saber por enquanto sobre os pergaminhos... muito menos sobre seu conteúdo. — Quem é seu informante? — perguntou o cardeal, assumindo um tom de indiferença. O'Connor remexeu-se na cadeira. Ainda não estava preparado para revelar sua fonte. — Podemos confiar nele... e confiar muito. — Lamento não poder considerar o assunto a sério se você reluta ou é incapaz de me dar mais detalhes, Magnus. Deve compreender quanta desinformação passa por aqui. Não podemos investigar tudo. O bispo Magnus O'Connor tornou a mudar de posição na cadeira, embaraçado. Não ousava revelar sua fonte, pelo menos ainda não... era o único trunfo que lhe restava. Se entregasse a fonte, não tinha a menor dúvida de que a procurariam diretamente. O que deixaria O'Connor sem poder ou envolvimento naquela situação histórica tão importante. Além disso, havia outros a que teria de se submeter, não apenas DeCaro e o Conselho do Vaticano.


— Falarei com o informante para saber se posso revelar sua identidade. O cardeal DeCaro deu de ombros, o que deixou o bispo muito irritado. A indiferença na recepção de uma notícia tão fantástica não era o que ele queria ou esperava. — Muito bem. Obrigado pela informação. Pode sair agora e voltar para suas obrigações. — Mas não quer saber o que exatamente descobriram, Sua Graça? O cardeal DeCaro fitou o clérigo irlandês por cima dos óculos de leitura. — Fontes anônimas não me interessam. Boa-noite, senhor. Que Deus o abençoe e acompanhe. DeCaro virou as costas, pegou uma pilha de papel e passou a examiná-la, como se o bispo lhe tivesse dito uma coisa corriqueira, algo como o sol nascia pela manhã e se punha ao final da tarde. Onde estava a surpresa? A preocupação? A gratidão? Fervendo de indignação, o bispo O'Connor murmurou uma resposta e deixou a sala. Não tinha mais o que fazer em Roma, pelo menos por enquanto. Iria para a França. E mostraria a todos do que era capaz.

 Château des Pommes Bleues 28 de junho de 2005

Como prometera, Maureen encontrou-se com Tammy na sala de comunicações depois do passeio pelo jardim com Sinclair. Primeiro, passou pelo escritório para ver como andava Peter, que estava absorvido na tradução do segundo livro. O primo levantou os olhos e soltou um som ininteligível, ansioso por voltar ao trabalho. Maureen compreendeu que não era um bom momento para interrompê-lo e foi procurar Tammy. Havia um clima de exultação por todo o castelo, um burburinho de


história e excitamento. Maureen especulou o quanto os criados saberiam, mas também presumiu que fossem todos leais, de absoluta confiança. Roland e Sinclair estavam reunidos para discutir as medidas de segurança até que o resto do evangelho de Maria estivesse traduzido e tomassem uma decisão sobre o que fazer depois. Ninguém ainda falara abertamente a respeito e Maureen sentia-se curiosa em relação ao que Sinclair tencionava fazer... e quando. — Entre logo! — exclamou Tammy, quando viu Maureen parada na porta. Maureen foi se sentar no sofá, ao lado de Tammy. Recostou a cabeça, com um gemido. — O que há de errado? — Nada... e tudo ao mesmo tempo. Eu só queria saber de uma coisa. Minha vida algum dia voltará a ser como antes? Tammy respondeu com uma risada gutural: — Não. Portanto é melhor você se acostumar com isso logo. — Ela

pegou a mão de Maureen e acrescentou, num tom mais

compreensivo: — Sei que a maior parte é novidade para você e que teve muito para processar em pouco tempo. Só quero que você saiba que é minha heroína, está bem? E Peter é meu herói, diga-se de passagem. — Obrigada. — Maureen suspirou. — Mas acha mesmo que o mundo está preparado para esse rompimento de seu sistema de crença mais sagrado? Eu acho que não. — Discordo — declarou Tammy, com sua convicção habitual. — Creio que o momento nunca foi melhor. Estamos no século XXI. Não queimamos mais as pessoas na fogueira por heresia. — Tem razão. Apenas esmigalhamos seus crânios. Maureen passou a mão atrás da cabeça para dar ênfase. — Aceito o argumento. Sinto muito. — Estou apenas sendo dramática. Já me sinto bem. — Maureen gesticulou para a tela da televisão. — Em que está trabalhando agora? Tammy tinha o controle remoto na mão. Apontou-o para a televisão, enquanto continuava a falar:


— Lembra que estávamos olhando para retratos de pessoas da linhagem? — Ela soltou o botão de pausa e imagens surgiram na tela. — Rei Fernando da Espanha. Lucrécia Bórgia. Maria I, da Escócia. Bonnie Prince Charlie. A imperatriz Maria Teresa, da Áustria, e sua filha mais famosa, Maria Antonieta. Sir Isaac Newton. Tammy parou de falar por um momento, enquanto surgiam na tela as imagens de vários presidentes americanos. — E é nesse ponto que chegamos aos americanos, a começar por Thomas Jefferson. E vamos avançando até os tempos modernos. Uma foto da reunião de uma grande família americana apareceu na tela. — Quem são eles?

 — A reunião da família Stewart, em Cherry Hill, New Jersey. Tirei no ano passado. Esta outra foto também. Pessoas que parecem comuns, em lugares comuns, mas são todas da linhagem. Maureen lembrou-se de uma coisa. — Alguma vez esteve em McLean, na Virgínia? Tammy ficou perplexa. — Não. Por quê? Maureen relatou as inesperadas experiências em McLean e a adorável dona de livraria que conhecera ali. — Seu nome era Rachel Martel e... Tammy interrompeu-a: — Martel? Você disse Martel? Maureen confirmou com um movimento de cabeça, ao que Tammy desatou a rir. — Não é de admirar que ela tenha visões, Reenie. Martel é um dos mais antigos nomes da linhagem. Carlos Martel foi o avô de Carlos Magno. Se você procurar naquela parte da Virgínia, aposto que vai encontrar uma grande concentração de famílias da linhagem. É bem provável que tenham pedido asilo durante o Grande Terror... foi assim


que muitas famílias nobres francesas mudaram-se para os Estados Unidos. A Pensilvânia também tem muitas. Maureen riu. — Então é por isso que há tantas visões ali. Terei de ligar para Rachel quando voltar aos Estados Unidos e informá-la. As duas tornaram a concentrar sua atenção na tela, onde apareceu outra foto de reunião de família. Tammy explicou: — Essa é a reunião da família St. Clair, em Baton Rouge, no verão passado. A Louisiana tem a maior concentração de famílias da linhagem por causa do legado francês ali. Você tem um conhecimento pessoal disso. Está vendo esse homem aqui? Tammy clicou no controle remoto, parando na imagem de um jovem músico de rua, os cabelos compridos, tocando um saxofone no Quarteirão Francês. Soltou o botão de pausa para permitir que a bela música do sax se espalhasse pela sala, antes de apertar de novo. — Seu nome é James St. Clair. Desabrigado. Sobrevive à custa de expedientes ilícitos. Mas toca um sax que deixa a gente com vontade de chorar. Sentei-me na esquina e conversei com ele durante três horas. Um homem bonito e inteligente. — Todas essas pessoas sabem que são da linhagem? — Claro que não. Essa é a beleza de tudo e o ponto final em meu filme. Em dois mil anos de história e evolução, há provavelmente cerca de um milhão de pessoas no mundo com o sangue de Jesus Cristo nas veias. Talvez mais. E não há nada de elitista ou secreto nisso. Pode ser o cara que põe suas compras em sacos no supermercado ou o caixa do banco. Ou o desabrigado que parte seu coração cada vez que pega um saxofone.

 Peter

trabalhava

incessantemente,

mas

seu

perfeccionismo

prevaleceu e mais dois dias passaram antes que estivesse pronto para partilhar a tradução do último pergaminho. O Livro do Tempo das Trevas.


Maureen adormecera no sofá na tarde do segundo dia, satisfeita por se encontrar perto do evangelho de Maria, enquanto era traduzido. Foi despertada pelo som dos soluços do primo. Levantou os olhos e viu Peter, com a cabeça nas mãos, entregandose à exaustão e à emoção. Maureen não foi capaz de determinar, no entanto, qual era a emoção. Seria de pesar ou alegria? Exultação ou devastação? Maureen olhou para Sinclair, sentado no outro lado da mesa, na frente de Peter. Ele sacudiu a cabeça para Maureen, também aturdido, sem entender o que desencadeara aquela reação tão intensa de Peter. Ela aproximou-se do primo e pôs a mão em seu ombro, gentilmente. — O que houve, Pete? Peter removeu as lágrimas dos olhos e fitou-a. — Prefiro deixar que ela conte — sussurrou ele, apontando para a tradução à sua frente. — Pode chamar os outros, por favor?

 Tammy e Roland foram imediatamente para o escritório de Sinclair. Fora fácil encontrá-los, pois agora os dois estavam sempre juntos, abertamente.

E

também

não

queriam

ficar

muito

longe

dos

pergaminhos, com medo de perder alguma coisa. Ambos notaram a expressão febril de Peter quando entraram na sala. Roland chamou uma criada e pediu chá para todos. Depois que ela se retirou e a porta foi fechada, Peter começou a falar. — Ela dá o nome de O Livro do Tempo das Trevas. Relata a última semana na vida de Cristo. Sinclair já se preparava para fazer uma pergunta quando Peter o deteve: — Ela conta a história muito melhor do que eu. E ele passou a ler.


... E importante saber quem Judas Iscariotes foi para compreender sua relação comigo, com Easa, e com os ensinamentos d'O Caminho. Como Simão, ele era um zelote, fervoroso em seu desejo de expulsar os romanos de nossas terras. Já matara por essa causa e se sentia mais do que disposto a matar de novo. Até que Simão levou-o a Easa. Judas adotou O Caminho, mas sua conversão não foi rápida nem fácil. Judas era de uma família de fariseus e tinha uma perspectiva estrita da lei. Seguira João quando era jovem e era desconfiado por tudo o que ouvira a meu respeito. Com o passar do tempo, acabamos nos tornando amigos, irmão e irmã n'0 Caminho... por causa de Easa, que era o grande unificador. E, no entanto, havia ocasiões em que as antigas convicções de Judas afloravam, o que causava tensão entre os seguidores. Era um líder natural e apregoava sua posição de autoridade. Easa admirava isso, o que não acontecia com outros seguidores. Mas eu entendia Judas. Como eu, seu destino era ser incompreendido. Judas achava que deveríamos aproveitar todas as oportunidades para expandir o número de seguidores e insistia que poderíamos conseguir isso destinando donativos aos pobres. Easa designou-o tesoureiro. Era sua responsabilidade levantar dinheiro para distribuição entre os necessitados. Era um homem honesto e consciencioso em suas obrigações, mas também um homem que não fazia concessões. A maior discussão ocorreu na noite em que ungi Easa, em Betânia, na casa de Simão. Peguei um vaso de alabastro lacrado, que nos fora enviado de Alexandria. Estava cheio de uma mistura dispendiosa e aromática, nardo e mirra. Rompi o lacre e ungi a cabeça e os pés de Easa com o bálsamo, proclamando-o nosso Messias, de acordo com as tradições de nosso povo e com o Cântico dos Cânticos, que nos foi dado por Salomão. Foi um momento espiritual para todos nós, repleto de esperança e simbolismo. Mas Judas não aprovou. Ficou furioso e me censurou na frente de todos. Ele disse: “Esse bálsamo era valioso. Lacrado, teria alcançado um bom preço, um dinheiro que poderíamos acrescentar às nossas coletas para os pobres.”


Não precisei defender minhas ações, porque Easa fez isso por mim. Censurou Judas, dizendo: “Vocês sempre terão os pobres, mas nem sempre me terão. E deixem-me dizer mais uma coisa. Onde quer que os feitos de minha vida sejam pregados, através do mundo, o nome dessa mulher será pronunciado junto com o meu. E que isso seja um memorial para ela e para as boas obras que realizou por nós.” Foi um momento que demonstrou que Judas não compreendia plenamente os rituais d'O Caminho. Deixou alguns dos eleitos perturbados e houve quem nunca mais sentisse total confiança em Judas depois disso. Como eu disse, não guardo ressentimento contra ele, por esse ou qualquer outro ato. Judas não podia superar quem era em seu coração e sempre foi autêntico nesse ponto. Ainda lamento sua perda. O EVANGELHO DE ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO

DO

TEMPO DAS TREVAS


CAPITULO DEZENOVE

Jerusalém 33 AD

Fora um dia memorável para os nazarenos. A entrada de Easa em Jerusalém recebera o apoio popular que haviam previsto. Na verdade, até ultrapassara as expectativas. Quando os seguidores foram chamados para aprender a Oração do Caminho — Easa chamava-a agora de Oração do Senhor ou Pai-Nosso —, a gruta no monte das Oliveiras provou ser muito pequena. Os seguidores que acompanhavam a pregação de Easa espalharam-se pelas encostas, esperando sua vez de chegar perto do ungido, seu Messias, para que ele pudesse lhes ensinar também a oração. Easa permaneceu ali até ter certeza de que cada homem, mulher e criança conhecia e compreendia a oração, gravada para sempre em seu coração. Na descida do monte, a caminho da cidade, os nazarenos foram parados por uma dupla de centuriões romanos. Eram guardas na entrada leste da cidade, o portão mais próximo da residência de Pilatos, na Fortaleza Antonia. Interrogaram o grupo num aramaico precário, querendo saber para onde ia. Easa adiantou-se e surpreendeuos, ao falar num grego perfeito. Apontou para um dos centuriões, com a mão toda enfaixada, e perguntou: — O que aconteceu? O centurião não esperava por uma pergunta, mas não hesitou em responder: — Caí nas rochas quando estava na vigia noturna.


— Vinho demais — gracejou seu parceiro, um homem que parecia detestável, com uma cicatriz na face esquerda. O centurião machucado lançou-lhe um olhar irritado: — Não dêem atenção ao que Longinus diz. Perdi o equilíbrio. Easa limitou-se a comentar: — É doloroso para você. O centurião balançou a cabeça para confirmar que doía muito. — Devo ter quebrado, mas ainda não tive tempo para procurar alguém que me cure. O serviço dobrou com a multidão que veio a Jerusalém para a Páscoa. — Posso ver? — perguntou Easa. O homem estendeu a mão enfaixada, que pendia do pulso num ângulo insólito. Easa pôs uma das mãos por baixo e a outra por cima, gentilmente. Fechou os olhos, fez uma oração silenciosa, enquanto apertava a mão do centurião, com todo o cuidado, mas firme. Os olhos do

romano

ferido

ficaram

arregalados,

enquanto

os

nazarenos

observavam a cura que estava ocorrendo. Até mesmo o centurião com a cicatriz no rosto parecia extasiado. Easa abriu os olhos e fitou o romano: — Você deve se sentir melhor agora. Quando ele soltou a mão, ficou patente para todos que estava agora curada. O romano gaguejou, incapaz de falar. Removeu as ataduras e flexionou os dedos. Os olhos azuis ficaram turvos com as lágrimas não derramadas, enquanto tornava a fitar Easa. Não ousou falar, com medo de perder sua posição entre os outros soldados. Easa percebeu isso e salvou-o de qualquer embaraço. — O Reino de Deus é seu, se quiser alcançá-lo. Dê a boa nova aos outros. E ele seguiu em seu caminho, em torno das muralhas da cidade, acompanhado por Maria, as crianças e os eleitos.

 Maria sentia-se exausta, mas não se queixava. O peso da criança em seu ventre retardava-lhe os movimentos, mas experimentava tanta


alegria que se recusava a fazer qualquer queixa. Estavam na casa de José, tio de Easa, um homem rico e influente, com terras nos arredores da cidade. Felizmente o pequeno João e Tamar dormiam. O dia também deixara-os esgotados. Maria tinha tempo de refletir sobre a capacidade de curar de Easa, enquanto sentava à sombra fresca do jardim de José, sozinha. Easa, o tio e alguns seguidores planejavam visitar o Templo no dia seguinte. Maria optara por deixá-los conversando a respeito, enquanto levava as crianças para a cama e tirava um momento para descanso e oração. As outras Marias e as muitas mulheres que seguiam Easa haviam se reunido naquela noite para uma cerimônia de oração. Mas Maria Madalena preferira não comparecer. A solidão era um privilégio cada vez mais raro e tinha de aproveitar sempre que podia. Mas ao recordar a cura do soldado romano, ela se descobriu apreensiva e desconcertada, sem entender o motivo. Não sabia por que a deixava nervosa. O centurião era bastante decente para um soldado romano, quase simpático. E ela também pudera sentir a aflição do homem, como Easa, quando ele ficara quase às lágrimas pelo milagre da cura. O outro soldado era muito diferente, um homem rude e agressivo, como todos esperavam dos mercenários que haviam derramado tanto sangue judeu. Aquele homem com a cicatriz no rosto, chamado Longinus, fora surpreendido pela cura, mas não seria afetado positivamente. Era muito calejado pelas batalhas para permitir que isso acontecesse. O homem de olhos azuis, entretanto, não ficara apenas curado, mas também mudara. Ao recordar a ocasião, Maria sentiu uma carga elétrica percorrer-lhe o corpo, a estranha sensação à margem da profecia que sempre a advertia quando estava prestes a vislumbrar o futuro. Ela fechou os olhos e tentou captar a imagem, mas nada encontrou. Sentiase muito cansada ou talvez simplesmente não estivesse fadada a ver aquilo. O que poderia ser? A reputação de Easa como grande curador espalhara-se por Israel durante os últimos três anos. Ele era famoso e


respeitado por isso entre o povo. E, ultimamente, parecia não exigir qualquer esforço. O poder curativo de Deus manifestava-se por intermédio de Easa com tanta facilidade que era uma alegria contemplar. Easa não curara o próprio irmão de Maria depois que os médicos de Betânia declararam que ele estava morto? No ano anterior, Maria e Easa haviam voltado às pressas da Galiléia, ao receberem o aviso de Marta de que Lázaro estava muito doente. A viagem, contudo, demorara mais tempo do que o previsto. Ao chegarem, Lázaro já exalava o mau cheiro da morte. Era tarde demais, todos diziam. Os poderes de cura de Easa eram espantosos, mas ele nunca levantara ninguém dos mortos. Era pedir demais a qualquer homem, Messias ou não. Mas Easa entrara com Maria na casa de Marta e dissera às duas que mantivessem sua fé, enquanto oravam com ele. Depois, entrara sozinho no quarto de Lázaro e começara a orar sobre o morto. Easa saíra do quarto e fitara os rostos pálidos de Maria e Marta. Sorrira tranqüilizador para as duas, antes de voltar ao quarto. — Lázaro, meu querido irmão, levante-se da cama e cumprimente sua esposa e sua irmã, que oraram com tanto fervor para você voltar para nós. Marta e Maria observaram atônitas Lázaro passar pela porta. Estava pálido e fraco, mas vivo. Houve uma celebração por toda a Betânia quando se espalhou a notícia de que Lázaro ressuscitara dos mortos. As fileiras dos nazarenos aumentavam à medida que as boas obras de Easa se tornavam lendárias por toda a terra. Ele continuara em seu caminho de cura, parando no rio Jordão, perto de Jericó, para batizar novos seguidores, da maneira como João ensinara. As multidões reunidas para batismo eram imensas. Com isso, os nazarenos permaneceram à margem do rio por mais tempo do que tencionavam. O fato de Easa ter assumido o manto de João era popular entre muitos moderados, que oravam para que ele fosse mesmo o Messias. O próprio Herodes Antipas, o tetrarca da Galiléia, proclamara que via em Easa o espírito do Batista redivivo. Mas nem todos estavam satisfeitos


com esses acontecimentos. O apoio de Herodes a Easa não foi bem recebido pelos seguidores mais devotados de João nem pelos ascetas essênios mais radicais. Condenaram Easa por usurpar a posição de João. A ira mais intensa, contudo, não era contra o nazareno, mas sim contra a mulher com quem ele se casara. No dia seguinte, no rio, Maria Madalena caíra no chão de repente, as mãos comprimindo a barriga. Começara a passar mal e a vomitar violentamente, enquanto os seguidores se reuniam ao seu redor. Easa correra para o seu lado assim que soube que estava doente. A Grande Maria estava presente na ocasião e cuidara de Maria Madalena. Examinara a nora com todo o cuidado, avaliando seus sintomas. Virara-se para o filho e dissera, solene: — Já vi isso acontecer antes. Não é uma doença natural. Easa balançara a cabeça compreendendo: — Veneno. A Grande Maria confirmara a avaliação do filho e acrescentara: — E não é um veneno qualquer. Reparou como as pernas ficaram paralisadas? Ela não pode movimentar a parte inferior do corpo e tende a expelir as entranhas com o vômito. É um veneno oriental conhecido como Veneno dos Sete Demônios. Tem esse nome por causa dos sete ingredientes mortais que contém. Mata, de uma forma lenta e dolorosa. Não há antídoto conhecido. Terá de trabalhar com Deus para salvar sua esposa, meu filho. A Grande Maria esvaziara a área ao redor, a fim de criar a paz e a privacidade necessárias para Easa trabalhar na cura da esposa. Easa segurara as mãos de Maria e rezara, até sentir que o veneno evaporava do corpo e que a cor da saúde voltava. Enquanto Easa desempenhava a obra de Deus, seus discípulos se empenharam em descobrir quem envenenara Maria Madalena. O culpado nunca foi descoberto. Deduziram que um fanático seguidor de João chegara ao Jordão disfarçado em convertido e dera o veneno para Maria, sempre confiante. Desse dia em diante, Maria Madalena tomara o cuidado de não beber ou comer em público, a menos


que soubesse exatamente de onde vinha a comida. E passou o resto de sua vida memorável sob ataque daqueles que a desprezavam ou invejavam. A cura de Maria Madalena do Veneno dos Sete Demônios, efetuada por Easa, espalhou-se para se tornar uma das grandes lendas do ministério do nazareno. Como tantas coisas na história de Maria Madalena, esse evento também seria distorcido e usado contra ela.

 As recordações de Maria foram interrompidas por um grito no pátio. Era Judas e procurava desesperado por Easa. Maria foi ao seu encontro. — O que aconteceu? — Minha sobrinha, a filha de Jairo. — Judas ofegava. Correra para chamar Easa. — Talvez seja tarde demais, mas preciso de sua ajuda. Onde ele está? Maria levou-o ao local na casa de José em que os homens estavam reunidos. Easa percebeu a agitação no rosto de Judas. Levantou-se no mesmo instante para cumprimentá-lo. Judas explicou que a sobrinha fora acometida por uma febre que vinha afligindo as crianças de Jerusalém e arredores. Muitas haviam morrido. Quando Judas soubera e procurara Jairo, os médicos já diziam que era tarde demais. Por causa de sua posição no Templo e acesso a Pôncio Pilatos, Jairo podia contar com os melhores médicos. Judas sabia que a menina provavelmente já deveria ter morrido, àquela altura, se os médicos haviam desistido de salvá-la. Mesmo assim, tinha de tentar. Judas tinha mais ternura em seu coração do que permitia que os outros vissem. E como um homem que rejeitara o curso da vida familiar para servir como um revolucionário, ele passara a adorar as sobrinhas e sobrinhos. Ismédia, de doze anos, a criança que estava doente, era sua predileta. Easa percebeu o medo e a angústia de Judas pela possibilidade de perder a sobrinha. Olhou para Maria Madalena: — Pode viajar esta noite?


Ela concordou com a cabeça. Claro que iria. Haveria uma mãe desesperada naquela casa. Maria teria de confortá-la, por todos os meios possíveis. — Então vamos partir agora — declarou Easa. Ele nunca hesitava, como Maria já sabia. Não importava qual fosse a hora, não importava quão cansado pudesse estar se sentindo. Nunca se recusava a uma pessoa que precisava de sua ajuda. Nunca mesmo. Judas seguiu atrás deles, lançando um olhar de gratidão a Maria. O que a deixou animada. Talvez Judas se aprofunde n'O Caminho, no fundo de seu coração, depois desta noite, pensou ela com uma grande esperança em seu espírito.

 A posição de Jairo na comunidade era excepcional. Era um fariseu e um líder no Templo, mas também o enviado especial junto ao procurador. Nessa função, reunia-se com Pôncio Pilatos todas as semanas, para tratar dos problemas de Roma e do relacionamento pacífico com o Templo e os judeus de Jerusalém. Jairo desenvolvera um vínculo especial com Pilatos. Os dois conversavam sobre política diante de um tabuleiro de xadrez, durante horas a fio. Raquel, a esposa de Jairo, acompanhava-o nessas visitas à Fortaleza Antonia. Passava horas com a esposa de Pilatos, Cláudia Prócula. A amizade entre as duas era cada vez maior, apesar das óbvias diferenças. Cláudia era uma romana de imensa envergadura. Não apenas era a esposa do procurador da Palestina, mas também a neta de um césar e a filha adotiva predileta de outro. Em contraste, Raquel era uma judia de uma das famílias mais nobres de Israel. Mas essas duas mulheres de origens tão diversas encontravam-se para partilhar o que tinham em comum, como esposas de homens poderosos e, acima de tudo, como mães. A filha de Raquel, Ismédia, muitas vezes acompanhava a mãe nessas visitas. A menina adorava brincar nas salas elegantes. À medida que foi se tornando mais velha, Cláudia permitiu-lhe o acesso a seus cosméticos e loções. Aos doze anos, Ismédia estava a caminho de se tornar


Ismédia. Cláudia sentia um afeto especial por Ismédia, que costumava brincar com seu próprio filho, Pilo. Com sete anos de idade, o filho de Pôncio Pilatos e Cláudia Prócula era um mistério para a maioria das pessoas em Jerusalém. Eram bem poucos os que sequer sabiam que Pilatos tinha um filho. Pilo tinha uma deformidade na perna esquerda que limitava seus movimentos, deixando-o confinado na fortaleza. Pilatos não revelava a existência do filho para o mundo porque sabia que o menino jamais cresceria para se tornar um soldado, nunca seguiria os passos do pai. Uma criança nascida em desprazer tão óbvio dos deuses era um péssimo presságio para um romano. Cláudia, porém, via um lado de Pilatos que os outros não conheciam. Sabia como ele chorava pelo menino na calada da noite, quando julgava que ninguém podia vê-lo ou ouvi-lo. Pilatos gastara metade de sua fortuna em médicos caríssimos da Grécia, em curandeiros de muitos outros lugares. Cada uma dessas sessões terminara com Pilo se desmanchando em lágrimas de dor e frustração. Cláudia abraçava o menino enquanto ele soluçava até dormir. O pai saía furioso da fortaleza e permanecia por longas horas à distância de ambos cada vez que isso acontecia. A jovem Ismédia tinha infinita paciência com o menino. Sentava-se com ele contando histórias e cantando as mais diversas canções. Cláudia sorria para si mesma ao observá-los pelo canto dos olhos, enquanto trabalhava em bordados com Raquel. O que Pilatos diria se ouvisse o filho cantando em hebraico? Mas Pilatos quase nunca entrava nos aposentos da esposa e por isso ela sabia que nunca teria de se preocupar com essa possibilidade. Foi numa dessas visitas que Cláudia Prócula ouviu falar pela primeira vez de Easa, o nazareno. Raquel mostrava-se fascinada pelo homem e seus feitos. Regalava Cláudia com as histórias das curas e milagres de Easa. O marido de Raquel, Jairo, não permitia que ela falasse do nazareno, que era considerado um adversário de Jônatas Anás e Caifás. Esses homens consideravam Easa um renegado, alguém


desrespeitoso com a autoridade do Templo. Jairo não podia se permitir qualquer relação com esse homem.

E, no entanto, o primo de Jairo, Judas, era agora um dos seguidores eleitos de Easa. Isso era às vezes embaraçoso para Jairo, mas ele conseguia conciliar muito bem a situação. E Raquel exultava sempre que ouvia mais relatos sobre os milagres do nazareno. — Você deveria levar Pilo para ver esse Easa — sugerira Raquel um dia. Os olhos de Cláudia tornaram-se turvos de pesar. — Como poderia? Meu marido nunca nos permitiria sermos vistos na companhia de um pregador nazareno itinerante. Seria inadmissível. Raquel não tornara a mencionar o assunto, por deferência à amiga. Cláudia, contudo, nunca parara de pensar a respeito. Ismédia contraíra a febre terrível que a fazia definhar. Poucos dias depois, Pilo também ficara doente.

 Já havia uma multidão enlutada em torno da casa de Jairo. Famílias de agregados do Templo e muitos cidadãos de Jerusalém, beneficiados pela generosidade de Jairo e Raquel, compareceram para expressar seu apoio. Ismédia, a filha amada, havia morrido. Judas abriu caminho através da multidão, avançando apressado para a casa do primo. Easa e Maria seguiam logo atrás. Easa segurava firme a mão de Maria, a fim de não perder a esposa tão pequena no meio da multidão. André e Pedro vinham em seguida, como proteção extra. Era óbvio para os nazarenos que a criança sucumbira à febre, mas isso não os desanimou. Entraram na casa.

 Na Fortaleza Antonia, Pôncio Pilatos e Cláudia Prócula ouviram a sentença de morte do filho único. Os médicos haviam desistido. Não


havia mais nada que pudessem fazer pela criança e, no final das contas, ele já não nascera fraco? Pôncio Pilatos deixou o quarto sem dizer nada e passou o resto da noite trancado, sozinho, lendo filósofos estóicos. Encontrara um meio de aceitar a perda, ao melhor estilo romano. Cláudia ficou sozinha com Pilo, que definhava cada vez mais. Mantivera-o na cama e chorava baixinho porque seu filho tão doce e corajoso estava morrendo. Foi assim que o escravo grego encontrou sua ama ao entrar no aposento. O escravo adiantou-se — Minha ama, trago notícias da casa de Raquel e Jairo. São de grande tristeza, mas talvez haja também uma esperança. A adorável Ismédia acaba de morrer. — Não! Cláudia ficou angustiada. Era demais para suportar. Que justiça podia haver quando uma jovem tão adorável quanto a filha de Rachel deixava este mundo na mesma noite em que o seu amado filho fora desenganado? — Espere, minha ama, pois há mais. Raquel me pediu para avisar que Easa, o curador nazareno, estará em sua casa esta noite. Mesmo que seja tarde demais para Ismédia, pode não ser para Pilo. Cláudia tinha pouco tempo para considerar as conseqüências. Era evidente que Pilo se encontrava à beira da morte. — Vamos agasalhá-lo e levá-lo para casa de Raquel. Providencie o transporte. E depressa, por favor. O grego, que amava muito o menino, providenciou tudo. Carregou o menino até o veículo, acompanhado por Cláudia. Ela não deixou qualquer aviso para Pilatos. Achava que o marido nem notaria sua ausência. Além do mais, era perfeitamente capaz de tomar sozinha uma decisão tão importante. Afinal, não era a neta de um césar?

 Pilo resistiu. Ainda respirava quando o grego e a mãe o levaram.


Cláudia tinha o rosto coberto por véus, pois não queria parecer ostensivamente imperial ao chegar à casa de uma família judia enlutada. O escravo grego conduziu o veículo tão depressa quanto podia através da multidão, até que não dava mais para continuar. Então saltou, ajudou sua ama a descer e seguiram pelo resto do caminho a pé. Não foi fácil. Espalhara-se a notícia de que o milagroso Messias da Galiléia estava a caminho e havia inúmeros curiosos ocupando as ruas próximas, além dos fiéis. Mas o pequeno grupo que saíra da Fortaleza Antonia era determinado e conseguiu alcançar a porta da casa. — Gostaríamos de falar com Raquel, a esposa de Jairo — disse o escravo grego. — Por favor, avise que Cláudia, sua amiga querida, está aqui. A porta foi aberta, mas eles não puderam passar no mesmo instante, pois Judas montava guarda no lado de dentro. Disse ao guarda no lado de fora que nenhum observador poderia entrar até que Easa fosse embora. Judas não queria testemunhas, para a proteção de Easa. Jairo era um fariseu e havia outros membros do Templo rondando a casa, esperando para ver o que aconteceria... homens que não eram tão favoráveis à missão do nazareno. Se Easa não conseguisse ressuscitar Ismédia, seria condenado como um impostor. Se fosse bem-sucedido em seus esforços, poderiam alegar feitiçaria ou algum tipo de embuste. A acusação seria terrível não apenas para Easa, mas também para Jairo. Afinal, se fosse feita por um fariseu que testemunhara a cena, poderia acarretar a pena de morte. O curso de ação mais seguro era manter toda e qualquer testemunha fora da casa, onde só ficariam as pessoas mais próximas da família. Cláudia Prócula ouviu apenas a instrução de Judas de que não eram permitidos visitantes. Mas quando a porta foi aberta, ela teve um vislumbre da atividade no interior da casa. Viu Ismédia no leito de morte, branca e sem vida, sua pira fúnebre ao lado, através da densa cortina de incenso. Raquel se sentava ao seu lado, segurando a mão da filha, a cabeça baixa, em rendição à dor angustiante. Uma mulher com o véu vermelho de sacerdotisa nazarena estava de pé ao lado de Raquel, uma


torre de força e compaixão no cenário trágico. Jairo, um homem que Cláudia conhecia como orgulhoso e forte, estava arriado no chão, inerte, aos pés de Easa, o Nazareno. E suplicava a Easa que curasse sua filha. Mais tarde, depois que tudo naquela noite assentara, Cláudia falou sobre sua primeira visão de Easa: — Nunca me senti assim antes. Apenas vê-lo me proporcionou um sentimento de calma, como se estivesse na presença de amor e luz. Mesmo naquele breve instante, compreendi o que ele era... que era mais do que humano, que estávamos todos abençoados pela eternidade por nos encontrarmos em sua presença, mesmo que apenas por alguns segundos. A porta não foi logo fechada, como Cláudia esperava. Judas amparava o primo Jairo, dominado pelo desespero, enquanto o guarda do lado de fora se mantinha fascinado demais pelo que acontecia lá dentro para lembrar que devia fechá-la. Cláudia observou quando Easa deslocou-se para o lado da cama. Olhou para a mulher de vermelho, que Cláudia saberia mais tarde que era sua esposa, Maria Madalena, e pôs as mãos nos ombros de Raquel. Sussurrou em seu ouvido alguma coisa que ninguém mais pôde ouvir, mas Raquel ergueu a cabeça pela primeira vez. Depois, Easa inclinou-se para a criança e beijou sua testa. Pegou a mão de Ismédia entre as suas e fechou os olhos para orar. Depois de um momento longo e silencioso, em que ninguém ousava sequer respirar, Easa abriu os olhos e disse: — Levante, criança. Cláudia não recordou depois tudo o que aconteceu em seguida. Foi como um sonho estranho, que nunca é lembrado duas vezes da mesma maneira. A criança mexeu-se lentamente, a princípio, depois sentou-se na cama e chamou a mãe. Raquel e Jairo gritaram, ao se adiantar para abraçar a filha. Em determinado momento, Cláudia caíra de joelhos, enquanto a multidão avançava. Houve aclamações entre os seguidores do nazareno e amigos da família, celebrando o milagre da ressurreição de Ismédia. Mas também houve vaias e assovios, com fariseus e adversários do nazareno gritando que era uma blasfêmia, alegando ser tudo aquilo


magia. Cláudia entrou em pânico. Com o avanço da multidão, ela e o grego foram afastados da porta. Pilo estava desesperadamente doente e ela sabia que o filho poderia morrer ali mesmo, na frente da casa de Jairo. Fora arriscado, até mesmo cruel, trazer o menino para aquele lugar, quando ele poderia exalar o último suspiro no conforto de sua cama. E, agora, tudo parecia inútil. O nazareno estava indo embora, cercado por seus seguidores, e Cláudia não conseguiria alcançá-lo. Toda a esperança já se esvaía de Cláudia quando viu Maria Madalena parar no meio da multidão. Alguma coisa aconteceu entre as duas nesse instante, a comunicação mística entre mães em momentos difíceis. Seus olhos se encontraram por alguns segundos. Depois, Maria olhou para a criança nos braços do escravo grego. Sem dizer nada, Maria pôs a mão no ombro de Easa. Ele parou, virando-se para ver o que Maria queria. Fitou Cláudia e sorriu para ela, uma expressão de pura esperança e luz. Cláudia nunca foi capaz de dizer quanto tempo isso durou, já que sua atenção foi logo desviada pelos gritos do filho. — Mamãe! Mamãe! — Pilo debatia-se nos braços do grego. — Ponhame no chão! Cláudia podia ver que a cor voltava ao rosto de Pilo. Ele parecia saudável e forte outra vez. Em menos de um instante, o filho agonizante de Pilatos e Cláudia recuperara por completo a saúde. E quando o menino ficou de pé no chão, tornou-se patente para Cláudia e o grego que Pilo não tinha mais a perna deformada. Ele se encaminhou para a mãe, em passos firmes. — Olhe só, mamãe! Posso andar! Cláudia abraçou seu lindo filho, enquanto observava os vultos do curador nazareno e da pequena esposa, se afastando e desaparecendo no meio da multidão delirante de Jerusalém. — Obrigada — sussurrou ela. E por mais estranho que pudesse parecer, embora os dois estivessem agora tão longe que não podia mais vê-los, Cláudia teve certeza de que a ouviram.


 A cura de Pilo foi uma espada de dois gumes para Pôncio Pilatos. Sentia-se maravilhado porque o filho estava completamente curado. Era agora saudável de uma maneira que ele e a mulher jamais haviam julgado que fosse possível. Era agora um herdeiro apropriado de um legado romano, um menino que poderia se tornar um homem e um soldado. Mas o método da cura era perturbador. Pior ainda, Cláudia e Pilo mostravam-se agora obcecados pelo nazareno, que se tornava um problema cada vez maior para as autoridades romanas e os sacerdotes do Templo. Pilatos reunira-se com Caifás e Anás, a pedido deles, no início do dia, para discutir os acontecimentos no portão leste da cidade. O nazareno chegara montado num burro, do modo previsto por um dos profetas judeus. Isso desagradara os sacerdotes, que achavam que a atitude era uma declaração de proporções messiânicas. Embora as brigas religiosas dos judeus não fossem um problema imediato para Pilatos, corria o rumor de que aquele nazareno vinha se intitulando Rei dos Judeus, o que era considerado traição contra o césar. A medida que a Páscoa se aproximava, Pilatos sentia a pressão para agir contra Easa, se ele efetuasse mais algum ato controvertido em Jerusalém. Para complicar a situação, Herodes, o tetrarca da Galiléia, manifestara-se contra Easa, numa mensagem particular que mandara para Pilatos: “Tenho informações de que esse homem quer se tornar rei de todos os judeus. Ele se tornou perigoso para mim, para você e para Roma.” Esses eram os problemas logísticos para Pilatos. Suas preocupações filosóficas eram muito diferentes. Que força aquele nazareno controlava ou canalizava que lhe permitia fazer coisas como ressuscitar uma criança? Se não fosse por Pilo, Pilatos teria considerado que os milagres de Easa não passavam de embuste e aceitaria as acusações de blasfêmia feitas pelos fariseus. Mas Pilatos sabia melhor do que ninguém que a doença e a deformidade


de Pilo eram muito reais. Ou pelo menos haviam sido. Porque agora não existiam mais. Havia alguma coisa que tinha de ser explicada. A razão romana exigia uma resposta, uma compreensão do que ocorrera. E Pôncio Pilatos sentia-se muito frustrado porque não conseguia encontrar nada. Sua esposa, entretanto, não precisava ser convencida de coisa alguma. Testemunhara dois grandes milagres, exultara na presença e glória do nazareno e seu Deus. Ficara ao mesmo tempo insatisfeita e desapontada quando o marido recusara-se a permitir que comparecesse a qualquer das pregações de Easa em Jerusalém. Gostaria de levar o filho, permitir que Pilo conhecesse aquele espantoso nazareno, que era mais do que um homem. Mas Pilatos proibira, veementemente. O procurador romano era um homem complexo, cheio de dúvidas, medo e ambição. A tragédia de Pôncio Pilatos viria quando todas essas coisas superassem o que outrora tivera de amor, força ou gratidão.

 Já era bem tarde quando os nazarenos chegaram à casa de José. Easa, como sempre, estava bem desperto e pronto para mais uma reunião com seus seguidores, antes de se retirar. Precisavam avaliar as opções em Jerusalém no dia seguinte. Maria permaneceu na sala para ouvir a conversa, a fim de obter uma indicação do que o dia seguinte lhes reservaria. O incidente na casa de Jairo deixava claro que o povo de Jerusalém estava dividido na questão de Easa como o Messias. Havia mais partidários do que detratores. Todos, porém, desconfiavam de que os detratores eram homens poderosos, ligados ao Templo. Judas falou para os homens reunidos. Parecia esgotado e exausto, mas a exultação do que testemunhara no leito de morte de Ismédia mantinha-o desperto. — Jairo me chamou de lado quando estávamos de partida. Sentese mais propenso a nos apoiar, agora que constatou que Easa é o verdadeiro Messias. Ele advertiu que os conselhos de fariseus e saduceus ficaram perturbados pelas multidões de partidários nazarenos que


entraram na cidade. Somos mais fortes em número do que eles jamais imaginaram. Sentem medo de nós e podem fazer alguma coisa, se acharem que representamos uma ameaça, para eles ou para a paz do Templo durante a Páscoa. Pedro cuspiu no chão, indignado: — Todos nós sabemos qual é o motivo. A Páscoa é a época mais lucrativa do ano no Templo, a ocasião em que se fazem mais sacrifícios, em que entra mais dinheiro. — O tempo da colheita para os mercadores e agiotas — acrescentou seu irmão, André. — E, entre todos, os que mais lucram são Jônatas Anás e seu genro,

Caifás

concordou

Judas.

Não

será

surpresa

se

constatarmos que os dois se encontram à frente da campanha para nos desacreditar. Precisamos tomar todo o cuidado ou eles vão pressionar Pilatos a ordenar a prisão de Easa. Easa ergueu a mão quando os discípulos começaram a falar ao mesmo tempo, em sua agitação. — Paz, meus irmãos. Iremos ao Templo amanhã e mostraremos a nossos irmãos Anás e Caifás que não temos a intenção de desafiálos. Podemos coexistir pacificamente e não precisamos excluir uns aos outros. Participaremos como celebrantes na semana sagrada, junto com nossos irmãos nazarenos. Eles não podem nos negar a admissão e talvez possamos decidir uma trégua. Judas hesitava. — Não creio que consiga arrancar qualquer concessão de Anás. Ele nos despreza e a tudo que ensinamos. A última coisa que Anás e Caifás querem neste momento é que as pessoas acreditem que não precisam do Templo para alcançar Deus. Maria levantou-se de seu lugar no chão e sorriu afetuosa para Easa, no outro lado da sala. Seus olhos se encontraram e ele respondeu com o mesmo sorriso terno. Maria virou-se para sair pela porta dos fundos. Sentia-se cansada demais para tratar de estratégia naquele momento. Além do mais, se Easa decidira fazer uma demonstração no


Templo, no dia seguinte, ela tinha um forte pressentimento de que todos precisariam descansar um pouco. Maria partilhava um quarto com as crianças, como sempre fazia quando viajavam. Achava que isso lhes proporcionava uma sensação de segurança, um elemento necessário para crianças que muitas vezes levavam uma existência nômade. Os dois eram angelicais no sono. João-José com suas pestanas escuras sobre as faces azeitonadas e Sara-Tamar, aninhada numa nuvem de cabelos castanho-avermelhados lustrosos. A mãe resistiu ao impulso de beijá-los. Tamar em particular tinha um sono leve e Maria não queria acordá-la. As crianças precisariam descansar se quisessem acompanhá-la a Jerusalém no dia seguinte; achavam a cidade excitante e pitoresca. Enquanto permanecessem sãs e salvas em Jerusalém, ela permitiria a visita. Mas se a situação se tornasse difícil para Easa, teria de tirar as crianças da cidade o mais depressa possível. Se o pior acontecesse, nem mesmo as terras de José seriam seguras. Teria de levá-las para Betânia, para a segurança da casa de Marta e Lázaro. Maria finalmente acomodou-se em sua cama e fechou os olhos para o dia movimentado. Mas o sono não veio com facilidade, embora ela desejasse e precisasse muito. Havia muitos pensamentos e imagens em sua cabeça. Em sua imaginação, viu a mulher de véu, a que trazia uma criança, na frente da casa de Jairo. Maria compreendera duas coisas no mesmo instante em que olhou para ela. Primeiro, que não era uma judia nem uma plebéia. Havia algo em sua atitude e na qualidade do véu que não correspondia a qualquer tentativa de se fundir com as pessoas comuns. E Maria sabia muito bem quando uma mulher tentava se disfarçar; não fizera isso muitas vezes, quando a situação exigia? A segunda coisa notada por Maria fora o profundo desespero da mulher. A angústia emanava dela, quase como se sua dor clamasse pela ajuda de Easa. Quando observara a mulher, Maria percebera o mesmo senso de perda que toda mãe experimenta quando se descobre impotente para salvar sua criança. E um sofrimento que não distingue raça, credo ou classe, uma aflição que só pode ser partilhada por pais que também


sofrem. Durante os três últimos anos de ministério, Maria já vira aquela expressão inúmeras vezes. Mas também observara a expressão passar do desespero à alegria. Easa salvara muitas crianças de Israel. E, agora, ao que tudo indicava, também salvara uma criança de Roma.

 Easa e seus seguidores foram para o Templo, conforme combinado, no dia seguinte. Maria levou as crianças para Jerusalém, parando para testemunhar a atividade e debate que ocorriam fora dos muros sagrados. Easa se encontrava no centro de uma multidão cada vez maior, pregando o Reino de Deus. Alguns homens na multidão contestavam e faziam perguntas, a que Easa respondia com a calma habitual. As respostas eram meticulosas e incorporavam os ensinamentos das escrituras. Não demorou muito para que se tornasse evidente para todos que seu conhecimento da lei não podia ser questionado. Mais tarde, mediante informações fornecidas por Jairo, eles descobriram que Anás e Caifás haviam infiltrado seus agentes na multidão. Tinham instruções para fazer perguntas deliberadamente desafiadoras.

Se

qualquer

das

respostas

de

Easa

pudesse

ser

interpretada como uma blasfêmia, ainda mais tão perto do Templo e na presença de tantas testemunhas, os sacerdotes teriam provas adicionais para usar contra ele. Um homem adiantou-se para fazer uma pergunta sobre a questão do casamento. Judas reconheceu-o. Sussurrou no ouvido de Easa que era um fariseu que descartara a esposa mais velha para se casar com outra mais jovem. — Gostaria que me dissesse uma coisa, rabino — questionou o homem. — É legítimo para um homem deixar a esposa por qualquer causa? Ouvi-o dizer que não é, embora a lei mosaica determine o contrário. Moisés até escreveu uma lei para o divórcio. Easa elevou a voz, para que soasse alta e clara por toda a multidão. A resposta foi incisiva, pois ele sabia das muitas transgressões daquele


homem. — Moisés escreveu esse preceito por causa da dureza de seu coração. A maior parte dos homens na multidão era de habitantes de Jerusalém, que conheciam aquele fariseu. Houve um murmúrio geral, por causa do insulto implícito. Mas Easa ainda não acabara. Cansara-se daqueles fariseus corruptos, que viviam, como reis decadentes, dos donativos de judeus pobres e devotados. Considerava o atual grupo de sacerdotes, homens que eram incumbidos de respeitar a lei com absoluta integridade, como hipócritas. Pregavam uma vida santificada, mas não era assim que viviam. Durante os últimos anos de seu ministério, Easa passara a compreender que o povo de Jerusalém fora intimidado por aqueles homens; temia o poder dos fariseus tanto quanto o de Roma. Sob muitos aspectos, os homens do Templo eram tão perigosos para os judeus comuns quanto os romanos, porque tinham a autoridade de interferir em vários pontos de sua existência cotidiana. — Não leu as escrituras? — A pergunta de Easa era outra agressão ao homem que sabia ser um sacerdote. Ele correu os olhos pela multidão. — Aquele que criou tudo fez o homem e a mulher e disse: “Por isso o homem deixará seu pai e sua mãe e se ligará à mulher e os dois se tornarão uma só carne. Não separe, pois, o homem o que Deus uniu.” E eu digo que aquele que abandona uma esposa, o que só se justifica se houver adultério, também estará cometendo adultério. — Se assim é, talvez seja melhor não casar — gracejou alguém na multidão. Easa não riu. O sacramento do casamento e a importância da vida familiar eram fundamentais para o modo de vida dos nazarenos. Ele manifestou-se contra a idéia: — Alguns homens nascem eunucos, enquanto outros se tornam eunucos. O casamento só é inaceitável para esses homens. Todos os homens capazes de receber o sacramento do casamento devem recebê-lo, pois essa é a vontade do Senhor Nosso Pai. E que cada um se mantenha fiel à sua esposa até que a morte os separe.


Furioso, o fariseu revidou: — E qual é o seu caso, Nazareno? A lei de Moisés determina que qualquer homem que for o ungido deve se casar com uma virgem, nunca com uma prostituta, nem mesmo com uma viúva. Era um ataque ostensivo a Maria Madalena, que se mantinha um pouco afastada da turba, com as crianças. Optara por se vestir com simplicidade naquele momento, para se fundir à multidão, sem usar o véu vermelho de sua posição. Sentiu-se contente por isso naquele momento, enquanto esperava pela resposta de Easa, que foi outra indagação para o fariseu: — Sou da casa de Davi? — Não é essa a questão — protestou o homem. — E Davi foi um grande rei, um ungido de nosso povo? O fariseu respondeu na afirmativa, consciente de que era levado para uma armadilha, mas sem saber como se esquivar. — Não pediria que eu emulasse Davi, se fosse seu herdeiro? Quem aqui não pensaria que é uma coisa certa e honrada seguir pelo mesmo caminho de Davi? A

pergunta

de

Easa

ressoou

pela

multidão,

os

homens

reconhecendo com movimentos de cabeça e gestos que seria mesmo certo acompanhar os passos do Grande Leão de Judá. — Pois é exatamente isso o que eu fiz. Assim como Davi se casou com a viúva Abigail, uma filha de Israel bem criada, também me casei com uma viúva de sangue nobre. O fariseu sabia que caíra em sua própria armadilha e sumiu no meio da multidão. Mas os homens da estrutura de poder do Templo não se deixavam dissuadir com tanta facilidade. À medida que disparavam perguntas para Easa, as repostas se tornaram como flechas afiadas, atingindo o alvo em cheio. Outro homem, esse vestido com um traje sacerdotal fez uma pergunta agressiva: — Ouvi dizer que você e seus discípulos violam a tradição dos anciãos. Por que eles não lavam as mãos quando comem pão? A multidão se tornava mais e mais irrequieta a cada pergunta.


Havia dissidência no ar e Easa sabia que teria de assumir uma posição firme. Aqueles homens de Jerusalém não eram como os cidadãos da Galiléia e outras regiões. Ali, na cidade grande, os homens exigiam ação. Podiam seguir um rei que os livraria do cativeiro, mas primeiro ele teria de provar sua força e valor. A voz sonora de Easa ressoou ao redor, não em defesa dos nazarenos, mas em condenação aos sacerdotes: — Por que vocês violam os mandamentos de Deus com sua tradição? São todos hipócritas. — O insulto ricocheteou nas paredes de pedra do Templo. — Meu primo João chamava-os de víboras e tinha toda a razão. A referência ao Batista era uma hábil inclusão, a fim de conquistar o apoio dos mais conservadores entre a multidão. — João era conhecido como Isaías reencarnado e foi Isaías quem disse: “Esta pessoa me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim.” Vejo agora que os fariseus se fazem limpos por fora, mas por dentro estão cheios de ganância e iniqüidade. O Senhor não fez o que está fora tanto quanto o que está dentro? Easa ergueu a voz para o argumento final: — E essa é a diferença entre os nazarenos e os sacerdotes. Gostamos da pureza de nossas almas, a fim de podermos manter o Reino de Deus assim na Terra como no céu. — Isso é blasfêmia contra o Templo! — gritou alguém. Houve

um

grande

tumulto,

alguns

se

manifestando

em

concordância, outros em oposição. A escalada na agitação não parava. Observando de um espaço elevado, perto do Templo, Maria pensou a princípio que era apenas uma reação às palavras ousadas de Easa. Na verdade, boa parte da consternação dos homens de Jerusalém derivava disso. Mas vários discípulos nazarenos abriam caminho pela multidão para alcançar Easa, levando um grupo de homens e mulheres que haviam ouvido falar das curas milagrosas. Era um bando lamentável, tragédias que eram consideradas menos do que humanas em sua cegueira ou aleijão. Os agiotas e mercadores protestaram contra a invasão do


complexo do Templo por essas pessoas estropiadas. Aquela era sua semana mais lucrativa e o bando afastaria os visitantes. Quando um cego esbarrou na mesa de um mercador, derrubando os produtos ali expostos, os temperamentos se exaltaram. O mercador foi atrás do cego com uma vara, gritando insultos contra o pobre coitado e os nazarenos. Easa partiu em ajuda do cego. Ajudou-o a se levantar quando caiu, gentilmente, e sussurrou alguma coisa em seu ouvido. Gesticulou para que os discípulos levassem a massa de estropiados para o lado, depois virou-se para o cruel mercador, que atacara o cego. Gritou bem alto, a ser ouvido acima do burburinho crescente: — Está escrito que o Templo de Deus deve ser uma casa de orações. Vocês o transformaram num covil de ladrões. Outros mercadores gritaram em desafio a Easa, enquanto ele atravessava o complexo do Templo. O caos beirava uma explosão quando Easa ergueu as mãos e pediu que os discípulos o seguissem até a frente do complexo do Templo. Os infelizes com suas enfermidades e deformações foram levados até ali. E Easa, começando pelo cego, curou cada um e todos. As multidões em torno do Templo se tornaram ainda mais numerosas. Apesar das palavras incisivas de Easa — ou talvez por causa delas —, os homens e mulheres de Jerusalém se mostravam cada vez mais interessados naquele nazareno, o homem que curava em segundos as enfermidades de muitos anos. Maria não podia mais vê-lo. Além disso, Tamar e João estavam irrequietos, tinham a energia de crianças pequenas num ambiente excitante. Maria afastou-se do espetáculo, levando-os para o mercado. Ao percorrerem as ruas de calçamento de pedras, Maria avistou à sua frente as túnicas pretas de dois fariseus. Teve certeza de ouvir um deles mencionar o nome de Easa. Puxou o véu para cobrir a maior parte do rosto e decidiu acompanhá-los, exortando as crianças a andarem mais depressa. Os homens falavam em voz alta, mas em grego... provavelmente porque pensavam que as pessoas comuns ao redor não entenderiam. Mas Maria, nobre e instruída, falava grego fluentemente.


E compreendeu muito bem quando um dos fariseus olhou para o outro e declarou: — Enquanto esse nazareno estiver vivo, não teremos paz. Quanto mais cedo nos livrarmos dele, melhor para todos nós.

 Maria encontrou Bartolomeu no mercado. Ele fora incumbido de comprar provisões para os outros discípulos. Maria pediu-lhe que procurasse Easa, para avisar que ele e os discípulos não deveriam passar aquela noite na casa de José. Precisavam sair de Jerusalém, pela segurança de Easa. Maria achava que a casa que outrora partilhara com Lázaro e Marta, em Betânia, era a melhor opção. Ficava a uma distância segura de Jerusalém, mas não precisariam de muito tempo para voltar à cidade... ou sair às pressas.

 Easa encontrou-se com Maria e as crianças em Betânia, ao final daquela tarde. Alguns discípulos permaneceram com eles na casa de Lázaro, enquanto os outros iam para a casa vizinha de Simão, um amigo de confiança. Fora com a ida à casa de Simão que Maria desobedecera às ordens de Lázaro e João, tantos anos atrás, com conseqüências tão desastrosas. Os discípulos reuniram-se naquela noite para avaliar os acontecimentos do dia e planejar o que os aguardava. Maria estava preocupada. Sentia que a opinião em Jerusalém se dividia, metade a favor do extraordinário nazareno que fazia milagres e defendia os pobres, metade contra um arrivista que desafiava o Templo e suas tradições, de uma maneira tão agressiva. Maria relatou a conversa dos sacerdotes que ouvira no mercado. Enquanto ela falava, Judas chegou da casa de Jairo, trazendo mais notícias. — Ela tem razão — disse ele para Easa. — Jerusalém está se tornando um lugar perigoso para você. Jairo diz que Caifás e Anás pedem sua execução como blasfemo.


Pedro ficou furioso. — Mas que absurdo! Easa nunca disse uma blasfêmia... não poderia, mesmo que quisesse. Eles é que são os blasfemos, aquelas víboras! Easa não parecia preocupado. — Não

tem

importância,

Pedro.

Os

sacerdotes

não

têm

autoridade para condenar um homem à morte. Somente Roma pode fazer isso e os romanos não reconhecem as leis de blasfêmia dos judeus. Os homens discutiram noite afora sobre o melhor curso de ação para o dia seguinte. Maria queria manter Easa fora de Jerusalém por um dia, para permitir que alguma calma retornasse à cidade. Mas ele não quis saber. Esperavam multidões ainda maiores no dia seguinte, à medida que se espalhassem por Jerusalém as notícias sobre os ensinamentos e as curas extraordinárias de Easa. Não desapontaria os que viajassem até Jerusalém para vê-lo. Também não se curvaria à pressão dos sacerdotes. Agora, mais do que nunca, precisava ser um líder. Maria preferiu permanecer em Betânia, com as crianças e Marta, no dia seguinte. O peso da gravidez já cobrava seu tributo e a longa caminhada de volta a Betânia, às pressas, deixara-a exausta. Manteve as crianças ocupadas em casa, enquanto tentava não pensar nos perigos que Easa poderia enfrentar dentro dos muros da cidade. Sentada no jardim da frente, observando Tamar brincar na relva, Maria avistou uma mulher toda de preto se aproximar. Tinha o rosto e os cabelos cobertos. Era impossível determinar se a visitante era conhecida ou não. Não poderia ser uma amiga de Marta ou uma nova vizinha que Maria não conhecia? A mulher chegou mais perto e Maria pôde ouvir uma risada reprimida: — Qual é o problema, irmã? Não me reconhece depois de tanto tempo? O véu foi retirado para revelar a mulher como sendo Salomé, a princesa herodiana. Seu rosto perdera a aparência roliça da infância e adquirira o viço intenso da maturidade. Maria correu para abraçá-la e


assim ficaram por um minuto inteiro. Depois da morte de João, tornara-se muito perigoso para Salomé ser vista em companhia dos nazarenos. Sua presença era uma ameaça para Easa. Se queriam conquistar os seguidores de João, não podiam manter qualquer ligação com a mulher que era injuriada como a responsável pela prisão de João, se não mesmo por sua morte. A separação compulsória fora difícil para ambas. Salomé sentia-se desesperada por não poder completar o treinamento para sacerdotisa e pela separação das pessoas que passara a amar mais do que a sua própria família. Para Maria, era amargura também, depois do julgamento injusto sobre as duas pela execução de João. Salomé soltou um grito de alegria quando viu a pequena Tamar na relva. — Olhe só para ela! Está igual a você! Maria acenou com a cabeça, sorrindo. — Por fora. Porque por dentro ela já está se desenvolvendo na imagem do pai. Maria relatou algumas histórias de Tamar, como ela se mostrara especial desde o momento em que começara a andar. Curara um cordeiro que caíra numa vala, em Magdala, com o toque de sua mão infantil. Tinha apenas três anos, mas já falava tudo... em grego e aramaico. — Ela é uma criança afortunada por ter pais assim — comentou Salomé, com uma expressão sombria. — Deve continuar a ter pai e mãe, o que é o motivo para minha presença aqui. Recebi informações do palácio, Maria. Easa corre um grande perigo. — Vamos entrar, para conversar num lugar em que poderemos ter certeza de que pequenos ouvidos como aqueles... — ela gesticulou para Tamar — ...não poderão nos ouvir. Maria inclinou-se para pegar Tamar, mas a barriga enorme dificultou o movimento. Salomé estendeu os braços. — Venha com sua irmã Salomé. Tamar hesitou. Olhou para a desconhecida, depois para a mãe, à espera de uma garantia. Um sorriso de dentes pequenos e perfeitos


surgiu no rosto de Tamar, quando foi para o colo da princesa herodiana. Entraram na casa juntas. Maria pediu a Marta para ficar com Tamar. Marta pegou a menina. — Vamos procurar seu irmão, minha princesinha. João estava lá fora, andando pelas terras, em companhia de Lázaro. Marta compreendeu que devia sair também, a fim de permitir que houvesse privacidade na conversa entre Maria e Salomé. — Quero que preste atenção, porque é muito urgente. Meu padrasto esteve hoje na casa de Pôncio Pilatos e fui em sua companhia. Ele deve viajar para Roma dentro de dois dias e precisava de um relatório completo do procurador. Usei a desculpa de visitar Cláudia Prócula, a esposa de Pilatos, para ir junto. Sabia que meu padrasto não negaria esse pedido. Mas é claro que não era esse o meu motivo. Sabia que você, Easa e os outros estavam aqui. E onde está a Grande Maria? — Também veio para cá. Passará a noite com algumas mulheres na casa de José. Mas posso levá-la ao seu encontro amanhã, se você quiser. Salomé assentiu com a cabeça e continuou o relato: —

Usei a desculpa de visitar Cláudia para saber quais eram as

notícias em Jerusalém sobre os nazarenos. Não imaginava o quanto Cláudia tinha para me contar. Não é espantoso, Maria? Maria não sabia a que Salomé se referia. — O quê?

Os olhos escuros e exóticos de Salomé se tornaram ainda maiores. —

Ainda não sabe? Ah, Maria, é extraordinário! Na noite em que

Easa ressuscitou a filha de Jairo, se lembra de uma mulher que apareceu na multidão no momento em que vocês saíam? Estava acompanhada por um grego, que carregava uma criança doente, um menino. Tudo voltou à mente de Maria agora. Por duas noites vira o rosto daquela mulher antes de dormir. —

Claro que me lembro. Falei com Easa, que se virou para curar

a criança. Isso é tudo o que sei com alguma certeza, além do fato de a mulher não parecer plebéia nem judia.


Salomé riu: —

Maria, aquela mulher é Cláudia Prócula. Easa curou o filho

único de Pôncio Pilatos! Maria ficou atônita. Tudo fazia sentido agora... o sentimento de presciência, de saber que alguma coisa estava acontecendo além da própria cura. — Quem —

sabe disso, Salomé?

Ninguém além de Cláudia, Pilatos e o escravo grego. Pilatos

proibiu a esposa de falar a respeito. E diz a quem indaga sobre a milagrosa recuperação do menino que foi a vontade dos deuses romanos. — Salomé fez uma careta para demonstrar seu desagrado. — A pobre Cláudia estava morrendo de vontade de contar a alguém e sabia que eu fui uma nazarena. —

Você ainda é uma nazarena — disse Maria, gentilmente,

enquanto se levantava para deixar que o bebê crescendo em seu ventre ajustasse a posição. Ela precisava refletir sobre aquela importante informação. Era sensacional, mas ainda não ousava esperar muito do fato. Com toda a certeza, a ocorrência só podia ser parte dos desígnios de Deus para Easa. Ele dera a Cláudia uma criança doente, para que Easa pudesse curá-la e provar sua divindade para Pilatos? E se o destino de Easa fosse parar nas mãos de Pôncio Pilatos, ele não poderia aplicar uma sentença ao homem que salvara a vida de seu filho, não é mesmo? —

Mas há mais, irmã. — A expressão de Salomé voltou a se

tornar sombria. — Quando eu estava lá, o horrível Jônatas Anás e seu genro apareceram, para conversar com Pilatos e meu padrasto. Ela fez uma pausa, sorrindo. —

Quando ouvi os dois serem anunciados, supliquei a Cláudia que

me indicasse o melhor esconderijo para escutar a conversa. Maria também sorriu para Salomé, que continuava tão impetuosa quanto antes. —

Pilatos não queria saber dos sacerdotes e seus argumentos e

tentou descartá-los, como se não fossem importantes, a fim de terminar


a reunião com Herodes. Pilatos só está interessado na apresentação de um relatório favorável em Roma, realçando sua competência como governador. Quer obter um posto no Egito. Maria escutava, paciente, o coração batendo forte, enquanto Salomé continuava: Mas meu padrasto... o arrogante Herodes... ficou do lado

daqueles dois sacerdotes idiotas. Conseguiram envolvê-lo, dizendo que Easa se intitulava Rei dos Judeus e queria roubar o trono dos Herodes. Maria sacudiu a cabeça ao ouvir isso. Era um absurdo, é claro. Easa não tinha o menor desejo de se sentar num trono deste mundo. Era o rei no coração do povo, aquele que lhes daria o Reino de Deus. Não precisava de palácio ou trono para isso. Mas um Herodes inseguro sentia-se ameaçado por causa das manipulações de Anás e Caifás. —

Ouvi Pilatos procurar Cláudia pouco depois... ele não podia ver

onde eu me escondia... e dizer: “Minha querida, receio que o destino esteja contra seu Easa, o Nazareno. Os sacerdotes clamam por sua cabeça e darão um jeito de prendê-lo antes da Páscoa.” Também ouvi Cláudia dizer: “Mas é claro que você providenciará para que ele seja poupado.” Pilatos não disse nada e Cláudia insistiu: “Não é?” Depois, não ouvi mais nada, até que Pilatos se retirou. Quando tive certeza de que ele não estava mais ali, saí do esconderijo e encontrei Cláudia desesperada. Ela disse que o marido não a fitara ao sair. Ah, Maria, ela está tão preocupada com o que pode acontecer com Easa! E eu também estou. Você deve tirá-lo de Jerusalém. — Onde

seu padrasto pensa que você está agora?

Salomé deu de ombros. —

Eu disse a ele que passaria o dia comprando sedas. Ele está

preocupado demais com sua viagem a Roma para saber ou se importar onde passarei a noite. Tem suas próprias diversões em Jerusalém. Maria tentava criar uma estratégia. Devia esperar até que Easa voltasse para casa naquela noite, para lhe contar tudo. E sabia que não precisaria de muito estímulo para convencer Salomé a ficar e relatar os detalhes.


Salomé ficou e sentiu a maior alegria quando a Grande Maria apareceu para visitá-las, ao final da tarde. A estimada mãe de Easa levara as duas outras Marias mais velhas, sua irmã, Maria Jacobina, e sua prima, Maria Salomé, que era a mãe dos dois mais leais seguidores de Easa. Era uma honra para Salomé estar na companhia daquelas sábias mulheres, as fortes — embora com freqüência silenciosas — líderes da tradição nazarena. Sua alegria, porém, foi de curta duração, assim como a de Maria Madalena. —

Vejo muitas trevas no horizonte, minhas filhas — disse a

Grande Maria. — Vim até aqui para me encontrar com meu filho. Devemos todos estar preparados para o teste de força e fé que a Páscoa nos trará.

 As notícias de Jerusalém eram perturbadoras. Multidões ainda maiores haviam recebido Easa e os nazarenos à entrada da cidade naquela manhã, causando inquietação entre os guardas romanos. Os nazarenos haviam se instalado fora do Templo, onde Easa pregara e respondera às perguntas e desafios. Como acontecera no dia anterior, representantes do sumo sacerdote e do Templo infiltraram agentes na multidão. A inquietação aumentara quando mercadores e agiotas censurados no dia anterior se adiantaram para protestar contra a presença nazarena. Finalmente, num esforço para manter a paz e evitar um possível derramamento de sangue, Easa se retirara, com os nazarenos mais leais. Mais tarde, naquela noite, em Betânia, a combinação das observações de Salomé, das informações de Jairo e da profecia da Grande Maria criou um clima de consternação e preocupação. Somente Easa parecia indiferente às circunstâncias cada vez mais ameaçadoras, enquanto formulava planos para o dia seguinte. Simão e Judas, que haviam passado o dia reunidos com seus irmãos zelotes, tinham um plano: —

Há quantidade suficiente de homens para lutar contra

qualquer um que queira prendê-lo — garantiu Simão. — A multidão


no Templo amanhã será imensa. Se você enfatizar para o povo que o Reino de Deus como o conhecemos libertará o povo da opressão de Roma, a multidão haverá de segui-lo. —

Com que finalidade? — indagou Easa, calmamente. — O resultado

de uma ação assim seria o derramamento do sangue de muitos judeus inocentes. Esse não é O Caminho. Não, Simão, não estimularei uma revolta que derrame o sangue de nosso povo na véspera de um dia sagrado. Como posso mostrar que o Reino de Deus está em cada um e em todos os homens e mulheres se peço que sangrem e morram por isso? Não estão considerando o sentido d'O Caminho, meus irmãos. Mas O Caminho não existe sem você — interveio Pedro,

bruscamente. A tensão dos últimos dias aparecia em Pedro mais do que nos outros discípulos. Ele sacrificara tudo por sua fé em Easa e n'O Caminho. E não suportava admitir qualquer resultado adverso. —

Está enganado, meu irmão. — Não havia censura no tom de

Easa, que acrescentou para Pedro, afetuoso: — Pedro, tenho dito isso para você desde que éramos crianças. Você é a pedra sobre a qual nosso ministério vai florescer. Seu legado viverá por tanto tempo quanto o meu. Pedro não parecia confortado, nem os outros discípulos. Easa percebeu isso. Levantou as mãos. —

Meus irmãos e irmãs, quero que me escutem. Lembrem-se do

que eu lhes dei, a compreensão de que o Reino de Deus vive dentro de cada um e que nenhum opressor jamais poderá tirá-lo. Se mantiverem essa verdade em seus corações, nunca conhecerão um dia de dor ou medo. Depois, ele estendeu as mãos para os discípulos e conduziu-os na Oração do Senhor.

 Easa deixou seus seguidores naquela noite para uma conversa em particular com a Grande Maria. Depois, ele se despediu da mãe e procurou a esposa.


Não deve ter medo do que vai acontecer, pombinha — disse

Easa, gentilmente. Maria examinou seu rosto. Easa costumava esconder suas visões dos seguidores, mas raramente fazia isso com ela. Era a pessoa com quem ele partilhava quase tudo. Mas, naquela noite, Maria sentiu que ele se continha. — O que está vendo, Easa? — Vejo

que meu Pai no Céu formulou Seus desígnios e que devemos

segui-los. — Para a realização das profecias? — Se

for Sua vontade.

Maria ficou calada por um momento. As profecias eram específicas: indicavam que o Messias deveria ser levado à morte por seu próprio povo. —

E o que me diz de Pôncio Pilatos? — indagou Maria, com alguma

esperança. — Tenho certeza de que foi enviado para curar seu filho para que ele pudesse testemunhar pessoalmente quem e o que você é. Não acha que isso faz parte dos desígnios de Deus? —

Maria, escute com atenção o que vou dizer, pois é uma grande

compreensão do Caminho Nazareno. Deus cria seu plano e põe cada homem e mulher em seu lugar. Mas não os obriga a entrarem em ação. Como qualquer bom pai, o Senhor orienta seus filhos, mas também lhes dá a oportunidade de tomarem suas próprias decisões. Maria aplicou a filosofia de Easa à situação atual. — Acredita

que Pôncio Pilatos foi posto em seu lugar por Deus?

— Acredito. —

Pilatos, sua boa esposa, seu filho.

E se Pilatos vai ou não nos ajudar... isso não é uma determinação

de Deus? Easa sacudiu a cabeça. —

O Senhor não nos determina nada, Maria. Ele nos orienta. Cabe

a cada pessoa escolher seu mestre e isso se reduz a uma opção entre o plano de Deus e os desejos terrenos. Não se pode servir a Deus e servir também a essas necessidades terrenas. O Reino do Céu vem para aqueles


que optam por Deus. Não posso dizer o que o senhor Pôncio Pilatos vai escolher quando chegar seu momento. Maria escutava com absoluta atenção. Conhecia bem as idéias nazarenas, mas o exemplo de Pôncio Pilatos apresentado por Easa tornava seu postulado claro e convincente. Num relance de presciência, ela sentiu a necessidade de saborear as palavras do marido, de lembrá-las com precisão, mesmo enquanto ele falava. O momento viria em que teria de ensiná-las a outros, da mesma forma como Easa ensinara. —

O sumo sacerdote e seus partidários estão determinados a

mandar me prender... e sabemos que não podemos evitar isso — continuou Easa. — Mas pediremos que me mandem para Pilatos, a quem apresentarei minha defesa. Caberá, então, à sua fé e consciência tomar uma decisão. Não importa qual seja, devemos demonstrar por nossas ações o que sabe mos ser a verdade: quando permitimos que o Reino de Deus viva dentro de nós, nada neste mundo pode mudar isso... nem um império, nem um opressor, nem o sofrimento. Nem mesmo a morte. Os dois conversaram a noite toda e Easa apresentou seus planos para o dia seguinte. Maria fez a pergunta que pesava em seu coração apenas uma vez. —

Não podemos simplesmente deixar Jerusalém esta noite? Voltar

a nossas pregações nas colinas da Galiléia, até que Anás e Caifás encontrem outra presa para perseguir? —

Você, entre todas as pessoas, devia saber que isso não é

possível, minha Maria. As pessoas nos observam atentamente agora. Devo dar o exemplo. Ela moveu a cabeça compreendendo. Easa relatou sua conversa com a Grande Maria. Haviam decidido que o comparecimento ao Templo em Jerusalém no dia seguinte seria muito perigoso. Havia a possibilidade de

inúmeros

inocentes

saírem

feridos

em

tumultos.

A

maior

preocupação de Easa era com a proteção de seus discípulos. Era ele que o sumo sacerdote queria pegar, não os outros. Era essa a informação de Jairo. Não havia motivo para arriscar os outros desnecessariamente. Os


seguidores

mais chegados teriam uma reunião particular, numa

propriedade de José, para uma refeição da Páscoa. Ali, Easa daria instruções a cada um sobre seu papel no ministério, se ele enfrentasse um longo período de encarceramento, como acontecera com João... ou se algo pior acontecesse. Passariam a noite na propriedade de José em Getsêmani, sob as sagradas estrelas de Jerusalém. E, ali, Easa deixaria que o prendessem. —

Vai se entregar às autoridades do Templo? — perguntou Maria,

incrédula. —

Não posso fazer isso. As pessoas perderiam toda a fé em nosso

Caminho, se isso acontecesse. Mas devo cuidar para que minha prisão ocorra fora da cidade, de tal maneira que não haja tumultos e sangue der ramado. Pedirei a um dos nossos para “me trair”, denunciando às autoridades onde me encontro. Os guardas irão a Getsêmani, onde não haverá multidões. Evitaremos, assim, qualquer tumulto. A mente de Maria era um turbilhão. Tudo acontecia muito depressa. Um pensamento terrível ocorreu-lhe: —

Ah, Easa... quem poderia ser? Qual entre os nossos teria coragem

suficiente para fazer isso? Não pode imaginar que Pedro ou André seriam capazes. Muito menos Filipe ou Bartolomeu. Seu irmão Tiago derramaria o próprio sangue primeiro e Simão, o sangue de outros. A resposta aflorou de repente e os dois disseram ao mesmo tempo: — Judas.

A expressão de Easa era solene: —

E é isso o que tenho de fazer agora, minha pombinha. Devo

conversar com Judas e dizer a ele que foi escolhido para essa missão por causa de sua força. Ele beijou o rosto da esposa ao se levantar para sair. Ela observouo partir com um senso crescente de medo pelo que o dia seguinte traria.

 Eles se reuniram na tarde seguinte para fazer uma refeição juntos, como fora planejado. Easa, seus doze eleitos e todas as Marias. As crianças


permaneceram em Betânia, com Marta e Lázaro. Easa iniciou a noite com uma versão do ritual da unção. Era a sua própria versão, em que ele lavou os pés de cada pessoa na sala. Explicou que assim reconhecia cada uma como uma criança de Deus, com a missão especial de pregar a palavra do Reino. —

Dou este exemplo para que façam com outros o que foi feito

aqui com vocês. Para que reconheçam os outros como seus iguais perante Deus. E lhes darei esta noite um novo mandamento... que amem uns aos outros da maneira como amo vocês. Pois quando saírem para o mundo, as pessoas reconhecerão que são nazarenos pela maneira como amam uns aos outros. Depois de lavar os pés de todos os seguidores ali reunidos, Easa levou-os à mesa, para a ceia da Páscoa. Partiu um pedaço de pão ázimo, abençoou-o e disse: — Peguem

isto e comam, pois este pão é o meu corpo.

Ele pegou também um cálice com vinho e murmurou uma prece de graças, antes de fazê-lo circular pela mesa. —

Este é meu sangue do novo testamento, que é derramado por

muitos. Maria observava em silêncio, junto com os outros. Só ela e as outras Marias conheciam os detalhes dos acontecimentos iminentes. Quando Easa desse o sinal, Judas deixaria a ceia e procuraria Jairo. Este o levaria a Anás e Caifás, apresentando Judas como um traidor. Judas pediria trinta moedas de prata, o que faria com que sua traição parecesse autêntica. Em troca pelo dinheiro, ele levaria os sacerdotes ao refúgio de Easa. Ali, longe das multidões imprevisíveis da cidade, seria fácil prendêlo. A tensão era evidente no rosto de Judas, para aqueles que quisessem ver. Os outros discípulos não haviam sido informados do plano, pois Easa não queria correr qualquer risco. Não queria que argumentassem, muito menos que tentassem resistir. Mais tarde, Maria choraria por Judas e a injustiça da situação. A esta altura, porém,


já seria tarde demais para Judas Iscariotes. Deus criara um lugar para ele e Judas decidira ocupá-lo. Easa virou-se para Judas agora. Entregou-lhe um pedaço de pão embebido em vinho, dando o sinal combinado. —O

que deve fazer, faça depressa.

Enquanto observava Judas sair da sala, Maria sentiu um aperto no coração. Não haveria como voltar atrás. Ela fitou a Grande Maria, que também observava Judas sair, com o destino de Easa nas mãos. As duas trocaram um olhar nesse instante, cada uma orando silenciosamente para que Deus protegesse o amado Easa.

 Os

guardas

apareceram

em

maior

número

e

com

uma

impetuosidade que Maria não previra. A noite já seguia avançada quando Judas surgiu no alto da colina com os soldados do sumo sacerdote. Houve caos quando o grupo fortemente armado apareceu no local, acordando os apóstolos. As mulheres mantinham vigília a alguma distância, ao lado de uma fogueira. Com exceção de Maria Madalena, que esperava junto com Easa. Pedro levantou-se de um pulo. Arrancou a espada de um dos soldados mais jovens, que ficou tão chocado que não reagiu a tempo. — Senhor,

lutaremos por você! — gritou Pedro.

Ele avançou para um homem que reconheceu, Malco, um servo do sumo sacerdote. Cortou a orelha do homem com a espada. O sangue escorreu abundante do ferimento. Easa levantou-se e adiantou-se, muito calmo. —

Já chega, irmãos — disse ele, para Pedro e os outros. Para os

guardas, ele acrescentou: — Guardem suas armas. Ninguém aqui vai atacá-los. Dou-lhes minha palavra. Ele foi até Malco, que caíra de joelhos e comprimia a túnica contra a orelha, a fim de estancar o sangue. Encostou a palma na orelha ferida. — Você

já sofreu o suficiente por isso.

Quando ele retirou a mão, o fluxo de sangue cessara e a orelha


estava curada. Easa ajudou Malco a se levantar e lhe disse: — Caifás

envia este grupo de homens armados contra mim, como

faria com um ladrão ou assassino? Por quê? Quando eu ia todos os dias ao Templo, ele não fez qualquer tentativa de me prender, nem de indicar que eu era um perigo. Esta é mesmo uma hora de trevas para o nosso povo. Um dos soldados, um homem usando o emblema de líder, adiantou-se e perguntou, numa tentativa gutural de falar o aramaico: — Você — Sou

é Easa, o Nazareno?

eu mesmo — respondeu ele, em grego.

Vários seguidores gritaram acusações e perguntas para Judas. Easa aconselhara-o a não dizer nada se isso acontecesse e Judas permaneceu obediente. Em vez disso, deu um beijo no rosto de Easa, gentilmente, esperando com esse gesto que alguns dos discípulos compreendessem o que ele fora encarregado de fazer. O soldado no comando do grupo leu as acusações para a prisão e Easa foi levado para seu destino nas mãos dos sacerdotes.

 Maria Madalena manteve-se em vigília, junto com as outras Marias. Não podiam chegar perto dos homens, pois seria muito arriscado. As emoções eram intensas e as mulheres não podiam dar a perceber o quanto já sabiam sobre os acontecimentos da noite. As Marias empenharam-se em orações e confortaram umas às outras. Já era de madrugada quando viram uma tocha atravessar o vale de Quidom, na direção do refúgio. Era um grupo pequeno, dois homens e o que parecia ser uma mulher pequena. Maria levantou-se quando o grupo se aproximou e ela pôde reconhecer a princesa herodiana. Correu para Salomé e abraçou-a. Foi somente então que ela percebeu que o homem com a tocha era um centurião sem o uniforme... o mesmo homem de olhos azuis a quem Easa curara do doloroso braço quebrado. —

Irmã, há pouco tempo — disse Salomé, ofegante, indicando

que haviam corrido para chegar ali. — Venho da Fortaleza Antonia.


Cláudia Prócula enviou-me para apresentar seus respeitos e sua profunda compaixão pela injusta prisão de seu marido. Maria meneou a cabeça, encorajando Salomé a continuar e reprimindo o medo que provocava um frio em suas entranhas. Se a esposa do procurador romano enviava mensageiros reais no meio da noite, era porque havia alguma coisa muito errada. —

Easa será levado a julgamento perante Pilatos pela manhã —

continuou Salomé. — Mas Pilatos está sob uma terrível pressão para condená-lo à morte. Ele não quer fazer isso, Maria. Cláudia diz que Pilatos sabe que Easa curou seu filho, ou pelo menos se mostra disposto, à sua maneira romana, a tentar aceitar esse fato. Mas meu abominável padrasto insiste em exigir a morte de Easa, o mais depressa possível. Herodes viajará para Roma no Sabá. Disse a Pilatos que quer uma solução para o “Problema do Nazareno” antes de sua partida. Você precisa compreender como a situação é grave, Maria. Eles podem executar Easa. Amanhã. Tudo acontecia muito depressa. Nenhum deles esperava por isso, não daquela maneira. Esperavam um longo período de encarceramento, em que Easa teria a oportunidade de argumentar em sua defesa perante Roma e perante Herodes. Sempre houvera uma possibilidade de que o pior acontecesse, mas não tão depressa. —

Cláudia Prócula nos mandou até aqui para buscá-la. Esses

dois homens são de confiança. Maria levantou os olhos e viu a luz se refletir no rosto do homem silencioso por trás da tocha. Reconheceu-o agora. Era o grego que carregava o menino doente na frente da casa de Jairo. —

Eles a levarão até o lugar em que Easa está preso. Cláudia

providenciou para que os guardas não interferissem, até o amanhecer. Esta pode ser sua última oportunidade de vê-lo. Mas tem de partir o mais depressa possível. Maria pediu que esperassem um momento, enquanto ia falar com a Grande Maria. Sabia que a mulher mais velha nunca seria capaz de caminhar com a rapidez necessária para alcançar Easa a tempo, mas


era um sinal de respeito oferecer seu lugar à mãe. A Grande Maria beijou-lhe o rosto. —

Dê um beijo em meu filho. Diga a ele que estarei lá amanhã,

aconteça o que acontecer. Vá com Deus, minha filha.

 Maria e Salomé tiveram de se apressar para acompanhar os homens silenciosos, que seguiram em passos largos para o leste da cidade. Maria trocara o véu vermelho, que a identificava como sacerdotisa nazarena, por um véu preto simples, como o que Salomé usava. A princesa herodiana disse a Maria, enquanto andavam: —

Mandei um mensageiro para Marta. Easa quer ver as crianças.

Foi o que disse ao mensageiro de Cláudia. — Ela indicou o escravo grego. — Easa sabia que você não teria tempo de ir a Betânia e voltar com as crianças, se quisesse vê-lo. Os pensamentos de Maria eram tumultuados. Não queria que Tamar e João testemunhassem qualquer coisa traumática no dia seguinte. Mas, se o pior acontecesse, Easa precisaria ver as crianças pela última vez. O pequeno João era seu filho tanto quanto Tamar; ele tinha um amor incondicional pelos dois. A proteção e segurança de todos seria um problema quando amanhecesse. Maria orou silenciosamente por um momento, mas agora tinha pouco tempo para pensar a respeito. Aproximaram-se da prisão em que Easa estava. Até agora, a escuridão os protegera e não haviam atraído qualquer atenção. Mas seriam obrigados a descer por um longo lance de escada externa, iluminada por tochas. O

centurião

sussurrou

instruções.

Esperaram

por

um

instante, enquanto o grego fazia um reconhecimento da área. O escravo foi até o fundo da escada e fez sinal de que podiam descer. Salomé permaneceu no alto da escada, de vigia, enquanto o grego assumia o mesmo papel lá embaixo. Maria e o centurião desceram apressados e entraram nos corredores da prisão. Ele estendeu a tocha à sua frente, para iluminar o caminho no espaço subterrâneo. Maria seguia logo


atrás, tentando bloquear os gritos de dor e desespero que ecoavam pelas paredes de pedra ao seu redor. Sabia que nenhum daqueles sons vinha de Easa... não importava quanta dor sofresse, ele nunca gritaria, pois não estava em sua natureza. Mas ela sentia uma profunda compaixão pelos outros pobres coitados, que aguardavam seu destino numa prisão romana. O centurião tirou uma chave de sob a túnica e a enfiou na fechadura. Abriu a porta e deixou Maria entrar na cela do marido. Maria descobriu, muitos anos depois, como Cláudia e Salomé conseguiram obter as chaves e afastar os guardas. Envolvera grandes quantias em suborno e um alto custo pessoal para a princesa herodiana. Maria seria grata pelo resto da vida à romana, Cláudia Prócula, e à sua amiga, a incompreendida Salomé... não apenas pelo que aconteceu naquela noite, mas também pelo dia terrível que se seguiria.

 Maria teve de resistir ao impulso de gritar em desespero quando viu Easa. Ele fora espancado... brutalmente. Havia equimoses em seu belo rosto e ela o viu estremecer quando se levantou para abraçá-la. Ela sussurrou uma pergunta, enquanto examinava o rosto desfigurado: — Quem fez isso em você? Os homens de Caifás e Anás? —

Quero apenas que me escute, minha Maria. Há pouco tempo

e muito para dizer. Não há lugar para atribuição de culpa, pois isso só acarreta a vingança. Quando perdoamos, estamos mais próximos de Deus. Estamos aqui para ensinar isso aos filhos de Israel e ao resto do mundo. Leve isto com você e ensine a todos que quiserem escutar, em minha memória. Foi a vez de Maria estremecer. Não suportava ouvir Easa falar de si mesmo daquela maneira, como se a morte fosse inevitável. Ao sentir o desespero de Maria, ele falou gentilmente: —

Ontem à noite, em Getsêmani, fui orar para o Senhor Nosso

Pai. Pedi-Lhe que me tirasse esse cálice, se fosse essa a Sua vontade. Mas Ele não o fez. E não fez porque é essa a Sua vontade. Não há outro


meio, entende? O povo não poderá compreender o Reino de Deus sem um exemplo supremo. Serei esse exemplo. Mostrarei que posso morrer pelos outros sem dor ou medo. Nosso Senhor me mostrou o cálice e eu bebi dele, com alegria. Está feito. Maria não podia conter o fluxo de lágrimas, mas fazia um esforço para não soluçar. Qualquer barulho poderia denunciar sua presença. Easa tentou confortá-la. — Deve

ser forte agora, minha pombinha, porque levará com você o

verdadeiro Caminho Nazareno e terá de ensiná-lo ao mundo. Os outros também farão o melhor que puderem. Dei instruções a cada um depois da ceia. Mas só você conhece tudo que há em meu coração e minha cabeça. Por isso, deve se tornar a próxima líder de nosso povo e nossos filhos depois de você. Maria tentava pensar com clareza. Precisava se concentrar nos últimos pedidos de Easa, não em sua própria dor. Teria tempo para lamentar mais tarde. Agora, precisava se mostrar à altura da confiança de Easa, como líder dos nazarenos. —

Nem todos os homens me amam, Easa, como você sabe muito

bem. Alguns não me seguirão. Embora os tenha ensinado que devem tratar as mulheres como iguais, receio que depois de sua morte... essa compreensão vá definhar. Como devo comunicar a todos que você me escolheu para liderar os nazarenos? — Pensei a respeito esta noite. Primeiro, você é a única que tem O Livro do Amor. Easa passara uma grande parte de seu ministério escrevendo sobre as convicções nazarenas e seus comentários pessoais, num volume que chamavam de O Livro do Amor. Os outros discípulos sabiam de sua existência, mas Easa nunca o partilhara com ninguém além de Maria. Era guardado em segurança na casa da Galiléia. —

Eu sempre disse que O Livro do Amor nunca veria a luz enquanto

eu vivesse, pois seria incompleto durante minha permanência aqui. Cada pessoa que conheci me ensinou mais sobre a natureza de Deus. Escrevi tudo n'O Livro do Amor. Quando eu partir, você deve fazer com


que seja a base de todos os ensinamentos que se seguirão. Maria acenou com a cabeça em compreensão. O Livro do Amor era, sem dúvida, um vigoroso memorial a tudo que Easa pregara ao longo da vida. Os discípulos se sentiriam honrados e reverentes por aprender do livro. —

Há mais uma coisa, Maria. Darei um sinal aos homens,

alguma coisa para demonstrar de maneira clara que você é a escolhida

para

minha

sucessora.

Não

tenha

medo,

minha

pombinha, pois farei o mundo saber que você é minha discípula mais amada. Easa pôs as mãos na barriga estufada de Maria. Ainda havia muito para dizer. —

Esta criança que você espera, nosso filho, tem o sangue de

profetas e reis, assim como nossa filha. Os descendentes ocuparão seu lugar no mundo, pregando o Reino de Deus e as palavras escritas n'O Livro do Amor, para que todas as pessoas conheçam a paz e a justiça, no mundo inteiro. O bebê se mexeu em resposta à profecia feita pelo pai. —

Esta criança tem um destino especial nas ilhas ocidentais, por

onde se espalhará a palavra d'O Caminho. Dei a meu tio José instruções sobre sua criação. Você deve confiar em José e permitir que esta criança vá para onde Deus a levar. Maria aceitou. José era um grande homem, sábio, forte e experiente. Viajava muito, em seu ofício de mercador de estanho. Quando jovem, Easa acompanhara José até as ilhas verdes e nevoentas a oeste da Gália. Dissera uma ocasião a Maria que tivera ali a premonição de que O Caminho conquistaria fiéis entre o povo feroz e de olhos azuis que habitava as ilhas. —

E você deve lhe dar o nome de Yeshua-Davi, por mim e pelo

fundador de nossa linhagem real. O maior rei a reinar neste mundo sairá de seu sangue. Maria concordou com o pedido de Easa e perguntou em seguida: — O que devo fazer em relação a Sara-Tamar? Easa sorriu à menção de sua preciosa filha.


— Ela

deve ficar com você até que seja crescida, quando fará sua

opção. Nossa Tamar tem a sua força. Mas Israel não será um lugar seguro para você e as crianças. Já combinei com José para levar vocês e todos os outros que quiserem para o Egito. Alexandria é um importante centro de estudos e um lugar seguro para nossa gente. Você pode ficar ali ou continuar a viagem para terras do oeste. Deixarei a decisão a seu critério, Maria. Deve decidir o que é melhor para que os ensinamentos dos nazarenos se espalhem pelo mundo. Siga o seu coração e confie em Deus para guiá-la. — E o que fazer com

o pequeno João?

Easa sempre tratara a criança como a um filho, mas seu sangue e destino sempre seriam diferentes, como ambos sabiam. Os olhos de Easa ficaram turvos de preocupação. —

Mesmo ainda tão pequeno, João tem uma vontade forte e é

irrequieto. Você é a mãe e terá de orientá-lo, mas João precisará da influência de homens para moldar sua inquietação. Ele é muito amado por Pedro e André. Quando ficar mais velho, pode ser guiado por Pedro ou seu irmão. Easa não precisava explicar mais nada; Maria sabia o que ele queria dizer com isso. Pedro e André haviam sido seguidores do Batista. Todos se conheciam desde crianças na Galiléia, freqüentando o templo em Cafarnaum. Pedro e André reverenciavam o pequeno João como ao filho de um grande profeta, além de ser o filho adotado por Easa. —

Tenho palavras de agradecimento e conforto para mais uma

pessoa — continuou Easa. — Para a romana, Cláudia Prócula, eu gostaria de dizer que deixei este mundo em débito com ela. A mulher sacrificou muito para trazê-la até aqui e lhe sou grato por isso. Diga a ela que não deve julgar o marido com muito rigor. Pôncio Pilatos precisa escolher seu senhor e já vi que escolherá mal. Ao final, no entanto, sua decisão consumará os desígnios de Deus para todos nós. Easa deu outras instruções para a esposa, algumas de natureza espiritual, algumas práticas, antes das palavras finais para confortá-la: —

Seja forte, não importa o que aconteça amanhã. Não tenha


medo por mim, já que eu mesmo não sinto medo. Sinto-me contente em aceitar o cálice de nosso Pai e ir ao Seu encontro no céu, Maria. Seja uma líder do povo e não tema. Lembre-se de quem você é, em todas as ocasiões. E uma nobre, é uma nazarena e é minha esposa.

 Uma abalada Maria caminhou pelas ruas de Jerusalém, os passos trôpegos, atrás de Salomé, no momento em que começava a amanhecer, a primeira claridade espalhando-se pelo céu. A princesa tinha uma casa em que ficariam seguras. Instruíra o mensageiro a levar Marta e as crianças para lá. Depois que Maria se encontrava abrigada na casa, sã e salva, esperando que a cunhada aparecesse com João e Tamar, Salomé saiu à procura de outro mensageiro, para avisar a Grande Maria e os outros, em Getsêmani.

 Em outro lugar de Jerusalém, outra nobre, Cláudia Prócula, sentia o enorme fardo que aguardava sua família naquele dia. Tivera um sono irrequieto, quando a exaustão finalmente a dominara, já de madrugada. Depois que o grego viera comunicar que sua missão com a esposa do nazareno fora bem-sucedida, ela se permitira fechar os olhos. Acordou suando frio. O sonho angustiante a sufocava. Podia sentir que se agitava por todo o quarto, ao seu redor. Fechou os olhos, mas as imagens persistiram, assim como o som de um canto que enchia sua cabeça. Um coro de vozes, centenas e centenas, talvez milhares, repetia a frase: “Crucificado sob Pôncio Pilatos, crucificado sob Pôncio Pilatos.” Havia outras coisas no canto, repetidas obedientemente pelas vozes em seu sonho, mas ela registrava apenas essas quatro palavras. Por mais perturbadores que fossem os sons do pesadelo, as cenas eram ainda piores. Começara como um sonho lindo, com crianças dançando numa colina coberta de relva, ao sol da primavera. Easa estava no meio de um círculo, cercado pelas crianças, vestidas de branco. Pilo era


uma das crianças queriam e dançavam, como Ismédia. A colina era ocupada agora por pessoas de todas as idades, vestidas de branco, sorrindo e cantando. Cláudia reconheceu um dos homens. Era Pretório, o centurião que tivera a mão curada. O homem lhe contara em confidência sua própria cura, depois de ouvir os rumores sussurrados sobre o milagre de Pilo. Mas quando ela compreendeu que cada uma das almas risonhas no sonho, adultos e crianças, haviam sido curadas por Easa, a paisagem mudou. A dança cessou e o céu foi se tornando mais e mais escuro, enquanto o canto se tornava mais e mais alto: “Crucificado sob Pôncio Pilatos, crucificado sob Pôncio Pilatos.” Cláudia contemplava a paisagem de sonho quando seu amado Pilo caiu no chão. A imagem à sua frente, quando acordou, foi de Easa, o nazareno, inclinando-se para levantá-lo. Ele carregou Pilo sem olhar para trás, enquanto os outros ao redor também caíam. Ela avistou Pôncio, gritando numa agonia inútil para o vulto se afastando de Easa, o Nazareno, que levava no colo o corpo sem vida de Pilo. Um raio riscou o céu, enquanto o som do canto seguia-os pela encosta abaixo. — Crucificado

sob Pôncio Pilatos!

— Crucifiquem-no!

Aquele era um som novo, não o canto fantástico do pesadelo, mas um som real de ódio, ressoando além das muralhas da Fortaleza Antonia. — Crucifiquem-no!

Cláudia levantou-se e vestiu-se. O escravo grego entrou correndo no quarto. —

Deve ir antes que seja tarde demais, minha senhora. O amo

preside o julgamento e os sacerdotes clamam por sangue. — Quem —

está gritando lá fora?

Uma enorme multidão. Como ainda é cedo, presumo que os

homens do Templo devam ter trabalhado durante a noite para mobilizála. A sentença será dada antes que o resto de Jerusalém tenha a oportunidade de se reunir para protestar. Cláudia terminou de se vestir sem o cuidado habitual. Não tinha


interesse por sua aparência naquele dia. Só precisava estar bastante decente para se mostrar aos homens no tribunal. Ao se contemplar no espelho, um pensamento ocorreu-lhe: — Onde está Pilo? Ainda não acordou? — Não, —

minha senhora. Continua deitado.

Melhor assim. Fique com ele e não o deixe sair do quarto. Não

quero que ele veja ou escute o que está acontecendo na cidade. — Claro,

minha senhora.

Cláudia saiu correndo do quarto, na missão mais importante de sua vida.

 Cláudia Prócula fez o melhor que podia para esconder o desespero e a repulsa quando entrou no pátio, convertido num tribunal improvisado. Pilatos fizera essa concessão aos sacerdotes, que não queriam entrar nas câmaras romanas formais, para não correr o risco de profanação na Páscoa. Era uma área murada e privada, que não os expunha à multidão crescente lá fora. Pôncio Pilatos mandara levar sua cadeira romana para o pátio, a fim de presidir o julgamento. Por trás dele, havia dois guardas de confiança, Pretório, de olhos azuis, e o homem rude que Cláudia detestava, chamado Longinus. Pilatos era flanqueado no tablado por Anás e Caifás, de um lado, com um enviado de Herodes no outro. O enviado do Templo, Jairo, era conspícuo por sua ausência. No chão, na frente deles, amarrado e sangrando, estava Easa, o Nazareno. Cláudia ficou observando Easa de trás da cortina. Ele levantou os olhos como se sentisse sua presença, antes de vê-la. Nesse momento, Cláudia experimentou o mesmo sentimento de puro amor e luz que sentira na noite em que Pilo fora curado. Não tinha o menor desejo de desviar o olhar ou se desviar do calor daquele homem. Será que os outros não sentiam? Como era possível que se mantivessem naquele espaço fechado sem serem afetados pelo brilho e calor de sol que se irradiava daquela criatura sagrada?


Ela limpou a garganta, a fim de alertar o marido para sua presença. Pilatos virou o rosto e avistou-a. — Cavalheiros,

peço que me dêem licença.

Pilatos deixou o julgamento para ir ao encontro da esposa. Cláudia levou-o para um ponto em que os outros não poderiam ouvi-los. Entrou em pânico ao ver o rosto muito pálido do marido. O suor escorria pela testa e têmporas do procurador romano, embora a manhã estivesse fresca. — Acho —

que o resultado não será fácil, Cláudia.

Não pode permitir que eles matem esse homem, Pôncio. Sabe o

que ele é. Pilatos sacudiu a cabeça: — Não,

não sei o que ele é, e é isso que torna tão difícil determinar

uma sentença. —

Mas sabe que ele é apenas um homem que semeou boas ações

por toda parte. Sabe que ele não cometeu qualquer crime que exija uma punição severa. —

Estão dizendo que ele é um rebelde. Se for considerado uma

ameaça a Roma, não posso permitir que continue a viver. — Mas

sabe que isso não é verdade!

Pilatos desviou os olhos da esposa por um longo momento. Respirou fundo, antes de tornar a fitá-la: —

Cláudia, estou num tormento. Esse homem desafia toda a razão

e lógica romana. Toda filosofia que já estudei é contestada pela situação com que nos defrontamos agora. Meu coração e meu instinto dizem que ele é inocente... e não devo condenar um homem inocente. — Então

não condene! Por que é tão difícil assina? Você tem o poder

de salvá-lo, Pôncio. Salve o homem que nos devolveu nosso filho. Pilatos passou as mãos pelo rosto para remover o suor. —

É difícil, porque Herodes exige a execução, o mais depressa

possível. — Herodes —

é um chacal!

É verdade, mas é um chacal que parte para Roma ao final da

tar de e tem o poder de me destruir junto a César, se eu desagradar-lhe.


O homem pode nos liquidar, Cláudia. Vale a pena? A vida de mais um rebelde judeu vale a perda de nosso futuro? — Ele

não é um rebelde!

A conversa foi interrompida pelo enviado de Herodes, que chamou Pilatos de volta ao julgamento. Quando ele se virou, Cláudia segurou-o pelo braço. —

Pôncio, tive um sonho terrível na noite passada. Temo por você

e por Pilo se não salvar esse homem. A ira de Deus cairá sobre todos nós. —

É possível. Mas que Deus? Devo acreditar que o Deus dos judeus

tem poder sobre Roma? Outros homens chamaram-no de volta ao julgamento, Pilatos fitou a esposa nos olhos e acrescentou: —

É um dilema, Cláudia. O maior desafio que já enfrentei. Pensa

que sinto esse fardo menos do que você? Ele voltou ao pátio, a fim de interrogar o prisioneiro. Cláudia continuou a observar por trás da cortina. —

Os sacerdotes de sua nação trouxeram-no para mim, pedindo

a pena de morte — disse Pilatos ao prisioneiro nazareno. — O que você fez? É o Rei dos Judeus? Easa respondeu com sua calma habitual: —

Você mesmo formulou essa pergunta, pelo que conhece a meu

respeito? Ou os outros pediram que a fizesse? —

Responda à pergunta. Você é um rei? Se disser que não é, eu o

devolverei aos sacerdotes, para que seja julgado por suas próprias leis. Jônatas Anás apressou-se em interferir: —

Não temos leis para condenar um homem à morte, procurador.

Foi por isso que viemos procurá-lo. Se ele não fosse um malfeitor e perigoso, nunca o teríamos incomodado com esse problema. —

O prisioneiro terá de responder — insistiu Pilatos, ignorando a

intervenção de Anás. Easa respondeu, olhando apenas para Pilatos. Cláudia teve a


impressão de que os dois homens não viam nem ouviam as outras pessoas no pátio. Tudo acontecia só entre os dois, uma dança de destino e fé que mudaria o mundo. Cláudia sentiu um calafrio percorrer seu corpo. — Vim

a este mundo para mostrar às pessoas O Caminho de Deus

e dar testemunho da verdade. O filósofo romano em Pilatos não podia deixar passar aquela oportunidade: —A

verdade... Diga-me, nazareno, qual é a verdade?

Os dois fitaram-se em silêncio por um longo momento, seus destinos entrelaçados. Pilatos rompeu a interação ao se virar para os sacerdotes: —

Eu direi o que é a verdade. A verdade é que não encontro

qualquer culpa neste homem. Pilatos

foi

interrompido

pelo

anúncio

da

chegada

de

um

retardatário. A sessão parou quando Jairo entrou e cumprimentou os outros sacerdotes. Pediu desculpas a Pilatos pelo atraso, alegando questões urgentes relacionadas com a Páscoa. —

Não tem importância, Jairo. — Pilatos sentia-se aliviado pela

presença do judeu que se tornara seu amigo. Tinham um segredo partilhado. — Acabo de comunicar a seus irmãos que não encontro qualquer culpa nesse homem e não posso condená-lo. Jairo balançou a cabeça, com uma expressão compreensiva: — Entendo... Caifás virou-se para Jairo: — Você sabe como esse homem é perigoso. Jairo olhou para seu irmão sacerdote e de novo para Pilatos, fazendo um esforço para não fitar o prisioneiro. — Mas

é a Páscoa, meus irmãos. Um tempo de justiça e paz entre

nosso povo. — Para Pilatos, ele acrescentou: — Conhece o nosso costume nesta época do ano? Pilatos percebeu o que Jairo tentava fazer e aproveitou a oportunidade:


Claro que conheço. Todos os anos, nesta época, vocês escolhem

um prisioneiro para receber clemência e ser libertado. Levaremos esse prisioneiro à presença do povo para que decida seu destino? — Excelente!

Jairo sabia que Anás e Caifás estavam acuados, e não podiam recusar a generosa oferta de Roma. Também sabia que na multidão lá fora havia muitos partidários dos sacerdotes... e mais do que uns poucos mercenários, que haviam sido bem pagos para criar uma manifestação contra o nazareno, se isso fosse necessário. Jairo só podia torcer para que os nazarenos e seus partidários já tivessem chegado, trazendo seguidores em grande quantidade. Pilatos mandou que os centuriões levassem o prisioneiro para a muralha da fortaleza. Caifás e Anás pediram licença para não segui-los, porque não queriam ser vistos em companhia de romanos naquela manhã. Voltariam depois que fosse tomada a decisão de salvar um prisioneiro. Pilatos desconfiou de que os sacerdotes quisessem sair para incitar a multidão contra Easa, mas não podia fazer nada. Olhou para Jairo quando ele também pediu licença para se retirar. Os dois trocaram um olhar significativo, pouco antes de cada um se afastar para cumprir seus deveres. Pilatos fez o anúncio da Páscoa diante da multidão cada vez maior, a voz ressoando na manhã de Jerusalém: —

Sei que vocês têm um costume. Por isso, libertarei um dos

prisioneiros em homenagem à sua Páscoa. Easa foi arrastado bruscamente para o lado de Pilatos. O procurador lançou um olhar furioso para Longinus por sua brutalidade desnecessária. — Já

chega! — disse ele ao centurião, em voz baixa, antes de se virar

de novo para a multidão. — Devo soltar este homem, o Rei dos Judeus? Houve uma atividade frenética na multidão, vozes disputando umas com as outras para serem ouvidas. Alguém gritou: — Não

temos rei além de César!

Outro homem acrescentou:


— Soltem

Barrabás, o zelote!

Essa sugestão foi recebida com gritos de aprovação. Algumas vozes intrépidas ainda tentaram: — Soltem

o nazareno!

Mas foi em vão. Os seguidores do Templo haviam sido bem instruídos e o coro para soltar Barrabás tornou-se ensurdecedor. — Barrabás!

Barrabás! Barrabás!

Pilatos não tinha opção que não soltar o prisioneiro favorecido pela multidão. Barrabás, o zelote, foi libertado para celebrar a Páscoa, enquanto Easa, o Nazareno, era condenado ao flagelo. Cláudia Prócula interceptou o marido quando ele descia da muralha. — Vai açoitá-lo? —

Paz, mulher! — disse Pilatos, ríspido, puxando-a para o lado. —

Ele terá de ser açoitado publicamente, mas ordenarei que Pretório e Longinus sejam brandos. Talvez isso satisfaça a sede de sangue da multidão e as pessoas deixem de clamar por sua crucificação. Ele suspirou fundo, soltou a esposa, e acrescentou: —É

tudo o que ainda posso fazer, Cláudia.

— E se não for suficiente? — Não

me faça a pergunta se não quiser ouvir a resposta.

Cláudia balançou a cabeça, consternada. Já desconfiara que era essa a situação. —

Pôncio, eu queria lhe pedir mais uma coisa. A família desse

homem... a esposa e os filhos... estão nos fundos da fortaleza. Queria que você adiasse o flagelo apenas pelo tempo suficiente para que ele possa vê-los. Pode ser sua última oportunidade de falar com as pessoas que ama. Por favor. Pilatos concordou, com um brusco movimento de cabeça. —

Está bem, mas não por muito tempo. Mandarei Pretório levar o

prisioneiro. Ele merece confiança em tudo que se relaciona com o nazareno. Mandarei Longinus preparar a punição pública.


Pôncio Pilatos cumpriu sua palavra. Permitiu que Easa fosse levado a um aposento nos fundos da fortaleza, para um encontro com Maria e as crianças. Easa abraçou o pequeno João e Tamar, disse-lhes que deveriam ser corajosos e cuidar da mãe. Beijou-os e acrescentou: —

Lembrem-se, meus filhos queridos, que estarei sempre com

vocês, não importa o que possa acontecer. Quando o tempo estava quase esgotado, ele abraçou Maria Madalena pela última vez. —

Preste atenção, minha pombinha, pois é muito importante.

Depois que eu deixar meu corpo de carne, não deve se apegar a ele. Deve me deixar partir, com a certeza de que estarei sempre com você em espírito. Feche os olhos e vai me encontrar. Ela tentou sorrir através das lágrimas, fazendo um grande esforço para se mostrar corajosa. O coração estava abalado e sentia-se atordoada de angústia e terror, mas não queria deixar que ele percebesse. Sua força era a dádiva final que podia lhe oferecer. Pouco depois, Pretório entrou na sala para levar Easa. Os olhos azuis do centurião estavam avermelhados. Easa procurou confortá-lo: — Faça —

o que tem de fazer.

Vai se arrepender de ter curado minha mão — balbuciou o

centurião, quase sufocando com as palavras. Easa sacudiu a cabeça em negativa: —

Não, não vou. Prefiro saber que o homem no outro lado é um

amigo. Saiba agora que o perdôo. Mas, por favor, pode me dar mais um momento? Pretório balançou a cabeça e saiu para esperar lá fora. Easa virouse para as crianças. Pôs a mão em seu coração. — Lembrem-se

de que estou bem aqui. Sempre estarei.

João e Tamar inclinaram a cabeça, solenemente. Os olhos escuros de João estavam imensos e sérios, enquanto os olhos da pequena Tamar enchiam-se de lágrimas, embora não compreendesse a terrível situação. Easa virou-se para Maria e sussurrou: —

Prometa que não deixará as crianças verem o que vai


acontecer hoje. E eu não gostaria que você testemunhasse o que acontecerá em seguida. Mas no final... Ela não o deixou terminar. Abraçou-o e apertou-o com toda a força, por um último momento, marcando em seu cérebro e corpo como o sentia exatamente em carne e osso. Guardaria aquela lembrança enquanto vivesse. —

Estarei lá com você — sussurrou Maria. — Não importa o que

possa acontecer. — Obrigado,

minha Maria.

Easa desvencilhou-se, gentilmente. Disse as palavras finais com um sorriso, como se fosse voltar para jantar em casa ao final da tarde. —

Nunca sentirá minha falta, porque não irei embora. Será melhor

do que é agora, porque nunca mais vamos nos separar.

 Maria e as crianças deixaram a Fortaleza Antonia com o escravo grego de Cláudia Prócula. Maria pediu para se encontrar com Cláudia, pois queria agradecer pessoalmente. Mas o escravo sacudiu a cabeça em negativa e respondeu em sua língua nativa: —

Minha ama está consternada com os acontecimentos deste dia.

Ela me disse que não pode encará-la. Tentou tudo que podia para salválo. —

Diga-lhe que sei disso. E que Easa também sabe. Diga ainda

que espero que um dia possamos nos encontrar e transmitirei pessoalmente meus agradecimentos e de Easa. O grego inclinou a cabeça, humilde, e depois se retirou para ir ao encontro de sua ama. Maria e as crianças saíram para o caos que era Jerusalém naquela sexta-feira sagrada. Precisava tirar as crianças dali, levá-las para o mais longe possível, antes que os sons da flagelação alcançassem os seus ouvidos. A casa segura oferecida por Salomé ficava ali perto. Maria decidiu ir até lá para encontrar Marta e instruí-la a levar as crianças de volta para Betânia.


A Grande Maria e as duas Marias mais velhas estavam na casa. Mas Marta saíra para procurar Madalena e as crianças, sem saber que voltariam para a casa. Maria Madalena tinha o difícil encargo de relatar os acontecimentos da manhã para a mãe de Easa. A Grande Maria balançou a cabeça, as lágrimas aflorando aos olhos idosos, que revelavam uma imensa sabedoria e compaixão. —

Ele viu isso acontecer há muito tempo — murmurou ela, depois

de um longo momento. — E eu também vi. As mulheres decidiram sair e enfrentar a multidão de Jerusalém. Encontrariam Marta e providenciariam para que João e Tamar fossem levados para um lugar seguro, longe dali... e depois procurariam Easa. Se ele fosse condenado e crucificado hoje, não o deixariam. Maria prometera. Easa clamara apenas por ela e a mãe naquelas horas finais. Ao se prepararem para deixar a casa, a Grande Maria aproximou-se da nora, estendendo o véu vermelho de sua posição. —

Use isto, minha filha. Você é uma nazarena e uma rainha,

agora mais do que nunca. Maria Madalena pegou o véu vermelho e passou-o em torno do corpo, plenamente consciente de que sua vida nunca mais seria a mesma.

 — Crucifiquem-no!

Crucifiquem-no!

O coro da multidão ressoava por toda parte. Pilatos observava com uma mistura de impotência e repulsa. O brutal derramamento de sangue do nazareno não satisfizera a multidão. Ao contrário, parecia ter insuflado as pessoas a clamarem com mais veemência pela morte do prisioneiro. Um homem se adiantou com uma coroa de espinhos afiados. Jogou-a na direção de Easa, ainda arriado no poste em que fora açoitado, os ferimentos abertos ao sol forte da manhã. —

Aqui está sua coroa, se você é mesmo um rei! — escarneceu ele,

arrancando risadas desdenhosas dos espectadores. Pretório desamarrou Easa. Tirava-o do poste quando Longinus


pegou a coroa de espinhos e fincou-a cruelmente na cabeça de Easa. A carne do couro cabeludo e da testa foi rasgada. O sangue misturou-se com o suor e escorreu para os olhos de Easa, enquanto a multidão hostil berrava em aprovação. —

chega,

Longinus!

resmungou

Pretório

para

seu

companheiro. Longinus soltou uma risada, um som estridente e amargo: —

Você está ficando mole. — Ele cuspiu na direção dos pés de

Pretório. — Não demonstrou a menor satisfação ao açoitar esse Rei dos Judeus. Quando Pretório respondeu, foi com uma voz tão ameaçadora que fez um calafrio subir pela espinha do calejado Longinus: —

Toque nele sem necessidade outra vez e cuidarei para que

tenha uma cicatriz igual na outra face. Pilatos interpôs-se entre os dois, sentindo a possibilidade de violência entre seus próprios homens. Não podia permitir que isso acontecesse, não hoje. O que os dois quisessem fazer um com o outro, mais tarde, longe da vista da multidão, era uma coisa; mas ali e naquele momento ele tinha de assumir o controle antes que a situação se deteriorasse ainda mais. O procurador romano levantou as mãos para falar à multidão: — Olhem

para esse homem. Apenas um homem, eu digo, porque

acho que não é um rei. Não vejo culpa nesse homem e ele já foi flagelado de acordo com a lei romana. Não há mais nada que possamos fazer aqui. — Crucifiquem-no!

Crucifiquem-no!

O coro da multidão era implacável, como se fosse ensaiado e encenado. Pilatos ficou furioso com a manipulação da multidão, que o deixava numa situação difícil. Encostou a mão em Easa e inclinou-se para lhe falar. —

Escute, Nazareno, esta é sua última oportunidade de se salvar.

Por isso, eu lhe pergunto. Você é um Rei dos Judeus? Porque, se disser que não é, não terei motivos para crucificá-lo, pela lei romana. E tenho o poder para libertá-lo.


A última frase foi dita em tom de extrema urgência. Easa fitou Pilatos em silêncio por um longo momento. Maldito seja! Fale logo! Foi como se Easa lesse os pensamentos de Pôncio Pilatos, pois respondeu num sussurro: —

Não posso tornar a situação mais fácil para você. Nossos

destinos foram escolhidos para nós, mas você deve agora escolher seu senhor. A tensão na multidão aumentava, com mais berros ressoando no cérebro de Pôncio Pilatos. Havia muitos gritos em favor do nazareno, mas eram abafados pelos clamores sedentos de sangue dos mercenários que haviam recebido um generoso pagamento dos sacerdotes para realizar aquele serviço sórdido. Os nervos de Pilatos estavam tão tensos quanto um arco esticado, enquanto via pesarem seus deveres, suas ambições, sua filosofia e sua família, sobre os ombros daquele frágil nazareno. Um grito à sua esquerda surpreendeu-o. Virou-se para avistar o enviado de Herodes, o tetrarca da Galiléia. — O que é? — perguntou Pilatos. O homem entregou um pergaminho com o sinete de Herodes. Pilatos leu o que estava escrito ali. Gostaria que resolvesse imediatamente o problema do nazareno, pois quero partir mais cedo para Roma, sabendo que poderei apresentar a César um relatório favorável sobre a maneira como você lida com as ameaças contra Sua Majestade Imperial. Era o golpe final para Pôncio Pilatos. Ele releu o pergaminho, só então percebendo que estava manchado de sangue... o sangue do nazareno, que escorrera para suas mãos quando o tocara. Chamou um servo e pediu que lhe trouxesse uma bacia de prata com água. Pilatos lavou as mãos, fazendo um esforço para não ver a água se tornando vermelha com o sangue do prisioneiro. — Lavo

o sangue desse homem de minhas mãos! — gritou ele para

a multidão. — Crucifiquem seu rei, se é isso o que estão decididos a fazer.


Pilatos virou-se, sem olhar mais para Easa, e voltou para a Fortaleza Antonia. Mas ainda não acabara para ele. Caifás foi procurá-lo momentos depois, acompanhado por vários homens do Templo. —

Já não fiz o suficiente para vocês em um dia? — perguntou

Pilatos ao sacerdote. —

Quase, Excelência — respondeu Caifás, com um sorriso

presunçoso. —O —

que mais vocês querem de mim?

A tradição determina que uma placa seja pendurada na cruz,

um título para mostrar ao mundo o crime que o homem cometeu. Gostaríamos que escrevesse que ele era um blasfemo. Pilatos pediu os materiais para escrever o título para a placa que seria pendurada na cruz. — Escreverei

aquilo pelo qual o condenei, não o que vocês me pedem.

Essa é a tradição. E ele escreveu a abreviação INRI, com o significado logo abaixo: Easa, o Nazareno, Rei dos Judeus. Pilatos olhou para seu servo. —

Providencie para que isso seja pregado na cruz, acima do

prisioneiro. E mande o escriba escrever a mesma coisa em hebraico e aramaico. Caifás ficou consternado. — Não

deve dizer isso! Se for preciso, escreva: “Ele alegou que era o rei

dos judeus”, para que as pessoas saibam que não o respeitamos como tal. Pilatos já se cansara daquele homem e suas manipulações, hoje e para sempre. Irradiava uma ira intensa ao responder: —O

que escrevi, está escrito.

E ele virou as costas para Caifás e os outros. Retirou-se para o sossego de seus aposentos, onde permaneceu trancado pelo resto do dia.

 A multidão cada vez maior parecia se movimentar como se fervilhasse, arrastando Maria e as crianças. Ela agarrava os filhos com


firmeza, um em cada mão, enquanto tentava atravessar, à procura de Marta. Pelos comentários, Maria sabia que Easa fora condenado e estava sendo levado para o Gólgota, onde seria executado. Avaliando o movimento da turba, ela compreendeu que Easa se encontrava no meio da procissão que se arrastava pela rua. Seu desespero aumentava cada vez mais. Tinha de encontrar Marta, providenciar para que as crianças fossem levadas para longe, sãs e salvas, a fim de que ela pudesse passar os momentos finais ao lado de Easa. E foi nesse instante que ela ouviu. A voz de Easa soou tão nítida em sua cabeça como se ele estivesse ao seu lado: —

Peça e receberá. É simples assim. Deve pedir ao Senhor Nosso

Pai pelo que queremos e ele providenciará para as crianças que ama. Maria Madalena apertou as mãos das crianças e fechou os olhos. —

Por favor, Senhor, ajude-me a encontrar Marta, para que ela

leve meus filhos até um lugar seguro. Assim, poderei ficar junto de meu amado Easa em seu momento de sofrimento. — Maria!

Estou aqui, Maria!

A voz de Marta atravessou a multidão para alcançar a cunhada, segundos depois da oração. Maria abriu os olhos para avistá-la se aproximando. As duas se abraçaram, emocionadas. —

Eu a descobri no meio de todo esse povo porque está usando o

véu vermelho — explicou Marta. Maria fez um esforço para conter as lágrimas. Não havia tempo a perder, mas a presença de Marta era um grande conforto para ela. —

Venha comigo, minha princesinha. — Marta pegou Tamar no

colo. Segurou João pela mão. — Você também, meu jovem. Maria deu um abraço apertado em cada criança, prometendo que voltariam a se encontrar em Betânia, o mais depressa possível. —

Vá com Deus, irmã — sussurrou Marta para Maria. —

Cuidaremos das crianças até que você possa voltar para casa. Tome cuidado. Ela beijou a cunhada, mais jovem, agora uma mulher adulta com porte de rainha, depois tornou a enfrentar a multidão, levando as


crianças.

 Maria Madalena precisou fazer um grande esforço para avançar pelo meio da multidão. Conseguiu ficar à frente de todos, mas não foi capaz de se aproximar de Easa. Avistou os véus vermelhos da Grande Maria e das outras Marias e seguiu-as, pelo caminho sinuoso que levava ao Gólgota. Tentou alcançá-las, mas foi ficando para trás, espremida pela multidão que seguia sua presa. Quando os centuriões chegaram ao alto do morro conhecido como o Lugar do Crânio, ela verificou que estavam pelo menos cem metros à sua frente. Lá estavam o vulto encurvado de Easa e os véus vermelhos de sua mãe e das outras Marias. A multidão à frente ainda era densa, bloqueando a passagem de Maria. Ela não se importava com mais nada. Não havia tempo para pensar em qualquer outra coisa que não alcançar Easa. Maria contornou a multidão, deixou o caminho e começou a escalar a encosta rochosa. Havia pedras pontiagudas e espinheiros, mas nada disso tinha qualquer importância para Maria Madalena. Estava tão empenhada em alcançar seu destino que não notou a princípio que o céu começava a escurecer. Escorregou numa rocha, rasgando a parte inferior do véu. Um espinheiro abriu cortes em sua perna. Ao cair, ouviu o som, o estrépito angustiante e comovente que a atormentaria todas as noites, pelo resto de sua vida: metal contra metal, martelo batendo em prego. Houve um grito de agonia quando Maria escorregou de novo, mas só mais tarde ela compreendeu que o grito saíra de seus próprios lábios. Encontrava-se tão perto agora que não podia permitir que nada a detivesse. Enquanto subia, Maria percebeu, aturdida, que as rochas estavam molhadas e escorregadias. O céu se tornara negro e a chuva caía, como lágrimas divinas sobre a Terra ressequida e condenada, onde o Filho de Deus acabara de ser pregado numa cruz de madeira.


Maria Madalena alcançou a cruz momentos depois, juntando-se à sogra e às outras Marias em sua vigília. Havia dois outros homens sofrendo no Gólgota naquele dia, em cruzes que ladeavam a de Easa. Maria não olhou para eles; só tinha olhos para Easa. Estava determinada a não ver os ferimentos; em vez disso, concentrou-se no rosto, que parecia sereno e calmo, os olhos fechados. As mulheres mantinham-se paradas ali, juntas, amparando umas às outras, orando a Deus para livrar Easa do sofrimento. Maria olhou ao redor e constatou que não conhecia ninguém na multidão... e pelo resto do dia não viu nenhum dos discípulos. Os romanos mantinham as pessoas afastadas do local da execução. Ao olhar para os centuriões, Maria constatou que Pretório estava no comando. Fez uma oração silenciosa de agradecimento a ele, pois tinha certeza de que era o responsável por permitir que a família tivesse alguma privacidade ao pé da cruz. Todas ficaram imóveis quando ouviram Easa tentar falar. Era muito difícil, pois o peso do corpo sobre o diafragma tornava quase impossível respirar e falar ao mesmo tempo. — Mãe...

olhe para seu filho.

As mulheres chegaram mais perto da cruz para ouvir suas palavras. O sangue escorria do corpo todo ferido, misturando-se com as gotas de chuva que caíam nos rostos das mulheres. —

Minha amada... — sussurrou ele para Maria Madalena. — Olhe

para sua mãe. Easa fechou os olhos e acrescentou, a voz baixa, mas muito clara: — Está

acabado.

Ele baixou a cabeça e ficou imóvel. Houve silêncio. Ninguém se mexia na multidão. O céu ficou todo preto nesse instante, não da cor de um céu com nuvens de tempestade, mas preto como breu, desprovido de toda e qualquer luz. A multidão no monte começou a entrar em pânico, com gritos de confusão espalhando-se pelo ar. Mas a escuridão durou apenas um instante,

logo

passando

para

um

cinza

opaco.

Dois

soldados


aproximaram-se de Pretório. —

Temos ordens para apressar a morte dos prisioneiros, para que

seus corpos possam ser removidos antes do Sabá dos judeus. Pretório olhou para o corpo de Easa. —

Não há necessidade de quebrar as pernas desse homem. Ele já

morreu. —

Tem certeza? — perguntou um dos soldados. — Normalmente

os homens levam muitas horas para sufocar da crucificação, às vezes até alguns dias. — Esse

homem está morto — insistiu Pretório. — Não toquem nele.

Os dois soldados eram bastante perceptivos para compreender a ameaça no tom de seu chefe. Com seus porretes, foram cumprir a desagradável tarefa de quebrar as pernas dos outros dois prisioneiros, a fim de apressar o processo de sufocação. Pretório estava tão ocupado em dar ordens que não viu Longinus se aproximar do outro lado da cruz. Já era tarde demais quando tornou a focalizar Easa com seus olhos azuis. Longinus, com a lança na mão, espetou-a na lateral do corpo do prisioneiro nazareno. Maria Madalena gritou em protesto. A risada de Longinus em resposta foi dura e sádica: —

Só estou conferindo. Mas é verdade. O nazareno está morto. —

Ele virou-se para Pretório, que estava pálido de raiva. — O que pretende Pretório fez menção de falar, mas logo se conteve. Quando finalmente respondeu, sua voz era calma: —

Nada. Não preciso fazer nada. Você criou sua própria maldição

pelo que fez.

 — Baixem

esse homem! — ordenou Pretório.

Um mensageiro da fortaleza de Pilatos trouxera uma mensagem para tirar da cruz o corpo do nazareno e entregá-lo à família, para ser sepultado antes do pôr-do-sol. Era uma decisão excepcional, pois de um modo geral as vítimas de crucificação eram deixadas em suas cruzes, os


corpos se decompondo, como uma advertência para o povo. Mas o caso de Easa, o Nazareno, era diferente. O tio rico de Easa, José, o mercador de estanho, fora à Fortaleza Antonia, em companhia de Jairo, e conversara com Cláudia Prócula. Fora ela quem Obtivera permissão para a remoção imediata do corpo, para sepultamento. Ao chegar ao Gólgota, José confortou a Grande Maria, enquanto seu filho era retirado da cruz. A mãe de Easa estendeu os braços quando os soldados pegaram o corpo, murmurando: — Quero

abraçar meu filho pela última vez.

Pretório pegou o corpo de Easa e foi depositá-lo, gentilmente, no colo da Grande Maria. Ela abraçou-o, permitindo-se chorar pela perda de seu amado filho. Maria Madalena ajoelhou-se ao seu lado. A Grande Maria estendeu um braço para incluí-la no abraço, enquanto o outro braço aninhava a cabeça de Easa. As duas permaneceram nessa posição de luto, juntas, por um longo tempo.

 José comprara um sepulcro para a família num cemitério não muito longe do Gólgota. Foi para lá que os nazarenos levaram o corpo de Easa. Nicodemo, um nazareno que trabalhava para José, levou mirra e aloé para o túmulo. As Marias iniciaram a preparação do corpo para o sepultamento, envolvendo-o com a mortalha. Mas, quando chegou o momento de ungir Easa com a mirra, a Grande Maria estendeu o pote para Maria Madalena. — Só

você pode ter essa honra.

Madalena cumpriu os deveres de uma viúva no ritual fúnebre. Beijou Easa na testa e despediu-se, as lágrimas misturadas com a mirra. Ao fazê-lo, teve certeza de ouvir a voz de Easa no sepulcro, fraca, mas firme: — Estou

sempre com você.

Juntas, as nazarenas despediram-se e deixaram a tumba. Uma enorme laje de pedra fora providenciada para tapar a tumba, a fim de


proteger o corpo de Easa. Foi preciso recorrer à força de vários homens, uma roldana e tábuas, para colocar o bloco de pedra em seu lugar. Isso feito, o grupo desolado retirou-se para a segurança da casa de José. Maria Madalena desfaleceu ao chegar lá e dormiu até o dia seguinte. Na tarde de sábado, diversos apóstolos foram à casa de José para uma conversa com Maria Madalena e as Marias mais velhas. Partilharam seus relatos sobre os acontecimentos do dia anterior e consolaram-se mutuamente. Foi um tempo de desespero, mas também um tempo que serviu para uni-los ainda mais. Ainda era cedo para tratar do futuro do movimento, mas aquele espírito de união era um bálsamo para as sensibilidades abaladas. Maria Madalena, contudo, estava preocupada. Ninguém vira ou tivera notícias de Judas Iscariotes desde a prisão de Easa. Jairo esteve na casa de José para saber de seu paradeiro. Informou que Judas ficara desesperado depois da prisão. Chorara para Jairo toda a noite, indagando: —

Por que ele me escolheu para esse ato? Por que fui o indicado para

cometer esse crime contra o meu povo? Maria explicou para o círculo íntimo de discípulos que Easa instruíra Judas a entregá-lo às autoridades. Mas as outras pessoas não sabiam — e não podiam saber — da verdade. Por isso, o nome de Judas estava se transformando rapidamente em sinônimo de “traidor” por toda Jerusalém, uma fama que se espalhava além. A reputação adquirida de Judas era mais uma da longa série de injustiças ocorridas naquele curso de destino e profecia. Maria orou para que um dia pudesse restaurar o nome de Judas. Mas ela ainda tinha de saber como fazê-lo. Judas nunca saberia se Maria seria capaz de restaurar a honra para seu nome. Descobririam depois que já era tarde demais, que outra tragédia ocorrera naquela tarde sinistra. Incapaz de aceitar que seu nome ficasse ligado para sempre à morte de seu Senhor e Mestre, Judas Iscariotes acabou com a própria vida no Dia das Trevas. Foi encontrado numa árvore, enforcado, fora das muralhas de Jerusalém.


 Maria Madalena teve um sono irrequieto naquela noite. Havia muitas imagens em sua mente, muitos sons e lembranças. Começou com um sentimento de apreensão, uma vaga noção de que havia algo errado. Maria levantou-se e atravessou, em silêncio, a casa de José. O céu ainda estava escuro, pois faltava pelo menos uma hora para o amanhecer. Não havia ninguém acordado e tampouco qualquer coisa errada na casa. E, de repente, ela soube. Teve aquele relance de profecia, que combina saber com ver. Easa. Precisava ir até sua tumba. Havia alguma coisa acontecendo no lugar em que ele fora sepultado. Maria hesitou por um momento. Deveria acordar José ou um dos outros para acompanhála? Talvez Pedro? Não! Você deve ir sozinha. Ela ouviu a resposta dentro da cabeça, mas ressoou ao seu redor. Envolta pela fé e um véu de luto, Maria Madalena saiu pela porta sem fazer barulho. Fora da casa, correu para a tumba, tão depressa quanto suas pernas podiam levá-la. Ainda estava escuro quando ela alcançou a parte do jardim em que ficava o sepulcro. O céu era púrpura em vez de preto; o amanhecer viria em breve. Havia claridade apenas suficiente para que Maria pudesse ver que o enorme bloco de pedra — que precisara da força de uma dúzia de homens para deslocá-lo — fora removido da entrada da tumba. Maria correu até lá, o coração disparado de medo. Baixou a cabeça para entrar na tumba, e viu que Easa não se encontrava mais ali. Estranhamente, havia luz no sepulcro, um brilho diferente, que iluminava toda a câmara. A mortalha de linho estava estendida sobre o bloco de pedra. Os contornos do corpo de Easa eram visíveis na mortalha, mas essa era a única indicação de que ele estivera ali. Como acontecera? Os sacerdotes sentiam tanto ódio de Easa que haviam chegado ao extremo de roubar seu corpo? Não, não podia ser. Então quem fizera aquilo? Ofegante, Maria saiu da tumba, voltando ao jardim. Desabou no


chão, chorando pelo que pensava ser mais uma indignidade sofrida por Easa. Enquanto chorava, os raios do sol iniciaram a jornada de luz através do céu. Os primeiros raios dançavam em seu rosto quando ela ouviu uma voz de homem por trás dele: — Mulher,

por que chora? A quem procura?

Maria não levantou os olhos no mesmo instante. Pensou que talvez um jardineiro tivesse chegado ao amanhecer para cuidar da relva e das flores em torno das tumbas. E depois pensou que talvez ele tivesse visto alguma coisa e pudesse ajudá-la. Ela falou através das lágrimas, enquanto erguia o rosto: — Alguém

levou meu Senhor e não sei para onde. Se sabe onde ele

está, suplico que me diga. — Maria...

A voz que a chamava agora era inconfundível. Ela ficou imóvel, por um momento com medo de se virar, sem saber o que encontraria quando olhasse. — Maria,

estou aqui.

Maria Madalena virou-se, enquanto o sol da manhã iluminava o belo homem à sua frente. Easa estava parado ali, vestindo uma túnica branca impecável, sem qualquer vestígio dos ferimentos que sofrera. Sorriu para ela, seu lindo sorriso de afeto e ternura. Quando ela se adiantou, Easa ergueu a mão. —

Não se apegue, Maria. Meu tempo neste mundo passou, embora

eu ainda não tenha ascendido ao encontro de meu Pai. Tinha de lhe dar este sinal agora. Procure nossos irmãos e diga-lhes que subirei agora ao encontro de meu Pai no céu, aquele que também é seu Pai e o deles. Maria acenou com a cabeça, reverente diante de Easa. Podia sentir a luz pura e terna de sua bondade irradiando-se ao redor. — Meu

tempo aqui passou. Agora é o seu tempo.


CAPÍTULO VINTE

Château des Pommes Bleues 29 de junho de 2005

Maureen estava sentada no jardim com Peter. O chafariz de Maria Madalena borbulhava suavemente atrás deles. Ela tivera de levá-lo para respirar um pouco de ar fresco, longe dos outros. O rosto do primo estava pálido e contraído, de insônia e estresse dos acontecimentos daquela semana. Parecia ter envelhecido pelo menos dez anos nos últimos dias. Maureen até notou que, nas têmporas, havia alguns fios de cabelos brancos, que nunca vira antes. — Sabe

qual é a parte mais difícil de tudo isso?

A voz de Peter era um sussurro quase inaudível. Maureen sacudiu a cabeça. Para ela, aquela era a mais inebriante de todas as circunstâncias possíveis. Mas sabia que muito do que Peter acreditara, por que vivera, fora contestado pelas coisas que lera no evangelho de Maria. E, no entanto, as palavras de Maria confirmavam a mais sagrada premissa do cristianismo, a ressurreição. — Não,

não sei. Qual é?

Peter fitou-a, os olhos injetados. Queria que ela compreendesse o que estava pensando. —

E se... e se negamos durante dois mil anos o derradeiro desejo

de Jesus Cristo? E se negamos o que o evangelho de João tentava nos dizer desde o início, quando Jesus aparece primeiro para Maria Madalena... que ela é a sucessora escolhida? Não seria irônico se tivéssemos negado em seu nome um lugar a Maria Madalena, não apenas como apóstola, mas também como líder dos apóstolos?


Ele fez uma pausa, tentando definir os desafios que haviam aflorado em sua mente... e também em sua alma. — Não

se apegue. É o que ele diz a Maria Madalena. Sabe como isso é

importante? Maureen sacudiu a cabeça e esperou pela explicação. — Os

evangelhos não são traduzidos assim... mas como “não me

toque”. É possível que o verbo grego nos originais tenha sido apegar em vez de tocar, mas ninguém jamais pensou dessa maneira. Entende a diferença? — Todo o conceito era uma revelação para Peter, como estudioso e como lingüista. — Percebe como a tradução de uma única palavra pode mudar tudo? Mas nos evangelhos de Maria o verbo usado é com certeza apegar. Ela até usa duas vezes, citando Jesus. Maureen tentava acompanhar a intensa reação de Peter a essa única palavra. —

Não resta a menor dúvida de que há uma diferença entre não

me toque e não se apegue. —

Isso mesmo — confirmou Peter, enfático. — A tradução “não

me toque” tem sido usada contra Maria Madalena, para demonstrar que Cristo a repelia. O que constatamos aqui, quando Cristo diz para ela não se apegar quando ele partir, é uma indicação de que ela deve seguir seu próprio caminho, se destacar por si mesma. O suspiro de Peter foi profundo, impregnado de exaustão. —É

uma imensa diferença, Maureen... imensa!

Maureen estava começando a perceber os desdobramentos da história de Maria. — Acho

que a descrição das mulheres como líderes no movimento é

um dos elementos mais importantes na história — comentou ela. — Pete, detesto piorar as coisas para você neste momento, mas o que acha dessa perspectiva sobre a Virgem? Madalena chama-a de Grande Maria e refere-se a ela, claramente, como uma líder de seu povo. Maria é um título dado a uma líder feminina. E há também o véu vermelho... Peter sacudiu a cabeça, como se pudesse dessa maneira desanuviála.


— Ouvi

uma ocasião o argumento de que o Vaticano declarou que a

Virgem seria apresentada apenas em branco e azul como um meio de reduzir seu poder, de esconder sua importância original como líder nazarena... que usava um véu vermelho, como vimos. Sinceramente, sempre achei que tudo isso era bobagem. Parecia óbvio para mim que a Virgem era apresentada em azul e branco para demonstrar sua pureza. Peter

fez

uma

pausa.

Levantou-se,

cansado,

enquanto

acrescentava: — Mas

agora nada mais me parece óbvio.

 Cape Cod, Massachusetts 30 de junho de 2005

No outro lado do Atlântico, em Cape Cod, Eli Wainwright, o magnata do mercado imobiliário, estava sentado numa poltrona, olhando pela janela, através do gramado de sua extensa propriedade. Não recebia notícias de Derek havia quase uma semana, o que o deixava muito preocupado. Existia um contingente americano na França para celebrar o dia de João Batista. O líder desse grupo telefonara para Eli quando Derek não apareceu para recebê-los. Eli vasculhava o cérebro, tentando pensar como Derek. O filho sempre fora um pouco independente, mas sabia o quanto aquilo era importante. Tudo o que tinha de fazer era se ater ao plano, permanecer perto do Mestre da Justiça e descobrir tanto quanto pudesse sobre seus movimentos e motivações. Depois que tivessem um relatório completo, os americanos poderiam começar a planejar seu golpe para tirar do contingente europeu a estrutura de poder da Guilda. Na última reunião, nos Estados Unidos, Derek mostrara-se insatisfeito com o prazo dilatado que Eli propusera para alcançarem os objetivos. Eli era um estrategista, mas o filho não herdara as qualidades de paciência e planejamento que convertera os Wainwright em bilionários.


Seria possível que Derek tivesse feito alguma coisa precipitada e estúpida? A resposta veio naquela tarde, quando o grito da esposa de Eli Wainwright abalou o tranqüilo ar marinho de Cape Cod. Eli saltou da poltrona e correu para o vestíbulo, onde a esposa caíra no chão, tremendo toda. — Pelo amor

de Deus, Susan, o que aconteceu?

Susan não conseguiu responder. Os soluços eram histéricos e a tentativa de falar resultou apenas numa algaravia ininteligível. Ela apontou para a caixa da Federal Express internacional caída no chão, ao seu lado. Eli respirou fundo. Tirou da caixa um pequeno caixão de madeira. Abriu-o para ver o anel de formatura de Derek em Yale. E o anel estava enfiado no que restava do dedo indicador cortado da mão direita de Derek Wainwright.

 Château des Pommes Bleues 30 de junho de 2005

Mesmo em circunstâncias normais, Maureen tinha um sono leve. E, com tantos problemas relacionados aos pergaminhos agitando seus pensamentos, ela descobriu que o sono era esquivo, apesar do cansaço geral. Ouviu passos no corredor, perto de sua porta, e se sentou na cama. Os passos eram leves, como se a pessoa estivesse fazendo um esforço para não ser ouvida. Maureen escutou atentamente, mas não se mexeu. Era um vasto castelo, com muitos cômodos e criados que provavelmente nem conhecia, pensou ela. Maureen tornou a se deitar e tentou dormir, mas foi perturbada de novo pelo barulho de um carro lá fora. O relógio indicava que eram quase três horas da madrugada. Quem poderia ser? Maureen levantouse e foi até a janela, que dava para a frente do castelo. Esfregou os olhos para ter certeza de que via direito.


O carro que passou em frente à janela e saiu pelo portão era o seu carro alugado... com o primo Peter ao volante. Maureen correu até o quarto de Peter. Acendeu a luz, confirmando a ausência das coisas do primo. A mala preta desaparecera, assim como os óculos, a Bíblia e o rosário de contas, todos os itens que ele mantinha ao lado da cama. Por

um

minuto,

Maureen

procurou,

frenética,

por

alguma

informação deixada por Peter. Um bilhete? Qualquer coisa? Mas ela nada encontrou. O padre Peter Healy sumira.

 Maureen tentou analisar os acontecimentos das últimas vinte e quatro horas. Haviam conversado ao lado do chafariz, quando Peter explicara a importância das palavras “não se apegue”. Ele parecia transtornado, mas Maureen atribuíra isso à insônia e às emoções da semana. O que o levara a pegar suas coisas em plena madrugada e partir? Peter não era de fazer isso. Nunca a abandonara, nem mesmo a decepcionara. Ela sentiu o pânico se insinuar. Se perdera Peter, não teria mais ninguém. Ele era toda a sua família, a única pessoa no mundo em quem depositava uma confiança implícita. — Reenie?

Maureen teve um sobressalto ao ouvir a voz atrás de si. Tammy estava parada na porta, esfregando os olhos para afugentar o sono. —

Desculpe. Ouvi o carro e depois movimentos aqui. Acho que esta

mos todos um pouco nervosos. Onde está o padre? — Não —

sei. — Maureen fez um esforço para não parecer exaltada.

Peter guiava o carro que deixou o castelo. Não sei por que ou para

onde ele foi. O que isso pode significar? — Por

que não liga para o celular dele?

— Peter

não tem um celular.

Tammy fitou-a, perplexa. — Claro

que tem. Eu o vi falando a um celular.


Foi a vez de Maureen se mostrar confusa. Peter detesta celulares. Diz que não tem tempo para

aprender novas tecnologias e acha os celulares bastante desagradáveis. Sempre se recusou a levar um celular para emergências, mesmo quando eu suplicava. —

Eu o vi falando ao celular duas vezes, Maureen. E, pensando a

respeito agora, nas duas ocasiões ele estava sentado no carro. Detesto dizer isso, mas acho que há algo de podre em Arques. Maureen teve a sensação de que ia vomitar. E, pela expressão de Tammy, compreendeu que as duas pensavam a mesma coisa. — Vamos!

Maureen saiu em disparada pelo corredor do castelo. Desceu a escada para o escritório de Sinclair. Tammy seguiu-a, a meio passo de distância. Pararam na porta. Estava entreaberta. Desde a chegada dos pergaminhos, a porta permanecia fechada e trancada, mesmo que um deles estivesse ali. Maureen engoliu em seco e respirou fundo ao entrar na sala escura. Por trás dela, Tammy encontrou o interruptor da luz... e as duas viram que não havia nada na mesa. A superfície de mogno faiscava no reflexo da luz. Vazia. — Os

pergaminhos sumiram... — balbuciou Maureen.

Ela e Tammy revistaram a sala, mas não encontraram qualquer sinal dos pergaminhos de Maria Madalena. As únicas provas restantes de sua existência eram os jarros de barro no canto, fora do caminho das pessoas.

Mas

os

jarros

estavam

vazios.

O

verdadeiro

tesouro

desaparecera. E tudo indicava que o padre Peter Healy, a pessoa em quem Maureen mais confiara em toda a sua vida, levara os pergaminhos. Maureen sentou-se no sofá de veludo, as pernas trôpegas. Não podia falar. Não sabia o que dizer, nem mesmo o que pensar. Apenas deixou-se cair no sofá, olhando fixamente para a frente. —

Maureen, tenho de falar com Roland. Vai ficar aqui?

Voltaremos num instante.


Maureen acenou com a cabeça, atordoada demais para falar. Continuava na mesma posição quando Tammy e Roland entraram na sala, acompanhados por Berenger Sinclair. Roland ajoelhou-se ao lado do sofá e disse, gentilmente: —

Mademoiselle Paschal, lamento muito pelo sofrimento que esta

noite lhe causará. Maureen fitou o enorme occitano, que se inclinava para ela com tanta preocupação. Mais tarde, quando pudesse se dar ao luxo de recordar aquele tempo em detalhes, pensaria em como ele se revelara um homem extraordinário. O mais valioso tesouro de seu povo acabara de ser roubado e sua preocupação principal era com o sofrimento de Maureen. Roland, mais do que qualquer outra pessoa que ela já conhecera, ensinava-lhe muita coisa sobre a verdadeira espiritualidade. E passaria a compreender por que eles eram chamados de les bons hommes. Os bons homens. —

Ah, estou vendo que o padre Healy escolheu seu senhor —

comentou Sinclair. — Eu já desconfiava de que isso poderia acontecer. Sinto muito, Maureen. Maureen sentiu-se ainda mais confusa. — Esperava

que isso acontecesse?

Sinclair confirmou com um movimento de cabeça. —

Esperava, minha cara. Suponho que tudo ficará às claras

agora. Sabíamos que seu primo trabalhava para alguém, só não tínhamos certeza de quem era. Maureen estava incrédula. —

O que está insinuando? Que Peter me traiu? Que planejava

desde o início me trair? —

Não posso alegar que sei quais são os motivos do padre Healy.

Mas sabia que ele tinha motivos. E desconfio de que saberemos a verdade antes do final do dia de amanhã. — Alguém

pode fazer o favor de me explicar o que está acontecendo?

A pergunta foi de Tammy, e Maureen compreendeu que ela também não sabia de nada. Roland se sentou ao seu lado e ela fitou-o com uma


expressão acusadora: — Estou

vendo que há muita coisa que vem escondendo de mim.

Roland deu de ombros. —

Era para sua proteção, Tamara. Todos temos segredos, como

sabe. Eram necessários. Mas acho que agora é hora de revelarmos tudo de uma forma objetiva. Creio que é justo que mademoiselle Paschal saiba de tudo. Ela já demonstrou seu valor. Maureen teve vontade de gritar, em estresse e confusão. A frustração deve ter transparecido em seu rosto, porque Roland inclinouse para ela e pegou sua mão. — Venha,

mademoiselle. Quero lhe mostrar algumas coisas.

Depois, ele virou-se para Sinclair e Tammy e fez algo que Maureen nunca o vira fazer antes: deu ordens. —

Berenger, peça aos criados para nos levarem café e depois se

encontre conosco na Sala do Grão-Mestre. Tamara, venha conosco.

 Percorreram corredores sinuosos e entraram numa ala do castelo em que Maureen nunca estivera antes. —

Devo lhe pedir que seja um pouco paciente, mademoiselle

Paschal — disse Roland, olhando para trás. — Preciso explicar algumas coisas primeiro, antes de responder às suas perguntas mais urgentes. — Está

bem.

Maureen sentia-se atordoada, enquanto seguia Roland e Tammy. Não sabia o que dizer. Pensou no dia em que se encontrara com Tammy na marina, na Califórnia Meridional. Era muito ingênua na ocasião; parecia ter acontecido duas vidas atrás. Tammy a comparara a Alice no País das Maravilhas. A comparação parecia bastante apropriada agora, pois Maureen tinha a sensação de que passara pelo espelho. Tudo o que pensava que sabia sobre a vida mudara por completo. Roland destrancou a enorme porta dupla à frente com uma chave que tinha pendurada ao pescoço. Um bip estridente soou quando entraram na sala. Roland digitou o código no painel para desligar o


alarme. A luz ativada iluminou uma sala enorme e toda ornamentada. Era uma linda sala de reunião para reis e rainhas da França. Em sua elegância,

parecia-se

com

as

salas

do

trono

em

Versailles

e

Fontainebleau. Duas cadeiras de braços iguais, lavradas e douradas, destacavam-se num estrado no centro. Cada uma exibia as maçãs azuis em destaque. — —

Este é o coração de nossa organização, a Ordem das Maçãs Azuis

explicou Roland. — Todos os seus membros são da linhagem real, em

particular da linha de Sara-Tamar. Somos descendentes dos cátaros e fazemos o melhor que podemos para manter suas tradições vivas, na forma mais pura possível. Ele levou-as até um retrato de Maria Madalena, pendurado atrás das cadeiras que pareciam tronos. Era parecido com o quadro de Madalena pintado por George de la Tour que Maureen vira em Los Angeles, com uma importante diferença. —

Lembra-se da noite em que Berenger lhe disse que um dos

quadros mais importantes de De la Tour não estava à disposição do público? É porque o quadro está aqui. De la Tour era membro de nossa sociedade e nos deixou este quadro. Foi chamado de Madalena penitente com o crucifixo. Maureen contemplou o quadro com reverência e admiração. Como todos os quadros do pintor francês, era uma obra-prima de luz e sombra. Mas naquele quadro Maria Madalena posava de uma maneira diferente da que Maureen já vira em todos os outros. Aquela versão mostrava Maria com a mão esquerda no crânio — que ela compreendia agora ser o crânio de João Batista —, enquanto a mão direita erguia um crucifixo. Ela olhava para o rosto de Cristo. —

O quadro era muito perigoso para ficar à vista do público. A

referência é clara para os olhos que quiserem ver: Maria faz penitência por seu primeiro marido e olha com amor para Jesus, seu segundo marido. Ele levou as duas até um quadro imenso, em outra parede. Mostrava

dois

santos

idosos

sentados

numa

paisagem

rochosa,


empenhados numa conversa animada, talvez mesmo uma discussão. — Tamara

pode contar a história deste quadro.

Roland sorriu para Tammy e deu um passo para o lado. Maureen olhou para Tammy, à espera da explicação. — O quadro é do pintor francês David Teniers, o Jovem. E chamado Santo Antonio, o Eremita, e São Paulo no deserto. Não é o mesmo São Paulo das cartas do Novo Testamento, mas outro santo regional, que também era um eremita. Berenger Saunière, o sacerdote de Rennes-le-Château, adquiriu esse quadro para a Sociedade. Isso mesmo, ele era um dos nossos. Maureen estudou o quadro atentamente e começou a ver os elementos que agora se tornavam familiares. Apontou-os. — Vejo —

um crucifixo e um crânio.

Isso mesmo — confirmou Tammy. — Este aqui é Antonio. Usa

aquele símbolo que parece a letra T na manga, mas é na verdade a versão grega da cruz, chamada Tau. São Francisco de Assis popularizou-a entre nós. Antonio levanta os olhos de seu livro... que é uma representação d'O Livro do Amor, e contempla o crucifixo. Olhe agora para Paulo. Ele está fazendo o gesto de “Lembre-se de João” com a mão. Debate com o amigo quem foi o primeiro Messias, João ou Jesus. Há livros e pergaminhos espalhados em torno de seus pés, para indicar que há muito material a considerar na discussão. É um quadro muito importante... na verdade, esses dois quadros são indiscutivelmente os mais importantes em nossa tradição. A aldeia representa Rennes-leChâteau, no alto da colina, e ali na paisagem... já viu quem está aqui? Maureen sorriu. —É —

a pastora e suas ovelhas.

Isso mesmo. Antonio e Paulo estão debatendo, mas a pastora

assoma por trás deles para lembrar que A Escolhida um dia encontrará os evangelhos ocultos de Maria Madalena, para acabar com toda a controvérsia, revelando a verdade. Berenger Sinclair entrou na sala em silêncio, enquanto Roland dizia:


Eu queria mostrar essas coisas, mademoiselle Paschal, para

que saiba que meu povo não guarda qualquer ressentimento contra os seguidores

de

João

Batista.

Somos

todos

irmãos

e

irmãs,

descendentes de Maria Madalena. Gostaria que pudéssemos viver em paz. Sinclair entrou na conversa. — Infelizmente,

alguns desses seguidores são fanáticos e sempre

foram. Constituem uma minoria perigosa. E o que acontece em todos os lugares do mundo em que um grupo de fanáticos ofusca as pessoas pacíficas que acreditam na mesma coisa. Mas a ameaça desses homens permanece muito real, como Roland pode lhe dizer. O rosto expressivo de Roland se tornou sombrio. —

É verdade. Sempre tentei viver de acordo com as convicções de

meu povo. Amar, perdoar, ter compaixão por todas as coisas vivas. Meu pai tinha a mesma convicção... e eles o mataram. Maureen sentiu a profunda tristeza do occitano pela perda do pai, mas também pelo intenso desafio a seu sistema de convicção que derivava do assassinato. — Mas —

por quê? — indagou Maureen. — Por que mataram seu pai?

Minha família é muito antiga nesta região, mademoiselle

Paschal. Aqui, só ouviu as pessoas me chamarem de Roland. Mas o nome de minha família é Gelis. —

Gelis? — Maureen sabia que o nome era familiar. Olhou para

Sinclair. — A carta de meu pai foi escrita para um monsieur Gelis. Roland acenou com a cabeça. —

Isso mesmo. Foi escrita para meu avô quando ele era Grão-

Mestre da Ordem. Tudo começava a se tornar compreensível. Maureen olhou para Roland e depois para Sinclair. O escocês respondeu à pergunta que não fora formulada: —

É verdade, minha cara. Roland Gelis é o nosso Grão-Mestre,

embora seja muito humilde para anunciar isso pessoalmente. É o líder oficial de nosso povo, como foram seu pai e seu avô antes. Ele não me


serve nem eu o sirvo... servimos juntos como irmãos, como determina a lei d'O Caminho. “As famílias Sinclair e Gelis assumiram o compromisso de servir a Madalena, na medida em que qualquer um de nós pode traçar a linhagem.” Tammy interveio: —

Maureen, lembra quando estávamos na Tour Magdala, em

Rennes-le-Château, e eu falei sobre o velho sacerdote que foi assassinado, ao final do século XIX? Seu nome era Antoine Gelis... o tio-bisavô de Roland. Maureen olhou para Roland. — Por

que toda essa violência contra sua família?

— Porque

sabíamos demais. Meu tio-bisavô era o guardião de um

documento chamado O livro da Escolhida, em que as revelações de todas as pastoras, por mais de mil anos, foram registradas pela Sociedade. Era o nosso instrumento mais valioso para tentar encontrar o tesouro de nossa Madalena. A Guilda dos Justos matou-o por isso. Mataram meu pai por razões similares. Eu não sabia na ocasião, mas Jean-Claude era o informante. Mandaram a cabeça e o dedo de meu pai para mim num cesto. Maureen estremeceu ante a macabra revelação. —

Esse derramamento de sangue vai acabar agora? O que acha

que eles farão? —

E difícil saber — disse Roland. — Eles têm um novo líder, que é

muito radical. E o mesmo homem que matou meu pai. Sinclair acrescentou: —

Falei com as autoridades locais, as que ainda são simpáticas às

nossas convicções, digamos assim. Maureen, você ainda não sabe disso, mas se lembra de Derek Wainwright, o americano? —

O que se vestia como Thomas Jefferson — explicou Tammy. —

Meu velho amigo. Ela sacudiu a cabeça, desolada, à lembrança dos anos de impostura de Derek... e pela probabilidade de seu trágico destino. Maureen esperou que Sinclair continuasse.


Derek desapareceu em circunstâncias macabras. Seu quarto

no hotel estava... — Ele observou a crescente palidez de Maureen e decidiu poupá-la dos detalhes. — Digamos apenas que havia indícios evidentes de um crime. Sinclair fez uma pausa. —

As autoridades acham que os aspectos desagradáveis envolvidos

no desaparecimento do americano... seu assassinato, quase com certeza... farão com que a Guilda dos Justos se mantenha retraída por algum tempo. Jean-Claude está escondido em algum lugar de Paris. E desconfiamos de que o líder, um inglês, tenha voltado para o Reino Unido, pelo menos temporariamente. Não creio que eles nos incomodem no futuro imediato. Ou pelo menos espero que não. Maureen olhou subitamente para Tammy. —

E a sua vez. Também não me contou tudo. Levei bastante

tempo para chegar a essa conclusão, mas agora quero saber o resto. E também gostaria de saber o que está acontecendo entre vocês dois. Ela apontou para Tammy e Roland, quase colados um no outro. Tammy soltou sua risada gutural: —

Sabe como adoramos esconder as coisas à plena vista por

aqui. Qual é meu nome? Maureen franziu o rosto. O que ainda não percebera? —

Tammy... — E, de repente, ela compreendeu: — Tamara. Tamar-

a. Ó Deus, como sou idiota! —

Não é, não — disse Tammy, ainda rindo. — Mas recebi esse nome

por causa da filha de Madalena. E tenho uma irmã chamada Sara. — Mas

você me disse que nasceu em Hollywood! Ou isso também era

uma mentira? —

Não, não era uma mentira. E mentira é uma palavra muito

dura. Vamos chamar de inverdades necessárias. Nasci e fui criada na Califórnia.

Meus

avós

maternos

eram

occitanos,

profundamente

envolvidos na Ordem. Mas minha mãe, que nasceu aqui, no Languedoc, foi para Los Angeles trabalhar como estilista de moda. Entrou no cinema graças à amizade com o pintor e diretor de filmes francês Jean


Cocteau... outro membro da Ordem. Ela conheceu meu pai americano e ficou por lá. A mãe dela foi morar conosco quando eu era criança. Creio que é desnecessário dizer que fui muito influenciada por minha avó. Roland virou-se para apontar as duas cadeiras, lado a lado. —

Em nossa tradição, homens e mulheres são completamente

iguais, como Jesus ensinou, pelo seu exemplo com Maria Madalena. Escolhi Tamara para ser minha Maria e se sentar ao meu lado aqui. Agora, tenho de convencê-la a se mudar para a França, a fim de poder lhe pedir que se torne uma parte ainda maior de minha vida. Roland passou o braço em torno de Tammy, que se aconchegou contra ele. — Estou

pensando a respeito — murmurou ela, timidamente.

Foram interrompidos por dois criados, que trouxeram o café, em bandejas de prata. Havia uma mesa de reuniões no outro lado da sala. Roland indicou que pusessem as bandejas ali. Os quatro se sentaram e Tammy serviu o café, puro e forte. Roland olhou para Sinclair, no outro lado da mesa, e meneou a cabeça para que ele começasse. —

Maureen, vamos contar tudo o que sabemos sobre o padre Healy

e os evangelhos de Madalena, mas achamos que, antes, você precisava conhecer alguns fatos, para poder compreender a situação. Maureen tomou um gole do café, grata pelo calor e a energia. Escutou atentamente, enquanto Sinclair explicava: —

A verdade é que permitimos que seu primo levasse os

pergaminhos. Maureen quase deixou a xícara cair. — Permitiram? —

Isso mesmo. Roland deixou a porta destrancada de propósito.

Desconfiávamos de que o padre Healy pudesse tentar levar os pergaminhos para a pessoa para quem trabalhava. —

Espere um instante. Para quem ele trabalhava? O que isso

significa? Que meu primo Peter era um espião da Igreja? — Não

exatamente.

Maureen notou que Tammy também escutava com toda a


atenção, o que indicava que ela também não sabia de tudo. — Não

sabemos com certeza de quem ele é espião — continuou

Sinclair. — Foi por isso que permitimos que levasse os pergaminhos... e porque não estamos muito preocupados. Pusemos um rastreador em seu carro alugado. Sabemos exatamente onde ele está e para onde vai. — Qual

é o lugar? — indagou Tammy. — Roma?

— Achamos

que seu destino é Paris.

A informação partiu de Roland. —

Maureen... — Sinclair pôs a mão de leve em seu braço. —

Lamento informar-lhe, mas seu primo vem relatando o que você tem feito para autoridades da Igreja desde o dia em que chegou à França... e provavelmente há mais tempo. Maureen ficou atordoada; experimentou a sensação de que levara um tapa na cara. —É —

impossível. Peter não faria isso comigo.

Durante a semana passada, enquanto o observávamos

trabalhar, tornou-se cada vez mais difícil para nós a idéia de um espião como seu primo, tão simpático e erudito. A princípio, pensamos que ele queria apenas protegê-la de nós. Mas acho agora que estava vinculado demais às pessoas que o empregavam para conseguir se desvencilhar, mesmo depois de ler a verdade nos pergaminhos. —

Não respondeu à minha pergunta. Acha que é para o Vaticano

que ele trabalha? Os jesuítas? Quem? Sinclair recostou-se na cadeira. —

Ainda não sabemos. Mas posso lhe dizer uma coisa. Temos

pessoas em Roma investigando. Talvez você fique surpresa se souber das altas esferas a que estendemos nossa influência. Tenho certeza de que teremos todas as respostas amanhã à noite... ou no dia seguinte, o mais tardar. Agora, precisamos ter paciência. Maureen tomou outro gole do café, olhando para o retrato da penitente Maria Madalena. Teria de esperar quase vinte e quatro horas para ter todas as respostas.


 Paris 1° de julho de 2005

O padre Peter Healy estava além da exaustão quando chegou a Paris. A viagem de carro desde o Languedoc não fora fácil. Mesmo sem o tráfego intenso na cidade, ao final da manhã, a viagem exigira oito horas. Também parara, a fim de preparar o pacote para Maureen, o que levara mais tempo do que previra. Mas a energia emocional necessária para tomar a decisão fora enorme e ele sentia que toda a vida fora sugada de seu organismo. Peter levava sua carga preciosa na mala preta. Atravessou o rio, a caminho da enormidade gótica da Notre Dame, onde foi recebido numa entrada lateral pelo sacerdote francês, padre Marcel. Foram para os fundos da catedral e entraram numa sala, a porta camuflada por uma ornamentada treliça. Peter esperava encontrar ali seu mentor, o bispo Magnus O'Connor. Em vez disso, foi recebido por uma importante autoridade eclesiástica, um italiano imponente, usando a batina vermelha de cardeal. —

Sua Eminência... — balbuciou ele. — Perdoe-me, mas eu não

esperava por isso. O italiano manteve o rosto impassível, enquanto estendia a mão para a mala. — Posso presumir que trouxe os pergaminhos?

Peter moveu a cabeça afirmativamente. —

Ótimo. — O cardeal pegou a mala. — Agora, meu filho, vamos

conversar sobre os acontecimentos da última semana. Ou talvez devamos conversar sobre os acontecimentos dos últimos anos? Deixarei que você decida por onde começar.


 Château des Pommes Bleues 1° de julho de 2005

Houve uma atividade frenética no castelo durante o dia inteiro. Sinclair e Roland se encontravam a todo instante, conversando em francês e occitano, falando com os criados e pelos celulares. Em duas ocasiões, Maureen teve a impressão de ouvir Roland falar em italiano, mas não teve certeza e não quis perguntar. Ela passou algum tempo na sala de comunicações, em companhia de Tammy, que procurava imagens para seu documentário sobre a linhagem real. Conversaram sobre a maneira como os pergaminhos de Maria Madalena mudariam a perspectiva de Tammy como cineasta. Maureen sentiu um respeito ainda maior pela amiga ao verificar como era competente e criativa, capaz de se dedicar ao trabalho mesmo quando estava estressada, como acontecia com todos naquele momento. Maureen, por outro lado, sentia-se absolutamente inútil. Não conseguia se concentrar em coisa alguma, não era capaz do menor foco. Sentia que devia tomar notas, tentar extrair da memória tanto quanto pudesse sobre o material de Madalena. Mas descobria-se incapaz de fazê-lo. Sentia-se desanimada demais pela traição pessoal de Peter. Quaisquer que fossem seus motivos, ele partira sem dizer nada e levara uma coisa que não lhe pertencia. Maureen pensou que muito tempo passaria antes que se recuperasse desse golpe. O jantar naquela noite foi um tanto silencioso, apenas os três, Maureen, Tammy e Sinclair. Roland saíra, mas não deveria demorar, segundo Sinclair e Tammy. Fora buscar um visitante no aeroporto particular em Carcassonne, explicou Tammy. Depois que esse misterioso visitante chegasse, teriam mais informações. Maureen meneou a cabeça em compreensão. Há muito que aprendera que pressionar por explicações


ali de nada adiantava. As pessoas só revelavam segredos no momento em que decidiam fazê-lo; era parte da cultura em Arques. Mas ela notou que Sinclair parecia mais tenso do que o habitual. Pouco depois de tomarem café no escritório, um criado apareceu para falar com Sinclair, em francês. — Nosso

visitante chegou — informou ele para Tammy e Maureen.

Roland entrou na sala em companhia de um homem igualmente imponente. Vestia um terno escuro, elegante, feito com o melhor tecido italiano. Tinha um ar aristocrata e era evidente que se sentia à vontade em sua posição de poder e influência. Passou a comandar a energia na sala desde o momento em que entrou. Roland adiantou-se: —

Mademoiselle Paschal, mademoiselle Wisdom, é com imenso

prazer que apresento nosso estimado amigo, cardeal DeCaro. DeCaro estendeu a mão para Maureen primeiro e depois para Tammy. Ofereceu um sorriso efusivo às duas. —

É um prazer. — Ele apontou para Maureen e perguntou a Roland:

— Essa é a nossa Escolhida?

Roland confirmou com a cabeça. — Desculpe, —

mas você disse cardeal? — indagou Maureen.

Não se deixe enganar pelo terno — comentou Sinclair, por trás

dela. — O cardeal DeCaro é um dos homens de maior influência no Vaticano. E talvez seu nome completo possa ajudá-la a compreender. É Francesco Bórgia DeCaro. — Bórgia? —

repetiu Tammy.

O cardeal inclinou a cabeça para confirmar, uma resposta simples para a indagação tácita de Tammy. Roland atravessou a sala. —

Sua Eminência gostaria de passar algum tempo a sós com

mademoiselle Paschal. Por isso, vamos nos retirar agora. Por favor, avisem se precisarem de qualquer coisa. Roland abriu a porta para Sinclair e Tammy, enquanto o cardeal DeCaro gesticulava para que Maureen se sentasse à mesa de mogno. Pôsse sentado à frente dela. —

Signorina Paschale, quero lhe dizer primeiro que me encontrei


com seu primo. Maureen ficou surpresa. Não sabia o que esperava, mas não era aquilo. — Onde —A

está Peter?

caminho de Roma. Estive hoje com ele em Paris. Seu primo está

bem e os documentos que você descobriu estão seguros. — Seguros onde? E com quem? O que... —

Tenha paciência e lhe contarei tudo. Mas há uma coisa que eu

gostaria de lhe mostrar primeiro. O cardeal tirou algumas pastas de arquivo vermelhas da mala que levara para a sala. Tinham uma etiqueta com o nome EDOUARD PAUL PASCHAL. Maureen ficou aturdida. — Mas —

é o nome de meu pai!

Isso mesmo. E estas pastas contêm fotos de seu pai. Mas

preciso prepará-la. O que está prestes a ver é perturbador, mas muito importante para que compreenda a situação. Maureen abriu a pasta de cima. Largou-a na mesa quando suas mãos começaram a tremer. O cardeal DeCaro explicou, enquanto ela olhava as fotos impressionantes dos ferimentos do pai. —

Ele era um estigmatizado. Sabe o que é isso? Significa que tinha no

corpo os mesmos ferimentos de Cristo. Aqui estão os pulsos e os pés. Este quinto ferimento, por baixo das costelas, é o lugar em que o centurião Longinus espetou Nosso Senhor com uma lança. Maureen, atordoada, não conseguia desviar os olhos das fotos. Vinte e cinco anos de especulações sobre a suposta “doença” do pai corroeram a opinião que ela tinha a seu respeito. Agora, tudo se encaixava: o medo e a hostilidade da mãe, a raiva que nutria pela Igreja. E explicava também a carta de seu pai para a família Gelis, que estava nos arquivos do castelo. Ele escrevera para os Gelis por causa de seus estigmas... e porque queria proteger a filha do mesmo destino torturante. Maureen fitou o cardeal através das lágrimas. —

Eu... sempre fui informada de que ele cometeu suicídio por

causa de sua doença mental. Minha mãe disse que ele estava insano


quando morreu. Não tinha a menor idéia... ninguém jamais me disse nada a respeito... O cardeal moveu a cabeça, solene. —

Seu pai foi incompreendido por muitas pessoas, infelizmente.

Mesmo por aqueles que poderiam ajudá-lo, os membros de sua Igreja. É neste ponto que seu primo entra em cena. Maureen escutava com toda a atenção. Podia sentir um calafrio percorrer todo o seu corpo, enquanto o cardeal continuava: —

Seu primo é um bom homem, signorina. Espero que não o

julgue com muito rigor pelo que aconteceu, depois que eu lhe contar tudo. E devemos começar pelo tempo em que era criança. Quando seu pai desenvolveu os estigmas, foi pedir ajuda a um padre que integrava uma organização clandestina dentro da Igreja. Somos, como todas as pessoas... humanos. E, embora a maior parte da Igreja seja dedicada ao caminho do bem, há alguns que querem proteger certas convicções a qualquer custo. DeCaro fez uma pausa. —

O caso de seu pai deveria ter sido comunicado a Roma, mas

isso não aconteceu. Nós poderíamos tê-lo ajudado, trabalhado com ele para encontrar a fonte ou compreendido o significado sagrado dos ferimentos. Mas os homens que interceptaram seu pai decidiram por conta própria que ele era perigoso. Como eu disse, formavam uma organização clandestina dentro da Igreja, com propósitos exclusivos. E tinham uma influência que se estendia aos altos níveis, como só recentemente descobri. O cardeal discorreu sobre a vasta rede que se irradia do Vaticano, as dezenas de milhares de homens e mulheres que trabalham no mundo inteiro para preservar a fé. Com tantas pessoas envolvidas, por toda parte, é impossível descobrir os motivos pessoais de indivíduos ou mesmo de grupos. Uma organização clandestina radical surgira depois do Vaticano II, um quadro de sacerdotes que se opunha com veemência às reformas na Igreja. Um jovem padre irlandês chamado Magnus O'Connor fora recrutado para ingressar na organização, assim como vários outros irlandeses.


Era O'Connor quem estava na paróquia nos arredores de Nova Orleans quando Edouard Paschal aparecera em busca de ajuda. O'Connor ficara assustado com os estigmas de Paschal, mas se mostrara ainda mais perturbado com as visões de Jesus com uma mulher ao seu lado e Jesus como um pai com crianças. O padre irlandês avaliara o caso em sua organização secreta, em vez de consultar os canais oficiais da Igreja. Depois que Edouard Paschal se matara, por desespero e confusão pelos estigmas, a organização clandestina passara a vigiar sua esposa e filha. A pequena Maureen Paschal tinha visões como as do pai desde o momento em que começara a andar. O'Connor convencera a mãe, Bernadette, a afastar a criança da família Paschal. Fora nessa ocasião que a mãe de Maureen voltara para a Irlanda e revertera ao nome de solteira, Healy. Tentara mudar o nome da filha, mas aos oito anos de idade Maureen já era bastante determinada. A criança recusara, insistindo que seu nome era Paschal e que não o mudaria por motivo algum. Fora bastante conveniente para Magnus O'Connor, agora elevado a bispo, que a menina Paschal tivesse um parente próximo com vocação religiosa. Quando Peter Healy ingressou no seminário, O'Connor trabalhou o vínculo irlandês da mesma maneira com que dera certo com Bernadette. Peter foi informado da história de Edouard Paschal e instado a ficar de olho na prima, fazendo relatórios regulares sobre seu progresso. Maureen interrompeu o cardeal para pedir um esclarecimento. —

Está querendo dizer que meu primo me vigiava e relatava

minhas ações para esses homens desde que eu era criança? —

Essa é a verdade, signorina. O padre Healy, no entanto, só fez isso

por amor. Esses homens manipularam-no, levaram-no a pensar que era tudo no interesse de protegê-la. Não sabia que eles haviam se recusado a ajudar seu pai. Ou pior, que talvez fossem culpados, por seu triste falecimento. O cardeal fitou-a com profunda compaixão. —

Creio que os motivos de seu primo em relação a você sejam

puros e louváveis. Também acredito que ele tenha optado por entregar os


pergaminhos à Igreja pelas razões certas. —

Mas como é possível? Ele sabe o que há nos pergaminhos. Como

pode querer suprimir as revelações? —

Seria fácil julgá-lo de forma errada com base nas informações

limitadas que você tem. Mas não creio que o padre Healy quisesse suprimir qualquer coisa. Temos razões para desconfiar de que o bispo O'Connor e sua organização pressionaram-no com ameaças à sua segurança. Quero que compreenda, por favor, que isso está inteiramente fora das atividades oficiais da Igreja e não é aprovado por Roma. Mas seu primo levou os pergaminhos para O'Connor em troca de sua segurança. Maureen permitia-se absorver tudo, sem saber como deveria se sentir. Havia algum senso de alívio por saber que Peter, o único aliado autêntico e confiável que tivera em toda a sua vida, não a traíra em qualquer sentido real. Mas havia muita informação nova para digerir. — Como —

descobriu tudo isso? — perguntou ela.

A ambição de O'Connor levou a melhor. Ele esperava utilizar a

descoberta dos evangelhos de Maria para promover sua ascensão na hierarquia aceita da Igreja. Com isso, teria mais poder e acesso a informações do mais alto nível, em benefício de sua organização clandestina e seu programa de intolerância. — O sorriso do cardeal DeCaro era apenas um pouco presunçoso. — Mas não se preocupe. Estamos trabalhando

para

dar

um

jeito

em

O'Connor

e

seus

companheiros, agora que identificamos todos. Nossa rede de inteligência não fica atrás de nenhuma outra. Isso não surpreendeu Maureen, que sempre pensara na Igreja Católica como uma organização onipotente, com braços que se estendiam pelo mundo inteiro. Sabia que era a organização mais rica do planeta e dispunha dos melhores recursos que o dinheiro pode comprar. —O

que acontecerá com os pergaminhos de Maria? — perguntou ela,

preparando-se para uma resposta desagradável. —

Se quiser ser honesto com você, devo dizer que é difícil saber.

Tenho certeza de que pode compreender que essa é a descoberta mais importante de nosso tempo, se não mesmo a mais importante na


história da Igreja. É uma questão que terá de ser discutida nos mais altos níveis, depois que os pergaminhos forem autenticados. — Peter

contou o que há neles?

O cardeal inclinou a cabeça numa resposta afirmativa: —

Contou. Também li algumas de suas anotações. Signorina

Paschal, isso pode surpreendê-la, mas não nos sentamos em tronos de prata no Vaticano e planejamos conspirações durante o dia inteiro. Maureen riu com ele por um momento, para depois perguntar, séria de novo: —

A Igreja tentará me deter se eu escrever sobre minhas

experiências aqui... e, ainda mais importante, se eu escrever sobre o que está nos pergaminhos? —

É livre para fazer qualquer coisa que quiser e ir para onde seu

coração e sua consciência a guiarem. Se Deus trabalhou por seu intermédio para revelar as palavras de Maria, ninguém teria o direito de impedi-la de cumprir seu dever sagrado. A Igreja não se empenha em suprimir informações, como muitos acreditam. Está interessada na sobrevivência e propagação da fé... e tenho a convicção pessoal de que a descoberta do evangelho de Maria Madalena pode nos proporcionar uma nova oportunidade de atrair mais pessoas, ainda por cima mais jovens, para o nosso rebanho. Mas... — Ele ergueu a mão. — ...sou apenas um homem. Não posso falar pelos outros, muito menos pelo Santo Padre. O tempo dirá. — Até lá, o que acontece? —

Até lá, o Evangelho de Arques segundo Maria Madalena será

preservado na biblioteca do Vaticano, sob os cuidados de um certo padre Peter Healy. — Peter — Vai,

vai ficar em Roma?

sim, signorina Paschal. Será o supervisor da equipe oficial de

tradutores. É uma grande honra, mas achamos que ele merece. E não pense que esquecemos a sua contribuição. — O cardeal tirou um cartão de sua pasta e entregou-o. — É o meu telefone particular na Cidade do Vaticano. Quando estiver disposta, gostaríamos que aceitasse um convite


para ser nossa hóspede. Seria ótimo ouvir seu relato sobre a jornada que a trouxe até aqui. E também pode falar com seu primo por este número, até que ele tenha sua própria linha. Ele vai trabalhar diretamente comigo. Maureen olhou para o nome no cartão. —

Francesco Bórgia DeCaro — leu ela, em voz alta. — Se me perdoa

por perguntar... O cardeal riu agora, um sorriso sincero, espalhando-se por todo o rosto. —

É verdade, signorina. Sou filho da linhagem, assim como você é

filha. Ficará surpresa ao saber quantos de nós existem... e onde vai nos encontrar, quando souber onde procurar.

 —

É uma noite perfeita de lua cheia. Concederia a honra de me

acompanhar num passeio pelo jardim, antes de se retirar para seu quarto? Berenger Sinclair fez o convite para Maureen depois que o cardeal foi embora. Ela aceitou. Sentia-se agora à vontade em sua companhia, como costuma ocorrer com freqüência a duas pessoas que suportaram juntas circunstâncias difíceis. E havia poucas coisas mais belas do que uma noite de verão no sudoeste da França. Com os refletores iluminando o imponente castelo e o luar refletido nos caminhos de mármore, o Jardim da Trindade se transformara num lugar de pura magia. Maureen relatou toda a conversa com o cardeal. Sinclair escutou com interesse sincero. Quando ela acabou, Sinclair perguntou: —

O que fará agora? Acha que escreverá um livro sobre sua

experiência? Pretende revelar ao mundo as palavras do evangelho de Maria? Maureen contornou o chafariz de Madalena, passando um dedo pelo mármore frio e liso, enquanto pensava na resposta. —

Ainda não decidi que forma terá. — Maureen levantou os olhos

para a estátua. — Espero que ela me oriente. Mas, qualquer que seja a


forma, espero fazer justiça a Maria. Sinclair sorriu. — Tenho

certeza de que fará. Ela escolheu-a por uma razão.

Maureen retribuiu a expressão afetuosa: — Ela —

também o escolheu.

Creio que todos nós fomos escolhidos para desempenhar

papéis, cada um à sua maneira. Você, eu, Roland, Tammy. E o padre Healy também, é claro. — Quer

dizer que não despreza Peter pelo que ele fez?

Sinclair respondeu sem hesitar: —

Não. Absolutamente não. Peter pode ter feito a coisa errada,

mas foi pelas razões certas. Além do mais, que tipo de hipócrita eu seria se sentisse ódio contra um homem de Deus depois da descoberta desse tesouro? A mensagem de nossa Madalena é de compaixão e perdão. Se todos no mundo assumissem essas duas virtudes, não acha que teríamos um planeta muito melhor para viver? Maureen fitou-o com admiração... e com o despertar de uma emoção que era novidade para ela. Pela primeira vez em sua vida tão agitada, sentia-se segura. — Não

sei como lhe agradecer, Lorde Sinclair.

O sotaque escocês ficou ainda mais patente na maneira como ele prolongou o erre em seu nome. — Agradecer pelo quê, Maureen? —

Por isso. — Ela gesticulou para o exuberante jardim ao redor. —

Por me apresentar a um mundo que a maioria das pessoas nunca sequer sonhou existir. Por mostrar meu lugar em tudo isso. Por me fazer sentir que não estou sozinha. — Nunca

mais ficará sozinha. — Sinclair pegou a mão de Maureen

e levou-a pelo jardim, em que predominava a fragrância das rosas. — Mas deve parar de me chamar de Lorde Sinclair. Maureen sorriu e chamou-o de “Berry”, pela primeira vez, um momento antes de ser beijada.


 Na manhã seguinte, Maureen recebeu um pacote no castelo. Fora enviado de Paris no dia anterior. Não havia nome nem endereço do remetente, mas ela não precisava disso para saber quem o enviara. Reconheceria a letra de Peter em qualquer lugar. Maureen abriu a caixa, ansiosa em saber o que Peter mandara. Embora não sentisse raiva dele, o primo ainda não sabia disso. Teriam de passar por um período embaraçoso de desculpas e manter uma conversa séria sobre a história partilhada, mas Maureen não tinha a menor dúvida de que voltariam a ser tão íntimos quanto antes. Ela deixou escapar um pequeno grito de surpresa e satisfação ao descobrir o que havia na caixa. Eram cópias de todas as anotações de Peter sobre os três livros do evangelho de Maria Madalena. Tudo estava ali, das primeiras transcrições às traduções finais. Na página de cima, arrancada de um dos blocos de anotações, havia um bilhete de Peter: Minha querida Maureen Até que eu possa explicar tudo pessoalmente, quero lhe confiar isto. Afinal, você é a legítima guardiã, muito mais do que as pessoas a que me vejo obrigado a entregar os originais. Por favor, apresente minhas desculpas e meus agradecimentos aos outros. Espero poder fazer isso em pessoa o mais depressa possível. Entrarei em contato com você muito em breve. Peter

.

.


... Só muitos anos mais tarde é que tive a oportunidade de agradecer pessoalmente a Cláudia Prócula pelos riscos que ela correra para ajudar Easa. A tragédia de Pôncio Pilatos e sua decisão de escolher Roma como seu senhor foi o fato de que não salvou sua carreira nem serviu para realizar suas ambições, no final. Herodes foi para Roma no dia seguinte à paixão de Easa, mas não falou bem de Pilatos para o imperador. Um autentico Herodes até o fim, ele tinha outros planos, um primo que desejava ver no cargo de procurador. Disse palavras insidiosas no ouvido de Tibério. Pilatos foi chamado a Roma para ser submetido a julgamento pelos erros cometidos na administração da Judéia. As próprias palavras de Pôncio Pilatos foram usadas contra ele em seu julgamento. Enviara uma carta para Tibério relatando os milagres de Easa e os acontecimentos do Dia das Trevas. Os romanos usaram suas palavras contra ele, não apenas para privá-lo de seu título e sua posição, mas também para exilá-lo e confiscar suas terras. Se Pilatos perdoasse Easa e enfrentasse Herodes e os sacerdotes, seu destino não seria diferente. Cláudia Prócula permaneceu leal ao marido nos momentos mais difíceis. Contou-me que o filho, Pilo, morreu poucas semanas depois da execução de Easa. Não houve explicação para isso. O menino simplesmente definhou diante dos olhos da mãe. Cláudia disse que a princípio tivera de recorrer a toda a sua força para não culpar o marido pela morte do filho, pois sabia que Easa não gostaria de que fizesse isso. Só precisava fechar os olhos para ver o rosto de Easa na noite em que curara Pilo... e foi assim que Cláudia Prócula encontrou o Reino de Deus. Essa romana de sangue real tinha uma extraordinária compreensão do Caminho Nazareno. E vivia-o sem qualquer esforço. Cláudia e Pilatos mudaram-se para a Gália, onde ela vivera quando era criança. Disse que Pilatos passou o resto de sua vida tentando compreender Easa... quem ele era, o que queria, o que pregava. Durante muitos anos, ela lhe disse que O Caminho de Easa


não era algo a que ele pudesse aplicar sua lógica romana. Era preciso ser como uma criança para compreender a verdade. As crianças são puras, receptivas e honestas. São capazes de aceitar o bem e a fé sem questionar. Embora Pilatos não pensasse que podia assumir O Caminho da maneira como Cláudia fizera, ela sentia que ele também se tornara um convertido, à sua maneira. Cláudia relatou-me uma história extraordinária sobre o dia anterior à sua partida da Judéia para sempre. Pôncio Pilatos foi ao Templo, à procura de Jônatas Anás e Caifás, exigindo que o recebessem. Pediu que o fitassem nos olhos, no local mais sagrado de seu povo e respondessem a uma pergunta: “Executamos ou não o Filho de Deus?” Não sei o que é mais extraordinário, o fato de Pilatos procurar os sacerdotes para fazer a pergunta ou o fato de ambos os sacerdotes confessarem que haviam cometido um erro terrível. Depois da ressurreição de Easa para Nosso Pai no céu, diversos homens se apresentaram para dizer que nossos seguidores haviam removido seu corpo físico do sepulcro. Esses homens haviam sido pagos pelo Templo para fazer isso, pois os sacerdotes temiam agora uma reação implacável se as pessoas descobrissem a verdade. Anás e Caifás confessaram isso. Pilatos contou para a esposa que achava que aqueles homens estavam sinceramente arrependidos, que sofreriam todos os dias pelo resto de suas vidas neste mundo pelo conhecimento de suas ações inomináveis. Se ao menos eles tivessem me procurado para dizer isso, eu lhes daria os ensinamentos d'0 Caminho e lhes asseguraria que Easa os perdoara. Pois no dia em que o Reino de Deus despertar em seu coração, você nunca mais precisará sofrer. O EVANGELHO

DE

ARQUES SEGUNDO MARIA MADALENA O LIVRO DOS DISCÍPULOS


CAPITULO VINTE E UM

Nova Orleans Outubro de 2005

Maureen guiava o carro alugado pelo suave crepúsculo do outono no sul dos Estados Unidos. Tinha as janelas abaixadas. O ar que entrava era fresco, trazendo o aviso de que o verão ficara mesmo para trás e o outono chegara para ficar. Ao parar o carro no estacionamento ao lado

do

cemitério suburbano, a claridade

evanescente ainda iluminava a pequena igreja logo depois dos portões do cemitério. Desta vez, ela não se desviou dos portões. A filha de Edouard Paschal entrou no cemitério de cabeça erguida. Nunca mais alguém teria de visitar as sepulturas de pessoas amadas num cemitério dos desajustados, dominado pelo mato. Ou pelo menos não ali. Os portões haviam sido mudados para incorporar as sepulturas antes patéticas, graças à influência e à subvenção de um certo cardeal italiano. O mármore branco da nova lápide na sepultura do pai parecia brilhar por dentro quando Maureen se aproximou. Havia uma coroa de rosas e lírios encostada no mármore, pouco abaixo da enorme flor-de-lis dourada e da inscrição que dizia: EDOUARD PAUL PASCHAL Amado pai de Maureen Ela ajoelhou-se junto da sepultura e teve uma conversa longa e há muito adiada com o pai.


 O senso de paz interior de Maureen era uma novidade para ela, e muito bem recebida. Tinha apreensões pelo que o amanhã traria, mas no geral sentia mais a antecipação do que o medo. No dia seguinte, em Nova Orleans, teria um encontro, na hora do almoço, com membros do clã Paschal, tios e primos que jamais conhecera. Depois disso, voaria para o aeroporto Shannon, na Irlanda, de onde seguiria de carro para a pequena cidade de Galway. Ficaria hospedada na fazenda da família Healy. Peter se encontraria com ela ali. Seria a primeira vez em que os dois se veriam, desde que o primo deixara o Château des Pommes Bleues. Haviam se falado pelo telefone várias vezes, mas sem qualquer contato pessoal. Peter marcara um encontro na Irlanda, longe das multidões e de olhos curiosos. Ali, poderiam conversar à vontade e ele teria tempo e oportunidade de informá-la sobre a posição oficial do Evangelho de Arques. Maureen pensava em todas essas coisas ao passear pelo Quarteirão Francês, que começava a se agitar, ao lindo crepúsculo daquela sextafeira, ao final de outubro. Enquanto ela andava, o som suave de música de saxofone flutuou na brisa sulista. Ao virar uma esquina, atraída pela música, Maureen avistou o músico. Os cabelos escuros eram compridos, o que realçava sua aparência frágil e romântica. Quando ela chegou mais perto, o músico levantou o rosto. Seus olhos se encontraram por um momento. James St. Clair, o músico de rua de Nova Orleans, piscou para Maureen. Ela sorriu ao passar, os acordes em saxofone de “Amazing Grace” flutuando no ar em sua esteira.


CAPITULO VINTE E DOIS

Condado de Galway, Irlanda Outubro de 2005

Há um silêncio que existe no coração dos campos irlandeses, um sossego que envolve a terra depois que o sol se põe. É como se a noite exigisse que não houvesse barulho, fizesse questão de uma tranqüilidade absoluta. Para Maureen, essa paz era uma trégua, um descanso necessário do caos dos meses anteriores. Ali, em seu isolamento, estava segura... uma solidão que incluía seu próprio coração e mente. Não se permitira processar os acontecimentos recentes de uma perspectiva pessoal; isso viria mais tarde. Ou talvez nem acontecesse. Era tudo muito sufocante, de conseqüências profundas... e absurdo demais. Ela cumprira seu papel como A Escolhida, por força do destino para o qual fora escolhida... talvez mesmo a providência divina. Seu trabalho acabara. A Escolhida era uma criatura espectral, vinculada no tempo e no espaço ao Languedoc... e felizmente deixada na França. Mas Maureen Paschal era uma mulher de carne e osso, exausta ainda por cima. E aspirando o doce aroma do lar de sua infância, Maureen foi se deitar, conquistando um repouso por muito tempo esperado. Seu sono não seria isento de sonhos.

 Ela vivenciara uma cena similar antes... uma figura na sombra, um homem inclinado sobre uma mesa antiga, o rangido da pena, as palavras fluindo sobre o papel. Quando observou por cima do ombro do


escritor, viu que um brilho azul parecia emanar do papel. Quando o vulto se virou e ficou sob o foco da luz do lampião, Maureen prendeu a respiração. Já

tivera

vislumbres

daquele

rosto

em

sonhos

anteriores,

momentos fugazes de reconhecimento, que se evaporavam no instante seguinte. Ele agora concentrava toda a força de sua atenção em Maureen. Paralisada no estado de sonho, ela ficou olhando para o homem à sua frente. O homem mais bonito que já vira. Easa. Ele sorriu para Maureen, uma expressão de tanta divindade e carinho que ela sentiu como se fundisse nele. Era como se o próprio sol se irradiasse daquela expressão simples. Maureen permaneceu imóvel, incapaz de fazer qualquer coisa que não contemplar sua beleza e graça. — Você

é minha filha, com quem estou muito satisfeito.

A voz era uma melodia, uma canção de união e amor que ressoava no ar ao redor de Maureen. Ela flutuou naquela música por um momento de eternidade, antes de baixar ao som das palavras seguintes: — Mas

seu trabalho ainda não acabou.

Com outro sorriso, Easa, o Nazareno, o Filho do Homem, tornou a se virar para a mesa, onde estavam as páginas que escrevera. A luz que emanava das páginas foi se tornando mais brilhante, as letras tremeluzindo com uma claridade azul e violeta, as cores dançando no papel que parecia linho. Easa deslizou sem esforço pelo espaço que os separava e foi parar na frente de Maureen. Não falou mais nada. Em vez disso, inclinou-se para a frente e deu um único beijo, paternal, no alto de sua cabeça.

 Maureen acordou encharcada de suor. O couro cabeludo ardia, como se tivesse sido marcado a fogo, sentia-se completamente tonta e desorientada. Olhou para o relógio na mesinha-de-cabeceira e sacudiu a cabeça para desanuviá-la. A primeira claridade do amanhecer insinuava-se


atravÊs das cortinas. Mas ainda era cedo demais para telefonar para a França. Permitiria a Berry mais algumas horas de sono. Depois, ligaria para ele... e pediria todos os detalhes sobre o último paradeiro conhecido d'O Livro do Amor, o único e verdadeiro evangelho de Jesus Cristo.


POSFÁCIO “Que é a verdade?” — Pôncio

Pilatos, João 18:38

Minha jornada pela Linhagem Madalena, à procura da resposta para a indagação de Pôncio Pilatos, começou com Maria Antonieta, Lucrécia Bórgia e uma rainha-guerreira celta do século I. Conhecida pela história como Boadicea, esta última tinha um grito de guerra impetuoso: “Y gwir erbyn y byd”, que traduzido do galês significa: “A verdade contra o mundo.” Mantive essas palavras como meu mantra pessoal, numa busca que se estendeu por toda a minha vida adulta e me levou por um caminho tortuoso, através de dois mil anos de história. Há muito tempo me sinto compelida a desenterrar grandes histórias que não foram contadas, camadas da experiência humana que estão sepultadas de forma silenciosa e muitas vezes deliberada nos relatos acadêmicos. Como minha protagonista Maureen nos lembra: “A história não é o que aconteceu. A história é o que foi escrito.” Com bastante freqüência, o que sabemos e aceitamos como história foi criado por um cronista

com

uma

visão

política

comprometida.

Essa

compreensão me transformou numa folclorista desde cedo. Obtenho imensa satisfação em explorar culturas diretamente, em procurar o historiador local ou o contador de histórias para descobrir as verdadeiras crônicas humanas, que não estão disponíveis nas bibliotecas ou nos livros didáticos. Minha herança irlandesa me faz sentir um enorme apreço pelo poder dos registros orais e tradições vivas. Meu sangue irlandês também me induziu a tornar-me escritora e ativista e, como tal, envolvi-me na tumultuada política da Irlanda do Norte ao longo da década de 1980. Foi durante esse período que desenvolvi uma perspectiva cada vez mais cética sobre a história registrada e, por


isso

mesmo,

aceita.

Como

testemunha

de

eventos

históricos,

compreendi que, em todas as circunstâncias, a versão relatada quase nunca correspondia ao que eu observara acontecer. Em muitos casos, os relatos das ocorrências, em jornais, noticiários de televisão e, mais tarde, em livros de “história”, eram quase irreconhecíveis para mim. Todas essas versões documentadas foram escritas sob camadas de distorções políticas, sociais e pessoais. A verdade estaria perdida para sempre... exceto,

talvez,

para

aqueles

que

observaram

os

acontecimentos

pessoalmente. De um modo geral, essas testemunhas eram apenas pessoas das classes trabalhadoras, que só queriam continuar suas vidas; não escreveriam várias cartas não publicadas para os jornais de circulação nacional, nem procurariam uma editora para registrar a sua versão para a posteridade. Enterrariam seus mortos, rezariam pela paz e fariam o melhor possível para seguir em frente. Mas também preservariam sua experiência como testemunhas da história de uma forma pessoal, através dos relatos para a família e a comunidade. Minhas experiências na Irlanda reforçaram a convicção na importância das tradições orais e culturais, porque costumam ser a fonte mais rica à nossa disposição para a compreensão da experiência humana. Aqueles

acontecimentos

nas

ruas

de

Belfast

tornaram-se

meu

microcosmo. Se foram considerados muito importantes para serem reconstituídos e alterados pela grande imprensa, como se aplicaria o conceito ao macrocosmo da história do mundo? A tendência a manipular a verdade não se tornaria maior e mais absoluta ao lançarmos um olhar mais distante para o passado, para um tempo em que apenas os muito ricos, muito instruídos e politicamente vitoriosos eram capazes de registrar os acontecimentos? Comecei a sentir uma obrigação premente de questionar a história. Como mulher, queria levar essa idéia um passo adiante. Desde o início dos registros escritos, que a vasta maioria dos materiais que os estudiosos consideram aceitáveis, em termos acadêmicos, foi criada por homens de determinado nível social e político. Acreditamos, em geral sem questionar, na veracidade de documentos simplesmente porque podem


ser “autenticados”, ou seja, remontando a um período específico. Quase nunca levamos em consideração que foram escritos durante dias mais sombrios, quando as mulheres eram menos valiosas que o gado e até mesmo se acreditava que não tinham alma. Quantas histórias magníficas se perderam porque as mulheres que as estrelaram não eram consideradas bastante importantes, nem sequer humanas o bastante, para merecer qualquer mérito? Quantas foram completamente removidas da história? E isso não se aplicaria com mais certeza às mulheres do primeiro século da era cristã? Há também aquelas mulheres que foram tão poderosas e fundamentais em governos mundiais que não podiam ser ignoradas. Muitas que encontraram seu lugar nos livros de história foram descritas como notórias vilãs... adúlteras, conspiradoras, impostoras, até mesmo assassinas. Essas caracterizações seriam justas ou não passavam de propaganda política usada para desacreditar mulheres que ousaram asseverar sua inteligência e poder? Armada com essas indagações e com meu crescente senso de desconfiança daquilo que o mundo acadêmico aceita como prova histórica, empenhei-me em pesquisar e escrever um livro sobre mulheres infames, que foram denegridas e incompreendidas ao longo do tempo. Comecei estudando as já mencionadas, Maria Antonieta, Lucrécia Bórgia e Boadicea. Maria Madalena foi inicialmente apenas um dos múltiplos objetos de minha pesquisa. Esforcei-me em adquirir uma percepção maior desse enigma do Novo Testamento, em termos de sua importância como seguidora de Cristo. Sabia que a noção de Madalena como uma prostituta era preponderante na sociedade cristã e que o Vaticano envidara algum esforço para corrigir essa injustiça. Esse foi o meu ponto de partida. Era minha intenção incorporar a história de Maria Madalena como uma das muitas dentro do contexto de trabalho, que se estendia por vinte séculos. Mas Maria Madalena tinha um plano diferente para mim. Comecei a ter uma série de sonhos angustiantes e recorrentes, que se

concentravam

nos

acontecimentos

e

personagens

da

Paixão.


Ocorrências inexplicáveis, como as experiências de Maureen, levaram-me a investigar indicações de pesquisa envolvendo as lendas de Maria Madalena, em locais tão diversos quanto McLean, na Virgínia, e o deserto do Saara. Viajei da montanha de Masada às ruas medievais de Assis, das catedrais góticas da França às colinas ondulantes do sul da Inglaterra e através das ilhas rochosas escocesas. Tive de fazer um esforço para equilibrar os elementos cada vez mais surrealistas da minha vida, andando por uma linha ao melhor estilo de Dalí, oscilando entre a típica mãe da pequena comunidade suburbana e Indiana Jones. Viria a compreender que a maior parte da minha vida fora vivida em preparação para essa jornada específica de descoberta. Minhas experiências pessoais e profissionais começaram a se enquadrar num padrão elaborado, levando-me a descobrir uma série de segredos de família que antes me seriam inconcebíveis. Cheguei até a lidar com o choque de saber que muita coisa que eu fora induzida a acreditar, sobre determinadas pessoas da família, era completamente inverídica. Quase vinte anos depois que eles se foram, descobri que meus avós paternos, conservadores e muito tradicionais — minha doce avó, uma típica beldade sulista dos Estados Unidos, e seu devotado marido, um batista do sul —, estiveram profundamente envolvidos com a atividade de sociedades secretas e com a maçonaria. Descobri que minha avó tinha um parentesco de sangue com algumas das mais antigas famílias da França, um fato que mudaria não apenas o curso da minha pesquisa, mas também minha vida. O supremo choque ocorreu com a revelação de que minha data de nascimento era o assunto de uma profecia relacionada com Maria Madalena e seus descendentes, a Profecia de Orval, tal como foi enunciada por Berenger Sinclair. Essas “coincidências” pessoais tornaram-se a chave mestra para destrancar portas que haviam sido proibidas para pesquisadores que me precederam. Meu interesse pelo folclore de Maria transformou-se em obsessão à medida que vivenciei antigas e fascinantes tradições culturais, preservadas com amor e uma fervorosa paixão por toda a Europa Ocidental. Fui convidada para o santuário interior de sociedades secretas e me reuni


com os guardiões de informações tão sagradas que me espanta até hoje que eles existam com o conhecimento que protegem... há dois mil anos. Posso afirmar que não tinha a menor intenção de explorar assuntos que questionam o sistema de convicções de um bilhão de pessoas. Nunca pensei em escrever um livro que tratasse de um problema tão importante como a natureza de Jesus Cristo ou seu relacionamento com as pessoas mais íntimas em sua vida. Como minha protagonista, no entanto, descobri que às vezes o caminho é traçado para nós. Depois que descobri a maior história de todos os tempos sob a perspectiva de Maria Madalena, não havia como voltar atrás. A idéia me possuiu na ocasião, como o faz até hoje. E tenho certeza de que sempre será assim. Dois mil anos de controvérsias fizeram com que Maria Madalena se tornasse a pessoa mais difícil de compreender no Novo Testamento. Em minha busca para descobrir a mulher real por trás do mito, compreendi que não tinha o menor desejo de reaproveitar todas as fontes tradicionais, conforme interpretadas pelos suspeitos habituais. Envolvi-me com o manto quente da folclorista e parti em busca de um mistério mais profundo. Descobri que o vasto folclore e a mitologia envolvendo Maria Madalena, na Europa Ocidental, é tão rico quanto antigo. O segredo do anel e os livros subseqüentes nesta série exploram teorias sobre a identidade e impacto dessa controvertida Maria, inspiradas por subculturas no sul da França e outros lugares da Europa. O folclore e tradições da Europa também proporcionaram uma nova percepção sobre alguns mistérios de Maria, aqueles que nunca foram explicados, por qualquer teoria plausível, pelos estudiosos tradicionais. Um trecho no evangelho de Marcos (16:9) tem sido usado contra Maria há séculos: “Tendo ressuscitado na manhã do primeiro dia da semana, Deus apareceu primeiro a Maria de Magdala, da qual expulsara sete demônios.” Essa única frase levou a alegações radicais sobre o estado mental de Maria, inclusive livros dedicados à idéia de que era possuída por demônios ou mentalmente doente. Foi só depois que tomei conhecimento da perspectiva de Arques — segundo a qual Jesus curou Maria depois que ela foi envenenada por uma mistura letal conhecida como


Veneno dos Sete Demônios —, é que a frase de Marcos passou a fazer sentido para mim. Numa época em que as mulheres eram definidas por seus relacionamentos, Maria Madalena não é identificada como a esposa de ninguém no Novo Testamento, muito menos de Jesus Cristo. Esse fato isolado levou os estudiosos a proclamarem definitivamente que a idéia de casamento entre Maria e Jesus é uma impossibilidade. Mas isso cria outro enigma, já que ela é também a única mulher nos quatro evangelhos a ser identificada como uma pessoa independente. Ela é uma personagem isolada, indicando que seu nome seria facilmente reconhecido pelas pessoas de seu tempo e logo depois. Creio que os relacionamentos complicados de Maria — sua situação como nobre que se torna viúva e casa com outro — eram algo problemático. Seria constrangedor e até politicamente incorreto tentar identificar Maria em termos de seus relacionamentos com os homens. Em conseqüência, ela torna-se conhecida apenas por seu nome e título: Maria Madalena. Além disso, a iconografia de Madalena sempre me deixou perplexa. Apesar da natureza enigmática de sua lenda, ela virou um dos temas mais populares dos grandes pintores da Idade Média, Renascença e período barroco. Há centenas de retratos de Maria Madalena, de mestres italianos como Caravaggio e Botticelli a modernos europeus, como Salvador Dali e Jean Cocteau. Há um elemento comum nos retratos muito diferentes de Madalena. Ela é apresentada muitas e muitas vezes com os mesmos acessórios: um crânio, que representaria a penitência; um livro, que simbolizaria os evangelhos; e o pote de alabastro, que ela usou para ungir Jesus. Usa sempre vermelho, uma tradição antiga na história, o que em geral se acredita ter uma relação com a concepção de Madalena como uma prostituta. Mas acredito agora que a iconografia esteja ligada a essa versão secreta de sua história, preservada pelo movimento clandestino europeu. Para mim, o crânio é obviamente uma representação de João, por quem ela sempre fará penitência. O livro é uma referência a seu próprio evangelho, ou a O Livro do Amor, escrito por Easa. E a túnica e véu


vermelhos são representativos de sua posição de rainha na tradição nazarena. Creio no fundo do coração que muitos dos grandes pintores e escritores da Europa aceitavam a “heresia” de Maria Madalena... e a rica herança que ela deixou no continente. Ao longo desta estrada, as histórias jamais contadas de heróis e anti-heróis

do

Novo

Testamento

são

reveladas,

em

detalhes

surpreendentes. O leitor encontra nestas páginas uma interpretação muito diferente — e espero que muito humana — do papel da infame Salomé. João Batista é um homem diferente quando visto através dos olhos de Maria Madalena... e daqueles que a reverenciaram durante dois mil anos. Tenho uma fervorosa esperança de que o leitor não considere muito rigorosa minha descrição de João Batista. Tanto Maria quanto Easa reiteram que João Batista foi um grande profeta. Também creio que ele foi um homem de seu tempo e de sua terra, um homem empenhado no cumprimento da lei, sem concessões, um homem que era inflexível em sua oposição a reformas. Creio que não sou a primeira pessoa a indicar uma rivalidade entre os seguidores de João e Jesus — e não serei a última —, mas também sei que essa idéia de João como o primeiro marido de Maria é chocante para muitos. Literalmente, levei anos para processar a informação, antes de me sentir preparada para escrever a respeito. O legado de João, por intermédio de seu filho com Maria Madalena, continuará a se revelar em meus futuros livros. Apaixonei-me pelos apóstolos Filipe e Bartolomeu durante esse processo. Vistos pelos olhos de Maria, eles foram heróis extraordinários. Pedro adquiriu vida para mim de uma maneira muito além do “homem que negou Jesus”. Também desenvolvi uma nova perspectiva sobre Judas e seu papel trágico e eterno na Paixão. Talvez eu tenha ficado muito sensibilizada pelas informações que surgiram sobre Pôncio Pilatos e sua heróica e comovente esposa, uma nobre romana conhecida como Cláudia Prócula. Há documentos catalogados nos arquivos do Vaticano e uma fascinante tradição real francesa para apoiar a incrível história do envolvimento de Jesus com a família de Pilatos. É um relato que confere autenticidade a seus milagres e explica


as ações mais enigmáticas de Pilatos no evangelho de João. Creio que o material de Pilatos é fundamental para uma compreensão dos acontecimentos relacionados com a Paixão. Fiquei fascinada ao descobrir que Cláudia é uma santa dentro das tradições ortodoxas, assim como Pôncio Pilatos também é, nas igrejas abissínias/etíopes. Trabalhei para validar o novo material de Madalena por muitos ângulos diferentes, usando a correspondência de Cláudia Prócula do século I, conforme publicada pela Issana Press, as múltiplas versões dos Apócrifos do Novo Testamento, os primeiros textos dos Pais da Igreja, diversas e valiosas fontes gnósticas e até mesmo os Pergaminhos do mar Morto. Compreendo que esta versão dos acontecimentos pode ser surpreendente, até assombrosa, mas tenho a esperança de que cada leitor será pessoalmente inspirado a explorar sua compreensão desses mistérios. Há um vasto tesouro de informações, a maior parte escrita entre os séculos II ao IV, que não estão incluídas nos cânones tradicionais da Igreja. Há milhares de páginas de material a descobrir, como evangelhos alternativos, Atos de Apóstolos e textos diversos, que revelam detalhes e percepções sobre a vida e os tempos de Jesus que serão completamente novos para os leitores que nunca foram além dos quatro evangelistas. Creio que a exploração de todo esse material, com a mente e o coração abertos, pode construir uma ponte de luz e compreensão entre as muitas divisões do cristianismo e além. Ao longo de meus anos de pesquisas, discuti, questionei, argumentei e até admiti muitos pontos com clérigos e adeptos de várias fés. Sou abençoada por ter amigos e colegas de muitas arenas espirituais, inclusive padres católicos, ministros luteranos, praticantes gnósticos e sacerdotisas pagãs. Em Israel, conheci estudiosos e místicos judeus, assim como guardiões ortodoxos dos lugares sagrados do cristianismo. Meu pai é batista, meu marido é um devoto católico. Todas essas pessoas tornaram-se uma parte do mosaico de meu sistema de convicções e, em última análise, uma parte desta história. Apesar das inúmeras diferenças em suas filosofias, cada uma dessas pessoas me abençoou com a mesma dádiva: a capacidade de trocar idéias e se empenhar num


diálogo livre e sem raiva. Há elementos desta história que não posso confirmar por meio de qualquer das fontes acadêmicas “aceitáveis”. Existem nas tradições orais e foram preservados em ambientes altamente protegidos pelos que temiam repercussões por séculos. Ao preparar este livro, decidi optar por desenvolver uma argumentação para minha teoria através de dois mil anos de provas circunstanciais. Embora não possa apresentar uma prova inequívoca, tenho muitas testemunhas interessantes e uma enorme quantidade de evidências corroborativas, muitas criadas por nada menos que os grandes mestres da Renascença e barrocos. Apresento minha argumentação no contexto dessas evidências e deixarei que o júri dos leitores determine seu veredicto. Devo

ser

circunspecta

sobre

a

fonte

primária

das

novas

informações apresentadas aqui, por razões de segurança. Mas uma coisa posso dizer. O conteúdo do evangelho de Maria Madalena, como o interpreto neste livro, é extraído de material nunca antes revelado. Nunca foi liberado para o conhecimento público. Tomei uma licença poética na interpretação para torná-lo mais acessível a leitores do século XXI. Mas creio que a história relatada é genuína e sobrevive por si mesma. Em minha necessidade de proteger a natureza sagrada dessas informações e as pessoas que as guardam, não tive opção que não escrever este livro — e os subseqüentes nesta série — como ficção. Contudo muitas das aventuras da protagonista e quase todos os seus encontros sobrenaturais estão baseados em experiências da minha própria vida. Em numerosos casos, Maureen recebe informações exatamente da mesma maneira com que as obtive durante as minhas pesquisas... como acontece com Tammy. Embora os personagens modernos sejam todos fictícios, fiz o melhor possível para proporcionar aos leitores uma experiência autêntica. Este livro levou quase vinte anos para ser preparado. Ao longo do caminho, muitas vezes traiçoeiro, recebi a valiosa ajuda de inúmeras almas intrépidas. Sou grata pelos conhecimentos que me foram confia-


dos e partilhados, pelas pessoas mais extraordinárias, algumas das quais correram enormes riscos para me ajudar. Em muitas e muitas oportunidades, especulei sobre meu mérito para escrever esta história. Não creio que tenha dormido uma noite inteira durante os últimos dez anos, enquanto me afligia pelos detalhes neste livro e as suas repercussões em potencial. Só posso torcer para que o produto final esteja à altura desses guardiões da verdade de Maria Madalena, que contam comigo para contar sua história. Acima de tudo, espero que transmita a mensagem de Maria, de amor, tolerância, perdão e responsabilidade pessoal, de uma maneira que os leitores possam achar inspiradora. É uma mensagem de união e de não-julgamento para todas as pessoas e todos os sistemas de convicções.

Ao

longo

desse

processo,

permaneci

devotada

aos

ensinamentos de paz de Cristo e com a convicção de que podemos criar o céu na Terra. Minha fé n'Ele — e n'Ela — amparou-me através de algumas noites muito escuras da alma. Compreendo que me tornarei o alvo de estudiosos e acadêmicos, muitos dos quais me chamarão de irresponsável por apresentar uma versão que não pode ser confirmada pelas fontes aceitáveis. Mas não pedirei desculpas pelo fato de ter me oposto às práticas acadêmicas aceitas, no relato desta história. Minha perspectiva baseia-se na convicção pessoal, talvez radical, de que é irresponsabilidade aceitar o que foi escrito. Usarei o emblema escarlate de “antiacadêmica”, com algum orgulho e com o grito de guerra de Boadicea. Só os leitores poderão determinar que versão da história de Maria encontra um eco em seus espíritos. A todos os autores e pesquisadores que têm teorizado, postulado, argumentado, especulado e formulado intrepidamente, ao longo de dois mil anos de indícios e pistas falsas, no caminho da compreensão da natureza de Maria Madalena e seus filhos, estendo a mão em amizade. As divergências veementes sobre o papel da nossa Madalena — e os muitos escritores e artistas plásticos que a representaram — talvez estejam na própria essência da busca pela verdade. Espero que eles julguem por bem me chamar de irmã, depois de que tudo for dito e feito.


Dois mil anos depois, ainda é a verdade contra o mundo. KATHLEEN McGOWAN 22 de março de 2006 Cidade dos Anjos


AGRADECIMENTOS

Agradecer a todas as pessoas que me ajudaram ao longo dos últimos vinte anos é uma tarefa digna de um livro inteiro e, infelizmente, não seria possível neste espaço tão finito. Farei o melhor que puder para incluir aqueles que foram fundamentais para me ajudar a terminar este livro. A meu agente e amigo, Larry Kirshbaum, que se tornou meu arcanjo pessoal através desse processo, ofereço minha ilimitada admiração e gratidão. Sua paixão pela história de Maria e sua determinação em me ajudar a levá-la ao conhecimento do público foram a força orientadora que permitiu que tudo acontecesse. Sou grata além das palavras pelo apoio firme, orientação profissional e conselhos fraternais de minha editora, Trish Todd. Meu reconhecimento a ela — e a toda a equipe de extraordinários profissionais na Simon and Schuster/Touchstone Fireside — não tem limites. Foi preciso um enorme sacrifício para minha família me apoiar ao longo dos anos de pesquisa. Durante todo o processo, meu marido, Peter McGowan, foi o meu fiel. Apoiou-me em termos financeiros e emocionais, defendendo o forte e mantendo a família unida enquanto eu viajava. Nunca duvidou de minhas experiências nem perdeu a fé em minhas descobertas, por mais extravagantes que parecessem, a princípio... o que é muito mais do que posso dizer de mim mesma. Meus maravilhosos filhos, Patrick, Conor e Shane, aturaram uma mãe que às vezes estava ausente e perdeu muitas das competições esportivas de que eles participaram. E, no entanto, meu marido e meus filhos testemunharam tantos milagres comigo, ao longo do caminho de descoberta, que todos achamos que não havia opção se não

seguir

até

a

conclusão,

apesar

dos

riscos

muitas

vezes


consideráveis. Espero que este livro esteja à altura de seus sacrifícios. Foi mesmo uma história de família e uma parte de tudo o que faço e tudo o que sou pertence a meus pais, Donna e Joe. Seu amor e apoio foram a base de minha vida e eles sofreram alguns momentos difíceis em conseqüência do espírito cigano da filha. Agradeço-lhes por tudo, mas me sinto abençoada em particular pelo amor incondicional que demonstram pelos netos. Partilho este e os meus futuros trabalhos com meus irmãos, Kelly e Kevin, e suas famílias. A meus extraordinários sobrinhos e sobrinhas, Sean, Kristen, Logan e Rhiannon, espero que as revelações deste livro os inspirem um dia para realizarem seus destinos singulares. No mesmo dia em que concluí a versão final do manuscrito, recebemos neste mundo minha mais nova sobrinha, Brigit Erin. Ela nasceu no dia 22 de março de 2006. Ficarei observando com interesse afetuoso, enquanto seus pezinhos crescem para calçar os sapatos da Escolhida que veio antes dela. Toda a minha família deve a nossa felicidade à Unidade de Tratamento Intensivo da UCLA por salvar o bebê Shane. Na verdade, eles salvaram todos nós. Para alguém que duvida de milagres, sugiro que passe alguns dias na UTI neonatal. Ali, pode-se constatar que há mesmo anjos neste mundo. Usam jalecos brancos e estão disfarçados de médicos, enfermeiras e terapeutas de respiração. O milagre de Shane foi o catalisador que me forçou a terminar este livro. Viajei por quilômetros incontáveis desta jornada com Stacey K, que tem sido minha irmã, companheira de pesquisa e amiga querida. Ela merece uma menção especial por aceitar as missões mais extravagantes

sem

hesitar...

como

seguir

vozes

desencarnadas

chamando “Sandro” através do Louvre ou ir atrás de homenzinhos estranhos através da Basílica do Santo Sepulcro. Eu não seria capaz de completar este livro sem sua fé e lealdade. Tenho uma dívida e um apreço interminável por “Auntie Dawn”, por sua generosidade sobre-humana e por agir como uma espantosa âncora de amizade e lealdade.


Uma gratidão literalmente eterna vai para Olivia Peyton, minha irmã espiritual e mestra na pesquisa. Curvo-me à sua genialidade como mulher e como sibila cibernética e presto uma homenagem a seu brilhante romance, Bijoux, que tem a chave para tantos mistérios. Apresento agradecimentos especiais a Marta Collier, por sua contribuição e convicção na música de Finn MacCool, além de seu apoio decidido ao clã McGowan em todas as circunstâncias. Ofereço os mais sinceros agradecimentos a Ted Grau, meu grande amigo e sempre corajoso cavaleiro do Graal. Não creio que ele tenha compreendido realmente como sua contribuição foi importante. Mas eu sei. Obrigada a Stephen Gaghan por seus comentários perceptivos — embora agoniantes — sobre os primeiros esboços da história. Sua honestidade inflexível obrigou-me a efetuar melhorias críticas. Go raibh mile math agat a Michael Quirke, o místico entalhador do condado de Sligo, que por acaso também é o maior contador de histórias do mundo. Desde o dia em que entrei em sua loja “por acaso”, quando estava perdida, no verão de 1983, tenho vivido no outro lado do espelho. Mais do que qualquer outra pessoa ou acontecimento, Michael me fez compreender que a história não é o que está registrado no papel, mas sim o que foi escrito nos corações e almas dos seres humanos... e gravados na terra em que viveram suas maiores alegrias e seus mais profundos pesares. Mil agradecimentos por me dar olhos para ver e ouvidos para escutar. Agradecimentos adicionais vão para: Patrick Ruffino, que me ensinou o significado da amizade e por evitar que eu me perdesse na Zsx Avenue; Linda G, que faz malabarismos com os arquétipos de Martha e Vivienne com tanta graça; Verdena, por incorporar o espírito de Madalena e me ensinar mais do que umas poucas coisas sobre fé, milagres e imensa coragem; R. C. Welch, por atuar como tradutor no Museu Moreau e por uma extraordinária conversa sobre a vida e escrever, num banco de


Saint-Sulpice; Branimir Zorjan, por levar sua amizade, luz e cura a nossa casa; Jim McDonough, o mais adorável magnata da mídia no planeta e um grande amigo nosso; Carolyn e David, que estão apenas começando a perceber seu papel em tudo isso; Joyce e Dave, meus mais novos amigos; Joel Gotler, por combater o bom combate e trabalhar para que a história de Maria tenha uma audiência maior; Larry Weinberg, meu advogado e amigo, por acreditar em mim tanto quanto no livro; Don Schneider, por me fazer rir; Glenn Sobel, por sua ilimitada paciência e apoio no passado; Cory e Annie, que compraram o primeiro exemplar. Também tenho uma dívida de gratidão com a rainha de Áries, Linda Goodman, a falecida astróloga e escritora que foi a primeira pessoa que sussurrou esse segredo em meu ouvido, muito antes de eu estar preparada para compreendê-lo. Ela alterou o curso de minha vida com essa informação e ao me deixar suas traduções das Tábuas de Esmeralda (cuja importância se tornará evidente em livros posteriores). Meu destino permanece estranhamente entrelaçado com o de Linda, um fato que proporcionou a ambas uma angústia surpreendente, mas também uma imensa alegria. Gostaria que ela tivesse permanecido conosco pelo tempo suficiente para ver a prova revelada de suas próprias ligações com a linhagem. Também sou grata porque o caminho através da vida de Linda me levou a outra grande escritora e astróloga, Carolyn Reynolds. Carolyn foi meu rochedo em dias muito sombrios, com o seu grito de batalha: “Ninguém pode roubar seu destino.” Agradeço a ela com toda a força do meu coração. Também apresento agradecimentos especiais às iluminadas mulheres do Foro das Tábuas de Esmeralda, por seu apoio e amor ao longo dos anos.


Às vezes é preciso metade de uma vida para compreender por que determinados acontecimentos moldam seu destino. Jackson Browne mudou minha vida jovem e impressionável quando completei dezessete anos, nos bastidores do Pantages Theater. Creio sinceramente que este livro não existiria se ele não tivesse feito isso. Como ativista adolescente, fui o alvo de seu discurso arrebatado sobre o poder de uma pessoa de fazer uma diferença no mundo... e de seu elogio à minha jovem necessidade de questionar qualquer situação injusta. Ele me segurou pelos ombros para dar ênfase, ao dizer: “Nunca pare de fazer o que você faz. Nunca.” Agradeço a ele por esse catalisador (embora meus pais provavelmente não agradeceriam) e por uma vida inteira de música inspirada, em particular por “The Rebel Jesus”. Creio que Easa aprovaria. Também apresento meus agradecimentos sinceros a Ted Neeley e às lembranças afetuosas do falecido Carl Anderson. Eles e muitos outros me comoveram com seus retratos de inspiração divina de Easa e Judas. (É uma coincidência que Andrew Lloyd Weber tenha nascido no dia 22 de março?) Qualquer um bastante afortunado para passar algum tempo na presença radiante de Ted sabe o quanto ele personifica a beleza do espírito nazareno. Os

talentosos

membros

do

Screenwriter's

Refuge

me

proporcionaram terapia de grupo e um tremendo apoio durante os últimos anos. Cindy, Robert, James, Mel, Kathy, Fitchy, Teddy, Chris e Wenonah, vocês merecem minha admiração e meus mais profundos agradecimentos. É maravilhoso estar nas trincheiras com amigos de confiança. Meu

coração

vive

na

Irlanda

e

minha

gratidão

está

especificamente no condado de Cavan, onde meus parentes afins, John e Mary, sempre me trataram como se fosse de seu próprio sangue. Meu amor e agradecimentos também se estendem a toda a minha família irlandesa: Brian, Bridie & Pat, Susan, Philomena, Pam & Paul, Geraldine & Eugene, Peter & Laura, e Noeleen, David & Daniel. Agradeço a toda a turma de Drogheda por me mostrar a essência da cidade que sobreviveu a Cromwell. São pessoas muito


especiais e amigos maravilhosos. E aquele ponto de referência é chamado de Torre de Madalena por uma razão, não é mesmo? Durante a pesquisa, Los Angeles foi meu lar, a Irlanda meu refúgio, e a França minha inspiração. Sou grata à equipe do Hotel Place du Louvre, que sempre me fez sentir bem-vinda em Paris, e por me apresentar à história da Cave dos Mosqueteiros. Há muitas pessoas na França que me deram pedacinhos de seu coração e alma. Não se passa um dia sem que eu suspire pela beleza do Languedoc, Camargue, Midi, Provence... e pelas pessoas extraordinárias que habitam essas regiões mágicas. A essência da Madalena é de compaixão e perdão e, nesse espírito, eu ofereceria um ramo de oliveira às pessoas a quem posso ter ofendido ao longo do caminho. Em particular, a meu tio, Ronald Paschal, pois sua paixão pela nossa excepcional herança francesa foi uma coisa que não pude absorver na ocasião em que ele tentou me mostrar. Também ofereço este livro a Michele-Malana. Nossa amizade não sobreviveu ao caminho tumultuado em que nos lançamos, mas sua generosidade e inspiração nunca serão esquecidas. Se ela algum dia ler isto — e seu amor por nossa Madalena indica que pode ler —, espero que me encontre. Devo agradecer às pessoas maravilhosas na Issana Press por publicarem as traduções das cartas de Cláudia Prócula. Recomendo o livreto Relíquias de arrependimento... bem pequeno, mas sem dúvida poderoso. Agradeço-lhes por me confirmarem que Pilo era mesmo o nome do filho de Pilatos... e por desafiar meu cérebro com a informação de que pode haver outros filhos de Pilatos! Creio que é necessário que os escritores homenageiem aqueles que abriram as portas para passarmos. Assim, devo agradecer a autores bastante controvertidos, Michael Baigent, Henry Lincoln e Richard Leigh, que levaram ao mundo O Santo Graal e a linhagem sagrada, na década de 1980. Esse livro foi o terremoto que despertou o público para a idéia de que alguma coisa importante estava acontecendo no sudoeste da


França. Obviamente, cheguei a conclusões diferentes e encontrei um foco alternativo para minhas pesquisas. Mesmo assim, respeito a coragem, tenacidade e espírito pioneiro desses três homens honrados e o que conseguiram realizar... e por introduzir o mundo esotérico por intermédio do enigmático e misterioso Berenger Saunière. Finalmente, a todos os brilhantes artistas que ansiaram para que as informações fossem descobertas em suas próprias vidas, ofereço minha gratidão por nos proporcionarem os mapas e indicações que eram

necessários

para

descobri-las.

Agradeço

em

particular

a

Alessandra Filipepi, que foi de fato “um filho dileto dos deuses” e continua a me encantar, através do tempo e do espaço. Encontrarei todos muito em breve, na Catedral de Chartres, na entrada do labirinto, ao iniciarmos nossa busca por O Livro do Amor. Vocês já têm um mapa. Mas podem querer levar seus velhos exemplares das obras completas de Alexandre Dumas e se envolverem com uma tapeçaria de unicórnio... Lux et veritas, KDM


Et In Arcadia Ego On the road to Sion, I met a woman A shepherdess so fair She spoke these words in a secret whisper Et In Arcadia Ego I traveled east through the red mountains By the cross and this horse of God Saint Anthony the hermit said, “begone, begone� I hold the secrets of God. In the harvest time I rested seeking the fruit of the vine in the mid-day sun I saw them blue apples, blue apples Et In Arcadia Ego In the shadow of Mary I found the secrets of God


(Et In Arcadia Ego Na estrada para Sião encontrei uma mulher Uma pastora tão bela Ela falou essas palavras em segredo Et In Arcadia Ego Viajei para leste através das montanhas vermelhas Pela cruz e este cavalo de Deus Santo Antonio, O Eremita, disse: “vá embora, vá embora” eu tenho os segredos de Deus. No tempo da colheita descansei procurando o fruto da videira ao sol do meio-dia eu vi maçãs azuis, maçãs azuis Et In Arcadia Ego A sombra de Maria encontrei os segredos de Deus)

Do álbum Music of the Expected One, de Finn MacCool Letra e música de Peter McGowan e Kathleen McGowan Visite www.theexpectedone.com para ouvir o áudio


P A P E L

CHAMOIS-FINE a l c a l I

n o

Este livro foi impresso em papel Chamois Fine Dunas 75g/m 2, da Ripasa S/A., fabricado em harmonia com o meio ambiente.

Este livro foi impresso na Editora JPA Ltda. Av. Brasil, 10.600 — Rio de Janeiro — RJ para a Editora Rocco Ltda.


http://groups-beta.google.com/group/digitalsource

Kathleen mcgowan o segredo do anel o legado de maria madalena (493 pg)