Page 1

1


Tradução: Thatiane Revisão e Leitura Final: Caroline Formatação: Andreia M.

2


Eu pensei que ele era meu salvador. Sem saber que ele também era um assassino. Ficar presa na neve foi minha culpa. Por um momento, pensei que eu iria morrer por lá. Então, quando o homem mais sexy que já vi me puxa de volta da morte, suponho que eu deveria estar agradecida. Ele me leva para casa, me aquece ... e ilumina um fogo dentro de mim, que só seu toque pode curar. Agora estou queimando por Jax . Suas mãos, sua boca, seu corpo. Eu sei que ele não é bom para mim. Mas nada pode me impedir de tê-lo. Ou seja, até o passado dele aparecer. Quando eu souber que ele é realmente um monstro, talvez já seja muito tarde.

Em primeiro lugar, ela não queria fazer parte da minha escuridão. Mas alguns tipos de escuridões são difíceis de resistir ... Eu sei que não sou um bom cara. Desde que minha esposa morreu, eu tinha uma única regra quando se tratava de mulheres: Apenas uma noite. Em todos esses anos, nunca a quebrei. Ou seja, até conhecer Christina. Ela tem um corpo como o pecado e uma boca descarada. Eu quero fode-la, até que ela esteja rouca de gritar meu nome. Ela não sabe que tenho segredos. Ela não sabe o que fiz. E mesmo depois de descobrir quem eu realmente sou, isso não importará mais. Ela terá que descobrir pelo caminho mais difícil, que uma vez que ela ir para casa comigo, não há como voltar.

3


- Maldição! - Está nevando tão forte, que mal posso ver além do párabrisa. Os limpadores estão praticamente inúteis neste ponto. De onde diabos veio essa neve? Estava brilhante e ensolarado quando acordei esta manhã, e um pouco nublado quando saí para ir aos meus pais. Eu não tinha ouvido nada sobre a neve. Talvez não tenha crescido aqui, mas conheço um "céu de neve" quando vejo um. Não havia suspeita. Agora isso. Eu tenho lutado na estrada durante a última hora, e eu sei que não estou tão longe da cidade. Começou a nevar minutos depois de eu sair e antes que eu soubesse, eu estava escorregando e deslizando. A neve estava acumulando-se rapidamente, os ventos chicoteando e quase me fazendo sair da estrada mais de uma vez. Eu tenho que voltar. Sem esperanças de chegar. Eu pensei que eu poderia ser capaz de passar pela tempestade e chegar ao outro lado, mas sem sorte. Feriado não está acontecendo hoje. Eu vou tentar novamente amanhã. Mas não consigo ver. Não consigo ver qualquer coisa. Gostaria de dar a volta, se pudesse ver a estrada. Eu ainda não passei por outro carro por milhas. Eles devem ter visto o relatório meteorológico que eu perdi. Desacelerei, na esperança de fazer uma curva em U, mas tudo o que eu fiz foi derrapar. Eu não tenho a tração. O que diabos devo fazer? - Porra ! - Eu gritei, batendo no volante. Esta é apenas a minha sorte. Por que coisas assim estão sempre acontecendo comigo? Não sou uma pessoa má.

4


Não estou fazendo nenhum progresso. Eu também percebo, para meu horror, que o carro está ficando sem gás. Rápido. Merda! Havia meio tanque quando saí de casa. Eu estava pensando em parar, uma vez que eu estivesse na estrada, é claro. Agora, há menos de um quarto de tanque. E não tenho idéia de onde estou ou onde o próximo posto pode estar. Desacelerei, na esperança de escorregar o suficiente na estrada, para evitar carros e caminhões. Posso apenas imaginar ser empurrada em cima disso. Droga... droga... droga! O que agora? Estou completamente despreparada por isso. Eu sei que eu deveria ter um kit de sobrevivência de inverno no meu carro. Eu sempre ouvi sobre isso nas notícias. Cobertores, água, lanterna, baterias, rádio. Eu nem estou usando botas de neve ou um par de luvas decente. Christina, você é uma idiota. Eu também poderia me enrolar no banco de trás e tentar aguardar isso passar. Há gás suficiente para me levar para o próximo posto, uma vez que a tempestade passe - eu espero. Mas eu não acho que posso fazer isso, enquanto há uma tempestade neve lá fora. Mas a neve não pode durar para sempre, certo? Eu verifico meu telefone, percebendo que meus pais estarão me ligando daqui a pouco. Eu estou a apenas duas horas de distância deles, então, se eles não ouvirem de mim em breve, eles vão perder a cabeça. Claro, de acordo com o resto do dia, o meu telefone não tem sinal. Isso poderia piorar? Agora está ficando mais frio, os minutos passando e eu preocupada com meus pais. Eles estarão tão chateados, quando não ouvirem de mim. Mas então, e quanto a mim? O que acontece se eu estiver soterrada O que acontece se eu não conseguir abrir as portas do carro quando sair ? E se eu congelar até a morte neste maldito carro ? Ok, Christina. Respirações profundas. Corro as mãos através dos meus longos e escuros cabelos, alisando-o para me acalmar um pouco. Não há 5


necessidade de perder minha calma. Isso vai ficar bem. Coisas como está acontecem o tempo todo, tenho certeza. Não é como se eu estivesse nua. Estou usando roupas perfeitamente secas e enquanto minhas botas não são feitas para a neve, elas estão quentes o suficiente. Meu casaco também está quente. Eu ficarei bem. Eu me inclino contra o assento, pensando que talvez não fosse uma má idéia tirar uma soneca, enquanto eu agüento o pior tempo. Pelo menos então, não sentirei tanto frio. Eu verifico a hora. É pouco depois das onze da manhã. Coloquei o alarme no telefone para tocar em uma hora. Isso não será muito. Não vou congelar. E espero que até então, a tempestade tenha passado e eu estarei no meu caminho. Eu fecho meus olhos... só para que eles fiquem abertos, quando eu ouço um forte golpe no pára-brisa. O que diabos é isso? Eu me sento, grogue. Como posso ficar grogue, quando acabei de adormecer? Espere, está escuro lá fora. E com muito mais neve. O que está acontecendo? Pego meu telefone... que agora está morto. Oh, meu maldito deus, a bateria morreu. Há quanto tempo estou dormindo, afinal? - Ei! - Eu chamo para quem está fora do carro. - Ajuda! - Eu percebo no fundo da minha mente, que essa pessoa, quem quer que seja, poderia ser um assassino. Por outro lado, talvez eu tenha dormido até o esquecimento, se não fosse por ele. O interior do carro está além de frio, e meus dentes estão batendo. Se ao menos eu não me sentisse tão grogue. Eu vejo folhas de neve caindo do exterior do carro e percebo que eu estou quase soterrada. Merda sagrada. Esta pessoa é o meu novo superherói, quem quer que seja. Vejo uma figura escura que se aproxima do carro, ao lado da porta lateral do motorista. Eu me inclino para frente para desbloqueá-la e assisto como ele a abre. Uma figura absolutamente enorme, vestido em uma jaqueta preta com capuz, desliza atrás do volante. Não consigo ver o rosto dele. Um cachecol pesado cobre a maior parte. 6


- Há quanto tempo você esteve aqui? - A voz é profunda, ressonante. Claro que é um homem. Caso contrário, estaria lidando com a maior mulher que já conheci. - Desde as onze da manhã. Que horas são? - Passa das onze. - Ele responde, sua voz sombria. - Eu não quero alarmá-la, mas você não teria durado muito mais tempo aqui. É um milagre que te vi da minha janela. - Sua janela? Você mora por aqui? - Não longe. A menos de um quarto de milha da estrada. O vento morreu por um momento e seu carro se destacou contra a neve. Graças a Deus, eu vim com o vermelho, penso. - Você está quase sem gás. - Sim eu sei. Eu ia parar para reabastecer ao longo do caminho. Eu não contava com essa luta, no meu caminho pela estrada. - Você não assiste as notícias? Eles falaram sobre esta tempestade há dias. - Eles falaram? - Eu estive tão ocupada no trabalho, que perdi completamente as notícias. Mas eu ainda não gosto do tom em sua voz. Independentemente de ter salvado a minha vida, ele não precisava falar comigo, como se eu fosse uma espécie de idiota. Eu estava fazendo um trabalho de falar comigo assim já. - Ouça. Se você ficar aqui fora, você congelará até a morte. Você tem um cobertor? - Eu agito minha cabeça, me sentindo boba. Ele suspira, o som exasperado, como de um pai bravo com uma criança arteira. - Eu a levarei de volta para minha casa. Não é longe. Você poderá andar. Não posso em sã consciência, deixá-la aqui. Para a sua casa? Não sei quem é esse cara. Ele poderia ser um assassino em série ou algo assim. Talvez este seja o seu problema, está

7


esperando que as tempestades cheguem, para que ele possa atrair jovens para sua casa, para Deus só sabe o que. Ele me vê hesitante e naturalmente, sabe por quê. - Não podemos gastar muito tempo, antes de você decidir se eu sou um assassino em série ou não. Está fodidamente frio e só piora. Você não está vestida para isso. Ou venha comigo ou congele até a morte. Tenha em mente que as estradas estão intransitáveis, e o carro estava quase enterrado quando eu encontrei você. Eu sei que não tenho escolha. Realmente é uma questão de segui-lo a sua casa de horror potencial ou morrer aqui. Eu me digo que há pelo menos uma chance, de ele não ser um assassino. Não tenho chance aqui. - Tudo bem. - Respondo, lançando meu telefone inútil na minha bolsa. - Lidere o caminho. Eu só espero que não viva para me arrepender disso.

8


Eu estava trabalhando na cafeteria há menos de um ano, quando ouvi falar sobre os Angel of Chaos. Era uma manhã de domingo e o lugar estava lotado, assim como sempre era, depois que saiam da igreja. Amy e eu éramos como uma máquina bem oleada, no entanto, trabalhando juntas, de forma perfeita, para manter o movimento. Eu sabia que atingiria o prêmio, quando a contratasse. Ela trabalhava sem nenhuma supervisão, totalmente capaz de ler uma situação e ir com ela. Quando terminava de preparar um tiro de café expresso, ela já começava o próximo sem perguntar. Quando uma bandeja de muffins estava quase vazia, ela iria obter uma nova. Ela limpava as mesas logo que os clientes as deixavam, assim novos clientes podiam sentar-se, mantinha o leite e os cremes cheios, tudo. Eu sabia que podia contar com ela. Isso me deixava livre para receber pedidos e conversar com os clientes. - Sra. Stephens! Um grande café sem espuma e um muffin de mirtilo, certo? - Eu fiz o pedido, levando as coisas em ordem, enquanto perguntando se sua filha tinha decidido em uma faculdade. O Sr. Brown gostava um pequeno café preto e um queijo dinamarquês. Sua esposa acabou de operar um dos joelhos, então eu perguntei por ela e disse-lhe para dar mandar minhas melhoras. Os Jenkinses sempre traziam seu filho de três anos de idade, e eu dava-lhes um pequeno deleite especial, enquanto eu pegava os cafés.

9


Isso era o que eu sempre tinha me visto fazendo: ter um pequeno lugar, onde as pessoas da cidade poderiam visitar e sentir-se como se pertencessem de alguma forma. Como se eu me importasse com eles porque eu fazia. Quando eles entravam e ouviam seus pedidos sendo falados, antes mesmo de falar, eles se sentiam valorizados. Esse é o tipo de tratamento que mantém os clientes voltando para mais. - Como você consegue fazer tudo correto? - Perguntou a Sra. Hauser, me entregando uma nota de dez dólares. - Eu ficaria louca, tentando lembrar de tudo e de todo mundo. - Você lembra todas as novelas que você assiste. - O Sr. Hauser apontou com uma risada. - Todos os personagens e os argumentos.- Eu ri com ele. - Isso é diferente. Estive observando-os por anos. - Ela só esteve aqui há seis meses! Ambos olharam para mim, um lindo e velho casal se alguma vez houvesse um. Dei de ombros. - Eu tenho uma boa memória, eu acho. Ela vem naturalmente. Além disso, eu gosto de você. Isso ajuda. - Eu pisquei o olho para o Sr. Hauser, e ele riu novamente. - Se eu tivesse trinta anos de idade ... - Ele insinuou. A Sra. Hauser deu-lhe um golpe brincalhão no ombro. - Tente cinqüenta anos. - Corrigiu ela. - Além disso, uma coisa nova como Christina, não teria tempo para você. O Sr. Hauser esfregou o ombro, como se estivesse com dores. - Veja como ela me abusa? - Ambos riram, e eu me juntei a eles com entusiasmo.

10


- Se você fosse jovem e solteiro, Sr. Hauser, eu lhe daria o meu número com certeza. - Eu entreguei seus pastéis, pensando que iriam deixar o assunto, agora que eles tinham sido atendidos. - Uma menina bonita como você, deveria se casar, ou pelo menos sair com alguém. - insistiu a Sra. Hauser. Mordi o lado da minha língua, para esconder meu desgosto. Uma coisa sobre viver e trabalhar em uma pequena cidade, onde você conhecia todos: todos o conheciam logo. Pelo menos eles pensavam que sim. - Você é uma garota tão doce. Não se preocupe.... - ela acariciou minha mão com tranqüilidade. - O cara certo está lá fora esperando por você. - Chris, outro galão de leite! - Amy estava trabalhando na máquina de café expresso, fervendo leite para lattes. Sorri para os Hausers e me virei para ajudá-la. - Obrigada. - Eu sussurrei. - Isso estava ficando estranho. - Sra. Hauser sempre está tentando consertar as pessoas. - Explicou Amy. - Ela é uma amada. Eu não estava de acordo. Eu só queria que ela deixasse meus negócios serem meus negócios. Não havia muito sobre mim, eu compartilhava com os outros, exceto a minha vida amorosa. Isso estava fora dos limites. Conversas estranhas de lado, adorava o trabalho. Eu me sentia energizada, cumprida, tudo porque meus clientes estavam satisfeitos. Uma vez que a correria se apagava, eu passava de mesa em mesa, dizendo oi para aqueles com quem não tinha oportunidade de conversar, enquanto Amy usava o registro e máquinas de café. Todo o tempo eu lembrava-me de que eu estava fazendo a minha marca na cidade, o que era um sentimento fantástico.

11


Era também uma grande loja. Eu apenas comprara, um pouco mais de seis meses antes, quando o dono anterior, teve que puxar apostas e se deslocar pelo país para cuidar de um pai doente. Tudo estava em funcionamento. Tudo o que eu tinha que fazer, era intervir e assumir. A melhor parte foi, já que a mudança estava acontecendo com tanta pressa e ele não queria deixar a loja abandonada, conseguir obtê-la por quase nada. Limpei as mesas que acabavam de esvaziar, sentindo-me orgulhosa do que estávamos construindo aqui. Claro, a base de clientes já estava saudável, quando assumi o controle, mas agora havia um sentimento de família. Eu escutei uma e outra vez, quão felizes ficavam os clientes, quando eles entravam e eu sabia quem eles eram. Isso é o que eu queria me separar bem, isso e minha comida. - Christina, este é o melhor muffin de cenouras que já tive. - Ouvi uma mulher dizer, sobre uma boca cheia de comida. Eu sorri e lembrei-me que eu poderia sempre arrumar um casal para ela levar para casa. Minhas bebês eram minhas receitas, e eu as guardava com minha vida. Eu sempre quis ir à escola de culinária. Bem, esta era a próxima melhor coisa. Além disso, qual era o ponto da escola de culinária, mas ter minha própria padaria um dia? Eu cortaria o sonho ao meio. Bom, já que não tinha o dinheiro para me matricular de qualquer maneira. Um rugido alto soou lá fora, e cada cabeça virou-se para as janelas de vidro, para a placa que olhavam na rua. Era uma rua muito pequena, muito americana, com suas lojas, toldos listrados e árvores frondosas. A visão de duas dúzias de motocicletas que viajavam pelo centro, parecia extremamente fora de lugar. Seus motores rugiam quando passavam. - Porra. - Eu ouvi um chiado dos clientes. - Eu pensei que eles tinham ido embora para o bem. Amy apareceu ao meu lado. - Eles estão de volta. - Ela murmurou.

12


- Quem são eles? - Eu nunca tinha visto eles antes. Todos montavam motos negras, todos vestidos com jeans e couro. Eles eram um grupo de aparência temível. - Angels of Chaos. - Disse ela. Eu ouvi repugnância em sua voz. - Por que não ouvi falar deles antes? De onde eles vieram? - A maioria deles estava preso, uma grande coisa aconteceu, há cerca de um ano atrás. Destruição de propriedade, suspeita de incêndio criminoso. Todos estavam em liberdade condicional por uma razão ou outra, então todos tiveram tempo para a violação. - Explicou ela calmamente. - Nunca ouvi os detalhes, mas basta dizer que ninguém lamentou vêlos ir. Eu acho que eles saíram. A casa do clube está bem nos arredores da cidade. Eles não têm permissão para fazer negócios dentro. - Um casal entrou naquele momento, e Amy voltou ao caixa para tomar seu pedido. Um clube de moto? Isso não se encaixava na cidade. Era como algo fora de uma pintura Norman Rockwell. É por isso que eu me estabeleci aqui em primeiro lugar, antes de comprar a loja. Ouvi vários clientes murmurando entre si, e eu cheguei mais perto deles. Agora que eu tinha ouvido falar da existência do clube, queria saber mais. - Ela era uma garota tão doce também. - Dizia um deles. - Eu nunca entendi por que ela se casou com ele. - Suspeito. - Outro declarou, balançando a cabeça. - Nunca acreditei que fosse uma morte acidental. - Claro que não. Ninguém misturado com aquele clube, morre acidentalmente. Só porque ela não era membro, não significa que ela não era parte disso. - Eu ouvi que ele ainda não conseguiu superá-la.

13


-Você iria? Uma esposa morta e sem respostas? E a forma como ela morreu... tão horrível. - Eles continuaram suas fofocas, enquanto eu caminhava para limpar outra mesa. Pensei nos homens que vi passando. Perguntei-me qual deles estava falando. Ele já estava andando com o clube, considerando que ele não tinha superado a morte de sua esposa? Se alguém que amasse morresse tragicamente, potencialmente por causa do que estava misturado, não estava seguro de querer fazer mais parte disso. Eu esperava que eles ficassem longe da Main Street, de agora em diante e, se não o fizessem, esperava que eles não tivessem vontade de tomar café, quando voltassem. Eu só podia imaginar a rapidez com que meus clientes iriam para as cafeterias de grandes cadeias, se um clube de motocicletas começasse a andar por aí, não importa o quão deliciosos meus produtos assados fossem. Eu fiz um ponto para ocupar-me e parar de pensar sobre isso. Afinal, sem sentido em se preocupar com algo, que ainda não aconteceu e provavelmente nunca aconteceria. Não precisava de mais pessoas assustadoras na minha vida. Mudei para esta cidade, para fugir de pessoas assustadoras. Ou melhor, uma pessoa assustadora em particular.

14


Estou sendo conduzida pela neve, por um homem alto que parece que ele poderia me esmagar, se ele decidisse. Mas eu não tenho escolha. É isso ou estar congelado até a morte, no banco traseiro do meu carro. Na verdade, não estamos longe de onde parei, percebo. Ele não estava brincando, quando disse que era apenas um quarto de milha ou mais. Quando a tempestade estava em seu pico, eu não podia ver uma maldita coisa pelas janelas. Eu poderia estar dirigindo pelo meio da Main Street e nunca teria sabido, incapaz de ver mais do que um pé na minha frente. Agora, vejo a casa com mais clareza, à medida que nos aproximamos. O tapume verde escuro, contra o céu cinzento, fumaça saindo da chaminé. Eu viro-me para verificar se meu carro está seguro onde está. Eu posso facilmente vê-lo daqui, mesmo com os flocos que ainda estão caindo rápido e pesado. Acho que foi assim que ele me viu. Um cão de caça corre ao nosso lado, atravessando a neve. Não posso deixar de rir de sua alegria absoluta. Pensar que provavelmente me aproximei de morrer, na mesma neve que este cachorro anda tão emocionante. Pergunto-me se ele mora sozinho, esse homem, ou se ele tem uma família. A idéia de congelamento não é atraente, mas nenhum deles está sendo estuprado e assassinado, em uma fazenda no meio do nada. Estou perto do esgotamento, abrandando, mesmo que ele esteja fazendo um bom trabalho, para abrir caminho para a neve profunda. O cachorro se esgueira atrás dele, cutucando-me. Doce cachorro. Isso chama a atenção do homem. Ele vira de volta para mim, pegando meu braço e me puxando junto com ele. Não tenho escolha senão ser arrastada. Estou satisfeita por isso, no entanto. Eu poderia ter desistido, se fosse deixada

15


pelos meus próprios dispositivos. Quando foi a última vez que comi? Eu nem me lembro agora. - Venha. - Eu ouço ele gritar, exortando-me a manter-se. - Está ficando pesado novamente. Apenas um pouco mais. Finalmente chegamos à varanda dos fundos e tropeçamos nos degraus, empurrados para trás, pelo vento que de fato se fortaleceu mais uma vez. Nós conseguimos isso apenas no tempo. Ele abre a porta e me oferece para ir dentro com o cão, e depois entra, contra o vento uivante. Estou de pé em uma pequena cozinha de fazenda completa, com uma lareira ao longo de uma parede. Há um lance de escadas dividindo o quarto pela metade, com fogão e outros aparelhos no lado oposto da lareira. As chamas são ardentes, o que é uma visão bem-vinda aos meus olhos meio congelados. Toda a sala é pitoresca, aconchegante e não é o que eu esperaria. - Filho da puta. - Ele respira, ofegante pelo ar. - Não posso acreditar o quão difícil está ventando lá. - Conte-me sobre isso. - Digo fracamente, com dificuldade para falar. Ele deve me ver balançando em meus pés, porque ele corre para mim, sentando-me em uma cadeira junto ao fogo. - Deixe-me pegar suas luvas. - Ele diz com sua voz profunda. - Elas estão todas molhadas e frias. Mesmo com suas botas, elas provavelmente estão empapadas até agora. - Ele está certo. Estas não são botas de neve. Estou totalmente despreparada para isso. Suas mãos ásperas retiram as botas dos meus pés, junto com as meias molhadas. - Você sente isso? - Ele puxa a planta do meu pé, e eu aceno com a cabeça. - Bom. Eles estão vermelhos, não brancos. O branco seria um problema. Mantenha-os junto ao fogo. - Eu faço como me diz, enquanto me estico para aquecer minhas mãos também. Se ele quisesse me violar, eu

16


argumento comigo mesma, ele não ficaria tão preocupado com a perda de meus dedos dos pés, ele volta, segurando uma caneca fumegante. - Beba isso. - Diz ele, empurrando-o para mim. - O que é isso? - Chá com uísque. Isso fará com que seu sangue flua de novo. - Eu tomo, me sentindo hesitante. Ele está me drogando? Cheiro e carrego para trás, o cheiro do whisky me atingindo com força. - Eu não posso garantir o quão bem eu posso lidar com isso. Não sei quanto tempo tem desde que comi. - Vamos lidar com isso mais tarde. Agora, você precisa fazer o seu sangue passar e aquecer, especialmente porque você estava dormindo no frio. - Eu vejo seu ponto e tomo um pequeno gole. Ele queima pela minha garganta e me faz estremecer, mas não há como negar o quão bom sente, aquece-me por dentro. Eu sorrio um pouco, fazendo-o sorrir de volta. - Isso é melhor. - Ele diz, tirando sua pesada jaqueta, para revelar mais de si mesmo. Eu olho para ele através do vapor saindo do chá. Ele é tão grande sem o casaco, como ele estava com ele. Alto, musculoso e intimidante. Ele está vestindo uma camiseta no meio do inverno, esticado sobre seu amplo peito e em torno de seu bíceps espesso. Eu vejo tatuagens em ambos os braços. Seu cabelo é escuro, cortado curto. - Já o vi antes. - Digo, surpreendida. - Você entrou na minha loja uns dias, há uma semana atrás, não foi? Ele sorri. - Eu fiz. Você tem uma boa memória. - Lembro-me de todos os meus clientes. - Eu tomo outro gole de chá, optando por deixar de lado, a parte em que ele me atordoou, por causa de quão lindo ele era. Ele entrou sozinho, logo depois que eu abri para o dia. Eu enviei Amy para o banco, deixando apenas eu e ele na loja juntos. Eu me senti um pouco sobrecarregada por ele, por seu tamanho e presença 17


absurdos, para não mencionar seus belos olhares ardentes e escuros. Ele não tinha sido senão educado, e tinha deixado uma grande gorjeta no frasco. - Você provavelmente é a única pessoa na cidade que foi gentil comigo naquele dia. - Ele diz pensativo. - Por que isso? - Longa história. Como está o chá? - Sinto que estou flutuando numa nuvem quente. - Isso parece certo. - Ele sorri, deslumbrante contra sua pele bronzeada. Ele deve trabalhar ao ar livre ou algo assim, a julgar pelo corpo e pele bronzeada. - Então ouça, eu odeio dizer-lhe isso, mas vai me levar para sempre, para tirar o seu carro daquela neve. Provavelmente está completamente enterrado agora. Além disso, há uma segunda tempestade a caminho esta noite. Qualquer coisa que tenha, acabará por chegar de manhã. - Espera. O que você está dizendo? - Eu caí da minha nuvem e de volta à Terra com um baque. - Estou dizendo que você terá que passar a noite. Não há nenhuma maneira de você sair daqui. Além disso, não há gás suficiente no tanque. Lembra? O sentimento caloroso e acolhedor que eu tinha, desapareceu em um instante. Tenho certeza de que já vi pelo menos um filme de terror, que começou assim. - Uh-uh. De jeito nenhum! Sua expressão muda. Agora ele parece escuro, perigoso, do jeito que eu esperaria que ele fosse, se julgasse por suas tatuagens sozinhas. - Ouça, querida, você é mais do que bem-vinda para andar de volta para casa no meio de uma tempestade, se você está tão contra isso. Seja minha convidada.

18


Droga. Ele está certo, é claro. Estou presa aqui, quer goste ou não. Mesmo que parte do meu cérebro, ainda seja racional o suficiente para me lembrar, eu poderia facilmente estar morta agora, congelada no banco de trás do meu carro se não fosse por ele, o resto de mim está irritada por ter que ficar aqui, em vez de casa ou, melhor ainda, com meus pais. Lindo ou não, ele é um completo estranho. Um estranho que salvou minha vida, isto é. - Você está certo. Me desculpe, isso foi errado de minha parte. Murmuro. - Eu não estava pensando. É só que estava tão entusiasmada, com chegar em casa para ver meus pais para o feriado. Já faz um tempo, você sabe? Eles estavam ansiosos para me ver, também. Não foi assim que planejei as coisas. - Me desculpe por ouvir isso, mas tenho certeza de que eles preferem tê-la viva, do que congelada até a morte no meio da estrada. - Sim, sim, você está certo. OK. Você está certo. E é bom você me deixar ficar. Foi realmente ótimo que você veio me buscar também. Obrigada. - Você é bem-vinda. Nos sentamos em silêncio por um tempo, então me lembrei de algo. - Merda. A sua linha está funcionando? Eu não tinha nenhum serviço no meu telefone, então descarregou e eu não pude chamar meus pais, e eles devem estar preocupados agora. Especialmente se eles ouviram sobre a tempestade de neve. - Oh, sim. - Ele se levanta e pega um aparelho montado na parede, pela porta traseira. Eu pego e disco, esperando que as linhas ainda estejam funcionando e eu possa falar com minha mãe. - Christina! Nós ficamos preocupados!

19


- Desculpe, mãe. Fiquei encalhada na tempestade de neve por aqui e... tive que parar em um motel durante a noite. - Eu olho para ele e percebo a maneira como ele sorri, quando ele ouve minha mentira. Eu rolo meus olhos, assegurando a minha mãe que estou segura e eu ligarei para ela de manhã. Eu desligo, agora com uma perda total de palavras. Estou presa em uma fazenda isolada com um estranho total. O que eu faço agora?

20


O uísque afrouxou sua língua e agora ela não vai se calar. Se eu soubesse que ela seria uma conversadora, eu poderia ter deixado ela na neve. OK. Eu não a deixaria na neve, mas talvez eu tivesse me comprado alguns tampões, antes da tempestade. Algo para me ajudar a lidar com sua conversa incessante. Eu sei que é porque ela está nervosa. Nós somos estranhos, e tenho certeza que para pequena senhorita da cafeteria eu sou o Lobo Mau. Lembro-me de como ela me olhou, quando entrei em seu lugar na semana passada. Seus olhos se arregalaram, antes que ela pudesse parar-se. Sua pele já era branca, mas ficou tão pálida, que pude ver as sardas em frente ao nariz e às bochechas. Estou acostumado a fazer essa reação, quando as pessoas me conhecem. Não é nada novo. Ela não é uma pessoa ruim, é claro. Ela foi genuinamente legal comigo. Mas era porque ela não me conhecia. Ela não tinha idéia de que eu realmente sou o Lobo Mau. Agora ela está nervosa, sozinha na casa comigo. Eu percebo a maneira como ela hesita, antes de tirar o casaco e eu sei que é porque ela ainda tem um pouco de medo de mim. Embora eu tenha salvado sua vida, ela ainda está com medo.

21


Isso também não é uma coisa cotidiana para mim. Eu não passei muito tempo sozinho com uma mulher acordada e com nossas roupas em anos. Desde… - Você mora aqui sozinho? - Ela pergunta, olhando para mim com esses grandes olhos verdes. Olhos inocentes. - Por quê? Você acha que a casa precisa de um toque de mulher ou algo assim? - Não. - Acho que vejo um pouco de rubor nas suas bochechas. - Eu iria dizer exatamente o contrário. É uma casa muito bonita. Acolhedora. - Obrigado. Foi decorada por uma mulher que conheci. - Eu olho para as minhas mãos. Ainda é difícil falar sobre ela, mesmo depois de todo esse tempo. A garota é inteligente o suficiente para não fazer perguntas. - Eu simplesmente percebi algo. - Diz ela, rindo. - Eu nem sei o seu nome! - Deus, claro que não. - Agora também estou rindo. - Eu sou Jax. Jax Fairbanks. - Christina Reardon. - Christina Reardon, você faz um muffin de mirtilo ótimo. Eu quis dizer isso durante toda a semana. Realmente, era excelente. Ela definitivamente corou desta vez. - Obrigada. - Você está lá há quanto tempo? - Seis meses. - Eu aposto que a cidade considera você uma mudança agradável de Ricky.

22


- O que você quer dizer? - Bem, Ricky era, você sabe, um cara. E não o cara mais bonito também. - Na verdade, ele parecia um troll. Mas eu mantenho isso para mim mesmo, não querendo sair muito como um idiota. - A primeira coisa que pensei quando entrei, foi que foi uma boa mudança de ritmo, vendo você atrás do balcão. Ela franziu o cenho, e eu me pergunto o que diabos eu disse para irritála. - Então, o que você está dizendo é que, porque tenho peitos, eu tenho clientes? - Não foi o que eu disse. Vou pegar o whisky. - Mas não há como se afastar dela. Ela levanta, mãos nos quadris. - Não, é exatamente isso que você quis dizer. Sou uma garota, então as pessoas vêm à minha loja. Se eu fosse um cara - um homem comum e de aparência média - eles não seriam tão propensos a entrar. - Que diferença faz de qualquer maneira? Por que você está tão irritada sobre isso? De qualquer forma, funciona a seu favor. Você é bonita. Você é legal. Tenho certeza de que as pessoas gostam de visitar a loja e de ver uma linda e legal menina sorrindo para eles. Isso é tudo o que quis dizer. - Levanto minhas mãos, rindo. Cristo, ela é dura. Ela ainda está fervendo, mas ela se senta de volta. - Meus muffins são bons. - Eu apenas disse que são. Ela dobra os braços. - E eu lembro o nome de todos e o que geralmente eles pedem. - Tenho certeza de que eles apreciam isso. - Eles fazem.

23


- Bom. - Por que você sempre tem que ter a última palavra? - Eu não. - Ela gira a cabeça em direção ao fogo, então não a vejo sorrir para si mesma. Agora que ela não está olhando para mim, posso dimensionála. Ela é alta, curvilínea, com cabelos ondulados e escuros que passam por seus ombros. Ela tem aquelas sardas no nariz e nas bochechas, que normalmente não gosto, mas nela, elas são fofas. Ela é o oposto de Marissa. Mesmo depois de dois anos, meu coração aperta como sempre faz, quando penso nela. Ela era pequena, curva e pequena, emoldurada com cachos loiros dourados. Ela sempre ficou calada, pensativa, nunca compartilhou uma opinião. Sempre indo da maneira que eu queria ir. Sempre me afastando, para que eu pudesse ficar na frente dela. Inteligente, mas não excessivamente opinativa. Ela tinha sido ensinada desde uma idade adiantada, para manter suas opiniões para si mesma. A garota na minha frente agora, não é nada disso. Dei-lhe um elogio e ela praticamente pulou na minha garganta. Então, por que estou tão atraído por ela? Ela não é nada como as mulheres que costumo procurar. Porque até agora, quando passeio por ai, vou para mulheres que me lembram de Marissa. Pequenas loiras, sem muito para dizer, além de me cumprimentar. As mulheres que não se encaixam nesse perfil, também não podem existir. Mesmo quando vi pela primeira vez a Christina na loja, notei que ela era fofa. Mas não foi além disso. Porque ela não é meu tipo. Então, por que eu quero levá-la para cima e fodê-la sem sentido? Eu não acho que ela seria o tipo, que iria por um acordo de uma só vez, no entanto. E isso é tudo o que me interessa. Sem cordas, nenhum compromisso. Nem mesmo um abraço. Apenas sexo. Uma necessidade humana básica. Não vou me abrir para nada mais profundo do que isso, nunca mais. Não vale a pena a dor.

24


Ela é divertida, no entanto. Agora que eu sei que é tão fácil irritá-la, eu quero encontrar novas maneiras de fazê-lo. Ela é bonita o suficiente quando está sentada ali em frente a mim, olhando para o fogo. Quando ela está chateada, ela é linda. - O que fez você decidir comprar a loja? - Eu pergunto a ela. - Esse é um grande passo para alguém que é praticamente novo na cidade. - Como você sabia que eu era? - Ela está no limite e eu tenho que me perguntar por que. Eu simplesmente encolho os ombros, para mostrar a ela, que não é um grande problema. - Você é nova aqui. Eu vivi aqui toda a minha vida, e nunca conheci você, antes de entrar para um café da manhã rápido. Você foi legal comigo, o que, como eu disse, não é a norma. E você estava totalmente despreparada para uma tempestade assustadora, que sempre chega aqui nesta época do ano. Não havia nem um cobertor no seu carro. Seus olhos se estreitaram. Acho que ela não esperava que eu tivesse um cérebro na minha cabeça. Ela não discute. - Eu só vivi aqui por oito meses. - Ela admite. - Eu não sabia que o inverno era tão estranho. - Sim, o inverno é muito estranho. - Não posso deixar de sorrir. É natural provoca-lá, embora eu não saiba por quê. - Como é que eu só vi você uma vez em oito meses? Como você disse, você viveu aqui toda a sua vida. Por que você nunca entrou antes? - Eu estava... afastado. - Eu gostaria de nunca ter perguntado em primeiro lugar. Não tenho vontade de entrar nisso com ela.

25


- E eu não sou um grande fã da cidade. Eu apenas vou lá de vez em quando. Normalmente estou aqui fora, ou trabalhando com meus clientes. - Clientes? O que você faz? - Eu sou um advogado corporativo. - Ela sorri para mim. - O que? Um advogado corporativo não pode ter trinta? - Se você não vai me responder seriamente, não se preocupe em responder. Só estou tentando conversar. - Então você julga livros por suas capas. - Agora ela está franzindo o cenho. - Eu sou um paisagista, na verdade. E você nunca respondeu minha pergunta. O que fez você decidir comprar a loja? Ela está tímida agora. Eu vejo pensamentos passar por sua cabeça. Ela está se perguntando se ela pode se abrir para mim. Pode confiar? Eu vou julgá-la? Por que ela se importa? Ela não tem absolutamente nenhum rosto de poker. Finalmente, ela resolveu. - Sempre gostei de assar. Desde que eu era pequena, sonhei em ter minha própria padaria. O café é a próxima melhor coisa. Quero dizer, era como um sinal, você sabe? Me mudei para cá porque pensei que era legal, silencioso. Tranqüilo. E então, bam! A loja de café fica à venda. Como se quisesse ser minha. Eu não poderia transmitir a chance. - E você gosta? - Eu amo isso. Eu realmente amo. - Ela não é apenas linda quando está chateada, ela também é linda quando está falando sobre as coisas que ela ama. Seus olhos se acendem. Mas ela é mais sexy quando está chateada. Olho pela janela, percebendo que o vento não está uivando como estava antes. 26


- Está abrandando um pouco. - Digo, de pé me esticando. Eu sinto meu peito subir quando eu faço, e eu vejo seu olhar, quando ela acha que não vou notar. Eu consegui esconder meu sorriso e mantive esse pouco de informação, no fundo da minha mente. A maneira como ela olhou para mim. - Eu acho que pode não ser uma má idéia sair e limpar pelo menos uma parte da neve. - Digo. - Vai continuar nevando, mas eu quero dar um salto sobre isso. Portanto, não há tanto para fazer depois. - Você confia em mim para ficar aqui sozinha? Não pude deixar de sorrir. Como se ela fosse uma espécie de ameaça. - Eu acho que a casa pode lidar com isso. A menos que você prefira sair e me ajudar. Talvez essas botas de couro mantenham seus pés quentes. - Mesmo com um olhar desgostoso em seu rosto, ela é linda. E tão fácil de irritar. Eu acho que salvá-la da tempestade foi uma boa jogada da minha parte. Meus olhos se movem para seu corpo, antes de me afastar. Sim. Foi uma jogada muito boa.

27


Quem diabos é esse cara? Eu olho para ele, enquanto ele coloca a jaqueta maciça de volta, empurrando seus pés para trás em suas botas grossas, suas mãos de volta para luvas pesadas, que ele deixou secar no radiador. Não esperava que ele fosse espirituoso. Ele não é muito engraçado ou mesmo extremamente encantador, mas ele é inteligente. Ele me faz sorrir, mesmo quando ele está me irritando. - Tente não queimar nada enquanto eu estiver lá fora. - Ele diz, e eu olho para ele com desgosto. - Tente não se enterrar em um banco de neve. - Eu respondo. - Se eu fizesse, você ficaria bem fodida, não é? - Ele ri um pouco, antes de desaparecer, fechando a porta contra o vento. Ugh. Ele é tão sexy que não consigo suportar isso. Eu não sei o que é sobre ele. Sim, ele é quente. Eu sabia que ele era bonito no momento em que o vi pela primeira vez. Qualquer um com olhos podia ver isso. Mas há algo mais. Algo mais profundo. Um magnetismo. Ele tem um monte disso. Eu me levanto e ando até a janela, ainda um pouco instável do whisky. Pelo menos estou consciente, no entanto. Ele não me drogou. Sinto-me um pouco ruim, por duvidar tanto dele. Ele está lá, afastando-se como uma máquina. A neve não é nada para ele, a pá como um brinquedo em suas mãos maciças. Se eu não tivesse

28


aprendido, que ele trabalha ao ar livre, eu teria adivinhado, assim que eu o assisti esvaziar a neve. Ele está acostumado a esse tipo de trabalho. Antes que eu soubesse, ele já tinha um caminho claro para a entrada, onde apenas consigo distinguir os recuos, que costumavam ser o caminho, que nós limpamos quando caminhamos aqui da estrada principal. Realmente nevou tanto desde então, que dificilmente posso ver onde nossos passos caíram? Eu viro meu pescoço, de pé na ponta dos pés, tentando ver meu carro. Não há nada além da neve, tanto quanto os olhos podem ver, embora. Eu teria sido enterrada vivo com certeza. Eu tremo no pensamento. Imagine se ele não tivesse me notado. Ainda não sei como ele me viu em primeiro lugar. Eu simplesmente não pensei em perguntar a ele. Talvez seja melhor não. Talvez não saber, neste momento, pensando que possa ser o acaso, é o melhor. Caso contrário, eu ficaria louca. Olho em volta da sala. É como uma foto de um livro, até o cão enrolado em frente ao fogo. Duas cadeiras de balanço, de frente para a outra, de cada lado da lareira. Um tapete entre eles. Panelas de cobre e panelas penduradas em uma prateleira, sobre um fogão antigo. Uma pequena mesa com uma lâmpada antiquada, suspensa acima dela. Jamais em um milhão de anos veria um homem como Jax morando aqui. Uma pequena velhinha que vive em uma pensão? Certo. Não é um túnel muscular fortemente cobrado. Eu ando de um lado para o outro na frente do fogo, o suficiente para chamar a atenção do cão. Ele pula e se move comigo. - Desculpe, garoto. - Eu digo, coçando-o atrás das orelhas. - Eu não queria incomodá-lo. Apenas me perguntando o que fazer comigo mesma agora. Alguma sugestão? - Ele caminha até sua tigela de comida e seus narizes para dentro. "Alimente-me", ele está dizendo. Bem, essa é apenas uma boa idéia, como qualquer outra. Abro alguns gabinetes, procurando comida. Finalmente, encontro uma pilha de latas, uma das quais eu esvazio em sua tigela. Enquanto isso, agora que eu olhei em torno de

29


alguns, vejo que esta cozinha está melhor abastecida do que eu esperava. Mais uma vez, Jax está me surpreendendo. Iniciei impulsivamente a retirar ingredientes: manteiga, ovos, farinha, açúcar. Ligue o forno, verificando se o piloto está aceso, antes de misturar uma massa. Não há gotas de chocolate, mas há manteiga de amendoim. Biscoitos de manteiga de amendoim é o que será. Em pouco tempo, estou rolando bolas de massa, cobrindo-as no açúcar e fazendo padrões entrecruzados com os dentes de um garfo. Coloquei-os no forno e voltei para a janela, verificando o progresso de Jax. Ele ainda está trabalhando lá fora. Não posso acreditar que ele ainda não entrou em colapso, honestamente. Quase toda a calçada está descoberta. Ele deve estar pronto para entrar em colapso neste momento. O temporizador que coloquei sobre o forno dispara, dizendo-me que os cookies estão finalizados. Eu os retiro, depois coloco a chaleira, no caso de ele querer algo quente para beber quando ele entrar. É o mínimo que posso fazer, considerando que ele me salvou de congelar e está me dando um lugar para passar a noite. A porta se abre, uma explosão de ar frio fazendo-me tremer. Ele se inclina contra ela para fechá-la, depois tira o casaco e as botas. Eu o ouço cheirando o ar. - Cookies? - Isso é tudo o que ele diz, e a palavra é pesada, como se estivesse enojado. - Mmmhmm. - Respondo, tentando parecer casual, como se eu não apenas invadisse a cozinha desse homem. Jesus, o que diabos estava pensando? Deve ser o whisky. O que mais teria me levado a me fazer isso? Gostaria de nunca ter saído da cadeira ao lado do fogo. Olho para ele, seu rosto ilegível. Há tensão no ar. Ele vai sair? Talvez ele seja realmente sensível sobre as pessoas que atravessam sua casa e tratam-na como suas. Eu sei que eu seria. Deus, como eu poderia ter sido tão estúpida ?

30


A chaleira assobia, rompendo o momento. Giro para puxá-la para fora do queimador. - Eu pensei que talvez você quisesse algo quente para beber, para se aquecer. - Eu digo, sentindo-me incrivelmente coxa agora. Eu gostaria de poder me afundar no chão e nunca voltar. Ele se move pela primeira vez, desde que percebeu os cookies, colocando as luvas de volta no radiador. O vapor se eleva quando elas caem no metal quente. Ele pendura o casaco sobre suas botas, que se sentam em uma pilha de jornais para pegar a neve derretida. Então ele atravessa a sala, seu corpo grande se movendo suavemente. Eu olho, esperando por sua reação. Quando ele me alcança, parando diretamente ao meu lado, eu estou com a respiração presa. Ele passa por mim, tomando um biscoito da folha. Ele toma uma mordida. Esboço um olhar para ele do canto do meu olho e vejo que ele está mastigando com uma expressão pensativa no rosto. - Você sabe.... - Ele diz, ainda mastigando. - Você vai fazer uma terrível dona de casa algum dia. - Oh, se toca você. - Eu me inclino contra a pia, os braços cruzados. Estou aliviada, de que ele não esteja assustadoramente irritado, naturalmente. Mas ele não precisa ser um idiota sobre isso. - Quero dizer. Um cara lá fora vai ter muita sorte. Quero dizer, biscoitos caseiros depois de vir de tirar toda a neve? O único melhor, seria um boquete. - Você é nojento. - Eu pego um biscoito e sento na cadeira perto do fogo, batendo-me sobre isso. Eu quase preferiria estar com raiva, do que nojo, o porco. - Sensível. - Ele murmura, preparando-se uma xícara, do que parece café instantâneo.

31


- Você quer uma bebida? Talvez um pouco mais desse chá. Eu gostei mais de você, quando estava zumbindo. - Eu gostei mais de você, quando estava zumbindo também. Ele está de costas para mim, e eu posso dizer do jeito que se agita, que ele está rindo. Isso só me enfurece ainda mais. - Você sabe, só porque você fez algo legal para mim, não significa que você pode falar comigo assim. - O que, como um ser humano normal? Eu rio com dureza. - Se essa é a sua idéia, de como os seres humanos normais falam uns com os outros, posso ver por que você mora aqui sozinho. - Eu estou observando ele, e eu posso dizer pelo jeito que ele congela, que eu atingi um nervo. Mas então sua cabeça cai, seu queixo em seu peito. Estou inundada de culpa, quase que instantaneamente. - Ei, desculpe. Isso foi um golpe baixo. - Eu percebi que não sei uma coisa sobre essa pessoa. Não sei por que ele aqui. Talvez ele tenha ansiedade. Talvez ele seja apenas um recluso. Talvez tenha alguma história trágica, que não tenha conhecimento. - Mesmo. Quero dizer. Isso foi uma coisa de merda. Eu sinto muito. - Eu mereço isso por provocar você. - Ele diz calmamente, antes de voltar para sua cadeira junto ao fogo e segurar as mãos para as chamas. - Por sinal, os cookies são realmente bons. Sinto que alguma coisa se quebrou entre nós. Como isso é possível, pergunto-me, quando na verdade não houve nada entre nós em primeiro lugar? A luz do fogo dança sobre seu rosto, iluminando seus olhos perturbados. O que ele está pensando? Que memória feia eu apenas agitei? Eu não conheço esse cara, e eu tenho que manter isso em mente. Eu preciso seguir com mais cuidado.

32


- Obrigada. Quero dizer, obrigada por dizer que os cookies são bons. Eu digo, me sentindo coxa, mas precisando reparar o que acabei de ferrar. Por que eu me importo tanto? Ele acena com a cabeça, ficando quieto. - Você quis dizer isso? - Perguntei, tentando tirá-lo de seu silêncio. - Eu quis dizer o quê? - Que eles são bons? Isso, pelo menos, recebe um sorriso dele, e ele vira a cabeça para mim. - Eu nunca mentiria sobre algo tão sério, quanto cookies. - Eu não posso deixar de notar, o quão bonito ele é, quando ele sorri.

33


Está ficando tarde agora, tão escuro lá fora, que não há como ver se a neve ainda está caindo. Mas tenho certeza que sim. Porque é só minha sorte. Eu tento sufocar um bocejo, sem sucesso. - Você deve estar cansada. Eu sei que estou. - Ele está de pé, esticando-se novamente. Mais uma vez, não posso deixar de admirar seu corpo, a maneira como sua camisa sobe até revelar seu torso. Suas calças ficam baixas em seus quadris, e as duas linhas diagonais que levam à sua virilha, estão claramente definidas. Eu tenho que me impedir de tentar lamber. Uau. Devo estar exausta. Ou isso ou o frio e o whisky chegaram em mim, mais do que eu pensava. Por que mais eu estaria olhando para ele dessa maneira? Uma boa noite de sono seria a melhor coisa para mim. Sozinha. Por mim mesma. Será que um banho frio não tira dúvidas? - Foi um longo dia. - Concordo, forçando todos esses pensamentos perturbadores do meu cérebro. Essa linha de pensamento só me causou problemas no passado. - Eu vou te mostrar o seu quarto. - Ele oferece, e para minha surpresa, ele segura uma mão. Um cavalheiro, mesmo que ele nem sempre atue como um. Fico perto dele. Ele olha para mim, mas não consigo me encontrar com os olhos dele. Droga, droga, droga. - Simplesmente ocorreu-me que você não tem nada para dormir. Ah Isso ocorreu a ele? Por que ele estava pensando sobre minhas roupas?

34


- Hum, sim. Você está certo. - Eu decidi não falar, optando por evitar outra luta. Não vale a pena e, além disso, ele tem um ponto. Uma camisola e jeans não são os pijamas mais confortáveis. - Tenho certeza de que tenho algo, que não será muito grande para você. - Ele diz, finalmente se afastando de mim. Posso respirar normalmente novamente. Eu também posso parar de formigar nas minhas regiões inferiores. Ele apaga o fogo, o que me faz pensar sobre a maneira como sua proximidade me faz sentir quente. Eu preciso sair disso, rápido. Caso contrário, esta poderia ser uma noite realmente desconfortável. - Você está bem? - Ele olha para mim de onde ele está encostado sobre o batente, e ele parece divertido. Como se ele pudesse ler minha mente. Estou irritada com ele. Ele acha que estou olhando como se estivesse escaldando por ele. Idiota. - Estou bem. Você está bem? - Uh, sim. Desculpa. Apenas pensei que você parecia engraçada. - Ele volta para a lareira e vejo a forma como seus músculos se movem debaixo da camisa. Ele teve certeza de que ele tinha algo que não seria muito grande para mim. Isso era um tipo de duplo sentido, que eu entendi ? Eu coro, então me sinto irritada por corar e com ele por ser tão grosseiro. Seria diferente se não fosse tão quente, mas ele é. Não posso negar isso. Eu queria que ele não fosse. Eu queria poder simplesmente ignorá-lo, eliminá-lo, sem importância. Mas não posso. Ele é lindo e magnético e não consigo parar de pensar em como ele pareceria nu. Um banho frio realmente está começando a parecer uma boa idéia agora. Ou um salto em um banco de neve. O fogo está fora, e o quarto está escuro. Sinto a tensão entre nós. Se houvesse uma faísca em algum lugar, podíamos explodir. O cachorro aparece e cutuca minha mão. Eu pulo e depois sorrio suavemente, grato por uma mudança de assunto.

35


- Qual é o nome dele? - Pergunto a Jax, arranhando o cão atrás das orelhas. - Blue. Depois de um cachorro que eu tive, quando era criança. Doce. - Um nome perfeito para um menino bonito. Sim, ele é um menino bonito, sim, ele é. - Eu brinco com mais força. Blue, obviamente, ama a atenção, julgando pelo jeito que ele lambe a minha mão. - Ele não gosta de que fale como um bebê. - Jax me informa amargamente. Mesmo na escuridão, posso imaginar como está o rosto dele, e quero dar um soco. - Mesmo? E ele contou isso? Eu ouço ele resmungar suavemente. - Vamos. Eu vou encontrar uma coisa para você vestir. - Na luz fraca, eu só posso ver as escadas, que levam ao segundo andar. Há dois quartos, vejo, separados por um banheiro. Eu só posso distinguir uma banheira, de pé de garra antiquada e me pergunto se seria um abuso, pedir para usar. - Você pode, humm, se refrescar lá se quiser. - Oferece Jax, apertando o interruptor da luz. - Eu vou encontrar um pijama limpo. Existem dois tipos de pessoas no mundo, meu pai costumava me dizer. Aqueles que abrem o armário de remédio, na casa de seus amigos e aqueles que mentem e dizem que não. Não pude resistir à tentação de olhar ao redor do banheiro, mas não havia nada muito interessante, fora uma pequena caixa cheia de revistas pornô. Clássico. Além disso, eles não têm essas coisas na internet agora? Eu lavo meu rosto e enxáguo com enxaguatório, na esperança de, pelo menos, conseguir tirar minhas coisas do carro pela manhã, se nada mais. Eu sei que o veículo está enterrado agora, meus artigos de higiene pessoal e coisas trancadas no porta-malas. 36


Quando eu volto, acho Jax no menor dos dois quartos, colocando uma camiseta e boxers na cama, juntamente com um par de meias grossas até joelho. - Este foi o melhor que eu pude fazer. - Ele diz, encolhendo os ombros. - Eles são velhos e menores do que as roupas que eu uso agora. - Tenho certeza que vai ficar bem para a cama. - Eu não posso ajudar, mas me sinto tocada com o quanto ele está tentando. É apenas estranho, não existem pessoas assim como ele. Isso tem que ser algo. Caso contrário, ele não seria um cara tão ruim. - Vou deixar o Blue com você se quiser que alguém ajude a aquecer a cama para você. Não posso dizer que estou preparado para o desafio. - Oh, espere. Agora lembro: ele é um idiota total. - Eu não preciso de você, ou Blue, muito obrigado. Estarei bem aqui sozinha. Boa noite. - Coloco minhas palmas no seu peito e empurro-o firmemente na direção da porta aberta. Em vez de movê-lo, no entanto, eu só consigo perceber o quão firme é o seu peito. O menino é construído e totalmente masculino. Sua energia forte e assertiva enchem o pequeno quarto. - Eu irei. Você não precisa empurrar. - Ele sorri, entrando no corredor e fechando a porta atrás dele. Eu lutei contra o desejo de gritar na porta fechada, sabendo que só faria com que ele ficasse feliz, em saber que ele me desconcertou. Sento na cama com um suspiro pesado. O que diabos eu vou fazer com esse cara? Um minuto eu quero dar um soco no seu rosto, no próximo eu quero empurrá-lo no chão e transar com ele. Se não mais. Olho para as minhas mãos, que estavam no seu peito. Droga, ele está em forma fantástica. Como, sobrenaturalmente bem construído. Eu não posso me dar ao luxo de pensar sobre essas coisas agora. Eu tenho que tentar dormir e esquecer meus hormônios por um tempo. A camisa, uma coisa velha e desbotada que parece ter anunciado uma banda, cujo nome eu não consigo distinguir, fica no meio dos meus joelhos. Os

37


boxeadores também são enormes. As meias praticamente vão na maior parte dos meus tornozelos. Pelo menos eu ficarei confortável. Eu me arrasto para a cama, maravilhando-me com o quão suave e confortável é. Muito melhor do que a idéia de dormir no meu carro e congelar até a morte. Não importa o quanto ele me irrita, eu tenho que me lembrar que ele salvou minha vida. Eu facilmente teria morrido por aí, se ele não tivesse vindo me arrastar para sua casa, dormir na cama quente e confortável, com edredom e travesseiros de penas. Agora, se eu conseguir lidar com o sono e parar de me perguntar como Jax parece nu, ficará tudo bem.

38


Isso é ridículo. Qualquer outra mulher estaria na minha cama agora mesmo, querendo me foder e ou se recuperando de ser fodida. Então, o que está me impedindo de pegar está, assim como eu pego qualquer mulher que eu queira? Não é como se eu voltasse a vê-la. Dormir com ela não seria um grande problema. Já fiz isso antes - muitas vezes, mais do que posso contar. Minha única regra sempre foi "uma única vez". Não há anexos. Nenhum compromisso. A última coisa que preciso é pegar sentimentos ou ter uma mulher atraindo sentimentos por mim. Não vou passar por isso de novo. Não depois de Marissa. Então, o que é essa menina tem, que está me impedindo de pegá-la e levá-la para minha cama? Eu não a conheço, e uma vez que a tempestade acabar, ela se afastará para sempre. É a configuração perfeita. Por que estou sozinho na cama, então? Eu viro para o lado, batendo meu travesseiro, desesperado para ficar confortável e adormecer. Uma vez que eu estou dormindo, não vou mais pensar nela. Por que estou pensando nela mesmo? Porque ela me faz pensar. Durante todo o tempo que tirei aquela neve, pensei nela. Toda a razão pela qual fui lá fora, em primeiro lugar, foi para afastar-me dela por um minuto e me cansar. Eu pensei que uma vez que estivesse fisicamente cansado, eu não ficaria tentado por ela mais. Eu estava errado. Entrei dentro de casa e fiz aquela cara sobre os biscoitos, e ela ficou chateada. E eu estava mais ligado do que nunca. Algo sobre ela alcançou algo em mim, que eu pensei que estivesse morto. Tudo o que senti por mulheres nesses anos, desde Marissa, foram uma vontade

39


física. Eu conhecia uma mulher sexy e queria dormir com ela. Nunca foi muito difícil para mim entrar em suas camas, depois que eu pensei nisso. Mas uma vez que eu saía, era isso. Eu não queria mais nada com ela. Provavelmente eu também me sentiria assim sobre Christina. Eu a foderia e ficaria cansado dela, assim que eu saísse. Fim. Por que não estou convencido? Talvez seja o jeito que ela é tão rápida para me desafiar e me chamar de idiota, quando estou sendo um. Talvez tenha a ver com a maneira como ela tomou o problema de assar cookies, enquanto eu estava fora. Quem faz isso? Quem assa cookies apenas porque quer? Então, o que eu fiz? Agradeci a ela? Não, fiz uma piada estúpida de dona de casa. Não admira que ela ficou chateada. O que eu deveria dizer? Que algo tão simples quanto os biscoitos caseiros me fizeram perturbado? Que eu senti algo pela primeira vez, desde sempre? Que nunca conheci uma mulher como ela? Talvez seja porque ela é um desafio. As mulheres nunca foram um desafio antes. De volta ao dia, teve muito a ver com o tipo de vida que vivi. Era emocionante. As pessoas queriam fazer parte dela, mulheres incluídas, ou pelo menos um certo tipo de mulher. E isso estava bem comigo, enquanto elas estavam dispostas. Agora, mesmo quando as coisas não estão tão excitantes quanto estavam na época, ainda não é difícil conseguir uma mulher na minha cama. Elas vêem meu rosto, meu corpo, minha tinta e elas estão vendidas. Elas com certeza não falam, as mãos nos quadris e os olhos brilhando. E eles não fazem biscoitos e colocam a chaleira de chá. O que está tornando isso ainda mais difícil, é a maneira como ela estava me olhando. Eu não lhe dediquei um momento difícil, porque não queria constrangê-la, mas eu vi. Já vi isso antes. Normalmente, eu aproveito isso. É instintivo. Que o homem não faria? Sabendo que ela me quer - pelo menos em momentos mais fracos, talvez alimentada por whisky - significa que eu tenho que ir contra todo instinto e hábito para evitá-la.

40


Droga. Por que não consegui encontrar uma pequena velha na neve ou um cara? Não, tinha que ser ela. Eu virei, puxando meu travesseiro novamente, pensando se eu ficaria confortável. Eu tinha certeza de que depois de todo o esforço lá fora eu estaria exausto. Em vez disso, estou excitado. Talvez eu também deva cuidar das coisas. Pelo menos isso me ajudaria a adormecer. Penso nela agora e me pergunto o que está fazendo. Ela está dormindo? Imagino o quão bonita ela deve olhar, quando ela está dormindo. Por uma vez, ela seria pacífica, e não constantemente na defensiva. Lembrome de quão insultada ela ficou, quando eu fiz aquela rachadura sobre dona de casa. Sobre o que era tudo isso? Ela alguma vez tinha sofrido alguma dor? Talvez ela fosse apenas uma amante ruim. Se ela fosse presa, seria um desperdício. Ela tinha um corpo feito para o pecado. Peitos grandes, cintura pequena, corpo firme. Suas pernas eram longas e magras e caberiam perfeitamente ao redor da minha cintura, enquanto eu a fodia. Meu pau estava começando a se levantar, apenas pensando nisso. Não consigo parar esse trem de pensamento... e eu não quero. Agora que estou ligado, eu quero terminar isso. Foi há pelo menos uma semana desde que fiz sexo, percebo. Eu me inclino para tirar a garrafa de loção da gaveta da mesa de cabeceira, junto com um punhado de tecidos. Então minha mão lubrificada alcança sob os cobertores, para encontrar meu pau duro e começo a me acariciar. Eu a imagino. A maneira como ela cheira. Os sons que ela faz, quando eu sugo aqueles mamilos enormes, brincando com eles, pressionando-os juntos, para deslizar meu pau entre eles. Dentro e fora. Ela lambe a cabeça toda vez que entra em contato com a boca dela, e gemo suavemente enquanto, minha mão se move mais rápido ao longo do meu comprimento. Então eu a pego, forçando as coxas com meu joelho. Ela cede facilmente, implorando-me por isso, rolando sobre as mãos e os joelhos para que eu possa levá-la por trás. Ela geme quando eu deslizo para ela, então

41


começa a ofegar mais e mais rápido. Eu a monto, fazendo dela minha. Ela choraminga e diz meu nome uma e outra vez, sua cabeça balançando de um lado para o outro, quando ela grita. Desbloqueio toda a paixão nela e ela se aperta à minha volta. Minha mão se aperta, enquanto eu imagino ela vindo por mim. Estou perto, mas não ainda. Imagino que ela me acompanhe agora, meu corpo esticado na cama com ela estrangulando meus quadris. Balançando para cima e para baixo com seus seios movendo-se ao mesmo tempo. Seguro na cintura dela, batendo-a em mim. Ela me suplica por mais, sua voz suplicante e desesperada. Eu começo a empurrar para ela, encontrando-a com cada golpe cada vez mais rápido, até que nós dois estamos grunhindo, gemendo, e suando. Estou tão perto... tão pronto... O choque contra o telhado faz com que meus olhos voem abertos, minha mão instantaneamente deixando meu pau. Porra! Tempo perfeito. Eu já estou abrandando, a surpresa me tira do momento. Eu também estou com medo, posso dizer, perguntando o que diabos apenas atingiu o telhado. Salto da cama e corro para o corredor. Está escuro lá fora, e não a vejo chegar, a tempo de nos impedir de bater um no outro. - Merda! - Eu alcanço ao longo da parede, até que meus dedos entram em contato com o interruptor da luz. Ela está encostada na parede, esfregando o cotovelo que acabou de me encaixar nas costelas. - Você está bem? - Estou olhando ao redor, vendo se há algum dano no teto. - Estou bem. Que diabos era esse barulho? Eu luto para conter a frustração que estou sentindo. - Se eu soubesse, eu teria vindo correr para o corredor como eu fiz? Parece que um pedaço de árvore caiu no telhado. Eu acho que faz sentido. A neve está provavelmente muito pesada. - Parecia tão alto. Eu estava prestes a adormecer. 42


- Eu acho que foi ainda mais assustador, então. - Eu admito. - Honestamente, não estou vestindo minhas roupas, apenas para sair lá no escuro. Se nada entrou no telhado, aguardará até a manhã. - Tudo bem. - Ela diz, mordendo o lábio. Ela cruzou os braços sobre si mesma, parecendo irritada. - Você vai ficar bem? - Eu perguntei, agora extremamente consciente dela e do fato de que ela parece fofa como o inferno, em minha camiseta e boxers. Eles são vários tamanhos maiores, e ela está nadando neles. Ela também não está usando um sutiã. Seus mamilos estão de pé contra a camiseta de algodão, duro como balas no frio. - Claro. - Ela murmura, desviando o olhar de mim. Ela não fará contato visual. Eu olho para baixo, para me certificar de que eu voltei para os meus boxers todo o caminho, antes de correr para fora e percebi que pode ter algo a ver com a forma como eu estou vestido, apenas em boxers e nada mais. É óbvio que ela está evitando olhar meu peito e ombros. Só porque ela também está atraída. - Bem, um, acho que é melhor deixar você voltar para a cama. - Eu digo, querendo deixá-la fora do gancho. Suas bochechas estão ficando vermelhas agora e é óbvio que ela está envergonhada. - Sim, tudo bem. Obrigado. Desculpe se eu machuquei suas costelas. - Ela tira alguns passos para trás e desliza no quarto, fechando a porta atrás dela. Droga. Por que ela tem que ser assim... ela? Ela poderia tornar mais difícil para mim deixá-la sozinha? Além disso, agora que eu a vi naquela camisa, não consigo tirar a imagem de seus mamilos duros da minha cabeça. Pelo menos eu tenho um novo material para o meu banco.

43


A noite passada foi longa. Foi só pela graça de Deus e pelo fato de que Jax sugeriu que voltássemos para a cama, separadamente, que não acabei com minhas pernas enroladas em sua cintura. Eu estava quase perdida, querendo ele. Ele precisaria apenas fazer um movimento, uma única jogada, e eu teria estado em sua cama. Ou no chão, ali mesmo no corredor. Não me lembro de ter sentido algo tão poderoso. Não tenho idéia do que fazer agora, agora que é de manhã e a tempestade explodiu. A tempestade dentro de mim não foi explodida. Só atingiu uma calma. Posso sair e nunca mais vê-lo? Certo. Na verdade, eu sei que é o melhor curso de ação. Eu não sou uma pessoa estúpida. Acabei de tomar más decisões, quando se tratava de pessoas na minha vida. Não consigo dar uma decisão, mais do que a que acabei de me arrepender. Mas e se eu acabasse me arrependendo de sair daqui, sem ceder ao que obviamente existe entre nós? E se eu nunca mais o visse? O que devo fazer, esquecer que ele está aqui sozinho? Aguardar e esperar vê-lo caminhar novamente pela porta da minha loja? Atravessar a casa tarde da noite para ver se ele está aqui, com o meu rádio do carro tocando músicas que me lembram dele? Ugh! Isso é uma bagunça. Deitei na cama por um longo tempo, muito mais tempo do que eu preciso, tentando segurar meu cérebro - e, francamente, meu corpo. Eu sinto uma dor física real, quando penso em voltar, a como ele olhou ontem à noite. Antes desse momento, quando nos encontramos no café, eu só consegui um breve vislumbre dele. Sobre o jeans, debaixo da camiseta, apenas uma ampla faixa de pele e os músculos abaixo.

44


Quando ele acendeu as luzes, recebi uma visão de todo o pacote, ou pelo menos, oitenta por cento disso. Meu cotovelo estava doendo como inferno até aquele momento, de onde eu encostei nas costelas e depois na parede quando eu me recuperei. Então eu o vi e a dor foi esquecida. Ombros largos, bíceps grossos. Peito definido e um pacote de oito, que conduzem a sua cintura fina. Essas linhas de "foda-me" estavam lá, as que dirigiam diagonalmente em direção à sua virilha, tão claramente gravadas. Suas pernas fortes e grossas eram claramente o resultado de uma grande flexão, agachamento, carregando de peso e solo. Ele era a fantasia de todas as mulheres na vida, simples. Eu até vi um vislumbre do que parecia uma protuberância substancial em seus calções. Eu esperava que fosse uma mosca, e estivesse aberta para que eu pudesse espreitar isso, antes de me forçar a evitar seus olhos. Quanto mais eu olhava para ele, mais certa eu estava que eu precisava dele. Nunca senti uma necessidade física tão forte para outra pessoa. Nunca tive que colocar minhas próprias mãos debaixo dos meus braços cruzados, para me impedir de tocar alguém ou algo assim. Era luxúria, direta, e eu estava completamente perdida nela. Eu percebi, naquele momento, que eu estava praticamente despida. Senti meus mamilos endurecerem de excitação e do frio e sabia que podia vê-los. Em vez de ficar envergonhada, fiquei feliz. Eu estava desesperadamente, rezando ansiosamente, que Jax iria vir para mim, para que eu pudesse ceder a tudo o que estava vivendo, sem me sentir como uma vagabunda mais tarde. Ele não veio, claro. Ele me enviou para o meu quarto, como uma criança. Isso provavelmente é como ele pensa de mim. Mas não era ele, talvez, olhando para meu peito? Eu pensei que ele poderia ter olhado, antes de voltar para o quarto. Agora, com a brilhante luz da manhã que atravessava a janela, eu estava com um pouco mais frio. Um pouco mais calma. Mais no controle de mim mesma. Por agora.

45


É quase dolorosamente brilhante, na verdade, o sol refletindo a neve fresca. Este é um quarto alegre, muito estilo country. Novamente, nada como eu esperaria de um homem como ele próprio. Especialmente agora que eu tinha visto a extensão da tinta em seu corpo. Havia muito disso. Esse era mais um aspecto dele que eu achei enigmático, especialmente porque nunca me senti atraída pelos homens com tatuagens antes. Eu sempre pensei que eles eram um pouco baixa classe, um pouco comum. Às vezes eu sou uma esnobe. Posso admitir isso. Em Jax, porém, pareciam naturais. Provocadoras. Sexy. Não é o tipo de coisa que um cara faria depois de ficar bêbado e ser usado por seus amigos. Não é um símbolo tribal estúpido. Não é uma coleção de personagens chineses, que o tatuador jura, que significa "força e honra", mas que realmente se traduz "Meu Frango Chinês". Esse era o tipo de tinta que um homem usa. O maior pedaço de tudo, cobrindo grande parte de seu peito, representava um anjo cercado de chamas. Não havia cor, mas a intensidade com que era desenhada, falava muito de qualquer maneira. Ela parecia com medo, com dor ou desafiadora - não consegui decidir qual. Por essa altura me obriguei a parar de procurar o medo, para deixar uma poça de baba no chão. Eu rolo para o meu lado, longe do brilho do exterior, segurando um travesseiro perto de mim. Um homem como Jax provavelmente tem muitos demônios. Lembro-me de quão pensativo ele olhou, quando eu indiquei a maneira como ele vive aqui sozinho. Poderia até ter tido tristeza nele, enquanto olhava para o fogo. Tem que haver uma história de fundo para este homem. Ele é jovem e lindo, e não posso deixar de admitir que ele é bem inteligente, quando ele não está agindo como um idiota. Então, por que ele está fechado do mundo? Por que encerrou o caminho que ele tem? Vivendo com apenas um cachorro. Não posso ter nada a ver com um homem assim. Por que parece que eu sempre me atraio para os caras com os demônios? Eu puxo o travesseiro, frustrada comigo mesma e a forma como a vida sempre tende a ir. Eu continuo sendo liderada pelo caminho, para gente como Jax... e meu ex.

46


Tommy. Apenas o pensamento de seu nome, envia um arrepio pela coluna vertebral e me deixa sentindo náuseas. Em primeiro lugar, as coisas com ele tinham sido excelentes, maravilhosas, a maneira como começavam muitos relacionamentos. Estávamos na fase de "filhote de cachorro" por um tempo, onde nada poderia me convencer de que o amor era menos do que mágico e bonito. Entretanto, por trás é vinte e vinte. Olhando para trás, vejo agora as pequenas coisas que sentia então. Do jeito que ele balbuciava, quando eu sugeriria gastar tempo com outras pessoas além dele. Naquela época, eu dizia a mim mesma que ele me amava tanto, que ele não conseguia ficar longe de mim. Então, há a maneira como ele reagia exageradamente, explodindo com as coisas mais estúpidas. Se carro estivesse com gás baixo e nós estivéssemos atrasados. Se saíssemos para jantar e o garçom não estivesse suficientemente atento ou a comida demorasse muito para chegar até nós. Apenas estúpidas pequenas coisas cotidianas assim, eram suficientes para mandá-lo a um colapso. Eu dizia a mim mesma que ele era apaixonado, forte, costumava ter coisas à sua maneira. Eu o ajudaria a superar todas essas bobagens, eu tinha certeza. Mas não fiz. E em pouco tempo, o amor filhote estava acabado e a realidade me deu uma bofetada no rosto. Literalmente. Fiquei no chão, enquanto esfregava minha bochecha ardente, olhando para ele. Eu também estava chocada ao chorar, mesmo que meu rosto sentisse como se estivesse prestes a explodir. Tudo o que eu podia fazer era olhar para ele e me perguntar como ele poderia me machucar assim, quando ele me disse que ele me amava. Na primeira vez, a visão de mim no chão foi suficiente para pertubá-lo, e ele me ajudou a ficar de pé com lágrimas nos olhos e um milhão de desculpas em seus lábios. Ele me manipulou, dizendo que ele nunca atingiu uma mulher em toda a sua vida, nunca mais aconteceria, porque ele me amava tanto e agora ele estava tão envergonhado de si mesmo. Eu acabei por ser aquela que o confortava, pensei nisso. Segurando-o em meus braços enquanto ele chorava, desejando que eu tivesse um pacote de gelo para colocar em minha bochecha.

47


Passaram-se seis meses, antes dele me bater novamente e, na segunda vez, ele não se arrependeu tão rápido quanto antes. Desta vez, quando olhava para ele, onde ele me derrubou no sofá, ele não parecia envergonhado e culpado. Ele parecia com raiva. Com nojo. Ele se moveu para mim, como se ele estivesse prestes a me bater de novo. Eu me encolhi, recuando. E eu vi o que eu sabia, era satisfação em seus olhos. Ele me deixou com medo dele, mas ele não estava envergonhado agora. Ele estava orgulhoso de si mesmo. As coisas não ficaram muito melhores a partir daí. Finalmente, deixeio, depois de muita dor e muitas noites passadas em lágrimas. Afastei-me e comprei um café e fiquei feliz desde então. Feliz mesmo por mim. Eu não acho que eu serei feliz, a menos que ele desapareça da face da Terra. Porque ele ainda está lá fora, ainda me querendo. De vez em quando ele envia um texto ou chama, apenas para me lembrar, como eu quebrei seu coração quando eu sai. Uma vez, ele deixou um correio de voz vicioso e embriagado, em que ele prometeu fazer-me pagar por machucá-lo. É saber que ele pode entrar em contato comigo a qualquer momento que me rouba qualquer alegria real. Ele sempre está escondido no canto da minha mente, esperando pela primavera. Tommy tem seus demônios, e não tenho vontade de chegar ao fundo deles. É por isso que eu não posso me envolver com alguém como ele, alguém como Jax, embora uma e outra vez eu me sinto atraída por homens quebrados. Homens irritados. Homens feridos. No final, eles sempre acabam machucando alguém. Não vou deixar isso acontecer comigo novamente. Eu ouço um estrondo alto vindo do andar de baixo e sei que Jax foi para fora, provavelmente para limpar mais neve. Ele deve pensar que eu estou dormindo aqui, embora a maneira que a porta bateu, me diz que ele quer que eu acorde e tire meu traseiro da cama. Talvez ele esteja cansado de ser anfitrião. Não posso culpá-lo. Se ele não está acostumado a estar ao redor das pessoas, tem que ser um choque para os sentidos. Tenho certeza de que ele já está cansado de mim. Talvez ele ainda se pergunte por que ele se incomodou em me salvar em primeiro lugar.

48


Saio da cama e vou até a janela, examinando suas cortinas brancas de renda. Lá está ele, atravessando a neve que caiu durante a noite e cobriu o trabalho que já fez. Não é terrível, porém, ele está fazendo um trabalho rápido, dos poucos centímetros restantes. Eu vejo uma grande mancha branca atrapalhada na distância e percebo que é meu carro, estacionado ao lado da estrada. Eu poderia estar lá agora mesmo. Morta. Eu sei agora que se eu tivesse ficado dormindo, eu definitivamente congelaria até a morte. Eu nem sequer tinha um cobertor no carro, como Jax havia apontado com utilidade. O idiota. Mas não posso chamá-lo assim. Bem, posso, mas não acredito no meu coração. Ele salvou minha vida. Mesmo que eu não tivesse uma pequena queda por ele, ele sempre seria especial para mim. Ele não precisava vir me pegar, me levar até a casa dele, me sentar junto ao fogo e ter certeza de que não estava à beira de perder um dedo ou pé. Ele não precisava cuidar de mim. Demônios ou não, ele tem um bom coração. Ele apenas fez o seu melhor para escondê-lo. Eu me afastei da janela, tremendo do frio que escorre através das rachaduras no quadro. Meus mamilos estão dolorosamente duros novamente, tão difíceis, que poderiam ter gravado o copo. Eu escovo meus dedos sobre eles, incapaz de me ajudar. Pensando sobre ele. O jeito que ele olhou ontem à noite. Antes que eu saiba, eu estou na cama, mãos dentro das boxers que eu uso. Eu estava dolorida pelo toque, desde a noite passada, desejando poder encontrar algum tipo de alívio. No momento em que meus dedos alcançam meu clitóris dolorido, não pude deixar de suspirar, não me incomodando em sufocar o som, pois eu sei que ele está fora do alcance da voz. Mas o que aconteceria se ele entrasse agora mesmo, e me achasse assim? Meus olhos estão fechados, minha boca aberta, enquanto eu respiro pesadamente. Imagino-o se despindo, abaixando-se sobre mim, deslizando dentro de mim sem uma palavra. Eu esfrego meu clitóris, imaginando a maneira como ele sabe, os sons que ele faz, ele lentamente me fodendo. Ele é como um animal, áspero, duro, batendo-me implacavelmente, mas

49


devagar, para que possa saborear a impotência que sinto. Ele grunhi toda vez que ele bate em casa, e antes que eu saiba, também estou grunhindo. "Você gosta disso?" Ele sussurra e gemo enquanto minha mão se move cada vez mais rápido. Logo meus quadris estão balançando em círculos, enquanto eu imagino ele batendo em mim. Ele joga a cabeça de volta em triunfo, enquanto ele uiva, explodindo em mim. Então eu explodo também, mordendo o lábio para conter os gritos, enquanto as ondas de prazer passam sobre mim. Não posso deixar de sorrir, aliviada. Agora, espero que eu possa me manter sob controle. Um pouco depois, depois de me lavar e vestir, desço as escadas. Eu expio um pouco, embora não haja muito o que ver. Uma sala de estar com um fogão a lenha em uma esquina. Há uma televisão aqui, bastante simples. Um computador, também bastante simples em comparação com alguns que eu já vi. Eu acho que ele está muito ocupado trabalhando e mantendo esse lugar em uma peça, para passar muito tempo em tecnologia. Eu sou da mesma maneira. Quando chego em casa do trabalho, estou exausta - feliz, mas muito cansada para me importar com o que está acontecendo com qualquer pessoa, do meio da mídia social da minha idade, que está gastando seu tempo hoje em dia. Há uma sala de jantar que parece que nunca usa. Posso ver por que Jax não parece ser o tipo que entretém. Não consigo imaginá-lo jogando um jantar, nem mesmo uma refeição de férias. Eu nem sei se ele tem uma família. Lembro-me que não importa. Então voltei a cozinha, que é claramente o coração da casa. O fogo está ardendo, o cachorro enrolado na frente, assim como ele estava na noite passada. Inclino-me para arranhá-lo atrás das orelhas. Quando me endireito, percebo como estou com fome. Há um pote no fogão, sobre uma chama muito baixa, e uma tigela na pia. Ele já comeu. Eu olho para dentro da panela para encontrar aveia esperando por mim. Quão prestativo. A comida boa e quente me aquece por dentro. Eu como apoiada ao balcão, assistindo Jax o

50


tempo todo. Ele ainda não está cansado. Eu me pergunto se ele está planejando cavar o carro em seguida. Lembro-me de algo. Meu telefone. Onde eu deixei? Eu trouxe ele comigo, eu sabia, pois não querendo deixá-lo no carro congelado. Olho em volta da sala, no bolso do meu casaco. Cadê? Eu vejo ele no balcão, conectado a um carregador. Graças a Deus, ele tem um carregador que trabalha com ele. Liguei-o, me perguntando se eu ia ter um sinal desta vez. Não havia nada, então o desconectei e comecei a caminhar pela casa com a esperança de que ajudasse. Uma vez que chego à sala de estar, ajuda. O sinal fica mais forte e, de repente, minha lista de chamadas perdidas pula para quinze. Abro a lista para descobrir que muitas delas eram de meus pais, antes de ligar pelo telefone da Jax. Eles também deixaram várias mensagens de voz, cada vez mais frenéticas. Há uma mensagem de voz de um número que eu não reconheço. Eu suponho que é um telemarketing ou algo semelhante, e pressione o botão play. - Ei, sou eu. - Meu coração salta uma batida, e não de uma maneira boa. Imediatamente, minhas palmas começam a suar. Por que diabos ele está me ligando agora? Eu disse a Tommy que nunca mais queria ouvir sobre ele depois da última vez que ele ligou, implorando-me para levá-lo de volta. É o que ele está fazendo desta vez, também. - Eu não entendo por que você não vai me dar outra chance. Eu sei que eu falhei, mas uma das coisas que eu mais amo sobre você, é sua natureza indulgente. Você é uma pessoa boa e doce. Como você pode fazer isso comigo? O que aconteceu com você? Há outra pessoa? Não permitirei alguém entre nós. Tudo o que eu quero fazer, é amar você e ser bom com você. Eu sei que podemos fazê-lo funcionar desta vez, mas você deve estar disposta a nos dar uma chance. Por favor, deixe-me ser o homem que eu sei que posso ser. Eu sei que você nunca se arrependerá.

51


Já ouvi tudo isso antes, e fecho meus olhos. Estou tentando lutar contra as ondas de náuseas que ameaçam ultrapassar-me. - Na verdade, você sabe o que? Foda-se, sua cadela. Se você nem vai atender o seu maldito telefone, não vejo por que eu incomodo com você mais. Você acha que pode acabar com meu coração, e se afastar, não importa. Você está com outra pessoa agora? Dormindo com algum outro homem? Quando eu estou aqui implorando por você me levar de volta, o que fiz de errado? Foda-se, puta. Ele continuou falando. Pego o telefone do meu ouvido e vejo que há mais dois minutos na mensagem, então eu a excluo, sem ouvir o resto. Eu não sei por que eu comecei em primeiro lugar. É sempre assim. Ele começa amoroso e apologético, mas eventualmente começa a espiralar. Eu nem tenho que estar no quarto para ele me culpar. E ele sempre me culpa. Lembro-me da última noite, a última vez que ele me bateu. O tempo que eu decidi que foi o suficiente. Eu tinha feito o jantar, seu favorito: parmegiana de frango, com macarrão caseiro e pão fresco. Passei o dia todo, batendo, cortando e fritando. Preparando a massa no processador de alimentos, rolando e cortando em tiras. Amassei a massa de pão, deixandoa subir até chegar a hora de assar. Até fiz um molho de marinara fresco. Tudo para ele, tudo para fazê-lo feliz. Mas a manteiga estava fria. Quando ele passou em seu pão, ele não conseguiu espalhá-lo porque estava muito fria. Eu tinha esquecido de levála para amolecer, antes de colocá-la na mesa. Antes que eu soubesse, a comida estava no chão e eu estava contra a parede. - Por que você não pode fazer nada certo? - Ele gritou na minha cara, seu nariz a poucos centímetros de mim. Então sua palma estava contra minha bochecha, duro. Um flash de luz na frente dos meus olhos. Eu vi estrelas.

52


Foi isso. Ainda não tenho certeza exatamente o que sobre essa experiência, foi suficiente para provar de uma vez por todas que tinha que sair. Talvez o jeito que eu tentei tanto agradá-lo. Eu tinha trabalhado minha bunda o dia todo. Eu mesma planejei uma noite especial depois, completa com lingerie, na esperança de interessá-lo. Ele parecia estar menos interessado em mim. Claro, também era minha culpa, assim como tudo o resto. Se eu fosse mais sexy, mais fina, mais grossa, o que ele sentisse que faltava em mim naquele dia. A manteiga fria e sua reação foram suficientes para finalmente chegarem até mim. As coisas nunca iriam melhorar. Quando ele saiu do meu apartamento, deixando-me para limpar tudo que ele jogou ao redor da sala, eu sabia que tinha que sair. Então eu empacotei o que eu absolutamente precisava, no meu carro e fugi. Olho meu telefone agora, parada aqui no meio da sala de estar de Jax. Não posso ajudar, pensando que, não importa onde eu vá, ele vai me encontrar. Mas eu não posso continuar fugindo para sempre. Há mais de uma hora, antes de Jax voltar para a casa. Estou com um clima terrível agora, desejando poder socar algo difícil. Por que Tommy não pode deixar-me em paz e me deixar prosseguir com a minha vida? Outras mulheres rompem com namorados e são capazes de seguir em frente. Por que não posso? Eu tenho minha loja, e meus clientes, e eu sou parte da cidade. Eu realmente sinto uma parte de algo pela primeira vez na minha vida, como se eu adicionasse à comunidade. Por que não posso ter essa pequena vitória para mim? Preciso de algo para fazer. Jax tem muitos livros, mais do que eu esperaria dele. Mas não, sentar-se ainda não vai fazer algo agora. Eu preciso estar de pé. Antes de perceber, voltei a cozinha, não me importando mais, se Jax liga ou não, assumindo o controle. Estava ocupada cozinhando sozinha, o tirando da cabeça, sem nenhuma razão, no segundo em que isso volta. Não é sua culpa ter passado tantos anos com um bastardo doentio assustadoramente obcecado comigo. Não é culpa dele minha vida ser um maldito naufrágio.

53


Eu devo ser masoquista ou algo assim, porque eu decido fazer um suflê. É um dos pratos mais difíceis de fazer direito. A menor sugestão de movimento e todo cairá. O esforço necessário para bater os ovos é exatamente o que eu preciso agora. Eu preciso bater algo, mesmo que seja apenas uma tigela de ingredientes indefesos. Assim quando eu estou prestes a colocá-lo no forno, Jax entra no momento perfeito, pois se ele entrasse e batesse a porta, enquanto o suflê estava cozinhando, isso teria caído. - O que você está fazendo agora? - Ele pergunta, tirando a neve de suas botas e puxando-as pela porta. - Suflê. - Respondo. - Mas espere até terminar. Temos que ser extremamente silenciosos, ou então não vai ficar inchado. - Suflê? Quem faz aleatoriamente um suflê no meio do nada, num dia de neve? - Ele pergunta com uma risada. Quando não respondo, ele decide cavar ainda mais. - Além disso, o suflê é feminino. Por que não fazer algo que você pensa que eu realmente poderia querer comer? Eu bati minhas mãos no balcão e me aproximo dele. - Por que você vai se foder com os insultos, se você não pode deixar de ser um idiota sobre minha culinária? - Ele está chocado, seus olhos arregalados. Eu percebi que estou gritando com ele, e nem sequer é com ele. Não é inteiramente, de qualquer maneira. Também estou gritando com Tommy. - Uau. - Diz Jax, sua voz de repente, muito calma. - Eu não sabia que você iria ficar assim comigo. Eu estava apenas brincando. - Tenho certeza de que eu lhe disse ontem à noite, que estou cansada de suas piadas. Você fala comigo como se eu nem fosse um ser humano. Eu 54


não gosto de me divertir. Eu pensei que poderia encontrar uma maneira de reembolsá-lo pelas coisas agradáveis que você fez por mim, mas acho que não é bom o suficiente. Talvez, se você deixasse de ser tão estúpido e idiota, não agiria assim! Mesmo enquanto estou dizendo isso, estou me dizendo que esse não é o caminho a seguir. Não posso culpá-lo pelo jeito que estou me sentindo. Sim, ele está sendo um burro, mas ele não é a única pessoa com que estou brava agora. Eu também estou assustada, o que acabou de sair com mais raiva. Pareço Tommy, culpando o Jax pelo meu comportamento. Essa realização só me deixa mais irritada. - Jesus! Eu sinto muito! Eu não sabia que você ficaria tão louca. Imaginei que eu não disse nada demais. - Não, você sabe o que? Estou cansada dessa merda. - Eu não estou gritando mais. Em vez disso, estou muito quieta e muito determinada. Empurro-o e pego meu casaco. - O que você está fazendo? - Ele parece exasperado. - Estou indo embora. Você cavou o carro, certo? - Sim, mas obviamente você esqueceu que não há quase nenhum gás nele. Merda. - Tenho certeza de que há o suficiente para me levar para um posto de gasolina. - Se algum estiver aberto mesmo! Você tem alguma idéia de quão profunda a neve está? Tenho certeza de que todo mundo está escavando agora. - Estou fazendo o meu melhor para ignorá-lo, abotoando meu casaco apesar dos protestos. - Eu vou descobrir. Eu vou andar se eu tiver que. - Eu abro a porta, que ele cai rapidamente.

55


- Pare com isso. Você está ficando louca! Você congelará lá em pouco tempo. Não há como dizer quais são as estradas. Eu não acho que esse pequeno carro é a sua melhor aposta agora. - Eu vou ficar bem. Eu vou entrar em um caminhão de arado passando, se eu tiver que o fazer! - Eu o empurro para fora do meu caminho. Ele está surpreso, facilmente jogado fora do equilíbrio, ou então não teria como eu poderia tê-lo movido. Assim que eu saio na varanda, lamento minha decisão. Está muito frio, com um vento que o faz sentir ainda mais frio. Mas não há como voltar agora, não depois da cena que eu apenas fiz. Levanto o queixo com firmeza, como se isso não importasse um pouco, e desço as escadas. - Christina! Volte aqui! Eu ignoro ele, marchando em direção ao caminho de entrada. Droga, está frio. Meus dedos já estão protestando, e ainda não pisei na neve real, graças a sua habilidade de pá. Esta foi uma má idéia ruim. Mas meu orgulho está na linha. Momentos depois, sinto uma mão no meu braço, me girando. - Solte-me! - Eu grito, golpeando-o com os meus punhos. Eu também poderia estar batendo no granito, mas por mim tudo bem. Antes de empurrá-lo, ele se inclina, me pegando sobre o ombro e me leva de volta para a casa. Eu grito o caminho inteiro. - O que diabos é isso? Você está falando sério? Me abaixe, droga! Você, foda-se! - Eu ainda estou batendo nas suas costas, meus pés chutando impotente. Ele não diz uma palavra, simplesmente me leva pela porta e a bate fechada atrás de nós. - Coloque-me para baixo! - Finalmente, ele faz o que eu digo, e quando meus pés estão de volta no chão, eu percebi que ele é forte o suficiente para fazer o que ele quer com meu corpo. Em vez de me assustar como deveria, o pensamento só me excita. Sim, aquele ato de homem das cavernas foi desagradável como o inferno, mas a maneira como ele me alcançou? Droga.

56


Há algo tão intensamente masculino sobre ele, que não posso deixar de responder. Ele está olhando para mim, respirando pesadamente. Mas não é de esforço, estou pensando. Eu acho que sua mente está indo na direção que a minha está. Eu sinto a tensão entre nós, sabendo que ele poderia me dominar em um instante e quase desejando que ele tentasse. Antes que eu saiba, ele toma minha cabeça em suas mãos e me puxa para ele de grosso modo. Sua boca cobre a minha e é como se uma explosão se disparasse entre nós. Procuro lutar contra ele por um momento, por puro instinto. Mas logo, estou caindo no beijo. Desabotoei meu casaco, jogando-o no chão, enquanto ele faz o mesmo com o dele. Envolvo meus braços ao redor de seus ombros largos, derretendo-se nele. Ele é forte, mas sensual. Ele é exatamente o que eu preciso agora, o que eu precisava desde a noite passada. Ele me pega tão facilmente, que é como se eu não pesasse nada e me senta no balcão. Enrolo minhas pernas ao redor dele, puxando-o para mais perto de mim. Eu quero ele, todo ele. Suas mãos ainda estão debaixo da minha bunda, que ele puxa para a borda do balcão para se moer contra mim, enquanto continuamos a nos beijar. A pressão de seu pau já duro, é como o céu, e eu gemo na boca dele. Ele tira as mãos por baixo de mim para vagar sob meu suéter. Eu gemo, exortando-o. Eu preciso dele, tudo o que ele pode me dar. Suas mãos apaixonadas na minha pele macia, enviam arrepios pelo meu corpo, todos direcionados para o centro da minha parte inferior, que lateja por ele. Ambos estamos ansiosos para o ar, grunhindo, ofegante, querendo mais e mais. Uma de suas mãos desliza para o meu peito, apertando um dos meus seios. Eu clamo, arrancando minha boca da sua, para fazer minha vontade. Ele se encaixa no meu pescoço, lambendo seu caminho para baixo, enquanto sua mão continua amassando e me acariciando.

57


Isso não está certo. Não consigo parar o pensamento de borbulhar, mesmo que eu esteja nos imaginando aqui diretamente na cozinha, meu suflê, tudo esquecido no contador ao meu lado. É quente. É sexy como o inferno. Mas está tudo errado. Ele é muito escuro, com muitos problemas. Controlado, meditado. Não posso ter outro homem como Tommy na minha vida. Eu não quero parar, no entanto. Eu não quero que isso desapareça. Pego o rosto em minhas mãos e puxo-o de volta para minha boca, esperando, querendo que ele esgote todas as objeções fora da minha mente com sua língua. Ele me beija apaixonadamente. Tenho pegado tudo o que pode me dar, apenas querendo mais dele, a cada momento que passa. Quero todo ele. Aqui e agora. Não há como voltar. Assim que estou prestes a alcançar e desabotoar meu jeans, meu telefone toca. Eu tento ignorá-lo, beijando-o ainda mais do que antes. Mas continua a tocar, tirando-me do momento e empurrando-me de volta à realidade. - Maldição! - Eu sussurro, permitindo que minha testa caia contra seu ombro. Ele está apoiado no balcão, uma palma de cada lado de mim, respirando pesadamente. Eu ainda sinto ele pressionado ardentemente contra minha boceta dolorida, a pressão através do meu jeans quase doloroso, graças a quão excitada ele me fez. Por que diabos não pode quem está me chamando, apenas esperar? Eu alcanço para onde o telefone está no balcão e congelo quando eu vejo quem está ligando. Merda. O que diabos Tommy está tentando fazer comigo? E por que de todas as pessoas, ele teve que ser o único a nos interromper? Eu não respondo, deslizando o telefone para longe de mim, em vez disso. Não tenho intenção de falar com ele, agora ou sempre. Mas apenas o lembrete é suficiente para me deixar congelar. - Você está bem? - Eu ouço o sussurro de Jax contra meu pescoço. Eu aceno com a cabeça, lutando para controlar minhas emoções. 58


- Desculpe, eu me deixei levar. - Ele continua. Não respondo verbalmente, optando por encolher os ombros. É tudo o que posso fazer. Estou impressionada, sendo atingida por todos os lados, por sensações conflitantes. O puro prazer que Jax estava trazendo para mim, sem tirar um ponto de roupa, o calor entre nós ainda, o lembrete gelado do que estava esperando lá para mim. Esperando o que, eu não sabia. Com isso veio a lembrança do que eu disse antes: Não posso me envolver com outro homem, que está lutando contra demônios. Eu não posso me colocar nisso novamente. - Desculpe. - Finalmente respondo. - Eu também me deixei levar. Isso não deveria ter chegado tão longe. - Você traz alguma coisa em mim. - Ele admite com uma risada, depois se retira. Ele reorganiza meu suéter, me arrumando, então sou apresentável novamente. Sinto o calor subir nas minhas bochechas. Como ele pode ser tão doce e macio um minuto, então tão áspero e contundente no próximo? É uma espada de dois gumes, eu me lembro. Tommy é da mesma maneira. Somente que ele não é. Jax se afasta agora. - Eu vou assistir a uma TV, ver as notícias. Ver o quão ruim está realmente lá fora. Você pode se juntar a mim. - Obrigada. - Murmuro, olhando para o chão. Eu sei que se eu olhar nos seus olhos agora, vou me perder para sempre. Tenho que resolver meus pensamentos primeiro. Eu decidi voltar minha atenção para o meu suflê e entendi isso desta vez. Eu bato mais ovos. Enquanto eu trabalho, penso novamente sobre o quão semelhante são Jax e Tommy e como são muito diferentes. Sim, ambos são voláteis. Ambos podem mudar em um centavo. Um minuto, Jax pode ficar quieto, pensativo, brincalhão. Mas há algo mais escuro a fogo baixo na superfície. No instante em que ele deixa sua guarda, essa parte mais escura dele sai. Então ele é dominante. Tenho a sensação de 59


que ele poderia ser brutal se ele precisasse. Ou se ele simplesmente quisesse. Eu tremo, lembrando a maneira como ele me alcançou lá fora. Sim, é engraçado agora que eu penso sobre isso. Onde eu achava que eu estava indo, afinal? Eu estava sendo uma pequena garota teimosa. Ele me impediu da única maneira que podia. Mordi o lábio, lembrando com que facilidade ele me jogou sobre o ombro. Sinto-me um pouco ofegante apenas pensando nisso. Falando de respiração, e quanto a tudo que tinha seguido? Coloco minha mão no balcão, onde eu sentei há alguns minutos. Sinto um formigamento entre minhas pernas, espalhando-se, lembrando como se sentiu ser beijado dessa maneira. Para ser tocada da maneira que ele estava me tocando. Era a maneira que eu sempre pensei que era suposto ser. Nunca senti isso antes... a paixão e a queima, sendo varrida em algo incontrolável. Claro, o sexo é bom. Eu gosto disso. Mas antes de hoje, nunca senti essa paixão. Essa faísca. Tanto quanto eu estava preocupada, antes de hoje, o sexo era apenas outra coisa que ocorreu. Era um fato da vida. Uma coisa levou à outra. Mas isso? Com Jax? Eu percebi que estou com a respiração presa, pensando no que poderia ter acontecido se não tivéssemos sido interrompidos. Solto lentamente, tremendo, segurando a bancada para apoio. Eu rio levemente. Eu costumava pensar que algo estava errado comigo. Por que razão, o sexo não era como outras garotas pareciam fazer ser? Por que não ter orgasmos, nem mesmo a metade do tempo? Não consigo lembrar quantas noites acabei no banheiro sozinha, me afastando depois que Tommy adormecia. Eu pensei que era minha culpa, algo faltando dentro de mim. Evidentemente não. Ainda assim, o sexo é apenas sexo. Há mais vida do que isso. E a personalidade? Ele me deixa louca. Ele é esquisito, arrogante. Ele me provoca implacavelmente, como um valentão. Mas ele não é realmente um valentão. Não consigo imaginá-lo me atirando contra uma parede para gritar

60


na minha cara. Tenho a sensação de que ele simplesmente gosta de ver se ele pode se levantar sobre mim. Nunca fui boa em manter meu temperamento. A menos que eu tenha medo da conseqüência, isso sim. Então vou fazer qualquer coisa para evitar mostrar o quanto eu posso conseguir com a raiva. A maior diferença reside no fato de que Jax é um homem. Um homem de verdade. Masculino, forte, responsável. Eu me sinto segura aqui, com ele. Eu sei que se houvesse uma ameaça de fora, ele cuidaria disso. Assim como ele me salvou do congelamento. Ele se colocaria na linha, se necessário. Essa é definitivamente uma característica que não estou acostumada a testemunhar. Tommy fingia ser forte. Mas nenhum homem forte machuca uma mulher. Isso não significa que Jax não seja perigoso à sua maneira, no entanto. Eu ainda sinto uma profunda escuridão nele. Não consigo me deixar levar com a idéia de ele ser um cara legal, um cara bom, mal interpretado, mas com um coração de ouro, só porque ele me excita. Tem que haver uma razão pela qual ele está aqui sozinho. Um jovem não se fecha completamente, apenas por merdas e risos. Não preciso me misturar com alguém assim. Não importa o quão sexy ele é. Eu ouço as notícias da sala de estar, descrevendo como toda a área estava "literalmente enterrada" na neve. Eu posso atestar isso. As estradas ainda são intransitáveis, e parece ter sorte de ter luz, considerando que as linhas estão em todos os lugares. Não consigo imaginar a estranheza adicional se não houvesse eletricidade. Envio uma oração silenciosa de agradecimento. O temporizador dispara, sinalizando a conclusão do suflê. É perfeito, inchado e dourado. O cheiro de queijo assado e o ovos enchem a sala. Ele deve chegar na sala de estar também, vendo como Jax entra na cozinha com um olhar esperançoso em seus olhos.

61


- Oh, agora você quer um pouco de meu suflê feminino? - Eu cruzo meus braços, parando entre ele e o balcão. Ele se encosta. Não posso deixar de rir. - Depois do trabalho que fiz lá fora, eu preciso de um pouco de sustento. - Eu não posso discutir com ele, então eu preparo uma porção. Não posso deixar de sorrir orgulhosamente quando vejo o olhar no seu rosto, depois da primeira mordida. - Ok, peço desculpas. Esta é uma das melhores coisas que eu já provei. - Então, a comida feminina não é tão ruim depois de tudo? Ele sorri. - Eu comeria sua comida a qualquer momento. Eu me afastei, antes que ele pudesse ver o jeito que ele me faz corar.

62


Alguma coisa sobre essa garota não se somou. Ela ficou agitada, quase hostil, dentro e fora o dia todo. Um minuto ela está bem, estamos brincando com alguma coisa. Na próxima, ela é fria, curta, pulando para a conclusão errada, toda vez que eu abro minha boca. Não posso ganhar. Eu sei que o que aconteceu na cozinha no início do dia está chegando a ela. Inferno, está chegando em mim também. Desde o instante em que acordei nesta manhã, eu disse que não havia nada entre nós, e não poderia haver nada. Eu tinha que me afastar dela. Eu me afastei do pensamento dela na noite passada, mas era isso. Não mais. Nada na vida real. Então, por que eu praticamente a encurralei até o balcão da cozinha? Por que minhas bolas estão doendo agora, quando eu me lembro do que aconteceu? Eu sei que ela quer se esquecer disso. Mas enquanto eu não discordo, não posso deixar de me sentir um pouco irritado. Como se ela estivesse tão chocada com ela, por ter sido atraída pelo Lobo Mau. Eu fui estúpido em pensar que ela era diferente das outras mulheres que conheci. Tudo o que ela fez, foi confirmar um segredo que aprendi ao longo dos anos: todas as mulheres querem o Lobo Mau, elas admitindo ou não. Não importa o quão perigoso ele possa ser. E eu sou perigoso. Não há dúvida sobre isso. Eu diria a ela para perguntar a Marissa, mas é claro que não pode. Marissa não está falando mais. Por minha causa. Christina precisa se acostumar comigo, no entanto, pelo menos para nos levar pela noite. Se as notícias dizem a verdade, e não há motivos para não, ela não vai a lugar algum, até pelo menos amanhã - e mesmo assim, não há garantia quando a estrada será limpa.

63


- Você está bem? - Pergunto a centésima vez. Estou sentado junto ao fogo na cozinha, lendo um livro, enquanto ela prepara o jantar. Ela insistiu, e eu estava muito feliz em aceitar. O que ela fez até agora, tem sido nada menos que espetacular. Agora me sinto mal por dar merda sobre o suflê esta tarde, especialmente porque era tão bom. Eu simplesmente não consigo parar de mexer com ela. É muito divertido vê-la explodir. Especialmente porque essa explosão levou ao que levou ao balcão. Eu lambo meus lábios na memória. - Estou bem, apenas ocupada. - Ela diz, de volta para mim. Ouço tensão em sua voz. Eu acho que também ouço um som zumbido vindo de seu bolso traseiro. Isso é outra coisa. Seu telefone tocou todo o dia, desde o momento em que nos interrompeu, até agora. Foram cinco horas desde que aconteceu e parece que há uma colméia de abelhas aqui, de todos os zumbidos. Eu me pergunto se ela tem um namorado do qual ela não quer me contar. Talvez seja por isso que ela parou mais cedo. Ele ligou e lembrou que ela não estava solteira. Quanto mais penso nisso, mais eu decido que deve ser isso. Ela não está sendo sincera comigo. Deus sabe que eu estou acostumado com as mulheres a serem desonestas até agora. Não é nada novo. - O que cheira tão bem? - Eu tento manter as coisas claras e fáceis, mesmo sabendo que ela está mentindo para mim. - Frango e bolinhos. - Ela diz, suas costas ainda para mim. Eu a vejo usando uma lata para amassar, o que parece massa, no balcão. - Posso ajudá-la com algo? - Mesmo que eu diga as palavras, eu me pergunto o que diabos veio sobre mim. Desde quando pergunto se uma mulher precisa de ajuda na cozinha? Isso faz uma reação nela, pelo menos, quando ela se vira para mim com uma sobrancelha armada. - Você? Trabalhando na cozinha? Em vez de me irritar, sua reação me faz querer provar a mim mesmo.

64


- Sim. Eu não estou totalmente desamparado. - Eu me levanto, cruzando a sala para ficar ao lado dela. - Eu posso fazer isso, eu aposto. - Você está certo. É bastante básico. Mesmo você poderia lidar com isso. - Pelo menos ela está brincando comigo novamente. Ela me mostra como rolar a massa e cortá-la em quadrados. Eu faço uma bagunça das minhas mãos e deixo farinha em todos os lugares, mas ela não parece se importar. - Você já se viu ajudando na cozinha assim? - Ela provoca. - Honestamente? Não. Ela ri e fico feliz em ouvir o som. Então, há aquele zumbido novamente, e ela para abruptamente. Ela fica quieta, retirando-se para si mesma. Vou segurar minha língua por enquanto, mas eu sei que vou ter que perguntar sobre isso antes da noite terminar, se não parar. Uma hora depois, estamos sentados juntos na mesa da cozinha, Blue no chão, entre nós. Seus instintos estavam certos. Este é o jantar perfeito por um dia como hoje. - Quando você começou a cozinhar? - Perguntei, voltando ao fogão por segundos. - Eu realmente não sei. Parece que sempre estive fazendo isso. Eu costumava assistir minha mãe quando preparava refeições. Mesmo as coisas mais básicas. Almôndegas, bolo de carne, frango, espaguete, bife. Gostava de assistir e fazer perguntas. Por que ela estava secando o frango, antes de colocar sal e pimenta sobre ele? Por que ela adicionava isso ou aquilo à receita? Qual era a diferença de gosto? Eventualmente chegou ao ponto, em que eu estava fazendo sugestões. Talvez um pouco de queijo ralado nas almôndegas, um pouco de alho no molho de macarrão. Então eu assumi o controle. Cozinhar sempre foi minha paixão real. - Então não é como se você tivesse que fazer isso.

65


- Não, eu queria. Era um interesse natural meu. Eu acho que cada pessoa nasce com um interesse natural, você sabe? Apenas alguns de nós têm a sorte de prosseguir. - Não que eu pense que você precisa da ajuda, mas por que não olhar para a escola de culinária? Mesmo que você já tenha o café. Se é o que você realmente gosta de fazer? Seu rosto fica em pedras. Eu atingi um nervo. O que é sobre ela? Por que eu me importo? E o que diabos ela está escondendo de mim? Tudo o que eu quero fazer é jogá-la sobre o meu ombro e levá-la para a cama comigo, que é a reação mais bizarra a ter no momento, mas é assim que eu me sinto. Eu quero levá-la, fazê-la esquecer tudo por um tempo. Talvez eu também possa esquecer. Depois, vai esse maldito telefone de novo. Finalmente, tenho que perguntar, derrubando meu garfo e olhando-a diretamente nos olhos. - Você quer me dizer quem é que está mandando mensagem o dia todo? Nem uma vez eu vi você tirar o telefone do bolso, mesmo que esteja zumbindo literalmente toda a tarde. O que está acontecendo? Você está se escondendo de alguém? - Ela fica em silêncio, olhando para a tigela dela. - Por favor, deixe ir. - ela murmura. Eu acho que ouço um tremor em sua voz. Agora eu sei que algo está errado. - Por que você não me diz o que está acontecendo? É tão ruim assim? Ouça, eu sei que não nos conhecemos bem, mas posso dizer que algo está incomodando você. Eu só quero ajudar, se eu puder. - Você não pode ajudar.- Há uma finalidade em sua voz. Como se ela estivesse com uma sentença de morte. - Além disso, não é realmente um grande problema. Se eu o ignorar, ele vai embora. - Ele? - Ela está pintando uma imagem muito vívida para mim sem querer. Ela está fugindo de um idiota? Há apenas uma razão pela qual ela faria. Ela não é desonesta. Não vejo que ela roube de um homem ou 66


trapaceie. Ela não é uma covarde. Ela já se levantou muitas vezes. Ela ainda está assustada como a morte desse cara. - Deixe-me ver o telefone. - Digo tão silenciosamente quanto eu posso. Já que meu sangue está fervendo e eu não vi o que ele enviou ainda. - Não. - Um tremor violento de cabeça. Isso só me estimula. - Mostre-me. Por favor. - Mais uma vez, uma agitação. Eu decido leválo, minha mão se esbarrando para tirá-lo do bolso, antes que ela possa me parar. Ela está inclinada para frente, facilitando a garganta. Eu a ouço chorando, tentando me parar, me amaldiçoando. Mas suas palavras não estão se registrando, porque o sangue está correndo pelos meus ouvidos, enquanto eu leio a merda doente que esse sujeito estava enviando em mensagens de texto. Segurei uma mão, sinalizando-a para parar de falar. Eu ouço o que parece um gemido sair dela quando ela coloca seu rosto em suas mãos. - Quem é esse cara? Um namorado? - Eu olho para o nome. Tommy. - Ex. Eu o deixei. - Eu não acho que tenho que perguntar por que, depois de ler isso. Minha voz está apertada. Estou controlando minha raiva. Deslizando, vejo que as coisas começaram inocentemente o suficiente esta tarde. Implorando-lhe que, pelo menos, faça com que ele saiba que ela está viva respondendo a ele. Implorando-a para levá-lo de volta. Dê-lhe mais uma chance. Ele vai fazer isso com ela. Eles podem ser felizes novamente. Por que ela não quer mais ser feliz com ele? Ele sabe que há outra pessoa. Por que ela está fazendo isso com ele? Como ela poderia ter trapaceado com ele? Como ela pode ser uma puta? Ele fará com que ela veja o quanto ela o machucou. Ela é uma boceta estúpida. Ele vai fazer com que ela pague por isso. Ele fará com que ela desejasse que ela nunca fizesse um tolo fora dele. Ela vai se arrepender quando a encontrar. E ela está louca, se acha que ele não a encontrará. Ela não pode se esconder dele.

67


Olho para ela, mas tudo o que posso ver é vermelho. Eu tenho que matar esse filho da puta. - Eu acho que você não o deixou porque ele é um cara incrível. - Eu digo. - Por favor, deixe-o ir. - Ela implora. Mas não posso. Se há uma coisa que não agüento, é violência contra as mulheres. Isso não ajuda, que eu goste dessa mulher em particular. - Apenas me diga o que aconteceu. Por que você o deixou? Isso só começou depois que você saiu? - Um tremor de cabeça triste. - Ele... me bateu. Muitas vezes. Eu era uma cadela estúpida, uma boceta, sem valor. Eu finalmente sai, mas ele apenas começou a me enviar essas mensagens há pouco. Algumas semanas . Eu nem sei como ele conseguiu meu novo número de celular, a menos que ele ligou para minha mãe e a enganou em dar a ele. Eu nunca disse a eles... você sabe. Como estava ruim. Eu estava muito envergonhada. Não sabia o melhor. Eu preciso matá-lo. Ou, pelo menos, vencê-lo dentro de um centímetro de sua vida. - Olha, eu vou bloquear seu número. - Ela segura a mão agora, querendo o telefone. Eu entrego, minha mente correndo com os planos, de como eu pretendo encontrar esse filho da puta e bater a merda dele. Eu olho como ela faz, como ela disse que sim. - Eu deveria tê-lo bloqueado imediatamente, mas não o fiz. Não sei por quê. Eu acho que estava com medo, de quanto mais irritado ele ficaria, se eu nunca respondesse a ele. - Ela olha para mim, e ela não precisa terminar seu pensamento, porque eu posso ver o que ela está tentando dizer. Ela se sente segura comigo. Como eu vou protegê-la. E a coisa é, que eu quero protegê-la. Eu quero ter certeza de que esse cara não machuque ela.

68


Ao mesmo tempo, quase sinto muito por ela, por ser tão ingênua quanto a pensar que sou sua aposta segura. Mas entre mim e o idiota enviando esses textos, acho que eu sou. Ele não está seguro, no entanto. Porque eu vou encontrá-lo, e eu vou fazer isso doer.

69


Não consigo dormir agora, não depois de compartilhar o que fiz anteriormente. Há uma tempestade dentro de mim agora. Mesmo que eu me sinta aliviada, um pouco, de não carregar esse fardo mais sozinha, não posso impedir que minha mente corra. O que Tommy vai fazer agora que o bloqueei? Quando ele vê que não tenho a intenção de responder, ele vai espiralar fora de controle, eu sei disso. Eu tenho que tentar entrar em contato com minha mãe pela manhã, para perguntar se ela lhe deu meu novo endereço. Estou aterrorizada de que ele apareça do nada. Jax vai me manter segura. Esse é o pensamento que continua a aparecer na minha cabeça, toda vez que eu estou muito preocupada. Ele me protegerá. Mas eu nem sempre estarei com ele, eu estarei? O que acontece quando eu sair? E eu tenho que sair eventualmente, é claro. Não posso estar com ele para sempre. Uma vez que estiver sozinha, serei vulnerável. Estou mais atraída por ele do que nunca. Eu vi a raiva em seus olhos e isso me transformou. O que há de errado comigo, na verdade, eu realmente me acalmei quando vi o quanto ele queria machucar Tommy quando ele leu esses textos? O que está quebrado dentro de mim? Seja o que for, isso me fez querer Jax ainda mais. Estou doendo por ele, tão errado quanto é. Eu aperto minhas pernas juntas, observando quão quente e formigante eu sou. Ele é exatamente o que eu preciso agora. Alguém forte, poderoso, comandante, até perigoso. Mas não para mim. Para a pessoa que me machucou. É como um afrodisíaco, sabendo que há uma pessoa que estaria disposta a ferir outra pessoa por minha causa. E eu sei que ele faria. Tenho a sensação de que ele está chocando no pedaço.

70


Sim, eu quero ele. Mas, por enquanto, estamos de volta à cama. Em salas separadas. E eu estou lutando para finalmente adormecer e esquecer isso por um tempo. O sono é evasivo, no entanto. Eu me pergunto se algum leite morno não ajudaria. Talvez com um pouco de uísque. Os dois vão juntos? Bem, vale a pena tentar. Estou desesperada o suficiente para tentar qualquer coisa neste ponto. Desci as escadas, dois pares de meias até joelho acalmando meus passos. Paro curto quando vejo Jax lá, perto do fogo. Ele está usando boxers e nada mais, assim como fez a noite passada. Estou dividida entre querer me afastar e escorregar para o andar da frente antes dele me notar e querer ir até ele. Ele é como um ímã, me aproximando contra minha vontade. É tarde demais. Ele sabe que estou aqui em pé, com a cabeça tão linda em minha direção. Como se ele não pudesse decidir o que ele deveria fazer. Meus pés estão se movendo antes que eu saiba o que estou fazendo, levando-me ao seu lado. Eu paro lá, ao lado dele, sentindo o calor do fogo e do corpo dele, ardendo em mim. Um braço forte e musculoso desliza em torno da minha cintura antes de olhar para os meus olhos. Não precisamos dizer uma palavra. Não há nada a dizer agora, mesmo assim. Inclino no colo dele, puxando a camiseta sobre minha cabeça e a jogando no chão, antes de envolver meus braços ao redor de seu pescoço. Ele suspira, me puxando para outro beijo destruidor de alma. Nunca fui beijada assim antes, tão completamente. Como se ele estivesse tentando alcançar dentro de mim. Nós dois estamos procurando por algo, enquanto nossas línguas se envolvem. Mas não somos tão frenéticos quanto está tarde. Vamos lentamente, levando o nosso tempo. Suas mãos movem-se lentamente para cima, depois pelas minhas costas. De novo e de novo. O calor do fogo não é nada comparado ao calor que suas mãos desencadeiam em mim. Ele suga meu lábio inferior entre os seus, puxando ligeiramente, usando os dentes para me fazer sibilar. Balancei meus quadris contra ele, lembrando-o do poder que tenho. Minha cabeça cai de volta, sua boca agora arrastando minha mandíbula, depois pela minha garganta. Ele está tão dolorosamente lento,

71


lambendo cada centímetro da minha pele. Eu ouço os gemidos saindo da minha boca e eu não ligo. Eu tenho que encontrar uma maneira de dizer o que ele está fazendo comigo. Sua cabeça mergulha mais baixo, sua língua dançando sobre meu seios. Meus mamilos já são duros, aguardando sua boca. Quando seus lábios se fecham em torno de um pico rígido, choro, cavando minhas unhas em suas costas. Eu me inclino mais longe, dando-lhe um melhor acesso. Ele me segura como se eu não pesasse nada, seus braços em volta de mim. Ele se move para o outro mamilo e novamente eu grito, agora movendo meus quadris em círculos lentos contra ele. Estamos tão próximos um do outro, apenas algumas camadas finas de algodão que nos separam. Eu sinto o seu duro comprimento contra mim, ouvi-o gemer, enquanto faço contato novamente. A pressão contra o meu montículo está me deixando louca, e eu sinto que minhas calças estão encharcadas. - Tão bom. - Consigo gemer entre suspiros de ar. Estou sem respiração, meu peito tremendo. Eu preciso tanto dele, é doloroso, meu clitóris latejando. Eu me aproximo, até onde eu sei que ele está se esforçando para sair do seu short e deslizo minha mão para dentro. É sua vez de gemer, quando meus dedos fazem contato com ele e envolvem seu eixo espesso. - Merda. - Ele sussurra, sua cabeça caindo de volta dessa vez. Eu corro minha língua ao longo de sua garganta, mordiscando-o enquanto eu acaricio seu pênis. Nunca fui tão descarada, mas nunca senti nada disso antes. Como eu quero devorá-lo e ser devorada. - Você gosta disso? - Eu sussurro sem fôlego, agarrando-o. Ele geme novamente e eu sinto ele latejar na minha mão. Minha própria buceta aperta em resposta. - Chupe. - ele geme. - Por favor... chupe...

72


Eu desço de seu colo e afundo em meus joelhos. Nunca gostei de fazer isso, mas com ele parece natural. Eu quero. Adoro o som suplicante de sua voz e quero que implore por mais. Por uma vez, eu tenho poder sobre ele. Quando meus lábios se aproximam da cabeça, ele solta um suspiro tremendo. Levo o meu tempo, não estou realmente confiante na minha habilidade, mas o som de suas reações me leva na direção certa. A maneira como ele engasga, geme e me impulsiona a construir minha confiança e me deixa ainda mais quente do que antes. Ele toma um punhado do meu cabelo, massageando meu couro cabeludo com os dedos. - Certo, querida. Bem desse jeito. Isso é tão bom. - Eu não posso levar todo ele na minha boca, amordaçando cerca de três quartos do caminho, de forma instintiva, acaricio o resto com a mão e uso isso como uma extensão da minha boca. Eu mantenho meu ritmo lento e deliberado, lambendo enquanto vou, porque posso dizer que o deixa louco. Logo, ele está entrando na minha boca e eu sei que ele está chegando perto. Eu sugo mais difícil, agora querendo que ele goze na minha boca. Não posso acreditar nessa mudança em mim. Eu quero me sentir suja, faça coisas que nunca fiz. Ele tenta me impedir, sair, mas não vou desistir. Ele não tem escolha senão deixar ir, disparando sua carga diretamente na minha garganta. Ele grunhi uma vez, duas vezes, enquanto ele jorra profundamente em mim. Segurei-o na minha boca até saber que ele terminou, então deixeo escorregar. Ele está respirando pesadamente, com um sorriso no rosto. Eu me sinto bem, sabendo que eu o agradei. - Então é assim que vai ser? - Ele pergunta, uma vez que ele recupera o fôlego. Eu não tenho tempo para responder, antes dele me puxar para os meus pés e arrancar o boxers e calcinha. Ele se ajoelha no chão e me puxa para baixo com ele, então me empurra para trás até que eu esteja esticada na frente da lareira, o tapete nas minhas costas.

73


Sem outra palavra, sua cabeça está entre minhas pernas, me dando todo o prazer que acabei de dar a ele. Ele lambe meu monte liso, o que eu sei, está liso com meus sucos até agora. - Tente tão bom... - Eu o ouço gemer entre longas voltas de sua língua contra meus lábios inchados. Estou no céu, olhos fechados, quase sem respirar. Apenas focada nas sensações que ele está causando. Logo, eu imploro por mais. - Mais o que? - Ele pergunta, passando o polegar sobre o meu montículo, ainda não mergulhando para dentro. - Por favor, coma-me! - Eu quase grito, não me importando como eu pareço. Eu só quero ir e acabar com essa agonia. Eu sou recompensada pelo sentimento de ter meus lábios espalhados, então a felicidade indescritível do primeiro toque de sua língua no meu clitóris dolorido. Arqueio minhas costas, chorando de novo e de novo. Sua língua gira para frente e para trás, depois para cima e para baixo. Ele suga meu broto entre os lábios e depois fica mais baixo para lamber meu buraco. Estou perdida na sensação, minha cabeça rolando de um lado para o outro, enquanto uma longa série de gemidos flui de mim. Todo o meu corpo começa a ficar tenso, à medida que a pressão se constrói, minha respiração se acelera. Estou tão perto, tão pronta. Ele lê minha reação e ataca meu clitóris com uma série de lambidas furiosas com a ponta da língua. Isso faz o momento - eu estou gritando, minhas coxas agarrando sua cabeça, minhas costas arqueadas quando a tensão acumulada do dia explode dentro de mim, então flui através de mim. Ainda assim, ele não para. Agora ele desliza dois dedos dentro da minha vagina, ainda pulsando do meu orgasmo. Eu quase não sei o que está fazendo, apenas meio consciente no pós orgasmo. As belas ondas ainda estão rolando sobre mim, crescendo cada vez mais alto quando os dedos de Jax começam a entrar e sair de mim. Em vez de os sentimentos felizes morrerem, eles ficam mais fortes. Eu começo a subir novamente, gritando

74


agora, o prazer quase demais para lidar. Nunca cheguei duas vezes assim antes e não tenho certeza de que possa lidar com isso. - Foda-me, Jax! - Eu grito, arranhando seus ombros quando o segundo clímax me lava. Eu percebo a umidade nas minhas bochechas e percebo que estou chorando. A coisa toda é tão surpreendente que não sei o que pensar. Meu corpo inteiro está tremendo da força, até que ela passa, e me pergunto o que aconteceu. Não pensei que fosse possível. Sinto que seus dedos me deixarem e gemo suavemente. Eu alcanço sobre ele, precisando ser mantida. Ele me leva em seus braços, mas em vez de ficar ao meu lado no chão, ele se levanta. Ele me carrega com ele, subindo as escadas, em seu quarto. Eu não luto contra ele. Eu não quero.

75


Ela é ainda melhor do que eu imaginava. Deite-a na cama, já difícil e pronto para ir novamente. O gosto de sua buceta, os sons que ela fez quando ela veio, me deixaram louco. Olho para o corpo dela, a luz da lua atravessando a janela e pintando sua pele. Os grandes seios firmes, estão subindo e descendo, como eu imaginava. A cintura pequena e redonda. As pernas longas e lisas. Ela tem um corpo que foi feito para isso, e estou superado com o desejo de possuíla. Eu quero montá-la até ela gritar e me pedir para parar. Abaixei-me sobre ela, aproveitando o momento para apreciar cada centímetro de pele que entrei. Eu começo em seu tornozelo magro, passando meus dedos sobre ele, então me movendo lentamente até eu alcançar sua bunda. Ela se contorce, ofegante quando meus dedos escovem sua pele sensível. Eu fico lá, acariciando suavemente, deixando-a louca. - Oh meu Deus, Jax. - Ela sussurra, mordendo meu ombro. Ela solta um gemido, tremendo com cada golpe ao longo de sua pele macia. Eu percebi que ela realmente não foi tocada antes. Isso é tudo novo para ela. Ela nem sabe o que seu corpo é capaz de fazer. Quando meus dedos se deslizam entre as bochechas dela, ela sopra bruscamente. - Relaxe. Deixe-se ir. - Eu a acaricio lá, de um lado para o outro, sobre seu lugar mais privado, enquanto passo minha língua sobre seus mamilos. Eles são perfeitos, o tipo que imploram para serem sugados. Ela se contorce debaixo de mim, os olhos fechados, a boca aberta. Seus gemidos são mais profundos agora, quase primitivos. Eu tiro cuidadosamente meus dentes através do bico e ela arqueia suas costas.

76


Enquanto isso, meus dedos ainda estão explorando seu traseiro. Ela choraminga um pouco, cada vez que demoro perto de seu buraco franzido, mas não vou mais longe. Apenas provocá-la é o suficiente. Fazê-la pensar que vou. Eu esfrego suavemente com meu polegar e ela quase salta da cama. Seus dedos estão cavando no meu ombro, e eu me pergunto quão mal me machucarei amanhã. Mas eu não paro. Em vez disso, abaixo com a língua, agora lambendo o umbigo. Ela segura a parte de trás da minha cabeça perto dela, gemendo em aprovação. Eu beijo e lambo seu estômago achatado, depois até os quadris dela. Ela os rola em um movimento circular, esmagando-os em direção ao meu rosto. Eu sei o que ela quer, mas ainda não vou dar a ela. Em breve. Estou de volta a sua buceta, o cheiro me fazendo contrair dolorosamente. Eu quero enterrar-me dentro dela, mas primeiro eu quero dar-lhe todo o prazer que ela pode lidar. Eu acho seu botão rosa novamente e deslizo minha língua sobre isso. Ela está pronta para mais, molhada e implorando novamente, para mim lamber sua buceta até ela chegar. Apenas o som das palavras que sai da boca, faz minhas bolas doerem. Ela parece tão excitada quando fala assim, sua voz cheia e gutural. Eu lambo mais rápido, pressionando mais forte contra o clitóris. Ela geme mais alto, sinalizando que estou no caminho certo. Eu comecei a circular seu buraco molhado com meu polegar, provocando-a enquanto lambo. Ela parece desesperada, gritando quase com lamentação. Como se enlouquecesse. Quando eu deslizo dois dedos no fundo, ela grita meu nome. Não posso esperar para fodê-la agora, apenas para ouvir isso de novo. Encontrei o ponto áspero dentro do túnel e comecei a esfregá-lo, sem parar o movimento da minha língua no botão. Ela está se perdendo, gritando com voz rouca, contorcendo-se freneticamente. Mas eu não vou parar, sabendo como o prazer a envolve e o quão bom ela vai se sentir, quando ela vier. Logo ela está apertando meus dedos, cobrindo-os com ainda mais umidade, quando o orgasmo começa. Eu olho seu rosto quando ela grita, as

77


veias se destacando no pescoço quando ela acalma. Então ela está chorando, repetidamente, seus músculos afrouxando seu aperto e pulsando suavemente. Eu retiro meus dedos, substituindo-os pelo meu pênis. Ela sussurra bruscamente enquanto eu a preencho e eu tenho que ficar quieto, até que ela relaxe ou arrisque perder. Ela é tão apertada, tão quente. Aguardo até o desejo passar, observando-a enquanto ela se ajusta a mim. - Tão grande. - Ela choraminga, mas a maneira como ela empurra seus quadris para mim quando ela diz que isso, me diz que não há problema. Eu deslizo para fora, lentamente, ainda olhando, enquanto seus olhos se fecham e um sorriso lento se espalha sobre seu rosto. Eu a deixo sentir cada centímetro de mim sair, até que a cabeça ainda esteja dentro. Eu a provoco com alguns pequenos esforços, e ela geme. - Você quer mais? - Pergunto, rolando meus quadris. Apenas estou segurando, querendo batê-la até que nós dois estejamos bruto. Mas torturála assim é muito divertido. - Mmmhmm. Eu quero tudo isso. Me dê isto. Ela é minha agora, enquanto eu tiro da minha casa. Seus olhos se abrem surpresos, quando ela me sente dentro dela. Pego seus pulsos, prendendo-os acima de sua cabeça. - Você quer isso? Você quer meu pau? - Eu rosno quando eu a monto. Sinto-me cada vez pouco mais dela, enquanto eu tiro da minha casa, sua vagina apertada me agarra como um vício. Ela está chorando, incoerente, perdida. - Você gosta disso? - Sim! Sim! Eu amo isso! Eu respondo batendo em casa uma vez, duas vezes, ouvindo seu grito suavemente.

78


- Vire. - Eu rosno, soltando os pulsos e escorregando brevemente. Assim que ela está de joelhos, eu estou me arrumando em sua buceta e empurrando novamente. Seguro os quadris dela, puxando-os para mim para nos unir ainda mais. Ela adora, ofegante e gemendo, implorando por mais. Eu sinto que ela está se movendo contra mim, batendo em mim, me fodendo enquanto eu estou fodendo com ela. Eu bata em sua bunda, primeiro de um lado, depois do outro. No começo ela parece surpresa, então ela grita. - Sim! Bata minha bunda! Por favor! - Eu faço isso de novo e de novo, então, abaixo para puxá-la contra mim, então suas costas estão no meu peito. - Monte-me. - Rosno na sua orelha antes de morder o lóbulo. Ela estremece, mas não para de balançar os quadris contra meu pênis, molhando sensualmente. Minhas mãos vagam por suas pernas, seus quadris, até seus seios. Eu esfrego-os, apertando-os, sentindo a maneira como eles saltam nas mãos com o movimento. Com uma mão, puxo a cabeça para o lado para cheirar o pescoço dela. Eu preciso de tudo, tudo o que posso sentir ou saborear. Ela fica atrás de mim, segurando a nuca, ainda me fodendo. Eu toco seu montículo com a mão livre, esfregando-a. Ela quase está indo agora, sua voz inexistente, gritando meu nome. - Jax! Ohhh, ohhh, oh, Jax! - Sua moagem se transformou em um salto frenético e eu sei que ela está pronta para gozar. Meus dedos encontram seu clitóris e ela engasga, batendo com mais força e dificuldade. Eu sinto o jeito que a vagina dela aperta meu pênis, segurando enquanto ela vem por cima de mim. - Isso mesmo, baby, venha no meu pau. Venha para mim. - Ela geme, tremendo, os músculos de sua buceta apertando-me. Eu me forço a pensar em algo mais por um momento, até o desejo passar, prazer que ela já me tirou com a boca, então é mais fácil evitar. Finalmente, ela termina, colapsando para frente na cama. 79


- Ainda não terminamos. - Eu a aviso. Ela olha para mim através do olhos nublados. - Oh, por favor. - Ela geme. - Eu não acho que posso tirar mais. - De qualquer forma, eu vou te dar. Você pode levar apenas mais um. Meu pau precisa estar dentro de você mais uma vez. - Eu digo, pegando as pernas e colocando-as contra meu peito. Eu dou suavemente meu polegar sobre seu clitóris, provocando-a. - Você não quer isso? Você não quer se sentir bem novamente? - Mmmm. Jax ... - Essa é toda a resposta que eu preciso. Ela está dividida entre prazer e exaustão, então eu penso nela, ao mergulhar nela novamente. Estou decidido a fazê-la vir mais uma vez antes de eu fazer. Segurando as pernas dela, entrei dentro dela. Ela quer mais, eu posso dizer, gemendo novamente. Eu levo-a lentamente, levando meu tempo, construindo-nos para cima. Eu a sinto empurrando contra mim, usando suas pernas contra meu peito para alavancar. Não vou deixá-la tão fácil. Eu separei as coxas, colocando um pé de cada lado de mim. Então me ajoelhei, erguendo os quadris enquanto eu vou. Sua vagina está aberta na minha frente, meu pau ainda está empurrando para ela. - Toque-se para mim. - Eu sussurro. - Eu quero ver você se tocar, enquanto eu fodo você. - Ela geme, também perdendo o prazer de dizer não. Meus olhos estão colados em seus dedos enquanto ela lança lentamente seu clitóris, então acelera. Ela usa a outra mão para separar os lábios, me dando uma aparência ainda melhor. - Isso mesmo. - Eu rosno, empurrando mais forte agora, observando seu próprio prazer.

80


- Você é tão fodidamente sexy. Faça você mesma, baby. Mais uma vez. - Ela geme, minhas palavras dirigindo-a cada vez mais perto. Os dedos dela são um borrão agora, voando sobre o clitóris. Meu pau também é um borrão, e eu sei que estou me preparando para explodir. - Venha em mim. - Ela sopra, então eu percebi que ela está gozando novamente, seus gritos ficando cada vez mais alto, quando ela clama apenas mais uma vez. Desde o momento em que ela começa, eu solto. Eu deslizei para fora dela e rapidamente me acaricio, gemendo, logo antes de começar a gozar sobre seus seios, como ela pediu. Eu me ouço rugir, ouça-a encorajando-me a continuar, o meu gozo espirra sobre ela. Então acabou. Caio na cama, esgotado. Eu estive com muitas mulheres - muitas mulheres, mas isso é diferente. Nunca me senti tão obrigado a trazer a mulher tanto prazer. Eu mal percebo quando ela levanta da cama. Eu ouço a água correr no banheiro e sei que ela está se limpando. Logo ela deita na cama comigo, embaixo dos cobertores. Eu sei que devo evitar que ela adormeça comigo... mas não posso me dizer não.

81


Eu sei que não devemos ter feito isso. Mas estou tão feliz que fizemos. Nunca me senti assim antes. Não pensei que eu fosse capaz de sentir tanto prazer. Houve momentos em que não pensei, que eu poderia lidar com mais, mas estou feliz que ele me levou mais longe. Sinto muito por qualquer homem que entre na minha vida depois dessa noite. Eles nunca vão se comparar. Ficamos juntos na cama juntos por um tempo. Eu senti hesitação de sua parte no início, mas não havia como voltar para uma cama solitária e dormir sozinha depois do que aconteceu. Estou me sentindo vulnerável, mais do que nunca, e preciso de um pequeno contato agora. Eu acho que essa não é a rotina dele. No entanto, não demorou muito para ele esquecer. Estava dormindo gentilmente, tipo dentro e fora da consciência, nesse lindo lugar entre o sono e a vigília. Minha cabeça estava em seu ombro, e eu podia ouvir a maneira como seu coração batia lento e forte em seu peito. Tudo sobre ele é forte. Também entendo sua mudança de respiração. Isso diminui, aprofunda. Olho para seu rosto sem mexer a cabeça, querendo evitar perturbá-lo. Ele é tão lindo, se um homem pode ser lindo. O luar contra a neve, enche a sala com um brilho branco, quase sobrenatural, iluminando seu rosto. Ele é angélico, assim como a tinta em seu peito. Embora eu não pensasse que ele estava com um clima angélico quando ele fez isso. Eu mordo meu lábio para sufocar uma risadinha. Então me lembro de algo. - Oh, merda! - Ele agita em minha voz. 82


- O fogo! Você acendeu o fogo! - Boa chamada. - Ele se afasta da cama, sem se preocupar em colocar sua boxers, e vai para baixo. Eu o ouço apagar as chamas, falando com Blue em tons baixos e suaves. Pobre cão. Nós provavelmente assustamos o inferno nele. Eu rio de novo, lembrando o quão selvagem era. Ele me arruinou oficialmente para todos os outros homens. Como posso voltar para o sexo liso e chato novamente, depois do que aconteceu? Nada mais chegará perto, tenho certeza. Olho em volta da sala, realmente vendo isso pela primeira vez. A cômoda e a cama são antiguidades, posso dizer, as cortinas tem o mesmo tecido de renda bonita que as da sala de visitas. Eu me pergunto por que ele ainda tem tudo decorado dessa maneira. Não parece ser adequado à sua personalidade. Ele é tão masculino, dificilmente pôde lançar uma massa básica no balcão mais cedo esta noite. Toda essa estética "casa de fazenda chique" choca com o que sei sobre ele. No entanto, acho que não mudaria nada. Talvez obtenha uma TV melhor, com uma imagem melhor. Talvez troque seu computador antigo com o meu mais novo. O fogão e o forno são incríveis, mas a geladeira é um pouco pequena. Talvez um segundo na garagem? Espere um minuto. O que diabos eu estou pensando? Estou passando por isso na minha cabeça, como se eu planejasse ficar. Esse é exatamente o tipo de complicação na qual eu não preciso na minha vida agora mesmo, droga. Eu não posso ir de um relacionamento fodido para outro, não importa o quão bom é o sexo. E o sexo foi muito, muito bom. Além disso, Jax não parece exatamente o tipo que gostaria de se estabelecer comigo. Ele me parece um solitário, por completo. Eu só posso imaginar o jeito que ele reagiria, se eu aparecesse um dia, de bolsas na mão. Ele poderia agir como se ele não me conhecesse, ou se arrependesse de me encontrar na neve. A idéia é completamente prejudicada, para considerar. 83


E ainda… Quando ele não está sendo um idiota, e eu não estou voando meu punho para ele, ele é doce. Pensativo. Nunca vou esquecer como ele cuidou de mim, quando estava meio congelada. Há um bom coração lá, mesmo que ele não queira admitir isso. Posso ver-nos continuando assim de forma permanente? Estou surpresa ao perceber que a idéia me agrada. Eu não me importaria de ficar aqui com ele por mais tempo do que esta noite. Enquanto ele me quiser, eu o quero. Por que não? Muitos relacionamentos bem sucedidos basearam-se em pouco mais do que um ótimo sexo, certo? Além disso, há mais entre nós, tanto quanto eu não queria admitir isso no início. Há muito mais. O fato de ele me provocar, só significa que somos parecidos. Nós somos muito parecidos de certa forma. E nossas diferenças, bem, elas fazem uma diversão explosiva, com certeza. Eu poderia viver com sexo, mesmo sendo metade tão bom quanto isso, para o resto da minha vida. Eu nem sei nada sobre ele. Ele poderia ser um assassino, um desviante. Estive aqui há menos de dois dias. Podemos nos conhecer. Algum casal conhece um sobre o outro quando eles se juntam? Claro que não. Chega com o tempo. Assim como eu não sabia tudo sobre Tommy. Eu tremo agora. Não consigo deixar de correr riscos, não importa o quão terrível esteja com ele. Eu vou ser mais esperta desta vez. Se eu ver os sinais de alerta, não os ignorarei desta vez. Não como fiz durante anos com aquele bastardo. Meus olhos caem sobre a cômoda, especificamente em uma imagem emoldurada em cima da cômoda. É de uma mulher, pequena, loira. Bonita. Ela está sorrindo. Eu me pergunto quem ela é. Não é uma irmã, não com aquele pequeno rosto ou cabelo loiro. Jax é escuro, enorme. Uma namorada? Merda. Ele tem uma namorada? Eu não saberia, sim Eu bato minha testa.

84


Ele retorna exatamente nesse momento. - Você está bem? - Ele pergunta, hesitando. Apenas aceno e sorrio, meus olhos incapazes de deixar seu corpo. Ele é impressionante, sem dúvida. Ele voltou para a cama comigo, as costas contra a cabeceira da cama. Não me aconchego nele tão rápido desta vez, agora cautelosa. - Espero que esteja tudo bem, quer dizer, na cama com você. - Oh sim. Sem problemas. Eu rolo do meu lado, de frente para ele. - Há quanto tempo você viveu nesta casa? Ele encolhe os ombros, olhando para o teto, enquanto ele pensa. - Tem sido, oh, talvez sete anos? Oito? - É tão acolhedor. Perfeito também nesta época do ano. Me faz sentir todo quente por dentro. Ele sorri e eu sei que ele se sente exatamente da mesma maneira. Eu sei que há um homem bom e doce lá. Eu não me importaria muito se não houvesse. - Você cresceu por aqui? O que o fez ficar especificamente nesta casa? Ele encolhe os ombros novamente, o sorriso desaparecendo agora. - Eu cresci não muito longe daqui, fora da cidade. Perto o suficiente para quase sentir uma parte das coisas, mas nunca fui realmente. Sempre houve um muro entre mim e as pessoas que vivem lá. - Por quê? - Pergunte a eles. Eu sempre imaginei que era porque eu era tipo, bem, lixo branco. Pobre. Você conhece essas pessoas, você as vê. Aposto

85


que eles vêm todos os domingos após a igreja, não? - Eu acenei com a cabeça. - Claro que sim. Mas eles não são o menor grupo cristão de hipócritas do mundo. Não aceitando ninguém como eles. Ele olha para mim, seus olhos se estreitando. - Você provavelmente não vê, porque você é o tipo de pessoa que eles gostam. Doce, bonita, amigável. Você se encaixa... exceto que você é uma boa pessoa. Quando entrei na sua loja, você não me julgou ou me afastou. Você me tratou como uma pessoa. Tatuagens, roupa de trabalho suja e tudo. - Bem, eu tenho que admitir que você é um pouco intimidante. Mas você também é um grande cara. - É verdade. Mas eu nem sempre fui. Não quando eu era criança. Eu penso nisso. Talvez seja por isso que ele é tão cortado, porque ele se sente rejeitado. Eu não o culpo. Meu coração está com ele agora. Ele está tão ferido. Quero acabar com essa solidão para ele. Droga. Uma boa rodada de sexo e estou sentindo todo o tipo de coisas. O que diabos aconteceu comigo? - Posso fazer-lhe outra pergunta? Ele hesita. Posso dizer que ele já sente que ele já revelou demais. Ele não pode ser usado para falar sobre ele mesmo assim. Ele se desloca debaixo dos cobertores, seus lábios franzidos. - Certo. Continue. Eu aponto para a cômoda, indicando a foto emoldurada. - Quem é aquela? Seu rosto cai. Já vi esse olhar antes, percebo. É o mesmo que ele tinha, quando referenciei que ele mora sozinho. Merda. O que eu apenas pensei? Gostaria de poder recuperá-lo.

86


Eu especialmente desejo, quando ele responde. - Essa ĂŠ a minha esposa. Minha falecida esposa.

87


Eu sabia que não poderia durar, o estágio inteiro "não vamos fazer perguntas pessoais". Agora que fizemos sexo, as comportas estão abertas. Ela não sabe que não há futuro para nós. Eu a observo agora, enquanto ela dorme. Eu sei que ela quer mais. É sempre óbvio quando uma mulher quer mais. Elas começam a fazer perguntas. Há quanto tempo você mora aqui? Onde você cresceu? Quem é essa mulher na foto que você não conseguiu tirar sua cômoda, nos dois anos desde que ela morreu? Eu desliguei depois de dizer a Christina que a imagem era de Marissa. Eu nem lhe dei o nome, deixando isso em "resposta tardia". Desculpo-me com ela. Eu ainda faço. Ela estava chateada, acho, porque não queria dizer. Eu não tinha dado a ela qualquer idéia de que eu costumava ser casado. Não é culpa dela. Foi uma pergunta sincera. Depois disso, eu meio que desliguei. Eu não queria que ela continuasse fazendo perguntas, o que eu sabia que ficaria progressivamente doloroso e estranho. Se ela tivesse, e se eu tivesse respondido honestamente, Christina não ficaria adormecida agora. Ela estaria na neve, fugindo de mim. Até o congelamento até a morte, pareceria um destino melhor. Eu não disse a ela como Marissa morreu. E não disse a ela que a cidade inteira pensa que eu fiz isso. Ou pelo menos que eu sou responsável por isso. Eles estão certos, é claro. Eu sou responsável. Ela morreu graças a mim e à minha vida fodida.

88


Eu juntei-me ao clube quando eu era criança, muito estúpido para perceber o que era realmente isso. Lembro-me o quanto era bom, a idéia de ter uma família. Um círculo de irmãos, pessoas com as quais eu poderia contar. Eles teriam minhas costas. Eu tinha passado toda minha infância miserável à margem. Meus pais, um par de alcoólatras, papai dentro e fora da prisão. Não havia irmãos ou irmãs em casa, todos eles eram apenas meioirmãos de qualquer maneira. Havia quatro diferentes entre os seis, e eu era o mais novo. Eu sempre estive sozinho. O clube ia me salvar, me daria uma nova vida. Sempre adorei motocicletas, e quando via os Angels of Chaos atravessarem a cidade em suas motos, minha imaginação corria. Eles eram a coisa mais legal que eu já tinha visto. As fofocas sobre eles, a maneira como as pessoas empinavam o nariz e se afastavam, tudo isso apenas me irritava. Eles já se sentiam dessa maneira sobre minha família de lixo branco e eu, de qualquer maneira. Então eu me juntei. Conheci Marissa através deles. Ela era uma das putas, por assim dizer, sempre nas festas. Servindo cerveja, sentada em volta dos membros. Mas ela não era como as outras. Ela era inteligente, e ela não fazia tudo o que lhe pediam. Muitas garotas estavam tão quebradas que sugavam qualquer pau agitado na frente do seu rosto, desde que significasse que elas tinham que ficar por lá. Marissa era diferente. Ela não suportava nada disso. Eu sabia que ela era a única para mim. Eu nem me lembro de como as coisas desceram, mas sim, eu estava tão ocupado com o clube que não percebi a forma como estávamos desmoronando, até que fosse muito, muito tarde. Afugentei-me depois que ela morreu. Eu não poderia ser mais uma parte de lá. Eu também não precisava do clube para sobreviver. Eu consegui ficar longe de quaisquer acusações graves durante o meu tempo no clube, então não era impossível para mim conseguir um emprego. Comecei no paisagismo, precisando do ar e do sol. Algo bom, algo fresco. Tudo o que eu já conheci era escuridão, podre e fedor. Agora, tem essa garota. Ela me quer. Não posso negar que quero ela. Ela é uma dor na bunda, uma pirralha sarcástica. Ela é perfeita, até as sardas

89


no nariz e nos braços. Mas não posso trazê-la para toda minha merda. Estou muito fodido. Eu fiz e vi muitas coisas. Estou sujo e nunca serei limpo. Ela merece coisa muito melhor do que eu. Ela é uma boa mulher. Ela tem um futuro. Eu não. Eu sempre feri as pessoas no final. Foi injusto comigo aproximá-la, dar a necessidade que senti por ela. Ela não é o tipo de parafusar e perder. Ela é o verdadeiro negócio. Ela tem um bom coração. Agora, estamos mais conectados do que antes, e será ainda mais doloroso para ela, uma vez que ela perceba quem eu sou e o que fiz. Porque, claro, ela irá. Ela não esteve aqui o tempo suficiente para ouvir os rumores. Ou talvez ela tenha, mas ela ainda não juntou dois e dois. Ela não sabe sobre Marissa, como ela morreu. Como eu a matei. Uma vez que ela descobrir, isso vai acabar com seu coração. Mas como posso empurrá-la quando a quero tão mal? Mesmo depois de fodidamente sair dela, eu a quero novamente. E eu quero lutar com ela e vê-la gritar comigo. Eu quero assistir ela cozinhar, já que é onde ela está em seu elemento. Eu não quero deixá-la agora que a tive. E eu não quero deixá-la solta, para aquele filho da puta do Tommy. Ela precisa ser protegida dele. Eu vi o que caras como ele, podem fazer com uma garota como ela. Meu peito se aperta pelo pensamento, de que ela está sofrendo dessa maneira. Ela é minha agora. Não vou deixar ninguém machucá-la. Mas o que acontece, quando sou quem acabar fazendo as feridas?

90


Eu sei que devo ir na casa de meus pais, mas não posso. Não quero deixá-lo. O que diabos está errado comigo? Quando eu me tornei uma perseguidora ? Talvez na hora em que eu tive um orgasmo gritante. Ou pela segunda vez. Ou pela terceira vez. Não me lembro. Tudo o que sei é que estou viciada. Não é apenas o sexo. Lembro-me disso, enquanto estamos emaranhados juntos. Ele está dormindo, roncando um pouco. Estou navegando no local perfeito, entre dormir e acordar, tudo nebuloso e confortável. Minha cabeça está em seu peito, seus batimentos cardíacos me acalmando para dormir. Não, pare tudo. Eu deveria sair da cama e seguir em frente. Não posso ficar aqui para sempre. A sensação de ter outro lugar a ir é como colocar um amortecedor no tempo que estamos juntos, mesmo assim. Era uma coisa enquanto a neve estava caindo, outra enquanto esperava escavar. Agora? Tenho medo de demorar no adeus, não importa o quão bom seja como cozinheira. Ou o quão bom é um aconchegar. Meus olhos se abriram, assustados por esse pensamento. Fiquei emocionada com a habilidade de Jax, chocada com o número de vezes que ele me levou ao clímax. Eu quase nunca tive um com o meu ex. Agora estou preocupada que não tivesse sido bom. Tudo o que Tommy sempre exigiu foi minha presença na cama. Não precisava fazer nada, nem tinha a chance de fazê-lo. Droga, eu estraguei tudo?

91


Eu não poderia ter sido tão mal. Jax pareceu se divertir bem o suficiente. Lembro-me da maneira como ele grunhiu e gritou, do jeito que ele se contraiu na minha boca. Estou um pouco molhada, só de pensar nisso, os sons que saíram da sua boca, quando eu estava sugando-o. Devo ter feito algo certo. Então ele tinha ficado estranho. Eu fiz a pergunta errada. Eu poderia me chutar agora por isso. Era isso que o bom sexo fazia a uma pessoa? Convertia-a em uma idiota total? Não, maldição. Não vou fazer isso comigo mesma. Eu tinha todo o direito de perguntar. Era uma questão totalmente inocente. Fazia isso o tempo todo, quando estava com o Tommy. Todas as noites que passava na cama, me encolhendo no escuro, me perguntando o que eu fazia desta vez para enfurecê-lo. Eu não deveria ter feito essa observação, não deveria ter olhado para ele dessa maneira. Eu deveria ter sabido melhor do que fazê-lo. Tornou-se um reflexo, acho, culpando-me pelas ações de outra pessoa. Além disso, não era como se Jax me expulsasse de casa por isso. Ele nem me pediu para voltar para o quarto de hóspedes. Passamos a noite aqui, comigo em seus braços. Foi uma felicidade. O melhor sono que tive em anos, e quase nunca gostava de dormir perto de Tommy. Nunca fui confortável. Estou bem acordada agora, pensamentos de meu passado miserável dirigindo o sono longe. Eu olho para o corpo de Jax. Deus, ele é lindo. Um modelo de roupa interior em um outdoor é a primeira coisa que vem à mente, cada músculo totalmente definido. No entanto, ele não é um garoto prensado, obcecado com a aparência. Não há nem um espelho em qualquer lugar nesta sala. Ele é um homem, verdadeiramente e totalmente. Aspereza assumindo o controle. Seu corpo é o resultado de um trabalho árduo, e não de exercícios difíceis. Dito isto, há uma certa parte dele que não é resultado de exercícios. Olho para o rosto dele, ainda tranqüilo no sono. Ainda ouço seus roncos. Aproveito a oportunidade para dar uma olhada sob os lençóis, atualmente em torno de seus quadris. Droga. O menino é abençoado. Lembro-me da maneira como ele se sentiu dentro de mim. Tão grande. Tão grosso.

92


Preenchendo-me. É tudo o que posso fazer, para me impedir de pular nele neste momento. É melhor deixá-lo dormir. Parece estar feliz quando ele está dormindo, seu rosto caindo em linhas muito mais suaves. Normalmente, ele parece que ele tem um chip em seu ombro, como se ele estivesse sempre esperando que o outro sapato caísse. Sua sobrancelha é quase permanentemente enrugada no pensamento. Pergunto-me o que aconteceu para fazê-lo parecer assim. Ele teve muita dor. Eu sabia, a primeira vez que o vi olhando o fogo, quando o insultei sobre viver sozinho, do jeito que ele faz. Há muitos demônios na vida deste homem. Eu gostaria de poder ajudá-lo, tanto quanto eu gostaria de poder me impedir de querer ajudá-lo. Não é meu trabalho. Ele não é minha responsabilidade. Eu não tenho que cuidar de ninguém além de mim mesma. No entanto, não posso ajudar o desejo. Droga. Estou me apaixonando por ele? É como se ele ouvisse meus pensamentos, se mexendo. Um olho abre ligeiramente, então fecha imediatamente. - Tão brilhante. Eu ri. - Sim, normalmente é o que acontece na parte da manhã. - Que horas são? Normalmente estou acordado quando ainda está escuro. Eu rolo, verificando meu telefone na mesa de cabeceira. - São depois das oito horas. - Você está falando sério? Eu tenho que ir para baixo para deixar o Blue sair. Estou surpreso que ele ainda não esteve chorando na porta. - Eu dou espaço para ele sentar-se, bebendo o olhar sobre ele, a maneira como

93


cada músculo toca sob sua pele, como uma sinfonia. Eu me odeio até mesmo pensando em algo tão corajoso, mas é verdade. Então ele está de pé, e esse magnífico traseiro está em exibição. Só por um momento, porém, ele puxa um jeans. Ele é tão sexy. - Você quer café da manhã? - Ele olha para trás, sorrindo. - Sim, claro. Você quer cozinhar? - Eu não sou completamente sem idéias. Eu comia bem quando você não estava aqui. Eu decido deixá-lo lá e não o desafio sobre cozinhar sendo "feminino". Pouco tempo depois eu me junto a ele na cozinha, meu coração na garganta. Encontrei uma camisa de tamanho grande no armário e decidi vesti-la, em vez do meu suéter de três dias. Ele me olha de cima a baixo, sem dizer uma palavra antes de voltar para o fogão. - Espero que você não se importe. Eu simplesmente não podia suportar a idéia de colocar o mesmo suéter novamente. Um momento de hesitação. - Não, não. Não me importo. Hmm. - Você tem certeza? Eu posso tirar isso. Ele olha de volta para onde eu sentei na mesa da cozinha, um sorriso no rosto. - Você definitivamente pode tirar isso se quiser. Eu não diria não. - Eu franzo o cenho, fazendo-o rir, antes de voltar para o fogão. - Eu estava pensando o quão bonita você fica nisso. Eu sorrio, como um boba completo, de orelha a orelha. - Mesmo?

94


- Mesmo. Você deveria usar minhas roupas com mais freqüência. Eu coro, perguntando-me se ele está pensando nas mesmas coisas que eu. Não seria algo assim? Uma história que podemos contar aos nossos netos. Como vovô salvou vovó de uma tempestade de neve e eles se apaixonaram. Ugh. Novamente, tão grosseiro. O que acontece comigo? - Como você gosta de seus ovos? - Oh, hum, o que for mais fácil para você. Normalmente mexidos, mas também gosto muito de estalados. - Você está com sorte. Os ovos mexidos são minha especialidade. Eu olho enquanto ele cozinha, sem me importar com o que está no fogão. Ele ainda está apenas com seus jeans, parecendo mais delicioso, do que qualquer coisa que ele pudesse servir. Há algo sobre a visão de um homem na cozinha, especialmente quando ele é lindo. - Há café fresco ali, por sinal. Estou desesperada pela cafeína. Eu vou até para o pote. - Existe alguma coisa que eu possa fazer para ajudá-lo? - Por favor. Eu acho que você já fez o suficiente neste fim de semana. - Ele ri suavemente. - Eu cozinhei um pouco. Grande negócio. Não é o suficiente. - Suficiente? - Para compensar o que você fez por mim. Nunca será suficiente. Ele se vira, vendo o olhar sério no meu rosto. - Ei. - Ele vem até mim. - Eu não preciso de um retorno, então não se preocupe com isso. Eu estava no lugar certo no momento certo. Só estou feliz por ter conseguido

95


ajudá-la antes que fosse tarde demais. - Ele acaricia minha bochecha com o polegar. Estou hipnotizada. - Estou feliz por ter conseguido conhecê-la. Sinto que meu coração está explodindo em um milhão de raios de luz. - Eu também. Ele se aproxima, prestes a me beijar, antes que seus olhos se abram. - A comida. Vou pegar . Eu rio. Eu me pergunto o que isso vai envolver. O café da manhã é delicioso. Ovos, bacon, torrada. Simples, mas cheio. - Você sabe, nem todos conseguem fazer ovos direito. Ou bacon, tocando nesse assunto. Você tem bons instintos. - O que é tão difícil no bacon? - É fácil queimar. Não há nada tão triste como bacon queimado. - Nós brindamos para isso, tocando nossas xícaras de café, no meio do ar. - Sério, porém. Eu acho que você faria um bom cozinheiro. Ele ri. - Cozinhar nunca foi algo que as pessoas na minha vida consideravam que um menino deveria estar fazendo. - Ele gemeu e ri novamente. - Eles eram estúpidos. Sem ofensa. - Nenhuma tomada, porque eles eram. - Ele balança a cabeça, lembrando. - Se eles soubessem que eu sou um paisagista agora, eles iriam rir de mim. - Por quê?

96


- Porque eu planto flores e arbustos. Árvores. Eu corto grama e molho. Mas é um trabalho duro e fodido. - Eu posso imaginar! - Mas para eles eu seria... um mariquinhas. Eles não usariam a palavra "mariquinhas". - Entendi. - Eu sempre adorei, quando eu era criança. Estar afastado, observar as coisas crescerem. Era como magia. Às vezes eu iria andar de bicicleta pelos bairros mais agradáveis, apenas para ver a forma como as pessoas com dinheiro, tinham seu paisagismo feito. Parece estúpido. - Ele balança a cabeça. - Não é estúpido. Mesmo. - Eu acho, que crescendo do jeito que eu fiz, não havia muito... Eu não sei... beleza. O mais próximo que minha mãe chegou a um jardim, era das flores de plástico e um flamingo rosa. Caso contrário, eu vivia em um trailer em blocos de concreto. Eu aceno simpaticamente, obtendo uma imagem muito mais clara do homem na minha frente. Não é de admirar que ele tenha tantas paredes construídas na frente dele. Foi ensinado desde cedo que cozinhar e curtir a natureza eram femininos. Penso nessa criança, imaginando-o na minha cabeça. Eu queria poder dar-lhe um abraço, o pobre homem. - Para o registro, um homem que cozinha é apenas a coisa mais sexy do mundo. - Eu ouvi isso. É realmente verdade? Eu levanto, deslizando minha calcinha para o chão. Então eu pego a sua mão, colocando-a entre minhas pernas. Seus olhos se alargam, antes que seus dedos comecem a passar pela minha umidade. -Você me diz. - Respiro.

97


- Uau. - Ele sussurra, já respirando mais fortemente. - Eu acho melhor lidar com as conseqüências da minha culinária, hein? Eu rio, depois gemo suavemente, enquanto seus dedos começam a massagear meu clitóris. - Eu estava pensando em ser lavada. O que você acha? Ele acena com a cabeça, seus olhos mais largos, sua respiração ainda mais pesada. Eu olho para baixo para ver a crescente protuberância em suas calças. Eu tenho que me afastar da mão entre minhas pernas, apenas o suficiente, para andar até o andar de cima. Eu tiro a camiseta sobre minha cabeça enquanto eu vou. O que aconteceu comigo? Nunca fui tão descarada, tão para frente. Ele está desbloqueando algo por dentro de mim com certeza. Talvez eu nunca mais seja a mesma. Chego primeiro ao banheiro, ligando a água na banheira de garra grande, antes de virar para ele. Eu corro minhas mãos pelo peito e torso antes de parar em sua cintura, depois desabotoar sua calça. Nunca perdendo o contato visual, olhando para seus olhos. Um pequeno sorriso joga sobre sua boca. Deslizo as calças jeans pelas pernas, sobre os pés. Então entro na banheira, a água está quente agora. A temperatura já está preenchendo o quarto. Ele se junta a mim, aumentando a temperatura ainda mais. Nos envolvemos um no outro, levando nosso tempo. Suas mãos estão por cima de mim, em todos os lugares. Minha pele está em chamas do seu toque. Ele lentamente, saboreia meus seios. Suas mãos estão se movendo sobre eles. Suspiro, fechando os olhos para absorver a sensação. Quando

98


seus dedos se aproximam de meus mamilos, eu gemo, segurando seus ombros para me manter na posição vertical. - Tão escorregadia. Assim como em outros lugares. Não posso deixar de rir, que ele corta, quando sua boca cobre a minha. Ele envolve um braço forte ao meu redor, segurando meu corpo perto dele. Sinto o seu pau contra mim, pressionando-me. Ele é tão grande, tão grosso. Eu mexo contra ele, minha pele cheia de sabão deslizando sobre sua rigidez. Ele geme na minha boca. Minha mão se fechando sobre sua ereção. Eu começo a acariciar lentamente. Ele empurra em minha mão, enquanto sua língua entra na minha boca. Sua mão livre corre de minhas costas para minha bunda. Eu suspiro, puxando minha boca dele para gemer. Ele leva minha coxa na mão, puxando minha perna para cima e ao redor de seu quadril. Ele me pressiona até a parede, encontrando meu calor e mergulhando nele. - Oh, Jax! - Pego seus ombros, o segurando como se minha vida dependesse disso, quando ele está contra mim. Ele me enche tão completamente, empurrando para mim uma e outra vez. - Sim... sim... Christina... - O jeito que ele geme meu nome enquanto ele empurra para dentro, me deixa louca. Saber que eu tenho esse poder sobre ele, que eu posso controlar o seu prazer, é mais que suficiente para combinar com o meu prazer físico e me envia sobre a borda. - Jax! - Eu grito seu nome, a cabeça jogada para trás. Eu estremeço por toda parte, minha cabeça agora caindo em seu ombro. Meu aperto sobre ele relaxa, alívio inundando meu corpo. Ele não está terminado, no entanto. Ele desliza para fora de mim, me estabilizando em minhas pernas bastante instáveis. Ele lava rapidamente lá embaixo, ainda é difícil. Eu sigo a liderança dele, depois siga-o para o quarto. Ambos estamos envolvidos em toalhas grandes e fofas. Outro ato de conforto. Eu não esperaria um homem duro e resistente como ele, fosse ser assim. Jax senta na cama, toca em torno de minha cintura, segurando uma

99


mão para eu ficar na frente dele. Ele desenha-me, meus mamilos instantaneamente duros, do ar frio e excitação. Então ele me surpreende, secando minha pele ternamente com a toalha. Eu olho para ele, seu rosto sério, envolvido em seu trabalho. De onde isso vem, essa súbita gentileza? Coloco uma mão na parte de trás do seu pescoço, amassando-o gentilmente, enquanto ele trabalha. Eu penso no doce menino que ele deve ter sido, em contraste com o homem que ele achava que precisava se tornar. Sua boca se fecha sobre um dos meus seios, tirando um suspiro de mim. Ele me aproxima, as mãos nos meus quadris. Era tão bom, sua língua habilitada rolando em círculos sobre o meu mamilo, fazendo minha respiração vir mais rápido e mais difícil, logo depois do meu último clímax. Ele me conhecia tão bem, exatamente o que iria me excitar e me deixar louca. Então ele ficou na minha frente, deixando a toalha cair de sua cintura. Ele segurou a parte de trás da minha cabeça, pegando punhados do meu cabelo. Ele puxa minha cabeça para trás, inclinando meu rosto para o dele. Eu suspiro, sibilando pelos dentes. É surpreendente, mas libertador. - Você gosta disso? - Ele puxa meu cabelo novamente, apenas o suficiente para me fazer ofegar. Dói, mas apenas um pouco. Principalmente, parece incrível, enviando flashes de calor direto ao meu núcleo. - Sim. - Eu sussurro, ganhando outro leve puxão em resposta. Eu mordo meu lábio, gemendo novamente. Ele me beija muito, ultrapassando-me. Suas mãos ainda estão no meu cabelo, puxando, enquanto sua língua varre minha boca. Eu gemo alto, desesperada por mais. Ele suga meu lábio inferior entre os seus. Ele o leva entre os dentes, mordendo. Eu suspiro, mas quando ele para, eu o beijo ainda mais. Estou mais molhada do que nunca, querendo mais. Ele me empurra para a cama, depois se abaixa sobre mim. Sua boca toca cada pedaço da minha pele, incendiando-me. Não consigo pensar,

100


dificilmente respirar, só posso afundar mais profundamente no prazer que ele está me dando. Em pouco tempo, sua boca está no meu montículo, lambendo meus lábios. Meus quadris deixam a cama, a sensação me balançando. Sua língua está voltada para mim, batendo contra meu clitóris. Nunca pensei que gostasse de sexo oral, até eu estar com ele. Agora vejo qual é o grande problema, já que a boca de Jax me deixa louca de paixão. - Oh Deus! Por favor! - Todo o meu corpo treme, enquanto eu grito de novo e de novo, a língua na minha buceta me enviando pela borda. Eu nem termino de chegar, antes de Jax se espalhar ao meu lado, de costas. - Deixe-me lavá-la. - Ele murmura, acariciando-se. Eu me levanto nas mãos e os joelhos, depois o monto. Eu o guio na minha umidade, depois afundo lentamente, até chegar até o punho. - Você se sente tão bem. - Eu sussurro, triturando meus quadris contra ele. Eu acho o melhor ângulo, o melhor ritmo para mim. Ele segura na minha bunda, observando-me enquanto eu me afasto dele. Suas mãos me amassam, acariciam-me, mergulham entre minhas bochechas. Está tão errado, tão perverso. E isso me deixa ainda mais louca. - Está certa. Faça você mesma vir para mim. Olho para ele, seu corpo deslumbrante, seu rosto. Seus olhos, olhando para mim com tanto calor. Eu me vejo neles, na verdade me vejo sexy. Sexual. Sensual. O meu empurrão levanta, fica mais rápido, mais difícil. - Você é tão fodidamente sexy. - Ele geme. Pela primeira vez, acredito nele. Inclino-me, esticando meu corpo sobre o dele, ainda subindo e descendo. Ele leva meus quadris mais firmemente em suas mãos, me forçando mais pesado sobre ele. Ele começa a entrar em mim, e eu gemo no pescoço dele.

101


- Venha para mim. - Ele grunhi no meu ouvido. Eu gemo de novo, suas palavras me aproximando do clímax. Ele começou a me derrubar, empurrando com todas as suas forças. Eu aperto em torno dele, então meus músculos se contraem e saltam quando o prazer me lava. Ele ainda está segurando, esperando que eu termine. Uma vez que meus músculos relaxam ao redor dele, ele me levanta. - Por trás. - Ele rosna. Como um animal. Eu amo isso. Assim que estou nas mãos e nos joelhos, ele está de volta dentro de mim, batendo-se em casa. Eu grito, o orgasmo tão rapidamente. Eu percebo que estou tendo outro, já. Eu não acho que posso agüentar. Sinto a mão de Jax no meu cabelo, puxando-o novamente. Eu grito, a sensação demais para lidar. - Porra! Jax! - É como se eu estivesse explodindo por dentro, em um milhão de pedaços. Então eu dissolvo, lavada com o calor. Ele ainda está batendo, mais rápido e mais rápido, até que seus gritos me dizem que ele também está vindo. - Oh, Jesus. - Ele respira, deslizando para fora de mim, antes de cair do meu lado. Não posso responder. Estou muito perdida, flutuando numa neblina de prazer. Ele continua me levando para as alturas, que eu não achava possível. Nunca pensei em sofrer - embora não fosse dor, exatamente. Mais parecido com um jogo. Ainda assim, ele me dominou. Conquistou-me. - Uau. Mesmo depois de todo esse banho, sinto que preciso de outro... - Ele brinca. Eu rio, batendo em seu braço levemente. - Você está muito sujo. Você precisa de toda a ajuda que puder obter. - Ele rola em seu lado, me agarrando. Eu grito com gargalhadas, tentando livrar-me dele. Ele é muito forte.

102


Logo, estamos nos beijando novamente, mas desta vez, nĂŁo vai a lugar nenhum. Beijar ĂŠ suficiente.

103


Nós dois tomamos banho de novo e nos limpamos depois de tudo isso. - Nós temos que conservar a água. - Jax me diz, antes de entrar comigo. Não me incomodo em lutar. Eu não quero. Eu rio, em vez disso, puxando-o para perto de mim e ofereço-me para saborear ele. No momento em que terminamos, a água está quase gelada. Isso é felicidade. Será que todos os dias vão ser assim? Não sou ingênua. Eu sei que não seria assim para sempre. Todos os relacionamentos se acalmam eventualmente. Estamos na nova fase. Se Jax e eu nos entendêssemos, não iríamos entrar e sair da cama todos os dias. Embora eu não me queixaria se fizéssemos. Pelo sorriso que ele não consegue manter de seu rosto, eu também não acho que ele se importaria. Ao meio dia, eu sinto o laço apertar em volta do meu pescoço. Eu sei que devo ir. Eu não quero empurrar muito longe ou colocá-lo em uma posição, onde ele sente que é hora de me pedir para sair. Isso seria humilhante. Há apenas um problema: eu não quero sair. Para seu crédito, Jax parece bastante descontraído, sobre eu estar aqui. Esta é uma mudança, do homem que conheci há dois dias. Naquela época, ele era brusco, quase irritado às vezes. Agora ele está relaxado, brincando comigo. Talvez ele precisasse de sexo, tão mal como eu. Nah. Não consigo olhar para ele e considerar tal possibilidade. Tenho certeza de que as calcinhas atingem o chão, no momento em que ele entra em um bar. Se pensar, eu sou o única que acabou de fazer sexo com ele. Nunca me senti orgulha de mim mesma, por algo assim antes. Nunca tive motivos para isso. 104


- O que você quer fazer agora? Eu sei que você não pode querer mais sexo. Eu acho que você está satisfeita por meses. Olho para ele. - Se achando hein? - Estou errado? Eu considero isso. - Semanas, talvez. Não meses. - Eu vou aceitar. - Ele sorri tão sexualmente. Quando ele está escuro, sorrindo, ele está quente. Algo em mim responde sempre. Mas esta versão? O Jax sorridente e alegre? É outra coisa. Meu coração abre para ele contra meu melhor julgamento. - Seja como for, como se você pudesse ir novamente agora. - Baby, você nem sabe o que eu poderia fazer agora. Eu posso ir a noite toda. - Oh? - Não posso deixar de me intrigar. - Eu gostaria de ter sabido isso na noite passada. - Sua perda. Então, o sexo está fora, por enquanto. Algo mais? Eu olho em volta. Não há muito o que fazer. Estou desesperada por pensar em algo a fazer. Eu não quero sair. Jax responde sua própria pergunta. - Jogos de tabuleiro? Não posso deixar de rir. - Você tem jogos de tabuleiro aqui? Sério? Ele franziu a testa. - Por que eu não teria? Quem você acha que eu sou?

105


- Não o tipo de cara, que se senta e joga jogos de tabuleiro na frente da lareira. - Eu sou um cara muito profundo. - Ele levanta de onde estamos sentados no chão, brincando com o cachorro. - O que você quer jogar? Eu tenho um monte. Seja o que for mais longo. - Monopólio? - Certo. Não posso deixar de sorrir com triunfo. Odeio monopólio, geralmente, porque demora tanto para jogar. Agora? Esse tempo extra é como um presente do céu.

***

- Você tem irmãos ou irmãs? - Ele me pergunta. Estamos ambos em nossos estômagos, em lados opostos do tabuleiro. - Não, sou filha única. - Ahh. Eu acho que seus pais estavam realmente ansiosos para que você voltasse para casa, então. - Eles estavam. Eu estava ansiosa para vê-los, também. Eu terei que planejar outra hora em breve. - Você está perto deles? - Muito. Mais perto dá minha mãe. - No entanto, eu nunca vou poder contar a ela sobre esse fim de semana. Jax sabe que eu dei uma história sobre as estradas que levaram a um motel, sem condições para dirigir. Não era uma mentira completa. As estradas realmente estavam uma porcaria. Eu simplesmente não estava em um motel. 106


- E você? - Pergunto calmamente. Eu sei melhor, do que esperar que ele seja próximo. - Eles são todos mais velhos. Muito mais velho. Meio-irmãos, um pai diferente. Todos crescidos, quando eu nasci. - Sério? Como um segundo casamento, segunda família? Ele ri, movendo sua peça ao longo do quadro. - Sim. Algo assim. - Entendi. Fui longe demais. - Eu não tive muitos amigos. Eu estava sozinho o tempo todo. Eu fiz muita leitura, o que era considerado tão ridículo quanto cozinhar e cuidar de gramados. Bom, meu velho, quase nunca estava por perto ou então ele provavelmente teria queimado meus livros. Eu não sei o que dizer. Eu me sinto horrível por ele, e mais agradecida do que nunca pelos meus próprios pais. A foto que ele está pintando para mim... Eu sei melhor do que antes, como ele acabou do jeito que ele é: sozinho. - Eu precisava de algo quando estava crescendo. Quando eu tinha idade suficiente, consegui alguns problemas. Não fiz boas escolhas. Eu me arrependo. - Ele me olha, difícil. - Eu me arrependo com todo meu coração. Preciso que você acredite nisso. - Eu faço. - Eu sussurro. Eu não sei de que erros ele está falando, mas eu sei o que significa ter arrependimento. O olhar em seu rosto é doloroso. - Todos cometem erros estúpidos quando somos jovens. Especialmente quando estamos fugindo de algo. Sabe o que eu quero dizer? Eu estava fugindo de estar sozinho, me sentindo como um lixo na cidade. Um estranho na minha própria família. Todos os meus irmãos e irmãs eram do "bom" pai, aquele que minha mãe adorava. Ele morreu em um acidente de trabalho. Meu pai, no entanto, era ruim, um idiota. Ela me tirou, mesmo

107


que não soubesse que estava fazendo isso. Eu precisava pertencer a algum lugar. - Isso faz sentido. Todos precisamos sentir como se pertencesse. Estou tentando juntar as pistas que ele está me dando. Estou mais confusa do que nunca. O que ele está tentando me dizer? Eu continuo, querendo fazê-lo sentir-se melhor. - Eu estava fugindo de algo, quando eu me juntei com Tommy. - Fugindo do que? Outro homem? - Não. - Eu rio. - Simplesmente o contrário. Não havia outros caras antes dele. Ele está em silêncio, olhando para mim como se estivesse esperando eu rir. Quando não, ele diz. - Sério? Só ele? - Bem, agora é só ele e você. Oh Deus, espero que isso não te assombre. Não sei por que eu disse isso. - Não, não. É uma espécie de honra, de certa forma. Isso provavelmente parece estúpido. Eu sorrio. - Não parece. - Ele sorri de volta. - Então, sim, eu estava fugindo de estar sozinha. Sempre me senti diferente das outras garotas. Eu costumava ser mais cheia, e eu não tinha auto-estima. Eu pensei que perdendo peso, me faria sentir melhor sobre mim. Tudo o que fez foi fazer com que eu parecesse diferente. Eu ainda odiava a pessoa que eu era por dentro, então ainda não havia gente por lá. Não tentei exatamente atraí-los, você sabe? Então, conheci o Tommy. - Cabeça de merda.

108


- Sim. Ele gostava de mim. Ele prestou atenção. Era totalmente novo, e no começo, realmente, ele parecia um bom cara. - É minha vez de olhar para Jax, da maneira que ele apenas me olhou, difícil, como se eu precisasse que ele acreditasse no que estou falando. - Ele era. Ele me tratou bem. Apenas o suficiente para me apaixonar por ele. Caso contrário, eu tenho certeza que eu não teria me juntado com ele. Quero dizer, que tipo de pessoa faz isso? Obter-se diretamente com alguém que os machuca? - Acontece. Mas você é mais esperta do que isso, eu acho. - Obrigado. Então, sim, digo tudo isso, para lhe dizer que eu acredito em você. Eu entendo o que você está dizendo. Todos nós tomamos decisões precárias quando estamos fugindo. Ambos fugimos de estar sozinhos. Nós simplesmente fizemos diferentes caminhos para isso. Ele atravessa o quadro, pegando minha mão. - Obrigado por isso. - Então seu braço varre o quadro, derrubando todos os meus hotéis. - Oh maldito. Eu estraguei o jogo. Merda. Eu explodi rindo. - Idiota! Estava perto de ganhar! Mau perdedor. - Eu não sou um mal perdedor, se eu realmente não perdi. Eu poderia ter ganho. Eu poderia ter dado a volta. - Certo. - Eu rolo meus olhos, incapaz de não rir de novo. Meus olhos passam a pousar na janela. Estou chocada, ao ver a escuridão que já está aparecendo. - Merda! Não consigo acreditar em que momento chegou. O tempo voa quando você está começando a bater o seu traseiro, não é? - Cuidado, ou eu vou levá-la lá em cima e bater em sua bunda de verdade.

109


Eu coro, desejando que ele me atire por cima do ombro e me leve até o andar de cima agora. Essa energia está de volta, a eletricidade entre nós. Isso aparece tão rápido, do nada. Um minuto estamos brincando, o próximo eu quero que ele foda-me até eu gritar. Não devemos. De novo não. Eu vou ficar aqui para o resto da minha vida se um de nós não quebrar o ciclo. - Eu acho que eu deveria ir. - Meu coração está pesado. Eu me odeio por me sentir assim. Por que não posso me afastar, sem nenhuma ligação? Eu não sei se ele compartilha meus sentimentos, se isso significava algo para ele. Pode ser que ele esteja sendo legal. Tenho certeza de que não dói, dormimos juntos só. - Oh. - Ele está desapontado? Aliviado? Isso importa? Eu não quero que isso importe. - Tudo bem? Eu não quero continuar perturbando você. Você fez muito mais do que o suficiente. - Por favor, vá em frente. Você tem sua própria vida. - Ele observa, como eu me levanto, esticando, depois de passar tanto tempo no chão. - Onde você está indo, afinal? Para os seus pais? Porcaria. Eu não tinha pensado nisso. Parece um desperdício agora. Eu só iria dirigir para casa por dois dias de qualquer maneira. Quando chegasse hoje à noite, seria hora de dormir. - Acho que não. É uma espécie de longa viagem. Devo voltar para minha casa. Talvez eu vá parar na loja, certificar-me de que nada foi arruinado. Provavelmente tenho que puxar minha calçada. - Espero que um dos seus vizinhos tenha um coração e tenha feito isso por você. - Uh, entre você e eu, espero o mesmo. - Eu rio. Parecendo oco, mesmo para mim.

110


- Se você precisar de ajuda, você sabe que pode me ligar, certo? - Ele se aproxima de mim, fazendo meu coração bater mais rápido, como sempre faz. De onde vem esse poder? - Eu agradeço. Eu poderia levá-lo, se eu tiver dois pés de neve e nenhum lugar de estacionar. Talvez eu até acabe voltando aqui. - Eu não me importaria se você fizesse. Oh. Meu coração está batendo como um trem expresso. Minha boca está seca. Ele não poderia ser mais claro, se ele dissesse as palavras reais, Christina, eu gosto de você e quero estar com você. Então, por que ele não diz as palavras reais já? Talvez ele possa acabar com minha agonia, me dando uma resposta às minhas perguntas. Mas eu não tenho a coragem de fazer o primeiro movimento, com certeza. - Então, hum, você quer me dar seu número? E eu vou te dar o meu, no caso de você precisar me ligar? - Sim, com certeza. - Coloco meu número em seu telefone e ele faz o mesmo no meu. Isso é tão estranho, que dificilmente posso suportar isso. De repente, somos dois adolescentes depois do primeiro encontro. - OK. Então, acho que irei agora. - Eu olho para ele, sem saber o que fazer agora. Devemos nos abraçar? Apertar as mãos? Estou tão aliviada, quando ele segura os braços para fora. Entro neles, fecho meus olhos, quando eles circulam ao meu redor. Isso é tão bom. Não deveria sentir isso tão bem, mas sinto. Eu queria saber como ele se sente. - Obrigado por ficar aqui comigo. Tenho que rir. - Você está me agradecendo? Obrigado você, por me deixar ficar. Foi uma experiência surreal. - Eu sorrio, esperando que ele possa de alguma forma, ver minhas palavras para o que está no meu coração.

111


Em vez de responder com palavras, ele me beija gentilmente.

112


- Chris! O que você está fazendo aqui? - Amy está de pé atrás do balcão, mãos nos quadris. Olho em volta, prazer em ver algumas mesas cheias de clientes. As tardes são sempre um tempo lento, então a empresa é bem-vinda. - Surpresa! Isso tudo fazia parte de um plano para acalmá-la para relaxar, então eu podia pegar você no ato. - Eu provoco. Ela ri. - Maldita, eu sabia que deveria ter trazido os strippers no início de hoje. Agora, o que eu digo para as mulheres que esperavam um show hoje a noite? Estou um pouco perturbada com a rapidez com que veio esse retorno, mas eu sei que ela está brincando. Pelo menos, eu espero que esteja. Pego meu casaco, depois começo um café expresso em uma das máquinas. Perder o sono por causa de sexo, não parecia ser uma má idéia na época. É uma história diferente, quando uma pessoa precisa funcionar mais tarde. Amy está me observando de perto, me vê tentando sufocar um bocejo. Para seu crédito, ela se afasta, antes de me dar uma pitada de perguntas, embora eu tenha certeza de que é tudo o que ela quer fazer. Estou deliberadamente retida, querendo me divertir um pouco com ela. - Como foi aqui? - Graças a Deus por amáveis vizinhos, é tudo o que tenho a dizer. Os caras da loja de ferragens nos cavaram ontem. Não conseguia entrar aqui, até hoje.

113


- Compreensível. Não se preocupe. - Eu bebo meu latte, deixando por isso. - Ok, você está muito calma agora. Não há mais perguntas? Nada? Eu encolho os ombros. - Quando eu lhe dei a idéia de que sou uma ogra? Eu sempre pensei que era uma chefe bastante justa. - É só, eu conheço você. Você teria encontrado uma maneira de entrar. - Amy, eu não estava longe daqui durante a tempestade. Eu sei o quão ruim estava. Acredite em mim. Não há nenhuma razão para arriscar sua vida em estradas não tratadas, quando, vamos enfrentá-lo, há poucas chances de alguém na cidade ter conseguido vir aqui. Você teria quebrado seu pescoço somente para abrir a loja para ninguém. - Espere, você não estava longe? Você não foi à casa de seus pais? Eu balancei a cabeça, olhando na direção dos poucos clientes que ainda estavam na loja. Ela toma a dica e a deixa cair por enquanto. Enquanto eu estou aqui, reviso inventário e coloco pedidos de entregas a serem feitas no final da semana, tudo na esperança de começar a frente na semana seguinte. Finalmente, a loja esvazia-se. É praticamente o horário de encerramento de um domingo. Amy corre para a porta, lançando o sinal para Fechado, antes de puxar para baixo a persiana e bloquear. - Poxa, eu pensei que nunca iriam embora! Agora é melhor você derramar, ou eu vou explodir! -O que faz você pensar que há algo a ser derramado? - Estou jogando legal, tímida. - Hum, talvez porque você não disse nada, enquanto os Morgans estavam bebendo seu chá. Se fosse inocente, você já teria explicado.

114


- Ok, ok, bem. - Eu me sento em uma das mesas, Amy mergulhou na cadeira em frente a minha. Ela é como uma criança esperando para abrir presentes na manhã de Natal. Eu acho que isso casa com o fato, de eu nunca ter qualquer coisa interessante para falar além do trabalho. - Eu estava a caminho da casa dos meus pais quando a tempestade bateu. Eu sou uma idiota. Eu não tinha idéia de que era suposto nevar do jeito que fazia. Eu estava completamente despreparada. - Ah não! Eu estava esperando que você também soubesse. O que aconteceu? - Estou dizendo a você! Então não cheguei muito longe da cidade, antes de eu ter que parar. Eu não podia ver nada, a estrada era uma bagunça, e eu estava com pouco gás. - Meu Deus. Ou seja, um dos meus piores medos. Estando encalhado assim. - Eu nem tinha um cobertor. Sem água, sem sinal no meu telefone. Fiquei fodida. - Santa merda! Como você saiu? Não me diga que você passou dois dias inteiros no seu carro, sem água! Eu balancei minha cabeça, pressionando meus lábios juntos para não sorrir como uma lunática. - Bem? O que você fez? Bebeu neve derretida? - Não! Fui... resgatada. - Resgatada? Pela polícia? - Eu agito minha cabeça. - Bombeiros? - Ainda agito a cabeça. - Então quem? Eu hesito, querendo deixar o suspense um pouco mais. - Por um homem.

115


- Um homem... um homem? Como... um homem? - Seus olhos são arregalados, sua boca aberta. - Sim. Um homem. Um homem realmente incrível. - Espere o que? Incrível? Como? Onde você foi? - Ele me levou de volta para sua casa. Ele não morava longe da estrada. Graças a Deus, ele me viu. Não estou exagerando. Eu poderia ter morrido congelada lá fora. Eu adormeci, não muito tempo depois de eu parar. Sem ele, eu estaria morta agora. - Oh, Chris. - Os olhos de Amy se enchem de lágrimas, enquanto ela pega minha mão. - Isso é horrível. Eu nem quero pensar sobre isso. - No entanto, não aconteceu. Ele me encontrou. E ele me levou para casa. - Uau. - Ela respira. - Que milagre. Então você estava na casa deste tipo, nos últimos dois dias? - Sim, eu sai um tempo atrás e vim direto para descobrir como as coisas estavam. - Tudo bem. - Ela olha para mim, difícil. - O que você fez com esse cara nos últimos dois dias? Não me diga que você jogou jogos de tabuleiro esse tempo todo . Eu encolho os ombros. Ela bate no meu braço. - Oh vamos lá! Conte-me! Eu digo-lhe coisas assim! Sim, e eu não preciso ouvir sobre isso.

116


- Digamos que estou muito mais relaxada do que eu fiquei há muito tempo. - O que? Você dormiu com ele? - E daí? - Oh, não estou tentando fazer você se sentir mal! alegremente.

- Ela ri

- Simplesmente não parece ser algo que você faria! Pequena Santa. Acredite em mim, estou feliz por você! - Então sua voz cai para um sussurro. - Como ele foi? Eu sinto minha pele queimando, e eu sei que eu estou tão vermelha quanto um tomate. - Ele foi ridiculamente bom. Quero dizer, como, whoa... - Eu me afastei, perdida em minhas memórias. - Foi mais do que isso. Ele foi duro, brusco, contundente. Ele me deixou louca. Mantivemos brigas pelo primeiro dia ou mais. - Ooh, isso sempre é o melhor. Toda aquela paixão se acumula e finalmente explode. - Eu acho que você poderia dizer que é o que aconteceu. Nós definitivamente explodimos. Amy bate as mãos de forma selvagem. - Estou tão animada por você! Eu não posso deixar de rir, todos os pretextos de jogar legal. - Não foi apenas o sexo também. Eu realmente gosto dele. Ele tem um bom coração. Ele apenas tenta escondê-lo. Sendo um idiota difícil, você sabe? - Ooh, como um garoto ruim? - Ela ri, e eu aceno. Essa é a descrição mais próxima que posso pensar. 117


- Você vê isso indo a lugar algum? Você vai vê-lo novamente? - Espero que sim. Eu quero. Eu estava pensando antes, antes de deixálo, se... se eu estava começando a ter sentimentos por ele. - Ohhh ... - Amy suspira, entregando seu coração. - Esta é provavelmente a coisa mais romântica que já ouvi! Como algo fora de um filme. Um garoto ruim que salva sua vida, então rouba seu coração! - Ela fecha os olhos, suspirando de novo. - Uau, agora que você disse assim... - Eu rio, e ela se junta a mim. Ela está certa. Parece bom demais para ser verdade. Mas eu lembro o sorriso de Jax, seu toque, do jeito que ele sente quando ele está dentro de mim. Ele é o verdadeiro negócio. - Você acha que ele sente o mesmo? Este é o ponto de fechamento para mim. Eu mordo o lábio, pensando nisso. - Não tenho certeza. Como eu disse, ele tenta segurar. Esconde seu coração, sabe o que quero dizer? Eu sei que está lá, eu sei que ele é uma pessoa doce. Ele era tão pensativo, de muitas maneiras. Algo aconteceu com ele, algo ruim. Ele mencionou sua falecida esposa. Eu me pergunto se ainda não há muita dor lá, você sabe? Talvez seja difícil de se envolver. - Parece uma situação delicada. - Um pouco. - Eu suspiro, encolhendo os ombros. - Tudo o que posso fazer é tentar. Ele certamente parecia feliz o suficiente para passar a manhã na cama hoje. Nós até jogamos jogos de tabuleiro à tarde, assim como você disse. Foi bom. Natural. Eu só espero que ele tenha reconhecido isso também. - Espero que sim. Caramba, estou tão animada que você encontrou um bom cara! E, suponho que ele seja muito quente? Não posso deixar de rir novamente, meu rosto queimando.

118


- Sério. Lindo. Construído como uma casa de tijolos. Todo o pacote. Nós estamos rindo juntas. - Qual o nome dele? - Jax. Diferente, certo? Eu vejo um olhar passar por seu rosto. Um milésimo de segundo de incerteza, que ela tenta muito tarde esconder. - Jax? Você quer dizer... Jax Fairbanks? Sinto o sorriso escorrer do meu rosto. Ela não soa feliz com isso. - Sim. Seu sobrenome é Fairbanks. Como você sabia? Você conhece ele? Ela se senta de costas, dura, contra a cadeira. Como se o vento lhe tivesse derrubado. Sua boca está aberta novamente, mas não de surpresa. De choque. - Oh, Chris. Você não sabe quem ele é, não é? - Amy, não. Não brinque comigo agora. - Eu rio nervosa. Ela não. -Eu não estou. Chris... ele é um daqueles caras dos Angels of Chaos. Lembra-se quando eles passaram um tempo atrás, e todos estavam falando sobre eles? Ele é um dos membros. Parece que uma mão está espremendo meu coração. Meu peito literalmente dói, como se tivesse sido atingido. - O que isso significa, no entanto? Tudo bem, ele está em um clube de motos. Ele também é um paisagista. Ele lê muito. Há muitas coisas sobre ele. - Estou desesperada, procurando por desculpas. - Chris, desculpe, mas há mais do que isso. - Amy se inclina sobre a mesa, pegando minhas mãos na sua.

119


- Jax tinha uma esposa, e ela morreu. Assim como você mencionou. Somente, ela morreu e se tem uma desconfiança. E... - sua cabeça caiu para frente em seu pescoço, seus olhos se concentraram na mesa - ... e a maioria das pessoas acha que foi ele quem a matou.

120


Eu estou voltando para casa com um atordoamento. Não pode ser verdade. Como pode ser verdade? Graças a Deus, eu não vivo longe da loja, ou então, não tenho certeza de que eu poderia conseguir. Eu estou tão devastada. Como pode ser isso? Eu olho para trás em tudo o que me lembro nos últimos dias. Como perdi isso? Ele nunca mencionou um clube. Nunca. Eu nem vi uma motocicleta em qualquer lugar. Teria estado na garagem, estúpida. Mas... não teria havido uma pista? Algo, em algum lugar? Oh Deus. Claro que sim. A tatuagem. O anjo nas chamas. Angels of Chaos. Não posso me culpar por ter perdido isso. Eu não sei nada sobre o clube, só ouvi sobre eles, uma vez na loja quando eles passaram. No momento em que fechamos no dia, eu os descartei completamente da minha mente. Eles não significavam nada para mim. Pelo menos, eles não tinham na época. Consegui evitar chorar, até puxar para dentro da entrada da minha casa. Então me sento por um tempo, os braços cruzados no volante, minha testa descansando contra eles, enquanto eu soluço. Quanto tempo me levou até encontrar um homem para me preocupar, como a maneira como eu me preocupo com Jax? E que tipo de homem é ele? O tipo que eu claramente atraia, sendo querido ou não.

121


Tem que haver algo de errado comigo. O que mais pode ser? Primeiro Tommy, agora Jax. Eu deveria me tornar uma freira. Fechar-me numa caverna em algum lugar. Qualquer coisa para evitar essa merda. Tommy. Sua mão batendo no meu rosto. A maneira como sentiu, como uma explosão, quando entrou em contato. Baam! Vendo estrelas, batendo no chão, antes de saber que eu tinha sido derrubada. Afastando-se dele, na minha bunda, as mãos e os pés tateando até bater na esquina e não tendo mais onde ir. A maneira como ele olhava para mim. Como ele me odiava. Jax era esse tipo de homem? Ele tinha que ser violento se ele fosse membro de um clube. Do jeito que Amy fez parecer, eles eram pouco mais do que uma gangue. Só porque eles montavam motocicletas e usavam jaquetas de couro, significava que fossem parecidos com os bandidos do morro. Isso significava violência, vandalismo e todo tipo de atividades criminosas que eu não queria imaginar. E assassinato. Ele pode ter assassinado sua esposa. Eu tenho que descobrir mais sobre isso. Uma vez que as lágrimas diminuem e eu posso respirar calmamente novamente, eu saio do carro. Pego minhas malas no porta-malas, deixando-as dentro da porta da frente. Eu não me importo com isso agora. Preciso descobrir mais sobre o Jax. Meu laptop está aberto em um instante, meus dedos voando sobre as teclas. Minha primeira pesquisa por palavra-chave é "assassinato sobre Fairbanks". Eu preciso puxar a venda de uma só vez, pegar o pior fora do caminho primeiro. Minha curiosidade é muito grande. Lá está ela. A esposa de Jax. Marissa Fairbanks. Ela tinha vinte e cinco anos quando morreu. Uma coisa minúscula, loira. Ela tinha um grande sorriso, um brilho nos olhos dela. Ela tinha apenas vinte e cinco anos. Não consigo parar de pensar nisso. Ela foi encontrada morta na floresta um dia, uma ferida de bala no peito. Eu inconscientemente levanto minha mão para o meu próprio peito, sentindo meu coração batendo descontroladamente sob minha pele. 122


Nenhuma acusação foi apresentada. Eles nunca encontraram a arma usada no crime. Ainda assim, o tribunal da opinião pública tinha sua opinião. Muitas pessoas na vida de Marissa, seus amigos e familiares, relataram que ela e Jax haviam saído, antes de sua morte. Na verdade, ela podia ou não, estar à beira de deixá-lo. Não era bom para Jax. Posso ver por que as pessoas assumiram que ele era o único que o fez. Quantas vezes eu vi histórias assim nas notícias e assumia que o marido fez isso? Se eu tivesse visto esta história no meu noticiário de seis horas - a jovem, muito jovem, assassinada na véspera de deixar seu marido criminoso - eu não teria saltado para essa conclusão antes de seguir minha vida? Não posso ajudar em seguir essa conclusão agora. Mesmo que eu o conheça. Eu realmente não o conheço, sim? Passei quase três dias com ele. Eu dormi com ele. Ele me mostrou o que ele queria que eu visse. Qualquer idéia de uma conexão entre nós, um entendimento, é o que eu quero acreditar. Não é verdade. Eu deixei-me enganar novamente. Enquanto estou online, olho um pouco para os Angels of Chaos. Menino, eles são um grupo atraente. Caras de aparência áspera, de cabelos compridos, atraentes, normalmente com olhos negros ou lábios arruinados em suas fichas criminais - provavelmente de qualquer briga que entraram antes de ser preso. Eu me lembro de nunca julgar um livro por sua capa, mas o fato é que estes são, legitimamente caras ruins. Eles também parecem mal, também. Parece que eles estão sempre causando problemas. Notícias sobre notícias, voltando anos, informam sobre as lutas que causaram. Fora dos bares, dentro dos bares. Nos eventos da comunidade. Nas lojas. Um funcionário se recusou a atendê-los e conseguiu um queixo quebrado. Um grupo que eles bateram, alegaram que tudo começou, quando um estranho bateu em sua namorada em público, enquanto três membros do clube estavam perto. Eles o colocaram no hospital, em estado crítico. Jax era um desses homens? Eu não faço idéia. Nenhuma testemunha concordou em identificar qualquer um dos membros do clube. Ninguém viu

123


nada, evidentemente. Eles só sabiam que os homens usavam jaquetas de couro com o nome do clube e o logotipo - um anjo nas chamas - na parte de trás. Vários membros do clube também foram presos por destruição de propriedade. O carro de um rival tinha sido destruído, enquanto o rival estava sentado nele no sinal vermelho. Alguns negócios na área foram criticados. Houve até uma menção de incêndio criminoso em um ponto, que enviou dois membros do clube para a prisão por anos. Esta é apenas a ponta do iceberg. Há muito mais. Eu nem quero saber. Meu coração não pensa em mais nada disso. Está doendo o suficiente. Quem é Jax? Ele é o homem que conheci, ou um homem como aqueles que eu tenho lido? Talvez uma mistura dos dois? Não posso me permitir me envolver com um homem assim. Mesmo que esses dias estejam atrás dele - e rezo para que sejam - organizações como está, não apenas deixem seus membros se afastarem, sem perguntas. Mesmo que ele se afastasse deles, isso não mudaria nada que ele fez. Ele ainda seria um criminoso violento, fim da história. Sem deixar-me cair para um cara assim. Foi o que ele estava tentando me dizer mais cedo. Meu Deus. Estava ali mesmo. Ele não queria sair e falar a verdade simples, então ele falou em dicas meio veladas. Fazer escolhas ruins porque ele era jovem. Querendo mais do que qualquer coisa sentir como se ele fosse parte de algo, depois de sua infância solitária e negligenciada. Lamentando as escolhas que ele fez quando ele estava fugindo. Ele queria que eu soubesse o quanto ele se arrependeu de fazer parte do clube. Ou ele queria me fazer pensar que ele se arrependeu, para me poupar de perder a cabeça depois de descobrir a verdade. Eu não sou o tipo de garota que dormiria com um membro de gangue de moto e não se preocuparia com isso. Ele percebeu isso pelo menos. Ele queria suavizar o golpe, porque, claro, eu descobriria. Quantas vezes ele tentou me dizer como a cidade o rejeitou? Eu pensei que ele estava exagerando. Agora vejo que ele estava subestimando a gravidade.

124


Eu fecho meus olhos, exalando uma respiração, não sabia que eu estava segurando. Lembro-me do olhar no seu rosto, da intensidade com que ele me encarou. Ele não poderia estar fingindo. Ele poderia? Uma questão maior agora se aproxima. Ele estava falando apenas sobre o clube... ou sobre a morte de Marissa? Ele se arrepende da escolha que ele fez ao matá-la? Era algo que ele precisava fazer, algo que ele conseguiu, graças à sua associação com o clube? Eu não sei nada sobre as vidas reais de caras como Jax, mas sei que os elos fracos não duram muito. Marissa foi um elo fraco? Ou talvez Jax fosse, e ela tinha que ser alinhada? Como eu iria saber? Tenho certeza de que não vou voltar para sua casa para perguntar a ele. Mesmo que eu fizesse, eu obteria a verdade total? O que eu posso fazer? Aqui estava eu, sonhando com a vida com ele. Estúpida e boba. Uma pequena vida feliz em sua casa, longe do resto do mundo. Eu poderia ir trabalhar na cidade. Ele poderia fazer seu paisagismo. Ele tem terra. Eu poderia começar um grande jardim. Talvez criar galinhas. Eu rio em voz alta, lembrando algumas das visões que havia dançado na minha cabeça, antes que Amy estivesse preso em meus sonhos. Meu telefone zumbiu de dentro da minha bolsa. Engraçado, eu costumava ter medo de ver o nome de Tommy no identificador. Agora, há um segundo nome que eu temo. Aí está. Jax. Ele me enviou mensagens de texto. - Ei, deslumbrante, chegou em casa, está bem? Quem poderia ter imaginado quão doente eu me sentiria, apenas por ver aquelas palavras? Se eu tivesse vindo em casa em vez de parar na loja, isso não seria um problema. Eu acabaria por responder, talvez teria dito algo um pouco impertinente. Nós iriamos para frente e para trás. Talvez eu fosse convidá-lo. No mínimo, eu pensaria sobre ele quando eu fosse dormir, enquanto minhas mãos tocassem os lugares que ele apenas explorou no início do dia.

125


Agora, porém, não iria deixar o meu telefone, mais rápido se estivesse em chamas. Agora estou me sentindo suja. A maneira como ele me tocou, as coisas que ele fez comigo... tudo está em minha mente com uma terceira imagem. Jax segurando uma arma no peito da esposa e puxando o gatilho. Eu corro para o andar de cima, puxando minhas roupas. Eu abri a água para pelando, e eu pulei sob o spray, minha pele fica vermelha demais ao contato. Eu esfrego-me completamente, querendo remover todos os vestígios dele do meu corpo. Lembro-me da forma como tomamos banho juntos Mais cedo hoje e esfrego ainda mais difícil, lutando para evitar vomitar na banheira. Não posso ficar suficientemente limpa. Nunca mais me sentirei limpa. Eventualmente, a água começa a ficar fria. Outra lembrança da forma como nos abrigamos juntos anteriormente. Só então fiquei alegre, alegre, mesmo. Nós usamos a água quente porque não queríamos que o momento terminasse. Isso poderia ter acontecido há menos de doze horas? Parece uma vida inteira. As paredes gotejavam com a condensação do vapor, que está passando da banheira para minutos infinitos. Minha pele dói, do tratamento implacável que eu dei. Está quase sangrando em manchas. Ainda me sinto suja. Sento no chão da banheira, braços ao redor das pernas que eu arrumei no meu peito. Estou tremendo, não da água agora, mas do completo desgosto que sinto. Achei que o amava. Quantas vezes eu tomei banhos assim? Talvez não escaldantes, mas aqueles que acabavam comigo sentada assim? Chorando, lutando para conter o som, para que Tommy não me escutasse. Eu nunca poderia deixálo saber, o quanto ele machucava com suas palavras e mãos. O banho era o meu único refúgio, o banheiro era o único lugar onde ficava completamente sozinha. Eu tomava três ou quatro banhos por dia às vezes, apenas para ter o tempo para mim. Para afastar seus olhos para mim, ter tempo para me

126


recuperar, depois que ele gritava na minha cara, ou me batia ou me provocava. Eu me sentava na banheira, debaixo do chuveiro, e silenciosamente chorava. Esperando que o som da água me afogasse. Alguma vez, haverá um tempo na minha vida, quando eu não me sentirei assim? Logo, a água está gelada, picando minha pele crua, como pequenas facas. Eu não posso ficar aqui por mais tempo. Eu me levanto, adormecida, desligando o banho e saindo da banheira. Enrole-me com uma túnica esponjosa, esperando um pouco de conforto. Tudo dói ao entrar em contato. Talvez a dor seja o que estou ansiando secretamente. Estou me separando de dentro para fora. Volto para o primeiro andar, colocando a chaleira para uma xícara de chá. Assim como eu fiz por ele. Minha mão permanece na alça da chaleira, no momento em que me lembro. O telefone zumbi novamente, ainda em cima na mesa de café. Desta vez, ele continua zumbindo além das duas vezes que sinalizaram um texto. Ele está me chamando agora. Quanto tempo, eu imagino, eu poderei evitálo? Tenho certeza de que ele poderia descobrir onde vivo se ele se esforçar o suficiente. Além disso, ele sabe onde trabalho. Não posso ficar longe para sempre. Não posso deixar de me perguntar, se ele deixou outras mensagens, enquanto eu estava no andar de cima, então pego o telefone contra meu melhor julgamento. Há meia dúzia de textos, cada um mais sexy e mais sugestivo do que o último. Ele já sente falta de estar dentro de mim. Seu pau dói quando ele pensa em mim. Ele precisa de mim novamente, em breve. Ele quer puxar meu cabelo novamente, e talvez bater em minha bunda, da maneira que ele prometeu antes de sair. Imaginei. Parecia uma boa idéia na época. Eu solto o telefone novamente, antes de colocar minha cabeça em minhas mãos e curvar em uma bola no sofá. O que eu vou fazer? Gastar o resto da minha vida se esquivando de um assassino 127


Não dormi bem ontem à noite. Os pesadelos me mantiveram jogando e virando, até eu desisti totalmente. Eu decido ir à loja, ao invés de perder tempo na cama. Só estou enlouquecendo aqui. Meu cérebro não vai me deixar sozinha. Eu também poderia ser produtiva, se eu não posso dormir. Posso fazer um pouco de muffins, antes que os clientes comecem a entrar. Há algo sobre o silêncio perfeito da loja nas primeiras horas. Totalmente escuro, vazio, exceto para a vitrine e máquinas de café, mesas e cadeiras. Sento-me silenciosamente, esperando que as pessoas entrem e tornem a agitar novamente. A parte de trás é ainda melhor. É a minha igreja. É onde eu faço muito pensamento, planejo, sonho. Enquanto eu estou medindo ingredientes no misturador, rolando massa em uma mesa enrubescida, derramando massa de muffin, eu também poderia estar meditando. Fico tão pensativa, que não percebo quando Amy tenta chamar minha atenção. É por isso que é melhor para mim trabalhar em momentos como este, quando não há ninguém por perto para me incomodar. Pré-aqueço os fornos, então faço um balanço do que precisa ser cozido. Bolachas de chocolate, muffins de chocolate, bolinhos de bolo de cenoura, pão de banana... Tenho o meu trabalho cortado para mim. É alegria, no entanto. Tenho muita sorte em aproveitar meu trabalho. Ligo o rádio, depois aprofundo em medir e misturar. Jax não ligou desde que eu fui dormir na noite passada, ou, pelo menos, quando tentei ir dormir. Estou quase a ansiar o som do telefone tocando agora. Pensei que, uma vez que bloqueei Tommy, não teria mais que estar tão assustada.

128


Eu não estou com medo, exatamente. Mais como, confusa, desconfiança, desejando saber toda a verdade. Desejando que Jax tivesse as bolas para me contar sobre seu passado. Perguntei-lhe sobre ela, pelo amor de Deus! Eu disse-lhe quem era. Ele não mentiu, mas ele não foi completamente verdadeiro. Claro, teria sido completamente verdadeira se fosse eu? Não posso dizer com certeza. Só posso imaginar a dor que Jax deve sentir quando pensa sobre sua esposa. Sem mencionar a forma como as pessoas falaram sobre ele. Penso na forma como ele me tratou enquanto estávamos juntos. Não havia uma única sugestão de dureza, aspereza, não para mim, isso é. Ele queria matar Tommy. Ele ainda pode. Mas eu não. Ele era sarcástico, argumentativo, áspero nas bordas. Mas não violento. Não posso acreditar que mataria sua própria esposa. Dito isto, não posso deixar de pensar na maneira como ele me jogou sobre o ombro, me levando para a casa. Ele era forte o suficiente para fazer qualquer coisa para mim. Marissa era uma coisa pequena. Imagine o que ele poderia ter feito com ela, quando seu temperamento acabou. É claro para mim, que ele tem um temperamento temível, que dificilmente consegue manter sob controle às vezes. Sim, mas Marissa foi baleada no peito. Eu poderia comprar a "ele não conhecia sua própria força" desculpa se ela fosse espancada até a morte. Esse não é o caso. Não consigo imaginar Jax segurando uma arma no peito de Marissa, puxando o gatilho. Tento conjurar a imagem, mas não vem. É muito exagerado. Não cabe com o homem que conheço. Não há dúvida de que ele faz parte do clube, no entanto. A tinta em seu peito é toda a prova que eu preciso. Não posso ignorar isso. Que tipo de coisas ele fez? Mesmo que ele não tenha assassinado Marissa, ele já assassinou outra pessoa? Derrubou-as? Roubou delas? As probabilidades não são favoráveis para ele ter um registro limpo.

129


Posso lidar com isso? Agora, não, mesmo que eu esteja em um lugar mental melhor do que eu estava na noite passada. Eu não tenho o desejo de esfregar minha pele até que quase sangrando. Ainda assim, não posso fingir que estou feliz por ele estar num clube como Angels of Chaos. Se estivéssemos juntos, eu teria que conhecer essas pessoas? Eu não sei. Estou pulando fora. Eu preciso respirar. Preciso me afastar de Jax, também, não importa quantas vezes ele chame ou deixe mensagens sexy. Não consigo imaginar que isso durará muito mais tempo, antes que ele fique frustrado. Ele sabe onde trabalho. Vai a cidade para me encontrar? Eu estremeço por pensar na cena que podemos causar. O grande motoqueiro ruim e a dona da cafeteria tranqüila. Isso vai abalar as línguas. Como faço para encontrar esses caras? Eu balanço minha cabeça para mim mesma, enquanto mexo massas de muffin. É como se eu tivesse uma atração para todos os homens errados. Preciso desenvolver melhores instintos. - Ei! - Eu ouço Amy gritar, de dentro da porta da frente e chamar em resposta. Duas horas realmente passaram tão rapidamente? Eu caí em meditação de cozimento mais uma vez. - Há quanto tempo você esteve aqui? - Ela pergunta, pendurando o casaco. Ela parece bonita hoje, como sempre, em seu suéter festivo. Eu tento manter meu coração dolorido, quando penso no tempo que eu poderia gastar com meus pais. Penso em quão diferente minha vida seria agora, se essa maldita tempestade de neve não tivesse explodido. - Um par de horas. Eu não conseguia dormir. - Eu deslizo formas de muffin no forno, evitando deliberadamente os olhos de Amy. - Oh querida. Eu poderia dizer que você estava chateada ontem antes de sair. Eu sinto muito. Eu administro um sorriso. - Está tudo bem. Eu aprecio que você me disse diretamente. - Eu também. Então, você decidiu desistir? 130


Eu encolho os ombros. - Eu gostaria de dizer que fiz, mas não posso. Não inteiramente. - Oh, Christina... - Você não sabe. Eu me sinto como o maior idiota do mundo, aqui parada, dizendo isso para você, mas é verdade. Você não o conhece. Tudo o que alguém sabe são os rumores sobre ele, a quem ele está conectado. Lembre-se, ele salvou minha vida. - Então eu acho que você não acredita que ele matou sua esposa? - Meu instinto continua me dizendo que não. Não posso ajudá-lo. Sim, me assustei grande na noite passada. - Eu me mexo desconfortavelmente, a pele de meus braços ainda está um pouco crua sob as mangas do meu suéter. -Agora que eu tive tempo para pensar de forma crítica, porém, não sobra dúvidas. - Você tem certeza de que seus hormônios não estão orientando você de forma errada? - Eu olho maliciosamente. - Tenho certeza. Essa é a última coisa na minha mente agora. Eu não sou uma adolescente excitada, Amy. Ela ergueu as mãos. - Eu sei, eu sei. Mas é difícil às vezes, separar o fato dos sentimentos. Isso é tudo o que estou dizendo. Deus, ela está tão certa. Eu não posso dizer-lhe o quão certa ela está, ou então eu vou acabar dizendo a ela toda a minha história sórdida. Não tenho certeza de que possa lidar com esse nível de emoção hoje. O senhor sabe que tive problemas para separar os fatos, do meu relacionamento com Tommy, do jeito que me senti por ele. Se eu não tivesse deixado que um sentimento de dever, culpa e vergonha me deixassem sobrecarregada durante tanto tempo, eu teria saído depois da primeira vez que ele me colocou uma mão. 131


Não era mesmo amor, eu percebo agora. Por isso é fácil ver o pouco amor entre nós, especialmente para mim, em sua direção. Ele precisava de mim. Eu era o seu tudo. Este foi o preço de um relacionamento de longo prazo. Não consigo acreditar que eu me alimentei desse lixo por tanto tempo. Eu sei que se eu deixasse qualquer outra pessoa na minha vida, ver dentro do meu relacionamento, eles me mandariam me afastar dele. Foi por isso que foi ruim, especialmente no último ano, ou seja, por isso que escondi tudo. Eu lentamente e metodicamente desconectei-me de meus amigos, então eu não teria que enfrentar seu escrutínio ou lidar com a tarefa exaustiva de manter minha paixão embaraçada. Eu não podia admitir a mi mesma o quão ruim era, mas eu instintivamente ficava feliz com o resto do mundo, enquanto nunca mencionasse Tommy a ninguém. Quão nojento é isso? Estou fazendo o mesmo erro agora? Acostumando eu mesma, quando é tão óbvio que eu sou um tola? Seria mais esperto descrever Jax Fairbanks fora como uma aventura de fim de semana, algo que alguém teria feito nas circunstâncias? Quero dizer, dois jovens ficaram juntos durante três dias, sendo um deles um pedaço lindo e masculino. Eu sou só humana. Não há tempo para pensar mais, porque o sol está chegando e os clientes estarão empilhando antes de reconhecê-los. Encho as máquinas de café com água e acendo as luzes na vitrine, antes de enchê-las com bandejas de doces. Amy tira as cadeiras das mesas, enquanto conversa sobre algum pequeno drama que ela está tendo com seu namorado. Não posso deixar de sorrir, sabendo quão difícil ela está trabalhando para manter meus espíritos erguidos. No entanto, eles não ficaram acordados por muito tempo. Um das primeiras pessoas que atendo, é um cliente que vem falar do clube. - Sr. Hauser! Você não deve estar andando pelas calçadas neste tempo! - Fazia frio no rescaldo da tempestade de neve, e enquanto as ruas e calçadas estão claras, a neve que derrete durante o dia, congela a noite. Tenho certeza de que ele deve ter encontrado gelo no caminho.

132


- O que posso dizer? Nós estávamos pensando em alguns dos seus muffins e um pouco de café. Eu simplesmente não consigo mais receber essas coisas normais. Você me transformou em conversa latte, jovem senhora! - Estou lisonjeada, mas eu gostaria que ficasse mais fácil. Vou encaixar mais alguns muffins, para levá-lo, até que as coisas melhorem por aí. Ok? Eu olho para ele e me afasto para fazer o café. - Diga, Jim! - Eu ouvi o Sr. Hauser chamar a um dos outros clientes, um policial aposentado. - Você ouviu as coisas do clube na cidade? O cabelo ergueu-se na parte de trás do meu pescoço. Amy, que estava despejando café, limpa a garganta. - Sim, eu fiz. - A voz de Jim é apertada, cansada. - Não invejo os meninos que lidam com eles agora. Isso é uma dor na bunda, desculpe minha língua, senhoras. - Não ligue para isso! - A voz alegre de Amy, corta minha névoa de pensamentos turbulentos. - Há um armazém a poucos quilômetros da estrada, que foi incendiado ontem à noite. Não posso dizer que foram eles. Mas não posso dizer que não era. Há rumores de que outro clube possui a terra. Eu fecho meus olhos. Será que essa tortura acabará? Tenho certeza de que Jax não estava envolvido nisso. Foi ele? Ele me escreveu coisas sexy, enquanto estava de pé parado ao lado, quando o armazém subia em chamas? Volto para o Sr. Hauser, xícaras de café em um suporte de papelão, implorando-lhe que tenha cuidado lá fora. Jim oferece para levá-lo para casa. Estou feliz por isso - para não mencionar que estou contente de está conversa ir par outro lado.

133


O clube está de volta à cidade e de volta aos negócios. O que isso significa para a Jax?

134


Tudo o que posso pensar é chegar em casa e dormir um pouco. Minha manhã começou cedo, depois de recuperar o atraso depois do almoço, a multidão passou. Eu tenho arrastado meus pés desde então. Ainda assim, o sorriso não deixou meu rosto o dia todo. Também foi um dia atarefado, que ajuda a passar o tempo. Não há dúvida sobre o alívio que sinto, quando finalmente entro pela minha porta da frente. A casa pode não ser grande - não preciso de muito espaço - mas é aconchegante. Uma coisa que eu tenho em comum com Marissa, é o meu gosto pela decoração caseira. Bem, isso e Jax. A visão de um sofá grande é exatamente o que meus olhos cansados precisam. Eu afundo, estendendo-me uma vez que meus sapatos são retirados. Oh, doce alívio. Eu nem estou com fome, apenas esgotada. No entanto, não posso passar a noite toda aqui. Eu vou acordar de manhã com as costas rígidas, usando as roupas que eu usei para trabalhar. Que nojo. Eu me levantei, esfregando os olhos, passando minhas mãos pelos meus cabelos grossos, na tentativa de acordar. Eu decido ficar online por um tempo, me distraindo dos pensamentos do sono, até uma hora de dormir mais razoável, rolar. Talvez eu peça uma pizza ou algo assim, enquanto eu estiver nisso. A primeira coisa em que meus olhos caem quando eu abro minhas mídias sociais, é uma caixa de entrada cheia de mensagens. Isso é estranho. Normalmente recebo minhas mensagens via e-mail, não assim. Talvez eu tenha sido adicionado a uma conversa com um grupo de outras pessoas e estou obtendo todas as suas respostas. Ugh. Eu odeio isso. Mas não. A verdade é muito pior. Tenho uma caixa de entrada cheia de Tommy.

135


Coloco minhas mãos sobre minha boca, olhando para a tela. Há dezenas de mensagens. É como se estivesse segurando uma conversa unilateral durante todo o dia. Fico feliz por não receber notificações no meu telefone, ou eu ficaria louca na loja. Eu não deveria olhar para eles. Eu deveria ignorá-los, excluí-los. Continuar com minha vida. Mas não posso. Quem poderia? Eu começo a ler, meu coração se afundando com cada mensagem horrível. - Quem você acha que é, ignorando-me? Você acha que pode simplesmente se afastar? - Você não pode se esconder de mim. Eu vou encontrá-la em qualquer lugar. - Eu lhe disse, nunca vou deixar você ir, puta. - Quem você está fodendo agora, sua vagabunda? Espero que eles esteja tão aborrecido com você, como eu. - Você não é nada sem mim. Continuou, mas já tive o suficiente. Movo o cursor sobre seu nome, minha mão tremendo no mouse e bloqueando sua conta. Pelo menos ele não está online no momento. Não tenho certeza de que posso lidar com bate-papo ao vivo. É igual em todos os lugares, em todas as contas. Comentários desagradáveis sobre minhas fotos, que eu exclui, espero que nenhum dos meus amigos as tenha visto. Mensagens desagradáveis, que eu guardo no caso de eu precisar usá-las. Desagradável tudo. Ele chegou mesmo a criar várias contas falsas. Eu bloqueio todas elas, depois aperto minhas opções de segurança. Ninguém fora dos meus contatos ou amigos pode deixar um comentário ou mensagem, nem podem ver nenhuma das minhas atividades. Espero que isso faça o truque. As palavras não estão mais na tela, mas elas estão queimando no meu cérebro.

136


- Cadela. Você ficou gorda desde que você deixou seu namorado. Você parece uma merda nesta imagem. Você é uma porca nojenta. As palavras não podem me machucar. Ele é louco. Isso não significa nada. Mas sim. Ele vai a qualquer extensão para me perseguir. Ele passa inúmeras horas me aterrorizando. Não tenho muita experiência com a polícia, então não pretendo saber mais do que eu sei. Mas graças ao que eu vi na TV e nos filmes, uma palavra continua a ser lembrada: a escalada. Ele está aumentando. Ele não está implorando que eu o tenha de volta, sem me dizer que ele me ama. O que ele irá fazer depois? Mais tarde, na cama, tudo o que posso fazer é olhar para o teto. *** Eu sou uma bagunça total na loja. Faz duas noites seguidas que o sono é quase inexistente. Está também mostrando. Ontem eu consegui jogar. Uma noite sem dormir é suportável. Hoje eu estou aparafusando direito e à esquerda. - Pedi um mocha com três tiros, sem chantilly. - Oh, você fez? - Eu olho para a Sra. Schwartz, com o rosto um pouco embaçado. Droga. Eu ferrei novamente. - Você está se sentindo bem, Christina? Você normalmente conhece meu pedido, antes mesmo de sair da minha boca. Suspiro, frustrada. Ela não está chateada. No entanto, eu estou. Eu atiro a bebida pelo dreno atrás do balcão. São três bebidas que eu ferrei esta manhã. Eu começo uma nova, pedindo desculpas, mesmo quando eu me amaldiçoo silenciosamente. Junte-se, garota. Não posso deixar meus clientes me verem desmoronando.

137


Uma vez que a corrida da manhã acabou, eu quase me amontoo no chão em alívio. Eu vou para uma das mesas, sem me preocupar em limpá-la, antes de afundar em uma cadeira. Eu dobro meus braços sobre a mesa e deito minha cabeça lá. Eu ouço Amy andando, limpando, cantarolando para si mesma. Ela permaneceu milagrosamente calada durante toda a manhã, sem comentar meu temperamento curto ou incapacidade de manter um pedido direto. Eu sei que isso significa que estou dentro disso agora. Eu espero. Não demora muito. - Eu acho que não preciso salientar que isso não é como você. - Você está certa. Não é. - Eu nem consigo tirar minha cabeça dos meus braços. - Chris... Suspiro, sem vontade de encontrar seus olhos. Não posso lidar com uma palestra agora. Estou muito cansada, meus nervos também estão desgastados. Eu não confio em mim mesma para levar isso bem, e não quero alienar a única amiga verdadeira que tenho na cidade, para não mencionar um empregado fabuloso. - Tive problemas para dormir. Isso é tudo. Eu estou muito cansada. Uma boa noite de sono vai ter eu de volta no jogo, treinador. - Tenho certeza de que vai. - Ela não parece convencida. - Eu tenho alguns comprimidos para dormir em casa. Gostaria de obtêlos para você. Eu balanço o braço. - Não, obrigado. Eu tentei eles, mas eles sempre me deixam sentindo doente, até pelo menos meio dia. Eu ainda seria uma zumbi de qualquer maneira. Ela morda o lábio, observando-me.

138


- OK. Eu só quero que você esteja bem, você sabe? Estou sempre aqui para qualquer coisa que você precisar. Quero dizer, qualquer coisa. - Eu aprecio isso - e você. - Eu lhe dei um abraço, desejando que eu pudesse ser totalmente honesta. Eu sei que ela acha que estou tão exterminada por causa da Jax e do clube. Queria tanto lhe dizer a verdade, para limpar o nome de Jax, pelo menos um pouco nos olhos dela, se não houver outro. Mas isso significaria compartilhar a história de Tommy. Não consigo me trazer pra fazer isso. Ainda há muita vergonha envolvida Muita vergonha para mim mesma, que eu me deixei ser vítima por tanto tempo. *** Eu tropeço em casa, sem querer nada, além de entrar em colapso e nunca sair. É só um pouco depois das quatro horas. Amy me ordenou que voltasse para casa, enquanto ela limpava e fechava o lugar. Eu não estava em posição de argumentar. Perguntei-me no momento, como eu levaria o carro para casa sem adormecer. Eu não posso ir para a cama ainda, ou então meu horário de sono inteiro será desarrumado. Não consigo continuar acordando às duas da manhã. Não é sustentável. Preciso fazer pelo menos mais algumas horas. Eu tiro meus sapatos, me perguntando vagamente sobre um jantar cedo. Deixei o correio no balcão da cozinha, selecionando-o sem prestar atenção a nada. Meu cérebro está uma desordem. Entre o lixo comum usual e algumas contas, a um envelope branco simples. Meu nome e endereço estão escritos em letras grandes. Não há endereço de retorno. O carimbo postal é do Texas. Minhas mãos começam a tremer tão forte, que eu solto o envelope. Eu duvidava que um dos meus amigos do Texas, de repente decidiu me enviar uma carta. Além disso, nenhum deles sabia para onde eu tinha

139


mudado. Esta foi uma escolha deliberada. Eu não queria dar a Tommy a chance de me encontrar. Então, quem enviou? Eu deliberei se abria o envelope em primeiro lugar. Poderia conter qualquer coisa. Bem, nada grave, já que é apenas um envelope de tamanho carta. Mas um número de coisas pode caber em um espaço pequeno. Eu bato meu dedos distraidamente. Eu deveria simplesmente jogar fora? Não suporto não saber se é dele e o que diz. Para ter cuidado, coloco um par de luvas de cozinha. Tenho certeza de que Tommy não colocou as mãos sobre produtos químicos tóxicos. Mas eu não tocaria em nada dele. Eu rasgo o envelope, meu coração batendo. Estou aterrorizada, nauseada. Segurando a respiração, eu olho dentro do envelope. A única coisa que existe é um recorte de jornal. Eu o retiro cuidadosamente, reconhecendo-o imediatamente como o artigo que apareceu no jornal local quando assumi a posse do café. Havia uma foto de mim, sorrindo na frente da loja, um prato de doces na minha mão. Eu tinha cortado o artigo, na verdade, me sentindo intensamente orgulhosa. Está pendurado em um quadro atrás do balcão na loja agora. Mas aquele na loja não tem as palavras "morra, puta" escrito através do meu rosto. Eu pulo para a pia, o conteúdo do meu estômago vindo pela minha boca, antes que eu possa pensar duas vezes. Quando eu termino, eu corro a água, enxaguando minha boca. Ele me encontrou. Eu deveria saber. Ele sempre me disse que eu nunca poderia me afastar dele. E agora ele quer que eu morra. Eu grito alto, o som me surpreende. Pareço um animal. Um animal encurralado. Ele está lá, agora mesmo, esperando por mim? Olhando para mim através da janela da cozinha?

140


- Eu odeio você! - Eu grito. - Eu te odeio! Porra, morra e me deixe em paz! - Eu afundo em uma cadeira na mesa da cozinha, arruinada com soluços. Ele me encontrou. Ele me encontrou. Ele quer que eu morra. Em algum lugar no meio dos meus soluços, eu ouço o telefone tocar. Meu Deus. É ele? Ele estava esperando que eu abrisse sua pequena mensagem? Eu deveria ter sabido que não podia fugir. Bloqueá-lo não era suficiente. Eu vou à sala de estar, pegando o telefone. Espero ver o nome dele de alguma forma. Mas não é ele. É Jax. - Jax! Oh! Graças a deus! - Uau. Finalmente, atendeu o seu telefone? E está feliz em ouvir minha voz? - Jax, por favor...! - Espere. - Ele está falando sério agora. - Você está bem? Jesus, nunca pensei que você estivesse com problemas. - Há problemas! Sim! - Eu me dissolvo novamente em lágrimas. - O que está errado? Onde está você? - Estou em casa. Só... oh, Jax ... Eu recebi um recorte pelo correio agora. Alguém enviou... Não sei quem, mas tenho certeza de que foi ele. - O que é o recorte? - Existe um perigo em sua voz. - Eu. Um anúncio que eu assumi a loja. Eu não sei como diabos ele pegou as mãos sobre ele. - Algo mais? - Isso diz... sobre minha foto, diz... morra, puta. - Estou quase histérica agora.

141


- Você não vê? Ele sabe onde eu moro agora! Como ele me encontrou? O que posso fazer? - Estou dobrada no sofá, balançando para frente e para trás. - Suas portas estão trancadas? - Sim, tenho certeza disso. - Verifique para mim. Bloqueie as janelas também. Estarei ai o mais rápido que puder. Não deixe ninguém entrar, não investigue nenhum ruído, não faça nada até chegar ai. OK? Estou inundada de alívio. Ele está vindo. Ele me protegerá. Graças a Deus. - Christina? Você me ouve? - Sim eu ouvi você. Eu farei o que você diz. - Não demorará mais de dez minutos. Eu estarei ai em breve. Me ligue se alguma coisa acontecer. Eu suspiro de alívio. Ele está vindo. Não consigo nem me importar de saber se estou realmente segura com ele.

142


Eu ando pela casa, frenética com preocupação. Eu não tenho uma única unha esquerda neste ponto, tendo mastigado todas elas rápido. Ainda assim, estou roendo o pouco que resta, quase sentindo o sabor do sangue na minha boca. Por que Jax está demorando tanto tempo? Não agüento mais ficar aqui sozinha. Isso é tortura. O que eu fiz para merecer essa merda? Todo pequeno ruído, cada som, me faz saltar. Minha casa é velha. Tudo range. É aterrorizante. Finalmente, depois do que se sente como sempre, vejo luzes varrendo as janelas da frente da sala de estar. Eu corro para a porta, jogando-a aberto para ele. Jax apressadamente estaciona a moto, depois segue os passos para me encontrar. Ele está varrendo a área com os olhos. Eu espero até que ele atravesse a porta, antes de cair em seus braços. - Oh, graças a Deus, você está aqui. - Estou tremendo tanto, que dificilmente posso falar, meus dentes batendo. Eu me pergunto se eu estou entrando em algum tipo de choque. - Você está segura. Não se preocupe. Eu estou aqui. - Ele envolve seus braços em volta de mim, apertando-me forte. - Ele sabe onde eu moro. Ele poderia estar aqui, em qualquer lugar. Oh, meu Deus, Jax... - Faria você se sentir melhor se eu der uma olhada? - Você iria? - Eu retiro o suficiente para olhar em seus olhos. Seus olhos escuros. Eu senti tanta falta dele. Eu nem percebi o quanto. - Eu vou. - Ele ainda está me segurando, sua mão acariciando a parte de trás da minha cabeça calmamente. O que eu estava pensando? Ele nunca

143


me machucaria. Ele nunca fez. Ele é tão gentil, tão doce. Então, seguro. Eu derreto nele, mais agradecida do que nunca me senti na minha vida. - Você quer vir comigo? Ou prefere ficar aqui no sofá? - Por favor, deixe-me ir com você. Não me deixe. - OK. Vamos. - Ele me leva de mãos dadas, levando-me de um quarto para outro. Não há muito espaço para cobrir, apenas uma sala de estar, sala de jantar e cozinha no primeiro andar, depois dois quartos e um banheiro no segundo. Ele verifica todos os armários, todos os cantos, testando todas as janelas e portas. Ele mesmo olha no espaço acima do salão, do andar de cima, mesmo que eu assegure-lhe que não há nenhuma maneira de uma pessoa se esconder. Não posso deixar de sorrir tremendo, quando ele sobe a escada para puxar a cabeça por lá. Terminamos nossa busca no quarto principal, meu quarto. Ele olha debaixo da cama, no armário. - É isso? Não há outros quartos? Nenhum porão? - Eu balanço a cabeça. - Então, parece que você está aqui sozinha. Bem comigo. Mas você sabe o que quero dizer. Gostaria de voltar em algum momento, talvez amanhã, se estiver bem, apertar as fechaduras nas janelas do piso de baixo. - Eu não sei o que dizer, exceto agradecer. - Minha voz é um sussurro. Estou com vergonha de mim agora, pensando em como eu tive medo dele. Por quê? Como eu poderia pensar que ele era um perigo para mim? - De nada. Christina, estou aqui para você. Eu só quero estar aqui para você. Eu quero protegê-la. Por que você não me deixa? - Eu não posso respondê-lo imediatamente. Estou sobrecarregada. Em vez disso, eu atravesso a curta distância entre nós e envolvo os braços em volta da sua cintura. Ele pega meu queixo nas mão, inclinando minha cabeça para trás para um beijo. Em breve, as coisas se aquecem, como parecem sempre fazer entre nós. É como eu sentisse tanta falta dele, que alimentou o fogo que sinto, no 144


momento em que nossos lábiosse tocaram. Perdi o que ele faz no meu corpo. Para o meu coração. Antes que eu saiba, estamos caindo na cama juntos, todos os pensamentos de Tommy e Marissa e os Angels of Chaos foram esquecidos por uma doce noite. *** Quando abro meus olhos, é de manhã. A luz que filtra através das cortinas sobre as janelas do quarto é macia, suave. Deve ser cedo, logo após o amanhecer. Eu fecho meus olhos novamente, aconchegando de volta sob o braço de Jax. Eu não quero o resto do mundo em qualquer lugar perto de nós agora. As coisas são perfeitas exatamente como elas são. Parece que nossos problemas surgem quando o mundo exterior se esgueira. Eu não me senti bem desde que eu deixei sua casa, eu percebi. E, definitivamente, não desde que Tommy me alcançou em linha pela primeira vez. Tremo no pensamento, o que faz Jax se mexer. - Mmm... bom dia. Eu o aperto em resposta. - Não podemos ficar assim para sempre? - Eu murmuro, meu rosto contra seu amplo peito. Meu dedo traça uma linha no tronco, sobre aquele infame anjo rodeado de chamas. Eu queria que isso não existisse. - Eu sei. - ele responde. - Acredite em mim. - Seu braço se aperta ao meu redor, reforçando suas palavras. Eu me sinto estranhamente feliz, mesmo no meio da bagunça que eu me encontro. - Posso te perguntar algo? - Eu receio sua pergunta, sabendo o que ele tem em mente. Ele leva meu silêncio como um convite para continuar. - Por que você está me evitando?

145


Tenho que nos sentar, colocar uma pequena distância entre nós. Além disso, eu quero olhar para ele nos olhos. Preciso saber se posso obter a verdade dele. - Isso é difícil para mim dizer. - Eu provavelmente sei o que é. - Ele sentou-se, de volta à cabeceira da cama. - Você faz? - Nós não poderíamos continuar para sempre, sem que você soubesse quem eu realmente sou. Você deveria descobrir em algum momento. Meu nome não é exatamente desconhecido. E não é um favorito. - Eu sinto muito. Eu estava tão assustada. Quero dizer, olhe pelo meu ponto de vista. Eu não conheço você - na de verdade, quero dizer. Tudo o que encontro em linha sobre você, é o tipo de coisa em que o clube está envolvido. E então... bem, sim. As pessoas conversam. Há muitos rumores. Eu sei que você sabe o que são. - Estou tentando ser delicada, querendo evitar machucá-lo. Ele foi tão bom para mim. - Eu me sinto como uma idiota. - Admito. - Especialmente depois de tudo o que você fez para mim na noite passada. Chegando aqui quando eu estava com tanto medo. Eu não posso acreditar que eu mesmo considerei que os rumores fossem verdade. Mas você pode me culpar? Toda a merda com Tommy? É praticamente reflexivo agora, acreditando que os homens estão a ferir-me. - Tenho certeza de que foi um choque para você. - Reconhece Jax. - E você provavelmente pode imaginar por que não lhe contei meu nome completo e história de vida quando estávamos juntos. - Eu acho. - Christina, você tentou fugir só porque insultei seu assado. - Ponto tomado.

146


- De qualquer maneira, havia uma coisa que você poderia ter feito para esclarecer toda a merda que você estava preocupada. Você poderia ter me perguntado. Onde está a menina que me deu um monte de merda, sobre as coisas mais estúpidas em minha casa? Eu imaginei que você me rasgaria de novo sobre isso. - Jax. Isso é maior do que ser um idiota. - Nós dois ficamos em silêncio. Estou mexendo com o cobertor, tentando evitar seus olhos. - Eu tenho que te perguntar. - Não, você não. - Jax, por favor. - Não. Isso terá que ser suficiente para você. Suspiro, exasperada. - Não é que eu não confie em você. Mas se nós vamos a lugar algum, você e eu, eu tenho que pedir pelo menos um pouco de honestidade. - Você quer honestidade? Olho para ele, seus olhos são ainda mais escuros do que o normal. Como um tubarão. Ele está bravo. - Eu quero saber que você confia em mim. Eu quero que você confie em mim o suficiente para saber que, não importa o que seja a história, estou do seu lado. Sua mandíbula está apertando enquanto ele decide o que dizer. Finalmente, ele suspira e solta. - Eu não tive nada a ver com a morte de Marissa. Graças a Deus. Eu solto minha respiração em um suspiro de alívio. - Quem fez? - Você terá que deixar ir com isso. Não direi mais sobre isso. Basta esquecê-lo agora, ok? 147


Tenho certeza de que é doloroso falar com ele, especialmente quando tantas pessoas pensam que ele fez isso. Isso provavelmente o torna ainda pior. - OK. Não há mais perguntas. - Obrigado. - Sua expressão e mudança de tom. - Agora, sobre esse idiota que está perseguindo você. - Eu me inclino visivelmente, pulando praticamente da cama. Ele pega minha mão. - Eu sinto muito. Isso foi estúpido da minha parte. Eu só quero ter certeza de que você está sendo cuidada, só isso. Não vou deixar que nada aconteça com você. Eu juro. Eu quero acreditar nele. Eu acredito nele, pelo menos na maior parte. Mas essa crença vem com curiosidade. - O que você faria com ele? Seus olhos são quase negros. - Muitas coisas. - Jax... não quero acreditar que você é esse tipo de homem. Ele quase zombou de mim. - Eu disse que não matei minha esposa. Nunca disse que não sou esse tipo de homem. Eu tremo, puxando os cobertores apertados em torno do meu corpo nu. - Você está me assustando um pouco. Uma carranca. - Eu não queria. Mas eu falo sério sobre isso. Vou fazer o que precisa ser feito. Talvez seja melhor deixá-la sozinha, também.

148


Não consigo mentir para mim mesma. Parte de mim está secretamente entusiasmada com o pensamento de um homem quer fazer qualquer coisa, absolutamente qualquer coisa, para me proteger. É uma ativação. Talvez tenha algo de errado comigo por gostar. Talvez eu tenha sofrido muito tempo e estou com muito medo. De qualquer maneira, eu não odeio completamente o que ele está insinuando. O que será necessário para que suas dicas se tornem realidade?

149


- Seu feed é uma bagunça total. - O quê? - Eu estou caminhando pelas escadas, acabando de sair do chuveiro. Eu disse a Jax para se sentir livre para examinar as mensagens que o Tommy enviou via Facebook, enquanto eu tomava banho. Não tenho nada a esconder dele. - Seu feed de mídia social. Você clica em cada anúncio que vem para você? Sento-me ao lado dele, puxando meus pés para baixo debaixo de mim. - Eu não sei. Talvez. - Isso explicaria todas as postagens patrocinadas e pesquisas precárias. - Ele aponta para a tela. - Quem é o seu namorado de filme ideal? Sério? Eu coro, rindo de mim mesma. - Tanto faz. É tudo por diversão. Além disso, quando vejo tantos deles, não posso deixar de ser puxada de vez em quando. - Exatamente, é por isso que tantos aparecem em seu feed. Porque você clica neles. - Poxa - e eu pensei que Tommy era o único que me perseguia. Acontece que é um algoritmo. - Eu disparo em Jax um olhar sujo. - Por que você sempre é tão crítica com as coisas que eu faço? Seu caminho nem sempre é o melhor caminho, você sabe. Algumas pessoas ficam mais tranqüilas sabendo quem seria seu namorado em um filme.

150


- Eu acho que sim, quando seu namorado atual é uma merda... - Ele me vê estremecer. -Desculpa. Isso foi baixo. - Não é falso, no entanto. - Inclino para frente, em direção ao computador. - Eu acho que você leu tudo? - Sim, e eu contei até dez, a cada meia dúzia delas, apenas para manter meu temperamento sob controle. - Ele percorre as mensagens. - Quem diabos faz isso? Eu gostaria que ele continuasse agora e tentasse merda assim. - Isso não seria uma boa idéia, e você sabe disso. Além disso, eu bloqueei sua bunda. - Boa garota. Você está aprendendo. - Sim, no momento pensei que era o único caminho para ele alcançarme. Estúpida eu. - Eu penso de volta ao recorte, a sensação doente no meu estômago, quando eu puxei o envelope e a verdade me atingiu ao mesmo tempo. Ele sabe onde vivo. Ele me quer morta. - Você recebeu isso pelo correio? - Jax está segurando o recorte em suas mãos. Não posso deixar de notar como elas estão tremendo. Não é medo, no entanto. - Sim, neste envelope. - Eu dou isso para ele. Ele inspeciona o carimbo do correio. - Texas. Ele é do Texas? - Nós fomos para a escola lá. Nós estávamos vivendo lá juntos, antes de eu sair. - Eu acho que ele ficou preso, então. E isso era tudo no envelope? Apenas este recorte?

151


Eu concordo. - Mas obviamente é dele. - Claro, a menos que você conheça alguém no Texas que enviaria algo assim. - Eu balanço minha cabeça. Estou mordendo minha unha inexistente novamente. Ele se aproxima para envolver seus braços ao meu redor. - Eu sinto muito. Não consigo imaginar como você deve ter se sentido quando abriu isso. - Eu pensei que eu morreria. Eu realmente fiz. Ele sabe onde vivo. Não apenas a cidade. O endereço. Tudo correu para mim de uma vez. Ele me encontrou. E ele me quer morta agora. Os braços de Jax me apertam. - Eu não deveria pensar nisso. Se ele estivesse na minha frente agora... - Não. - Eu sinto muito. E eu sei que você não quer ouvir isso. - Ele se afasta de mim, olhando para mim com muita seriedade. - No meu mundo, no mundo em que vivi há muito tempo, uma das piores coisas que um homem pode fazer é ser violento contra uma mulher. Apenas os covardes fazem isso. É parte do nosso código. Nunca machuque mulheres. Não posso deixar de pensar em Marissa enquanto ele diz isso. - Depois de todo esse condicionamento, você pode imaginar o quão difícil é para mim ouvir as coisas que ele fez para você. E ver a evidência de como louco ele é. Jesus. - Seus braços apertam tão ligeiramente. - Além disso, você não é apenas qualquer mulher. Você é você. Ele está fazendo isso com você. Você merece mais do que isso. Ele não vai arruinar sua vida mais do que ele já tem. Eu prometo a você. Eu me aconchego contra ele novamente.

152


- Obrigada. Eu preciso acreditar nele. *** Liguei para fora do trabalho, dando a Amy uma desculpa sobre o tempo. É uma manhã tranquila, além da corrida das nove horas, geralmente é aborrecida. Tenho fé completa nela. Não pela primeira vez, eu conto minhas bênçãos para Amy, sabendo que eu devo tanto a ela. O fato é que não há como chegar na loja hoje. Minha mente não estaria no trabalho. Eu provavelmente custaria muito dinheiro, queimando tudo o que eu tentei assar, dando aos clientes o pedido errado, jogando fora as ordens de bebidas misturadas. Além disso, estou com medo. Por Tommy querer tirar minha vida. Eu me sinto como uma prisioneira em minha própria casa, mas a idéia de sair é demais para lidar agora mesmo. Que é exatamente o que eu sei que ele quer que eu sinta. Eu decidi fazer um pouco de comida para Jax em vez disso. É o mínimo que posso fazer por ele, depois de tudo o que ele fez para mim nas últimas doze hora. Ele é entusiasmado, para dizer o mínimo. - O que você está fazendo? - Ele está esticando o pescoço de seu lugar na mesa da cozinha, tentando dar uma olhada. Eu já tive que pedir duas vezes para ele se sentar e parar de me espionar. - Muffins, ok? Muffins de mirtilo com cobertura de baunilha. Jesus. - Deus, não me lembro da última vez que tive um muffin fresco de mirtilo. Ou se eu já tive um, penso nisso. - Ele ri, bebendo mais de seu café. Ele ficou impressionado ao encontrar-me fazendo café para ele. Mesmo que eu não possa pagar uma cafeteira elegante ainda, eu posso pelo menos beber o melhor café disponível. Deslizo a forma de muffin no forno e depois volto para ele com um sorriso.

153


- Lembro-me de minha avó fazer muffins de mirtilo quando eu era criança. Ela me pedia para ajudá-la. Tudo o que eu ficava fazendo era despejar as frutas na massa, é claro, mas ela fazia com que parecesse a parte mais importante da receita. - É, quando você pensa sobre isso. Caso contrário, eles não seriam muffins de mirtilo, não é? Eu sorrio. - Isso é exatamente o que ela costumava dizer. - Nunca fui muito bom para cozinhar para mim. Eu faço algumas coisas muito bem, mas os pequenos luxos, como muffins frescos? Biscoitos? De jeito nenhum. Estou rindo agora. -Você não fez muito mal com os bolinhos! Eu acho que podemos fazer de você um cozinheiro ainda. - Ótimo, e eu vou deixar você fazer o trabalho de paisagismo. Vamos fazer uma ótima equipe. Eu vou até ele, ainda rindo e me abraço ao seu pescoço. Seus braços cercam minha cintura, sua cabeça contra meu estômago. Um time. Ele está pensando nas mesmas coisa que eu estou? Ele está, passando o tempo comigo porque ele sabe o quanto estou aterrorizada. Brincando comigo, levando-me a uma conversa para tirar minha mente de Tommy e do recorte que enviou. Não consigo esquecer a maneira como ele já me salvou de congelar até a morte. Ele colocou o anjo tatuado em seu peito com uma luz diferente. - O que você está planejando fazer hoje? - Eu olho para ele. - Primeiro, eu vou comer pelo menos três muffins. Então eu vou encontrar algumas ferramentas neste lugar, para que eu possa corrigir os bloqueios nas janelas, como eu disse. Posso até mesmo instalar um novo bloqueio na sua porta da frente, se você não se importar. 154


Eu me sinto quente por toda parte. - Obrigado, isso seria ótimo. - Depois disso, talvez passemos um pouco de tempo fazendo... outras coisas... - Ele sorri para mim, impossibilitando-me de não o beijar. Sorte, eu estabeleci um temporizador para os muffins, ou então teríamos ido como coelhos, enquanto eles queimavam. *** - Você tem certeza de que quer vir comigo? - Completamente segura. Não vou ficar aqui sozinha. Eu sei que isso parece insano, mas não quero estar aqui sozinha. Além disso, é apenas a loja de ferragens. Eu acho que posso lidar com uma viagem lá. - Não é isso. - Ele está parado ali na porta da frente, os braços cruzados sobre o estômago plano dele. - Eu me pergunto se é a melhor idéia para você, ser vista comigo. Oh. Eu não tinha pensado nisso. - Bem, então, o que? Deixe alguém me perguntar por que estou com você. Vou contar-lhes toda a história. Sobre como você me salvou e como você me mantém segura agora. Eu direi ao mundo inteiro! Eu o olho, enquanto um sorriso lento se espalha pelo rosto dele. - Isso é bastante arriscado para você, no entanto. Você percebe isso, certo? As pessoas podem não entender. Eu não quero ver você perder seus clientes, porque eles não aprovam as pessoas com quem você gasta seu tempo. - Eles fariam isso? - Outra coisa que eu não tinha considerado até agora. - Você está de brincadeira? Eu não estava brincando quando eu contei histórias sobre como eles agem em torno de mim. Eles me tratam como um leproso. Você não viveu aqui por muito tempo. Eu não estou tentando 155


arruinar sua imagem da cidade, eu realmente não estou. Odeio alguém que fala da vida de outras pessoas. Mas essas pessoas não são tão agradáveis como você acha que elas são. Você está em uma bolha agora. A seu favor. Se for apenas para o seu negócio, eu quero que você fique aqui. Podíamos ter ficado lá o dia todo, argumentando sobre isso, se não fosse pelo som de uma motocicleta que apareceu no caminho de entrada. - Quem poderia ser? - Estou instantaneamente apavorada. Tommy pegou uma motocicleta? Ou talvez seja um dos amigos de Jax. Não sei o que seria pior. Eu olho para fora por trás das persianas fechadas. - É um homem. Eu nunca o vi antes. - Eu suspiro com alívio. Pelo menos não é Tommy. Jax está atrás de mim, olhando pela janela. - Merda. - Ele não soa feliz. - Quem é aquele? Ele já está caminhando até a porta da frente. - Problema.

156


- Problema? O que isso significa? Jax! Ele não me ouve. Jax já está fora da porta e está a caminho dos degraus para enfrentar o homem na entrada. Eu o sigo, puxando meu casaco. Como sempre, não posso apenas ter uma pessoa com quem se preocupar de cada vez. - Christina, volte. - Jax levanta uma mão na minha direção, me dispondo a parar. Imediatamente, eu assalto a seu comando, precisando morder um gemido. Tanto quanto odeio ser tratada como uma criança, não posso perder o perigo em sua voz. Ele está seriamente sério. Eu pendurei de volta na pequena varanda, perto o suficiente para ouvir o que está sendo dito. O estranho é bonito de uma maneira difícil. Jax pode vir de um fundo difícil, pode ser coberto de tinta, mas há uma nobreza sobre ele. Ele é um líder nascido, percebo, carismático sem sequer tentar ser. O outro homem parece que ele poderia ter sido uma estrela de futebol na escola secundária, mas deixou-se ir nos anos depois disso. Há um corpo legal lá em algum lugar, escondido. Ele é suave. Muita cerveja, eu acho. O homem corre uma mão através de seu cabelo loiro escuro, ao invés de agitar a mão de Jax. Então ele não é amigo. Fantástico. A última coisa que eu preciso é uma briga na minha propriedade. Olho para cima e para baixo da rua, esperando que meus vizinhos já estejam fora para o dia. É um bairro de classe trabalhadora, nada extravagante, mas agora que estou vendo as coisas através dos olhos de Jax, percebo que as pessoas aqui estão um pouco do lado exclusivo. Esnobes, desconfiado de "estranhos". Mesmo os que estão na minha rua, os que estão no fundo da escala econômica.

157


Por toda a minha conversa dura dentro de casa, eu sei que não preciso de um escândalo. Eles estão discutindo calmamente. Eu me esforço para ouvir. Jax está com a voz baixa, apertada. Ele levanta uma mão de vez em quando, para lembrar o outro homem de manter a voz baixa. De vez em quando, a cabeça gira para que ele possa me olhar. Os olhos do outro homem se mudam para mim também. - Então, esta é sua nova garota, hein? Fofa. Você sempre teve um bom gosto. - A forma como seus olhos aguados correm para cima e para baixo do meu corpo, me faz sentir extremamente desconfortável. Eu puxo meu casaco mais apertado em torno de mim, fazendo-o rir. - Cara, sério. Ouça. Este não é o momento ou o lugar. Se você quiser falar, me encontre em casa. Ficarei feliz em falar sobre tudo o que quiser. Pode ir agora. Ele olha duro para Jax. - Você age como se não soubesse sobre o que quero falar com você. Isso é hilário. Jax suspira profundamente. - Bem. Vamos falar sobre ela. Apenas não aqui. - Não, acho que aqui é o lugar perfeito, e este é o momento perfeito. - Ele se vira para mim. - Eu quero que ela ouça isso. - Esta é a minha propriedade. - Ressalto, tentando soar mais forte do que eu me sinto. - Eu acho que pode ser melhor para você sair. - Na minha cabeça, tudo o que vejo são visões de uma briga no gramado da frente. - Justo. Mas você não quer saber sobre ele aqui? Você não quer saber o que ele é realmente capaz de fazer?

158


- Adam, pare. - A voz de Jax é tão baixa, mal posso ouvi-lo. Eu mal percebi o nome do outro homem. - Não me diga para parar. Você nunca me diga o que fazer. - Não quero desrespeito. - Besteira! Desde quando você se preocupa com o respeito ou o desrespeito? - Adam ri amargamente, um pouco alto demais. - Se você desse uma merda sobre o respeito, você não mostraria seu rosto nesta cidade nunca mais. Você fez um acordo, que você está quebrando agora. - Eu sei como você se sente, cara. Mas ela precisava de mim. - Jax se move em minha direção. Estou atordoada. Ele foi banido ou algo assim? É por isso que as pessoas são tão desagradáveis com ele? Quanto ele arriscou, vindo a mim ontem à noite? Outra risada amarga. - Eu tenho certeza que ela fez, amigo. Muitas mulheres precisaram de você, não? Especialmente desde Marissa. - Não fale assim na frente dela. - Jax acena com a cabeça na minha direção. - Não me diga como falar! Você quer resolver isso agora? - Adam está louco por uma briga. Pego a cerca da varanda com tanta força em minhas mãos, que posso sentir os estalos na madeira. - Por favor, não. Pare com isso! - Eu também poderia estar gritando ao vento, eles estão me prestando tão pouca atenção. Adam tenta trabalhar seu casaco com capuz sobre sua cabeça, mas ele está fora de equilíbrio, impressionante. Sua camisa, está o abdômen. Posso ver tinta no tronco... então percebo que ele tem o mesmo anjo nas chamas que vi no torso de Jax.

159


Ele é um deles! Eu assisto ainda mais de perto. Há muita animosidade aqui. O que aconteceu entre Jax e o clube para causar isso? Um brilho de esperança cintila no meu cérebro. Se Jax está fora do clube, isso significa que ele não tem nada a ver com eles. Talvez ele não esteja mais envolvido com eles. Talvez ele tenha feito algo para se alienar. Melhor ainda, talvez ele tenha deixado o clube por sua própria iniciativa. Oh, eu posso esperar, não posso? - Adam, pare com isso. Eu não quero lutar com você. - Jax está relaxado, mãos em seus lados. Eu sei que ele poderia facilmente arrancar esse homem tropeço e flácido. Ele provavelmente também sabe disso. Adam finalmente desiste de tentar remover o casaco. Ele está sem fôlego. - Por que você continua mostrando seu rosto por aqui? Por que você continua começando a merda? - Eu te disse antes. Não estava tentando começar nada. - Oh, certo, certo. Essa garota precisava de você. Ela sabe com quem ela dormiu ontem à noite? Eu puxo meu casaco ao meu redor novamente. Eu não gosto do tom íntimo, da maneira como ele fala como ele me conhecesse. Eu especialmente não gosto da implicação de que Jax é um monstro. Eu já fiz bastante adivinhação. - Estou implorando a você, cara. Não imploro a ninguém, mas estou implorando a você. Não faça isso. Adam olha para Jax. - Você está implorando? Ela também implorou no último minuto? Ela pediu que você não fizesse isso? - Você não sabe do que está falando. Você nunca soube. - Adam se burla, depois vira a cabeça para mim. Sinto-me doente.

160


- Você é muito boa amiga desse cara, hein? Eu encolho os ombros. - Eu acho. Nós somos amigos, sim. - Olho desesperadamente para Jax. - Então você sabe tudo sobre ele, hein? Eu posso dizer por seu tom de voz que isso não vai a um lugar agradável. - Eu sei quem ele é. Eu sei de onde ele é. Se é isso o que você quer dizer. - Estou ficando claramente desconfortável agora. - Ele lhe contou como ele matou minha irmã? - Meus olhos se expandem, fazendo-o sorrir. - Sim. Minha irmã. A esposa dele.

161


- Adam, eu lhe disse. - A voz de Jax corta o silêncio como uma faca. Mas Adam não está prestando atenção a Jax. Ele está olhando para mim. - Certo, certo. Você não a matou. OK. - Sua irmã? - Eu olho para Jax, desesperada para entender isso. Desejando que ele sumisse de alguma forma e que tudo fosse embora. Adam ri. - Sim. Eu sou o cunhado pródigo. Ou, vendo como ele é o cara que a matou, talvez ele seja o pródigo. Não tenho certeza. Faz muito tempo que eu li a história. - Ele está balançando em pé, percebo. Já um pouco insensível e não é nem meio dia. - Sinto muito pela sua perda. - Eu me sinto como uma idiota por dizer isso, mas é a única coisa que eu posso pensar. Esta situação não é exatamente indicativa da minha vida cotidiana. Ele parece apreciar o pensamento, no entanto. - Obrigado. Isso é muito doce de você. - Ele gira a cabeça em direção a Jax. - Uma garota legal assim, uma garota doce. O que diabos você está fazendo com ela? Tentando arruinar sua vida também? - Adam. - As mãos de Jax estão nos punhos, penduradas pelos lados. Ele está além de furioso. Tenho a impressão de que ele só está segurando por minha causa. Ou talvez ele se sinta mal por esse homem pobre e bêbado. - É verdade, porém, não é? - Adam volta para mim.

162


- Não é? - Não é o quê? Ele não está arruinando minha vida. - Sério? Você sabe quanto tempo demorou para saber que a motocicleta da Jax Fairbanks estava sentada na frente de sua casa? Como você acha que eu o encontrei aqui em primeiro lugar? Não tenho certeza do que dizer agora. Meus olhos encontram o de Jax. Ele parece ser um homem que está sendo provado, mas não está feliz com isso. Ele não previu isso há apenas alguns minutos? - As pessoas estão falando? - Você com certeza está. Os Angels não são exatamente amados por aqui. E são as únicas pessoas na área que andam de moto. Algumas pessoas o viram andar pela cidade na noite passada. Um deles o viu puxar para dentro e subir os degraus. Vamos, caras. - Ele olha para e mim para Jax, então de novo para mim novamente. Sacudo meus ombros. - Eu não dou a mínima para o que as pessoas dizem. Adam balança a cabeça. - Muito nobre. Muito valente. - Eu não aprecio o sarcasmo. Se é tudo o que você veio dizer, pode sair agora. - Então você não se importa com sua reputação. Tudo bem. - Ele me ignorou completamente, continuando com sua conversa. - E sobre a sua vida? O que isso significa para você? - Adam, pare isso. - Jax se aproxima um pouco mais dele. - Você sabe como ela morreu? Você nunca me respondeu. - Sim. Eu sei como sua irmã morreu. Eu li tudo sobre isso. Foi muito triste. 163


- Mmmhmm. Uma ferida de bala, diretamente no peito. Alcance em branco. Frio. Deliberado. Quem a matou tinha que estar olhando para ela diretamente nos olhos. E então eles a deixaram lá na floresta. Olhos abertos, olhando para o céu. Pergunto-me quanto tempo ela durou, se tivesse um momento ou dois quando soubesse que estava morrendo. Mas pelo menos ela teve a chance de olhar as nuvens mais uma vez. Nós costumávamos espalhar cobertores de piquenique no chão e passávamos horas em nossas costas, olhando as nuvens. Sabe, quando éramos crianças. Eu aceno com a cabeça, lutando para não chorar por esse homem quebrado. Ele está tão atormentado. - De qualquer forma, ela morreu. E seu corpo foi deixado ali mesmo no chão, para qualquer coisa chegar nela. Pelo menos eles a encontraram antes que os animais começassem a comê-la. - Sua voz quebra um pouco. - Ela também poderia ter sido um pedaço de lixo, ou um brinquedo que uma criança se cansou e jogou fora. Minha irmã. Minha fodida irmã. Sua voz quebra. - Eu sinto muito. - Você não é o único que tem que se arrepender. Ele sim. - Adam empurra um polegar na direção de Jax. - Adam, vamos lá. Vamos pelo menos entrar. Podemos falar sobre isso. - Estou bem aqui. Não comece a pensar na boa reputação da menina agora. Você já fodeu a vida dela, cara. É tarde demais. - Ele me olha novamente. - Ele lhe disse que eles combinavam com a bala que encontraram no corpo da minha irmã? - O quê? Eu só li que eles não encontraram nenhuma arma. - Olho para Jax.

164


- Oh sim. Eles não encontraram a arma real, mas eles sabem o tipo de arma que veio. A Glock 19. Adivinha quem carrega uma Glock 19? Ou pelo menos ele costumava, antes de matar minha irmã com isso. Eu olho para Jax novamente, meus olhos procurando o dele. Isso não pode ser verdade. O olhar em seu rosto me diz que é. - Eu me esqueci de lhe contar a melhor parte? - Melhor parte? - Ok, má escolha de palavras, talvez. Minha irmã não morreu em nenhuma floresta. Ela morreu na floresta atrás da casa de Jax. Todo o ar sai dos meus pulmões em um grande barulho, como se estivesse perfurado no estômago. Tudo o que posso fazer é olhar para Jax. O último pedaço da história finalmente foi revelado, e não há nada que ele possa fazer sobre isso. Ele foi afastado por este homem triste e bêbado no meu gramado. - Não. Você não sabia disso, não é? Não estou surpreso. - Ele se volta para Jax. - Espero que você já não tenha causado muito dano a essa pobre menina. Tenho certeza de que ela não merece isso. Assim como Marissa não fez. - Adam, você precisa sair. Você está bêbado. Você não sabe o que está dizendo. - Jax coloca a mão no braço de Adam, apenas para que o braço arraste, como se seu toque estivesse queimando. - Nunca me toque novamente. Não se você quiser viver outro dia. - A tensão poderia ser cortada com uma faca. Eles ficam de pé, olhando um para o outro. - Isso é verdade, Jax? Isso é verdade? - Ele quebra o concurso de observação que ele está tendo com Adam, olhando para mim. Ele não vai dizer uma palavra.

165


- Por favor. Jax. Por favor, eu sei que não é verdade. Ou se o que ele diz é verdade, há uma boa explicação. Por que você não conta a história inteira? Eu acredito em você. - Oh, isso tem que ser uma piada! - Adam ri de mim. - Você é pior do que eu pensava. Como uma dessas mulheres que escreve para condenados porque sente pena deles. Você também terá um casamento na prisão com ele? Uma vez que ele for jogado dentro de uma cela por tudo o que ele fez? Eu o ignoro. - Jax, tudo o que você precisa fazer é dizer a verdade. Não vejo por que você não explica tudo isso. - Eu não deveria ter que explicar - Tímido, covarde. - Não para mim. Para você mesmo. Para ele. - Eu aceno com a cabeça na direção de Adam.- Dê um pouco de paz, pelo menos. - Eu também não deveria ter que fazer isso. Eu disse a ele que não tinha nada a ver com isso, o mesmo que eu lhe disse. Isso não é bom o suficiente para ele. Estou começando a me perguntar se também não é bom o suficiente para você. - Não diga isso. Pare de assumir que eu acho o pior de você. - Oh, esqueça essa merda.- Adam joga suas mãos no ar. - Eu não vim aqui para assistir um drama doméstico de besteira. - Ele se vira em direção a sua motocicleta, subindo. Antes que ele se afaste, ele me olha mais uma vez. - Por que você veio aqui, então, cara? Para piorar as coisas? - Jax segue Adam na motocicleta, tentando enfrentá-lo. - Jax, não. Por favor. Deixe-o ir. - Estou desesperada para ele sair agora. Já ouvi o suficiente.

166


- Eu espero que você fique com a cabeça erguida. Antes que seja tarde demais. - Adam se afasta, acelerando o motor antes de sumir na visão. É apenas Jax e eu novamente. O silêncio entre nós é ensurdecedor. Estou perdida, dividida entre constrangimento por ele e confusão. - Jax. - Eu ando em sua direção, andando pelo curto lance de escadas que levam ao gramado. - Não. Simplesmente não. - Ele sobe em sua moto sem outra palavra. Eu só posso assistir impotente enquanto ele sai do caminho, depois puxa pela rua. Agora estou sozinha. Novamente. Olho em volta, me perguntando quantos pares de olhos estão olhando por trás das portas fechadas e cortinas puxadas. Eles certamente conseguiram um olho aqui fora, não é? Eu também lembro de Tommy. Por um minuto, eu esqueci tudo sobre ele. Acho que posso agradecer a Adam por isso. Pergunto-me se ele está aqui em algum lugar. Estou me tornando completamente paranóica ? Não importa qual seja a resposta, volto para casa. Só depois que a porta está trancada atrás de mim, dou-me ao luxo de tentar pensar nas coisas. É inútil, no entanto. Não consigo entender a bagunça confusa na minha cabeça. Tudo o que sei é que estou aterrorizada - só que agora não é de Tommy que tenho medo. E sim da idéia de perder Jax para sempre.

167


Eu me sento na frente do meu laptop aberto novamente, fazendo outra pesquisa. Desta vez, estou à procura de qualquer informação disponível sobre Marissa Fairbanks. Quem era ela? Em que tipo de coisas ela estava? Ela estava envolvida no clube ou apenas uma estranha? Lembro-me da tatuagem que vi no peito de Adam, assim como a de Jax. Ele também é membro do clube - ou no mínimo, ele estava ao mesmo tempo. É provável que ela tenha algo a ver com o clube, além de casar com Jax. Talvez corria na família. Talvez seu pai fosse membro ou um tio. Ou talvez ela tenha se envolvido com os caras no clube depois que seu irmão se juntou. Talvez nunca estivesse envolvida. Apenas uma pessoa inocente. Como eu. Não consigo pensar nisso agora. Não há muito sobre Marissa, ou seu assassinato. Eu tinha certeza de que haveria um milhão de artigos sobre isso, especialmente considerando como a cidade odeia o clube. Pelo que eu já havia lido, um dos indivíduos poderia espirrar e isso faria notícia. Estava certa de que ia encontrar todos os tipos de detalhes sobre o assassinato da esposa de um membro do clube - um proeminente, se o que Adam disse fosse verdade. Marissa é um mistério, parece. Penso na forma como ela decorou a casa em que Jax ainda vive. Ela era uma pessoa simples e doce, penso eu. Não extravagante. Caseira, acolhedora. Ela queria criar um refúgio para o homem dela. Eu posso entender o impulso, tendo tido isso sozinho. Por que mais eu teria sido levada a assar cookies para Jax, quando eu quase não o conhecia?

168


Ela não mereceu morrer do jeito que ela fez, sozinha na floresta, deixada para apodrecer, indo pelo caminho que Adam havia descrito. Lembro-me da dor em sua voz, quando ele falou sobre ela. Agora que eu o conheci, recebo a idéia de que ele só se deixou ir, depois que ela morreu. Ele está se bebendo em uma sepultura precoce. Eu entendo o que uma dor como essa, pode fazer a uma pessoa. Ele está desesperado por uma resposta, de como a vida de sua irmã terminou. Ele quer colocar o crime sobre qualquer pessoa conveniente. Jax é apenas o mais conveniente. Isso não ajuda a bala combinada com a arma que ele carregava. Eu posso entender por que Adam iria tirar conclusões, quando esse foi o caso. No entanto, não posso acreditar. Não acredito nisso. Jax é inocente. Não ele não é. Ele não é inocente. Talvez do assassinato de sua esposa. Mas não de outras coisas. Eu aceito isso. Uma pessoa pode cometer erros. Eles também podem seguir em frente deles. Eles merecem a chance de recomeçar. Eu tenho que conversar com alguém. Se eu ficar em casa assim, ficarei louca. Estarei indo mais e mais na minha cabeça, até eu me perder. Ainda estou nervosa em deixar a casa, mas preciso ter a chance de distrair. Minutos depois, eu estou no café. É hora do almoço, com um punhado de funcionários das pequenas lojas para cima e para baixo Main Street entrando para uma xícara de café ou sobremesa no seu intervalo. Entrei, dizendo oi a todos. - Eu pensei que você estava doente! - Amy está atrás do balcão, ocupada como uma abelha. Eu percebo que sua voz soa mais aguda do que o normal. Não natural. Merda. Todo mundo sabe que Jax estava em minha casa, e eu, convenientemente, liguei para dizer que estava doente. Tenho certeza de que as pessoas estão pulando conclusões toda a manhã. Quantos sussurros aconteceram aqui na minha loja? 169


- Estou me sentindo melhor, então pensei que viria por um tempo. Você sabe como é, você acorda se sentindo péssima, mas uma vez que você se move, já não é tão ruim. - Eu lavo minhas mãos e amarro em um avental, mergulhando ao lado de minha amiga, como se não houvesse nada fora do comum. Qualquer coisa para tirar minha mente da bagunça por um tempo. Se Tommy estiver lá em algum lugar, ele não ousaria tentar algo agora. Não enquanto estou cercada por pessoas. Tentaria? Uma vez que as coisas se acalmam, eu me inclino contra o balcão, enfrentando Amy. - Eu tenho que lhe perguntar uma coisa. - Certo. O que aconteceu? - Eu a pego pelo cotovelo, levando-a para um canto quieto, onde eu ainda posso acompanhar as coisas na loja. - Você sabe alguma coisa sobre o assassinato da esposa de Jax? Você sabe, algo sobre o qual as pessoas falam, talvez? - O que aconteceu? Por que você está me perguntando isso? Pergunto-me se posso confiar nela. Eu a amo e ela se tornou minha amiga mais próxima, embora ela tenha começado como empregada. Mas ela é uma pessoa de conversa, muito social e borbulhante. Não, eu preciso confiar no meu intestino. No final do dia, ela também é confiável. - Eu sei que posso confiar em você. Eu tenho que lhe dizer o que aconteceu no início do dia, hoje. - Eu lhe dou o breve resumo, explicando o que aconteceu com Adam. Estive olhando os clientes de vez em quando, enquanto falo e não posso perder os olhos para mim. Lembro-me agora do que disse Adam, sobre as pessoas falando quando a motocicleta de Jax foi vista fora da minha casa. Eles estão sussurrando sobre mim agora? - Uau, Chris. Não posso acreditar. Eu aceno com a cabeça.

170


- Eu queria ver se havia alguma outra coisa em linha sobre o assassinato de Marissa, mas não há nada. Quero dizer, não a uma coisa única! Você não acha estranho? - Ainda somos uma cidade pequena. A notícia acende-se, mas morre rapidamente. - Não fofocas, no entanto. Por isso, eu queria saber se você sabia o que eu não poderia encontrar. Ela parece desconfortável. - Você pode me dizer, Amy. Não vai me machucar. Não sei se a verdade machuca mais do que qualquer outra coisa. - Eu acho que você está certa. - Ela olha em volta - só há duas pessoas ainda bebendo café e lendo seus papéis. - Bem, eu vou te dizer isso primeiro: as pessoas tentam fazer Marissa sair para ser uma santo agora que ela está morta. Eu não acho que esse foi o caso, na verdade não. - Não? Lembro-me de ouvir as pessoas falando sobre como era uma linda garota, como eles não sabiam por que ela teria se casado com Jax em primeiro lugar. - Ela pode ter começado assim. Quem vai dizer? Eu não a conhecia na época, então, ou muito bem depois de se casarem. Mas do que eu ouço... Ela olha em volta novamente. - Ela estava em drogas. Tanto antes quanto depois de casado . - Drogas? Oh, não. - Adam não havia dito nada sobre isso, mas então, por que ele iria? Nenhum membro da família quer admitir coisas assim sobre um ente querido falecido, especialmente se a morte os rasgou, dentro do caminho que Marissa tinha claramente. - Sim, coisas leves no início. Coisas para crianças. Pílulas. Ela parou por um tempo, quando se casaram pela primeira vez - ouvi dizer que ele insistiu - mas ela começou de novo em algum momento. A palavra heroína foi usada. 171


- De jeito nenhum. Acho que as pessoas culpam a Jax por isso. - Você está de brincadeira? Ela poderia ter sido atingida por um raio e eles o culpariam. Imagino quão horrível deve ter sido para Jax, observando sua esposa se aprofundar em drogas. Nunca conheci pessoalmente um viciado em heroína, mas sei como é cada vez mais comum se viciar. - Então houve todo o escândalo que aconteceu com os Angels naquela época. - Qual escândalo? - Armas ilegais. Arma em execução, especificamente. Eles estavam sob suspeita. Os policiais estavam observando cada movimento deles. Foi um momento louco. Todos os dias, o resto da cidade se perguntava quando o clube seria derrubado e se haveria algum grande tiroteio quando fossem. Nós mantivemos nossa respiração todos os dias. Parecíamos viver em uma zona de guerra, esperando que o primeiro tiro fosse disparado. - Ela arrepia, esfregando os braços. - Alguma coisa aconteceu alguma vez? - Não. Nunca tiverem suficientes provas para prendê-los. Esses caras são inteligentes. Imagine o que eles poderiam ter feito com suas vidas, se não tivessem se voltado para o crime. De qualquer forma, outra teoria em torno dessa época, era que um corredor de armas rival era responsável pelo assassinato de Marissa. - Eu acho que isso faz sentido. Como uma mensagem, ou retorno ou algo assim? - Certo. - Ela encolhe os ombros. - Essa é toda a notícia que é adequada para dizer, meu amor. Não sei mais nada. - Acredite, você me disse muito. Eu precisava de um pouco de contexto. É difícil saber no que acreditar às vezes. 172


A mão de Amy toca meu braço. - Ouça. Não importa qual seja a história real e completa, há uma coisa que se aplica, independentemente da versão que você está ouvindo. - O que é isso? - O clube tinha algo a ver com isso. Jax fez isso, ou alguém se relacionou com o negócio do clube. E sejamos honestos, se ela estivesse com drogas, de onde você acha que elas vieram? Ela está certa. Não posso negar isso. - Eu digo isso para avisá-la, é tudo. Não se envolva demais com o clube, especialmente agora que eles estão de volta à cidade. Nada disso é bom. Estas não são boas pessoas. Você é uma boa pessoa. Você merece o melhor. Eu sei que ela se importa, e é por isso que eu dou-lhe um abraço. No entanto, não posso aceitar o seu conselho. Talvez eu seja ingênua, mas não é o clube com o qual eu estou me envolvendo. É Jax. É claro para mim que ele quer colocar espaço entre ele e o resto deles. Eu não estou com medo. Pelo menos, não dos Angels of Chaos. Ou seus inimigos. A loja está vazia agora, exceto por Amy e eu Ela começa a limpar as mesas enquanto tiro meu telefone da minha bolsa, para ligar para Jax. Eu tenho que passar por ele de alguma forma. Antes de ir os fundos para um pouco de privacidade, volto para onde Amy está limpando as mesas. - Ei, houve alguma conversa sobre mim aqui? Esta manhã, quero dizer? Ela não sabe o que dizer, que é toda a resposta que eu preciso. Eu aceno com a cabeça, compreendendo, depois atravesso a porta que conduz à despensa. Eu terei que lidar com a questão das fofocas de alguma forma, mas agora não é a hora. A cidade merece saber que Jax é um bom homem, e Jax merece ser tratado melhor.

173


Eu o chamo, esperando que ele esteja em casa e em um clima melhor. O telefone toca cinco... seis... sete vezes, antes da mensagem de voz pegar. - Oi, é o Jax. Deixe uma mensagem. - Curto, até o ponto. Tão típico. - Jax, sou eu. Desejo que você atenda seu telefone. Agora eu sei como você se sentiu quando eu não respondi você. Enfim... Quero falar com você. Eu quero que você entenda que eu não estava culpando você por nada hoje. Estou do seu lado, sempre. Eu juro. Eu sei que você não a matou. Nada que Adam disse fez uma diferença no que eu penso ou no que sinto sobre você. Por favor me ligue de volta. Eu desligo, encostando minhas costas contra o balcão e o telefone pressionando na minha testa. Ele tem que me chamar de volta. Não posso imaginar viver sem ele agora.

174


Eu estou fora da loja, nos fundos, pegando um sopro de ar fresco. Jax não me ligou de volta, embora no meu coração não espero que ele ligue. Não imediatamente, isso é. O que mais me incomoda é a sensação de que eu o machuquei. Eu tentei explicar o melhor que pude via correio de voz, dizendo-lhe que estou do seu lado. Que eu não acredito nas coisas terríveis que as pessoas dizem ou pensam sobre ele. Estou do seu lado. Lembro-me de Adam. O jeito que ele olhou quando ele estava no gramado. Do jeito que ele me lembrou de um homem quebrado. É o que ele é. Um homem quebrado, procurando respostas. Por que sua irmã foi morta? Ele poderia ter feito alguma coisa para detê-lo? Eu sei que é assim que eu me sentiria. Eu também gostaria de conhecer essas coisas. Eu até posso voltar a beber, o que ele claramente fez. Ele parecia terrível. As pessoas que sofrem não pensam com clareza. Elas não argumentam. Ele não está raciocinando, é só isso. Ele quer culpar a morte de sua irmã em Jax, como todos os outros. Jogue sobre a pessoa mais próxima da vítima. Isso é bastante típico. Afinal, a polícia não procura sempre a pessoa mais próxima? Normalmente, o cônjuge ou outro significativo? Não ajudou que a arma que matou a vítima é do mesmo tipo que o marido usava. Corro minhas mãos pelo meu cabelo, deixando vestígios de farinha. OK. Eu sei que estou racionalizando. Eu sei que isso parece ruim para ele. Eu tenho que continuar me lembrando da pessoa que conheço. A pessoa que vejo dentro dele. Essa pessoa não faria algo tão horrível. Ele não faria. Ele não podia.

175


Por que estou tremendo, então? Porque ele não vai me ligar de volta, só isso. Não sei como ele se sente agora, quer esteja com raiva de mim ou simplesmente triste, porque ele pensa que eu não acreditava nele. Ele já ouviu sua mensagem de voz? Amy me chama de dentro. Eu vou, precisando aquecer. Está congelando lá fora. Eu tinha que limpar minha cabeça. - Você está bem? Eu pensei que você tivesse congelado até a morte lá fora. - Ela está sorrindo para mim, aceitando-me. Ela é a única pessoa que conheço no momento, que não está cheia de julgamento. Ela se importa, mas sabe que posso fazer minhas próprias escolhas. - Só precisava pensar, é tudo. - Digo. Eu derramo uma xícara de café, apenas para aquecer minhas mãos frias. - Nós temos muito espaço para pensar aqui, irmã. - Ela diz com um sorriso malicioso. - Eu gosto de ar fresco com o meu pensamento. - Respondo calmamente. Mas com um sorriso. - Eu pensei que talvez... - Talvez o quê? - Talvez ele tivesse vindo, e você o encontrou lá fora. Eu suspiro. - Ele não viria. Especialmente depois da balsa de merda que ele obteve de seu cunhado mais cedo hoje, sobre estar na cidade. Ele não volta tão cedo. - Cunhado? Não mais, certo? - Explicitando desde que Marissa está morta, não há relação. - Eu acho? O que você chama, uma vez que o cônjuge morre? - Nós dois encolhemos os ombros. Parece um nome tão bom quanto qualquer outro.

176


- Então, que tipo de coisas ele estava dizendo? Por que Jax não pode chegar à cidade? - Amy fica sentada em uma das cadeiras. O lugar está vazio, a noite caindo. Muitas pessoas não estão interessadas no café a essa hora do dia, mas ficamos abertos para os retardatários ocasionais que precisam de uma sacudida ou talvez uma xícara de chocolate quente. Eu me inclino no balcão, de frente para ela. - Você deve saber por que ele não pode. Quero dizer, você viveu aqui toda a sua vida. - Sim, mas nunca ouvi falar de regras que os membros não podem estar aqui. Simplesmente o contrário. Eles mostram seus rostos com mais freqüência do que gostaríamos. Eu percebo como ela usa a palavra "nós". Nunca pensei em ela como parte da cidade, não dessa maneira. Ela é jovem, vibrante, hip. Eu pensei que ela era mais aberta do que isso. Eu acho que eu não sabia sobre muitas coisas. Mas eu sei que ela é minha amiga e posso confiar nela. Preciso disso agora. -Você não saberia se visse algum, você sabe, a regra do clube afirmando que eles só poderiam vir para a cidade com certa freqüência. - Eu não penso assim. - Amy diz, tomando um copo de chá. - Honestamente, quando você disse pela primeira vez que Jax não poderia entrar, eu assumi que tinha algo a ver com Marissa. Houve uma grande quantidade de drama quando ela morreu. Quero dizer, muito disso. Achávamos que era uma loucura quando a polícia procurava se aproximar do comércio de armas. Oh, irmão. Isso não foi nada comparado com o que aconteceu após o assassinato de Marissa. - Como o quê? - Todos estavam sob suspeita. A polícia usou isso como uma oportunidade para dar uma olhada no clube. Má publicidade. Muito má. Provavelmente era exatamente o que os policiais precisavam, quando você pensa sobre isso. 177


- Você quer dizer que eles precisavam de um motivo para chegar perto, porque eles não estavam chegando a lugar nenhum esperando a evidência de armas ilegais sendo compradas e vendidas. - Exatamente. - Amy acena enfaticamente. - Marissa era exatamente isso. Isso lhes deu a chance de questionar todos os envolvidos, até o mais aleatório. Todos. Os rumores voaram há meses. - Tudo veio até Jax no final do dia, no entanto. Certo? Amy acena de cabeça novamente. - Certo. Assim que anunciaram a bala de calibre usada? Esqueça. Caso fechado, no que diz respeito ao tribunal da opinião pública. Eu balanço minha cabeça. - Talvez seja por isso que Jax não vem para a cidade, porque ele trouxe muita publicidade ruim para o clube, então. - Essa foi minha suposição, sim. Sempre tive a impressão de que ele também não estava estreitamente relacionado com o clube. Talvez, se ele fosse, eles estariam mais dispostos a ter suas costas. Penso nisso. Isso faz sentido, não é? Eles o estão evitando, tanto quanto a cidade está. Oh, ele está tão sozinho. Eu gostaria que ele voltasse a ligar. Ouço um barulho lá fora. Minha cabeça gira automaticamente. Amy sorri um pouco com tristeza. - Você está esperando por ele, não é? Eu aceno com a cabeça, miserável. Não posso negar isso. - Por que você não vai vê-lo em vez de esperar que ele ligue para você? Tome as coisas em suas próprias mãos. Você tem o direito. Quero dizer, é a sua vida. Não é?

178


Ela tem um ponto. Por que não posso ir a ele? Qual é o pior que poderia acontecer? Ele poderia me jogar fora de sua terra. Grande negócio. Eu irei se ele quisesse. Eu sei que ele não me machucaria. Eu sei mais do que nunca, ele não é capaz disso. - Eu acho que vou. - Eu concordo. - Uma vez que fecharmos. Eu me recuso a deixá-la segurando a loja. Já fiz o suficiente disso ultimamente. - Está tudo bem. - Ela diz, dando uma mão. - O que mais eu estaria fazendo? Nada. Adoro vir aqui. Eu sorrio. Ela é um tesouro tão raro. - Então talvez você deva sair cedo. Você segurou toda a corrida por você mesma hoje. - Isso também não foi um grande negócio. Os clientes sabem que quando estou aqui sozinha, eles precisam acalmar o inferno e esperar sua vez. Eu não quero impaciência. Eu vou deliberadamente ir mais devagar se eles me derem um momento difícil. - Eu rio. Ela pode fugir com isso. Ela os conheceu a vida toda. - Então você está ficando? Isso é o que você está me dizendo? - Ela assente com a cabeça. - Por que eu sinto que você está me protegendo de alguma forma? - Eu não estou! - Sim você está. Está tudo bem? Você acha que estou com problemas ou algo assim? Seus olhos se nublam. - Não está em apuros. Apenas... você precisa de um pouco de tempo para se recuperar das coisas que as pessoas estavam dizendo aqui hoje no início.

179


Ainda não chegamos a isso - de fato, eu me esquecera inteiramente. - Certo. O que eles estavam dizendo? - Oh vamos lá… - Você pode me dizer! - As pessoas sempre dizem isso, até ouvirem. - Uau. É tão ruim? Ela balança a cabeça. - Não é terrível. - Diz ela. - Mas não muito legal. - Por favor. Eu acho que tenho o direito de saber o que eles estavam dizendo. - Chris... você pode ignorar coisas assim. Eu não quero que coloque a sua opinião sobre as pessoas aqui. Eles são pessoas verdadeiramente ótimas. Você disse isso você mesma um milhão de vezes. É só que eles vivem com este clube pendurado sobre suas cabeças por um longo tempo. Eles tendem a tirar conclusões porque, vamos enfrentá-lo, não há muito que você possa colocar além desses caras. Há provas literais das coisas que eles fizeram. - Eu entendo. - Eu digo a ela. - Vou levá-lo com um grão de sal. - Tudo bem. - Ela respira fundo, olha para o teto. - O principal que ouvi foi uma piada de "águas tranqüilas e profundas". Você sabe. Durante todo esse tempo, todos estavam se perguntando sobre você. Por que você não namora, por que você é tão quieta. Uma menina tão bonita, por que ela não tem namorado? Agora é, oh, porque ela gosta de meninos maus. Quem teria imaginado isso com ela? Ainda correm águas profundas. Você sabe, com a piscadela e o empurrão. Os olhos enrolados.

180


Foi meio estúpido, especialmente depois da primeira ou segunda vez que ouvi. - É isso? - Isso não parece terrível, considerando a forma como ela o construiu. - Sim, quero dizer, com variações diferentes a cada vez. Veja, uma versão da história foi que ele passou a noite. Outra coisa é que vocês dois estão juntos desde que você se mudou para cá. Há uma dúzia de tons de cinza entre eles. Pegou? - Eu entendi. - Eu digo, minha voz sombria. - Bem, deixe-os dizer qualquer coisa para mim. Eu vou com firmeza, mas educadamente, colocá-los em seu lugar. - Chris... - Amy parece preocupada. Levanto a mão para impedir seus protestos. - Ouça. Eles precisam conhecer o tipo de pessoa que ele é. Eu também não estou falando do meu traseiro. Eu não sou uma namorada apaixonada. Os fatos são fatos. Ele salvou minha vida. Ele me salvou mais de uma vez, honestamente. - Meu rosto nubla-se quando eu me lembro do jeito que me senti na noite passada. Eu estava tão assustada. Jax veio e fez tudo melhor. - O que há de errado? - Amy fica de pé, andando pelo balcão. Minhas memórias estão nublando minha mente neste momento. - Do que você está falando? Mais uma vez - o que isso significa? Eu olho para ela, avaliando-a. Já confiei nela antes. Posso confiar nela novamente? Então lembro-me de como foi bom finalmente tirar tudo do meu peito, quando confessei tudo a Jax. Há vergonha nos segredos. Uma vez que esses segredos estão abertos, a vergonha desaparece. Você pode até se perguntar por que você ficou envergonhada, em primeiro lugar. - Sente-se. - Eu digo a ela. - Vou derramar para você outro chá. Tenho uma história a contar-lhe.

181


Amy tem lágrimas em seus olhos. Eu disse a ela tudo, todos os detalhes. Na maioria das vezes, meus olhos estavam na minha xícara de café. Algumas das memórias ainda são muito cruas, muito dolorosas. Assim, na noite passada. A última vez que ele me atingiu. O tempo que eu decidi que foi a última vez. - Eu não posso acreditar que você estava carregando isso dentro de você por tanto tempo. - Diz Amy calmamente. - Não posso acreditar que você tenha andado com isso em seu coração. - Ela atravessa a mesa, apertando minha mão. - Tudo bem. - Eu digo a ela. - Não está! Você passou pelo inferno. Agora... agora acho que entendo um pouco mais. Por que você não esteve namorando? Honestamente? Eu costumava questionar isso eu mesma. Por que uma pessoa bonita e legal não tinha namorado. Ou uma namorada, seja o que for. Por que você estava sozinha. - Agora você sabe. - Eu encolhi os ombros. - Aconteceu. Isso acontece com muitas pessoas. Nós simplesmente não falamos sobre isso. Jax foi a primeira pessoa que eu disse. - Por que você contou a ele? - Porque... ele me encontrou. Tommy. Amy baixou para o centro. Ela cobre sua boca com as duas mãos.

182


- Ah não! Não posso acreditar! - Ele estava me enviando mensagens, me enviando mensagens nas mídias sociais. Ele é insano. -Uh, sim. Ele parece ser assim. Quando foi a última vez que ele chegou até você? Olho para a parede atrás das máquinas de café. Há aquele artigo, emoldurado. Bem, onde coloquei o dia em que abri o lugar. Eu aponto para isso, explicando o que recebi no correio ontem. Por que eu liguei para Jax, por que não vim nesta manhã. - Jesus. Você também deveria ter chamado a polícia! - Eu não estava pensando claramente. Honestamente, ele acabou por me ligar alguns minutos depois que eu abri o correio. Eu estava desesperada. Eu precisava que ele me protegesse. - E ele fez. - Ele fez. Ele veio correndo. - Oh... - Os olhos de Amy se iluminam. - Mesmo que não seja suposto estar na cidade? - Eu acenei com a cabeça. Agora ela entende. - Você pode ver, então, não pode? Por que eu sinto o jeito que eu sinto? Não posso virar as costas para ele. Em poucos minutos, ele estava na minha porta. Na minha casa. Inspecionando todas as últimas polegadas, apenas para eu me sentir segura. - Nós sorrimos. É tão bom ter uma amiga para conversar sobre essas coisas. - Eu estava com muito medo de entrar hoje no trabalho. - Eu explico. - Era muito cru, muito fresco. - Por que você veio?

183


- Eu tinha que falar com você. Mais importante, eu não posso deixar Tommy governar minha vida. Não posso. Ele ganha se eu deixá-lo fazer isso. - Eu balanço minha cabeça, apontando para ela e para mim. - Ele está aqui. Tão profundo. Eu tenho que tirá-lo. Ele poderia estar a centenas, a milhares de quilômetros de distância. Mas ele está plantando sementes, você sabe? Ele poderia estar bem na minha cara novamente, gritando que a manteiga estava muito fria para se espalhar no pão dele. É o que ele quer, também. Não posso deixá-lo ter. Amy levanta-se, me dá um abraço. - Você é uma boa pessoa. - Ela diz com um sorriso, uma vez que ela me libera. - Então você é. - Eu digo. - E assim é Jax. - Ela acrescenta. Meus olhos se enchem de lágrimas. Pelo menos ela consegue. Um para baixo, falta o resto da cidade para ir. *** Nós finalmente fechamos a loja. É muito mais tarde do que devemos, percebo. Ficamos sentadas conversando por horas, muito depois do tempo de fechamento normalmente ocorrer. Senti-me tão bem em tirar tudo do meu peito, perdi-me completamente no tempo. Nós ficamos de fora da loja juntas, Amy e eu. - Obrigado por me ouvir. - Digo, abraçando-a novamente. - Significa o mundo. - Eu te dou cobertura. Apenas deixe alguém tentar dizer qualquer coisa contra você. Eu vou colocá-los em linha reta. - Promete. - Isso também significa o mundo, mas eu não quero que você fique com água quente na minha conta. Basta dirigir os movimentos de fofocas para o meu caminho. Eu serei a única a defini-los em linha reta. Você não 184


precisa lutar contra minhas batalhas. - Eu dou a ela um sorriso e outro abraço. Ela é uma boa amiga. Eu não sei o que eu faria sem ela agora. - Você vai para a Jax? - Pergunta ela antes de nos separarmos. - Eu acho que vou tomar seu conselho e passar, sim. Primeiro eu quero ir para casa para mudar. Há farinha por toda minha roupa. - Ela sorri. - Talvez você deva arrumar uma mochila para a noite? - Ela ri, e eu a golpeio com minhas luvas. Nós caminhamos até nossos carros, rindo. Eu dirijo para casa sentindo-me estranhamente flutuante. Eu deveria escrever um livro, eu decido. Tudo sobre as mentiras que nos contamos. Nós mesmos nos convencemos que ninguém nunca nos entenderá. Não podemos compartilhar nossa história com os outros. As pessoas vão nos julgar, nos evitar. Nos sentiremos envergonhados. Isso não faz sentido! Eu ri de mim, em voz alta, no pensamento. É um absurdo total. Não podemos viver em nossos corações o tempo todo. Quando estamos sofrendo, temos de chegar e compartilhar nossas histórias. Quem sabe? Talvez outra pessoa possa se relacionar, e nossa bravura também os ajudará. Estou me sentindo extremamente confiante enquanto eu subo as escadas, escavando minhas chaves. Estou mesmo zumbindo, percebo. Algo que não fiz a anos. Não posso esperar para chegar à Jax. Eu sei que posso fazer ele entender de onde eu vim hoje. Mesmo que ele tenha escutado a minha mensagem e ainda estivesse pensando, posso fazê-lo ver de alguma forma. Eu só preciso da chance. Entrei na casa, tateando a luz. Quando as luzes não acendem, eu me sinto doente. Em uma fração de segundo, tudo fica claro. Então eu sou batida na cabeça, e tudo fica preto. *** Onde estou?

185


Eu acordo, e tudo está escuro. Estou me movendo, não estou? Indo de um lado para o outro, gentilmente. Como estar em um berço. Estou balançando em um berço. É realmente gentil. Eu fecho meus olhos novamente, sem querer nada além de afundar na escuridão ao meu redor. É tão doce, tão bom, apenas relaxando assim. Não tendo que estar preocupada, não ter que me defender ou atravessar rumores obscuros e confusos. Apenas... estar. Esperar. Não. Não posso voltar a dormir. Eu abro meus olhos novamente. Estendo as pernas... só que elas não se estendem todo o caminho. Nem mesmo muito do caminho. Eles estão dobradas, meus joelhos perto do meu peito. Procuro esticar meus braços, mas eles também não estão indo tão longe. Há uma parede na minha frente. Eu tento rolar nas minhas costas. Há um teto logo acima da minha cabeça, tão baixo que escovo meu ombro contra ele, enquanto eu viro. Deus, é tão pequeno. Então fechei-me. Sintome em pânico. Meu coração está acelerando. Não consigo respirar, não consigo respirar. Não. Acalme-se. Respire. Dentro. Fora. Você ficará bem. Onde estou? Estou me movendo. Essa é uma das primeiras coisas que percebi, certo? Estou me movendo. Onde? Como? Que cheiro é esse? Escape? E os sons. Tráfego? Os carros estão passando? Meu Deus. O porta-malas de um carro. Este não é um teto. É a tampa do baú. - Ei! - Eu grito, batendo meus punhos no teto. - Ei! Ajude-me! Deixeme sair! Por favor! - O carro continua em movimento, como se eu não tivesse dito uma palavra.

186


Giro o melhor que posso, tentando soltar a luz da cauda. Eu sempre li que você pode ser encontrado no porta-malas de um carro, soltando a luz da cauda e acenando seu braço. Só não há espaço suficiente no porta-malas para que eu levante força suficiente. Eu não posso chutar minhas pernas com bastante força porque não posso me afastar o suficiente. Eu luto, estou suando, chorando de frustração. O que vai acontecer comigo? Tento bater na tampa de novo. - Por favor! Deixe-me sair! Eu não consigo respirar aqui! - Quem quer que seja, eles não se importam. Posso dizer que, do zumbido do motor, o carro não diminui tanto. Quem me fez isso? Há peças de roupa aqui. Posso dizer-lhes de imediato. Eu poderia ter que embrulhá-las em torno de minhas mãos se eu quiser fazer mais perfuração na tampa, tão perto da minha cabeça. É uma bênção que eu não sou claustrofóbica. Eu ri com dureza à idéia de uma benção nesta situação. Não há bênçãos aqui. Eu estou no porta-malas de um carro, sendo detida, Deus só sabe onde, e eu estou contando minhas bênçãos. Surpreendente. Levanto uma das peças, uma camisa, no meu nariz. Eu conheço essa colônia. Claro, eu sabia o que estava acontecendo no segundo que eu toquei o interruptor da luz. É Tommy. Ele me encontrou. Penso nessa idéia de escrever um livro. Eu vou ter que incluir um capítulo, o momento em que percebi que meu ex abusivo finalmente veio para mim. Eu tentei ligar as luzes dentro de casa, e elas não funcionaram pela primeira vez. Você sabe, naquele instante, que tudo aconteceu. Meu pior pesadelo se tornou realidade. Ele estava aqui. Em algum lugar. E ele estava esperando por mim. Tudo foi para nada, todo o meu esconder e sonhar com algo melhor. Ele nunca vai deixar eu ir. Ele não estava brincando quando disse que nunca me deixaria ir. E então ele bateu em mim e me deixou inconsciente. Minha cabeça sopra dolorosamente, como em resposta aos meus pensamentos. Ele me bateu com força. Agora fico feliz por não ter dormido quando quis, por medo de uma concussão. Toque minhas pontas dos dedos 187


no ponto dolorido na minha cabeça. Passo meus dedos e os sinto molhado. Eu estou sangrando. O que ele vai fazer comigo? Eu poderia tentar gritar para ele do portamalas, mas isso não fará nada de bom. Ele provavelmente está em um frenesi até agora. Ele pode até me matar. Eu penso em meus pais. Eu gostaria de ter falado com eles mais uma vez. Eu penso em Amy. Durante o resto de sua vida, ela lembrará de me abraçar e rir comigo quando saímos da loja. Será uma daquelas memórias que joga na cabeça por anos, uma e outra vez. Rindo e brincando sobre passar de noite em Jax, pouco antes de Tommy ter me seqüestrado. Jax. Oh Deus. O que ele fará? Por que eu não fui direto para sua casa? Nada disso estaria acontecendo. Eu tenho que continuar respirando ou então eu vou passar. O pânico ameaça ultrapassar-me. Agüentando pelo fio mais fino. Tudo o que posso fazer é mentir aqui e pensar. Sobre o que pode acontecer. O que eu posso fazer sobre isso. E se alguém virá para me ajudar, antes que seja tarde demais.

188


Passo o dia pensando muito. No começo, eu estava chateado, principalmente quando saí pela primeira vez de Christina. Além de irritado. Desejando ter golpeado Adam no segundo que eu o vi puxar para o seu caminho. Quem diabos ele pensava que ele era afinal? Aparecendo assim, atuando como superior. Vislumbrando Christina, mais do que já era. Tudo por algum tipo de rancor contra mim. Eu sei por que ele me odeia. Deve ser assim por muito tempo. Se ele conhecesse a história completa do que aconteceu no dia em que Marissa morreu... Não sei o que isso faria com ele. É maior do que eu, maior que ela. Era coisa do nível do clube. Eu não sei o quão envolvido ele ainda está com o clube, mas acho que ele deve estar perto. Eu teria ouvido algo através da videira de outra forma. Pensando nisso, ele não estava usando seu corte. Isso é algo a considerar. Nos Angels, quando você anda de motocicleta, você usa seu corte. Talvez ele tenha deixado em casa, desde que ele estava vindo pela cidade. Uma das regras tácitas, é que os membros do clube não os usam quando viajam pela cidade. Deus não permita que as pessoas da cidade tenham que lembrar que o clube existe. Independentemente Tropeçando. Patético.

disso,

Adam

estava

sendo

um

burro.

Ele era realmente patético? Eu passo minha sala de estar, batendo na minha palma da mão. Não é patético. É dor. Eu poderia tê-lo impedido de sentir essa dor, mas não. Talvez eu seja patético.

189


Então eu estava chateado primeiro. Agora estou desesperado. Preciso que ela acredite em mim. Não sei por quê. Eu tenho que falar com Christina, mesmo que isso signifique voltar para a cidade. Tenho pensado nela quando não estou pensando em Adam. Não posso ajudar. Eu continuo me lembrando do jeito que ela me olhou, quando eu estava lutando com ele. O jeito que ela olhou quando ele falou aquelas coisas terríveis. Sobre Marissa. Eu tinha certeza de que ela não acreditava em mim. Ela ia virar as costas para mim, assim como todos os outros já têm. Por que não? Eu sou veneno. Eu mato tudo o que toco. Antes que Adam aparecesse, ela estava pronta para caminhar pela cidade comigo. Dirigir-se a qualquer lugar comigo. Ficar ao meu lado e me defender, não importa o que isso significasse para ela. Tudo o que precisou foi a boca de Adam para resolver a dúvida. Eu vi isso em seu rosto. Ela não sabia mais no que acreditar. Eu ou o bêbado ficando de pé no gramado. Ele nem sempre foi assim. Eu costumava pensar em Adam como um grande irmão. Ele era tão legal, então no controle. Eu adorava ele, eu acho. O irmão que eu nunca tinha tido. Então, quando eu me casei com Marissa, ele se tornou meu irmão. Parecia bom demais para ser verdade. Agora? Ele é uma bagunça. Uma sombra de quem ele costumava ser. Desleixado, bêbado, com raiva. Eu sei que é minha culpa. Apenas não pela razão que ele pensa. Nada que eu já tenha dito, tinha sido bom o suficiente. Não para ele, nem para ninguém na cidade. Por um minuto, pensei que seria suficiente para Christina. Eu estava errado. Não seria a primeira vez que eu estava errado sobre alguma coisa. Há tanto que ela não sabe. Há coisas sobre o dia em que Marissa morreu, que eu nunca disse a ninguém. Eu fiz isso para protegê-la. Talvez tenha sido um erro. Talvez proteger sua memória não é o caminho a seguir. Veja o que está fazendo na minha vida. - O que você acha, Blue? - Ele me olha do seu lugar em frente ao fogo. - Você ganhou a vida, amigo. Você não precisa se preocupar com merdas

190


assim. Tudo o que você precisa fazer é comer e dormir e correr ao redor. Gostaria de estar como você agora mesmo. Ele vem para mim, acariciando minha mão. Ele é meu único amigo há muito tempo. Depois de me separar do clube, não tinha ninguém. Era como ser um filho de novo. Sem amigos, sem família. Eu não visitaria minha mãe por um milhão de dólares. Ela pode estar morta, por tudo o que sei. Não posso voltar para esse mundo. Mesmo passar por um parque de reboque envia um arrepio na minha coluna vertebral. O Blue sabe toda minha merda. Ele é um bom ouvinte. - O que devo fazer, Blue? Devo ir para ela? - Ele olhou para mim. O que ele conhece? Ele só quer comida. Merda. Eu paro, passeando. Posso confiar nela? Sinto que ela merece saber tudo, mas não consigo agitar esse sentimento de traição. Se eu contar toda a história, estarei traindo Marissa. Ela era uma boa esposa até que as coisas ficassem ruins. Ela não conseguiu se ajudar no final. O vício era muito forte até então. Será que ela acreditaria? Ou ela vai assumir que estou mentindo, assim como todo mundo sempre tem? Eu ouço seu correio de voz novamente. Ela está do meu lado. Ela acredita em mim. Talvez eu devesse dar-lhe uma chance de provar isso. E se ela me decepcionar, como todos os outros? É bom para uma pessoa dizer que eles vão acreditar em você, até ouvir a verdade. Eu não posso me ajudar. Ligo para ela de volta. Correio de voz. - Ei, é Jax. Eu recebi sua mensagem. Eu tive tempo para pensar. Quero falar com você. Me ligue, podemos nos encontrar em algum lugar. Depois de uma hora de espera, começo a me preocupar. Por que ela não ligou? Ela mudou de idéia? Talvez alguém mais tenha chegado a ela antes, e tentou transformá-la contra mim. Parece tão paranóico para mim, mas eu sei que tudo é possível nessa cidade. Eu pego o meu casaco e subo na minha motocicleta. 191


Eu sei que poderia pegar merda por voltar para a cidade assim. Eu fiz um acordo com o clube, anos atrás, que eu não viria. Eles nunca me restringiram estritamente a isso - afinal, uma pessoa tem que ir à cidade de vez em quando. Suprimentos e outras coisas. Caso contrário, eu fui banido. E tudo bem comigo. Não há amor perdido aqui. Acho que o estacionamento durante a noite na Christina, era sua idéia de sair das regras. O que eu deveria fazer? Eu tive que escolher, e eu a escolhi. Conhecia as conseqüências, e entrei nela. Eu não me importava. Eu ainda não me imporoa. Mas ela faz. Eu me pergunto quantas pessoas vão me ver, enquanto ando por esta altura. A cidade parece tranqüila, quase deserta. Está congelando aqui fora, mantendo todos dentro de suas casas quentes. Mas há olhos em todos os lugares. Eu juro que é como se algumas pessoas estivessem à sua janela, esperando que algo acontecesse. Em breve, a palavra começará a espalharse que eu estou passando. Como eu sou o maldito ceifador ou algo assim. Não importa. Eu tenho que falar com ela. Dirijo a Main Street, com a esperança de que sua loja ainda esteja aberta. Não, está escuro agora. Talvez seja o melhor - não seria bom se eu fosse visto na loja. Os habitantes da cidade podem sair com as forcas e as tochas queimadas. Eu vou para a casa dela, esperando que este passeio não fosse para nada. Não acho que tenha muita vida social. Se eu encontrá-la em qualquer lugar além da loja, sua casa provavelmente é o lugar. Seu carro está no caminho de entrada. Respiro um suspiro de alívio. Agora, tudo o que tenho a fazer é esperar que ela fale comigo. Já faz mais de uma hora desde que liguei para ela, sem resposta. Isso é diferente dela. Eu me pergunto quem chegou até ela, desde que ela ligou. Se ela foi à loja, as possibilidades são infinitas. Eu vou até a porta da frente, tocando. Ela abre ao menor toque.

192


- Olá? - Eu grito, pensando que ela esqueceu de fechá-la todo o caminho. Silêncio. Eu alcanço o interruptor da luz, apertando-o. A casa permanece na escuridão. Merda. Por que eu parei de levar uma arma? - Christina? - Abro a porta mais larga, até que ele repousa contra a parede. Não há sinal de movimento em qualquer lugar na sala de estar ou na cozinha. Eu passo um passo para dentro, e é aí que eu vejo isso. A luz da varanda está ligada, mostrando-me uma mancha escura no tapete, apenas dentro da porta da frente. Juntamente com uma bolsa. A bolsa de Christina, no chão, o conteúdo em toda parte. Meu coração imediatamente começa a correr. Meu foco se estreita. Ela se foi. Eu sei quem a levou. Por que não estava com ela? Esqueci o quanto ela precisava de mim. Muito ocupado pensando em mim mesmo. Eu tenho que encontrá-la.

193


- Já contei tudo isso. - Digo, sentado no sofá da sala de estar de Christina. As luzes estão acesas, agora, os policiais levantaram o disjuntor. Ele não cortou os fios pelo menos. - Conte-nos novamente. - Pergunta o policial. Ele está sentado na minha frente, em uma das cadeiras da cozinha de Christina. Eu quero dizerlhe para obter o seu gordo traseiro fora da cadeira. Ele não merece sentarse em uma de suas cadeiras. Ele não quer ajudá-la. Ele só quer colocar isso em mim. - Você não entendeu? Enquanto você está me questionando, esse maldito maníaco tem ela! Ele poderia estuprá-la, matá-la, agora mesmo! E você não está fazendo nada sobre isso! - Talvez se você concordar. - Diz outro policial. Uma mulher desta vez. Ela me odeia tanto quanto o resto deles. Ela nem está tentando ocultá-lo. Respiro fundo, lutando para controlar meu temperamento. - Como eu disse. Eu estava vindo aqui para falar com ela. Ela me ligou mais cedo, querendo se entender depois de um desentendimento que tivemos - você ouviu o correio de voz. Liguei para ela de volta. Quando ela não respondeu depois de uma hora, eu vim aqui. Eu não estava preocupado com a segurança dela, tanto quanto eu estava preocupado por que ela não ligaria, quando ela parecia tão pronta para falar quando ela deixou essa mensagem. Pareceu-se fora de caráter. - E o que você achou quando chegou aqui? Quero dizer-lhes para ir a merda.

194


- A porta estava quase fechada, mas não totalmente. Fui tocar, mas abriu um pouco. Abri todo o caminho. Eu vi a mancha de sangue, a bolsa no chão. Então eu liguei para você. - Eu não queria. Era a última coisa que eu queria fazer. Mas eu lembrei que isso não era sobre mim. Era sobre ela. Encontrando-a. Uma grande me fez, visto como eles ainda não começaram a procurar. - Você diz que vocês dois tiveram uma discussão hoje? Ah não. Isso não. - Sim, um pequeno desacordo. - O que foi isso? - É pessoal. - Eu pensei que você queria ajudar sua namorada. - Ela não é... De qualquer forma, como isso ajudaria você? O que falamos não tem nada a ver com isso. Estou lhe dizendo que seu ex é um maldito lunático. Você achou esse recorte? Tem que estar por aqui em algum lugar. Eu apenas olhei para ele esta manhã. - Eu aponto para a mesa de café. - Estava bem aqui. - Nós não vimos nenhum tipo de recorte em qualquer lugar. - Diz o oficial feminino. - Ótimo. Ele provavelmente pegou isso! - Você está dizendo que a Srta. Reardon tem um perseguidor? - É exatamente o que estou dizendo. Seu namorado, ou ex-namorado, era abusivo. Ele a estava perseguindo. Ela recentemente bloqueou seu número e o bloqueou nas mídias sociais. Confira, seu laptop, está aqui. Você provavelmente pode fazer login e ver por si mesmo. Ele está louco. Eu sei que ele tem ela. - Nós levamos o laptop como evidência, e nossa equipe forense vai ver isso.

195


- Você não precisa de uma equipe forense para isso! - Estou tremendo de raiva. É como falar com uma parede. - Eu estou lhe dizendo, eu olhei suas mensagens hoje! Só esta manhã. Ele disse coisas doentes. Tudo o que você precisa fazer é olhar, e você verá o que quero dizer. Você deveria estar procurando por esse cara! - Qual é o nome dele novamente? - Um dos policiais tira um bloco de notas. - Tommy. - Tommy, o quê? - Eu não sei. Se você olhar para a conta com as mensagens, você poderá ver. - Sr. Fairbanks, não podemos apenas fazer login nas contas de uma pessoa sem permissão. Devo estar perdendo a cabeça. É a única explicação. - Mesmo quando você acha que houve um seqüestro? Você está brincando comigo? Ela não é uma suspeita aqui. Não é como se você tivesse que se ver. Ela é a vítima. Ela precisa de sua ajuda. Por favor. Ajude ela. Ele a levou. Eu sei que ele fez. - Sr. Fairbanks... - A mulher policial olha para mim, as mãos nos quadris. - Como sabemos que você não está apenas inventando isso? - A prova está ali. - Eu aponto para o computador. - Como sabemos que isso não é uma desculpa conveniente? - O que? Você quer dizer que você pensa que fiz algo com ela, porque eu vi essas mensagens e pensei que era uma boa desculpa? Como, oh, ótimo, agora eu posso matar essa garota porque eu tenho alguém para colocá-la? O que diabos está errado com vocês?

196


- Não use essa linguagem conosco, Sr. Fairbanks. - Ou o que? Você vai me levar? - Isto é um pesadelo. Um pesadelo vivo. É tudo o que posso pensar, para não explodir na frente dessas pessoas. Eu respiro profundamente, gritando internamente, me dizendo para controlar minhas emoções. - Ouça. Por favor. Eu me importo com essa garota. Ela é muito especial. Ela está com problemas. Por favor. Eu sei... Eu sei que não tenho uma boa reputação nesta cidade. A culpa é minha. Entendi. Eu fiz algumas coisas ruins. Não faça que ela pague por isso. Você está olhando a pessoa errada em tudo isso. Apenas... faça-lhe o favor de olhar para esse cara, Tommy. Você encontrará seu sobrenome nessas mensagens - eu honestamente não me lembro do que era, mas eu lembro de ver isso. - Eu olho de um policial para o outro, depois de volta. Eu também poderia falar com uma parede. - Sim. Nós faremos isso. Enquanto isso, não vá a lugar algum. - Ambos os oficiais se mudam para a cozinha, deixando-me em paz. Eu não acredito nisso. Nunca me senti tão desamparado na minha vida. Nem quando Marissa morreu. Este é um novo nível de inferno. Eu pensei que tinha passado por tudo isso. Eu não tinha idéia do quanto as coisas ruins podiam chegar. - Christina... - Eu sussurro. Eu fecho meus olhos. Onde está você? Você ainda está viva? Abro os olhos, e imediatamente eles caem na mancha do sangue. Meus punhos apertam. Vou matar aquele filho da puta. Eu só tenho que encontrá-lo. Os policiais não estão fazendo nada. Depende de mim. Olho na cozinha, onde os dois idiotas que me questionaram estão conversando com as cabeças próximas. Eu sei que sou o principal suspeito deles. Eu sei que eles estão tentando preparar um motivo para me levar para novos questionamentos. Não posso deixá-los fazer isso. Há alguns policiais lá fora, procurando pegadas no quintal. Há outro no andar de cima, verificando se o atacante deixou algo para trás. Estou sozinho por um momento. 197


Eu vejo algo que saiu da bolsa de Christina, metade derramado no chão. Seu telefone. Merda. Talvez ele a chamou? Eu olho de volta para a cozinha, certificando-se de que eles não estão me observando, então deslize do sofá para me agachar e pego o telefone. Eu me sento no sofá, telefone ao meu lado. Está desligado. Não é de admirar que ela não soubesse que eu liguei - se ela fosse capaz de chamar nesse ponto. Não tenho idéia de quando Tommy a levou. Liguei-o, aguardando o que parece anos para começar. Em seguida, a tela inicial aparece. Graças a Deus, ela não o bloqueia. Há uma mensagem - minha, eu suponho. E um punhado de textos. Olho novamente para os policiais na cozinha. Eles são inconscientes. Abro os textos. Eles são de um número desconhecido, mas eles são claramente dele. - Eu vou fazer você me amar de novo. -Você verá. Nós podemos ser felizes. - Vou levá-lo de volta à torre. Foi aí que nos apaixonamos. É aí que vamos começar de novo. A torre? Em que diabos estava esse cara? Qual torre? Eu tenho que descobrir o que isso significa, mas não posso fazê-lo enquanto estou preso aqui. Eles ainda estão profundamente conversando na cozinha, suas costas para mim. Boa. Deixe-os ficar lá. Coloquei o telefone de volta, só que desta vez eu deixo no chão pela bolsa em vez de meio caminho dentro. Esses idiotas precisam de toda a ajuda que podem obter. Não tenho idéia de onde eles aprenderam a ser policiais, mas eles são malditos com isso. Então eu deslizo no sofá novamente e passo baixo o suficiente para não ser visto, quando eu saio pela porta aberta. Eu não escuto nenhum ruído atrás de mim, então eu sei que eles não me ouviram. Não há ninguém na frente. É como se eles não quisessem encontrála! Como se estivessem convencidos de que a matei. Eu engulo a bile na

198


minha garganta. A minha moto ainda está na entrada, atrás de seu carro. Eu corro para ela, pulando e girando para trás com meus pés. Somente quando eu acerto na rua, coloco a ignição, depois monto tão rápido quanto posso sair daquela casa. Eu tenho que ir para casa e me preparar. Não sei aonde ir ou o que esperar, mas tenho que encontrar uma maneira de chegar até ela. Tem que haver alguma pista em algum lugar. Espero que eu possa encontrá-la, antes que os policiais me encontrem.

199


Chego em casa em tempo recorde, especialmente considerando a forma como eu olhei para trás quase sempre. Esperando ver as luzes azuis piscando. Eles estarão vindo para mim a qualquer momento. Não consigo me lembrar de todas as vezes que tive que superar os policiais no passado. Toda a merda que costumávamos entrar, eu, Adam e Frankie e todo o resto dos caras. Nove vezes de dez, parecia que estávamos ultrapassando alguém. Eu pensei que era divertido na época. Qualquer coisa para pertencer a algum lugar. Frankie, especialmente, era um Deus para mim. Ele não podia fazer nada de errado. Ele era o cara que todos queríamos ser. Sempre pegando as mulheres mais lindas, sempre com respeito. Nós o adorávamos. Especialmente eu, sem figura de pai na minha vida ou mesmo um grande irmão para procurar. Ele me levou sob a asa, me fez sentir especial. Como se eu pertencesse. Lembro-me da primeira vez que ele me enviou num trabalho. Eu tinha apenas dezoito anos, tentando fingir ser forte e malvado. É fácil ser um fodão, quando você não precisa voltar suas palavras. Então Frankie me pediu para acompanhar um par de caras para fazer uma brigada rival. Apenas agitar tudo, nada importante. Talvez destruir algumas motos, quebrar algumas janelas em sua casa do clube. Nada importante. Eu estava com medo de morrer. Meu coração estava batendo uma milha por minuto até o clube. Eu sabia que não deveria ter medo, considerando que isso não era tão importante. Havia membros reais do clube, não apenas prospectos como eu, que mataram pessoas na ordem de Frankie. Tudo o que eu tinha que fazer era disparar alguns tiros. Pelo menos eu tinha disparado uma arma antes. 200


E se eles voltarem a disparar? Toda vez que eu pensava, queria vomitar. A única coisa que me impedia era a presença de meus amigos. Um modo infalível de perder a solução: vomitar em seu primeiro emprego. Eu fiz bem nesse primeiro emprego, destruindo três motocicletas, antes que um punhado de caras saíssem da casa do clube, atirando. A van começou a decolar, e eu corri depois. Meus amigos chegaram até mim através das portas traseiras abertas, puxando-me antes de acelerarmos. Fiquei exaltado, no topo do mundo. Eles me bateram nas costas e me contaram o excelente trabalho que fiz. Era um alto. Nunca me senti tão aceito antes. Quando voltamos para a casa do clube, Frankie estava orgulhoso de mim. Foi o meu primeiro show de fidelidade para o clube, e eu os fiz orgulhosos. Estava preso. Nunca fui enviado a um trabalho tão fácil novamente, mas não me importava. Eu queria ter o patch o mais rápido possível. Eu era um idiota. Agora, não importa o que eu faça, não posso viver. Eu poderia deixar a cidade completamente, atravessar o país, começar uma nova vida para mim. Mas isso seria como fugir. Eu também não posso fazer isso. Meu orgulho me impede, sempre que eu considero isso. Além disso, me sentiria mal de deixar Marissa. Não posso negar o anexo que ainda sinto com ela, mesmo que ela não tenha estado comigo por muito tempo. Essa era sua casa, dela e minha. Deixando isso significaria deixá-la. Se eu a tivesse deixado antes, não conheceria Christina. Alguém mais a encontraria na neve? Quem vai dizer? Ela poderia estar morta agora se não fosse por mim. Ela poderia estar morta agora. Ele poderia tê-la matado. O pensamento me faz acelerar o motor. Eu sei que não podem me levar sem provas de que fiz alguma coisa. Provavelmente, o que eles estavam tentando fazer quando estavam na cozinha. Algumas razões falsas para me trazer. Eu tenho que incomodá-los. Não deve ser muito difícil.

201


Eu corro para dentro de casa, depois em frente para a caixa que eu deixo debaixo da minha cama. Eu não abri esta caixa em dois anos, desde Marissa. Eu disse a mim mesmo que eu não abriria nunca mais. Eu só mantive isso aqui para me lembrar do homem que eu costumava ser. Quão culpado eu sou de tantas coisas. Punição pelos meus pecados. Eu retiro a chave, inserindo-a na fechadura. Há a Glock, juntamente com vários clipes. Carrego um clipe na pistola, depois pego mais dois. Eles entram no bolso, enquanto a pistola entra na cintura do meu jeans. Eu não senti uma arma na parte de trás do meu jeans em anos. Isso repousa contra minha pele, tão familiar. Agora eu tenho que descobrir para onde ir. Droga! Eu fecho meus olhos, tentando lembrar onde ela me contou que eles se conheceram. Foi na escola? Sim. Eles se encontraram na faculdade. No Texas, em algum lugar. Cristo, quantas feiras de faculdades existem no Texas? Blue sente meu humor, pulando para cima e para baixo, tentando chamar minha atenção. Estou além de agitado, quase em pânico. Lembrome de ficar calmo. Ela precisa que eu fique calmo. Eu paro, olhando para a foto de Marissa antes de me mudar para ir. Não posso deixar outra mulher que eu me preocupe por este caminho. Não posso. Eu tenho que salvar Christina. Eu corro no andar de baixo e depois me sento de frente para o computador. Se houver algo que valha a pena encontrar, ele estará online. Eu logo no Facebook, esperando que ela seja o tipo de garota para publicar muitas fotos. Ela é, graças a Deus. Eu respiro um suspiro de alívio, enquanto eu atravesso suas fotos. Há um milhão de álbuns. Isso pode demorar mais do que eu pensava, e não tenho tempo. Tudo o que posso fazer é pensar nela. Quão aterrorizada ela deve estar. Ela sabe que estou procurando por ela? Eu espero que sim. Espero que ela tenha algo para se manter, enquanto ela está passando por isso. Espero que saiba que eu nunca a abandonaria. 202


Um álbum de fotos parece o mesmo para mim como qualquer outro, então eu abro um e começo a olhar pelas fotos. Ela teve muitos amigos na escola - eu olho para as datas nas fotos, faço a matemática, e acho que isso deveria estar em torno do primeiro ano da faculdade. Aqui está ela, em um barco com um peixe. Em um clube. Na praia. Essas sardas, esse sorriso. Ela era tão bonita, de uma maneira mais nova. Agora ela é uma mulher linda. Não há nada aqui para me dizer nada, então eu vou para o próximo álbum. Estes são os feriados. Christina e seus pais. Eles parecem um bom casal. Posso ver que a amam como loucos. Há muitas risadas nessas fotos. Grandes sorrisos. Camisetas de Natal sentimentais. Eu sempre quis uma família assim. Ainda não há pistas. O próximo álbum é uma festa de aniversário. Mais uma vez, Christina é o centro das atenções. Há ainda fotos de seu próprio bolo de aniversário. É lindo. Para uma jovem, ela fez um ótimo trabalho, mesmo fazendo pipa na cereja em redemoinhos. Fotos de pessoas com fatias em pratos, dando um polegar para cima. Estou obtendo uma foto mais clara dessa mulher. Alguém com muito amor em sua vida. Então, algo mudou. Há outro álbum dela. Somente ela. Nenhum amigo. Apenas um monte de fotos que alguém tirou dela. Ela parece mais magra. Cansada. Em algumas fotos, ela está segurando a mão como se quisesse se proteger. Ela não quer tirar a foto. Mas a pessoa atrás da câmera insistiu. Tinha que ser ele. Foi depois que ela o conheceu. Eu olho para os álbuns, sabendo que tem que ter fotos dele aqui em algum lugar. Eu tenho que vê-lo. Eu preciso olhar para ele, saber quem eu estou procurando. Espero poder encontrar algo que me diga onde ele pode levá-la. Ali estão eles. Tem que ser ele - ela me disse que ele era seu único namorado, não é? Ele tem seus braços ao redor dela, dela ao redor dele. Eles são jovens, de aparência fresca. Grandes sorrisos nos rostos. Foi isso antes ou depois que ele a atingiu pela primeira vez? Ela está cheia de esperança? Eu queria poder voltar para aquela garota e avisá-la sobre ele.

203


E ele. Ele parece ser alguém que eu odiaria se eu o conhecesse pessoalmente. Eu conheci bastante valentões no meus dias, para reconhecer um quando eu os vejo. Grosso, corpulento. Ele tem um sorriso que é mais como um meio sorriso. Cabelos loiros e encaracolados em um corte apertado. Olhos cinza claros. Ele gosta de acertar as mulheres. E eles estão de pé na frente de uma torre. Assim como ele falou em seu texto. Passo por mais fotos, percebendo que estas são imagens dela na faculdade. Cadê? Eu olho para o nome, conecto-me a outra guia do navegador. Está a cerca de cinco ou seis milhas daqui. Eu vou para o site. Com certeza, aqui estão as fotos de uma torre no campus. Foi aí que eles "se apaixonaram". É aí que ele a está levando. Então é onde eu preciso estar. Quanto ele começou? Eu olho para o momento. Espero que não mais de um par de horas. Se eu me mudar rápido o suficiente, espero poder alcançá-los a tempo de impedir que ele faça algo louco. Paro para colocar um pouco de comida na tigela do Blue. - Volto logo, amigo. Eu espero. E eu vou trazê-la comigo. - Não há outra maneira que isso possa acabar. Tenho que trazê-la de volta. Eu abro a porta. Luzes intermitentes na distância. Merda. Lá vem eles. Eu corro para minha motocicleta, decidindo atravessar a floresta em vez de tomar a estrada principal. Eles não podem me seguir lá. Eu tenho que despejar a motocicleta. De que outra forma posso chegar ao Texas? Roubar um carro? Certo, e dar-lhes outro motivo para me perseguir. Então, então? Adam. Ele é meu único tiro. Ninguém mais falará comigo. Por que todos eles se importariam, afinal? Eles não a conhecem, nunca a conheceram. Adam, pelo menos, tem. Espero poder apelar para ele, lembrálo dela. Dizer-lhe que está em perigo. Ele é o único que posso recorrer.

204


Giro a moto na direção de sua casa, esperando que ele não esteja muito bêbado para ouvir a razão. Caso contrário, não há como chegar a Christina.

205


Eu monto para Adam, levando o caminho de trás através da floresta. Não posso arriscar ser pego pela polícia. Não é fácil navegar pelas árvores no escuro. É melhor do que a alternativa de ser levado para a estação, embora, deixando Christina para se defender. Eu tento não visitar essa parte a menos que eu precise. É bastante difícil viver nos arredores, acordando todas as manhãs para vê-los fora da minha janela. Os bosques onde minha esposa morreu. Lembro-me da primeira vez que a conheci. Foi em uma festa. Eu só comecei a andar por aí com o clube, procurando uma maneira de entrar. Adam me notou meio que andando pelas franjas, me afastou para me perguntar o que eu estava fazendo lá. Eu disse a ele que queria fazer parte do clube. Ele riu, jogando a cabeça para trás. Eu estava envergonhado, mas eu não tinha recuado. Quando ele viu que eu estava falando sério, ele também ficou sério. - Você sabe o que você estará fazendo quando você se juntar a este clube? - Ele perguntou, olhando-me direto para os olhos. - Uma vez que você entrar, você não pode sair. Nunca. É como uma máfia, garoto. - Fiquei impressionado com ele, embora ele tivesse apenas alguns anos a mais do que eu. Ele estava confiante, arrogante. Ele me pareceu um cara que tinha visto coisas. Eu queria ser exatamente como ele. Ele decidiu me patrocinar, por assim dizer, atestando com Frankie. Ele me trouxe para a festa, me apresentando ao redor.

206


- Esta é minha irmãzinha, Marissa. - Ela era tão bonita. Como um anjo. Um halo de cachos dourados, um sorriso fácil. Ela também era engraçada e dura. Passamos muito tempo conversando. Fiquei viciado naquela primeira noite. A maneira como eles viviam. Meninas quentes, muitas bebidas, dançando. Vivendo. A imagem era muito tentadora a resistir. Ninguém me disse que era apenas uma boa noite, uma celebração. A vida nem sempre foi assim. Normalmente era arenoso, áspero, até mesmo um pouco assustador às vezes. Um membro nunca admitia ter medo, é claro. Uma vez que conheci Marissa, no entanto, não havia dúvida de se queria ou não participar. Eu só queria saber como entrar no caminho rápido para um patch. Se ela quisesse fazer parte deste mundo, eu também. Eu iria aonde ela fosse. Olhe para onde me levou. Eu finalmente alcanço a clareira. A casa de Adam é apenas uma milha ou mais da estrada de terra estreita. A área em volta aqui, é consideravelmente menos construída do que até onde eu vivo. Eu não ficaria surpreso ao encontrar algumas barracas de volta aqui. Só Deus sabe o que acontece nos lugares em que pessoas agradáveis não gostam de falar. A casa de Adam está principalmente escura, apenas uma luz acesa. A luz da cozinha. Eu sei que ele está sentado lá, provavelmente bebendo em estupor na mesa. Ele sempre foi um grande bebedor, mas antes, ele lidava com o licor. Aquele tempo chegou e foi. Agora ele ganhou pelo menos vinte, talvez trinta quilos. Ele parece flácido, carnudo. Não era o homem que eu conhecia. Então, novamente, fiquei perto de cair em um buraco escuro depois que Marissa morreu. Eu sei o quão fácil seria se arrastar para uma garrafa e nunca sair. Passei semanas quase inconsciente, uma vez que o questionamento acabou e foi acordado que não havia evidências que pudessem fazer cobranças contra mim. Depois disso acabar, comecei a

207


beber e não parei por uma temporada inteira. Perdi um verão inteiro, bebendo, desabafando ou ressaltando, antes de ficar bêbado novamente. Não tenho certeza do que me impediu. Eu certamente não tenho ninguém na minha vida para me oferecer apoio. Um pai, um irmão, um amigo - um deles poderia ter me ajudado. Eles poderiam ter me mostrado uma maneira melhor, me enviariam para um médico. Qualquer coisa. Eu estava sozinho. Está tudo nebuloso, o dia em que eu decidi parar de beber. Acordei em uma bodega do outro lado da periferia da cidade. A área de sombra, perto de onde eu cresci. Um lugar sujo e sem janelas, onde as meninas com marcas de trilhas nos braços fariam praticamente qualquer coisa por dinheiro. Eu não tinha ido para o sexo - mesmo que eu atingisse o fundo do poço, eu ainda tinha um pingo de senso comum. Eu só queria beber e ficar sozinho. Eles me atendiam lá Acordei uma manhã numa poça de meu vômito. Havia meninas no chão, meninas em sofás. Uma garota dormia no bar pegajoso. E eu. O lugar cheirava. Algumas garotas gemiam, acabando de disparar. O que diabos eu estava fazendo com a minha vida? Isso foi o suficiente para me retirar. Eu acho difícil acreditar que Adam ainda não atingiu o fundo de poço. Talvez ele tenha e não sabe disso. Independentemente disso, eu preciso da ajuda dele e espero que ele esteja no formato certo para me dar. Eu toco na porta dele. Quase um minuto passa antes de ouvi-lo mexer em direção a ela. Seu rosto aparece na janela. - E aí cara. Por favor. Abre. Eu tenho que falar com você. - Ele balança a cabeça. - Por favor, estou te implorando. Isto é uma emergência. Vou falar sobre isso, mas por favor, abra a porta. Estou fugindo. Não posso deixar que eles me encontrem. Eles não podem me ver aqui de pé. - O que eu me importo? Enquanto eu não abrir a porta, eles vão me deixar em paz. Saia da minha propriedade! - Por favor, Adam. Eu preciso de você. Podemos ter isso esta noite, mas depois disso eu preciso de você. É vida ou a morte. 208


Parece que ele está pensando nisso. Finalmente, adiciono. - Eu vou te contar tudo o que você quer saber. - É a última coisa que quero fazer, mas sei que é a única coisa que fará com que ele confie em mim. - Tudo? - Sua voz quase não é boa para meus ouvidos. - Sim. Por favor, Adam. Preciso da sua ajuda. Eu vou te contar tudo, qualquer coisa. A fechadura dispara, a porta se abre. - Entre. Eu me apresso dentro, fechando a porta atrás de mim o mais rápido que posso. - Onde está sua motocicleta? - Adam insinua, ligando uma das lâmpadas da sala de estar, antes de cair no sofá. A sala está escura mesmo com a luz. Frio. Úmido. Sujo. Paredes nuas, móveis de segunda mão. O que aconteceu com ele? - Na floresta, talvez a cinco minutos a pé daqui. - Explico. - Eu não quero que eles vejam isso aqui. E não quero entrar em problemas. - Uau, obrigado. - Ele diz, sarcástico. - Adam, por favor. - Ouça, eu só deixei você entrar aqui, porque se você estiver fugindo, eu não quero que os policiais vejam você lá fora. Eu não quero ouvir nada que você tenha a dizer, no entanto. Suas palavras não significam nada para mim. - Adam, vamos lá! Eu disse que estou pronto para admitir tudo o que aconteceu. Preciso que você confie em mim. - Como minha irmã fez? O jeito que ela confiou em você para amá-la quando você se casou com ela? Isso foi uma piada, assim como isto é. - Há uma garrafa de uísque sentada ao lado dele na mesa final. Ele desencadeia,

209


levando a boca. Droga. Bêbado como ele vai, menos provável é que ele me escute. - Eu a amava. Eu ainda faço. Por que você acha que eu permaneço nesse lugar de merda? Naquela casa? Com lembretes dela aonde eu olho? - Porque você precisa, então você parece inocente. Ei, pensei nisso antes. Perguntei-me o que diabos você está tentando provar, ficando lá. Você está certo. Você poderia ir a qualquer lado. Você não tem laços. Sem pais, sem filhos. O clube não quer nada com você. Ninguém aqui quer nada com você. Você ficou, só para se parecer com o bom cara. E para irritar o resto de nós. Eu suspiro. Ele não está longe da verdade. - Você está certo, em parte. Eu queria irritá-los no início. Eu queria provar que eu não tinha nada para fugir. Se eu tivesse deixado a cidade, teria sido o suficiente para fazer as mentes das pessoas para o bem, que eu matei Marissa. Eu não poderia fazer isso. Porque eu não a matei. - Ele ri. - Eu não fiz. Eu a amava. Eu não queria deixá-la ir em todo esse tempo. Eu juro. - Você jura? - Sim. Eu faço. - Em uma pilha de bíblias? - Ele ri novamente, pegando outro gole. - Olha, maldição. - Eu me sento em sua mesa de café, de frente para ele. A cinza de cigarro a cobre, os cinzeiros transbordando. Parece vagamente pegajoso. - Eu não conheço nenhuma outra maneira de dizer isso. Não matei sua irmã. Eu a amava. Todos assumiram que era um crime de paixão ou qualquer coisa. A verdade era muito mais profunda do que isso, cara. - Sério? Quanto tempo você levou para uma grande história? Dois anos? Por que você não poderia ter dito a verdade naquela época, se fosse tão profundo? Olho para o chão.

210


- Porque teria te machucado demais. - Ouvi seu riso histérico. - Isso teria me machucado? Você está falando sério? - Ele ri novamente, e eu ouço as lágrimas ameaçadoras. Ele está à beira de uma avaria. - Porque isso ainda não está doendo? A minha irmã está morta de qualquer jeito, cara. Não finja que você estava tentando poupar os meus sentimentos, não me contando essa grande verdade, essa história profunda. Essa é a maior carga de porcaria que você já colocou em mim. Olho para ele, sentado lá. Ele está praticamente caído. Eu tenho que resolver isso antes de perder todo o controle. - Eu disse-lhe que eu diria a verdade. Eu vou. Mas você tem que ouvir. OK? Fica comigo. Você continua bebendo, você vai superar a foda, antes que eu tenha a chance. E não posso estar aqui por muito tempo. - Qual é a grande pressa? Por que eles estão atrás de você? - Eu vou te dizer em um minuto. Primeiro eu tenho que contar a história. Eu preciso tirar isso do meu peito, cara. E eu não sei... se eu faço isso de volta. Você merece saber a verdade antes de ir. - Tudo bem. - Ele espera que eu continue. Eu respiro fundo e estremecendo. Me desculpe, Marissa. - Eu não matei Marissa no bosque naquele dia. Segui-a lá, quando percebi que ela pegava minha arma. Eu estava tentando evitar que ela se matasse.

211


Adam não parece impressionado com a bomba que acabei de deixar cair. - Do que você está falando? Eu esperava algo coxo, mas nunca esperava que fosse tão patético. Eu sabia que ele se sentiria assim. - Parece uma desculpa conveniente. Compreendo. - Sim. Conveniente. Exatamente. - Mas é verdade. - Eu olho para ele, precisando que ele acredite em mim. - Marissa não tinha isso nela para se matar. - Adam, quando uma pessoa está tão profundo quanto ela... eles são capazes de qualquer coisa. A heroína muda uma pessoa. Ela não era a pessoa que conhecia, sua irmãzinha. Ela nem era a garota que conheci naquela primeira noite. Lembra? Quando você nos apresentou na festa? Seus olhos ficam nebulosos, uma expressão distante. - Sim. Ela estava, com o quê, quinze? Eu concordo. - Eu tinha apenas dezesseis anos. Eu estava morrendo de vontade de entrar no clube há anos, não importa o que. Você me encontrou pendurado naquela festa. - Eu gostaria de não ter.

212


- Você sabe o que? Às vezes eu desejo a mesma coisa maldita. Mas foi o que aconteceu. Se não fosse você, teria sido outra pessoa. Lembro-me do jeito que ela estava naquela noite. Tão bonita. E muito mais velha do que apenas quinze. Ela era mundana, sabia coisas. Ela poderia me contar os nomes de todos lá, todos os caras do clube e suas namoradas, todas as garotas que compareceram ao serviço dos membros ou apenas na festa. Ela conhecia todos, sabia suas histórias. Sabia o mundo inteiro. Eu queria fazer parte desse mundo, então eu bebi. Foi fascinante. Lembro-me de quão perfeita ela era. - Ela era perfeita. - Ela não estava mais quando morreu, cara. Isto é o que eu estou tentando lembrá-lo. Você se lembra dela como aquela garotinha. Muita merda caiu entre aquela noite e o dia em que ela morreu. Ela nem fumava quando a conheci, nada. Ela estava totalmente limpa. Tudo depois disso aconteceu. Eu assisti o declínio dela. Todos os dias, ela ficou um pouco pior. Eu sei que você sabe disso. Eu sei que você viu isso. Você me disse no momento, que estava preocupado com ela. Como você queria que ela fosse à reabilitação. Lembra? Depois de um longo tempo, ele acena com a cabeça. Eu continuo. - Acredite em mim. Não estou tentando trazer isso para ferir você, ou arruinar sua memória dela. Tenho muitas lembranças de Marissa de que nada pode tocar. Eu a amava tão malditamente. O que aconteceu com ela, o que ela se tornou? Essa era uma pessoa diferente, cara. Nunca acreditaria que ela fosse capaz de metade da merda que ela fez. O suicídio é o mínimo disso. - Por que ela faria isso? Quero dizer, se eu acreditasse em você - o que eu não - por que minha irmã tentaria se matar? Ou ela não teve a chance de lhe dizer? - Ela me disse. Ela me contou tudo. Ela tinha mantido segredos de mim por um longo tempo. - E? 213


Esta é a parte que eu sabia que mais iria machucá-lo. O principal motivo que eu nunca quis dizer a ele em primeiro lugar. - Lembra-se da grande explosão que tivemos, cerca de três meses antes dela morrer? Com o cartel? E as armas? - Quem poderia esquecer isso? Foi um banho de sangue. Eu concordo. - Sim. Isso foi. Perdemos cinco homens. Incluindo Frankie. - Foi o bebê de Frankie, esse acordo. Ele tinha estado no cartel há anos. Esse foi o nosso maior produtor de dinheiro. - Sim, foi. Ele era um bom líder. Ele queria o que era melhor para o clube. - Eu olho para Adam, enfatizando o que vem depois. - Até que ele ficou ganancioso. - Ganancioso? O que isso significa? - Por que você acha que o mataram naquela noite no armazém? Sério, cara. Isto faz algum sentido? Ele era um bom amigo do chefe do cartel. Eles trabalhavam juntos há anos. O que aconteceu? Nunca tivemos a menor palavra, houve um problema. Sem queixas, sem ameaças. Nada. Como isso funciona? Adam deu de ombros. - Sangue ruim. Acontece. - Certo. Foi o que eles queriam que todos pensassem, os membros do cartel. Eles tiveram uma queda. Bem, eles fizeram, só que não era sobre o negócio real. No papel, todos deveriam ter sido felizes. Foi por Frankie que espreitou o topo. - O que? Não. Frankie não faria isso. - Fique real, cara. Ele fez. Ele viu quanto mais dinheiro ele poderia fazer, se ele vendesse as armas por mais do que ele disse ao cartel que

214


estava recebendo. Ele estava fazendo isso por cerca de um ano antes que eles pegassem. - Não! Como ele poderia fugir com algo assim, sem que nenhum de nós soubesse? Eu encolho os ombros. - Talvez porque todos nós o amamos tanto, nenhum de nós queria vêlo. Quero dizer, estou sentado aqui te contando sobre isso, e você ainda não quer ver. - Porque é fácil para você dizer, anos depois que o homem foi morto! - Eu entendo isso. Mas o que eu estou dizendo é verdade, cara. Quando entraram naquela venda no armazém, Frankie e os caras, o cartel estava aguardando. Tirando todos os outros caras - eles não tinham idéia do que estava acontecendo, eles estavam apenas seguindo, porque Frankie era nosso presidente. Confiando-o cegamente, como todos nós fizemos. Então eles mataram Frankie. Imagino que o salvaram por último, mas talvez o tenham levado rápido. Quem sabe? Adam leva isso. - Se isso é verdade - e ainda acho que você está mentindo - mas se é verdade, como diabos você sabe? Suspiro, dobrando minhas mãos entre meus joelhos espalhados. - Eu sei porque Marissa me disse. Fora na floresta naquele dia. - O que? Marissa? Como ela saberia sobre isso? - Marissa sabia muito mais do que ela soltou. Mais do que eu sabia, com certeza. - Ela era sua old lady! Ela não estava em nada! - Certo. Apenas uma old lady. Que estava tendo um caso com Frankie. - Adam engasga. Seus olhos são largos, como pires. Eu sei que minhas palavras atingiram a casa. 215


- Você está bem? - Pergunto. - Eu não acredito. - Algo sobre o olhar em seu rosto me diz que ele está mentindo, no entanto. Ele acredita nisso. Ele simplesmente não quer. - Ela me disse ela mesma. Confessou tudo. Naquele dia na floresta. - Quero dizer... - Adam olha para a distância. - Aqui está a coisa, certo? Eu sabia que Frankie sempre estava aparecendo. - Todos nós fizemos. Seu pênis nunca estava seco. As meninas o amavam. - Eu concordo. Frankie era um líder por um motivo. Ele tinha algo especial que o separava. Magnetismo. Então, uma vez que ele tomou seu lugar na direção do clube, esse poder era ainda mais uma razão para as mulheres pendurá-lo. O poder é ativado. - Eu notei que ele ficou realmente secreto sobre suas mulheres até o final. Até me perguntei, mais de uma vez, se havia uma peça do lado, que ele não contasse a ninguém. - Ele olha para mim, seus olhos grandes e tristes. - Foi Marissa? Eu concordo. - Sim. Por cerca de um ano. - O que? Um ano? Como eu não sabia? Eu ri. - Você? Eu nem sabia! Não até que ela me disse. Sim, suspeitava que algo estava acontecendo. Mas eu culpei... - ... as drogas. - Adam termina. Eu concordo. - Você sabia sobre isso? - Jax, tentei fazer com que ela parasse essa merda. Eu realmente fiz.

216


- Eu sei cara. Eu também. Era mais forte do que nós. - Então eles estavam juntos por um ano, e nenhum de nós sabia? - Ele ainda tem dificuldade em acreditar. Eu não o culpo. Além de roubar, dormir com a old lady de outro membro - esposa ou de outra forma - é a última traição. Você está dizendo a um cara, que ele não é homem o suficiente para sua mulher, e você vai levá-la em vez disso. - Então ela me contou. - Eu sempre pensei que vocês dois estavam felizes juntos. Eu fiz. - Sim? - Eu não posso ajudar a estalar. - Isso não é o que você disse à polícia, não é? Ele gemeu. Não posso deixar de me sentir presunçoso. Eu quero que ele sinta merda sobre as coisas que ele falou sobre mim. - Eu quis dizer que você não estava feliz no final. Não finja que você estava. Havia muita merda entre vocês dois. Eu concordo. - Isso é justo. Mas tudo acabou com as drogas. E Frankie. Uma vez que ela começou com ele, eu parecia .. menos atraente. - Ele piscava, admitindo isso. Ninguém quer admitir que não era suficiente. Especialmente não eu. Então acrescento. - Além disso, ele não se importou com as drogas. Se ela usava ou não. Esse foi um dos nossos maiores problemas, da forma como eu lhe dei o inferno sobre a Heroína. Eu não podia deixar que ela fizesse, sem dizer algo. Eu a amava. Frankie? Ele não se importava. Ela era uma bunda. Adam se move defensivamente. Levanto uma mão para detê-lo. - Vamos lá, cara. Você sabe como ele falava sobre as mulheres. Eram cadelas, putas. Pedaços de bunda. Pense nisso. Se ele a amava do jeito que fazíamos, ele a deixaria continuar a usar? Isso o impede. Ele balança a cabeça.

217


- Estávamos bem até que ela começou com essa merda novamente. Inferno, por tudo o que sei, Frankie deu a ela. - Minha voz é amarga. - Nunca vi a hipocrisia até que fosse tarde demais. Tudo o que "ama o seu irmão" era merda. Ele era um filho da puta. Sempre foi. - Eu tenho tanta dificuldade em acreditar nisso. Eu aceno com a cabeça. - Eu sei cara. Se ela ainda não me tivesse dito, eu também não acreditaria. - Eu não entendi. Como ela sabia alguma coisa sobre o desvio? Eu hesito. Essa parte vai ser a mais dura para ele engolir, mas preciso que ele acredite, porque é o que une as outras peças. - Porque ela estava ajudando ele a fazer isso.

218


- O quê? - Sua voz é silenciosa. Tudo o que posso fazer é acenar com a cabeça, enquanto ele processa isso. - Como ela poderia fazer isso? Como, ela poderia mesmo ser capaz? - Ela pode ter abandonado, mas ela era uma garota inteligente à sua maneira. Ela tinha inteligência de rua. Ela era sábia. Ela entendia as pessoas. - Adam acena, concordando comigo. - Ela sabia que ninguém poderia suspeitar dela. - O que ela fez? - Ela o ajudou a falsificar os livros, em primeiro lugar. Lembre-se quando ele a teve no escritório? Nunca pensei em nada - se houvesse alguma coisa, fiquei feliz por ter algo para ocupar seu tempo. Eu era ingênuo o suficiente para pensar que era uma coisa boa, ela tinha um emprego. Ela não ficaria sentada ao redor da casa o dia todo com a tentação de usar. Não pensei em perguntar, por que Frankie iria desistir da escola e colocá-la no comando de algo tão importante. Ele mostrou a ela como fazer isso. Ela calculou que ele desviou pelo menos meio milhão antes que o cartel tenha ficado sábio. - Santa merda! O que você faz com esse tipo de dinheiro? - Lava-o. Coloca-o em diferentes fundos do clube que ninguém já tocou. O resto ficou escondido. Ela escondeu dinheiro em todo o lugar. Às vezes, mesmo na casa. - Mas você poderia ter sido pego! Todo mundo teria culpado você. - Eu sei. Acredite, pensei nisso muitas vezes. Mais do que posso dizer. Ela se importava mais com Frankie, sobre o dinheiro que ele lhe daria por suas drogas, do que eu. Ou nosso casamento. Assim como todos, o que

219


Frankie se preocupava, era em esconder o dinheiro. Eu pensava que ele me olhava como um filho ou um irmãozinho. Ele não dava uma merda que eu levaria a culpa se o dinheiro fosse encontrado em minha casa, desde que ninguém achasse isso na dele. Demorou muito tempo e muita bebida para chegar a um acordo com isso. - Você não sabia nada sobre isso enquanto estava acontecendo? - Não até o dia na floresta. Eu não sabia nada. Após a emboscada, quando Frankie e os outros foram mortos, você se lembra de como ela ficou. Ele acena com a cabeça, os olhos arregalados de novo. - Ela era uma bagunça. Chorando o tempo todo. Às vezes, ela me ligava no meio da noite, apenas balbuciando. Não podia fazer nada por ela. Lembro-me de sair à casa para vê-la. Eu não conseguiria tirá-la da cama. - Ele balança a cabeça, voltando a essa hora. - Lembro-me de pensar, que ela estava se derrubando bem na minha frente. Eu pensei que tinha a ver com você. Às vezes eu gostaria de perguntar se você fazia alguma coisa, e ela não me dava uma resposta. Eu assumi que eu estava certo. - Entendi. Ela não podia ser sincera com você. - Eu suspiro, passando uma mão sobre minha cabeça. - Isso aconteceu por semanas depois. No início, pensei que era apenas o choque de perder tantos amigos. Ela cresceu com todos eles, assim como você fez. Mas depois de um tempo, comecei a ficar um pouco desconfiado. Perguntei-me se ela não estava com um desses caras do lado. Isso fazia sentido. Não estivemos juntos, não assim, em muito tempo. Ela não queria nada comigo. Eu sempre a fiz se sentir culpada pelas drogas, ela dizia. Ela não suportava estar ao meu redor quando eu a julgava. - Eu suspiro, esfregando minhas têmporas. - Talvez eu fiz. É sempre fácil para uma pessoa que não entende o vício, julgar as pessoas nele. Eu amei ela, no entanto. No final, era tudo uma questão de querer que ela fosse saudável. Eu queria minha esposa de volta, pelo amor de Deus. - Eu sinto um aperto na minha garganta, como se eu estivesse prestes a chorar. Eu empurro isso. 220


Eu continuo. As palavras estão saindo de mim agora. Eu as bloqueei por tanto tempo. - Naquele dia... naquele último dia, antes de ir ao bosque... estava desolada. Ela sentou-se por um longo tempo no fogo, apenas olhando para ele. Eu sabia melhor do que entrar em seu caminho quando ela estava assim. Eu deixava seu quarto. Não fazia as perguntas, exceto para descobrir se havia algo que eu poderia fazer por ela. Saí para pegar uma lenha, e quando voltei, ela não estava lá. Seu casaco ainda estava pendurado na porta. Olhei em volta e encontrei a caixa da minha arma na cama. Vazia. Eu corri pela porta. Segui suas pegadas para a floresta. Ela tinha a arma. Ela iria se matar. Eu implorei que ela parasse, pensando nisso. Tinha sua mente formada. Disseme toda a história. Todas essas mortes - Frankie e os outros, especialmente os outros - foram culpa sua. Ela não podia viver consigo mesma. - Oh, meu Deus. - Seu rosto está branco como uma folha de papel. Eu sei que vou passar por ele. - Ela apontou a arma para mim no início. Para que eu ficasse, enquanto ela estava confessando tudo. Então ela virou para si mesma. Ela iria atirar no coração. Eu corri para ela, apenas desesperado para que ela parasse. Pensei em poder alcançá-la. Ela era tão pequena. Mas eu estava muito atrasado. Ela puxou o gatilho apenas quando cheguei a ela. Ela morreu ali mesmo. Estou chorando. Lembrando o olhar em seu rosto quando ela me contou tudo, da maneira que ela soluçou. Ela odiava a si mesma. Ela odiava quem ela se tornara. Ela estava cansada de ser viciada, cansada de mentir. Ela havia matado seus amigos, mentindo para eles. Tudo porque Frankie a deixou se drogar e fazer o que quisesse quando não quisesse. Ela teria feito qualquer coisa por ele, disse ela, porque ele deixou que ela fosse quem ela era. Mas ela não queria mais ser essa pessoa. E ela não podia viver com a culpa. Deixe-me ir, Jax. Aqueles foram suas últimas palavras para mim, antes de virar a arma para si mesma.

221


- Peguei a arma e a deixei lá. Eu sabia que se eu ligasse para a polícia, eles imediatamente pensariam que era eu. Então eu fui para a cidade, para um dos telefones públicos. Chamei-os anonimamente, disse-lhes sobre um corpo na floresta. Ela só estava lá um pouco, cara. Eu não a deixei lá fora. Estava tão frio lá fora, eles não tinham idéia de quanto tempo havia decorrido desde que ela morreu, porque a temperatura do corpo caiu tão rápido. Ela nem estava vestindo um casaco. Adam está soluçando. - Minha irmã... - Sua cabeça está em suas mãos, a garrafa esquecida no chão. Eu me mudo para o sofá, ao lado dele, e coloco meu braço em seus ombros. Ele se inclina para mim, chorando. Ele não me afasta. Eu sei que ele acredita em mim. - Minha irmãzinha. - Eu sei. Eu sei. - Não era bonita? - Ele pergunta, soluçando. - Ela era. Ela era bonita. - Ela sempre quis que tudo fosse legal, não é? - Sim. Ela decorou a casa como algo fora de uma revista. Ela sempre tinha flores frescas em todos os lugares. Ela queria que fosse especial. Ela era engraçada, doce e gentil. Ela resgatou Blue, você se lembra? Encontrouo ao lado da estrada depois que um caminhão o atingiu. Insistimos em leválo ao veterinário, o cuidamos de volta à saúde. Ela tinha um grande coração. - Eu não quero pensar sobre a pessoa mentirosa e ladrona que ela se tornou. Como eu disse a Adam, essa não era ela. Essa pessoa miserável e intrigante não era minha esposa. Ela pode ter sido minha esposa novamente quando pressionou minha Glock em seu peito, finalmente, com a cabeça clara. Mas fazia muito tempo que não tinha clareza. - Por que você não me disse? Anos atrás? - Ele finalmente está calmo o suficiente para falar com clareza.

222


- Eu sabia que isso doeria. Quero dizer, não só ela se matou, mas ela estava roubando do clube. Dormindo com Frankie. Eu não sabia que você sabia sobre a Heroína. Eu queria manter isso de você. - Você está vivendo com isso todo esse tempo. Não posso acreditar. -Eu culpei-me. Eu ainda faço. - Jax... não foi culpa sua. - Isso foi. Se eu pudesse mantê-la afastada das drogas... ou deixá-la saber que eu a amava de qualquer jeito... talvez ela não tivesse acabado com Frankie. Se eu tivesse sido rápido o suficiente para detê-la, ela não teria se matado. Havia coisas que eu poderia ter feito. - Ouça. Marissa era uma linda garota. Eu a amava tanto. Eu ainda faço. - Adam olha para mim. - Mas ela também teve problemas de saúde mental, fora das drogas. Eu sei que você tinha que pensar que havia algo errado com ela. Ela teria seus estados de espírito felizes, seus aumentos. Então ela morreu. Lembra? - Sim, lembro disso. Ela estaria em um zumbido para, como, dias. Então ela não iria sair da cama por dois dias seguidos. - Exatamente. Nossa mãe e pai... eles não eram o que você chamaria de atento. Eu bufo. Isso é um eufemismo. Ele acena com a cabeça. - Sim, você se lembra. Eles não a levaram para um médico quando ela era jovem. Eles não lhe deram a ajuda de que precisava. Ela provavelmente bateu um balanço baixo ao mesmo tempo em que ela era culpada por Frankie e o resto. Era uma combinação de coisas. Foi isso que a matou. Você não. - Você acredita em mim. - Digo. - Eu faço. 223


Não consigo descrever o alívio que me inunda, quando ele diz essas palavras. Eu só queria que ele acreditasse todo esse tempo. Eu não me importo com ninguém, pois Adam era o que eu estava mais próximo. - Sinto muito, por tudo... - Ele murmura. - Eu sei. Eu não culpo você. - Agora que ele confia novamente em mim, eu tenho que seguir em frente. - Há uma razão pela qual eu vim aqui. Eu precisava que você acreditasse em mim, que eu não sou a pessoa que você pensava que eu era, antes que eu pudesse pedir sua ajuda. - O que está acontecendo, Jax? Por que você está se escondendo? - É Christina. Eu estava com ela na noite passada porque seu ex a estava perseguindo. Ele enviou uma carta ameaçadora no correio. Ela fugiu dele há muito tempo, mas uma vez que conseguiu, sabia que a encontrou. - Ah Merda. Pobre garota. - Ela se foi. Ele a pegou. - Os olhos de Adam voam abertos, largos. - Cheguei à casa dela, havia sangue no chão. Tem que ser ele. Eu tenho que ir até ela. - Merda, Jax! O que você precisa? - Ele salta do sofá muito mais rápido do que eu pensaria que ele faria, bêbado como ele está. É como se ele tivesse um propósito agora. - Sua motocicleta. Eles me encontrarão em um minuto se eu estiver na minha. Eles querem colocar isso em mim, cara. Eles nem tentaram procurá-la. - Oh, inferno. - Adam tira as chaves. - Cara, se eu tenho algo a ver com isso - a maneira como eu o acusei sinto muito. - Eu sei. - Eu vou à porta.

224


- Onde estão eles, você acha? - Em algum lugar no Texas. Talvez cinco, seis horas de distância. Sua faculdade. Eu acho que ele a levou lá. - Ela é uma linda garota. Esteja seguro, irmão. - Ele me abraça pela primeira vez em anos. Enquanto eu corro os degraus da frente, ele me chama. - Eu vou me esconder aqui, então eles acham que eu estou fora de algum lugar! - Obrigado! - Eu aceno uma vez antes de me afastar. Ele tem razão. Eles vão bater em sua casa em breve. Todos os meus velhos amigos. Por que não se dirigir para a casa do meu cunhado primeiro? Estou honestamente surpreso de que eles não tenham aparecido já. Saio na noite, indo para o sul. Eu não rezei em anos, e mesmo assim nunca mais fui exato. Mas eu rezo agora. Por favor, deixe-me chegar nela a tempo. Já perdi mais vinte minutos conversando com Adam. Eu tive que convencê-lo a me proteger se os policiais vierem, juntamente com convencê-lo a me dar sua motocicleta. Agora eu sei que ele está de volta do meu lado. Enquanto eu ando, as imagens de Marissa e Christina preenchem minha mente. Não posso perder as duas.

225


Há quanto tempo eu estive neste lugar? Eu não faço idéia. Não há como acompanhar o tempo. No começo, comecei a contar, mantendo os segundos diretos na minha cabeça. Quando cheguei a dez mil segundos, fiquei cansada e desisti. Eu fiz a matemática na minha cabeça o melhor que pude. Quase três horas. Jesus. Quanto tempo nós dirigimos? Talvez enquanto ele esteja dirigindo, ele mudará de idéia. Venha em seus sentidos. Okay, certo. Minhas narinas estão cheias do cheiro de colônia, das roupas ao meu redor. Eu esperava nunca mais cheirar novamente. O cheiro me traz de volta a todos os momentos que eu queria esquecer. Não posso acreditar que eu gostava de o cheirar em mim, depois de um encontro. Isso parece uma vida, há muito tempo. De certa forma, foi. Eu especialmente amava quando ele deixava traços dele no meu travesseiro, depois que dormíamos juntos. Agora eu não gosto do cheiro. Eles dizem que o cheiro é o sentido da memória, o mais forte. Ainda mais do que o som. Nós cheiramos algo, como um perfume ou colônia, e nos leva de volta a um momento. Eu sei que o cheiro das bolachas de manteiga, sempre me lembrarão da minha avó. Eu me pergunto se esse cheiro, vai lembrar Amy de mim, depois que eu estiver morta. Não consigo me divertir nesse pensamento. Mas quanto mais Tommy dirige sem parar, mais provável parece. Ele vai me matar. Eu não sei como, ou exatamente quando. Mas esse é o plano. Ou isso ou ele quer me manter como uma escrava sexual. Preferiria que me matasse e acabasse com isso, 226


francamente. Na verdade, estou no ponto em que eu prefiro morrer do que ser tocada por ele de novo. No começo, minhas pernas estavam doloridas, ficando presas na mesma posição por tanto tempo. Agora eu não as sinto mais. Estou entorpecida, fisicamente e emocionalmente. O que isso significa? O fato de que eu não me importo mais. Uma vez que o pânico e as lágrimas passaram, fui a finalidade. Ninguém sabia onde eu estava. Sentei em volta da minha bolsa em um ponto, mas não sinto nada no porta-malas, mas aquelas malditas roupas. Então, não haverá identificação no meu corpo quando eles me encontrarem. Não haverá como rastrear-me - meu celular pelo menos teria permitido isso. Tenho certeza que está no chão da sala de estar. Quem vai encontrar primeiro? Amy? Ela provavelmente ficará chateada amanhã, quando não entrar na loja ou atender suas chamadas. Espero que ela não culpe Jax. Deus, não deixe que as pessoas o culpe. Isso não é culpa dele. Mas, maldição, se eu não contei a Amy que eu iria vê-lo. Como a polícia não pode ter uma pista assim e correr com ela? Eu empurro o metal acima da minha cabeça, frustrada. Ele não merece isso. Nenhum de nós faz. Só espero que ele não se culpe. Não havia nada que ele pudesse fazer para me proteger. Tommy estava decidido a chegar até mim. O carro diminui e depois para. Meu coração começa a correr. Oh, não, é isso. Eu pensei que estava bem com isso, mas agora não estou. Eu não quero morrer. Oh, Deus, não me deixe morrer. O golpe da porta. Passos. Chaves. Um sinal sonoro - o bloqueio é liberado. A abertura do porta-malas. Se minhas pernas não estivessem tão rígidas, eu iria chutar ele e correr. Eu queria ter pensado nisso antes. Eu teria tentado movê-las. Agora eu sou inútil. Deitada aqui, protegendo meus olhos da luz de néon brilhante, acima da cabeça de Tommy. - Olá. - ele diz com vivacidade. Ele está realmente feliz agora? Oh, certo. Claro que sim. Ele tem o que sempre quis. - Onde estamos? Por que você está fazendo isso? 227


- Tantas perguntas. - Como se ele estivesse falando com uma criança temperamental. Ele me leva pelos ombros, com as mãos ásperas. Esqueci o tamanho das mãos dele. O jeito que elas machucavam quando elas se enrolavam nos punhos. Ele me puxa para uma posição sentada. Eu olho em volta. - Onde estamos? - Pergunto, e eu me odeio pela nota suplicante na minha voz. Há carros passando, talvez a poucas centenas de metros de distância. O porta-malas do carro está de frente para a estrada. Eu não poderia correr por isso se eu tentasse. Eu cairia, apertada. Ele poderia me matar então lá. - Um jantar. Um jantar muito especial. - Agora ele é o pai benevolente, ou mesmo o filho feliz. Com uma grande surpresa para mim. Ele me ajuda do porta-malas, quase com cuidado agora. Estranhamente, considerando a maneira como ele me bateu na cabeça para me levar com ele. Eu paro e instantaneamente me caio no chão. - O que há com você? - Ele pergunta, riso em sua voz. - Minhas pernas estão apertadas. - Digo, esfregando-as. - Oh. Não pensei nisso. - Ele se põe de joelhos, esfregando minhas pernas junto comigo. Seu rosto está tão perto do meu. Seus cabelos encaracolados e loiros são mais curtos do que eu lembro, quando eu o vi pela última vez. Cheira a um produto, um cheiro de mentol. Ele está esmagando meus sentidos. Eu me sinto dividida entre querer ficar doente e querer dirigir meu joelho em seu nariz. Receio que ele tenha uma arma. É a única coisa que me impede. - Obrigada. - eu murmuro, percebo que a cortesia vai me levar muito mais longe do que a grosseria. Logo eu estou de pé novamente. - Hmm... - Tommy me olha. - Eu não posso levá-la lá com... isso. - Ele olha na minha cabeça, onde eu estava sangrando mais cedo. Ainda estou? Eu estendo a mão, mas ele

228


bate minha mão. Como não é nada, como se ele não fosse o único que me fez. - Não se preocupe com isso. Aqui. - Ele alcança o porta-malas, tirando um chapéu de lã. - Veja? Eu pensei em tudo. - Jesus. Ele achou que este era o problema? Ele empurra o chapéu sobre minha cabeça grosseiramente. Isso dói. Eu estremeço. - Pare de ser um bebê. - Ele murmura. Meus olhos picam com lágrimas de frustração e raiva inútil. Está tão frio aqui fora, muito frio para o Texas. Estou feliz por estar com o meu casaco pelo menos. - Vamos entrar. - Ele diz, pegando meu braço no dele. Como um príncipe cavalheiresco, em vez do meu seqüestrador. Eu olho para longe dele, meus olhos observando o lugar pela primeira vez. Ah não. Não este lugar. - Lembra-se quando nos encontramos aqui? - Ele pergunta, inclinando-se conspiradoramente para mim, apertando meu braço no dele. - Foi o melhor dia da minha vida. - Sim, eu lembro muito bem. Eu estava com um grupo de amigos, em uma viagem a Austin para um festival de música. Ele estava a caminho do mesmo evento. O fato de ele estar sozinho deveria ter levantado uma bandeira vermelha. Não. Eu pensei que ele era fofo. Nós cruzamos os caminhos neste jantar. Prometi voltar a encontrá-lo quando chegássemos a Austin. Quão diferente seria minha vida, se nunca tivéssemos parado por algo para comer naquele dia? Se eu não tivesse decidido ir para Austin em primeiro lugar? Minha mente está correndo. O que posso fazer para atrair a atenção? Ele vai me observar de perto. E se eu começar a gritar, apenas gritando no topo dos meus pulmões? Ele ainda não me ameaçou com uma arma, além de me bater na cabeça. O que aconteceria? 229


- Eu sei que não preciso avisá-la sobre isso. - Ele murmura, como se estivesse lendo meus pensamentos. - Mas pensei que você deveria saber, que não gostaria de usar a arma no bolso do meu casaco. Sobre você, ou em qualquer estúpido bom samaritano. Pegou? Eu aceno com a cabeça, miserável. Tannto por apenas isso.. Ele solicita uma mesa para dois. A garçonete nos leva a uma cabine. Existem apenas três outras mesas com clientes neste momento. Eu olho para o relógio na parede. Já são duas da manhã. Nós ficamos no carro por mais de três horas. Não admira que eu estivesse tão rígida. Ele me sentou no banco, então sentou-se em frente a mim. Abro o menu e não vejo as palavras na minha frente. Tentando pensar em uma maneira de obter ajuda. Eu olho para os outros clientes no topo do menu. Todos estão cansados, cuidando de seus próprios negócios. Eu acho que é assim que vai, a esta hora da manhã. - Escolha o que quiser aqui. - Pergunta Tommy, agora o pai indulgente. Ele está tão satisfeito com ele, por se lembrar desse lugar. Estive tentando esquecê-lo há anos. - Oh, eu não sei... Eu geralmente não como a esta hora da noite. Não tenho muita fome. - Vamos. Se eu conheço você, você adora seu brinde francês. Certo? Pelo menos ele lembra disso. - Sim. Torrada francesa. Esse é o meu favorito. Ele bate palmas. Ele literalmente bate palmas como um menino. Se eu não me sentisse tão morta por dentro, eu riria. - Veja? Eu conheço você. Eu pedirei um pouco disso. - OK, claro. Obrigada.

230


Assim que eu abaixo o menu, ele toma minhas mãos na dele. Eu uso cada molécula de autocontrole para não gritar. Eu faço uma reverência, mas apenas um pouco. Ele não parece notar. - Eu senti tanto sua falta. Aposto que você não achou que eu viria por você, não é? - Não, Tommy. Eu sabia que você chegaria eventualmente. - Ele sorri, não ouvindo o que realmente estou tentando dizer. Somente ouvindo as palavras. - Você sabia? - Você sabia que eu iria resgatá-la? - Sim. Eu sabia que você viria. Não importava o quanto eu tentasse fugir do nosso relacionamento, você nunca me deixaria fugir. Você não desiste tão facilmente. - Você está certa, eu não desistiria. - A garçonete aparece, parecendo aborrecida. - O que posso obter para vocês? Tommy sorri para ela. - Esta pequena senhora terá torradas e salsicha. Eu vou ter panquecas e bacon, por favor. Ah, e café para nós dois. - Ele sorri para mim. - Eu também sei que você gosta de café. - Sim. Eu dirijo uma cafeteria. A garçonete não se importa de qualquer maneira, e caminha até a cozinha. Seu rosto muda. - Você dirigia uma cafeteria. Isso é tudo no passado, agora. - Oh? Por quê? Onde estamos indo? - Você não acha que eu deixaria você voltar lá, não é? 231


- Eu acho que eu deveria saber melhor, do que pensar isso. - Você deveria. Não, vamos ao lugar de onde eu falei nas últimas mensagens que lhe enviei. Você não viu? - Eu busco minha memória, mas vem vazia. Ele franzi a testa. - Você quer me dizer que você está aqui comigo, e você nem sabe para onde estamos indo? Deus, quão grosseiro de mim! Você deve estar completamente confusa. - Ele ri assim, como se isso fosse uma piada. Eu abro um pequeno sorriso. - Então, aonde vamos? - Vamos voltar para a torre. Lembra? Onde nos apaixonamos pela primeira vez? - Oh, certo. Isso é muito romântico. - Eu não consigo espremer nem um pouco de emoção na minha voz, mas ele não se importaria menos. Ele está nas nuvens, pensando o quanto estou impressionada. - Lembra? Quando subimos lá juntos e podíamos ver todo o campus e depois a distância por milhas e milhas? E você disse que se sentia como uma princesa em uma torre e eu era seu príncipe? Como eu viria resgatá-la? Você não lembra? Eu lembro disso. Eu também acreditava nisso na época. Como eu poderia ter sido tão ingênua? Ele não era um príncipe. Ele era um demônio. - Lembro-me. - Digo, minha voz ainda está plana. Como um robô. Ele não percebeu. - Eu pensei que seria apropriado para nós, voltar lá. Veja, é ali que eu sabia que amava você. Quando ficamos juntos naquela torre. Você era minha linda princesa. Eu era seu príncipe galante. Resgatando você de uma vida de solidão. E eu estou resgatando você novamente. Tirando você daquele lugar horrível. Naquela cidade, você fugiu. O que fez você fazer isso? - Eu não sei, Tommy. Eu não estava pensando claramente. - Para dizer o mínimo. - Ele sempre foi tão insano, ou isso simplesmente aconteceu? A minha saída o jogou fora do fundo? Talvez ele 232


precise de medicação. Este não é o homem que eu conhecia. Ele não era tão delirante. Eu acho que o tempo gasto sozinho, meditando, pode fazer isso com uma pessoa. Talvez ele estivesse sempre doente, e não começou a mostrar até agora. De qualquer maneira, ele é enervante. A comida vem rapidamente. Eu estava esperando secretamente que levasse um tempo, não porque eu queria gastar tanto quanto um segundo extra, com essa pessoa insana que eu pensei uma vez que amei, mas porque eu sei que ele planeja me matar. Tudo o que ele quer fazer é me levar para a torre. Não viver felizes para sempre. Eu percebo que ele não diz nada sobre o futuro. Coloco a salsicha para o lado. - O que você está fazendo? - Pergunta Tommy. - Eu não gosto de salsicha. - Eu digo. - Eu nunca gostei. - Sim, você faz. - Não, eu não. - Não tenho idéia por que é tão importante ter o meu caminho nisso. Talvez eu precise ser eu mesma, por apenas um minuto. Ele não me conhece em qualquer lugar tão perto, como ele pensa que ele faz. - Você é tão ingrata! - Seu punho atinge a mesa, fazendo com que as cabeças voltem em nossa direção. - Isso é tão parecido com você. Lançando minha generosidade de volta na minha cara. Ser uma pequena puta. Bom. Jogue no café. Deixe todos verem como você está insano. - Eu não vejo qual é o grande problema. Eu simplesmente não gosto de salsicha. Nunca comi salsicha na sua presença. - Não, mas eu aposto que se algum motociclista lhe desse sua salsicha, você colocaria isso na sua boca com rapidez suficiente. Você não? Estou chocada, não só que ele diria algo assim tão alto, mas que ele apenas mencionou Jax. - Com licença. - A garçonete chega à nossa mesa. - Você precisa de ajuda? - Ela olha para mim. Eu olho para cima, tentando desesperadamente enviar uma mensagem com meus olhos. 233


- Estamos bem. Obrigado. - O tom de Tommy é frio. A garçonete me dispara outro olhar, antes de se afastar. - Não olhe para ela de novo. - Ele sussurra em um tom de advertência, quando ela volta para o balcão. - Lembre-se do que eu tenho no meu bolso. - Virei minha atenção para o meu prato, com pouca atenção na comida. Deslocando no prato, então ele não vai me incomodar novamente. - Por que você me faz fazer coisas assim? - Ele sussurra com urgência. - Por quê? - Eu não sei, Tommy. - Eu digo. Estou tão cansada agora. Ele toma um grande bocado de panquecas. - Aposto que você não achou que eu sabia tudo sobre seu namorado. - Ele sorri. Estou muito sobrecarregada para falar. Eu encolho os ombros. - Bem, eu sei. Eu sei tudo sobre ele. Eu sei que ele quer que eu pergunte como ele sabe. - Como você conseguiu isso? - A Internet. Não foi difícil. - Há quanto tempo você está me observando? - Vamos cortar a perseguição. Estou cansada de jogar jogos. - Dois dias. Enviei o recorte, depois dirigi para a cidade. Meu carro estava sentado fora da sua casa, e você nem percebeu. - Ele parece alegre. - Você tem um carro novo. Não reconheci isso. - Eu pensei que você me sentiria. Você sabe o que eu quero dizer? Eu senti você. No momento em que você dirigiu, foi como sua energia me chamou. Tentei me puxar para você. É uma força da natureza. - Ele me olha fixamente. Sinto os olhos cinzentos de aço, aborrecidos, no topo da minha cabeça quando olho para o meu prato. 234


- Você não pode lutar contra uma força da natureza. Você não sabe disso agora? Eu balanço minha cabeça, lágrimas caindo no meu prato. Deslizei minha mão no meu rosto, enxugando as lágrimas e o nariz. Ele me entrega um guardanapo sem uma palavra. Eu assoou o nariz. - Você não está com fome? - Não muito. Como eu disse, não como a esta hora da noite muitas vezes. Vou tentar alguns. - Eu faço uma tentativa de meio-coração de comer algumas mordidas, engolindo um pouco de café. Eu respiro profundamente para evitar que ele volte. Ele está terminando. Merda. Eu tenho que encontrar uma maneira de enviar uma mensagem. Olho em volta, não movendo minha cabeça. O que eu posso fazer? A garçonete tem nos observado dentro e fora, eu a vi do canto do meu olho. Posso passar por ela? De alguma forma? - Eu tenho que usar o banheiro. - Vem para mim do nada. O engraçado é que eu realmente tenho que fazer xixi. Estive em um carro por horas, depois de beber um monte de café na loja. Deixarei uma nota no espelho do banheiro em sabão. Alguma coisa. Qualquer coisa. - OK. Vou levá-la em um minuto. Assim que eu pagar. Meu coração afunda. - O que? - Eu disse que a levarei ao banheiro. - Eu não preciso de você para fazer isso. Eu sou uma garota grande. Eu sei como fazer xixi . Ele olha para mim, um brilho duro em seus olhos. O pai benevolente deixou o prédio, junto com a criança alegre. - Se você acha que vou deixá-la sozinha, você me subestimou. - Eu prefiro não ir, se você for entrar comigo. 235


- Resistente. Não me diga que de repente você não precisa ir. Eu luto com as lágrimas. Não vou chorar na frente dele novamente. Nunca. Ele põe o dinheiro na mesa, depois levanta. Ele leva meu cotovelo, fazendo-me ficar ao lado dele. - Caminhe na minha frente. Não se atreva a atrair a atenção. - Vamos aos banheiros, que consistem em instalações masculinas e femininas. Ele me empurra para a sala das senhoras, me segue dentro e tranca a porta. Nunca me senti tão humilhada na minha vida. Fico sentada tremendo, enquanto observo. Há um dispensador de sabão e um grande espelho. Eu poderia ter deixado uma nota. Eu poderia ter. Nós caminhamos de volta ao carro depois que Tommy me ordena para não fazer contato visual com ninguém. No estacionamento, ele me repreende em um sussurro ameaçador todo o caminho de volta para o carro. - Eu não iria fazer você voltar para o porta-malas, mas você me deixa escolha. Se você não tivesse tentado ser inteligente, para me enganar, eu teria deixado você andar no banco da frente. Mas não. Eu não posso confiar em você. Eu tenho que colocá-la no porta-malas. Você fez isso com você mesma. - Por favor, não me faça andar lá. É tão apertado e desconfortável. Não há ar fresco. Além disso, você não quer falar mais? Não podemos falar quando estou no porta-malas. - O carro está se aproximando o tempo todo. Eu poderia fazer uma pausa para isso agora. Minhas pernas não se sentem mais apertadas. Sua mão aperta meu cotovelo. - Acho que não. Você precisa aprender sua lição. Boas garotas conseguem andar no banco da frente. - Ele empurra o botão na chave do carro, abrindo o porta-malas. Eu olho em volta. Certamente, alguém tem que ver isso. Mas estacionamos longe do restaurante. Estamos fora de vista. Ele me empurra para dentro sem uma palavra e depois sai. Espero até ligar o motor, antes de chorar, um punho na minha boca para abafar o som. 236


Eu monto por horas, nada mais a fazer do que pensar. Me abrir para Adam, foi uma das coisas mais difíceis que eu já tive que fazer. Eu enterrei essa merda até agora dentro de mim, era quase como reviver o momento, na hora que eu falei sobre isso. Ainda havia algo sobre aquele dia, não contei a ele... mas ele não precisava saber. Pode ter sido demais. Eu não disse a ele como Marissa tentou me atirar. Eu disse a ele que eu era muito lento para impedir que ela se matasse. Isso era verdade. Mas foi porque eu simplesmente me abaixei para evitar ser atingido pelo tiro que ela apontou para mim. Ele atingiu uma árvore atrás de mim. Então ela apontou a arma para si mesma. Eu arrisquei. Muito lento de uma posição embaraçosa. Por que ela fez isso? Porque queria impedir que eu a parasse. Ela não se importava se ela me atingisse ou não - talvez ela quisesse me matar, talvez ela quisesse me assustar. Desde que peguei a arma, não havia nenhuma maneira para a polícia saber que tinha disparado um tiro extra. Eu nem sei onde ele bateu, exatamente. Ela estava desesperada no final. Isso determinou morrer. Ela não podia viver consigo mesma. Só posso imaginar como sua mente estava distorcida. Sentindo como se ela tivesse matado nossos amigos. Ela não tinha. Tentei dizer a ela que não era culpa dela. Frankie a usou. Eu o amei uma vez, eu disse, mas não por muito tempo antes dessa emboscada final. Ele se tornou um monstro. Não apenas por cima. Sempre decidindo com um punho de ferro. Tudo o que ele gostava era o dinheiro. Ele teve regras uma

237


vez. Nunca machuque mulheres, nunca machuque crianças, não traga um inocente para o nosso negócio. Em seguida, uma série de lares foram queimados no chão, todos de propriedade de um rival do clube e alugados para famílias de baixa renda. Uma mãe e seus três filhos morreram naquele fogo. Frankie sempre negou envolvimento, mas eu sabia melhor. Esse foi o começo do fim para mim. Uma vez que ele se foi, e Marissa, eu tinha tido o suficiente. Logo após o assassinato de Frankie, rumou que eu seria o único a pisar em seus sapatos. Eu não queria eles. Eu vi o poder que isso fez para ele, e eu não queria nada com isso. Eu queria tirar minha esposa do barulho. Já era tarde demais para ela. O vício a levara muito longe, da pessoa que ela realmente era. Então ela se matou, o que levou calor ao clube. A polícia estava à procura de qualquer desculpa para levar todos. No momento em que a poeira baixou, nenhum deles queria mais nada comigo. Especialmente com Adam andando, e envenenando os outros membros contra mim. Dizendo que matei minha esposa, sua irmã. A mulher que o resto dos caras também viu como uma irmã, conhecendo a maior parte de sua vida. Foi-me pedido para sair. Não havia punição, mas isso. Eu não podia mais usar o corte, não podia me associar com o clube. Fiquei feliz de sair. Parecia que uma vida havia passado, desde que fiquei fora daquela festa, desejando poder encontrar uma maneira de entrar e fazer parte das coisas. A única outra regra que me foi dada foi ficar fora da cidade o máximo possível. Eles não queriam que eu estivesse falando no clube. Eu também não tinha nenhum problema com isso, visto como não havia amor perdido lá. Eles poderiam ficar com eles, todos eles. Era apenas meu cachorro e eu. O cachorro de Marissa, isto é. Eu não precisava de mais ninguém. Então veio Christina. Meu peito se aperta quando penso nela. Onde ela está? Estou perto? Eles talvez pararam em algum lugar? Eles só estiveram em uma estrada algumas horas - de nenhuma maneira ele chegou ao campus ainda. Existe a chance de ela ainda estar viva.

238


E provavelmente aterrorizada. Meu peito aperta ainda mais. Eu grito para o vento. Não há ninguém para me ouvir, não neste momento da noite. Estou praticamente sozinho na estrada, exceto por um caminhoneiro aqui ou ali. Todos os carros que me aproximo, me pergunto se a vejo. O que eu faria se eu fizesse? Eu não posso fugir da estrada, não quando ela está no carro. E se ele a observou, ele provavelmente sabe sobre mim. Eu a vejo na minha frente, substituindo a estrada. Cabelos grossos e escuros. As sardas no nariz e as bochechas. Do jeito que ela olhou, quando ela gritou comigo, quando eu me brinquei do suflê. Como nos sentimos quando nos beijamos pela primeira vez. Eu pensei que eu queimaria. Nunca foi assim com qualquer outra mulher. Intenso. Apaixonado. Selvagem. Seu corpo. Eu quase posso sentir isso sob minhas mãos. Ela é uma boa pessoa. Uma pessoa atenciosa. Ela me disse que tinha minhas costas, ela me apoiaria, não importa o quê. Não consigo pensar em um momento da minha vida, quando eu tive isso. Eu pensei que tinha isso com o clube. Eu estava errado sobre isso. Eu acredito nisso, no entanto. Só quando eu queria me abrir para outra mulher, isso aconteceu. Eu deveria estar com ela. Eu não deveria fugir, chateado ou não. Perdi o que importava. Sua segurança. Agora estou enfrentando a possibilidade de a perder, da maneira como perdi Marissa. Eu passo um jantar, meu estômago ressoa. Não consigo parar, por mais que esteja com fome. Eu posso comer depois que eu a encontrar. *** Quando chego ao campus, é quase a luz do dia. Foi a noite mais longa da minha vida. Eu vejo a torre à distância. Antes de me aproximar, retiro meu telefone para marcar o 911. Digo ao operador onde estou e por quê. - Por favor, envie todos os carros que você pode para a torre. Espero não ser muito tarde. Este homem é louco. - Então eu continuo, na esperança de achá-los.

239


Estacionando minha motocicleta a várias centenas de metros da torre. Não há outros carros à vista, então talvez eu os veja daqui. Ele pode ter parado em algum momento para obter comida. Espero que eu não esteja completamente fora da base com minha teoria. Eu poderia estar liderando a polícia em uma perseguição selvagem. Eles não serão meus maiores fãs se isso não acontecer. Depois de alguns minutos, um carro puxa para cima. Como é inverno, o campus está quase vazio. A presença de um carro rompe o silêncio ao meu redor. Eu vejo da minha posição atrás de um lixo, enquanto um homem sai do volante. Ele parece um pouco mais velho, um pequeno gorducho. Mas não há dúvida sobre esse rosto. Eu vi isso na minha frente durante as últimas seis horas, juntamente com Christina e Marissa. Tommy. Ele olha ao redor, depois caminha até o porta-malas. Meu coração aperta. Ele abre, se inclina. Não consigo ver no início, mas quando ele fecha o porta-malas, não há confusão, é Christina. Jesus, ele a teve lá todo esse tempo? Ela dificilmente pode andar. Ele tem quase que carregá-la. Suas pernas devem se sentir apertadas e duras depois de serem enroladas nesse espaço apertado, durante todo esse tempo. Eu quero matá-lo por fazer isso. Ele está balbuciando algo para ela, sua boca se movendo uma milha por minuto. Completamente insano. Eu me agacho, correndo em sua direção. Usando as sebes para me esconder um pouco. Quanto mais me aproximo, mais sei o que ele está dizendo. - Eu disse-lhe que estaríamos juntos, não disse? Não disse sempre, que você nunca poderia se esconder de mim? Não tem jeito. Eu te amo demais para perder você para qualquer homem, especialmente um como aquele bastardo com quem você estava. Não sei se posso perdoá-la por isso, mas se o fizer, demorará muito. Não posso acreditar que você vá de mim para um homem como ele. O que aconteceu com você? Não consegue parar de balbuciar. Ele a arrastou para a torre, com vista para o campus. Eu percebi que ele quer levá-la, talvez até o topo. Não há como dizer o que ele fará, uma vez que ele a leve lá em cima. Só posso imaginar que ele a jogará do topo.

240


- Pare! - Eu corro para eles. Ambos congelam. Christina gira em minha direção, assustada no começo. Então ela vê que sou eu, e eu vejo seu rosto esfarelar em lágrimas. - Jax! - Ela chora, tentando alcançar-me. Tentando libertar-se dele. Ele é muito forte para ela. - Cale a boca, puta! - Tommy a puxa para si mesmo. - Eu deveria ter sabido que você estava mentindo. Você teve seu namorado atrás de nós. - Eu não fiz! Eu não sabia! Como eu poderia saber? Agarro uma mão, a qual não segura a arma no meu bolso. - Não, Tommy. Ela não sabia que eu estava vindo. Sou só eu. Foi minha idéia. - Mesmo? O que você achou que iria acontecer, após nossa chegada? - Eu só queria ter certeza de que ela estava segura, cara. Isso é tudo. Eu olho para ela, levando-a com meus olhos. Quero ver se ela está realmente bem. Ela estava usando um chapéu de malha quando ele a puxou pela primeira vez do porta-malas, que caiu quando ela lutou. Há um sangue seco nos cabelos. Ela não está sangrando em nenhum outro lugar que eu possa ver. Sem marcas em seus pulsos. Ela está chorando, seu rosto vermelho. - Você queria ter certeza de que ela está segura? - Ele joga a cabeça para trás, rindo. Ele parece mais louco do que eu pensava que ele era. - Isso é hilário! Você deveria ter sido um comediante! - O que você quer dizer? - Eu tenho que parar. Eu não quero tentar levar esse cara sozinho, embora eu saiba que poderia, se fossemos apenas nós dois. Eu poderia quebrá-lo ao meio sem nenhum problema. Eu quero. Mas Christina está entre nós. Não posso arriscar ela se machucar. - Você acha que eu sou uma ameaça para Chrissie? - Ele acaricia seus cabelos. Ela fecha os olhos, apertando-os, fazendo uma careta ao toque. Eu quero arrancar sua mão. - Bem, quero dizer, vamos lá. Você a levou. Havia sangue no chão. 241


- Somente porque você é quem a convenceu de que ela não deveria estar comigo mais! - Ele está gritando, fora de controle. - Tommy, eu só a conheci há alguns dias. Não a convenci de nada. Ela tomou sua própria decisão. - Eu olho, enquanto suas mãos se apertam em torno de seus braços. OK. Isso foi um erro. Eu tenho que ser o cara ruim para que ele não vá machucá-la. Meus ombros caem. - OK. Você está certo. Eu sou o único que a virou contra você. - Deixei meus olhos se virarem para ela, na esperança de mantê-la quieta. - Eu estava com ciúmes do relacionamento que vocês tiveram quando estavam juntos. Eu sabia do jeito que ela falava sobre você, que ela nunca se sentiria assim por mim. Eu não sou o tipo de homem que você é. Eu não fui para a faculdade. Eu não tenho amigos. Eu sou apenas... um motociclista de lixo branco. Não tenho nada para oferecer a ela. - Você está certo. Você não tem nada. Ouviu isso, Chrissie? Ele disse que não tem nada. Eu disse a você, não disse? - Ele a empurrou pelos braços, puxando-a para ele. Eu vejo a dor em seus olhos. - Mas, Tommy... você tem que entender como isso parece. Ferindo-a para que ela venha com você. A polícia não está muito feliz com isso. Você pensou sobre o que poderia acontecer se eles alcançassem você? Ele encolhe os ombros. - Por que eles deveriam? Eles simplesmente culparão você, certo? Franzi o cenho, apertando os olhos para ele. - Por que eles fariam isso? - Porque você já está na lista de merda. Você não está? Ou estou pensando em um Jax Fairbanks diferente? Aquele cuja esposa não morreu misteriosamente na floresta um dia? Meu estômago ficada gelado. Como ele sabe disso? Que a lição de casa que ele fez comigo? - Isso é certo. - Ele diz, lendo minha reação.

242


- Eu sei tudo sobre você. Seu registro criminal, sua história com o clube. Tudo o que há para saber. E eu sei que os policiais estão apenas morrendo por um motivo para colocá-lo na cadeia para o bem. Então, estou dando a eles o motivo deles. - Ele acaricia o cabelo de Christina novamente.Não se preocupe. Não tenho intenção de machucá-la. Apenas parece que ela estava ferida. - Ele ri. - O que é tão engraçado? - Pergunto, olhando-a novamente, antes de olhar para o homem insano à minha frente. - É só... eu venço. Eu tenho a garota que eu amo, enquanto eu estou colocando você na prisão. O homem que a tirou de mim. Não é muito melhor do que isso. - Você está certo, Tommy. Você ganha. - Levanto minhas mãos, a arma apontando para o céu. - Eu perco. - Jax! Tenha cuidado! Ele tem uma arma! - Ele a agarra com tanta força, ela grita. - Você não a machuque! - Eu faço um movimento em direção a eles, então paro-me. Não quero correr riscos se ele estiver armado. Tommy só ri. - Eu não tenho arma, sua idiota. - O que? - Eu só lhe disse para assustá-la. Jesus. Você é tão burra. Você poderia pelo menos ter pedido para ver isso. Se ele a chama de estúpida ou puta mais uma vez, não sei se posso ser responsabilizado pelo que faço. Eu dou mais um passo em direção a eles. - Não mais uma polegada, Jax. Não se você não quer vê-la se machucar. Não preciso de uma arma para machucá-la. Eu preciso, querida? - Ele torce o braço dela. Ela grita. Ele olha para mim, zombando. - Além disso, acho que você deveria soltar a arma e jogá-la se você não quiser ter problemas maiores. 243


- Eu não posso fazer isso. - Eu digo, arma ainda apontando para cima. - Por quê? - Porque Christina parece ter medo. - Ela tem medo de você! - Ele a empurra pelo braço. - Diga à ele. Digalhe que você tem medo dele. - Eu - eu tenho medo. - Ela diz, sua voz um pequeno grito. - Você tem medo dele! Diga à ele! - Eu tenho medo de você! - Ela chora, lágrimas escorrendo pelo rosto. - Por favor. Estou com medo. - Desculpe. - Eu digo, olhando para ela. - Me desculpe, por você ter medo. Me desculpe, não consegui fazê-la se sentir mais segura. - Parece que você não pode manter uma mulher, Jax. - Tommy zombou. Olho para ele, depois em Christina. - Eu tenho uma história para te dizer. - Mantenho meus olhos nela, ignorando Tommy, exceto para garantir que ele não faça movimentos rápidos. - O que é isso? - Eu nunca disse a ninguém a história completa. Nem mesmo Adam. Marissa tentou se matar naquele dia. Ela foi ao bosque para se matar. Ela está olhando para mim, olhos cheios de lágrimas. - Por quê? - Porque ela era uma pessoa doente e confusa. Ela estava com drogas, roubando do cartel com o qual o clube estava trabalhando. Ela teve um caso com o homem que era o presidente do clube na época. Apenas o roubo acabou levando-o e um bando de gente morta. Ela não conseguiu lidar com isso. Então ela pegou minha arma na floresta. Eu corri atrás dela assim que 244


eu sabia o que estava fazendo. - Eu respiro fundo, chegando à parte que eu não contei a Adam. - Ela apontou a arma para mim primeiro, para me afastar dela enquanto ela me contava a história... então para atirar em mim. Ela ia me matar, em vez de me deixar parar ela. Ela queria morrer tão mal. Eu assisto Christina tremer. Vejo as mãos de Tommy apertar em seus braços. - Ela disparou um tiro. Abaixei, e atingiu uma árvore. Então ela virou a arma para ela, apertou-a contra o peito. Eu pulei para ela, querendo detêla. Mas não pude. Ela puxou o gatilho. Ela morreu em meus braços - acho que ela poderia ter ido quase instantaneamente. Não pude detê-la, e eu me culpei todo esse tempo. Eu não queria que ninguém soubesse que ela tinha tido tantos problemas - especialmente não que ela estivesse roubando do cartel e o clube. Não pude colocar a família por essa dor. - Por que você está contando essa história? - Tommy pergunta, soando entediado e irritado. Eu olho para ele. - Porque eu preciso que ela conheça a verdade. - Eu ouço as sirenes se aproximando a distância. Graças a Deus. Eu não poderia ter mantido isso por muito mais tempo. - Que diferença isso faz? - Pergunta Tommy, inconsciente dos carros da polícia que se aproximam. - Eu queria que ela ouvisse isso antes que isso acontecesse. - Eu pulo contra eles, empurrando Christina fora do caminho. Eu pego Tommy pelos ombros antes de bater no nariz com a ponta da minha arma, extraindo sangue. Eu ouço Christina gritar, mas eu não posso olhar para trás. Ele luta para trás, cabeça me incomodando, batendo nós dois ao chão. Nós lutamos, rolando mais e mais. Suas mãos estão na arma enquanto ele tenta arrancá-la de mim. Eu me atirei em cima dele, na esperança de

245


derrubar o vento dele e atordoá-lo em deixar ir. Eu carrego meus joelhos em seus lados, nossas faces centímetros um do outro. - Por favor! Pare! - Gritou Christina. Não consigo ouvir. Eu só posso fazer esse bastardo pagar pelo que ele fez. - Jax, por favor! - A arma está em algum lugar entre nós dois, presa entre nossos corpos. Eu sei que ele ainda está preso, assim como eu. Eu ouço as sirenes ficando mais altas. Então a arma dispara.

246


É como um pesadelo horrível que finalmente terminou. - Nós vamos estar juntos para sempre. - ele continuou dizendo, acariciando meu cabelo enquanto ele me puxava do carro. Nunca esqueceria o quão aterrorizada eu estava. Olhando para a torre, sabendo o que significava, que estávamos indo para lá. Sabendo que ele iria me matar. Eu queria vomitar, apenas sentindo sua mão em mim. Eu sabia exatamente o que ele queria dizer. Nós estaríamos juntos. Apenas não vivo. Ele queria jogar nós dois daquela torre. Nós morreríamos juntos. Tragicamente. Quando ele me puxou do porta-malas, tudo o que pude fazer foi rezar. Por favor, deixe alguém me salvar. Por favor, deixe-me sobreviver a isso. Eu não quero morrer. Eu quero minha mãe. Eu quero Jax. Não me deixe morrer. Agora, estou sentada no quarto do hospital. No quarto de hospital de Jax. Ele dormiu por horas, desde que ele saiu da cirurgia. A enfermeira me disse que ele provavelmente não iria acordar por um tempo.

247


É um bom hospital e uma sala privada. Certifiquei-me de que todo mundo ao alcance do ouvido, soubessem que eles estavam cuidando de um herói. - Ele salvou minha vida. - Eu disse uma e outra vez. - Por favor, cuide dele. Eu estaria morta se não fosse por ele. Sento olhando para ele. Ele está pacífico, seu rosto suave. E agora que ele salvou minha vida, está mais bonito para mim do que nunca. Não posso acreditar que ele veio por todo esse caminho para me encontrar. O fato de colocar tudo em conjunto é notável. Eu sabia que ele tinha que ser inteligente sob toda essa bravura. Estou bem, na maioria das vezes. Talvez eu precise ver um médico mais perto de casa agora que está tudo acabado. Há muitas coisas que eu vou precisar trabalhar. Sentir-me segura novamente em minha casa, sabendo que não estou em perigo. Flashbacks de Tommy me colocando em um porta-malas. Eu tremo apenas pensando nisso. Se ver um médico me ajudará a recuperar minha vida, estou mais do que disposta a fazê-lo. Eu tomarei todos os passos para deixar isso longe de mim. Ele se agita. Inclino-me para ele, colocando uma mão sobre a dele. Ele vira a cabeça na minha direção, quando ele sente o meu toque. - Você está bem? - Suas primeiras palavras depois de acordar. Eu não pensei que meu coração poderia inchar mais grande. - Estou bem, Jax. Graças à você. - Onde estamos? - No Hospital. Você e Tommy estavam lutando pela arma. Parou, bateu em você. Você se lembra de alguma coisa? Ele fecha os olhos, engolindo com força. Eu acho que ele se lembra. Em vez de responder a minha pergunta, ele diz. - Por que não estou algemado? - Por que você seria algemado? 248


- Não fui preso? Ou serei, uma vez que eu saia do hospital? Eu pensei que eles queriam me manter algemado. - Jax. - Eu toco seu rosto, áspero com a barba. - Você não foi preso. Ninguém vai te prender. - Não? - Seus olhos estão arregalados. Ele ainda está um tanto nublado com a anestesia, lembrando-me de um menino. - Não. Eu disse à polícia tudo. Uma vez que viram a ferida na minha cabeça, estava bastante claro que eu não estava fazendo nada. E uma vez que eles olharem o telefone de Tommy, verão as mensagens que ele me enviou. Você está em paz. Ele voltou a dormir, um sorriso no rosto. Agora ele pode descansar. *** Eu acordo com um pescoço rígido, enrolada na cadeira na cabeceira de Jax. Desta vez, ele é aquele que esteve me observando. - Bom dia. - Ele sussurra, sorrindo suavemente. - Uau. Manhã já? - Eu me sento, esticando. - Você dormiu através de duas visitas da enfermeira. Eles iriam trazer um cobertor para você, mas não queria acordá-la. Você ficou fria. - Eu acho que sim. - Lembro-me das horas que passei acordada, fria, aterrorizada. Sim. O sono era o que eu precisava. Eu faço um inventário dele. Ele já parece melhor do que ele fazia quando ele acordou pela primeira vez, depois de ser levado para cirurgia. Sua cor é melhor. Ele está mais alerta. - Como está sua ferida? - Perguntei, fazendo sinal para o abdômen. Quando os paramédicos disseram que a bala o atingiu no estômago, quase desmaiei. Eu sei o quão perigoso pode ser, mesmo que eu já tenha visto isso na TV. - A enfermeira diz que parece estar bom. Os pontos estão segurando bem.

249


- O médico me disse que você fez a cirurgia como um campeão. - Você esperaria menos? - Ele sorri. Inclino-me para beijá-lo suavemente. Não há como confundir a forma como o sinal sonoro de seu coração acelera. Eu ri. - Adivinha, não podemos fazer muito disso por um tempo. Eu não gostaria de taxar seu sistema enquanto você está curando. - Eu acendi com uma piscadinha e ele geme. Então ele se torna sério. - Não lembro de nada depois de ter sido baleado. - Eu tenho certeza que você não. Você estava inconsciente. - Eu odeio te perguntar isso... mas... ele fez...? - Me estuprou, você quer dizer? - O rosto de Jax endurece, mas ele acena com a cabeça. Balanço minha cabeça, sorrindo. - Não, nada disso. Ele nunca chegou perto disso. Não acredito que tivesse isso na mente dele. - O que ele disse para você? Você já falou com ele, além de quando chegou ao campus? - Eu aceno com a cabeça. Nunca vou esquecer aquele café da manhã surreal. - Nós paramos em um restaurante. É onde nos conhecemos. Eu tive que me sentar e forçar a comida pela minha garganta. Eu tive que fingir estar feliz, que ele finalmente veio para me levar. Ele falou o tempo todo. Tenho certeza de que até a garçonete pensou que ele estava louco. Ele não me deixou fora de sua visão. - Eu deixo a parte onde ele foi ao banheiro comigo. Eu não quero reviver essa humilhação novamente. - Eu acho que foi assim que consegui alcançar você. - Estou feliz que ele ficou com fome. - Eu sorrio, mas é um sorriso tremido. Logo estou chorando. Deito a cabeça no lado da cama de Jax, deixando tudo para fora. Eu sinto sua mão acariciar meu cabelo, tão diferente do toque áspero de Tommy.

250


Eu choro por um longo tempo. Uma vez que acabou, eu me sinto melhor. Não cem por cento, mas melhor. Depois de limpar meu rosto, eu volto para a cama de Jax. - Onde ele está agora? Eu não tenho que perguntar de quem ele quer dizer. - Cadeia. Eles os têm com um monte de acusações diferentes. Jax fecha os olhos, aliviado. - Você disse alguma coisa quando eu acordei pela primeira vez. - Ele me lembra. - Sobre contar tudo à polícia. Eu concordo. - Sim, cada pedaço disso. Não posso acreditar que você pensou que eles iriam prendê-lo por salvar minha vida. Um encolher de ombros. - Eu acho que é um hábito, assumindo que eu vou ser culpado por coisas. - Acredite em mim. Ninguém pode culpá-lo por isso. Você é a única razão pela qual eu estou aqui agora. Atenciosamente. - E quando chegarmos em casa? - O que sobre isso? - Estou confusa. Ele me conta tudo o que ele passou, apenas tentando fazer com que os policiais prestassem atenção ao meu seqüestro. Não posso fingir que tenho fé em nossa força policial se eles foram tão rápidos para culpar Jax por meu desaparecimento, sem ouvir o que ele tentava dizer. Eu sorrio, no entanto.

251


- Eu não posso esperar para voltar para a cidade e jogar tudo em seus rostos. Quão errado eles estavam sobre você. Quando terminar, eles estarão jogando um desfile em sua homenagem. Ele ri depois gentilmente, com dor. - Não me faça rir. - Ele geme. - Eu não estava tentando. Quero dizer. Eles vão comer suas palavras, cada um deles. - Uau. - Ele me olha de cima a baixo. - Quem é essa garota assertiva no meu quarto de hospital? De onde ela veio? - Ela sempre foi assertiva. Lembra-se de como encurralamos as cabeças, quando nos encontramos pela primeira vez? Quão louca eu dirigi em você? Ele sorri. - Sim. - Não foi só você, embora você tenha trazido isso em mim. Você tem um talento para isso. Eu também posso ser assertiva com os outros. Eles estão todos na minha lista de merda, até se desculparem. Vou retirar um anúncio de página inteira, apenas para que toda a cidade saiba o que você fez. Você pegou uma bala para mim, Jax. Eles precisam saber. - Ele encolhe os ombros. - Talvez eles não precisem saber. Talvez eles sempre acreditem no que querem acreditar. Que diferença faz na minha vida? Aqui estava pensando eu, que ele queria estar comigo. Talvez ele ainda não esteja pronto para isso. - O que está errado? Meu rosto deve mostrar minhas emoções.

252


- Nada. - Não diga isso. O que é? É hora de ser corajosa. Se eu pude encarar Tommy, posso fazer isso também. - Talvez você ainda não esteja pronto para isso. Se você não está, eu entendo completamente. Depois de tudo o que você me disse, eu percebi por que você não estaria neste lugar. É só... Eu te amo. - Eu falo tudo em um grande suspiro. Agora está lá fora. Não consigo retomá-lo. - Eu também te amo, sua idiota. - Um sorriso enorme quebra seu rosto. - Você faz? - Você não pode estar me perguntando seriamente isso! Christina, por que eu iria por tudo isso para você, se eu não a amasse? Se a alguma coisa, não pensei que você me amasse. Não podia imaginar por que você faria. - Mas você fez tudo isso? Sem saber como me sentia? - É claro que eu fiz. Isso não mudaria a forma como senti por você. Só porque não sabia como se sentia. Isso é louco. - Ele alcança para mim, tomando minhas mãos na dele. - Eu te amo. Eu quero estar com você. Se você me quiser. - Agora, quem é o idiota? - Não posso dizer mais nada. Tenho que beijá-lo. O monitor do coração fica louco novamente.

253


Faz uma semana que Jax entrou no hospital. Uma semana inteira desde que ele me salvou, mais uma vez. Ele está curando lindamente, assim como qualquer um poderia esperar. Agora ele está subindo pelas paredes, doente para estar fora daqui. - Por que eles tiveram que me manter por tanto tempo? - Ele só me perguntou essa pergunta cerca de duas dúzias de vezes, hoje. - Porque.... - Repito, como tantas vezes. - Eles tinham que ter certeza de que você não estava com infecção. A infecção é um grande negócio, você sabe. - Claro, claro. Eu não tive febre. A bala quase não me afetou. Era superficial.

254


- Pouco superficial. Houve dano muscular. Você teve muita sorte. Minha mãe sorri para ele. Ele acalma-se. Mamãe esteve aqui há quatro dias, cuidando de nós dois. Parece que ela tem o toque mágico. Uma palavra dela e ele é uma pessoa diferente. - Você está certa. - Ele admite. - Eu simplesmente não posso esperar para sair desta cama. - Você terá que ter calma por um tempo. - Mãe lembra. - Não levantar coisas pesadas. Você poderia se machucar ainda pior. Jax acena com a cabeça. Sinto que estou testemunhando um milagre. - Você tem certeza de que não quer voltar com a gente? - Digo, fazendo-a rir. - Estou falando sério. Você é a única pessoa que ele ouve. - Ele é muito teimoso. Mas por dentro, ele é apenas um menino. Todos os homens são - não importa o quão grande eles estão do lado de fora. Nós rimos juntos em voz baixa. - Eu ouço isso. Eu não sou surdo. Eu rio, atravessando a sala para beijá-lo. Ele está meio sorridente, então eu sei que ele não está chateado. Mamãe e eu tiramos um monte de atraso nos últimos dias. Eu lhe devia uma explicação. Eu tinha sido seqüestrada, afinal, quando nem sabia que Tommy estava me perseguindo. Então fui resgatada por um homem de cuja existência ela não sabia. Ela só veio para ter certeza de que fomos atendidos. Nós dois compartilhamos um quarto em um hotel perto do hospital. Passei quase todos os minutos de horas de visita aqui, do lado de Jax. Adam veio dois dias depois da espera de Jax, para pegar sua motocicleta. Jax provavelmente não conseguiria levá-la para casa, então Adam teve um amigo nos encontrar. Eu notei o quanto melhor ele já olhava desde que eu o vi pela primeira vez, apenas alguns dias antes. 255


Ele me deu um grande abraço ao entrar na sala. - Estou tão feliz que você esteja bem. - Disse ele. A sinceridade em sua voz me tocou. Deixei os dois sozinhos por um tempo, para que pudessem conversar. Quando voltei, eles estavam rindo. Meu coração disparou. Jax me contou a conversa deles, como confessou tudo. Como Adam deu sua motocicleta. Eu também devia-lhe muito. Mais do que tudo, fiquei feliz em ver Jax rindo. Ele perdeu a amizade de Adam após a morte de Marissa. Eu esperava que isso significasse que eles poderiam reconstruir seu vínculo. Jax precisava de pessoas, tanto quanto fingia que não. Nós prometemos nos reunir depois que Jax fosse liberado. Ele olhou esperançoso depois que Adam foi embora. Mãe dirigeu-se para a estação da enfermeira, para ver se havia alguma chance de obter seus papéis de liberação, algum tempo antes da semana que vem. Eu pensei que com um paciente tão obstinado e frustrante, ficariam felizes em tirá-lo dos calcanhares. Parece que eles estão arrastando os pés. - Você sabe. - Jax diz, agora que estamos sozinhos. - Por tanto tempo, pensei que estava protegendo Adam e sua família, sem contar a verdade sobre como Marissa morreu. Eu pensei que estava sendo... eu não sei... nobre ou algo assim. Pegando-lhes a dor, protegendo seu nome. Agora... Estou pensando em como Adam olhou quando ele veio me visitar. Ele já não parece melhor? Eu concordo. - Ele parecia ótimo. Sóbrio, para começar. - Sim. Pergunto-me se muita dores que ele estava passando tinham que ver com nunca ter certeza. Não querendo acreditar que eu poderia fazêlo, especialmente porque estávamos tão perto e eu era o marido de Marissa. Talvez manter segredos apenas machuca as pessoas. - É como se você estivesse lendo minha mente. - Eu digo a ele, sentado ao lado de sua cama.

256


- Eu me perguntei o mesmo. Se eu tivesse sido honesta com Tommy, tudo o que eu estava passando com ele, eu não precisaria sofrer do jeito que eu fiz. Eu poderia ter sido sincera com meus pais, para começar. Nunca disse para eles o motivo pelo qual eu o deixei. Pensando, eu não sei, que eu estava poupando-lhes de algo. Tudo o que eu estava fazendo, é me deixar louca e deixando-o ficar ainda mais louco por mais tempo, enquanto eu fiquei longe. Eu deveria ter dito à polícia. Eu deveria ter dito a alguém. Mas eu estava com vergonha. E por quê? Porque ele é um algoz? Não é minha culpa. Jax leva minha mão. - Eu acho fácil dizer isso agora. - Ele diz, acariciando meus dedos com o polegar. - Quando você está no meio de algo assim, você não quer que ninguém saiba. Eu não queria que ninguém soubesse que Marissa estava se drogando novamente. Tenho certeza de que o legista descobriu isso, mas eu havia dito algo no momento, que eu poderia ter ajudado a evitar tanta dor. - Nós nunca saberemos, não é? Ele balança a cabeça. - No entanto, há uma coisa que eu sei. Nenhum segredo entre nós. Nunca. Nunca pense que você precisa me poupar algo. Apenas diga isso. Eu vivi com segredos por muito tempo. Eu tenho que sorrir. Eu amo quando ele fala sobre o nosso futuro juntos. - Combinado. *** Amy levanta sua xícara de café em um brinde. - Para vocês dois. Especialmente você. - Ela diz a mim e Jax, então joga seus braços ao redor dele. - Você a salvou. Não sei o que faria sem ela. - Oh, Amy. - Eu rio, lágrimas nos meus olhos.

257


- Quero dizer. Deus, quando eu penso... estávamos apenas rindo juntas... - Eu aceno com a cabeça, um arrepio correndo pela minha coluna vertebral. Não era isso que pensava enquanto estava no porta-malas? Como ela se sentiria, sabendo que estávamos juntas fora da loja, antes que Tommy me pegasse? Ela insistiu em ter uma pequena festa na loja, para celebrar o meu regresso a casa. Adam está aqui, tomando uma xícara de café em vez de uma bebida. Ele concordou em ir para o AA. Jax me disse que finalmente conseguiu colocar tudo atrás dele, agora que ele tem uma sensação de fechamento. Ele sabe por que Marissa fez o que fez. Ele pode processá-lo agora. É hora de seguir em frente. Ele é um homem jovem, não muito mais velho do que Jax, com muita vida restante. Estou feliz por ver Jax parecer tão feliz, aqui no meu mundo. Quando estávamos no Texas, ele decidiu que ele não se importava com a cidade. Ele não iria mais se separar do mundo. Se as pessoas tivessem um problema, deixe-os. Era seu problema. Eu disse a ele que eu estava totalmente atrás dele. A melhor parte é, no primeiro dia em que ele veio para o café e um muffin, durante a corrida da manhã, ele foi atormentado por pessoas apertando a mão e felicitando-o por ser tão corajoso e me salvando do meu perseguidor. Isso me surpreendeu tanto, quanto a ele. Ele continuou me atirando olhares, para os quais eu continuava encolhendo os ombros. Eu não tinha idéia de onde eles conseguiram suas informações... até que eu olhei para Amy, que tinha um sorriso de uma milha de largura em seu rosto. - Você disse a eles? - Eu precisei. Eles precisavam descer seus cavalos altos e descobrir o qual bom o cara é. Ele merece um pouco de respeito, não? Eu concordei de todo o coração, e eu ainda faço. Eu sei que não vai acontecer durante a noite, mas tenho a sensação de que Jax vai começar a colocar seu próprio passado atrás dele. Talvez ele e Adam possam trabalhar 258


juntos nisso. Eu sei por conversas com ele, que o clube não é onde ele quer estar, e ele não faz parte dele por algum tempo. Jax não tinha como saber disso, porém, já que nunca falavam. Eu assei um pequeno bolo para a nossa festa, e estou distribuindo pedaços para o nosso pequeno grupo. Há apenas um punhado de nós, mas agora, é tudo o que preciso. Eu tenho meu negócio. Eu tenho Jax. Eu tenho amigos. Minha vida é bem perfeita. *** - Devemos virar uma moeda? - O quê, coroa minha casa, cara sua casa? - Certo. Por que não? Eu encolho os ombros. - Parece uma maneira muito louca de tomar uma decisão tão grande. - Nós estamos indo para frente e para trás sobre isso por dias. De quem é a casa em que devemos viver. Só faz sentido que moremos juntos. Nenhum de nós quer manter um segundo conjunto de artigos de higiene pessoal na casa do outro. E não faz sentido que eu continue pagando aluguel na minha casa se eu passo metade do meu tempo na de Jax. Seria uma coisa se vivêssemos distantes, mas é uma movimentação de quinze minutos de porta a porta, em um bom dia. Existem argumentos excelentes em ambos os lados. A casa de Jax contém muitas lembranças. Talvez seja melhor para ele seguir em frente, deixar a parte de sua vida para trás. Minha casa está no meio da cidade, ou praticamente. Ele quer viver sua vida entre as pessoas que ele tem tentado tão difícil de evitar? Sim, ele fez progresso. Ele vem para a cidade em uma base regular, sem o retorno das residências ou do clube. Mas mover-se lá é muito para pedir tudo de uma só vez. Enquanto isso, minha casa está mais próxima da minha loja. Eu poderia andar lá se eu precisasse. - Tudo bem. - Eu digo.

259


- Nós vamos virar uma moeda. Coroa minha casa, cara a sua. Ele puxa uma moeda. - Você tem certeza disso? Eu hesito, depois assinto. -Não importa onde eu esteja, estarei com você. Qualquer um é bom, de qualquer maneira. - Tudo bem. - Ele sorri, então aponta a moeda para o ar. Ele a pega e depois bate na mão dele. Coloco minha mão sobre a dele. - Qual é o problema? - Ele pergunta. - Eu acabei de perceber. Não me importo o que a moeda diz. Eu quero mudar para cá. - Estamos sentados na frente de sua lareira, um quadro de monopólio entre nós. - O que? Desde quando? - Desde que... aqui é onde eu quero estar. Essa é a única maneira que eu posso colocar. Minha casa, meu aluguel? Isso não significa nada para mim. Não há anexo a ele. É só... conveniente. Isso é tudo. Esta casa? - Eu olho em volta. - Já está cheia de lembranças para mim. Boas memórias. Ele sorri. - Isto é. Eu sei o que você quer dizer. - Mas! Se houver muito aqui, e você quer se afastar, eu entendo totalmente. Não quero forçá-lo a continuar vivendo aqui, com todas as velhas lembranças. Ele pensa sobre isso, agora olhando ao redor. - Nós podemos redecorar. Eu acho que fiquei muito preso no passado. É hora de eu avançar, mas isso não significa se mudar para outra casa. Posso começar aqui. - Ele sorri para mim. - Você realmente quer morar aqui? 260


- Eu realmente quero. - Eu beijo ele. - Ainda podemos ver o que a moeda diz? Eu encolho os ombros, removendo minha mão. Nós olhamos. Coroa. Eu deito no chão, rindo. - Ah bem. O que é um lance de moedas? Arbitrário. Ele se inclina, cobrindo a minha boca com a dele. O riso morre, substituído por um gemido baixo, enquanto sua língua gira em torno do interior da minha boca. Como sempre, meu corpo responde ao seu quase instantaneamente. - Você está empurrando, garotinho. - Eu sussurro, enquanto sua mão percorre o tronco. - Como assim? E quem você está chamando de garotinho? - Eu rio, grito quando seus dedos escovam meus mamilos sensíveis. - Você sabe que você deve estar indo com calma. Você não pode fazer esforço nesses abs. Nós não queremos machucá-lo. - Isso é verdade. - Ele beija minha mandíbula, meu queixo, minha garganta. Sua boca envia um mergulho direto ao meu núcleo. - Talvez você devesse fazer todo o trabalho, nesse caso. Eu rio. - Eu acho que é uma possibilidade. Só se você pedir muito bem. Minha mão acaricia seu pênis, já a meio mastro. Ele rosna. Eu gosto de fazer amor na frente de um fogo ardente, tanto quanto qualquer garota, mas eu não adoro ser observada por um cachorro de caça. Me arrasto, subindo as escadas. Jax segue. Assim que chegamos ao quarto, ele fecha a porta. Nós caímos na cama juntos, beijando e tocando. Ele arranca minhas roupas, desabotoando meu

261


jeans, passando as mãos debaixo da minha camiseta para tocar minha pele. Eu sinto os broches do meu sutiã sendo aberto. - Alguém está com pressa. - Eu murmuro, tomando o lábio inferior entre meus dentes. Eu chupo, depois mordo suavemente. - Mmm... - ele rosna, devolvendo o favor. Eu me ajoelho no colchão, puxando a camisa sobre minha cabeça, descartando o sutiã. Suas mãos estão imediatamente em meus seios, amassando-os. Suspiro, fechando os olhos para apreciar o sentimento. Então eu movo suas mãos para longe. - Basta descansar e curtir. - Eu sussurro. Ele sorri, colocando as mãos atrás da cabeça para me observar. Eu deitei-o, beijando seu tronco de tinta. Virando minha língua sobre seus mamilos antes de se deslocar até o umbigo. Ele assobia através dos dentes cerrados, abdômen tenso. Ainda tão terno. Eu desabotoo o jeans, a língua movendo-se, brincando ao longo da cintura antes de deslizar as calças sobre os quadris e descer as pernas. Eu esfreguei seu pau ereto através do algodão de seus calções, provocando-o. Há um ponto molhado na ponta, traindo sua excitação. - Coloque em sua boca. - Ele sussurra com urgência. Eu contínuo, deslizando os calções até que ele esteja exposto. Seu comprimento sólido e ereto contra seu estômago. Partindo da base, arrasto minha língua lentamente até o comprimento até alcançar a cabeça. Abro minha boca, permitindo que ele deslize pelos meus lábios. Seu gemido parece atingir minha buceta, o que se contrai em resposta. Eu já estou molhada, pronta para mais. Primeiro, vou agradá-lo. Eu fico bem lenta, deslizando minha boca pelo seu eixo uma polegada de cada vez. Ele prende a respiração, esperando que eu o leve completamente. Finalmente, meus lábios vão tão longe quanto eles, minha boca incapaz de segurá-lo. Eu volto de novo, depois para baixo novamente.

262


Minha mão acaricia o eixo agora úmido, enquanto sugo suavemente a cabeça. - Oh, Deus... - Os olhos de Jax estão fechados, seu belo corpo esticado diante de mim. Ele está totalmente no meu controle. Eu aproveito, rolando minha língua em círculos ao redor dele, enquanto eu chupo. Agitando o ponto sensível logo abaixo da cabeça, de vez em quando, puxando um gemido de sua garganta. - Por favor... - A tortura é quase demais. Eu começo a balançar para cima e para baixo, aliviando a pressão. Ele suspira, segurando a parte de trás da minha cabeça. Guiando-me, tentando recuperar o controle. Pego minha cabeça, deixando-o escorregar de mim. Ele olha para cima, surpreso. - Você não está no controle. - Eu falo. - Eu estou. - Oh? Vamos ver sobre isso. - Ele me leva nos braços fortes, me jogando nas minhas costas. Toda vez que eu esqueço quão poderoso ele é, ele está feliz em me lembrar. Não me importo. Adoro a maneira como ele assume o controle, fazendo o que ele quer para mim. Meus jeans estão fora em um flash, então minha calcinha. Sua boca está em mim, provocando-me. Lambendo meus lábios, o interior das minhas coxas. Meus lugares mais sensíveis... todos exceto um, isto é. - Oh, Jax... - Eu segurei sua cabeça para mim, tentando guiá-lo ao meu clitóris. Ele luta contra mim, fazendo-me rir, apesar da frustração que ele está me fazendo passar. - Estou no controle. - Ele diz antes de volta a sua tortura. Não consigo aceitar. Minhas mãos apertam o travesseiro sob minha cabeça. Meus olhos estão fechados, todo meu corpo fica tenso. - Por favor, lamba-me. Por favor! - Estou doendo, quase pronta para me tocar, para aliviar a tensão. Ele geme contra meu monte, me deixando 263


ainda mais louca. Eu soltei um barulho em algum lugar entre um gemido e um grito. Eu sou recompensada pelo sentimento de sua língua batendo contra meu clitóris. - Sim! - Eu grito. Ele lambe minhas dobras, aumentando minha umidade, antes de deslizar dois dedos grossos no meu buraco. Meus músculos se fecham ao redor deles. Eu grito novamente. Ele começa a movê-los para dentro e para fora, bombeando rapidamente, enquanto a língua bate de um lado para o outro no meu botão. Arqueio de volta. Seguro meus peitos, esfregando minhas mãos sobre eles. Eu o ouço gemer e sei que ele me vê jogando comigo mesma. Eu aperto meus mamilos, puxando meus dedos sobre eles, enquanto ele suga meu clitóris. Estou tão perto. - Oh! Jax! - Meus quadris se levantam da cama, a pressão no meu núcleo explodindo em pura felicidade. Isso me pega, deixando-me ofegante e tremendo. Ele ainda está me beijando lá embaixo. Suavemente, sensualmente. Sua língua corre lentamente sobre minha pele. Eu poderia ficar assim durante todo o dia... mas sei que ele quer mais. Eu também. - De costas. - Eu suspiro, ainda arrumando a respiração. Ele rola imediatamente, alcançando-me. Eu me posiciono sobre ele, guiando-o dentro de mim. Nós gememos, quando eu deslizo para baixo, sua espessura enchendo-me. - Foda... - Ele engasga quando eu começo a mexer. Gentilmente, lentamente, balançando os quadris enquanto eu bato contra ele. Inclino-me, uma mão de cada lado da cabeça, dando a boca os meus seios. - Sugue-os. - Imploro, ainda empurrando para ele. Ele geme, olhos arregalados, surpreso com a minha atitude. Um, então o outro mamilo encontra sua língua, seus lábios. Ele suga forte, mordendo gentilmente. Fazendo-me ofegar e gemer, sussurrando para ele, exortando-o.

264


- Sugue os meus seios. Oh, sim... - Não é minha imaginação, quando o sinto empurrar para cima, em mim. Incapaz de conter-se. Ele adora ouvirme falar sujo, então eu continuo. Dizendo-lhe o que ele faz comigo, o quanto eu amo fodê-lo. Como seu enorme pau me faz querer gritar quando eu venho. Sua respiração vem mais rápido, mais desigual. Ele se aproxima de mim, tomando um punhado do meu cabelo. Puxando suavemente. Eu gemo, a sensação quase demais agora. Eu me sinto construindo novamente, mais alto desta vez. Sua espessura dentro de mim, me deixa selvagem. Abaixo-me sobre ele, apertando ao redor dele, com outras lágrimas de orgasmo através de mim. Desta vez, eu grito, cada músculo pulsando enquanto eu o supero. Momentos depois, seus esforços urgentes sinalizam seu clímax. Eu encorajo-o, digo-lhe para vir para mim. Ele geme, então explode dentro de mim. Uma vez que ele termina, eu rolo para o meu lado. Depois de recuperar o fôlego, coloco a cabeça no peito dele. Seu coração bate, forte e firme, contra minha orelha. - De onde veio isso? - Ele pergunta, ainda um pouco sem fôlego. - O que? - A assertividade. Brincando com seus peitos, me dizendo para sugálos. Você sabe o que eu quero dizer. -Oh. - Eu coro. - Eu acho que você faz isso em mim. - Eu não estou reclamando. - Eu poderia dizer. - Observo. Então ocorre algo para mim. - Você sabe o que? - Hmm? - Ele já está meio adormecido. Homem típico. - Eu não acho que o sexo poderia ser tão bom na minha casa. Eu acho que fiz a escolha certa, decidindo mudar para cá. 265


Ele ri. - Nós dois poderíamos ter um sexo incrível em uma praia, em um camping, no quintal, em um carro, no lado de uma montanha. Qualquer lugar. - Bem, agora. - Eu me levanto, olhando-o nos olhos. - Parece que você e eu vamos nos manter muito ocupados.

266

Monster angels of chaos livro ã nico zoey parker (exclusive book's)  
Monster angels of chaos livro ã nico zoey parker (exclusive book's)  
Advertisement