Page 1


Something Sweet (Curvy Women Wanted #1) Sam Crescent Camden não quer mais saber de mulheres. Depois de ter seu coração partido, e seus sonhos esmagados, ele prefere se concentrar no seu trabalho, e não nas mulheres. No entanto seus amigos mais próximos não o deixarão se esconder.

Alyssa não precisa de homens. Ela tem seus amigos, sua cozinha e seu trabalho. Crianças, homens e um futuro são apenas sonhos que ela não acredita que vai precisar.

No momento em que se encontram, faíscas voam. Nenhum deles tinha previsto encontrar o amor, mas agora seu futuro parecia possível juntos.

Romance está no ar, e mesmo quando seus amigos se preocupam com a rapidez com que se movem, não há como parálos. Se Alyssa disser sim a sua proposta? O que Camden pensará quando descobrir que ela está grávida?


Capítulo 01 "Quer que eu o quê?" Camden Martin perguntou. Mudando o celular para a outra orelha enquanto ele terminou de lixar a última cadeira que ele tinha feito. Em seu tempo livre, quando não estava em um canteiro de obras, ele construia seus próprios móveis. "Eu já te falei sobre Alyssa. Ela trabalha com Edith na central de atendimento de seguros," disse Sean. "Sim, você falou sobre ela." Camden ainda não entendia por que ele foi convidado para jantar. Não é como se Edith e Sean fossem fazer o jantar. "Por que você está me convidando?" "Foi ideia de Edith. Ela acha que você vai gostar de Alyssa." Camden fez uma pausa e sorriu. Ele sabia exatamente o que estava acontecendo. "Ela está tentando me fazer sair com sua amiga?" Sean fez uma pausa. "Sim, ela está. Ela adora Alyssa." "Sammy, Marshall, Millie e Chris, e eles todos me chamara para ir jantar." "Veja, você realmente deveria vir. Você vai adorar." "Eu vou"? "Sim. Alyssa é seu tipo de mulher." Camden suspirou. Eles tinham tentado de tudo para levá-lo para conhecer essa mulher desde o ano passado. Ele evitou isso. Seu último feitiço com amor tinha deixado ele quebrado e parecendo um idiota. "Já superei Delia." "Nós sabemos. Isso é porque achamos que você vai fazer maravilhas para Alyssa, e onde você vive, no meio de lugar nenhum, você vai precisar dela. Ela é uma ótima cozinheira, e ela tem gostos parecidos, com os seus."


"Não acredito que meus amigos estão trabalhando juntos para armar para mim." "Todos nos importamos, e além do mais, Alyssa precisa seguir em frente do idiota que a machucou." Camden revirou os olhos. Sua vida tinha se transformado em pesadelo. Seus próprios amigos estavam tentando lhe arranjar um encontro. O que foi surpreendente para ele foi o fato de que na verdade nunca conheceu Alyssa. Claro, ele sabia muito sobre ela, mas foi só isso. "Ok. Tudo bem. O que preciso levar?" ele perguntou. "Traga você mesmo. Alyssa é a melhor, e ela nunca exige nada de seus convidados. Você vai adorá-la." "Bem, tudo bem. Tenho que terminar esta tarefa, primeiro, e então eu vou estar lá. Tente e não me envergonhar esta noite. Ninguém gosta de ouvir as merdas que você gosta de derramar". "As ordens. Você é o melhor." Se ele não estava errado, todos os seus amigos deviam estar sentados juntos, festejando bem neste momento. Eles tinham estado enlouquecendo ele no ano passado. Ele havia transformado em um recluso desde que Chris e Millie tinham se casado. De que ele sabia de Alyssa, ela era uma mulher incrível e totalmente adorável. Ela era do tipo que se inclina para trás para todos os outros apenas para obter a merda para si mesma. Ele odiava isso. Ele odiava quando as pessoas se aproveitavam de uma boa mulher. De qualquer forma, Alyssa tinha ido embora com o namorado dela, só para ele roubar o dinheiro dela e deixá-la abandonada em um país estrangeiro. Se não fosse por contatos do Marshall, ela ainda estaria em apuros, mas eles conseguiram seu dinheiro de volta, e ela veio para casa sem olhar para trás. Ele tinha visto algumas fotos dela, como seus amigos gostavam de compartilhar tudo. Alyssa tinha um longo cabelo loiro, com surpreendentes


olhos azuis. Seios grandes, quadris e coxas e ele não nega que ele se sentiu o pau dele ganhar vida ao ver aquela foto dela. Ela era o oposto dele, e agora seus amigos estavam tentando juntálos. Sua história triste foi que ele estava disposto a casar com uma mulher que ele acreditava que estava grávida com seu bebê. Ele estava disposto a desistir de tudo, e tudo o que ela tinha que fazer era lhe pertencem. Parece que as mulheres não gostam de pertencer a qualquer homem mais. Elas só queriam deixar os homens loucos, e depois deixá-los. Lá não tinha nenhuma criança, nem houve qualquer futuro. Na verdade, Delia, a mulher que ele tinha estado, estava usando ele para seu entretenimento, e se não fosse por um vídeo que se tornou viral, onde ele descobriu a traição, ele ainda estaria com ela, acreditando que toda essa porcaria e provavelmente casado também. Houve momentos, que ele se perguntou o que ele estava pensando. Ele nunca confiaria em mulheres, não mais, exceto as mulheres dos seus melhores amigos. Além disso, elas não tinham qualquer interesse nele. Terminando a última parte lixando a cadeira, ele arrumou a bagunça em sua oficina de pessoal e saiu para preparar o jantar. Ele tirou sua roupa de trabalho e olhou para seu reflexo no espelho. Ele não estava aparando a barba, nem cortando o cabelo, que estava no comprimento do ombro. Ele nunca iria mudar quem ele era por uma mulher. "Supere isso, amigo. Você pode mandar se foder. Não é obrigado a ser simpático." Um coração partido foi mais do que suficiente. Aos trinta e nove anos, ele estava feito sobre namoro, relacionamentos, e ele estava feliz em viver uma vida celibatária. Nenhuma loira ia mudá-lo. Nem agora, nem nunca.

****


Alyssa cantarolava quando ela pegou o vinho na geladeira. Ela adorava dar festas, e mesmo que eles fossem amigos dela, ela ainda a certeza de que tudo fosse especial. A vida era muito curta para ela só usar os melhores ingredientes para ocasiões especiais. Tudo que ela tinha na vida em vinte e cinco anos de idade era o trabalho dela, e da comida dela. Ela não tinha namorado, sem outra companhia, mas pelo menos ela tinha amigos, e o apartamento que ela vivia era o melhor. Os vizinhos eram fantásticos e aceitavam a comida que ela oferecia. Seu sonho seria escrever um livro de receitas, mas não havia nenhuma chance disso. Ela odiava qualquer tipo de atenção e tentava evitála. Quando ela organizava festas, ela sempre se assegurou que houvesse pessoas que adoraram tomar o centro do palco. Isso saciou sua necessidade de alimentar as pessoas e também significava que por algumas horas, ela não se sentiria solitária. "Você realmente não precisa de se preocupar", disse Millie, entrando na cozinha. "Isso é não me preocupar. Você sabe que adoro." E Alyssa fez mesmo. Estar na cozinha, servir as pessoas era algo que ela sempre amou. Sua mãe adorava fazê-lo também, e ela pegou isso dela. "Está nervosa?" "Sobre o que?" ela perguntou. "Nós convidamos Camden. Sabe, está nervosa?" "Não, claro que não. Fiz muito, e vai haver suficiente para mim." Ela sorriu para a amiga. Eles estavam tentando junta-la com seu amigo, e ela realmente não estava interessada. Alyssa fez uma promessa quando ela foi deixada em um país diferente, sem dinheiro, que nenhum homem jamais teria qualquer tipo de controle sobre ela novamente. Ela preferia ficar sozinha do que com qualquer um. "Ele é um cara muito doce", disse Millie.


"Levarei sua palavra por isso. Por favor, não se preocupe. Estou bem. Eu estou feliz." Ela beijou a amiga na bochecha e então fez o seu caminho volta para a sala de estar. "Vamos, Alyssa, me ajude aqui," disse Sean. "Preciso para ajudá-la com o quê?", perguntou ela, colocando a garrafa de vinho na geladeira depois de encher os copos. Ela tomou um assento na borda do sofá e sorriu para a amiga. "Tivemos uma pequena discussão aqui sobre a relevância de um filme de terror". "Ok". "Sammy acredita que um filme de terror tem que ter algo paranormal para torná-lo assustador." Alyssa balançou a cabeça. "Acho que não. Acho que pode haver suficiente terror com as pessoas. Vamos enfrentá-lo, a história nos mostrou quão destrutivas podem ser. " "Traidora", disse Sammy. Ela piscou para a amiga dela e então levantou-se. "Isso é Camden?" "Deve ser, a menos que você convidou mais alguém?" Millie disse, caminhando para a sala de estar. "Algum de vocês quer atender?" ela perguntou. Suas mãos suavam um pouco. Ela odiava ser rude e ela adorava os amigos dela, ela fez mesmo, mas eles não parecem entender que ela estava realmente feliz por estar sozinha. "Não, você pode fazê-lo," disse Marshall. Ela tentou responder a ela, respirando fundo e em vez disso, sorriu para seus amigos. Não tem mais desculpas, ela odiou. Isto foi o que ela tinha tentado evitar. Houve muitas ocasiões em que tentaram fazê-la conhecer Camden. "Eu vou atender."


"Não o morda. Ele é um cara legal, " disse Chris. Saindo da sala, ela se perguntava o que diabos ela ia fazer. Abrindo a porta, ela parou quando ela avistou um cara sexy, completamente fora da sua liga. Ele era alto, mais de um metro e noventa e musculoso. Camden não parece o tipo de cara que passava um tempo na acadêmia, mas fazendo trabalho braçal. Ele era um construtor e um cara que trabalhava com esculturas de madeira. Isso foi o que seus amigos lhe contaram, e ela ainda tinha uma mesa de café que ele tinha feito. Edith e Sean tinham comprado para ela no Natal. "Estou no apartamento certo?" ele perguntou. "Você é Camden?" Os nervos ainda estavam segurando ela. Esse cara era seu caminhãozinho, ele era "sexy" mesmo com seu cabelo longo e barba, ela tinha que admitir, droga. Homens não eram confiaveis. Eles te machucam e riem disso. "Sim, eu sou Camden, você deve ser Alyssa." Ele segurou sua mão para frente, e ela olhou para ele por vários segundos. Aperte sua mão. Não seja estúpida. Pare de olhar. "Sim". Ela colocou a mão na dele, e algo aconteceu. Alguma coisa se apoderou dela, e foi como se tudo desvanecesse quando Camden olhava nos olhos dela. "Muito prazer". Ela afastou a mão rapidamente e recuou. "Todo mundo está esperando por você. Gostaria de entrar?" "Sim, eu realmente, gostaria." Esperando por ele passar por ela, Camden fez uma pausa, e mais uma vez eles se entreolharam. Ele era tão bonito, e algo mantido cativo. "Algo cheira bem," ele disse. "Oh, eu tenho cordeiro com alho e alecrim no forno."


"Isso é não o que eu estava falando." Ele se inclinou um pouco perto, e ela não poderia ajudar, fincando tensa. "Você cheira como bolinhos de canela." "Obrigada, eu acho." Ela adorava o cheiro de canela, e loção corporal dela tinha aquele cheiro. Ele acariciou um dedo para baixo o braço dela, e o corpo dela veio à vida. Os mamilos apertaram, e sua buceta ficou úmida. Isso era uma coisa ruim. Uma coisa muito ruim. Camden era o tipo de cara que ela geralmente associava a um rastro de corações partidos. Ele poderia ter qualquer mulher que ele quisesse. Ela já tinha tido seu coração partido. Ela não queria passar por isso novamente.


Capítulo 02 Alyssa era mais sexy do que ele tinha imaginado. Seus amigos não tinham feito justiça, e quando ele olhou para trás, Camden teve que conter seu gemido. A bunda dela era tão redonda, muito suculenta, ele não podia esperar para afundar seus dentes na carne tenra e deixar sua marca. O pau dele endureceu quando ele olhou para ela, e aqueles seios eram tão lindos. O corpo dela, ele ia ter alguns sonhos com ele esta noite. "Camden chegou", disse ela, entrando em uma sala de estar. Ele viu seus amigos, e eles estavam sorrindo. "Eu só tenho que ir verificar o jantar. Vou deixar você em boa companhia." Alyssa escapou, e ele olhou a bunda dela enquanto ela se afastava. "Ele gosta dela," disse Sean. "Você deu uma verificada nela ", disse Millie, sorrindo. "Interessado"? Chris perguntou. "Diria que estou intrigado. Não vou mentir. Ela é muito sexy." Ele não esperava pela mulher que atendeu a porta. Seu cabelo era como o ouro, os olhos da cor do oceano e o corpo dela, uma tela para ele amar. Ele tomou um assento e manteve seu olhar na porta. O cheiro era incrível. "Ela é uma boa cozinheira?" ele perguntou. "A melhor", disse Millie. "Ela poderia ter sido uma chef, mas ela não queria fazer isso. Sua mãe é uma boa cozinheira também, e tudo o que ela sabe é por causa dela." Camden queria saber mais. Ele nunca tinha sido atraido por uma mulher tão rapidamente. Para todos os seus seis amigos adorá-la, era hora dele saber mais. "O namorado dela está completamente fora de cena?" ele perguntou.


"Sim. Ela ainda não tentou ter um encontro, e sempre foi um desafio para levá-la a sair com alguém desde então," disse o Sammy. "Todos nós achamos que você e ela poderiam se dar muito bem". A maneira que o pau dele estava se comportando, Camden estava totalmente de acordo. Alyssa entrou na sala. "O jantar está pronto, se você puderem fazer o seu caminho para a mesa." Ela saiu, e ele viu a bunda dela balançar de um lado para o outro. Esse vestido que ela usava era o céu puro. "Venha, vamos levá-lo," disse Millie. Entraram em uma pequena sala com uma mesa muito bem decorada. "Ela faz isso sempre?" "É o que ela gosta de fazer." Millie acariciou o braço dele, e ela o colocou em um lugar específico. "Sente-se aqui. Ela sempre se senta perto da cozinha." Ela apontou para a porta atrás da cadeira em frente a ele. "Desta forma ela pode conversar com você." Ele sentou-se e viu quando Alyssa veio com um grande prato de cordeiro rodeado por batatas assadas, e havia um pouco de feijão e um pequeno jarro de molho. "Por favor, comam." Ela sorriu para a mesa, tomando o lugar em frente a ele. Suas bochechas estavam um pouco coradas e o vestido mergulhava em seu peito, mostrando uma grande quantidade de clivagem. Ele já a queria nua para ele, para que ele pudesse explorar seu corpo lindo. "Você gosta de dar jantares?" ele perguntou. "Eu faço. Adoro cozinhar e assar". "Nós amamos que ela nos alimenta," Marshall disse, pegando cinco grandes fatias de cordeiro. "É de dar água na boca."


Camden encheu o prato dele e levou uma mordida de uma das batatas assadas crocantes. O molho estava saboroso com uma pitada de alho, e quando ele levou uma mordida de cordeiro, sua boca salivou para mais. "Oh meu Deus," ele disse. "Está tudo bem?" ela perguntou. "Perfeito. Eles não estavam brincando sobre você ser uma boa cozinheira. Essa é a melhor comida... que eu já comi. " As bochechas dela ganharam um belo tom de vermelho, e ele achou charmoso. Alyssa estava linda. Não havia nenhuma outra palavra para descrevê-la. "Assim, todo mundo me diz que você é um construtor," Alyssa disse. "Eu sou. Eu também projeto, crio e faço móveis. Como a mesa de café. Eu fiz isso." "Você é um cara muito talentoso." Seu sorriso era deslumbrante. "Obrigado". "E muito obrigado por fazer o que você faz. Eu amei a mesa." Ele assentiu. "Estou contente que gostou." "Então você faz peças por encomenda? Móveis e coisas assim?" ela perguntou. "Sim faç". Camden deu outra mordida de cordeiro e gemeu. "Não posso acreditar que eu nunca estive aqui antes. Sua comida é maravilhosa." "Eu amava cozinhar com minha mãe. Ela me ensinou o básico, e o que eu amo fazer tudo sozinha." Seus amigos falaram entre si, mas ele sabia que todos estavam escutando. "Espero que você não se importe que eu coma mais". "De jeito nenhum. Sempre faço muito, eu tenho o hábito para enviálos para casa com extras. Só não resisto às vezes." Ela deu de ombros. "Estou muito contente que finalmente decidiu vir." Ela lambeu os lábios, e ele viu como envolveu uma fatia de cordeiro ao redor de uma batata e deu


uma mordida. Havia algo quente em ver uma mulher apreciando a comida dela. "Acha que você poderia me ajudar com uma coisa?" ela perguntou como ele terminou sua última batata. "Com certeza". Eles se levantaram, e Alyssa o levou para a cozinha, que era linda. "É aqui", disse ela, apontando para a janela, e ele olhou para ver que vários de seus azulejos da cozinha tinham saído. "Não sei quem chamar, e é uma coisa que não suporto". "Posso vir e corrigir esses azulejos para você. Parece que a argamassa ainda não foi aplicada corretamente. É fácil de resolver, e eu ficaria feliz em fazê-lo." Ele virou-se para ela e sorriu. "Você sabe, eles estão querendo nos juntar." Ela trancou seus dedos juntos na frente dela e o ângulo do seus braços pressionaram os seios dela juntos. "Eu sei. Eles querem armar para nós." "Não quer namorar?" ele perguntou. "Não realmente pensei muito nisso. E você?" "Eu não estava interessado, mas agora eu gostaria," ele disse. "Você quer?" "Sim, eu realmente gostaria." "Oh, eu não esperava por isso." Ele olhou para ela, confuso. "Por que não?" "Eu não sei. É só... o meu jeito e o que eu gosto de fazer, eu não conheço muitas pessoas assim." Camden segurou sua mão para impedi-la. "Não sei o que o idiota fez, e eu não quero saber. Gostaria da oportunidade de um encontro. Me daria a honra de sair comigo?"


Ela olhou para ele, e era um pouco irritante, não estar pulando de alegria com a perspectiva de um encontro. "Claro, eu gostaria." Ele dobrou os braços e sorriu. "Por que sinto que você não está totalmente certa sobre disso?" "Isso é estúpido." "Diga-me." "Ugh, tudo bem, eu fiz uma promessa. Um voto não namorar ou sair com homens ou até mesmo ser legal com eles." Ele riu. "Acredite ou não, eu fiz uma promessa semelhante." "Com os homens?" "Não, com as mulheres." Ela sorriu. "Eu estava apenas brincando. Estou muito nervosa. As meninas pensam que devo sair mais. Eu não estou inteiramente certa sobre isso. " "A vida é mais fácil quando não temos de nos colocar lá fora," ele disse. Finalmente, havia uma mulher que ele podia se ver desfrutando. Ela tinha o sorriso mais doce, o corpo mais bonito, e ele a queria. Pronto. Ele tinha admitido para si mesmo. Ele a queria.

****

Mais tarde naquela noite, depois que ela tinha acabado de lavar os pratos, e todos foram para casa, Alyssa estava na cama com um livro de receitas que tinha vários pedaços de papel colados sobre todo o livro. Ela adorava fazer anotações e mudar as receitas de acordo com seu paladar.


O celular começou a tocar, e ela viu que era Edith chamando. Aceitou a chamada, ela tinha apenas colocado na orelha quando Edith soltou um pequeno grito. "Você vai sair com ele? Diga-me que vai." Ela riu. "Camden ainda não disse?" "Não. Ele nos disse para manter nossos narizes fora disso. Diga-me, Alyssa. Por favor." "Nunca fui a única a torturar. Ele me convidou para um encontro, e eu disse sim." Edith aplaudiu, e Alyssa ouviu ela dizendo a Sean. "Uau, você realmente precisa considerar sua própria vida amorosa se a minha deixa você obtém neste ânimo." "Todos nós sabíamos que você e Camden se dariam bem. Ele é um cara legal, e você vai amá-lo. Eu prometo." "Uau, já essa palavra," Alyssa disse, sorrindo. "Por favor, pare de pensar em todos os outros idiotas que você namorou e dar uma chance para Camden. Ele é um cara legal, e ele teve um relacionamento de merda também. Por favor." "Disse sim para o encontro, e não estou pendurada em algo, ou alguém querido. Acredite em mim. Estou aberto a ter um bom tempo." Ela tentou fazer Edith se sentir melhor. "Essa promessa vai pela janela." Ela riu. "Vamos ver". "Bem, eu tenho que ir", disse Edith. "Te amo". "Te amo". Ela desligou o telefone e soltou uma respiração. Tinha sido um dia muito longo. Trabalho havia sido cansativo, mas o jantar tinha sido divertido. Nervoso e divertido. Camden era lindo, não se pode negar. Ela nunca pensou que ele gostaria de convidá-la, uma vez que ele tinha visto ela. Alyssa tinha perdido a contagem do número de vezes ao longo


dos anos que ouviu como ela era bonita para uma garota gorda, ou quanto mais bonita ela seria se ela emagrecesse. Nenhum de seus namorados a amava por ela. Eles sempre tentaram mudá-la, ou queriam que ela fizesse alguma coisa com seu corpo ou sua vida. Alguns ainda não queriam que ela cozinhasse. Que tinha sido duro. Um dos namorados dela tinha gostado de sair o tempo todo, e quando ela tentou fazer o jantar, ele cortaria ela para baixo. Ela tinha perdido um pouco de sua confiança durante isso, mas agora ela estava de volta, e ninguém vai tirar isso dela. Passando rapidamente pelo livro, ela olhou para baixo para a receita e queria saber se havia alguma maneira que ela poderia sair de seu encontro. Ela não queria que Camden sentisse na obrigação de levá-la para um encontro. Só então, o celular dela tocou. Ela pegou e viu um número na tela que ela não reconheceu. "Olá," ela disse, aceitando a chamada. "Ei, Alyssa. É Camden." "Oh, Camden, Ei. Como você conseguiu esse número?" "Marshall me deu." "Oh". "Espero que esteja tudo bem," ele disse. "Sim, claro. É realmente estranho como eu estava pensando em você." "Isso é estranho visto que eu estava pensando em você, também." Alyssa sentou-se para a frente, nervosa. "Eu estava pensando se você apenas me pediu um encontro para acalmar nossos amigos?" "O quê"?


"Se você fez, então eu não me importo que você não vai me levar para sair." "Um idiota realmente mexeu com você, não foi?" "Foi um par de idiotas." Ela não dormiu com todos os caras com quem namorou. Os homens tinham sido porcos e queria dizer isso. "Eu só queria confirmar o encontro e te dizer o quanto eu gostei do jantar, e sua torta de coco é a bomba." "Oh, bem, obrigada." "Você quer sair comigo, Alyssa? Eu não vou forçá-la. Não quero que vá comigo por causa de nossos amigos também. Isto tem que ser a sua escolha e sua escolha sozinha." Alyssa em pausa. "Estou nervosa. Não há como negar isso, mas acho que eu gostaria de ir a um encontro com você. Eu iria." Ela se encolheu mesmo quando ela disse as palavras. "Você está mentindo, não está?" "Eu não sou muito boa em encontros e meus amigos realmente querem que eu vá, e se não o fizer eles só vão encontrar outra razão para eu sair." Ela tomou uma respiração profunda. "Ok. Que tal isto? Você sai comigo, sem expectativas, sem acordos. Temos um bom tempo, ou temos um tempo horrível. Eu vou saber quando ou se você quiser organizar um segundo encontro?" "Eu"? "Sim. Eu vou te deixar na sua porta da frente, e você decidi se podemos sair outra vez? Eu vou manter todo mundo longe de nós. Que tal isso?" "Eu gostaria. Eu realmente gostaria." "Bom. Agora eu vou desligar esse telefone, para não te deixar tão nervosa que você me abandonou." Ela riu. "Boa noite, Camden."


"Boa noite, doce Alyssa." Colocando o telefone para baixo, ela não pode deixar de sentir um pouco quente. Sua voz era tão perfeita, resistente e quente.


Capítulo 03 Na noite seguinte, Camden tinha um buquê de rosas vermelhas nas mãos dele e usava um paletó sobre jeans. Ele não sabia o que vestir, e ele sempre foi um cara muito pé no chão. Bife e batatas, feiras, ficando juntos em vida. Ele era de um velho estilo que acreditavam em cuidar de sua mulher e amá-la com todo seu coração e alma. Alyssa abriu a porta, e desta vez ela usava um vestido azul marinho que moldado para cada curva. Ela estava linda de morrer, e ele sabia que ele era um cara de sorte. "Oh, Camden, elas são bonitas," ela disse. "Para mim?" "Totalmente para você. Lindas flores para uma mulher bonita." O sorriso dela valeu cada dólar que as rosas de custaram. Ele não estava sofrendo por dinheiro, mas ele raramente tinha quaisquer gastos caros. "Você é tão doce. Ninguém disse que era doce." Ela pegou as rosas dele... e entrou para ir e colocá-las em um vaso. Camden, esperou na porta, dando-lhe alguns momentos de paz. Segundos depois, ela voltou. "Isso foi muito gentil da sua parte." Ela agarrou a bolsa e o casaco, e então eles foram embora. Ele estendeu a mão para ela tomar, e quando ela fez, ele fechou os dedos sobre os dela. "Me disseram sobre aquele idiota que você te deixou na Itália sem nenhum dinheiro." "Eu sei. Eu tinha meu passaporte e tudo, só não tinha dinheiro para voltar para casa. Me deixou tão brava," ela disse. "Foi muito constrangedor pedir ajuda aos meus amigos. Eles nunca gostaram dele, e para ser sincera,


nem sei como acabei saindo com ele. Foi mal, eu acho." Ela deu de ombros, o que irritou Camden. "Você não aceita esse tipo de merda, nunca. Você merece coisa melhor." Ele abriu a porta do passageiro de seu carro. "Vamos ao cinema. Sei que provavelmente é algo ruim e o que faziam na escola, mas eu sou muito novo para tudo isso." "Não se preocupe. Sinceramente, eu adoraria ver um filme com você. Não vou ao cinema há muito tempo." "Então estou feliz em levá-la." Ele era inútil para esse tipo de coisa. Camden queria levá-la para um encontro, mas não tinha a mínima ideia do que ela gostava, ou o que fazer. Porra, ele estava tão por fora que não era nem mesmo engraçado. "Já contei minha história. E a sua? Você teve uma experiência ruim com namoro?" "Experiência de vida ruim. Eu estava com essa mulher que me convenceu de que ela estava grávida. Eu propus casamento, e foi só perto de último minuto quando quase tudo tinha sido arranjado, os convites tinham sido enviados, que eu descobri que ela nunca esteve grávida e ela estava dormindo com outra pessoa. Ela fez um vídeo com o seu amante. Postou, e foi viral. Tive que ver que ela estava me traindo e rindo nas minhas costas. Foi um vídeo muito explícito." "Uau, eu sinto. Deve ter sido horrível. Fui enganada antes também. Isso acontece. Doeu?" "Eu não sei. Acho que fiquei mais envergonhado do que qualquer outra coisa. Isso também me irritou. Minha mãe estava mortificada. Ela não podia acreditar que mulheres podiam ser tão más e tão insensíveis. Deixeilhe para dizer a todos os convidados que eu tinha sido traido." Ele não conseguia parar de sorrir.


"Não acho que eu nunca seria capaz de lidar com esse tipo de humilhação." "Eu preferiria esse tipo de porcaria que ter que lidar com outra merda na minha vida. Isso é sério. Poderia ter casado com ela, e ela me fez passar o pior tipo de porcaria. Foi um lançamento fácil de merda dela. Acredite em mim." Ele puxou-a para ele. "Não quero falar sobre essa porcaria agora. Isto é sobre nós dois, certo? Não vamos nos debruçar sobre o que outras pessoas fizeram para nós." "Você está tão certo. Desculpa. Acho que tiramos àquela coisa horrível do caminho, e agora podemos focar no agora. " "Bom". Ele esperou por ela subir no carro, e então ele contornou para chegar ao volante. "Eu vou te levar para jantar depois. Espero que esteja bem." "É bom para mim." "Não posso garantir que vai ser tão bom quanto o seu." Ela riu. "Por favor, pare de se preocupar. Eu posso comer algo diferente de alimentos cozinhados em casa, Camden." “Queria que hoje fosse perfeito,” caramba. "Será." Ela bateu a mão. "Eu acredito". Virando a ignição, sentaram-se em silêncio por alguns segundos. "Não acredito que nunca te conheci antes." "Ambos temos vidas diferentes. Conheci a Edith no trabalho, e Sammy e Millie trabalham dentro do mesmo edifício, mas em outro departamento. Eu lido com o seguro, e Millie com contabilidade, Sammy no RH e Edith em vendas. Uma espécie de desencontros. Elas já estavam saindo com seus namorados, e eu estava namorando no momento. Você estava saindo com sua garota e eu estava saindo com o meu cara e nossos caminhos nunca se cruzaram."


Ele não estava feliz com isso, mas não havia nada que ele pudesse fazer. "Estou feliz que aceitei o convite ontem à noite." Camden relance sobre ela para encontrá-la sorrindo. "Estou também feliz que você fez." "Eu sonhei com aquele cordeiro," ele disse. Ela riu. "Minha mãe faz, com alecrim, mas ela realmente não gosta de alho, e eu faço. Há algo tão incrível sobre ter sua própria cozinha e ser capaz de experimentar." "Eu vejo o seu entusiasmo". "Obrigada. Eu provavelmente não deveria falar sobre isso tanto quanto eu falo. Acho que todos nós gostamos de algo e acabamos nos empolgando." "Você pode falar o que quiser." “Fala-me de seu amor,"ela disse. "Seu amor com o trabalho com madeira. Isso soa muito demorado para mim." "É. Eu sou um Construtor treinado e qualificado. Posso fazer a maioria dos postos de trabalho em um canteiro de obras. Trabalhando com madeira, esculpir ,transformar algo tão sem graça em algo decorativo e bonito, isso é o que eu faço. Construir uma casa é tão importante. Eu nunca quero que ninguém fique chateado quando eles se mudam para uma casa que eu ajudei a construir. Também, eu sou bom com reparos. Como seus azulejos. Eles não serão um problema. Eu estava pensando na semana que vem eu vou estar livre, e eu posso vir e pôr de volta para você." "Isso seria maravilhoso. Eu nunca perguntei quanto vai cobrar,"ela disse. "Outro encontro". "Nem sequer terminamos esse. Você pode me odiar." "Não, isso não é possível. Gostaria outro encontro com você."


Outro olhar para ela e a viu sorrir. "Eu realmente gostaria", ela disse. Excelente. Ele já tinha outro encontro planejado, e agora ele só precisava fazer deste um encontro perfeito.

****

O filme foi um romance doce e sexy. Alyssa estava surpresa que Camden estava mais do que feliz em sentar-se com ela sem nenhuma reclamação. Por isso, ele tem pontos extras, e ela realmente gostava de estar com ele. Ele colocou o braço sobre seus ombros, e foi a primeira vez que um cara tinha feito isso com ela. Isso fez dela uma boba por gostar? Ela tinha a pipoca no colo dela, e ele tinha virado na direção dela. Um braço em seus ombros com os dedos, provocando o seu ombro e, ocasionalmente, o cabelo dela. Ele iria esticar e tomar um pouco de pipoca também. Ele estava perto, e por isso ela não poderia evitar de ser despertada por ele. Sua presença inteira estava fora deste mundo. Quando terminaram de ver o filme, ele jogou a caixa de pipoca no lixo. "Você realmente gostou?" ela perguntou. "Sim, por que não? Foi divertido, e além do mais, porque um cara não pode gostar de um filme assim? O cara tem namorada, não é? Eu não deveria gostar de filmes românticos?" "Estou começando a me perguntar se você é humano." "Eu sou humano, baby. Eu posso mostrar como sou bom nesse departamento." Ela riu. "Você gostou?" ele perguntou.


"Sim, eu fiz. Eu realmente gostei." "Eu vi um restaurante em frente. Está bom?" Ele pôs o braço sobre os ombros dela e apontou para rua. "Sim, mais do que isso. Adoro cozinhar e fazendo jantares, mas eu sou um tipo muito simples, Camden. Eu vou ter um hambúrguer tanto como um bife." "Agora você está me dizendo, você é a garota dos meus sonhos, e não posso deixar você ir." Ele pressionou os lábios contra o pescoço dela, fazendo-a rir. Os mamilos dela ficaram duros, e sua buceta molhada. Entraram no restaurante, e ele estava muito ocupado. Camden pegou na sua mão, e eles encontraram uma cabine na parte de trás. Deslizando no interior da cabine, ela sorriu. "Isso é muito bom." "Bom. Estou feliz com isso." Alyssa não queria estragar tudo. Ela realmente gostava de sua companhia, e a última coisa que ela queria fazer era fazê-lo arrepender-se de levá-la para sair. As mãos dela estavam um pouco suadas. "Eu deixo você nervosa?" ele perguntou. "De jeito nenhum. É só... tudo isso é novo. Estou nervosa que vá estragar tudo. Dizer algo que fará você achar que sou louca." Ele pegou as mãos dela. Ela notou quão grande suas mãos eram comparadas dela, e ela gostou. Camden era todo homem, e ela amava como ele parecia cercá-la. "Que tal eu te dizer uma coisa que é bastante assustadora?" "Agora, estou preocupada," ela disse. "Eu quero ter uma família." Alyssa ficou tensa. "Desculpe"? "Sim, mundo louco né? Um cara que quer se casar, se acalmar e ter uma família. Não pensei que era um problema quando minha garota veio


até mim e me disse que estava grávida. Eu estava feliz. Me chame de louco, mas quando acabou eu estava mais chateado que eu não ter a família que eu sempre quis." Ela não sabia o que dizer. Ele estava sendo muito aberto e muito pessoal. "Você quer crianças?" ele perguntou. "Eu quero. Sim. Quatro delas." "Isso é o que eu quero. Quatro filhos e dois cachorros,"ele disse. "Gatos?" ela perguntou. "Você entendeu. Talvez alguns coelhos e galinhas." Isso foi ficando mais estranho quando ele falou. Isto foi exatamente o sonho de ter uma família enorme e algo reconfortante e quente. Ela era filha única, e os pais dela nunca tinham mais filhos, mesmo que realmente eles quisessem. "Qual é o problema?" ele perguntou. "Não é nada. Só fiquei surpresa de ver que é algo que você quer." Ele deu um leve aperto sobre o pulso dela. "Eu sei que é sempre um choque para todos que ouvem o que eu gosto. As mulheres fogem com medo." "Não tenho medo." Ela deu a sua mão apertar. "Completamente o oposto." Pela primeira vez em muito tempo, Alyssa realmente viu um futuro com um homem. Ela realmente esperava que fosse verdade. Mais tarde naquela noite, Millie ligou primeiro. "Então, como foi?" Millie pediu. "Foi muito bem. Ele está parando na próxima semana para colocar os azulejos na minha cozinha. Pensei em fazer um bolo fudge de chocolate. O que você acha?"


"Querida, o homem vai cair no amor por você, ao ver o bolo e o gosto dele, ele vai se foder no final da noite." Alyssa sorriu. "Isso é um pensamento interessante." Sexo não esteve na mente dela antes dela conhecer Camden. Agora, pensamentos sujos, sexy estavam constantemente entrando na cabeça dela. "Você precisa voltar à ativa, e a única maneira de fazer isso é no seu encontro. Você sabe que estou certa." "Sim, eu sei. Você está sempre certa, e você sempre me diz que você está." Ela não podia discordar com a amiga. "Ele quer uma família." "Eu sei. Todos nós sabemos o que ele quer. Por que acha que todos tentamos juntá-los? Nós demos tempo suficiente para superar qualquer merda estava acontecendo em suas vidas. Agora é hora de seguir em frente e abraçar tudo e uns aos outros." "Eu acho que você está certa." "Eu sei que estou certa. Eu te disse isso antes." Alyssa suspirou. "Eu tenho que ir. Nos falamos em breve. Eu prometo." "É melhor. Quero detalhes. Quanto mais sujo melhor." Desligando o telefone, Alyssa olhou para baixo para o livro na mão. Era um livro sobre cookies, mas agora, ela queria dormir e sonhar com um homem bonitão com cabelos até os ombros e uma barba que não era bruto por fora. O sonho dela era ter uma família e conhecer o amor de um homem realmente bom. Talvez, apenas talvez, Camden fosse aquele tipo de sonho.


Capítulo 04 Na próxima semana, Camden falou com Alyssa tanto quanto podia. Ele ligou para ela, mandou mensagem, ou mesmo apareceu no escritório para almoçar. Ele estava obcecado. Não havia nenhuma outra palavra para isso. Ele esperava que ele não estivesse a incomodando com suas visitas constantes. Ela estava em seus pensamentos, e ainda, ela parecia apreciar a atenção dele. "Como as coisas estão indo com Alyssa?" Sean perguntou, parando em sua casa sexta-feira à noite. "Bem. Por quê?" "Estamos todos curiosos, sabe? Nós não podemos estar preocupados com o nosso amigo?" Sean levantou as mãos, mas o filho da puta tinha um grande sorriso no rosto. "Tem sido uma semana, hein?" "O que você sabe sobre minha semana?" Camden pediu. "Só que você e Alyssa tem se visto, e parece que sempre que pode você está perto dela. Imagino que as coisas estão indo melhor do que até mesmo você imaginou? " Camden assentiu com a cabeça. "Sim, foi incrível. Na verdade, vou na casa dela amanhã para colocar uns azulejos." Ele estava ansioso para o trabalho. Um dia inteiro, que ele pretendia fazer um dia inteiro onde seria só os dois. Ele tinha muitos planos que incluía não só trabalhar na cozinha dela. "Você gosta dela?" "Sim, muito". Não havia dúvida em sua mente que Alyssa era a mulher para ele. Ele não tinha a beijado ainda, e ele não queria correr com ela. Merda, o pau dele estava já ficando duro com o pensamento de ter


Alyssa em seus braços, nua e debaixo dele. Seria o puro céu, ele tinha certeza. "Uau, você nem hesitou sobre isso," disse Sean. "Por que, hesitaria quando tenho certeza"? "Foi uma semana". Camden parou e esfregou sua barba. "Você está certo. É um curto período de tempo, mas isso não importa. Eu não me importo. Isto é o que eu quero, e sei que posso fazê-la feliz. Não deveria ser tudo o que importa?" "É. Só não quero que nenhum de vocês se machuquem, você sabe. Alyssa é a mais confiável. Eu a conheço." Sean empurrou suas mãos em seus bolsos. "Tudo o que sabemos dela, e todos nós sabemos sobre você. Ambos são perfeitos um pro outro, e ambos se magoaram no passado." "Não sei o que você está tentando dizer. Está me alertando sobre Alyssa, ou me avisando porque eu quero ela?" "É por isso que é tão confuso. Eu estou fazendo ambos. Ela é delicada, e de certa forma, que você também é. Todos nós sabemos o que você quer, e todos nós sabemos o que Alyssa quer. Isso está começando a me confundir." Sean sorriu. "Acho que é os dois. Eu me importo com vocês dois." "Não vou machucá-la, Sean. Prometo. Ela não vai me machucar também." Camden pensou sobre a mulher, eles se conheceram nos últimos dias, e ela ainda não fez mal a uma mosca. Ela não era do tipo que faria qualquer coisa que causasse o risco de machucar outra pessoa. "Você vai ter que confiar em mim." "Ok, então estou aqui para ajudá-lo. Sua cor favorita é verde, e ela realmente odeia ervilha. Ela irá utilizá-las na cozinha, mas ela odeia o gosto. Ela não suporta peixes, mas ela cozinha peixe também." Camden riu. "Por que está dizendo isso?"


"Edith diz todas as vezes que a chave para o sucesso está nos detalhes. Eu estou te dando os detalhes." Então, durante uma hora enquanto Camden deixou tudo preparado para o seu trabalho amanhã, Sean disse-lhe o que ele sabia sobre a mulher por quem Camden estava caindo. Ele era um cara, mas ele não dava a mínima se ele parecia um maricas por falar sobre o que ele queria, e ele queria Alyssa. "Você recebeu advertências, também?" Alyssa perguntou mais tarde naquela noite, enquanto ele estava deitado na cama. Ele tinha ligado para ela, ele gostava de ouvir a voz dela. "Sim, eu tive o Sean. Quem conseguiu?" "Millie e então Edith apareceram. Se os nossos amigos estão preocupados, porque nos empurraram juntos?" "Sean está preocupado que só faz uma semana, e que nós vamos de alguma forma ferir um ao outro. Eu não vou te machucar, Alyssa." "É estranho eu acreditar em você? Eu estou realmente ansiosa para vê-lo amanhã." "Eu também. Sean me disse que sua cor favorita é verde, e que odeia ervilhas." "Eu faço. Eu posso comê-los quando elas são realmente frescas e você as estoura fora da vagem, mas não consigo ter frescas o tempo todo." "Qualquer outra coisa você odeia?" ele perguntou. "Eu não sou um grande fã de berinjelas. Eu realmente luto com elas e o polvo. Eu não posso comer." "Não, eu não sou um grande fã disso também." Ela deu uma risadinha. "É estranho"? "Não é estranho. Estamos nos conhecendo, e eu posso dizer que estou amando tudo o que ouvi."


"Então me fale sobre si mesmo, Camden. O que você gosta?"ela perguntou. Camden suspirou. "Eu gosto de trabalho duro. Eu amo vir para casa, tomar banho e depois me sentar com uma cerveja gelada. Sim, eu gosto de cerveja gelada." "Tenho certeza da maioria dos homens amam também." "À noite eu adoraria um bom chocolate quente com creme e marshmallows. Eu nunca fui capaz de fazer direito. Eu sempre queimo o chocolate." "Oh não, queimar o chocolate é o pior. Um dia espero escrever meu próprio livro de receitas." "Eu adoraria ser um testador de sabor para você". "Você é tão doce. Como pode qualquer mulher não adorar?" Alyssa perguntou. "Acho que sou um cara carente. Ainda não terminei o que eu gosto. Eu gosto de longas caminhadas e longas férias. Também gosto de me aconchegar. Sim, eu disse era um cara estranho." Ela riu. "Você não é estranho. Vou avisá-lo. Não há muitos homens que estariam dispostos a admitir que eles gostam de abraçar. " "Eu sou culpado. Você acha que poderia lidar com um cego?" "Eu acho que eu adoraria poder finalmente me aconchegar. Eu tenho um monte de mim para aconchegar." "Baby, mal posso esperar para ter minhas mãos em você."

****

Alyssa virou no espelho olhando a bunda dela e em seguida, para ver se o estômago dela ficava mais fino de lado. Ela virou-se aqui e ali. Este foi


o mais longo tempo que ela já tinha tomado para se vestir. Ela queria parecer... bem. Bem para Camden. "Vai ter que servir". O jeans foi um mimo que ela tinha comprado ontem depois do trabalho. A camisa era um pouco mais velha, mas ela sempre gostava que parecia mostrar suas curvas da melhor forma. Tomando uma respiração profunda, mudou-se para a cozinha para certificar-se de que tudo já estava no lugar. "Tudo está perfeito." Ela tinha avisado os amigos para ficar longe. Ela não precisa deles para ficar observando e esperando. Edith constantemente perguntava sobre o Camden disse ou fez. Millie falou sem parar sobre sua química. Sammy era só um doce, e parecia não ser excessivamente preocupada com os dois, que Alyssa preferia. "Pode fazer isso." A campainha tocou, e ela caminhou em direção a ela. Outra respiração profunda e ela abriu a porta. "Ei," ela disse. "Ei, querida," Camden disse, passando pela porta. Ele tinha um cinto de ferramentas, que foi a coisa mais sexy que ela já tinha visto. Sua buceta ficou úmida, e seus mamilos apertaram. Camden se aproximou, tocou sua cintura e pressionou um beijo na sua bochecha. Ela estava um pouco triste que ele foi direto para o rosto. Não se preocupe. Não se estresse. "Está sexy," ele disse, dando um passo atrás. Aquendo as bochechas dela, e ela sentiu o calor dentro delas. "Obrigada." Agora ela se sentia tonta. Ela passou a maior parte de ontem e esta manhã a tentar encontrar a roupa perfeita. "Precisa de mim para sair e pegar as peças de reposição?" "Não, eu tenho isso. Não precisa se preocupar." "Ah, ok." Ela sorriu. "Gostaria de um café?"


"Adoraria." Ela caminhou na frente dele perguntando se ele estava olhando para sua bunda. "Isto não é muito trabalho?", perguntou ela, olhando por trás dela. O olhar dele subiu de volta. Ele estava olhando pra bunda dela! Ela adorava que ele estava encarando a bunda dela. Ainda não disse uma palavra, ela colocou a chaleira no fogo e viu quando ele se moveu para a pia. Mordendo o lábio, enquanto ela admirava sua bunda quando ele se inclinou, tirando vários azulejos. "Eu vou ter que refazer esta pia inteira." "Tudo bem". "Quem fez da última vez?" ele perguntou. "Eu não sei. Já estava pronto desde que me mudei há quatro anos. Tudo parecia perfeito, então eu aconteceu isso." Ela amava sua liberdade e sua independência. A cozinha tinha sido o principal motivo que ela tinha comprado este apartamento. Dentro do seu orçamento, ela recebera o melhor para seu dinheiro. O apartamento era um bom lugar, em uma área muito boa, com segurança moderada. Ela nunca sentiu medo ou se preocupou. Se houve solavancos no meio da noite, ela não se estressava com isso. Ela serviu duas xícaras de café, e se inclinou contra a bancada e assistiu a bunda dele. Ela nunca tinha sido o tipo de mulher que apalpava os homens com olhos, mas ela não conseguia desviar o olhar. Ele era tão sexy, e sua bunda era agradável. Mordendo o lábio dela mais uma vez, ela empurrou um pouco quando ele virou na direção dela. "Você estava olhando minha bunda, não é?" ele perguntou.


"Er, não, absolutamente não." Ele se aproximou, e ele pegou sua xicara, colocando de volta no balcão atrás dela. O coração dela começou a acelerar, especialmente quando se aproximou para que seus corpos estivessem se tocando. "Eu verifiquei sua bunda. Esses jeans devem ser ilegais. Eu estou duro como pedra, baby." Ele pegou sua mão e a colocou contra a evidência de sua excitação. "Oh". "Vou te beijar." Ela lambeu os lábios e ofegou quando ele colocou sua palma em concha no rosto dela, e então seus lábios tocaram os dela. A língua dele traçou em todo seu lábio inferior, e ela se abriu. Ele mergulhou a língua dentro da boca dela, e ela fechou os olhos, se aquecendo com seu toque e querendo mais. Tovando sua língua com a dela, ela segurou em sua cintura e gemeu. Seu beijo era tão apaixonado como o ele, e ela queria mais. O pau dele pressionado contra seu estômago, deixando-a saber exatamente o que ele queria. Camden se levantou, e ela olhou em seus olhos castanhos. "Desde que te vi que eu quis fazer isso." "Por que não fez?" ela perguntou. Ela apertou as coxas dela juntas na esperança de controlar a excitação que estava passando através delas. "Não parecia adequado." Seus dedos desceram pela frente do seu corpo, indo sobre o seu peito e até sua cintura. "Vendo pelo jeito que você está reagindo, acho que não tem sido tratada direito."


Antes que pudesse dizer alguma coisa, a mão dele estava entre suas coxas, esfregando um pouco mais firme. Pressionando-se contra ele, ela segurou em seus ombros. "Faz muito tempo," ela disse. "Eu também." "Nós não deveríamos fazer isso." "Por quê?" " Não sei porque. Estou nervosa." "Não há nenhuma razão para ficar nervosa. Acho que deveríamos fazer isso." Ele pressionou um beijo contra o pescoço dela, que não ajudou. Não havia como ela poderia lutar contra ele. Não que ela quisesse lutar com ele. O corpo dela vinha acordado sob seu toque depois de um longo sono, e tinha passado tanto tempo. Ambas as mãos dele mudaram-se para agarrar a bunda dela e puxa-la para perto. Ele bateu sua boca na dela, e tudo o que Alyssa podia fazer era segurá-lo enquanto ele a consumia, incendiando o corpo dela e conduzindo a uma necessidade tão chocante que ela não sabia o que fazer. Ceda. Deixe ele ter você. Ela queria. Ela queria tanto ceder a ele que era uma dor constante. "Se entregue para mim, Alyssa," ele disse. "Nós somos adultos. É o que nós queremos." "Sim". Ela fechou os olhos e inclinou a cabeça para trás. Foi o que ela queria, e pela primeira vez, ela ia fazer o que ela queria, não o que ela deveria fazer.


Capítulo 05 Finalmente, Alyssa estava nos braços dele, e Camden estava no céu. Seu corpo era tão cheio de curvas, macia e perfeita. A bunda dela era a coisa de sonhos. Subindo as mãos, ele as afundou no cabelo dela, segurando ela no lugar enquanto ele pressionou a perna entre suas coxas. "Oh meu Deus," ela disse entre beijos. "Oh merda, baby, diga-me que posso ter um gosto hoje?" "Gosto"? "Eu quero lamber essa buceta doce." Ela lambeu os lábios novamente e acenou com a cabeça. "Sim". Ele rosnou, incapaz de segurar em sua apreciação da beleza dela. Ela realmente era uma coisa incrível. De joelhos diante dela, ele soltou o botão e deslizou para baixo o fecho. Ela encolheu o estômago, e ele balançou a cabeça. "Você não tem que fazer essa merda comigo. Seja você mesma. Não preciso de nada mais, só você, Alyssa." Ela parou de respirar, e ele ajudou abaixar suas calças, quando ela contorceu seus quadris. Suas coxas eram cheias, e a barriga bem arredondada. Pressionando um beijo no estômago dela, ele viu o laço vermelho da calcinha dela e gemeu. "Você é cheia de surpresas." "Eu gosto de coisas boas." "E eu gosto de você em coisas boas. Estarei enviando algumas destas,"ele disse, colocando o dedo por baixo da lateral e então abaixou até os pés dela.


Havia uma pequena pitada de pelos pubianos que cobria sua buceta. Tocando sua coxa, ele levantou, e ele avistou sua buceta linda. Os lábios da buceta dela estavam abertos, exibindo seu clitóris inchado. "Você é tão bonita." Ele deslizou seus dedos no interior da sua coxa até chegar a sua fenda. Pressionou o dedo contra o clitóris, mudou-se para baixo, correndo para a entrada dela. Ela estava toda molhada, e ele olhou para cima quando ela engasgou. Um dedo deslizando profundo dentro dela, ele a observava levá-lo. O pau dele ia estar dentro dela antes do fim do dia. Adicionando um segundo dedo a buceta dela, ele levou o clitóris em sua boca, e o sabor dela explodiu na sua língua, fazendo com que ele quisesse mais dela. Um gosto não era suficiente, e ele precisava de um pouco mais. "Oh, Camden," ela disse. Isso não foi suficiente, então ele levantou-se e a beijou. "Onde é o seu quarto?" Ela pegou suas calças jeans, e balançou seus quadris, seguindo atrás dela quando ela conduziu o caminho para o quarto dela. No momento que ela abriu a porta, ele se sentiu bem em casa. Era uma cor de pêssego, e ele adorou. O cheiro de canela o cercava, e instantaneamente o lembrava dela. Beijando o pescoço dela, ele soltou e puxou a camisa de seu corpo. Dentro de segundos ele tinha ela completamente nua. Ela puxou o cinto dele, e ele mudou as mãos dela fora do caminho e removeu as próprias calças. A fome nos olhos dela combinavam com a dele. Ele queria tanto ela. Envolvendo os dedos em torno do pau dele, ele mostrou-lhe o que ela fez com ele. "Eu quero um outro gosto dessa buceta linda," ele disse.


Ela sentou na cama, levantou as pernas dela e depois as espalhou para que ele pudesse vê-la. "Isto é o que você quer?" Ele viu que as bochechas dela eram de um vermelho brilhante, e ele achou que não era algo que estava acostumada a fazer. Ele não se importava. Movendo-se em sua direção, ele colocou uma mão em cima da cama e sorriu. "Eu vou chupar essa buceta linda, e depois vou te foder." Ele beijou os lábios dela. "Tem um problema comigo dizendo isso?" Ela balançou a cabeça. "Não, eu gosto." "Você gosta que eu fale sujo"? "Sim". "Bom, porque eu sou um tipo bastante vocal." Lambendo os lábios, desceu para os seios dela, sugando cada mamilo duro em sua boca. "Eu gosto de dar instruções e tomar o que eu quero. Vai me dar isso, Alyssa?"ele perguntou. "Sim. Vou te dar o que quiser." Eles estavam se movendo tão rápido, mas ele não se importava. Ele estava desesperado por ela. Pre-sêmem vazando na ponta do seu pau, e ele passou seus dedos através dele e olhou nos olhos dela. "Você quer experimentar?" Ela pegou sua mão e trouxe-o para os lábios. Com seu doce olhar azul nele, ela jogou a língua entre os dedos, lambendo o pre-sêmem deles. Ela soltou um gemido. "Eu gosto do seu sabor também." Sexy... como... inferno. Ele não se importava o que outros homens achavam de mulheres mais cheias. Alguns poderiam acha-las, gordas ou feias. Ele não fez. Alyssa era um sonho tornado realidade. Os seios dela eram lindos, cheios e pesados, sua bunda era linda e grande.


Camden amava suas curvas, e para ele, ela era a mulher perfeita. Beijando seu corpo, ele jogou sua língua sobre seus mamilos e derrubou ela de volta para a cama, capturando seus quadris, amando a maneira que ela encheu suas mãos. "Eu estou viciado, baby. Totalmente viciado porra." Quando ele chupou o clitóris em sua boca, ambos gemeram. Alyssa mexeu a buceta dela contra ele, e ele mergulhou dois dedos dentro de sua buceta, adicionando um terceiro dedo. Ela apertou seus dedos e começou a pulsar contra eles, tendo tanto dele quanto ela podia. Ele afundou até os nódulos, e ainda não me parecia profundo suficientemente. Seu pau pulsou com outra onda de excitação como mais pre-sêmem revestindo a ponta dele. Puxando os dedos de sua buceta, ele colocou a boca em sua buceta, sua língua indo mais fundo que podia. "Oh... Camden!" Ela gritou o nome dele, a tremeu quando ele puxou a língua e ele correu até o clitóris dela. Sua buceta era tão saborosa. Ela era a única. E ele não iria deixá-la ir.

****

Alyssa agarrado o lençol embaixo dela, tentar se agarrar a qualquer coisa para trazer algum tipo de foco de volta para seu mundo. Nada parecia estar funcionando quando Camden assumiu todo o seu corpo e tornou quase impossível pensar. Não pense.


Ele penetrou sua buceta com sua língua, e ela gritou, empurrando contra a língua dele. Ele não diminuiu e a fez levar tudo o que ele tinha para oferecer. Olhando para baixo, ela viu sua cabeça e flashes de sua língua. Ela não podia acreditar que ele estava com seus dedos dentro dela e em seguida, alterando enquanto ele lambeu o clitóris dela. Esta foi a primeira vez que qualquer homem já tinha tomado tempo para lhe fazer sexo oral, e ela não suportava isso. O prazer estava fora deste mundo e não havia nenhuma maneira que ela poderia controlar seu orgasmo. Camden não parecia se importar que sua buceta estava o sugando para dentro, ou que ela estava tão molhada. A umidade estava vazando até a fenda da bunda dela. Ela não tinha tempo nem energia para ser envergonhada com a resposta do seu corpo ao seu toque. Camden era um mestre, e ela não podia acreditar que ela estava perdendo. "Vou gozar", disse ela, um aviso ofegante. Nos próximos segundos, ela quebrou em torno dele, cada onda chocando nela com sua intensidade quando ele acariciou o clitóris dela. Todo o seu corpo ficou apertado. Precisando de alguma coisa que ela não estava acostumada. "Venha em cima de mim, querida. Quero te provar." Uma vez que ela veio... ele iria comê-la. O tamanho do pau dele a deixou ainda mais molhada. Afundando os dedos no lençol, ela gritou o nome dele quando ela arqueou em êxtase, o orgasmo dela correndo por todo seu corpo, consumindo. Ele esticou os dedos dentro dela, quando ele chupou o clitóris em sua boca.


Ela engasgou, arqueando contra ele e esfregando buceta dela contra seu rosto. Ela estava tão excitada, e mesmo que ela já teve um orgasmo, ela ainda estava pronta para ser fodida. Somente quando ela lhe implorou para parar Camden se levantou e sentou. "Você tem a buceta mais saborosa". Ele inclinou-se para baixo e lambeu desde sua entrada até o clitóris dela, circulando pela raiz. Ele se afastou e pegou uma camisinha do bolso dele. "Eu fui e consegui algumas no caso. Não sabia que teria sorte hoje." "É bom". Ela olhou para o pau dele, e ela queria dar-lhe o mesmo tipo de prazer. Afundando de joelhos no chão do quarto dela, envolveu os dedos em torno do pau dele e pegou a ponta em sua boca. Sua cabeça estava coberta de pre-sêmem, e ela engoliu. Lentamente, ela abaixando a cabeça dela para levá-lo até o fundo de sua garganta. Ela gemeu e o ouviu gemer. "Foda-se, querida, isso é tão bom." Fechando os olhos, ela correu a mão dela e desceu por seu comprimento quando ela levou mais dele. Quando ele bateu no fundo da garganta, ela se afastou. "Abra seus olhos, querida. Eu quero ver você." Olhando para cima, ela finalmente abriu os olhos, e os dele se concentravam nela. Eles eram tão escuros, tão cheios de luxúria que o corpo dela ascendeu. A imagem dele a excitava. "Isso parece tão sensual. Seus lábios, se espalhando inchados, tentando me levar." Ele acariciou seu cabelo e envolveu o comprimento em torno de seu pulso. Com a outra mão, ele moveu seu pau e começou a alimentá-la com ele. Mantendo o seu olhar no dele, ela não desviou o olhar, nem fez ela parar de chupá-lo. Com a língua, ela jogou com a ponta. Mais pré-sêmem derramou em sua boca e ela engoliu.


"Muito sexy". De repente ele puxou. "Se você não parar eu não vou me segurar, e eu quero te foder, querida." Ele abriu o pacote de preservativo, removendo o látex e deslizando sobre o pau dele. No próximo segundo ele a tinha sobre seus pés, e seus lábios a tomaram num beijo abrasador que despertou todo o seu corpo. Camden deitou-a na cama, e ela espalhou as coxas dela. Ele a seguiu para baixo e quando ela foi subir mais na cama, ele pegou seus quadris, mantendo-a na borda. "Eu quero ver como sua doce buceta se abre para mim, querida." Ela olhou entre eles... conforme ele correu a ponta do seu pau e descendo sua fenda. Ele bateu no clitóris dela. Prazer correndo sobre ela, e ele bateu no clitóris dela novamente. Camden moveu a ponta para baixo, e ela viu e sentiu como ele lentamente começou a afundar dentro dela. Tinha sido um longo tempo, e Camden não era pequeno. Longe de ser pequeno, e como ele esticou e esticou dentro dela. "Oh, querida, você é tão porra apertada." Suas mãos agarraram seus joelhos, mantendo as pernas abertas. Ela olhou para ele olhando entre onde eles se juntavam. Suas mãos deslizaram de seus joelhos até os quadris. Ele a segurou quando ele bateu com cada polegada do seu pau dentro dela. Ele era longo, grosso, largo e ele a fez sofrer. "Perfeita. Tão perfeita,"ele disse. Seus lábios pressionaram contra os dela, e ela segurou em seus ombros. Ele era tão grande que ela sentiu cada centímetro do seu pau dentro dela. "Sério?" ela perguntou.


"Eu adoro estar dentro de você." Ele beijou os lábios dela. "Você não tem ideia quanto eu gosto de como isso vai." Ele correu as mãos e descendo por suas curvas. "Eu sou viciado em você." "Você não acha que estou gorda?" ela perguntou. "Querida, você é perfeita do jeito que você é."


Capítulo 06 Camden amava o corpo dela. Ele era um cara forte, duro, e ele era um cara grande. Alyssa era macia, curvilinea e tudo completamente o oposto dele. Segurando seus quadrís, a mantendo no lugar enquanto ela se acostumava com ele dentro dela. Ela era incrivelmente apertada, mais apertada do que ele jamais imaginou. "Nunca queira mudar," ele disse. "Não". "Bom, porque você nunca precisa mudar para mim. Eu gosto de você exatamente do jeito que você é." Ele começou a aliviar fora de sua buceta e olhou para baixo, para onde o pau dele estava começando a aparecer. O látex estava coberto com seu creme. Manteve-se segurando seus quadris, ele olhou nos seus olhos e viu quando ele começou empurrar dentro dela. Ele foi devagar no começo e começou a acelerar, empurrando com mais força e mais fundo dentro dela. Ela empurrou contra ele, e ele montou sua buceta. Os seios dela saltando com cada impulso, e não foi o suficiente. Ele queria ir mais fundo dentro dela e fodê-la mais duro. Os dois subiram na cama, ele fez Alyssa segurar a cabeceira, quando ele começou a montar sua buceta ainda mais duro. "Camden?" "O que, amor?" ele perguntou. "Parece incrível. Tão... bom. " "Eu sei. Sua buceta é tão... porra... minha. " Ele bateu com cada polegada dentro dela e inclinou-se para baixo tomando um dos mamilos em sua boca. "Vou gozar", disse ele. Ele mordeu seu mamilo e bateu cada


polegada de seu pau dentro dela. Depois de alguns golpes, ele esticou cada polegada dentro dela, e seu orgasmo caiu sobre ele. Pressionando seus lábios contra os dela, ele saqueou sua boca com a lígua e sabia que sem dúvida que ele finalmente tinha encontrado a única. Ele só esperava que Alyssa sentisse o mesmo. Minutos se passaram, e ele abriu os olhos. Alyssa estava sorrindo para ele. "Eu não planejei isso hoje." Olhos azuis cintilavam. "Nem eu, mas eu não posso dizer que não estou feliz." Ele acariciou um dedo para baixo sua bochecha, tocando o lábio com o polegar. "Eu não tenho pensado em mais nada na semana passada." "Você tem. Nossa, Camden, você precisa começar a encontrar outra coisa para pensar." Ela deu-lhe uma piscadela. Ele riu. "Não se arrepende do que aconteceu?" "Não, não me arrependo. Eu gostei. Faz muito tempo para mim." "O mesmo aqui. Eu fiz um voto de celibato." "Você fez?" Ele assentiu. "Fiz também". "Já temos grandes mentes." Ela riu. "Você sabe que os nossos amigos vão querer saber o que aconteceu hoje." "Podemos contar. Não me importo. Você é minha agora, Alyssa. Isso te incomoda?"ele perguntou. "Não. Eu meio que gosto." "Bom". Ele pressionou um beijo de lábios. "Acho que vou ter que lidar com esse negócio de lado a lado, não é?" "Acho que sim". Ele saiu da buceta dela e perguntou onde era o banheiro. Ela apontou para uma porta, e ele foi cuidar do preservativo.


Segundos depois, ele entrou no quarto para encontrá-la em seu sutiã e calcinha. O laço vermelho era sexy, e inclinou-se contra a porta do banheiro. "Eu gosto desse conjunto. Onde você conseguiu isso?" Suas bochechas eram vermelho brilhante. "Você me assustou. Eu estava me vestindo." Ele viu como ela agarrou um travesseiro e colocou-o na frente de seu corpo. "Por que você está se escondendo de mim?" ele perguntou. "Eu não estou. Coloquei suas roupas na cadeira se você quiser pegálas." Algo estava acontecendo aqui e ele não sabia o que era, mas ele iria descobrir. Sentado na beira da cama, ele tocou o travesseiro e notou que ela o segurava em um punho de ferro. "Estive dentro de você, Alyssa. Já provei sua buceta. Diga-me o que está errado," ele perguntou. "Não é nada." "Então me dê o travesseiro e me mostre aquela calcinha bonita." Ela virou-se para ele. "Você realmente quer vê-la." "Sim quero". "Eu acho que não." "Eu faço, e não saio até você me mostrar". Ele acariciou um dedo para baixo o braço dela. "Você não precisa se esconder de mim. Nunca". "Eu... Eu não sou magra." "Eu sei disso. Minhas mãos estiveram em suas curvas, e eu amo elas, baby. Não sentiu o quanto eu apreciei isso?" Ela tomou uma respiração profunda.


"Olha, isso não foi uma foda rápida piedade, ou qualquer coisa assim. Isto, para mim, foi o começo de algo mais. Não sente o mesmo?"ele perguntou. "Sim, eu sinto". "Então me dê isso." Segundos se passaram, então minutos, e finalmente ela lhe entregou o travesseiro e ficou ali. Havia algumas estrias na barriga, mas elas eram tão leves que somente poque a luz brilhou sobre ela que ele as viu. O corpo dela estava cheio de curvas, e ele a achou absolutamente linda. Os seios dela eram tão grandes, a barriga arredondada, e ele não podia esperar para vê-la inchada com o filho dele. Ele viu as lágrimas brilhando nos olhos dela, e ele odiava isso. "Esta sou eu," ela disse. "E acho que você é a mulher mais bonita que já vi." Ele pegou as mãos dela e se levantou. "Te prometo, Alyssa. Você nunca precisa se esconder de mim, ou fingir ser algo que você não é. Ok? Eu quero você só por você, e assim vai permanecer." Ele pressionou um beijo de seus lábios e jurou que, se alguém a fizesse se sentir como merda novamente, iria responder a ele. Ninguém magoaria a mulher dele, ninguém. Ele iria cuidar disso pelo resto de suas vidas.

****

"Então, como foi?" Edith perguntou na segunda-feira. Alyssa olhou para cima de sua salada de frango para ver todos os seus amigos, olhando para ela. "Você só quis fazer esta pergunta?" "Eu queria visitá-la, mas Chris me disse que não," disse Millie. "Você sabe como é difícil não ligar quando você realmente, realmente quer?"


Ela sorriu. "Foi perfeito. Ele ficou lá naquela noite. A cerâmica ficou incrível. Ele realmente faz um grande trabalho. " "Não, boba," Sammy disse. "Queremos saber se ele desceu para as coisas boas". "As coisas boas"? "Você dormiu com ele? Ele ficou, então tem que ter acontecido alguma coisa marota?" Edith perguntou. As bochechas de Alyssa se aqueceram. Não havia nenhum jeito de fugir dessa. Ela amava os amigos dela, e ela acenou com a cabeça. "Nós dormimos juntos. Tivemos sexo." Ela encolheu-se na sua própria resposta clínica. Ela nunca tinha sido boa na conversa sensual, ou mesmo fazer parecer melhor. Camden era... fantástico. Ele era tão doce, e sujo, e rômantico, e forte e todas as coisas boas, embrulhado em um pacote lindo, e sim, a fez derreter. "Eu gosto dele. Eu realmente gosto dele." A maneira que ele tocou o corpo dela, a acariciou e suas palavras. Cada parte do fim de semana foi como a parte favorita em toda a sua história. Suas três amigas aplaudiram. "Sabíamos que vocês se dariam bem. Você e o Camden foram feitos um para o outro. Você é yin e yang, equilíbrio, quente e frio, luz e escuridão e tudo,"disse Millie. "Sean disse que eles iriam ficar bem", disse Edith. "Eu estava preocupada em primeiro lugar. Você não está namorando há algum tempo e não quero que se machuque, e tampouco Sean. Isso é novo para você." "Eu sei". Ela não podia acreditar que tinha sido uma semana, e que já dormiram juntos, não apenas uma vez também. Camden tinha estado dentro dela várias vezes, e cada momento era melhor que o último. "Eu... ele... é natural, sabe? Ele me faz sentir incrível, e eu gosto dele. Eu realmente faço." Ela perfurou um pedaço de frango e o colocou em sua boca.


"Estou feliz por você," disse o Sammy. "É muito bom vê-la feliz, e por muito tempo você não esteve...." Alyssa estava sentado ao lado de Sammy, então ela apoiou a cabeça dela contra a do seu amigo. "Obrigada. Você sabe que adoro você." Ela amava seus amigos. "Ele é um cara legal", disse Edith. "Só pra você saber, se ele te machucar, eu vou machucá-lo, mesmo que vai ser difícil de fazer, mas isto é o que amigos fazem, certo? Nós temos um ao outro." Alyssa revirou os olhos. "Você nos apresentou. Você não deveria estar tão preocupada. Ele é maravilhoso." Ela arrancou um pedaço do seu frango. "Agora, vamos falar sobre outra coisa. Eu estou muito bem. Nenhum de vocês tem que se preocupar em tudo." A conversa foi para os planos de aniversário Edith e de Sean. Eles iam viajar naquele fim de semana, assim como Sammy e Millie. Ela estava realmente feliz por eles e estava ansiosa por suas histórias. Depois do almoço, ela voltou a trabalhar, e estava feliz por terminar o seu trabalho. Cada pessoa que ligou para ela, precisando de ajuda, ela fez tudo o que precisavam, direcionando-os para o departamento certo e respondendo todas as perguntas necessárias. No final do dia, ela murmurou para si mesma quando ela deixou o prédio. Seus amigos já tinham saido como era meio expediente para eles. Ela estava fazendo o seu caminho para o carro dela quando ela notou um pequeno envelope branco descansando em seu para-brisa. Retirando-o ela abriu.

Alyssa, Não queria interromper o seu almoço, então deixei isto para você. Siga estas instruções, e estou ansioso para vê-la. Confie em mim. Camden XXX


O coração dela acelerou, e digitando o endereço no seu GPS, ela subiu ao volante e seguiu as instruções. O endereço a levou na direção oposta da casa dela e da cidade. Ela achava relaxante dirigir, ver a paisagem passar por ela. Era uma tarde quente, e o sol ainda brilhava quando começou a descer. Ela fez uma virada brusca, indo por um caminho de cascalho. Quando lhe disseram que ela tinha chegado, nos degraus da varanda estava Camden. Ele segurou uma única rosa vermelha, e ela viu o sorriso dele. Parando no estacionamento, ela saiu do carro e empurrou os óculos para o cabelo. "Este é o seu lugar?" ela perguntou. "Esta é minha casa e ali," ele disse, apontando para longe da casa onde ela viu um outro edifício, "é onde eu faço meu trabalho". "Seu trabalho"? "Sim, todas as coisas boas como sua mesa de café." Ele entregou a rosa. "Você está linda". "Estive no trabalho o dia todo. Pareço desarrumada." "Uma desarrumada sexy". Ele agarrou a mão dela e a puxou para perto. Ela notou que ele tinha removido todos os espinhos da rosa. Camden deixou cair seus lábios sobre os dela, beijando-a. "Eu estou querendo fazer isso desde esta manhã." "Você me viu hoje de manhã," ela disse. "Eu sei, e foi muito tempo entre os beijos". Ele a beijou novamente. "Veio para o meu trabalho?" ela perguntou. "Sim". "Por que não ligou?" "Eu perguntei se você estava disponível, e foi-me dito que já tinha ido almoçar com as meninas. Presumo que elas queriam saber como vamos?"ele perguntou.


"Você entendeu. Eu não contei demais. Elas estão animadas por nós dois." "Bom, porque eu estou animado com nós dois também." Ele fechou seus dedos juntos, e ela viu o brilho nos olhos dele. "O que é?" ela perguntou. "Venha". Mudou-se em torno de sua casa, e ela olhou para a frente para ver dentro de sua casa. Ela adivinhou que tudo ao redor de sua casa foi feito por ele, a decoração, o prédio, todas as coisas. Ele era o tipo de cara que claramente gostava de trabalhar com as mãos. Ela havia recebido suas habilidades, e ele foi incrível. "Eu queria fazer isto especial," ele disse. Alyssa engasgou. No jardim dele era uma única mesa com velas montada lindamente. Era a noite romântica perfeita. Onde Camden tinha estado toda a sua vida?


Capítulo 07 Camden tinha chegado em casa cedo para cortar sua grama, comprar a mesa e então fez um pedido de um restaurante italiano local. Ele conhecia o dono e tinha um acordo com algumas esculturas de madeira para ele. "O que você acha?" ele perguntou. "Você me o fez jantar?" "Não, mas consegui tudo pronto para um bom jantar. Não sei cozinhar, e não gosto de cozinhar. O que eu faço bem é ser simpático. O restaurante italiano local é de um amigo, e eu o pedi para me fazer o jantar para que pudesse oferecê-lo para você." Ele pegou na sua mão e então puxou uma das cadeiras. "Por favor, senhorita, sente-se." Ela riu. "Você é tão charmoso." "Eu sei. Espero que goste da comida." Ele virou e correu em direção a sua cozinha. Abrindo o forno, ele removeu o frango cacciatore. Houve também polenta, e a sobremesa estava na geladeira. Trazendo o frango e a polenta, ele viu que ela já lhes tinha servido uma taça de vinho. "Não acho que posso ter este vinho, mas o pensamento é muito bom," ela disse. "Não vai para casa. Você vai ficar comigo. Afinal, você me teve no fim de semana, e agora é minha vez de compartilhar minha vida com você." "Você é um homem estranho, Camden. Estou surpresa de nenhuma mulher já não ter pego você." "Sorte para você, sou todo seu." Ele tomou um gole do vinho, e mesmo que ele gostava de uma cerveja, ele foi com o vinho.


"É maravilhoso", disse ela, servindo para ambos um prato de comida. "Isso parece e cheira tão bem. Talvez você pudesse me apresentar ao seu amigo." "A qualquer momento", disse ele. Primeiro, ele ia se certificar de que ela soubesse a quem ela pertencia. Theo pode ser encantador, e Camden não estava interessado em perder a namorada para seu amigo. Eles tocaram suas taças, e ele viu quando ela tomou um gole e depois cavou sua comida. No fim de semana ele tinha a observado em sua cozinha, enquanto ele estava lado a lado. Ela estava sempre inventando algo, e ele adorava observá-la. Fazia-me perguntar se ela vai adorar sua cozinha. Os pensamentos dele tinham ido dela ficando com ele, para repente vivendo com ele, e antes que ele soubesse o que estava acontecendo, ele estava planejando seu futuro com ela. "O que você está pensando?" ela perguntou. "Quer que eu seja sincero?" "Sim, claro." "Estou a pensar no futuro." "Nosso futuro"? Ele assentiu. "Eu não sou um tipo normal. Eu estava pensando em como seria a nossa vida." "Nós conhecemos a uma semana." "Eu sei. Eu sou louco, hein?" "Só um pouquinho." Ela segurou os dedos dela, pressionando-os juntos. "Está se movendo muito rápido." Ela olhou ao seu redor. "Eu acho que sua casa é linda. Quando você faz todo o trabalho nela?" "Quando eu posso. Depois do jantar, eu vou te levar para um passeio." Ele arrancou um pedaço do frango. Era quente, suculento e delicioso. "Como foi o trabalho?"


"Foi bom". "Você gosta o que você faz?" ele perguntou. "É bom. Eu gosto, especialmente quando posso ajudar as pessoas. O que eu odeio é quando não posso ajudar as pessoas. Isso me incomoda." Ela tomou mais um gole de vinho. Eles falaram sobre o que tinham feito naquele dia e o que gostaram de sua refeição. Quando eles terminaram, ele derramou seu outro copo de vinho e então pegou a mão dela. "Esta terra é minha." Ele apontou uma pequena mancha perto da cozinha. "Eu estou esperando para transforma-la em uma horta com o tempo. Quando eu tiver filhos, vou construir algo para eles. Se olhar para ali, já tenho planos para uma casa na árvore." "Você realmente quer filhos, não é? Isto não é sobre como me ganhar ainda mais." "Claro que não," ele disse. "Eu estou sendo totalmente honesto aqui." Ele envolveu o braço em volta da cintura dela e puxou-a perto. Camden amava suas curvas. Acariciando seu quadril, ele beijou seu templo. "Não vou mentir para você." Ela se aconchegou contra ele. "Vamos, vamos para dentro e eu vou lhe mostrar ao redor." Ele a levou pela frente da casa, e o sol estava começando a e pôr, então, ele acendeu a luz, e fechou a porta. Atrás deles. "E a mesa?" "Ninguém aparece aqui, baby. Ainda será assim em três semanas se eu não mudar isso." Ela riu. "Ok. Então este é um lugar agradável e recluso." "É o melhor. Imagino que com o tempo vai ter um monte de casas construídas, mas tenho bastante privacidade para mim." Não havia planos para construir casas tão cedo. A levou para a sala de estar, ele mostrou o


aconchego que ele havia criado. Havia três sofás longos, um tapete no centro, perto do fogo e uma televisão para os jogos de futebol. "Uau", ela disse. "É bonito". Ele já estava vendo eles se aconchegando nus em frente à lareira. Morangos e calda de chocolate estavam na foto também. Movendo-se em direção a sala de jantar, ele ascendeu à luz como era o quarto mais escuro da casa. A longa mesa, que ele construiu, juntamente com todas as cadeiras. "É realmente incrível. Você não poderia comprar este tipo de móveis em qualquer outro lugar." "Obrigado". "Sério, Camden. Isso é muito bom." Ela correu a mão na parte superior de uma das cadeiras. "É muito bom. Eu gosto." Ele mostrou-lhe a pequena biblioteca que ele estava ainda no processo de terminar, então, a levou para a cozinha. Era o maior cômodo na casa, e o que ele estava particularmente orgulhoso. "Há quanto tempo tem estado construindo isso?" ela perguntou. "Bom uns quinze anos. Foi um investimento, e eu gosto de me manter ocupado. Nunca fui o tipo de cara que se senta na frente da televisão o dia todo. Gosto de me movimentar, fazer coisas." "Eu entendi, eu faço. Isto é, é incrível, Camden. Você pode ver o amor que você colocou nele. Eu adoro." Bom, porque ele queria compartilhar isso tudo com ela.

****


De pé no chuveiro Alyssa ficou tensa quando Camden entrou no quarto. Através da porta do chuveiro, ela observava enquanto ele se despiu até que ele estava completamente nu. Ele era lindo de se ver. "Estou indo para o chuveiro, quer você goste ou não." Ele já sabia que ela lutou quando veio a ficar completamente nua na frente dele. No primeiro dia eles transaram, ela estava nervosa como o inferno, mas também bêbada de excitação, então era quase impossível de ignorar. Nesses momentos nos seus braços, ela tinha esquecido o peso dela e seus problemas. A porta se abriu, e ela lutou para não se cobrir. Ele tinha visto ela completamente nua e ele tinha estado dentro dela, provado ela, ainda era difícil para ela ignorar seus próprios problemas. "Você nunca precisa cobrir você mesma quando você está comigo, baby." Ele chegou perto, levando os braços dela e os envolvendo no pescoço, então estavam colados um contra o outro. "Você é especial, sabe?" Ele correu as mãos pelo seu corpo, colocando na bunda dela. "Você acha que sempre vou acreditar nisso?" ela perguntou. "Sim, vai. Eu não sou inconstante ou estúpido. Eu sei o que eu quero, Alyssa. E quanto a você? O que você quer?" Ela olhou nos olhos dele e encontrei o conforto em seu olhar. "Eu quero ser feliz. Eu quero acreditar no que nós começamos aqui." "Seus antigos namorados. Fazem você duvidar de mim?"ele perguntou. "Não duvido de você, mas desses sentimentos. É tudo tão fácil de cair agora. Não sei se você deixa o assento para cima. Você não sabe se eu deixo a tampa na pasta de dente." "Sério? Isso é o que você está pensando?" "Casais já se separaram por menos. Anos a partir de agora quando toda a magia do inicio se for, será que você ainda querer que não me cubra


no chuveiro ou haverá uma mulher mais jovem para leva-lo para longe de mim? "ela perguntou. "Não. Não haverá." "Como você pode saber?" "Como você pode saber o que um jovem rapaz fará algo com seu corpo que eu não posso fazer? Pode você me dizer isso?" "Eu nunca faria algo assim," ela disse. "Exatamente. Dou a minha palavra, e não é bom o suficiente. Eu acredito em você e quer saber, eu tenho fé em nós dois". Ele pressionou um beijo em seus lábios. "Você tem que aprender a ter confiança em mim." Ele apertou a bunda dela. "Porque não vai se livrar de mim. Nunca". O olhar dele ficou no dela. "Estou nisso, todo o caminho. É você?" Olhando em seus olhos com as mãos sobre o corpo dela, ela assentiu com a cabeça. "Sim, eu estou." Ele apertou ela contra o canto do chuveiro, batendo com os lábios para baixo nos dela. "Foda-se, querida, obrigada." "Não, obrigada por me aturar," ela disse. "Obrigada". Ela tocou o rosto dele e beijou seus lábios, precisando de seu toque mais do que ela precisava de qualquer coisa. Camden agarrou a bunda dela e ela levantou. Segundos depois ele encheu a buceta dela, deslizando cada única polegada de seu pau dentro dela. "Você não está usando camisinha," ela disse, agarrando seus ombros. "Não me importo. Eu preciso sentir você." "Eu não sou tão estúpida," disse ela, rindo. "Eu sei que ainda há um risco de que algo possa acontecer." "Se isso acontecer eu vou cuidar de você." Há algo sobre um homem dizendo que ele iria cuidar de você que foi direto para o seu coração. Com o olhar dele, ela derreteu contra ele,


precisando dele para amar mais do que qualquer outra coisa. Ele agarrou a bunda dela e segurou-a firmemente quando ele a fodeu-a contra o chuveiro com água escorrendo entre eles. Nada poderia ter sido mais perfeito para ela. Segurando-o firmemente em seus braços, ela tomou posse de seus lábios, sabendo que ela faria qualquer coisa por ele. Camden alcançou entre eles e começou a provocar o clitóris dela, correndo o dedo contra o clitóris com cada impulso. Ele mudou sua mão, acariciando o clitóris dela enquanto movia seu corpo duro, enchendo-a até a borda. "Foda-se, querida, você me deixa tão louco." Ele se inclinou para baixo, tomando um dos mamilos em sua boca. "Por favor, Camden. Estou tão perto." Ele acelerou sobre o clitóris, sentindo a compilação do seu próprio orgasmo. "Sua buceta é tão apertada e tão perfeita. Não acredito que você acha que eu deixaria você. Porra eu anseio por você." Suas palavras encheram-lhe com tanta alegria, tanto amor. O orgasmo dela correu sobre ela e Camden continuou duro dentro dela, entrando ainda mais fundo dentro dela. "Foda-se, sim, isso querida. Venha em todo meu pau. Foda-se!" Três estocadas mais e Camden explodiu. Ele não puxou para fora. E ela não se importava. Segurando-o perto dela, ela beijou os lábios dele, sabendo que sem dúvida que ele era o único. Mesmo que ela estava com medo de se comprometer completamente, era a verdade. "Como você pode não ter fé no presente, querida?" ele perguntou.


"Eu tenho. Tive pensamentos loucos. Vou trabalhar nisso. Eu prometo." Camden empurrou um pouco do cabelo do rosto dela. "Eu vou nunca te traír. Eu sei o que é ser enganado, e isso nunca vai acontecer." Ele pressionou um beijo em seus lábios. "Eu prometo". "Eu vou nunca mentir para você também."


Capítulo 08 Os dias e as semanas se passaram. Alyssa ficou no lugar de Camden, e ele ficou na casa dela. Eles raramente ficavam separados e ainda tiveram encontros com os seus amigos. Foi muito bom tê-la em seu braço e segurála perto. Foda-se, ele a amava. Não havia nenhuma outra palavra para isso. Ele adorava estar com ela, e a separação foi uma ideia louca de merda. Se ela teve um longo dia no escritório, ele esperaria por ela e mandaria mensagem para saber se ela estava bem. Seus fins de semana foram passados juntos. Mesmo quando ele estava trabalhando em alguns itens de Comissão, ele adorava tê-la por ali. Ela sentava-se em uma de suas cadeiras, e ficava lendo. Nem uma vez ela invadir seu espaço, ou falou constantemente. Na verdade, ele falou com ela o tempo todo e a fez sair de sua casca. Ela deixou de ficar nervosa por estar nua na frente dele. Ele não parava de olhar para ela. Ele queria ver o corpo dela e ser capaz de toca-la. "Tem a certeza sobre isso, cara?" Sean perguntou após três meses de namoro com Alyssa. "O que você que dizer?" "Estamos em uma loja de joias, e todos nós sabemos o que você vai fazer." Sean apontou para si mesmo, Chris e Marshall. "Você vai pedi-la em casamento." Ele não negou. Não fazia sentido. Ele queria casar com Alyssa e fazer dela sua. "Não há nada errado com isso." "Já pensou nisto?" Marshall perguntou. Camden olhou para seus três amigos. Estavam todos olhando para ele. "O que é?"


"Estamos preocupados. Você sabe só se passaram alguns meses," disse Chris. "Então?" "Tem certeza que isso é o que você quer?" Sean pediu. Camden, olhou para baixo para as linhas de anéis de noivado e virouse para seus amigos. "Nunca tive mais certeza de nada na minha vida. Sim, só passaram alguns meses, mas você sabe o que? Eu sei. Eu sei o que eu quero, e quero Alyssa. Eu a amo. Eu quero que ela me pertença. Ela é o meu futuro." Silêncio caiu entre eles até Marshall limpou a garganta. "Você sabe que todos nós vamos nos ferrar por causa disso." "Não me importo. Edith já sabe que a amo, e um pedaço de papel nunca vai mudar isso." Sean deu-lhe palmadas nas costas. "É melhor eu ser padrinho de casamento." "Todos vocês serão. Primeiro, tenho que comprar o anel certo, então ela realmente concordar em se casar comigo." "Você acha que ela vai recusar?" Chris pediu. "Não sei o que pensar. É o que eu amo tanto sobre ela. Ela sempre me mantém adivinhando." "Posso ajudá-lo?", perguntou a senhora atrás do balcão. Camden sorriu. "Eu estou procurando um anel de noivado para minha garota." "O que ela gosta?" "Nada muito chamativo. Ela é o tipo de garota caseira. " "Ah, aqui estão nossos delicados anéis de noivado. Eles ainda têm o fator wow sem chamar muita atenção." Ela tirou várias bandejas, e ele olhou por todos eles. Finalmente, depois de uma hora de decidir qual anel, ele estava pronto para fazer a pergunta.


"Não vai direto para lá," disse Chris. "Millie quer obter todos os detalhes de como você vai propor." Camden riu. "Vou descer em um joelho e perguntar a ela." Ele não achava que um caso escandaloso com uma banda e um público seria o estilo dele ou o de Alyssa. Depois ele colocou a caixa de veludo no casaco dele, eles fizeram o seu caminho em direção ao restaurante em frente à loja de joias. "Você não vai planejar? Fogos de artifício? Pombas? Romance?" "Haverá romance", disse Camden. "Só vai ser o tipo de romance que Alyssa vai querer." Mais tarde naquela noite, Camden acendeu velas, e certificou-se que tudo estava pronto para uma noite de perfeição. Alyssa deve estar chegando em breve. Ele fez com que a cama estivesse bem arrumada e passou as mãos nos lençois para certificar-se de que estava suave. Ele tomou outro olhar ao redor do quarto, e quando ele estava satisfeito, ele saiu para ir para baixo em direção as escadas. Sobre o último degrau, sua porta abriu e no momento que ele viu Alyssa sabia que algo estava errado. "Querida, qual é o problema?" ele perguntou, se movendo em direção a ela. Ela tinha lágrimas nos olhos dela, e ele esperou quando ela colocou seu casaco ao lado dele e virou em seus calcanhares. "Há uma coisa que eu tenho que te dizer," ela disse. Camden tomou as mãos dela. "Eu tenho algo que quero te dizer também." "Por que vamos para o seu quarto?" ela perguntou. "Tenho tudo configurado." Ele estava nervoso agora. Por que ela estava triste? Algo tinha acontecido? Ela estava com dúvidas?


Empurrando os nervos de lado, ele agarrou suas mãos e inclinou-se sobre um joelho no momento em que entraram em seu quarto. "Camden? O que está fazendo?"ela perguntou. "Há uma coisa que eu quero dizer, e não quero esperar mais um instante sem te dizer." "Eu tenho algo a dizer para você também." Ela apertou a mão dele. "Eu acho que é importante que eu diga o que tenho a dizer primeiro." "Quer me casar com você." "Estou grávida". Eles dois falaram ao mesmo tempo, e Camden olhou para ela. "Está grávida?" "Quer se casar comigo?" "Sim, porra, eu te amo tanto, e passei o dia hoje encontrando um anel". Ele pegou o anel e abriu. Ela estava grávida. Eles iam ter um filho. Seu pau endureceu, e ele estava muito ansioso. Ela ia ter um filho dele. Tudo estava se encaixando. "Você me ama?", perguntou ela, lágrimas nos olhos dela. "Sim, eu te amo. Como pode você mesmo duvidar, baby? Te amo tanto, e você está grávida. Para mim é a melhor notícia que ouvi em um longo, longo tempo." "Edith me disse para fazer o teste hoje." Alyssa caiu de joelhos e beijou o rosto dele. "Eu te amo, Camden. Estava apavorada de te dizer no caso de você não sentir o mesmo sobre mim." "Eu te amo. Nós vamos ter um bebê?"ele perguntou. "Sim, nós vamos ter um bebê." Ele deslizou o anel de noivado no dedo dela, e ela colocou a mão na barriga arredondada. "Isso é tão sexy." Camden pressionou um beijo no seu estômago. "Eu te amo. Eu te amo muito. Nunca vou deixar você ir. Você


sabe disso. Eu vou fazer você a mulher mais feliz vivo. Aposto que todos os homens dizem isso, mas você sabe o que? É sério." Ela riu. "Eu ainda não disse sim." "Então por favor diga que sim e acabe com meu sofrimento." "Camden... Sim, eu caso contigo." Ele puxou-a contra ele e bateu os lábios sobre os dela. Ela já fez dele o homem mais feliz do mundo.


Epílogo Dez anos depois

"Ben, cuidado com isso. Você vai cortar seu dedo se você não prestar atenção," disse Camden, gritando em direção ao seu filho mais velho, que estava tentando acabar com sua primeira escultura de madeira para a escola. Olhou ao redor do pátio, ele viu que sua garotinha, Bethany, estava no balanço, com Lea, na caixa de areia. Jonathon saiu correndo de casa com a mãe dele perto atrás dele. Alyssa estava carregando uma grande bandeja de bebidas. Eles tiveram quatro filhos. Eles tinham se casado há dez anos, um mês depois que ele propôs. Seus amigos não duram muito mais tempo atrás deles. Com os próximos dois anos, eles estavam todos casados. Ele e Alyssa tinham seu primeiro filho, Ben, no ano seguinte, depois que eles estavam casados, três anos depois tiveram Bethany, seguida por Jonathon dois anos depois disso. Léa tinha apenas dois anos, e agora eles tinham outro a caminho. A vida era exatamente como ele imaginava que fosse. Era serena e tranquila, e ele adorou. Ele realmente fez. Toda noite ele iria levar Alyssa em seus braços e ser grato que todos os outros homens foram burros demais, assim ele poderia reclamá-la para ele mesmo. "Olá, querida," ele disse, tirando a bandeja de braços. "Ei você." Ela beijou os lábios e sorriu. "Como está?" "Você sabe que essa é minha pergunta." Ele colocou a bandeja sobre a mesa e viu como seus filhos vinham pegar uma bebida. Essa era a sua


família. "Como vai nosso anjinho?", perguntou ele, esfregando sua barriga. "E, mais importante, como você está?" "Estou bem, e eu queria te falar sobre isso. O médico, erm, disse que nós teremos gêmeos. " "O quê"? "Sim, houve dois batimentos cardíacos no teste e não se preocupe. Eles são saudáveis, e eu também. Eu tenho que ter calma." Ela sorriu. "Nós vamos ser os pais de seis filhos." "Eu te amo", ele disse. "Eu amo você, também." Camden puxou Alyssa para os seus braços, olhou em torno dele, vendo seus filhos, suas vidas reunidas por amor. Os seus amigos tinham feito algo certo de convidá-lo para jantar. Finalmente encontrou a mulher para ele, e ele ficou agradecido todos os dias. "Oh, Camden, liguei para os nossos amigos. Eles vêm no próximo sábado para o jantar. Preciso de fazer uma viagem até a cidade comprar algumas coisas." "Eu vou te levar". Ele beijou os lábios dela. "Todos nós juntos." "É nosso aniversário de 10 anos. Não sei se você sabe, mas no sábado vai ser exatamente no mesmo dia que nos conhecemos há dez anos." "Eu sei. Você me fez o homem mais feliz vivo." "E você me fez a mulher mais feliz também." Ele pressionou seus lábios dela e sabia que sua vida era perfeita. Ele não mudaria nada.

Fim

1 something sweet sam crescent  
1 something sweet sam crescent  
Advertisement