Issuu on Google+

Seminário de Investigação em Métodos e Técnicas de Recolha e Tratamento de Dados Seminário de Investigação em Métodos e Técnicas TEMA 1 de Recolha e Tratamento de Dados Seminário de Investigação em Métodos e Técnicas de Recolha e Tratamento de Dados Seminário de Investigação em Métodos e Técnicas de Recolha e Tratamento de Dados Seminário de Investigação em Métodos e Técnicas de Recolha e Tratamento de Dados Seminário de Investigação em Métodos e Técnicas de Recolha e Tratamento de Dados Seminário de Investigação em Métodos e Técnicas de Recolha e Tratamento de Dados Seminário de Investigação em Métodos e Técnicas de Recolha e Tratamento de Dados Virtualidades, limites e contrastes da investigação quantitativa e qualitativa em Educação

Alexandra Pinto


[TEMA 1] SI - MTRTD

SINOPSE Numa Investigação Educacional podemos optar por três paradigmas de investigação, o paradigma quantitativo, o qualitativo e o misto. O paradigma quantitativo requer uma concepção positivista, dedutiva e orientado para os resultados, enquanto o paradigma qualitativo é mais estruturalista, subjectivo e orientado para o processo. Cada investigador opta pelo melhor método, no entanto há quem defenda que a combinação de atributos pertencentes a cada um deles é a melhor opção. Nos últimos anos têm sido considerada a possibilidade de junção destes dois paradigmas na Investigação.

APRESENTAÇÃO DAS TAREFAS PROPOSTAS E RESPECTIVOS OBJECTIVOS Elaborar uma reflexão e apresentar um exemplo concreto sobre “Virtualidades, limites e contrastes da investigação quantitativa e qualitativa em Educação”.

TRABALHOS REALIZADOS NO ÂMBITO DO TEMA Uma investigação Educacional pode ser realizada de acordo com vários modelos, teorias ou paradigmas, para Steinbruner (1974) “Há diferenças sutis, mas importantes entre as palavras “paradigma”, “teoria” e “modelo”. “Paradigma” refere-se a um conjunto de hipóteses fundamentais e críticas com base nas quais as teorias e os modelos podem desenvolver-se.” (in Le Moigne 1990), que segundo Wellington (2000:15) com regras que implicam duas vertentes opostas, “positivist / interpretive; interventionist / non- interventionist; experimental / naturalistic; case-study / survey, and qualitative / quantitative. In actual research, however, there may well be a mixture or overlap of the two approaches, e.g. survey and case-study work; collection of qualitative and quantitative data. In addition to these supposed contrasts, we often hear the terms „action research‟ and „practitioner research‟ used to describe a project or even a paradigm.” Durante parte do século XX, o paradigma quantitativo foi mais dominante na investigação educacional sendo que nos anos 80 o paradigma qualitativo surge como alternativa ao paradigma quantitativo. Assim, e segundo o capítulo 2 do Educational Research podemos considerar três principais paradigmas da investigação educacional, o quantitativo, o qualitativo e o misto. Seguidamente passo a enunciar as características de cada um destes métodos de pesquisa educacional.

Alexandra Pinto| 2


[TEMA 1] SI - MTRTD Relativamente ao paradigma quantitativo este baseia-se principalmente no emprego de métodos quantitativos, é considerado um paradigma positivista, pois fundamentase no positivismo lógico “procura as causas dos fenómenos sociais, prestando escassa atenção aos aspectos subjectivos dos indivíduos” Carmo e Ferreira (1998:177). Caracteriza-se por ser fiável, objectivo, de medição controlada e rigorosa com base dedutiva. As técnicas utilizadas baseiam-se na utilização de questionários de resposta fechada e medição por testes. Para a análise dos dados recolhidos são privilegiados os relatórios estatísticos. O paradigma qualitativo ou interpretativo, baseia na recolha de dados qualitativos, para Coutinho (2006) “os estudos qualitativos abrangem todas as situações em que as preocupações do investigador se orientam para a busca de significados pessoais, para o estudo das interacções entre as pessoas e contextos, assim como formas de pensar, atitudes e percepções dos participantes no processo de ensino e aprendizagem.” Nesta pesquisa o investigador é o principal instrumento de recolha de dados, existem uma grande variedade de métodos na investigação qualitativa, desde observação participante, observação directa, estudos de caso, entrevistas não-estrutadas, entre outros. Este paradigma caracteriza-se por ser subjectivo, naturalista, indutivo, válido, humanístico e descritivo. Por último temos o paradigma misto, que envolve as características dos dois paradigmas enunciados anteriormente, normalmente é utilizado numa investigação em que não se enquadre nenhum dos paradigmas qualitativos ou quantitativos. Alguns autores defendem que só este paradigma permite uma boa investigação por recolhermos e analisarmos dados de diferentes formas. Seguidamente podemos observar uma tabela com algumas virtualidades e limitações da investigação qualitativa e quantitativa. Virtualidades

Limitações

- Análise directa; Investigação Qualitativa

- Credibilidade;

- Pouco objectiva

- Validade interna e externa; - Complexidade dos seres; - Objectiva; Investigação Quantitativa

- Dados quantificados;

- Subjectividade por parte do investigador; - O problema da validade e fiabilidade dos instrumentos de medição.

Na minha tese pretendo optar por uma investigação qualitativa, utilizando a metodologia etnográfica. Visto que pretendo, desenvolver o projecto começado no

Alexandra Pinto| 3


[TEMA 1] SI - MTRTD meu mestrado “Seniors in Second Life”1, julgo que o estudo etnográfico será a metodologia que melhor se adequa ao estudo. A Etnografia é uma ciência teve origem na Antropologia Social, onde era utilizada a técnica de estudo etnográfico para compreender as culturas humanas; este método permite contactar directamente com os hábitos, ideias e comportamentos das pessoas. Já na década de 70, os autores Becker e Geer definiam Etnografia como "method in which the observer participates in the daily life of the people under study, either openly in the role of researcher". A autora Hine (2004:13) diz que a metodologia etnográfica é a mais adequada para compreender o que as pessoas fazem quando utilizam a Internet, “La etnografia es una metodología ideal para iniciar esta clase de estudios, en la medida em que puede servir para explorar las complejas interrelaciones existentes entre las aserciones que se vaticinan sobre las nuevas tecnologías en diferentes contextos: en el hogar, en los espacios de trabajo(…). Una etnografía de Internet puede observar con detalle las formas en que se experimenta el uso de uma tecnologia”. Neste sentido, opto pelo Estudo Etnográfico por se verificar o mais apropriado para a observação das interacções dos seniores no Second Life.

O projecto Seniores in Second Life propõe-se compreender as interacções criadas no Second Life, de modo a perceber até que ponto este pode ser um espaço atractivo de comunicação e de sociabilidade entre adultos com idade superior a 50 anos. 1

Alexandra Pinto| 4


[TEMA 1] SI - MTRTD

FONTES Um discurso sobre as ciências Um discurso sobre a ciência Educational Research: Contemporary Issues Doing Educational Research Educational Research Research Methods

FONTES COMPLEMENTARES BECKER, Howard e GEER, Blanche (1978). "Participant observation and interviewing: a comparison", Consultado a 3 de Dezembro de 2010 em: http://blogs.ubc.ca/qualresearch/files/2009/09/Becker-Geer.pdf CARMO, Hermano e FERREIRA, Manuela (1998). Metodologias de Investigação. Guia para auto-aprendizagem”. Universidade Aberta, Lisboa. ISBN: 972-674-231-5 COUTINHO, Clara Pereira (2006) “Aspectos Metodológicos Da Investigação Em Tecnologia Educativa Em Portugal (1985 – 2000)”, Consultado a 4 de Dezembro de 2010 em, https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/6497/1/Clara%20Couti nho%20AFIRSE%202006.pdf HINE, Christine (2004). Etnografía virtual. Editorial UOC, Barcelona. ISBN: 84-9788019-6. Consultado a 3 de Dezembro de 2010 em: http://books.google.pt/books?id=CZkG7lYWbgC&printsec=frontcover&dq=etnografia+virtual+%2B+Christine+Hine&hl= pt-PT&ei=JiDpS8-6Ep6CmwPfnNXwDA&sa=X&oi=book_result&ct=bookthumbnail&resnum=1&ved=0CDcQ6wEwAA#v=onepage&q&f=false

Alexandra Pinto| 5


Tema 1