Page 1

O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

Narra a história de um cavaleiro que um dia decidiu sair da sua casa na Dinamarca e ir em peregrinação até à Palestina, onde pretendia passar um Natal na gruta onde Cristo nasceu e onde rezaram os pastores, os Reis Magos e os Anjos. Despediu-se da mulher e dos filhos, dizendo-lhes que regressaria dali por anos. Partiu então numa peregrinação. Há muitos anos atrás, as viagens eram difíceis de realizar e ir da Dinamarca até à Palestina era uma grande aventura. Ao encontrar-se na gruta de Belém, rezou pelo fim das misérias e das guerras, pela paz e pela alegria do mundo. Pediu ainda a Deus que o fizesse um homem de boa vontade. Mais tarde no porto de Jafa, travou amizade com um mercador de Veneza que o convenceu a conhecer as maravilhosas terras da Itália. Ouviu o mercador contar-lhe a história da mais bela mulher daquelas paragens, de seu nome Vanina. E depois o peregrino foi para outras terras da Itália, levando consigo cartas escritas pelo mercador que serviriam de apresentação em vários lugares por onde passasse. Em Florença ouviu falar de Giotto, o primeiro pintor de Itália e de Dante, o maior poeta daquele país. Depois, atravessou os Alpes, os campos, as planícies, os vales e as montanhas de França e chegou à onde ouviu falar do português Pêro Dias que travou conhecimento com os gentios. E em todas as terras por onde passava ouvia histórias dos mares, das ilhas, dos povos desconheci dos e dos países distantes. Caminhou durante longas semanas, avançando lentamente. Na antevéspera de Natal chegou, por fim, a uma povoação que ficava a poucos quilómetros da sua floresta, mas na madrugada seguinte o peregrino partiu porque queria chegar à sua casa na noite de Natal, porque o prometera à mulher e aos filhos. Embora com dificuldade lá foi avançando, mas a certo ponto do caminho sentiu-se perdido, como se todos os trilhos tivessem mudado de lugar. Foi orientado por uma luz intensa, ao longe, que apareceu de súbito. O ar estava cheio de reflexos multicolores e grandes raios de luz passavam entre os troncos e as ramagens. à medida que se aproximava daqueles raios de luz, verificou com espanto que era o grande abeto que ficava mesmo ao lado da sua casa, todo ele coberto por luzes porque os anjos do Natal o tinham enfeitado para guiar o cavaleiro.

E é por esta razão que na noite de Natal se iluminam os pinheiros.

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

Dinamarca Dinamarca é um pequeno país que se situa a nordeste da península ibérica. A sua capital é KØBENHAVN, e a sua bandeira é constituída por dois quadrados e dois rectângulos e ambos são vermelhos e ainda tem uma cruz que é branca que os separa. É conhecida pelos míticos vikings que nela habitaram. Neste momento é habitada por 5.574 milhões de habitantes.

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

PALESTINA Palestina é a denominação histórica dada pelo Império Romano a partir de um nome hebraico bíblico, a uma região do Oriente Médio situada entre a costa oriental do Mediterrâneo e as atuais fronteiras ocidentais do Iraque e Arabia saudita, hoje compondo os territórios da Jordânia e Israel, além do sul do Líbano e os territórios de Gaza

BELÉM Belém é uma cidade palestina localizada na parte central da Cisjordânia, com uma população de cerca de 30.000 pessoas. É a capital da província de Belém, nos Territórios Palestinos, e um centro de cultura e turismo no país. Localiza-se a cerca de 10 quilómetros ao sul de Jerusalém. É a cidade onde terá nascido Jesus de Nazaré.

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

RAVENA Cidade de Itália, capital da província com o seu próprio nome. Situase a 7 km do mar Adriático, na planície do canal Corsini. Foi, no passado, um grande Centro comercial que se veio a ressentir com o afastamento do mar. Os romanos utilizaramna como ponto estratégico na rota litoral a partir do século III. Tornou-se quartelgeneral de César entre os anos53 e 50 a. C., e Classis, o seu porto, foi lugar de estabele cimento de uma das duas grandes frotas do Império Romano. No século IItornouse capital da Flamínia e no século IV da Emília.

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

Veneza Poucas cidades são tão amadas, pouquíssimas tem tanta personalidade e menos ainda são capazes de inspirar sonhos em pessoas de lugares tantos lugares. A cidade símbolo do romantismo continua a mesma desde a idade média. Veneza tem o poder de atrair pessoas de todos os cantos do mundo, pessoas que durante anos sonham um dia poder conhecê-la, e que, não raro ao chegar, mal conseguem conter a emoção. Canais cortados por pontes em arco, gôndolas deslizando em silêncio pelas águas, palácios medievais formam um conjunto sem igual, e transformaram este lugar num sonho, aquele que todo mundo tem: O desejo de visitar Veneza ao menos uma vez na vida.

Veneza tem duas grandes festas anuais, que ocorrem durante o Carnaval e no dia da Procissão da Cidade, esta última sempre no primeiro domingo de setembro. São as ocasiões mais bonitas para se visitar a cidade, embora como todo mundo pense a mesma coisa, ela fique incrivelmente cheia de turistas nestas datas. Veneza (em italiano: Venezia, em vêneto: Venexia, AFI: [veˈnɛsja]) é uma cidade e comuna italiana da região do Vêneto, província de Veneza no nordeste de Itália. Tem cerca de 271 009 habitantes e é conhecida pela sua história, canais, museus e monumentos. A comuna de Veneza estende-se por uma área de 412 km², incluindo as ilhas de Murano, Burano e outras na lagoa de Veneza, tendo uma densidade populacional de 646 hab/km². É classificada como Património da Humanidade pela UNESCO. Dos muitos monumentos e locais turísticos existentes, destacam-se a imponente Basílica de São Marcos, na adjacente Praça de São Marcos, a famosa Ponte de Rialto sobre o Grande Canal, construída em 1588 segundo projeto de Antonio da Ponte, a Ca' d'Oro e numerosas igrejas e museus.

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

FLORENÇA

Florença é a capital da província homônima e da região italiana da Toscana. Está situada a 230km ao noroeste de Roma e ocupa uma área em torno de 105km2. Foi fundada por motivos comerciais e militares: o objetivo era controlar os únicos pontos navegáveis do rio Arno e os montes Apeninos, nas rotas de norte a sul da península itálica. Fiel a sua tradição, Florença conserva lugar de destaque na arte e na cultura italianas. É considerada o berço do Renascimento italiano, e uma das cidades mais belas do mundo. Tem origem num antigo povoado etrusco. A cidade foi governada pela família Médici desde o início do século XV até meados do século XVIII. A cidade data do século I a.C. e foi edificada junto às ruínas de uma cidade etrusca. Serviu inicialmente de alojamento para uma guarnição militar romana e, quatro séculos depois, transformou-se num importante centro comercial, dada sua localização no ponto nevrálgico das comunicações terrestres da península itálica. Após um longo período de letargia, em que esteve sucessivamente sob domínio de ostrogodos, bizantinos e lombardos, a cidade renasceu no século IX, quando se integrou ao império de Carlos Magno. Com as tensões entre o papado e o Sacro Império Romano-Germânico, ao qual passou a pertencer desde 962, junto com a Toscana, Florença teve governo autônomo desde fins do século XI. Destacam-se as diversas e belíssimas catedrais de épocas e estilos diferentes. A cidade também é cenário de obras de artistas do Renascimento, como Michelangelo, Leonardo da Vinci, Giotto, Botticelli, Rafael Sanzio, Donatello, entre outros.

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

GÉNOVA

.GÉNOVA É UMA CIDADE ITALIANA… É uma cidade com cerca de mais de 800 mil habitantes. Foi fundada no século IV a.C. As suas principais actividades económicas são: indústria, comércio, turismo e atividades portuárias. A sua temperatura anual é cerca de 15ºC, e o seu clima é temperado. Génova possui muitos lugares de interesse, entre eles catedral de Génova e a lanterna de Génova. Strade nue Strade Nuove e Rolli di Genova são considerados Património da Humanidade pela UNESCO. O Palazzo Ducale é outro lugar importante de interesse. Na cidade de Génova foi provavelmente onde nasceu o Jeans que pega o nome da cidade usado por marinheiros genoveses.

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

BRUGES ......................................................................................................

Bruges é uma cidade belga, capital da província de Flandres Ocidental, na região de Flandres. Tem cerca de 117 mil habitantes. Foi a capital europeia da cultura em 2002, juntamente com a cidade espanhola de Salamanca. Bruges é chamada de "Veneza do Norte", por causa de seus inúmeros canais que a cercam ou a atravessam, mas também a ligam principalmente com a cidade de Gante. Diversos passeios de barco são propostos aos turistas, alguns dos quais permitindo chegar às cidades vizinhas. A cidade apresenta ainda as ruínas de uma fortaleza, bem como moinhos às margens do canais.

HISTÓRIA DE BRUGES:

São praticamente inexistentes traços de civilização e atividade humana anteriores à era pré-romana gaulesa na região de Bruges. As primeiras fortificações foram construídas após a conquista do Menappi por Júlio César no século I a.C., com intuito de protecção da zona costeira contra piratas. Já no século IV, a região foi tomada aos romanos pelos Francos e as incursões dos Vikings, por volta do século IX, obrigaram a que Balduíno I, Conde da Flandres, reforçasse as antigas fortificações. Foi também nesta época que se fortaleceram as relações comerciais com a Inglaterra e a Escandinávia e surgiram as primeiras moedas gravadas com o nome Bryggia...

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

Flandres Flandres é a região norte da Bélgica. O neerlandês é a língua oficial da região.

Bruxelas é a capital de Flandres e também do Reino Federal da Bélgica. Com 5,9 milhões de habitantes, os flamengos correspondem por 60% do total da população belga. As cidades de Flandres preservam toda a riqueza da sua história, do seu legado cultural e 0s seus monumentos . As tapeçarias e rendas flamengas podem ser vistas e compradas. Das artes plásticas, os primitivos flamengos, que marcaram a história da pintura europeia, têm as suas obras expostas em vários museus. A arte flamenga destaca-se em todas as formas de expressão: na música clássica, na dança, no teatro, na literatura, no cinema, na arquitetura e no design. Flandres é também famosa pela sua cerveja, pelos seus deliciosos chocolates e queijos e pela sua fina culinária.

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

Dante e Beatriz Dante era filho de uma importante família florentina. Dante o poeta italiano que definiu e estruturou o idioma italiano moderno. Aos nove anos de idade Dante conheceu Beatriz, que seria a musa inspiradora ao longo de sua obra: a musa inspiradora ao longo de sua obra: a musa inspiradora ao longo de sua obra. Com 16 anos Dante voltou a encontra-la e escreveu para ela o seu primeiro famoso soneto de amor. Dois anos depois casou-se com Gemma com quem teve três filhos, o casamento estava planeado desde das suas infâncias. O amor por Beatriz deu a partida na moda do amor romântico em italiano. A morte da amada, em 1290, levou Dante ao estudo de filosofia latina e religiosa, que inspiraram sua principal obra. A “Divina Comédia” relata uma imaginária viagem de Dante. O poeta Virgílio, é o guia no caminho pelo inferno e purgatório. No paraíso Dante é levado pela sua amada Beatriz, a um final feliz. O poema tem estrutura épica, como base a filosofia e foi escrito em língua toscana, muito próximo do italiano atual. A decisão de Dante de escrever seu poema em italiano, onde é a inovação, no século seguinte. O poeta era médico-farmacêutico, mas não estava interessado na profissão. Entrou na guilda, dos boticários, que reservava os cargos públicos a nobres membros de alguma Corporação de Artes e Ofícios. Dante foi condenado ao exílio pelo novo governo de Florença. Se fosse capturado por soldados da cidade seria queimado vivo. Onde morreu em 1321, o mesmo ano em que terminou de escrever os versos do Paraíso, a parte final de sua "Divina Comédia".

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

Giotto Giotto di Bondone mais conhecido por Giotto foi um pintor e arquitecto italiano. Nasceu perto de Florença no ano 1267 e morreu a 8 de Janeiro de 1337.Giotto foi discípulo de Cinni di Pepo, muito conhecido na história da arte pela introdução da perspectiva na pintura, durante o renascimento e também era discípulo de Cimabué que foi o primeiro pintor de Itália. Devido à inovação do seu trabalho, Giotto é considerado por Bocaccio o precursor da pintura renascentista. Ele é considerado o elo entre o renascimento e a pintura medieval. O seu trabalho era muito característico, e a característica principal do seu trabalho é a identificação da figura dos santos como seres humanos de aparência comum.

Cimabué Cimabué foi um pintor florentino e criador de mosaicos . Ele também é famoso por ter encontrado Giotto e ser considerado o último grande pintor italiano a seguir a tradição bizantina. Nasceu em 1240 e faleceu no ano 1302 em Pisa. Cimabué parece ter sido uma artista muito reconhecido em seu tempo. Cimabué pintou dois grandes frescos na Basílica de São Francisco de Assis, na parede do transepto: a Crucificação e a Descida da Cruz.

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013


O CAVALEIRO DA DINAMARCA – SOPHIA DE MELLHO BREYNER ANDRESEN

PÊRO DIAS ............................................................................................................

Pêro dias Acompanhou o seu irmão, Bartolomeu Dias, na viagem em que dobrou o Cabo da Boa Esperança em 1487-1488, comandando o navio de suprimentos. A meta de suas viagens, no entanto, era apenas a de alcançar o cabo, e não passar por ele; no entanto, quando seu navio foi pego por uma tempestade, acabou sendo jogado para além do cabo, no lado oriental da África, desgarrando-se do resto da expedição; Pêro Dias teve de voltar pelo mar Vermelho, sendo um dos primeiros ocidentais a tentar tal feito em tempos modernos.

Pêro Dias era um bravo e destemido navegador Português. Numa expedição, quando alcançou terra, viu os nativos a esconderem-se atrás da vegetação. Então, pediu a todos que se afastassem e que o deixassem sozinho. Quando os nativos africanos viram que ele estava sozinho, saíram de trás dos arbustos. Pero Dias e os africanos tentaram conversar e negociar, mas devido a uma série de falta de comunicação, acabaram os dois por morrer. Quando os marinheiros viram o sangue de ambos e constataram que era igual, perceberam que por muito diferentes que sejamos por fora, há sempre uma semelhança no nosso interior.

Alunos do 7ºB – Professora Alexandra Santos – 2012/ 2013

O Cavaleiro da Dinamarca  

O 7ºB apresenta...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you