Page 1

1

Sangue Sombrio Série Cárpatos 26 (Trilogia Sombria - livro 3)

Christine Feehan

Traduzido e Revisado do Inglês

Envio do arquivo: Cleusa Revisão Inicial: Desirée cap. 1 a 11 Cleusa cap. 12 a 23 Revisão Final: Cleusa cap. 1 a 11 Desirée cap. 12 a 23 Formatação: Desirée Finalização: Cleusa Imagem: Élica Talionis

* REFORMATADO *


2 Sinopse Zev Hunter era um guerreiro de elite, um negociante da morte para os Lycans renegados que atacavam a humanidade. Ele era um solitário, nunca dado a apegos pessoais e extremamente feroz em seu trabalho. Mas Zev começa a questionar seu passado e seu propósito quando acorda na escuridão da caverna sagrada dos guerreiros - e é convidado a recuperar a consciência pela voz sensualmente familiar de uma mulher, a mulher que tem assombrado suas fantasias durante séculos. Ela é Branislava, membro do clã Dragonseeker... O tempo chegou para o seu renascimento, seu sangue se misturou com o dos antigos guerreiros antes dele. Ele foi avisado por Branislava de que seus destinos estão entrelaçados, de que seus espíritos se uniram por toda a eternidade e de que seu novo objetivo na vida está além da imaginação. Agora, com um juramento de sangue de honra, misericórdia e resistência, e sob a influência de uma sereia tão fascinante como Branislava, Zev começa a se perguntar qual é seu propósito, o que isso significa para o futuro dos Cárpatos e o que, em seu renascimento, ele tem a temer.


3

*** Para minha irmã do coração, Anita. Obrigado por estar na minha vida. Podemos não ter os mesmos pais biológicos, mas isso nunca nos impediu de nos amar feroz e lealmente uma à outra. Podemos ter perdido a mãe e o pai, mas nós temos a nossa família e nós sempre seremos fortes, enquanto estivermos nos apoiando uma na outra.

*** AGRADECIMENTOS Muito obrigado a minha irmã Anita Toste, que sempre responde a minha chamada e dispõe a se divertir comigo escrevendo feitiços de mago. Tenho que dar um agradecimento especial a CL Wilson, Sheila Enblish, Susan Edwards e Kathie Firzlaff, que sempre têm a amabilidade de me incluir nas sessões de energização de escrita. Nós abalamos, não foi? Como sempre, graças a Brian Feehan e Domini Stottsberry. Eles trabalharam longas horas para me ajudar com tudo, desde debater ideias a fazer pesquisas para edições. Não há palavras para descrever a minha gratidão ou amor por eles. Muito obrigado a todos por isso! Um agradecimento especial ao Dr. Christopher Tong, que é incrível em tudo que faz, a partir de composições para a construção da linguagem. Mais do que essas coisas, o seu espírito é o de um ser incrível, que eu gostaria de poder capturar para que todos pudessem ver nas páginas de um livro. Seríamos todos beneficiados! Por último, mas certamente não menos importante, agradeço à minha editora, Cindy Hwang, por acreditar em mim quando lhe disse que tinha uma ideia para um livro difícil e que acabou sendo três! Ela me dá a liberdade de escrever do jeito que eu preciso. E, claro, o departamento de produção de Berkley, que têm pelos últimos três anos, acreditado em mim o suficiente para aguentar quando não conseguem os livros no tempo. Agradeço a todos vocês mais do que posso expressar.


4

Capítulo 1

O som chegou a ele primeiro. A batida baixa ficou cada vez mais alta. Zev Hunter sentiu a vibração daquele ritmo se expandindo por todo o seu corpo. Doeu. Cada batida em separado parecia ecoar através de sua carne e ossos, reverberando através de seus tecidos e células, sacudindo-o até que ele pensou que poderia se partir em pedaços. Ele não se moveu. Era um esforço demasiado até mesmo abrir os olhos e descobrir o que era aquele apelo insistente, perturbador - ou por que não ia embora. Se abrisse os olhos teria de se mover, e isso iria doer como o inferno. Se ficasse muito quieto, poderia manter a dor sob controle, mesmo que se sentisse como se estivesse flutuando em um mar de agonia. Ficou ali por um longo tempo, sua mente vagando para um lugar de paz. Conhecia o caminho até lá agora, um pequeno oásis num mundo de dor excruciante. Encontrou a ampla e fresca piscina de água azul convidativa, o vento tocando a superfície de modo que as ondulações dançavam. A floresta circundante era exuberante e verde, as árvores altas, troncos largos. Uma pequena cachoeira escorria das rochas para a piscina, o som calmante. Zev esperou, prendendo a respiração. Ela sempre vinha quando ele estava lá, se movendo lentamente para fora das árvores para a clareira. Ela usava um vestido longo e uma capa de veludo azul, o capuz sobre seu longo cabelo de modo que ele só vislumbrava seu rosto. O vestido se agarrava a sua figura, seus seios fartos e cintura fina, a parte superior do espartilho enfatizando cada curva. A saia do vestido era ampla, caindo sobre seus quadris para o chão. Ela era a mulher mais bela que ele já tinha visto. Seu corpo era gracioso, fluido, uma mulher etérea, esquiva que sempre acenava para ele com um sorriso suave e um pequeno gesto com a mão. Ele queria segui-la para a fresca floresta - ele era Lycan, o lobo que vivia dentro dele preferia a floresta, o espaço aberto - mas ele não podia se mover, nem mesmo por ela. Ele ficou onde estava e simplesmente a bebeu. Não era um homem que palavras inteligentes vinham facilmente, por isso não disse nada. Ela nunca se aproximou dele, nunca diminuiu a distância entre eles, mas de alguma forma, isso nunca importou. Ela estava lá. Ele não estava sozinho. Descobriu que enquanto ela estava perto dele, a terrível dor diminuía. Pela primeira vez, porém, algo perturbou seu lugar pacífico. A batida estrondosa o encontrou, tão alta agora que a terra levantava e caia com um baque ameaçador, preocupante. A água ondulava de novo, mas desta vez ele sabia que não era o vento fazendo com que a água formasse um anel a partir do meio da piscina para o exterior. A batida pulsava através da terra, abalando não só seu corpo, mas todo o resto. As árvores sentiram. Ele ouvia a seiva correndo no interior dos troncos e galhos. As folhas vibravam freneticamente, como se atendendo a chamada profunda e estrondosa. O som da água ficou mais alto, não mais um gotejar suave sobre as rochas, não um gotejamento constante, mas uma precipitação que cresceu com o mesmo ir e vir da seiva nas árvores. Como veias e artérias correndo por baixo da própria terra em torno dele, se dirigindo para todos os seres vivos.


5 Você ouve isso agora. Ela falou pela primeira vez. Sua voz era suave e melodiosa, não levada pelo vento, mas sim sobre a respiração. Num momento ela estava do outro lado da pequena piscina de água, e no outro estava afundando na grama alta, se inclinando sobre ele, perto dele, seus lábios quase roçando os dele. Ele podia sentir o gosto de canela. Especiarias. Mel. Tudo isso em sua respiração. Ou era na sua pele? Seus sentidos Lycan, geralmente tão bons com cheiros, pareciam confusos. Seus cílios eram incrivelmente longos e muito escuros, em torno de seus olhos cor de esmeralda. Uma verdadeira esmeralda. Tão verdes que eram surpreendentes. Ele tinha visto aqueles olhos antes. Não havia com confundi-los. O arco de sua boca era a perfeita fantasia de um homem, seus lábios carnudos e naturalmente vermelhos. O estrondo continuou, uma batida insistente, constante. Ele o sentia através de suas costas e pernas, um pulso dissonante que se recusava a deixá-lo sozinho. Através de sua pele, ele parecia seguir o caminho da água correndo debaixo dele, trazendo nutrientes que dão vida.

Você sente isso, não é? ela insistiu suavemente. Ele não conseguia desviar o olhar. O olhar dela segurou o seu cativo. Ele não era o tipo de homem para permitir que nada nem ninguém o enganasse. Ele forçou sua cabeça a trabalhar -esse primeiro movimento que sabia que iria custar caro. Acenou com a cabeça. Esperou que a dor o rasgasse em pedaços, mas além de uma pequena explosão através de seu pescoço e têmporas, que rapidamente diminuiu, a agonia esperada não veio.

O que é isso? Ele franziu a testa, se concentrando. O som continuou sem interrupção, de forma constante, tão forte e rítmica, teria dito que era um coração, mas o som era muito profundo e muito alto. Ainda assim, era uma pulsação que o chamava assim como chamavam as árvores e a grama, como se estivessem todos amarrados. As árvores. A grama. A água. A mulher. E ele.

Você sabe o que é. Zev não queria contar a ela. Se dissesse as palavras, teria que enfrentar a sua vida novamente. A existência fria, totalmente solitária de sangue e morte. Era um caçador de elite, um negociante da morte para bandos de renegados - Lycans que se tornaram lobisomens e caçavam os humanos - e ele era condenadamente bom em seu trabalho. O estrondo ficou mais alto, mais insistente, um sombrio arauto de vida. Não havia nenhum lugar para se esconder dele. Nenhum lugar para correr, mesmo que pudesse correr. Sabia exatamente o que era agora. Sabia de onde o som se originava, como se espalhava a partir de um centro profundo embaixo dele.

Diga-me, Han kupesak kaikak, o que é que você ouve? As notas melódicas de sua voz flutuaram através de seus poros e abriram caminho pelo seu corpo. Ele podia sentir o suave som musical se envolvendo em torno de seu coração e afundando nos ossos. Sua respiração provocava seu rosto, quente e suave, e tão doce, como a mais gentil das brisas


6 soprando sua pele quente. Seus pulmões pareciam acompanhar o ritmo dela, quase como se ela respirasse por ele, e não apenas com ele.

Han ku pesak kaikak. Onde ele ouviu isso antes? Ela o chamou, como se esperasse que ele soubesse o que significava, mas era em uma língua que estava certo de que não falava - e sabia que falava muitas. A batida soou mais alta, mais perto, como se estivesse cercado de todos os lados por muitos tambores mantendo o ritmo exato, mas sabia que não era assim. O pulso batendo vinha de debaixo dele - e o estava convocando. Não havia maneira de ignorar, não importa o quanto queria. Agora sabia que não iria parar, nunca, a não ser que respondesse a chamada.

E o coração da própria Terra. Ela sorriu e seus olhos cor de esmeralda pareceram assumir o corte multifacetado das gemas que vira adornando as mulheres, embora mil vezes mais brilhante. Ela assentiu com a cabeça muito lentamente. Finalmente você está realmente de volta com a

gente. A Mãe Terra tem chamado por você. Você está sendo convocado para o conselho dos guerreiros. E uma grande honra. Sussurros flutuaram por sua mente como os dedos da névoa. Ele não conseguia reter realmente as palavras, mas vozes masculinas subiam e desciam ao redor dele, como se estivesse cercado. A sensação de calor o afetou. Calor Real. Sufocando. Queimando. Seus pulmões se recusavam a trabalhar, para puxar o ar tão necessário. Quando tentou abrir os olhos, nada aconteceu. Ele estava preso em sua mente longe de tudo o que estava acontecendo com seu corpo. A mulher se inclinou mais perto, seus lábios roçando os dele. Seu coração fraquejou. Ela mal o tocou, leve como uma pena, mas foi a sensação mais íntima que já tinha experimentado. Sua boca era requintada. A perfeição. Uma fantasia. Seus lábios se moveram sobre os dele de novo, macios e quentes, derretendo-o. Ela respirou em sua boca, um sopro suave, delicado de ar limpo e fresco. Mais uma vez ele a provou. Canela. Especiarias. Mel.

Respire Zev. Você é tanto Lycan quanto Cárpato, e você pode respirar em qualquer lugar, quando você escolher. Apenas respire. Ele não era Sange rau.

Não, não Sange rau, você é Han ku pesak kaikak. Você é um Guardião. A respiração que ela tinha trocado com ele continuava a se mover através de seu corpo. Ele quase podia acompanhar seu progresso, como se o ar precioso fosse um fluxo branco abrindo caminho através de um labirinto, até que encheu seus pulmões. Ele realmente sentiu o fôlego dela entrar em seus pulmões, inflando-os.

Eu não estou sonhando, estou? Ela sorriu para ele. Um homem poderia matar por um de seus sorrisos.


7 Não, Zev, você não está sonhando. Você está na caverna sagrada dos guerreiros. A Mãe Terra chamou os anciãos para testemunhar o seu renascimento. Ele não tinha ideia do que ela estava falando, mas as coisas estavam começando a voltar para ele. Sange rau era uma combinação do sangue de lobo renegado e vampiro. Han ku pesak kaikak era sangue de Lycan e Cárpato misturados. Não estava certo o que ou onde se localizavam as cavernas sagradas dos guerreiros e ele não gosta da palavra renascimento.

Por que não posso me mover? Você está voltando à vida. Você esteve bloqueado longe de nós por algum tempo. Não de você. Ela esteve com ele enquanto estava preso naquele lugar escuro de dor e loucura. Se havia uma coisa que sabia com certeza absoluta, era de que ela tinha estado lá. Ele não pode seguir em frente, porque ele não foi capaz de deixá-la. Ele se lembrava daquela voz, suave e suplicante. Fique. Fique comigo. A voz dela tinha bloqueado a ambos num mar de agonia que parecia não ter fim.

Não sem fim. Você está despertando. Ele pode estar acordando, mas a dor ainda estava lá. Levou um momento para se deixar absorver. Ela estava correta, a dor estava cedendo a um nível tolerável, mas o calor em torno dele estava queimando seu corpo. Sem o ar que ela lhe dera, ele estaria engasgado, sufocado, desesperado.

Pense qual temperatura corporal você deseja. Você é Cárpato. Abrace quem você é. Sua voz nunca mudou. Ela não parecia impaciente com sua falta de conhecimento. Antes, quando ela ficou diante dele, não foi indiferente, ela simplesmente esperou. Agora parecia diferente, como se esperasse algo dele. Mas que diabos? Se ela disse para pensar numa temperatura corporal diferente daquela queimando sua carne desde seus ossos, ele poderia dar isso a ela. Escolheu uma temperatura normal e a considerou em sua mente. Ela falava com ele sem palavras, telepaticamente, por isso deveria ser capaz de ver que ele estava fazendo o que ela pediu. Imediatamente a sensação de queimação deixou de existir. Respirou ofegante. Calor encheu os pulmões, mas havia ar também. Ele a conhecia. Apenas uma mulher podia falar com ele como ela fazia. Mente com mente. Sabia quem ela era agora. Como pode alguma vez esquecer quem era ela?

Branislava. Como ela ficou presa com ele num lugar tão terrível? Enviou uma pequena oração de agradecimento por ela ter ficado lá. Foi ela quem sussurrou para ele. Fique. Fique comigo. Deveria ter reconhecido sua voz, uma melodia doce e suave que estava para sempre estampada em seus ossos.

Você me reconheceu. Ela sorriu para ele novamente e ele sentiu os dedos dela roçando ao longo de sua mandíbula e, em seguida, indo até a testa, afastando as mechas de cabelo que caíram


8 em seu rosto. Seu toque trouxe prazer, e não dor. Uma pequena corrente elétrica correu da testa até a sua barriga, apertando seus músculos. A corrente foi mais abaixo, enrolando calor em sua virilha. Ele podia sentir algo além de dor e, como poderia ser desejo? Parecia absurdo que ele não soubesse o tempo todo quem era ela. Ela era aquela mulher. A única mulher. A mulher. Ele conhecia as mulheres, é claro. Tinha vivido por muito tempo para não conhecer. Ele era um caçador, um caçador de elite, e nunca ficava num lugar por muito tempo. Não formava relacionamentos. Mulheres não roubavam seu ar ou o colocavam sob feitiços. Ele não pensava sobre elas dia e noite. Ou fantasiava. Ou queria uma para si próprio. Até ela. Branislava. Ela não era Lycan. Não falava muito. Parecia um anjo e se movia como uma mulher sedutora. Sua voz acenava como o canto de uma sereia. Olhava para ele com aqueles olhos incomuns e sorria com aquela boca perfeita, incitando todos os tipos de fantasias eróticas. Quando eles dançaram, aquele momento simplesmente único, inesquecível, o corpo dela tinha se encaixado no dele, derretido nele, até que ela foi impressa lá para todos os tempos, em sua pele, em seus ossos. Toda regra que ele já fez sobre as mulheres nos longos anos que vivera foi quebrada com ela. Ela roubou seu fôlego. Colocou-o sob seu encantamento. Pensava nela dia e noite e fantasiou em demasia. Ele a queria em todos os sentidos possíveis. O corpo dela. O coração. A mente. A alma. Ele a queria toda para si.

Como você chegou aqui? Neste lugar? O alarmou que pudesse ter de alguma forma a arrastado para dentro daquele mar de agonia, porque tinha estado tão encantado com ela. Poderia um homem fazer isso? Querer uma mulher tanto que quando morre a leva com ele? A ideia era terrível. Tinha vivido com honradez, pelo menos tentado, e nunca machucaria uma mulher que não tivesse sido uma assassina desonesta. A ideia de que poderia ter levado essa mulher para o inferno com ele era perturbador em todos os níveis.

Eu escolhi vir com você, ela respondeu como se fosse a coisa mais normal do mundo. Nossos espíritos estão entrelaçados. Nosso destino está entrelaçado. Não estou entendendo. Você estava morrendo e não havia outra maneira de salvar sua vida. Você é precioso para todos nós, um homem de honra, de grande habilidade. Zev franziu o cenho. Isso não fazia sentido. Ele não tinha família. Ele tinha o seu bando, mas dois membros dois de seu bando, os amigos de tantos anos, o tinham traído e tentado matá-lo. Ele era sangue misturado agora e poucos de sua espécie o aceitariam.

Todos nós? ele repetiu. Quem seriam esses? Você os ouve chamar por você? Zev ficou muito quieto, sintonizando sua audição aguçada para superar o coração da terra, o fluxo de água debaixo dele, alcançando as vozes distantes. Vozes de homens. Eles pareciam estar ao


9 redor dele. Alguns entoavam para ele em uma língua antiga, enquanto outros, como os monges de há muito tempo tinha feito, entoavam com a garganta. Cada palavra ou nota separada vibrava através dele, assim como o coração da terra. Eles o convocavam assim como a terra fez. Era hora. Não conseguia encontrar mais desculpas e parecia que ninguém iria deixá-lo vegetar exatamente onde estava. Ele se forçou a abrir os olhos. Estava numa caverna subterrânea. Isso era evidente imediatamente. Havia calor e umidade em torno dele, mas não se sentia quente. Era como se ele visse aquelas faixas ondulantes de calor em toda a imensa câmara. Grandes estalactites penduradas do teto alto. Elas eram formações enormes, grandes fileiras de longos dentes de vários tamanhos. Estalagmites se elevavam do chão com amplas bases. Cores envolvendo as colunas das bases cintilantes para as pontas afiadas. O chão estava desgastado por séculos de pés andando sobre ele. Zev reconheceu que estava nas profundezas da terra. A câmara, embora enorme, parecia sagrada para ele. Ele estava deitado na própria terra, seu corpo coberto por um rico barro preto. Minerais brilhavam no cobertor de terra sobre ele. Centenas de velas foram acesas, no alto das paredes da câmara, iluminando a caverna, lançando flashes intermitentes de luzes das estalagmites, trazendo a cor silenciosa à vida. Seu coração começou a bater em alarme. Não tinha ideia de onde estava ou como chegou lá. Ele virou a cabeça e, instantaneamente, seu corpo se acalmou. Ela estava lá, sentada ao lado dele. Branislava. Ela era realmente tão bonita quanto se lembrava. Sua pele era pálida e sem falhas. Seus cílios eram tão longos, os lábios tão perfeitos como em seu sonho. Apenas suas roupas estavam diferentes. Ele estava com medo de que se falasse em voz alta, ela desapareceria. Parecia tão etérea como sempre, uma criatura de outra época, não foi feita para o mundo que ele residia. O canto cresceu em volume e ele pegou a mão dela, entrelaçando seus dedos com força com os dela, antes que virasse a cabeça para tentar encontrar a fonte - ou fontes - daquela convocação. Havia vários homens na sala, todos os guerreiros com rostos que havia visto muitas batalhas. Ele se sentia à vontade com eles, uma parte deles, como se naquela câmara sagrada, eles fossem uma fraternidade. Ele conhecia seus rostos, embora a maioria ele nunca tivesse encontrado, mas conhecia o valor destes homens. Ele reconheceu quatro homens que conhecia bem, embora se sentisse como se uma centena de anos tivessem se passado desde que os tinha visto. Fenris Dalka estava lá. Deveria saber que ele estaria. Fen era seu amigo, se alguém como ele pudesse ter amigos. Ao lado dele estava Dimitri Tirunul, irmão de Fen, e isso também não era surpresa. Os irmãos eram próximos. Seu sobrenome era diferente só porque Fen tinha tomado o sobrenome de um Lycan, a fim de melhor se adaptar durante seus anos com eles. Duas figuras estavam de pé sobre outro buraco no chão onde um homem estava olhando em volta, assim como Zev estava. O homem, no que poderia ter sido uma sepultura aberta, parecia pálido e cansado, como se tivesse passado pelo inferno e tivesse saído do outro lado. Zev se


10 perguntava vagamente se ele parecia da mesma forma. Demorou alguns instantes antes de reconhecer Gary Jansen. Gary era humano e tinha se metido no meio dos lobos renegados para chegar ao Zev durante uma batalha particularmente feroz. Zev estava muito feliz por vê-lo vivo. Ele era íntimo de Gregori Daratrazanoff. Normalmente Gregori não estava longe de seu príncipe, mas ele pairava perto do homem que lutava para se sentar. Gregori imediatamente se abaixo e gentilmente ajudou Gary a se sentar. O homem do outro lado da “sepultura” tinha a mesma aparência que Gregori. Este tinha que ser outro Daratrazanoff. Do outro lado de Gregori, a curta distante dele, estavam dois dos irmãos Da Cruz, Zacarias e Manolito, ambos os quais conhecia e que se juntaram a ele em algum tipo de batalha. Os fatos reais ainda estavam um pouco confusos. Um terceiro homem estava entre eles. No centro da sala haviam várias colunas menores feitas de cristais, formando um círculo em torno de uma formação vermelho-sangue com o que parecia ser uma ponta afiada. De pé ao lado dela estava Mikhail Dubrinsky, príncipe dos Cárpatos. Ele falou muito baixo, mas sua voz encheu a câmara com grande autoridade. Mikhail falou em uma língua antiga, as palavras rituais para chamar a seus ancestrais há muito desaparecidos. —Verí isaakank - ekaakank veri. Para sua absoluta surpresa e espanto, entendeu as palavras. “Sangue de nossos pais -sangue de nossos irmãos.” Ele sabia que era a tradução literal, mas a linguagem era antiga, e não dos Lycans. Nascera Lycan. Ele tinha ouvido a língua falada pelos Cárpatos, através dos séculos, mas ele não deveria ter entendido as palavras de forma tão clara. — Veri olen elid. “Sangue é vida.” Sua respiração ficou presa na garganta. Ele entendeu. Falava muitas línguas, mas isso era tão antigo que não poderia ter aprendido. Por que estava entendendo isso agora? Nada fazia sentido, embora sua mente não estivesse tão confusa como tinha estado. Branislava apertou os dedos ao redor dos dele. Ele virou a cabeça e olhou para ela. Ela era tão linda que o deixou sem fôlego. Os olhos dela estavam em seu rosto e ele sentiu o olhar penetrar profundamente. Muito profundamente. Ela já estava marcada em sua mente. Ela estava chegando muito perto de seu coração. — Andak veri-elidet Karpatiiakank, és wake-sarna ku meke arwa-arvo, irgalom, han ku agba, és wake kutni, ku manaak verival, — Mikhail continuou. O poder de sua voz ecoou pela câmara, cru e elementar, chamando a atenção de Zev de volta para ele. Zev interpretou as palavras. “Nós oferecemos nossa vida para o nosso povo com um juramento de sangue de honra, misericórdia, integridade e resistência.” O que isso significa? Este era um ritual - uma cerimônia da qual se sentia parte - mesmo que não soubesse exatamente o que estava acontecendo. A presença de Fen e Dimitri era reconfortante para ele. Quanto mais tempo ele estava acordado, mais sua mente clareava. Os dois eram de sangue misturado, embora ambos tivessem nascido Cárpatos. Mikhail baixou a palma da mão sobre a ponta bem afiada da coluna vermelho escuro. Ao


11 mesmo tempo os cristais passaram de vermelho escuro para carmesim, como se o sangue de Mikhail os trouxesse à vida. — Verink sokta; verink kaqa terád. — a voz de Mikhail cresceu com o poder. Zev viu faíscas iluminarem a câmara. Ele franziu a testa sobre as palavras que Mikhail tinha proferido. “Nossos sangue se misturam e chamam por vocês.” Ele estava misturando seu sangue com algo poderoso, isso era evidente a partir da forma como as colunas em toda a câmara começaram a ganhar vida. Várias emitiam cores brilhantes, embora ainda muito silenciosas. — Akasz énak ku kaqa és juttasz kuntatak it. Zev interpretou novamente enquanto as colunas começavam a cantarolar. “Preste atenção a nossa convocação e se junte a nós agora.” Todas as colunas a sala se agitaram, os cristais multicoloridos se iluminando, jogando cores vivas e brilhantes no teto e nas paredes da câmara. As cores eram tão deslumbrantes, que Zev teve que proteger os olhos sensíveis. Carmesim, esmeralda, um belo safira, as cores assumiram o estranho fenômeno da aurora boreal. O zumbido ficou mais alto, e ele percebeu que cada um adquiriu uma nota diferente, uma intensidade diferente, o tom perfeito para seu ouvido. Ele não tinha notado que as colunas pareciam ser totens1 com rostos de guerreiros esculpidos no mineral, mas agora eles vieram para a vida, a cor acrescentando expressão e caráter. Zev soltou a respiração lentamente. Estes guerreiros estavam mortos há muito tempo. Ele estava na caverna dos mortos e Mikhail tinha convocado os antigos guerreiros para ele por algum propósito. Teve a péssima sensação de que ele fazia parte desse propósito. — Ete tekaik, sayeak ekaakanket. Cac3katlanak med, kutenken hank ekaakank tasa. Zev engoliu em seco quando ele traduziu. “Nós trouxemos antes vocês nossos irmãos, não nascidos de nós, mas irmãos da mesma forma.” Ele tinha nascido Lycan e serviu seu povo por muitos anos como um caçador de elite que viajava o mundo procurando e destruindo os lobos renegados que atacavam os humanos. Ele era um dos poucos Lycans que podia caçar sozinho e se sentir confortável e confiante fazendo isso. Ainda assim, ele era Lycan e sempre teria a necessidade de fazer parte de um bando. Sua própria espécie desprezava os de sangue misturado. Pouco importava que se tornasse sangue misturado prestando serviço ao seu povo. Ele foi ferido em centenas de batalhas e tinha perdido demasiado sangue. Guerreiros Cárpatos tinham mais de uma vez vindos em seu auxílio, como haviam feito da última vez. Zev olhou para cima para encontrar Fen de um lado dele, e Dimitri do outro. Os dois irmãos Da Cruz estavam de pé com o estranho entre eles. Gregori e seu irmão estavam de pé, um de cada lado de Gary, que agora estava se levantando com a ajuda de Gregori. Zev respirou. Não seria o único homem sentado sob seu traseiro, enquanto os outros estavam de pé. Ele estava se levantando ou morreria tentando. Zev soltou sua tábua de salvação, e no momento que fez quase entrou em pânico - outra coisa


12 que homens como ele não faziam. Não queria que ela desaparecesse. Seus olhos encontraram os dela.

Não me deixe. Ela lhe deu um sorriso que poderia permitir que um homem vivesse para o resto de sua existência com fantasias. Estamos amarrados juntos, Zev. Onde você for eu vou. Apenas os antigos

pode desfazer um entrelaçamento de espíritos. E disso que se trata?Ele não tinha certeza de que queria continuar se fosse. Nem mesmo o principe pode pedir tal liberação. Só eu. Ou você. Ela lhe deu a informação, mas ele tinha a sensação de que ela estava um pouco relutante. Isso lhe convinha muito bem. Não estava disposto a renunciar ao seu vínculo com ela ainda.

Fen, eu não tenho nenhuma roupa e eu quero ficar de pé. Eu não vou ficar deitado nesta sepultura, como um bebê. Pela primeira vez ele percebeu que estava absolutamente nu e Branislava esteve ao lado dele o tempo todo segurando sua mão, mesmo quando seu corpo tinha despertado para vida, ela não fugiu dele. No mesmo instante, ele estava limpo e vestido com calças leves e uma camisa branca imaculada. Ele lutou para ficar de pé. Fen e Dimitri o alcançaram ao mesmo tempo, impedindo-o de cair de cara no chão e fazer papel de bobo. Suas pernas eram de borracha, se recusando a trabalhar adequadamente. Para um Lycan isso era embaraçoso, mas para um caçador de elite era absolutamente humilhante. Mikhail olhou para ele e assentiu sua aprovação, ou talvez fosse alívio por ele estar vivo. Zev ainda não tinha certeza se ele estava aliviado ou não. — Aka sarnamad, en Karpatiiakak. Sayeak kontaket qamaqak tekaiked. Tajnak aka-arvonk és

arwa-arvonk. “Ouçam-me grandes Guerreiros. Trazemos esses homens para vocês, todos os guerreiros, merecedores de nosso respeito e honra.” Zev traduziu as palavras cuidadosamente duas vezes, só para ter certeza de que ele estava interpretando corretamente o discurso do príncipe com os antigos guerreiros. Gary, em pé entre os dois irmãos Daratrazanoff, endireitou os ombros, como se sentindo os olhos nele. Zev estava bastante certo de que de alguma forma, os espíritos dos mortos estavam observando todos eles, talvez julgando o seu valor. Cores giravam em vários tons e as notas misturadas como se os antigos guerreiros questionassem o príncipe. — Gregori, és Darius katak Daratrazanoffak. Kontak qamaqak sarnanak han agba nókunta

ekaankal, Gary Jansen, han ku olenot küm, kutenken olen it Karpatii. Han pohoopa kus Karpatiikuntanak, partiolenaka és kontaka. Sayeak hanet ete tekaik. “Gregori e Darius da grande casa dos Daratrazanoff reivindicam parentesco com o nosso irmão, Gary Jansen, uma vez humano, agora um de nós. Ele serviu nosso povo incansavelmente tanto em pesquisas como na batalha. Nós o trazemos ante vocês.” Zev sabia que além de realmente lutar ao lado dos Cárpatos, Gary tinha feito uma quantidade


13 enorme de trabalho para os Cárpatos, e viveu entre eles por vários anos. Era óbvio que todos os Cárpatos na câmara lhe tinham um grande respeito, como ele. Gary lutou tão valentemente quanto desinteressadamente. — Zacarias és Manolito katak Da Cruzak, kakta ena wakeva kontak. Kontak qamaqak sarnanak han agba nókunta ekaankal, Luiz Silva, han ku olenot jaquár, kutenken olen it Karpatii. Luiz manet en elidaket, kor3nat elidaket avio palafertiilakjakak. Sayeak hanet ete tekaik. “Zacarias e Manolito da casa dos Da Cruz, dois dos nossos mais poderosos guerreiros reivindicam parentesco com o nosso irmão, Luiz Silva, uma vez jaguar, agora Cárpato. Luiz salvou a vida de duas de suas companheiras. Nós o trazemos ante vocês.” Zev não sabia nada de Luiz, mas ele tinha que admirar alguém que pudesse conseguir que Zacarias Da Cruz alegasse parentesco. Zacarias não era conhecido por sua bondade. Luiz tinha que ser um grande guerreiro para se tornar parte daquela família dos Cárpatos. — Fen és Dimitri arwa-arvodkatak Tirunulak sarnanak han agba nókunta ekaankal, Zev Hunter,

han ku olenot Susiküm, kutenken olen it Karpatii. Torot palapala Karpatiikuntankal és piwtat és piwta mekeni sarna kunta jotkan Susikümkunta és Karpatiikunta. Sayeak hanet ete tekaik. “Fen e Dimitri da nobre casa dos Tirunul reivindicam parentesco com o nosso irmão, Zev Hunter, uma vez Lycan, agora Cárpato. Ele lutou lado a lado com o nosso povo e tem procurado trazer uma aliança entre os Lycan e os Cárpatos. Ele é sangue misturado como aqueles que reivindicam parentesco. Nós o trazemos ante vocês.” Não havia como confundir a tradução. Mikhail tinha definitivamente chamado o seu nome e indicado que Fen e Dimitri reivindicavam irmandade com ele. Ele certamente tinha o suficiente do sangue deles para que ele fosse um irmão. O zumbido cresceu em volume e Mikhail assentiu várias vezes antes de se virar para Gary. — É o seu desejo de se tornar totalmente um irmão? Gary assentiu sem hesitação. Zev estava bastante certo de que, como ele, Gary não foi preparado para esse momento. A resposta tinha que vir de dentro, no preciso momento da ação. Não havia nenhuma preparação. Ele não sabia qual seria sua própria resposta. Gregori e Darius, com Gary entre eles, se aproximaram da coluna de cristal, agora rodando um vermelho escuro. Gregori deixou cair à mão com a palma para baixo, sobre a ponta da formação, permitindo que o sangue fluísse sobre o do príncipe. — Coloque a mão sobre a pedra de sangue sagrada e permita que seu sangue se misture com o dos antigos e o de seus irmãos, — Mikhail instruído. Gary avançou lentamente, com os pés seguindo o caminho que tantos guerreiros tinha feito antes dele. Ele colocou a mão sobre a ponta afiada e permitiu que a palma da mão descesse. Seu sangue correu pela coluna de cristal, misturando com o de Gregori. Darius deslizou logo atrás dele, da mesma forma silenciosa e mortal de seu irmão, e quando Gary recuou, Darius colocou a palma da mão sobre a ponta da pedra, permitindo que seu sangue se misturasse com o de Mikhail, Gregori, Gary e dos guerreiros antigos que foram antes.


14 O zumbido ficou mais alto, enchendo a câmara. Cores rodaram, desta vez tendo como tons o azul, o verde e o roxo. Gary deu um pequeno suspiro e ficou em silêncio, balançando a cabeça como se estivesse ouvido alguma coisa que Zev não podia. Em poucos minutos, ele deu um passo para trás e olhou para o príncipe. — Está feito, — Mikhail afirmou. — Que assim seja. O zumbido cessou, todas as notas bonitas que criavam uma melodia de palavras que apenas o príncipe podia entender. A câmara ficou em silêncio. Zev tomou conhecimento de seu coração batendo rápido demais. Ele conscientemente respirou fundo e soltou o ar. A tensão e a sensação de expectativa cresceram. — É seu desejo, Luiz, de se tornar totalmente um irmão? — Mikhail perguntou. Zev deu um longo olhar para Zacarias e Manolito. Os irmãos Da Cruz eram bastante notórios. Assumir sua família como parentes seria assustador. Só um homem muito confiante e forte poderia concordar. Luiz inclinou a cabeça e caminhou até o cristal da pedra de sangue por conta própria, Zacarias e Manolito atrás dele. Claramente Luiz não tinha sido ferido. Ele estava em boa forma física e se movia com a fluidez de um gato selvagem. Zacarias perfurou a palma da mão primeiro, permitindo que seu sangue fluísse para baixo na pedra, se juntando com dos antigos guerreiros. Imediatamente o zumbido começou, um baixo chamado de saudação, de reconhecimento e de honra. Cores rodaram ao redor da sala, como se os antigos conhecessem Zacarias e sua reputação lendária. Eles pareciam saudá-lo como um velho amigo. Não havia nenhuma dúvida na mente de Zev que os antigos guerreiros estavam pagando tributo a Zacarias. Muitos provavelmente o conheciam. Quando o zumbido cessou, Luiz se aproximou da pedra e perfurou a palma da mão, seu sangue fluindo sobre o do mais velho dos Da Cruz. Manolito veio em seguida e fez o mesmo para que o sangue de todos os três se misturasse com o dos antigos guerreiros. Imediatamente o zumbido de aprovação começou novamente e as grandes colunas de estalagmites e estalactites se cobriram com as cores branca, amarela e vermelho brilhante. Luiz ficou em silêncio, muito imóvel, tanto quanto Gary ficou antes dele, e assim como Gary, Luiz assentiu várias vezes. Ele olhou para Zacarias e Manolito e sorriu pela primeira vez. — Está feito, — Mikhail murmurou num tom baixo de poder que parecia encher a câmara. — Que assim seja. A boca de Zev ficou seca. Seu coração começou a bater forte. Ele sentia a tensão se reunir em seu baixo ventre, formando grandes nós que não podia evitar. Havia aceitação aqui, — mas também podia haver rejeição. Ele não nasceu Cárpato, mas Fen e Dimitri estavam lhe oferecendo muito mais do que isso, — eles estavam lá por ele. Chamando-o de irmão. Se esses antigos guerreiros o aceitassem, ele seria verdadeiramente Cárpato e Lycan. Ele teria um bando seu próprio novamente.


15 Ele iria pertencer a algum lugar. O sentimento na grande câmara era muito sombrio. A eloquência dos mortos há muito tempo lentamente desapareceu, e sabia que era hora. Ele não tinha ideia do que faria quando perguntado. Nenhuma. Ele não estava até mesmo certo se suas pernas o levariam toda a distância, e ele não ia ser carregado para a pedra de sangue. — É seu desejo, Zev, de se tornar totalmente um irmão? — perguntou Mikhail. Ele sentiu o peso de cada olhar. Todos guerreiros. Bons homens que conheciam a batalha. Homens que ele respeitava. Seus pés queriam seguir em frente. Ele queria ser uma parte deles. Ele estava fisicamente imóvel, muito fraco. E se ele não estivesse à altura aos seus olhos?

Você não é fraco, Zev. Não há nada fraco em você Sua voz se moveu através dele como uma lufada de ar fresco. Ele não tinha percebido que ele estava segurando a respiração até que ela falou tão intimamente com ele. Ele soltou o ar, se preparou e fez o seu primeiro movimento. Fen e Dimitri ficaram perto, não apenas para levá-lo para a pedra de sangue, mas para ter absoluta certeza de que ele não caísse de cara no chão. Ainda assim, ele estava determinado que não fosse acontecer. Com cada passo que dava naquele chão de pedra gasto, ele parecia absorver os antigos que tinham ido antes dele. Sua sabedoria. Sua técnica na batalha. Sua grande determinação e senso de honra e dever. Ele sentia sua mente coletando as informações, mas não podia processá-las. Era um grande presente, mas não podia acessar os dados, e isso o deixou ainda mais preocupado que pudesse ser rejeitado. Em algum lugar, em algum momento, há muito tempo, ele sentiu que tinha estado nesta câmara sagrada. Quanto mais tempo ele estava ali, mais familiar parecia para ele. Quando ele se aproximou da coluna de cristal, seu coração acelerou ainda mais. Ele sentia o puro poder bruto que emana da pedra de sangue. A formação pulsava com poder, e cada vez que fazia, um degrau de cores, cordões de vários tons de vermelho, o sangue que ele sabia que tinha sido coletado de todos os grandes guerreiros que haviam desaparecido do mundo Cárpato, ainda que, por meio do príncipe, pudessem ainda ajudar seu povo. Mikhail entendida suas vozes através dessas notas perfeitamente combinadas. Fen baixou a palma da mão sobre a ponta da estalagmite. Seu sangue correu para a pedra sagrada. As cores mudaram instantaneamente, rodando com roxo profundo e vermelho escuro. Ele deu um passo para trás para permitir que Zev se aproximasse da coluna. Zev não ia dar para trás. Ou eles o aceitavam ou não. Em sua vida, não conseguia se lembrar de um único momento em que se importasse com o que os outros pensavam dele, mas aqui, na câmara sagrada dos guerreiros, descobriu que isso importava muito mais do que ele queria admitir. Baixou a palma da mão sobre a ponta afiada para que ela perfurasse sua pele e o sangue fluísse sobre o de Fen, se misturando com aquele que seria seu irmão, e com os grandes guerreiros do passado. Sua alma se estendeu ao encontro daqueles que tinham ido antes. Ele estava cercado, cheio de camaradagem, aceitação, pertencimento. Sua comunidade remontava a tempos antigos, e aqueles guerreiros de outrora gritavam para ele em saudação. Conforme eles fizeram, o fluxo de informações


16 em seu cérebro, aderindo a suas memórias, era ao mesmo tempo surpreendente e irresistível. Zev era um homem que observava todos os detalhes do seu entorno. Era uma das características que permitiram que se tornasse um caçador de elite. Agora, tudo parecia ainda mais nítido e claro para ele. O coração de cada guerreiro na câmara desde a antiguidade até os tempos modernos combinava com a batida do coração da terra. Sangue subia e descia em suas veias, combinando com o fluxo de sangue dos antigos dentro do cristal, mas também o fluxo e refluxo da água em toda a terra. Dimitri desceu a palma da mão sobre o cristal e, ao mesmo tempo, Zev sentiu a mistura de seu sangue, o parentesco que corria mais profundo do que a amizade. Sua história e a história deles se tornaram uma, que remontava a tempos antigos. Informação era cumulativa, se reunindo em sua mente a uma taxa rápida. Com isso veio à pesada responsabilidade de sua espécie. O zumbido cresceu alto, e ele reconheceu agora o que essas notas significavam - a aprovação, aceitação, sem reserva. Cores rodaram e riscaram por toda a sala. Os antigos guerreiros o reconheceram, reconheceram sua linhagem, e não apenas o sangue de Fen e Dimitri que reivindicavam parentesco, mas a sua própria, nascido de uma união não totalmente Lycan.

Bur tule ekamet kuntamak. As vozes dos antepassados encheram sua mente com saudações. “Bom nos encontrar, irmão.” Elaszjelabam ainaak. “Longa vida na luz.” Zev não tinha conhecimento de sua linhagem ser nada além de Lycan puro. Sua mãe havia morrido muito tempo antes, ele tinha memória dela. Por que esses guerreiros reivindicam parentesco com ele através de sua própria linhagem e não da de Fen e Dimitri? Isso não fazia sentido para ele.

Nossas vidas estão ligadas por nosso sangue. Eles falaram com ele em sua própria língua antiga, e ele não teve problemas para traduzir, como se a língua tivesse sido sempre uma parte dele e só precisava que os antigos preenchesse alguma lacuna em sua memória para que tudo se desenrolasse.

Não estou entendendo. Isso era um eufemismo. Ele estava mais confuso do que nunca. Tudo, incluindo a própria companheira, é determinada pelo sangue que flui em nossas veias. Seu sangue é Dark Blood. Você agora é de sangue misturado, mas você é um de nós. Você é kont o sívanak. “Coração forte, coração de um guerreiro”. Era um tributo, mas não dizia o que precisava saber.

Quem era minha mãe? Essa era a pergunta que precisava ser respondida. Se o sangue Cárpato já corria em suas veias, como foi que ele não tinha sabido?

A mãe de sua mãe era completamente Cárpato. Os Lycans a mataram por ser Sange rau. Sua filha, sua mãe, foi criada totalmente Lycan. Ela acasalou com um Lycan, e deu à luz a você, um Dark Blood. Você é kunta. “Família”, ele interpretou. De que linhagem? Como? Zev sabia que estava tomando muito mais tempo do que Gary ou Luiz, mas ele não queria deixar esta fonte de informação. Seu pai jamais deixou transparecer que havia qualquer vestígio de sangue Cárpato em sua família. Teria ele sabido?


17 Teria sua mãe mesmo sabido? Se a sua avó foi assassinada pelos Lycans pelo seu sangue misturado, ninguém jamais iria admitir que sua mãe fosse filha de um sangue misturado. A família a teria escondido dos outros. O mais provável é que o pai dela houvesse deixado seu bando e encontrado outro para protegê-la. O zumbido começou a desaparecer e Zev se viu se estendendo, precisando de mais.

Espere. Quem era ela? Está aí, em suas memórias, tudo que você precisa, tudo que você é. Sangue chama sangue e você está inteiro novamente. O zumbido desapareceu. —Está feito, — Mikhail disse formalmente. — Que assim seja.


18 Capítulo 2

Fen bateu Zev no ombro com força suficiente para fazê-lo estremecer. — Parece que sou seu irmão mais velho. Sabia que, eventualmente, haveria um lado positivo em te conhecer. Tenho outro irmão mais novo por perto para mandar. Dimitri gemeu. — Agora estamos ferrados. Ele vai desfilar por aí todo inchado. Ninguém vai ser capaz de viver com ele. Zev tentou não cair. Seu estômago latejava de dor. Pela primeira vez desde que foi tão gravemente ferido protegendo Arno, um dos membros do conselho Lycan, ele olhou para baixo, como se pudesse ver a ferida através da camisa branca que Fen tinha fornecido. Sua mão subiu para cobrir o local onde sentia como se tivesse um enorme buraco o rasgando. Meio que esperava sentir atravessar a carne através da camisa. As revelações dos antigos guerreiros eram quase demais para processar, assim como toda a informação que tinha guardada em sua mente. Oscilou de cansaço. Descobriu que mal conseguia pensar com a mente girando mais e mais tentando entender as coisas sobre ele que foram reveladas. Estaria em um estado de sonho? Isso seria real? Agora, só a dor parecia real. O resto parecia surreal. Seus dedos se fecharam no material da camisa em um punho e olhou em volta devagar, com cuidado, querendo ver apenas uma pessoa. Sua respiração ficou presa na garganta. Sentiu o lobo saltar para frente como se para protegê-lo. Ainda estava desorientado, e era impossível em seu estado atual processar a riqueza de informações agora impressa em seu cérebro. Achava difícil ficar em pé, muito menos pensar, e precisava dela. — Talvez você devesse se sentar, — Fen sugeriu, uma preocupação genuína em sua voz. — Estou feliz que você esteja vivo, Zev, mas podemos ter chamado você de volta um pouco cedo demais. — Ele olhou por cima do ombro de Zev, para o homem se aproximando dele por trás. Zev não achou que houvesse muita dúvida sobre isso. Não estava totalmente curado ainda. Mal conseguia controlar a sua temperatura corporal. Havia uma nota de culpa na voz de Fen que seu sangue misturado pegou quando sua mente parecia estar em todo o lugar. — Deve ter havido uma razão para me acordar. Ele sabia que o príncipe tinha chegando por atrás dele. Mikhail não fez nenhum som, mas a percepção do poder não podia ser confundida. Ele se virou para cumprimentar o príncipe dos Cárpatos. Antebraços de Mikhail segurou o de Zev no cumprimento dos guerreiros. — Você nos deu um tremendo susto, Zev. Não tínhamos certeza que conseguiria. — Nem eu, — Zev admitiu. Olhou ao redor da câmara. Precisava vê-la. Tocá-la. Onde ela estava? — Você precisa descansar Zev, — Mikhail disse. Como se ele não tivesse percebido isso por si mesmo. Por que você me acordou? ele


19 perguntou a Fen. — Dimitri e Fen se sentem mais confortáveis na floresta e ambos têm casas lá. Podemos te acomodar conforme sua preferência, floresta, montanha, ou mesmo a própria aldeia, mas você ainda precisa de cuidados, pelo menos até que esteja mais forte, — Mikhail continuou. Ele só queria uma pessoa preocupada com ele, e ela não estava mais na câmara.

Onde você está? Isso foi ele? Ele parecia possessivo, irritado mesmo que ela se atreveu a partir sem o seu conhecimento. Ele não queria que ela saísse de sua vista. — Obrigado, eu agradeço a oferta de uma casa. Ainda estou um pouco trêmulo. — Ele prendeu Fen com seus olhos cor de aço. Podia ter acabado de voltar dos mortos, mas sempre seguiu seu próprio caminho, lutou suas próprias batalhas e era uma força a ser reconhecida. Havia outro motivo para despertá-lo, antes que estivesse curado, além de apresentá-lo para o julgamento perante os antigos guerreiros.

Onde está você Branislava? Rosnou a questão uma segunda vez, exigindo uma resposta. Usando sua voz mais autoritária, a que não admitia recusa.

Eu preciso tranquilizar Tatijana que eu estou viva. Ela tinha a mesma voz perfeita e melódica, nem um pouco inalterada pela sua voz dominadora de líder de bando idiota de pavio curto.

Espere por mim. Ele se encolheu, se ouvindo. Soou como um ditador. Não pode evitar soar assim. Deveria ter sido um pleito, não uma ordem. Ela não fazia parte de seu bando, mas ele estava acostumado à obediência. Mesmo o conselho Lycan tomava a sua palavra como lei. Mas estava irritado por não entender por que era tão necessário tê-la com ele. Não fazia sentido para ele e até que fizesse, até que pudesse descobrir por que era tão importante mantê-la perto, ela não ia a lugar nenhum. Houve um pequeno silêncio - um distanciamento - como se ela tivesse estado em sua mente, mas agora tivesse se afastado dele. Seu coração fraquejou e ele esticou, alcançou incapaz de deixa-la ir. Ele tinha conhecimento dos outros homens na câmara falando ao seu redor, do gotejamento contínuo de água e o pequeno silvo das chamas, mas agora sua total concentração estava em Branislava. Queria que ela voltasse para ele, apesar de sua forma autoritária inoportuna. Na verdade, ele contou as batidas do coração, à espera de sua resposta. Se estivesse forte o suficiente, teria ido atrás dela. Sabia que podia seguir seu rastro. Poucos lhe escapavam uma vez que estava em sua perseguição. Ele a cheirou primeiro, aquela mistura de canela, especiarias e mel. No momento em que ela estava perto, ele aspirou seu perfume em seus pulmões e foi capaz de respirar plenamente de novo. Ele provou a mistura que era exclusiva dela, em sua língua e imediatamente a queria - não precisava.


20 Ele virou a cabeça para olhá-la. O impacto foi o mesmo que sempre foi quando olhava para ela. Ele não foi curado de qualquer feitiço sob o qual estava. Olhar para ela quase machucava de tão bonita que ela era.

Obrigado. Não sei o que deu em mim. Zev estendeu a mão para ela, precisando tocá-la fisicamente. Era estranho precisar de alguma coisa, muito menos contato físico. Ele ignorou as sobrancelhas arqueadas de Fen e Dimitri, ela não se moveu. Ele manteve sua mão estendida. Esperando. Não disse nada, apenas a deixou se decidir. Sua vontade de alcançá-lo. Branislava colocou a mão na sua. Seus dedos se fecharam em torno dela. Sua mão parecia pequena e frágil na dele. No mesmo instante tudo nele se assentou e sentiu inteiro. Completo. Isso era confuso também. Ele sempre conseguiu estar bem por conta própria. — Gostaria que você conhecesse Gary Jansen, — Mikhail disse. — Me lembro dele, — Zev disse. — Nosso último encontro foi durante a luta com o bando de renegados atacando todas as mulheres e crianças. Ele lutou como um demônio. Sem ele, não estou certo de que teria conseguiu superar aquela batalha. Conforme Gregori e Gary se aproximavam deles, Mikhail acrescentou, — Gregori é como uma velha mãe galinha fazendo estardalhaço sobre seu pinto. Agora que ele tem Gary para deixar louco, talvez eu tenha sorte e ele não fará tanto reboliço sobre mim. — Você não terá essa sorte, — Gregori atirou de volta, em nada perturbado pela alfinetada de Mikhail. Ficou claro que os dois homens eram velhos amigos. Mikhail deu de ombros, um pequeno sorriso iluminando seus olhos escuros e penetrantes. — Pensei que poderia ser o caso. Sempre se pode ter esperança. Era a primeira vez podia se lembrar de ver o príncipe, ou Gregori tão relaxado. Ele estava consciente de tudo agora, como se o seu sangue misturado tivesse aumentado todos os sentidos, como se tanto o lobo quanto Cárpato estivessem em alerta. O calor dentro da câmara. A água. O fato de que Gary Jansen e Luiz Silva eram ambos machos não comprometidos, em grande proximidade com Branislava. A respiração vaiou dele em um rosnado longo e lento sob sua respiração. Ele puxou a mão de Branislava, trazendo-a para mais perto dele. Não quero cair de cara no chão na frente do príncipe. Era uma explicação insatisfatória, mas a única que conseguiu pensar para explicar por que precisava dela perto dele. — É muito bom finalmente te conhecer Gary, — Zev disse em voz alta, oferecendo sua mão direita para um aperto. Gary estava muito pálido, mas parecia incrivelmente em forma para quem sofreu um ferimento mortal, em seguida morte e conversão. — Estou feliz que você conseguiu superar, — Gary disse. — Gregori me manteve atualizado sobre tudo o que estava acontecendo. — Ele fez uma reverência em direção Branislava, lhe oferecendo um sorriso. — É bom te ver andando por aí. Você está linda.


21 Bem ali naquela caverna sagrada, cercado por guerreiros muito perceptivos, Zev sentiu uma espécie de rosnando de raiva explodir por ele como um vulcão em atividade. Na verdade, viu tudo vermelho. Ondas carmesins envolvendo o ambiente, e em sua boca, sentiu os dentes se alongarem. Lutou contra a mudança, se recusando a permitir que seu lado do lobo se libertasse. Ele nunca experimentou tal emoção ou até mesmo uma com tal intensidade. O lado Cárpato de sua natureza parecia ser um pouco difícil de controlar. Ia ter que se acostumar com isso -e também havia o seu lobo. Duvidava que os antigos guerreiros e o príncipe fossem tão acolhedores com um lobo feroz rosnando. Ele olhou para Branislava para ver como ela recebia o elogio de Gary. O homem estava sendo honesto, não havia nada em seu comportamento que sugeriria qualquer outra coisa, mas ainda assim, Zev não achou que fosse adequado, quando estava segurando a mão dela, ter outro homem a elogiando. E fazendo reverência? Vamos lá. Ele era humano e não Cárpato. Se exibir era ridículo.

E sempre aceitável e apropriado para um homem dizer a uma mulher que ela é linda. Havia uma leve insinuação de diversão na voz de Branislava. — Obrigado, senhor, — ela disse de forma mais formal para Gary. E fazer uma reverência é muito cortês e sempre bem-vindo. Fen levantou uma sobrancelha para ele. Seu lobo está se mostrando. Fen nem sequer tentou esconder o riso sarcástico. Nada parecido a suave, gentil, tranquilizante pitada de diversão que Branislava tinha em sua voz. Zev lhe enviou um olhar de reprimenda. Forçou sua atenção de volta para Gary, determinado a conseguir sua atenção longe de Branislava. — Como você conseguiu entrar nesse grupo? — Eu era inimigo deles, — Gary admitiu. — Vi um ataque de verdadeiros vampiros e entrei para uma sociedade que caçava vampiros, exceto que eles não estavam realmente visando vampiros. Mais frequentemente eram as pessoas de quem não gostavam. Ajudei algumas pessoas a fugir, e Gregori estava lá para ajudá-los também, embora não soubesse disso no momento. Nós nos conhecemos. Isso foi realmente há alguns anos atrás. Minha vida era muito diferente. Eu era magro e tropeçava em meus próprios pés quando entrei. Em meus sonhos nunca pensei que poderia realmente lutar contra um vampiro e ganhar, mas ao longo dos anos, tive que aprender. — Mas você ainda assim tentava naqueles dias, — Gregori destacou. — Nunca lhe faltou coragem. — Pensei que você supostamente fosse um gênio, — Mikhail disse. — Ainda assim você escolheu se ligar ao Gregori. — Seu sorriso se alargou. — E a todo o resto de nós. — Bem, nunca posso dizer que minha vida é sem graça, — Gary disse, com um sorriso em resposta que desapareceu rapidamente. — Vocês deram a minha vida um senso de propósito. Gary não era magro agora. Estava em forma e forte, com o olhar de um guerreiro que tinha visto muitas batalhas, e provavelmente tinha. Ele era o ponto de apoio deles durante o dia quando os Cárpatos estavam no subsolo. — Sou Darius. — O homem que se parecia muito com Gregori se apresentou. — Gregori me falou muito bem sobre você. O que é raro para ele.


22 Zev conseguiu dar um sorriso. Cheirou uma mulher em Darius, e sabia instintivamente que ele tinha uma companheira. Soprou para longe a coceira que parecia vir e passar por cima de sua pele. — É bom conhecer você também. — Ele definitivamente foi despertado muito cedo. Sua ferida latejava e pulsava com dor. Não importa o quão duro ele tentasse afastá-la, a dor retornava. Zacarias Da Cruz, seu irmão Manolito e o recém-convertido Luiz se juntaram a eles. Luiz tinha a constituição de um Jaguar, compacto, com músculos rasgados e uma fluidez quando caminhava que não podia ser confundida. Manolito era como Fen, Dimitri e Zev, um sangue misturado. Zacarias examinou Zev, fez uma referência à Branislava sem dizer uma palavra para ela.

Veja agora isso é cortês. Gary pode ser capaz de aprender algumas coisas deste homem. A suave risada de Branislava se moveu por sua mente, mas ela não respondeu.

Zev apresse as apresentações, você está parecendo como se pudesse cair morto mais uma vez, Fen advertiu. Zev assentiu para Luiz, cerrando os dentes. Sentia-se como se pudesse cair morto também, mas isso era impossível agora. Dois machos não comprometidos estavam muito próximos de Branislava, e ambos estavam olhando para ela como se pudessem conversar com ela a qualquer momento. E precisamente por que diabos seria isso tão errado? O que deu nele? Articulações e músculos doíam. Sua pele coçava. Sua mandíbula parecia como se pudesse quebrar, e ele cerrou os dentes tentando afastar a necessidade de mudar. Seu lobo rondava mais perto do que nunca à superfície. — É bom finalmente conhecê-lo, — Luiz disse. — Já ouvi falar de você é claro. Zev tentou responder, mas o olhar de Luiz continuava se desviando para Branislava, e se ele apertasse as mãos ou tentasse falar, todos eles iriam conhecer o seu lobo. Como se soubesse que havia um problema, Zacarias deslizou suavemente entre Luiz e Zev. Ele não mudou a postura, mas definitivamente era uma ameaça. Em vez de recuar, o lobo alfa se levantou com um rosnado de desafio que Zev mal conseguiu reprimir.

Porque é que o seu lobo está tão perto? Dimitri perguntou. Posso sentir que você está lutando contra ele. Ele deu um passo mais perto de Zev, se movendo para seu outro lado protetoramente. Eu não sei, mas ele quer sair e ele está procurando uma luta. Zev. Gregori alcançou tanto Dimitri quanto Fen também, uma vez que estavam agora vinculados a Zev. Ele sabia que todos os três poderiam ouvir. Seus olhos mudaram de cor e você está exalando um cheiro muito perigoso. Devo remover o príncipe? Zev respirou fundo para tentar manter o controle do lobo furioso por sair. Ele via as imagens em faixas coloridas de calor e cintilando. Ele identificou os corações de cada pessoa na sala. Ouviu-os, alto e forte, chamando por ele.

Gregori, Zev está gravemente ferido, Fen lembrou. Ele mal consegue ficar em pé. Ele é perigoso, um dos homens mais letais que eu já conheci, e não há como pará-lo. Ele vai


23 lutar até que esteja morto. E vai levar tantos com ele quantos puder. Zev desejou poder tranquilizar todos eles, mas não tinha certeza de nada mais do que um rosnado ou grunhido sairia de sua boca. Concentrou-se em tentar respirar, mas parecia como se cada respiração que ele puxava continha fogo e seus pulmões queimavam, adicionando a necessidade de mudar. Ele manteve a cabeça baixa, sabendo que se Gregori e Zacarias podiam ver o lobo subindo, os outros guerreiros nas proximidades também poderiam. Branislava se aproximou dele, quase protetora, deslizando sob seu ombro. Esse pequeno movimento pareceu apaziguar seu lobo o suficiente para ele respirar. Infelizmente, esse pequeno movimento da parte dela chamou imediatamente a atenção dos homens ao seu redor, incluindo a de Luiz, que não conseguia parar de olhar para ela. Um grunhido de advertência escapou antes que pudesse detê-lo. Mikhail olhou para ele e depois para Branislava especulativamente.

Tire-me desta situação agora Fen. Não sei o que está errado, mas se esse homem continuar olhando para ela desse jeito, não serei capaz de me impedir de ataca-lo. Admitir essa debilidade quando sabia que Branislava podia ouvir era uma das coisas mais difíceis que já fez. Fen não hesitou. — Zev precisa descansar agora. Ele foi despertado muito cedo por necessidade, — ele anunciou. — Odeio interromper as curtas apresentações, mas ele precisa sair agora. — Ele indicou a camisa de Zev. Zev seguiu seu olhar para a mancha vermelha se espalhando amplamente sobre o material branco. Ele cobriu com a mão. Sua palma veio coberta de sangue. Mikhail assentiu e se afastou. Fen liderou o caminho para o exterior da câmara, com Dimitri logo atrás de Zev e Branislava. No momento em que eles estavam fora da vista dos outros, Fen interrompeu. — Vou tirar você daqui, Zev. Você não pode andar toda a distância e não pode mudar agora. — Ele indicou o sangue. — Isso é genuíno. Não o coloquei aí. Seu lobo veio muito próximo à superfície e seu corpo não vai aguentar a mudança ainda. — Você vai me dizer o que está acontecendo? O que está acontecendo comigo? — Zev exigiu. Ele tinha tido o suficiente de intriga e seu estranho comportamento.

Deixe-os te levar para casa, Branislava disse. Posso atender a sua ferida. Preciso saber o que está acontecendo. Ele tentou não rosnar a demanda, mas saiu dessa forma, apesar de seu melhor esforço.

Preciso curar sua ferida.. Ela não vacilou na cara do lobo. Usou sua voz suave e melódica que poderia fazer alguém se ajoelhar. Mesmo seu lobo parecia responder, cedendo o suficiente para que ele pudesse fazer o que ela pediu. Ele xingou baixinho, mas acenou para Fen. Fen não esperou para ver se ele mudava de ideia. Agarrou Zev e o levou através das cavernas, passando pelas câmaras inferiores e superiores com uma velocidade surpreendente. As cavernas que levam até a câmara sagrada eram realmente quilômetros


24 de intricada rede de passagens, um verdadeiro labirinto, mas Zev sabia instintivamente que ele poderia encontrar o caminho de volta, apesar da rápida ascensão. A velocidade retorceu pelo seu corpo, mas ele não protestou, querendo obter respostas o mais rápido possível. Eles irromperam por uma abertura entre as rochas que parecia não mais do que uma simples rachadura quando ele olhou para trás. Branislava, com Dimitri logo atrás dela, emergiram depois deles.

Em que direção, Zev? — Fen perguntou. Leve-me para a casa na floresta. Ele precisava da familiaridade das árvores e ao ar livre. Ele era Lycan e a floresta sempre seria sua primeira escolha. A terrível necessidade de mudar, aquele lobo furioso rosnando, tinha recuado, mas o retro gosto era um golpe para seu orgulho. Ele quase perdeu o controle na frente de todos - e ele era um mestre do controle. Nem uma única vez em todos os seus longos anos já tinha chegado tão perto. Sabia que era um homem perigoso. Era Lycan, nascido em uma época em que eles ainda caçavam presas. Havia conseguido superar a fome. Era capaz de lutar sem um bando. Negociou a paz entre os bandos. Perder o controle era terrível, quase além de sua compreensão. A floresta estava fria e fresca quando entraram. O cheiro de árvores antigas ajudou a acalmar seu lobo. Ele inspirou o ar, absorvendo aromas familiares. Ele estava ciente de todos os seres vivos a poucos quilômetros. Estava em casa. A casa era pequena, construída de pedra, como tantas na área. Esta era no meio da floresta, longe de todos os outros. Lobos habitavam este território, e ele imediatamente sentiu uma afinidade com eles. Não foi surpresa para ele pegar o cheiro de Dimitri, muito fraco, misturado com a da companheira de Dimitri, Skyler. Eles estiveram correndo com os lobos, em algum momento no início da noite. Fen não o soltou até que eles estavam dentro da casa de pedra. Ele o colocou sobre a cama que já tinha sido preparada. Os aromas de Tatijana, companheira de Fen, e Skyler estavam por toda parte. Fen as tinha avisado e elas deixaram a casa acolhedora para ele. Ainda assim, foi significativo que nenhuma delas estivesse presente. Branislava colocou a mão em seu peito, indicando para ele se deitar. Ele colocou sua mão sobre a dela, só por um momento, enquanto se deitava em cima da cama. A palma dela estava direta sobre o seu coração e seu toque parecia ir direto para ele.

Sei que algo está errado comigo, mas nunca te machucaria. Tanto quanto ele tinha certeza. Poderia ser a única coisa que ele sabia com certeza.

Nunca pensei que faria. Ela puxou a mão de debaixo da dele para pegar as bordas de sua camisa e a rasgar. Ele fez uma careta quando viu a ferida. Era uma feia bagunça, o buraco muito maior do que previra. As bordas estavam remendadas de dentro para fora, mas tinha um longo caminho a percorrer. Branislava virou a cabeça para olhar para Fen e Dimitri. Zev percebeu que ela estava zangada - não com ele - mas com eles. Ela se virou para ele, seu toque suave conforme colocava as duas


25 mãos sobre a ferida. Ele sentiu o calor em seu toque, que pareceu ficar mais quente.

Você precisa ir para o chão, Zev. Esta ferida precisa cicatrizar. Preciso saber o que está acontecendo. Gregori disse que eu era um homem perigoso, e ele falou a verdade. Não posso perder o controle. Não posso permitir que meu lobo tome o controle de mim em qualquer situação. Branislava suspirou e afundou na cama ao lado dele. Quando ela levantou as mãos, elas estavam livres do sangue dele e sabia que não estava mais sangrando. — Somos companheiros, — ela anunciou. Ela não parecia feliz com isso. Franziu a testa e se sentou lentamente. Intrigado, olhou para Fen para uma explicação. Fen balançou a cabeça, segurando ambas as mãos para cima. — Não sei o que aconteceu Zev. Quando você estava tão gravemente ferido, todos nós lutamos por sua vida. Ninguém queria te deixar, mas você estava tão longe e havia muito pouco tempo... — Ele parou, encolhendo os ombros de novo. — Entrelacei meu espírito ao seu, — Branislava confessou. — Era a única coisa que pude pensar em fazer para evitar que você morresse. Você não iria se me levasse com você. — Você disse que qualquer um de nós poderia desfazer essa trama, — Zev lembrou. Ela balançou a cabeça lentamente. — Isso é verdade. Mas não vai nos liberar completamente. — Ela olhou para suas mãos. — Eu soube quando te vi pela primeira vez. — Isso é impossível, — Fen disse. — Ele era Lycan primeiro. Como pode um Lycan ser companheiro de uma Cárpato? Uma Caçadora de Dragões? — Não sei o por que disso, só que é assim, — Branislava respondeu. — Tudo bem, — Zev disse baixinho, percebendo que ela estava aflita. Ele estava começando a ser capaz de lê-la. — Agora, o que acontece? — Agora, um pouco do que os antigos lhe tinham dito sobre como tudo era sobre o sangue estava começando a fazer sentido. Eles o chamavam de “Dark Blood”, não de sangue misturado. Ele era ambos. O coração dela batia muito rápido no momento que admitiu que ela era sua companheira. Ele estendeu a mão e pegou a mão dela. — Você não tem nenhuma razão para me temer. O que quer que essa coisa entre nós seja, me diga o que você quer fazer. Nunca iria te forçar a nada. Fen passou as mãos pelos cabelos, e Dimitri se virou para olhar para fora da janela, para a noite. A carranca de Zev aprofundou. — Claramente vocês não estão me dizendo algo que preciso saber, — Zev disse. — Basta falar. — Até que você a reivindique, até que ela seja plenamente sua, você vai luta pelo controle. Seu lobo vai subir a qualquer momento que um homem esteja perto dela. Você acha que é perigoso agora, mas espere até que passe um pouco de tempo e ela apenas esteja fora de seu alcance. A loucura pode se estabelecer. Você é sangue misturado, o que significa que tanto o seu lobo quanto


26 seu Cárpato vão dirigi-lo para mantê-la segura, — Fen explicou. — Dimitri não reivindicou Skyler por anos, — Branislava apontou. — Tatijana me contou tudo sobre isso. — Era uma situação diferente, — Fen disse. Prendendo Branislava com um olhar severo. — Muito diferente, e você está bem ciente disso. Soltou o fôlego lentamente, forçando seus anos de disciplina vir em seu auxílio. Isso foi tudo que Zev pode fazer para não pular de onde estava e atacar Fen, apenas pelo tom que usou e o olhar que deu a Branislava. — Não faça isso com ela, — ele disse, mantendo a voz baixa. — Nada disso é culpa dela. Como qualquer um de nós poderia saber o que aconteceria? — Nós precisamos de você agora, — Fen disse. — Você tem que estar 100 por cento. Mais dois membros do conselho chegaram esta noite, e há mais Lycans em nossa aldeia do que temos Cárpatos. Tentar matar todos os homens em estreita proximidade com Branislava não faz bem para a diplomacia. Branislava estremeceu como se Fen a tivesse golpeado. Cada instinto de proteção de ambas as espécies aumentou em Zev como um foguete explodindo. Seus dedos se fecharam na grossa colcha na cama, escondendo as garras curvadas tentando estourar nas extremidades. — Fen, acho que seria melhor se você nos deixasse por agora. — Zev conseguiu pronunciar as palavras, sem rosnar. — Precisamos resolver as coisas entre nós dois. Fen suspirou. — Peço desculpas Branislava. Zev está certo, nada disso é culpa sua. Como qualquer um de nós poderia saber que isso ia acontecer? — Eu sabia, — Branislava admitiu num tom baixo. — Quando o vi lá no baile. Quando ele me tomou em seus braços. Eu sabia, assim como sei que devemos completar o ritual de vinculação. Zev balançou a cabeça. — Nós vamos conversar sobre isso e descobrir juntos. Fen está certo, sou extremamente letal. Recuso-me a mentir para você sobre isso, mas ninguém, muito menos eu, vai te amarrar a um homem que você não quer. — Esse é o seu Lycan falando, — Dimitri disse, — não o seu Cárpato. Branislava tentou um pequeno sorriso. — Eu já nos amarrei juntos lembra? Nossos espíritos permanecem entrelaçados. Onde você for eu vou. — Mas podemos desfazer isso, — Zev lembrou. — Você mesma me disse isso. Você não está presa, porque é assim que você está se sentindo, não é? Fen e Dimitri fizeram um movimento como se quisesse ir, mas Branislava levantou a mão. — Preciso saber por que você insistiu em acorda-lo prematuramente. Isso é importante para quaisquer decisões que tomarmos aqui. — Zev é a única pessoa que o Conselho Lycan ainda confia. Nós não temos nenhuma ideia de quem é amigo ou inimigo. Ele conhece a política Lycan e está ciente das personalidades e cada intriga


27 que essas pessoas podem tentar. A aliança não é mais tão importante quanto descobrir quem é o nosso inimigo verdadeiramente. Zev é a pessoa que pode fazer isso. — Os membros do conselho são amigos, — Zev disse. — Passei a minha vida os protegendo e reforçando suas leis. Não posso simplesmente mudar de lado. — Ele passou a mão pelo cabelo. Era grosso e longo, indomável e caia ao redor de seu rosto, em vez de estar puxado para trás como normalmente usava. — Você ainda os estaria protegendo. Você sabe que assassinos estão tentando matá-los. Eles estão numa situação de risco, assim como o príncipe está. Esperamos que você descubra isso e mantenha todos eles vivos, — Fen apontou. Dimitri balançou a cabeça. — Você é verdadeiramente nosso irmão. Nosso sangue corre em suas veias. Nós três estamos atados juntos em um laço de sangue. Nós nunca teríamos arriscado a sua cura, a menos que a situação fosse desesperadora. A mão de Branislava rastejou em direção a sua, lentamente deslizando as pontas dos dedos sobre os nós dos seus dedos, onde os punhos ainda estavam fechados na colcha. Zev sentiu mais tensão ser drenada. Pelo menos ele sabia porque estava tão bagunçado. Encontrar como controlar isso poderia ser difícil, mas agora que sabia a razão seu lobo estava beirando a estar fora de controle, estava certo de que tinha a disciplina necessária para superar sua reação instintiva a outros machos perto de Branislava. — Vou ser honesto com vocês dois, não tenho certeza que estou pronto para o desafio ainda. Mal posso ficar de pé, muito menos proteger os membros do conselho. — Ele detestava a admissão, mas tinha que ser direto com eles. Poderia acabar por ser uma deficiência se contassem com ele. — Poderia conseguir todos mortos se não posso me garantir em uma luta. Você não pode estar preocupado sobre se posso ou não me proteger. Fen assentiu. — Nós estamos cientes disso. Mikhail disse que você ia dizer isso. Ele quer que você considere permitir que ele, com Gregori, te curem. Branislava engasgou. Ela virou a cabeça para olhar para Fen. — Isso não é feito. Você sabe disso. Até eu sei disso. — É claro que isso é feito, — Fen disse. — O príncipe é o homem mais poderoso que temos. — É por isso que não é feito. Vamos tentar de novo. Skyler é uma poderosa curadora. Somos Caçadoras de Dragões, o próprio Gregori pode nos ajudar. — Todos vocês já tentaram, Gregori inclusive, — Fen argumentou. — Ele era Lycan, eles regeneram muito rápido. Ele é sangue misturado e eles regenerar ainda mais rápido. Ele não está curando, e você sabe disso. — O ferimento foi muito grave, — Branislava admitiu, sua voz suplicante. Zev virou a mão e tomou a dela, colocando a palma sobre o coração. — Não fique chateada. Vou curar. Sempre curo. Ela balançou a cabeça e olhou para seu colo.


28 Fen suspirou novamente. — Na verdade, Zev, você deveria estar morto. Ninguém poderia ter curado a ferida. Tecendo seus espíritos juntos, ela enganou a morte, por assim dizer. Ela sabia que você não iria para o outro mundo e a obrigaria a ir com você. Zev deu de ombros. — Não dou a mínima para como foi feito. Tanto quanto estou preocupado ela foi mais do que corajosa, apostando em mim quando todos vocês acreditavam que eu iria morrer, que eu devia morrer. Estou aqui. Estou vivo. Ele pegou o queixo de Branislava na mão e inclinou a cabeça dela para cima, forçando-a a olhar em seus olhos. —Vamos fazer isso juntos. Nós vamos descobrir quem está por trás de tudo isso e, em seguida, eu prometo, vamos resolver as coisas entre nós. — Você pode ter que resolver as coisas entre vocês antes de descobrir quem está por trás dessa bagunça, — Dimitri murmurou baixinho. Zev lhe lançou um olhar de repreensão. — Não dê ouvidos a ele. O que há entre nós é apenas isso - entre nós e mais ninguém. Entendeu? Branislava balançou a cabeça, lhe dando um pequeno sorriso que fez seu coração ir de 0 a 100 em um segundo. — Me conte sobre este processo de cura com o príncipe e porque ele tão raramente o faz. — Zev desviou o olhar de Branislava e olhou diretamente para Fen, se recusando a permitir que ele contornasse a questão. — Um ou outro pode curar como qualquer outra pessoa. Gregori é conhecido por ser um dos nossos melhores, — Dimitri disse, quando seu irmão permaneceu em silêncio. — A combinação de Mikhail e Gregori é mais parecida com uma bomba nuclear disparando. Se eles não são precisos, se faltar um pequeno cálculo, levar o calor muito alto ou... — Entendo, — Zev disse. Ele suspirou e bateu de forma ritmada com a palma de Branislava sobre seu coração, enquanto considerava suas várias opções.

Não é feito porque é considerado muito perigoso. O buraco em suas vísceras doía, uma constante lembrança latejante da enorme estaca de madeira arremessada para dentro dele como uma bomba, uma vez que despedaçou uma mesa. Ele realmente preferia não se lembrar de como aquela enorme lasca quase tão grande quanto seu punho atravessou seu corpo.

Quanto tempo antes de eu curar naturalmente na Terra? Houve um pequeno silêncio. Ele virou a cabeça para olhar para ela, trazendo as pontas de seus dedos à boca. Ele usou a ponta de seus dentes para raspar ao longo das pontas de seus dedos, esperando por sua resposta.

Os lobos são muito orais, não são? Era a última coisa que ele esperava que ela dissesse. O riso brotou do nada. Ele não ria como regra, e doía demais fazer isso, mas não se conteve.


29 Sim, acho que nós somos. Diversão adornou seus olhos verdes brilhantes como esmeraldas. Eu gosto que você tenha

senso de humor. — Eu descobri, estando perto de Fen e Dimitri, que preciso de um bom senso de humor, — ele respondeu em voz alta, erguendo as sobrancelhas para os dois homens alegando parentesco com ele. — Você é um arruaceiro de momento, — Fen disse. Ele cruzou os braços sobre o peito e apoiou um quadril contra a parede. — Você me diz o que quer fazer nesta situação. Se você preferir ter tempo para se curar naturalmente na terra você vai se curar — eventualmente. Você é Cárpato e você é forte. Pode levar meses, até um ano, mas você vai se curar.

Meses? Um ano?Branislava estava no chão com ele. Ela saberia se ou não aquela ferida estava curando rapidamente ou lentamente.

Em minha opinião você está curando muito rapidamente para uma ferida tão mortal, mas Fen está certo, pode levar vários meses, provavelmente mais. Você não deveria ter sobrevivido. Zev suspirou. — Mikhail pediu para vocês me acordarem? Ou isso foi sua ideia? Fen pareceu desconfortável, mas não respondeu. — Fen argumentou por dias não para te tirar da Terra, — Dimitri disse. — Mikhail e Gregori insistiram que era imperativo. Ambos acreditam que sem o seu conhecimento dos Lycans e do Conselho não temos uma chance de evitar uma guerra aberta, e muito menos garantir uma aliança real. Zev mordeu suavemente as pontas dos dedos de Branislava enquanto considerava as várias possibilidades. Esta mulher se sentou em silêncio ao seu lado, contemplando mudar toda a sua vida para se tornar a companheira de um virtual estranho para impedi-lo de matar todos os homens solteiros que se aproximassem dela. Dever. Ele suspirou. Passou mais de uma vida cumprindo seu dever ao seu povo. Quando isso terminaria? Ele estava extremamente exausto.

Você não é totalmente um estranho. Havia aquela pequena nota de humor em sua voz. Ele percebeu que ela raramente falava em voz alta, preferindo falar somente para ele. Ele tinha notado isso, a única vez que eles dançaram juntos, que outros Cárpatos tinha se reunido em torno dela, mas eles tinham feito a maior parte da conversa. Ela era muito calma, quase dócil, mas sua natureza não era nada passiva. Por baixo daquela superfície fria, tranquila estava uma mulher ardente, apaixonada, tão feroz quanto qualquer guerreiro com que ele tinha lutado. Ele sabia, porque tinha visto seu dragão. Brilhantes escamas rubras com as extremidades douradas, foi uma visão no céu. Ele estava em sua mente e viu essa vontade de ferro, afiada nas cavernas de gelo onde seu pai a mantinha prisioneira. Seu coração bateu forte quando ele fez essa conexão. É claro que ela poderia pensar que ser forçada a se tornar sua companheira seria uma forma de prisão. Como não poderia? Ela ansiava por liberdade e, no entanto, no momento em que emergiu, quase no mesmo dia, ela o encontrou e soube


30 que eles eram companheiros. — Chame Mikhail e Gregori, vou fazer isso, — ele disse, tomando sua decisão. Ao lado dele, ela enrijeceu, mas não disse nada.

Você sabe que não há outra escolha para mim. Se há uma chance de que possa evitar derramamento de sangue, tenho que tentar. Fen se endireitou, sacudindo a cabeça. Era evidente que ele não estava mais feliz do que Branislava, mas ele fez o seu dever, como ela faria, assim como ele escolheu fazer. Zev deu de ombros. —Nós somos guerreiros, Fen. É o que fazemos. Quem somos. Fen assentiu. — Eles estão correndo um risco muito grande com a sua vida Zev. — Para Mikhail considerar fazer uma coisa dessas, sabendo que Branislava se amarrou a mim, ele tem que ter boas razões. Ele é o nosso príncipe, aceite isso quando escolhi a irmandade. Jurei proteger o Conselho e tenho uma necessidade de ajudar aqueles que são o meu povo também. Ele queria estar na terra fria e não pensar mais. Ele tomou sua decisão. — Vou pedir a Mikhail que consiga que os antigos liberem nossos espíritos entrelaçados, — ele acrescentou para Branislava. — Apenas no caso de algo dar errado.


31

Capítulo 3

Branislava abruptamente soltou a mão de Zev e se levantou, se afastando dele e cruzou o quarto para olhar pela janela. Ela irradiava magoa. Seu cabelo longo, grosso tinha mexas vermelho-fogo sobre os fios vermelho-ouro. Ele teve um vislumbre daqueles olhos verdes, agora mudando de cor, aprofundando para um intenso verde azulado como o mar profundo. Tempestuoso. Turbulento. Ele jurou que podia ver faíscas piscando no ar em torno de seu corpo enquanto ela estava de costas para ele. Fen e Dimitri deram um passo atrás, e Fen levantou a mão.

Essa é a nossa deixa para sair. Dizemos a Mikhail sua decisão. Se conseguir sair desta vivo, Fen acrescentou, voltaremos na próxima elevação e o levaremos para a caverna de cura.. Dimitri riu. Você tem muito a aprender sobre as mulheres Zev. Ela não é a coisinha submissa

que você pensou, não é? Ele nunca tinha pensado em Branislava como submissa - exatamente. Ele tinha visto aquele dragão de fogo dela e soube que ela era uma guerreira feroz. Mas, tudo bem, talvez ele tivesse sido um pouco arrogante pensando que poderia tomar decisões - todas as decisões. Ele era particularmente bom em tomar decisões, dar ordens e fazer com que todos o seguissem. — Fen, antes de ir, o que é um “Dark Blood”? O que significa isso? — No momento que Zev pronunciou a pergunta em voz alta, a sala ficou em silêncio. Imóvel. Mesmo os insetos cessaram seu zumbido constante. Fen e Dimitri se viraram lentamente da porta para olhar para ele. Branislava se virou e encostou-se à parede, com os olhos arregalados. — Onde você ouviu esse termo? — Fen perguntou, retornando para o meio da sala. — Na câmara quando os antigos falaram comigo. O que isso significa? — Ele franziu a testa para a reação deles. — Tem alguma coisa errada? Mikhail deve ter os ouvido falando. Fen balançou a cabeça. — Mikhail os convoca e pode entendê-los, mas quando falam com a pessoa que se mistura com o sangue deles, é privado, só entre você e eles. Como vieram a usar o termo Dark Blood? Zev hesitou em responder. Não precisava de mais uma má notícia. A guerra estava se armando e esperavam que ele a detivesse. Sua mulher estava chateada com ele, e ele estava encarando a possível morte na noite seguinte. Pior do que tudo isso era a dor que o sacudia cada vez que respirava. Branislava se moveu, chamando a sua atenção. Ela estava usando roupas modernas, mas muito femininas. Tudo nela era feminino. Só de olhar para ela ajudava a drenar a tensão de seu corpo. Ela era a mulher mais linda que já vira em sua vida. Quando ela falava, ouvia a música em sua voz. Quando ela se movia, ouvia o fluxo da água, essa conexão com a própria Terra.

Eu não queria te magoar Branka. Estou cansado. Ele estava tão extremamente cansado que


32 pensava em apenas em se deitar ali na cama e se deixar escapar da dor persistente. Mas isso não é

desculpa para não pensar antes de falar. Vamos falar sobre o entrelaçamento de espíritos quando estivermos sozinhos. Ele ficou maravilhado com a sua capacidade de soar tão doce quando estava estabelecendo a lei. Havia um tom de absoluto aço em sua voz musical. O som disso fez querer sorrir. Ele era um alfa, foi reconhecido como alfa, mesmo quando criança. Poucos no poder já o enfrentaram, mas aqui estava uma mulher pequena, com pele de porcelana e enormes olhos verdes, dando-lhe o olhar sob cílios espessos que dizia que ela falava sério. — Zev. Eu preciso saber, — Fen insistiu. — O que exatamente eles disseram para você? — Entendi que você disse que a conversa com os antigos era para ser privada, — Zev rebateu.

Você sabe o que significa Dark Blood? ele perguntou a Branislava. Ele preferia muito mais que ela desse más notícias para ele do que Fen, se fosse ruim. Os antigos tinham o acolhido, não rejeitado. Se ser um Dark Blood fosse ruim, com certeza eles não o teria chamado família. Ela deu o mais leve aceno de cabeça. Ouvi Xavier falar de caçar um Dark Blood, mas tanto

quanto eu sei, ele nunca encontrou um e eu não tive ideia do que era.. — Porra, Zev, você tem que ser tão teimoso? — Fen questionou bruscamente. — Somos seus irmãos. Somos sangue misturado, como você. Estamos sob essa mesma sentença de morte que os Lycans distribuem sempre que encontram um de nós. Você realmente acha que nós, de repente iramos por outro caminho e te mataríamos sobre algo que você e os antigos falaram? — Ele está me xingando, — Zev salientou para Dimitri com um pequeno sorriso. Ele teria rido, mas doeria mais. — Sim, ele faz isso às vezes. Ele acha que está tudo bem agora, porque você é o irmão mais novo, — Dimitri disse, com um sorriso de resposta. Ele deu de ombros. — O melhor é o ignorar. Xingar o faz acreditar que vai nos intimidar a fazer tudo o que ele quer que façamos. Zev assentiu. — Entendo. Acho que temos que deixá-lo pensar que ele está nos liderando. — Se não fizermos isso, ele fica amuado, — Dimitri disse. — Basta responder a ele para que ele não venha como um touro bravo sobre nós. Estou saindo em poucos minutos para ir caçar com Skyler. Nós temos nossos próprios lobos. — Ele se virou e levantou a camisa para mostrar a tatuagem de dois lobos olhando para Zev. — Estamos aprendendo a caçar vampiros com eles. É muito mais divertido do que ouvir o Big Brother1 dar sermões. — Legal, — Zev disse. — Eu concordo. Preferiria estar fazendo qualquer coisa a ter um sermão de Fen. — Continuem assim seus dois palhaços. Esses seus lobos não pode protegê-lo de mim Dimitri, e você estará curado mais cedo ou mais tarde, Zev, — Fen ameaçou. — Será mais cedo, — Zev disse. — Deixarei Mikhail fazer uma tentativa com isto e ver o que ele pode fazer. Não posso confortavelmente deixar a diplomacia para você. — Ele contou as batidas do coração. Cinco delas. — Os antigos me chamaram de Dark Blood. — Ele franziu a testa.


33 — Não fez sentido para mim. Disseram que eu era de sangue misturado agora, mas eu era Dark Blood. Tentei descobrir o que eles queriam dizer, mas eles pareciam acreditar que eu sabia. Fen e Dimitri trocaram um longo olhar. — Não entendo. Dark Blood é uma linhagem. Como Dragonseeker. Como Dubrinsky. Nomes mudam, mas a linhagem permanece a mesma. Dark Blood é a linhagem mais antiga que temos, e não há mais. Nosso último casal foi perdido séculos atrás. Eles tinham um bebê com eles, e quando o príncipe ouviu falar de sua morte, ele enviou guerreiros para tentar encontrar o bebê, uma menina, mas chegou à conclusão de que ela foi morta pelo vampiro que abateu seus pais, — Fen explicou. — O que mais te disseram? — Dimitri perguntou. — Que minha avó se tornou sangue misturado e quando seu bando descobriu, eles a mataram. Ela tinha uma filha, um bebê na época. Meu avô pegou o bebê e desapareceu, foi para outro bando, e essa criança, minha mãe, foi criada como Lycan. Sei que ela morreu no parto. — A única maneira que sua avó poder ter sido sangue misturado seria se ela fosse Cárpato e acasalou com um Lycan. Não haveria possibilidade de ela se tornar Sange rau. As mulheres não se tornam vampiros, — Fen disse. — Então, sua avó poderia ter sido a filha dos últimos Dark Blood, que foram mortos, — Dimitri disse. — Me lembro daquele tempo. Foi há muito tempo, e nós lamentamos a perda daquele casal. Eles eram... extraordinários. — Ele era um guerreiro além que qualquer um de nós tinha conhecido, — Fen acrescentou. — Todo mundo o admirava. Ela era igualmente forte. Eles eram muitas vezes chamados como “coração forte” ou “coração de um guerreiro”. Quando estudamos técnicas de batalha, eram sempre as suas técnicas, suas estratégias. — Eles se tornaram lenda, — Dimitri disse. — Ninguém conseguiu descobriu como um vampiro poderia tê-los matado. — Deve ter sido durante o tempo em que os Lycans estavam sendo dizimados pelo Sange rau, — Zev arriscou. — Teria de ser para os Lycans assassinarem minha avó. De que outra forma eles teriam até mesmo sabido sobre sangue misturado? — Então, se uma família Lycan encontrasse um bebê durante esse tempo... — Ou a qualquer momento, — Zev esclareceu. — Lycans são boas pessoas. Se eles encontraram um bebê sozinho, especialmente se eles pudessem ver a evidência de que os pais foram mortos pelo Sange rau, eles teria cuidado da criança como sua. Eles poderiam até ter acreditado que ela era Lycan. Ela não saberia sobre companheiros, e se um Lycan a reivindicasse e ela se apaixonasse por ele... — Ele parou. — Isso poderia acontecer? Dimitri assentiu. — É claro. — Ele olhou para seu irmão por confirmação. Fen assentiu, e Dimitri continuou. — Não é o mesmo, o foco que tudo consome e amor que temos por nossas companheiras, mas algumas mulheres têm encontrado a felicidade com um homem fora da nossa sociedade. — Se Lycans tropeçaram com esta criança, a tomaram e criaram como Lycan, — Fen disse,


34 sua voz cheia de excitação, — então ela não teria nunca sabido por que era diferente. Pode até não ter notado a diferença. Quando ela queria ser lobo, ela podia mudar, e ela pode pensar que isso era o que sua família fazia. Zev assentiu. — Foi há séculos e não se discutia o como ou por que das coisas naquela época. Eles não sabiam nada de linhagens ou DNA. Como ela se tornou sangue misturado é uma incógnita, mas se seus pais eram tão hábeis em combate, provavelmente ela também era. Provavelmente lutou e caçou ao lado do marido. Quando ferida, ele lhe deu sangue. Ele, igualmente, estava começando a acreditar na possibilidade de resolver o mistério. Alguns dos antigos guerreiros na câmara sagrada tinha sido da linhagem de Dark Blood e o tinham reconhecido. Eles conheciam a história de sua avó, e isso significava que de alguma forma ela tinha feito seu caminho de volta para eles. — Ela deu à luz uma filha, — Fen disse. — E essa filha era sua mãe. — Houve outras crianças? Você tem tios? Tias? — Dimitri perguntou, a esperança em sua voz. — Meu pai nunca mencionou qualquer outro, mas ele era um homem reservado. Duvido que ele saiba alguma coisa da família da minha mãe. Perguntei e ele apenas deu de ombros e disse que minha mãe não falar sobre eles, nunca. — Zev deu de ombros. — Honestamente pensei que talvez os membros de sua família tivessem virado renegados e meu pai e minha mãe tinha estado muito envergonhados de falar sobre eles. — Se você realmente é um Dark Blood, — Fen disse, — Mikhail precisa saber. — Isso explicaria por Branislava é sua companheira, — Dimitri acrescentou. — Seu sangue chama o dela. A alma dela é a outra metade da sua. Pelo menos, no mundo dos Cárpatos, ele pode ser capaz de lhe oferecer algo além do detestado sangue misturado como seu povo o via.

Não preciso que você seja nada além de quem é. Vejo o seu âmago. Vejo o seu caráter. Pouco importa para mim de qual linhagem, se houver, você é. Você tem o coração de um guerreiro e uma grande capacidade de bondade. Você é tanto feroz quanto compassivo. Ambas boas qualidades. Não há enganação em você e admiro isso tremendamente. Seu coração pulou com o elogio. Ninguém jamais disse algo parecido para ele, e muito menos a mulher mais bonita do mundo. Ela podia fazer o sangue cantar em suas veias com apenas um sorriso, quanto mais tal tributo. Ela definitivamente era o tipo de mulher que poderia trazê-lo de joelhos muito mais fácil do que ele desejava. Sua risada suave roçou sua mente. Seu estômago deu uma lenta cambalhota. Ele amava o som de sua risada.

Estou começando a ficar muito afeiçoado por muitos de seus traços Branka. Seria difícil voltar para o vazio da minha vida sem o teu riso e o som de sua voz. Não é preciso muito para fazê-lo feliz. Reconhecia uma provocação quando a ouvia. Havia um brilho secreto nela que puxava por ele


35 como um ímã. Para um alfa como ele, a ideia de que ela não se mostrar para os outros era ainda mais atrativo para ele. Tudo nela era feminino, mas ele sabia que no fundo ela era uma mulher que andaria e lutaria ao seu lado, e passaria por todas as dificuldades rindo com ele, se ele conquistasse o seu amor.

Sou sua companheira. Isso não significa que você tem que me amar. Quero o seu amor, Branislava. Ser minha companheira é maravilhoso, mas esse vínculo representa alguma coisa para você, e quando estivermos juntos, não quero que seja por obrigação. Houve um pequeno silêncio. Ela caminhou de volta para a cama e se sentou ao lado dele. Ou flutuou. Ele não tinha certeza de qual, porque não havia nenhum indício de movimento, mesmo sobre o colchão. Ela enfiou a mão na dele.

Não peça a Mikhail para os antigos te libertar do nosso entrelaçamento de espíritos. Se eu morrer... Não vou deixar isso acontecer. Estamos amarrados. — Branislava. — Ele disse o nome dela em voz alta.

Por mim, Zev. Estou pedindo isso por mim. Branka, se as coisas derem errado, eu iria te levar comigo para um lugar que não tenho nenhum conhecimento. Não sei se poderia te proteger ou não. Foi Branislava que levou a mão dele até sua bochecha. Ela roçou sua pele acetinada sobre a palma da mão áspera.

Se as coisas vão mal, sei que posso puxá-lo de volta. Você é forte demais para deixar que qualquer coisa te leve enquanto estou vinculada a você. Eu absolutamente sei isso sobre você. Isso é o que os antigos quiseram dizer quando te chamaram “coração forte ” e “coração de um guerreiro ”. Você tem um instinto protetor em você que nunca vi antes. Você não vai parar. É tão forte, Zev, que você não iria morrer quando Cárpatos mais fortes teria sucumbido. Eu sei. Eu estava lá. — Isto é incrível, se for verdade que você é um Dark Blood, — Dimitri disse. — Skyler não pode esperar para ter ver Zev. — Ela quer continuar nossa briga? — Zev perguntou. Dimitri sorriu para ele. — Nunca se sabe com aquela mulher. Ela tem lobos agora e não tem medo de usá-los. Zev segurou o rosto de Branislava com a palma da mão e roçou a ponta do polegar ao longo de sua mandíbula em um pequeno carinho. Sua pele era mais suave do que qualquer coisa que ele já tinha experimentado. — Skyler acredita em retaliação se você for tão tolo a ponto de atravessar o seu senso de justiça, — ele disse a ela. — Duvido que ela guarde rancor, — Branislava disse. — Ela lutou mais do que qualquer outro para te salvar. Mesmo quando as balas voavam, ela nem sequer se esquivou. Ela foi incrível. — Ela


36 deu um pequeno sorriso. — Mas, então, ela é Caçadora de Dragões. Fen riu. — O que ela está dizendo é que as mulheres Dragonseeker são conhecidas por sua retaliação, se você sair da linha com elas. Você faria bem em se lembrar disso Zev, velho amigo. A sobrancelha de Zev subiu rapidamente. — Você está esquecendo que sua mulher é uma Dragonseeker? Senti a chamuscada do fogo dela quando ela se irritou. — Ele passou a mão sobre a parte superior de seu cabelo. Tatijana, a irmã de Branislava, tinha interrompido um ataque Lycan com seu dragão, cuspindo fogo sobre eles para levá-los para longe do abrigo onde Cárpatos feridos estavam reunidos. Fen parecia um pouco envergonhado. — Não realmente. Ela tem essa mesma pequena falha de caráter. As sobrancelhas de Branislava se elevaram acentuadamente. Ela sacudiu o dedo em direção a Fen, e água verteu sobre a cabeça dele. — Eu imploro seu perdão? — ela perguntou em seu tom mais doce. Fen gritou e pulou de debaixo o spray gelado. A água desapareceu misteriosamente como se nunca tivesse existido. Fen estava lá todo molhado, as roupas encharcadas e seu cabelo pendurado em longos rabos. Dimitri riu. — Não posso imaginar o que você estava pensando, mano. — Ele se curvou muito respeitosamente para Branislava. — Permita-me pedir desculpas pelo imbecil do meu irmão. Não existe tal coisa como uma falha de caráter em uma mulher Caçadora de Dragões. Ela inclinou a cabeça, princesa para camponês, mantendo um olho afiado sobre seu cunhado.

Bem feito, Branka, bem jogado. Eu aprecio senso de humor, Zev a elogiou. — Isso foi maldade Bronnie, — Fen acusou, se secando com um rápido aceno de sua mão. — O que está mau meu irmãozinho, — ela disse sorrindo complacentemente, — estou contando a minha irmã o que você disse sobre ela. — Ela tamborilou os dedos em sua coxa. — Poderia ter de dizer a Skyler também. Afinal, ela é uma Dragonseeker, e você estava fazendo referência a ela. Fen levantou ambas as mãos em sinal de rendição. — Tatijana me disse que você era uma pessoa doce. — Você está insinuando que ela estava errada? — Suas sobrancelhas se ergueram novamente. — Zev. Faça alguma coisa. — Fen parecia um pouco desesperado. Zev balançou a cabeça. — Você se meteu nisso sozinho. — Ele enxugou a testa, e sua mão veio com pequenas manchas de sangue. Tentou as imaginar desaparecendo como Fen deve ter feito com a água. — Deite-se, — Branislava instruído. — Fen, você e Dimitri vão lhe dar mais sangue? Eu gostaria de chamar Skyler e Tatijana para me ajudar. Nós o levaremos para baixo, para o quarto de dormir e o curaremos lá.


37 Zev balançou a cabeça. — Quero que a gente converse primeiro. Precisamos resolver as coisas entre nós. — Skyler está com Tempest, a companheira de Darius, — Dimitri disse. — Ela está brincando com o filho deles. Ele é um garoto bonito e muito sério, muito como Darius e Gregori. Vou chamá-la de volta. — Ela ama crianças, — Fen disse. — Ela está preocupada que pelo fato de ter sangue misturado ela não seja capaz... — Dimitri parou, seu olhar se fixou em Zev. — Se a sua avó era dos Cárpatos e se tornou uma sangue misturado antes que ela teve sua filha, o que provavelmente foi, isso significaria... — É possível ter filhos, — Fen terminou por ele, com os olhos brilhando. — Como é que vamos descobrir se isso é o que realmente aconteceu? — Dimitri perguntou. — Não posso imaginar Skyler nunca tendo um filho. De uma forma ou de outra, sei que nós vamos, mas, Zev, se puder validar que você é da linhagem Dark Blood, nós saberemos que é possível. — Como podemos fazer isso?

Zev, você precisa se deitar agora. Zev tentou não sorrir para a pequena nota mandona na voz dela. Ele nunca tinha sido comandado. Seu pai havia desistido de lhe dizer o que fazer quando ele tinha doze anos. Já tinha se tornado o caçador líder do seu bando. Por ela, para manter esse olhar preocupado de seu rosto, ele obedeceu, mesmo sabendo que o movimento ia doer como o inferno. Apertando os dentes, ele recuou lentamente. Seu rosto ficou branco. Ele sentiu a cor drenando. Sangue se espalhou por seu camisa novamente e um silvo baixo escapou por entre os dentes. Ele xingou para si mesmo. Ele não tinha percebido o quão imóvel ele tinha mantido seu corpo. Se mover era uma agonia. Ela enxugou as gotas de sangue do seu rosto com um pano macio, murmurando suavemente para ele. Ele não conseguia entender as palavras. Seu pulso trovejava em seus ouvidos, abafando tudo ao seu redor. As bordas da sua visão desapareceram.

Não estou certo qual é a vantagem de ser Lycan, Cárpato, Dark Blood ou sangue misturado neste exato momento. Pensei que era para curar rápido, ele disse sarcasticamente para Fen e Dimitri. Você deveria usar os dons dados a você, Fen disse, e dar o fora do caminho, quando bombas explodem. Se você tivesse se movido um pouco mais rápido, teria escapado, mas não, simplesmente tinha que bancar o herói e ter sua bunda entregue numa bandeja para você por em uma mesa, nada menos. Zev tentou não rir. Quando o fez, uma dor ardente rasgou suas vísceras. Preciso aprender o

truque água da minha mulher. Branislava empurrado para trás o cabelo caindo em seus olhos com os dedos delicados. — Minha irmã e Skyler estão vindo. Seus olhos se encontraram. Ele sabia que ela olhava para o lobo. Eu disse que queria que nós conversássemos. Houve aquela voz novamente. Alfa. Um comando.


38 Ela não poderia ter tudo a sua maneira, especialmente isto. Ele não iria para a terra sem resolver alguns de seus problemas. Não e na noite seguinte ir tentar o radical tratamento combinado de Mikhail e Gregori que poderia matá-lo. Ele não era estúpido. Se Fen estava desconfortável com essa ideia, então era perigoso. Fen poderia brincar com ele, mas havia afeto e respeito genuíno. Fen não era um homem para proclamar seus sentimentos, mas ele tinha aceitado Zev como seu irmão e definitivamente sentia a necessidade de protegê-lo. Branislava mordeu o lábio. Seus longos cabelos com mexas coloridas, aquele profundo turbilhão vermelho que parecia quase como rubis brilhantes caindo sobre o escuro vermelho vinho. Seu vermelho ouro natural quase desaparecendo, embora pudesse triunfar sobre a mudança de cores.

Eu ficaria muito grato a você e as outras se levassem essa dor embora e vissem o que vocês pode fazer com a ferida, ele disse, mas vou esperar para ir para o chão até que estejamos sozinhos e tenhamos a oportunidade de falar. Você pode viver com isso? Dificilmente. Ela lhe deu aquele olhar por sob seus cílios, aquele que disse que ela falava sério, aquela parte secreta que dele achou divertida. Deus, ela era linda. Como diabos posso ter tanta sorte de ter

alguém como você sendo minha companheira? Sou tão áspero como um homem pode ser e você -você me tira o fôlego. Ela correu os dedos pela sombra ao longo de sua mandíbula. Você é um homem muito

charmoso, e posso ver que você vai descobrir como se safar de problemas muito rapidamente. Isso era novidade para ele. Ninguém jamais disse que ele era encantador, mas ele tomaria isto se isso significava que ela concordava com ele. Então, vamos esperar para ir ao chão. O pensamento daquela terra fria o rodeando era quase demais. Os minerais ricos e terra rejuvenescedora o chamando. Por um momento, seus cílios caíam conforme ele se imaginou afundando no solo e permitindo que ele o cobrisse... Seus olhos se abriram, estreitaram para ela. Ricos minerais? Terra rejuvenescedora? Mulher, o

que você pensa que está fazendo? Estou Lycan, não Cárpato. Nunca iria pensar nesses termos. Sua risada suave roçou por sua mente. Valeu a pena a tentativa. E você é ambos. Ele queria beijá-la. A ideia veio do nada. Ele estava olhando para ela, o riso em seus olhos e seus lábios carnudos que estavam ligeiramente entreabertos, e tudo o que ele conseguia pensar era em saboreá-la. Essa mistura de mel e canela selvagem. Ele a tinha levado com ele quando tinha deixado as Montanhas Cárpatos para as florestas da Rússia. Ela não sabia disso, é claro. Esse era o seu segredo, a necessidade de reviver aquele momento em que ele a viu pela primeira vez, quando a segurou pela primeira vez em seus braços e o reproduziu mais e mais em sua mente. Seu corpo se movendo contra o dele e ele soube que nunca teria outra mulher em sua vida. Ele não tinha noção de companheiros, mas reconheceu a coisa real quando a sentiu. Ele estava vivo há muito tempo e nunca quis uma mulher para si mesmo - até Branislava. Havia algo tão


39 misterioso e evasivo sobre ela. Ela o havia intrigado a partir do momento em que a viu, e depois que a música parou e ele teve que soltá-la ir, ela estava para sempre impressa em seu corpo.

Sempre lamentei não ter te beijado naquela noite, Branislava admitiu. Ele poderia ter gemido em voz alta. É claro que ela estava lendo seus pensamentos. Branka, você é muito inocente para um homem como eu. Você não pode sair por aí dizendo coisas assim para mim quando temos companhia. Espere até que estejamos sozinhos. Os dedos dela estavam em volta de seu cabelo, seu toque enviando pequenos dardos de fogo através de seu corpo - o corpo que não deveria ter sido capaz de sentir nada além de dor.

Eu gosto que você me chame de Branka quando todo mundo me chama de Bronnie. Ele sorriu para ela. Você sempre será Branka para mim. Ou mon chaton féroce2. Ela levantou a sobrancelha para ele. Eu posso ser feroz, mas uma gatinha? E francês? Isso é

francês, não é? Quantas línguas você fala? Ele sorriu para ela, apreciando seu momento juntos. Garras. Cuspe. Minha. Cerca de dez muito

bem e posso me virar em outras cinco. Bem, agora onze, se você contar Cárpato. Ela revirou os olhos, mas ela não arranhou ou cuspiu nele, o que tomou como uma vitória. — Quando vocês dois terminarem de flertando um com o outro, você pode considerar a resposta à nossa pergunta, — Fen disse. — Que pergunta? — Zev perguntou. — Sim, isso é exatamente o que eu pensava. Você está tão envolvido com sua mulher que o seu cérebro deu um curto. Dimitri deu um pequeno bufo de escárnio. — Onde podemos encontrar a informação mais importante sobre a sua avó e sua mãe, essa é a questão. Se Skyler, Tatijana e Bronnie pode ter filhos se elas forem sangue misturado como nós somos. — Por que elas seriam sangue misturado? Fen gemeu. — Você realmente se perdeu, homem lobo. Totalmente. — Você acabou de me chamar de “homem-lobo”? — Zev questionou bruscamente. — Vou me levantar e chutar o seu traseiro. — Fen. — Tatijana entrou no quarto. — O que no mundo você está fazendo provocando Zev em um momento como este? Você não vê que ele está doente? Zev gemeu dramaticamente e colocou a mão sobre o estômago. Tatijana atirou a Fen um olhar furioso e correu para ele. Ela abraçou a irmã. — Como ele está?

Como você está? Eu estava tão preocupada. — Ele precisa descansar e ir para a terra de novo, — Branislava respondeu em voz alta. Eu sei Tatijana. Sinto muito ter te preocupado. Ele estava indo embora e eu tive que permanecer focada


40 nele. Não se sinta mal. Se fosse Fen eu teria feito o mesmo. Você me disse que era sua companheira e acreditei em você, mas não tenho nenhuma ideia de como. Zev conseguiu outro gemido soando muito verdadeiro, o que rendeu a Fen um olhar sombrio das duas mulheres. — Vocês estão brincando comigo? — Fen disse. — Vocês não podem ver que ele está fingindo? Dimitri riu para o irmão. Agora você conseguiu. O homem é um herói com o sangue

escorrendo por todo o chão, um buraco do tamanho do Texas em suas entranhas e você está zombando de sua dor para as mulheres. Você precisa de lições, mano. — Fen, se você não pode ter apenas um pouco de compaixão quando um homem está à beira da morte, sugiro que espere por mim lá fora, — Tatijana disse. — Sinto muito Zev. Não tenho nenhuma ideia do que está acontecendo com ele. — Oh, pelo amor de Deus, — Fen explodiu. — Zev, é melhor você torcer para desmaiar amanhã, porque se não desmaiar, você vai ser levado para trás do celeiro e aprender tudo sobre o como são os irmãos mais velhos.

Você só está cavando o buraco mais profundo para si mesmo, Dimitri comentou, sua diversão aumentou. Antes que Tatijana pudesse chamuscar o cabelo de Fen, o que ela parecia que poderia fazer a qualquer momento, Skyler entrou correndo. Ela se jogou nos braços de Dimitri e o beijou. — Você é incrível. Surpreendente e incrível. Tenho muita sorte de ter você. Dimitri enviou seu irmão mais velho um rápido olhar triunfante. Você ouviu isso?

Surpreendente e incrível. Ela tem sorte de ter-me. O que foi aquilo que Tatijana disse sobre você? Zev mal conseguia conter o riso. — Por que Dimitri é tão incrível? — Ele me disse que parece ser possível que pudéssemos ter filhos juntos. — Ela se inclinou sobre Zev para inspecionar a ferida. Zev pensou que era significativo que Tatijana e Branislava se movessem para o lado para ela. Skyler era muito mais jovem do que as mulheres, mas ela era uma curadora reconhecida. — Por que no mundo eles permitiram que você acordasse? Skyler se virou e olhou para Fen. — Eu disse que ele precisaria de pelo menos mais dois ou três meses no chão antes que pudéssemos sequer começar a acreditar que estivesse fora de perigo. Fen não se defendeu. Em vez disso, ele se desculpou. — Eu sei Skyler. Sinto muito. Existe alguma coisa que você pode fazer para ajudar? Ele está com muita dor. Zev podia dizer que a reação de Fen era genuína. Fen colocou todas as provocações de lado e focou na jovem. — Fen não é tão ruim assim, — Zev disse.


41 Fen lhe lançou um olhar de advertência. Ela pode ajudar. E ela pode sentir sua dor, mesmo

que você minimize isso. Ela salvou sua vida. Claro que Zev sabia disso. Ela pode ser a mais jovem das mulheres Dragonseeker, mas ela era talentosa, forte e determinada. Não sabia que ela podia sentir a sua dor. Instantaneamente, ele fez o seu melhor para empurrar a dor, de modo que se ela o tocasse, não sofresse como ele.

Obrigado, Dimitri disse simplesmente. Sei que não é fácil quando você está fraco fazer isso. Skyler ignorou todos eles. Ela se sentou no chão, seu espírito deixando seu corpo como pura energia incandescente de cura para entrar em Zev. Ele ficou chocado com o calor. Podia senti-la cauterização e selando as veias e o tecido interno profundo. A dor diminuiu quase no momento em que ela entrou, e ele podia ouvir sua voz suave em algum lugar em sua mente.

Aquilo que está rasgado, em carne viva e dá dor, Eu recorro ao fogo para curar e recuperar. Luz que é a vida, o fogo que sela, Eu lanço seu poder para selar cada veia. Fen rasgou o seu pulso com os dentes e segurou o sangue escorrendo sobre a boca de Zev. — Eu ofereço livremente meu irmão. Pegue o que você precisa para sobreviver. O corpo de Zev de repente parecia faminto. Ele nem sequer sabia disso até aquele momento. Ele sabia que Fen e Dimitri tinham vindo regularmente para seu lugar de descanso para dar sangue a ele e a Branislava para sustentá-los através do processo de cicatrização. Não deveria estar morrendo de fome, mas podia sentir cada célula de seu corpo, todos os órgãos se esticando para aquela infusão de sangue ancestral que dá vida. Quando soube que ele tinha tomado o suficiente, ele instintivamente passou a língua sobre a laceração e para sua surpresa, o sangramento no pulso de Fen parou e a ferida fechou. Isso era um truque que ele poderia ter usado algumas vezes nos últimos anos. — Obrigado, — ele disse. — Eu aprecio tudo que você fez por mim, Fen. Tatijana estendeu a mão para Fen. — Sabia que você não estava realmente sendo cruel com Zev, — ela disse suavemente. Fen levou a mão dela à boca. Não gosto disso, minha dama. Deveria ter encontrado outra maneira. Se ele morrer amanhã à noite...

Não. Não pense isso. Não diga isso. Não o coloque para o universo. Nós discutimos isso. Você e Dimitri discutiram com Mikhail e todo o conselho dos guerreiros. Eles acreditam que não temos escolha, e se vamos salvar vidas, talvez não tenhamos. O príncipe nunca assumiria tal risco, a menos que acreditasse que não havia outra escolha. Há sempre outra escolha, Fen disse. Infelizmente, nenhum de nós pode encontrá-la. Acordar Zev estava bem ali e uma vez que foi exposto como a solução, ninguém continuou a tentar outra. Ele parecia amargo.

Fen. Ela sussurrou seu nome em sua mente - o cercando com carinho e amor. Esse é o seu


42 amor e medo por ele falando. Você conhece estas pessoas. Mikhail tem que ter olhado para isso de todos os ângulos possíveis, antes que decidisse acordar Zev. Eu sei. Fen esfregou a mão sobre o rosto. Você está certa. Mas olhe para ele. Skyler teve para parar o sangramento cada vez que o trouxemos perto o suficiente da superfície para lhe dar sangue. E agora ele está sangrando por todo lado. Ela está aqui. E está cuidando disso, Tatijana assegurou. Mas vejam o preço que ela está pagando. Fen balançou a cabeça. — Fen. — Zev disse seu nome baixinho, mas sua voz era de comando. — É a minha escolha. — Ele sentiu os dedos de Branislava se apertarem em torno dos dele. — Nossa escolha, — ele corrigiu. — Você expôs tudo para mim, e nós dois sentimos fortemente que nós queremos aproveitar a oportunidade de tentar ajudar. — Não tenho que gostar disso, — Fen rosnou. Ele virou as costas e foi embora. Dimitri baixou a mão no ombro de Zev. — Você sabe como ele se sente sobre você. E ele sempre foi superprotetor, muito, tenho certeza de que como você foi toda a sua vida. Zev sorriu para ele. — É diferente deste lado da cerca. Dimitri deu de ombros. — Estou acostumado com isso, e sei que ele fica assim porque sou importante para ele. Então, só o deixo fazer suas coisas e então sigo meu próprio caminho. Tatijana se inclinou para beijar a bochecha de Branislava. — Vejo você na próxima elevação? Branislava assentiu. — Cuide bem dele. — Você sabe que eu vou. Skyler voltou para o seu próprio corpo, pálida e tremendo depois de usar a maior parte de sua energia para fazer o melhor que podia para curar o buraco no estômago de Zev. Dimitri imediatamente a envolveu em seus braços, abrigando-a protetoramente enquanto ele dava seu sangue para que se recuperasse. —Você estará bem por conta própria? — Dimitri perguntou a Branislava. Ela assentiu com a cabeça. — Se precisar de alguma coisa, vou chamar. Obrigado, Skyler. Vá se divertir com seus lobos. — Antes de irem, — Zev disse. — Como é que vamos saber se as coisas que suspeitamos sobre a minha avó e mãe são verdadeiras? — Mikhail, é claro. Ele pode perguntar aos antigos. — Dimitri levantou a mão e, com um braço em torno de Skyler, saiu do quarto. Zev fez um movimento para sentar, mas Branislava manteve uma mão em seu peito. Ele se rendeu, mas não gostou de ficar deitado, se eles iam ter uma discussão séria sobre o relacionamento deles. Ele colocou sua mão sobre a dela, mantendo-a cativa. — Sei que parece que você tem que fazer o seu dever e evitar que eu aja como um lobo entre


43 as ovelhas, mas, Branka, tenho grande controle e não há necessidade de você se sentir presa. — Nossas almas pertencem uma à outra. Quando você disser as palavras do ritual obrigatório para mim, vamos ser amarrados juntos por toda a eternidade e não haverá como voltar atrás, — ela explicou. — Você tem o poder. Eu não seria capaz de te deixar. Ele esfregou o braço dela, da parte de trás de sua mão até o cotovelo, o seu toque calmante. — Mon chaton féroce. Não acredito em gaiolas. Não importa o quanto quero você comigo, você tem que querer a mesma coisa. Você não me conhece Branka. Ela assentiu. — Pensei isso até que passei um tempo dentro de sua mente. Você é um bom homem, mas um pouco assustador. A ideia de estar com alguém tão dominante é assustador. — Ela tocou seu próprio peito por debaixo da roupa. — Cárpatos têm cicatriz, não importa o que é dito, se a ferida é ruim o suficiente e não é curada em tempo. Seus cílios desceram e ela desviou o olhar. O coração dele revirou. Ele continuou a acariciar seu braço. Não podia abraçá-la. Não podia beijá-la e afastar seus medos ou anular o fato de que eles eram companheiros e ela sabia que estava presa a ele, não importa quais garantias ele lhe desse. Não podia imaginar estar no lugar dela. Apesar do conforto de seu bando, ele sempre foi muito independente, até mesmo quando menino. Sua natureza dominante nunca permitirá que qualquer outra pessoa tivesse controle sobre ele, no entanto, esta mulher que temia seu poder sobre ela segurava o seu destino em suas mãos. Era uma rua de mão dupla. — Branka, — ele disse suavemente. Intimamente, mesmo com ternura, quando ele não estava ciente de que pudesse sentir tal emoção por qualquer um. — Olhe para mim. Realmente olhe para mim. Estive em muitas batalhas com bandos de renegados. Muitas vezes lutei sozinho e fui ferido uma e outra vez. Meu corpo é um mapa rodoviário. Não tenho medo de cicatrizes no seu corpo ou no meu. Pare de se preocupar com o nosso futuro juntos. Vamos levar um dia de cada vez. Ela ficou em silêncio um longo momento e então sorriu para ele. — Noite. Vamos levar uma noite de cada vez.


44

Capítulo 4

Zev acordou com o som da chuva caindo. A canção da natureza. Ele se perguntou como poderia ouvi-lo quando estava tão profundamente sob o solo, sob a casa que foi destinada para ele. Ele não queria se mover ou abrir os olhos. Segurando Branislava nos braços e no primeiro instante do despertar, com a música da chuva e do calor do seu corpo macio enrolado ao lado dele, o momento era perfeito. Ele inalou o perfume de seus cabelos, toda aquela seda macia caindo sobre ele. Ele estava nu, pele a pele com ela, e ele a apreciou como nunca tinha antes. Seu corpo estava envolvido em torno do dela, protetoramente, porque, mesmo durante o sono mais profundo, esse era o seu instinto mais forte. Uma coxa estava sobre a dela e na palma da sua mão segurava seu seio, um monte macio e doce que subia e descia com cada respiração que dava. Ela estava acordada, ele percebeu, e assim como ele, ela não se moveu. Ela não queria correr o risco de perturbar aquele momento perfeito, tampouco. Ele manteve os olhos fechados, saboreando apenas segurá-la. Ele podia sentir a batida sutil do coração da terra embaixo dele, se esticando na direção da água caindo para alimentar as veias e artérias que corriam por toda a terra nutrindo toda a vida. Eles faziam parte do ciclo de vida do planeta. — Passei dois anos permitindo que a terra me consolasse, — Branislava sussurrou. — Fiquei escutando seu coração me chamando. O calor que ela fornecia me fazendo sentir inteira. Estava tão fria na caverna de gelo. Tatijana podia simplesmente absorver o frio, mas eu não podia. Aqui, debaixo da terra, me sinto inteira. Estou quente e segura. Não achava que qualquer outra coisa poderia me fazer sentir desse jeito. — Ela se moveu, virando a cabeça para olhar para ele por cima do ombro. — Estava errada. Ele roçou os lábios sobre o topo de sua cabeça. — Segura não é viver Branka. Ela sorriu e se acomodou, com a cabeça apoiada em seu braço. — Não, não é. Ouvi você, naquela noite em que nos conhecemos. Eu sabia que meu companheiro estava perto apenas pela percussão do coração da terra. A Mãe Terra me acordou, me cutucou para abraçar a vida. Havia uma insistência quando acordei e eu soube. Não ia entrar na festa, mesmo sabendo que Tatijana me queria lá, mas já podia sentir você tão perto. Minha alma alcançou a sua. Ela fez a sua confissão em sua voz suave e musical, a chuva com sua orquestra. Ele podia ouvi-la por horas, essa suave ondulação de sua voz, essas notas perfeitas que de alguma forma atingiam o interior dele e envolviam seu coração. — Mas você veio. — Ele acariciou o topo de sua cabeça suavemente com o queixo. Seu cabelo macio foi pego pela sombra áspera ao longo de sua mandíbula, os entrelaçando, assim como ela entrelaçara seus espíritos. — Sabendo o que estava enfrentando, você ainda veio e dançou comigo. Isso foi corajoso da sua parte. — Eu queria ver você Zev. Queria tocá-lo e sentir como eu iria reagir.


45 — O que você aprendeu? — Que eu estaria segura com você. Ele ouviu o sorriso em sua voz, uma pequena nota de brincadeira. Ele grunhiu e moveu a cabeça para roçar contra seu pescoço, sua boca sussurrando sobre sua pele macia. Ele sentiu sua súbita imobilidade, a inspiração rápida. Ele mordeu o ponto suave e doce entre o pescoço e o ombro, com força suficiente para fazê-la gritar, então rir. — Você não está tão segura, mulher. — Zev eu sei que você quer pedir a Mikhail para liberar nossos espíritos antes de permitir que ele tente te curar, mas é importante para mim que você não faz. Tatijana e Skyler são Caçadoras de Dragões. O irmão da minha mãe, Dominic, está aqui com sua companheira. Ele é Caçador de Dragões. Nossa linhagem é antiga e forte. Ela se sentou lentamente, se alongando, as belas linhas de seu corpo vistas apenas através de sua visão noturna, lá no escuro absoluto de seu lugar de descanso. Ela abriu a terra antes que ele tivesse despertado, mas a casa assentada acima deles os protegia da chuva. Ela não vestiu a roupa de imediato, mas se virou para ele, apenas o suficiente para permitir que ele visse a cicatriz elevada correndo de seu seio esquerdo para o direito. Ambas as extremidades cobriam as curvas suaves. Ele estendeu a mão e gentilmente traçou a cicatriz, da ponta de um dos seios, descendo pela curvatura para o vale e de volta até a ponta do outro. — Vou te mostrar um dia, quão lindo o seu corpo é para mim, — ele prometeu, lamentando que estava tão fraco. Ela respirou fundo como se ele tivesse intercambiado ar com ela, e fosse capaz de respirar novamente. Ela assentiu - pareceu se firmar - e então ela voltou para os negócios, trançando seu cabelo longo com um aceno de mão. — Se acontecer alguma coisa lá, nós quatro podemos te puxar de volta. Skyler surgiu com a ideia e conversou com Tatijana, perguntando se era possível. Tatijana foi até Dominic e ele concordou que era. Compartilhamos da mesma linhagem e podemos tecer nossos espíritos juntos. Ele balançou a cabeça. — Não. Absolutamente não. Eu proíbo isso. Não Branka. — Ela estava louca? Eles estavam todos loucos? Se ele morresse, ele levaria não apenas Branislava com ele, mas sua irmã e Fen, Dimitri e Skyler, e seu tio e sua companheira. — Não. — Ele disse isso mais uma vez, para que ela soubesse que ele queria dizer isso. — Não há discussão sobre isso. — Zev, se você morrer, não há vida para mim. Eu não fui reivindicada. Se eu optar por te seguir, estarei perdida no meu próprio mundo em que não tenho nenhum conhecimento. Se eu ficar aqui, vou viver uma obscura meia-vida. É a única maneira que conheço de ter a certeza de que nós não vamos te perder. Ele respirou fundo e a dor que estava esperando por uma abertura bateu nele, roubando-lhe que a primeira arremetida real de ar. Ele absorveu o golpe e esperou que a sua mente aceitasse o que não tinha controle.


46 — Tenho o direito de lutar por meu companheiro e se minha família escolhe lutar comigo, isso são eles quem decidem, — Branislava disse suavemente, desafiadoramente. Ele se sentou lentamente e imaginou que ele estava limpo e fresco, acabado de sair do chuveiro, e completamente vestido. Foi mais fácil do que pensou que seria. — Não. — Ele tinha que se mover, tinha que flutuar para a superfície por conta própria. Seu corpo precisava de um novo suprimento de sangue, mas Branislava lhe dera mais sangue pouco antes que ele fosse dormir e ela precisa se alimentar esta noite. Branislava seguiu até a superfície, completamente vestida também. Ele lamentou isso. Ele não queria acabar com o seu momento perfeito com uma discussão, mas ele não ia correr o risco de aniquilar toda a linha Dragonseeker. A generosidade de sua família, de Fen e Dimitri e seu tio desconhecido, um estranho para ele, era chocante. Seu próprio povo o teria matado, sentenciou a Marta de argente - morte por prata - ou caçado e tentado matá-lo, porque ele era sangue misturado. Ele iria se defender e sangue correria em rios. Eles atravessaram a casa em silêncio. Ele estava apenas um pouco à sua frente dela, mantendo os dentes cerrados e seu corpo tão fluindo quanto possível para não houvesse nenhuma sacudida quando se movesse. Deitar nos ricos minerais da terra o havia ajudado muito. Branislava ficou perto dele, mas ela permaneceu igualmente silenciosa. Ele não confiava em seu silêncio. Sua Branka estava em casa no silêncio. Não estava se rendendo ou se submetendo, era o seu lugar de poder, não retirada. Ela havia passado séculos como uma prisioneira, presa nas cavernas de gelo na forma de um dragão, incapaz de escapar do mal de seu próprio pai. Ela tinha vivido lá, com Tatijana, nesse casulo de silêncio, mas sua mente tinha absorvido tudo ao seu redor. Cada vítima de seu pai, não importa a espécie, ela havia tentado aprender. Linguagem, cultura, a passagem da história, como lutar, como sobreviver. Sua mente estava sempre ocupada. Zev estava muito certo, ali no silêncio, sua mente estava muito ocupada agora. Fen e Dimitri os encontraram do lado de fora da casa de pedra. A floresta estava envolta no negro azulado da noite. A tempestade veloz tinha deixado as árvores brilhando com gotas de cristal e acima, as nuvens passando rapidamente com o vento, as estrelas começaram a cintilar. — Está tudo bem? — Fen perguntou. Branislava assentiu. Zev lhe deu o seu mais feroz, intimidador cenho e balançou a cabeça. — De jeito nenhum. Ela tem uma ideia estouvada que toda a sua família vai se amarrar a mim, a fim de evitar que qualquer coisa de errado. Dimitri, isso inclui a sua Skyler. Na verdade, ela concebeu a ideia. Eu absolutamente proíbo isso. — Ele olhou para Branislava novamente apenas para dar ênfase. Ela estendeu a mão para tomar o pulso que Dimitri ofereceu, seu gesto casual. Todos os músculos do corpo de Zev se prepararam para a ação, uma raiva incandescente o varreu. A reação de seu lobo foi completamente inesperada e ele não estava preparado para a selvageria subindo por ele. Ele provou a explosão quente de sangue na boca, pegou o cheiro de seu inimigo, sua visão com faixas coloridas.

Pare com isso. Sua voz era baixa, mas carregava um comando. Estou me alimentando de


47 Dimitri. Seu irmãozinho. É natural e certo e você precisa pensar com o seu cérebro não o seu... um... você sabe. Você precisa colocar seu Lobinho de volta em sua caverna. A risada dela borbulhou, contagiante e bonita, se espalhando por ele como uma onda de alegria. Mais uma vez foi seu humor que o salvou. Ele descobriu que era impossível não rir com ela.

Lobinho? Sério? Eu provavelmente estou pensando com o meu... um. O lobo recuou, e ele se sentiu mais forte para mantê-lo na baía, quando ele estava tão obviamente vulnerável ao traço muito feio do ciúme. Ele se recusou a sequer reconhecer que podia sentir uma emoção tão mesquinha, mas lá estava ela, intensa e exigente. Ela estava certa, ele definitivamente estava pensando com seu... um. Ele riu novamente, grato que ela o tinha libertado de suas próprias falhas.

Não falhas. Não estamos unidos. Sua reação é primitiva. Você é um predador Zev, um muito letal, e seus instintos são o que sempre te salvaram. Seu instinto é para me proteger e para manter todos os outros machos longe de mim. Isso é natural. Zev tomou o pulso oferecido de Fen, saboreando a substância que dá a vida fluindo para suas células famintas e órgãos lesados. Dimitri é insanamente apaixonado por sua companheira. Não acho

que ele perceba que as outras mulheres estão vivas. Mas estou na sua cabeça. Ele pensa em você como uma irmã. Não é natural. A risada dela o afagava como uma carícia. Só sei que até que você me reivindique com as

palavras rituais e amarre nossas almas juntas, essa provavelmente será a sua reação. Lobinho sairá voando tipo todo primitivo homem das cavernas com raiva, rosnando para todos, inclusive eu. Grande. E se um membro do conselho Lycan a encarasse com olhos famintos? Ele quase gemeu. Isso não ia funcionar também. Mulher, você vai ser a minha morte. Ou a sua salvadora, ela murmurou baixinho. — Não se atreva a ir contra a minha vontade, — ele retrucou em voz alta, todo humor desaparecendo abruptamente, seu lobo lhe dando esse tom baixo, afiado e feroz do alfa. Ela se envolveu em silêncio. Ele percebeu que Dimitri não tinha feito nenhum comentário sobre Skyler e seu plano maluco. Era impossível dizer, a partir do rosto de pedra de Dimitri, se ele concordava ou não com a loucura de sua companheira. Dimitri era lógico, e o que as mulheres tinham proposto não era nem um pouco lógico. — Você está pronto para isso? — O tom de Fen era sombrio. — Tão pronto quanto nunca vou estar, — Zev disse, atirou a Branislava outro olhar de advertência. Branislava lhe enviou um sorriso enigmático e tomou o ar. Ele tinha de admirar sua decolagem suave e fácil. Ela saltou, um gracioso salto de uma bailarina, mudando enquanto o fazia para uma pequena coruja. Tudo nela era fascinante. Tudo. Ele amava o som de sua voz, a maneira como ela se movia, seu senso de humor e sua vulnerabilidade. Não estava tão encantado com sua teimosia. Fen o pegou nos braços fortes, fazendo-o se sentir fraco. Era um pouco humilhante ser


48 transportado como se seus ferimentos fossem tão graves que ele não pudesse dar passos de bebê.

Seus ferimentos são muito graves, Branislava lembrou. O que ele iria fazer com ela? Se pedisse a Mikhail para remover o entrelaçamento de espíritos entre eles, ela ficaria magoada além de qualquer coisa que pudesse ser capaz de reparar. Ele tomou uma respiração profunda. Tinha que permanecer vivo. Não havia outra escolha. O que quer que Mikhail e Gregori planejassem fazer para curar sua ferida, ele tinha que ser forte o suficiente para sobreviver - para Branislava. Ele não ia se arriscar ter uma vida longe dela. Ela esteve presa, uma prisioneira toda a sua vida, e agora que estava livre, ele estava determinado a fazer com que sua vida fosse cheia de felicidade. Ela precisava viver. Resolução se instalou profundo nele. Ele não arriscaria os outros, não importa o quê, mas Branislava já estava amarrada a ele. Ele ainda não sabia muito sobre companheiros, mas se ele não podia suportar ficar longe dela, então era lógico que ela tivesse um tempo difícil sem ele. Fen o levou para outra caverna. Esta era completamente diferente da câmara dos guerreiros. Tudo na caverna era calmante, das cores das formações no interior para as piscinas de água profundas. Uma era bastante quente, a outra fresca e convidativa. A caverna era grande, mas não chegava nem perto do tamanho da câmara do guerreiro. As paredes estavam rodeadas de Cárpatos, alguns ele reconheceu e outros não. Tatijana, Skyler e Dimitri estavam junto ao círculo onde Mikhail e Gregori esperavam por ele. Ao lado deles havia um homem muito alto, com ombros largos e longos cabelos escuros. Seus olhos eram impressionantes, de um verde estranho, quase metálico, perfurando um homem quando ele olhava para você. Ele tinha cicatrizes de queimaduras correndo de seu pescoço para o rosto. Este tinha de ser tio de Branislava. Ao seu lado estava uma mulher muito mais baixa que parecia que estaria mais em casa numa selva selvagem do que numa caverna de cura. Ele se sentia exatamente da mesma maneira. Mikhail se adiantou para cumprimentá-lo, apertando seus braços. — Bem vindo, irmãozinho, — ele disse. — Te temos uma grande dívida de gratidão. Esta não pode ter sido uma decisão fácil. Zev sentiu o poder que atravessa o príncipe como uma forte corrente de eletricidade. — Se impede uma guerra, é a única. — Ele agarrou os antebraços do príncipe com a mesma força, tentando transmitir que estava pronto para isso. Mikhail assentiu em aprovação antes de se afastou para permitir que Gregori o cumprimentasse também. Para sua surpresa, Gregori lhe proporcionou esse mesmo tributo de guerreiro, segurando seus braços. — Saúdo um amigo e irmão, — ele disse formalmente. Zev devolveu o aperto forte. — Vamos acabar com isso. Gregori assentiu com a cabeça. — Fen me diz que acredita que você é o último remanescente dos Dark Blood. Se assim for, você é forte o suficiente para suportar qualquer coisa, Zev. Sua linhagem é reverenciada pelo nosso povo. Ela é lendária. Zev entendeu que Gregori estava lhe dando um incentivo e apreciou isso. Já tinha feito a sua


49 mente que poderia resistir ao poder da combinação das habilidades de cura dos dois homens. Ele inclinou a cabeça e deu um passo para trás. Tinha mais uma coisa a fazer. Não ia morrer esta noite, mas ainda assim... Ele virou e a encontrou ao lado da irmã. Branislava. Ela estava ereta, o queixo para cima, mas estava muito pálida. Sua mão estava na de Tatijana e ele detectou um ligeiro tremor correndo por seu corpo. Desejou que seu corpo não o decepcionasse. Ela estava a apenas cerca de um metro e meio dele, mas a distância parecia se estender à frente dele por quilômetros. Ele teria atravessado um rio se isso era o que o levaria a chegar até ela. Ele conseguiu andar em linha reta, ereto, não trair que cada sacudia dos passos enviava repugnantes ondas de dor quebrando através de seu corpo. Ele se concentrou nela. Somente ela. Sua mulher. Ele parou bem na frente dela e tomou suas duas mãos nas dele.

Vamos fazer isso juntos, mon chaton féroce, e eu não vou deixar você. Ela engoliu em seco e assentiu, seu olhar aferrado ao dele. Ela assentiu várias vezes. Ele se inclinou, ignorando a dor excruciante e a sensação de sangue escorrendo pelo seu corpo novamente. Precisava beijá-la. Pegou o queixo dela e gentilmente roçou os lábios nos dela. Seus lábios tremeram sob o seu, macios, aconchegante e convidativo. Isso foi tudo, um mero toque, mas foi o suficiente para convencê-lo de que todos os seus motivos para lutar por sua vida estava bem na frente dele. Ele olhou para ela por um longo tempo, respirando o cheiro dela, saboreando aquele sabor viciante de canela misturada com mel, desejando que ela acreditasse que ele conseguiria que eles sobrevivessem a isso. Quando ela assentiu, ele sorriu, se virou e fez o seu caminho de volta para Mikhail e Gregori. Encharcado de sangue a camisa que tinha sido branca e imaculada. Ele ignorou, assim como eles fizeram. Era simplesmente mais uma prova de que não estava nem de perto pronto para investigar quem estava por trás de tentar iniciar uma guerra entre os Lycans e os Cárpatos. Fen e Dimitri ajudaram Zev até o leito de pedra, onde ele se estendeu. Ele pensou que a superfície seria dura e áspera, mas não era, e ele se instalou nela. Não tinha certeza do que esperar, mas apenas a pequena quantidade de movimento o tinha esgotado. Estava tão confortável que estava com medo de cair no sono. Sentiu as mãos de Fen abrindo os botões de sua camisa, expondo a ferida, mas não olhou para ele. Tanto Fen quanto Dimitri tocaram seu ombro em uma espécie de saudação, mas também não falaram. Não foi preciso. Ele sentia o carinho, a fraternidade que haviam oferecido. Por apenas um momento, Tatijana tocou sua mente e então Skyler. Tinha esquecido como era ter uma família. Tinha sido muito e muitos anos atrás. Sentindo uma queimadura por trás de seus olhos, Zev os fechou. Ele percebeu o cheiro das velas aromáticas. Centenas delas queimavam na caverna com uma combinação de fragrâncias curativas. Mikhail se aproximou do lado da cama elevada com Gregori deslizando para a posição ao lado dele. Ele sentia a sua proximidade, sem ter que ver qualquer um deles. A combinação dos dois homens irradiava um poder extraordinário. Um silêncio se instalou na câmara. Ele sentia uma unidade de calor escaldante direito através de seu estômago e seus olhos se abriram. Gregori estava em cima dele com as mãos levantadas,


50 palmas viradas para o ferimento em suas entranhas, a energia incandescente diferente de tudo que já tinha experimentado. As mãos de Gregori estavam uns bons trinta centímetros do seu corpo, mas ele poderia o estar tocando com um ferro em brasa. Os Cárpatos presente na câmara começaram a cantar, na língua antiga, as palavras poderosas. Outros fora da caverna de cura, ao longe, se juntaram, levantando suas vozes para ajudar na sua cura. Havia algo de reconfortante na certeza de que toda uma comunidade podia se reunir para tentar salvar um único membro da morte. O calor gerado por Gregori sozinho era tão escaldante que sua mente se esquivou do fato de que Mikhail o ampliaria. Uma vez que os dois se unissem, não podia imaginar o grau de calor. Mikhail falou em um tom baixo, poderoso.

Cadam kudejek kuntanak en Karpatiinak és kuntanak en han ku pesanak. Eu invoco as gerações da linha do príncipe e da linha do protetor. Os Cárpatos na caverna responderam para ele.

It kule megem, oma kontak, kayak han ku pusmak. Ouçam-nos agora, guerreiros de antigamente, curandeiros que convocamos. Mikhail inalou profundamente e confiou em seu julgamento.

Kayam kudejek kuntanak Kod-verinak, kontak és han ku pusmak palapala. Eu invoco as gerações da linha de Dark Blood, guerreiros e curandeiros igualmente. Os Cárpatos circundantes responderam.

It kule megem, oma kontak, kayak han ku pusmak. Ouçam-nos agora, guerreiros de antigamente, curandeiros que convocamos. Mikhail continuou.

Juttanak kuntamet en Karpatiinak és kuntamet en han ku pesanak és kuntamet Kod-verinak. Que se junte à linha do príncipe com a linha do protetor e a linha de Dark Blood. It kule megem, oma kontak, kayak han ku pusmak. Una-as como uma. Aqueles na câmara entoaram de volta.

It kule megem, oma kontak, kayak han ku pusmak. Ouçam-nos agora, guerreiros de antigamente, curandeiros que convocamos. Mikhail colocou as mãos em cada lado do corpo de Gregori.

Palapala mekenak tuli ku pusm és katt3nak han ainaba jamatan ekankak. Juntos produzimos o fogo da cura e o enviamos para o corpo de nosso irmão caído. Os Cárpatos retornaram em resposta.

It kule megem, oma kontak, kayak han ku pusmak. Ouçam-nos agora, guerreiros de antigamente, curandeiros que convocamos.


51 Mikhail acrescentou um último apelo aos espíritos dos seus antepassados.

Andak jamatan ekankhoz wake bekit kutni yamay takkapet. Dê ao nosso irmão caído a força para suportar esta prova. Pusmak jakamaka és sayedak hangem wakeva ainaval, kont o sívanak, és umus kaktaveritkuntaknak. Cure suas feridas e o regenere com um corpo forte, coração forte e a sabedoria de nossas linhagens combinadas. Os Cárpatos responderam com uma última invocação.

It kule megem, oma kontak, kayak han ku pusmak. Ouçam-nos agora, guerreiros de antigamente, curandeiros que convocamos. Todo o corpo de Mikhail brilhou branco, suas mãos cintilando com fogo. O fogo saltou dele para Gregori. O corpo de Gregori endureceu, e depois sacudiu forte como se tivesse absorvido um golpe terrível. Chamas percorreram seus braços e cintilaram sobre seus dedos. Ele mergulhou a mão dentro do buraco nas entranhas de Zev. Todo o corpo de Zev convulsionou. Ele ouviu o uivo de um lobo, um grito distante, doloroso que recuou, desesperado para escapar a queimadura do fogo puro. Seu lado Cárpato saltou em direção ao fogo purificador, enquanto o lobo correu para longe. O suor escorria de seu corpo, de modo que todo o seu corpo estava salpicado de pequenas gotas de sangue. Conectados como ele estava com os dois homens através do sangue das linhas antigas, Zev sentia a força como uma forma de carga elétrica crua. Gregori lutava para permanecer no controle de tanto poder. Mikhail lutava para conter a enorme energia que irradiava dele. Todos os Cárpatos estavam conectados através dele e ele extraía suas forças e energias como um ímã. Era como se uma centena de sóis tivesse sido acesa e ele sustentasse todos eles. —Vocês o estão matando, — Fen assobiou. Ele agarrou o ombro de Dimitri, os nós dos dedos ficando brancos. — É muito, recuem. Mikhail lhe lançou um olhar de pura repreensão. Fen começou a se virar, mas não conseguiu. Tatijana estendeu a mão para ele, deslizando sua mão na dele em um esforço para consolá-lo. Skyler se apoiou contra Dimitri, olhando por cima do ombro dele. Ele passou os braços em volta dela, puxando seu corpo para o abrigo do seu. Luz escapou das mãos de Gregori, formando raios através da câmara, tão brilhante que muitos deles tiveram que se virar ou fechar os olhos. Várias formações rochosas explodiram. Ele não afastou os olhos de sua tarefa, o buraco terrível do abdômen de Zev, mas irrompeu em suor. Esferas minúsculas de sangue escorriam pelo seu rosto. Suas feições estavam esculpidas com concentração conforme ele dirigia a luz no corpo de Zev. O corpo de Zev ficou vermelho, como se a sua temperatura subisse e ele não conseguisse mais controlá-la. Seu cabelo ficou mais úmido e seu corpo se contorceu e convulsionou. Sua mente se afastou da dor, uma agonia como ele nunca tinha experimentado, suas entranhas forçadas a regeneração, uma morte não natural de fogo e renascimento. — Você o está perdendo-o, — Mikhail vaiou. — Ele é um Dark Blood. Chame por essa parte


52 dele, o guerreiro nele. Chame pela linhagem de sangue dos Tirunul. De longe Zev ouviu o príncipe falar, mas sua voz se perdeu entre outras vozes chamando por ele de outro reino. Ele sentia a bola de fogo de pura energia branca se movendo através dele, queimando-o, limpando, cauterizando e purificando, mas isso também estava se tornando distante.

Zev, você tem que lutar. Esse era Fen, exigente. Persuadindo.

Vamos lá, mano, este é o seu momento. Não desista. Você pode vencer esta coisa. Ele reconheceu a voz de Dimitri, ou achou que reconheceu. O fogo o consumia, o deixou sem pulmões, sem coração, sem mente. Ele estava carbonizado. Queimado vivo.

Eu estou com você, Branislava sussurrou. Onde você estiver, estarei sempre com você. Ela estava sozinha, seu espírito ainda intacto entrelaçado com o seu e nenhum outro. Ela estava cercada por sua família, pessoas que teriam alinhando seu destino com o dela, mas ela tinha feito o que ele pediu, acreditado na sua força o suficiente para arriscar sua vida mais uma vez. Ele aguentou firme por ela, mesmo que sua mente vagasse em outro reino. Ele os viu, figuras sombrias, guerreiros altos com olhos cortantes e expressões ferozes. As mulheres, belas e corajosas, cujos rostos estavam estampados com a mesma resolução apaixonada que seus homens. Todos tinham um pensamento, uma ideia. Eles se uniram com um único propósito - curar a horrenda ferida em suas entranhas. Ele sentiu o primeiro movimento em sua mente de algo não familiar, ainda assim familiar. Seu sangue aquecido, fervente, corria em suas veias como lava quente, derretida. Escuro e forte, seu sangue se recusou a ser tomado pelo fogo. Seu sangue já era líquido e o fogo não poderia mudar isso. A energia incandescente aniquilava tudo em seu caminho, forçando seu corpo ou morrer ou se levantar como uma Phoenix das cinzas. Seu sangue se movia bravamente pelo seu corpo, determinado a mantê-lo vivo, se mantendo um passo à frente da bola de fogo golpeando através dele. Ela empurrava para dentro do seu coração e para fora novamente, percorreu-o como os rios subterrâneos que ninguém nunca via ou estava ciente, quando o seu coração queria vacilar. Seus pulmões se recusavam a trabalhar, a encontrar o ar, tão queimados e em carne viva que não podiam trabalhar.

Dark Blood não desistem nunca. Eles não desistem. Eles lutam com o seu último suspiro. Ele não tinha fôlego. Não havia ar, só aquele fogo furioso que tudo consome através de seu corpo. Já estava em outro reino, cercando pelos antepassados. Aqui, poderia encontrar a sua avó e sua mãe. Aqui poderia encontrar seus bisavós, os últimos de sua linha lendária.

Você é o último da linha. Você é kont o sívanak, coração forte. Você tem o coração de um guerreiro e você não pode optar por permanecer nesta terra de sombras. Você é necessário. Desta vez, ele não estava certo de quem falou com ele. O príncipe? Gregori? Eles tinham


53 desaparecido tão longe que quase os abandonou. Os antigos então. Ele se sentia confuso, mas não era um homem que já desistiu. Queria viver por Branislava e ele próprio. Sua escolha seria sempre a vida com ela. Ele queria essa chance de fazê-la feliz e experimentar uma vida com ela. Mais, ele era um guerreiro e seu povo precisava dele. Realmente se resumiu a essa simplicidade. Sentiu a força aumentando de algum lugar dentro dele. Determinação e propósito. Seu povo - ambas as espécies - eles precisavam dele e ele não falharia com eles. Sua mulher tinha lhe dado uma confiança que ele ainda não tinha ganhado e ele não falharia com ela. Ele chamou seu lobo, sabendo que estava dividido, que ele não conseguia encontrar o caminho de volta. Ele podia enfrentar o fogo, abraça-lo mesmo se fosse isso que precisava para ser curado e sobreviver para quem necessitava dele. A crise fermentando nele não era sobre sua capacidade de suportar a potência gerada pelo príncipe e o curador, sua linhagem viu isso, era a divisão de seu sangue misturado. O Cárpato nele subiu para batalhar com o curador e o príncipe lutando por sua vida, mas o lobo não tinha conhecimento de tal cura e recuou, rosnando e lutando, determinado a arrastar Zev com ele para um lugar seguro onde o fogo não poderia os alcançar. Zev era um alfa, seu lobo dominante entre os da sua espécie. Era forte e reativo, uma força a ser reconhecida, e se recusava a ceder terreno, uma vez que tomava uma posição. Quanto mais tempo o príncipe e o curandeiro permaneciam unidos, mais intenso o fogo crescia. O tempo estava se esvaindo. A batalha era sua para ganhar ou perder. Lá, nesse outro reino, cercado pelos mortos, seu corpo envolto em chamas, ele estendeu a mão para o seu lado Lycan, abraçando seu lobo. Não houve hesitação ou receio de sua parte. Seu sangue Dark Blood e o de seus irmãos chamando pelo lobo. Sangue Lycan e Cárpato não se misturavam tanto como se houvesse duas espécies distintas em um só corpo com anfitrião capaz de aproveitar os pontos fortes de ambas. Ele ordenou a seu lobo que se juntasse a ele, que absorvesse o fogo queimando por ele. O lobo rosnou e se enfureceu com ele, rondando perto da superfície, ameaçando mudar, assumir o corpo do hospedeiro, querendo mudar de sua forma atual para metade homem, metade lobo, a fim de lutar contra aqueles que tentavam os matar através da queimadura do fogo incandescente. Zev não podia esperar mais, estava deslizando ainda mais para esse reino. As figuras sombrias se tornando mais substanciais. O canto dos Cárpatos desvanecia ao fundo. O calor de seu corpo se tornando ainda mais intenso, uma dor excruciante que não podia parar. Seu lobo insistiu que a solução era ir mais longe para o outro reino, longe dos dois homens manejando o fogo.

Fique comigo, Lycan. Fique com a sua companheira. Tenho grande necessidade de você. Branislava se juntou a ele, sua voz doce chamando através do outro reino. Ela não tinha medo do fogo. Ela abraçou as chamas, as absorveu, se tornando uma com elas. O lobo ficou imóvel, ouvindo por um momento o som musical. Zev o atacou instantaneamente. O Cárpato impôs a sua vontade, o forte coração de um guerreiro, forçando o lobo a ouvir a sua palavra. Ele chamou o Lycan com ele de volta para a superfície, de volta para o quente, quente fogo e Branislava. As chamas pareciam queimar de dentro para fora, roubando seu fôlego, roubando-lhe a razão


54 e a capacidade de pensar. O lobo quase lhe escapou, mas no último momento, Zev conseguiu parar a sua mente devagar e se trouxe inteiramente de volta para a terra dos vivos. Ele engasgou, os pulmões queimando por ar. Ele engoliu um grito de dor, e então o fogo tinha ido embora e ele podia respirar novamente. Gregori se afastou dele, balançando com cansaço. Ele tentou pegar Mikhail conforme o príncipe se sentou abruptamente no chão da caverna ao lado da cama elevada, mas ele caiu também. — Está feito, — Mikhail disse. — Ele sobreviveu. Ele vai precisar de sangue. — Como você. — Dominic Dragonseeker, tio de Tatijana e Branislava, se agachou ao lado do príncipe e estendeu seu pulso. — Eu ofereço livremente. Zev sentiu Branislava pegar a mão dele, apesar do fato de que seu corpo ainda estava ardente. A terrível intensidade do calor havia diminuído de forma que ele podia facilmente suportar as consequências. Seus órgãos lesados, as células, músculos e tecido foram forçados a crescer, regenerando em minutos, quando deveriam ter levado meses debaixo da terra. Ele entrelaçou os dedos com os de Branislava, satisfeito de estar deitado imóvel. Parece que

uma bomba nuclear explodiu dentro de mim. Pensei que se abrissem meus olhos e olhasse para o meu estômago, poderia ver uma nuvem de cogumelo subindo no ar. Os dedos dela roçaram sua pele nua, direito sobre a ferida que tinha sido um buraco em seu corpo. Ele podia sentir seu toque, deslizando tão leve e delicado sobre seu estômago.

Obrigado, Branka, por acreditar em mim o suficiente para fazer o que eu pedi. Foi difícil, ela admitiu. Tinha fé em sua força, Zev, mas também sabia que o seu lobo era muito desconfiado e poderia se tornar um problema. Zev franziu a testa, os olhos saltando para o rosto dela. Conte-me.

Quando você foi ferido, lá na sala de reuniões quando a bomba explodiu e você tentou proteger Arno, o membro do conselho, com o seu corpo sobre o dele e a estaca da mesa passou por seu estômago, seu lobo não ficou feliz de nos ter invadindo você. Nossas sessões de cura envolviam entrar em seu corpo e curar de dentro para fora com a energia. Lycans regeneram. Ambos funcionam, mas Cárpatos e Lycans têm duas maneiras muito diferentes de lidarem com as lesões e seu lobo estava muito desconfiado. Eu tive um monte de trabalho para acalmá-lo. Em torno dele, a caverna tinha se tornado viva com atividade. Ele podia ouvir o murmúrio das conversas. Darius dava sangue para Gregori, e Fen lhe ofereceu seu pulso. Ele tomou-o, de repente, desejando os ricos nutrientes.

Não sabia, eu fui longe demais, eu acho. Ele não gostava da ideia de perda de controle e acho que teríamos perdido você então, mas Skyler é uma mulher e ela está muito perto dos lobos. Ele a aceitou. Tatijana tinha curado você antes e é claro que ele a reconheceu, e aceitou. Sou sua companheira, sua parceira, e ele me aceitou. Além disso, Arno estava trabalhando com ele, um membro do conselho e isso lhe deu confiança. Zev suspirou e passou a língua pelos dois furos no pulso de Fen para parar o fluxo de sangue.


55 Os lobos sempre sobem para proteger seu outro lado. Eu deveria ter esperado que ele subisse. Ele é

forte e rápido e iria lutar até a morte com qualquer pessoa que ele achasse que poderia me prejudicar enquanto eu estava inconsciente. Graças a Deus, ele é tão apaixonado por você. Ela levantou a sobrancelha para ele. Ele? Só o lobo? Ela deu uma pequena fungada incrédula. — Você pode se sentar? — Dimitri perguntou. Zev não fazia ideia, mas escondeu um sorriso de Branislava. Ele gostava de suas pequenas demonstrações de temperamento. A ardência através de seu corpo havia diminuído lentamente. Ele realmente não tinha notado isso declinando enquanto falava com sua companheira. — Estou disposto a experimentar. Dimitri colocou um braço em volta dele. Fen pairava como um novo pai com seu primogênito. Zev resistiu a um comentário sarcástico. Branislava recuou para lhe dar espaço e, imediatamente, um silêncio caiu na caverna e todos os olhos se voltaram para ele. Mikhail tinha ficado de pé. Se fosse possível para ele parecer ansioso, — ele parecia. Gregori se aproximou, parando Zev de se mover com uma mão em seu peito enquanto inspecionava lentamente o local da ferida. — Me diga como você está se sentindo. Zev deu de ombros. — O fogo desapareceu e posso respirar normalmente. Não tenho sido capaz de fazer isso desde que fui pego na explosão. Movi-me alguns centímetros e não dobrei de dor, de modo que é um bom sinal, mas admito que me sinto fraco. Gregori assentiu. — Isso é de se esperar. Você vai precisar de sangue várias vezes ao longo desta noite e repouso, bem como mais recuperação no chão durante o dia de amanhã. Quando você se elevar, nós acreditamos que estará com força total, e o seu corpo deverá estar curado como se espera. — Vamos tentar isso então, — Zev disse. A sala estava muito imóvel e silenciosa. O olhar ansioso no rosto de pedra normalmente sem expressão de Fen foi demais para ele. Zev lhe atirou um olhar fulminante. — Pare de olhar para mim como se eu fosse um de seus pintinhos e você a mãe galinha. Eu consigo. — Você sempre acha que consegue, — Fen retrucou. — Nunca vi um homem mais propenso a ser esfaqueado, baleado, cortado ou rasgado, a não ser, é claro, Dimitri. É uma maravilha eu não ter cabelos brancos. — Você tem, — Zev e Dimitri disseram simultaneamente. A tensão na caverna logo deu lugar a uma onda de risos. Zev se preparou para a dor enquanto se sentava cautelosamente, o braço de Dimitri uma forte barra em suas costas para ajudá-lo, se ele precisasse. Para seu espanto, não houve nenhuma agonia, nenhum desconforto, nem mesmo uma dor ou leve pontada. Se qualquer coisa, os músculos parecia mais forte do que nunca.


56 Ele sorriu para Gregori. — Tenho que dizer que funcionou. — Quero verificar antes de você ficar excessivamente confiantes, — Gregori disse. — Só me dê um minuto. — Você é pior do que eu, — Zev disse. — Você é a primeira pessoa a sobreviver, — Gregori disse. Isso limpou o sorriso do rosto de Zev. Gregori e Mikhail se entreolharam e caíram na gargalhada. — Muito engraçados vocês dois, — Zev disse. — Vou pegar a minha mulher e ir para casa. — Ele não estava completamente certo de que eles não estavam falando sério e um pouco histéricos de alívio. Branislava se aproximou com seu tio. — Este é Dominic e sua companheira, Solange. Não havia dúvida de que Solange lutava ao lado do Caçador de Dragões. Ela era uma guerreira por completo. 2 Em francês: minha gatinha feroz

Zev inclinou a cabeça. — Sou grato a vocês dois, por terem vindo e por sua generosa oferta de entrelaçar seus espíritos ao meu. — É evidente que não era necessário. Mikhail me disse que você é o último da linha Dark Blood. Conheci os seus bisavós. Havia poucos tão hábeis como eles, — Dominic disse. Ele puxou Branislava para perto dele. Tinha certeza agora, que os Cárpatos estavam certos e ele era da linhagem Dark Blood, mas neste momento, tudo o que ele queria fazer era descansar e passar um pouco de tempo conhecendo sua mulher. — Dê outra olhada nele Gregori, — Fen disse. — Precisamos levá-lo para casa.


57

Capítulo 5

— Vamos nos sentar na varanda, só por um pouco de tempo, — Zev sugeriu. Eles tinham acabado de se elevar do descanso do dia e ele queria tempo para estar com ela. — Podemos inspecionar os arredores aqui. — Embora não houvesse dor real, ele ficou surpreso com o quão fraco ainda estava. A noite estava linda. Nas profundezas da floresta estava mais escuro do que fora dela, porque as árvores bloqueavam uma boa parte da lua. Ele vislumbrava o brilho, assim como as estrelas espalhadas através da copa e galhos. Em algum lugar por perto um lobo uivou e outro respondeu. — Skyler e Dimitri estão caçando com os seus lobos, — Branislava disse. — Eles estão com fome. Posso dizer pelo som de seus uivos. O alfa está na pista de algo grande. — Poucos podem ouvir a diferença nas notas, — Zev disse um pouco chocado. — No entanto, você pode dizer o que esse uivo realmente significa? Ela assentiu. — Posso ouvir o que eles dizem pelo campo, as notas em suas vozes. Posso identificar cada membro da alcateia que habita este território. Também aprendi todas às quatro vozes dos lobos de Skyler e Dimitri também. — Isso é incrível. Sou um lobo e posso fazer isso, mas não achava que alguém mais poderia. Ela deu de ombros e colocou os pés em cima da grade. — Amo música Zev. Amo todos os vários instrumentos e os sons que eles fazem. Gosto de ouvir vozes cantando em tom perfeito. Ele sorriu para ela. — E você gosta de dançar. — Gosto. Tatijana também. Parecia a liberdade para mim, flutuando em torno da pista de dança em seus braços. Senti-me como se estivéssemos subindo acima da terra nas nuvens. — Posso ver que vou ter que estudar dança. Não gostaria de tropeçar nos meus próprios pés. — Ele levantou o rosto para a brisa. Do outro lado da casa, os ratos corriam nos arbustos chamando a atenção de uma coruja sentada silenciosamente acima deles em uma árvore particularmente velha e ampla. Era densa com galhos e folhas que pareciam de prata sempre que a lua brilhava através deles. — Isso é impossível e você sabe disso, — ela disse, rindo baixinho. — Já vi você em uma briga com sua espada e facas, e, você é como uma bela dançarina, fluindo ao redor de seus oponentes da forma mais graciosa, flexível que eu já vi. Mesmo Fen admira suas habilidades, — ela acrescentou. — Tive muita sorte de encontrar esse homem, — Zev disse. — Ele foi muito hábil em esconder que era um sangue misturado. Conseguiu viver um bom século ou mais entre os Lycans. — Tatijana me disse. Branislava levantou as mãos para seu cabelo, um movimento ocioso, mas que levantou seus seios sob o tecido do vestido. Agora que eles estavam relaxando em casa, ela vestiu um vestido longo. O corpete abraçava seus seios e costelas e o material alargava sobre seus quadris até cair no chão. A


58 parte de cima era em renda branca com ilhós e uma faixa rodeando a frente e descendo pela frente do vestido em um rico material carmesim. Ela tinha estado na forma de um dragão de fogo durante séculos, e ele não se surpreendeu ao descobrir que ela se sentia atraída pela cor vermelha. Ela parecia extremamente feminina para ele, preferindo vestidos às calças. Ele apreciava se sentar em frente a ela, ali à noite, só olhando para ela. — Você poderia soltar seu cabelo, — ele sugeriu. As mãos dela foram para a grossa massa de seda vermelho-dourado. — Vai estar por todo lado. É um pouco selvagem, — ela confessou um pouco afobada. — Não é liso, mas ondulados, encaracolado e liso tudo de uma só vez. E cresce tão espesso, há muito pouco que posso fazer. — Estou bem ciente disso, — ele admitiu. — Amo o seu cabelo. — Especialmente quando estava selvagem e confuso. Ele pensava nesse cabelo no quarto para combinar com seus olhos sedutores. Com ele solto, ela parecia sensual e convidativa. Toda vez que ela prendia no alto, ou em uma longa trança, seus dedos coçavam para tirar os grampos e apenas deixá-lo cair numa cascata, como uma cachoeira fluindo pelas costas. Ela podia não gostar de todo aquele cabelo selvagem, mas ele gostava muito. Ela puxou os grampos e a massa de seda caiu em torno de seu rosto e pelas costas em ondas de ouro vermelho. Ela balançou a cabeça com um pequeno sorriso, como se achasse que ele era um pouco louco. — Aqui está. A grande confusão. — Você está maravilhosa. Você sempre parece incrível. O que faz você feliz? — Liberdade. — Não houve nenhuma hesitação. Ela se levantou com um salto, esticou os braços e girou em um círculo. — Tenho espaço. Olhe para todo este espaço. Posso voar até as nuvens ou correr na floresta com os lobos. Posso sair e ir para uma cidade. — Ela estremeceu de leve. — Não que eu queria, mas o ponto é que eu posso. — Adoraria te mostrar as florestas da Rússia. E as cidades lá são belas, — Zev disse. — Como você eu não poderia viver em uma, preciso da floresta, mas algumas delas são realmente extraordinária. Persegui três renegados pela França e, enquanto estava em Paris, depois do meu dever realizado, visitei os museus e as obras de arte estavam quase além da minha compreensão. — Vi algumas pinturas em livros, bem como nas memórias de turistas e alguns dos moradores, — Branislava murmurou. — Mas não pessoalmente. — Quando tudo estiver concluído, — ele disse, — nós vamos viajar um pouco, se você se sentir pronta para isso, e ver um pouco do mundo. — A primeira vez que já estive longe de Tatijana foi quando ela foi com Fen para resgatar Dimitri, — Branislava admitiu. — Fiquei para trás porque haviam tantos Lycans aqui e temíamos que pudesse haver uma guerra. Ele a olhou com um olhar sombrio. — Você é uma guerreira. Ela encolheu os ombros. — Sou uma Caçadora de Dragões. A única coisa que com certeza eu


59 e Tatijana aprendemos nas cavernas de gelo era como lutar em uma batalha. Xavier torturou muitos guerreiros de todas as espécies e todos eles compartilharam informações com a gente na esperança de que nós pudéssemos encontrar uma maneira de escapar. Às vezes, isso era tudo o que tínhamos para nos manter firmes, nós duas planejávamos batalhas e falávamos sobre cenários fictícios para manter nossas mentes ativas. Ainda não sei muitas coisas, mas sei como lutar se for necessário. Ela parecia tão linda para ele, ali sob os dispersos raios de luar. Seu cabelo caiu em torno dela, parecendo seda viva, longas ondas que enfatizava sua pequena, afilada cintura. Ela se movia com graça e ele podia imaginá-la como uma bailarina, mas a ideia dela em combate, especialmente contra um lobo em forma Lycan, metade homem, metade lobo, era um pouco assustadora para ele. Ela era quase delicada com sua estrutura óssea pequena e curvas suaves, muito feminina para ele pensar nela brandindo uma espada ou uma faca. — Tenho excelentes habilidades com a maioria das armas. As mais modernas são um pouco mais difíceis, porque Xavier raramente trazia seres humanos. Eles não duravam muito tempo ou o divertiam muito quando ele os torturava. O sangue deles não ajudava seu objetivo final, que era ser imortal. Branislava colocou o braço em torno de uma das colunas de pedra na borda da varanda e olhou para a escuridão das árvores. Zev notou que sua mão tremia conforme as memórias de sua infância e vida caiam sobre ela. Ele se empurrou para fora da cadeira, testando sua força. Estava definitivamente voltando para ele. Ele estava muito mais cansado do que se sentindo como se tivesse sido ferido ou estivesse doente. Ele se moveu atrás dela e imediatamente sentiu seu calor equiparar com o dela. Ela parecia tão calma quando alguém falava com ela. Discreta. Tranquila. Mas estava começando a conhecê-la. Fundido como estava tão frequentemente com ela, seus espíritos entrelaçados, era impossível não ver vislumbres de quem ela realmente era, essa pessoa que ela mantinha a salvo daqueles ao seu redor. Suas razões eram todas táticas. A compreensão tomou conta dele, o atordoando. Ela realmente era uma guerreira. Aquela mulher ardente, apaixonada que ela mantinha escondida estava pronta para a guerra, para o combate, assim como ele sempre estava preparado para isso. Em uma parte secreta da sua mente, ele esperava, que quando ela estivesse preparada para vir até ele, que ela estivesse sempre tão pronta para a sua vida amorosa. Ele passou os braços ao redor dela por trás, segurando sua cintura com as mãos e a puxando contra seu corpo. — Você já se sentiu segura? Ela não se afastou e sim relaxou contra ele, mantendo o olhar na noite. — No chão depois fomos resgatadas. Eu podia sentir a Mãe Terra me rodeando, me segurando em seus braços, todo aquele calor maravilhoso, depois daquele frio gelado. Senti-me segura lá. Fiquei muito mais tempo do que deveria e isso me fez sentir como se fosse uma covarde. Ela olhou por cima do ombro para ele, seus olhos encontrando os dele. — Eu não sou. — Não posso imaginar que você fosse. — Nunca realmente interagi com as pessoas. Falamos com os presos nas cavernas de gelo telepaticamente. Às vezes nós tivemos que construir uma ponte até eles, mas nós realmente não


60 tínhamos conversas como esta. Tanto Tatijana quanto eu temos lacunas em nosso conhecimento. Tentamos aprender o mais rápido possível, mas a leitura de informações ou adquiri-las a partir de lembranças nem sempre se aclara a forma como o evento realmente aconteceu. Um lobo uivou, desta vez mais perto da casa. A noite carregou a nota triste. Zev franziu a testa. — Você ouviu isso? Branislava assentiu. — Esse não foi um dos lobos de Skyler e Dimitri. Ou da alcateia de Ivory e Razvan. — Não foi uma das alcateias locais também, — Zev disse, colocando-a delicadamente para o lado e ligeiramente atrás dele. Ele andou até a beira da varanda. — Mas ele está caçando e está chamando pelo seu parceiro. Ele alcançou Dimitri. Você ouviu? Esse não é daqui.

Nós ouvimos. A voz de Dimitri era sombria. — Fen, Dimitri e Skyler, assim como eu fomos colocados em uma lista de alvos pelos Lycans. Eles enviaram assassinos para nos caçar e matar. — Ele se virou para olhar para ela por cima do ombro. Branislava não estava mais em seu vestido elegante. Vestia calças e botas, e uma camisa macia sob um colete de couro. Seu cinto pendia baixo em seus quadris, contendo uma série de armas. Ela estava pronta para a guerra. Ele nunca tinha caçado com ela no chão antes, e estava um pouco relutante quando não conhecia suas habilidades. No ar, com seu dragão, ela era precisa e tinha loucas habilidades, mas no combate mão-a-mão era completamente diferente. Ela lhe enviou um olhar sob seus longos cílios. — Me teste. Foi a voz em vez de seu olhar que o convenceu. Seu tom de voz vibrou com determinação e até mesmo uma pitada de ansiedade. Ela era um predador por debaixo toda aquela calma beleza e sua natureza ardente exigia ação. — Vou seguir a sua liderança, — ela acrescentou. — Vamos fazer isso então. — Ele deu um passo para fora da varanda. Pela primeira vez usou suas habilidades Cárpato para adquirir suas armas. Seu casaco longo girava em torno de seus tornozelos, todo o interior decorado com armas, a maioria de sua própria criação. Seu cinto continha mais armas, assim como as botas. A espada de prata estava pendurada em sua cintura. Calçou luvas finas para evitar que a prata tocasse sua pele. Ele era sangue misturado, tanto Lycan quanto Cárpato, e prata o queimava quando a tocava.

Nós estamos indo para você, Dimitri, pelo sul. E onde eu localizei a posição do lobo. Nós vamos fazer uma varredura e ver o que acontece. Deixe que os seus lobos saibam que estamos caçando com eles. Ele não está sozinho, Dimitri advertiu. Ele estava chamando pelo parceiro.


61 Sim. Peguei isso. Skyler está em sua linha de visão? Ele estava principalmente preocupado com a nova companheira de Dimitri. Ela tinha habilidades incríveis e os Lycans pertencentes ao grupo misterioso que queria a guerra entre as espécies a tinha particularmente marcado para a morte. Ele tentou não demonstra a preocupação em sua voz. Os Cárpatos eram relativamente novos nas suas relações com o Lycans e tendiam a subestimá-los. Por causa de uma ordem dada séculos atrás pelo seu conselho, Lycans evitavam os Cárpatos, tanto quanto possível, e as duas espécies não tinham interagido.

Eles vão ter treinamento militar com armas, provavelmente armas de fogo, ele advertiu, incluindo Branislava no círculo de informações. Não se esqueçam, eles são rápidos e fortes e caçam em bandos. Este pôde ter mais do que um parceiro. O que você vê não é o único com que se preocupar. Ele deu o conselho para Dimitri, mas estava mais preocupado em transmitir as informações para as duas mulheres, embora ambas tivessem lutado com Lycans antes. Ainda assim, estava preocupado. Dimitri tinha lutado com bandos e contra eles em vários momentos ao longo dos séculos. Dimitri conhecia os lobos e saberia a melhor forma de combatê-los. Ele também era um mestiço, um Hán ku pesák kaikak, guardião de todos, o que significava que ele poderia utilizar tanto os dons Lycan quanto dos Cárpatos. Ele era rápido e inteligente e extremamente forte.

Lycans pode saltar grandes distâncias, nunca assuma que está seguro por ir para o ar, ele acrescentou, incapaz de se parar de lembrar Branislava, embora ela tivesse lutado com os bandos de renegados antes. Branislava se moveu em silêncio, ficando bem atrás dele. Ele percebeu que ela estava seguindo exatamente os seus passos, escolhendo o mesmo caminho. Não havia sequer um sussurro de suas roupas deslizando contra as folhas. Nem um único galho ou folha estalando ou crepitando sob as solas de suas botas. Ela poderia muito bem ser um fantasma flutuando durante a noite em direção ao seu destino. Zev cresceu Lycan e era Lycan em sua mente. Conhecia as florestas e como viajar através delas em silêncio, mas ela o surpreendeu.

Você me deu o conhecimento, ela disse. Estou na sua mente e seus hábitos estão enraizados em você. Simplesmente tenho que absorver esse vasto acervo e estarei à plena carga. Recuso-me a ser um peso para com você quando nós caçarmos. Ele sentia orgulho dela. Seu nível de confiança como uma caçadora era muito mais forte do que quando estava em um ambiente social. Ele entendia o porquê. Como prisioneira, ela realmente nunca tinha tido a oportunidade de aprender as sutilezas que a maioria aprende desde pequenas. Ela aprendeu táticas de batalha dos presos, mas não sabia como interagir socialmente. O comportamento dela fazia sentido. Ela permaneceu em silêncio, absorvendo o conhecimento daqueles ao seu redor, aprendendo rapidamente. Ela não parecia ser uma ameaça para ninguém. Todo o tempo ela estava aprimorando suas habilidades para o combate. Ao mesmo tempo, estava tentando aprender como se comportar em situações sociais. Infelizmente, ela tinha conhecido - e reconhecido - seu companheiro. Ele foi mortalmente


62 ferido, e todos os seus planos de absorver lentamente a cultura e a sociedade de Cárpatos e humanos foram por água abaixo em seus esforços para salvá-lo. Todos os seus sentidos estavam em alerta total. Ele podia ouvir o menor movimento, os ratos correndo na vegetação, as várias criaturas que faziam a sua casa no mato. Os insetos continuavam a zumbir, mas ele esperava por isso. Lobos não perturbavam a ordem natural da noite. Ainda assim, ele estava inquieto e certo de que estavam se aproximando de sua presa. Ele diminuiu o ritmo ainda mais, avançando pelo meio do mato, seu olhar varrendo continuamente o seu entorno, examinando acima, abaixo e em ambos os lados deles, bem como à frente. Ele deu mais dois passos e uma fronde4 ligada a uma grande samambaia se moveu ligeiramente, um pequeno balançar. O vento estava acima deles na copa, não se movendo através da floresta pelos grandes troncos. Não havia nenhuma legítima razão para o ramo se mover como fez. Ele parou abruptamente, mas ela não colidiu com ele. Quando olhou para ela por cima do ombro, seu olhar estava fixo no mesmo ramo. Orgulho brotou. Branislava sabia o que estava fazendo. Ela sabia o que procurar. Zev ergueu o punho sem pensar, se abaixando nos arbustos. Ela obedeceu ao sinal de silêncio para parar, se agachando ainda mais baixo quase ao mesmo tempo em que ele. Não houve nenhum som, nenhum sussurro de movimento. Ela era muito boa e ele se viu lhe dando o respeito que daria um companheiro mateiro.

Lycans sentem a energia dos Cárpatos quando usa qualquer um dos seus dons, ele a advertiu. Ele era sangue misturado e podia conter sua energia. Skyler era a única totalmente Cárpato que ele tinha visto capaz de fazer isso. Lycans não podiam sentir a sua presença, nem mesmo depois de sua conversão, e ela ainda não era um sangue misturado como Dimitri. Ele estudou o terreno em torno da samambaia. O chão da floresta era irregular. Raízes corriam ao longo da superfície, como veias. Troncos de árvores caídas, podres e ocos estavam espalhados ao redor como se arremessado por uma mão caprichosa. Folhas e agulhas de pinheiro estavam a centímetros de profundidade, não perturbadas por centenas de anos, até agora. Zev avistou os brotos torcidos e machucados na raiz da samambaia. Quatro grandes arbustos se cruzavam com as samambaias surgindo em toda parte ao seu redor, quase as sufocando. Ele mal conseguia distinguir a sola de uma bota, espreitando do mato. Ele tocou o ombro de Branislava e indicou o sinal revelador. Ela assentiu com a cabeça.

Fique aqui. Vou avançar sobre ele, mas esteja alerta para qualquer som, qualquer balançar de um ramo ou ondulação na terra. Se souberem que os estamos caçando, isso pode ser uma armadilha. Estou confiando em você para guardar minhas costas. Ele virou a cabeça para olhar em seus olhos brilhantes. Não parecia apreensiva. Na verdade, parecia mais calma do que já a tinha visto. Sentia-se mais calma. Estava definitivamente confiante em suas habilidades e isso lhe deu confiança nela. Ele estava só um pouco chocado com a sua relutância em deixá-la. Muitas das mulheres Lycan lutavam contra os renegados se suas aldeias ou casas fossem atacadas. Muitas serviram nas forças


63 armadas dos seus países, não importa onde seus bandos estavam localizados. Em seu próprio * Em botânica, chamam-se frondes às folhas verdes e geralmente compostas das samambaias e das palmeiras. bando de elite, Daciana caçava com ele, e nunca havia duvidado dela ou se sentido hesitante em deixá-la sozinha. Ele não gostava de Branislava fora de suas vistas. Essa era a verdade. Ele detestava sair do seu lado quando o perigo espreitava tão perto. Ele tinha certeza de que sua relutância era devido a ela ser sua companheira e de forma alguma que ele tivesse medo que ela não pudesse lidar com o que acontecesse na floresta. Um lobo uivou e pelo timbre da voz, ele sabia que era um animal. Ele reconheceu o tom de Shadow, o alfa de Dimitri. Outro respondeu. Essa era a pequena fêmea, Moonglow. Shadow uivou uma segunda vez e Sonnet respondeu.

O que eles estão dizendo?Branislava perguntou. Uma nota não quer dizer nada. Ela o tinha levado ao pé da letra e sua telepatia estava em um caminho muito limitado, cada palavra espaçada e fraca, então a energia seria dispersa quase antes que ele pudesse entender as palavras empurradas em sua mente.

E uma contagem. Eles já viram quatro assassinos rastejando pela nossa floresta. Eles devem estar à procura de alguém, e eu apostaria suporia que é a Skyler do Dimitri. Eles vão receber um choque se chegarem a algum lugar perto dela. Satisfação afiou seu tom. Nós temos um perto de nós, por isso o meu palpite é que eles estão caçando em pares. Tem de haver pelo menos mais um. Ele deitou de sua barriga e arrastou no meio do mato em direção ao Lycan posicionado entre três pesados arbustos de bagas. Centenas de samambaias tinham empurrado todos os arbustos para cima de modo que as frondes entrelaçaram com as folhas das plantas, formando um abrigo natural. O Lycan, e Zev o reconheceu como Rollo, estava em um bando subordinado ao bando principal do membro do conselheiro Randall. O bando principal de Randall era um dos maiores que Zev conhecia. O bando maior comandava três outros bandos subordinar a ele. Zev tinha falado muitas vezes com Rollo. Sabia que o homem tinha uma companheira, mas sem filhos, o que não era incomum. Poucos Lycans eram capazes de ter filhos com exceção do casal alfa. Este era outro homem que ele gostava. Ele era um bom caçador. Ele havia servido nos Marines dos Estados Unidos. Muitas vezes ele corria com outro homem com o nome de Ivaylo. Zev apostaria sua vida que Ivaylo estava em algum lugar por perto protegendo as costas de Rollo. Ele cheirou o assassino Lycan agora, a agressão, a mistura de medo e excitação que muitas vezes vinha com a espera pelo combate realmente começar. Adrenalina sempre disparava quando à espreita para emboscar alguém. Zev podia ouvir o coração de Rollo bombear como um louco, um som ritmado que acenava para ele. Ele ouviu o sangue fluindo como água em suas veias. Sua linhagem Dark Blood -e ele


64 reconheceu pelo que tinha assumido a liderança. Com a mistura de Lycan e Cárpato, seus sentidos estavam tão agudos que era quase irresistível. Ele ficou imóvel, a poucos centímetros de sua presa, deixando seus sentidos se espalhar, buscando Ivaylo, o Lycan que estava certo era o parceiro de Rollo. Sabia que eles tinham servidos no exército juntos. Os dois homens gostavam de dizer que eles se uniram, saíram juntos e se casaram com suas esposas no mesmo dia, em uma cerimônia dupla. Ele ficou muito quieto, esperando o sinal de que sabia que eventualmente viria, revelando a posição do segundo Lycan. A caça era toda sobre a paciência, e ele tinha em abundância. Esperava Branislava também. A tensão aumentou. Um minúsculo roedor passou por cima sua mão, parou e ensaiou quatro vezes antes de desaparecer no pequeno campo de samambaias. Rollo suspirou, o som abafado, como se sua boca estivesse coberta pelo seu braço. Uma coruja desceu rapidamente, garras estendidas, para pegar o pequeno roedor. O roedor fez um som estridente de angústia. Conforme as garras passaram por cima dele, o roedor mergulhou na fenda entre duas pequenas pedras. A coruja perdeu sua presa e com um pequeno grito de decepção, se ergueu de volta ao ar com esforço das asas. O pássaro foi para a árvore vários metros à frente as samambaias, voou para um galho mais alto e se desviou bruscamente. Zev seguiu a linha de visão da coruja. Muito claro, assim como ele esperava, Ivaylo estava deitado em cima da árvore, cobrindo seu amigo.

Você o vê? Fiquei ciente dele no momento que a coruja não quis pousar. Ela ficou em silêncio por um momento, deu um suspiro e depois admitiu a verdade. Vi o mergulho da coruja para o roedor, mas quando ela se desviou, sua conclusão estava em sua mente antes que eu tivesse a chance de realmente chegar lá sozinha. Mas eu gostaria de ter. Se nós vamos abrir caminho para Dimitri e Skyler para ajudá-los, não podemos ter os dois vivos e caçando atrás de nós, você sabe disso, não sabe? Caçar não era o mesmo que assassinato. Branislava não era um soldado. Um lobo enfiou a cabeça no meio do mato a poucos metros de Rollo. Branislava respirou fundo. Este não era do bando de Skyler e Dimitri, ela podia dizer pelas marcas, mas não havia lobos locais na área e este era muito curioso. Zev xingou baixinho. Sabia exatamente o que estavam fazendo agora. Os Lycans estavam cientes de que Dimitri gostava de lobos. Eles conheciam sua reputação. Estes dois estão à espreita

para os demais expulsarem os lobos deste caminho. Ao fazer isso, eles planejam fazer Dimitri e Skyler aparecerem. Um tiro foi disparado. O lobo ganiu e saltou no ar. Ofegante, olhos revirando de dor, ele bateu no chão duro. Várias vezes ele tentou se levantar, apenas para voltar a cair novamente. Quando o lobo percebeu que era incapaz de andar, ele tentou puxar seu corpo pelo terreno para a relativa segurança do arbusto mais pesado.


65 Uma raiva fria formou duros nós em sua barriga. Isso é um sacrilégio, Zev vaiou. Nenhum

Lycan deliberadamente fere um lobo. Eles são nossos irmãos. Estes dois não parecem se importar nem um pouco. Lembre-se, eles estão caçando Dimitri e Skyler, provavelmente você e Fen também. Acho que posso ir até o lobo e tentar parar o sangramento. Branislava soava confiante. Ele não podia criticar sua coragem. Ela esperou que ele decidisse. Se ela fosse ajudar o lobo, e isso por si só era perigoso visto que o lobo era selvagem e agora ferido, ele teria que tirar Ivaylo na árvore para protegê-la. Isso deixaria Rollo apenas a alguns metros dela, armado e ansioso para matar.

Posso fazer isso, Zev. Quero fazer isso, ela insistiu. Sua bisavó caçava ao lado de seu companheiro e eu pretendo fazer o mesmo. Tenho que começar em algum lugar. Ele acenou com a cabeça lentamente e sinalizou para ela ir. Ela não cometeu o erro de usar as habilidades Cárpato de mudar para algo pequeno, a fim de abrir caminho através da terra para o arbusto onde o lobo estava escondido. Ela se lembrou de que os dois Lycans seriam capazes de sentir aquela energia imediatamente. Em vez disso, Branislava usou os dedos dos pés e cotovelos para empurrar-se para trás, mais fundo no esconderijo, numa estreita trilha de um coelho. Nem uma única folha, videira ou ramo se moveu enquanto ela avançava centímetro por centímetro através do túnel em direção ao lobo. Ela era pequena, mas ele estava chocado que pudesse usar essa passagem, sem se revelar ao inimigo que estava definitivamente preparado e pronto para qualquer um que mostrasse sua face. Zev particularmente não dava a mínima se Ivaylo o viu ou não chegando. O homem tinha um rifle nas mãos e Branislava estava se aproximando de um lobo ferido. Ela iria ficar cara-a-cara com o animal a qualquer momento e todo o mundo poderia vir a baixo. Zev usou sua velocidade de sangue misturado, um borrão, um movimento impossível-de-ver, enquanto corria para a parte inferior da árvore e saltava, suas garras tirando o rifle das mãos do Lycan e arrancando-o para fora da árvore ao mesmo tempo. Conforme os dois caíram para o chão, Zev torceu no ar, usando o corpo de Ivaylo como um escudo para evitar que seu amigo atirasse nele. Ele sabia a atenção de Rollo estaria na luta desesperada entre Zev e Ivaylo e não em Branislava e o lobo. Eles bateram no chão juntos, Zev caindo de pé, agachado e Ivaylo de costas no chão. Zev usou a enorme força de seu sangue misturado e prendeu Ivaylo através de várias camadas de vegetação e solo com uma mão. A outra segurava o punhal de prata, girando como um saca-rolha em seu punho. Ele o bateu profundamente no peito, penetrando o coração e empurrou até o fim, prendendo Ivaylo à própria terra. Um tiro foi disparado e depois outro. Rollo disparado rapidamente, desesperado para levar Zev para longe de que seu amigo. Balas cuspiam por todo chão ao redor de Zev. Cascas estilhaçadas conforme as balas rasgavam o tronco da árvore atrás da sua cabeça. Zev rolou para longe do corpo de Ivaylo em direção à proteção. Ele teve um vislumbre de Branislava e seu coração pulou em sua garganta. Ela se levantou atrás Rollo como uma ave das


66 lendas, a Phoenix de fogo. Seu cabelo, naquela longa trança, penteado para trás de seu rosto crepitava com faíscas de fogo tão vermelho sangue como qualquer pôr do sol. Seus olhos tinham ido do esmeralda profundo para o verde com chamas vermelho alaranjadas rugindo no centro. Rollo se levantou, rifle no ombro, dedo no gatilho, disparando rodada após rodada. Atrás dele, a figura diminuta de Branislava assumiu um brilho de fogo, como se profundamente dentro dela o ardente dragão do fogo estava emergindo. Ela pareceu crescer em estatura, se levantando ameaçadoramente atrás do Lycan. A lua pegou o flash de prata em sua mão. Ela não mergulhou a adaga em seu corpo na parte de trás como ele esperava que ela fizesse. Ela saltou no ar, bem por cima dele, as duas pernas chutando com força a arma, tirando-a de suas mãos. Enquanto caia, ela mergulhou a adaga diretamente no coração. Os pés dela tocaram o chão e ele ficou ali um momento balançando, os olhos arregalados com o choque, ambas as mãos subindo para envolver punho da adaga, como se ele pudesse encontrar forças para retirá-la. Branislava recuou. Rollo tombou a seus pés, as mãos ainda segurando a lâmina de prata em seu coração. Ela levantou a mão no ar e Zev jogou a sua espada. Ela pegou no ar e a desceu em um movimento cortante, usando a força Cárpato para cortar a cabeça, tudo em um só movimento. Sem parar seu balanço, ela continuou a levantar a espada e a atirou de volta para ele. Zev removeu cabeça de Ivaylo também. — Acho que estava se exibindo, mon chaton féroce. Ela lhe deu um sorriso enigmático. — Talvez, mas fiz o trabalho. Você vai avisar Dimitri e Skyler, enquanto tento salvar o lobo? Tive que escolher entre vocês dois, o lobo ou o companheiro louco, e desde que Mikhail e Gregori acham que você é tão importante, pensei que seria melhor escolher salvar você. Ele assentiu, o calor florescendo do nada. A cada passo que ela dava, mesmo com seu flexível deslizar sobre a vegetação, ela crepitava com fogo. Era como se faíscas saltassem de sua pele e cabelo para o ar ao seu redor, embora não houvesse nenhum som real, apenas a ilusão de chamas queimando de dentro para fora.

Dimitri, dois abatidos aqui. Você pode fazer um movimento em nossa direção? Estamos encurralados. Eles não estão cientes de que estamos aqui, mas existem quatro deles e nós estamos presos no meio. Posso pegá-los um por um, mas não tenho certeza de que quero deixar Skyler vulnerável. Zev conseguia entender o dilema de Dimitri. Ele não gostaria de deixar Branislava, e ela tinha o conhecimento de centenas de guerreiros ao longo dos séculos. Skyler tinha dezenove anos e havia se convertido recentemente.

Eles estão usando a alcateia local para tentar te atrair. Temos um lobo ferido aqui. Branka está tentando salvá-lo. Estamos mantendo nossos lobos com a gente. Avisei a alcateia local para ficar longe, mas eventualmente eles vão voltar para investigar. Este é o seu território. Zev entendida isso também. Os Lycans seriam pacientes. Eles tinham toda a noite para caçar


67 Skyler e Dimitri, e a alcateia local. Eles procurariam abrigo e apenas esperariam. Eventualmente, a alcateia iria voltar. Os lobos farejaram rivais em seu território e querem expulsá-los. No momento em que se mostrassem, os Lycans iriam feri-los, na esperança de atrair Dimitri ou sua companheira.

Estou abrindo caminho até você. Não atire em mim por engano. Tenho notado que você pode ser um pouco sanguinário. Sinto-me compelido a salientar que seu humor está se tornando menos Lycan e mais Cárpato a cada momento. Zev se encontrou rindo. A vida era boa quando você tinha família. Ele tinha esquecido esses momentos, pequenos momentos roubados, onde se podia encontrar humor, mesmo no meio de ser caçado. Ele não tinha tido uma família por um longo tempo - a menos que contasse Daciana, Makoce e Lykaon, três membros de seu bando de caça de elite. Ele sempre contara com eles para ter a suas costas - e eles nunca lhe faltaram. Ele foi até Branislava. Ela se agachou nos arbustos, com uma mão no pelo macio, cabeça abaixada. Ele suspirou e colocou a mão em seu ombro. — Sinto muito, chéri5, não havia nada a fazer. — Pesar jorrou. Apesar de ser um animal, o lobo era irmão de sangue, e uma criatura selvagem e majestosa que não merecia ser apanhados na guerra acontecendo. Ela olhou por cima do ombro para ele, as lágrimas fazendo seus os olhos voltarem para ao esmeralda. — Entendo como Ivory pode ser tentada a salvá-los quando não deveria. — Transformar um lobo em Cárpato poderia ser a criação de uma máquina de matar. Ivory tinha passado algum tempo com os filhotes antes de convertê-los, — ele advertiu. — Mas a prática é perigosa. Branislava concordou e permitiu que ele a ajudasse a levantar. — Estou bem ciente disso. Ainda assim, foi uma luta não tentar. Admito que ele estava muito longe, mas a tentação estava lá. — Você está dizendo que provavelmente vamos acabar com tatuagens de lobo? — ele perguntou, colocando o braço em volta dela e a puxando para perto para consolá-la. — Tua vontade manda “Lobinho”. — Ela se apoiou nele, permitindo que seu corpo se abrigasse contra o dele por apenas um momento, enquanto ela se firmava. — Vou ter todos os lobos andando na minha pele. — Mestre-Lobo, — ele corrigiu solenemente. —Vou ser o mestre dos lobos e o lobo responsável. Isso lhe comprou um leve sorriso e um rápido rolar de olhos. Ela voltou sua atenção para os dois corpos. — Não podemos incinerá-los sem que os outros Lycans saibam que estamos na floresta também. — Eles não vão a lugar algum, — Zev decretou. — Não é como se eles fosse se levantar como zumbis. — Pode acontecer, — Branislava disse. — Tatijana me contou tudo sobre o apocalipse zumbi.


68 Ele riu suavemente. — Ela esteve vendo filmes, não foi? Branislava teve que admitir a verdade disso. Ela assentiu, mas levantou a sobrancelha para ele. — Se Lycans e Cárpatos são reais, zumbis poderia ser também. Ele deu um beijo no topo de sua cabeça. — Vampiros fazem fantoches. Fen se refere a eles como fantasmas, mas vamos chamá-los de zumbis apenas para você. — Vamos caçar os assassinos. Eles têm Dimitri e Skyler encurralados. — Dimitri não me parece o tipo de homem que seja encurralado, — Branislava respondeu com uma pequena fungada de desdém. — No momento em que chegarmos lá, ele vai ter tomado conta do negócio. Eles correram pela floresta em direção às coordenadas que Dimitri enviou. Quando se aproximaram da área, eles desaceleraram. Zev estava satisfeito que Branislava o fez inteiramente por conta própria, sem esperar pela sugestão dele. Mais e mais, ele descobriu que estava confortável com ela caçando com ele. Ele sinalizou para ela ir por baixo. Ele foi para o alto, indo para a copa das árvores como um grande lagarto agarrado à casca. Seu corpo assumiu a coloração de tudo ao seu redor para que ele se misturasse perfeitamente com o seu entorno. Cheirando sangue, ele não ficou surpreso de encontrar o primeiro corpo deitado na base de um grande tronco de árvore. A cabeça estava sobre o peito e uma estaca de prata atravessava diretamente o peito. O braço do Lycan morto estava virado para cima, expondo o pequeno círculo intrincado no pulso interior. Este homem tinha sido um membro do Círculo Sagrado, um tipo de seita religiosa que muitos dos Lycans acreditavam.

Bom trabalho. Você já localizou o seu parceiro? Ainda não. Estou trabalhando nisso. Vou me mover no sentido horário. Branka está no chão procurando na mesma direção, usando um padrão de grade. Skyler vai tomar o caminho oposto a Bronnie, Dimitri disse, relutância em sua voz. Zev! Branislava interrompeu, sua voz tremendo com aflição, mas ela continuou seu caminho oculta dos Lycans e ele não podia deixar de ser orgulhoso dela.

A alcateia está retornando. O alfa quase pisou em mim. Tentei mandá-lo embora, mas ele sentiu o cheiro de sangue. Zev amaldiçoou em voz baixa. A última coisa que eles precisavam era da adição em uma alcateia saudável, territorial que poderia ser usada contra eles.

Faça o seu melhor para avisá-los do perigo. Isso era tudo o que eles poderiam fazer. Se a alcateia não ouvisse, estava sobre seu alfa, não Branislava, embora soubesse que ela iria se culpar se algo acontecesse com os outros lobos. Ele mentalmente se preparou para o fato de que ela iria querer salvá-los e que ele teria que dizer a ela para deixá-los ir.


69 Zev se moveu para a próxima árvore através dos longos e vastos ramos tocando a árvore em que estava. Ele deu um olhar cuidadoso ao redor. Sua respiração ficou presa na garganta. Seu coração deu um salto selvagem de medo. Skyler estava a uma boa distância, de bruços na vegetação, alguns arbustos a cobrindo, mas ela estava exposta e um bom sniper6 poderia facilmente matá-la.

Skyler, se esconda, ele alertou abruptamente, medo deslizando por sua espinha, tudo nele se esforçando para protegê-la, mas até mesmo a sua incrível velocidade, pulando de galho em galho não ia chegar lá a tempo. Um tiro foi disparado e o corpo dela estremeceu. Um pequeno gêiser vermelho subiu no meio da parte traseira de sua cabeça.


70

Capítulo 6

Zev esperava sentir sua morte, assim como todos os Cárpatos tinham na primeira vez em que ela tinha sido morta pelos Lycans, mas não houve nada, apenas o vazio. Outro tiro foi disparado e depois um terceiro, ambas as balas indo para o corpo no chão. Claramente ela já estava morta, mas o atirador queria ter certeza. Mesmo enquanto Zev assistia em uma espécie de horror, o corpo de Skyler sacudiu, os braços se esticando rigidamente, os pés batendo no chão. Ela se levantou com várias contrações e solavancos, ficando eventualmente ereta, com os braços levantados rigidamente na frente dela. Seu corpo se virou como se fosse uma bússola apontando o caminho para o assassino. Ela cambaleou a frente. O sangue escorria pelo seu rosto através do orifício de saída em sua bochecha direita. Mais sangue manchava a frente de seu colete. Cada passo que dava era trabalhoso, seu corpo tremendo com espasmos e contrações. Os olhos dela estavam arregalaram e arredondados. As vísceras revoltas de Zev se acalmaram e ele passou a mão pelo rosto, afastando o medo de perder Skyler e substituindo essa intensa emoção por uma enorme gargalhada. Skyler assistiu filmes

com Tatijana, não foi? Era quase impossível afastar seu olhar do espetáculo de horror enquanto Skyler continuava sua árdua jornada pela floresta em direção à árvore onde o sniper tinha ficado à sua espera. Outra bala a atingiu no olho esquerdo. A cabeça dela se lançou para trás e ficou na posição por alguns segundos, enquanto seus pés rapidamente cambaleavam para trás em um esforço para recuperar o equilíbrio. O arbusto à esquerda de Skyler se separou, e Branislava surgiu, seu rosto frouxo, boca caída, os braços levantados na frente dela. Ela tinha os mesmos passos bruscos que Skyler tinha, enquanto vacilava a frente. Parte do braço dela caiu no chão e alguma carne em seu rosto desprendeu. Ela não olhou para a direita ou esquerda, mas cambaleou na direção que Skyler tinha estado apontando. Skyler se endireitou, embora a cabeça inclinada em um ângulo alarmante conforme começava seu lento, oscilante progresso em direção à árvore escolhida pelo Lycan. Zev podia vê-lo agora, levantando sua cabeça em alarme, colocando o olho em sua mira, só para levantar a cabeça novamente, como se incerto se ele deveria ou não escapar rapidamente dali. O sniper se acomodou por trás de seu rifle e apertou o gatilho, desta vez apontando para Branislava. Olhando para ela conforme sua carne começava a cair, Zev não pode culpar o Lycan. A bala atingiu o peito, jogando-a para trás como se ela fosse uma boneca de papel. Ela tropeçou conforme sangue negro jorrou em torno do ponto de entrada, direito sobre o coração dela, mas ela se recuperou, balançando e se contorcendo, antes de iniciar o seu progresso a frente mais uma vez. Conforme elas começaram a convergir para a árvore, outro arbusto se abriu e um terceiro zumbi tropeçou para fora. Tatijana parecia pior do que Branislava, com o cabelo caindo, deixando um rastro de tufos vermelho atrás dela. Um pé aparecia ter desaparecido de modo que ela cambaleava de


71 forma desigual, mas de forma constante em direção à árvore. O Lycan escolheu se retirar, recolhendo sua arma apressadamente. Levantou-se, relutante em afastar seu olhar da visão improvável, mas muito real de três mulheres mortas vindo para ele. Virou-se para fazer seu salto da árvore. A verdadeira Branislava bateu a estaca de prata profundamente, empurrando-a duro em seu peito com sua força dos Cárpatos. Tatijana empunhou a espada de prata, um corte limpo no pescoço do sniper, cortando sua cabeça para que ela caísse quase aos pés dos três zumbis. Imediatamente as aparições desapareceram, meras ilusões que Skyler tinha criado para manter a atenção do sniper longe das duas mulheres que o espreitavam. Zev balançou a cabeça. Bom trabalho, Skyler. Um pouco teatral, mas funcionou.

Minha homenagem a Josef e uma pequena vingança em seu nome para esses assassinos. Não havia nenhum remorso em sua voz. Josef era seu melhor amigo e os Lycans tinham atirado nele. Skyler era conhecida por guardar rancor e se vingar. Josef adoraria meu estilo. Desta vez, seu tom era um pouco presunçoso.

Dimitri, não há como manter essas mulheres Dragonseeker sob controle, e a sua poderia ser o líder, Zev o informou. Quatro assassinos mortos e pelo menos mais dois para eliminar. Aquele Branislava e Tatijana tinham matado não era o parceiro do Lycan que Dimitri tinha matado. Ele não estava em posição de cobrir o Lycan na árvore. Dimitri estava indo em direção ao parceiro do homem. Zev precisava se concentrar no sniper no alto das árvores, com sua visão panorâmica. Ele tinha certeza de que sabia onde procurar pelo parceiro do assassino morto. Havia geralmente um padrão na maneira como os Lycans caçavam, mesmo de uma distância segura.

Skyler é um pouco selvagem, Dimitri admitiu, o riso em sua voz. Quem diria? Você sabia, Skyler entrou na conversa. Você era o único. E agora tenho minhas tias e meus lobos. Lembre-se disso, Zev, a próxima vez que você decidir se meter comigo. Zev ouviu o riso fraco das outras duas mulheres conforme Skyler compartilhava sua ameaça vazia com elas. Ele já estava em movimento, mais uma vez usando os galhos das árvores para recuar e encontrar o segundo atirador.

Branka, verifique o pulso ou o braço para ver se ele tem uma dessas tatuagens de círculos. Ele tem, posso ver isso daqui. É a mesma que os outros dois homens tinham. Poderia isto ser fervor religioso? Ele duvidava. Tinha ido a algumas das reuniões. Enquanto Arno, o líder do conselho que ele tinha protegido, quase a custo de sua própria vida, era um incrível palestrante motivacional, apaixonado, ele não era fanático. Ele mantinha posto na hierarquia do Círculo Sagrado, acreditando em seus princípios, mas temperando essas crenças com o pensamento lógico. Zev viu o sniper na curva de um abeto, mais acima nos ramos do que seu parceiro tinha estado. Ele havia subido para tentar obter uma melhor visão do que seu companheiro tinha estado


72 atirando. Mais do que provável, Skyler tinha criado a ilusão só para o homem em que ela estava se concentrando. Este Lycan tinha visto um chão da floresta vazia. Ele não podia dizer no que, se alguma coisa, seu parceiro tinham disparado. O lagarto se moveu ao longo do ramo, com passos deliberadamente lentos, com cuidado para não chamar a atenção enquanto lentamente se dirigia para o ramo que interligava a árvore em que estava e aquela em que o sniper estava. Ele reconheceu o cheiro e seu coração se afundou. Damon Declaw era o irmão mais velho de Daciana. Eles tinham comido juntos mil vezes ao longo do século passado. Eles riram juntos. Caçaram juntos, e até deram um ao outro sangue quando os ferimentos de batalha os tinha forçado a fazê-lo. Daciana amava esse homem com todo o seu coração. Ela o respeitava. Admirava. Ela compartilhava histórias com ele de suas expedições de caça contra os bandos de renegados. Ele sempre a apoiou. Os membros radicais do Círculo Sagrado não acreditavam em mulheres carregando armas. Damon nunca havia parecido nada além de orgulhoso de sua irmã. Zev balançou a cabeça. Não tinha ideia do que ia fazer. Damon estava à espreita de um membro da alcateia local, e isso ia contra tudo o que eles eram como espécie. Eles protegiam a vida selvagem, e não a usavam como isca. Será que ele mataria Dimitri? Ou Skyler? Talvez Branislava? Jurando ferozmente baixinho, Zev começou a se dirigir para o tronco da árvore. Se movendo lentamente, mantendo um ritmo deliberado que não chamasse a atenção para ele. Ele se misturou com a casca de árvore e enquanto se movia para o ramo para chegar à posição atrás de Damon, ele percebeu que precisava de provas de que seu amigo, o irmão de Daciana, tinha indo ao extremo naquilo.

Skyler, você pode projetar a ilusão de um lobo curioso o suficiente para sair dos arbustos para investigar um dos corpos? Não o leve muito perto do corpo. Ele não queria que a reação de Damon fosse protetora, mantendo o lobo longe de um amigo caído, mas sim saber se Damon realmente iria atirar no lobo para atrair Skyler e Dimitri para campo aberto.

Sem problemas. Ela era toda negócios agora, todo indício de risada desapareceu como se ela percebesse que ele estava puxado em duas direções e sentisse simpatia por ele. Zev sabia Skyler era uma empata, quer ela soubesse ou não, mas neste caso, era muito mais provável que sua Branka permanecesse fundida com ele e lesse facilmente o seu dilema.

Eu estou com você, independentemente do resultado, Branislava sussurrou em sua mente. Ele foi inundado com o calor, com a promessa de um futuro. Ela pode não estar pronta para se comprometer nesse momento, mas sabia que eventualmente iria e queria que ele soubesse também.

Este homem é um amigo. Se eu o matar, como irei enfrentar Daciana? Se ele tinha uma família no mundo Lycan, eram Makoce, Lykaon e Daciana. Ela nunca o perdoaria se ele matasse seu irmão. Nunca. E não iria culpá-la. Ainda assim, se Damon estava disposto a quebrar as regras de sua sociedade, que escolha ele tinha?

Talvez você não tenha, Branislava disse. Talvez ele vá te dar uma razão para mantê-lo vivo.


73 Ela sempre conseguiu dizer a coisa certa. Ele posicionou o lagarto acima da cabeça de Damon e esperou. Alguns momentos depois, Damon deslizou a arma lentamente a frente e se inclinou para colocar o olho na mira. Zev viu o lobo conforme ele cautelosamente irrompia através dos arbustos com o focinho. O animal esperou pacientemente por um período de tempo antes de se mover para o exterior, o nariz para o ar, procurando o cheiro de sangue e morte. Ela era uma fêmea bonita, forte e musculosa, com um casaco de pele tricolor. Tons de preto, prata e carvão brilhavam conforme a lua batia nela.

Ela não é minha, Skyler exclamou. Ela é real. Damon hesitou, lutando claramente com ele mesmo. Zev desejou que ele não puxasse o gatilho. Outro lobo saiu, esta também uma fêmea. Ela mostrou os dentes para a primeira. A fêmea prateada girou para enfrentar a ameaça.

Vindo em sua direção, Dimitri advertiu. Sniper em movimento. Mais quatro lobos saíram em campo aberto, rosnando para as fêmeas. Nenhum prestando atenção.

Não fique presa no drama, Zev advertiu Branislava. A fêmea alfa quer que a fêmea mais jovem deixe a alcateia e a está empurrando para sair. Ainda temos dois Lycans lá fora caçando Dimitri e Skyler. Se você ficar no caminho deles, eles podem tentar te matar. O dossel acima dos lobos balançou suavemente conforme uma brisa soprava as folhas. Ela não chegou a penetrar no solo da floresta abaixo. Uma coruja se instalou nos ramos acima, a maior parte escondida pelas folhas conforme suas asas se acomodavam perto de seu corpo. Ele espreitou o espetáculo abaixo. Outros cinco lobos se juntaram ao círculo formando em torno das duas fêmeas. Damon suspirou e levantou a cabeça, sacudindo-a. Era evidente que ele não queria atirar em qualquer um dos lobos. Um tiro foi disparado, e a jovem fêmea prateada guinchou e saltou no ar. Os lobos se misturaram à folhagem em torno deles. Damon amaldiçoado e deslizou seu rifle mais uma vez no lugar. Ele usou a mira para olhar ao redor, tentando encontrar um alvo que não os lobos. A fêmea tentou se arrastar para se esconder, uivando de dor cada vez que tentava se levantar. Damon xingou mais alto. — Maldito seja, Vasya, você não tinha que fazer isso, — ele disse em voz alta. Zev prendeu a respiração quando o arbusto mais próximo da fêmea ferida se moveu apenas um pequeno centímetro, mas não havia nenhuma brisa, nada para fazer as folhas vibrarem. Os lobos tinham recuado, bem versados no que o som de uma arma significava. Ele sabia, pela forma que Damon curvou os ombros e então acomodou sua arma, que o Lycan tinha visto aquele revelador movimento também. Uma mão feminina avançou para fora dos arbustos, o braço a seguiu, conforme Skyler tentava alcançar a loba para arrastá-la para a segurança. — Vasya, não faça isso, — Damon sussurrou em voz alta, como uma oração. — É uma mulher.


74 Não puxe o gatilho. Zev desceu cuidadosamente atrás de Damon, posicionando seu corpo diretamente atrás dele, pronto para pará-lo se fosse necessário. Ele não podia fazer nada sobre Vasya. Ele olhou para a coruja. Ela se foi. A decolagem e o subsequente voo tinham sido silenciosos. As penas na coruja proporcionavam esse voo silencioso, mas Zev estava certo de Dimitri estava perto. Ele sabia que estava correto quando o estridente grito de um homem assustou os insetos fazendo-os ficar em silêncio. Simultaneamente, o rifle disparou, o som igualmente alto. Damon praguejou e usou sua mira mais uma vez para tentar ver o que aconteceu com Vasya. Zev tinham seu olhar treinado em Skyler. A segunda bala atingiu a jovem loba, e a companheira de Dimitri arrastou o animal ensanguentado para o arbusto. Ele teve um vislumbre de Branislava, agachada perto. Outro lobo, um enorme macho, saltou de uma longa distância, como se tivesse vindo de um galho de árvore, em vez de do chão. Ele correu pelo chão aberto da floresta, cortando inesperadamente de um lado para o outro em ziguezague. Zev reconheceu o grande alfa de Dimitri, Shadow. Se ele estava protegendo Skyler ou a fêmea caída, ele não tinha certeza, mas isso não importava. Damon não atiraria nele. Zev enfiou firmemente a ponta de uma adaga de prata nas costas de Damon. Tudo o que ele tinha a fazer era usar a sua força de sangue misturado para penetrar através músculos e ossos para chegar ao coração. — Empurre a arma da árvore, — ele aconselhou. — Você me conhece. Sabe que vou te matar num piscar de olhos. Não seja estúpido o bastante para cometer erros. Damon ficou tenso, reconhecendo sua voz. Ele deixou a arma cair no chão abaixo. — Pensei que você estivesse morto. O coração de Zev mergulhou. Teria Daciana contado ao seu irmão? Ela estava de alguma forma ligada a essa traição? Ela era família para ele. — Agora, por que você achou isso? — Ele manteve a voz uniforme, não querendo dar a mínima impressão que com aquela única contestação, Damon tivesse inadvertidamente questionado a lealdade de sua irmã. Damon deu de ombros. — A notícia que surgiu foi que os Cárpatos tinha montado um engodo e tentado eliminar o conselho. Você morreu protegendo um deles e os Lycans lutaram com eles, tentando tirar os outros membros do conselho do território deles. — Una os dedos atrás da cabeça e fique exatamente do jeito que você está. Estou falando sério, Damon. Daciana te contou tudo isso? — Ele estendeu a mão e casualmente cortou o cinto envolvendo o quadril de Damon, deixando cair o esconderijo de armas para o galho. Com um movimento da ponta da faca, ele enviou todo o cinto para o chão da floresta. Um rosnado baixo escapou Damon. — Minha irmã? Disseram-me que eles a mataram. — Você tentou ligar para ela? — Repetidas vezes. Não obtive resposta. Tentei seu parceiro, Makoce, mas ele não respondeu, tampouco. Ninguém o fez. — Ela está viva e bem, Damon. Ela está guardando os membros do conselho, enquanto


75 falamos. Uma facção dos Lycans, não Cárpatos, atacou a aldeia Cárpato simultaneamente com um atentado contra a vida do príncipe e os membros do Conselho. — Zev alcançou seu punho para virar na manga, revelando a tatuagem do Círculo Sagrado. — Todos aqueles que tentaram assassinar o conselho tinham essa mesma tatuagem. — Isso é besteira Zev. Acreditamos na moral e ética, não em matar a nossa própria espécie ou assassinar outras espécies. — No entanto, aqui estavam vocês, à espreita para assassinar uma jovem que não fez absolutamente nada para vocês. Vocês estavam esperando para ferir um lobo apenas para usar o animal como isca, sabendo que ela teria compaixão suficiente para vir tentar salvá-lo. A acusação foi rude, mas ele se sentia rude. Tinha vontade de sacudir Damon até que seus dentes batessem e então o levar para trás do proverbial celeiro para bater algum sentido nele. O que havia de errado com o seu povo? Lycans eram boas pessoas, e não fanáticos que mataram sem pensar. — Eu não ia atirar um lobo, — Damon murmurou. — Mas alguém lhe deu ordens de atirar neles, — Zev insistiu. — Isso era parte de sua missão. Atrair a mulher usando um de nossos irmãos selvagens. Damon suspirou. — Isso não faz nenhum sentido, mas alguém tem que pagar por terem matado Daciana. — Eu disse a você, seu idiota, ela não está morta. E realmente, Damon, matar Skyler não iria trazê-la de volta se ela estivesse. O que deu em você para se juntar com essas pessoas? Você tem um cérebro, por que você não o estava usando? Damon não respondeu. Zev estava farto dessa coisa toda. — Se você tivesse levantado o rifle para a loba ou para Skyler, eu teria estacado você no local, e você teria merecido. Damon se afundou em seus calcanhares. — Não sei por que me juntei a eles. — Ele parecia confuso. — Você está certo. Isso vai contra tudo o que acredito. Eu não sou de não verificar os fatos. Isso vai contra o código do Círculo Sagrado também. Nós não toleramos violência. Autodefesa, sim, mas não assassinato. Não atrair uma menina para o campo aberto e atirar nela. — Ele deixou cair os braços e se virou para Zev. — O que diabos está acontecendo comigo? — Que parte de “ficar exatamente do jeito que você está” você não entendeu? — Zev perguntou calmamente. Damon colocou as mãos, com a palma para baixo, em suas coxas. — Não sou uma ameaça. Quero ver Daciana. Talvez ela possa descobrir o que realmente está acontecendo. Sua voz soava verdadeira. Zev não sabia no que acreditar. Ele nunca teria pensado que Damon iria se juntar a um assassinato.

Ele está dizendo a verdade, Branislava disse. Ouço isso em sua voz.


76 Ouço isso também, mas isso não quer dizer absolutamente nada, mon chaton féroce. Branislava ouviu a dor em sua voz. Este homem era seu amigo, um amigo próximo. Zev se sentia traído por ele. Não só ele, mas toda sua espécie. Ele passou a vida fazendo o seu dever, protegendo sua espécie e primeiro eles se voltaram contra ele e então o envergonhavam com suas ações, e agora havia a traição. Zev viveu por um estrito código de honra. Ele esperava pouco em troca de seu serviço, mas ele exigia lealdade. O bando era sempre sobre a lealdade e este homem de alguma forma equivalia, na mente de Zev, com seu bando.

Leve-o perante o conselho, deixe que eles decidam o que fazer com ele, ela sugeriu. Se um deles está por trás disso, não o defenderiam? Não necessariamente. Ele estava muito relutante em apresentar Damon ao conselho para julgamento, não depois do que aconteceu com Dimitri. Os membros do conselho tinham jurado que Dimitri estava seguro e bem cuidado, mas na realidade ele tinha sido condenado ao pior destino, a mais cruel de todas as mortes que qualquer Lycan ou inimigo poderia sofrer. Concedido, Dimitri era sangue misturado, considerado o temido Sange rau, uma abominação que tinha sido banida séculos antes. Mesmo assim, Zev confiava em poucas pessoas e, no momento, um número ainda menor de Lycans. Branislava suspirou. Dimitri caminhou em direção a elas, parecendo alto e autoritário. Ela trocou um longo e culpado olhar com Skyler. Elas tinham salvado a jovem loba, mas a um grande preço. Ela seria para sempre uma parte da alcateia de Skyler e Dimitri. — Shadow insistiu, — Skyler disse, com as mãos enterradas no pelo da fêmea. — Ele diz que ela é sua companheira escolhida. — E vocês não ajudaram nisso juntas? — Dimitri perguntou, olhando de uma para outra. — Existe uma maneira de influenciar um lobo alfa? — Branislava perguntou. — Se houvesse vocês duas descobririam como, — Dimitri disse. Ele se agachou ao lado do corpo da fêmea, passando as mãos sobre ela. — Ela está mudando por dentro. — Ela esteve tendo convulsões, — Skyler disse. — Tentei ajudá-la, bloquear a dor. Ela está silenciosa e estoica, ofegante através da conversão. As mãos de Dimitri eram muito gentil enquanto ele as passava sobre a loba. — Nossa pequena Misty é linda, vou te dar esse crédito. — Esse é um bom nome para ela, — Skyler disse. Shadow se comprimiu mais perto, tocando o focinho na fêmea. O olhar de Misty se agarrou ao dele e então incluiu Skyler e Dimitri, como se ela soubesse que eles eram parte da alcateia de Shadow. — Os corpos dos Lycans tem que ser incinerado. Todos os cinco, ou seis, se Zev dispor do último, — Dimitri disse. — Você acha que vocês duas podem fazer isso?


77 — Skyler pode ficar aqui com você, — Branislava disse. — Sei onde cada um está localizado e posso fazer o trabalho. Ela deveria estar com Misty. — As armas de prata tem que ser recolhidas, — Dimitri advertiu. — E depois que os corpos forem incinerados, é melhor enterrar as cinzas profundamente assim ninguém vai encontrá-los. Branislava assentiu. — Entendi. Vou fazer isso. Zev conhece o último Lycan e está muito chateado. Não sei o que ele planeja fazer com ele. — Se você precisar de ajuda, Bronnie, — Skyler se voluntariou, — Dimitri pode lidar com isso. — Não preciso. Pratiquei chamar o relâmpago e consegui faze-lo razoavelmente bem. — Ela poderia precisar mais prática, verdade seja dita. Ela estava determinada a ser um trunfo para Zev quando ele caçasse bandos de renegados e vampiros. Ela não podia imaginar que ele iria fazer algo mais. Fen e Dimitri tinham partilhado as histórias dos Dark Blood tanto com Skyler quanto Tatijana. Eram guerreiros extraordinários, tanto os machos quanto as fêmeas dessa linha. Parecia que cada companheiro também era, como se aquela alma feroz chamasse pela alma de outro guerreiro feroz. Ela era Dragonseeker e orgulhosa de sua linhagem. Reivindicada por um Dark Blood, ela se recusava a ser inferior a todas as mulheres que vieram antes dela. Ela estaria ao lado de Zev em cada batalha e ela iria aprender a fazer as coisas necessárias para estar segura, e para garantir que ele estivesse também.

Mon chaton féroce, não há outra mulher como você e nenhuma outra que nunca haverá para mim. Não é simplesmente seu companheiro Cárpato falando com você. É Zev Hunter, sangue misturado, Tirunul e Dark Blood. Lycan e Cárpato. Apaixonei-me por você muito antes de saber o que era uma companheira. Ela não pode evitar o pequeno surto de alegria correndo por suas veias. Queria que Zev se apaixonasse por ela por quem ela era, não porque não tinha escolha. Queria se apaixonar por ele por ele mesmo. Não podia passar por sua vida sem escolhas. Queria ser a pessoa a escolher o seu próprio caminho. Se ela cometesse erros eles seriam seus erros. Zev complicou as coisas para ela, mas não conseguia se ressentir dele. Como poderia não ter orgulho dele? Como não podia olhar para ele e estar atraída por ele? Ela pode não querer estar, mas cada vez que seu olhar repousava sobre ela, seu coração acelerou descontroladamente. Sua respiração ficou presa em seus pulmões e seu corpo rugia com um forte calor. Ela era um dragão de fogo, e calor e fogo era o seu mundo, mas quando suas veias se enchiam de lava derretida e se agrupavam profundas e espessas, enrolando apertado, as chamas ameaçavam engoli-la. Ela ficava tentada a descobrir do que exatamente se tratava aquele fogo. Ela flutuou o primeiro corpo que ela atacou para o próximo mais próximo. Este era um de seus momentos mais assustadores. Não queria colocar toda a floresta em chamas. As poucas vezes que tinha praticado chamando o relâmpago, ela estava em uma clareira. Por duas vezes, ela teve que chamar a chuva para parar a grama e as flores de queimavam. Inspirando, ela voltou sua atenção para o céu. Nuvens dispararam como uma torre, subindo


78 rápido, girando e agitando como se irritadas. Relâmpagos bifurcavam pelas nuvens rodopiantes, iluminando-as em vários lugares conforme os raios procuravam um alvo. Ela soltou a respiração e se concentrou, se esforçando para se controlar. Relâmpago, cru e crepitando de poder, chicoteavam pelo céu. Ela lutou contra a energia incandescente, encurralando-a e trazendo para baixo para golpear os dois corpos mortos. Foi uma grande realização. Queria saltar para cima e para baixo com alegria. No momento em que esqueceu o que estava fazendo, o chicote serpenteou de volta para o céu, atacando tudo em seu caminho. Várias árvores explodiram em chamas. Ela sussurrou uma maldição pouco feminina baixinho que tinha ouvido Zev usar, e levantou ambas as mãos para o céu para encher a nuvem altaneira com água. Concentrou-se em despejá-la diretamente sobre as árvores crepitando com chamas. Imediatamente o fogo copiou seu silvo de aborrecimento, piscando desafiadoramente por um momento e depois desistindo. Ela atiçou as chamas incinerando os dois sniper, elevando a temperatura até que eles queimassem totalmente. As cinzas resfriando rapidamente, deixando apenas as estacas de prata para trás. Depois de recuperar a prata, abriu a terra sob os Lycans e permitiu que as cinzas caíssem profundamente.

Muito bem, Branka, Zev a elogiou. Fen, obviamente monitorando a conversa, não foi tão gentil. Estou voltando com uma câmera

para tirar uma foto das árvores com todos aqueles galhos queimados, no entanto. Josef tem uma página na Internet onde ele gosta de colocar feitiços fracassados e erros realmente ruins. Ouvi dizer que ele os coloca em votação, e quem inscreveu os vencedores recebe o dinheiro. Você não ousaria, Branislava desafiou em seu tom mais feroz. É claro que eu faria. Tatijana, sua traidora, Branislava vaiou. Mantenha esse seu homem sob controle. Tenho que fazer isso mais duas vezes e é melhor ele não vir aqui e tirar fotos e as dar para o Josef. Como me meti nisto? Tatijana perguntou inocentemente. Só estava tendo certeza de que você estava bem, mantendo um olho em você, como fazemos uma com a outra e ele estava... Espreitando. Isso é o que ele estava fazendo, Branislava acusou, tentando não rir enquanto abria caminho através da floresta para encontrar os próximos dois corpos. Acho que as coisas mais interessantes na mente de minha companheira, Fen arriscou impenitente. Isto vale dinheiro. Zev ouviu a brincadeira, deixando a diversão compartilhada o aquecer, aliviando a dor da traição só um pouquinho. Ele cutucou Damon, indicando para descer da árvore. Este seria o momento revelador. Se Damon tentasse fugir, ou tentasse matá-lo, ele estaria mentindo o tempo todo. Zev esperava que não fosse o caso, mas ele não hesitaria em matar Damon, mesmo que isso significasse que Daciana seria sua inimiga pelo resto de sua vida. Damon se ergueu lentamente, levantando as mãos para o céu, indicando que ele não pegaria


79 uma arma. Ele conhecia Zev, conhecia o caçador inexorável, implacável que ele era. Ele poderia ser uma máquina de matar quando tinha que ser. Era rápido e forte e não havia capitulação nele. Damon não ia cometer erros. Ele saltou para o chão, mantendo as mãos no ar, se certificando de pousar longe de suas armas. Zev não tinham nem sequer se movido, mas a estaca em sua mão estava em posição de arremesso e Zev nunca errava, nenhuma vez que Damon tivesse ouvido falar. Ele pousou em um agachamento e lentamente se levantou, os braços e palmas para cima, mostrando suas mãos estavam vazias. Zev desceu ao lado dele. — Você tem outras armas com você? Damon ainda manteve seu aceno lento. — Na minha bota. Presa às minhas costas. — Ponha as mãos para baixo, você está ridículo, — Zev estalou. Ele não tinha ideia do que ia fazer com Damon. Não ia levá-lo perante os membros do conselho para ser julgado por suas ações, não até que tivesse a chance de olhar dentro da mente de Damon. — Honestamente não sei o que diabos estou fazendo aqui, — Damon disse. — Não tenho ideia de por que isso parecia tão lógico para mim. Então, quando estou naquela árvore e a loba enfiou a cabeça através dos arbustos, tudo em mim só se rebelou contra a ideia de feri-la. — Eu poderia cortar sua cabeça e ler as suas memórias, — Zev ofereceu meio sério. — Você está muito chateado comigo, não é? — Damon disse. — Você não tem ideia. Preciso de pessoas com quem possa contar. Temos uma guerra fermentando e assassinos correndo por aí. Lycans sempre foram os defensores da paz, os protetores, e desta vez, parece que eles são os únicos a começar a guerra. Estava contando em ter você e Daciana nas minhas costas enquanto estou tentando resolver isso. A última coisa que esperava era encontrar você aqui com uma arma na mão prestes a matar Skyler ou Dimitri. A mentalidade do Lycan macho alfa, líder do bando, levou a melhor sobre ele e Zev envolveu a nuca de Damon com força suficiente para fazê-lo cambalear a frente. Damon esfregou a parte de trás de sua cabeça, com um sorriso irônico. — Acho que tinha que vir. Onde está o resto da minha equipe? — Eles estão mortos, Damon. O que você esperava? Você se mete a caçar Cárpatos na floresta à noite, eles vão vir atrás de você, especialmente se você está tentando matar suas mulheres. Você tem sorte que eu fui a pessoa quem encontrou você. — Zev o fulminou. — Ainda estou pensando em matar você só por princípio. Não pense que você está fora de perigo ainda. Damon se virou para encará-lo. — Eles estão mortos? Todos eles? Lycans não são mortos tão facilmente. — Os lobos nos avisaram que alguém estava caçando. Você acha que os Cárpatos iam dar meia volta e apenas te deixar matar suas mulheres? — Pare de dizer mulheres. Eu não ia matar uma mulher. Ela era alvo, porque ela... — Ele parou de falar, parecendo confuso.


80 — Ela salvou o homem que amava da morte por prata. Ele foi torturado. Eu o vi. O conselho não proferiu a sentença contra ele, na verdade, — Zev afirmou, —a ordem era para mantê-lo seguro enquanto tentavam chegar a um acordo com os Cárpatos sobre o Sange rau. Damon fez uma careta. — Está certo. O prisioneiro... — Dimitri, — Zev corrigiu. — Ele é um bom homem, chame-o pelo nome. — Dimitri é Sange rau. Ele é um sangue ruim, um sangue misturado, plenamente capaz de aniquilar toda a nossa espécie. — Ele não é Sange rau, mais do que eu sou. Ele é Han ku pesak kaikak, que no caso de você estar realmente interessado, é guardião de todos. Ele protege a todos nós, Lycan, humano e Cárpatos igualmente. Ele salvou Gunnolf e Convel, os dois, e eles retribuíram indo contra as ordens do Conselho e convencendo a todos de que ele havia sido condenado à morte por prata. Não tivesse Skyler vindo atrás dele, ele estaria morto e nós estaríamos em guerra com os Cárpatos. Se qualquer coisa, os Lycans devem a essa menina uma dívida de gratidão. Zev não conseguiu evitar a nota de raiva em sua voz. Ele estava furioso com Damon. Lycans não se comportavam desta maneira. Eles tinham um código de honra pelo qual viver, ele tinha vivido por ele. Damon também. — Me diga outra vez quem te disse que eu estava morto. Damon esfregou as têmporas. — Não sei. Estava em uma reunião. À serviço. Estava preocupado com Daciana. Tinha havido problemas na floresta, nas cabanas de verão. Não conseguia falar com ela e pensei que iria tentar obter alguma notícia. Você sabe que todo aquele blá-blá-blá que eles fazem me aborrece ao extremo. — Eles? — Zev instigou. Sobre suas cabeças as nuvens de tempestade chiaram com o açoite de um raio. Trovão ressoou, balançando o chão. Branka, isso está muito perto, puxe seu poder um pouco, ele advertiu. Ela ia iluminar toda a floresta se não tomasse cuidado.

Eu tenho isso, Branislava disse. Não se preocupe. Zev suspirou. Quando uma mulher diz para não se preocupar, este é claramente o melhor momento para ficar preocupado. Damon fez uma careta de novo, tentando lembrar quem era o orador. — Ele está lá nas reuniões o tempo todo com Arno e Lupo. Eles dão palestras motivacionais o tempo todo. Ele está no bando de Lupo. Por que não consigo lembrar o nome dele? Lupo Wolfe era um dos mais antigos membros do conselho que tinha estado guardado a 7 chaves para proteger o conselho já existente, se algum dos membros viajando fosse perdido. Zev observou que Damon pressionava os dedos nas têmporas novamente. — O que está errado? — Não sei. Minha cabeça parece que está se dividindo em duas. — Não pense sobre isso, — Zev sugeriu, de repente desconfiado. Havia um indício de sangue,


81 apenas uma pequena gota perto do nariz de Damon. — Vamos encontrar sua irmã. Ela pode te abastecer sobre o que está acontecendo. Vai ser bom ter você por perto enquanto tentamos resolver as coisas. Precisamos de ajuda protegendo os membros do conselho da nossa própria espécie. Nós não sabemos quem o inimigo realmente é. Um relâmpago ziguezagueou por entre as árvores, um chicote gigante, chicoteando pela floresta como um chicote de nove caudas. Ele pegou Damon e o atirou ao chão exatamente quando um dos açoites estalou sobre suas cabeças. Uma suave risada percorreu sua mente, quase uma risadinha, um som que Zev nunca tinha ouvido Branislava fazer. Whoops. Desculpe. Chicotes de relâmpago são difíceis de manejar, não são? Aquele som envolveu seu coração e apertou. Controle isso. Aponte para baixo. Você tem

demasiado poder e vai se machucar. Ele não queria admitir a ela que nunca tinha realmente tentado controlar relâmpagos. Ele tinha visto tanto Fen quanto Dimitri chamar o relâmpago, mas ele era Lycan. Ele não o chamava. Ele podia ver como seria útil, mas não nas mãos de uma mulher excessivamente entusiasmada. Damon o derrubou quando outro risco escaldante de fogo incandescente estalou sobre suas cabeças, chegando um pouco perto demais para conforto. Cada fio de cabelo em seu corpo se levantou. Zev começou a rir. Mulher! O que você está tentando fazer? — Esta é uma tempestade louca, — Damon disse. — Mais como uma mulher louca, — Zev rebateu, e se levantou. — Pegue suas armas e vamos dar o fora daqui. — Se você tiver terminado de brincar... Ela saiu das árvores, caminhando em direção a ele, seu longo cabelo penteado para trás em uma trança que descia pelas costas. A massa era de seda vermelho-fogo. Seus olhos brilhavam como esmeraldas e ela tinha um sorriso enorme no rosto. Em suas mãos ela girava fogo, as chamas riscando o ar dando voltas ao redor dela enquanto ela dançava. Ela parecia exótica, roubando seu fôlego com sua beleza. Os anéis duplos de fogo dando voltas ao redor de seu corpo e então se elevando quando ela empunhava os chicotes, girando em torno dela e então de volta para os lados. Os chicotes eram de cor dourada, as chamas cruzavam seu corpo, varrendo debaixo dos seus pés quando ela saltava graciosamente no ar e então subiam acima dela quando ela descia de volta à Terra. A respiração de Zev ficou presa na garganta. Ao lado dele, o queixo de Damon caiu. A suave risada de pura alegria de Branislava era contagiante e ambos sorriam para ela. Os chicotes de fogo mudaram de cor, ficando vermelho fogo e laranja enquanto ela fazia intrincados padrões na noite, durante todo o tempo seu corpo se movia em alguma melodia que só ela podia ouvir. Zev olhou para a expressão extasiada no rosto de Damon e rosnou baixo, suas entranhas apertando em nós. — Feche a boca e pare de olhar para ela como se fosse comê-la. Ela me pertence.


82 — Você está brincando, — Damon respondeu antes que pudesse censurar seu choque. — Sinto muito, ela é tão sexy. Zev o pegou pelo pescoço de novo, desta vez com força suficiente para mandá-lo a frente, esparramado no chão da floresta. — Você não precisa pensar que ela é sexy. — Eu não acho isso, — Damon olhou para ele do chão, incapaz de tirar os olhos da dança do fogo. — Eu sei isso. Não admira que você continuava voltando aqui. Zev suspirou. Ele não poderia provavelmente culpar Damon por ter olhos, mas seu lobo estava definitivamente reagindo mais uma vez. Ele tinha que encontrar algum tipo de equilíbrio. Ajudou que conforme Branislava girava e dançava, ela só olhava para ele, dançava só para ele. Ele podia ver que ela se sentia livre, jovem e feliz, algo que nunca foi capaz de fazer. Claramente dançar é uma paixão dela. Sua pele brilhava como se o fogo dentro dela queimasse apaixonadamente. Não queria que o momento acabasse para ela. Ela tinha tido tão pouca felicidade ou diversão em sua vida, e brincar com chicotes de relâmpagos lhe deu tanta alegria. Damon pensou que os chicotes eram poi7, duas correntes com combustíveis ligadas ao globo a cada extremidade. Branislava dançava para ele, rodopiando ao redor. Venha dançar comigo. Ele queria, gostaria ser parte de sua diversão. Era importante para ele que ela tivesse todo o tempo que precisasse para conhecê-lo e para tanto precisavam compartilhar momentos exatamente como este juntos, mas ele era responsável por Damon.

Se ele realmente está escondendo a verdade e não vejo isso porque ele é meu amigo, pode ser perigoso. Temos um relâmpago. Ela girou os chicotes furiosamente. Zev riu. Ele não ia usar o chicote de relâmpagos, mas podia improvisar. — Fique aqui um minuto Damon. Bem ali, no chão. E não faça nada estúpido. Ela é muito malvada com esses chicotes de fogo. Ele dançou até ela, pegando o ritmo, girando sua espada no ar. Ele podia ouvir a música tocando na cabeça dela, as batidas de tambor que os pés dela seguiam. Ao se aproximar dela, as chamas saltaram de seus chicotes para sua espada, inflamando a ponta e correndo pela lâmina. Ele girou a espada na frente dele quando se aproximava dela. Sua risada se somou à música tocando em sua cabeça enquanto ele tirava uma de suas muitas facas e ateava fogo, jogando-a no ar quando girava a espada. Ele gostava de todos os movimentos, o padrão de seus pés, o balé gracioso e fluído enquanto se moviam ao redor um do outro, ao mesmo tempo em que iluminavam o céu noturno com sua dança de fogo. Ele jamais perdeu de vista Damon. Por mais que ele se divertiu, ele sabia que se Damon fizesse um movimento errado, essa faca mortal, tão bonita voando pelo ar, iriam encontrar o seu caminho diretamente para o coração do seu amigo.


83

Capítulo 7

— O que é que eu vou fazer com ele Daciana? — Zev perguntou, sacudindo o polegar para Damon. — Se eu o entregar para o conselho... — Você não pode, — Daciana interrompeu, chutando seu irmão nas canelas com a ponta da bota enquanto foi até sua cadeira. Branislava tinha preparado às pressas sua varanda para a companhia. As cadeiras eram confortáveis e a iluminação suave. Névoa cobria a floresta, obscurecendo as árvores, os separando o resto do mundo. Ela estava lá dentro, se movendo, e ele sentiu o aroma do café. Como ela conseguiu fazer café, ele não tinha ideia, mas ela fez as coisas devagar, então ele supôs que as primeiras tentativas não funcionaram tão bem. — Você sabe o que vão fazer com ele. Eles vão pensar que ele é um traidor e parte da conspiração para matá-los. — Daciana olhou através da varanda para Makoce. — O que você acha? — Alguém quer saber o que eu acho? — Damon perguntou. Daciana mostrou os dentes para ele. — Não. Absolutamente não. Você apenas senta aí tranquilamente. Você tem alguma ideia do problema que causou? Juramos cumprir a lei e você a quebrou mais de um milhão de vezes. Você tem sorte que Zev não ter te matado ali mesmo naquela árvore quando apontou uma arma para um lobo e então para Skyler. — Ela o chutou novamente apenas para enfatizar. — Quero saber quem deu a ordem para vir aqui e matar Skyler e Dimitri, — Makoce disse. — Se nós podemos obter essa informação, talvez possamos descobrir o que realmente está acontecendo aqui. Damon se inclinou em direção a ele. — A maioria dos membros do Círculo Sagrado acreditam que o Sange rau não pode ser tolerado. Eles são o diabo. Eles destroem bandos inteiros. Você sabe disso. — Quantos têm na verdade existido desde o primeiro que o nosso povo encontrou? E você sabe quem o caçou por vários anos, lutou contra ele e eventualmente o matou? — Zev perguntou. — Será que os membros do Círculo Sagrado até mesmo têm uma ideia de quem realmente matou o Sange rau responsável por tanta morte e destruição? No canto mais distante da varanda, Fen se mexeu, desconfortável. Ele ficou em silêncio. Agora ele desejava que Tatijana estivesse com ele em vez de dentro com a irmã. De vez em quando ele sentia o riso roçar pelas paredes de sua mente e sabia que as duas mulheres Dragonseeker estavam recebendo conselhos de Skyler sobre a forma de fazer café. Dimitri e Skyler não tinham chegado ainda, mas cada vez que ele tocava a mente de Tatijana, ela e Branislava tagarelavam com Skyler. O casal estava a caminho para se juntar a eles, tendo colocado a loba recém-convertida no chão para curar. Ela estava segura, debaixo de sua casa,


84 descansando na cama que compartilhavam quando dormiam o sono rejuvenescedor dos Cárpatos. — Ouvi que um Lycan com o nome de Vakasin e seu parceiro, Fenris Dalka, o mataram, — Damon disse. — Está escrito no livro sagrado. — Será que o livro sagrado também incluir a informação de que quando Vakasin voltou ao seu bando, eles se voltaram contra ele e o assassinaram? — Zev perguntou. — Isso é impossível, — Damon negou. — Eles não faria isso. — Ah, mas eles fizeram, — Zev disse. — Vakasin passou alguns anos perseguindo o Sange rau, lutando com ele e suportando feridas terríveis. Ele precisava de sangue e seu parceiro, Fenris Dalka, proveu esse sangue. Quando Fen foi ferido com igual gravidade, Vakasin lhe deu o sangue necessário para manter sua vida. — Essa é uma prática comum em uma parceria, — Damon disse, claramente confuso. — Mas isso não explica por que o próprio bando de Vakasin se virou contra ele depois que passou boa parte de sua vida rastreando o infame e quase invencível Sange rau. — Não, a menos Vakasin era Lycan e Fenris era Cárpato, — Zev disse em um tom baixo, carregado. — Fenris Dalka é Lycan. Seu nome é Lycan. Ele tem estado em torno dos bandos durante anos. Já ouvi falar dele, embora nunca o conhecesse, — Damon diz. — Me deparei com os corpos rasgados e morrendo de homens, mulheres e crianças, — Fen diz das sombras de seu canto. — Na época, eu era Fen Tirunul, não Dalka. Era uma visão doentia. Pensei que caçava um vampiro. Tinha certeza de que era um vampiro, mas ele matou muitos, deixou para trás tal devastação. Cada vez que eu o alcançava, ele quase me matava, e eu era experiente em muitas técnicas. Ele era rápido e extremamente forte. Damon virou-se, olhando para o canto, tentando decifrar o homem falando. — Me deparei com rastros de Vakasin muitas vezes e vi onde ele lutou e foi ferido repetidas vezes. Ele estava rastreando o morto-vivo como eu, só que não era um mero vampiro. Nós unimos forças, na esperança de ter uma melhor chance de matá-lo. —Você? Você é Fenris Dalka? — Damon exigiu. — O Fenris Dalka? — O vampiro que estávamos caçando tinha usado tantos Lycans por seu sangue que ele eventualmente se tornou o que vocês chamam de Sange rau, ou sangue ruim. Era sangue ruim, não porque um Lycan misturou sangue com um Cárpato, mas porque ele misturou o sangue com um vampiro. Vampiros são totalmente maus. Há uma grande diferença entre o morto-vivo e um Cárpato. Damon abriu a boca para responder, mas Branislava e Tatijana voltaram com xícaras de café para Damon, Daciana e Makoce. O olhar de Damon imediatamente pulou para o rosto de Branislava conforme ela lhe entregou a caneca quente. — Não tenho ideia se isso está bom, — ela admitiu. — É a primeira xícara de café que


85 realmente já fiz. Tatijana entregou uma xícara para Daciana. — Não é a primeira, está mais para a décima quinta, mas nós pensamos que esse poderia realmente estar potável. Nós queremos a verdade, porque temos de ser capazes de fazer isso para os nossos convidados. — Tenho certeza que estará excelente, — Damon disse, olhando nos olhos de esmeralda de Branislava. Como de costume, Branislava usava um vestido longo, parecendo muito feminina, o material se agarrava a seus seios e enfatizava sua cintura e alargava nos quadris. Uma fita estava tecida em sua longa trança, e ela se moveu graciosamente para o lado de Zev, se sentando sobre o braço da cadeira, puxando as pernas debaixo dela. Zev imediatamente colocou seu braço ao redor da cintura dela e a puxou para mais perto dele. Seu lobo estava perto da superfície, muito mais perto do que ele gostava. Damon era muito atencioso com ela, o interesse demasiado evidente. Seu lobo rondava, rosnava e arranhava, exigindo a liberdade para livrar o mundo de um rival. Branislava se inclinou para ele, seus lábios roçando seu ouvido. Olá, meu pequeno Lobinho. Senti sua falta. Ela suspirou as palavras em seu ouvido, mas nenhum som saiu. Ele a ouviu apenas em sua mente. O ar quente enviou dedos de excitação dançando através de seu corpo. A tensão em seu lobo aliviou imediatamente para ser substituído por diversão e satisfação. Seu lobo não queria mais nada a ver com Damon, mas Branislava estava em perigo de que ele a devorasse. Daciana e Makoce tomavam seus cafés agradecidos. Damon tomou um gole do seu e quase engasgou. Ele se afastou de Branislava, desesperado para não cuspir a bebida na varanda. A suave risada de Branislava soou íntima na mente de Zev. Ele realmente não deveria ter

vindo aqui para ferir os lobos, matar Dimitri e Skyler e te aborrecer. Mulher má. Seu riso se juntou ao dela. Eu deveria ter esperado que você exigisse algum tipo de vingança. Sua risada desapareceu e ele virou a cabeça para olhar em seus olhos. Você não o envenenou, não é? A tentação estava lá, não para matá-lo, apenas o deixar um pouco doente, mas eu resisti. Branislava soava um pouco arrependida. Ela ainda olhava para Damon especulativamente sob os seus longos cílios, como se a qualquer momento ela pudesse mudar de ideia e envenenar sua bebida com um dos milhões de feitiços que ela conhecia. Zev queria ficar sozinho com ela. Precisava estar. Como ia falar com ela, deixá-la conhecê-lo? Dar a ela a chance de se apaixonar por ele? Ele estava caindo de quatro por ela. Parecia que cada vez que tinham um momento a sós, algo acontecia para roubá-la deles.

Você está começando a me conhecer, Branislava disse. O braço dela apertou ao redor de seu pescoço e ela roçou os lábios contra seu ouvido, enviando aquele ar quente correndo como lava líquida através de sua corrente sanguínea. Você sabe mais sobre mim do que qualquer outra pessoa

que não seja Tatijana. Estou começando a conhecê-lo também, especialmente o seu lobo. Gosto


86 bastante dele. Ele pensa como eu. Ele deseja que você nunca se refira a ele como Lobinho em voz alta. Na presença de Fen especialmente. Ou Dimitri. Ou de Tatijana e de Skyler, porque eu nunca vou ouvir o final disso. Ele não tinha ideia de por que não se objetava tenazmente à sua utilização desse nome, mas de alguma forma, quando ela sussurrava Lobinho tão intimamente em sua mente, em sua voz suave e sexy... Ele suspirou. Já podia ter despencado direito para amá-la. — Você entendeu o que Fen acabou de te dizer, Damon? — Daciana exigiu, prendendo seu irmão com os olhos irritados. Estavam quase dourados, um sinal claro de que ela estava furiosa com ele. — Cárpatos pode virar vampiro, assim como podemos nos transformar em renegados. Há uma diferença, assim como com a gente. Damon colocou cuidadosamente a xícara de café sobre a ampla grade e apoiou um quadril contra a pedra. — Estou ciente de que existe uma diferença entre um Cárpato e um vampiro. — Portanto, use sua cabeça, — Zev estalou. — Quando o código sagrado foi escrito, o Sange rau tinha matado nosso povo, dizimado completamente nossas fileiras. Fazia sentido manter as mulheres em casa e fora de perigo. Ninguém sabia muito sobre o demônio que caçava o nosso povo, e era quase impossível de se matar, então eles criaram o código sagrado e ele fazia sentido para eles. Damon esfregou as têmporas novamente, uma carranca se formando em seu rosto.

Branka olhe para ele. Toda vez que menciono alguma coisa a ver com o porquê ele está aqui ou o Círculo Sagrado ou o código, ele tem uma violenta dor de cabeça. Vi um pequeno filete de sangue saindo do seu nariz antes, quando ele estava tentando me dizer quem o enviou aqui. Ele não conseguia se lembrar e ficou muito confuso. Branislava se sentou um pouco mais ereta, sua atenção centrada em Damon. O lobo em Zev não gostou, mas ele entendeu e foi muito mais fácil para Zev controlar aquela raia perigosa de ciúme sabendo por que ela estava tão focada no Lycan. — Damon? — Daciana instigou. — Se você entender a diferença entre um Cárpato e um vampiro, não é um salto tão grande para entender a diferença entre o Sange rau e o Han ku pesak kaikak. O Han ku pesak kaikak se traduz com “guardião de todos”, que é o que Dimitri é. — E eu, — Fen disse. — Cacei o Sange rau com Vakasin, e nós compartilhamos sangue quando feridos. Vakasin se tornou Cárpato e Lycan e me tornei Lycan e Cárpato. Nenhum de nós era vampiro ou renegado. Éramos mais fortes sim, e mais rápidos, e no final foi isso que nos permitiu derrotar o Sange rau. Damon balançou a cabeça várias vezes, mas pressionou os dedos contra os olhos. Uma fina camada de suor irrompeu em seu rosto. Da névoa ao redor, Dimitri e Skyler surgiram, andando de mãos dadas até os degraus de pedra para a varanda. Dimitri parecia... letal. Zev não podia culpá-lo. Skyler foi alvo mais de uma vez pelos membros do Círculo Sagrado e eles eram implacáveis na perseguição para matá-la. Dimitri ainda tinha as cicatrizes das correntes de prata que o tinham envolvido da testa até os tornozelos.


87 Claramente, Dimitri exalava uma aura de perigo. Tanto Makoce quanto Daciana se aproximaram de Damon como se pudessem protegê-lo do Han ku pesak kaikak. Dimitri ignorou e foi direto para Branislava dando um beijo no topo de sua cabeça. — Irmãzinha, você esteve maravilhosa esta noite. Obrigado. Ela o tocou com os dedos delicados em resposta. Skyler trocou beijos na bochecha com Branislava e depois com Tatijana. — Sinto muito, estamos atrasados, — Dimitri disse. — Nós estávamos atendendo a ferida na loba. — Mais uma vez, ele não olhou para Damon, mas seu tom de voz baixo estava carregado de certeza e determinação. Damon abaixou a cabeça, vergonha rastejando em sua expressão. — Sinto muito. Não há nada mais que eu possa dizer, exceto que realmente sinto muito, não sei o que está acontecendo comigo. — Você está sombreado, — Branislava disse, com a voz tão baixa que era apenas um fio de voz. — Sombreamento-mago. Suspiro de Tatijana foi alto. Ela estendeu a mão para Fen, que tomou sua mão instantaneamente. — Não sei o que isso significa, — Damon disse. Daciana e Makoce se moveram ainda mais perto de Damon, cerrando fileiras em cada lado dele. — Por favor, explique, Branislava, — Daciana disse. — Nenhum de nós entendeu. — Ele está mostrando todos os sinais. Olhe para ele, Tatijana. Fica confuso quando perguntado diretamente sobre quem o enviou aqui. Se ele tentar arduamente se lembrar, tem uma forte dor de cabeça. Você tem, não é mesmo, Damon? — ela perguntou. Ele assentiu. — A dor de cabeça é tão ruim que mal posso respirar, muito menos pensar. — Quando ele se esforça para superar a dor na tentativa de obter respostas por que ele iria contra suas crenças para assassinar uma jovem mulher ou atirar e ferir um lobo para usar como isca, o cérebro reage com um sangramento real. Se você continuar a interrogá-lo, tentando forçá-lo a se lembrar, você vai matá-lo, — Branislava afirmou com absoluta convicção. — Ele está definitivamente com sombreamento-mago. Tatijana assentiu. — Já vimos isso muitas, muitas vezes. Houve um pequeno silêncio. Fen assobiou. Dimitri afundou no balanço da varanda, puxando Skyler com ele. Daciana agarrou o braço de seu irmão e apenas segurou firme. Damon balançou a cabeça. — Não sei o que é, mas não há nada de errado comigo, exceto uma dor de cabeça horrível. — Ele olhou em volta para os rostos sombrios. — Não pode ser. Seu olhar caiu para o rosto da irmã. — Não é. Daciana passou o braço em volta dele como se pudesse o escorar. — O que é isso,


88 Bronnie? — Como você se livra dele? — Damon perguntou. — Deve haver uma maneira. Eu o quero para fora da minha cabeça. — Ele estremeceu. — Só um mago altamente qualificado pode sombrear uma pessoa sem o seu consentimento ou conhecimento, — Branislava disse. — Com isso, quero dizer alguém do calibre de Xavier. — Xavier está morto, — Tatijana declarou rapidamente. — Não há como ele ter sobrevivido. Fen envolveu os braços ao redor dela e a puxou para perto. — Obviamente, este não poderia ser Xavier, minha dama — ele assegurou baixinho. — Quem quer que tenha feito isto está infiltrado nas fileiras dos Lycans há muito tempo ou Damon teria notado um estranho imediatamente. Lycans não trazer pessoas de fora em suas reuniões. — Você estava lá, você se infiltrou, — Damon acusado, como se suspeitasse que Fen tivesse corrompido sua mente. — Sou Lycan, — Fen disse calmamente. — Tenho sangue Lycan assim como você. Sou leal ao nosso povo, assim como eu sou leal aos Cárpatos. Pode-se dizer Damon, que tenho dupla cidadania. Damon esfregou o rosto com força. — Não entendo nada disso. — O que podemos fazer sobre isso? — Daciana perguntou. — Vocês podem ajudá-lo? — Pode ser desfeito, — Branislava disse lentamente. — Embora seja arriscado. Esse mago na verdade colocou a sombra em seu cérebro como uma ferida profunda que se cicatrizou. Eu não sei como explicar isso. Não é o mesmo que colocar um pedaço de si mesmo na pessoa para possuir essa pessoa à vontade. Isso também pode ser chamado de sombreamento, embora esse não seja um termo exato. — É possível que o mago esteja fazendo isso com os outros? — Zev perguntou. — É claro, — Branislava respondeu. Zev não achava que ela estava ciente do ligeiro tremor de seu corpo. Por fora ela apresentava um comportamento calmo e confiante, mas por dentro, ele sentia seu medo, assim como o terror que se apoderou de Tatijana. A ideia de que Xavier ou um mago tão poderoso quanto era pudesse estar por trás dos ataques era assustador para elas. — Poderia um mago produzir sombras massivamente, por exemplo, em uma reunião do Círculo Sagrado? — Zev perguntou enquanto entrelaçava os dedos nos dela e puxava sua mão em seu peito, sobre seu coração. Branislava e Tatijana franziram o cenho enquanto olhavam uma para a outra. Tatijana aparecia mais agitada do que Zev jamais a tinha visto. Fen a abraçou perto, claramente a tranquilizando. — Não é Xavier, Tatijana, — Branislava disse em voz alta. — Fen está certo. Quem fez isso foi lentamente tentando ganhar o controle dos Lycans, assim como Xavier queria o controle dos Cárpatos. Magos não são imortais, mas alguns deles querem ser.


89 — Nem os Lycans, — Zev disse. — Tecnicamente, nem os Cárpatos, — Dimitri disse. — Nós podemos ser mortos. — Mas ambas as espécies têm longevidade, — Branislava disse. — Muito mais do que um mago. Xavier queria isso para si mesmo. Este foi todo a motivação para ele sequestrar nossa mãe e nos ter. Ele queria o nosso sangue. — Você não sabe se é Xavier, — Tatijana disse. Ela parecia à beira das lágrimas. — Você não sabe. Quem mais se não ele? Branislava respirou fundo. — Se Damon me permitir, posso tentar encontrar o sombreamento. Poderia reconhecer o trabalho de Xavier em qualquer lugar. Tatijana balançou a cabeça com firmeza. — Irmã, — Branislava disse gentilmente. — Você sabe que é a única maneira de saber com certeza. — Não. Não você. Zev não a deixe. Skyler, Dimitri, vocês não podem deixá-la, — Tatijana implorou. Damon deixou cair seu rosto em suas mãos e se deixou cair no chão de pedra, gemendo. — Quero-o para fora da minha cabeça. Tire-o. Daciana e Makoce caíram imediatamente ao seu lado para confortá-lo, embora Zev notou que ambos mantiveram pelo menos uma mão perto de suas armas, as de prata. Eles acreditavam que ele poderia ser perigoso para todos eles. — Você não respondeu minha pergunta, — Zev persistiu. — Poderia um mago produzir massivamente esse efeito, sem ninguém saber? Branislava soltou a respiração. — Apenas alguns poderiam ser capazes. Dois. Talvez três. Ficamos presas por séculos, Zev, e Xavier só teve dois alunos que poderiam ter sido tão bons... — Ela parou, seu olhar mais uma vez saltando para o rosto de Tatijana.

O que foi Branka ? Ela apertou os lábios como se para não falar o que ela tinha pensado, não seria verdade. Seus dedos se curvaram involuntariamente na camisa dele, unhas arranhando através do material. — Tira isso de mim. Tira isso de mim, — Damon gritou, seu lobo vindo à superfície, os olhos brilhando enquanto olhava para Branislava. Zev podia ver que tanto Daciana quanto Makoce se preparando para proteger sua mulher, e ele era grato. — Damon, — ele falou em um tom baixo, autoritário. — Você é um lobo. Um Lycan. Você é forte e você não vai envergonhar o nosso povo por esta exibição. Damon prendeu a respiração e começou a ofegar. Claramente seu lobo lutava pela supremacia, mas ele estava, pelo menos, lutando para controlar a mudança. — Homem se erga e controle o seu medo. Seu lobo sente isso e está subindo para te proteger.


90 Assuma o controle agora. — A voz de Zev adquiriu ainda mais autoridade. Damon balançou a cabeça várias vezes, continuando a respirar profundamente. Ele parecia envergonhado e um pouco culpado, mas principalmente desesperado para fazer como o alfa ordenou. Zev suavizou seu tom. — Todas essas pessoas estão empenhadas em te ajudar, apesar de sua intenção de matá-los. Estou comprometido a te ajudar. Você me conhece. Nunca abandonei um membro do meu bando, e você sempre foi isso para mim. Família. Damon olhou para cima rapidamente, e desta vez havia a determinação em seus olhos, o brilho vermelho se afastando um pouco. — Dê uma olhada nas duas mulheres que você está exigindo coisas das quais você não tem uma ideia do que até mesmo implicam. Elas estão aterrorizadas. Ambas poderiam partir, mas elas não vão. Elas estão aqui com você. Se controle e nós vamos passar por isso. Nós só precisamos de um pouco de tempo para resolver as coisas.

O quanto é perigoso para você Branka, e espero a verdade, para entrar e dar uma olhada em seu cérebro para ver se você pode identificar onde a sombra está e talvez quem realmente fez isso. Branislava hesitou. Ela se inclinou para perto dele e na frente dos outros, esfregou o rosto ao longo de sua bochecha. Ela parecia à beira das lágrimas, embora não no exterior. Ela estava estoica, apresentando uma aparência calma para os outros. Ele sabia que a maior parte de seu desempenho era por causa de Tatijana.

Esse mago é altamente qualificado. Se ele realmente tem o poder e expertise para colocar sombras em uma sala cheia de pessoas inocentes, ele é extremamente perigoso. Ele terá salvaguardas. Então vamos falar com Mikhail... Branislava balançou a cabeça. Ainda não. Conhecemos todos os feitiços de Xavier. Até o último

deles, bons e maus. Nós teríamos uma melhor chance de remover a sombra do que Gregori, que seria mais o provável a tentar. Gregori removeu sombras, Dimitri assegurou. Branislava suspirou. Ele confrontou, e tirou uma lasca de um ser, que não é o mesmo. A sombra é um portal, não faz parte do mago. E diferente, Dimitri, e equipada com armadilhas. — Peço desculpas mais uma vez, — Damon disse. — Não sei o que deu em mim. — Provavelmente o pensamento de alguém ter a capacidade de manipular seus movimentos e substituir as crenças tão arraigadas em você, — Daciana respondeu. — Eu ainda poderia machucar alguém, não poderia? — Damon perguntou. Zev deu de ombros, não querendo mentir, mas Damon precisava de encorajamento. — Quem quer que este mago que plantou essa sombra em você Damon, não contou com a sua força. Você não seguiu suas ordens. Você é muito mais forte do que você pensa. Damon conseguiu um breve meio sorriso. — Não tinha pensado nisso.


91 — Você está armado até os dentes agora, — Zev apontou. — Mesmo com todas as revelações, você não pegou suas armas. Ele não só queria encorajar Damon, mas também lembrar Daciana e Makoce que o Lycan estava bem armado. Zev estava bastante certo que os Cárpatos estavam bem conscientes das armas e agora sabiam exatamente onde, sobre o corpo de Damon, cada uma estava localizada.

Se eu entrar e apenas dar uma olhada ao redor, sem tocar em nada, ou tentar remover a sombra, Branislava arriscou, acho que vou estar bastante segura. Achar não é bom o suficiente para mim, Zev declarou. Não estou disposto a te arriscar. Ele vai morrer. Mais cedo ou mais tarde, o mago vai retornar à sua sombra e perceber que Damon não está agindo como deveria, como um de seus agentes. Ele vai matá-lo, ou forçá-lo a cumprir suas ordens. De qualquer maneira, Damon morrerá. Zev pressionou a mão dela mais perto. Nós vamos encontrar outra maneira de salvá-lo.

Enquanto me sentei aqui com você, você ficou repetindo diversas vezes em sua mente cinquenta maneiras de chegar a ele e o matar se ele fizesse um movimento errado. Nem tenho certeza de que você sabe que está fazendo isso, Branislava lhe disse suavemente. Sinto a sua profunda afeição por Damon, Zev, e você nunca vai superar isso, se você ou Daciana tiverem que matá-lo. Mas você iria matá-lo. Eu sei que você faria. Zev suspirou. Branislava estava certa. Ele não queria que Daciana tivesse que matar seu próprio irmão, nem mesmo em defesa de todos eles. Ela poderia hesitar, e nesse caso, Damon, sob a direção do mago, poderia muito bem matar a própria irmã. Zev, como líder do bando, tinha esse dever, não Daciana. — Branislava quer dar uma olhada na sombra. Ela não irá removê-la, ainda não. Só vai olhar Damon. Sem saber com o que ou quem estamos lidando, ela não tem chance de removê-la. Você entende? Você não pode lutar contra ela. Você não pode se mover ou a colocar em perigo de qualquer maneira. Se você fizer isso, vou colocar uma estaca em seu coração. Se preferir, vamos arquivar isso e buscar a orientação do conselho.

Bronnie, o que você está fazendo? Tatijana perguntou. Você sabe a quão perigosa é a sombra de um mago. O que você está pensando? Um mago pode usar a sombra para espionar. Ele pode forçar o corpo em que ele está a fazer tudo o que quer. Você não pode se revelar a ele. Você realmente quer passar o resto de nossas vidas sem saber quem cometeu tal abominação? Eu sei que eu não. Mesmo se Gregori tentar remover a sombra, ele não vai reconhecer o criador. Somente eu ou você podemos fazer isso. Tatijana pressionou os dedos em seus olhos e depois virou o rosto no peito de Fen. Você vai

fazer isso, não é, Bronnie? Você sabe que eu preciso. Estou tão assustada quanto você que seja ele. Mas não podemos ficar correndo com medo pelo resto de nossas vidas. Temos que saber. E se for...


92 Não pense isso. Ele está morto também. Todos eles estão. Este tem que ser um dos alunos. Zev respirou fundo e soltou o ar. Branislava estava apavorada. Cercada por Fen, Dimitri e ele, ela ainda estava apavorada. Não queria que ela se arriscasse. Não tinha certeza de qual era realmente o perigo, ou como ele poderia ajudá-la. — Fen isso está muito fora da minha alçada, — ele disse. — Me diga o que fazer para ter certeza de que ela está segura. — Porque Branislava ia entrar na cabeça de Damon e encontrar a sombra em seu cérebro. Zev sentiu sua determinação absoluta. Ela precisava saber quem tinha colocado essa marca nele. Na verdade, todos eles precisavam saber, mas ele preferia muito mais ser o único a se arriscar. —Da minha alçada também. Sei muito pouco sobre marca de mago e sombras. Razvan certamente sabe mais, mas Tatijana e Branislava estiveram lá com Xavier por séculos, vendo tudo o que ele fez. Nós vamos ter que confiar que Bronnie sabe o que está fazendo. Damon passou as mãos pelos cabelos. Ele levantou a cabeça e olhou diretamente nos olhos de Branislava. — Quero essa coisa fora da minha cabeça mais do que qualquer coisa, mas não com o risco para a sua vida. Parece que só olhar para ele pode ser perigoso. Ela balançou a cabeça. — Se eu não chamar a atenção do mago por tropeçar em sua salvaguarda, estarei perfeitamente segura. Tenho a intenção de ter muito cuidado. Vi isto ser feito várias vezes. É uma questão de ter paciência. Aprendi essa qualidade especial no meu cativeiro nas cavernas de gelo permanente. — O que você precisa que eu faça? — Damon perguntou. —Tenha paciência também. Basta se sentar aí e me deixe ver se posso fazer isso. Pode levar algumas tentativas. Ela olhou para Zev, e seu coração se revirou. Estou realmente com medo, Zev. Se eu tropeçar

nessa salvaguarda, ele vai saber que estamos em cima dele. Ele pode atacar a todos nós através de Damon. Eu posso cuidar de Damon. Você só precisa estar segura. Branislava enfiou os dedos na nuca de Zev e olhou em seus olhos. Ele manteve o olhar firmemente, querendo que ela soubesse que ele não iria decepcioná-la, que estaria com ela a cada passo do caminho. —Você é um homem muito forte. — Ela sorriu para ele. Lobinho. Ele conseguiu dar um sorriso forçado em resposta. Branislava se virou para Damon, descendo graciosamente para o chão de pedra ao lado de um dos pés de Zev, lhe dando muito espaço para se mover, se necessário. Não havia sentido em perder mais tempo, mas ela precisava de um momento para se firmar. Ela olhou para a floresta. A névoa cobria as árvores como um cobertor cinza. Ela sentia as pequenas gotas em sua pele. O vento brincava com seus cabelos e beijava seu rosto. Isto é a liberdade Tatijana, ela sussurrou para a irmã.


93 Ela fechou os olhos e deixou seu corpo, confiando em Tatijana e Fen para vigiá-lo enquanto fazia esta jornada. Zev tinha que observar Damon. Viajando só como espírito, ela se moveu lentamente na mente aberta de Damon. Ele estava tão apavorado quanto ela, mas por razões diferentes. Ela não podia culpá-lo, perceber que alguém havia se infiltrado seu cérebro e dirigido seus movimentos tinha de ser abominável para ele. Uma vez dentro de seu crânio, ela ficou muito quieta, imóvel, mantendo sua luz tão fraca quanto possível para não tropeçar em qualquer salvaguarda. O espírito viajava com luz, se movendo facilmente onde um corpo não poderia ir, mas o Alto Mago sabia disso e sempre se preparava para tal invasão, quando ele colocava a sua sombra em alguém. Quando ela estava absolutamente certa de que sua luz era tão fraca quanto possível, ela começou a se mover ao redor do cérebro de Damon para encontrar a sombra. — Ela não está respirando, — Makoce disse ansiosamente. Zev sentiu seu coração acelerar. Pânico começou a subir, apesar de sua determinação de permitir que Branislava trouxesse à tona o nome de seu inimigo. Seu corpo tinha caído para um lado, e Makoce estava correto. Zev não conseguiu detectar um padrão de respiração. Ele olhou para Tatijana por garantia. O rosto de Tatijana estava totalmente branco. Seus olhos brilhavam como duas pedras enormes, e seu cabelo tinha mechas coloridas. — Tatijana? — ele disse em voz baixa, com insistência. O corpo de Tatijana sacudiu como se ela levasse um golpe. Seu olhar saltou para o rosto de Zev. Ela curvou o corpo, se pressionando mais perto de Fen. — Ela está viva, — ela disse suavemente. — Está tendo certeza de que não vai tropeçar uma salvaguarda. Zev resistiu ao desejo de se fundir com Branislava, sabendo que não poderia distraí-la, mas a necessidade era forte nele, seu instinto de proteção se rebelando. Branislava se aproximou do cérebro e o estudou cuidadosamente. O cérebro era grande, mal cabendo dentro do crânio, com várias dobras. No início, a superfície enrugada parecia com colinas e vales por toda parte. As células individuais, os neurônios, estavam conectados muito perto, quase perto demais para o seu estudo microscópico ver realmente onde a sombra poderia estar localizada. Os neurônios eram necessários para as informações se deslocassem, sinais químicos entravam na célula e então viajavam através do filamento para executar ordens. O mago tinha que ter queimado a sua sombra nas milhões de células vivas fora do cérebro. Seu espírito continuou a se mover com cuidado. Sua luz era indistinta, o que tornava difícil ver as cristas e vales. De perto, o cérebro parecia bastante cinza quando inspecionou as células densamente compactas, mas os filamentos, tão estreitamente agrupados pareciam brancos. Mapear o cérebro levou tempo. Havia milhões de células e a sombra-do-mago pode estar em qualquer uma delas. Ela não tinha ideia da passagem do tempo, só que usar tal luz fraca fez seu trabalho extremamente difícil. O medo estava sempre presente. Xavier tinha sido invencível, um homem que torturou e matou centenas de pessoas de todas as espécies. Ninguém, em todos esses longos séculos tinha vindo para resgatá-los. Ninguém jamais conseguiu derrotá-lo, e era difícil pensar que alguém


94 poderia depois de tanto tempo haver se passado. O mal persiste. Ela sabia disso, e Xavier era totalmente mal. Se alguém pudesse encontrar uma maneira de voltar dos mortos... Ela não podia ir lá, não podia pensar assim. Em qualquer caso, Fen estava certo, ele não poderia estar em dois lugares ao mesmo tempo. Mas isso significava... Ela a encontrou. A sombra estava cunhada em um vale, a marca preta um cruel corria parcialmente até um cume. Tudo nela se acalmou. Estava desconectada de seu corpo, mas isso não impediu que a sensação de choque e horror corresse por ela. Reconheceu a marca. Tinha visto uma centena de vezes. Sabia quem a fez. Branislava se encontrou de volta em seu próprio corpo, balançando com fraqueza. Ela se levantou e correu para fora da varanda, para a floresta fria, para o milagre do ar limpo, purificador. Ela continuou a correr, seus passos silenciosos sobre o espesso tapete de vegetação. O tempo passou, e percebeu que não estava sozinha. Zev compassava ao seu lado, sem falar, sem fazer perguntas, apenas permitindo que ela corresse para se salvar. Corresse por sua liberdade. Apenas corresse. Ela parou de repente e com um pequeno soluço, se jogou em seus braços. Havia segurança ali. Bondade. Zev poderia ter que matar, mas ele se arrependia de ter que fazê-lo. Ela não conseguia detectar o mal em qualquer parte dele. Apenas a visão daquela lesão no cérebro de Damon, aquele portal para o mal com a característica assinatura era aterrorizante para ela. A pura maldade tinha um jeito de insidiosamente escorrendo para as vidas e tomar conta ou confiscar a vida de uma boa pessoa e forçar a obediência. Sombreamento era essa abominação, eliminando o livre-arbítrio. Ela estremeceu e Zev a puxou para mais perto, segurando-a com mais força, pressionando seu rosto no ombro dele, enquanto tremores assolavam seu corpo. Ela inalou o limpo perfume masculino dele e se consolou com sua integridade e compaixão. Zev era um macho alfa, no topo de uma cadeia alimentar predatória e ainda assim não abusava de seu poder. Nunca teve uma única vez tentado tirar sua liberdade. Ele se preocupava com ela, mas não a tinha enjaulado. Branislava roçou a boca sobre a garganta dele e se enterrou ainda mais perto, grata por ele não fazer perguntas a ela. Não tinha certeza de que pudesse falar. Seu coração acelerou a tal ponto que temia que ele fosse martelar direito através de seu peito. Sua respiração estava entrecortada, rajadas ofegantes em staccato1, seus pulmões em carne viva e doloridos. Zev acariciou a parte de trás de sua cabeça, acalmando-a em silêncio, respirando uniformemente, permitindo que ela seguisse sua respiração, seu coração, em seu próprio ritmo. Ela fechou os olhos e se deixou relaxar contra ele, se permitiu estar segura em seus braços. No momento em que ela fez, seu coração começou a se ajustar automaticamente à batida mais lenta, mais constante do dele. Sua respiração nivelou, seguindo aquele ritmo calmo, controlado dele.

Bronnie. Tatijana se estendeu para ela. Você está bem? Dê-me um minuto. Preciso de apenas um minuto. Peça desculpas por mim. Ela precisava de Zev. Precisava do conforto de seus braços e sua calma inabalável, o comandante controlado que ela podia contar. Ele poderia assumir e pensar através de cada batalha,


95 cada crise. E esta era uma crise. Ela levantou a cabeça para olhar para ele, para olhar em seus olhos, procurando, ela sabia, por segurança. Ali estava, os olhos do lobo encontraram os dela constantes. Ele esperou, sem fazer perguntas ou forçá-la a falar, assim como ela sabia que ele faria. Ela travou os dois braços em volta do pescoço dele e subiu na ponta dos pés, conforme ela puxou sua cabeça para a dela. Ele não hesitou ou perguntou o que ela estava fazendo. Os lábios de Zev roçaram os dela e um milhão de borboletas levantou voo em seu estômago. Ela não esperava essa reação, mas foi uma distração bem-vinda do pânico a segurando. Ela fechou os olhos, seus cílios tremulando por apenas um momento, enquanto a boca dele persuadia a dela, com beijinhos, sua língua correndo ao longo da comissura. Sua gentileza trouxe lágrimas ardentes aos seus olhos. Em todos esses anos, presa no corpo de um dragão de fogo, congelada em um mundo gelado, nunca havia imaginado ter um homem a tratando com tanto respeito ou amor. Era um presente. Maravilhoso. Ela abriu a boca, e o mundo parou. Ele a beijou com absoluta confiança e controle, levando-a completamente com ele para outro reino, afastando o medo e o substituindo por outra coisa inesperada. Ternura. Calor ardente brotou de seu centro, subiu por seu corpo, e correu por suas veias. Ela havia sufocado o fogo nela pelo que pareciam eras, até a dança de fogo com Zev. Ele parecia “entender”. Saber quem estava dentro. Ele queria que ela fosse ela mesma, e o beijar foi como tomar sua primeira respiração real. Sabendo que estava realmente viva. A boca dele era um paraíso no qual se perder. Fogo a consumiu, reduzindo-a a cinzas, permitindo-lhe ascender como a Phoenix renascida. Ele tinha gosto um exótico e selvagem, um feroz lobo indomado, empenhado em devorá-la. Empenhado em amá-la. Ela se sentiu cercada de amor, quando nunca tinha pensado em conhecer essa emoção entre um homem e uma mulher. Havia desejo. Zev era um homem de apetites fortes, mas a emoção mais forte, o vínculo mais forte, era o amor. Ela provou isso em seu beijo. Sentiu na maneira com ele a segurava. Ela se livrou desses últimos temores de prisão e se entregou a ele. Entregou-se ao fogo rugindo por seu corpo, as chamas dançando mais e mais altas, atiçadas por seu companheiro. Quando ele levantou a cabeça e descansou sua testa contra a dela, para que pudessem tanto recuperar o fôlego, ela olhou em seus quase incandescentes, mercuriais olhos prateados. Os olhos do lobo. — Me reivindicar Zev. Bem aqui. Agora mesmo. Nos una, ela sussurrou, precisando desesperadamente. Ela o queria, sim, mas então, sabendo o que e quem eles enfrentariam, ela queria ser uma parte dele. Ela queria que as suas almas fossem uma. — Me reivindique.


96

Capítulo 8

Zev inspirou profundamente e tentou pensar sobre o rugido súbito em sua cabeça. Ela estava lhe oferecendo a sua vida. Sua lealdade. Prometendo o seu amor. Ela era tudo que ele queria e estava se dando a ele. Ele esfregou os braços dela suavemente, querendo fazer a coisa certa por ela. Seu instinto era de reclamá-la rapidamente, vincular a alma dela à sua de modo que não houvesse como escapar e nenhuma maneira de que qualquer outro os separassem, mas isso parecia muito como aprisioná-la. Sem a capacidade de desfazer o vínculo, no final, uma vez que não estivesse mais tão apavorada, será que ela ainda o quereria? Ou se ressentiria? — Branka, você está com muito medo. O que quer que você encontrou te pôs em pânico. Quero você mais do que qualquer coisa. Quero que sejamos companheiros, mas porque há uma grande parte de mim que sempre será Lycan, quero que você me ame e me escolha por mim mesma. Você não teve tempo sequer me conhecer. Estamos no meio de uma guerra, e cada vez que acho que teremos um tempo para você ficar sozinha comigo, para que possamos discutir as coisas, somos interrompidos. — Lobo bobo. — Branislava acariciou seu rosto com a ponta dos dedos. — Não preciso de palavras para te conhecer. Tenho suas ações para me dizer quem você é. Nunca faria tal decisão levianamente. Vou ter que enfrentar meus piores medos, o demônio dos pesadelos, e quando o fizer, quero estar vinculada a você, por causa de sua força e determinação. Você é um homem que sofreu um ferimento que nenhum outro teria sobrevivido. Você sabe por que você sobreviveu? Não fomos todos nós trabalhando para salvá-lo. Foi a sua própria determinação, porque você estava me protegendo. Essa é a verdade, Zev. Você se salvou contra chances impossíveis. — Quero que você esteja muito, muito certa. Os antigos me inundaram com todos os tipos de informações, história e cultura. A verdade é que no fundo da minha cabeça, eu provavelmente soubesse de tudo isso, só tinha que tê-los apontando o caminho para acessar essas memórias há muito tempo impressas em mim quando nasci. Sei que quando te ligar a mim, não há como voltar atrás. Não há escapatória. — Ele se forçou a usar essa palavra para que ela pudesse ouvi-la. Branislava assentiu. — Entendo do que você tem medo, mas sou uma Dragonseeker, acima de tudo, sou dessa linhagem. Sei o que estou fazendo e assumo a responsabilidade por minhas decisões. Somos intensamente leais, assim como você é. Minha alma grita pela sua. Minha mente procura a sua. Meu corpo queima para seu. Mas Zev, se você não acredita em mais nada, acredite que o meu coração pertence a somente você. Não há caminho de volta para mim. Fiz essa escolha quando entrelacei nossos espíritos juntos. Fiz essa escolha quando fiquei com você no chão e quando voltei para você, quando você me pediu na caverna dos guerreiros. Fiz essa escolha quando lutei ao seu lado e estou fazendo essa escolha agora quando te pedi para me ligar a você. Eu te amo e quero estar com você. Zev sentiu uma sensação de fusão curiosa na região de seu coração. Os nós apertados que ele


97 nem sabia que existiam em sua barriga se soltaram. Branislava era uma mulher adulta e expôs sua opinião. Ele não conseguia encontrar hesitação na mente dela absolutamente. Havia apenas determinação e amor. Ele se sentiu cercados por isso e o lobo nele cantou com felicidade. O Cárpato sentia essa necessidade antiga, aquele vínculo de sangue que ligava o seu povo durante séculos desde a antiguidade até os tempos modernos. Ele precisava vincular sua companheira a ele. As palavras saíram de sua alma, e não apenas de seu coração. — Te avio pàlafertiilam. — Ele usou as palavras antigas de seus antepassados, a língua sagrada impressa sobre ele, desde o nascimento, trazida tanto da linhagem Dark Blood quanto da casa dos Tirunul. — Você é minha companheira. Entolam kuulua, avio palafertiilam. Reclamo-te como minha companheira. De alguma forma, ao pronunciar as palavras, ele realmente sentiu como se milhares de fios de seda começassem a entrelaça-los juntos alma com alma. Passou os braços em volta dela com força, segurando-a para ele, querendo que ela sentisse o mesmo assombro e alegria que o invadia. — Ted kuuluak, kacad, kojed. Pertenço-te. Ela beijou seu queixo. — Ted kuuluak, kacad, kojed. Pertenço-te Zev, agora e por toda a eternidade. — Elidamet andam. Ofereço-te minha vida. — Ofereço-te minha vida, — ela repetiu, olhando em seus olhos. Seu coração deu um pequeno tropeção. — Pesámet andam. Dou-te meu amparo. Uskolfertiilamet andam. Dou-te minha lealdade. Sívamet andam. Dou-te meu coração. Sielamet andam. Dou-te minha alma. Ainamet andam. Dou-te meu corpo. Sívamet kuuluak kaik etta a ted. Do mesmo modo tomo os teus a meu cuidado. Branislava pressionou beijos ao longo da parte inferior do seu queixo e garganta, murmurando as palavras rituais de volta para ele, sua voz suave, mas firme. Zev sentiu o amor estourando através dele, uma esmagadora e perfeita emoção, completamente atada a ela. Ele sabia o que significava pertencer, e ele estava grato que pertencia a ela. — Ainaak olenszal sívambin. Sua vida será apreciada por mim para sempre. — Ele sabia o que a palavra apreciar significava. Nunca quis nada em sua longa vida até que Branislava apareceu. O que quer que eles enfrentassem, não obstante o mau, queria que esse tempo com ela, e prometeu fazer valer cada minuto, para fazê-la se sentir valorizada como o tesouro que ela era. — Te élidet ainaak pide minan. Sua vida será colocada sobre a minha sempre. — Ele descobriu que enquanto pronunciava cada declaração, sentia a ligação entre eles cada vez mais forte. Zev fechou o punho em seu cabelo e puxou sua cabeça para a dele. Seus lábios se separaram. Aqueles lábios perfeitos que ele passou a vida sonhando. Ele abaixou a cabeça para ela, sua boca reivindicando a dela, assim como sua alma a reivindicou.

Te avio palafertiilam. E minha companheira. Beijou-a muitas e muitas vezes, devorando seu fogo derretido, sentindo uma tempestade se construindo em resposta no seu corpo. Sua boca vagou pelo queixo dela, descendo, descendo da sua garganta para a curva suave de


98 seus seios sob o tecido fino do vestido. Seus dentes rasparam gentilmente, persistentemente e voltaram sobre aquele pulso chamando por ele.

Ainaak sívamet jutta oleny. Está unida a mim por toda a eternidade. Seus dentes se afundaram profundamente e ela se arqueou contra ele, gritando. Ela enterrou as mãos em seu cabelo, segurando sua cabeça enquanto ele bebia a própria essência dela. Havia aquele gosto viciante. Sua canela com mel irrompendo por ele, ainda neste momento, havia calor, como se lá no fundo aquele fogo ardente estivesse crescendo, esperando por ele para atiçar uma tempestade de paixão.

Ainaak terád vigyázak. Está sempre aos meus cuidados. Zev passou a língua através daquela doce curva de seus seios e ergueu a cabeça. Ele sabia que seu rosto e olhos traziam a estampa de um predador, mas ele esperava que ela pudesse ver, e sentir o amor nele. Seu corpo se enfureceu com ele. Ele a queria, com cada célula. Isso estava lá para ela ler também. Não se preocupou em tentar esconder o jeito que a queria. Ele era um homem rude, exigente, e a queria de todas as maneiras que podia conceber, mas esperava que ela sempre se sentisse segura com ele, que soubesse que ele iria colocar o prazer dela acima do seu próprio primeiro. Branislava sorriu para ele e desabotoou a camisa dele lentamente, passando as mãos sobre o peito nu. Um tremor passou por seu corpo. Ela se inclinou para frente e lambeu ao longo de seu músculo rígido, serpenteando a língua sobre seu mamilo plano antes de beliscar a pele com os dentes. Seu membrosaltou e engrossou além de tudo o que ele acreditava ser possível, esticando o material de suas calças. Suas mãos desceram para os botões para abri-lo, desesperado por alívio. O material era demasiado doloroso. Ele imaginou que o ar noturno pudesse ajudar a aliviar a urgência de sua necessidade, mas no momento em que liberou a pesada ereção, sentiu como se tivesse aberto a jaula de um monstro feroz. As pequenas gotas de neblina tocando sua pele sensível só aumentaram o prazer crescendo em seu corpo. Branislava baixou uma mão para acariciar seu membro e então deslizar o dedo por toda a grande cabeça, antes de fechar os dedos em torno dele. Ao mesmo tempo, cravou os dentes profundamente. A sensação era quase demais. Prazer rasgou por ele, beirando a dor, era tão finito e requintado. Ele sentiu o lobo subindo, um grito de pura felicidade quando ela levou seu sangue para dentro dela. Ele precisava sentir sua pele sob suas mãos, toda aquela a pele sedosa.

Livre-se de suas roupas, ele sussurrou em sua mente, metade comando, metade súplica. Antes que o pensamento fosse completamente empurrado da sua mente para a dela, o vestido longo e esvoaçante tinha ido embora e ela estava nua contra ele. Ele descobriu que gostava da sensação dela nua enquanto ele estava quase totalmente vestido. Eles estavam no meio da floresta, a névoa em torno deles, os envolvendo em um manto de privacidade e Branislava estava de pé completamente nua se alimentando dele, oferecendo seu corpo a ele.


99 Zev desceu as mãos pela linha suave das suas costas até seu traseiro. Ele a sentiu firme e forte enquanto a segurava apertado, massageando suas curvas firmes e os feixes de nervos sensíveis escondidos debaixo daquela carne, meio que a levantando contra ele. Ele não queria esperar. Ele a queria ali mesmo. Imediatamente. Sentiu como se tivesse esperado séculos por sua mulher e não conhecia nada que pudesse imaginar que corresponderia ao fogo ardente no corpo dela. Branislava passou a língua pelo pequeno ferimento no peito de Zev. O corpo dele estava quente, ardendo como se tivesse febre. Suas mãos em suas nádegas eram ásperas e exigentes, enviando uma pequena emoção por ela. Ela não tinha pensado que tal amante dominante a atrairia, mas ela encontrou uma excitação secreta na forma como ele a tocava. Ela gostava que ele se sentisse possessivo com ela. Que tomasse seus votos a sério. Seu corpo pertencia a ele e ela queria o agradar com ele. Queria que ele a apreciasse. Era importante para ela que desse a ele todo tipo de prazer que podia. Em troca, confiava que ele faria o mesmo por ela. A mão dele se moveu entre suas coxas, forçando suas pernas a se abrirem. Ela olhou para baixo, e no fundo deu um pequeno suspiro de choque. Não tinha pensado que ele seria tão grande, mas ele era um homem grande e um lobo, deveria saber. Mais, suas mãos pareciam enormes enquanto ele as subia por suas pernas, perto de seu centro. Seu coração deu uma guinada selvagem e pequenas chamas de excitação subiram dançando por suas coxas atrás de seu toque. Ela fechou os olhos quando sua mão cobriu seu monte. Podia sentir o líquido quente e úmido escoando sobre a palma da mão dele. — Olhe para mim. — Foi um comando, nada menos. Ela levantou os cílios, seu olhar saltando para o dele. Mais uma vez o coração dela deu o mesmo tropeção e mais fogo líquido vazou na palma da mão dele. O pulso dela martelava e seus seios doíam. Seu estômago se contraiu com nós de tensão. Ele levantou a palma da mão para a boca e lambeu. — Você tem um gosto delicioso. Assim como sabia que teria, mon chaton féroce. Cada gota é minha e eu quero tudo. Seus joelhos quase cederam. O rosto dele estava marcado com o desejo o conduzindo, uma forte possessão que só a emocionou mais. Ele a envolveu em amor, ela sentiu isso também, mas agora, neste momento, ela queria o lobo, o selvagem, indomado lobo que olhava para ela, assim como Zev estava fazendo. Olhos brilhantes, uma expressão feroz no rosto. Dominação em cada linha de seu rosto e de seu corpo. Havia algo quase ilícito sobre estar nua lá no mato, enquanto ele estava vestido. Ela tentou manter os olhos nos dele, tentou evitar que seu olhar se desviasse para sua ereção muito dura, mas era difícil, uma lição de disciplina. — Você entende o que quero fazer com você? — ele perguntou, em voz baixa e tão sexy que ela estremeceu de emoção. — O que vou fazer com você? — Sim, — ela admitiu, sua voz não a dela própria. Na verdade, não estava tão certa do que ele queria dizer, mas isso não importava. Estava disposta. Seu corpo queimava por ele. — Mas, Zev,


100 tenho que ser honesta com você. Tentei fazer um curso intensivo de como agradar um homem, uma vez que te conheci, mas a informação que tenho pode não ser muito confiável. Procurei na internet e foi tudo um pouco confuso. Diagramas e anatomia, o que eu entendi, mas não estava certa como implementar. Seus olhos brilharam para ela, escurecidos com desejo, e seu lento e sexy sorriso era definitivamente de lobo. — Você não precisa de um curso intensivo Branka. Prefiro ser seu professor. Quero te ensinar as coisas que me agradam. Estou ansioso para descobrir as coisas que você gosta. Enquanto ele falava, suas grandes mãos envolveram seus seios. — Você tem esses belos seios. — Seu dedo traçou a cicatriz enrugada subindo aquela inclinação cremosa. Ele inclinou a cabeça para passar sua língua ao longo desse caminho. — Tudo em você é lindo, mon chaton féroce. Seu olhar fixo, sem piscar, permaneceu em seu rosto, observando a reação dela enquanto ele capturou seus mamilos entre os dedos, rolando e puxando até que ela mal podia respirar. Seus mamilos pareciam diretamente conectados ao seu núcleo mais íntimo, choques elétricos cruzando por seu centro. Ele se inclinou, ainda olhando para o rosto dela e sugou o seio direito para o calor de sua boca. Ela se ouviu gemer. Um lampejo de fogo começou em seus seios, alimentado pelas mãos e boca dele, chamas saltavam em sua barriga, queimando quentes e selvagens. Zev se moveu para o seio esquerdo, usando a ponta de seus dentes. O pequeno lampejo de dor se somou ao seu prazer intensificado, à loucura rolando por seu corpo. Ela não podia acreditar o quanto o raspar de seus dentes e o golpe de sua língua combinados com o calor de sua boca a deixariam louca de desejo. Seu corpo definitivamente pertencia a ele. As mãos dele se moveram possessivamente das costelas para sua cintura, sua boca as seguindo. Cada músculo em seu corpo derreteu sob o fogo que ele criou. Ela temia que não fosse capaz de suportar, quando ele caiu de joelhos na frente dela. Ela apoiou uma mão em seu ombro, precisando de apoio, seu corpo tremendo com a necessidade. A névoa ao redor deles começou a brilhar num vermelho dourado estranho. Seu corpo estava quente em todos os lugares. O cabelo dela emitia faíscas, crepitando com fogo, o vermelho profundo e verdadeiro. As raias de ouro saltavam como chamas dançando fora de controle através da massa de seda de sua trança. As mãos dele se sentiam ásperas em sua pele, um contraste com sua própria pele macia. A expressão dele, quando ela o olhou, era selvagem, os olhos do lobo famintos e focados, fazendo seu coração bater descontroladamente e a tensão em seu âmago feminino se enrolou apertada. Ele passou a língua por suas dobras e ela gritou, sua mão foi para o seu cabelo, se fechando em um punho lá conforme as sensações vertiam através de seu corpo como combustível em um incêndio. Ela não tinha certeza de qualquer um deles iria sobreviver à conflagração crescendo nela como um vulcão. Ele a devorou como o lobo faminto que ele era, roubando cada gemido que pudesse tirar de seu corpo. As mãos dele eram duras, segurando suas coxas, segurando seus quadris imóveis enquanto se entregava ao seu capricho de percorrê-la. Seus gemidos aumentaram, mas ele não parou. O punho dela puxou seu cabelo, mas sua boca era impiedosa. O fogo cresceu e cresceu, se enfureceu


101 e rugiu, mas ele se recusou a parar, levando-a para a beira de algum sombrio precipício, mas nunca a deixando cair. Quando ela estava certa de que ia enlouquecer com a necessidade, quando seus apelos ressoaram pela névoa brilhante, ele a levou para a grama macia, as roupas dele desaparecendo. Ele ajoelhado parecia absolutamente intimidante sobre ela. Ela mal podia respirar, mal pensar, a cabeça jogando para trás e para frente, seus quadris se contorcendo e corcoveando. Ele acariciou seu centro com um dedo longo. Seu corpo se arqueou, a boca abriu em um grito silencioso. — Amo como você é sensível, mas fique quieta. Não quero perder todo o controle até que saiba que você está pronta para mim. Ela estar pronta? Ele era louco? Quanto mais pronta poderia ficar? Se ele não fizesse algo logo que ela ia entrar em combustão espontânea. Desta vez, ele acariciou dentro dela com um dedo, afundando-se profundamente enquanto seus músculos se contraiam em torno dele com força. A respiração dele vaiou. — Tão quente. É isso mesmo, mon chaton féroce. Queime por mim. Como não poderia? Só ele poderia apagar o fogo que tinha começado e não estava cooperando. Um pequeno suspiro soluçando escapou conforme um segundo dedo afundou com o primeiro, esticando-a. Mais uma vez a mordida de dor se somou às cargas elétricas que corriam através de seu sangue, encontrando cada feixe de nervos em seu corpo e os acendendo. Ela gemeu quando ele tirou os dedos, mas um segundo depois, eles estavam de volta... Não seus dedos desta vez. Seu coração batia forte quando ele começou a empurrar dentro dela. Ele segurou suas pernas para cima, ajoelhando entre as coxas dela, então suas pernas estavam bem afastadas para acomodar mais facilmente a sua invasão. Ele era tenaz enquanto entrava nela, não desacelerando, mas uma pressão constante e paciente, forçando seu corpo a aceitar o seu. Seus músculos lutaram contra ele, mas cederam conforme ele continuou com a pressão incessante para frente até que ele se alojou contra uma barreira. Zev engasgou. Jurou. — Você está tão malditamente apertada e quente. — Ele conseguiu dizer as palavras entre os dentes cerrados. Ele tinha que lutar para não perder o controle. Precisava de mais um minuto e ela tinha que ficar quieta. Seu interior era o céu, seda ardente, viva e abrasadora, em torno dele, o apertando com força e roubando toda a disciplina. Não queria machuca-la e estragar este momento para ambos. Branislava estava insana, se contorcendo debaixo dele, tentando forçá-lo para dentro dela, seu corpo desesperado pelo dele. Ele baixou a mão com força sobre suas nádegas. Seus olhos se abriram, seu olhar se ampliando. Em torno de seu eixo, líquido quente se derramou, envolvendo-o. As terminações nervosas eram um condutor para o prazer e tudo o que ele fazia parecia aumenta-lo. — Fique quieta, — ele rosnou, mostrando os dentes para ela em advertência. Ela engasgou e tentou obedecer. Ele não esperou que ela perdesse o controle novamente, ele avançou, se impulsionando profundamente, reivindicando o corpo dela para si mesmo. Ele era um homem grande e sabia que levaria um pouco de tempo e esforço para o corpo dela o acomodar totalmente. Ele se alojou contra seu ventre, observando-a por sinais de desconforto.


102 Os olhos de Branislava lhe imploraram enquanto sua cabeça jogava para frente e para trás. Puxando suas pernas sobre os ombros, abrindo-a ainda mais, ele deixou seu lobo solto. Ele começou a se mover dentro dela, empurrando duro, mais e mais, estabelecendo um ritmo impiedoso, implacável. Cada golpe enviava chamas queimando mais quente, seu interior ondulando apertado, ou talvez seu eixo tivesse inchado ainda mais, mas o atrito beirava o êxtase. Ele queria mais, sempre mais, indo mais fundo, até que às vezes ele temia que pudesse se alojar em seu estômago, mas o prazer tomou conta dele, o envolvendo no fogo dela. Ele sabia o tempo todo que ela seria assim, quente e selvagem, sua paixão se igualando à dele. Ele foi rude com ela, e ela respondeu com apelos por mais, querendo, como ele, queimando naquele inferno. Ao redor deles, se espalhando por baixo dela, o chão começou a brilhar como se a sua selvagem união chamasse o magma profundo de debaixo da própria terra. Línguas minúsculas vermelhas e douradas lambiam a grama em torno deles, mas ele não poderia ter parado mesmo se a sua vida dependesse disso. Sua respiração se tornou áspera, e seus pulmões ardiam por ar. A névoa refrescante caia sobre seu corpo como mil línguas enquanto ao seu redor o mundo parecia explodir em chamas. Ele sentiu seu corpo inchar, bloquear no dela, a segurar enquanto ela o agarrava com os tensos músculos abrasadores. Em algum lugar em seus dedos do pé, começou, aquela bola de fogo de pura felicidade, subindo como uma tempestade, golpeando por seu corpo, o sobrepujando antes que ele pudesse recuperar o fôlego. Ele deixou cair a cabeça para trás enquanto ela o puxava em longos e vertiginosos jatos enquanto o clímax rugia através dela, rasgando seu âmago em ondas selvagens que se movia de estômago para seus seios. Ele sentia cada forte convulsão das paredes ondulando ao redor de seu eixo, as ondas de fogo a engolfando o consumiu, os queimando limpos. Ela estava deitada, ofegante, olhando para ele com olhos cor de esmeralda, chocados, as faíscas no cabelo diminuindo. Olhava para ela com os mesmos olhos famintos, segurando o corpo dela entrelaçado ao dele, se recusando a soltá-la ainda. Ela não fez nenhum movimento para tentar rolar para longe dele, só ficou ali, com as pernas sobre os ombros dele, os seios arfando, o cheiro deles combinado permeando o ar. Ela era a coisa mais linda que ele já viu em sua vida. Seus olhos estavam um pouco aturdidos, os lábios entreabertos e seu corpo ruborizado com um brilho suave, muito parecido com a névoa ao redor. — Sabe o que você é? — ele perguntou. Ela balançou a cabeça, ainda lutando para respirar. Ele adorava a maneira como seus seios subiam e desciam com sua luta. — Perfeita. Você é perfeita. Não poderia haver outra mulher para mim. Só você. Não acho que você jamais terá que se preocupar em satisfazer meus apetites. Ela estendeu a mão para tocar o pequeno centímetro de sua carne aquecida onde se uniam, a única parte dele que não estava ainda dentro dela. — Quero te agradar, Zev. — Seus dedos dançavam sobre seu membro duro aveludado, quase com reverência.


103 Apenas seu toque suave fez seu membrorepuxar em antecipação. — Não tenha dúvidas que você faz... e vai. Sou um homem que sempre deixará você saber, firmemente, o que quer ou precisa. Vou esperar o mesmo de você. Se alguma vez tiver medo de qualquer coisa que te pedir para fazer, apenas me diga e nós vamos trabalhar com isso. Não basta dizer não e me rejeitar. Isso é importante para mim Branka. Quero que confie em mim o suficiente para falar comigo sobre qualquer coisa que te assuste. — Não sabia que o medo pode ser tão sexy, — ela sussurrou. — O não saber se somando à excitação. — E você, mulher, é tão quente como o inferno. Ou o céu. O céu é quente? — Ele lhe deu um sorriso. — Mesmo a névoa brilhou para nós. Branislava olhou ao seu redor enquanto as cores da névoa começavam a se desvanecer. — Isso pode ser um efeito legal, mas honestamente, não queremos os vizinhos sabendo cada vez que fazemos amor? Zev riu. — Nós quase incendiamos a floresta. Podemos ser banido da vizinhança. Muito gentilmente, ele esfregou sua panturrilha e depois a coxa, os dedos se movendo para massagear suas nádegas antes de colocar o pé dela de volta no chão. Ele fez o mesmo com o outro. O olhar dele se moveu sobre o corpo dela, e seu sorriso desapareceu com o cenho franzido. — Te machuquei Branka? — Não, claro que não. Se você tivesse me machucado, você estaria frito em alguns lugares que realmente importam para você. Sou uma mulher que acredita em retaliação, lembra? Ele se inclinou para frente e outro tremor fez os músculos tensos dela estrangularem seu eixo, de modo que a respiração dele ficou presa em seus pulmões. Ele colocou as duas mãos em sua barriga lisa, dedos bem abertos para abranger o máximo de pele que podia. — Amo esse pequeno traço em você. Seus olhos verdes ardiam com seu fogo oculto. Ela ainda queimava e era difícil para ela esconder seu verdadeiro eu por trás de sua fachada fria. Ele adorava essa qualidade nela também, todo aquele fogo contido em seu corpo esbelto apenas esperando o momento certo para inflamar. Seu corpo lentamente começou a relaxar e ele se permitiu deslizar de dentro dela, esse refúgio secreto que ele seria sempre viciado. Se sentando sobre os calcanhares, ele deixou seu olhar derivar possessivamente sobre ela. Rodeados pela névoa e árvores, eles permaneceram em silêncio juntos, só os dois, conquistando uns pequenos momentos para si mesmos lá no meio da noite. Branislava foi a primeira a se mover. Sabia que Zev nunca a apressaria ou empurraria para voltar para os outros e enfrentar o horror que ela tinha descoberto e que a tinha feito correr para a noite. Ela usou o ombro dele para se puxar para o lado dele. Imediatamente ele colocou seu braço ao redor de seus quadris, segurando-a com ele. O coração dela deu um pequeno solavanco e começou a bater mais rápido. Surpreendeu-a que Zev pudesse fazer isso com ela, que qualquer um pudesse. No momento em que ele a tocou, seu


104 corpo reagiu com necessidade e fome. Ela não sabia a quão intensa a atração física poderia ser até que ele entrou em sua vida. Seu lobo. Ela olhou nos olhos dele e novamente seu coração gaguejou. Ele se concentrou totalmente nela, um predador visando a sua presa, parecendo como se pudesse devorá-la mais uma vez. — Tenho que me limpar, — ela disse suavemente com pesar. — Eu gosto de você do jeito que você está, toda bagunçada — ele se opôs. Ela riu. — Você gosta, mas acho que nós deveríamos nos comportar e voltar para os nossos convidados. Eles estão, afinal, sentados na nossa varanda se perguntando o que aconteceu com a gente. — Nós iluminamos a floresta. Duvido que eles não possam calcular. Cor e calor infundiu o corpo dela, mas ela deu de ombros delicadamente. — Ainda assim, temos companhia. — Você sempre vai insistir que eu seja civilizado, não é? — Os dedos dele subiram envolvendo as coxas dela, tirando sua respiração. Os dedos de Branislava se agarraram em seu cabelo espesso. Ele se inclinou para ela e mordeu sua nádega esquerda e depois a parte externa da coxa, fazendo-a gritar, inundando o corpo dela mais uma vez com líquido quente, acolhedor. Enquanto seus dentes a provocavam, seus dedos se moviam dentro dela, pressionando profundamente, explorando seu calor mais uma vez. Ela já estava tão sensível que só essa intrusão enviou seu corpo numa espiral novamente. Ela engasgou, ar explodindo fora de seus pulmões, sua mente derretendo, enquanto ele encontrava o pequeno ponto que a fazia louca de necessidade. — O que você está fazendo? Temos o dever... — Seu único dever é me agradar, — ele murmurou. — Venha sobre mim... Ela balançou a cabeça, mas obedeceu, colocando um pé de cada lado de suas pernas. Ele pegou seus quadris e a instigou a baixar em seu colo. Os olhos dela fixos no dele. — Esse é o meu dever? Agradar-te? — ela repetiu, diversão guerreando com sua sensualidade em ascensão. Ela adorava a sensação das mãos dele, o olhar em seus olhos. Já podia sentir o calor de sua ereção pressionando em sua entrada. — Seu único dever — ele enfatizou. O cabelo dele era grosso, pele de um lobo, longo e caindo ao seu redor. Seu peito era forte, com o músculo definido, o rosto esculpido e bem masculino. Ela amava a aparência dele, a força dele e a estampa de autoridade absoluta que ele vestia com tanta facilidade. — Bem, então, se esse é o meu único dever, é melhor eu ser excelente nele — ela respondeu, afundando-se em cima dele e observando a maneira como seus olhos semicerrados foram para os do lobo completamente.


105 Ele a encheu, esticando-a mais uma vez, insistindo que seus músculos tensos cedessem caminho para a sua intrusão. Ela se sentou no colo dele, ajustando primeiro um lado e depois o outro, o prazer de ver a respiração silvar fora dele cada vez que fazia um pequeno movimento. — Não estou certa de qual a melhor forma para te agradar, — ela murmurou, levantando seus quadris lentamente e depois descendo lentamente. — Assim? Os dedos dele se cravaram em seus quadris, mas ele a deixou assumir o controle. — Acho que você está no caminho certo. Sua sobrancelha subiu. —Você acha? Hum, talvez você gostasse mais assim... — Ela se levantou novamente, com as mãos nos ombros dele para se firmar, enquanto lentamente fez pequenos círculos com os quadris, seus músculos contraindo, restringindo enquanto ela descia em espiral, aumentando o atrito em seu sensível membro. Ele engoliu em seco, a respiração saindo de seus pulmões em um longo gemido de puro prazer. — É isso, isso está ótimo. — Suas mãos a guiaram em um ritmo mais rápido. Sua voz ficou rouca e crua.. Branislava riu, jogando a cabeça para trás, deixando as sensações ardentes a levarem. Ela se levantou novamente, e desceu, num ritmo mais forte, mais rápido, assim como ele queria. — Este é o lugar onde você pertence — ele declarou. — Comigo. Entrelaçados juntos, exatamente assim. Ela sentia como se pertencesse. Adorava a maneira como seu corpo tomava o dela, estirando-a tão deliciosamente, apenas roçando essa borda de dor, mas não muito, apenas puro prazer riscando através de seu corpo com cada golpe. Ele começou a mover o corpo dela com sua enorme força, enquanto a respiração assobiou fora dos pulmões dele, suas mãos urgentes e duras, levavam seu corpo para cima e para baixo, de modo que sua viagem foi selvagem. Branislava fechou os olhos e deixou a cabeça cair para trás, deixando o seu ritmo duro a consumir, levar para outro reino, onde havia apenas os dois. Só isto. Havia um sentimento total de pertencer, não de prisão. Ela o ansiava, desejava e até mesmo precisava dele, mas lá estava essa consciência de liberdade. Ele a fez sentir como se pudesse voar pelos céus sem restrições, a qualquer momento. Ele a fez se sentir bonita e sexy. Ele a fez sentir que nenhuma outra mulher jamais iria existir para ele - só ela. Seu corpo se movia dentro dela e uma onda de eletricidade avançou por ela de modo que todas as terminações nervosas irromperam a vida. Seu mundo se estreitou até que houve apenas Zev e a forma como eles se encaixam, a maneira como ele se movia, o ritmo forte que enviava riscos de fogo correndo através de seu sangue e se centrava em seu âmago mais profundo. Zev a incitou em um ritmo selvagem, mais rápido, com as mãos duras nos seus quadris, enquanto empurrou nela mais e mais. Mais uma vez o chão debaixo deles aqueceu como se a combinação de dois atraísse o magma das profundezas. A pele dela ficou quente, assim como a dele, e ao seu redor a névoa brilhou naquele laranja estranho. — Como você pode ser tão abrasadoramente quente? — ele perguntou. — Fogo sedoso me


106 agarrando em um punho apertado. Ela se deleitou com a admiração e o desejo cru em sua voz. Ela amava que o fazia se sentir desta forma, da mesma maneira incrível, que ele a fazia sentir. Tomou-o em um ritmo furioso, impetuoso, e quando ele se inclinou para beijar seu seio, o fogo que vinha crescendo e crescendo, coroou, explodindo através dela com uma força tremenda, levando-o com ela. Por um momento, as bordas ao redor sua visão ficaram vermelhas com chamas. Ela as sentiu lambendo sobre sua pele como mil línguas quentes. Ela rodeou o pescoço dele com os braços e se inclinou contra seu peito, descansando a cabeça em seu ombro. — Não sei como você faz isso, Zev, mas quando estou com você assim, cada coisa ruim da minha vida se vai. Você as apaga, de modo que, nesses momentos preciosos, sou uma lousa limpa, e a única coisa escrita lá é o seu nome. — Isso é uma coisa extraordinária para me dizer — Zev disse. — Obrigado. Ela virou o rosto em seu pescoço. — Pensei que, uma vez que estávamos fora das cavernas de gelo, jamais teríamos que lidar com algo tão mal como Xavier, nunca mais. A mão de Zev deslizou por suas costas, pressionando-a para mais perto dele. Havia intimidade em seu toque, mas de uma forma reconfortante. Seus dedos alcançaram a nuca dela e começaram uma massagem lenta. Ele não disse nada, e ela era grata. Era importante contar a ele as coisas que ela precisava enquanto ela tinha a chance. — Não sou ingênua. Conheço os problemas que nosso povo enfrenta, então estava preparada para tempos difíceis, embora uma guerra com os Lycans pudesse ter sido mais do que já considerei. Ainda assim, sei que poderia lidar com isso. Branislava esfregou o rosto para frente e para trás no espaço quente entre o pescoço e o ombro. Ele tinha um cheiro másculo, forte e correto então, quando os temores começaram a ressurgir, ela precisava dele. — O sombreamento do mago é verdadeiramente mal Zev. O mago pode acessar sua vítima a qualquer momento e forçar a conformidade. Muitas vezes, a vítima se desgasta ao longo do tempo, especialmente se a sua vontade é forte, como no caso do meu sobrinho, Razvan, até que eles estão fracos e confusos. O mago os ataca então e pode os forçar a fazer coisas completamente contra tudo o que acreditam. — Não entendo a diferença entre uma lasca e uma sombra. — Xavier usou uma lasca de si mesmo em Razvan de modo que ele estava morando no interior do corpo de Razvan, mas a sombra é um portal real pelo qual mago pode viajar. A lasca pode deixar o corpo em qualquer momento e procurar outro hospedeiro. Poucos deixam uma lasca de si para trás por qualquer período de tempo porque é um perigo para o criador, se a lasca for encontrada e destruída. A sombra é uma porta de entrada para ser acessada a qualquer momento. O risco de descoberta é muito pequeno e se pode construir todos os tipos de armadilhas. Branislava se sentou lentamente. Um pequeno calafrio percorreu seu corpo quando a ação causou atrito contra seu ponto mais sensível. — Prefiro ficar aqui pelo resto da noite com você, entrelaçados juntos assim, mas nós temos que voltar.


107 Ele suspirou e correu a mão pela cabeça dela, acariciando a trança de seda. — Fen está tendo problemas para segurar Tatijana, ela quer procurar por você, — ele admitiu. — Ela queria te seguir e ter certeza de que você estava bem. Branislava balançou a cabeça várias vezes, mas não fez nenhum movimento para sair seu colo. Se alguma coisa, ela apertou os músculos ao redor dele, como se ela pudesse segurá-lo com ela para sempre. — Parti abruptamente. Esse pobre homem. Damon. Acho que não deveria ter arruinado seu café. Não posso imaginar o que ele pensa que encontrei nele. — O que você encontrou? Seu corpo inteiro estremeceu. Ela apertou os lábios e olhou ao seu redor como se pudesse detectar um inimigo espionando. Muito gentilmente ela usou os ombros dele para se pôr de pé, um pouco relutante, mas ela fez isso. — Vou-te dizer quando estivermos de volta na casa. Não aqui fora. Não a céu aberto. Zev não a pressionou. Ela parecia assustada. Tudo o que ela tinha encontrado no cérebro de Damon foi traumatizante o suficiente para mandá-la voando para a noite. Ela precisava trabalhar com isso ela mesma e chegar a um acordo com isso antes que enfrentasse os outros. — Suponho que isso significa que você vai se vestir. — Ele mudou de assunto, usando um tom aborrecido, esperando usar diversão para afastar sua mente do trauma. — Acho que é melhor, — ela disse, lhe dando um olhar sob seus longos cílios. — Eu não. Talvez você pudesse apenas ficar aí por alguns minutos e me deixar te admirar. — Ele já estava limpo e completamente vestido, de volta a seu estado normal de todos os dias, traje pronto-para-combate. Ela sorriu, sacudindo a cabeça. — Seu apetite é insaciável. — Sou um lobo, o que você esperava? — Ele mostrou os dentes para ela, parecendo faminto novamente. — Meu apetite por você é insaciável. É meu sincero desejo assegurar que cada vez que façamos amor você esteja tão extasiada e cativada pela minha experiência que você não possa esperar pela próxima vez, porque, acredite em mim mon chaton féroce, haverá muitas, muitas próximas vezes. A risada dela era genuína, e os seios nus, subindo e descendo com a respiração, chamavam sua atenção como um ímã. Ele estendeu a mão para seu seio esquerdo e se inclinou para puxar seu monte requintadamente suave para o calor de sua boca. Ela riu de novo e, desta vez, tentou inserir a mão entre sua boca e seu seio. Ele rosnou, se recusando a abandonar o seu prêmio. — Você é um lobo muito mau — ela declarou com firmeza. — Solte.

É meu. — Eu sei, mas você não pode ser tão ganancioso. Nós temos que voltar e eu preciso me vestir.

Posso te dar acariciar apenas com isto. Vai ser uma boa prática. Sua língua dançou. Seus dentes puxaram. Ele beijou e beijou. Ele podia sentir seu calor instantâneo, o rubor em seu corpo. Mel


108 e canela permeavam o ar. — Tenho certeza que você pode, — Branislava disse firmemente. — Mas não. E você não precisa de mais prática. Se você ficar melhor sexualmente nós dois vamos entrar em combustão espontânea. Isso vai acontecer, Zev, e vai ser tudo culpa sua. Tivemos sorte de não queimar a floresta. Ele dançou com a língua ao longo de seu mamilo, saboreando a maneira como seu corpo estremeceu em reação, antes que ele se endireitasse. — Estou pensando em praticar muitas vezes, Branka. Cada elevação. Duas ou três vezes por elevação. Talvez mais. Os lobos precisam ser alimentados, e você não pode me deixar ficar entediado. Assumir um lobo é uma proposta de tempo integral. — Tatijana nunca disse que ela teve tantos problemas com Fen — Branislava declarou, acenando com a mão para cobrir o corpo com seu vestido leve. Zev arreganhou os dentes para ela. — Mas então eu sou o alfa de elite, não sou?


109 Capítulo 9

Branislava fechou os dedos com força dentro da mão de Zev. Ela era grata a ele por seguir seus desejos ao pé da letra. Ele não lhe fez perguntas, simplesmente fez o que ela pediu. O calor, tão nas profundezas da terra, envolveu-a em um casulo de segurança. Normalmente, uma caverna teria sido a sua última escolha para tal encontro, mas a caverna sagrada dos guerreiros era o único lugar que ela podia pensar que um mago não poderia ouvir. Ela podia provar o medo em sua boca, um sabor horrível acobreado do qual não conseguia se livrar. Tensão amarrava sua barriga e a deixava se sentindo trêmula. Ela tentou seguir o ritmo constante dos pulmões de Zev, inspirando, expirando e retratando a confiança àqueles reunidos a pedido dela. De alguma forma, Zev tinha conseguido que todos deixassem a sua casa sem ela ter que dizer mais de que achava que era possível para ajudar Damon na próxima elevação, mas eles tinham que se preparar. Ninguém a tinha questionou muito de perto, embora Tatijana soubesse a verdade. Seus olhos se encontraram e ela viu conhecimento lá, mas como Branislava, Tatijana tinham permanecido fielmente em silêncio. Ambas se recusavam a dar nome ao mal, onde residiam. — Bronnie, — Mikhail disse suavemente, — Gregori completou todas as salvaguardas como você pediu. Gregori se juntou ao círculo íntimo, ali na caverna dos guerreiros, se sentou ao lado do príncipe. — Damon está seguro também. Ele não pode nos fazer mal, — ele acrescentou. — Daciana, Makoce e Lykaon estão perto e todos os três estão agindo tão normal quanto possível, dadas as circunstâncias, — Fen disse a ela. Ele manteve o braço em volta Tatijana, mantendo-a perto, sob o amparo de seu ombro. — Nos diga o que te perturbou, — Mikhail solicitou. — Por que você pediu que essas precauções fossem tomadas. Branislava tocou o céu da boca com sua língua. Skyler e Dimitri se sentaram diretamente em frente a ela em seu círculo de poder. Skyler tinha desenhado um círculo de proteção em torno deles, apenas por segurança. A câmara tinha sido limpa também, mas ainda assim, seu coração martelava e sua boca ficou seca. — Eu e Tatijana fomos mantidas em cativeiro toda a nossa vida até dois anos atrás, — Branislava disse. — A maior parte desse tempo, Xavier nos manteve no interior da parede de gelo, na forma de dragões. Podíamos ver e ouvir tudo o que ele fazia. É impossível dizer o quão difícil era vê-lo trazer vítima após vítima e sistematicamente as destruir. Pudemos ver todos os feitiços que ele lançou. Basicamente, nós fomos suas alunas, embora ele certamente nunca considerasse que poderíamos estar aprendendo enquanto observávamos. Ela olhou para sua irmã. Os olhos de Tatijana estavam baixos. As lembranças daqueles anos intermináveis, terríveis pesavam sobre as duas. O tempo sombrio estava muito perto, e ambas queriam empurrar as sombras para longe.


110 Imediatamente as velas nos castiçais brilharam para a vida, iluminando o ambiente. A mão de Zev se moveu para sua coxa em um gesto de conforto. Seus dedos bem abertos envolveram ao redor de sua perna, como se colando a si mesmo a ela. Sua força lhe deu coragem adicional. Ela era grata a ele por proporcionar mais luz. O Mal procurava trevas e sombra, deslizando através desses meios para cometer atos horríveis. O som da água parecia demasiado alto na câmara grande. As estalactites e estalagmites estavam sinistramente silenciosas, de modo que os rostos esculpidos dos antigos pareciam sombrios e olhando fixamente. Ela estremeceu enquanto seu coração trovejava em seus ouvidos. — Pensar que um homem pode cometer tal mal ao longo de tantos séculos está além da compreensão, — Branislava disse, sua voz ficando mais baixa. — Enquanto Xavier era a face dos magos, o homem fazendo amizade com os Cárpatos e os traindo, ele não estava sozinho em seus planos de se tornar imortal. Mikhail virou a cabeça para Gregori. Eles trocaram um longo olhar, como se talvez sua revelação não fosse uma grande surpresa. Nenhum dos dois respondeu em voz alta, permitindo a ela lhes dar as informações em seu próprio ritmo. Branislava passou as costas de sua mão em sua boca. — Nomear o mal, proferindo o seu nome, pode trazê-lo para você. Aprendemos isso há muito tempo. — Ela olhou para a irmã e havia medo em seus olhos. — Havia três de nós nascidos de nossa mãe. Soren, Tatijana e eu. A cabeça de Gregori subiu, como se farejando perigo, seus olhos prateados cortando através de seu terror crescente. — Havia três de vocês, — ele silvou baixinho. — A linhagem do Alto Mago. Branislava assentiu com a cabeça lentamente.

Chamo a ti com na mente os três, Nutro teu sangue da vida, três devem ser. Crianças do ar, terra, fogo e mar, Chamo vocês para no nosso mundo estar. Ela sussurrou as palavras. — Xavier manipulou o nascimento de trigêmeos, garantindo que Rhiannon, minha mãe, iria continuar a linhagem do Alto Mago. Mas não foram os primeiros trigêmeos nascidos na linha do mago. — Então, Xavier é um dos três, — Mikhail disse, soltando a respiração. — Trigêmeos. Branislava assentiu outra vez. — Esse segredo foi mantido afastado de todos os outros. Eles eram idênticos em todos os sentidos. Moviam-se da mesma forma e falavam com a mesma voz. Eles raramente foram vistos juntos e nunca onde outros pudessem descobrir o segredo. Isso lhes permitia estar em mais de um lugar ao mesmo tempo, ou fornecer um álibi se alguém acusasse Xavier de más ações. — É por isso que ninguém descobriu que ele foi quem matou o companheiro de Rhiannon, —


111 Fen disse. — Ele foi capaz de mantê-la prisioneira por tanto tempo porque muitos Cárpatos juraram que ele estava ensinando uma classe com salvaguardas quando o assassinato e sequestro ocorreram. Mikhail se inclinou para Branislava, seus olhos escuros em seu rosto. — Por que não nos contaram desta ameaça imediatamente? No momento em que foram resgatadas? Branislava não conseguia desviar o olhar daqueles olhos penetrantes. Sua respiração saiu em uma longa arremetida. — Xavier os matou. Ambos os irmãos. Ele os matou quando ele matou Soren. Ele estava obcecado com sangue e o poder dele. Ela se virou para olhar para Zev, sua voz caindo outra oitava, como se sussurrar iria impedir o mal de ouvir. — Todos os três foram em busca do Dark Blood. Naquela época, não sabíamos que era uma linhagem. Eles acreditavam que qualquer um que possuísse um Dark Blood poderia construir um exército de soldados que seriam invencíveis. Mas eles nunca encontraram o que estavam procurando. — Talvez eles tenham, — Mikhail ponderou em voz alta. — Fen, você e Dimitri encontraram mais de um Sange rau que vocês acreditam ter sido criado recentemente. É possível que alguém tenha ou teve acesso ao sangue Cárpatos e o está usando para criar os seus próprios soldados superiores. — Então um visa à espécie Cárpatos para derrubá-los, enquanto outro vai atrás da espécie Lycan, — Gregori disse. — O terceiro deve ter ido atrás dos Jaguares. Branislava balançou a cabeça lentamente. — Nós acreditávamos que eles estivessem mortos, — ela reiterou. — Acreditávamos que Xavier matou seus irmãos para seus próprios fins. — Você os viu realmente morrer? — Fen perguntou. Branislava assentiu. — Xavier conjurou um feitiço com um deles, seu irmão, Xaviero. Eles estavam trabalhando em um feitiço sombrio para escravizar os vivos. Eles tiraram sangue de nós para encher o cálice cerimonial. Ela esfregou o braço onde cortes tênues marcavam acima e abaixo seu antebraço e punho, como se as feridas estivessem abertas e latejantes. Tatijana espelhou suas ações. Zev tomou delicadamente o braço dela e esfregou sua mão por ele, numa caricia sobre as marcas desbotadas em sua pele macia. Branislava passou com a língua sobre os lábios secos. — Os dois beberam do cálice. Xaviero até mesmo nos saudou com a taça com pedras preciosas. — Ela engoliu em seco, um pequeno tremor correndo por seu corpo. — Ele tinha um jeito de sorrir para nós que era terrível. Nós sabíamos quando tinha essa aparência, que ia fazer o que ele mais amava... — Ela parou. Zev imediatamente a cercou com carinho e envolveu em amor. Deliberadamente, ela se permitiu olhar para ele. Ele era forte e reconfortante. Bom. Um homem decente e honrado. As memórias de Xavier, Xaviero e seu irmão Xayvion a deixava doente por dentro. Às vezes, ela sentia que nunca poderia tirar as memórias do verdadeiro mal de sua mente, mas estar com Zev certamente lhe permitia as distanciar. — O que foi isso? — Gregori instigou. — O que ele mais amava?


112 — Machucar os outros. Ele era muito depravado. Muito pior do que Xavier ou Xayvion. — Branislava apertou os lábios com força. — Ele gostava de manter suas vítimas vivas e brincar com elas durante horas, até mesmo dias. Homem, mulher ou criança, isso não importava. E como Xavier, ele amava uma audiência. — Ela apertou a mão na boca, se sentindo doente. — Não posso falar sobre ele. Não posso pensar sobre isso. — Sinto muito, — Gregori se desculpou imediatamente. — Não é necessário. Acho, a julgar pela sua reação, que não precisamos ou queremos os detalhes. Imediatamente houve uma corrente de calor reconfortante que girou através da câmara. Ela respirou fundo e assentiu com gratidão pela proteção do príncipe. — Você disse que Xavier e Xaviero beberam vosso sangue de um cálice de pedras preciosas, — Mikhail instigou. — O que aconteceu depois? — Enquanto Xaviero nos dava seu sorriso horrível, Xavier estava ao lado dele com a faca cerimonial na mão. Não houve aviso algum, ele apenas se virou e a mergulhou no coração de Xaviero. Nós duas o vimos fazer isso. — O que aconteceu com Xaviero? — Dimitri instigou quando ela ficou em silêncio. — O que Xavier fez com o corpo? Ela esfregou os olhos, tentando lembrar cada detalhe. — Havia vapor saindo do chão, como uma densa nuvem. Lembro-me disso porque era bonito, cerca de um metro de gelo puro, espiralando nestes pequenos, intrincados, quase rendados padrões. —Isso era um fenômeno natural, ou algo que eles criaram durante esta cerimônia? — Dimitri perguntou. Tatijana e Branislava olharam uma para a outra com as sobrancelhas franzidas. O incidente havia ocorrido séculos antes. Ambas tinham tentado esquecer, tanto quanto possível. Recordar deliberadamente memórias do mal era assustador. Suas mentes recuaram, tentando ajuda-las. — Foi criado, — Branislava decidido. — Tinha que ser. Para ser tão bonito e complexo, não poderia ser natural. Tatijana concordou com a cabeça. — Eu quase não conseguia desviar o olhar dela. A renda se dividia e multiplicava, cada padrão, como um floco de neve, diferente dos outros. — Vá em frente, — Mikhail incitou. — O que aconteceu depois? — Xaviero estava olhando diretamente para nós quando Xavier enfiou a faca nele. Seu corpo só tipo colapsou. Ele caiu como uma boneca de pano sob o véu de vapor. — Branislava relatou os detalhes precipitadamente para acabar com isso. — Xavier sabia que vocês estavam assistindo? — Nós éramos sempre seu público, as únicas que já o viram atuar e viveram com isso. Ele queria mostrar aos outros gênios quem ele era, quão inteligente e superior, mas é claro que ninguém poderia saber sobre seus planos de se tornar imortal e ter domínio total sobre o mundo.


113 Tatijana assentiu. — Ele jogava conosco. Sabia que estávamos assistindo. Quanto mais complicado o feitiço, mais ele queria que reconhecêssemos sua superioridade. Ele detestava todos os Cárpatos que já nasceram e prometeu acabar com eles. — E sobre os Lycans? — Zev perguntou. — Não havia espécies imunes ao seu desdém. Xavier não conseguia entender por que os animais, como as raças Jaguar ou Lycan tinha tantos dons. Em sua opinião, eles eram um total desperdício de espaço no planeta, mas reservava seu ódio absoluto para os Cárpatos. Branislava se permitiu encostar contra Zev. Ele era sólido como uma rocha, e correto, neste momento ela precisava de sua força. A caverna era reconfortante, nas profundezas da terra, no calor onde um mago nunca iria sobreviver. Eles eram capazes de suportar o frio, mesmo preferindo o mundo de gelo e neve, mas não gostava do calor intolerável. A temperatura e a umidade da caverna sagrada dos guerreiros os teriam deixado com falta de ar. Olhos e pulmões iriam chamuscar. A pele iria queimar, cozido nos 90 por cento de umidade. Eventualmente, um mago iria sucumbir, bem como um humano faria nesse mundo de calor. Branislava encontrou consolo no pensamento. — E os irmãos de Xavier? — Mikhail instigou suavemente. — Eles tinham a mesma opinião das outras espécies? Branislava franziu a testa. — Era impossível distinguir os três um do outro, a menos que eles estivessem conjurando, então cada um tinha uma assinatura muito distinta. Era raro ver os três juntos, mas o plano conjunto era livrar o mundo de Cárpatos, Lycans e Jaguares. — Não humanos? — Skyler perguntou. — Eles tinham que ter alguém para dominar, — Branislava apontou. — O que aconteceu depois Xavier esfaqueou Xaviero? — Zev perguntou. — Nós realmente nunca estabelecemos isso. — Ele arrastou o corpo para fora do laboratório. — Branislava olhou para sua irmã para confirmação. — Ele estava morto, certo? Xaviero estava morto. — Nós duas vimos o seu corpo cair, — Tatijana confirmou. — Xavier pegou seus pés como se fosse lixo e o arrastou para fora do laboratório. Houve um pequeno silêncio. Fen olhou através o círculo para seu irmão. — Nós dois estudamos um pouco com Xavier. Ele alguma vez fez uma tarefa servil com as mãos? Ele tinha assistentes que viviam para servi-lo. Se ele os olhava e eles corriam para fazer suas vontades. Dimitri balançou a cabeça. — Admito, não consigo me lembrar de um único momento em que o vi levantar um dedo. Ele instruía todos os demais a fazer o trabalho. Fen arqueou a sobrancelha para Branislava. — Era sua prática usual arrastar os cadáveres para fora de seu laboratório? Ele torturava e matava em uma base regular. Ele devia ter algum tipo de rotina.


114 O coração de Branislava saltou e depois começou a bater. Xavier matou tantos ao longo dos séculos, demasiados para ela contar. Nenhuma espécie foi deixada de fora de seu círculo de tortura, ele caçava todos elas. Trabalhava em suas magias sombrias sozinho... Ela mordeu o lábio com força e mais uma vez levantou os olhos para encontrar o olhar de Tatijana. Seu próprio horror estava refletido ali. Elas eram jovens quando os três irmãos tinham estado vivos. Tinha sido difícil dizer qual estava realizando um experimento, ou qual cortava seus corpos com uma faca e bebia profundamente. Os três irmãos pareciam e soavam iguais. Todos eles preferiram trabalhar suas magias sozinhos, mas não limpar depois eles próprios. Nunca. Por que Xavier arrastou o corpo de Xaviero fora do laboratório? Por que não tinha chamado um de seus assistentes? — Ele cuidou do corpo, porque não queria que nenhum de seus assistentes visse que tinha havido um sósia? — Gregori perguntou. Branislava queria responder afirmativamente, mas se viu sacudindo a cabeça. Xavier não tinha pudores em usar seus assistentes para uma tarefa que ele queria mantida em sigilo e logo que fosse concluída os assassinavam no local. Aqueles eliminando os corpos não teria nenhuma ideia do por que Xavier matou os magos estagiários, mas aceitavam, porque os cadáveres eram comuns onde trabalhavam. Ela começou a balançar para frente e para trás. — Por que eles iriam encenar a morte de Xaviero? Xavier não acreditava que pudéssemos escapar. Nenhum deles acreditava. Não, Xaviero definitivamente morreu. — Mesmo com seus próprios ouvidos, ela parecia em dúvida. — E sobre o outro irmão? — Mikhail perguntou. — O que você chamou Xayvion? Você disse Xavier assassinou os seus dois irmãos. Como ele morreu? Branislava queria se arrastar para dentro da mente de Zev para proteção. Como podia ter sido tão ingênua? Ela queria acreditar que Xaviero estava morto. Todos os três irmãos eram cruéis, verdadeiros psicopatas sem um pingo de remorso ou sentimento por ninguém. Xaviero apenas parecia levar mais longe sua tortura do que qualquer um de seus irmãos, como se ele fizesse isso por puro prazer, em vez de apenas por experiência. Ela não tinha dúvidas de que Xavier e Xayvion eram igualmente ruins, mas Xaviero sempre enviava um frio horrível através dela, quando ele as olhava encerradas por trás da parede de gelo. Era a única vez que Branislava agradecia a proteção do gelo. — Da mesma maneira. O tempo passou. Não sei quanto, porque o tempo não significava nada. Mas foi um tempo. Xavier e Xayvion realizaram a mesma cerimônia, e Xavier esfaqueou Xayvion e o arrastou para fora do laboratório pelos pés. Nunca vi o efetivo corpo e depois que caiu, somente os pés e as pernas, — ela admitiu. — Mas nós nunca mais os vimos. Mikhail esfregou as têmporas. Gregori lhe lançou um olhar rápido. Branislava sentiu uma onda de calor calmante circular por toda a caverna. Mikhail enviou a Gregori um pequeno sorriso, como se estivesse agradecendo. — Você disse que não podia distingui-los, — o príncipe disse. — É possível que eles estivessem vivos, mas porque você os acreditava mortos, sempre pensou que era Xavier realizando experimentos


115 e feitiços? Poderiam ainda estar trocando de lugar? Mais uma vez queria dizer que não. Ela teria reconhecido o sorriso de Xaviero. Ela estava certa de que teria. Foi uma criança aterrorizada, e ele gostava de atormentá-la. Sabia que Tatijana estava muito mais confortável no gelo do que sua irmã e ele deliberadamente fazia o gelo mais frio em torno Branislava até que era impossível para ela controlar a temperatura do corpo para se manter bastante aquecida. Ela tiritava e tremia por dias, às vezes semanas e meses, suas próprias entranhas tão frias que ela pensava que iria congelar de dentro para fora. — Bronnie? — Fen instigou. Ela balançou a cabeça. — Não acredito que Xaviero alguma vez retornou, não onde eu pudesse vê-lo. Não acho que ele poderia ter resistido me atormentar. — Você nos pediu para te encontrar neste lugar sagrado, — Mikhail disse, fazendo uma afirmação, esperando que ela terminasse. — Nenhum mago, nem mesmo um poderoso como Xavier ou seus irmãos, poderiam penetrar as salvaguardas desta câmara, — Branislava disse. — Sou Caçadora de Dragões e senti isso no momento que pus os pés na pedra antiga. Não queria correr o risco de ser ouvida, ou falar o nome do mal em voz alta onde ele pudesse me encontrar. Xaviero é totalmente mau, tão mau como Xavier. Embora eu fosse capaz de jurar sobre a minha própria vida que ele estava morto, vi a sua assinatura característica na noite passada. Mikhail soltou a respiração lentamente e se virou para olhar para Gregori. — Não sei por que não estou mais surpreso com essa confusão em que estamos começou há muito tempo com Xavier. — Onde é que você viu essa marca? — Gregori perguntou. — Damon, irmão de Daciana, agiu contra suas crenças morais. Cada vez que foi questionado, eu podia ver que algo o impedia de se lembrar. Sua cabeça doía. Seu nariz sangrava. — Sombreamento-mago, — Gregori disse. — Você está descrevendo alguém com sombreamento-mago. Branislava balançou a cabeça lentamente. — Há apenas poucos magos que eram bons nisso, mas eu só conheço três que poderiam ser capazes de produzir massivamente sombras-do-mago em vítimas inocentes. Damon se lembrou de ir a uma reunião do Círculo Sagrado, mas não conseguia se lembrar de quem estava lá o incentivando a se juntar com os assassinos visando Skyler e Dimitri. — Suas ordens, — Zev acrescentou, — eram ferir os lobos e os deixar como isca na floresta. Dimitri tem certa reputação. Sua missão foi sempre a de salvar os lobos em estado selvagem. — Pensei que Lycans tinha a mesma missão, — Mikhail disse. — Pensei que eles tivessem também, — Zev disse, uma aresta dura em sua voz. — Felizmente, Damon não deu o tiro que devia e eu não tive que matá-lo. Se tivesse, nunca teríamos a chance de descobrir que ele foi manipulado. Eu questionei-o, e Branka viu os sinais. Os olhos prateados de Gregori se cravaram em Branislava, fazendo-a querer se contorcer, mas


116 ela ficou muito quieta, determinada a manter a compostura. — Você sabia que ele estava com sombreamento-mago, entretanto, você verificou a assinatura, sem ninguém para te ajudar se você se metesse em problemas, não foi? — Seu tom era baixo. Acusando. Ela assentiu com a cabeça, apertando a mão de Zev em um aperto de morte. — Você sabia como era perigoso, mas ainda o fez, por quê? A voz de Gregori a criticou como um chicote. Ela até estremeceu sob o golpe. Ao lado dela, a cabeça de Zev se ergueu, seus olhos indo totalmente para os do lobo. Imediatamente, um perfume feroz, selvagem a envolveu. Ela o sentiu enrijecer. — Eu preferiria, Gregori, que você observasse como você fala com a minha mulher, — Zev disse, com a voz quase rouca pelo esforço de não rosnar. —Caso contrário, eu e você vamos lá fora para ter uma conversa particular. Choque se mostrou no rosto de Gregori. Mikhail tossiu na sua mão, claramente tentando não rir. Gregori, apenas no caso de você

nunca ter se encontrado com você mesmo, é você que está sentado ali. Gregori enviou o príncipe um olhar azedo. Sua diversão às minhas custas nunca deixa de me

surpreender. A maneira como você faz amigos em todos os lugares que você vai nunca deixa de surpreender ou divertir. — O jelã peje terád - o sol te queime, Mikhail, — Gregori disse irreverentemente para seu sogro, o príncipe de toda a raça dos Cárpatos. A expressão de Mikhail nunca mudou, mas o riso era contagiante. Gregori tentou claramente esconder sua própria diversão, olhando furiosamente para Mikhail, mas no final ele sabia Mikhail o conhecia bem demais para não sentir sua risada às suas próprias custas. — Por favor, me desculpe, Bronnie, — ele disse em voz alta. — Conheço os perigos de tentar remover uma sombra-do-mago e o pensamento de você tentar uma coisa dessas sem proteção foi um choque tão grande que falei sem pensar. Removi lascas, mas não uma sombra-do-mago. Tentei, mas não tive sucesso. Era... vil. Branislava ouviu a sinceridade em sua voz e sabia que não tinha nada a ver com temor a Zev. Gregori não gostava de intimidar as mulheres. — Se isso faz você se sentir melhor, nunca teria tentado fazer tal coisa. É por isso que pedi que você e Mikhail nos encontrassem aqui, para decidir o que fazer, — ela disse. — Precisava saber se as minhas suspeitas eram verdadeiras. Damon foi convencido de que o único lugar em que tinha ido era a uma reunião do Círculo Sagrado. Havia alguém lá que não podia nomear, uma pessoa que tinha encontrado muitas vezes, e ainda assim, cada vez que ele tentou se lembrar dele, ele ficou muito doente.


117 Gregori assentiu em entendimento. — Você suspeita de um sombreamento em massa? Ela apertou os lábios com força, seu coração gaguejando novamente, revivendo o momento em que ela esteve absolutamente certa de quem tinha colocado a sombra no cérebro de Damon. Ela balançou a cabeça lentamente, franzindo a testa um pouco. — Quem mais, Gregori? Quem poderia fazer uma coisa dessas? Se não Xavier, então um ou ambos os irmãos têm que ainda estar vivos. — Sua voz tremeu. Ela não pode controlar. — E quando você verificou? — Gregori suavizou sua voz. — Era o que eu temia. Xaviero. Tatijana engasgou e cobriu a boca. Ela balançou a cabeça. Branislava assentiu. — Era Tatijana. Não há dúvidas quanto a sua assinatura. Ele está vivo, e está infiltrado nas fileiras dos Lycans. Como Xavier, ele está trabalhando para destruir qualquer um que possa se opor ao seu poder. Zev praguejou baixinho. — Como ele poderia conseguir isso e nenhum de nós saber? — Vivi entre os bandos por séculos, — Fen apontou. — E tenho sangue misturado. Eu simplesmente ia para a terra durante o tempo da lua cheia para evitar a detecção. — Ele estaria velho e seria muito respeitado, — Branislava disse. — Exigiria dedicação. Admiração. Não há nenhuma maneira dele ter parado de matar. É viciado nisso e desfruta demais, mas ele tem disciplina. Iria torturar e matar longe de onde opera. Zev balançou a cabeça. — Não há ninguém assim. — Sim, há, — ela insistiu. — Ele está em campo aberto, vivendo e se movendo entre vocês. Não procure por um assassino. Ele vai aparecer gentil e benevolente. Vai se misturar perfeitamente com os Lycans. Ele terá seguidores e eles vão amá-lo, quase a ponto de adorá-lo. Zev franziu a testa e passou a mão pelo rosto como se limpando a primeira imagem, a fim de tentar substituí-la com a segunda. — Você está descrevendo metade dos líderes do Círculo Sagrado, bem como alguns membros do conselho. Poderia ser qualquer um Branka. — Ele vai precisar de um laboratório para fazer seus soldados. E ele tem acesso ao sangue dos Cárpatos. — A respiração de Branislava ficou presa em sua garganta e ela fechou a boca abruptamente antes que seu próximo pensamento pudesse vazar.

O que é? Diga-me. A voz de Zev girou o coração dela de novo. Tão gentil e carinhosa. Ela iria quebrar seu coração, se o que ela suspeitava fosse verdade. Ela balançou a cabeça.

Mon chaton féroce. Se o que você suspeita é a verdade, vai aparecer eventualmente. E melhor acabar com isso agora. Quando Zev falava naquele sotaque francês, sua voz suave, como o veludo, ela não podia deixar de reagir.


118 Alguém descobriu que sua avó era sangue misturado. Eles tinham que saber que ela tinha nascido Cárpato. Se Xaviero soube, ele poderia ter ordenado sua morte. Ele teria acesso ao seu sangue, o mesmo sangue todos os três irmãos tinham procurado. — Nos conte, — Mikhail disse com suavidade. — Precisamos saber tudo, inclusive o que você apenas suspeita. Sem todas as informações, não podemos tomar uma decisão inteligente. O olhar de Branislava se agarrou ao de Zev. Sua lógica era razoável, entretanto, e ela sabia disso. Xaviero estava vivo. Ninguém mais iria deixar essa mesma sombra para trás. Sua assinatura sempre foi diferente. Ele tinha que ter vivido entre os Lycans, se infiltrando e tornado alguém de importância. Ele usaria sua posição para criar uma rede de espiões. Esses espiões iriam mantê-lo informado de todos os detalhes. — A avó de Zev era a filha dos Dark Blood. Do último par de companheiros. Eles cruzaram a trilha do Sange rau destruindo os bandos de Lycan sistematicamente e claro eles tentaram ajudar. Quando eles foram mortos, sobreviventes Lycan se depararam com seus corpos e encontraram uma criança, acreditaram que ela era Lycan. Eles a levaram com eles para criá-la. — E Xaviero descobriu, — Mikhail concluiu. Branislava assentiu. Ela manteve suas mãos na frente dela, como se pudesse se proteger da verdade. — Acredito que foi isso que aconteceu. Faz sentido. Xavier queria um Dark Blood mais do que qualquer outra coisa, mas ele nunca encontrou o que estava procurando. Eu e Tatijana pensamos que era um tipo de sangue que poderia prejudicar os outros, e não uma linhagem. — Xaviero poderia ter tido algo a ver com o primeiro Sange rau? — Zev perguntou. — Aquele responsável pela morte de tanta gente? — Eu duvido, — Mikhail disse. — Mas certamente Xaviero teria pensado que ele tropeçou em uma mina de ouro. Exatamente aquilo que precisava para derrubar Cárpatos e Lycans igualmente. Seu problema era que o código sagrado foi escrito pelo conselho, e Lycans evitavam os Cárpatos. Ele não tinha uma oportunidade de acessar ao sangue dos Cárpatos. — Até minha avó crescer e alguém o informar de alguma coisa que eles acharam suspeitas sobre ela, — Zev arriscou. Branislava assentiu. — Eles eram tão bons na coleta de informações. Eles usavam os animais, os seres humanos, todas as espécies disponíveis, e eles conseguiam resultados. Se ela cometeu um erro, acredite em mim quando digo que Xaviero teria sido informado. — Ela foi criada Lycan, — Gregori destacou. — Ela provavelmente nem sabia que era Cárpato. Quando os outros mudavam, ela mudava também, não percebendo que ela não estava mudando da mesma forma. Ela era uma Dark Blood e teria caçado e lutou ao lado de seu marido. Ela provavelmente recebeu sangue Lycan quando foi ferida, e, eventualmente, se tornou um sangue misturado. — Então, ele a observou. — Mikhail montando mais do quebra-cabeça. — Xaviero a observou de perto e percebeu o que ela tinha que ser. Ele queria seu sangue e não podia correr o risco de que ela fosse mais rápida, mais forte e mais inteligente e pudesse derrotá-lo. Ele instigou uma multidão


119 contra ela, provavelmente para tê-la trazida perante o conselho, mas eles a mataram. Ele deve ter levado seu sangue para seu laboratório e o mantido para experimentar. — Seu marido pegou a criança e fugiu, — Zev disse. — Ele teria ido para longe e se unido a um bando diferente, provavelmente em outro país. Teria mudado seu nome. Isso é o que eu teria feito para proteger a minha filha. — Você se encontra com seu avô? Conhece de algum modo? — Mikhail perguntou. Zev assentiu. — Ele era muito quieto e passou a maior parte de seu tempo caçando. Eu era muito jovem. Minha mãe morreu no parto, e meu pai disse que o pai dela raramente veio depois disso. Eu o vi um algumas vezes e então um dia ele nunca mais voltou. — Quando você diz “caçando”, — Fen perguntou, — quem ou o que ele estava caçando? Zev deu de ombros. — Meu pai disse que ele perseguiu os homens que mataram sua esposa, um por um, pelo menos é o que ele pensava que meu avô estava fazendo. — Eu entenderia se ele fez, ele acrescentou para Branislava.

Porque é algo que você teria feito. Branislava se assegurou de que usasse o verbo no passado. Zev era sangue misturado, tanto Lycan quanto Cárpato. Ele ainda podia pensar como um Lycan, mas se sua companheira fosse morta, ele seria um perigo para todos, se fosse apanhado na mortal loucura Cárpatos - a subjugação que tomava conta dos machos se não seguissem imediatamente suas companheiras. Os olhos dele encontraram os dela e o coração dela disparou. Havia amor lá. Posse. Pertencimento. Não importa o que acontecesse, ela tinha esse tempo, esse inesperado amor apaixonado que transcendia a ela.

Uma vez que eu soubesse que minha filha está morta, teria movido céus e terra para encontrar os assassinos de sua mãe. Agora, eu vou para onde você vai. Sempre. Branislava engoliu em seco para limpar o caroço engasgado em sua garganta que tinha surgido do nada. Eu acho que sou completamente louca por você, Lobinho.

Você está completamente louca. E nem sequer sussurre esse nome nestas cavernas. Estamos cercados por antigos guerreiros e Lobinho simplesmente não é viril o suficiente. Apesar do fato de que seus piores medos se tornaram realidade, Zev podia fazê-la rir. Sentindo o olhar de sua irmã nela, ela olhou para cima, e Tatijana sorriu para ela. Eles estavam tão próximos. Isto é o que Tatijana tinha com Fen - esse maravilhoso sentimento de pertencer, de ser amada. Ela devolveu o sorriso de sua irmã e encontrou Skyler com seu olhar. A jovem Skyler, cuja alma parecia mais velha do que todos eles, manejando o poder tão facilmente, mesmo sem reconhecer como ela era extraordinária. Dimitri sentado perto dela, protegendo parcialmente o corpo dela dos outros. Estava claro que ela também estava envolvida em amor. Elas tiveram sorte, as mulheres Dragonseeker. Todas as três tinham tido muita sorte. — A ligação entre o avó e o avô de Zev era tão forte? Tão forte que muito tempo depois que ela estava morta, ele precisava encontrar seus assassinos? — Branislava perguntou. — Ela era


120 Cárpato, e depois sangue misturado, mas ele era... — Ela parou. — Não teria sido ele sangue misturado também? E o sangue que ele tinha em seu sistema seria Dark Blood. — Ele não poderia tê-la reivindicado como uma companheira, — Gregori disse. — Não sem os antigos o trazerem plenamente para o nosso mundo, mas certamente o seu amor poderia criar um vínculo bastante forte. — Lycans amam apaixonadamente, com tudo neles, quando eles encontram a sua verdadeira companheira, — Zev disse. Ele se inclinou para frente, seu olhar sobre o príncipe. — Este mago manteria um sangue misturado vivo, a fim de ter um suprimento de sangue fresco? Porque o tempo todo eu me pergunto como ele iria preservar o sangue de minha avó. Temos maneiras agora, mas séculos atrás? Fen assentiu. — Zev tem um ponto. — Xaviero estava acostumado a viver em um mundo de gelo. Ele poderia preservar o sangue lá, — Tatijana apontou. — Mas ele não iria compartilhar, — Branislava disse. — Você sabe que ele não iria, Tatijana. Eles tentavam superar uns aos outros. É por isso que foi tão fácil acreditar que Xaviero e Xayvion estavam mortos. Isso, e queríamos acreditar. Se Xaviero tivesse obtido o Dark Blood que os três procuravam, ele teria escondido dos outros e se sentido convencido e superior. Tatijana assentiu com a cabeça. — Só de falar sobre eles me faz sentir doente por dentro. — Ela virou o rosto contra o ombro de Fen. Ele respondeu imediatamente, esfregando as mãos pelas costas dele e então subiu até a nuca, os dedos aliviando a tensão de seu corpo rígido. — Devemos assumir que os dois irmãos ainda vivem e enfrentamos inimigos muito poderosos, — Mikhail disse. — Este homem Damon é um problema. — Seu escuro, penetrante olhar se virou para Zev. — Presumo que ele é um homem bom ou você não teria poupado sua vida. Zev assentiu. — Nós somos amigos há muito tempo. Daciana e Damon são família para mim. Mikhail olhou de relance para Gregori. — Como podemos ajudar Damon sem alertar Xaviero que sabemos que ele está por trás desta confusão? Se você remover a sombra... — Ele parou. — É mesmo possível? Você estava chateado com o pensamento de que Branislava pudesse ter tentado. Gregori suspirou. Os olhos prateados encontraram Branislava em entendimento. — Um mago assim poderoso teria salvaguardas igualmente poderosas para proteger sua sombra. Tropeçar em uma iria alertá-lo, e ele iria nos atacar imediatamente através de seu fantoche. Falhando nisso, para proteger sua identidade, ele iria matar Damon. O olhar de Mikhail estava fixo em seu genro. — Se não fizermos nada e permitirmos que este mago tenha uma janela através de Damon, então o que? — Sua influência sobre Damon vai se fortalecer com cada utilização. Eventualmente, nós não seremos capazes de ter a chance de salvá-lo. Qualquer um perto do homem estará em perigo neste ponto. Qualquer coisa que ele vê ou escuta poderia voltar para Xaviero. Branislava assentiu. — Gregori está certo, Mikhail. Aquela sombra não pode ser deixada dentro


121 dele. Deve ser removida o mais rápido possível. — Você pode fazer isso, Gregori? — Mikhail perguntou. — E quão alto é o risco? Gregori fechou os olhos por alguns instantes e balançou a cabeça, sem responder. Os batimentos cardíacos de Branislava aceleraram. Ela apertou a mão de Zev, cada célula de seu corpo se rebelando. Cada único medo que ela já sentiu naqueles longos anos de cativeiro brotou para sufocá-la, para sufocar o que tinha de ser dito. Zev se inclinou, a boca roçando por sua bochecha, deixando um rastro de fogo numa câmara de puro calor abrasador. Ela estava segura aqui. Xaviero não poderia encontrá-la ali na caverna sagrada, cercada pelas pessoas que amava e que a amavam. — Eu removi lascas no passado, Mikhail, — Gregori disse, — Mas nunca uma sombra. Até que eu veja o que estou enfrentando, não posso dizer com certeza. Se Xaviero é capaz de produzir sombras em massa em um grupo de pessoas inocentes, como indicado, ele teve séculos de prática e sabe muito mais do que eu sobre o assunto. — Gregori teria pouca chance para remover a sombra, não sem conhecer o trabalho de Xaviero, — Branislava disse. Mais uma vez, seus olhos se encontraram com os de Tatijana. Sua irmã balançou a cabeça, seu punho preso em sua boca para evitar um protesto. Ela respirou fundo e se obrigou a dizer a única coisa que temia acima de todas as outras -a única coisa que tinha sabido quando viu a sombra e soube quem tinha feito isso. — Eu vou ter que fazer isso.


122

Capítulo 10

O silêncio tomou conta na câmara sagrada dos antigos guerreiros. Água escorria das paredes até as piscinas, gotas silvando quando elas batiam na água quente. A névoa subia como caracóis de vapor e flutuava em torno das estalagmites. A luz bruxuleante de todas as velas projetava expressões nos rostos dos antigos guerreiros nos gigantes totens de minerais. Parecia que o mundo prendeu a respiração. Zev ouvia o seu coração como um trovão rugindo sobre sua cabeça. Sua primeira reação foi visceral. Absolutamente não. Não permitiria isso. Não se importava com o que ela disse, e se Damon iria morrer ou não, ela não ia se colocar nesse tipo de perigo. Ele não sabia o que observar a sombra implicava ou o perigo em que ela tinha estado ou ele nunca teria permitido isso. A reação de Gregori, quando ela admitiu que tinha feito isso era o suficiente para ele. Ela não ia chegar perto de Damon novamente. Branislava se moveu, uma pequena flexão de seus dedos, e ele olhou para baixo para ver sua mão apertada ao redor de sua coxa, os nós dos dedos brancos. Imediatamente ele relaxou o controle sobre ela, certo de que ela teria contusões, silenciosamente se amaldiçoando por não ter sido mais cuidadoso. Mas que se dane tudo... — É a única maneira, — ela disse em voz alta, olhando para ele, olhando diretamente em seus olhos, em sua alma. Ela conhecia sua reação primitiva. Ela sabia que tudo o que ele era, Lycan e Cárpato, protestaram. Ela o conhecia, seus instintos e sua necessidade de mantê-la segura. Ele podia ver o medo, tão gritante em seus olhos, mas ela iria tentar remover a sombra de Damon. Ele não conseguia conter a fúria subindo feroz, rápida e terrível. Seu lobo saltou para protegê-la, para forçar a obediência. Zev se levantou e saiu da câmara, deixando-a ali onde estava, a salvo da loucura o agarrando. Ele queria sacudi-la até que visse a razão. Ele queria colocá-la em seu joelho como se fosse uma criança rebelde. Ele queria envolvê-la no seu amor e mantê-la escondida, onde nada poderia tocá-la. Ele continuou se movendo, indo de câmara em câmara, serpenteando através do labirinto, sem se importar se estava indo em direção ao nível do solo ou mais adiante da caverna dos guerreiros. O onde pouco importava para ele. Apenas o porquê. Por que o seu amor por ele não era forte o suficiente para impedi-la de colocar sua vida em perigo? Seus dedos se fecharam em dois punhos apertados. Garras afiadas cortando suas palmas. Sua pele coçava e seus olhos e maxilar doía com o esforço de segurar o lobo que a arrancaria da reunião e fugir para a noite com ela. — Zev. A voz era calma, como uma brisa suave. Ao invés de acalmá-lo, a ira se derramando por ele. Ele se virou e pegou seus ombros em um forte aperto. — Você não deveria ter me seguido.


123 — Você acha que eu tenho medo de você? — ela perguntou, seu tom de voz baixo, uma melodia musical que seu ouvido imediatamente sintonizou. — Você deveria ter — ele rosnou. Ele se manteve rigidamente sob controle, não a sacudindo quando ele precisava, mas a segurando para que ela não conseguisse se mexer. — Bem, não tenho. Sei que você está chateado comigo... — Chateado? É isso que você chama de chateado? Que palavra insípida é essa, e que em nada descreve o que estou sentindo. Fúria poderia se aproximar. Você não tem o direito de tomar a decisão de arriscar sua vida sem sequer discutir o assunto comigo. Ontem à noite você não me contou o real perigo que olhar a mente de Damon poderia ser. Quando ela tentou falar, ele levantou a mão pedindo silêncio. — Você dourou a pílula para mim. Sempre te fiz a cortesia de dizer exatamente o que está acontecendo. Tratei-te com respeito e esperava o mesmo de você. — Isso não é justo, Zev — ela disse, sua voz baixa, seus longos cílios descendo para esconder sua expressão. Ele pegou o queixo dela com dedos duros e puxou sua cabeça para cima, forçando-a a olhar em seus olhos. — Eu particularmente não dou a mínima para ser justo agora. Este não é um bom momento para nós termos essa discussão. Ele teve que puxar respirações profundas para manter seu lobo na baía. A cada poucas palavras um baixo rosnado de alerta, escapava. Imagens térmicas coloriam sua visão de amarelo e vermelho. Ele era um alfa e ninguém, muito menos a sua companheira, desobedecia ou desafiava um alfa em seu bando, não sem consequências. E eles com certeza não tomavam decisões independentes, não após a traição de Gunnolf e Convel. Por um momento, os olhos dela brilharam com o fogo puro. Ele viu as chamas queimando atrás das joias brilhantes. Saber que ela pudesse estar com raiva também apenas levou seu temperamento a outro patamar. Ele rosnou, agarrando a nuca dela e a puxou para si, a boca descendo dura até a dela, despejando sua fúria e terror pela coragem dela em sua dominação. Ela não lutou com ele, o que foi uma coisa boa. Isso só teria disparado mais agressividade, e ambos sabiam disso. Ele a beijou de novo e de novo, mantendo-a imóvel, seu toque um pouco brutal, o seu beijo exigente e enérgico. Seu corpo era ardente, como se toda a paixão do mundo estivesse reprimida em sua forma suave. Beijou-a como se não houvesse amanhã, como se eles tivessem esta noite juntos e ele precisasse dela para sobreviver, e ele sabia que precisava. O beijo dele era avassalador, ardendo com tal fogo que pequenos choques elétricos chiaram através de seu sangue e correram de seus seios para seu âmago se fundindo. As costas dela bateram na parede da caverna e ele a prendeu lá, usando seu corpo maior, empenhado em dominá-la. Seu lobo era quase impossível de controlar e cada vez que ela fez um pequeno movimento, como se pudesse se afastar, ele se tornou mais duro, mais áspero em seu manuseio.


124 Branislava não o enfrentou. Ela sabia que tinha empurrado Zev para seu estado selvagem, descontrolado, dando ao seu lobo reinado quase livre. Ela não tinha ficado com raiva, mas o queria com cada sopro de ar que ela puxava em seus pulmões. Ela deliberadamente o deixou ver aquele fogo, sabendo que, em seu estado, ele iria confundir sua paixão com raiva. Ela o queria exatamente assim - uma tempestade de fogo queimando fora de controle. Era uma reivindicação. Nada menos. Uma declaração. Ela entendia isso. Ela entendia sua necessidade de tê-la se submetendo a ele. Ela ansiava por seu lobo, a criatura selvagem e indomada que combinava com sua própria natureza de fogo. Ela podia ver as marcas em seu corpo de suas mãos e sua boca, mas se deleitava com cada uma. Ela sentiu a terrível tensão em seu corpo crescendo sem fim, seus toques implacáveis a empurrando cada vez mais alto até que ela temia que voasse em pedaços, sem nunca sentir a ardente explosão que tão urgentemente desejava. O corpo dela havia se tornado um vulcão de fogo derretido nas mãos dele. A cisma de medo serpenteando através de sua mente, se enfiando através do frenesi da paixão, que poderia não sobreviver a este momento, não com sua mente intacta, só aumentou ainda mais as sensações poderosas.

Zev. Ela sussurrou seu nome em sua mente. Seu talismã. Sua âncora. O homem que a fazia completa.

Estou aqui, mon chaton féroce. Vou pegar você. Deixe-se cair. Ele estava lá instantaneamente, envolvendo-a em amor. Mais uma vez ela se sentiu como uma Phoenix, o pássaro lendário, queimando completamente, purificada no fogo e renascida. Ela se sentia como uma boneca de pano, desgastada e incapaz de segurar seu próprio peso. Zev a impediu de desmoronar para frente, envolvendo-a em seus braços, abraçando-a. Ela podia sentir o coração dele martelando, combinando com o ritmo dela. A respiração deles saía em suspiros irregulares. Ele a embalou, roçando beijos sobre o topo de sua cabeça, os braços fortes ao seu redor, seu peito uma parede sólida na qual ela se inclinou. — Eu te amo, Zev, — ela confessou. — Cada parte de você. Especialmente o seu lobo. E sei que você me ama, assim como ele. — Estou feliz que você está ciente que estou amando você. É impossível te tocar e não ter o meu lado lobo ficando um pouco louco. — Ele passou a mão pelos cabelos dela em uma carícia lenta. — Você me deixa um pouco louco. — Claro que sei que você está me amando. — Ela virou a cabeça para olhar para ele por cima do ombro. — Por que pensaria o contrário? Você balançou toda a montanha. Ele tocou uma marca de dedo em sua pele, uma marca de mordida e dois chupões. — Quando meu lobo está perto, fico áspero. Não tentei muito me segurar desta vez. Ela franziu o cenho para ele. — Você não me assusta. — Ela fez uma pausa, pensando. — Bem, às vezes, por apenas um momento, não porque acho que você vai me machucar, mas porque o


125 sentimento que tenho por você é tão incrível que tenho medo de não poder manter a sanidade ao final. Nunca tenha medo de me amar como você precisa. Posso lidar com o áspero. Ele distribuiu beijos até seu pescoço. — Diga-me sempre que você estiver com medo, Branka. Nós podemos parar para que você se sinta segura — Seu queixo acariciou seu ombro. — Adoro o seu fogo, Branka. — Havia um sorriso em sua voz e seus braços se apertaram ao redor dela. — Às vezes acho que de todos esses anos trancada no gelo, o fogo apenas ardia, sentado ali, congelado, desesperado para sair, e agora, cada vez que você me tocar, isso inflama o fogo. — Ela suspirou, se encostando mais com ele. — Há muito calor em mim, crescendo e crescendo e ele começa a se derramar e não posso contê-lo. Então você coloca suas mãos em mim ou sua boca e eu ardo em chamas. Ele beijou sua nuca e mordeu suavemente seu ombro, enviando calafrios por seu corpo. Ela poderia ficar lá com ele para sempre, se sentindo segura e bem amada. Zev olhou ao redor da caverna. Ela havia sido iluminado com a energia ardente dela, mas agora estava escura e sombria novamente, não mais brilho vermelho-alaranjado, nenhuma terra vermelha ou chamas subindo pelas paredes. — Te amo com todo meu coração e alma — ele disse. — Não quero te perder. — Zev. — Branislava acariciou sua garganta. —Me desculpe, te magoei. Não consigui imaginar você me perguntando se está tudo bem para você ir caçar bandos de renegados. — Não tente comparar os dois — Zev avisou, se arrepiando todo novamente. — Quando eu caçar os bandos de renegados, você vai estar lá comigo. Isto é completamente diferente. Não posso te proteger quando você tenta remover essa sombra de Damon. Melhor que eu simplesmente o mate e acabe com isso. — Ele se levantou em um movimento suave, fluido, levando-a com ele, colocando-a de pé. — Talvez seja isso que eu vá fazer e a discussão estará terminada. Ela levantou a mão para suavizar as linhas esculpidas tão profundamente no rosto dele. — Não estamos discutindo, Zev. Não vou discutir com você. Cometi um erro. Deveria ter falado sobre isso com você antes de abrir minha boca. Tenho medo de enfrentar Xaviero. Ele sempre me aterrorizou. O pensamento dele por aí ferindo outras pessoas é igualmente aterrorizante. Alguém precisa detê-lo, e me acreditem, não me importaria de tomar o caminho mais fácil e recuar, deixando que outra pessoa assumisse a liderança contra ele. Ela agitou as mãos para se limpar e se recompor. Zev tentou não sorrir. Ela estava com uma roupa diferente da que ele tinha estragado. Ele seguiu seu exemplo, renovando sua aparência. — Então você vai dizer aos outros que você não vai tirar a sombra de Damon. — Se é isso que você quer que eu faça... — ela disse, seu olhar no rosto inexpressivo dele. Era impossível lê-lo. — Zev, quero você feliz. Não tenho nenhuma experiência aqui, e você torna difícil às vezes. Você realmente acha que quero chegar perto Xaviero? — Venha aqui — Zev apontou para o ponto diretamente à frente dele. Sua voz mexeu com o coração dela de novo. Tanto amor transformando o habitual tom de


126 comando numa carícia de aveludada. Branislava se moveu sem hesitação, parando exatamente onde ele havia indicado. Zev inclinou o rosto dela, as mãos deslizando pela curva de suas bochechas e ao longo de sua mandíbula, o pescoço, inclinando o rosto para ele. Sua boca desceu sobre a dela, e não com a sua fúria, mas com tanta ternura que ela sentiu a ardência das lágrimas atrás de seus olhos. Seu beijo era suave, quase reverente. Ela sentiu o amor vertendo em sua boca, por sua garganta, se espalhando por seu corpo de modo que não havia uma única célula que não estivesse saturada com a intensidade da emoção dele. Quando ele levantou a cabeça, tocou os lábios dela com admiração. — Não posso acreditar que você pôde fazer isso — ela sussurrou. — Não posso acreditar que uma mulher como você sequer existe, e muito menos que eu tenho o privilégio de ela me pertencer. Sou um lobo, Branka. Tenho sido um alfa quase desde o dia em que nasci. Estive sempre na posição de liderança. Espero essa deferência e quando não a obtenho, o lobo alfa reage de forma a manter o bando unido. Não posso fazer nada sobre isso. Esse é meu jeito de ser. Esse é quem sou. — Eu sei Zev — ela respondeu. — Aceito isso. Ele roçou seus dedos pelo rosto dela, tocando-a com a mesma ternura que foi tão predominante em seu beijo. — Nunca pensei que haveria uma mulher para mim. Não em todos os longos anos. Sempre soube que tinha pouca tolerância para o desafio de um membro do bando, então sabia que ia ser pior com a minha companheira. — Esta mulher adora ser sua. Basta não ser pior com os nossos filhos — ela advertiu. — Dragões protegem seus filhotes ferozmente, especialmente dragões de fogo. Ele riu suavemente, pela primeira vez a tensão se soltando nele um pouco. — Vou me lembrar disso. Nesse meio tempo, você se lembra de que quando um lobo não tem família, não tem uma única pessoa que ame. Mas quando ele a encontra, se agarra com tudo o que é. Talvez muito apertado. Branislava colocou os braços ao redor da cintura dele e abraçou forte, pressionando o rosto sobre o coração. — Você não precisa se preocupar, Zev. Ouço seus avisos. Entendo o que você quer dizer. Não sou uma mulher que será pisada e não vou perder quem sou porque você é um homem forte. Não me assusto tão facilmente, tampouco. E amo cada momento da nossa vida juntos. Ele a segurou com força. — Você realmente é um milagre, Branka. Meu milagre. Ela pensou que era o contrário, mas não se importava nem um pouco em ser seu milagre. — Nós estamos criando o hábito de abandonar os nossos convidados. É melhor voltarmos e dizermos ao príncipe que Gregori terá que se arriscar a retirar a sombra de Damon, porque eu certamente não estou bem com você o matando. Vou ter que tentar explicar a Gregori o que procurar. Se ele tropeçar numa salvaguarda ou não puder a desenredar, ele vai morrer, e nós vamos perder Savannah e, possivelmente, as suas filhas. — Droga, Branka, — ele rosnou o nome dela, se afastando dela com um rápido movimento, agitado, andando pela pequena caverna, como se não pudesse conter a energia dentro dele. — Você


127 está me manipulando, e eu não gosto nada disso. Ela balançou a cabeça. — Estou apenas dizendo uma verdade. Um fato. Gregori não conhece a forma com Xaviero cria seus padrões. Eu estava lá na mesma sala com ele. Poderia estar presa no gelo, mas podia ver tudo o que ele fazia e aprender. Preciso passar o máximo de informação possível para Gregori, então ele pode ter a chance de decifrar isso e viver. Ele xingou e bateu o punho profundamente na parede. Ela estremeceu, sabendo que ele se sentia impotente. Ela ficou em silêncio, esperando que ele chegasse à única verdadeira conclusão possível por conta própria. Ela não gostava mais do que ele, mas no final, o risco para Gregori era muito pior do que para ela. Ele se virou para encará-la, descansando um quadril contra a entrada da pequena câmara. — Vou com você. Posso ficar para trás e fora do seu caminho, mas se as coisas começarem a ficar feias, eu poderia encontrar uma maneira de te proteger. Ela abriu a boca para protestar. Zev balançou a cabeça. — Não estou negociando aqui. Se você vai atrás daquela sombra, eu vou com você para te proteger. Pegar ou largar. Branislava balançou a cabeça lentamente. — Estamos melhor juntos do que separados. Você me dá coragem e força, e ele é o meu pior pesadelo. Ter você perto pode ser simplesmente a coisa que me dá vantagem. — Seu aceno ficou mais firme. — Acho que vai funcionar muito melhor para nós dois. Ele estendeu a mão para ela. — Vamos fazer isso então. Vamos deixar Mikhail saber. — Nós precisamos nos preparar, — ela murmurou, falando mais para si mesma do que para ele enquanto eles retornavam através de várias passagens para a caverna sagrada de guerreiros. — Skyler e Tatijana podem me ajudar com um círculo de proteção. Ambas são muito fortes e vou precisar delas. Ninguém disse nada quando entraram na câmara iluminada, de mãos dadas. Zev afundou no assento de pedra lisa com Branislava ao lado dele. — Vou precisar de um grande espaço aberto, — Branislava anunciou, — assim se Xaviero tomar conhecimento da minha presença, ele não poderá ver nada nem ninguém que possa trair os nossos movimentos para ele. Ele saberá quando eu remover a sombra que alguém sabe sobre ele e ele vai retaliar de alguma forma. Ele vai atacar o conselho Lycan ou ao Mikhail. Se alguém tiver sombreamento-mago, ele pode os usar, e ele o fará. Eu o conheço. Ele vai ficar muito bravo que alguém se atreveu a frustrar o seu plano. — Então nós vamos ter que verificar cada um deles, — Gregori disse. — Cada um, antes de tentar remover a sombra. Não temos que tentar descobrir quem está fazendo isso, você já o identificou. É apenas uma questão de olhar e não tocar. — Há um monte de Lycans aqui, — Fen apontou.


128 — Podemos começar com as pessoas chave, aqueles em posições de poder. Os membros do conselho e então seus guardas, — Gregori disse. — Quanto tempo vai demorar para passar por isso com tantas pessoas? — Fen disse. — Nós temos um monte de ajuda. Tatijana é capaz, — Gregori lembrou. — Skyler certamente é. Darius vai nos ajudar. Certamente você e seu irmão pode olhar para um crânio e encontrar uma marca em um cérebro sem perturbar nada. Você estará apenas olhando, não tocando em nada, se você tropeçar numa salvaguarda, se alguém fizer isso, o mago vai saber. Mikhail assentiu. — Posso ajudar também e há alguns outros que podemos pedir. — Não, — Gregori e Fen disseram com firmeza, ao mesmo tempo. Dimitri somou sua opinião também. — Você não pode Mikhail. Xaviero está especificamente mirando você. Se ele te derrubar, ele tem uma chance muito maior de derrotar toda a raça dos Cárpatos, acabando com a nossa espécie. Agora, mais do que nunca, você tem que estar seguro. Mikhail enfiou as duas mãos pelo cabelo, o primeiro sinal real de agitação que Zev já o tinha visto fazer. Zev não podia culpá-lo. O homem cheirava a poder. Ele não podia abrir a boca ou dar um passo sem que alguém perto sentisse aquela poder, contudo a cada passo, seus próprios guerreiros entravam na frente dele, bloqueando-o de ajudar em momentos de necessidade. Zev não queria estar nessa posição. Ele olhou para Branislava. Seus olhos se encontraram. Ele sentiu o impacto como um soco no estômago, baixo e mesquinho. Estou fazendo isso com você? Ela sorriu para ele. Sim.. Ela foi francamente honesta. Mas, como Mikhail, eu permito e estou

plenamente consciente que permito. Ele tem opções, assim como eu. Algum dia pode chegar um momento quando isso for muito importante para ele - ou para mim - e nós dois vamos ir contra aqueles que tentam nos impedir. Mas agora, tudo isso faz sentido. Zev enviou a Mikhail um pequeno sorriso de desculpas. — Seu trabalho não é fácil, Mikhail. Ninguém acredita que é e nenhum de nós quer estar no seu lugar. Vamos acabar com isso o mais rápido e silenciosamente possível e reportar os números de volta para você. — Enquanto isso, — Mikhail disse, — posso me esconder em minha casa enquanto todos vocês assumem os riscos. A cabeça de Gregori girou, uma carranca cruzando seu rosto. - Mikhail, você é o coração e a alma de todos os Cárpatos. Um verdadeiro guerreiro e meu irmão. Nunca se esqueça de quem você é para todos nós. Mikhail assentiu com a cabeça e enviou um pequeno sorriso na direção de Gregori, mas não alcançou seus olhos. Zev pode ver o intercâmbio visual, mas ele não estava a par do discurso particular entre os dois homens, ele só sabia que tinha ocorrido. Gregori não parecia especialmente feliz, e o príncipe não estava também. — Vamos acabar com isso, — Fen disse. — Nós não temos a noite toda. Temos que ter certeza que Bronnie tenha tempo suficiente para remover a sombra de Damon.


129 — Uma última coisa, — Zev disse. — O que acontece se houver uma série de Lycans com estas sombras-do-mago? Vocês estão esperando que Branka se livre de todas elas? Gregori encolheu os ombros. — Zev, aprendemos a levar uma coisa de cada vez. Se encontrarmos mais sombras, vamos discutir o que fazer antes de tomar quaisquer outras medidas. Mikhail enfiou as mãos pelo seu cabelo mais uma vez. — Entendo completamente, Zev. Se Raven ou Savannah fossem empurradas para colocar suas vidas - ou sanidade - em jogo, eu certamente objetaria. Ele enviou a Gregori um olhar reprovador quando o curandeiro fez um movimento para falar. — Viemos de anos em uma era onde as nossas mulheres tinham desaparecido, e havia pouca possibilidade de alguma vez encontrar uma companheira. Nós esquecemos que elas são tão fortes como nós somos. Nosso instinto todo é para protegê-las de qualquer dano possível. Não peço desculpas por isso e nem Gregori, nem você deve. Havia grandeza em Mikhail, Zev percebeu. Ele ficava quieto, muito parecido com Rolf, o real alfa no conselho, mas quando falava todos os seus pensamentos tinham peso. Ele era inteligente e compassivo. Ele não queria que os outros o servissem ou lutassem suas batalhas. Sua luta, Zev decidiu, era lutar contra sua própria natureza, o feroz predador que preferia ação a esperar. Branislava era Uma Caçadora de Dragões, uma guerreira nata. Assim como ele era. Ela tinha um coração de guerreiro, e se ele realmente era o último descendente na linha dos Dark Blood, aqueles famosos por suas habilidades em batalha, ela era uma verdadeira companheira para alguém dessa linhagem.

Eu deveria ter sido mais compreensivo. Você só estava respondendo a sua vocação. Havia pesar em sua voz. Infelizmente, ele se conhecia. Um homem à frente de um bando de elite, o alfa que se movia de bando para bando como um líder reconhecido, fazendo justiça e parando os problemas antes que eles saíssem do controle, tinha que ter a natureza feroz que tinha. Não havia como mudar seu lobo, nem se ele quisesse.

Talvez eu tenha respondido a minha vocação, ela concordou, mas o meu primeiro dever é meu companheiro. Fiz a escolha de estar ligada a você. Essa foi a minha escolha e apoio nossos votos. Suas necessidades se tornaram minhas. Confio em que sinta o mesmo em relação a mim. Os nós na barriga dele afrouxaram um pouco. Ele a queria pegar, arrastar para fora da caverna como os homens de antigamente, declarando ao mundo que ela pertencia a ele.

Lobo bobo. E claro que eu pertenço a você. E isso simplesmente me ocorreu. Não sei por que não pensei nisso antes. Nossas almas estão entrelaçadas, mas assim são os nossos espíritos. Eu os teci juntos quando você estava tão mortalmente ferido. Eles permanecem entrelaçados. Como é que vai ajudar nesta situação? Ele se inclinou em direção a ela, reconhecendo sua súbita excitação.

Tudo que você tem a fazer é se libertar de seu corpo físico. No momento em que você fizer isso, seu espírito vai viajar com o meu. Se você me permitir conduzir, você vai estar lá comigo, dentro


130 de Damon, enquanto eu trabalho em desvendar as salvaguardas e remover a sombra-do-mago. Menina inteligente. Ele deixou sua admiração aparecer. E, Zev... Sua voz caiu para um tom baixo, lírico, aquele de pura intimidade, que penetrou profundamente em cada célula dele, se envolveu em torno dos feixes de terminações nervosas e começou um fogo ardente no fundo de sua barriga. Ele lhe deu toda a sua atenção, se concentrando totalmente sobre ela.

Estou loucamente apaixonada por seu lobo. Ele nunca pode ser muito selvagem para mim. Ele me faz feliz... Ele enviou aquele seu olhar de aviso, os olhos assumindo o brilho do lobo. Sua risada suave brincou com ele. Essa era outra grande característica que ele amava nela - o sentido inesperado de diversão que ela tinha. Ele realmente não tinha conhecido o riso até que ela tinha entrado em sua vida.

Você é um presente, ele disse.


131 Capítulo 11

As três mulheres Dragonseeker construíram o círculo de proteção sem pressa. Branislava e Gregori havia conversado várias vezes, escolhendo e então descartando vários locais antes de escolher este. A clareira estava a uma boa distância da aldeia e muito longe da casa do príncipe. Não havia fazendas próximas e nenhum marco real se Xaviero emergir inesperadamente ou a detectar enquanto ela tentasse remover a sombra-do-mago. Mikhail explicou a teoria para os membros do conselho Lycan e Rolf insistiu que todos eles fossem inspecionados, embora tanto Arno quanto Lyall, influentes membros do conselho, protestaram veementemente, sustentando que eles não queriam um Cárpato invadindo suas mentes. Uma discussão se seguiu, isso havia comido o tempo deles. No final, Gregori deu de ombros e lhes deu um ultimato. Ele não ia arriscar o príncipe ou a qualquer de seu povo. Se eles não querem ser inspecionados, ele lhes disse para fazer as malas e partir imediatamente. Isso tinha tomado uma boa meia da noite, com dez Cárpatos trabalhando para descobrir se algum dos outros Lycans tinha sombreamento-mago. Nenhum membro do conselho tinha, mas mais três dos guardas tinham. Daciana e Makoce estavam bem, assim como os outros dois membros do grupo de caçadores de elite de Zev, Lykaon e Arnau, o filho de Arno. Os três guardas, Borya, Pavlo e Igor, reagiram como Damon tinha, horrorizados que alguém estava dentro de suas mentes, possivelmente os usando como fantoches contra seus próprios membros do conselho, os membros que havia jurado proteger. Zev percebeu que era possível que os guardas que haviam atacado Rolf e Arno poderiam ter tido sombreamento-mago também. As três mulheres Dragonseeker limparam o prado, usando longas varas de sálvia, cedro, erva doce, lavanda e copal, caminhando no sentido horário. Luz incandescente explodiu de seus dedos, criando um espaço sagrado na forma de uma esfera no centro exato do prado. Era importante separar o círculo de poder escolhido do resto do espaço em torno dele. Começando no canto oriental, elas caminharam no sentido anti-horário, chamando os seus quatro elementos para guiá-las e proteger. Enquanto caminhavam juntas, levantaram suas vozes em uníssono.

Apelamos aos poderes do Leste, Ar. Apelamos aos poderes do Oeste, Agua. Apelamos aos poderes do Norte, Terra. Apelamos aos poderes do Sul, Fogo.

Skyler assumiu sua posição no canto norte primeiro. Ela era da Terra, próxima da mãe de todas as coisas vivas. Ela chamou a Mãe Terra para protegê-las e ajudar com a sua tarefa.


132 Ouça nossas preces, Mãe Terra, Nós te invocamos para nos proteger em nossa hora de necessidade. Três em torno deste círculo ligadas, Todo mal afundar na terra.

Branislava assumiu sua posição no canto mais ao sul. Ela era do elemento fogo. Ela vivia. Respirava. Entendia. Ela convidou seu elemento para ajudar e as proteger durante a sua tarefa mais difícil.

Invoco aquilo que é o fogo. Convido-te a construir um muro numa espiral. Sopra diante tua respiração, Torna-o ardente de modo que ninguém possa entrar e para longe deve virar.

Ivory assumiu sua posição no canto leste. Ela era uma força a ser reconhecida, uma mulher que viveu sua vida fora da sua sociedade. Ela era companheira de Razvan, neto de Xavier e guardiã dos lobos que caçavam com ela. O vento sussurrava para ela em todos os momentos, partilhando informações e a protegendo em cada caçada. Ela chamou seu elemento ar para protegê-las e ajudar com a sua tarefa.

Corrente de ar que respira, Deixe teus ventos agora soprarem. Gere teus ventos, que eles uivem e cantem, Protegendo suas filhas e todos dentro deste círculo.

Tatijana era a última, deslizando para o canto oeste, ocupando sua posição. Ela encarnava o elemento água. Fria, fluida, e em casa em qualquer tipo de água, ela chamou, pedindo ajuda e proteção para a tarefa por vir.

Chamo a água, sangue da vida, Fixe seu olhar sobre esta visão. Deixe a água cair e o relâmpago golpear,


133 Mantenha o mal fora, protegendo quem está dentro.

Gregori entrou no centro da esfera, criada pelas mulheres, parecendo mais do que impressionante. Fen, Dimitri, Razvan, Zev e Darius formavam um segundo círculo de proteção, tocando o primeiro do poder. Dentro desse círculo, os outros três Lycans com sombreamento-mago dormiam. — Estamos prontos para Damon, — Gregori anunciou. Zev entrou no círculo de proteção que as mulheres haviam criado, e a terra ondulou sob seus pés. Ele se sentou no lugar que lhe tinha sido atribuído, sabendo que seu espírito seguiria o de Branislava e deixar seu corpo abandonado. Ele ainda não estava acostumado com a maneira dos Cárpatos de deixar o próprio corpo e se tornar espírito puro, e desejava que tivesse praticado algum mais seus dons. Ele precisava ser um especialista em todas as coisas dos Cárpatos, bem como nas dos Lycan. — Zev, fique absolutamente tranquilo e imóvel, — Gregori advertiu. — Você tem uma personalidade forte e seu instinto para proteger Branislava é muito feroz, mas neste caso, você faria a ela mais mal do que bem se interferir. Tenha uma palavra que você usa entre vocês. Algo que só vocês dois saberiam. Se ela pronunciar essa palavra, ela precisa de sua ajuda. Alimente-a com cada pedaço de poder que você possui. Zev assentiu sua compreensão. Branislava era seu - tudo. Ele certamente iria seguir as instruções ao pé da letra, a fim de mantê-la segura. Ele estava muito mais feliz sabendo que Gregori estaria perto também. Gregori quis se juntar a eles, a fim de estudar a assinatura de Xaviero na sombra para que ele pudesse reconhecê-la no futuro. Mais importante, ele queria ver a trama das salvaguardas, as armadilhas escondidas que Branislava tinha certeza que poderia descobrir para que ele pudesse ajudá-la a livrar os outros três guardas de suas sombras também. — Eu entendo Gregori. Considere-o feito. — As três mulheres presentes são uma força da natureza, — Gregori continuou. — Elas vão alimentar Bronnie com sua energia conforme ela precisar, dar seu sangue quando necessário. Você tem que permanecer absolutamente imóvel. Você é sua salvaguarda. Seu guardião. Xaviero não pode suspeitar que ela está removendo a sombra, de modo que seu trabalho será lento e delicado. Você é seu último recurso. Zev assentiu de novo. Ele nunca tinha sido alguém que ficava em segundo plano em uma luta, mas neste caso, fazia sentido para ele. Ele poderia ter nascido com uma pequena descendência dos Dark Blood, mas ele era lobo de todos os modos, e não tinha experiência neste tipo de batalha. Mesmo o seu sangue misturado não o preparou para uma guerra de magos. — Os homens no segundo círculo vão nos proteger de quaisquer danos externos, — Gregori acrescentou. — Conte com eles para proteger suas costas. Eles vão enfrentar qualquer inimigo. Seu único trabalho é proteger Bronnie e lhe dar esse poder se ela pedir. Não importa o que acontece ao nosso redor, fique com Bronnie.


134 Gregori não poderia ter concluído o ponto de vista melhor. Sem dúvida, o que eles estavam tentando era extremamente perigoso. Zev soltou a respiração conforme Daciana e Makoce conduziam Damon para a esfera. Ele estava com os olhos vendados. —Vão para a beira das árvores e permaneçam lá, — Gregori instruiu os dois caçadores de elite. — Não coloquem um pé no prado. Vai ser extremamente perigoso para vocês. Ambos estavam claramente já apreensivos dentro do círculo de poder. O cabelo de Daciana tinha subido conforme uma carga elétrica tinha disparado através de seu corpo. Ela assentiu com a cabeça, apertou o braço de seu irmão e ambos os Lycans trotaram até a borda da floresta para se juntar com Lykaon e Arnau. Gregori esperou até que eles estavam bastante longe antes de se virar para Damon. — Este é o seu desejo, ter a sombra removida de seu cérebro? — Gregori perguntou. Zev notou que as mulheres permaneceram em absoluto silêncio. Caso Xaviero escolhesse este preciso momento para entrar em sua sombra fantoche, não havia nenhuma evidência traindo a identidade das mulheres. Damon iria ouvir só a voz de Gregori. Ele não podia ver nada. — Sim. Obrigado. Eu apreciaria muito se você conseguir esta coisa dos infernos fora de minha cabeça, — Damon disse, sua voz vindo num rosnado baixo. Seu lobo estava perto, desesperado para protegê-lo. Branislava olhou com medo para Zev. Caso o lobo de Damon assumisse, ele pode ser extremamente perigoso. Eles estavam andando numa linha fina entre o mago e o lobo. — Damon, — Zev disse suavemente. — Estou aqui, cuidando de você. A tensão pareceu deixar Damon de uma só vez. — Se eu enlouquecer, Zev, não quero prejudicar ninguém, especialmente uma mulher. — Ele inalou, puxando o cheiro de cada uma das mulheres em seus pulmões. Poderiam vendar um lobo, mas você não podia amortecer seu agudo senso de olfato tão facilmente. — Eu sei Damon, — Zev assegurou. — Me prometa. Você é o meu líder de bando. É o seu dever. Tecnicamente, Zev não era realmente seu líder de bando. Damon não era membro dos seus caçadores de elite, mas para Zev ele era família, e isso significava que ele era parte do bando de Zev, elite ou não. — Você tem a minha palavra. Basta relaxar e os deixar fazer o seu trabalho. Seu lobo sabe que eu vou manter todos seguros. — Nós vamos te colocar para dormir Damon, — Gregori disse. — É muito mais seguro para todos nós. Caso aquele que fez o sombreamento-mago tentar ver através de seus olhos, vai te encontrar em um sono profundo. É noite, ele não vai estranhar de você estar dormindo e sairá de novo. Essa era a esperança deles. Se seu plano ia ou não funcionar era algo completamente diferente.


135 Damon assentiu. — De uma forma ou de outra, só, por favor, se livre disso. Se não for possível, não me deixe acordar. Não vou deixar ele me usar para assassinar um membro do conselho ou matar uma mulher. — Seu coração está acelerando, — Gregori disse suavemente. — Mantenha a calma. Vamos remover a sombra-do-mago. Zev não queria pensar sobre o que aconteceria se eles não pudessem. Ele desejou que Daciana estivesse com os membros do conselho, mas eles imprudentemente tinham permitido que ela ficasse perto de seu irmão. Gregori estendeu os braços para o céu, as palmas voltadas para as nuvens à deriva. Zev sentiu o acúmulo rápido de energia dentro do círculo. Os pelos em seu corpo ficaram de pé conforme uma carga elétrica cresceu em torno deles. Gregori entoou numa voz baixa, poderosa.

Eu te ordeno céu, escureça a Terra.

Nuvens correram sobre suas cabeças, rebulindo e revolvendo, grandes caldeirões escuros obstruindo todas as estrelas e o pedaço de lua de serem encontrados.

Terra abaixo trema e estremeça agora. A voz de Gregori se encheu de poder.

O chão se moveu, subindo e descendo em torno do círculo exterior, mas não cruzando a linha de proteção. A clareira ondulou com ondas, como se o campo estivesse vivo, um guardião mantendo aqueles dentro do círculo protegidos.

Deixe as águas de a enchente levar todos que queiram entrar.

Água borbulhou a partir de baixo, o rio oculto subindo ao seu comando. Em torno do círculo exterior o chão afundou, formando uma vala profunda. Água encheu a vala, criando um fosso. Gregori ergueu os braços para as nuvens em ebulição, moveu as mãos em um padrão elegante, mas mortal. As nuvens escuras imponentes iluminaram por dentro, longos garfos de chamas laranja-avermelhadas.

Fogo mago, arda diante da ira, ele comandou.

Um trovão estremeceu a floresta, e relâmpagos golpearam da terra para o céu e de volta,


136 cinco ou seis raios chiando através do céu para atacar o prado ao redor do círculo.

Capture a sombra dentro de sua gaiola, ele terminou.

Gregori deu um passo ao lado de Damon e o puxou para o meio do círculo. Ele começou acenar a mão para colocar Damon para dormir, mas Branislava e Tatijana balançaram a cabeça.

Xaviero vai sentir a sua presença. Seu toque como um Cárpato é muito forte, muito individual Branislava explicou, usando o caminho comum dos Cárpatos para a comunicação, para que todos pudessem ouvir. Precisamos de um feitiço mago de que vai parecer como um sono real.

Xaviero não iria detectar um feitiço mago antes de um Cárpato?Zev perguntou. Cárpatos aprenderam os feitiços com os magos, Gregori disse. Branislava assentiu. É verdade, e eles eram um pouco diferente para os Cárpatos para que um

mago pudesse sempre dizer quem havia realmente lançado o feitiço ou tecido uma salvaguarda. Isso ainda significa Xaviero reconheceria um feitiço mago, Zev insistiu. Branislava e Tatijana trocaram um pequeno sorriso. Branislava balançou a cabeça. Não se

mudássemos o feitiço mais uma vez. Tivemos pouco a fazer por trás dessas paredes de gelo além de aprender. Somos tão hábeis quanto os três. Branka, eu adoro a sua confiança. Zev tinha fé nela, mas sabia que ela estava apavorada com Xaviero. Ela não queria enfrentar o mago e só havia se comprometido a limpar a sombra, pois ela temia que ninguém mais pudesse fazê-lo sem se machucar. É a pura verdade, Zev, mas não praticamos as artes negras como eles faziam. Podemos conhecer um feitiço, sentimos a necessidade de aprender a fim de revertê-los, mas nos recusamos a usar os nossos dons para outra coisa senão o bem. Ou travessuras, ele brincou, querendo vê-la sorrir. Sua pele estava gritantemente branca, os olhos enormes, parecendo duas esmeraldas pressionadas em seu rosto. Ela virou a cabeça para olhar para ele e lhe deu um sorriso que valia mais do que todo o ouro do mundo para ele. Seu coração deu um pequeno tropeção e ele colocou a mão sobre o peito, em uma pequena homenagem a ela. Por um longo momento, o olhar de Branislava se agarrou ao de Zev. Eles olharam nos olhos um do outro, os dela questionando. Ele balançou a cabeça lentamente e então ela respondeu ao seu aceno com um próprio, mostrando-lhe que eles estavam em perfeito acordo. Branislava fechou os olhos e enviou sua própria prece para o universo, apelando a todas as coisas boas e correra por ajuda.

Valeriana, erva-cidreira, camomila alemã,


137 Invoco tuas essências para acalmar e enganar. Lavanda, nepeta, atenda o meu apelo, Traga sono tranquilo assim o mal não pode chamar.

Os olhos de Damon se fecharam obedientemente sob a venda, o rosto tranquilo, não mostrando nada do estresse que tinha estado estampado há poucos minutos antes. Gregori inesperadamente pegou as duas mãos de Branislava. — Você tem muita coragem, coragem dos Dragonseeker. Desta vez você não está sozinha em sua luta para salvar este homem. Estamos com você e iremos te ajudar de todas as maneiras possíveis. Mais, você está vinculada, espírito e alma ao seu companheiro. Ele é Dark Blood, nossa linha mais forte de guerreiros. Não tenho nenhuma dúvida de que você pode fazer isso e triunfar. Nesses estranhos olhos de prata líquida que sempre lhe dera tranquilidade, embora eles fossem tão parecidos com os do Alto Mago, Xavier, e de seus irmãos, ela viu o fogo refletido ali -seu fogo. Ela era a manipuladora do fogo. Ela assentiu com a cabeça novamente, e então olhou ao redor do círculo para cada uma de suas irmãzinhas - as mulheres Dragonseeker. Tatijana, tão amada, tão próxima que ela seria sempre uma parte de Branislava. A jovem Skyler, tão poderosa e inteligente, uma irmã mais nova cheia de vida. Ivory, esquiva e uma guerreira habilidosa, leal e poética. Elas a cercavam, prontas para lutar com ela. E Zev. Seu lobo. Seu tudo. Quando tinha chegado a ser dessa maneira? Ela nem sabia, mas ele era sua outra metade. Ela amava tudo sobre ele, e sua fé nele nunca seria renegada. Ele era seu protetor e ele estava pronto. Branislava deixou seu próprio corpo com confiança, se tornando pura energia de cura. Era sempre um pouco retorcido ir do físico para o astral, mas uma vez que ela descartou sua forma física, houve uma sensação de liberdade diferente de qualquer outra que já tinha experimentado. Ela se moveu para dentro de Damon. Ele estava calmo, mas ela sentiu a presença vigilante do seu lobo. Ela enviou ao lado animal do Lycan tanto amizade quanto confiança, grata que a aura de Zev fosse tão forte. O lobo o reconheceu e sossegou sem protestar. Ela sabia onde a sombra tinha aderido ao cérebro, formando uma lesão para Xaviero usar como um ponto de entrada. Ele poderia assumir o controle de Damon através da pequena mancha e direcionar suas atividades. Era uma abominação a vida e ao livre arbítrio e não era tolerada por qualquer sociedade, embora Xaviero conseguisse infectar muitos Lycans sem o conhecimento de ninguém. Branislava pensou neste momento como seu primeiro ataque real em retorno ao Alto Mago. Ninguém jamais conseguiu se opor a ele, e viveu para contar. Ela estudou a área ao redor da sombra. Os sulcos e vales ao redor da mancha mais escura pareciam estar intocados. Ela não se deixou enganar. As armadilhas de Xaviero eram engenhosas e fortes. Ele distorcia a luz e a curvava, tecendo-a em suas magias, assim suas armadilhas mais mortais sempre pareciam ser o caminho mais seguro para tomar. Espalhados por toda a massa cinzenta estavam àquelas células brancas - os filamentos que


138 transportavam os comandos. Ela viu os engenhosos pontos que Xaviero tinha deixado em torno de sua sombra, essas marcas destinadas a enganar um inimigo a acreditar que aqueles eram os lugares para evitar enquanto o perigo real eram os filamentos brancos de aparência-muito inocente, que o mago usava para enviar suas ordens por todo o corpo de Damon. Ela se moveu em torno dos pontos de acesso verificando a corrente de energia de magia negra que o mago não poderia evitar deixar para trás. No momento em que encontrou, ela ficou totalmente imóvel em sua forma, assim como em sua mente. A tranquilidade absoluta foi chamada para que testasse um fio de trama como uma delicada aranha, seu toque leve, quase inexistente. Se ela ainda estivesse dentro de seu corpo seu coração teria acelerado e sua boca teria secado. Ela sentiu a adrenalina e aumento do estresse, sem nenhuma maneira real de se livrar disso.

Sua grande vantagem é que você já viu o seu trabalho um milhão de vezes, mas ele nunca viu uma vez o seu. Zev. Seu protetor. Era para ele ficar em silêncio, à espera de seu momento para alimentá-la com sua força, mas havia muito mais na sua parceria. Ele deu a ela a verdade. Ele estava tão certo. Xaviero tinha descartado Tatijana e Branislava tão facilmente, usando-as como seu público, assim como Xavier tinha feito, mas ele nunca tinha acreditado que elas tivessem cérebros ou a capacidade de aprender com ele e seus irmãos.

Você aprendeu com todos os três. Será que isso não te dá mais conhecimento? Infelizmente, ela tinha aprendido tudo isso, tanto a magia branca quanto a negra. Não, infelizmente. Você tem conhecimento que vai ajudar a derrotar um mago propenso a destruir três espécies e governar outra. Você não acha que há um propósito maior para suas habilidades? Ninguém mais pode parar este mago. Zev tinha um jeito de cortar através a emoção para chegar ao coração da verdade. Novamente ela analisou aqueles convincentes filamentos brancos. Pelos microscópicos minúsculos, tão delicados que ela os teria perdido se não soubesse o que procurar. Elas eram tão finas, essas tramas, uma camada em cima da outra para que uma rede de proteção cercasse a sombra. Olhando mais de perto, viu que o tecido formava uma armadilha sobre a marca, embora os pelos fossem mais escuros, combinando com a sombra.

Conheço este. Sua mistura clássica de luz e escuridão. Ele começa com a magia branca, usando elementos que são bons, vai para aqueles que são neutros e depois chama escuridão para se esconder dentro da trama que ele fez. Ele tece os fios mais e mais, uma trama de sete pontos que é forte. Mas eu posso ir em sentido contrário e remover cuidadosamente os sete fios. Branislava expandiu sua mente, invocando o poder no interior, que fogo ardente sempre presente nela bem nas profundezas, correndo por suas veias como lava derretida.

Espíritos eu vos chamo, torçam e desvinculem, Aquilo que nasceu da magia cinza, Para prender e entrelaçar.


139 Escuro está para luz como a luz está para o cinza, Cada fio eu desenrolo, Para enviar a escuridão para longe. Futuro para o presente, presente para o passado, Desfaça aquilo que foi tecido, Assim não mais deverá lançar.

Um por um, os fios se afastaram, os minúsculos pelos recuando para que ela pudesse ver a sombra real que tinha que remover. Só para ter certeza de que estava a salvo, porque não confiava que Xaviero não teria um seguro contra falhas, ela deu outro olhar cuidadoso em torno de toda a vizinhança, perto da sombra-do-mago. Não havia nenhuma evidência visual de mais uma armadilha, mas ela se sentia desconfortável cada vez que ficava um pouco mais perto da sombra e manteve sua energia tão baixa e tão fraca quanto possível, não querendo a derramar acidentalmente através dessa sombra quando estava certa de que havia outra salvaguarda. Ela estudou a marca de todas as direções, primeiro se movendo sobre ela. Ela achou que pegou um pequeno brilho, mas ele se foi antes que ela pudesse realmente saber com certeza. Ela se aproximou do lado esquerdo e viu absolutamente nada. Por baixo, ela pegou o mesmo lampejo de movimento, mas ele se foi tão rapidamente quanto ela o notou. Da direita, um breve pequeno brilho disse a ela com certeza havia outra trama. Ela tinha visto Xaviero usar a técnica muitas vezes. A salvaguarda continuamente mudava de posição, por diversas vezes, em segundos, de modo que era quase impossível de detectar. Se ela não soubesse o que ela estava procurando, ela teria tropeçado no seguro contra falhas dele. Parar esta era um pouco mais difícil, mas certamente não impossível. Ela o observava, olhos abertos e pressionados contra a parede de gelo espesso, de modo que a distorção, embora presente, não tinha impedido de ver os movimentos intrincados ele tinha realizado, a dança das mãos, tão graciosa, quase bonita quando ele estava conjurando uma armadilha mortal. Ela tinha ficado fascinada pelo movimento, quase hipnotizada. Ela seguiu aquele padrão de dança tão completamente gravado em sua mente com a luz fluindo de seu espírito, embora ela começasse no final do padrão dele e seguiu em direção ao início.

Sete pontos você teceu, Sete pontos vou desatar. Com cada raio de luz, Eu desfaço, eu desvinculo.

O vislumbre de brilho cintilou e então se dissolveu como se nunca tivesse existido. Branislava tomou um fôlego imaginário. Ela não tinha ideia da passagem do tempo, mas ela podia dizer que o que estava fazendo era desgastante. Uma experiência fora-do-corpo poderia drenar sua energia por si só, trabalhar em jogos mentais e desfazer as armadilhas mortais, enquanto temia que o Alto Mago iria aparecer a deixava um pouco cansada.


140 Quase antes que ela pudesse reconhecer que estava ficando cansada, sentiu Tatijana derramar força dentro dela. No mesmo instante estava revitalizada. Mais uma vez, se moveu para a sombra. Tinha que fazer isso em passos cuidadosos. Ela não podia simplesmente retirar a sombrado-mago sem alertar Xaviero. Ele poderia subitamente verificar Damon, e ela estava certa de que ele faria, ele tinha que acreditar que tudo estava bem e Damon simplesmente dormia o sono normal dos Lycans e humanos. Era noite lá e seria crível.

Por que ele iria verificar o Damon? - Zev perguntou. Ele é Alto Mago, extraordinariamente e totalmente sensível a qualquer perturbação em sua teia do mal. Não vai saber o que o está incomodando, mas vai estar lá, como uma dor de dente irritante. Ele precisará verificar esses fantoches que enviou para esta área, a fim de ver se alguma coisa aconteceu. Ele vai querer descartar os mais próximos dos Cárpatos primeiro. Como você o impede de saber que você está trabalhando na remoção de sua sombra? Ao criar suas salvaguardas sobre mim. Ela poderia dizer pelo silêncio de Zev ele não gostava da ideia de modo algum, mas para seu crédito, não disse nada. Ela era a especialista no assunto, e ele não tinha escolha a não ser confiar em seu julgamento. Este era o seu momento mais revelador. Tinha que se mover para o lugar acima da sombra, muito perto sem a tocar, e acima e ao redor dela colocar as duas salvaguardas de volta.

Uma vez que as salvaguardas de Xaviero estiverem no lugar, ninguém mais pode me dar energia além você, ela disse para Zev. Só você pode me fornecer através do entrelaçamento de espíritos que temos. Essa é a nossa vantagem, porque é impossível para Xaviero a detectar. Qualquer uma das minhas irmãzinhas pode lhe dar força, mas só você deve me alimentar. Era quase como se a sorte ou o destino houvesse fornecido os passos necessárias para eles, criando uma situação em que ela poderia lutar com Xaviero sem todas as vantagens do lado dele. Mantendo seu espírito obscuro, ela teceu primeiro a proteção externa, fazendo uma careta quando acrescentou a magia mais escura nos elementos brancos e neutros. Ela se sentiu mal pronunciando as palavras desagradáveis, mas usou sua melhor versão de Xaviero. Imitar os três irmãos tinham se tornado uma habilidade que ela e Tatijana tinham aprendido na infância. Ambas praticavam o tempo todo enquanto cresciam. Ela nunca tinha imaginado que seu jogo de zombar dos trigêmeos alguma vez seria uma habilidade que precisaria, mas estava grata que ela era bastante boa no jogo. Ela acreditava que ele não iria perceber que sua trama não era realmente a dele. Quando ela estava certa de que a camada superior da sua salvaguarda estava no local e parecia exatamente como ela se lembrava, começou a tecer o vislumbre diretamente sobre sua cabeça e tão perto que mal tinha espaço até mesmo para seu espírito manobrar. Ela sabia que demorou muito. Queria garantir que não cometeria um erro e disse a si mesma para não se apressar, mas quanto mais tempo a sua presença permanecia, juntamente com o uso de energia, ela sabia que iria chamar Xaviero como um ímã direto para ela. Ele viria escoando de seu buraco infernal mais escuro, vertendo-se para Damon, uma cobra venenosa gigante pronta para atacar. Ela esperou, deitada abaixada, ficando encolhida tão pequena quanto possível, solicitando a


141 Zev fazer o mesmo. Ela deveria tê-lo avisado da sensação de alguém poderia ter quando confrontado com o mal puro. Não se atrevia a chegar a sua mente, não quando ela sentia os primeiros sinais escuros. Como é que se descrever o mal? O sentimento de pavor veio primeiro, aquele formigamento de conscientização rastejando com dedos frios pela espinha. Ela sentiu a reação física, como se o seu espírito ainda estivesse dentro de sua forma humana. Os pelos de seu corpo próximo reagiram, ficando de pé. Ela havia estado envolta em gelo espesso, sepultada há séculos, e sempre, sentia qualquer um dos três irmãos muito antes de entrarem na sala. Em seguida veio a sensação pegajosa, como se pegajoso óleo verde se espalhasse sobre sua pele, cobrindo-a, entupindo os poros e inibindo sua capacidade de respirar, de modo que ela teve que puxar o ar em suspiros irregulares, curtos e superficiais, e apenas quando era absolutamente necessário fazê-lo ou desmaiaria. Em seguida, os odores vieram, um odor fétido da completa corrupção e decadência que uma vez em seus pulmões se recusavam a sair por um longo, longo tempo. Ela acordava no meio do seu sono, às vezes, e ainda o cheirava, tão perto, como se seus dedos ossudos se estendessem para ela, para se envolver em torno de seu pescoço, apertando seu último suspiro, rindo enquanto o fazia. Seu coração batia forte. O sangue dela trovejava em seus ouvidos. Ele estava vindo atrás ela. Era realmente Xaviero. Ele estava vivo e iria encontrá-la. No mesmo instante Zev estava lá, envolvendo o seu espírito em torno dela, segurando-a perto dele, protegendo-a do terror da lembrança de tal pesadelo. No momento em que ela sentiu a força de Zev, o momento em que seu amor empurrou contra essas lembranças terríveis, ele afastou o sorriso mal e mau hálito conforme Xaviero enfiava o rosto muito próximo ao dela, observando seu rosto ficar azul e seus olhos se arregalarem enquanto ela lutava para respirar. Se pudesse, ela teria tocado sua garganta. Ela não tinha pensado sobre aqueles momentos em um longo tempo. Tão perto dele, sabendo que ele estava se vertendo na sombra-do-mago de Damon, a fim de ver e ouvir o que Damon podia, poderia a ter paralisado sem Zev tão perto. Todo de uma vez, ela sentia ele. Sua presença real era muito pior do que a proclamação do mal. A mente de Damon se encheu com pensamentos malévolos, revoltantes. Ela soube imediatamente por que Damon havia entrado em pânico e queria que a sombra-do-mago desapareceu. Ele era um homem de moral com altos valores e padrões. Xaviero se deleitava em corromper alguém bom. Ele empurrou os pensamentos imorais e maliciosas na mente de Damon, escolhendo os atos mais vis, desagradáveis e criminais que sentiu que poderia levar Damon a fazer. Ela se acomodou abaixada, perto da base da própria marca-da-sombra, rezando para que ele não a encontrasse. Ele estudou sua obra, sua suspeita evidente em seu escrutínio detalhista, embora obviamente, não esperava encontrar nada. Ela não podia imaginar que ele jamais iria acreditar depois de ter as coisas do seu jeito por muito tempo - que um oponente iria realmente o encontrar, muito menos o desafiar. A única pessoa possível seria seu irmão Xayvion, e ela nem sabia se Xayvion estava vivo. Ainda assim, Xaviero tinha ficado vivo e escondido, porque era extremamente cuidadoso. Ele não se


142 apressou, examinando sua obra antes de decidir que era seguro usar seu fantoche. Ela sentiu o aumento do poder dele e seu comando para Damon olhar ao redor. Damon não respondeu, salvo permanecer tão imóvel quanto um morto. Ela sentiu a onda de raiva, beirando a ira. Ninguém, muito menos os seus fantoches, jamais poderia desafiá-lo. Ela sentiu a retaliação na forma de dor, como se mil agulhas perfurassem o crânio de Damon para se cravar em seu cérebro. Seu feitiço se manteve. Ela percebeu que se Xaviero tinha tentado testar os outros cinco Lycans que haviam sido enviados para assassinar Skyler e Dimitri na floresta, ele teria encontrado absolutamente nada. Teria sabido que eles estavam mortos. Poderia parecer a ele que Damon estava inconsciente, não dormindo. Isso lhe convinha muito bem. Xaviero abandonaria Damon e iria atrás de um dos outros fantoches restantes. Eles haviam recebido sedativos potentes para evitar que o Alto Mago acessasse seus cérebros e memórias enquanto Branislava tentava remover a primeira sombra-do-mago. Xaviero não desistiria facilmente. Ele iria querer saber o que tinha acontecido aos seus servos. Ele cutucou e espetou muitas e muitas vezes, enviando agulhas quentes através do crânio para tentar acordar Damon de qualquer que fosse o estado em que estava. Quando isso falhou, ele maliciosamente plantou pensamentos mais perturbadores, desta vez de querer matar sua irmã e Zev. Ele repetiu a ordem várias vezes, a impelindo profundamente no subconsciente de Damon através do portal que ele tinha feito no cérebro de Damon. Ela não conseguia imaginar como Damon se sentiria se usasse quaisquer das formas medievais de matar sua irmã que Xaviero lhe tinha ordenado usar e depois voltasse a si e tivesse que viver com sua ação. Ela não tinha dúvidas agora que Xaviero tinha estado por trás da sentença de morte por prata passada à Dimitri, aquela horrível tortura maquiavélica supostamente ordenada pelo conselho. Ela não duvidou por um momento que ele controlava pelo menos um membro do conselho e talvez mais, e não necessariamente através de uma sombra-do-mago. Xaviero recuou. Ela não se mexeu ou fez um som. Zev seguiu seu exemplo. Ela estava grata por ele ser tão paciente. Como um caçador ele tinha aprendido o valor da paciência e não se mexeu nem tentou perguntar por que ela esperou. O tempo passou. Poderia ter sido 10 minutos ou uma hora, ela não sabia ou se importava. Xaviero voltaria. Ele não confiou em nada ao acaso e tinha estado mais do que um pouco desconfiado quando checou sua obra. Mal verteu na mente de Damon como lodo. Espesso e oleoso, o humo era fétido. Xaviero avançou rápido, sua luz turva girando para um lado e depois para o outro, mas ninguém tinha ousado perturbar a sua criação. Ele enviou outra onda de agulhas quentes através do crânio de Damon, esperando lhe dar um choque e o acordar. Quando isso não aconteceu, ele partiu uma segunda vez, desta vez de forma abrupta como uma criança mimada com raiva de um brinquedo quebrado. No momento em que ele se foi, Branislava saiu do esconderijo e começou a desfazer as duas salvaguardas acima dela. Ela não queria ficar presa nessa teia perigosa que ele havia criado se ele retornasse uma terceira vez. Mais uma vez, ela usou paciência, cuidado para ter certeza de não perturbar uma única fibra conforme desmontava as proteções de Xaviero, pedaço por pedaço. Ela pensava nele como uma aranha venenosa, mortal sentado no meio de sua teia gigante, apenas esperando por uma vítima inocente passar. Ela se recusava a ser sua vítima novamente.


143 No momento em que ambas as defesas caíram, ela foi para o trabalho, circulando a sombra mais escura se misturando nos sulcos e vales da massa cinzenta do cérebro de Damon. O portal não era elevado de modo algum, simplesmente aparecia como um borrão, nada mais, uma pequena ovalada, alongada mancha de carvão que poderia ser facilmente esquecido se alguém fosse procurar. Direito na ponta de cada lado, havia um laço particular, uma pequena falha no oval perfeito, a assinatura de Xaviero. Xavier e Xayvion tinham discutidos sem parar com ele, mas Xaviero se manteve firme. Ele pensou que cada um deles deveria ter uma assinatura característica que ninguém mais reconheceria. Talvez ele teve um episódio precog1 onde ele “viu” Xavier o matando. Mas ela duvidava se isso era real. Afinal de contas, estava muito claro para ela que eles tinham falsificado as mortes, mas para quê, ela não sabia. Teriam os trigêmeos sabido que ela e Tatijana iriam escapar algum dia? Isso parecia muito duvidoso. Eles não poderiam ter sabido, e se tivessem, a solução não seria a falsificação de suas mortes. Seria assassinar ela e sua irmã. Ela enviou uma oração silenciosa que quando Xaviero revisse todo o evento de volta em sua cabeça, e ele iria, ele descobrisse que ela não tinha deixado para trás uma única assinatura reveladora. Ela teve sorte que enquanto Xaviero conhecia o trabalho de seus irmãos e provavelmente de cada um dos magos que havia trabalhado com Xavier, ele nunca havia visto suas capacidades. O mais provável era que nenhum dos trigêmeos acreditasse que ela ou Tatijana pudessem ser capazes de conjurar. Não tinha ocorrido aos irmãos que eles não tinham feito nada para evitar que suas mentes ativas aprendessem, e essa era uma vantagem tão clara. Ela percebeu que estava com medo de Xaviero, mas já não estava completamente e totalmente aterrorizada com ele. De alguma forma, ao confrontar seu pior pesadelo, ela ganhou confiança em si mesma. Ela tomou uma respiração profunda e purificadora, ou pelo menos, pensou que fez isso. Ela empurrou de lado todas as dúvidas e se concentrou na luta para salvar Damon.

Saudações, espirito do Norte, Invoco-te para me defender esta noite, Saudações, espirito do Sul, Invoco-te para participar deste rito.

Sem um corpo, ela virou seu próprio espírito para o norte e para o sul em uma saudação de respeito e gratidão, tomando nada como garantido, exceto o envio de seu pedido.

Saudações, espirito do Leste, Invoco suas forças para me proteger com poder.


144 Saudações, espirito do Oeste, Busco sua sabedoria e orientação esta noite.

Ela virou seu espírito tanto para o leste quanto para o oeste, em um gesto de grande respeito e admiração, sentindo o poder correndo através o seu espírito. A luz branca começou a brilhar num rosa suave e então vermelho claro. Outra respiração e seu espírito era vermelho escuro.

Busco o poder para lançar a explosão de raios, Então essa sombra pode queimar, desfazendo o que foi lançado. Torcer e virar, curar, porém queimar, Remova a sombra, deixe a vida agora retornar.

De seu espírito, relâmpago bifurcaram e então se ajustaram em um fluxo constante, como se a ponta fina fosse um laser. Lentamente, com muito cuidado, se certificando de remover a mancha da sombra de Xaviero, ela queimou as camadas. Pareceu durar uma eternidade, e todo o tempo ela temia que ele de repente percebesse e voltasse. No momento em que a sombra se foi, ela começou o trabalho de cura, enviando células rejuvenescedoras para cobrir a camada danificada.


145 Capítulo 12

Branislava nunca esteve tão exausta em sua vida, mas agora não era o momento para descansar sobre os louros. Xaviero tinha acabado de perder sua primeira batalha e não ia ficar feliz. Quando estava infeliz, outros pagavam o preço. Ele iria atrás dos três Lycans restante no reduto dos Cárpatos, e se não pudesse usá-los para atacar aqueles que considerava seus inimigos, enviaria outros muito rapidamente. Ela se encontrou de volta em seu corpo, mas não teve força para se levantar do chão. Enviou uma oração silenciosa para que não tivesse deixado qualquer vestígio de si mesma que Xaviero pudesse encontrar, quando ele repetisse a cena de sua sombra mais e mais em sua cabeça, olhando para o mais ínfimo detalhe para determinar seu inimigo. Ela sabia qual seria seu primeiro pensamento, e isso iria lhes comprar tempo. Os três irmãos sempre desfrutaram de sua capacidade de se esconder uns dos outros e do resto do mundo. Dava a eles a liberdade para fazer o que quisessem em segredo absoluto, sabendo que não poderiam ser pegos. Eles sempre tinham um álibi firme. Se sentiam superiores a todos os outros. Branislava sabia que Xaviero pensaria que um de seus irmãos tinha propositadamente se oposto a ele. Quem possivelmente conseguiria ludibria-lo? Ninguém mais era tão brilhante. Ele estaria furioso, lançando um de seus ataques infames. Quantas vezes ela o viu atirar sua raiva sobre os outros? — Nós não temos muito tempo, — ela conseguiu dizer. — Coloque os outros no círculo. Gregori, você viu como derrubar suas salvaguardas? Não há necessidade de reconstruí-las. Derrube-as e remova a sombra o mais rápido possível. — Urgência estava em sua voz, o desespero em seus olhos. — Nós temos apenas alguns minutos para os salvar se vamos. Ivory se agachou ao lado dela, apertando o pulso à boca de Branislava. Branislava não conseguiu se controlar, praticamente engoliu os nutrientes que Ivory fornecia. Seu corpo parecia faminto e magro. Estava ciente de Skyler fornecendo sangue para Zev. Ele estendeu a mão e ela a agarrou como uma mulher se afogando e ele fosse um salva-vidas. Seu coração batia forte e sua boca estava seca. Xaviero viria atrás dos outros e estaria com humor particularmente feio. Ela encontrou o olhar de Tatijana. Ela o conhecia também. Gregori abriu um caminho para o círculo e desta vez foram Dimitri, Fen e Razvan que carregaram os Lycans dormindo para a proteção do círculo. Eles voltaram para o círculo externo, prontos para repelir qualquer um que pudesse ameaçar aqueles que trabalhavam para remover as sombras. — Cada um de vocês escolha um, — disse Branislava. — Lembrem, ele virá rapidamente, vertendo como líquido, e vai atacar você e a vítima dele. Ela não se incomodou em esperar por uma resposta, mas soltou seu corpo rapidamente e escolheu aquele chamado Igor. Não o conhecia, mas Daciana tinha falado muito bem dele. Sabia onde a sombra estava e não perdeu tempo olhando ao redor. Se Xaviero tinha inserido sombras


146 nesses homens sem o seu conhecimento, ele não podia perder tempo para variar cada localização. Iria usar essa mais vantajosa para ele, uma região do cérebro onde poderia comandar os pensamentos e ações. Encontrou a sombra exatamente onde sabia que estaria e começou a desvendar as salvaguardas, usando o mesmo método que usou em Damon. Camada sobre camada de teia desapareceram e ela alcançou o vislumbre. Mais uma vez, ela o desfez, usando a velocidade em vez de delicadeza. Remover e reparar a sombra-do-mago requeria tempo se ela gostasse ou não, e sabia que qualquer um dos três trabalhando sobre os Lycans poderiam chamar a atenção de Xaviero. Ela não o queria indo atrás de Tatijana. Nas cavernas de gelo, ela sempre se colocou na frente de sua irmã para redirecionar a atenção de Xavier e seus irmãos para longe dela. A saúde de Tatijana sempre foi um pouco mais frágil do que a dela e ela nunca quis que qualquer um dos irmãos notasse. Eles estavam tão envolvidos em suas experiências e planos para se tornar imortal e governar o mundo que não se incomodavam com as irmãs, a menos que precisassem de sangue. Tão aterrorizada como estava de Xaviero, talvez ela ainda deliberadamente chamasse sua atenção para longe de Tatijana. Sabia que seu instinto para proteger sua irmã era extremamente forte, mas por qualquer motivo, mesmo enquanto trabalhava arduamente para atrair os relâmpagos para a sombra, ela tinha perturbado suas armadilhas o suficiente para o atrair para a sua vítima. Sentiu o mal vertendo no cérebro de Igor através do portal sombrio. Xaviero veio rápido, assim como havia previsto. Ele já estivera procurando seus três Lycans restantes, querendo notícia e conseguir o máximo de dano possível de seus fantoches antes que eles, também, ficassem limpos ou mortos.

Eu sei que você está aqui. Sua voz só a fez tremer, aqueles dedos frios como a morte, envolvendo em torno de sua garganta, pronto para tirar a vida dela enquanto ele sorria nos olhos dela.

Ele não sabe quem é você, Zev sussurrou em sua mente. Está pescando. Não morda a isca. Continue trabalhando. Você pode prender uma parte dele aqui. Branislava deixou de lado séculos de terror e invocou o fogo. Vivia por esse calor. As chamas vermelhas-laranja e a energia incandescente. Sempre dentro dela, sentiu o magma ardente, esperando por uma chance de entrar em erupção em qualquer forma possível, fosse a intensa paixão, seus feitiços magos ou se elevando ao céu, o fogo estava sempre perto. Ela quase se esqueceu de controlar a energia pulando nela, pronta para fazer suas ordens. Dirigiu a ponta fina de um laser na marca e começou a queimá-la. Ela se certificou de atuar ao redor da sombra também, não dando a Xaviero nenhum lugar para se esconder. Levava tempo, tempo que não sabia se tinha, mas lá estava Zev e tinha que confiar nele para cuidar dela, enquanto ela trabalhava.

O que você está fazendo Xayvion? Isso foi feito por nós dois. O seu trabalho com os Jaguar foi incomparável. Xaviero acrescentou bajulação ao seu tom de admiração. Estamos tão perto da conclusão de nosso plano. Com Xavier desaparecido temos que inovar. Virei os Lycans contra os Cárpatos. Esperei durante séculos pela oportunidade perfeita e a encontrei.


147 Branislava sentiu uma pequena onda de triunfo. Xaviero estava tão certo que seu irmão Xayvion poderia se opor a ele, que não considerou as meninas humildes que ele atormentou nas cavernas de gelo. Elas passavam despercebidas para ele exceto para seu diversão, quando estava entediado. Ela continuou trabalhando, usando a ponta do laser do relâmpago para mover a queimadura ao longo das bordas externas do portal, reduzindo a área para que Xaviero pudesse ver que suas escolhas estavam diminuindo rapidamente. Se ele quisesse fugir, teria que sair. Tudo nele queria um confronto. Ele bateu duro e rápido, todo o cérebro inchando, pressionando nas bordas externas do crânio para que o Lycan reagisse violentamente. Ela não tinha escolha a não ser parar o seu trabalho e ajudar Igor, ou ela iria perdê-lo. No momento em que fizesse, ele saberia que seu irmão não era o seu adversário.

Continue trabalhando. Encolha a rota de fuga dele, Zev aconselhou. Se você começar a combater todos os seus movimentos, ele vai vencer esta batalha. Se concentre em remover essa marca. Vou fazer o que puder para proteger Igor cada vez que Xaviero lançar algo para ele. Zev fazia sentido. Quanto mais tempo o portal ficasse aberto, mais dano Xaviero poderia causar. Mas não queria Zev em perigo. Continuou trabalhando, se obrigando a ser metódica e cuidadosa. Usar a ponta fina de laser de energia para queimar a sombra era difícil com Igor preso. Zev usou sua energia de cura para se deslocar pelo cérebro e desfazer o inchaço, evitando cuidadosamente movimentos rápidos, um pouco à deriva através do fluido em um esforço para evitar chamar a atenção do Alto Mago. As pressões diminuíram e depois pararam, sem que Xaviero ficasse mais perto de conhecer a identidade de seu inimigo. Houve um pequeno silêncio de mau agouro. Branislava continuou trabalhando, queimando a sombra-do-mago de fora para dentro, estreitando o portal o mais rápido possível, sem prejudicar permanentemente Igor. Sem aviso, vermes irromperam pela massa cerebral, minúsculos vermes brancos com dentes, se contorcendo. Eles pareciam com fome, mordendo violentamente o cérebro como se eles fossem devorá-lo. Desta vez, ela sabia que não tinha escolha. Tinha que livrar Igor das criaturas malévolas, ou ele iria morrer apesar de tudo o que ela tinha feito. Com medo, abriu sua mente para contrapor o feitiço. Zev bloqueou a abertura solidamente, se recusando a dar a Xaviero um ponto de entrada. Use o laser para queimá-los. Não deixe que ele a atraia para uma disputa de feitiços, ou lhe dar qualquer

pista sobre sua identidade. Branislava fez isso imediatamente, roçando a laser sobre o cérebro muito parecido com o dragão cuspindo fogo. Ela tinha muita habilidade neste tipo de guerra e usou seus conhecimentos para livrar o cérebro dos terríveis vermes se alimentando dele. Eles enegreceram e se transformaram em cinzas exatamente enquanto ela se voltava e continuava incansavelmente fechando a sombra-do-mago. Xaviero gritou sua fúria, irrompendo em um acesso de raiva, algo do que ela se lembrava


148 claramente de seus séculos envolta no gelo. Mil lanças de gelo perfuraram cada ponto concebível do cérebro de Igor, batendo em todos os lugares, combatendo os raios. Não havia nenhuma maneira de evitar que os perigosos pingentes de gelo esfaqueassem em todas as direções. Zev rebateu com o calor, derretendo-os, mas não antes de seus espíritos serem perfurados com as armas do mago.

Quão mal você está ferida? ele perguntou ansiosamente. Ele foi perfurado por completo e sentiu como se seu corpo estivesse sangrando em dezenas de feridas.

Posso fazer isso. Havia uma hesitação em sua voz que lhe causou preocupação, mas ele tinha que confiar nela. Continue trabalhando, ele aconselhou. Vou fazer o meu melhor para trabalhar nas feridas de Igor.

Algumas delas são profundas. Você tem que repará-las ou vamos perdê-lo de qualquer maneira. Branislava mordeu com força a necessidade de se apressar. Estava tão perto e não se atrevia a cometer um erro, mas seu espírito se sentia esfarrapado, rasgado, tão fino, sua força diminuindo. Não podia ter um incremento de Zev, ele estava usando tudo o que tinha em sua tentativa de salvar Igor e contra os ataques de Xaviero. Ela manteve o laser em movimento contínuo, apertando lentamente o portal até que era quase nada. Não se atrevia a se sentir triunfante ainda. Agora era o momento que Xaviero teria que tomar uma decisão. Ele tentaria outro ataque e arriscaria que uma parte dele ficasse presa? Um bom mago poderia usar essa pequena parte contra ele. Ou fugiria sem conhecer a identidade do seu adversário? Xaviero se verteu para o portal, mas quando ele fez isso, enviou um último comando para Igor. O coração do Lycan reagiu quando os estímulos percorreram os caminhos, carregado com produtos químicos. Zev estava lutando para reparar os danos ao cérebro e Branislava estava ocupada fechando o portal para impedir Xaviero de retornar. O coração foi pego de surpresa. O ataque foi maciço. Não havia nenhuma maneira de parar o cérebro. Branislava tentou, se recusando a desistir, desesperada para não perder o homem por quem ela e Zev lutaram tanto. Não importa o que eles fizeram Igor não respondeu, Xaviero se certificou de os frustrar no final. A respiração de Branislava ficou presa na garganta. Ele irá atrás dos outros dois e fará o mesmo. Você pode ajudar Gregori? Use o laser? Com dois de vocês será duas vezes mais rápido. Zev retirou-se do corpo morto do Lycan, tão determinado quanto ela a salvar a vida dos outros dois. Ele não gostava da ideia de divisão, mas disse a si mesmo que eles estavam amarrados, de espírito para espírito, e se necessário, ele poderia tirá-la rapidamente.

Eu vou fazer o meu melhor. Ele se recusou a recuar na ideia de usar um raio. Ele tinha um respeito saudável pela natureza, mas a forma como os Cárpatos a utilizavam regularmente, sem ferir a si mesmos era incrível e era algo que estava determinado a aprender, só não agora tentando salvar um companheiro Lycan. O espírito de Branislava entrou em Pavlo, o Lycan que Tatijana estava trabalhando para


149 remover a sombra-do-mago. Como todos eles, Tatijana nunca realmente tentou remover uma sombra, certamente não uma colocada por um Alto Mago, e ela trabalhava de forma lenta e metodicamente para ter certeza de que não cometeria erros. As salvaguardas foram para baixo e ela estava removendo a sombra do lado esquerdo, lentamente queimando a marca usando um movimento de varredura de lado a lado.

Ele está vindo Tatijana, Branislava advertiu, transmitindo seu senso de urgência com seu tom e ela puxou relâmpago e começou a empunhar o laser o mais rápido que pôde com segurança. Ele matou Igor e vai tentar com este, bem como o Lycan que Gregori está trabalhando. Acelere o ritmo. Vou tentar algo novo. Em vez de ir de fora para dentro do círculo, ela começou a queimar tiras da sombra da frente para trás, próximas umas das outras, de modo que se Xaviero tentasse entrar, ele não poderia fazê-lo facilmente. Tatijana rapidamente seguiu o exemplo do outro lado, correndo para fechar a entrada para Xaviero. No momento em que elas se encontraram no meio, começaram a trabalhar em sentido contrário, preenchendo as listras de modo que cada única pequena seção do portal fosse queimada fechando. Quando Branislava começou o círculo final para garantir que não houvesse entrada oculta em torno das bordas exteriores da sombra onde não pudessem ver, sentiu o impulso repentino contra ela quando Xaviero tentou forçar seu caminho. Tatijana suspirou e se encolheu, seu espírito se moveu para longe da sombra. Ele está aqui.

Mas ele não pode entrar. Conclua as bordas externas do círculo e, em seguida, comece o processo de cura sobre a queimadura. Vou ajudar os outros. Ela não esperou pela reação de sua irmã. Deixou Pavlo e rapidamente entrou no último Lycan. Zev trabalhava em uma extremidade da sombra, lentamente e meticulosamente. Gregori estava na outra extremidade.

Ele está vindo e está com muita raiva. Eu vou ajudar Zev fechar o portal Gregori, mas você tem que proteger o coração de Borya. Se ele não puder chegar ao coração, ele vai atrás de outro órgão vital para matá-lo. Ela sabia Zev desejaria o trabalho de proteger Borya. Ele se sentia passional em proteger os Lycans, mas não era tão experiente na luta contra magos. Gregori era poderoso em magia e estudou feitiços, tanto magia branca como negra, muito mais do que a maioria dos Cárpatos. Ela não podia abrir sua mente para Gregori ou isso daria acesso a Xaviero, assim ela confiava no curador para manter o mago longe do seu paciente.

Tente não deixá-lo ver quem você é. Ele suspeita que seu irmão esteja frustrando seus esforços nesse jogo de poder para assumir o controle de todas as espécies. Se ele continuar a acreditar nisso, poderia nos dar uma pequena vantagem. Ela já estava manejando o laser, usando a mesma técnica listras que usou em Pavlo. Infelizmente, os magos se adaptavam rapidamente e Xaviero já esperava que o seu irmão fechasse o portal de uma forma similar.

Bom ponto, Gregori disse, e fortaleceu sua energia para bloquear qualquer que fosse o que


150 mago escolhesse lançar em Borya.

Zev comece de baixo e faça tiras como eu estou fazendo, assim formamos um padrão de waffle. Faça as suas linhas tão próximas quanto possível e nós vamos retornar e preenchê-las quando acabarmos com isso. Ela regulou uma ponta mais ampla para o laser atingir uma área maior, mas o trabalho era muito delicado e os relâmpagos de difícil controle. Se sentiu tão dolorosamente doente quando o fedor de Xaviero se espalhou pelo crânio.

Você realmente acha que poderia salvar estas criaturas patéticas de mim? Eles são meus escravos, meus para comandar. Me recuso a permitir que você os use para si mesmo, Xaviero exclamou.

Ele está jogando a isca outra vez, Zev advertiu. Ele quer que você o ameace com o fato de que você salvou um deles. Teria sido muito fácil cair nessa armadilha, mas a confiança de Branislava estava crescendo a cada encontro. Perdeu Igor, sim, mas quase aprisionou Xaviero na sombra encolhendo, e ela e Tatijana haviam impedido sua entrada no Pavlo, essencialmente, salvando sua vida. Ela não morderia a isca. Mais uma vez, ela sentiu a fúria negra preencher o crânio, tão poderoso e forte que quase separou os ossos do crânio. Gregori estava lá instantaneamente, segurando o crânio no lugar. Xaviero gritou, o som reverberou no corpo inteiro de Borya. Ele parecia medonho, enfurecido, enlouquecido com sua incapacidade de acertar seu inimigo. Os sons que ele fez foi como se estivesse arrancando o interior de sua cabeça e separando suas orelhas, arrancando longas tiras de pele e transformando seus órgãos em geleia.

Seu corpo não está aqui, Zev a lembrou suavemente, calmamente. Ela estava orgulhosa dele. Ele não parou de trabalhar, ainda que por um instante, enquanto ela fez uma pausa de um microssegundo. Xaviero pegaria esse erro, quando ele repetisse a batalha, mas não havia nada que pudesse fazer sobre isso.

Será que o corpo de Borya se transformará em mingau quando processar o som? Branislava não poderia deixar de estar ansiosa. Continuou a trabalhar o mais rápido possível e queria ordenar que Zev acelerasse o ritmo.

Em antecipação, eu já havia tapado os ouvidos, deixando-o essencialmente surdo por enquanto. Há um escudo ao redor de seu coração, Gregori assegurou. Xaviero saberá que é Cárpato na estrutura, mas certamente não de quem — embora ele possa reconhecer a minha obra, nunca se sabe. De qualquer forma, isso não importa, pois ele saberá que há pelo menos dois de nós trabalhando contra ele. Branislava soltou um breve suspiro de alívio, pelo menos, sentiu como se tivesse feito. Era estranho não ter um corpo, ainda assim sentir as reações de um. Xaviero atacou pela segunda vez, disparando cargas elétricas em todo o corpo, várias e várias vezes, os neurônios dispararam loucamente, filamentos quase dançando nas ondas correndo através


151 deles em cada terminação nervosa, entregando os comandos do Alto Mago ao corpo de seu servo. Gregori desviou cada comando, às vezes antecipando onde Xaviero atacaria em seguida, e outras correndo para chegar à frente da eletricidade, pois ameaçava fritar órgãos internos. O terceiro ataque foi direcionado para os pulmões do Lycan, de modo que cada gota de fluido irrompesse das extremidades para se reunir em um local central.

Terád keje — Seja queimado, você mago do inferno, Gregori murmurou baixinho, a maldição encontrou o seu caminho para a cabeça de Branislava. Sabia o que o curador ia fazer, mas não havia nenhuma maneira de pará-lo, e na verdade, pouco importava. Xaviero já estava ciente de que alguém dos Cárpatos estava liberando ou matando seus fantoches. Era lógico que Gregori estaria ajudando o inimigo de Xaviero.

O estrondo do trovão traga corrente de luz, Nuvem para a terra deixe relâmpago golpear. Arco canalize o campo magnético, Corrente flua assim a carne sombreada irá sentir.

Xaviero gritou e saiu correndo. Branislava amaldiçoou usando palavras muito grosseiras para expressar sua decepção. Esteve tão perto de prendê-lo. Mais alguns segundos e ela e Zev teria fechado o portal, fechando parte de Xaviero dentro da queimadura. Ela poderia tê-lo matado, diminuindo o poder do Alto Mago só um pouco. Não podia culpar Gregori por retaliar, não quando Xaviero estava tentando de todas as maneiras possíveis matar o Lycan. Terminou de fechar o portal, e tanto ela quanto Zev afundaram no momento em que soltaram o raio, seus espíritos em farrapos. Ambos foram feridos pelas lanças de gelo e os dentes dos pequenos seres em forma de vermes brancos que Xaviero enviou para matar Damon.

Posso terminar aqui, Gregori assegurou. Vocês dois precisam descansar. Branislava sabia que era verdade, mas não estava segura de poder obedecer com sua mente a toda velocidade e o medo fazendo seus dentes rangerem. Exaustão havia se estabelecido, muito além de qualquer coisa que ela já conheceu. Se sentia triunfante. Afinal, Xaviero não a identificou. Ele descobriu Gregori. Quem poderia confundir o poder do curador dos Cárpatos? Mas não identificou Tatijana ou ela, e isso era uma vitória em si.

Vamos, mon chaton féroce, Zev disse suavemente, seu tom a virou do avesso. E hora de descansar. Você já fez a sua parte e não há mais nada a fazer senão relaxar, conseguir um pouco de sustento e deitar em meus braços. Soava bom para ela. Saiu da cabeça de Borya e voltou ao seu próprio corpo. Ela colapso e caiu, cansada demais para manobrar uma carga pesada de difícil controle, com o seu espírito tão esfarrapado. Dimitri estava lá instantaneamente, se ajoelhando ao lado dela, a segurando e apertando o pulso na sua boca.


152 — Irmãzinha, toma o que ofereço livremente, —ele disse formalmente. — E seja rápida. Você está tão pálida que acho que você está translúcida. — É o cabelo vermelho, — Fen comentou, ajudando Zev. — Ele a faz parecer como um fantasma quando não está alimentada.

Eu retaliaria com algo brilhante, mas estou muito cansada, Branislava disse a verdade. Queria fechar os olhos e apenas dormir, talvez seu corpo afundasse nas profundezas da terra justamente onde estava. Tatijana emergiu do Lycan, fraca, ela apenas sorriu para sua irmã. — Fen é um humorista terrível, não é? Vou chutá-lo para você, quando eu tiver força.

Obrigado Tatijana, disse Branislava. Você é a melhor irmã que uma garota pode ter. — Tenho força, — Skyler ofereceu. — Vou fazer isso por você. — Ela adaptou as ações às palavras, acertando um chute razoavelmente leve na canela de Fen. — Esse é de Bronnie. — Legal Skyler. — Fen fez sua carranca mais feroz. — Dimitri controle a sua mulher selvagem. Dimitri deu de ombros. — Você encontra uma maneira de irritar a todos, não é? Gregori surgiu ao lado do Ivory, que imediatamente se posicionou ao lado dele, lhe dando o sangue necessário. Eles se sentaram em silêncio, os Lycans que salvaram ainda estavam inconscientes, aquele que jazia morto era um testemunho da crueldade de Xaviero. Fen, Dimitri e Zev giraram ao mesmo tempo, voltado para fora do círculo, saltando aos seus pés. Zev podia sentir a perturbação chegando até eles. A energia era baixa, quase demasiadamente baixo, mas a intenção era assassina. — O que é? —Gregori perguntou. Ele fechou o ferimento no pulso de Ivory, no último momento. — Xaviero encontrou outra maneira de nos atacar. Enviou uma nova onda de seu exército correndo em nossa direção. Este é um bando de renegado e eles vão matar e devorar todas as espécies, — Zev respondeu. — A Terra está me dizendo que eles estão apenas a poucos quilômetros de distância desta clareira. Aqueles que estão fora do círculo de proteção serão mortos. Temos que chegar a eles. Deixe esses curando aqui. Zev olhou para Fen e Dimitri. — Vou para eles pela frente. Eles virão para mim com tudo. Vocês fecham de ambos os lados. Daciana e Makoce sabem o que fazer. Eles estarão no meio. Gregori, você pode limpar depois de matar? É um trabalho difícil continuamente cortar cabeças, mas tem que ser feito. — Você está bem para fazer isso Zev? —Fen perguntou. — Você está ferido, e também Bronnie. Gregori está exausto. Zev deu de ombros. — Tem que ser feito. Gregori assentiu. — Sem problemas. Se Zev pode fazer isso, então também posso. Tenho lutado com eles inúmeras vezes, agora sei como eles lutam. Não precisa se preocupar, fiz a minha


153 própria espada de prata de acordo com o suas especificações. Zev virou a cabeça para franzir a testa para ele. — Minhas? — Seus olhos encontraram os de Tatijana. Ela sorriu para ele e deu de ombros. — Não posso fazer nada se você fala em seu sono. Você desmaiou, lembra? Branislava se levantou. Sentiu a cabeça como se fosse explodir, um testemunho das lanças de gelo que Xaviero tinha enviado. — É bom saber que posso obter todos os tipos de informações de você, — ela comentou. Levou um momento para firmar as pernas. Balançou um pouco, mas depois endireitou os ombros, descartando a fraqueza. — Você e Tatijana vão para o céu, — Zev disse. — Vocês vão nos servir melhor lá em cima. As duas sabem as distâncias que os lobos podem saltar, então levem isso em consideração quando voarem baixo. Branislava assentiu. Envolveu o pescoço dele com um braço e o beijou levemente. — Nós vamos tomar cuidado. Você volta para mim. Ele a beijou de volta, e então voltou sua atenção para Skyler e Ivory. — Vocês duas podem usar suas conexões com a Mãe Terra, bem como seus lobos. Apanhem os dispersos e retardatários. Fique na parte externa do bando principal vindo para nós. Se lembrem de prestar atenção às armadilhas. Seus lobos farejarão melhor do que vocês. Ouçam a Terra, e não sejam mortas. Skyler e Ivory assentiram. — Gregori abra um caminho através da clareira. Se tivermos sorte, podemos executar alguns dos renegados direto nessa armadilha, — Zev disse. — E, se tivermos muita sorte, eles não serão conduzidos por um Sange rau. Se você ver um, ou até mesmo achar que há um na vizinhança, chame Fen, Dimitri ou eu. Não sou tão hábil em combatê-los. Acho que Fen é a versão mais avançada do Han ku pesak kaikak, por isso, todos nós vamos seguir a sua liderança. Fen assentiu. — Vamos acabar com isso, antes que encontrem alguém dos nossos povos. Gregori levantou imediatamente as mãos, se voltado para fora da proteção, o duplo círculo.

Chamo a ti Ar que move e sopra, Chamo a ti Fogo que arde abaixo. Chamo a ti Agua, que envia seu temporal, Chamo a ti Terra que produz uma névoa de mantos e véus. Purifique e limpe, Sele esta passagem. Fechando tudo,


154 Depois que todos aqui passarem.

Zev deixou a proteção do círculo primeiro, com Fen e Dimitri se espalhando em ambos os lados dele. Cada um deles testando o ar e o chão sob seus pés. Gregori abriu um caminho largo o suficiente para que o caos dos relâmpagos bifurcados não afetasse as habilidades deles de procurar informações, mas causou estragos aos pelos em seus corpos. Dimitri enviou a Zev um sorriso curto e rápido, e acenou com a cabeça em direção a Fen. Ele pronunciou a palavra gambá. — Posso ouvir você, — Fen apontou. Dimitri levantou uma sobrancelha, tentando parecer inocente. — Não tenho ideia do que você está falando, mano. Atrás deles, Tatijana e Branislava seguiam de perto. Elas precisavam encontrar um lugar onde elas pudessem mudar e decolar. Em vez de procurar um lugar grande o suficiente para acomodar um dragão, elas simplesmente correram e se elevaram ao céu como pequenas aves, saltando alto enquanto elas mudaram. Ivory e Skyler vieram em seguida, se movendo rapidamente, correndo em direção à floresta, onde melhor poderiam caçar as presas com seus lobos. Razvan angulou para as encontrar, correndo rápido por entre as árvores para interceptá-las na floresta. Claramente, Ivory tinha compartilhado todos os detalhes dos eventos e perigo com ele. Gregori foi o último a se moveu para fora do círculo, caminhando com passos largos e determinados diretamente para a borda da floresta, onde girou, levantou as mãos e enviou o seu comando mais uma vez para fechar o caminho atrás dele. Um raio atingiu o chão e correu de volta para o céu. O chão se moveu e água borbulhou. Dentro do círculo de proteção, os três Lycans permaneceram adormecidos, e o quarto, Igor, descansava em paz. Zev sinalizou para seus caçadores de elite. Eles se viraram e correram para a floresta, se espalhando. Ele sempre podia contar com eles. Daciana com a mão firme e reações rápidas. Makoce, habilidoso com espada e uma faca curta. Lykaon, que não poderia ser igualado em sua capacidade de jogar qualquer objeto com precisão mortal. Arnau, que parecia ter olhos na parte de trás de sua cabeça e uma natureza firme, leal ao extremo. Esse era seu bando e confiava em cada um com suas habilidades. Eles se conheciam muito bem, como pensavam, onde estariam em qualquer luta a qualquer momento. Acreditavam um no outro e contavam um com o outro. Agora, o seu bando se estendeu a Dimitri e Skyler, e Fen e Tatijana. E sua companheira Branislava. De alguma forma, só saber que ela estaria no céu em sua forma de dragão de fogo o enchia de uma espécie de alegria —ou talvez o Lycan nele era tão forte que apenas olhava para frente de batalha. Zev sabia o caminho que o bando de renegados seguiria. Iriam para as fazendas mais distantes, matando gado e invadindo as casas para matar tantas pessoas quanto pudessem. Este bando estava muito focado, se movendo pela floresta em direção a um único destino. Os membros do


155 conselho foram levados em segredo para uma caverna protegida, enquanto os guardas Lycan confiáveis estavam ajudando a proteger o círculo enquanto Branislava e os outros tentavam remover a sombra. Não foi dito a nenhum outro Lycan onde os membros do conselho foram levados. Os outros foram deliberadamente mantidos longe do conselho. Uma vez que apenas três deles tinham a tatuagem do Círculo Sagrado e tinham sombreamento-mago, Zev tinha certeza que havia outros contrários aos membros do conselho atual e suas decisões. Xaviero conseguira transformar muitos deles dentro da organização contra os governantes dos Lycans. Ainda assim, se nenhum deles seguiu os Cárpatos escondendo os membros do conselho longe, como é que o bando de renegados fazer um ataque determinado à caverna deles? Ele sinalizou para Daciana, deixando-a ciente do objetivo do bando de renegados, sabendo que ela iria espalhar a informação aos outros do seu bando. Ele levou Fen e Dimitri pela floresta até as montanhas mais altas, deixando para trás os caçadores de elite Lycan, sabendo que tinha que entrar para proteger a caverna dos lobos saqueadores. Não esconderiam o fato de que eram Han ku pesak kaikak. Não havia mais necessidade. Se o conselho de Lycans não aceitasse os sangue misturados, haveria um racha entre Cárpatos e Lycans. Se o fizessem, Lycans se voltaria contra Lycans, impulsionados por alguém no poder dentro do Círculo sagrado — alguém que se juntou com um Alto Mago acreditando que ele iria governar o mundo Lycan sem interferência do conselho.

Ele vendeu sua alma ao diabo, ele disse a Branislava. Quem é? Quem traiu os Lycans e se aliou com Xaviero de livre e espontânea vontade? Não há mais sombras-do-mago. Se qualquer membro do conselho estivesse marcado, nós teríamos visto isso. Branislava fez uma pausa. E um dos membros do conselho, não é? Tem que ser. Acredito que sim. Acho que ele tem uma maneira de se comunicar com Xaviero e deu a sua

localização secreta. Você está no céu? Você pode ver os renegados? Branislava já estava em forma de dragão. No momento em que assumiu a aparência do seu dragão de fogo se sentiu confiante e confortável. Passou voando pelo céu, as grandes asas batendo, levando-a bem alto no escuro, espiralando as nuvens. Tatijana estava ao seu lado, um belo dragão azul, suas escamas assumindo um tom metálico a cada relâmpago bifurcado nas nuvens, iluminava o céu mesmo um pouquinho.

Estão diretamente abaixo de mim, se espalhando no modo caça. Contei vinte e sete. E um bando de bom tamanho, embora nem de longe o que veio pela primeira vez atrás de Mikhail. Você está no alto? Estou longe demais para que eles me percebam. Tatijana também, mas se eles chegarem muito perto da caverna, vamos afastá-los com fogo do dragão. É claro que ela faria. Com medo ou sem medo, isso não importava, Branislava e sua irmã fariam o trabalho. Ele parou apenas tempo suficiente para colocar a mão no chão. Ivory, Razvan e Skyler estavam atrás do bando e já estavam trabalhando, caçando os desgarrados. Ele sentiu os


156 passos deles junto com os dos lobos de verdade. Sangue escorria pelo chão de dois pontos diferentes, por isso, pelo menos, dois renegados foram abatidos. Ele estava no modo operacional, com movimentos suaves, junto com Fen e Dimitri. Estamos à

frente deles. Tatijana e Branislava estão no céu. Os meus caçadores Lycans estão se espalhando para chegar a ambos os lados do bando. Ivory, Razvan e Skyler estão na parte traseira, separando e matando os retardatários. Bronnie, Tatijana, pode qualquer uma de vocês ver alguém realmente conduzindo o bando? Fen perguntou.

Vou circundar ao redor e ver se consigo identificar alguém, Branislava disse. O coração de Zev empurrou com força no peito. Pavor o encheu. Não, não, não faça isso, ele ordenou bruscamente. Em que direção você estava pensando em virar?

À minha esquerda. Ela não discutiu com ele e seu coração voltou a um ritmo normal. Ela confiava nele, tinha total confiança em sua liderança e isso o poupou um monte de dor de cabeça.

Fen, acho que temos um Sange rau escondido nas rochas perto da caverna. O bando de renegados é a distração e o assassino vai usar a luta para entrar na caverna e matar os membros do conselho. Ele havia gravado o terreno na memória, assim como sempre fazia se o Conselho fosse em qualquer lugar que pudesse estar em perigo, e a tarefa de protegê-los foi dada a ele.

Quando o bando chegar à clareira, vou correr com eles. Branka e Tatijana pode os afastar com o fogo do dragão e vou para a entrada da caverna. Posso proteger os membros do conselho na abertura estreita. Dimitri e você têm mais experiência com a Sange rau e se você for atrás dele, terá uma melhor chance de o destruir. Fen lhe deu uma pequena saudação e os irmãos se desviaram para o círculo ao redor, mudando para vapor para riscar pelo ar. Fen avistou o assassino agachado nas pedras, se misturando às formações, embora não muito bem, indicando, como aconteceu com os outros ele enfrentou, que este não era muito velho. Xaviero não parecia entender que era um processo lento, o sangue misturado os tornava mais fortes, mais inteligentes ao longo dos anos, não semanas. Sinalizou a seu irmão para chegar à frente da criatura com cuidado. Ambos mantiveram suas posições, à espera do bando fazer sua aparição. Zev esperou por um dos renegados passar correndo por dele, observando suas cores e a maneira como ele parecia. Imediatamente usou seus dons Cárpatos para dar a ilusão de parecer igual enquanto se aproximava. Gosto do meu cabelo Branka. Não o chamusque apenas por diversão.

Esteja mais preocupado com Tatijana. Apesar da nota de brincadeira, ele ouviu sua preocupação e sabia que nenhum deles tomava o confronto de ânimo leve. Quando os membros do bando explodiram da floresta e correram para a caverna, ele foi junto. No último momento, quando os dragões mergulharam do céu, ele mudou, ficando invisível para saltar na frente do bando com a sua velocidade de sangue misturado. No


157 momento em que estava dentro da relativa segurança da caverna, os dragões cuspiram fogo como chuva. As chamas caíam firmes e fortes, rugindo sobre as criaturas metade lobo, metade humanas empenhadas em matar o conselho dos Lycans, deixando muitos deles em chamas. Os dragões usavam as asas para construir um túnel de vento, atiçando o fogo para que saltassem de um para o outro. Pelo menos doze foram atingidos pelo fogo. Os outros pararam abruptamente, mesmo recuando para a floresta. Dois mais ousados atravessaram a clareira por entre as chamas, correndo para a caverna. Na floresta, seus caçadores de elite assumiram os renegados restantes. Skyler, Razvan e Ivory os ajudando, encontrando e destruindo qualquer um que tentasse passar por eles. Gregori usou sua espada de prata, limpando o mais rápido possível. Eventualmente, o bando de Zev ajudava o Cárpato, se certificando de que todos os renegados fossem estacados e suas cabeças decepadas. Zev esperou em silêncio enquanto os dois renegados ousados entraram na caverna e começaram a caminhar pelo corredor estreito, em busca dos alvos. O primeiro correu direto para ele, nunca viu a estaca de prata apontada diretamente para o seu coração. Os olhos do lobo se arregalaram. Seu focinho se escancarou, mas nenhum som saiu. Atrás dele, o segundo lobo correu para ele e amaldiçoou, empurrando o seu parceiro para o mover para frente. Zev recuou, permitindo que o primeiro lobo caísse no chão, apertando o peito e a estaca de prata saliente. O segundo renegado olhou incrédulo, franzindo o cenho, sem entender o que ele estava realmente vendo. Na verdade, ele se abaixou para olhar para o seu companheiro caído. Quando ele olhou para cima, Zev estava em cima dele, batendo a estaca de prata. A estaca atravessou a primeira camada de pele e músculo, batendo em algo duro, parando abruptamente, a prata quebrando na mão de Zev. Chocado, ele saltou para trás, exatamente quando um conjunto completo de dentes disparava em direção a sua cabeça.


158 Capítulo 13

Zev, alguns dos renegados têm uma proteção contra estacas de prata, Razvan advertiu, sua voz sombria. Nós os derrubamos, mas as estacas quebram e não ultrapassam cerca de uma polegada e meia em seus corpos. Não são todos eles, Ivory continuou. Talvez um terço deles, pelo menos, é cerca de um em cada três que encontramos quando os matamos. Fen e Dimitri ouviram o aviso também. Razvan usou o caminho comum de comunicação dos Cárpatos. Eles observavam o Sange rau para ver se ele ouvia o aviso, mas ele permaneceu imóvel, se escondendo nas rochas, acreditando que sua camuflagem iria protegê-lo de ser visto.

Este não foi Cárpato primeiro, Dimitri apontou. Ele era Lycan e criado em um laboratório ao invés de natural. Você acha que ele se ofereceu para a tarefa, ou Xaviero o escolheu, usando uma sombra-do-mago para o forçar a conformidade? Fen balançou a cabeça, encolhendo os ombros largos. Você não pode fazer a si mesmo esta

pergunta Dimitri. Este homem é perigoso para nós e todos os outros, não importa o começo que ele teve. Ele vai te matar no momento que te ver. Ele não se moveu em direção à caverna, Dimitri disse confuso. Ele deveria ter se apressado para lá assim que a primeira onda dos renegados atacou. Você tem um ponto, Fen disse, e voltou sua atenção ao Sange rau escondido tão habilmente como um chamariz. Fique abaixado, ele deve ter um amigo. Dimitri murmurou uma maldição entre dentes. Como antes, de volta à vila Fen. Eles estão nos

caçando em pares agora. Porque não estão prontos para nos enfrentar. Fen abandonou o seu caminho mais familiar de comunicação com seu irmão e se estendeu para aquele forjado com Zev. Há um segundo Sange rau. Ele irá para você. Você está entre ele e seu objetivo. O coração de Zev desacelerou quando ele saltou para o lado, só a sua velocidade o salvou dos dentes disparados para ele na forma de um velociraptor10 atacar. Os dentes afiados roçando ao longo de seu braço, abrindo a sua pele, mas foi a estaca de prata na mão que fez o maior dano. Zev sentiu a queimadura quando o Sange rau a bateu profundamente em sua coxa. — Olá Zev, — o Sange rau o cumprimentou enquanto suas mãos se estabeleceram em torno da garganta de Zev e começou a apertar. — Estive esperando por uma chance de te encontrar novamente. Zev vagamente recordou o homem. Ele esteve na escola de caçadores de elite e mostrou sinais de comportamento assassino. Os funcionários da escola chamaram Zev para trabalhar com ele, querendo ter certeza de que estavam certos em sua avaliação. Dois membros do conselho foram também. Não foram muitas as vezes que um aluno de elite foi rejeitado e não lhe dado um bando. Fredec foi um dos poucos.


159 Zev não lutou contra o estrangulamento, mas pegou a faca no cinto. Cortou a parte interna da coxa direita de seu oponente, dando continuidade ao seu ataque incluiu a parte interna da coxa esquerda. Manteve o movimento contínuo, cortando toda a barriga e movendo seu golpe para cima em forma de oito para atingir o maior número de artérias possível. Fredec soltou sua garganta e cambaleou para trás, longe dele. Zev tragou ar em seus pulmões queimando, avaliando o quão ruim eram as feridas no Fredec. Não foi capaz de ver onde estava cortando, não com o aperto do Sange rau em sua garganta, mas conseguiu infligir duas feridas bastante profundas. Os lábios de Fredec se abriram em um grunhido, seus olhos ficando vermelho. Ele saltou para Zev, abordando-o, levando-o ao chão. Ele estava escorregadio com sangue e Zev não pôde ter um agarre decente sobre ele. A estaca na sua coxa atingiu a perna de Fredec, a pontada de dor direto através de seu corpo, uma intensidade chocante. Zev lutou contra a náusea e fraqueza repentina, trancado no punho de sua dele. Manteve a lâmina de modo que quando Fredec pousou sobre ele, sua própria faca em sua mão, Zev poderia enfiar a lâmina profundamente no peito de Fredec. Mais uma vez, bateu em algum tipo de armadura. A lâmina realmente quebrou. Xingando, Zev rolou, jogando Fredec longe dele, se prevenindo de ser estripado mas impulsionando a estaca profundamente na coxa. Ele a tirou e bateu um grande emplasto sobre a ferida quase em um movimento, enviou uma oração silenciosa de agradecimento a Gary pela invenção. O emplasto aderiu de imediato, liberando rapidamente a mistura de compostos em sua pele e mais profundo para parar o sangramento e iniciar o processo de cicatrização. Fredec riu quando ficou em seus pés. Limpou o focinho com as costas da mão, suas garras crescendo, as unhas curvas e afiadas. — Você não deveria ter-lhes dito que eu não era elite. Sou superior a você. Sempre fui. Ele queria reconhecimento. Queria se gabar. Zev circulou com ele, querendo dar-lhe a oportunidade. — Alguém deve ter visto algo em você que eu não vi. Um dos membros do conselho? Eles argumentaram nesse dia, e um deles defendeu você. Fredec inclinou a cabeça. — Você e a diretoria da escola me dispensaram, mas eu tive a minha vingança. Vou matei todos os membros daquela escola. Agora vou matar você e então terei o prazer de mostrar a Randall que ele deveria ter escutado a Lyall. O coração de Zev afundou. Lyall era um membro de confiança do conselho. Ele estava lá com todos eles na câmara, escondidos longe dos guardas no caso de que qualquer um fosse membro do exército do Círculo Secreto.

O traidor no conselho é Lyall. Não havia como guarda essa informação para si mesmo, não quando ele estava em uma luta até a morte com um Sange rau. Os olhos vermelhos focado nele, brilhando de ódio e intenção de matar. Fredec era rápido e inteligente, e se Lyall o recrutou naquele tempo quando Fredec entrou para a escola de caçadores de elite, isso foi há meio século. Fredec deveria ter tido muito mais tempo para a mutação do Sange rau


160 Alguém tem de chegar até eles. Estou lutando contra o Sange rau. Ele não confiava que Lyall não estivesse assassinando todo o conselho, justo naquele momento. Fredec fintou um ataque, indo para o lado esquerdo do Zev, seu lado ferido, mas no último segundo girou, indo com a lâmina em direção à barriga de Zev. Zev saltou para trás apenas um pouco fora de alcance, batendo com o punho para baixo no pulso vindo para ele e depois virando o punho para que a sua própria lâmina fizesse um rasgo profundo pelo braço de Fredec. Era um velho truque aprendido muitos anos antes e estava grato que o tinha em seu arsenal. De alguma forma tinha que encontrar uma maneira de matar Fredec e ajudar os membros do conselho. Estava incutido nele os proteger. Fen e Dimitri estavam ocupados com outro Sange rau. Aqueles que lutavam com os renegados tinham que enfrentar a mesma coisa que ele, uma placa fina de armadura que parecia estar sob a pele.

Estou indo em direção à caverna. Seu coração quase parou. Claro Branislava iria sentir sua ansiedade. Ela viria. Era sua companheira, uma verdadeira guerreira que acredita que seu lugar era lutando ao lado dele. Ele não conseguiu detectar a presença dela. Ele era muito sensível à energia e se ele não podia senti-la perto deles, talvez Fredec não pudesse também.

Ele é perigoso, advertiu, de repente deslocando sobre as pontas de seus pés e se movendo em direção Fredec em uma espécie de dança, um momento aqui, o próximo lá, tornando impossível para Fredec tocá-lo, mas sempre mantendo o Sange rau na defensiva.

Eu também, Branislava respondeu. Mantenha-o se movendo em direção à entrada. Ela era feita de fogo. As chamas queimavam por suas veias e ele ouviu sua calma determinação. Não sabia o que ela planejava, mas acreditava nela. Abaixou da faca de Fredec e evitou que a garra rasgasse através de sua barriga, enquanto continuava a ofensiva, empurrando o Sange rau de volta para a entrada.

Mantenha o agarre sobre sua faca na extremidade e esteja pronto para mergulhá-la em seu coração. Eu vou fazer o mesmo na parte de trás. Mais uma vez ele não a questionou, mas manteve sua dança fluida, sacudindo a faca para o Sange rau, pequenos ataques curtos e depois mais uma vez dançando fora do alcance. Fredec era um brutamontes e estava acostumado a usar o seu tamanho e força a seu favor. Alguém que lutava como Zev, que esteve em centenas de batalhas e era muito experiente com uma faca, suave, rápido e mortal, controlava esse jogo com Fredec. Cada vez mais perto Zev dançou e atacou Fredec com a faca, deixou para trás provas de sua habilidade superior. Havia dezenas de pequenos cortes em todos os braços de Fredec. Zev não pretendia matar, mas estava infligindo em seu oponente cortes menores que mantinham o Sange rau sangrando continuamente. A lâmina começou a brilhar, primeiro um amarelo alaranjado suave e, em seguida, um vermelho mais escuro. Calor viajou pelo punho. Não deixou a mudança distraí-lo, mas se manteve em movimento, seus pés seguindo esse padrão tão familiar para ele. Acertou a caixa torácica de Fredec e


161 ouviu o seu adversário ofegar de choque. Foi um corte superficial, mas a lâmina estava com um brilho vermelho agora, e a partir da quantidade de calor fluindo pelo punho, ele sabia que a queimadura foi muito mais profunda do que realmente o corte.

Agora, Branislava ordenou. Sem hesitar, Zev deslocou seu punho e afundou a faca profundamente no peito de Fredec. A lâmina quente pareceu parar por um momento, mas então atravessou a placa fina da armadura, derretendo-a como se fosse manteiga. Atrás de Fredec, Branislava fez o mesmo, mergulhando a faca profundamente nas costas de Fredec, sua lâmina tão quente, derretendo tudo em seu caminho até o coração. Fredec caiu com força no chão, com os olhos arregalados em choque. Branislava recuou. Não havia muito espaço no corredor estreito que levava à câmara muito mais profunda na caverna para Zev empunhar sua espada, para separa a cabeça do corpo, mas conseguiu. Ela passou por cima do Sange rau caído e ambos correram para a câmara que mantinha os membros do conselho.

Use o calor extremo para atravessar a armadura, Zev aconselhou enquanto corria, enviando a informação no caminho comum dos Cárpatos.

Essa sua mulher ruiva vem com algumas boas ideias, Fen afirmou, riso em sua voz. Isso não foi ideia sua. Fen sinalizou para Dimitri e seu irmão mais novo se arrastou para mais perto do Sange rau escondido nas rochas. A “isca” não se moveu um centímetro, permanecendo absolutamente imóvel. Muito imóvel. Os lobos no corpo de Dimitri se mexeram, levantou a cabeça sentindo um inimigo, e estavam prontos para saltar para defendê-lo.

Não, fiquem, Dimitri ordenou e se virou, por pouco evitando uma estaca em seu coração. O punhal foi fundo no lado direito do peito, a terrível queimadura da prata mais chocante do que o buraco real no peito. Ele caiu com força no chão, as pernas amolecendo, o sangue escorrendo por seu peito. O Sange rau se aproximou, manobrando seu jogo de pernas nas pedras irregulares. Dimitri não tentou sair de seu caminho, apenas usou a faca, cortando ambas as coxas do adversário, nas artérias para atrasá-lo. O homem uivou com raiva e dor. A prata o havia queimado tanto quanto queimou Dimitri e sangue jorrou de ambas as pernas. Fen saltou de uma rocha acima deles, caindo sobre as costas do Sange rau, levando-o ao chão e longe de Dimitri. Eles rolaram em um emaranhado de braços e pernas, grunhindo enquanto suas costas batiam nas rochas duras e, por vezes irregulares. Dimitri se lembrou de incluir o emplasto em seu arsenal de armas — Gary tinha insistido com cada um deles para levar com eles para a batalha. Ele o puxou para fora do saco de couro pendurado no cinto e o bateu sobre a ferida no peito. Instantaneamente sentiu o calor, uma queimadura que parecia cauterizar e então começar o processo de cura. Enviou uma oração silenciosa para se lembrar de agradecer ao homem por seus esforços contínuos em fornecer ajuda aos Cárpatos. O emplasto estancou o sangue, dando-lhe um impulso de energia que precisava depois de tal perda de sangue.


162 Se forçando a levantar, cambaleou atrás dos dois combatentes rolando em um emaranhado de braços e pernas, o ocasional vislumbre da faca em alguns momentos. Grunhidos, rosnados e maldições adicionadas ao caos de poeira subindo. O Sange rau deixou um rastro de sangue atrás de si, devido às facadas que Dimitri conseguido infligir enquanto caía. Seus lobos novamente tentaram defendê-lo, se contorcendo na ânsia de serem soltos. Dimitri teve que avisá-los de novo para ficar parados. Não queria os animais em qualquer lugar perto do sangue misturado com sua incrível velocidade. Fen lutou com o assassino, segurando firmemente seus pulsos para evitar que as garras rasgassem seu ventre ou cortasse sobre os olhos para cegá-lo. Dimitri chamou o calor do vulcão ardente, trazendo-o para a lâmina. Empurrou-a no Sange rau, sentindo a ponta atingir uma barreira e, em seguida, começar a deslizar através do músculo. O Sange rau rugiu com raiva, girando em torno, garras estendidas, buscando a barriga de Dimitri. Dimitri usou sua velocidade de sangue misturado para saltar para trás enquanto o lobo/vampiro saltava para frente, numa manobra surpreendente. Ele saiu de uma posição em decúbito ventral num movimento em pleno ar, correndo em direção a Dimitri tão rápido que parecia um borrão. Fen espelhou na ação de seu oponente, vindo por trás dele, usando suas pernas como um trampolim para saltar atrás do Sange rau. Antes que as garras pudessem chegar a Dimitri, Fen bateu duro com o punho no cabo da faca de Dimitri com sua enorme força, impulsionando-a profundamente através das costas do assassino para perfurar o coração. O Sange rau gritou e se sacudiu, se lançando a frente para Dimitri, batendo as garras no peito dele, cavando através da carne para tentar chegar ao coração. O longo focinho ficou escancarado, os dentes apertando em volta do ombro e braço de Dimitri. Enquanto Dimitri fazia seu primeiro salto para longe do Sange rau, sacou a espada. Atacando por baixo, cortando as duas pernas, mesmo enquanto se jogava para trás e para longe da criatura enlouquecida de dor. Quando fez isso, jogou a espada para seu irmão. Fen balançou a espada de prata em um arco brilhante, cortando a cabeça do Sange rau do pescoço. — Quão mal você está ferido? — Fen perguntou sombriamente enquanto jogava a seu irmão o emplasto que carregava e depois afundou uma estaca de prata no coração do assassino. — O que te parece? — Dimitri indagou com um pouco de sarcasmo. Fen olhou por cima do ombro dele para a mulher caminhando em direção a eles. Lobos a cercavam. — Ela parece regiamente chateada Dimitri, e não posso dizer que a culpo. Você se deixou ser usado como um pedaço de lixo, como uma almofada de alfinetes para eu dar o tiro para matá-lo. — Nós tínhamos que o derrubar rapidamente e me pareceu à solução mais rápida. Você foi um pouco mais lento do que eu esperava. — Estou resistindo à vontade de chutar o seu traseiro, — Fen disse, — mas apenas porque sua mulher tem uma sede de vingança. — Sai daqui, vai ajudar Zev, — Dimitri ordenou a seu irmão. — Vou ficar bem.


163 — Se você não sangrar até a morte, — Fen estalou, e se aproximou de Dimitri, seus dentes rasgando seu próprio pulso. — Apenas se apresse. Dimitri não tinha realmente escolha, a não ser aceitar o que seu irmão oferecia. Não oferecido. Mais como forçava. Não havia como parar Fen de tomar o papel de irmão mais velho, não importa o quão experiente ou experimentado Dimitri era em batalha. Skyler correu para seu companheiro, olhos escuros com preocupação. Os lobos chegaram perto dele enquanto inspecionava os danos. — Ivory e Razvan estão trabalhando com Daciana e os outros caçando os renegados restantes. Há apenas dois deles vivos. Uma vez que sabemos como matá-los, Não foi tão difícil como pensávamos que seria. Dimitri fechou o ferimento no pulso de seu irmão. — Eles não estavam caçando na formação de bando como deveriam, — ele explicou a ela. — As ordens devem ter sido correr a caverna. Eles eram peões para serem sacrificados. Skyler correu os dedos pelos cabelos dele, empurrando os fios úmidos da testa. — Não soe tão triste Dimitri. Estes eram renegados, Lycans que deliberadamente se transformaram para matar pelo prazer de matar. Ela se agachou ao lado dele, retirando o emplasto que Gary deu a todos eles, as mãos descansando sobre a ferida no peito. Ele sentiu o calor de seu toque queimando através de seu corpo, mas era suave, em vez de doloroso. Ela misturou solo rico curador e saliva e pressionou na facada antes de passar para o ferimento em sua coxa. — Você está uma bagunça, sabe disso? — ela perguntou. — Sim. Você não me disse como os lobos foram. — Ele queria dizer como ela foi. Praticar combate era totalmente diferente do que realmente ter que matar outro ser vivo. Skyler apertou os lábios e balançou a cabeça. Ele não perguntou novamente, mas passou a mão de sua perna para a coxa, mantendo o contato enquanto ela trabalhava nele. — Será que ele vai viver? — perguntou Fen. — Sim, — ela disse. — Não se preocupe, estou nisso. Fen balançou a cabeça e os deixou, se movendo rapidamente, correndo para a entrada da caverna. Atrás dele, podia sentir o cheiro de fogo, quando os corpos dos renegados estavam sendo recolhidos e queimados. Bastou descer para a entrada para avistar um Sange rau morto, com a cabeça horrível apoiada contra a parede, com os olhos arregalados e fixos. Fen ignorou, saltou sobre o corpo e correu em direção à caverna onde os membros do conselho Lycan estavam escondidos. Ele entrou rapidamente e correu até Zev, parando abruptamente antes que eles colidissem duro. Ainda esbarrou nele o suficiente para o fazer avançar dois passos. Lyall sentado no chão da caverna, seus dedos trancado atrás da nuca. Com o olhar furioso. Randall olhava para Lyall, com os olhos vermelhos, seu corpo mais lobo do que homem. Parecia assustador, um grande lobo urso pronto para cortar e matar. Rolf parecia triste, balançando a cabeça, uma mão pressionada em seus olhos. Arno era o único membro do conselho que não estava


164 sentado. Ele andava para frente e para trás, como se toda a energia inquieta armazenada estivesse preste a explodir em violência a qualquer momento. Mikhail estava a uma boa distância de qualquer um dos Lycans. Tomas, Lojos, Mataias e André formavam uma barreira entre Mikhail e os outros na sala. Claramente Andre tinha estado em um confronto. Como sempre, seus olhos eram planos e frios. Ninguém se mexia. Ninguém falava. Fen cutucou Zev. Interrompi alguma coisa? Cheguei um pouco tarde para a festa.

Lyall tentou matar Mikhail e os outros membros do conselho. Ele manipulou um artefato explosivo, mas seu homem ali, Andre, o pegou. Então Lyall aparentemente tentou apontar uma arma para o príncipe. Chocante que ele ainda esteja vivo. Gregori terá algumas coisas a dizer a Andre sobre isso, Fen disse. Ele acredita que se alguém tentar prejudicar o príncipe, a morte é a única resposta e eu tenho que concordar com ele. Aparentemente, Mikhail e os membros do conselho pediram a Andre para não matá-lo. Ele quer respostas. Zev olhou para o chão. Esta era a parte que mais detestava sobre o seu trabalho. A morte limpa era uma coisa, extração de informações era algo completamente diferente.

Se ele não fosse Lycan, Fen disse com pesar, nós poderíamos simplesmente entrar e pescar a informação, mas Lycans tem uma barreira natural contra sondagem de mente, a menos que você corte sua cabeça. Poderíamos falar com Gregori e talvez ele possa persuadir o príncipe. Zev poderia dizer que Fen estava meio sério, e estava achando que Fen iria tentar pensar em maneiras de evitar que ele interrogasse Lyall. Obrigado, mas é o meu trabalho. O Conselho espera

que eu o interrogue e obtenha resultados. Branislava enfiou a mão na dobra do braço de Zev. Por que você não me deixa fazer isso?

Posso lhe fazer perguntas e estou bastante certa de que ele vai responder. Zev franziu o cenho. Seus olhos verdes estavam multifacetados, muito parecidos com um dragão, mas depois mudaram de cor. Seu cabelo presos com um tom mais profundo, quase vinho tinto transpassando o vermelho ouro mais claro. Seu sorriso de tirar o fôlego.

Meu pai era o Alto Mago e frequentemente interrogava pessoas sem nunca por um dedo sobre elas. Pouco importava a espécie, não quando usava um feitiço da verdade. Não é tão difícil e ninguém tem de machucar alguém. Branislava se apoiou nele. Realmente posso ser bastante útil. Zev se encontrou sorrindo. Seus olhos encontraram os de Mikhail. — O conselho me pediu para interrogar Lyall e descobrir por que ele está comprometido com tal traição, não apenas de seus amigos de longa data, mas todos os Lycans também. Mikhail inclinou a cabeça lentamente. — Não sou um homem que acredita na tortura. Lyall sorriu. Randall rosnou, uma nota baixa, aviso que levantou o cabelo na parte de trás do pescoço de Zev e tinha os guardas de Mikhail se posicionando ao redor para enfrentar a ameaça. Arno parou de andar, seu corpo ondulando com o esforço para não mudar para meio homem, meio lobo que seria um sinal de perigo ainda maior.


165 Rolf levantou a mão para parar seus colegas membros do conselho de outras ações. — Ninguém gosta de torturar qualquer ser, nem mesmo um traidor como Lyall, mas para evitar a guerra, às vezes as coisas que nenhum de nós gosta devem ser feita. Mikhail sacudiu a cabeça. — Não é a nossa maneira Rolf, nem nunca o será. Randall ficou de pé como se fosse extrair as respostas necessárias de Lyall ele próprio. — Acredito que nós temos uma solução satisfatória para ambas as partes, —Zev disse. — Branislava se ofereceu para interrogar Lyall. Ela vai obter as informações necessárias, sem prejudicar um fio de cabelo da cabeça. O olhar de Lyall saltou para o rosto dela. Ele olhou para ela, mas depois pareceu bastante divertido. — Nenhum Cárpato pode invadir minha mente, não importa o quanto eles tentem. Você acha que tenho medo dela? Ou que vou responder suas perguntas, porque ela é linda? Ela pode te escravizar Zev, mas sou mais forte do que isso. Branislava sorriu para ele. Seus olhos verdes brilhavam com o fogo do dragão queimando tão brilhante nela. Ela deslizou para mais perto de Lyall. Seu cabelo longo, grosso crepitava com energia. Poder irradiava dela. Sua pele tinha um brilho que Zev nunca tinha notado antes. Ela era realmente bonita, e Zev não podia imaginar qualquer homem resistir a ela, e muito menos o Lycan mais velho, que tinha passado a vida inteira perseguindo as mulheres. — Você pensa que eu poderia dormir com você para obter as informações? — Diversão escorria de sua voz como mel quente. — Ah, vejo que você acha. Tenho que desapontá-lo, senhor, eu só durmo com um homem, e esse não seria você. A câmara ficou totalmente silenciosa. Mesmo Randall parou de rosnar e mais uma vez mudou à sua forma humana. Arno sentou em sua cadeira. Todos os olhos estavam fixos em Branislava. Zev cruzou os braços sobre o peito, simplesmente esperando. Ele tinha visto o poder em sua mulher em mais de uma ocasião. Lyall não tinha muita chance contra ela. — E então? — Suspeita envolveu o rosto de Lyall. Ele fez uma careta para ela. — Você acha que ficarei tão intimidado porque você chegou perto de mim? Isso talvez por que Zev possa se mover rápido o suficiente para protegê-la se eu optar por matá-la, em vez de falar com você? — Ele ergueu as mãos no ar para mostrar que não estava preso. — Não se preocupe, —Zev disse. — Sou Han ku pesak kaikak, guardião de todos, e já há algum tempo Lyall. Cada um dos Sange rau que você enviou para me matar ou um dos outros falhou. Você é um hipócrita por usar secretamente a própria criatura que você condena em público contra o nosso povo. Nenhum deles foi mais rápido. Você é sangue misturado? Vi você andar no sol. Se fosse, não seria capaz de fazê-lo. Você não pode ser mais rápido do que eu, se escolher te derrubar. Lyall zombou dele. — Por que você diria uma coisa dessas para mim? Você anda no sol também. Como é que você pode, quando nenhum outro Sange rau pode? Você acha que mente para mim? Que eu acredito em tal absurdo? Você é tão arrogante, estufado com sua própria importância. Zev nunca fez a si mesmo essa pergunta. Não tinha percebido que tinha sangue misturado por um longo tempo e quando suspeitou, descartou a ideia, porque ele podia exercer as suas funções no


166 meio-dia. Ele deu de ombros. — Você não tem que acreditar em mim, mas se está considerando suicídio por caçador elite, eu não iria matá-lo, não antes Branka ter a oportunidade de questioná-lo. — Ele é Dark Blood, —Mikhail disse. — O último guerreiro. Ele é descendente dos Cárpatos e o último de sua linhagem. Poucos podem derrotar um Dark Blood em batalha, e as mulheres que foram suas companheiras eram tão ferozes quanto talentosas. Ele pode andar no sol, porque é Dark Blood. Zev sentiu Branislava suspirar, mas ela não alterou suas expressões ou até mesmo olhou para ele. Ainda assim, ele sentiu seu toque, esse deslizar quente de sua palma contra o peito — como um gesto ocasional, mas tão íntimo quanto a carícia mental de sua companheira. Branislava sorriu para Lyall, seu sorriso tranquilizador, perfeito, aquele que iluminava o seu mundo. Ele pareceu ter um efeito sobre o Lycan também. Ele baixou as mãos, torcendo os dedos, e olhou para ela com um olhar de admiração e perplexidade. — Antes de fazer sua tentativa de me interrogar, gostaria de responder à acusação que Zev lançou contra mim. Não tenho nenhuma ideia do que você está falando quando diz que usei o Sange rau contra o nosso povo. Não sou uma dessas abominações, nem iria procurar me alinhar com um. Se soubesse que Zev é o que ele diz, teria emitido a sentença de morte contra ele, comandando aqueles leais as nossas leis a matá-lo imediatamente. — Você parece tão justo, — Rolf disse baixinho, — ainda que tentou assassinar o príncipe dos Cárpatos e todos nós. — Sigo as doutrinas e os princípios da raça Lycan. — Lyall encarou Rolf. — Vir aqui estava errado. Fomos avisados para nunca nos misturar com Cárpatos. Está escrito no código sagrado e ainda assim, a elite do nosso conselho, concordou em tal reunião. Você traiu nossa espécie, não eu. Arno fez um som suave, uma mistura de desespero e raiva. — Você tem sido meu melhor amigo desde que éramos meninos Lyall, mas estava disposto a me matar. Você esteve comigo na minha cerimônia de união. Não entendo como você pôde fazer uma coisa dessas. Lyall teve a graça de parecer um pouco envergonhado. Seu olhar evitando Arno. — Tentei falar com você várias vezes ao longo dos últimos anos. Você se manteve em cima do muro. — Seu tom ficou acusador. — Você não se comprometeu a fazer o que era certo, mesmo sabendo que o que deveria fazer e como você deveria votar. A questão da mulher foi o argumento decisivo para mim. E vir aqui, a este lugar, até essas pessoas. — Sua voz se encheu de desgosto. — Você seguiu como um cordeirinho sendo levado ao matadouro. — Você acha que nós não sabemos sobre Xaviero? —Zev perguntou. Lyall franziu a testa. — Não tenho nenhuma ideia de quem ou o que você está falando. Branislava balançou a cabeça. — Não, claro que não. Ele nunca iria dizer esse nome. Ele é um homem mais velho, mas não muito velho, porque querer a admiração das mulheres e meninas ao redor dele. É de boa aparência, e de fala mansa, mas sua palavra leva grande peso. Ele seria um homem que você admira muito, talvez o único homem que você ache superior. Ele não é capaz de esconder seus olhos muito distintos. Eles brilham como prata.


167 Lyall parecia um pouco assustado. Os membros do conselho trocaram longos olhares de igual alarme. — Quer dizer, como os olhos de Zev? — Lyall injetou sarcasmo em sua voz. Ela balançou a cabeça lentamente, e desta vez ela se dirigiu ao conselho. — Prata real, cintilante e mudando de derretida para sólida. Lyall seria um amigo muito próximo dele. — Você está descrevendo Rannalufr. Ele esteve ao redor por séculos, quase tantos quanto eu, —Rolf disse. — Ele tem sido um conselheiro de confiança para o nosso conselho por muitos e muitos anos. — Ele balançou a cabeça. — Não posso acreditar que ele iria nos trair.

Rannalufr significa pilhar lobo em Nórdico Antigo, Zev informou. Será que Xaviero seria tão ousado a ponto de dar a si mesmo tal nome? Isso é exatamente o tipo de coisa que ele faria, Branislava disse. Em voz alta ela se dirigiu aos membros do conselho. — Se este é o homem que eu descrevi, ele não é Lycan, mas sim mago, e ele está infiltrado em seu conselho e tem sua própria agenda, destruir a raça Lycan. Um de seus irmãos destruiu a espécie Jaguar e outro quase conseguiu eliminar os Cárpatos. Ele é Xaviero, irmão de Xavier. Você tem idade suficiente para saber sobre dele, — Branislava assegurou. — Sei de Xavier, mas nunca ouvi falar de Xaviero, — Rolf negou. — Nenhum sussurro sobre um irmão ou irmãos. — Eles eram intercambiáveis, idênticos e mantiveram o fato de que eles poderiam estar em três lugares do mundo ao mesmo tempo, porque lhes convinha fazê-lo, —Branislava explicou. — Xaviero está trabalhando duro para destruir sua espécie. Ele está realmente criando o Sange rau. Sem dúvida, Rannalufr é um grande químico e traz benefício para o seu povo. Você está em dívida com ele por suas muitas bondades e sua ajuda na descoberta de vários remédios que ajudam com doenças estranhas que de repente afligem o seu povo, bem como outras coisas. Estou correta? Os membros do conselho se entreolharam, cada vez mais alarmados. Lyall continuamente balançou a cabeça em negação. — Como isso é possível? —Rolf perguntou. — Não entendo isso. Não pode ser possível. Rannalufr esteve em minha casa, em muitas ocasiões, se sentou à minha mesa e brincou com os meus filhos. — E Lyall? —Mikhail perguntou em voz baixa. — Ele não foi para sua casa, se sentou à sua mesa e brincou com seus filhos? O olhar de Rolf saltou para o rosto de seu velho amigo. — Sim, —ele disse, parecendo cansado, respondendo por Lyall. — Sim, ele foi, muitas vezes. Eu o amava como um irmão. — Assim como eu, — disse Arno infeliz. Mais uma vez, Lyall parecia um pouco envergonhado, mas se livrou disso, sacudindo a cabeça. — Vocês traíram o nosso povo Rolf, Arno. Todos vocês fizeram. Sou apenas um instrumento de justiça. — Com o seu próprio exército? — Zev acusou. — Você conseguiu recrutar um exército inteiro,


168 sem o conhecimento de ninguém em questão de dias ou semanas, porque o conselho de repente tomou a decisão de vir aqui? Não acredito em você Lyall. Você usou tanto Sange rau como bandos de renegados para fazer o trabalho sujo. — Sou um escolhido, um mártir para o nosso povo com um propósito mais elevado que você não pode entender, — Lyall disparou de volta para Zev, seu tom hipócrita e firme. — Esse é o mago falando. Ele “se juntou” a sua pequena causa e o manteve animadinho, —Branislava disse. — Ele te ofereceu algo para trair seus amigos Lyall, o que é que você cobiçar mais? Poder? — Ele tinha poder no conselho, —Rolf disse. — Ele cobiça as mulheres. O coração de Branislava gaguejou. Conhecia a crueldade de Xaviero, o que era capaz de fazer, especialmente com as mulheres. Gostava de ferir suas amantes e encontrar maneiras criativas de eliminá-las. Tantas jovens mulheres magas, como muitas mulheres humanas. Não queria ver essas memórias na mente de Lyall.

Você não tem que fazer isso, mon chaton féroce, Zev disse. Há outras maneiras. Posso obter a informação que precisamos dele. Ele sempre lhe dava uma saída, e Branislava era grata a ele por isso. Essa oferta generosa lhe permitiu enquadrar os ombros e enviar a Zev um sorriso. Ela poderia fazer isso, porque não estava sozinha. Sua alma e seu espírito estavam entrelaçados ao dele. Branislava soltou a respiração lentamente. — Lyall, acho que chegou a hora de obter algumas respostas de você. — Pergunte-me qualquer coisa, —Lyall disse, cruzando os braços sobre o peito. — Você não vai ter nada de mim. Branislava não se preocupou em discutir. Levantou os braços e teceu um padrão no ar ao seu redor, como se estivesse criando um espaço, limpo, puro e livre de danos.

Células para neurônios interagem e fluem, Levando mensagens que eu preciso saber. Vejo seus estímulos, conheço o seu jogo, Revele-me o que se esconde assim não haverá dor.

Em torno dela, o ar mudou de cor, brilhando com luz dourada suave. Seu cabelo crepitava e pequenas chamas pareciam lamber os braços. Lyall empalideceu e cobriu o rosto como se não olhando para ela, ela não pudesse entrar em sua cabeça.

Corrente para células neurais crescerem,


169 Forneça-me conhecimento para que eu possa saber, Tomo o que está oculto e o torno meu.

Lyall começou a balançar para frente e para trás, fazendo barulhos como uma criança em perigo. Ele claramente não estava com dor, mas deve ter sentido Branislava em sua mente, perto de tomar o controle.

Que não haja barreiras, Que não haja mentiras, Como cheguei, agora tenho que voltar, Levo essas memórias de forma que nenhum outro possa saber.

Lyall gritou e sacudiu, balançando a cabeça, com lágrimas escorrendo pelo seu rosto. Ele apertou as mãos sobre os ouvidos, como se pudesse afastá-la — ou mantê-la fora de sua cabeça. Branislava entrou em sua mente com medo, com medo do que poderia encontrar. Sentiu Zev pegar a mão dela. Sabia que ele não fez isso fisicamente, ele estava muito ocupado observando Lyall para assegurar que o Lycan não tentasse prejudicá-la, mas ainda assim, parecia como se ele tivesse enfiado os dedos nos dela e entrasse naquela mente distorcida com ela. Havia ganância, certamente. Lyall queria mais do que o poder que Rolf afirmou que já tinha como um membro do conselho. Ele queria ser o que todos olhassem e seguissem, assim como Rolf. Ela viu Xaviero e vislumbres, pequenas vinhetas dos encontros ao longo de tantos anos. Xaviero foi paciente em perseguir Lyall e aprender sobre ele. Ele queria um homem em uma posição de poder, que pudesse convencer facilmente e ainda acreditar que todas as ideias fosse dele próprio. Lyall, ao longo do tempo se tornou esse homem. Xaviero descobriu sua fraqueza por mulheres. No começo, usou a bajulação para iludir Lyall, e então começou a falar de sua noite com uma mulher em particular e as coisas que ele tinha conseguido que ela fizesse por ele. A respiração de Lyall mudou, sua boca abriu e ele praticamente babou. A mais vil das histórias, a atenção extasiada de Lyall aumentava. Xaviero o levou por esse caminho lentamente, bem como, falando sobre como eles eram tão superiores às mulheres e como as mulheres os provocavam com a forma como elas se moviam, se vestiam e sorriam. Como as mulheres foram criadas para servir os homens, tais como eles eram. Homens poderosos que precisavam de relaxamento prestado por tais mulheres. Lyall queria ouvir essas coisas e aceitou mais das depravações de Xaviero como normal. Começou a acreditar que ele tinha o direito a qualquer mulher que ele quisesse, e seu bom amigo concordou com ele. Até o momento que Xaviero tinha começado a compartilhar histórias sádicas, Lyall estava mais do que pronto para elas e ansioso para testá-las.


170 Não demorou muito para Xaviero começar a introduzir o tema do código sagrado e como o conselho não estava defendendo as ideologias. No início as conversas eram meramente filosóficas, mas depois viraram para como eles poderiam começar a corrigir os erros. Sempre, Xaviero foi cuidadoso, permitindo a Lyall acreditar que todas as ideias vieram dele. O mago era inteligente, admirava tudo que Lyall dissesse aceitando sua palavra como se fosse sagrada. Lyall acreditava que seu bom amigo Rannalufr fosse seu seguidor mais ardente. Ele não tinha lembranças do Sange rau, mas cuidadosamente começou a recrutar seguidores para o seu exército, recrutar aqueles que eram fanáticos em manter os velhos costumes. Com o tempo, ele tinha uma enorme quantidade de seguidores. Infelizmente, Arno o tinha ajudado, sem se dar conta, acrescentando sua voz àqueles que pregavam nas reuniões do Círculo Sagrado.


171 Capítulo 14

Branislava deixou a mente depravada e torcida de Lyall abruptamente. — Ele é fanático e gosta de machucar as mulheres, mas ele não sabe sobre os assassinos Sange rau que Xaviero criou. Ele recrutou um exército com a ideia de que iria se livrar do conselho e o Círculo Sagrado iria governar em seu lugar. Ele, é claro, seria o chefe do Círculo Sagrado. Planejou em ter muitas mulheres jovens que o atendesse. — Ela disse esse último com desgosto. Ela queria ir embora. Voltar para casa e sentar em sua varanda no meio da floresta, escutando os lobos e as criaturas da noite. Precisava ser purificada depois de estar dentro de uma mente tão vil. — Lyall não tem mais senso real da moralidade, nem se lembra de lealdade. Ele é viciado em coisas sádicas que faz com as mulheres com as quais ele se deita. Se elas protestam, ou se ele se cansa delas, seu bom amigo Rannalufr as tira de suas mãos. Ele nunca pensou em perguntar o que Rannalufr faz com elas em seu laboratório, nem se importou. Ela esfregou as têmporas, percebendo que tinha uma dor de cabeça. O homem a adoeceu, e ele esteve muito perto de Xaviero para seu conforto. Xaviero tinha encontrado um bom aluno e discípulo, embora Lyall tivesse acreditado que fosse o contrário. — Rannalufr é definitivamente Xaviero e encontrou um homem ganancioso, corrupto com uma fraqueza por mulheres e explorou isso. Lyall foi de boa vontade por esse caminho de destruição. — Ela não conseguia manter o desgosto de sua voz. — Ele não sabe nada dos planos de Xaviero, ou do Sange rau, embora haja um laboratório onde seu adorável amigo, Rannalufr, leva as mulheres que Lyall descartam depois de feri-las. Meu palpite é que elas são torturadas e eventualmente mortas. Depois de algumas horas na companhia de Xaviero, as mulheres provavelmente dão as boas-vindas à morte. — Ela tinha visto isso mais vezes do que queria lembrar. Mikhail acenou com a mão para ela e ela se sentiu um pouco menos cobertas no fedor do mal. — Todos os três Altos Magos eram muito hábeis em escolher o alvo certo para seu alistamento. Eles tinham paciência e esperaram para descobrir a fraqueza de sua vítima. Lyall gostava de mulheres e se nunca tivesse conhecido Xaviero, poderia jamais ter cedido a seus impulsos mais básicos, mas no momento em que se tornou um alvo para o mago, não teve a menor chance. — Você está esperando que nós sintamos simpatia pelo homem que tentou nos matar? — Randall exigiu. Branislava balançou a cabeça. — Não, claro que não. Quero que você entenda o seu inimigo, e não quero dizer Lyall. Xaviero passou anos o moldando, condicionando a aceitar mais e mais violência em relação às mulheres. Isso não foi tão difícil quanto o virar contra amigos, mas suas conversações políticas, eventualmente, fizeram Lyall acreditar que era superior a todos vocês e poderia levar os Lycans de volta para a forma “certa” de viver. Rolf suspirou e se recostou, baixando a cabeça. — Se você olhar por muito tempo em alguma coisa má, eventualmente, se tornará mau. As mentes são coisas engraçadas. Lyall era um homem de grande fé. Acreditava no código sagrado e nas velhas formas, mas sempre manteve uma mente aberta. Se tornar amigo de Rannalufr e o ouvir claramente permitiu ao mago lentamente corrompê-lo


172 pelos seus próprios valores e moralidade. — Ele balançou a cabeça tristemente. Branislava notou que Rolf usou o verbo no passado, como se Lyall já estivesse morto. Ele não olhou para ele, como se aquele homem sentado ali no chão balançando para frente e para trás, com as mãos sobre os olhos, não fosse o mesmo homem que conheceu durante todos aqueles anos — e na verdade ele não era. Lyall não suportou ver seus próprios crimes e depravações tão expostos; em algum nível, ou ele se convenceu que estava certo ou não, ele sabia que as coisas que tinha feito estavam erradas. — Bronnie. — A voz de Mikhail foi gentil. Seu tom de voz era como água pura, limpa e fresca como um córrego da montanha, correndo sobre ela e limpando um pouco da sujeira do mal. — Quem dirige o seu exército? Quem é responsável por esses ataques contra nós? É Xaviero? — Ele é o mestre dos fantoches. Não iria emitir as ordens. Ele parece sempre inocente de qualquer crime, por isso, se pego, esses em torno dele lutaram por ele, acreditando verdadeiramente que suas ações sempre foram gentis. Suas pernas tremiam e ela fez um esforço para se equilibrar. Estava cansada. Não da batalha ou de usar seu espírito para lutar contra as sombras-do-mago, mas disto — a feiura da mente de Lyall. De tocar muito perto de Xaviero e sentir a profundidade do verdadeiro mal mais uma vez. — Há um homem, um lobo, alto, ombros largos, um grande homem urso, muito parecido com Randall. Ele se move rapidamente e é ativo no exército russo. Ele é altamente condecorado. Seus olhos são de um azul profundo e seu cabelo é mais curto do que a maioria dos Lycans. Ele comanda o exército de Lyall. Randall fechou os olhos por alguns instantes, se recusando a olhar para seus companheiros membros do conselho. — Existe uma ligação com Xaviero? Branislava assentiu com a cabeça. — Sim. Todos os três homens se encontraram em muitas ocasiões, e ficou claro que Xaviero e este outro homem são amigos de longa data de Lyall. Os olhares entre eles, a forma como eles sorriem — estavam planejando se livrar de Lyall, sua utilidade se esgotou. É claro, esse é o meu palpite por reproduzir as memórias de Lyall, talvez não, mas é algo que Xaviero faria. Conhecem esse homem que eu descrevi? — Ele é meu sobrinho Sandulf, — Randall admitiu calmamente. — Ele era da elite e então se juntou aos militares. Ele ama a batalha e o poder. Gostaria de poder dizer que estou surpreso, que ele sempre foi um homem de moral com fortes crenças de certo e errado, mas ele implora por ação e, acima de tudo, atenção e poder. Não importa quantas vezes eu aconselhei, ele governou sua família com mão de ferro e qualquer um em seu bando tinha que ser cauteloso. — Ele parecia não ter nenhum problema com a ideia de matar todo mundo aqui, o conselho, Mikhail e todos nós. — Ela levou a mão na direção Zev e os outros Cárpatos na câmara. — Ele é sangue misturado? Sange raif! — Mikhail solicitou. — Não tenho nenhuma maneira de saber, você vai ter que perguntar ao conselho. — Branislava passou a mão pelos cabelos em um gesto de cansaço.


173 Vou te levar para casa, Zev disse, ternura quase trazendo lágrimas aos olhos. Não há muito mais que você possa dizer a eles. — Ele era mais forte, mais rápido e um pouco mais inteligente do que a maioria dos Lycans? —Mikhail perguntou. Randall assentiu. — É por isso que ele se destacou em sua carreira militar. — Isso deve ter sido feito há muitos anos, — Mikhail observou, com um olhar de advertência a Zev. Xaviero tinha o sangue que procurava — o sangue de sua avó. Este Sandulf é

provável o Sange rau mais completo e participa muito de perto com Xaviero na construção de seu exército sangue misturados, apesar de onde o mago está conseguido sangue Cárpato agora, eu não sei. Ela estava muito perto da verdade esta noite, Branislava decidiu. Muito perto da resposta à pergunta que Mikhail colocou. A bile se levantou e ela se virou para Zev, indiferente se eles precisavam ficar para proteger alguém. Queria ir para casa. Precisava estar fora e longe destes homens e as memórias vívidas pressionando muito perto. Sentiu como se tivesse dado tudo o que podia. O braço de Zev rodeou a cintura dela e ele a trouxe sob a proteção de seu ombro. — Estamos um pouco espancados, Rolf. Daciana e Makoce, bem como os outros estão próximos. Eles estão queimando os corpos dos renegados enquanto falamos. — Ele acenou para o príncipe. — Mikhail, se você não se importa, vamos deixar Fen e Gregori assumir aqui. Vou levar Branka para casa. Os olhos escuros de Mikhail deslizaram sobre ela. Ele lhes deu um aceno lento. — Obrigado pela vossa ajuda Bronnie. Eu sei que não deve ter sido fácil para você. Ela forçou um pequeno sorriso e deixou Zev assumir, permitindo que ele desse suas despedidas ao conselho. Ela se afastou do homem quebrado no chão. Confrontado com os seus crimes, sabendo que alguém viu seu cérebro apodrecimento e depravado, viu as coisas secretas que fez a tantas mulheres jovens, ele não podia suportar olhar para ninguém. Repentinamente Zev a empurrou de lado — empurrou com força que ela cambaleou para longe dele e caiu contra uma pedra afiada que se projetava do lado da caverna. Quando ela conseguiu virar a cabeça, ela viu seu companheiro lutando com Lyall, os punhos apertados em torno de ambos os pulsos, joelhos subindo duro na virilha do homem e depois o pé dirigindo para o interior do joelho de Lyall. O membro do conselho desabou, Zev foi para chão da câmara com ele, transferindo o controle sobre os pulsos para a cabeça. O crack foi audível quando o pescoço de Lyall quebrou. A mão de Zev brilhou com a prata da estaca impulsionada no coração do membro do conselho. Zev recuou e sacou a espada. Sem dizer uma palavra, ele cortou a cabeça, limpou a lâmina e a empurrou de volta na bainha. Seu olhar saltou para Branislava. Você está ferida Branka? Ela balançou a cabeça. Suas mãos ardiam um pouco, junto com um quadril e parte de seu ombro, mas tudo o que queria era ficar longe do sangue, da morte e do fedor do mal. Ela não tinha sequer sentido o ataque quando Lyall tinha ido para ela, sua energia mascarada como os Lycans


174 podiam fazer tão facilmente. Zev não olhou para ninguém quando ele a pegou pela mão e saíram da câmara. Atrás deles, ouviu o comentário de Rolf. — Isso resolve o que fazer com Lyall, não é? Tristeza a subjugou. Uma vez, Zev, há muito tempo, Lyall realmente foi um bom homem. Ele

tinha uma fraqueza por perseguir mulheres e ele sabia disso e se esforçou para contê-la. Ele acreditava no código sagrado fortemente, porque, como tantos outros dos antigos, ele quase perdeu todos os entes queridos quando o primeiro Sange rau conhecido destruiu muitos bandos. Zev a puxou mais perto dele. Eles saíram da caverna para a noite. Ao mesmo tempo a brisa fresca tocou o rosto dela e a fez se sentir como se pudesse respirar novamente. — Sinto muito por ele, Branka, — Zev disse gentilmente, — mas o homem que você descreve está morto há muito tempo. Não há como redimi-lo pelas coisas que ele fez. Ela estremeceu. Sabia melhor do que ninguém — não, isso não era verdade. Ela olhou para seu rosto, a mão alisando as linhas gravadas profundamente em seu belo rosto masculino. Zev foi com ela. Ele viu a queda na depravação assim como ela. Não tinha que carregar esse fardo sozinha. — Estou muito apaixonada por você, Zev Hunter, — ela sussurrou, e lhe rodeou o pescoço com os braços, se apoiando em sua força. Ela deitou a cabeça em seu peito, seu ouvido sobre a batida do coração dele. Ele se sentia forte e sólido, como uma grande árvore de carvalho, com raízes que penetraram profundamente. Ele era um homem firme, em quem poderia sempre confiar. Te aprecio tanto. Realmente tenho sorte de ter você. — Você está muito cansada mon chaton féroce, — ele respondeu, com a voz ainda mais suave do que tinha sido. — Talvez seja a hora de ir para a terra. Ela balançou a cabeça. — Ainda não. A noite está quase terminando Zev, mas eu preciso estar nela. Em algum lugar bonito e limpo, em algum lugar que possa respirar. — Sem levantar a cabeça, ela olhou para ele. Ele sorriu para ela e seu coração derreteu. — Acho que sei o lugar certo. É longe, mas vale bem a viagem. Ela não ia avisar a ele que eles só tinham duas horas restantes antes que o sol começasse a subir para o céu. Queria ir com ele, em algum lugar novo e excitante, em algum lugar fresco e limpo, onde pudesse respirar corretamente. Em algum lugar... distante. Zev se afastou dela e mudou, tão suave, tão facilmente. Admirava a maneira fluida dele. Ele aprendia rápido e nunca hesitava uma vez que tinha algo em mente. Branislava seguiu seu exemplo e mudou para a forma de uma coruja da noite. Seguiu-o para o céu, suas asas abertas, o ar correndo em volta dela e agitando suas penas, ela se sentiu livre e um pouco selvagem. Abaixo dela, tudo no chão desapareceu. Deixou para trás a carnificina da batalha. A fumaça subindo no ar não poderia encontrá-la, enquanto voava atrás de Zev. Ele a levou para a floresta e


175 para cima ao longo do primeiro cume da montanha. Abaixo deles o lago alimentado pela geleira aparecia profundo e azul-gelo. As pequenas propriedades espalhadas no campo e viu os animais dormindo, gado, cavalos se movendo lentamente, galinhas empoleiradas. A vida era normal ao seu redor. Precisava ver isso. Nessas casas, as crianças dormiam com seus pais cuidando delas. Zev continuou, ao longo de outro cume onde as árvores estavam tão próximas que era impossível, mesmo com os olhos de uma coruja, penetrar para o chão abaixo. Uma cachoeira cristalina e brilhante explodiu do lado de uma montanha, caindo para a ampla piscina abaixo dela onde samambaias gigantes rodeavam a água, arbustos e plantas congregadas perto. A água formavam fitas brilhantes dissecando o chão abaixo deles enquanto eles continuavam a sobrevoar o próximo cume da montanha. Ela o seguiu, apanhada no arrebatamento de voar através do céu, o vento em seu corpo e a paisagem em constante mudança abaixo dela de tirar o fôlego. Os topos das montanhas à frente eram brancos, com neve, um mundo primitivo de beleza gelada. A parte da montanha que Zev buscou fora um vulcão há muito tempo. A geleira seguiu à erupção mortal, rastejando sobre a montanha iluminada pelo fogo, transformando a pedra vermelha num azul gelado. O efeito onde o gelo afinava era impressionante. Ele desceu na cratera. Ela podia ver que a montanha circundante era toda neve e gelo, mas no berço, árvores e plantas e até flores cresciam, nascidas pelos anos do vento trazendo sementes ao solo rico dentro da cratera rasa. A grama verde forrava o chão, minúsculos trevos cobriam o solo. Algumas árvores cresceram, seus galhos saudáveis e fortes, alcançando o céu em seu ninho quente, invisível e intocado por qualquer pessoa. Protegidos pelo gelo e neve, o pequeno oásis passava despercebido. Zev desceu no chão, acenando com a mão para almofadar o chão com uma cama de pétalas. Branislava mudou para sua forma humana, girando em um círculo lento para inspecionar os arredores. Quando ela viu pela primeira vez as montanhas nevadas, seu coração deu uma pequena estremecida de apreensão, mas deveria ter tido mais fé. — É lindo aqui Zev. Como você descobriu isso? — Patrulhamento. Procurando por renegados. Algumas vezes, antes que você acordar, saí procurando por hábito. — Ele sorriu para ela. — E gosto de voar. Ela teve que sorrir de volta. Ele parecia relaxado e feliz, muito longe do homem sombrio que teve que lutar muitas batalhas. — É o momento de alguém ver seus ferimentos. — Ela apontou para a cama de pétalas. — Esta é para você. E este emplasto de Gary funcionou muito bem. Lycans rejuvenescem rapidamente. Lembre-se, eu também sou sangue misturado e isso me dá um impulso maior. Ela o fitou com um olhar severo, mesmo enquanto levava a mão para seu cabelo e tirava a fita da trança. Com um aceno de sua mão, ela liberou a massa grossa de sua longa trama, balançando a cabeça de forma que os fios de seda caíram ao seu redor como uma capa de vermelho ouro. — Gostaria muito que você se deitasse para que eu possa ver as suas feridas, Zev, — ela disse a ele. — As chamas do dragão estão começando a brilhar em seus olhos, — Zev informou. Quando


176 ela estava assim, exigente, sexy, cada movimento sensual, não havia nenhuma maneira de resistir a ela. Ele podia ver o fogo sempre latente sob a superfície aumentando, ficando mais quente. Seu corpo reagiu a essa nota em sua voz, o afago de sua pele com o tom dela, o calor em seus olhos quando olhou para ele. Sua língua saiu e umedeceu os lábios. Ela bateu o pé. — Estou esperando. — Eu também, — ele disse em voz baixa, tentando não usar sua voz alfa, mas estava lá, esse comando rosnando com o qual tinha nascido. Ela inclinou a cabeça para um lado, seus olhos sonolentos e sexys, cílios longos descendo quase timidamente, mas quando eles subiram, seus olhos tinham chamas dançando através de um fundo verde esmeralda. Ela acenou com a mão para baixo de seu corpo, e suas roupas desapareceram. Ele prendeu a respiração em seus pulmões e ficou preso lá. Sua forma era requintada para ele, todas essas curvas suaves, cheias e cintura fina. Seu cabelo caía ao seu redor, emoldurando os seios altos e os mamilos já com os bicos duros. Ele sabia que se empurrasse a mão entre as pernas dela, estaria quente e molhada para ele. — Você é tão linda, Branka. Por mim, para mim, não há outra que possa comparar. Ela colocou uma mão na cintura e continuou batendo o pequeno pé, nua. Ele queria cair de joelhos e puxá-la para perto, e provar o mel e a canela, esse aroma derivando para ele. Em vez disso, ele a deixou ter o que queria, tirou suas roupas, observando os olhos dela e o olhar caindo sobre sua pesada ereção. Sua mão foi para o seu eixo, o circundando, já sentindo o calor sensual. Ele caminhou sem pressa até a cama de pétalas. Não foi fácil, com sua virilha cheia e dura e tão pronta para o corpo dela, mas por ela, ele faria qualquer coisa. No momento em que ele estava deitado de costas, ela estava sentada sobre as panturrilhas, removendo o emplasto e inclinando sobre ele, seus seios macios roçando sua pele. Sua língua lambeu sua ferida com saliva de cura. Ela sussurrou baixinho, uma pequena ladainha de cura em sua mente, em vez de em voz alta. O pulso de Zev trovejou em seus ouvidos. Enquanto ela lambia a ferida, suas mãos acariciavam seu eixo, os dedos deslizando sobre ele em uma dança. Seu cabelo caiu numa piscina vermelha em seu colo, brincando com seu membro, aumentando o caos crescente em sua mente. A sensação de seda viva deslizando ao redor e sobre ele, a língua e as mãos era quase demais para levar. Evitar que seus quadris corcoveassem e as mãos fechassem em punho no cabelo dela levou anos de disciplina — não foi fácil. Ela levantou a cabeça para olhar para ele. Seu coração quase parou. A intensidade gritante de sua paixão ardente brilhava em seus olhos. Sua pele já adquirira um brilho, a cor mudou de porcelana pálida para um ruborizado rosa profundo. Com cada movimento que fazia, seu cabelo crepitava vivo com energia. Muito lentamente ela moveu seu corpo para cima dele, o V quente entre suas pernas deixou para trás a evidência de sua excitação na panturrilha dele. Ela se moveu sobre as coxas e subiu em sua virilha.


177 Mais uma vez ela tirou o emplasto e o atirou para longe, lambendo sua barriga e sobre suas costelas, sobre cada risco e machucado até chegar à facada no peito. Ele ouviu a ladainha cura suave ecoando em sua mente, uma melodia de amor que o cercava, envolveu-o com fogo. Branislava. Sua companheira. Era fogo e paixão. Ela era amor para ele. Tudo de bom no mundo. Quando ela o curou, não apenas curou com seu amor e seus dons, ou até mesmo a saliva milagrosa de sua espécie. Ela também curou com sua paixão ardente, e a urgente necessidade que ela tinha por seu corpo. Quando sua boca se moveu sobre seus ferimentos, quando a língua lambia suas lacerações e contusões, havia flagrante sedução junto com o bálsamo curativo. Seu corpo reagiu, todas as terminações nervosas ganharam vida, ficaram alertas e verteram calor através de sua corrente sanguínea. Ele levou as mãos até seus seios, massageando, seus dedos prenderam os mamilos numa carícia. O bonito rubor rosa em seu corpo se aprofundou. Sua pele, macia e suave ficou mais quente. Sobre a base de seu membro, onde o corpo dela encontrara o dele, o fogo pareceu inflamar. Ele estava perdendo rapidamente sua capacidade de ceder para ela. Emitiu um grunhido de advertência, deixando-a saber que ele estava próximo a seu limite. — Estou trabalhando aqui — ela murmurou, uma reprimenda brilhando para ele por debaixo de suas pestanas. Ele a agarrou pelos braços e a rolou debaixo dele, seu joelho dentro de sua coxa, segurando as pernas dela. — Eu também. — Sua voz estava áspera com a necessidade. — Estou morrendo de fome e quero devorar você. Ele fez exatamente isso, levantando seus quadris e arrastando-a para ele, baixou a cabeça para que pudesse devorá-la. Ela gritou, um grito de êxtase quando sua língua mergulhou fundo e puxou o mel que ele desejava de seu corpo. Estava quente como o melaço e ele se viu rosnando, como o lobo que era, voraz por ela. Ele a segurou firme enquanto o corpo dela tentava rolar e fugir. — Fique imóvel, — ele ordenou asperamente, quando pôde encontrar um momento para falar. Quando ela não esteve em conformidade com a sua ordem, ele beliscou o traseiro dela para obter a sua atenção. As terminações nervosas dela queimaram com paixão. Não pôde resistir dar pequenos beliscões na parte interna de sua coxa, pequenas mordidas provocantes que tiveram chamas do desejo lambendo as pernas dela. Se moveu por cima dela, agarrou seus pulsos, prendendo-os sobre a cabeça para que ele pudesse olhar para o seu corpo, esparramado debaixo dele. A respiração dela vinha em suspiros irregulares, levantando seus seios e os movendo convidativamente — tentadoramente. Ele se inclinou e capturou o seio esquerdo, levando o monte macio para o calor de sua boca. Ela gemeu baixinho, seu corpo ondulou enquanto sua língua acariciava seu mamilo, e então ele sugou fortemente. Sua cabeça virou de um lado para outro. Seus quadris se ergueram debaixo dele. Era tudo música, parte da noite. Ele amava os sons que ela fazia e a maneira como seu corpo ficava tão ultrassensível a tudo o que ele fazia com ela. Ele beijou ao longo da curva cremosa de seu seio para encontrar seu pulso batendo tão descontroladamente, tão tentador. Ele ouviu a resposta batendo no fundo de suas próprias veias e


178 sem aviso, sem preâmbulos, cravou os dentes profundamente. Ela gritou, soluçou, levantou os quadris e se contorceu. Ela tentou levantar os braços para envolver o seu pescoço e o segurar para ela, mas ele a segurou indefesa, amando lhe dar tanto prazer. Ele sentiu isso em sua mente, sua necessidade subindo como um vulcão. Ele bebeu a essência dela, levando-a para dentro de seu corpo, o mesmo sabor picante tão viciante. Ele queria ser o lobo e devorá-la. Havia algo tão bonito em seu rosto, em seu corpo brilhando enquanto ela estava deitada debaixo dele, seus apelos cada vez mais desesperados quando sua necessidade se intensificou. Quando ele tinha tomado sua cota, ele segurou os pulsos dela com mais força e olhou em seus olhos. — Fique parada, assim como esta. — Ele se inclinou e beijou sua boca, essa boca linda que ele queria passar a vida inteira brincando, beijando e amando. — Não acho que eu posso, — ela admitiu um pouco desesperada. Ele beijou sua orelha e mordiscou o queixo. — Então eu vou ajudá-la. Porque isto é para mim. Quero te deixar louca e ver você pegar fogo. Estamos seguros aqui. Não há floresta para queimar. Eu posso acender um fósforo e vê-la queimar. Deitada ali, vinhas se apressaram do solo e circulou seus braços, formando duas longas mangas que passaram do pulso para bíceps. — Ai está você, mon chaton féroce. Sem movimento do jeito que eu a quero. — Ele se sentou e passou a mão pelo corpo dela possessivamente, do peito para a barriga, espalhando seus dedos para absorver o máximo de sua pele possível. — Posso não me apressar com você. Você pode gritar muito e muito alto e seu corpo pode ficar em chamas mais e mais e ninguém vai nos interromper. Ele sorriu para a expressão chocada nela, observando as chamas em seus olhos ficarem ainda mais brilhante. Mais canela e mel se derramaram de seu corpo. Mais do que tudo, a fé dela nele, a confiança que ela tinha, o excitava. Ela se deu sob sua guarda, sabendo que ele daria simplesmente prazer a ela — e ele tinha a intenção de fazer exatamente isso. — Sou lobo, Branka. Os lobos são muitas vezes ásperos, beirando o brutal. Mas te toco com amor. E nunca iria querer te machucar. Me diga para parar se não gostar de alguma coisa. — Felizmente para você, eu gosto do jeito que você me ama. Gosto áspero, beirando o brutal. Se eu não gostar de alguma coisa, você vai ouvir sobre isso rapidamente, — ela assegurou. — E, Zev, sei que você nunca iria me machucar. Ela o matou com sua voz suave e sedutora, com as ondulações do corpo dela e dos seus quadris corcoveando como se ela não pudesse esperar por ele. Deliberadamente, ela abriu as pernas para ele. Se abrindo para ele. Silenciosamente implorando por mais. Por qualquer coisa. Ele riu suavemente. — Você está tão ansiosa, meu amor. Vamos ver que diversão posso ter com você. — Ele se levantou por cima dela e deslizou por seu peito, entre os seios, sua boca mordiscou seu umbigo quando ele deslizou mais para baixo de sua barriga. Ele beijou e mordeu de leve, estimulando seu corpo ainda mais, vendo o fogo ficar mais quente até que pequenas faíscas começaram a estalar em torno deles como vaga-lumes na noite.


179 Ele adorava isso. Sua paixão. Seu fogo. Ele queria que ela tivesse a chance de terminar a noite no fogo, onde nada poderia ser prejudicado. No alto da geleira coberta de neve estavam seguros. Mesmo se uma árvore pegasse fogo, não havia mais nada para queimar, e ele estava certo que a folhagem em torno deles era segura. Zev beijou seu caminho através de seu tremores, da barriga lisa para seu monte e então levou a língua por suas dobras suaves, observando o delicioso arrepio percorrer seu corpo com satisfação. Os dedos dela cravados na argila rica. Ele percebeu o solo debaixo dela começam a brilhar com uma luz vermelha suave, e onde seus dedos afundaram na terra, o vermelho parecia carmesim. Alegria explodiu por ele. Amá-la era uma aventura, uma bela e incrível jornada de amor. Ele abriu mais as pernas dela, puxando-as sobre seus ombros quando ele se ajoelhou contra ela, facilmente levantando o traseiro da cama de pétalas. Seus olhos estavam enormes, o verde quase desaparecendo para ser substituído por aquelas chamas quentes agitadas. Sua pele era quente ao toque. Seu membro estremeceu em antecipação por seu interior escaldante envolvendo em torno dele. — Zev — ela ofegou, tentando mover seu corpo em uma espécie de desespero para encontrar o dele. Ela nunca tentou esconder sua ansiedade por ele. Ela sempre demostrou a fome por seu corpo, assim como ele ansiava pelo dela. Ele riu suavemente, sua felicidade transbordando. Não tinha ideia de por que lhe foi dado esse milagre, mas sabia que iria sempre apreciá-la. Ela foi um presente além de qualquer outra coisa no mundo. Ele tomou mais um momento apenas para olhar para ela, ali, respirando com dificuldade, os olhos cintilando com chamas, ainda implorando. O corpo dela estava vermelho e quente, com faíscas saltando ao seu redor, e solo debaixo dela subiu de temperatura diretamente proporcional à dela. Seu cabelo estava em toda parte, aquela massa de seda vermelha, uma cachoeira ardente que ele estava loucamente apaixonado. Ele entrou nela rapidamente, um impulso seco. Ela gemeu. Sua voz se elevou às nuvens nebulosas, como a música perfeita do puro prazer. Sua voz se misturou com a dela, um longo uivo de lobo rouco de puro êxtase enquanto os músculos dela o agarraram com escaldante seda quente. Ela estava tão apertada que ele teve que se impulsionar por seu interior, forçando seu caminho através da seda apertada para se alojar profundamente. Ele usou sua mente para liberar os braços, não querendo que ela sentisse desconforto. Em qualquer caso, amava o jeito que ela se agarrava a ele, cravando as unhas em sua pele e o segurando como se ele fosse sua única âncora. Imediatamente ela deslizou sua mão pela barriga dele até a junção entre suas pernas, onde seus corpos estavam unidos, os dedos acariciando seus músculos. —Você é tão belo, Zev — ela sussurrou, sua respiração vindo em suspiros irregulares.

Ela era a bela. Ao redor deles, o chão tomou um brilho vermelho, conforme ele começava a se mover longamente, de forma lenta, se arrastando sobre seu broto sensível, se enterrando profundamente, durante todo o tempo observando seu rosto. Sua cabeça e os lábios entreabertos. Sua pele ficando mais quente. O forte calor se espalhando como fogo incontrolável enquanto a tempestade crescia dentro dela.


180 — Mais — ela implorou. — Me dê mais de você. Ele riu suavemente. — Você é uma coisinha insaciável, não é? Uma mulher muito exigente. — Ele a amava assim. Ele não se apressou, segurando seus quadris no lugar, se recusando a ceder a suas exigências, estabelecendo um ritmo que a deixou selvagem. Ele a manteve no limite, aumentando a tensão, sentindo-a se contrair mais e mais. Ele se deixou perder todo o controle, se deleitando com sua capacidade de fazê-lo. Branislava não só podia lidar com isso, mas saudava a loucura que o tomou. Seu corpo foi feito para o dele, para o prazer batendo e o incrível calor. A tempestade de fogo saltou dela para ele, queimando através de cada veia, se reunindo em sua virilha como a lava derretida subindo nela. Eles queimaram juntos, o calor abrasador ficando mais quente a cada momento, até que um fino brilho de suor se espalhou pelo corpo dele. Ainda assim, ele não parou, não conseguia parar. Se perdeu nela, todo aquele fogo, queimou com ela, chegando mais e mais perto do coração do vulcão. Ele sentiu a primeira onda, seu centro apertando com força em volta dele, o fechando em um punho vivo de chamas sedosas. O vulcão entrou em erupção, sacudindo os dois, uma bola de fogo explodiu através dela, através dele, enquanto eles queimaram juntos. O êxtase rasgou através dela, seu gemido ofegante enchendo a mente dele com pura alegria. Seu corpo cantou junto com seu coração. Ele saboreou cada segundo do climax dela e do dele, o calor e o fogo, o êxtase inigualável a qualquer outra coisa que ele já conheceu. Muito lentamente ele abaixou as pernas no chão, deslizou de seu corpo e desmoronou ao lado dela. Ela se virou em seus braços imediatamente, se aconchegando perto dele, seu corpo ainda estremecendo com tremores secundários. Ela estava queimando contra ele, sua pele como fogo, a seda lisa que tinha envolvido em torno de seu eixo com tanto carinho. Seu cabelo caiu sobre seu peito, aumentando a sensação de estar coberto de seda. — O ar da noite cai bem, não é? — ela disse quando pôde recuperar o fôlego. Ela estava certa. O frio das montanhas cobertas de neve era incrível contra o calor de sua pele. O chão, uma cama quente de pétalas, mas estava esfriando rapidamente. — A noite está se desvanecendo Branka. Vamos ficar aqui mesmo. Podemos abrir o chão e descansar aqui. Ela pressionou beijos ao longo de seu pescoço. — Gosto da ideia. É tão lindo aqui em cima. — Ela olhou para a árvore. — E olhe que, nem sequer queimamos a árvore. Ele deu um beijo no topo de sua cabeça. — Parece um pouco chamuscada. Olhe para a base e as folhas. Ela riu suavemente. — Não penso assim. Você está fazendo isso. — Talvez. — Ele não tinha tanta certeza. O terreno definitivamente esquentou em torno da base da árvore, provavelmente afetando as raízes subterrâneas. — Você faz a vida divertida quando tudo ao nosso redor é um pouco louco Zev, — ela confidenciou. — Obrigado. Este lugar é perfeito, longe de tudo e de todos.


181 — Somos dois Branka, — ele ressaltou. — Nós ficamos bem juntos. Nós nos pertencemos. Ela se aninhou novamente, inalando seu cheiro. — Você sempre parece saber o que preciso. Ele riu suavemente. — Claro que sei o que você precisa. Levo os meus votos a sério. Você sempre estará em primeiro lugar. Houve uma agitação na mente de Zev. Um riso fraco. Você quer me dizer por que o lago subiu

oito centímetros? Acho que metade da geleira derreteu. Por aqui, todo mundo acha que há uma possibilidade de que o vulcão esteja se tornando ativo. Eu disse a eles que vocês dois estavam pondo fogo na noite, Fen zombava dele. Não acredito em você. Como é que eu sei que vocês estavam ai em cima? Todo o topo da montanha brilhava através da névoa. Pode apostar que vocês causaram uma grande agitação aqui embaixo, com os agricultores correndo para fora para ter certeza de que o vulcão não estava prestes a explodir e matar todos eles. Ha. Ha. Você é tão engraçado. Zev estava começando a ficar um pouco desconfortável. Fen parecia divertido, mas não necessariamente como se estivesse inventando.

Não oito centímetros. Nós não derretemos a geleira inteira. Embora eles pudessem ter. Branislava ficou quente o suficiente para derreter a camada de gelo.

Não aposte nisso, mano. E vão para o chão. Ambos estão esgotados. Zev lhe deu o equivalente mental de um revirar de olhos. Dimitri o tinha avisado sobre a predileção de Fen de ser o irmão mais velho e como ele se esquecia de que ele e Dimitri não só eram inteiramente crescidos, mas viveram por séculos. Zev envolveu seus braços em Branislava, abraçando-a. — Pensei que estaríamos seguro aqui, mon chaton féroce, mas Fen está perguntando por que o lago abaixo subiu oito centímetros. Ele afirma que derretemos a geleira. — Ele é tão exagerado, — Branislava rebateu, enterrando o rosto em seu pescoço. Ela ficou deitada em silêncio por um momento. — Ele está brincando, certo? Nós realmente não derretemos a geleira, não é? — Sei lá, — Zev disse muito satisfeito para se mover e ir verificar. — Nós poderíamos ter. — O que mais ele disse? — A montanha brilhava vermelha através da névoa, e todos os agricultores pensaram que o vulcão estava ativo novamente. Mas você sabe como ele gosta de provocar. Ela começou a rir. — Você tem que admitir que seria engraçado se fosse a verdade. Você pode imaginar o príncipe pedindo os relatórios? Pior, e se ele mandasse Gregori fazer um sobrevoo para ter certeza de que a montanha estava segura? — Ele ficaria com os olhos arregalados com nós dois aqui deitados nus, — Zev disse. Ele olhou para o céu. O dia estava nascendo, a luz penetrava através das nuvens nebulosas. — Nós precisamos ir para a terra e curar um pouco Branka. Seu espírito e meu corpo. Nós dois estamos um pouco


182 maltratados. — Suponho que sim. Isto parece como liberdade para mim, Zev. Obrigado mais uma vez por encontrar este lugar para nós. Eu realmente amei isso. Ele inclinou o queixo dela com o polegar e a beijou profundamente. — Abra o chão, mon

chaton féroce, e vamos dormir um pouco. Branislava acenou com a mão e abriu o chão próximo a eles. — Se fizéssemos parte da geleira derreter, você sabe que eles nunca vão esquecer isso. Minha irmã e Fen, Skyler e Dimitri nunca vão parar de nos atormentar. Ele os levitou para o buraco profundo. — Me deixe só dizer, Branislava, se fizemos a geleira derreter e o lago subir oito centímetros, eles podem nos provocar pelos próximos dez séculos, mesmo assim valeu a pena. Sua risada suave lhe disse que ela concordava com ele.


183 Capítulo 15

Branislava olhou para o fundo do lago azul cintilante abaixo dela. Estudou a água batendo na costa de muito perto. Não acho que há mais água nele do que havia na noite passada, ela disse a Zev, mas sua voz indicou que não estava certa. Zev se moveu ao seu lado. Eles pairavam juntos sobre a massa de água, duas trilhas de vapor, parecendo um pouco como cometas no céu da noite. O riso brotou. Dê uma olhada nos juncos e

árvores. Eles estão na água Branka, e eles não estavam assim à noite passada. Você não pode saber disso, ela protestou, mas novamente não parecia certa. Claro que posso, ele disse, se mantendo o mais sério possível. Caçadores de elite tem que observar todos os detalhes ao seu redor. Observei o lago ontem à noite... Ela se mexeu em sua mente, dando-lhe a impressão de uma sobrancelha levantada. Pensei

que você estivesse totalmente focado em mim. Exatamente, ele respondeu suavemente. Com a única exceção de notar a água e a margem por onde passávamos. A risada dela brincava com a sua mente como o roçar das asas de uma borboleta. Vou admitir

que os juncos parecessem um pouco mais embaixo d'água do que me lembro. E talvez as duas árvores no extremo sul pareçam como se a linha de água subiu, mas isso é tudo. Verifiquei o banco de neve e não há absolutamente nenhum problema com ele, e a geleira está totalmente intacta. Estou certo de que o príncipe ficará feliz em ouvir isso. E nós podemos lhe assegurar que o vulcão permanece dormente. A voz de Zev era divertida. Ela riu de novo, parecendo despreocupada, um som que não ouvida dela sempre. Adorava que encontrasse uma maneira de fazê-la relaxar, esquecer o que tinha visto e ouvido na mente de Lyall. Lycans e Cárpatos teria que encontrar uma maneira de derrotar Xaviero e livrar o mundo dele, mas Zev queria manter Branislava tão longe do mago o quanto possível. Eles não se apressaram, caçando para o seu sustento, desceram perto de uma fazenda para conversar casualmente com o fazendeiro e sua esposa. Eles riram juntos com as palhaçadas dos cavalos, e Zev ajudou o fazendeiro a colocar um pneu traseiro em seu carro. Depois de terem se alimentado, eles deixaram o casal sentado em sua varanda da frente, sorrindo alegremente, lembrando o simpático casal que havia parado para perguntar sobre as lindas colchas artesanais que a esposa tecia para vender para um dinheiro extra. Seu bolso estava cheio com dinheiro e uma das colchas estava faltando. — Isso foi divertido, — Branislava disse, abraçando a colcha. — Eles são boas pessoas. Zev tomou a colcha dela e enfiou os dedos nos dela. — Concordo. Nós vamos ter que verificar com eles vão de vez em quando. É sempre uma boa coisa fazer amizade com os vizinhos e moradores. Mikhail é muito carismático e levou tempo para se encaixar. Aqueles que vivem na aldeia são muito leais a ele.


184 — Vamos fazer a nossa casa aqui? —Branislava perguntou. Ele pegou a pequena nota de apreensão em sua voz. Levou a mão dela para o calor de sua boca, seus dentes mordiscando os nós dos dedos. — Te disse que iriámos sempre ficar perto de Tatijana. Gosto daqui, e se usarmos essas montanhas como nossa base, com a nossa capacidade de voar, podemos chegar a lugares muito rápido se for necessário. Ele parou de andar, se virando para ficar diretamente em frente a ela. — Quando eu disse que iria cuidar de você todo o tempo Branka, que iria colocar sua felicidade acima da minha, eu quis dizer isso. Você nunca terá que fazer algo que não queira. — Ele pendurou a colcha sobre um dos ombros e inclinou o queixo dela para cima com os dedos. — Valorizo cada momento que temos juntos, valorizo, mas se tiver que sair caçando renegados, ou vampiros ou Sange rau, sempre será a sua escolha se deve ou não deixar a nossa casa e me acompanhar. Lágrimas nadaram por um momento em seus vívidos olhos verde, mas ela as piscou rapidamente e conseguiu uma carranca falsa. — Se você acha que vou deixar você ir para algum lugar caçar renegados, vampiros ou Sange rau sem mim, você está louco. Alguém tem que cuidar de você. — Ela se esticou para dar a volta em seu pescoço com o braço e puxar sua cabeça para a dela. — Você corre riscos demais, Zev, e não estou disposta a te deixar ir. Então pare. — Ela pontuou cada palavra com um beijo feroz. Seu coração revirou e calor correu por suas veias, e não apenas o calor do desejo, mas o calor do amor. Ele não tinha outra maneira de descrevê-lo. Ela corria em suas veias, como o sangue da vida, um vício e obsessão, o amor escaldante que ela vertia para ele toda vez que ela entrava em sua mente, ou o beijava como ela estava fazendo. Toda vez que ela o toca, faíscas saltavam entre eles, provocando uma descarga avassaladora de puro amor, amor que sentia por ela. Ele não era um homem com palavras bonitas. Nunca seria. Era um predador, um lobo, um caçador de elite e áspero como o inferno. Mas sabia, sem dúvida que a amava intensamente, com cada célula de seu corpo, cada batida do seu coração. Se fosse um poeta teria escrito a ela algo bonito, mas só tinha seu corpo para lhe mostrar como se sentia. Ele a beijou, vertendo aquele amor quente, feroz que tinha por ela em sua boca. Era exigente, rude e insistente, varrendo-a em um vórtice de fogo, como alfa, forçando a sua resposta, mas sabendo que ela dava a ele livremente. Branislava se agarrou a ele por um momento, quando ele levantou a cabeça. Ela manteve seu corpo apertado contra o dele, como se ele fosse seu santuário. Queria ser o refúgio para ela, um abrigo que ela pudesse sempre contar. Fechou os braços em volta dela e a puxou para si, contando seus batimentos cardíacos, ouvindo o ritmo de sua respiração até que seu corpo seguiu o ritmo dela. — Está tudo bem, mon chaton féroce? — ele perguntou, dando um beijo no topo de sua cabeça. — Você não tem que vir comigo para esta reunião. Sei que coisas que tem a ver com Xaviero afligem você. — Só estou te segurando, Zev. Te mantendo perto, retirando forças de você. Você nunca parece ficar chateado, nem mesmo na pior crise. Você só sente calma interior. Quero ser assim. Ele riu suavemente. — Branka você sabe o que mon Féroce chaton significa?


185 Ela assentiu com a cabeça, intrigada. — Minha gatinha feroz. — Exatamente. Você é feroz, apaixonada e ardente, e eu amo todas essas coisas em você. Em uma luta, posso contar com você mantendo a cabeça e realizando o trabalho, mesmo se estiver com medo. Não há necessidade de ser outra coisa senão quem você é, quem você está destinada a ser. Branislava lhe deu seu sorriso radiante. — Você sempre sabe a coisa certa a dizer. — Ela respirou fundo. — Estou pronta para ajudá-lo a entender tudo isso. Espero que nós não sejamos os únicos que tenham que tentar caçar Xaviero. Sei que é o que está por vir e, acredite Zev, quando te digo que ele é extremamente perigoso. — Estou bem ciente disso Branka, — ele a tranquilizou. — Alguma vez você já o viu? O que eles chamam de Rannalufr? Ele acenou com a cabeça. — Trabalho para o conselho. Eu os protejo, e quando eles dão ordens para resolver disputas entre os bandos ou dentro de bandos que não são resolvidas pelo alfa, eu vou. Os membros do Conselho estão protegidos todos os momentos. Tenho que saber onde estão e quem está com eles. A resposta curta é sim, eu conheci Rannalufr. Ele parecia um tipo de homem mais velho para mim, aquele que fala em voz baixa, suave e parecia sempre dar atenção antes de responder. Eu gostava dele. Acho que a maioria das pessoas que o conhece gosta dele. — Ele pertence ao Círculo Sagrado? Ele é um dos líderes? —Branislava perguntou. Zev passou o braço em volta da cintura dela e mais uma vez começou a andar em direção à casa de Mikhail. Ficava a montanha e exatamente na borda da floresta. — Sim. Muitos Lycans pertencem. Aqueles que pertencem reverenciam os velhos costumes e exibem os anciãos ultrapassados como exemplos de como os Lycans devem ser. — Alguma vez você pertenceu? — ela perguntou curiosa. — Tenho ido às reuniões é claro. Os oradores são geralmente incrível, Arno, em particular, e sim, antes que você pergunte, Rannalufr também. Ambos são carismáticos, mas tendo a ter problemas com qualquer coisa que diminua o meu raciocínio ou beire o fanatismo. As coisas têm que ser lógica para mim e viver por regras antigas que já não fazem sentido não é, no mínimo lógico. — Ele suspirou. — Não entendo a progressão. — Não sei o que isso significa, — disse ela. Eles seguiram uma trilha de veados estreita que serpenteava por entre as árvores, se aprofundando na floresta, enquanto subiam. — Os tempos modernos estão se movendo rapidamente. A tecnologia mudou tudo, e continua a mudar a um ritmo alarmante. Se o Círculo Sagrado apenas pregasse a moral e como tratar uns aos outros com bondade, eu poderia aceitá-lo, mas eles não param por aí. Eles têm uma agenda política e essa agenda não segue os ditames dos países onde os Lycans vivem. Branislava se inclinou para cheirar uma flor da noite. Andar ao lado dele sempre lhe dava uma emoção secreta. Ele era alto e forte, e a fazia se sentir feminina — o que ela era — e delicada — o que ela não era. O som de sua voz a hipnotizava. Zev nunca falava com uma voz potente ou alta. Ele


186 era de fala mansa, e ainda o seu tom soava com autoridade. Tudo sobre ele demostrava absoluta confiança, e adorava isso nele. — Ainda não entendo. — Nós nos integramos à sociedade moderna, —Zev explicou. — Cada bando, não importa o país, serve nas forças armadas daquele país e tem empregos, assim como os humanos. Nós vivemos lado a lado com eles. Não é lógico pensar que podemos voltar a um código que foi escrito muito antes que a tecnologia viesse a existir. Nossas mulheres foram guerreiras ferozes uma vez. Olhe para Daciana. Ela é tão boa quanto — ou melhor do que — os machos caçadores de elite, e no entanto, porque há muitos séculos, o primeiro Sange Rau quase acabou dizimando nossas fileiras, o código sagrado decretou que todas as mulheres fiquem em casa. — Mas o conselho derrubou isso, — Branislava apontou. — Contra muita oposição. Os líderes do Círculo Sagrado ficaram furiosos e alguns até falaram de formar seu próprio conselho. — Sua voz caiu uma oitava e ele balançou a cabeça. A lua tinha subido, começando parecer cheia, embora ainda não em seu auge. Um halo amarelo a cercava. Branislava viu o rosto dele sob a luz da lua brilhando através dos ramos. As linhas gravadas estavam lá. Cicatrizes. No entanto, parecia um verdadeiro exemplo de beleza masculina para ela. — E você foi enviado para os colocar de volta na linha. — Não era uma suposição da parte dela, ela sabia que estava certa. Ela estava se tornando muito mais hábeis em lê-lo. Ele acenou com a cabeça. — Tive uma conversa com eles, sim. Posso ser persuasivo quando necessário. Não pode haver discórdia, não quando Lycans são tão perigosos. Nós perdemos alguns bandos. Eles se tornaram renegados, eu apontei isso para os líderes do Círculo, e eles pararam sua pregação. Está tudo bem com o Conselho discutindo cada questão e os membros sempre dispostos a ouvir qualquer Lycan antes de tomar uma decisão, mas, em última análise, todos nós respeitávamos as suas decisões. Eles chegaram a uma pequena clareira. Uma grande árvore caída, o tronco deitado em seu caminho. O espaço fornecia um ambiente no chão da floresta para arbustos, samambaias e flores crescerem em abundância. Branislava estendeu os braços e se virou em um círculo lento. O luar caia com toda sua riqueza sobre o cabelo vermelho, a luz o deixando em chamas. — O que você está fazendo? —Zev perguntou. — Vivendo, — ela respondeu, ainda girando como uma bailarina. — Estou vivendo, bem aqui, neste minuto perfeito. Tenho você, este belo local, a lua e o ar da noite. — Ela respirou fundo, inalando o cheiro da floresta e seu lobo profundamente em seus pulmões. — O que poderia ser mais perfeito do que este momento? Ele se aproximou, seu braço rodeando sua cintura, puxando-a com força, seus pés já pegando o ritmo da dança, se movendo na música que a noite fornecia. — Fazer amor com você é sempre perfeito. Beijar você é definitivamente perfeito. Dançar com você é pura perfeição. Ele a abraçou, ouvindo no gemido do vento uma melodia de instrumentos de corda tocar. A


187 pulsação da Terra se tornou o tambor, fornecendo uma batida constante. Ele a moveu ao redor da clareira, seus corpos em perfeita sincronia, fluía como a água sobre as rochas, deslizando primeiro para um lado e depois o outro. Branislava sentiu o corpo dele se movendo contra o dela, essa ondulação de poder absoluto com seus músculos definidos sob sua pele quente. Ela deitou a cabeça no ombro dele, sentindo como se estivesse flutuando nas nuvens. Haviam momentos de perfeição e queria reconhecer e capturar cada um e mantê-los perto de seu coração. Ela sabia, melhor do que a maioria, que o mal estava vivo e bem no mundo e elevaria sua cara feia em breve. Ela precisava dessa base com Zev, esses momentos perfeitos para adicionar ao seu arsenal de armas. Tinha que se tornar uma arma como Zev já era. Eles precisavam ser imparáveis. — Qualquer um pode participar? — Dimitri girou Skyler para a clareira, e em seguida, puxou-a com força contra ele, seu jogo de pernas suave guiando-a ao longo dos galhos e folhas. — Nós ouvimos a sua música nos chamando e não pudemos resistir. Branislava sorriu satisfeita. Dimitri ainda carregava as cicatrizes de seu encontro com a moarta de Argint — morte por prata. De alguma forma, Skyler conseguiu forçar as terríveis queimaduras desvanecerem ao ponto da quase invisibilidade. Ainda assim, Dimitri era muito bonito, e ele segurava Skyler em um aperto tão amoroso, íntimo, protetor que eles pareciam como se fossem um só, enquanto dançavam ao redor da clareira. Branislava sentiu o amor verter de ambos, como se fosse tão grande que nem podiam conter a emoção. Fen e Tatijana desceram inesperadamente de cima. Zev não fez mais do que recuar, então Branislava sabia que ele tinha conhecimento de que eles estavam por perto. Fen acenou com a mão e mais instrumentos se juntaram, aumentando a música na noite. Ele puxou Tatijana em seus braços. Ela se encaixou perfeitamente sob seu ombro e começaram a dançar. O ritmo no início foi suave e sonhador para que os homens pudessem manter suas mulheres perto enquanto se moviam ao redor da pequena clareira tão facilmente como se fosse um salão de baile. Pouco tempo depois, outro casal apareceu. Darius Daratrazanoff caminhou com sua companheira, Tempest, ao lado dele. Ele carregava uma criança que não poderia ter mais do que dois anos. Se moveram juntos sem uma palavra, o seu filho entre eles, enquanto Darius rodopiava ao redor com Tempest sob a lua. A suave risada da criança só contribuiu para a beleza do momento para Branislava. — Estamos tendo uma festa? A pergunta veio de um grupo de Cárpatos. Branislava vagamente os reconheceu. Eles formavam uma banda itinerante chamada Trovadores Escuros. — Hei Andor, — Julian chamou o menino de Darius e Tempest. — Podemos nos aproximar e dançar com você? Andor acenou alegremente para ele, irrompendo em um enorme sorriso que iluminou seus olhos escuros, olhos Daratrazanoff.


188 — Vocês se importam? — Desari perguntou a Zev e Branislava. — Isso parece tão divertido. Julian Savage e sua companheira, Desari, se moviam graciosamente juntos. Ela era irmã de dos homens Daratrazanoff. Ao lado deles, Barack e Syndil dançavam perto. Emergindo das árvores já se deslocando ao ritmo da batida, Corrine e seu companheiro Dayan, chegaram com sua filha Jennifer. Com certeza ela era uma criança de música. Ela começou girando e girando, e balançando no ritmo. — Não uma festa, —Zev disse, — apenas abraçando a minha mulher e dançando um pouco, mas todos são bem-vindos. Depois de alguns minutos de dança com Corrine, Dayan afundou no grande tronco de árvore e puxou sua guitarra para ele. Seus dedos dançavam sobre as cordas e música se derramou na noite. Barack se juntou a ele imediatamente, tocando baixo. Syndil ouviu a batida do coração da terra e, em seguida, chamou os tambores para ela, se juntando com a terra para adicionar seu ritmo. Corrine e Jennifer dançaram juntas, girando ao redor da pequena clareira, o som da risada de Jennifer se juntando com a de Andor. Razvan saiu dançando com Ivory diretamente da floresta, com os olhos cheios de riso, algo raro nele, a menos que tropeçassem em um momento privado entre Ivory e ele. Ela agarrada a ele, rindo com ele, seu olhar apenas para ele. Desari começou a cantar, sua voz aumentando com o vento, as notas pura, a afinação perfeita. A canção era de alegria e risos, acrescentando ao momento perfeito de Branislava. Branislava olhou em volta para as pessoas que amava. Seu sobrinho Razvan, que foi tão terrivelmente torturado por seu próprio avô, Xavier. Ivory, que foi traída por Xavier e cortada em pedaços por vampiros ligados a ele. Fen e Tatijana, sua amada irmã, presa com ela na parede de gelo no laboratório de Xavier. Dimitri e Skyler, uma jovem mulher gerada por Xavier através do corpo de Razvan e depois vendida como escrava sexual por seu bisavô. Havia alegria aqui e verdadeira felicidade. Xavier e seus irmãos foram pura maldade e ainda de alguma forma, o bem triunfara aqui, e seu momento perfeito provou isso.

Olhe para todos eles Zev. Essas pessoas, em sua maioria, são nossa família. Xavier tentou destruir todos eles, todos aqui, realmente, e ainda podemos nos unir como agora, com diversão e risos, uma festa improvisada com nenhuma razão real, exceto que você me ama o suficiente para dançar comigo porque sabe que eu gosto. Zev beijou a junção entre o pescoço e o ombro. Gostaria de dançar com você em qualquer

lugar Branka, e desfruto de cada momento te abraçando. Felicidade brotou. Essa era a coisa maravilhosa sobre Zev. Ela sabia que ele estava dizendo a verdade. Ele dançaria com ela em qualquer lugar, simplesmente porque ela gostava de dançar. Ela olhou para sua irmã, tão perto de Fen. Fen era um bom homem e já pensava nele como um irmão. A maneira como ele olhava para Tatijana era linda. O olhar de Tatijana encontrou o dela e sorriu. — Eu a amo tanto Zev, — ela sussurrou contra seu peito. — Queria muito que ela escapasse e fosse capaz de viver a vida, dançar assim sempre que possível e encontrasse um homem que a amasse acima de tudo. Creio que o meu desejo se tornou realidade. — Satisfação pontuando suas


189 palavras. — Vejo que vocês estão tendo uma festa praticamente no meu quintal, mas não acredito que fui convidado, por isso estou invadindo. — Mikhail anunciou sua presença. Ele girou Raven e os dois dançaram juntos, se movendo com uma graça fluída com a música. Alexandru correu para Jennifer e Andor. Jennifer pegou as mãos de ambos os meninos e eles começaram a dançar juntos em um círculo. Zev riu. — Olha o que você começou Branka. — E achou que estávamos em apuros com o príncipe. Quem sabia que ele gostava de dançar? — Não gostam todos? — Zev cutucou e indicou o casal entrando na clareira. Gregori e Savannah se juntaram a eles, o que não foi uma surpresa, já que Gregori tendia a estar sempre onde o príncipe estava. As duas meninas, Anya e Anastasia, correram para se juntar às outras crianças enquanto seus pais dançavam. A pequena área parecia estar se transformando, cada vez maior, mesmo as moitas e arbustos se dissiparam, dando aos casais uma pista de dança. A lua olhava para eles, acrescentando luz, enquanto a banda tocava. Estrelas espalhadas por todo o céu da noite, brilhando como diamantes, dando-lhes um teto de beleza. Branislava virou o rosto para Zev. — Isso é tudo você Lobinho, você é um milagre. — Ela o beijou até o pescoço, os dedos entrelaçados em torno de sua nuca, sob a pelagem longa e espessa do cabelo. — Não sei como você faz tudo tão maravilhoso. Fen e Tatijana aproximaram dançando. Fen deu um pequeno bufo de escárnio. — Lobinho? Eu ouvi você chamar esse homem de Lobinho? — Não, não ouviu, — Zev negou, dando-lhe uma carranca feroz. — Vá embora, Fen. — Dimitri. — Fen continuou a segurar Tatijana perto de sua irmã e Zev enquanto dançavam. Esperou até que Dimitri se aproximasse dele e se inclinou. — Ela o chama de Lobinho. Dimitri olhou para Zev com um largo sorriso no rosto. Ele abriu a boca para o provocar, mas um vislumbre da expressão mortificada de Branislava. Pequenas chamas minúsculas começando a piscar em seus olhos. Ele fechou a boca e levantou a sobrancelha para o seu irmão. — Realmente, Fen, você não deve escutar conversas privadas. — Foi tudo o que pôde fazer para não rir, mas manter uma cara séria abanava a ira crescente de Branislava. — Mas Lobinho? Vamos mano, isso apenas se adapta perfeitamente a nosso irmãozinho. Ele é como uma espécie de grande urso de pelúcia, você não acha? Então Fen girou Tatijana para longe dele, ele deu um passo para trás, seu pé esquerdo afundou um pouco no chão da floresta. Rubra Myrmica11, a formiga de fogo da Romênia, subiu pela perna dele mordendo e picando. Fen acenou com a mão e as formigas se acalmaram instantaneamente, correndo de volta para


190 o chão e desaparecendo. Ele olhou para Branislava, que estava parecendo muito inocente. — O jela peje terád, emni — o sol te queime, mulher! — Tatijana não ajudou a sua causa, cobrindo a boca e claramente rindo das palhaçadas de sua irmã. — Tendo problemas ai, Fen? —Mikhail perguntou. Suas feições pareciam relaxadas, muito mais jovem. O riso brotava e extravasava de seus olhos geralmente sombrios. — As malditas mulheres Dragonseeker tem propensão à vingança, Mikhail, — Fen disse. — Você precisa falar com elas sobre isso. — Eu não, — Mikhail apressadamente negou. — Não estou recebendo esse lado ruim. — Ele dançou para longe rindo. Fen também riu, trazendo Tatijana para perto dele. — Sua irmã é uma coisinha ardente. Imagine ficar ofendida só porque eu a ouvi chamar Zev com esse apelido ridículo. — Imagine, — Tatijana ecoou, aconchegando-se mais perto. — Pelo menos ela não colocou fogo em seu cabelo. — Ela passou a mão sobre seu cabelo longo, grosso e nitidamente prateado com fios pretos entrelaçados caindo em ondas sobre as costas. Estava amarrado na nuca com um cordão de couro, mas deslizava quase até a cintura. — Eu odiaria ter você careca e queimado. Fen a puxou mais perto, como se para se proteger. — Ela não se atreveria.

Me atreveria, Branislava assegurou. Fen não pôde evitar o riso brotando. Ele e Branislava desataram a rir ao mesmo tempo. Zev e Tatijana, então Dimitri e Skyler acompanharam. Branislava se sentia como se estivesse em uma festa de família. Parecia a coisa certa. Normal. Linda. Perfeita. Ela nunca havia imaginado que pudesse ter tal diversão e felicidade, não quando estava congelando e assustada, atrás daquela parede de gelo. Mais dançarinos apareceram. Para sua surpresa Zacarias Da Cruz levou Marguarita para dançar no chão da floresta com os outros. Ela deveria saber que ele seria um bailarino gracioso. Ele segurou sua companheira perto com muito amor, de modo algum ele parecia o predador perigoso sombrio, que ela sabia que ele era. Nicolas, o irmão de Zacarias, veio atrás dele, levando Lara, sua companheira. O coração de Branislava pulou de alegria. Lara, sua sobrinha-neta, estava linda e feliz, brilhante mesmo, obviamente feliz com seu companheiro. Lara foi aquela a voltar para as cavernas de gelo, em busca de suas tias, ela era uma menina, uma criança quando Tatijana e ela a ajudaram a escapar, e Lara ainda não tinha certeza se sua infância fora real. Ainda assim, ela voltou para libertá-las de sua prisão horrível. Era bom vê-la tão feliz. Rafael e Colby, outro irmão Da Cruz e sua companheira, entraram na clareira com Juliette e Riordan, o irmão mais novo. Rindo, os homens giravam as mulheres no meio dos dançarinos. Por último veio Manolito Da Cruz, com MaryAnn. Eles eram de sangue misturado, como Dimitri, Fen e Zev, carregando tanto sangue Lycan como sangue Cárpato. Eles eram considerados Sange rau pelo Lycans e sob uma sentença de morte, enquanto os Cárpatos acreditavam que eram Han ku pesak kaikak,


191 guardião de todos. MaryAnn riu baixinho quando Manolito a girou e a puxou para perto dele novamente. — Isso é tão maravilhoso, —Branislava disse. — Olhe para as crianças. Ouça-as rir. Em seu mundo, nas profundezas do gelo, nem ela nem Tatijana nunca tiveram a chance de ser uma criança risonha. A pequena Lara também foi usada por Xavier como alimento. Mesmo Razvan, sob o controle de Xavier, havia se alimentado dela. Não havia dúvida que, como Branislava e Tatijana, os braços e pulsos de Lara estavam cobertos de cicatrizes. Branislava queria substituir cada momento feio da sua própria infância com momentos especiais como este. Stefan o filho de Jacques e Shea se juntou ao círculo das crianças rindo. Ela procurou ao redor pelos filhos de Falcon e Sara. Normalmente, aonde uma criança ia as outras sempre seguia. — Sara está prestes a dar à luz e as crianças queriam ficar perto dela, —Zev disse. — Gregori acabou de me dar a notícia de que ela está em trabalho de parto. Ela era humana antes de Cárpato, e ela está muito mais confortável usando um parto humano. Shea é médica e ela está com ela, é por isso que Jacques está aqui sozinho com seu filho. — Existem complicações? — Branislava de repente estava ansiosa. Entre os ataques do exército do Círculo Sagrado havia pouco tempo para se divertir ou regozijar. Um bebê recém-nascido só aumentaria à beleza da noite. — Se houver complicações, Gregori e Skyler serão chamados imediatamente. Provavelmente você e Tatijana também, — Zev assegurou. — Feche os olhos. Ela o fez, a cabeça apoiada em seu peito, diretamente sobre o coração. Imediatamente, ela teve a sensação de flutuar por entre as nuvens, seu corpo leve e arejado. Seu perfume masculino, o aroma do guardião da floresta combinado com o seu cheiro selvagem, predador, encheu seus pulmões e enviou calor correndo por suas veias. Ela sempre o queria, se eles estavam sozinhos, ou no meio de uma multidão. O sentimento a encheu de felicidade. Ela tinha visto a dança de salão na mente de Tatijana. As duas haviam repetido as danças mais e mais, praticando os passos na memória, mas a sensação real de dançar com Zev, flutuando sobre o chão da floresta e até as nuvens era muito mais surpreendente do que as danças que ela tanto invejava. Por fim, Zev e Branislava encontraram um lugar ao lado, onde eles puderam sentar na grama macia e assistir os outros casais. Ela se aconchegou perto dele. Um dos lobos do Ivory enfiou a cabeça por cima do ombro dela, enquanto outro deitava ao lado dela, observando Ivory e Razvan em cada movimento. Branislava afundou os dedos no pelo grosso e macio. Amava cada sensação tátil que podia encontrar, quando presa, sob a forma de um dragão atrás de uma parede de gelo, nunca teve a oportunidade de conhecer muito mais do que frio e dor. Ela tinha aprendido a ter paciência e aceitação — todos eles tinham. Elas não tinham outro recurso, mas agora que estava livre, não conseguia parar de tocar as coisas, querendo experimentar tudo por si mesma. Tatijana era igual. Sentada tão perto de Zev, a grama debaixo dela, as estrelas sobre ela e o braço dele a segurando perto, um lobo em seu colo, ela experimentou a verdadeira


192 felicidade. Branislava colocou a cabeça no ombro de Zev, forçando o lobo de pé atrás de eles a usar o outro ombro de Zev. — Adoro ver as crianças. Olhe a pequena Anya dançar. Ela tem ginga, não é? Zev seguiu o olhar de Branislava para a menina se remexendo com entusiasmo. Sua irmã era igualmente selvagem, ambas sentindo claramente a batida da terra e da bateria de Syndil mais do que a guitarra. — Elas são lindas. Nós vamos ter que ter gêmeos. Meninas. Posso só imaginar o problema que nós vamos ter com você como mãe e Tatijana como tia delas. — Seu coração se encheu com o pensamento de sua filha, ou filhos, crescendo dentro dela. Branislava riu suavemente. — Ou você como pai. Me recuso a aceitar toda a culpa. Posso imaginar que tipo de menino mandão você foi. Ele foi mandão. Tomou muitas vezes a liderança de qualquer atividade e as outras crianças sempre o seguia. Mais tarde, quando tinha apenas sete anos e autorizado a caçar com o pai e os membros do bando, lhe era dado geralmente uma posição-chave. — Foi um alívio para o meu pai e os outros na hierarquia do bando quando fui enviado para a escola de elite, — ele admitiu. — Me mandaram quando eu era apenas um menino, mas podia voltar para casa em visitas. Por fim, as visitas ficaram mais e mais distantes. — Havia pesar em sua voz. — Minha personalidade era muito alfa e era difícil ter mais de um alfa no mesmo bando, mesmo que eu fosse um menino. Ela esfregou o rosto ao longo do braço, como a gatinha que muitas vezes ele se referia a ela. Ele pensou que realmente a ouviu ronronar, mas quando olhou para ela, ela tinha os olhos fechados. — Amo você do jeito que você é Zev. Fen e Dimitri são dois machos alfas e eles se dão muito bem com você, — ela murmurou, sua voz amorosa. Ele queria sorrir para ela. Ela era sua gatinha feroz, vindo em sua defesa, mesmo quando não havia necessidade. Ele era quem ele era e tinha aceitado isso há muito tempo. Talvez a ferocidade dos Dark Blood o levasse a ser o lobo feroz que ele era. Inteligência desempenhava um papel importante, ele sabia disso, mas a pessoa também tinha que estar disposta a caminhar sem medo e sozinha em extremo perigo com confiança absoluta. — Não tinha ideia quando cruzei o caminho do bando de renegados algumas semanas atrás, — ele disse, acariciando o topo de sua cabeça com o queixo, — que teria alguma vez tal presente entregue a mim. Não vou mentir, o que seria impossível de qualquer maneira, tive certos impulsos para estar com uma mulher, mas nunca pensei em ter uma companheira na vida. Nem uma só vez. Não achei que seria possível encontrar uma mulher que pudesse me aceitar do jeito que eu sou. Ou alguém que estaria disposto a estar ao meu lado lutando contra os bandos de renegados, caçando vampiros ou protegendo os membros do Conselho. Zev entrelaçou os dedos com os dela e levou a mão à boca, os dentes raspando suavemente para trás e para frente sobre os nós dos dedos. Ele sentiu o calor dela respondendo, seu corpo quase brilhando com a demanda repentina se espalhando por suas veias. Como não poderia desfrutar a aceitação imediata de sua atenção por ela? Se ele a tocasse, sabia que estaria úmida e pronta para ele. Não demorava muito para ele acender o fogo que sempre ardia nela. — Amo que você me pertença, — ele sussurrou em seu ouvido, seus dentes provocando seu


193 lóbulo. Fen se aproximou girando Tatijana. Não coloquem fogo no capim vocês dois, ele advertiu. Zev e Branislava olharam rapidamente para ter certeza de que não havia chamas ou faíscas para pôr fogo na vegetação. O chão estava frio ao toque e a folhagem permanecia intacta. Eles se entreolharam e riram como crianças. — Ele é tão mau, — Branislava disse. — Por um minuto eu realmente cai nessa e acreditei nele. Você pode imaginar colocar a floresta em chamas com todos dançando? Especialmente o príncipe? Gregori teria algumas coisas a dizer para nós. — Iria vale a pena, — Zev disse com firmeza. — É verdade, mas se comporte de qualquer maneira. Talvez precisemos de dois lobos para se sentar entre nós, — ela sugeriu, mas não se moveu. Gregori e Savannah se sentaram ao lado deles. A companheira de Gregori parecia feliz. No momento em que ela estava sentada, suas duas meninas correram até ela, arremessando seus pequenos corpos em cima dela. Ela tombou para trás, arrastando-as com ela, rindo enquanto as abraçavam com força. Elas levantaram rapidamente e correram para acariciar os lobos. Não os tocaram até que olharam para Gregori por permissão, embora claramente elas já estavam se comunicando com eles. Gregori indicou Ivory e Razvan. — Esses dois são os líderes do bando. Se você quiser brincar com eles, vocês precisam pedir educadamente. E se eles disserem não, não façam beicinho. Se eles disserem que sim, agradeça-os imediatamente. Alexandru correu e se jogou no colo de Gregori. Instantaneamente os braços de Gregori envolveram o menino, segurando-o perto. Ele deu um beijo no topo da cabeça de Alexandru. — Você está se divertindo? Alexandru assentiu e rodeou o pescoço de Gregori com um pequeno braço, inclinando-se para sussurrar algo em seu ouvido. Ele apontou para os lobos e filhas de Gregori. — Elas estão pedindo permissão a Ivory e Razvan agora, —Gregori assegurou, mantendo um olho em suas filhas enquanto corriam pelo meio da multidão para os dois guardiões dos lobos. Branislava escondeu o sorriso por trás da mão. O severo Gregori era certamente muito mais do que protetor e braço direito do príncipe. Sua máscara de perigoso normalmente era completamente substituída em torno das crianças e sua companheira. Imaginou Zev assim com seus filhos — e com ela. Para os outros, ele pode parecer muito assustador, mas sua família sempre conheceria o homem real, assim como Savannah e suas filhas conheciam. Aparentemente o filho do príncipe também. Ela observou Anya e Anastasia olhando para cima e puxando na perna da calça de Razvan. Ele imediatamente parou de dançar e se agachou ao nível dos olhos das duas meninas. Ivory se inclinou para ouvir o que foi dito. Branislava observou que, embora Gregori parecesse ter a sua atenção sobre Alexandru, seu olhar cintilou muitas vezes para as suas filhas.


194 Razvan olhou para Ivory. Alexandru prendeu a respiração. Razvan disse algo e Ivory assentiu. Ambas as meninas bateram palmas, sorrindo, mas ficaram sérias quando o casal continuou a falar com elas. Elas acenaram mais e mais, e então se viraram. Branislava pegou a carranca instantânea de Gregori, mas ele sorriu quando elas se viraram, agradecendo claramente o casal. Ela observou que tanto Razvan como Ivory se comunicavam com seus lobos. Quando Razvan voltou a tomar Ivory em seus braços, mais dois lobos saltaram de suas costas e galoparam até os dois sentados pacientemente nas laterais com Branislava e Zev. Alexandru pulou do colo de Gregori e correu com as meninas para afagar e adorar os lobos. Branislava observou que Mikhail e Raven dançaram perto de Ivory e Razvan, claramente lhes agradecendo por dar às crianças a oportunidade de estar com lobos adultos. Ela sabia que muitas vezes filhotes de lobos eram trazidos para as crianças aprenderem a tratá-los, mas os lobos de Razvan e Ivory faziam parte de um bando de caça e, normalmente, ficavam distantes dos outros Cárpatos. Branislava observava as meninas se aproximarem dos lobos. Elas fizeram muito lentamente, com as mãos estendidas para os animais, lhes permitindo sentir o cheiro. Alexandru se inseriu entre as duas meninas de modo que Anastasia deu espaço. Ela se aproximou e sussurrou em seu ouvido. Branislava sentiu seu coração virar com a visão das duas cabeças pequenas pressionadas tão juntas. Claramente Anastasia estava instruindo Alexandru sobre o que Ivory e Razvan tinha dito para as gêmeas sobre se aproximarem dos lobos. O filho do príncipe estava muito solene quando estendeu a mão para o lobo alfa primeiro. Ele abaixou sua cabeça como se mostrando o seu respeito. — Eles são lindos, — ela disse a Savannah. — Verdadeiramente belos. Quando Alexandru se aproximou e ficou entre as gêmeas, houve um momento em que pensei que o terreno ondulou. Você sentiu isso também? Savannah trocou um olhar com Gregori. Ela balançou a cabeça lentamente. — Sim. Os três juntos são poderosos, mesmo com a sua idade. É um pouco desconcertante. Gregori estendeu a mão e pegou a mão de sua companheira. — Eles são inteligentes e têm bom humor, todos os três. Vai ser uma aventura criá-los, mas eles vão ficar bem. — Ele lhe beijou mão. — Nós vamos ser os únicos com cabelo grisalhos. Zev riu. — Eu acabei de dizer a Branislava que precisávamos ter gêmeas. Fen e Tatijana sentaram ao lado deles. Fen deu um suspiro de escárnio. — Você vai ser o único Cárpato com cabelo grisalho. Desde que o cabelo da Fen era muito impressionantemente raiado com prata, Zev não pude deixar de rir de sua declaração. — Espere, você vai ser o único com quádruplos. Já aconteceu? Quatro meninas Dragonseeker, todas com inclinação a vingança. Dimitri bateu na cabeça de seu irmão mais velho. — Isso seria a punição adequada para você. Skyler piscou para Branislava. — Aposto que podemos fazer isso acontecer também. — Eu ajudaria, — Gregori ofereceu.


195 — Hei, — Tatijana protestou. — Eu seria a pessoa que as carregariam. Seria um balão. — Mas bonitinha, — Fen disse, puxando-a para perto. — Muito bonitinha. Mikhail levantou a mão, e os dançarinos imediatamente pararam de dançar conforme a música desapareceu. Ele entrou no meio da clareira com um sorriso no rosto. — Temos um recém-nascido. Sara e Falcon tem uma bela — e saudável — garotinha. Um grito subiu e Branislava se viu gritando com os outros. Ela abraçou Zev perto. — Não poderia ter pedido por um melhor final para a diversão desta noite, — ela sussurrou. — Eles escolheram o nome de Isabella para a sua filha. Isabella Sara, — Mikhail anunciou.


196 Capítulo 16

Branislava olhou para o quarto de Arno, seu coração afundou. Ela deveria saber que Xaviero não iria esperar muito tempo para atacá-los. Os Lycans estavam sob vigilância e observados o tempo todo, então quem teria cometido um crime tão terrível? — Pelo menos tivemos ontem à noite juntos, — ela sussurrou para Zev, e estendeu a mão para trás para fazer contato com ele. Ela precisava sentir a sua rocha, sua âncora quando o mundo ao seu redor girava em loucura. A noite anterior foi perfeita, e mesmo mais tarde, quando eles se sentaram em volta da casa de Mikhail, haviam discutido sobre os três magos só muito levemente, como se todos eles soubessem que precisavam tomar uma breve pausa de tocar muito de perto o mal. Zev começou a movê-la de sua frente, com o braço pressionando-a para ficar atrás dele, mas ela balançou a cabeça. — Ainda não Zev. Algo não está certo, e preciso descobrir o que está errado antes de alguém entrar. Skyler estava trazendo uma refeição para ele e descobriu o corpo. Ela não entrou ou tocou em nada. Ela disse que quando começou a passar pela entrada, sua pele se arrepiou e se sentiu nervosa. — Arno obviamente está morto, — Zev apontou. — Há uma estaca de prata saindo do seu peito. Skyler é jovem. É claro que ela se sentiria nervosa. — Ela pode ser jovem Zev, mas ela é sensível a qualquer tipo de magia e há magia aqui. Magia negra. Mal. Eu posso sentir isso. — No momento em que os outros membros do Conselho descobrir que Arno está morto, eles vão querer respostas, — Zev insistiu. — Eles vão esperar que eu as tenha. — Só estou pedindo um minuto para avaliar a situação, —ela insistiu, em um tom mordaz. Ela já estava nervosa, temendo que já soubesse quem tinha estado ali e por que. Zev imediatamente levou sua mão até a nuca dela, os dedos aliviando a tensão. — Sinto muito Branka. Não tinha o direito de jogar as minhas emoções sobre você. Arno tem sido meu amigo há muitos anos. Eu gostava muito dele. Ele era um homem muito sábio e nunca tirou conclusões precipitadas. Mesmo quando suas próprias crenças dizia uma coisa, ele tentava manter a mente aberta e realmente ouvir e dar crédito para o outro lado da questão. Ele deixa para trás uma família amorosa que contava comigo para mantê-lo vivo. Ela encostou a cabeça em seu peito, em um esforço para consolá-lo, mesmo quando o seu olhar inquieto percorria o quarto. Do chão ao teto. Todas as quatro paredes. O quarto parecia intocado, e se não fosse pelo corpo de Arno no centro exato, seu corpo em uma poça de sangue, com os braços e as pernas abertos e uma estaca de prata saindo de seu peito, ela não poderia ter sido tão cautelosa. Ela levantou os braços e chamou símbolos12 no ar.


197 Invoco Thurisaz, aquilo que reage, Invoco Quenaz, aquilo que dá visão e percepção, Invoco Algiz, aquilo que dá proteção e porto seguro, Invoco Ansuz, aquilo o que revela o que está invisível.

12

Thurisaz, Kenaz, Algiz e Ansuz são símbolos Runas.

Imediatamente runas apareceram em todas as paredes, subindo do chão ao teto e se espalhando por toda ela. Sua respiração ficou presa na garganta. — Zev, ele usou o sangue. Este é um feitiço muito perigoso. Até que eu possa desfazer o que está feito, não se atrevem a entrar. — Quem é ele? —Zev perguntou, seus dedos apertando em torno de sua nuca. — Só um Alto Mago poderia fazer isso. Ele está aqui. Perto. Este é o trabalho de Xaviero. Ele preferiu usar o velho alfabeto para lançar feitiços, ao contrário de Xavier ou Xayvion. Poderia reconhecer isso em qualquer lugar. — Ele não poderia ter enviado um aprendiz para fazer seu trabalho sujo? Ela balançou a cabeça, lutando para manter seu estômago agitado no lugar. Nunca houve dúvida em sua mente que Xaviero havia introduzido as sombras-do-mago nos Lycans. Ela ouviu a sua voz, mas ele estava longe — assim ela pensou. Ele tinha que ter estado presente na sala para colocar tal magia. — Não. Ele esteve aqui. — Sua boca estava tão seca que mal conseguia pronunciar as palavras. Tocou a mente de sua irmã para ter certeza de que ela estava segura. Ele está aqui Tatijana.

Nas montanhas dos Cárpatos. Ele matou Arno. Vá para a terra, onde não pode entrar. A caverna sagrada dos guerreiro, talvez, mas fique segura. Ela sabia que Zev a ouvia, ele estava incorporado profundamente nela. Sentiu-o em sua mente, derramando força dentro dela. — Por que ele iria arriscar tudo e vir aqui sozinho? — Zev fez um gesto na direção do corpo de Arno. — Por que matá-lo e não vir atrás de mim? — Ele precisava conhecer o seu inimigo. Se você foi, inadvertidamente, um espinho no pé dele, vertendo água sobre os incêndios que ele criou entre os membros do Conselho e entre os bandos, destruindo renegados e matando seus assassinos, ele vai querer você morto. Ele sabe agora que eu estou com você, e matando um de nós, ele vai matar nós dois, — ela explicou. — Como? — Arno disse a ele, é claro. Arno, não importa o quanto ele tentasse, nunca teria sido capaz de resistir contra o Alto Mago, como Lyall foi incapaz de evitar que eu o interrogasse. — Posso descobrir exatamente o que Arno disse a ele, e talvez até mesmo os seus planos, —


198 Zev disse. — Eu posso acessar as memórias de Arno. — Você não acha que Xaviero sabe disso? Ele deixou a cabeça intacta. Ele queria que alguém entrasse na sala e tentasse salvar Arno. O quarto é uma armadilha enorme e perigosa. O cérebro de Arno também. Assim que entrarmos lá, será muito melhor cortar a cabeça e queimar o corpo o mais rápido possível, — Branislava se opôs. — Você pode remover o perigo? — Perguntou Zev. Ela percebeu que ele não tinha concordado com ela. Virou-se para olhar para ele por cima do ombro, seu coração afundou. Zev era um homem de integridade. De lealdade. Do dever. Ele iria encontrar suas respostas de uma maneira ou de outra, e o perigo não desempenharia um papel de sim ou não, ele simplesmente fazia o seu trabalho. — Posso nos levar para o quarto, — ela disse lentamente, seu olhar agarrado ao dele. Ela não queria que ele fizesse isso, mas ele faria, e se ele ia por esse caminho, ela ia com ele. Gregori entrou atrás deles. — Skyler e Dimitri me disseram. Mikhail está a caminho. — Não! — Ambos disseram simultaneamente. Zev suspirou. — O mago esteve aqui. Xaviero. Branka está certeza que ele matou Arno e criou armadilhas na sala e, provavelmente, sobre o corpo também. Gregori olhou de eles para as paredes, o teto e o chão coberto de runas sangrentas. Ele franziu o cenho. — Você pode desvendar isso? Ou encontrar uma maneira de combatê-lo? Existe até mesmo um feitiço para isso? Talvez devêssemos queimar tudo Branislava. Zev balançou a cabeça. — Você sabe que nós precisamos da informação que Arno pode nos dar. Se Branka realmente não conseguir encontrar um caminho, vamos queimar tudo, mas precisamos de informações. Qualquer coisa para nos dar pistas de onde Xaviero está e quais são seus planos. — Ele não iria dizer esses planos a Arno, sabendo que você iria tentar acessar suas memórias, — Gregori protestou. — Isso é verdade, — Zev disse. Ele colocou o braço em volta Branislava e a segurou por um longo momento. — Mas as pistas estarão nas armadilhas. Ele não seria capaz de colocá-las sem dar algo de si mesmo. Não é assim que funciona Branka? Ela não queria admitir que ele estivesse certo. A fim de obter as informações, eles precisavam enfrentar cada armadilha, desmontá-la e passar para a próxima. Quanto mais armadilhas, mais informações Xaviero seria forçado a deixar para trás, querendo ou não. Primeiro, ela teria que ter certeza que o quarto estava seguro e que a informação não fosse uma pista falsa plantada por Xaviero. Ninguém mais, exceto Tatijana, conhecia-o muito bem. Ela era a única enfrentado o trabalho do mago, porque ela não estava prestes a deixar a sua irmã fazer isso. — Sim, — ela respondeu com relutância. — É assim que funciona. — É possível que você nos instrua telepaticamente? —Zev perguntou. — Você olha para o seu trabalho e, em seguida, nos diz como desfaze-lo? Fundido com você, não serei capaz de ver o que


199 precisa ser feito quando você descobrir? Branislava balançou a cabeça. — Se opor contra um feitiço do Alto Mago é muito perigoso sem saber o que está fazendo. É muito complicado e detalhado, camadas sobre camadas. Tudo assim perigoso não pode ser gerido desta forma Zev, mas obrigado. Sei que você está apenas tentando me esconder da presença dele. Arno deve ter contado a ele sobre mim. Ele me viu questionar Lyall, e, sem dúvida, Xaviero já sabe quem eu sou. Não há nenhum ponto em tentar se esconder dele. Zev endureceu, seu braço apertando ao redor dela. — Se ele sabe sobre você, sua armadilha vai ser muito específica para você, não é? Ela encolheu os ombros. — Isso faria sentido, mas acho mais provável, que seja específica para você. Talvez não seja a primeira, a primeira é definitivamente usar o corpo de Arno para atrair mais uma vítima para dentro do quarto. Se não fosse Skyler quem encontrou o corpo, Xaviero podia ter feito exatamente isso. Você quase entrou na sala. Ele teria triunfado logo em seguida. Mikhail apareceu no corredor atrás de Gregori. — Arno está morto. — Era mais uma afirmação do que uma pergunta. A pergunta era para Gregori, questionando o que aconteceu.

Eu pensei que você ia mantê-lo longe daqui, Zev disse. Gregori sacudiu a cabeça e fez um gesto para as runas escritas em sangue cobrindo as paredes e o teto da sala. — Ele teve um visitante. Um mago escorregou pelos guardas durante o dia.

Não há como controlar Mikhail. Ele é responsável pelo Conselho Lycan e carrega esse peso pesado em seus ombros. Só posso protegê-lo, não controlá-lo, Gregori respondeu a Zev. Não invejo seu trabalho, Zev disse a Gregori. Gregori olhou para o quarto e os símbolos sangrentos que cobriam as paredes. Neste

momento, não invejo o seu. — Quem foi designado especificamente para protegê-lo? — perguntou Mikhail. O olhar de Branislava saltou para o príncipe com súbita apreensão. Ela podia sentir a mudança em Zev. Seu rosto permaneceu inexpressivo, mas no fundo, havia uma pequena onda de mal-estar. Ela não tinha pensado quem deveria estar guardando Arno e o que aconteceu com ele, ou que o Lycan fosse alguém próximo a Zev. — Um dos meus melhores, — Zev respondeu devagar. — Arnau. E ele é o filho de Arno. Ele é um caçador de elite e um membro do meu bando. Seu quarto é logo ali. — Ele indicou a porta logo à esquerda do quarto do Arno. Gregori deu um passo para um lado da porta e acenou com a mão para o príncipe, como se o enxotando de lado. Branislava teria rido com o gesto, se a tensão não estivesse tão alta. O príncipe não moveu um passo. Gregori enfiou a mão em direção à porta e abriu. Arnau pulou através do espaço aberto, já meio homem, meio lobo, seu focinho pingando saliva, a loucura em seus olhos avermelhados. Ele tinha um alvo e caiu diretamente sobre ela, levando Branislava para o chão, suas garras rasgando a barriga e os dentes ao redor de seu ombro esquerdo, para cima, em direção a seu pescoço.


200 Zev reagiu primeiro, lançando pelo ar a uma velocidade indefinida, as botas batendo em Arnau diretamente nas costelas, tirando o Lycan de cima de Branislava. O Lycan rolou e voltou para seus pés, seu olhar visando Bronnie. É evidente que para ele, não havia mais ninguém no corredor estreito. Ele não fez nenhum som, apenas atacou uma segunda vez, impulsionando-se para frente, fechando a distância entre eles rapidamente. Mikhail entrou na frente Branislava, uma estaca de prata na mão. O Lycan usou suas garras para passar por cima o príncipe, rasgando a carne de seu peito e ombros enquanto ele saltava sobre ele. Gregori amaldiçoou e puxou Mikhail para trás e longe do Lycan enlouquecido pelo mago. Arnau bateu Zev diretamente no peito conforme Zev se materializou bem onde Branislava estava. Eles olharam nos olhos do outro. A estaca em seu punho direito penetrou através da parede torácica, através do músculo e tecido, direto para o coração. Zev colocou o braço em torno de Arnau e gentilmente o baixou no chão. Ele foi com ele, se agachando. Arnau tentou falar. Zev acenou várias vezes. Sua tristeza era palpável, tão intensa que Branislava sentiu lágrimas queimando em seus olhos. — Eu sei, — Zev disse baixinho para Arnau. — Boa viagem meu amigo. — Uma mão em torno de Arnau, segurou o olhar do Lycan com o dele quando a vida desapareceu dos olhos do caçador de elite. Ele ficou ao lado do corpo por um longo tempo, com a mão alisando o cabelo do caçador e então deslizando os dedos sobre a máscara da morte para fechar os olhos de Arnau. Ele se levantou lentamente, como se o peso de seu amigo pesasse sobre seus ombros. Respirando, desembainhou a espada e cortou a cabeça dos ombros em um movimento suave. Houve um silêncio na sala. Gregori foi o primeiro a se mover. — Mikhail, este será um longo trabalho para Bronnie e Zev. Talvez seja melhor se cuidarmos de outros assuntos e lhes permitir realiza-lo. Envie uma mensagem para Fen e Dimitri. Eles trabalham bem com Zev, e se suas companheiras estão presentes, ambas são poderosas por si mesmas. A combinação desses seis poderia muito bem derrotar os planos do Xaviero. — Em outras palavras, —Mikhail disse. — Você gostaria de me colocar em uma bolha e me manter seguro. Zev limpou sua espada e a guardou lentamente e reverentemente na bainha. — Todos nós queremos você seguro Mikhail. Seja o que for que Xaviero fez aqui não pode tocar em você, ou ele ganha. — Ele virou a cabeça, seus olhos encontrando o príncipe. — Não estou disposto a deixá-lo vencer. Ele levou muitos bons homens com o seu mal. Temos que impedi-lo. Mikhail assentiu. — Eu concordo. Basta ter cuidado. Branislava se moveu sob o ombro de Zev, deslizando o braço em volta dele quando eles se voltaram para a porta aberta e o corpo do pai de Arnau.

Sinto muito Zev. Não havia palavras certas. Ela sentia sua dor, a tristeza intensa que ele se recusou a permitir que os outros vissem. A morte de seu amigo só aumentou sua determinação em destruir Xaviero antes que ele pudesse machucar mais alguém.


201 A única indicação de que Zev a ouviu foi um suave roçar de sua mente contra a dela. Seu rosto não mudou de expressão e seu olhar não desviou do quarto. — Onde é que vamos começar? — ele perguntou. Branislava endireitou os ombros e caminhou até a porta, estudando cuidadosamente os símbolos. — Primeiro eu tenho que limpar a sala e expulsar os demônios que ele estabeleceu aqui. Ele os trouxe através dos portões do inferno. Eu os vi fazer isso mais de uma vez, e tudo o que vem através pode ficar preso deste lado. Zev franziu a testa. — Não posso lutar contra o que não posso ver. — Não será esse tipo de luta, — ela respondeu. — Você não pode entrar fisicamente naquela sala sem ser morto. Os demônios ficam de guarda como eles foram ordenados a fazer e esperam por sua recompensa, a carne e o sangue de uma criatura viva. — Já ouvi falar de guerreiros das sombras, os mortos trazidos de volta para servir o mago. Ela balançou a cabeça. — Guerreiros das sombras eram homens que lutavam com honra, e um mago capturou seus espíritos e os obrigou a servi-lo. Estes são demônios, seres do mal que o mago não pode forçar servi-lo. Ele faz uma troca com eles. Neste caso, ele está negociando o seu serviço pela oportunidade de saborear a carne e o sangue. Seu ou meu especificamente. Zev passou a mão para a faca como se ansioso pela batalha. — Vamos fazer isso. Me diga o que fazer. — Nós somos um, nossas almas estão entrelaçadas, por isso, ele acredita que se matar um de nós, mata o outro, —ela explicou. — E ele está certo, —Zev confirmou. — Ele não sabe que nossos espíritos estão vinculados. Se qualquer um de nós for puxado para o outro mundo, pelo que vejo aqui, poderia ser o seu plano, os demônios devoram o nosso corpo e nosso espírito entrará no outro mundo, onde seu irmão espera o coletar na esperança de que ele possa ser ressuscitado. Zev xingou baixinho. — Sou um homem que luta com o que está diante de mim, não com fantasmas, —ele disse, sua voz rouca, o rosnado não muito longe. — Como diabos você impede que seu espírito entre em outro reino, ou o seu corpo seja devorado por demônios? Ela estendeu a mão e gentilmente esfregou o pulso dele. — Não sei se esse é o plano Zev, — ela admitiu. — Estou tentando adivinhar e me preparar para qualquer possibilidade. Sei que eles falavam de tais coisas, o espírito tem de ser um conhecido para eles. Zev era um homem de ação, e essa luta exigia sutileza, conhecimento de feitiços, ambos, magia branca e negra. Sua respiração vaiou, uma explosão dura de protesto. — Ele quer o seu espírito. — Ele não sabia que eu estava aqui até que ele questionou Arno, — ela lembrou. — Mas ele é um oportunista. Só estou sendo cuidadosa.


202 Ela olhou para trás e o corpo de Arnau já tinha ido embora, a sala limpa como se nenhuma morte violenta tivesse ocorrido. Ela tocou sua barriga, onde as garras haviam cortado. — Não pode haver nenhum vestígio de sangue em mim, — ela acrescentou, levantando os dedos para examinar as provas do ataque do Lycan. Instantaneamente Zev girou em torno dela e realmente olhou para ela. — Branka, me desculpe. Eu estava pensando de forma egoísta com a perda do meu amigo. — Ele colocou a mão sobre as marcas de mordida em seu pescoço. Em vez de aliviar a ferida, a dor atravessou seu corpo. Ela se afastou dele, com os olhos arregalados. — Eu preciso de Skyler e Tatijana imediatamente, — ela disse e se deixou afundar no chão bem na frente da porta. — Diga-lhes que se apressem, — acrescentou. Fen e Tatijana surgiram primeiro, Tatijana ficou de joelhos ao lado da irmã. Seu olhar foi para o quarto e ela engasgou com a visão dos símbolos sangrentos. Branislava lhe agarrou a mão com força. — Fui mordido por um servo de Xaviero. — Arnau não era um servo de Xaviero, — Zev protestou. — Ele era um bom homem. — Ele se agachou ao lado de sua companheira. — Quando eu tentei curá-la com a palma da mão, o meu toque a queimou. Eu senti, Tatijana. Tatijana e Branislava olharam uma para a outra, numa espécie de horror. Tatijana agarrou a mão da irmã. — Ele lhe injetou com isca do demônio, não é? Eles vão correr para você. Zev passou os braços ao redor de sua companheira. — Fala numa língua que eu possa entender. — Nós temos que tirar isso dela, —Tatijana disse. — Eles vão encontrá-la. Neste reino ou no próximo, eles vão vir para ela. Eu conheço essa magia. Vi todos eles trabalhando em aperfeiçoá-la. Nós duas vimos. Bronnie podemos tirá-la de você. Branislava assentiu várias vezes, respirou fundo e se recostou contra Zev. — Agora, Tatijana, você e Skyler. Traga-a aqui. Onde ela está? — Dimitri e Skyler foram correr com os lobos esta noite com Ivory e Razvan, — Fen explicou, sua voz tão suave que Branislava teve que lutar contra as lágrimas. — Todos eles estão a caminho e devem chegar em breve. Ela sabia que ela era emocional. A maioria da emoção tinha a ver com o Zev — ou a falta dela. Ele empurrou seus sentimentos de lado, a fim de sobreviver às coisas que tinha que fazer, mas ela sentiu a tristeza o queimando pela perda de um homem que ele considerava da família. Ele se culpava por não atentar para as feridas dela imediatamente e por não encontrar uma maneira de impedir o que havia acontecido. Perder um membro do Conselho foi um grande golpe para ele. Perder Arnau, um membro do seu bando, foi ainda mais que um golpe pessoal. E agora sabendo que ele tinha esperado curá-la e ela estava infectada... — Nós estamos aqui, —Skyler disse, respirando com dificuldade, como se tivesse corrido. — Ivory também. O que você precisa?


203 — Ela foi mordida. Isca de Demônio foi transferida para seu corpo —Tatijana explicou. Ivory e Skyler olharam para além das irmãs, para o quarto. Milhares de runas sangrentas cobriam as paredes e teto, enquanto uma piscina escura de sangue cobria o chão. — Posso usar a isca para atrair os demônios para o exterior, —Branislava explicou. — É a única maneira de os enviar de volta de onde ele os puxou. Ele os trouxe do inferno. Os dedos de Ivory procurou a cruz ela sempre usava pendurada no pescoço. Seu punho fechado sobre ela. — Vi Xavier, pelo menos no momento eu pensei fosse Xavier, que pode ter sido um dos outros, mas eu jurei que as portas do inferno se abriram e ele saiu. Branislava ficou pálida, mas não respondeu. Em vez disso, ela olhou para Tatijana. Tatijana recuou imediatamente e levantou os braços. Seus olhos ficaram maiores, as esmeraldas escurecendo para um tom muito mais profundo.

Thurisaz, te invoco, Aquilo que pode trazer o caos, vontade instintiva, Ajude-me a extrair a proclamação que atrairá a escuridão dos demônios, Nascido de sangue, pelo sangue te ordeno sair.

Bolhas escuras apareceram em torno das feridas no pescoço e estômago de Branislava. As bolhas frisaram juntas para formar longos cordões. Os cordões mexeram e dançaram, até que finalmente uma cabeça apareceu em cada um. As pequenas criaturas se contorciam, banqueteando-se com as gotas de sangue antes de serem subitamente levantadas por uma rajada de vento gelado e conduzidas para a sala onde o corpo de Arno estava deitado. Branislava virou e ficou de pé ao mesmo tempo, um borrão de movimento, com as mãos para cima como duas armas. Sua respiração ficou presa na garganta. Tatijana ficou tão perto quanto possível. Poder saltou entre as duas mulheres. Branislava podia sentir o fluxo de energia que sua irmã vertia para ela. Skyler e Ivory se juntaram com Tatijana e o poder era tão forte que era quase difícil manejar. Ela sentiu Zev perto, estabilizando-a. Dentro da sala, as criaturas, longos vermiformes correram para se alimentar na poça de sangue sob o corpo morto. Houve um momento de silêncio absoluto, e depois o quarto se tornou vivo. Sombras escuras apareceram de todos os lados da sala e um caiu do teto, corpos se estenderam obscenamente, bocas esqueléticas escancarando amplamente, dedos com garras avançaram avidamente para arrebatar as iscas do demônio. Havia cinco deles. As formas sombreadas circularam os vermes escuros e corpo no chão. Branislava agitou as mãos graciosamente, desenhando símbolos no ar, o tempo todo cantando suavemente, mas a voz autoritária.


204 Aquilo que vem do escuro, Vejo você, conheço você, Retiro de você o espirito e a energia que foi roubado, Invoco Hagalaz13, aquilo que pode ser destrutivo descontrolado, Invoco a sua energia agora, Hagalaz, para usar suas forças de controle.

A voz de Branislava se avolumou com o poder. Ela sentiu o impulso adicional quando Skyler se juntou a Tatijana, alimentando sua energia para combater o feitiço escuro que o Alto Mago tinha deixado para trás.

Invoco o espirito do ar, Ventos que sopram livremente, Tragam seus vendavais, Limpe e sele este lugar, Assim, o que faria mal não pode deixar este lugar.

Em uníssono, os demônios se viraram para encará-la, bocas escancaradas para ela, olhos vermelhos de ódio. Eles arranhavam as criaturas vermiformes, arrebatando-os conforme o vento de limpeza começou a girar ao redor da sala. Gritando em fúria, os demônios empurraram os vermes na boca, engolindo rapidamente em um esforço para obter algo em troca de sua vigília de um dia inteiro. Mesmo enquanto devorando os vermes, eles correram em direção à abertura onde ela estava inflexível, suas mãos tão graciosas como sempre, a determinação em todos os seus movimentos, bem como em sua voz. Os demônios bateram em uma barreira invisível e foram puxados para trás em direção ao centro da sala. O vento soprava em torno das paredes em um círculo, viajando cada vez mais rápido, uivando, buscando presas. Ele pegou as figuras sombrias e os puxou, os arrastando em suas formas relutantes, os separando até que parecesse, mais com partículas de poeira espalhadas no ar. Os gritos ainda podiam ser ouvidos. As paredes do quarto incharam para fora. O teto se elevou, as runas ensanguentadas se contorceram, parecendo como se estivessem vivas e fazendo um esforço para combater os comandos de Branislava. Ela manteve a velocidade do vento, chamando mais uma vez a ajuda de cima.

Aquilo que está preso pela escuridão, Invoco luz.


205 Fogo que queima e purifica. Invoco a sua energia, separe e dissipe, Aquilo que se encontra preso, envia-o de volta para o inferno.

As partículas no quarto, lentamente, começaram a ser puxadas para dentro do próprio vórtice de vento, girando cada vez mais rápido, um funil de areia preta e sombra. Mãos surgiram, grandes dedos ossudos com longas garras, e então de repente foram puxados para trás para o turbilhão. Rostos pressionados através do tornado, bocas gritando, olhos distorcidos e, em seguida, aquilo tudo desaparece. Branislava manteve a pressão, com base no poder a alimentando através de Tatijana, Skyler e Ivory. Ela se recusava a ceder, novamente tecendo símbolos no ar, o intrincado padrão, uma réplica das runas escritas em sangue nas paredes e no teto, mas em ordem inversa surgiram.

Enquanto o fogo queima e as cinzas caem, Invoco o abismo, ouve o meu chamado. Abra sua goela para que eu possa devolver, O que nasceu de sangue e deve ser devolvido.

O calor irrompeu pelo quarto. Chamas vermelho alaranjadas dançaram até as paredes e lamberam todo o teto, devorando as runas. Quando a propagação do fogo se tornou mais alta, os demônios gritaram e gemeram em protesto. O vento continuou a limpeza correndo ao redor do quarto, gritando em fúria, atiçando o fogo até que a última runa foi consumida. Os demônios tentaram fugir do incêndio, mas os ventos eram fortes demais para seus corpos insubstanciais. Eles foram atraídos pela tempestade feroz e consumidos pelas chamas. Branislava respirou fundo e permitiu que o vento e as chamas diminuíssem lentamente. Ela sentiu as pernas tremerem. Virando-se, foi para os braços de Zev, indiferente que ele observasse e pudesse ver a sua fraqueza — sua vulnerabilidade. Ela precisava do conforto da sua força, da rocha que ele era para ela. — Agora eu sei o que os três estavam fazendo quando Xavier pareceu matar Xaviero e depois Xayvion, — ela murmurou na camisa de Zev. Ela levantou a cabeça e olhou para a irmã com os olhos arrasados. — Eles estavam praticando trazendo o outro do outro lado. Isso é o que você viu Ivory. Eles praticaram por um tempo exatamente como isto. — Você quer dizer que ele tem a intenção de trazer Xavier de volta? —Razvan perguntou. Sua voz era firme, o rosto inexpressivo. — Ele precisa de uma alma, ou espírito, —Tatijana disse. — Para descer da árvore da vida.


206 — Arno, um membro do Conselho? — perguntou Zev. — Ou o seu filho, Arnau, um caçador de elite? Branislava suspirou e se afastou de seus braços. — Não Zev. Ele quer prender você ou eu. Uma vez que ele extraiu a informação de Arno, e ele soube que eu era a sua inimiga, soube que tinha a pessoa ideal para o seu plano. Ele nós quer os dois mortos. Eu tenho sangue mago. Xavier é o meu pai. Ele reconheceria minha alma ou meu espírito imediatamente. Xaviero provavelmente está esfregando as mãos de contentamento neste momento. Zev balançou a cabeça. — Bem, ele não terá você ou eu. Muito ruim para ele. Se ele quer tanto ver o irmão, nós vamos ter que organizar uma pequena viagem para ele. — E agora, Branislava? — perguntou Fen. — Entramos apenas Zev e eu. Não há nenhum ponto em arriscar mais ninguém. Se falharmos, Tatijana e Fen deve apenas queimar os corpos direto da porta. Tem que ter outra armadilha no interior, em torno do próprio corpo. Ele sabe que alguém vai cuidar do corpo. — Você pode construir um círculo de proteção em torno do corpo antes de tocar? —Skyler perguntou. — Pelo menos, então, enquanto você está fazendo o que precisa ser feito, você não pode ser atacada de fora do círculo. Branislava inclinou a cabeça com um pequeno sorriso. — Acho que é uma boa ideia, irmãzinha. Deseje-nos sorte. — Ela se virou e abraçou a irmã ferozmente. — Estarei esperando por você, — Tatijana sussurrou. — Bem aqui. Estarei esperando. Zev passou pela porta primeiro. Sabia que ele faria. É claro que ele faria. Ele não estava disposto a permitir que Branislava entrasse em perigo sem verificá-lo por si mesmo. Ela o seguiu, uma mão agarrada em sua blusa enquanto ela entrava naquela sala demoníaca. Sua respiração deixou seus pulmões em uma onda de medo. Foi uma reação instintiva, não conseguia parar, e Zev instantaneamente inundado sua mente com calor e segurança. — Posso senti-lo Zev, isso é tudo. Estou bem, — ela declarou. — Sua presença é forte nesta sala. Só me atacou por um minuto, isso é tudo. Zev agachou ao lado do corpo, as mãos relutantemente se mantendo longe de Arno, embora ela sentisse sua necessidade de tocar o homem numa espécie de saudação. Ele a olhou por cima do ombro. — Cuido disto, Branka. Sou seu homem dos detalhes, lembra? Ela assentiu com a cabeça. Zev conhecia Arno muito melhor do que ela. Se houvesse algo fora do lugar ele iria identificá-lo. — Não se apresse, — ela advertiu. Não podiam cometer erros. — A estaca não está certa, — disse ele. — A corrente segurando o medalhão do Círculo Sagrado não é a que ele normalmente usa. — Sem tocar o membro do Conselho morto, Zev olhou mais de perto, estudando a pequena tatuagem intrincada no pulso de Arno. — Isso não está certo, também Branislava. Você pode olhar isto para mim? Vou te mostrar como deveria se parecer e você me diz o que está diferente e por que. Em sua mente, Zev produziu uma réplica exata da tatuagem, o Círculo Sagrado usado no


207 pulso por todos os membros. Ele sentiu Branislava olhar com cuidado antes dela estudar a de Arno. Ouviu-a puxar o fôlego bruscamente. — Ele está tecido em um feitiço de morte. Veja as runas negras entre as fileiras duplas dos arabescos? Não toque o corpo. Não o mova. Ainda não. E não deixe que o seu sangue te suje. Zev se sentou nos calcanhares, evitando qualquer contato com Arno. Ela passou a mão sobre a estaca, cuidando para não chegar muito perto. — Sim, ele adicionou algum tipo de feitiço na estaca. O cabo foi definitivamente manipulado também e parece que eu vou ter mais problemas com isso. Ela respirou fundo e se levantou, olhando por cima do ombro para as três mulheres observando. Elas acenaram para ela, preparadas para ajudá-la. — O que acontece se eu cortar a cabeça e nós simplesmente formos embora com isso? — Zev perguntou. — Isso é o que você queria primeiro. Posso ver o seu raciocínio. — Não tenho nenhuma dúvida de que ele fez isso impossível também. Ele está nos levando para o cérebro de Arno e suas memórias. — Nós já sabemos a intenção dele agora Branka. Por que continuar? Nós podemos queimar o corpo. Um pequeno som escapou da irmã de Branislava. Claramente queimar o corpo não era uma boa ideia. Havia poucas coisas que o faziam perder a paciência, o sentimento de desamparo era um deles. Ele não podia ficar na frente de sua companheira e protegê-la, quando ele não sabia como. Este tipo de mago mágico estava fora de seu campo de experiência. — Apenas faça o que tem que fazer, Branka, e vamos acabar com isso. Branislava lançou seu círculo de proteção e, em seguida, ficou por um bom tempo reunindo coragem. Enfrentar Xaviero estava se tornando mais fácil. Ela estava tão aterrorizada com ele, mas cada vez que era bem-sucedida em destruir o trabalho dele, ela percebeu o quanto realmente sabia. Sua educação foi completa. Todos os três irmãos tinham trabalhado no laboratório, aprendendo e aperfeiçoando habilidades mais e mais. Não houve um feitiço, desde o menor até o mais perigoso, que ela não tinha visto e guardado na memória. Ela não tinha nada mais para manter sua mente ocupada naqueles longos anos de cativeiro. Os três Altos Magos não sabiam mais do que ela.. Ela se concentrou sobre a tatuagem primeiro. O feitiço escuro de morte foi tecido com cuidado dentro da própria tatuagem. Ela conhecia Xaviero bem o suficiente para saber que ele iria achar divertido tecer um feitiço tão depravado no que era considerado um símbolo sagrado. Zev não reconheceu o que havia essa pequena diferença, o Alto Mago teria seu entretenimento pela noite.

Isso que está marcado, desenhado em preto, Invoco a sua energia para te mandar de volta,


208 Torça e gire, redemoinho que queima, Atraio o seu poder, que agora devolvo.

Branislava assistiu as runas lentamente desaparecer da tatuagem. Ela tomou um profundo fôlego de limpeza e o soltou. — Realmente estude a tatuagem Zev, se certifique de que não há qualquer outra coisa escondida. Zev não se apressou, olhando para a tatuagem que ele tinha visto milhares de vezes em várias pessoas. A poça de sangue o impedia de chegar muito perto, mas por fim, ele assentiu. — Se parece com deveria, Branka. — A estaca está cheia de energia. Posso sentir isso, muito parecida com um explosivo. É um feitiço bastante simples projetado para matar o maior número possível de pessoas. — A memória de Xavier colocando o feitiço em objetos e então o enviando seu aprendiz para recuperar o artigo para ele se ergueu como um pesadelo. Tatijana e ela tentaram avisar os vários jovens magos desavisados. Elas nunca conseguiram e viram os aprendizes morrerem quando o feitiço era acionado.

Aquilo que é prata, nascida do fogo, Retorno a sua essência, recuando o seu poder. Como o fogo queima, assim a água refresca, Chamo a água, segura a liberação do mal.

Ela passou a mão sobre a parte da estaca saliente no peito de Arno. A sensação de poder negro não estava mais lá. Ela balançou a cabeça lentamente. Sua boca ficou seca. O cabo era uma questão completamente diferente. Ela estava certa de que havia um feitiço sobre os cordões trançados, mas ela ainda não estava certa de como combatê-lo. Precisava revelá-lo primeiro.

Aquilo que está trançado, Se revele para mim, Aquilo que é mal, Assim eu posso ver.

No mesmo instante ela podia ver que o cabo vir à vida. Um movimento errado e o cabo iria atacar. Ela engoliu em seco e mais uma vez traçou símbolos no ar enquanto murmurava um contrafeitiço.


209 Aquilo que faria dano, Dissipo seu poder. Tomo o que foi tecido, assim estes fios não têm poder, Como você foram tecidas, assim agora eu desfio, Cada particula eu colho assim não pode haver morte.

Branislava deixou cair os braços para os lados e forçou ar através em seus pulmões. Passou os próximos minutos se certificando de que não havia mais armadilhas escondidas ao redor ou sob o corpo de Arno. Ela limpou o sangue e, em seguida, se sentou no chão ao lado de Zev. — Acredito que realmente está feito, —ela disse, o alívio em sua voz. Roçando sua bochecha contra seu ombro. — Acho que nós podemos olhar para suas últimas memórias. — Vou fazer isso, —Zev disse. Havia desgosto em sua voz. A ideia de profanar o membro do Conselho invadindo seus pensamentos privados não caia bem. Ainda assim, tinha que ser feito. — Você pode ver suas lembranças dessa forma, — Branislava concordou, — mas é perigoso. Podemos entrar em sua mente e as ver pelo modo dos Cárpatos e talvez, se tivermos sorte, vamos ver mais de Xaviero de que Arno se lembra. Pessoas pegam detalhes sem saber. Podemos as encontrar quando ele não estava ciente. O círculo vai proteger os nossos corpos, e os outros podem cuidar de nós. É seguro para eles entrarem agora. Zev não estava tão acostumado ao modo dos Cárpatos, mas estava disposto a seguir o exemplo da Branislava quando se tratava de magia de mago. Ele acenou com a cabeça. Branislava não esperou com medo que pudesse perder sua recém-descoberta coragem e confiança. Soltou seu corpo e se tornou espírito puro, entrando na mente do membro do Conselho. No momento em que ela fez, soube que tinha cometido um erro terrível. A sombra lasca de Xaviero esperava agachada como um demônio escuro no meio da noite. Ele atacou triunfante, pegando no seu espírito com garras e dentes, e arrastando através do portal para o outro mundo.


210 Capítulo 17

Zev! Branislava estendeu a mão para seu companheiro conforme foi atraída para esse reino gelado de meia-vida. Zev reconheceu a árvore. Ele tinha estado lá antes com Branislava quando quase morreu. Ela o segurou para ela. Agora, era uma luta completamente diferente. Este era o seu tipo de luta.

Eles precisam de mim viva. Eles não vão me matar. Eles estão contando com o fato de que ninguém vai me encontrar. Meu espirito está entrelaçado ao seu. Nós viajamos juntos. Ele usou sua voz mais calma, estabilizando-a. Mais do que tudo, Branislava odiava o frio. Sentia-se sozinha e isolada, a criança forçada à forma de um dragão e colocada atrás de uma parede de gelo.

Concentre-se na coisa que te mantém prisioneira. Ele está, obviamente te levando para Xavier. Temos que detê-lo. O que é isso? Suspeitava que não fosse nada mais do que um pequeno pedaço de Xaviero, uma sombra que ele tinha deixado para trás para capturar Branislava ou ele. Sentiu-a tremer, e então a mulher que ele conhecia tão bem saiu, uma guerreira antiga. Ela parou de tremer e ele sentiu o aço que a atravessava.

Xaviero deixou um pedacinho de si mesmo para trás. Ele podia ver que a sombra estava se deleitando rasgando seu espírito, pequenos buracos, para enfraquecê-la e torná-la mais vulnerável a posse de Xavier. Não havia nenhuma dúvida em qualquer de suas mentes que a sombra de Xaviero estava levando seu espírito para seu irmão. Xaviero não tinha ideia de que Branislava não estava sozinha. Ainda não tinha detectado que o espírito de Zev está entrelaçado ao de Branislava.

Se ele pode alegremente rasgar buracos em seu espirito, essa coisa de sombra pode ser destruida, certo? A lasca de Xaviero é pequena demais para fazer mais do que aquilo que foi programado para fazer — dar a Xavier o espírito que ele precisa para voltar ao mundo dos vivos. Xaviero não estava disposto a dar muito de si mesmo para trazer Xavier de volta, ela respondeu. Zev podia ouvir e sentir dor rastejando dentro dela. A capacidade de crueldade em Xaviero o espantou. Mesmo a pequena lasca de Xaviero era um tormento. Zev estudou a sombra de todas as direções. As garras cravaram em Branislava e o demônio lutava com ela, tentando arrastá-la para baixo no tronco da árvore, para o frio gelado abaixo. Ele podia sentir os olhos cobiçosos sobre eles. Ouviu os dentes rangendo. Gemidos. Lamentações. Branislava se recusou a ir facilmente, colocando a sua força contra o demônio — e seu espírito era forte.

Fen, Dimitri, preciso de uma enorme tempestade. Relâmpago que esteja sobrecarregado. Construa-o para mim rápido e me avise quando o relâmpago estiver no seu máximo.


211 Nenhum homem o questionou, nem respondeu verbalmente, mas sentiu seu assentimento imediato. Segure no próximo galho Branka. Se pendure em cima dele. Ela fez o que ele disse, Alcançando com a sua luz para se embrulhar firmemente ao redor do galho. Abaixo, ele ouviu um sussurro ameaçador quando algo começou a se arrastar até o tronco da árvore para fora da escuridão gelada. Xavier estava vindo para reivindicar seu prêmio. Zev era tanto Cárpato quanto Lycan —sangue misturado — impossível de detectar, mesmo para um mago. Sua energia estava completamente silenciada. Nem Xavier ou a lasca de Xaviero sabiam que Branislava não estava sozinha, e essa era a sua vantagem. Antes que Xavier chegasse a eles, algo tinha que ser feito rapidamente. Zev sentiu a tempestade profunda enquanto ele estava no outro reino. O ar acima e abaixo dele, de repente carregado com uma corrente de pura eletricidade. Xavier parecia saber que algo não estava certo, redobrou seus esforços para chegar ao espírito preso em outro reino.

A tempestade é enorme e um raio está diretamente em cima, Fen informado Zev. Zev segurou Branislava mais apertado, enquanto ela lutava para permanecer no galho. Diga às palavras que precisamos. Palavras de guerra. Meu tipo de guerra. Física. Agora, Branka. Xavier estava perto, muito perto. Ele podia senti-lo agora, o lodo do mal que lhes atingiu antes do espírito malévolo de Xavier. Branislava engasgou em sua mente. Ela não pensou que eles poderia revelar uma partícula física, mas uma vez Zev lhe deu a ideia, ela pegou rapidamente.

Aquilo que era sombra, Agora tem de assumir forma. Da existência cinza, Um corpo nasce.

Branislava entregou as palavras em sua voz mais poderosa, projetando através da luz para a lasca escura do mago. O demônio lasca endureceu, claramente desconfiado de sua audácia. Sua sombra negra vacilou e de repente mudou de fantasmagórica para substância. Zev golpeou duramente, chamou o relâmpago para que corresse pela árvore rapidamente, procurando um alvo. Ele se envolveu em torno de Branislava para protegê-la. Foi a primeira vez que chamou o relâmpago, mas ele era um guerreiro por completo e seu objetivo era absolutamente preciso. O raio golpeou a lasca de Xaviero diretamente no centro da partícula. A partícula ficou negra, ondulada e depois virou cinzas. Ele flutuou para longe, enquanto o cheiro de ovo podre pairava no ar por trás dele. Zev redirecionou o raio para baixo no tronco da árvore, na esperança de destruir Xavier de


212 uma vez por todas. Ele ouviu um grito de dor, de raiva, de ódio absoluto. O som vibrou através de seus espíritos, chocando os dois. Zev manteve seu espírito envolvendo Branislava, bastante certo que Xavier iria retaliar se fosse possível. O raio deve ter atingido o alvo, embora ele tivesse direcionado cegamente, apenas pelo som. A voz continuou a berrar. Levou um momento para perceber que Xavier era incoerente, mas tentando revidar com um feitiço. Zev arrastou Branislava da árvore para os galhos mais grossos mais perto do topo, num movimento rápido, girando para o outro lado do tronco. A explosão sacudiu a árvore, mas acertou os galhos à uma boa distância deles. Os galhos explodiram, estilhaçando, e depois se juntaram. A árvore estremeceu e, em seguida, começou a balançar.

Está com raiva. Quer que a gente saia agora, Branislava sussurrou em sua mente. A única razão pela qual ele não está nos punindo é porque a Mãe Terra nos reivindicou como dela. Mas vai discipliná-lo duramente. O mago está acostumado a ser o único a dar ordens e é humilhante para ele subjugar-se à árvore. Ele pensa em destruí-la de alguma forma, mas ele não pode. A árvore balançou violentamente, folhas agitando no ar. Abaixo deles, eles ouviram gritos deploráveis e súplicas. Zev não esperou a árvore mudar de ideia. Ele foi o único a acertar seu tronco com um raio e não podia culpá-la por estar com raiva. Eles aceleraram através dos galhos, se esquivando dos piores galhos se agitando, e rapidamente entraram em seus próprios corpos. Zev, conforme desmoronava, pegou Branislava, segurando seu corpo em seus braços para impedi-la de bater no chão duro. A luta deles custou energia, mas isso era tudo, ambos estavam intactos. Ele podia sentir sensação de triunfo de Branislava. Juntos, eles enfrentaram tanto Xavier quanto Xaviero, e triunfaram. Branislava se virou, olhando para o seu rosto. — Não posso acreditar que você pensou em forçá-lo a uma forma física. Isso foi brilhante. — Não lhe dê asas, — Fen advertiu. — Vocês dois precisam de sangue. Estão no meio de um círculo de proteção. Pode querer nos deixar entrar. Zev prendeu a respiração. — Ainda preciso entrar no corpo de Arno e então informar os membros do conselho, — ele disse a Branislava. — Acho que não temos escolha a não ser deixá-los nos dar sangue. Você está parecendo um pouco pálida. O demônio sombra de Xaviero te machucou? — Me sinto um pouco esfarrapada nas bordas, — ela admitiu, — mas estou viva e você também, e essa pequena parte dele foi destruída. Xavier foi enviado de volta para as profundezas do inferno e que é onde ele pode ficar. Ivory se benzeu e lhes deu um pequeno sorriso. — Vocês dois trabalham muito bem juntos, um casal alfa de verdade. — Nem mesmo pense isso, —Razvan advertiu, seu braço deslizando ao redor da cintura do Ivory. — Sem mais filhotes de lobos. Mikhail não vai fechar os olhos eternamente.


213 — Eu sei. — Ela descansou a cabeça em seu ombro por alguns instantes. — Mas eles seria perfeito, assim como Dimitri e Skyler. — E nós também, —Fen disse, a ousadia de a provocar quando ninguém exceto seu companheiro fazia. — Não dê ouvidos a Razvan, Ivory. Branislava acenou com a mão e o círculo de proteção se abriu. Zev fez um esforço e se levantou. Ele não queria cortar a cabeça do Arno, mas tinha que ser feito. Precisava ser dada paz ao homem. Ele sacou a espada e esperou Branislava dar um passo atrás. Fen e Dimitri a puxaram para eles, Dimitri a estabilizando enquanto Fen lhe oferecia o pulso. — Boa viagem, velho amigo, — Zev sussurrou enquanto balançava sua espada. O puxão em seu intestino era esperado. A chama atrás de seus olhos nem tanto. Olhou para longe dos outros, incapaz por um momento de recuperar o fôlego. No mesmo instante, ela estava lá. Suave. Quente. Vertendo em sua mente, enchendo-o de seu tipo especial de amor. Como ele tinha feito sem ela? — Zev, — Razvan disse suavemente. — Pegue o que lhe ofereço livremente. — Ele estendeu seu pulso. Zev não olhou para ele, embora estivesse bastante certo que a cortesia ditasse que ele aceitasse. A voz de Razvan era muito gentil, de muito entendimento. Ele não queria simpatia, ou mesmo compreensão. Deixou-se consumir os nutrientes quentes, sem realmente degustar ou mesmo pensar sobre o que estava fazendo. Tinha que passar as próximas horas e fazer o que tinha que ser feito. Lamentaria por seus amigos mais tarde. — Vamos ter de preparar uma pira para os corpos, —Zev disse quando terminou de beber de Razvan. — Os outros membros do Conselho vão querer estar lá para enviá-los em sua jornada. Um lugar privado, mas grande o suficiente para os Lycans se reunirem. — Zev, — Fen disse suavemente. — Não é uma boa hora para ter um grande encontro, não agora que sabemos que Xaviero está por perto. Ele conhece as tradições Lycan e esperará uma pira funerária. — Ele vai estar com raiva, —Tatijana acrescentou. — Ninguém nunca o desafiou, ou o enganou. Ficará tão enlouquecido, que poderia tentar trazer a montanha em cima de todos nós. — Ninguém se mova, — Branislava disse de repente. Zev congelou no lugar. Sua voz baixa. Um aviso. Ele não era o único a acreditar na sua voz baixa, incrivelmente suave. Ele olhou para o corpo de Arno e a cabeça decepada. Por um momento, não conseguiu ver nada fora do lugar. Ele era um homem de pequenos detalhes e a única coisa diferente foi que o colar tinha caído no chão. O que ela tinha visto que ele não? — O que foi? —Fen perguntou. A sala inundada com a tensão. Todos estavam bem conscientes do que um Alto Mago era capaz. Ele viu então. Um fio do cordão caiu na poça de sangue de Arno e agora estava


214 completamente encharcado nele. O sangue começou a percorrer cordão de um lado e o outro de modo que a mancha vermelha se espalhou lentamente através do resto dele. — O colar, — Branislava sussurrou, sua voz quase rouca. — O colar da Arno. Tatijana, entre dentro do círculo com a gente. Zev permaneceu com o olhar vigilante sobre o cordão. Até onde sabia, era simplesmente uma trama de fio agora encharcada de sangue. Acreditava no medo de Branislava, mas não conseguia ver o porquê disso. É claro que o colar teria sangue nele se caiu na poça debaixo Arno. Ainda assim, esperou, tocando sua mente. Ela estava assustada. Tatijana se moveu primeiro. Ela deu um passo para dentro do círculo de proteção que Branislava tinha feito antes. Ivory e Skyler se juntaram a ela. As três começaram a caminhar juntas, seguindo o círculo, cantando baixinho. Zev não se permitiu se distrair. Manteve seu olhar sobre o colar, agora estufado de sangue. Os fios do cordão pareciam ter inchados, quase dobrando de tamanho. Quando as três mulheres começaram a se mover, uma parte perto do medalhão pareceu romper o suficiente para virar em direção ao movimento. A respiração de Fen vaiou. — Está vivo. Essa coisa está viva. Branislava se estendeu muito lentamente e tocou o braço de Fen para acalmá-lo. Ele estava mais próximo da criatura cheia de sangue e com o som de sua voz, ele balançou a cabeça em direção a Fen. O movimento foi rápido, como se o som e movimento desencadeassem a agressão. O organismo parecia estar ouvindo novamente. Zev podia ver a cabeça agora. Era redonda como um bulbo inchado, mas os fios na parte superior estavam desgastados como se algo do cordão fosse incorporado à cabeça e preso como cabelo espetado. O sangue continua a encher os fios de modo que dobrou, então triplicou em tamanho. As três mulheres se afastaram do círculo, e novamente a criatura virou a cabeça em direção a elas. Elas congelaram na metade do caminho até a porta.

Como podemos nos livrar dele? Zev perguntou. Ele usou o caminho dos Cárpatos comum de comunicação, ao invés de seu privado com Branislava.

Estou tentando pensar. Já vi isso antes, mas apenas uma vez. A tensão em sua voz indicou que a criatura era extremamente perigosa. Ninguém fale ou faça um movimento. E extremamente rápido. Você não será capaz de superar isso. Tatijana, você se lembra? Não, não, eu não lembro. Havia terror na voz de Tatijana, tanto que Zev temia que Fen não fosse capaz de se impedir de ir até ela. Ele deve ter dito algo em particular a ela, porque um pouco do medo em seu rosto diminuiu.

Está tudo bem, Branislava disse a sua irmã. Vou descobrir como resolver isso. Só preciso de um minuto. Zev detestava o medo na voz de Branislava. Queria envolver seus braços em volta dela e mantê-la segura, impedi-la de ter que lidar com a magia do mago, sangue e morte. Ela teve o suficiente de tais coisas em sua infância e os anos que se seguiram, presa como estava na forma de dragão, observando a um desfile interminável de torturas.


215 Branka, você pode se lembrar. Seu medo é um medo infantil. Volte para aqueles dias. Que é onde você vai encontrar a memória. Ele percebeu o momento em que lhe deu a informação que ela já sabia. Ela não queria lembrar. Seja qual for a memória associada com a criatura cheia de sangue vermiforme, tinha sido traumatizante e ela não queria recuperá-la.

Sinto muito, mon Féroce chaton. Deveria ter entendido. Estou com você neste momento. Você não vai enfrentá-lo sozinha. Ele pode não ser capaz de lutar com a coisa fisicamente, mas poderia ficar na frente dela. Branislava se desligou mentalmente do resto deles, mas não de Zev. Ela afundou na mente dele, se fundiu profundamente com ele, recorreu a sua força. Ele era uma rocha, uma âncora firme, e sabia que podia contar com ele para mantê-la equilibrada. Tatijana e Branislava completaram dez anos. Xavier tinha as deixado fora de suas formas de dragão como um presente de aniversário inesperado. Xaviero e Xayvion chegaram com pacotes embrulhados em papel pardo e barbante.

Nós duas estávamos tão feliz por estar em nossas formas naturais que corríamos de mãos dadas, apenas gratas pela oportunidade. Elas queriam que seu pai as visse como algo diferente de objetos para se alimentar. Ele entendeu como elas deveriam ter se agarrado a qualquer bondade dele, a necessidade de esperança.

Toda vez que ele parecia fazer um esforço, nós colocávamos vendas e caímos nessa. Havia um bolo de aniversário. E presentes. Xavier nos fez sentar no centro da sala, no chão. Ele disse que queria nos ver abrir os nossos presentes. Sentiu-a dar um arrepio mental. O corpo dela estava tenso, as memórias lhe afetavam fisicamente. Estava enjoada e lutava contra isso. Ainda assim, teve o controle para continuar. Primeiro, ele nos fez uma surpresa especial. Ele trouxe o nosso único amigo. Ele tinha treze anos, um mago e aprendiz. Sempre foi bom para nós. Se esgueirava com comida para nós e falava sobre o mundo exterior. O estômago de Zev deu uma guinada. Temia o que viria a seguir. Branislava estava pálida. Ela parecia perdida. Olhe para mim, Branka. Apenas para mim. Ninguém está se movendo. Essa coisa não

tem um alvo. Continue olhando nos meus olhos. Seu olhar saltou para o dele. Ele sentiu o impacto de seus olhos verdes. Duas joias pressionadas em uma face totalmente branca. Seus cílios vermelhos dourados se destacavam contra sua pele pálida.

O nome dele era Jules e ele se sentou entre nós, bem onde Xavier lhe disse para sentar. Ele nos trouxe um presente também. Houve um vacilo em sua voz e as lágrimas ardiam em seus olhos. Ele a cercou com carinho e amor, a única coisa que ele poderia fazer quando não podia segurá-la fisicamente.


216 Abrimos o seu presente primeiro. Ele nos deu pulseiras que ele tinha feito. Não se mexa! Ele disse, sabendo que ela estava prestes a esfregar o pulso, onde tinha colocado a pulseira. Ele sentiu o início do movimento involuntário em sua mente. Branislava se balançou mentalmente bruscamente. Ela tinha que se conter. Se Zev não a impedisse, ela teria chamado à atenção do verme de sangue e ele teria atacado. Ele já havia crescido mais, banqueteando-se com o sangue do homem morto.

Me diga, Branka, você não tem que se lembrar de nada, apenas como matar essa coisa. Ela queria que isso fosse verdade. Ficou se afogando em seus olhos. Ele tinha olhos bonitos. Calmos. Firmes. Nunca entrava em pânico. Se perguntou como um homem chegava a ser assim. Ainda assim, ela não tinha escolha, a não ser lembrar a sequência de eventos, porque tinha que ver Xaviero em segundo plano quando ele lançou o feitiço sobre o cordão e então mais tarde, destruir seu verme de sangue.

Xavier nos deu uma bola de conjuração feita de fino cristal. Nós rasgamos as outras caixas, espalhadas no chão. Me lembro que estávamos rindo. Nós nunca tivemos presentes ou bolo. Xavier nos deu o bolo enquanto abriamos o presente de Xaviero. Era um punhal muito ornamentado. O punho estava coberto de joias e a lâmina, na verdade tinha três diamantes indo para o centro. Eu pensei que fosse falso, justo porque era tão bonito. A tensão nela era explosiva. Zev tentou a segurar a ele, usando constantemente a calma em seus olhos. Esta memória é de muito tempo atrás Branka. Você era uma criança. Ele não pode tocar

em você agora. Estou entre vocês. Sua voz sempre a amparava. E aqueles olhos. Ela respirou fundo e se deixou cair mais fundo em seus olhos. Ela poderia estar segura lá.

Tatijana levantou a adaga da caixa. Xaviero disse a ela para cortar a palma da mão e deixar o sangue pingar sobre o embrulho e barbante. Ouvi o riso em sua voz — aquele riso cruel que nunca vou esquecer — e eu sabia que algo ruim iria acontecer. Tatijana recusou. Tentou soltar a arma, mas Xayvion estava atrás dela, e ele a forçou fazer um Xna palma da mão. Ela ainda tem a cicatriz. Zev não olhou de relance para Tatijana como ela assumiu que ele faria. Ele não fez mais do que piscar. Ele manteve seu olhar diretamente no dela, segurando-a neste tempo e lugar, quando ela poderia facilmente ter deslizado para trás. Branislava engoliu. Fizeram-na escorrer o sangue dela em todo o embrulho. Xaviero pegou a

faca e entregou para mim. Eu não queria que Xayvion me tocasse, então eu fiz isso sozinha. Não cortei tão profundo quanto Tatijana porque eu me cortei. Não esperei por eles para me dizer o que fazer. Eu só permiti que meu sangue se misturasse com Tatijana no papel de embrulho. Vocês duas devem ter ficado tão assustadas. Sabíamos que algo horrível estava para acontecer. O aniversário, presentes e bolo foram esquecidos naquela altura. Primeiro, olhei para o papel de embrulho, esperando alguma coisa lá, mas depois o cordão começou a absorver o sangue e nós sabíamos que estava vivo. Os três, Xavier,


217 Xaviero e Xayvion, estavam tão alegres. Eles esfregavam as mãos em antecipação. Lembro-me que fizeram isso exatamente no mesmo momento e que suas expressões eram as mesmas. Zev mandou outra onda de confiança e ela se deu conta que lá no fundo o pânico começava a se desfazer. Ela não queria se lembrar do que aconteceu em seguida. Respirou se acalmando e tentou se distanciar.

Tatijana se moveu quando viu o corpo duplicar de tamanho e a coisa virou sua cabeça em direção a ela. Pudemos ver os dentes, serrilhados e afiados. Xavier sussurrou para ela ficar quieta ou ele iria comê-la viva, começando com os pés. Nós congelamos. O mesmo aconteceu com Jules. Por alguns minutos, todos ali sentados no chão, com medo de respirar, com aquela criatura horrível crescendo em tamanho. Consumindo o sangue rapidamente. Zev franziu o cenho para ela, mas não mexeu um músculo. Os três magos falaram sem

chamar a atenção para eles? E se moveram. De alguma forma, parecia que a criatura era uma parte deles e não os atacaram. Cada um deles foi para trás de um de nós. Xaviero me escolheu. Eu podia senti-lo lá e sabia que algo terrível estava para acontecer. Ele sussurrou para mim que estavam jogando um jogo, que jogos sempre eram jogados em festas de aniversário. Eu não podia me mover ou falar. Aquele que perdesse o jogo seria comido pelo verme sanguíneo. Ela sabia o que custou a Zev não fechar os olhos ou olhar para longe dela. Ele era um homem que sempre protegeu aqueles que amava. Ele perdeu dois, um estava deitado no chão na frente dele. Agora, ele não conseguia parar esta memória de consumi-la mais uma vez. Mas ele ficou com ela, viveu com ela. Naquele momento ela sentiu a dor cortar através dela.

“Não se mova Tatijana. Se você fizer isso, eu vou começar a pular. Quero dizer isso. Não se mova. " Eu a fiquei chamando várias e várias vezes, enquanto eles nos torturaram. Nós três. Ela sabia que eu também faria. Tentei os impedir de focar nela. Não pensava em tentar ajudar Jules. Branka. A voz de Zev era puro amor. Você era uma criança lutando para sobreviver. Tentando manter sua irmã viva. Você não fez nada errado e seu amigo Jules teria sido o primeiro a lhe dizer isso. Ele gritou e o bicho estava sobre ele, se unindo a sua perna direita e comendo rapidamente através da carne. E ao redor de sua perna como uma cobra, cada segmento e vertente parecia ter dentes, mordendo-o. Seus gritos eram horríveis. Tatijana e eu congelamos no início, observando como a coisa o comia vivo, assim como eles disseram que seria. Nós não aguentamos. Peguei a adaga e comecei a esfaqueá-lo mais e mais. Tatijana bateu nele com a bola de cristal, tentando esmagá-lo, mas ele não parava e não morria. Ele se voltou contra você? Ele estava tão envolvido em um frenesi, ele nem sequer olhou para nós. Eu podia ouvir os três irmãos rindo enquanto eles nos observavam e o pobre Jules. Ele chutou e lutou, e ninguém o fez parar de comê-lo. Seus risos eram maníacos, diabólicos e maus. Ela sufocou um soluço. Zev. Ela sussurrou seu nome, precisando dele.


218 Já passamos isto. Sabemos que Jules morre. Mas a criatura ainda está viva. Como é que eles se livraram dela? Eles a chamaram para eles. Lembro-me das palavras. E então ordenaram que ela morresse. Acho que é porque eles a fizeram, eles foram capazes de detê-la. Você sabe como. Não precisa deles. Você pode usar qualquer tom, falar algumas palavras de qualquer língua. Você conhece o tom de Xaviero, seu discurso exato. Mesmo se Xayvion está vivo, ele não veio com Xaviero. Ele ficaria em segurança, esperando para ver se essa armadilha funcionaria para libertar Xavier. Esta criatura foi feita por Xaviero, e você pode usar sua magia e seu tom de voz para parar a coisa. O sangue no chão estava quase acabando e a criatura tinha envolvido seu corpo inchado em torno da perna do Arno. Branislava olhou para sua irmã, usando apenas os olhos. Tatijana encarou o verme sanguíneo, horrorizada. Fen era o que estava mais próximo e ela tinha que estar com medo que ele fosse atacado.

Branislava vai tentar matar essa coisa, Zev informou os outros. Ninguém se mover ou fala. Dê a ela a chance de fazer isso. Branislava não ousou esperar. Fechou os olhos e buscou a voz e a entonação de Xaviero. Zev estava lá com ela, aperfeiçoando o tom em sua mente antes dela abrir a boca para falar.

Aquele que nasceu do sangue e da terra, Chamo vosso nome. Para mim você deve rastejar, Ouvindo nenhuma outra reivindicação.

A voz dela era autoritária, reverberando através do quarto. Tatijana se encolheu mentalmente, mas ficou absolutamente imóvel, os olhos redondos como pires. Sua mão, no entanto, foi na faca amarrada na cintura. O verme se enrijeceu. Sacudiu a cabeça. Soltou um grito agudo de ferir os ouvidos. Ela repetiu o comando, se certificando que cada inflexão fosse exatamente como foi quando os três magos chamaram a criatura de volta para eles.

Aquele nasceu do sangue e da terra, Chamo vosso nome. Para mim você deve rastejar, Ouvindo nenhuma outra reivindicação.


219

Ainda assim, a criatura protestou, se debatendo, mas ainda sugando a carne do homem morto. Branislava apertou os lábios. Alguma coisa está errada. Ele não está me atacando, então eu tenho o

tom e inflexão corretos, mas ele não está respondendo. Isso não é verdade. Ele está escutando, mas está confuso. Agora que penso nisso, Xaviero teria preparado esse cordão em outro lugar. Ele só tinha que trocá-lo com o cordão de Arno usava depois que Arno estivesse morto. Xayvion poderia muito bem ter estado com ele. Sou capaz de ouvir qualquer tom ou sotaque e falar línguas quase na perfeição. E um dom com o qual nasci. Compartilhe o tom Xayvion e eu me esforçar para reproduzi-lo. Branislava não queria correr o risco de que ele por acidente despertasse o ataque do verme de sangue, mas não tinha escolha. A confusão não iria durar muito e o verme estaria pronto para matar. Ela repetiu a voz e entonação de Xayvion, quase uma réplica do Xaviero, só um pouquinho mais aguda. Ela deu um aceno quase imperceptível e, juntos, suas vozes ecoaram pela sala.

Aquele nasceu do sangue e da terra, Chamo vosso nome. Para mim você deve rastejar, Ouvindo nenhuma outra reivindicação.

Desta vez o verme reagiu imediatamente, girando e deslizando em direção a eles como um cão treinado para seu mestre. Parou diretamente entre eles, quase tocando as botas de Zev. Ela não tinha ideia se o sangue o chamou e se ele poderia detectar a diferença. Ela não se atreveu a correr o risco. Ela empurrou o próximo feitiço na mente de Zev, repetindo várias vezes.

Estou pronto. Vamos matar essa coisa. Ele a fez se sentir confiante. Essa era a coisa sobre Zev que ela mais amava — sua crença nas habilidades dela — nas habilidades deles quando estavam juntos. Ela respirou fundo e acenou para ele. Mais uma vez as suas vozes encheram o quarto — não a suas vozes — mas as vozes dos dois magos combinados.

Do sangue você nasceu, Chamo a seu rastro. Vejo o que está escondido, Seu caminho não existirá mais.


220 Como você foi feito, Então, você morrerá. Aquilo que foi criado, Deve agora ser desatado.

O verme de sangue levantou a cabeça e gritou ao mesmo tempo em que começou a desintegrar. O sangue derramou em riachos, os vínculos que unia o cordão se rasgando para revelar uma concha vazia que não passava de dentes e sangue. A criatura continuou a fazer longos barulhos horríveis até a sua cabeça se desfez também e ela caiu no chão no meio da poça de sangue, não mais do que barbante normal. Houve um longo silêncio. Branislava deixou escapar o fôlego lentamente e se afastou do barbante de aparência inocente e a poça de sangue. Ela apertou a mão ao estômago agitado. Era demais para ela, as lembranças, a visão do corpo de Arno e o verme destroçado. Zev estava lá imediatamente, envolvendo-a em seus braços, girando-a para que o seu corpo a protegesse dos outros. — Vamos para fora, chéri, — ele disse em voz baixa. — Você precisa de ar fresco. — Mas você tem coisas para fazer aqui, — ela protestou, apesar de que tudo nela ansiava por sair daquele quarto e para longe do cheiro de sangue e morte. — Arno pode esperar. Vai levar um pouco de tempo para preparar os corpos para a pira funerária. Todos os Lycans estarão presentes, bem como, os membros do Conselho, eles vão querer prestar seus respeitos. Um membro do Círculo Sagrado vai querer dizer algumas orações sobre os corpos antes de serem queimados. — Zev deu um beijo no topo de sua cabeça. — Neste exato momento Branislava, não há nada mais importante do que te levar para a noite, e que nós dois possamos respirar. Temos um pouco de tempo antes de a cerimônia ocorrer. Ela estava grata que ele se incluísse. Ela assentiu com a cabeça e ele passou o braço em volta da sua cintura, colocando-a sob o ombro e a tirou imediatamente do quarto, pelo corredor e para a noite desaparecendo. No momento em que ela estava fora, puxou uma profunda baforada de ar para tentar contrabalançar seu estômago protestando. — Isso foi tão horrível... aquele verme de sangue. Ele acenou com a cabeça, segurando-a mais perto. — Foi. Sempre me espanta o que a mente de alguém mau pode conceber. — Jules morreu, você sabe. Ele morreu lentamente. — Ela olhou para ele com os olhos arrasados. — Nós não pudemos salvá-lo, e eles riram. Eles gostaram de sua dor e o terror. Ele os serviu, admirou e respeitou. Ele não tinha ideia de como eles eram, até que ele percebeu que eles nos mantinham prisioneiras dentro dos corpos de dragões e por trás da parede de gelo. Ele passou os dedos pelo cabelo sedoso dela. — Eu sei, mon bébé14, vamos encontrá-lo e destruí-lo. Não vamos deixá-lo continuar machucando as pessoas.


221 — Xavier era um monstro. Realmente era, mas enquanto ele gozava com a dor do outro, era seus experimentos que o obcecava. Não me interprete mal, ele adorava machucar os outros, mas não como Xaviero. Xaviero tinha de torturar. Era a única coisa que o fazia feliz. Xavier desprezava os Cárpatos e estava determinado a arruiná-los, apagá-los da face da terra. Mas era um pouco imparcial sobre suas torturas como uma regra. — Ele soa desprezível. Ela assentiu com a cabeça, enfiando os dedos nos dele e andando um pouco mais rápido, como se pudesse fugir da conversa. — Ele era desprezível. Mas Xaviero era pior. Ele precisava torturar os outros, especialmente mulheres e crianças. Ele prosperou nisso. Nada o faz mais feliz. Eu podia dizer quando tinha passado muito tempo para ele. Ele ficava mal-humorado e irritável, mesmo com seus irmãos e Tatijana, e eu ficava tão quieta e silenciosa quanto possível. Eventualmente Xavier ou Xayvion diziam a ele para ir se divertir e nós sabíamos o que isso significava. Não há nenhuma maneira possível de que ele possa ter estado no mundo Lycan e não torturado outros. Ele não teria sido capaz de sobreviver. — Acredito em você. — Zev passou a mão pelo cabelo. — Corpos apareciam em outros bandos e outros países. Eu sei, investiguei. A maioria mulheres, algumas crianças. Acreditávamos que fossem vampiros perseguindo os bandos. Ou renegados. Isso já aconteceu antes. Até considerei um assassino em série, um ser humano. Nós nunca encontramos provas suficientes. Aparência, cheiro, simplesmente não havia, mas suspeitei que muitas das mortes estavam ligadas. — Xaviero pensava que arrebatar crianças sob os narizes de seus pais era um feito emocionante. Ele tem prazer em atormentar crianças, torturar ele ou ela e então permitir que os pais achem o corpo. Ele gosta de ver tristeza deles. Muitas vezes ele os poupa para que eles vivam com a culpa e transforme sua dor em raiva um do outro. Zev ficou em silêncio por um momento. — Rannalufr aconselhou aqueles que perderam seus filhos. A taxa de suicídio definitivamente aumentou muito, mas ninguém nunca suspeitou de sua fala mansa, Rannalufr empurrou os pais em luto ao suicídio. — Ele gosta desse poder imensamente. — E Xayvion? — perguntou Zev, sabendo que ela precisava falar. Ele a manteve caminhando, para longe da aldeia, viram em direção a floresta onde ele sabia que ela se sentiria mais segura. As árvores fecharam em torno deles, galhos chegando até o céu noturno. Algumas estrelas emergiram da tempestade estranha e violenta que tinha saído do nada. A última das nuvens escuras se dissipando para permitir a meia-lua reaparecer. Zev sabia que Fen tinha chamado Daciana e Makoce, os dois Lycans que ele mais confiava para preparar o corpo de Arno e Arnau. Os Cárpatos teriam que ir para a terra em breve. Branislava estava desgastada e, na verdade, ele também. Viajar fora do corpo cobrou um pedágio, especialmente quando lutou com demônios em outro reino. Se alguém tivesse dito a ele que estaria fazendo tal coisa um ano atrás, ele teria rido deles. — Xayvion foi sempre tranquilo. Ele raramente falava muito, e Xavier parecia sempre no comando, mas se Xaviero saísse do controle, era Xayvion que lhe parava, geralmente com um olhar.


222 Era estranho quando isso acontecia. Quase inacreditável. E isso era raro. Xayvion realizava todas as experiências com os seus irmãos, mas era como se ele estivesse desligado completamente de todos. Ele não nos via, ou suas vítimas como qualquer coisa viva. Quando ele ria, nunca parecia real para mim. Ele parecia oco. Morto. Realmente não sei como explicar isso, você teria que vê-lo em ação. Zev a guiou em direção a sua casa. Se tivesse tempo, ele a teria levado de volta à sua cratera nas montanhas cobertas de neve, mas ela precisava ir para o chão e ele precisava estar de pé tão cedo quanto possível para ajudar os Lycans a prepararem o serviço funerário. Ele queria isso feito e acabado antes que o mago tivesse a chance de saber onde ou o que eles estariam fazendo. — Zev, por que você insiste que Arno e Arnau sejam queimados em um serviço funerário, quando você sabe que é um risco ter todo mundo junto em um lugar como esse? Ele fez uma careta. Ele deveria ter sabido que ela era sagaz o suficiente para descobrir que era a última coisa que ele faria se quisesse manter os outros membros do Conselho seguros. Ele esperava que ela não fosse perguntar isso. — Eles já estão em perigo com Xaviero. Se ele pôde matar Arnau, um dos meus melhores homens, e depois matar Arno, que já estava desconfiado de todos, ele pode chegar a qualquer um. Melhor atraí-lo para fora, onde todos os Lycans e todos os Cárpatos estarão esperando por ele. — Eles não o pegarão, —ela disse. — Não, eles não vão, — ele concordou. — Mas se ele vem para a pira funerária e depois do que você descreveu, eu sei que ele vem, com certeza, ele não será capaz de resistir ver a dor de todos e a culpa, e então eu posso segui-lo. Sou sangue misturado e elite. Sei o que procurar. Posso segui-lo de volta para seu lar. Branislava olhou para ele com olhos grandes e verdes. — Isso é o que eu pensava, — ela disse suavemente.


223 Capítulo 18

Sob o chão, os olhos de Zev se abriram e ele ficou imediatamente alerta. O que havia perturbado seu sono? Acenando com a mão, ele abriu a terra em cima dele para que pudesse ver o piso do porão e o teto sobre sua cabeça. Estava intacto. Estava deitado em silêncio, ouvindo o som de seu próprio coração. Nada parecia fora do lugar. Nenhum som. Nenhum movimento. Só tinha essa sensação estranha no estômago. Ao lado dele, Branislava jazia em silêncio, a cabeça em seu peito, um braço jogado em torno de sua cintura, enquanto sua perna estava estendida negligentemente sobre a dele. Ela era como uma gatinha feroz como muitas vezes ele a chamava, fofinha em um momento e capaz de garras letais no outro. Ele passou a mão sobre a sua belíssima face. Vendo-a, ele relaxou, a tensão drenou de seu corpo. Ela parecia um anjo para ele, um ser de um reino celestial, em vez de um terrestre, um de sangue e morte. Ele passou a mão sobre o rosto dela novamente, e então ele a tocou com reverência com as pontas dos dedos, maravilhado com o contraste de sua pele macia e suas mãos muito mais ásperas. Branislava se moveu ligeiramente, abrindo os olhos de repente, mostrando aquela dádiva de esmeraldas verdes. Ela sorriu para ele, um sorriso suave, amoroso que roubou seu fôlego e empurrou necessidade e fome em seu corpo.

O que foi? Você precisa de mim? A paralisia dos Cárpatos estava no seu ápice e ainda assim ela conseguiu acordar para ele. Mais uma vez, ele estava um pouco maravilhado com a sua sorte. Só estou querendo saber como um

homem de guerra como eu pôde ter a sorte de ter uma mulher maravilhosa como você. Suas longas pestanas abaixaram, mas não antes de ver a diversão e o prazer em seus olhos.

Sou a sortuda, Lobinho, e estou bem ciente disso. Durma. Você precisa descansar. Ela o chamava de Lobinho quando ela o amava tão ferozmente que se sentia um pouco sobrecarregada por isso e tinha que aliviar o momento. Se encontrou sorrindo. Feliz. Satisfeito. Exceto pelo fato de que estava acordado quando deveria estar dormindo. Havia apenas uma sensação incômoda de inquietação. Ele sabia que não tinha escolha, a não ser dar uma olhada.

Branka, vou andar um pouco e ter a certeza de que todos estejam seguros. Continue descansando. Vou voltar assim que fizer as rondas. Uma pequena carranca surgiu em seu rosto. Ele não podia deixar de esfregar o dedo sobre os lábios cheios e o beicinho. Suas pálpebras se agitaram, mas ela não as elevou. As asas se agitaram em seu estômago, provocando um aperto na virilha e o inchaço de seu membro.

Você é Cárpato, não pode sair esta hora do dia. Sempre fui capaz de sair esta hora do dia. Por que algo deveria ser diferente só porque os antigos me reconheceram?


224 Sua pequena carranca se aprofundou. O coração dele deu uma cambalhota lenta no peito e desta vez ele alisou a linha entre os olhos.

Me esqueci da linhagem Dark Blood. Eles são os únicos capazes de fazer uma coisa dessas. Combine isso com o seu sangue Lycan e lá vai você. Não é uma coisa boa quando sua companheira não pode fazer o mesmo. Seu tom de voz petulante o fez sorrir. Epor que não? ele perguntou a ela, se inclinando para escovar a boca suavemente sobre a dela.

Quem sabe o problema que você vai entrar sem mim. Ele riu baixinho, mais uma vez, se encontrando mais feliz do que jamais esteve em sua vida. Pouco importava as circunstâncias que os cercavam, o perigo ou as batalhas, só esta mulher impetuosa deitada enrolada tão perto dele. Ele lhe segurou o seio, seu polegar deslizando sobre seu mamilo. Ela estremeceu e seu mamilo endureceu. Ele sabia que, mesmo durante o tempo em que os Cárpatos não podia se mover, ela iria responder ao seu toque. Ficou fascinado com o seu corpo, a forma dela, essas curvas suaves, toda essa pele de cetim sedosa.

Mmm, ela sussurrou. Seu toque sempre faz meu corpo cantar. Ela estava mais do que meio adormecida para dizer algo assim para ele. Seu sorriso se alargou.

Gosto da maneira como seu corpo canta para mim. Alguma vez você já sonhou em fazer amor durante o tempo que você não pode se mover? Seu corpo parece tão vivo para mim. Para provocá-la, ele passou a mão pelo seu estômago plano e a junção entre as pernas. Havia calor latente quando o resto do seu corpo estava frio ao toque dele. Acredito que você está sonhando comigo. Ele segurou seu monte e sentiu a pequena onda líquida em resposta. Ela deu uma pequena fungada de desprezo, seus lábios se curvando em um sorriso. Não

realmente. Um homem lobo? Por que eu faria isso? Porque, minha querida mulher — ele abaixou a cabeça novamente para levar o seio para o calor de sua boca — se você sonhou com outro homem e respondeu assim, molhada e pronta com o fogo crescendo, eu teria que caçá-lo e mata-lo. Ele achatou sua língua, acariciando e brincando, usando a ponta de seus dentes enquanto sugava, mostrando-lhe o lobo à espreita. Ela riu suavemente, o som vibrando através dele, provocando o seu corpo como o toque de seus dedos. Você é um grande lobo mau, às vezes.

Você não tem ideia do quão mau um lobo pode ser. Aqui está você, deitada tão impotente, e eu não tenho nenhum problema em tirar vantagem de você. Seus dentes desceram beliscando até o umbigo, a língua aliviando a dor aguda. Afundou um dedo profundamente em seu corpo à espera, sentindo a sua disponibilidade, aquela recepção ansiosa que ele sempre antecipou.

Devo ter medo? Acredito que meu corpo pertence a você. Ele está dizendo isso agora mesmo.


225 A risada dela brincava com a sua virilha, como se sua boca estivesse tão perto dele, respirando o ar quente sobre seu eixo. Podia jurar que sentiu o toque de sua língua sobre ele.

Você está brincando com fogo de novo, ela disse suavemente, intimamente, em sua mente. Seu tom era pura sedução. Sedutora, com seu corpo chamando por ele e sua mente o tocando com os dedos, língua e boca. A fome era selvagem. Rasgando-o, da mesma forma como sempre fazia quando estava perto dela. Seu aroma chamando o lobo nele, e seu corpo reagindo com urgente necessidade, brutalmente selvagem. Ele mergulhou dois dedos em seu aperto, tentando prepará-la quando ele sabia que iria os unir rápido e duro.

Estou sempre pronta para você, meu amor, sempre. Olho pra você e meu corpo pinga em boas-vindas. Meus seios não podem esperar por sua boca e mãos. Estou mais do que pronta. Zev não perdeu mais tempo. Separou suas coxas e moveu seu corpo para que pudesse deslizar em seu interior quente em um rápido movimento, se enterrando ao máximo. Ele foi tão profundo que sentiu seu ventre quente, o lugar confortável que ela iria carregar a criança deles. Apesar da hora do dia, seu centro estava quente, vibrante, úmido e pronto para ele. Sua respiração vaiou quando ele começou a se mover, travando seus quadris no lugar enquanto batia com o corpo no dela, se enterrando várias e várias vezes nessa chama ardente. Ela não podia se mover, não podia impedi-lo de fazer qualquer coisa com seu corpo, e a coisa maravilhosa foi que ela não queria. Ele podia tocá-la em qualquer lugar, beijá-la, saboreá-la e apenas explorar, e sua mulher se entregava sob sua guarda. Ele se entregou ao puro sentimento, deixando as sensações se despejarem sobre ele e dentro dele. Havia uma espécie de admiração em ser capaz de ser o que ele era: um lobo, um alfa, um animal predador reivindicando sua companheira. Branislava nunca se opôs às batidas selvagens ou manuseio brusco, combinando com ele chama a chama. Desta vez, porque ela não podia se mover, houve uma sensação de poder misturado com o desejo e o amor, uma combinação inebriante. Sabendo que ela confiava nele implicitamente, que iria permitir que ele usasse o santuário de seu corpo durante esta hora, era muito mais sensual. Suas mãos se moveram sobre ela, acariciando e massageando seu corpo, sentindo a resposta em aceitação enquanto seus músculos apertavam o cerco em torno dele. O calor crescendo e crescendo até mesmo o chão parecer brilhar com a cor vermelha alaranjada. Ele levantou suas nádegas e avançou uma e outra vez, se impulsionando dentro dela de modo que cada golpe fazia seus seios balançarem. Sua boca formou um pequeno e redondo O e seus olhos vidraram. Ele podia ver as marcas de sua posse em sua pele, todos os beliscões e mordidas, a pressão de seus dedos, marcando-a, afirmando-a como sua. A satisfação subiu junto com uma necessidade primitiva de possuí-la. Um lobo escolhe sua companheira sabiamente, e Branislava sempre seria sua escolha. Seu destino.

Você está se tornando mais lobo no momento, ela sussurrou, a mente dela caótica com o crescimento do prazer. As mãos dele pareciam estar em todos os lugares, trazendo seu corpo para a vida quando o sol a drenava de toda a força. Ele tinha magia nele, uma besta trazendo prazer


226 entorpecido empenhado em sua destruição. E ela estava mais do que disposta a se dar a ele, permitindo que ambos queimassem em seu fogo. Suas estocadas eram fortes e o ritmo um compasso feroz, uma máquina se impulsionando através de suas dobras suaves, parecendo como um pistão de aço revestido de veludo. Ela sabia o significado de veludo sobre aço agora. O atrito transformou seu corpo em uma tempestade quente e carente, em busca do vento para atiçar as chamas. Sentiu-o inchando mais, um feito incrível. Parecia impossível acomodá-lo e, no entanto, havia sempre mais prazer, uma onda interminável de tensão cresceu dentro dela até o medo deslizar por sua espinha e ela temeu que ele pudesse os empurrar sobre a borda da insanidade.

Uma boa maneira de ir, ele observou, se inclinando para morder seu seio e então beijá-lo em seguida. Eu poderia apenas me afogar em você. Tenho pensado sobre isso muitas vezes. Poderia passar horas te devorando. Ela se contorceu com esse pensamento, seu interior o inundou com o líquido escaldante. Não

vou discutir com você. Você consegue o que quer, sabe que sou louca por você. Ele riu suavemente. Você é louca sim, pelo que o meu corpo pode fazer com o seu. Ok, isso era a verdade também. E agora, ela precisava desesperadamente dele, mas não podia se mover, não poderia conduzir seus quadris para os dele. Ele estava usando seus braços agora, apoiando-se para impulsionar contra ela. Ela quase podia ouvir as chamas crepitando em torno deles. O brilho no solo aumentou.

Zev. Apenas o seu nome. Seu milagre. O homem que poderia remover todas as coisas feias de seu passado e substituí-las por essas experiências e memórias felizes. Eu preciso... Eu sei o que você precisa, meu amor, sempre saberei. Ele se moveu nela, contra ela, aumentou a fricção sobre seu ponto mais sensível até que seu corpo parecia arder em chamas, o clímax rasgando-a como um fogo, saltando de sua virilha para sua barriga, até seus seios e coxas, explodindo. Zev jogou a cabeça para trás e uivou como o lobo que era, quando seu corpo levou o dela com ele nesse passeio de pura chama de felicidade. Ele ficou entrelaçado com ela por muito tempo, compartilhando um corpo, uma pele, inseridos um no outro.

Agora me beije e me deixe voltar a dormir. Mais uma vez, ela parecia sonolenta e sensual, o suficiente para seu membro puxar e pensar em vir à vida novamente. Ela abriu um olho e conseguiu uma pequena risada. Você é insaciável. Você

tem sorte de eu te amar tanto. Ele pensou em todas as coisas que poderia fazer com ela, mas ela estava com sono e precisava descansar e rejuvenescer no solo. E lá estava aquela sensação incômoda estranha que ele não conseguia colocar de lado, mas ainda assim, a tentação de seu corpo...


227 ***

— Será que isso de você não ser Cárpato e todo mundo ser não te incomoda? — Travis Amiras perguntou a Paul Chevez enquanto eles jogavam uma bola de um lado para outro no jardim da frente da casa, onde os filhos dos Cárpatos foram alojados juntos para melhor protegê-los enquanto os adultos dormiam. Paul tinha vinte anos, um homem já formado com ombros largos e músculos definidos. Ele já estava cheio de cicatrizes de batalha em sua tenra idade. Ele lutava com vampiros, ajudava a administrar uma enorme fazenda de gado, foi baleado e, recentemente, ajudou a salvar Dimitri da morte pela prata. O herói que Travis admirava. — Não estou pronto para isso ainda, —Paul disse. — O amadurecimento dos Cárpatos é num ritmo muito mais lento do que o nosso. Meu amigo Josef está na casa dos vinte anos, mas é considerado um garoto. Trabalho duro na fazenda e cuido da minha irmãzinha. Me irrita ser tratado dessa maneira. Além disso, levo o cuidado de Ginny a sério. Não gostaria de estar no chão enquanto ela está na superfície. Travis assentiu. — Posso entender isso. Você só tem uma irmã para se preocupar. Eu tenho sete irmãos e irmãs, agora que Sara teve o novo bebê, a pequena Isabella. — Sua voz ficou suave quando ele mencionou o bebê. — É difícil para Sara e Falcon ir ao chão e deixar todos nós. Eles confiam em mim. Paul assentiu. — Falcon fala sobre você o tempo todo. Ele estava chateado que Gary não seja mais capaz de estar com você durante o dia. Travis deu de ombros. — Tenho que admitir, não gosto também. Gary é legal. Ele nos ensina as coisas mais interessantes. Marie, a babá para as crianças, pode ser um pouco chata. Ela cuida dos pequenos e às vezes tenta mandar em mim. Isso me deixa louco. — Mas Slavica e Mirko, os proprietários, têm uma linda filha, Angelina. Notei que você gosta de passar o tempo com ela, —Paul observou com um leve sorriso. Travis tentou parecer inocente e então começou a rir. — Ela é muito legal também. Ela não me trata como se eu fosse um garoto. — Notei sua calma, —Paul disse. Ele pegou a bola e olhou nervosamente em direção ao oeste. — Travis, vamos entrar. O sorriso sumiu do rosto do menino mais novo. Seus olhos se tornaram velhos e ele deu uma longa olhada ao seu redor. — Você sente alguma coisa, não é? Alguma coisa está errada. Faltava ainda duas horas antes de qualquer Cárpato adultos se elevar, e ele estava um pouco desconfortável também. Ele não tinha ideia do por que. Ele tinha onze anos, quase doze e já seguia os caminhos de seu pai adotivo, Falcon, dos Cárpatos. Andava como ele e usava o cabelo longo como ele. — Você se sente desconfortável? Paul subiu os degraus até a pequena casa. Há apenas dois outros adultos com eles para


228 proteger as crianças e ele sentia a responsabilidade fortemente. Tinha lutado com vampiros e Lycans, mas isso parecia diferente. Ele não tinha certeza se era sua imaginação ou não até que ele vislumbrou os olhos de Travis. O menino era psíquico e muito sensível. — Não tenho ideia se nós dois estamos um pouco tensos e nossas imaginações estão nos pegando peças por causa de tudo o que aconteceu, — Paul admitiu, — mas é melhor estarmos seguro. Vamos levar as crianças para a sala selada que Mikhail e Gregori providenciaram. Podemos voltar aqui e explorar um pouco. Vou chamar Jubal. — É estranho não ter Gary mais com a gente, — Travis admitiu. — Durante o dia, ele sempre ficou perto para nos proteger e eu me sentia como se pudesse parar qualquer coisa. — Provavelmente não é nada absolutamente, —Paul disse novamente, embora seu estômago estivesse começando a se agitar e estava certo de que havia motivo para alarme. Ele só não queria que o garoto entrasse em pânico. — Vamos descer os outros. — Falcon está me treinando para lutar. Peter e Lucas são muito melhores do que alguém lhes dá crédito, — Travis disse. — Eles gostam de pregar peças, mas vão lutar se precisar. — Deixe-os saber que nós estamos contando com eles para ficar na frente dos outros, — disse Paul. — Certifique-se de que eles levem a sério. Travis assentiu. Ele foi para a primeira sala de jogos. Marie estava lá com o bebê e suas duas irmãs mais novas, Chrissy e Blythe. Chrissy tinha oito e Blythe era seis meses mais jovem. Chrissy estava lendo em voz alta. Ela parou quando ele entrou e imediatamente seu rosto se abateu. Ela foi para Blythe e colocou o braço em volta dela. — Paul acha que é uma boa ideia mover todos para baixo, para o quarto seguro, —Travis disse, tentando usar sua voz sem emoção. — Apenas como uma precaução. Provavelmente não é nada, mas só para garantir. Marie ficou de pé imediatamente. — Chrissy, vamos precisar desses duas sacolas ali. Apresse-se e faça o que seu irmão diz. Travis esperou até Chrissy e Blythe pegassem as sacolas que Marie tinha indicado antes de se virar para sair da sala. — Trav., espere, — Blythe disse. Sua voz tremeu. — Você vem também? — Em alguns minutos. Preciso ir até os meninos. Peter e Lucas estarão com vocês até eu chegar lá. Jubal está chegando. Paul e eu estamos indo dar uma olhada lá fora. — Travis tentou tranquilizá-la, mas os olhos dela arregalaram e ela parecia prestes a chorar. Ele voltou para a sala e lhe deu um abraço desajeitado, sem olhar para Marie. Ele sempre foi um pouco desajeitado em mostrar seu carinho, mas amava seus irmãos e irmãs, e Falcon havia dito repetidamente que os homens demonstravam àqueles que amavam os seus sentimentos e isso não fazia deles uma garota. Blythe se agarrou a ele e então Chrissy se juntou no abraço. Depois de um momento, Chrissy levou Blythe pela mão. — Me ajude a carregar as sacolas para Marie. Nós não queremos que o bebê acorde.


229 Travis as deixou e foi encontrar seus irmãos. Peter e Lucas tinha amarrado seu irmão Jase com seus seis anos de idade, a uma cadeira e estava correndo em volta dele gritando como loucos. Demorou alguns minutos para obter a sua atenção. A única maneira que ele conseguiu foi ficar em seu caminho e deixá-los correr para ele. — Nós temos um problema real, anunciou sobriamente. Peter soltou imediatamente os laços de Jase que conseguiu se levantar. Lucas colocou o braço em torno de Jase, puxando-o para perto. — O que você quer que façamos? — Peter perguntou. — Vou trazer Anya, Anastasia, Stefan e Alexandru em breve. Jennifer está com eles e com Angelina e Ginny. Elas sabem que algo está errado, mas você ainda tem que agir como se tudo fosse ficar bem. O que quer que Marie e Angelina digam para fazer basta fazê-lo, mantenha a paz, não importa quanto tempo isso leva. Se algo acontecer, Peter, você e Lucas tem que ficar entre o que quer que seja o perigo e os mais jovens. Peter acenou com a cabeça. Travis agarrou os antebraços de seus irmãos na saudação tradicional de guerreiro, tornando o ritual solene, para que eles compreendessem o perigo. Quando ele estava certo de que eles iam colocar Jase em segurança e levar sua missão a sério, ele foi para o último quarto para contar a Angelina. Angelina, Gina e Jennifer estavam brincando com as crianças mais novas. O riso cessou no momento em que ele entrou. Stefan se levantou, colocando seu corpo na frente de Alexandru. As gêmeas, Anya e Anastasia se colocaram de cada lado do filho do príncipe. Todos eles enfrentaram Travis com rostos sombrios. Ele forçou um sorriso, mas o temor em seu estômago havia aumentado e sabia que algo estava definitivamente errado. — Só por precaução, todo mundo precisa descer até o quarto seguro. Não deem a Marie ou Angelina qualquer problema, mesmo que demore um longo tempo. Se lembrem do novo bebê. Não quero que ela se assuste. Jubal está chegando, e nós vamos fazer tudo certo, mas temos que ter a certeza de que todos estarão no quarto seguro só para garantir. Ginny pegou Alexandru e Angelina levou as gêmeas. Jennifer pegou a mão de Stefan. Eles imediatamente obedeceram sem fazer perguntas. Travis passou de quarto em quarto, se certificando de que todas as crianças estavam a salvo lá embaixo na sala que Mikhail e Gregori tinham construído. Ele voltou para a sala de estar. Paul estava lá fora na varanda, andando para lá e para cá. Ele recolheu as armas, atirando-as sobre o ombro e em seu cinto. A boca de Travis ficou seca, mas ele fez o mesmo, lentamente pegou todas as armas necessárias para uma luta com um vampiro ou suas marionetes. Estacas e facas de prata para um bando de lobos renegados. Acrescentou essas, bem antes de se juntar Paul na varanda da frente. A sensação de morte iminente crescia dentro dele, um temor sombrio que parecia engoli-lo inteiro. Ele arriscou um rápido olhar para Paul, esperando que fosse ver alguma coisa lá para ajudá-lo a livrar-se de sua ansiedade, mas Paul parecia tão ansioso quanto ele se sentia. — Eles estão todos no quarto seguro, — ele relatou, conseguindo manter a voz firme.


230 — Jubal está chegando. Ele sente isso também. — Um vampiro? — perguntou Travis quase esperançoso. — Nenhum vampiro pode estar fora a esta hora do dia. Nem mesmo o Sange rau. Nossos próprios sangue misturados conseguem de vez em quando, mas ainda tem um preço. Não sei o que faria a um deles combater no sol. — Paul balançou a cabeça. — Nós só temos que aguentar até o sol se pôr. — O que estamos enfrentando? Um bando de renegado? — Lycans podem estar de fora durante o dia, e, certamente, um bando de lobisomem também. O vento soprou em direção a eles, trazendo o cheiro de enxofre, um fedor sulfúrico muito parecido com ovos podres queimado. Paul pegou Travis pelo braço. — Vá para dentro agora. Depressa. Não discuta comigo, apenas faça. Travis queria protestar. Precisava ajudar a proteger as crianças mais novas, mas a urgência na voz de Paul o alarmou. Se retirou para dentro da casa, indo até a janela, encaixando uma flecha com ponta de prata em sua besta. — Jubal, — Paul chamou. — Você cheira isso? O que é isso? — Cães do inferno, —Zev respondeu, caminhando pelo quintal, o seu longo casaco escuro rodando em torno de suas botas. — Cães do inferno. Magia de Mago. Jubal derrapou até parar quando avistou Zev, seus olhos arregalados em choque com a visão de um Cárpato caminhar corajosamente ao sol. Travis saiu da casa ficando de pé, hesitante na varanda. — Isso realmente faz sentido, depois de todas as coisas que Branislava me contou sobre o Alto Mago, que ele viesse atrás das crianças, —Zev disse. — Peguei o aroma deles no vento e empurrei para cá, esperando que vocês se preparassem. — Como nos preparar? —perguntou Jubal. — Esta não é a primeira vez que me encontro com eles. Precisamos de óleo. Óleo de hissopo1. Zev olhou ao redor, encontrou uma panela velha e rapidamente chamou o óleo. — Mergulhe suas flechas nisso. Untem todas as armas que vocês têm. Se necessário, despeje-o sobre si mesmo. O óleo continuará a fluir quando necessário. — Eles serão mais rápido do que vocês podem imaginar. Quando dispararem contra eles, mirem bem na frente deles. Alguns terão mais de uma cabeça. São enormes e assustadores. Seus olhos brilharam, alguns vermelhos e outros amarelos. Tentem não olhar diretamente para eles. — Cães do inferno, — Paul murmurou. — Arautos da morte. Quem olha... Zev lhe lançou um olhar e Paul ficou em silêncio. — Eles só estão aqui porque o mago lançou um feitiço sobre eles e os está usando para trazer sua praga para aqueles que ele quer mortos. Não deixe que a sua saliva ou seu sangue entre em contato com você. Eles levam a praga em seus dentes e garras. Disparem nos seus olhos, e se não poderem atingir esse objetivo, mire para a garganta. Isso não vai matá-los, mas vai atrasá-los.


231 O chão vibrava. A panela com o óleo de hissopo balançou, o óleo formou grandes anéis. — Se protejam, — Zev ordenou. — Não se apressem com cada tiro. Mire à frente do cão. Lembrem-se, se houver mais de uma cabeça, todas têm que ser atingidas no olho. — Ele voltou sua atenção para Travis. — Vá para a garganta, isso vai lhe comprar o tempo que você precisa para atingir seu verdadeiro objetivo. Não entre em pânico, isso vai colocar você em problemas o tempo todo. Estarei bem aqui. — Zev usou sua voz mais calma, mais firme e baixa, mas carregada o peso de sua autoridade e conhecimento. Travis balançou a cabeça e caiu de joelhos, abrigando atrás de uma coluna pesada ali na varanda. O cheiro de enxofre queimando ficou mais forte e com ele, o cheiro de fogo, ou melhor, grama e folhas queimando, como se os cães por onde passassem deixassem uma terra devastada. Zev se virou para o oeste, o seu longo casaco girando em torno dele. Viu quando o primeiro dos cães saiu dos arbustos e entrou em campo aberto. Ele era enorme — um cão negro enorme com brasas nos olhos, os dentes e garras gigantescos, correndo em direção deles. Atrás dele, vários outros se lançaram a campo aberto, parecendo um rebanho galopante de animais selvagens, monstros tão sujos que só poderia ser concebidos no inferno — ou por uma mente diabolicamente do mal. Com uma mão, ele pegou a panela e derramou o óleo de hissopo sobre a sua cabeça para que escorregasse pelo seu cabelo, rosto e ombros. Em um movimento, ele a colocou no chão, levantou a besta e disparou a primeira flecha. A flecha foi realmente, direto para o olho esquerdo do pesado cão do inferno. Ele saltou no ar, gritando, rosnando, estalando no ar com seus dentes. Sangue negro correu seu rosto quando ele caiu com força, balançou a cabeça e continuou vindo. Zev ouviu o silvo suave de medo de Travis, mas o menino não correu. — Firme. Não dispare ainda. Eu vou eliminar o líder, — ele advertiu suavemente, esperando que sua voz calma e comportamento indiferente desse coragem ao rapaz. Ele ergueu a besta de novo e disparou uma segunda flecha mergulhada no óleo de hissopo, conseguindo um tiro certeiro no olho direito. O enorme cão de pelo negro estava quase na varanda. Ele rosnou, puxando para trás os lábios para revelar seus dentes afiados e longos, caninos quase como os do tigre dente de sabre. Seu corpo estremeceu e ele diminuiu a velocidade, deu mais dois passos e pareceu derrapar, suas garras traseiras ainda cavando para conseguir levar suas pernas a frente. Seu focinho bateu duramente no chão quase aos pés de Zev. O cão se debatia, urrando e mordendo o ar. — Escolha um deles, — Zev instruiu aos outros. — Mire os olhos. Se certifiquem de que vocês estejam cobertos de óleo e se os dentes ou garras atingirem vocês, grite imediatamente. Eu vou cuidar da ferida. Travis, se você está inseguro... — Ele mirou no cão mais próximo da casa, mais uma vez, atingiu diretamente no olho esquerdo. O animal estava correndo, seu corpo quase do tamanho de um grande cavalo. Sua cabeça era enorme, a boca cheia de dentes gigantes. — Aponte para a garganta. Não tenha pressa. Você pode fazer isso. Paul atirou no cão a direita de um que Zev abateu. Sua flecha atingiu o cão diretamente entre os olhos e saltou fora. Paul jurou suavemente, respirou fundo e mandou uma segunda flecha, está


232 muito mais correta acertou direto no olho direito do animal. Os dois cães a todo vapor, com longos fios de baba venenosos mortais pendurados em sua boca. Seu cão virou para o lado e bateu no que Zev tinha atingido. Os dois cães do inferno se emaranharam por um momento, caindo uns sobre os outros, rosnando e estalando. Jubal e Travis dispararam contra um monstro de duas cabeças, quase simultaneamente. A flecha de Travis acertou o cão na garganta, enterrando profundamente. A flecha de Jubal encontrou um dos olhos. O cão do inferno de duas cabeças saltou, rosnando, lutando ferozmente e bateu no parapeito da varanda, quebrando a madeira, caindo quase em Travis. Travis se levantou, a besta na mão, olhando para os olhos amarelos malévolos do cão de duas cabeças. Ele ficou olhando para ele, sangue negro correndo de um olho em sua cabeça à esquerda e sua garganta. O animal afastou seus lábios em um grunhido mortal, a baba venenosa aumentando dez vezes mais. O rapaz soltou a respiração e quando o cão deu um passo lento em sua direção, ele disparou sua besta direto no outro olho da cabeça esquerda. Zev chegou atrás com uma mão, mesmo quando soltou outra flecha na direção do cão, que tinha conseguido chegar a seus pés. Pegou a panela de óleo, jogou o conteúdo no cão de duas cabeças pulando em Travis. O garoto recuou rápido preparou outra flecha em sua besta, disparou enquanto tropeçava longe do cão do inferno. Zev sentiu a explosão de ar do cão negro quente e selvagem, contaminado com o mal, quando ele se colocou entre o cão e o menino. Ele atirou com calma no olho da cabeça direita. A flecha de Travis acertou a garganta pela segunda vez. Óleo escorria de ambas as cabeças do animal, escorrendo através do pelo como riacho. A pele untada com o óleo ficou com longas manchas formando bolhas. Enlouquecido de dor, o cão do inferno se debatia, e em seguida, bateu a cabeça contra uma das colunas, agitando o telhado e provocando rachaduras na coluna. Um dos lados do telhado desabou parcialmente sobre o pórtico quando o animal bateu no parapeito e, em seguida, ao lado da casa. O cão de duas cabeças girou em círculos, os dentes mordendo tudo em seu caminho. Zev arrastou Travis para fora da varanda, empurrando o garoto atrás dele quando o cão que Jubal acertou levantou do chão e galopou em direção a eles com assombrosa velocidade. Zev posicionou três flechas rapidamente, atirando sucessivamente, mirando à frente do cão do inferno. O animal pulou os últimos metros, seus olhos brilhantes não em Zev, mas sobre o menino. Um olho tinha duas setas saindo dela, mas o segundo olho estava claro. A terceira flecha o atingiu através do nariz. Zev soltou a besta, e pegou o animal com as próprias mãos, segurando a cabeça enorme longe de Travis. — A minha faca, — ele sussurrou, por cima do ombro para o menino. Ele estava grato por seu sangue misturado, o sangue lhe deu enorme força, embora o cão queimasse através das luvas finas que usava. Usando alavancagem ele girou o cão do inferno fora de seus pés, mas seu braço estava perigosamente perto dos dentes estalando. Ele sentiu Travis avançar ao lado dele, puxar a faca do cinto e sem dizer nada, sem hesitar,


233 enfiar a lâmina coberta de óleo no olho da besta. Jubal tinha as mãos cheias com o cão que Zev tinha acertado mais cedo, tentando impedi-lo de alcançar a varanda. Zev e Travis saltaram para trás e longe da cabeça se debatendo do animal morrendo, voltando para a varanda. Ela estava vazia. Onde havia uma janela, agora havia um enorme buraco. Seu coração naufragou, Zev pego sua besta, mergulhou na janela, deu um salto mortal para seus pés, e correu em direção ao corredor. O rastro de sangue negro o levou pela casa até a cozinha, onde havia outro enorme buraco onde a porta do porão deveria estar. O cão do inferno foi programado para encontrar e matar as crianças, Zev seguiu seu rastro. Desceu as escadas de dois em dois, saltou com uma mão sobre o corrimão, quando estava na metade e aterrissou agachado a poucos metros do cão de duas cabeças. Uma cabeça pendia para um lado, dois fluxos de sangue negro se derramando dos olhos cegos. A pele negra estava desaparecendo da cabeça, pescoço e ombros, a pele coberta de bolhas que parecia borbulhar frouxamente, como se por baixo, o óleo dissolvesse tudo que tocava. O cão usou suas garras mortais para rasgar a parede, arrancando longas tiras da estrutura, mas tão rápido quanto ele cavava a própria parede se reparava. Cada vez que as garras afundavam na parede, o cão do inferno levantava a cabeça e urrava com a dor, a parede liberava uma corrente de eletricidade que claramente atravessava o animal. A fumaça subia em torno dele, o cheiro de podridão, ovos queimados se intensificando, mas mesmo a dor não desacelerava o monstro. — Travis você está comigo? —Zev perguntou. — Sim. — A resposta foi muito fraca, mas firme. — Vou lhe pedir para fazer algo que vai ser muito assustador e igualmente perigoso. Você está pronto para isso? — Se essa coisa continuar longe da minha família, — Travis respondeu. Zev desembainhou a espada. — Vou cortar ambas as cabeças. Você tem que acompanhar a que tem um olho ainda intacto. Não será fácil. O cão vai vir com raiva contra nós. Provavelmente vai me atacar, sem cabeça. As duas cabeças vão rolar e sangue negro estará em toda parte. Você não pode olhar para coisa alguma, mas apenas um ponto, o olho que precisa ser fechado. Atire sua flecha e acerte o que você está mirando. — E se eu falhar? — A voz de Travis tremeu. — Você não pode falhar. Você me entende? Não pode falhar. Você sabe atirar. Falcon te ensinou. Você vai acertar o que está mirando. — Sim, senhor, —Travis disse. Zev respirou, deixou o ar sair e se aproximou do cão do inferno enorme. Trouxe sua espada com força, usando a força combinada de Lycan e Cárpato, com seus séculos de experiência no campo de batalha. A espada cortou os pescoços da criatura horrível totalmente, as duas cabeças caíram no chão.


234 Uma onda de calor subiu do pescoço decepado, fumaça subindo e derramando sangue negro do buraco. Zev saltou para trás para evitar o fluxo de sangue, pousando cuidadosamente quando o corpo sem cabeça virou, as garras rasgando o ar em torno dele. As duas cabeças rolaram, deixando um rastro de sangue venenoso no chão. Um olho brilhava um amarelo medonho, brilhando como um farol cada vez que vinha a superfície. Travis não olhou para ver o que o corpo sem cabeça do cão gigantesco estava fazendo com Zev. Ele fez cada coisa que Falcon havia lhe ensinado. Respirou. Deixou sair. Contado para si mesmo para pegar o ritmo de seu alvo. Visualizou a flecha corretamente. Esperou e quando a cabeça rolou, ele puxou o gatilho da flecha, e com a mesma rapidez encaixou outra na besta, assim como Falcon havia instruído. Sua flecha atingiu o centro do olho morto amarelo. Ele olhou para ele malevolamente, arregalado, a flecha saliente. A cabeça rolou para perto dele. Ele não tirou os olhos do seu alvo. Quando o olho surgiu à superfície, ele atirou a segunda flecha e com a mesma rapidez recarregou. A cabeça acalmou, o olho aberto e fixo, mas agora apareceu um amarelo desbotado, oco, sem vida ou inteligência por trás do brilho. Ainda assim, Travis não conseguia desviar o olhar, temendo que a criatura viesse à vida novamente. Estava com medo de olhar para trás, temendo que Zev não estaria lá e o corpo sem cabeça estaria prestes a lhe rasgar em pedaços com essas garras terríveis. — Travis. — A voz suave de Zev chegou até ele através do urro em seus ouvidos. — Obrigado. Você o matou. Precisamos voltar e ajudar a Jubal. Se você precisa de um minuto, você pode se juntar aos outros no quarto seguro e os informar que estamos quase terminando aqui. Jubal e eu vamos limpar. A voz de Zev foi a mesma, calma, milagrosamente constante e com total confiança. Mas estava subindo as escadas rápido, uma saída fluida e graciosa, mas uma saída do mesmo jeito. Travis estava bem ciente de que o caçador de elite estava fazendo o certo, Jubal ainda estava vivo e tinha matado o último dos cães do inferno. Ele não queria ser deixado sozinho no mesmo ambiente com a besta de duas cabeças macabra, mesmo que ela parecesse morta. Não estava prestes a abrir a porta do quarto, até que estivesse absolutamente certo de que fosse seguro fazê-lo. Correu atrás de Zev. Zev odiou deixar o menino depois de ele ter demostrado tanta bravura, e ficou feliz ao ouvir seus passos quando Travis correu atrás dele, mas sua mente já estava nos demônios do inferno que tinha tentando chegar às crianças. Havia cinco deles. Ele matou o líder. O monstro de duas cabeças estava morto. Os dois cães que colidiram formam mortos também. Isso deixou um. Tinham tido sorte. Jubal tinha boa pontaria, e Paul e Travis também. O óleo veio a calhar. Sem ele, os animais viriam para eles de novo e de novo, apesar das flechas. Não havia outra maneira real para matar o cão do inferno, sem o óleo. Ele agia como um veneno para eles. Zev explodiu na varanda, pronto para qualquer coisa — exceto a cena na frente dele. Paul e Jubal sentados no chão a poucos centímetros de um cão do inferno morto, ambos rindo quase histericamente. Eles olharam para cima quando ele se aproximou. O cão e os dois homens estavam cobertos de óleo e poças estavam no chão. — Algum de vocês está ferido? Mordido? Arranhado? Teve algum sangue em vocês? — Não, —Jubal disse. Ele olhou para Paul e caíram na gargalhada novamente. — Estamos


235 apenas cobertos, prontos para a frigideira. E quanto a você? Zev deixou a tensão sair, embora estivesse bastante certo de que os dois homens estavam beirando a histeria. — Estou coberto de óleo também. — Ele se sentou no chão ao lado deles e observou os quatro corpos gigantes. — Assim como eles. O que você fez? Paul sorriu e enxugou o rosto com as costas da mão, espalhando mais óleo. — Continuei jogando óleo nele enquanto Jubal manteve o disparo. Por fim, a maldita coisa caiu, mas levou cerca de dez flechas e cinco panelas cheias dessa coisa. Não acredito que você conseguiu conjurar um recipiente de reposição de óleo. Travis veio e se sentou entre Paul e Zev. Ele olhou para os três homens. — Prefiro lutar com um vampiro, — ele declarou com um pequeno estremecimento. — Você não está sozinho nisso, — Paul concordou. — Nós temos uma bagunça para limpar, —Zev disse. — Embora eu ache que estou me sentindo um pouco sonolento. Jubal atirou um punhado de terra nele. — Nem mesmo pense em nos abandonar. Zev bocejou. — Realmente. O sol está começando a me derrubar. — Nós vamos precisar de você, — Paul declarou, fazendo um movimento como se pudesse segurar Zev. Zev foi muito rápido, saltando de pé, quase derrapando no óleo. — Tudo bem. Vou ajudar. Mas vocês dois fizeram uma bagunça. — Nós salvamos o dia, — Jubal anunciou solenemente. — Nós estávamos discutindo medalhas de bravura. A sobrancelha de Zev disparou. — Medalhas? — Ele repetiu, como se não estivesse certo do que era. — De heroísmo, — disse Paul. — Trav pode entrar nisso, também. Nós até projetamos uma. — Ele olhou para Jubal e os dois caíram na gargalhada. Zev balançou a cabeça. — Jovem Travis, este é claramente um efeito colateral de ficar muito perto de um dos cães do inferno. Seus cérebros estão podres. Travis assentiu. — Posso ver isso. É melhor nós os deixarmos e limpar as escadas para as crianças poderem sair do quarto seguro. Elas estarão com medo. Eles se viraram e Paul gritou em pânico. — Espere! Você não pode sair. Tem que queimar tudo isso. Se voltando, Zev riu para os rostos arrasados de Jubal e Paul. Mesmo Travis riu com ele. — Noto que eu trabalho e vocês terão as medalhas. — Ele chamou o relâmpago e o dirigiu por cima dos corpos, incinerando-os e o sangue negro brilhante, que se espalhou por todo o quintal. — Como deve ser, — Paul murmurou baixinho, apenas alto o suficiente para Zev ouvir.


236 Um chicote de um raio atingiu a poucos metros dos pés de Paul, incinerando o último do sangue do chão. Paul praticamente saltou por cima de Jubal para ficar longe da ponta escaldante. — Estou preste a dizer a Branislava sobre você, — ele grunhiu, usando o último recurso para nivelar as probabilidades.


237 Capítulo 19

Uma névoa profana rastejou através da floresta, tecendo através das árvores perto do chão. Gavinhas se elevaram trinta centímetros do nevoeiro, longos tentáculos avançando através de moitas e folhas ao vento como cobras e subir mais alto para os troncos de árvores. Um odor estranho de enxofre acompanhou o denso vapor. O cheiro era fraco, mas a vida selvagem se esquivou da névoa rasteira, girando quando ela aproximava e fugindo como se suas vidas estivessem em perigo. Um lobo baixou suas ancas e ergueu o focinho para o céu, emitindo uma longa nota de aviso. Outro se juntou a ele.

Para mim agora! Dimitri ordenou aos dois alfas bruscamente. Depressa. Skyle recolha-os. Não temos tempo. Zev! Fen! Estamos cercados. Os lobos estão chamando, podem ouvir o aviso? Dimitri estendeu os braços para seus lobos saltarem a bordo. Eles vieram correndo do interior da floresta para saltar para ele. Sentiu o choque quando eles mudaram no último momento. A pequena fêmea alfa estava aprendendo, mas ela ainda bateu mais duro nele do que o necessário. Ele a repreendeu automaticamente, lembrando-a a mudar um pouco mais rápido. A loba de Skyler, Moonglow, correu em direção a eles e ela se virou, braços abertos, para tornar mais fácil para ela saltar a bordo. Dimitri manteve os olhos sobre o nevoeiro, avançando em direção à clareira onde a cerimônia para a despedida com honras de Arno e o seu filho Arnau estava ocorrendo. Ele não poderia descrever isso como neblina por mais tempo — era muito denso e exalava enxofre, um brilho cinza-amarelado assustador. Sinalizou a Skyler para começar a se mover, de volta na direção da clareira. O nevoeiro estava tomando conta da floresta e ele não a queria ou os lobos nele. Os lobos começaram a uivar de várias posições na floresta. Skyler arfou e pegou sua mão. — Os selvagens estão nos advertindo para sair, — ela interpretou. Dimitri ergueu a cabeça e uivou para trás, emitindo uma série de notas e gritos, o tom perfeito de um lobo, respondendo às advertências dos lobos selvagens. Ivory e Razvan vieram da direção oeste, os lobos já montado em ambos. — Vocês dois estão bem? —Razvan perguntou, olhando Skyler com cuidado. Skyler assentiu. — Um dos meus lobos, Frost, ainda não voltou. Dimitri os chamou. — Já disse aos selvagens para saírem desta parte da floresta e evitar o nevoeiro, —Dimitri disse. — Eles sabiam, estavam nos avisando, mas eu queria ter certeza de que eles entendiam como é perigoso. Razvan indicou o vapor amarelado. — Parece estar subindo nas árvores. Olha como se envolve em torno do tronco e sobe. Sobe as árvores que toca antes de rasteja a frente novamente ao longo do chão da floresta. Ivory e Skyler avançaram para o nevoeiro, ambas determinadas a encontrar o lobo faltando.


238 Dimitri segurou o braço de Skyler para impedi-la. — Ele vai voltar ou não, csitri17, mas você não pode chegar perto dessas coisas. Se todos os animais na floresta estão fugindo dele, você tem que prestar atenção aos avisos. 17

Pequena no idioma dos Cárpatos

Ivory parou também, olhando para Razvan como se ele estivesse se comunicando com ela em particular. Seus longos cílios esconderam sua expressão, mas ela deixou cair o queixo e balançou a cabeça. Razvan colocou seu braço ao redor dela brevemente como se a confortando. — Nós não podemos deixá-lo, — Skyler protestou. — Você sabia desde o começo que poderíamos perder os lobos, —Dimitri disse, seu tom de voz suave, mas não permitindo nenhum argumento. — Você não pode sacrificar sua vida por ele. Este nevoeiro é perigoso. Temos que ir. — Ele vai voltar. Sempre vai muito longe, mas ele volta, —Skyler disse, se inclinando para Dimitri por um momento. — Eu o repreendo várias e várias vezes, mas ele simplesmente parece se perder quando corre livremente, ou seja, perde a noção do tempo e o que deveria estar fazendo. Insetos saíram da terra, correndo à frente da neblina, que continuava a se mover em direção à clareira. As formigas, cupins, besouros, cada inseto que se refugiava nas árvores ou no solo, saiu transformando a vegetação em um tapete vivo, Dimitri puxou a mão de Skyler. — Estamos saindo agora. Skyler hesitou. — Dimitri, o ar parece mais pesado, quase como se houvesse um feitiço escuro escondido com o nevoeiro. — Ela olhou para seu o pai biológico. — Você sente isso? Razvan assentiu. — A natureza foi torcida e dobrada ao desejo do outro. — Parece mais, — Skyler especulou. — É mais do que isso. É mais escuro. Mal. Como se há coisas forjadas dentro do nevoeiro que vêm de outro mundo. Dimitri levantou a mão pedindo silêncio. Continuou pegando pequenos murmúrios, sons, mas os outros claramente não podiam ouvir. Ele balançou a cabeça e deu dois passos para trás enquanto a névoa se aproximava. Frost veio correndo na direção Ivory e Razvan em um ritmo frenético, com os olhos um pouco selvagem. Dimitri estendeu os braços e o lobo errante saltou para a segurança das costas de seu alfa. — Há algo no meio do nevoeiro, se movendo, conversando. Posso ouvi-lo, — Dimitri disse aos outros. — Não está apenas escalando as árvores, mas também como se aprofundasse no chão a medida que se aproxima da borda da floresta. Vamos voltar para a clareira e ajudar a tirar todo mundo de lá.

Gregori coloque o príncipe em segurança. Há algo aqui além do meu conhecimento, mas não há dúvida de que é perigoso. Seja o que for, está indo em sua direção. Está se movendo devagar, mas há algo mal escondido. Dimitri enviou o aviso na frente deles, pedido a Gregori que leve seu príncipe para a segurança.


239 Gregori Daratrazanoff suspirou profundamente. Mikhail estava assistido à cerimônia em honra de Arno e seu filho como qualquer bom diplomata faria. Os Lycans insistiram, apesar de todos os avisos, que o membro do Conselho morto tivesse uma cerimônia completa, e fosse cremando com honra. Em vez de manter o funeral para a ascensão, Rolf insistiu em preparar o terreno e esperar três dias e noites. Nenhuma argumentação o fez mudar de ideia. — Você ouviu Dimitri. Tenho que te tirar daqui, Mikhail. Dimitri está alertando Zev e ele vai fazer o seu melhor para convencer os Lycans a saírem, mas você não pode correr o risco. — Você sabe quantas vezes você diz isso para mim? — Mikhail perguntou com um pequeno suspiro. — Você fez o seu discurso e apresentou seus respeitos, —Gregori disse. — As crianças já foram atacadas. Se Zev não fosse Dark Blood, poderíamos tê-las perdido. Nossa última defesa é você. Você sabe disso. É melhor proteger os nossos filhos do que ficar e proteger os Lycans quando eles estão insistindo em ficar. Se as coisas ficam ruins aqui, podemos enviar reforços. — O que ele está fazendo, este Xaviero? Por que ele de repente se revela a todos nós? Os irmãos se esconderam entre as diferentes espécies e fizeram seu dano em segredo. O que é tão importante, que eles continuam nos atacando? Claramente Lycans e Cárpatos não vão entrar em guerra um com o outro. Ele não pode nos eliminar, não aqui. Estamos espalhados pelo mundo. Precisamos de resposta para isso, Gregori. Seja o que for que Xaviero quer é muito importante para nós sabermos isso. Mikhail se levantou com óbvia relutância. Sinalizou para Zev vir até eles. — Dimitri alertou você? Zev respirou fundo e soltou o ar, balançando a cabeça. Eram muito poucos os momentos em que ele se chocava com Rolf, chefe do Conselho Lycan, mas Rolf insistiu na cerimônia em honra de Arno e seu filho. Ele insistiu em esperar os três dias prescritos para os que estivessem longe pudessem chegar. Isso só deu a Xaviero ainda mais tempo para se preparar. Após o ataque às crianças, Zev estava absolutamente certo que Xaviero focaria no serviço fúnebre. Estava certo. Odiava estar certo. — Sim. Eu falei com Rolf inúmeras vezes e ele se recusa a ouvir. Tentei dizer a Rolf que não era seguro que todos estivessem aqui, mas ele ressaltou o grande número de Lycans e Cárpatos que vieram prestar suas homenagens. Ele acha que há um exército aqui e não há necessidade de sair. — Talvez, se eu falasse com ele de novo, — Mikhail ofereceu. Ele já havia feito isso uma vez, depois que seus filhos foram atacados. Claramente Xaviero não ia parar até que alcançasse seu objetivo, seja lá qual fossem. Zev balançou a cabeça. — Esta cerimônia está enraizada profundamente em nossa cultura. É importante para todos os Lycans e, especialmente, Rolf. Ele é chefe do Conselho. Arno é um membro do conselho morto, assassinado por um inimigo. Ele vai ficar aqui sozinho, se necessário. A partir do momento que entrou na clareira, Zev sabia que algo estava terrivelmente errado. O sentimento do próprio solo o incomodava. O ar. Sentia-se desconfortável e aprisionado. Ele foi para Rolf imediatamente e tentou convencê-lo, pelo menos, alterar o local da cerimônia, mas o terreno foi


240 purificado e a pira construída. Zev argumentou que o sentimento em suas vísceras nunca estava errado e que foi isso que manteve todos vivos esses longos anos, ele esperava que Xaviero os atacasse. Rolf realmente virou as costas para Zev e se afastou violentamente, se recusando a ouvir a razão. — Ainda assim, eu tenho que tentar, —Mikhail disse, ignorando os olhos prateados de Gregori. Ele fez o seu caminho através da multidão de Lycans para chegar ao chefe do Conselho. Um homem, um dos muitos que vieram que Mikhail nunca tinha visto antes, estava falando no pódio. Ele usava uma túnica marrom longa com um capuz e falava em um tom suave, carregado. Ele parecia angustiado ao falar de Arno e o caçador de elite mortos. Não só seu olhar estava devastado, mas projetou tanta tristeza que até Mikhail se sentiu desolado. Ele quase voltou, ciente de que os Lycans estavam todos de luto pelo conselheiro muito amado e seu filho, mas Gregori estava esperando, com os braços cruzados sobre o peito, o olhar prateado impossível de ignorar. Rolf levantou relutantemente quando Mikhail fez um gesto para ele e eles encontraram um pequeno espaço ao lado. — Rolf. — Mikhail armou a sua voz baixa. — Estamos recebendo relatos de problemas vindo para cá. O consenso de nossos guerreiros mais experientes é que devemos sair imediatamente. Eu concordo com sua avaliação. Precisamos começar a fazer com que todos fique em segurança. Aborrecimento repentino cruzou o rosto de Rolf e ele olhou para Zev, como se o caçador de elite fosse o único a irritá-lo. Suas feições se estabeleceram em sua máscara calma habitual quando ele olhou para o príncipe dos Cárpatos. — Zev não tem o direito de lhe pedir para vir e conversar comigo, — ele disse, os dentes cerrados, revelando o lobo à espreita perto da superfície. — Ele não me pediu, — Mikhail rebateu. — Meus seguranças pediram. Zev explicou que esta cerimônia era importante para os Lycans e eu respeito isso. Respeito Arno. Mas você e eu somos responsáveis por nosso povo, e pensei que você gostasse de saber que o tempo é essencial. Temos que fazer com que todos estejam em segurança. A boca de Rolf apertou. — Talvez você nunca tenha entrado em zonas de guerra, mas eu sim, muitas vezes durante a minha carreira como membro do Conselho para meu povo. Nós aceitamos os riscos. — Por si mesmo, — Mikhail concordou. — Mas, para tantos outros? Olhe para o número de Lycans que vieram de muitos lugares para prestar suas homenagens. Eles estão em perigo também. — Arno serviu estas pessoas por bem mais de cem anos. Ele merece o respeito e a honra de sua presença. Ele era um membro do Círculo Sagrado altamente condecorado e respeitado. Ele acreditava nas velhas formas e códigos de honra. Este era seu jeito. Esta é a sua crença. Não vou desonrá-lo, porque tenho medo pela minha vida, —Rolf disse com firmeza. — Nem qualquer Lycan. Te agradeço por vir, mas este é um assunto Lycan e você e seu povo deve fazer o que achar melhor. Vamos ficar. — Ele se virou e voltou para o seu lugar na frente do Lycan discursando, os ombros retos e sua mandíbula apartadas teimosamente.


241 Mikhail olhou para Gregori. Não havia como persuadir o líder do Conselho Lycan. Ele seguia suas convicções e não havia forma de mudar isso. Rolf não estava apenas agoniado, ele estava sobrecarregado com a culpa. — Comunique a nosso povo. Há problemas chegando e vamos embora. — Zev não vai deixar os Lycans, —Gregori disse. — Ele tem sido seu protetor por anos e não importa que Rolf esteja sendo teimoso sobre isso. Zev nasceu em sua cultura e, embora do ponto de vista de proteção ele gostasse de levar todos para fora daqui, ele entende. Seus irmãos vão ficar com ele. Ivory e Razvan também. Mikhail assentiu. — Não esperaria nada menos. Se não fosse pelas minhas responsabilidades para com o nosso povo, eu ficaria com eles também. Xavier quase empurrou a nossa espécie a extinção. Xayvion tem quase feito o mesmo com os Jaguares. Xaviero está determinado a arruinar os Lycans. Eles têm que ser parados. Gregori levou Mikhail para longe dos Lycans. Mais dois membros do Conselho tinham vindo para honrar Arno e com eles, os seus guardas. Os líderes ou representantes de muitos outros Bandos tinham chegado também. Gregori utilizou o caminho comum dos Cárpatos para avisar seus guerreiros do perigo que Dimitri e Skyler tinham observado na floresta. Mikhail e Gregori foram até Zev. Mikhail sacudiu a cabeça tristemente quando Zev levantou uma sobrancelha. Ele deu um passo à frente e agarrou os antebraços de Zev na forma tradicional dos guerreiros dos Cárpatos. Ele ficou satisfeito quando Zev instintivamente agarrou seu. — Você está preparado? Zev balançou a cabeça lentamente. — Tentamos pensar em tudo que poderia ser jogado em nós. Acho que estamos tão preparados quanto podemos estar. — Quem poderia estar totalmente preparado para um mago? Não apenas um mago, mas um Alto Mago? O sentido de urgência nele estava crescendo. Queria Mikhail partisse, para longe da clareira e do nevoeiro que Dimitri o havia avisado. Se quase todos os Cárpatos fossem aniquilados, haveria esperança, enquanto Mikhail vivesse. Mikhail podia se irritar com os laços que o prendia ao de seu povo ocasionalmente, mas conhecia seus deveres, e Zev podia ver que ele não iria discutir com ele ou Gregori. Ele estava partindo.

Você pode ouvi-los? Esses não são apenas os nossos lobos Zev, esses são os selvagens. Mandei-os embora. Eu ouço. A cerimônia começou. O que está acontecendo ai fora? Zev ficou calmo. O pânico levava a perder da capacidade de pensar. Ele era o responsável pelos membros do Conselho, seus guardas Lycan e todos os alfas e representantes que vieram de muitos bandos. Acenou para seus caçadores de elite. Os olhos de Daciana estavam inchados e vermelhos, algo que ele nunca tinha testemunhado nos longos anos que estiveram juntos. Não podia culpá-la. Perder Arnau foi doloroso e adicionando a morte de seu pai, Arno, à mistura só aumentava a tristeza — e culpa.

O nevoeiro aqui não é natural e nem feito por qualquer dos Cárpatos, Dimitri relatou, usando o


242 caminho comum dos Cárpatos. Tem uma sensação maligna nele. Skyler diz que detecta um espaço

mais escuro dentro da névoa. Todos os animais selvagens, incluindo aves estão recuando. Insetos estão saindo da terra. Fumaça subiu no ar, as folhas brancas purificadoras queimavam e exalavam o odor doce de jasmim em preparação para a queima dos corpos. Arno e Arnau estavam em meio a flores e galhos da pira funerária, no alto, onde seus espíritos teriam uma ascensão fácil. Daciana, Makocee e Lykaon se juntaram a ele. — Nós vamos ser atacados. Rolf e os outros não vão ouvir nada do que eu diga. Insistem sobre a realização da cerimônia. Estejam prontos. Fique perto dos membros do Conselho. Quaisquer outros guardas que vocês realmente confiam, advirtam e os levem para cercar o Conselho. Eles não fizeram perguntas. Sabia que não faria. Ele era o alfa de seu bando e sua palavra era lei. Eles acenaram e se moveram para a multidão ao redor da pira cerimonial. Branislava estendeu a mão para ele, colocando seus dedos em torno do pulso dele quando ele veio até ela. — Ele está aqui Zev, — ela sussurrou, se inclinando para ele. — Sinto sua presença. Apenas o leve toque o fez se sentir como se tivesse uma casa. Um refúgio. Ela tinha um jeito de olhar para ele aquele que fazia o mundo certo, mesmo quando tudo ao seu redor parece estar desmoronando. — Nós sabíamos que ele viria Branka, mesmo sem nenhuma outra finalidade do que ver o sofrimento causado por sua obra. Nós sabíamos que ele não seria capaz de se segurar. Branislava olhou para as precauções e salvaguardas intrincadas que os Cárpatos instalaram para proteger os Lycans que se reuniram para o serviço funerário. — Ele está aqui com um propósito. Não apenas para sua satisfação e provar sua superioridade. Sei que você sente isso também. E agora Dimitri encontrou a névoa. Ela virá rastejando para fora da floresta que nos rodeia, e há coisas desagradáveis que ele poderia evocar que podem matar. — Você o conhece melhor do que ninguém Branislava. Você estudou esses três magos durante séculos, quando ninguém sabia de sua existência. Você é a nossa autoridade. Me diga o que você acha que ele vai fazer. Ele tinha fé na capacidade dela de derrotar Xaviero. Ela era tão habilidosa e tinha a vantagem. Ela o tinha visto atuar, conhecia todo seu feitiço, ele nunca a considerou uma ameaça e não sabia que os três magos educaram uma aluna tão brilhante. Ela só tinha que acreditar em si mesma. Ele sabia que ela tinha que superar o terror incutido nela deste seu nascimento. Branislava mastigou nervosamente o lábio inferior. — Ele vai querer chegar o mais perto da pira funerária possível. Ele provavelmente vai querer fazer o discurso... — Ela parou de falar, seus olhos encontrando os de Zev. Ela balançou a cabeça rapidamente. — Mas ele não ousaria. — É exatamente o que ele faria, — Zev rebateu. — Você pode imaginar quão presunçoso ele seria se ficasse impune? Em pé na frente de Cárpatos e Lycans igualmente e essencialmente elogiando os dois homens que ele assassinou? Ele não teria necessidade de exigir vingança — isso só iria reafirmar sua superioridade.


243 Dimitri, o quão rápido o nevoeiro se aproximando de nós? Era imperativo saber o cronograma de Xaviero. Necessitava recuar os civis e preparar os guerreiros disponíveis para a batalha.

Está se movendo de forma muito lenta. E denso. E muito, muito poluído. Branislava olhou nervosa em direção à floresta em volta. Isso não é bom. Não gosto que os insetos estejam saindo da terra também. Ele está tramando algo, algo muito mais mortal do que pensamos inicialmente.

O nevoeiro começou há cerca de trinta centímetros do chão e agora está enrolado até o topo das árvores como cobras grossas, Skyler acrescentou. Fique longe dele, Branislava aconselhou. Não deixe tocar sua pele. E o que quer que você faça, não fique dentro dele. Vejo olhos brilhantes. Vermelho. Amarelo. E estamos começando a ouvir vozes, ou eu estou, Dimitri disse. Skyler sente as coisas em movimento, mas ela não ouviu nada ainda. O coração de Zev pareceu saltar uma batida. Seu exército. O Sange rau. Sabíamos que ele

estava construindo um exército. Dimitri pode senti-los, porque ele é mestiço também. Xaviero tem um exército de Sange rau e Cães do Inferno esperando para nos aniquilar. Mas se fosse esse o caso, porque eles não estão aqui já? Branislava perguntou. Por que enviar o nevoeiro. Estamos no meio de uma clareira. Zev franziu a testa. Ele está os segurando. Para quê? Ele pensou em voz alta, convidando os outros a especular. Por que ele está dando a chance de que pudéssemos os descobrir antes que ele

os liberasse em nós? — Quem do Círculo Sagrado estava programado para fazer um discurso? —Branislava perguntou, olhando em torno para a pira funerária. — Roberto Hans, — Zev respondeu devagar, evitando olhar muito duro no Lycan considerado um dos maiores líderes do Círculo Sagrado. — Ele está falando agora. Zev o reconheceu como um dos membros mais proeminentes do Círculo Sagrado. Roberto Hans falou com Rolf apenas momentos antes. O rosto e o corpo pareciam de Roberto, junto com a voz profunda, mas o ouvido treinado de Zev pegou uma falta de profundidade ao som. Algo estava faltando. Como se a voz fosse uma gravação e não a coisa real. Não havia nenhuma maneira de provar que ele estava certo, mas ainda assim, estava certo. Zev lembrou que Roberto e o Lycan conhecido como Rannalufr eram bons amigos. Se Xaviero, disfarçado de Rannalufr, se aproximasse de Roberto apenas para falar sobre a morte de seu velho amigo, Arno, Roberto teria lhe permitido entrar sem hesitação. Branislava observou Zev se afastar, de volta para os Lycans amontoados tão perto ao redor da pira funerária. Ela não gostava que eles estivessem tão perto de Xaviero, se fosse o Alto Mago — e ela tinha certeza de que era. Não queria continuar olhando para ele, com medo que ele percebesse que eles estavam em cima dele. Ela se moveu para encontrar uma posição melhor para ajudar Zev quando um odor peculiar flutuou da multidão, apenas o mais fraco dos cheiros, mas ela pegou e ficou


244 rígida, parando imediatamente.

Zev. A voz de Branislava tremeu, mas ela não pode se conter. Esse pensamento de ambos os magos tão perto de uma multidão tão grande era absolutamente aterrorizante. Eu acho que os dois estão aqui. Xayvion bem como Xaviero. Peguei um cheiro de incenso, uma poderosa combinação de ervas que são utilizadas para enviar um espírito ao longo de sua jornada. Apenas um pequeno cheiro de passagem, mas Xayvion utilizava feitiço, no qual usava incenso para ajudá-lo. O que quer que eles estão fazendo, acho que eles planejam fazer isso aqui. Talvez alguém usasse este incenso na esperança de enviar Arno e Arnau em uma viagem segura. Não era exatamente isso Zev. Era uma combinação de aromas. Xavier estava usando no laboratório quando ele esfaqueou Xaviero. Seu coração começou a bater mais forte quando ela puxou a memória. Havia uma neblina espessa no laboratório naquela noite. Eu não podia ver o corpo de Xaviero uma vez que caiu no chão. Vi Xavier agarrar seus pés e puxá-lo para fora do laboratório, mas eu não podia ver seu corpo realmente, porque a neblina era muito grossa, flutuando a centímetros do chão. Branka me escute. Você pode fazer isso. Descubra isso. Não importa o que aconteça você tem que ficar focada no que você acredita que seja o objetivo final de Xaviero. Ela podia ver Zev indo para frente, e Fen do outro lado da multidão fazendo a mesma coisa. A voz calma de Zev sempre a acalmou. Ele tinha um jeito de olhar e de falar com tal serenidade, de certa forma, tudo nela se estabilizava. Não desta vez. Desta vez, ela estava certa de que sabia o que Xaviero e Xayvion estavam fazendo.

Eles vão comercializar o espírito dos vivos pelo espírito dos mortos. E por isso que cheirei a combinação de incensos de Xayvion enquanto ele se movia por entre a multidão. Eles têm um corpo vivo aqui, um em que eles querem colocar o espírito de Xavier. Eles precisam de mortes, almas e espíritos lamentando. Quanto mais, melhor. Eles pretendem abrir os portões do inferno. Houve um pequeno silêncio. Ela pode sentir Zev ao seu redor. Em sua mente. Como sempre, ele era tão firme como uma rocha. Ele não estava em pânico como ela. Talvez porque ele não soubesse o quão ruim isso ia ficar. Dimitri, Skyler, Ivory e Razvan estouraram da floresta, correndo em direção a eles, chamando sua atenção. Logo atrás deles, uma cobra malhada deslizou em um árvore particularmente grande. Quando estava na metade do tronco, ela recuou e atacou a árvore, afundando seus dentes profundamente. Cor correu pela casca, transformando-a do cinza-escuro normal para um branco doentio. A cor se espalhou para os ramos e então para as folhas. Branislava suspirou e se virou para olhar para trás. Outra árvore em frente à primeira, do outro lado da clareira, estava iluminada da mesma forma fantasmagórica. Ela sabia sem olhar, que haveria uma árvore do outro lado da pira cerimonial e mais duas iluminadas por cima, formando um pentagrama invertido. Vários Lycans começaram a virar as cabeças longe da pira funerária, inquietos, sentindo o mal se espalhando por toda a clareira. Os caçadores de elite se aproximaram mais para melhor proteger


245 os membros do Conselho. Eles começaram Zev. Você tem que encontrar a sua vítima para o sacrifício.

Estará em algum lugar perto da pira. Eles vão querer seu corpo, então eles vão ter que conduzir o seu espírito no momento preciso que abrirem as portas para que possam fazer a troca. Eles vão matar o maior número possível para realizar seu objetivo. Nevoeiro vazou através das árvores para a abertura em torno da clareira, um vapor cinza-amarelado espesso. Tentáculos rodeando as árvores, subindo em direção ao céu. O nevoeiro era alto, uns bons dois metros ou mais, como uma grande parede se movendo em direção a eles, embora ainda lento. Branislava não se conteve. Ela olhou para o orador de pé no pódio. Seus olhos se encontraram. Reconheceria aquele olhar malévolo em qualquer lugar. Xaviero. Ele jogou o capuz para trás, estendendo os braços como se em súplica, exatamente quando Zev disparou um tiro contra ele. A bala voou, acelerando diretamente para a testa de Xaviero, bem entre os olhos. Xaviero sorriu, um vil promessa maliciosa, maldosa de pura alegria. Em sua mente compartilhada com Zev, Branislava gritou em alarme. Zev se jogue no chão. Ela desviou o olhar de Xaviero e freneticamente gritou um feitiço de proteção.

Aquilo feito de chumbo, Acionado para matar, Removo seu vigor, Agora você deve ser acalmado.

A bala atingiu algum tipo de barreira, parando justo entre os olhos de Xaviero, pairando ali por um momento e então invertendo, disparando pelo ar diretamente para o atirador. Zev bateu no chão e rolou, à bala obedecendo a ordem de Branislava no último momento, caindo na terra sem causar danos. Xaviero a saudou com um pequeno arco, seu sorriso alargando até ele parecer quase grotesco, um monstro profano de outro reino. Ela percebeu que ele passou um tempo no mesmo lugar que Xavier estava aprisionado. Os três irmãos tinham se preparado para o inevitável momento em que um deles fosse morto.

Zev encontre o seu sacrifício. Faça rápido, todo o inferno está prestes a se liberar. Ela precisava de ajuda rápida. Não importa o que aconteça os mantenham longe de nós. Tatijana, Skyler, Ivory. Eu preciso de vocês agora. Estamos na batalha de nossas vidas. Xaviero e Xayvion vão nos atacar. Nós somos as únicas capazes de detê-los. Vocês tem que nos proteger. Vamos precisar de tempo para contrapor os seus feitiços. O feitiço do pentagrama invertido fechou a clareira para impedir qualquer ajuda de fora. Ela estava certa de que ninguém podia entrar e ninguém podia sair. O denso nevoeiro nas árvores e no céu acima de suas cabeças era tudo sobre prevenção, Cárpatos usavam tempestades, ou se elevavam para os céus.


246 Os três irmãos tiveram muito tempo para aperfeiçoar sua emboscada e eles sabiam como cada espécie lutava. Sem dúvida, eles tinham se preparado para qualquer eventualidade. Zev estava correto em dizer que três dias era muito tempo para dar os magos, não quando eles estavam se preparando há séculos. O nevoeiro se arrastou para fora da floresta, ao redor da clareira como um grande exército. Ela podia ver os olhos brilhando, vermelho e amarelo.

Cães do inferno, Zev. Ele tem cães do inferno vindo para nós. Eles saíram do nevoeiro. Rosnando. Babando. Pingando grandes babas de veneno de suas bocas. Os lábios estavam puxados para trás, revelando grandes dentes afiados. Suas cabeças eram enormes e muitos deles tinham duas cabeças. Um tinha três. Seus corpos eram do tamanho de cavalos, grossos e amarrados com músculos. Pelo negra parecia perfurante e eriçado, como se fosse possível ficar seriamente ferido só de tocá-los. Quando eles se aproximaram lentamente, o chão debaixo deles enegrecia, a grama murchava e ondulava debaixo de cada passo. Atrás de cada um dos cães havia um homem, ou melhor, uma criatura, meio homem, meio lobo.

Sange rau. Branislava soprou o nome em sua mente. Este era o pior pesadelo Lycan — um exército de Sange rau — Lycans com sangue misturado, mais rápido, mais forte e mais inteligente do que todos os outros.

Derrube as barreiras que ele construiu, Zev disse. Não pense em mais nada. Estamos preparados para os cães do inferno. Nós sabíamos que ele tinha um exército de Sange rau. Sua voz a acalmou, como sempre fazia. Ele era todo trabalho. Não havia pânico nele, nem terror. Percebeu que era o traço que os outros invocavam também. Zev poderia realmente enfrentar o perigo e não recuar. Sua mente estava sempre trabalhando, sempre encontrando uma saída. Alguém gritou, a voz estridente de terror. Branislava girou. A terra entrou em erupção, em primeiro lugar com insetos e logo atrás deles, sapos mutantes vermelho-listrado com dentes serrilhados. Veneno escorria do queixo. Eles se viraram para os insetos e quando as pessoas se moveram, o movimento atraiu sua atenção. Os sapos começaram pulando sobre o corpo quente mais próximo e injetando um veneno paralisante em sua vítima o mais rápido possível. Cada vez que um sapo afundava seus dentes em sua presa, ele emitia um coaxar alto, chamando os outros. Mais pulavam nos alvos infelizes, mordendo panturrilhas e coxas, rasgando a roupa para atingir a carne por baixo. O veneno acumulado fazia a presa cair no chão rapidamente. No momento em que a presa caia, dezenas saltavam sobre eles, pulando por cima deles, como em um filme de horror macabro. O sangue escorria para o chão abaixo deles, mas a maioria das vítimas era tão oprimida pelos sapos, que ela não podia vê-los, apenas os montes de sapos se movendo. Para sua surpresa, os sapos pareciam estar crescendo, ou ficaram inchados da festa repulsiva. Outros Lycans tentavam ajudar seus amigos caídos, chutando as criaturas babando e tentando arrancar as vítimas paralisadas. Aqueles injetados com o veneno de sapo só podiam olhar para cima


247 para seus camaradas, incapaz de se mover ou falar ou até mesmo gritar conforme os sapos começaram a devorá-los.

Tatijana, você tem que cuidar desses sapos, Zev ordenado. Branka derrube essa barreira e então se livre do nevoeiro. Ela queria sibilar para ele com raiva. Ele acha que ela era uma fazedora de milagres? Tudo ao seu redor era um caos completo, Cárpatos derramando óleo hissopo sobre eles, girando tomando cuidado com a pontaria e disparando flechas embebidas em óleo nos cães do inferno. — Líderes de bandos, tomem seus postos e defendam suas posições, — Zev ordenou enquanto corria. Branislava o viu desaparecer atrás da pira com fumaça. A fumaça já não era branca e limpa e perfumada. Mais fumaça subia em direção à parede densa de nevoeiro, apressando-se para o céu para reunir em um só local, manchando o vapor amarelo-acinzentado um tom escuro, malévolo de preto. As chamas lambiam a madeira e flores, queimando a primeira camada da pira e inflamando as toras e ramos que abrigavam os corpos de Arno e Arnau. Seu coração batia com o pensamento de Zev tão perto Xaviero. O mago estava trancado em um círculo de proteção e ela ainda não sabia onde estava o irmão. Mas se eles iam desbloquear as portas do inferno, ele estaria formando um triângulo com seu irmão e da pira cerimonial onde seria o sacrifício — e Zev estava correndo em linha reta para sua poderosa rede. Se obrigou a bloquear os gritos e os combates, bem como o terrível latido e uivos dos cães. Não podia sequer olhar para os sapos e as suas vítimas. Seu trabalho era remover o pentagrama invertido de cinco pontas. A zona maciça que os magos tinham criado era a chave para o poder. Sem ela, eles não seriam capazes de abrir os portões e não poderiam trocar espíritos e corpos.

Você pode se livrar deles Tatijana? Os sapos? Você pode destruí-los? Eu consigo enfrentar os sapos Bronnie, Tatijana assegurou. Você continua trabalhando. Tatijana ficou costas com costas com sua irmã. Ela fechou os olhos por um momento. Em torno dela o barulho era medonho com os gritos dos feridos e os suspiros dos moribundos. Ela podia ouvir a ruidosa respiração de seus corpos, como ela fez quando era criança assistindo seu pai e tios realizar seus experimentos em seres vivos. Teve que forçar a sua mente de volta ao presente, com foco em combater os sapos mutantes mortais. Sabia que os sapos eram uma distração do verdadeiro plano de Xaviero. Eles precisavam de corpos mortos e caos reinante. Quanto mais almas e espíritos presos dentro de sua rede, mais energia era gerada para os dois Altos Magos usarem. Ainda assim, os sapos faziam o trabalho deles, saltando sobre as pernas e, por fim, puxando sua presa para baixo. Eles ficavam mais gordos e inchados, mas ainda assim, não pararam, apesar de seu tamanho começar a atrasá-los. Ela parou no meio da clareira e, erguendo as mãos, começou a tecer um padrão no ar. Conforme começou, sentiu sua perna sendo rasgada, em seguida, uma queimação lenta começou a subir por sua perna, correndo de nervo para nervo. Dimitri chutou o sapo, afastando de seu corpo. A criatura odiosa levou um grande pedaço de


248 pele com ele quando saiu voando pela clareira. Tatijana não acompanhou sua direção. Os sapos pulavam perto, tocando-a. Mirando nela. Dimitri, Skyler, Ivory e Razvan tomaram posições para protegê-la, enquanto ela continuava. Dimitri removeu o veneno de seu corpo, mesmo enquanto ela trabalhava. Sua voz firme, som baixo, ainda se espalhando pela clareira, as notas melodiosas aumentando ao seu poder.

Criaturas da terra, Distorcidas no projeto, À medida que suas vozes são elevadas, Deixe a terra tomar sua mordida.

Os sapos abriram a boca em protesto. Os dentes serrilhados caíram no chão com cada nota que saia deles. Cada vez que eles tentavam chamar os outros a se juntar a eles, mais dentes caiam. Veneno corria livremente no solo.

Aquilo que é sangue-frio, Habitando sob o solo, Te chamo, cobra, Vem a frente e limpa o perigo.

Cobras deslizaram dos buracos no chão onde os sapos emergiram e começaram a caçar as criaturas vis e inchadas. As cobras eram longas, verdes azeitona, com amarelo meia-lua em cada lado do pescoço. As faixas escuras corriam ao longo de cada lado. A serpente-grama18 era considerada por alguns como protetora, não agressora. Elas atacaram rapidamente. Os sapos inchados se moviam lentamente, permitindo as cobras pegá-los facilmente. Tatijana soltou um suspiro de alívio e deixou cair os braços, agradecida que, pelo menos, conseguiu reduziu uma ameaça. Ouviu Razvan grunhido e olhou para cima, quando um enorme cão saltou sobre ele, quase esmagando seu peito, levando-o de costa ao chão. Instantaneamente os lobos saltaram de Ivory diretamente sobre o animal enorme, todos embebidos em óleo de hissopo, rasgando a barriga do cão do inferno, mordendo suas pernas e garganta. Eles foram rápidos, mas o animal foi mais rápido, deixando Razvan e se virando para apertar sua bocarra gigante ao redor do lobo macho. Razvan rolou, chegando sob o cão do inferno, sua faca cortando o ventre do animal com a lâmina também embebida em óleo. O cão abriu os dentes, permitindo que o lobo a caísse no chão.


249 Quando Razvan rolou, mais lobos saltaram de suas costas para se juntar aos outros rasgando o enorme cão. O óleo de hissopo, mais do que a faca, os lobos ou Razvan começaram a produzir os seus efeitos sobre a criatura infernal. Ele cambaleou enquanto tentava se virar rapidamente, jogando no ar os lobos. Ivory pegou a sua faca, em brasas e a apertou nas marcas de dentes em Razvan, cauterizando da ferida. Ele lhe lançou um olhar de agonia e se voltou para o cão cambaleando em direção ao lobo ferido, colocando seu corpo diretamente entre o cão do inferno e seu lobo. Ivory encaixou uma flecha em sua besta, atirou nos olhos do animal. Ela se aproximou quando o animal babando girou, estalou o ar, batendo em Razvan e enviar o seu corpo sobre o lobo caído. Ivory jogou a faca, aquela com a lâmina vermelha brilhante, e Razvan, de sua posição no chão, bateu-a contra a mordida no corpo do lobo. Farkas, um dos lobos de Ivory, uivou, acrescentando seu urro ao caos da batalha terrível. Gritos irromperam perto da pira cerimonial. Tatijana girou a cabeça para olhar. Xaviero segurou seus braços e emitiu um comando. Dois Lycans saltaram obedientemente para as chamas enquanto uma fila se formava atrás deles, esperando sua vez. Horror a encheu. Ela sentiu Branislava chegar por trás dela e lentamente fechar os dedos em torno de mão de Tatijana. Ela olhou por cima do ombro para ver que eles estavam rodeados, não só por cães infernais, mas por trás deles Sange rau. Quatro deles. Atrás da parede de Cães infernais e Sange rau, uma figura vestindo uma túnica saiu. Ele jogou o capuz para trás e sorriu grotescamente. Ela se encontrou olhando para Xayvion.


250 Capítulo 20

Branislava virou, agarrando a mão de Tatijana. Ela mal se permitiu ver os cães do inferno, com os olhos brilhantes fixos em seu pequeno grupo, ou os quatro Sange Rau diretamente atrás deles. Seu olhar foi atraído direto para as chamas subindo vertiginosamente para o céu. Xaviero estava coletando suas almas, seres angustiados incapazes de se prevenirem, obedecendo a seu comando. Ele os enviou para o abate, a morte pelo fogo, uma mistura de putrefação e incenso que tinha misturado com galhos de árvores venenosas escondidas entre as flores e ramos depois que a pira foi construída. Ela estava apenas no meio do caminho para descobrir exatamente o que Xaviero tinha feito para construir o seu pentagrama invertido. Não podia fazer isso e salvar as pessoas, e agora, alimentando seu fogo com as pessoas para reivindicar sua alma eram muito para ela suportar.

Branka, não posso os impedir. Zev apareceu, correndo para empurrar os próximos dois Lycans fora da linha. Eles voaram para o chão, aterrissando longe, mas ambos se levantaram e simplesmente foi para o final da fila, voltando ao lugar, apesar da interferência de Zev.

Me ajude, me diga o que fazer. Estes eram seus amigos, alguns que ele conhecia desde o nascimento. Não havia como lutar contra qualquer um dos feitiços intrincados tão facilmente como Tatijana tinha acabado com os sapos. Cada feitiço estava envolto em uma camada e tinha que ser descamado como uma cebola. Como é

que se parar um mestre? Dimitri, Fen, eu temos que ir ao fogo agora. Eles eram a sua maior esperança. Fen estava lutando para voltar para Tatijana, Skyler, Ivory e ela, sabendo que elas tinham que ser protegidas enquanto tentavam lidar com as magias infernais de Xaviero. Ela tinha que se libertar do anel de cães infernais e Sange rau, a fim de ajudar os que andam sem sorte para o fogo. Vou tentar limpar o

caminho, mas isso não vai durar mais do que alguns segundos. Tatijana, Skyler e Ivory não teriam escolha a não ser lutar contra Xayvion. Ele estava, obviamente lá para mantê-las ocupadas e não lhes permitem interferir de alguma forma com Xaviero e a cerimônia ele estava realizando. Branislava tentou abafar os sons da batalha em curso, os gritos dos moribundos e, ainda a visão dos cães do inferno com seus olhos brilhantes e mandíbulas babando. Ela não podia pensar sobre o Sange rau diretamente atrás das bestas enormes. Eram altos, de ombros largos e selvagem, quase impossível de se matar, ela precisava de Dimitri e Fen para interferir se ela queria ter uma chance de conseguir passar por eles.

Mascare a minha energia para que eles não tenham ideia de que estou me movendo. Seria complicado. O Sange rau, bem como a Lycans podia sentir a energia vindo em direção a eles. Eles tinham só esta vez para acertar. Os cães do inferno já estavam se aproximando, forçando o anel menor.


251 Agora, Dimitri respondeu. Branislava saltou no ar, sobre os cães do inferno, quase diretamente no caminho de um dos Sange rau, mudando para sua forma de dragão. Branislava tinha reconhecido Sandulf das memórias de Lyall. O Sange rau era muito mais rápido do que o previsto, pulando atrás dela, mudando para forma meio-lobo, meio-homem e enganchando a barriga do dragão com as terríveis garras, rasgando para tentar eviscerar o dragão. Grandes gotas de sangue caíram sobre os cães do inferno de modo que por um instante eles pararam em seu ataque sobre o círculo apertado. Eles abandonaram a perseguição para saltar no ar, tentando chegar ao dragão e ajudar a derrubá-lo. O sangue fresco os enlouqueceu que mesmo os comandos de Sandulf não adiantou. Dimitri mudou para meio-homem, meio-lobo, batendo em Sandulf que rasgava o dragão, tentando arrastá-lo para a terra. Eles se bateram com a força que ossos tremeram, tão duro que Dimitri derrubou o sangue misturado do dragão, permitindo que ela subisse apenas o suficiente para escapar do ataque dos cães do inferno. Ele caiu nas costas de um animal enquanto Sandulf caiu sobre o pescoço entre as duas cabeças gigantes de um cão de duas cabeças. Dimitri, coberto de óleo hissopo, queimou a pele das costas e deixou o cão enlouquecido pela dor, gritando em fúria, batendo em tudo à vista, incluindo outros cães infernais. Rolando, Dimitri montou o monstro e acertou duas flechas nos olhos amarelos malignos, usando a combinação de seu sangue misturado ao penetrar no cérebro. Agredido pelo cão vizinho, que mordia repetidamente e tendo um homem grande, pesado golpeando entre as suas cabeças, o cão duas cabeças baixou suas cabeças, olhando malevolamente a esquerda e direita, e afundou os dentes em dois cães infernais ao lado. Dimitri conseguiu tocar uma segunda flecha no olho do monstro que ele montou. O cão estremeceu, deu dois passos e caiu. Sandulf se levantou devagar e olhou para Dimitri, limpando a mão na boca, olhando para o sangue espalhado em seus dedos. Ele cuspiu desdenhosamente. Ele era um homem bruto, muito parecido com seu tio, Randall, mas onde Randall era gentil e amável, Sandulf gostava do poder de sua estrutura corporal. Seus olhos brilhavam de raiva enquanto corria para Dimitri. Dimitri não se moveu, esperando, o encontro com o touro. No último momento possível, esquivou, mergulhando a estaca de prata profundamente, usando o impulso de ambos os corpos para empurrar através da parede torácica para penetrar no coração. Girou quando desembainhou a espada e cortou a cabeça dos ombros. O dragão de Branislava subiu apenas o suficiente para sair do caminho dos cães, girou e apontou sua cauda nos cães e os Sange rau em torno deles. Com um movimento violento, ela mandou todos eles longe de Skyler, Tatijana e Ivory. Ela não podia ficar e protegê-las, não com Zev e os Lycans em tais problemas. Ela os deixou, enviando uma oração para que Dimitri, Fen e Razvan pudesse protegê-las. Zev continuava a empurrar os Lycans fora da fila, forçando-os a ir para trás e esperar pela sua vez para entrar no fogo. Ele estava quente, suado e furioso. Ele não podia acordar qualquer um deles, não importa o quanto tentasse. Era um negócio difícil e cansativo. A poucos metros dele estava


252 Xaviero, suas mãos se movendo em um intrincado padrão quando ele enfrentou o fogo, alimentando-o com combustível vivo, a fim de realizar a tarefa que ele desejava. Ele estava perto, ainda assim Zev não podia tocá-lo, não com o círculo de proteção em torno dele. O dragão de fogo mergulhou na borda da grande pira, agora a meio do caminho do denso nevoeiro. Fumaça negra ondulante corria ao longo do teto, transformando a nevoeiro na cor de carvão. O dragão levantou a cabeça em forma de cunha e derramou um fluxo constante de fogo ao redor do círculo de proteção, iluminando o chão para que as chamas subissem em torno Xaviero, tocando-o. A chama não podia tocá-lo, mas isso o deixaria desconfortável e incapaz de ver o que estava acontecendo ao seu redor. Mais, iria obrigá-lo a parar o que estava fazendo, tal como fez durante a tentativa de derrubar o pentagrama invertido, para conter seus movimentos. Não seria capaz de manter o fogo por muito tempo, impedindo os Lycans de se lançar no inferno, então ela tinha que neutralizar o feitiço de Xaviero. Conhecia Xaviero muito bem, ela o tinha estudado cuidadosamente. Mesmo se ele tivesse feito mais mil feitiços nos anos seguintes, seu estilo ainda era o mesmo — arrogante e egoísta. Zev fez o seu melhor para empurrar cada um dos Lycans para longe do fogo. Eles pareciam corpos vazios, seus espíritos se foram, embora pudesse ver o horror em seus olhos, enquanto caminhavam para as chamas. Ele tinha perdido apenas quatro, mas tinha que ser agressivo, mesmo usando os punhos para derrubá-los no chão. Empurrá-los não foi o suficiente com os mais determinados — ou aqueles profundamente sob o comando de Xaviero.

Depressa Branka. Eles estão se movendo para o outro lado. Ele sabia que ela estava correndo, fazendo o seu melhor. Ela tinha que estar desconfortável lá no fogo, mesmo em sua forma de dragão, mas estes eram homens e mulheres reais, andando calmamente para o fogo sob o comando do Alto Mago. Em algum nível, eles sabiam o que estavam fazendo. Xaviero retirou seu livre-arbítrio, mas eles podiam ver o que está vindo e não tinham nenhuma maneira de parar. Branislava ouviu a angústia em sua voz. Essa é a forma como Xaviero fazia as coisas. Não era o suficiente para ele sacrificar todos os Lycans em seu plano nefasto, tinha que ter certeza de que eles sofressem emocional e mentalmente. Apostaria seu último dólar que eles estavam sofrendo fisicamente também, simplesmente não conseguiam gritar.

As escolhas foram tomadas, Sem vontade é deixado cego, Convoco aquilo que está escondido dentro de ti. Convoco o fogo da paixão, Convoco o espírito interior, Quebra esse vínculo que dobra, Permitindo o livre-arbítrio reinar novamente.


253

Os Lycans voltaram a si com um terrível grito de guerra, girando ao redor, longe do fogo e olhando com ódio e raiva contra Xaviero. Oito dos guerreiros atiram ao círculo de proteção.

Não! Zev, você deve detê-los. Eles não podem atacá-lo. Aterrorizada com o que o Alto Mago poderia fazer contra os lobos raivosos, torcendo o ódio e raiva deles para seu propósito, ela mudou de sua forma de dragão, saltando para longe das chamas e correndo para intercepta-los, as mãos já esboçando um padrão no ar enquanto ela tentava colocar um feitiço sobre os guerreiros Lycan.

Tempo que é movimento, Os enraízem, Segure cada em seu lugar, Todos agora ficaram congelados de forma que nenhum outro dano possa ocorrer.

Foi tarde demais para os mais rápidos e mais fortes dos Lycans. Quatro pularam através das chamas que cercavam o mago odiado e atingiram a barreira de proteção. Um subjugou a nuca de Xaviero, esperando usar seu lobo para cortar a medula espinhal. Dois outros fecharam ambos os lados, e o último escolheu um ataque frontal, indo para a garganta. As chamas que cercam o círculo de proteção desapareceram em uma nuvem azul. Xaviero agarrou o Lycan vindo para ele, estalou seu pescoço e o jogou casualmente as chamas de vários metros de altura. Ele sorriu para Branislava quando fez isso, o sorriso do mal desdenhoso que ela se lembrava de há muito tempo. Nunca iria esquecer a exibição macabra de seus dentes e seus olhos frios e mortos que brilhavam com uma espécie de alegria quando ele magoava os outros. O Lycan que pulou em seu pescoço foi pego no ar, feito prisioneiro por runas ardentes e depois, casualmente, com seu sorriso de escárnio profano, o mago estendeu a mão, pegou o Lycan pelo pescoço e o atirou igual ao primeiro nas chamas. Ambos os Lycans gritaram conforme eles pegaram fogo, girando para tentar apagar as chamas correndo sobre seus corpos. Como se tivessem sido revestido de um acelerador, o fogo queimou através deles, enquanto gritavam e choravam, o som que nunca iria esquecer. Os dois últimos guerreiros acertaram o círculo de proteção, e runas saltaram sobre seus corpos, subindo pelas suas pernas e quadris, por seus torsos e em torno de suas costas, subindo mais e mais alto, até que chegaram aos pescoços. Ambos os homens em sua forma Lycan colocaram mãos com garras na garganta, os olhos arregalados, parecendo quase saltar fora de suas cabeças enquanto eles lutavam por ar. Era um estrangulamento cruel, lento e todos os que assistiram eram impotentes para fazer alguma coisa. Os dois homens, como se estivessem fazendo um balé macabro caíram no chão em câmera lenta e se deitaram aos pés do mago.


254 Em torno deles, a batalha continuava entre os Cárpatos e os Lycans liderados por Daciana, Makoce e Lykaon e o exército de cães infernais e Sange rau que os magos haviam criado. Ainda assim, naquele momento, parecia que só havia Xaviero e Branislava olhando um para o outro. Branislava umedeceu os lábios e acenou com a mão para restaurar as habilidades dos Lycans para se moverem. — Ele está atraindo todos vocês. Você não pode derrotá-lo, — ela disse em voz alta. — Vocês não podem. Se juntem aos outros no combate a seu exército e o deixe para mim. — Ela forçou confiança absoluta em sua voz, a confiança que Zev incutiu nela. Sua crença nela superou seu terror infantil deste homem. Com os olhos escuros de raiva, o mago olhou para Branislava, um aviso claro de que ele iria retaliar se ela tentasse alguma coisa. Zev deu um passo para o mago, chamando a sua atenção. Branislava balançou a cabeça, mas não disse nada. Zev não era um homem que travava batalhas com raiva ou fazia movimentos impetuosos. Ele deliberadamente chamou a atenção do mago para lhe dar tempo de se concentrar em derrubar a barreira e remover o pentagrama invertido de Xaviero e o nevoeiro profano. Encarando Zev, o mago enfiou as mãos nos bolsos do robe e pegou duas pedras de aparência benignas. Elas eram do tamanho do olho de um homem e suave como se tivessem sido polidas inúmeras vezes. Com lenta deliberação, Xaviero abriu as mãos, permitindo que as pedras escapassem de suas mãos e caíssem sobre os peitos peludos dos dois Lycans mortos a seus pés. Ele nunca olhou para baixo para ver a realização de seu objetivo. Só olhou para Zev com seu desprezo absoluto. Zev evidentemente viu as pedras pousando diretamente sobre os corações dos Lycans. Não quicaram ou escorregaram nos grossos tapetes de pele. As pedras brilharam em uma chama azul-púrpura curiosa e afundou nos peitos dos Lycans. Sua respiração ficou presa na garganta quando os dois guerreiros mortos sofreram um espasmos. Convulsionaram. Começaram a levantar. Onde havia pelo, grandes espinhos estouraram através dela, cobrindo costas, peito, braços e até mesmo as pernas. Os focinhos ampliaram para acomodar uma segunda fila de dentes serrilhados. As duas criaturas se levantaram sobre as patas, garras crescendo até que elas tinham o dobro do tamanho de uma garra de urso. Zev suspirou e olhou para os Lycans olhando incrédulo. Havia pouco dos dois homens que eles conheciam sob a monstruosa criação. — Vou precisar de Fen e Dimitri aqui para me ajudar a lidar com os meninos porco-espinho, —ele disse em uma voz de sarcasmo e zombaria quando parecia que estavam todos condenados. Alguns dos líderes de bando sorriram. Ele sinalizou para Branislava se afastar do fogo e ir para o círculo dos Lycans. — Vocês devem proteger as mulheres. Mais do que qualquer outra coisa que importa. Vocês sabem como matar os cães do inferno, e vocês tem que lutar em bando contra Sange rau. Estamos em maior número do que eles. Reúnam-se em bandos se for preciso, mas os matem. E protejam as mulheres. Elas têm de lidar com os magos.

Branka você tem que quebrar o círculo de poder. Não fui capaz de encontrar o seu sacrifício até o momento. Estou atraído para o outro lado do fogo. Tenho certeza de que é onde ele o mantém,


255 mas Xaviero continua jogando coisas sobre mim que não posso ignorar. Ele vai voltar a trabalhar, uma vez que ele esteja convencido de que você está ocupado com os porcos-espinhos gigantes. Vou ver o que posso fazer. Não, é mais importante que você descubra como derrubar o pentagrama invertido e a parede de nevoeiro. Posso sentir Mikhail e Gregori com reforços do outro lado, mas eles não podem entrar. Os grandes monstros criados por Xaviero se balançaram, em seguida, viraram os olhos negros vazios não em Zev, mas Branislava. É evidente que o mago sabia qual deles era seu maior inimigo.

Saia daqui Branka. Agora mesmo. Fique longe desse círculo e volte para onde os Cárpatos possam ajudar a protegê-la. De alguma forma, Zev, você tem que recuperar as pedras de seus peitos. Nada mais vai realmente matá-los. As pedras lhes dão vida. Entendi. Agora vá. E fique segura. Zev necessitava manter a sua atenção sobre os porcos-espinhos. Cada um deu um passo trêmulo como se testasse seu novo corpo para ver como funcionava. O primeiro saiu do círculo de proteção com uma perna, e Zev, usando sua velocidade de sangue misturado, girou para frente e cortou o membro com alta velocidade, deslizando fora do alcance em um movimento contínuo. O porco-espinho uivou e inclinou a frente, uma queda pesada e lenta quando o sangue negro derramou no chão ao redor dele. Para seu desgosto a criatura lambeu o sangue e, em seguida, tentou chegar a seu joelho restante. Zev girou uma segunda vez, vindo para cima, no último momento. Sua espada brilhou, cortando a cabeça enquanto continuava sua trajetória, pousando a poucos metros de cócoras. A cabeça saltou e rolou, derramando mais do sangue negro em todo o campo. Alívio passou por ele. Era uma tática de adiamento, assim como a tática do porco-espinho não era a pior coisa no campo de batalha. Branislava não tinha considerado que Xaviero queria atrasá-los também. — Zev, que diabos? — Fen estava ao lado dele. Dimitri posicionou do outro lado. Todos os três olhando com uma espécie de fascínio chocado para as partes cortadas da criatura caída. A perna tremeu e estremeceu. O corpo fez o mesmo. A cabeça alongou grotescamente. — Eu não acho que cortá-los seja realmente uma boa ideia, —Fen disse. Havia o mais leve humor em sua voz. — Precisamos de um plano diferente.

Zev talvez eu possa ajudar, Branislava disse, terror em sua voz novamente. Ele está mirando você. Saia de sua vista. Quero você segura, Branka, vocês são as nossas esperança de sair dessa bagunça. Ela estremeceu com o chicote de pura autoridade em sua voz. Era impossível ignorar quando ele falava assim. Ela sabia que ele comandava exércitos, e neste momento, tanto Cárpatos como Lycan igualmente estavam sob suas ordens. Ele comandava o campo de batalha como um general e


256 claramente sabia o que estava fazendo. Só que ele não conhecia magos — estes magos — igual a ela. Não podia deixar de ter medo por ele. Ainda assim, ela não ia discutir no meio de uma batalha e o distrair dos três novos porcos-espinhos próximos a ele. Ou do segundo enorme porco-espinho original já estava fora do círculo de proteção. Neste momento, Xaviero voltou a ignorá-los, os braços abertos, voltado para o fogo, suas feições marcadas com linhas de concentração. Zev murmurou baixinho, desejando que ele soubesse alguns encantamentos. — Temos que saber qual dos novos era o torso. Branka diz que precisamos recuperar as pedras, que, por sinal, se transformou em chamas azuis antes que entrassem em seus corpos. Então, vocês sabem isso vai ser fácil. Dimitri lhe enviou um pequeno sorriso. — Não é sempre? — Eles não se movem tão rápido quanto seus cães do inferno, ou o Sange rau, — Fen apontou com uma pequena careta. — Então o que é que é letal neles, exceto dentes e garras? — E eles se parecem com um porco-espinho, —Zev disse, com um pequeno sorriso. — Você pode considerar que seus espinhos podem ser perigosos. Todas essas pontas afiadas? Apenas um palpite. Fen lhe lançou um olhar. Os quatro porcos-espinhos se arrastaram mais perto, tentando cercar os três caçadores. — Eles parecem exatamente iguais. Qual deles tem a pedrinha que estamos procurando? — Esse diretamente voltado para você Fen, é aquele dividido em três, mas esse em particular com as saliências de aparência estranha era o torso, —Zev disse. — Tenha cuidado ao cortar as peças. Não queremos que mais apareçam. Estou presumindo que poderíamos matar todos se tivermos as duas pedras, os outros dois novos cairão. — Esperemos, —Fen disse, e saltou para o ar, por cima do porco-espinho na frente dele. Como se o movimento deles tivessem indicado ataque, as quatro grandes Lycans pararam disparando espinhos mortais. Eles eram muito parecidos com flechas, embora simples e banhado com veneno. Os três caçadores podia ver o veneno brilhante no topo, o que significava que os corpos dos porcos-espinhos produziam o veneno e percorria pelo espinho oco para a ponta. A única coisa que salvou Zev e Dimitri de ficarem cobertos de espinhos venenosos foi a sua velocidade de sangue misturado. Ambos saltaram no ar, embora Zev sentisse a queimadura quando um dos espinhos fincado em seu tornozelo. Dor quente e feia rasgou através dele como um trem de carga, roubando o fôlego. — Empurre o veneno através dos poros, — Dimitri instruiu, com os olhos em seu irmão. Como Fen desceu de seu salto no ar, ele caiu sobre o porco-espinho que Zev tinha apontado como o que Xaviero tinha lançado sua pedrinha. Suas pernas em volta do pescoço do animal, o único ponto que não estava coberto com espinhos. Ele enfiou o Lycan fantoche enorme praticamente no chão com a velocidade de seu ataque, de modo que o porco-espinho não podia se mover, com as pernas presas no chão.


257 Fen enfiou a faca no peito do animal, seguindo o caminho com o punho, jurando em sua língua nativa quando o veneno queimou através de sua carne, mas seus dedos conseguiram encontrar a pedrinha. Ele a pegou, puxando-a na mão, mesmo enquanto o animal o atacava, rasgando seus braços e ombros com grandes garras. Ele segurou seu prêmio com tenacidade, ignorando o que estava acontecendo com seu corpo enquanto extraiu a pedra. Dois dos porcos-espinhos correram para ajudar, mas as suas corridas foram desajeitadas, e Dimitri conseguiu atrasá-los, dando uma rasteira neles. Fen empurrou a cabeça do porco-espinho, a pedra na mão. Estava surpreendentemente limpa e suave, fresca, quando deveria estar coberta com sangue e quente.

Branka, o que fazermos com a pedra, uma vez que temos? Eles ainda estão vivos e nos atacando, Zev disse. Ele não gostou da fascinação aparente de Fen com a pequena pedra redonda também. Ao invés de arremessar a coisa fora, quando o instinto exigia e fugir das criaturas caindo sobre ele, Fen ficou olhando para a pedra como se hipnotizado.

Use um pano para tocá-la. Não use pele. Agora ela disse a ele. Zev rasgou sua camisa e retirou ao pedra da mão de Fen, empurrando-o para longe do caminho de um dos porcos-espinhos. Fen piscou rapidamente, franziu a testa e olhou para os braços rasgados com uma espécie de choque.

Eu a tenho. O que faço com ela? Os outros fantoches já estavam vindo atrás dele, ignorando tanto Fen e Dimitri. Estava grato que tivesse empurrou o veneno de seu sistema como Dimitri havia instruído, algo que nunca tinha feito antes e teria vindo a calhar em algumas das batalhas que participou.

Atire-a diretamente em Xaviero. Assim como você atirou antes nele. Aponte entre os olhos e não erre. Ele está dentro do círculo de proteção. Exatamente. Sua própria magia vai destruir a pedra. — Obtenha a outra e tente não tocá-la. Se o fizer, corre o risco virar um zumbi, embora Fen parecesse muito sonhador, — Zev apontou. Dimitri usou a mesma tática que Fen, saltou no ar, com as pernas em tesoura em volta do pescoço do fantoche, levando-o para o chão, prendendo as pernas enquanto o apunhalou no peito. Enrolou seu punho com um pedaço de sua camisa, e quando sentiu a pedrinha, usou dois dedos para trazê-la até a palma da mão. O porco-espinho o rasgou. Dimitri sentiu pena da criatura, apesar da dor que causou ter seus braços rasgados, e tentou cavar os espinhos em sua pele. Este Lycan foi uma vez um guerreiro feroz e rápido, e leal ao seu povo. Fazer isso a tal homem estava errado. — Vou te dar a paz que você merece, — ele sussurrou baixinho quando arrancou a pedra para fora do peito do Lycan.


258 Ele saltou para longe da criatura, e correu para o lado de Zev. — E agora? — Nós as jogamos na testa de Xaviero. Mire bem entre os olhos e Branislava diz para não errar. Então não erre, — Zev advertiu. — Logo depois de mim. Um golpe duplo, então ele não terá tempo para combater. Dimitri assentiu. Zev arremessou a primeira pedrinha tão forte que cantou enquanto se movia através do ar. Dimitri seguiu o exemplo, dando a pequena pedra uma voz conforme elas assobiavam baixo todo o caminho até o círculo de proteção. As pedras atingiram o escudo protetor rígido, acertando exatamente o meio da testa de Xaviero. Chama azul estourou do escudo protetor, gaguejou e depois desapareceu. Por um momento o anel ao redor do mago se iluminou e ele cambaleou para trás como se golpeado com uma grande força. A raiva brilhou em seus olhos quando ele olhou para os três. Seus fantoches caíram no campo de batalha. Zev lhe enviou uma pequena saudação.

Está feito Branka. Nós estamos indo até você. E todos vocês estão bem? Um pouco abatidos, mas nós estamos bem, assegurou. Os Lycans que ele transformou, em

seus fantoches estão em repouso. Era impossível para qualquer alma que morresse ali no campo de batalha escapar, Xaviero garantiu isso com sua névoa perversa e enegrecida, a fumaça gananciosa do fogo dele, mas ela não queria apontar isso a Zev. Branislava deliberadamente começou a se afastar centímetro por centímetro para longe da chama rugindo, sabendo que o mais perto que ela fosse para o centro do poder de Xaviero, mais ele iria interferir com os dela. Ela tinha que ser tão poderosa em seu próprio direito — para o bem. Onde havia o mal, havia sempre o bem. Onde havia escuridão, se podia encontrar a luz. Um não existia totalmente sem o outro.

Tatijana você está bem? Antes que ela bloqueasse todos, ela precisava saber se as outras três mulheres poderiam lidar com Xayvion. Tatijana ouviu sua irmã, como se ela estivesse longe, não fundida suas mentes. Sua concentração estava totalmente em Xayvion. Ele já havia combatido o seu feitiço, transformando suas cobras de jardins úteis em víboras venenosas, deslizando ao redor do campo apenas esperando por um infeliz Lycan ou Cárpatos dar um passo em falso.

Para aqueles que estão cheios de veneno, Um encanto de cura eu aplico, Invoco vocês com música, ouçam minha rima de cura. Cada serpente eu chamo agora, volta a ser o que eram, Liberando aquilo que prejudica,


259 Banindo aquilo que é o medo, Dissolve aquilo que é veneno, Deixe tudo o que é venenosa desaparecer.

Xayvion está simplesmente usando tática de adiamento, Ivory advertiu. Está trabalhando de forma que esteja na posição necessária para formar um triângulo com seu irmão e o fogo. Nós três podemos levá-lo para fora de lá, abrandando suas magias insignificantes, Skyler disse. Ele está jogando com você Tatijana. Ele não se importa com a batalha ou realmente fazer alguma coisa, apenas adicionar almas ao fogo para Xaviero abrir os portões. Se nós o jogarmos fora de seu jogo, Ivory adicionou, isso vai atrasar Xaviero e dará a Branislava mais chance para desvendar a fonte do poder. Todas as três se sentiam muito mais seguras com Dimitri, Fen e Zev perto para combater o Sange rau ultra rápido, mas os bandos que tomam seus lugares todos tinham treinado no caso deles se depararam com tal criatura em suas vidas. Assim como os Cárpatos usaram óleo de hissopo para se cobrirem e revestir suas flechas de prata e facas com ele também. Tatijana tentou bloquear a batalha feroz e, por vezes, o sopro quente de um cão do inferno que conseguia chegar muito perto. — Vamos tentar, — ela murmurou, e estendeu as mãos para Skyler e Ivory. Elas inclinaram suas cabeças quando Ivory disse uma pequena oração antes que elas se fundissem em uma unidade de energia. Tatijana levantou a cabeça e olhou diretamente para Xayvion.

Convoco o poder da terra, Mãe que nos criou, Convoco o poder do ar, Empresta-me sua força. Convoco o poder da água, Proteja-me daquilo que pode queimar, Convoco o poder do fogo, Gera através de mim, sua carga explosiva.

Xayvion não esperava que elas o atacassem diretamente. A força o acertou no meio do corpo, dobrando-o ao meio como uma boneca de papel, levantando e atirando através do campo direto para o inferno que Xaviero alimentou com os Lycans. Ele gritou, girando como um pião, tentando reunir


260 inteligência suficiente para contrariar o seu feitiço. Mesmo quando ele se levantou suas vestes chamuscadas e seu cabelo branco queimado, Tatijana estava pronta para ele.

Torce e vira, gira e agita, Dentro dessa névoa agora você deve virar, Deixe o que está no interior não ser visto, De modo que você vagueie cego profundamente dentro.

O que estava no meio do nevoeiro, a espessa fumaça negra envolvente, não era melhor para o mago do que para os Cárpatos ou Lycans. Eles tinham lançado coisas perversas na barreira densa para os ajudar quando chegasse a hora de sacrificar as almas que Xaviero tinha arrancado dos mortos. Ele os reuniu, mantendo na fumaça, pressionados contra o nevoeiro. Xayvion sentiu os espíritos revoltados chegarem até ele, fechando com garras, dedos gananciosos em seu espírito, na tentativa de o arrastar para o reino onde eles esperaram impotentes que Xaviero os enviasse para o reino escuro de desespero. Imediatamente ele reagiu, se chocando com a força das mulheres. Tatijana não passava de forragem — alimento para manter as três irmãos vivos. Não havia nada lá, sem cérebro, sem dons, sem habilidades. A criança estúpida para devorar quando está com fome. Como ela poderia contra-atacar seus movimentos e então se tornar agressiva? Ele reconheceu Ivory. Ele tinha ajudado Xavier a sequestrá-la para o desejo obscuro de Draven, aquele garoto estúpido, primeiro na fila para ser o príncipe antes de Mikhail, que não tinha ideia do poder que poderia ter exercido se não fosse obcecado por uma mulher. Xaviero foi quem auxiliou o vampiro, lhe cortando maliciosamente em pedaços e espalhando seu corpo através do prado para que os lobos a devorassem. Ele deliberadamente não a matou, sabendo que ela iria sofrer horrivelmente. Se os lobos não a comessem o sol iria levá-la, e ainda assim, ali estava ela, somando seu poder ao de Tatijana. A terceira mulher era uma estranha para ele, mas podia sentir seu toque, e a reconheceu com um choque.

Xaviero, a filha dele vive. Você sabe de quem estou falando. Nós a matamos, não foi? Xavier disse que ela estava morta, mas a filha dele vive. Essa é a filha dele e de Razvan também. Havia pânico nele. Ele empurrou isso de lado para lutar contra a fumaça para se liberar.

Mata-as. Mate todas agora! Xaviero ordenou, o medo brilhando em sua voz, apesar de si mesmo.

Junte sua força com a minha - Xayvion insistiu. Ele esperou até que Xaviero se desviasse de sua tarefa designada e enviasse energia fluindo para ele num fluxo constante. Erguendo os braços, retaliou contra as três mulheres, mas, pela primeira vez, estava com medo.


261 Minhoca subterrânea gigante, Te invoco de seu túmulo, Engloba todas, sem deixar nenhuma para trás, Então de seu núcleo a nossa magia pode ser entrelaçada.

O chão sob Tatijana, Ivory e Skyler deslocou ameaçadoramente e depois explodiu como se tivesse sido rasgado em dois, e um sumidouro gigante se formou. A partir do buraco uma minhoca gigante saiu, dentes serrilhados abertos pegando as três mulheres, levando-a a nove metros no ar e depois desaparecendo rapidamente para baixo no buraco.

Este verme é um dos seus animais de estimação, Ivory advertiu. Não lutem. Há bolsas de veneno em todos os lugares, o veneno nos paralisa. Eu misturo este veneno com alguns outros produtos químicos e revisto minhas armas com ele para evitar que os vampiros de desloque. Tente relaxar. Razvan virá, ela acrescentou com total confiança. Nós os combatemos antes. Branislava sentiu o poder de Xaviero deslocar instantaneamente e ela atingiu a primeira das árvores onde ele tinha anexado à trama de magia negra. Ele usou várias camadas, todas perversas e poderosas, um testemunho de que ele trabalhou no pentagrama invertido e na barreira por anos para criar uma força tão forte. Não, isso estava errado. Ela sentiu o toque de cada um dos irmãos. Ela os reconheceu separadamente agora. Enquanto pudesse bloquear tudo o que acontece ao seu redor, poderia se concentrar no que os três irmãos fizeram. E sua confiança estava crescendo. Ela teve sucesso, sem chamar a atenção de Xaviero, tirado várias das camadas. Uma por uma. Descascando-as com cuidado. Sentiu como se ele tivesse criado uma teia de aranha gigante e ela tivesse que remover delicadamente os fios de seda, sem despertar a aranha sentada lá esperando por um banquete. Sem o poder dele sustentando a base da rede que ele tinha criado, ela podia trabalhar um pouco mais rápido, embora, com o mesmo cuidado. Estava confiante de que poderia encontrar uma maneira de detê-lo.

Convoco pelo amieiro19, Feiticeira da batalha, Gelo traiçoeiro calmante de Isa20, Concentre-se a minha vontade, Ouve a minha chamada, Raposa da floresta, esse é o nosso dia de batalha, Mova-se silenciosamente seguindo este caminho desconhecido. Convoco aquilo que é invisível,


262 Guia-me através desta rede de trevas, Essência cristalina ilumina meu caminho, Para que eu possa desunir o que foi unido.

19

O amieiro é uma árvore ripícola mediterrânica, sendo a mais frequente do gênero em Portugal. Na América,

encontra-se principalmente na região sul dos Andes, e especialmente no Chile. 20

É um dos 24 símbolos Runa. Enquanto Kenaz é o fogo, Isa é a calma e a pureza do gelo. Os elementos “fogo”

e “gelo” são os mais dominantes na mitologia nórdica. O mito nórdico da criação conta que o universo foi criado ao unir esses dois elementos.

A árvore estremeceu. O branco acinzentado doentio do tronco e ramos enfraqueceram. Branislava respirou fundo e empurrou mais poder no primeiro dos cinco pontos. Faíscas minúsculas saltaram ao redor da árvore como dança de vaga-lumes. Ela estava envolta em chamas. Na paixão. Não havia nenhuma maneira de conter o que ou quem ela era. Ela tinha sorte que Zev estivesse tão apaixonado como estava, fosse capaz de levá-la ao intenso calor e a desejos selvagens. Ela verteu esse mesmo fogo em suas magias, usando seu amor, não permitindo ódio ou medo em seu ofício.

Amieiro me protege enquanto passo de uma forma para outra, Fogo, convoco seu espirito, Esteja atento a meu chamado, Ela que sangra alimenta diante de vossa chama de vida. Como uma aranha tece sua teia, Eu agora desfio este encanto. Aquilo que foi tecido na escuridão, Gero o fogo de luz para envolver e desarmar.

A casca da árvore passou de um branco doentio para um tom mais escuro, mais natural. Os galhos e as folhas assumiram um tom normal e o nevoeiro recuou da árvore, levado para longe pelos vaga-lumes brilhando. As faíscas dançaram vermelhas e laranjas, pulando alegremente através dos galhos da árvore, e piscando através das folhas, trazendo de volta a vida. Xaviero jogou a cabeça para trás e rugiu com raiva. Rugiu. O chão tremeu. Quase todo mundo caiu duro. Os braços do mago atiraram para fora, abrangendo o campo. O ar vibrou com sua raiva. Eletricidade estalou e estalou, chiando como chicotes em cima. O fogo saltou, chamas rugindo. — Banquete, meus animais de estimação. Mate-os. Mate todos eles. Rasguem a mulher.


263 Devorem e não deixem nada para trás. Banquetear. Matar. Devorar. Os cães do inferno saltaram sobre os Lycans entre eles e Branislava. Os cães infernais saltaram pelo ar para aterrissar sobre os Lycans e Cárpatos mais próximos deles, segurando-os com grandes garras, enquanto dentes afiados arrancavam pedaços de carne. Cobras afundaram os dentes em tornozelos, independentemente de não ter nenhum veneno. O Sange rau se lançou em Branislava, determinado a superar seus guardas e matá-la como seu mestre desejou. Zev utilizados três cães do inferno como um trampolim, atingindo o Sange Rau mais próximo de Branislava diretamente no peito com os dois pés. Ele usou sua força de sangue misturado e velocidade, bem como seu impulso de voar a frente e o impulso do Sange rau ultra veloz. Os dois bateram tão duros que Zev sentiu todos os ossos do peito de seu oponente se esmagar sob seu ataque. O choque correu por suas pernas, mas ele caiu sem danos no solo, num agachamento. Um cão do inferno o derrubou, mas ele cortou a barriga do animal enquanto ele caia. Quando ele levantou o focinho gritando de dor, ele cortou sua garganta. Rolando, bateu uma flecha em seu olho direito e deixou para Fen terminar enquanto corria para proteger Branislava. Fen usou um cão do inferno para saltar, rolou sob suas costas para bater uma estaca de prata profundamente no peito do Sangue rau que Zev tinha levado ao chão. Enquanto ele corria passando pelo cão do inferno se debatendo com uma flecha em seu olho e a pele queimando, ele empurrou uma segunda flecha profundamente no olho esquerdo e continuou correndo. Dimitri veio depois dele, usando a espada de prata, cortando em um longo arco a cabeça do Sange rau que tanto Fen e Zev haviam ferido. O cão do inferno que Fen tinha rolado sobre ele queimando suas costas com o óleo de hissopo, estava rosnando e pronto para ele, suas grandes mandíbulas escancaradas, exibindo o conjunto perverso de dentes. Um pedaço de carne pendurada do lado da uma mandíbula, junto com a baba venenosa misturado com sangue. Dimitri não se preocupou em reduzir — empurrou a longa lâmina de sua espada revestida com óleo de hissopo direito pela garganta horrível e na parte de trás da cabeça. Eles ficaram juntos, Fen, Dimitri e Zev, Razvan lutando, limpando o caminho para eles, então os quatro ficaram costas com costa, preparado para manter tudo e qualquer coisa longe Branislava. Os olhos de Dimitri se estreitaram. Onde está Skyler? — perguntou ele, tentando ver tudo no feroz campo de batalha.

Tatijana está sumida também, Fen acrescentou, com o coração na garganta. Razvan indicou o enorme buraco no centro do campo onde as três mulheres tinham desaparecido.

Xaviero enviou um verme para elas. Ele se afastou do buraco, embora fosse a coisa mais difícil que ele já fez. Temos que proteger Branislava. Sem ela, estamos perdidos, e agora os magos podem trabalhar para matá-la. Confie em Ivory. Ela já lidou com esses vermes e vai trazê-las de volta em segurança. Ele fechou os olhos por alguns instantes. Ivory fique segura. Volte para mim.


264 Capítulo 21

Ivory soltou uma exclamação de dor quando os dentes do verme fecharam em torno dela. Ele

vai nos levar para dentro do buraco. Não lutem contra isso. Quanto mais você luta, mais veneno ele vai injetar em seu corpo. Não importa o quanto dói, ou quão amedrontada vocês estão, fiquem muito quietas, ela avisou as outras. Ele está nos levando para cima, não para baixo, direto para o nevoeiro perverso, Skyler vaiou, tentando se manter imóvel quando sentiu como se a coisa estivesse a serrando ao meio.

Está subindo rapidamente, mas vai descer novamente. Apenas espere. Ivory injetou calma em sua voz. Ela tinha visto os vermes antes, lutou com eles, tirou Razvan de um. Tatijana estremeceu. Ele está me levando de volta para a toca do mago. Prefiro morrer a

voltar. Não lute, Ivory reiterou. Eu sei o que fazer. Fique calma. Assim que entrar no buraco, o verme pode se mover rápido no subterrâneo. O túnel já está cavado e ele só tem que deslizar por ele. O passeio será muito mais suave. Tenho algumas armas que podemos usar, mas quando ele atingir o chão, isso vai doer como o inferno. Não posso arriscar perdê-las. O verme subiu cerca de nove metros, apenas o suficiente para que elas sentissem a impureza do nevoeiro e ouvissem os gritos e os gemidos dos espíritos presos na fumaça negra. Ele fez uma pausa por um momento e depois voltou atrás com uma velocidade tremenda, para a terra onde era mais confortável.

Tentei mudar, Tatijana disse. E impossível. O verme tem um veneno que impede que isso aconteça. Eu ordenho esses vermes e uso o veneno junto com meus próprios produtos para melhorar a solução. Mergulho minhas armas no composto antes de ir caçar, para impedir os vampiros de se transformarem. Ivory fez o seu melhor para soar tranquila. Agora que elas estavam deslizando através do ar a uma velocidade estonteante, a pressão sobre elas diminuiu. Por toda a sua ferocidade, o verme tinha um toque delicado ao trazer os prisioneiros para o mago. Ela sabia o que custava tanto para Skyler como para Tatijana ficarem assim ao alcance do verme. Quando os dentes da criatura encontraram a carne, é injetou o veneno para manter essa forma. Não só era doloroso, era aterrorizante ser arrastada por um túnel debaixo da terra sabendo que o destino era muito pior do que o verme. Skyler era muito jovem e nova nesse mundo. Seu companheiro tinha acabado de a reivindicar. Ela era humana, vivendo com os Cárpatos, pais adotivos que a protegiam dessas coisas. Tatijana foi prisioneira quase toda a sua existência nos laboratórios do mago. É claro que não iria querer voltar. Ainda assim, nenhuma lutou, usando muita disciplina para fazer o que lhe disse.

Lutar contra um verme é muito perigoso. Tudo neles é venenoso. Os espinhos que ele usa para se impulsionar para frente e cavar são especialmente perigosos. Ele tem uma farpa na ponta de sua cauda. Quando vocês começarem a se soltar, fiquem longe dela.


265 Instrução era a chave do sucesso. Quanto mais informações alguém tinha, mais poder para derrotar. Retirou uma arma circular de cristal no centro do cinto. Muito cuidadosamente empurrou uma nas mãos de Tatijana e uma segunda para Skyler, antes de puxar uma terceira para ela.

A boca contém duas fileiras de dentes serrilhados, e no interior estão às bolsas de veneno. Nós vamos ter que ir para dentro. Se vocês se encontrarem fora dele, lembrem que sua cauda também pode quebrar todos os ossos do seu corpo apenas com um golpe e sua pele é tão dura que vai cortar a sua pele se entrar em contato com ela. Eu os vi, Tatijana admitiu. Xavier os alimentavam com seres humanos. Skyler estremeceu e então teve que reprimir um grito de dor.

Vou desorientar o verme com som. Tentem tapar os ouvidos. A vibração só irá doer por dentro, mas o som é mais incomodo. Não conheço nenhuma outra maneira de o distrair. Ele vai se debater um pouco e então abrir a boca. Isso é o que nós queremos e nós vamos ter apenas dois segundos. Não posso pressionar isso mais. Ele vai se recuperar rápido. Empurre o veneno de seu corpo e mude para moléculas. Skyler, você já fez isso? Empurrar o veneno e mudar para algo muito pequeno? Ela tinha que saber se sua jovem enteada poderia fazer uma coisa dessas por conta própria.

Absolutamente, Ivory. Posso fazer isso. Vou fazer. A voz jovem tremeu, mas Ivory ouviu o aço absoluto em sua voz. Vocês duas estão prontas?

No momento em que a boca abrir e vocês podem me seguir para dentro. Mantenha sua arma pronta e não toque em nada dentro. Ela enviou uma oração que elas iriam conseguir sair, e então, usou um tom que causou vertigem e notas que desorientavam e fizeram vibrar as próprias entranhas do verme, ela começou a entoar em uma voz cantante.

Convoco o elemento do ar, usado para o som, Tamborile para o coração do mal que escava através do solo. Tom, harmônicos, combine e alinhe, Lute, atacando a aberração da mente do mal.

Ela lutou contra os vermes várias vezes, mas era sempre com o coração na garganta, um medo terrível, assustador que era quase irresistível. Tinha uma fé profunda e rezou com urgência para não ser abandonada, não quando tinha duas outras vidas dependendo dela. Ela continuou a cantar, mas o ritmo de sua música mudou quando a Mãe Terra respondeu a suas notas dissonantes, alterando as próprias vibrações no solo, puxando-o para dentro. O chão estremeceu com o som, tremeu conforme a onda de som foi o derrubando. O túnel do verme começou a entrar em colapso sobre ele. Solo, rocha e detritos caíram em torno deles, caindo dentro do túnel.


266 Um rugido de um trovão ressoou abaixo do buraco logo atrás do verme e ele hesitou, diminuindo quase parando. O corpo inteiro tremeu e estremeceu. Ivory cantou novamente, o tom reverberando através da terra, o som ferindo as três junto com o verme. As notas atravessaram seus corpos, balançaram suas mentes e viraram seu interior em uma massa trêmula de gelatina congelada. Desorientado, o verme suspendeu todo o progresso, bocejou amplamente em um terrível grito que ressoou através do solo, liberando todas as três ao mesmo tempo. Ivory empurrou o veneno de seu corpo e mudou para vapor, ainda segurando a arma para que parecia flutuar no ar. Depressa. Depressa. Mantenha a arma perto e me sigam para dentro. Ela não teve tempo para ver se elas as seguiam, mas as sentiu atrás enquanto ela entrava no interior da boca aberta do verme. Skyler e Tatijana podiam sentir a vibração na arma em suas mãos, enquanto seguiam Ivory para o interior da boca da criatura. Passaram as fileiras duplas do que pareciam dentes de tubarão, continuaram passado presas e bolsas grossas pingando veneno de cor âmbar, para dentro da garganta do verme. Ivory tinha construído o disco de elementos naturais, tudo dotado da própria Mãe Terra, minerais e pedras preciosas para formar a arma. Tinha usado muitas vezes contra o verme, e como sempre antes, parecia uma parte natural dela. Podia dizer que Skyler e Tatijana, as duas eram filhas da Terra na forma como seguravam a arma também.

Vocês estão procurando o tecido cicatricial em algum lugar dentro da garganta. Os vermes têm apenas dois pontos vulneráveis e o segundo é dentro do corpo onde nós definitivamente não queremos ir. Faça o que fizer não se esfreguem contra as paredes do verme. Não toque em nada, porque tudo dentro está envolto com veneno. O tecido cicatricial é onde o mestre pode se ligar e dar instruções. Estava escuro e úmido, muito úmido no interior da garganta do verme. Grandes fluxos de âmbar pendurados como pingentes de gelo do céu da boca e escorriam continuamente. As membranas estavam cobertas por sulcos estranhos, vales profundos de cicatrizes e grandes inchaços disformes, acima e tudo ao redor delas. O verme gritou novamente, o som ecoando na garganta, quase as jogando contra as paredes. A criatura ficou frenética quando o túnel continuou a entrar em colapso, lutando para ir para o outro lado serpenteando, resistindo e até mesmo girando como uma broca. As três mulheres procuraram o local indicador dentro do verme desesperado. Quando a criatura girou loucamente em uma tentativa de sair do túnel em colapso, veneno pulverizou em torno de sua garganta. Apenas o fato de que as três mulheres estavam sob a forma de vapor as salvou de serem mergulhadas no veneno.

E isso? Skyler perguntou. Tatijana ficou perto dela, na esperança de protegê-la, se tudo corresse mal rapidamente, não que pudesse imaginar muito pior. Ela olhou para as marcas estranhas no interior da garganta do verme. Pequenas feridas e manchas levantadas espalhadas em um padrão de sete voltas e profundas depressões circulares, marcas que ela estava certa de que o mago tinha feito.


267 Skyler está certa. Esta tem que ser a sua marca Ivory. Há uma ferida fresca aqui. Ivory inspecionou o pequeno anel. Perfeito. Bons olhos, Skyler. Este anel é de iolite21, ela identificou. Já havia um fio fino de luz azul-violeta que emana a partir dele.

Está pedra violeta melhora visão no reino astral, Tatijana explicou a Skyler para o caso de ela não saber.

Muito volátil sob as circunstâncias corretas, Ivory acrescentou. Faça exatamente o que eu fizer e então saiam daqui rápidas. Ivory não esperou, cintilando em sua forma natural, com o cuidado de evitar as cordas âmbar de veneno escorrendo em fios longos do céu da boca, enquanto ela pairava no centro da garganta do verme. Skyler ofegou quando Ivory atingiu os filamentos como tentáculos, seguindo a fonte de calor. Ivory foi rápida, desviando-as e utilizando a luz quando uma de suas flechas bateu profundamente, penetrando a parede dura do verme. Quando ela a soltou, a arma seguiu a luz, batendo com força no padrão de cicatrizes. Skyler e Tatijana seguiram sem hesitação, liberando primeiro a luz como uma lança e, em seguida, a arma, quase que simultaneamente. Todos os três armas vibravam com a luz e, em seguida, explodiu em um banho de violeta, banhando as paredes da garganta do verme em cores vivas. Um som estridente, penetrante seguiu, as notas perfurantes ameaçam destruir todo o sentido, de modo que todas as três rapidamente silenciaram o volume.

Depressa, depressa, Ivory apressou, correndo em direção à boca do verme. O corpo cavernoso gigante da criatura rolou novamente. Contraindo violentamente. Começando a se debater duramente. Tatijana e Skyler acompanharam Ivory, se esquivando do veneno e evitando tocar nas paredes espirais do verme. A condensação formou uma névoa estranha quando a luz violeta propagou como onda de fumaça numa coloração vermelha, tudo em seu caminho ficou roxo azulado. As três mulheres ficaram um pouco atrás das fileiras duplas de dentes serrilhados. O sentido de urgência era forte em todas elas, como se elas compartilhassem um só pensamento — e um objetivo. O verme balançou violentamente novamente, se debatendo enquanto a luz violeta enfumaçada derramava das armas e ondulavam em forma de vapor em todas as direções. Ivory parecia muito concentrada.

Três, dois, um, ela contou e então correu para frente. A garganta do verme contraiu. Comprimiu. As paredes estreitaram atrás delas. A boca do verme estava aberta tossindo, todos os músculos contraindo violentamente. Ivory não precisou lhes dizer que se apressassem. Elas a seguiram na frenética tentativa de atingir a superfície. O chão tremeu e balançou com intensidade à medida que o verme se sacudiu, enlouquecido com a sua garganta queimando. As ondas de choque, como anomalia sísmica


268 reverberaram através do solo. Terra caiu sobre elas e em tudo ao seu redor.

Eu posso nos tirar mais rápido, Tatijana ofereceu. Deixe-me. Tatijana se espremeu passando Ivory, mudando para sua forma de dragão para que pudessem sair muito mais rápido. Sua cabeça em forma de cunha avançou em direção a superfície, continuando para cima até que ela pudesse usar seu longo pescoço e garras dianteiras para proteger as outras da feroz batalha que ocorria acima do solo. Branislava viu a cabeça do dragão de Tatijana emergir sob a superfície e algo profundo dentro dela estabilizou. Atrás do dragão de Tatijana veio primeiro Ivory e então Skyler. Ela não estava sozinha lutando uma guerra contra dois magos, possivelmente três. Seu companheiro e os outros enfrentavam o exército do mago para lhe dar a chance de derrubar a sede do poder do Xaviero, e ela estava perto. Podia sentir isso agora, o sabor da vitória. Era tudo sobre não cometer um erro. As três mulheres haviam passado por uma luta, mas elas surgiram vivas e vitoriosas. Elas correram através do campo de batalha para chegar ao seu lado. Com exceção de Ivory, as três tinham nascido Caçadoras de Dragões. Ivory era companheira de um Dragonseeker e ao longo dos anos o sangue dele se tornou dela, então tecnicamente, os magos estaria lidando com quatro mulheres Dragonseeker poderosas.

Tatijana, preciso de você e Ivory para tomar as duas árvores ali. Branislava indicou as árvores em frente a partir da que ela havia liberado. Ivory se pudesse assumir uma na parte inferior do pentagrama, seria útil. Skyler, você e eu vamos trabalhar com as duas ao lado de Xaviero. Ele está formando um triângulo com o fogo e seu irmão. Você pode ver sua posição. Ela escavou um pequeno diagrama no chão com a ponta da bota. Descobri o que ele está

fazendo e como ele montou a sua rede de poder. Vamos ter que abrir nossas mentes uma para a outra para que isso funcione corretamente. Ivory era uma solitária. Além de Razvan ela não compartilhava sua vida — ou sua mente — com qualquer outra pessoa. Se isto fosse funcionar, elas teriam que fazer isso juntas. Ivory entendeu o significado imediatamente e simplesmente assentiu. Sou uma guerreira

primeiro. O que precisa ser feito, farei. Branislava deu um suspiro de alívio. Colocou sua irmã mais próxima de Ivory a fim de ajuda-la se necessário. Ela se posicionou com Skyler. Ambas as mulheres eram muito poderosas por direito próprio, e todas as quatro ligadas tinha todas as chances de derrubar os dois magos. Ela fez o melhor para transmitir essa confiança, enquanto as instruía sobre como descascar as camadas de magia que Xaviero havia feito. Os olhos de Skyler se arregalaram em choque, apenas com aviso a Branislava. Um enorme cão do inferno bateu em cheio no seu peito empurrando-a para trás, a boca aberta, com fileiras de dentes terríveis indo direto para a garganta. Ela tentou afastá-lo com as mãos estendidas, uma tentativa lamentável, mas o hálito quente soprou em seu rosto e pareceu que mil dentes corriam para ela. No último momento, se contorceu o suficiente para que o animal apertasse sua mandíbula em volta do ombro, não sua garganta.


269 Ela ouviu seu próprio grito de medo, cheio de dor, arrancado de si, apesar de toda a resolução de não mostrar a Xaviero sua fraqueza. É claro que ele a tinha como alvo. Ela estava tão envolvida em seu trabalho, que não pensou em ficar atenta a espera de um ataque. O cão do inferno arrancou um grande pedaço de carne do ombro, e fixou uma segunda vez sobre o osso. Seus dentes pareciam se encontrar no meio e ele a balançou como uma boneca de pano. Não havia nenhuma maneira de mudar, de jeito nenhum chegar a seu cinto e pegar a faca. Skyler rolou no chão aos pés do cão do inferno, uma faca em seu punho, a lâmina para cima. Ela cortou as pernas do animal, cortando os tendões e ligamentos enquanto rolava para o outro lado. Quando surgiu em um agachamento, bateu a lâmina no olho do cão do inferno e saltou longe da criatura antes que ele pudesse liberar Branislava e a atacar. Razvan saiu do nada, coberto de sangue, seu rosto uma máscara de intenções, os olhos brilhando com fogo enquanto saltava sobre um cão do inferno, batendo sua flecha profundamente em seu olho, derrubou um Sange rau e se lançou no ar, no último momento, pousando diretamente sobre a parte traseira do cão do inferno que atacou Branislava. Ele passou um braço em volta da cabeça do animal, sacudindo para trás duro enquanto mergulhou a faca no olho bom do animal. O cão do inferno estremeceu. Deu um passo e caiu por cima do Branislava. Razvan a tirou de debaixo da criatura pesada, seus dedos se movendo por cima do ombro para determinar quanto dano havia sido feito. — Obrigado. A ambos. — Ela incluiu Skyler. — Obrigada. Razvan assentiu. — Não está quebrado, mas agora, expulse todas as bactérias. Vai precisar cauterizar o mais rápido possível. Doeu, mesmo quando ela fez o melhor para empurrar a dor. Mesmo empurrar para fora os fios de bactérias foi doloroso. Queimá-la doeu ainda mais. Ela cerrou os dentes e acenou para Razvan que ela estava boa e poderia voltar ao trabalho. Uma parte dela estava muito grata por ele montava guarda sobre as quatro. O pensamento de outro cão do inferno se apoderando dela era aterrorizante. Com um pouco de tremor voltou para começar a descascar as camadas de fios pesados de magia na rede de proteção do mago. O fogo deixou escapar um rugido, como se estivesse vivo, e talvez estivesse com a ajuda dos magos. As chamas se tornaram azul no meio da clareira, uma tempestade de cor desafiadora em meio ao enorme incêndio. As chamas saltaram mais alto, quase subindo até o teto no nevoeiro, a fumaça negra se espalhando como uma sobrecarga de câncer. O calor tremendo levou todos para longe do local, não porque os Cárpatos não conseguissem controlar as suas temperaturas, mas porque o fogo derretia tudo em seu alcance. O chão se moveu, um aviso dissonante que parou quase tudo em suas trilhas. Mesmo os poucos cães do inferno restantes ficaram inquietos. Xaviero saiu do círculo de proteção, inflexível, sem medo, uma luz brilhante azul em torno dele. Seu irmão veio do outro lado, tão impressionante, envolto na mesma mística que os distinguia do resto do mundo. Se mantiveram nas sombras, sem fazer nenhum som, ainda comandando a atenção de cada combatente. Os cães correram para eles, se esgueirando abaixados, como animais de estimação que


270 foram espancados, mas estavam a serviço de seus mestres. Ambos os magos balançaram suas mãos e uma vela surgiu em cada lado do triângulo que eles formavam com o fogo que saltou para a vida, as chamas cintilando azul para combinar com o centro da fogueira maior. O chão tremeu um segundo momento, uma grande rachadura ziguezagueando através do centro do triângulo formado por Xaviero, Xayvion e o fogo no centro exato de poder entre as árvores que dos dois tinham preparado com antecedência. O solo explodiu em um gêiser e depois entrou em colapso, formando um sumidouro com vários metros de diâmetro. As velas de cada lado do triângulo saltaram em alegria, as chamas se tornaram azul respondendo aos cristais azuis que os magos espalharam pelo chão em torno do sumidouro. Uma onda de calor subiu por baixo, como se um grande vulcão espreitasse logo abaixo da superfície. O nevoeiro acima de suas cabeças refletia uma tonalidade vermelho-alaranjado da rocha derretida no fundo do buraco. Um silêncio caiu sobre o campo de batalha. Os magos saíram das sombras, cercados por cães infernais para guardá-los enquanto realizavam o ritual. Vestidos com roupas roxas, eles ergueram os braços e os abriram. Na sincronização completa, os dois cantaram a mais perversa magia negra, exigindo que as portas do inferno se abrissem.

Convoco o mal das profundezas da rocha negra, Deixe estas almas viajarem para a espinha do diabo. Deixe-os ser a oferenda de tudo que é escuro, De modo que ninguém pode desfazer desta vez. Deixe estas almas servirem como forragem, Enquanto a fome se alimenta. Deixe o sangue de elas selarem o vínculo, Deixe o sangue delas selar essa necessidade.

Branislava estremeceu com encantamento demoníaco, vil, o negócio que eles estavam fazendo. Eles pediam e seduziam. Eles ordenaram e ainda suplicaram. A arrogância dos dois magos a chocou. O que eles iriam trazer de volta dos mortos seria muito pior do que Xavier tinha sido. Ela estremeceu pensando no reinado de terror que isso daria. As vozes dos magos se levantaram, continuando com sua tentativa de libertar seu irmão.

Cada alma que eu enviar, Troco pela vida. Assino com você agora com sangue e vida,


271 Deste dia em diante eu sou obrigado a servir. Ser sempre um imortal, Para o que foi servido. De espírito e sangue, de carne e osso, Assino esse pacto agora ganhado a imortalidade.

Xaviero gesticulou em direção ao fogo, entortou seu dedo mindinho, convocando sua oferta. O prisioneiro estava enrolado da cabeça aos pés em corrente de prata. Um homem alto, de ombros largos um Sange rau o arrastou por trás do fogo e empurrou para o triângulo com tanta força que ele caiu de bruços no chão. O Sange rau voltou rapidamente, claramente não querendo ficar muito perto do mago. Sem mãos para o parar, o rosto do prisioneiro se enterrou na sujeira. Ele estava imóvel por um momento, nenhum som escapou. Muito lentamente, ele se virou e, apesar das correntes, conseguiu ficar em uma posição sentada. O coração de Zev fraquejou. Ficou imóvel. Branka. Esse é o meu avô. Este é Hemming.

Poderia o reconhecer em qualquer lugar, mesmo com a prata queimando sua pele, e ele foi torturado para além do suportável. Este é Hemming. Não se mexa. Não fale ou chame a atenção para si mesmo, de qualquer maneira, Branislava advertiu. Você é alfa. Acima de todos os aspectos. Ele não pode sentir sua emoção ou poderá puxar mais poder disso. Seu avô leva o sangue da sua avó. Ele agora é sangue misturado como você, e é um Dark Blood forte. Zev realmente não tinha pensado nisso. Ele tinha a linhagem Dark Blood pelo seu lado Cárpato, mas nunca entendeu realmente o que isso queria dizer. Pensava em si mesmo como Lycan. Se ele se considerasse Cárpatos em tudo, era como um irmão para Fen e Dimitri. Agora, com seu avô acorrentado e prestes a ser sacrificado para que Xavier pudesse ter o corpo dele e seu espírito indo para o inferno em troca, ele percebeu isso tudo, era isso que os magos tinham procurado fazer. Queriam o corpo e o sangue de um Dark Blood, e seu avô provavelmente foi direito em sua armadilha. Ele foi à procura de quem assassinou sua companheira. Um por um, ele havia caçado. Claro, Xaviero teria ouvido os rumores. Teria tomado pouco esforço atrair Hemming para ele.

Eles não podem tê-lo, Zev disse, determinação absoluta em sua mente e voz. E claro que eles não podem. Estamos perto de derrubar a rede de poder, mas é preciso tempo para desvendar o que está feito. Centímetro por centímetro do lado mais fraco, o lado do fogo. Ele não estará esperando um ataque desse lado, Branislava aconselhou. Porque é impossível. O fogo é tão quente que está derretendo qualquer coisa a vários metros dele. Ele está queimando em chamas azuis. Meu corpo não pode resistir a tal temperatura Branka. Eu tentei regulá-lo, mas ele tem mágica nesse fogo. Meu amor — a voz o inundou com tanto carinho — confie em mim. Envolva-se em mim. Meu espírito está entrelaçado como seu. Meu corpo pertence a você. Minha alma é a outra metade da sua.


272 Eu sou fogo. Encubra-se com minhas escamas de dragão e na escuridão vá até seu avô. Isso pode ser feito. Você devia ser um general, mon chaton féroce. Ele tinha muito a aprender sobre ser Cárpato. Sua mulher era brilhante.

Fen. Dimitri, ele disse. Avancem lentamente para a minha frente. Lentamente, para que não chamem a atenção de um dos irmãos demônios. Fen se moveu primeiro, deslizando sem parece, seu corpo vindo em um ângulo para permitir que Zev escorregar para trás. Dimitri imediatamente moveu o peso de uma perna para a outra, bloqueando efetivamente Zev de vista. Instantaneamente Zev mudou, ficando completamente invisível. Se moveu no meio da multidão com cautela, com cuidado para não alertar um cão ou deixar um dos Sange rau restante nervosos. Ele percebeu que os bandos tinham feito um trabalho tremendo para derrubar o exército do mago. Havia muito poucos Sange rau deixados vivos. Os magos deram a ilusão de que fosse muito mais, mas ele contou não mais de uma dúzia, inclusive aquele que empurrou seu avô na terra. Zev transmitiu a informação para Fen e Dimitri. Eles iriam espalhar a informação e os Cárpatos teria certeza de que eles estavam em uma boa posição para derrubar os Sange rau restante, se necessário. Esperava que se eles conseguissem matar os magos e destruir seus planos, os sangue misturados fossem entender para o que e quem eles trabalhavam. Talvez eles estivessem sob algum tipo de feitiço. Certamente não eram membros do Círculo Sagrado, embora um ou dois daqueles que ele matou fossem, ele os reconheceu de encontrá-los em seus bandos. Eles definitivamente começaram como Lycan. Ele avançou através da multidão, mantendo-se tão próximo do chão quanto possível, fazendo o seu caminho sem forma em direção ao fogo. Mesmo sem o corpo, sentiu o poder terrível da fusão da chama azul. Soube quando se aproximou que a chama era parte da rede de poder que Branislava e as outras estavam tentando derrubar. Zev envolveu seu corpo em sua companheira, sentindo suas escamas de dragão sobre sua pele, essas escamas o protegia do fogo que repelia até mesmo o calor de uma chama azul mágica. Ele lhe enviou o imenso amor que sentia por ela, a sua fé nela, e acima de tudo a sua gratidão. Mesmo no meio de seu trabalho, destruindo a rede de poder de Xaviero, ela o envolveu no amor. Ele não ia sozinho por esse fogo. Ele usava as escamas vermelho-ouro, como um longo casaco com capuz, uma armadura. Ele se moveu lentamente, embora sentisse o feroz calor. As escamas refletiam as chamas azuis quentes para trás longe dele e descobriu que podia realmente respirar enquanto avançava em direção a seu avô. Pela primeira vez estava realmente grato por seu sangue misturado. Com essas correntes de prata, Hemming nunca seria capaz de se mover. Ele teria que o jogar por cima do ombro e levar para longe desse triângulo e a abertura temível no chão. Não podia olhar para aquele inferno. Ao se aproximar do seu objetivo, Xaviero estava sobre Hemming, sua faca cerimonial erguida na mão. A faca era muito maior do que ele já tinha visto em uma cerimônia, parecendo mais como se


273 pudesse matar um enorme animal, muito menos um homem. Runas dançava sobre a lâmina de prata, se movendo continuamente como se sedenta do sangue do Dark Blood, o mago pretendia matar, mas não cortar sua cabeça, preservando o corpo para Xavier. Hemming não tentou se afastar, nem desviar o olhar de Xaviero. As correntes de prata deveriam ser agonizantes, queimando tão profundamente a pele, que Zev mal conseguia realmente ver o que sobrará da pele de seu avô. O prisioneiro estava plenamente consciente de seu entorno e as intenções do mago, mas não piscou, olhando desafiadoramente para Xaviero, enquanto ele cantava, sua voz aumentava com a de Xayvion. As quatro mulheres tinha lançado o seu círculo de proteção bem debaixo do nariz dos cães de guarda dos magos. Cada vez que um Sange rau ou um cão do inferno chegava perto delas, o bando de Daciana, juntamente com Tomas, Andre, Lojos, Mataias e Razvan os empurravam para trás. Fen, Dimitri ou Zev tinham vindo para terminar o trabalho de derrubar qualquer ameaça as mulheres. Branislava levantou os braços, sem se importar que um dos magos ou suas sentinelas pudesse encontrá-la. Era agora ou nunca. Tatijana, Skyler e Ivory seguiram suas ações.

Amieiro, feiticeira da batalha, atenda ao meu chamado, É tempo de batalha, o mal deve cair.

Cedro conhecido como a árvore da vida, Te convoco agora quando as portas do inferno veem à vida.

As quatro mulheres uniram seu poder, fundiram suas mentes e se tornaram uma entidade única, um só coração e objetivo: parar o mago de suas ações escuras.

Straif Blackthorn22, Dark Crone23 da floresta, Preciso de seu poder, levanta e mata aquilo que deve ser desfeito, Carvalho antigo, controle do poder te convoco agora, Se banqueteie com esses poderes negros.

22

Straif é a décima quarta letra do Ogham, na sua forma de árvore, Blackthorn (árvore). A árvore tem a

reputação muito escura e perigosa dentro do folclore Celta, É quase sempre associado com os mortos, outros tipos de espíritos, ou o submundo. Blackthorn representa problemas e negatividade dentro do Ogham: A linguagem Secreta dos druidas. 23

Dark Crone é uma mulher velha, sábia, personagem em folclore e conta de fadas, em algumas histórias, ela é

desagradável, maliciosa, ou sinistra de forma, muitas vezes com associações mágicas ou sobrenaturais que podem fazer seu útil ou obstrutiva.


274

Agora - Branislava sussurrou em sua mente. Depressa. Zev não hesitou, confiou nela. As chamas das duas velas tremeluziam, pularam e morreram As quatro árvores remanescentes que ajudavam a formar o pentagrama inverteram, começando a mudar, desde seus sistemas de raízes. Casca manchada saudável substituindo a cor branca doente desde o caule até os galhos, e, finalmente, ficaram verde prateado. Zev invadiu o triângulo enquanto a fonte de poder enfraquecia, cuidando para não tocar o mago, mas, literalmente, arrebatando o corpo acorrentado para longe da faca mergulhando em direção ao coração. Rolou com seu avô, longe do mago e fora do triângulo, ficou de pés e jogou o corpo de Hemming sobre um ombro, carregando como um bombeiro. Os cães do inferno reagiram, rosnando e o atacando, a velocidade deles absolutamente incrível. Zev correu para eles, fechando a distância entre eles igualmente rápido. Quando estava a poucos metros dos animais enormes, ele saltou sobre eles, usando a força de seu sangue misturado, sua habilidade Lycan para saltar e das espécies combinadas para a distância e velocidade. Fen e Dimitri se posicionaram de frente para os cães do inferno perseguindo Zev. Cobertos de ferimentos de batalha, golpes e mordidas ferozes, Andre, Tomas e Lojos se juntaram a eles, enquanto Mataias recuou para proteger Zev, enquanto ele carregava o corpo de seu avô de volta para o círculo de proteção que as quatro mulheres tinham lançado em torno delas. A chama azul no fogo estalou e desvaneceu, foi consumida pelo ouro vermelho rico das chamas naturais. De uma só vez a cor da fumaça mudou, e, o próprio fogo se apagou, de modo que chamas não chegavam aquele banco doentio de nevoeiro em cima. Conforme a fumaça branca se misturou com a negra e, finalmente, devorou a parede densa de nevoeiro, começando a se dividir em manchas menores e irregulares. A parede de nevoeiro perverso ao redor da clareira se tornou irreconhecível, diluindo enquanto um vento frio começava a soprar através dele. Os espíritos presos na fumaça antinatural se espalharam pela fumaça purificada, elevando-se em direção às nuvens onde o vento os levou. Xaviero rugiu com raiva quando a lava derretida estourou do buraco no chão. O cheiro de enxofre sobrepôs a qualquer outro cheiro, abafando até mesmo o cheiro de sangue. Por um momento, as vozes podiam ser ouvidas. Lamentando. Gritando. Demoníaco. Lava choveu dentro do triângulo, forçando Xaviero e Xayvion a deixar a segurança de seu refúgio. As quatro mulheres se viraram como uma unidade para enfrentar os magos em fuga. Xaviero jogou as mãos no ar, traçando um padrão de destruição, torcendo o lava em bolas de fogo de magma e as arremessando contra os seus inimigos. Como uma unidade, Branislava, Skyler, Tatijana e Ivory jogaram suas mãos para cima, traçando símbolos e entoando suavemente baixinho para transformar as bombas incendiárias em chuva inofensiva. A terra tremeu violentamente, jogando todos no chão. Uma vez. Duas. Três vezes. Um espírito solitário se arremessou para perto da superfície, pairando sob a fumaça desaparecendo, boca escancarada em um grito silencioso de protesto. Seus olhos vazios olhavam acusatoriamente. Não foi difícil reconhecer Xavier, enquanto tentava desesperadamente escapar.


275 Ivory avançou, empurrando o ar limpo para a fumaça, puro, fresco, bem no meio da aparição. Não havia malícia em seu rosto. Sem ódio. Apenas a aceitação do que tinha que ser feito.

Convoco para envolver o caos e a destruição, Energia fleumática25 do ar, Sopre através daquilo que é sombra, Dispersando tudo com acentuado cuidado protetor.

25

Energia pacífica que evita o caos e o conflito.

A face distorceu grotescamente. Pequenos buracos apareceram, o vento se espalhou através da máscara quase serenamente. Xavier pairava lá, avançando através da fumaça em direção a seus irmãos. Ambos deram um passo em direção a ele como se pudessem arrancá-lo do abismo. Algo estendeu a mão por baixo e garras perversas, malvadas em meio à fumaça puxaram o espírito para baixo. O lamento desesperado de Xavier feriu os ouvidos, e depois a terra se fechou com um estrondo decisivo. Xaviero lentamente levantou seu olhar para as mulheres. O ódio estava em cada linha de seu rosto. Sua boca puxou para trás em um rosnado. Ele levantou os braços para o céu e, em seguida, fez um gesto de arremesso. Uma grande rocha, com picos de cristal estourar da terra e foi arremessada em direção a elas. Skyler empurrou ar na rocha, interceptando-a antes que pudesse acertá-las. Você está velho demais para fazer uma birra infantil, ela o repreendeu. Somos filhas da Terra. Você acha que nossa

mãe iria lhe permitir nos machucar? Escolha outra arma, esta não irá funcionar. A rocha caiu sem causar danos ao solo. Ela não a arremessou de volta para ele, ou a enviou para colidir com os cães infernais. Simplesmente a deixou cair, não mostrando qualquer animosidade contra ele. A raiva dele cresceu para uma raiva purulenta. Você, Xaviero assobiou para Skyler. Você é a

filha que nunca deveria ter nascido. A criança de cada espécie. Mago, Jaguar, Cárpatos, Lycan e humano. Sua mãe nos enganou. Ela era muito poderosa e teve que ser morta. Não podíamos arriscar que ela se virasse contra nós, como ela finalmente fez. E ainda o nosso irmão estupidamente usou o corpo de Razvan para engravidá-la. Seu erro. Seu erro final. Skyler olhou fixamente em seus olhos, sem piscar. Sem medo. Sua mãe tinha avisado para ela ficar longe dos magos, para esconder quem ela era e suas habilidades, mas ela não era mais aquela criança impotente e nunca seria novamente. Você não assustou a minha mãe nem me assusta. Tenho

pena de você com seus esquemas grandiosos e a desesperada necessidade de controle. Você não tem nada, e não é nada.


276 Sua mãe não era nada. Ela rastejou diante de nós, com uma filha que criamos. Maga, Jaguar e humana para os nossos propósitos. Nossos. Ela dançou a nossa música. Não era do mais que um fantoche, ele gritou. Skyler reconheceu que ele estava tentando irritá-la. Que estava usando o passado de sua mãe para alimentar o seu temperamento para que pudesse usar isso contra ela, torcer suas emoções em algo feio. Ela balançou a cabeça. Você temia seu poder e sua bondade ou você não iria querer vê-la morta. Mais uma vez, sinto muito por você. Ela levantou as mãos para o ar e começou a desenhar um padrão.

Para aqueles que perderam a vontade, Deixe isso agora ser devolvido, Tendo de volta em seu poder, Assim a liberdade pode ser conquistada. Vosso mal não prevalecerá. Estes homens já não lhe pertencem, Assim como minha mãe nunca pertenceu a você.

A maioria do sangue misturados que serviram a Xaviero pararam de lutar abruptamente, parecendo confuso e desorientado. Alguns se sentaram e enterraram o rosto nas mãos. Xayvion deslizou para as sombras. Irmão. Venha comigo agora. Não podemos derrotá-las.

Elas são mulheres. Não são nada! Xaviero cuspiu no chão. Estes guerreiros não podem me tocar, os cães do inferno me obedecem. Vou matar todas as quatro. Irmão. Te rogo. Vamos agora. - A voz de Xayvion enfraqueceu. Esbravejando, com o rosto vermelho, Xaviero pisou com força no chão, e então atirou duas esferas de cristal que produziu dos bolsos de sua túnica nos vãos que acabou de fazer no chão. Furioso que seu irmão pensasse que as mulheres, mesmo combinadas, poderiam exercer mais poder do que os dois, o deixou querendo rasgar as quatro mulheres odiadas membro por membro. Água borbulhava dos vãos feitos com seus calcanhares, dispararam para o céu e então choveram sobre as quatro mulheres, uma chuva ácida que ameaçava consumi-las. Tatijana mudou parcialmente para seu dragão azul, sua cabeça em forma de cunha levantou para o céu, de boca aberta, enquanto suas mãos seguiram um padrão complicado.

Agua química, chuva ácida, Bebo tua força, não tendo dor.


277 Você mata minha sede, reanima a minha vontade, Transmuto esta água lavando-a do mal.

Quando a última gota foi embora e Xaviero ficou boquiaberto, ela se moveu para trás e sorriu quase gentilmente para ele. Você me ensinou esse truque quando eu tinha dez anos de idade. Você

esqueceu? Meu dragão é um dragão de água e você me usou, me obrigou a ingerir chuva ácida. Meu dragão parece ter desenvolvido um gosto para ela.. Ela sorriu serenamente e deu o mago uma pequena saudação. Xaviero virou, ignorando os cães do inferno espalhados que uivavam como almas perdidas, sem saber o que ele queria que eles fizessem. Eles começaram a atacar uns aos outros. Dois se envolveram em uma luta feroz, enquanto os outros correram para morder e arranhar os combatentes. Tão concentrado em destruir as quatro mulheres que ele culpava por frustrar o seu plano, Xaviero pareceu não notar. Ele continuou a girar, seu manto tremulando em um grande círculo, espalhando fagulhas sobre a terra. Chamas azuis explodiram de seus dedos, de modo que ele parecia como se estivesse rodeado por uma longa chama azul, contínua. Ele produziu um vento selvagem que acendeu as chamas da pira agonizando em um incêndio medonho. Suas mãos fluíram, sua voz se elevando enquanto ele disparou o fogo azul como um raio diretamente para Branislava. Ela ignorou os gritos e o clamor para se concentrar, de pé firme, segurando o olhar de Xaviero enquanto ele sorria para ela, certo que as chamas devorariam as quatro mulheres. Conforme o míssil aquecido se abateu sobre elas, Branislava se adiantou, apenas um pouco à frente das outras, levantando os braços em linha reta sobre a cabeça como se fosse vestir um longo vestido. Suas mãos se moveram graciosamente no ar, como uma dançarina contando uma história.

Nascida em fogo, afinada no gelo, Convoco os quatro cantos. Faço vossas energias minhas, Convoco o fogo, irmãozinho, Absorvo vossas habilidades, Interiorizando.

Ela se virou para abraçar o campo da batalha.


278 Convoco as lâminas oscilantes de Pisionics, A combustão espontânea, Magia é feita. Tome aquilo que é mau, Retorna-o ao reino, Encerrando tudo em vosso fogo, Assim ninguém pode voltar.

Seu corpo cintilou em vermelho ouro e então, a chama azul bateu nela. Seu corpo inteiro brilhou azul e chamas irromperam ao redor dela, aparentemente a engolindo. Xaviero riu alegremente, o estridente som sobre o silencioso campo de batalha. Ele não pareceu notar os grandes animais em pé por um momento, incertos ali no campo de batalha, e depois enviando os rabos entre as pernas e vagando para longe. Conforme caminharam para a floresta, fora da vista e da mente do mago, se dissolveram em nada. A chama azul dançou por um momento, girando em torno de Branislava quase brincando. Através do fogo azul brilhou primeiro o ouro e então o vermelho, seguido pelo laranja. As cores giravam em torno dela da cabeça aos pés e então lentamente desvaneceram em seu corpo, como se ela tivesse absorvido as chamas.

Sério Xaviero, essa é sua ideia? ela provocou. Você realmente utiliza os elementos para tentar nos prejudicar? Você deve fazer melhor do que isso, ou nós quatro vamos ter que te mandar direto pelos portões do inferno para se juntar a seu irmão. Você assinou um contrato com o diabo em sangue. Acredito que o papel está no seu bolso, e ele vai te prender com isso. Xaviero xingou em várias línguas. Todos vocês estão mortas. Cada pessoa que você se preocupa está morta. Eles só não sabem disso ainda, ele prometeu. Sorrindo para Xaviero, aparentemente não afetada por sua raiva ou sua promessa, ela levantou as mãos e esboçou símbolos no ar entre eles. Os símbolos permaneceram ali, runas de chamas. Xaviero ficou tenso, tentando ler seu ataque contra ele. Suas mãos subiram em resposta para outra rodada na batalha deles. Zev golpeou por trás. Os olhos de Xaviero se arregalaram em choque absoluto. Ele não tinha percebido que seus cães do inferno tinham desaparecido e que ele não estava mais dentro de um círculo de proteção. Nunca lhe ocorreu que Branislava estava apenas mantendo a sua atenção sobre ela — que todas as quatro mulheres estavam usando manobras de adiamento, apenas jogando um jogo com ele enquanto o verdadeiro ataque vinha de outro lugar. Em forma de Lycan, o lobo de Zev mordeu o pescoço esquelético e puxou para baixo pelas costas do mago, rasgando a carne e arrancando a medula espinhal. Atirou-a no fogo, girou o corpo e mergulhou o punho profundamente no peito do mago, arrancando o coração. Ele o jogou no fogo


279 também. Mudando para sua forma natural, desembainhou a espada e cortou a cabeça, jogando-a no fogo. O corpo em seguida.

Essa é uma maneira de fazer isso, Branislava sussurrou na mente de Zev. — Se sente melhor? —Fen perguntou. — Um pouco de exagero? — Dimitri sugeriu zombeteiramente. — Isso foi para me manter calmo, —Zev respondeu. Ele olhou em volta. — Há uma limpeza a ser feita, mas eu preciso atender ao meu avô. Ele está em má forma. — Nós temos isso, — disse Fen.


280 Capítulo 22

Zev correu para o local onde tinha deixado seu avô, Dimitri ao lado dele. Daciana, Makoce e Lykaon o protegiam. Todos os três pareciam sombrios enquanto eles davam um passo para trás para permitir que Zev se ajoelhasse ao lado de Hemming. As correntes de prata o embrulhavam, estavam incorporadas profundamente na pele. Claramente um pouco de pele havia crescido ao longo das correntes, tornando-as uma parte de seu corpo. Dimitri tinha sofrido há algumas semanas envolto em corrente de prata e ele se lembrou de cada segundo da agonia impiedosa. Ele não podia imaginar quanto tempo o avô de Zev tinha sofrido tal tortura. — Tire-as, — Hemming engasgou em saudação. — Zev, tire-as de cima de mim agora. Zev respirou fundo, quase balançou a cabeça, mas os dedos de Dimitri se firmaram em torno de seu braço, impedindo-o de falar. Skyler pode fazer isso. Deixe-me chamá-la. Ela tirou a minha.

Chame-a então. Depressa. Zev passou a mão pelo cabelo de seu avô em um raro gesto de carinho. — A mulher que pode remover as correntes está vindo. Não tinha ideia que ainda estava vivo. Achei que você estivesse morto há muito tempo, depois de uma de suas caçadas. Branislava apareceu ao seu lado, Skyler, Tatijana e Ivory logo atrás. Eu as trouxe em caso de poderem ajudar com a cura, ela confidenciou. Zev estava grato que ela estivesse ali, agradecido que ele a tinha. No momento em que ela estava perto dele, ele sentiu como se pudesse suportar qualquer coisa, até mesmo perder seu avô pela segunda vez. Skyler se ajoelhou do outro lado de Hemming, passando as mãos sobre o seu corpo e as apertadas correntes de prata encravadas tão profundamente. Ela olhou para Dimitri com os olhos arrasados. Ele colocou a mão suavemente em seu ombro.

Zev, se eu remover as correntes, ele vai morrer. Ele viveu muito tempo com elas. Elas estão embutidas em seus ossos, e se tornaram parte do seu sistema. Ele vive em agonia, mas... Skyler parou de falar, as lágrimas em seus olhos. Ela olhou para Dimitri de novo, como se de alguma forma seu companheiro pudesse mudar o que era. Talvez eu esteja errada. Bronnie? Tatijana? Ivory? Branislava posicionou suas mãos um pouco acima do corpo de Hemming e passou a mão da cabeça aos pés. Zev sentiu sua reação instantaneamente e sabia sem ela dizer que a avaliação de Skyler estava correta. Zev abaixou a cabeça por um momento antes de olhar seu avô diretamente nos olhos. — Se removermos as correntes, Vovô, você vai morrer. Hemming sorriu para ele. Pela primeira vez, o rosto pareceu relaxar sob os terríveis elos de prata. — Anseio paz, Zev. A chance de estar com Catalina mais uma vez. Sinto falta dela todos os momentos da minha existência. Retire as correntes de cima de mim.


281 Skyler sacudiu a cabeça. — Não quero ser essa pessoa. Eu não Zev. E se você olhar para mim como a pessoa que matou seu avô? Não posso fazer isso. Hemming virou a cabeça lentamente para olhar para ela. — Você é tão jovem. Não me lembro de alguma vez ser tão jovem. As correntes são... — Ele parecia buscar a palavra. — Dolorosa. Zev sentiu seu coração contrair. Se Hemming não conseguia se lembrar da palavra real para descrever a dor, ele esteve acorrentado muito tempo, sofrendo a tortura pela morte por prata. O mago não pôs os ganchos em seu corpo, de modo que a prata líquida pudesse, finalmente, encontrar o seu coração e o matar. Xaviero foi esperto demais para isso. Ele o tinha apenas envolvido em correntes, deixando-o indefeso e em total agonia. Zev sentiu Branislava se enrijecer e sabia o que ela ia fazer. Seu coração quase explodiu com gratidão e amor por ela. — Eu vou removê-las, — Branislava disse firmemente. — Skyler pode me mostrar como. Skyler assentiu várias vezes. — Claro. Se isso é o que ele realmente quer. Hemming sorriu para ela. — Mais do que qualquer outra coisa, eu desejo ser livre dessas correntes. Experimentar a verdadeira liberdade pela última vez. É claro que eu gostaria de lembrar o que é viver sem dor. Branislava deslizou sua mão na mão de Hemming. — Sou a companheira de Zev, Branislava. Ele me chama Branka. Hemming a estudou com olhos inteligentes que tudo veem. — É claro que ele chama. Ele é um homem de sorte por ter você. Espero que você vá cuidar bem dele. — Sempre, — Branislava sussurrou. Ela olhou para Skyler. Zev podia sentir sua companheira sufocando. Não podia culpá-la. Tão perto de Hemming, qualquer um poderia sentir o seu poder. Ele resistiu à demanda do mago e foi torturado durante demasiados anos. Ele prevaleceu quando outros teriam sucumbido. — Vou tentar soltar as correntes primeiro, —Branislava disse. — As outras curadoras irão se juntar a mim para que o poder seja extenso, mas as correntes estão profundas em seu corpo e isso pode ser ainda mais doloroso para você. Vamos tentar manter isso no mínimo também. Uma sombra caiu sobre eles. Ela olhou para cima para ver Gregori e Mikhail juntos a Fen e Dimitri, de pé, como guardiões. Por alguma razão à visão do príncipe prestando homenagem ao avô de Zev a sufocou novamente. Lágrimas queimaram em seus olhos e em sua garganta. Hemming deslizou seus dedos ásperos sobre a palma da mão dela. — Você está me salvando. Salvando meu coração e alma. Vou com honra. Ela assentiu com a cabeça, com medo de falar. — Se me permitir, —Gregori disse, se agachando ao lado da cabeça do Hemming. — Não posso salvar a sua vida, mas posso ajudar a aliviar a dor. Hemming manteve os olhos em Zev. O aceno de Zev era quase imperceptível. Gregori colocou


282 as duas mãos em cada lado da cabeça de Hemming e olhou para Branislava. Ela respirou fundo.

Correntes de prata enterradas, Correntes de prata debaixo do tecido e pele, Correntes de prata ligadas aos ossos, Correntes de prata agora vocês pode ser desfeitas.

Seu olhar saltou para o rosto de Hemming. Sua mão se fechou em torno dela, seu aperto como um torno. Esferas minúsculas de sangue escorriam por todas as correntes. Havia agonia em seu rosto. Ela começou a se sentar sobre os calcanhares, enojada com o que tinha feito. Skyler tinha razão para recusar o seu pedido. — Não, —Hemming disse, sua voz rouca. — Não pare. — Nós cinco podemos nos juntar para aliviar sua dor, —Gregori disse. — Empurre seus poderes para mim. As quatro mulheres fizeram isso sem hesitação e Gregori com as mãos ainda em ambos os lados da cabeça de Hemming, inclinou sua cabeça.

Convoco a valeriana para relaxar e soltar, O salgueiro branco te mando abraçar e acalmar, Aquilo que é prata, tóxico ao osso, Te convido a parar enquanto o goldenseal26 vaga, Aquilo que é natural e do núcleo de cura da Terra, Te convido a aliviar o que está esfarrapado e rasgado. 26

Planta da floresta (Hydrastis canadensis) do leste da América do Norte, tendo pequenas flores branco-esverdeada

e uma raiz amarela usada na medicina herbal. Também chamado de orangeroot.

A agonia nos olhos de Hemming recuou. Ele sorriu para o neto. — Eles são amigos úteis para ter — e manter. — É sim, — Zev concordou. Tire-as dele, mon chaton Féroce. Não suporto vê-lo assim por

outro momento. Branislava respirou fundo novamente e soltou o ar. Sabia que se conseguisse eliminar as


283 correntes, Hemming teria apenas um curto período de tempo até que morresse. Não havia nenhuma maneira de reparar os danos aos ossos, carne e órgãos que a prata tinha comido e se tornado uma parte de seu corpo.

Estou com você Branka, Zev assegurou. Alma e espírito entrelaçados. Esta é a nossa decisão de o libertar e mandar para a mulher que espera por ele. Grata pela reafirmação de Zev, ela apertou a mão de Hemming para o avisar antes dela começar.

Corrente de prata enterrada lá no fundo, Corrente de prata embrulhadas como uma pele de serpente. Corrente de prata que corta o osso, Procuro tua origem de modo que você vai se fazer conhecida agora.

A mão de Hemming apertou a dela com tanta força que ela quase engasgou em voz alta. Quando ela olhou atentamente para o seu rosto, ele parecia sereno, ainda olhando nos olhos de seu neto, como se ele encontrasse forças lá. Ela sabia como era isso, contar com Zev. Ele era uma rocha, sempre constante, não importa o que estivesse acontecendo. Havia algo em Zev, algo tão forte, tão profundo, que ela sabia que podia sempre contar. Ele era inabalável em seus deveres, sua lealdade e seu comportamento calmo. Ele tinha a capacidade de liderar em qualquer circunstância — mesmo quando o seu coração se quebrava.

Traço teu padrão e sigo teu caminho, Removendo suas raízes enquanto selo e expulso. Em cada vale e queimadura insiro um bálsamo, Assim o seu veneno cessa e não pode fazer mais danos.

As correntes afrouxaram. Nos anéis de prata ela podia ver sangue e pedaços de carne e osso. Branislava fechou os olhos brevemente e reprimiu um soluço. Ela sabia, é claro, mas vendo a prova fez a sua morte iminente muito real. Zev, Fen e Dimitri puxaram cuidadosamente as correntes para que pudessem ser retiradas do corpo de Hemming, e removeram completamente. Zev as jogou a distância. Branislava achou difícil olhar para o homem que uma vez foi como Zev — forte, musculoso e confiável. Seu corpo estava devastado pela dor, falta de alimentação e exercício. Seus músculos estavam atrofiados. Cada centímetro do corpo se encheu de sangue. Sua carne foi corroída pela prata nas correntes, deixando uma massa sangrenta em carne viva.


284 Gregori continuou a segurar a cabeça, ajudando a aliviar o sofrimento do homem. Branislava segurou a mão dele, mas era em Zev que Hemming se fixou. — Nasci Lycan e me apaixonei e acasalei com o que eu acreditava ser outra Lycan, sua avó. Ela acreditava que era Lycan também. Os pais dela a encontraram em um campo de batalha, após um Sange rau destruir a maior parte do bando. — Hemming tossiu e sangue escorreu pelo canto de sua boca. Mikhail, Fen e Dimitri se aproximaram, quase protetores, embora houvesse pouco que qualquer um deles pudesse fazer pelo homem. — Ela era tudo para mim. — Os olhos de Hemming se iluminaram. — Ela era uma beleza no campo de batalha e nós estávamos sempre juntos. Nunca distantes. Tivemos uma filha linda — Aubrey. — Parecia que ele estava de volta ao passado e as memórias eram agradáveis. — Nós dois ficamos muito encantados com a nossa menina. Ele tossiu novamente e mais sangue escorreu pelo seu queixo. Zev limpou com o polegar. Branislava trocou de lugar com Gregori para amortecer a cabeça de Hemming no colo de modo que sua cabeça estava em um ângulo mais alto. Ela alisou o cabelo para trás com os dedos trêmulos. — Sua companheira era de uma linhagem Cárpato muito reverenciada, —Mikhail disse, sua voz baixa e suave. Quase cantante. Uma voz que poderia facilmente enviar um homem suavemente para outro reino. — Ela era a última remanescente dos Dark Blood. Seus pais devem ter sido mortos pelo Sange rau quando tentaram ajudar a defender o bando. Eles estavam viajando nessa área e, provavelmente se depararam com a batalha. Hemming assentiu. — Ela não se lembrava deles. Ela era muito pequena, uma criança, quando seus pais Lycan a encontraram. Nenhum de nós, muito menos ela, achava que ela fosse qualquer coisa além de Lycan. Ela começou a ter sonhos perturbadores. Visões vieram a ela do futuro. De uma divisão entre Lycan e Cárpatos. Ela enviou uma mensagem para os Cárpatos de suas visões, mas ela foi assassinada pouco depois e nós não soubemos se isso chegou ou não. Foi então que percebemos que ela era mais do que Lycan — que ela poderia ter sido Cárpatos, e agora, por minha causa, ela era as duas coisas. Ela tinha se tornado o Sange rau odiado. — Não Sange rau, — Mikhail corrigiu suavemente. — Ela era Hän ku pesäk kaikak, que em nossa língua, é “guardiã de todos”. Ela não era renegada ou vampira, Hemming, ela era uma grande guerreira. Hemming assentiu, grato pela explicação da diferença. — Ela sempre me deu sangue durante caçadas ou batalhas quando eu estava ferido. Percebi que eu estava me tornando como ela. Branislava apertou a mão dele. — Zev é Hän ku pesäk kaikak. Fen e Dimitri são. Eles lutaram neste dia com honra. Você teria ficado orgulhoso de seu neto. — Sempre fui orgulhoso do meu neto. Ele foi um espinho para Xaviero praticamente desde o primeiro dia que o mago se tornou ciente de um caçador de elite que aconselhava o conselho. Xaviero não podia quebrar o domínio de Zev sobre eles, nem mesmo dos membros do Círculo Sagrado. Outro duro acesso de tosse atingiu Hemming. Seu corpo estava escorregadio do sangramento


285 em tantos lugares que as correntes abriram. Branislava olhou para Gregori, sua tristeza tão pesada que mal conseguiu respirar.

A dor foi embora agora. Seu corpo está entorpecido, Gregori assegurou. Você não pode sentir a sua alegria? Ele estará com sua companheira. Eles são vinculados, entrelaçados ou não alma para alma. Ele mal pode esperar para estar com ela. Branislava sabia que Gregori falou a verdade. A cabeça de Hemming caiu em seu colo e mais uma vez o seu olhar saltou para seu neto. — Ele nunca soube que você era o meu neto. Nem sequer suspeitou — não até recentemente. Era divertido vê-lo nos injuriar e vociferar, fazendo birra como uma criança porque não podia matar os seis de vocês que ele queria mortos. Ele usou o meu sangue para criar servos, mas ele não entendeu que fazer um verdadeiro Sange rau — ou melhor, um Han ku pesak kaikak — levava tempo. Ele esperava que os Lycans forçados a servi-lo fossem mais rápido, mais esperto e melhor do que tudo o que encontrassem. Sua mão se estendeu para Zev. Trêmula. Fraca. A perda de sangue o estava afetando e ele se engasgou várias vezes, lutando por respirar. Branislava não se importava se Hemming estava dormente ou não. Não podia suportar o fato de que ele estava se afogando em seu próprio sangue e sabia disso.

Convoco a água, fonte de vida, preste atenção ao meu chamado, Te convido se curvar e mudar ao meu desejo, Toma aquilo que é o sangue da vida e o desvie para o lado, Assim o ar pode agora fluir dando paz a esta vida.

Hemming olhou para ela e sorriu. — Não estou com medo netinha. A dor das correntes se foi e estou livre. Me sinto como se estivesse voando pelo céu. Tenho esse tempo para estar com o meu neto e conhecer você e seus amigos. Nenhum homem poderia pedir mais que isso. Agradeço a sua atenção. Claramente seu pequeno feitiço havia funcionado, e ele foi capaz de encontrar um método alternativo de respiração, suficiente para falar enquanto o seu tempo acabava. Branislava enfiou a mão livre em sua boca para não chorar em voz alta. Hemming claramente queria ser livre da vida que levava. Ela não queria estragar sua passagem com as suas lágrimas. — Estes homens. Lycans. Os que Xaviero forçou a servi-lo, —Hemming disse. — Eles eram bons homens, Zev. Homens gentis. Alguns fizeram o possível para aliviar meu sofrimento. Eles não tinham escolha, uma vez que Xaviero tirou seu livre arbítrio. Eles vão sentir uma enorme culpa. E serão para sempre evitados pela sociedade Lycan, e ainda eles precisam pertencer a um bando. — Te ouço, vovô, —Zev disse suavemente. — Entendo.


286 — Você não pode deixar que eles se transformem em renegados. Eles precisam de um alfa forte que possam seguir. — Você tentou ser o alfa para eles, não é? — Zev perguntou, com súbita compreensão. — Mesmo envolto em correntes de prata tentou ajudar os outros. — Eles não podem continuar sem um bando, você sabe disso. São bons rapazes. Alguns deles devem ter sobrevivido. Não aquele que tinha jogado seu avô bruscamente no chão na frente de Xaviero. Esse Sange rau não sobreviveu. Dimitri o matou rápida e silenciosamente, enquanto todos no campo assistiam com horror enquanto Xaviero e Xayvion abriam as portas do inferno. — Talvez uma dúzia, —Zev disse. — Tão poucos. Xaviero levou tantas vidas de forma tão casual. Ele era cruel, Zev. Tão cruel. Se o Lycan que ele queria aos seus serviços não se juntasse a ele, o mago torturava e matava sua família. Então, só para esfregar sal nas suas feridas, ele assumia sua imagem Lycan e se tornava o gentil Rannalufr, para aconselhar o resto dos membros da família em luto. Mais do que provavelmente ele os fazia se sentir culpados, eles rapidamente se suicidavam. Ele dançava com alegria ao redor do laboratório sempre que conseguiu arruinar uma família inteira. A tosse ficou contínua agora. O sangramento constante, não importava quantas vezes Zev limpava o sangue da boca de seu avô.

Não vai demorar muito, amor, Branislava disse. Ele está perto. Não sei por que ainda está se segurando quando poderia abraçar a morte. Zev temia que soubesse. — Rannalufr significa ‘pilhar lobo’. Acho que se qualquer um de nós tivesse apenas pensado sobre como esse nome não se encaixava no imaginário, poderíamos ter prestado mais atenção nele. Hemming fez um movimento como se pudesse balançar a cabeça, mas o esforço foi demais e o mandou para outro ataque de tosse violento. Zev levantou a mão livre. — Você me quer responsável por estes Lycans desgarrados. Formar um bando com eles e me tornar seu alfa. Não outra pessoa. Quer que eu seja seu líder. Hemming balançou a cabeça, exausto demais para falar. — Te dou a minha palavra Vovô. Eu vou cuidar deles. — Interiormente Zev suspirou. Ele sabia o que seu avô queria o tempo todo. Mas esses muitos Sange rau, todos relativamente recém-convertidos, evitados pelos Lycans e seu conselho, seriam uma mão cheia. — Eles serão grandes caçadores de elite, uma vez treinados adequadamente. Se quiserem se juntar ao meu bando, vou treiná-los. Agora ele era um professor. Zev não conseguiu conter o pequeno suspiro. Um flash de diversão iluminou os olhos de Hemming. Ele apertou a mão de Zev e depois deixou seus cílios flutuarem para baixo. Houve um momento em que ele respirou fundo e soltou o ar. Paz caiu sobre suas feições


287 devastadas. Uma espécie de alegria. Seus lábios se curvaram em um sorriso suave, e ele se foi. Branislava segurou a mão de Hemming por mais alguns instantes e então se soltou suavemente, permitindo a cabeça dele deitar no chão mais uma vez. Ela estendeu a mão para Zev, que imediatamente colocou seu braço ao redor dela. — Ele queria ir, —Gregori disse, sua voz um pouco mais áspera do que o normal. — Sinto muito, Zev. Ele era um bom homem. Teria sido um prazer ter tido mais tempo com ele, no mínimo para a aprender com ele. Zev assentiu. Ele olhou por Mikhail viu os quatro sentinelas silenciosos, André, Tomas, Lojos e Mataias guardas constantes entre Mikhail e os Sange rau alinhados atrás deles, observando em silêncio. Ele observou cada um dos rostos dos sangue misturados. Eles pareciam angustiados. Confusos. Envergonhados. Todos eles inclinaram suas cabeças na morte de Hemming. Dois usavam a tatuagem do Círculo Sagrado, e um fez o sinal da cruz. Outro parecia como se murmurasse uma prece. No momento que Zev olhou para cima, todos os olhos saltaram para seu rosto. Esperando que ele os julgasse. Condenasse. Ele estava cansado de sangue e morte. De luta. Havia perdido amigos neste dia — todos tinham. Mas esses homens tinham perdido tudo. Eles não eram mais Lycan e a maioria dos Lycans não iria recebê-los em casa. Mesmo que o Conselho revogasse a pena de morte aos Sange rau, haveria preconceitos até a formação de novos costumes sobrepondo os antigos.

O livre arbítrio deles foi tirado. Eles tentaram lutar contra as ordens de Xaviero. Alguns abraçaram seu comando, enquanto estes não o fizeram. Você pode ver marcas sobre eles. Alguns deles foram disciplinados pelo mago. Suas disciplinas são brutais. Cruéis, Branislava informou. Não vou forçá-los a se juntar ao meu bando. Eles já tiveram o suficiente de outras pessoas escolhendo por eles. Eles podem fazer o que quiserem. O mais provável é que tivessem ouvido a conversa com seu avô, mas era ele quem estava preso àquela promessa, não qualquer um deles. Lentamente, ele se levantou e se dirigiu a eles. A fila de Sange rau — não, isso não — eles eram Han ku pesak kaikak. — A despeito do que os outros dizem de vocês, apesar de toda a crença antiga, um sangue misturado não é uma abominação. Assim como um Lycan pode fazer a escolha de se tornar um lobisomem, um renegado, e os Cárpatos de se tornarem um vampiro, vocês também tem uma escolha em como vocês querem viver. Neste momento, vocês são considerados Han ku pesak kaikak, que significa “guardião de todos”. Eu sou Han ku pesak kaikak. Não peço desculpas por isso. Levo o meu papel muito a sério. Protejo todas as espécies. Lycan. Cárpatos. Jaguares. Humanos, e sim, até mesmo magos. Um homem se aproximou. — Sou Caleb, — ele se apresentou. — Nós lutamos para o mago e cometemos crimes terríveis. Zev acenou com a cabeça gravemente. Não seria nada bom descartar as coisas no campo de batalha.


288 — A guerra traz o pior em todos nós, — ele concordou. — Especialmente quando não temos escolha. Xaviero tomou seu livre arbítrio. De certa forma, tomou o de todos nós, forçando que lutássemos uns contra os outros. Ele era um mago poderoso e teve séculos para planejar a queda do nosso povo. Ele fez de vocês peões e os transformou na coisa que vocês foram ensinados a mais odiar. Isso não significa que ele deve continuar a governar vocês. Vocês todos têm escolhas a fazer. — Onde podemos ir? —Caleb perguntou. — Meu bando nunca vai me aceitar de volta. Não tenho família para voltar. Os outros concordaram. — Isso é escolha de vocês. Posso lhes ensinar os hábitos dos caçadores de elite. Comigo, vocês podem aprender os hábitos dos Cárpatos para que suas habilidades melhorem ainda mais. Vocês vão têm que entender o significado completo do que é ser um Guardião de todos e viver sua vida com honra. Vocês são livres para ir agora e escolher o seu próprio caminho. Se escolherem o caminho do Sange rau, se decidirem virar renegados ou vampiros, vamos caçá-los e matá-los. Isso é um fato, não posso negar. — Você está dizendo que nos quer? —Caleb perguntou. — Todos nós? Depois do que foi feito aqui? — Xaviero e Xayvion fizeram isso. Vocês foram vítimas de sua magia cruel. Todos nós fomos. — Zev deu de ombros. — Olhe ao seu redor. Vocês veem condenação? Esse não é o modo dos Cárpatos. Vocês são Lycans e Cárpatos. Primeiro sua lealdade deve ser para o seu bando e em seguida para ambas as espécies, se vocês ficarem comigo. Gregori se mexeu, mas não disse nada quando Mikhail lhe lançou um olhar revelador. Os doze homens olharam ao redor do campo de batalha. Os Cárpatos tinham chamado o relâmpago para queimar os seus mortos, e os Lycans escolheram alimentar a pira cerimonial, incinerando os seus. Rolf, os outros membros do Conselho e os líderes de bandos estavam amontoados. Alguns olhavam desconfiados para os doze, mas ninguém os desafiou enquanto eles conversavam com Zev. — Eles não vão nos aceitar, — Caleb destacou. Zev deu de ombros. — Isso é problema deles e não nosso. Eles não tiveram nenhum problema quando nos permitiram lutar por eles — e vão nos chamar de novo. Os guardiões se entreolharam como se não soubessem o que fazer. Zev balançou a cabeça. — Toda vez que você entra em um bando e jura fidelidade ao casal alfa, isso é exclusivamente uma escolha individual. Tem que ser. Cada um de vocês faça a sua própria escolha. Ele olhou para Gregori e depois voltou para os outros. — Saibam isto sobre o líder do bando que você vai servir. Sou justo e leal, mas exijo absolutamente o seu melhor em todos os momentos. Não tolero insubordinação. Tenho mulheres no meu bando que são tão boas ou melhores guerreiras do que qualquer um de vocês, e eu espero que elas sejam tratadas com respeito todos os momentos. Se você não consegue lidar com essas coisas, você não pertence ao meu bando. Ele observou cada uma de suas expressões, especialmente daqueles com as tatuagens do


289 Círculo Sagrado. Muitos daqueles que acreditavam no código sagrado não acreditavam que as mulheres devem lutar com os homens. — Vocês também precisam saber que a minha lealdade é dada a Mikhail, príncipe dos Cárpatos. Sou Cárpato, assim como sou Lycan. Sou um guardião de todos e vou defendê-lo com a minha vida. Espero que o meu bando faça o mesmo. Novamente os observou de perto. Dois franziram a testa, mas pareciam mais confuso do que assustados. — Nós somos Lycans e Cárpatos, —Caleb disse, com um pouco de admiração na voz. Zev acenou com a cabeça em concordância. — Pensem nisso e me deixem saber. Vocês são livres para ir aonde quiserem. E estão livres para me contatar quando quiserem. Caleb balançou a cabeça e deu um passo à frente, segurando os ombros de Zev. — Não posso ficar sem um forte líder de bando. Hemming foi o meu líder reconhecido, embora a maior parte do tempo não podia fazer as coisas que ele teria desejado. Estarei mais do que honrado se você me aceitar em seu bando.

Parece que vamos ter uma família muito grande, Branislava disse. Eu sei Branka. Sinto muito. Não quero complicar nossas vidas, mas não posso deixá-los sem um líder. Ela riu suavemente, envolvendo-o em seu amor. Pedimos por lobos, lembra? Acho que o velho

ditado “tenha cuidado com o que deseja ” pode se aplicar aqui. Ele riu suavemente em sua mente com ela, compartilhando esse momento de humor, enquanto cada um dos doze guardiões jurava sua fidelidade a ele e seu novo bando. Ele tinha que aprender os seus nomes rapidamente antes de fazer as apresentações a sua companheira, alfa deles e a Daciana, Makoce e Lykaon, antes de trazê-los diante do príncipe. Os quatro guardas silenciosos vigiando Mikhail se moveram um pouco mais perto, assim como Gregori, mas ninguém se opôs às apresentações formais. — Tenho muito a fazer aqui, — Zev apontou. — Daciana, Lykaon e Makoce podem encontrar um lugar para ficarem até que possamos fazer casas dentro da floresta onde vão ficar mais confortáveis. Ele viu o movimento do seu bando fora do campo de batalha. A vida só se tornou muito mais

complicada. Não tenho nenhuma dúvida de que você pode lidar com isso. — Nós não pudemos chegar mais rápido, — Gregori se desculpou. — Trouxemos reforços, mas a barreira nos manteve de fora. — Xayvion escapuliu, mas Xaviero está morto. Vamos esperar que continue assim, —Zev disse. Mikhail sacudiu a cabeça. — Nós perdemos dois de nossos guerreiros, mas os Lycans foram particularmente atingidos pelo que parece.


290 — Aqueles mais próximos do mago foram perdidos, —Zev explicou. — Ele precisava de almas para sua troca. Seus sapos foram mais uma tática de adiamento, mas seus cães do inferno e Sange rau mataram muito poucos. Ele também enviou alguns para o fogo antes que conseguíssemos detê-lo. — Ele olhou para o corpo de seu avô. — Todo esse tempo Xaviero o tinha, torturou, e eu não sabia. — Sinto muito pela sua perda, —Mikhail disse sinceramente. — E sinto muito que não pudéssemos chegar aqui mais rápido, com mais homens. Talvez as perdas tivessem sido menores. — Rolf tinha a opção de mandar todos embora, —Zev disse, um pouco surpreso com o sentimento amargo brotando. — Ele escolheu forçar o povo a permanecer sem sequer tê-los alertado devidamente ou lhes dando a escolha. — Ele virou a cabeça, seu olhar encontrando o líder do Conselho. — Me desculpe, por favor, Mikhail. Preciso falar com Rolf. — Vamos levar o corpo de seu avô para a caverna dos guerreiros, — Gregori ofereceu. — Nós gostaríamos de fazer algo para ajudar. Zev inclinou a cabeça. Ele caiu de joelhos ao lado de Hemming e descansou a palma da mão na testa de seu avô em um tributo silencioso. Ele estava coberto de sangue e cicatrizes profundas, onde as correntes estavam. — Eles o teriam condenado à morte. O Conselho. Você percebe isso? — Ele olhou para Branislava. — Eles mataram minha avó. Não o mago, mas o seu próprio bando. Eles teriam feito o mesmo com Hemming se ele não tivesse fugido no meio da noite com a minha mãe. — Eles só conheciam o Sange rau, — Branislava lembrou suavemente. — Não o Han ku pesak kaikak Eles não sabiam que havia uma diferença. Zev balançou a cabeça e se levantou, empurrando as duas mãos pelos cabelos, parecendo mais um lobo selvagem do que nunca. — Eles teriam me matado Branka. Me conhecendo, eles ainda teriam me matado. Todos aqueles homens. — Ele acenou com a mão para os seus novos membros do bando que seguiam Daciana para fora da clareira. — Não há compaixão no rosto ou nos corações dos membros do Conselho por eles. Mikhail sente mais por eles e ele é um estranho para eles. Caleb estava certo. Também Hemming. Eles nunca serão totalmente acolhidos por nosso povo. Eu não serei, também. Com o tempo, você não vai. Eles viram o que foi feito a Dimitri, mas ao invés de se condenar por serem tão medievais, eles queriam falar e dar desculpas. Eles nunca realmente olharam para ele como pessoa. Branislava colocou a mão suavemente em seu braço. — Vendo seu avô envolto em correntes, vendo o que a prata pode fazer para o corpo de um Lycan realmente os aborreceu Zev, como deveria, mas talvez seja muito melhor esperar para falar com Rolf. — Ele nem sequer avisou os outros Lycans, Branka. Ele sabia do perigo e mesmo assim ele não disse nada a eles. Se tivéssemos mantido o serviço cerimonial imediatamente após a morte de Arno e Arnau, Xaviero não teria tido tempo para montar sua armadilha. Ele teria sido obrigado a realizar o seu ritual em outro lugar. Eu poderia tê-lo seguido, mas Rolf recusou até mesmo isso. Ela esfregou o braço. — Eu sei. — O que mais ela poderia dizer? Ele discutiu com Rolf por horas, tentando convencê-lo a fazer as despedidas do membro do conselho morto e seu filho na próxima sublevação sem dizer a ninguém onde eles iriam construir a pira funerária. Rolf ergueu o queixo teimosamente, coisa que ela nunca tinha notado nas poucas vezes em que o vira. Ele foi quase


291 rude com Zev. Zev se inclinou para ela de forma inesperada, com os braços, puxando-a para perto, apenas a segurando enquanto ele soprava para longe sua raiva. Ela colocou os braços firmes em torno dele, lhe dando o máximo de força que podia. Todos eles tinham cicatrizes de batalha, mas ela sabia que esta noite o pedágio em seu lobo foi enorme. Zev roçou um beijo na boca de Branislava. — Eu te amo, — ele sussurrou. Ele não dizia isso vezes o suficiente para ela, ele tinha certeza, mas sentia isso a cada respiração que dava. — Eu sei. Estarei bem aqui. Ele apreciou que ela não discutiu com ele. Ele precisava fazer isso esta noite. Era um homem que podia manter o controle — e iria — mas não queria. Queria a satisfação de enrolar os dedos em um punho e socar Rolf em seu rosto pomposo. Ele caminhou até o pequeno grupo de Lycans, os líderes de bando com Rolf e Randall. Randall abriu um sorriso no momento em que avistou Zev. — Como sempre, você nos tirou disso. Nunca vi nada parecido em minha vida. — Ele estendeu a mão. Zev a pegou quase com relutância. Não podia culpar Randall pela decisão de Rolf. — Vou sentir falta de trabalhar com você Randall, — ele disse calmamente. Imediatamente toda a conversa cessou e os líderes de bando se viraram para ele, o choque em seus rostos. Rolf fez uma careta para ele. — Não entendo, —Randall disse. — É claro que você estará trabalhando com a gente. Você é o nosso executor. Nosso caçador de elite. Você é inestimável. Isso não foi culpa sua. Ninguém poderia ter previsto tal coisa. Cães do inferno. Um exército de Sange rau. Rãs venenosas. — Ele estremeceu. — E pensar que todo esse tempo Rannalufr era realmente este mago do mal. — Seu plano era provocar a queda dos Lycans. Seu irmão Xavier tentou com os Cárpatos, e Xayvion quase destruiu a espécie Jaguar. Acho que chegou perto de seu objetivo. Nós quase permitimos uma guerra entre os Lycans e os Cárpatos. — Têm aqueles traidores restantes do exército Sange rau de Xaviero, eles foram levados em custódia? Eu os vi saindo com Daciana e os outros, — Rolf exigiu. Zev balançou a cabeça. — Xaviero tirou o livre arbítrio deles. Eles lutaram contra ele, mas ele lhes deu sangue para os tornar sangue misturado. Ele assassinou a família e os torturou quando iam contra ele. No final, ele tirou sua vontade, porque era a única maneira que ele poderia os fazer cooperar. Eles são inocentes. — Não é sua função julgar isso, — Rolf apontou. Zev sorriu para ele. — Estou renunciando. Não vou mais ajudar um Conselho que não atende todo o seu povo ou têm os melhores interesses deles no coração. Quanto aos doze homens que


292 precisam de apoio e não vai encontrar em seu próprio povo, eles ficarão aqui comigo. Se você deseja julgá-los, vai ter que falar com o líder do bando deles, como é o jeito de todos os Lycans. — Você não pode se demitir. Nós não aceitamos a sua demissão, —Randall disse. — Sinto muito Randall. Você é um bom homem. Mas eu dei o meu conselho para Rolf e ele se recusou a me ouvir. Ele não foi a você e discutiu o assunto. Ele tomou uma decisão arbitrária de colocar seus líderes de bando e você em perigo desnecessário. A sobrancelha de Randall disparou. — Isso é verdade Rolf? Por que? Isso vai contra tudo o que o Conselho representa. — Você teria alinhado com Zev e meu voto é critério de desempate. Há apenas dois de nós. — Rolf defendeu. Os outros dois membros do Conselho que vieram para a cerimônia de Arno se entreolharam com as sobrancelhas levantadas. Rolf acenou com as mãos com desdém. — Por que perder tempo discutindo? Zev, pense no que você está fazendo. Se um erro foi cometido aqui, e admito que poderia ter estado errado, isso não significa que uma renúncia está em ordem. Zev estendeu as mãos na frente dele. — O preconceito contra sangue misturados é tão forte nos Lycans, Rolf, que mesmo você não me ouviu quando eu disse o que iria acontecer aqui. Rolf balançou a cabeça. — Isso não é verdade, Zev. — É verdade. Em todos os longos anos que fui o caçador de elite do líder do Conselho, cada vez que eu te dei conselhos com base no meu conhecimento e meus instintos você seguiu. Você não fez desta vez. Arno tinha muito conflitos sobre aqueles de nós que tem sangue misturado por causa de sua crença no código sagrado, mas pelo menos ele admitia isso e lutava com o que era a coisa certa a fazer. Você não ouviu desta vez, porque você descobriu que sou um sangue misturado e você já não confiava no meu julgamento. Rolf balançou a cabeça, mas não negou isso em voz alta. — A coisa é, sempre fui um sangue misturado. Minha mãe era descendente dos Cárpatos. Todos esses séculos que servi este Conselho, você tinha um sangue misturado lhe dando conselhos e lutando suas batalhas por você. Protegi todos vocês. Mesmo sabendo disso, você teria me condenado à morte. Rolf, isto poderia ter sido um matadouro. Tivemos sorte de que as quatro mulheres Cárpato aqui conosco hoje puderam derrotar os magos. Você deveria ter me escutado. Espero que você ouça quem for o escolhido para tomar o meu lugar. Mais uma vez, ele pegou a mão de Randall, levantou a mão em saudação aos líderes do bando e se virou para ir embora. Ele não pertencia mais a eles. Não até que eles percebam isso e mudassem suas políticas. Ele era sangue misturado, tanto Lycan como Cárpato e nunca iria virar renegado ou vampiro. Eles viram Dimitri, Fen e ele lutarem por eles e, ainda assim, nenhum deles deu as suas condolências por seu avô, ou fizeram um comentário sobre quão terrível Xaviero foi ao usar prata para torturar um homem por anos. Não ocorreu a eles que ele era um homem. Ou um Lycan. Ou um Cárpato. Ou todos os três. Hemming era simplesmente Sange rau para eles e isso foi tudo o que eles


293 viram. Ele passou o braço em volta Branislava, não perdendo um passo, enquanto se afastava do campo de batalha em direção à floresta, onde eles poderiam mudar em privacidade e se juntar a Gregori e Mikhail na caverna dos guerreiros. Fen e Tatijana, Dimitri e Skyler, bem como Razvan e Ivory já estavam esperando por eles. Ele não tinha dúvidas de que iriam dar o seu avô as honras devidas a ele, antes de colocá-lo para descansar. Essas eram as pessoas que ele escolheu respeitar. Ele era Lycan em seu coração e sempre seria, mas também era Han ku pesak kaikak — guardião de todos. Neste momento, a única coisa em sua mente era prestar tributo adequado a Hemming de uma maneira privada e amorosa.


294 Capítulo 23

Zev acordou com a lua diretamente acima dele, os raios brilhando como holofotes sobre ele. O céu estava claro, com milhares de estrelas reluzindo e brilhando como diamantes. Ele virou a cabeça e Branislava sorriu para ele. Seu coração fez aquela lenta, derretida cambalhota que sempre fazia quando ela lhe dava aquele sorriso especial. — Você abriu a terra. — Queria que você acordasse sob a noite. É tão lindo, Zev. O calor do corpo dela aqueceu o dele, sua pele, seda quente, deslizando contra a dele, fazendo-o se sentir vivo. Sua cabeça descansava em seu braço, e ela estava aconchegada contra ele, seu corpo curvado protetoramente ao redor dela. Ele sabia que ela estava tentando aliviar não só a dor de perder seu avô, mas a amarga realidade de que os dois homens que ele considera seus amigos íntimos por mais anos do que a maioria poderia contar se voltaram contra ele. Certamente não abertamente e talvez eles nem sequer percebessem isso ainda, mas em seus corações, eles pensavam nele de forma diferente, porque ele era sangue misturado. — Zev, — ela disse em voz baixa, lendo seus pensamentos. — Eles virão até você. Rolf estava envergonhado e culpado. Randall não percebeu que o homem acorrentado era seu avô. Mikhail falou com os dois e eles estão devastados porque você renunciou. Eles vão ser aqueles que irão persuadir os Lycans a aceitar os sangue misturado. Ele suspirou e acariciou o topo de sua cabeça. Seu cabelo geralmente mais vermelho dourado, estava muito vermelho e em todos o lugar, do jeito que ele gostava. — Talvez você esteja certa. — Ele queria que ela estivesse. Ele não pôde evitar o carinho que tinha pelos dois homens que protegeu uma boa parte de sua vida. O fato deles não retribuírem era difícil de aceitar. Ela roçou um beijo ao longo de seu bíceps. — Eles retribuem. Eles não sabem como voltar atrás, mas eles vão. Dê-lhes tempo Zev. — Você estava certa ao insistir que viéssemos a nossa pequena cratera, — ele murmurou contra seu cabelo selvagem, disposto a deixá-la fazê-lo se sentir de forma diferente. Ele estava feliz com ela. Ele sempre seria feliz com ela, não importa o que estava acontecendo em sua vida. — Eu sempre devo ouvi-la. Ele sentiu seu sorriso contra seu bíceps. Seus pequenos dentes beliscando, enviando excitação vibrando através de seu corpo. — É claro que você deve. Quando se trata de você, Lobinho, sou a mulher que planeja cada detalhe de sua felicidade e saúde. Ele ouviu aquela pequena ferroada em sua voz. — Me desculpe, fui um idiota ontem à noite. Deveria ter te permitido curar minhas feridas antes de colocar meu avô corretamente para descansar. Sei que você não estava nem um pouco feliz comigo. Sua boca se curvou contra seu braço. Ele sentiu o calor de sua respiração e então o roçar dos lábios. — Então, vir até a nossa montanha especial foi uma pequena compensação.


295 É claro que ela sabia. Ele sabia que ela não estava feliz com a espera, por isso, quando ela sugeriu vir para a montanha onde eles passaram o dia aninhados na cratera no topo da montanha, sob o solo rico, cercado pela névoa e neve, ele concordou apenas para apaziguá-la. — Gosto de cuidar de você Zev. É importante para mim. Ele ouviu a honestidade em sua voz e fez uma careta. Não somente era importante, mas como sua companheira, ela cuidava não só a sua felicidade, mas sua saúde. — Eu sei, Branka, — ele admitiu e acariciou o topo de sua cabeça com o queixo novamente, apreciando a maneira como seu cabelo prendia na barba em sua mandíbula. Fios de seda, entrelaçando-os na intimidade. Gostou da imagem, embora fosse tão brega que nunca admitiria a ela. — Você insistiu em me curar, — ela ressaltou. Seu sorriso veio imediatamente naquela pequena nota amuada em sua voz. Ele sentiu a alegria o varrendo. Ele foi ao chão com o peso do mundo em seus ombros, ainda chateado — e magoado — pelas reações de Randall e Rolf à morte de seu avô. Acordando com Branislava, seu mundo abalado se endireitou. — Insisti, não foi? — Ele não poderia ajudar a satisfação preguiçosa rastejando em seu tom. Ele seguiu uma estrela cadente, antes de virar a cabeça para roçar beijos ao longo de sua têmpora. — Sinto muito. Ela franziu a testa. — Pelo que? — Prometi que não iria tomar decisões arbitrárias que afetassem a nós, mas sem consultá-la ou até mesmo pensar em consultá-la, nos comprometi assumindo esses doze homens muito perdidos — os sangue misturados. Eles estão traumatizados e não será fácil. Deveria ter perguntado o que você queria fazer. Branislava rolou para ficar de lado, se apoiando num cotovelo para olhar em seus olhos. — Lobo bobo. É claro que você tinha que assumir esses homens em seu bando. Se você não tivesse, eu estaria decepcionada com você. Esse é o homem que eu amo, o homem que conheço e respeito. Afora isso, seu avô praticamente lhe deu uma ordem. Ele queria aqueles homens amparados. — Ela se inclinou, chamando a sua atenção para seus seios. — Minha boca está falando e está apenas um pouco mais alta de onde você está olhando. — Eu sei, — ele murmurou, — mas você está intencionalmente me distraindo. Ele se inclinou e se serviu, beijando o mamilo e, em seguida, puxando com os lábios até que a respiração dela viesse em suspiros irregulares. Ele puxou o seio para o calor de sua boca, descobrindo que ela estava ainda mais quente, todo esse maravilhoso fogo natural que vinha à superfície apenas para ele. Branislava correu os dedos trêmulos pelos cabelos de Zev em uma longa carícia, apreciando a sensação dos fios macios contra sua pele enquanto sua boca acariciava seu seio. — Adoro observar você, — ela confidenciou. — Ver sua fome pelo o meu corpo. Ela podia sentir a fome dele. Seu desejo era sempre intenso, quase palpável. O puxão de sua


296 boca foi forte, a sucção, o calor úmido, seus dentes raspando sedutoramente e os pequenos beliscões que enviavam carga elétrica direto para o centro úmido. Ele levantou a cabeça e seus olhos olhavam diretamente para os dela. Sua respiração ficou presa na garganta na posse absoluta estampada em seu rosto e o desejo feroz nas profundezas de seus olhos. Neste momento, ele era um lobo de todas as maneiras, uma criatura sexual com apetites insaciáveis. E ele era dela. Ela se levantou em suas mãos e joelhos, envolvendo os quadris dele para trilhar beijos pelo seu peito cheio de cicatrizes. — Me alimentei esta manhã. O suficiente para nós dois, — ela confidenciou, sua voz caindo para um sussurro baixo de sereia. Seu corpo se apertou perversamente, a cada músculo se contraindo conforme ela lhe lambeu o pulso, o curso de sua língua criando uma pulsação elétrica em suas veias. A sensação era de puro prazer, movendo-se através dele, o consumindo. Não havia nenhuma maneira de se preparar para a pura explosão, indulgência, enquanto os dentes dela se afundaram. A mordida de dor simplesmente aumentou a intensidade de seu desejo. Ela era um vício, sua maior posse, o seu grande amor. Ele fechou as duas mãos firmemente em seu cabelo suntuoso. A sensação sedosa de fogo em suas mãos ásperas o enlouquecia com a necessidade. Ainda assim, havia uma parte dele que simplesmente gostava daquele lento, vagaroso despertar do desejo em sua mente, quando seu corpo já estava quente e duro. Ele já podia sentir o gosto dela em sua boca, a maravilhosa combinação de especiarias, canela e mel que estava no sangue dela, no líquido quente escorrendo até o núcleo de seu corpo — para ele. Só para ele. Ele era alfa o suficiente, lobo o bastante, para apreciar o fato de que ele era o único homem que alguma vez iria tê-la, que já conheceu o fogo apaixonado, sua devoção em agradá-lo, os detalhes minuciosos para lhe dar prazer absoluto. Branislava sempre focava tão completamente nele quando faziam amor, nunca em si mesma. Ela se dava a ele. Ele estava em sua mente, em seu coração, em sua alma. Ela queria que ele ficasse saciado, completamente satisfeito e totalmente gasto em cada união. Ele não queria lhe dizer que nunca iria acontecer. Quanto mais ela se dava, mais ele a desejava, mais seu amor parecia tudo englobar, avassalador mesmo. Ela lambeu através das pequenas incisões no peito, fechando-as, acrescentando mais um estremecimento de prazer antes de se mover para cima e sobre ele. Sua mão deslizou até a coxa sedosa dela e sentiu seus músculos se contraírem em antecipação. Seu calor estava crescendo, neste maravilhoso refúgio secreto ele sempre se perdia. Ele deslizou um dedo dentro dela e sentiu seu suspiro, sentiu a umidade quente cercá-lo e os músculos tensos comprimirem como um torno. Muito lentamente, ele retirou o dedo e levou-o à boca. — Nada tem um gosto tão bom quanto você, — ele sussurrou. Ele poderia passar a vida inteira saciando seus desejos nela. A língua dela deslizou pelas incisões em seu peito, enquanto seu corpo se aqueceu ainda mais. Ela se empurrou para trás, ficando por cima dele, seus seios deslizando sobre os músculos de seu corpo, fazendo com que eles reagissem, atraindo cada fluxo de sangue para a virilha, até que ele


297 estava explodindo de urgente necessidade. Ele a pegou nos braços, proporcionando um tapete macio da grama grossa para cercá-la. Ele queria a terra dura debaixo dela para segurá-la no lugar enquanto a tomava, mas não queria que ela ficasse desconfortável. Em um movimento suave, ele a rolou para debaixo dele e inclinou a cabeça para o seu seio, onde seu pulso batia tão fortemente, acenando para ele, chamando-o com uma urgência frenética. Sua fragrância picante flutuou, sua companheira fazendo suas próprias demandas, lá no berço secreto de uma nova vida que eles tinham descoberto. Ele pensava na pequena cratera dentro da montanha como o seu próprio paraíso particular. Ele a beijou da inclinação de seu peito até a batida pulsante e sem preâmbulos cravou os dentes profundamente. Ela arqueou para ele, seu grito era música suave aos seus ouvidos. Ele amava cada som que ela fazia, cada gemido, cada apelo, a maneira como ela gritava seu nome. Suas mãos ásperas se moveram sobre seu corpo macio, uma reivindicação, uma exploração. Cada parte dela era dele. Esta mulher incrível, linda se entregava a ele, dava seu corpo para ele brincar e adorar. O sangue dela ficou mais quente e sua pele corada, um belo rosado enquanto ela se contorcia sob ele. Ele levantou a cabeça e viu os dois pequenos filetes de sangue vermelho-rubi descerem pelo seu peito. Com um sorriso, ele os perseguiu, lambendo-os, antes de fechar os dois pequenos furos que tinha feito. No mesmo instante, ele fechou a boca outra vez sobre seu seio esquerdo, os dedos de sua mão puxando e acariciando o outro mamilo. Ela gemeu, desta vez um pouco mais alto, empurrando o seio para o calor de sua boca enquanto ele o puxava. Ele levantou a cabeça para olhar para ela com satisfação. Seus seios estavam cobertos com pequenos morangos, marcas de sua posse, minúsculas mordidinhas. — Vi uma vez uma mulher vestindo apenas uma pequena fantasia, uma corrente de ouro decorativa conectando um seio ao outro, e eu não consegui entender o porquê até este momento. Você tem os seios muito bonitos, Branka, tão lindos. Eu posso vê-los enfeitados apenas com uma corrente decorativa. A mulher tinha também uma que eram cinco fios enrolados em torno de seus quadris, e nada mais. — Onde no mundo você viu isso? Sua mão acariciou suas pernas e sentiu a umidade acumulando nela. — Persegui um Lycan que tinha assassinado o seu vizinho até um clube onde essa mulher estava dançando. Ela riu suavemente. — Havia, obviamente, muito mais acontecendo por lá do que dança. — Provavelmente, mas não tive tempo para ficar e ver. Embora, se você quiser dançar para mim, eu estaria mais do que disposto a sentar e apreciar o show. — Você acha que eu não faria? — Ela pegou sua cabeça nas mãos, emoldurando o rosto dele. — Eu faria qualquer coisa por você. Qualquer coisa que você pedir ou quiser de mim. — Então dance para mim, mon chaton Féroce. Eu adoraria sentar aqui e ver você dançar. Ele saiu de cima dela, reclinou para trás em seu espesso tapete de grama e observou como ela graciosamente se levantou. Ela virou as costas para ele e o som da música começou a dançar na cratera, através das folhas das poucas árvores, um som exótico, sexy, que combinava com a batida de seu coração.


298 Ela penteou seu cabelo para cima em um intrincado penteado, longos cachinhos parecia como se tivesse escapado à deriva pelas costas até as nádegas. Quando ela se virou, seu coração pulou uma batida e, em seguida, começou a martelar. Ela usava uma corrente decorativa, vários fios de ouro fino tecidos em um intrincado padrão amarrados de um seio até o outro. Os apoios em seus mamilos eram joias, e havia pequeninos sinos pendurados nos elos da corrente. Ele olhou para seus quadris. Pequenos fios de sinos pendurados como franja mergulhavam abaixo, quase cobrindo seu monte de fogo e o calor úmido entre suas pernas, mas cada movimento lhe dava vislumbres provocantes, tentadores. Ela balançou, um movimento sensual, ondulando seu corpo, uma onda de pura intenção sensual. Ela manteve os olhos nos dele, se movendo em torno dele, seus pequenos pés descalços não faziam nenhum som na grama, ela parecia estar dançando quase no ar. Os pequenos sinos tilintavam e acrescentavam suas notas a música. Ele percebeu que cada sino enviava uma pequena vibração através de seu eixo. Ele nunca tinha visto nada mais sensual em sua vida. Ela dançava graciosamente, mas cada movimento era sensual, um convite para reclamar o corpo dela — era uma reivindicação do corpo dele. O vento corria através da pequena cratera e movia seus cabelos, balançando os sinos e levando sua fragrância sedutora. Entortou seu dedo para ela e ela balançou mais perto. Ele estendeu a mão e pegou a corrente, puxando suavemente. Ela engasgou e chegou até os joelhos, a respiração saindo dela de forma sibilante, seus olhos verdes se arregalando quando o fogo correu de seus seios para sua virilha. Seu olhar precioso encontrou o dele. Ela estremeceu, e fez um movimento como se pudesse remover as correntes. Ele balançou a cabeça. — Deixe-as. Vou retirá-las mais tarde. Gosto dos sinos e a forma como enfeitam você. — Ele puxou novamente a corrente entre os seios, levantando os dois montes macio levemente. — Nunca pensei que um adorno ficaria tão bonito contra sua pele. Sua pele é impecável, incrível, e uma cor tão perfeita. — A pele dela se sentia — e parecia — como suave pétalas de rosa que coravam com o calor. — Tenho cicatrizes, — ela disse suavemente e tocou a marca levantada entre os seios. Ele pegou sua mão e a empurrou de volta para o chão. — Este corpo pertence a mim — ele retrucou, e se inclinou para baixo quando puxou para cima a corrente, levantando os seios para que pudesse beliscar a parte inferior de seio esquerdo. — É Meu. E é perfeito. Você não volte jamais a dizer nada depreciativo sobre este corpo. — Ele passou a língua ao longo da cicatriz de um seio até o outro, provocando e puxando a corrente. Ele fez a declaração meio brincando e meio sério. Adorava seu corpo e nunca quis que ela se sentisse menos do que bonita. Beijou dos seios para seu umbigo intrigante. Ele passou algum tempo ali, brincando e beliscando antes de descer mais para inspecionar os sinos misteriosos. Se ela se movesse e contraísse seus quadris, essa mesma vibração ocorreria através de seu eixo? Um pequeno experimento estava em ordem. A música continuou a tocar, à deriva no vento, os galhos das árvores balançando suavemente, como se mantendo o compasso. Ele levantou seus quadris, firmando os ombros entre as coxas para mantê-la firme para ele. Ela era uma bela flor cheia de néctar, e ele queria tudo.


299 Ele abaixou a cabeça e pegou o mel derramando dela. Ela resistiu duramente. Os pequenos sinos tilintavam ao longo da corrente. Os sinos em torno de seus quadris fizeram coro, suaves notas musicais que vibraram através de seu membro, enviando choques elétricos cantando por todo seu corpo. Ele a segurou firme, um lobo faminto, fazendo o que fazia de melhor — a devorar. Usou sua língua para recolher o néctar que desejava. E os lábios para acariciar seu broto sensível, ouvindo a beleza de sua voz gritando, quando a levou rápido e duro, mais e mais, enviando seu corpo em uma série de êxtases selvagens que a abalara. Cada movimento fazia os sinos cantar freneticamente e seu eixo quase explodiu com a intensidade das vibrações. Mudou de posição novamente, ajoelhado entre suas pernas, a necessidade de estar dentro dela. Seus cílios estavam a meio mastro, os olhos verdes vidrados e sensuais. Seus lábios cheios estavam separados, sua respiração irregular enquanto se movia sobre ela, penetrando-a em um impulso brutal. Ela soluçou seu nome quando ele parou, mantendo-se no fundo dela enquanto mordia a corrente entre os seios, sugando-a na boca e segurando-a entre os dentes. Impulsionou nela de novo e de novo e cada vez que fazia, a corrente puxava os seios. Durante todo o tempo ele fundiu sua mente à dela, enquanto empurrava dentro de seu centro. Seu âmago ardente nunca ficou tão abrasador, apertando em torno dele, agarrando como um torno, o atrito quando ele golpeava dentro dela quase os incendiou. Fogo se arqueou de um seio para o outro quando puxou a corrente com os dentes. Os sinos soaram e as chamas saltaram para seu eixo, queimando-o como o relâmpago branco. Ele podia sentir exatamente o que ela sentia, o fogo queimando através de seus seios, uma deliciosa, queimadura doce que atravessou seu corpo como uma tempestade girando em torno de seu eixo. Ele não queria que as sensações parassem para nenhum deles, mas podia sentir seu corpo ficando mais quente, apertando ao redor de seu membro sem piedade, quase ao ponto de estrangular. O terreno ficou em um tom sutil de vermelho, seu corpo era um ímã, atraindo o magma que estava no centro da terra, assim como procurou atrair sua semente para seu corpo. Ela sussurrou seu nome, um apelo suave, e ele a levou além o limite, plainando com ela, em queda livre através do espaço, enquanto os músculos dela o apertavam, cercando com seu fogo particular. Não esperou que os tremores cessassem. Se inclinou e cuidadosamente levou seu seio para o calor suave de sua boca. Sua respiração vaiou e seus cílios caíam, um intenso prazer se mostrando em seu rosto. Ele acariciou seu mamilo mais e mais com a sua língua, terminando com beijos antes de ir para o outro seio. Seu interior apertado em torno dele, agarrando com força quando ele soltou a joia e tomou o seio em sua boca. O gemido adicionou a sua convicção de que o incêndio parecia estar crescendo, e não importa o quão apaixonado eles estavam, quantas vezes ele tomasse posse de seu corpo — ou mesmo como ele tomava posse — o fogo entre eles iria apenas ficar mais quente. — Você tem alguma ideia do quanto eu te amo Branka? — Ele perguntou, a voz baixa, um caroço estranho o sufocando. Ele teve que limpar a garganta várias vezes.


300 — Sim, — ela disse em voz baixa, envolvendo os braços finos ao redor do pescoço dele. — Você me ama tão ferozmente como eu te amo. E cresce a cada momento que estamos juntos. — A corrente a machucou? Ela riu. — Sou Cárpato, seu bobo. Nunca iria brincar com algo que machuca na forma que você quer dizer. Senti o fogo, mas você sabe que eu amo essa queimadura. Se for muito intensa, eu simplesmente recuo o calor um grau. Você estava em minha mente, sentindo o que eu estava sentindo, vendo para ter certeza de que você não me machucasse de forma alguma. Eu o senti lá, cuidando de mim. Me protegendo. É por isso que confio em você Zev. Você me coloca em primeiro lugar. — Você é minha companheira. O amor da minha vida. Meu tudo. É claro que vou me certificar de que você não sinta nada além de prazer, de qualquer maneira que eu possa dar a você. — Naturalmente, — ela concordou, — embora Zev, sua natureza determina quem e o que você é. Você colocaria minha saúde, felicidade e prazer acima da sua, independentemente de nós sermos companheiros ou não. Isso é o que eu mais amo sobre você. Quem você é. Ela levantou o rosto para ele, beijando-o lentamente, sem pressa, o fogo em sua boca enviou uma flecha de fogo direto para o seu coração. Ele a beijou de volta com a mesma paixão, o mesmo fogo, mas sua boca era infinitamente tenra, mostrando-lhe sem palavras o quanto sentia por ela. Quando ele levantou a cabeça, ela estava sorrindo para ele. Ele se encontrou sorrindo de volta e mais uma vez começou a se mover em seu corpo, desta vez lento e vagaroso. Eles tinham todo o tempo do mundo.

* FIM *

Profile for Alessandra Rios

26 sangue sombrio (talionis)  

26 sangue sombrio (talionis)  

Advertisement