Issuu on Google+


Billy Huxley, fotografado por Maciek Groman


O

que é moda? A moda está em todo lugar: nas passarelas, nas ruas, ou até mesmo escondida no fundo da sua gaveta. Ao longo dos anos, ela tem se transformado, se esgotado, mas é sempre

reinventada com excelência. Não é a toa que Lipovetsky a eleva como arte, como o único e complexo produto que tem atravessado os séculos sem perder sua força. A concepção que temos sobre ela, ainda sim, é longe do que ela realmente é: efêmera, superficial, crítica, sinônimo de luxo e status. A moda acompanha o homem como um dispositivo social e de comunicação. Na primeira edição da Duque, buscamos explorar todas as facetas que compõem este universo. Fotógrafos, estilistas, cabeleireiros e profissionais que atuam diretamente ou indiretamente na moda foram essenciais para compreender sua abrangência. Tendências, história e o surto da barba também foram temas de destaque em nossas seções. Fruto de um intenso trabalho em equipe, a Duque é uma revista especializada em moda masculina, confeccionada por alunos do 6º período de Jornalismo do Centro Universitário de Belo Horizonte.

E ALESSANDRA FAUSTINO

Apreciem!


50

Especial Fígaro, o Espetáculo da Barba

6

Nobilitação Barbearia Seu Elias

8

Dux 4 Dux Kiu Meireles

10

Oráculo Fique ligado nas tendências do verão 2014

12

Moda Mundo Escócia

14

Na Mira Uma Volta pela Savassi


o

16

Comportamento Fitness

37

Flash na Passarela Burberry

17

Comportamento Plus Tatuagem

46

Berço da Alfaiataria Savile Row

18

Instapic Cardigã

46

Olimpianos Justin Timberlake

20

Editorial I Want to be a Z-Boy

34

Comportamento Metrossexualização do Futebol

32

Lista de Desejos John John

36

Comportamento Beleza

38

Crônica Estilo Brutamontes

49

Mesa de Costura Estilo: Ou você tem ou você tem!

40

Blog Garoto de Gripe Quero comprar estilo, tem jeito?

41

Editorial Dejota Miranda

58

Arlequim Qual a melhor maneira de se vestir?

60

Palavra da Moda Words


Elias Torres

NOBILITAÇÃO

SEU ELIAS - Bráulio Ivo e Jéssica Silva -

O

cabeleireiro Elias Torres, proprietário da Barbearia Seu Elias - barba, cabelo e bigode - está se tornando referência em Belo Horizonte. Dedicado, começou a trabalhar aos 13 anos de idade e hoje, aos 27, conquistou uma clientela de peso. Por suas mãos já passaram craques como Neymar e Ronaldinho Gaúcho, além de vários outros

jogadores de futebol. Sempre de olho nas últimas técnicas e tendências do segmento, ele oferece o que há de melhor em um espaço sofisticado e exclusivamente dedicado ao público masculino.

Duque: Sabemos que é cabeleleiro desde os 13 anos. Seguir esta profissão já era uma vontade sua ou foi por acaso? Elias Torres: Na verdade, já tem todo um histórico familiar. O meu pai já foi cabeleleiro e eu tenho dois irmãos que também são. Eu cresci vendo eles nesta profissão e gostava bastante, então, resolvi entrar para o ramo também. Entrei e me apaixonei, não pretendo sair tão cedo. O meu primeiro salão era em sociedade com o meu professor onde eu fiquei até 2003. Depois fui para o Padre Eustáquio assumir o salão que era do meu irmão na época e ficamos sócios até o meio de 2013. Desde então, o salão Seu Elias, que tem a proposta de barbearia, tem três meses que eu montei. Mas eu já venho estudando o mercado há três anos, querendo isso e planejando. Qual o motivo de montar a barbearia na região da Pampulha? Além de ser mais perto de casa, os meus clientes do futebol moram aqui nesta região e os centros de treinamento estão próximos daqui também. Eu estou muito satisfeito com a escolha do local. Já tive propostas para abrir em outros bairros e em outras cidades. Já recebi propostas de investidores, mas quero tocar meu negócio junto com a minha esposa, para futuramente abrir franquias. O que lhe motivou a trabalhar exclusivamente com o público masculino? O mercado masculino dizendo assim está vazio. Hoje, todo profissional se dedica a atender as mulheres porque é mais rentável e a mulher vai ao salão com mais frequência, por isso, os homens vão ficando mais de lado. As vezes, chegam em um salão e está aquela barulhada de mulher, ele não se sente a vontade, fica num canto esperando a hora. Portanto, eu resolvi criar um ambiente exclusivo para eles. Você vê que o homem é carente de um espaço assim, eles vêm tomam café, falam de política, futebol e etc. Em respeito a mim e a minha esposa, que fica na recepção, evitamos criar um ambiente pornográfico. Você acredita que o fato de ter um ambiente exclusivamente voltado para eles, contribui para deixá-los mais à vontade e confortáveis? Pelo fato de trabalhar com jogadores de futebol também, eles chegam aqui e ficam a vontade, tem aquela liberdade de “fugir” um pouco da fama. As mulheres, às vezes, não conseguem se conter. Por isso, eu realmente quis fazer um ambiente mais reservado, por exemplo, quando a pessoa é muito conhecida e não dá para ficar no andar de baixo, ela sobe e é atendida em cima. Como surgiu este contato com as celebridades (jogadores de futebol e cantores gospel)? Eu não tenho este título de cabeleleiro para celebridade. O que aconteceu foi que comecei a atender um jogador do Clube Atlético Mineiro e na época ele me chamou para ir à Cidade do Galo atendê-lo lá, onde conheci outros jogadores e cortei o cabelo deles e fui passando o meu contato. Toda vez que eu ia eu passava o meu contato, com isso, chegou aonde chegou. Já atendi o Neymar, o Ronaldinho Gaúcho e outros muito conhecidos do futebol. Não foi nada forçado, no qual eu pedia para fazer. Meu foco nunca foi jogador de futebol.

Na internet tem muito sobre você. Pode-se considerar que você também é uma celebridade. Como você se sente neste papel? Eu me sinto a vontade, mas não me considero uma celebridade não. E acho que está muito longe disso. Eu apenas atendo celebridades, mas falar que eu sou um cabeleleiro famoso eu não acho, tem muita coisa para acontecer, muita água para sair da ponte ainda. Mas eu gosto muito desse papel de ser o “Seu Elias”. Em relação aos preços, foi uma surpresa para a Duque, porque você tem um trabalho excelente e o salão é sofisticado. Achávamos que fosse mais caro e é interessante perceber que as pessoas comuns têm acesso ao trabalho de qualidade exercido por vocês. A grande ideia era ter um ambiente bacana e com pessoas legais, além de ser acessível para todo mundo e tem dado muito certo. Hoje, a barbearia Seu Elias, com três meses, já é referência nacional e até fora do país. Já recebi convites de pessoas querendo vim trabalhar aqui. Você teve se inspirou em algum trabalho fora do Brasil para construir a barbearia? A decoração é toda de fora, aqui em Belo Horizonte não tem ninguém que eu me inspiro não. Nesse ramo assim, nós somos os primeiros, a primeira barbearia executiva aqui na capital. Aqui nós prezamos isto: uma camisa e uma calça bem passadas, uma barba bem feita e um cabelo arrumado, além de um estilo bacana. O nosso estilo é um retrô clássico, nós tentamos resgatar o antigo (barbearia) com uma embalagem nova e até mesmo o nome, que desperta curiosidade nas pessoas. Todo mundo chega aqui achando que é um velho que atende. Então, chegamos com esta proposta. E hoje, estamos implantando alguns serviços que não tem em salão de homem, como a hora do noivo; ele vem, faz a barba, tira o pêlo do nariz e da orelha. Você acha que ainda tem muito preconceito com o homem que se cuida ou é algo que já está no passado? Eu acredito que isso mudou demais. Mudou, mas mudou mesmo! Depois que saiu a notícia que o David Beckham era metrossexual, esta ideia caiu por terra. Hoje, o homem se depila, faz sobrancelha e faz unha. Então, você acha que os jogadores de futebol são grandes influências para o homem comum? Sim. Como eu disse, o jogador faz progressiva, unha, sobrancelha, depilação nas pernas e no peito. A mulher também acaba ficando mais exigente em relação a isso, vê na televisão o cara assim e quer isso para o companheiro dela também. Então é assim que vamos entrando no mercado. Se você quiser ser reconhecido você tem que fazer uma coisa diferente, se não você é só mais um no meio da multidão. A barbearia está em todas as redes sociais. Como você avalia a importância delas para o seu trabalho? A minha clientela que vem de fora, grande parte dela são das redes sociais, além do boca a boca. O cara vem e fica satisfeito, depois quer trazer o irmão, o cunhado, o filho para conhecer o espaço. Eu atendo clientes que vêm da Savassi, do


Se você quiser ser reconhecido você tem que fazer uma coisa diferente, se não você é só mais um no meio da multidão.

Funcionários e até de outras cidades, como de Ibirité e Divinópolis. O cliente de Divinópolis tem um filho que me seguia no Instagram e queria conhecer o salão, ele teve uma folga no serviço e saiu de lá apenas para conhecer aqui. Em relação à moda, qual é o corte do momento? E qual o segredo de uma barba bem feita? O corte do momento é aquele que a galera está raspando bem do lado, que começou com o Jorginho da novela Avenida Brasil, todo mundo chegava falando que queria igual o dele, agora o nome mudou para under cut, o raspado com a diferença bem grande da parte de cima. O Luan Santana e o Gustavo Lima usam também, esses caras são ditadores da moda, junto com o Neymar e os jogadores do Barcelona. Infelizmente, eu não digo o brasileiro, mas o mineiro é muito recatado ainda com esse negócio de moda. Lá na Europa você vê uns cabelos muito “doido” que não é usado aqui em Belo Horizonte e quando chega aqui é porque lá fora já usava há muito tempo. Agora o segredo de uma barba bem feita está na massagem que você faz antes do atrito da lâmina com a pele e um diferencial que eu acho que aqui em Belo Horizonte, se tiver, deve ter só no Edifício Maleta é a barba com toalha quente. Mas não tem um segredo mirabolante para uma barba bem feita. Eu acho que a barba não pode ser feita de um dia para o outro. O segredo é fazer de dois em dois dias, se gosta de usar lâmina.

7


Kiu Meireles

DUX 4 DUX

http://www.tumblr.com/ tagged/kiu-meireles

LUZ, CORPO e FLASH - Alessandra Faustino -

A

Dux4Dux nesta primeira edição traz um Duque bem ousado. Cristiano Meireles, mais conhecido como Kiu Meireles, é fotógrafo e formando em Artes Visuais, nascido em Água Boa, interior de Minas Gerais. As suas fotografias já foram compartilhadas pela internet e chegaram a compor o layout da Vogue Italy. Nesta entrevista, apresentamos

quem é o jovem aficionado pela pele e a luz.

Quando pequeno o que mais consumia seu tempo e o que tinha prazer em fazer? Passei a infância lendo e desenhando. Lia quase que todo o tempo. Chegava a ler dois livros em um só dia. Como surgiu a paixão pela fotografia? Foi um desdobramento do meu interesse por pintura e desenho. Descobri na fotografia uma forma mais rápida de criar imagens e, desde então, tem sido meu suporte favorito. Quais são as suas grandes referências no mundo da fotografia? Jan Saudek, Avedon, André Serrano, Nan Goldin, Paulina Otylie, Alisson Scapula, Ellen Rogers ShirinNeshat, Nirrimi. E Caravaggio, que apesar de pintor, foi quem me ensinou a fazer a luz. Grande parte dos seus ensaios você explora a pele e a nudez do modelo. Por quê? Eu gosto do corpo, de como a luz fica ali. É quase como que uma escolha política usar do nu e propagá-lo pelas redes socias, principalmente o nu masculino que é tão raro fora das mídias gays, e é usualmente trabalhado de forma vulgar. Gosto de trabalhar com esse lado sublimado do corpo, mesmo quando pego mais pesado nos trabalhos, o que normalmente acontece na minha produção conceitual. É uma forma de trabalhar, e propagar um outro olhar sobre o corpo. Um trabalho que eu considero como de desmistificação. Quando você migrou para este estilo? Ele pode ser considerado como nu artístico? Eu comecei na fotografia fazendo nus. Meu primeiro ensaio fotográfico, ainda quando estava no começo do curso de belas artes, foi um nu. Troquei com uma de minhas colegas; eu posaria para que ela me desenhasse, e em troca, eu a fotografava. Acredito que chamar apenas de nu seja suficiente. Não são todos os nus que eu colocaria sob a alcunha do artístico. Ás vezes são apenas belas fotos, que retratam poeticamente o corpo, mas que não chegam ao espaço do artístico. Os ensaios são feitos de forma natural? Como eles acontecem? Super natural. O pessoal que vem fotografar comigo já vem preparado. Eles sabem que uma hora ou outra, a roupa vai ser deixada de lado e é super tranqüilo. Todos sabem da relação e do respeito que tenho pelo corpo. Na hora de divulgar o seu trabalho pelas redes sociais percebemos que muitas vezes alguns de seus amigos reclamam pela nudez e já chegaram até a denunciar a página. O que tem a dizer sobre este tipo de comportamento? Quando pensamos numa sociedade que bane o corpo desde Platão, a reação não poderia ser diferente, principalmente se falarmos de um público comum e que não está acostumado com essas linguagens. Algumas pessoas insistem em ficar assustadas frente ao corpo e a tratálo daquela forma demoníaca propagada pelas religiões cristãs; como um local de fraqueza e pecado, feito uma fortaleza que deve ser vigiada para que não sucumba às “fraquezas da carne”. Isso me irrita muito. Não sei o que esses bobões fazem ainda na minha página. Mesmo trabalhando junto com os stylist’s e os produtores, o fotógrafo busca ter autonomia para deixar sua marca e transparecer da melhor forma possível o conceito daquele editorial. A autonomia do fotógrafo nos ensaios editoriais vai até que ponto? A fotografia, o resultado final, é a resposta de um trabalho feito em grupo. Acho que, sobretudo, o grupo deve ser respeitado, mantendo um equilíbrio frente às diferenças e estilos de cada um envolvido no trabalho. A identidade do fotógrafo vai vir na luz, na cor, na composição e na textura da foto. Você também fotografa casamentos e já ganhou prêmios por isso. É um contraste interessante ao ver o outro lado do seu portfólio. As suas outras fotografias já afetaram algum trabalho em casamentos? Ainda não. Acredito que pela forma que trabalho o corpo nem chegaria a afetar. As noivas e os noivos, quando conhecem o trabalho, acham bonito, dizem não ter coragem de fazer, mas não deixam de admirar.


Algumas pessoas insistem em ficar assustadas frente ao corpo e a tratá-lo daquela forma demoníaca propagada pelas religiões cristãs; como um local de fraqueza e pecado, feito uma fortaleza que deve ser vigiada para que não sucumba às “fraquezas da carne”.

9


ORÁCULO

FiqueLIGADOnasTENDÊNCIAS

VERÃO 2014

do

- Amanda Fernandez -

A

moda adora uma rivalidade. Um confronto entre tons e formas geométricas, cores e transparências. Essa rivalidade renova o desafio de inovar e criar roupas interessantes, tradicionais, icônicas, elegantes e modernas. Separamos alguns looks para que você fique ligado nas tendências masculinas. Claro que não é preciso jogar o seu guarda

roupa fora, basta pegar referências e agregar às peças que você já possui, sempre valorizando seu estilo e personalidade. O efeito vazado nos tecidos, que é similar às rendas das roupas femininas, está em alta neste verão, além de cores fortes e estampas marcantes que compuseram grande parte dos desfiles da estação.

Aposte também em cores e tons neutros, materiais em couro e estampas florais bem discretas e de cortes tradicionais.


A mistura de cores inspiradas no clima tropical e estampas também têm aparecido com frequência nos desfiles. Modelagens que oferecem bastante conforto e materiais despojados como o linho que tornam o look bem casual.

Outra boa escolha são peças em couro, com estilo medieval combinadas com peças mais simples. Para completar o look aposte também nas botinas.

11


Escócia

MODA MUNDO

CULTURA sem MODA CALÇA Escócia

e

- Thomaz Rocha -

“A tradição do kilt escocês ultrapassou as fronteiras do país e hoje é usado por vários homens em todo mundo”

A

Escócia é um dos países que compõem o Reino Unido, na Europa. Uma das características herdadas da cultura escocesa e é usada até hoje nas rotinas das grandes cidades do país são os homens usarem um tipo de saia quadriculada. Na verdade, a vestimenta não é exatamente uma saia, e sim um kilt. É praticamente uma ofensa chamar o kilt de saia na presença de um escocês. A Escócia tem em evolução diversos conflitos, principalmente por causa de territórios. Os primeiros registros do kilt foram identificados no século XII em um grupo de escoceses, ligados a um Senhor, que era o proprietário de terras. Estas pessoas trocavam o serviço militar por um pedaço de terreno e proteção, juntos formavam os clãs.

esta vestimenta. Confesso que ele ficou um bom tempo encostado no armário até que eu tivesse coragem para usá-lo em público”, conta.

Produzido originalmente com tecido de lã e distintos tipos de estampa xadrez (tartan), o kilt era a vestimenta oficial dos guerreiros escoceses e militares dos clãs. Cada clã tem um tartan específico, especial para identificar seus membros, principalmente na época das batalhas por território. Antigamente, o traje era preso ao corpo. É aí que surge o nome Kilt, que, no antigo idioma falado na Escócia, significava o ato de “prender uma roupa no corpo”. Os primeiros modelos eram de peças únicas, que além da saia pregueada atrás e traspassada na frente, também apresentava um tipo de manto para cobrir a parte de cima.

Viana acredita, ainda, que não há discriminação contra o homem que usa kilt, porém afirma que o estranhamento de pessoas é recorrente. “Piadinhas é normal, contribuo, tiro sarro e dou risada junto. Desde que sem ofensa, acho saudável a esse tipo de interação com o que lhe parece diferente”, comenta. Ainda completa contando um caso curioso que aconteceu com ele ao sair de casa vestindo o kilt. “Uma vez uma menina escocesa, correu e veio me abraçando em plena rua aqui em Belo Horizonte, rindo e falando um monde coisas de forma sorridente, achando que eu era de seu país”, conta.

A partir do século XVI, o kilt assume a função de proteção contra o frio e a chuva e se torna uma roupa popular entre os jovens. Hoje, os kilts encontrados na Escócia continuam apenas no modelo de saia, com ou sem fivelas e é produzido com vários materiais. Na capital da Escócia, em Edimburgo, um kilt de lã tradicional pode ter o preço de mais de 200 libras (mais de R$ 700), contudo é possível achar modelos parecidos, confeccionados por outros tecidos por 30 libras. A roupa é indispensável em cerimônias, como aniversários e casamentos, mas também é usada frequentemente pelos escoceses na rua. Há um mito de que os escoceses não usam cueca por baixo da vestimenta, fato que eles não comprovam, mas também não negam.

A música também veste kilt

Enquanto isso no Brasil... O kilt ultrapassou a cultura escocesa e hoje vários homens usam kilt como símbolo da moda. Mesmo no Brasil, embora o assessório seja difícil de ser encontrado, algumas pessoas aderem à moda do kilt. O geógrafo Lucas Viana, morador de Belo Horizonte, possui um kilt em seu guarda roupa. “Pedi a um amigo que estava morando na Europa que me comprasse um kilt caso passasse pela Escócia ou outro país em que fosse possível encontrar

Segundo Lucas, o uso do seu kilt depende do estado de espírito no dia. “O kilt é uma peça da qual exige que você esteja aberto a perguntas, olhares e comentários, mas no geral, uso para ir aos mesmos lugares que costumo frequentar nos finais de semana, desde exposições de arte, eventos de rua ou simplesmente uma caminhada da minha casa ao mercado central para fazer compras e encontrar amigos. Costumo usar pouco, pois o clima belo-horizontino combina mais com bermuda. Mas tem dia que acordo com vontade de sair do óbvio”, disse.

Muita influência para o uso atual do kilt se deve aos artistas que usavam a roupa em shows. Axl Rose, vocalista da banda de hard rock norte-americana, Guns N’ Roses levou o público à loucura, principalmente nos anos 1980, ao entrar em alguns dos seus shows usando o kilt. Outros artistas, como o vocalista da banda de metal Korn, Jonathan Davis, também usava a vestimenta quando se apresentava. Nos anos 1990, o kilt voltou a entrar no guarda-roupa masculino com a moda clubber e eletrônica. O conjunto inglês Prodigy, um fenômeno do gênero eletrônico, permaneceu em primeiro lugar nas rádios em mais de 20 países e, com eles, os kilts que os integrantes do grupo usavam nos shows. O vocalista da banda de rock alternativo Placebo, Brian Molko, aparecia usando a peça nos shows inspirado no glam rock e é influência para vários homens até hoje. É inquestionável que quaisquer roupas que se originam de outras culturas se encontram sob influência muito grande da globalização e de manifestações cotidianas do intercâmbio cultural mundial. É uma oportunidade para compartilhar um pouco de histórias, costumes e formas de pensar. É esta mistura que faz da moda ser tão dinâmica e diversa.


13


NA MIRA

u m a V O L TA p e l a

SAVASSI


15


COMPORTAMENTO

Fitness

REAJUSTE!

Horado

- Thatiane Pareira -

O

verão chegou. Hora de abrir o guarda roupa e escolher aquelas peças mais frescas e claras, estilo passeio de fim de tarde em Copacabana. Até aí problema nenhum, porém o desconforto surge ao se deparar com um corpo não tão ‘’adequado’’ para a estação mais quente do ano. O excvesso de peso

e aquela “barriguinha” indesejável podem ser terríveis inimigas, gerando certo incômodo na hora de se vestir. Como a ocasião pede roupas mais leves; regatas, bermudas e afins, a dica é repensar em alguns hábitos alimentares e dar início em alguma atividade física. É perceptível a crescente preocupação do homem contemporâneo com sua aparência. Se palavras e atitudes expressam a personalidade de cada um, o corpo e seus adereços não ficam para trás. Juntamente, expressam mensagens que podem ser positivas ou não para quem nos observa. Diferente do metrossexual que possui certos excessos quando o assunto é cuidado pessoal, outros grupos de homens têm abandonado a vida sedentária, buscando a satisfação pessoal e o equilíbrio estético. Sem entrar no debate de um corpo extremamente sarado e perfeito no qual a mídia tem colocado de forma subliminar como padrão para a sociedade, o vestir-se e a atividade física estão diretamente ligados à estética e ao conforto da produção. Com o corpo em equilíbrio qualquer tipo de peça trará suavidade ao visual. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil ocupa o 77 lugar como país ‘’mais gordo’’. Afirmando ainda que em 2015 o mundo terá 2,3 bilhões de pessoas com excesso de peso e 700 milhões de obesas. O educador físico Rodrigo César, que trabalha como personal treiner há seis anos, nota um aumento de homens que têm se preocupado com a saúde e a aparência. ‘’Percebo que na medida em que os resultados vão surgindo, os alunos se sentem mais livres e seguros na hora de se vestir. É nítido como a auto-estima influencia nas roupas’’, afirma Rodrigo. Um corpo aparentemente saudável traz consigo uma mensagem de cuidado e satisfação, revelando a visão e o estilo de vida do seu “dono”. Outro fator essencial para a saúde e a construção de um corpo harmonioso é a reeducação alimentar. Mudanças na hora de escolher os alimentos geram em curto prazo sinais positivos na redução de medidas, além de precaver doenças cardiovasculares, hipertensão e diabetes. A substituição de alimentos industrializados como biscoitos, enlatados e fast food, pelos naturais como frutas, vegetais e integrais, trazem resultados comprovados e satisfatórios. Dentre os tantos benefícios adquiridos pela prática da atividade física, está à diminuição da sonolência, proteção contra derrames e infartos, melhora na circulação, combate contra a osteoporose, afasta à depressão, aumento da sensação de bem estar, dentre outras. Aliando uma boa alimentação à prática regular de atividade física, o corpo responderá positivamente de forma interna e externa. É necessária a orientação de um profissional da área para indicação do exercício mais adequado para cada tipo de caso. O educador Rodrigo ressalta ainda, a importância de um check-up antes de qualquer prática esportiva. O verão pede sim, corpos mais magros, enxutos e uma aparência mais saudável. Porém, a qualidade de vida deve se estender para as quatros estações do ano. Uma vida saudável não faz parte de um movimento cultural ou modismo efêmero, mas são regras básicas para a longevidade da saúde e a satisfação com o próprio corpo.

16


Tatuagem

COMPORTAMENTO PLUS

Have

U

gotany

MARK

?

- Alessandra Faustino -

E

m 1991 os jornais estamparam uma grande descoberta; um homem congelado há mais de 5.000 anos foi encontrado em uma montanha entre a Áustria e a Itália, porém, o que mais surpreendeu foi que ele, além de estar bem conservado, tinha em sua pele marcas e diferentes tipos de pigmentação. Ötzi era uma múmia que possuía 57 tatuagens. Desde então, o costume de marcar o corpo tem

atravessado eras. Popularizado pelos marinheiros em 1920 os desenhos gravados na pele começaram a ser vistos com mais frequência. Coloridos ou em P&B, as mais diversas figuras e frases eram reproduzidas no tecido humano. Carregadas de valores e simbologias, cada marca tem um significado para aquele que a possui. No universo das passarelas, a tatuagem tem ganhado cada vez mais espaço, no entanto, no início da carreira, muitos modelos ficam em dúvida se devem ou não marcar o seu corpo, como é o caso do booker e modelo Raphael Alvim. “Só fiz minha primeira tatuagem aos 26 anos, pois acreditava que poderia atrapalhar minha carreira de modelo. Quando fui para o estúdio já sabia que seria um trecho de uma música, que era assim: ‘Eu quero algo bom para morrer para valer à pena ter vivido, quero um erro novo, pois errar é mais do que hesitar’. Foi doloroso, mas gratificante”, conta. Contudo, um olhar mais atento para os desfiles e campanhas publicitárias atualmente podem atestar as mudanças ocorridas neste cenário. Cada vez mais, modelos tatuados têm tido oportunidades dentro do mundo da moda. Nomes como Rick Genest, mais conhecido como Zombie boy, confirmam esta tendência. Literalmente tatuado dos pés a cabeça, o cara começou sua saga aos 16 anos e continua até hoje preenchendo as poucas partes ‘atatuadas’ de seu corpo, mas Rick não era modelo. Descoberto pela stylist da Lady Gaga, ele fez parte do clipe “Born this Way”, lançado em 2011. Algumas agências recomendam não fazer ou possuir tatuagens chamativas, pois elas não costumam agradar os clientes mais tradicionais. Já outras afirmam que elas fazem parte da cultura urbana e que é natural encontrar profissionais tatuados em qualquer área. Estas têm apostado nos modelos alternativos, o que chacoalha as regras pré concebidas e abre espaço para visuais menos conservadores que muitas vezes podem se tornar um diferencial. Fato é que desde 1990, elas têm ganhado aceitação não apenas nas ruas, mas também nas passarelas. Um dos desfiles da Paris Fashion Week para a primavera de 2012, que deu grande destaque para as tatuagens foi a da coleção do estilista Jean Paul Gautier, conhecido pelos críticos como um símbolo da ousadia. Grifes consagradas como Chanel e Luis Vuitton, levaram fake tattoos para suas apresentações. Em 2009 Marc Jacobs pediu para que seu tatuador pessoal fizesse o icônico monograma LV na pele de seus modelos, a tatuagem, obviamente, era temporária e foi produzida apenas para o desfile, mas não deixou de surpreender aos que assistiam. Mais tarde, o desfile verão 2014, da Carven, levou modelos com renas no pescoço simbolizando colares. O modelo alemão Danny Schäfer possui tatuagens no peito, pescoço e braços, e afirma que é muito comum ver hoje, pessoas tatuadas nos editoriais e desfiles. “Eu tenho vários amigos da indústria que possuem tatuagens como eu. Tenho controle sobre meu corpo e acredito que as tatuagens não devem interferir em nossos trabalhos”, pondera. Josh Beech e Cole Mohr são exemplos de modelos alternativos que têm migrado para os desfiles de grandes marcas como Burberry, Just Cavalli e Levis, provando que estes dois universos estão cada vez mais próximos. De acordo com Raphael Alvim, a tatuagem tanto pode limitar como pode ser o diferencial do modelo. “Eu já peguei trabalhos justamente por ter tatuagem. É claro que pode limitar, mas é como ser careca, você pode perder trabalhos por estar com aquele perfil, mas podem ter trabalhos que querem exatamente este perfil. Na dúvida, eu aconselho a fazer, pois o cliente vai te escolher pelo o que você é, com ou sem tattoo”, comenta.


@abov_average

INSTAPIC

C A R DIGÃ Ressuscitado nos anos 20, o cardigã - casaco leve, elegante e versátil- se instalou no guarda roupa masculino para nunca mais sair. Para acompanha-lo, pode-se usar calças jeans ou até mesmo a alfaiataria. Para ocasiões formais a dica é usar sapatos ou sapatênis, já em ambientes descontraídos um mocassim cai muito bem!

@amitavnarula

@constanalex

@jayjeremiacarlos

@zadepeace

18


@stussycrz

@randy_diazm

@jaymorales

@mjaetg

@theoellina

@ayybiel

19


EDITORIAL

I D

WANTtoBEa

Z-BOY

ayanna Isis Gomes Lima é a criadora da coleção que ilustra o editorial principal da Duque. Nascida em Belo Horizonte, a jovem de 22 anos se inspirou em um grupo de surfistas e skatistas, que surgiram na Califórnia em 1970, os chamados Z-Boys. Baseada nos livros LocalsOnly de Hugh Holland e Dogtownand Z-Boysde de Craig Stecyk e Glen E. Friedman,

Dayanna explorou características urbanas que vem da cultura do hip-hop e do skate para montar a coleção. O modelo que deu vida ao editorial é o Renan Rocha, da agência Ford Models e as fotografias são de Mariana Siha.


21


Criação: Dayanna Lima Styling: Lucas Pessoa Produção: Dayanna Lima e Lucas Pessoa Modelo: Renan Rocha (Ford) Fotografia: Mariana Siha Óculos: Moon Moda Alternativa


LISTA DE DESEJOS

Chapéu Giu

Cinto Lionel

R$68,00

R$198,00

Tênis Taylor Orange

Calça Straight Queens

R$298,00

R$458,00

T Shirt Midland

T Shirt Leeds

R$138,00

R$198,00

Bermuda Adam

Tênis Taylor Army

R$278,00

R$298,00

T Shirt Longview

Calça Skinny Veil A

R$158,00

R$458,00

Bermuda Água Dylan

Bermuda Água Urban

R$198,00

R$298,00


Calรงa Skinny Autria

Pulseira Alex

R$398,00

R$68,00

Calรงa Extra Skinny Boston A

Pulseira Alan R$78,00

R$458,00

T Shirt Johanson

Pulseira Charles

R$138,00

R$78,00

Cinto Mike Grey

Porta Isqueiro

R$168,00

R$78,00

T Shirt Lautner

Carteira Yann

R$148,00

R$148,00

Pulseira Harold Black

Case Bury iPhone 5

R$48,00

R$88,00


34


Metrossexualizalização do futebol

COMPORTAMENTO

EPIDEMIA doC R A Q U E A

- Bráulio Ivo e Jéssica Silva -

J

á faz algum tempo que o mundo do futebol caminha de mãos dadas com o universo da moda. O esporte mais popular do planeta influencia de forma direta as tendências através de seus astros, que estão sendo cada vez mais venerados e copiados. Estes

craques da bola têm afundado de vez com a ideia preconceituosa de que homem não pode ser vaidoso e ousado. Foi-se o tempo onde a preocupação com aparência era coisa só de mulher. O metrossexualismo, termo originado no final dos anos 90, pela junção das palavras metropolitano e heterossexual, é mais do que uma realidade na nossa sociedade contemporânea, é uma verdadeira tendência. E ninguém melhor do que os esportistas, especialmente, os jogadores de futebol, que vendem uma imagem de saúde e bem-estar, para protagonizarem essa nova exigência do mercado mundial da moda. Eles são ídolos das torcidas, heróis dos campos, exemplos para as crianças e sonho de consumo das mulheres. São referências suficientes para imprimirem uma nova “cara” àquela roupa, sapato, óculos, relógio e cuecas. As grandes marcas já se deram conta há algum tempo desta influência que as grandes estrelas do futebol possuem junto às massas e tem cada vez mais usado os atletas como modelos de suas campanhas publicitárias. Em entrevista ao site Uol, em julho de 2010, o estilista italiano da marca Dolce & Gabbana, Domenico Dolce , faz uma declaração interessante sobre o tema. “Acreditamos que os esportistas são os novos ícones de estilo hoje. É principalmente graças aos esportistas e, em especial, aos jogadores de futebol, que os homens mudaram o jeito de ver a moda”, declara. A marca já teve, diversas vezes, alguns jogadores da seleção italiana protagonizando sua campanha de underwear. O inglês David Beckham e o português Cristiano Ronaldo, ambos metrossexuais assumidos, também já foram garotos propaganda de diversas marcas, entre elas Armani, na qual o brasileiro Kaká também já foi modelo. E o que dizer de Neymar? O garoto se tornou um ícone e tem tido seu estilo copiado pelos quatro cantos do mundo. Seus seguidores já encaram numa boa monstros antes muito temidos, como a tintura de cabelo, a depilação, a escova progressiva e etc. O número de homens que aderem a este novo estilo masculino tem crescido surpreendentemente.Vaidosos, eles parecem cada vez mais distantes de antigas limitações e tabus impostos pela sociedade, como é o caso do jogador Felipe Augusto. “Eu me considero um pouco vaidoso sim. Acho importante cuidar da aparência, por isso, uso cremes e me depilo. Em relação ao meu estilo, gosto de variar as vezes, mas procuro seguir o padrão de jogador de futebol”, conta. Para o psicólogo Lucas Trindade, o homem vem aos poucos mudando a maneira de ver e se inserir no mundo. “A cada dia vemos surgir mais padrões comportamentais e novos termos como o metrossexualismo são criados. A maior responsável por isso é a mídia que tem um grande poder de convencimento sobre os telespectadores e tem despertado neles uma maior preocupação com a estética visual e corporal”, diz. Além de ajudar a criar um novo padrão de comportamento no universo masculino, esses novos “modelos” da publicidade mundial atingem em cheio o imaginário feminino. As mulheres, cada vez mais interessadas por futebol, ficam fascinadas ao verem os astros dos gramados de todo o mundo vestindo cuecas de grife, jeans de qualidade e ternos bem cortados. Pela quantidade de empresas que apostam na contratação de atletas para suas peças publicitárias, este bate bola entre moda e futebol parece mesmo estar dando certo. É como se os estádios de repente se transformassem nas novas passarelas.

35


Beleza

COMPORTAMENTO

HOMENS SE CUIDAM

QUE

- Jéssica Silva -

S

egundo o estudo “The State of Men”, 54% dos homens usam produtos de cuidado com a pele (hidrante e creme para a área dos olhos), 33% usam produtos para depilação, 39% usam hidrante labial, 24% usam máscaras faciais e 10% usam corretivos. A Duque listou alguns produtos que são essenciais para a hidratação da pele, confira.

O higienizador, da marca Nickel, é especializado no público masculino e é recém-chegado no Brasil, tem a finalidade de retirar as impurezas da pele. É recomendado que se utilize duas vezes ao dia (de manhã e a noite). R$92,00

Loção Esfoliante Skin Supplies For Men 4.5 Scruffing Lotion (loção tônica) – Clinique: R$79,00

O protetor solar Normatize Matte, da marca Ada Tina, tem a função primer e quando aplicado sobre a pele não ativa brilho nenhum, além de reduzir os poros. R$84,00

36

Sabonete Líquido 3 em 1 Sport (corpo, rosto e cabelo) – Nivea: R$9,00 (preço médio)

Sabonete Líquido 2 em 1 (cabelo e corpo) – Eudora: R$18,90

O hidrante Normaderm, da marca Vichy, é um hidratante para o rosto com efeito antiimperfeições. É recomendado para aqueles homens que têm a pela oleosa, isto porque, este produto tem o efeito primer (anti brilho). R$59,00


FLASH NA PASSAERELA

B U R B E R RY - Bráulio Ivo -

A grife londrina mostra porque faz sucesso até hoje nos corpos mais descolados do planeta.

C

onhecida por criar coleções de roupa social masculina, mas também casual e até esportiva, a Burberry é atualmente uma das marcas mais conceituadas do mundo e seu característico xadrez, reconhecido em qualquer lugar. Na tentativa de se aproximar do púbico jovem, o estilista Christopher Bailey tem criado coleções cada vez mais

modernas, mas sem abandonar sua habitual tradição. São roupas que trazem a atmosfera clássica que o homem tanto gosta, mas sem esquecer o toque de contemporaneidade. Em seu último desfile, Spring/Summer 2014, apresentado na London Fashion Week, a Burberry apostou em um mix de estampas como bolas, listras e o floral liberty – aquelas florzinhas miúdas – que deixaram a coleção com um aspecto bem atual. A alfaiataria proposta apresentou calças mais curtas que já vinham marcando presença, porém agora um pouco mais amplas, mas ainda assim dentro do conceito slim. Volumes foram mostrados apenas nos casacos meio “casulo”. Trench-coats e jaquetas também estiveram presentes celebrando o tradicional estilo britânico. Os acessórios apareceram bem coloridos, quebrando a formalidade de algumas composições. O vermelho, o verde, o azul e o amarelo foram usados em sapatos, gravatas e bolsas, mas tudo com uma base branca, bege e preta.

37


CRÔNICA

B R U TA M O N T E Estilo

- Thomaz Rocha -

A

ntônio era um daqueles caras brutos e machistas clássicos. Um arroto a cada lata de cerveja degustada era

praticamente um orgasmo. As mulheres que passavam ao seu lado se atraiam pelo jeito rude de ser. A cafonice parecia se tornar uma fantasia, quase erótica, em todo lugar que aparecia. Barba mal feita, parecia nunca ter tido contato com um aparelho de barbear ou uma tesoura. Uma mata atlântica se escondia debaixo dos braços. O vestir bem não fazia parte da vida de Antônio. Mas o que é vestir bem? Qual o manual ele devia acompanhar? A bíblia, talvez... Definitivamente, Antônio tinha uma beleza exótica. E outra coisa: Detesta veado. Pra ele, gay é uma coisa que estava muito longe dele. Se visse um cara “estiloso” no meio da rua, já era motivo para piadas e chacota. - Oh bichinha!!! - Tanta ignorância num mundo tão moderno. Será possível? Nosso personagem não conhecia o amor. Tem coisa mais piegas que o amor? Começou a namorar Márcia. O problema é que os dois não dariam muito certo. Ela, linda e delicada. Já ele um bronco e desleixado. Ninguém daria nada para os dois. Com a convivência, Márcia foi moldando Antônio. Cada um faz o seu estilo, mas uma pessoa criando estilo para outrem é a primeira vez que eu vejo. É verdade que o homem estava encantado com a mulher. A mudança começou pelas unhas cortadas e terminou pelas roupas novas. A luta foi difícil, mas o resultado foi legal: cabelos aparados, pele remoçada e sorriso no rosto. Talvez Antônio continuasse com os preconceitos que tinha, afinal de contas esse mal, que já saiu de moda há muito tempo, ainda insiste em habitar o convívio de várias pessoas neste mundo tão globalizado e moderno.


MESA DE COSTURA

ESTILO

: ou

VOCÊ TEM

ou

VOCÊ TEM! - Thatiane Pereira -

A

palavra moda vem da origem latina ‘’modus’’ que quer dizer exatamente ‘’modo’’. Apesar das tendências serem efêmeras e frenéticas, na moda ainda prevalece à pluralidade de opções e a subjetividade de cada um. Diferente do que pensa a maioria, a moda não dita àquilo que devemos ou não vestir, mas serve de parâmetro para novas

tendências e estilos. Respeitando sempre a singularidade de cada individuo, ela conduz ao bom senso nas escolhas trazendo harmonia nos looks. Seja qual for o estilo; formal ou informal, a moda se adéqua conforme a necessidade de cada um. Se antes moda para homens era vista como um ditador restrito ao universo feminino, hoje ela conseguiu romper barreiras de preconceito e ser tão útil para ambos os sexos. Aquela conversinha de que moda não é para mim é na verdade um preconceito do passado bem grotesco. Haverá sempre algo para extrairmos para nossa própria personalidade. Para entender melhor qual seu estilo, é necessário uma auto-avaliação por meio da profissão, dos lugares frequentados, tipo físico e dentre outros pilares, priorizando sempre o conforto e o bem estar. Vestir-se é a arte de dizer quem você é, e o que você quer dizer por meio de suas roupas. Todos possuem uma personalidade, consequentemente um estilo. Nossa produção selecionou algumas peças essenciais para se ter no guarda roupa e lhe direcionar na hora de escolher a melhor peça para determinada ocasião.

CAMISETAS – Tenha sempre à mão pelo menos duas brancas e duas pretas, além de serem usadas sozinhas podem ser combinadas com camisas por cima; BERMUDAS – As que nunca saem de moda e vão de verão a inverno são as do tipo cargo, por isso é aconselhável ter umas duas, uma mais clara, cáqui, por exemplo, e outra mais escura, podendo ser marrom ou verde oliva; JEANS – Claro que o clássico do que há de mais básico não poderia jamais ficar de fora do guarda-roupa de um ser humano. Tenha pelo menos duas calças jeans básicas. Calças jeans são como coringas e caem bem em várias ocasiões dependendo das combinações; CINTOS – Muito além da função de “segurar as calças”, o cinto é usado para separar o look entre a parte de cima e a parte de baixo, além de criar um contraste entre ambas as partes. O bacana é você ter um cinto social, para usar somente com calça social e um de lona ou couro para uma composição mais despojada com sarja ou jeans, por exemplo. BLAZER – Além de clássico é básico. O blazer combina praticamente com tudo, tenha dois no seu closet, um para o verão de tecido mais leve como uma gabardine e outro para o inverno. Quanto às cores, azul marinho costuma ser o curinga dos curingas. CAMISA XADREZ - estão com tudo e não é só no inverno ou São João, hein?! Você pode sobrepô-las com camisetas, de preferência lisa; JAQUETA DE COURO – mesmo que você não seja adepto da moda sertaneja, não custa ter uma jaqueta de couro marrom ou preta no armário, no inverno ela será um charme total. CAMISA POLO – caem super bem para ocasiões não-formais, mas que pedem algo além da camiseta básica. Entre lisas e com estampas, se você terá um ou duas peças, prefira as lisas; CARDIGÃ – de volta, esta peça caiu no gosto de muito artista e vai cair bem no seu armário também. Por ser leve pode ser usado também no verão e ajuda a compor visuais informais e formais dependendo da combinação. CALÇA CHINO - a calça de algodão, inspirada na rebelião dos boxers na China em 1900, é uma ótima opção para variar do jeans quando se quer um look menos formal e mais confortável. A dica é ter pelo menos uma na cor cáqui ou verde oliva, que combinam com tudo.

39


BLOG GAROTO DE GRIFE

Quero

COMPRAR ESTILO, tem jeito ? Sempre recebo e-mails, principalmente de adolescentes, com pedidos de dicas de estilo: como e onde comprar peças, a melhor forma de combiná-las e, até muitas vezes de como mudar completamente o guarda-roupas, ou seja, querendo comprar estilo. A verdade é que não funciona bem assim, principalmente quando somos tão jovens, pois passamos por constantes mudanças de comportamento, que influenciam diretamente na maneira como encaramos a vida e como gostaríamos que ela nos encarasse: você é aquilo que você veste? Quando falamos de estilo, nos referimos ao comportamento e sua roupa mostra muito sobre isso. Você não precisa vestir a jaqueta, a bota e o jeans do momento para fazer parte do que é ser estiloso, Comprar ou não comprar? Eis a questão. É necessário saber o que se precisa e não só achar ou então apenas querendo gastar, independente se vai até a loja ou comprando pela internet, a questão é: Porque você vai comprar? Como você vai usar essa determinada peça e adaptá-la a seu estilo? Meu conselho é: Olhe para você, se conheça, abra seu guarda-roupas e analise tudo o que você tem e o que você usa. Espero que tenha conseguido expor meu ponto de vista de maneira clara pra vocês. Abraços e ótima semana!

Rodrigo Perek - Blog Garoto de Grife www.garotodegrife.com @garotodegrife @rodrigoperek

40


Dejota Miranda

EDITORIAL


43


Savile Row

BERÇO DA ALFAIATARIA

CORREDOR A L FA I A T E S o

dos

- Bráulio Ivo -

Se os franceses fazem haute couture, em Savile Row it´s all about tailoring.

U

ma estreita rua no bairro chique de Mayfair, área central de Londres, é o endereço certo para homens que querem adquirir um bom terno. Casa da tradicional alfaiataria britânica, nenhum outro lugar no mundo supera o charme e a tradição de suas lojas. Savile row começou a ser construída em 1731, mas foi no século XVIII que o dândi Beau Brummell, famoso por contribuir para a evolução da moda masculina naquele período, começou a instigar no inglês, a paixão pela alfaiataria feita nessa rua. A forte ligação com a monarquia britânica também é marca registrada do lugar. A Gieves & Hawkes, fundada em 1771, é a loja preferida do Príncipe Charles e do Duque de Edimburgo. Ainda em 1809, durante o reinado de Jorge III, o estabelecimento recebeu seu primeiro Royal Warrant, título concedido a empresas que servem à família real.

46

Na década de 60, Savile Row se tornaria ainda mais famosa ao inaugurar a Nutters of Savile Row, do lendário Tommy Nutter. Era ele quem vestia personalidades como Mick Jagger, Jimi Hendrix, Bob Dylan e os Beatles, que davam uma passada em seu ateliê ao sair do estúdio de gravação que ficava no número três da mesma rua. A loja ainda está na ativa, sempre moderna e atualizada.

Graças a este histórico glamuroso e a seus inúmeros clientes ilustres, o local se tornou uma espécie de destino de alta-costura para homens, a meca dos adeptos da elegância discreta e da alfaiataria bespoke, o nosso famoso “feito sob medida”. Mas em Savile Row, não se usa um molde padrão que será ajustado no corpo do freguês, lá, a modelagem é feita nas medidas exatas do cliente. É uma roupa exclusiva e que não raro pode demorar meses para ficar pronta. Um profissional que deseja se tornar membro deste seleto grupo de alfaiates passa por um teste detalhado, no qual é necessário costurar um terno manualmente, fazer os protótipos em papel e oferecer opções em dois mil tecidos diferentes e justificar cada uma delas. Ou seja, não é para qualquer um. Por isso, o preço dos ternos custa em média seis mil dólares. Entre estas e outras, Savile Row atravessa séculos deixando seu nome fixado na história da moda como o símbolo máximo da elegância masculina.


Gieves & Hawkes  A loja é uma das mais famosas e tradicionais. Tem como clientes membros da realeza e celebridades internacionais, como David Beckham e o campeão da F-1 Jenson Button. Foi a primeira a receber o Royal Warrent. 01 Savile Row http://www.gievesandhawkes.com/ Henry Pooler & Co.  Entre os clientes famosos, já figuraram nomes como o Imperador Napoleão III, a Rainha Victoria, o escritor Charles Dickens e o primeiro-ministro inglês Winston Churchill 15 Savile Row https://henrypoole.com/ H. Huntsman & Sons  É uma das poucas a ter o selo real, título adquirido em 1865. Também tem a reputação de ter o preço inicial mais caro por uma roupa de duas peças na região: 4,5 mil libras ou R$ 14 mil. 11 Savile Row http://www.h-huntsman.com/


Justin Randall Timberlake: Príncipe do pop

OLIMPIANOS

SEX APELL

REIdo

- Alessandra Faustino -

A

ssim como nos grandes espetáculos gregos, os artistas nunca dispensam um figurino atraente para complementar suas performances. Seja o brilho explorado pela era disco nos anos 70, ou as meias arrastão usadas pelos punks da década de 80. Os grandes lançadores de tendência sempre viveram ali, no mundo do entretenimento e

principalmente atrás do microfone. Aos 10 anos, Justin Randall Timberlake, começava a traçar seu caminho pela encruzilhada da fama. Não apenas cresceu sob os flashs das câmeras como amadureceu perante nossos olhares. O garoto de blusa listrada e jeans largos de 12 anos do Clube do Mickey começava a se destacar no palco. Aos 14 anos, com o fim da atração da Disney, passou a integrar a boyband N’SYNC. Os figurinos chamativos, as roupas largas e metalizadas continuavam a ser marca registrada do garoto de cabelos encaracolados. Com o fim da banda, Justin se reinventou e com isso mudou suas roupas. O adolescente do Tennessee tornou-se o galã da Billiboard. Depois de seis anos sem entrar no estúdio, Justin voltou trazendo o “SexyBack” de 2004 para o “The 20/20 Experience” e “2 of 2”, terceiro e quarto álbum da carreira.

19

48


“Ele cresceu, largou o jeans largo e

as roupas extravagantes da época do N’Sync e adotou uma linha mais blasé. Conforme seus discos eram lançados o caminho de seus figurinos também acompanharam o amadurecimento de seu trabalho. Justin realmente trouxe a sensualidade de volta em 2004. As roupas usadas nas novas apresentações não fogem da sua nova identidade, ele continua fundindo sua música e suas roupas em uma linha tênue entre o retrô e a modernidade

– Cecília Torres, Design de Moda.

996...

...2013


Sente-se e sinta-se à vontade. Aguarde um instante, por favor, já vamos lhe atender. Você já soube que sou o faz tudo nesta cidade? Não se preocupe, faço barba e bigode. É por conta da casa. Deixe-me apenas contar um pedaço dessa história. Você não vai se arrepender.

51


Barbas

ESPECIAL

Barba aqui, barba ali, barba em cima, barba em baixo.

T

er barba já foi moda, já foi cafona e nos últimos

fragilidades. A “Barbalândia” seria uma forma do homem

tempos voltou a ser item básico no visual do

entrar em contato com seu lado mais primitivo e levar

homem estiloso. Mas engana-se quem pensa que

uma vida mais natural, mais masculina”, conclui Eshun

o rosto coberto de pêlos é simplesmente mais um vaivém do gosto masculino. O resgate da barba diz muito sobre o homem do nosso tempo. Nos tapetes vermelhos e nos muitos locais de concentração de celebridades percebese a presença massiva dela entre os mais belos e bemsucedidos homens. O Oscar 2013 não nos deixa mentir. Atores como George Clooney, Ben Affleck, Paul Rudd, Bradley Cooper, Hugh Jackman compareceram todos à premiação, barbudos como nunca. Ela está dominando também

nas

passarelas

e

campanhas

publicitárias

das mais prestigiadas grifes, sempre associadas aos diferentes estilos de roupas, sapatos e acessórios. Jogadores de futebol como David Beckham e Gerard Piqué também aderiram à moda, assim como várias celebridades brasileiras, entre elas, o it boy do momento: Caio Castro. Percebendo

em um artigo publicado em abril na revista Esquire. Talvez a barba seja o símbolo de poder e virilidade mais arraigado no imaginário da humanidade. No Egito Antigo, os membros mais abastados da sociedade cultivavam os pelos faciais para demonstrar sua superioridade enquanto os

sacerdotes a depilavam. Na Grécia, os

cidadãos também andavam sempre barbudos. Basta ver as reproduções dos bustos de filósofos como Platão, Aristóteles e Sócrates. Porém, nesta época, o rei Alexandre, O Grande, proibiu a barba no país durante a dominação macedônica com o argumento de que os cuidados com os pelos poderiam trazer desvantagens nos combates. Na civilização romana, a barba era um dos ritos de passagem mais importantes para os homens: quando os meninos atingiam a puberdade, raspavam todos os pelos do corpo e os ofereciam aos Deuses.

essa

tendência

o

fotógrafo

britânico

Na Idade Média, os clérigos da Igreja Católica raspavam

Jonathan Daniel Pryce andou pelas ruas de Londres

o rosto para diferenciar-se dos religiosos ortodoxos

fotografando homens barbudos. O trabalho deu origem

e judeus. Em algumas religiões a barba é, ainda hoje,

ao Tumblr 100 beards (100 barbas) e já virou até livro.

símbolo de status e sabedoria.

Já o jornalista britânico Ekow Eshun escreveu sobre o que chama de “Barbalândia”, um movimento que cresce entre os homens e vai além da preocupação com a moda e beleza. Segundo ele, o retorno da barba diz muito sobre a masculinidade contemporânea. Em 2010, as mulheres tornaram-se maioria no mercado de trabalho norteamericano e um artigo da revista Atlantic, denominado “O Fim dos Homens”, apontava que os papéis tradicionais dos homens dentro da família, de provedor e chefe da casa, estavam desaparecendo. “O uso da barba é uma forma de reação masculina diante das suas próprias

No final do século XIX, quando um sujeito chamado King Camp Gillette inventou as lâminas descartáveis de barbear, rosto liso passou a ser sinônimo de asseio e capricho. Hoje, as motivações para o uso da barba podem ser as mais variadas, assim como as explicações sociológicas

e

antropológicas

que

tentam

explicá-

la como uma tendência fashion e de comportamento entre os homens contemporâneos. Fato é que usá-la se transformou em mais um canal de expressão do homem. Tal manifestação se inicia na puberdade, fase que marca


53


a transição da infância para a adolescência. Esta etapa é uma época de várias descobertas para os homens. O jovem fica com a voz mais grossa, aumenta a massa muscular e aparecem os primeiros pelos no corpo. A barba cresce e junto com ela uma nova etapa da vida. O estudante de jornalismo, Bruno de Castro, 18, faz uso da barba desde aos 16 anos, época em que surgiram os primeiros pelos no rosto. “No começo, minha barba era bem falha. Bem esquisita”, aponta. Tanto tempo com barba requer um cuidado especial, mas Castro garante que não dá muito trabalho. “Sou bem cuidadoso. Eu lavo e penteio para ela não embolar. Gosto bastante de cuidar dela. Não dá muito trabalho não. Sempre aparo o bigode, uma vez por semana, para não ficar em cima da boca”, afirma. Bruno ainda conta que a barba não é apenas símbolo da moda. “A barba significa status e respeito. As pessoas te respeitam mais com barba do que com carinha de neném, ainda mais hoje num mundo de aparências. Se você aparenta ser mais velho, você tem muito mais poder na fala”, disse. Um motivo principal, no entanto, não deve ser esquecido: o gosto feminino, afinal, fazer sucesso com as mulheres é um desejo masculino desde sempre. De acordo com algumas pesquisas, deixar crescer os pelos no rosto pode ser, sim, uma boa estratégia para atrair os olhares da mulherada. Estudo conduzido pela University of New South Wales, na Austrália, revelou que é mesmo dos barbudos que elas gostam mais. Fotos de 10 homens foram mostradas a 351 mulheres, que apontaram, majoritariamente, os homens com barba de 10 dias como seus preferidos. E olhe que nem eram imagens de barbados ilustres, mas de homens comuns. Pelo que parece a barba agrada mesmo, mas fique atento, ela não deve ser malfeita, com pêlos ressecados, ásperos e formato desalinhado. Em tempos de vaidade masculina liberada e incentivada, a barba virou mais um item que requer cuidados e mimos por parte de seu dono. Pode ser que seja sinônimo de virilidade e masculinidade, mas nunca

Bruno de Castro - Foto por Thomaz Rocha

pode ser sintoma de desleixo.


CUIDE

B E M d a S UA

BARBA

A

ssim como o cabelo, a barba também acumula impurezas ao decorrer do dia. Os pelos em volta da boca tem contato com alimentos, por isso é muito importante manter uma higienização diária com sabonetes neutros, que ajudam a remover a sujeira que a barba e a pele recebem durante o dia. Barbas grandes podem aumentar a oleosidade da pele, o que pode ocasionar o surgimento de acne.

Nesse caso é ideal consultar um especialista para indicar produtos ou tratamentos com antibióticos, descartando a necessidade de tirar a barba por completo. A oleosidade também pode ocasionar “dermatite seborreica”, a famosa caspa. Existem diversos produtos que ajudam na higienização da barba, escolha os indicados para seu tipo de pele, mas é importante consultar um dermatologista. Aparar a barba também faz parte de uma boa higienização, além de moldar o formato do rosto. O corte pode ser feito usando tesoura e um pente para auxiliar, mas é preciso ter cuidado para evitar falhas. Se não quiser arriscar, procure um bom profissional. As maquininhas de barbear ajudam a reduzir o volume da barba, além disso, esses aparelhos nivelam o tamanho da barba, deixando-a com melhor aspecto.

A DUQUE selecionou para você, leitor que não dispensa os cuidados com a barba, cinco dicas de produtos que ajudarão na manutenção e conforto para este ritual sagrado.

1

Uma boa limpeza

Barbeadores descartáveis são as opções mais baratas para cuidar

controlar o problema e também evitar o surgimento de cravos e

da barba, e devem ser usados mais ou menos quatro vezes, para

espinhas na região, além de pelos encravados, uma boa limpeza

que as lâminas não fiquem desgastadas e machuquem o rosto.

é essencial. Os poucos segundos que levará lavando o rosto, te

Esse barbeador possui quatro lâminas mais finas, fazendo com

garantirá uma pele bem cuidada. O sabonete La Roche Posay

que aja um corte mais preciso e menos irritação da pele. Gillette

da linha Efaclar, é ideal para pele oleosa ou com tendência a

Fusion Pro Glide Manual - Kit com 2 lâminas por R$24,90

La Roche posay, Efaclar R$22,00.

3

Aparelho

Barbas mais compridas tendem a deixar a pele mais oleosa. Para

espinhas. Seu efeito é de limpeza durante todo o dia. Sabonete

2

4

Auxiliando o processo

5

Para auxílio do barbear ou manutenção Para os que gostam de usar barba cerrada, uma boa alternativa são os aparadores elétricos. Podendo ser usado também antes

Existem três tipos de espuma para barbear no mercado: mousse,

do barbeador com o intuito de facilitar o barbear. Indolores, fazem

mais indicado para quem tem pele oleosa, e gel ou creme, para

o serviço de forma super eficiente. Esse modelo de aparador pode

os que têm pelo normal ou seco. O creme de barbear age junto

ser ajustado em diversos cortes e tem a praticidade de ser levado

com o lubrificante do aparelho de barbear, o que ajuda a deslizar

na mala de viagem já carregado, sem risco de deixar na mão.

com maior facilidade. Creme de barbear Natura Homem: R$19,90

Aparador de pelos Philips. R$89,90 o kit com 10 peças

Finalizando O pós-barba ajuda a fechar os poros e alivia a irritação provocada pelo atrito da lâmina com a pele. Para peles mais sensíveis, o ideal é optar por produtos que não contém álcool em suas formulações. Gel pós-barba Natura Homem R$22,90,

55


Isaiah WEBB:

MalabaristaCAPILIAR

U

m norte americano de 29 anos tem atraído a atenção dos internautas através de seu canal “Incredibeard”. Isaiah Weeb molda e mostra as diversas aplicações que podem ser feitas com sua imensa barba. Dentre

os váriovs vídeos postados, Weeb mostra penteados exclusivos, que funcionam como acessórios ou até mesmo suporte para alimentos. O jovem ficou famoso após publicar um vídeo no qual come macarrão utilizando a barba como suporte, o vídeo já foi visto mais de 590 mil vezes. A barba do norte-americano, que mora em São Francisco, na Califórnia (EUA), está crescendo há 15 anos, e ele utiliza uma cera fixadora para estiliza-la.

Weeb divulga novas criações com sua barba

todas as segundas em seu perfil no Instagram, “Incredibeard”, com a hashtag #Monbeardday, um trocadilho com palavras em inglês que significam segundafeira, barba e dia. “Para você realmente entender isso, você deve deixar crescer a barba por, pelo menos, seis meses. Depois de seis meses, você começa a se sentir como uma criança. Você tem pesadelos sobre perder a barba por acidente. Depois de seis meses, você nunca mais vai querer ficar sozinho - eu quero dizer sem barba - mais uma vez”.

osDEUSES daBARBA Do formal ao excêntrico. Longas com trança, curta com estrelas, pontudas, onduladas, naturais, cortadas. Infinitos são os modelos encontrados no campeonato mundial de barbas. Quanto maior a ‘’esquisitice’’ e a criatividade, maior é a chance de uma boa qualificação. Com diversas categorias entre bigodes e barbas, o concurso criado em 1990 na Alemanha por um pequeno grupo de ‘’barbudos’’ desconhecidos, tem como objetivo a popularização e a valorização dos pelos faciais, tudo de forma bem artística. O segundo evento aconteceu cinco anos após a primeira edição também na Alemanha. A parti desse, as competições passaram a ser realizadas a cada dois anos e os s países participantes; Inglaterra, Noruega, França, Alemanha e alguns norte americanos se organizaram em delegações e seus respectivos clubes de barba e bigode. Nesse ano as competições aconteceram em Leinfelden-Echterdingen, no sul da Alemanha com 200 competidores de 20 países. Para dar mais vida as produções, os participantes abusaram das roupas que compunham o significado de suas barbas. Dentre as mais diversas categorias, o participante alemão Dieter Besuch venceu o Campeonato Mundial na categoria “Barba parcial estilo livre”. O fotógrafo Greg Anderson que havia participado da competição de barba e bigode dos Estados Unidos em 2012 voltou em New Orleans sede da competição de 2013 apenas para tirar fotografias dos participantes, o sucesso da galeria foi tanta que Greg se tornou o fotógrafo oficial da competição em 2014. Os ilustres personagens que Greg capturou com as lentes de sua câmera mostram que não há limites para os cuidados e a arte da barba. O Importante é que os participantes divitamse com ela e quem sabe, levem um troféu para casa!


ARLEQUIIM

MELHOR MANEIRAdeSE ? VESTIR QUALa

- Amanda Fernandes -

Q

uando falamos em homens elegantes e bem vestidos, não referimos somente a aqueles que usam terno e a gravata e sim, a aquele que escolhe bem a roupa que combina com o ambiente em que frequenta. É preciso ficar atento aos detalhes e aos cortes das roupas. Nem sempre as peças que os deixam mais confortáveis são aquelas

que favorecem a sua silhueta. Da mesma forma, é preciso prestar atenção nos acessórios, pois, eles podem não estar de acordo com aquilo que deseja projetar. A consultora de imagem Lu Moraes, dá algumas dicas para quem quer se vestir bem. “É necessário ficar atento ao que deseja mostrar e o que gostaria de esconder, assim facilita na hora de escolher o que vestir. Todas as regras podem encontrar uma exceção, mas é importante manter o bom senso”, explica. Conheça suas medidas e formas para reconhecer seu estilo e ao se vestir contextualize com sua personalidade, e claro, fique ligado às tendências da moda.

58


MEIAS - As meias brancas esportivas com sapato social ou meias coloridas com

sapatos

de

cor

clara

não

combinam né? O sapato social só combina com meia social. Com todo o resto, usa-se meias casuais. Com tênis, meia esportiva branca. BERMUDAS - As bermudas são itens informais, devem ser usadas em ambientes

descontraídos.

Procure

encontrar um equilíbrio expondo seus joelhos e cobrindo suas coxas. ÓCULOS

- Se o uso for diário é

necessário escolher

o que está de

acordo com seu rosto e estilo, caso contrário

pode

ser

uma

escolha

desastrosa. Os óculos de sol são um assessório e é preciso saber em quais ocasiões usá-lo. A ideia é que ele faça parte de toda composição do look. GOLAS - As golas podem alongar ou encurtar o colo e o pescoço, por isso vale a pena escolher golas que não fiquem muito justas. GRAVATAS - As gravatas devem ser utilizadas em locais formais como empregos (quando o uso é exigido) e em festas (que o traje é necessário).


PALAVRA DA MODA

W O R D S - Mariene Saraiva -

O mundo da moda assim como em outros setores tem seus termos específicos, que são usados com mais freqüência entre os profissionais da área. Como se trata de um assunto agradável a muitos, esses termos vêm sendo usados frequentemente mesmo que seus significados não sejam conhecidos por todos. Escolhemos alguns dos mais utilizados pelos profissionais para acrescentar ao conhecimento de nossos leitores amantes da moda.

CARGO

FITNESS

É um estilo inspirado em uniformes militares, com bolsos e

É o estilo de roupas para academia, esporte e lazer.

modelagem ampla.

FOLK É o estilo de roupas inspirado nas tradições folclóricas de

TRENDSETTER É quando a pessoa é trend, ou seja, quando ela lança tendências e está sempre por dentro da moda. CARDIGÃ É um casaquinho de lã com gola baixa e redonda, abotoado na frente. “DO IT YOURSELF” Em português significa “Faça você mesmo”. O DIY é usado para nomear tutoriais que ensinam a fazer ou customizar alguma roupa ou sapato. BOOK É o portfólio ou arquivo de fotos de um modelo. BOOKER É o responsável pelo agenciamento de modelos. FASHIONISTA É a pessoa que está intimamente envolvida com a moda, que segue tendências e que conhece a fundo o mundo fashion.

determinadas regiões ou povos. LINE-UP É a programação de um evento. OVERSIZED O termo é usado para peças ou acessórios de tamanho grande. PREVIEW É a pré-visualização de uma coleção, na qual, os estilistas têm a oportunidade de analisá-la. STONE WASHED É o nome designado a uma lavagem que utiliza pedras para criar peças com um estilo que lembra o usado e o desgastado. VINTAGE É o estilo que propõe a recuperação do que é antigo. HI-LO (LÊ-SE “RÁI-LOU”) Gíria da moda usada para definir o estilo de alguém ou de alguma produção que combina peças caras e baratas. HYPE (LÊ-SE “RÁIPE”) É o adjetivo utilizado para alguma peça que esteja fazendo sucesso na época.

60


Naranjalidad



Duque 1#